BIBLIOGRAFIA. Aguiar, R. (2010). Plano estratégico de Cascais face às alterações climáticas - Sector Cenários Climáticos (p. 29). Lisboa.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "BIBLIOGRAFIA. Aguiar, R. (2010). Plano estratégico de Cascais face às alterações climáticas - Sector Cenários Climáticos (p. 29). Lisboa."

Transcrição

1 BIBLIOGRAFIA Aguiar, R. (2010). Plano estratégico de Cascais face às alterações climáticas - Sector Cenários Climáticos (p. 29). Lisboa. Alcoforado, M J. (1988). O clima da região de Lisboa. Vento, insolação e temperatura. Dissertação de Doutoramento em Geografia Fisíca, apresentada à Universidade de Lisboa. Universidade de Lisboa. Alcoforado, M J. (1984). Representação cartográfica das árvores deformadas. Os ventos dominantes em torno da Serra de Sintra. Finisterra - Revista Portuguesa de Geografia, XIX (38), Alcoforado, M J. (1995). L extrapolation spatiale des données thermiques en milieu urbain. Publications de l Association Internationale de Climatologie, 7, Alcoforado, M J. (2010). Climatologia Urbana para o Ensino (p. 179). Lisboa: Centro de Estudos Geográficos da Universidade de Lisboa. Alcoforado, M J., Andrade, H., Oliveira, S., Festas, M., e Rosa, F. (2009). Alterações climáticas e desenvolvimento urbano. Série Politica das Cidades. Lisboa: DGOTDU. Alcoforado, M J., Lopes, A., Andrade, H., e Vasconcelos, J. (2005). Orientações climáticas para o ordenamento do território em Lisboa (p. 81).CEG. Lisboa. Alcoforado, M J., e Vieira, H. (2004). Informação climática nos planos directores municipais de concelhos urbanos. Sociedade e Território,37: Alcoforado, M J., Andrade, H., Lopes, A., e Vasconcelos, J. (2009). Application of climatic guidelines to urban planning. The example of Lisbon ( Portugal ). Landscape and Urban Planning, 90, Alcoforado, M J, Andrade, H., Oliveira, S., Festas, M J., e Rosa, F. (2009). Alterações climáticas e desenvolvimento urbano (p. 92). Série Politica das Cidades,4, Direcção-Geral do Ordenamento do Território e Desenvolvimento Urbano, Lisboa. Alexandri, E., & Jones, P. (2008). Temperature decreases in an urban canyon due to green walls and green roofs in diverse climates. Building and Environment, 43(4), Andrade, H. (2000). Bioclimatologia Humana: Novas perspectivas. Finisterra - Revista Portuguesa de Geografia, Lisboa XXX(69), Andrade, H. (2003). Bioclima humano e a temperatura do ar em Lisboa. Tese de Doutoramento em Geografia Física, apresentada à Universidade de Lisboa. Universidade de Lisboa. Andrade, H. (1998). O desconforto térmico estival em Lisboa. Uma abordagem bioclimática. Finisterra - Revista Portuguesa de Geografia, Lisboa XXX(66),

2 Azevedo, J. (2010). Campo térmico e consumo de energia elétrica residencial na cidade de São Carlos-SP. Dissertação de Mestrado em Engenharia Urbana, apresentada à Universidade Federal de São Carlos (Brasil). Universidade Federal de São Carlos. Baltazar, S. (2010). Mapas Bioclimáticos de Lisboa. Dissertação de Mestrado em Geografia Física, apresentada à Universidade de Lisboa. Universidade de Lisboa. Biziak, L., Lopes, A., e Filho, D. (2013). A contribuição da arborização urbana no conforto térmico de Cascais/Alcabideche (Portugal). In Anais do Simpósio Brasileiro de Geografia Física Aplicada V.15 - Vitória - ES (Brasil) (pp ). CMC, Câmara Municipal de Cascais (2008). Relatório Agenda /2008 (p. 18). Cascais. CMC, Câmara Municipal de Cascais (2012). Matriz Energética de Cascais. (p. 78). Cascais. Davies, M., Steadman, P., e Oreszczyn, T. (2008). Strategies for the modification of the urban climate and the consequent impact on building energy use. Energy Policy, 36, DGOTDU. Direcção-Geral do Ordenamento do Território e Desenvolvimento Urbano (2008). Proposta de projecto de decreto regulamentar que estabelece conceitos técnicos a utilizar nos instrumentos de gestão territorial (documento final) elaborado pela Direcção Geral do Ordenamento do Território e Desenvolvimento Urbano. Fanger, P. (1972). Thermal Comfort: Analysis and Applications in Environmental Engineering. (McGraw-Hill, Ed.). New York: McGraw-Hill. Fernandes, R. (2005). Modelação Operacional no Estuário do Tejo. Dissertação de Mestrado em Ecologia, Gestão e Modelação dos Recursos Marinhos, apresentada ao Instituto Superior Técnico (IST). Instituto Superior Técnico (IST). Francis, R., & Lorimer, J. (2011). Urban reconciliation ecology: the potential of living roofs and walls. Journal of environmental management, 92(6), Frank, T. (2005). Climate change impacts on building heating and cooling energy demand in Switzerland. Energy and buildings, 37(11), Fröhlich, D., e Matzarakis, A. (2013). Modeling of changes in thermal bioclimate: examples based on urban spaces in Freiburg, Germany. Theoretical and Applied Climatology. Fung, W., Lam, K., Hung, W., Pang, S., e Lee, Y. (2006). Impact of urban temperature on energy consumption of Hong Kong. Energy, 31(14), Ghiaus, C. (2006). Experimental estimation of building energy performance by robust regression. Energy and Buildings, 38(6), Grimmond, C., Roth, M., Oke, T.., Au, Y.., Best, M., Betts, R., Voogt, J. (2010). Climate and More Sustainable Cities : Climate Information for Improved Planning and Management of Cities ( Producers / Capabilities Perspective ). Procedia - Environmental Sciences, 1,

3 Jim, C., e Tsang, S. (2011). Biophysical properties and thermal performance of an intensive green roof. Building and Environment, 46(6), Kolokotroni, M., Giannitsaris, I., e Watkins, R. (2006). The effect of the London urban heat island on building summer cooling demand and night ventilation strategies. Solar Energy, 80(4), Krese, G., Prek, M., e Butala, V. (2012). Analysis of Building Electric Energy Consumption Data Using an Improved Cooling Degree Day Method. Strojniški vestnik-journal of Mechanical Engineering, 58, Krüger, E., Minella, F., e Rasia, F. (2011). Impact of urban geometry on outdoor thermal comfort and air quality from field measurements in Curitiba, Brazil. Building and Environment, 46(3), Landsberg, H. (1981). The urban climate (Internatio., p. 275). Londres: Academic Press. Lanham, A., Gama, P., e Braz, R. (2004). Arquitectura Bioclimática: Perspectivas de inovação e futuro. Seminário de Inovação organizado pelo Instituto Superior Técnico (IST). Lisboa. Leandro, A. (2011). Avaliação da capacidade de instalação de telhados verdes na cidade de Lisboa com recurso a SIG e detecção remota. Dissertação de Mestrado em Geografia Física e Ordenamento do Território, apresentada à Universidade de Lisboa. IGOT - UL. Lopes, A. (1998). Contrastes térmicos nocturnos e acumulação de ar frio em áreas urbanas do sul da Península de Lisboa. Finisterra, Lisboa XXX, Lopes, A. (2003). Modificações no clima de Lisboa como consequência do crescimento urbano. Vento, ilha de calor de superficie e balanço energético. Dissertação de Doutoramento em Geografia Física, apresentada à Universidade de Lisboa. Universidade de Lisboa. Lopes, A., e Correia, E. (2012). A proposal to Enhance urban climate maps with the assessment of the wind power potencial. The case of Cascais Municipality (Portugal). In International Scientific Conference "Bioclimate Bioclimatology of ecosystems, Ústí nad Labem - Czech Republic. (pp ). Lopes, A. (1994). Padrões térmicos do clima local na região de Oeiras. Dissertação de Mestrado em Geografia Física e Regional, apresentada à Universidade de Lisboa. Universidade de Lisboa. Madeira, J. (2010). Variabilidade dos regimes de vento e potencial eólico na região de Cascais. Dissertação de Mestrado em Geografia Física e Ordenamento do Território, apresentada à Universidade de Lisboa. Universidade de Lisboa. Madlener, R., e Sunak, Y. (2011). Impacts of urbanization on urban structures and energy demand: What can we learn for urban energy planning and urbanization management? Sustainable Cities and Society, 1(1), Matzarakis, A., Rutz, F., e Mayer, H. (2006). Modelling the thermal bioclimate in urban areas with the RayMan Model. In Conference on Passive and Low Energy Architecture (pp. 6 8). Geneve, Switzerland

