CAMPUS DE GUARATINGUETÁ FACULDADE DE ENGENHARIA. Introdução à Programação em C. Algoritmos: Estruturas de Repetição. Prof. Dr. Galeno.J.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CAMPUS DE GUARATINGUETÁ FACULDADE DE ENGENHARIA. Introdução à Programação em C. Algoritmos: Estruturas de Repetição. Prof. Dr. Galeno.J."

Transcrição

1 Unesp UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA CAMPUS DE GUARATINGUETÁ FACULDADE DE ENGENHARIA Introdução à Programação em C Algoritmos: Estruturas de Repetição Prof. Dr. Galeno.J. de Sena Departamento de Matemática Edição: 2011 Notas de aula organizadas a partir das referências citadas ao final do texto

2 Capítulo 4 Algoritmos: Estruturas de Repetição Permitem que o fluxo de execução repita um certo trecho de um algoritmo designado de laço de repetição, um certo número de vezes. O número de repetições pode ser indeterminado, porém deve ser finito. Observação: laços de repetição também são designados de loops ou loopings Repetição com teste no início Permitem repetir diversas vezes um mesmo trecho do algoritmo, porém sempre verificando antes de cada execução se é permitido executar o mesmo trecho. Estrutura enquanto Forma geral: enquanto (condição) faça início // início do laço de repetição C1; // seqüência de comandos C2; Cn; fim // fim do laço de repetição Esta estrutura permite que um bloco ( laço de repetição ), ou uma ação primitiva 1, sejam repetidos enquanto uma determinada condição for verdadeira. Antes de se iniciar a repetição, a condição é avaliada. Se o resultado da avaliação for verdadeiro, o laço será executado. Ao término de sua execução, a condição é reavaliada. Quando o resultado da avaliação da condição for falso, o laço deixa de ser executado, prosseguindo-se com o comando que segue a estrutura enquanto. Exemplo: algoritmo para calcular a média de 50 alunos Variável contadora ou contador: utilizada para contar quantos alunos foram processados, é uma variável com um dado valor inicial o qual é incrementado (acrescido de um valor constante, normalmente 1) a cada passo da repetição. Por exemplo, o ponteiro de segundos de um relógio é um contador de segundos. O trecho de algoritmo a seguir ilustra a utilização de um contador: // uso de contador em algoritmo inteiro: CON; CON 0; // inicialização 1 Corresponde a um laço de repetição com um único comando.

3 enquanto (... ) faça início // início do laço de repetição CON CON + 1; // incrementa o contador fim // fim do laço de repetição Codificação do algoritmo: Algoritmo: cálculo da média aritmética para 50 alunos início // Cálculo da média aritmética para cada um dos 50 alunos // alunos de uma turma, c/ verificação qto à aprovação // declaração de variáveis real: N1, N2, N3, N4, // notas bimestrais MF; // media final inteiro CON; // contador // inicialização do contador CON 0; // processamento: o cálculo da média é repetido para // 50 alunos enquanto (CON < 50) faça // entrada de dados leia(n1, N2, N3, N4); // calculo da média MF (N1 + N2 + N3 + N4) / 4; // verificação quanto à aprovação se (MF >= 7.0) então // gera saídas: aluno aprovado escreva( Media =, MF); escreva( Aprovado! ); fim; senao // MF < 7.0 // gera saídas: aluno reprovado escreva( Media =, MF); escreva( Reprovado! ); fim; CON CON + 1; // incrementa o contador: proximo aluno fim; // enquanto escreva( processamento finalizado! ); fim // algoritmo: cálculo da média final.

4 Exemplo: algoritmo para o cálculo da média geral de uma turma, com as médias individuais sendo fornecidas em tempo de execução. O cálculo direto: MT M1 M 2 M 3 M 4 M 5 M 49 M 50 /50; mostra-se inviável. Uma maneira mais apropriada para se resolver este problema é acumular as médias de cada aluno, utilizando uma variável acumuladora ou um acumulador. Uma variável acumuladora tem, a cada execução de um laço, o seu valor corrente somado a um novo valor (que se deseja somar), o resultado da soma sendo armazenado na variável ( acumulado ). Note-se que se trata de uma operação muito similar à realizada com uma variável contadora, diferenciando no fato de que o valor a ser incrementado não é constante a cada execução do laço, que é o caso para variáveis contadoras. Note-se também que é comum o uso de ambas as variáveis em estruturas de repetição. O trecho de algoritmo a seguir ilustra a utilização de um acumulador: // uso de acumulador em algoritmo inteiro: ACM, // acumulador X; ACM 0; // inicialização enquanto (... ) faça início // início do laço de repetição ACM ACM + X; // acumula em ACM o valor de X fim // fim do laço de repetição Codificação do algoritmo: Algoritmo: cálculo da média geral de uma turma início // Cálculo da média das médias dos 50 alunos // de uma turma, com as médias individuais sendo // fornecidas em tempo de execução // declaração de variáveis real: MF, // media final de um aluno ACM, // acumulador MT; // media da turma inteiro CON; // contador // inicialização: contador e acumulador CON 0; ACM 0; // processamento: lê e acumula as médias de 50 alunos

5 enquanto (CON < 50) faça // entrada de dados leia(mf); ACM ACM + MF; // acumula a média CON CON + 1; // incrementa o contador: proximo aluno fim; // enquanto // calculo e saída da media da turma MT ACM / 50; escreva( Media da turma:, MT); fim // algoritmo: cálculo da média geral de uma turma. Exemplo: algoritmo para o cálculo das médias dos alunos de uma turma, verificando a situação de cada aluno quanto à aprovação, e da média geral de uma turma, apresentada ao final. Este algoritmo corresponde a uma combinação dos dois algoritmos anteriores. Codificação do algoritmo: Algoritmo: cálculo de médias e verificação quanto aprovação início // Cálculo da média aritmética para cada um dos 50 alunos // alunos de uma turma, c/ verificação qto à aprovação; // calculo da média geral da turma // declaração de variáveis real: N1, N2, N3, N4, MF, // notas bimestrais média final ACM, MT; // acumulador e media da turma inteiro CON; // contador // inicialização: contador e acumulador CON 0; ACM 0; // processamento: calcula as médias dos // 50 alunos, acumulando-as enquanto (CON < 50) faça // entrada de dados (notas) leia(n1, N2, N3, N4); // calculo e saída da média MF (N1 + N2 + N3 + N4) / 4; escreva( Media =, MF); // verificação quanto à aprovação se (MF >= 7.0) então // gera saídas: aluno aprovado escreva( Aprovado! ); senao // MF < 7.0 // gera saídas: aluno reprovado escreva( Reprovado! );

6 // acumula media do aluno e incrementa contador ACM ACM + MF; // soma a media CON CON + 1; // mais um aluno processado fim; // enquanto // calculo e saída da media da turma MT ACM / 50; escreva( Media da turma:, MT); fim // algoritmo: cálculo de médias e verificação // quanto a aprovação. Uma situação que ocorre com freqüência é a necessidade de se repetir um laço um número indeterminado de vezes. Neste caso, faz-se necessário estabelecer um critério de parada apropriado. Exemplo: algoritmo para o cálculo da média de um conjunto de números inteiros positivos. A quantidade de números não é conhecida a priori. Resolução: x representa um número inteiro positivo; x 0 parar! (condição de parada). Codificação do algoritmo: Algoritmo: cálculo da média de um conjunto de números. início // Cálculo da média de um conjunto de números inteiros // positivos: o processamento é repetido até que se // forneça um valor negativo ou nulo // declaração de variáveis inteiro: x, // número CON, // contador ACM; // acumulador real: MD; // media // inicialização: contador e acumulador CON 0; ACM 0; // entrada do primeiro número leia(x); // processamento: acumula soma de números válidos enquanto (x > 0) faça CON CON + 1; // mais um número ACM ACM + x; // acumula o valor lido leia(x); // leitura de mais um numero, valido ou não fim; // enquanto // calculo da media: somente se houver

