Ata da 2ª Reunião Extraordinária do Comitê Gestor do Fundo Nacional sobre Mudança do Clima

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Ata da 2ª Reunião Extraordinária do Comitê Gestor do Fundo Nacional sobre Mudança do Clima"

Transcrição

1 MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA DE MUDANÇAS CLIMÁTICAS E QUALIDADE AMBIENTAL Esplanada dos Ministérios, Bloco B, 8º andar CEP Brasília - DF Telefone: (61) Ata da 2ª Reunião Extraordinária do Comitê Gestor do Fundo Nacional sobre Mudança do Clima DATA: 30 de junho de 2011, às 10:00. LOCAL: Sala Baru, Embrapa (sede), Av. W 3 Norte, Centro de Treinamento - Parque Estação Biológica, Asa Norte Brasília/DF. PARTICIPANTES: Composição da Mesa: Sr. Francisco Gaetani, Secretario Executivo do Ministério do Meio Ambiente, e o Sr. Eduardo Assad, Secretário de Mudanças Climáticas e Qualidade Ambiental. Membros e Representantes: Ministério do Meio Ambiente/MMA: Sr. Francisco Gaetani (Presidente do Comitê Gestor) e Sr. Eduardo Assad (suplente); Casa Civil da Presidência da República: Sr. Érico Leonardo Feltrin(representante) e Sérgio de Brito C. Filho(representante); Fórum Brasileiro de Mudanças Climáticas: Sr. Neilton F. da Silva (suplente); Ministério da Fazenda: Sr. Aloísio Lopes Pereira de Melo (titular) e João Luiz Tedeschi (representante); Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão: Sr. Fabiano Chaves da Silva (suplente); Ministério da Ciência e Tecnologia: Sr. Carlos Afonso Nobre(titular); Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento: Sr. Alaor Moacyr Dall' Antonia Júnior (representante); Organização Não- Governamental: Sra. Fernanda Carvalho (TNC/suplente); Empresarial do Setor industrial: Sra. Paula Bennati (CNI/representante); Ministério do Desenvolvimento Indústria e Comércio Exterior: Sr. Demétrio Toledo (representante); Ministério das Relações Exteriores: Sra. Maria Clara Tavares Cerqueira (suplente); Ministério de Minas e Energia: Sr. Hamilton Moss de Souza (suplente) e Sr. Luís Fernando Badahan(representante); Empresarial do setor rural: Sr. Luiz Fernando do Amaral (UNICA/titular) e Sr. Fábio Nogueira de Avelar Marques (ABRAF/suplente); Trabalhadores Rurais, Agricultura Familiar e Comunidades Rurais Tradicionais: Sra. Rosicléia dos Santos (CONTAG/titular); Estados: Sra. Márcia do Valle Real (titular) e Sra. Josilene Ticianelli Vannizini Ferrer (CETESB/suplente); BNDES: Sr. Sergio Eduardo Weguelin Vieira (titular) e Sr. Marcio Macedo da Costa (suplente). Outros participantes: Sra. Vania Oriundi representante da presidência da Embrapa; Sr. Marcos Estevam Del Prette, Gerente de Projetos do Fundo Clima/SMCQ/MMA); Paulo Rogério Gonçalves (Chefe de Gabinete/MMA/SMCQ); Sra. Valesk de Castro(assessora técnica do FNMC/SMCQ/MMA); Eli Siqueira (assessor técnico do FNMC/MMA/FNMC); Sr. Délio Noel (Gestor do FNMC/SMCQ/MMA); Sr. Sérgio Cortizo (Gestor do FNMC/SMCQ/MMA); Alaor M. Dall Antonia Jr. (MAPA/INMET); Sr. João Luiz Tedeschi (Ministério da Fazenda); Sra. Morena Corrêa Santos (BNDES); Sra. Daniela Baceas (BNDES); Sr. Luís Fernando Badanhan (MME); Sr. 1

2 Marco Aurélio Cabral (BNDES). CONVOCAÇÃO: ABERTURA E APROVAÇÃO DA AGENDA PROPOSTA: O presidente do Comitê Gestor, Sr. Francisco Gaetani, Secretário Executivo do Ministério do Meio Ambiente, abriu a sessão com boas vindas aos Conselheiros do Fundo Clima e agradeceu à Embrapa a cessão da sala de reuniões. A sra. Vania Oriundi, representando a presidência da Embrapa, deu boas vindas aos presentes e apoiou as iniciativas da 2ª Reunião Extraordinária do FNMC. O Sr. Eduardo Assad, representante do MMA, recebeu do presidente a coordenação dos trabalho e procedeu à nomeação dos itens de pauta, submetendo-os à votação. PAUTA: - Abertura e informes - Aprovação da Ata da 2ª Reunião Ordinária do Comitê Gestor - Aprovação final do Regimento Interno do Comitê Gestor - Proposta de inclusão de novas linhas de financiamento - Apresentação do processo de estruturação do FNMC - Planejamento de atividades de curto e médio prazos - Fluxos de atividades das ações da Secretaria Executiva do Comitê Gestor - Modelo para elaboração de projetos para o Fundo Clima - Recursos Não Reembolsáveis - Encerramento INFORMES, DISCUSSÕES E DELIBERAÇÕES: 1 - APRESENTAÇÃO DA PROPOSTA DE DIRETRIZES E PRIORIDADES: O Sr. Eduardo Assad, coordenador dos trabalhos, lembrou aos conselheiros a importância no cumprimento regimental para liberação dos recursos do Fundo Clima, dependente da aprovação do Regimento Interno. Agradeceu ao Fórum pela confirmação dos conselheiros da sociedade civil, mencionando que a portaria do Regimento Interno foi publicada no DOU. Explanou que o próximo passo será a delegação de competência para os gestores do Fundo no MMA. Informou que foi enviado ao Conselho Monetário Nacional, em comum acordo com o BNDES, a proposta de Resolução que define os limites dos juros segmentados por setor. Informou, também, que o contrato entre MMA e BNDES encontra-se em elaboração a fim de viabilizar, ainda este ano, a execução dos recursos reembolsáveis. Quanto aos recursos não reembolsáveis, informou que a equipe técnica do Fundo Clima projeta lançar no mês de julho o chamamento público, com respectivos editais, com análise de projetos prevista para o mês de agosto. Mesmo sem lançamento de chamada pública, foram apresentadas aproximadamente vinte consultas informais ao MMA sobre projetos demandados. O Sr. Neilton Fidelis da Silva (suplente do FNMC) mencionou a necessidade de viabilizar a participação do conselheiro titular das OnG's com as diárias e passagens por conta do MMA. O Sr. Eduardo Assad informou que o MMA colocou à disposição a passagem solicitada em atendimento ao pleito, mas o conselheiro não compareceu por agendamento de compromissos na data da reunião. A representante do setor industrial, Sra. Paula Bennati, abordou questões sobre a redução de emissões da indústria, lembrando as iniciativas ambientais do Grupo de Mobilização Empresarial em reuniões regulares, colocando-o à disposição do Fundo a fim trocar informações. O Sr. Francisco Gaetani, Presidente do Comitê Gestor, agradeceu a proposta e mencionou a 2

3 participação de vários setores com possibilidades de financiamentos pelo Fundo Clima, destacando a importância do setor industrial para as ações de mitigação do clima.. O Sr. Eduardo Assad explicou algumas linhas de ação do Fundo, tais como a matriz energética para o setor de geração de energia, modal de transportes em etanol e outras fontes renováveis. O Sr. Eduardo Assad pediu à representante da CNI que o setor participe das decisões do Fundo Clima sem maiores limitações das formalidades, pedindo atenção especial dos conselheiros sobre os Planos Setoriais (Transportes, que pretende lançar em breve, Mineração, que teve contribuição e colaboração de consultores para agilizar a análise, Agrícola que fez um plano muito bom, programando várias reuniões, Pesca fez sua contribuição, Saúde fez sua apresentação, em dois meses de ativação do Grupo Executivo. Na indústria, a estratégia que o MIDIC está usando é de juntar todos os planos num só, ao invés de ter construção civil, metalurgia, para não ser repetitiva em abordar justificativas fora do escopo. O Sr. Demétrio Toledo (Representante do MDIC) afirma que a ideia é ter um plano que contemple ações transversais e ações setoriais específicas focando os setores que foram descritos na lei e ações transversais da eficiência energética. A Srª. Fernanda Carvalho (suplente das OnG's) comenta que é muito interessante esse informe sobre os planos setoriais porque não está informada de como esses primeiros cinco setores estavam em elaboração. Acompanhou alguma medida no observatório do clima, afirmando que o setor da agricultura andou muito bem, o PPCDAM e o PPCerrado, pelo decreto foram considerados planos de clima, o plano de energia que, na verdade, é o plano decenal de energia, entrou nessa mesma situação. Os planos que tinham elaboração definitiva em construção seriam os setores da indústria e os setores da agricultura, mas ficou sem informação ao final desse processo, seja pela Casa Civil da Presidência da República, ou com cada um que se estabeleceu conversa. Os planos já foram lançados, já estão prontos, mas não houve um lançamento oficial, sugerindo que seria interessante se os conselheiros pudessem fazer um esclarecimento. Outro ponto sugerido pela Sra. Fernanda Carvalho(suplente das OnGs) diz respeito à inclusão de novas linhas de financiamento pelo Fundo ao fim dos demais pontos de pauta. Acrescentou que a representação da sociedade civil tem toda a disposição em colaborar, mas gostaria de saber como ficam os antigos planos de clima. O Sr. Eduardo Assad informou que não houve o lançamento dos cinco setores porque o último, da agricultura, foi entregue no dia 30 de maio. Essa questão foi colocada na mesa da reunião do Grupo Executivo. Qual é o instrumento que legitima essa iniciativa? Vai ser uma portaria ministerial, vai ser um decreto? Não foi respondido ainda as proposições expostas, mas certamente a estratégia pode ser recuperada a tempo. Destacou, ainda, a importância dos Planos Setoriais para o PNMC e que eles estão prontos, ressaltando que o da Agricultura ficou muito bom e que está servindo de modelo, utilizado pelos outros planos setoriais. Cita o exemplo da CNI que pressionou e quis participar, comentando que não há nenhuma intenção de guardar informação, ocultar, ou mesmo guardar segredo. 2 - APROVAÇÃO DA ATA ANTERIOR, DO REGIMENTO INTERNO E DO FUNCIONAMENTO DO FUNDO CLIMA: O Sr. Eduardo Assad pede inversão da pauta de acordo com a sugestão da Sra. Fernanda Carvalho (ONG), incluindo a discussão sobre novas linhas de financiamento ao final da reunião, o que foi aprovado pelos presentes. Então, propõe a aprovação da Ata anterior. O Sr. Sérgio Eduardo Weguelin Vieira (BNDES) solicita retificação nas linhas 245 a 252 da ata anterior. A Sra. Paula Bennati (representante da CNI) solicita o registro de sua presença como participante na reunião anterior. Sem outras considerações a Ata anterior foi aprovada. O Sr. Eduardo Assad informou que, após receber observações dos representantes sobre o Regimento Interno, restou uma pendência notada pelo representante do BNDES a ser resolvida pelo Comitê Gestor. Com a palavra, do Sr Sérgio Weguelin citou o art. 8º e o 14º em dúvida, questionando qual é a diferença dessas duas deliberações, porque os dois artigos tratam do processo de deliberação. O Sr Eduardo Assad esclareceu que o art 8º trata da deliberação das matérias da ordem do dia, para aprovação da pauta, enquanto o art 14º trata das deliberações em plenário, para discussão de cada item de pauta. A Sra. 3

