Os museus como construções virtuais

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Os museus como construções virtuais"

Transcrição

1 Os museus como construções virtuais Catarina Rebelo Guerra Dissertação para obtenção do Grau de Mestre em Arquitetura Orientadores: Professora Doutora Helena Silva Barranha Gomes Doutora Susana Maria Simões Martins Júri Presidente: Professor Vítor Manuel de Matos Carvalho de Araújo Orientador: Professora Doutora Helena Silva Barranha Gomes Vogal: Professora Ana Paula Filipe Tomé Junho 2015

2 i

3 Agradecimentos Um agradecimento muito especial à Professora Helena Barranha e à Professora Susana Martins pelo tempo, pela paciência e pela exigência. À Rita e à Raquel pela ajuda preciosa. A toda a equipa unplace por me acolherem neste admirável projeto. Ao Professor Vitor Carvalho Araújo pela disponibilidade. Ao Professor e curador Greg Lynn pelo contributo único. Aos meus pais pela compreensão e por me apoiarem incondicionalmente e ao meu irmão por me desestabilizar no momento certo. Ao Zé pela força e motivação. ii

4 iii

5 Os museus como construções virtuais Resumo O espaço digital é hoje um lugar de encontro, mais do que um simples veículo de comunicação. Os museus fixam cada vez mais as suas atividades neste espaço virtual, definindo uma nova relação com o público. Por outro lado, a arquitetura como disciplina fornece pistas sobre formas e lugares virtuais, desde a sua invenção. O conceito de virtual é, de facto, inseparável da arquitetura que, desde a origem lida com a antevisão de uma ideia, com projetos em potência, com a antecipação de uma realidade, estabelecendo estas previsões num contexto não físico mas existente numa dimensão virtual. As arquiteturas visionárias de determinados arquitetos reforçam a ideia de uma arquitetura imaterial e, por outro lado, a interação desta realidade com as tecnologias digitais intensifica o debate sobre o papel da arquitetura no ciberespaço. Nesse sentido, a análise de utopias contemporâneas de Marcos Novak, Asymptote ou Lars Spuybroek corrobora este argumento e aponta para possíveis abordagens na concepção de uma arquitetura digital. Surge, igualmente, neste contexto, a discussão sobre a arquitetura virtual dos museu, coerente com as aproximações vanguardistas do início do séc. XX e os novos tipos de arte (Arte Digital e Internet Art), que se desenvolveram desde os anos 60 do mesmo século, sugerindo, também, novas ocupações e novos tipos de espaços expositivos. Por estas razões considera- se que a arquitetura, indissociável do museu enquanto entidade construída, está apta a desenvolver significados também no espaço digital e é neste enquadramento que surgem os três museus virtuais estudados: o Museu Guggenheim Virtual do coletivo Asymptote, o Adobe Museum of Digital Media de Fillipo Inocentti e o Infinite Museum desenvolvido na Bartlett School of Architecture. Palavras- chave: arquitetura virtual; arte digital; museus e exposições virtuais; projecto unplace.. iv

6 v

7 The museum as a virtual building Abstract The digital space has now become a meeting place, more than just a simple means for communications. Museums are increasingly fixing its activities in the virtual realm, defining a new relationship with their public. Moreover, architecture as a discipline provides clues for virtual forms and locations, since its invention. The virtual concept is in fact inseparable from architecture as a discipline, weather we re dealing with the preview of an idea, with projects to be or with the with anticipation of a reality; we establish these guesses in a non- physical context. The visionary architectures of certain architects reinforces the idea of an immaterial architecture and, on the other hand, the interaction of this reality with digital technologies introduces, however, a new debate on the virtual and digital nature of space. In this sense, the analysis of contemporary utopias of Marcos Novak, Asymptote or Lars Spuybroek not only supports this argument but also points to possible approaches in the design of a digital architecture. The debate about the virtual museum aroses framed by these matters, in line with the avant- garde approaches of the beginning of the 20 th century and the new kinds of art established since the 60 s (Digital and Internet Art), suggesting new types of exhibition spaces. In this sense it is considered that architecture, which is inseparable from the museum as a built entity, is also able to develop meanings in the digital context as well. It is within this context that the three virtual museums studied emerge: the Guggenheim Virtual Museum by Asymptote, the Adobe Museum of Digital Media by Fillipo Inocentti and the Infinite Museum developed at the Bartlett School of Architecture. Key- words: virtual architecture; digital art; virtual museums and exhibitions; unplace project. vi

8 vii

9 Os museus como construções virtuais Índice Agradecimentos... ii Resumo... iv Abstract... vi Índice... viii Índice de figuras... x Abreviaturas... xviii 1. Introdução Objetivos e Questão de Investigação Metodologia e Estrutura Estado da Arte Os museus na era da informação O Virtual na Arquitetura Entre o Digital e o Real Arquiteturas visionárias: dimensão utópica e virtualidade Evolução dos processos digitais entre a teoria e a técnica Utopias Contemporâneas Três projetos de referência Marcos Novak Transarchitectures Lars Spuybroek Pavilhão da Água Asymptote Virtual Trade Floor NY Stockmarket Paradigmas do Museu Virtual Antecedentes conceptuais Museus virtuais na contemporaneidade Três projetos de referência Guggenheim Virtual Museum Asymptote (1998) The Adobe Virtual Museum of Digital Media (2010) The Infinite Museum (2013) Conclusão Fontes e Referências Anexos viii

10 ix

11 Índice de figuras Figura Página Título Fonte 1 13 A relação entre Internet e museus segundo Deborah Seid Howes. Adaptação e tradução livres 2 14 Página do Facebook do MoMA. Print- screen Contra- capa do CD- ROM do Apple Computer Virtual Museum, anos Capa do DVD- ROM do Museu do Louvre. Um produto de marketing ou um museu virtual? 5 23 Museé National de France, Boullé, Temple consacré à l'egalité, Jean Jacques Lequeu, Façade study. ca, Paul Goesch, Um dos desenhos do grupo alemão Die Gläserne Kette Broadcare City, Frank Lloyd Wright Plan Obus, Le Corbusier, Argélia O plano do Museu de Crescimento Ilimitado para o Norte de África, Le Corbusier, Museu de Arte Ocidental de Tóquio, Le Corbusie, Deborah Seid Howes, Why the Internet Matters: A Museum Educator s Perspective in The Digital Museum: A Think Guide, Washington DC: American Association of Museums, p. 67 Facebook MoMA, https://www.facebook.com/museumofm odernart/photos/a / /?ty pe=1&theater Amazon Virtual- Museum/dp/B003RFDH8W Culture Mobile numerique/nouveaux- territoires- louvre/au- debut- fut- cd- rom- et- internet Etienne- Louis Boullée, 1783, L architecture des musées au XXe siècle. plastiques.ac- rouen.fr Bibliothéque Nationale de France b/f2.item The Canadian Center for Architecture. 9- the- crystal- chain- die- glaserne- kette Architizer utopian- architecture/ Bidoun envy/blocking- the- casbah- le- corbusiers- algerian- fantasy- by- brian- ackley/ Transmuseus Bing Maps https://www.bing.com/maps/ Plug in City, Archigram, MoMA e_results.php?criteria=o%3aad%3ae%3 A6950&page_number=2&template_id=1 &sort_order=1 x

12 13 27 Beyond the Sky, Massimo Scolari, O projeto para um Monumento Contínuo de Superstudio, Yale News massimo- scolari- representation- architecture Open Buildings tinuous- monument- profile Idem. Open Buildings tinuous- monument- profile Propostas utópicas, sem título, de Archizoom, sem data. Main Prjkt s- 11- weeks- archizoom Idem. Main Prjkt s- 11- weeks- archizoom Visions of Japan, Toyo Ito, PresS/TInternational erarchitecture- spaces- in- the- electronic- age- by- lpp/ Idem. Maia Engeli II/intro/ito.html Blur Building, Diller & Scofidio, Diller & Scofidio building Idem. Diller & Scofidio building Ambiente Hiper- Real, Museo Ururguaio de Artes Visuales II Realidade Abstrata. Centro de conferências virtual da Universidade de Sidney Ambiente Híbrido. Átrio do Adobe Museum of Digital Media, Ambiente Híper- Virtual. Éphémère, de Char Davies, Modelo Virtual do Guggenheim Bilbau, Frank Gehry. Programa CATIA Yehuda E. Kalay; John Marx (2005) Architecture and the Internet: Designing places in cyberspace, First Monday: /article/view/1563/1478 Yehuda E. Kalay; John Marx (2005) Architecture and the Internet: Designing places in cyberspace, First Monday: /article/view/1563/1478 Yehuda E. Kalay; John Marx (2005) Architecture and the Internet: Designing places in cyberspace, First Monday: /article/view/1563/1478 Yehuda E. Kalay; John Marx (2005) Architecture and the Internet: Designing places in cyberspace, First Monday: /article/view/1563/1478 hiperbook/view.php?id=3254&groupid= 0&target_navigation_chapter=7635 xi

