CADERNO DE RESUMOS TURMA 2014

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CADERNO DE RESUMOS TURMA 2014"

Transcrição

1 CADERNO DE RESUMOS TURMA 2014

2

3 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO 7 PROGRAMAÇÃO 9 LINHA DE PESQUISA 11 GRÁFICA DIGITAL APLICADA A ARQUITETURA E URBANISMO CONSEQUENCIAS DE REESTRUTURAÇÕES CURRICULARES EM DISCIPLINAS DE REPRESENTAÇÃO FRENTE À PRÁTICA PROJETUAL Cristiane dos Santos Nunes Orientadora: Adriane Borda Almeida da Silva O PARAMETRISMO ENTRE GAUDÍ E GEHRY Juçara Silva Orientadora: Adriane Borda Almeida da Silva O ENSINO/APRENDIZAGEM DE GEOMETRIA PROJETIVA: um panorama de estratégias didáticas a partir das tecnologias de representação Tatiane Brisolara Nogueira Orientadora: Adriane Borda Almeida da Silva LINHA DE PEQUISA PERCEPÇÃO E AVALIAÇÃO DO AMBIENTE PELO USUÁRIO A PRESERVAÇÃO HISTÓRICA CONSIDERANDO A IDENTIDADE LOCAL E A PERCEPÇÃO DO USUÁRIO EM CIDADES HISTÓRICAS Adriane Alves Orientadora: Adriana Araújo Portella DE 2014 SEGUNDO A PERCEPÇÃO DA POPULAÇÃO DEVIDO AS OBRAS DE MOBILIDADE NA CIDADE DE PORTO ALEGRE Gabriela Costa da Silva Orientadora: Adriana Araújo Portella VITRINAS E VISUAL MERCHANDISING: QUAIS VARIÁVEIS INFLUENCIAM NA QUALIDADE VISUAL DAS RUAS COMERCIAIS DE PELOTAS SEGUNDO A PERCEPÇÃO DO USUÁRIO Manoela Neves Siewerdt Orientadora: Adriana Araújo Portella ARTE E A CONDIÇÃO DE URBANIDADE. A relação entre Arte e Arquitetura e Urbanismo: O caso de Pelotas Cássia Correa Pereira Orientadora: Natalia Naoumova CONSTRUINDO A CIDADE E A CIDADANIA- PROGRAMA DE ACELERAÇÃO DO CRESCIMENTO NA COMUNIDADE DO PAC ANGLO- PELOTAS RS Janice Jara Conceição Dutra

4 Orientadora: Nirce Saffer Medvedovski AVALIAÇÃO DOS USUÁRIOS DE HABITAÇÕES DE INTERESSE SOCIAL DO PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA QUANTO AO FORNECIMENTO DE EQUIPAMENTOS E SERVIÇOS URBANOS ACESSÍVEIS E DE QUALIDADE PARA O SEU USO Estudos de caso dos Residenciais Jardins do Obelisco e Haragano Jones Vieira Pinto Orientadora: Nirce Saffer Medvedovski LINHA DE PESQUISA URBANISMO CONTEMPORANEO CASA: TERRITÓRIO DE SUBJETIVIDADES Um percurso sobre sensibilidade e arquitetura nos condomínios fechados Carolina Magalhães Falcão Orientador: Eduardo Rocha Co-orientador: André Torres Carrasco CIDADE COMO ESPAÇO CÊNICO Narrativas do Espaço Urbano através do...avoa! Núcleo Artístico Débora Souto Allemand Orientador: Eduardo Rocha OS MUSEUS DA UFPEL Território vizinho e hospitalidade Talita Corrêa Vieira Silva Orientador: Eduardo Rocha LINHA DE PESQUISA TEORIA E CRITICA DA ARQUITETURA E URBANISMO PRÉ-URBANISMO EM FORTALEZA: CÓDIGOS E PLANOS DE 1818 A 1933 Larry Andelmo Silva de Andrade Orientadora: Célia Helena Castro Gonsales O PAPEL DA MAQUETE FÍSICA COMO PROCESSO DE IDEALIZAÇÃO DE PROJETO Aplicações na Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Federal de Pelotas Lessandro Machado da Rosa Orientadora: Laura Lopes Cezar CONCURSOS DE ARQUITETURA NO RIO GRANDE DO SUL Matheus Gomes Chemello Orientador: Sylvio A. Dick Jantzen MATERIALIDADE E SIGNIFICADO NO CONJUNTO HISTÓRICO E PAISAGÍSTICO DE JAGUARÃO/RS Critérios de Preservação Roseli Maria Comissoli de Sá Orientador: Sylvio Arnoldo Dick Jantzen

5 LINHA DE PESQUISA CONFORTO E SUSTENTABILIDADE DO AMBIENTE CONSTRUIDO AVALIAÇÃO DOS PARÂMETROS DE DESEMPENHO TÉRMICO DA NBR PARA AS ZONAS BIOCLIMÁTICAS 1, 4 E 7 PARA HABITAÇÕES DE INTERESSE SOCIAL Alexandre Espindola de Felippe Orientador: Antônio Cesar Silveira Baptista da Silva POSSIBILIDADES PARA O EMPREGO DO SISTEMA DE FACHADA VENTILADA EM EDIFÍCIOS COMERCIAIS NAS OITO ZONAS BIOCLIMÁTICAS DO BRASIL Carlos Leodário Monteiro Krebs Orientador: Eduardo Grala da Cunha SUSTENTABILIDADE EM EDIFICAÇÕES PÚBLICAS O Processo de Expansão do Instituto Federal Sul-rio-grandense César Rodeghiero Rosa Orientador: Antônio César Silveira Baptista da Silva Co-orientadora: Lisandra Fachinello Krebs ANÁLISE DAS CONDIÇÕES DE USO E OCUPAÇÃO DE HIS PRECONIZADAS NO RTQ-R NO MÉTODO DE SIMULAÇÃO COMPUTACIONAL Raquel Ramos Silveira da Mota Orientador: Eduardo Grala da Cunha ANÁLISE DA EVOLUÇÃO DO DIREITO AO SOL NO I, II E III PLANO DIRETOR DE PELOTAS RS Saionara Dias Vianna Orientadora: Celina Britto Correa A AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO TÉRMICO DE TIPOLOGIAS DE HABITAÇÕES DE INTERESSE SOCIAL NOS PROGRAMAS MCMV E PAC EM PELOTAS(RS) Thelma de Ávila Camargo Orientador: Eduardo Grala da Cunha LINHA DE PESQUISA TECNOLOGIA E CONSERVAÇÃO DO AMBIENTE CONSTRUÍDO PROPOSTA DE METODOLOGIA PARA ANÁLISE DE MANIFESTAÇÕES PATOLÓGICAS EM FACHADAS NA CIDADE DE PELOTAS/RS Aretusa Oliveira Rodrigues Orientadora: Ariela da Silva Torres Co-orientador: Charlei Marcelo Paliga

6 AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO TÉRMICO, LUMÍNICO E ACÚSTICO, DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL: O caso da Casa Palete Cassius Baumgarten Orientadora: Isabel Tourinho Salamoni MÉTODOS DE ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS PARA DIAGNÓSTICO DE MANIFESTAÇÕES PATOLÓGICAS DE EDIFICAÇÕES. ESTUDO DE CASO DAS FACHADAS DA ESTAÇÃO RODOVIÁRIA DE PELOTAS/RS Fernando Wulff Al Alam Co-orientador: Charlei Marcelo Paliga Orientadora: Ariela da Silva Torres PROPOSIÇÃO DE DIRETRIZES PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA TECNOLOGIA BIM (BUILDING INFORMATION MODELING) NO APOIO À GESTÃO DE ESPAÇOS EM INSTITUIÇÕES FEDERAIS DE ENSINO SUPERIOR (IFES) Gianine Pivetta Mello Orientador: Fábio Kellermann Schramm

7 APRESENTAÇÃO O V Seminário Anual da Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo da UFPel acontece nos dias 19, 20 e 21 de novembro de 2014, no Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo (PROGRAU), da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo (FAUrb), da Universidade Federal de Pelotas (UFPel). Além de ser um evento importante para o fortalecimento do PROGRAU, também é de grande relevância para a região sul do Rio Grande do Sul, ao abordar temas relacionados ao universo da pesquisa em arquitetura e urbanismo. Os eixos temáticos foram organizados a partir das seguintes áreas e linhas de pesquisa: Área de Concentração Arquitetura, Patrimônio e Sistemas Urbanos Urbanismo Contemporâneo; História da Arquitetura e da Cidade; Percepção e Avaliação do Ambiente pelo Usuário; Teoria História e Crítica da Arquitetura e Urbanismo e; Área de Concentração Qualidade e Tecnologia do Ambiente Construído Conforto e Sustentabilidade do Ambiente Construído e; Tecnologia e Conservação do Ambiente Construído. Por meio de sessões de comunicações os discentes da turma 2014 apresentam suas propostas de pesquisa promovendo o debate acadêmico e fomentando discussões sobre as diferentes possibilidades, práticas, metodologias e resultados nas linhas de pesquisa oferecidas pelo PROGRAU. Prof. Dr. Eduardo Rocha Coordenador do PROGRAU 7