4 Fernanda Carvalho (OnG) lembrou uma discussão anterior com o BNDES sobre a periodicidade em que o Comitê Gestor receberia relatórios sobre a execução dos recursos reembolsáveis, afirmando que o Fundo Amazônia recebe relatórios semestrais. Acrescentou que gostaria de propor que no inciso 1º do art. 21 fosse acrescentada a expressão com relatórios semestreais. Colocado em votação, a proposta foi aprovada pelos presentes. A Srª. Josilene Ticianelle (suplente dos Estados) intervém no que diz respeito ao artigo 19, inciso XI parágrafo único, solicitando esclarecimentos. Observa que a expressão abster-se de votar em deliberações que envolvam matéria sobre as quais haja qualquer tipo de interesse pessoal supõe que qualquer entidade com representação no Comitê Gestor que apresentar um pedido de acesso a recursos do Fundo automaticamente estará impedida e o conselheiro deverá se abster. O Srº Francisco Gaetani explica que quando uma entidade apresentar um projeto, ela não poderá votar nesse projeto específico por ser de interesse declaratório. O Srº Carlos Afonso Nobre (Titular/MCT) observa que o artigo 2, que trata da composição do Comitê Gestor, afirma que os representantes não governamentais serão indicados no âmbito do Fórum de Mudanças Climáticas. O Sr. Francisco Gaetani esclarece que o regimento reproduz o que a própria legislação sobre o Fundo indica. O Sr. Neilton Fidelis da Silva (FBMC) esclarece que o processo de constituição do Regimento não podia fugir do decreto que originava a conformação desse Comitê Gestor. Acrescentou que essa não foi uma demanda do Fórum e que as nove representações não governamentais teriam origem nas suas respectivas instituições ou comunidades organizadas e o Forum apenas chancelaria as indicações. O Sr. Eduardo Assad (SMCQ) sugere uma redação alternativa, propondo acrescentar ao final do 1º do art 2º a expressão ouvidas as respectivas entidades representativas. Colocado em votação, a proposta foi aprovada pelos presentes. O Sr. Sérgio Eduardo Weguelin (BNDES) propõe a supressão da alinea d) do artigo 21 e do item IV do artigo 20. No primeiro caso, o MMA já indica os integrantes da Secretaria Executiva do Fundo e no segundo caso, no inciso IV, ao BNDES, na qualidade do agente financeiro dos recursos reembolsáveis não compete indicar os integrantes em relação aos recursos reembolsáveis. O sr. Eduardo Assad colocou a proposta em votação e foi aprovada pelos presentes. O Srº Eduardo Assad (SMCQ) passou a expor a estrutura em formação do MMA para o acompanhamento do Fundo Clima, dentro da Secretaria de Mudanças Climáticas, ainda não devidamente formalizada, mas em processo avançado de discussão. A nova Secretaria chamar-se-á Secretaria de Mudanças do Clima e Recursos Hídricos. A área de Qualidade Ambiental irá juntar-se à Secretaria de Ambiente Urbano e Qualidade Ambiental. A Diretoria de Mundanças Climáticas terá três diretorias: clima, recursos hídricos e revitalização de bacias. Há uma discussão se algum componente de floresta, principalmente no que diz respeito ao desmatamento, entrará também nessa nova Secretaria. A Diretoria de Mudanças Climáticas tem hoje uma gerência do Fundo Clima e o Sr. Marcos Del Prette está colaborando nessa gerência, está com uma equipe inicial e tem ajudado nas reuniões do Fundo Clima. Doravante, deveremos entrar em uma parte analítica, de como serão orientados os projetos, executados os recursos, etc. O Sr. Marcos Del Prette vai mostrar um pouco como a Gerência do Fundo Clima está sendo estruturada. A segunda etapa dos trabalhos da Gerência deverá mostrar a profunda intersecção com o BNDES para acompanhamento dos projetos reembolsáveis, como eles estão e em que estágio estão inseridos, se estão cumprindo as determinações legais, fazer um acompanhamento mais detalhado das atividades. O Sr. Marcos Del Prette apresenta os fluxos de trabalho interno do Fundo Clima e seus processos. Informa que nos primeiros meses tem procurado sistematizar os procedimentos, eliminando passos desnecessários, organizando os processos de trabalho e, ao mesmo tempo, precisando acelerar os procedimentos de execução dos recursos, sobretudo aqueles que precisam ser executados ainda no corrente ano, em Apresenta e reproduz em tela esses procedimentos de trabalho do Fundo Clima. A seguir, o Sr. Eduardo Assad passa a ordem de inscritos para o Sr. Carlos Nobre (MMA) que pede simplificação nos processos de descentralização, identificando os processos com informatização, para o sistema de alerta de desastres naturais. O Sr. Aloísio Lopes Pereira (Ministério da Fazenda) comenta suas preocupações de como os projetos devem chegar ao Comitê Gestor para análise e em que condições 4

5 o Comitê vai analisar e efetivamente se manifestar sobre a qualidade dos projetos, o acesso a documentação original, propondo definição de parâmetros e uma análise prévia tempo hábil. O Sr. Fabiano Chaves da Silva (MPOG) sugere a emissão de parecer com base em parâmetros a serem esclarecidos para a pontuação e critérios de aprovação dos projetos. O Sr. Fábio Marques (Empresarial Rural) observa os limites de detalhamento dos procedimentos internos do Comitê Gestor, além de critérios e prazos que devem ser compartilhados e discutidos dentro do Regimento Interno. O Sr. Eduardo Assad observa que é possível simplificar as descentralizações através de um plano de trabalho quando o projeto é de um ministério. A CONJUR do MMA leva em média 10 dias para análise. Quanto aos projetos com outras entidades não federais, o instrumento é o convênio, como no caso de entidades de excelência USP e Unicamp ou com entidades civis. Assim, teríamos ações estruturantes, como por exemplo criação de um centro de monitoramento em emissões em agricultura ou de sistema de alerta contra desastres naturais. Já, parte dos recursos deverão ser destinados à livre concorrência de projetos pelas entidades interessadas. A Sra. Fernanda Carvalho (OnG) indaga porque as questões dos Planos Setoriais não estão colocadas para o Fundo em 2012, enfatizando que o grande beneficiário seria o governo, e que a sociedade civil não está participando, trazendo boas práticas da FBONGS e Observatório do Clima, sugerindo o montante dos recursos e a justa partilha dos recursos a sociedade civil em O Sr. Eduardo Assad observa que a demanda da sociedade civil está contemplada e pode participar, uma vez que os recursos de 2011 foram praticamente divididos equitativamente. O Sr. Carlos Nobre (MCT) comenta que está chegando há cinco meses no MCT e tem ficado surpreso com o nível de burocracia do Governo Federal. No MCT, a equipe de técnicos está conversando realmente sério e recomenda ao membros do Fundo Clima uma informatização segmentada, uma simplificação radical. E talvez valesse a pena rever um pouco essa estrutura toda do sistema de aprovação do Fundo Clima. Declara que não é especialista no assunto, destacando em primeiro lugar, a informação e, em segundo lugar, simplificação, seguindo a lei, seguindo todos os ditames dos órgãos de controle, de fiscalização, avaliação. Reforça que no MCT realmente estão fazendo um estudo sério sobre o assunto e no próximo ano estarão implementando um novo modelo de gestão totalmente informatizado. O Sr. Aloísio Lopes Pereira de Melo (MF) comenta que o que deve interessar aos conselheiros em suas ações é saber como os projetos chegam até o Comitê Gestor para análise e combinação com antecedência mínima para receber informação dos projetos. O Sr. Sérgio Eduardo Weguelin Vieira (BNDES) sugere a indicação de um relator ou relatora para determinados projetos, que essa pessoa se encarregaria de ler maiores detalhes, fazer uma pequena observação. Com relação ao SICONV, comenta que houve um progresso extraordinário, acha que esses sistemas vão evoluindo, é um sistema imenso que pega o Governo Federal inteiro para cadastros e gestão de convênios. O Sr. Fabiano Chaves da Silva (MPOG) observa que diversas atividades constantes nos fluxos apresentados deverão ser seguidas, algumas precisam até serem mais esclarecidas, quais parâmetros devem ser utilizados para a seleção, para tornar a questão da análise mais objetiva possível porque pode haver muita contestação. Em segundo lugar, as formas dos convênios: algumas já estão informatizadas no banco de dados do SICONV. O Sr. Fabio Marques (Setor Industrial Rural) faz a seguinte indagação: precisaríamos detalhar o processo de aprovação dos projetos no Regimento Interno ou no anexo ao Regimento Interno do Comitê? Existe um processo de aprovação de projetos com critérios, prazos e inclusive, é muito complexo, o ponto nesse processo estaria diretamente dentro do MMA, de um ministério ou se esse processo deveria estar detalhado em alguma parte do Regimento Interno do Fundo, pode até ser um anexo, até porque ele tende a ser maior em termos de volume do que o próprio Regimento Interno. O Sr. Eduardo Assad lembrou que os projetos apresentados constituem apenas uma amostra de demanda informal e que deverá ser preparado um chamamento público. Tais projetos estão completamente fora de padrão. Ouvindo falar do Fundo Clima, interessados enviaram projetos, não fizemos nenhuma triagem, foi só para mostrar para vocês. A Sra. Fernanda Carvalho(OnG) observa que é muito importante consolidar tanto a credibilidade do Fundo no Brasil, como internacionalmente. O Sr. Eduardo Assad fez uma 5

