COMPATIBILIZAÇÃO DE PROJETOS COORDENAR ORGANIZAR PRODUZIR

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "COMPATIBILIZAÇÃO DE PROJETOS COORDENAR ORGANIZAR PRODUZIR"

Transcrição

1 COMPATIBILIZAÇÃO DE PROJETOS COORDENAR ORGANIZAR PRODUZIR

2 COMPATIBILIZAÇÃO DE PROJETOS INTRODUÇÃO AO TEMA A coordenação de projetos Project management O processo de projeto e sua gestão A equipe multidisciplinar de projeto NBR s Normas Brasileiras A Compatibilização e seus aspectos práticos PÁGINA 02

3 Projeto é um esforço temporário para desenvolver um produto ou serviço com características únicas PMBOK Guide 2000

4 AS NOVAS PERSPECTIVAS DA ATIVIDADE PROJETUAL ENFOQUE NA CONST. CIVIL MAIOR COMPETITIVIDADE DAS EMPRESAS CONSTRUTORAS INDUSTRIALIZAÇÃO DO SETOR ADVENTO DO CÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR AS CERTIFICAÇÕES ISO MELHORIA NO PROCESSO E CONTROLE DA CONSTRUÇÃO CIVIL, COM ÊNFASE NA MELHORIA DA PRODUTIVIDADE E REDUÇÃO DOS CUSTOS NBR EDIFÍCIOS DE ATÉ 5 PAVIMENTOS DESEMPENHO PÁGINA 04

5 O PROJETO O projeto, como processo para o qual convergem toda sorte de decisões e restrições, tecnológicas, de custos, de prazos, de relacionamento com fornecedores, de organização da produção, enfim, com seu caráter de antecipação virtual dos processos que se seguirão, tem um papel crucial no novo e exigente quadro de competitividade. Silvio Melhado PÁGINA 05

6 O PROJETO A fase de projeto e o estudo de viabilização técnica e econômica são o momento nevrálgico do processo produtivo de um empreendimento, pois é nesta fase, que se está concebendo toda obra, simulando-a, inclusive na sua funcionalidade, viabilidade técnica e econômica, facilidade construtiva, operacional e de manutenção. Só nesta fase se podem evitar ou corrigir erros fundamentais de viabilidade e de qualidade do produto final PÁGINA 06

7 O PROJETO VAMOS RACIOCINAR? OS PROJETOS DE ARQUITETURA SÃO SEMPRE O PONTO DE PARTIDA PARA A SUA CORRETA PRODUÇÃO FAZ-SE NECESSÁRIA UMA VISÃO ABRANGENTE O ARQUITETO PODE SER A PEÇA CHAVE, MAS NÃO É A ÚNICA A COORDENAÇÃO DOS TRABALHOS, ANTERIOR AO PROJETO EXECUTIVO, PROPORCIONARÁ GANHOS NA PRODUÇÃO E REDUÇÃO DOS ERROS ENTRETANTO, EM SUA MAIORIA, OS ARQUITETOS SÓ SE PREOCUPAM COM A EXECUÇÃO APÓS A FINALIZAÇÃO DO PROJETO EXECUTIVO PÁGINA 07

8 O PROJETO SOB DUAS VISÕES (Fonte: Silvio Melhado) ESTRATÉGICA Atendendo às necessidades e expectativas do empreendedor; portanto,voltado à definição de características do produto final do empreendimento. OPERACIONAL Visando à eficiência e a confiabilidade do processo de produção PÁGINA 08

9 AS NOVAS PERSPECTIVAS DA ATIVIDADE PROJETUAL ENFOQUE NA CONST. CIVIL MAIOR COMPETITIVIDADE DAS EMPRESAS CONSTRUTORAS INDUSTRIALIZAÇÃO DO SETOR ADVENTO DO CÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR AS CERTIFICAÇÕES ISO MELHORIA NO PROCESSO E CONTROLE DA CONSTRUÇÃO CIVIL, COM ÊNFASE NA MELHORIA DA PRODUTIVIDADE E REDUÇÃO DOS CUSTOS NBR EDIFÍCIOS DE ATÉ 5 PAVIMENTOS DESEMPENHO PÁGINA 09

10 GRAU DE INFLUÊNCIA NOS CUSTOS DE PRODUÇÃO PROJETOS POR QUE INVESTIR NA QUALIDADE DOS PROJETOS? ALTA Estudo de viabilidade Projeto Contratação BAIXA Execução Uso e manutenção INÍCIO PÁGINA 10

11 PROJETOS POR QUE INVESTIR NA QUALIDADE DOS PROJETOS? 100% BAIXA ESTUDO VIABILIDADE CONCEPÇÃO PROJETO PROJETO CONSTRUÇÃO TEMPO PÁGINA 11

12 CUSTO MENSAL DO EMPREENDIMENTO PROJETOS POR QUE INVESTIR NA QUALIDADE DOS PROJETOS? $/MÊS PRÁTICA CORRENTE MAIOR INVESTIMENTO EM PROJETO E PLANEJAMENTO PROJETO TEMPO PÁGINA 12

13 COMO OBTER PROJETOS DE QUALIDADE Enter your subtitle here CONHECIMENTO SOBRE O TEMA. CONHECIMENTO DAS NECESSIDADES DO CLIENTE CONHECIMENTOS DOS RECURSOS CONHECIMENTO DOS AGENTES ACOMPANHAMENTO CONTROLE RETROALIMENTAÇÃO PÁGINA 13

14 PRINCIPAIS PATOLOGIAS DA CONSTRUÇÃO 2% FALHAS 11% 4% MATERIAIS 25% USO E MANUTENÇÃO CONCEPÇÃO DE PROJETOS CONSTRUÇÃO 58% EQUIPAMENTOS Fonte: Pesquisada EPUSP em São Paulo (MACIEL; MELHADO, 1995) PÁGINA 14

15 PRINCIPAIS PATOLOGIAS DA CONSTRUÇÃO 25% 2% 11% 4% Fonte: % PÁGINA 14

16 MOMENTOS DE DESCANSO... (OU NÃO...) PÁGINA 15

17 MOMENTOS DE DESCANSO... (OU NÃO...) PÁGINA 16

18 MOMENTOS DE DESCANSO... (OU NÃO...) PÁGINA 17

19 MOMENTOS DE DESCANSO... (OU NÃO...) PÁGINA 18

20 MOMENTOS DE DESCANSO... (OU NÃO...) PÁGINA 19

21 MOMENTOS DE DESCANSO... (OU NÃO...) PÁGINA 20

22 MOMENTOS DE DESCANSO... (OU NÃO...) PÁGINA 21

23 RETORNEMOS... PÁGINA 22

24 O PROJETISTA Situação atual do pobrezinho... Empreendimentos executados sem projetos; Projetos contratados em cima da hora; Projetos contratados sequencialmente, não simultaneamente; Projetistas mal remunerados; Projetos incompletos, com erros e omissões; Elevado grau de improvisação e de retrabalho; Falta de coordenação de projetos; Falta de compatibilização de projetos; PÁGINA 23

25 O PROJETISTA O que leva até esta situação? Um problema financeiro/estrutural: Incorporadores e construtores querem adiar gastos; Empresas de projeto de pequeno porte e desestruturadas. PÁGINA 24

26 O PROJETISTA Um problema financeiro/estrutural: Construção: Projeto é sinônimo de custo e não de investimento; Escola: as matrizes curriculares dos cursos de Arquitetura e afins não privilegiam uma visão sistêmica da relação projeto/produção; Empresas de projeto: inexistência de mecanismos para avaliar o efetivo impacto de um bom projeto. PÁGINA 25

27 O PROJETISTA RAZÕES PARA NÃO DESENVOLVERMOS PROJETOS SATISFATÓRIOS? OBSTÁCULOS % MUDANÇAS DE ORDEM (SOLIC. DO CLIENTE) 6,1 IDENTIFICAÇÃO DAS NECESSIDADES DO USUÁRIO 14,2 DIFICULDADES DE COMUNICAÇÃO E/OU ELABORAÇÃO 18,2 ENVOLVIMENTO EM VÁRIOS PROJETOS AO MESMO TEMPO 30,0 DIMINUIÇÃO DO NÚMERO DE PROFISSIONAIS QUALIFICADOS 31,5 FONTE: AIA AMERICAN INSTITUTE OF ARCHITECTS, 2000 PÁGINA 26

28 O PROCESSO DE PRODUÇÃO PÁGINA 27

29 O PROCESSO DE PRODUÇÃO QUAL SERIA UMA LÓGICA ADEQUADA PARA A PRODUÇÃO? FONTE: FABRÍCIO; MELHADO PÁGINA 28

30 O PROCESSO DE PRODUÇÃO O PROCESSO CLÁSSICO: JÁ VIU ISSO EM ALGUM LUGAR? NORMAS E REGULAMENTOS PROMOTOR FONTE: FABRÍCIO; MELHADO ARQUITETO USUÁRIO ENG. ESTRUTURAS ENG. INSTALAÇÕES ENG. ELETRICISTA OUTROS PROJETISTAS ORÇAMENTISTA PÁGINA 29

31 O PROCESSO DE PRODUÇÃO ENTÃO, QUAL SERIA UMA LÓGICA ADEQUADA PARA A PRODUÇÃO? EMPREENDEDOR FONTE: FABRÍCIO; MELHADO NECESSIDADES DO USUÁRIO REPRESENTANTE DO EMPRENDEDOR ARQUITETO GRUPO DE PROJETO PARA PRODUÇÃO ENG. ESTRUTURAS COORDENADOR DE PROJETOS CONSULTORES: TECNOLÓGICOS, CUSTOS ETC EXIGÊNCIAS, NORMAS, LEGISLAÇÃO ENG. SISTEMAS PREDIAIS OUTROS PROJETISTAS PÁGINA 30