8

9 PROGRAMAÇÃO MESTRANDO ORIENTACAO HORARIO BANCA Linha de Pesquisa: Gráfica Digital Aplicada a Arquitetura e Urbanismo e Percepção e Avaliação do Ambiente pelo Usuário dia 19 de novembro de 2014 quarta-feira Cristiane dos Santos Nunes Adriane Borda Almeida da Silva 17h00min- 17h30min Adriane B. Almeida da Silva Sylvio Arnoldo Dick Jansen Juçara Nunes da Silva Adriane Borda Almeida da Silva 17h30min- 18h00min Adriane B. Almeida da Silva Sylvio Arnoldo Dick Jansen Tatiane Brisolara Nogueira Adriane Borda Almeida da Silva 18h00min- 18h30min Adriane B. Almeida da Silva Sylvio Arnoldo Dick Jansen Adriane Luiz Alves Adriana Araújo Portela 18h30min- 19h00min Adriana Araújo Portela Eduardo Rocha Gabriela Costa da Silva Adriana Araújo Portela 19h00min- 19h30min Adriana Araújo Portela Nirce Saffer Medvedovski Manoela Neves Siewerdt Adriana Araújo Portela 19h30min- 20h00min Adriana Araújo Portela Natalia Naumova Cássia Correa Pereira Natalia Naumova 20h00min- 20h30min Natalia Naumova Adriana Araújo Portela Janice Jara Conceição Nirce Saffer Medvedovski 20h30min- Nirce Saffer Medvedovski Dutra 21h00min Jones Vieira Pinto Nirce Saffer Medvedovski 21h00min- Nirce Saffer Medvedovski 21h30min Linhas de Pesquisa: Urbanismo Contemporâneo e Teoria e Crítica da Arquitetura e Urbanismo dia 20 de novembro de 2014 quinta-feira Matheus Gomes Chemello Sylvio Arnoldo Dick Jansen 16h00min- 16h30min Sylvio Arnoldo Dick Jansen Eduardo Rocha Roseli Maria Comissoli de Sá Sylvio Arnoldo Dick Jansen 16h30min- 17h00min Sylvio Arnoldo Dick Jansen Ana Lucia Oliveira Carolina Cabreira Magalhães Falcão Eduardo Rocha 17h00min- 17h30min André Torres Carrasco Juan Manuel Tetamanti Débora Souto Allemand Eduardo Rocha 17h30min- 18h00min Mauricio Polidori Juan Manuel Tetamanti Talita Corrêa Vieira Silva Eduardo Rocha 18h00min- 18h30min André Torres Carrasco Juan Manuel Tetamanti Larry Andelmo Silva de Andrade Celia Gonsales 18h30min- 19h00min Celia Gonsales Laura Lopes Cesar Lessandro Machado da Rosa Laura Lopes Cesar 19h00min- 19h30min Laura Lopes Cesar Natalia Naumova Linhas de Pesquisa: Conforto e Sustentabilidade do Ambiente Construído/ Tecnologia e Conservação do Ambiente Construído dia 21 de novembro de 2014 sexta-feira 9

10 Carlos Leodário Monteiro Krebs Eduardo Grala da Cunha 15h00min- 15h30min Raquel Ramos Silveira Eduardo Grala da Cunha 15h30minda Mota 16h00min Thelma de Ávila Eduardo Grala da Cunha 16h00min- Camargo 16h30min Gianine Pivetta Mello Fabio Schramm 16h30min- 17h00min Alexandre Espindola de Antonio Cesar B. da Silva 17h00min- Felippe 17h30min Saionara Dias Vianna Profa. Dra. Celina Maria 17h30min- Brito Correa 18h00min INTERVALO César Rodeghiero Rosa Antonio Cesar B. da Silva 19h00min- 19h30min Cassiús Baumgarten Isabel Salamoni 19h30min- Vieira 20h00min Aretusa Oliveira Ariela da Silva Torres 20h00min- Rodrigues 20h30min Fernando Wulff Al Alam Ariela da Silva Torres 20h30min- 21h00min Eduardo Grala da Cunha Antonio Cesar B. da Silva Eduardo Grala da Cunha Antonio Cesar B. da Silva Eduardo Grala da Cunha Antonio Cesar B. da Silva Fabio Schramm Eduardo Grala da Cunha Antonio Cesar B. da Silva Celina Maria Brito Correa Isabel Salamoni Antonio Cesar B. da Silva Isabel Salamoni Celina Maria Brito Correa Ariela da Silva Torres Rosilena Martins Peres Ariela da Silva Torres Rosilena Martins Peres

11 GRÁFICA DIGITAL APLICADA A ARQUITETURA E URBANISMO 11

12

13 CONSEQUENCIAS DE REESTRUTURAÇÕES CURRICULARES EM DISCIPLINAS DE REPRESENTAÇÃO FRENTE À PRÁTICA PROJETUAL Cristiane dos Santos Nunes 1 Orientadora: Adriane Borda Almeida da Silva 2 Palavras-chave: representação gráfica e digital; geometria; reestruturação curricular. O ensino de Geometria, no contexto de ensino da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo (FAUrb) da Universidade Federal de Pelotas (UFPel), esteve centrado desde a sua criação basicamente na compreensão e execução de métodos projetivos. Apoiava-se, essencialmente, em técnicas tradicionais de representação e, considerando-se a exigência de tais técnicas de um laborioso trabalho braçal para a transformação da forma através do controle de determinados parâmetros, as atividades de ensino restringiam-se ao estudo de formas genéricas e com pouca complexidade, como pode-se ver em Kremer (2008). Raramente havia espaço para o estudo de casos concretos de formas arquitetônicas complexas, pois exigia uma carga horária exaustiva e de difícil equacionamento dentro do currículo. Desta maneira, o conteúdo que era ministrado para este curso de Arquitetura e Urbanismo não se diferenciava muito do que era tratado no âmbito de outras formações, tais como para as Engenharias e para o Design. Havia assim pouco direcionamento para o apoio às práticas de projeto arquitetônico. É recente a inserção de tecnologias digitais como apoio para as disciplinas de Geometria no contexto referido, a qual foi formalizada a partir de uma reforma curricular, criando uma seqüência de disciplinas de caráter obrigatório, as quais passaram a tratar de geometria gráfica e digital, desde o primeiro semestre de formação. Com a mudança de currículo do curso, os conteúdos buscam alcançar a interdisciplinaridade desejada, unindo geometria, projeto e informática, de acordo com estruturas de saber pertinentes ao contexto de ensino/aprendizagem em arquitetura, delimitadas a partir de Valderrama (1999), Celani (2003) e Pottmann et al (2007). Hoje elas têm como principais estratégias de ensino a representação gráfica digital de obras de arquitetura exemplares e identificação de conceitos geométricos aplicados. Com o presente estudo busca-se compreender se estas transformações curriculares estão contribuindo para facilitar o estabelecimento de métodos projetuais pelos estudantes. Busca-se verificar se o conhecimento sistematizado de geometria, e agora aplicado, promove um diferencial na postura projetual dos estudantes. Se o uso de conceitos geométricos no momento de projetar está se dando de maneira consciente e intencional, ou se seguem sendo aplicados intuitivamente. Deve-se considerar que a intuição é construída a partir da aquisição de um repertório visual, teórico e técnico, que neste caso pode ser inicializado através de disciplinas de representação gráfica. Os resultados devem subsidiar o processo de avaliação da reforma curricular e provocar a discussão sobre a necessidade de revisão de um discurso didático no âmbito de disciplinas de representação, buscando avançar em um 1 Arquiteta e Urbanista, mestranda no PROGRAU. 2 Professora Dra. do Departamento de Arquitetura e Urbanismo FAUrb/UFPel. 13

14 discurso atualizado que contraponha àquele de liberdade formal, tendo em vista uma abordagem tecnológica como sinônimo de maturidade projetual. Este estudo está sendo desenvolvido a partir das seguintes etapas: revisão teórica; análise da produção das disciplinas de projeto anteriores e posteriores às mudanças curriculares; aplicação de questionários aos autores dos projetos; entrevistas com autores dos projetos; entrevistas com professores responsáveis pelas disciplinas de projeto; sistematização dos resultados obtidos. REFERÊNCIAS CELANI, G. Cad Criativo. Rio de Janeiro: Editora Campus, KREMER, R. Exercícios de Geometria Descritiva Curvas e Superfícies. Brasil: Editora e Gráfica Universitária, POTTMANN, A. ASPERL, A. HOFER, M. KILLIAN, A. Architectural Geometry. Exton: Bentley Institute Press, VALDERRAMA, Fernando. Tutoriales de Informáticapara Arquitectura. 2ª Edición. Madrid: Celeste Ediciones SA, 2001.

15 O PARAMETRISMO ENTRE GAUDÍ E GEHRY Juçara Silva 3 Orientadora: Adriane Borda Almeida da Silva 4 Palavras-chave: gráfica digital, modelagem geométrica, modelagem paramétrica. Este trabalho concentra a pesquisa na identificação dos processos utilizados na elaboração de dois projetos icônicos, que utilizaram estudos baseados na modelagem paramétrica, em momentos temporais distintos. As obras escolhidas são o Templo Sagrada Família, em Barcelona, de Antoni Gaudí e o Museu Guggenheim, em Bilbao, do Frank Gehry. Utiliza-se como metodologia a captura dos discursos, de aspectos referidos a elaboração destes projetos e seus pontos de contato. Esta aproximação teórica pretende-se compreender e aprofundar os conceitos inerentes à implementação das novas tecnologias digitais e capturar a essência geométrica destes processos. Tem como objetivo a identificação dos processos projetuais, caminho que estará baseado na identificação da essência geométrica, sugerindo uma trajetória didática, que replique para outras alternativas formais. Assistimos uma evolução importante na apropriação da linguagem processual digital e sua estrutura lógica para resolver problemas e sugerir soluções. A introdução de novas formas de desenhar subverte a forma tradicional de projetar, utilizando um novo código de regras, relações lógicas, geométricas e paramétricas. A evolução de Gaudí nos processos projetivos, baseada numa exaustiva geometrização, mesclando técnicas industriais tradicionais, desenvolveu material gráfico e protótipos que puderam guiar a conclusão de sua obra Por outro lado, outra quebra de paradigma é o Museu Guggenheim, de Gerhy, que, por sua complexidade formal, exigiu trabalho minucioso para modelagem digital. A geração digital eliminou diversas restrições dos sistemas tradicionais de desenho, facilitando o emprego de geometrias complexas. Na última década, a modelagem paramétrica deixou de ser um truque matemático para se transformar numa forma regular de prática arquitetônica (KOLAREVIC, 2001). Foi encaminhada parcialmente a revisão teórica e a pesquisa na literatura existente. REFERÊNCIAS KOLAREVIC, B. - Digital morphogenesis and computational architectures. In: X CONGRESS OF THE IBEROAMERICAN SOCIETY OF DIGITAL GRAFICS, 2000, Rio de Janeiro, Anais Rio de Janeiro, Arquiteta e Urbanista - 4 Arquiteta e Urbanista - 15