6 proposta de 3% de cada linha de recurso para a capacitação da sociedade civil. Deveríamos discutir isso porque seria interessante para o ano que vem, enfim, nós vamos fazer um trabalho das duas redes, FBOMS e Observatório do Clima, para discutir quais são as prioridades para 2012 porque, enfim, este ano, o Ministério fez ad referendum no Conselho, conforme coloca no Comitê, e no Decreto. Espera-se que a partir do ano que vem o Comitê tenha uma discussão mais ativa e que ao discutir não só o montante dos recursos reembolsáveis e não reembolsáveis, como está na lei e no decreto, nós possamos discutir também qual é a fatia desse recurso para a sociedade civil. Sr. Marcos Del Prette (Gerente do Fundo Clima) fala que tem que pensar a meio e longo prazo tudo o que tem que fazer e ao mesmo tempo tem que executar. Os critérios já estão sendo elaborados e vai ser proposto em debate, explica que o roteiro de padronização de projetos já está no sitio do MMA. Os projetos levam um tempo para entrarem em votação e depois tem um período muito curto para tramitar internamente no MMA e na burocracia que é inexorável, mas a estratégia a ser traçada é como se resolve isso no curto prazo. O Sr. Eduardo Assad (SMCQ) pede para voltar às propostas, que são três. O primeiro ponto é se os convênios, os recursos de descentralização orçamentária, que é de governo federal para governo federal. Lembra que estão sendo elaborados dentro do MCT os documentos relativos ao Centro de Prevenção de Desastres Naturais, que já foi criado efetivamente, foi motivo de comemoração 30 anos depois conseguir se criar um Centro de Prevenção de Desastres Naturais. Além disso, recursos que iriam para os ministérios devem acelerar os planos setoriais. A segunda observação se refere à proposição de um convênio com o setor do monitoramento, que é uma discussão antiga do plano setorial de agricultura, indicado para alguma instituição da Rede Clima. E o terceiro item que seria os recursos via convênios e outros chamamentos públicos. São os três itens transformados em proposta. O Sr. Aloísio Lopes (MF) questiona a plenária sobre o recurso para elaboração dos planos setoriais em questão: se na primeira proposta, como descentralização direta ou como demanda espontânea. A dúvida levantada pelo conselheiro é se nessa pré autorização que está sendo feita contempla os requisitos. São programas que já têm dotação orçamentária. O Sr. Marcos Del Prette informa que estará abrindo um chamamento público até o começo de julho, que os projetos têm que ser escritos naquele padrão, naquele modelo que está sendo disponibilizado na Internet. O Sr. Eduardo Assad (SMCQ) responde ao Sr. Luiz Fernando do Amaral (Setor Empresarial) que se não tiver recursos para a elaboração dos planos setoriais, cada Ministério deverá providenciar recursos para fazer isso de outra maneira. O valor que Fundo poderá disponibilizar deve ser algo próximo de 200 a 300 mil reais por plano. O Sr. Carlos Nobre(MCT) observar que o Comitê Gestor deve ter cuidado para não fragmentar seus recursos, precisando avançar em projetos estruturantes. Por isso, precisa buscar um equilíbrio, fomentando algumas ações de pequena monta, ações de capacitação, a participação da sociedade civil nos projetos, mas se for tudo em uma direção de centenas de pequenos projetos, o Fundo Clima não atingirá seus objetivos. Esse Comitê deveria pensar numa estratégia de colocar porcentagem em ações estruturantes, por exemplo, como essa de dez milhões que já foram aprovadas, pois o Brasil não tem ainda o Sistema de Prevenção de Desastres Naturais, e isso são coisas estruturantes. O Sr. Eduardo Assad (SMCQ) afirma que a fragmentação de recurso muitas vezes não traz o retorno, e as discussões levantadas na reunião passada com relação aos recursos reembolsáveis foram no sentido de tentar encontrar produtos que estivessem, já na escala industrial, que assegurassem alguma coisa com relação a redução de emissão. Foi por isso que defendeu-se o ônibus a etanol porque existe indústria no Brasil que faz, existe interesse, existe linha de financiamento e é possível utilizar esse recurso atendendo não só o setor industrial, também como o setor rural, nessa linha. Então, foi uma proposta e, obviamente, que o modal de transporte virá muito pesado na discussão do ano que vem, serão discussões estruturantes. A questão da energia não convencional também vem sendo discutida em grandes projetos estruturantes, da utilização das energias das ondas do mar. Um país com oito mil quilômetros de costa não tem nada disso aproveitado. O Sr. Aloísio Lopes (MF) pede a palavra e se manifesta em apoio às propostas e, em especial, com relação a esse convênio da Unicamp, acha que cabe reforçar essa proposta, pois o monitoramento é uma ação do plano setorial da agricultura, 6

7 cuja estratégia de implementação foi definida como sendo esta de parceria com a Embrapa, Unicamp, INPE e demais entidades da Rede Clima. É uma ação que consta do plano agricultura e ela vem atender a uma necessidade estratégica de monitorar efetivamente as iniciativas de redução de emissões a agricultura, que é um dos desafios mais complexos que tem nesse plano. O Sr. Eduardo Assad (SMCQ) Propõe em votação os Conselheiros. A Sra. Fernanda Carvalho(OnG) pede a palavra e concorda desde que se estabeleça o papel do Comitê Gestor nesta situação, mesmo que seja como o que foi colocado de talvez uma pequena Comissão, de algumas pessoas que acompanhem, tem que ter estabelecido um mecanismo de acompanhamento. O Sr. Eduardo Assad (SMCQ) comentou sobre as duas etapas da votação, a primeira votação, são essas três propostas, se o comitê concorda no encaminhamento dessas propostas. Elas são diferentes: uma é direcionada, a outra é livre concorrência. Os presentes aprovaram a proposição. A segunda proposta é sobre a indicação de pelo menos dois membros do Comitê para nos auxiliar no julgamento das propostas: se o Comitê concorda em indicar duas pessoas para ajudar o MMA na discussão das propostas que vão chegar. O Sr. Eduardo Assad (SMCQ) esclarece sobre as linhas de ação do Fundo já aprovadas em reuniões anteriores. A primeira é apoio á difusão e tecnologias premiadas, mudanças climáticas, a segunda é manejo florestal, comunitário, pesquisa e difusão de tecnologia. Essas são de livre concorrência. A terceira, já discutida na reunião passada, como complemento à campanha da Secretaria de Comunicação à campanha do lixo, seria dirigida para descentralização para a SECOM. Uma nova linha seria destinada aos planos setoriais, cerca de 1 milhão para a finalização: eles são 5, dá 200 mil para cada um. Propõe, também, colocar um item adicional, que é o uso para apoio a finalização dos planos setoriais, apoio para os planos setoriais, 1 milhão de reais esse é de centralização. Outra linha de ação nova seria a recuperação de área degradadas por mineração, bem como para estudos sobre a erosão costeira. O Gerenciamento Costeiro do MMA fez quatro bons estudos de monitoramento costeiro e ficou fora das discussões do Fundo Clima, não sendo contemplados e que havia sido decidido em reuniões anteriores que deveria entrar. A Sra. Fernanda CArvalho (OnG) interroga o Sr. Eduardo Assad acerca de um entendimento anterior com setor de mineração, que vai ser uma das áreas mais demandadoras de recursos no tema adaptação nos próximos anos, sendo necessário saber da intensidade deste problema. Esse foco aparece principalmente porque vários grupos de mineração têm uma série de ações locais e que mostram a viabilidade de recuperação com alguma celeridade de áreas que são realmente críticas, então nós estamos querendo usar isso como algo emblemático. Pegamos o que tinha de pior no Brasil e conseguimos recuperar em tanto tempo. Então é possível fazer em outra áreas. O Sr. Aloísio Lopes Pereira Melo (MF) afirma que está sendo iniciada uma discussão do plano de mudanças do clima para o setor de mineração e, pela apresentação prévia feita no Grupo Executivo, o grosso da contribuição do plano setorial é justamente a recuperação. Então, comenta se deve apoiar, inclusive com recursos não reembolsáveis, e se não seria mais adequado ver e esperar o plano setorial ficar pronto e definir o mecanismo de apoio à recuperação de áreas degradadas em geral. Sugere fazer um piloto. Sr. Eduardo Assad (SMCQ) comenta que o projeto piloto deve começar a ter uma certa aderência com o plano de mineração. À luz do que foi feito com os não reembolsáveis como transportes, foi colocado recurso reembolsável no transporte sem ter o plano setorial definido, mas sabendo que aquele ponto seria um dos entraves de financiamento. O Sr. Carlos Nobre (MCT) concordou e apoiou a ideia de fazer esse primeiro investimento não reembolsável para difundir a ideia de recuperação, apesar de recuperação ser muito cara. Alertou para recuperação de áreas de mineração ou de recuperação florestal e recuperação dos ecossistemas e a recuperação de áreas degradadas por mineração. Há um espectro muito amplo das atividades que não se adequam inteiramente ao Fundo Clima. A Sra. Paula Bennati (CNI) que é interessante ter isso como uma ideia de difusão da medida, dentro desse projeto piloto. Sugere a necessidade de um detalhamento acerca das medidas de recuperação, porque realmente algumas delas não implicam ma redução de emissão considerável. A Sra. Fernanda Carvalho (OnG) observou que adaptação é o carro chefe desse fundo. Nesse sentido, solicitou esclarecimentos sobre essa questão de recuperação de áreas 7

