DESENVOLVIMENTO DE OBJETOS BIM E OS DESAFIOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DESENVOLVIMENTO DE OBJETOS BIM E OS DESAFIOS"

Transcrição

1 DESENVOLVIMENTO DE OBJETOS BIM E OS DESAFIOS

2 BIM Modelagem da Informação da Construção Building Information Modeling BIM Modelo Model BIM Processo Modeling BIM Gerenciamento Management Significado de construir o edifício de forma virtual (ou digital) segundo os seus sistemas e seus subsistemas visando o uso das informações durante o ciclo de vida do empreendimento pelos diversos agentes. Modelar um sistema é representar não somente sua geometria mas também o interrelacionamento entre seus componentes e seus inúmeros parâmetros e atributos.

3 INFORMAÇÃO EM UM EMPREENDIMENTO Uso da informação durante o ciclo de vida do empreendimento Reutilização Uso Operação Manutenção Reciclagem

4 PROJETO Construção Desenvolvimento de Negócio Documentação para Construção Orçamento e Negociação Estudo Preliminar Projeto Conceitual Desenvolvimento do Projeto

5 Clash Detection Instalações hospitalares andar típico. Para cada uso (relacionado a uma fase do empreendimento ou a uma atividade) é preciso obter ou inserir novas informações

6 Informação no Processo O uso de ferramentas de tecnologia da informação potencializam as aplicações e oportunidades para melhoria dos processos de construção. Mas modelar requer : Consistência Colaboração Disponibilidade Acuidade Método Dinamismo

7 Informação nos Componentes Nível de detalhe Nível de desenvolvimento Interoperabilidade Adequação ao uso

8 Industry Foundation Class (IFC) INTEROPERABILIDADE O IFC é o formato aberto de troca de informações entre softwares, possibilitando a aplicação do BIM em sua maior dimensão através da Interoperabilidade. Capacidade de trocar dados entre aplicações, de modo a suavizar o fluxo de trabalho e facilitar sua automação. Permite diversos softwares de diferentes desenvolvedores trocar informações

9 HISTÓRICO Desde 1995, o IFC foi desenvolvido pela atual BuildingSmart como um modelo de dados neutro para a indústria da Construção, visando abranger todas informações de uma edificação por todo o seu ciclo de vida IFC0.9; Início de 1997 IFC1.0; 11/1997 IFC1.5; 10/2000 IFC2x; 05/2003 IFC2x2; 02/2006 IFC2x3; 12/03/2013 IFC4; ISO/IS 16739

10 Interpretação da Geometria IFC Extrusões; Sólidos definidos por um conjunto fechado e conectado de faces que determinam um volume (BRep); Formas definidas por uma árvore de formas e operações de união intersecção (ConstructiveSolidGeometry CSG); Superfícies definidas como formas vindas de extrusão e Bezier, e Non UniformRational B spline NURBS (IFC4);

11 Interpretação da Geometria IFC B Rep e CSG Bezier vs NURBS

12 Definição de forma do produto #21149=IFCSHAPEREPRESENTATION(#4,'Body','SweptSolid',(#46573)); #4=IFCGEOMETRICREPRESENTATIONCONTEXT($,'model view',3,$,#12,$); #46573=IFCEXTRUDEDAREASOLID(#90928,#90929,#90930, ); #90928=IFCARBITRARYCLOSEDPROFILEDEF(.AREA.,$,#127151); #127151=IFCPOLYLINE((#171382,#171383,#171384,#171385,#171386)); #171382=IFCCARTESIANPOINT((0.,0.)); #171383=IFCCARTESIANPOINT(( ,0.)); #171384=IFCCARTESIANPOINT(( , )); #171385=IFCCARTESIANPOINT(( E 008, )); #171386=IFCCARTESIANPOINT((0.,0.)); #90929=IFCAXIS2PLACEMENT3D(#127152,#127153,#127154); #127152=IFCCARTESIANPOINT((0.,0.,0.)); #127153=IFCDIRECTION((0.,0.,1.)); #127154=IFCDIRECTION((1., E 015,0.)); #90930=IFCDIRECTION((0.,0.,1.)); #21150=IFCSHAPEREPRESENTATION(#5,'','BoundingBox',(#46574)); #5=IFCGEOMETRICREPRESENTATIONCONTEXT($,'sketch view',3,$,#12,$); #46574=IFCBOUNDINGBOX(#90931, , , ); #90931=IFCCARTESIANPOINT((0.,0.,0.));

13 Parâmetros IFC Property Sets ou Psets São usados para definir um material, um tipo particular de desempenho, propriedades para determinado contexto de aplicação; Existem grupos de P-sets para cada componente de uma edificação;

14 Pset_CondenserTypeCommon Reference P_SINGLEVALUE / IfcIdentifier Reference: Reference ID for this specified type in this project (e.g. type 'A 1'), provided, if there is no classification reference to a recognized classification system used. RefrigerantClass P_ENUMERATEDVALUE/IfcLabel / PEnum_RefrigerantClass: CFC, HCFC, HFC, HYDROCARBONS, AMMONIA, CO2, H2O, OTHER, NOTKNOWN, UNSET RefrigerantClass: Refrigerant class used by the condenser. CFC: Chlorofluorocarbons. HCFC: Hydrochlorofluorocarbons. HFC: Hydrofluorocarbons. RefrigerantMaterial P_REFERENCEVALUE / IfcMaterialDefinition RefrigerantMaterial: The refrigerant material used for heat transfer purposes. ExternalSurfaceArea P_SINGLEVALUE / IfcAreaMeasure ExternalSurfaceArea: External surface area (both primary and secondary area). InternalSurfaceArea P_SINGLEVALUE / IfcAreaMeasure InternalSurfaceArea: Internal surface area. InternalRefrigerantVolume P_SINGLEVALUE / IfcVolumeMeasure InternalRefrigerantVolume: Internal volume of condenser (refrigerant side). InternalWaterVolume P_SINGLEVALUE / IfcVolumeMeasure InternalWaterVolume: Internal volume of condenser (water side). NominalHeatTransferArea P_SINGLEVALUE / IfcAreaMeasure NominalHeatTransferArea: Nominal heat transfer surface area associated with nominal overall NominalHeatTransferCoefficient heat transfer coefficient. P_SINGLEVALUE / IfcThermalTransmittanceMeasure NominalHeatTransferCoefficient: Nominal overall heat transfer coefficient associated with nominal heat transfer area.

15 BIM e LOD (Level of Development) NÍVEL DE DESENVOLVIMENTO AIA - The American Institute of Architects Define cinco níveis de detalhamento para os elementos para que haja comunicação eficaz durante o desenvolvimento da modelagem, seguindo requisitos mínimos. E além disso comunica quando a informação modelada poderá ser utilizada, ou seja, o que está modelado está fidelizado ao conhecimento do projetista.

16 Level of Development Level of Detail Nível de Desenvolvimento vs. Nível de Detalhe Um projetista pode usar um modelo de uma luminária muito detalhada (de uma biblioteca de objetos qualquer disponível) e colocá-lo no modelo, visando somente o seu posicionamento. O objeto, no entanto, contém muitos detalhes e está localizado precisamente, apesar do fato de que o projetista não tenha avaliado completamente se estas informações, são as que ele usará para o projeto. Em outras palavras, tem-se o nível de detalhe é extremamente elevado e o nível de desenvolvimento extremamente baixo. Portanto, o modelo poderá transmitir através dos seu detalhamento um nível de desenvolvimento enganoso.

17 Rede de água gelada LOD 100: O elemento do modelo pode ser representado graficamente como um símbolo ou outra representação genérica, mas não satisfaz os requisitos para LOD 200. LOD 200: O elemento do modelo pode ser representado graficamente como um sistema genérico, objeto ou montagem com quantidades aproximadas, tamanho, forma, localização e orientação. LOD 200 LOD 300 LOD 300: O elemento do modelo pode ser representado graficamente como um sistema específico, objeto ou montagem em termos de quantidade, tamanho, forma, localização e orientação. LOD 350 OBS.: Informações não- gráficas também pode ser ligado ao elemento de modelo.