4 Melo, H. (2011). O clima de Mangualde. Contrastes topoclimáticos, efeitos bioclimáticos e aplicação ao ordenamento urbano. Dissertação de Mestrado em Geografia Física, apresentada à Universidade de Coimbra. Universidade de Coimbra - Faculdade de Letras. Moita, F. (2010). Energia solar passiva. (Argumentum, Ed.) (2 a ed.). Lisboa. Nunes, D. (2012). Condições atmosféricas de utilizaçao de duas praias do concelho de Cascais, durante o período estival. Dissertação de Mestrado em Geografia Física e Ordenamento do Território, apresentada à Universidade de Lisboa. IGOT-UL. NYISO. (1999). New York Power Pool zone. Forecasting Models (p. 43). Oke, T. (1987). Boundary Layer Climates. (2 edition., p. 460). Routledge. Oke, T. (2006). Iniatial guidance to obtain representative meteorological observations at urban sites. Instruments and observing methods. World Meteorological Organization (WMO), (81), 51. Okeil, A. (2010). A holistic approach to energy efficient building forms. Energy and Buildings, 42(9), Pacione, M. (2009). Urban Geography: A global perspective (3rd ed.). Nova Iorque: Routledge. Pérez-Lombard, L., Ortiz, J., e Pout, C. (2008). A review on buildings energy consumption information. Energy and Buildings, 40(3), Ratti, C., Baker, N., e Steemers, K. (2005). Energy consumption and urban texture. Energy and Buildings, 37(7), Sá, A. (2010). Guia de aplicações de gestão de energia e eficiência energética. (Publindústria, Ed.),2 a edição. p. 459). Porto. Santamouris, M., Papanikolaou, N., Livada, I., Koronakis, I., Georgakis, C., Argiriou, A., e Assimakopoulos, D. (2001). On the impact of urban climate on the energy consumption of buildings. Solar Energy, 70(3), Santos, F., e Cruz, M. J. (coord.)(2010). Plano Estratégico de Cascais Face às Alterações Climáticas (PECAC). (p. 58). Cascais. Santos, F., e Miranda, P. (ed.)(2006). Alterações Climáticas em Portugal Cenários, Impactos e Medidas de Adaptação - Projecto SIAM II (Gradiva., p. 500). Lisboa. SMPC, Serviço Municipal de Proteção Civil (2007). Plano Municipal de Defesa da Floresta Contra Incêndios (p. 51). Cascais. Soares, A. (2006). Geoestatística para as ciências da terra e do ambiente (2 a edição., p. 214). Lisboa: IST Press. Teemusk, A., e Mander, Ü. (2010). Temperature regime of planted roofs compared with conventional roofing systems. Ecological Engineering, 36(1),

5 Vasconcelos, J., e Vieira, R. (2010). Contributo dos espaços verdes para o conforto bioclimático nas cidades. In Congresso Luso-Brasileiro para planejamento urbano regional integrado e sustentável. Faro (Portugal). VDI-Verlag. (1998). Environmental Meteorology, Methods for the human-biometeorological evaluation of climate and air quality for urban and regional planning at regional level. Dusseldorf. Vermeersch, W. (2011). O vento no Guincho - um estudo aplicado à prática de desportos náuticos. Dissertação de Mestrado em Geografia Física e Ordenamento do Território, apresentada à Universidade de Lisboa. Universidade de Lisboa. Wilks, D. (1995). Statistical methods in the atmospheric sciences. Academic Press. San Diego. Wong, N., Jusuf, S., Syafii, N., Chen, Y., Hajadi, N., Sathyanarayanan, H., e Manickavasagam, Y. (2011). Evaluation of the impact of the surrounding urban morphology on building energy consumption. Solar Energy, 85(1), Yamamoto, Y. (2006). Measures to mitigate urban heat Islands. Science and Technology Trends Quarterly Review, 18, Zhao, C., Fu, G., Liu, X., e Fu, F. (2010). Urban planning indicators, morphology and climate indicators: A case study for a north-south transect of Beijing, China. Building and Environment, 46(5),

O USO DE GEOTECNOLOGIA NA ANÁLISE DAS ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS NA ÁREA METROPOLITANA DE SÃO PAULO - BRASIL

O USO DE GEOTECNOLOGIA NA ANÁLISE DAS ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS NA ÁREA METROPOLITANA DE SÃO PAULO - BRASIL O USO DE GEOTECNOLOGIA NA ANÁLISE DAS ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS NA ÁREA METROPOLITANA DE SÃO PAULO - BRASIL Profa. Dra. Magda Adelaide Lombardo Universidade Estadual Paulista / Universidade de São Paulo lombardo@rc.unesp.br

Leia mais

EXTRACÇÃO DE SOMBRA A PARTIR DE IMAGENS DE SATÉLITE DE ALTA RESOLUÇÃO

EXTRACÇÃO DE SOMBRA A PARTIR DE IMAGENS DE SATÉLITE DE ALTA RESOLUÇÃO EXTRACÇÃO DE SOMBRA A PARTIR DE IMAGENS DE SATÉLITE DE ALTA RESOLUÇÃO Classificação Não Supervisionada, Reclassificação de Imagem e Classificação Orientada a Segmento Morna Nandaia Ricardo Silva SUMÁRIO

Leia mais

Potencialidades no uso de imagens termais aéreas de alta resolução da superfície urbana como ferramenta para mapear o campo térmico

Potencialidades no uso de imagens termais aéreas de alta resolução da superfície urbana como ferramenta para mapear o campo térmico www.scientiaplena.org.br VOL. 11, NUM. 09 2015 doi: 10.14808/sci.plena.2015.090203 Potencialidades no uso de imagens termais aéreas de alta resolução da superfície urbana como ferramenta para mapear o

Leia mais

Escalas de Análise Urbana e seus Diferentes Efeitos Térmicos. Camila M. Nakata 3

Escalas de Análise Urbana e seus Diferentes Efeitos Térmicos. Camila M. Nakata 3 Escalas de Análise Urbana e seus Diferentes Efeitos Térmicos Léa C. L. Souza 1,, Luciana M. Marques 2 Universidade Federal de São Carlos, Centro de Ciências Exatas e de Tecnologia Rodovia Washington Luís,

Leia mais

Avaliação da Ilha de Calor de Bragança Maia, F. (a) *, Gonçalves, A. (b), Rocha, A. (c), Ribeiro, A.C. (b), Feliciano, M. (b)

Avaliação da Ilha de Calor de Bragança Maia, F. (a) *, Gonçalves, A. (b), Rocha, A. (c), Ribeiro, A.C. (b), Feliciano, M. (b) Avaliação da Ilha de Calor de Bragança Maia, F. (a) *, Gonçalves, A. (b), Rocha, A. (c), Ribeiro, A.C. (b), Feliciano, M. (b) (a) Departamento de Física, Universidade de Aveiro, Aveiro, filipemaia@hotmail.com

Leia mais

VARIAÇÃO TÉRMICA NA ÁREA INTRA-URBANA DA CIDADE DE CURITIBA, PARANÁ, BRASIL NO VERÃO

VARIAÇÃO TÉRMICA NA ÁREA INTRA-URBANA DA CIDADE DE CURITIBA, PARANÁ, BRASIL NO VERÃO VARIAÇÃO TÉRMICA NA ÁREA INTRA-URBANA DA CIDADE DE CURITIBA, PARANÁ, BRASIL NO VERÃO Antonio Carlos Batista¹, Luciana Leal², Daniela Biondi³ ¹ Professor Dr., Departamento de Ciências Florestais UFPR, Pesquisador

Leia mais

Avaliação da Temperatura do Ar na Sub-Bacia Hidrográfica do Ribeirão das Anhumas, Campinas,SP

