Medição & Verificação

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Medição & Verificação"

Transcrição

1 Roteiro de apresentação Medição & Verificação Sua Importância para a Análise de Resultados em uma Operação Conceitos Normas Aplicações Planejamento Estudos t d de Caso Conclusões David Douek, Diretor de Desenvolvimento Importância da aplicação de M&V Conceitos ECONOMIA Fonte: S Curwell et al, Green Building Challenge in the UK, Building ResearchInformation 27(4/5) 286 (1999). Fonte: International Performance Measurement and Verification Protocol, vol 1. 29: Efficiency Valuation Organization. Conceitos Normas de M&V A Medição e Verificação (M&V) deve permitir: O aumento da economia de energia A documentação de transações financeiras A facilitação do gerenciamento de facilities A gestão de orçamentos energéticos A utilização como ferramenta em certificações A utilização como ferramenta para créditos de redução de emissões IPMVP International Performance Measurement & Verification Protocol Volume I Concepts and Options for Determining Energy and Water Savings (29) Volume II Indoor Environmental Quality Issues (22) Volume III Applications ASHRAE Guideline For Measurement of Energy and Demand Savings 1

2 Normas de M&V Normas de M&V IPMVP ABNT NBR ISO 51:211 Energy Management System Opção A Isolamento Retrofit Medição de parâmetro chave Opção B Isolamento Retrofit Medição de todos os parâmetros Opção C Toda a instalação Guia M&V da Federal Energy Management Program FEMP Opção D Simulação calibrada Normas de M&V IPMVP Opção A Isolamento Retrofit Medição de Parâmetro Chave Parâmetro chave não medidos Procedimentos Medição Estimados (avaliação de engenharia, análise de dados históricos e/ou dados do fabricante) Opção B Isolamento Retrofit Medição de Todos os Procedimentos Medição a curto prazo ou contínua, para todos os parâmetros Normas de M&V IPMVP Opção C Toda a Instalação Análise de toda a instalação. Determinação de economia Procedimentos Comparação da instalação no antes e depois de aplicação das MCEs Análise do uso total de energia identificando o impacto das MCEs Normas de M&V IPMVP Associada a M&V Opção D Simulação Calibrada Uso Inicial Análise de toda a instalação. Determinação de economia Procedimentos Uso de software para criar modelo da instalação e componentes. São examinadas as MCEs individuais ou a economia total da instalação. O modelo é calibrado assegurando o consumo de energia da instalação ou os dados monitorados. M&V Realizada Uso Final Calibração dos parâmetros referentes a: operação; ocupação; padrões de uso; condições climáticas reais; entre outros. Antes de M&V Período de M&V Depois de M&V 2

3 Custo Associado a M&V Aplicação Energy Star Portfolio Manager Descritivo Custo do M& &V/ Incerteza de M&V Verificação Inicial Custo M&V Verificação Períodica Objetivo Processo Soluções Baseline Programa voluntário de ajuda a negócios e indivíduos. Fornecimento da medição e acompanhamento do uso de energia de edifícios. Acompanhar mudanças no uso de energia e água com o tempo. Acompanhar e registrar economias de custo de emissões CO 2. Commercial Building Energy Consumption Survey (CBECS) Sistema de Benchmarking para edificações comerciais. Complexidade do Processo Aplicação ISO 51:211 Contratos de Performance de Energia (CPE) Sistemas de Gestão de Energia Monitoramento Garantir que as características chave de operação sejam monitoradas, medidas e analisadas, em intervalos planejados. Avaliação da conformidade Deve se avaliar a conformidade com requisitos legais e outros requisitos relativos ao uso e ao consumo de energia. Auditoria Condução de auditorias internas, em intervalos planejados. Não conformidades e ações corretivas As não conformidades detectadas devem ser tratadas por meio de ações corretivas e preventivas. Controle de registros Devem ser estabelecidos e mantidos os registros conforme adequado para demonstrar conformidade com os requisitos. Fornecidos por Empresas de Serviços de Energia (ESE ou ESCO). As ESCO assumem os riscos das MCEs implementadas. Compensação diretamente ligada ao desempenho da medida. Os custos são pagos por meio dos fluxos financeiros associados às economias geradas. CPE Atividades Típicas CPE Financiamento s Partilhadas Auditoria Energética. Financiamento de MCEs. Comissionamento das MCEs. Implementação das MCEs Atividades Típicas de CPE Manutenção (e condução) dos novos equipamentos e/ou instalações. Treino e formação (gestão de energia e/ou O&M de novos equipamentos). M&V do desempenho das MCEs. Serviços do Projeto Garantia de Cliente Riscos de negócio ESCO Risco de Performance e Crédito Investidor 1% Financiamento s referentes aos custos com energia evitados Valor dos pagamentos à ESCO está ligado ao preço da energia ESCO assume o risco técnico/projeto e de crédito (continuidade das atividades do cliente) Pode servir a clientes sem acesso a financiamento, mas requer clientes com solidez Custos de financiamento superiores = Favorecidos apenas com payback reduzido. 3

