Ambiente Empreendedor e a Mortalidade Empresarial: Estudo do Perfil do Empreendedor da Micro e Pequena Empresa no Norte do Paraná

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Ambiente Empreendedor e a Mortalidade Empresarial: Estudo do Perfil do Empreendedor da Micro e Pequena Empresa no Norte do Paraná"

Transcrição

1 Ambiente Empreendedor e a Mortalidade Empresarial: Estudo do Perfil do Empreendedor da Micro e Pequena Empresa no Norte do Paraná Autoria: Ivan De Souza Dutra Resumo Este trabalho consiste em mostrar novos elementos apontados pela pesquisa que Cooper e Schindler (1995), Gil (1999), Malhotra (2001) e Mattar (1996) classificam como exploratória e ex-post-facto, realizada no norte do Paraná, município de Londrina, com objetivo de identificar e analisar o perfil sócio-econômico do empreendedor de micros e pequenas empresas que não sobreviveram entre os anos de 1995 a 2000, correlacionando com prováveis fatores condicionantes desta mortalidade. Um modelo conceitual de pesquisa foi desenvolvido, para que, na metodologia, pudessem avaliar as resultantes da gestão e dinâmica empresarial. Os pontos principais abordados na revisão literária foram o sucesso empresarial e o ambiente empreendedor. A preocupação na qualidade do tratamento dos dados e a necessidade de cruzar diversas variáveis e de contemplar a amplitude do estudo, foram satisfeitas com a aplicação de instrumentos e ferramentas estatísticas não muito comuns no campo do conhecimento nacional do empreendedorismo, tal como a Análise Fatorial de Correspondência (AFC). Tais instrumentos permitiram associar os aspectos da gestão empresarial e das características empreendedoras no ambiente empreendedor. Os resultados são relatados através de análises específicas sobre o apoio para a abertura do negócio, assistência ou assessoria antes de encerrar o negócio, auxílio útil para evitar o fechamento e os principais motivos para o fechamento das empresas. Introdução Entender e, talvez, determinar sucesso empresarial é uma busca da Administração que atualmente apresenta um volumoso conjunto de trabalhos científicos. O reconhecimento da importância econômica e social das micro e pequenas empresas (MPEs) para uma nação é com freqüência destacada na literatura (LONGENECKER et al., 1997; MACMILLIAN; MCGRATH; SCHEINBERG, 1992; SOUZA, 1995). No campo do empreendedorismo, os estudos do comportamento empreendedor e dos fatores sócio-econômicos propulsores ou inibidores do sucesso empresarial ganharam amplitude junto aos pesquisadores. Também, pode-se abordagem em base social em estudos como os de Bygrave (1977), Shapero e Skol (1982), Young (1971) e Weber (1982). Algumas razões de base sócio-econômica de não longevidade dos negócios são apontadas por Alves et al. (1999) Bedê e Azzoni (1999), Dutra (2002; 2003) e Vale et al (1998), entre elas destaca-se a ausência da gestão previsional, identificada pela inexistência ou deficiência do planejamento do negócio, também observada por Zimmerer e Scarborough (1994), e fraca aplicação prática dos métodos de boa gestão. Dos principais resultados decorrentes desta deficiência, ocorre a falta de rigor ou de aplicação racional dos recursos que pode ser explicada pelo despreparo do futuro empresário, ou seja, falta de conhecimento técnico e conceitual, informações, relações e experiência, desde a concepção da idéia do negócio, até o seu encerramento. No aspecto gerencial, pode-se explicar a dificuldade em acessar fontes de capital para o empreendimento, em parte pela incapacidade de elaborar e utilizar o Plano de Negócios como ferramenta da função gerencial, conforme apontado em Dutra (2003). No aspecto comportamental, este dirigente, apresenta necessidades pessoais e características empreendedoras em potencial a serem 1

2 desenvolvidas, fatores que fazem parte do ambiente empreendedor conforme Filion (1991), Solomon e Winslow (1988). Ao estudar os processos de aprendizagem e a cultura organizacional, Nevis et al. (1999) afirma que o desenvolvimento de competências parece ter ligação estreita com a cultura e o ambiente organizacional. Incrementar este ambiente, face à necessidade de sucesso empresarial, são objetivos almejados pelo Brasil. Para induzir, organizar, satisfazer e alcançar melhores resultados, visando gerar organizações bem sucedidas no Brasil, desde a década de 1980, sucederam-se diversos e importantes trabalhos nos âmbitos governamentais, privados e sociais, com base nas discussões apresentadas por Marcovitch e Santos (1984), Dornelas (2001), Oliveira e Guimarães (2003). Observa-se então uma crescente dinâmica favorável com a criação de cursos de empreendedorismo nos três níveis de ensino oficial, as políticas e incentivos para novos negócios, os programas, eventos e organizações de estímulo, as associações, parques e incubadoras tecnológicos ou empresariais, as instituições de apoio promoção e fomento. No Brasil, as organizações de apoio tem buscado proporcionar condições para desenvolver o potencial empreendedor e capacitá-los, dotando-os de conhecimento, técnicas e habilidades. Auxiliando-os com ferramentas para elaboração de planos de negócios, atendendo aos requisitos na busca de investimentos em organizações financeiras, objetivando dar mais consistência e longevidade ao negócio que irá surgir. Pode-se observar a busca incessante de fatores ou indicativos que possam auxiliar para que os empreendedores e suas organizações obtenham maior sucesso empresarial. Parece que as obras acerca das características do empreendedor brasileiro já produzidos no Brasil, ainda, não são suficientes e demandam mais estudos, pois, notadamente nos últimos 5 anos, verificase substancial incremento na investigação de atitudes e comportamento dos empresários nacionais para determinar um perfil desse empreendedor e de sua gestão na vivência empresarial. Os Estudos de Dutra (2002; 2003), também, tiveram essa finalidade, levantando a criação de micro e pequenas empresas, por dirigentes brasileiros, no norte do estado do Paraná, e os fatores de não sobrevivência de seus negócios, comparando com o perfil do empreendedor bem sucedido. Então, o presente trabalho tem por objetivo continuar os estudos dos aspectos de mortalidade da micro e pequena empresa bem como avaliar o comportamento empresarial e empreendedor de seu dirigente, quando apresenta-se novos dados e variantes da pesquisa apresentada em Dutra (2003). Neste escopo, pode-se destacar a importância das ações das instituições de apoio e fomento ao empreendedorismo. O Empreendedor e Seu Ambiente Na atualidade, uma das questões com a expansão das MPEs é O que fazer para reduzir o alto índice de mortalidade nas MPEs?. No Brasil, há um alto índice de empresas encerradas nos primeiros anos. Conforme a região, entre 50% e 80% encerram no primeiro ano (BEDÊ; AZONI, 1999; DUTRA 2003, VALE et al., 1998). A preocupação com a mortalidade das MPEs é observada em outros países, por exemplo na Inglaterra (CROMIE, 1998), na Itália (PUGA, 2000) e Estados Unidos (GATEWOOD, 1997). A importância do desenvolvimento do potencial empreendedor e da aplicação da função gerencial na administração de empresas empreendedoras são contextos importantes destacados por Degen (1989), Dolabela (1999a; 1999b), Dutra (2002), Santos e Pereira 2

3 (1995). Eles expõem que muitas condições que determinam as oportunidades para empreender estão relacionadas às circunstâncias do ambiente organizacional interno e externo, com especial observância no apoio das instituições de fomento ao empreendedorismo e na cultura social. Deste ponto de vista, os autores apresentam alguns aspectos que podem produzir condições que favorecem o aparecimento de novos empreendedores e o auxilio no desenvolvimento empresarial daqueles já existentes. São eles: a) o conhecimento do comportamento empreendedor e das variáveis que o estimulam; b) um ambiente de conjuntura política e social voltada ao desenvolvimento de certos tipos de negócios; c) o desenvolvimento dos ativos que geram riqueza, entre eles a terra, as máquinas, o know-how, a educação, e a informação; d) a criação e desenvolvimento de tecnologias avançadas ou inovadoras, para levar o surgimento de novas áreas de negócios; e) o reconhecimento da sociedade e seus governantes sobre a importância dos novos negócios na geração de emprego e renda; f) os desafios proporcionados pela disseminação e miscigenação das diversas culturas conflitantes, que incentivam as pessoas a criarem novos caminhos e a progredirem. De forma adicional, Degen (1989) e Longenecker et al. (1997), argumentam a riqueza de uma nação é medida por sua capacidade de produzir, em quantidade necessária, os bens e serviços necessários ao bem-estar da população. A produção desses bens e serviços é fortemente impulsionada pela livre iniciativa que estimula o aumento do potencial criativo dos empreendedores, e que, por sua natureza, apresenta-se como um dos melhores recursos para solucionar os graves problemas sócio-econômicos (DEGEN, 1989; LONGENECKER ET AL.,1997; SANTOS; PEREIRA, 1995). A base social pode explicar um conjunto de variáveis relacionadas ao sucesso empresarial, mas Shapero e Skol (1982), Bygrave (1977) chamam a atenção para que não se considere estas variáveis de forma isolada, pois há fatores interagentes como os modelos de referência, a capacidade de construir redes de relacionamentos e as condições da economia e acesso aos recursos. Os estudos de Cromie (1988), Van de Ven (1993), Ferraz, Hupfer e Haguenaeuer (1997), Gatewood (1997), Puga (2000), Zinger, Lebrasseur e Zamibbi (2001) verificam que o incremento nas taxas de empreendedorismo para a sobrevivência do negócio, depende da infra-estrutura industrial do país, das políticas públicas, do suporte das agências e organismos de fomento, dos mecanismos de financiamentos e facilidades para acesso ao crédito. Na realidade brasileira, há um grande e bom conjunto de instituições que têm impulsionado e dinamizado o ambiente empreendedor. Especificamente, destacam-se o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social BNDES, a agência Financiadora de Estudos e Projetos FINEP, a Associação Brasileira de Capital de Risco ABCR, os Bancos Regionais de Microcrédito, as fundações de amparo à pesquisa e desenvolvimento estaduais, como por exemplo, a Fundação de Amparo e Pesquisa de São Paulo FAPESP e a Fundação Araucária no Paraná, o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas SEBRAE, a Associação Nacional de Entidades Promotoras de Empreendimentos de Tecnologias Avançadas ANPROTEC, as organizações não governamentais de incentivo ao empreendedorismo, os bancos de desenvolvimento regionais, o Banco do Brasil e alguns bancos regionais estatais e privadas. É inegável a estrutura e recursos de excelente qualidade que estas instituições possuem para os empreendedores de micro e pequenas organizações. Entretanto, desde as primeiras ações de desenvolvimento do empreendedorismo nacional, os índices nacional de mortalidade de 3