7 // pelo menos um valor de x válido se (CON > 0) entao MD ACM/CON; escreva( Media =, MD); fim senao escreva( Nenhum valor válido fornecido! ); fim // algoritmo: cálculo da média de um conj de números. Exemplo: algoritmo para o cálculo da média aritmética de um conjunto de números pares positivos. A execução deverá ser finalizada ao se fornecer um valor negativo ou impar. Resolução: N par resto( N / 2) 0 Codificação do algoritmo: Algoritmo: cálculo da média de um conjunto de números pares início // Cálculo da média de um conjunto de números pares e // positivos: o processamento é repetido até que se // forneça um valor negativo ou ímpar // declaração de variáveis inteiro: N, // número CON, // contador ACM; // acumulador real: MD; // media // inicialização: contador e acumulador CON 0; ACM 0; // entrada do primeiro número leia(n); // processamento: acumula soma de números válidos enquanto (N > 0 e N mod 2 = 0) faça CON CON + 1; // mais um número ACM ACM + N; // acumula o valor lido leia(n); // leitura de mais um numero, valido ou não fim; // enquanto // calculo da media: somente se houver // pelo menos um valor de x válido se (CON > 0) entao MD ACM/CON; escreva( Media =, MD); fim

8 senao escreva( Nenhum valor válido fornecido! ); fim // algoritmo: cálculo da média de um conj de // números pares positivos. Solução alternativa:... // inicialização: contador e acumulador CON 0; ACM 0; // valor valido para se iniciar o looping N 2 // processamento: acumula soma de números válidos enquanto (N > 0 e N mod 2 = 0) faça // leitura de um valor de N, valido ou não leia(n); // processa valor de N válido se (N > 0 e N mod 2 = 0) entao CON CON + 1; // mais um número ACM ACM + N; // acumula o valor lido fim; fim; // enquanto... Exercícios: 1) Modificar o algoritmo de cálculo da média aritmética de 50 alunos, para que seja calculada a média de N alunos N 5. 2) Modificar o algoritmo de cálculo da média aritmética das médias de uma turma de 50 alunos, para que seja calculada a média para uma turma de N alunos N 5. 3) Construir um algoritmo para calcular a média aritmética de um conjunto de números ímpares positivos. 4) Construir um algoritmo para calcular a soma dos N primeiros números pares. 5) Idem, para os N primeiros números ímpares. 6) Construir um algoritmo para gerar os números pares de 2 a N (N par e N 2 ). 7) Idem, para os números impares de 1 a N (N é ímpar e N 1).

9 8) João tem 1,40 m e cresce 2 cm por ano, ao passo que Antonio tem 1,15 m e cresce 3 cm por ano. Construa um algoritmo que calcule e mostre quantos anos serão necessários para que Antonio alcance ou ultrapasse João. 9) Construa um algoritmo que, dado um conjunto de valores inteiros e positivos, determine qual o maior valor do conjunto. O final do conjunto de valores é identificado pelo valor 0, que não deve ser considerado. 10) Escreva um algoritmo que gere e apresente os 20 primeiros termos da seqüência dos termos de Fibonacci: ) Construa um algoritmo que leia um conjunto de dados para 50 pessoas contendo a altura e o sexo (M para masculino e F para feminino), obtendo, a partir destes dados, as seguintes informações: a) a maior e a menor altura do grupo; b) a média de altura das mulheres; c) o percentual e o número de homens no conjunto de dados; d) o percentual e o número de mulheres no conjunto de dados. 12) Em uma eleição há quatro candidatos. Os votos são informados por código, os dados para a apuração obedecendo à seguinte codificação: 1, 2, 3, 4: voto para o respectivo candidato; 5: voto nulo; 6: voto em branco. Elabore um algoritmo que calcule e escreva: O total de votos para cada candidato e seu percentual sobre o total; O total de votos nulos e o seu percentual sobre o total; O total de votos em branco e o seu percentual sobre o total. A massa de dados de entrada será finalizada com o fornecimento de um valor 0 para o código. 13) Elaborar um algoritmo para calcular o valor de H a partir da soma a seguir: H ) Idem, para determinar o valor de S: S ) Construir um algoritmo para calcular a soma dos 10 primeiros termos da seguinte série: ) Modificar o algoritmo do exercício 13 para que H seja a soma dos N primeiros termos da série, com N 1.

10 4.2. Repetição com Variável de Controle A estrutura enquanto não enfatiza o número de vezes que um bloco de comandos será executado. Uma outra estrutura, designada para, repete a execução de um bloco um número predeterminado de vezes. Forma geral: para V de vi até vf passo p faça início C1; C2; Cn; fim Onde: V : variável de controle; vi: valor inicial de V; vf: valor final de V; p : valor do incremento dado à variável V. Esta estrutura corresponde então a um laço com contador compacto e tem a seguinte semântica (significado): V vi; // inicializa o valor de V para vi enquanto (V <= vf) // caso passo p positivo faça início C1; C2; Cn; V V + p; // incrementa o valor de V em p unidades fim; Observação: Caso o passo seja negativo, o valore de V decresce a cada execução do bloco, e a condição do enquanto se torna: enquanto (V >= vf) // caso passo p negativo Exemplo: algoritmo para o cálculo da média das médias dos alunos de uma turma. Solução com enquanto:... // inicialização: contador e acumulador CON 0; ACM 0; // processamento: lê e acumula as médias de 50 alunos

11 enquanto (CON < 50) faça leia(mf); // entrada de dados ACM ACM + MF; // acumula a média CON CON + 1; // incrementa o contador: proximo aluno fim; // enquanto // calculo e saída da media da turma MT ACM / 50;... Solução com para:... // inicialização: acumulador ACM 0; // processamento: lê e acumula as médias de 50 alunos para CON de 0 até 49 passo 1 faça leia(mf); // entrada de dados ACM ACM + MF; // acumula a média fim; // para // calculo e saída da media da turma MT ACM / 50;... Note-se que a variável contadora se torna a variável de controle da estrutura de repetição. Outra solução:... // inicialização: acumulador ACM 0; // processamento: lê e acumula as médias de 50 alunos para CON de 1 até 50 passo 1 faça leia(mf); // entrada de dados ACM ACM + MF; // acumula a média fim; // para // calculo e saída da media da turma MT ACM / 50;... Observação: é comum o uso de variáveis mais simples para contagem (variável de controle) e acumulação. Veja, por exemplo, o algoritmo a seguir, correspondente a uma variação do algoritmo para cálculo da média das médias dos alunos de uma turma.