8 degradadas pela mineração. Achou que a questão de recuperação de áreas degradadas pode ser vista por uma perspectiva mais ampla. O Sr. Fabiano Chaves da Silva (MPOG), a princípio concordou com a proposição do plano piloto para mineração. Isso seria um bom exemplo de uma metodologia temática para a recuperação. O Sr. Eduardo Assad (SMCQ) informou que existem metodologias prontas para o setor de mineração e que estão sendo aplicadas. A ideia era tentar mostrar isso. Na agricultura, a recuperação em áreas degradadas tem 30 anos de experiência. Propõe, então, ao Comitê Gestor a posição anterior: 1 milhão para a finalização do plano; 2 milhões para estudo de mineração; 2 milhões para mineração. O Sr. Hamilton Moss de Souza (MME)explica ao Comitê que é plenamente favorável a mineração, até porque infelizmente os representantes do setor mineral não estão presentes para esclarecer o efeito demonstração, mas dentro dos argumentos que foram apresentados é exatamente esse efeito demonstração que vai poder alavancar e possibilitar um plano de mineração que está sendo elaborado por área geográfica no País. O Sr. Aloísio Lopes Pereira de Melo (MF) registra seu seu voto comentando que é contrário à destinação de recursos não reembolsáveis à mineração pelos seguintes motivos: primeiro, o que é externalidade negativa de atividade econômica, deve ser internalizado pela atividade. Vale para a agricultura, vale para a mineração, vale para a siderurgia, carvão vegetal etc. Não haveria neste momento justificativa para usar o recurso orçamentário não reembolsável para subvencionar uma obrigação de um setor da economia. Se a siderurgia precisa, a agricultura vai dizer que precisa, o carvão vegetal vai dizer que precisa. Cada um tem um rastro de passivos ambientais que devem ser resolvidos, mas isso não deve ser subvencionado pelo recurso não reembolsável do Fundo Clima. O Sr. Eduardo Assad (SMCQ) iniciou a votação: o primeiro é 1 milhão de reais para Planos Setoriais de Clima. Quem discordar deve se manifestar, argumenta. Aprovado. O segundo item seria 2 milhões de reais para estudos de adaptação na zona costeira. Sem manifestação contrária, foi aprovado. O terceiro item seria investimentos de recursos não reembolsáveis para recuperação de áreas degradadas por mineração. Seis (6 votos) foram favoráveis (MIDC, MCT, CNI, MAPA, MME, BNDES), cinco (5 votos) contrários (MF, MPOG, ONG, CONTAG, ESTADOS), quatro (4 votos) abstenções (FBMC, SETOR RURAL, CC, MRE). Sra. Márcia do Valle Real (Estados) esclarece que gostaria que constasse em ata que os Estados são contra destinação de recursos não reembolsáveis para o setor privado, no caso para recuperação de mineração de áreas degradadas da mineração que representa setor privado. A Sra. Fernanda Carvalho (OnG) se pronuncia votando sua posição em que ficasse consignado em ata que as ONGs são contra, na ausência de uma discussão mais ampla e com base em dados que embasem a escolha por um determinado setor, e ressaltando que as ações do Fundo Clima devem ter o seu impacto climático demonstrado em painel. O Sr. Carlos Nobre (MCT) afirma que o MCT vota a favor, mas dentro do entendimento de que o recurso vai ser usado na recuperação como piloto. O ponto central é para estudos. 3 - ENCAMINHAMENTOS: Realização da 3ª Reunião Ordinária que foi marcada para dia 12 de julho. Pediu a todos os presentes para mudar esta data. A proposta é fazer a próxima Reunião Ordinária para discutir projetos apresentados ao Fundo. Proposição da Sra. Fernanda Carvalho (OnG): Solicita que a 4ª Reunião Ordinária, a ser realizada ao final do ano, tenha na agenda uma visão estratégica dos recursos para O Sr. Eduardo Assad (SMCQ) propõe representantes entre os conselheiros presentes para o julgamento dos projetos. Nessa etapa, estariam presentes técnicos do Fundo Clima, de outras áreas do MMA afins com os temas avaliados, e com integrantes do Comitê Gestor. O Sr Neilton Fidelis (FBMC) apresentou-se como voluntário para a avaliação. O Sr Carlos Nobre (MCT) comprometeuse a enviar o suplente da instituição no Fundo Clima para participar da avaliação. Os presentes nada opuseram à proposição. 8

9 ENCERRAMENTO DOS TRABALHOS: A 2ª reunião extraordinária do Comitê Gestor foi encerrada pelo Sr. Eduardo Assad, às 13h:20, que agradeceu a presença dos membros do Comitê Gestor e demais participantes, colocando-se à disposição para o esclarecimento de eventuais dúvidas. 9

Ata Provisória da 6ª Reunião Ordinária do Comitê Gestor do Fundo Nacional sobre Mudança do Clima

Ata Provisória da 6ª Reunião Ordinária do Comitê Gestor do Fundo Nacional sobre Mudança do Clima MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA DE MUDANÇAS CLIMÁTICAS E QUALIDADE AMBIENTAL FUNDO NACIONAL SOBRE MUDANÇA DO CLIMA SEPN 505, Lote 2, Bloco B Ed. Marie Prendi Cruz, 2 Andar - Asa Norte CEP 70730-542

Leia mais

FUNDO NACIONAL DE MUDANÇAS DE CLIMA Relato da 9ª Reunião Ordinária do Comitê Gestor Fundo Nacional sobre Mudança do Clima

FUNDO NACIONAL DE MUDANÇAS DE CLIMA Relato da 9ª Reunião Ordinária do Comitê Gestor Fundo Nacional sobre Mudança do Clima FUNDO NACIONAL DE MUDANÇAS DE CLIMA Relato da 9ª Reunião Ordinária do Comitê Gestor Fundo Nacional sobre Mudança do Clima Relatório elaborado por Guilherme Zaniolo Karam (Observatório de Clima & Fundação

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA DE MUDANÇAS CLIMÁTICAS E QUALIDADE AMBIENTAL FUNDO NACIONAL SOBRE MUDANÇA DO CLIMA

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA DE MUDANÇAS CLIMÁTICAS E QUALIDADE AMBIENTAL FUNDO NACIONAL SOBRE MUDANÇA DO CLIMA MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA DE MUDANÇAS CLIMÁTICAS E QUALIDADE AMBIENTAL FUNDO NACIONAL SOBRE MUDANÇA DO CLIMA SEPN 505. Lote 2, Bloco B Ed. Marie Prendi Cruz, 2º Andar Asa Norte CEP 70730-542

Leia mais

Resolução n o 01, de 6 de abril de 2011

Resolução n o 01, de 6 de abril de 2011 Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR CONSELHO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL CONMETRO Resolução n o 01, de 6 de abril de 2011

Leia mais

Rio de Janeiro, 26 de março de 2013. Prezados Membros do FBMC,

Rio de Janeiro, 26 de março de 2013. Prezados Membros do FBMC, Rio de Janeiro, 26 de março de 2013. Prezados Membros do FBMC, A Secretaria Executiva do Fórum Brasileiro de Mudanças Climáticas (FBMC) realizou, em 12 de março de 2013, reunião de discussão e apresentação

Leia mais

MUDANÇAS CLIMÁTICAS E OS MECANISMOS DE GESTÃO AMBIENTAL

MUDANÇAS CLIMÁTICAS E OS MECANISMOS DE GESTÃO AMBIENTAL Brasília, 12 de maio de 2011 MUDANÇAS CLIMÁTICAS E OS MECANISMOS DE GESTÃO AMBIENTAL Eduardo Delgado Assad Secretário de Mudanças Climáticas e Qualidade Ambiental Emissões de GEE Média Anual das Emissões

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO CONSEPE

REGIMENTO INTERNO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO CONSEPE REGIMENTO INTERNO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO CONSEPE TÍTULO I DA COMPOSIÇÃO E DAS COMPETÊNCIAS CAPÍTULO I - DA COMPOSIÇÃO Art. 1º O CONSEPE é o órgão colegiado superior que supervisiona e

Leia mais

(Do Sr. Wellington Fagundes) Art. 1º Esta Lei institui a Política Nacional de Bens e Serviços Ambientais e Ecossistêmicos PNBSAE.

(Do Sr. Wellington Fagundes) Art. 1º Esta Lei institui a Política Nacional de Bens e Serviços Ambientais e Ecossistêmicos PNBSAE. PROJETO DE LEI N o, DE 2011 (Do Sr. Wellington Fagundes) Institui a Política Nacional de Bens e Serviços Ambientais e Ecossistêmicos PNBASAE, e dá outras providências. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art.