4 empresas estão intimamente ligados a uma deficiência do comportamento dos empreendedores nacionais, ao ignorarem uma procura por assessoria e assistência das organizações especializadas ou instituições de ensino superior, para desenvolverem seus projetos, observando-se consequentemente que não conseguiram chegar às instituições de fomento financeiro (DUTRA, 2002). Verificados particularmente numa ótica mais ampla, os estudos parecem apontar para as ações dessas instituições, no que tange a sua eficácia, ou a sua prospecção, sensibilização e interação com os pretendentes a empreender empresas. Procedimentos Metodológicos Este estudo, por ter características microeconômicas, está circunscrito geograficamente na esfera regional do norte do Estado do Paraná, Brasil. Restringe a fatores propulsores e inibidores de sobrevivência de empreendimentos nesta região e variáveis relacionadas ao perfil do empreendedor ou dirigente. Ele não esgota as possibilidades de novos estudos; ao contrário, busca abrir um campo para estudos posteriores, de confirmação, comparação ou continuação, que possam cada vez mais satisfazer a interdisciplinaridade e a complexidade que o escopo deste conhecimento exige. Na metodologia, delimitou-se um tempo entre cinco e seis anos. Este espaço se apresentou como um bom período a permitir uma avaliação mais aprofundada, objetivando identificar e analisar o perfil sócio-econômico dos dirigentes de empresas que não sobreviveram neste período no município e prováveis fatores condicionantes desta mortalidade. O seguinte problema foi proposto para atingir este objetivo:! Quais fatores condicionaram a mortalidade dos micro e pequenos empreendimentos no período de 1995 até 2000, inclusive, em Londrina e o perfil de seu empreendedor? Gil (1999) expõe a necessidade de dar suporte ao planejamento da pesquisa em sua dimensão mais ampla e para confrontar a visão teórica do problema com os dados da realidade. Assim, desenvolveu-se um quadro conceitual e metodológico preliminar que permitiu avaliar o fenômeno das mudanças organizacionais resultantes da gestão empresarial, conforme a Figura 1. A razão pela qual os profissionais liberais e os autônomos nem sempre tem a iniciativa de criar empresas fez com este grupo fosse excluído da amostra. A pesquisa foi classificada como exploratória ou descritiva segundo Gil (1999), Marconi e Lakatos (1996) e Mattar (1996). Limitou-se a detectar o que aconteceu, não manipulando variáveis e obteve-se como resultado um controle de variáveis, que Gil (1999) e Cooper e Schindler (1995) consideram ex-post-facto. Na dimensão tempo, foi classificada como transversal, por coletar informações em uma amostra somente uma vez (MALHOTRA, 2001; COOPER, SCHINDLER, 1995). Em primeira etapa, procurou-se as fonte de dados ou informações disponíveis para relacionar as organizações do município de Londrina abertas e encerradas entre 1995 e Uma das entidades de classe importante do município, a Associação Comercial e Industrial de Londrina ACIL precisou ser descartada como fonte de pesquisas para levantamento dos dados necessários, porque não oferecia em seu cadastro de empresas afiliadas, um controle objetivo das empresas que encerraram suas atividades. Devido à sua natureza, a Junta Comercial do Estado do Paraná também não possuía um cadastro de organizações que fosse amplo e abrangesse diversas atividades econômicas. 4

5 O setor de expedição de alvarás da Prefeitura Municipal de Londrina informou que não seria possível identificar todas as empresas que abriram e encerraram as atividades, porque usualmente os empresários não encerram formalmente devido à algumas razões, que Alves et al. (2001), Bede e Azzoni (1999) e Vale et al. (1998) apontam ser: o custo de encerramento; a esperança de reativar a empresa; a burocracia. Ao final, optou-se por trabalhar somente com o universo da base de dados oficiais existentes no sistema eletrônico de gestão de informações da prefeitura de Londrina que se considerou bastante expressivo e representativo. PROCESSO DE ADMINISTRAÇÃO CARACTERIZAÇÃO DO EMPREENDIMENTO EM ÉPOCA DE ATIVIDADE GESTÃO DO EMPREEN- DEDOR NEGÓCIO / VAR. DE MORTALIDADE QUALIDADES DO EMPREENDEDOR POLÍTICA MERCADOLÓGICA POLÍTICA FINANCEIRA POLÍTICA TECNOLÓGICA POLÍTICA DE RH VARIÁVEIS PROPULSORAS DO NEGÓCIO RESULTADOS DA GESTÂO EMPRESARIAL VARIÁVEIS INIBIDORAS DO NEGÓCIO PERFIL SÓCIO-ECONÔMICO E VARIÁVEIS DE NÃO SOBREVICÊNCIA OUTROS Fonte: Adaptado pelo autor a partir do trabalho de Previdelli (1996). Figura 1 - Modelo teórico da pesquisa 5

6 Para a seleção das organizações, considerou-se como critérios: a) as organizações deveriam fazer parte de uma das seguintes atividades: indústria, comércio, serviços; b) o período de atividade formal (fiscal), ou seja, data de abertura e data de encerramento das organizações, deveria estar entre 1995 e 2000, inclusive; c) as organizações deveriam ter seu alvará de abertura e seu encerramento concedidos pelo município de Londrina, através da prefeitura. Esta população representou um total de (nove mil, setecentos e cinqüenta e quatro) organizações, conforme o cadastro obtido junto à Prefeitura Municipal de Londrina. Na subclassificação de tamanho das organizações, escolheu-se o critério do SEBRAE (2003), sendo o seguinte: a) Micro empresa: na indústria até 19 e no comércio/serviço até nove empregados; b) Pequena empresa: na indústria de 20 a 99 e no comércio/serviço de 10 a 49 empregados; c) Média empresa: na indústria de 100 a 499 e no comércio/serviço de 50 a 99 empregados. A adoção deste critério e as condições impostas impossibilitaram selecionar as organizações antes da coleta de dados, mas somente após a amostragem. Esta situação é classificada por Malhotra, (2001), Barbetta (1999) e Mattar (1996) como sendo uma amostragem não probabilística ou determinística, num total de 262 entrevistados. De acordo com Mattar (1996), os dados foram fornecidos por fonte primária, os dirigentes ou responsáveis representativos. Para Gil (1999), Marconi e Lakatos (1996), a coleta de dados é caracterizada por questionários mistos, ou seja, constituídos de perguntas abertas, fechadas e algumas que dependiam de respostas dadas a outras perguntas, denominadas dependentes. Na compilação dos dados, tabulação e análise dos resultados, utilizou-se a Análise Fatorial de Correspondência (AFC) como um dos principais instrumentos estatísticos. A aplicação do método fatorial se deu pela aplicação de duas variáveis com geração gráfica em duas dimensões, quais sejam, com a examinação orientada pelo processo de Bouroche e Saporta (1980). O teste Qui-quadrado foi aplicado nas análises, com um nível de significância igual a 5%, sendo que foram aceitas as AFCs com coeficientes iguais ou superiores a 45%, já que este percentual tem um poder de predição significativo para estudos com elevado número de variáveis. Com a finalidade de proporcionar uma investigação de alto rigor e qualidade, os processamentos de tabulação, tratamento e cruzamento de 94 variáveis da pesquisa foram efetuados pelo software STATISTICA, versão 6.0. Resultados e Análises Os resultados e análises, que seguem, buscam adicionar os resultados apresentados no trabalho de Dutra (2003) e, assim, apresentar novos pontos. Isso foi possível devido ao alto número de variáveis contido e obtido da aplicação do processo de tratamento e cruzamento de dados no software escolhido, conseqüência da amplitude da pesquisa. Apesar de complementar este acima citado, o trabalho não encerra a exposição de todas as informações obtidas na pesquisa, o que pode abrir a oportunidade novos artigos. Procurou-se realizar cruzamentos entre o tempo de atividade dos negócios e de diversas variáveis relacionadas com o sucesso empresarial. Uma dessas aplicações foi a correlação com o apoio que o dirigente recebeu para abrir o seu negócio, resultado que se apresenta na Figura 1. Nesta figura, verifica-se que os dirigentes que não receberam apoio para a abertura do negócio mantiveram a empresa por até um ano em atividade. Por outro lado, aqueles que contaram com apoio familiar (30,91%) conseguiram que o negócio sobrevivesse até 3 anos. O baixo índice dos outros tipos de apoio explica suas posições na figura. A variabilidade desta análise está sendo explicada em torno de 78%, permitindo considerar o apoio familiar como 6