4 CPE Financiamento CPE s Garantidas Cliente Riscos de Negócio Clima, Preços de energia, etc. Aplicar o desempenho, premissas do modelo, etc. Garantia de Calendário Fixo para Retorno ESCO Riscos de Performance Investidor Riscos de Crédito s referentes ao consumo de energia evitado Custos e Proveitos (R$) Energia O&M s = Energia O&M ESCO Pagamento Tipicamente Fixo = ESCO Pagamento Energia O&M s Energia O&M Valor da energia poupada paga o crédito assumido ESCO assume risco técnico/projeto Antes CPE Durante CPE/M&V Após CPE Requer cliente com capacidade de obter crédito Custos financiamento menores = implementação de maior n de medidas de economia Certificação LEED NC/C&S New Construction (Novas construções)/ Core and Shell (Infraestrutura e envoltória) New Construction Core & Shell Descrição EAp1 EAp1 Fundamental Comissioning of Building Energy Systems EAp2 EAp2 Minimum Energy Performance EAp3 EAp3 Fundamental Refrigerant Management EAc1 EAc1 Optimize Energy Performance EAc2 EAc2 On Site Renewable Energy EAc3 EAc3 Enhanced Comissioning EAc4 EAc4 EnhancedRefrigerant Management EAc5 EAc5.1 Measurement and Verification EAc5.2 Measurementand Verification Tenant Submetering EAc6 EAc6 Green Power EApc3 Medical and process equipment EApc8 EApc8 Demand Response Certificação LEED NC/C&S Crédito Descritivo NC EAc5 Measurement and Verification Fornecer uma análise contínua do consumo de energia do edifício. Crédito Descritivo C&S EAc5.1 Measurement and Verification Base Building Fornecer uma análise contínua do consumo de energia do edifício. Crédito Descritivo C&S EAc5.2 Measurement and Verification Tenant Submetering Fornecer uma análise contínua do consumo de eletricidade. Certificação LEED NC/C&S Certificação LEED NC/C&S Objetivo Créditos Opção 1 Desenvolver e implementar um plano consistente com a opção D do IPMVP 3 Opção 2 Desenvolver e implementar um plano consistente com a opção B do IPMVP 3 Opção 3 Aplicação do Energy Star Portfolio Manager 1 Fase Desenvolvimento de Projeto Fase de Construção Pós construção Atividades de M&V Desenvolver um modelo energético do projeto Especificar quantidade e tipo de medidores Verificar controles; o proprietário define as tendências necessárias Iniciar registro de dados Recalibrar modelo energético Relatar as economias de energia 4

5 Certificação LEED EBOM Certificação LEED EBOM Existing Buildings: operation and maintenance (Edificações Existentes: operação e manutenção) Crédito Descrição EAp1 Energy Efficient Best Management Practices EAp2 Minimum Energy Efficiency Performance EAp3 Fundamental Refrigerant Management EAc1 Optimize Energy Performance EAc2.1 Ei ExistingBuildingComissioning i ildi i i i Investigation i and Analysis EAc2.2 Existing Building Comissioning Implementation EAc2.3 Exisiting Building Comissioning Ongoing Comissioning Eac3.1 Performance Measurement Building Automation System EAc3.2 Performance Measurement System Level Metering EAc4 On site and Off Site RenewableEnergy EAc5 EnhancedRefrigerant Management EAp6 Emissions Reduction Reporting Crédito EAc3.1 Descritivo Performance Measurement Building Automation System Instalação I t l ã e manutenção de um sistema it para controle dos sistemas it chave do edifício. i Possuir uma equipe que assegure o adequado funcionamento do sistema. Certificação LEED EBOM Planejamento de M&V Crédito EAc3.2 Descritivo Performance Measurement System Level Metering Especificação de medidores Identificar como os sistemas do edifício estão consumindo energia. Desenvolver um plano de monitoramento para avaliar o comportamento das cargas mais significativas do edifício. Identificar alterações no consumo e oportunidades de melhoria na economia. Inspeção no local. Isolação de Medidas de Conservação de Energia (MCEs) Simulação calibrada Análise dos dados Planejamento de M&V Especificação de Medidores Consumo Total da Instalação Planejamento de M&V Material Tipo de Medidores Permanentes Consumo de Grandes Potências Consumos por Uso Final Medidor de Eletricidade Consumo por Linhas/Produção Conta de Eletricidade In AES Eletropaulo Medidor de Água 5

