PUBLICAÇÕES, EVENTOS COOPERAÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PUBLICAÇÕES, EVENTOS COOPERAÇÃO"

Transcrição

1 GRADUAÇÃO GCP Gestão e Coordenação de Projetos Silvio Melhado PÓS-GRADUAÇÃO PESQUISA EXTENSÃO LINHA DE PESQUISA GESTÃO DE PROJETOS (Grupo de Tecnologia e Gestão da Produção) ~13 ALUNOS DE PÓS e I.C. ~16 DISCIPLINAS (grad./pós/esp/) PUBLICAÇÕES, EVENTOS COOPERAÇÃO (Redes) 2 Links : PÁGINA PESSOAL - PROGRAMA SOLUÇÕES PARA EMPRESAS DE PROJETO - empresasdeprojeto.pcc.usp.br REVISTA GESTÃO & TECNOLOGIA DE PROJETOS - arquitetura.eesc.usp.br/gestaodeprojetos/ TWITTER: O Reino Perdido 4 Discussão do Programa 5 6 1

2 Introdução 7 8 Projeto (project) Um projeto é um esforço para se atingir um objetivo específico por meio de um conjunto único de tarefas inter-relacionadas e da utilização eficaz de recursos. O objetivo deve ser bem definido resultados ou produtos esperados. O objetivo de um projeto costuma ser definido em termos de escopo, cronograma e custos. Gido & Clements (2007) O escopo do projeto é todo o trabalho que deve ser realizado a fim de garantir ao cliente que os deliverables (itens, produtos ou serviços tangíveis a serem fornecidos) cumprem os requisitos ou critérios de aceitação acordados no início do projeto. Gido & Clements (2007) A gestão de projetos envolve um processo em que primeiro se estabelece um plano e depois se implementa esse plano para se atingir o objetivo do projeto. Utilizar o tempo necessário para se desenvolver um plano bem concebido é fundamental para o sucesso de qualquer projeto. Uma vez iniciado o projeto, o processo de gestão exige o monitoramento do progresso de forma a garantir que tudo está caminhando conforme planejado. O segredo para um controle eficaz do projeto é medir o progresso real e compará-lo ao progresso planejado em intervalos regulares, e adotar medidas corretivas imediatamente, se necessário. 2

3 Exemplos de Projetos desenvolvimento e lançamento de um novo produto industrial ou bem de consumo montagem de uma peça de teatro planejamento de um casamento concepção e implementação de um sistema modernização de uma fábrica Exemplos de Projetos organização de um congresso concepção e produção de um manual planejamento da operação de descontaminação de um terreno organização de uma reunião da antiga turma de colégio Gido & Clements (2007) Silvio Melhado 13 Gido & Clements (2007) Silvio Melhado 14 Exemplos de Projetos Ciclo de Vida de um Projeto projeto de um shopping center planejamento de uma série de cirurgias em uma vítima de acidente planejamento da reconstrução de uma cidade após um desastre natural preparação de um jantar para 20 parentes concepção de um programa de estágio para estudantes Gido & Clements (2007) PMBoK (2005) Silvio Melhado 15 As Dez Áreas na Gestão de Projetos O que é Projeto na Construção? 3

4 O que é Projeto na Construção? O que é Projeto na Construção? O que é Projeto na Construção? O que é Projeto na Construção? O que é Projeto na Construção? O que é Projeto na Construção? 4

5 O que é Projeto na Construção? Ciclo de Vida Genérico para Empreendimentos Imobiliários PROJECT MONTAGEM EMPREEND. Gestão de Empreendimentos (Project Management) e Gestão de Projetos (Design Management) ESTUDOS DE VIABILIDADE PROJETO CONSTRUÇÃO USO/OPERAÇÃO Gestão de Projetos na Construção Concepção Definição Produto Det. do Produto Acomp. Da Construção Ocupação DESIGN Gestão de Projetos na Construção: planejamento, organização, direção e controle do processo de projeto, envolvendo tarefas tais como: estudos de demanda ou de mercado; prospecção de terrenos; captação de investimento/ financiamento; definição de características do produto; formação das equipes de projeto; contratação de projetistas; Informações e prazos para etapas de projeto; gestão da interface com os clientes. Agentes e partes interessadas 30 5

6 Demais agentes e partes interessadas: investidores (sócios) financiadores (bancos) gerenciadores (ligados ao cliente) fornecedores de porte subempreiteiros especializados órgãos de aprovação órgãos de fiscalização empresas de marketing e vendas gestores prediais vizinhança e sociedade em geral... etc. Melhado 31 (1994) Contexto atual A Importância da Gestão do Processo de Projeto Projetos e a mídia 36 6

7 Normas de desempenho ABNT NBR 15575:2013 REQUISITOS DE DURABILIDADE E MANUTENIBILIDADE Requisitos de desempenho Desempenho estrutural Segurança contra incêndio Segurança no uso e na operação Estanqueidade Desempenho térmico Desempenho acústico Desempenho lumínico Durabilidade e manutenibilidade Saúde, higiene e qualidade do ar Funcionalidade e acessibilidade Conforto tátil e antropodinâmico Adequação ambiental ABNT NBR 15575:2013 Formas de avaliação NBRs Legislação Projeto Protótipos Ensaios Projetos e custos Fonte: CEOTTO, L.H. (2007) (HAMMARLUND; JOSEPHSON, 1992) 10 (HAMMARLUND, JOSEPHSON, 1991)

8 EXECUÇÃO RÁPIDA OUTROS 5% 4% USO 8% 15% MATERIAIS Projetos e patologia 22% EXECUÇÃO Origens de problemas patológicos das construções (MOTTEU; CNUDDE, 1989) 46% CONCEPÇÃO E PROJETO 43 Principais defeitos nas Edificações Barreto; Oliveira (2005) Construtoras Total construtora Quantidade de efeitos por com defeito Componentes/sistema Percentual de defeitos por obra (%) Média (%) Hidráulica 31,35 64,07 46,45 34,44 30,16 18,49 20,07 57,42 39,51 Paredes 18,38 4,19 13,93 16,67 11,11 16,39 49,46 13,25 17,46 Impermeabilização 1,62 1,80 14,48 4,94 16,40 0,84 1,08 14,13 8,09 de Alumínio Esquadrias 14,05 4,19 5,46 8,02 10,05 13,87 6,09 0 6,95 de Madeira Esquadrias 13,24 1,20 3,42 12,47 3,70 10,92 5,38 3,89 7,37 Azulejos 4,32 3,59 2,05 5,68 7,41 9,24 3,23 2,12 4,18 Piso cerâmico 7,84 0,60 2,60 0 6,88 9,24 6,09 2,47 3,43 Elétrica 2,70 19,16 6,83 4,44 4,23 6,30 2,15 4,24 5,40 de Forro de gesso ,33 0,53 edifícios 0 com 1-1,43 3 anos 0 idade 0,95 7% 6% Mármores , ,87 0 0,78 Diversos 6,49 1,20 4,78 7,78 9,52 14,71 2,15 2,47 5,88 35% 52% 44 umidade trincas descolamento revestimento outros Gestão de Projetos Sistema de informações Contratação de pesquisa de mercado Procedimento p/ Qualificação / Contratação/ Avaliação de Projetistas Indicadores da qualidade Metodologia p/ desenvolvimento de projetos Procedimentos de Gestão (alteração de projeto; controle de documentos, ) Fonte: IPT Eng. Luciana de Oliveira 45 Escopos p/ contratação e apresentação de projetos Padrões p/ coordenação de projetos (formulários, briefings, check-lists, atas) Sistematização dos padrões construtivos da empresa Inovação tecnológica Padronização de tipologias p/ definição do produto (FONTENELLE, 2002) Projetos no contexto do empreendimento 47 Projetos precisam de gestão! 48 8

9 Todos querem bons projetos! Melhado (1994) Mas... co-existem diferentes visões Concepção Arquit. Ajuste de custos Solução estrutural Cons. de segurança Ilustração de venda Compra na planta Versão obra pública Faturado ao cliente Patrimônio Hist. Necessid. Usuário Filme The Fountainhead - de King Vitor (EUA-1949), com Gary Cooper - Fonte: Prof. F. Segnini Projeto: o individual e o coletivo 52 Projeto na escala individual Habilidades intelectuais Projeto na escala multidisciplinar Informações PROJETO Informações qualificadas Análise e síntese das informações Criação de soluções Conhecimentos, procedimentos e cultura Representações/ comunicações ENTRADA PROCESSO SAÍDA Marques (1979) Fabricio (2002)

10 GRUPOS DE PROJETOS Arquitetura Estrutura Instalações Hidrossanitárias DISCIPLINAS / ESPECIALIDADES DE PROJETO Arquitetura; Paisagismo; Luminotécnica; Conforto termico: Interiores; Comunicação visual; etc. Contenções; Fundações; Superestrutura concreto armado ou protendido (moldado in loco ou préfabricado), aço, madeira, estruturas mistas, alvenaria estrutural, entre outras. Hidráulicas água fria e água quente; Prevenção e combate a incêndio; Esgotamento sanitário e águas pluviais/drenagem; Fluidos gás; aquecimento; exaustão, etc. Coordenação de projetos: gestão de equipes Projeto do Produto Instalações Elétricas Instalações Eletromecânicas Instalações Elétricas; centrais de medição, transformador de rebaixamento de tensão. Telefonia; Comunicação e dados (redes); Vídeo, Áudio e Sonorização; Acústica; Segurança patrimonial; Automação predial; etc. Instalações Mecânicas Transporte vertical Elevadores, monta-cargas; Transporte horizontal e vertical escadas e esteiras rolantes; Ar condicionado; Cozinha Industrial; etc. Projeto para Produção - Fôrmas das Estruturas de Concreto; Vedações verticais; Fachadas; Esquadrias e caixilhos; Laje racionalizada; armação; revestimento cerâmico; revestimento monocamada; revestimento de argamassa; Impermeabilização; etc. Consultorias - Custos; Orçamento; Racionalização construtiva; Análise crítica de estruturas; Análise crítica de instalações. (Interagem com os projetos do produto e os projetos para produção) 55 Melhado et al. (2005) Melhado (1994) Gestão do processo de projeto Projeto como serviço Projeto: produto ou serviço? Intangibilidade: o cliente não tem como avaliar a qualidade antes e faltam especificações formais; Perecibilidade: serviços não podem ser estocados; Heterogeneidade: há uma apreciável variabilidade dos resultados; Simultaneidade: produção e consumo muito próximos de serem simultâneos; Relação cliente-fornecedor: contato pessoal e direto com o cliente