16

17 O ENSINO/APRENDIZAGEM DE GEOMETRIA PROJETIVA: um panorama de estratégias didáticas a partir das tecnologias de representação. Tatiane Brisolara Nogueira 5 Orientadora: Adriane Borda Almeida da Silva 6 Palavras-chave: ensino; geometria projetiva; tecnologias digitais; desenho paramétrico. A permanente inquietação acerca das práticas didáticas que visam o desenvolvimento do raciocínio geométrico projetivo, revelado pela persistência do tema em fóruns de produção científica demonstra o quanto este tema segue sendo alvo de investigações. Diferentes modelos didáticos são constantemente testados em diversos contextos acadêmicos em busca de resultados mais efetivos e novas tecnologias são inseridas sistematicamente. As diversas estratégias didáticas são testadas na tentativa de promover o desenvolvimento deste raciocínio que se observa carente na formação dos novos profissionais. Os conteúdos de geometria descritiva, que promovem o desenvolvimento deste raciocínio geométrico projetivo, se sedimentaram tradicionalmente como um conjunto de ações protocoladas tornando o processo mecânico, através da execução de um passo a passo, e excluindo deste processo o raciocínio proporcionado pela resolução de problemas através de um sistema abstrato de visualização espacial. Gani (2005) exemplifica tal situação quando compara as lições de Monge e o livro Elementos de Geometria Descritiva da coleção F.I.C. Neste contexto a pergunta que se faz busca entender o quanto as tecnologias digitais podem incrementar as disciplinas que almejam o desenvolvimento deste raciocínio geométrico projetivo ou não? E, sobretudo, o quanto que a parametrização como tecnologia de apoio pode resgatar o raciocínio que se perdeu com a procedimentação destes conteúdos? Nesse sentido busca-se entender o quanto as tecnologias ampliam as estruturas do saber. É objetivo geral deste trabalho, a compreensão da evolução das estratégias didáticas que abordam conteúdos de geometria projetiva frente à inserção de tecnologias de representação gráfica digital. Pretende-se, com isto, uma contribuição para prática docente através de disponibilização de repertório de materiais didáticos onde possam ser destacados: público alvo, tecnologias utilizadas e tipos de resultados obtidos. Trabalha-se sobre a hipótese de que o desenho paramétrico resgata a origem da disciplina que é a matemática, como afirma Panisson (2007) em sua tese de doutorado. A metodologia proposta compreende: revisão bibliográfica da produção científica na área; sistematização das estratégias didáticas destacadas; classificação destas estratégias; e análise da evolução até os dias de hoje. Para tal, elegeu-se como fórum científico o GRAPHICA, evento realizado bianualmente pela Associação Brasileira de Expressão Gráfica. As análises compreendem os registros de anais dos eventos que foram realizados entre os anos de 1996 e O processo de revisão bibliográfica sistematizada está em fase de 5 Mestranda em Arquitetura e Urbanismo no PROGRAU. FAUrb - UFPel. 6 Profa. Dra. Adjunta na UFPel. FAUrb - PROGRAU. 17

18 desenvolvimento. Estão sendo observados, para cada contexto: o marco teórico adotado; os modelos didáticos propostos; os recursos que estão sendo utilizados; e os resultados obtidos. Acredita-se que através das análises de recorrência e permanência possam ser identificadas as estratégias didáticas que foram validadas ao longo destes anos. REFERÊNCIAS PANISSON, E. Gaspard Monge e a sistematização da representação na arquitetura p. Tese (doutorado em Arquitetura) Programa de Pesquisa e Pós-Graduação em Arquitetura, UFRGS, Porto Alegre, GANI, D. C. Geometria descritiva: um contraste entre as lições de monge e o livro por F.I.C. In: GRAPHICA Anais. Recife: 2005.

19 PERCEPÇÃO E AVALIAÇÃO DO AMBIENTE PELO USUÁRIO 19

20

21 A PRESERVAÇÃO HISTÓRICA CONSIDERANDO A IDENTIDADE LOCAL E A PERCEPÇÃO DO USUÁRIO EM CIDADES HISTÓRICAS Adriane Alves 7 Orientadora: Adriana Araújo Portella 8 Palavras-chave: patrimônio; preservação; identidade; centro histórico; percepção ambiental. Esta pesquisa tem como objetivo analisar o comportamento dos usuários no centro histórico da cidade contemporânea, investigando o grau de satisfação desses com a aparência e preservação do lugar, bem como se há algum grau de comprometimento por parte dessas pessoas com a manutenção da identidade da cidade. A escolha do centro histórico de Bagé no Rio Grande do Sul como objeto de estudo se deu devido à importância dessa cidade na formação das fronteiras do estado e do Brasil. Para desenvolver este trabalho são utilizados métodos e técnicas da área de pesquisa Ambiente-Comportamento. Segundo HAMACHEK (1979), o ambiente que visualizamos apresenta um significado para cada pessoa em particular e é construído conforme os conhecimentos e vivências de cada indivíduo. Inicialmente foi realizada uma ampla revisão da literatura sobre o tema, e posteriormente a história de Bagé. Foi feito mapeamento do grau de manutenção e descaracterização dos prédios históricos, levantamento fotográfico, entrevistas e mapas mentais. O objetivo é comparar as diferentes percepções desses grupos quanto à aparência e preservação do centro histórico. REFERÊNCIAS HAMACHEK, Don E. Encontros com o self. 2 ed. Rio de Janeiro: Interamericana, p

22

23 DE 2014 SEGUNDO A PERCEPÇÃO DA POPULAÇÃO DEVIDO AS OBRAS DE MOBILIDADE NA CIDADE DE PORTO ALEGRE Gabriela Costa da Silva 9 Orientadora: Adriana Araújo Portella 10 Palavras-chave: Copa do Mundo; remoção; moradia adequada; cidade; legado. Sediar eventos esportivos da magnitude de Copas do Mundo implica em altos investimentos para atender as exigências da FIFA. Porto Alegre foi escolhida uma das cidades-sede para os jogos de 2014 e a maioria das obras está vinculadas à mobilidade, tendo ligação direta com problemas sociais da região. Teve-se como estudo de caso a duplicação da Avenida Tronco, localizada próximo ao estádio Beira- Rio, palco dos jogos. As obras na via puseram-se contra os princípios de Gehl (2013), visto que um planejamento urbano deve se preocupar com a escala humana, atraindo as pessoas para permanecer no espaço. Outro problema é a remoção de famílias no caminho do legado da Copa. A principal questão debatida é a forma com que essas estão sendo tratadas, não havendo respeito quanto aos direitos de moradia adequada (ROLNIK, 2009). No mesmo raciocínio, Lynch (2011) acredita que a imagem da cidade gerada tem relação com sua cultura e vida social, logo, as famílias que residem no local não deveriam sair do bairro como está acontecendo, pois fazem parte da história daquele lugar. Portanto, a temática a ser abordada analisa a percepção da população removida, daquelas que não passam por esse processo e pela futura geração em Porto Alegre devido à Copa do Mundo, através da comparação com a imagem que a mídia, o governo e a FIFA divulgam do megaevento. Assim, o estudo pretende contribuir para um melhor entendimento sobre o legado deixado por esse megaevento para a capital. O objetivo geral da pesquisa é comparar a percepção de diferentes grupos de usuários quanto a Copa de 2014 e o legado deixado para Porto Alegre, a fim de definir as variáveis que devem ser consideradas no processo de preparação de cidades para megaeventos. Para isso, analisa-se a imagem sobre o megaevento gerada por parte do governo e mídia, pelas famílias que não sofrem remoção, bem como as que sofrem e pela futura geração. Para chegar até os resultados, optou-se pela realização de entrevistas com a Prefeitura, questionários via internet na maioria com pessoas que não estão sendo removidas e focus group com moradores dos bairros atingidos. Além disso, para analisar a percepção de crianças que moram e estudam na região optou-se pela aplicação de desenhos, analisados pelos métodos de Piaget e Di Leo. Como resultados parciais, 70% das pessoas que responderam os questionários acharam o megaevento em Porto Alegre positivo e organizado, todavia a maioria desses desconhece os problemas enfrentados pelas remoções. Já por parte do governo, destacam-se os benefícios que a Copa do Mundo trouxe para a cidade, que resolveu todos os problemas com relação às remoções de forma digna. O focus group apontou a insatisfação das comunidades com as desapropriações, pelo fato de muitos irem

24 morar fora da cidade e pela falta de diálogo e informação por parte do governo. A maioria dos trabalhos infantis refletiu um trauma em relação às remoções vividas e observadas, mostrando grande parte dos desenhos sua própria casa com tons escuros, além de representações de agressividade e abuso psicológico. REFERÊNCIAS GEHL, J. Cidades para pessoas. São Paulo: Prerspectiva, LYNCH, K. A imagem da cidade. São Paulo: WMF Martins Fontes, ROLNIK, R. Moradia adequada é um direito. Blog da Raquel Rolnik. São Paulo, 19 out Disponível em: (http://raquelrolnik.wordpress.com/2009/10/19/moradia-adequada-e-um-direito/), acesso em 10 nov