6 Planejamento de M&V Material Tipo de Medidores Pontuais Planejamento de M&V Material Simulação Calibrada Analisador de Dados Multímetro Design Builder Planejamento de M&V Isolamento das MCEs Planejamento de M&V Simulação Calibrada Os edifícios são sistemas energéticos que escondem uma multiplicidade de medidas de redução de consumo energético. Aproximação ao Total da Instalação Modelo Baseline (ASHRAE 9.1) Aplicar ajustes Ajustes ao Baseline Calibragem Baseline calibrado (ASHRAE 9.1) Minimização dos ganhos solares Ventiladores Substituição de iluminação, sistemas de controle e LEDs Sistemas de Gestão do Edifício Controle dos Dampers projetada Simulação calibrada realizada Controle de Temperatura da Zona Redução de Tensão Modelo de Projeto (parâmetros de projeto) Aplicar ajustes Modelo as built (condições reais de funcionamento) Calibragem As built calibrado (medições de funcionamento do edifício) Melhoria/substituição do chiller Gestão de Cargas Fonte: European Association of Energy Services Companies Controlo da VSD do motor Gestão no local do Melhoria da caldeira e Recurso Técnico Motores de Alta controles. CHP Eficiência Planejamento de M&V Simulação Calibrada Estudos de Caso 16 Escritório (pavimento tipo) Edifício de Escritórios C&S Edifício de Escritórios EBOM Consumo Simulado (kwh) Consumo Medido (kwh) Indústria EBOM 6

7 Edifícios existentes: Escritório (pavimento tipo) Edifício de Escritórios C&S Medições de Energia Medidores Propostos para o locatário EAc5.2 Medidores Propostos para o base building EAc5.1 Edifício de Escritórios C&S Fábrica EBOM Caso base jan fev mar abr mai jun jul ago set out nov dez Linha A Linha B Linha C Linha D Linha E Caso base Modelo Proposto Equipamentos Escritório 8, 7, 6, 5, 4, 3, 2, 1,, jan/aa fev/aa mar/aa abr/aa mai/aa jun/aa jul/aa ago/aa set/aa out/aa nov/aa dez/aa Eletricidade Gás (GLP) Diesel Indústria EBOM Indústria EBOM Vazamento térmico Falha na vedação de porta Temperaturas de operação Excesso de ruídos e vibração 7

8 16 12,8 9,6 6,4 3,2 4/2 5/2 6/2 7/2 8/2 9/2 1/2 11/2 19/4/213 Edifício de Escritórios EBOM Edifício de Escritórios EBOM Cálculo de população Comparação de consumo e ocupação Variação de consumo x ocupação 9 9 Total ( kw) Consumo men nsal (kwh) População média (FTE pessoas) Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Consumo total (kwh) População média Edifício de Escritórios EBOM Conclusões Levantamento de dados Cálculos de carga Edifício CasoBase Datacenter Projetores 3% % Elevador % Cozinha 9% Escritório 11% Resfriamento 4% Iluminação 24% Torres 6% Ventilação 7% Consumo com medidas de conservação de energia 2% Projetores % Resfriamento Datacenter 3% 3% Cozinha 9% Elevador Ventilação % Torres Escritório 6% 6% 6% Iluminação 2% A Medição & Verificação permite a coleta de dados de consumo de forma a permitir a correta interpretação do perfil de consumo do edifício. As análises feitas servem como ferramenta de tomada de decisão no que tange ao aumento da eficiência dos sistemas, correções na operação e inserção de melhorias no edifício O M&V também permite o dimensionamento do tempo de retorno de eventuais investimentos nos edifícios A aplicação como ferramenta de certificação de edifícios garante também ao usuário a disponibilidade de uma adequada ferramenta de gestão Obrigado! David Douek, LEED AP Diretor de Desenvolvimento 8

O Processo de Comissionamento. Certificação LEED. Leonilton Tomaz Cleto - Yawatz Engenharia Porto Alegre RS 10/11/2010

O Processo de Comissionamento. Certificação LEED. Leonilton Tomaz Cleto - Yawatz Engenharia Porto Alegre RS 10/11/2010 O Processo de Comissionamento dentro do Programa de Certificação LEED Leonilton Tomaz Cleto - Yawatz Engenharia Porto Alegre RS 10/11/2010 O Conceito de Sustentabilidade O conceito de sustentabilidade

Leia mais

Oportunidades de eficiência energética na indústria. 31 de Maio de 2011, Porto. Cláudio Monteiro FEUP / Smartwatt cdm@fe.up.pt

Oportunidades de eficiência energética na indústria. 31 de Maio de 2011, Porto. Cláudio Monteiro FEUP / Smartwatt cdm@fe.up.pt Oportunidades de eficiência energética na indústria 31 de Maio de 2011, Porto Cláudio Monteiro FEUP / Smartwatt cdm@fe.up.pt A eficiência energética é um recurso Como avaliar esse recurso? A eficiência

Leia mais

Benchmarking e Etiquetagem energética em-uso. Professor Roberto Lamberts Edward Borgstein 16/5/2013

Benchmarking e Etiquetagem energética em-uso. Professor Roberto Lamberts Edward Borgstein 16/5/2013 Benchmarking e Etiquetagem energética em-uso Professor Roberto Lamberts Edward Borgstein 16/5/2013 APRESENTAÇÃO Consumo energético 120.000 Consumo de energia elétrica nos setores comercial e público no

Leia mais

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NO SETOR DA CONSTRUÇÃO CIVIL ATRAVÉS DA CERTIFICAÇÃO Leticia Neves