Avaliação da Temperatura do Ar na Sub-Bacia Hidrográfica do Ribeirão das Anhumas, Campinas,SP Avaliação da Temperatura do Ar na Sub-Bacia Hidrográfica do Ribeirão das Anhumas, Campinas,SP Fernanda Carpinetti Vieira Faculdade de Arquitetura e Urbanismo CEATEC fernanda.cv1@puccampinas.edu.br Resumo:

Leia mais

X CONGRESSO DA GEOGRAFIA PORTUGUESA Os Valores da Geografia Lisboa, 9 a 12 de setembro de 2015

X CONGRESSO DA GEOGRAFIA PORTUGUESA Os Valores da Geografia Lisboa, 9 a 12 de setembro de 2015 X CONGRESSO DA GEOGRAFIA PORTUGUESA Os Valores da Geografia Lisboa, 9 a 12 de setembro de 2015 Modelo conceptual de análise do crescimento urbano vertical M. Magarotto (a) (b),m. Costa (b), A. Rodrigues

Leia mais

Telefone(s) Telemóvel: 911844417 Fax(es) Correio(s) electrónico(s) f.poggi@fct.unl.pt

Telefone(s) Telemóvel: 911844417 Fax(es) Correio(s) electrónico(s) f.poggi@fct.unl.pt Curriculum Vitae Informação pessoal Apelido(s) / Nome(s) próprio(s) Morada(s) Francesca Poggi e-geo Centro de Estudos de Geografia e Planeamento Regional Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, UNL Avenida

Leia mais

VARIAÇÃO TÉRMICA NA ÁREA INTRA- URBANA DA CIDADE DE CURITIBA, PARANÁ, BRASIL NO VERÃO

VARIAÇÃO TÉRMICA NA ÁREA INTRA- URBANA DA CIDADE DE CURITIBA, PARANÁ, BRASIL NO VERÃO VARIAÇÃO TÉRMICA NA ÁREA INTRA- URBANA DA CIDADE DE CURITIBA, PARANÁ, BRASIL NO VERÃO Antonio Carlos Batista, Luciana Leal, Daniela Biondi Curso de Pós-graduação em Engenharia Florestal Universidade Federal

Leia mais

INFLUÊNCIA DE LAGOS ARTIFICIAIS NO CLIMA LOCAL E NO CLIMA URBANO: ESTUDO DE CASO EM PRESIDENTE EPITÁCIO (SP)

INFLUÊNCIA DE LAGOS ARTIFICIAIS NO CLIMA LOCAL E NO CLIMA URBANO: ESTUDO DE CASO EM PRESIDENTE EPITÁCIO (SP) INFLUÊNCIA DE LAGOS ARTIFICIAIS NO CLIMA LOCAL E NO CLIMA URBANO: ESTUDO DE CASO EM Marcos Barros de Souza UNESP FCT souzamb@bol.com.br Zilda de Fátima Mariano UFG Campus de Jataí zildamariano@hotmail.com

Leia mais

8º SEMINÁRIO INTERNACIONAL, ARQUITETURA, URBANISMO E DESIGN: MENSAGENS E PRODUTOS PARA AMBIENTES SUSTENTÁVEIS

8º SEMINÁRIO INTERNACIONAL, ARQUITETURA, URBANISMO E DESIGN: MENSAGENS E PRODUTOS PARA AMBIENTES SUSTENTÁVEIS CONTRIBUIÇÃO DA ANÁLISE AMBIENTAL AO USO E OCUPAÇÃO DA UFPB COSTA, Angelina D. L.(1); LIMA, Eduardo R. V. de (2); SANTOS, Joel S. dos (3); LEME, Neusa Paes (4) CEVADA, Caroline M.(5); LIRA, Rayssa A. de

Leia mais

Telhadosverdes: Benefícios paraas cidadese paraas edificações. Adriane CordoniSavi

Telhadosverdes: Benefícios paraas cidadese paraas edificações. Adriane CordoniSavi Telhadosverdes: Benefícios paraas cidadese paraas edificações. Adriane CordoniSavi Crescimento população urbana: Impermeabilização; Inundações; Redução da área vegetada. Arquitetura x arquitetura bioclimática

Leia mais

V CADERNO TEMÁTICO QUALIDADE NOS SERVIÇOS

V CADERNO TEMÁTICO QUALIDADE NOS SERVIÇOS Pesquisa no Catálogo Bibliográfico Palavra-chave: Certificação BARATA, Manuel Lopes - O impacto da certificação na performance das empresas : ISO 9000. Lisboa : ISCTE, 2001. pag. var.. - Tese de mestrado

Leia mais

A EXPANSÃO URBANA E A EVOLUÇÃO DO MICROLIMA DE MANAUS Diego Oliveira de Souza 1, Regina Célia dos Santos Alvalá 1

A EXPANSÃO URBANA E A EVOLUÇÃO DO MICROLIMA DE MANAUS Diego Oliveira de Souza 1, Regina Célia dos Santos Alvalá 1 A EXPANSÃO URBANA E A EVOLUÇÃO DO MICROLIMA DE MANAUS Diego Oliveira de Souza 1, Regina Célia dos Santos Alvalá 1 1 Centro de Ciências do Sistema Terrestre. Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais. São

Leia mais

Geometria urbana e ilha de calor noturna: análise baseada em um modelo numérico

Geometria urbana e ilha de calor noturna: análise baseada em um modelo numérico Ur Geometria urbana e ilha de calor noturna: análise baseada em um modelo numérico 38 Camila Mayumi Nakata* Léa Cristina Lucas de Souza* Daniel Souto Rodrigues** Ur n.8 Junho 2015 Resumo A geometria urbana

Leia mais

I: A CRISE GLOBAL DO AMBIENTE: A U.E. COMO ACTOR GLOBAL NA POLÍTICA DE AMBIENTE

I: A CRISE GLOBAL DO AMBIENTE: A U.E. COMO ACTOR GLOBAL NA POLÍTICA DE AMBIENTE 1 AmbientenaEuropa MóduloI:ACRISEGLOBALDOAMBIENTE:AU.E.COMOACTORGLOBALNAPOLÍTICADEAMBIENTE(Docente:Viriato Soromenho Marques,6ªfeira,14 16h) MóduloII:ALTERAÇÕESCLIMÁTICASEAMBIENTAISNAEUROPA:CAUSAS,FACTOSeIMPACTES.(Docente:MariaJoão

Leia mais

ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA VENTILAÇÃO NATURAL E DA INÉRCIA TÉRMICA DO ENVELOPE CONSTRUTIVO EM EDIFICAÇÃO VERTICAL MULTIFAMILIAR

ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA VENTILAÇÃO NATURAL E DA INÉRCIA TÉRMICA DO ENVELOPE CONSTRUTIVO EM EDIFICAÇÃO VERTICAL MULTIFAMILIAR 1 ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA VENTILAÇÃO NATURAL E DA INÉRCIA TÉRMICA DO ENVELOPE CONSTRUTIVO EM EDIFICAÇÃO VERTICAL MULTIFAMILIAR RESUMO Tiago Arent Longo (1); Luiz César de Castro (2) UNESC Universidade

Leia mais

ESTUDO DA INFLUÊNCIA DAS INTEMPÉRIES SOBRE AS PROPRIEDADES TÉRMICAS DE TINTAS FRIAS COLORIDAS

ESTUDO DA INFLUÊNCIA DAS INTEMPÉRIES SOBRE AS PROPRIEDADES TÉRMICAS DE TINTAS FRIAS COLORIDAS ESTUDO DA INFLUÊNCIA DAS INTEMPÉRIES SOBRE AS PROPRIEDADES TÉRMICAS DE TINTAS FRIAS COLORIDAS Nathalia Cabral Penteado 1 ; Heloísa Cristina Fernandes Cordon 2 1 Aluna de Iniciação Científica da Escola

Leia mais

ESTUDO DO CONFORTO TÉRMICO EM RELAÇÃO ÀS POSSÍVEIS MUDANÇAS CLIMÁTICAS NO MUNICÍPIO DE OURINHOS

ESTUDO DO CONFORTO TÉRMICO EM RELAÇÃO ÀS POSSÍVEIS MUDANÇAS CLIMÁTICAS NO MUNICÍPIO DE OURINHOS ESTUDO DO CONFORTO TÉRMICO EM RELAÇÃO ÀS POSSÍVEIS MUDANÇAS CLIMÁTICAS NO MUNICÍPIO DE OURINHOS Débora Moreira de Souza 1, Jonas Teixeira Nery 1,2, Ana Cláudia Carfan 2 1 UNICAMP Campinas/São Paulo deborablosson@yahoo.com.br