11 Gestão e Coordenação de Projetos Projeto como produto O processo de projeto enfoque de serviço não elimina a necessidade de também Detalhamento progressivo do produto, segundo etapas que avançam do geral para o particular, em que a liberdade de decisão entre alternativas é gradativamente substituída pela informação detalhada das soluções adotadas, e a participação das diferentes disciplinas ocorre de várias maneiras em momentos variados estabelecer padrões do projeto como produto; definir seu conteúdo mínimo (escopo) e a forma de apresentação das informações; padrões devem ser estabelecidos, verificados e eventualmente corrigidos. No exercício da gestão de projetos, devem ser considerados: fatores técnicos: objetivos, metas, tarefas, prazos, tecnologia, instalações, procedimentos e controles, atribuições e responsabilidades; fatores sociais: relações interpessoais, grupos informais, liderança, cultura, atitudes e motivação, fatores ambientais. Na nossa definição, gestão de projetos é: a) estabelecer os objetivos e parâmetros a serem seguidos no desenvolvimento dos projetos; b) definir os escopos de projeto, segundo especialidades e etapas de projeto; c) planejar os custos de desenvolvimento dos projetos; d) planejar as etapas e prazos de desenvolvimento das diversas etapas, no todo e por especialidades de projeto (cronogramas). Melhado et al. (2005) 64 Avaliação de Projetistas (cont.) e) controlar e adequar os prazos planejados (gestão de prazos); f) controlar os custos de projeto; g) garantir a qualidade das soluções técnicas adotadas; h) validar (ou fazer validar pelo empreendedor) as etapas e os projetos; i) fomentar a comunicação entre os participantes do projeto, coordenar as interfaces e garantir a compatibilidade entre as soluções; j) integrar o projeto com fases subseqüentes. deve ser previamente informada aos avaliados; deve estimular o atendimento às necessidades dos clientes; deve ser o mais transparente possível. atribuição de notas ou conceitos feita por diferentes tipos de clientes, em diferentes etapas dos projetos. Requisitos subdivididos segundo: qualidade; respeito a prazos; atendimento ao(s) cliente(s). Melhado et al. (2005)

12 Tempos (im)produtivos Planejamento do processo de projeto A prática do planejamento de projetos Manzione (2006) ESTRUTURA ANALÍTICA DO PROJETO EDIFÍCIO HOSPITALAR Manzione; Melhado (2008) Matriz da estrutura do projeto (DSM) Otimização das interdependências de informação

13 Cronograma resultante Avaliação, Verificação e Controle no Processo de Projeto Verificação Controle da qualidade dos documentos de projeto (e demais documentos emitidos), antes de sua disponibilização ao cliente, demais projetistas, coordenador de projetos ou outros agentes envolvidos. 76 Análise crítica Avaliação documentada, profunda, global e sistemática das soluções ou documentos de projeto, e demais elementos auxiliares, como propostas técnicas, relatórios e orçamentos, quanto à sua pertinência, sua adequação e sua eficácia em atender aos requisitos para o projeto; identificação de problemas e proposição de soluções para tais problemas, se houver. Uso de indicadores de projeto Os indicadores envolvem fatores geométricos e quantitativos associados à eficiência no aproveitamento de espaços e aos custos de execução; são comparados aos de projetos anteriores similares, com o intuito de monitorar se os resultados obtidos são condizentes com valores habituais e competitivos. Seu estabelecimento deve ocorrer na ocasião dos contratos de projetistas, de forma a se manter os objetivos definidos e a transparência no processo de projeto. Os indicadores não devem ser considerados fonte suficiente e única de avaliação

14 Validação Comprovação, por meio da aprovação formal dos documentos de projeto pelo contratante, de que os requisitos para o projeto foram atendidos, considerados em parte (entregas parciais) ou no todo (entrega final do projeto). O conceito de validação também se aplica a outros tipos de documentos (atas, relatórios, etc.), produzidos no âmbito dos relacionamentos formais estabelecidos entre os diversos envolvidos no processo de projeto Projetos na interface com a obra Executado como Projetado Executado como Projetado Executado como Projetado Executado como Projetado

15 Executado como Projetado A obra e suas sub-obras falta integração......falta integração... Resultado: retrabalho e entulho Fonte: Téchne jun 2008 Fonte: PCC Processo de projeto tradicional 1985 Projeto de Reforma do Conjunto Residencial da USP seqüenciamento das atividades e falta de interação entre os agentes

16 Ac CLIENTE PEO EXECUÇÃO USUÁRIO Necessidades Ac Desempenho Ac Preparation Studies EXECUTION Ac Gestão e Coordenação de Projetos Nova filosofia de projetar Buscando inspiração na indústria seriada: Engenharia Simultânea projeto simultâneo do produto e do seu processo de produção Conceito de Projeto Simultâneo Company Competitive Strategy Project Productive Strategy Ap architecture CLIENT Needs BRIEFING i1 PRODUCT DESIGN i2 engineering i3 DESIGN FOR PRODUCTION USER Performance i5 Conception and design of the project i4 i1: interface with the market (briefing); i2: interface between product design specialties; i3: interface product production (design for production); i4: feedback execution design; i5: client interface (performance feedback). Concurrent interface Feedback interface (unidirectional) Fabricio; Melhado (2009) 94 Ap Ac alignment of the competitive strategy with product development Ap alignment of production strategy with product development 95 Estratégia Competitiva da Empresa Estratégia Competitiva do Empreendimento A p ARQUITETURA BRIEFING i1 PROJETO DO PRODUTO i3 PROJETO PARA PRODUÇÃO i2 ENGENHARIA Ap i5 Concepção e projeto i1: interface do produto com o mercado (briefing); i2: interfaces entre especialidades de projeto i3: Interface produto - execução (proj. para produção) i4 Retroalimentação a partir da execução dos projetos i5: Interface com o desempenho em uso (cliente-usuário) Ac alinhamento com a estratégia competitiva da empresa (conjunto de empreendimentos) Ap alinhamento com a estratégia competitiva do produto (empreendimento) i4 96 Interface de colaboração Interface de retroalimentação (unidirecional) Integração entre projeto, planejamento e controle da execução P E O Desenvolvimento, aplicação, implementação e avaliação de projetos para produção 97 16

17 Preparação da Execução de Obras (PEO) PEO Avaliação e decisão: envolver os agentes Coordenação pró-ativa da execução de obras PROJ E TO Coordenação do projeto subcontratados Coordenação da execução da obra PEO EXE CU ÇÃO Souza; Melhado (2003) 98 Projeto PEO Execução Entrega apresentação, discussão e ajustes Reuniões de PEO Antecipação da contratação dos subempreiteiros Constituição de uma equipe Souza; Melhado (2003) 99 Origem do conceito - França Controle Técnico e Coord. Segurança Empreendedor Eng. Projeto; Economista Arquiteto (maître d œuvre) OPC Empresa Construtora 1 Empresa Construtora n Relações contratuais Relações funcionais Subcontratados Subcontratados Souza; Melhado (2003) Souza; Melhado (2003) Uma volta às origens? Aprender com a construção na França na Idade Média, o arquiteto era o real coordenador da execução, verdadeiro mestre-de-obras ; HOJE: pessoa física ou jurídica, a quem o empreendedor (maître d ouvrage) confia a coordenação e o controle do desenvolvimento do projeto, assim como o acompanhamento da sua execução

18 Aprender com a construção no Canadá Aprender com a construção no Canadá Estrutura de origem anglo-saxônica; padronização de contratos; serviços de projeto incluem estimativas de custos de execução das obras, desde as primeiras etapas; visitas do arquiteto aos canteiros de obras com freqüência semanal; Projetistas aprovam detalhes de projeto elaborados por fornecedores; entrega das obras envolve inspeções que são de responsabilidade de todos os projetistas; existe sempre uma entrega provisória do empreendimento, com retenção de 10% do valor dos contratos Aprender com a construção no Reino Unido Orientação do Royal Institute of British Architects (RIBA); Fases do RIBA s Plan of Work, versão 2007: Preparação; Projeto; Pré-Construção; Construção; Uso; Publicações como o Architect s Handbook of Practice Management orientam a gestão de projetos. Integração entre projeto, planejamento e controle da execução P E O Desenvolvimento, aplicação, implementação e avaliação de projetos para produção Projeto do produto (nível conceptivo) Projeto para produção (nível produtivo) Projetos das Fôrmas Objetivo Objetiva definir características e dimensões do produto concebido, na forma de um registro gráfico-descritivo das especificações técnicas a serem atendidas pelos produtos entregues Objetiva definir como e com quais recursos deverá ser produzido o produto. Constitui-se em uma ferramenta organizacional de caráter essencial Escopo Especificações do produto: Especificações para aquisição e entrega do produto; Parâmetros de desempenho; Definição dos padrões de qualidade; Tolerâncias admissíveis para a qualidade. Definição dos materiais e componentes a serem empregados; Definições relacionadas ao planejamento e execução, tais como: Técnicas e métodos construtivos; Soluções para as interfaces; Equipamentos utilizados; Seqüências de execução; Logística de produção. Definição dos parâmetros para a gestão e controle do processo de produção

