Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro"

Transcrição

1 Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro Análise dos Constrangimentos na Qualidade da Construção Contributo para Melhoria do Pós-Venda numa Empresa Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil Humberto José dos Santos Gonçalves Orientadores Doutor Professor Tiago Queirós da Silva Pinto Doutor Professor Paulo Alexandre Lopes Fernandes Vila Real, Julho 2013

2

3 Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro Análise dos Constrangimentos na Qualidade da Construção Contributo para Melhoria do Pós-Venda numa Empresa Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil Humberto José dos Santos Gonçalves Orientadores Doutor Professor Tiago Queirós da Silva Pinto Doutor Professor Paulo Alexandre Lopes Fernandes Composição do Júri Doutora Sandra Cristina Alves Pereira Silva Cunha Doutor Florindo José Mendes Gaspar Doutor Professor Paulo Alexandre Lopes Fernandes Vila Real, Julho 2013

4

5 Agradecimentos A todos os meus professores e orientadores que contribuíram para a minha formação técnica e pessoal. À minha família.

6

7 Resumo A construção de edifícios comporta, provavelmente, um dos conjuntos mais complexos de tarefas dentre as actividades de produção existentes. O produto que lhe é associado é também caracterizado por propriedades que lhe são únicas, acrescentando complicações à compatibilização das actividades de projecto, planeamento, execução e utilização/manutenção, por constante alteração dos métodos de trabalho. Os intervenientes desta indústria têm procurado algumas formas de garantir a qualidade da construção dos edifícios, como forma de rentabilizar o produto e de modo a alcançar um consumidor cada vez mais informado, consciente e exigente. Os custos de não-qualidade e de pós-venda nas empresas de engenharia e construção civil consomem uma parte considerável de todo o esforço para obter uma reduzida margem de lucro nas empreitadas. Tendo em conta a conjuntura internacional que afectou drasticamente este sector em Portugal e na Europa é necessário reflectir, estudar e aplicar no seio das organizações, métodos e processos eficientes para reduzir os desperdícios, tornando as empresas mais competitivas nos mercados onde operam. As alterações da legislação actual exige períodos de garantia mais dilatados que comprometem a responsabilização do empreiteiro independente das condições de utilização e manutenção dos empreendimentos após recepção provisória, exigindo assim os mais elevados requisitos de durabilidade a todos os processos e elementos da construção. Procurando estudar as principais causas das patologias registadas no departamento de pósvenda, compreendendo cada uma das diferentes fases do ciclo de vida de um empreendimento, e com o intuito de desenvolvimento de procedimentos que possam prevenir e reduzir os custos de não-qualidade e de pós-venda são os principais motivos do desenvolvimento desta dissertação. A ausência de trabalhos aplicados à realidade empresarial publicados sobre esta matéria em Portugal evidencia a necessidade do desenvolvimento deste trabalho, que pretende realizar uma abordagem aplicada numa organização acerca desta matéria. Palavras-chave: qualidade, custos, construção, pós-venda, manutenção

8

9 existe uma maneira de ganhar dinheiro que as empresas não têm sabido usar deixar de perdê-lo Philip Crosby Fui impressionado com a urgência da realização. O conhecimento não é bastante; devemos aplicar-nos. Estar disposto não é bastante; devemos fazer Leonardo da Vinci Aprenda com o ontem, viva o hoje, tenha esperança para amanhã Albert Einstein

10

11 Abstract The construction of building probably has one of the most complex set of tasks within the existing production activities. The related product is also characterised by unique properties, which adds difficulties to the compatibility with other project activities, such as planning, execution, and use/maintenance through constant changes of work methods. The professionals of this industry have looked for other ways of guaranteeing the quality of construction of buildings, as a way to maximise the product and to reach a more and more informed, aware, and demanding client. The low quality and after sale costs in engineering and civil construction companies use a considerable part of all the effort to obtain a low profit margin at the end of the works. Taking into consideration the international economic situation that has drastically affected this sector in Portugal and in Europe, it is necessary to reflect, study, and apply methods and efficient processes to reduce waste to help companies become more competitive in the markets they operate in. The changes in the current laws require longer guarantee periods which prolongs the builder s responsibility, not taking into consideration the conditions in which the building has been used and the level of maintenance after the provisional reception of the works. This results therefore in higher requirements of durability in all processes and elements of the construction. The main objectives of this study is to find out the main causes for the registered pathologies in the after sale department, understanding each different phase of the cycle of life of a construction, and with a view to develop procedures that may prevent and reduce the low quality and after sale costs. The absence of published studies on this area, applicable to the reality of the business in Portugal, clearly shows a need to carry out this work, which intends to have an approach which may be applied to an organisation around this matter. Key-words: quality, costs, construction, after sale, maintenance.

12

13 there is a way of earning Money that the companies do not know how to use stop losing it Philip Crosby I was surprised by the urgency of the fact. Knowledge is not enough; we must apply ourselves. To be willing is not enough; we must do Leonardo da Vinci Learn with yesterday, live today, Have hope for tomorrow Albert Einstein

14

15 ÍNDICE GERAL AGRADECIMENTOS... V RESUMO... VII ABSTRACT... XI ÍNDICE GERAL... XV ÍNDICE DE FIGURAS... XVII ÍNDICE DE GRÁFICOS... XIX ÍNDICE DE QUADROS... XXIII LISTA DE SIGLAS... XXV CAPÍTULO I - INTRODUÇÃO ENQUADRAMENTO DO TRABALHO MOTIVAÇÃO E OBJECTIVOS METODOLOGIA DA DISSERTAÇÃO ORGANIZAÇÃO DA DISSERTAÇÃO CAPÍTULO II CARACTERIZAÇÃO ACTUAL DO SECTOR DA CONSTRUÇÃO ESTADO DO SECTOR DA CONSTRUÇÃO NA EUROPA E EM PORTUGAL FACTORES DE COMPETITIVIDADE NA CONSTRUÇÃO COMPETITIVIDADE NA CONSTRUÇÃO A ESTRUTURA EMPRESARIAL A INTERNACIONALIZAÇÃO DAS EMPRESAS DE CONSTRUÇÃO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA CONSTRUÇÃO TECNOLOGIA E INVESTIGAÇÃO QUALIDADE NA CONSTRUÇÃO FACTORES QUE CONDICIONAM A QUALIDADE DE UM EMPREENDIMENTO CUSTOS DE NÃO QUALIDADE CAPÍTULO III COMPREENDER AS CAUSAS DAS PATOLOGIAS NAS DIFERENTES FASES DE UM EMPREENDIMENTO PATOLOGIAS EM EDIFÍCIOS RECENTES... 55

16 REGISTO DE SINISTROS NA CONSTRUÇÃO PRINCIPAIS CAUSAS DAS PATOLOGIAS EM EDIFÍCIOS RECENTES FASE DE PROJECTO FASE DE EXECUÇÃO FASE DE UTILIZAÇÃO / MANUTENÇÃO GARANTIAS E SEGUROS DE OBRA CAPÍTULO IV ESTUDO INTERNO APLICADO A UMA EMPRESA BREVE CARACTERIZAÇÃO DA EMPRESA MÉTODOS DO ESTUDO INTERNO ANÁLISE DOS PEDIDOS DE ESCLARECIMENTO DE PROJECTO RESULTADOS ESTUDO DAS NÃO CONFORMIDADES REGISTADAS PELO DEPARTAMENTO DE QUALIDADE QUE AFECTAM QUALIDADE RESULTADOS ESTUDO DOS CONSTRANGIMENTOS COM INFLUÊNCIA NA PERFORMANCE DA PRODUÇÃO; EVOLUÇÃO DOS CUSTOS DE PÓS-VENDA RELATIVAMENTE AO VOLUME DE FACTURAÇÃO RESULTADOS ESTUDO E CARACTERIZAÇÃO DAS PATOLOGIAS REGISTADAS NO DEPARTAMENTO DE PÓS-VENDA; RESULTADOS CAPÍTULO V DISCUSSÃO DOS RESULTADOS E PROPOSTAS DE MELHORIA DISCUSSÃO DOS RESULTADOS PROPOSTAS DE MELHORIA CAPITULO VI - CONCLUSÕES CONCLUSÕES FINAIS PERSPECTIVAS DE TRABALHOS FUTUROS REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

17 ÍNDICE DE FIGURAS Figura 1 Cadeia de valor do sector da construção Figura 2 Processo de concentração dos grupos empresariais Espanhóis (SEOPAN, 2013). 34 Figura 3 Modelo típico de um processo de construção (Aoieong et al., 2002) Figura 4 O ciclo de qualidade e as relações entre as fases do empreendimento (Melhado, 1994) Figura 5 Custos de não qualidade e custos de qualidade Figura 6 Ingredientes para o sucesso da execução de uma empreitada Figura 7 Os diferentes Players na execução de uma obra Figura 8 Factores críticos que condicionam a fase de execução Figura 9 - Adaptado The seven forces model of project-based management (Turner, 1999).. 89 Figura 10 A comunicação entre dos diferentes intervenientes da obra Figura 11 Ciclo de desenvolvimento de um projecto Figura 12 Iceberg dos custos verdadeiros da manutenção Figura 13 Imagem da sede da empresa MRG em Coimbra Figura 14 Organograma organizacional da empresa MRG- Engenharia e Construção, SA 120 Figura 15 Símbolos das duas certificações externas obtidas pela empresa Figura 16 - Exemplo de Pedido de Esclarecimento de Projecto Figura 17 Plantas e foto virtual do projecto do CMIN Figura 18 Plantas do Convento de São Francisco Coimbra Figura 19 Fotos da Reabilitação do Convento de São Francisco Coimbra

18 Figura 20 Fotos da zona da necrópole e achados das invasões Francesas Figura 21 Fotos da construção do Auditório Figura 22 Planta e fotos da Escola Secundária de Sever do Vouga Figura 23 Fotos da Escola Secundária Rainha Dona Leonor Figura 24 Fotos da Escola Herculano de Carvalho Figura 25 Fotos do projecto e da execução da obra Figura 26 - Resumo do funcionamento de tratamento de reclamações do departamento pósvenda Figura 27 Propostas de melhoria em cada uma das fase da responsabilidade do empreiteiro163 Figura 28 Novo modelo de Pedido de Esclarecimento de Projecto Figura 29 Novo modelo do quadro síntese controlo e monitorização das reclamações Serviço de pós-venda apoio ao cliente Figura 30 Visualização da plataforma de partilha de informação técnica na organização. 167 Figura 31 Exemplos de Sistemas automatizado de detecção de conflitos e compatibilização entre projectos Figura 32 O âmbito do ciclo das potencialidades do BIM, (Jeong et al, 2009) Figura 33 O âmbito das potencialidades do BIM no apoio ao Projecto (Jeong et al, 2009) 171 Figura 34 Comportamento e possibilidade de influenciar os custos ao longo da vida do edifício (Amelung, 1996 apud Weise et al, 2009) Figura 35 Exemplo de resistência à mudança Figura 36 A ligação entre a empresa e instituições de investigação e desenvolvimento

19 ÍNDICE DE GRÁFICOS Gráfico 1 Licenciamento de fogos novos para habitação (INE, 2013) Gráfico 2 Estatísticas dos concursos públicos Janeiro 2013 (FEPICOP, 2013) Gráfico 3 Títulos habilitantes válidos 2009/2011 (INCI, 2012) Gráfico 4 Adaptado da Chalmers University of Technology, Caracterização dos custos de não qualidade Gráfico 5 Relação clássica entre custos relacionados com a qualidade e o nível de qualidade (Foster, 1996) Gráfico 6 Média da percentagem de sinistros ao longo dos anos por elemento de construção anos (Adaptado Sycodés, 2012) Gráfico 7 Médias dos custos de reparação em % dos custos de construção (Adaptado Sycodés 2012) Gráfico 8 Percentagem dos custos de reparação tendo em conta o tipo de defeitos (Adaptado Sycodés, 2012) Gráfico 9 Média das principais patologias na construção em França, 1995 a 2011 (Adaptado Sycodés, 2012) Gráfico 10 Ocorrência de anomalias apontadas pelos utentes (Paiva, 2001) Gráfico 11 Causas de anomalias em Edifícios (Adaptado Paiva, 2002) Gráfico 12 Causas de anomalias em Edifícios (Brito, 2005) Gráfico 13 Médias dos diferentes estudos apresentados na quadro anterior (adaptado: Esteves, 2008, Bento 2009 e Sycodés 2012) Gráfico 14 Incidência das diferentes causas de erros de projecto (Adaptado Bureau Securitas 1979)

20 Gráfico 15 Capacidade de influência das fases de um empreendimento no custo da construção (Sparrius, 1998) Gráfico 16 Capacidade de influência para reduzir custos nas diferentes fases de um empreendimento (Hammarlund e Josephoson, 1992) Gráfico 17 Reclamações devidas a deficiências no processo construtivo Gráfico 18 Distribuição de custos (OZ, 2008) Gráfico 19 Mercado da construção na Europa em 2007 (Adaptado de Euroconstruct 2008).103 Gráfico 20 Evolução do volume de facturação 2008/ Gráfico 21 Divisão percentual das áreas de negócio em Gráfico 22 Divisão percentual dos colaboradores em Gráfico 23 Divisão percentual dos colaboradores consoante o tipo de formação em Gráfico 24 Resultados, tipo de Falhas Gráfico 25 Resultados, média da percentagem das falhas Gráfico 26 Resultados, Elementos de Construção afectados pelos pedidos de esclarecimento de projecto Gráfico 27 Resultados, média dos elementos de Construção afectados pelos PEP Gráfico 28 Resultados, Especialidades afectadas pelos PEP Gráfico 29 Resultados, média das especialidades afectadas pelos PEP Gráfico 30 Resultados dos tipos de instalações técnicas afectadas pelos PEP Gráfico 31 Resultados, Média dos tipos de instalações técnicas afectadas pelos PEP Gráfico 32 Resultados dos tipos de materiais afectados pelos PEP Gráfico 33 Resultados, média dos tipos de materiais afectados pelos PEP

21 Gráfico 34 Resultados, causas das não-conformidades do departamento de qualidade Gráfico 35 Resultados, elemento da construção mais afectado nas não-conformidades internas Gráfico 36 Resultados, responsabilidades na performance da produção Gráfico 37 Resultados, volume de facturação Gráfico 38 Resultados, custos de pós-venda Gráfico 39 Relação dos custos de pós-venda / volume de facturação Gráfico 40 Resultados, evolução do volume de facturação vs custos de pós-venda Gráfico 41 Tipos de patologias mais comuns identificados no estudo Gráfico 42 Caracterização das patologias identificadas no estudo por elemento de construção Gráfico 43 Relação entre o tipo de patologias e os custos de reparação Gráfico 44 Caracterização das possíveis causas das patologias Gráfico 45 Responsabilidades nos Erros de Execução Gráfico 46 Resultado das entrevistas aos colaboradores, causas dos erros de Execução

22

23 ÍNDICE DE QUADROS Quadro 1 Ranking Euroconstruct - Dezembro Quadro 2 Variação das classes de alvará atribuídas ao longo dos anos (INCI, 2012) Quadro 3 - Taxas anuais de crescimento, os índices de custos de construção de novos edifícios residenciais (Eurostat, 2012) Quadro 4 - Quadro comparativo definição de custos da Qualidade Quadro 5 - Comparativo de autores de causas dos custos de não-qualidade Quadro 6 - Comparativo dos custos médios da não qualidade relativamente ao custo de produção Quadro 7 - Lista sumária de patologias mais comuns em edifícios recentes Quadro 8 - Análise dos sinistros em França nos elementos construtivos (Adaptado Sycodés, 2012) Quadro 9 - Percentagem do custo de reparação face ao custo de construção e o custo de reparação médio (Adptado Sycodés, 2012) Quadro 10 - Custos de reparação, em França, tendo em conta o tipo de defeito (Adaptado Sycodés, 2012) Quadro 11 - Principais patologias na construção em França, 1995 a 2011 (Adaptado Sycodés, 2012) Quadro 12 - Principais causas das patologias em edifícios (Adaptado: Esteves, 2008; Bento, 2009 e Sycodés 2012) Quadro 13 - Quadro comparativo entre ficha técnica de habitação e compilação técnica da obra, (Adaptado Rodrigues e Teixeira, 2004) Quadro 14 - Prazos de garantia estipulados no CCP

24 Quadro 15 - Percentagem de libertação das garantias tendo em conta os anos decorridos Quadro 16 - Número de colaboradores por áreas profissionais em Quadro 17 - Exemplo de pedidos de esclarecimento de projecto Quadro 18 - Exemplo de caracterização dos pedidos de esclarecimento de projecto Quadro 19 - Quadro dos constrangimentos com influência na performance da produção Quadro 20 - Resultados, volume de facturação, custos de pós-venda e sua relação Quadro 21 - Novo modelo do mapa de controlo de pedidos de esclarecimento do projecto com influência no pós-venda

25 LISTA DE SIGLAS AQC Agence Qualité Constrution AVAC - Aquecimento, Ventilação e Ar Condicionado BIM - Building Information Modeling CCP - Código dos Contractos Públicos CE Certificação Europeia CEN - Comité Europeu de Normalização CESE - Comité Económico e Social Europeu EN - Norma Europeia EU União Europeia FEPICOP - Confederação para a Industria da Construção I&D Inovação e Desenvolvimento INCI Instituto da Construção e do Imobiliário; INE Instituto Nacional de Estatística IPAC Instituto Português de Acreditação; IPQ - Instituto Português da Qualidade, ISO - Internacional Standard IVA Imposto de valor absoluto LNEC Laboratório Nacional de Engenharia Civil M&R - Manutenção e reabilitação NP - Norma Portuguesa OE - Ordem dos Engenheiros PEP Pedidos de Esclarecimento de Projecto QUALITEL Sistemas de Qualidade de Edifícios - Francês RCCTE - Regulamento das Características de Comportamento Térmico dos Edifícios

26 RGEU - Regulamento geral das edificações urbanas RJUE - Regime Jurídico da Urbanização e da Edificação RSECE - Regulamento dos Sistemas Energéticos de Climatização em Edifícios SEL - Système dévaluation des Logements SNQ - Sistema Nacional da Qualidade SWOT Análise SWOT ou Análise FFOA (Forças, Fraquezas, Oportunidades e Ameaças) UTAD - Universidade de Trás-Os-Montes e Alto Douro VAB - Valor Acrescentado Bruto

27 CAPITULO I Introdução CAPÍTULO I - Introdução Humberto Gonçalves Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil 1

28 CAPITULO I Introdução 2 Humberto Gonçalves Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil

29 CAPITULO I Introdução 1.1 Enquadramento do Trabalho Actualmente, resultado do contexto económico-financeiro que o mundo atravessa as empresas de construção civil atravessam uma grave crise, pelo que é essencial que nas empresas deste sector haja espaço para a reflexão e reorganização interna de modo a desencadear uma regeneração na forma de actuar das empresas de construção de modo a estas se tornarem mais competitivas e sustentáveis nos mercados onde operam. A nível nacional a indústria da construção é uma das mais importantes, caracterizando-se pela elevada concorrência entre empresas. Minimizar as falhas de qualidade é fundamental para reduzir ineficiências e assim aumenta os benefícios obtidos pelas empresas. Esta minimização é realizada através da implementação de medidas de gestão transversais às diferentes fases do ciclo de vida de um empreendimento e controlo da qualidade, contudo o objectivo deve passar pela minimização dos custos de não-qualidade permitem reduzir os custos de pós-venda durante o período de garantia legal. Quando um empreiteiro termina uma obra e esta é recepcionada pelo dono de obra, garantindo o cumprimento do projecto, caderno de encargos e o licenciamento pelas diversas entidades. Não é esperado que essa obra se traduza em custos adicionais, pelo menos num futuro próximo enquadrado nos períodos de garantia estipulados em caso de ser obra privada ou pública. Todavia devido a um conjunto de factores a realidade actual é consideravelmente diferente. É frequentemente referenciado que inúmeras casas, escolas, hospitais, empreendimentos de construção civil e de engenharia civil recentemente construídas, apresentam graves patologias. Estas situações são sempre desagradáveis para o empreiteiro, que julgava ter entregue ao cliente uma obra conforme o estipulado no contrato e de acordo com o projecto. O cliente vê a utilização do seu investimento condicionado e por vezes comprometido face à expectativa ou objectivo inicial do projecto. Estas situações são ainda mais questionáveis quando as empreitadas são públicas com um caderno de encargos exigente e por vezes com cláusulas abusivas. Com projectistas de renome no mercado, equipas de fiscalizações multidisciplinares e em grande número de técnicos em obra e no entanto também se registam as mais variadas e graves patologias na fase do pós-venda. Humberto Gonçalves Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil 3

30 CAPITULO I Introdução Em Portugal não existe um sistema de garantias e seguros que permita a resolução rápida deste tipo de situações, resultando em intermináveis e dispendiosos casos em tribunal sem qualquer acção imediata em obra, aumentando degradações das patologias identificadas sem benefícios para nenhuma das partes. Nem a legislação nacional nem as seguradoras das empresas obrigam a um controlo dos defeitos ou patologias. No caso de patologias no período de garantia este assunto é remetido para Código de Contractos Públicos ou para o Código Civil no caso de obras privadas. Apesar existirem várias entidades intervenientes no projecto e na obra com deveres e funções legais. Na maior parte dos casos, o empreiteiro que detém garantias ou cauções no cliente é quem é chamado a responder no futuro por patologias e/ou defeitos. Algumas das empresas do sector da construção estão certificadas pela qualidade ISO 9001:2008, mas infelizmente esta certificação não é uma garantia para um departamento de pós-venda isento de reclamações. Estes sistemas de certificação avaliam e monitorizam apenas os processos e procedimentos documentais internos da organização da empresa, não o resultado concreto do produto final executado pela empresa. 1.2 Motivação e Objectivos Com a presente conjuntura económica do sector, talvez seja este o momento de reflectir sobre aspectos que afectam a produtividade e as verbas investidas na correcção de erros de execução após a conclusão das empreitadas. É também importante reflectir sobre a incidência dos repetidos erros de projecto, execução e utilização/manutenção em diferentes obras. Muitas vezes os erros cometidos são sistemáticos que se continuam a repetir sem qualquer correcção em obras futuras, resultando em elevados custos de não-qualidade no pós-venda, reduzindo a eficiência e competitividade da organização numa fase crucial do mercado para além de passar uma má imagem junto do cliente. O presente estudo foi realizado na empresa MRG - Engenharia e Construção, SA, com o envolvimento da Administração e demais departamentos, que entenderam a necessidade do estudo dos custos de pós-venda na empresa que recentemente registaram um significativo aumento. 4 Humberto Gonçalves Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil

31 CAPITULO I Introdução No geral as empresas de construção negligenciam a importância do departamento de pósvenda, dado que este está normalmente ligado a despesa e não da receita. Estranhamente as empresas de construção não estão sensíveis à importância e possibilidade de valorização da informação e do conhecimento que o departamento de pós-venda pode transmitir à organização e o seu potencial para aumento da eficiência e produtividade. O objectivo principal deste estudo consiste em identificar e avaliar as causas dos custos de pós-venda dentro da organização. As causas encontradas transportaram-nos para uma entusiasmante pesquisa e investigação dos pontos críticos que condicionam estes custos nas diferentes fases do ciclo de vida de um empreendimento. Interessa saber à organização quais são as causas das patologias reclamadas pelos clientes durante o período de garantia? Porque falhamos? E como podemos evitar o erro em futuras empreitadas? Será que o cliente está devidamente informado acerca dos riscos futuros de determinadas soluções construtivas optadas em projecto? Terá o cliente conhecimento dos procedimentos de utilização e manutenção do edifício durante a sua vida útil? A presente dissertação tem como intuito estudar, compreender e actuar sobre os custos de não-qualidade no departamento de pós-venda, de forma a contribuir para um aumento da competitividade da empresa e a satisfação dos clientes. Pretende-se contribuir activamente com a introdução de procedimentos que promovam a prevenção de patologias nas diferentes fases da vida de um empreendimento. De modo a cumprir o objectivo principal, foram definidos os seguintes objectivos secundários ao longo do desenvolvimento do trabalho: i. Identificar e caracterizar as patologias mais comuns registadas no pós-venda; ii. Quantificar os custos do departamento de pós-venda pela natureza das patologias; iii. Identificação dos constrangimentos com influência na performance da produção; iv. Criação de procedimentos que visam a passagem da informação relevante ao longo das diferentes fases do ciclo de vida do empreendimento; v. Desenvolver ferramentas de modo a melhorar e controlar a qualidade da actividade da empresa, medida através dos custos de pós-venda e reclamações dos clientes tableau du bord ; vi. Melhorar o desempenho e competitividade da empresa no mercado; Humberto Gonçalves Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil 5

32 CAPITULO I Introdução vii. Promover a transferência do conhecimento dentro da organização através de exemplos de más e de boas práticas, resultados da actividade de pós-venda; A realização deste trabalho pretende ir além da identificação de pontos críticos, pretende-se propor soluções práticas e a sua implementação com vista a ter impacto positivo na organização. O desenvolvimento deste tema tem interesse académico, uma vez que não existem estudos desta natureza em Portugal, e interesse profissional, dado que o seu desenvolvimento pode trazer benefícios para todos os intervenientes na indústria da construção. Também para a sociedade o desenvolvimento deste tema é vantajoso, visto que a identificação das causas e origem da não-qualidade permite uma optimização dos métodos e processos construtivos e, consequentemente, uma redução dos recursos materiais necessários apontando-se. Desde logo, uma série delas previamente seleccionadas, obtidas quer da experiência profissional dos autores, quer da pesquisa bibliográfica sobre estudos internacionais semelhantes. O contributo deste trabalho para a importância do impacto junto da sociedade sensibilizando os utilizadores finais para as consequências de determinadas soluções de projecto, de controlo da execução e dos cuidados a ter durante a fase de utilização e manutenção de um edifício. Alerta para a necessidade dum empreendimento ser durável e corresponder com os objectivos para os quais foi pensado e projectado. Dado o desenvolvimento de estudos desta natureza noutros países, pretende-se comparar os resultados deste trabalho com os que são apontados nesses estudos, em particular no que diz respeito aos custos da não-qualidade e respetivas patologias. Reduzir os custos da não-qualidade, que incluem os defeitos de construção, as soluções que exigem maiores custos de manutenção e operação e os que decorrem de ciclos de construção mais longos do que o necessário incrementando o mercado de reabilitação e manutenção. Responsabilizar os diferentes agentes económicos, públicos e privados, pela não observância dos normativos legais que regulam todo o processo construtivo, desde a elaboração do projecto, contratação e manutenção, passando pela edificação. 6 Humberto Gonçalves Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil

33 CAPITULO I Introdução Sensibilizar os donos de obra para o custo global dos empreendimentos, compreendendo, para além do investimento com a execução, os custos de manutenção e operação sem esquecer a rendibilidade decorrente da maior ou menor vida útil das soluções propostas, estimulando a consideração dos requisitos técnicos, para além do preço, como factor de enorme relevância para a decisão de adjudicação; Contribuir para uma convergência entre os diferentes intervenientes, cliente, projectista, empreiteiro, fiscalização afim de todos trabalharem para um resultado comum a qualidade na construção promovendo a troca de experiências e o Know how que cada interveniente. Incentivar o funcionamento adequado das entidades acreditadoras e certificadoras e fiscalizar a sua actuação por forma a garantir a credibilidade pública do sistema nacional de qualidade; Ampliar o envolvimento das seguradoras na indústria da construção através de uma maior oferta de seguros às empresas de construção, projectistas, fornecedores e demais intervenientes; Humberto Gonçalves Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil 7

34 CAPITULO I Introdução 1.3 Metodologia da Dissertação As metodologias de investigação utilizada no tipo de análise pretendida na presente dissertação foram: a) Recolha e análise da legislação vigente em Portugal e Internacional, no âmbito dos temas abordados; b) Recolha e análise de elementos estatísticos relacionados com a evolução do sector da construção em Portugal e com os principais defeitos em construções em Portugal e noutros países; c) Reuniões com intervenientes no processo construtivos (administradores, directores coordenadores, responsável pelo pós-venda, directores de Obra, encarregados e preparadores de obra); d) Análise dos questionários internos de satisfação dos clientes no âmbito do sistema de certificação pela ISO 9001:2008; e) Análise e tratamento estatístico das reclamações do cliente durante o período de garantia das empreitadas; f) Análise das não conformidades registadas pelo departamento de qualidade relacionadas com patologias identificadas durante a fase de execução das empreitadas; g) Análise e tratamento estatístico dos pedidos de esclarecimento de projecto durante a fase de preparação/execução das empreitadas mais representativas; h) Estudo interno dos custos de pós-venda e caracterização das patologias mais comuns; A metodologia utilizada envolve a análise das reclamações do pós-venda da empresa MRG Engenharia e Construção, SA no sentido de as caracterizar por patologias e localizar as mesmas nos diferentes elementos dos empreendimentos, através de: a) Consulta dos arquivos de obras já executadas; b) Caracterização e análise das patologias identificadas nas empreitadas realizadas pósvenda; c) Relacionar os pedidos de esclarecimento de projecto com as patologias do pós-venda. d) Caracterização e análise das não-conformidades levantadas por fiscalização e donos de obra acerca de má execução; 8 Humberto Gonçalves Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil

35 CAPITULO I Introdução O presente caso de estudo interno pretende também analisar alguns dados das empreitadas nomeadamente os pedido de esclarecimento de projecto para análise dos erros mais comuns ao nível dos projectos, erros e omissões e a falta de compatibilização entre os projectos das diferentes especialidades que levam a atrasos e redução da capacidade produtiva da empresa: a) Identificação e análise dos constrangimentos com influência na performance na produção; b) Técnicas de observação através da observação directa de cada actividade, para recolha de dados. Humberto Gonçalves Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil 9

36 CAPITULO I Introdução 1.4 Organização da Dissertação O presente trabalho encontra-se organizado em seis capítulos e referências bibliográficas. Capítulo I Introdução: Apresenta-se o enquadramento do trabalho desenvolvido, os objectivos, a metodologia bem como a forma de organização adoptada na dissertação. Capítulo II - Caracterização actual do Sector da Construção: Caracterização actual do Sector da Construção com enquadramento do contexto socioeconómico actual, análise do mercado em Portugal e na Europa. Ameaças e oportunidades futuras do sector da construção. Capítulo III Compreender as Causas das Patologias nas diferentes Fases de um Empreendimento: Compreender diferentes fases de um empreendimento nomeadamente a fase de projecto, fase de execução e fase de utilização e manutenção identificando as principais causas das patologias em cada uma das fases que compreendem o ciclo de vida de um empreendimento. Capítulo IV Estudo Interno Aplicado a uma empresa: Apresentação dos resultados do estudo desenvolvido aplicado a uma empresa de construção. Capítulo V Discussão dos Resultados e Propostas de Melhoria: Discussão dos resultados obtidos, comparação com outras referências bibliográficas e apresentação de propostas de melhoria no âmbito do estudo apresentado. Capítulo VI - Conclusões: Contém as conclusões finais e perspectivas de trabalhos futuros. Referências Bibliográficas: Neste ponto são apresentados as referências das obras bibliográficas e outros documentos técnicos e académicos de serviram de apoio estudo desenvolvido. 10 Humberto Gonçalves Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil

37 CAPITULO II Caracterização Actual do Sector da Construção CAPÍTULO II Caracterização Actual do Sector da Construção Humberto Gonçalves Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil 11

38 CAPITULO II Caracterização Actual do Sector da Construção 12 Humberto Gonçalves Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil

39 CAPITULO II Caracterização Actual do Sector da Construção 2.1 Estado do Sector da Construção na Europa e em Portugal As esperanças de uma recuperação rápida anunciadas para a indústria de construção europeia foram frustradas. Em vários dos dezanove países da Euroconstruct a crise do euro continua a colocar a actividade da construção em cheque. Esta tendência é agravada pela situação da economia mundial, que continua difícil. Em Junho de 2012 os especialistas da Euroconstruct esperavam um declínio de 2% durante o mesmo ano, mas já reviram esta previsão a um declínio de 4,7% na actividade de construção do grupo da União Europeia. Ao contrário das previsões originais, os especialistas prevêem perdas adicionais de cerca de 1,5% para Qualquer possibilidade de recuperação apenas está prevista em 2015 e espera-se que seja apenas moderada. Quadro 1 Ranking Euroconstruct - Dezembro 2012 Com o trabalho do sector da construção prevê-se atingir um valor total de 1,27 trilhões de euros (a preços de 2011) para A construção, nos 19 países-membros deve cair um pouco abaixo do nível alcançado em meados dos anos O crescimento na demanda crescente de construção visto entre 1997 e 2007 foi, portanto, cancelado nos seis anos desde Humberto Gonçalves Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil 13

40 CAPITULO II Caracterização Actual do Sector da Construção Após a decisão de introduzir o euro, especialmente as taxas de juros no sul dos Países Europeus caíram consideravelmente, tornando-o muito apetecível aceder aos empréstimos. Isto marcou o início dos "anos dourados" para a indústria de construção europeia, que acabaram por ser caracterizados por excessos do mercado. A crise financeira internacional, a crise económica mundial e a crise do euro tem vindo a ter um efeito devastador sobre a actividade de construção na Europa. Comparado com o seu nível de 1966, a indústria europeia da construção terá de "começar do zero" de novo em No entanto, os sinais não apontam para uma crise em todos os países. Noruega, Suíça e Alemanha são os vencedores da crise do euro uma vez que estes países estão atrair o capital de muitos investidores graças à sua estabilidade económica. O relatório de Dezembro de 2012 da Euroconstruct, aponta os factores chave, positivos e negativos, e os riscos desenvolvidos pela actividade da construção nos diversos países. Para Portugal, são referidos como pontos positivos a alteração da lei do arrendamento. Nos factores negativos são indicados; a grave crise económica em que o país está mergulhado, problemas de financiamento, elevada oferta de habitações no mercado, a estagnação demográfica acentuada, riscos na estabilidade política interna e nas medidas adicionais de controlo do défice inscritas no orçamento de estado e seu cumprimento e por fim as elevadas taxas de juro. De acordo com notícias da Federação da Industria da Construção em Fevereiro de 2013, as violentas reduções recentemente registadas no consumo do cimento, no número de trabalhadores e no número de fogos licenciados são os indicadores mais fiáveis da grave crise que assola o sector da Construção. De acordo com a mais recente análise de conjuntura da FEPICOP, em 2012, o consumo do cimento caiu 26,9%, face a 2011, sendo preciso recuar 39 anos, até 1973, para se encontrar uma época em que a sua utilização tenha sido inferior à verificada o ano passado. Por seu turno, os fogos em construção nova licenciados até Novembro último, correspondendo apenas a cerca de 10% das autorizações emitidas em igual período de 2001, reflectem uma diminuição constante da produção do sector neste segmento ao longo dos últimos 11 anos. Mas todos os outros indicadores habitualmente analisados pela Federação evidenciam, também, a contínua deterioração da conjuntura da actividade do sector. 14 Humberto Gonçalves Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil

41 CAPITULO II Caracterização Actual do Sector da Construção O gráfico 1 mostra que até Novembro e em termos homólogos, as licenças para construção nova caíram 30,2% e as concedidas para reabilitação e demolição recuaram 6,5%, enquanto no caso dos edifícios não residenciais a área licenciada contraiu 23,5%, o que se traduz numa redução de 601 mil m2. Gráfico 1 Licenciamento de fogos novos para habitação (INE, 2013) Nas obras públicas, os concursos abertos em 2012 revelam uma redução homóloga de 38,7% e de 44,4%, respectivamente, em número e valor, e as adjudicações evidenciam uma quebra, em valor, de 51,6% conforme podemos observar no gráfico 2. Com uma carteira de encomendas, no último trimestre de 2012, inferior em 44,4% à apurada no mesmo período do ano anterior e com a confiança dos empresários a cair 25,6%, as perspectivas de emprego diminuíram 17,0%, ao mesmo tempo que a situação financeira das empresas piorou 7,8%. A reduzida procura sem precedentes observada em 2012 é considerada pelos empresários, a par dos aspectos financeiros, um dos principais condicionantes da actividade provocou, nos primeiros nove meses do ano, uma quebra do VAB (Valor Acrescentado Bruto) do Sector em 15,3% e do investimento em Construção de 18,1%. Por fim, destaca-se a pior consequência de todo este ambiente para a economia do País: o número de desempregados, que continuou a aumentar, tendo atingido, no final de Novembro de 2012, o que traduz um crescimento homólogo de 34,4% e representa 15,9% do número total de desempregados inscritos nos centros de emprego no final desse mês. Humberto Gonçalves Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil 15

42 CAPITULO II Caracterização Actual do Sector da Construção Gráfico 2 Estatísticas dos concursos públicos Janeiro 2013 (FEPICOP, 2013) Gráfico 3 Títulos habilitantes válidos 2009/2011 (INCI, 2012) Tendo em conta o gráfico 3 no final de 2011, existiam no sector da construção empresas habilitadas com alvará e com título de registo. O número de alvarás válidos tem-se mantido relativamente estável, ainda que com uma tendência de descida ligeira. O facto de o número de alvarás válidos ter registado uma diminuição de apenas 1,3% não significa, necessariamente, que a crise não se tenha reflectido no sector. No final de 2011, cerca de 61,6% (14.511) das empresas registadas, eram detentoras de alvará em classe 1. No entanto a classe com maior crescimento em relação a 2010, foi a classe 8, com uma variação de 10% podendo justificar-se pela entrada de novas empresas para essa classe e de reclassificação de empresas classificadas em classes anteriores. O número de empresas detentoras de alvará nas três primeiras classes atingiu 86,4% (20.360) do total das empresas registadas. Relativamente à distribuição de alvarás por classes, verificou-se um crescimento de empresas classificadas nas classes 5, 6, 8 e 9 desde 2006 até 2011 como demonstra a quadro Humberto Gonçalves Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil

43 CAPITULO II Caracterização Actual do Sector da Construção Quadro 2 Variação das classes de alvará atribuídas ao longo dos anos (INCI, 2012) Saliente-se o facto de a classe 1 e 2 representarem cerca de 76% do mercado, ou seja, ¾ das empresas de construção, podendo executar obras até (INCI, 2011) Portugal possui um grande número de pequenas empresas de construção com menos de 20 trabalhadores, que representam uma esmagadora maioria (superior a 97%) do total das empresas do sector da construção sendo responsáveis por mais de metade do volume de negócios do sector. O VAB apresentou uma taxa de variação negativa de 1,8%, após ter registado uma variação positiva no ano anterior de 1,4%. O VAB no sector da construção apresentou, por seu lado, uma diminuição mais expressiva de -9,2% relativamente a 2010 (- 4,3%), ainda assim menos pronunciada que a diminuição registada em 2009 (-10,7%). Numa análise trimestral dos três últimos anos, constata-se que o VAB da construção apresentou sistematicamente um desempenho inferior ao da economia, ainda que durante o ano de 2010 se tenha verificado uma diminuição da tendência divergente entre o VAB do sector e o VAB total. Este indicador remete assim a indústria da construção para um dos sectores de baixa produtividade nacional. (INCI, 2011) O sector irá confrontar uma conjuntura muito desfavorável, os grandes ajustamentos eram previsíveis face aos excessos da construção nova em Portugal nas últimas duas décadas, quer de edifícios, quer de infra-estruturas. A solução imediata para as empresas do sector passa, em grande parte, pela internacionalização, seja pelo continente Africano (designadamente Angola e Moçambique) ou no continente Americano (Brasil, América Latina), pese embora a fraca dimensão comparativa não muito favorável das nossas maiores empresas no contexto internacional e mesmo no contexto europeu. (INCI, 2011) Humberto Gonçalves Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil 17

44 CAPITULO II Caracterização Actual do Sector da Construção Quadro 3 - Taxas anuais de crescimento, os índices de custos de construção de novos edifícios residenciais (Eurostat, 2012) Entre 2005 e meados de 2008, os custos de construção (para edifícios residenciais) aumentou relativamente constante na UE-27, com uma taxa anual de cerca de 4,4% como evidencia a quadro 3. No terceiro trimestre de 2008 o índice começou a cair e atingiu o seu nível mais baixo um ano depois. No último trimestre de 2009 o índice começou a aumentar novamente. Menos de um ano depois, recuperou o nível que tinha exibido antes da crise. A evolução do índice de custos de construção foi influenciado, principalmente, pela componente de custos de materiais, enquanto a componente de custo do trabalho continuou a crescer mesmo durante a crise - embora a um ritmo um pouco mais lento do que antes. O Quadro 3 apresenta as taxas anuais de crescimento para a UE-27 e os seus Estados- Membros para o período entre 2005 e Com poucas exceções, os países da UE apresentam um desenvolvimento que é muito semelhante ao que pode ser encontrado para o conjunto da UE. As diferenças podem ser encontradas no tempo e o tamanho da redução do índice de custo. O índice de custos de construção de edifícios residenciais começaram a cair 18 Humberto Gonçalves Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil

45 CAPITULO II Caracterização Actual do Sector da Construção pela primeira vez em Portugal (mas note-se que na Irlanda, o índice de custo é aproximado por um índice de preços), nos demais países esse desenvolvimento ocorreu apenas alguns meses depois. As reduções do índice de custos foram mais fortes na Irlanda e nos Estados Bálticos. Em vários países, as taxas de variação em 2008 e 2009 manteve-se positivo, embora muito menor do que na primeira metade do período em observação. Segundo o INE em Maio de 2013 os principais obstáculos à actividade da construção eram; com 80,9 % insuficiência da procura, 57,6% deterioração das perspectivas de venda, 52,5% dificuldade na obtenção de crédito bancário, 33,4% elevadas taxas de juro, 16,3% dificuldade na obtenção de licenças e 7,5% condições climatéricas desfavoráveis. A apreciação sobre a actividade em Maio de 2013 relativamente aos últimos três meses mantiveram maus resultados com a promoção imobiliária com -49,8% e Engenharia Civil - 58,9% e o indicador de confiança da construção encontrava-se nos -62,1%. Numa apreciação sobre a carteira de encomendas da construção os números são bastante fracos apresentando-se -80,3% na promoção imobiliária e -82,7% na Engenharia Civil. O sector da construção assume um papel fundamental para o crescimento do país, designadamente, pelo peso que representa na actividade económica, no emprego e no investimento. É um sector responsável por cerca de 18,2% do PIB e cerca de 610 mil postos de trabalho, agregando actividades que vão desde a construção e manutenção de infraestruturas e edifícios, até áreas tão distintas como a produção e comercialização de materiais de construção, a promoção imobiliária e os serviços de engenharia e arquitectura. Perante a conjuntura actual em Março de 2013 foi assinado um compromisso para a competitividade sustentável do sector da construção e imobiliário entre o Governo Português e a Confederação para a Industria da Construção. Em Abril de 2013 o Comité Económico e Social Europeu (CESE) emitiu um parecer em comunicação da comissão ao Parlamento Europeu e ao Conselho designado estratégia para a competitividade sustentável do sector da construção e das suas empresas onde refere que o sector da construção nos 27 Estados-Membros da UE foi gravemente afectado pela crise financeira que começou em 2008 e pela consequente recessão económica na construção. A Humberto Gonçalves Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil 19