13 27 33 Yokohama Port Terminal, FOA Architects, Ciências da complexidade. A organização um bando de aves. Arch Daily classics- yokohama- international- passenger- terminal- foreign- office- architects- foa/ Google Images A semelhança entre a organização da imagem 26 e a cobertura do Centro Comunitário de Uchino, Shoei Yoh Architects, Hypersurface, Stephen Perrella, An Evolutionary Architecture, John Frazer, Mario Carpo (2013) Introduction: Twenty Years of Digital Design in Mario Carpo (2013)(ed) The Digital Turn in Architecture, New York: John Wiley & Sons, p. 8 Prof. Michele Emmer, From Topology to Virtual Architecture. apersga2004/17.htm John Frazer, (1995) An Evolutionary Architecture, Architectural Association Publications, Thames VII. /ea/intro.html Muscle NSA, ONL, Hyperbody ects/muscle- nsa/ Embryologic Houses, Greg Lynn, Son- o- house, Lars Spuybroek, Hyposurface, Mark Gulthorpe, S. Francsico Museum of Modern Art ion/artwork/ Arc Space son- o- house/ CCA 78- archaeology- of- the- digital- media- and- machines ZKM, Rem Koolhas, OMA rum- fur- kunst- und- medientechnologie- zkm/ Video Gallery, Bernard Tschumi, Media Tower, Coop Himelblau, Composição de um algoritmo generico Filtros e máscaras aplicados à composição algoritmica Variações da composição algoritmica. Victoria University of Wellington, Architecture School 01/students/cornorashl/gallery/gallery. html Visionary Architecture: From Babylon to Virtual Reality Munique e Nova Iorque: Prestel- Verlag, 1994, pp Zakros Inter Arts re/liquidarchitecture.html Zakros Inter Arts re/liquidarchitecture.html Zakros Inter Arts re/liquidarchitecture.html xii

14 42 43 Arquitetura Líquida Zakros Inter Arts re/liquidarchitecture.html Composição tridimensional Zakros Inter Arts re/liquidarchitecture.html Os dois pavilhões interligados. O Salt Water Pavilion à esquerda e o Fresh Water Pavilion à direita, Ateliê ONL water- pavilion Planta do Fresh Water Pavilion. Blogspot /2012/04/nox- architecture- and- kas- osterhuis.html Water Pavilion - Ambiente interior. Arcspace - machining- architecture/ Water Pavilion - Ambiente interior imersivo. Arcspace - machining- architecture/ Water Pavilion Exterior. Arcspace - machining- architecture/ Espaço de negociação da Bolsa de Nova Iorque Modelo Tridimensional para a Bolsa de Valores Modelo final do Virtual Trade Floor, Asymptote, Google Images CCA 78- archaeology- of- the- digital- media- and- machines New York Stock Exchange Floor.pdf Vista do Centro de Operações. Floor Nature interior- design/project- asymptote- architecture- virtual- trading- floor- 4818/ O espaço do Centro de Operações integrado no piso da Bolsa de Nova Iorque O ambiente virtual é definido pela informação sobre o Mercado da Bolsa. Visualização de ações. Floor Nature interior- design/project- asymptote- architecture- virtual- trading- floor- 4818/ Floor Nature interior- design/project- asymptote- architecture- virtual- trading- floor- 4818/ Visualização das ações da Bolsa de Nova Iorque. No gráfico estão representadas ações da American Experess (AXP), da The Boing Company (BA) e da Caterpiller Inc. (CAT), entre outras Estúdio de fotografia de Nadar, Floor Nature interior- design/project- asymptote- architecture- virtual- trading- floor- 4818/ Universidad de Sevilla Capucines_Nadar.htm xiii

15 57 55 Un Coin du Salon en 1880, Edouard Dantan. O método expositivo dos Salões em Abstract Cabinet, El Lissitzky, Licht- Raum Modulator, Moholy- Nagy, Exposição de Novas Técnicas Teatrais, Frederick Kiesler, Galeria Art of This Century, Frederick Kiesler, Museé Imaginaire, André Malraux, Boite- en- valise, Marcel Duchamp, A primeira exposição virtual do MoMA Artists of Brucke: Themes in German Expressionist Prints, O arquivo- museu virtual do artista João Paulo Serafim, MIIAC. Print- screen Exposição permanente Phantom Limb do LI- MAC. Print- screen Exposição Plotter Drawings from the 1960 s do DAM. Print- screen As galerias dos vários museus representados no Google Art são captadas com a tecnologia utilizada no street- view. Print- screen O átrio de entrada do MUVA II. O museu apresenta fortes vínculos à realidade física, embora seja exclusivo da Web. Print- screen Página de Facebook do MoMA. Print- screen. Art.com sa- i /edouard- joseph- dantan- un- coin- du- salon- en htm San Francisco Museum of Modern Art proposal- for- a- museum- el- lissitzky/ Greg.org e_raum_der_gegenwart_then_and_now.ht ml My New Desk sen- tensta- konsthall/images/frederick- kiesler- the- international- exhibition- of- new- theatre- techniques- oeversiktsbild- kiesler- s- l- t- system- wien c austrian Telegraph /How- curved- walls- and- a- female- Casanova- brought- modern- art- to- America.html Frieze Magazine iversal_archive/ Centre Pompidou cation/ressources/ens- duchamp/ens- duchamp.htm MoMA, bitions/2002/brucke/ MIIAC LI- MAC mac.org/ DAM Google Art Project https://www.google.com/culturalinstitut e/project/art- project?hl=pt Museo Virtual de Artes, Facebook MoMA https://www.facebook.com/museumofm odernart?fref=ts xiv

16 71 70 A plataforma possui um design de fácil utilização e intuitivo permitindo uma navegação simples. Google Art Project. Print screen O website do MoMA permite igualmente ao utilizador criar a sua própria coleção baseada nas obras do museu. Print- screen. Google Art Project https://www.google.com/culturalinstitut e/project/art- project?hl=pt MoMA, ections/ Instalação de Realidade Aumentada do coletivo ShoP Architects no Omi International Arts Center, presente Instalação de Realidade Aumentada de Lesser Architecture no Omi International Arts Center, presente Guggenheim Museum of Guadalajara, Asymptote, Appolo Magazine magazine.com/augmented- reality/ Appolo Magazine magazine.com/augmented- reality/ Asymptote, g- arts/c23id Perm Museum, Asymptote, Asymptote, g- arts/c23id Guggenheim Multimedia Technology Museum, Asymptote, Three Houses for the Subconscious, Asymptote, 11ª Bienal de Veneza. Asymptote, g- arts/c23id Asymptote, g- arts/c23id Estudo arquitectónico para a galeria do museu virtual da Fundação Guggenheim, Asymptote Estudo do interface para o sistema de navegação da galeria. Os espaços propostos convergem naquilo que é entendido como a entrada do Museu Virtual Guggenheim Vista interior do átrio e dos anéis de entrada, Guggenheim Virtual Vista exterior dos anéis de entrada, Guggenheim Virtual Sequência de Iscape 1.0. Frames retirados do youtube Diferentes ângulos do museu Guggenheim Virtual. Open Buildings, genheim- virtual- museum- profile Open Buildings, genheim- virtual- museum- profile Open Buildings, genheim- virtual- museum- profile Open Buildings, genheim- virtual- museum- profile youtube Open Buildings, genheim- virtual- museum- profile xv

17 85 81 Diagrama da transformação das galerias do museu Guggenheim Virtual Diagrama da transformação dos anéis da praça central de entrada do museu Guggenheim Virtual As várias localizações virtuais do AMDM. As cidades de S. Francisco, Paris, Nova Iorque e Veneza são reconhecíveis através dos seus principais ícones. Open Buildings, genheim- virtual- museum- profile Open Buildings, genheim- virtual- museum- profile Unit9 sutdio, museum- of- digital- media Idem. Unit9 sutdio, museum- of- digital- media Idem. Unit9 sutdio, museum- of- digital- media Idem. Unit9 sutdio, museum- of- digital- media Os esboços para o projeto refletem a natureza do processo, que se assemelha ao tradicional. Print- screen. Unit9 sutdio, museum- of- digital- media Idem. Unit9 sutdio, museum- of- digital- media Distribuição do programa, AMDM. Unit9 sutdio, museum- of- digital- media Vista do átrio de entrada com a ligação para as exposições em detalhe ao fundo, AMDM. Unit9 sutdio, museum- of- digital- media Entrada das exposições. Print- screen. Unit9 sutdio, museum- of- digital- media O Virtual Moving Device atua como um guia do AMDM. Unit9 sutdio, museum- of- digital- media Idem. Unit9 sutdio, museum- of- digital- media O AMDM surge enquadrado na cidade que aparenta ser Nova Iorque. Vista exterior. Print- screen. Unit9 sutdio, museum- of- digital- media xvi