Leia mais

Propostas de Posição (MMA)

Propostas de Posição (MMA) Rio de Janeiro, 15 de Outubro de 2009 Aos membros do Fórum, Conforme estava previsto, foi realizada no dia 13 de outubro do corrente ano reunião do Presidente da República para tratar da posição da posição

Leia mais

Minuta de Lei para criação do Sistema Municipal do Meio Ambiente

Minuta de Lei para criação do Sistema Municipal do Meio Ambiente Minuta de Lei para criação do Sistema Municipal do Meio Ambiente Faço saber que a Câmara Municipal de, Estado de Goiás, decreta e eu, Prefeito Municipal, sanciono a seguinte Lei: Art. 1.º - Esta lei, com

Leia mais

Fundo Setorial de Petróleo e Gás Natural Comitê Gestor REGIMENTO INTERNO

Fundo Setorial de Petróleo e Gás Natural Comitê Gestor REGIMENTO INTERNO MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO Fundo Setorial de Petróleo e Gás Natural Comitê Gestor REGIMENTO INTERNO (aprovado na 49ª Reunião do Comitê realizada em 11 de abril de 2013) CAPÍTULO I Do

Leia mais

RESOLUÇÃO CSA N.º 05, DE 14 DE ABRIL DE 2015

RESOLUÇÃO CSA N.º 05, DE 14 DE ABRIL DE 2015 RESOLUÇÃO CSA N.º 05, DE 14 DE ABRIL DE 2015 Altera o Regimento Interno da Comissão Própria de Avaliação (CPA) das Faculdades Ponta Grossa. A Presidente do Conselho Superior de Administração das Faculdades

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO FÓRUM NACIONAL DE PREVENÇÃO E ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL CAPÍTULO I DA FINALIDADE

REGIMENTO INTERNO DO FÓRUM NACIONAL DE PREVENÇÃO E ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL CAPÍTULO I DA FINALIDADE REGIMENTO INTERNO DO FÓRUM NACIONAL DE PREVENÇÃO E ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL CAPÍTULO I DA FINALIDADE Art. 1 o O Fórum Nacional de Prevenção e Erradicação do Trabalho Infantil, constituído em 1994,

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE LAURENTINO CONSELHO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE COMAM REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE

PREFEITURA MUNICIPAL DE LAURENTINO CONSELHO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE COMAM REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE PREFEITURA MUNICIPAL DE LAURENTINO CONSELHO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE COMAM REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE APRESENTADO PARA SER DISCUTIDO E APROVADO na reunião do Conselho CAPÍTULO

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 86/11-CEPE

RESOLUÇÃO Nº 86/11-CEPE RESOLUÇÃO Nº 86/11-CEPE Cria as Comissões de Ética no Uso de Animais da Universidade Federal do Paraná. O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO, órgão normativo, consultivo e deliberativo da administração

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CONSELHO GESTOR DAS UNIDADES DE SAUDE

REGIMENTO INTERNO CONSELHO GESTOR DAS UNIDADES DE SAUDE REGIMENTO INTERNO CONSELHO GESTOR DAS UNIDADES DE SAUDE SEÇÃO I Da Instituição: Art. 1º - O presente Regimento Interno, regula as atividades e as atribuições do Conselho Gestor na Unidade de Saúde, conforme

Leia mais

REGULAMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE FRUTAL FAF TÍTULO I DO REGULAMENTO E DO ÓRGÃO

REGULAMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE FRUTAL FAF TÍTULO I DO REGULAMENTO E DO ÓRGÃO REGULAMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE FRUTAL FAF TÍTULO I DO REGULAMENTO E DO ÓRGÃO Art. 1º Este Regulamento Interno disciplina as normas relativas ao funcionamento da Comissão Própria

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE DO ESTADO DO TOCANTINS COEMA CAPÍTULO I DAS COMPETÊNCIAS

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE DO ESTADO DO TOCANTINS COEMA CAPÍTULO I DAS COMPETÊNCIAS REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE DO ESTADO DO TOCANTINS COEMA CAPÍTULO I DAS COMPETÊNCIAS Art. 1 - O Conselho Estadual do Meio Ambiente do Estado do Tocantins COEMA, órgão colegiado

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO FÓRUM ESTADUAL DE PREVENÇÃO E ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL

REGIMENTO INTERNO DO FÓRUM ESTADUAL DE PREVENÇÃO E ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL REGIMENTO INTERNO DO FÓRUM ESTADUAL DE PREVENÇÃO E ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL CAPÍTULO I DA FINALIDADE Art. 1º. O Fórum Estadual de Prevenção e Erradicação do Trabalho Infantil, constituído em 2008,

Leia mais

Permanente e os Fóruns F Regionais das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte

Permanente e os Fóruns F Regionais das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior Secretaria do Desenvolvimento da Produção Departamento de Micro, Pequenas e Médias M Empresas O Fórum F Permanente e os Fóruns F Regionais das

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO REGIMENTO INTERNO

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO REGIMENTO INTERNO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DO CONSELHO, ATRIBUIÇÕES E SUA COMPOSIÇÃO Art. 1.º- O Conselho Municipal de Educação de Carlos Barbosa, criado pela Lei Municipal nº1.176 de

Leia mais

Politica Nacional sobre Mudanças do Clima Plano Nacional de Mudanças climáticas

Politica Nacional sobre Mudanças do Clima Plano Nacional de Mudanças climáticas Brasília, 21 de setembro de 2011 Audiência Pública Senado Federal 5a. Reunião Comissão Mista Permanente sobre Mudanças Climáticas -CMMC Politica Nacional sobre Mudanças do Clima Plano Nacional de Mudanças

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CARAPICUIBA SECRETARIA MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO URBANO E HABITAÇÃO

PREFEITURA MUNICIPAL DE CARAPICUIBA SECRETARIA MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO URBANO E HABITAÇÃO PREFEITURA MUNICIPAL DE CARAPICUIBA SECRETARIA MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO URBANO E HABITAÇÃO Conforme aprovado em reunião do Conselho Municipal de Habitação, realizada aos 29 de maio de 2012; REGIMENTO

Leia mais

PORTARIA Nº 43, DE 28 DE ABRIL DE 2010.

PORTARIA Nº 43, DE 28 DE ABRIL DE 2010. PORTARIA Nº 43, DE 28 DE ABRIL DE 2010. Publica o Regimento Interno do Colegiado Setorial de Música do Conselho Nacional de Política Cultural. O MINISTRO DE ESTADO DA CULTURA, no uso das atribuições que

Leia mais

Prefeitura Municipal de Porto Alegre

Prefeitura Municipal de Porto Alegre Prefeitura Municipal de Porto Alegre DECRETO Nº 17.301, DE 14 DE SETEMBRO DE 2011. Aprova o Regimento Interno do Fórum Municipal dos Conselhos da Cidade (FMCC). O PREFEITO MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE, no

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 33/2012 Autoriza a criação do Comitê de Gestão e Tecnologia da Informação (CGTI), da Universidade Federal da

Leia mais

CAPÍTULO III - DA ORGANIZAÇÃO Art. 3º. - O CEMACT funciona através do Plenário, das Câmaras Técnicas, comissões e Secretaria Administrativa.

CAPÍTULO III - DA ORGANIZAÇÃO Art. 3º. - O CEMACT funciona através do Plenário, das Câmaras Técnicas, comissões e Secretaria Administrativa. REGIMENTO DO CEMACT REGIMENTO INTERNO DO CEMACT CAPÍTULO I - DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º. - Este Regimento estabelece as formas de organização e funcionamento do conselho Estadual de Meio Ambiente,

Leia mais

COMITÊ DA CONTA TFCA

COMITÊ DA CONTA TFCA COMITÊ DA CONTA TFCA REGIMENTO Título Das disposições INTERNO I preliminares Art. 1 - O Comitê da Conta TFCA é um órgão colegiado de caráter deliberativo, instituído pela Portaria 398, de 21 de outubro

Leia mais

PORTARIA Nº 45, DE 28 DE ABRIL DE 2010.

PORTARIA Nº 45, DE 28 DE ABRIL DE 2010. PORTARIA Nº 45, DE 28 DE ABRIL DE 2010. Publica o Regimento Interno do Colegiado Setorial de Literatura, Livro e Leitura do Conselho Nacional de Política Cultural. O MINISTRO DE ESTADO DA CULTURA, no uso

Leia mais

MINUTA DE REGIMENTO DO CONSELHO CONSULTIVO DE CÂMPUS

MINUTA DE REGIMENTO DO CONSELHO CONSULTIVO DE CÂMPUS MINUTA DE REGIMENTO DO CONSELHO CONSULTIVO DE CÂMPUS CAPÍTULO I Das Disposições Iniciais, Categoria e Finalidades Art. 1º - O Conselho de Câmpus do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de

Leia mais

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO. BKR-Lopes, Machado Orientador Empresarial LEX

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO. BKR-Lopes, Machado Orientador Empresarial LEX VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO Orientador Empresarial LEX Jovem Empreendedor Programa de Crédito Orientado Comitês de Aprovação Regulamento Operacional CARTA-CIRCULAR

Leia mais

GRUPO TÉCNICO SOBRE RESÍDUOS DE PESTICIDAS - GT PR CODEX ALIMENTARIUS - BRASIL REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I

GRUPO TÉCNICO SOBRE RESÍDUOS DE PESTICIDAS - GT PR CODEX ALIMENTARIUS - BRASIL REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I GRUPO TÉCNICO SOBRE RESÍDUOS DE PESTICIDAS - GT PR CODEX ALIMENTARIUS - BRASIL REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I NATUREZA E FINALIDADES Art. 1º - O Grupo Técnico sobre Resíduos de Pesticidas GT-PR, instituído

Leia mais

CONSELHO ESTADUAL DO IDOSO DE SANTA CATARINA MODELO PARA IMPLANTAÇÃO DE CONSELHO MUNICIPAL DO IDOSO

CONSELHO ESTADUAL DO IDOSO DE SANTA CATARINA MODELO PARA IMPLANTAÇÃO DE CONSELHO MUNICIPAL DO IDOSO CONSELHO ESTADUAL DO IDOSO DE SANTA CATARINA MODELO PARA IMPLANTAÇÃO DE CONSELHO MUNICIPAL DO IDOSO CONSELHO ESTADUAL DO IDOSO DE SANTA CATARINA CEI/SC COMISSÃO REGIONAL DO IDOSO DE ROTEIRO PARA IMPLANTAÇÃO

Leia mais

MEMÓRIA: 9ª Reunião Ordinária do Comitê Tecnologia e Inovação. Apresentação do andamento das ações do Comitê e encaminhamentos pertinentes.