32 O PROCESSO DE PRODUÇÃO TROCA DE INFORMAÇÕES NO MEIO VIRTUAL FONTE: BRAGAGLIA, JUNGLES, JACOSKI (2006) in BARBOSA (2008) COORDE NADOR PROJETO 01 PROJETO 04 PROJETO 02 ARQUIVOS COORD- ARQ PROJETO 05 PROJETO 03 OUTROS PÁGINA 31

33 O PROCESSO DE PRODUÇÃO CONTROLE DE PROJETOS FONTE: BARBOSA (2008) PÁGINA 32

34 O PROCESSO DE PRODUÇÃO CONTROLE DA QUALIDADE DE PROJETOS FONTE: BARBOSA (2008) PÁGINA 33

35 E QUEM DEVE SER O COORDENADOR DE PROJETOS? QUALIDADES DO COORDENADOR: EU? COMUNICAÇÃO; TÉCNICAS, FERRAMENTAS, NORMAS, LEIS APTIDÃO ORGANIZACIONAL ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS E PRAZOS INFORMÁTICA E GESTÃO DA INFORMAÇÃO NEGOCIAR E INFLUENCIAR LIDERANÇA FORMAÇÃO E CONTROLE DE EQUIPES PÁGINA 34

36 TECNOLOGIA BIM BUILDING INFORMATION MODELING São softwares que reúnem características paramétricas, CAD, banco de dados e management. Em um só arquivo, todos os profissionais envolvidos podem interagir com resultados imediatos; Fonte: Revista Téchne. PÁGINA 34

37 TECNOLOGIA BIM BUILDING INFORMATION MODELING Desta forma, há uma facilidade maior na observância de futuros problemas com a compatibilização de projetos. Terá grande impacto na construção civil, especialmente em grandes projetos. PÁGINA 34

38 TECNOLOGIA BIM BUILDING INFORMATION MODELING Softwares BIM: - Active3D (Archimen) - Revit (Autodesk) - Allplan (Nemetschek) - Archicad (Graphisoft) - DDS-CAD (Data design System) - Microstation (Bentley) - Solibri - Tekla Structures - Vectorworks PÁGINA 34

39 TECNOLOGIA BIM BUILDING INFORMATION MODELING Argumentos pró: Projeto em 3D desde o início; Compatibilização entre os projetos; Fluxo de informações; Maior controle, especialmente para grandes projetos Argumentos contra: Softwares caros; Exigem equipamentos mais sofisticados; Exigem treinamento extenso e muita prática; Ainda há falhas na criação de objetos automáticos PÁGINA 34

40 COMPATIBILIZAÇÃO DE PROJETOS Ênfase no projeto de interiores FASES DO PROJETO DE ARQUITETURA Projeto preliminar: - Conhecimento sobre legislação e balizadores; - Programa de necessidades; - Conhecimento dos recursos; - Draft do projeto com layout completo; - Estimativa de custos Anteprojeto: - Intensificação dos itens anteriores; - Comunicação dos agentes envolvidos; - Compatibilização com as diversas áreas simultâneamente; PÁGINA 35

41 COMPATIBILIZAÇÃO DE PROJETOS Ênfase no projeto de interiores FASES DO PROJETO DE ARQUITETURA Projeto executivo: - Síntese de diversas informações inerentes à produção; - Indica amadurecimento das relações: cliente-profissional e profissionalprofissionais (de outras áreas); - Orientação aos clientes sobre potenciais prejuízos causados pela incompatibilidade dos projetos e a importância de designar tempo para a tarefa; - O projeto deve seguir a norma NBR 6492, quanto á sua representação - Catalogue as informações obtidas, registrando-as e participando-as; - Leia com atenção a NBR Desempenho para prédios de até 5 andares

42 COMPATIBILIZAÇÃO DE PROJETOS Ênfase no projeto de interiores FASES DO PROJETO DE ARQUITETURA PROJETO AS BUILT: - Síntese de todos os projetos tal como construídos. NBR ; AVALIAÇÃO PÓS OCUPAÇÃO (APO): - Formalmente, é necessária para a obtenção de certificações; - Informalmente, é necessário para a retroalimentação projetual; Avaliação Pós-Ocupação (APO) é um processo sistematizado e rigoroso de avaliação de edifícios, passado algum tempo de sua construção e ocupação. A APO focaliza os ocupantes do edifício e suas necessidades, a partir das quais elabora insights sobre as conseqüências das decisões de projeto na performance da edificação. Este procedimento constitui-se na base para a criação de edifícios melhores no futuro Fonte: Rheingantz, Cosenza, Cosenza e Lima, S/D

43 COMPATIBILIZAÇÃO DE PROJETOS Ênfase no projeto de interiores OUTROS PROJETOS E SUAS IMPLICAÇÕES PROJETO ESTRUTURAL: - Importante, sobretudo para a segurança do prédio e seus habitantes; - Necessário o conhecimento dos sistemas estruturais, especialmente em caso de reformas, acréscimos ou demolições; - Utilização de divisórias leves, tipo driwall, quando a estrutura não estiver preparada; - Utilização de estrutura metálica quando não há espaço para estrutura convencional de concreto; - Locação dos pilares e vigas, bem como o seu formato; - Considere a altura do pé-direito em relação à laje e o forro; - Madeira não é só bonita... Precisa de cálculo; - Sempre, sempre, converse com o engenheiro estrutural.

44 COMPATIBILIZAÇÃO DE PROJETOS Ênfase no projeto de interiores PROJETO ESTRUTURAL: - Importante, sobretudo para a segurança do prédio e seus habitantes; - Necessário o conhecimento dos sistemas estruturais, especialmente em caso de reformas, acréscimos ou demolições; - Utilização de divisórias leves, tipo driwall, quando a estrutura não estiver preparada (parede = 75kg/m² s/ rev. e ±115kg/m² com rev.); - Utilização de estrutura metálica quando não há espaço para estrutura convencional de concreto; - Locação dos pilares e vigas, bem como o seu formato; - Considere a altura do pé-direito em relação à laje e o forro; - Madeira não é só bonita... Precisa de cálculo (NBR 7190); - Sempre, sempre, converse com o engenheiro estrutural.

45 COMPATIBILIZAÇÃO DE PROJETOS Ênfase no projeto de interiores PROJETO COMBATE À INCÊNDIO (NBR 9077): - Importante, sobretudo para a segurança do prédio e seus habitantes; - Cuidado com as saídas de emergência; - Observe a localização dos extintores, sprinklers, iluminação de emergência; - Guarda-corpos e parapeitos (NBR 14718); MODELOS PERMITIDOS

46 COMPATIBILIZAÇÃO DE PROJETOS Ênfase no projeto de interiores PROJETO DE VENTILAÇÃO, EXAUSTÃO E CONDICIONAMENTO: Elemento importante, especialmente em comércios, estabelecimentos de saúde e escritórios. Podem existir grandes dutos, grelhas de aspersão e exaustão. Implicações graves nas alturas dos forros e no conforto dos usuários.

47 COMPATIBILIZAÇÃO DE PROJETOS Ênfase no projeto de interiores PROJETO LUMINOTÉCNICO (NBR 5413): É elaborado a partir do projeto de Arquitetura: Os pontos de iluminação marcados no forro serão alimentados por dentro do forro ou pela laje:

48 COMPATIBILIZAÇÃO DE PROJETOS Ênfase no projeto de interiores

49 COMPATIBILIZAÇÃO DE PROJETOS Ênfase no projeto de interiores Fonte: NBR 5413, Atente para a luminosidade exigida pela norma e fiscalizada pelo MT nos ambientes de trabalho, conforme a NBR 5382 e NBR 5413.

50 COMPATIBILIZAÇÃO DE PROJETOS Ênfase no projeto de interiores PROJETO HIDROSANITÁRIO (NBR 5413): Instalações mínimas: Fonte: Uniform Plumbing Code, 1955.

51 COMPATIBILIZAÇÃO DE PROJETOS Ênfase no projeto de interiores Fonte: Uniform Plumbing Code, 1955.

52 COMPATIBILIZAÇÃO DE PROJETOS Ênfase no projeto de interiores A NR 24 - Condições Sanitárias e de Conforto nos Locais de Trabalho- Ministério do Trabalho e Emprego, determina: Área mínima para cada vaso sanitário: 1,00m²/20 operários; lavatórios: espaçamento de 60cm entre eles. 1 lav./20 operários; Chuveiros: 1/10 operários em condições difíceis de trabalho; Abastecimento: 60L/trabalhador; Luminância: mínimo 100/lux no ambiente de banheiros; Banheiros sem comunicação com ambientes de refeição; Cabines sanitárias: devem possuir ventilação com o exterior; Paredes divisórias: altura mínima de 2,10m; Armários (locker): um para cada operário; PÁGINA 39

53 COMPATIBILIZAÇÃO DE PROJETOS Ênfase no projeto de interiores Altura média dos pontos para sanitário: Fonte: CARVALHO JR., 2011.

54 COMPATIBILIZAÇÃO DE PROJETOS Ênfase no projeto de interiores Altura média dos pontos para sanitário para deficientes: Fonte: NBR 9050 in CARVALHO JR., 2011.