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NO SETOR DA CONSTRUÇÃO CIVIL ATRAVÉS DA CERTIFICAÇÃO Leticia Neves EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NO SETOR DA CONSTRUÇÃO CIVIL ATRAVÉS DA CERTIFICAÇÃO Leticia Neves CTE CONSULTORIA EM GREEN BUILDING DOS 203 EMPREENDIMENTOS CERTIFICADOS LEED, O CTE PRESTOU CONSULTORIA PARA 95

Leia mais

CTE EQUIPE DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DE PONTA. empreendimentos já certificados LEED NC e CS

CTE EQUIPE DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DE PONTA. empreendimentos já certificados LEED NC e CS CTE EQUIPE DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DE PONTA ü Mais de empreendimentos já certificados LEED NC e CS ü Todos com simulação termo-energética realizada por equipe especializada interna ü Atualmente temos

Leia mais

Comissionamento em Sistemas de Ar Condicionado

Comissionamento em Sistemas de Ar Condicionado Comissionamento em Sistemas de Ar Condicionado Oficina Sistema de Condicionamento de Ar de Alta Eficiência Leonilton Tomaz Cleto - São Paulo 09/06/2010 Comissionamento em Sistemas de AVAC É um Processo

Leia mais

Comissionamento de Infraestrutura. Mauro Faccioni Filho, Dr.Engº.

Comissionamento de Infraestrutura. Mauro Faccioni Filho, Dr.Engº. Comissionamento de Infraestrutura Mauro Faccioni Filho, Dr.Engº. Resumo: O comissionamento é basicamente a confirmação de um processo ou processos. No entanto, há uma falta de conhecimento de como ele

Leia mais

Desenvolvimento de benchmarks nacionais de consumo energético de edificações em operação

Desenvolvimento de benchmarks nacionais de consumo energético de edificações em operação Comunicação Técnica Desenvolvimento de benchmarks nacionais de consumo energético de edificações em operação Edward Borgstein e Roberto Lamberts CT Energia Versão 1 1/15 Ficha Técnica O documento foi desenvolvido

Leia mais

SBCS 08 I Simpósio Brasileiro de Construção Sustentável O PROFISSIONAL DE FACILITIES E A GESTÃO AMBIENTAL DE EDIFÍCIOS EM USO.

SBCS 08 I Simpósio Brasileiro de Construção Sustentável O PROFISSIONAL DE FACILITIES E A GESTÃO AMBIENTAL DE EDIFÍCIOS EM USO. SBCS 08 I Simpósio Brasileiro de Construção Sustentável O PROFISSIONAL DE FACILITIES E A GESTÃO AMBIENTAL DE EDIFÍCIOS EM USO Amilcar João Gay Filho Associação Brasileira de Facilities Fórum de Conhecimento

Leia mais

Corinthia Hotel Lisbon. Hotel Energeticamente Eficiente

Corinthia Hotel Lisbon. Hotel Energeticamente Eficiente Corinthia Hotel Lisbon Hotel Energeticamente Eficiente O CORINTHIA HOTEL LISBON O Maior 5 estrelas em Portugal 27 pisos Área total aproximada de 50 000 m 2 518 quartos no total: 360 quartos superiores

Leia mais

Fachadas Bioclimáticas

Fachadas Bioclimáticas Fachadas Bioclimáticas Automatização para maior conforto ambiental e economia de energia Edifício tradicional da rede combate as cargas para garantir o conforto! Natural da rede Interna Cargas Consequências

Leia mais

O Consumo de Energia está a aumentar

O Consumo de Energia está a aumentar Schneider Electric -Eficiência Energética HAG 04/2010 1 Luis Hagatong Energy Efficiency Manager Schneider Electric Portugal 3 as Jornadas Electrotécnicas Máquinas e instalações eléctricas ISEP 29 e 30

Leia mais

AMBIENTE EFICIENTE Consultoria

AMBIENTE EFICIENTE Consultoria AMBIENTE EFICIENTE Consultoria ESCOPO DOS SERVIÇOS CERTIFICAÇÃO LEED A certificação LEED pode ser aplicada no Brasil em oito tipologias: Novas Construções (New Construction) Edifícios Existentes Operação

Leia mais

Módulo de Formação IV.

Módulo de Formação IV. Módulo de Formação IV. Processo do CDE M&V Projecto Transparense VISÃO GLOBAL SOBRE OS MÓDULOS DE FORMAÇÃO I. CDE Noções Básicas II. Processo do CDE da Identificação do Projeto à adjudicação III. Processo

Leia mais

OS DESAFIOS DA PERFORMANCE DE EDIFICAÇÕES SUSTENTÁVEIS: PREVISTO X REALIZADO

OS DESAFIOS DA PERFORMANCE DE EDIFICAÇÕES SUSTENTÁVEIS: PREVISTO X REALIZADO OS DESAFIOS DA PERFORMANCE DE EDIFICAÇÕES SUSTENTÁVEIS: PREVISTO X REALIZADO Leticia Neves Gerente de Eficiência Energética Wagner Oliveira Coordenador de P&D SUSTENTABILIDADE NA CONSTRUÇÃO CIVIL: CERTIFICAÇÕES

Leia mais

NOTA PRÉVIA INTRODUÇÃO. O projeto Plano de Dinamização e Disseminação de Boas Práticas Eficiência Energética no Setor Empresarial.

