OBSERVATÓRIO DO PERCURSO PROFISSIONAL DOS DIPLOMADOS DA UTAD

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "OBSERVATÓRIO DO PERCURSO PROFISSIONAL DOS DIPLOMADOS DA UTAD"

Transcrição

1 OBSERVATÓRIO DO PERCURSO PROFISSIONAL DOS DIPLOMADOS DA UTAD UTAD 2011

2 OBSERVATÓRIO DO PERCURSO PROFISSIONAL DOS DIPLOMADOS DA UTAD ( ) O. Enquadramento As políticas públicas de ensino superior identificaram como objetivos prioritários a melhoria da qualidade e a relevância das formações oferecidas, estruturados num sistema de garantia da qualidade reconhecido internacionalmente. A implementação de mecanismos de promoção da qualidade, de sistemas de avaliação e de acreditação e a ligação das instituições ao mercado de trabalho constituem, de igual modo, recomendações expressas por organizações internacionais. Este cenário de adoção de políticas de qualidade no interior das instituições de ensino superior exige que se equacionem mecanismos de garantia e promoção da qualidade e, num quadro de uma cultura de prestação de contas, a divulgação da informação à sociedade. Este desafio decorre da recente evolução do ensino superior português e a sua adequação ao espaço europeu, cujo sucesso depende da capacidade das instituições em apreender o espírito de mudança e de se adaptar às novas exigências, sublinhando a necessidade de definição de sistemas de gestão da qualidade que integrem o sucesso educativo, a qualidade pedagógica e a empregabilidade da oferta educativa. Foi neste contexto que a UTAD criou o Observatório do Percurso Profissional dos Diplomados tendo como missão principal acompanhar a atividade profissional dos antigos estudantes da instituição. Num primeiro relatório, foi analisada a informação dos diplomados no período compreendido entre 1998 e 2002 e agora publicam-se os resultados relativos ao quadriénio , evidenciando as principais preocupações relacionadas com a sua inserção no mercado de trabalho. No entanto, este período de análise está a ser ampliado aos anos mais recentes, numa estratégia articulada com o recentemente criado gabinete Alumni UTAD de apoio aos antigos estudantes, visando reunir informação adicional para apoiar a definição de futuras políticas e estratégias educativas.

3 1. Nota técnica Este relatório considera linhas orientadoras que contribuem para o exercício da avaliação e reforça a crescente cultura generalizada de avaliação da qualidade, numa operação sustentada numa recolha individual de dados entre os diplomados pela UTAD no período de , permitindo um acompanhamento contínuo de um desafio que a sociedade coloca à Universidade. Desde logo, reúne informação básica sobre a situação atual dos diplomados perante o emprego, considerando a tipologia de emprego, o número de empregos que tiveram até à data, as funções profissionais desempenhadas, o vínculo contratual, o tempo de permanência no emprego e a remuneração auferida, bem como a estratégia seguida para a obtenção do emprego. Considera ainda os principais fatores que favoreceram a obtenção de emprego, os motivos que determinaram a eventual mudança de emprego e o seu grau de satisfação. A opinião dos diplomados sobre o curso e o conhecimento das suas necessidades formativas num quadro de aprendizagem ao longo da vida, associadas aos principais aspetos que devem ser reforçados ou alterados no curso que frequentou, são indicadores que podem contribuir para uma discussão mais alargada com repercussões na melhoria da qualidade de ensino e da oferta educativa da Universidade. Trata-se de um documento de trabalho em progresso que pode ser sujeito a contínua melhoria e atualização, incluindo no futuro as reflexões dos atores internos envolvidos na estratégia educativa e integrar eventuais interpretações e perspetivas sobre os resultados obtidos. Pode, de igual modo, constituir um referencial a considerar em estudos posteriores neste ambito e no desenvolvimento de orientações operacionais mais eficazes que permitam construir com maior clareza e solidez uma visão estratégica do futuro da instituição. A informação apresentada no relatório, no formato de quadros estatísticos, está estruturada em sectores fundamentais: a situação perante o emprego incluindo o percurso profissional; a opinião sobre o curso; e a aprendizagem ao longo da vida, sendo que o principal objetivo foi o de avaliar o impacto da oferta educativa na sociedade e as questões relativas à inserção e ao percurso profissional dos diplomados no mercado de trabalho. Sem prejuízo de outras análises mais detalhadas os dados são acompanhados de umas breves notas. 2. Metodologia Este relatório constitui uma base essencial de informação para a construção dos principais indicadores que integram o Observatório do Percurso Profissional dos Diplomados da UTAD, seguindo procedimentos metodológicos adoptados por instituições de referência no âmbito de estudos de natureza censitária. O universo de inquiridos incluiu os diplomados na UTAD que concluíram o seu curso no período compreendido entre 2003 e 2007, num total de 4293.

4 O processo exigiu uma atualização dos dados e das moradas dos diplomados que integraram o universo a inquirir, o qual se revelou insuficiente face ao número de inquéritos devolvidos. Quanto ao suporte e instrumentos de inquirição, o inquérito foi disponibilizado em suporte de papel, garantindo a confidencialidade da informação e o anonimato, tendo sido enviado por via postal. O questionário foi distribuído em 2009 e o tratamento da informação foi efetuado em Os dados recolhidos foram agrupados numa única base de dados e, posteriormente, analisados recorrendo ao programa Statistical Package for the Social Sciences (SPSS). 2. Caraterização da amostra No domínio da constituição do universo e taxa de resposta, a operação de inquérito agrupou os inquiridos em oito áreas científicas: Ciências Agrárias e Veterinárias (), Ciências Sociais e Serviços (CSS), Ciências Empresariais (CE), Ciências da Educação (CED), Ciências da Vida (CV), Ciências do Ambiente (), Ciências do Desporto (CD) e Ciências e Tecnologia (CT), tendo sido validadas 1081 respostas, correspondendo a uma taxa de resposta de 25% (Quadro 1, Gráfico 1). QUADRO 1: AMOSTRAGEM POR ÁREA CIENTÍFI. ÁREA CIENTÍFI NÚMERO DE DIPLOMADOS Nº RESPOSTAS (n) ( ) Ciências Agrárias e Veterinárias () Ciências Sociais e Serviços (CSS) Ciências Empresariais (CE) Ciências da Educação (CED) Ciências da Vida (CV) Ciências do Ambiente () Ciências do Desporto (CD) Ciências e Tecnologia (CT) TOTAL % TAXA DE RESPOSTA (%) 24% 6% CV 8% CD 8% CE 8% CED 23% CT 12% CSS 11% GRÁFICO 1: DISTRIBUIÇÃO GLOBAL DAS RESPOSTAS VALIDADAS.

5 Num primeiro momento, apresentam-se alguns dados sobre o ano de conclusão do curso, género, grupo etário e área geográfica de residência, visando caracterizar a amostra. Verificase que os diplomados que responderam ao questionário distribuem-se de forma equitativa pelos cinco anos em estudo (Gráfico 2), sendo maioritariamente do género feminino e do escalão etário situado entre os 26 e 30 anos de idade (Gráficos 3, 4) % % % GRÁFICO 2: DISTRIBUIÇÃO DOS DIPLOMADOS POR ANO DE CONCLUSÃO DO CURSO. Masculino 32% Feminino 68% 60% 12% 21% 4% 2% 25 anos anos anos anos > 40 anos GRÁFICOS 3, 4: DISTRIBUIÇÃO DOS DIPLOMADOS POR GÉNERO. DISTRIBUIÇÃO DOS DIPLOMADOS POR GRUPO ETÁRIO. Quanto à área geográfica de residência, 69% dos diplomados inquiridos reside no Norte do País, sendo que 25% no distrito de Vila Real, 22% no Porto e 13% em Braga (Gráfico 5). GRÁFICO 5: DISTRIBUIÇÃO DOS DIPLOMADOS POR ÁREA GEOGRÁFI.