55 COMPATIBILIZAÇÃO DE PROJETOS Ênfase no projeto de interiores Altura média dos pontos para sanitário para deficientes: Fonte: NBR 9050 in CARVALHO JR., 2011.

56 COMPATIBILIZAÇÃO DE PROJETOS Ênfase no projeto de interiores Áreas destinadas os dutos de Passagem e inspeção: Fonte: CARVALHO JR., 2011.

57 COMPATIBILIZAÇÃO DE PROJETOS O desenho de Arquitetura Projeto executivo: a) Após a discussão de todos os projetos complementares, elabora-se o PROJETO EXECUTIVO DE ARQUITETURA b) MÉTODO TRADICIONAL: MÉTODO TRADICIONAL ESTUDO PRELIMINAR ANTEPROJET O PROJETO LEGAL PROJETO EXECUTIVO PROJETOS COMPLEMEN TARES

58 COMPATIBILIZAÇÃO DE PROJETOS O desenho de Arquitetura Projeto executivo: a) MÉTODO COORDENADO OU COMPATIBILIZADO: MÉTODO COORDENADO ESTUDO PRELIMIN ANTEPROJETO PROJETOS COMPLEMENTA RES PROJETO LEGAL PROJETO EXECUTIVO

59 O PROJETO EXECUTIVO DE ARQUITETURA DESENHOS DO PROJETO EXECUTIVO DE ARQUITETURA: 1) Planta geral; 2) Planta de alvenaria; 3) Planta de piso; 4) Planta de teto; 5) Planta de layout;

60 O PROJETO EXECUTIVO DE ARQUITETURA 1) PLANTA GERAL: Indicação dos eixos de coordenadas do projeto. Indicam-se letras para determinar os eixos em uma direção e números na outra direção. Indicação entre os elementos estruturais (pilares). Com distinção gráfica entre estes e as vedações. Ex. (P01, P02...). Vedações internas e externas; Indicação de cotas totais e parciais; Especificação dos materiais; Representação de dutos e prumadas hidráulicas; Representação dos pontos finais constantes no projeto elétrico, telefônico, rede etc.

61 O PROJETO EXECUTIVO DE ARQUITETURA Circulações verticais e horizontais; Áreas de instalação. Ex: gerador, gás, fan-coil etc; Acessos; Codificação dos elementos a serem detalhados; Marcação de cortes e elevações; Marcação e numeração de detalhes e ampliações. Portas (Pn) e janelas (Jn). Marcação de elementos significativos. Acima ou abaixo do plano de corte. Indicação de níveis acabados; Títulos, escalas, notas gerais, desenhos de referência, tabelas, carimbos.

62 O PROJETO EXECUTIVO DE ARQUITETURA Em caso de dúvida, procure o arquiteto Conferir medidas no local Todos os direitos autorais reservados É vedada a reprodução ou cópia, total ou parcial, sem o prévio consentimento. Não custa nada, não é?

63 O PROJETO EXECUTIVO DE ARQUITETURA

64 O PROJETO EXECUTIVO DE ARQUITETURA 2) PLANTA DE ALVENARIAS: Indicação de alvenarias com espessura acabada; Indicação a eixo; Contrução (vermelho), demolição (amarelo), paredes intactas (sem cor); Cotas parciais e totais; Legenda com cores e hachuras utilizadas no desenho; Títulos, escalas, notas gerais, carimbo etc.

65 O PROJETO EXECUTIVO DE ARQUITETURA

66 O PROJETO EXECUTIVO DE ARQUITETURA Here comes your footer Page 66

67 O PROJETO EXECUTIVO DE ARQUITETURA 3) PLANTA DE PISO: Paginação e especificação do piso; Acompanham detalhes construtivos associados ao piso como soleiras, rodapés, juntas, arremates de degraus, e detalhes de transição entre pisos diferentes; Os giros de portas e portas são representados tracejados; Indicação de níveis de piso e sentido do caimento Especificação dos rejuntes utilizados

68 O PROJETO EXECUTIVO DE ARQUITETURA

69 O PROJETO EXECUTIVO DE ARQUITETURA

70 O PROJETO EXECUTIVO DE ARQUITETURA 4) PLANTAS DE TETO (FORRO OU GESSO): Paginação e especificação do forro; Indicação dos níveis dos forros e seus elementos; Projeção das vigas ocultas pelo forro; Layout dos equipamentos, iluminação, som, ar condicionado, iluminação zenital, sprinklers etc Legenda das hachuras;

71 O PROJETO EXECUTIVO DE ARQUITETURA Here comes your footer Page 71

72 O PROJETO EXECUTIVO DE ARQUITETURA 5) PLANTAS DE LAYOUT DE MOBILIÁRIO: Em projetos complexos pode gerar conflito com outras informações; Indique, se possível, todos os móveis, inclusive os fixos; Indique com portas e portinholas abertas desenhadas com linhas tracejadas; Em Natal, temos um dos maiores índices de luminância natural = Raios UV = móveis e tecidos expostos queimados. Análise. Marcação e numeração da área ou móvel que será detalhado posteriormente.

73 O PROJETO EXECUTIVO Here comes your footer Page 73

74 O PROJETO EXECUTIVO Here comes your footer Page 74

75 O PROJETO EXECUTIVO

76 O PROJETO EXECUTIVO - DETALHAMENTOS Fonte: VALADARES E MATOSO, 2002

77 O PROJETO EXECUTIVO - DETALHAMENTOS Fonte: VALADARES E MATOSO, 2002

78 O PROJETO EXECUTIVO - DETALHAMENTOS Fonte: VALADARES E MATOSO, 2002

79 O PROJETO EXECUTIVO - DETALHAMENTOS Fonte: VALADARES E MATOSO, 2002

80 O PROJETO EXECUTIVO - DETALHAMENTOS Fonte: VALADARES E MATOSO, 2002

81 O PROJETO EXECUTIVO - DETALHAMENTOS Fonte: VALADARES E MATOSO, 2002

82 O PROJETO EXECUTIVO - DETALHAMENTOS

83 O PROJETO EXECUTIVO DETALHAMENTOS Um consultório odontológico

84 O PROJETO EXECUTIVO DETALHAMENTOS Um consultório odontológico

85 O PROJETO EXECUTIVO DETALHAMENTOS Um consultório odontológico

86 O PROJETO EXECUTIVO DETALHAMENTOS Um consultório odontológico Here comes your footer

87 O PROJETO EXECUTIVO DETALHAMENTOS Um consultório odontológico

88 COMPATIBILIZAÇÃO DE PROJETOS

BIM BIM. Building Information Modeling no Projeto Estrutural. Impactos e benefícios potenciais. Modelagem de Informação do Edifício Projeto Estrutural

BIM BIM. Building Information Modeling no Projeto Estrutural. Impactos e benefícios potenciais. Modelagem de Informação do Edifício Projeto Estrutural BIM Building Information Modeling no Impactos e benefícios potenciais Nelson Covas BIM Building Information Modeling ou Modelagem de Informação da Construção ou Modelagem de Informação do Edifício Premissas

Leia mais

www.espacotempo.com.br quarta-feira, 25 de setembro de 13

www.espacotempo.com.br quarta-feira, 25 de setembro de 13 www.espacotempo.com.br 1 PALESTRA EARQ 2013 Goiânia, 10 de Setembro de 2013 FERNANDO DAHER ALVARENGA Arquiteto e Urbanista Diretor e proprietário da Espaço Tempo www.espacotempo.com.br www.fernandodaher.com

Leia mais

BIM. Um Novo Paradigma. BIM: Um Novo Paradigma TQS. Vantagens, Desvantagens e Dificuldades. O BIM do ponto de vista do projeto estrutural

BIM. Um Novo Paradigma. BIM: Um Novo Paradigma TQS. Vantagens, Desvantagens e Dificuldades. O BIM do ponto de vista do projeto estrutural BIM Um Novo Paradigma O BIM do ponto de vista do projeto estrutural O BIM do ponto de vista de um fornecedor de software de projeto estrutural Abram Belk - abram@tqs.com.br 2 Metodologia de projeto Automação

Leia mais

Orçamento Projeto de Arquitetura

Orçamento Projeto de Arquitetura São Paulo, 19 de Outubro de 2012 Orçamento Projeto de Arquitetura Cliente Empreendimento De Alphaville Urbanismo S.A. Av. Nações Unidas, 8501, 9º Andar São Paulo, SP Alphaville Bauru Arq. Márton Gyuricza

Leia mais

28/9/2010. Revalorização dos Projetos de Arquitetura Face às Novas Demandas. Silvio Melhado 24/09/10. Contexto atual

28/9/2010. Revalorização dos Projetos de Arquitetura Face às Novas Demandas. Silvio Melhado 24/09/10. Contexto atual Revalorização dos Projetos de Arquitetura Face às Novas Demandas Silvio Melhado 24/09/10 Contexto atual 2 1 2 Normas de desempenho A Importância da Gestão do Processo de Projeto 6 1 2 4 5 6 7 8 9 10 11

Leia mais

Eng. Paulo Sanchez Diretor da Sinco Engenharia Ltda. Caso Sinco na Implantação do BIM

Eng. Paulo Sanchez Diretor da Sinco Engenharia Ltda. Caso Sinco na Implantação do BIM Eng. Paulo Sanchez Diretor da Sinco Engenharia Ltda. Caso Sinco na Implantação do BIM BIM SINCO IMPLANTAÇÃO BIM CASOS DE SUCESSO SINCO BIM PROCESSO INTEGRADO Sinco Empresa 26 Anos no mercado da construção

Leia mais

LOCAIS DE TRABALHO COM QUALIDADE E PRODUTIVIDADE PROJETOS COMPLEMENTARES

LOCAIS DE TRABALHO COM QUALIDADE E PRODUTIVIDADE PROJETOS COMPLEMENTARES LOCAIS DE TRABALHO COM QUALIDADE E PRODUTIVIDADE 01 NOSSOS SERVIÇOS Após 35 anos de experiência na área de edificações para o mercado imobiliário gaúcho, a BENCKEARQUITETURA, juntamente com a BENCKECONSTRUÇÕES,

Leia mais

PALESTRA: Como o BIM contribui para o crescimento de empresas no Brasil?