7 fator influenciador no tempo de vida das empresas. Percebe-se a ausência das entidades estimuladoras do empreendedorismo e das políticas públicas sociais e educacionais. Figura 1 - Análise de correspondência simples entre o apoio para a abertura do negócio e seu tempo de atividade Londrina, 1995/2000 Das razões para o encerramento das atividades, 35,88% dos dirigentes afirmaram que o faturamento da empresa tinha estagnado nos últimos doze meses; 25,95% consideraram que estava em queda moderada e 17,18%, em queda acelerada. Outros 17,94% afirmaram que o faturamento nos últimos doze meses estava em crescimento moderado e 3,05% em crescimento acelerado. Observa-se que quase 4/5 dos negócios não estavam com faturamento ascendente. Este resultado sugere um aprofundamento dos motivos que são causas desse cenário. Alguns desses motivos podem ser a falta de conhecimento profundo de mercado, o despreparo empresarial ou a não aplicação dos conhecimentos de gestão. São variáveis que poderiam ser em parte revertidas ou minimizadas com os programas de apoio das instituições de fomento ao empreendedorismo. Na Tabela 1, pode-se verificar que tipo de assistência ou assessoria foi procurado pela empresa, antes de encerrar suas atividades. O alto índice de dirigentes que não procuraram assistência ou assessoria para conduzir seus negócios pode ser fator motivador da mortalidade, assim como reforça a tese de que não foi pró-ativo para buscar sucesso, distanciando-se do perfil empreendedor. 7

8 Tabela 1 - Assistência/Assessoria de entidade ou profissional, antes de encerrar atividades Londrina, 1995/2000 ASSISTÊNCIA/ASSESSORIA FREQÜÊNCIA % % ACUMULADO Associação de Empresas do Ramo 1 0,38 0,38 Contador, Empresa de Consultoria ou Consultor 27 10,31 10,69 SEBRAE 13 4,96 15,65 SENAC/SESI 0 0,00 15,65 IES (Instituições de Ensino Superior) 1 0,38 16,03 Pessoas que Conheciam o Ramo 3 1,15 17,18 Não Procurou ,82 100,00 TOTAL ,00 100,00 A tendência pela procura de contador, consultor ou consultoria verificados neste trabalho é confirmada na pesquisa nacional do SEBRAE. Alves et al. (1999) destacam que tanto as empresas ativas como as extintas recorreram, principalmente, ao contador para auxílio na gerência. Segundo esses autores antes mencionados apontou que a procura por este profissional, no Paraná, foi bem maior nas empresas extintas, em torno de 25%; enquanto nas empresas ativas girou em torno de 7%. Na mesma pesquisa, as empresas de consultoria ou consultores obtiveram 32% de participação. Por outro lado, com este resultado pode-se deduzir que o dirigente não procurou as instituições de auxílio para o conhecimento das variáveis do ambiente empreendedor, o que foi confirmado nos demais resultados de toda esta pesquisa. A Tabela 2 expõe os tipos de auxílio úteis para evitar o fechamento da empresa, segundo seus dirigentes. O auxílio financeiro indicou que, provavelmente, os dirigentes tiveram problemas de fluxo de caixa. Tabela 2 - Auxílio útil para evitar o fechamento Londrina, 1995/2000 TIPO DE AUXÍLIO FREQÜÊNCIA % % ACUMULADO Governamental 68 25,95 25,95 Financeiro 68 25,95 51,9 Mercadológico 16 6,11 58,01 Administrativo 37 14,12 72,13 Mão-de-Obra Qualificada 10 3,82 75,95 Tecnológico 5 1,91 77,86 Outro 58 22,14 100,00 TOTAL ,00 100,00 8

9 O despreparo com o planejamento, verificado nas análises anteriores do trabalho de Dutra (2003), é apontado com uma das suas principais causas. Existe uma disponibilidade razoável de recursos para micro e pequenas empresas. São expressivos os aportes de numerário vindos do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social - BNDES para micro, pequenas e médias empresas. O volume desses recursos tem crescido ano a ano. No ano de 2000, a instituição disponibilizou 3 bilhões e 31 milhões de reais somente para micro e pequenas empresas. Já no ano de 2003, disponibilizou 10 bilhões e 20 milhões de reais (BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO SOCIAL, 2004). À medida que os dirigentes não realizam planejamento, ou plano de negócios, não conseguem ter acesso aos montantes disponíveis nas instituições. A forte necessidade de auxílio administrativo, verificado na Tabela 2, indica que foi uma provável área carente na empresa, ou seja, uma área com deficiências na gestão empresarial. Se assim considerar, parece ser uma evidência da falta ou mal direcionamento dos conhecimentos da ciência administrativa na condução dos negócios. Desta forma, pode-se ressaltar, assim como nas análises anteriores, que a inadequada ou fraca aplicação dos conhecimentos dos dirigentes sobre gestão é um dos principais fatores de mortalidade do empreendimento. O pedido por auxílio governamental é confirmado no cenário nacional. A pesquisa do Global Entrepreneurship Monitor - GEM (REYNOLDS, 2002), que colocou o Brasil em sétimo lugar em atividade empreendedora, classificou o país com pontuação regular em políticas governamentais (planos, incentivos, programas de ensino, eventos, câmaras de discussões etc.). Este é um dos motivos que levam os estudiosos, as instituições da área, as empresas, os dirigentes e pessoas que apóiam o empreendedorismo brasileiro, a considerarem a necessidade de um programa nacional de empreendedorismo. Detectou-se o principal motivo pelo fechamento da empresa por ordem de importância, obtido dos dirigentes através de respostas múltiplas. Elaborou-se a Tabela 21 contendo somente os fatores mais citados como primeiro e segundo mais importantes. Excetuando-se os motivos por problemas particulares e outros, destacam-se os seguintes problemas relacionados como mais importantes: falta de clientes; concorrência muito forte; carga tributária elevada; falta de crédito e crise econômica. Todos eles relacionados à gestão de marketing e financeiro-fiscal, demonstrando grande insuficiência nestas áreas, também verificada ao longo dos resultados. A não realização das vendas faz todo o resto perder o sentido e, a empresa estará fadada à morte (ACKEL SOBRINHO, 1999; BOWERSOX; CLOSS, 2001; FLEURY et al. 2001; KOTLER; ARMSTRONG, 1993; O BRIEN, 2001; SLACK, 1999). Na gestão financeira, quando não há dinheiro no momento adequado, a empresa está fora de seus negócios (LEMES JÚNIOR, 1999; PREVIDELLI, 1995; RESNIK, 1991). A distância entre o conhecimento e a prática dos dirigentes pareceu ser um dos grandes fatores de mortalidade. Em outro aspecto, após os primeiros resultados conseguidos, verificou-se um expressivo percentual de 24,82% em outros motivos para encerramento. Aqueles com maior freqüência foram: oportunidade externa à empresa (em outro emprego, em outra localidade ou outro país, ou para montar outra empresa); assalto na sede do empreendimento; ponto de venda (localização que não favorece o negócio); ingerência financeira de capital de giro ou alto 9

10 custo de investimentos. Após computadas as freqüências destes motivos, visualizada na Tabela 21, observa-se que eles apresentaram um baixo percentual de ocorrência. Tabela 3 - Principais motivos do fechamento da empresa, classificados pelos dirigentes em ordem de importância Londrina, 1995/2000 1º MAIS IMPORTANTE 2º MAIS IMPORTANTE MOTIVOS FREQÜÊNCIA % FREQÜÊNCIA % Problemas Particulares 48 (18,32) 18 (6,87) Falta de Clientes 34 (12,98) 25 (9,54) Carga Tributária Elevada 25 (9,54) 18 (6,87) Falta de Crédito 23 (8,78) 8 (3,05) Concorrência Muito Forte 22 (8,40) 17 (6,49) Maus Pagadores 13 (4,96) 14 (5,34) Falta de Conhecimento Técnico 13 (4,96) 13 (4,96) sobre o Negócio Crise Econômica 8 (3,05) 28 (10,69) Falta de Prof. Qualificados 8 (3,05) 6 (2,29) Oportunidade Extra 7 (2,68) 1 (0,38) (no Brasil ou Exterior) Preços Acima do Mercado 5 (1,90) 3 (1,15) Má Gestão do Capital 4 (1,53) 4 (1,53) de Giro ou Investimentos Assalto na Sede 4 (1,53) 2 (0,76) Instalações Inadequadas 3 (1,15) 4 (1,53) Qualidade dos Produtos/Serviços 2 (0,76) 3 (1,15) Ponto de Distribuição ou Ponto 2 (0,76) 2 (0,76) de Venda (Localização) Outros 48 (18,32) 24 (9,16) Nota. Respostas múltiplas. As respostas dos dirigentes para os outros motivos restantes são: dedicou-se aos estudos; considerou o negócio fora dos próprios princípios éticos; dedicou-se muito tempo à empresa dificultando a vida particular; dedicou-se pouco tempo à empresa; houve desativação do ponto comercial (Shopping fechou); faltou confiança em Deus; houve problemas com fornecedor; perdeu licitação; tinha problemas com a justiça; houve conflito entre sócios; faltou autoconfiança; faltaram perspectivas futuras; priorizaram rotinas internas da empresa, não os seus clientes; vendeu o negócio e fechou a empresa formalmente; arrendou o negócio; fechou e montou outro negócio; faltou assessoria empresarial; realizou fusão com outra empresa; houve desperdício de recursos (excesso). 10