6 3. Situação atual perante o emprego A taxa de empregabilidade dos diplomados foi de 85%, registando-se valores mais elevados (superior a 90%) nas Ciências e Tecnologia e Ciências Empresariais (Gráficos 6, 7; Quadro 2). Empregados 85% Estudantes 2% Desempregados à procura de novo emprego 11% Desempregados à procura do 1º emprego 2% GRÁFICO 6: SITUAÇÃO ATUAL DOS DIPLOMADOS PERANTE O EMPREGO. 89% 9% 2% CSS 78% 4% CE 91% 8% 1% CED 80% 19% 1% Empregados Desempregados Estudantes CV CD 80% 86% 88% 15% 14% 11% 5% 1% CT 92% 6% 2% TODAS AS ÁREAS 85% 13% 2% GRÁFICO 7: SITUAÇÃO ATUAL DOS DIPLOMADOS PERANTE O EMPREGO, POR ÁREA CIENTÍFI. QUADRO 2: SITUAÇÃO ATUAL DOS DIPLOMADOS PERANTE O EMPREGO. ÁREA CIENTÍFI CSS CE CED CV CD CT TOTAL Empregados Empregados no 1º Emprego Empregados noutro emprego Desempregados Estudantes

7 A análise dos diplomados que se encontram atualmente empregados, revela que 52% se encontra a desenvolver a atividade profissional na Região Norte (Gráfico 8) e 65% exercem funções na atual empresa há mais de um ano (Gráfico 9). 0% 10% 30% 40% 50% 60% 70% 80% 90% 100% 49% 10% Norte Centro Lisboa e Vale do Tejo CSS CE CED 51% 71% 53% 15% 10% 13% Alentejo e Algarve Açores e Madeira Outro País CV CD 46% 62% 33% 15% 28% 15% 11% 13% 15% CT 52% 12% TODAS AS ÁREAS 52% 15% GRÁFICO 8: LOLIZAÇÃO GEOGRÁFI DAS ENTIDADES EMPREGADORAS. 88% 22% 75% 39% 57% 56% 39% 73% 62% 52% 55% 42% 38% 37% 23% 31% 65% 10% CSS CE CED CV CD CT TODAS AS ÁREAS Período até 1 ano Período superior a 1 ano GRÁFICO 9: TEMPO DE PERMANÊNCIA NO ATUAL EMPREGO. Na perspetiva da tipologia das entidades empregadoras, a maioria da oferta de emprego é proveniente do setor privado, embora se registe um número elevado de diplomados que exercem funções em órgãos de administração pública central e regional, com maior incidência nas Ciências da Educação, Ciências da Vida e Ciências do Desporto (Gráfico 10).

8 100% 90% 80% 70% 60% 50% 40% 30% 10% 0% 76% 52% 25% 78% 43% 38% 12% 86% CSS CE CED CV CD CT TODAS AS ÁREAS Empresa Privada Empresa Pública Órgãos Administração Pública Central e Regional Órgãos Administração Pública Local Instituto Público Outro 76% 58% 82% 56% 23% GRÁFICO 10: TIPOLOGIA DAS ENTIDADES EMPREGADORAS. Quanto ao tipo de vínculo estabelecido com as entidades empregadoras destaca-se o contrato permanente nas Ciências Agrárias e Veterinárias, Ciências Empresarias e Ciências e Tecnologias, sendo o contrato a prazo mais valorizado nas Ciências Sociais e Serviços, Ciências da Educação, Ciências da Vida, Ciências do Ambiente e Ciências do Desporto (Gráfico 11). Nas Ciências Agrárias e Veterinárias a criação do próprio emprego assume maior significado em relação às restantes áreas. 0% 10% 30% 40% 50% 60% 70% 80% 90%100% Contrato permanente Contrato a prazo Prestação de serviços Em estágio CSS CE CED 40% 34% 36% 65% 19% 15% 49% 24% 54% Á experiência Criação do próprio emprego Negócio de família Outro CV CD CT 36% 14% 50% 83% 40% 68% 33% 15% TODAS AS ÁREAS 37% 42% GRÁFICO 11: TIPO DE VÍNCULO COM A ENTIDADE EMPREGADORA. Os conhecimentos pessoais e o acesso a concursos públicos foram os meios mais utilizados para a obtenção de emprego (Gráfico 12), sendo que a resposta a anúncios e a iniciativa a candidaturas espontâneas mostra bons resultados em determinadas áreas científicas.

9 0% 10% 30% 40% 50% 60% 70% 80% 90% 100% CSS CE CED CV CD CT TODAS AS ÁREAS 15% 21% 23% 13% 29% 10% 12% 26% 17% 43% 36% 23% 71% 85% 26% 27% 24% 24% 22% 12% 27% 14% 15% 17% 24% 13% 11% 12% Resposta a anúncios Concurso Público Conhecimentos pessoais Candidatura espontânea Centro emprego UTAD/GAIVA Estágio profissional Criou uma empresa Outro meio GRÁFICO 12: MEIOS UTILIZADOS NA OBTENÇÃO DO ATUAL EMPREGO. Os resultados mostram existir uma relação estreita entre as funções desempenhadas no emprego e a formação adquirida no curso em todas as áreas em estudo (Gráfico 13). No entanto, um número considerável de inquiridos, à exceção das Ciências da Vida e Ciências do Desporto, refere que as funções que exercem poderiam ser desempenhadas por diplomados com formação noutras áreas e mesmo com formação académica inferior (Gráfico 14). 86% 74% 87% 83% 94% 80% 96% 93% 86% CSS CE CED CV CD CT TODAS AS ÁREAS GRÁFICO 13: RELAÇÃO ENTRE AS FUNÇÕES DESEMPENHADAS E A FORMAÇÃO BASE NO EMPREGO. 100% 90% 80% 70% 60% 50% 40% 30% 10% 0% 89% 85% 65% 59% 60% 57% 47% 38% 36% 31% 32% 26% 25% 26% 22% 19% 15% 13% 13% 12% CSS CE CED CV CD CT Somente com este Curso Com outro Curso Com formação académica inferior GRÁFICO 14: FORMAÇÃO ADÉMI EXIGIDA PARA O DESEMPENHO DAS FUNÇÕES NO EMPREGO.

10 Os diplomados apontam como fatores de maior grau de satisfação, o ambiente socioprofissional (88%), a realização profissional (82%) e o horário laboral (81%). Em contraste, a estabilidade (41%), as perspetivas de progressão na carreira profissional (51%) e a melhoria salarial (53%) são os fatores de maior grau de insatisfação (Gráfico 15). Ambiente sócio-profissional 12% Realização profissional Horário laboral 19% Localização do emprego 21% Prestígio social 22% Adequação formação curricular às tarefas que 24% Actualização de conhecimentos/desenv. profissional 28% Salário/remuneração 35% Estabilidade do emprego 41% Perspectivas de progressão na carreira profissional 51% Perspectivas de melhoria salarial 53% 88% 82% 81% 79% 78% 76% 72% 65% 59% 49% 47% Insatisfatório Satisfatório GRÁFICO 15: GRAU DE SATISFAÇÃO COM O ATUAL EMPREGO. Os resultados mostram que dos inquiridos mantém outras atividades profissionais paralelas ao seu atual emprego, assumindo maior relevância nas Ciências do Desporto. De registar que em 40% dos diplomados se trata do seu primeiro emprego (Gráficos 16, 17). 24% CSS 11% CE 17% CED 8% CV 15% CD 54% TODAS AS CT ÁREAS 23% GRÁFICO 16: DIPLOMADOS QUE EXERCEM ACTIVIDADES PARALELAS AO SEU PRINCIPAL EMPREGO. 39% CSS 48% CE 45% CED 42% CV 32% 33% CD 38% CT 39% TODAS AS ÁREAS 40% GRÁFICO 17: DIPLOMADOS EM SITUAÇÃO DE PRIMEIRO EMPREGO.

11 O Quadro 3 mostra que no caso dos diplomados em situação de desemprego, a situação se verifica há menos de um ano em 79% dos inquiridos, sendo que 17% estão em situação de procura do primeiro emprego (Gráfico 18). O desemprego deve-se à cessação dos contratos (72%) e despedimento por iniciativa própria (12%). Os inquiridos expressam a reduzida oferta de emprego (60%) e o excesso de diplomados na área (58%) como fatores que dificultam a obtenção de emprego. QUADRO 3: SITUAÇÃO DOS DIPLOMADOS PERANTE A PROCURA DE EMPREGO. ÁREA CIENTÍFI CSS CE CED CV CD CT TOTAL Desempregados Desempregados à procura de novo emprego Desempregados à procura 1º emprego % 100% 75% 80% 77% 83% 78% 79% 57% 43% 25% 24% 17% 22% 21% 0% 0% CSS CE CED CV CD CT TODAS AS ÁREAS Período até 1 ano Período superior a 1 ano GRÁFICO 18: TEMPO DE PERMANÊNCIA NO DESEMPREGO. Quanto ao primeiro emprego, 1036 diplomados (85% dos inquiridos) referem que já exerceram uma atividade profissional após a conclusão do seu curso, sendo que a inserção no mercado de trabalho se concretizou até um ano após a conclusão do curso. Por outro lado, iniciou a atividade profissional antes da conclusão do curso (Gráfico 19).

12 90% 87% 88% 83% 73% 79% 84% 93% 85% 9% 13% 11% 15% 27% 11% 5% 13% CSS CE CED CV CD CT TODAS AS ÁREAS Até um ano após a conclusão do Curso Mais de um ano após a conclusão do Curso GRÁFICO 19: INÍCIO DA ATIVIDADE PROFISSIONAL EM RELAÇÃO AO CURSO. De uma forma geral, a proveniência da oferta de emprego reside no setor privado (GRÁFICO 20). 0% 10% 30% 40% 50% 60% 70% 80% 90% 100% 75% Empresa Privada CSS 60% 19% Empresa Pública CE CED 44% 82% 31% 10% Órgãos Administração Pública Central e Regional CV 26% 62% Órgãos Administração Pública Local CD CT 19% 69% 30% 77% 34% 15% 10% Instituto Público Outro TODAS AS ÁREAS 58% 17% GRÁFICO 20: TIPOLOGIA DA PRIMEIRA ENTIDADE EMPREGADORA. O conhecimento do emprego teve lugar mediante o recurso a conhecimentos pessoais, concursos públicos, respostas a anúncios e a candidaturas espontâneas (Gráfico 21). A atividade do GAIVA começa a ter alguma expressão, em particular, nas Ciências Agrárias e Veterinárias, Ciências da Educação e Ciências e Tecnologias.