18 99 89 AMDM, vista exterior. Print- screen. Unit9 sutdio, museum- of- digital- media Idem. Unit9 sutdio, museum- of- digital- media Idem. Unit9 sutdio, museum- of- digital- media Idem. Unit9 sutdio, museum- of- digital- media Infinite Museum, O museu vai crescendo à medida que o utilizador define o percurso acrescentando salas modulares Os 6 módulos definem os espaços base que são ligados sem constrangimentos, Infinite Museum As várias combinações entre as salas definem a planta do Infinite Museum O espaço permite apresentar vários tipos de media. Vista em simultâneo do objeto criado, do espaço e dos tags. Infinite Museum O edifício criado em comparação com o percurso do espaço de exposição do Infinite Museum Edifício criado vs espaço de exposição do Infinite Museum. En- topia, topia.blogspot.pt/2013/01/unity- 3d- infinite- museum.html En- topia, topia.blogspot.pt/2013/01/unity- 3d- infinite- museum.html En- topia, topia.blogspot.pt/2013/01/unity- 3d- infinite- museum.html En- topia, topia.blogspot.pt/2013/01/unity- 3d- infinite- museum.html En- topia, topia.blogspot.pt/2013/01/unity- 3d- infinite- museum.html En- topia, topia.blogspot.pt/2013/01/unity- 3d- infinite- museum.html xvii

19 Abreviaturas BIM- Building Information Modeling CAD - Computer Aided Design CAM - Computer Aided Manufacturing CCA Center for Canadian Architecture ICOM The International Council of Museums MoMA Museum of Modern Art of New York MUVA Museo Uruguaio de Artes Visuales SFMoMA San Francisco Museum of Modern Art xviii

20 1

21 1. Introdução Emotionally people live within the old dimensions of anachronistic fixations, tribal prejudices. They are immune to any suggestion for a better use of their resources because in our verbalistic society all such arguments can be answered by counterarguments for the preservation of the status quo. Laszlo Moholy- Nagy 2

22 3

23 1.1. Objetivos e Questão de Investigação A presente dissertação tem como tema os museus virtuais e como objetivo refletir sobre a sua relação com a arquitetura. Pressupõe- se que esta reflexão enquadre historicamente aquilo que é o museu virtual e reflita sobre as hipóteses de uma arquitetura virtual, centrada no encontro entre utopias e tecnologia. É também intenção deste estudo procurar compreender o papel da dimensão virtual na construção da disciplina da arquitetura. A motivação para o desenvolvimento deste tema adveio, primeiramente, do interesse geral pelas questões que envolvem as tecnologias digitais e, em segundo lugar, do interesse pela atividade desenvolvida pelos museus, também neste encontro com a tecnologia. Considera- se que se trata de uma temática relevante pelo seu carácter extremamente atual. Acredita- se que haverá na arquitetura de museus virtuais um vasto campo oportunidades por explorar, que não está, contudo, suficientemente documentado e analisado na perspectiva do cruzamento dos três domínios expressos na intenção de investigação: arquitetura, museus e espaço digital. Tal como previu e constatou, entre muitos outros autores 1, William J. Mitchell em City of Bits, a Internet tornou- se no novo espaço público contemporâneo, o lugar das trocas e interações e a arquitetura, enquanto atuante no campo social está porventura ainda distanciada desta realidade, observando- se um desfasamento entre aquilo que as ferramentas contemporâneas permitem e aquilo que é produzido virtualmente. Propõe- se, então, que se defina a arquitetura como o processo através do qual a organização de atividades no espaço é definida, em ambas as realidades física e virtual. Tradicionalmente o arquiteto e a arquitetura operaram através da manipulação dos materiais para definir os limites do espaço o espaço como o meio de ação da arquitetura. Agora, os materiais são criados usando a informação, intangível, sem gravidade e mutável no tempo. O objectivo desta dissertação de estudar e identificar novos paradigmas no campo da arquitetura de museus, na sua interseção com as novas tecnologias, desenvolve- se assim através de uma pesquisa centrada na evolução integrada de dois âmbitos, o da arquitetura e o dos museus. Pretende- se lançar o debate para possíveis desenvolvimentos na prática da arquitetura na sua relação com os processos digitais, centrando a discussão no caso específico dos museus. O objetivo final será, por isso, o de sugerir uma perspetiva enquadrada e construtiva das potencialidades que o universo do espaço digital encerra nos domínios da contribuição sociológica e cultural para o desenvolvimento da disciplina da arquitetura. Para isso, a discussão assentará no mapeamento, no estudo e na discussão das premissas que, por um lado, levam à existência do museu virtual e, por outro, à convergência dessa realidade com a arquitetura. Para tal, serão analisados projetos de 1 Vários autores descrevem a Internet como sendo o novo espaço público contemporâneo, entre os quais, Manuel Castells, Pierre Lévy e Rachel Greene. 4

24 referência para espaços museológicos e expositivos que, fundamentalmente, quebrem com os padrões tradicionais de projeto e cujo ensaio formal e tipológico seja entendido em ambiente digital. Acrescenta- se ainda que a escolha das obras para análise foi feita tendo em conta não só o contributo para a disciplina da Arquitetura, mas também para o campo das Artes Visuais; as obras em análise são, portanto, projetos de museus de natureza virtual e imaterial, lidos e projetados em ambiente virtual e para ambiente virtual, que podem, em certos casos, relacionar- se com instituições que têm representações físicas ou criar ambientes virtuais que interagem com ambientes construídos Metodologia e Estrutura O presente estudo encontra- se integrado no projeto unplace - um museu sem lugar, do qual faz parte a autora da dissertação. O projeto, coordenado pelo Instituto Superior Técnico em parceria com o Instituto de História de Arte da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, a Fundação Calouste Gulbenkian e Fundação para a Ciência e Tecnologia, pretende discutir as premissas que levam à conceção do museu virtual, enquanto interseção entre o espaço digital, a arquitetura e a arte: A par do fenómeno de mediatização e globalização das instituições museológicas, enquanto atrações turísticas e lugares de dinamização urbana e cultural, ao longo das últimas duas décadas multiplicaram- se os projetos para museus e exposições virtuais, sediados na Internet. Para além de meio indispensável de comunicação, para os museus, a Internet converteu- se num novo território de concretização de projetos de arquitetura de museus, design de exposições e curadoria, designadamente com o desenvolvimento de movimentos artísticos baseados em processos digitais, como a Arte Digital ou a Internet Art. 2 A metodologia adotada para a presente dissertação dividiu- se em três fases e passou essencialmente pela investigação bibliográfica. A primeira fase centrou- se na pesquisa documental e na recolha de informação e compreendeu a seleção de bibliografia sobre História e Crítica da Arquitetura Contemporânea, assim como a recolha e seleção de bibliografia sobre rupturas na apropriação aos espaços expositivos e adaptação dos museus às tecnologias. Esta fase incluiu a análise de obras monográficas, artigos em publicações periódicas, trabalhos académicos e publicações online. Após uma primeira aproximação à especificidade do tema seguiu- se, numa segunda fase, a escolha de projetos referenciais e a consequente recolha de informação específica sobre cada um, recorrendo maioritariamente a artigos publicados na Internet. Na terceira fase, procedeu- se à elaboração de entrevistas a arquitetos e curadores cuja pesquisa se relaciona com o ciberespaço. A metodologia de trabalho passou, mais especificamente, por: 2 Projeto unplace, Apresentação, disponível em: [20/04/2015]. 5

25 a) Pesquisa e recolha documental sobre a evolução dos modos de expor arte, considerando para análise as exposições que de alguma forma marcaram uma ruptura com práticas anteriores e introduziram os conceitos de espaço imersivo e interativo; b) Recolha documental sobre a interação entre museus e a Internet; c) Pesquisa e recolha documental sobre as diferentes abordagens teóricas ao tema da utopia em arquitetura; d) Estudo de processos e métodos arquitectónicos que recorram às tecnologias digitais e análise de teorias referentes à arquitetura no ciberespaço; e) Pesquisa e recolha de projetos de museus virtuais que se mostrem relevantes no que diz respeito à criação de lugares imateriais; f) Recolha de depoimentos de artistas, curadores e arquitetos; g) Análise e discussão dos resultados; h) Redação da tese. Esta dissertação organiza- se em quatro capítulos principais. No primeiro capítulo, apresentam- se as premissas do estudo: a questão de investigação e os objetivos, a metodologia adotada, a estrutura da tese e o estado da arte. No segundo capítulo define- se e caracteriza- se o que se considera a realidade em estudo, começando com uma breve incursão sobre a entrada do museus na esfera da tecnologia digital. Importa neste capítulo compreender os pressupostos que caracterizam a sociedade contemporânea e sustentam o museu virtual, no encontro entre a arquitetura e a Internet. Analisam- se conceitos como Internet, hipertexto e ciberespaço, com o objetivo de compreender o âmbito em que está enquadrado o museu virtual. Exploram- se estes conceitos como pontos de partida para a construção de uma realidade imaterial que, muito embora se encontre hoje generelizada, é ainda dispersa e sinuosa. O terceiro capítulo explora a relação da arquitetura com as produções não materiais e a tecnologia, apresentando- se três projetos de referência. Neste capítulo, procura- se analisar a dimensão virtual da arquitetura como parte da reflexão que engloba as arquiteturas utópicas e visionárias. Observam- se os pensamentos dos principais autores que se focam neste campo de ação e discutem- se questões como a do ciberespaço e da criação de lugares virtuais como extensão da existência física e temporal. No quarto capítulo examinam- se os antecedentes e a evolução da noção de museu virtual, analisando especificamente algumas obras e propostas desenvolvidas durante as vanguardas do início do século XX e aquilo que define como a presença virtual dos museus na contemporaneidade. 6

Curso Técnico Superior Profissional em Desenvolvimento Web

Curso Técnico Superior Profissional em Desenvolvimento Web Curso Técnico Superior Profissional em Desenvolvimento Web PROVA DE AVALIAÇÃO DE CAPACIDADE REFERENCIAL DE CONHECIMENTOS E APTIDÕES Áreas relevantes para o curso de acordo com o n.º 4 do art.º 11.º do

Leia mais

Pesquisa cruzada em múltiplas fontes e formatos (mesmo imagem) a partir duma única caixa nas colecções sem paralelo.