46 CAPITULO II Caracterização Actual do Sector da Construção retoma foi atrasada pelo início da crise da dívida soberana na zona do euro e pela imposição de programas de austeridade em muitos Estados-Membros. No que respeita às empresas, o sector da construção conta com 3.1 milhões de empresas, das quais 95% são PME com menos de vinte trabalhadores e 93% têm menos de 10. Trata-se do sector industrial que mais emprega na Europa, com milhões de trabalhadores em 2011, representando 7% do emprego total e 30,7% do emprego industrial. Desde 2008, os níveis de emprego diminuíram continuamente. Tendo em conta o efeito multiplicador (cada pessoa que trabalha neste sector gera mais dois empregos noutro sector), na UE há milhões de trabalhadores que dependem de maneira directa ou indirecta do sector da construção. O sector foi afectado pelo mesmo tipo de factores económicos, que são, essencialmente: os efeitos duradouros da retracção de crédito, que limitou os empréstimos, o início da crise da dívida soberana no verão de 2012, e a subsequente aplicação de medidas de austeridade em toda a Europa conforme referido anteriormente. O CESE reconhece a importância estratégica do sector da construção para a economia europeia, não só no que respeita ao contributo do sector para o PIB, que representa quase 10% do PIB da UE, mas também em termos do papel da construção para a criação de emprego e de crescimento económico. Considera que cabe ao sector da construção um papel fundamental na redução da procura de energia na UE, diminuindo a pegada ecológica humana e contribuindo para a atenuação e adaptação aos efeitos das alterações climáticas. Segundo uma análise do Banco Mundial, a construção encontra-se entre os sectores afectados pela corrupção e pelo crime organizado, em especial na concessão de projectos por interesse político e não por concurso público e na forma como se efectua a acreditação dos procedimentos de certificação de edificações e construções. Consciente de que, apesar de a austeridade estar a corrigir deficiências estruturais, não se está a avançar no sentido de um crescimento renovado; pelo contrário, a crise económica está a agravar-se em muitos países. Importa investir em edifícios e infra-estruturas sustentáveis para assegurar as perspectivas futuras de crescimento e de emprego na Europa. A renovação do parque imobiliário vetusto europeu encerra um enorme potencial de redução da procura de 20 Humberto Gonçalves Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil

47 CAPITULO II Caracterização Actual do Sector da Construção energia, com vista a cumprir os objectivos da UE de redução em 20% tanto das emissões de gases com efeito de estufa como da procura de energia. Além disso, essa medida contribuiria para reduzir as importações de energias fósseis e assegurar que a maior parte da riqueza europeia permanece na Europa, contribuindo assim para manter e criar emprego no contexto actual de crise económica e financeira. Para aproveitar este potencial, os Estados Membros devem providenciar incentivos fiscais e financeiros apropriados para orientar o mercado para uma melhor poupança energética e garantir a redução dos défices em termos de competências. A evolução demográfica coloca novos desafios à edificação, aos quais o sector da construção terá de fazer face. Entre eles, incluem-se as consequências do envelhecimento da população no que respeita ao acesso às áreas construídas. O CESE tomou nota dos trabalhos em curso realizados pelo Comité Europeu de Normalização (CEN), mandatado pela Comissão Europeia, para adaptar as normas pertinentes aos princípios do «desenho universal». Além disso, o sector da construção enfrenta o problema do envelhecimento da mão-de-obra. Neste sentido, o CESE salienta a Estratégia Europa 2020 para o crescimento inteligente, sustentável e inclusivo e o desafio que representa para a economia no seu conjunto. Muitas empresas do sector da construção, em especial PME (Pequenas e Médias Empresas), estão sujeitas a uma intensa pressão devido à morosidade dos pagamentos do sector público e dos do sector privado. A Directiva 2011/7/UE relativa à luta contra os atrasos de pagamento nas transacções comerciais deve ser aplicada de forma adequada para assegurar a sobrevivência das empresas. Com vista à aplicação plena das disposições da Directiva 2011/7/UE e à realização dos objectivos nela fixados, sublinha-se, em particular, a necessidade de reduzir para 30 dias, no máximo, os prazos de pagamento/recepção nos contractos públicos e de velar pelo seu cumprimento através do pagamento efectivo das facturas, prevendo-se a adopção de medidas orçamentais e administrativas adequadas (incluindo a obtenção de créditos bancários para pagamento de facturas em atraso). O CESE considerou necessário resolver prioritariamente o problema dos atrasos registados anteriormente à transposição da Directiva 2011/7/UE, uma vez que atrasos muito importantes no pagamento de facturas nos contractos públicos afectam gravemente a competitividade, a rentabilidade e a viabilidade actual das empresas. O CESE no seu relatório entende que importa actualizar a percentagem de I&D no sector da construção como instrumento para impulsionar a produtividade. É necessária uma política que Humberto Gonçalves Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil 21

48 CAPITULO II Caracterização Actual do Sector da Construção favoreça a inovação continuada, o aumento da produtividade baseado nas competências da mão-de-obra, em novos produtos e numa organização do trabalho inteligentes, assim como empregos de qualidade. Neste sentido, a tecnologia ambiental pode converter-se num dos vectores para um novo desenvolvimento. A Proposta da Comissão tem dois objectivos estratégicos primeiro responder aos principais desafios que o sector da construção enfrenta em termos de investimento, capital humano, exigências energéticas e ambientais, regulamentação e acesso aos mercados até 2020 e em segundo propor, para tal fim, um plano de acção a curto e médios prazos. A proposta da Comissão visa: i. Estimular a procura de construções sustentáveis, em especial no que toca à renovação de edifícios; ii. Melhorar o desempenho da cadeia de abastecimento/valor e do mercado interno para os produtos e serviços de construção; iii. Ampliar as perspectivas de mercado para as empresas europeias do sector da construção a nível internacional. O plano de acção proposto no relatório centra-se em cinco objectivos: i. Estimular condições de investimento favoráveis; ii. Melhorar a base de capital humano; iii. Melhorar a eficiência dos recursos, o desempenho ambiental e as oportunidades de negócio; iv. Reforçar o mercado interno da construção; v. Promover a competitividade global das empresas de construção da UE. O relatório da Comissão apresenta uma análise SWOT do actual estado do sector da Construção onde apresenta os seguintes pontos: Pontos Fortes 1. Atenuação a adaptação aos efeitos das alterações climáticas e redução da pegada ecológica humana; 22 Humberto Gonçalves Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil

49 CAPITULO II Caracterização Actual do Sector da Construção 2. Na UE a 27, cerca de 43.8 milhões de trabalhadores ainda dependem directa ou indirectamente do sector da construção; 3. O elevado número de microempresas e de PME que operam no sector da construção leva a crer que esta é uma actividade profundamente enraizada nas comunidades locais, reflectindo a diversidade das tradições e culturas locais; 4. Em muitos Estados-Membros, o sector da construção, em conjunto com as instituições de formação profissional, desempenha um papel central na disponibilização de oportunidades de aprendizagem para trabalhadores mais jovens, assegurando assim a mobilidade social. 5. A construção é uma actividade empresarial local e muito intensiva em termos de mãode-obra. Como tal, a produção não pode ser deslocalizada para fora dos países, o que constitui uma garantia de que o emprego permanece na EU. Pontos Fracos 1. Em muitos países, o sector da construção confronta-se com regras que dificultam os mecanismos de cooperação entre as empresas (por exemplo, em matéria de responsabilidade das empresas), tem uma cadeia de valor complexa e um potencial elevado de conflitos e ineficácia. Tal constitui um obstáculo à melhoria da competitividade. 2. Apesar de melhorias recentes, como o manifesto Building Prosperity for the Future of Europe [Construir a prosperidade para o futuro da Europa], publicado em Novembro de 2010 pela plataforma informal do Fórum Europeu da Construção e reeditado em Janeiro de 2013 propositadamente para a comunicação da Comissão, o sector é composto por uma tal diversidade de partes interessadas que se torna difícil coordenar os diferentes pontos de vista e falar a uma só voz a nível nacional ou europeu. 3. Em alguns casos, o sector está exposto a bolhas imobiliárias, como as ocorridas numa série de Estados-Membros durante a primeira década do século XXI, resultantes da disponibilidade de empréstimos com juros baixos para o desenvolvimento imobiliário. 4. As medidas políticas destinadas a fomentar formas específicas de construção, incentivos fiscais para actividades de renovação e adaptação destinadas a melhorar a eficiência energética ou tarifas para apoiar microempresas do sector das energias renováveis são muitas vezes imprevisíveis, dispõem de um e curto prazo e estão sujeitas a restrições antes de os seus benefícios se fazerem sentir adequadamente. Humberto Gonçalves Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil 23

50 CAPITULO II Caracterização Actual do Sector da Construção 5. Tradicionalmente, a contratação pública baseia-se no critério do preço mais baixo. Esta pressão para reduzir os preços das ofertas impede que as empresas remodelem os seus procedimentos e invistam em materiais inovadores, constituindo um obstáculo à inovação. 6. No sector da construção, o investimento em I&D é baixo, quando comparado com outros sectores, e isto deve-se à natureza fragmentada do sector, ao carácter extremamente regulamentado e predeterminado das obras de construção e às margens de lucro do sector, tradicionalmente limitadas. Não obstante, o CESE tomou nota da parceria público privada para a eficiência energética, que combina os auxílios europeus à I&D da União Europeia com o financiamento correspondente do sector privado. 7. Apesar dos grandes avanços conseguidos nos últimos anos, o sector da construção continua a sofrer de um problema de imagem e, como tal, melhorias em termos de saúde e segurança continuam a ser uma prioridade. De maneira mais geral, e apesar da recessão, o sector continua a não ser capaz de atrair um número suficiente de engenheiros qualificados com estudos superiores. Com a evolução demográfica, este problema agravar-se-á. O sector tem de encontrar uma solução para este problema de imagem e conseguir atrair trabalhadores jovens qualificados Oportunidades 1. O objectivo de eficiência energética do parque imobiliário é uma oportunidade imensa para aumentar a sua actividade, com recurso às tecnologias existentes. Contudo, os governos nacionais devem reconhecer o potencial existente e proporcionar o apoio financeiro necessário, bem como incentivos fiscais. 2. Os Estados-Membros e a União Europeia devem coordenar programas de investimento em grande escala para as principais infra-estruturas e edifícios, que não se limitem ao montante proposto pelo mecanismo interligar a Europa no próximo quadro financeiro plurianual. 3. A médio e longo prazo, o sector tem o potencial necessário para alcançar uma economia sustentável e hipocarbónica, se se implementarem os incentivos regulamentares e financeiros necessários. 4. O sector da construção liderará a resposta aos desafios colocados pela adaptação às alterações climáticas e a sua atenuação. 24 Humberto Gonçalves Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil

51 CAPITULO II Caracterização Actual do Sector da Construção 5. O desenvolvimento de novas tecnologias baseadas nas tecnologias de informação, como a Modelagem das Informações de Construção (Building Information Modelling BIM), está a contribuir para impulsionar a inovação e para melhorar a eficiência do sector. Ameaças ao sector 1. A maior ameaça que o sector da construção enfrenta é a falta de investimento público e privado, que provocou já a insolvência de muitas empresas viáveis e que, desde 2008, levou a uma diminuição acentuada dos postos de trabalho. Se a recessão no sector da construção se manter, verificar-se-á a uma perda irrecuperável de arquitectos, designers, engenheiros e artesãos. 2. Relativamente a este aspecto, outra ameaça ao sector é o envelhecimento da mão-deobra e a falta de trabalhadores jovens que os substituam. Em 2011, na Alemanha, 44% da força de trabalho tinha mais de 45 anos. 3. A chegada de adjudicatários de países terceiros ao mercado dos concursos públicos na EU também constitui uma ameaça. Estas empresas, com frequência empresas estatais, têm vindo a utilizar o financiamento do seu país de origem para falsear a concorrência em casos como o da auto-estrada A2 na Polónia, em 2009, em que esteve implicada uma empresa estatal chinesa. Esta concorrência desleal diminui a qualidade da construção e mina os salários dos trabalhadores locais do sector. 4. A pressão das autoridades para poupar dinheiro nos concursos públicos resulta frequentemente num número de ofertas com preços anormalmente baixos. Este tipo de ofertas reduz a qualidade das edificações e construções, além de constituir uma ameaça à protecção social dos trabalhadores e de aumentar os custos a longo prazo. 5. O sector da construção já é uma actividade muito regulamentada, como o deve ser, mas a legislação adoptada a nível da UE nesta matéria poderá ser contraproducente se não for coordenada e adaptada as particularidades nomeadamente o clima de cada País. 6. Uma das principais características do sector da construção é a elevada mobilidade do emprego. Não deveria recorrer-se a mão-de-obra proveniente de outros países, em especial, a trabalhadores independentes e trabalhadores destacados temporariamente, como uma forma de dumping social para evitar o pagamento de contribuições à segurança social e contornar as obrigações sociais vigentes no país de acolhimento. Humberto Gonçalves Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil 25

52 CAPITULO II Caracterização Actual do Sector da Construção 7. Para a indústria dos materiais de construção, o acesso às matérias-primas no futuro é um enorme desafio, bem como a eficiência dos recursos. Importa encontrar uma solução para o grave problema do envelhecimento da mão-de-obra, tornando a profissão atraente para trabalhadores jovens qualificados. Sem uma elevada qualidade na concepção e na execução, não seremos capazes de garantir uma construção e concorrência sustentáveis no sector. Esta elevada qualidade não pode ser obtida com contractos públicos baseados unicamente no critério do preço mais baixo e que ignorem os custos a médio e a longo prazo. A contratação pública dos serviços de construção, que tradicionalmente se baseia no critério do preço mais baixo, impede que as empresas inovem os seus processos e invistam em materiais inovadores. Além disso, os regimes de seguros colocam barreiras à inovação, porque penalizam as empresas que desejam alterar os seus métodos de trabalho ou utilizar materiais inovadores. Poderia reexaminar-se a possibilidade de reduzir o IVA para habitações a um preço comportável, o que constituiria um estímulo. Para reduzir o impacto da corrupção, é também necessário e conveniente elaborar um código deontológico. As perspectivas de desenvolvimento do sector da construção assentam no rendimento energético dos edifícios, a eficiência dos recursos na produção, o transporte, a utilização dos produtos na edificação e construção de infra-estruturas e na economia hipocarbónica tem um impacto considerável no sector imobiliário e da construção. O relatório da comissão apresenta os seguintes desafios globais, a considerar: a. Concorrência globalizada e desequilibrada; b. Eficiência energética; c. Edifícios sustentáveis; d. Resistência às catástrofes; e. Clima no interior dos edifícios; f. Recuperação, reciclagem e reutilização dos edifícios e dos materiais; g. Desenho que se adapte à procura dos clientes no futuro; h. Envelhecimento da força de trabalho; i. Procedimentos mais éticos para a adjudicação de contractos públicos; j. Parcerias público-privadas; 26 Humberto Gonçalves Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil

53 CAPITULO II Caracterização Actual do Sector da Construção k. Questões específicas relacionadas com a saúde e a segurança; e aspectos deontológicos. É necessário que entre os agentes do sector da construção se estabeleça uma «cadeia trófica»: construtoras, gestores de projectos, preparadores, engenheiros, arquitectos, designers, promotores, etc., deveriam participar em áreas do conhecimento como o financiamento, os seguros, a contratação, o marketing e o ensino. Para combater a corrupção e o crime organizado, as construtoras estão a implementar uma gama complexa de acções e de reformas estruturais, nomeadamente a supressão das atuais barreiras técnicas, administrativas e regulamentares que falseiam os procedimentos de concursos para obras de infra-estruturas, de construção e de montagem, simplificando determinados quadros regulamentares e impondo obrigação rigorosas aos agentes implicados e a revisão dos atuais mecanismos de contratação pública e de pagamento que envolvam fundos da UE, melhorando o fluxo de documentos, aumentando a responsabilidade dos organismos competentes no que respeita à monitorização e controlo, e recorrendo a uma conta caução, para cada projecto. 2.2 Factores de Competitividade na Construção Competitividade na Construção Esta indústria é caracterizada por uma elevada competitividade entre as empresas, o que se traduz numa redução das suas margens de lucro. Adicionalmente, os crescentes requisitos legais e exigências por parte dos clientes leva a que estas empresas procurem aumentar o nível de eficiência da sua actividade, reduzindo os custos de operação e melhorando o nível de qualidade da construção. O Ambiente produtivo da construção civil tem aspectos relevantes e peculiares dado que tem um esquema de produção não repetitivo, tem a necessidade de um elevado número de elementos operacionais, tem uma grande interdependência no desenvolvimento de cada actividade, dificuldade na compreensão das especificidades de cada actividade por elementos da equipa envolvidos em outras especialidades. A produtividade na construção depende muito da experiência profissional, meios de produção e da organização que é o factor mais importante para a produtividade. (Costa, 2008) Humberto Gonçalves Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil 27

54 CAPITULO II Caracterização Actual do Sector da Construção As particularidades deste sector demonstram a necessidade essencial de ligações entre as diferentes especialidades a arquitectura com engenharia estrutural, com instalações especiais, a necessidade de pareceres técnicos e apoio de consultores especializados, tudo isto tem de estar devidamente organizado e funcional para que se possa então iniciar a produção em obra. As empresas têm de compreender que ser eficaz já não é suficiente é necessário ir mais além, e construir uma organização eficiente, proactiva que consiga prever os pontos críticos de cada projecto, e promovendo a sua própria gestão do conhecimento. De um modo geral existem três variáveis que se devem equilibrar num projecto de construção: custos, qualidade e prazo de execução. Do posto de vista empresarial pretende-se elevado níveis de qualidade com prazo e custo minino. Como podemos fazer isso? Quais são as actividades críticas? Quais as ferramentas que podemos implementar? Seja qual for a definição de competitividade, esta estará sempre relacionada com a capacidade de investigação, inovação, diferenciação, satisfação, rentabilidade e concorrência. A aposta em actividades de investigação e desenvolvimento proporciona a criação de processos inovadores. A satisfação dos clientes irá proporcionar a repetição do negócio e a credibilidade da indústria ou empresa que os produz, gerando um negócio crescente e rentável. A rentabilidade do negócio disponibilizará fundos que poderão proporcionar novos investimentos em actividades de investigação e desenvolvimento, criando um ciclo de melhoria constante. A procura constante de inovar os processos é importante pois geralmente, tais processos são copiados ou até mesmo melhorados por empresas concorrentes. As competências dos trabalhadores de uma empresa influenciam directamente os seus níveis de produtividade. Aquando de um investimento, o que se pretende é: garantia de qualidade, rigor orçamental e cumprimento de prazos. O sector da construção com toda a evolução que já sofreu ao longo dos tempos, ainda não interiorizou o quanto é importante listar os erros cometidos para não os voltar a repetir. Assim como não enuncia numa base de dados os ensinamentos e experiências positivas que adquire com a execução de certos projectos, para que num futuro próximo se possam usar essas soluções. A ausência de um código técnico da Construção em Portugal leva a um método de execução de projectos e de execução de obra que dão origem à repetição dos mesmos erros, este facto acarreta acréscimos nos custos, derrapagens nos prazos e quando o caso se mostra 28 Humberto Gonçalves Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil

55 CAPITULO II Caracterização Actual do Sector da Construção grave leva à execução de um projecto de alteração. E apesar desta triste realidade pouco foi feito para alterar esta situação. Não existe qualquer guia ou normativo que regulamente e valide os pormenores e processos construtivos a aplicar nos projectos, deixando ao sabor da imaginação e inspiração de cada projectista sem a certeza nem feedback de que o que projectou/desenhou foi durável e funcional ao longo da vida útil do empreendimento. O Professor Canha da Piedade na sua publicação Princípios da Construção de Edifícios referia que A separação de Arquitectos e Engenheiros no final do XIX deu lugar que entre uns e outros se tivesse desenvolvido uma terra de ninguém suprida pelo constante apelo às regras da boa arte em geral, designação para se ter presente o que se ignora. São muitas as falhas cometidas pelo dono da obra na preparação dos elementos essenciais para fornecer aos projectistas, umas vezes por ignorância, outras até para aparentemente economizar algum dinheiro. É muito importante para as organizações serem bem-sucedidas nos seus negócios, a fim de sobreviver em ambientes competitivos de negócios, como a construção. A Indústria da construção civil está constantemente em mudança com o desenvolvimento de métodos de negócios e tecnologias. Assim, as empresas de construção têm de adoptar estas aplicações e desenvolver estratégias adequadas para ser mais competitiva nesta indústria e obter sucesso em seus negócios. Tradicionalmente e como referido anteriormente os parâmetros para o sucesso dos projectos neste sector são os prazos, custo e qualidade. No estudo de (Hutchings e Christofferson, 2003) realizado entre os de pequeno volume de construção residencial empresas nos Estados Unidos, os factores mais importantes para a sucesso da empresa foram encontrados como mão-de-obra de qualidade, honestidade, tendo subcontratados bons clientes, comunicação, reputação, com bons funcionários, e concluir projectos no prazo, respectivamente. Numa pesquisa realizada fora entre as maiores empresas de construção da Alemanha, os factores de sucesso mais importantes foram identificados como aplicação e desenvolvimento eficaz de gestão de risco, inovação, parcerias com clientes e da estrutura organizacional ágil (Lean). Como a construção é um negócio arriscado e da possibilidade de falha de negócio existe, as empresas têm de considerar os parâmetros que podem ter um efeito directo para o seu sucesso e por em causa a sua sobrevivência. Humberto Gonçalves Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil 29

56 CAPITULO II Caracterização Actual do Sector da Construção O sector da construção é caracterizada por uma cadeia de valor complexo. Este inclui tanto a básica fabricação e fornecimento de materiais de construção, como uma gama de conhecimento intensivo de serviços prestados por empresas privadas e organizações de conhecimento público. Um fluxograma da cadeia de valor do sector de construção é fornecido abaixo com o core business pintado a verde na figura 1. Figura 1 Cadeia de valor do sector da construção Alguns dos grandes actores nos diferentes subsectores operam actualmente na Europa e mesmo noutros mercados mundiais (por exemplo, arquitectos e empresas de engenharia), enquanto outros atores da cadeia de valor operam essencialmente nos mercados nacionais ou locais. Como resultado, estes diferentes atores enfrentam desafios muito diferentes no que diz respeito à competitividade e inovação do sector. A actividade de construção está sujeita a influências resultantes do ritmo da mudança tecnológica em outros sectores da economia e de regulamentações cada vez mais rigorosas e exigentes. Alterar desejos do cliente como resultado de variações de gostos, aspirações e poder de compra. As próximas etapas são as únicas que podem transformar um negócio ou os processos que envolvem uma maior integração com clientes e parceiros. A forma como os edifícios são projectados ou construídos precisam de ser repensados. O Relacionamento com os clientes deve tornar-se de longo prazo. 30 Humberto Gonçalves Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil

57 CAPITULO II Caracterização Actual do Sector da Construção A crise financeira mudou substancialmente o cenário competitivo na construção. O segmento de engenharia civil está a em mudança com o aumento da concorrência internacional e da formação de grandes consórcios para concorrer a grandes projectos em relação à construção de estradas, projectos ferroviários, pontes, túneis e projectos, etc. O sector residencial de edifícios continuam a ser um subsector, com competição europeia limitado. Isto é porque cada país, e muitas vezes regiões diferentes em cada país, ainda têm sua própria maneira de construir edifícios residenciais. Estas tradições estão ligadas ao acesso histórico para materiais de construção e às condicionantes do clima nas regiões. A competição europeia na construção não-residencial subsector também não é extensa. Mais uma vez, a cultura local e as abordagens têm uma significativa impacto sobre como e com que materiais os edifícios são construídos. No contexto de todas estas mudanças dramáticas, a construção aparece como um farol histórico de atitudes tradicionais, métodos e abordagens. A ameaça de substitutos para os produtos e serviços do sector da construção é crescente. Em parte como resposta a esta competição influências externas dentro da indústria da construção é cada vez mais intensa. Além disso, começa a verificar-se algo diferente como a concorrência-fabricantes de materiais de construção e componentes estão a integrar verticalmente o mercado, com oferta de serviços de construção. Neste sector cada vez mais dinâmico e mais global as empresas Portuguesas enfrentam desafios globais e tem de estar preparadas para reagir a esta mudança. Posicionando a empresa, observando as forças externas e processos internos, planear e gerenciar mudanças são essenciais para a sobrevivência das empresas. Os clientes estão cada vez mais conscientes da natureza da construção (e dos seus direitos) e tendem a ser mais criteriosos e exigentes. Com o aumento do controle estatutário, maior conhecimento do usuário e principalmente a preocupação com o meio ambiente, os direitos e as responsabilidades profissionais estão a ser definidas cada vez mais com maior rigor. Há também crescente desregulamentação e privatização adicional relativa ao desenvolvimento e controle de edifícios. O ambiente da indústria da construção está cada vez mais influenciado por factores económicos, tecnológicos e sociais. Outra grande influência vem do progresso para a era da informação. A reorganização estrutural da indústria parece provável. Como a maneira como Humberto Gonçalves Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil 31

58 CAPITULO II Caracterização Actual do Sector da Construção se executa projectos de construção passa por mudanças radicais, aqueles que se posicionam estrategicamente pode maximizar seus benefícios. Adicionalmente, as crescentes exigências legais e por parte dos clientes leva a que estas empresas procurem aumentar o nível de eficiência da sua actividade, reduzindo os custos de operação e melhorando o nível de qualidade da construção. As competências dos trabalhadores de uma empresa influenciam directamente os seus níveis de produtividade A Estrutura empresarial A estrutura empresarial deve ser equilibrada que combine a flexibilidade das pequenas e médias empresas, que constituem e constituirão a larga maioria do sector da construção, com um maior número (relativamente à actualidade) de empresas com dimensão para competir com sucesso nos mercados internacionais, garantindo o crescimento sustentado da actividade de construção nacional. Dado que as empresas com menos de 20 trabalhadores (cerca de 97% do total) representam mais de 50% do emprego total do sector da construção, dar prioridade à informação e à formação da mão-de-obra das pequenas empresas. As empresas de maior dimensão devem ser estimuladas a seleccionar adequadamente e a preservar a sua cadeia de subempreiteiros, cooperando com estes na formação, na obtenção de informação técnica adequada e na gestão da qualidade, mas ao mesmo tempo garantindo o cumprimento das melhores práticas e da legislação em vigor em todos os domínios relevantes. As associações de empresas devem funcionar como uma forma de ultrapassar as desvantagens de uma menor dimensão. As relações comerciais devem ser de longo-prazo. Para uma maior transparência e ética o sistema de qualificação deverá ser adequado às empresas de construção, excluindo as que não cumprem os requisitos legais ou que tenham registo de más práticas A internacionalização das empresas de construção A competitividade das empresas de construção em Portugal tem um elevado desafio, a internacionalização, no entanto será necessário adquirirem dimensão e serem competitivas. Para além da pequena dimensão do tecido empresarial da construção em Portugal acresce o estado de fragmentação do sector em que detém ao momento catorze associações. Deve-se repensar e analisar o que aconteceu com Espanha onde as vinte e seis maiores empresas de 32 Humberto Gonçalves Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil

59 CAPITULO II Caracterização Actual do Sector da Construção construção deram lugar a seis grandes grupos empresariais com dimensão e capacidade para se internacionalizarem para mercados tão maduros como o Canadá, Estados Unidos da América e Norte da Europa como apresenta a figura 2. À semelhança do que Espanha pôs em prática, deve ser estabelecida uma parceria estratégica de interesse nacional entre o Estado e as empresas portuguesas de construção para o desenvolvimento de sistemas de crédito e de seguros à exportação que fomentem uma aproximação coordenada aos projectos de construção de dimensão significativa. É necessário garantir a algumas empresas portuguesas a obtenção de escala significativa a nível europeu que lhes permita competir nos diferentes mercados externos e enfrentar com êxito a concorrência de que são alvo no mercado interno, mantendo níveis de rendibilidade sustentáveis, com vantagem para o desenvolvimento da economia nacional. Apoiar as empresas de construção na obtenção de informação fiável sobre os mercados de exportação (incluindo informação política, económica, legislativa, regulamentar, etc.), no acesso a fontes de financiamento competitivo e à entrada em mercados externos, assente no princípio da reciprocidade. Dada a nossa dimensão deve-se estimular alianças estratégicas entre empresas de construção, empresas de outros sectores e instituições financeiras que permitam a participação portuguesa em projectos de maior dimensão no estrangeiro e promover o desenvolvimento de acções concretas de cooperação entre as Universidades e as empresas em todas as áreas relevantes para a competitividade das empresas de construção. Humberto Gonçalves Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil 33

60 CAPITULO II Caracterização Actual do Sector da Construção Figura 2 Processo de concentração dos grupos empresariais Espanhóis (SEOPAN, 2013) Sistemas de Informação na Construção As empresas de construção deverão garantir um fluxo adequado de informação oportuna e fiável, necessária para a tomada de decisões estratégicas e técnicas correctas. Estimular a adopção, pelas empresas de construção e demais agentes económicos com relevância para o sector, de sistemas integrados de informação para a gestão. Estas devem desenvolver um conjunto alargado de dados estatísticos relevantes sobre a produção do sector da construção, estruturando-a em função dos segmentos relevantes do mercado (residencial, não-residencial, engenharia civil e renovação e manutenção). A cooperação entre empresas, associações do sector, donos de obra e organismos produtores de informação estatística, quer na disponibilização de dados, quer na definição de conceitos e metodologias com o intuito de criar bases de dados de obras concluídas. A Criação de bases de dados sobre resultados de I&D e de documentos técnicos como informação sobre procedimentos, legislação e regulamentos, quer a nível nacional, quer a nível internacional Tecnologia e Investigação A adopção de tecnologias, produtos e de sistemas de controlo de gestão apropriados à construção e que contribuam para aumentar a produtividade e competitividade das empresas de construção. Estas contribuirão decisivamente para construir com rendibilidade e qualidade, ajudando a preservar o ambiente, e constituirão factor determinante para atrair mão-de-obra qualificada e motivada para o sector, garantindo o seu desenvolvimento sustentável. Criação de um centro nacional de investigação e desenvolvimento para o sector da construção, gerido com o contributo do sector privado, que se dirija a toda a fileira da construção, que estude todo o processo construtivo e que coordene a investigação nas áreas dos projectos, materiais, produtos, processos e gestão de obras e empreendimentos com o objectivo de: i. Elencar e disseminar as melhores práticas, métodos e produtos construtivos; ii. Acelerar o desenvolvimento de standards técnicos; 34 Humberto Gonçalves Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil

61 CAPITULO II Caracterização Actual do Sector da Construção O desenvolvimento de redes de saber que permitam transmitir informação sobre os novos produtos e tecnologias disponíveis em cada momento e incorporar novas ideias nos processos construtivos; i. Contemplar as actividades de I&D no conjunto das prioridades do Estado que para elas deverá carrear fundos públicos nacionais e comunitários; ii. Utilizar a política fiscal para estimular as actividades de I&D desenvolvidas pelas empresas de construção. 2.3 Qualidade na Construção A qualidade é cada vez mais uma variável incontornável no mundo empresarial. Por um lado, o contexto económico cada vez mais globalizado obriga a encarar a qualidade como um factor de competitividade e de diferenciação nos mercados. Hoje os consumidores estão mais informados e exigentes originando uma maior presença do conceito de qualidade na sociedade tornando-o um factor de competitividade entre as empresas. O conceito qualidade está sob a forma de certificação de produtos ou procedimentos de gestão dos processos da empresa, com vista a garantir a satisfação do cliente e a diferenciação dos seus produtos ou serviços. Numa perspectiva técnica, o caso da Norma ISO 9000, a qualidade é definida como a totalidade das características de um produto, processo, organização, pessoa, actividade ou sistema que lhe confere a capacidade de satisfazer necessidades explícitas e implícitas. Para que a qualidade seja mensurável, é necessária uma definição mais pragmática e objectiva. As definições apresentadas por Juran e Gryna (1993), adequação à finalidade, e por Crosby (1979), conformidade com os requisitos, aproximam-se desses objectivos. No sector da construção, de acordo com Kazaz et al. (2005), a qualidade é entendida como a capacidade de cumprir os requisitos contratualizados com os clientes. A Norma NP EN ISO 9000 (Comité Europeu de Normalização 2005) define qualidade como o grau de satisfação de requisitos dados por um conjunto de características intrínsecas. De uma forma mais ampla, a British Standard BS4778 (British Standards Institution 1971) define-a como o conjunto de propriedades e características de um produto ou serviço relacionadas com a capacidade de satisfazer exigências expressas ou implícitas. Humberto Gonçalves Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil 35

62 CAPITULO II Caracterização Actual do Sector da Construção Nas empresas de construção de edifícios, pelas próprias peculiaridades do mercado consumidor, a motivação pela implementação de um sistema da qualidade deve estar predominantemente vinculada à redução de custos finais dos produtos, já que hoje existe a consciência de que se deve buscar maior competitividade e que as perdas no processo de produção, os custos de trabalho e correcções pós-venda são significativos, embora nem sempre conhecidos (Melhado, 1994). O sector da construção civil é uma indústria que vem sido caracterizada pela inexistência de normas ou códigos técnicos que estabeleçam uma padronização do seu principal produto, a edificação, admitindo-se que nem é possível estabelecê-las, uma vez que a variação das condicionantes é superabundante. Existem alguns padrões a respeito de trechos de edifícios específicos, alguns relativos ao seu desempenho global e muitas normas relativas aos seus componentes, mas estes são os produtos de uma fabricação em série e, por isso, pertencentes a um domínio diferente (Amorim, 1998). Esta preocupação com a qualidade é provavelmente tão antiga quanto o fabrico de produtos, mas foi a Revolução Industrial que motivou as alterações no modo de a avaliar. A explosão no número de artigos produzidos em série impedia a verificação da conformidade de todos. Era agora impraticável e dispendiosa a verificação e possível correcção a posteriori de um produto; tornava-se mais rentável o fabrico de produtos por lotes, acabando por se eliminar aqueles cuja amostra avaliada se mostrava não-conforme. Mais importante ainda, a verificação da qualidade ia progressivamente desviando o foco no produto e centrando a atenção no processo de fabrico do mesmo. Estudando as diversas etapas de produção, procurava-se reduzir ou eliminar as imperfeições do produto final. Surgem assim as primeiras normas e especificações na área da garantia de qualidade (Fisher e Nair 2009). A experiência tem mostrado que as pressões da concorrência e da globalização têm motivado o desenvolvimento de fortes culturas e gestão baseadas na qualidade. No pós-segunda Gerra Mundial, a melhoria da qualidade foi um ingrediente essencial na competitividade internacional dos produtos Japoneses. Só na década de 80 o ocidente procurou aplicar as práticas de gestão que levava o Japão a produzir artigos de qualidade superior, com menos desperdício, ciclos de produção mais rápidos e a um custo inferior (Cole, 2000). As primeiras tentativas para o enquadramento dos conceitos da qualidade no sector da construção em Portugal remontam aos anos sessenta, quando os Donos de Obra começaram a 36 Humberto Gonçalves Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil

63 CAPITULO II Caracterização Actual do Sector da Construção manifestar preocupações ao nível de prazos e custos. Este facto originou diversos estudos de planeamento e controlo nas décadas seguintes, mas durante muito tempo a gestão da qualidade baseava-se em factores como a experiência, memória e intuição (Lopes, 1998). A Normalização existente não evidencia compatibilidade com as especificidades da Industria da Construção. As metodologias de controlo de qualidade modernas nasceram de indústrias cujas linhas de produção apresentavam reduzida variabilidade e onde estava envolvido um número de especialidades. No sector da Construção verifica-se o oposto: não só as condições de produção dos edifícios são constantemente alteradas (equipas de projecto com diferentes membros, locais de obra e construtores diversos, condições atmosféricas variáveis) como cada elemento físico da construção tem, frequentemente, de possuir um conjunto de propriedades que garantam o cumprimento das exigências mais variáveis, muitas vezes antagónicas (Costa, 1995). A qualidade é um factor de aumento da produtividade e do desempenho de uma empresa. Cho e Pucik (2005), referem os estudos de diversos autores em que estes dizem que, quanto maior for a qualidade maior, é o desempenho de uma organização. A qualidade está associada à ausência de não conformidades e outros problemas menores que alterem o desempenho de uma organização. Esta ausência vai interferir com o desempenho da empresa, levando a um aumento da rentabilidade e, por consequência, uma possível diminuição dos custos de produção e de venda do produto. A qualidade também está relacionada com a capacidade de uma empresa determinar os requisitos dos clientes e, nesse sentido, ser capaz de determinar e antecipar, as necessidades e aspirações dos clientes e de negociar com estes as suas necessidades e aspirações procurando obter novos meios de as satisfazer (Hawk, 2006). Este mesmo autor, refere que a qualidade é importante para melhorar os processos de produção, mas que pode ser um factor impeditivo da inovação, que considera mais importante para o futuro do sector. A qualidade, como uma forma de obter vantagem competitiva numa empresa de construção, para (Kale e Arditi, 2002), é limitada pelo papel que a empresa desempenha no processo construtivo. Se uma empresa de construção apenas intervir no processo de construção, fica limitada ao nível de qualidade exigida pelo projecto. Assim não lhe é exigido que melhore o desempenho e a adequação ao uso do bem que está a construir, uma vez que tem de utilizar os materiais e produtos especificados, de acordo com o processo de construção indicado. Mesmo Humberto Gonçalves Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil 37

64 CAPITULO II Caracterização Actual do Sector da Construção nestas condições, a empresa pode dar o seu contributo propondo alterações às especificações, que tenham por objectivo melhorar a qualidade do produto. A possibilidade de influenciar a qualidade do produto da construção, aumenta se a empresa tiver maior participação na concepção do projecto. No entanto, quer a empresa construtora participe ou não na concepção, o seu nome e responsabilidades ficarão sempre associadas à construção. A empresa deve ter todo o interesse em que o produto final seja adequado ao fim a que se destina e que tenha o desempenho pretendido pelo cliente e utilizadores do bem a construir, porque disso vai depender a sua reputação em construir produtos com qualidade. Em Portugal, a dificuldade de implementação de Sistemas da Qualidade na construção é comprovada pelo ainda reduzido número de empresa certificadas pela ISO 9001 que em Fevereiro deste ano eram 561. Estas estatísticas depois de um aumento recente tem vindo a reduzirem devido aos efeitos da crise instalada no sector que eliminou empresas que detinham a certificação (IPAC, 2013). No final de 2011, existiam no sector da construção empresas habilitadas com alvará e com título de registo (INCI, 2011). A certificação pela ISO 9001 é uma demostração e boa intenção da empresa certificar processos e procedimentos internos no entanto não podemos afirmar ou garantir a qualidade final do produto de uma empresa de construção apenas pela sua certificação. No entanto é sempre uma mais-valia na uniformização dos processos internos e para a melhoria contínua. A evolução dos requisitos dos produtos da construção na sua fabricação para a certificação do mesmo e agora com algumas certificações CE de montagem e instalação revelam a necessidade de criar métodos para garantir a qualidade do produto final da construção. É preciso distinguir o comportamento de materiais isolados e de sistemas compostos por vários materiais que poderão ou não ser compatíveis numa construção. Não se deveria certificar apenas materiais, dever-se-ia promover o estudo e certificação de sistemas construtivos. A implementação, regulamentação e controlo da qualidade é, a nível nacional, da responsabilidade do IPQ, Instituto Português da Qualidade, que tutela o Sistema Nacional da Qualidade (SNQ). O IPQ é responsável por gerir e desenvolver o referido sistema, assegurando a presença Portuguesa nos organismos para a qualidade a nível internacional. O Instituto é também responsável pelo Laboratório Central de Metrologia, pela informação técnica na área da qualidade e pela secretaria nacional do Conselho Nacional da Qualidade, gerindo ainda os programas de apoio financeiro no domínio da qualidade. Este organismo é 38 Humberto Gonçalves Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil

65 CAPITULO II Caracterização Actual do Sector da Construção membro da Internacional Organisation, for Standartisation, ISO, que promove a pesquisa e desenvolvimento para normalização internacional desenvolvendo as normas ISO, cuja adopção tem sido cada vez mais corrente a nível internacional e nacional. O IPQ recorre a órgãos consultivos para adaptação das normas à realidade Portuguesa. Uma norma ISO harmonizada a nível Europeu e adoptada a nível nacional recebe a classificação de NP EN ISO (NP de Norma Portuguesa, EN de Norma Europeia e ISO de Internacional Standard). Para além do IPQ integram o Sistema Português da Qualidade, o Conselho Nacional da Qualidade, que constitui um órgão consultivo do Governo no âmbito da política da Qualidade e desenvolvimento do SPQ e as entidades acreditadas e qualificadas para tal âmbito das subsistemas da Metrologia, da Normalização e da Qualificação. As empresas de construção podem de forma voluntária, candidatar-se à certificação, através de uma entidade, acreditada pelo IPQ, no âmbito da ISO 9001:2008. O processo de candidatura consiste na implementação de uma política da qualidade, estruturando um sistema da qualidade a implementar na empresa. Esta fase é normalmente acompanhada por uma empresa especialista na área da Qualidade. A aferição da implementação é feita através de auditorias internas, sendo a certificação final feita por uma empresa acreditada no IPQ para o efeito, através de uma auditoria externa de certificação. O sistema Português da Qualidade pode coexistir com outros sistemas de apoio à qualidade. Entre estes sistemas, destaca-se em Portugal a Marca de Qualidade LNEC. O Sistema da Marca da Qualidade LNEC baseia-se essencialmente no acompanhamento de todo o processo do empreendimento, desde da sua concepção até à sua conclusão da construção por um Gestor Geral da Qualidade. O Gestor Geral da Qualidade LNEC está permanentemente em contacto com o Dono de Obra e o LNEC fazendo a apreciação das propostas, zelando pela qualidade do projecto, dos fornecedores e da execução. Diferentemente dos sistemas baseados nas séries ISO 9000 que atestam a apetência de um sistema organizacional para uma produção com qualidade, a marca LNEC certifica o produto o que, no caso de uma construção, será feito caso a caso. A França e a Suíça desenvolveram para os edifícios de habitação, sistemas para garantia de qualidade das construções, a marca QUALITEL e o sistema SEL (Système dévaluation des Logements). A marca QUALITEL, baseia-se no acompanhamento do empreendimento desde Humberto Gonçalves Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil 39