19 Projetos das Fôrmas Projetos de Vedações Horizontais Souza; Melhado (2002) Projetos de Vedações Verticais Projetos de Vedações Verticais Fonte: PCC Fonte: PCC

20 Mecatron Arquitetura Mecatron Arquitetura Projetos das Fachadas detalhe B Mecatron Arquitetura 118 Maciel (1997) detalhe A 119 Projetos das Fachadas Projetos de Impermeabilização Mundo Apto Cambuci - MCAA Arquitetura

21 Planejar o aprendizado; ESTOCAGEM DE AÇO BLOCO A RESERVATÓRIOS D'ÁGUA BOMBA CONCRETO GUARITA BOMBA CONCRETO ENTRADA 6 ÁREA DESTINADA AO STAND DE VENDAS ESTOCAGEM DE AÇO BLOCO B1 E B2 PLACAS CIMENTO BOMBA CONCRETO REFEITÓRIO BEBEDOURO ALMOXARIFADO CYRELA BANDEJÃO EXTINTORES PAV. INFERIOR AREIA BRITA 3 BRITA 2 BRITA 1 SALA DE ARUITETURA WC MESTRE ENCARREGADOS WC WC ADM MICTÓRIO VESTIÁRIO BOMBA CONCRETO ENGENHARIA SALA DE REUNIÃO ESTOCAGEM DE AÇO BLOCO C1 BOMBA CONCRETO ENTRADA 5 Sistematização dos problemas; Experimentação criativa; Aprendizado com experiências passadas; Memória técnica; Aprendizado com as melhores práticas do mercado; Transferência rápida e eficaz do conhecimento para toda a empresa. ENTRADA 4 ESTOCAGEM DE AÇO BLOCO C2 ENTRADA 3 ENTRADA 2 ENTRADA 1 Gestão e Coordenação de Projetos Projetos do Canteiro de Obras Painéis pré-fabricados BANCADA DE SERRA MADEIRA O adequado envolvimento dos projetistas em todas as etapas do processo de projeto é fundamental para os resultados...e ainda mais se houver inovação Inovação? tecnológica Experiências anteriores Aperfeiçoamento e treinamento dos profissionais Souza (2009) memória organizacional Inovação tecnológica no setor Parceiros de trabalho, usuários e contratantes Projetos e custos: um exemplo real Ferreira; Santos; Melhado (2005) Avaliação A esquadria entrava justa entre uma parede e um pilar Medida final ajustada em projeto Não era considerada tolerância para a execução do pilar e ocorreria em obra a redução do vão real do caixilho Tolerância considerada em projeto

22 Valores (R$) Gestão e Coordenação de Projetos Projeto resolvido x não resolvido Total para os problemas analisados Numeração dos problemas analisados A economia foi de quase R$ 14 mil Total para os problemas analisados , , , , , , Não Resolvido Itens do Relatório Resolvido Ferreira; Santos; Melhado (2005) Manuais de Escopo 131 Escopo da coordenação de projetos (2006) Escopo de projeto de vedações (2008)

23 Fases de projeto adotadas nos Manuais: Fase A: CONCEPÇÃO DO PRODUTO Fase B: DEFINIÇÃO DO PRODUTO Fase C: IDENTIFICAÇÃO E SOLUÇÃO DE INTERFACES DE PROJETO Fase D: DETALHAMENTO DE PROJETOS Fase E: PÓS-ENTREGA DE PROJETOS Fase F: PÓS-ENTREGA DA OBRA FASE C Serviços Essenciais IDENTIFICAÇÃO E SOLUÇÃO DE INTERFACES DE PROJETO C004 Organização, realização e registro de reuniões de coordenação de projetos DADOS NECESSÁRIOS DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES PRODUTOS GERADOS Do contratante / coordenador / Planejamento das reuniões: definição Atas das reuniões contendo todas as projetistas: dos participantes, dos objetivos, da informações, interfaces, definições ordenação dos tópicos da pauta, dos assumidas, prazos acordados e Produtos gerados nos itens horários (com escalonamento), da infraestrutura responsabilidades estabelecidas, a anteriores da Fase C (C001 a C003) necessária, etc. fim de ficarem perfeitamente Relatório de análise crítica dos documentadas as decisões tomadas projetos Convocação dos participantes, informando claramente o objetivo da Listas de pendências com prazos e Convocação para reunião com pauta reunião, pauta, data, local, horário de responsáveis pela resolução definida início e fim, documentos e informações a Coordenação das pautas individuais serem levados, etc. Validação das atas e listas de pendências Preparação para realização das reuniões (logística, confirmação de presença dos envolvidos, catering, etc.) Condução da reunião de acordo com o planejamento elaborado a fim de atingir os objetivos preestabelecidos Registro das decisões e de suas justificativas, de modo ordenado e rastreável, e das tarefas a serem desenvolvidas, responsáveis e prazos Observações A coordenação de projetos deve promover reuniões entre contratante, construtor, projetistas e eventuais especialistas contratados, no sentido de definir e formalizar claramente todas as decisões, observações e recomendações Perfil profissional do coordenador de projetos Perfil profissional do coordenador de projetos CONHECIMENTOS DESEJÁVEIS: sobre técnicas e processos de projeto pertinentes às várias disciplinas envolvidas; sobre normas técnicas, legislação federal, estadual ou municipal, códigos de construção e padrões das concessionárias; sobre tecnologia construtiva em curso e inovações tecnológicas; sobre técnicas de planejamento de projetos; sobre tecnologia da informação e da comunicação. HABILIDADES DESEJÁVEIS: espírito de liderança; facilidade de comunicação; disciplina para sistematizar e documentar as reuniões com projetistas e as trocas de informação; atenção aos detalhes e capacidade de avaliar a qualidade das soluções e a compatibilidade entre as várias partes do projeto Gestão de empresas de projeto Empresa de Projeto Típica Empresa de projeto de pequeno porte: 1 sala - 16m 2 4 computadores 3 profissionais Muito papel!

24 De ateliê a empresa de projeto É fundamental eliminarem-se: Falhas de controle de documentos Falhas de controle da comunicação Falhas de análise crítica Falhas de coordenação do projeto Falhas de gestão empresarial Soluções de gestão para empresas de projeto Processos e sistemas de gestão 1. Planejamento estratégico e estrutura organizacional 2. Processo de projeto 3. Gestão de recursos humanos 4. Gestão de custos 5. Gestão comercial 6. Sistema de informação 7. Serviços agregados ao projeto e avaliação de desempenho 8. Gestão da qualidade Planejamento Estratégico e Estrutura Organizacional Análise externa Diagnóstico Desafios segmentos atendidos pela empresa Pontos Fracos Limitações e forças restritivas que dificultam ou impedem o alcance de objetivos, que devem ser superados concorrência e competição Oportunidades conjuntura econômica Pontos Fortes Forças propulsoras da empresa que facilitam o alcance dos objetivos organizacionais

25 Habilidades intelectuais INFORMAÇÕES PROJETO INFORMAÇÕES QUALIFICADAS Processo de Projeto... Análise e síntese das informações Criação de soluções Conhecimentos, procedimentos e cultura Representações/ comunicações ENTRADA PROCESSO SAÍDA Gestão de Recursos Humanos Questões a resolver Em uma empresa de projeto, as pessoas desempenham um papel ainda mais importante do que na maioria das empresas, em função da característica inerente à atividade de projeto: alto componente intelectual. Cultura organizacional Liderança O papel de gerente Recrutamento e seleção Capacitação Motivação Terceirização

26 Gestão de Custos... Gestão da Entrada de Recursos GESTÃO E CONTROLE DE CUSTOS Gestão dos Pagamentos Gestão dos Investimentos Gestão dos Lucros Ponto Crítico! Custo de Projeto Preço de Projeto Gestão Comercial Neste item estão incluídas as técnicas de marketing, de precificação do projeto e de proposta técnico-comercial. Quanto ele está disposto a pagar pelo seu projeto Custo do empreendimento feito pelo cliente

27 Estratégias para a política de preços: a) preço abaixo dos preços dos concorrentes; b) preço próximo aos preços dos concorrentes; c) preço acima dos preços dos concorrentes. As propostas para serviços de projeto devem possuir duas partes principais: proposta técnica e proposta comercial Na proposta técnica, são estabelecidas as características técnicas do serviço escopo; serve como referência para alterações solicitadas pelo cliente e como instrumento de negociação. Manuais de Escopo Sistema de Informação

28 (a) informação física, plantas, folhetos, croquis, rascunhos e documentos impressos em geral; (b) informação digital, arquivos digitais de desenhos, mensagens eletrônicas, etc.; (c) informações verbais, entrevistas, reuniões, conversas informais, etc. Serviços Agregados e Avaliação Avaliação de desempenho Serviços agregados Entrega e apresentação de projetos Visitas programadas às obras Assistência Técnica Avaliação do desempenho do projeto Satisfação do contratante, do construtor e do usuário; Prazo; Preço; D e s e m p e n h o Avaliação do desempenho do sistema de gestão da empresa O sistema de gestão da empresa deve ter o seu desempenho global avaliado em função do resultado dos diversos projetos Qualidade; Integração com outros projetistas Proposição de um modelo de gestão da qualidade