NOTA PRÉVIA INTRODUÇÃO. O projeto Plano de Dinamização e Disseminação de Boas Práticas Eficiência Energética no Setor Empresarial. 4 5 índice nota prévia NOTA PRÉVIA INTRODUÇÃO O projeto Plano de Dinamização e Disseminação de Boas Práticas Eficiência Energética no Setor Empresarial Enquadramento A eficiência energética no contexto

Leia mais

Projetos de Cogeração e Climatização a gás natural Eficiência do sistema. Eng.º J. C. Felamingo (Union Rhac) jcf@unionrhac.com.br

Projetos de Cogeração e Climatização a gás natural Eficiência do sistema. Eng.º J. C. Felamingo (Union Rhac) jcf@unionrhac.com.br Projetos de Cogeração e Climatização a gás natural Eficiência do sistema Eng.º J. C. Felamingo (Union Rhac) jcf@unionrhac.com.br Cogeração: Definição Cogeração é a produção simultânea de energia elétrica

Leia mais

AVALIAÇÃO ENERGÉTICA VISANDO CERTIFICAÇÃO DE PRÉDIO VERDE

AVALIAÇÃO ENERGÉTICA VISANDO CERTIFICAÇÃO DE PRÉDIO VERDE AVALIAÇÃO ENERGÉTICA VISANDO CERTIFICAÇÃO DE PRÉDIO VERDE Maria Fernanda Martinez (1); Marta Baltar Alves (2); Paulo Otto Beyer (3) (1) Programa de Pós-Graduação em Engenharia Mecânica - Universidade Federal

Leia mais

Processos de medição das grandezas elétricas e térmicas em prédios comerciais e públicos

Processos de medição das grandezas elétricas e térmicas em prédios comerciais e públicos Processos de medição das grandezas elétricas e térmicas em prédios comerciais e públicos 1.0 Apresentação Este Relatório Preliminar apresenta uma sugestão de processos de medição dos resultados da aplicação

Leia mais

ASPECTOS AMBIENTAIS DE EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS Fundação Getúlio Vargas (FGV) MBA em Gestão de Negócios Imobiliários e da Construção Civil

ASPECTOS AMBIENTAIS DE EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS Fundação Getúlio Vargas (FGV) MBA em Gestão de Negócios Imobiliários e da Construção Civil ASPECTOS AMBIENTAIS DE EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS Fundação Getúlio Vargas (FGV) MBA em Gestão de Negócios Imobiliários e da Construção Civil Autor: Abdala Carim Nabut Neto, MSc. Modelo de Prova (1) Por

Leia mais

Cogeração. Rochaverá Corporate Towers. 10Julho2012

Cogeração. Rochaverá Corporate Towers. 10Julho2012 Cogeração Rochaverá Corporate Towers 10Julho2012 AGENDA A Ecogen: Modelo de Negócio; Principais Aplicações; Clientes; Por quê Ecogen?. Soluções energéticas para Edifícios e Shoppings; Case de Sucesso:

Leia mais

EDISON DOMINGUES JR. RAYMOND KHOE LUIZ ROBERTO SOARES

EDISON DOMINGUES JR. RAYMOND KHOE LUIZ ROBERTO SOARES PROJETOS DE HOSPITAIS SUSTENTÁVEIS EDISON DOMINGUES JR. RAYMOND KHOE LUIZ ROBERTO SOARES É importante destacar os benefícios de um edifício sustentável. Os green buildings podem ser definidos pelas seguintes

Leia mais

A CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA EM PORTUGAL - ANÁLISE DA SUA APLICAÇÃO A UM EDIFÍCIO DE SERVIÇOS

A CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA EM PORTUGAL - ANÁLISE DA SUA APLICAÇÃO A UM EDIFÍCIO DE SERVIÇOS A CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA EM PORTUGAL - ANÁLISE DA SUA APLICAÇÃO A UM EDIFÍCIO DE SERVIÇOS Panorama Energético Segundo o Portal Europeu de Energia em 2009: Ou seja, o sector dos edifícios foi responsável

Leia mais

- ENGº MECÂNICO GEORGE RAULINO

- ENGº MECÂNICO GEORGE RAULINO ABRAVA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE REFRIGERAÇÃO, AR CONDICIONADO, VENTILAÇÃO E AQUECIMENTO - APRESENTAÇÃO DA ABRAVA - APRESENTAÇÃO DE CASE - ENGº MECÂNICO GEORGE RAULINO - ENGENHARIA DE SISTEMAS TÉRMICOS

Leia mais

Projeto Energia Verde

Projeto Energia Verde Projeto Energia Verde Ana Christina R. Mascarenhas e Leandro C. da Silva Resumo O Projeto Energia Verde foi criado para os consumidores das distribuidoras do Grupo Neoenergia: Companhia de Eletricidade