18 LOD 350: O elemento do modelo pode ser representado graficamente como um sistema específico, objeto ou montagem em termos de quantidade, tamanho, forma, orientação e interfaces com outros sistemas construtivos. LOD 400: O elemento do modelo pode ser representado graficamente como um sistema específico, objeto ou conjunto em termos de tamanho, forma, localização, quantidade e orientação com detalhamento, fabricação, montagem e informações de instalação. LOD 500: O elemento do modelo é uma representação de campo verificada em termos de tamanho, forma, localização, quantidade e orientação. OBS.: Informações não- gráficas também pode ser ligado ao elemento de modelo.

19 NÍVEL DE DETALHE Objeto BIM: Grupo Gerador (Cummins) Geometria realística Foto do equipamento Envoltória Livre Objeto BIM Cummins DQKAC 2250 kw Stand-by

20 Pontos de Conexão Ponto de conexão Elétrica, Tensão do sistema de arrefecimento (V) Ponto de conexão Escapamentos Ponto de conexão Eletroduto de saída do painél Ponto de conexão diesel

21 Parâmetros Revit

22 Informações específicas do produto

23 Exportação IFC 1,21 MB (Revit) 1,67 MB (IFC)

24 Parâmetros IFC

25 Parâmetros IFC

26 ADEQUAÇÃO AO USO O projetista é responsável pela informação que fornece. A informação deve ser coerente com a fase de desenvolvimento do Empreendimento ou o seu uso no processo BIM. Quem define o detalhamento da informação de um produto é o fabricante.

27 Objetos Modelo, Genérico e Produto Fabricante A Transformador a Seco Genérico Fabricante C Fabricante B

28 ESTADO DA ARTE BS 8541: 2012 Library objects for architecture, engineering and construction. Part 1: Identification and classification. Code of practice Part 2: Recommended 2D symbols of building elements for use in building information modelling Part 3: Shape and measurement. Code of practice Part 4 : Attributes for specification and assessment.code of practice Documentar as melhores práticas para o desenvolvimento e aplicação de objetos de bibliotecas para suportar processos de projeto, padronização, especificação e construção baseados em BIM.

29 Conceitos Objeto modelo (template object): provê listas de valores de classificação e um conjunto mínimo de atributos. Unidade de medida é especificada; valores não são. Objeto genérico (generic object): usado em estágios de projeto quando o objeto ainda não está decidido por um produto. Objeto produto (product object): representa um produto obtenível, seja como um requisito, um exemplar ou asbuilt.

30 Temas abordados Definição de regras de nomeação; Obrigatoriedade a conformidade com a norma IFC; Recomenda a simplicidade gráficas e contempla símbolos para indicação não realística de objetos Dá recomendações para a aplicação dos objetos no uso de BIM para coordenação espacial e de construção, quantificação e visualização; Define o nível de detalhes adequado para usos específicos; Provê representações de medidas para caracterizar o objeto de biblioteca quando a forma geométrica não é relevante.

31 Tipos de Níveis de Detalhe e Forma Objetos de biblioteca devem ser fornecidos com informação de forma adequada aos usos pretendidos. São definidos 3 níveis de detalhe: Esquemático (schematic) Coordenação (coordinating) Visualização (visualization) Pontos de inserção devem ser consistentes nos três níveis de detalhe e devem usualmente estar dentro dos limites do objeto*. * Importante, pois permite a substituição de um objeto por outro, de LOD diferente.

32 Nível de Detalhe Esquemático (schematic) O objeto é caracterizado por seus limites (bounding box, por exemplo, tornando sua localização, tamanho e adjacências visíveis). O objeto deve ser caracterizado por suas conexões chave, usando tanto uma representação por linha ou pontos de conexão específicos. O nível de detalhe esquemático é similar ao LOD (Level of Development) da AIA.

33 Nível de Detalhe de Coordenação (coordinating) O objeto é caracterizado maior detalhamento na forma, suficiente para reconhecer o objeto e garantir que espaço suficiente foi alocado. Usos incluem: reconhecimento do objeto, alocação espacial, coordenação, detecção de interferências, visualização de uso do espaço e processos de construção. O nível de detalhe de coordenação é similar ao LOD 300 (Level of Development) da AIA. Excesso de detalhamento geométrico pode ser contraproducente e impactar o desempenho do modelo.

34 Nível de Detalhe de Visualização (visualization) O objeto é caracterizado por forma geométrica mais detalhada, suficiente para criar uma imagem reconhecível e para visualizar sua operação e uso. Usos incluem: rendering detalhado, visualização da usabilidade do equipamento (incluindo a simulação da conexão no equipamento através de conectores identificados) O nível de detalhe de visualização é similar ao LOD (Level of Development) da AIA.

35 Níveis de detalhe esperados em objetos de bibliotecas, por tipo de objeto:

36 Níveis atributivos O nível atributivo de um objeto de biblioteca pode ser determinado pela sua proposta de uso. Para objetos modelo, o tipo de medição do atributo deve ser definido. Preferências por unidades em particular devem ser incluídas nas descrição do atributo. Objetos genéricos e de produto devem ter os mesmos atributos definidos. Unidades para ângulo, comprimento, área, volume e massa devem ser usadas consistentemente nos atributos, formas e medições.

37 Nível atributivo de especificação (specification) Um objeto de biblioteca deve ser caracterizado por atributos suficientes para selecionar e substituir o objeto sem referência a conjuntos de dados externos. Tipicamente esses atributos são identificados nas especificações e tabelas preparadas por consultores, construtores e mantenedores. Nível atributivo de avaliação (assessment) Um objeto de biblioteca deve ser caracterizado por atributos suficientes para avaliar os impactos econômicos e ambientais do objeto sem referência a conjuntos de dados externos. Avaliação pode incluir impactos iniciais (embutidos) ou do ciclo de vida (impactos em uso e de fim de vida). Nível atributivo de simulação (simulation) Para dar suporte à simulação, um objeto de biblioteca deve ser caracterizado por seus atributos de desempenho.

38 Objetos modelo e genéricos devem ter o nível atributivo de especificação. Valores podem não ser necessários e alguns podem ter valores sugeridos, com diretrizes técnicas nessas opções. Produtos devem ter os níveis atributivos de especificação e de avaliação com valores preenchidos; alguns podem ter valores sugeridos, com diretrizes técnicas nessas opções.

39 SPIe Specifiers' Properties information exchange (SPie) O objetivo do projeto SPIE é criar um conjunto de modelos de produtos que podem ser usados pelos fabricantes para exportar os dados do produto em um formato padrão aberto consumido pelos projetistas, especificadores, construtores, proprietários e operadores.

40 SPIe Unified Facilities Guide Specifications (WBDG 2012) Propriedade: Nome pragmático que define a especificação e tipicamente encontrado nos projetos Parâmetros derivados das especificações: UFGS e COBie COBie Guide (East 2012) Unidades de Medida Valor representativo

41 Unified Facilities Guide Specifications É um esforço conjunto da US Army Corps of Engineers (USACE), Facilities do Comando de Engenharia Naval (NAVFAC), o Centro de Engenharia da Força Aérea Civil (HQ AFCEC) e da National Aeronautics and Space Administration (NASA ). UFGS são para uso na especificação de construção para os serviços militares. COBie Normas de Intercâmbio de informações de Construção e Operação (Cobie). O objetivo da Cobie é identificar e trocar informações sobre os ativos de instalações geridas, começando pelo planejamento de um projeto, e continuando através de todo o ciclo de vida do projeto. Durante este ciclo de vida, a aplicação mais óbvia de Cobie é como um substituto do fluxo de informações tradicional baseada em documentos impressos.