29 Melhado; Cambiaghi (2006) Melhado; Cambiaghi (2006) Preparação Estágio 1 - Essencial prévia à implementação Caracterização da empresa Metas Descrição dos processos processos-base para o projeto Relações com o contratante Documentação Comunicação Estágio 2 - Aperfeiçoamento processos principais Competências Processo de projeto Satisfação dos clientes Avaliação e melhoria E S T Á G I O 3 Processos opcionais (eventual expansão do sistema) Preparação Estágio 1 - Essencial prévia à implementação Caracterização da empresa Metas Descrição dos processos processos-base para o projeto Relações com o contratante Documentação Comunicação Estágio 2 - Aperfeiçoamento processos principais Competências Processo de projeto Satisfação dos clientes Avaliação e melhoria E S T Á G I O 3 Processos opcionais (eventual expansão do sistema) Sistema de gestão da qualidade Sistema de gestão da qualidade Estágio zero (Preparação): Caracterização geral da empresa áreas, funções, responsabilidades Objetivos e metas diagnóstico, recursos e planejamento Descrição dos processos seqüência, interação, procedimentos ESTÁGIO 1 três processos: Gestão das relações com os clientes identificação de requisitos dos clientes procedimento de PN (briefing) Gestão da documentação classificação, arquivo e rastreabilidade Gestão da comunicação (interna/externa) registro, encaminhamento e retorno ESTÁGIO 2 quatro processos: Gestão de competências diagnóstico e plano de capacitação Gestão do processo de projeto planejamento do projeto análise crítica, verificação e validação Gestão da satisfação dos clientes avaliação de resultados pelos clientes assistência técnica às obras avaliação pós-ocupação Avaliação e melhoria avaliação de produtividade e atendimento a metas; melhoria dos processos

30 https://www.facebook.com/pdgep Tecnologia da informação e o projeto Silvio 180 Melhado

31 Ferramentas - hoje Ferramentas Building Information Modeling Gestão de Projetos e Building Information Modeling Estágios de amadurecimento do uso do BIM Adaptado de: Succar (2008) Estágio atual antes da implementação do BIM: manual, 2D ou 3D CAD Estágio 2 do BIM: COLABORAÇÃO Meta de longo prazo de implementação: IPD PRÉ-BIM IPD Fonte: Leonardo Manzione Estágio 1 do BIM: MODELAGEM Estágio 3 do BIM: INTEGRAÇÃO Fonte: Leonardo Manzione RIBA Outline Plan of Work 1. Preparation (Appraisal/ Design Brief) 2. Design (Concept/ Development/ Technical Design) 3. Pre-Construction (Production/ Tender) 4. Construction (Mobilisation/ Construction) 5. Use (Post Practical Completion) 6. R&D (Model Maintenance & Development) 31

32 Desafios imediatos A mudança de patamar tecnológico exigirá: Que o processo de projeto seja redefinido Que os empreendedores invistam em T.I. Que se resolvam as questões de interoperabilidade Que os fornecedores contribuam com informação Que os profissionais de projeto sejam treinados e valorizados PRODUTO INTERFACE COM INCORPORADOR REQUIISITOS TÉCNICOS GESTÃO DA INFORMAÇÃO PARA MODELAGEM MANTER A INTENGRIDADE DAS INFORMAÇÕES SUPORTE PARA A MODELAGEM TECNOLOGIAS E FERRAMENTAS AMBIENTE COLABORATIVO GESTÃO DOS MODELOS GESTÃO EQUIPE ANALISES SOB RESPONSABILIDADE DA COORDENAÇÃO CUSTOS DO PROJETO TEMPO DO PROJETO QUALIDADE (PROCESSO E PRODUTO) COLABORAÇÃO COMUNICAÇÃO RESPONSABILIDADES ORGANIZAÇÃO DAS INFORMAÇÕES CON HECIMENTO 191 ESTRUTURA DE FASES Processo de projeto em BIM Objetivos Escopo Custo Tempo Qualidae MANZIONE (2013) 1 2 Os seis objetivos da gestão de projetos 3 4 Sustentabilidade Construtibilidade Prazo Custo Qualidade Rochaverá Corporate Towers Tishman Speyer Projetos e a sustentabilidade Satisfação das partes interessadas

33 Contribuição da gestão de projetos A certificação ambiental Ceotto (2008) Deve-se atuar sobre a metodologia de projeto: programação de necessidades a serem atendidas, etapas de seleção tecnológica, demanda de consultoria e interfaces entre disciplinas de projeto devem ser revistas Edifício Sustentável A certificação LEED A certificação ambiental do empreendimento Processo AQUA Ciclo de vida de um edifício (hotéis) O empreendedor tem um papel central... na implementação, acompanhamento e melhoria... mas seus parceiros (projetistas, construtoras, etc.) estão também envolvidos. As 14 categorias incluem: o entorno; produtos, sistemas e processos; o canteiro de obras; a energia; a água; os resíduos; a manutenção; o desempenho; o conforto higrotérmico; acústico; visual; olfativo; a qualidade sanitária dos ambientes; do ar; da água PLANEJAMENTO E CONCEPÇÃO Ciclo de vida do edifício empreendimento da construção empreendimento da hotelaria PLANEJAMENTO E CONCEPÇÃO FORMATAÇÃO USO PRODUÇÃO, REDIREÇÃO DE USO CONSTRUÇÃO OU IMPLOSÃO PRODUÇÃO, ENTREGA CONSTRUÇÃO IMPLANTAÇÃO OPERAÇÃO EXAUSTÃO: redireção de uso Mesquita (2006)

28/9/2010. Revalorização dos Projetos de Arquitetura Face às Novas Demandas. Silvio Melhado 24/09/10. Contexto atual

28/9/2010. Revalorização dos Projetos de Arquitetura Face às Novas Demandas. Silvio Melhado 24/09/10. Contexto atual Revalorização dos Projetos de Arquitetura Face às Novas Demandas Silvio Melhado 24/09/10 Contexto atual 2 1 2 Normas de desempenho A Importância da Gestão do Processo de Projeto 6 1 2 4 5 6 7 8 9 10 11

Leia mais

FOCO NO PROCESSO QUALIDADE. Cliente. Desenvolvimento do produto e projeto. Uso e operação. Gerenciamento e Execução de. Lançamento e vendas.

FOCO NO PROCESSO QUALIDADE. Cliente. Desenvolvimento do produto e projeto. Uso e operação. Gerenciamento e Execução de. Lançamento e vendas. QUALIDADE Cliente Uso e operação Desenvolvimento do produto e projeto FOCO NO Gerenciamento e Execução de obras PROCESSO Lançamento e vendas Suprimentos Planejamento e orçamento de obras Padronização dos

Leia mais

QUALIDADE DO PROJETO NA CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS

QUALIDADE DO PROJETO NA CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS QUALIDADE DO PROJETO NA CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS Silvio Burrattino Melhado, Professor Doutor, Silvio.Melhado@upmf-grenoble.fr. INTRODUÇÃO Dentro de um contexto de evolução da construção de edifícios como

Leia mais

PAREDES EXTERNAS EM CONCRETO ARMADO MOLDADO IN LOCO COMO SOLUÇÃO PARA EDIFÍCIOS VERTICAIS

PAREDES EXTERNAS EM CONCRETO ARMADO MOLDADO IN LOCO COMO SOLUÇÃO PARA EDIFÍCIOS VERTICAIS I CONFERÊNCIA LATINO-AMERICANA DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL X ENCONTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO 18-21 julho 2004, São Paulo. ISBN 85-89478-08-4. PAREDES EXTERNAS EM CONCRETO ARMADO MOLDADO

Leia mais

ADEQUAÇÃO DO PROCESSO DE PROJETO DE EDIFICAÇÕES AOS NOVOS PARADIGMAS ECONÔMICO-PRODUTIVOS

ADEQUAÇÃO DO PROCESSO DE PROJETO DE EDIFICAÇÕES AOS NOVOS PARADIGMAS ECONÔMICO-PRODUTIVOS ADEQUAÇÃO DO PROCESSO DE PROJETO DE EDIFICAÇÕES AOS NOVOS PARADIGMAS ECONÔMICO-PRODUTIVOS RESUMO Celso Carlos NOVAES Professor na Universidade Federal de São Carlos, Departamento de Engenharia Civil Correio

Leia mais

Integração de Projetos na Fase de Engenharia

Integração de Projetos na Fase de Engenharia 1 Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação MBA Gestão de Projetos Turma 19 20 de Dezembro 2014 Integração de Projetos na Fase de Engenharia Josie de Fátima Alves Almeida Engenheira Civil josiealmeida@bol.com.br

Leia mais

Página 1 de 19 Data 04/03/2014 Hora 09:11:49 Modelo Cerne 1.1 Sensibilização e Prospecção Envolve a manutenção de um processo sistematizado e contínuo para a sensibilização da comunidade quanto ao empreendedorismo

Leia mais

LOCAIS DE TRABALHO COM QUALIDADE E PRODUTIVIDADE PROJETOS COMPLEMENTARES

LOCAIS DE TRABALHO COM QUALIDADE E PRODUTIVIDADE PROJETOS COMPLEMENTARES LOCAIS DE TRABALHO COM QUALIDADE E PRODUTIVIDADE 01 NOSSOS SERVIÇOS Após 35 anos de experiência na área de edificações para o mercado imobiliário gaúcho, a BENCKEARQUITETURA, juntamente com a BENCKECONSTRUÇÕES,

Leia mais

CAMINHOS. PARA A GESTÃO PARA OS PROFISSIONAIS PARA A TECNOLOGIA

CAMINHOS. PARA A GESTÃO PARA OS PROFISSIONAIS PARA A TECNOLOGIA CAMINHOS. PARA A GESTÃO PARA OS PROFISSIONAIS PARA A TECNOLOGIA Alguns conceitos GESTÃO PROFISSIONAIS TECNOLOGIA 2D Gestão de Informação documental (digital 2D ou impressa) ESCRITORIO DE ARQUITETURA EMPRESA

Leia mais

Francisco Cardoso SCBC08

Francisco Cardoso SCBC08 Formando profissionais para a sustentabilidade Prof. Francisco CARDOSO Escola Politécnica da USP Francisco Cardoso SCBC08 1 Estrutura da apresentação Objetivo Metodologia Resultados investigação Conclusão:

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE DA CONSTRUTORA COPEMA

MANUAL DA QUALIDADE DA CONSTRUTORA COPEMA 1/10 INFORMAÇÕES SOBRE A EMPRESA... 2 ABRANGÊNCIA DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE... 3 1. SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE:... 4 - MANUAL DA QUALIDADE... 4 Escopo do SGQ e definição dos clientes... 4 Política

Leia mais

Valores diferenciados para associados/funcionários do Sinduscon/RS

Valores diferenciados para associados/funcionários do Sinduscon/RS MBA Contabilidade & Direito Tributário. Parceria: IPOG/Sinduscon-RS O IPOG em parceria com o CRC-RS, traz à Porto Alegre o MBA em Contabilidade & Direito Tributário, que já é sucesso, com mais de 20 turmas

Leia mais

PLANO DE CURSO DISCIPLINA: GESTÃO DO PROCESSO DE PROJETO 2015-1

PLANO DE CURSO DISCIPLINA: GESTÃO DO PROCESSO DE PROJETO 2015-1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO FACULDADE DE ARQUITETURA E URBANISMO PLANO DE CURSO 015-1 Mônica Santos Salgado monicassalgado@ufrj.br Professor Titular PROARQ/FAU/UFRJ Bolsista de Produtividade

Leia mais

Projeto 8: Conhecimento para Inovação. Universidade de Brasília LACIS/CDS/FAU

Projeto 8: Conhecimento para Inovação. Universidade de Brasília LACIS/CDS/FAU Projeto 8: Conhecimento para Inovação Universidade de Brasília LACIS/CDS/FAU CADEIA DE SUPRIMENTOS CADEIA PRINCIPAL OU DE PROCESSOS CADEIA AUXILIAR Indústria Cimento Complexidade da CPIC Indústria Cerâmica

Leia mais

QUALIFICAÇÃO DAS EMPRESAS DE PROJETO DE ARQUITETURA

QUALIFICAÇÃO DAS EMPRESAS DE PROJETO DE ARQUITETURA QUALIFICAÇÃO DAS EMPRESAS DE PROJETO DE ARQUITETURA Silvio Burrattino MELHADO Engenheiro Civil, Professor da Escola Politécnica da USP. Av. Prof. Almeida Prado, travessa 2, n 271, CEP 05508-900 São Paulo

Leia mais

AUBR-83 Dicas e Truques. Objetivos:

AUBR-83 Dicas e Truques. Objetivos: [AUBR-83] BIM na Prática: Implementação de Revit em Escritórios de Arquitetura e Engenharia Paulo Henrique Giungi Galvão Revenda TECGRAF Consultor técnico Revit da Revenda TECGRAF AUBR-83 Dicas e Truques

Leia mais

Processo AQUA. Alta Qualidade Ambiental

Processo AQUA. Alta Qualidade Ambiental Processo AQUA Alta Qualidade Ambiental Processo AQUA o que é? O Processo AQUA é um Processo de Gestão Total do Projeto para obter a Alta Qualidade Ambiental do seu Empreendimento de Construção. Essa qualidade

Leia mais

CHRONOS RESIDENCIAL CARACTERIZAÇÃO DO EMPREENDIMENTO:

CHRONOS RESIDENCIAL CARACTERIZAÇÃO DO EMPREENDIMENTO: EMPREENDIMENTOS CHRONOS RESIDENCIAL CARACTERIZAÇÃO DO EMPREENDIMENTO: Localizado em Novo Hamburgo RS; 18000 m² de área construída; 72 Unidades 3 e 2 dormitórios; 26 Pavimentos; Tratamento e reutilização

Leia mais

Rio de Janeiro São Paulo Belo Horizonte Brasília

Rio de Janeiro São Paulo Belo Horizonte Brasília Rio de Janeiro São Paulo Belo Horizonte Brasília Rio de Janeiro São Paulo Belo Horizonte Brasília MGS Plano de execução de serviço Projeto de transformação de Processos Estrutura do Documento 1. Introdução

Leia mais

MINI-CURSO Gerenciamento de Projetos para Economistas

MINI-CURSO Gerenciamento de Projetos para Economistas MINI-CURSO Gerenciamento de Projetos para Economistas ECONOMISTA - RIVAS ARGOLO 2426/D 62 9905-6112 RIVAS_ARGOLO@YAHOO.COM.BR Objetivo deste mini curso : Mostrar os benefícios do gerenciamento de projetos

Leia mais

Conjunto de indicadores de sustentabilidade de empreendimentos - uma proposta para o Brasil

Conjunto de indicadores de sustentabilidade de empreendimentos - uma proposta para o Brasil Conjunto de indicadores de sustentabilidade de empreendimentos - uma proposta para o Brasil Texto Preliminar Completo - Agosto 2011 INTRODUÇÃO Começam a existir no Brasil um bom número de edifícios com

Leia mais

VESTIBULAR 2015/1 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS

VESTIBULAR 2015/1 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS VESTIBULAR 2015/1 SELEÇÃO PARA CURSOS TECNICOS SUBSEQUENTES DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TOCANTINS 2015/1 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS CURSO TÉCNICO EM AGRIMENSURA Aprovado

Leia mais

http://www.revistatechne.com.br/engenharia-civil/134/imprime89320.asp

http://www.revistatechne.com.br/engenharia-civil/134/imprime89320.asp Página 1 de 7 Mercado de oportunidades Aquecimento do setor gera oportunidades para engenheiros civis especializados. Confira as principais necessidades das empresas Por Renato Faria Foi-se o tempo das

Leia mais

PANTHEON - ROMA. Construído em 118 128 d.c. (1887 anos atrás) Cúpula de 5.000 toneladas Altura e o diâmetro do interior do Óculo é de 43,3 metros.

PANTHEON - ROMA. Construído em 118 128 d.c. (1887 anos atrás) Cúpula de 5.000 toneladas Altura e o diâmetro do interior do Óculo é de 43,3 metros. EMPREENDIMENTOS PANTHEON - ROMA Construído em 118 128 d.c. (1887 anos atrás) Cúpula de 5.000 toneladas Altura e o diâmetro do interior do Óculo é de 43,3 metros. CHRONOS RESIDENCIAL CARACTERIZAÇÃO DO

Leia mais

Profico Projetos, Fiscalização e Consultoria, Lda.

Profico Projetos, Fiscalização e Consultoria, Lda. Profico Projetos, Fiscalização e Consultoria, Lda. Rua Alfredo da Silva, 11B 1300-040 Lisboa Tlf. +351 213 619 380 Fax. +351 213 619 399 profico@profico.pt www.profico.pt INDICE 1. DESCRIÇÃO GERAL DA PROFICO...

Leia mais

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT MASTER IN PROJECT MANAGEMENT PROJETOS E COMUNICAÇÃO PROF. RICARDO SCHWACH MBA, PMP, COBIT, ITIL Atividade 1 Que modelos em gestão de projetos estão sendo adotados como referência nas organizações? Como

Leia mais

Projeto 8: Conhecimento para Inovação. Universidade de Brasília LACIS/CDS/FAU

Projeto 8: Conhecimento para Inovação. Universidade de Brasília LACIS/CDS/FAU Projeto 8: Conhecimento para Inovação Universidade de Brasília LACIS/CDS/FAU Equipe Técnica Laboratório do Ambiente Construído, Inclusão e Sustentabilidade LACIS/FAU/CDS/UnB: Coord. Geral: Raquel Naves

Leia mais

PROJETOS PARA PRODUÇÃO COMO INSTRUMENTOS DA MELHORIA DA QUALIDADE DO PROCESSO DE PROJETO DE EDIFICAÇÕES

PROJETOS PARA PRODUÇÃO COMO INSTRUMENTOS DA MELHORIA DA QUALIDADE DO PROCESSO DE PROJETO DE EDIFICAÇÕES PROJETOS PARA PRODUÇÃO COMO INSTRUMENTOS DA MELHORIA DA QUALIDADE DO PROCESSO DE PROJETO DE EDIFICAÇÕES C. C. NOVAES Prof. Dr. - Universidade Federal de São Carlos, Brasil Departamento de Engenharia Civil

Leia mais

CONSELHO DE ARQUITETURA E URBANISMO DO PARANÁ CÂMARA TÉCNICA DE ARQUITETURA DE INTERIORES

CONSELHO DE ARQUITETURA E URBANISMO DO PARANÁ CÂMARA TÉCNICA DE ARQUITETURA DE INTERIORES CONSELHO DE ARQUITETURA E URBANISMO DO PARANÁ CÂMARA TÉCNICA DE ARQUITETURA DE INTERIORES A Câmara Técnica de Arquitetura de Interiores do CAU/PR Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Paraná, terá como

Leia mais

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Prof. Dr. Ivanir Costa Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Normas de qualidade de software - introdução Encontra-se no site da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) as seguintes definições: Normalização

Leia mais

AMBIENTE EFICIENTE Consultoria

AMBIENTE EFICIENTE Consultoria AMBIENTE EFICIENTE Consultoria ESCOPO DOS SERVIÇOS CERTIFICAÇÃO LEED A certificação LEED pode ser aplicada no Brasil em oito tipologias: Novas Construções (New Construction) Edifícios Existentes Operação

Leia mais

Programa de Remuneração Variável 2015

Programa de Remuneração Variável 2015 Programa de Remuneração Variável 2015 APRESENTAÇÃO A Remuneração Variável é parte representativa nas práticas de gestão de pessoas. O modelo tradicional de pagamento através de salário fixo, tornou-se

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIA EM GERENCIAMENTO DE INTEGRAÇÃO DE PROJETOS TÉCNICOS NUMA EMPRESA DE CONSTRUÇÃO CIVIL

RELATO DE EXPERIÊNCIA EM GERENCIAMENTO DE INTEGRAÇÃO DE PROJETOS TÉCNICOS NUMA EMPRESA DE CONSTRUÇÃO CIVIL RELATO DE EXPERIÊNCIA EM GERENCIAMENTO DE INTEGRAÇÃO DE PROJETOS TÉCNICOS NUMA EMPRESA DE CONSTRUÇÃO CIVIL Áurea Araujo Bruel, Msc candidate Engenheira Civil, Mestranda do PPGCC/UFPR e-mail aabruel@yahoo.com.br

Leia mais

Eficiência Energética x Certificações Ambientais: Uma abordagem prática. Lenita Pimentel Rafael M. Laurindo

Eficiência Energética x Certificações Ambientais: Uma abordagem prática. Lenita Pimentel Rafael M. Laurindo Eficiência Energética x Certificações Ambientais: Uma abordagem prática Apresentação A Método Estrutura Organizacional Certificações Ambientais LEED HQE Exemplos Práticos Cenário Contexto de atuação Cadeia

Leia mais

BIM na prática: Como uma empresa construtora pode fazer uso da tecnologia BIM

BIM na prática: Como uma empresa construtora pode fazer uso da tecnologia BIM BIM na prática: Como uma empresa construtora pode fazer uso da tecnologia BIM Joyce Delatorre Método Engenharia O uso da Tecnologia BIM promete trazer ganhos em todas as etapas no ciclo de vida de um empreendimento.