Leia mais

GERAÇÃO DISTRIBUÍDA E COGERAÇÃO COM GÁS NATURAL: BARREIRAS TECNOLÓGICAS E INSTITUCIONAIS

GERAÇÃO DISTRIBUÍDA E COGERAÇÃO COM GÁS NATURAL: BARREIRAS TECNOLÓGICAS E INSTITUCIONAIS GERAÇÃO DISTRIBUÍDA E COGERAÇÃO COM GÁS NATURAL: BARREIRAS TECNOLÓGICAS E INSTITUCIONAIS AGENDA O Projeto P124 Geração Distribuída (GD) Estudo de caso: Porto de Santos AGENDA O Projeto P124 Geração Distribuída

Leia mais

Selo LEED de Construção Sustentável

Selo LEED de Construção Sustentável Página: 1/7 Elaborado por: Rita Toscano Verificado por: Karen Carolina Martins Aprovado por: Plínio Pereira Data Aprovação: 19/08/2014 A Empresa abaixo identificada declara conhecer perfeitamente este

Leia mais

VERO: VIRIDIS ENERGY RESOURCE OPTIMIZATION

VERO: VIRIDIS ENERGY RESOURCE OPTIMIZATION VERO: VIRIDIS ENERGY RESOURCE OPTIMIZATION 2 MELHORE A EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DE SUA EMPRESA COM O VERO GERENCIE SEUS GRIDS E MEDIDORES Faça leituras automáticas, aferições e monitoramento de medidores.

Leia mais

Benchmarking e Etiquetagem energética em-uso. [Roberto Lamberts] [31/10/2013]

Benchmarking e Etiquetagem energética em-uso. [Roberto Lamberts] [31/10/2013] Benchmarking e Etiquetagem energética em-uso [Roberto Lamberts] [31/10/2013] Equipe e parceiros - Lançamento da inciativa - Parceria Equipes técnicas: Energia elétrica e CO₂ no Brasil Fonte: BEN 2012 Etiquetagem

Leia mais

Oportunidades em Eficiência Energética. Eng. José Luiz Baroni HEC Automação Ltda.

Oportunidades em Eficiência Energética. Eng. José Luiz Baroni HEC Automação Ltda. Oportunidades em Eficiência Energética Eng. José Luiz Baroni HEC Automação Ltda. Definição A eficiência energética consiste em obter o melhor desempenho na produção de um serviço com o menor gasto de energia.

Leia mais

São Carlos Empreendimentos conquista primeiro LEED Silver do Brasil no conceito Multiple Buildings

São Carlos Empreendimentos conquista primeiro LEED Silver do Brasil no conceito Multiple Buildings São Carlos Empreendimentos conquista primeiro LEED Silver do Brasil no conceito Multiple Buildings Os edifícios Padauiri e Demini, em Alphaville, foram os prédios que conquistaram a certificação verde

Leia mais

Palmela, 31 Outubro 2012. Schneider Electric - Eficiência Energética HAG 01/2010 1

Palmela, 31 Outubro 2012. Schneider Electric - Eficiência Energética HAG 01/2010 1 Palmela, 31 Outubro 2012 Schneider Electric - Eficiência Energética HAG 01/2010 1 O Consumo de Energia está a aumentar Schneider Electric - Eficiência Energética HAG 01/2010 2 mais rápido do que novas

Leia mais

Economia de Energia. Na Modernização de elevadores

Economia de Energia. Na Modernização de elevadores Economia de Energia Na Modernização de elevadores Importância do Elevador O elevador é o equipamento mais importante do edifício. Moradores de prédios passam em média meia hora por semana dentro do elevador.

Leia mais

Auditorias Energéticas aos Edifícios de Serviços. João Francisco Fernandes ESTSetúbal/IPS

Auditorias Energéticas aos Edifícios de Serviços. João Francisco Fernandes ESTSetúbal/IPS Auditorias Energéticas aos Edifícios de Serviços João Francisco Fernandes ESTSetúbal/IPS Auditorias e SCE Auditorias durante o funcionamento >> emissão dos certificados energético e da QAI. Primeira Auditoria

Leia mais

GRUPO SAGE Análise de projetos utilizando o software RETScreen

GRUPO SAGE Análise de projetos utilizando o software RETScreen Análise de projetos utilizando o software RETScreen Apresentação Grupo SAGE Serviço de Apoio à Gestão Empresarial Fundação: Maio de 1997 Sede: Rio de Janeiro Filiais: Brasília e Quito/Equador Mercado:

Leia mais

Medição & Verificação

Medição & Verificação Medição & Verificação Base para o desenvolvimento do mercado de ESCOs Alan Poole Péricles Pinheiro Filho O Que Vamos Falar Importância da M&V em um contrato de performance Benefícios de uma M&V executado

Leia mais

Oportunidades em Eficiência Energética

Oportunidades em Eficiência Energética Oportunidades em Eficiência Energética Eng. José Luiz Baroni HEC Automação Ltda. Definição A eficiência energética consiste em obter o melhor desempenho na produção de um serviço com o menor gasto de energia.