66 CAPITULO II Caracterização Actual do Sector da Construção da concepção até à execução com base na observação de treze critérios devidamente pontuados. 2.4 Factores que Condicionam a Qualidade de um Empreendimento Os sectores da construção e promoção imobiliária atravessam momentos difíceis conforme referido anteriormente, sendo hoje aceite que o sucesso de um empreendimento está directamente relacionado com sua a qualidade global. Esta exigência de qualidade deve ser entendida em todas as vertentes do empreendimento, sabendo-se que a ocorrência de erros numa das suas partes pode pôr em risco o sucesso do mesmo. Figura 3 Modelo típico de um processo de construção (Aoieong et al., 2002) A complexidade do processo de construção conforme apresenta a figura 3, obriga à conjugação dos trabalhos dos diversos especialistas e intervenientes no processo de concepção e produção. O projecto e obra dependem de diversas entidades independentes que, no entanto, têm de coordenar o seu esforço no sentido de optimizar o produto final e os processos para a sua produção. Não obstante a diversa regulamentação existente é necessário ultrapassar obstáculos de informação e conseguir compromissos para a construção de cada obra. A optimização de todo o processo torna-se mais difícil de conseguir do que na produção industrial, onde o processo envolve muitas vezes a mesma unidade espacial, sobretudo, quando cada novo edifício significa recomeçar a constituição de toda uma cadeia de 40 Humberto Gonçalves Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil

67 CAPITULO II Caracterização Actual do Sector da Construção comunicação que terá de ser o mais eficiente possível ao longo de todo o período de execução de uma obra. O Ambiente produtivo do sector da construção tem aspectos relevantes como: Esquema de produção não repetitivo; Número elevado de elementos operacionais; Grande independência no desenvolvimento de cada actividade; Dificuldade na compreensão das especificidades de cada actividade por elementos da equipa envolvidos em outras especialidades; A produtividade depende muito da experiência profissional, meios de produção e da organização que é o factor mais importante para a produtividade; Ligações entre diferentes especialidades. Engenharia estrutural, electricidade e comunicações, Arquitectura, engenharia mecânica, consultores especializados produção; Figura 4 O ciclo de qualidade e as relações entre as fases do empreendimento (Melhado, 1994). É imprescindível dominar todo o ciclo de qualidade e as relações entre as fases do empreendimento conforme se apresenta na figura 4. Melhado em 1994 representou um ciclo relacional entre as diferentes fases, colocando o projecto no centro do ciclo com relações Humberto Gonçalves Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil 41

68 CAPITULO II Caracterização Actual do Sector da Construção directas com todos as fases desde do fabrico e fornecimento, à execução e sem esquecer a utilização e manutenção do empreendimento. Nas últimas décadas tem havido uma consciencialização crescente quanto à falta de qualidade dos produtos desta indústria, pelo aumento de pressões dos utilizadores sobre as garantias de obra e pelos empreiteiros que pretendem reduzir os custos de pós-venda e reclamações. Tem-se mostrado que a principal causa do aparecimento de patologias em edifícios está relacionada com a falta de qualidade dos projectos, erros de execução, má qualidade dos materiais e falhas de utilização e manutenção dos edifícios. A investigação de Love e Edwards (2004) identificou cinco causas subjacentes à ocorrência de repetição de trabalhos nos projectos de construção examinados. Essas causas são expostas em seguida, acompanhadas de uma breve descrição da forma como cada uma se revelou nos casos de estudo: 1. Desconhecimento das exigências dos utilizadores finais: No Empreendimento x, os compradores dos apartamentos deram origem à maioria das alterações realizadas ao projecto. No Empreendimento y quase todo o trabalho repetido como consequência de pedidos de alteração do cliente/utilizador final deveu-se à insuficiente ou inadequada intervenção destes nas fases anteriores às fases de projecto e de construção. 2. Documentação de contrato fraca: As equipas de projecto não foram coordenadas e integradas com eficácia durante a fase de projecto pelo director de empreendimento do dono de obra. O espaço de tempo para realizar o projecto foi insatisfatório e projectistas inexperientes foram contratados para a realização dos projectos. A combinação destes factores motivou a existência de erros e omissões na documentação de contrato. Para além disto foi revelado que os projectos técnicos não foram revistos depois de realizados 3. Baixo nível da mão-de-obra: Um grande número de erros ocorridos em ambos os estaleiros teve como consequência a repetição dos trabalhos. Muitos dos erros deveram-se à fraca qualidade da mão-de-obra ou a negligência por parte dos subempreiteiros. Os erros cometidos por um subempreiteiro podem ter um impacto adverso nas subempreitadas seguintes. 4. Falta de orientação para a qualidade: No Empreendimento Y, as instruções dadas pelo encarregado não foram formalmente documentadas apesar de este procedimento ser um requisito do sistema de garantia de qualidade implementado. O encarregado 42 Humberto Gonçalves Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil

69 CAPITULO II Caracterização Actual do Sector da Construção afirmou que os episódios de repetição de trabalhos não foram documentados devido à sua reduzida disponibilidade de tempo. Uma vez descoberto este problema, o director de empreendimento incumbiu o encarregado de documentar todas as futuras instruções, com o intuito de reduzir os riscos de disputas e de potenciais aumentos nos custos. 5. Fraca supervisão e inspecção: Em ambos os empreendimentos o encarregado não inspeccionou o trabalho dos subempreiteiros de forma regular, o que levou a que os trabalhos mal executados só tenham sido detectados em fases adiantadas da construção. Nessa altura muitos subempreiteiros já haviam deixado o estaleiro, sendo, por isso, obrigados a regressar para rectificar o trabalho. Um factor comum e recorrente que contribuiu para a realização incompleta de trabalho foi o mau planeamento. As obras são construídas nos locais a que se destinam o que leva à deslocação e implementação no local de toda uma unidade de produção implicando o recrutamento e destacamento de mão-de-obra necessária, a criação de infra-estruturas e a mobilização de equipamento e de meios para os locais específicos da edificação. As condicionantes locais incidem inevitavelmente na forma de produção do edifício. As condições geotécnicas, sísmicas e climáticas, as edificações contíguas e infra-estruturas existentes, entre outros factores, obrigam a que cada projecto seja adaptado à sua envolvente e que cada obra seja gerida e controlada em função da zona em que se insere. (Sequeira, 2003) Humberto Gonçalves Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil 43

70 CAPITULO II Caracterização Actual do Sector da Construção 2.5 Custos de não Qualidade A complexidade associada à produção na construção é um dos principais motivos para que aplicação do conceito de custos relacionados com a qualidade seja mais problemática na indústria da construção. A produção nesta indústria envolve um vasto número de intervenientes e, ao contrário do que acontece na indústria fabril, a maior parte dos projectos são únicos, com actividades que não se repetem, o que dificulta a sua sistematização (Low e Yeo, 1998; Aoieong et al., 2002). São diversas as vantagens associadas ao conhecimento dos custos relacionados com a qualidade na indústria da construção. Aoieong et al. (2002) referem as seguintes: Alertar a direcção das empresas para o potencial impacto da má qualidade; Ajudar a direcção das empresas a determinar quais as actividades com maior potencial de redução dos custos totais da qualidade; Alertar todos os funcionários da empresa para a importância dos trabalhos relacionados com a qualidade; A análise dos custos relacionados com a qualidade possibilita o conhecimento dos pontos fortes e fracos de um sistema de gestão da qualidade, assim como a identificação das falhas ocorridas durante o desenvolvimento de um projecto de construção, o que ajuda a evitar a ocorrência dos mesmos erros, ou de erros semelhantes, no período remanescente do projecto e em projectos futuros. O custo médio da correcção de anomalias da não qualidade é cerca de cinco vezes superior ao custo adicional que existiria para a execução correcta à primeira, representando o custo de não-qualidade cerca de 10% dos custos totais da construção. (Paiva, 2002) Um estudo da Chalmers University of Technology da Suécia apresentou um estudo acerca dos custos internos de não qualidade conforme gráfico abaixo onde evidencia que a maior percentagem dos custos de não qualidade estão na gestão da produção, seguindo-se o projecto, a execução e os materiais. 44 Humberto Gonçalves Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil

71 CAPITULO II Caracterização Actual do Sector da Construção Outros Equipamentos de Construção Materiais Execução Gestão da Produção Projecto Cliente 0% 5% 10% 15% 20% 25% 30% 35% 40% Gráfico 4 Adaptado da Chalmers University of Technology, Caracterização dos custos de não qualidade. Foster em 2006 apresentou um modelo de relação inversa entre os custos da qualidade (prevenção e avaliação) e os custos da não-qualidade (falhas). Um aumento do investimento em actividades de prevenção e avaliação da qualidade tem como consequência o aumento do nível de qualidade e, consequentemente, a redução das despesas com as falhas de qualidade. Os desvios de qualidade têm consequências a nível financeiro quando implicaram a repetição ou reparação de um trabalho já executado. O mínimo da curva dos custos totais da qualidade corresponde ao nível de defeitos óptimos ou nível de qualidade óptimo, dependendo do que é representado nas abcissas do gráfico abaixo. Gráfico 5 Relação clássica entre custos relacionados com a qualidade e o nível de qualidade (Foster, 1996). Humberto Gonçalves Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil 45

72 CAPITULO II Caracterização Actual do Sector da Construção Por vezes os sistemas da qualidade sobrecarregam as empresas de burocracias que fazem com que os colaboradores não aceitem ou revelem inércia para a sua aplicação dentro da empresa, dai os custos da não qualidade serem difíceis de apurar no entanto são essenciais para que a empresa sinta, controle a qualidade do seu produto e reduza os seus custos desnecessários com o desperdício e repetição de trabalho. Assim devemos de aplicar um sistema de gestão ágil e simples para que possamos obter dados eficientes e úteis à organização (Almeida, 2011). Muitas vezes os custos relacionados com a não-qualidade não são registados formalmente, em particular os relacionados com as falhas ocorridas durante as fases de projecto e de construção. A existência de métodos que permitam o registo destas falhas de uma forma sistemática e expedita são essenciais para uma completa percepção dos custos relacionados com a não-qualidade na indústria da construção. Estes sistemas devem ser um complemento às técnicas que habitualmente são utilizadas na identificação e quantificação dos custos na construção. Apenas a quantificação dos custos da não-qualidade permite saber qual o estado de eficiência dos processos das empresas. A execução de uma obra pode ter o mesmo nível de qualidade e custos da não-qualidade diferentes residindo ai um factor de sucesso. Quando os custos da não-qualidade são demasiado elevados é sinal que os procedimentos estão desajustados ou que, não estando desajustados, não estão a ser seguidos, o que tem consequências não apenas financeiras, mas também na moral dos trabalhadores, a quem desagrada trabalhar numa empresa caracterizada por uma grande incidência de falhas. O conhecimento destes custos é um meio para o reconhecimento da origem e das causas da nãoqualidade, algo fundamental para a sua redução. Identificar os pontos que originam mais custos de não-qualidade (desperdícios, atrasos, repetição de tarefas, custos de pós-venda, garantias, não-conformidades, ociosidade das frentes de trabalho). A não-qualidade tem consequências que vão além do seu efeito directo nas actividades ligadas aos projectos de construção, casos das rectificações ou repetições de trabalhos. A este fenómeno estão associadas consequências indirectas, como os atrasos nos trabalhos, e intangíveis, caso da perda de reputação e consequente perda de futuros clientes. Custos da não-qualidade, devem ser vistos como um processo de melhoria continua onde se identifica os pontos críticos e se propõem soluções com vista ao aumento da eficiência e à redução dos custos e redução dos desperdícios contribuindo para uma construção mais 46 Humberto Gonçalves Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil

73 CAPITULO II Caracterização Actual do Sector da Construção sustentável e não apenas como uma identificação dos responsáveis pela não-qualidade. O receio do escrutínio das suas actividades é, possivelmente, uma das razões pela qual os intervenientes na indústria da construção não demonstram maior interesse no conhecimento destes custos (Couto, 2006). O tema Custos da Qualidade foi inserido no contexto académico por Juran na sua obra Quality Control Handbook (1951), que no primeiro capítulo dissertava sobre economias da qualidade, no qual estavam colocados os custos da qualidade. Desde esse evento surgiram teorias sobre o assunto, a seguir expõe-se algumas dessas teorias de vários autores no quadro seguinte. Garvin (1992) Feiganbhaum (1994) e Campanella (1999) Campanella (1999) Crosby (1979) Dale & Vand (1999) Hansen & Mowen (2001) Quadro comparativo Definição - Custos da qualidade os custos da qualidade são definidos como quaisquer despesas de fabricação ou de serviço que ultrapassem as que teria havido se o produto tivesse sido feito ou o serviço tivesse sido prestado com perfeição da primeira vez. os custos da qualidade não deveriam existir com este nome, mas sim, custos da não qualidade (ou má qualidade), entretanto, são conhecidos e chamados de custos da qualidade os custos da qualidade servem de ferramentas para a gestão, o aperfeiçoamento da qualidade e, ainda, contribuem para o lucro. Para desenvolver os conceitos dos custos da qualidade é necessário esclarecer a diferença entre estes custos e os custos para organização e certificação da qualidade. um dos conceitos de custos da qualidade é o catalisador que leva a equipa da melhoria da qualidade e o restante da gestão, à plena percepção do que está acontecer declaram que, é através do estudo dos custos da qualidade em empresa de manufactura que será possível fornecer os seguintes motivos para as empresas se interessarem por custos da qualidade: i) os custos da qualidade podem ser um meio de mensurar o sucesso das empresas no seu esforço de aperfeiçoamento; ii) o baixo lucro da empresa pode indicar previamente a necessidade de controlo dos custos da qualidade e relacioná-los com as vendas. os custos da qualidade podem ser altos e, por isso, podem ser uma fonte óptima para redução de custos na economia da empresa Quadro 4 - Quadro comparativo definição de custos da Qualidade Humberto Gonçalves Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil 47

74 CAPITULO II Caracterização Actual do Sector da Construção O conhecimento do porte e natureza dos custos da não-qualidade, colocando os administradores conscientes dos problemas e dos motivos para se interessarem pelo aperfeiçoamento contínuo. Sabendo que existem outros custos nomeadamente das não conformidades resultantes da execução da obra que causam ociosidade nos rendimentos das equipas, paragens de frentes e custos acrescidos devido a falta de planeamento ou erros de execução ou mesmo quando se trata de erros de projecto é um indicador que poderíamos analisar melhor para evitar erros durante a execução (Almeida, 2011). Dispor de uma certificação de sistemas da qualidade não quer dizer que seja compatível com o uso que vai ser dado à construção. É necessário uma capacidade pericial, fundamental na engenharia e na arquitectura, para verificar se os produtos inovadores são adequados ao uso que vão ter. Este é um processo que tem a ver com o projecto e tem a ver com o por em obra, exigindo um rigoroso controlo em obra, incluindo no âmbito da fiscalização (Couto & Couto, 2007). Existem determinados pontos críticos na construção já há muito identificados no entanto muitas das empresas de construção continuam a falhar, reduzem exageradamente os custos, reduzem os prazos de construção. Para uma melhoria de desempenho é necessário uma atitude de controlo da qualidade muito elevada na fase de projecto e em fase de obra. Os autores concluíram então que os desvios ocorridos nas fases de projecto e de construção são responsáveis pela quase totalidade dos custos incorridos pelas empresas com os desvios de qualidade. A fase de projecto é, em particular, uma fase sensível dos empreendimentos uma vez que os desvios ocorridos ou originados nesta fase foram, em média, 78% do número total de desvios e perfizeram, em média, 79% do custo total dos desvios. Causas dos Custos de Não Qualidade % Abdul-Rahman et al. (1996) Subempreiteiros 40,10% Coordenação e planeamento 16,30% Relacionado com a construção 13% Marcações de posicionamento 7,03% Hammarlund et al., (1990) Fase de produção (direcção e mão de 54% obra) Projectos técnicos 20% Materiais 20% Dono de obra ou Cliente 3% Quadro 5 - Comparativo de autores de causas dos custos de não-qualidade 48 Humberto Gonçalves Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil

75 CAPITULO II Caracterização Actual do Sector da Construção Autores (%) Custos médios da não qualidade relativamente ao orçamento (production cost) Love e Edwards (2005) 12,00% Paiva (2002) 10,00% Baber et al. (2000) 5,10 % Love e Li (2000) 2,80% Josephson e Hammarlund (1999) 4,90% (Hammarlund et al., 1990) 6,00% Média do production cost 6,80% Quadro 6 - Comparativo dos custos médios da não qualidade relativamente ao custo de produção Josephson e Hammarlund (1999) apontam algumas causas de raiz para a existência dos defeitos encontrados na sua investigação: 1. Falta de estabilidade na organização do cliente/dono de obra alteração frequente de pessoas chave; 2. Fraco controlo do empreendimento por parte do cliente muitas vezes o cliente demorou excessivamente a tomar decisões necessárias aos projectistas e empreiteiros, o que motivou alterações frequentes no planeamento destes últimos; 3. Envolvimento tardio do utilizador final em alguns empreendimentos os utilizadores finais visitaram o estaleiro numa fase adiantada da obra e, consequentemente, deram as suas opiniões demasiado tarde; 4. Espaço de tempo reduzido para execução do empreendimento; 5. Composição da estrutura organizacional do empreendimento nos empreendimentos em que as pessoas envolvidas já haviam anteriormente trabalhado em conjunto os trabalhos decorreram consideravelmente melhor do que nos empreendimentos em que tal não aconteceu; 6. Pressão para minimizar o custo dos empreendimentos esta pressão propagou-se do cliente para o empreiteiro, deste para os subempreiteiros e por ai em diante; 7. Reduzido apoio à direcção de obra por parte da administração das empresas de construção; 8. Escassez de acções de motivação dos trabalhadores de obra; Love e Edwards (2005) propuseram-se estimar o custo total (custo directo e indirecto) da repetição de trabalhos na indústria da construção australiana. Entre outras questões, foram interrogadas as causas da repetição de trabalhos, os custos directos e indirectos associados a essa repetição e as práticas de gestão promovidas nesse projecto. Para efeitos do seu trabalho, Humberto Gonçalves Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil 49

76 CAPITULO II Caracterização Actual do Sector da Construção Love e Edwards (2005) utilizaram a definição de repetição de trabalhos anteriormente apresentada por Love et al. (1999): esforço dispensável de refazer um processo ou actividade que foi implementado(a) incorrectamente na primeira ocasião. As respostas ao questionário dividem-se da seguinte forma por classe de respondente: 1. Consultores de projecto (designação dada ao grupo formado por arquitectos, inquiridores de qualidade e engenheiros de estruturas, mecânicos e eléctricos) 44% 2. Empreiteiros 33% 3. Directores de empreendimento (normalmente são o representante do dono de obra nos empreendimentos) 23% Love e Edwards (2005) calcularam o custo total médio da repetição de trabalhos em 12% do valor de contrato (contract value), sendo este valor a soma de 6,4% de custos directos e de 5,6% de custos indirectos. A demarcação dos custos relacionados com a qualidade dos restantes custos é contudo essencial para que se possa, entre outros aspectos: Conhecer o impacto da não-qualidade; Determinar as actividades de promoção da qualidade mais eficazes na redução do valor total destes custos; Comparar este tipo de custos entre os vários projectos de uma empresa ou, inclusivamente, entre empresas Estudos efectuados na União Europeia apontam para entre 10% a 18% dos gastos na construção serem empregues na eliminação de erros devidos à não qualidade (Dias, 1998). Estudos desenvolvidos nos Estados Unidos apresentam os seguintes indicadores de nãoqualidade do sector: 30% da actividade da construção é repetição de trabalho (trabalho realizado duas vezes); A força de trabalho é usada até 40% - 60% da sua potencial eficiência; Pelo menos 10% de material é desperdiçado; 50 Humberto Gonçalves Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil

77 CAPITULO II Caracterização Actual do Sector da Construção A utilização de medidas precisas em programas de melhoria visa assegurar o retorno dos investimentos através da redução dos custos da não qualidade, pretendendo sempre a satisfação total do cliente. A definição de uma estratégia competitiva sustentável centrada na qualidade e nos custos requer a avaliação dos custos que envolvem a área da qualidade da empresa, assim aumenta a eficiência nas decisões envolvendo a estratégia. A figura 5 apresenta um resumo dos custos de não-qualidade e custos de qualidade mais comuns a considerar numa organização. Custos de não Qualidade Custos de falhas internas; Correcções de projectos elaborados na empresa; Deficiências no planeamento e propostas; Falhas no sistema de aprovisionamento; Repetição de trabalhos e correcção de defeitos; Avarias de equipamentos; Aratamento de reclamações de clientes; Reparações dentro do período de garantia; Compensações,multas e outros custos legais; Custos de qualidade Custos com pessoal do sector de qualidade da empresa; Formação para a qualidade; Auditorias internas de qualidade; Acreditação e monitorização de fornecedores; Controlo e monitorização de materiais e produtos; Controlo interno da qualidade durante a obra; Equipamentos de controlo de qualidade; Inspecções e ensaios a realizar; Figura 5 Custos de não qualidade e custos de qualidade Humberto Gonçalves Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil 51

78 CAPITULO II Caracterização Actual do Sector da Construção 52 Humberto Gonçalves Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil

79 CAPITULO III Compreender as Causas das Patologias nas diferentes Fases de um Empreendimento CAPÍTULO III Compreender as causas das patologias nas diferentes fases de um empreendimento Humberto Gonçalves Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil 53

80 CAPITULO III Compreender as Causas das Patologias na diferentes Fases de um Empreendimento 54 Humberto Gonçalves Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil

81 CAPITULO III Compreender as Causas das Patologias nas diferentes Fases de um Empreendimento 3.1. Patologias em edifícios recentes A aquisição ou construção de um empreendimento envolve sempre esforço financeiro e expectativas quanto ao seu desempenho em termos de conforto, de segurança e de durabilidade. As inúmeras anomalias surgidas quer ainda durante o período de construção, quer logo no período inicial da sua utilização, poderá traduzir a falta de qualidade do projecto de execução, dos processos construtivos e dos materiais aplicados ou, especialmente, da sua incorrecta implementação/execução. Ocupando uma posição chave na nossa economia o sector da construção deveria constituir um sector industrial modernizado, qualificado, motivado e prestigiado, bem como produzir com qualidade. Infelizmente a realidade nem sempre satisfaz estes requisitos. Apesar de existir uma crescente preocupação com a qualidade da construção, muitos edifícios construídos nos últimos anos não apresentam o desempenho e durabilidade esperada. O aparecimento recorrente de determinadas anomalias, devidas a problemas de construção e de projecto, é determinante para a competitividade das empresas de construção. A construção, considerada como um processo cumulativo desde a sua génese até à sua conclusão, é propícia a acumular diversos tipos de erros aos longos das suas diferentes etapas (Sequeira, 2005). No ano de 2003, a revista Deco/Proteste, recebeu cerca de 2500 reclamações de defeitos em construções ainda no prazo de garantia de cinco anos, mas a solução destes problemas tornou- -se num processo muito moroso, que acabou em alguns casos no tribunal. Apesar desta notícia se basear num estudo bastante limitado, permite ter uma noção da falta de qualidade das construções em Portugal. Num estudo realizado pela Deco/Proteste, que levou à publicação de um artigo na revista de Outubro de 2004 Habitação em Portugal: casas novas com muitos defeitos Foram Inspeccionadas 34 casas ainda dentro do período de garantia de cinco anos Estipulado pela lei e descobriu muitos defeitos de construção...as falhas mais frequentes devem-se à má instalação dos materiais, causando a abertura das juntas no piso flutuante e desníveis entre os elementos, manchas de humidade são o defeito mais comum. a caldeira estava mal localizada e a torneira de segurança de gás num local de difícil acesso.nos tectos, o problema mais grave é a humidade, com o aparecimento de manchas e fungos devido à má ventilação ou infiltrações nas cozinhas e casas de banho. Embora as notícias mencionadas Humberto Gonçalves Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil 55

82 CAPITULO III Compreender as Causas das Patologias nas diferentes Fases de um Empreendimento sejam anteriores à nova e ultima regulamentação dos edifícios, infelizmente continuamos a registar notícias de patologias em edifícios recentes como os enunciados. A cinco de Fevereiro de 2013, noticiou-se na comunicação social defeitos numa das obras da Parque Escolar com investimento de 20 milhões de euros que apresenta problemas de infiltrações esta infiltração inunda tectos, paredes e pavimentos do ginásio e balneários as portas de acesso ao ginásio com uma envergadura de três metros que correm o risco de cair (Engenharia e Construção, 2013). De referir que apesar das constantes noticias nos meios de comunicação social não existe em Portugal informação disponível detalhada acerca destes acontecimentos. O que me preocupa mais, e que preocupa todos os cidadãos, é o facto de termos 3,5 milhões de edifícios que estão construídos, muitos deles de péssima qualidade, muitos a precisar de ser reabilitados e sem condições de requisitos que correspondam sequer aos regulamentos que estão publicados (Construção Magazine n.º 54 (Março/Abril 2013), Doutor Helder Gonçalves, investigador LNEG). A situação Portuguesa referente às patologias em edifícios recentes é resultado de incompatibilidades entre os objectivos da construção e as funções que lhes são atribuídas na prática. Recentemente assistimos ao esforço muito interessante de reabilitação e ampliação das escolas (Parque Escolar) os objectivos em termos de funcionamento não são compatíveis com, por exemplo, os sistemas de tratamento de ar que lá foram introduzidos. Em geral há incompatibilidade entre os sistemas montados e o orçamento para energia sendo que essa patologia poderia não existir se tivessem adoptado um conceito de intervenção diferente. (Trigo, 2012). Há muitas soluções técnicas que são introduzidas nas construções mas que não são adequadas. Vivemos num mundo globalizado, as soluções técnicas circulam por toda a parte. Só que em Portugal temos uma prática de projecto, uma prática de construção e um determinado tipo de executantes que funcionam com a sua aprendizagem, os seus conhecimentos e as suas experiências. Quando o executante introduz funções inovadoras que vêm de diferentes ambientes, pode não estar a fazer uma adaptação adequada. O resultado poderá traduzir-se por erros graves, por exemplo com materiais a degradarem-se muito rapidamente. Como exemplo os soletos betuminosos para revestimento de coberturas, sistema importado da Bélgica, no 56 Humberto Gonçalves Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil

83 CAPITULO III Compreender as Causas das Patologias nas diferentes Fases de um Empreendimento entanto este material é incomportável com as temperaturas das nossas coberturas quando expostas ao sol e ainda para mais da cor preta. Por isso se fala em patologias construtivas em construções recentes, penso que elas podem resultar da falta de atenção neste processo de globalização (Trigo, 2012). A nova regulamentação europeia transposta demonstra uma preocupação com o conforto das construções e nomeadamente o Regulamento dos Sistemas Energéticos de Climatização em Edifícios (RSECE) Apesar da existência esta regulamentação que promove o conforto nas construções e preocupações crescentes com a qualidade das construções, a realidade do mercado não assim demonstra, uma vez que os edifícios recentes muitas vezes não apresentam a qualidade desejada dando origem a milhares de fogos recentes com graves patologias, condicionando a sua utilização para o qual foi projectado. No quadro 7 apresenta-se um resumo das patologias mais comuns e as respectivas causas associadas. Tipo de anomalia Corrosão das armaduras dos elementos de betão Fendilhação Condensação Infiltrações de humidade Deformações excessivas dos elementos estruturais Segregação do betão Entupimento de esgotos Causas Associadas Recobrimento das armaduras insuficiente; Omissão no projecto das condições de exposição ambiental e medidas particulares de protecção, assim como, a composição do betão. Assentamento das fundações devido a insuficiente informação geotécnica e/ou de utilização do edifício; Má concepção face às principais acções; Quantificação inadequada das acções; Modelos incorrectos de análise ou dimensionamento; Fendilhação nas fachadas devida ao deficiente tratamento das pontes térmicas; Má concepção, originando deficiente ventilação das habitações e variações térmicas significativas; Deficiente pormenorização das ligações e remates das telas de impermeabilização; Má concepção (pendentes insuficientes, pormenores construtivos mal concebidos, etc.); Deficiente isolamento dos elementos construtivos, nas caves, em relação ao terreno; Assentamento das fundações devido a insuficiente informação e/ou de utilização do edifícios; Má concepção face às principais acções; Quantificação inadequada das acções; Modelos incorrectos de análise ou dimensionamento; Mau dimensionamento, excesso de armadura, queda do betão a grandes alturas; Dimensionamento inadequado das tubagens; Deficiente concepção das caixas de recepção de esgotos e das cotas de entrada e saúde, contribuindo para deficientes condições de drenagem. Quadro 7 - Lista sumária de patologias mais comuns em edifícios recentes Registo de Sinistros na Construção Em França existe um organismo denominado de Agência de Qualidade da Construção (Agence Qualité Constrution AQC) que criou um mecanismo de recolha e análise dos sinistros declarados às companhias seguradoras, dado que no mercado Francês dispõem de Humberto Gonçalves Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil 57

84 CAPITULO III Compreender as Causas das Patologias nas diferentes Fases de um Empreendimento um seguro obrigatório decenal que permite a recolha destes dados. Através do Sycodés é descrita a patologia, o elemento construtivo onde existe o defeito, a causa que origina a patologia e os custos de reparação inerentes. Este sistema existente em França foi criado em 1986 no âmbito da garantia decenal e dos seguros inerentes: seguro de reparação de danos e de responsabilidade decenal. Os dados apresentados no quadro abaixo referem-se ao Tableu du bord das diferentes publicações ao longo dos anos que a AQC disponibiliza no seu site. Nestas publicações são analisados os defeitos de construção e os custos que lhes estão associados tendo em vista o aumento da qualidade da construção em França. Da observação da evolução do Sycodés ao longo dos anos constata-se que o valor dos defeitos de execução é superior ao que se verificava no passado, em França. No entanto registou-se uma redução no peso dos defeitos na fase de projecto. Este acontecimento poderá ter origem nas diferenças de interpretação dos autores que se dedicam ao estudo desta temática. Os dados dos sinistros declarados às seguradoras Francesas permitem fazer uma análise mais detalhada dos diversos elementos construtivos que apresentam patologias. Patologias em Elementos 1995 a a a a 2011 Infra-Estruturas 7% 7% 8% 8% Fundações 9% 8% 7% 5% Estruturas de Suporte 7% 5% 5% 6% Cobertura Inclinada 15% 14% 14% 13% Cobertura em Terraço 7% 9% 10% 9% Fachada 16% 19% 17% 17% Vãos Envidraçados 8% 7% 6% 6% Envolvente Interior 15% 13% 13% 13% Equipamentos 17% 18% 19% 18% Quadro 8 - Análise dos sinistros em França nos elementos construtivos (Adaptado Sycodés, 2012) 58 Humberto Gonçalves Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil

85 CAPITULO III Compreender as Causas das Patologias nas diferentes Fases de um Empreendimento 20% 18% 16% 14% 12% 10% 8% 6% 4% 2% 0% Gráfico 6 Média da percentagem de sinistros ao longo dos anos por elemento de construção (Adaptado Sycodés, 2012) Se considerarmos os diferentes períodos de construção verificamos que se registou um aumento nos equipamentos, resultado da nova legislação, e um ligeiro aumento nas coberturas em terraço e das infra-estruturas. As fundações, estruturas de suporte, coberturas inclinadas, fachadas, vãos envidraçados e envolvente interior registaram uma ligeira diminuição que poderá indiciar uma evolução na qualidade da construção nestes elementos. No gráfico 6 identificamos que os elementos de construção mais susceptíveis de sinistros são respectivamente os equipamentos, as fachadas, coberturas inclinadas, coberturas em terraço e envolvente interior sendo que as restante em menor percentagem. Os defeitos nas fachadas e nos equipamentos dos edifícios estão no topo dos sinistros em elementos construtivos, representando um valor próximo dos 20%. É de salientar as coberturas inclinadas e a envolvente interior e as coberturas em terraço com valores entre os 8 a 14%. Os outros elementos encontram-se abaixo dos 8%. Estes dados estatísticos são essenciais para promover e divulgar boas práticas junto dos intervenientes do sector da construção por forma a prevenirem durante o projecto e execução de obra o aparecimento de determinadas patologias que condicionam a qualidade da construção. Humberto Gonçalves Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil 59

86 1995 a a a a a a CAPITULO III Compreender as Causas das Patologias nas diferentes Fases de um Empreendimento % do custo de reparação face ao custo de construção Custo de reparação médio (euros/reparação) Infra-Estruturas 7% 3% 4% 4% 7.960, , , ,00 Fundações 11% 9% 10% 8% , , , ,00 Estruturas 9% 7% 5% 4% 9.640, , , ,00 Cobertura Inclinada 7% 4% 4% 4% 5.280, , , ,00 Cobertura Planas 5% 2% 2% 2% 5.690, , , ,00 Fachada 7% 3% 3% 3% 5.600, , , ,00 Vãos Envidraçados 5% 2% 2% 2% 4.390, , , ,00 Revestimentos 7% 3% 4% 4% 6.940, , , ,00 Equipamentos 9% 5% 6% 8% 9.640, , , ,00 Quadro 9 - Percentagem do custo de reparação face ao custo de construção e o custo de reparação médio (Adaptado Sycodés, 2012) No quadro 9 poderemos observar uma redução geral dos custos de reparação face ao custo de construção em todos os elementos de construção, tal facto pode ter resultado de uma melhoria da forma como efectuam as reparações ou até mesmo a redução da gravidade das reparações a executar. Em relação aos custos de reparação apresentados no quadro 9 e no gráfico 7, denotase que no caso das fundações embora não seja muito frequente o aparecimento de sinistros no entanto quando estes existem tem custos elevadíssimos uma vez que mexem com uma parte bastante sensível de uma construção em que os processos construtivos são muito diferentes no caso de estarem previsto sapatas directas e devido a falta de capacidade resistente do solo verificado in situ haver necessidade de alteração para fundações indirectas. Outros custos de relevância são os custos de reparação ao nível da estrutura e dos equipamentos. Os de estruturas pelo mesmo facto das fundações de necessidade de alteração do processo construtivo e nos equipamentos pelo elevado valor de aquisição. Custos estes que poderão estar relacionados com falta de manutenção ou cuidados de utilização levando a avarias ou inutilização dos equipamentos instalados dando a origem à total substituição ou a elevadas intervenções de reparação. 60 Humberto Gonçalves Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil

87 CAPITULO III Compreender as Causas das Patologias nas diferentes Fases de um Empreendimento 10% 9% 8% 7% 6% 5% 4% 3% 2% 1% 0% Gráfico 7 Médias dos custos de reparação em % dos custos de construção (Adaptado Sycodés 2012) Tipo de Defeitos Defeitos de Concepção Defeitos de Execução Defeitos de Materiais Defeitos de Utilização % do custo de reparação face ao custo de construção 1995 a 2000 a 2005 a 2009 a Custo de reparação médio (euros/reparação) 1995 a a a a % 8% 10% 8% % 3% 3% 3% % 4% 6% 5% % 2% 2% 2% Quadro 10 - Custos de reparação, em França, tendo em conta o tipo de defeito (Adaptado Sycodés, 2012) Pela análise do quadro 10, pode constatar-se que os erros decorrentes de concepção/projeto são os que apresentam custos de reparação mais elevados, bem como percentagem dos custos de reparação face aos custos de construção. Podemos assim constatar a importância da responsabilização dos projectistas no acto de construir que afectam incondicionalmente todo o ciclo posterior ao projecto. De realçar a redução dos custos em todos os tipos de defeitos ao longo dos anos cumprindo o objectivo para o qual o Sycodés foi criado. Os defeitos de execução são ao longo dos anos sempre inferiores aos defeitos de materiais relevando a um aumento significativo da qualidade de execução em França ao longo destes quinze anos. De realçar a mudança de paradigma dos cuidados de utilização e manutenção dos edifícios levando a uma redução superior a 50% no período em estudo. Humberto Gonçalves Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil 61

88 CAPITULO III Compreender as Causas das Patologias nas diferentes Fases de um Empreendimento 6% 3% 9% Defeitos de Concepção Defeitos de Execução 4% Defeitos de Materiais Defeitos de Utilização Gráfico 8 Percentagem dos custos de reparação tendo em conta o tipo de defeitos (Adaptado Sycodés, 2012) Pode-se afirmar que os defeitos de concepção são que maior impacto tem nos custos de reparação pelas razões atrás mencionadas, seguindo-se os defeitos de materiais que ao se registarem provocam normalmente a necessidade de substituição do material colocado em obra. Os defeitos de execução rondam os 4% dos custos de reparação por serem de caracter pontual e de intervenção rápida. Apesar da grande evolução positiva dos defeitos de utilização estes continuam ter lugar e peso nas estatísticas evidenciando a necessidade de formar e informar os utilizadores para os cuidados na utilização e manutenção dos edifícios. Principais Patologias na Construção 1995 a a a Infiltrações 58% 55% 52% 56% Condensações 1% 2% 1% 2% Falta de Isolamento 2% 2% 3% 2% Problemas de Estabilidade 16% 4% 8% 11% Problemas de estanquidade ao ar 2% 1% 2% 1% Outros 21% 36% 34% 28% Quadro 11 - Principais patologias na construção em França, 1995 a 2011 (Adaptado Sycodés, 2012) Através do quadro 11 pode-se avaliar a evolução das principais patologias registadas no período apresentado em que no geral se apresenta ligeiras melhorias no entanto persistem ao longo do tempo. Será necessário uma maior atenção e prioridades durante a execução dos projectos e execução da obra para as patologias acima mencionadas como as infiltrações, problemas de estabilidade e condensações. 62 Humberto Gonçalves Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil

89 CAPITULO III Compreender as Causas das Patologias nas diferentes Fases de um Empreendimento 60% 50% 40% 30% 20% 10% 0% Infiltrações Condensações Falta de Isolamento Problemas de Estabilidade Estaquidade ao ar Outros Gráfico 9 Média das principais patologias na construção em França, 1995 a 2011 (Adaptado Sycodés, 2012) Constata-se através do gráfico 9 que as principais patologias registadas na construção são os problemas relacionados com infiltrações que correspondem à maior percentagem, representando mais de metade dos defeitos em construções em França. As patologias relacionadas com problemas de estabilidade também são significativos, embora se tenha registado no primeiro triénio uma redução. Relativamente às restantes patologias o seu peso é pouco significativo, nunca ultrapassando os 3%. Em Portugal não existem dados relativos a erros ou sinistros na construção apenas podem ser encontrados em trabalhos académicos de investigação realizados por entidades que se dedicam a peritagem e afins, não existindo um sistema de recolha de dados dos sinistros declarados às seguradoras, à semelhança do que acontece em França, através do Sistema de Recolha de Patologias (Sisteme de Collecte des Désordres Sycodés ) (Bento, 2009). Um estudo do observatório da construção, da responsabilidade da Universidade de Trás-Os- Montes e Alto Douro (UTAD), tendo por base 110 inquéritos realizados na zona urbana de Vila Real aponta para a seguinte caracterização de ocorrência de anomalias. É de referenciar que alguns dos erros apontados pelos utentes são coincidentes com os erros detectados pelos empreiteiros, nomeadamente os erros referentes a aparecimento de humidade devido a Humberto Gonçalves Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil 63

90 CAPITULO III Compreender as Causas das Patologias nas diferentes Fases de um Empreendimento problemas de impermeabilização e os erros causadores de patologias no revestimento exterior do edifício. (Paiva, 2001). 53,60% 60,90% 53,60% 88,20% 82,70% Falta de acesso para deficientes Existência de ruídos incómodos Problemas devidos às humidades Patologias no interior do edifício Gastos muitos elevados do edifício com aquecimento Gráfico 10 Ocorrência de anomalias apontadas pelos utentes (Paiva, 2001) 3.2.Principais Causas das Patologias em Edifícios Recentes A melhoria do ciclo de qualidade envolve a actualização contínua de informação em todas as fases do empreendimento, sendo esta veiculada a todos os seus intervenientes, afim de estes melhorarem a sua prestação evitando cometer erros passados e melhorando a qualidade na construção. Contudo, as anomalias em edifícios, podem ter ou ser conjugação de várias causas, dividindo-se estas em quatro grandes campos como se apresenta no gráfico 11. Gráfico 11 Causas de anomalias em Edifícios (Adaptado Paiva, 2002) Será assim necessário, um maior investimento nas fases iniciais de concepção, projecto, fiscalização e construção, a fim de reduzir os custos a longo prazo de exploração e manutenção, conseguindo, no final, uma redução dos custos totais do empreendimento. (Paiva, 2002). O gráfico 6 apresenta os defeitos de projecto como principal causa dos defeitos em edifícios, seguindo-se os defeitos de execução, defeitos de materiais e defeitos de utilização. 64 Humberto Gonçalves Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil

91 CAPITULO III Compreender as Causas das Patologias nas diferentes Fases de um Empreendimento Gráfico 12 Causas de anomalias em Edifícios (Brito, 2005) Como se pode constatar nos gráficos 12,13 e 14 e quadro 9 são vários os autores que apresentam estudos procurando quantificar as principais causas das patologias em Edifícios. Quadro 12 - Principais causas das patologias em edifícios (Adaptado: Esteves, 2008; Bento, 2009 e Sycodés 2012) Humberto Gonçalves Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil 65

92 CAPITULO III Compreender as Causas das Patologias nas diferentes Fases de um Empreendimento 60% 50% 50% 40% 30% 33% 20% 10% 12% 11% 0% Erros de Projeto/Conceção Defeitos de Materiais Erros de Execução Defeitos de Utilização e outros Gráfico 13 Médias dos diferentes estudos apresentados na quadro anterior (adaptado: Esteves, 2008, Bento 2009 e Sycodés 2012) Embora os diferentes estudos analisados tenham ligeiras discrepâncias entre os resultados obtidos, numa visão global indicam a fase de projecto e de execução como as principais causas das patologias nos edifícios, seguindo-se os defeitos de materiais e os defeitos de utilização e manutenção. Analisando o gráfico 13 com as médias dos diferentes estudos apresentados na quadro anterior, evidencia-se claramente que erros de execução e erros de projecto/concepção como as principais causas das patologias em edifícios. O projecto, entendido como forma de antecipação da construção, é uma das etapas onde se concentram grande parte dos erros posteriormente materializados em obra. A fase construção, dada a sua dimensão e multiplicidade de intervenientes, tende a construir os erros de projecto e a agravá-los com erros próprios da actividade de construção propriamente dita. Os tipos de erros com expressão considerável na qualidade da obra; a) os erros com base na ausência ou insuficiências do projecto de execução; b) os erros de construção com manifestações de patologias estruturais; c) erros ao nível das interfaces dos diversos elementos construtivos; d) os erros de organização, gestão e planeamento de obra (Sequeira,2005). Segundo estudos de França (Bureau Securitas) e do Canadá (CMHC) indica que até ao 5.º ano manifesta-se a maioria dos principais defeitos (70-80%). O mau estado de conservação dos edifícios pode ser causado por factores que vão para além da sua deficiente utilização. As primeiras fases do ciclo de vida de um edifício são 66 Humberto Gonçalves Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil

93 CAPITULO III Compreender as Causas das Patologias nas diferentes Fases de um Empreendimento determinantes na sua qualidade futura o que justifica a importância de um aumento da preocupação com cada uma delas (Esteves, 2008). Deste modo, o processo de construção de um empreendimento pode ser caracterizado como um conjunto de acções necessárias à execução de uma obra, desde o aparecimento da ideia até a fase de exploração abrangendo, nas situações correntes, três fases principais distintas no tempo a fase de projecto, a fase de construção e a fase de exploração Fase de Projecto Estudos em diversos países, onde o controlo de projecto é mais apertado, concluíram que 40 a 50% dos custos necessários para a reabilitação das construções novas afectadas por defeitos dizem respeito a situações originadas por erros ou por omissões de projecto. Estes e outros estudos no mercado internacional comprovam que a melhoria de qualidade dos projectos influencia de forma drástica o custo total do investimento. Desta forma, para além da racionalização dos custos imediatos da obra (fase de construção), a necessidade de rever e melhorar a qualidade dos projectos coloca-se, também, em termos dos custos de utilização e manutenção. Em Portugal, numa análise realizada no norte do país sobre a qualidade dos projectos de estruturas de betão de edifícios, constatou-se que 64% dos projectos classificados quanto ao nível da qualidade obtiveram nota medíocre ou mau e só 2% obtiveram bom (Cóias e Silva e Soares 2003). Um inquérito realizado por (Moura e Teixeira, 2007) aponta para soluções de projecto inadequadas como a causa da falta de qualidade em 27% dos casos considerados. Outro inquérito nacional do mesmo período, realizado pela Universidade do Minho, indica que os intervenientes na indústria da construção consideraram a categoria Causas relacionadas com a Equipa Projectista como uma das principais responsáveis pelos atrasos em empreendimentos (Couto e Couto 2007). O actual processo de projecto é responsável por uma parcela significativa das deficiências do processo construtivo (até 50%). Adicionalmente, como a fase de projecto se encontra no início deste processo, as deficiências desta fase tendem a manter-se durante todo o processo e fases seguintes e a provocar outras deficiências nas fases seguintes. (Trigo, 2012) Humberto Gonçalves Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil 67

94 CAPITULO III Compreender as Causas das Patologias nas diferentes Fases de um Empreendimento 13% 10% 18% 59% pormenorização deficiente Materiais inadequados Erros de cálculo Erros de Conceção de Projeto Gráfico 14 Incidência das diferentes causas de erros de projecto (Adaptado Bureau Securitas 1979). De acordo com o estudo efectuado pela Bureau Securitas em 1979, resultados no gráfico 14, os erros de projecto são os que mais contribuem para o aparecimento de anomalias durante a fase de obra e o período de garantia. O mesmo estudo aponta as seguintes causas para o aparecimento de erros de projecto: - Má selecção dos materiais; Má selecção dos processos construtivos e Ausência de pormenorização adequada e esclarecedora; A insuficiência de pormenorização dá assim azo ao aparecimento de patologias que seriam previsíveis e evitáveis através de especificações e detalhes adequado. Seria também interessante um código técnico nacional com uma biblioteca de detalhes tipos e específicos devidamente comprovados quanto à sua eficácia de execução e garantia de funcionalidade e de durabilidade, evitando assim uma proliferação de várias e diferentes soluções de pormenores em projectos, muitas vezes sem funcionalidade condenadas a serem causas de patologias futuras. Até recentemente, a fase de projecto tem sido, de certa forma, quase negligenciada como meio de garantia de qualidade, mas é inegável que um bom projecto, isento de erros, omissões e ambiguidades e bem organizado dá melhores garantias de sucesso na concretização dos empreendimentos, enquanto um projecto deficiente poderá ter consequências imprevisíveis no desenvolvimento dos mesmos. A complexidade crescente das construções, a falta de sistematização do conhecimento, a inexistência de um sistema efectivo de garantias e seguros, 68 Humberto Gonçalves Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil

95 CAPITULO III Compreender as Causas das Patologias nas diferentes Fases de um Empreendimento a velocidade exigida para o processo de construção, as novas preocupações arquitectónicas, a aplicação de novos materiais, a inexistência na equipa de projecto de especialistas em física e tecnologias das construções são causas fundamentais da não qualidade dos edifícios. (Couto e Teixeira 2006). A extraordinária multiplicidade e diversidade de materiais actualmente disponíveis para aplicações em engenharia civil tem vindo a colocar os projectistas, arquitectos, engenheiros, gestores de projecto e até donos de obra perante um problema de complexidade crescente: o problema da selecção, do domínio das técnicas de aplicação e do controlo da qualidade dos materiais. Na selecção dos materiais terão de ser introduzidos constrangimentos adicionais com pena de condicionar, por vezes, as opções iniciais em termos criativos, volumétricos, morfológicos e estéticos e passar a ser cada vez mais afectada pelos parâmetros aos quais se terá de prestar uma crescente atenção, como seja a adequação ao uso, aos limites de custo, ao ciclo de vida, à reciclagem ou reutilização dos materiais (Materiais de Construção, 2005). Os próprios processos construtivos deverão ser previamente idealizados, estudados, analisados e ensaiados com vista à sua funcionalidade, custo, durabilidade, manutenção e posterior demolição. No que respeita à especificação das exigências face aos materiais e à sua aplicação, os projectistas dispõem apenas do instrumento do caderno de encargos e especificações técnicas para fazer prevalecer as suas opções iniciais e o comportamento esperado de determinados materiais ou elementos previstos em projecto. No entanto é raro a referência à durabilidade e período de vida útil dos materiais preconizados no projecto ou mesmo a periocidade das manutenções, esta informação é essencial para validar a selecção os materiais e processo construtivos e apurar os custos de utilização e manutenção ao longo da vida útil do empreendimento. O constante aparecimento de materiais aplicados na construção deveria obrigar para além dos requisitos de marcação CE a ensaios específicos para análise da sua durabilidade às condições onde irá ser aplicado e o respectivo período de vida útil. Tem-se registado que a aplicação de materiais sem qualidade para as acções a que vai ser exposto condiciona a funcionalidade de determinados elementos construtivos no seu desempenho originando patologias e limitando a durabilidade do empreendimento. Num estudo efectuado a Associação Espanhola para controlo da Qualidade (AECC,1983), conclui-se que, a origem da falta de qualidade do projecto deve-se; Humberto Gonçalves Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil 69

96 CAPITULO III Compreender as Causas das Patologias nas diferentes Fases de um Empreendimento - Tempo de estudo insuficiente; - Projectos incompletos e mal detalhados; - Falta de coordenação entre as especialidades; - Desconhecimento da tramitação de processos; - Ausência de apreciação sistemática quanto ao controlo da qualidade no processo. Frequentemente os intervenientes no processo de construção não conseguem assegurar o cumprimento de todos os requisitos de qualidade, reflectindo-se isso em deficiências nas obras o que tem sido alvo de grandes críticas por parte dos utilizadores, e tem inclusive motivado aceso debate no sector, com propostas de revisão da legislação, nomeadamente, quanto ao aumento do período de garantia dos imóveis. Com a diminuição do ciclo de vida dos materiais e dos componentes da construção, os novos utilizadores deparam-se com custos inesperados que importa atenuar, desafios que o sector da construção enfrenta, designadamente no tocante à manutenção, apresentando-se para o efeito a revisão de projectos como um excelente procedimento e recurso na persecução desse objectivo. A qualidade do projecto é primordial para a redução dos custos ao longo da vida útil do edifício. Hoje, reconhece-se que a falta de qualidade dos projectos se traduz, frequentemente, em descontrolo dos custos das obras e reduzida durabilidade. (Couto, 2006) Assim, nos últimos tempos, os agentes intervenientes na indústria da construção têm vindo a sentir a necessidade de procurar a qualidade agindo ao nível do Projecto. Esta nova forma de conduta tem sido motivada por resultados divulgados em análises estatísticas a projectos correntes de edifícios mostra-se que a legislação e regulamentação nem sempre são completamente satisfeitas, independentemente de se verificar a existência dos termos de responsabilidade dos respectivos autores do Projecto muito frequentemente a má qualidade do projecto vem acompanhada da má qualidade do produto final. (Appleton, 2000). Infelizmente, a falta de ponderação sobre a qualidade na construção tornou as falhas de qualidade numa característica endémica desta actividade. A prevenção da falta de qualidade quase nunca recebe a atenção devida, especialmente na fase de concepção do projecto, o que tem como resultado o aparecimento de falhas logo no início da fase de construção e de custos 70 Humberto Gonçalves Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil

97 CAPITULO III Compreender as Causas das Patologias nas diferentes Fases de um Empreendimento exorbitantes de trabalhos de rectificação/reconstrução que, segundo alguns autores, chegam a atingir 12,4% do custo total da obra (Love, et al, 2000). Sparrius, (1998) indicava que problemas encontrados a jusante de um processo de execução são sintomas da ocorrência de negligência a montante. O gráfico 15, abaixo demonstra a capacidade de influenciar as características de um sistema (em particular, o custo da execução mas análogo noutras variantes) diminui rapidamente na passagem duma fase do seu ciclo de vida para outra. O projectista situa-se, deste modo, numa fase de determinante importância para o sucesso do empreendimento. Gráfico 15 Capacidade de influência das fases de um empreendimento no custo da construção (Sparrius, 1998). O método de como são elaborados os projectos em Portugal, leva à repetição dos mesmos erros em obra, este facto acarreta acréscimos nos custos, derrapagens nos prazos e quando o caso se mostra grave leva à execução de um projecto de alteração. São muitas as falhas cometidas pelo dono da obra na preparação dos elementos essenciais para fornecer aos projectistas, umas vezes por ignorância, outras até para economizar algum dinheiro. (Santo, 2002). A identificação da fase do projecto como de influência primordial no resultado final de um processo de construção tem sido regularmente mencionada. Dois dos primeiros estudos mais divulgados sobre a matéria, indicava valores acima dos 40% para deficiências originárias na Humberto Gonçalves Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil 71

98 CAPITULO III Compreender as Causas das Patologias nas diferentes Fases de um Empreendimento fase de projecto que se propagem para as fases seguintes do empreendimento. Mesmo em países com tradição de maior rigor no desenvolvimento das actividades da construção civil e obras públicas (Pimentel, et al 2004). A Ordem dos Engenheiros (OE) tem estado cada vez mais atenta a esta problemática, assumindo um papel activo na sensibilização dos engenheiros para uma melhoria da qualidade dos seus projectos. Segundo (Sousa, 2007) a etapa correspondente à concepção e projecto construtivo assume uma importância fulcral no que diz respeito ao sucesso das actividades de construção. Apesar das facilidades do uso de software, a qualidade de muitos projectos nacionais é fraca, com reflexos directos na qualidade final dos produtos da construção. Uma das formas de diminuir esta possibilidade de erros poderá passar pela revisão sistemática dos projectos (Sousa, 2007). Mais recentemente, em 2007, um inquérito realizado por Moura e Teixeira aponta para soluções de projecto inadequadas como a causa da falta de qualidade em 27% dos casos considerados. (Moura e Teixeira, 2007). Igualmente, (Figueiras e Ribas 2000) também correlacionam os erros cometidos durante a fase de projecto de estruturas com a possibilidade de provocarem patologias estruturais, nomeadamente devido a má concepção, indevida contabilização das acções actuantes, características de durabilidade desadequadas, modelação inadequada, utilização imprópria de programas de cálculo e pormenorização deficiente, entre outros. Na opinião de Brito, 2007, o projecto de estruturas tem sido laxista em vários domínios, o que tem permitido uma concorrência desleal e uma diminuição da qualidade. Ainda segundo (Brito 2007), a causa da falta de qualidade no projecto de estruturas é devida a interesses económicos, falta de preparação dos projectistas, prazos inaceitavelmente curtos, falta de deontologia profissional de alguns dos intervenientes, má utilização das ferramentas de cálculo e falta de supervisão durante a aprovação dos projectos. O projecto exerce considerável influência sobre os custos das edificações, principalmente devido à grande possibilidade de alternativas existentes nesta fase, e é justamente nesta fase onde poucas despesas foram realizadas (Picchi 1993). Para Hammarlund e Josephson (1992) as decisões que influenciam na redução dos custos do empreendimento devem ser tomadas na 72 Humberto Gonçalves Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil

99 CAPITULO III Compreender as Causas das Patologias nas diferentes Fases de um Empreendimento fase inicial do mesmo, pois com a evolução das etapas seguintes, esta possibilidade diminui consideravelmente, conforme demonstra o gráfico abaixo. Gráfico 16 Capacidade de influência para reduzir custos nas diferentes fases de um empreendimento (Hammarlund e Josephoson, 1992). Com o advento das tecnologias da informação e da implementação de sistemas de gestão da qualidade nas diversas empresas da área produtiva da construção esperar-se-ia uma melhoria desta situação. Curiosamente, não foi isso que parece ter acontecido, uma vez que outros estudos, um pouco mais recentes (Cnudde 1991) e (Hammarlund e Josephson, 1992) continuam a identificar a fase de projecto como a principal responsável pelas situações de não-qualidade, seja durante a fase de produção das construções seja na fase de utilização propriamente dita, com incidências atingindo os 50%. As deficiências do projecto têm muito a ver com a crescente complexidade dos edifícios. Há cinquenta anos para fazer um projecto envolvia-se apenas um arquitecto e um ou dois engenheiros, mais nada. Só que à medida que o tempo passa, os projectos são cada vez mais complexos e têm cada vez mais intervenientes. Neste momento temos o arquitecto, o arquitecto de interiores, o arquitecto paisagista, o engenheiro das fundações, o engenheiro da estrutura de betão armado, o engenheiro das estruturas metálicas, os engenheiros das águas e esgotos, o engenheiro do AVAC, o engenheiro das instalações eléctricas, o engenheiro das telecomunicações, o engenheiro do estudo térmico, o engenheiro do estudo acústico. Há cada Humberto Gonçalves Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil 73

100 CAPITULO III Compreender as Causas das Patologias nas diferentes Fases de um Empreendimento vez mais intervenientes em obra, o legislador entendeu pedir cada vez mais partes do projectos com cada vez mais demonstrações, o que na realidade é prejudicial, porque as pessoas depois de produzirem o seu papel pensam que está tudo resolvido. Na prática há uma diluição das responsabilidade por vários intervenientes sem que efectivamente alguém assuma a responsabilidade pela compatibilidade e funcionamento das diferentes soluções e projectos. São muitos os intervenientes e tem que haver uma autoridade técnica que integre todos os componentes dos projectos (Trigo, 2012). Continuam a assistir a uma permanente e insistente pergunta, porque há erros de concepção? Dentro de todos os assuntos já referenciados, e com o objectivo de resumir e com uma abordagem tópica apresenta-se algumas das causas; - Falta de sistematização do conhecimento; - Inexistência de um Guia técnico de concepção; - Ausência de informação técnica; - Inexistência de sistema efectivo de garantias e seguros; - Não exigência de qualificação profissional; - Novas preocupações arquitectónicas; - Aplicação de novos materiais ou sistemas construtivos sem estarem devidamente ensaiados e testados para o efeito; - Inexistência de pormenorização adequada à complexidade do projecto; Naturalmente é um facto que a actividade do projectista é caracterizada pela mudança. A sua crescente complexidade é o espelho das características evolutivas do processo construtivo: constante crescimento da variabilidade e complexidade dos trabalhos de um empreendimento, prazos de execução cada vez mais reduzidos, requisitos de segurança e qualidade mais exigentes, a crescente importância da actividade de manutenção e o aparecimento de novos desafios como a sustentabilidade e gestão ambiental das actividades de construção. O projectista tem sido portanto pressionado a utilizar métodos mais elaborados e inovadores 74 Humberto Gonçalves Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil

101 CAPITULO III Compreender as Causas das Patologias nas diferentes Fases de um Empreendimento cada vez mais cedo, sendo-lhe simultaneamente exigida a redução dos custos dum empreendimento. Mas é vasto o número de variáveis e factores sobre os quais se pode actuar tendo em vista o controlo e garantia de qualidade de um projecto. Com incidência particular no projecto de Estruturas, a Ordem dos Engenheiros compilou um conjunto de recomendações tendo em vista estes propósitos (Colégio de Engenharia Civil, 2008), fazendo até sugestões para a implementação de um Seguro de projecto e a criação de um Sistema Integrado de Certificação da Construção. Porém, é praticamente consensual que todos os intervenientes no processo construtivo e o utilizador final poderão beneficiar, em larga medida, de uma actividade de Revisão de projecto que tenha como principal objectivo, para além das verificações de correcção, de exequibilidade e de compatibilidade das soluções, a garantia de um projecto de execução de qualidade (Couto e Couto 2007). Neste contexto reveste-se de particular importância a qualidade das soluções encontradas ao nível do projecto, o primeiro e fundamental instrumento para a definição dos níveis de qualidade do empreendimento, seja do ponto de vista do Dono de Obra com o cumprimento do programa predefinido, seja do ponto de vista dos futuros utilizadores com as suas expectativas de durabilidade e custos de exploração e manutenção, seja ainda do ponto de vista da comunidade onde o empreendimento se insere, tendo em vista preocupações sociais e ambientais. Infelizmente, não raras vezes, as empreitadas apresentam desvios significativos de preços e prazos relacionados com deficiências ou omissões de projecto, com natural prejuízo do Dono de Obra. Frequentemente é ainda necessário recorrer a projectos de alterações de modo a corrigirem-se deficiências no projecto inicial ou a garantir a compatibilidade entre as soluções preconizadas ao nível das diferentes especialidades. Com a percepção desta situação tem sido opção dos Donos de Obra efectuar a contratação da empreitada por preço global, transferindo para o Empreiteiro a responsabilidade associada à existência de deficiências de projecto. Este, por sua vez, vê-se obrigado a tirar partido das deficiências dos projectos por forma a poder apresentar uma proposta competitiva, responsabilizando-se pela execução do estritamente estipulado no projecto que serve de base à assinatura do contrato de empreitada; posteriormente, em fase de execução, o Empreiteiro espera recuperar o equilíbrio financeiro da obra, apontando ao Dono de Obra as deficiências Humberto Gonçalves Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil 75

102 CAPITULO III Compreender as Causas das Patologias nas diferentes Fases de um Empreendimento existentes no projecto e transferindo para este último a responsabilidade de promover as correcções necessárias. Este processo de correcção tem associado, invariavelmente, um aumento de custos e prazos de execução. As deficiências dos projectos são uma das mais significativas causas dos problemas e conflitos na construção e, por vezes até, causa marcante para o seu insucesso. De facto, a importância do projecto e da sua coordenação, está directamente relacionado com o sucesso da construção e gestão dos empreendimentos. Um bom projecto, isento de erros, omissões e ambiguidades e bem organizado dá melhores garantias de sucesso na concretização de empreendimentos, enquanto um projecto deficiente poderá ter consequências imprevisíveis no desenvolvimento dos mesmos. Com frequência a comunicação social tem vindo a divulgar relatórios de auditorias a obras públicas que apresentam significativos desvios de custos, de prazo e de qualidade. Na origem de muitos destes desvios encontram-se o modelo de contratação e a gestão e o controlo da qualidade dos projectos (Couto e Teixeira 2006). Mais 20 milhões para a obra do pediátrico de Coimbra informava o Diário de Coimbra em 24 de Abril de 2013, diferendo erros de projecto levaram a indeminização ao construtor de 13,6 milhões, acrescidos de IVA e de juros de mora. No essencial, segundo a decisão do tribunal arbitral, o projecto «mostrou-se inexequível, pelo menos em parte das suas vertentes» e «desadequado à realidade da obra». São notícias como esta que fazem a sociedade reflectir sobre o impacto da qualidade dos projectos na sociedade em que vivemos. Para fazer face à habitual ocorrência de desvios de custos e prazos nas empreitadas obras públicas o novo Código dos Contractos Públicos (CCP) (Decreto-Lei nº 18/2008 de 29 de Janeiro), que procede à transposição das Directivas Comunitárias 2004/17/CE e 2004/18/CE e entrou em vigor a 30 de Julho de 2008, prevê na alínea c) do ponto 2 do art.º 370 que só pode ser ordenada a execução de trabalhos a mais quando, entre outras condições, O preço atribuído aos trabalhos a mais, somado ao preço de anteriores trabalhos a mais e deduzido do preço de quaisquer trabalhos a menos, não exceder 5 % do preço contratual. Face a esta realidade deverão os Donos de Obra investir na melhoria da qualidade dos projectos, na sua coerência e pormenorização das soluções, no rigor das suas especificações e ainda na rigorosa quantificação e definição da natureza dos trabalhos envolvidos. Esta aposta na qualidade pode ser facilmente conseguida por recurso à revisão de projecto onde uma equipa independente de técnicos, de reconhecida capacidade, analisa os projectos avaliando a qualidade e 76 Humberto Gonçalves Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil

103 CAPITULO III Compreender as Causas das Patologias nas diferentes Fases de um Empreendimento pormenorização das soluções apresentadas, o dimensionamento e a quantificação e natureza dos trabalhos a executar. Todas as acções tomadas antes de um problema surgir, que visem impedir o aparecimento desse problema, são acções preventivas. Uma vez conhecidas as causas potencialmente criadoras de anomalia, o projectista deve actuar, de modo a preveni-las Decreto Lei 18/2008 de 29 de Janeiro, Código dos Contractos Públicos. A Portaria n.º 701-H/2008 de 29 de Julho, designada Instruções para a elaboração de projectos de obra, tinha como pretensão constituir uma ferramenta decisiva para a actualização da importância, exigências e requisitos na elaboração de projectos. Esta portaria ao abrigo do número 7 do artigo 43.º do CCP, os conteúdos obrigatórios do programa e do projecto de execução, assim como os procedimentos e normas a adoptar na elaboração e faseamento de projectos de obras públicas. Prevê também a classificação de obras por categorias de complexidade. Dentro dos objectivos pressupostos pretendia nomeadamente; a) Aperfeiçoar e desenvolver os requisitos mínimos exigidos em cada fase do projecto; b) Completar e actualizar as especificações de projecto definidas para cada tipo de obra; c) Atribuir maior responsabilização aos autores do projecto; d) Ajustar as fases de projecto aos actuais conceitos de gestão na execução das obras; e) Introduzir maior rigor nas estimativas orçamentais elaboradas nas diferentes fases do projecto. Esta Portaria no artigo 8.º refere a programação e coordenação do projecto 1 A coordenação das actividades dos intervenientes no projecto tem como objectivo a integração das suas diferentes partes num conjunto harmónico, de fácil interpretação e capaz de fornecer todos os elementos necessários à execução da obra, garantindo a adequada articulação da equipa de projecto em função das características da obra e assegurando a participação dos técnicos autores, a compatibilidade entre os diversos projectos necessários e o cumprimento das disposições legais e regulamentares. Indica que o «Coordenador do projecto», é o técnico a quem compete, satisfazendo as condições exigíveis ao autor de projecto, garantir a adequada articulação da equipa de projecto em função das características da obra, assegurando a participação dos técnicos Humberto Gonçalves Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil 77

104 CAPITULO III Compreender as Causas das Patologias nas diferentes Fases de um Empreendimento autores, a compatibilidade entre os diversos projectos necessários e o cumprimento das disposições legais e regulamentares aplicáveis a cada especialidade; O «Revisor do projecto», é a pessoa singular ou colectiva devidamente qualificada para a elaboração desse projecto e distinta do autor do mesmo. Esta portaria reforça a importância do projecto de execução com um peso relativo de 35% relativamente às outras fases. (artigo 12.º). No entanto a Ordem dos Engenheiros emitiu um parecer onde considera o diploma positivo para o sector pelas seguintes razões: a) Completa e actualiza um conjunto de definições sobre esta matéria, introduzindo alguns conceitos novos como Assistência Técnica Especial, Coordenador de Projecto, Revisor de Projecto, entre outros; b) Mantém e completa a noção de graduação das obras em complexidade, dividida em 4 categorias, identificando um conjunto extenso de situações que irão seguramente a prazo contribuir para a graduação dos actos que os técnicos e as empresas podem praticar, estabelecendo de forma clara que o exercício dos actos mais complexos deverá estar limitado aos técnicos mais habilitados para o efeito; c) Alarga as disposições especiais a um conjunto muito mais vasto de obras, sendo objecto de actualização profunda, ou criação de novas secções, as situações de Instalações, Equipamentos e Sistemas de Edifícios, com várias subsecções correspondentes às diferentes instalações, Caminhos-de-ferro, Aeródromos, Túneis, Obras Portuárias e de Segurança Costeira e Espaços Exteriores, Produção, transformação, transporte e distribuição de energia eléctrica e Redes de Comunicação. No entanto, existem alguns aspectos em que a Portaria publicada não considerou nomeadamente a) omite algumas definições/conceitos propostos que se consideram importantes, tais como Gestor de Projecto, Projecto para licenciamento, Projecto para concurso, Desenhos de preparação da obra e Desenhos de execução complementares ; b) Altera profundamente a definição geral de Assistência Técnica, atribuindo ao Projectista a responsabilidade, em sede desta portaria, de assegurar a correcta execução da obra, a conformidade da obra executada com o projecto, com o caderno de encargos e o cumprimento das normas legais e regulamentares aplicáveis. Esta exigência é desajustada com a nossa prática, com o peso agora proposto em termos de honorários para a assistência técnica (15%) e tem incongruências óbvias com as disposições mais detalhadas sobre Assistência Técnica presentes no articulado das disposições gerais e disposições especiais desta Portaria. Nessa medida, considera-se que a definição deverá ser melhorada, sob pena de vir a criar dúvidas e conflitualidades no sector; c) Por último, ao não incluir qualquer referência aos Desenhos de 78 Humberto Gonçalves Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil

105 CAPITULO III Compreender as Causas das Patologias nas diferentes Fases de um Empreendimento preparação de obra e Desenhos de execução complementares, que constavam da proposta do Grupo de Trabalho, esta Portaria perde a oportunidade de clarificar este assunto e reduzir também aqui as ambiguidades e os conflitos. (OE, 2008). A revisão de projectos, que preferencialmente deverá decorrer em simultâneo com o trabalho dos projectistas, visa incrementar a qualidade global dos projectos permitindo que a contratação da obra seja efectuada com consideráveis ganhos a todos os níveis (qualidade, custos globais e prazos de execução) para Donos de Obra, Fiscalização, Empreiteiro e Utilizador final. A definição de Revisão de Projecto indica Pessoa singular ou colectiva devidamente qualificada para a elaboração desse projecto e distinta do autor do mesmo. A revisão de projecto consiste na análise crítica do projecto e emissão dos respectivos pareceres. As funções e responsabilidade do Revisor de projecto é constituída por um conjunto de metodologias cujo objectivo é a eliminação de erros, a identificação de omissões e incompatibilidades no conjunto das peças de projecto. Este procedimento permite, de forma preventiva, evitar um acumular de falhas desde a fase de projecto e planeamento que se traduzem em elevadas perdas económico-financeiras na fase de execução da obra. Incide em cada uma das especialidades do projecto e nas respetivas peças escritas e desenhadas, e inclui: a) Revisão de objectivos à procura de omissões; b)revisão documental: programa, custos, prazos; c)confronto das condições técnicas com listagem de tarefas à procura de incompatibilidades; d)confronto das condições técnicas com peças desenhadas; e) Rasteio à procura de erros por comparação entre as peças desenhadas do projecto de arquitectura e das várias especialidades; f) Verificação das medições; g)verificação aleatória e não exaustiva do cálculo de alguns elementos. Em grande parte dos casos são erros do projecto que dão origem a patologias futuras pelo que é essencial uma análise adequada aos projectos e sensibilização dos donos de obras para as consequências de execução de um projecto com insuficiências técnicas ou com más opções técnicas. A qualidade dos projectos é uma exigência indispensável à garantia da qualidade global da construção, quer seja avaliada pela conformidade com as expectativas dos futuros utilizadores, pelo rigor que assegura no cumprimento das estimativas de custo e prazos ou pelas exigências do interesse comum. Humberto Gonçalves Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil 79

106 CAPITULO III Compreender as Causas das Patologias nas diferentes Fases de um Empreendimento O controlo da despesa nas obras públicas tem centrado a sua análise nos desvios de custo e de prazos durante a execução da empreitada, omitindo a apreciação sobre uma outra importante componente da despesa, os custos de manutenção e exploração durante a fase de utilização da obra. Os custos com o desgaste de materiais inadequados para as soluções, os consumos de energia, os custos dos consumíveis, da manutenção dos equipamentos electromecânicos, da vigilância e do comportamento global das obras, dependem das soluções dos projectos e das técnicas construtivas. Ignorar este aspecto, como tem sido corrente, é um erro que não pode continuar a ser praticado. Cada vez mais os custos de construção serão uma pequena parcela dos custos a suportar durante a utilização da obra. A política de controlo da despesa pública deveria contar com essa componente que afectará os recursos futuros de todos. Por fim, parece evidente que, hoje, deve haver uma preocupação crescente e sedimentada dos projectistas relativamente aos novos desafios; construção sustentável, ciclo de vida e durabilidade das construções, racionalização dos recursos materiais e energéticos, facilidade de implementação das técnicas construtivas concebidas de forma a facilitar o cumprimento dos prazos, a racionalização dos custos, a gestão dos empreendimentos. Lei n.º 31/2009 de 3 de Julho que aprova o regime jurídico que estabelece a qualificação profissional exigível aos técnicos responsáveis pela elaboração e subscrição de projectos, pela fiscalização de obra e pela direcção de obra, que não esteja sujeita a legislação especial, e os deveres que lhes são aplicáveis e revoga o Decreto n.º 73/73, de 28 de Fevereiro. Esta Lei define como «Coordenador de projecto» o autor de um dos projectos ou o técnico que integra a equipa de projecto com a qualificação profissional exigida a um dos autores, a quem compete garantir a adequada articulação da equipa de projecto em função das características da obra, assegurando a participação dos técnicos autores, a compatibilidade entre os diversos projectos e as condições necessárias para o cumprimento das disposições legais e regulamentares aplicáveis a cada especialidade e a respeitar por cada autor de projecto; Artigo 8.º Coordenação de projecto 1 - Para a elaboração de projecto sujeito ao regime de licença administrativa ou de comunicação prévia ou para efeitos de procedimento contratual público deve sempre existir coordenador de projecto, o qual integra a equipa de projecto podendo, quando qualificado para o efeito, cumular com aquela função a elaboração total ou parcial de um dos projectos. 80 Humberto Gonçalves Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil

107 CAPITULO III Compreender as Causas das Patologias nas diferentes Fases de um Empreendimento Artigo 9.º - Deveres do coordenador de projecto: 1-Compete ao coordenador do projecto, com autonomia técnica, e sem prejuízo das demais obrigações que assuma perante o dono da obra, bem como das competências próprias de coordenação e da autonomia técnica de cada um dos autores de projecto: a) Representar a equipa de projecto, da qual faz parte integrante, durante as fases de projecto perante o dono da obra, o director de fiscalização de obra e quaisquer outras entidades; b) Verificar a qualificação profissional de cada um dos elementos da equipa, conforme previsto na presente lei; c) Assegurar a adequada articulação da equipa de projecto em função das características da obra, garantindo, com os restantes membros da equipa, a funcionalidade e a exequibilidade técnica das soluções a adoptar, dentro dos condicionamentos e dos interesses expressos no programa do dono da obra; d) Assegurar a compatibilidade entre as peças desenhadas e escritas necessárias à caracterização da obra, de modo a garantir a sua integridade e a sua coerência; e) Actuar junto do dono da obra, em colaboração com os autores de projecto, no sentido de promover o esclarecimento do relevo das opções de concepção ou de construção no custo ou eficiência da obra, sempre que aquele o solicite ou tal se justifique; f) Assegurar a compatibilização com o coordenador em matéria de segurança e saúde, durante a elaboração do projecto, visando a aplicação dos princípios gerais de segurança em cumprimento da legislação em vigor; g) Verificar, na coordenação da elaboração dos projectos, o respeito pelas normas legais e regulamentares aplicáveis, nomeadamente as constantes de instrumentos de gestão territorial, sem prejuízo dos deveres próprios de cada autor de projecto; h) Instruir o processo relativo à constituição da equipa de projecto, o qual inclui a identificação completa de todos os seus elementos, cópia dos contratos celebrados para a elaboração de projecto, cópia dos termos de responsabilidade pela sua elaboração e cópia dos comprovativos da contratação de seguro de responsabilidade civil nos termos do artigo 24.º; Humberto Gonçalves Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil 81

108 CAPITULO III Compreender as Causas das Patologias nas diferentes Fases de um Empreendimento i) Disponibilizar todas as peças do projecto e o processo relativo à constituição de equipa de projecto ao dono da obra, aos autores de projecto e, quando solicitado, aos intervenientes na execução de obra e entidades com competência de fiscalização; j) Comunicar, no prazo de cinco dias úteis, ao dono da obra, aos autores de projecto e, quando aplicável, à entidade perante a qual tenha decorrido procedimento de licenciamento, de autorização administrativa ou de comunicação prévia, a cessação de funções enquanto coordenador de projecto, para os efeitos e procedimentos previstos no RJUE e no Código dos Contratos Públicos, sem prejuízo dos deveres que incumbam a outras entidades, nomeadamente no caso de impossibilidade. No contexto actual indicam-se alguns dos factores que condicionam a qualidade dos projectos em Portugal: - A diversidade de legislação (dispersa e não objectiva); - O acréscimo significativo das instalações técnicas (pesando por vezes mais de 25% do custo de obra); - Clara separação entre os negócios da construção na sua cadeia de valor; - Sobreposição de interesse (conflito de interesses entre os intervenientes); - A diminuição da qualidade da mão-de-obra; - O permanente desejo dos donos de obra reduzirem os prazos de construção, por vezes não compatíveis com o conceito e qualidade dos projectos apresentados, ignorando-se também a estação do ano em que se iniciam os trabalhos; - A relevância dos processos administrativos que se sobrepõem aos procedimentos técnicos; - A crescente importância dos procedimentos técnico-jurídicos, com frequente envolvimento de advogados nas reuniões de obra, utilizando as debilidades dos projectos para reforçar as exigências dos empreiteiros; - A não exigência na fase de licenciamento de pormenores construtivos e a não apreciação dos projectos pelas entidades responsáveis pelo licenciamento; 82 Humberto Gonçalves Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil

109 CAPITULO III Compreender as Causas das Patologias nas diferentes Fases de um Empreendimento - A utilização dos projectos para fins diferentes do conceito base. A elaboração dos projectos é uma actividade com grande complexidade, ultrapassando os conceitos de ordem técnica, exigindo cada vez mais uma visão global dos diferentes negócios envolvidos e nas diferentes fases do ciclo de vida de um empreendimento. A forma como são elaborados os projectos conduz, com frequência, à repetição sistemática dos mesmos erros em obra, com implicações no acréscimo de custos, através de trabalhos a mais e derrapagens nos prazos, sendo necessário, frequentemente, elaborar projectos de alterações. Uma das áreas que mais contribui para estas situações é a adaptação das fundações e da estrutura ao terreno, devido à ausência de elementos de referência para elaboração do projecto. Também os elementos construtivos de fronteira entre as diferentes especialidades têm uma quota-parte de responsabilidade nos desvios verificados. O pouco cuidado dos donos de obra na preparação dos elementos a fornecer aos projectistas a par do modo como são elaborados, através de diferentes especialidades independentes, por sua vez subcontratam medidores, sem uma adequada coordenação, estão na base das incompatibilidades e insuficiências detectadas. A ausência de levantamentos topográficos actualizados e estudos geotécnicos que caracterizam as condições dos solos, de forma a permitir a correcta concepção das fundações e estruturas, avaliação dos movimentos de terras e dos arranjos exteriores; O reduzido trabalho de coordenação entre as diferentes especialidades com uma visão integrada, de forma a compatibilizar os projectos e posteriormente os trabalhos, alargando o âmbito também à envolvente exterior, nomeadamente aos arranjos paisagísticos e as ligações às redes das infra-estruturas; A falta de rigor na definição e especificação dos projectos de execução, com destaque para os mapas de medições, caderno de encargos e pormenores construtivos, mapas de acabamentos e peças desenhadas; Humberto Gonçalves Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil 83

110 CAPITULO III Compreender as Causas das Patologias nas diferentes Fases de um Empreendimento A não existência de um sistema de controlo de qualidade em obra que permita identificar os erros cometidos, avaliar as suas consequências e elaborar recomendações para serem tidas em conta nos projectos futuros a nível nacional Fase de Execução A conjugar com as consequências de erros na fase de projecto é na fase de execução que depende da mão-de-obra dos materiais e da organização e gestão do estaleiro que verificamos a origem de repetição de erros sistemáticos que condicionam a qualidade final da construção e a própria viabilidade económica dos próprios construtores, que para além de terem acumulado patologias e disfunções nas construções que representam a médio e longo prazo custos de reparação e sociais com significado. O actual estado do mercado da construção propicia a possibilidade, senão mesmo a obrigatoriedade, de reflectir sobre aspectos como a pouca produtividade e as verbas investidas na correcção de erros construtivos, comuns a muitas empresas de construção. Cada construção constitui por si, só uma solução diferente da anterior para resolver o programa específico de uma dada situação, para um local preciso e para um determinado cliente com necessidades próprias. Como apresentado nos anteriores capítulos a fase de execução de obra é responsável por uma grande percentagem de custo de não-qualidade. Embora os últimos anos se tenha registado uma grave crise no sector, os maus procedimentos de execução em obra tem origem no boom da construção onde se registou: - Aparecimento acelerado e em grande número de empresas de construção pouco qualificadas; - Mão-de-obra pouco adaptada aos novos materiais e exigências construtivas; - Escoamento do produto construído independentemente da sua qualidade; - Criação de uma clima de impunidade face aos maus procedimentos em obra; - Substituição das boas práticas da construção por métodos mais céleres e de pouca qualidade. 84 Humberto Gonçalves Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil

111 CAPITULO III Compreender as Causas das Patologias nas diferentes Fases de um Empreendimento Apesar do estado actual do mercado e após uma década à excepção do escoamento do produto construído todos os itens se mantém. Tendo em conta o estado tecnológico e evolução das técnicas construtivas porque continuamos a assistir a erros de execução? As Estruturas das maiores empresas de construção apenas gerem uma cadeia interminável de sub-sub-sub empreitadas; Tendo em conta a elevada quantidade de subempreiteiros em obra com diferentes interesses resulta uma deficiente interligação com os diversos subempreiteiros. Ao longo dos anos esvaziaram categorias profissionais importantes como preparador de obra, medidor; A não qualificação da mão-de-obra, dado a necessidade de formação profissional atestada por entidade reconhecida que comprovasse os saberes fazeres da cada categoria profissional, iniciativa que melhorava as competências em obra; O questionável aumento de velocidade exigida ao processo de construção; A forma como a justiça é lenta e burocrática levando a um espirito de desresponsabilização entre os intervenientes em caso de conflito; A rápida evolução de diferentes materiais e técnicas construtivas leva a muitas vezes a um desconhecimento das propriedades dos materiais e componentes aplicados nas empreitadas; A fragmentação do sector em diversas associações com as mesmas funções impede a evolução do grupo dos empresários do sector. Na fase de execução a aplicação de materiais não conforme dá origem a patologias pelo que é essencial atestar em obra os requisitos dos materiais encomendados e recepcionados. Porque os materiais falham? A não realização de um estudo do comportamento dos materiais através de ensaios rigorosos antes da comercialização; A Homologação/certificação por vezes insuficiente como demonstram os resultados em obra de sistemas constituídos por materiais deviamente certificados e homologados que não resistem às acções que ficam solicitados no local da obra. O sector da construção não investe o suficiente no desenvolvimento tecnológico de novos materiais. Humberto Gonçalves Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil 85

112 CAPITULO III Compreender as Causas das Patologias nas diferentes Fases de um Empreendimento Contrato Planeamento Plano de Qualidade Gestão do Risco Cliente Projecto Fiscalização Segurança e Ambiente Empreiteiro Sub-empreiteiros Mão-de-obra Equipamentos Sucesso Figura 6 Ingredientes para o sucesso da execução de uma empreitada Figura 7 Os diferentes Players na execução de uma obra A prevenção de patologias nas construções recentes passará pela implementação de métodos e cuidados durante a fase de execução. Em estudos realizados por Gryna, 1988 já revelamvam que a falta de motivação foi a principal causa dos custos com os defeitos em três dessas 86 Humberto Gonçalves Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil

113 CAPITULO III Compreender as Causas das Patologias nas diferentes Fases de um Empreendimento quatro fontes. Esta causa foi responsável por 50% dos custos dos defeitos com origem na direcção de obra, 69% dos custos dos defeitos com origem na mão-de-obra e 47% dos custos dos defeitos com origem nos subempreiteiros. Para a causa, assim esta é considerada o motivo comprovado para a existência de um defeito. Foram definidas 5 categorias para identificação das causas dos defeitos: (falta de) conhecimento, (falta de) informação, (falta de) motivação, stress e risco. O conhecimento é composto pelas competências (skills) e pela experiência e é definido como a informação e compreensão que uma pessoa tem sobre determinado assunto. O termo risco representa a existência da possibilidade de ocorrer um defeito. Em média, 50% dos custos com defeitos são atribuídos à falta de motivação, estando esta patente nas omissões e negligência do pessoal. Poucos dos defeitos provocados por falta de motivação foram intencionais. A falta de conhecimento foi, em média, a causa de 29% dos custos com os defeitos. A falta de informação foi a causa do terceiro maior valor médio de custos dos defeitos, contabilizando em média 12% dos custos. Os restantes 9% de custos com defeitos estão repartidos entre stress (6%) e risco (3%). A identificação das causas dos defeitos foi complexa, o que aconselha a uma extrapolação prudente destes resultados. (Gryna,1988). Josephson e Hammarlund (1999) os autores apontam algumas causas de raiz para a existência dos defeitos encontrados na sua investigação relativamente à fase de execução de obra: Espaço de tempo reduzido para realização do empreendimento; Composição da estrutura organizacional do empreendimento nos empreendimentos em que as pessoas envolvidas já haviam anteriormente trabalhado em conjunto os trabalhos decorreram consideravelmente melhor do que nos empreendimentos em que tal não aconteceu; Pressão para minimizar o custo dos empreendimentos esta pressão propagou-se do cliente para o empreiteiro, deste para os subempreiteiros e por ai em diante; Reduzido apoio à direcção de obra por parte da administração das empresas de construção; Escassez de acções de motivação dos trabalhadores de obra. Humberto Gonçalves Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil 87