MEMÓRIA: 9ª Reunião Ordinária do Comitê Tecnologia e Inovação. Apresentação do andamento das ações do Comitê e encaminhamentos pertinentes. MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR Fórum Permanente das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte MEMÓRIA: 9ª Reunião Ordinária do Comitê Tecnologia e Inovação Assunto: Apresentação

Leia mais

ATA Nº 011/2008 ATA DA REUNIÃO ORDINÁRIA DO COLEGIADO REGIONAL DO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE BARRA DO BUGRES EM 29/08/2008.

ATA Nº 011/2008 ATA DA REUNIÃO ORDINÁRIA DO COLEGIADO REGIONAL DO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE BARRA DO BUGRES EM 29/08/2008. sig Estado de Mato Grosso Secretaria de Estado de Ciência e Tecnologia Fundação Universidade do Estado de Mato Grosso Campus Universitário Deputado Estadual Rene Barbour Colegiado Regional Barra do Bugres

Leia mais

Estado do Rio de Janeiro MUNICÍPIO DE ANGRA DOS REIS Fundação de Turismo de Angra dos Reis Conselho Municipal de Turismo

Estado do Rio de Janeiro MUNICÍPIO DE ANGRA DOS REIS Fundação de Turismo de Angra dos Reis Conselho Municipal de Turismo REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE TURISMO Capítulo 1 Da Natureza e das Competências Art. 1. O CMT, órgão consultivo e deliberativo, instituído pela Lei nº 433/L.O., de 14 de junho de 1995, alterada

Leia mais

CAPÍTULO I. Do Conselho, sua Finalidade e suas Atribuições

CAPÍTULO I. Do Conselho, sua Finalidade e suas Atribuições REGIMENTO INTERNO - ANTIGO CAPÍTULO I Do Conselho, sua Finalidade e suas Atribuições Art. 1º O Conselho Municipal de Educação de Concórdia (CME), órgão deliberativo e consultivo da Administração no setor

Leia mais

Parágrafo único. Os programas e ações do Governo Federal que integram o Plano Plurianual deverão observar o previsto no caput.

Parágrafo único. Os programas e ações do Governo Federal que integram o Plano Plurianual deverão observar o previsto no caput. DECRETO Nº 7.390, DE 9 DE DEZEMBRO DE 2010. Regulamenta os arts. 6o, 11 e 12 da Lei no 12.187, de 29 de dezembro de 2009, que institui a Política Nacional sobre Mudança do Clima - PNMC, e dá outras providências.

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO CONSULTIVO DO PARQUE NACIONAL DA TIJUCA

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO CONSULTIVO DO PARQUE NACIONAL DA TIJUCA REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO CONSULTIVO DO PARQUE NACIONAL DA TIJUCA CAP I - Da Natureza Art. 1 - O Conselho Consultivo do Parque Nacional da Tijuca CCPNT é órgão consultivo integrante da estrutura administrativa

Leia mais

Edital MMA/FNMC Nº 04/2011

Edital MMA/FNMC Nº 04/2011 MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE FUNDO NACIONAL SOBRE MUDANÇA DO CLIMA Edital MMA/FNMC Nº 04/2011 REFERENTE À LINHA DE ATUAÇÃO 8 DA CHAMADA PÚBLICA MMA/FNMC N 02/2011 PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS Brasília,

Leia mais

Regimento do Comitê de Tecnologia da Informação

Regimento do Comitê de Tecnologia da Informação Regimento do Comitê de Tecnologia da Informação Capítulo 1 Da Natureza e das Competências Art. 1º - O Comitê de Tecnologia da Informação (CTI) instituído pela portaria Nº 1319/GR, de 15 de Setembro de

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO NACIONAL PARA A ERRADICAÇÃO DO TRABALHO ESCRAVO DA COMISSÃO NACIONAL DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO ESCRAVO - CONATRAE

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO NACIONAL PARA A ERRADICAÇÃO DO TRABALHO ESCRAVO DA COMISSÃO NACIONAL DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO ESCRAVO - CONATRAE REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO NACIONAL PARA A ERRADICAÇÃO DO TRABALHO ESCRAVO TÍTULO I DA COMISSÃO NACIONAL DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO ESCRAVO - CONATRAE CAPÍTULO I DA NATUREZA Art. 1º A Comissão Nacional

Leia mais

D.O.U, de 26 de maio de 2011, Seção 1, pag. 35 COMITÊ NACIONAL DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA. DELIBERAÇÃO No- 1, DE 5 DE MAIO DE 2011

D.O.U, de 26 de maio de 2011, Seção 1, pag. 35 COMITÊ NACIONAL DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA. DELIBERAÇÃO No- 1, DE 5 DE MAIO DE 2011 D.O.U, de 26 de maio de 2011, Seção 1, pag. 35 COMITÊ NACIONAL DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA DELIBERAÇÃO No- 1, DE 5 DE MAIO DE 2011 Institui o Regimento Interno do Comitê Nacional de Educação Financeira. O COMITÊ

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO GESTOR DA UNICEASA CENTRO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO GESTOR DA UNICEASA CENTRO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO GESTOR DA UNICEASA CENTRO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL Sete Lagoas 2012 REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO GESTOR DA UNICEASA CENTRO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL SUMÁRIO TÍTULO PÁGINA

Leia mais

CÓDIGO DE BOAS PRÁTICAS DA GOVERNANÇA

CÓDIGO DE BOAS PRÁTICAS DA GOVERNANÇA CÓDIGO DE BOAS PRÁTICAS DA GOVERNANÇA Versão 1.0 Setembro/2014 Página2 2014 Programa de Desenvolvimento Econômico do Território Oeste do Paraná Todos os direitos reservados. A reprodução não autorizada

Leia mais

PORTARIA SEMA N 10, DE 27 DE FEVEREIRO DE 2012.

PORTARIA SEMA N 10, DE 27 DE FEVEREIRO DE 2012. PORTARIA SEMA N 10, DE 27 DE FEVEREIRO DE 2012. Aprova o Regimento Interno do Conselho Consultivo da Reserva Biológica Mata Paludosa. A SECRETÁRIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE, no uso de suas atribuições

Leia mais

DELPHOS INFORMA ANO 95 - Nº 04 DIVULGAÇÃO DA RESOLUÇÃO CNSP Nº 13/95 PUBLICADA NO DIÁRIO OFICIAL DA UNIÃO

DELPHOS INFORMA ANO 95 - Nº 04 DIVULGAÇÃO DA RESOLUÇÃO CNSP Nº 13/95 PUBLICADA NO DIÁRIO OFICIAL DA UNIÃO DELPHOS INFORMA ANO 95 - Nº 04 DIVULGAÇÃO DA RESOLUÇÃO CNSP Nº 13/95 PUBLICADA NO DIÁRIO OFICIAL DA UNIÃO Ementa: Declina sobre a constituição, atribuições, normas e participantes do Comitê Consultivo

Leia mais

DEPARTAMENTO DE TAQUIGRAFIA, REVISÃO E REDAÇÃO NÚCLEO DE REVISÃO DE COMISSÕES TEXTO COM REDAÇÃO FINAL

DEPARTAMENTO DE TAQUIGRAFIA, REVISÃO E REDAÇÃO NÚCLEO DE REVISÃO DE COMISSÕES TEXTO COM REDAÇÃO FINAL CÂMARA DOS DEPUTADOS DEPARTAMENTO DE TAQUIGRAFIA, REVISÃO E REDAÇÃO NÚCLEO DE REVISÃO DE COMISSÕES TEXTO COMISSÃO ESPECIAL - PL 203/91 - POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS EVENTO: Reunião Ordinária N : 000638/01

Leia mais

Art. 1º Fica aprovado, na forma do Anexo, o Regimento Interno do Conselho Nacional de Arquivos - CONARQ. JOSÉ EDUARDO CARDOZO ANEXO

Art. 1º Fica aprovado, na forma do Anexo, o Regimento Interno do Conselho Nacional de Arquivos - CONARQ. JOSÉ EDUARDO CARDOZO ANEXO PORTARIA Nº 2.588, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2011 Aprova o Regimento Interno do Conselho Nacional de Arquivos O MINISTRO DE ESTADO DA JUSTIÇA, no uso de suas atribuições previstas nos incisos I e II do parágrafo

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CAPITULO I

REGIMENTO INTERNO CAPITULO I 1 Conselho Municipal do Idoso de São Caetano do Sul Lei n 4.179 de 23/10/2003. R. Heloísa Pamplona, 304 B. Fundação CEP 09520-310 São Caetano do Sul/SP. cmi@saocaetanodosul.sp.gov.br REGIMENTO INTERNO

Leia mais

MEMÓRIA: 10ª Reunião Ordinária do Comitê Tecnologia e Inovação. Apresentação do andamento das ações do Comitê e encaminhamentos pertinentes.

MEMÓRIA: 10ª Reunião Ordinária do Comitê Tecnologia e Inovação. Apresentação do andamento das ações do Comitê e encaminhamentos pertinentes. MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR Fórum Permanente das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte MEMÓRIA: 10ª Reunião Ordinária do Comitê Tecnologia e Inovação Assunto: Apresentação

Leia mais

FÓRUM PERMANENTE DA AGENDA 21 DE TANGUÁ RJ REGIMENTO INTERNO. CAPÍTULO l - DA CONSTITUIÇÃO, SEDE, OBJETIVOS, PRINCÍPIOS E ATRIBUIÇÕES.