PALESTRA: Como o BIM contribui para o crescimento de empresas no Brasil? PALESTRA: Como o BIM contribui para o crescimento de empresas no Brasil? A AUTODESK possui parceiros denominados CSI Consulting System Integrator para ampliar o valor das suas soluções, sendo uma consultoria

Leia mais

Agenda. Gafisa S.A. Planejamento Estratégico. Novas Idéias: BIM + Padronização. BIM: Primeiros Desafios. BIM: Implementação e Diretrizes

Agenda. Gafisa S.A. Planejamento Estratégico. Novas Idéias: BIM + Padronização. BIM: Primeiros Desafios. BIM: Implementação e Diretrizes Agenda Gafisa S.A. Planejamento Estratégico Novas Idéias: BIM + Padronização BIM: Primeiros Desafios BIM: Implementação e Diretrizes 2 Gafisa S.A. Uma das empresas líderes do mercado de incorporação e

Leia mais

PAREDES EXTERNAS EM CONCRETO ARMADO MOLDADO IN LOCO COMO SOLUÇÃO PARA EDIFÍCIOS VERTICAIS

PAREDES EXTERNAS EM CONCRETO ARMADO MOLDADO IN LOCO COMO SOLUÇÃO PARA EDIFÍCIOS VERTICAIS I CONFERÊNCIA LATINO-AMERICANA DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL X ENCONTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO 18-21 julho 2004, São Paulo. ISBN 85-89478-08-4. PAREDES EXTERNAS EM CONCRETO ARMADO MOLDADO

Leia mais

A busca da qualidade em proteção passiva contra fogo de estruturas metálicas

A busca da qualidade em proteção passiva contra fogo de estruturas metálicas MATERIAL DE REFERÊNCIA: PROFESSOR SERGIO PASTL A busca da qualidade em proteção passiva contra fogo de estruturas metálicas A proteção passiva contra fogo em estruturas metálicas é relativamente recente

Leia mais

PANTHEON - ROMA. Construído em 118 128 d.c. (1887 anos atrás) Cúpula de 5.000 toneladas Altura e o diâmetro do interior do Óculo é de 43,3 metros.

PANTHEON - ROMA. Construído em 118 128 d.c. (1887 anos atrás) Cúpula de 5.000 toneladas Altura e o diâmetro do interior do Óculo é de 43,3 metros. EMPREENDIMENTOS PANTHEON - ROMA Construído em 118 128 d.c. (1887 anos atrás) Cúpula de 5.000 toneladas Altura e o diâmetro do interior do Óculo é de 43,3 metros. CHRONOS RESIDENCIAL CARACTERIZAÇÃO DO

Leia mais

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015 QUANTIFICAÇÃO BASEADA EM MODELAGEM BIM: VALIDAÇÃO E FOMENTO DE PRÁTICA PROJETUAL A PARTIR DA MODELAGEM DA CASA BAETA. Diogo Humberto Muniz¹;Rodrigo Luiz Minot Gutierrezr 2 1, 2 Universidade de Uberaba

Leia mais

CHRONOS RESIDENCIAL CARACTERIZAÇÃO DO EMPREENDIMENTO:

CHRONOS RESIDENCIAL CARACTERIZAÇÃO DO EMPREENDIMENTO: EMPREENDIMENTOS CHRONOS RESIDENCIAL CARACTERIZAÇÃO DO EMPREENDIMENTO: Localizado em Novo Hamburgo RS; 18000 m² de área construída; 72 Unidades 3 e 2 dormitórios; 26 Pavimentos; Tratamento e reutilização

Leia mais

TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO

TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO Curso Técnico de Edificações Profª Engª Civil Alexandra Müller Barbosa EMENTA Estudos de procedimentos executivos: Estruturas portantes, Elementos vedantes, Coberturas, Impermeabilização,

Leia mais

Elaboração De Projeto De Design e Interiores

Elaboração De Projeto De Design e Interiores Elaboração De Projeto De Design e Interiores São Paulo, 01/01/2010 KASA CONCEITO Nome: Schaelle Caetano Campos ABD: 9103 - Designer de Interiores Tel: 11 2979 3780 7746 4246 E-mail: schaelle@kasaconceito.com.br

Leia mais

CROQUI ARQUITETURA. Projetos. Residenciais, Comerciais, Interiores Paisagismo e Urbanismo. Arquitetos Adriano de Lima e Maria Gabriela Prata

CROQUI ARQUITETURA. Projetos. Residenciais, Comerciais, Interiores Paisagismo e Urbanismo. Arquitetos Adriano de Lima e Maria Gabriela Prata CROQUI ARQUITETURA Projetos Residenciais, Comerciais, Interiores Paisagismo e Urbanismo Arquitetos Adriano de Lima e Maria Gabriela Prata SHIGS 715 Bloco C casa 08, Brasília/DF - 70.381-703 Cond. Jardim

Leia mais

PLANTA BAIXA AULA 09. O que é um Projeto Arquitetônico?

PLANTA BAIXA AULA 09. O que é um Projeto Arquitetônico? PLANTA BAIXA AULA 09 Projetos de Arquitetura: Conceitos e Representações 1 O que é um Projeto Arquitetônico? conjunto de passos normativos, voltados para o planejamento formal de um edifício qualquer,

Leia mais

COORDENAÇÃO DOS PROJETOS DE SISTEMAS PREDIAIS HIDRO- SANITÁRIOS EM EDIFICAÇÕES VERTICALIZADAS

COORDENAÇÃO DOS PROJETOS DE SISTEMAS PREDIAIS HIDRO- SANITÁRIOS EM EDIFICAÇÕES VERTICALIZADAS COORDENAÇÃO DOS PROJETOS DE SISTEMAS PREDIAIS HIDRO- SANITÁRIOS EM EDIFICAÇÕES VERTICALIZADAS Arancibia Rodríguez, Marco A. (1); Novaes, Rogério (2) (1) Eng. Civil, Mestre em Engenharia, Doutorando em

Leia mais

BIM BUILDING INFORMATION MODELLING UMA TECNOLOGIA PARA O FUTURO IMEDIATO DA CONSTRUÇÃO

BIM BUILDING INFORMATION MODELLING UMA TECNOLOGIA PARA O FUTURO IMEDIATO DA CONSTRUÇÃO BIM BUILDING INFORMATION MODELLING UMA TECNOLOGIA PARA O FUTURO IMEDIATO DA CONSTRUÇÃO PROGRAMA DO EVENTO 13 :30 13:45 Abertura - Dr. Antonio Carlos, diretor SINDUSCON RIO 13:45 14:30 Introdução ao BIM:

Leia mais

Roccato. Um guia para construir oque é necessário antes de começar a obra. Documentos obrigatórios Licenças, ART s, Projetos e Profissionais

Roccato. Um guia para construir oque é necessário antes de começar a obra. Documentos obrigatórios Licenças, ART s, Projetos e Profissionais Um guia para construir oque é necessário antes de começar a obra Documentos obrigatórios Licenças, ART s, Projetos e Profissionais Aprovações necessárias Copel, Sanepar, Prefeitura, Bombeiros Descubra

Leia mais

LOCAIS DE TRABALHO COM QUALIDADE E PRODUTIVIDADE PROJETOS ARQUITETÔNICOS

LOCAIS DE TRABALHO COM QUALIDADE E PRODUTIVIDADE PROJETOS ARQUITETÔNICOS LOCAIS DE TRABALHO COM QUALIDADE E PRODUTIVIDADE PROJETOS ARQUITETÔNICOS PROJETOS ARQUITETÔNICOS 01 NOSSOS SERVIÇOS Após 35 anos de experiência na área de edificações para o mercado imobiliário gaúcho,

Leia mais

COMPATIBILIZAÇÃO DE PROJETOS - ESTUDO DE CASO

COMPATIBILIZAÇÃO DE PROJETOS - ESTUDO DE CASO 1 COMPATIBILIZAÇÃO DE PROJETOS - ESTUDO DE CASO Wiliana Giacomelli wilianagiacomelli@gmail.com MBA Gerenciamento de Obras, Tecnologia & Qualidade da Construção. Instituto de Pós-Graduação - IPOG São José,

Leia mais

DESENHO DE ARQUITETURA PLANTA BAIXA AULA 01 PROF ALINE FERNANDES

DESENHO DE ARQUITETURA PLANTA BAIXA AULA 01 PROF ALINE FERNANDES DESENHO DE ARQUITETURA PLANTA BAIXA PLANTA BAIXA PLANTA BAIXA PLANTA BAIXA PLANTA BAIXA PLANTA BAIXA PROJETO ARQUITETÔNICO SÍMBOLOS GRÁFICOS PASSOS PARA MONTAGEM DE PLANTA BAIXA: 1. Deve-se estimar o tamanho