11 Considerações Finais Presente na sociedade desde que o homem começou a se organizar em grupos, a atividade empreendedora se encontra em processo de expansão e se destaca em quase todas as disciplinas das ciências humanas (FILION, 1999). Esta área do conhecimento examina o empreendedor em particular, suas características, suas atividades, os efeitos da sua atuação na sociedade e na economia, bem como analisa as práticas que dão suporte à gestão ou projetos das organizações que conduz (FILION, 1999; PINCHOT III, 1989; SOLOMON; WINSLOW, 1988). As características do perfil do empreendedor associadas às variáveis de não sobrevivência do dirigente da micro e pequena empresa no norte do Paraná são objeto desta pesquisa. Os resultados expostos neste trabalho somam aos outros obtidos na mesma pesquisa e apresentados por Dutra (2003). O apoio familiar recebido pelo dirigente mostrou-se outro fator importante. O resultado apresentou um forte indício de que o apoio familiar seja de grande importância para a sobrevivência empresarial. Ele pareceu estar em conformidade com alguns estudos do referencial teórico que apresentaram conclusão semelhante. A falta de adequada implementação dos conhecimentos da administração, na gestão empresarial, ou seja, a incapacidade de aliar estes conhecimentos à prática, foi considerada como fator de mortalidade das empresas. O estudo anterior de Dutra (1982) sobre dirigentes de micro e pequenas empresas norte paranaenses, apontaram resultados semelhantes, indicando que a atitude ou comportamento empresarial pouco mudou. Perante esta situação, foi evidenciado que os programas de empreendedorismo encontraram obstáculos não superados, que parecem ser de âmbito cultural, apesar dos esforços para desenvolver a ação empreendedorial e de significativo avanço alcançado desde a década de Em termos gerais, na análise dos principais motivos de encerramento das atividades das empresas, verificou-se um alto índice (quase 40%) de motivos que podem ser considerados pessoais ou de razões particulares. Essas razões, foram variáveis que se apresentaram com sentido oposto às qualidades da atitude empreendedora bem sucedida, resgatada no referencial teórico. O resultado confirmou que os dirigentes não podem ser considerados com características do empreendedor de sucesso. Verificou-se, também, que os fatores sócioeconômicos são insuficientes para explicar razões de sucesso ou fracasso empresarial, sendo necessário associá-los a outros elementos como, por exemplo, ao próprio perfil psicológico do empreendedor. As informações analisadas ratificam a conclusão do trabalho anterior de Dutra (2003) complementando-o: a de que o dirigente da micro e pequena empresa precisa investir mais tempo para se prepararem e capacitarem no empreendedorismo. Tal fato parece pôr sob investigação caso as instituições de apoio e fomento da área estão em volume e qualidade suficientes para demandar essas necessidades, ou se estão conseguindo atrair os potenciais novos empreendedores para auxiliá-lo. Quanto a isso, as políticas e programas nacionais de empreendedorismo se apresentam frágeis para buscar desenvolver estratégias que transponham os obstáculos sociais e culturais. O método fatorial, efetuado com a associação de duas variáveis e aplicação gráfica bidimensional, tomando-se por base o procedimento de análise dos componentes principais, conforme Bouroche e Saporta (1980), foi um recurso que demonstrou alto nível de aplicabilidade e eficácia como procedimento metodológico. 11

12 Referências Bibliográficas ACKEL SOBRINHO, Z. Gestão de marketing. In: BULGACOV, S. Manual de gestão empresarial, São Paulo: Atlas, p ALVES, M. A. P. et al (Coord.). Pesquisa: Fatores condicionantes e taxa de mortalidade das empresas. Brasília, Disponível em: <http://www.sebrae.com.br>. Acesso em: 12 jun BNDES (Brasil). Boletim das micro, pequenas e médias empresas. Brasília, Disponível em : <http://www.bndes.gov.br>. Acesso em: 08 março BARBETTA, P. A. Estatística aplicada às ciências sociais. Florianópolis: Editora da UFSC, BYGRAVE, W. D. The entrepreneurial process. In: BYGRAVE, William D. (Ed.) The portable MBA in entrepreneurship. New York: John Wiley & Sons, Inc., p.1-26, BEDÊ, M. A.; AZZONI, C. R. (Coords). Estudo da mortalidade das empresas paulistas. São Paulo, Pesquisa realizada no Estado de São Paulo entre 1998 e Disponível em: <http://www.sebraesp.com.br>. Acesso em 11 set BOUROCHE, Jean-Marie; SAPORTA, G. L analyse des données. Paris: Presses Universitaires de France, BOWERSOX, D. J.; CLOSS, D. J. Logística empresarial: o processo de integração da cadeia de suprimento. São Paulo: Atlas, COOPER, D. R.; SCHINDLER, P. S. Business Reserch Methods. Irwin: McGraw-Hill, CROMIE, S. The problems experienced by small firms. Edited by Leslie G. Davies. London: Durham University Business Scholl, DEGEN, R. J. O Empreendedor: fundamentos da iniciativa empresarial. São Paulo: McGraw Hill, DOLABELA, F. O segredo de Luisa. São Paulo: Cultura Editores Associados, 1999a.. Oficina do empreendedor. São Paulo: Cultura Editores Associados, 1999b. DORNELAS, J. C. A. Empreendedorismo: transformando idéias em negócios. Rio de Janeiro: Campus, DUTRA, I. Identificação de necessidades e utilização dos instrumentos de marketing na micro e pequena empresa. Dissertação (Mestrado) - Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo. São Paulo, DUTRA, I. S. O perfil do empreendedor e a mortalidade de micro e pequenas empresas londrinenses. Dissertação (Mestrado) Programa de Pós-Graduação em Administração das Universidade Estadual de Londrina e Universidade Estadual de Maringá consorciadas. Londrina:2002..; PREVIDELLI, J.J. Perfil do Empreendedor versus Mortalidade de Empresas: Estudo de Caso do Perfil do Micro e Pequeno Empreendedor. In: XXVII ENCONTRO DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO. 1., 2003, Atibaia. Anais... Atibaia,

13 FILION, L. J. O planejamento do seu sistema de aprendizagem empresarial: identifique uma visão e avalie o seu sistema de relações. Revista de Administração, São Paulo, v.31, n.3, p.63-71, Empreendedorismo: Empreendedores e proprietários-gerentes de pequenos negócios. Revista de Administração, São Paulo, v.34, n.2, p.5-28, abr/jun., FERRAZ, J. C.; HUPFER, D; HAGUENAEUER, L. Made in Brasil: desafios competitivos para a indústria. Rio de Janeiro: Campus, FLEURY. P. F. et al. Logística empresarial. São Paulo: Atlas, GATEWOOD, E. J. External assistance startups and small business. In: BYGRAVE, William D. (Ed.) The portable MBA in entrepreneurship, New York, John Woley, p , GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. São Paulo: Atlas, KOTLER, P.; ARMSTRONG, G. Princípios de Marketing.. Rio de Janeiro: Prentice-Hall do Brasil, LEMES JÚNIOR, A. B. Gestão Financeira de Pequenas e Médias Empresas. In: BULGACOV, S. Manual de Gestão Empresarial, São Paulo: Atlas, p LONGENECKER, J. G. et al. Administração de pequenas empresas: ênfase na gerência empresarial. São Paulo: Makron Books, MALHOTRA, N. K. Pesquisa de Marketing: uma orientação aplicada. Porto Alegre: Bookman, MARCONI, M. A.; LAKATOS, E. M. Técnicas de pesquisa: planejamento e execução de pesquisas, amostragens e técnicas de pesquisas, elaboração, análise e interpretação de dados. São Paulo: Atlas, MARCOVITCH, J.; SANTOS, S. A. Criação de empresas e os parques tecnológicos. Jornal da Tarde, São Paulo, 8 out p.16. MATTAR, F. N. Pesquisa de Marketing. Edição Compacta. São Paulo: Atlas, MACMILLIAN, I.C.; MCGRATH, R.G.; SCHEINBERG, S. Elitists, Risk-Takers and Rugged Individualists? An exploratory analysis of cultural differences between entrepreneurs and non- entrepreneurs. Journal of Business Venturing, v.7, n.2, p , MARCONI, M. A.; LAKATOS, E. M. Técnicas de pesquisa: planejamento e execução de pesquisas, amostragens e técnicas de pesquisas, elaboração, análise e interpretação de dados. São Paulo: Atlas, NEVIS, C. E. et al. Como entender organizações como sistemas de aprendizagem. In: KLEIN, D. A gestão estratégica do capital intelectual. São Paulo: Qualimark Eds, O BRIEN, J. A. Sistemas de informação e as decisões gerenciais na era da Internet. São Paulo: Saraiva, OLIVEIRA, D. C.; GUIMARÂES, L. O. Perfil Empreendedor e Ações de Apoio ao Empreendedorismo: o NAE/SEBRAE em questão. In: XXVII ENCONTRO DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO. 1., 2003, Atibaia. Anais... Atibaia, PINCHOT III, G. Intrapreneuring: porque você não precisa deixar a empresa para ser um empreendedor. São Paulo: Harbra,