12 ... // declaração de variáveis real: MF, // media final de um aluno S, // soma das médias (acumulador) MT; // media da turma inteiro i; // variável de controle (contador) do para // inicialização: soma das médias S 0; // processamento: lê e acumula as médias de 50 alunos para i de 1 até 50 passo 1 faça leia(mf); // entrada de dados ACM ACM + MF; // acumula a média fim; // para // calculo e saída da media da turma MT ACM / 50;... Exemplo: algoritmo para a geração dos 20 primeiros termos da sequencia dos termos de Fibonacci. Resolução: Seqüência dos termos de Fibonacci: Esquema para geração: ta tb tc Inicialmente: ta 1; tb 1; Do 3º termo em diante: tc ta + tb; ta tb; tb tc; Codificação do algoritmo: Algoritmo: geração dos 20 primeiros termos de Fibonacci início // Algoritmo para a geração dos 20 primeiros // termos da seqüência dos termos de Fibonacci // declaração de variáveis inteiro: ta, tb, tc, // termos da sequencia i; // contador (variável de controle)

13 // inicialização: termos iniciais ta 1; tb 1; // saída dos termos iniciais escreva( termo, 1, =, ta); escreva( termos, 2, =, tb); // processamento: determinação do 3 o ao 20 o termo para i de 3 até 20 passo 1 faça // calcula e mostra o i-esimo termo tc ta + tb; escreva( termo, i, =, tc); // atualiza termos anteriores ta tb; tb tc; fim; // para fim // algoritmo: geração 20 termos de Fibonacci. Exercícios: 1. Dada a elipse: x 2 2 y pede-se construir um algoritmo para determinar o número de pontos, com coordenados de valor inteiro, contidos no seu interior. 2. O cálculo da depreciação de um item, pelo método da cota fixa, é feito usando a equação: valori 1 depi, i 1,..., n n onde: dep i : depreciação no i-ésimo ano; n : tempo de vida previsto para um item em anos; valor 0 : custo do item. Por exemplo, a tabela de depreciação de um item com um custo de R$25.000,00 e vida útil de 5 anos, por este método, é a seguinte: ano depreciação valor atualizado , , , , ,00

14 , , , , , ,00 Obter um algoritmo para a construção da tabela de depreciação de um item específico. O valor inicial do item e sua vida útil deverão ser solicitados e lidos em tempo de execução. A saída do programa deverá ser na forma tabular. 3. Elaborar algoritmos para calcular a soma das séries a seguir, considerando N termos do desenvolvimento: (i) (ii) (iii) Construir dois algoritmos para calcular o valor de a partir das equações: (i) (ii) Construir dois algoritmos para calcular o valor aproximado das funções sen x e cos x a partir dos desenvolvimentos em série a seguir, considerando N termos do desenvolvimento em cada caso (o valor de x deverá ser fornecido em tempo de execução): x x x x (i) sen x x... 3! 5! 7! 9! x x x (ii) cos x ! 4! 6!

15 Referências Referência principal: (FORBELLONE e EBERSPÄCHER, 2005) FORBELLONE, A.L.V.; EBERSPÄCHER, H. F. Lógica de programação: a construção de algoritmos e estrutura de dados. 3. ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, Outras referências: (AGUILAR, 2008) AGUILAR, L. J. Fundamentos de programação: algoritmos, estruturas de dados e objetos. 3. ed. São Paulo: McGraw-Hill, (Ferrari e Cechinel, 2008) Ferrari, F.; Cechinel, C. Introdução a Algoritmos e Programação. Bagé: Universidade Federal do Pampa, Campus Bagé, (ASCENCIO e CAMPOS, 2007) ASCENCIO, A.F.G.; CAMPOS, E.A.V. Fundamentos da programação de computadores, Algoritmos, Pascal, C/C++ e Java. 2. ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2007 (HEHL, 1987) Hehl, M. E. Linguagem de Programação Estruturada FORTRAN 77. McGraw-Hill, (FARRER et. al., 1985) Farrer, H. & outros. Algoritmos Estruturados. Guanabara Dois, (FARRER et al., 1992) Farrer, H. & outros. FORTRAN Estruturado. Guanabara-Koogan S.A., 1992.

Estruturas de Repetição

Estruturas de Repetição Estruturas de Repetição Lista de Exercícios - 04 Algoritmos e Linguagens de Programação Professor: Edwar Saliba Júnior Estruturas de Repetição O que são e para que servem? São comandos que são utilizados

Leia mais

Programação de Computadores I Estruturas de Repetição PROFESSORA CINTIA CAETANO

Programação de Computadores I Estruturas de Repetição PROFESSORA CINTIA CAETANO Programação de Computadores I Estruturas de Repetição PROFESSORA CINTIA CAETANO Introdução Existem situações onde é necessário repetir um determinado trecho de um programa um certo número de vezes. Assim,

Leia mais

Exercícios de Fixação Aulas 05 e 06

Exercícios de Fixação Aulas 05 e 06 Disciplina: TCC-0.0 Prog. de Computadores III Professor: Leandro Augusto Frata Fernandes Turma: E- Data: / / Exercícios de Fixação Aulas 0 e 0. Construa um algoritmo (pseudocódigo e fluxograma) que determine

Leia mais

Controle de Fluxo Comandos de repetição: while e do-while

Controle de Fluxo Comandos de repetição: while e do-while BCC 201 - Introdução à Programação Controle de Fluxo Comandos de repetição: while e do-while Guillermo Cámara-Chávez UFOP 1/1 Comandos de Repetição (Laços) I São muito comuns as situações em que se deseja

Leia mais

1. Escreva um programa em Pascal que leia três valores inteiros e mostre-os em ordem crescente. Utilize seleção encadeada.

1. Escreva um programa em Pascal que leia três valores inteiros e mostre-os em ordem crescente. Utilize seleção encadeada. Universidade Estadual Vale do Acaraú Curso: Engenharia Civil Disciplina: Programação de Computadores Prof. Hudson Costa Instruções: as equipes de cinco componentes (ou elementos) deverão fazer apenas 30

Leia mais

Comandos de Desvio 1

Comandos de Desvio 1 Programação de Computadores I UFOP DECOM 2014 1 Aula prática 3 Comandos de Desvio 1 Sumário Resumo Nesta aula você irá resolver problemas que requerem uma decisão com base em um teste, ou condição. Para

Leia mais

Exercícios: comandos de repetição

Exercícios: comandos de repetição UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Lista de exercícios de programação em linguagem C Exercícios: comandos de repetição 1) Elabore um programa que faça leitura de vários números inteiros, até que se digite

Leia mais

9. Comando de repetição com variável de controle (para.. de.. até.. faça)

9. Comando de repetição com variável de controle (para.. de.. até.. faça) 9. Comando de repetição com variável de controle (para.. de.. até.. faça) Com o uso das estruturas enquanto e repita é possível elaborar rotinas que efetuam a execução de um looping um determinado número

Leia mais

Lista de Exercícios 04 Estruturas de Dados Homogêneas - Vetores

Lista de Exercícios 04 Estruturas de Dados Homogêneas - Vetores Instituto de Ciências Eatas e Biológicas ICEB Lista de Eercícios 04 Estruturas de Dados Homogêneas - Vetores 1) Escreva um programa que armazene em um vetor todos os números inteiros de 0 a 50. Após isso,

Leia mais

PHP Estruturas de repetição

PHP Estruturas de repetição Estrutura de repetição com for Sintaxe for (inicialização; condição; incremento) comando1; comando2; A inicialização atribui um valor inicial à variável de controle do laço; Os comandos 1 e 2 serão executados

Leia mais

2) Escreva um algoritmo que leia um conjunto de 10 notas, armazene-as em uma variável composta chamada NOTA e calcule e imprima a sua média.