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DE ARQUITETURA

MEMORIAL DESCRITIVO DE ARQUITETURA MEMORIAL DESCRITIVO DE ARQUITETURA Reforma da Câmara dos Vereadores de Jataí GO DADOS DA OBRA OBRA: Câmara Municipal de Jataí LOCAL: Praça da Bandeira S/N SERVIÇOS: Projeto de reforma NÚMERO DE PAVIMENTOS:

Leia mais

COORDENAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE PROJETOS DE EDIFICAÇÕES Fundação Getúlio Vargas (FGV) MBA em Gestão de Negócios Imobiliários e da Construção Civil

COORDENAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE PROJETOS DE EDIFICAÇÕES Fundação Getúlio Vargas (FGV) MBA em Gestão de Negócios Imobiliários e da Construção Civil COORDENAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE PROJETOS DE EDIFICAÇÕES Fundação Getúlio Vargas (FGV) MBA em Gestão de Negócios Imobiliários e da Construção Civil Autor do Resumo: Abdala Carim Nabut Neto, M.Sc. www.construcaocivil.info

Leia mais

M a n u a l d e E s c o p o d e P r o j e t o s e S e r v i ç o s d e

M a n u a l d e E s c o p o d e P r o j e t o s e S e r v i ç o s d e a 1 Edição M a n u a l d e E s c o p o d e P r o j e t o s e S e r v i ç o s d e L U M I N O T É C N I C A I n d ú s t r i a I m o b i l i á r i a a 1 Edição M a n u a l d e E s c o p o d e P r o j e t

Leia mais

Compatibilização de Projetos. Eng Mário Ribeiro da Silva Filho ProCAD Projetos e Consultoria SS

Compatibilização de Projetos. Eng Mário Ribeiro da Silva Filho ProCAD Projetos e Consultoria SS Compatibilização de Projetos Eng Mário Ribeiro da Silva Filho ProCAD Projetos e Consultoria SS Porque Compatibilizar Projetos? 2 Porque Compatibilizar Projetos? 3 Porque Compatibilizar Projetos? 4 Porque

Leia mais

BIM Um Processo integrado de projeto

BIM Um Processo integrado de projeto BIM Um Processo integrado de projeto Metodologia BIM de projeto, planejamento e controle de obras, com integração com BD externos Minimização de riscos de projeto, inclusive os derivados da NBR 15.575

Leia mais

FCH Consultoria e Projetos de Engenharia Escritório: São Paulo Atuação: Nacional

FCH Consultoria e Projetos de Engenharia Escritório: São Paulo Atuação: Nacional Projeto de Revestimento de Fachada em Argamassa Engª MSc Fabiana Andrade Ribeiro www.fchconsultoria.com.br Projeto de Revestimento de Fachada Enfoque na Racionalização FCH Consultoria e Projetos de Engenharia

Leia mais

ESPAÇO CORPORATIVO SILVA BUENO - CSB 261

ESPAÇO CORPORATIVO SILVA BUENO - CSB 261 ESPAÇO CORPORATIVO SILVA BUENO - CSB 261 RELATÓRIO DE ANDAMENTO DAS OBRAS PERÍODO MAIO DE 2015 Andamento das obras no período Obras no Ático: Início da instalação de luminárias iniciado; Conclusão das

Leia mais

ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA REPRESENTAÇÕES DE DESENHO TÉCNICO E APROVAÇÃO DE PROJETOS SETOR DE ENGENHARIA

ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA REPRESENTAÇÕES DE DESENHO TÉCNICO E APROVAÇÃO DE PROJETOS SETOR DE ENGENHARIA ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA REPRESENTAÇÕES DE DESENHO TÉCNICO E APROVAÇÃO DE PROJETOS SETOR DE ENGENHARIA ANEXO II DO DECRETO N 80/2011 DE 02/05/2011 PARTE 01: OBRA NOVA OU AMPLIAÇÃO 1. Planta de situação

Leia mais

Cristiane Vieira Responsável pela Aprovação de Projetos. Operações Centrais de Rede. Apresentação Técnica sobre Instalações Prediais de Gás Natural

Cristiane Vieira Responsável pela Aprovação de Projetos. Operações Centrais de Rede. Apresentação Técnica sobre Instalações Prediais de Gás Natural Cristiane Vieira Responsável pela Aprovação de Projetos Operações Centrais de Rede Apresentação Técnica sobre Instalações Prediais de Gás Natural 2 Índice 1. Objetivo 2. Documentos Necessários p/ a Apresentação

Leia mais

PROJETOS EM ALVENARIA ESTRUTURAL: MODULAÇÃO E COMPATIBILIZAÇÃO

PROJETOS EM ALVENARIA ESTRUTURAL: MODULAÇÃO E COMPATIBILIZAÇÃO PROJETOS EM ALVENARIA ESTRUTURAL: MODULAÇÃO E COMPATIBILIZAÇÃO PRINCIPÍOS BÁSICOS PARA PROJETOS/ MODULAÇÃO E COMPATIBILIZAÇÃO EM ALVENARIA ESTRUTURAL EM BLOCOS DE CONCRETO ARQUITETA NANCI CRUZ MODULAÇÃO

Leia mais

AUBR-83 Dicas e Truques. Objetivos:

AUBR-83 Dicas e Truques. Objetivos: [AUBR-83] BIM na Prática: Implementação de Revit em Escritórios de Arquitetura e Engenharia Paulo Henrique Giungi Galvão Revenda TECGRAF Consultor técnico Revit da Revenda TECGRAF AUBR-83 Dicas e Truques

Leia mais

TQS Informática Ltda. Tecnologia e Qualidade em Sistemas Rua dos Pinheiros, 706 c/2-05422-001 - São Paulo - SP Tel.: (11) 3883-2722 Fax: (11)

TQS Informática Ltda. Tecnologia e Qualidade em Sistemas Rua dos Pinheiros, 706 c/2-05422-001 - São Paulo - SP Tel.: (11) 3883-2722 Fax: (11) Produção de Projeto Estrutural no Ambiente BIM - uma visão TQS Introdução Nos últimos tempos um novo requisito surgiu na contratação de projeto estrutural: a capacitação para troca de informações em BIM

Leia mais

3. O projeto fornecido para a modelagem paramétrica 3D

3. O projeto fornecido para a modelagem paramétrica 3D 3. O projeto fornecido para a modelagem paramétrica 3D Com finalidade de avaliar alguns aspectos da metodologia BIM e algumas das ferramentas computacionais envolvidas, buscou-se um projeto de engenharia

Leia mais

Proposta Técnica Projeto de Arquitetura e Projeto Legal

Proposta Técnica Projeto de Arquitetura e Projeto Legal São Paulo, 19 de Outubro de 2012 Proposta Técnica Projeto de Arquitetura e Projeto Legal Cliente Alphaville Urbanismo S.A. Av. Nações Unidas, 8501, 9º Andar 05425-070 Pinheiros São Paulo, SP Empreendimento

Leia mais

21/03/2012. Arquitetura e Urbanismo Tópicos Especiais em Preservação Ambiental

21/03/2012. Arquitetura e Urbanismo Tópicos Especiais em Preservação Ambiental Arquitetura e Urbanismo Tópicos Especiais em Preservação Ambiental Prof. João Paulo O LEED (Leadership in Energy and Environmental Design) é um sistema de certificação e orientação ambiental de edificações.

Leia mais

DE PROJETOS. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I

DE PROJETOS. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I DE PROJETOS Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I PROJETO Atividade ou serviço integrante do processo de produção, responsável pelo desenvolvimento,

Leia mais

Modelagem de informações de. construçãocapítulo1: Capítulo. Objetivo do capítulo

Modelagem de informações de. construçãocapítulo1: Capítulo. Objetivo do capítulo construçãocapítulo1: Capítulo 1 Modelagem de informações de A modelagem de informações de construção (BIM) é um fluxo de trabalho integrado baseado em informações coordenadas e confiáveis sobre um empreendimento,

Leia mais

IGDITCC Importância da Gestão, do Desempenho e da Inovação Tecnológica na Construção Civil. Subsistema vedação vertical

IGDITCC Importância da Gestão, do Desempenho e da Inovação Tecnológica na Construção Civil. Subsistema vedação vertical PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL Universidade de Pernambuco Escola Politécnica de Pernambuco IGDITCC Importância da Gestão, do Desempenho e da Inovação Tecnológica na Construção Civil Aula

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO CONSELHO REGIONAL DE ADMINISTRAÇÃO SECCIONAL SANTA MARIA - OBRA -

MEMORIAL DESCRITIVO CONSELHO REGIONAL DE ADMINISTRAÇÃO SECCIONAL SANTA MARIA - OBRA - MEMORIAL DESCRITIVO CONSELHO REGIONAL DE ADMINISTRAÇÃO SECCIONAL SANTA MARIA - OBRA - Porto Alegre 12 de agosto de 2014 1 SUMÁRIO 1. CONSIDERAÇÕES INICIAIS... 3 2. DISPOSIÇÕES GERAIS... 3 3. INSTALAÇÃO

Leia mais

MELHORES PRÁTICAS DE EXECUÇÃO DA ALVENARIA DE VEDAÇÃO. Prof. Dr. Alberto Casado Lordsleem Jr. acasado@poli.br

MELHORES PRÁTICAS DE EXECUÇÃO DA ALVENARIA DE VEDAÇÃO. Prof. Dr. Alberto Casado Lordsleem Jr. acasado@poli.br MELHORES PRÁTICAS DE EXECUÇÃO DA ALVENARIA DE VEDAÇÃO Prof. Dr. Alberto Casado Lordsleem Jr. acasado@poli.br HABILIDADE? SORTE? ou... BIZARRO? IMPENSÁVEL? Importância Econômica DÁ PARA ACREDITAR QUE UMA