Leia mais

and the Municipality of SERTÃ

and the Municipality of SERTÃ RETS Launch Conference 3rd February 2010 Casa da Cultura da Sertã SERTÃ, Portugal Renewable Energies and the Municipality of SERTÃ, Mayor The participation of Sertã in RETS is the continuation of its journey

Leia mais

Área de Avaliação: ARQUITETURA E URBANISMO

Área de Avaliação: ARQUITETURA E URBANISMO LOGIN Selecione o tipo de detalhamento da pesquisa: Por Titulo do Periódico Por Classificação / Área de Avaliação Por ISSN do Periódico Área de Avaliação Qualidade Circulação Área de Avaliação: ARQUITETURA

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DO FENÔMENO DE ILHAS DE CALOR PARA A REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO ATRAVÉS DE DADOS PROVENIENTES DO SATÉLITE LANDSAT 7 ETM+

IDENTIFICAÇÃO DO FENÔMENO DE ILHAS DE CALOR PARA A REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO ATRAVÉS DE DADOS PROVENIENTES DO SATÉLITE LANDSAT 7 ETM+ IDENTIFICAÇÃO DO FENÔMENO DE ILHAS DE CALOR PARA A REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO ATRAVÉS DE DADOS PROVENIENTES DO SATÉLITE LANDSAT 7 ETM+ PEREIRA, G. 1 ; CAMARGO, F. F. 2 ; OLIVEIRA, L. G. L de 3 ;

Leia mais

SUPLEMENTO AO DIPLOMA DA UNIVERSIDADE DO MINHO MESTRADO EM CONSTRUÇÃO E REABILITAÇÃO SUSTENTÁVEIS (2º CICLO)

SUPLEMENTO AO DIPLOMA DA UNIVERSIDADE DO MINHO MESTRADO EM CONSTRUÇÃO E REABILITAÇÃO SUSTENTÁVEIS (2º CICLO) SUPLEMENTO AO DIPLOMA DA UNIVERSIDADE DO MINHO MESTRADO EM CONSTRUÇÃO E REABILITAÇÃO SUSTENTÁVEIS (2º CICLO) 1 Principal(ais) área(s) de estudo da qualificação: Engenharia Civil 2 Língua(s) de aprendizagem/avaliação:

Leia mais

A utilização de modelos SIG 3D na determinação da exposição solar

A utilização de modelos SIG 3D na determinação da exposição solar A utilização de modelos SIG 3D na determinação da exposição solar Rita MACHETE 1, Sónia ILDEFONSO 1, Ana Paula FALCÃO 1, Maria Glória GOMES 1 1 Instituto Superior Técnico da Universidade de Lisboa (rita_machete@msn.com;

Leia mais

PROJETO DE UMA RESIDÊNCIA ENERGÉTICAMENTE EFICIÊNTE EM FOZ DO IGUAÇU

PROJETO DE UMA RESIDÊNCIA ENERGÉTICAMENTE EFICIÊNTE EM FOZ DO IGUAÇU STC/ 17 à 22 de outubro de 1999 Foz do Iguaçu Paraná - Brasil SESSÃO TÉCNICA ESPECIAL: CONSERVAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA (STC) PROJETO DE UMA RESIDÊNCIA ENERGÉTICAMENTE EFICIÊNTE EM FOZ DO IGUAÇU Álvaro

Leia mais

Palavras-chave: Simulação, Climatização, Ar condicionado, Edificações, Energia.

Palavras-chave: Simulação, Climatização, Ar condicionado, Edificações, Energia. ANÁLISE COMPARATIVA DE SISTEMAS DE CLIMATIZAÇÃO TIPO VOLUME DE AR CONSTANTE (CAV) E VOLUME DE AR VARIÁVEL (VAV) MULTIZONAS OPERANDO EM CLIMA QUENTE E ÚMIDO César Augusto Gomes dos Santos Jorge Emanuel

Leia mais

USO DE VIDRO DUPLO E VIDRO LAMINADO NO BRASIL: AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO ENERGÉTICO E CONFORTO TÉRMICO POR MEIO DE SIMULAÇÃO COMPUTACIONAL

USO DE VIDRO DUPLO E VIDRO LAMINADO NO BRASIL: AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO ENERGÉTICO E CONFORTO TÉRMICO POR MEIO DE SIMULAÇÃO COMPUTACIONAL USO DE VIDRO DUPLO E VIDRO LAMINADO NO BRASIL: AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO ENERGÉTICO E CONFORTO TÉRMICO POR MEIO DE SIMULAÇÃO COMPUTACIONAL Priscila Besen (1) ; Fernando Simon Westphal (2) (1) Universidade

Leia mais

GRUPO DE PESQUISA :ENGENHARIA DE SISTEMAS PREDIAIS

GRUPO DE PESQUISA :ENGENHARIA DE SISTEMAS PREDIAIS GRUPO DE PESQUISA :ENGENHARIA DE SISTEMAS PREDIAIS Membros: Nome Lúcia Helena de Oliveira Nome Orestes marraccini Gonçalves Nome Racine Tadeu Araujo Prado Nome: Brenda Chaves Coelho Leite Contato: Nome:

Leia mais

AMBIENTE TÉRMICO URBANO E QUALIDADE AMBIENTAL EM PRAÇAS: ESTUDO DE CASO EM DUAS FRAÇÕES URBANAS DE MACEIÓ ALAGOAS

AMBIENTE TÉRMICO URBANO E QUALIDADE AMBIENTAL EM PRAÇAS: ESTUDO DE CASO EM DUAS FRAÇÕES URBANAS DE MACEIÓ ALAGOAS AMBIENTE TÉRMICO URBANO E QUALIDADE AMBIENTAL EM PRAÇAS: ESTUDO DE CASO EM DUAS FRAÇÕES URBANAS DE MACEIÓ ALAGOAS Renata Bruna Morais e Silva (1) ; Gianna Melo Barbirato (2) (1) Graduanda da FAU/UFAL,

Leia mais

Contributo dos Espaços Verdes para o Conforto Bioclimático nas Cidades. João Vasconcelos 1,, Rute Vieira 2

Contributo dos Espaços Verdes para o Conforto Bioclimático nas Cidades. João Vasconcelos 1,, Rute Vieira 2 Contributo dos Espaços Verdes para o Conforto Bioclimático nas Cidades João Vasconcelos 1,, Rute Vieira 2 Escola Superior de Turismo e Tecnologia do Mar, Instituto Politécnico de Leiria, Santuário N.ª

Leia mais

QUALIS OBT: CLASSIFICAÇÃO DAS REVISTAS E CONFERÊNCIAS CIENTÍFICAS

QUALIS OBT: CLASSIFICAÇÃO DAS REVISTAS E CONFERÊNCIAS CIENTÍFICAS QUALIS OBT: CLASSIFICAÇÃO DAS REVISTAS E CONFERÊNCIAS CIENTÍFICAS Revisão 10 9 Janeiro 2006 Critérios Gerais para Classificação de Periódicos Na classificação adotada pela OBT, estamos buscando usar, na

Leia mais

Edifícios de Balanço Zero

Edifícios de Balanço Zero Edifícios de Balanço Zero Net Zero Energy Buildings NZEB Helder Gonçalves 6 de Maio de 2011 1. Directivas Europeia EPBD 2. Conceito de NZEB 3. Como Atingir o NZEB 4. Exemplos 2 Keep Cool II Resultados

Leia mais

Universidade Federal do Ma Pós-Graduação em Eng. Elétrica

Universidade Federal do Ma Pós-Graduação em Eng. Elétrica Universidade Federal do Ma Pós-Graduação em Eng. Elétrica Computação Gráfica II Sistemas de Informação Geográfica Prof. Anselmo C. de Paiva Depto de Informática Introdução aos Sistemas de Informação Geografica

Leia mais

IMPACTOS DA GEOMETRIA URBANA NO MICROCLIMA

IMPACTOS DA GEOMETRIA URBANA NO MICROCLIMA 1 IMPACTOS DA GEOMETRIA URBANA NO MICROCLIMA Flávia Osaku Minella (1); Eduardo L. Krüger (2) (1) Arquiteta, Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Tecnologia, Universidade Tecnológica Federal do Paraná