13 0% 10% 30% 40% 50% 60% 70% 80% 90% 100% 14% 40% 17% 10% Resposta a anúncios CSS CE CED CV CD 15% 11% 31% 32% 32% 60% 31% 38% 23% 23% 26% 30% 15% 10% 12% 21% Concurso Público Conhecimentos pessoais Candidatura espontânea Centro emprego UTAD/GAIVA Estágio profissional Criou uma empresa CT 19% 35% 11% 14% Outro meio TODAS AS ÁREAS 13% 32% GRÁFICO 21: MEIOS UTILIZADOS NA OBTENÇÃO DO PRIMEIRO EMPREGO. A relação entre as funções desempenhadas pelos diplomados no seu primeiro emprego apresenta valores satisfatórios, embora em determinadas áreas possam ser desempenhadas por diplomados com formação inferior ou diversificada relativamente à formação base, casos das Ciências Sociais e Serviços, Ciências da Educação e Ciências do Ambiente (Gráfico 22). 88% 76% 73% 78% 71% 72% 94% 72% 89% 79% 60% 61% 26% 14% 43% 43% 38% 36% 17% 19% 47% 31% 22% 11% 39% 31% 28% 8% 48% 47% 35% 28% 24% 17% CSS CE CED CV CD CT TODAS AS ÁREAS Relação entre funções e formação base Funções podem ser desempenhadas com outro Curso Funções desempenhadas somente com este Curso Funções podem ser desempenhadas com formação académica inferior GRÁFICO 22: RELAÇÃO ENTRE AS FUNÇÕES DESEMPENHADAS E A FORMAÇÃO BASE NO PRIMEIRO EMPREGO E RESPETIVA FORMAÇÃO ADÉMI.

14 Entre os inquiridos que já exerceram uma atividade profissional mas não se mantiveram no primeiro emprego (667 inquiridos), 67% permaneceu no mesmo emprego por um período inferior a um ano e 32% há mais de um ano (Gráfico 23). A cessação de contrato (46%) e o despedimento por iniciativa própria (42%) são os principais motivos pelos quais abandonaram o emprego (Gráfico 24). 56% 43% 79% 75% 58% 42% 25% 87% 63% 35% 14% 80% 56% 44% 67% 32% CSS CE CED CV CD CT TODAS AS ÁREAS Período até 1 ano Período superior a 1 ano GRÁFICO 23: TEMPO DE PERMANÊNCIA NO PRIMEIRO EMPREGO. Cessação de contrato Falência/Encerramento da empresa Despedimento por iniciativa da entidade empregadora Despedimento por iniciativa própria Outro motivo 53% 44% 42% 27% 25% 40% 42% 63% 42% 36% 44% 42% 60% 65% 37% 49% 28% 46% CSS CE CED CV CD CT TODAS AS ÁREAS GRÁFICO 24: MOTIVOS QUE CONDUZIRAM À CESSAÇÃO DO VÍNCULO COM A PRIMEIRA ENTIDADE EMPREGADORA. Os resultados revelam que 52% dos inquiridos que não se mantiveram no primeiro emprego (667 inquiridos) tiveram outros empregos para além do atual, dos quais teve apenas um emprego intercalar, 14% dois empregos e mais do que dois entre o primeiro e o atual emprego (Gráfico 25).

15 Não teve outros empregos 48% Teve outros empregos 52% 1 emprego 2 empregos 14% > 2 empregos GRÁFICO 25: OUTROS EMPREGOS E RESPETIVO NÚMERO. Um número considerável de inquiridos (43%), manifestaram não sentir grande dificuldade na obtenção do emprego, sugerindo a falta de experiência profissional e de emprego em geral como fatores desfavoráveis. Entre os fatores favoráveis referidos destaca-se o bom relacionamento social e a boa preparação, sendo que os estágios e a nota final de curso assumem uma particular expressão neste domínio (Gráficos 26, 27). Prestígio da UTAD GAIVA Possibilidade exercer diversas actividades Bom relacionamento social Nota final de Curso Grau de diplomado Actividades extracurriculares Curso específico Estágio Boa formação prática do Curso Boa formação teórica do Curso Nenhum em particular 1% 6% 9% 17% 23% 24% 24% 31% 32% 38% 51% GRÁFICO 26: FATORES FAVORÁVEIS NA OBTENÇÃO DE EMPREGO.

16 Curso muito específico Falta de reconhecimento pela Ordem/Associação Falta de apoio da UTAD Preferência pelo sexo oposto Curso não adaptado à realidade Curso muito teórico Falta de experiência Formação insuficiente Falta de empregos Desconhecimento do Curso Nenhum em particular 4% 5% 5% 12% 14% 5% 8% 29% 49% GRÁFICO 27: FATORES DESFAVORÁVEIS NA OBTENÇÃO DE EMPREGO. 4. Empreendedorismo Entre os inquiridos que já exerceram atividade profissional (1036), 9% criou a sua própria empresa, embora uma pequena percentagem das empresas (1%) não se encontre no activo (Gráfico 28, Quadro 4). De salientar que 2% das empresas não constituem a atividade profissional principal para os diplomados. Não empreendedor 91% Empresa Emprendedor activa 9% 8% Empresa desactiva 1% GRÁFICO 28: DIPLOMADOS EMPREENDEDORES E ESTADO DA EMPRESA. QUADRO 4:SITUAÇÃO DOS INQUIRIDOS QUE EXERCERAM ATIVIDADE PROFISSIONAL PERANTE O EMPREENDEDORISMO. ÁREA CIENTÍFI CSS CE CED CV CD CT TOTAL Empreendedores Não empreendedores As empresas localizam-se maioritariamente na Região Norte, 31% no distrito de Vila Real e 28% no Porto (GRÁFICO 29). O setor de atividade mais representativo é o dos serviços (59%) e tratam-se

17 de empresas de dimensão pequena, sendo que 92% têm menos de 10 trabalhadores (GRÁFICOS 30, 31). S/resp 2% Outro País 3% Madeira 1% Lisboa e Vale do Tejo 2% Norte 74% Centro GRÁFICO 29: LOLIZAÇÃO DAS EMPRESAS. 59% 9% 12% 2% 2% Agricultura e Pescas Comércio Construção Indústria Serviços Turismo GRÁFICO 30: SETOR DE ATIVIDADE DAS EMPRESAS. 92% 6% 0% 1% < 10 trabalhadores trabalhadores trabalhadores > 250 trabalhadores GRÁFICO 31: DIMENSÃO DAS EMPRESAS. De notar que 49% das empresas existem há menos de um ano (GRÁFICO 32).

18 > 2 anos 35% 2 anos < 1 ano 1 ano 33% GRÁFICO 32: TEMPO DE EXISTÊNCIA DAS EMPRESAS. Os principais fatores mencionados pelos inquiridos que determinaram a criação da sua própria empresa (Gráfico 33) são a realização profissional (56%), a concretização de uma ideia inovadora (35%), a independência pessoal (35%) e a perspetiva de melhoria salarial (37%). Realização profissional Realização de uma ideia empreendedora Falta de emprego na área de formação Independência pessoal Familiares com a mesma área de negócio Poucas empresas nesta área Prestigio Social Perspectivas de melhoria salarial Opção mais adequada para a minha área de formação Ambiente sócio-profissional Local geográfico Horário laboral Outro motivo 0% 10% 30% 40% 50% 60% 70% 80% 90% 100% GRÁFICO 33: MOTIVOS QUE CONDUZIRAM À CRIAÇÃO DA EMPRESA. Dos diplomados que não são empreendedores (963 inquiridos), mas que por sua vez já exerceram a atividade profissional, 71% manifesta recetividade e gosto pela criação da sua própria empresa, caso seja possível (Gráfico 34). No entanto, os empreendedores e os não empreendedores recetivos à criação do próprio emprego (778 diplomados) mostram receio pelo clima económico desfavorável da atualidade e manifestam que o maior obstáculo para um empreendedor reside no investimento inicial necessário para a criação da empresa (Gráfico 34).

19 Receptividade ao empreendedorismo 76% CSS 73% CE 84% CED 61% CV 56% 73% CD 73% CT 79% TODAS AS ÁREAS 71% GRÁFICO 34: POSIÇÃO RELATIVAMENTE AO EMPREENDEDORISMO. 0% 10% 30% 40% 50% 60% 70% 80% 90% 100% Clima económico desfavorável Falta de apoio no estudo de viabilidade da ideia de negócio Questões de burocracia/barreiras administrativas Investimento inicial necessário Dificuldade em obtenção de financiamento Falta de incentivos/benefícios financeiros Falta de uma ideia inovadora Local geográfico Falta de pessoal qualificado Instabilidade /incerteza da remuneração Receio de falhar pessoalmente (risco) Outro obstáculo GRÁFICO 35: OBSTÁCULOS NA CRIAÇÃO DE EMPRESAS.