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIA EM GERENCIAMENTO DE INTEGRAÇÃO DE PROJETOS TÉCNICOS NUMA EMPRESA DE CONSTRUÇÃO CIVIL

RELATO DE EXPERIÊNCIA EM GERENCIAMENTO DE INTEGRAÇÃO DE PROJETOS TÉCNICOS NUMA EMPRESA DE CONSTRUÇÃO CIVIL RELATO DE EXPERIÊNCIA EM GERENCIAMENTO DE INTEGRAÇÃO DE PROJETOS TÉCNICOS NUMA EMPRESA DE CONSTRUÇÃO CIVIL Áurea Araujo Bruel, Msc candidate Engenheira Civil, Mestranda do PPGCC/UFPR e-mail aabruel@yahoo.com.br

Leia mais

INTRODUÇÃO AO BIM MIRIAM ADDOR

INTRODUÇÃO AO BIM MIRIAM ADDOR INTRODUÇÃO AO BIM MIRIAM ADDOR Definições Conceitos de BIM Curso CMU ago/08 IFC Penn State Carnegie Mellon University 1905-1912 PITTSBURGH- PA- aço Fallingwater FLW 3 LEED building B = BUILDING I= INFORMATION

Leia mais

ADEQUAÇÃO DO PROCESSO DE PROJETO DE EDIFICAÇÕES AOS NOVOS PARADIGMAS ECONÔMICO-PRODUTIVOS

ADEQUAÇÃO DO PROCESSO DE PROJETO DE EDIFICAÇÕES AOS NOVOS PARADIGMAS ECONÔMICO-PRODUTIVOS ADEQUAÇÃO DO PROCESSO DE PROJETO DE EDIFICAÇÕES AOS NOVOS PARADIGMAS ECONÔMICO-PRODUTIVOS RESUMO Celso Carlos NOVAES Professor na Universidade Federal de São Carlos, Departamento de Engenharia Civil Correio

Leia mais

REVIT ARQUITECTURE 2013

REVIT ARQUITECTURE 2013 REVIT ARQUITECTURE 2013 O Revit 2013 é um software de Tecnologia BIM, que em português significa Modelagem de Informação da Construção. Com ele, os dados inseridos em projeto alimentam também um banco

Leia mais

Gesso Acartonado CONCEITO

Gesso Acartonado CONCEITO CONCEITO As paredes de gesso acartonado ou Drywall, são destinados a dividir espaços internos de uma mesma unidade. O painel é composto por um miolo de gesso revestido por um cartão especial, usado na

Leia mais

EDIFÍCIOS GARAGEM ESTRUTURADOS EM AÇO

EDIFÍCIOS GARAGEM ESTRUTURADOS EM AÇO Contribuição técnica nº 19 EDIFÍCIOS GARAGEM ESTRUTURADOS EM AÇO Autor: ROSANE BEVILAQUA Eng. Consultora Gerdau SA São Paulo, 01 de setembro de 2010. PROGRAMA Introdução Vantagens da utilização de Edifícios

Leia mais

PROPOSTA DE PROCESSO DE COORDENAÇÃO DE PROJETOS CIVIS PARA CONSTRUTORA DE EDIFICAÇÕES VERTICALIZADAS NA REGIÃO DE CRICIÚMA-SC

PROPOSTA DE PROCESSO DE COORDENAÇÃO DE PROJETOS CIVIS PARA CONSTRUTORA DE EDIFICAÇÕES VERTICALIZADAS NA REGIÃO DE CRICIÚMA-SC PROPOSTA DE PROCESSO DE COORDENAÇÃO DE PROJETOS CIVIS PARA CONSTRUTORA DE EDIFICAÇÕES VERTICALIZADAS NA REGIÃO DE CRICIÚMA-SC Rúbia Ronçani Tramontin (1), Alexandre Vargas (2) UNESC Universidade do Extremo

Leia mais

11/05/2015. Quem somos. Clientes BIM MERCADO & IMPLANTAÇÃO. Rogerio Suzuki Consultor BIM/4D/FM. O que oferecemos

11/05/2015. Quem somos. Clientes BIM MERCADO & IMPLANTAÇÃO. Rogerio Suzuki Consultor BIM/4D/FM. O que oferecemos O que oferecemos 11/05/2015 BIM MERCADO & IMPLANTAÇÃO Rogerio Suzuki Consultor BIM/4D/FM Quem somos Clientes 1 2 3 Agenda 1. Introdução 2. O que é BIM? 3. Por que BIM? 4. O que ganho com BIM? 5. BIM &

Leia mais

MEMO Nº 022/ENG/IFC/2010 Blumenau, 15 de julho de 2010. Do: Departamento de Engenharia do Instituto Federal Catarinense

MEMO Nº 022/ENG/IFC/2010 Blumenau, 15 de julho de 2010. Do: Departamento de Engenharia do Instituto Federal Catarinense MEMO Nº 022/ENG/IFC/2010 Blumenau, 15 de julho de 2010. Ao: Pró Reitor de Desenvolvimento Institucional ANTÔNIO A. RAITANI JÚNIOR Do: Departamento de Engenharia do Instituto Federal Catarinense Assunto:

Leia mais

EDIFÍCIO AFONSO PENA 2300

EDIFÍCIO AFONSO PENA 2300 EDIFÍCIO AFONSO PENA 2300 BELO HORIZONTE MG Apresentação: Condomínio Edifício Afonso Pena, 2.300 Endereço: Afonso Pena, 2.300 Bairro: Centro Esquina com Rio Grande do Norte Belo Horizonte BH Localização:

Leia mais

ANÁLISE DO PROCESSO DE PROJETO DE UM EMPREENDIMENTO EM ESTRUTURA METÁLICA DE AÇO

ANÁLISE DO PROCESSO DE PROJETO DE UM EMPREENDIMENTO EM ESTRUTURA METÁLICA DE AÇO ANÁLISE DO PROCESSO DE PROJETO DE UM EMPREENDIMENTO EM ESTRUTURA METÁLICA DE AÇO Renata TEIXEIRA Arq., M.Sc. pelo Programa de Pós Graduação em Engenharia de Estruturas da UFMG. Rua Castelo de Lamego, n

Leia mais

KEPLER ROCHA PASCOAL Engenheiro Civil 98-8833-6064 - kepler@franere.com.br

KEPLER ROCHA PASCOAL Engenheiro Civil 98-8833-6064 - kepler@franere.com.br VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DA ALVENARIA ESTRUTURAL COM BLOCOS DE CONCRETO 2a. parte: ECONÔMICA-ESTUDO DE CASO KEPLER ROCHA PASCOAL Engenheiro Civil 98-8833-6064 - kepler@franere.com.br UNIVERSIDADE

Leia mais

Integração de Projetos na Fase de Engenharia

Integração de Projetos na Fase de Engenharia 1 Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação MBA Gestão de Projetos Turma 19 20 de Dezembro 2014 Integração de Projetos na Fase de Engenharia Josie de Fátima Alves Almeida Engenheira Civil josiealmeida@bol.com.br

Leia mais

INTEGRAÇÃO ENTRE ARQUITETURA E ESTRUTURA: UM ESTUDO PARA AS DISCIPLINAS DE PROJETO ARQUITETÔNICO

INTEGRAÇÃO ENTRE ARQUITETURA E ESTRUTURA: UM ESTUDO PARA AS DISCIPLINAS DE PROJETO ARQUITETÔNICO INTEGRAÇÃO ENTRE ARQUITETURA E ESTRUTURA: UM ESTUDO PARA AS DISCIPLINAS DE PROJETO ARQUITETÔNICO Vivian Delatorre 1, Carlos Eduardo Nunes Torrescasana 2 Resumo: Este artigo trata do tema integração entre

Leia mais

ANALISE DA INFLUÊNCIA DE DIFERENTES SISTEMAS DE VEDAÇÃO VERTICAL NO CUSTO FINAL DE UMA ESTRUTURA EM CONCRETO ARMADO

ANALISE DA INFLUÊNCIA DE DIFERENTES SISTEMAS DE VEDAÇÃO VERTICAL NO CUSTO FINAL DE UMA ESTRUTURA EM CONCRETO ARMADO Artigo submetido ao Curso de Engenharia Civil da UNESC - Como requisito parcial para obtenção do Título de Engenheiro Civil ANALISE DA INFLUÊNCIA DE DIFERENTES SISTEMAS DE VEDAÇÃO VERTICAL NO CUSTO FINAL

Leia mais

E s c o p o d e P r o j e t o s e S e r v i ç o s d e. Hidráulica

E s c o p o d e P r o j e t o s e S e r v i ç o s d e. Hidráulica M a n u a l d e E s c o p o d e P r o j e t o s e S e r v i ç o s d e Hidráulica FASE Direitos DIREITOS autorais AUTORAIS reservados RESERVADOS Todos os direitos desta edição, reprodução ou tradução são

Leia mais

APLICAÇÃO DE ESTRUTURAS METÁLICAS EM EDIFÍCIOS DE MÚLTIPLOS ANDARES

APLICAÇÃO DE ESTRUTURAS METÁLICAS EM EDIFÍCIOS DE MÚLTIPLOS ANDARES Autor: Paulo André Brasil Barroso Eng. Civil. Pós-graduado em cálculo estrutural McGill University Montreal Canadá 1975/1977. Sócio de uma das maiores empresas fabricantes de estruturas metálicas do país

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DO PROCESSO BIM NA CONSTRUTORA. Eng.Fernando Augusto Correa da Silva