Leia mais

Estratégias para o controlo da qualidade do ar interior - Ventilação

Estratégias para o controlo da qualidade do ar interior - Ventilação MIT Portugal Program Sustainable Energy Systems Focus Area Estratégias para o controlo da qualidade do ar interior - Ventilação Seminário Qualidade do Ar interior Novas Problemáticas Novas Políticas Novas

Leia mais

PERDAS RADIATIVAS E TAXA DE RESFRIAMENTO NOTURNO NA CIDADE DE SÃO PAULO SP

PERDAS RADIATIVAS E TAXA DE RESFRIAMENTO NOTURNO NA CIDADE DE SÃO PAULO SP PERDAS RADIATIVAS E TAXA DE RESFRIAMENTO NOTURNO NA CIDADE DE SÃO PAULO SP Emerson Galvani 1, Nadia G. B. de Lima 2 Resumo: No presente trabalho avaliou-se a taxa de resfriamento noturno e sua relação

Leia mais

Braskem Máxio. Maio / May 2015

Braskem Máxio. Maio / May 2015 Maio / May 2015 Braskem Máxio Braskem Máxio Braskem Maxio é um selo que identifica resinas de PE, PP ou EVA dentro do portfólio da Braskem com menor impacto ambiental em suas aplicações. Esta exclusiva

Leia mais

Palavras Chave: Conforto térmico. Caracterização térmica. Coeficiente de condutividade térmica k. Commelina. Desempenho térmico. ABNT 15220.

Palavras Chave: Conforto térmico. Caracterização térmica. Coeficiente de condutividade térmica k. Commelina. Desempenho térmico. ABNT 15220. CARACTERIZAÇÃO TÉRMICA DE COBERTURAS VERDES DE BASE POLIMÉRICA Plínio de A. T. Neto¹ (M), Leôncio D. T. Câmara² Endereço institucional do(s) autor(es). Incluir o e-mail do autor designado para receber

Leia mais

Articulação entre Clima Urbano e Planejamento das Cidades: Velho Consenso, Contínuo Desafio

Articulação entre Clima Urbano e Planejamento das Cidades: Velho Consenso, Contínuo Desafio Articulação entre Clima Urbano e Planejamento das Cidades: Velho Consenso, Contínuo Desafio Gianna Melo BARBIRATO; Ricardo Victor Rodrigues BARBOSA; Simone Carnaúba TORRES Grupo de Estudos da Atmosfera

Leia mais

MAPEANDO AS CONDIÇÕES DE ADOR

MAPEANDO AS CONDIÇÕES DE ADOR MAPEANDO AS CONDIÇÕES DE CONFORTO O TÉRMICO EM SALVADOR ADOR Tereza Moura (1) Jussana Nery (1) (1; 2) Telma Andrade Lutz Katzschner (3) INTRODUÇÃO Salvador possui 2.7 milhões de habitantes distribuídos

Leia mais

Protótipo de Telhado Verde: Aliando Conhecimentos em Prol da Educação Ambiental

Protótipo de Telhado Verde: Aliando Conhecimentos em Prol da Educação Ambiental Artigo original DOI: 105902/2236130818740 Revista Monografias Ambientais Santa Maria, Santa Maria, Edição Especial Curso de Especialização em Educação Ambiental. 2015, p. 79-83 Revista do Centro de Ciências

Leia mais

7. BIBLIOGRAFIA GERAL. Ascher, François (2010), Novos Princípios do Urbanismo, novos compromissos urbanos, Lisboa.

7. BIBLIOGRAFIA GERAL. Ascher, François (2010), Novos Princípios do Urbanismo, novos compromissos urbanos, Lisboa. 7. BIBLIOGRAFIA GERAL Ascher, François (2010), Novos Princípios do Urbanismo, novos compromissos urbanos, Lisboa. Alcoforado, M.J. et al. (1993), Domínios bioclimáticos em Portugal: definidos por comparação

Leia mais

CURRICULUM VITAE. Ana Filipa Sequeira Raimundo

CURRICULUM VITAE. Ana Filipa Sequeira Raimundo CURRICULUM VITAE Ana Filipa Sequeira Raimundo Índice 1. IDENTIFICAÇÃO... 3 2. HABILITAÇÕES... 3 3. ATIVIDADE PROFISSIONAL... 4 4. AFILIAÇÕES... 5 5. CERTIFICADOS... 5 6. ORGANIZAÇÃO DE EVENTOS... 5 7.

Leia mais

Development of Evaluation and Monitoring Methods (1): Top Down. (Cálculos Agregados) 17 de Janeiro de 2008 ISR-Universidade de Coimbra 1

Development of Evaluation and Monitoring Methods (1): Top Down. (Cálculos Agregados) 17 de Janeiro de 2008 ISR-Universidade de Coimbra 1 Development of Evaluation and Monitoring Methods (1): Top Down (Cálculos Agregados) 17 de Janeiro de 2008 ISR-Universidade de Coimbra 1 ESD Annex IV A top-down calculation method means that the amount

Leia mais

Relatório de Licença Sabática

Relatório de Licença Sabática Relatório de Licença Sabática 1º Semestre de 2013/2014 Adélia de Jesus Nobre Nunes Professora Auxiliar Departamento de Geografia Faculdade de Letras - Universidade de Coimbra No período de licença sabática,

Leia mais

SWEBOK. Guide to the Software Engineering Body Of Knowledge. Teresa Maciel tmmaciel@gmail.com DEINFO/UFRPE

SWEBOK. Guide to the Software Engineering Body Of Knowledge. Teresa Maciel tmmaciel@gmail.com DEINFO/UFRPE SWEBOK Guide to the Engineering Body Of Knowledge Teresa Maciel tmmaciel@gmail.com DEINFO/UFRPE 1 Iniciativa do IEEE (Institute of Electrical and Electronics Engineers) Computer Society. (www.ieee.org)

Leia mais

Using Numerical Simulations in the Evaluation of Food Thermal Process

Using Numerical Simulations in the Evaluation of Food Thermal Process Using Numerical Simulations in the Evaluation of Food Thermal Process Pedro E. D. Augusto COTUCA, FEA UNICAMP Marcelo Cristianini FEA UNICAMP Thermal Process The most effective and used method for guarantee

Leia mais

DESEMPENHO TÉRMICO DE UM AMBIENTE CORPORATIVO NATURALMENTE VENTILADO EM FLORIANÓPOLIS, SC

DESEMPENHO TÉRMICO DE UM AMBIENTE CORPORATIVO NATURALMENTE VENTILADO EM FLORIANÓPOLIS, SC DESEMPENHO TÉRMICO DE UM AMBIENTE CORPORATIVO NATURALMENTE VENTILADO EM FLORIANÓPOLIS, SC JEFFE, Ana Paula Magalhães (1); Westphal, Fernando Simon (2) (1) Universidade Federal de Santa Catarina, e-mail:

Leia mais

OCORRÊNCIA DE ILHA DE CALOR NA ÁREA URBANA DAS CIDADES DE PETROLINA/PE E JUAZEIRO/BA

OCORRÊNCIA DE ILHA DE CALOR NA ÁREA URBANA DAS CIDADES DE PETROLINA/PE E JUAZEIRO/BA OCORRÊNCIA DE ILHA DE CALOR NA ÁREA URBANA DAS CIDADES DE PETROLINA/PE E JUAZEIRO/BA Péricles Tadeu da Costa Bezerra, Mário de Miranda Vilas Boas Ramos Leitão, Pedro Vieira de Azevedo, Gertrudes Macário

Leia mais

ANÁLISE DO CONFORTO TÉRMICO PARA O PERÍODO DE INVERNO NO HOSPITAL ESCOLA DE SÃO CARLOS

ANÁLISE DO CONFORTO TÉRMICO PARA O PERÍODO DE INVERNO NO HOSPITAL ESCOLA DE SÃO CARLOS ANÁLISE DO CONFORTO TÉRMICO PARA O PERÍODO DE INVERNO NO HOSPITAL ESCOLA DE SÃO CARLOS Marieli Azoia Lukiantchuki (1); Monica Faria de Almeida Prado (2); Rosana Maria Caram (3) (1) Departamento de Arquitetura