42

43 ABNT - CEE134 ABNT / CEE134 GT Componentes BIM Grupo de trabalho para a definição de requisitos para a construção de componentes BIM. Tema abordados Geometria; Modelagem paramétrica; Especificações; Representação 2D; Formato; Nomes de famílias/tipos; Entradas / saídas;

44 ABNT / CEE134 GT Componentes BIM DESAFIOS Construção de requisitos segundo os Usos Realidade e necessidades do empreendedor no Brasil 1. Análise do terreno (para locação de obra); 2. Modelagem de condições existentes (terreno, edifício, etc); 3. Orçamentação macro-bim; 4. Extração de Quantitativos; 5. Detecção de Interferências; 6. Avaliação e revisão do projeto; 7. Análise Energética 8. Análise Estrutural 9. Análise Iluminação 10. Análise Ar-Condicionado 11. Outras Análises de Engenharia 12. Avaliação de Sustentabilidade (LEED, etc) 13. Code Checking - código de obras 14. Code Checking - diretrizes internas 15. Orçamentação micro-bim 16. Geração de documentação 17. Produção de desenhos de detalhes em 3D 18. Visualização 4D 19. Construção virtual

45 ABNT / CEE134 GT Componentes BIM Construção de requisitos segundo os Usos Realidade e necessidades do empreendedor no Brasil 20. Fabricação digital 21. Planejamento logística do canteiro 22. Visualização 23. BIM na obra 24. Modelagem as-built 25. Gerenciamento de manutenção (FM) 26. Gerenciamento de espaços (FM) 27. Gerenciamento de patrimônio (FM) 28. Análise de desempenho do edifício (APO) 29. Planejamento de desastres 30. Projeto

46 GRUPO ABNT SISTEMAS PREDIAIS Representantes dos Fabricantes Componentes para o desenvolvimento de Projetos de Sistemas Prediais das disciplinas: Água, Esgoto e Pluvial Energia (Gás e Eletricidade) Telecomunicações Segurança Incêndio Automação

47 Bibliografia Arboleda Open Bim Project. (http://www.vectorworks.net/bim/project.php?id=7) BS :2012. Library objects for architecture, engineering and construction. Identification and classification. Code of practice BS :2011. Library objects for architecture, engineering and construction. Recommended 2D symbols of building elements for use in building information modelling BS :2012. Library objects for architecture, engineering and construction. Shape and measurement. Code of practice BS :2012. Library objects for architecture, engineering and construction. Attributes for specification and assessment. Code of practice BIM Handbook, Eastman, Teicholz, Sacks e Liston, 2011; Building Product Models, Eastman, 1999; Information Modeling the EXPRESS Way, Schenck e Wilson, 1994; Material de Estudo do CEE 134 (ABNT) Grupo de Trabalho de Componentes BIM National Institute of Building Sciences. BuildingSmartalliance (http://www.nibs.org/) National Institute of Building Sciences. Specifiers' Properties information exchange (SPie) (http://www.nibs.org/?page=bsa_spie&hhsearchterms=spie/) Building Smart. IFC 4 /IFCPSet. (http://www.buildingsmart-tech.org/).2013

48 Conectando Fabricantes e Projetistas ao Universo BIM O GETBIM visa oferecer uma plataforma de produção e gerenciamento de bibliotecas BIM genéricas (voltadas para entidades de Classe) e de produtos (voltadas para fabricantes). Obrigado! Humberto Farina (11)

INOVAÇÃO EM FACILITIES TRANSFORMANDO O AMBIENTE EM RESULTADOS

INOVAÇÃO EM FACILITIES TRANSFORMANDO O AMBIENTE EM RESULTADOS INOVAÇÃO EM FACILITIES TRANSFORMANDO O AMBIENTE EM RESULTADOS Idealizada em 2012 visando evoluir no campo de Gestão e Tecnologia da Informação na área de Sistemas Prediais. Visão A INPrediais visa ser

Leia mais

11/05/2015. Quem somos. Clientes BIM MERCADO & IMPLANTAÇÃO. Rogerio Suzuki Consultor BIM/4D/FM. O que oferecemos

11/05/2015. Quem somos. Clientes BIM MERCADO & IMPLANTAÇÃO. Rogerio Suzuki Consultor BIM/4D/FM. O que oferecemos O que oferecemos 11/05/2015 BIM MERCADO & IMPLANTAÇÃO Rogerio Suzuki Consultor BIM/4D/FM Quem somos Clientes 1 2 3 Agenda 1. Introdução 2. O que é BIM? 3. Por que BIM? 4. O que ganho com BIM? 5. BIM &

Leia mais

BIM - Conceitos e Aplicações!

BIM - Conceitos e Aplicações! BIM - Conceitos e Aplicações! Introdução Como Projetávamos no Passado? Quais eram as Ferramentas Utilizadas? Introdução Resultados! Introdução Avanço da Tecnologia Surgimento das Ferramentas CAD CAD -

Leia mais

BIM: Fundamentos básicos e processo de implantação. Apresentador: Sergio Leusin, Arqtº, D.Sc.

BIM: Fundamentos básicos e processo de implantação. Apresentador: Sergio Leusin, Arqtº, D.Sc. BIM: Fundamentos básicos e processo de implantação Apresentador: Sergio Leusin, Arqtº, D.Sc. A GDP, Gerenciamento e Desenvolvimento de Projetos Ltdª, nasceu da convicção de que o projeto deve ser o protagonista

Leia mais

BIM BUILDING INFORMATION MODELLING UMA TECNOLOGIA PARA O FUTURO IMEDIATO DA CONSTRUÇÃO

BIM BUILDING INFORMATION MODELLING UMA TECNOLOGIA PARA O FUTURO IMEDIATO DA CONSTRUÇÃO BIM BUILDING INFORMATION MODELLING UMA TECNOLOGIA PARA O FUTURO IMEDIATO DA CONSTRUÇÃO PROGRAMA DO EVENTO 13 :30 13:45 Abertura - Dr. Antonio Carlos, diretor SINDUSCON RIO 13:45 14:30 Introdução ao BIM:

Leia mais

DESDE 19 JULHO DE 2013 A NORMA DE DESEMPENHO TAMBÉM...

DESDE 19 JULHO DE 2013 A NORMA DE DESEMPENHO TAMBÉM... DESDE 19 JULHO DE 2013 A NORMA DE DESEMPENHO TAMBÉM... A QUE VIEMOS ü Norma de Desempenho ü BIM (Uso em Projeto) ü Exemplos Práticos de Softwares no auxílio de Simulação teórica Projeto para desempenho

Leia mais

www.espacotempo.com.br quarta-feira, 25 de setembro de 13

www.espacotempo.com.br quarta-feira, 25 de setembro de 13 www.espacotempo.com.br 1 PALESTRA EARQ 2013 Goiânia, 10 de Setembro de 2013 FERNANDO DAHER ALVARENGA Arquiteto e Urbanista Diretor e proprietário da Espaço Tempo www.espacotempo.com.br www.fernandodaher.com

Leia mais

INTRODUÇÃO AO BIM MIRIAM ADDOR

INTRODUÇÃO AO BIM MIRIAM ADDOR INTRODUÇÃO AO BIM MIRIAM ADDOR Definições Conceitos de BIM Curso CMU ago/08 IFC Penn State Carnegie Mellon University 1905-1912 PITTSBURGH- PA- aço Fallingwater FLW 3 LEED building B = BUILDING I= INFORMATION

Leia mais

BIM na prática: Como uma empresa construtora pode fazer uso da tecnologia BIM

BIM na prática: Como uma empresa construtora pode fazer uso da tecnologia BIM BIM na prática: Como uma empresa construtora pode fazer uso da tecnologia BIM Joyce Delatorre Método Engenharia O uso da Tecnologia BIM promete trazer ganhos em todas as etapas no ciclo de vida de um empreendimento.

Leia mais

BIM BIM. Building Information Modeling no Projeto Estrutural. Impactos e benefícios potenciais. Modelagem de Informação do Edifício Projeto Estrutural

BIM BIM. Building Information Modeling no Projeto Estrutural. Impactos e benefícios potenciais. Modelagem de Informação do Edifício Projeto Estrutural BIM Building Information Modeling no Impactos e benefícios potenciais Nelson Covas BIM Building Information Modeling ou Modelagem de Informação da Construção ou Modelagem de Informação do Edifício Premissas

Leia mais

3 - BIM. 3.1 Histórico

3 - BIM. 3.1 Histórico 3 - BIM 3.1 Histórico O modelamento de geometrias 3D foi objeto de extensiva pesquisa devido a sua ampla aplicação não só na Arquitetura, no Design e na Engenharia, mas também no desenvolvimento de jogos

Leia mais

PALESTRA: Como o BIM contribui para o crescimento de empresas no Brasil?