IMPLANTAÇÃO DO PROCESSO BIM NA CONSTRUTORA. Eng.Fernando Augusto Correa da Silva IMPLANTAÇÃO DO PROCESSO BIM NA CONSTRUTORA Eng.Fernando Augusto Correa da Silva BIM SINCO IMPLANTAÇÃO BIM CASOS DE SUCESSO SINCO ENGENHARIA 27 Anos no mercado da construção Civil Área de atuação: Incorporação

Leia mais

11. CONSIDERAÇÕES FINAIS

11. CONSIDERAÇÕES FINAIS Detalhes de execução ou instalação dos sprinklers; Detalhes de todos os furos necessários nos elementos de estrutura e suporte da instalação, e das peças a ser embutidas; Detalhes de fixação dos extintores

Leia mais

PADRONIZAÇÃO DE PAINÉIS EM LIGHT STEEL FRAME

PADRONIZAÇÃO DE PAINÉIS EM LIGHT STEEL FRAME PADRONIZAÇÃO DE PAINÉIS EM LIGHT STEEL FRAME ANITA OLIVEIRA LACERDA - anitalic@terra.com.br PEDRO AUGUSTO CESAR DE OLIVEIRA SÁ - pedrosa@npd.ufes.br 1. INTRODUÇÃO O Light Steel Frame (LSF) é um sistema

Leia mais

Modulação Automática de Edifícios em Alvenaria Estrutural com a utilização da Plataforma CAD: Programa AlvMod

Modulação Automática de Edifícios em Alvenaria Estrutural com a utilização da Plataforma CAD: Programa AlvMod Modulação Automática de Edifícios em Alvenaria Estrutural com a utilização da Plataforma CAD: Programa AlvMod Davi Fagundes Leal 1,, Rita de Cássia Silva Sant Anna Alvarenga 2, Cássio de Sá Seron 3, Diôgo

Leia mais

CAMINHOS. PARA A GESTÃO PARA OS PROFISSIONAIS PARA A TECNOLOGIA

CAMINHOS. PARA A GESTÃO PARA OS PROFISSIONAIS PARA A TECNOLOGIA CAMINHOS. PARA A GESTÃO PARA OS PROFISSIONAIS PARA A TECNOLOGIA Alguns conceitos GESTÃO PROFISSIONAIS TECNOLOGIA 2D Gestão de Informação documental (digital 2D ou impressa) ESCRITORIO DE ARQUITETURA EMPRESA

Leia mais

PROBLEMAS ENCONTRADOS EM OBRAS DEVIDO ÀS FALHAS NO PROCESSO DE PROJETO: VISÃO DO ENGENHEIRO DE OBRA.

PROBLEMAS ENCONTRADOS EM OBRAS DEVIDO ÀS FALHAS NO PROCESSO DE PROJETO: VISÃO DO ENGENHEIRO DE OBRA. PROBLEMAS ENCONTRADOS EM OBRAS DEVIDO ÀS FALHAS NO PROCESSO DE PROJETO: VISÃO DO ENGENHEIRO DE OBRA. Jacson Carlos da SILVEIRA Graduando de Engenharia Civil, Universidade Federal do Ceará, Rua Braz de

Leia mais

DINOP / CENOP LOGÍSTICA CURITIBA (PR) ESCLARECIMENTO N.º 03

DINOP / CENOP LOGÍSTICA CURITIBA (PR) ESCLARECIMENTO N.º 03 Curitiba, 12 de Dezembro de 2014. DINOP / CENOP LOGÍSTICA CURITIBA (PR) ESCLARECIMENTO N.º 03 TOMADA DE PREÇOS 2014/15001(7419) - Contratação de reforma, sem ampliação, incluindo pavimentação, alvenaria,

Leia mais

VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DA ALVENARIA ESTRUTURAL COM BLOCOS DE CONCRETO

VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DA ALVENARIA ESTRUTURAL COM BLOCOS DE CONCRETO VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DA ALVENARIA ESTRUTURAL COM BLOCOS DE CONCRETO 1a. parte: TÉCNICA Engenheiro Civil - Ph.D. 85-3244-3939 9982-4969 la99824969@yahoo.com.br skipe: la99824969 de que alvenaria

Leia mais

Aspectos Relevantes da Qualidade do Software Estrutural e Sua Influência na Elaboração de Projetos

Aspectos Relevantes da Qualidade do Software Estrutural e Sua Influência na Elaboração de Projetos Aspectos Relevantes da Qualidade do Software Estrutural e Sua Influência na Elaboração de Projetos Eng. Nelson Covas São Paulo, 23 de outubro de 2008 1. Introdução 2. Relação Software / Projeto Estrutural

Leia mais

Recomendações para elaboração de projetos estruturais de edifícios em aço

Recomendações para elaboração de projetos estruturais de edifícios em aço 1 Av. Brigadeiro Faria Lima, 1685, 2º andar, conj. 2d - 01451-908 - São Paulo Fone: (11) 3097-8591 - Fax: (11) 3813-5719 - Site: www.abece.com.br E-mail: abece@abece.com.br Av. Rio Branco, 181 28º Andar

Leia mais

Virtualização da Construção em Fase Orçamentária Construction Virtualization in Budget Phase

Virtualização da Construção em Fase Orçamentária Construction Virtualization in Budget Phase Virtualização da Construção em Fase Orçamentária Construction Virtualization in Budget Phase Morgana Braga Universidade de Brasília Obras Militares do Exército Brasileiro, Brasil morganabraga@yahoo.com.br

Leia mais

DESENHOS UTILIZADOS NA REPRESENTAÇÃO DOS PROJETOS ARQUITETÔNICOS DE EDIFICAÇÕES

DESENHOS UTILIZADOS NA REPRESENTAÇÃO DOS PROJETOS ARQUITETÔNICOS DE EDIFICAÇÕES DESENHOS UTILIZADOS NA REPRESENTAÇÃO DOS PROJETOS ARQUITETÔNICOS DE EDIFICAÇÕES Na representação dos projetos de edificações são utilizados os seguintes desenhos: _ Planta de situação _ Planta de localização

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DA OBRA (Versão resumida)

MEMORIAL DESCRITIVO DA OBRA (Versão resumida) MEMORIAL DESCRITIVO DA OBRA (Versão resumida) TAMANHO E DEPENDÊNCIAS DO IMÓVEL Definido com o Corretor de Imóveis da negociação em conjunto com nosso Escritório de Arquitetura parceiro: FRAN Arquitetura

Leia mais

Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite. Curso de Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho

Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite. Curso de Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite Curso de Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho DISCIPLINA PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIO E EXPLOSÕES II ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE PREVENÇÃO,

Leia mais

Completa gestão. Reforma completa de mais de 10 mil m² do Incor engloba desde o reforço das fundações até a instalação de equipamentos.

Completa gestão. Reforma completa de mais de 10 mil m² do Incor engloba desde o reforço das fundações até a instalação de equipamentos. reforma Novos espaços Completa gestão Reforma completa de mais de 10 mil m² do Incor engloba desde o reforço das fundações até a instalação de equipamentos 60 Os blocos um e três do Instituto do Coração

Leia mais

Instalações Prediais. Manutenção

Instalações Prediais. Manutenção Instalações Prediais Manutenção Legislação Leis nº 10.199/86 e 8382/76 Certificado de manutenção dos sistemas de segurança contra incêndio Lei nº 13.214, de 22 de novembro de 2001. Obrigatoriedade de instalação

Leia mais

Arch. Daniele Ravagni Studio di Architettura

Arch. Daniele Ravagni Studio di Architettura Arch. Daniele Ravagni Studio di Architettura www.ravagnistudio.it PROPOSIÇÃO Esta proposta destina-se a arquitetos, estudantes de arquitetura e também pessoas desejosas de aprender língua italiana, que

Leia mais

BIM na prática: Como uma empresa construtora pode fazer uso da tecnologia BIM

BIM na prática: Como uma empresa construtora pode fazer uso da tecnologia BIM BIM na prática: Como uma empresa construtora pode fazer uso da tecnologia BIM Joyce Delatorre Método Engenharia O uso da Tecnologia BIM promete trazer ganhos em todas as etapas no ciclo de vida de um empreendimento.

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA SOLICITAÇÃO DE MODIFICAÇÕES EM APARTAMENTOS

PROCEDIMENTOS PARA SOLICITAÇÃO DE MODIFICAÇÕES EM APARTAMENTOS PROCEDIMENTOS PARA SOLICITAÇÃO DE MODIFICAÇÕES EM APARTAMENTOS Para solicitar modificações nos apartamentos, o cliente deverá vir até a empresa em horário comercial no setor de Projetos com sua carta de

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO ORIENTATIVO PARA REVITALIZAÇÃO DOS CENTOS DE SAÚDE. Julho 2011 Revisão 02

RELATÓRIO TÉCNICO ORIENTATIVO PARA REVITALIZAÇÃO DOS CENTOS DE SAÚDE. Julho 2011 Revisão 02 RELATÓRIO TÉCNICO ORIENTATIVO PARA REVITALIZAÇÃO DOS CENTOS DE SAÚDE Julho 2011 Revisão 02 2 INTRODUÇÃO Os Centros de Saúde incluídos nesta categoria são unidades que foram construídas recentemente e que

Leia mais

LOCAIS DE TRABALHO COM QUALIDADE E PRODUTIVIDADE PROJETOS DE CONFORTO E QUALIDADE

LOCAIS DE TRABALHO COM QUALIDADE E PRODUTIVIDADE PROJETOS DE CONFORTO E QUALIDADE LOCAIS DE TRABALHO COM QUALIDADE E PRODUTIVIDADE BENCKEARQUITETURA 01 NOSSOS SERVIÇOS Após 35 anos de experiência na área de edificações para o mercado imobiliário gaúcho, a BENCKEARQUITETURA, juntamente

Leia mais

UM MODELO DE COMPATIBILIZAÇÃO DE PROJETOS DE EDIFICAÇÕES BASEADO NA ENGENHARIA SIMULTÂNEA E FMEA

UM MODELO DE COMPATIBILIZAÇÃO DE PROJETOS DE EDIFICAÇÕES BASEADO NA ENGENHARIA SIMULTÂNEA E FMEA UM MODELO DE COMPATIBILIZAÇÃO DE PROJETOS DE EDIFICAÇÕES BASEADO NA ENGENHARIA SIMULTÂNEA E FMEA Wandemberg TAVARES JÚNIOR, M.Sc Universidade de Fortaleza Departamento de Engenharia Civil Edson Queiroz

Leia mais

A concepção estrutural deve levar em conta a finalidade da edificação e atender, tanto quanto possível, às condições impostas pela arquitetura.