14 PREVIDELLI, J. J. Investimento de capital: análise do volume, do risco e do retorno. In: SANTOS, S. A.; PEREIRA, H. J. Criando seu próprio negócio: como desenvolver o potencial empreendedor. Brasília: Sebrae, Mudanças organizacionais em multinacionais: estudo exploratório das EBIMs (Empresas Brasileiras Internacionalizadas no Mercosul Tese (Doutorado) - Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo, São Paulo, PUGA, F. P. Experiências de apoio às micro e pequenas e médias empresas nos Estados Unidos, na Itália e em Taiwan. Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social - BNDES : Rio de Janeiro, fev./2000. Texto para discussão interno n. 75. RESNIK, P. A Bíblia da Pequena Empresa. São Paulo: Makron Books, SANTOS, S. A.; PEREIRA, H. J. Criando seu próprio negócio: como desenvolver o potencial empreendedor. Brasília: Sebrae, REYNOLDS, P. D. et al. Global Entrepreneurship Monitor: Executive Report London: London Business School, SEBRAE. Critérios para determinar tamanho de micro, pequena, média e grande empresa conforme o número de empregados. Brasília, Disponível em: <http://www.sebrae.com.br>. Acesso em : 2 dez SHAPERO, A.; SKOL, L. The social dimensions of entrepreneurship. In: KENT, Calvin A. et al. (Eds.). Encyclopedia of entrepreneurship. New Jersey: Prentice-Hall, p , SLACK, N. Administração da Produção. São Paulo: Atlas, SOLOMON, G. T.; WINSLOW, E. K. Toward A Descriptive Profile of The Entrepreneur. The Jounal Creative Behavior, v.22, n.3, p , SOUZA, M.C.A.F. de. Pequenas e médias empresas na reestruturação industrial. Brasília: Sebrae, VALE, G. M. V. et al. (Coords). Fatores Condicionantes da Mortalidade de Empresas. Pesquisa Piloto Realizada em Minas Gerais. Belo Horizonte: Sebrae, VAN de VEN, A. H. The development of an infrastructure for entrepreneurship. Journal of Business Venturing. New York, v. 8, p , WEBER, M. As seitas protestantes e o espírito capitalista. In: WEBER, Max. Ensaios de sociologia. Rio de Janeiro: Guanabara, YOUNG, F. W. A macrosociological interpretation of entrepreneurship. In: KILBY, Peter. (Ed.) Entrepreneurship and economic development. New York: The Free Press, p , ZINGER, J. T.; LEBRASSEUR, R.; ZAMIBBI, L. R. Factors influencing early stage performance in canadian microenterprise. Journal of Development Entrepreneurship. Toronto, ZIMMERER, T. W.; SCARBOROUGH, N. M. Essentials of small business management. New York: Macmillan College,

Pequenas e Médias Empresas no Canadá. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios

Pequenas e Médias Empresas no Canadá. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios Pequenas e Médias Empresas no Canadá Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios De acordo com a nomenclatura usada pelo Ministério da Indústria do Canadá, o porte

Leia mais

Estudo de Viabilidade e Pesquisa de Campo

Estudo de Viabilidade e Pesquisa de Campo Estudo de Viabilidade e Pesquisa de Campo Estudo de viabilidade As perguntas seguintes terão que ser respondidas durante a apresentação dos resultados do estudo de viabilidade e da pesquisa de campo FOFA.

Leia mais

# $% & '( )!*( & &+ (, -.! & $ %( '&/ (,'/0 # + '&($56!7$2 4 $3(( 0 73 # (,!$(1,;(& *

# $% & '( )!*( & &+ (, -.! & $ %( '&/ (,'/0 # + '&($56!7$2 4 $3(( 0 73 # (,!$(1,;(& * !" # $% & '( )!*( & &+ (, %$&( -.! & $ %( '&/ (,'/0 # ' $+$$1% ( # 2)3(( (4& + '&($56!7$2 4 $3(( 0 73 # ( 2)&,6(01 8 $&(9!!:$ '$ (/ $1!*0 :& (0% ' '($ *$(!&%9*,!$(1,;(& * 2 Perfil Empreendedor e Ações

Leia mais

IMPACTOS DO SISTEMA SIMPLES SOBRE A MORTALIDADE DE MICROS E PEQUENAS EMPRESAS: um estudo sobre os empreendimentos no município de Castanhal, PA

IMPACTOS DO SISTEMA SIMPLES SOBRE A MORTALIDADE DE MICROS E PEQUENAS EMPRESAS: um estudo sobre os empreendimentos no município de Castanhal, PA IMPACTOS DO SISTEMA SIMPLES SOBRE A MORTALIDADE DE MICROS E PEQUENAS EMPRESAS: um estudo sobre os empreendimentos no município de Castanhal, PA Rui Cidarta Araújo de Carvalho, Edson Aparecida de Araújo

Leia mais

Empreendedorismo: Perspectiva de Muitos e Sucesso de Poucos

Empreendedorismo: Perspectiva de Muitos e Sucesso de Poucos Empreendedorismo: Perspectiva de Muitos e Sucesso de Poucos RESUMO Flávia Castro Este artigo tem como finalidade apresentar aos leitores uma breve reflexão sobre o fenômeno do empreendedorismo no Brasil

Leia mais

ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados. PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com.

ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados. PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com. ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com.br CPC Conceito Preliminar de Curso 1 - Nota dos Concluintes no ENADE

Leia mais

EMPREENDEDORISMO: POR QUE DEVERIA APRENDER?

EMPREENDEDORISMO: POR QUE DEVERIA APRENDER? EMPREENDEDORISMO: POR QUE DEVERIA APRENDER? Anderson Katsumi Miyatake Emerson Oliveira de Almeida Rafaela Schauble Escobar Tellis Bruno Tardin Camila Braga INTRODUÇÃO O empreendedorismo é um tema bastante

Leia mais

Esse projeto enfatiza duas questões principais:

Esse projeto enfatiza duas questões principais: 1 Introdução O principal objetivo desta dissertação o é contribuir para o debate sobre a internacionalização de pequenas e médias empresas, destacando um tipo peculiar de empresas desta categoria, as empresas

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Evolução de Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução

Leia mais

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 901491 - EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução da teoria organizacional

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec ETEC: PAULINO BOTELHO Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de Técnico

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Nome da disciplina Evolução do Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação;

Leia mais

PROGRAMA BOM NEGÓCIO PARANÁ- APOIO AO EMPREENDEDORISMO AVALIAÇÃO DO NÚCLEO MARINGÁ

PROGRAMA BOM NEGÓCIO PARANÁ- APOIO AO EMPREENDEDORISMO AVALIAÇÃO DO NÚCLEO MARINGÁ PROGRAMA BOM NEGÓCIO PARANÁ- APOIO AO EMPREENDEDORISMO AVALIAÇÃO DO NÚCLEO MARINGÁ AREA TEMÁTICA: TRABALHO LAIS SILVA SANTOS 1 CARLOS VINICIUS RODRIGUES 2 MARCELO FARID PEREIRA 3 NEUZA CORTE DE OLIVEIRA

Leia mais

INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE. Palestra para o Conselho Regional de Administração

INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE. Palestra para o Conselho Regional de Administração INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE Palestra para o Conselho Regional de Administração 1 O QUE É O SEBRAE? 2 O Sebrae O Serviço de Apoio às Micros e Pequenas Empresas da Bahia

Leia mais

Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento.

Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento. Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento. Por PAULA FRANCO Diante de um cenário empresarial extremamente acirrado, possuir a competência atitude

Leia mais

Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br

Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br C1 Introdução Este guia traz noções essenciais sobre inovação e foi baseado no Manual de Oslo, editado pela Organização para a Cooperação

Leia mais

GRADUAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING DENOMINAÇÃO: CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING / ÁREA PROFISSIONAL: GESTÃO E NEGÓCIOS.

GRADUAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING DENOMINAÇÃO: CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING / ÁREA PROFISSIONAL: GESTÃO E NEGÓCIOS. GRADUAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING CARACTERIZAÇÃO DO CURSO DENOMINAÇÃO: CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING / ÁREA PROFISSIONAL: GESTÃO E NEGÓCIOS. DIPLOMA CONFERIDO: TECNÓLOGO DE

Leia mais

Empreendedorismo. Tópico 4 Plano de Negócios: Visão Geral

Empreendedorismo. Tópico 4 Plano de Negócios: Visão Geral Empreendedorismo Tópico 4 Plano de Negócios: Visão Geral Conteúdo 1. Objetivos do Encontro... 3 2. Introdução... 3 3. Planejar. Por quê?... 3 4. O Plano é produto do empreendedor... 4 5. Estrutura do Plano

Leia mais

RESUMO DE CONCLUSÃO DE CURSO

RESUMO DE CONCLUSÃO DE CURSO RESUMO DE CONCLUSÃO DE CURSO CONCEITO Empreendedorismo é o estudo voltado para o desenvolvimento de competências e habilidades relacionadas à criação de um projeto (técnico, científico, empresarial). Tem

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA PARA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS

GESTÃO FINANCEIRA PARA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS GESTÃO FINANCEIRA PARA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS Thais Peixoto de Medeiros(1); Estephany Calado(2); Gisele Gregório Araújo(2); Márcio André Veras Machado (3); Francisco Roberto Guimarães Júnior(4) Centro

Leia mais

DISCUSSÕES SOBRE JOVENS EMPREENDEDORES: um panorama teórico da situação atual no Brasil RESUMO

DISCUSSÕES SOBRE JOVENS EMPREENDEDORES: um panorama teórico da situação atual no Brasil RESUMO 1 DISCUSSÕES SOBRE JOVENS EMPREENDEDORES: um panorama teórico da situação atual no Brasil Willian Dela Rosa Canha FAFIJAN Jaiane Aparecida Pereira FAFIJAN/UEM RESUMO O presente estudo tem por objetivo

Leia mais

GESTÃO DO CRÉDITO: AVALIAÇÃO DO RISCO, E ANÁLISE PARA TOMADA DE DECISÃO DE CRÉDITO

GESTÃO DO CRÉDITO: AVALIAÇÃO DO RISCO, E ANÁLISE PARA TOMADA DE DECISÃO DE CRÉDITO Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 109 GESTÃO DO CRÉDITO: AVALIAÇÃO DO RISCO, E ANÁLISE PARA TOMADA DE DECISÃO DE CRÉDITO Claudinei Higino da Silva,

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Informação e Documentação Disciplina: Planejamento e Gestão

Leia mais

LOGÍSTICA EMENTAS DO CURSO

LOGÍSTICA EMENTAS DO CURSO LOGÍSTICA EMENTAS DO CURSO 1º P TÉCNICAS DE COMUNICAÇÃO ORAL E ESCRITA Técnicas de leitura, interpretação e produção de textos, expressão oral e apresentação de trabalhos acadêmicos, argumentação científica.