2) Escreva um algoritmo que leia um conjunto de 10 notas, armazene-as em uma variável composta chamada NOTA e calcule e imprima a sua média. 1) Inicializar um vetor de inteiros com números de 0 a 99 2) Escreva um algoritmo que leia um conjunto de 10 notas, armazene-as em uma variável composta chamada NOTA e calcule e imprima a sua média 3)

Leia mais

INF1005: Programação I. Algoritmos e Pseudocódigo

INF1005: Programação I. Algoritmos e Pseudocódigo INF1005: Programação I Algoritmos e Pseudocódigo Tópicos Principais Definição de Algoritmo Exemplos Básicos Formas de representação Condicionais Exemplos com Condicionais Repetições Exemplos com Repetições

Leia mais

Exercícios: Comandos de Repetição

Exercícios: Comandos de Repetição Universidade Federal de Uberlândia - UFU Faculdade de Computação - FACOM Lista de exercícios de programação em linguagem C Exercícios: Comandos de Repetição 1. Elabore um programa que faça leitura de vários

Leia mais

UNIDADE 4 ESTRUTURAS DE CONTROLE

UNIDADE 4 ESTRUTURAS DE CONTROLE 1 UNIDADE 4 ESTRUTURAS DE CONTROLE Na criação de algoritmos, utilizamos os conceitos de bloco lógico, entrada e saída de dados, variáveis, constantes, atribuições, expressões lógicas, relacionais e aritméticas,

Leia mais

Introdução à Algoritmos. Aula 11

Introdução à Algoritmos. Aula 11 Introdução à Algoritmos Aula 11 Um programa de computador é um produto resultante da atividade intelectual. Essa atividade depende de um treinamento prévio em abstração e modelagem de problemas, bem como

Leia mais

Lista 4 Introdução à Programação Entregar até 07/05/2012

Lista 4 Introdução à Programação Entregar até 07/05/2012 Lista 4 Introdução à Programação Entregar até 07/05/2012 1. Um vendedor necessita de um algoritmo que calcule o preço total devido por um cliente. O algoritmo deve receber o código de um produto e a quantidade

Leia mais

Teoria dos Grafos. Valeriano A. de Oliveira Socorro Rangel Departamento de Matemática Aplicada. antunes@ibilce.unesp.br, socorro@ibilce.unesp.

Teoria dos Grafos. Valeriano A. de Oliveira Socorro Rangel Departamento de Matemática Aplicada. antunes@ibilce.unesp.br, socorro@ibilce.unesp. Teoria dos Grafos Valeriano A. de Oliveira Socorro Rangel Departamento de Matemática Aplicada antunes@ibilce.unesp.br, socorro@ibilce.unesp.br Grafos e Algoritmos Preparado a partir do texto: Rangel, Socorro.

Leia mais

CURSO DE INFORMÁTICA. Algoritmos. Parte 6. Ricardo José Cabeça de Souza

CURSO DE INFORMÁTICA. Algoritmos. Parte 6. Ricardo José Cabeça de Souza CURSO DE INFORMÁTICA Algoritmos Ricardo José Cabeça de Souza Parte 6 Sumário UNIDADE II ESTRUTURAS DE CONTROLE 2.3 ESTRUTURAS DE CONTROLE... 2.3.5 Repetição Para 2.3.6 Estrutura Vetor 2.3.7 Estrutura Matriz

Leia mais

Exercícios (if/ if else/ if elseif else)

Exercícios (if/ if else/ if elseif else) SECRETARIA DA EDUCAÇÃO E CULTURA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DO TOCANTINS COLÉGIO DA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DO TOCANTINS UNIDADE ESCOLAR: CPM PERÍODO: 4º Bimestre DISCIPLINA: Lógica de Programação ANO/SÉRIE:

Leia mais

- no assunto colocar [ALG] PRIMEIRA PARTE

- no assunto colocar [ALG] PRIMEIRA PARTE CCT0001 Algoritmos Prof. Rodrigo Dias professor@hood.com.br - no assunto colocar [ALG] PRIMEIRA PARTE 1) Entrar com 5 números e imprimi-los caso seja maior que 20. 2) Entrar com 3 números e informar se

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS PARTE 1 (ESTRUTURAS SEQUENCIAIS)

LISTA DE EXERCÍCIOS PARTE 1 (ESTRUTURAS SEQUENCIAIS) LISTA DE EXERCÍCIOS PARTE 1 (ESTRUTURAS SEQUENCIAIS) 1. Elabore um algoritmo que converta um valor em dólar (US$) para real (R$). O algoritmo deverá solicitar o valor da cotação do dólar e também a quantidade

Leia mais

Introdução à Programação. Funções e Procedimentos. Prof. José Honorato F. Nunes honoratonunes@gmail.com

Introdução à Programação. Funções e Procedimentos. Prof. José Honorato F. Nunes honoratonunes@gmail.com Introdução à Programação Funções e Procedimentos Prof. José Honorato F. Nunes honoratonunes@gmail.com RESUMO DA AULA SUB-ROTINAS: Procedimentos Funções Escopo de variáveis Parâmetros Prof. José Honorato

Leia mais

1. Escreva um algoritmo em fluxograma que descreva a sequência 1, 5, 13, 17, 21, 25,?,?,?,?. Ou seja, até o seu 10º termo.

1. Escreva um algoritmo em fluxograma que descreva a sequência 1, 5, 13, 17, 21, 25,?,?,?,?. Ou seja, até o seu 10º termo. Lista de Exercícios de Algoritmo 1. Escreva um algoritmo em fluxograma que descreva a sequência 1, 5, 13, 17, 21, 25,?,?,?,?. Ou seja, até o seu 10º termo. 2. Escreva um algoritmo que leia 10 números utilizando

Leia mais

Ciclo com Contador : instrução for. for de variável := expressão to. expressão do instrução

Ciclo com Contador : instrução for. for de variável := expressão to. expressão do instrução Métodos de Programação I 2. 27 Ciclo com Contador : instrução for identificador downto for de variável := expressão to expressão do instrução UMA INSTRUÇÃO (SIMPLES OU COMPOSTA) Neste caso o ciclo é repetido

Leia mais

Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul Ciência da Computação Algoritmos e Estruturas de Dados I (AED-I)

Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul Ciência da Computação Algoritmos e Estruturas de Dados I (AED-I) Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul Ciência da Computação Algoritmos e Estruturas de Dados I (AED-I) Prof. Nilton nilton@comp.uems.br 1 Sumário Construção de algoritmos usando estruturas de repetição

Leia mais

Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Computação. Estruturas de repetição

Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Computação. Estruturas de repetição Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Computação Estruturas de repetição Prof. Renato Pimentel 1 Estruturas de repetição Utilização: Trecho de um algoritmo precisa ser executado mais de uma vez:

Leia mais

Método Simplex Revisado

Método Simplex Revisado Método Simplex Revisado Prof. Fernando Augusto Silva Marins Departamento de Produção Faculdade de Engenharia Campus de Guaratinguetá UNESP www.feg.unesp.br/~fmarins fmarins@feg.unesp.br Introdução Método

Leia mais

C A P I T U L O 6 E S T R U T U R A S D E C O N T R O L E D E R E P E T I Ç Ã O

C A P I T U L O 6 E S T R U T U R A S D E C O N T R O L E D E R E P E T I Ç Ã O C A P I T U L O 6 E S T R U T U R A S D E C O N T R O L E D E R E P E T I Ç Ã O Sempre que precisarmos em um script PHP que uma ou mais linhas de comandos sejam repetidamente executadas, utilizamos laços

Leia mais

Algoritmos e Introdução à Programação. Lógica e Linguagem de Programação

Algoritmos e Introdução à Programação. Lógica e Linguagem de Programação Algoritmos e Introdução à Programação Lógica e Linguagem de Programação Prof. José Honorato Ferreira Nunes honoratonunes@softwarelivre.org http://softwarelivre.org/zenorato/honoratonunes Linguagem C Seleção

Leia mais

A resposta apresentada em aula, no quadro, (em Chapin e/ou Português Estruturado) está correta?