Pesquisa cruzada em múltiplas fontes e formatos (mesmo imagem) a partir duma única caixa nas colecções sem paralelo. Ainda melhores ferramentas para procurar, encontrar, usar e partilhar informação A nova plataforma ProQuest foi criada por si. A ProQuest trabalhou com centenas de profissionais de informação e utilizadores

Leia mais

Ficha de Unidade Curricular. Fernando Galrito, Stephan Jürgens, Filipe Pais

Ficha de Unidade Curricular. Fernando Galrito, Stephan Jürgens, Filipe Pais Ficha de Unidade Curricular Fernando Galrito, Stephan Jürgens, Filipe Pais Unidade Curricular Designação PROJECTO INTERDISCIPLINAR ARTÍSTICO Área Científica CV Ciclo de Estudos SOM E IMAGEM Carácter: Obrigatória

Leia mais

OPERAÇÕES COFINANCIADAS EM REGIME DE OVERBOOKING PELO QREN, NO ÂMBITO DO PROGRAMA OPERACIONAL DE LISBOA

OPERAÇÕES COFINANCIADAS EM REGIME DE OVERBOOKING PELO QREN, NO ÂMBITO DO PROGRAMA OPERACIONAL DE LISBOA OPERAÇÕES COFINANCIADAS EM REGIME DE OVERBOOKING PELO QREN, NO ÂMBITO DO PROGRAMA OPERACIONAL DE LISBOA Promoção e divulgação dos Jardins da Fundação Calouste Gulbenkian - Centro Interpretativo Gonçalo

Leia mais

PROGRAMA DE VOLUNTARIADO PARA OS MONUMENTOS, MUSEUS E PALÁCIOS

PROGRAMA DE VOLUNTARIADO PARA OS MONUMENTOS, MUSEUS E PALÁCIOS PROGRAMA DE VOLUNTARIADO PARA OS MONUMENTOS, MUSEUS E PALÁCIOS DEPENDENTES DA DGPC CARTA DO VOLUNTÁRIO (MINUTA) VOLUNTARIADO NOS MONUMENTOS, MUSEUS E PALÁCIOS DA DGPC CARTA DO VOLUNTÁRIO DE MONUMENTOS,

Leia mais

Curadoria e montagem de exposições de arte: um campo de diversas profissões

Curadoria e montagem de exposições de arte: um campo de diversas profissões Curadoria e montagem de exposições de arte: um campo de diversas profissões As oportunidades de trabalho e as novas profissões ligadas à arte contemporânea têm crescido muito nos últimos anos, impulsionadas

Leia mais

O uso de blogs no ensino de Matemática 2

O uso de blogs no ensino de Matemática 2 Claudinei Flavia Batista Santos Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia Brasil bs_flavia@hotmail.com Sirlândia Souza Santana sirlandiasantana@hotmail.com Resumo Este trabalho tem como principal objetivo

Leia mais

MUSEU DA COMPUTAÇÃO DA UEPG: O QUE É O MUSEU VIRTUAL

MUSEU DA COMPUTAÇÃO DA UEPG: O QUE É O MUSEU VIRTUAL 9. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO (

Leia mais

Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios

Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE LETRAS DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios Sandra Sofia Brito da Silva Dissertação

Leia mais

Novas Mídias e Relações Sociais.

Novas Mídias e Relações Sociais. Novas Mídias e Relações Sociais. Eduardo Foster 1 1 Caiena Soluções em Gestão do Conhecimento, Av. 34-578, CEP 13504-110 Rio Claro, Brasil foster@caiena.net Resumo. A comunicação é uma disciplina que acompanha

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular PRODUÇÃO DE DESIGN MULTIMÉDIA Ano Lectivo 2014/2015

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular PRODUÇÃO DE DESIGN MULTIMÉDIA Ano Lectivo 2014/2015 Programa da Unidade Curricular PRODUÇÃO DE DESIGN MULTIMÉDIA Ano Lectivo 2014/2015 1. Unidade Orgânica Arquitectura e Artes (2º Ciclo) 2. Curso Mestrado em Design 3. Ciclo de Estudos 2º 4. Unidade Curricular

Leia mais

Ano letivo 2014/2015. Planificação da disciplina: Tecnologias de Informação e Comunicação 8º ano. Domínio: Comunicação e Colaboração CC8

Ano letivo 2014/2015. Planificação da disciplina: Tecnologias de Informação e Comunicação 8º ano. Domínio: Comunicação e Colaboração CC8 Ano letivo 2014/2015 Planificação da disciplina: Tecnologias de Informação e Comunicação 8º ano Domínio: Comunicação e Colaboração CC8 Aulas Previstas Semestre 32 Subdomínio: Conhecimento e utilização

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO PROJETOS DIGITAIS

PÓS-GRADUAÇÃO PROJETOS DIGITAIS PÓS-GRADUAÇÃO PROJETOS DIGITAIS Coordenadora: Pedro Segreto 06/04/2015 > 09/2016 400 horas Idioma: Português Aulas: Segundas e quartas das 19h30 às 22h30 PÚBLICO-ALVO Profissionais e pesquisadores das

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular DESIGN DIGITAL Ano Lectivo 2012/2013

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular DESIGN DIGITAL Ano Lectivo 2012/2013 Programa da Unidade Curricular DESIGN DIGITAL Ano Lectivo 2012/2013 1. Unidade Orgânica Arquitectura e Artes (1º Ciclo) 2. Curso Design 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade Curricular DESIGN DIGITAL (L5023)

Leia mais

UNESCO Brasilia Office Representação da UNESCO no Brasil

UNESCO Brasilia Office Representação da UNESCO no Brasil UNESCO Brasilia Office Representação da UNESCO no Brasil Construindo Comunidades Virtuais de Aprendizagem : TôLigado O Jornal Interativo da sua Escola Brasilina Passarelli Brasília 2004 Artigo publicado,

Leia mais

FEUP 2006/2007 Mestrado em Tecnologias Multimédia Doc. Apresentação V0

FEUP 2006/2007 Mestrado em Tecnologias Multimédia Doc. Apresentação V0 FEUP 2006/2007 Mestrado em Tecnologias Multimédia Doc. Apresentação V0 TÍTULO: Animatic - Marionetas Digitais Interactivas ORIENTADORES: Professor Doutor Aníbal Ferreira Professor Doutor Rui Torres ALUNO:

Leia mais

ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA

ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA ABERTURA A People & Skills foi criada para responder às necessidades de um mercado cada vez mais apostado em desenvolver e consolidar competências que

Leia mais

Desenho didático para cursos dinamizados em ambientes online: o caso do curso de formação para professores em serviço do ensino médio

Desenho didático para cursos dinamizados em ambientes online: o caso do curso de formação para professores em serviço do ensino médio Desenho didático para cursos dinamizados em ambientes online: o caso do curso de formação para professores em serviço do ensino médio MARISTELA MIDLEJ SILVA DE ARAÚJO Santos SP Set/2008 Objetivo Geral

Leia mais

Oficina de Multimédia B. ESEQ 12º i 2009/2010

Oficina de Multimédia B. ESEQ 12º i 2009/2010 Oficina de Multimédia B ESEQ 12º i 2009/2010 Conceitos gerais Multimédia Hipertexto Hipermédia Texto Tipografia Vídeo Áudio Animação Interface Interacção Multimédia: É uma tecnologia digital de comunicação,

Leia mais

Afinal o que é HTML?