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: MONSENHOR ANTONIO MAGLIANO Código: 088 Município: GARÇA SP Eixo Tecnológico: GESTÃO E NEGÓCIOS Habilitação Profissional: TÉCNICA EM NÍVEL MÉDIO

Leia mais

Apoio para fornecedores do setor de Petróleo & Gás em São Paulo

Apoio para fornecedores do setor de Petróleo & Gás em São Paulo Apoio para fornecedores do setor de Petróleo & Gás em São Paulo Ubirajara Sampaio de Campos Subsecretário de Petróleo e Gás Secretaria de Energia do Estado de São Paulo Santos Offshore 09 Abril 2014 Indústria

Leia mais

O Plano de Negócios Fabiano Marques

O Plano de Negócios Fabiano Marques O Plano de Negócios Fabiano Marques Um negócio bem planejado terá mais chances de sucesso que aquele sem planejamento, na mesma igualdade de condições. (Dornelas, 2005) O termo empreendedorismo está naturalmente

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DA PÓS-GRADUAÇÃO: ESTUDO DE INDICADORES

DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DA PÓS-GRADUAÇÃO: ESTUDO DE INDICADORES DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DA PÓS-GRADUAÇÃO: ESTUDO DE INDICADORES Maria Helena Machado de Moraes - FURG 1 Danilo Giroldo - FURG 2 Resumo: É visível a necessidade de expansão da Pós-Graduação no Brasil, assim

Leia mais

Prof. Dr. José Dornelas www.josedornelas.com. Manual do Professor

Prof. Dr. José Dornelas www.josedornelas.com. Manual do Professor Prof. Dr. José Dornelas www.josedornelas.com Manual do Professor Manual do professor Este manual deve ser usado em conjunto com o vídeo do autor disponível no site da editora: www.campus.com.br Maiores

Leia mais

Posicionamento Estratégico e Fundo de Apoio ao Empreendedorismo

Posicionamento Estratégico e Fundo de Apoio ao Empreendedorismo Posicionamento Estratégico e Fundo de Apoio ao Empreendedorismo FUNDAÇÃO AEP Fomentar uma verdadeira cultura de empreendedorismo, da valorização e dignificação do papel social do empresário e da modernização

Leia mais

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Educação que valoriza o seu tempo: presente e futuro

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Educação que valoriza o seu tempo: presente e futuro EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Educação que valoriza o seu tempo: presente e futuro Educação a Distância Os mesmos professores. A mesma aula. O mesmo diploma. A única diferença é a sala de aula que fica em suas

Leia mais

Sistema produtivo e inovativo de software e serviços de TI brasileiro: Dinâmica competitiva e Política pública

Sistema produtivo e inovativo de software e serviços de TI brasileiro: Dinâmica competitiva e Política pública Conferência Internacional LALICS 2013 Sistemas Nacionais de Inovação e Políticas de CTI para um Desenvolvimento Inclusivo e Sustentável 11 e 12 de Novembro, 2013 - Rio de Janeiro, Brasil Sistema produtivo

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS UNIPAC FACULDADE REGIONAL DE VISCONDE DO RIO BRANCO

UNIVERSIDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS UNIPAC FACULDADE REGIONAL DE VISCONDE DO RIO BRANCO UNIVERSIDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS UNIPAC FACULDADE REGIONAL DE VISCONDE DO RIO BRANCO A importância do estudo do empreendedorismo nas instituições de ensino superior Visconde do Rio Branco 2007 2

Leia mais

Semeando Competência Gerencial em Micro e Pequenas Empresas e Colhendo Emprego, Renda e Inclusão Social.

Semeando Competência Gerencial em Micro e Pequenas Empresas e Colhendo Emprego, Renda e Inclusão Social. Semeando Competência Gerencial em Micro e Pequenas Empresas e Colhendo Emprego, Renda e Inclusão Social. Prof. Dr. Cleber Carvalho de Castro Universidade Federal de Lavras clebercastro@ufla.br Andréia

Leia mais

A GESTÃO DE PESSOAS NA ÁREA DE FOMENTO MERCANTIL: UM ESTUDO DE CASO NA IGUANA FACTORING FOMENTO MERCANTIL LTDA

A GESTÃO DE PESSOAS NA ÁREA DE FOMENTO MERCANTIL: UM ESTUDO DE CASO NA IGUANA FACTORING FOMENTO MERCANTIL LTDA ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 A GESTÃO DE PESSOAS NA ÁREA DE FOMENTO MERCANTIL: UM ESTUDO DE CASO NA IGUANA FACTORING FOMENTO MERCANTIL

Leia mais

5 Análise dos resultados

5 Análise dos resultados 5 Análise dos resultados Neste capitulo será feita a análise dos resultados coletados pelos questionários que foram apresentados no Capítulo 4. Isso ocorrerá através de análises global e específica. A

Leia mais

MAPEANDO AS CORRELAÇÕES ENTRE PRODUTIVIDADE E INVESTIMENTOS DE BOLSAS EM PROGRAMAS DE PÓSGRADUAÇÃO: o caso da Universidade Federal de Goiás

MAPEANDO AS CORRELAÇÕES ENTRE PRODUTIVIDADE E INVESTIMENTOS DE BOLSAS EM PROGRAMAS DE PÓSGRADUAÇÃO: o caso da Universidade Federal de Goiás MAPEANDO AS CORRELAÇÕES ENTRE PRODUTIVIDADE E INVESTIMENTOS DE BOLSAS EM PROGRAMAS DE PÓSGRADUAÇÃO: o caso da Universidade Federal de Goiás Dalton Lopes Martins (UFG) dmartins@gmail.com Arlon Silva (UFG)

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA SOBRE A UTILIZAÇÃO DE AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM COMO APOIO AO ENSINO SUPERIOR EM IES DO ESTADO DE SÃO PAULO

PROJETO DE PESQUISA SOBRE A UTILIZAÇÃO DE AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM COMO APOIO AO ENSINO SUPERIOR EM IES DO ESTADO DE SÃO PAULO 552 PROJETO DE PESQUISA SOBRE A UTILIZAÇÃO DE AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM COMO APOIO AO ENSINO SUPERIOR EM IES DO ESTADO DE SÃO PAULO Silvio Carvalho Neto (USP) Hiro Takaoka (USP) PESQUISA EXPLORATÓRIA

Leia mais

TÍTULO: O MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL E AS DIFICULDADES ENCONTRADAS NA CONSTITUIÇÃO E CONDUÇÃO DE SEUS NEGÓCIOS. UM ESTUDO NA CIDADE DE JALES-SP

TÍTULO: O MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL E AS DIFICULDADES ENCONTRADAS NA CONSTITUIÇÃO E CONDUÇÃO DE SEUS NEGÓCIOS. UM ESTUDO NA CIDADE DE JALES-SP Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: O MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL E AS DIFICULDADES ENCONTRADAS NA CONSTITUIÇÃO E CONDUÇÃO DE SEUS

Leia mais

Participação de pequenas empresas nos parques tecnológicos

Participação de pequenas empresas nos parques tecnológicos Participação de pequenas empresas nos parques tecnológicos Autor: Katia Melissa Bonilla Alves 1 Co-autores: Ricardo Wargas 2 e Tomas Stroke 3 1 Mestre em Economia pela Universidade do Estado do Rio de

Leia mais

Os desafios para a inovação no Brasil. Maximiliano Selistre Carlomagno

Os desafios para a inovação no Brasil. Maximiliano Selistre Carlomagno Os desafios para a inovação no Brasil Maximiliano Selistre Carlomagno Sobre a Pesquisa A pesquisa foi realizada em parceria pelo IEL/RS e empresa Innoscience Consultoria em Gestão da Inovação durante

Leia mais

Obtenção de regras de associação sobre compras governamentais: Um estudo de caso 1

Obtenção de regras de associação sobre compras governamentais: Um estudo de caso 1 Obtenção de regras de associação sobre compras governamentais: Um estudo de caso 1 Keila Michelly Bispo da Silva 2, Starlone Oliverio Passos 3,Wesley Vaz 4 Resumo: O processo de compras governamentais

Leia mais

Avaliação de programa governamental: o Micro Empreendedor Individual (MEI) no Estado de Rondônia.