20 4. Formação académica Em termos gerais os inquiridos ingressaram no curso por uma questão de gosto pessoal (83%), sendo fatores relevantes a localização da Universidade nas Ciências Empresariais, Ciências da Educação e Ciências da Vida. As saídas profissionais foram referidas com fatores de escolha do curso nas Ciências Sociais e Serviços, Ciências do Desporto e Ciências e Tecnologia, merecendo realce a média de entrada nas Ciências Ambientais e o prestígio da UTAD nas Ciências Agrárias e Veterinárias (Gráfico 36). Gosto Pessoal pelo Curso CED 81% CSS 80% CE 92% CV 80% 75% 88% CD 90% TOTAL CT 83% 75% QUADRO 36: FATORES DETERMINANTES NA ESCOLHA DO CURSO. Em termos gerais, merece avaliação positiva a formação teórica (92%) e a qualidade pedagógica (90%) e científica (88%) do curso. Em contraste, registam-se valores insatisfatórios no contacto com a realidade exterior (56%) e a divulgação do curso no mercado de trabalho (62%) (Gráficos 37, 38). Formação teórica Qualidade pedagógica Qualidade científica Adequação às suas expectativas iniciais Adequação às exigências profissionais Adequação às necessidades actuais Formação prática Contacto com a realidade exterior Divulgação no mercado de trabalho 8% 10% 12% 33% 33% 39% 39% 56% 62% 92% 90% 88% 67% 67% 61% 61% 44% 38% Insatisfatório Satisfatório GRÁFICO 37: OPINIÃO SOBRE O CURSO.

21 GRÁFICO 38: OPINIÃO SOBRE O CURSO POR ÁREA CIENTÍFI. Durante o período em que foram estudantes, 71% dos inquiridos dedicaram-se exclusivamente aos estudos, sendo que 12% participou em programas de mobilidade internacional, com maior relevância nas Ciências do Desporto (Gráficos 39, 40). 77% 58% 68% 75% 83% 72% 69% 59% 17% 25% 19% 7% 13% 12% 23% 9% 23% 34% 5% 5% CSS 8% CE CED 8% CV CD CT 9% 71% TODAS AS ÁREAS Exercia activid. Profis. Tempo inteiro ou parcial Executava trabalhos ocasionais Só estudava GRÁFICO 39: SITUAÇÃO OCUPACIONAL ENQUANTO ESTUDANTE.

22 40% 14% 13% CSS CE 2% 5% CED CV 9% CD 6% CT 12% TODAS AS ÁREAS GRÁFICO 40: PARTICIPAÇÃO EM PROGRAMAS DE MOBILIDADE INTERNACIONAL. Em termos globais, 49% dos diplomados refere que terminou o curso no tempo previsto no plano curricular (Gráfico 41), com exceção das Ciências Agrárias e Veterinárias, Ciências do Ambiente e Ciências e Tecnologia. 31% 44% 19% 27% 45% 74% 70% 67% 55% 33% 79% 65% 79% 49% 25% 11% 19% 27% 25% CSS CE CED CV CD CT TODAS AS ÁREAS < n anos n anos > n anos GRÁFICO 41: NÚMERO DE ANOS NECESSÁRIOS PARA A CONCLUSÃO DO CURSO. O contacto com a UTAD após a conclusão do curso tem sido estabelecido, de forma generalizada, através do corpo docente (Gráfico 42). Contudo, refere que têm mantido o contacto através de actividades realizadas no quadro da aprendizagem ao longo da vida, designadamente em ações de formação contínua. O GAIVA continua a ser uma importante estrutura de contacto com a Universidade para 8% dos inquiridos.

23 Contacto com docentes 39% Biblioteca Utilização de recursos informáticos 3% Serviços à comunidade 1% Participação em projectos 4% No exercício da actividade profissional 12% Contacto com GAIVA 8% Frequência Cursos de Formação 9% Frequência de outros Cursos 7% Outro 9% GRÁFICO 42: TIPO DE CONTATO COM A UTAD APÓS A CONCLUSÃO DO CURSO. Por último e em matéria de projetos profissionais futuros (Gráfico 43), 53% dos diplomados referem que se encontram numa condição estável e pretendem manter a situação profissional, sendo a criação da própria empresa considerado o principal objetivo futuro por 21% dos inquiridos.

24 GRÁFICO 43: PROJETOS PROFISSIONAIS FUTUROS.

Cursos de Formação em Alternância na Banca Relatório de Follow-up 2010-2013 Lisboa e Porto

Cursos de Formação em Alternância na Banca Relatório de Follow-up 2010-2013 Lisboa e Porto Cursos de Formação em Alternância na Banca Relatório de Follow-up 2010-2013 Lisboa e Porto Outubro de 2015 Índice 1. Introdução... 3 2. Caraterização do Estudo... 4 3. Resultado Global dos Cursos de Lisboa

Leia mais

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora:

Leia mais

Inquérito Diplomados Ciências Farmacêuticas 2011/2012 O E OBSERVATÓRIO DA EMPREGABILIDADE N O S E C T O R F A R M A C Ê U T I C O

Inquérito Diplomados Ciências Farmacêuticas 2011/2012 O E OBSERVATÓRIO DA EMPREGABILIDADE N O S E C T O R F A R M A C Ê U T I C O Inquérito Diplomados Ciências Farmacêuticas 2011/2012 O E OBSERVATÓRIO DA EMPREGABILIDADE N O S E C T O R F A R M A C Ê U T I C O INQUÉRITO AOS DIPLOMADOS EM CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS 2011/2012 traçar o perfil

Leia mais

Inquéritos de Empregabilidade aplicados aos Diplomados

Inquéritos de Empregabilidade aplicados aos Diplomados Escola Superior de Educação de Almada Inquéritos de Empregabilidade aplicados aos Diplomados Ciclos de Estudo de Mestrado Apresentação de Resultados Departamento para a Garantia da Qualidade Fevereiro,

Leia mais

Seminário Ensino Vocacional e Profissional Centro de Formação Ordem de Santiago

Seminário Ensino Vocacional e Profissional Centro de Formação Ordem de Santiago Seminário Ensino Vocacional e Profissional Centro de Formação Ordem de Santiago Isabel Hormigo (Ministério da Educação e Ciência, Lisboa) Setúbal, 7 de fevereiro de 2014 Ciclos de estudos e duração Idade

Leia mais

RESULTADOS DO INQUÉRITO AOS NOVOS ALUNOS

RESULTADOS DO INQUÉRITO AOS NOVOS ALUNOS 1. Taxas de resposta RESULTADOS DO INQUÉRITO AOS NOVOS ALUNOS 21% 29% 79% 71% Responderam Não responderam Responderam Não responderam Gráfico nº 1 - Frequência percentual de respostas dos novos alunos

Leia mais

Inquérito de Empregabilidade

Inquérito de Empregabilidade Inquérito de Empregabilidade / Qual a situação face ao emprego dos nossos diplomados do ano letivo 2012/2013? Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias Índice I. O que é o Relatório de Empregabilidade...2

Leia mais

1. Introdução. 2. Metodologia e Taxa de Adesão. Resultados Nacionais Agregados de 2011

1. Introdução. 2. Metodologia e Taxa de Adesão. Resultados Nacionais Agregados de 2011 1 Resultados Nacionais Agregados de 11 Observatório Nacional de Recursos Humanos Resultados Nacionais Agregados de 11 1. Introdução Desde a sua criação em 02 que o Observatório Nacional de Recursos Humanos

Leia mais

CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade

Leia mais

Questionário do Pessoal Docente do Pré-escolar

Questionário do Pessoal Docente do Pré-escolar Questionário do Pessoal Docente do Pré-escolar Liderança 1.1 1.2 1.3 1.4 1. As decisões tomadas pelo Conselho Pedagógico, pela Direção e pelo Conselho Geral são disponibilizadas atempadamente. 2. Os vários

Leia mais

PLANO DE AÇÃO E MELHORIA DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALPENDORADA 1. INTRODUÇÃO

PLANO DE AÇÃO E MELHORIA DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALPENDORADA 1. INTRODUÇÃO 1. INTRODUÇÃO A Lei nº 31/2012, de 20 de Dezembro, veio aprovar o sistema de avaliação dos estabelecimentos de educação pré-escolar e dos ensinos básico e secundário, definindo orientações para a autoavaliação

Leia mais

Projeto de Ações de Melhoria

Projeto de Ações de Melhoria DIREÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DE LISBOA E VALE DO TEJO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALVES REDOL, VILA FRANCA DE XIRA- 170 770 SEDE: ESCOLA SECUNDÁRIA DE ALVES REDOL 400 014 Projeto de Ações de Melhoria 2012/2013