25 VITRINAS E VISUAL MERCHANDISING: QUAIS VARIÁVEIS INFLUENCIAM NA QUALIDADE VISUAL DAS RUAS COMERCIAIS DE PELOTAS SEGUNDO A PERCEPÇÃO DO USUÁRIO Manoela Neves Siewerdt 11 Orientadora: Adriana Araújo Portella 12 Palavras-chave: vitrinas; visual merchandising; percepção ambiental; arquitetura comercial. O trabalho tem como tema a composição de vitrinas situadas em centros comerciais, buscando compreender o papel dessas na atividade de venda e sua contribuição para a qualidade visual das ruas, sob a percepção do usuário. O objetivo geral da pesquisa é identificar através da percepção do usuário, quais elementos formais e simbólicos devem ser considerados na composição estética de vitrinas, para que sejam atendidas tanto as necessidade de consumo da sociedade contemporânea, quanto a avaliação positiva dos usuários do ambiente composto pelas vitrinas. Para a revisão bibliográfica, foram estudados os principais conceitos de percepção ambiental, bem como de Visual Merchandising e Vitrinismo. Segundo Morgan (2011, p.42), uma boa vitrine não só é capaz de atrair consumidores para o interior da loja, como também reforça a imagem da marca. O estudo de caso é o centro comercial da cidade de Pelotas, que em um primeiro momento foi mapeado e teve seus lotes separados em quatro categorias: residência, serviço, comércio sem vitrina, comércio com vitrina. Logo após, todas as quadras que obtiveram mais de 40% dos seus lotes com vitrinas, tiveram suas vitrinas fotografas e analisadas em 20 quesitos referentes às técnicas de Visual Merchandising. As etapas que sucedem o estudo, centram-se na aplicações de questionários online para compreender o ponto de vista do usuário em relação aos locais estudados e a realização de entrevistas com proprietários dos estabelecimentos em questões com o intuito de compreender qual é, sob o ponto de vista deles, a importância do Visual Merchandisign na composição de vitrinas e como elas são pensadas. REFERÊNCIAS MORGAN, Tony. Visual Merchandising Vitrines e interiores comerciais. Editora Gustavo Gili: Barcelona, Especialista em Gestão de Eventos. 12 Prof. Dr. em Oxford. 25

26

27 ARTE E A CONDIÇÃO DE URBANIDADE. A relação entre Arte e Arquitetura e Urbanismo: O caso de Pelotas Cássia Correa Pereira 13 Orientadora: Natalia Naoumova 14 Palavras-chave: arte; sensibilidade; desurbanismo; espaço público; Há muito tempo a arte é revista através dos projetos artísticos elaborados para o espaço público urbano. Neste sentido, a arte atinge uma dimensão estética, espacial e sociológica, e torna-se um dispositivo de (re) ação da cidade. A razão da adoção dessa nova realidade é a ausência da civilidade do convívio urbano, produto de uma arquitetura e urbanismo hostil. Hostilidade equivalente à falta de equipamentos e dispositivos que favoreçam a sensação de pertencimento e apropriação da cidade, a hospitalidade, que foge da dinâmica modernista enrijecida no velho discurso da cidade pragmática. Esta pesquisa investiga nos espaços públicos da cidade de Pelotas, a terceira cidade mais populosa do estado, a existência de processos desurbanos com base no conceito de Desurbanismo de Lucas Figueiredo, e da teoria de Genius Loci, de Norberg-Schulz. Além de traçar paralelos entre os ensaios sobre a Arquitetura e Hospitalidade de Fernando Fuão e a Cidade do desejo de Sandra Pesavento. Tem por objetivos analisar e classificar as intervenções artísticas urbanas, obras temporárias e permanentes que enriquecem a cidade, a partir da atuação e da produção de artistas contemporâneos. Com metodologias de estudo de arquivo e estudo in loco (a catalogação e a classificação de intervenções artísticas urbanas; a observação e a produção fotográfica; a elaboração de time-lapse; e a aplicação de entrevistas e questionários) procura-se constituir um estudo capaz de oferecer dados relevantes sobre o imaginário urbano para a idealização de novos projetos artísticos, arquitetônicos e urbanísticos. REFERÊNCIAS AGUIAR, D. & NETTO, V. M. (Org.). Urbanidades. Rio de Janeiro: Folio Digital, Mestranda, Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo-PROGRAU/UFPEL. 14 Prof.ª, Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo-PROGRAU/UFPEL. 27

28

29 CONSTRUINDO A CIDADE E A CIDADANIA- PROGRAMA DE ACELERAÇÃO DO CRESCIMENTO NA COMUNIDADE DO PAC ANGLO - PELOTAS RS Janice Jara Conceição Dutra 15 Orientadora: Nirce Saffer Medvedovski 16 Palavras-chave: Cidade; cidadania; Comunidade do PAC Anglo. A futura dissertação de mestrado objetiva avaliar o processo de gestão pós-ocupação do PAC Anglo, que faz parte do Programa de Urbanização de Assentamentos Precários, inserido no Programa de Aceleração do Crescimento do governo federal. Parte da hipótese de que o processo de promoção impactará as práticas de gestão de uso, operação e manutenção dos espaços públicos e privados desta comunidade. O atendimento às regras do programa federal, à forma de execução pelo poder municipal e às demandas da comunidade influenciará no uso cotidiano, na gestão destes espaços e na percepção dos usuários. O primeiro objetivo específico é investigar o histórico da promoção do PAC Anglo, relatado por seus moradores e compará-lo com as informações das etapas de projeto e execução fornecidas pela Unidade de Gerenciamento de Projetos, órgão da Prefeitura Municipal de Pelotas responsável pela sua promoção. Ou seja, comparar as percepções da comunidade e do poder público sobre o desenrolar do processo de requalificação urbana e regularização fundiária da ocupação. O segundo é avaliar as práticas de uso do espaço público e investigar as relações entre estas e o processo de promoção da requalificação e regularização do loteamento. O estudo de caso é a Ocupação Anglo, loteamento irregular formado por famílias de baixa renda. Esta gleba era considerada como área de risco e não possuía infraestrutura básica. Foi incluída, em 2008, no projeto PAC Farroupilha, do qual ainda faziam parte outros empreendimentos. Para o Anglo, foi prevista a construção de 93 casas populares, saneamento básico e obras complementares. (VOLOSKI, 2014). Parte de seus moradores teve que sair provisoriamente de suas residências no período das obras, mas foi evitada remoção e migração entre bairros na cidade. Dessa forma, o empreendimento reassentou as mesmas famílias que já moravam no local. O projeto está sendo desenvolvido através de Avaliação Pós-Ocupação, conjunto de métodos e técnicas utilizado para conhecer, diagnosticar e elaborar diretrizes para a produção e consumo do ambiente construído, desenvolvendo soluções futuras de projeto, construção e manutenção para as edificações (REIS; LAY, 1995). Esta pesquisa encontra-se ainda na etapa inicial, com a revisão bibliográfica em andamento e em fase de conclusão das análises dos dados secundários. Para o registro e comparação entre as informações coletadas, foi feita uma linha do tempo com o 15 Janice Jara Conceição Dutra,mestranda em arquitetura e urbanismo, na área da Arquitetura,Patrimônio e Sistemas urbanos, dentro da linha da Percepção e Avaliação do ambiente pelo usuário. 16 Prof. Dra Nirce Saffer Medvedovski, Professora associada na UFPEL_ Pesquisadora UFPEL_ 29

ABORDAGEM DA HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL NA UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO

ABORDAGEM DA HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL NA UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO X ENCONTRO ANUAL DA UNIÃO LATINO-AMERICANA DE CÁTEDRAS DE VIVENDA Pelotas - 2004 Tema: A Universidade e a Habitação de Interesse Social Interdisciplinaridade e Inserção Sistemática nos Currículos ABORDAGEM

Leia mais

PLANO DE ENSINO DE DISCIPLINA

PLANO DE ENSINO DE DISCIPLINA PLANO DE ENSINO DE DISCIPLINA CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO Disciplina: Projeto Urbano e Paisagístico I PUP I Carga horária: 80 horas Ano Letivo: 2012 Série: 2ª Série Justificativa da Inclusão da Disciplina

Leia mais

INCLUSÃO DE HABITAÇÕES SOCIAIS PARA REQUALIFICAÇÃO DA ÁREA CENTRAL DE PRESIDENTE PRUDENTE

INCLUSÃO DE HABITAÇÕES SOCIAIS PARA REQUALIFICAÇÃO DA ÁREA CENTRAL DE PRESIDENTE PRUDENTE Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 244 INCLUSÃO DE HABITAÇÕES SOCIAIS PARA REQUALIFICAÇÃO DA ÁREA CENTRAL DE PRESIDENTE PRUDENTE João Victor de Souza

Leia mais

Agora é Que São Elas! A Construção da Associação das Mulheres do Dunas Fundos

Agora é Que São Elas! A Construção da Associação das Mulheres do Dunas Fundos Agora é Que São Elas! A Construção da Associação das Mulheres do Dunas Fundos Noé Vega Cotta de Mello Joseane da Silva Almeida Projeto de Extensão Habitação de Interesse Social Curso de Arquitetura e Urbanismo

Leia mais

Diretrizes Projetuais para Habitação Social Sustentável em Moçambique

Diretrizes Projetuais para Habitação Social Sustentável em Moçambique PROJETO DE PESQUISA Diretrizes Projetuais para Habitação Social Sustentável em Moçambique Mestranda: Arq. Martina Joaquim Chissano Orientador: Prof. Dr. Antonio M.N. Castelnou PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO

Leia mais

A CONSOLIDAÇÃO DO PROCESSO DE SEGREGAÇÃO SOCIOESPACIAL E A PERIFERIZAÇÃO DA MORADIA DAS CAMADAS POPULARES, NA ÁREA CONURBADA DE FLORIANÓPOLIS.

A CONSOLIDAÇÃO DO PROCESSO DE SEGREGAÇÃO SOCIOESPACIAL E A PERIFERIZAÇÃO DA MORADIA DAS CAMADAS POPULARES, NA ÁREA CONURBADA DE FLORIANÓPOLIS. A CONSOLIDAÇÃO DO PROCESSO DE SEGREGAÇÃO SOCIOESPACIAL E A PERIFERIZAÇÃO DA MORADIA DAS CAMADAS POPULARES, NA ÁREA CONURBADA DE FLORIANÓPOLIS. Eixo Temático: Políticas públicas, demandas sociais e a questão

Leia mais

ARQUITETURA E URBANISMO

ARQUITETURA E URBANISMO FEAR -Faculdade de Engenharia e Arquitetura FEAR CAMPUS Fig.1 Mapa Campus I (Adaptado pela autora) Fonte: WebSite www.upf.com.br FEAR ENSINO O curso de Arquitetura e Urbanismo da UPF, iniciou suas atividades

Leia mais

Lições Aprendidas em Urbanizações de Favelas

Lições Aprendidas em Urbanizações de Favelas Lições Aprendidas em Urbanizações de Favelas World Urban Forum 2010 Side Event Principais Conclusões do Eixo Físico-Urbanístico Consultor Sênior - Prof. Dr. João Sette Whitaker Ferreira Antecedentes históricos

Leia mais

PERFIL DO CURSO INFORMAÇÕES SOBRE AS ATRIBUIÇÕES DOS ARQUITETOS E URBANISTAS INFORMAÇÕES SOBRE O MERCADO DE TRABALHO

PERFIL DO CURSO INFORMAÇÕES SOBRE AS ATRIBUIÇÕES DOS ARQUITETOS E URBANISTAS INFORMAÇÕES SOBRE O MERCADO DE TRABALHO UNIÃO DE ENSINO E CULTURA DE GUARAPUAVA - UNIGUA FACULDADE GUARAPUAVA CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO PERFIL DO CURSO INFORMAÇÕES SOBRE AS ATRIBUIÇÕES DOS ARQUITETOS E URBANISTAS INFORMAÇÕES SOBRE O MERCADO

Leia mais

ENTRE A LEI, OS COSTUMES E O DESENVOLVIMENTO: O PROJETO URBANÍSTICO DE 1970 EM MONTES CLAROS/MG.