Afinal o que é HTML? Aluno : Jakson Nunes Tavares Gestão e tecnologia da informacão Afinal o que é HTML? HTML é a sigla de HyperText Markup Language, expressão inglesa que significa "Linguagem de Marcação de Hipertexto". Consiste

Leia mais

UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE LETRAS

UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE LETRAS UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE LETRAS Mestrado em Ciências da Documentação e da Informação Variante de Arquivo A EXTERNALIZAÇÃO DE SERVIÇOS DE ARQUIVO GESTÃO E CUSTÓDIA DE DOCUMENTOS CONTRIBUTO PARA

Leia mais

UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE LETRAS SECRETARIADO DE CIÊNCIAS DOCUMENTAIS

UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE LETRAS SECRETARIADO DE CIÊNCIAS DOCUMENTAIS UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE LETRAS SECRETARIADO DE CIÊNCIAS DOCUMENTAIS A WEB 2.0 NAS BIBLIOTECAS UNIVERSITÁRIAS PORTUGUESAS: UM ESTUDO DA IMPLEMENTAÇÃO DO PARADIGMA DA BIBLIOTECA 2.0 Helena Sofia

Leia mais

ANAIS DA VII JORNADA CIENTÍFICA DA FAZU 20 a 24 de outubro de 2008 ARTIGOS CIENTÍFICOS COMPUTAÇÃO SUMÁRIO

ANAIS DA VII JORNADA CIENTÍFICA DA FAZU 20 a 24 de outubro de 2008 ARTIGOS CIENTÍFICOS COMPUTAÇÃO SUMÁRIO ARTIGOS CIENTÍFICOS COMPUTAÇÃO SUMÁRIO AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES PESQUISADORES... 2 AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES PESQUISADORES SILVA, M.M Margareth Maciel Silva

Leia mais

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR ORGANIZAÇÃO CURRICULAR O curso Técnico em Informática, em Nível Médio Subseqüente, será organizado de forma semestral, com aulas presenciais, compostos por disciplinas, com conteúdos estabelecidos, tendo

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO. webqda - SOFTWARE DE APOIO À ANÁLISE QUALITATIVA. Entidade de formação credenciada e homologada

CURSO DE FORMAÇÃO. webqda - SOFTWARE DE APOIO À ANÁLISE QUALITATIVA. Entidade de formação credenciada e homologada CURSO DE FORMAÇÃO webqda - SOFTWARE DE APOIO À ANÁLISE QUALITATIVA Entidade de formação credenciada e homologada 1. Fundamentação A investigação nas ciências humanas e sociais tem passado nas últimas décadas

Leia mais

Modelagem de informações de. construçãocapítulo1: Capítulo. Objetivo do capítulo

Modelagem de informações de. construçãocapítulo1: Capítulo. Objetivo do capítulo construçãocapítulo1: Capítulo 1 Modelagem de informações de A modelagem de informações de construção (BIM) é um fluxo de trabalho integrado baseado em informações coordenadas e confiáveis sobre um empreendimento,

Leia mais

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção 02 Estratégia Nacional de

Leia mais

BRASIL ARTE CONTEMPORÂNEA. Programa Setorial Integrado de Promoção às Exportações da Arte Contemporânea Brasileira.

BRASIL ARTE CONTEMPORÂNEA. Programa Setorial Integrado de Promoção às Exportações da Arte Contemporânea Brasileira. 1 PROJETO SETORIAL INTEGRADO BRASIL ARTE CONTEMPORÂNEA Programa Setorial Integrado de Promoção às Exportações da Arte Contemporânea Brasileira. 2 Introdução O Ministério da Cultura, sugeriu a Fundação

Leia mais

Teorias de Media e Comunicação

Teorias de Media e Comunicação Teorias de Media e Comunicação (4) Teóricos Contemporâneos Rita Espanha Mestrado em Comunicação, Cultura e Tecnologias de Informação 1º Semestre 2012/2013 terça-feira, 20 de Novembro de 2012 Página 2 Jürgen

Leia mais

LENDO IMAGENS A PARTIR DE PROPOSTAS DE AÇÃO EDUCATIVA EM EVENTOS DE ARTE CONTEMPORÂNEA EM GOIÁS.

LENDO IMAGENS A PARTIR DE PROPOSTAS DE AÇÃO EDUCATIVA EM EVENTOS DE ARTE CONTEMPORÂNEA EM GOIÁS. LENDO IMAGENS A PARTIR DE PROPOSTAS DE AÇÃO EDUCATIVA EM EVENTOS DE ARTE CONTEMPORÂNEA EM GOIÁS. ARAÚJO, Haroldo de 1; Prof.Dr. Costa, Luis Edegar de Oliveira 2;. Palavras chaves: Arte contemporânea; curadoria;

Leia mais

CONNECTIONS LATIN AMERICAN CULTURAL WEEK NEW YORK CITY

CONNECTIONS LATIN AMERICAN CULTURAL WEEK NEW YORK CITY LATIN ART CONNECTIONS @The 9Th Annual LATIN AMERICAN CULTURAL WEEK NEW YORK CITY A celebration of Latin American culture in venues throughout New Yor k City (6/7 and 8 of November/2014) LATIN ART CONNECTIONS

Leia mais

COMPUTAÇÃO GRÁFICA O QUE É?

COMPUTAÇÃO GRÁFICA O QUE É? COMPUTAÇÃO GRÁFICA O QUE É? Curso: Tecnológico em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina: COMPUTAÇÃO GRÁFICA 4º Semestre Prof. AFONSO MADEIRA SUMÁRIO O que é COMPUTAÇÃO GRÁFICA Áreas relacionadas

Leia mais

Designer gráfico. elementos verbais e não-verbais que irão compor peças gráficas com a finalidade

Designer gráfico. elementos verbais e não-verbais que irão compor peças gráficas com a finalidade Rubens de Souza Designer gráfico O designer gráfico desenvolve projetos ou planejamentos a partir de elementos verbais e não-verbais que irão compor peças gráficas com a finalidade específica de atingir

Leia mais

Cristiana Freitas Paulo Barreiro de Sousa Município de Ponte de Lima

Cristiana Freitas Paulo Barreiro de Sousa Município de Ponte de Lima Município de Ponte de Lima Agenda Breve resenha sobre a informatização dos serviços de informação do MPL Biblioteca, Arquivo e Museus; Abordagem integrada do património cultural a nível internacional;

Leia mais

UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE CIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO

UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE CIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE CIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO APRENDER CIDADANIA COM A DISCIPINA DE HISTÓRIA: 3 PERCURSOS NO CONCELHO DE ODEMIRA Rita Santos Agudo do Amaral Rêgo MESTRADO EM EDUCAÇÃO

Leia mais

Tópicos Especiais em Informática. Msc. Márcio Alencar

Tópicos Especiais em Informática. Msc. Márcio Alencar Tópicos Especiais em Informática Msc. Márcio Alencar Recursos Certamente, um dos atrativos do chamado e- Learning (ou ensino á distância com uso de ferramentas computacionais/eletrônicas), são os novos

Leia mais

TUTORIA INTERCULTURAL NUM CLUBE DE PORTUGUÊS

TUTORIA INTERCULTURAL NUM CLUBE DE PORTUGUÊS UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE PSICOLOGIA E DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO TUTORIA INTERCULTURAL NUM CLUBE DE PORTUGUÊS SANDRA MARIA MORAIS VALENTE DISSERTAÇÃO DE MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO Área de

Leia mais

INTERNET, HIPERTEXTO E GÊNEROS DIGITAIS: NOVAS POSSIBILIDADES DE INTERAÇÃO Elaine Vasquez Ferreira de Araujo (UNIGRANRIO) elainevasquez@ig.com.

INTERNET, HIPERTEXTO E GÊNEROS DIGITAIS: NOVAS POSSIBILIDADES DE INTERAÇÃO Elaine Vasquez Ferreira de Araujo (UNIGRANRIO) elainevasquez@ig.com. INTERNET, HIPERTEXTO E GÊNEROS DIGITAIS: NOVAS POSSIBILIDADES DE INTERAÇÃO Elaine Vasquez Ferreira de Araujo (UNIGRANRIO) elainevasquez@ig.com.br 1. Introdução A rede mundial tem permitido novas práticas

Leia mais

Cerimónia de lançamento do contrato de colaboração entre o Estado Português e o Massachusetts Institute of Technology, MIT

Cerimónia de lançamento do contrato de colaboração entre o Estado Português e o Massachusetts Institute of Technology, MIT Cerimónia de lançamento do contrato de colaboração entre o Estado Português e o Massachusetts Institute of Technology, MIT Centro Cultural de Belém, Lisboa, 11 de Outubro de 2006 Intervenção do Secretário

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DA BIBLIOTECA VIRTUAL DO INSTITUTO CEPA: RELATO DA EXPERIÊNCIA 1. Ilmar Borchardt Amélia Silva de Oliveira Danilo Pereira Édina Nami Regis

IMPLANTAÇÃO DA BIBLIOTECA VIRTUAL DO INSTITUTO CEPA: RELATO DA EXPERIÊNCIA 1. Ilmar Borchardt Amélia Silva de Oliveira Danilo Pereira Édina Nami Regis IMPLANTAÇÃO DA BIBLIOTECA VIRTUAL DO INSTITUTO CEPA: RELATO DA EXPERIÊNCIA 1 Ilmar Borchardt Amélia Silva de Oliveira Danilo Pereira Édina Nami Regis Resumo Descreve a implantação da Biblioteca Virtual

Leia mais

Lisboa, Ano Lectivo 2009 2010 Prof. Gaia Moretti LUMSA Italia PROGRAMA DA DISCIPLINA WEBMARKETING CONTEXTO

Lisboa, Ano Lectivo 2009 2010 Prof. Gaia Moretti LUMSA Italia PROGRAMA DA DISCIPLINA WEBMARKETING CONTEXTO CONTEXTO Nos últimos anos, assistiu-se à construção dos alicerces de um novo modelo social, dinâmico, inovador e exigente, que se designa por Sociedade da Informação. Esta evolução assenta sobre alterações

Leia mais

Wireframes Desenho de Iteração. Henrique Correia. Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa

Wireframes Desenho de Iteração. Henrique Correia. Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa 1 Wireframes Desenho de Iteração Henrique Correia Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa Sistemas Hipermédia - 1º ano Mestrado Ensino da Informática 11 de Outubro de 2011 2 Wireframes Introdução

Leia mais

O QUE É UMA EXPOSIÇÃO?