Leia mais

Relatório. Turística

Relatório. Turística Relatório anual de avaliação de curso Gestão do Lazer e da Animação Turística 2008 2009 Estoril, Março 200 Francisco Silva Director de Curso de GLAT Conteúdo Introdução... 3 2 Dados do Curso... 3 3 Avaliação

Leia mais

Sociedade da Informação e do Conhecimento Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação pelas Famílias 2013

Sociedade da Informação e do Conhecimento Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação pelas Famílias 2013 Sociedade da Informação e do Conhecimento Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação pelas Famílias 2013 38% DAS PESSOAS COM IDADE ENTRE 16 E 74 ANOS CONTACTAM COM ORGANISMOS

Leia mais

ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Do Minho A.1.a. Identificação

Leia mais

ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES

ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES 2015 2 Formar gestores e quadros técnicos superiores, preparados científica e tecnicamente para o exercício de funções na empresa

Leia mais

D6. Documento de suporte à Implementação das Iniciativas Piloto REDE INTERMUNICIPAL DE PARCERIAS DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO ECONÓMICO E SOCIAL

D6. Documento de suporte à Implementação das Iniciativas Piloto REDE INTERMUNICIPAL DE PARCERIAS DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO ECONÓMICO E SOCIAL ÍNDICE 1. OBJETIVOS E METODOLOGIA 1.1. Objetivos 1.2. Metodologia de Trabalho 2. IDENTIFICAÇÃO DAS INICIATIVAS PILOTO 3. INICIATIVAS PILOTO 4. IMPLEMENTAÇÃO DE INICIATIVAS PILOTO - MATERIAIS DE SUPORTE

Leia mais

CURRICULUM VITAE UNIÃO DAS FREGUESIAS DE GONDOMAR (S. COSME), VALBOM E JOVIM

CURRICULUM VITAE UNIÃO DAS FREGUESIAS DE GONDOMAR (S. COSME), VALBOM E JOVIM UNIÃO DAS FREGUESIAS DE GONDOMAR (S. COSME), VALBOM E JOVIM Componentes de um Curriculum Vitae Regras para a elaboração Regras para a utilização Diferentes tipos de Curriculum Vitae Qual o tipo de Curriculum

Leia mais

Barómetro Regional da Qualidade Avaliação das Atitudes e Conhecimentos dos Residentes sobre a Qualidade. Enquadramento.

Barómetro Regional da Qualidade Avaliação das Atitudes e Conhecimentos dos Residentes sobre a Qualidade. Enquadramento. Avaliação das Atitudes e Conhecimentos dos Residentes sobre a Qualidade 2011 Entidade Promotora Concepção e Realização Enquadramento Vice-Presidência Avaliação das Atitudes e Conhecimentos dos Residentes

Leia mais

Auto-avaliação da Licenciatura em Gestão e Administração Hoteleira

Auto-avaliação da Licenciatura em Gestão e Administração Hoteleira Auto-avaliação da Licenciatura em Gestão e Administração Hoteleira Relatório Resumo Junho de 2012 Índice 1. Objectivo... 3 2. Enquadramento... 3 3. Trabalho realizado... 3 4. Dados síntese da Licenciatura

Leia mais

I N C E N T I V O S A O E M P R E E N D E D O R I S M O Page 1. Incentivos ao EMPREENDEDORISMO

I N C E N T I V O S A O E M P R E E N D E D O R I S M O Page 1. Incentivos ao EMPREENDEDORISMO I N C E N T I V O S A O E M P R E E N D E D O R I S M O Page 1 Incentivos ao EMPREENDEDORISMO Abril 2015 I N C E N T I V O S A O E M P R E E N D E D O R I S M O Pag. 2 ÍNDICE 1. Enquadramento... 3 2. Criação

Leia mais

Observatório da Criação de Empresas. Observatório da Criação de Empresas

Observatório da Criação de Empresas. Observatório da Criação de Empresas Observatório da Criação de Empresas O Observatório da Criação de Empresas é um projecto desenvolvido pelo IAPMEI, com a colaboração da Rede Portuguesa de Centros de Formalidades das Empresas (CFE), que

Leia mais

Estudo sobre os diplomados pelo ISCTE-IUL. Perspectiva das Entidades Empregadoras

Estudo sobre os diplomados pelo ISCTE-IUL. Perspectiva das Entidades Empregadoras Estudo sobre os diplomados pelo ISCTE-IUL Perspectiva das Entidades Empregadoras Julho 2011 Ficha Técnica ISCTE Instituto Universitário de Lisboa Edição Gabinete de Estudos, Avaliação, Planeamento e Qualidade

Leia mais

Regulamento da Rede de Mentores

Regulamento da Rede de Mentores Regulamento da Rede de Mentores 1. Enquadramento A Rede de Mentores é uma iniciativa do Conselho Empresarial do Centro (CEC) e da Associação Industrial do Minho (AIMinho) e está integrada no Projeto Mentor

Leia mais

PO AÇORES 2020 FEDER FSE

PO AÇORES 2020 FEDER FSE Apresentação pública PO AÇORES 2020 FEDER FSE Anfiteatro C -Universidade dos Açores -Ponta Delgada 04 de marçode 2015 8EIXO EMPREGO E MOBILIDADE LABORAL > Administração regional Objetivo Específico 8.1.1

Leia mais

Quarto Estudo de Follow up dos Diplomados

Quarto Estudo de Follow up dos Diplomados Cursos de Formação em Alternância na Banca Quarto Estudo de Follow up dos Diplomados Relatório Cursos terminados entre 2006 e 2009 Projecto realizado em parceria e financiado pelo Instituto de Emprego

Leia mais

ENSINO SUPERIOR E DESENVOLVIMENTO

ENSINO SUPERIOR E DESENVOLVIMENTO ENSINO SUPERIOR E DESENVOLVIMENTO Joaquim Mourato (Presidente do CCISP e do IP de Portalegre) XX Congresso Nacional da Ordem dos Engenheiros Centro de Congressos da Alfândega do Porto 18.10.2014 SUMÁRIO

Leia mais

ESTUDANTES QUE INGRESSARAM PELA 1ª VEZ NUM CURSO DE NÍVEL SUPERIOR EM PORTUGAL NO ANO LECTIVO 2004/05. Dados Estatísticos PARTE II

ESTUDANTES QUE INGRESSARAM PELA 1ª VEZ NUM CURSO DE NÍVEL SUPERIOR EM PORTUGAL NO ANO LECTIVO 2004/05. Dados Estatísticos PARTE II ESTUDANTES QUE INGRESSARAM PELA 1ª VEZ NUM CURSO DE NÍVEL SUPERIOR EM PORTUGAL NO ANO LECTIVO 2004/05 Dados Estatísticos PARTE II ESTUDANTES DE PÓS-LICENCIATURA (Mestrados e Doutoramentos) DSAS- Direcção

Leia mais

Quadro jurídico no sistema educativo português

Quadro jurídico no sistema educativo português I Simpósio Luso-Alemão sobre a Qualificação Profissional em Portugal - Oportunidades e Desafios Isilda Costa Fernandes SANA Lisboa Hotel, Av. Fontes Pereira de Melo 8, Lisboa 24 de novembro 2014 Contexto

Leia mais

ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4

ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4 ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4 1.1- DOCENTES:... 4 1.2- NÃO DOCENTES:... 5 1.2.1- TÉCNICAS SUPERIORES EM EXERCÍCIO DE FUNÇÕES... 5 1.2.2- ASSISTENTES OPERACIONAIS EM EXERCÍCIO

Leia mais

(Docentes, Não-Docentes, Alunos e Encarregados de Educação) NOTA IMPORTANTE Esta apresentação não dispensa e leitura do Relatório da Função Manuel Leão. Tendo como preocupação fundamental a procura da

Leia mais

UNIÃO EUROPEIA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Fundos Europeus Estruturais e de Investimento

UNIÃO EUROPEIA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Fundos Europeus Estruturais e de Investimento UNIÃO EUROPEIA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA Fundos Europeus Estruturais e de Investimento Capital Humano Sara Estudante Relvas Posicionamento da Região Autónoma da Madeira no contexto nacional e europeu

Leia mais

Formação e Tendências de Mercado da Formação Graduada e Pós graduada 1

Formação e Tendências de Mercado da Formação Graduada e Pós graduada 1 Número de Alunos Formação e Tendências de Mercado da Formação Graduada e Pós graduada 1 Susana Justo, Diretora Geral da Qmetrics 1. Formação em ensino superior, graduada e pós graduada. Em Portugal continua

Leia mais

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada.