ENTRE A LEI, OS COSTUMES E O DESENVOLVIMENTO: O PROJETO URBANÍSTICO DE 1970 EM MONTES CLAROS/MG. ENTRE A LEI, OS COSTUMES E O DESENVOLVIMENTO: O PROJETO URBANÍSTICO DE 1970 EM MONTES CLAROS/MG. Michael Jhonattan Delchoff da Silva. Universidade Estadual de Montes Claros- Unimontes. maicomdelchoff@gmail.com

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DE ESTRUTURAS DE SABER IMPLÍCITAS EM MATERIAIS DIDÁTICOS PARA A DELIMITAÇÃO DE UMA TAXONOMIA DE DOMÍNIO

IDENTIFICAÇÃO DE ESTRUTURAS DE SABER IMPLÍCITAS EM MATERIAIS DIDÁTICOS PARA A DELIMITAÇÃO DE UMA TAXONOMIA DE DOMÍNIO 1 IDENTIFICAÇÃO DE ESTRUTURAS DE SABER IMPLÍCITAS EM MATERIAIS DIDÁTICOS PARA A DELIMITAÇÃO DE UMA TAXONOMIA DE DOMÍNIO Resumo PIRES, Janice de Freitas 1 BORDA, Adriane 2 O aumento da produção de materiais

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO FERNANDA SERRER ORIENTADOR(A): PROFESSOR(A) STOP MOTION RECURSO MIDIÁTICO NO PROCESSO DE ENSINO E DE APRENDIZAGEM

Leia mais

Utilização de Mapas Colaborativos para auxilio de requalificação urbana da Zona da Balsa, em Pelotas/RS.

Utilização de Mapas Colaborativos para auxilio de requalificação urbana da Zona da Balsa, em Pelotas/RS. Utilização de Mapas Colaborativos para auxilio de requalificação urbana da Zona da Balsa, em Pelotas/RS. CASTRO, Jéssica Helena P. 1 ; SCHULZE, Rafael Faleiro²; MIDON, Márcio 3 ; SILVA, Adriane Borda Almeida

Leia mais

Projeto AÇÃO nas Doquinhas Uma experiência de ensino alternativo

Projeto AÇÃO nas Doquinhas Uma experiência de ensino alternativo Projeto AÇÃO nas Doquinhas Uma experiência de ensino alternativo Roberta Taborda Santa Catharina rtscatharina@terra.com.br Tatiane Brisolara Nogueira tatiane.b.nogueira@gmail.com Manoela Py Sostruznik

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA EIXO TECNOLÓGICO: Produção Industrial Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO CURSO: Curso Técnico em Móveis FORMA/GRAU:( X )integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( ) licenciatura ( ) tecnólogo

Leia mais

HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL E SEU CONTROLE POR MEIO DO PLANO DIRETOR MUNICIPAL DE 1996

HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL E SEU CONTROLE POR MEIO DO PLANO DIRETOR MUNICIPAL DE 1996 229 HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL E SEU CONTROLE POR MEIO DO PLANO DIRETOR MUNICIPAL DE 1996 Jéssica Telles Zanateli¹; Lennon Gomes¹; Marcela do Carmo Vieira²; Sibila Corral de Arêa Leão Honda³ 1 Discente

Leia mais

RECOMENDAÇÃO GT/HIS Nº 02, de 26 de novembro de 2014

RECOMENDAÇÃO GT/HIS Nº 02, de 26 de novembro de 2014 RECOMENDAÇÃO GT/HIS Nº 02, de 26 de novembro de 2014 Inquérito Civil Público nº 1.22.000.002106/2010-13 O MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL, por intermédio do Grupo de Trabalho Intercameral Habitação de Interesse,

Leia mais

FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES: PARTILHA DE SABERES E VIVÊNCIAS COMUNICACIONAIS

FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES: PARTILHA DE SABERES E VIVÊNCIAS COMUNICACIONAIS FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES: PARTILHA DE SABERES E VIVÊNCIAS COMUNICACIONAIS Lourdes Helena Rodrigues dos Santos - UFPEL/F/AE/PPGE Resumo: O presente estudo pretende compartilhar algumas descobertas,

Leia mais

Instituto Fonte Diálogo A integração entre a avaliação e gestão no mundo real. Rizoma mapeando encontros e desenvolvimentos. por Joyce M.

Instituto Fonte Diálogo A integração entre a avaliação e gestão no mundo real. Rizoma mapeando encontros e desenvolvimentos. por Joyce M. Instituto Fonte Diálogo A integração entre a avaliação e gestão no mundo real Rizoma mapeando encontros e desenvolvimentos Não há um método para descobrir, apenas uma longa preparação. Gilles Deleuze por

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

Universidade Católica de Santos Unisantos. Santos, 04/11/2015

Universidade Católica de Santos Unisantos. Santos, 04/11/2015 Universidade Católica de Santos Unisantos Santos, 04/11/2015 A Universidade Católica de Santos é uma entidade sem fins lucrativos, em consonância com os princípios da sua Mantenedora, a Sociedade Visconde

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO PROJETOS DIGITAIS

PÓS-GRADUAÇÃO PROJETOS DIGITAIS PÓS-GRADUAÇÃO PROJETOS DIGITAIS Coordenadora: Pedro Segreto 06/04/2015 > 09/2016 400 horas Idioma: Português Aulas: Segundas e quartas das 19h30 às 22h30 PÚBLICO-ALVO Profissionais e pesquisadores das

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 6, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 6, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 6, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1 Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do curso de graduação em Arquitetura

Leia mais

Diretrizes Especiais para Regularização Urbanística, Técnica e Fundiária de Conjuntos Habitacionais Populares

Diretrizes Especiais para Regularização Urbanística, Técnica e Fundiária de Conjuntos Habitacionais Populares Diretrizes Especiais para Regularização Urbanística, Técnica e Fundiária de Conjuntos Habitacionais Populares Diretrizes Especiais para Regularização Urbanística, Técnica e Fundiária de Conjuntos Habitacionais

Leia mais

ESTUDO PARA INTERVENCAO EM MONUMENTOS E SITIOS HISTORICOS: O Caso do Mercado de Farinha de Caruaru-PE

ESTUDO PARA INTERVENCAO EM MONUMENTOS E SITIOS HISTORICOS: O Caso do Mercado de Farinha de Caruaru-PE ESTUDO PARA INTERVENCAO EM MONUMENTOS E SITIOS HISTORICOS: O Caso do Mercado de Farinha de Caruaru-PE TENORIO, LUCIENE A. (1); CARVALHO, AMANDA B. (2); ZHAYRA, ADELAIDE C. (3) 1. LVF Empreendimentos LTDA.

Leia mais

MUDANÇAS NA DEMOGRAFIA E DEMANDA HABITACIONAL: DESAFIOS E OPORTUNIDADES

MUDANÇAS NA DEMOGRAFIA E DEMANDA HABITACIONAL: DESAFIOS E OPORTUNIDADES MUDANÇAS NA DEMOGRAFIA E DEMANDA HABITACIONAL: DESAFIOS E OPORTUNIDADES ALESSANDRA D AVILA Diretora do Departamento de Urbanização de Assentamentos Precários Rio de Janeiro/RJ, 03 de Setembro de 2015 AVANÇOS

Leia mais

A IMAGEM NA SALA DE AULA: UMA PROPOSTA DE PROJETO DE TRABALHO

A IMAGEM NA SALA DE AULA: UMA PROPOSTA DE PROJETO DE TRABALHO A IMAGEM NA SALA DE AULA: UMA PROPOSTA DE PROJETO DE TRABALHO Gabriela Gonçalves da Silva 1 Jonney Gomes de Freitas Abreu 2 Marielli Gomes Mendonça 3 Mônica Mitchell de Morais Braga 4 Murilo Raphael Dias

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 2, DE 17 DE JUNHO DE 2010 (*)

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 2, DE 17 DE JUNHO DE 2010 (*) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 2, DE 17 DE JUNHO DE 2010 (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do curso de graduação em Arquitetura

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

As práticas do historiador: experiências do Laboratório de Documentação do Curso de História da Universidade Cruzeiro do Sul UNICSUL

As práticas do historiador: experiências do Laboratório de Documentação do Curso de História da Universidade Cruzeiro do Sul UNICSUL As práticas do historiador: experiências do Laboratório de Documentação do Curso de História da Universidade Cruzeiro do Sul UNICSUL Profa. Dra. Ana Barbara A. Pederiva Professora da Universidade Cruzeiro

Leia mais

Palavras chave: Letramento Literário; Educação infantil; Literatura infantil; Primeira Infância; Formação Docente.

Palavras chave: Letramento Literário; Educação infantil; Literatura infantil; Primeira Infância; Formação Docente. LETRAMENTO LITERÁRIO NA PRIMEIRA INFÂNCIA Mônica Correia Baptista (FAPEMIG/FaE/UFMG) monicacb@fae.ufmg.br Amanda de Abreu Noronha (FaE/UFMG) amandadeabreu13@gmail.com Priscila Maria Caligiorne Cruz FALE/(UFMG)

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL... 4 02 INVESTIGAÇÃO PEDAGÓGICA: DIVERSIDADE CULTURAL NA APRENDIZAGEM... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA...