Avaliação de programa governamental: o Micro Empreendedor Individual (MEI) no Estado de Rondônia. CHAMADA MCTI-CNPq/MDS-SAGI Nº 24/2013 DESENVOLVIMENTO SOCIAL Linha temática: Tema 3: Inclusão Produtiva. Critério de Avaliação escolhido: Avaliar o acesso, a implantação e os efeitos de ações do Programa

Leia mais

Gestão da qualidade em serviços: um estudo de caso em microempresas do ramo de oficinas mecânicas

Gestão da qualidade em serviços: um estudo de caso em microempresas do ramo de oficinas mecânicas Gestão da qualidade em serviços: um estudo de caso em microempresas do ramo de oficinas mecânicas Eunice Zucchi (CESCAGE) eunicezucchi@gmail.com Balduir Carletto (CESCAGE) bcarletto@uol.com.br Camila Lopes

Leia mais

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA ESTEVÃO FREIRE estevao@eq.ufrj.br DEPARTAMENTO DE PROCESSOS ORGÂNICOS ESCOLA DE QUÍMICA - UFRJ Tópicos: Ciência, tecnologia e inovação; Transferência de tecnologia; Sistemas

Leia mais

MANUAL PARA O PROGRAMA DE INCUBAÇÃO INEAGRO-UFRRJ

MANUAL PARA O PROGRAMA DE INCUBAÇÃO INEAGRO-UFRRJ MANUAL PARA O PROGRAMA DE INCUBAÇÃO INEAGRO-UFRRJ 2009 Índice Introdução...3 O que é Base Tecnológica?...3 O que é o Programa de Incubação?...3 Para quem é o Programa de Incubação?...4 Para que serve o

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006

DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006 DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006 Conteúdo 1. O Sistema SEBRAE; 2. Brasil Caracterização da MPE; 3. MPE

Leia mais

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada.

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. Anexo A Estrutura de intervenção As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. 1. Plano de ação para o período 2016

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

Construindo um Plano de Negócios Fabiano Marques

Construindo um Plano de Negócios Fabiano Marques Construindo um Plano de Negócios Fabiano Marques "Um bom plano de negócios deve mostrar claramente a competência da equipe, o potencial do mercado-alvo e uma idéia realmente inovadora; culminando em um

Leia mais

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 141 A LOGÍSTICA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Douglas Fernandes 1, Josélia Galiciano Pedro 1 Docente do Curso Superior

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing PROJETO PEDAGÓGICO Curso de Graduação Tecnológica em Marketing Porto alegre, 2011 1 1. Objetivos do Curso O projeto do curso, através de sua estrutura curricular, está organizado em módulos, com certificações

Leia mais

O QUE É UMA MICROEMPRESA

O QUE É UMA MICROEMPRESA O que é empresa O Artigo 6º da Lei n.º 4.137, de 10/09/1962 define empresa como "... toda organização de natureza civil ou mercantil destinada à exploração por pessoa física ou jurídica de qualquer atividade

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec ETEC: Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de Técnico

Leia mais

Factores Determinantes para o Empreendedorismo. Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008

Factores Determinantes para o Empreendedorismo. Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008 Factores Determinantes para o Empreendedorismo Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008 IAPMEI Instituto de Apoio às PME e à Inovação Principal instrumento das políticas económicas para Micro e Pequenas

Leia mais

Análise exploratória da Inovação Tecnológica nos Estados, Regiões e. no Brasil com base na Pesquisa de Inovação Tecnológica PINTEC

Análise exploratória da Inovação Tecnológica nos Estados, Regiões e. no Brasil com base na Pesquisa de Inovação Tecnológica PINTEC USCS UNIVERSIDADE MUNICIPAL DE SÃO CAETANO DO SUL PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA Guilherme Yukihiro Dallaido Shibata Análise exploratória da Inovação Tecnológica nos Estados, Regiões e no Brasil com

Leia mais

Inscrições Abertas. Dia e horário das aula: Sexta-Feira 18h30 às 22h30 Quinzenal Sábado 08h30 às 17h30 Quinzenal

Inscrições Abertas. Dia e horário das aula: Sexta-Feira 18h30 às 22h30 Quinzenal Sábado 08h30 às 17h30 Quinzenal MBA Recursos Humanos Inscrições Abertas Dia e horário das aula: Sexta-Feira 18h30 às 22h30 Quinzenal Sábado 08h30 às 17h30 Quinzenal Carga horária: 600 Horas Duração: 24 meses *As informações podem sofrer

Leia mais

Estudo da Mortalidade das Empresas Paulistas

Estudo da Mortalidade das Empresas Paulistas SERVIÇO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DE SÃO PAULO SEBRAE-SP PESQUISAS ECONÔMICAS Estudo da Mortalidade das Empresas Paulistas Relatório final Realização: Dezembro - 1999 Estudo da Mortalidade

Leia mais

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com. AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.br COM O SEBRAE, O SEU NEGÓCIO VAI! O Sebrae Goiás preparou diversas

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

Expectativas dos Pequenos Negócios Goianos para 2014. Janeiro-2014 / Sebrae - GO

Expectativas dos Pequenos Negócios Goianos para 2014. Janeiro-2014 / Sebrae - GO Expectativas dos Pequenos Negócios Goianos para 2014 Janeiro-2014 / Sebrae - GO Sebrae em Goiás Elaboração e Coordenação Técnica Ficha Técnica Conselho Deliberativo Marcelo Baiocchi Carneiro Presidente

Leia mais

Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher. Termo de Referência. Assessoria à Supervisão Geral Assessor Técnico

Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher. Termo de Referência. Assessoria à Supervisão Geral Assessor Técnico Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher Termo de Referência Assessoria à Supervisão Geral Assessor Técnico No âmbito do Programa Pernambuco Trabalho e Empreendedorismo da Mulher conveniado

Leia mais

18º Congresso de Iniciação Científica CARACTERÍSTICAS DA ANÁLISE DESCRITIVA EM ESTUDOS SOBRE EMPREENDEDORISMO

18º Congresso de Iniciação Científica CARACTERÍSTICAS DA ANÁLISE DESCRITIVA EM ESTUDOS SOBRE EMPREENDEDORISMO 18º Congresso de Iniciação Científica CARACTERÍSTICAS DA ANÁLISE DESCRITIVA EM ESTUDOS SOBRE EMPREENDEDORISMO Autor(es) MARÍLIA DE OLIVEIRA FOGAÇA Orientador(es) MARIA IMACULADA DE LIMA MONTEBELO Apoio

Leia mais

Palavras-chave: Controles gerenciais, Informações, Informatização.

Palavras-chave: Controles gerenciais, Informações, Informatização. DESENVOLVIMENTO DE CONTROLES GERENCIAIS EM LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO DELPHI UM ESTUDO DE CASO Jazmín Figari de la Cueva (G-UEM) Vitor Nogame (G-UEM) José Braz Hercos Junior (UEM) Resumo A Adecon-Empresa

Leia mais

COMPORTAMENTO EMPREENDEDOR: um estudo sobre a mulher empreendedora na. Rogério da Rosa Lehr Janaina Mendes janainamendes@unipampa.edu.

COMPORTAMENTO EMPREENDEDOR: um estudo sobre a mulher empreendedora na. Rogério da Rosa Lehr Janaina Mendes janainamendes@unipampa.edu. COMPORTAMENTO EMPREENDEDOR: um estudo sobre a mulher empreendedora na região da fronteira do Estado do Rio Grande do Sul Rogério da Rosa Lehr Janaina Mendes janainamendes@unipampa.edu.br Problemática 13%

Leia mais

MARKETING INTERNACIONAL

MARKETING INTERNACIONAL MARKETING INTERNACIONAL Produtos Ecologicamente Corretos Introdução: Mercado Global O Mercado Global está cada dia mais atraente ás empresas como um todo. A dinâmica do comércio e as novas práticas decorrentes

Leia mais

Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I. Atenção Básica e a Saúde da Família 1

Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I. Atenção Básica e a Saúde da Família 1 Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I Atenção Básica e a Saúde da Família 1 O acúmulo técnico e político dos níveis federal, estadual e municipal dos dirigentes do SUS (gestores do SUS) na implantação

Leia mais

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA Autor: Jeferson Correia dos Santos ARTIGO TÉCNICO INOVAÇÃO NA GESTÃO DE PÓS-VENDAS: SETOR AUTOMOTIVO RESUMO A palavra inovação tem sido atualmente umas das mais mencionadas

Leia mais

AV1 Estudo Dirigido da Disciplina CURSO: Gestão Estratégica e Qualidade DISCIPLINA: Estratégia Empresarial

AV1 Estudo Dirigido da Disciplina CURSO: Gestão Estratégica e Qualidade DISCIPLINA: Estratégia Empresarial AV1 Estudo Dirigido da Disciplina CURSO: Gestão Estratégica e Qualidade DISCIPLINA: Estratégia Empresarial ALUNO(A): MATRÍCULA: NÚCLEO REGIONAL: DATA: / / QUESTÃO 1: Que escola de pensamento reúne aspectos

Leia mais

PERFIL EMPREENDEDOR DE ALUNOS DE GRADUAÇÃO EM DESIGN DE MODA

PERFIL EMPREENDEDOR DE ALUNOS DE GRADUAÇÃO EM DESIGN DE MODA PERFIL EMPREENDEDOR DE ALUNOS DE GRADUAÇÃO EM DESIGN DE MODA Alini, CAVICHIOLI, e-mail¹: alini.cavichioli@edu.sc.senai.br Fernando Luiz Freitas FILHO, e-mail²: fernando.freitas@sociesc.org.br Wallace Nóbrega,

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico Planejamento Estratégico Análise externa Roberto César 1 A análise externa tem por finalidade estudar a relação existente entre a empresa e seu ambiente em termos de oportunidades e ameaças, bem como a

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Etec: São José do Rio Pardo Código: 150 Município: São José do Rio Pardo Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnico em Administração

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Coordenadoria Geral de Pós-Graduação Lato Sensu

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Coordenadoria Geral de Pós-Graduação Lato Sensu PORTFÓLIO ESPECIALIZAÇÃO / MBA UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Sumário ÁREA: CIÊNCIAS DA SAÚDE... 2 CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO: PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL E DO TRABALHO... 2 ÁREA: COMUNICAÇÃO E LETRAS...