A concepção estrutural deve levar em conta a finalidade da edificação e atender, tanto quanto possível, às condições impostas pela arquitetura. ESTRUTURAS DE CONCRETO CAPÍTULO 4 Libânio M. Pinheiro, Cassiane D. Muzardo, Sandro P. Santos 2 de abril, 2003. CONCEPÇÃO ESTRUTURAL A concepção estrutural, ou simplesmente estruturação, também chamada

Leia mais

c) Em hipótese alguma as taxa de iluminação das concessões deverão ultrapassar os valores

c) Em hipótese alguma as taxa de iluminação das concessões deverão ultrapassar os valores planta baixa, preferencialmente em escala 1:50, contendo indicação dos dutos de insuflamento ou exaustão de ar quanto a materiais, comprimentos, dimensões, com elevações; bocas de insuflamento e exaustão;

Leia mais

Coordenação de projetos: a importância da comunicação e coordenação no processo de projeto de empreendimentos residenciais e comerciais.

Coordenação de projetos: a importância da comunicação e coordenação no processo de projeto de empreendimentos residenciais e comerciais. Coordenação de projetos: a importância da comunicação e coordenação no processo de projeto de empreendimentos residenciais e comerciais. Resumo Livia Miszura - arq.miszura@gmail.com MBA em Gestão de Projetos

Leia mais

VIMOS SOLICITAR A ANALISE DO PROJETO ARQUITETÔNICO TRATA-SE DE UM CONJUNTO RESIDENCIAL VERTICAL COM AS SEGUINTES CARACTERISTICAS:

VIMOS SOLICITAR A ANALISE DO PROJETO ARQUITETÔNICO TRATA-SE DE UM CONJUNTO RESIDENCIAL VERTICAL COM AS SEGUINTES CARACTERISTICAS: Á PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO LEOPOLDO EM ANEXO. VIMOS SOLICITAR A ANALISE DO PROJETO ARQUITETÔNICO TRATA-SE DE UM CONJUNTO RESIDENCIAL VERTICAL COM AS SEGUINTES CARACTERISTICAS: - 12 EDIFICIOS COM 10

Leia mais

Quarta 04/11 14:45-16:25. Quinta 05/11 13:50-15:30. Sexta 06/11 14:10-15:30. Edificações, Infraestrutura e Cidade: do BIM ao CIM

Quarta 04/11 14:45-16:25. Quinta 05/11 13:50-15:30. Sexta 06/11 14:10-15:30. Edificações, Infraestrutura e Cidade: do BIM ao CIM 1A Tic Em Apoio A Projeto 1 1 A Realidade Virtual Imersiva Como Tecnologia De Suporte À Compreensão De Modelos Computacionais 37 O Uso De Tecnologias De Realidade Aumentada Como Estratégia De Empoderamento

Leia mais

ANÁLISE DA COMPATIBILIZAÇÃO DE PROJETOS EM UM EDIFÍCIO RESIDENCIAL MULTIFAMILIAR EM FLORIANÓPOLIS.

ANÁLISE DA COMPATIBILIZAÇÃO DE PROJETOS EM UM EDIFÍCIO RESIDENCIAL MULTIFAMILIAR EM FLORIANÓPOLIS. ANÁLISE DA COMPATIBILIZAÇÃO DE PROJETOS EM UM EDIFÍCIO RESIDENCIAL MULTIFAMILIAR EM FLORIANÓPOLIS. Simara Callegari 1 Fernando Barth 2 RESUMO Este trabalho visa realizar a análise da compatibilização de

Leia mais

TÉCNICO TÊXTIL EM MALHARIA E CONFECÇÃO PLANTA BAIXA. Prof. Fábio Evangelista Santana, MSc. Eng. fsantana@cefetsc.edu.br 3526-0833 8407-9946 1

TÉCNICO TÊXTIL EM MALHARIA E CONFECÇÃO PLANTA BAIXA. Prof. Fábio Evangelista Santana, MSc. Eng. fsantana@cefetsc.edu.br 3526-0833 8407-9946 1 TÉCNICO TÊXTIL EM MALHARIA E CONFECÇÃO PLANTA BAIXA Prof. Fábio Evangelista Santana, MSc. Eng. fsantana@cefetsc.edu.br 3526-0833 8407-9946 1 Aula 1 Componentes de uma PBA Apresentação da turma Introdução

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA DA COMPATIBILIZAÇÃO DE PROJETOS EM TRÊS ESTUDOS DE CASO

ANÁLISE COMPARATIVA DA COMPATIBILIZAÇÃO DE PROJETOS EM TRÊS ESTUDOS DE CASO Congresso Construção 2007-3.º Congresso Nacional 17 a 19 de Dezembro, Coimbra, Portugal Universidade de Coimbra ANÁLISE COMPARATIVA DA COMPATIBILIZAÇÃO DE PROJETOS EM TRÊS ESTUDOS DE CASO Simara Callegari

Leia mais

DIREITOS AUTORAIS RESERVADOS. Todos os direitos desta edição, reprodução ou tradução são reservados.

DIREITOS AUTORAIS RESERVADOS. Todos os direitos desta edição, reprodução ou tradução são reservados. 1 FASE DIREITOS AUTORAIS RESERVADOS Todos os direitos desta edição, reprodução ou tradução são reservados. A reprodução deste Manual só pode ser feita mediante download, após cadastro individual e pessoal

Leia mais

É PERMITIDO O USO DE CALCULADORA PADRÃO NÃO MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE ENSINO DA MARINHA (CONCURSO PÚBLICO PARA INGRESSO NO CORPO

É PERMITIDO O USO DE CALCULADORA PADRÃO NÃO MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE ENSINO DA MARINHA (CONCURSO PÚBLICO PARA INGRESSO NO CORPO MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE ENSINO DA MARINHA (CONCURSO PÚBLICO PARA INGRESSO NO CORPO DE ENGENHEIROS DA MARINHA / CPCEM/2013) É PERMITIDO O USO DE CALCULADORA PADRÃO NÃO CIENTÍFICA E RÉGUA ESCALÍMETRO

Leia mais

Arranjo Físico (Layout)

Arranjo Físico (Layout) Organização, Sistemas e Métodos Arranjo Físico (Layout) Por José Luís Carneiro - www.jlcarneiro.com - Arranjo físico (layout) Arranjo Físico (Layout) 2 - www.jlcarneiro.com - Introdução O espaço físico

Leia mais

Ensinando Colaboração aos Estudantes

Ensinando Colaboração aos Estudantes Arq. Fernando Lima Autodesk Education ED4900_V Essa aula vai demonstrar o processo básico de colaboração usando o Autodesk Revit 2013, depois de preparar o projeto básico de arquitetura vamos simular um

Leia mais

Curso: Gestão de Estruturas Racionalizadas de Concreto

Curso: Gestão de Estruturas Racionalizadas de Concreto COMUNIDADE DA CONSTRUÇÃO - SALVADOR Curso: Gestão de Estruturas Racionalizadas de Concreto Trabalho Final: Marcações e Execuções Racionalizadas em Estruturas de Concreto. COMUNIDADE DA CONSTRUÇÃO - SALVADOR

Leia mais

Pré-Construção Virtual BIM com foco na Compatibilização de Projetos

Pré-Construção Virtual BIM com foco na Compatibilização de Projetos Pré-Construção Virtual BIM com foco na Compatibilização de Projetos Bruno Maciel Angelim FortBIM Engenharia Esta classe mostra o fluxo de trabalho do Autodesk Building Design Suite para pré-construção

Leia mais

2624 :: Artistas visuais,desenhistas industriais e conservadores-restauradores de bens culturais

2624 :: Artistas visuais,desenhistas industriais e conservadores-restauradores de bens culturais 2624 :: Artistas visuais,desenhistas industriais e conservadores-restauradores de bens culturais 2624-05 - Artista (artes visuais) Aquarelista, Artesão (artista visual), Artista plástico, Caricaturista,

Leia mais

E s c o p o d e P r o j e t o s e S e r v i ç o s d e. Elétrica

E s c o p o d e P r o j e t o s e S e r v i ç o s d e. Elétrica M a n u a l d e E s c o p o d e P r o j e t o s e S e r v i ç o s d e Elétrica FASE Direitos DIREITOS autorais AUTORAIS reservados RESERVADOS Todos os direitos desta edição, reprodução ou tradução são

Leia mais