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO. ANO DA TURMA: 3º ano EMENTA

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO. ANO DA TURMA: 3º ano EMENTA EIXO TECNOLÓGICO: INFRAESTRUTURA Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO CURSO: TÉCNICO EM EDIFICAÇÕES FORMA/GRAU:(X)integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( ) licenciatura ( ) tecnólogo MODALIDADE:

Leia mais

O programa de urbanização de favelas da prefeitura de São Paulo um estudo de caso da favela de Heliópolis

O programa de urbanização de favelas da prefeitura de São Paulo um estudo de caso da favela de Heliópolis O programa de urbanização de favelas da prefeitura de São Paulo um estudo de caso da favela de Heliópolis Fabiana Cristina da Luz luz.fabiana@yahoo.com.br Universidade Cruzeiro do Sul Palavras-chave: Urbanização

Leia mais

Disciplinas Obrigatórias

Disciplinas Obrigatórias MEC - UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 507/2014 EMENTA: Estabelece o Currículo do Curso de Graduação em Arquitetura e Urbanismo, Grau: Bacharelado. O CONSELHO

Leia mais

Categoria Pôster 2 O NEI se constitui numa escola de Educação Infantil situada no Campus Central da UFRN- Natal, que

Categoria Pôster 2 O NEI se constitui numa escola de Educação Infantil situada no Campus Central da UFRN- Natal, que ARTE PRESENTE NA CONSTRUÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO: UM RELATO DE CASO 1 PONTES, Gilvânia Maurício Dias de (Mestranda PPGEd-UFRN/ Prof. do NEI-UFRN) PERNAMBUCO, Marta Maria Castanho Almeida (DEPED- CCSA-

Leia mais

XI Encuentro Red ULACAV Rosário Argentina, setembro de 2005

XI Encuentro Red ULACAV Rosário Argentina, setembro de 2005 XI Encuentro Red ULACAV Rosário Argentina, setembro de 2005 Universidade Federal de Pelotas Pelotas Brasil Faculdade de Arquitetura e Urbanismo Profa. Nirce Saffer Medvedovski Prof. Rogério Gutierrez Profa.

Leia mais

Inclusão dos alunos com deficiência no ensino superior: uma análise das universidades brasileiras e portuguesas

Inclusão dos alunos com deficiência no ensino superior: uma análise das universidades brasileiras e portuguesas Inclusão dos alunos com deficiência no ensino superior: uma análise das universidades brasileiras e portuguesas Profª Ms. Cristiane da Silva Santos Profª Dra. Mara Rúbia Alves Marques Prof. Dr. Eugénio

Leia mais

Modelagem da paisagem urbana com apoio do aplicativo City Engine:

Modelagem da paisagem urbana com apoio do aplicativo City Engine: Modelagem da paisagem urbana com apoio do aplicativo City Engine: potencialização da comunicação espacial em simulação da morfologia de ocupação e parâmetros urbanísticos Profa Ana Clara Mourão Moura Laboratório

Leia mais

Uma Experiência de Arquitetura Pública: o Projeto Habitat - Consultório Móvel de Arquitetura 1

Uma Experiência de Arquitetura Pública: o Projeto Habitat - Consultório Móvel de Arquitetura 1 Uma Experiência de Arquitetura Pública: o Projeto Habitat - Consultório Móvel de Arquitetura 1 SANTANA, Marcela Maciel. Arquiteta e Urbanista/UFV. Rua Virgílio Val, nº 08/03. Centro, Viçosa-MG. Cep: 36570-000.

Leia mais

Uso da Lousa Digital em Aulas de Matemática: um estudo com professores do Ensino Médio

Uso da Lousa Digital em Aulas de Matemática: um estudo com professores do Ensino Médio Uso da Lousa Digital em Aulas de Matemática: um estudo com professores do Ensino Médio João Victor Maceno Lacerda 1 GD6 Educação Matemática, Tecnologias Informáticas e Educação à Distância Resumo: Neste

Leia mais

ASPECTOS QUALITATIVOS DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: O CASO DO CURSO DE PEDAGOGIA EaD DA UFSM

ASPECTOS QUALITATIVOS DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: O CASO DO CURSO DE PEDAGOGIA EaD DA UFSM ASPECTOS QUALITATIVOS DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: O CASO DO CURSO DE PEDAGOGIA EaD DA UFSM AVINIO, Carina de S.¹; ENDERLE, Mariana G.²; VISENTINI, Lucas³. 1 Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Educação

Leia mais

Diretrizes para o Plano de Urbanização da ZEIS 3 C 016

Diretrizes para o Plano de Urbanização da ZEIS 3 C 016 Diretrizes para o Plano de Urbanização da ZEIS 3 C 016 Aprovadas pelo Conselho Gestor em 27 de julho de 2011 LEGENDA: Diretrizes propostas pela PMSP Diretrizes propostas pelos membros da sociedade civil

Leia mais

MODELAGEM MATEMÁTICA APLICADA À REPRESENTAÇAO GRÁFICA EM ARQUITETURA

MODELAGEM MATEMÁTICA APLICADA À REPRESENTAÇAO GRÁFICA EM ARQUITETURA ISSN 2177-9139 MODELAGEM MATEMÁTICA APLICADA À REPRESENTAÇAO GRÁFICA EM ARQUITETURA Rejane Pergher - rejane.pergher@gmail.com Universidade Federal de Pelotas, Departamento de Matemática e Estatística,

Leia mais

O USO DO SOFTWARE GEOGEBRA COMO METODOLOGIA DE ENSINO DE MATEMÁTICA NO 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL DO COLÉGIO SÃO JOÃO BATISTA, CEDRO-CE

O USO DO SOFTWARE GEOGEBRA COMO METODOLOGIA DE ENSINO DE MATEMÁTICA NO 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL DO COLÉGIO SÃO JOÃO BATISTA, CEDRO-CE O USO DO SOFTWARE GEOGEBRA COMO METODOLOGIA DE ENSINO DE MATEMÁTICA NO 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL DO COLÉGIO SÃO JOÃO BATISTA, CEDRO-CE ¹C. J. F. Souza (ID); ¹M. Y. S. Costa (ID); ²A. M. Macêdo (CA)

Leia mais

síntese dos projetos objetivo percursos percursos Ação educativa

síntese dos projetos objetivo percursos percursos Ação educativa percursos percursos Ação educativa INSTITUTO TOMIE OHTAKE síntese dos projetos Projetos especiais ProGrAmAs PermANeNtes exposições Prêmios PArA jovens ArtistAs PuBlicAçÕes objetivo Ação educativa Aproximar

Leia mais

Grandes Investimentos e seus impactos no acesso à moradia

Grandes Investimentos e seus impactos no acesso à moradia Grandes Investimentos e seus impactos no acesso à moradia Copa, Olimpíadas e Porto Maravilha Observatório das Metrópoles Profs. Mauro Santos e Erick Omena Megaeventos e planejamento A lógica do empreendedorismo

Leia mais

Grupo WTB Experiência e solidez

Grupo WTB Experiência e solidez Grupo WTB Experiência e solidez Fundado em 1999, o Grupo WTB teve um crescimento sustentado e prosperou ao longo dos anos. Hoje, sua marca está presente em vários empreendimentos de sucesso, contando com

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: LICENCIATURA EM ARTES VISUAIS MISSÃO DO CURSO O Curso de Licenciatura em Artes Visuais busca formar profissionais habilitados para a produção, a pesquisa

Leia mais

Lucca Schmidt Osellame, Márcio Rosa D Ávila(orientador) Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, PUCRS. Resumo

Lucca Schmidt Osellame, Márcio Rosa D Ávila(orientador) Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, PUCRS. Resumo Sustentabilidade e Habitação de Interesse Social - HIS: potencial de integração de tecnologia inovadora na produção de projetos habitacionais arquitetura em contêiner Lucca Schmidt Osellame, Márcio Rosa

Leia mais

FACULDADE SETE LAGOAS - FACSETE COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO / CPA RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DA CPA NO ANO DE 2013

FACULDADE SETE LAGOAS - FACSETE COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO / CPA RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DA CPA NO ANO DE 2013 FACULDADE SETE LAGOAS - FACSETE COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO / CPA RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DA CPA NO ANO DE 2013 Sete Lagoas Março de 2014 Sumário 1. DADOS DA INSTITUIÇÃO... 4 1.1. Composição da Comissão

Leia mais

Introdução. OBSERVATORIUM: Revista Eletrônica de Geografia, v.5, n.15, p. 133-139, dez. 2013.

Introdução. OBSERVATORIUM: Revista Eletrônica de Geografia, v.5, n.15, p. 133-139, dez. 2013. REPRESENTAÇÕES ESPACIAIS POR MEIO DE FOTOGRAFIAS: práticas realizadas por Acadêmico do Curso de Geografia da Faculdade de Ciências Integradas do Pontal/Universidade Federal de Uberlândia freitasbrunode@gmail.com

Leia mais

O PROJETO PIBID: PRÁTICA PEDAGÓGICA INOVADORA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE.