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. Anexo A Estrutura de intervenção As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. 1. Plano de ação para o período 2016

Leia mais

REGULAMENTO. Preâmbulo

REGULAMENTO. Preâmbulo REGULAMENTO Preâmbulo O espírito de iniciativa, a criatividade, a capacidade de detectar e aproveitar oportunidades, de assumir o risco e formar decisões, constituem premissas essenciais para o sucesso

Leia mais

BALANÇO FINAL PLANO DE FORMAÇÃO 2014 Anexo R&C 2014

BALANÇO FINAL PLANO DE FORMAÇÃO 2014 Anexo R&C 2014 BALANÇO FINAL PLANO DE FORMAÇÃO 2014 Anexo R&C 2014 INTRODUÇÃO A Sociedade Portuguesa para a Qualidade na Saúde (SPQS) executou, em 2014, um Plano de Formação dirigido aos seus associados e outros profissionais

Leia mais

ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Da Beira Interior A.1.a. Identificação

Leia mais

6º Congresso Nacional da Administração Pública

6º Congresso Nacional da Administração Pública 6º Congresso Nacional da Administração Pública João Proença 30/10/08 Desenvolvimento e Competitividade: O Papel da Administração Pública A competitividade é um factor-chave para a melhoria das condições

Leia mais

ENSINO PROFISSIONAL EM PORTUGAL JOAQUIM AZEVEDO. O ensino profissional: uma aposta bem sucedida com quase 25 anos. O passado, o presente e o futuro

ENSINO PROFISSIONAL EM PORTUGAL JOAQUIM AZEVEDO. O ensino profissional: uma aposta bem sucedida com quase 25 anos. O passado, o presente e o futuro ENSINO PROFISSIONAL EM PORTUGAL O ensino profissional: uma aposta bem sucedida com quase 25 anos O passado, o presente e o futuro JOAQUIM AZEVEDO 16 MAR 2012 Uma aposta em quê, em particular? Desenvolvimento

Leia mais

Observatório Nacional de Recursos Humanos

Observatório Nacional de Recursos Humanos RUBRICA AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO Observatório Nacional de Recursos Humanos Resultados nacionais agregados de 211 O Observatório Nacional de Recursos Humanos (ONRH) celebra este ano 1 anos de existência.

Leia mais

INED PROJETO EDUCATIVO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO MAIA

INED PROJETO EDUCATIVO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO MAIA INED INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO PROJETO EDUCATIVO MAIA PROJETO EDUCATIVO I. Apresentação do INED O Instituto de Educação e Desenvolvimento (INED) é uma escola secundária a funcionar desde

Leia mais

INFORMAÇÕES PARA A PÁGINA DA ESCOLA FRASE DE ABERTURA NOVOS TESTEMUNHOS DE EX-ALUNOS A INCLUIR

INFORMAÇÕES PARA A PÁGINA DA ESCOLA FRASE DE ABERTURA NOVOS TESTEMUNHOS DE EX-ALUNOS A INCLUIR INFORMAÇÕES PARA A PÁGINA DA ESCOLA FRASE DE ABERTURA De acordo com os últimos dados disponíveis do Observatório para a inserção profissional da Universidade Nova de Lisboa, a taxa de emprego dos alunos

Leia mais

A INFLUÊNCIA DOS PROJETOS NO DOMÍNIO DOS RESULTADOS: O PONTO DE VISTA DOS COORDENADORES

A INFLUÊNCIA DOS PROJETOS NO DOMÍNIO DOS RESULTADOS: O PONTO DE VISTA DOS COORDENADORES AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CABECEIRAS DE BASTO A INFLUÊNCIA DOS PROJETOS NO DOMÍNIO DOS RESULTADOS: O PONTO DE VISTA DOS COORDENADORES A EQUIPA DE AUTOAVALIAÇÃO: Albino Barroso Manuel Miranda Paula Morais

Leia mais

> MENSAGEM DE BOAS VINDAS

> MENSAGEM DE BOAS VINDAS > MENSAGEM DE BOAS VINDAS A (DPE), da (DREQP), inicia, com o primeiro número desta Newsletter, um novo ciclo de comunicação e aproximação ao público em geral e, de forma particular, aos seus parceiros

Leia mais

Estratégia de Especialização Inteligente para a Região de Lisboa

Estratégia de Especialização Inteligente para a Região de Lisboa Diagnóstico do Sistema de Investigação e Inovação: Desafios, forças e fraquezas rumo a 2020 FCT - A articulação das estratégias regionais e nacional - Estratégia de Especialização Inteligente para a Região

Leia mais

ECONOMIA SOCIAL PORTUGUESA: PAPEL NO PÓS-TROIKA GERIR UMA FUNDAÇÃO É UM COMPROMISSO PARA O FUTURO

ECONOMIA SOCIAL PORTUGUESA: PAPEL NO PÓS-TROIKA GERIR UMA FUNDAÇÃO É UM COMPROMISSO PARA O FUTURO GERIR UMA FUNDAÇÃO É UM COMPROMISSO PARA O FUTURO Citação de Dr. Emílio Rui Vilar 2 Tempo de mudanças sociais Estamos no início de um século que se adivinha difícil e instável nos seus Problemas Globais

Leia mais

Protocolo de Acordo entre o Ministério da Educação e o Sindicato Nacional dos Professores do Ensino Secundário

Protocolo de Acordo entre o Ministério da Educação e o Sindicato Nacional dos Professores do Ensino Secundário Protocolo de Acordo entre o Ministério da Educação e o Sindicato Nacional dos Professores do Ensino Secundário Secundário reconhecem que a melhoria da educação e da qualificação dos Portugueses constitui

Leia mais

PLANO DE MELHORIA CONSERVATÓRIO DE MÚSICA DO PORTO

PLANO DE MELHORIA CONSERVATÓRIO DE MÚSICA DO PORTO PLANO DE MELHORIA DO 2015-2017 Conservatório de Música do Porto, 30 de outubro de 2015 1. Introdução... 3 2. Relatório de Avaliação Externa... 5 Pontos Fortes... 5 Áreas de Melhoria... 6 3. Áreas Prioritárias...

Leia mais

DEPARTAMENTO DA QUALIDADE

DEPARTAMENTO DA QUALIDADE DEPARTAMENTO DA QUALIDADE PLANO DE MELHORIA ESA 2013-2016 Objetivos gerais do Plano de Melhoria 1. Promover o sucesso educativo e melhorar a sua qualidade 2. Melhorar os processos e resultados pedagógicos

Leia mais

AVALIAÇÃO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO MUSICAL NO ENSINO BÁSICO

AVALIAÇÃO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO MUSICAL NO ENSINO BÁSICO AVALIAÇÃO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO MUSICAL NO ENSINO BÁSICO Outubro 2009 ÍNDICE 1. Introdução 3 2. População e Amostra 3 3. Apresentação de Resultados 4 3.1. Opinião dos alunos do Mestrado em Educação Musical

Leia mais

Plano de Atividades 2015

Plano de Atividades 2015 Plano de Atividades 2015 ÍNDICE Introdução 1. Princípios orientadores do Plano Plurianual. Desempenho e qualidade da Educação. Aprendizagens, equidade e coesão social. Conhecimento, inovação e cultura

Leia mais

Estágios profissionais são bons para ganhar experiência

Estágios profissionais são bons para ganhar experiência 79% dos universitários portugueses garantem Estágios profissionais são bons para ganhar experiência A rede Universia e o portal de empregos www.trabalhando.com realizaram em nove países um questionário

Leia mais

Regulamento da Bolsa de Emprego online da FEP. Serviço de Relações Externas e Integração Académica

Regulamento da Bolsa de Emprego online da FEP. Serviço de Relações Externas e Integração Académica Regulamento da Bolsa de Emprego online da FEP Serviço de Relações Externas e Integração Académica Regulamento Bolsa de Emprego da FEP Candidatos & Entidades Empregadoras Artigo 1 Objeto O presente regulamento

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA

ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA 2012-2015 PLANO DE MELHORIA (2012-2015) 1. CONTEXTUALIZAÇÃO DO PROCESSO Decorreu em finais de 2011 o novo processo de Avaliação Externa

Leia mais

IESG - INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DE GARÇA LTDA. Rua América, 281 Garça/SP CEP 17400-000 (14) 3407-2505 www.uniesp.edu.br/garca

IESG - INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DE GARÇA LTDA. Rua América, 281 Garça/SP CEP 17400-000 (14) 3407-2505 www.uniesp.edu.br/garca IESG - INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DE GARÇA LTDA. Rua América, 281 Garça/SP CEP 17400-000 (14) 3407-2505 www.uniesp.edu.br/garca PROGRAMA DE ACOMPANHAMENTO DOS EGRESSOS O Instituto de Ensino de Garça,

Leia mais

O âmbito geográfico deste estudo é Portugal continental e as regiões autónomas da Madeira e dos Açores. Saidas. Entradas. Mudanças de emprego

O âmbito geográfico deste estudo é Portugal continental e as regiões autónomas da Madeira e dos Açores. Saidas. Entradas. Mudanças de emprego Mobilidade dos Trabalhadores ESTATÍSTICAS STICAS em síntese O presente estudo baseia-se nas informações que integram a base do Sistema de Informação Longitudinal de Empresas, Estabelecimentos e Trabalhadores

Leia mais

Resultados dos inquéritos aos novos alunos da ESCS

Resultados dos inquéritos aos novos alunos da ESCS Resultados dos inquéritos aos novos alunos da ESCS No prosseguimento da política de qualidade da ESCS, foram realizados, no início do ano lectivo 2011/2012 e à semelhança do que aconteceu no ano anterior,

Leia mais

NCE/14/00981 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/14/00981 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/14/00981 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Universidade Do Porto A.1.a.