O QUE É UMA EXPOSIÇÃO? O QUE É UMA EXPOSIÇÃO? O que torna as exposições diferentes entre si? O que torna as exposições diferentes entre si? Local da exposição? Num parque Sob céu aberto... Num Museu... No corredor de um Shopping...

Leia mais

TÉCNICO DE ARTES GRÁFICAS

TÉCNICO DE ARTES GRÁFICAS Saída Profissional 03.01 TÉCNICO DE ARTES GRÁFICAS O Técnico de Artes Gráficas é um profissional qualificado, conhecedor do fluxo de produção gráfica, e apto para o exercício de profissões ligadas à composição,

Leia mais

Ferramentas Web, Web 2.0 e Software Livre em EVT

Ferramentas Web, Web 2.0 e Software Livre em EVT E s t u d o s o b r e a i n t e g r a ç ã o d e f e r r a m e n t a s d i g i t a i s n o c u r r í c u l o d a d i s c i p l i n a d e E d u c a ç ã o V i s u a l e T e c n o l ó g i c a Art Project M

Leia mais

Galerias Virtuais: novos modos expositivos e a legitimação da arte contemporânea na web.

Galerias Virtuais: novos modos expositivos e a legitimação da arte contemporânea na web. Galerias Virtuais: novos modos expositivos e a legitimação da arte contemporânea na web. 1 Andrea Capssa Lima Resumo Este artigo na área da Arte Contemporânea e Arte e Tecnologia, analisa as novas possibilidades

Leia mais

Sites Educacionais. FUTURA - o canal do conhecimento http://www.futura.org.br. Tradutor http://babelfish.altavista.digital. com/cgi-bin/translate?

Sites Educacionais. FUTURA - o canal do conhecimento http://www.futura.org.br. Tradutor http://babelfish.altavista.digital. com/cgi-bin/translate? Sites Educacionais Instituição/URL FUTURA - o canal do conhecimento http://www.futura.org.br Tradutor http://babelfish.altavista.digital. com/cgi-bin/translate? Biblioteca Virtual do Estudante Brasileiro

Leia mais

História Diferenciações Assessoria o que é? Estrutura Comunicação x Imprensa Papéis e funções Planejamento Conteúdo Processamento interno x externo

História Diferenciações Assessoria o que é? Estrutura Comunicação x Imprensa Papéis e funções Planejamento Conteúdo Processamento interno x externo Morgana Hamester História Diferenciações Assessoria o que é? Estrutura Comunicação x Imprensa Papéis e funções Planejamento Conteúdo Processamento interno x externo Contexto atual Modelização digital contemporaneidade;

Leia mais

UM PRODUTO EDUCATIVO PARA FAZER EDUCAÇÃO AMBIENTAL

UM PRODUTO EDUCATIVO PARA FAZER EDUCAÇÃO AMBIENTAL UM PRODUTO EDUCATIVO PARA FAZER EDUCAÇÃO AMBIENTAL Se, na verdade, não estou no mundo para simplesmente a ele me adaptar, mas para transformá-lo [...] devo usar toda possibilidade que tenha para não apenas

Leia mais

REFLEXÃO SOBRE 10 INOVAÇÕES NA EDUCAÇÃO SUPERIOR MUNDIAL E SUAS CONSEQUÊNCIAS PARA A GESTÃO UNIVERSITÁRIA NO BRASIL RYON BRAGA

REFLEXÃO SOBRE 10 INOVAÇÕES NA EDUCAÇÃO SUPERIOR MUNDIAL E SUAS CONSEQUÊNCIAS PARA A GESTÃO UNIVERSITÁRIA NO BRASIL RYON BRAGA REFLEXÃO SOBRE 10 INOVAÇÕES NA EDUCAÇÃO SUPERIOR MUNDIAL E SUAS CONSEQUÊNCIAS PARA A GESTÃO UNIVERSITÁRIA NO BRASIL RYON BRAGA 2 PREVISÕES ANTERIORES SEMINÁRIO ABMES DE 2005 1 CRESCIMENTO DAS CLASSES C

Leia mais

MESTRADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS. 1.1 Matriz Curricular Disciplinas obrigatórias

MESTRADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS. 1.1 Matriz Curricular Disciplinas obrigatórias MESTRADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS 1.1 Matriz Curricular Disciplinas obrigatórias C/H Memória Social 45 Cultura 45 Seminários de Pesquisa 45 Oficinas de Produção e Gestão Cultural 45 Orientação

Leia mais

Transcinema é o cinema situação, ou seja, um cinema que experimenta novas arquiteturas, novas narrativas e novas estratégias de interação.

Transcinema é o cinema situação, ou seja, um cinema que experimenta novas arquiteturas, novas narrativas e novas estratégias de interação. Transcinema e a estética da interrupção Kátia Maciel Transcinema é o cinema situação, ou seja, um cinema que experimenta novas arquiteturas, novas narrativas e novas estratégias de interação. Se o cinema

Leia mais

PROJETO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA- EDITAL 2013-2014

PROJETO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA- EDITAL 2013-2014 PROJETO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA- EDITAL 2013-2014 IDENTIFICAÇÃO DO ORIENTADOR TITULO DO PROJETO AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DA PLATAFORMA ONLINE DE INTELIGENCIA COLETIVA CONECTE IDEIAS PLANO DE TRABALHO 1

Leia mais

Realizou-se dia 24 de Março, na Maia, nas instalações da Sonae Learning Center, a 6ª sessão da CoP, desta vez presencial.

Realizou-se dia 24 de Março, na Maia, nas instalações da Sonae Learning Center, a 6ª sessão da CoP, desta vez presencial. CoP de Gestão do Conhecimento Notas da sessão presencial de 24 de Março de 2014 Realizou-se dia 24 de Março, na Maia, nas instalações da Sonae Learning Center, a 6ª sessão da CoP, desta vez presencial.

Leia mais

O Storytelling. T- Story NEWSLETTER. Junho 2013 1ª Edição. Porquê utilizar o Storytelling

O Storytelling. T- Story NEWSLETTER. Junho 2013 1ª Edição. Porquê utilizar o Storytelling Apresentamos a newsletter oficial do projeto T-Story - Storytelling Aplicado à Educação e Formação, um projeto financiado pela ação transversal Atividade-chave 3 Tecnologias de Informação e Comunicação,

Leia mais

Trabalho sobre Social Media Como implementar Social Media na empresa

Trabalho sobre Social Media Como implementar Social Media na empresa Como implementar Social Media na empresa 1 As razões: Empresas ainda desconhecem benefícios do uso de redes sociais Das 2,1 mil empresas ouvidas em estudo do SAS Institute e da Harvard Business Review,

Leia mais

qwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopa sdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcv bnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwertyui LITERACIAS

qwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopa sdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcv bnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwertyui LITERACIAS qwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopa sdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcv bnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwertyui LITERACIAS opasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklz COMPETÊNCIAS EM LITERACIAS xcvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwert

Leia mais

RÁDIO UNIVERSITÁRIA DO MINHO: CONFIGURAÇÕES EDUCOMUNICATIVAS DE ENSINO-APREDIZAGEM MARCELO MENDONÇA TEIXEIRA

RÁDIO UNIVERSITÁRIA DO MINHO: CONFIGURAÇÕES EDUCOMUNICATIVAS DE ENSINO-APREDIZAGEM MARCELO MENDONÇA TEIXEIRA 1 RÁDIO UNIVERSITÁRIA DO MINHO: CONFIGURAÇÕES EDUCOMUNICATIVAS DE ENSINO-APREDIZAGEM MARCELO MENDONÇA TEIXEIRA Introdução A passagem da comunicação oral para a comunicação eletrônica no final da década

Leia mais

AEC ALE TIC. Orientações Pedagógicas. 1.º Ciclo do Ensino Básico

AEC ALE TIC. Orientações Pedagógicas. 1.º Ciclo do Ensino Básico ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR ANO LETIVO 2014/2015 AEC ALE TIC Orientações Pedagógicas 1.º Ciclo do Ensino Básico 1. Introdução A atividade de enriquecimento curricular, ALE (atividades lúdico-expressivas)

Leia mais

DOUTORADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS

DOUTORADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS DOUTORADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS Tópicos Avançados em Memória Social 45 Tópicos Avançados em Cultura 45 Tópicos Avançados em Gestão de Bens Culturais 45 Seminários

Leia mais

Portfólio de Criação Espaço Experiência 1. Gabriel Godinho CARRARO 2 Julia Meinhardt TELLES 3 Jarissa Maguatini Pinto COGOY 4 Vinícius MANO 5

Portfólio de Criação Espaço Experiência 1. Gabriel Godinho CARRARO 2 Julia Meinhardt TELLES 3 Jarissa Maguatini Pinto COGOY 4 Vinícius MANO 5 Portfólio de Criação Espaço Experiência 1 Gabriel Godinho CARRARO 2 Julia Meinhardt TELLES 3 Jarissa Maguatini Pinto COGOY 4 Vinícius MANO 5 Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto

Leia mais

CÓDIGO: APL008 Concepções e manifestações artísticas da pré-história ao início da idade moderna. (renascimento europeu).