A resposta apresentada em aula, no quadro, (em Chapin e/ou Português Estruturado) está correta? 23 Algoritmos com Repetição Nos exemplos e exercícios vistos até agora, sempre foi possível resolver os problemas com uma sequência de instruções que eram executadas apenas uma vez. Existem três estruturas

Leia mais

Capítulo 5: Repetições

Capítulo 5: Repetições Capítulo 5: Repetições INF1004 e INF1005 Programação 1 Pontifícia Universidade Católica Departamento de Informática Construção de Laços Repetição: Diversos problemas de difícil solução podem ser resolvidos

Leia mais

Grupo B Estruturas de Repetição

Grupo B Estruturas de Repetição Grupo B Estruturas de Repetição Exercício Descrição 1. Escrever um algoritmo que lê 5 valores para a, um de cada vez, e conta quantos destes valores são negativos, escrevendo esta informação. 2. Escrever

Leia mais

Estrutura de repetição do/while

Estrutura de repetição do/while Es truturas de Controle Estrutura de repetição do/while A estrutura de repetição do/while é semelhante à estrutura while. Na estrutura while, o programa testa a condição de continuação do laço no começo

Leia mais

Metodologias de Programação

Metodologias de Programação Metodologias de Programação Bloco 1 José Paulo 1 Formador José António Paulo E-mail: questoes@netcabo.pt Telemóvel: 96 347 80 25 Objectivos Iniciar o desenvolvimento de raciocínios algorítmicos Linguagem

Leia mais

MC-102 - Teste de Mesa e Comandos Repetitivos

MC-102 - Teste de Mesa e Comandos Repetitivos MC-102 - Teste de Mesa e Comandos Repetitivos Elaborado por Raoni Teixeira e Editado por Danillo Roberto Pereira Instituto de Computação Unicamp Primeiro Semestre de 2013 Introdução Introdução Pode acontecer

Leia mais

FUNÇÕES MATEMÁTICAS NÚMERO : PI() SENO E COSSENO: SEN() E COS()

FUNÇÕES MATEMÁTICAS NÚMERO : PI() SENO E COSSENO: SEN() E COS() FUNÇÕES MATEMÁTICAS FUNÇÕES MATEMÁTICAS O Excel possui uma série de funções matemáticas em sua biblioteca. Para utilizar uma função, sempre devem ser utilizados os parêntesis, mesmo que estes fiquem vazios.

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES I - BCC701-2015 Lista de Exercícios do Módulo 1 - Preparação para a Prova 1

PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES I - BCC701-2015 Lista de Exercícios do Módulo 1 - Preparação para a Prova 1 PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES I - BCC701-2015 Lista de Exercícios do Módulo 1 - Preparação para a Prova 1 Exercício 1 Apesar da existência do Sistema Internacional (SI) de Unidades, ainda existe a divergência

Leia mais

Lógica de Programação

Lógica de Programação Lógica de Programação Estruturas de Repetição Repetição com teste no início Consiste em uma estrutura de controle de fluxo lógico que permite executar diversas vezes um mesmo trecho do algoritmo, porém,

Leia mais

Orientação a Objetos

Orientação a Objetos Orientação a Objetos 1. Manipulando Atributos Podemos alterar ou acessar os valores guardados nos atributos de um objeto se tivermos a referência a esse objeto. Os atributos são acessados pelo nome. No

Leia mais

Estrutura de repetição para número indefinido de repetições com teste no inicio (Enquanto - while)

Estrutura de repetição para número indefinido de repetições com teste no inicio (Enquanto - while) ESTRUTURA DE REPETIÇÃO EM C++ Estrutura de Repetição para número definido de repetições (Para - for) //Biblioteca para CIN e COUT //Biblioteca para funções como clrscr e getch //Estrutura principal do

Leia mais

AC05 Lista de Exercícios sobre Sequências, Condições e Repetição Em C++

AC05 Lista de Exercícios sobre Sequências, Condições e Repetição Em C++ AC05 Lista de Exercícios sobre Sequências, Condições e Repetição Em C++ Instruções: Os algoritmos deverão ser desenvolvidos em C++ com o Code::Blocks; Exercícios em grupos de até 6 participantes; Colocar

Leia mais

CAPÍTULO 5 ESTRUTURAS DE REPETIÇÃO

CAPÍTULO 5 ESTRUTURAS DE REPETIÇÃO CAPÍTULO 5 ESTRUTURAS DE REPETIÇÃO Fabio Augusto Oliveira Guilherme da Cunha Fonseca FEPI Centro Universitário de Itajubá Curso de Engenharia de Produção 1 INTRODUÇÃO Em vários momentos, na programação,

Leia mais

Algoritmos. Prof. Jonatas Bastos Site:

Algoritmos. Prof. Jonatas Bastos   Site: Algoritmos Prof Jonatas Bastos Email: jonatasfbastos@gmailcom Site: http://jonatasfbastoswordpresscom/ 1 Estrutura de Repetição Computadores não reclamam por executar alguma tarefa, nem se cansam em fazer

Leia mais

5. ESTRUTURA DE CONTROLE TOMADA DE DECISÕES

5. ESTRUTURA DE CONTROLE TOMADA DE DECISÕES 5. ESTRUTURA DE CONTROLE TOMADA DE DECISÕES...2 5.1 SELEÇÃO OU ALTERNATIVA SIMPLE...2 5.2 SELEÇÃO OU ALTERNATIVA COMPOSTA...2 5.3 SELEÇÃO OU ALTERNATIVA SE S ANINHADOS OU ENCADEADOS...3 5.4 ESTRUTURAS

Leia mais

OBSERVAÇÕES: EXERCÍCIOS

OBSERVAÇÕES: EXERCÍCIOS OBSERVAÇÕES: 1. Esta lista de exercícios poderá ser resolvida individualmente ou em grupos de 2 pessoas. 2. A lista possui 25 exercícios, destes você deve responder os 5 primeiros exercícios e os outros

Leia mais

Avaliação e Desempenho Aula 1 - Simulação

Avaliação e Desempenho Aula 1 - Simulação Avaliação e Desempenho Aula 1 - Simulação Introdução à simulação Geração de números aleatórios Lei dos grandes números Geração de variáveis aleatórias O Ciclo de Modelagem Sistema real Criação do Modelo

Leia mais

Exercícios: Vetores e Matrizes

Exercícios: Vetores e Matrizes Universidade Federal de Uberlândia - UFU Faculdade de Computação - FACOM Lista de exercícios de programação em linguagem C Exercícios: Vetores e Matrizes 1 Vetores 1. Escreva um programa que leia 10 números

Leia mais

Universidade Federal de Uberlândia - UFU Faculdade de Computação - FACOM Lista de exercícios de programação em linguagem C. Exercícios: Structs