O PROJETO PIBID: PRÁTICA PEDAGÓGICA INOVADORA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE. O PROJETO PIBID: PRÁTICA PEDAGÓGICA INOVADORA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE. Joelma Carvalho Vilar(UFS) 1 Cleverton dos Santos(UFS) 2 Érica Santos de Jesus(UFS) 3 Vera Lúcia Mendes de Farias(UFS)

Leia mais

A importância do design nos negócios

A importância do design nos negócios A importância do design nos negócios SUMÁRIO Apresentação 4 A importância do Design 5 Design de Comunicação 13 A Escada do Design 6 Design Gráfico 14 O processo do Design 7 Logomarca 15 Design & Inovação

Leia mais

ENSINO DE GEOGRAFIA E A INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA VISUAL

ENSINO DE GEOGRAFIA E A INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA VISUAL 1 ENSINO DE GEOGRAFIA E A INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA VISUAL Profa. Dra. Carla C. R. G. de Sena * carla@ourinhos.unesp.br MsC. Waldirene R. do Carmo ** walcarmo@usp.br Resumo: Este trabalho apresenta

Leia mais

CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO

CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO Nas últimas décadas a exclusão social tornou-se assunto de importância mundial nos debates sobre planejamento e direcionamento de políticas públicas (Teague & Wilson, 1995). A persistência

Leia mais

LABORATÓRIO DE ENSINO DE CIÊNCIAS DO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO CIENTÍFICA DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA

LABORATÓRIO DE ENSINO DE CIÊNCIAS DO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO CIENTÍFICA DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA LABORATÓRIO DE ENSINO DE CIÊNCIAS DO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO CIENTÍFICA DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA (UnB): IDEALIZAÇÃO, ORGANIZAÇÃO E ATIVIDADES REALIZADAS. Mariana de SenziZancul (Docente do Núcleo de Educação

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CÂMPUS CANOAS PROJETO PEDAGÓGICO CURSO FIC PRONATEC Canoas

Leia mais

Encontro Regional Serviço Social e Questão Urbana: Assistentes Sociais na defesa do Direito à Cidade

Encontro Regional Serviço Social e Questão Urbana: Assistentes Sociais na defesa do Direito à Cidade Encontro Regional Serviço Social e Questão Urbana: Assistentes Sociais na defesa do Direito à Cidade Organização do evento: CRESS-PR e Comissão de Direito à Cidade Data: 27/05 (Curitiba) e interior do

Leia mais

4 O Projeto: Estudo de caso LED / IBC

4 O Projeto: Estudo de caso LED / IBC 45 4 O Projeto: Estudo de caso LED / IBC A tecnologia ligada à acessibilidade ajuda a minimizar as dificuldades encontradas entre pessoas com deficiências ao acesso a diversos formatos de informação. Do

Leia mais

Programa do Curso. Cultura da mobilidade e Educação: desvendando possibilidades pedagógicas

Programa do Curso. Cultura da mobilidade e Educação: desvendando possibilidades pedagógicas UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA UNEB DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO CAMPUS I MESTRADO EM EDUCAÇÃO E CONTEMPORANEIDADE LINHA DE PESQUISA: JOGOS ELETRÔNICOS E APRENDIZAGEM GRUPO DE PESQUISA: COMUNIDADES VIRTUAIS

Leia mais

ARQUITETURA PARAIBANA NA PRIMEIRA DÉCADA DO SÉCULO XXI

ARQUITETURA PARAIBANA NA PRIMEIRA DÉCADA DO SÉCULO XXI ARQUITETURA PARAIBANA NA PRIMEIRA DÉCADA DO SÉCULO XXI Autoria: Manoel Brito de Farias Segundo (orientador) Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas (FACISA) Caio Méssala da Silva Faustino - Faculdade de

Leia mais

O ESTÁGIO NO CURSO DE PEDAGOGIA: UMA EXPERIÊNCIA DE PESQUISA E PRÁTICA COM ALUNOS DO ENSINO SUPERIOR

O ESTÁGIO NO CURSO DE PEDAGOGIA: UMA EXPERIÊNCIA DE PESQUISA E PRÁTICA COM ALUNOS DO ENSINO SUPERIOR O ESTÁGIO NO CURSO DE PEDAGOGIA: UMA EXPERIÊNCIA DE PESQUISA E PRÁTICA COM ALUNOS DO ENSINO SUPERIOR Resumo SANTOS, Gisele Mugnol - FACINTER 1 gisele@facinter.br ROSENAU, Luciana dos Santos - FACINTER

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DO PROFESSOR

PLANO DE TRABALHO DO PROFESSOR EIXO TECNOLÓGICO: Produção Industrial CURSO/MODALIDADE: Curso Técnico em Móveis (Subsequente) DISCIPLINA: Design de interiores e paisagismo (Eletiva) CÓDIGO: Ainda não temos Currículo: 2010/dezembro Ano

Leia mais

PROJETOS PREMIADOS. Categoria Estudante

PROJETOS PREMIADOS. Categoria Estudante PROJETOS PREMIADOS Categoria Estudante Categoria Estudante ESCOLA PÚBLICA DE ENSINO MÉDIO EM PERÍODO INTEGRAL BLUMENAU/SC Autor Responsável Tiago Tamanini Júnior Orientadora Maria Inês Sugai Instituição

Leia mais

Design Manual do curso

Design Manual do curso Design Manual do curso Informações gerais INFORMAÇÕES GERAIS Nome: curso de Design, bacharelado Código do currículo: 2130 Nível: curso superior de graduação Início: o curso de Design com habilitação em

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO. SEMESTRE ou ANO DA TURMA: 7º semestre

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO. SEMESTRE ou ANO DA TURMA: 7º semestre EIXO TECNOLÓGICO: Ensino Superior Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO CURSO: Licenciatura em Matemática FORMA/GRAU: ( )integrado( )subsequente( )concomitante ( ) bacharelado (x)licenciatura( )tecnólogo MODALIDADE:

Leia mais

PROGRAMA URB-AL O ACESSO AO SOLO E À HABITAÇÃO SOCIAL EM CIDADES GRANDES DE REGIÕES METROPOLITANAS DA AMÉRICA LATINA E EUROPA.

PROGRAMA URB-AL O ACESSO AO SOLO E À HABITAÇÃO SOCIAL EM CIDADES GRANDES DE REGIÕES METROPOLITANAS DA AMÉRICA LATINA E EUROPA. PROGRAMA URB-AL REDE 7: GESTÃO E CONTROLE DA METROPOLIZAÇÃO Título (projeto comum do tipo A) O ACESSO AO SOLO E À HABITAÇÃO SOCIAL EM CIDADES GRANDES DE REGIÕES METROPOLITANAS DA AMÉRICA LATINA E EUROPA.

Leia mais

PROJETOS ARQUITETÔNICOS

PROJETOS ARQUITETÔNICOS PROJETOS ARQUITETÔNICOS ESTRUTURA CURRICULAR Metodologia da Pesquisa Científica Metodologia do Projeto Arquitetônico Detalhes Arquitetônicos Ergonomia e Acessibilidade Conforto Ambiental em Projetos Arquitetônicos

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA EIXO TECNOLÓGICO: Infraestrutura Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO CURSO: Curso Técnico em Edificações FORMA/GRAU:( X )integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( ) licenciatura ( ) tecnólogo

Leia mais

OS SIGNIFICADOS DA FORMAÇÃO ACADÊMICA ATRIBUÍDOS PELOS EGRESSOS DO CURSO PEDAGOGIA DA TERRA EM SUAS PRÁTICAS DOCENTES

OS SIGNIFICADOS DA FORMAÇÃO ACADÊMICA ATRIBUÍDOS PELOS EGRESSOS DO CURSO PEDAGOGIA DA TERRA EM SUAS PRÁTICAS DOCENTES OS SIGNIFICADOS DA FORMAÇÃO ACADÊMICA ATRIBUÍDOS PELOS EGRESSOS DO CURSO PEDAGOGIA DA TERRA EM SUAS PRÁTICAS DOCENTES Luciana Borges Junqueira Mestranda Educação - UFSJ Écio Portes - Orientador RESUMO

Leia mais

CADERNO DE CAMPO (GRUPO 13) DO IDEAL À REALIDADE EM TRANSFORMAÇÃO CONSIDERAÇÕES SOBRE A TRAJETÓRIA URBANO-ESTRUTURAL DO DISTRITO FEDERAL

CADERNO DE CAMPO (GRUPO 13) DO IDEAL À REALIDADE EM TRANSFORMAÇÃO CONSIDERAÇÕES SOBRE A TRAJETÓRIA URBANO-ESTRUTURAL DO DISTRITO FEDERAL UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE FILOSOFIA, LETRAS E CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA FLG0435 - TRABALHO DE CAMPO EM GEOGRAFIA I PROF. DR. TARIK REZENDE DE AZEVEDO CADERNO DE CAMPO (GRUPO

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DO IFAL INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS: REFLETINDO SOBRE OS TEMPOS E OS ESPAÇOS

FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DO IFAL INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS: REFLETINDO SOBRE OS TEMPOS E OS ESPAÇOS ISSN 2316-7785 FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DO IFAL INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS: REFLETINDO SOBRE OS TEMPOS E OS ESPAÇOS José André Tavares de Oliveira Instituto Federal de Alagoas

Leia mais

CASTRIOTA, L.B. Patrimônio Cultural. Conceitos, políticas, instrumentos. São Paulo: Annablume; Belo Horizonte: IEDS, 2009.