CÓDIGO: APL008 Concepções e manifestações artísticas da pré-história ao início da idade moderna. (renascimento europeu). 43 RELAÇÃO DE EMENTAS CURSO: ARTES VISUAIS DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS DISCIPLINA: Artes Visuais I CÓDIGO: APL008 Concepções e manifestações artísticas da pré-história ao início da idade moderna. (renascimento

Leia mais

PROPOSTA DE UM MODELO DE REFERÊNCIA PARA AS TECNOLOGIAS MULTIMÉDIA

PROPOSTA DE UM MODELO DE REFERÊNCIA PARA AS TECNOLOGIAS MULTIMÉDIA PROPOSTA DE UM MODELO DE REFERÊNCIA PARA AS TECNOLOGIAS MULTIMÉDIA Nuno Magalhães Ribeiro - Faculdade de Ciência e Tecnologia, UFP Professor Auxiliar E-mail: nribeiro@ufp.pt Luis Borges Gouveia - Faculdade

Leia mais

CADERNOS DE SOCIOMUSEOLOGIA Nº 15-1999 5

CADERNOS DE SOCIOMUSEOLOGIA Nº 15-1999 5 CADERNOS DE SOCIOMUSEOLOGIA Nº 15-1999 5 APRESENTAÇÃO. O presente número dos Cadernos de Sociomuseologia, reúne um conjunto de documentos sobre museologia e património que se encontram dispersos e muitas

Leia mais

- relaciona informação de diferentes classes da CDU no tratamento de um tema -utiliza as funcionalidades de pesquisa avançada no catálogo.

- relaciona informação de diferentes classes da CDU no tratamento de um tema -utiliza as funcionalidades de pesquisa avançada no catálogo. ÁREA: Conhecimento e utilização da Biblioteca Cumprir as regras de funcionamento da biblioteca - cumpre as regras de comportamento na BE - cumpre as regras de acesso, manipulação, preservação e arrumação

Leia mais

12 Razões Para Usar. Lightroom. André Nery

12 Razões Para Usar. Lightroom. André Nery 12 Razões Para Usar Lightroom André Nery André Nery é fotógrafo em Porto Alegre. Arquitetura e fotografia outdoor, como natureza, esportes e viagens, são sua área de atuação. Há dez anos começou a ministrar

Leia mais

Metas de Aprendizagem 1.º Ciclo Expressões Artísticas. Introdução

Metas de Aprendizagem 1.º Ciclo Expressões Artísticas. Introdução Metas de Aprendizagem 1.º Ciclo Expressões Artísticas Introdução A Educação Artística no Ensino Básico desenvolve-se em quatro grandes áreas (Expressão Plástica e Educação Visual; Expressão e Educação

Leia mais

Maio 2013 PE2020. O papel da Engenharia como fator de competitividade. Iniciativa

Maio 2013 PE2020. O papel da Engenharia como fator de competitividade. Iniciativa Maio 2013 PE2020 O papel da Engenharia como fator de competitividade Iniciativa Agenda 1. Apresentação da Proforum e do PE2020 como plataforma colaborativa relevante e integradora 2. Contributo do PE2020

Leia mais

INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO

INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO A partir de meados do século xx a actividade de planeamento passou a estar intimamente relacionada com o modelo racional. Uma das propostas que distinguia este do anterior paradigma era a integração

Leia mais

SOFTWARES SOCIAIS E MUNDOS VIRTUAIS: MAPEAMENTO DAS FERRAMENTAS PARA A MOBILIZAÇÃO EM SAÚDE 1

SOFTWARES SOCIAIS E MUNDOS VIRTUAIS: MAPEAMENTO DAS FERRAMENTAS PARA A MOBILIZAÇÃO EM SAÚDE 1 SOFTWARES SOCIAIS E MUNDOS VIRTUAIS: MAPEAMENTO DAS FERRAMENTAS PARA A MOBILIZAÇÃO EM SAÚDE 1 Bruna Mayara de Lima Cibotto 2 ; Patrícia Marques da Silva Prado 2 ; Ana Paula Machado Velho 3. RESUMO: O presente

Leia mais

Este foi o título que dei a um primeiro importante trabalho em serigrafia.

Este foi o título que dei a um primeiro importante trabalho em serigrafia. [ensaio de imagem] Mônica Schoenacker 1967. Artista plástica, Mestre em Printmaking (gravura) no Royal College of Art (RCA) em Londres como bolsista da Capes (1999), quando foi agraciada com o Tim Mara

Leia mais

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches A presença de tecnologias digitais no campo educacional já é facilmente percebida, seja pela introdução de equipamentos diversos,

Leia mais

Jornalismo cultural na internet e a proposta do site Movamente 1

Jornalismo cultural na internet e a proposta do site Movamente 1 Jornalismo cultural na internet e a proposta do site Movamente 1 Letícia BARROSO 2 Thaís PEIXOTO 3 Centro Universitário Fluminense Campus II- Campos/RJ RESUMO: A falta de espaço nos veículos convencionais

Leia mais

COMO PLANEAR E POSICIONAR MUSEUS EM TEMPOS DE MUDANÇA CULTURAL

COMO PLANEAR E POSICIONAR MUSEUS EM TEMPOS DE MUDANÇA CULTURAL COMO PLANEAR E POSICIONAR MUSEUS EM TEMPOS DE MUDANÇA CULTURAL Gail Dexter Lord, Co-Presidente, Lord Cultural Resources ICOM Portugal 2014, XI Jornadas da Primavera, Lisboa 31 de março de 2014 Toronto

Leia mais

MEMÓRIA URBANA DE PALMAS-TO: LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES E MATERIAL SOBRE O PLANO DE PALMAS E SEUS ANTECEDENTES

MEMÓRIA URBANA DE PALMAS-TO: LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES E MATERIAL SOBRE O PLANO DE PALMAS E SEUS ANTECEDENTES MEMÓRIA URBANA DE PALMAS-TO: LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES E MATERIAL SOBRE O PLANO DE PALMAS E SEUS ANTECEDENTES Tânia de Sousa Lemos 1 ; Ana Beatriz Araujo Velasques 2 1 Aluna do Curso de Arquitetura e

Leia mais

23/09/2011. Tecnologias da Educação. Tecnologias e mídias. Diferença entre tecnologia e mídia. Diferença entre tecnologia e mídia.

23/09/2011. Tecnologias da Educação. Tecnologias e mídias. Diferença entre tecnologia e mídia. Diferença entre tecnologia e mídia. Tecnologias da Educação Marco Antônio Tecnologias e mídias Comunicar não é de modo algum transmitir uma mensagem ou receber uma mensagem. Isso é a condição física da comunicação, mas não é comunicação.

Leia mais

O Curso de História da Arte na Universidade Federal de São Paulo

O Curso de História da Arte na Universidade Federal de São Paulo O Curso de História da Arte na Universidade Federal de São Paulo Jens Baumgarten UNIFESP Resumo O artigo apresenta o projeto acadêmico-intelectual do novo curso de graduação de História da Arte na Universidade

Leia mais

ÍNDICE. Índice de Figuras 9 Índice de Quadros 10 Preâmbulo 11

ÍNDICE. Índice de Figuras 9 Índice de Quadros 10 Preâmbulo 11 ÍNDICE Índice de Figuras 9 Índice de Quadros 10 Preâmbulo 11 1. Inovação e o Desenvolvimento Regional 13 1.1 Inovação e geografia económica 15 1.2 Inovação e desenvolvimento regional 18 Questões para reflexão

Leia mais

Porque é que o rato demorou tanto tempo a ser aceite como instrumento de interface? ou Douglas Engelbart, um génio que ficou na sombra?