PALESTRA: Como o BIM contribui para o crescimento de empresas no Brasil? PALESTRA: Como o BIM contribui para o crescimento de empresas no Brasil? A AUTODESK possui parceiros denominados CSI Consulting System Integrator para ampliar o valor das suas soluções, sendo uma consultoria

Leia mais

Fortaleza, 5 e 6/julho/2012. A (rápida) evolução do BIM no Brasil Muitos já iniciaram a implantação... Out/2011 Engevix (2009)

Fortaleza, 5 e 6/julho/2012. A (rápida) evolução do BIM no Brasil Muitos já iniciaram a implantação... Out/2011 Engevix (2009) O que é BIM Fortaleza, 5 e 6 de julho de 2012 Eduardo Toledo Santos Escola Politécnica da USP Building Information Modeling ou Modelagem da Informação da Construção BIM é um processo integrado para explorar

Leia mais

2.0 - METODOLOGIA BIM, SEUS BENEFÍCIOS E APLICAÇÃO NO PROJETO DE SUBESTAÇÕES

2.0 - METODOLOGIA BIM, SEUS BENEFÍCIOS E APLICAÇÃO NO PROJETO DE SUBESTAÇÕES XXIII SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA FI/GSE/12 18 a 21 de Outubro de 2015 Foz do Iguaçu - PR GRUPO VIII GRUPO DE ESTUDO DE SUBESTAÇÕES E EQUIPAMENTO DE ALTA TENSÃO

Leia mais

BIM. Um Novo Paradigma. BIM: Um Novo Paradigma TQS. Vantagens, Desvantagens e Dificuldades. O BIM do ponto de vista do projeto estrutural

BIM. Um Novo Paradigma. BIM: Um Novo Paradigma TQS. Vantagens, Desvantagens e Dificuldades. O BIM do ponto de vista do projeto estrutural BIM Um Novo Paradigma O BIM do ponto de vista do projeto estrutural O BIM do ponto de vista de um fornecedor de software de projeto estrutural Abram Belk - abram@tqs.com.br 2 Metodologia de projeto Automação

Leia mais

Modelagem de informações de. construçãocapítulo1: Capítulo. Objetivo do capítulo

Modelagem de informações de. construçãocapítulo1: Capítulo. Objetivo do capítulo construçãocapítulo1: Capítulo 1 Modelagem de informações de A modelagem de informações de construção (BIM) é um fluxo de trabalho integrado baseado em informações coordenadas e confiáveis sobre um empreendimento,

Leia mais

O Panorama do BIM como Ferramenta de Gestão

O Panorama do BIM como Ferramenta de Gestão BIM Building Information Modeling O Panorama do BIM como Ferramenta de Gestão Prof. Dr. Eduardo Toledo Santos Escola Politécnica da USP A Modelagem da Informação da Construção (BIM) é o processo de produção,

Leia mais

Virtualização da Construção em Fase Orçamentária Construction Virtualization in Budget Phase

Virtualização da Construção em Fase Orçamentária Construction Virtualization in Budget Phase Virtualização da Construção em Fase Orçamentária Construction Virtualization in Budget Phase Morgana Braga Universidade de Brasília Obras Militares do Exército Brasileiro, Brasil morganabraga@yahoo.com.br

Leia mais

A tecnologia BIM e o Gerenciamento da Integração: uma proposta colaborativa

A tecnologia BIM e o Gerenciamento da Integração: uma proposta colaborativa A tecnologia BIM e o Gerenciamento da Integração: uma proposta colaborativa Autor: Ramon Lima Dornelas Métodos ágeis e colaborativos Resumo A crescente utilização da tecnologia BIM (Building Information

Leia mais

Agenda. Gafisa S.A. Planejamento Estratégico. Novas Idéias: BIM + Padronização. BIM: Primeiros Desafios. BIM: Implementação e Diretrizes

Agenda. Gafisa S.A. Planejamento Estratégico. Novas Idéias: BIM + Padronização. BIM: Primeiros Desafios. BIM: Implementação e Diretrizes Agenda Gafisa S.A. Planejamento Estratégico Novas Idéias: BIM + Padronização BIM: Primeiros Desafios BIM: Implementação e Diretrizes 2 Gafisa S.A. Uma das empresas líderes do mercado de incorporação e

Leia mais

Ensinando Colaboração aos Estudantes

Ensinando Colaboração aos Estudantes Arq. Fernando Lima Autodesk Education ED4900_V Essa aula vai demonstrar o processo básico de colaboração usando o Autodesk Revit 2013, depois de preparar o projeto básico de arquitetura vamos simular um

Leia mais

2. Revisão da literatura - Building Information Modeling BIM

2. Revisão da literatura - Building Information Modeling BIM 2. Revisão da literatura - Building Information Modeling BIM Um modelo 3D BIM representa os objetos do mundo real como, paredes, portas e janelas como objetos tridimensionais. Complementando a geometria,

Leia mais

AUBR-83 Dicas e Truques. Objetivos:

AUBR-83 Dicas e Truques. Objetivos: [AUBR-83] BIM na Prática: Implementação de Revit em Escritórios de Arquitetura e Engenharia Paulo Henrique Giungi Galvão Revenda TECGRAF Consultor técnico Revit da Revenda TECGRAF AUBR-83 Dicas e Truques

Leia mais

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015 QUANTIFICAÇÃO BASEADA EM MODELAGEM BIM: VALIDAÇÃO E FOMENTO DE PRÁTICA PROJETUAL A PARTIR DA MODELAGEM DA CASA BAETA. Diogo Humberto Muniz¹;Rodrigo Luiz Minot Gutierrezr 2 1, 2 Universidade de Uberaba

Leia mais

Utilização da Metodologia BIM na Sede da Petrobras em Santos

Utilização da Metodologia BIM na Sede da Petrobras em Santos Utilização da Metodologia BIM na Sede da Petrobras em Santos Marco Mota Gerente Setorial Rubens Rodrigues Coordenador AUBR-x Nome da Track PETROBRAS A Petróleo Brasileiro S.A., é uma companhia integrada

Leia mais

CAMINHOS. PARA A GESTÃO PARA OS PROFISSIONAIS PARA A TECNOLOGIA

CAMINHOS. PARA A GESTÃO PARA OS PROFISSIONAIS PARA A TECNOLOGIA CAMINHOS. PARA A GESTÃO PARA OS PROFISSIONAIS PARA A TECNOLOGIA Alguns conceitos GESTÃO PROFISSIONAIS TECNOLOGIA 2D Gestão de Informação documental (digital 2D ou impressa) ESCRITORIO DE ARQUITETURA EMPRESA

Leia mais

Extração de documentos do modelo: Yes, we can!!!

Extração de documentos do modelo: Yes, we can!!! Extração de documentos do modelo: Yes, we can!!! Miriam Castanho Contier Arquitetura AUBR-03 Os documentos do projeto tradicional - folhas de desenho, tabelas, quantitativos e memoriais - são fundamentais

Leia mais

Implementation of BIM (Building Information Modeling) in the Brazilian Real Estate Market. Eng. Fernando Correa Diretor da Sinco Engenharia

Implementation of BIM (Building Information Modeling) in the Brazilian Real Estate Market. Eng. Fernando Correa Diretor da Sinco Engenharia Implementation of BIM (Building Information Modeling) in the Brazilian Real Estate Market Eng. Fernando Correa Diretor da Sinco Engenharia 27 Anos no mercado da construção Civil Área de atuação: Incorporação

Leia mais

TROCA DE INFORMAÇÕES ENTRE SISTEMAS CAE/CAD/CAM

TROCA DE INFORMAÇÕES ENTRE SISTEMAS CAE/CAD/CAM TROCA DE INFORMAÇÕES ENTRE SISTEMAS CAE/CAD/CAM EMC 6633 by: José Ricardo de Menezes CAE/CAD/CAM Troca de Definição Informações Motivação A necessidade de troca de dados de modelagem é motivada diretamente