Universidade Federal de Uberlândia - UFU Faculdade de Computação - FACOM Lista de exercícios de programação em linguagem C. Exercícios: Structs Universidade Federal de Uberlândia - UFU Faculdade de Computação - FACOM Lista de exercícios de programação em linguagem C Exercícios: Structs 1. Utilizando estrutura, fazer um programa em C que permita

Leia mais

Plano de Ensino PROBABILIDADE E ESTATÍSTICA APLICADA À ENGENHARIA - CCE0292

Plano de Ensino PROBABILIDADE E ESTATÍSTICA APLICADA À ENGENHARIA - CCE0292 Plano de Ensino PROBABILIDADE E ESTATÍSTICA APLICADA À ENGENHARIA - CCE0292 Título PROBABILIDADE E ESTATÍSTICA APLICADA À ENGENHARIA Código da disciplina SIA CCE0292 16 Número de semanas de aula 4 Número

Leia mais

Algoritmos e Estruturas de Dados I. Recursividade. Pedro O.S. Vaz de Melo

Algoritmos e Estruturas de Dados I. Recursividade. Pedro O.S. Vaz de Melo Algoritmos e Estruturas de Dados I Recursividade Pedro O.S. Vaz de Melo Problema Implemente uma função que classifique os elementos de um vetor em ordem crescente usando o algoritmo quicksort: 1. Seja

Leia mais

INTRODUÇÃO À PROGRAMAÇÃO II VARIÁVEIS COMPOSTAS HOMOGÊNEAS UNIDIMENSIONAIS

INTRODUÇÃO À PROGRAMAÇÃO II VARIÁVEIS COMPOSTAS HOMOGÊNEAS UNIDIMENSIONAIS INTRODUÇÃO À PROGRAMAÇÃO II VARIÁVEIS COMPOSTAS HOMOGÊNEAS UNIDIMENSIONAIS Material da Prof. Ana Eliza Dados e comandos, para serem processados, devem estar na memória do computador. Memória Definição:

Leia mais

PROGRAMAÇÃO A. Estrutura de Repetição

PROGRAMAÇÃO A. Estrutura de Repetição PROGRAMAÇÃO A Estrutura de Repetição INTRODUÇÃO Trechos de algoritmos e consequentemente comandos de um determinado programa que precisam ser repetidos para realizar algum tipo de leitura de dados ou cálculo

Leia mais

LISTA COMPLEMENTAR DE DAC E ADC DO LIVRO DO TOCCI

LISTA COMPLEMENTAR DE DAC E ADC DO LIVRO DO TOCCI LISTA COMPLEMENTAR DE DAC E ADC DO LIVRO DO TOCCI 10.2 Um DAC = 08bits Para o número = (100) 10 = 2V. Pede-se : (+179) 10 Para Saída Analógica = Entrada digital x passo = 179. 20mV = 3,58V F.S. = 5V e

Leia mais

Algoritmos e Programação

Algoritmos e Programação Algoritmos e Programação Aula 5 Estruturas de Repetição Profa. Marina Gomes marinagomes@unipampa.edu.br 26/04/2017 Engenharia de Computação - Unipampa 1 Aula de Hoje Estrutura de repetição Comando for

Leia mais

LINGUAGEM C: COMANDOS DE REPETIÇÃO

LINGUAGEM C: COMANDOS DE REPETIÇÃO LINGUAGEM C: COMANDOS DE REPETIÇÃO Prof. André Backes ESTRUTURAS DE REPETIÇÃO Uma estrutura de repetição permite que uma sequência de comandos seja executada repetidamente, enquanto determinadas condições

Leia mais

Switch switch switch switch switch variável_inteira valor1 valor2 switch variável_inteira case case break switch case default default switch switch

Switch switch switch switch switch variável_inteira valor1 valor2 switch variável_inteira case case break switch case default default switch switch Switch A estrutura if de seleção única, a estrutura if / else de seleção dupla. Outra maneira de indicar uma condição é através de uma declaração switch. A construção switch permite que uma única variável

Leia mais

Plano de Ensino. Identificação. Câmpus de Bauru. Curso 1503 - Licenciatura em Matemática. Ênfase

Plano de Ensino. Identificação. Câmpus de Bauru. Curso 1503 - Licenciatura em Matemática. Ênfase Curso 1503 - Licenciatura em Matemática Ênfase Identificação Disciplina 0006308A - Fundamentos de Matemática Elementar Docente(s) Ivete Maria Baraldi Unidade Faculdade de Ciências Departamento Departamento

Leia mais

ESTRUTURAS DE REPETIÇÃO - PARTE 1

ESTRUTURAS DE REPETIÇÃO - PARTE 1 AULA 15 ESTRUTURAS DE REPETIÇÃO - PARTE 1 15.1 O comando enquanto-faca- Considere o problema de escrever um algoritmo para ler um número inteiro positivo, n, e escrever todos os números inteiros de 1 a

Leia mais

Curso: Técnico em Informática Integrado Disciplina: Algoritmos Carga horária: 60h (80h/a) Período: 2º Ano Professor: Edmilson Barbalho Campos Neto

Curso: Técnico em Informática Integrado Disciplina: Algoritmos Carga horária: 60h (80h/a) Período: 2º Ano Professor: Edmilson Barbalho Campos Neto INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE Campus João Câmara Avenida Antônio Severiano da Câmara / BR 406, Km 101, s/n Zona Rural. Bairro Amarelão João Câmara/RN - CEP:

Leia mais

Aula 1 Estatística e Probabilidade

Aula 1 Estatística e Probabilidade Aula 1 Estatística e Probabilidade Anamaria Teodora Coelho Rios da Silva Aula 1 Plano de ensino Planejamento das aulas Referências Bibliográficas Atividades de Aprendizagem Orientadas Sistema de Avaliação

Leia mais

FESP FACULDADE DE ENGENHARIA SÃO PAULO DISCIPLINA BP1: PROCESSAMENTO DE DADOS

FESP FACULDADE DE ENGENHARIA SÃO PAULO DISCIPLINA BP1: PROCESSAMENTO DE DADOS FESP FACULDADE DE ENGENHARIA SÃO PAULO DISCIPLINA BP1: PROCESSAMENTO DE DADOS FLUXOGRAMA ou DIAGRAMA DE BLOCOS Fluxograma ou Diagrama de blocos é a representação gráfica dos passos de um algoritmo. Facilita

Leia mais

No final, terá noções fundamentais do paradigma orientado a objetos.

No final, terá noções fundamentais do paradigma orientado a objetos. CURSO: TECNOLOGIA EM JOGOS DIGITAIS DISCIPLINA: ALGORITMOS Matriz Curricular Criação: 009_ Atualização: 05_ Carga Horária: 80 H/A EMENTA: Definição de algoritmo e programa. Ferramentas de desenvolvimento

Leia mais

Estruturas de Repetição. João Medeiros FATERN

Estruturas de Repetição. João Medeiros FATERN Estruturas de Repetição João Medeiros FATERN 2010.2 Quais seriam os passos do algoritmo? 1. colocar café solúvel na xícara 2. colocar água quente 3. Colocar açucar na xícara 4. mexer 5. mexer 6. mexer

Leia mais

Programação para Computação

Programação para Computação Programação para Computação Prova 1 22/09/2008 Resolução Prof. Marcus Vinícius Midena Ramos Engenharia de Computação UNIVASF Questão 1 (1,2 ponto): Descreva, de forma clara, completa e concisa, a sintaxe

Leia mais

1ª LISTA DE EXERCÍCIOS

1ª LISTA DE EXERCÍCIOS UNIVERSIDADE SALGADO DE OLIVEIRA CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DISCIPLINA: TEORIA DA COMPUTAÇÃO E ALGORITMOS PROF: GIULIANO PRADO DE MORAIS GIGLIO 1ª LISTA DE EXERCÍCIOS 1) Sobre variáveis, responda

Leia mais

Aula 4 Gráficos e Distribuição de Frequências

Aula 4 Gráficos e Distribuição de Frequências 1 REDES Aula 4 Gráficos e Distribuição de Frequências Professor Luciano Nóbrega Gráficos A representação gráfica fornece uma visão mais rápida que a observação direta de dados numéricos ou de tabelas.