Leia mais

Empresa Brasileira de Infra-Estrutura Aeroportuária (INFRAERO), dbsantos@infraero.gov.br

Empresa Brasileira de Infra-Estrutura Aeroportuária (INFRAERO), dbsantos@infraero.gov.br ANÁLISE ESTATÍSTICA DA PREVISIBILIDADE DOS ÍNDICES TERMODINÂMICOS NO PERÍODO CHUVOSO DE 2009, PARA AEROPORTO INTERNACIONAL DE SALVADOR/BA Deydila Michele Bonfim dos Santos 1 Carlos Alberto Ferreira Gisler

Leia mais

EFEITO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS NA DISPONIBILIDADE HÍDRICA DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PARACATU

EFEITO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS NA DISPONIBILIDADE HÍDRICA DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PARACATU EFEITO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS NA DISPONIBILIDADE HÍDRICA DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PARACATU RÔMULA F. DA SILVA 1 ; ELOY L. DE MELLO 2 ; FLÁVIO B. JUSTINO 3 ; FERNANDO F. PRUSKI 4; FÁBIO MARCELINO DE

Leia mais

XLVII SIMPÓSIO BRASILEIRO DE PESQUISA OPERACIONAL

XLVII SIMPÓSIO BRASILEIRO DE PESQUISA OPERACIONAL MODELOS DE SIMULAÇÃO DE CENÁRIOS DE PRODUÇÃO DE ENERGIA EÓLICA A PARTR DO MÉTODO DE HOLT-WINTERS E SUAS VARIAÇÕES Matheus Ferreira de Barros Programa de Pós-Graduação em Metrologia para Qualidade e Inovação

Leia mais

XI Congresso Nacional de Engenharia do Ambiente Certificação Ambiental e Responsabilização Social nas Organizações

XI Congresso Nacional de Engenharia do Ambiente Certificação Ambiental e Responsabilização Social nas Organizações Livro de actas do XI Congresso Nacional de Engenharia do Ambiente Certificação Ambiental e Responsabilização Social nas Organizações 20 e 21 de Maio de 2011 Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias

Leia mais

feam engebio 129 ANEXO F Planilha Check List Uberlândia

feam engebio 129 ANEXO F Planilha Check List Uberlândia feam engebio 126 feam engebio 127 feam engebio 128 feam engebio 129 ANEXO F Planilha Check List Uberlândia feam engebio 130 feam engebio 131 feam engebio 132 feam engebio 133 REFERÊNCIAS ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA

Leia mais

Estudo da ilha de calor urbana em cidade de porte médio na Região Equatorial

Estudo da ilha de calor urbana em cidade de porte médio na Região Equatorial Estudo da ilha de calor urbana em cidade de porte médio na Região Equatorial Paulo Wilson de Sousa UCHÔA (1); Antônio Carlos Lola da COSTA (2) Mestrando em Recursos Naturais da Amazônia Universidade Federal

Leia mais

Energia nos Edifícios

Energia nos Edifícios Sustainable Energy Systems Focus Area Actividade do programa em Energia nos Edifícios E. Oliveira Fernandes Vítor Leal Paulo Ferrão João Parente Luísa Caldas Pierre Holmuller 2 Julho 2008 Os Edifícios

Leia mais

A ABORDAGEM DO CLIMA URBANO E APLICAÇÕES NO PLANEJAMENTO DA CIDADE: REFLEXÕES SOBRE UMA TRAJETÓRIA

A ABORDAGEM DO CLIMA URBANO E APLICAÇÕES NO PLANEJAMENTO DA CIDADE: REFLEXÕES SOBRE UMA TRAJETÓRIA A ABORDAGEM DO CLIMA URBANO E APLICAÇÕES NO PLANEJAMENTO DA CIDADE: REFLEXÕES SOBRE UMA TRAJETÓRIA Eleonora Sad de Assis Universidade Federal de Minas Gerais UFMG, Escola de Arquitetura, Dep. Tecnologia

Leia mais

ES C O L A S U PERI O R A G RÁ RI A

ES C O L A S U PERI O R A G RÁ RI A Licenciatura em Ecoturismo Ref.ª : 1810002 Ano lectivo: 2012-13 DESCRITOR DA UNIDADE CURRICULAR GEOGRAFIA GEOGRAPHY 1. Unidade Curricular: 1.1 Área científica: 44 - Ciências Físicas 1.2 Tipo (Duração):

Leia mais

Clima e Saúde: papel do planeamento e do ordenamento urbano

Clima e Saúde: papel do planeamento e do ordenamento urbano Clima e Saúde: papel do planeamento e do ordenamento urbano Centro de Estudos Geográficos Universidade de Lisboa Área de Geo-ecologia ecologia Henrique Andrade Maria João Alcoforado Sandra Oliveira 1.

Leia mais

ESPACIALIZAÇÃO DAS CARACTERÍSTICAS TÉRMICAS DAS ILHAS DE CALOR NA REGIÃO METROPOLITANA DE BELÉM UTILIZANDO IMAGENS DE SATÉLITE

ESPACIALIZAÇÃO DAS CARACTERÍSTICAS TÉRMICAS DAS ILHAS DE CALOR NA REGIÃO METROPOLITANA DE BELÉM UTILIZANDO IMAGENS DE SATÉLITE ESPACIALIZAÇÃO DAS CARACTERÍSTICAS TÉRMICAS DAS ILHAS DE CALOR NA REGIÃO METROPOLITANA DE BELÉM UTILIZANDO IMAGENS DE SATÉLITE Maria Isabel Vitorino 1, Adriano Marlison Leão de Sousa 2, Leda Vilhena Correa

Leia mais

METODOLOGIA PARA ANÁLISE DE DESEMPENHO TÉRMICO DE MATERIAIS UTILIZADOS EM COBERTURAS.

METODOLOGIA PARA ANÁLISE DE DESEMPENHO TÉRMICO DE MATERIAIS UTILIZADOS EM COBERTURAS. VI CONGRESSO NACIONAL DE ENGENHARIA MECÂNICA VI NATIONAL CONGRESS OF MECHANICAL ENGINEERING 18 a 21 de agosto de 2010 Campina Grande Paraíba - Brasil August 18 21, 2010 Campina Grande Paraíba Brazil METODOLOGIA

Leia mais

8 Bibliografia. ACEAUME, E. et al. On The Formal Specification of Group Membership Services. INRIA, 1995, 15 p. Relatório Técnico TR95-1534.

8 Bibliografia. ACEAUME, E. et al. On The Formal Specification of Group Membership Services. INRIA, 1995, 15 p. Relatório Técnico TR95-1534. Bibliografia 88 8 Bibliografia ACEAUME, E. et al. On The Formal Specification of Group Membership Services. INRIA, 1995, 15 p. Relatório Técnico TR95-1534. AMBRIOLA, V.; TORTORA, G. Advances in Software

Leia mais

Braskem Maxio. Resinas da linha Braskem Maxio Braskem Maxio Grades. Redução de Consumo Energético Lower Energy Consumption.

Braskem Maxio. Resinas da linha Braskem Maxio Braskem Maxio Grades. Redução de Consumo Energético Lower Energy Consumption. Maio / May 2015 Resinas da linha Grades Redução de Consumo Energético Lower Energy Consumption RP 141 RP 347 RP 340S RP 340R RP 149 H 105 Produtividade Higher Productivity H 202HC CP 191XP VA8010SUV Redução

Leia mais

TELHADO VERDE: um passo para a economia e sustentabilidade

TELHADO VERDE: um passo para a economia e sustentabilidade TELHADO VERDE: um passo para a economia e sustentabilidade João Pedro Nunes da Silveira, Savio Amorim Soares, Wilton Soares Lima.* Alcilene Lopes de Amorim Andrade** Resumo Telhado verde consiste em uma

Leia mais

Efeitos na atmosfera associados às cidades na região central do Chile

Efeitos na atmosfera associados às cidades na região central do Chile Efeitos na atmosfera associados às cidades na região central do Chile Viviana Urbina Guerrero e Edmilson Dias de Freitas DCA - Instituto de Astronomia, Geofísica e Ciências Atmosféricas Universidade de