Porque é que o rato demorou tanto tempo a ser aceite como instrumento de interface? ou Douglas Engelbart, um génio que ficou na sombra? Universidade Católica Portuguesa Mestrado em Informática Educacional Internet e Educação Ensaio nº 1: Histórias exemplares na Internet Porque é que o rato demorou tanto tempo a ser aceite como instrumento

Leia mais

Barbara Jane Necyk. Texto e Imagem: um olhar sobre o livro infantil contemporâneo. Dissertação de Mestrado

Barbara Jane Necyk. Texto e Imagem: um olhar sobre o livro infantil contemporâneo. Dissertação de Mestrado Barbara Jane Necyk Texto e Imagem: um olhar sobre o livro infantil contemporâneo Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa de Pós- Graduação em Design do Departamento de Artes & Design

Leia mais

ANEXO III PROGRAMAÇÃO ARTÍSTICA LINHAS ORIENTADORAS E OBJETIVOS

ANEXO III PROGRAMAÇÃO ARTÍSTICA LINHAS ORIENTADORAS E OBJETIVOS ANEXO III PROGRAMAÇÃO ARTÍSTICA LINHAS ORIENTADORAS E OBJETIVOS CENTRO CULTURAL VILA FLOR A programação do Centro Cultural Vila Flor deverá assentar em critérios de qualidade, diversidade, contemporaneidade

Leia mais

ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE CAPITAL HUMANO

ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE CAPITAL HUMANO ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE CAPITAL HUMANO ABERTURA A People & Skills foi criada para responder às necessidades de um mercado cada vez mais apostado em desenvolver e consolidar competências que garantem

Leia mais

II Congresso Internacional TIC e Educação

II Congresso Internacional TIC e Educação ITIC: UM PROJETO PARA CONTRIBUIR PARA O APERFEIÇOAMENTO E EMBASAMENTO DO CORPO DE PROFESSORES DO PROGRAMA APRENDIZAGEM DO SENAC NO DOMÍNIO DA UTILIZAÇÃO DAS TIC Claudia Machado, Maria João Gomes Universidade

Leia mais

QUERES SER VOLUNTÁRIO(A) NO GEOTA?

QUERES SER VOLUNTÁRIO(A) NO GEOTA? INVENTARIAÇÃO DE POPULAÇÕES DE AVIFAUNA DA RESERVA NATURAL LOCAL DO PAUL DE TORNADA - Quais os objetivos da tarefa? Manter, incrementar e divulgar os valores naturais da Reserva Natural Local do Paul de

Leia mais

963 442 580 916 778 994 272 347 354 Solteira

963 442 580 916 778 994 272 347 354 Solteira Nome Naturalidade Nacionalidade Nascimento B. I. Contribuinte Filiação Morada DADOS PESSOAIS Célia Maria Nunes Barreto Castelo Branco Portuguesa 27/ 06/ 1970 9326654 Emitido a 21 de Fevereiro de 2008,

Leia mais

Programa do Curso. Cultura da mobilidade e Educação: desvendando possibilidades pedagógicas

Programa do Curso. Cultura da mobilidade e Educação: desvendando possibilidades pedagógicas UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA UNEB DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO CAMPUS I MESTRADO EM EDUCAÇÃO E CONTEMPORANEIDADE LINHA DE PESQUISA: JOGOS ELETRÔNICOS E APRENDIZAGEM GRUPO DE PESQUISA: COMUNIDADES VIRTUAIS

Leia mais

DECLARAÇÃO DE HAVANA 15 AÇÕES DE LITERACIA DA INFORMAÇÃO / ALFIN...

DECLARAÇÃO DE HAVANA 15 AÇÕES DE LITERACIA DA INFORMAÇÃO / ALFIN... DECLARAÇÃO DE HAVANA 15 AÇÕES DE LITERACIA DA INFORMAÇÃO / ALFIN... por um trabalho colaborativo e de geração de redes para o crescimento da literacia da informação 1 no contexto dos países ibero-americanos

Leia mais

Escola Secundária de Amora Seixal

Escola Secundária de Amora Seixal Escola Secundária de Amora Seixal DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS (GRUPO INFORMÁTICA) TIC TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO 7º ANO TURMAS: 7A E 7B ANO LETIVO 2014-2015 P R O P

Leia mais

TEMPO AO TEMPO, NO MUSEU HERING "TIME TO TIME" IN HERING'S MUSEUM. Em Blumenau, a história e as tradições são preservadas de muitas formas e

TEMPO AO TEMPO, NO MUSEU HERING TIME TO TIME IN HERING'S MUSEUM. Em Blumenau, a história e as tradições são preservadas de muitas formas e TEMPO AO TEMPO, NO MUSEU HERING "TIME TO TIME" IN HERING'S MUSEUM Marli Rudnik Em Blumenau, a história e as tradições são preservadas de muitas formas e uma delas é através do acervo e das exposições dos

Leia mais

FACULDADE DE ARQUITECTURA

FACULDADE DE ARQUITECTURA MUSEU DA CIDADE Um Crescimento Ilimitado Ampliação e Reestruturação dos núcleos dos séculos XX e XXI Ângela dos Santos Faria (Licenciada) Mestrado Integrado em Arquitectura Orientador Científico: Especialista

Leia mais

TRABALHOS TÉCNICOS Serviço de Documentação e Informação EDIÇÃO E GESTÃO DE CONTEÚDO PARA WEB

TRABALHOS TÉCNICOS Serviço de Documentação e Informação EDIÇÃO E GESTÃO DE CONTEÚDO PARA WEB TRABALHOS TÉCNICOS Serviço de Documentação e Informação EDIÇÃO E GESTÃO DE CONTEÚDO PARA WEB Gestão do Conhecimento hoje tem se materializado muitas vezes na memória organizacional da empresa. O conteúdo

Leia mais

12 EXCEL MACROS E APLICAÇÕES

12 EXCEL MACROS E APLICAÇÕES INTRODUÇÃO O principal objetivo deste livro é auxiliar o leitor na sua aprendizagem sobre os recursos avançados do Excel em especial na interligação com o Visual Basic for Applications (VBA). Pretende-se

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM LOGISTICA

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM LOGISTICA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM LOGISTICA ABERTURA A People & Skills foi criada para responder às necessidades de um mercado cada vez mais apostado em desenvolver e consolidar competências que garantem uma

Leia mais

Escola EB 2,3 de António Feijó

Escola EB 2,3 de António Feijó AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ANTÓNIO FEÍJO Escola EB 2,3 de António Feijó 8.º ANO PLANIFICAÇÃO SEMESTRAL Tecnologias de Informação e Comunicação Ano Letivo 2014/2015 INFORMAÇÃO Domínio Conteúdos Objetivos

Leia mais

A Biblioteca Digital do Senado Federal. DSpace

A Biblioteca Digital do Senado Federal. DSpace A Biblioteca Digital do Senado Federal eo DSpace André Luiz Lopes de Alcântara Chefe do Serviço de Biblioteca Digital Simone Bastos Vieira Diretora da Biblioteca do Senado Federal BIBLIOTECA DO SENADO

Leia mais

PERFORMANCE COMO PROCESSO: PRÁTICAS DE EMBODIMENT À DISTÂNCIA

PERFORMANCE COMO PROCESSO: PRÁTICAS DE EMBODIMENT À DISTÂNCIA Ano 3 Nº 14 Jul 2015 ISSN 2316-8102 PERFORMANCE COMO PROCESSO: PRÁTICAS DE EMBODIMENT À DISTÂNCIA por Daniel Pinheiro, Lisa Parra O projeto visa abordar práticas no desenvolvimento de estruturas que potenciem

Leia mais

Os Investigadores da Universidade de Coimbra e as plataformas

Os Investigadores da Universidade de Coimbra e as plataformas Os Investigadores da Universidade de Coimbra e as plataformas & 1 Índice 2 Introdução...3 3 A Plataforma de Curricula DeGóis...3 3.1 É utilizada porque...3 3.2 Com a utilização do DeGóis ganho...4 3.1

Leia mais

Revistas digitais educativas para tablet: possibilidade de enriquecimento audiovisual da revista Nova Escola

Revistas digitais educativas para tablet: possibilidade de enriquecimento audiovisual da revista Nova Escola Revistas digitais educativas para tablet: possibilidade de enriquecimento audiovisual da revista Nova Escola Francisco Rolfsen Belda e-mail: belda@faac.unesp.br Danilo Leme Bressan e-mail: danilo.bressan@gmail.com.br

Leia mais

Museu Nacional da Arte Antiga

Museu Nacional da Arte Antiga Museu Nacional da Arte Antiga Índice 1. Horários e localização: 2. Ingresso 3. História do museu 4. Informações acerca do museu 5. As 10 obras de referência do MNAA 6. Coleções 1 - Horário e Localização

Leia mais

TEORIA E METODOLOGIA DE REDES SOCIAIS NOS ESTUDOS DA INFORMAÇÃO: CRUZAMENTOS INTERDISCIPLINARES

TEORIA E METODOLOGIA DE REDES SOCIAIS NOS ESTUDOS DA INFORMAÇÃO: CRUZAMENTOS INTERDISCIPLINARES TEORIA E METODOLOGIA DE REDES SOCIAIS NOS ESTUDOS DA INFORMAÇÃO: CRUZAMENTOS INTERDISCIPLINARES O número pretende, além de apresentar um panorama do emprego teórico e metodológico dos conceitos de rede

Leia mais