Leia mais

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica Ementários Disciplina: Gestão Estratégica Ementa: Os níveis e tipos de estratégias e sua formulação. O planejamento estratégico e a competitividade empresarial. Métodos de análise estratégica do ambiente

Leia mais

fagury.com.br. PMBoK 2004

fagury.com.br. PMBoK 2004 Este material é distribuído por Thiago Fagury através de uma licença Creative Commons 2.5. É permitido o uso e atribuição para fim nãocomercial. É vedada a criação de obras derivadas sem comunicação prévia

Leia mais

ESCOPO DE SERVIÇOS PARA COORDENAÇÃO DE PROJETOS

ESCOPO DE SERVIÇOS PARA COORDENAÇÃO DE PROJETOS IV WBGPPCE 2004 Workshop Brasileiro de Gestão do Processo de Projeto na Construção de Edifícios ESCOPO DE SERVIÇOS PARA COORDENAÇÃO DE PROJETOS MELHADO, Silvio, Doutor e Livre-Docente, Professor Associado

Leia mais

ESTUDO DA SEQÜÊNCIA DE ETAPAS DO PROJETO NA CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS: CENÁRIO E PERSPECTIVAS

ESTUDO DA SEQÜÊNCIA DE ETAPAS DO PROJETO NA CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS: CENÁRIO E PERSPECTIVAS ESTUDO DA SEQÜÊNCIA DE ETAPAS DO PROJETO NA CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS: CENÁRIO E PERSPECTIVAS Marcio Minto Fabrício Escola Politécnica - USP, Dep. de Eng. de Construção Civil, Av. Prof. Almeida Prado, trav.

Leia mais

Gestão tecnológica em obras de Alvenaria Estrutural

Gestão tecnológica em obras de Alvenaria Estrutural Gestão tecnológica em obras de Alvenaria Estrutural Estudo de caso : Conjunto Residencial Primavera - Itaquera Canteiro com múltiplos edifícios Eng. Leonardo Manzione Março de 2004 Agradecimentos Ao amigo

Leia mais

Processo de seleção de materiais em uma construção sustentável em estrutura metálica - estudo de caso: a ampliação do Cenpes

Processo de seleção de materiais em uma construção sustentável em estrutura metálica - estudo de caso: a ampliação do Cenpes UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL - PROPEC Processo de seleção de materiais em uma construção sustentável em estrutura metálica

Leia mais

MÉTODO ÁREAS DE ATUAÇÃO DIFERENCIAIS / TECNOLOGIA TECNOLOGIA BIM

MÉTODO ÁREAS DE ATUAÇÃO DIFERENCIAIS / TECNOLOGIA TECNOLOGIA BIM MÉTODO ÁREAS DE ATUAÇÃO DIFERENCIAIS / TECNOLOGIA TECNOLOGIA BIM Método Engenharia O futuro em construção 40 anos de experiência 6 milhões de m² construídos em projetos realizados no Brasil e no exterior

Leia mais

Atendimento aos requisitos de Projeto e Desenvolvimento da ISO9001:2008 em Empreendimentos. Nasario de S. F. Duarte Jr.

Atendimento aos requisitos de Projeto e Desenvolvimento da ISO9001:2008 em Empreendimentos. Nasario de S. F. Duarte Jr. Atendimento aos requisitos de Projeto e Desenvolvimento da ISO9001:2008 em Empreendimentos Nasario de S. F. Duarte Jr. Resumo Embora organizações projetizadas (empresas que trabalham sob projetos) existam

Leia mais

Gestão do processo de projeto

Gestão do processo de projeto Gestão do processo de projeto Prof. Dra. Ana Rocha Melhado Capítulo 1 Introdução Prof. Dra. Ana Rocha Melhado Prof. Dr. Silvio Melhado Silvio Melhado 1 Ana Rocha Melhado Dados curriculares relevantes Trabalho

Leia mais

Eng. Paulo Sanchez Diretor da Sinco Engenharia Ltda. Caso Sinco na Implantação do BIM

Eng. Paulo Sanchez Diretor da Sinco Engenharia Ltda. Caso Sinco na Implantação do BIM Eng. Paulo Sanchez Diretor da Sinco Engenharia Ltda. Caso Sinco na Implantação do BIM BIM SINCO IMPLANTAÇÃO BIM CASOS DE SUCESSO SINCO BIM PROCESSO INTEGRADO Sinco Empresa 26 Anos no mercado da construção

Leia mais

COORDENAÇÃO DOS PROJETOS DE SISTEMAS PREDIAIS HIDRO- SANITÁRIOS EM EDIFICAÇÕES VERTICALIZADAS

COORDENAÇÃO DOS PROJETOS DE SISTEMAS PREDIAIS HIDRO- SANITÁRIOS EM EDIFICAÇÕES VERTICALIZADAS COORDENAÇÃO DOS PROJETOS DE SISTEMAS PREDIAIS HIDRO- SANITÁRIOS EM EDIFICAÇÕES VERTICALIZADAS Arancibia Rodríguez, Marco A. (1); Novaes, Rogério (2) (1) Eng. Civil, Mestre em Engenharia, Doutorando em

Leia mais

FCH Consultoria e Projetos de Engenharia Escritório: São Paulo Atuação: Nacional

FCH Consultoria e Projetos de Engenharia Escritório: São Paulo Atuação: Nacional Projeto de Revestimento de Fachada em Argamassa Engª MSc Fabiana Andrade Ribeiro www.fchconsultoria.com.br Projeto de Revestimento de Fachada Enfoque na Racionalização FCH Consultoria e Projetos de Engenharia

Leia mais

BIM BIM. Building Information Modeling no Projeto Estrutural. Impactos e benefícios potenciais. Modelagem de Informação do Edifício Projeto Estrutural

BIM BIM. Building Information Modeling no Projeto Estrutural. Impactos e benefícios potenciais. Modelagem de Informação do Edifício Projeto Estrutural BIM Building Information Modeling no Impactos e benefícios potenciais Nelson Covas BIM Building Information Modeling ou Modelagem de Informação da Construção ou Modelagem de Informação do Edifício Premissas

Leia mais

Gerenciamento de Propriedade & Soluções de Engenharia

Gerenciamento de Propriedade & Soluções de Engenharia Gerenciamento de Propriedade & Soluções de Engenharia Há 25 anos, a Engepred associa o conhecimento sobre o mercado imobiliário à experiência de promover o melhor funcionamento de shoppings centers, prédios

Leia mais

WILLIAM DEN HARTOG 38 anos Holandês Casado 1 Filho

WILLIAM DEN HARTOG 38 anos Holandês Casado 1 Filho WILLIAM DEN HARTOG 38 anos Holandês Casado 1 Filho Tel. 98202-0143 (celular) / 3853-0734 (residencial) E-mail: hartog.william@yahoo.com.br Objetivo Síndico Profissional Formação Acadêmica Graduação: Administração

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE FERRAMENTAS GERENCIAIS PARA O PROJETO DO CANTEIRO DE OBRAS

DESENVOLVIMENTO DE FERRAMENTAS GERENCIAIS PARA O PROJETO DO CANTEIRO DE OBRAS DESENVOLVIMENTO DE FERRAMENTAS GERENCIAIS PARA O PROJETO DO CANTEIRO DE OBRAS Sheyla Mara Baptista SERRA Dra., Eng., Professora Adjunto do Departamento de Engenharia Civil da Universidade Federal de São

Leia mais

DIRETRIZES PARA O GERENCIAMENTO DA FLEXIBILIDADE DE PROJETOS ARQUITETÔNICOS UM ESTUDO DE CASO

DIRETRIZES PARA O GERENCIAMENTO DA FLEXIBILIDADE DE PROJETOS ARQUITETÔNICOS UM ESTUDO DE CASO DIRETRIZES PARA O GERENCIAMENTO DA FLEXIBILIDADE DE PROJETOS ARQUITETÔNICOS UM ESTUDO DE CASO Patrícia Moschen (1); Roberto de Oliveira (2); Mayra Soares de Mesquita Mororó (2); Luiz Fernando Mählmann

Leia mais

BIM: Fundamentos básicos e processo de implantação. Apresentador: Sergio Leusin, Arqtº, D.Sc.

BIM: Fundamentos básicos e processo de implantação. Apresentador: Sergio Leusin, Arqtº, D.Sc. BIM: Fundamentos básicos e processo de implantação Apresentador: Sergio Leusin, Arqtº, D.Sc. A GDP, Gerenciamento e Desenvolvimento de Projetos Ltdª, nasceu da convicção de que o projeto deve ser o protagonista

Leia mais

Visita de Analistas Janeiro, 2010

Visita de Analistas Janeiro, 2010 Visita de Analistas Janeiro, 2010 Aviso Nenhuma declaração ou garantia é feita com relação a correição, completude ou suficiência das informações apresentadas. A Direcional Engenharia não assume qualquer

Leia mais

Empresa jovem e 100 % nacional, a Bazze está sediada em PORTÃO RS e é referência na extrusão de perfis em PVC.