Leia mais

GESTÃO DO NÍVEL DE DETALHAMENTO DA INFORMAÇÃO EM UM MODELO BIM: ANÁLISE DE UM ESTUDO CASO 1

GESTÃO DO NÍVEL DE DETALHAMENTO DA INFORMAÇÃO EM UM MODELO BIM: ANÁLISE DE UM ESTUDO CASO 1 GESTÃO DO NÍVEL DE DETALHAMENTO DA INFORMAÇÃO EM UM MODELO BIM: ANÁLISE DE UM ESTUDO CASO 1 LEVEL OF DEVELOPMENT MANAGEMENT IN A BIM MODEL: ANALYSIS OF A CASE STUDY Joyce Paula Martin Delatorre Universidade

Leia mais

Ferramentas SIMARIS. Fácil, rápido e seguro planejamento de Distribuição de Energia Elétrica. Totally Integrated Power

Ferramentas SIMARIS. Fácil, rápido e seguro planejamento de Distribuição de Energia Elétrica. Totally Integrated Power s Totally Integrated Power Ferramentas SIMARIS Fácil, rápido e seguro planejamento de Distribuição de Energia Elétrica. Answers for infrastructure and cities. Planejamento de distribuição de energia mais

Leia mais

A Contribuição do Building Information Modeling para a Gestão de Projetos

A Contribuição do Building Information Modeling para a Gestão de Projetos A Contribuição do Building Information Modeling para a Gestão de Projetos Edilson da Costa Tavares Junior - edilson.arquiteto@gmail.com MBA Gestão de Projetos em Engenharias e Arquitetura Instituto de

Leia mais

Comissionamento de Infraestrutura. Mauro Faccioni Filho, Dr.Engº.

Comissionamento de Infraestrutura. Mauro Faccioni Filho, Dr.Engº. Comissionamento de Infraestrutura Mauro Faccioni Filho, Dr.Engº. Resumo: O comissionamento é basicamente a confirmação de um processo ou processos. No entanto, há uma falta de conhecimento de como ele

Leia mais

Experiência do uso de REVIT em Projeto de Estrutura

Experiência do uso de REVIT em Projeto de Estrutura REVIT em Projeto de Estrutura Angelo Ricardo Rech REFE engenharia Descrição do processo de implantação e treinamento no uso do Revit Structure, e relato das vantagens alcançadas no uso diário profissional.

Leia mais

IMPACTOS DO USO X PERFIL DAS EMPRESAS E ANALISAR SEUS PROCESSOS DE GESTÃO DE PROJETOS

IMPACTOS DO USO X PERFIL DAS EMPRESAS E ANALISAR SEUS PROCESSOS DE GESTÃO DE PROJETOS IMPACTOS DO USO X PERFIL DAS EMPRESAS E ANALISAR SEUS PROCESSOS DE GESTÃO DE PROJETOS Vinicius Coutinho dos Santos BARBOSA (1); Michele Tereza Marques CARVALHO (2) (1) Campus Universitário Darcy Ribeiro

Leia mais

TQS Informática Ltda. Tecnologia e Qualidade em Sistemas Rua dos Pinheiros, 706 c/2-05422-001 - São Paulo - SP Tel.: (11) 3883-2722 Fax: (11)

TQS Informática Ltda. Tecnologia e Qualidade em Sistemas Rua dos Pinheiros, 706 c/2-05422-001 - São Paulo - SP Tel.: (11) 3883-2722 Fax: (11) Produção de Projeto Estrutural no Ambiente BIM - uma visão TQS Introdução Nos últimos tempos um novo requisito surgiu na contratação de projeto estrutural: a capacitação para troca de informações em BIM

Leia mais

Sobre os Palestrantes ANDRÉ WENDLER EMPRESA WENDLER PROJETOS /CAMPINAS-SP SITE: http://www.wendlerprojetos.com.br/

Sobre os Palestrantes ANDRÉ WENDLER EMPRESA WENDLER PROJETOS /CAMPINAS-SP SITE: http://www.wendlerprojetos.com.br/ Demonstrar o fluxo de trabalho e Gestão de Orçamento REVIT/BIM da Construtora FA OLIVA com o Escritório de Engenharia Wendler Projetos para projetos de alvenaria estrutural. Apresentadores: Marcelo Antoniazzi

Leia mais

Gestão da Informação de Infraestrutura e edificações no Setor Público

Gestão da Informação de Infraestrutura e edificações no Setor Público Gestão da Informação de Infraestrutura e edificações no Setor Público Alexandre Fitzner do Nascimento Exército Brasileiro Diretoria de Obras Militares Washington Gultenberg Lüke Exército Brasileiro Diretoria

Leia mais

Desenvolvimento e coordenação de projetos com e sem BIM

Desenvolvimento e coordenação de projetos com e sem BIM Desenvolvimento e coordenação de projetos com e sem BIM Arq. Miriam Addor 28-10-10 HISTÓRICO DA EMPRESA Fundação: dez/1993 Composição Societária Mercados : Brasil ( SP/ RJ/ RS/ PE/ BA/ MA/) Sp( 2 escritorios)

Leia mais

PANTHEON - ROMA. Construído em 118 128 d.c. (1887 anos atrás) Cúpula de 5.000 toneladas Altura e o diâmetro do interior do Óculo é de 43,3 metros.

PANTHEON - ROMA. Construído em 118 128 d.c. (1887 anos atrás) Cúpula de 5.000 toneladas Altura e o diâmetro do interior do Óculo é de 43,3 metros. EMPREENDIMENTOS PANTHEON - ROMA Construído em 118 128 d.c. (1887 anos atrás) Cúpula de 5.000 toneladas Altura e o diâmetro do interior do Óculo é de 43,3 metros. CHRONOS RESIDENCIAL CARACTERIZAÇÃO DO

Leia mais

Proposição do Manual Técnico de Gestão do Processo de Projeto Colaborativo com o uso do BIM para o Estado de Santa Catarina

Proposição do Manual Técnico de Gestão do Processo de Projeto Colaborativo com o uso do BIM para o Estado de Santa Catarina Proposição do Manual Técnico de Gestão do Processo de Projeto Colaborativo com o uso do BIM para o Estado de Santa Catarina Prof. Dr. Eng. Leonardo Manzione Outubro 2014 Sobre o apresentador Prof. Dr.

Leia mais

Modelagem da Informação da Construção BIM. Sergio Scheer TC045 Gerenciamento de Projetos 2013

Modelagem da Informação da Construção BIM. Sergio Scheer TC045 Gerenciamento de Projetos 2013 Modelagem da Informação da Construção BIM Sergio Scheer TC045 Gerenciamento de Projetos 2013 Agenda Um pouco de história BIM conceitos Interoperabilidade Colaboração Programas e usos Cenário atual Mundo

Leia mais

DIAGNÓSTICO DA GESTÃO DOS PROCESSOS DE PROJETOS DE ARQUITETURA E ENGENHARIA: ESTUDO DE CASO EM EMPRESAS DE SÃO CARLOS-SP

DIAGNÓSTICO DA GESTÃO DOS PROCESSOS DE PROJETOS DE ARQUITETURA E ENGENHARIA: ESTUDO DE CASO EM EMPRESAS DE SÃO CARLOS-SP DIAGNÓSTICO DA GESTÃO DOS PROCESSOS DE PROJETOS DE ARQUITETURA E ENGENHARIA: ESTUDO DE CASO EM EMPRESAS DE SÃO CARLOS-SP Raquel Ragonesi Permonian (UFSCAR) raquelrpermonian@hotmail.com Jose da Costa Marques

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DO AMBIENTE EXPSEE SEGUNDO O MÉTODO CATALYSIS

ESPECIFICAÇÃO DO AMBIENTE EXPSEE SEGUNDO O MÉTODO CATALYSIS ESPECIFICAÇÃO DO AMBIENTE EXPSEE SEGUNDO O MÉTODO CATALYSIS RESUMO Este artigo apresenta a especificação de um sistema gerenciador de workflow, o ExPSEE, de acordo com a abordagem de desenvolvimento baseado

Leia mais

BIM: Building Information Modeling

BIM: Building Information Modeling BIM - Informação digital R e v o l u c i o n a n d o a D i n â m i c a d e P r o j e t o s BIM (Building Information Modeling) é uma nova abordagem de projeto utilizada pelas indústrias de arquitetura,