CASTRIOTA, L.B. Patrimônio Cultural. Conceitos, políticas, instrumentos. São Paulo: Annablume; Belo Horizonte: IEDS, 2009. INVENTÁRIO DE BENS CULTURAIS DE RIBEIRÃO PRETO SP Henrique Telles Vichnewski 1 Lílian Rodrigues de O. Rosa 2 Nainôra Maria B. de Freitas 3 O Inventário de Bens Culturais de Ribeirão Preto faz parte do

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EIXO TECNOLÓGICO: Turismo, Hospitalidade e Lazer CURSO: Gestão de Turismo FORMA/GRAU:( )integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( ) licenciatura ( X) tecnólogo

Leia mais

Temática(s): ACESSIBILIDADE COMUNICACIONAL RELATO DE EXPERIÊNCIA

Temática(s): ACESSIBILIDADE COMUNICACIONAL RELATO DE EXPERIÊNCIA Temática(s): ACESSIBILIDADE COMUNICACIONAL RELATO DE EXPERIÊNCIA ACESSIBILIDADE INFORMACIONAL: alunos com deficiência visual na Universidade Federal do Rio Grande do Norte MELO, E. S. F. de. (Universidade

Leia mais

Mesa 2: HABITAÇÃO: POLÍTICAS, PROJETOS E INTERVENÇÕES Apresentação: Marlice Nazareth Soares de Azevedo (UFF)

Mesa 2: HABITAÇÃO: POLÍTICAS, PROJETOS E INTERVENÇÕES Apresentação: Marlice Nazareth Soares de Azevedo (UFF) Mesa 2: HABITAÇÃO: POLÍTICAS, PROJETOS E INTERVENÇÕES Apresentação: Marlice Nazareth Soares de Azevedo (UFF) Habitação social, cidade jardim e standard. A busca por um ideário pitoresco e racional-construtivo

Leia mais

Pinacoteca do Estado de São Paulo: proposta de estudo publicitário para um museu de arte estatal 1

Pinacoteca do Estado de São Paulo: proposta de estudo publicitário para um museu de arte estatal 1 Pinacoteca do Estado de São Paulo: proposta de estudo publicitário para um museu de arte estatal 1 Ana Grazielle de Sá ALMEIDA 2 André da Rocha PINA 3 Diego Felipe Cezar ESTEVES 4 Rodrigo Barreto BEZERRA

Leia mais

PROJOVEM E INCLUSÃO DIGITAL: UM ESTUDO SOBRE AS REPERCUSSÕES DO PROGRAMA NA FORMAÇÃO DOS JOVENS ATENDIDOS NO RECIFE

PROJOVEM E INCLUSÃO DIGITAL: UM ESTUDO SOBRE AS REPERCUSSÕES DO PROGRAMA NA FORMAÇÃO DOS JOVENS ATENDIDOS NO RECIFE PROJOVEM E INCLUSÃO DIGITAL: UM ESTUDO SOBRE AS REPERCUSSÕES DO PROGRAMA NA FORMAÇÃO DOS JOVENS ATENDIDOS NO RECIFE Maria do Rozario Gomes da Mota Silva Orientadora: Profª Drª Márcia Ângela da Silva Aguiar

Leia mais

ASSISTENTE DE PLANEJAMENTO E CONTROLE DE PRODUÇÃO

ASSISTENTE DE PLANEJAMENTO E CONTROLE DE PRODUÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CÂMPUS CANOAS PROJETO PEDAGÓGICO CURSO FIC PRONATEC Canoas

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Prática: 15 h/a Carga Horária: 60 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Música. Apreciação Musical. Apresentação didática. Educação não formal.

PALAVRAS-CHAVE Música. Apreciação Musical. Apresentação didática. Educação não formal. 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( X ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA MÚSICA NOS CAMPOS GERAIS: práticas

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Educação Musical; Formação de Professores; Oficina de Violão; Educação básica.

PALAVRAS-CHAVE: Educação Musical; Formação de Professores; Oficina de Violão; Educação básica. INICIAÇÃO À DOCÊNCIA EM MÚSICA: RESULTADOS DO PIBID EM DUAS ESCOLAS PÚBLICAS DE GOIÂNIA/GO Luna Borges MELO luna.borges.melo@gmail.com Larissa dos Santos MARTINS Escola de Música e Artes Cênicas - UFG

Leia mais

NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM PERNAMBUCO: 13 ANOS DE HISTÓRIA

NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM PERNAMBUCO: 13 ANOS DE HISTÓRIA NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM PERNAMBUCO: 13 ANOS DE HISTÓRIA Margarete Maria da Silva meghamburgo@yahoo.com.br Graduanda em Pedagogia e membro do NEPHEPE Universidade Federal de

Leia mais

Introducción a Museos y Arquitectura

Introducción a Museos y Arquitectura Versión digital en : http://www.uam.es/mikel.asensio Introducción a Museos y Arquitectura Paulo Roberto Sabino Universidade Federal de Minas Gerais Editor invitado del Volumen 8 O tema da arquitetura de

Leia mais

TÍTULO: EVOLUÇÃO URBANA NO MUNICÍPIO DE MONTES CLAROS: ESTUDO DO BAIRRO FUNCIONÁRIOS

TÍTULO: EVOLUÇÃO URBANA NO MUNICÍPIO DE MONTES CLAROS: ESTUDO DO BAIRRO FUNCIONÁRIOS Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: EVOLUÇÃO URBANA NO MUNICÍPIO DE MONTES CLAROS: ESTUDO DO BAIRRO FUNCIONÁRIOS CATEGORIA: CONCLUÍDO

Leia mais

A MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL (2ª EDIÇÃO) Tatiana Comiotto Menestrina 1 (Coordenadora da Ação de Extensão)

A MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL (2ª EDIÇÃO) Tatiana Comiotto Menestrina 1 (Coordenadora da Ação de Extensão) A MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL (2ª EDIÇÃO) Área Temática: Educação Tatiana Comiotto Menestrina 1 (Coordenadora da Ação de Extensão) Pamela Paola Leonardo 2 Marnei Luis Mandler 3 Palavras-chave: Matemática,

Leia mais

Departamento de Enfermagem Básica (1 vaga) Processo nº 23071.004115/2009-81

Departamento de Enfermagem Básica (1 vaga) Processo nº 23071.004115/2009-81 Períodos de inscrições: no sítio http://www.concurso.ufjf.br a) Primeiro período: das 09h do dia 11/05/2009 até as 14h do dia 29/05/2009; b) Segundo período: das 09h do dia 22/06/2009 até as 14h do dia

Leia mais

Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1

Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1 PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1 Ulisses F. Araújo 2 A construção de um ambiente ético que ultrapasse

Leia mais

RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO. GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional

RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO. GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional Maria Madalena Dullius, madalena@univates.br Daniela Cristina Schossler,

Leia mais

PLANO DE ENSINO 2º semestre 2012

PLANO DE ENSINO 2º semestre 2012 PLANO DE ENSINO 2º semestre 2012 Professoras orientadoras: turma Departamento de Urbanismo Departamento de Projetos A + B Prof a. D ra. Fernanda Borges de Moraes Profª. D ra. Juliana Torres de Miranda

Leia mais

A música como elemento facilitador no processo de inclusão social: um olhar sobre os projetos socioculturais de Piracicaba

A música como elemento facilitador no processo de inclusão social: um olhar sobre os projetos socioculturais de Piracicaba A música como elemento facilitador no processo de inclusão social: um olhar sobre os projetos socioculturais de Piracicaba Andréia Miranda de Moraes Nascimento, UNIMEP, chicobororo@gmail.com Mariana de

Leia mais

Sustentabilidade e Habitação de Interesse Social: O desafio da Intervenção sustentável na favela discutido na Academia

Sustentabilidade e Habitação de Interesse Social: O desafio da Intervenção sustentável na favela discutido na Academia Simpósio Temático Sustentabilidade na Habitação de Interesse Social: cultural e social, ambiental e econômica. Rosa Bauer, Arq. Ms. Faculdade de Arquitetura e Urbanismo - FAUPUCRS Sustentabilidade e Habitação

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DO PROFESSOR

PLANO DE TRABALHO DO PROFESSOR EIXO TECNOLÓGICO: Infraestrutura CURSO/MODALIDADE: Curso Técnico em Edificações Subsequente DISCIPLINA: Desenho Técnico CÓDIGO: Currículo: 2010 /02 Ano / Semestre: 2011/02 Carga Horária total: 40 h/a Turno:

Leia mais

RESIDÊNCIA MULTIPROFISSIONAL EM SAÚDE DA FAMÍLIA E COMUNIDADE PERCEPÇÃO DOS PROFISSIONAIS DO SERVIÇO NO MUNICÍPIO DE PALMAS/TOCANTINS

RESIDÊNCIA MULTIPROFISSIONAL EM SAÚDE DA FAMÍLIA E COMUNIDADE PERCEPÇÃO DOS PROFISSIONAIS DO SERVIÇO NO MUNICÍPIO DE PALMAS/TOCANTINS RESIDÊNCIA MULTIPROFISSIONAL EM SAÚDE DA FAMÍLIA E COMUNIDADE PERCEPÇÃO DOS PROFISSIONAIS DO SERVIÇO NO MUNICÍPIO DE PALMAS/TOCANTINS LISY MOTA DA CRUZ Orientador: Prof. Dr. Gilberto Tadeu Reis da Silva

Leia mais

População à deriva: entre o descaso urbano e a vertigem revitalizadora da zona portuária do Rio de Janeiro

População à deriva: entre o descaso urbano e a vertigem revitalizadora da zona portuária do Rio de Janeiro População à deriva: entre o descaso urbano e a vertigem revitalizadora da zona portuária do Rio de Janeiro Caroline dos Santos Santana caroline_santana@ymail.com Escola de Serviço Social 10 período Orientadora:

Leia mais

SEMANA DA ARQUITETURA _ 09, 10 E 11 DE OUTUBRO / PROGRAMAÇÃO

SEMANA DA ARQUITETURA _ 09, 10 E 11 DE OUTUBRO / PROGRAMAÇÃO SEMANA DA ARQUITETURA _ 09, 10 E 11 DE OUTUBRO / PROGRAMAÇÃO QUARTA-FEIRA 09 OUTUBRO 19h20 20h50 Produção Gráfica no TCC, concursos e Escritório Rodrigo Cardoso Rocha 21h10 22h40 A Importância das Diretrizes

Leia mais

GRUPO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE LÍNGUAS CEPESLI/UFSM

GRUPO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE LÍNGUAS CEPESLI/UFSM GRUPO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE LÍNGUAS CEPESLI/UFSM WAGNER, Alison Marcelo; MARCHESAN, MariaTereza; PADILHA, Emanuele Coimbra; LEMES, Debora; HAYGERT, Suelen; AZEVEDO, Cinara; MESQUITA, Gisele. Graduado

Leia mais

SEMI-PRESENCIALIDADE NO ENSINO SUPERIOR: ALGUNS RESULTADOS DESSA MODALIDADE NA FGF

SEMI-PRESENCIALIDADE NO ENSINO SUPERIOR: ALGUNS RESULTADOS DESSA MODALIDADE NA FGF 1 SEMI-PRESENCIALIDADE NO ENSINO SUPERIOR: ALGUNS RESULTADOS DESSA MODALIDADE NA FGF Fortaleza CE Junho/2009 Karla Angélica Silva do Nascimento - Faculdade Integrada da Grande Fortaleza karla@fgf.edu.br

Leia mais