Leia mais

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Alteração ao Regime Jurídico da Avaliação do Ensino Superior Num momento em que termina o ciclo preliminar de avaliação aos ciclos de estudo em funcionamento por parte da Agência de Avaliação e Acreditação

Leia mais

Seminário Nacional A INDÚSTRIA E O SISTEMA DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO Contributos para a estratégia 2020

Seminário Nacional A INDÚSTRIA E O SISTEMA DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO Contributos para a estratégia 2020 Seminário Nacional A INDÚSTRIA E O SISTEMA DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO Contributos para a estratégia 2020 Painel: Formação em alternância: Que modelo? Empregabilidade, competitividade e sustentabilidade na

Leia mais

«As organizações excelentes gerem, desenvolvem e libertam todo o potencial dos seus colaboradores ao nível individual, de equipa e organizacional.

«As organizações excelentes gerem, desenvolvem e libertam todo o potencial dos seus colaboradores ao nível individual, de equipa e organizacional. A melhoria não é um acontecimento pontual ( ) um processo que necessita de ser planeado, desenvolvido e concretizado ao longo do tempo em sucessivas vagas, produzindo uma aprendizagem permanente. De acordo

Leia mais

AVALIAÇÃO. Projeto Inovar com Igualdade - 2ª Edição

AVALIAÇÃO. Projeto Inovar com Igualdade - 2ª Edição AVALIAÇÃO Projeto Inovar com Igualdade - 2ª Edição 2 3 AVALIAÇÃO Impacto do Projeto Inovar com Igualdade - 2ª Edição Avaliação do Impacto - Metodologia RESULTADOS DO QUESTIONÁRIO DE AUTODIAGNÓSTICO -Visou

Leia mais

ANO: 2015. Taxa de Reprodução da visão, missão e valores da. 90.00 organização. Taxa de Reprodução das políticas da organização 60.

ANO: 2015. Taxa de Reprodução da visão, missão e valores da. 90.00 organização. Taxa de Reprodução das políticas da organização 60. Casa Santa Isabel POLÍTICAS ANO: 2015 Política da ética A organização define, implementa e controla o seu compromisso relativo a valores morais fundamentais, orientados para a prevenção de riscos desnecessários

Leia mais

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção 02 Estratégia Nacional de

Leia mais

Plano de Atividades 2014

Plano de Atividades 2014 Plano de Atividades 2014 Escola de Ciências Universidade do Minho 1. Missão A Escola de Ciências tem como missão gerar, difundir e aplicar conhecimento no âmbito das Ciências Exatas e da Natureza e domínios

Leia mais

QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS

QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS I Os cinco domínios 1. Resultados 2. Prestação do serviço educativo 3. Organização e gestão escolar 4. Liderança 5. Capacidade de auto-regulação

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO ADMINISTRAÇÃO HOSPITALAR 2013 / 2015

REGULAMENTO DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO ADMINISTRAÇÃO HOSPITALAR 2013 / 2015 REGULAMENTO DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO HOSPITALAR 2013 / 2015 ÍNDICE 1. Introdução 1 2. Finalidades e objectivos educacionais 2 3. Organização interna do CEAH 2 4. Habilitações de acesso

Leia mais

INVESTIR NO FUTURO CONTRATO DE CONFIANÇA ENSINO SUPERIOR PARA O FUTURO DE PORTUGAL. Janeiro de 2010

INVESTIR NO FUTURO CONTRATO DE CONFIANÇA ENSINO SUPERIOR PARA O FUTURO DE PORTUGAL. Janeiro de 2010 INVESTIR NO FUTURO UM CONTRATO DE CONFIANÇA NO ENSINO SUPERIOR PARA O FUTURO DE PORTUGAL Janeiro de 2010 UM CONTRATO DE CONFIANÇA NO ENSINO SUPERIOR PARA O FUTURO DE PORTUGAL No seu programa, o Governo

Leia mais

GT 2: Gestão da Qualidade no Ensino Superior

GT 2: Gestão da Qualidade no Ensino Superior GT 2: Gestão da Qualidade no Ensino Superior ESTRUTURAS & MECANISMOS DE PROMOÇÃO DA EMPREGABILIDADE NAS INSTITUIÇÕES DO GT2 CS/11 Comissão Sectorial para a Educação e Formação Sessão Plenária de 17 de

Leia mais

ACEF/1112/20852 Relatório final da CAE

ACEF/1112/20852 Relatório final da CAE ACEF/1112/20852 Relatório final da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Fundação Minerva - Cultura - Ensino E Investigação

Leia mais

O CONSELHO DA UE E OS REPRESENTANTES DOS GOVERNOS DOS ESTADOS-MEMBROS, REUNIDOS NO CONSELHO,

O CONSELHO DA UE E OS REPRESENTANTES DOS GOVERNOS DOS ESTADOS-MEMBROS, REUNIDOS NO CONSELHO, C 172/8 PT Jornal Oficial da União Europeia 27.5.2015 Conclusões do Conselho sobre a maximização do papel do desporto de base no desenvolvimento de competências transversais, especialmente entre os jovens

Leia mais

RESULTADOS DO INQUÉRITO À COMUNIDADE GEOGRÁFICA

RESULTADOS DO INQUÉRITO À COMUNIDADE GEOGRÁFICA RESULTADOS DO INQUÉRITO À COMUNIDADE GEOGRÁFICA A Associação Portuguesa de Geógrafos (APG) promoveu um inquérito online entre 5 de Novembro e 21 de Dezembro de 2009 com o objectivo de auscultar a comunidade

Leia mais

Sucesso académico: Variáveis pessoais e respostas institucionais. Leandro S. Almeida & Alexandra M. Araújo Universidade do Minho

Sucesso académico: Variáveis pessoais e respostas institucionais. Leandro S. Almeida & Alexandra M. Araújo Universidade do Minho Sucesso académico: Variáveis pessoais e respostas institucionais Leandro S. Almeida & Alexandra M. Araújo Universidade do Minho TÓPICOS: - (In)Sucesso académico: Enquadramento - (In)Sucesso académico:

Leia mais

NCE/10/00411 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/10/00411 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/10/00411 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Iade Instituto De Artes Visuais,

Leia mais

ÍNDICE. Que expectativas académicas, que organização do estudo e conciliação entre estudos e emprego? 6

ÍNDICE. Que expectativas académicas, que organização do estudo e conciliação entre estudos e emprego? 6 Relatório Síntese: Perfil do Trabalhador-Estudante do IST Introdução ÍNDICE Qual a proporção de trabalhadores-estudantes no IST nos últimos 5 anos lectivos? 2 Qual a População-alvo deste inquérito? 2 A

Leia mais

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO::

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO:: ::ENQUADRAMENTO:: :: ENQUADRAMENTO :: O actual ambiente de negócios caracteriza-se por rápidas mudanças que envolvem a esfera politica, económica, social e cultural das sociedades. A capacidade de se adaptar

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE. A visão dos professores sobre educação no Brasil

CONSELHO DE CLASSE. A visão dos professores sobre educação no Brasil CONSELHO DE CLASSE A visão dos professores sobre educação no Brasil INTRODUÇÃO Especificações Técnicas Data do Campo 19/06 a 14/10 de 2014 Metodologia Técnica de coleta de dados Abrangência geográfica

Leia mais

O que pode a União Europeia fazer pelas pessoas? O Fundo Social Europeu é uma resposta a esta questão

O que pode a União Europeia fazer pelas pessoas? O Fundo Social Europeu é uma resposta a esta questão 1 2 O que pode a União Europeia fazer pelas pessoas? O Fundo Social Europeu é uma resposta a esta questão 3 A origem do Fundo Social Europeu O Fundo Social Europeu foi criado em 1957 pelo Tratado de Roma,

Leia mais

O ALOJAMENTO NO TERRITÓRIO DOURO ALLIANCE - EIXO URBANO DO DOURO

O ALOJAMENTO NO TERRITÓRIO DOURO ALLIANCE - EIXO URBANO DO DOURO O ALOJAMENTO NO TERRITÓRIO DOURO ALLIANCE - EIXO URBANO DO DOURO Vila Real, Março de 2012 ÍNDICE INTRODUÇÃO... 4 CAPITULO I Distribuição do alojamento no Território Douro Alliance... 5 CAPITULO II Estrutura