Leia mais

Automação de Processos de Engenharia na Progen

Automação de Processos de Engenharia na Progen Ricardo Vidotti Progen Gustavo Dessotti - Progen Apresentar todo o histórico de automação dos processos de engenharia na Progen, com a utilização da Tecnologia BIM, apresentando alguns casos de uso em

Leia mais

Integração Laser Scanner - BIM

Integração Laser Scanner - BIM Fernando Cesar Ribeiro Toppar Engenharia de Levantamentos Marcelo Nepomuceno Uso da nuvem de pontos geradas em levantamentos por Laser Scanner para modelagem de geometria e informações para construção

Leia mais

Eduardo Sampaio Nardelli Universidade Presbiteriana Mackenzie, Brasil nardelli@mackenzie.br

Eduardo Sampaio Nardelli Universidade Presbiteriana Mackenzie, Brasil nardelli@mackenzie.br Teste de assertividade da biblioteca de componentes BIM do MDIC Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio do Brasil Assertiveness check of the BIM library components of MDIC - Ministry of Development,

Leia mais

STRATEGY FOR THE DIFFUSION OF BUILDING INFORMATION MODELLING IN BRAZIL

STRATEGY FOR THE DIFFUSION OF BUILDING INFORMATION MODELLING IN BRAZIL STRATEGY FOR THE DIFFUSION OF BUILDING INFORMATION MODELLING IN BRAZIL Experiences Exchange in BIM - Building Information Modelling Apoio aos Diálogos Setoriais UE-Brasil, Fase II Dr. Mohamad Kassem, PhD

Leia mais

CHRONOS RESIDENCIAL CARACTERIZAÇÃO DO EMPREENDIMENTO:

CHRONOS RESIDENCIAL CARACTERIZAÇÃO DO EMPREENDIMENTO: EMPREENDIMENTOS CHRONOS RESIDENCIAL CARACTERIZAÇÃO DO EMPREENDIMENTO: Localizado em Novo Hamburgo RS; 18000 m² de área construída; 72 Unidades 3 e 2 dormitórios; 26 Pavimentos; Tratamento e reutilização

Leia mais

Brasileira. Alexandre Fitzner do Nascimento CIO-CTO DOM/EB. Washington Gultenberg Lüke BIM Manager DOM/EB

Brasileira. Alexandre Fitzner do Nascimento CIO-CTO DOM/EB. Washington Gultenberg Lüke BIM Manager DOM/EB A Aplicação do processo BIM na Construção Brasileira Alexandre Fitzner do Nascimento CIO-CTO DOM/EB Washington Gultenberg Lüke BIM Manager DOM/EB Apresentação Conceituação Elos do BIM Cadeia de Valor Produtivo

Leia mais

Piloto BIM Primeiros Passos

Piloto BIM Primeiros Passos Piloto BIM Primeiros Passos O que é o BIM? Estrutura para implantação do projeto piloto BIM Visão BIM Impulsão de Liderança BIM Nova liderança BIM Primeiros passos em seu projeto piloto BIM Mudar para

Leia mais

GESTÃO DA TECNOLOGIA: USO DO SISTEMA BIM PARA A COMPATIBILIZAÇÃO DE PROJETOS

GESTÃO DA TECNOLOGIA: USO DO SISTEMA BIM PARA A COMPATIBILIZAÇÃO DE PROJETOS GESTÃO DA TECNOLOGIA: USO DO SISTEMA BIM PARA A COMPATIBILIZAÇÃO DE PROJETOS leila soares viegas barreto chagas (IF Sertão) leila_viegas@hotmail.com marcos antonio padilha junior (IF Sertão) jr_padilhamarcos@hotmail.com

Leia mais

Formação. Cursos Personalizados

Formação. Cursos Personalizados Formação Formação Técnica O Desenvolvimento das competências ao longo das carreiras profissionais, é obrigatoriamente um investimento das empresas e dos seus colaboradores, contribuindo para uma rentabilidade

Leia mais

O que são os BIM? Mestrado Integrado em Engenharia Civil

O que são os BIM? Mestrado Integrado em Engenharia Civil O que são os BIM? Mestrado Integrado em Engenharia Civil Celestino Maia Fradique Alves ec12086 Francisco Miguel Sarmento Trigueiros Rodrigues de Carvalho ec12140 João Miguel Guimarães Fidalgo Roque ec12134

Leia mais

Utilizando a ferramenta Suites Workflow do Autodesk Revit 2013 para exportar para o Autodesk 3ds Max Design

Utilizando a ferramenta Suites Workflow do Autodesk Revit 2013 para exportar para o Autodesk 3ds Max Design Utilizando a ferramenta Suites Workflow do Autodesk Revit 2013 para exportar para o Autodesk 3ds Max Design Mauricio Antonini Brasoftware Informática AV6041-V O Autodesk Revit 2013 possui uma nova ferramenta

Leia mais

CURSOS DE BIM EM BELO HORIZONTE

CURSOS DE BIM EM BELO HORIZONTE CURSOS DE BIM EM BELO HORIZONTE Cursos de BIM em Belo Horizonte O SindusCon-SP reconhecido como pioneiro na difusão da Tecnologia BIM (Modelagem da Informação da Construção) no Brasil, preparou um curso

Leia mais

ENE065 Instalações Elétricas I

ENE065 Instalações Elétricas I 12/03/2012 ENE065 Instalações Elétricas I Prof.: Ivo Chaves da Silva Junior ivo.junior@ufjf.edu.br Informações ENE065 http://www.ufjf.br/ivo_junior/ ENE065_NOTURNO Generalidades Sistema Elétrico de Potência

Leia mais

Benefícios da Utilização do BIM no desenvolvimento da Orçamentação na Construção Civil

Benefícios da Utilização do BIM no desenvolvimento da Orçamentação na Construção Civil Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gerenciamento de Projetos/turma 149 29 de julho de 2015 Benefícios da Utilização do BIM no desenvolvimento da Orçamentação na Construção Civil Flávia Ciqueira

Leia mais

IMPACTOS DO USO DO SISTEMA CAD GEOMÉTRICO E DO USO DO SISTEMA CAD-BIM NO PROCESSO DE PROJETO EM ESCRITÓRIOS DE ARQUITETURA

IMPACTOS DO USO DO SISTEMA CAD GEOMÉTRICO E DO USO DO SISTEMA CAD-BIM NO PROCESSO DE PROJETO EM ESCRITÓRIOS DE ARQUITETURA IMPACTOS DO USO DO SISTEMA CAD GEOMÉTRICO E DO USO DO SISTEMA CAD-BIM NO PROCESSO DE PROJETO EM ESCRITÓRIOS DE ARQUITETURA Sérgio SCHEER D.Sc / Professor Adjunto do Programa de Pós-Graduação em Construção

Leia mais

O desenvolvimento de um aplicativo de verificação de requisitos através do Revit API

O desenvolvimento de um aplicativo de verificação de requisitos através do Revit API O desenvolvimento de um aplicativo de verificação de requisitos através do Revit API Silvia Maria Soares de Araujo Pereira Fundação Oswaldo Cruz / Universidade Federal Fluminense Sergio Roberto Leusin

Leia mais

Integração entre o Revit, o orçamento e o planejamento de obras com uso de Keynotes

Integração entre o Revit, o orçamento e o planejamento de obras com uso de Keynotes Integração entre o Revit, o orçamento e o planejamento de obras com uso de Keynotes Sergio Leusin, Raquel Canellas e Luciano Capistrano GDP Gerenciamento e Desenvolvimento de Projetos Ltda. A integração

Leia mais

LOCAIS DE TRABALHO COM QUALIDADE E PRODUTIVIDADE PROJETOS COMPLEMENTARES

LOCAIS DE TRABALHO COM QUALIDADE E PRODUTIVIDADE PROJETOS COMPLEMENTARES LOCAIS DE TRABALHO COM QUALIDADE E PRODUTIVIDADE 01 NOSSOS SERVIÇOS Após 35 anos de experiência na área de edificações para o mercado imobiliário gaúcho, a BENCKEARQUITETURA, juntamente com a BENCKECONSTRUÇÕES,