Leia mais

V CADERNO TEMÁTICO QUALIDADE NOS SERVIÇOS

V CADERNO TEMÁTICO QUALIDADE NOS SERVIÇOS Pesquisa no Catálogo Bibliográfico Palavra-chave: Normas ISO BARATA, Manuel Lopes - O impacto da certificação na performance das empresas : ISO 9000. Lisboa : ISCTE, 2001. pag. var.. - Tese de mestrado

Leia mais

ANÁLISE DO CLIMA URBANO DE MACEIÓ-AL: COMPARAÇÕES ENTRE DIVERSAS ESCALAS

ANÁLISE DO CLIMA URBANO DE MACEIÓ-AL: COMPARAÇÕES ENTRE DIVERSAS ESCALAS ANÁLISE DO CLIMA URBANO DE MACEIÓ-AL: COMPARAÇÕES ENTRE DIVERSAS ESCALAS Gianna Melo Barbirato Departamento de Arquitetura / CTEC / UFAL Universidade Federal de Alagoas - UFAL Campus A.C. Simões Tabuleiro

Leia mais

Passive Houses em Ílhavo

Passive Houses em Ílhavo s em Ílhavo João Gavião Arquitecto, Assessor LiderA; Certified Designer João Marcelino Eng.º Civil, Perito Qualificado RCCTE, Certified Designer Porquê 01_Introdução 02_O conceito 03_As primeiras s 04_

Leia mais

O CRESCIMENTO URBANO DO MUNICÍPIO DE GOIÂNIA-GO/BRASIL E SUA RELAÇÃO COM O FENÔMENO DE ILHAS DE CALOR

O CRESCIMENTO URBANO DO MUNICÍPIO DE GOIÂNIA-GO/BRASIL E SUA RELAÇÃO COM O FENÔMENO DE ILHAS DE CALOR O CRESCIMENTO URBANO DO MUNICÍPIO DE GOIÂNIA-GO/BRASIL E SUA RELAÇÃO COM O FENÔMENO DE ILHAS DE CALOR M.e Diego Tarley Ferreira Nascimento ¹; Dr. Ivanilton José de Oliveira ². ¹ Professor substituto da

Leia mais

MIT Portugal Program Engineering systems in action

MIT Portugal Program Engineering systems in action MIT Portugal Program Engineering systems in action Paulo Ferrão, MPP Director in Portugal Engineering Systems: Achievements and Challenges MIT, June 15-17, 2009 Our knowledge-creation model An Engineering

Leia mais

TÍTULO DA TESE. Nome do Autor Sobrenome

TÍTULO DA TESE. Nome do Autor Sobrenome TÍTULO DA TESE Nome do Autor Sobrenome Dissertação de Mestrado apresentada ao Programa de Pós-graduação em Engenharia Civil, COPPE, da Universidade Federal do Rio de Janeiro, como parte dos requisitos

Leia mais

Usabilidade e Ergonomia. Usabilidade de Software. Ergonomia. Usabilidade. Ergonomia (International Ergonomics Association em 2000)

Usabilidade e Ergonomia. Usabilidade de Software. Ergonomia. Usabilidade. Ergonomia (International Ergonomics Association em 2000) Usabilidade e Ergonomia Usabilidade de Software INF01043 Interação Homem-Computador 2006/2 Ergonomia (International Ergonomics Association em 2000) Ergonomics (or human factors) is the scientific discipline

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE PROCESSOS DE CONTROLE AVANÇADOS PARA SISTEMAS DE TRATAMENTO DE AR. Eng. Mauricio de Barros mbarros@consultar.eng.

ESPECIFICAÇÃO DE PROCESSOS DE CONTROLE AVANÇADOS PARA SISTEMAS DE TRATAMENTO DE AR. Eng. Mauricio de Barros mbarros@consultar.eng. ESPECIFICAÇÃO DE PROCESSOS DE CONTROLE AVANÇADOS PARA SISTEMAS DE TRATAMENTO DE AR Eng. Mauricio de Barros mbarros@consultar.eng.br XV Encontro Nacional de Projetistas e Consultores da ABRAVA 23/09/2015

Leia mais

ESTUDOS DE ILHA DE CALOR URBANA POR MEIO DE IMAGENS DO LANDSAT 7 ETM+: ESTUDO DE CASO EM SÃO CARLOS (SP)

ESTUDOS DE ILHA DE CALOR URBANA POR MEIO DE IMAGENS DO LANDSAT 7 ETM+: ESTUDO DE CASO EM SÃO CARLOS (SP) ESTUDOS DE ILHA DE CALOR URBANA POR MEIO DE IMAGENS DO LANDSAT 7 ETM+... 273 ESTUDOS DE ILHA DE CALOR URBANA POR MEIO DE IMAGENS DO LANDSAT 7 ETM+: ESTUDO DE CASO EM SÃO CARLOS (SP) Ricardo Victor Rodrigues

Leia mais

DETERMINAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE OPERAÇÃO DE UM SISTEMA DE CLIMATIZAÇÃO COM DISTRIBUIÇÃO DE AR PELO PISO PARA A MELHOR EFETIVIDADE DA VENTILAÇÃO

DETERMINAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE OPERAÇÃO DE UM SISTEMA DE CLIMATIZAÇÃO COM DISTRIBUIÇÃO DE AR PELO PISO PARA A MELHOR EFETIVIDADE DA VENTILAÇÃO DETERMINAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE OPERAÇÃO DE UM SISTEMA DE CLIMATIZAÇÃO COM DISTRIBUIÇÃO DE AR PELO PISO PARA A MELHOR EFETIVIDADE DA VENTILAÇÃO Renata Maria Marè (1); Brenda Chaves Coelho Leite (2) (1) Departamento

Leia mais

Salud Brasil SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE

Salud Brasil SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE Salud Brasil SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE IV EXPOEPI International Perspectives on Air Quality: Risk Management Principles for Oficina de Trabalho: Os Desafios e Perspectivas da Vigilância Ambiental

Leia mais

A utilização do MapServer como ferramenta de aprendizagem de WebSIG. Nelson Mileu 1

A utilização do MapServer como ferramenta de aprendizagem de WebSIG. Nelson Mileu 1 A utilização do MapServer como ferramenta de aprendizagem de WebSIG Nelson Mileu 1 Resumo - Este trabalho descreve a utilização do software MapServer na disciplina de WebSIG, ministrada no segundo semestre

Leia mais

Bibliografia selecionada sobre edifícios de energia zero

Bibliografia selecionada sobre edifícios de energia zero Bibliografia selecionada sobre edifícios de energia zero Miguel Teixeira Gomes Pacheco Enedir Ghisi Roberto Lamberts Florianópolis, março de 2013 3 RESUMO Este Relatório Técnico apresenta uma bibliográfica

Leia mais

Problemas ambientais urbanos

Problemas ambientais urbanos MEC, 4º ano, 2º sem, 2008-09 Desafios Ambientais e de Sustentabilidade em Engenharia Problemas ambientais urbanos 3ª aula Maria do Rosário Partidário CITIES ENVIRONMENT Inputs Outputs Energy Food Water

Leia mais

O USO DO SOFTWARE WA S P - CARACTERIZAÇÃO DA RUGOSIDADE PARA A CIDADE DE CAMPINAS, SP/BRASIL

O USO DO SOFTWARE WA S P - CARACTERIZAÇÃO DA RUGOSIDADE PARA A CIDADE DE CAMPINAS, SP/BRASIL O USO DO SOFTWARE WA S P - CARACTERIZAÇÃO DA RUGOSIDADE PARA A CIDADE DE CAMPINAS, SP/BRASIL Alessandra R. Prata-Shimomura Universidade Estadual de Campinas / Faculdade de Engenharia Civil, Arquitetura

Leia mais

Sistemas de Agua Gelada de Alta Performance

Sistemas de Agua Gelada de Alta Performance Sistemas de Agua Gelada de Alta Performance Manoel L.S.Gameiro Trane Brasil Date 09/06/2010 Agenda -Quem é a Ingersoll Rand -Nossa missão -Sistema de Água Gelada de Alta Performance visão geral 2 1 Quem

Leia mais

Programa Piloto de Patentes Verdes aceleração de patenteamento de tecnologias verdes e incentivo ao desenvolvimento tecnológico no Brasil