FÓRUM PERMANENTE DA AGENDA 21 DE TANGUÁ RJ REGIMENTO INTERNO. CAPÍTULO l - DA CONSTITUIÇÃO, SEDE, OBJETIVOS, PRINCÍPIOS E ATRIBUIÇÕES. FÓRUM PERMANENTE DA AGENDA 21 DE TANGUÁ RJ REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO l - DA CONSTITUIÇÃO, SEDE, OBJETIVOS, PRINCÍPIOS E ATRIBUIÇÕES. Art. 1º - O Fórum permanente da Agenda 21 de Tanguá, criado pela Lei

Leia mais

Regimento Interno do Comitê de Ética em Pesquisa do Centro Universitário Metodista Izabela Hendrix

Regimento Interno do Comitê de Ética em Pesquisa do Centro Universitário Metodista Izabela Hendrix Regimento Interno do Comitê de Ética em Pesquisa do Centro Universitário Metodista Izabela Hendrix I - Do Objeto e suas finalidades Art. 1º - O Comitê de Ética em Pesquisa do Centro Universitário Metodista

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Página 1 de 5 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 7.405, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2010. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84,

Leia mais

VIII Da Portaria de criação e do Regimento Interno do Conselho Consultivo da Floresta Nacional de São Francisco de Paula:

VIII Da Portaria de criação e do Regimento Interno do Conselho Consultivo da Floresta Nacional de São Francisco de Paula: VIII Da Portaria de criação e do Regimento Interno do Conselho Consultivo da Floresta Nacional de São Francisco de Paula: SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 31, DE 30 DE JUNHO DE 2011

RESOLUÇÃO Nº 31, DE 30 DE JUNHO DE 2011 RESOLUÇÃO Nº 31, DE 30 DE JUNHO DE 2011 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal do Pampa, em sessão de 30 de junho de 2011, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo artigo 16 e pelo

Leia mais

FACULDADE LEÃO SAMPAIO

FACULDADE LEÃO SAMPAIO CONSELHO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE LEÃO SAMPAIO COORDENAÇÃO DE PESQUISA E EXTENSÃO COPEX Regimento Interno do Comitê de Ética em Pesquisa da Faculdade Leão Sampaio (CEP/LEÃO SAMPAIO) Atualizado

Leia mais

GEF. Global Environment Facility. Apresentação de Propostas de Projeto para o Programa do Fundo Global para o Meio Ambiente

GEF. Global Environment Facility. Apresentação de Propostas de Projeto para o Programa do Fundo Global para o Meio Ambiente GEF Global Environment Facility Apresentação de Propostas de Projeto para o Programa do Fundo Global para o Meio Ambiente Ministério da Ciência e Tecnologia Eduardo Campos Ministro da Ciência e Tecnologia

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Aprovado pela Resolução nº 01/2013/CONSUP/IFTO, de 7 de março de 2013.

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Aprovado pela Resolução nº 01/2013/CONSUP/IFTO, de 7 de março de 2013. REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Aprovado pela Resolução nº 01/2013/CONSUP/IFTO, de 7 de março de 2013. PALMAS-TO MARÇO 2013 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 2 DA CATEGORIA... 2 FINALIDADE E OBJETIVOS...

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE DIREITOS DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA CMDPCD JACOBINA CAPÍTULO I - DA NATUREZA

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE DIREITOS DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA CMDPCD JACOBINA CAPÍTULO I - DA NATUREZA REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE DIREITOS DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA CMDPCD JACOBINA CAPÍTULO I - DA NATUREZA Art.1º - O Conselho Municipal dos Direitos da Pessoa com Deficiência - CMDPCD, instituído

Leia mais

Regimento Interno de Atuação do Conselho Fiscal da Fundação das Escolas Unidas do Planalto Catarinense Fundação UNIPLAC

Regimento Interno de Atuação do Conselho Fiscal da Fundação das Escolas Unidas do Planalto Catarinense Fundação UNIPLAC 1 Regimento Interno de Atuação do Conselho Fiscal da Fundação das Escolas Unidas do Planalto Catarinense Fundação UNIPLAC Capítulo I Da Natureza, Finalidade e Composição Art. 1 - O Conselho Fiscal é o

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E DA COMUNICAÇÃO - CTIC

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E DA COMUNICAÇÃO - CTIC REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E DA COMUNICAÇÃO - CTIC APROVAÇÃO: Resolução DIREX nº 110/2013, de 08/07/2013 REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E DA COMUNICAÇÃO

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO COLEGIADO DO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DA FACULDADE DE APUCARANA - FAP

REGULAMENTO INTERNO DO COLEGIADO DO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DA FACULDADE DE APUCARANA - FAP 205 ANEXO B Regulamento Interno do Colegiado do Curso de Bacharelado em Sistemas de Informação REGULAMENTO INTERNO DO COLEGIADO DO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DA FACULDADE DE APUCARANA - FAP 206 CAPÍTULO

Leia mais

Legislações Federal e Estadual de Mudança do Clima. Roberto de Aguiar Peixoto

Legislações Federal e Estadual de Mudança do Clima. Roberto de Aguiar Peixoto Legislações Federal e Estadual de Mudança do Clima Roberto de Aguiar Peixoto Sumário da Apresentação Contexto e Objetivos das Leis sobre Mudanças do Clima Breve Histórico: PNMC, PEMC Metas e Principais

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA DE LONDRINA CMDPD REGIMENTO INTERNO

CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA DE LONDRINA CMDPD REGIMENTO INTERNO CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA DE LONDRINA CMDPD REGIMENTO INTERNO O Conselho Municipal dos Direitos da Pessoa com Deficiência de Londrina CMDPD, criado pela Lei Municipal nº

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO URBANO CAPÍTULO I DA NATUREZA, COMPOSIÇÃO E ORGANIZAÇÃO

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO URBANO CAPÍTULO I DA NATUREZA, COMPOSIÇÃO E ORGANIZAÇÃO REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO URBANO CAPÍTULO I DA NATUREZA, COMPOSIÇÃO E ORGANIZAÇÃO Art. 1º - O Conselho Municipal de Planejamento Urbano, criado pela Lei Complementar nº 510,

Leia mais

MINUTA FUNDAÇÃO DE APOIO A SERVIÇOS TÉCNICOS, ENSINO E FOMENTO A PESQUISAS REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I PRINCÍPIOS GERAIS

MINUTA FUNDAÇÃO DE APOIO A SERVIÇOS TÉCNICOS, ENSINO E FOMENTO A PESQUISAS REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I PRINCÍPIOS GERAIS MINUTA FUNDAÇÃO DE APOIO A SERVIÇOS TÉCNICOS, ENSINO E FOMENTO A PESQUISAS REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I PRINCÍPIOS GERAIS Art. 1º A FUNDAÇÃO DE APOIO A SERVIÇOS TÉCNICOS, ENSINO E FOMENTO A PESQUISAS -

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO. Aprovado pelo Conselho Universitário em sessão realizada no dia 29 de março de 1983 Resolução No. 09/83.

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO. Aprovado pelo Conselho Universitário em sessão realizada no dia 29 de março de 1983 Resolução No. 09/83. REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO Aprovado pelo Conselho Universitário em sessão realizada no dia 29 de março de 1983 Resolução No. 09/83. REGIMENTO DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO GRUPO TÉCNICO DE PADRONIZAÇÃO DE RELATÓRIOS. CAPÍTULO I Da Natureza e Finalidade

REGIMENTO INTERNO DO GRUPO TÉCNICO DE PADRONIZAÇÃO DE RELATÓRIOS. CAPÍTULO I Da Natureza e Finalidade MINISTÉRIO DA FAZENDA REGIMENTO INTERNO DO GRUPO TÉCNICO DE PADRONIZAÇÃO DE RELATÓRIOS CAPÍTULO I Da Natureza e Finalidade Art. 1º O Grupo Técnico de Padronização de Relatórios, instituído pela Portaria

Leia mais

Art. 2º Ao Conselho Estadual de Segurança Alimentar e Nutricional - CONSEA-SC - compete:

Art. 2º Ao Conselho Estadual de Segurança Alimentar e Nutricional - CONSEA-SC - compete: LEI Nº 12.911, de 22 de janeiro de 2004 Dispõe sobre a criação do Conselho Estadual de Segurança Alimentar e Nutricional - CONSEA-SC - e do Fundo Estadual de Segurança Alimentar e Nutricional - FUNSEA-SC

Leia mais

Regulamento do Colegiado dos Cursos da Faculdade Católica Santa Teresinha (Aprovado pela Resolução 005/2010-DG/FCST, datado de 20/12/2010)

Regulamento do Colegiado dos Cursos da Faculdade Católica Santa Teresinha (Aprovado pela Resolução 005/2010-DG/FCST, datado de 20/12/2010) 0 Regulamento do Colegiado dos Cursos da Faculdade Católica Santa Teresinha (Aprovado pela Resolução 005/2010-DG/FCST, datado de 20/12/2010) CAICÓ-RN 2010 1 SUMÁRIO CAPÍTULO I: DA NATUREZA, COMPOSIÇÃO

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO DEPARTAMENTAL

REGULAMENTO DO CONSELHO DEPARTAMENTAL Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional REGULAMENTO DO CONSELHO DEPARTAMENTAL RESOLUÇÃO Nº. 073/12-COGEP de 07/12/12 Curitiba

Leia mais

Política Estadual de Governança Climática e Gestão da Produção Ecossistêmica

Política Estadual de Governança Climática e Gestão da Produção Ecossistêmica Política Estadual de Governança Climática e Gestão da Produção Ecossistêmica R E A L I Z A Ç Ã O : A P O I O : A Razão Diversos estados e municípios também estão avançando com suas políticas de mudanças

Leia mais

COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL PROJETO DE LEI N o 266, DE 2007 (Apensos: PLs n os 453/2007, 701/2007, 6.519/2009 e 3.729/2012) Altera a Lei nº 9.985, de 2000, que regulamenta o

Leia mais

Faço saber que a Câmara Municipal de Mangueirinha, Estado do Paraná aprovou e eu, ALBARI GUIMORVAM FONSECA DOS SANTOS, sanciono a seguinte lei:

Faço saber que a Câmara Municipal de Mangueirinha, Estado do Paraná aprovou e eu, ALBARI GUIMORVAM FONSECA DOS SANTOS, sanciono a seguinte lei: LEI Nº 1580/2010 Dá nova nomenclatura a Conferência, ao Conselho e ao Fundo Municipal de Assistência ao Idoso criado pela Lei nº 1269/2004 e dá outras providencias. Faço saber que a Câmara Municipal de

Leia mais

EDITAL Nº 003/2009/BRA/06/032 CÓDIGO ARRANJOS PRODUTIVOS

EDITAL Nº 003/2009/BRA/06/032 CÓDIGO ARRANJOS PRODUTIVOS EDITAL Nº 003/2009/BRA/06/032 CÓDIGO ARRANJOS PRODUTIVOS O Projeto BRA/06/032 comunica aos interessados que estará procedendo à contratação de consultoria individual, na modalidade produto, para prestar

Leia mais

UNIVERSIDADE DO VALE DO SAPUCAÍ REGULAMENTO DO COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA DA FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE/CAMPUS CENTRAL

UNIVERSIDADE DO VALE DO SAPUCAÍ REGULAMENTO DO COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA DA FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE/CAMPUS CENTRAL PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA UNIVERSIDADE DO VALE DO SAPUCAÍ REGULAMENTO DO COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA DA FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE/CAMPUS CENTRAL Pouso Alegre Minas Gerais 2011 SUMÁRIO

Leia mais

RESOLUÇÃO N. 007/2007

RESOLUÇÃO N. 007/2007 Dispõe sobre o Regimento Interno do Grupo Temático Continuado do Sistema de Informações Gerenciais, vinculado e subordinado a Câmara Gerencial de Informação e Tecnologia da Informação, coordenado pelo

Leia mais

LEI Nº 7213/2006 DO CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA

LEI Nº 7213/2006 DO CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA LEI Nº 7213/2006 DISPÕE SOBRE A CRIAÇÃO, COMPOSIÇÃO, ATRIBUIÇÕES E FUNCIONAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. Faço saber a todos os habitantes

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS VICE-GOVERNADORIA ATA DE REUNIÃO. CAMG - Palácio Tiradentes Sala Cláudio Manoel

GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS VICE-GOVERNADORIA ATA DE REUNIÃO. CAMG - Palácio Tiradentes Sala Cláudio Manoel ATA DE REUNIÃO Evento: Local: 2ª Reunião do Comitê Intersetorial de Políticas Públicas para a Juventude CAMG - Palácio Tiradentes Sala Cláudio Manoel Data: 20 de fevereiro de 2013 Horário: 15h00min Nesta

Leia mais

FUNDAÇÃO FRANCISCO MASCARENHAS FACULDADES INTEGRADAS DE PATOS COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA ENVOLVENDO SERES HUMANOS

FUNDAÇÃO FRANCISCO MASCARENHAS FACULDADES INTEGRADAS DE PATOS COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA ENVOLVENDO SERES HUMANOS 1 REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA ENVOLVENDO SERES HUMANOS O presente Regimento (versão aprovada em reunião plenária de 24 de maio de 2011) disciplina os critérios de composição, eleição

Leia mais

ESTADO DO MARANHÃO Prefeitura Municipal de Imperatriz

ESTADO DO MARANHÃO Prefeitura Municipal de Imperatriz Prefeitura Municipal de Imperatriz DECRETO MUNICIPAL N 031/2003 Dispõe sobre a regulamentação, composição e funcionamento do Conselho Municipal do Meio Ambiente COMMAM, no município de Imperatriz. O PREFEITO

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 7.405, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2010. Institui o Programa Pró-Catador, denomina Comitê Interministerial para Inclusão Social

Leia mais

Cadastro Organizacional/PMS CMI/SETAD CONSELHO MUNICIPAL DO IDOSO - CMI

Cadastro Organizacional/PMS CMI/SETAD CONSELHO MUNICIPAL DO IDOSO - CMI CONSELHO MUNICIPAL DO IDOSO Órgão/Sigla: Natureza Jurídica: Vinculação: Finalidade: CONSELHO MUNICIPAL DO IDOSO - CMI ÓRGÃO COLEGIADO SECRETARIA MUNICIPAL DO TRABALHO, ASSISTÊNCIA SOCIAL E DIREITOS DO

Leia mais

R E S O L U Ç Ã O Nº 002/88

R E S O L U Ç Ã O Nº 002/88 R E S O L U Ç Ã O Nº 002/88 CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA UFPI Aprova o Regimento do Conselho de Administração da UFPI. O Reitor da Universidade Federal do Piauí e Presidente do Conselho de Administração,

Leia mais

CAPÍTULO I DA NATUREZA E DA FINALIDADE

CAPÍTULO I DA NATUREZA E DA FINALIDADE REGULAMENTO DO -CAEx CAPÍTULO I DA NATUREZA E DA FINALIDADE Art.1º O Conselho Acadêmico de Atividades de Extensão do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro, IFRJ, é um órgão

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA INDÚSTRIA, DO COMÉRCIO E ASSUNTOS DO MERCOSUL.

SECRETARIA DE ESTADO DA INDÚSTRIA, DO COMÉRCIO E ASSUNTOS DO MERCOSUL. ANEXO REGIMENTO INTERNO DO FÓRUM REGIONAL PERMANENTE DAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE DO ESTADO DO PARANÁ CAPÍTULO I NATUREZA E COMPETÊNCIAS Art. 1º. Ao Fórum Regional Permanente das Microempresas

Leia mais

O Presidente do CONSUP, no uso de suas atribuições legais e regimentais em vigor, e em cumprimento à decisão desse egrégio Conselho Superior,

O Presidente do CONSUP, no uso de suas atribuições legais e regimentais em vigor, e em cumprimento à decisão desse egrégio Conselho Superior, RESOLUÇÃO Nº 095/2013 CONSUP Institui o Conselho Editorial e aprova o Regulamento do Conselho Editorial da Faculdade de Ensino Superior de Marechal Cândido Rondon. O Presidente do CONSUP, no uso de suas

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 016/2015 DE 05 DE MARÇO DE 2015

RESOLUÇÃO Nº 016/2015 DE 05 DE MARÇO DE 2015 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 016/2015 DE 05

Leia mais

PROPOSTA DE PROGRAMAS E AÇÕES PARA O PNRH

PROPOSTA DE PROGRAMAS E AÇÕES PARA O PNRH PROPOSTA DE PROGRAMAS E AÇÕES PARA O PNRH Objetivo Geral PROPOR PROGRAMAS, AÇÕES E ESTRATÉGIAS, INTERSETORIAIS E INTERINSTITUCIONAIS, VISANDO ASSEGURAR O DESENVOLVIMENTO INTEGRADO E SUSTENTÁVEL DOS USOS

Leia mais

CAPÍTULO I DA IDENTIFICAÇÃO

CAPÍTULO I DA IDENTIFICAÇÃO CAPÍTULO I DA IDENTIFICAÇÃO Art. 1º O Laboratório de Línguas é um órgão complementar de fomento ao ensino, pesquisa, extensão, e prestação de serviços vinculado ao Centro de Letras e Ciências Humanas sob

Leia mais

REDD+ EM MATO GROSSO: RUMO À IMPLEMENTAÇÃO (Lei 9.878/2013)

REDD+ EM MATO GROSSO: RUMO À IMPLEMENTAÇÃO (Lei 9.878/2013) REDD+ EM MATO GROSSO: RUMO À IMPLEMENTAÇÃO (Lei 9.878/2013) Mato Grosso - Produção Soja 18,81 Milhões de toneladas Milho 2 Safra 8,41 Milhões de toneladas Algodão 1,44 Milhões de toneladas Rebanho 28,7

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS Er REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS Art 1º O Fórum da Agenda 21 Local Regional de Rio Bonito formulará propostas de políticas públicas voltadas para o desenvolvimento sustentável local, através

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE MOSSORÓ GABINETE DA PREFEITA

PREFEITURA MUNICIPAL DE MOSSORÓ GABINETE DA PREFEITA PREFEITURA MUNICIPAL DE MOSSORÓ GABINETE DA PREFEITA LEI Nº 2.255/2007 Dá nova redação a Lei nº 1.453/200 que cria o Conselho de Alimentação Escolar e dá outras providências. A PREFEITA MUNICIPAL DE MOSSORÓ,

Leia mais

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sudeste de Minas Gerais. Campus Juiz de Fora

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sudeste de Minas Gerais. Campus Juiz de Fora Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sudeste de Minas Gerais. Campus Juiz de Fora Ata da vigésima sexta Reunião do Conselho do Câmpus Juiz de Fora realizada no dia 07 de maio de 2014.

Leia mais

Mais do que faculdade, uma escola de empreendedores. Regulamento do Colegiado de curso da Faculdade Montes Belos

Mais do que faculdade, uma escola de empreendedores. Regulamento do Colegiado de curso da Faculdade Montes Belos Mais do que faculdade, uma escola de empreendedores Regulamento do Colegiado de curso da Faculdade Montes Belos São Luís de Montes Belos, novembro de 2011 REGULAMENTO COLEGIADO DE CURSOS REGULAMENTO INTERNO

Leia mais

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SÃO CARLOS REGIMENTO INTERNO ESCOLA MUNICIPAL DE GOVERNO

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SÃO CARLOS REGIMENTO INTERNO ESCOLA MUNICIPAL DE GOVERNO FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SÃO CARLOS REGIMENTO INTERNO ESCOLA MUNICIPAL DE GOVERNO SÃO CARLOS 2011 SUMÁRIO TÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO Art. 1º a 3º... 3 Capítulo I Da Natureza (art. 1º)... 3 Capítulo II Da Finalidade

Leia mais

SISNAMA Sistema Nacional de Meio Ambiente Rodrigo Agostinho SISNAMA Lei 6.938, de 31 de agosto de 1981, estabeleceu a Política nacional de meio ambiente e criou o SISNAMA; SISNAMA: Conjunto de órgãos e

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N 28/2012 Aprova o Regimento do Centro

Leia mais