Leia mais

Modelos de Qualidade de Produto de Software

Modelos de Qualidade de Produto de Software CBCC Bacharelado em Ciência da Computação CBSI Bacharelado em Sistemas de Informação Modelos de Qualidade de Produto de Software Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo

Leia mais

Modelagem de Informações para Construção (BIM) e ambientes colaborativos para gestão de projetos na construção civil

Modelagem de Informações para Construção (BIM) e ambientes colaborativos para gestão de projetos na construção civil Modelagem de Informações para Construção (BIM) e ambientes colaborativos para gestão de projetos na construção civil Building Information Modeling (BIM) and collaboration systems for civil engineering

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA 06 PROJETOS DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS, COMUNICAÇÃO E SISTEMAS DE PREVENÇÃO DE DESCARGAS ATMOSFÉRICAS

INSTRUÇÃO TÉCNICA 06 PROJETOS DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS, COMUNICAÇÃO E SISTEMAS DE PREVENÇÃO DE DESCARGAS ATMOSFÉRICAS INSTRUÇÃO TÉCNICA 06 PROJETOS DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS, COMUNICAÇÃO E SISTEMAS DE PREVENÇÃO DE DESCARGAS ATMOSFÉRICAS 1 OBJETIVO Revisão 00 fev/2014 1.1 Estas Instruções Normativas de Projeto apresentam

Leia mais

Criação de Peças Hidráulicas para o Revit MEP

Criação de Peças Hidráulicas para o Revit MEP Paulo Henrique Giungi Galvão Coordenador de Implementação de Revit/BIM Tecgraf Campinas / Santos / Goiás / Ribeirão Preto Esse curso foi projetado para oferecer soluções profissionais de forma rápida,

Leia mais

AVALIAÇÃO DO PROCESSO DE MODELAGEM DA EDIFICAÇÃO E DO CANTEIRO DE OBRAS NO DESENVOLVIMENTO DE PROJETOS 4D

AVALIAÇÃO DO PROCESSO DE MODELAGEM DA EDIFICAÇÃO E DO CANTEIRO DE OBRAS NO DESENVOLVIMENTO DE PROJETOS 4D AVALIAÇÃO DO PROCESSO DE MODELAGEM DA EDIFICAÇÃO E DO CANTEIRO DE OBRAS NO DESENVOLVIMENTO DE PROJETOS 4D Emerson de Andrade Marques Ferreira (1) ; Flávia Dantas de Matos (2) ; Marina da Silva Garcia (3)

Leia mais

USO DE FERRAMENTAS BIM PARA O MELHOR PLANEJAMENTO DE OBRAS DA CONSTRUÇÃO CIVIL

USO DE FERRAMENTAS BIM PARA O MELHOR PLANEJAMENTO DE OBRAS DA CONSTRUÇÃO CIVIL USO DE FERRAMENTAS BIM PARA O MELHOR PLANEJAMENTO DE OBRAS DA CONSTRUÇÃO CIVIL Denize Valéria Santos Baia (Estudante-UnB): denizebaia@yahoo.com.br Antônio Carlos de Oliveira Miranda (Orientador-UnB): acmiranda@unb.br

Leia mais

BIM E A INFORMAÇÃO NO SUBSETOR DE EDIFICAÇÕES DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL

BIM E A INFORMAÇÃO NO SUBSETOR DE EDIFICAÇÕES DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Pier Luiz de Resende Mattei BIM E A INFORMAÇÃO NO SUBSETOR DE EDIFICAÇÕES DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL

Leia mais

Implantação de um Processo de Medições de Software

Implantação de um Processo de Medições de Software Departamento de Informática BFPUG Brazilian Function Point Users Group Implantação de um Processo de Medições de Software Claudia Hazan, MSc., CFPS claudinhah@yahoo.com Agenda Introdução Processo de Medições

Leia mais

Gestão da Informação da Infraestrutura e Edificações no Setor Público

Gestão da Informação da Infraestrutura e Edificações no Setor Público Gestão da Informação da Infraestrutura e Edificações no Setor Público Alexandre Fitzner do Nascimento CIO-CTO DOM/EB Washington Gultenberg Lüke BIM Manager DOM/EB Apresentação Pessoal Alexandre Fitzner

Leia mais

CSE-300-4 Métodos e Processos na Área Espacial

CSE-300-4 Métodos e Processos na Área Espacial CSE-300-4 Métodos e Processos na Área Espacial Engenharia e Tecnologia Espaciais ETE Engenharia e Gerenciamento de Sistemas Espaciais 16-junho-2008 L.F.Perondi Definição Projeto A unique set of coordinated

Leia mais

BENEFÍCIOS E DESAFIOS DA UTILIZAÇÃO DO BIM PARA EXTRAÇÃO DE QUANTITATIVOS

BENEFÍCIOS E DESAFIOS DA UTILIZAÇÃO DO BIM PARA EXTRAÇÃO DE QUANTITATIVOS BENEFÍCIOS E DESAFIOS DA UTILIZAÇÃO DO BIM PARA EXTRAÇÃO DE QUANTITATIVOS MELHADO, Silvio (1); PINTO, Ana Carolina (2) (1) USP, (11) 3091-5164, e-mail: silvio.melhado@usp.br, (2) USP, e-mail: anacarolbcp@gmail.com

Leia mais

GEOPROCESSAMENTO. Herondino Filho

GEOPROCESSAMENTO. Herondino Filho GEOPROCESSAMENTO Herondino Filho Sumário 1. Introdução 1.1 Orientações Avaliação Referência 1.2 Dados Espaciais 1.2.1 Exemplo de Dados Espaciais 1.2.2 Aplicações sobre os Dados Espaciais 1.3 Categoria

Leia mais

Arq. Priscila Castro. BIM Normas ABNT/CCE-134 Modelagem de Informação da Construção Implantação - Aplicação em Obra

Arq. Priscila Castro. BIM Normas ABNT/CCE-134 Modelagem de Informação da Construção Implantação - Aplicação em Obra Arq. Priscila Castro BIM Normas ABNT/CCE-134 Modelagem de Informação da Construção Implantação - Aplicação em Obra BIM O que é BIM ABNT/CCE-134 Modelagem de Informação da Construção Referências BIM Implantação

Leia mais

SUGESTÕES PARA O DESENVOLVIMENTO DE UMA FERRAMENTA DE METACOMPILAÇÃO DE CLASSES JAVA PARA ACESSO A MODELOS ifcxml EM ALTO NÍVEL

SUGESTÕES PARA O DESENVOLVIMENTO DE UMA FERRAMENTA DE METACOMPILAÇÃO DE CLASSES JAVA PARA ACESSO A MODELOS ifcxml EM ALTO NÍVEL SUGESTÕES PARA O DESENVOLVIMENTO DE UMA FERRAMENTA DE METACOMPILAÇÃO DE CLASSES JAVA PARA ACESSO A MODELOS ifcxml EM ALTO NÍVEL Cervantes Ayres (1); Sergio Scheer (2) (2) PPGCC/UFPR, e-mail: cervantes.ayres@gmail.com

Leia mais

Projeto de Monitoração e Melhoria Contínua com Six-Sigma, IoT e Big Data

Projeto de Monitoração e Melhoria Contínua com Six-Sigma, IoT e Big Data Projeto de Monitoração e Melhoria Contínua com Six-Sigma, IoT e Big Data Contexto As pressões do mercado por excelência em qualidade e baixo custo obrigam as empresas a adotarem sistemas de produção automatizados

Leia mais

Teste de assertividade da biblioteca de componentes BIM do MDIC Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio do Brasil.