Leia mais

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES:

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: A Teoria das Organizações em seu contexto histórico. Conceitos fundamentais. Abordagens contemporâneas da teoria e temas emergentes. Balanço crítico. Fornecer aos mestrandos

Leia mais

Como o CERNE foi construído?

Como o CERNE foi construído? Por que CERNE? O movimento brasileiro de incubadoras vem crescendo a uma taxa expressiva nos últimos dez anos, alcançando uma média superior a 25% ao ano. Atualmente, as incubadoras brasileiras apóiam

Leia mais

Secretaria de Estado da Administração e da Previdência Departamento de Recursos Humanos Escola de Governo do Paraná SÍNTESE DAS EMENTAS PROPOSTAS

Secretaria de Estado da Administração e da Previdência Departamento de Recursos Humanos Escola de Governo do Paraná SÍNTESE DAS EMENTAS PROPOSTAS 1º MÓDULO: SÍNTESE DAS EMENTAS PROPOSTAS Economia e Sociedade do Conhecimento: Conceitos básicos: economia da informação e conhecimento. Investimentos tangíveis e intangíveis. Gestão do Conhecimento e

Leia mais

FATORES CONDICIONANTES AO ACESSO DE MICRO E PEQUENAS EMPRESAS A RECURSOS PÚBLICOS PARA INOVAÇÃO: ESTUDO DE CASOS MÚLTIPLOS NO ESTADO DO PARANÁ

FATORES CONDICIONANTES AO ACESSO DE MICRO E PEQUENAS EMPRESAS A RECURSOS PÚBLICOS PARA INOVAÇÃO: ESTUDO DE CASOS MÚLTIPLOS NO ESTADO DO PARANÁ FATORES CONDICIONANTES AO ACESSO DE MICRO E PEQUENAS EMPRESAS A RECURSOS PÚBLICOS PARA INOVAÇÃO: ESTUDO DE CASOS MÚLTIPLOS NO ESTADO DO PARANÁ Marlete Beatriz Maçaneiro (Professora do Departamento de Secretariado

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

Descrição do Sistema de Franquia. Histórico do Setor. O Fórum Setorial de Franquia

Descrição do Sistema de Franquia. Histórico do Setor. O Fórum Setorial de Franquia Descrição do Sistema de Franquia Franquia é um sistema de distribuição de produtos, tecnologia e/ou serviços. Neste sistema uma empresa detentora de know-how de produção e/ou distribuição de certo produto

Leia mais

Utilização dos processos de RH em algumas empresas da cidade de Bambuí: um estudo multi-caso

Utilização dos processos de RH em algumas empresas da cidade de Bambuí: um estudo multi-caso III Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG campus Bambuí II Jornada Científica 9 a 23 de Outubro de 200 Utilização dos processos de RH em algumas empresas da cidade de Bambuí: um estudo multi-caso Sablina

Leia mais

TIAGO VASCONCELOS SCHERER A INFLUÊNCIA DA POLÍTICA DE INCENTIVO FISCAL NACIONAL NO DESEMPENHO INOVATIVO DAS EMPRESAS BENEFICIÁRIAS

TIAGO VASCONCELOS SCHERER A INFLUÊNCIA DA POLÍTICA DE INCENTIVO FISCAL NACIONAL NO DESEMPENHO INOVATIVO DAS EMPRESAS BENEFICIÁRIAS TIAGO VASCONCELOS SCHERER A INFLUÊNCIA DA POLÍTICA DE INCENTIVO FISCAL NACIONAL NO DESEMPENHO INOVATIVO DAS EMPRESAS BENEFICIÁRIAS Relatório Executivo Relatório Executivo da Dissertação de Mestrado Profissionalizante

Leia mais

K & M KNOWLEDGE & MANAGEMENT

K & M KNOWLEDGE & MANAGEMENT K & M KNOWLEDGE & MANAGEMENT Conhecimento para a ação em organizações vivas CONHECIMENTO O ativo intangível que fundamenta a realização dos seus sonhos e aspirações empresariais. NOSSO NEGÓCIO EDUCAÇÃO

Leia mais

2013 Inventta Todos os direitos reservados.

2013 Inventta Todos os direitos reservados. Agenda Quem Somos Gerindo a Inovação nas Empresas Estímulos Governamentais à Inovação Resultados da pesquisa FDC/Inventta Conclusões O GRUPO A Inventta é uma consultoria especializada em gestão da inovação,

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares

Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Existem três níveis distintos de planejamento: Planejamento Estratégico Planejamento Tático Planejamento Operacional Alcance

Leia mais

INCUBADORA DE EMPRESAS

INCUBADORA DE EMPRESAS INCUBADORA DE EMPRESAS INCUBADORA DE EMPRESAS BARÃO DE MAUÁ - IEBM TERMO DE REFERÊNCIA SERVIÇOS DE CONSULTORIA DE GESTÃO DE NEGÓCIOS. Contatos Domingos Sávio de Carvalho (Gerente Operacional do Projeto)

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC PROF. MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município: Tupã Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de Técnico em

Leia mais

DEFINIÇÕES E CARCTERISTICAS DO EMPREENDEDORISMO

DEFINIÇÕES E CARCTERISTICAS DO EMPREENDEDORISMO DEFINIÇÕES E CARCTERISTICAS DO EMPREENDEDORISMO CIRLANNE TONOLI ROSANY SCARPATI RIGUETTI ADMINISTRAÇÃO GERAL FACULDADE NOVO MILÊNIO RESUMO:O texto tem como objetivo apresentar algumas características sobre

Leia mais

Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior INTRODUÇÃO O que é pesquisa? Pesquisar significa, de forma bem simples, procurar respostas para indagações propostas. INTRODUÇÃO Minayo (1993, p. 23), vendo por

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA

A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA 553 A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA Irene Caires da Silva 1, Tamires Fernanda Costa de Jesus, Tiago Pinheiro 1 Docente da Universidade do Oeste Paulista UNOESTE. 2 Discente

Leia mais

cada fator e seus componentes.

cada fator e seus componentes. 5 CONCLUSÃO Conforme mencionado nas seções anteriores, o objetivo deste trabalho foi o de identificar quais são os fatores críticos de sucesso na gestão de um hospital privado e propor um modelo de gestão

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MESTRADO e DOUTORADO

EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MESTRADO e DOUTORADO 1 EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MESTRADO e DOUTORADO MESTRADO: A) DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS DAS LINHAS 1 e 2: Organizações e Estratégia e Empreendedorismo e Mercado

Leia mais

Informações sobre o Curso de Administração

Informações sobre o Curso de Administração Objetivo Geral do Curso: Informações sobre o Curso de Administração Prover a sociedade de profissional dotado de senso crítico e comportamento ético-profissional qualificado. Um Administrador criativo,

Leia mais

O Empreendedor Fabiano Marques

O Empreendedor Fabiano Marques O Empreendedor Fabiano Marques O interesse pelo empreendedorismo no mundo é algo recente. Neste sentido, podese dizer que houve um crescimento acentuado da atividade empreendedora a partir de 1990. Com

Leia mais

Projeto: Rede MERCOSUL de Tecnologia

Projeto: Rede MERCOSUL de Tecnologia ANEXO XIII XXXIII REUNIÓN ESPECIALIZADA DE CIENCIA Y TECNOLOGÍA DEL MERCOSUR Asunción, Paraguay 1, 2 y 3 de junio de 2005 Gran Hotel del Paraguay Projeto: Rede MERCOSUL de Tecnologia Anexo XIII Projeto:

Leia mais

5 Conclusão e Considerações Finais

5 Conclusão e Considerações Finais 5 Conclusão e Considerações Finais Neste capítulo são apresentadas a conclusão e as considerações finais do estudo, bem como, um breve resumo do que foi apresentado e discutido nos capítulos anteriores,

Leia mais

EDITAL Nº 01/2009 PROJETOS EMPRESARIAIS PARA INGRESSO NA INCUBADORA DE EMPRESAS DE SÃO JOSÉ

EDITAL Nº 01/2009 PROJETOS EMPRESARIAIS PARA INGRESSO NA INCUBADORA DE EMPRESAS DE SÃO JOSÉ EDITAL Nº 01/2009 PROJETOS EMPRESARIAIS PARA INGRESSO NA INCUBADORA DE EMPRESAS DE SÃO JOSÉ O presente edital regulamenta o processo de recrutamento, seleção e ingresso de projetos empresariais na Incubadora

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO

GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO Indicadores e Diagnóstico para a Inovação Primeiro passo para implantar um sistema de gestão nas empresas é fazer um diagnóstico da organização; Diagnóstico mapa n-dimensional

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu. MBA em Estratégia e Liderança Empresarial

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu. MBA em Estratégia e Liderança Empresarial Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Estratégia e Liderança Empresarial Apresentação O programa de MBA em Estratégia e Liderança Empresarial tem por objetivo preparar profissionais para

Leia mais

8. Excelência no Ensino Superior

8. Excelência no Ensino Superior 8. Excelência no Ensino Superior PROGRAMA: 08 Órgão Responsável: Contextualização: Excelência no Ensino Superior Secretaria de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior - SETI O Programa busca,

Leia mais

CBA. Comércio Internacional PÚBLICO-ALVO COMPLEMENTAÇÃO ACADÊMICA MATERIAL DIDÁTICO. Internacional. Comércio

CBA. Comércio Internacional PÚBLICO-ALVO COMPLEMENTAÇÃO ACADÊMICA MATERIAL DIDÁTICO. Internacional. Comércio CBA Comércio Internacional Comércio Internacional A intensidade das relações comerciais e produtivas das empresas no atual contexto econômico tem exigido das empresas um melhor entendimento da complexidade

Leia mais