114 CAPITULO III Compreender as Causas das Patologias nas diferentes Fases de um Empreendimento Qualidade, Ambiente e Segurança Subempreiteiros Gestão Contratual Mão-de-obra e Equipamentos Factores Críticos Projectos Fiscalização da obra Gestão do Risco Cliente Figura 8 Factores críticos que condicionam a fase de execução Empreiteiro Geral: O empreiteiro geral tem a função de coordenar e responsabilizar-se por todas as actividades da obra, e pelos recursos a estas afectas. É também a entidade responsável pela boa execução da obra e pela garantia perante o Dono de Obra. Embora o lei dos alvarás exija um quadro técnico mínimo nas empresas de construção esta exigência é insuficiente para garantir um mínimo de pessoal próprio afecto às empreitadas, proliferando as extensas cadeias de subcontratações nas empreitadas afectando negativamente a qualidade final do produto pela sucessiva transferência de responsabilidades e inexistência de controlo na fase de execução. Subempreiteiros: Os Subempreiteiros são caracterizados por estruturas empresariais de reduzida dimensão. A principal valia destas empresas é a sua especialização e coordenação para efectuar uma determinada actividade específica, conseguindo preços mais competitivos para o empreiteiro geral. No entanto e perante o contexto económico desfavorável estas são as primeiras a sentir os efeitos da crise na sua fraca capacidade financeira. 88 Humberto Gonçalves Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil

115 CAPITULO III Compreender as Causas das Patologias nas diferentes Fases de um Empreendimento Fiscalização: O Dono de obra requer da fiscalização a garantia mínima da qualidade da obra. Os processos de controlo dos trabalhos efectuados dependem do tipo de promotor do empreendimento e da finalidade com que este é construído. Em determinadas situações os meios investidos e a capacidade de controlo da empreitada daí resultantes são, por isso, consequência directa do target a que se destina o produto final. Fornecedores :A escolha do fornecedor recai nos de menor preço e naqueles que apresentam um conjunto de condições de pagamento e custo global mais favoráveis ao empreiteiro. Este factor de escolha nem sempre garante um bom andamento dos trabalhos, sendo frequente o atraso das obras por demoras nos fornecimentos. Uma escolha fundada na capacidade e historial de fornecimento do fornecedor raramente é equacionada. Na gestão estratégica de projectos, estes são submetidos a sete forças indicados na figura 10. Figura 9 - Adaptado The seven forces model of project-based management (Turner, 1999) Humberto Gonçalves Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil 89

116 CAPITULO III Compreender as Causas das Patologias nas diferentes Fases de um Empreendimento Figura 10 A comunicação entre dos diferentes intervenientes da obra A Informação suporta toda a comunicação, a construção é um trabalho de equipa com base em informações (produção de informação e troca de comunicação / informação). Envolve diferentes pessoas que têm educação distinta e desempenham papéis diferentes; Malentendidos e informações perdidas são problemas frequentes que têm consequências directas no resultado final. E necessário um canal de comunicação sem interferências de compreensão mútua, em que todos estejam no mesmo comprimento de onda A falta de compatibilização dos projectos das diversas especialidades No projecto será pois de prever e compatibilizar as diferentes especialidades suas interferência de forma a minimizar os seus aspectos negativos e a programar, em tempo útil, as necessidades das diferentes instalações. Esta actividade durante a fase de projecto requer investimento de tempo e de recursos humanos e logísticos para ser efectuada. A compressão dos preços de projecto por parte dos donos de obra e a imposição de diminuir prazos para a sua elaboração são duas premissas por si só exclusivas uma da outra, tornando esta actividade de risco elevado para o empreiteiro, uma vez que uma compatibilização de projectos mal executada acarreta graves implicações durante a fase de execução de obra como; 1. Escassez de espaço adstrito à localização dos equipamentos das diversas especialidades; 2. Inexistência de negativos previstos no projecto de estruturas para os atravessamentos das tubagens de água, esgotos, electricidade, telefones e AVAC, que resultam frequentemente no atravessamento de elementos estruturais sensíveis por negativos para tubagens das diversas especialidades e mesmo inúmeros conflitos entres as diferentes especialidades; 90 Humberto Gonçalves Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil

117 CAPITULO III Compreender as Causas das Patologias nas diferentes Fases de um Empreendimento 3. Incompatibilidade de cotas entre zonas exteriores e interiores para uma drenagem eficaz das águas pluviais (incidência nas zonas de coberturas planas, terraços e varandas); 4. Impossibilidade de colocar algumas das tubagens nas espessuras previstas para os enchimentos e regularização de pisos da obra; Embora haja legislação especifica para o projecto de execução e para a coordenação do projecto, continua-se a registar uma grande falhas na compatibilização dos projecto, pelo que os empreiteiros devem criar condições internas e procedimentos expeditos para analisar, verificar e triar possíveis incompatibilidades entre as diferentes especialidades de modo a evitar derrapagens no prazo, custos de obra e custos de não-qualidade. Revisão das medições As medições são umas das peças dos projectos que mais frequentemente se apresentam defeituosas elaboradas e com omissões e erros, face a isto as empresas têm de se precaver fazendo uma revisão detalhada das medições. Compreender o Processo de Desenvolvimento de um Projecto O desenvolvimento de projectos é um processo complexo e que requer grandes recursos. No entanto, é possível analisar todos os projectos em termos de um ciclo de vida comum, que compreende uma série de etapas. Estas etapas estão ilustradas na figura abaixo, seguindo-se breves explicações acerca de cada uma delas. Embora estas etapas estejam ilustradas de uma forma sequencial, algumas podem ser efectuadas simultaneamente. Humberto Gonçalves Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil 91

118 CAPITULO III Compreender as Causas das Patologias nas diferentes Fases de um Empreendimento Figura 11 Ciclo de desenvolvimento de um projecto Especificação e Viabilidade do Projecto A primeira etapa do ciclo do projecto é a definição de quais são os seus requisitos e a forma como podem ser satisfeitos, incluindo-se aqui a decisão da dimensão e da qualidade da instalação que é necessário construir. Nesta fase vão ser avaliadas diferentes opções em termos de estimativa geral de custos, desempenho operacional esperado e benefícios económicos. Nesta etapa pode-se tentar fazer uma estimativa preliminar dos custos. Às análises de custo/benefício, quer sejam formais ou informais, seguir-se-ão a especificação inicial do projecto. O objectivo é examinar se o projecto, tal como especificado, será economicamente viável ou produzirá uma mais-valia dos recursos a utilizar. Relegar a elaboração destes estudos de viabilidade para uma fase posterior ao início do projecto (o que acontece frequentemente na prática) pode significar que problemas potenciais não sejam apreendidos a tempo de influenciar o planeamento do projecto. 92 Humberto Gonçalves Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil

119 CAPITULO III Compreender as Causas das Patologias nas diferentes Fases de um Empreendimento Embora a avaliação económica e financeira do projecto seja provavelmente o elemento mais evidente da fase de viabilidade, existem factores externos que podem desempenhar um papel importante na determinação da continuidade de um projecto. O contexto político de um projecto, a sua relação com a comunidade local, o contexto económico geral, a sua localização e as condições físicas em que será construído, são os factores externos mais importantes. Concepção Geral Iniciar-se-ão então os trabalhos para desenvolvimento dos planos para o projecto. Estes planos estabelecerão os parâmetros gerais de concepção de um esquema e incluirão todos os principais componentes do projecto. A função da concepção geral é a de fornecer: A base de uma concepção pormenorizada e uma estimativa precisa de custos do esquema; a informação necessária para o planeamento e para o processo de aquisição do terreno. Financiamento O financiamento de um projecto envolve a tomada de medidas necessárias para angariar os fundos adequados destinados ao pagamento do desenvolvimento e funcionamento de um projecto claramente definido. Em alguns casos é igualmente necessário angariar fundos para cobrir os custos de manutenção e funcionamento. Para a maior parte dos projectos, os principais elementos de financiamento são: Financiamento do desenvolvimento para pagar as fases de estudo de viabilidade e a concepção inicial; Financiamento da construção para pagar as despesas imobiliárias; Financiamento de contingência para permitir cobrir custos superiores aos previstos e atrasos. A estrutura e a forma de financiamento serão influenciadas pela natureza do projecto. Para alguns projectos, a maior parte dos fundos será proveniente de fontes locais ou do governo central. Noutros casos, o projecto será gerador de rendimentos os quais serão utilizados para pagar os empréstimos, a manutenção e o funcionamento. Alguns projectos podem, igualmente, envolver a contribuição do sector privado, que pretende deter e controlar uma parte ou a totalidade do capital. Humberto Gonçalves Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil 93

120 CAPITULO III Compreender as Causas das Patologias nas diferentes Fases de um Empreendimento Boa Gestão de Projectos Projectos que foram objecto de uma boa gestão, os seus promotores puderam fornecer respostas positivas às seguintes questões: O cliente dispõe da capacidade necessária para administrar e gerir grandes projectos? O cliente tem experiência na adjudicação de contratos? O cliente e o empreiteiro já trabalharam em conjunto anteriormente? O cliente avaliou as questões-chave e as principais áreas de risco? O cliente compreende e sabe aquilo que deseja? Os factores-chave para o sucesso foram: Relação de trabalho estreita entre o cliente e o empreiteiro desde o início que envolveu o pessoal superior; Definição clara da concepção do produto final por parte do cliente; Acordo antecipado do orçamento total do cliente; Tempo suficiente para desenvolver o plano do cliente e levar a cabo o exercício de gestão de optimização de recursos; Recurso aos desenhadores do cliente para componentes especiais, evitando assim, problemas de especificação; Abordagem flexível durante a fase de concepção de forma a incluir as alterações do cliente; Acordo de uma especificação pormenorizada para o projecto antes do trabalho de construção; Nomeação, por parte do cliente, de um gestor de projecto sénior permanente para controlar as relações entre o empreiteiro, o gestor do aeroporto e o público; 94 Humberto Gonçalves Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil

121 CAPITULO III Compreender as Causas das Patologias nas diferentes Fases de um Empreendimento Realização durante dois dias, de um exercício formal de construção entre todos os colaboradores do cliente e a equipa de projecto do empreiteiro para fomentar uma boa relação de trabalho; Constituição de uma equipa experiente para a gestão do projecto. O cliente preparou uma especificação pormenorizada definindo exactamente quais seriam os requisitos técnicos, estéticos e contratuais; Os prazos para preparação da candidatura e conclusão do projecto foram realistas; As investigações pormenorizadas ao local ficaram sob a responsabilidade dos proponentes; O empregador concordou em pagar mais pelas investigações do solo, reconhecendo a existência de condições adversas; O cliente e o empreiteiro já tinham trabalhado em conjunto anteriormente; Cliente respeitou o plano e não foram introduzidas alterações; O cliente constituiu uma equipa de engenharia experiente para proceder à auditoria do sistema de garantia de qualidade do empreiteiro e dar apoio contínuo em termos de novas abordagens de engenharia e gestão de tráfego Fase de Utilização / Manutenção A cultura reactiva existente em Portugal, associada a uma legislação quase inexistente, constitui um obstáculo à mobilização de meios adequados à prática da manutenção. Numa sociedade cada vez mais competitiva e no actual contexto de crise internacional, os recursos financeiros devem ser aplicados com critérios de rigor e exigência, incidindo particularmente na implementação de planos de inspecção e manutenção de edifícios. Nas últimas décadas, observou-se em Portugal um elevado crescimento do volume de construção nova. A ausência de políticas adequadas às necessidades de manutenção ao longo da vida útil do edifício e a falta de informação dos responsáveis pela gestão do edificado e Humberto Gonçalves Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil 95

122 CAPITULO III Compreender as Causas das Patologias nas diferentes Fases de um Empreendimento próprios utentes originaram elevados graus de degradação do parque habitacional e o envelhecimento precoce ao nível dos elementos constituintes do edifício. A falta de investimento, que se tem verificado em Portugal em trabalhos de reparação e manutenção do edificado, tem-se revelado muito penalizadora para o desempenho económico do país (no período 1985/2009, apenas 20% do número de licenças emitidas para edifícios de habitação se referiam a trabalhos de manutenção e reparação, face a 80% relativos a construção nova). Numa sociedade cada vez mais competitiva e no actual contexto de crise internacional, os recursos financeiros devem ser aplicados com critérios de rigor e exigência, incidindo especialmente na implementação de planos de inspecção e manutenção de edifícios. Na temática dos planos de manutenção, destacam-se o Brasil, o Canadá, Espanha, os Estados Unidos, a França, a Itália, o Japão e o Reino Unido, os quais apresentam: bases de dados com os defeitos mais correntes; prática de inspecções nacionais para avaliação do estado de conservação dos edifícios e sua monitorização; planos a longo prazo das operações de manutenção; existência de registos de todas as intervenções e de bases de dados com custos de manutenção (Flores, 2002). Verifica-se uma necessária alteração urgente da actual conjuntura nacional, com o objectivo de melhorar a qualidade de vida das populações e a sustentabilidade da economia. Deste modo, constatou-se uma mais-valia a implementação de acções de formação, pois a documentação técnica e normativa, em Portugal, é muito reduzida. Contudo, tem-se assistido a um esforço considerável de mudança, quer a nível governamental (criação de uma comissão para elaboração do novo RGE), quer a nível universitário (Flores, 2002); (Madureira, 2011). As envolventes exteriores assumem cada vez mais um papel predominante, pois estão associadas a um conjunto de factores determinantes para a utilização com conforto de um determinado edifício e provam ser os elementos mais susceptíveis à acção dos agentes atmosféricos (cada vez mais agressiva devido à poluição ambiental e industrial), refutando assim a hipótese da degradação prematura do sistema de coberturas ser apenas consequência de ineficaz concepção e execução dos elementos constituintes. 96 Humberto Gonçalves Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil

123 CAPITULO III Compreender as Causas das Patologias nas diferentes Fases de um Empreendimento Gráfico 17 Reclamações devidas a deficiências no processo construtivo O gráfico acima demonstra os pontos da envolvente exterior que mais sofrem reclamações devido a deficiências do processo construtivo como é o caso de fissuração em fachadas, pavimentos danificados, infiltrações e humidades e pinturas com patologias. A implementação de planos de inspecção e manutenção de coberturas e de fachadas permite acompanhar o desempenho dos diversos elementos construtivos e assim compreender as condições de serviço estipuladas, as características, modelos e agentes de degradação, os tipos de anomalias e respetivas causas, com o intuito de preservar os níveis de qualidade prédefinidos, optimizar os custos financeiros e garantir a satisfação dos utilizadores. Na primeira metade do séc. XVIII a.c., o comportamento do edifício em serviço já era uma preocupação real. O Código de Hammurabi (Rei da Babilónia) evidenciava essa preocupação no desempenho do edifício, definindo penas severas ao responsável, quando se verificassem danos no edifico. A Lei n.º 229 inserida do Código de Hammurabi referia que Se um construtor construir uma casa para outrem e não a fizer bem-feita, ela cair e matar seu dono, então o construtor deverá ser condenado à morte. A Lei n.º 233, na mesma linha da anteriormente referida, responsabiliza o construtor pelas anomalias verificadas na obra: Se um construtor construir uma casa para outrem, e mesmo a casa não estando completa, as paredes estiveram em falso, o construtor deverá às suas próprias custas fazer as paredes da casa sólidas e resistentes. (Código de Hammurabi). Humberto Gonçalves Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil 97

124 CAPITULO III Compreender as Causas das Patologias nas diferentes Fases de um Empreendimento No Império Romano (Roma, 393 d.c.) a constituição de Graciana, Valentiniano e Teodósio, impunha para as construções uma garantia de quinze anos, responsabilizando o construtor e o seu património. Vitruvius, arquitecto romano, no seu tratado de arquitectura, actualmente conhecido como Os Dez Livros de Arquitectura trata a forma como manter e cuidar os edifícios. Refere que os edifícios devem ser construídos com durabilidade, conveniência e beleza, a famosa tríade vitruviana firtmitas, utilitas e venustas. Construir com durabilidade sempre foi uma preocupação desde os tempos mais remotos. Esta preocupação foi sendo vertida na forma como se projectavam os edifícios, na forma como se construíam, nos materiais que se empregavam, na forma como se utilizavam os edifícios, na forma como se mantinham. Ao longo da história da arquitectura e da construção foram surgindo referências à preocupação do desempenho do edifício em serviço, ou seja a sua durabilidade. No entanto, os estudos existentes dirigem-se fundamentalmente para a previsão da vida útil não existindo trabalho desenvolvido no âmbito da concepção arquitectónica, de cariz mais prático e pragmático. Em França em 1804, Napoleão deliberou o Código de Napoleão que impunha uma garantia de dez anos (garantia decenal), responsabilizando o construtor e os projectistas. No dia 27 de Abril de 2013 no jornal semanal Expresso informava um alerta vermelho, cerca de um terço do património nacional necessitava de intervenções urgentes. Ameaçados pela degradação de décadas em que a sua conservação foi esquecida. Esta notícia relata o relatório sobre o estado do património cultural, remetido pela secretaria de estado da cultura, onde constam nomes emblemáticos do nosso rico património como o Convento de Cristo em Tomar, Mosteiro dos Jerónimos, Torre de Belém, Sé Velha de Coimbra e Castelo de Alcácer do sal, etc. Esta notícia é um espelho cultura de conservação e manutenção Portuguesa. Para além de todo o património edificado de Norte a Sul, Portugal neste momento apresentase como um país fortemente edificado, com recentes e abundantes infra-estruturas, no entanto urge o grande desafio futuro, garantir a conservação e manutenção. A maior parte das intervenções nos edifícios em Portugal são reactivas e não preventivas sendo que grande parte destas quando actuação tardia origina outras patologias mais graves ou levando a outras patologias mais severas nos edifícios. 98 Humberto Gonçalves Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil

125 CAPITULO III Compreender as Causas das Patologias nas diferentes Fases de um Empreendimento Esta cultura reactiva existente no nosso País, associada a uma legislação generalista que apenas obriga à manutenção dos edifícios de 8 em 8 anos (RGEU, 2006) constitui um obstáculo na mobilização dos meios adequados à prática da manutenção. Nesta perspectiva, não surpreenderá o afastamento que o nosso sector da manutenção / reabilitação residencial apresenta relativamente à média da União Europeia, a qual representa cerca de 33% da actividade de construção, face aos cerca de 4 % apresentados por Portugal (Sequeira, 1999). No entanto a legislação deve ser mais rigorosa e objectiva, de modo a alterar esta cultura reactiva de intervenção que quando tardia seja por parte do dono de obra seja por parte do empreiteiro. Durante o prazo de garantia dos edifícios é importante a manutenção através de operações periódicas de manutenção para evitar maiores encargos à posterior. Sem nunca esquecer um desenvolvimento sustentável. Anteriormente referenciou-se a importância da qualidade do projecto para os custos de manutenção e exploração durante a fase de utilização da obra. Os custos com o desgaste de materiais inadequados para as soluções, os consumos de energia, os custos dos consumíveis, da manutenção dos equipamentos electromecânicos, da vigilância e do comportamento global das obras. Com a incorporação de novos materiais na construção com ciclos de vida dos materiais e dos componentes da construção, os utilizadores deparam-se com custos inesperados de conservação e manutenção, tornando um fardo pesado de suportar. Segundo dados da OZ, Diagnostico, levantamentos e controlo de qualidade de estruturas, Lda. cerca de 2 a 5% dos custos totais envolvidos pela construção e exploração de um edifício correspondem à concepção, projecto e fiscalização; 15 a 20% à construção e o restante à exploração e manutenção, figura 2.6. (OZ, 2008): Humberto Gonçalves Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil 99

126 CAPITULO III Compreender as Causas das Patologias nas diferentes Fases de um Empreendimento Gráfico 18 Distribuição de custos (OZ, 2008). Os elevados custos relacionados com as necessidades de manutenção e de reabilitação das edificações que os utilizadores têm de suportar durante o ciclo de vida dos empreendimentos, fizeram aumentar a preocupação com a análise do seu custo global. No Reino Unido, este problema aparece tratado em dois documentos, o Latham Report e o Egan Report. O primeiro destes relatórios, Construction The Team, de Michel Latham, publicado em Julho de 1994, refere que o custo global de um empreendimento não se resume ao seu custo durante a fase de construção, mas ao seu custo de todo o seu ciclo de vida, ou seja, para seu cálculo devem ser contabilizados os custos de manutenção, reparação, alteração e demolição parcial ou total. Os projectos que contemplem a problemática da manutenção e de todas as intervenções posteriores à construção, pode traduzir-se numa maior durabilidade do edificado e em custos mais baixos de utilização. Na fase do projecto deverá ser indicado um plano de manutenção e utilização ou um manual de inspecção e manutenção da edificação definido na proposta de alteração do actual RGEU, onde se registarão todas as acções de manutenção a realizar, a sua periodicidade, as recomendações de utilização e outras particularidades. Este documento deverá estar em consonância com a Compilação Técnica, da regulamentação de segurança, Decreto-Lei 273/2003, de 29 de Outubro, também designado por Plano de Utilização e Manutenção (Dias, 1999), que resulta da necessidade de cumprir os princípios gerais de prevenção dos riscos existentes, durante as operações de manutenção (Flores, 2002). 100 Humberto Gonçalves Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil

127 CAPITULO III Compreender as Causas das Patologias nas diferentes Fases de um Empreendimento Os projectistas apresentam um papel principal na escolha adequada das soluções tecnológicas, dos materiais (durabilidade e funcionalidade), dos custos envolvidos e na previsão de acessibilidades e de condições de segurança para a execução das operações de manutenção a implementar durante a vida útil dos edifícios (Flores, 2002). A opção de soluções técnicas mais económicas (menor custo inicial) poderá corresponder às situações efectivas de maior custo global, associadas a onerosos encargos de manutenção. Na proposta do novo regulamento geral das edificações urbanas, no Artigo 117º a vida útil é definida apenas para a estrutura do edifício, para a qual prescreve um valor de referência de cinquenta anos. No entanto, para cada componente do edifício, a sua vida útil é definida pelo respectivo fabricante, com base em características de deterioração obtidas pela experiência da respectiva utilização. Para fazer face a esta situação a legislação de controlo da qualidade é apenas obrigatório por lei a ficha técnica da habitação e a compilação técnica. Inexistência da obrigatoriedade de controlo da qualidade (com excepção do RSECE). O RCCTE exige temperaturas mínimas de conforto no interior das casas de forma a evitar o aparecimento de condensações. No artigo 14.º nas condições interiores de referência indica as condições ambientes de conforto de referência são uma temperatura do ar de 20 ºC para a estação de aquecimento e uma temperatura do ar de 25ºC e 50% de humidade relativa para a estação de arrefecimento. Refere ainda a necessidade de renovação do ar para garantia da qualidade do ar interior de 0,6 renovações por hora. Hoje os clientes estão mais conscientes dos custos. Nos inquéritos realizados pelo observatório da Construção (UTAD), os gastos elevados de aquecimento são considerados um factor de não qualidade por 51,9 % dos entrevistados, sendo que nesta data o custo do petróleo era bem mais baixo que hoje. Sendo grande parte das patologias do pós-venda inexistência de manutenção inadequadas políticas de manutenção / reabilitação, a par de políticas de arrendamento anteriores os aspectos relacionados com a manutenção dos edifícios são quase sempre descurados e, só quando se verificam problemas de funcionalidade e de segurança de alguns elementos se dá a devida relevância às questões da manutenção. Uma das causas para a situação actual deve-se à falta de regulamentação em Portugal, apesar de sermos uns país aparentemente rico pelas onerosas soluções construtivas que assistimos nas escolares parque escolar, em que o orçamento das obras chegam a pesar cerca de 30% do seu custo para a instalações técnicas que acabam por ficar a deteriorar-se nas coberturas Humberto Gonçalves Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil 101

128 CAPITULO III Compreender as Causas das Patologias nas diferentes Fases de um Empreendimento das escolas ou acabam por ser desligadas devido à insuportável factura de electricidade e custos de manutenção mensal. Temos o dever de entender quem somos e que dinheiro temos e aproveitar o clima do país para novas soluções técnicas que visem a redução de custo de manutenção e utilização. De referir o caso do conceito da passive house que tem pontos fortes, no entanto deve-se ter atenção com as devidas adaptações para Portugal. Devido à crise começamos a entender que tudo tem um preço e que a importação cega das directivas quadro por vezes não servem para as condições especificas de cada país, faltando uma adaptação ao clima, poder de compra de cada estado membro. A Portaria n.º 701-H/2008 de 29 de Julho instruções para a elaboração de projectos de obras introduz algumas novidades de utilidade para a fase de utilização e manutenção como é o caso das «Telas finais», o conjunto de desenhos finais do projecto, integrando as rectificações alterações introduzidas no decurso da obra e que traduzem o que foi efectivamente construído. A assistência técnica especial», os serviços complementares a prestar, quando contratualmente previstos, pelo Projectista ao Dono da Obra, visando a apreciação da qualidade de equipamentos, elementos ou ensaios ligados à execução da obra, à sua monitorização ou manutenção, bem como à recepção da obra. No artigo 4.º da portaria faz referência à estimativa geral do custo da obra, tomando em conta os encargos mais significativos com a sua realização e análise comparativa dos custos de manutenção e consumos da obra nas soluções propostas. Para além da assistência técnica e assistência técnica especial, apresenta no artigo 82.º serviços suplementares os condicionamentos a nível de exploração, acesso e manutenção dos sistemas e equipamentos. No artigo 43.º anteprojecto refere para o dimensionamento dos espaços técnicos principais, centrais e percursos verticais e horizontais, acima dos tectos falsos ou sob os pavimentos sobreelevados, e indicação das condições de acesso para manutenção ou reparação, os aspectos a ter em conta na inspecção, observação, manutenção e conservação da obra, equipamentos de serviço, nomeadamente acessos para inspecção e manutenção, condições económicas relativas à exploração, manutenção conservação da obra e especificação de actividades periódicas de observação e de manutenção durante a vida útil da obra. Actividade europeia do sector da manutenção 102 Humberto Gonçalves Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil

129 CAPITULO III Compreender as Causas das Patologias nas diferentes Fases de um Empreendimento Nos países mais desenvolvidos da União Europeia, a preocupação pela manutenção do parque habitacional e pela qualidade de vida dos utentes é cada vez maior nos últimos anos. Deste modo, a definição de mecanismos de apoio para a implementação da manutenção e reabilitação (M&R) é cada vez mais frequente, no sentido de responder às necessidades de conservação dos edifícios (Leite, 2009). Segundo o EuroConstruct (2008), foi realizada uma avaliação da produção no sector da construção civil nos 19 países pertencentes a esta rede, a qual foi quantificada em mais de 1500 mil milhões de euros. Com base neste estudo, verificou-se que o subsector residencial, mesmo não sendo o mercado mais dinâmico, representava ainda em 2007 quase metade desse mercado, ou seja, 718 mil milhões de euros, representado na figura abaixo. No entanto, na construção de edifícios não residenciais e na manutenção dos edifícios já edificados, os investimentos existentes eram ainda bastante reduzidos (cerca de 480 mil milhões de euros), tendo em conta a necessidade de melhoria das condições de desempenho e qualidade do parque edificado e dos respectivos utentes. O subsector no qual se fez menos investimentos foi no das obras públicas, em que foram aplicados apenas 319 mil milhões de euros (cerca de 21% do valor total aplicado no sector da construção civil). Gráfico 19 Mercado da construção na Europa em 2007 (Adaptado de Euroconstruct 2008). O RJUE - Regime Jurídico da Urbanização e da Edificação na secção IV Utilização e conservação do edificado, artigo 89º refere o dever da conservação com uma periocidade mínima de 8 anos, sendo que podem ser ordenadas obras coercivas de conservação ordenada pela câmara municipal incluindo a demolição total ou parcial coerciva ordenada pela Câmara municipal sempre com prévia notificação ao proprietário. A periodicidade da intervenção está relacionada com o tipo de intervenção; o nível exigido de qualidade e o grau e tipo de deterioração patentes, em cada elemento. O estabelecimento de uma periodicidade de Humberto Gonçalves Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil 103

130 CAPITULO III Compreender as Causas das Patologias nas diferentes Fases de um Empreendimento intervenção permite racionalizar as estratégias da mesma, no pressuposto de que um encurtamento excessivo na periodicidade das operações de manutenção terá sempre, como consequência, encargos supérfluos e desnecessários. Na proposta de alteração do regulamento geral de edificações urbanas, o Artigo 119º, manutenção, estabelece que o proprietário ou proprietários assegurem a realização de inspecções periódicas correntes e especiais, de acordo com o respectivo Manual de Inspecção e Manutenção da Edificação. Assim, no caso de edifícios possuidores do respectivo manual, a periodicidade é de 15 meses para inspecções periódicas correntes, destinadas a detectar anomalias que devem ser registadas nas fichas de inspecção e originar as acções indicadas no respectivo manual, enquanto que no caso de edificações sem Manual de Inspecção e Manutenção da Edificação, prescrevem-se inspecções periciais, pelo menos uma vez em cada período de oito anos, devendo o proprietário proceder à correcção das deficiências. O RSECE no artigo 21.º faz referência à obrigatoriedade de um técnico responsável pelo bom funcionamento dos sistemas energéticos de climatização, incluindo a sua manutenção e pela qualidade do seu ar interior, bem como pela gestão da respectiva informação técnica. Estes técnicos têm qualificações mínimas exigidas para o exercício das funções. Esta lei é a única que faz referência à obrigatoriedade de um técnico responsável pela manutenção. Numa perspectiva a longo prazo o edifício deverá ser entendido como entidade global com um propósito funcional, para a definição dos diferentes tipos de inspecção, trabalhos de manutenção e eventuais reparações A hierarquia dos objectivos do Plano de Manutenção é: 1. Redução dos efeitos devidos a colapso e garantia de segurança; 2. Garantia de condições de higiene e salubridade; 3. Garantia de condições de uso do edifício; 4. Uso eficiente de recursos energéticos e minimização de custos de manutenção. A tomada de decisões relativas às actividades de manutenção e reparação pode ser influenciada pela existência de um plano que caracterize as intervenções e os respectivos custos. Torna-se assim evidente que a análise de um edifício não acaba no momento da finalização da construção, mas que se deve prolongar durante a vida útil. Este princípio será 104 Humberto Gonçalves Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil

131 CAPITULO III Compreender as Causas das Patologias nas diferentes Fases de um Empreendimento igualmente importante no caso dos edifícios de recente construção em que as instalações especiais (ar-condicionado, elevadores, sistemas inteligentes de gestão, aquecimento central, detecção de incêndio) constituem um dos principais elementos da construção. Por outro lado a definição em projecto de regras de manutenção associadas a manuais de utilização permitem um melhor controlo de custos ao longo da vida útil do edifício e também a elaboração de cronogramas destinados a potenciar as intervenções necessárias. (Ferreira, 2009) A fase de manutenção é normalmente aplicada a equipamentos mecânicos vitais ao bom funcionamento dos edifícios. São exemplos disso os elevadores em que a manutenção é obrigatória, os equipamentos de exaustão, ventilação, ar condicionados, etc. No que diz respeito à manutenção na envolvente do edifício verifica-se que esta é frequentemente esquecida, quer pela sua amplitude no tempo, quer pela lenta depreciação do edifício, o que origina uma ideia de perpetuidade do edifício, não sendo, por vezes, imediatamente perceptível, o estado de degradação de certos elementos. É nestes elementos que se apresentam as coberturas. Além da pouca perceptibilidade de degradação no tempo, estes elementos não estão visíveis e aquando da verificação de ocorrências de anomalias nestes elementos, estes já se encontram num estado adiantado de degradação dos componentes onde ocorrem. Actualmente, a maioria dos trabalhos de manutenção executados na fase de exploração são provenientes de uma política de manutenção reactiva, ou seja estão, quase sempre associados a situações de emergência que necessitam de resolução rápida. Estas intervenções imprevistas ocasionam oscilações nos custos de manutenção / exploração anuais. A procura de minimização dos custos, no entanto origina, por vezes, a adopção de técnicas não adequadas mas financeiramente mais económicas que, ao fim de algum tempo, por não resolverem os problemas, são novamente aplicadas. (Ferreira 2009) Segundo I. Flores (2002), uma estratégia de manutenção quer-se clara nos objectivos e métodos a aplicar durante a fase de exploração e utilização do edifício. A gestão da manutenção deverá partir de pressupostos aceitáveis, designadamente de carácter legal e técnico (em particular as exigências de saúde e segurança), o controlo orçamental, a satisfação dos utentes e o controlo e execução dos raciocínios de manutenção. A realidade Portuguesa acerca deste assunto é através de caderno de encargos generalizadamente fracos, ausência de passagem a escrito das Regras da Arte sem referência a operações de manutenção ao longo da vida útil do empreendimento. Humberto Gonçalves Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil 105

132 CAPITULO III Compreender as Causas das Patologias nas diferentes Fases de um Empreendimento No planeamento das actividades de manutenção, é importante identificar os trabalhos que caracterizam as diferentes vertentes de actuação. Tendo em conta que a manutenção engloba necessariamente diversas operações, será oportuno caracterizar as diversas intervenções (Flores, 2002): Operações de limpeza: embora não lhes seja frequentemente atribuída a devida importância e sejam por isso minimizadas, são de grande relevância na prevenção de outras anomalias que surgem na sequência da volumação das sujidades e a acumulação de outros depósitos. Operações de inspecção: encaradas como marco importante em qualquer estratégia de manutenção no nosso país, as operações de inspecção decorrem geralmente sem qualquer apoio técnico, quase sempre recorrendo a empreiteiros mais vocacionados para a reparação das anomalias. Quando existe apoio técnico, este é normalmente solicitado por empresas de gestão de condomínios e assume um carácter curativo, ou seja associado a uma manutenção reactiva. Operações de reparação ou substituição local: estas operações enquadram-se no âmbito das operações de manutenção e têm como objectivo solucionar determinadas anomalias que se manifestam em zonas localizadas. Quando estas anomalias são oportunamente tratadas impede-se a propagação para todo o elemento. Conforme já referido, estas operações apenas devem ser executadas após análise e correcção das causas dessas anomalias, adoptando técnicas adequadas a cada tipo, de forma a evitar o aparecimento dos fenómenos de repatologia. A operação de inspecção, como o nome indica, refere-se a operações de verificação dos elementos considerados, efectuada por um técnico, com o objectivo de identificar patologias ou factores precedentes às anomalias, deteriorações prematuras, deficiência de funcionalidade do elemento, assim como todos os factores que prejudiquem o bom funcionamento da cobertura; A Manutenção: representa todas as actividades de manutenção necessárias para que os elementos mantenham o seu correcto funcionamento ao longo da sua vida útil (actividades de limpeza, pequenas reparações, etc. ) englobando assim as actividades que tendem a manter o nível inicial de qualidade do elemento; 106 Humberto Gonçalves Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil

133 CAPITULO III Compreender as Causas das Patologias nas diferentes Fases de um Empreendimento Substituição representa a substituição total do elemento em causa por este já ter atingido o seu fim de vida, correspondendo assim ao começo de um novo ciclo de manutenção e ao termo do anterior, para o elemento em causa. Associados às actividades de manutenção, existem custos dificilmente quantificáveis, os quais representam uma parte significativa dos custos globais. Na figura abaixo, a imagem do iceberg traduz a realidade dos custos de manutenção: a ponta visível representa os custos apurados contabilisticamente, por outro lado, a parte submersa representa todos os outros custos, dificilmente quantificáveis. Manutenção preventiva Figura 12 Iceberg dos custos verdadeiros da manutenção A implementação de metodologias de manutenção, desde a fase de projecto, e a sensibilização de cada interveniente, em particular gestor e/ou dono de obra, arquitecto, engenheiro, empreiteiro, fabricante, empresas de gestão de condomínios e utentes, incentivam a prática da manutenção pró-activa (actuação periódica e atempada dos problemas). Este tipo de metodologia de manutenção deve abordar os aspectos técnicos, ao nível dos materiais e soluções construtivas (modelos de degradação, durabilidades, vidas úteis, etc.). Deve, ainda, ter em conta os aspectos económicos (custos globais das soluções), aspectos ambientais e energéticos (racionalização e eficiência energética e gestão de resíduos) e funcionais (adequada utilização e manutenção acessibilidades). (Flores, 2003) Essa metodologia desenvolve-se nas seguintes actividades: análise dos elementos de projecto, recolha e sistematização de informação, planeamento das inspecções e acções de manutenção, modos de actuação, implementação das acções, correcção de anomalias imprevistas, Humberto Gonçalves Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil 107

134 CAPITULO III Compreender as Causas das Patologias nas diferentes Fases de um Empreendimento controlo/registo das intervenções, tratamento de dados e retorno de informação aos projectistas. Em suma, estes aspectos deverão ser sistematizados em planos de inspecção e manutenção, a definir na fase de concepção, caso de edifícios em projecto, ou na fase de utilização, caso de edifícios existentes. Com a definição da periodicidade das intervenções é possível identificar as grandes fases de actuação, durante a vida útil dos elementos, de forma a gerir recursos, custos e intervenções, visando garantir uma vida útil maior para as construções através do impedimento do seu envelhecimento precoce. Dentre as tarefas inerentes ao estabelecimento de um plano de manutenção e face às exigências de uma adequada utilização e manutenção dos edifícios, deve fazer parte a elaboração dos manuais de utilização para as administrações e utilizadores. Estes manuais devem conter as informações necessárias, as regras a respeitar e os cuidados a ter na utilização e manutenção correntes do edifício e das suas instalações e sistemas, sempre numa óptica da racionalização e minimização de custos e de desenvolvimento sustentável. Isto é, deve assentar em conselhos de utilização ao nível da eficiência energética, para que haja uma racionalização de energia, da utilização da água, minimização de desperdícios e uma gestão adequada dos afluentes e resíduos, promovendo e incentivando a redução, reutilização e reciclagem podendo, assim, constituir uma ferramenta de educação ambiental para utilizadores. Um dos aspectos importantes da construbilidade é a manutenção e alteração do edifício ao longo da sua vida. Os custos inerentes a estas operações podem ultrapassar os custos iniciais da sua construção. A durabilidade é importante não só em termos de intervalo de tempo em que o edifício permanecerá utilizável, mas também em termos de grau de dificuldade de detioração. Assim, materiais e componentes de baixa qualidade contribuem para aumento dos custos de manutenção e têm ciclos de substituição mais curtos. Ter-se-á pois, maior proveito económico investindo inicialmente em materiais, componentes e processos construtivos de maior qualidade (Rodrigues e Teixeira, 2004) Ficha técnica da Habitação Segundo os dados dos censos de 2001 e 2011, grande parte dos edifícios construídos em Portugal apresentam necessidade de reparação, encontrando-se muitos deles num estado 108 Humberto Gonçalves Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil

135 CAPITULO III Compreender as Causas das Patologias nas diferentes Fases de um Empreendimento muito degradado. Estes números são ainda mais preocupantes quando a falta de qualidade e durabilidade se regista em edifícios muito recentes. Assim, tendo por objectivo a protecção do consumidor adquirente de um prédio urbano ou habitação, o Decreto Lei 68/2004 de 25 de Março estabelece um conjunto de mecanismos para reforçar os direitos dos consumidores à informação e protecção dos seus interesses económicos no âmbito daquela aquisição. Neste sentido, estabelece um conjunto de obrigações para aqueles que se dedicam, profissionalmente, à actividade da construção de prédios urbanos habitacionais para comercialização, nomeadamente a elaboração e disponibilização aos consumidores adquirentes de um documento descritivo das principais características técnicas e funcionais da habitação, reportadas ao momento de conclusão das obras de construção, reconstrução, ampliação ou alteração. Este documento descritivo designa-se por Ficha Técnica da Habitação, sendo o promotor imobiliário o responsável pela sua elaboração, devendo-se manter em arquivo durante 10 anos e proceder ao depósito de um exemplar na respectiva Câmara Municipal. O conteúdo deste documento deve estar em conformidade com os projectos de arquitectura e especialidades, bem como com as alterações que ocorreram ao longo da fase de construção e do respectivo registo nas correspondentes telas finais, devendo conter: - A identificação dos principais intervenientes no processo construtor, projectista, técnico responsável da obra, promotor imobiliário; - Informação técnica sobre o loteamento (caso exista); - Informação técnica sobre o prédio urbano; Compilação Técnica da obra No que respeita à prevenção de riscos profissionais durante as intervenções de manutenção, reabilitação, demolição, realizadas na edificação, após a sua conclusão, o Decreto Lei n.º 273/2003 de 29 de Outubro identifica a compilação técnica da obra como instrumento no qual Humberto Gonçalves Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil 109

136 CAPITULO III Compreender as Causas das Patologias nas diferentes Fases de um Empreendimento constam os elementos técnicos cujo o conhecimento permite intervenções posteriores em segurança. Compete ao dono de obra providenciar para que seja elaborado este documento que deve ser transmitido ao utilizador final da edificação. Este, por sua vez, deve garantir que se procede à respectiva actualização sempre que se efectuem intervenções que posam ter influência em operações posteriores. Tal como a Ficha Técnica, o conteúdo deste documento deve estar em conformidade com os projectos de arquitectura, estruturas, especialidades, bem como com as alterações que ocorreram ao longo da fase de construção e do respectivo registo nas correspondentes telas finais, devendo conter os seguintes elementos: - Identificação completa do dono da obra, do autor ou autores do projecto, dos coordenadores de segurança em projecto e em obra, da entidade executante, bem como de subempreiteiros ou trabalhadores independentes cujas as intervenções sejam relevantes nas características da mesma; - Informações técnicas relativas ao projecto geral e aos projectos das diversas especialidades, incluindo as memórias descritivas, projecto de execução e telas finais, que refiram aspectos estruturais, as redes técnicas e os sistemas e materiais utilizados que sejam relevantes para a prevenção de riscos profissionais; - Informações técnicas respeitantes aos equipamentos instalados que sejam relevantes para a prevenção dos riscos envolvidos na sua utilização, conservação e manutenção. - Informações uteis para a planificação da segurança e saúde na realização de trabalhos em locais de obra edificada cujo o acesso e circulação apresentem riscos. Ficha Técnica da Habitação Compilação Técnica da Obra Análise Comparativa A identificação do: construtor, projectistas, técnico Identificação do dono de obra, do A compilação técnica responsável da obra, promotor imobiliário autor ou autores do projectos, dos da obra exige a 110 Humberto Gonçalves Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil

137 CAPITULO III Compreender as Causas das Patologias nas diferentes Fases de um Empreendimento Informação técnica sobre o loteamento (caso exista) Informação sobre o prédio urbano que deve incluir; - localização, número de inscrição na matriz predial e número e data da licença de utilização; - Número de pisos acima do solo, número total de fogos, números de ascensores, existência de outro tipo de utilização que não habitacional, número de lugares de estacionamento, condições de acesso a pessoas de mobilidade condicionada, existência de salas de reuniões de condóminos e de casa de porteiro; - Soluções construtivas dos principais elementos de construção; - Principais materiais e produtos de construção; - Sistemas de controlo de gestão do prédio, no que se refere à segurança contra a intrusão, à segurança contra incêndio, à gestão energética e à gestão ambiental; - Localização dos equipamentos ruidosos; - Localização dos equipamentos proporcionando acesso ao prédio a pessoas com deficiência; - Planta simplificada do piso de entrada no edifício; A informação sobre a fracção autónoma, com indicação da sua localização e do número e data da licença de utilização; - Descrição da habitação, e das dependências do fogo, com indicação da área bruta da habitação, da área bruta do fogo, da área útil do compartimento e da área útil de cada dependência do fogo; - Caracterização das instalações na habitação; A Ficha Técnica da Habitação deve conter ainda informações relativas; - à Garantia da habitação; - Regras de funcionamento do condomínio; - Planta simplificada do piso de acesso ao fogo, com indicação da localização dos extintores portáteis e das saídas de emergência em caso de incêndio; - Plantas simplificadas da habitação; - Plantas simplificadas das redes existentes na habitação -Regras de manutenção dos equipamentos instalados que requerem tratamento especial. coordenadores de segurança em projecto e em obra, da entidade executante, bem como de subempreiteiros ou trabalhadores independentes cujas intervenções sejam relevantes. Informações técnicas relativas ao projecto geral e aos projectos das diversas especialidades, incluindo as memorias descritivas, projecto de execução e telas finais, que refiram os aspectos estruturais, as redes técnicas e os sistemas e materiais utilizados que sejam relevantes para a prevenção dos riscos profissionais. Informações técnicas respeitantes aos equipamentos instalados que sejam relevantes para a prevenção dos riscos da sua utilização, conservação e manutenção; Informações úteis para a planificação da segurança e saúde na realização de trabalhos em locais da obra edificada cujo o acesso e circulação apresentem riscos. identificação completa de todos os intervenientes na obra na fase de concepção e na fase de construção Neste item verifica-se que a ficha técnica pretende fornecer os dados que permitam ao consumidor final verificar: - se o produto que lhe foi vendido corresponde efectivamente à realidade; - as características e qualidade dos elementos construtivos, das redes instaladas, equipamentos e materiais aplicados, tendo como principal objectivo a garantia de qualidade e a durabilidade da construção (do edifício e da fracção) bem como a salvaguarda da segurança, saúde e conforto utilizadores. dos A compilação técnicas da obra deve reunir um conjunto de informações para permitir as operações de manutenção, conservação, reparação, reabilitação, demolição e de acesso ou circulação cumprindo as regras de segurança. Quadro 13 - Quadro comparativo entre ficha técnica de habitação e compilação técnica da obra, (Adaptado Rodrigues e Teixeira, 2004) 3.3. Garantias e Seguros de Obra Garantias e seguros de obra, o que se fez a nível internacional? Refira-se que existe a Lei Spinetta em França a Lei 78-12, de 4 de Janeiro de 1978 onde responsabiliza os intervenientes Humberto Gonçalves Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil 111

138 CAPITULO III Compreender as Causas das Patologias nas diferentes Fases de um Empreendimento na construção pelos danos que afectem os elementos ou equipamentos indissociáveis da envolvente durante um período de dez anos. Esta lei impõe a subscrição de dois seguros obrigatórios: seguro de responsabilidade decenal e um seguro de reparação de danos. No sistema Francês existe a garantia de perfeito acabamento durante o decorrer do primeiro ano, ou seja patologias que surjam na recepção dos trabalhos reservas ou patologias que se manifestem durante o ano seguinte à recepção da obra. A garantia de Bom Funcionamento decorre durante dois anos após a recepção da obra e inclui as patologias que afectem os elementos e os equipamentos dissociáveis da obra. A Garantia decenal decorre desde do segundo ano após a recepção da obra durante dez anos com efeitos nas patologias que mesmo resultante de um defeito do solo, comprometam a solidez do edifício, patologias que tornem o edifício, ou parte, inadequado ao uso e ao fim a que se destina e a patologias que afectem os elementos construtivos ou equipamentos indissociáveis da envolvente. No sistema Francês todos os intervenientes no processo construtivo tem obrigatoriamente um seguro de responsabilidade que garanta os seus actos de construção perante os danos que afectem os elementos ou equipamentos indissociáveis da envolvente, tornando o edifício ou parte impróprio para o fim a que se destina. (Freitas, 2012) O Dono de obra tem obrigatoriamente um seguro de reparação de danos que garante, independentemente da procura de responsabilidades, o pagamento da totalidade dos trabalhos de reparação da responsabilidade dos intervenientes. Deste modo ficamos como uma ideia da estrutura de responsabilização directa sobre todos os intervenientes, com a garantia que o cliente ficará sempre com o problema resolvido no imediato, promovendo e dinamizando o sector da reabilitação na construção, á semelhança do que acontece em Portugal com o seguro automóvel. Em Espanha existe a L.O.E Lei de Ordenación de la Edificación, Lei 38/1999, de 5 de Novembro onde enumera as obrigações e responsabilidade de cada um dos intervenientes no processo construtivo. Impõe três níveis de responsabilidade, associadas a garantias, durante um prazo de um, três e dez anos. Este Lei impõe também a elaboração de um Código Técnico da Construção. O código técnico da construção em Espanha é constituído por duas 112 Humberto Gonçalves Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil

139 CAPITULO III Compreender as Causas das Patologias nas diferentes Fases de um Empreendimento partes, a primeira constituída por objectivos e exigências e a segunda dispõem de documentos de Aplicação do Código Técnico da Construção. Em Portugal em caso de defeitos apenas temos a Lei de defesa do consumidor e o código civil (artigo 1225º) onde refere a garantia de cinco anos para vícios estruturais que ponham em causa a solidez e a segurança da construção e os outros defeitos que se vierem a revelar. Em alguns casos e dependendo do contrato elaborado entre as partes poderá existir uma caução durante este período de garantia. Como podemos evidenciar Portugal está muito atrasado em relação a estas matérias, pelo que é de extrema importância para a dignificação do sector a introdução de medidas que visem identificar e definir detalhadamente as obrigações e as responsabilidades dos intervenientes no processo construtivo. Desenvolver um sistema de garantias associados a seguros obrigatórios em que fosse garantida a indemnização dos beneficiários e a responsabilização dos intervenientes, como o sistema Francês. Embora tenhamos uma imensa história da engenharia civil e construção Portugal não tem qualquer código de construção em que defina as exigências a satisfazer pelas construções devidamente detalhado de soluções já devidamente testadas e aprovadas. Esta alteração iria revolucionar o sector nas seguintes medidas; - Dinamizando o nichos de mercados das reparações; - Obrigação dos empreiteiros serem os primeiros a querer executar bem para evitar aumentos nos seguros devido ao registo de defeitos por parte do cliente; - Iria exigir um nível de qualificação e de quadros técnicos nas empresas que se esvaziaram nos últimos anos; - Iria conter a gigantesca cadeia de subempreitadas; - Acalmava a tempestade de preços baixos que assolam as empreitadas; - Só as empresas viáveis e cumpridoras se mantinham no mercado garantindo um serviço de qualidade aos clientes; Humberto Gonçalves Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil 113

140 CAPITULO III Compreender as Causas das Patologias nas diferentes Fases de um Empreendimento Após a recepção provisória da obra decorre o período de garantia. O Decreto-Lei n.º 18/2008 de 29 de Janeiro de 2008 (Código dos Contractos Públicos) na parte III, Titulo II e Capítulo I Empreitadas de obras públicas, no artigo 397.º indica que a garantia da obra inicia na data de assinatura do auto de recepção provisória, durante o qual o empreiteiro está obrigado a corrigir todos os defeitos da obra. O prazo varia com o defeito da obra conforme quadro seguinte; 10 Anos Defeitos relativos a elemento estruturais 5 Anos Defeitos relativos a elementos construtivos não-estruturais ou a instalações técnicas 2 Anos Defeitos relativos a equipamentos afectos à obra delas autonomizáveis Quadro 14 - Prazos de garantia estipulados no CCP Segundo o ponto 5 do artigo 397.º O empreiteiro tem a obrigação de corrigir, a expensas suas, todos os defeitos da obra e dos equipamentos nela integrados que sejam identificados até ao termo do prazo de garantia, entendendo-se como tais, designadamente, quaisquer desconformidades entre a obra executada e os equipamentos fornecidos ou integrados e o previsto no contrato. No ponto 6 do mesmo artigo Se os defeitos identificados não forem susceptíveis de correcção, o dono da obra pode, sem custos adicionais, exigir ao empreiteiro que repita a execução da obra com defeito ou que substitua os equipamentos defeituosos, salvo se tal se revelar impossível ou constituir abuso de direito, nos termos gerais. O ponto 7 refere ainda que Sem prejuízo da opção pelo exercício do direito de resolução do contrato, não sendo corrigidos os defeitos nem cumprido o disposto no número anterior, ainda que se verifiquem os casos previstos na sua parte final, o dono da obra pode exigir a redução do preço e tem direito de ser indemnizado nos termos gerais. Em 2009 o Decreto-Lei n.º 278/2009 de 2 de Outubro o artigo 295.º no ponto 7 esclarece que a diferentes prazos de garantia e, consequentemente, a recepções provisórias e definitivas parciais, a liberação parcial da caução, nos termos do disposto nos números anteriores, é promovida na proporção do valor respeitante a cada um dos conjuntos de elementos que compõem a obra, designadamente estruturais, construtivos não estruturais ou instalações técnicas e equipamentos. Em 2012 fruto do estrangulamento financeiro que as empresas atravessam saiu o Decreto-lei n.º 190/2012 de 22 de Agosto que estabelece um regime excepcional de libertação de cauções em empreitadas de obras públicas, permitindo às empresas um maior desafogo financeiro para o desempenho das suas actividades em outras obras. Este documento permite que o empreiteiro solicite junto do dono de obra autorização 114 Humberto Gonçalves Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil

141 CAPITULO III Compreender as Causas das Patologias nas diferentes Fases de um Empreendimento para a libertação das cauções que tenham sido prestadas, decorrido um ano contado da recepção provisória da obra. 1.º Ano 30% 2.º Ano 30% 3.º Ano 15% 4.º Ano 15% 5.º Ano 10% Quadro 15 - Percentagem de libertação das garantias tendo em conta os anos decorridos Em Portugal a eventual existência de defeitos nas construções, a sua denuncia e reparação estão regulamentados no Código Civil Português, em sede de empreitada (Capitulo XII), sendo relevante reter o estabelecido no artigo 1225º, que, em relação aos imóveis destinados a longa duração (e todos os edifícios se incluem nesta categoria), prevê uma garantia de cinco anos a contar da entrega, abrangendo vícios estruturais que ponham em causa a solidez e segurança da construção e os outros defeitos que se vierem a revelar. Durante o prazo de garantia, que se inicia na data de aceitação da obra (deverá haver este registo para contar prazo), a denúncia do efeito deve ser apresentada no prazo de um ano a contar da data do seu aparecimento. O consumidor deve exigir a eliminação dos defeitos, ou, se estes não puderem ser eliminados, exigir nova construção. No entanto, não sendo eliminados os defeitos ou construída de novo a obra, pode ser exigida a redução do preço ou a resolução do contrato a devolução das quantias pagas, se os defeitos tornarem a obra inadequada ao fim a que se destina. Em Portugal não existe uma política de responsabilidade e de garantias de reparação de danos que surjam nos edifícios após a sua construção, devidamente regulamentada, como existe, por exemplo em França. A não existência de um regime de responsabilidades pelos danos da construção em Portugal leva a que a responsabilização pelos erros da construção apenas recaia sobre os empreiteiros e os donos de obra que são os mais penalizados, ficando de fora os autores de projecto, gestores da qualidade, coordenadores de segurança e saúde na fase de projecto e na fase de obra, fiscalização, entre outros intervenientes no processo construtivo ilibados da reparação das danos resultantes dos seus erros ou omissões. A legislação mais recente estabelece algumas medidas que visam alterar esta situação, contudo não sortiu o efeito esperado, os resultados Humberto Gonçalves Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil 115

142 CAPITULO III Compreender as Causas das Patologias nas diferentes Fases de um Empreendimento não foram ao encontro da melhoria do sector neste ponto das patologias, este tema será abordado mais à frente. Os defeitos na construção verificados em construções novas, modificadas ou reparadas, provocadas por vício do solo ou da construção, estão na base da necessidade da existência de um regime claro de responsabilidades, garantias e seguros no processo construtivo. Este regime daria seguimento às diversas iniciativas de promoção da qualidade que registaram um impulso significativo nos últimos anos em Portugal (Esteves, 2008) Conforme atrás referido anteriormente independentemente do período das garantias existentes para obras privados ou para as obras públicas é de realçar a inexistência de seguros associados às garantias, o que leva a uma desregulamentação do sector e uma inexistência de meritocracia relativamente à qualidade dos trabalhos realizados pelas empresas. Numa situação limite uma empresa executa uma obra, esta apresenta defeitos, o cliente reclama no cumprimento da legislação, levando situações para tribunal que se arrastam anos em que por vezes as empresas abrem insolvência e o cliente não tem qualquer protecção nem mesmo o da garantias bancárias. Este sistema de responsabilidades, garantias e seguros iria proteger mais o cliente e os empreiteiros, dinamizando mais um sector que se encontra numa fase de crise. Funcionaria à semelhança dos seguros de automóvel, em que os danos são suportados pelos seguros dinamizando o mercado das reparações das oficinas. 116 Humberto Gonçalves Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil

143 CAPÍTULO IV Estudo Interno Aplicado a uma Empresa CAPÍTULO IV ESTUDO INTERNO APLICADO A UMA EMPRESA Humberto Gonçalves Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil 117

144 CAPITULO IV Estudo Interno Aplicado a uma Empresa 118 Humberto Gonçalves Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil

145 CAPÍTULO IV Estudo Interno Aplicado a uma Empresa 4.1. Breve Caracterização da Empresa A empresa MRG- Engenharia e Construção, SA encontra-se no mercado desde 1978, tendo vindo desde o início da sua actividade e a registar um crescimento anual assinalável, reflectido no volume de vendas pelos resultados positivos alcançados e pela afirmação da sua marca no mercado da Construção Civil e Obras Publicas, veiculadas pelos clientes para quem tem tido oportunidade de trabalhar, desde Câmaras Municipais a Instituições Públicas, Privadas e Particulares. Através de um processo de consolidação descentralizado, visando a continuação do crescimento da MRG, sem contudo perder a rapidez flexibilidade e capacidade de adaptação que a caracteriza, devido às condições económicas nacionais e internacionais de momento está só com a sua sede operacional em Coimbra. Em relação à internacionalização, a MRG já se encontra em França, Angola, Brasil, Moçambique e está a tentar novos mercados no Magreb. Figura 13 Imagem da sede da empresa MRG em Coimbra A MRG S.A. encontra-se dividida segundo uma lógica de áreas de negócio, fazendo parte da sua estrutura um conjunto de direcções de apoio que operem de forma transversal a toda a empresa, e que se organizam de acordo com o seguinte organigrama organizacional. A empresa detém o Alvará de Construção Classe 9 (máxima) Nº Humberto Gonçalves Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil 119

146 CAPITULO IV Estudo Interno Aplicado a uma Empresa Figura 14 Organograma organizacional da empresa MRG- Engenharia e Construção, SA A estrutura organizacional da MRG- Engenharia e Construção, SA é constituída por um conselho de Administração presidida pelo Eng.º Fernando Gouveia. Os departamentos apresentados dividem-se em SEC Secretariado; CGE- Controlo de Gestão; GCI- Comunicação e Imagem; JUR Jurídico; COM Comercial; PCC- Planeamento, Controlo e Compras; PRD- Produção; NNI- Novos Negócios/ Internacionalização; OAP- Órgãos de Apoio. Na Gestão da 1.ª Linha apresenta-se; OAP - Órgãos de Apoio Contabilidade e Financeira Sistemas de Informação Administrativa COM - Direcção Geral Comercial Prospecção e Vendas Estudos e Propostas PCC - Planeamento, Controlo e Compras Sr. Carlos Veríssimo Planeamento Controlo de Produção Compras 120 Humberto Gonçalves Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil

147 CAPÍTULO IV Estudo Interno Aplicado a uma Empresa PRD - Produção CCE-Construção Civil e Engenharia SPV- Serviços Após-venda SEP-Serviços Especializados Recursos Humanos Qualidade, Segurança e Ambiente Instalações Especiais NNI - Novos Negócios/ Internacionalização A produção está estruturada nas seguintes áreas de negócios: Produção de Construção Civil; Produção de Engenharia (Vias, Infra-estruturas e Ambiente) A nível geográfico a área de Produção de Construção Civil, esta dividida em duas zonas de produção, a Norte e a Sul ambas coordenadas pela sede operacional de Coimbra. Na área de Produção de Engenharia, a MRG dispõe de todos os meios necessários à execução das obras rodoviárias e de infra-estruturas, a saber: Equipamento para terraplanagem; Central de Fabrico de Misturas Betuminosas a Quente; Central de Fabrico de Misturas Betuminosas a Frio; Equipamento de Pavimentação; Laboratório Central para Controlo de Qualidade. Dentro da área dos projectos de Construção Civil e Obras Publicas, são de salientar a competência técnica e os meios que dispõe para trabalhar e, áreas essenciais na melhoria e optimização de processo, de forma a construir bem, respeitando escrupulosamente todas as regras de Qualidade e segurança. Relativamente aos segmentos de actividade acima resumidos, a MRG apresenta e desenvolve metodologias próprias de abordagem e conceitos, procurando estar sempre actualizada no que respeita à legislação em vigor, aos procedimentos do sistema de Gestão da Qualidade e ao aparecimento e desenvolvimento dos novos métodos, conceito e materiais, atenta à evolução registada neste âmbito. Humberto Gonçalves Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil 121

148 CAPITULO IV Estudo Interno Aplicado a uma Empresa Sempre atento às áreas da Qualidade, Segurança e Ambiente a MRG possui protocolos de parcerias com empresas credíveis, certificadas para o efeito pelo IPQ, bem como técnicos especializados no seu quadro de pessoal que assegura o estrito cumprimento de todas as normas. A empresa recorre ainda regularmente a serviços de Outsourcing para as áreas de arquitectura, jurídico, consultadoria, sistema de informação, entre outras, em complemento das suas áreas próprias. Para além da sua capacidade de realização de obras de elevado rigor, a MGR,SA dispõem de recursos próprios que lhe permitem assegurar todos os requisitos de qualidade, processos e procedimentos que lhe são exigidos. A MRG, S.A. é certificada desde Março de 2006 pela SGS, segundo a norma NP EN ISSO 9001:200 pelas actividades de Concepção, Desenvolvimento, Recuperação e Remodelação de Edifícios, obras públicas, Infra-Estruturas, Vias de Comunicação e obras no domínio Ambiental, ao qual foi atribuído o certificado de conformidade nº PT06/01792 e pelo Sistema de Gestão da Segurança e Saúde do Trabalho, certificado desde Junho de 2009 pela SGS, segundo a norma OSHA 18001:2007 pelas actividades de Concepção, Desenvolvimento, Recuperação e Remodelação de Edifícios, obras públicas, Infra-Estruturas, Vias de Comunicação e obras no domínio Ambiental, ao qual foi atribuído o certificado de conformidade nº PT09/ Figura 15 Símbolos das duas certificações externas obtidas pela empresa A performance empresarial da MRG SA, associada à qualidade dos produtos construídos, foi recompensada com a atribuição de diversos prémios tais como: Prémio Instituto Nacional de Habitação (INH) 1993 Prémio PME Excelência Construção 1998 Prémio PME Excelência Construção 1999 Prémio PME Excelência Construção Humberto Gonçalves Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil

149 CAPÍTULO IV Estudo Interno Aplicado a uma Empresa Prémio PME Excelência Construção 2001 Troféu Invest 2009 Troféu Invest ,00 Volume de Facturação , , ,00 Volume de Facturação , , Gráfico 20 Evolução do volume de facturação 2008/2012. O volume de negócios tem reflectido a conjuntura do sector da Construção em Portugal, dentro dos objectivos da MRG. Em 2010 regista-se um aumento do volume de facturação devido às adjudicações do Parque Escolar. EPE e às parcerias publico privadas nas áreas da Educação e Saúde. De referir que o volume de negocios baixou significativamente cerca de 50% em apenas três anos, resultado de uma restruturação organizacional interna por forma a tornar a empresa sustentável e ajustada à carteira de obras tendo em conta o contexto actual de mercado. Humberto Gonçalves Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil 123

150 CAPITULO IV Estudo Interno Aplicado a uma Empresa 11% 2% Edifícios Residenciais 87% Edifícios não Residenciais Infra-estruturas e Ambiente Gráfico 21 Divisão percentual das áreas de negócio em Quadro superiores 41% 45% Quadro médios 14% Técnicos operacionais Gráfico 22 Divisão percentual dos colaboradores em % 51% Formação Superior ou Técnica Formação Básica Gráfico 23 Divisão percentual dos colaboradores consoante o tipo de formação em Humberto Gonçalves Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil

151 CAPÍTULO IV Estudo Interno Aplicado a uma Empresa Administrativos Operacionais Não Especializados Operacionais Especializados Manobradores e Motoristas Encarregados e Chefes de Equipa Economistas e Técnicos de Gestão Engenheiros e Técnicos de Produção Quadro 16 - Número de colaboradores por áreas profissionais em Métodos do Estudo Interno O estudo interno aplicado à empresa MRG-Engenharia e Construção, SA que se apresenta, resultou da pesquisa e análise de dados internos que se considerou importantes para avaliar os constrangimentos na qualidade da execução das empreitadas durante a execução de obra/fase de pós-venda por forma a qualificá-los e quantificá-los analisando os resultados do departamento de pós-venda. Este estudo foi baseado em pesquisa de arquivos de obras, através de várias entrevistas aos diferentes níveis hierárquicos e outros dados fornecidos pela organização onde se procedeu à análise dos seguintes pontos: - Análise dos Pedidos de Esclarecimento de Projecto de seis obras mais representativas da empresa; - Estudo das não conformidades registadas pelo departamento de Qualidade no cumprimento da norma ISO 9001:2008; - Estudo dos constrangimentos com influência na performance da produção; - Evolução dos custos de pós-venda relativamente ao volume de facturação; - Estudo e caracterização das patologias registadas no departamento de pós-venda; - Relação entre o tipo de patologias e os custos de reparação; 4.3. Análise dos Pedidos de Esclarecimento de Projecto Humberto Gonçalves Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil 125

152 CAPITULO IV Estudo Interno Aplicado a uma Empresa Sendo a empresa em estudo certificada pela qualidade ISO 9001:2008 tem procedimentos próprios internos que visam a gestão da construção durante o processo produtivo. Um desses documentos é o pedido de esclarecimento de projecto que são realizados na fase de preparação, planeamento de obra e até mesmo durante a fase de execução. Este documento tem como objectivo registar e oficializar junto do Dono de obra/projectista/fiscalização todas as dúvidas, falhas, erros ou omissões encontradas pelo empreiteiro durante a análise e interpretação dos documentos do processo de concurso (caderno de encargos, peças escritas, peças desenhadas, cláusulas jurídicas e cláusulas técnicas) e a coerência entre os conteúdos nos diferentes documentos e a respectiva compatibilização técnica entre as diferentes especialidades de modo a esclarecer todas as dúvidas para proceder á execução. Este documento apresentado na figura abaixo é um registo onde identifica a empreitada o assunto, a especialidade referente ao projecto. Tem um campo onde se descreve a dúvida ou pedido de esclarecimento devidamente fundamentado, refere-se quais os documentos de referência onde existe essa dúvida com a possibilidade de anexar documentos, esquemas, pormenores, etc. Este documento é então entregue formalmente à fiscalização ou representante do dono de obra que poderá ou não ter necessidade de transmitir o pedido aos projectistas para responder ao empreiteiro. As respostas poderão dar origem a novos desenhos que é necessário actualizar e divulgar no seio da organização da obra e poderá também dar origem a novas medições ou alterações orçamentais que é necessário registar para controlo. Este documento pretende defender o empreiteiro de responsabilidades que pertencem aos projectistas, dono de obra ou fiscalização. Estes pedidos de esclarecimento de projecto devem ser realizados o mais cedo possível para evitar paragens, alterações ou mesmo demolições durante a fase da obra, sendo também um requisito legal do artigo 61.º do DL18/2008, de 29 de Janeiro. 126 Humberto Gonçalves Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil

153 CAPÍTULO IV Estudo Interno Aplicado a uma Empresa Figura 16 - Exemplo de Pedido de Esclarecimento de Projecto Sendo uma das causas dos atrasos das obras a falta de qualidade dos projectos, procedeu-se a uma análise detalhada dos Pedidos de Esclarecimento de Projecto realizados em várias empreitadas executadas pela empresa para análise dos resultados. Raramente as empresas de construção são responsáveis pela elaboração do projecto, no entanto o sucesso da execução da obra vai depender e muito da qualidade com que o projecto se apresenta, daí o interesse por parte do empreiteiro em identificar pontos críticos dos projectos através do tratamento estatístico dos registos e arquivos da execução de algumas empreitadas. Embora a entidade executante não sejam responsável pelo projecto fica vinculada ao seu cumprimento durante a execução da obra e consequentemente aos possíveis erros, falhas de concepção e até mesmo futuras patologias que possam existir durante a fase de garantia da obra. Deste modo é essencial que as empresas sejam capazes de gerir o seu conhecimento aproveitando o seu know how adquirido ao longo dos anos nas diferentes empreitadas executadas no sentido de adquirirem capacidades para tomarem uma posição proactiva com o intuito de sensibilizar o próprio cliente para alguns cuidados a ter na aceitação de soluções e processos construtivos que no passado deram origem a patologias. É importante informar e questionar o projectista e Humberto Gonçalves Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil 127

154 CAPITULO IV Estudo Interno Aplicado a uma Empresa o dono de obra se estão disponíveis para assumir determinados riscos preconizados nos projectos. Com isto não se pretende que o empreiteiro assuma a função de revisor de projecto, no entanto ele é o mais interessado que os projectos estejam devidamente detalhados e elaborados de modo a evitar constrangimentos, alterações e paragens na produção, conflitos com o cliente na fase de execução da obra e que determinadas soluções ou opções arquitectónicas ou processos técnicos possam dar origem a patologias no futuro. Procedeu-se ao estudo interno dos pedidos de esclarecimento de projectos de diferentes obras de forma a estudar os factores que afectam mais a execução e a qualidade nas empreitadas. Para o estudo foram seleccionadas seis empreitadas da empresa tendo em conta os seguintes critérios: qualidade e quantidade dos registos realizados pela direcção de obra, complexidade do projecto. Deste modo as empreitadas seleccionadas foram; Centro Materno Infantil do Norte (CMIN) (Hospital Maria Pia / Maternidade Júlio Diniz) valor da adjudicação: ,00 Centro de Convenções e Espaço Cultural do Convento de São Francisco-Coimbra - valor da adjudicação: ,57 Escola Secundária de Sever do Vouga - valor da adjudicação: Escola Secundária Rainha D. Leonor valor da adjudicação: ,00 Escola Secundária Herculano Carvalho - valor da adjudicação: ,00 Instituto de Cardiologia Preventiva de Almada valor da adjudicação: , Breve descrição das Empreitadas objecto de Estudo Centro Materno Infantil do Norte (Hospital Maria Pia / Maternidade Júlio Diniz) A área de intervenção definida para a construção do novo edifício hospitalar insere-se num conjunto de terrenos com ,50 m². O projecto apresentado reflecte a preocupação fundamental de devolver a imagem de jardim à alameda de entrada, bem como provocar o desaparecimento de todas as barreiras arquitectónicas no estabelecimento dos acessos à intervenção. Existem amplas e variadas zonas ajardinadas que permitem a criação de um espaço natural e agradável no qual se envolve o hospital, potenciando desta forma os jardins existentes a norte da parcela, dinamizados pela introdução programática de um parque infantil, que actua como charneira entre a entrada e a maternidade propriamente dita. 128 Humberto Gonçalves Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil

155 CAPÍTULO IV Estudo Interno Aplicado a uma Empresa A existência da maternidade Júlio Dinis, que, á parte da sua grande carga simbólica para a cidade do Porto, é um edifício que vale a pena manter, recuperar e proteger, pela sua antiguidade e função. Esta opção foi sempre presente durante todo o desenvolvimento dos trabalhos desde a proposta a este estudo, por isso pretende-se a recuperação dos elementos afectados pelo passar do tempo e/ou por actuações mais ou menos cuidadas, de modo a recuperar todo o esplendor das suas fachadas e convertê-lo na imagem mais importante do novo hospital que projectamos. A nova ampliação articular-se-á, não tanto como um bloco isolado com ligações pontuais, mas como uma ampliação que se integra com o Edifício existente a nível funcional e de serviços, e que permita a sua identificação como um único Edifício Hospitalar que procura e resolve todas as necessidades assistenciais dos utentes. Figura 17 Plantas e foto virtual do projecto do CMIN Centro de Convenções e Espaço Cultural do Convento de São Francisco-Coimbra Figura 18 Plantas do Convento de São Francisco Coimbra Humberto Gonçalves Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil 129

156 CAPITULO IV Estudo Interno Aplicado a uma Empresa Esta empreitada caracteriza-se pela divisão em cinco áreas de intervenção bastante distintas entre si, quer pela sua demarcação geográfica no espaço da obra, quer pelas especificidades técnicas que lhes estão associadas. Assim podem-se destacar as seguintes zonas: Edifício Existente: Recuperação e adaptação do edifício existente, conhecido como Convento de São Francisco, o qual, para além da prática religiosa esteve também ligado à actividade industrial. A tipologia da intervenção aqui prevista baseia-se na recuperação da traça conventual, sem grandes preocupações correctivas à arquitectura rústica da construção, com a aplicação de materiais naturais nos seus acabamentos. Estão neste momento quase concluídos os trabalhos de revestimentos de paredes e tecos, encontrando-se em curso os trabalhos das especialidades de climatização, electricidade, segurança e telecomunicações. Encontra-se igualmente em curso os trabalhos de reformulação da cobertura. 130 Humberto Gonçalves Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil

157 CAPÍTULO IV Estudo Interno Aplicado a uma Empresa Figura 19 Fotos da Reabilitação do Convento de São Francisco Coimbra Auditório: Construção de um auditório preparado para a realização de atividades distintas como teatro, ópera, orquestra e convenções, com a capacidade de 1125 lugares, distribuídos em 917 lugares na plateia, 200 lugares no balcão e 8 lugares no camarote VIP. Neste local de intervenção foi descoberta uma necrópole, tendo sido desenvolvida uma campanha arqueológica até ao final do mês de Agosto do corrente ano, da qual resultou o levantamento de 602 indivíduos e 12 ossários. Da avaliação inicial do espólio associado aos esqueletos, presume-se tratarem-se, na sua maioria, de indivíduos relacionados com as invasões francesas. Figura 20 Fotos da zona da necrópole e achados das invasões Francesas Sendo esta parte da intervenção a mais complexa do ponto de vista técnico de execução, encontram-se neste momento em curso os trabalhos de escavação e contenção periférica, com cerca de 30 metros de altura, realizado através da técnica de "Muros de Berlim". Humberto Gonçalves Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil 131

158 CAPITULO IV Estudo Interno Aplicado a uma Empresa Figura 21 Fotos da construção do Auditório Parque de Estacionamento: Construção de um parque de estacionamento com a capacidade de 540 lugares. O parque, constituído por uma estrutura de betão armado, caracteriza-se por ter 4 pisos de estacionamento, ficando apenas 1 abaixo da cota da Av. da Guarda Inglesa, a partir do qual se faz a entrada e saída de viaturas, assim como o acesso aos restantes pisos. Com a sobrelevação da cota na frente do Convento, fica-se com uma plataforma elevada, ganhando-se uma vista privilegiada sobre a cidade. Desta forma, para além do novo espaço lúdico, vai-se de encontro ao que seria a cota adjacente ao Convento original. Prevê-se a conclusão dos trabalhos nesta zona, no início de Fevereiro de 2012, estando neste momento executados praticamente todos o trabalhos estruturais. Está ainda previsto o lançamento de um concurso, para os acabamentos e concessão da exploração deste espaço, no próximo ano. Restaurante : Construção de um restaurante com dois pisos, com uma área de 650 m2, definido como um edifício autónomo, o qual remete para uma intervenção inicial de implantação do edifício original e reconfigura o segundo claustro do Convento. Sendo este espaço um edifício construído de raiz, encontram-se já executados todos os trabalhos estruturais e de acabamentos base. Neste momento estão em curso os trabalhos das especialidades de climatização, electricidade, segurança e telecomunicações. 132 Humberto Gonçalves Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil

159 CAPÍTULO IV Estudo Interno Aplicado a uma Empresa Infra-Estruturas Afectadas: Remodelação de todas as infra-estruturas afectadas, na envolvente do Convento, nomeadamente de abastecimento de águas, drenagem de águas residuais e pluviais, electricidade (incluindo rede de tração dos autocarros eléctricos), gás e telecomunicações. Foram já desviadas e remodeladas todas a infra-estruturas que se encontravam dentro do perímetro da intervenção e cuja manutenção era inviável, uma vez que eram interceptadas pela escavação do estacionamento e auditório. Assim encontram-se realizados na totalidade, todos os trabalhos previstos neste local. Escola Secundária de Sever do Vouga A intervenção nesta escolar consiste na demolição da escola básica pré-existente, corpos do pavilhão desportivo destinados a balneários e arrecadação, portarias e elementos préfabricados. As pré-existências (a manter): Blocos A, B, C e D (com demolições pontuais e estruturação interior e reabilitação. Construção novas são: Edifício M (Corpo de balneários); Edifício L (Ginásio); Edifício F (Laboratórios e Sala de Grandes Grupos); Edifício G (Laboratórios, Biblioteca e Recreio Coberto); Edifício H (Portaria, Gabinetes de Atendimento a Pais, Secretaria, Sala detrabalho de Docentes, Refeitório/Bar); Edifício J (Nova Escola Básica);Edifício I (Oficina de Soldadura); Corpo N (Passadiços de ligação entre blocos). Humberto Gonçalves Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil 133

160 CAPITULO IV Estudo Interno Aplicado a uma Empresa Figura 22 Planta e fotos da Escola Secundária de Sever do Vouga Escola Secundária Rainha Dona Leonor A Escola Secundária de Rainha D. Leonor faz parte de um conjunto de escolas pertencente ao segundo período das construções escolares, inaugurado em 1961 e ampliado em A escola é composta por um conjunto de três edifícios, implantados em U, no centro dos quais se encontram os campos de jogos e o recreio. O edifício principal tem três pisos, interligandose com o edifício Nascente. A intervenção centrou-se essencialmente na remodelação das instalações existentes, ao nível do reordenamento de compartimentação, beneficiação de revestimentos interiores e parcial intervenção na superestrutura, remodelação integral de infra-estruturas eléctricas, de telecomunicações, de águas e esgotos. O edifício novo vem dar resposta à necessidade de ampliação da escola e, simultaneamente, redefinir a entrada principal, facilitando a gestão e autonomia dos espaços com maior abertura à comunidade sala polivalente com cerca de 180 lugares, a biblioteca e os espaços desportivos. Figura 23 Fotos da Escola Secundária Rainha Dona Leonor 134 Humberto Gonçalves Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil

161 CAPÍTULO IV Estudo Interno Aplicado a uma Empresa Escola Secundária Professor Herculano Carvalho A Escola Secundária Prof. Herculano de Carvalho é um conjunto escolar pertencente ao terceiro período das construções escolares. A intervenção visou a remodelação das instalações existentes, ao nível do reordenamento de compartimentação, beneficiação de revestimentos interiores, remodelação integral de infra-estruturas eléctricas, de telecomunicações, de águas e esgotos. A intervenção centrou-se na requalificação e ampliação dos edifícios existentes, tendo sido construído um novo Bloco. O corpo principal do edifício foi ampliado segundo a lógica espacial da métrica do edifício existente, tendo os espaços desportivos cobertos sido igualmente ampliados. Os espaços exteriores foram intervencionados, ficando diferenciadas no projecto três zonas distintas: a zona da entrada, uma zona de campos desportivos exteriores de menor dimensão e uma zona com um grande recinto desportivo e um campo de pistas de corrida. Figura 24 Fotos da Escola Herculano de Carvalho Instituto de Cardiologia Preventiva de Almada O novo edifício, situado no cruzamento da Rua do Facho com a Rua Manuel Tito de Morais, no Monte de Caparica, dispõe de duas caves para garagem, arquivo e arrecadações, um piso no r/c com salas de recepção e espera, ginásios, salas de reuniões e auditório; no primeiro piso funcionam os gabinetes médicos, salas de espera e gabinetes de provas e exames e no segundo piso estão instalados os serviços administrativos, de logística e de contabilidade, bem como os gabinetes da direcção e dos responsáveis pela gestão. O projecto preconizava três serviços: Clínica de Reabilitação (dividida entre zona de exercício físico e zona de educação), Cardiologia de Ambulatório (dividida entre zona de exames e zona de consultas), Administração, para além de todas as valências comuns aos vários Humberto Gonçalves Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil 135

162 CAPITULO IV Estudo Interno Aplicado a uma Empresa serviços. Um quarto serviço de Internamento (dividido entre zona de exames, unidade de cuidados intensivos, unidade de tratamento e núcleo central), será posteriormente adicionado com a construção da segunda fase do projecto. Nos dois pisos subterrâneos está projectado um parque de estacionamento com a capacidade de 116 lugares. Com a construção da segunda fase do projecto Internamento prevê-se o aumento da área útil global parra 4970,00m2, o que corresponde a 150 lugares de estacionamento. Na sequência da solução arquitectónica adoptada, previram três unidades exteriores geográficas e funcionalmente distintas, para as quais se preconizam diferentes tipos de intervenção. Figura 25 Fotos do projecto e da execução da obra O Estudo realizado consistiu num tratamento estatístico dos pedidos de esclarecimento de projecto para que fosse possível identificar com mais detalhe os pontos críticos dos projectos. As empreitadas objecto de estudo dispunham de um mapa de registo dos esclarecimentos de projecto actualizados e efectuados durante a preparação/planeamento e execução da empreitada. Cada pedido de esclarecimento de projecto continha informações devidamente detalhadas com base nas peças escritas ou desenhadas onde foi possível identificar as áreas que cada assunto pretendia tratar. 136 Humberto Gonçalves Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil

163 CAPÍTULO IV Estudo Interno Aplicado a uma Empresa Quadro 17 - Exemplo de pedidos de esclarecimento de projecto Quadro 18 - Exemplo de caracterização dos pedidos de esclarecimento de projecto Procedeu-se à caracterização de determinados pontos que se pretendíam analisar pelo que dividiu-se as informações nos seguintes pontos; a) Tipos de Falhas em Projectos: Falta de pormenorização; Erros/Omissões; Incompatibilidade entre projectos. b) Especialidade: Topografia/Implantação; Arranjos exteriores; Geotecnia; Arquitectura; Projecto de Estabilidade; Instalações Técnicas; c) Elementos de Construção: Pavimentos Exteriores; Fundações; Estrutura; Alvenarias; Fachadas; Coberturas; Revestimentos interiores; Instalações técnicas; d) Instalações Técnicas; AVAC; ITED; Electricidade, Gás, Rede de Incêndios, Água; Esgotos/Pluvial; e) Materiais: Betão, Metálicas, Alvenarias, Madeira. Humberto Gonçalves Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil 137

164 CAPITULO IV Estudo Interno Aplicado a uma Empresa Resultados 70,0 60,0 50,0 40,0 30,0 20,0 10,0 Tipo de Falhas (%) 0,0 Falta de Pormenorização Erros/Omissões Incompatibilidade entre Projectos CMIN CSFrancisco ESSV ESRDL Herculano Carvalho ICPA Gráfico 24 Resultados, tipo de Falhas. Média - % das Falhas Falta de Pormenorização Erros/Omissões Incompatibilidade entre Projectos 21% 46% 33% Gráfico 25 Resultados, média da percentagem das falhas. 138 Humberto Gonçalves Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil

165 CAPÍTULO IV Estudo Interno Aplicado a uma Empresa Elementos de Construção (%) 60,0 50,0 40,0 30,0 20,0 10,0 0,0 Pavimentos Exteriores Fundações Estrutura Alvenarias Fachadas Coberturas Revestimentos interiores /Acabamentos Instalações técnicas CMIN CSFrancisco ESSV ESRDL ES Herculano Carvalho ICPA Gráfico 26 Resultados, Elementos de Construção afectados pelos pedidos de esclarecimento de projecto. Elementos de Construção - Média (%) Pavimentos Estrutura Fachadas Revestimentos interiores /Acabamentos Fundações Alvenarias Coberturas Instalações Técnicas 24% 4% 11% 14% 35% 5% 5% 2% Gráfico 27 Resultados, média dos elementos de Construção afectados pelos PEP. Humberto Gonçalves Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil 139

166 CAPITULO IV Estudo Interno Aplicado a uma Empresa 70,0 Especialidades (%) 60,0 50,0 40,0 30,0 20,0 10,0 0,0 Topografia / Implantação Arranjos Exteriores Geotécnia Arquitectura Projeto de Estabilidades Instalações Especiais CMIN CSFrancisco ESSV ESRDL ES Herculano Carvalho ICPA Gráfico 28 Resultados, Especialidades afectadas pelos PEP 3% 2% 2% 29% 20% 44% Topografia / Implantação Geotécnia Projeto de Estabilidade Arranjos Exteriores Arquitectura Instalações Técnicas Gráfico 29 Resultados, média das especialidades afectadas pelos PEP 140 Humberto Gonçalves Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil

167 CAPÍTULO IV Estudo Interno Aplicado a uma Empresa 80,0 Instalações Técnicas (%) 70,0 60,0 50,0 40,0 30,0 20,0 10,0 0,0 AVAC ITED Eletricidade Gás Rede de Incêndios Água Esgotos /Pluvial CMIN CSFrancisco ESSV ESRDL Herculano Carvalho ICPA Gráfico 30 Resultados dos tipos de instalações técnicas afectadas pelos PEP 21% 25% 15% 1% 31% 4% 3% AVAC ITED Eletricidade Gás Rede de Incêndios Água Esgotos /Pluvial Gráfico 31 Resultados, Média dos tipos de instalações técnicas afectadas pelos PEP Humberto Gonçalves Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil 141

168 CAPITULO IV Estudo Interno Aplicado a uma Empresa Material (%) 90,0 80,0 70,0 60,0 50,0 40,0 30,0 20,0 10,0 0,0 Betão Metálicas Alvenarias Cerâmica Madeira CMIN CSFrancisco ESSV ESRDL Herculano Carvalho ICPA Gráfico 32 Resultados dos tipos de materiais afectados pelos PEP 8% 13% 3% 1% 74% Betão Metálicas Alvenarias Cerâmica Madeira Gráfico 33 Resultados, média dos tipos de materiais afectados pelos PEP 142 Humberto Gonçalves Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil

169 CAPÍTULO IV Estudo Interno Aplicado a uma Empresa 4.4. Estudo das não conformidades registadas pelo departamento de Qualidade que afectam qualidade A certificação da qualidade pela ISO 9001:2008 exige que se efectue registos de não conformidade que podem ser levantadas pelo cliente, fiscalização ou por qualquer colaborador da organização que entenda que não foram cumpridos os requisitos de qualidade exigidos. O presente estudo teve como base a recolha e tratamento das não conformidades registadas nos últimos três anos. A empresa em estudo é certificada nas áreas da Qualidade e Segurança pelo que nem todas as não conformidades registadas afectavam directamente a qualidade final da obra, pelo que houve necessidade de triar as informações de cada uma das não conformidades e relacionar que a sua afectação directamente com a qualidade da obra. Não se considerou que aspectos relacionados com incumprimentos de regras de segurança ou legislação ambiental afectassem directamente a qualidade da obra pelo que não foram tidas em conta. Foram analisadas 210 não conformidades das quais só foram validadas 71 para o objecto deste estudo. Procedeu-se ao apuramento das causas das não-conformidades com a seguinte classificação: Não aprovação dos trabalhos pela fiscalização; Materiais sem qualidade exigida; não cumprimento do projecto; má execução em obra. Para além das causas das não conformidades que afectam directamente a qualidade identificou-se quais os elementos de construção afectados pelas não conformidades estudadas Resultados 50,0 40,0 Causas Não Conformidades (%) 38,4 30,0 20,0 23,2 16,7 21,7 10,0 0,0 Não Aprovação da Fiscalização Materiais sem Qualidade Exigida Não Cumprimento do Projeto Má Execução Gráfico 34 Resultados, causas das não-conformidades do departamento de qualidade Humberto Gonçalves Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil 143

170 CAPITULO IV Estudo Interno Aplicado a uma Empresa 60,0 50,0 Elemento de Construção afectado (%) 48,5 40,0 30,0 20,0 10,0 2,9 5,9 4,4 5,9 8,8 11,8 4,4 7,4 0,0 Gráfico 35 Resultados, elemento da construção mais afectado nas não-conformidades internas 4.5. Estudo dos constrangimentos com influência na performance da produção; Os constrangimentos durante a fase de execução têm uma influência directa na qualidade final da obra, pelo que é importante identificar quais os constrangimentos registados dentro da organização, quais as causas e consequências dos mesmos e identificar de quem é a responsabilidade. Este estudo foi realizado com dados fornecidos pelo controlo e planeamento da empresa e referem-se aos últimos dois anos tendo em conta todas as obras em carteira neste período. 144 Humberto Gonçalves Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil

171 CAPÍTULO IV Estudo Interno Aplicado a uma Empresa CONSTRANGIMENTOS COM INFLUÊNCIA NA PERFORMANCE DA PRODUÇÃO IMPACTO FREQUÊNCIA 1 Erros e Indefinições de Projecto Atraso e alterações em actividades de planeamento MF 46 2 Alterações de Projecto por iniciativo do cliente Atraso e alterações em actividades de planeamento MF 18 3 Supressões de Trabalhos por parte do cliente Reduz valor de actividade e tem impacto negativo na margem % e valor absoluto F 6 4 Alterações de Projecto por iniciativo da MRG Atraso e alterações em actividades de planeamento F 11 5 Trabalhos não Previstos pelo Cliente e Projectista Atraso e alterações em actividades de planeamento MF 20 9 Aprovação de Alterações propostas pela MRG para atingir pressupostos de margem Provoca atraso e alterações em actividades de planeamento MF Suspensão de obras ou frentes por iniciativa do cliente Reduz valor de actividade e altera o planeamento PF 4 11 Suspensão de obras ou frentes por iniciativa da MRG Reduz valor de actividade e altera o planeamento PF 3 12 Condições climatéricas anormais para a época Provoca atraso de actividades e altera planeamento F Problemas associados a gestão contratual. Provoca atraso e altera a execução de actividades PF 5 15 Problemas associados a fornecimentos/subempreitadas Provoca atraso e altera a execução de actividades MF Incapacidade Financeira de manter projecto ao ritmo que planeámos Provoca atrasos na actividade e constrangimentos gestão com cliente PF 2 17 Atraso nos aprovisionamentos de material importado Provoca atraso e altera a execução de actividades PF 3 18 Redução de ritmo por atrasos em pagamentos 19 Necessidade de Substituição de Fornecedor/Subempreiteiro 20 Falta de capacidade produtiva 21 Falta de capacidade de resposta a desvios de Custo/Produção/Facturação 23 Mau planeamento de actividades 24 Falta de capacidade na fase de conclusão da empreitada MF- Muito Frequente ( 12); F Frequente ( 5 até 12)); PF - Pouco Frequente (até 5); Provoca atrasos na actividade e constrangimentos gestão com cliente Provoca atrasos na actividade e constrangimentos gestão com cliente Provoca atrasos na actividade e constrangimentos gestão com cliente Provoca ineficiência, atrasos, constrangimentos gestão com cliente Gora as expectativas da empresa, provoca replaneamentos internos constantes Provoca arrastamento de afectação de equipas com baixíssima produtividade PF 0 F 9 F 6 F 6 F 7 F 6 Quadro 19 - Quadro dos constrangimentos com influência na performance da produção Responsabilidades na Performance da Produção 45% 5% 24% 26% Projectista Cliente Empreiteiro Condições Climatéricas Gráfico 36 Resultados, responsabilidades na performance da produção Humberto Gonçalves Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil 145

172 CAPITULO IV Estudo Interno Aplicado a uma Empresa 4.6. Evolução dos custos de pós-venda relativamente ao volume de facturação Resultados Ano Volume de Facturação Custos de pós-venda Relação VF/CPV , ,00 1,21% , ,00 1,74% , ,00 1,35% ,00 * ,00 * 1,81%* *os dados referentes a 2013 são apenas uma previsão tendo em conta os resultados do 1.º semestre. Quadro 20 - Resultados, volume de facturação, custos de pós-venda e sua relação , ,00 Volume de Facturação , , , ,00 Volume de Facturação Linear (Volume de Facturação) Gráfico 37 Resultados, volume de facturação , ,00 Custos de pós-venda ,00 Custos de pós-venda Gráfico 38 Resultados, custos de pós-venda 146 Humberto Gonçalves Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil

173 CAPÍTULO IV Estudo Interno Aplicado a uma Empresa Relação Custos de pós-venda / Volume de facturação 2,00% 1,80% 1,60% 1,40% 1,20% 1,00% 0,80% Relação VF/CPV 1,21% 1,74% 1,35% 1,81% Gráfico 39 Relação dos custos de pós-venda / volume de facturação Volume de Facturação Evolução volume facturação vs custos de pós-venda 1,25 1,15 1,05 0,95 0,85 0,75 0,65 0,55 0,45 0,35 0, ,00 0,82 0,62 0,55 Custos de pós-venda 1,00 1,17 0,69 0,82 Gráfico 40 Resultados, evolução do volume de facturação vs custos de pós-venda 4.7. Estudo e caracterização das patologias registadas no departamento de pós-venda; Durante o período de garantia das empreitadas a empresa terá de efectuar o tratamento das reclamações provenientes dos clientes através do seu departamento de pós-venda. Normalmente registam-se mais reclamações na fase de recepção provisória da obra e na fase de recepção definitiva da obra, uma vez que ambas são precedidas de vistorias conjuntas com o dono de obra. O departamento de pós-venda é responsável pelo tratamento das reclamações dos clientes. Entende-se como custo de pós-venda todos os custos relacionados com o Humberto Gonçalves Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil 147

174 CAPITULO IV Estudo Interno Aplicado a uma Empresa tratamento e reparação das reclamações apresentadas pelos clientes, incluindo custos administrativos relacionados com garantias bancárias, a estrutura interna do pós-venda. O Estudo efectuou-se com base nos documentos disponíveis na empresa relativos a ofícios com reclamações dos clientes e as respetivas facturas dos custos de tratamento das mesmas. Este estudo apenas permitiu o acesso limitado a registos disponíveis na empresa visto que inicialmente, antes do estudo, o departamento de pós-venda não tinha a informação devidamente organizada. De registar que não observamos nenhum relatório de levantamento e diagnóstico das reclamações dado que o responsável pelo departamento efectuava os registos no seu caderno de uma forma expedita sem qualquer procedimento específico. Este departamento no geral mede o resultado do produto realizado pela empresa através do número de reclamações e dos custos de pós-venda registados. Os dados apurados são resultado de reclamações dos clientes durante o período de garantia da obra nos últimos dois anos que resultam um total de 161 ofícios de reclamação por parte dos clientes onde a maior partes deles identifica não uma mas várias patologias Com a recepção provisória da obra o Dono de obra é informado de que as reclamações no período de garantia devem ser encaminhadas para o Departamento de pós-venda Qualquer reclamação por parte do cliente é encaminhada internamente ao departamento de pós-venda Analisa a reclamação e dá conhecimento à Direcção de Produção. Regista a reclamação. Determina a responsabilidade no tratamento Análise da reclamação. Responsabilidade da MRG? Se Não comunica ao cliente o resultado da análise. Se sim analisa a situação no local da reparação. Determina o tipo de correção, o responsável pela reparação? Subempreiteiro? Forncedor? Responsabilidades internas? Comunica ao cliente o desenvolvimento da situação e marca o dia da intervenção para efectuar as reparações Confirma a eficácia das correcções efectuadas e informa o cliente formalmente do encerramento do processo. Figura 26 - Resumo do funcionamento de tratamento de reclamações do departamento pós-venda 148 Humberto Gonçalves Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil

175 CAPÍTULO IV Estudo Interno Aplicado a uma Empresa A caracterização das patologias do pós-venda procedeu-se da seguinte forma; dividiu-se as patologias por tipologia mais comuns tendo em conta os registos efectuados em: Fissuras em revestimentos, Fissuras Estruturais, Anomalias em pinturas, Revestimentos Danificados. Infiltrações/Humidades/condensações, Oxidação/Corrosão; Assentamentos/Abatimentos, Reparações/Avarias. Relativamente à localização destas patologias procedeu-se à seguinte divisão: Coberturas, estrutura de betão armado, estruturas metálicas, alvenarias/rebocos, caixilharias/vãos, Fachadas exteriores, paredes interiores, revestimento de tectos, pavimentos interiores, pavimentos exteriores, juntas de dilatação, rede de águas/esgotos/pluvial, Instalações técnicas (gás, electricidade, AVAC, Incêndios; instalações técnicas e instalações sanitárias Resultados 40% 35% Tipos de Patologias 36% 30% 25% 20% 23% 26% 15% 10% 5% 4% 10% 6% 11% 0% Fissuras em Revestimentos Fissuras Estruturais Anomalias em Pinturas Infiltrações / Humidades / condensações Oxidações / Corrosões Assentamentos / Abatimentos / Pavimentos Reparações / Avarias Gráfico 41 Tipos de patologias mais comuns identificados no estudo Humberto Gonçalves Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil 149

176 CAPITULO IV Estudo Interno Aplicado a uma Empresa 18% 16% 14% 12% 10% 8% 6% 4% 2% 0% Elemento de Construção Gráfico 42 Caracterização das patologias identificadas no estudo por elemento de construção 40% 35% 30% 25% 20% 15% 10% 5% Ocorrência patologias vs Custos de reparação 0% Fissuras em Revestimentos Fissuras Estruturais Anomalias em Pinturas Infiltrações / Humidades / condensações Oxidações / Corrosões Assentamentos / Abatimentos / Pavimentos Reparações / Avarias % Ocorrência de Patologias % Custos de Reparação das Patologias Gráfico 43 Relação entre o tipo de patologias e os custos de reparação. 150 Humberto Gonçalves Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil

177 CAPÍTULO IV Estudo Interno Aplicado a uma Empresa 11% Erros de Concepção 38% 51% Erros de Execução Erros de Utilização / Falta de Manutenção Gráfico 44 Caracterização das possíveis causas das patologias. 55% 34% 11% Subempreiteiros Fornecedores Responsabilidade Interna Gráfico 45 Responsabilidades nos Erros de Execução. 12% 7% 11% 12% 16% 13% 14% 15% Deficiente preparação e planeamento dos trabalhos Má qualidade dos subempreiteiros Orçamentos com margem reduzida Erros de projecto / alterações de projecto Equipas de obra pequenas sem técnicos suficientes Excesso de burocracias absorvem muito tempo Falta de conhecimento de erros do pós-venda Não cumprimento do procedimento de Qualidade internos Gráfico 46 Resultado das entrevistas aos colaboradores, causas dos erros de Execuçã Humberto Gonçalves Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil 151

178 CAPITULO IV Estudo Interno Aplicado a uma Empresa 152 Humberto Gonçalves Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil

179 CAPÍTULO V Discussão dos Resultados e Propostas de Melhoria CAPÍTULO V Discussão dos Resultados e Propostas de Melhoria Humberto Gonçalves Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil 153

180 CAPITULO V Discussão dos Resultados e Propostas de Melhoria 154 Humberto Gonçalves Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil

181 CAPÍTULO V Discussão dos Resultados e Propostas de Melhoria 5.1. Discussão dos Resultados Tendo em conta os resultados apresentados verifica-se que as falhas com mais peso nos pedidos de esclarecimento de projecto são falta de pormenorização (46%) seguindo-se erros e omissões (33%) e incompatibilidade entre projectos (21%). Estes resultados acompanham a revisão bibliográfica realizada evidenciando que os projectos continuam a ter grandes falhas contribuindo para a inoperância na fase de obra, e sendo uma influência assinalável para a qualidade final da obra. A legislação de projectos de execução deveria ser ainda mais detalhada acerca dos elementos obrigatórios constituintes nomeadamente na pormenorização, sendo que as verificações dos erros e omissões e incompatibilidades entre os projectos deveriam ser evidenciados no próprio projecto de execução a fim de garantir a qualidade do projecto, do mesmo modo que se apresentas os cálculos justificativos. Em relação aos elementos de construção mais afectados pelos pedidos de esclarecimento de projecto estes são distribuídos com mostra dos gráficos 26 e 27 principalmente pela estrutura (35%), instalações técnicas (24%), revestimento interiores e acabamentos (14%). Numa relação directa verificamos que a incompatibilidade entre projectos das estruturas e das instalações técnicas influenciam o aumento dos pedidos de esclarecimento de projectos. A falta de pormenorização afecta de um modo geral todos os elementos de construção sendo que os erros e omissões circunscrevem-se mais nos mapas de acabamentos influenciando os pedidos de esclarecimentos de projectos nos revestimento e acabamentos. No caso da obra do ICPA as fundações tiveram bastante relevância nos pedidos de esclarecimento de projecto, devendo-se ao facto das fundações preconizadas em projecto não eram as mais indicadas para o tipo de solo e respectiva capacidade resistente do mesmo. Estas situações embora não sejam muito frequentes quando se registam tem um elevado impacto na execução de obra e nos respectivos custos, uma vez que é necessário alteração ao projecto e troca do processo construtivo. Analisando os pedidos de projecto em termos de especialidades de projecto, verificamos que lidera o projecto de estabilidade (44%), seguindo-se as instalações técnicas (29%) e arquitectura (20%), comprovando a necessidade da preparação entres estas três especialidades. Humberto Gonçalves Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil 155

182 CAPITULO V Discussão dos Resultados e Propostas de Melhoria Nas instalações técnicas identifica-se a electricidade (31%), o AVAC com (25%) e a rede de incêndios (21%). Com o aumento da complexidade técnica dos projectos, as instalações técnicas ganharam preponderância nos projectos de edifícios chegando a pesar cerca de 25% do custo total das empreitadas. A legislação do RSECE e o seu tão falado sobredimensionamento entre 1,5 a 2 vezes a necessidade reais nos edifícios para Portugal resultam condutas de grandes dimensões que necessitam de volumosos equipamentos e respectiva alimentação eléctrica causando dificuldades na compatibilização entre os diferentes projectos, é necessário repensar e adaptar esta situação para evitar o atravancamento dos espaços entre estruturas. A material ilustre nas construções em Portugal e neste estudo realizado continua a ser o betão armado. De referir que no estudo os edifícios são na sua maioria novos, existindo apenas uma parte de uma obra em estruturas de madeira resultado de uma reabilitação de um Convento, dai os resultados obtidos. Relativamente ao estudo das não-conformidades revela que a sua origem está principalmente na má execução em obra (38%) por parte dos intervenientes em obra, seguindo-se a não aprovação prévia por parte da fiscalização (23,2%) da validação dos requisitos dos materiais de construção a aplicar (aprovação dos materiais) e a não aprovação da execução de determinados trabalhos que necessitam de entrega prévia de desenhos de preparação, ou a execução de protótipos prévios em obra. O não cumprimento do projecto (21,7%) deve-se a incúria por parte da entidade executante ou poderá ler-se como tentativa de avançar com os trabalhos evitando um calvário de documentos e prévias aprovações, tentativa de avanço com os trabalhos para cumprimentos dos objectivos definidos em termos de produção. Conforme demonstra o gráfico 32, o elemento de construção mais afectado pelas não conformidades é o betão na sua execução, esta situação leva-nos a reflectir que apesar de tantos anos a construir em betão ainda não dominamos os métodos adequados para garantia a sua qualidade. Em segundo lugar aparece as caixilharias, este facto talvez se deva a nova regulamentação que origina muitas dúvidas em relação a certificações recentes nomeadamente questões relacionadas com espessuras dos vidros os requisitos da qualidade dos vidros e marcação CE. Os pavimentos a par com as instalações técnicas são responsáveis por parte das não conformidades, estas situações resultam sobretudo de falta de cuidados na execução dos 156 Humberto Gonçalves Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil

183 CAPÍTULO V Discussão dos Resultados e Propostas de Melhoria pavimentos dai este serem também um dos elementos mais evidenciados nas patologias do pós-venda. No caso das instalações técnicas deve-se sobretudo a aplicação de materiais alternativos ou equivalentes aos preconizados em projecto. Os resultados operacionais de uma empresa de construção são influenciados por diversos factores apresentados no quadro 19, onde descreve a frequência e os impactos dos constrangimentos na performance da produção. Sendo o projecto a base da execução de uma obra é o factor primordial que influencia directamente a produção. Em segundo lugar estão os problemas associados a fornecimentos e subempreitadas estando este ponto directamente ligado com o contexto económico que as empresas estão a atravessar neste momento. Os preços baixos praticados (dumping) nos mercados o excesso de empresas que estão presas a compromissos bancários e financeiros levam à baixa de preços abaixo dos custos de produção levando a que as subempreitadas tenham preço cada vez mais baixos sendo uma vantagem económica aparente para os empreiteiros que adjudicam ao preço mais baixo ficando reféns de fornecedores e subempreiteiros sem capacidade financeira com rotura na tesouraria que atrasam o normal andamento da obra, fazendo chantagens e pontos de paragens previamente planeados. O gráfico 45, apresentado demonstra que o empreiteiro detém as maiores responsabilidades na performance da produção pelas suas decisões internas, preparação e planeamento de obra, critérios de selecção dos subempreiteiros e fornecedores, a necessidade de controlo e monitorização efectivo durante a fase de execução da obra. O cliente, por não preparar bem os processos na fase de projectos, leva a sucessivas e intermináveis alterações na fase de obra com forte impacto na produção e cumprimento de prazos. A qualidade dos projectos conforme referido é um dos pontos críticos. Sendo a construção civil uma actividade desenvolvida maioritariamente ao ar livre está sempre condicionada às condições climatéricas que são uma das causas de constrangimentos à produção das empresas. A empresa em estudo segue o contexto do sector da construção com uma significativa redução no volume de facturação conforme gráfico 37, devido a inexistência de concursos Humberto Gonçalves Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil 157

184 CAPITULO V Discussão dos Resultados e Propostas de Melhoria públicos e ao fraco investimento privado, resultando de uma recente restruturação da organização da empresa. O estudo realizado analisou os custos de pós-venda desde 2010 onde se verificou que estes pesam em média cerca de 1,53% do volume de facturação. Valor esse demasiado elevado para a conjuntura económica onde as empresas não podem desperdiçar recursos. Para que se tenha uma noção os preços praticados pelas empresas de construção actualmente situam-se com valores de margens de lucro na casa dos 3,5% a 5%. Se os custos de pós-venda consomem cerca de 30% da margem de lucro será fácil adivinhar o desfecho da situação a manter-se estes valores. Os custos de pós-venda registaram um aumento em 2011 julga-se que se deve ao facto da empresa ter tido um pico de volume de facturação em 2010 resultando de muitas recepções provisórias entre 2010 e Pelo que se prevê que em 2015/2016 a empresa tenha também um aumento significativo dos custos de pós-venda para efectuar as recepções definitivas cumpridos os cinco anos de período de garantia previstos legalmente. No gráfico 40, apresentado pode-se verificar que apesar de a empresa ter reduzido drasticamente o volume de facturação, os custos de pós-venda tendem a aumentar em linha de tendência, esta situação pode representar para a empresa mais um estrangulamento em termos financeiros pois vêem as despesas aumentar com o volume de negócios a diminuir. No gráfico 41, podemos observar que 36% das patologias registadas por número de registo devem-se a pequenas reparações e avarias em equipamentos, ferragens e outros acessórios. As infiltrações registam 26% das patologias registadas, neste ponto juntou-se infiltrações, humidades e condensações. A evolução da arquitectura actual leva ao uso de coberturas planas que são muito expostas às condições climatéricas adversas. O desprezo pelas águas no subsolo e a inexistência de sistemas de drenagens adequados resultam humidades ascensionais e outras que prejudicam. Com a evolução de novos sistemas construtivos como o sistemas de isolamento pelo exterior (ETICS), o aumento da estanquicidade das caixilharia levam a que os edifícios estejam cada vez mais desprovidos de ventilação natural resultando um aumento de probabilidade de dar origem a condensações. Hoje os donos de obra não estão devidamente informados e sensibilizados para a importância da ventilação natural numa casa, que previne o aparecimento de condensações desagradáveis para além dos cheiros e falta de 158 Humberto Gonçalves Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil

185 CAPÍTULO V Discussão dos Resultados e Propostas de Melhoria salubridade. Os elevados custos de manutenção dos edifícios levam muitos donos de obra a desligar os sistemas de AVAC para reduzir os custos da factura de electricidade. Ora como estes edifícios foram projectados com sistemas de AVAC, no entanto ninguém se lembra que estes equipamentos são susceptíveis de avarias, e quando acontecem verifica-se que os edifícios não estão providos de sistemas alternativos de ventilação natural resultando patologias ao nível da salubridade, condensações, aparecimento de fungos, etc. Através de uma análise do gráfico 42, verifica-se que o elemento que dá origem a mais patologias é a cobertura. A cobertura de um edifício é o elemento da envolvente que mais influencia o desempenho de uma edificação, sendo a sua função principal a de o proteger e preservar do exterior, estas podem ser de dois tipos: coberturas inclinadas e coberturas planas ou em terraço. Nos últimos anos, as coberturas planas tem tido uma significativa aplicação, seguindo a evolução das correntes arquitectónicas e usufruindo do aparecimento e desempenho de novos materiais de impermeabilização. A evolução deste sistema construtivo tem acompanhado a mudança dos padrões de conforto dos utilizadores dos edifícios, cada vez mais exigentes ao nível higrotérmico, acústico, visual e táctil. As exigências funcionais das coberturas planas são diversas como a segurança (estrutural, contra incêndios, resistências das camadas não resistente); Habitabilidade (estanqueidade, conforto térmico e acústico); Durabilidade (conservação das resistências mecânicas e qualidades dos materiais ao longo do tempo expostos a acções agressivas, limpeza, manutenção e reparação); e Economia (limitação do custo global e eficiência energética). As coberturas planas são a solução mais utilizada na construção em altura, que mais identificam as edificações, no contexto actual. Estão constantemente expostas à humidade, à radiação solar, à chuva, às mudanças de temperatura e ao desgaste de utilização. Como resultado, a maioria das coberturas planas necessitam de manutenção e ou renovação, o que implica uma análise cuidada, segundo uma metodologia de trabalho que facilite o conhecimento da cobertura e permita averiguar, com pormenor, as causas das patologias. Tendo em conta os resultados estatísticos de alguns estudos realizados a nível europeu, exposto no quadro 8 e 12 e no gráfico 7, a distribuição da origem das anomalias das coberturas planas agrupam-se da seguinte forma: 42% são produzidas por erros de projecto; 25% por erros na execução; 18% por defeito nos materiais; 9% por um mau uso e 6% pela erosão causada pelos agentes atmosféricos. O revestimento e impermeabilização das coberturas planas exigem a utilização de materiais de qualidade, tendo subjacente a sua boa Humberto Gonçalves Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil 159

186 CAPITULO V Discussão dos Resultados e Propostas de Melhoria utilização, ao nível da concepção do projecto. São recorrentes as anomalias das coberturas planas, em Portugal, que surgem agravadas pelo não cumprimento da legislação técnica e pela não utilização de produtos homologados e certificados. Em termos gerais podemos considerar que os problemas das coberturas são os pontos singulares: caleiras, embocaduras dos tubos de queda, remates nas platibandas, com chaminés, com soleiras de portas que dão acesso às coberturas ou com tubagens que atravessam as coberturas. Existe necessidade de investir mais no projecto ao nível do pormenor para evitar repetição de erros na fase de execução. Após a análise de diversas coberturas planas e respetivas anomalias, apresentou uma distribuição das mesmas por zonas das coberturas e em função do número total de ocorrência e da zona afectada com resultados de 35% para anomalias na superfície corrente, 32% em anomalias nos pontos singulares, 20% em anomalias nos sistemas de drenagem (Rocha, 2008). Os pontos singulares são também bastante afectados pelos factores de degradação descritos sendo a zona da cobertura onde ocorrem mais anomalias. Tal como na superfície corrente, refere que as principais causas da ocorrência de anomalias incidem principalmente em erros de concepção e projecto, na fase de execução e na de utilização. As anomalias podem também ocorrer devido a acções naturais (físicas, químicas e biológicas), a desastres naturais e de origem humana, mas não são causas tão relevantes como as anteriores. As juntas de dilatação ocupam um lugar de referência nos elementos de construção sendo os responsáveis por infiltrações, fissuração e deslocamento, é imperativo a formação dos colaboradores para as boas práticas de execução de juntas de dilatação. A rede de esgotos e águas pluviais são também elementos da construção que causam patologias, é com frequência que se regista caixas de esgoto mal acabadas, sem pendente e sem concordância resultando em entupimentos desagradáveis aos clientes. Em relação ao uso e manutenção destes elementos, muitas das vezes não são realizadas sendo da responsabilidade do dono de obra. Também se regista com frequência a colocação de determinados objectos volumosos que não são apropriados para colocar nas sanitas e esgotos resultando dai entupimentos com consequente inundações e inoperação das instalações sanitárias. Em relação às instalações técnicas com resultado de 16% no gráfico 42, pode-se deduzir que o aumento de equipamentos no interior dos edifícios a sua complexidade, juntado ao facto de muitos instaladores e utilizadores ainda não estarem devidamente aptos para a correcta 160 Humberto Gonçalves Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil

187 CAPÍTULO V Discussão dos Resultados e Propostas de Melhoria utilização e manutenção dos mesmos resultam muitos pedidos de reparação e por vezes não passam de situações de desconhecimento de utilização dos mesmos. O gráfico 43 que relaciona a ocorrência de patologias vs custos de reparação clarifica quais as patologias que consomem mais recursos financeiros como é o caso das infiltrações, humidades e condensações com cerca de 38% dos custos de reparação. Outra patologia que fica muito onerosa para a empresa são as fissuras em revestimentos com cerca de 30%. De referir que as reparações e avarias tem uma grande frequência no entanto tem pouco significado em termos de custos. Embora os assentamentos registados tenham alguma relevância nos custos estas patologias normalmente são também muito dispendiosas dependendo da gravidade dos abatimentos e do tipo de pavimento. Por vezes julgamos que as pinturas são relativamente baratas no entanto estas anomalias são recorrentes e muito repetidas no mesmo local, somando passagens para ocultar as verdadeiras patologias resultando de custos acumulados com alguma expressão financeira. Relativamente às causas das patologias os resultados seguem na mesma orientação das bibliografias expostas com os erros de concepção e os erros de execução a somarem cerca de 90% das causas das patologias. Embora os erros de utilização e a falta de manutenção sejam referenciados apenas com 11% este valor poderá estar a ocultar a negligência do utilizador face aos cuidados de utilização e manutenção. Nos resultados das responsabilidades nos erros de execução o empreiteiro é claramente o mais responsável pela posição que ocupa como gestor da obra e da respectiva cadeia de fornecedores e subempreiteiros. No entanto a fiscalização quando existe deve garantir a sua função em obra não permitindo falhas do empreiteiro. Os resultados das entrevistas aos colaboradores questionando-os os motivos dos erros de execução estes são diversos e equilibrados em termos de percentagem. A maior percentagem Humberto Gonçalves Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil 161

188 CAPITULO V Discussão dos Resultados e Propostas de Melhoria vai para o excesso de burocracias que absorvem muito tempo aos técnicos em obra faltando tempo para o essencial o controlo da qualidade efectiva em obra. Os entrevistados todos sentem os efeitos nefastos que os erros e alterações de projecto provocam ao normal andamento da execução da obra pelo que mereceu um lugar de destaque nas causas de nãoqualidade na fase de execução. Com o resultado de 14% as equipas de obras queixam-se das pequenas estruturas técnicas afectas à obra, aumentando a carga de trabalho sobre cada elemento, resultando de técnicos tipo bombeiros que não gerem a qualidade apenas apagam os fogos que surgem. Os resultados obtidos reflectem a necessidade de transferência de conhecimento dentro da organização dado que 12% das causas dos inquiridos indicou a falta de conhecimento de erros do pós-venda. 162 Humberto Gonçalves Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil

189 CAPÍTULO V Discussão dos Resultados e Propostas de Melhoria 5.2. Propostas de Melhoria Compreender o ciclo de vida útil dos edifícios e actuar em cada uma das fases na óptica do empreiteiro de modo a melhorar a performance da qualidade de execução. Fase de cncurso Visita ao local da obra e registo fotográfico; Check-list ao local da obra, condicionantes, informações; Erros e omissões; Leitura e análise de mapa de acabamentos; Comparação entre materiais descritos no articulado com os descritos em projeto e Caderno de encargos; Comparar mapa de acabamentos com o mapa de qunatidades; Conferir a legislação da data do projeto e legislação em vigor tendo em conta as alterações significativas; Chek-list ao projeto pontos criticos; Análise de riscos da empreitada; Fase de Preparação / Planeamento Análise do caderno de encargos; Check-list aos pontos criticos do projecto; Análise das peças escritas e peças desenhadas; Consultas / reorçamento; Análise das atividades criticas em termos de tempo e financeiro; Check-list de preparação de obra a aplicar ao projecto, Elaboração do planeamento, carga de mão de obra e de equipamentos, rendimentos; Avaliação de riscos ; Execução de Obra Pós-Venda Análise de riscos para a fase de execução de obra; Aprovisionamento de materiais Pedidos de esclarecimento de projeto; Planeamento a três meses, mensal e quinzenal com actualização semanal; Reuniões de obra com encarregados e subempreiteiros; Plano de Ensaios de cada actividade deacordo com Caderno de encargos - Fichas de inspecção e ensaios Plano da qualidade para a empreitada; Controlo de peças escritas e desenhadas; Cadastro de infra-estruturas no sub-solo e da envolvente; Gestão de contractos; Elaboração dos Desenhos de Preparação deacordo com a check-list dos ponto criticos; Aprovisionamento de materiais e equipamentos; Compilação Técnica; Resultado dos ensaios finais e entrega ao dono de obra; Formação ao dono de obra acerca da utilização e manutenção do edificio; Entrega do manual e do Plano de manutenção e utilização do empreendimento; Figura 27 Propostas de melhoria em cada uma das fase da responsabilidade do empreiteiro Humberto Gonçalves Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil 163

190 CAPITULO V Discussão dos Resultados e Propostas de Melhoria Pedidos de Esclarecimento de Projecto Sendo os pedidos de esclarecimento de projecto um modo de monitorização e de referência da qualidade dos projectos é de interesse alterar o modelo do boletim de pedido de esclarecimento de projecto de modo a este fornecer mais informações detalhadas. No futuro este modelo deverá ser preenchido em plataforma informática no servidor interno da MRG- Engenharia e Construção, de modo a realizar um tratamento estatístico automático com leitura rápida do conjunto das empreitadas a decorrer. Figura 28 Novo modelo de Pedido de Esclarecimento de Projecto 164 Humberto Gonçalves Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil

191 CAPÍTULO V Discussão dos Resultados e Propostas de Melhoria A fase de transição de informação da obra para o departamento de pós-venda é sempre algo complicado dado a elevada quantidade de informações trocadas ao longo da execução da obra. Uma vez que registamos os pedidos de esclarecimento de projecto no mapa de controlo entende-se que este documento deveria ter funções alargadas após execução de obra e ser transferido ao departamento de pós-venda onde poderia seleccionar todas as informações que ocorreram durante a execução da obra que sejam passiveis de influenciar negativamente o pós-venda. Situações essas que durante a execução da obra o empreiteiro informou e avisou por escrito do dono de obra que determinada concepção arquitectónica ou técnica não está adequada às especificidades da obra e que eventualmente poderá causar patologias no período de garantia da obra. Este mapa poderá também para registar a entrega do manual de manutenção e utilização do edifício com os planos de manutenção a efectuar periodicamente durante o período de vida útil do empreendimento. Quadro 21 - Novo modelo do mapa de controlo de pedidos de esclarecimento do projecto com influência no pósvenda. Humberto Gonçalves Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil 165

192 CAPITULO V Discussão dos Resultados e Propostas de Melhoria Departamento de pós-venda Registo e monitorização das reclamações dos clientes Figura 29 Novo modelo do quadro síntese controlo e monitorização das reclamações Serviço de pós-venda apoio ao cliente Criar uma plataforma informática que consiga reunir todos os dados relativos ao departamento de pós-venda quadro síntese do serviço pós-venda com data do registo da reclamação por parte do cliente, a designação da obra e respectivo centro de custos, data da reclamação, hiperligação ao documento oficial, designação do assunto, registo de comunicações com o cliente em fase de informação sobre o ponto de situação, registo de relatórios técnicos de visita às obras com o levantamento e diagnóstico das situações, caracterização dos tipos de patologias e do elementos de construção afectados, comunicações com cliente acerca do resultado dos relatórios técnicos, em caso de responsabilidade, registo da intervenção com fotos, custo da intervenção. Este será um tableu de bord do departamento de pós-venda que além de registo efectua o controlo e monitorização dos indicadores deste departamento. 166 Humberto Gonçalves Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil

193 CAPÍTULO V Discussão dos Resultados e Propostas de Melhoria Gestão do Conhecimento Será importante saber-se onde se está a falhar e como se podem corrigir esses erros no sentido de sermos uma organização que aprende. De modo a informar todos os colaboradores das patologias do departamento de pós-venda e das medidas preventivas a tomar em cada uma delas implementou-se na plataforma informática iportaldoc.mrg uma pasta com uma série de informação acerca dos resultados dos departamentos de pós-venda por cada obra com a respectiva avaliação de qualidade. Os resultados dos pedidos de esclarecimentos de projecto de cada obra. Alertas internos para situações que se estejam a passar em determinadas obras que comprometam a qualidade final relativamente a determinados tipos de materiais, erros de projecto, métodos de execução correcto, manuais de boas práticas de execução de obra, listagem de ensaios a realizar para aferir a qualidade em obra, planos de inspecção e ensaios das diferentes actividades da construção civil e engenharia civil, acesso partilhado a legislação, normas e outros documentos técnicos. https://iportaldoc.mrg.pt/ Figura 30 Visualização da plataforma de partilha de informação técnica na organização Aplicação de novas Tecnologias ao Controlo da Qualidade na Construção Concluindo que os erros, omissões, falta de pormenorização e compatibilização dos projectos são os principais constrangimentos à produção, como vimos, é imprescindível a procura de ferramentas que podem reduzir as falhas e aumentar a eficácia no futuro. Algumas empresas de construção têm diversificado as suas actividades para tornar a arquitectura integrada com a engenharia e construção que se designa BIM (Building Information Modeling) empresas. Isto segue um envolvimento no projecto-e-construção e projectos chave na mão ou por meio de fusões, aquisições e alianças estratégicas dentro e fora Humberto Gonçalves Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil 167

194 CAPITULO V Discussão dos Resultados e Propostas de Melhoria das fronteiras nacionais. O Desenvolvimento dos negócios tornou-se uma parte importante da empresa de construção. A Concorrência com base em muito mais do que o preço é cada vez mais importante. O BIM é uma resposta integrada e continua. O principal benefício do BIM é a representação geométrica das partes de um edifício no exercício ambiente integrado de dados. Outros benefícios relacionados são: a) Os processos mais rápidos e mais eficazes - a informação é compartilhada com mais facilidade, podem ser de valor acrescentado e reutilizados; b) Melhor concepção - edifício pode ser rigorosamente propostas analisadas, as simulações podem ser executadas rapidamente e desempenho aferido, permitindo soluções melhoradas e inovadoras; c) Controlo dos Custos de vida e dados ambientais - o desempenho ambiental é mais previsível; d) Os custos são melhor ciclo de vida Entendido; e) Automatizada montagem - dados de produtos digitais podem ser explorados nos processos a jusante e ser usadas para fabricação / montagem de sistemas estruturais; f) Melhor atendimento ao cliente - As propostas são mais bem compreendidas através da visualização exacta; g) Dados de Ciclo de Vida - Requisitos, projecto, construção e informações operacionais podem ser usados em instalações de gestão. BIM é um processo integrado que armazena e potencia a partilha e manutenção de informação de projecto, de construção e de exploração/ manutenção entre as várias partes interessadas, suportado em modelos tridimensionais com uma base de dados associada que representa todas as características físicas, de construção e funcionais de um edifício e que tem um elevado potencial no controlo e suporte à tomada de decisão nas várias fases de um empreendimento. O BIM permite a normalização ao nível de detalhe em regras de medição, codificação estrutura de informação, armazém de componentes, matrizes tipo para Informação, modelo especificação de progresso. Através da fácil visualização o modelo BIM acelera a compreensão da obra e promove a comunicação e colaboração entre as diversas partes envolvidas. 168 Humberto Gonçalves Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil

195 CAPÍTULO V Discussão dos Resultados e Propostas de Melhoria O modelo BIM permite a compatibilização das várias especialidades (arquitectura, estrutura e instalações especiais) e a detecção antecipada de problemas (colisões, incoerências, ausências de definição) e a sua resolução ou seja a análise de Construtibilidade. Com o estudo da obra, através do BIM, é facilitado o estudo e a proposta de soluções alternativas de projecto e de construção, seja por questões económicas, seja por questões técnicas. O modelo suporta esse estudo de cenários e a sua apresentação ao cliente/projectista permitindo a optimização do projecto. As constantes alterações ao projecto dificultam muitas vezes a manutenção das peças desenhadas, o modelo BIM, desde que mantido actualizado, permite a extracção de peças a qualquer momento de qualquer localização da obra permitindo peças para a preparação de obra. A partir do modelo BIM, com critérios bem definidos, é possível retirar automaticamente quantidades localizadas e por especialidade resultando os mapas de medição. Estudos realizados em obras piloto, revelam que as quantidades extraídas do BIM são fidedignas Através de um modelo BIM actualizado, é possível retirar o planeamento físico através de linhas de balanço apresenta-se como uma solida ferramenta de planeamento, optimização e projecção de cenários futuros. A orçamentação com base no modelo BIM (pela ligação existente entre os desenhos e o articulado) permite: melhorar a identificação e antecipação de erros e omissões; relatórios para apresentação ao cliente, para justificação de novos prazos ou alternativas; melhor estudo da obra com antecipação de cenários. O BIM poderá funcionar como tableu du bord com produção directa de relatórios objectivos e projecções de cenários baseados em factos reais pela periódica actualização do modelo: diagramas s-curves; análise earned value ; histograma de recursos. A Universidade de Stanford Center for Integrated instalações de engenharia (CIFE, 2007) realizou um estudo com base em 32 grandes projectos utilizando os benefícios do BIM, concluiu que as vantagens são: a) Até 40% de variação eliminação não orçamentado; b) Custo a precisão da estimativa dentro de 3%; c) Até 80% de redução no tempo necessário para gerar uma estimativa de custo; d) Uma economia de até 10% do valor do contrato através de detecções de conflitos entre as diferentes especialidades; e) Até 7% de redução no tempo de projecto; Humberto Gonçalves Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil 169

196 CAPITULO V Discussão dos Resultados e Propostas de Melhoria Num só programa estão todas as especialidades, sendo totalmente transversal ao ciclo de vida de um empreendimento, desde do projecto à gestão da manutenção. O objectivo dos estudos de caso é ilustrar vários benefícios tangíveis e intangíveis alcançados pelo desenvolvimento e utilização de modelos de informações de construção para projectos de construção reais. São necessárias reuniões de coordenação frequentes da equipa de projecto para identificar os pontos de conflito de modo a solucionar. Estudos evidenciam que a resolução de conflitos na fase de projecto dá origem uma redução de custos considerável. Figura 31 Exemplos de Sistemas automatizado de detecção de conflitos e compatibilização entre projectos O porquê de apostar no BIM? A Baixa rentabilidade do negócio, a necessidade de mitigarmos o risco, a necessidade de se aumentar a eficiência dos processos, a necessidade de eliminar a reduplicação de trabalhos, e a pretensão de aumento da vantagem competitiva internacional. Tendo em conta os resultados desta ferramenta o BIM começa a ser um requisito obrigatório em alguns mercados, como o caso do Reino Unido, Canadá, registando uma tendência internacional. 170 Humberto Gonçalves Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil

197 CAPÍTULO V Discussão dos Resultados e Propostas de Melhoria Figura 32 O âmbito do ciclo das potencialidades do BIM, (Jeong et al, 2009) Figura 33 O âmbito das potencialidades do BIM no apoio ao Projecto (Jeong et al, 2009) Humberto Gonçalves Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil 171

198 CAPITULO V Discussão dos Resultados e Propostas de Melhoria O BIM permite criar um sistema eficiente e eficaz de gestão dos edifícios garantindo: a) Resposta eficaz e eficiente às intervenções pontuais de reparação ou às intervenções programadas de conservação e manutenção; b) Fomentar a correta utilização das instalações e dos equipamentos, formando, acompanhando e responsabilizando os utilizadores; c) Garantir a plena utilização das instalações Figura 34 Comportamento e possibilidade de influenciar os custos ao longo da vida do edifício (Amelung, 1996 apud Weise et al, 2009) Esta ferramenta informática permite a possibilidade de reduzir os custos ao longo da vida do edifícios desde da fase de projecto, execução e exploração através de medidas de optimização nos custos influenciáveis. O BIM tem um grande potencial em termos de gestão e controlo nomeadamente na visão global da empreitada, na visão dinâmica de órgãos, na análise de conflitos entre as diferentes especialidades, no controlo de quantidades, no controlo de custos, na identificação de trabalhos por equipa e no faseamento construtivo no apoio ao planeamento e preparação de obra. Esta visão integrada da empreitada permite uma maior tomada de decisão logo nas primeiras fases do projecto. Apesar de todas as vantagens enunciadas ainda há um grande caminho a percorrer para o uso intuitivo deste programa. Nestas alterações e evoluções há sempre uma enorme resistência à mudança característica do Homem desde dos tempos mais remotos conforme demonstra a figura abaixo. 172 Humberto Gonçalves Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil

199 CAPÍTULO V Discussão dos Resultados e Propostas de Melhoria Figura 35 Exemplo de resistência à mudança Com a introdução desta ferramenta no mercado haverá uma mudança de paradigma com colaboradores mais flexíveis, multidisciplinares e altamente qualificados onde a colaboração entre todos os intervenientes será a palavra de ordem. Inovação e Desenvolvimento nas Organizações A quantidade de informação e a velocidade com que esta actua no mercado torna-se uma tarefa árdua para as empresas acompanharem a evolução técnológica de modo a se tornarem mais competitivas no mercado onde operam pelo que é essencial a ligação das empresas com Intituições do conhecimento como Universidades, Politécnicos, Institutos de Investigação e Plataformas de conhecimento na área da Construção e Engenharia Civil. Não basta saber o que se passa a nível nacional é imprescindível acompanhar o mercado a nível Mundial. A empresa deve estar ligada a centros de investigação para resolução de problemas de complexidade que geralmente são transversais ás organizações do mesmo sector nos mercados onde operam. Plataformas de Conheciment o Institutos de Investigação Universidades / Politécnicos MRG - Engenharia e Construção, SA Laboratórios Especializados Figura 36 A ligação entre a empresa e instituições de investigação e desenvolvimento Humberto Gonçalves Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil 173

200 CAPITULO V Discussão dos Resultados e Propostas de Melhoria Estes centros deveriam reunir todo o know how ao nível do projecto e procedimentos de execução a fim de garantir a durabilidade das construções. A empresa MRG- Engenharia e Construção, SA têm parcerias com as seguintes organismos de investigação: Gestão do Risco A Gestão do Risco na sua forma genérica pode ser analisada como plano evolutivo de gestão e controlo da qualidade durante o projecto, devendo especialmente numa obra desta natureza, assinalar e precaver em fase de concepção os riscos expectáveis. Desta forma, faz sentido entender a gestão do risco como um processo contínuo de melhoria durante todo o projecto. No início da construção são normalmente menosprezados alguns riscos, incluindo riscos conhecidos que não podem ser evitados e ainda não identificados. O principal interesse desta gestão reside na possibilidade de desenvolvimento, implementação e acompanhamento de planos que permitam actuar, muito antes dos potenciais riscos virem a afectar o projecto e ter implicações, entre outros, ao nível dos desempenhos, prazos e custos. Assim, com a implementação de uma metodologia de gestão de risco é possível alcançar importantes benefícios, como sejam: Mais e melhor informação para o processo de decisão; Redução de acontecimentos não previstos no planeamento da empreitada; Maior rigor nos prazos de entrega e na realização dos objectivos do projecto; Comparação objectiva das alternativas do projecto; Melhorar o planeamento, desempenho e eficácias; Maior rigor ao nível de custos. 174 Humberto Gonçalves Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil

Conjuntura da Construção n.º 77 O SETOR CONTINUA EM CRISE MAS EMPRESÁRIOS ACREDITAM NA RECUPERAÇÃO

Conjuntura da Construção n.º 77 O SETOR CONTINUA EM CRISE MAS EMPRESÁRIOS ACREDITAM NA RECUPERAÇÃO FEPICOP - FEDERAÇÃO PORTUGUESA DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO E OBRAS PÚBLICAS Associações Filiadas: AECOPS Associação de Empresas de Construção e Obras Públicas e Serviços AICCOPN Associação dos Industriais

Leia mais

LUZ AO FUNDO DO TÚNEL TALVEZ SÓ EM 2013. As previsões do Euroconstruct para o sector da construção e da reabilitação em Portugal.