Leia mais

x = xi n x = xifi fi 1. MÉDIA Exercício: Quando a distribuição é simétrica, a média e a mediana coincidem.

x = xi n x = xifi fi 1. MÉDIA Exercício: Quando a distribuição é simétrica, a média e a mediana coincidem. 1. MÉDIA Exercício: Quando a distribuição é simétrica, a média e a mediana coincidem. Determine a média aritmética da distribuição: A mediana não é tão sensível, como a média, às observações que são muito

Leia mais

Algoritmos e Programação : Conceitos e estruturas básicas. Hudson Victoria Diniz

Algoritmos e Programação : Conceitos e estruturas básicas. Hudson Victoria Diniz Algoritmos e Programação : Conceitos e estruturas básicas Hudson Victoria Diniz Relembrando... Um algoritmo é formalmente uma seqüência finita de passos que levam a execução de uma tarefa. Podemos pensar

Leia mais

CAPÍTULO V. Estruturas de Repetição CAPÍTULO V ESTRUTURAS DE REPETIÇÃO. Estrutura de Repetição com Teste no Início: E QUA TO-FAÇA...

CAPÍTULO V. Estruturas de Repetição CAPÍTULO V ESTRUTURAS DE REPETIÇÃO. Estrutura de Repetição com Teste no Início: E QUA TO-FAÇA... NBT110 Algoritmos e Estruturas de Dados Profa. Rosanna Mara Rocha Silveira Fevereiro/2013 - Versão 1.1 CAPÍTULO V ESTRUTURAS DE REPETIÇÃO 42 Em programação de computadores, é muito comum nos depararmos

Leia mais

Algoritmos. Prof. Jonatas Bastos

Algoritmos. Prof. Jonatas Bastos Algoritmos Prof. Jonatas Bastos 1 Algoritmo Definições p p p p p p Algoritmo é uma sequência finita de passos que levam a execução de uma tarefa. Que levam a resolução de determinado problema. Podemos

Leia mais

Análise de algoritmos. Parte II

Análise de algoritmos. Parte II Análise de algoritmos Parte II 1 Análise de algoritmos Existem basicamente 2 formas de estimar o tempo de execução de programas e decidir quais são os melhores Empírica ou teoricamente É desejável e possível

Leia mais

para / for (com teste numérico) enquanto / while (com teste lógico no início) repita até que / do...while (com teste lógico no fim)

para / for (com teste numérico) enquanto / while (com teste lógico no início) repita até que / do...while (com teste lógico no fim) Algoritmos e Programação de Computadores1 Prof. Eduardo 1 1. ESTRUTURAS DE REPETIÇÃO Uma estrutura de repetição é utilizada para fazer com que um pedaço (trecho) do programa seja executado n vezes, ou

Leia mais

Aula 1 Oficina de Programação e Laboratório Apresentação. Profa. Elaine Faria UFU - 2016

Aula 1 Oficina de Programação e Laboratório Apresentação. Profa. Elaine Faria UFU - 2016 Aula 1 Oficina de Programação e Laboratório Apresentação Profa. Elaine Faria UFU - 2016 Dados do Professor Elaine Ribeiro de Faria Paiva Email: elaine@ufu.br Sala: 1B137 Horário de atendimento (agendado

Leia mais

Estruturas de Repetição

Estruturas de Repetição Estruturas de Repetição O conceito de repetição (looping) é utilizando quando se deseja repetir certo trecho de instruções por um número de vezes. O número de repetições pode ser conhecido antes ou não,

Leia mais

Lista de Exercícios - Programação I (Pascal/ Python)

Lista de Exercícios - Programação I (Pascal/ Python) ENTRADA E SAÍDA Lista de Exercícios - Programação I (Pascal/ Python) 1) Escreva um programa que imprima seu nome na tela. 2) Escreva um programa que imprima o valor guardado em uma variável. 3) Escreva

Leia mais

Universidade Federal da Paraíba Centro de Informática Departamento de Informática

Universidade Federal da Paraíba Centro de Informática Departamento de Informática Universidade Federal da Paraíba Centro de Informática Departamento de Informática Disciplina: Introdução à Programação Horário: T08002, I08002 Sala: CISB01 T10002, I10002 Sala: CI304 Número de Créditos:

Leia mais

Calculando seno(x)/x com o interpretador Hall.

Calculando seno(x)/x com o interpretador Hall. Calculando seno(x)/x com o interpretador Hall. Problema Seja, por exemplo, calcular o valor do limite fundamental f(x)=sen(x)/x quando x tende a zero. Considerações Fazendo-se a substituição do valor 0

Leia mais

Tipos de problemas de programação inteira (PI) Programação Inteira. Abordagem para solução de problemas de PI. Programação inteira

Tipos de problemas de programação inteira (PI) Programação Inteira. Abordagem para solução de problemas de PI. Programação inteira Tipos de problemas de programação inteira (PI) Programação Inteira Pesquisa Operacional I Flávio Fogliatto Puros - todas as variáveis de decisão são inteiras Mistos - algumas variáveis de decisão são inteiras

Leia mais

Programação de Computadores I. Linguagem C Função

Programação de Computadores I. Linguagem C Função Linguagem C Função Prof. Edwar Saliba Júnior Fevereiro de 2011 Unidade 07 Função 1 Conceitos As técnicas de programação dizem que, sempre que possível, evite códigos extensos, separando o mesmo em funções,

Leia mais

Nº horas ESTRATÉGIAS RECURSOS AVALIAÇÃO

Nº horas ESTRATÉGIAS RECURSOS AVALIAÇÃO ANO: 10.º Curso Profissional Técnico de Informática de Gestão Disciplina: Linguagens de Programação ANO LECTIVO: 2008/2009 p.1/13 Módulo 1 Algoritmia 1 - Introdução à Lógica de Programação Lógica Sequência

Leia mais

I Lista de Exercícios

I Lista de Exercícios I Lista de Exercícios Estrutura Sequência Faça um algoritmo que receba o salário-base de um funcionário, calcule e mostre o salário a receber, sabendo-se que esse funcionário tem gratificação de 5% sobre

Leia mais

Correção dos Exercícios

Correção dos Exercícios Faculdade Novo Milênio Engenharia da Computação Engenharia de Telecomunicações Algoritmos I 2006/1 Correção dos Exercícios Questão 1: Construa um algoritmo que, tendo como dados de entrada dois pontos

Leia mais

69) Acrescentar uma mensagem de VALOR INVÁLIDO no exercício [68], caso o segundo valor informado seja ZERO.