Teste de assertividade da biblioteca de componentes BIM do MDIC Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio do Brasil. Teste de assertividade da biblioteca de componentes BIM do MDIC Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio do Brasil. Assertiveness check of the BIM library components of MDIC - Ministry of Development,

Leia mais

Pré-Construção Virtual BIM com foco na Compatibilização de Projetos

Pré-Construção Virtual BIM com foco na Compatibilização de Projetos Pré-Construção Virtual BIM com foco na Compatibilização de Projetos Bruno Maciel Angelim FortBIM Engenharia Esta classe mostra o fluxo de trabalho do Autodesk Building Design Suite para pré-construção

Leia mais

IV Seminário de Inovação na Construção Civil BIM Building Information Modeling Implantação e aplicações práticas em empresa de engenharia e

IV Seminário de Inovação na Construção Civil BIM Building Information Modeling Implantação e aplicações práticas em empresa de engenharia e IV Seminário de Inovação na Construção Civil BIM Building Information Modeling Implantação e aplicações práticas em empresa de engenharia e construção É o processo de elaboração e gerenciamento das informações

Leia mais

Políticas de Qualidade em TI

Políticas de Qualidade em TI Políticas de Qualidade em TI Prof. www.edilms.eti.br edilms@yahoo.com Aula 04 ISOs / IEC 12207 15504 9001 9126 25000 Agenda Descrição sumária da ISOs afetas ao nosso curso de qualidade ISO/IEC 12207 ISO/IEC

Leia mais

INTEROPERABILIDADE DE FERRAMENTAS DE MODELAGEM PARAMÉTRICA EM PROJETOS DE PLANTAS INDUSTRIAIS

INTEROPERABILIDADE DE FERRAMENTAS DE MODELAGEM PARAMÉTRICA EM PROJETOS DE PLANTAS INDUSTRIAIS 35 http://dx.doi.org.br/10.11606/gtp.v10i2.101369 INTEROPERABILIDADE DE FERRAMENTAS DE MODELAGEM PARAMÉTRICA EM PROJETOS DE PLANTAS INDUSTRIAIS ARTIGO Interoperability of parametric modeling tools in industrial

Leia mais

PROJETOS DE EXECUÇÃO INCORPORADA C.A.D. 3D x BANCO DE DADOS x FOTOREALISMO

PROJETOS DE EXECUÇÃO INCORPORADA C.A.D. 3D x BANCO DE DADOS x FOTOREALISMO PROJETOS DE EXECUÇÃO INCORPORADA C.A.D. 3D x BANCO DE DADOS x FOTOREALISMO Lysio Séllos Costa Filho Eng.º, mestrando da UFF em Produção Civil; Bolsista CAPES R. Gal. Urquiza 31/314-Leblon, RJ/RJ, CEP:22431-040;

Leia mais

3.5 Aplicação do BIM

3.5 Aplicação do BIM 3.5 Aplicação do BIM A indústria da Construção civil, mais precisamente a área de AEC Arquitetura, Engenharia e Construção são consideradas ineficientes e cheias de desperdícios, e ainda agravada por fatores

Leia mais

BIM Um Processo integrado de projeto

BIM Um Processo integrado de projeto BIM Um Processo integrado de projeto Metodologia BIM de projeto, planejamento e controle de obras, com integração com BD externos Minimização de riscos de projeto, inclusive os derivados da NBR 15.575

Leia mais

Metodologia para interoperabilidade entre softwares de planejamento e de visualização gráfica para o desenvolvimento do planejamento 4D

Metodologia para interoperabilidade entre softwares de planejamento e de visualização gráfica para o desenvolvimento do planejamento 4D Metodologia para interoperabilidade entre softwares de planejamento e de visualização gráfica para o desenvolvimento do planejamento 4D Samuel João da Silveira (ECV/UFSC) samuelsj@pop.com.br Luis Alberto

Leia mais

do grego: arkhé (chefe ou mestre) + tékton (trabalhador ou construtor); tekhne arte ou habilidade;

do grego: arkhé (chefe ou mestre) + tékton (trabalhador ou construtor); tekhne arte ou habilidade; 1 ARQUITETURA E DESIGN DE SOFTWARE O que é Arquitetura? do grego: arkhé (chefe ou mestre) + tékton (trabalhador ou construtor); tekhne arte ou habilidade; do dicionário: Arte de projetar e construir prédios,

Leia mais

Integração das soluções Autodesk no processo BIM

Integração das soluções Autodesk no processo BIM Rafael Giovannini Maccheronio Best Software A partir deste ano (FY12), a Autodesk passa a disponibilizar a seus clientes pacotes de software(suites) compostas por diversos software. Essa sessão tem por

Leia mais

Cabeamento Estruturado

Cabeamento Estruturado Cabeamento Estruturado Definição Cabeamento para uso integrado em comunicações de voz, dados e imagem preparado de maneira a atender diversos layouts de instalações, por um longo período de tempo, sem

Leia mais

ESTUDO DE VIABILIDADE DO USO DE BIM PARA MENSURAR IMPACTOS AMBIENTAIS DE EDIFICAÇÕES POR ENERGIA INCORPORADA E CO 2 INCORPORADO

ESTUDO DE VIABILIDADE DO USO DE BIM PARA MENSURAR IMPACTOS AMBIENTAIS DE EDIFICAÇÕES POR ENERGIA INCORPORADA E CO 2 INCORPORADO ESTUDO DE VIABILIDADE DO USO DE BIM PARA MENSURAR IMPACTOS AMBIENTAIS DE EDIFICAÇÕES POR ENERGIA INCORPORADA E CO 2 INCORPORADO Helena Fernanda Graf (1) ; Micheline Helen Cot Marcos (2) ; Sergio Fernando

Leia mais

CRIAÇÃO DE UMA MAQUETE VIRTUAL 3D DO CAMPUS HIGIENÓPOLIS DA UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE

CRIAÇÃO DE UMA MAQUETE VIRTUAL 3D DO CAMPUS HIGIENÓPOLIS DA UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CRIAÇÃO DE UMA MAQUETE VIRTUAL 3D DO CAMPUS HIGIENÓPOLIS DA UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE 1. INTRODUÇÃO Devido ao rápido desenvolvimento da tecnologia e a influência da mesma em todas as áreas de

Leia mais

Graduação Tecnológica em Redes de Computadores. Infraestrutura de Redes de Computadores

Graduação Tecnológica em Redes de Computadores. Infraestrutura de Redes de Computadores Graduação Tecnológica em Redes de Computadores Infraestrutura de Redes de Computadores Euber Chaia Cotta e Silva euberchaia@yahoo.com.br Graduação Tecnológica em Redes de Computadores Introdução ao cabeamento

Leia mais

Fluxo de trabalho em empresas de elevação e transporte

Fluxo de trabalho em empresas de elevação e transporte Fluxo de trabalho em empresas de elevação e transporte Leandro Castellanos Castellanos Tecnologia LTDA È apresentado um fluxo de trabalho (Estudo Projeto Revisão e Informações técnicas) em empresas que

Leia mais

Medição & Verificação

Medição & Verificação Roteiro de apresentação Medição & Verificação Sua Importância para a Análise de Resultados em uma Operação Conceitos Normas Aplicações Planejamento Estudos t d de Caso Conclusões David Douek, Diretor de

Leia mais

4 - A TI. É um termo conveniente para incluir a tecnologia de computadores e telecomunicações na mesma palavra.

4 - A TI. É um termo conveniente para incluir a tecnologia de computadores e telecomunicações na mesma palavra. 4 - A TI Tecnologia da Informação (IT - Information Technology) - É o termo que engloba toda tecnologia utilizada para criar, armazenar, trocar e usar informação em seus diversos formatos (dados corporativos,

Leia mais

Teamcenter Rapid Start

Teamcenter Rapid Start Siemens PLM Software Teamcenter Rapid Start Instale PDM com rapidez e ótimo custo-benefício. Benefícios Simples e rápido de instalar, configurar e implantar Recursos essenciais de PDM imediatamente disponíveis

Leia mais

COMPREENDENDO BUILDING INFORMATION MODELING

COMPREENDENDO BUILDING INFORMATION MODELING Regina C. Ruschel 2ª Semana de Tecnologia da Construção Associação de Engenharia Arquitetura e Agronomia de Ribeirão Preto AEAARB COMPREENDENDO BUILDING INFORMATION MODELING Engenheira Civil Doutorado

Leia mais

energia de forma simples

energia de forma simples energia de forma simples www,fgwilson,com LINHA DE 8,5 A 290 KVA Desempenho I Durabilidade I Manutenção A vida moderna é complicada, mas garantir o fornecimento de energia para seu negócio pode ser algo

Leia mais