Leia mais

RELATÓRIO-SÍNTESE DE AVALIAÇÃO DO FUNCIONAMENTO DAS UNIDADES CURRICULARES

RELATÓRIO-SÍNTESE DE AVALIAÇÃO DO FUNCIONAMENTO DAS UNIDADES CURRICULARES RELATÓRIO-SÍNTESE DE AVALIAÇÃO DO FUNCIONAMENTO DAS UNIDADES CURRICULARES ANO LECTIVO 2011/2012 ÍNDICE 1. Introdução... 3 2. Avaliação do Funcionamento das Unidades Curriculares... 4 1º Semestre - Resultados

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO E ORÇAMENTO PARA 2008

PLANO DE ACÇÃO E ORÇAMENTO PARA 2008 PLANO DE ACÇÃO E ORÇAMENTO PARA 2008 O ano de 2008 é marcado, em termos internacionais, pela comemoração dos vinte anos do Movimento Internacional de Cidades Saudáveis. Esta efeméride terá lugar em Zagreb,

Leia mais

Os Diplomados e o Emprego na UL

Os Diplomados e o Emprego na UL Os Diplomados e o Emprego na UL NOTA PRÉVIA A Universidade de Lisboa (UL) foi pioneira no estudo da empregabilidade dos diplomados saídos dos cursos que oferece. Em 2000 e em 2005 publicaram-se dois relatórios,

Leia mais

«atrevo.me 13» concurso de ideias de negócio. REGULAMENTO Preâmbulo

«atrevo.me 13» concurso de ideias de negócio. REGULAMENTO Preâmbulo «atrevo.me 13» concurso de ideias de negócio REGULAMENTO Preâmbulo A Universidade de Évora, através da Divisão de Projetos e Informação (SCC-DPI), enquanto parte integrante do Serviço de Ciência e Cooperação,

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL 2012-2013. IPAM Aveiro

RELATÓRIO ANUAL 2012-2013. IPAM Aveiro RELATÓRIO ANUAL 2012-2013 IPAM Aveiro Índice Nota Introdutória... 3 1. Do grau de cumprimento do plano estratégico e do plano anual... 4 2. Da realização dos objetivos estabelecidos;... 4 3. Da eficiência

Leia mais

FICHA TÉCNICA. Título Estatísticas da Educação 2008/2009 - Adultos

FICHA TÉCNICA. Título Estatísticas da Educação 2008/2009 - Adultos FICHA TÉCNICA Título Estatísticas da Educação 2008/2009 - Adultos Autoria Gabinete de Estatística e Planeamento da Educação (GEPE) Direcção de Serviços de Estatística Edição Gabinete de Estatística e Planeamento

Leia mais

COMENTÁRIOS DA UGT AO DOCUMENTO PACTO PARA O EMPREGO GRUPO DE TRABALHO PARA A QUALIFICAÇÃO E O EMPREGO

COMENTÁRIOS DA UGT AO DOCUMENTO PACTO PARA O EMPREGO GRUPO DE TRABALHO PARA A QUALIFICAÇÃO E O EMPREGO COMENTÁRIOS DA UGT AO DOCUMENTO PACTO PARA O EMPREGO GRUPO DE TRABALHO PARA A QUALIFICAÇÃO E O EMPREGO O documento em apreciação realiza uma síntese adequada da quase totalidade dos temas discutidos na

Leia mais

Plano Estratégico de Iniciativas à Empregabilidade Jovem e de Apoio às PME Exponor, 15 de Junho de 2012

Plano Estratégico de Iniciativas à Empregabilidade Jovem e de Apoio às PME Exponor, 15 de Junho de 2012 Plano Estratégico de Iniciativas à Empregabilidade Jovem e de Apoio às PME Exponor, 15 de Junho de 2012 Contexto: O Impulso Jovem, Plano Estratégico de Iniciativas de Promoção da Empregabilidade Jovem

Leia mais

Dos 1004 alunos que frequentavam as aulas de Educação Física, um em cada cinco, tinham excesso de peso ou obesidade.

Dos 1004 alunos que frequentavam as aulas de Educação Física, um em cada cinco, tinham excesso de peso ou obesidade. Conclusões e Sugestões (1/5) As principais conclusões a que pudemos chegar de acordo com os objectivos a que nos propusemos, nomeadamente o de conhecer o índice da massa corporal dos alunos da escola onde

Leia mais

3.4. EDUCAÇÃO. Problemas Sociais Identificados. Problemas Sociais Priorizados. 3.4.1. Educação: Enquadramento: Alunos sem projecto de vida

3.4. EDUCAÇÃO. Problemas Sociais Identificados. Problemas Sociais Priorizados. 3.4.1. Educação: Enquadramento: Alunos sem projecto de vida 3.4. EDUCAÇÃO Problemas Sociais Identificados Insucesso escolar Falta de expectativas socioprofissionais Alunos sem projecto de vida Expectativas inadequadas para famílias Problemas Sociais Priorizados

Leia mais

REGULAMENTO FORMAÇÃO EM CONTEXTO TRABALHO

REGULAMENTO FORMAÇÃO EM CONTEXTO TRABALHO REGULAMENTO FORMAÇÃO EM CONTEXTO TRABALHO FORMAÇÃO EM CONTEXTO DE TRABALHO REGULAMENTO Artigo 1º Âmbito 1. A Formação em Contexto de Trabalho (FCT) faz parte integrante do Plano Curricular de qualquer

Leia mais

Parecer. Conselheiro/Relator: Maria da Conceição Castro Ramos

Parecer. Conselheiro/Relator: Maria da Conceição Castro Ramos Parecer Projeto de Decreto-Lei que procede à revisão do regime jurídico da habilitação profissional para a docência dos educadores e professores dos ensinos básico e secundário Conselheiro/Relator: Maria

Leia mais

Plano de Formação. Psicologia e Orientação em Contexto Escolar 2014/2015

Plano de Formação. Psicologia e Orientação em Contexto Escolar 2014/2015 Plano de Formação Psicologia e Orientação em Contexto Escolar 2014/2015 Enquadramento A evolução tecnológica e a incerteza com que atualmente todas as sociedades se confrontam colocam desafios acrescidos

Leia mais

Sistema Interno de Garantia da Qualidade

Sistema Interno de Garantia da Qualidade ISEL Sistema Interno de Garantia da Qualidade RELATÓRIO Inquérito Novos Alunos Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Gabinete de Avaliação e Qualidade Janeiro 2014 ÍNDICE 1. ENQUADRAMENTO... 4 1.1

Leia mais

para um novo ano lectivo

para um novo ano lectivo Ano Lectivo 2008/09 20 medidas de política para um novo ano lectivo Este documento apresenta algumas medidas para 2008/09: Apoios para as famílias e para os alunos Modernização das escolas Plano Tecnológico

Leia mais

AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS N.º 01 / SAESCTN / 2012

AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS N.º 01 / SAESCTN / 2012 AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS N.º 01 / SAESCTN / 2012 SISTEMA DE APOIO A ENTIDADES DO SISTEMA CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO NACIONAL (SAESCTN) PROJETOS DE INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA E DESENVOLVIMENTO

Leia mais

O Relatório da OCDE: A avaliação do sistema de ensino superior em Portugal. Lisboa, 13 de Dezembro de 2006

O Relatório da OCDE: A avaliação do sistema de ensino superior em Portugal. Lisboa, 13 de Dezembro de 2006 O Relatório da OCDE: A avaliação do sistema de ensino superior em Portugal Lisboa, 13 de Dezembro de 2006 O relatório de avaliação do sistema de ensino superior em Portugal preparado pela equipa internacional

Leia mais

---------- 23. - Presente à reunião proposta do Vereador José Maria Magalhães do seguinte teor:

---------- 23. - Presente à reunião proposta do Vereador José Maria Magalhães do seguinte teor: - Conselho Municipal de Educação de Vila Real - Proposta de Regulamento ---------- 23. - Presente à reunião proposta do Vereador José Maria Magalhães do seguinte teor: A Lei de Bases do Sistema Educativo

Leia mais

ACEF/1112/03902 Relatório final da CAE

ACEF/1112/03902 Relatório final da CAE ACEF/1112/03902 Relatório final da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Da Beira Interior A.1.a. Identificação

Leia mais

Constituição Federal

Constituição Federal Constituição Federal CONSTITUIÇÃO FEDERAL 1 CONSTITUIÇÃO FEDERAL DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL - 1988 COM A INCORPORAÇÃO DA EMENDA 14 Capítulo III Da Educação, da Cultura e do Desporto Seção I Da Educação

Leia mais

PROGRAMA OPERACIONAL DE POTENCIAL HUMANO EIXO PRIORITÁRIO 3 GESTÃO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL

PROGRAMA OPERACIONAL DE POTENCIAL HUMANO EIXO PRIORITÁRIO 3 GESTÃO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL PROGRAMA OPERACIONAL DE POTENCIAL HUMANO EIXO PRIORITÁRIO 3 GESTÃO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL TIPOLOGIA DE INTERVENÇÃO 3.1.1 PROGRAMA DE FORMAÇÃO-ACÇÃO PARA PME REGULAMENTO DE CANDIDATURA PARA ENTIDADES

Leia mais