69) Acrescentar uma mensagem de VALOR INVÁLIDO no exercício [68], caso o segundo valor informado seja ZERO. Exercícios 65 ao 72 - Estrutura de Repetição: Enquanto 65) Escreva um algoritmo para ler um valor entre 1 (inclusive) e 10 (inclusive). Se o valor lido não estiver entre 1 (inclusive) e 10 (inclusive),

Leia mais

Introdução à Programação. 4ª aula. Prof. José Honorato F. Nunes

Introdução à Programação. 4ª aula. Prof. José Honorato F. Nunes Introdução à Programação 4ª aula Prof. José Honorato F. Nunes honoratonunes@gmail.com RESUMO DA AULA Operador Literal Estruturas de Controle Seleção Repetição Prof. José Honorato F. Nunes honoratonunes@gmail.com

Leia mais

Programação. Folha Prática 4. Lab. 4. Departamento de Informática Universidade da Beira Interior Portugal 2015. Copyright 2010 All rights reserved.

Programação. Folha Prática 4. Lab. 4. Departamento de Informática Universidade da Beira Interior Portugal 2015. Copyright 2010 All rights reserved. Programação Folha Prática 4 Lab. 4 Departamento de Informática Universidade da Beira Interior Portugal 2015 Copyright 2010 All rights reserved. LAB. 4 4ª semana CONCEÇÃO DE ALGORITMOS E ESTRUTURAS DE CONTROLO

Leia mais

algoritmo "exercício 13" var op1, op2: real operador: caractere inicio escreva ("Entre com o primeiro operando: ") leia (op1) escreva ("Entre com o

algoritmo exercício 13 var op1, op2: real operador: caractere inicio escreva (Entre com o primeiro operando: ) leia (op1) escreva (Entre com o algoritmo "exercício 13" var op1, op2: real operador: caractere inicio escreva ("Entre com o primeiro operando: ") leia (op1) escreva ("Entre com o segundo operando: ") leia (op2) escreva ("Entre com um

Leia mais

Professor: André Rabelo Curso: Engenharia da Computação Disciplina: Lógica Digital Período: 3º Data Entrega: 21/03/2012 Valor: 15 pts Objetivos:

Professor: André Rabelo Curso: Engenharia da Computação Disciplina: Lógica Digital Período: 3º Data Entrega: 21/03/2012 Valor: 15 pts Objetivos: Professor: André Rabelo Curso: Engenharia da Computação Disciplina: Lógica Digital Período: 3º Data Entrega: 21/03/2012 Valor: 15 pts Objetivos: Pesquisar e aprofundar os conhecimentos em Lógica Digital

Leia mais

2ª Lista de Exercícios

2ª Lista de Exercícios Esta lista de exercícios contempla o comando de atribuição além dos comandos de leitura e de escrita. Quando definimos o tipo de variável, tomamos como base o conteúdo que deveria ser armazenado. Os exercícios

Leia mais

Medidas de Tendência Central. Introdução Média Aritmética Moda Mediana

Medidas de Tendência Central. Introdução Média Aritmética Moda Mediana Medidas de Tendência Central Introdução Média Aritmética Moda Mediana Introdução A maioria dos dados apresenta uma tendência de se concentrar em torno de um ponto central Portanto, é possível selecionar

Leia mais

Programação de Computadores I BCC 701 2012-02 Terceira Avaliação 06/04/2013 Valor (3,0)

Programação de Computadores I BCC 701 2012-02 Terceira Avaliação 06/04/2013 Valor (3,0) Programação de Computadores I BCC 701 2012-02 Terceira Avaliação 06/04/2013 Valor (3,0) ATENÇÃO: Leia com atenção as questões da prova. A interpretação do enunciado faz parte da avaliação. Todos os programas

Leia mais

Estruturas Condicionais e de Repetição

Estruturas Condicionais e de Repetição Estruturas Condicionais e de Repetição Prof. Wylliams Barbosa Santos wylliamss@gmail.com Introdução à Programação Crédito de conteúdo: Professora Ceça Moraes Conteúdo Comando de Decisão Comandos de Repetição

Leia mais

CONCEITOS DE ALGORITMOS

CONCEITOS DE ALGORITMOS CONCEITOS DE ALGORITMOS Fundamentos da Programação de Computadores - 3ª Ed. 2012 Editora Prentice Hall ISBN 9788564574168 Ana Fernanda Gomes Ascênsio Edilene Aparecida Veneruchi de Campos Algoritmos são

Leia mais

Caminho de Dados e Controle. Prof. Leonardo Barreto Campos 1

Caminho de Dados e Controle. Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Caminho de Dados e Controle Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Sumário Introdução; Convenções Lógicas de Projeto; Construindo um Caminho de Dados; O Controle da ULA; Projeto da Unidade de Controle Principal;

Leia mais

Plano de Ensino. Identificação. Câmpus de Bauru. Curso 1503 - Licenciatura em Matemática. Ênfase

Plano de Ensino. Identificação. Câmpus de Bauru. Curso 1503 - Licenciatura em Matemática. Ênfase Curso 1503 - Licenciatura em Matemática Ênfase Identificação Disciplina 0006308A - Fundamentos de Matemática Elementar Docente(s) Maria Edneia Martins Salandim Unidade Faculdade de Ciências Departamento

Leia mais

XXXII Olimpíada Brasileira de Matemática. GABARITO Segunda Fase

XXXII Olimpíada Brasileira de Matemática. GABARITO Segunda Fase XXXII Olimpíada Brasileira de Matemática GABARITO Segunda Fase Soluções Nível 1 Segunda Fase Parte A CRITÉRIO DE CORREÇÃO: PARTE A Na parte A serão atribuídos 5 pontos para cada resposta correta e a pontuação

Leia mais

Introdução aos algoritmos computacionais

Introdução aos algoritmos computacionais CAPíTULO 1 Introdução aos algoritmos computacionais é um procedimento que descreve, sem ambiguidade, uma sequência nita de passos a serem seguidos em uma ordem especíca para resolver um problema ou aproximar

Leia mais

Amanda Gondim de Oliveira

Amanda Gondim de Oliveira ESTRUTURAS DE REPETIÇÃO Amanda Gondim de Oliveira ESTRUTURAS DE REPETIÇÃO É comum a repetição de procedimentos para se realizar tarefas. Esse procedimentos não são repetidos eternamente, mas se encerram

Leia mais

ESTRUTURAS DE CONTROLE ESTRUTURAS DE REPETIÇÃO

ESTRUTURAS DE CONTROLE ESTRUTURAS DE REPETIÇÃO ESTRUTURAS DE CONTROLE ESTRUTURAS DE REPETIÇÃO Baseado nos slides de autoria de Rosely Sanches Estruturas de Controle ESTRUTURA SEQUENCIAL ESTRUTURAS CONDICIONAIS Estrutura Condicional Simples Estrutura

Leia mais

PYTHON Compreensão de Listas. Introdução à Programação SI2

PYTHON Compreensão de Listas. Introdução à Programação SI2 PYTHON Compreensão de Listas Introdução à Programação SI2 Inicializando listas Não é possível atribuir a uma posição inexistente de uma lista >>> vetor = [] >>> vetor [0] = 1 Traceback (most recent call

Leia mais

MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL II

MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL II MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL II 8. MÉDIA, MEDIANA E MODA 8. Mediana 8 7 A mediana divide um conjunto de dados pré-ordenados em duas porções iguais, ou seja, duas partes de 50% cada. Nesta divisão, 50%

Leia mais