Leia mais

21/03/2012. Arquitetura e Urbanismo Tópicos Especiais em Preservação Ambiental

21/03/2012. Arquitetura e Urbanismo Tópicos Especiais em Preservação Ambiental Arquitetura e Urbanismo Tópicos Especiais em Preservação Ambiental Prof. João Paulo O LEED (Leadership in Energy and Environmental Design) é um sistema de certificação e orientação ambiental de edificações.

Leia mais

Automação para desempenho ambiental e desenho universal

Automação para desempenho ambiental e desenho universal Automação para desempenho ambiental e desenho universal 58 pontos providos por sistemas de e equipamentos periféricos Eng. Gabriel Peixoto G. U. e Silva Selos verdes AQUA (selo francês HQE) Alta Qualidade

Leia mais

Pressupostos e pré-requisitos das certificações

Pressupostos e pré-requisitos das certificações certificação Pressupostos e pré-requisitos das certificações Divulgação MAR/Humberto Teski Relação do ar condicionado com a gestão de energia e água LEED NC Silver: MAR - Museu do Rio de Janeiro (RJ) O

Leia mais

As Auditorias Energéticas e a Gestão da Energia como fator de competitividade

As Auditorias Energéticas e a Gestão da Energia como fator de competitividade As Auditorias Energéticas e a Gestão da Energia como fator de competitividade Artur Serrano CTCV Sistemas de Energia 1 ÍNDICE DOS ASSUNTOS Sistemas de Energia do CTCV - Actividades Objectivos das Auditorias

Leia mais

MERCOFRIO 2006 - V CONGRESSO DE AR CONDICIONADO, REFRIGERAÇÃO, AQUECIMENTO E VENTILAÇÃO DO MERCOSUL

MERCOFRIO 2006 - V CONGRESSO DE AR CONDICIONADO, REFRIGERAÇÃO, AQUECIMENTO E VENTILAÇÃO DO MERCOSUL MERCOFRIO 2006 - V CONGRESSO DE AR CONDICIONADO, REFRIGERAÇÃO, AQUECIMENTO E VENTILAÇÃO DO MERCOSUL ANÁLISE COMPARATIVA DA EFICIÊNCIA DE SISTEMAS DE CONDICIONAMENTO DE AR ATRAVÉS DE SIMULAÇÃO COMPUTACIONAL.

Leia mais

PROJETO BRA12G77 - PNUD / MMA PROJETO DEMONSTRATIVO PARA O GERENCIAMENTO INTEGRADO DO SETOR DE CHILLERS

PROJETO BRA12G77 - PNUD / MMA PROJETO DEMONSTRATIVO PARA O GERENCIAMENTO INTEGRADO DO SETOR DE CHILLERS PROJETO BRA12G77 - PNUD / MMA PROJETO DEMONSTRATIVO PARA O GERENCIAMENTO INTEGRADO DO SETOR DE CHILLERS MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE PARA PROCESSO DE RETROCOMISSIONAMENTO EM EDIFÍCIOS LOCALIZADOS EM SÃO PAULO

Leia mais

FACHADAS DE VIDRO NO BRASIL: UM ESTUDO COMPARATIVO DE VIABILIDADE ECONÔMICA

FACHADAS DE VIDRO NO BRASIL: UM ESTUDO COMPARATIVO DE VIABILIDADE ECONÔMICA FACHADAS DE VIDRO NO BRASIL: UM ESTUDO COMPARATIVO DE VIABILIDADE ECONÔMICA BESEN, Priscila (1); WESTPHAL, Fernando S. (2) (1) UFSC, e-mail: pribesen@gmail.com (2) UFSC, e-mail: fswfernando@gmail.com RESUMO

Leia mais

DATA DIA DIAS DO FRAÇÃO DATA DATA HORA DA INÍCIO DO ANO JULIANA SIDERAL T.U. SEMANA DO ANO TRÓPICO 2450000+ 2460000+

DATA DIA DIAS DO FRAÇÃO DATA DATA HORA DA INÍCIO DO ANO JULIANA SIDERAL T.U. SEMANA DO ANO TRÓPICO 2450000+ 2460000+ CALENDÁRIO, 2015 7 A JAN. 0 QUARTA -1-0.0018 7022.5 3750.3 1 QUINTA 0 +0.0009 7023.5 3751.3 2 SEXTA 1 +0.0037 7024.5 3752.3 3 SÁBADO 2 +0.0064 7025.5 3753.3 4 DOMINGO 3 +0.0091 7026.5 3754.3 5 SEGUNDA

Leia mais

Catálogo de Serviços

Catálogo de Serviços Catálogo de Serviços Estudos Elétricos 4 Projetos Elétricos 5 Engenharia de Campo 6 Treinamentos Técnicos 8 Apresentação da Empresa A SISPOT Engenharia e Consultoria nasceu do desejo de tornar-se referência