Empresa jovem e 100 % nacional, a Bazze está sediada em PORTÃO RS e é referência na extrusão de perfis em PVC. Empresa jovem e 100 % nacional, a Bazze está sediada em PORTÃO RS e é referência na extrusão de perfis em PVC. Comprometida com a qualidade e o desenvolvimento dos nossos produtos investimos continuamente

Leia mais

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Outubro 2009 Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Sustentabilidade Articulação Ampliação dos limites Sistematização Elementos do Novo Modelo Incubação

Leia mais

Indicadores de Sustentabilidade no PBQP-H

Indicadores de Sustentabilidade no PBQP-H Indicadores de Sustentabilidade no PBQP-H Comissão de Meio Ambiente Data: 23/maio/2014 Em março de 2009, o Governo Federal lançou o Programa Minha Casa, Minha Vida - PMCMV Metas do PMCMV 3,75 Milhões de

Leia mais

E s c o p o d e S e r v i ç o s p a r a

E s c o p o d e S e r v i ç o s p a r a M a n u a l d e E s c o p o d e S e r v i ç o s p a r a C o o r d e n a ç ã o d e P r o j e t o s FASE Direitos DIREITOS autorais AUTORAIS reservados RESERVADOS Todos os direitos desta edição, reprodução

Leia mais

PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA

PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA Parede de Concreto 29/04/2015 1 PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA OBJETIVO - reduzir o déficit habitacional 2009 MCMV Início do Programa 2010 MCMV I 1.000.000 de unid. contratadas 2011/14 MCMV II 2.400.000

Leia mais

MANUAL DE DESCRIÇÃO E FUNÇÕES

MANUAL DE DESCRIÇÃO E FUNÇÕES MANUAL DE DESCRIÇÃO E FUNÇÕES TÍTULO DO CARGO: Diretor Comercial Garantir as melhores condições de rentabilidade para a empresa, na prospecção, desenvolvimento, contratação de obras e serviços. Superior

Leia mais

Sistema Construtivo em PAREDES DE CONCRETO. Um sistema com bom desempenho MITOS E VERDADES

Sistema Construtivo em PAREDES DE CONCRETO. Um sistema com bom desempenho MITOS E VERDADES Seminário: Sistema Construtivo em PAREDES DE CONCRETO Um sistema com bom desempenho MITOS E VERDADES Arnoldo Wendler Sistema Construtivo Estudo de viabilidade Anteprojeto arquitetônico Comercialização

Leia mais

FEDERAL ANEXO I MATRIZ ESPECÍFICA DE CORRELAÇÃO DO CONHECIMENTO

FEDERAL ANEXO I MATRIZ ESPECÍFICA DE CORRELAÇÃO DO CONHECIMENTO ANEXO I MATRIZ ESPECÍFICA DE CORRELAÇÃO DO CONHECIMENTO CARGO/ESPECIALIDADES Art. 378. Ao Consultor Legislativo, Especialidade Assessoramento Legislativo. ÁREAS DE INTERESSE DO SENADO FEDERAL Agronomia;

Leia mais

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 E-mail valeretto@yahoo.com.br Objetivo Objetivos desta disciplina são: reconhecer as bases da administração financeira das empresas,

Leia mais

METODOLOGIA HSM Centrada nos participantes com professores com experiência executiva, materiais especialmente desenvolvidos e infraestrutura tecnológica privilegiada. O conteúdo exclusivo dos especialistas

Leia mais

Instituto Euvaldo Lodi de Santa Catarina IEL/SC

Instituto Euvaldo Lodi de Santa Catarina IEL/SC Instituto Euvaldo Lodi de Santa Catarina IEL/SC Uma estrutura de apoio à Inovação Eliza Coral, Dr. Eng., PMP Outubro, 2010 Diretrizes Organizacionais Missão Contribuir para o desenvolvimento sustentável

Leia mais

SELO CASA AZUL. Mara Luísa Alvim Motta Gerente Executiva Meio Ambiente

SELO CASA AZUL. Mara Luísa Alvim Motta Gerente Executiva Meio Ambiente SELO CASA AZUL Mara Luísa Alvim Motta Gerente Executiva Meio Ambiente SELO CASA AZUL CAIXA CATEGORIAS E CRITÉRIOS CATEGORIA CONSERVAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS Avalia o uso racional de materiais de construção

Leia mais

A Terceirização da Manutenção como Estratégia Competitiva nas Organizações

A Terceirização da Manutenção como Estratégia Competitiva nas Organizações A Terceirização da Manutenção como Estratégia Competitiva nas Organizações Alessandro Trombeta Supervisor de Manutenção Valdemar Roberto Cremoneis Gerente Industrial Cocamar Cooperativa Agroindustrial

Leia mais

LOCAIS DE TRABALHO COM QUALIDADE E PRODUTIVIDADE PROJETOS ARQUITETÔNICOS

LOCAIS DE TRABALHO COM QUALIDADE E PRODUTIVIDADE PROJETOS ARQUITETÔNICOS LOCAIS DE TRABALHO COM QUALIDADE E PRODUTIVIDADE PROJETOS ARQUITETÔNICOS PROJETOS ARQUITETÔNICOS 01 NOSSOS SERVIÇOS Após 35 anos de experiência na área de edificações para o mercado imobiliário gaúcho,

Leia mais

Projetos na área de TI. Prof. Hélio Engholm Jr

Projetos na área de TI. Prof. Hélio Engholm Jr Projetos na área de TI Prof. Hélio Engholm Jr Projetos de Software Ciclo de Vida do Projeto Concepção Iniciação Encerramento Planejamento Execução e Controle Revisão Ciclo de Vida do Produto Processos

Leia mais

Paulo Sérgio Ferrari Mazzon

Paulo Sérgio Ferrari Mazzon Tecnologia de Aquecimento Solar de Água Abyara, São Paulo, 03 de Julho de 2008 Paulo Sérgio Ferrari Mazzon Luciano Torres Pereira Grupo Soletrol Soletrol Industria e Comércio Soletrol l Tecnologia Universidade

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos PMI, PMP e PMBOK PMI (Project Management Institute) Estabelecido em 1969 e sediado na Filadélfia, Pensilvânia EUA, o PMI é a principal associação mundial, sem fins lucrativos,

Leia mais

Política de Sustentabilidade

Política de Sustentabilidade Política de Sustentabilidade Síntese O Compromisso ALIANSCE para a Sustentabilidade demonstra o nosso pacto com a ética nos negócios, o desenvolvimento das comunidades do entorno de nossos empreendimentos,

Leia mais

RESOLUÇÃO N.º 336/2014

RESOLUÇÃO N.º 336/2014 MEC - UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 336/2014 EMENTA: Estabelece o currículo do Curso de Pós-graduação, nível Especialização, MBA em Desenvolvimento Gerencial

Leia mais

DIRETRIZES TÉCNICAS AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO EM EDIFICAÇÕES 05/2015 DT 007/15 DTPC

DIRETRIZES TÉCNICAS AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO EM EDIFICAÇÕES 05/2015 DT 007/15 DTPC DIRETRIZES TÉCNICAS DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO EM EDIFICAÇÕES 05/2015 DT 007/15 DTPC 1 DIRETRIZES TÉCNICAS DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO EM EDIFICAÇÕES Presidente: Camil Eid. Vice Presidente Técnica: Miriana

Leia mais

Aula Nº 13 Fechamento do projeto

Aula Nº 13 Fechamento do projeto Aula Nº 13 Fechamento do projeto Objetivos da Aula: Os objetivos desta aula visam apresentar como se encerra o ciclo de vida de um projeto. Para tal, pretende-se verificar as derradeiras providências que

Leia mais

A busca da qualidade em proteção passiva contra fogo de estruturas metálicas

A busca da qualidade em proteção passiva contra fogo de estruturas metálicas MATERIAL DE REFERÊNCIA: PROFESSOR SERGIO PASTL A busca da qualidade em proteção passiva contra fogo de estruturas metálicas A proteção passiva contra fogo em estruturas metálicas é relativamente recente

Leia mais

PARÂMETROS PARA QUALIDADE ACÚSTICA NAS EDIFICAÇÕES CONFORME NBR 15.575

PARÂMETROS PARA QUALIDADE ACÚSTICA NAS EDIFICAÇÕES CONFORME NBR 15.575 EMPRESA NBR 15.575 DESEMPENHO ACÚSTICO PROJETO ACÚSTICO EXECUÇÃO PARÂMETROS PARA QUALIDADE ACÚSTICA NAS EDIFICAÇÕES CONFORME NBR 15.575 EMPRESA NBR 15.575 DESEMPENHO ACÚSTICO PROJETO ACÚSTICO EXECUÇÃO

Leia mais

UniVap - FEAU CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO Prof. Minoru Takatori ESTUDO PRELIMINAR

UniVap - FEAU CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO Prof. Minoru Takatori ESTUDO PRELIMINAR 1 ESTUDO PRELIMINAR OBJETIVOS Analise e avaliação de todas as informações recebidas para seleção e recomendação do partido arquitetônico, podendo eventualmente, apresentar soluções alternativas. Tem como

Leia mais

UFAL- Universidade Federal de Alagoas DEHA- Mestrado em Dinâmicas do Espaço Habitado Disciplina: DEH 204 -Acústica Arquitetônica

UFAL- Universidade Federal de Alagoas DEHA- Mestrado em Dinâmicas do Espaço Habitado Disciplina: DEH 204 -Acústica Arquitetônica UFAL- Universidade Federal de Alagoas DEHA- Mestrado em Dinâmicas do Espaço Habitado Disciplina: DEH 204 -Acústica Arquitetônica NBR 15575:2013 Desempenho de edificações habitacionais Professora Dra. Maria