Programa Piloto de Patentes Verdes aceleração de patenteamento de tecnologias verdes e incentivo ao desenvolvimento tecnológico no Brasil Programa Piloto de Patentes Verdes aceleração de patenteamento de tecnologias verdes e incentivo ao desenvolvimento tecnológico no Brasil Fábio Massashi Kuribara Eduardo De Carli Andréa Paula Segatto Farley

Leia mais

Dimensionamento e Engenharia de Tráfego: Optimização de Redes de Telecomunicações

Dimensionamento e Engenharia de Tráfego: Optimização de Redes de Telecomunicações Dimensionamento e Engenharia de Tráfego: Optimização de Redes de Telecomunicações Prof. Amaro F. de Sousa asou@ua.pt, DETI-UA, gab.325 23 de Abril de 2008 Objectivos Desenvolvimento e implementação de

Leia mais

Energia solar na climatização passiva do ambiente construído

Energia solar na climatização passiva do ambiente construído Artigos Energia solar na climatização passiva do ambiente construído Sérgio Ricardo Lourenço Coordenador do curso de Engenharia de Produção Mecânica Uninove. São Paulo SP [Brasil] slourenco@uninove.br

Leia mais

CLIMATOLOGIA URBANA E ESPAÇOS VERDES: CONTRIBUTO AO PLANEJAMENTO DAS CIDADES

CLIMATOLOGIA URBANA E ESPAÇOS VERDES: CONTRIBUTO AO PLANEJAMENTO DAS CIDADES CLIMATOLOGIA URBANA E ESPAÇOS VERDES: CONTRIBUTO AO PLANEJAMENTO DAS CIDADES Max Wendell Batista dos Anjos Universidade de Coimbra-Portugal maxgeoline@hotmail.com Douglas Vieira Gois Universidade Federal

Leia mais

Geração de base de dados ambientais aplicados ao setor energético.

Geração de base de dados ambientais aplicados ao setor energético. Geração de base de dados ambientais aplicados ao setor energético. Fernando R. Martins 1, André Rodrigues 1, Rodrigo Costa 1, Rafael C. Chagas 1, Marcelo P. Pes 1, Jefferson Souza 1, Enio B. Pereira 1,

Leia mais

Workshop sobre Avaliação de Ecossistemas e Serviços dos Ecossistemas em Portugal MAESpt. Lista de participantes

Workshop sobre Avaliação de Ecossistemas e Serviços dos Ecossistemas em Portugal MAESpt. Lista de participantes Workshop sobre Avaliação de Ecossistemas e Serviços dos Ecossistemas em Portugal MAESpt Lista de participantes Cascais, 11 de dezembro de 2015 Américo Reis Convidados Entidade IGOT / CEG - Universidade

Leia mais

Iniciação ao software SIG Open Source WinGRASS 6.4 7-9 Maio 2010 Lisboa Cristina Catita, FCUL

Iniciação ao software SIG Open Source WinGRASS 6.4 7-9 Maio 2010 Lisboa Cristina Catita, FCUL Iniciação ao software SIG Open Source WinGRASS 6.4 7-9 Maio 2010 Lisboa Cristina Catita, FCUL Objectivos O objectivo deste curso é familiarizar os formandos com a utilização do software Geographic Resources

Leia mais

Aplicações Práticas de Cartografia de Modelos de Combustível Florestal no apoio ao Planeamento e Combate a Incêndios

Aplicações Práticas de Cartografia de Modelos de Combustível Florestal no apoio ao Planeamento e Combate a Incêndios Aplicações Práticas de Cartografia de Modelos de Combustível Florestal no apoio ao Planeamento e Combate a Incêndios Nuno Guiomar (Investigador/Colaborador da Universidade de Évora) João Paulo Fernandes

Leia mais

INTRODUÇÃO: MATERIAL E MÉTODOS:

INTRODUÇÃO: MATERIAL E MÉTODOS: MODELAGEM DO POTENCIA EÓLICO DO NORDESTE BRASILEIRO SOB CONDIÇÕES ATUAIS E DE AQUECIMENTO GLOBAL BRUNO LOPES DE FARIA 1 FLAVIO JUSTINO 2 LUANE INES B. MONTEIRO 2 MARCIO ARÊDES 4 1 Aluno de mestrado meteorologia

Leia mais

Painel 4 A importância da interclusterização no desenvolvimento da economia do mar - A perspetiva do Pólo da Energia -

Painel 4 A importância da interclusterização no desenvolvimento da economia do mar - A perspetiva do Pólo da Energia - Painel 4 A importância da interclusterização no desenvolvimento da economia do mar - A perspetiva do Pólo da Energia - 6ª EXPO ENERGIA 8 Novembro 2011 Painel Mercados emergentes nas energias renováveis:

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO TÉRMICO DE CASAS POPULARES

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO TÉRMICO DE CASAS POPULARES AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO TÉRMICO DE CASAS POPULARES KRÜGER, Eduardo L. (1); LAMBERTS, Roberto (2) (1) Eng. Civil, Dr.-Ing., Professor do Programa de Pós-Graduação em Tecnologia, Centro Federal de Educação

Leia mais

DESEMPENHO TÉRMICO DE PAVIMENTOS EXTERNOS

DESEMPENHO TÉRMICO DE PAVIMENTOS EXTERNOS DESEMPENHO TÉRMICO DE PAVIMENTOS EXTERNOS FEC Junho 2011 IC 762 Conforto Térmico Prof. Dra. Lucila Labaki Carlos Augusto da Costa Niemeyer DESEMPENHO TÉRMICO DE PAVIMENTOS EXTERNOS PISOS Procedimentos

Leia mais

Tese apresentada para obtenção do grau de Mestre em Engenharia Civil pela Universidade da Beira Interior, sobre a orientação de:

Tese apresentada para obtenção do grau de Mestre em Engenharia Civil pela Universidade da Beira Interior, sobre a orientação de: Tese apresentada para obtenção do grau de Mestre em Engenharia Civil pela Universidade da Beira Interior, sobre a orientação de: Prof. Doutor. João Carlos Gonçalves Lanzinha Prof. Auxiliar do Departamento

Leia mais

O papel das Renováveis no contexto NZEB

O papel das Renováveis no contexto NZEB O papel das Renováveis no contexto NZEB António Joyce LNEG Laboratório Nacional de Energia e Geologia Estrada do Paço do Lumiar, 1649-038 Lisboa, PORTUGAL Edifício Solar XXI Antonio.Joyce@lneg.pt 1 Até

Leia mais

O CO TRIBUTO POTE CIAL DOS ESPAÇOS VERDES PARA A ADAPTAÇÃO ÀS ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS AS CIDADES. O EXEMPLO DE DOIS JARDI S DE LISBOA.

O CO TRIBUTO POTE CIAL DOS ESPAÇOS VERDES PARA A ADAPTAÇÃO ÀS ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS AS CIDADES. O EXEMPLO DE DOIS JARDI S DE LISBOA. O CO TRIBUTO POTE CIAL DOS ESPAÇOS VERDES PARA A ADAPTAÇÃO ÀS ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS AS CIDADES. O EXEMPLO DE DOIS JARDI S DE LISBOA. Sandra Oliveira (1)*, Henrique Andrade (1), Maria João Alcoforado (1),

Leia mais

CORRELAÇÃO ENTRE DADOS DE VENTO GERADOS NO PROJETO REANALYSIS DO NCEP/NCAR E OBSERVADOS EM REGIÕES DO ESTADO DO CEARÁ.

CORRELAÇÃO ENTRE DADOS DE VENTO GERADOS NO PROJETO REANALYSIS DO NCEP/NCAR E OBSERVADOS EM REGIÕES DO ESTADO DO CEARÁ. CORRELAÇÃO ENTRE DADOS DE VENTO GERADOS NO PROJETO REANALYSIS DO NCEP/NCAR E OBSERVADOS EM REGIÕES DO ESTADO DO CEARÁ. Cícero Fernandes Almeida Vieira 1, Clodoaldo Campos dos Santos 1, Francisco José Lopes

Leia mais

formas de cooperação interurbana: o caso da rede de cidades do quadrilátero urbano

formas de cooperação interurbana: o caso da rede de cidades do quadrilátero urbano formas de cooperação interurbana: o caso da rede de cidades do quadrilátero urbano Fernando P. Fonseca Rui A.R Ramos Resumo: Palavras-chave Códigos JEL Abstract:. Keywords JEL Codes 37 estudos regionais

Leia mais