LUZ AO FUNDO DO TÚNEL TALVEZ SÓ EM 2013. As previsões do Euroconstruct para o sector da construção e da reabilitação em Portugal. LUZ AO FUNDO DO TÚNEL TALVEZ SÓ EM 2013 As previsões do Euroconstruct para o sector da construção e da reabilitação em Portugal Vítor Cóias 1. INTRODUÇÃO Nas últimas décadas a construção em Portugal tem

Leia mais

07/01/2009 OJE Economia contrai 0,8% este ano e terá entrado em recessão em 2008 A crise financeira e a recessão mundial vão provocar este ano uma contracção de 0,8% na economia nacional, penalizada pela

Leia mais

Nota sobre as alterações do contexto socioeconómico e do mercado de trabalho

Nota sobre as alterações do contexto socioeconómico e do mercado de trabalho Nota sobre as alterações do contexto socioeconómico e do mercado de trabalho Mudanças recentes na situação socioeconómica portuguesa A evolução recente da economia portuguesa têm-se caracterizado por um

Leia mais

O Setor da Construção em Portugal 2011

O Setor da Construção em Portugal 2011 O Setor da Construção em Portugal 2011 1º semestre FEVEREIRO 2012 Ficha Técnica Título: Relatório Semestral do Setor da Construção em Portugal 1º Sem. 2011 Autoria: Catarina Gil Coordenação Geral: Pedro

Leia mais

Conjuntura da Construção n.º 36. Construção em 2009 verificou dois andamentos

Conjuntura da Construção n.º 36. Construção em 2009 verificou dois andamentos Associações Filiadas: AECOPS Associação de Empresas de Construção e Obras Públicas e Serviços AICCOPN Associação dos Industriais da Construção Civil e Obras Públicas ANEOP Associação Nacional dos Empreiteiros

Leia mais

Consórcio CGD/IHRU. Fundo de Desenvolvimento Urbano TEKTÓNICA. Iniciativa Comunitária JESSICA. 9 de Maio 2012

Consórcio CGD/IHRU. Fundo de Desenvolvimento Urbano TEKTÓNICA. Iniciativa Comunitária JESSICA. 9 de Maio 2012 Iniciativa Comunitária JESSICA Fundo de Desenvolvimento Urbano Consórcio CGD/IHRU TEKTÓNICA 9 de Maio 2012 Iniciativa Comunitária JESSICA Consórcio IHRU/GCGD 18 de Abril de 2012 1 Portugal Evolução de

Leia mais

Houve grandes mudanças no setor nos últimos anos. A atividade do setor da construção deslocou-se da construção nova para a reabilitação das

Houve grandes mudanças no setor nos últimos anos. A atividade do setor da construção deslocou-se da construção nova para a reabilitação das Houve grandes mudanças no setor nos últimos anos. A atividade do setor da construção deslocou-se da construção nova para a reabilitação das construções existentes. A reabilitação é frequentemente mais

Leia mais

Uma plataforma estratégica

Uma plataforma estratégica Publicado: Fevereiro 2007 Autor: Rui Loureiro Sénior Partner Implementar o Help Desk Quando simplesmente pensamos em implementar um Help Desk, isso pode significar uma solução fácil de realizar ou algo

Leia mais

Indicador de confiança dos Consumidores aumenta e indicador de clima económico suspende trajetória de crescimento

Indicador de confiança dos Consumidores aumenta e indicador de clima económico suspende trajetória de crescimento 29 de setembro de 2014 INQUÉRITOS DE CONJUNTURA ÀS EMPRESAS E AOS CONSUMIDORES Setembro de 2014 Indicador de confiança dos Consumidores aumenta e indicador de clima económico suspende trajetória de crescimento

Leia mais

RELATÓRIO O SECTOR DA CONSTRUÇÃO EM PORTUGAL EM 2010

RELATÓRIO O SECTOR DA CONSTRUÇÃO EM PORTUGAL EM 2010 RELATÓRIO O Sector da Construção em Portugal em 2010 Setembro de 2011 Ficha Técnica Título: Relatório O Sector da Construção em Portugal em 2010 Autoria: Catarina Gil Coordenação Geral: Pedro Ministro

Leia mais

NEWSLETTER InCI ano III nº 25 Dezembro/ 2013

NEWSLETTER InCI ano III nº 25 Dezembro/ 2013 I NOTÍCIAS/INFORMAÇÕES Foi aprovado pelo Parlamento Europeu a revisão da legislação europeia sobre os contratos públicos de obras, bens e serviços e as concessões. Consulte aqui o comunicado de imprensa.

Leia mais

Reabilitação do Sistema de Abastecimento de Água de Luena

Reabilitação do Sistema de Abastecimento de Água de Luena E1819 V6 Reabilitação do Sistema de Abastecimento de Água de Luena REHABILITATION OF LUENA WATER SUPPLY SYSTEM PGA PLANO DE GESTÃO AMBIENTAL (PGA) ENVIRONMENTAL MANAGEMENT PLAN (EMP) Adjudicante: Financial

Leia mais

Opiniões dos Empresários recuperam mas Consumo de Cimento bate mínimos históricos

Opiniões dos Empresários recuperam mas Consumo de Cimento bate mínimos históricos Associações Filiadas: AECOPS Associação de Empresas de Construção e Obras Públicas e Serviços AICCOPN Associação dos Industriais da Construção Civil e Obras Públicas Conjuntura da Construção n.º 73 Novembro

Leia mais

Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO?

Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO? Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO? Desde a crise económica e financeira mundial, a UE sofre de um baixo nível de investimento. São necessários esforços coletivos

Leia mais

Manutenção em tempos de crise económica Importância da Gestão da Manutenção

Manutenção em tempos de crise económica Importância da Gestão da Manutenção Manutenção em tempos de crise económica Importância da Gestão da Manutenção Por: Patrícia Isabel Correia* A ausência de um Sistema de Gestão de Manutenção provocou, ao longo de muitos anos, a deterioração

Leia mais

COMPROMISSO PARA O CRESCIMENTO, COMPETITIVIDADE E EMPREGO. Grupo de Trabalho Competitividade e Crescimento

COMPROMISSO PARA O CRESCIMENTO, COMPETITIVIDADE E EMPREGO. Grupo de Trabalho Competitividade e Crescimento COMPROMISSO PARA O CRESCIMENTO, COMPETITIVIDADE E EMPREGO Grupo de Trabalho Competitividade e Crescimento O Programa do XIX Governo estabelece a consolidação orçamental como um dos objectivos cruciais

Leia mais

MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO ESTRATÉGICA

MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO ESTRATÉGICA MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO ESTRATÉGICA 1/21 ANÁLISE DA ENVOLVENTE EXTERNA À EMPRESA... 3 1. Análise do Meio Envolvente... 3 2. Análise da Evolução do Mercado... 7 3. Análise da Realidade Concorrencial...

Leia mais

Orientações Integradas para o Crescimento e Emprego (2005-2008)

Orientações Integradas para o Crescimento e Emprego (2005-2008) Orientações Integradas para o Crescimento e Emprego (2005-2008) ORIENTAÇÕES MACROECONÓMICAS 1. Garantir a estabilidade económica tendo em vista o crescimento sustentável 2. Preservar a sustentabilidade

Leia mais

O papel da construção no futuro. Engenharia Civil Os novos desafios. Futuro da Construção

O papel da construção no futuro. Engenharia Civil Os novos desafios. Futuro da Construção Futuro da Construção 1 Índice 1. Âmbito 2. Questões circunstanciais 3. Questões estruturais 4. Tendências 5. Conclusões 2 Âmbito Cluster da construção e setor da construção (secção F do CAE/NACE). Fornecimento

Leia mais

DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009)

DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009) Conferência de Imprensa em 14 de Abril de 2009 DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009) No contexto da maior crise económica mundial

Leia mais

Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin

Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin A Presidência Portuguesa na área dos Assuntos Económicos e Financeiros irá centrar-se na prossecução de três grandes objectivos, definidos

Leia mais

Impacto da recente crise financeira internacional na riqueza das famílias em Portugal e na Área do Euro

Impacto da recente crise financeira internacional na riqueza das famílias em Portugal e na Área do Euro Impacto da recente crise financeira internacional na riqueza das famílias em Portugal e na Área do Euro Clara Synek * Resumo O aumento da incerteza relativo às perspectivas económicas, do mercado de trabalho,

Leia mais

Menos Crédito e destruição de emprego continuam a refletir grave crise na Construção

Menos Crédito e destruição de emprego continuam a refletir grave crise na Construção Associações Filiadas: AECOPS Associação de Empresas de Construção e Obras Públicas e Serviços AICCOPN Associação dos Industriais da Construção Civil e Obras Públicas Conjuntura da Construção n.º 71 Agosto

Leia mais

Promover a Reabilitação Urbana Regenerar as Cidades. Dinamizar o País

Promover a Reabilitação Urbana Regenerar as Cidades. Dinamizar o País Promover a Regenerar as Cidades. Dinamizar o País Paulo Alexandre de Sousa Direcção de Financiamento Imobiliário 19 Outubro 2011 Centro de Congressos EXPONOR Portugal Indicadores de confiança e de clima

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS BBVA MULTIFUNDO ALTERNATIVO

RELATÓRIO E CONTAS BBVA MULTIFUNDO ALTERNATIVO RELATÓRIO E CONTAS BBVA MULTIFUNDO ALTERNATIVO FUNDO ESPECIAL DE INVESTIMENTO 30 JUNHO 20 1 BREVE ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1º semestre de 20 No contexto macroeconómico, o mais relevante no primeiro

Leia mais

Assim, torna-se crucial a utilização de metodologias de avaliação do risco de crédito cada vez mais precisas.

Assim, torna-se crucial a utilização de metodologias de avaliação do risco de crédito cada vez mais precisas. OBJECTIVO O risco de crédito está presente no quotidiano de qualquer empresa, sendo hoje reconhecido, por uma grande parte das organizações, como uma das suas principais preocupações. Também nas empresas

Leia mais

O Financiamento Bancário no Contexto Atual

O Financiamento Bancário no Contexto Atual Seminário: Modelos de Financiamento de Operações Urbanísticas: desafios e oportunidades O Financiamento Bancário no Contexto Atual José Herculano Gonçalves IST Lisboa, 28 Janeiro 2014 Direção de Financiamento

Leia mais

Nota introdutória. PME em Números 1 IAPMEI ICEP

Nota introdutória. PME em Números 1 IAPMEI ICEP PME em Números PME em Números 1 Nota introdutória De acordo com o disposto na definição europeia 1, são classificadas como PME as empresas com menos de 250 trabalhadores cujo volume de negócios anual não

Leia mais

O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:215101-2013:text:pt:html

O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:215101-2013:text:pt:html 1/8 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:215101-2013:text:pt:html Bélgica-Bruxelas: Apoio no âmbito do trabalho preparatório de medidas de conceção ecológica

Leia mais

COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO CONSELHO. sobre a avaliação das medidas adoptadas pela Lituânia e pela Roménia

COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO CONSELHO. sobre a avaliação das medidas adoptadas pela Lituânia e pela Roménia PT PT PT COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 21.9.2010 COM(2010) 495 final COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO CONSELHO sobre a avaliação das medidas adoptadas pela Lituânia e pela Roménia em resposta às recomendações

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE Objectivos do Curso. No final deste os alunos deverão: Identificar os principais objectivos associados à implementação de Sistemas de Gestão da Qualidade (SGQ) Compreender

Leia mais

Desempenho energético dos edifícios o impacto dos regulamentos na construção e as oportunidades de melhoria do parque habitacional

Desempenho energético dos edifícios o impacto dos regulamentos na construção e as oportunidades de melhoria do parque habitacional Desempenho energético dos edifícios o impacto dos regulamentos na construção e as oportunidades de melhoria do parque habitacional Paulo Santos ADENE Agência para a Energia Nuno Baptista ADENE Agência

Leia mais

Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios (SCE)

Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios (SCE) Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios (SCE) Seminário : Inovação na Construção, Técnicas e Materiais de Construção sustentável Auditório da Associação

Leia mais

ESTUDO DA PEGADA CARBÓNICA NO SECTOR FINANCEIRO EM PORTUGAL

ESTUDO DA PEGADA CARBÓNICA NO SECTOR FINANCEIRO EM PORTUGAL ESTUDO DA PEGADA CARBÓNICA NO SECTOR FINANCEIRO EM PORTUGAL Agosto de 2010 ÍNDICE ÍNDICE... 2 ENQUADRAMENTO... 3 O IMPACTE DO SECTOR FINANCEIRO NAS ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS... 4 PEGADA CARBÓNICA DO SECTOR

Leia mais

INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO. Janeiro de 2009. Resultados para Portugal

INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO. Janeiro de 2009. Resultados para Portugal INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO Janeiro de 2009 Resultados para Portugal I. Apreciação Geral De acordo com os resultados do inquérito realizado em Janeiro de 2009, os cinco grupos bancários

Leia mais

Índice de Risco de 2011 PORTUGAL

Índice de Risco de 2011 PORTUGAL Índice de Risco de PORTUGAL Índice de Pagamentos Índice de Risco Explicação dos valores do Índice de Risco 190 180 170 160 150 140 130 120 110 100 2004 2005 2006 2007 2008 100 Nenhuns riscos de pagamento,

Leia mais

Bom dia, Senhoras e Senhores. Introdução

Bom dia, Senhoras e Senhores. Introdução Bom dia, Senhoras e Senhores Introdução Gostaria de começar por agradecer o amável convite que o Gabinete do Parlamento Europeu em Lisboa me dirigiu para participar neste debate e felicitar os organizadores

Leia mais

(Actos cuja publicação não é uma condição da sua aplicabilidade) CONSELHO

(Actos cuja publicação não é uma condição da sua aplicabilidade) CONSELHO L 52/32 II (Actos cuja publicação não é uma condição da sua aplicabilidade) CONSELHO RECOMENDAÇÃO DO CONSELHO de 14 de Fevereiro de 2000 relativa à execução das políticas de emprego dos Estados-Membros

Leia mais

NOS@EUROPE. O Desafio da Recuperação Económica e Financeira. Prova de Texto. ESA@EUROPE Escola Secundária De Arouca

NOS@EUROPE. O Desafio da Recuperação Económica e Financeira. Prova de Texto. ESA@EUROPE Escola Secundária De Arouca NOS@EUROPE O Desafio da Recuperação Económica e Financeira Prova de Texto ESA@EUROPE Escola Secundária De Arouca Ana Tavares Lara Pereira José Gomes Armindo Fernandes Dezembro de 2011 COMO TUDO COMEÇOU

Leia mais

CONCLUSÕES DA REUNIÃO EMPRESARIAL PORTUGAL - ESPANHA. 22 de junho de 2015

CONCLUSÕES DA REUNIÃO EMPRESARIAL PORTUGAL - ESPANHA. 22 de junho de 2015 CONCLUSÕES DA REUNIÃO EMPRESARIAL PORTUGAL - ESPANHA UMA UNIÃO EUROPEIA MAIS FORTE 22 de junho de 2015 A União Europeia deve contar com um quadro institucional estável e eficaz que lhe permita concentrar-se

Leia mais

DESTAQUE. Informação à Comunicação Social. Inquéritos de Conjuntura às Empresas Abril de 2013. 11 Abril de 2013

DESTAQUE. Informação à Comunicação Social. Inquéritos de Conjuntura às Empresas Abril de 2013. 11 Abril de 2013 Inquéritos de Conjuntura às Empresas Abril de 2013 11 Abril de 2013 No 1º trimestre de 2013, constata-se que o indicador de clima 1 manteve a tendência descendente dos últimos trimestres, ou seja, o ritmo

Leia mais

Angola Boletim Económico - Junho 2009

Angola Boletim Económico - Junho 2009 Angola Boletim Económico - Junho 2009 Angola retira pé do acelerador na economia Tem sido notícia nas últimas semanas em Portugal uma mudança de clima em relação à economia angolana: de um ambiente de

Leia mais

POLÍTICAS DE COMPETITIVIDADE PARA O SECTOR AGRO-ALIMENTAR

POLÍTICAS DE COMPETITIVIDADE PARA O SECTOR AGRO-ALIMENTAR POLÍTICAS DE COMPETITIVIDADE PARA O SECTOR AGRO-ALIMENTAR Prioridades Estratégicas Indústria Portuguesa Agro-Alimentar Federação das Indústrias Portuguesas Agro-Alimentares XI LEGISLATURA 2009-2013 XVIII

Leia mais

SUMÁRIO. 3º Trimestre 2009 RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA. Produção de seguro directo. Custos com sinistros

SUMÁRIO. 3º Trimestre 2009 RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA. Produção de seguro directo. Custos com sinistros SUMÁRIO Produção de seguro directo No terceiro trimestre de, seguindo a tendência evidenciada ao longo do ano, assistiu-se a uma contracção na produção de seguro directo das empresas de seguros sob a supervisão

Leia mais

no Sistema Financeiro Carlos David Duarte de Almeida Vice-Presidente do Conselho de Administração

no Sistema Financeiro Carlos David Duarte de Almeida Vice-Presidente do Conselho de Administração As consequências do Orçamento Estado 2010 no Sistema Financeiro Carlos David Duarte de Almeida Vice-Presidente do Conselho de Administração As consequências do OE 2010 no Sistema Financeiro Indice 1. O

Leia mais

Os Desafios da Fileira da Construção. As Oportunidades nos Mercados Externos

Os Desafios da Fileira da Construção. As Oportunidades nos Mercados Externos Os Desafios da Fileira da Construção As Oportunidades nos Mercados Externos Agradeço o convite que me foi dirigido para participar neste Seminário e felicito a AIP pela iniciativa e pelo tema escolhido.

Leia mais

1 Descrição sumária. Varajão, Santana, Cunha e Castro, Adopção de sistemas CRM nas grandes empresas portuguesas, Computerworld, 2011 1

1 Descrição sumária. Varajão, Santana, Cunha e Castro, Adopção de sistemas CRM nas grandes empresas portuguesas, Computerworld, 2011 1 Adopção de sistemas CRM nas grandes empresas portuguesas João Varajão 1, Daniela Santana 2, Manuela Cunha 3, Sandra Castro 4 1 Escola de Ciências e Tecnologia, Departamento de Engenharias, Universidade

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE ESTATISTICA CABO VERDE. INQUÉRITO DE CONJUNTURA Folha de Informação Rápida. CONSTRUÇÃO 3º Trimestre 2013

INSTITUTO NACIONAL DE ESTATISTICA CABO VERDE. INQUÉRITO DE CONJUNTURA Folha de Informação Rápida. CONSTRUÇÃO 3º Trimestre 2013 INSTITUTO NACIONAL DE ESTATISTICA INSTITUTO NACIONAL DE ESTATISTICA INSTITUTO NACIONAL DE ESTATISTICA CABO VERDE CABO VERDE CABO VERDE INSTITUTO NACIONAL DE ESTATISTICA CABO VERDE INQUÉRITO DE CONJUNTURA

Leia mais

Tendências. Membro. ECOPROGRESSO, SA tel + 351 21 798 12 10 fax +351 21 798 12 19 geral@ecotrade.pt www.ecotrade.pt

Tendências. Membro. ECOPROGRESSO, SA tel + 351 21 798 12 10 fax +351 21 798 12 19 geral@ecotrade.pt www.ecotrade.pt 30 27 Evolução do Preço CO2 Jan 06 - Fev 07 Spot Price Powernext Carbon Jan de 2006 a Fev 2007 Spot CO2 (30/01/07) Preço Δ Mensal 2,30-64.50% 2007 2,35-64,4% 2008 15.30-16,16% Futuro Dez 2009 2010 15.85

Leia mais

INDICE. 2. A quem serve e para que serve 3. 3. Modalidades 4. 4. Breve resenha histórica internacional 6. Principais etapas de evolução 7

INDICE. 2. A quem serve e para que serve 3. 3. Modalidades 4. 4. Breve resenha histórica internacional 6. Principais etapas de evolução 7 INDICE Pág. 1. O que é o Factoring 2 2. A quem serve e para que serve 3 3. Modalidades 4 4. Breve resenha histórica internacional 6 5. O mercado de Factoring em Portugal Principais etapas de evolução 7

Leia mais

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 310 ÍNDICE

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 310 ÍNDICE Directriz de Revisão/Auditoria 310 CONHECIMENTO DO NEGÓCIO Outubro de 1999 ÍNDICE Parágrafos Introdução 1-7 Obtenção do Conhecimento 8-13 Uso do Conhecimento 14-18 Apêndice Matérias a Considerar no Conhecimento

Leia mais

RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO

RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO Senhores Accionistas, De acordo com o disposto na Lei e nos Estatutos, vem o Conselho de Administração apresentar o seu Relatório de Gestão, o Balanço e Contas, bem

Leia mais

As Estatísticas do Banco de Portugal, a Economia e as Empresas

As Estatísticas do Banco de Portugal, a Economia e as Empresas 30 11 2012 As Estatísticas do Banco de Portugal, a Economia e as Empresas Teodora Cardoso 1ª Conferência da Central de Balanços Porto, 13 Dezembro 2010 O Banco de Portugal e as Estatísticas O Banco de

Leia mais

O seu parceiro na Gestão de Projetos e Manutenção

O seu parceiro na Gestão de Projetos e Manutenção O seu parceiro na Gestão de Projetos e Manutenção Índice 1. Introdução. 3 2. PROM&E GROUP.... 4 3. Building Management Organograma. 6 3.1 Project Management 7 3.2 Gestão Manutenção.. 16 3.3 Otimização

Leia mais

Um Contributo para a Sistematização do Conhecimento da Patologia da Construção em Portugal www.patorreb.com

Um Contributo para a Sistematização do Conhecimento da Patologia da Construção em Portugal www.patorreb.com Um Contributo para a Sistematização do Conhecimento da Patologia da Construção em Portugal www.patorreb.com Vasco Peixoto de Freitas Prof. Catedrático LFC FEUP Portugal vpfreita@fe.up.pt Sandro M. Alves

Leia mais

Competitividade, Emprego e Investimento. 17 de outubro de 2012

Competitividade, Emprego e Investimento. 17 de outubro de 2012 Competitividade, Emprego e Investimento 17 de outubro de 2012 Introdução O Programa do XIX Governo estabelece a consolidação orçamental como um dos objectivos centrais da presente legislatura; Contudo,

Leia mais

Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios

Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE LETRAS DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios Sandra Sofia Brito da Silva Dissertação

Leia mais

A CRISE FINANCEIRA E AS GRANDES OBRAS PÚBLICAS

A CRISE FINANCEIRA E AS GRANDES OBRAS PÚBLICAS A CRISE FINANCEIRA E AS GRANDES OBRAS PÚBLICAS Eduardo Catroga 0. INTRODUÇÃO Vou analisar as questões principais seguintes: 1. QUAIS AS QUESTÕES ESTRATÉGICAS CHAVE DA ECONOMIA PORTUGUESA? 2. O QUE É QUE

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE. Pág. 1 de 15. Actuar. Verifica r. Data: 09/05/2011 Edição: 01 Revisão: 00 Entrada em vigor:

MANUAL DA QUALIDADE. Pág. 1 de 15. Actuar. Verifica r. Data: 09/05/2011 Edição: 01 Revisão: 00 Entrada em vigor: MANUAL DA QUALIDADE Pág. 1 de 15 Planear Realizar Actuar Verifica r Rubrica: Rubrica: MANUAL DA QUALIDADE Pág. 2 de 15 INDICE: CAP. 1 - MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE 1.1. - Objectivo 1.2. - Âmbito e exclusões

Leia mais

O artigo 3.º do Decreto-Lei n.º 78/2006, de 4 de Abril, estabelece como estando abrangidos pelo SCE os seguintes edifícios:

O artigo 3.º do Decreto-Lei n.º 78/2006, de 4 de Abril, estabelece como estando abrangidos pelo SCE os seguintes edifícios: Regime Jurídico da Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios (SCE) Departamento de Imobiliário 12 de Janeiro de 2009 O Decreto-Lei n.º 78/2006 de 4 de Abril aprovou o Sistema

Leia mais

A Concepção da Ideia

A Concepção da Ideia A Concepção da Ideia Inov@emprego - Fórum do emprego, formação e empreendedorismo do litoral alentejano Tiago Santos Sines, 7 de Novembro de 2008 Sines Tecnopolo O Sines Tecnopolo é uma associação de direito

Leia mais

Relatório da. Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59.

Relatório da. Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59. Relatório da Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59 Resumo Novembro de 2009 Avaliação intercalar da execução do Plano de

Leia mais

Inês Flores 1, Jorge de Brito 2,

Inês Flores 1, Jorge de Brito 2, Estratégias de Manutenção em Fachadas de Edifícios Inês Flores 1, Jorge de Brito 2, Instituto Superior Técnico, Universidade Técnica de Lisboa Av. Rovisco Pais, 1049-001 Lisboa, Portugal RESUMO Uma política

Leia mais

A Importância das Inspecções Periódicas na Manutenção de Edifícios

A Importância das Inspecções Periódicas na Manutenção de Edifícios A Importância das Inspecções Periódicas na Manutenção de Edifícios Luís Viegas Mendonça Engenheiro Civil Spybuilding Lda. - Director Geral Miguel Martins do Amaral Engenheiro Civil Spybuilding Lda. - Director

Leia mais

O Programa de Reforço e Dinamização da Cooperação Empresarial SISCOOP constitui-se como

O Programa de Reforço e Dinamização da Cooperação Empresarial SISCOOP constitui-se como SISTEMA DE DIAGNÓSTICO E AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DE DESENVOLVIMENTO DAS OPORTUNIDADES DE COOPERAÇÃO EM REDE Nota: documento elaborado pela INTELI Inteligência em Inovação, no âmbito da consultadoria prestada

Leia mais

REU IÃO I FORMAL DOS CHEFES DE ESTADO E DE GOVER O DE 7 DE OVEMBRO VERSÃO APROVADA

REU IÃO I FORMAL DOS CHEFES DE ESTADO E DE GOVER O DE 7 DE OVEMBRO VERSÃO APROVADA Bruxelas, 7 de ovembro de 2008 REU IÃO I FORMAL DOS CHEFES DE ESTADO E DE GOVER O DE 7 DE OVEMBRO VERSÃO APROVADA 1. A unidade dos Chefes de Estado e de Governo da União Europeia para coordenar as respostas

Leia mais

Fundos Comunitários. geridos pela Comissão Europeia. M. Patrão Neves. www.mpatraoneves.pt. www.mpatraoneves.pt. www.mpatraoneves.

Fundos Comunitários. geridos pela Comissão Europeia. M. Patrão Neves. www.mpatraoneves.pt. www.mpatraoneves.pt. www.mpatraoneves. Fundos Comunitários geridos pela Comissão Europeia M. Patrão Neves Fundos comunitários: no passado Dependemos, de forma vital, dos fundos comunitários, sobretudo porque somos um dos países da coesão (e

Leia mais

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005.

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. Cooperação empresarial, uma estratégia para o sucesso Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. É reconhecida a fraca predisposição

Leia mais

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS XXI Encontro de Lisboa entre as Delegações dos Bancos Centrais dos Países de Língua Oficial Portuguesa à Assembleia Anual do FMI/BM Banco de Portugal 19 de Setembro de 2011 Intervenção do Ministro de Estado

Leia mais

O Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior dos Edifícios. Sumário Executivo

O Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior dos Edifícios. Sumário Executivo O Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior dos Edifícios Oportunidades para o sector da Construção Sumário Executivo Documento elaborado por: ITIC Instituto Técnico para

Leia mais

No entanto, antes de ser financeira, a crise tem uma natureza económica.

No entanto, antes de ser financeira, a crise tem uma natureza económica. INTERVENÇÃO DO PRESIDENTE DA AEP - ASSOCIAÇÃO EMPRESARIAL DE PORTUGAL, JOSÉ ANTÓNIO BARROS, NA CONFERÊNCIA «O QUE FAZER POR PORTUGAL? MEDIDAS PARA ULTRAPASSAR A CRISE», SOB O TEMA «AS PESSOAS E AS EMPRESAS

Leia mais

A evolução do Mercado Imobiliário português

A evolução do Mercado Imobiliário português A evolução do Mercado Imobiliário português Introdução Neste artigo será feita uma leitura da evolução do mercado imobiliário português desde 2008, altura em que ocorreu a crise da dívida subprime, período

Leia mais

Sem figuras nem imagens, Entrelinha 1,5. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Sem figuras nem imagens, Entrelinha 1,5. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Exame Nacional do Ensino Secundário Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 12 Páginas Sem figuras nem imagens, Entrelinha

Leia mais

Plano de Prevenção de Riscos de Gestão. Incluindo os de Corrupção e Infracções Conexas

Plano de Prevenção de Riscos de Gestão. Incluindo os de Corrupção e Infracções Conexas Plano de Prevenção de Riscos de Gestão Incluindo os de Corrupção e Infracções Conexas Introdução No âmbito da sua actividade, o Conselho de Prevenção da Corrupção (CPC), aprovou a Recomendação n.º 1/2009,

Leia mais

ENQUADRAMENTO COMUNITÁRIO DOS AUXÍLIOS ESTATAIS À INVESTIGAÇÃO E DESENVOLVIMENTO E À INOVAÇÃO

ENQUADRAMENTO COMUNITÁRIO DOS AUXÍLIOS ESTATAIS À INVESTIGAÇÃO E DESENVOLVIMENTO E À INOVAÇÃO 30.12.2006 PT Jornal Oficial da União Europeia C 323/1 I (Comunicações) COMISSÃO ENQUADRAMENTO COMUNITÁRIO DOS AUXÍLIOS ESTATAIS À INVESTIGAÇÃO E DESENVOLVIMENTO E À INOVAÇÃO (2006/C 323/01) Página 1.

Leia mais

CTCV. seminários. Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020. Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015

CTCV. seminários. Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020. Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015 23 10 2014 Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020 Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015 Victor Francisco Gestão e Promoção da Inovação 21 de outubro

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DO PROGRAMA FORMAÇÃO-ACÇÃO PME

CARACTERIZAÇÃO DO PROGRAMA FORMAÇÃO-ACÇÃO PME CARACTERIZAÇÃO DO PROGRAMA FORMAÇÃO-ACÇÃO PME NATUREZA DO PROGRAMA O Programa Formação-Acção PME consiste num itinerário de Formação e Consultoria Especializada (Formação-Acção Individualizada), inteiramente

Leia mais

COMISSÃO EUROPEIA Gabinete de Cooperação EuropeAid. América Latina Gestão financeira e contratual

COMISSÃO EUROPEIA Gabinete de Cooperação EuropeAid. América Latina Gestão financeira e contratual 1 Introdução ao sistema financeiro (custos elegíveis ) Custos directos elegíveis por natureza Custos não elegíveis Período de elegibilidade Repartição das despesas financeiras em conformidade com oanexo

Leia mais

A Comissão promove os Mercados Europeus de Capital de Risco

A Comissão promove os Mercados Europeus de Capital de Risco IP/98/305 Bruxelas, 31 de Março de 1998 A Comissão promove os Mercados Europeus de Capital de Risco A Comissão Europeia lançou uma vasta iniciativa para promover o desenvolvimento de um importante mercado

Leia mais

XXVIII. Qualidade do Novo Edifício Hospitalar ÍNDICE

XXVIII. Qualidade do Novo Edifício Hospitalar ÍNDICE XXVIII Qualidade do Novo Edifício Hospitalar ÍNDICE 1. Sistema de gestão de qualidade... 2 1.1 Objectivos do sistema... 2 1.2 Estrutura organizativa... 4 1.2.1 Organização interna... 4 1.2.2 Estrutura

Leia mais

6º Congresso Nacional da Administração Pública

6º Congresso Nacional da Administração Pública 6º Congresso Nacional da Administração Pública João Proença 30/10/08 Desenvolvimento e Competitividade: O Papel da Administração Pública A competitividade é um factor-chave para a melhoria das condições

Leia mais

01 _ Enquadramento macroeconómico

01 _ Enquadramento macroeconómico 01 _ Enquadramento macroeconómico 01 _ Enquadramento macroeconómico O agravamento da crise do crédito hipotecário subprime transformou-se numa crise generalizada de confiança com repercursões nos mercados

Leia mais

Distintos Membros dos Órgãos Sociais da Banca Comercial; Chegamos ao final de mais um ano e, por isso, é oportuno, fazer-se um

Distintos Membros dos Órgãos Sociais da Banca Comercial; Chegamos ao final de mais um ano e, por isso, é oportuno, fazer-se um Sr. Vice-Governador do BNA; Srs. Membros do Conselho de Administração do BNA; Distintos Membros dos Órgãos Sociais da Banca Comercial; Sr Representante das Casas de Câmbios Srs. Directores e responsáveis

Leia mais

RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL, 2011

RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL, 2011 RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL, 2011 I. BALANÇA DE PAGAMENTOS A estatística da Balança de Pagamentos regista as transacções económicas ocorridas, durante

Leia mais

FICHA TÉCNICA. TÍTULO Instituto Nacional de Aviação Civil, I.P. Relatório de Sustentabilidade 2008

FICHA TÉCNICA. TÍTULO Instituto Nacional de Aviação Civil, I.P. Relatório de Sustentabilidade 2008 FICHA TÉCNICA TÍTULO Instituto Nacional de Aviação Civil, I.P. Relatório de Sustentabilidade 2008 EDITOR INAC Instituto Nacional de Aviação Civil, I.P. Rua B Edifícios 4 e Santa Cruz Aeroporto de Lisboa

Leia mais

47% em I&D duplicou. numa década. Portugal investe 1,52% do PB em Investigação e Desenvolvimento Investimento. última década" e lembra que "é preciso

47% em I&D duplicou. numa década. Portugal investe 1,52% do PB em Investigação e Desenvolvimento Investimento. última década e lembra que é preciso Portugal investe 1,52% do PB em Investigação e Desenvolvimento Investimento numa década em I&D duplicou I&D, a sigla que sintetiza a expressão Investigação e Desenvolvimento é hoje, e mais do que nunca,

Leia mais

NOVOS FUNDOS COMUNITÁRIOS

NOVOS FUNDOS COMUNITÁRIOS NOVOS FUNDOS COMUNITÁRIOS Sessão de Esclarecimento Associação Comercial de Braga 8 de abril de 2015 / GlobFive e Creative Zone PT2020 OBJETIVOS DO PORTUGAL 2020 Promover a Inovação empresarial (transversal);

Leia mais

2009 BIAC Business Roundtable. Responding to the global economic crisis OECD s role in promoting open markets and job creation. 21 de Maio de 2009

2009 BIAC Business Roundtable. Responding to the global economic crisis OECD s role in promoting open markets and job creation. 21 de Maio de 2009 2009 BIAC Business Roundtable Responding to the global economic crisis OECD s role in promoting open markets and job creation 21 de Maio de 2009 Intervenção do Ministro de Estado e das Finanças Fernando

Leia mais

VALOR EM TEMPOS DE CRISE

VALOR EM TEMPOS DE CRISE IPD PORTUGAL 2009 JULHO 2010 1 Introdução 2 IPD 2009 - Retorno Total - Retorno das Rendas - Valorização do Capital 8 Análise Cushman & Wakefield Av. da Liberdade, 131 2º 1250-140 Lisboa, Portugal www.cushmanwakefield.com

Leia mais

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A satisfação e o desempenho dos recursos humanos em qualquer organização estão directamente relacionados entre

Leia mais

Colóquio: As Empresas de Serviços Energéticos em Portugal

Colóquio: As Empresas de Serviços Energéticos em Portugal Colóquio: As Empresas de Serviços Energéticos em Portugal Lisboa, 30 de Dezembro Miguel Matias Presidente da APESE Vice-Presidente Self Energy A Eficiência Energética na Cidade oportunidade na Reabilitação

Leia mais

Banco de Portugal divulga estatísticas das contas financeiras das administrações públicas e da dívida pública

Banco de Portugal divulga estatísticas das contas financeiras das administrações públicas e da dívida pública N.º 7 Abril 2015 Banco de Portugal divulga estatísticas das contas financeiras das administrações públicas e da dívida pública Na edição de abril de 2015 do Boletim Estatístico são divulgadas as contas

Leia mais

SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014)

SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014) SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014) 1. Taxa de Desemprego O desemprego desceu para 14,3% em maio, o que representa um recuo de 2,6% em relação a maio de 2013. Esta é a segunda maior variação

Leia mais

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010 Técnicas de Secretariado Departamento Comercial e Marketing Módulo 23- Departamento Comercial e Marketing Trabalho realizado por: Tânia Leão Departamento

Leia mais

Plano de Marketing Operacional

Plano de Marketing Operacional Plano de Marketing Operacional CONTEÚDO 1. Oportunidade do projecto APCMC +Inovação... iii 2. Plano de comunicação... viii 3. Controlo e revisão... xvi ii 1. Oportunidade do projecto APCMC +Inovação A

Leia mais

NO ÂMBITO DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE

NO ÂMBITO DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE INTRODUÇÃO Página: / Revisão:0 MANUAL DE FUNÇÕES NO ÂMBITO DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE XZ Consultores Direção INTRODUÇÃO Página: / Revisão:0 ÍNDICE CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO 1 Mapa de Controlo das Alterações

Leia mais

RELATÓRIO DA COMISSÃO PARA A ANÁLISE DA SITUAÇÃO ORÇAMENTAL

RELATÓRIO DA COMISSÃO PARA A ANÁLISE DA SITUAÇÃO ORÇAMENTAL RELATÓRIO DA COMISSÃO PARA A ANÁLISE DA SITUAÇÃO ORÇAMENTAL Índice: 1. Introdução 3 2. Evolução das finanças públicas em Portugal 7 3. Perspectivas macroeconómicas para 2005 19 3.1 Comparação com o cenário

Leia mais

Mercado de Capitais e Investimento de Longo Prazo

Mercado de Capitais e Investimento de Longo Prazo Mercado de Capitais e Investimento de Longo Prazo Alguns Tópicos Essenciais Dia da Formação Financeira 31 de Outubro de 2012 Abel Sequeira Ferreira, Director Executivo Outubro, 31, 2012 Crescimento Económico

Leia mais

Cortes nas Finanças Pessoais 2014

Cortes nas Finanças Pessoais 2014 Cortes nas Finanças Pessoais 2014 Baker Tilly Janeiro 2014 Audit Tax Outsourcing Consulting Corporate Finance Information Systems An independent member of Baker Tilly International Cortes nas Finanças

Leia mais