Leia mais

MEDIÇÃO DE DESEMPENHO NA CONSTRUÇÃO CIVIL

MEDIÇÃO DE DESEMPENHO NA CONSTRUÇÃO CIVIL MEDIÇÃO DE DESEMPENHO NA CONSTRUÇÃO CIVIL Eng. Dayana B. Costa MSc, Doutoranda e Pesquisadora do NORIE/UFRGS Conteúdo da Manhã Módulo 1 Medição de Desempenho Conceitos Básicos Experiência de Sistemas de

Leia mais

Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades

Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades 1. DESCRIÇÕES DO CARGO - ESPECIALISTA EM DESENVOLVIMENTO DE TECNOLOGIA NUCLEAR E DEFESA a) Descrição Sumária Geral Desenvolver, projetar, fabricar,

Leia mais

Vice-Presidência de Tecnologia. Governança de TI Uma Jornada

Vice-Presidência de Tecnologia. Governança de TI Uma Jornada Vice-Presidência de Tecnologia Governança de TI Uma Jornada Contexto Conhecer-se é condição fundamental para evoluir Evolução da TI Governança de TI Contexto Evolução da TI Aumento de importância e complexidade

Leia mais

Painéis de concreto pré-moldados e soluções complementares para o segmento econômico. Otávio Pedreira de Freitas Pedreira Engenharia Ltda

Painéis de concreto pré-moldados e soluções complementares para o segmento econômico. Otávio Pedreira de Freitas Pedreira Engenharia Ltda Painéis de concreto pré-moldados e soluções complementares para o segmento econômico Otávio Pedreira de Freitas Pedreira Engenharia Ltda Painéis de concreto pré-moldados e soluções complementares para

Leia mais

PARÂMETROS PARA SELEÇÃO E PROJETO DE IMPERMEABILIZAÇÃO DE PISOS DO PAVIMENTO TIPO DE EDIFÍCIOS

PARÂMETROS PARA SELEÇÃO E PROJETO DE IMPERMEABILIZAÇÃO DE PISOS DO PAVIMENTO TIPO DE EDIFÍCIOS PARÂMETROS PARA SELEÇÃO E PROJETO DE IMPERMEABILIZAÇÃO DE PISOS DO PAVIMENTO TIPO DE EDIFÍCIOS Julio Cesar Sabadini de Souza Escola Politécnica da USP - Av. Prof. Almeida Prado, Trav. 2, nº 271 - PCC CEP

Leia mais

PLANO DE CURSO SIMPLIFICADO

PLANO DE CURSO SIMPLIFICADO PLANO DE CURSO SIMPLIFICADO CURSO: AJUDANTE DE OBRAS - PRONATEC 160 horas ÁREA: CONSTRUÇÃO MODALIDADE: QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL UNIDADE(S) HABILITADA(S): CT GURUPI Plano de Curso Simplificado FP.EP.04.08

Leia mais

PAULUZZI BLOCOS CERÂMICOS

PAULUZZI BLOCOS CERÂMICOS Conheça a PAULUZZI BLOCOS CERÂMICOS Mais de 80 anos de experiência O imigrante italiano Giovanni Pauluzzi e seus filhos Theo e Ferrucio construíram a primeira unidade da empresa em 1928, especializada

Leia mais

11/05/2015. Quem somos. Clientes BIM MERCADO & IMPLANTAÇÃO. Rogerio Suzuki Consultor BIM/4D/FM. O que oferecemos

11/05/2015. Quem somos. Clientes BIM MERCADO & IMPLANTAÇÃO. Rogerio Suzuki Consultor BIM/4D/FM. O que oferecemos O que oferecemos 11/05/2015 BIM MERCADO & IMPLANTAÇÃO Rogerio Suzuki Consultor BIM/4D/FM Quem somos Clientes 1 2 3 Agenda 1. Introdução 2. O que é BIM? 3. Por que BIM? 4. O que ganho com BIM? 5. BIM &

Leia mais

DIRETRIZES PARA UMA METODOLOGIA DE PROJETO DE IMPERMEABILIZAÇÃO DE PISOS DO PAVIMENTO TIPO DE EDIFÍCIOS

DIRETRIZES PARA UMA METODOLOGIA DE PROJETO DE IMPERMEABILIZAÇÃO DE PISOS DO PAVIMENTO TIPO DE EDIFÍCIOS DIRETRIZES PARA UMA METODOLOGIA DE PROJETO DE IMPERMEABILIZAÇÃO DE PISOS DO PAVIMENTO TIPO DE EDIFÍCIOS Julio Cesar Sabadini de Souza Escola Politécnica da USP - Av. Prof. Almeida Prado, Trav. 2, nº 271

Leia mais

TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO

TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO Curso Técnico de Edificações Profª Engª Civil Alexandra Müller Barbosa EMENTA Estudos de procedimentos executivos: Estruturas portantes, Elementos vedantes, Coberturas, Impermeabilização,

Leia mais

Pesquisa realizada com os participantes do 12º Seminário Nacional de Gestão de Projetos. Apresentação

Pesquisa realizada com os participantes do 12º Seminário Nacional de Gestão de Projetos. Apresentação Pesquisa realizada com os participantes do de Apresentação O perfil do profissional de Projetos Pesquisa realizada durante o 12 Seminário Nacional de, ocorrido em 2009, traça um importante perfil do profissional

Leia mais

CATEGORIA PRODUTOS E LANÇAMENTOS IMOBILIÁRIOS DO ANO

CATEGORIA PRODUTOS E LANÇAMENTOS IMOBILIÁRIOS DO ANO CATEGORIA PRODUTOS E LANÇAMENTOS IMOBILIÁRIOS DO ANO EMPREENDIMENTOS DE PEQUENO PORTE 01 APRESENTAÇÃO MELNICK EVEN DA EMPRESA APRESENTAÇÃO DA EMPRESA A Melnick Even, com 20 anos de atuação no mercado gaúcho

Leia mais

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Projeto Saber Contábil O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Alessandra Mercante Programa Apresentar a relação da Gestão de pessoas com as estratégias organizacionais,

Leia mais

COORDENAÇÃO DE PROJETOS DE EDIFICIOS: UM SISTEMA PARA PROGRAMAÇÃO E CONTROLE DO FLUXO DE ATIVIDADES DO PROCESSO DE PROJETOS

COORDENAÇÃO DE PROJETOS DE EDIFICIOS: UM SISTEMA PARA PROGRAMAÇÃO E CONTROLE DO FLUXO DE ATIVIDADES DO PROCESSO DE PROJETOS COORDENAÇÃO DE PROJETOS DE EDIFICIOS: UM SISTEMA PARA PROGRAMAÇÃO E CONTROLE DO FLUXO DE ATIVIDADES DO PROCESSO DE PROJETOS José Francisco Pontes ASSUMPÇÃO Professor da UFSCar, Rod. Washington Luís, km

Leia mais

M A N U A L D A Q U A L I D A D E

M A N U A L D A Q U A L I D A D E M A N U A L D A Q U A L I D A D E 14ª Versão Última atualização: MANUAL DA QUALIDADE - Rev. Data Elaborado por Descrição da alteração 01 10/06/2012 Hélio Lipiani Versão Inicial 02 20/07/2010 Hélio Lipiani

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 2404 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA PROCESSO DE SELEÇÃO - EDITAL Nº 162/2013 CONSULTOR POR PRODUTO

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 2404 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA PROCESSO DE SELEÇÃO - EDITAL Nº 162/2013 CONSULTOR POR PRODUTO Impresso por: RODRIGO DIAS Data da impressão: 26/06/2013-15:38:48 SIGOEI - Sistema de Informações Gerenciais da OEI TERMO DE REFERÊNCIA Nº 2404 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA PROCESSO DE SELEÇÃO - EDITAL

Leia mais

Certificações ISO 9001 por Setor Econômico no Brasil

Certificações ISO 9001 por Setor Econômico no Brasil Certificações ISO 9001 por Setor Econômico no Brasil 9000 8000 8690 7000 6000 5000 4000 3000 4709 3948 2000 1000 29 4 0 Indústria Comércio e Serviços Agropecuária Código Nace Inválido TOTAL Fonte: Comitê

Leia mais

Gestão do Processo de Projeto e Desempenho das Edificações: uma proposta SEBRAE / FIEMG / UFMG Prof. Dr. White José dos Santos- UFMG

Gestão do Processo de Projeto e Desempenho das Edificações: uma proposta SEBRAE / FIEMG / UFMG Prof. Dr. White José dos Santos- UFMG Seminário - Juiz de Fora SINDUSCON - SEBRAE Gestão do Processo de Projeto e Desempenho das Edificações: uma proposta SEBRAE / FIEMG / UFMG Prof. Dr. White José dos Santos- UFMG Gestão do Processo de Projeto

Leia mais

ALVENARIA ESTRUTURAL: DISCIPLINA: MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II PROF.: JAQUELINE PÉRTILE

ALVENARIA ESTRUTURAL: DISCIPLINA: MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II PROF.: JAQUELINE PÉRTILE ALVENARIA ESTRUTURAL: BLOCOS DE CONCRETO DISCIPLINA: MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II PROF.: JAQUELINE PÉRTILE O uso de alvenaria como sistema estrutural já vem sendo usado a centenas de anos, desde as grandes

Leia mais

Desenvolvimento de construtoras e empreiteiros

Desenvolvimento de construtoras e empreiteiros Desenvolvimento de construtoras e empreiteiros Renato Regazzi Impacto do crescimento da construção Números em 2010 R$ 152,4 bilhões PIB do setor 2010 Emprego formal 2,8 milhões de trabalhadores no estoque

Leia mais