Leia mais

YORK Modelo YVWA Velocidade Variável, Unidade com compressores parafusos resfriados a água 200 a 300 Tons

YORK Modelo YVWA Velocidade Variável, Unidade com compressores parafusos resfriados a água 200 a 300 Tons Unidade com Infinitas Configurações para ajudar na sua melhor escolha YORK Modelo YVWA Velocidade Variável, Unidade com compressores parafusos resfriados a água 200 a 300 Tons YVWA YORK Unidades Compressores

Leia mais

12º Congresso Brasileiro de Eficiência Energética

12º Congresso Brasileiro de Eficiência Energética 12º Congresso Brasileiro de Eficiência Energética Palestra Comgás Eficiência Energética em Sistemas de Ar Condicionado Híbrido Ricardo Augusto Michelin Comgás A maior distribuidora de gás natural canalizado

Leia mais

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE Simpl Acum Simpl Acum jul/10 a jun/11 jul/11 12 13 (%) (%) (%) (%) 1.72.380,00 0,00 0,00 0,00 361.00,00 22,96 22,96 1/11 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE ago/11 Simpl Acum Simpl Acum Simpl

Leia mais

Eficiência Energética. Monitorização e Análise do Consumo Energético de Edifícios

Eficiência Energética. Monitorização e Análise do Consumo Energético de Edifícios j Infrastructures & Cites Building Efficiency Monitoring Eficiência Energética Monitorização e Análise do Consumo Energético de Edifícios Monitorização e Controlo de Energia de forma simples e eficaz.

Leia mais

LOGO EMPRESA LOGO EMPRESA

LOGO EMPRESA LOGO EMPRESA Agenda Introdução 1 Comissionamento 2 Tendências e Desafios 3 4 Perguntas Introdução Professor convidado de Pós-graduação da Escola Politécnica da USP Automação Predial, 2004 e Eficiência Energética em

Leia mais

MERCOFRIO 2014-9º CONGRESSO INTERNACIONAL DE AR CONDICIONADO, REFRIGERAÇÃO, AQUECIMENTO E VENTILAÇÃO

MERCOFRIO 2014-9º CONGRESSO INTERNACIONAL DE AR CONDICIONADO, REFRIGERAÇÃO, AQUECIMENTO E VENTILAÇÃO MERCOFRIO 2014-9º CONGRESSO INTERNACIONAL DE AR CONDICIONADO, REFRIGERAÇÃO, AQUECIMENTO E VENTILAÇÃO ESTUDO ENERGÉTICO E ECONÔMICO DA IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA COM COGERAÇÃO EM UM HOTEL LOCALIZADO EM PORTO

Leia mais

Fábricas com eficientes sistemas de energia

Fábricas com eficientes sistemas de energia Fábricas com eficientes sistemas de energia Fábricas de hoje... A globalização e a concorrência entre as empresas estão causando revoluções no desenvolvimento de produtos, reduzindo cada vez mais o

Leia mais

Estudo Comparativo Implementação de IMOP

Estudo Comparativo Implementação de IMOP SIMULAÇÃO ENERGETICA ANUAL Estudo Comparativo Implementação de IMOP Elaborado por Pedro Mimoso Março, 2012 Jan Fev Mar Abr Maio Jun Jul Agos Set Out Nov Dez SIMULAÇÃO ENERGETICA Para a elaboração desta

Leia mais

2 BR APART. Área Bruta / Total Area: 100.49m2 Estacionamento / Parking Arrecadação / Storage Room

2 BR APART. Área Bruta / Total Area: 100.49m2 Estacionamento / Parking Arrecadação / Storage Room T2+1 Área Bruta / Total Area: 100.49m2 T2 Área Bruta / Total Area: 95,80m2 T2+1 Área Bruta / Total Area: 115,40m2 T3 3 BR Área Bruta / Total Area: 123,71m2 T3 +1 3 BR Área Bruta / Total Area: 142,26m2

Leia mais

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE Simpl Acum Simpl Acum jul/10 a jun/11 jul/11 12 13 (%) (%) (%) (%) 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 1/11 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE ago/11 Simpl Acum Simpl Acum Simpl Acum 14 set/11 15

Leia mais

Soluções Empresariais. Business Remote Monitoring Solutions

Soluções Empresariais. Business Remote Monitoring Solutions Soluções Empresariais Business Remote Monitoring Solutions «A energia é hoje um bem escasso e dispendioso. Utilizá-la com rigor, de forma eficiente e sem desperdício, é o nosso desafio todos os dias» Isa

Leia mais

Benchmarking consumo de energia em edificações

Benchmarking consumo de energia em edificações Benchmarking consumo de energia em edificações O que é Benchmarking? Benchmarking é a criação de um referencial de mercado Benchmarks definem um nível típico de consumo, permitindo a rápida comparação,

Leia mais

INDICADOR DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

INDICADOR DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA INDICADOR DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Resultados Brasil 2013 1 Copyright 2013 Johnson Controls, Inc. Indicador de Eficiência Energética 2013 DETALHAMENTO REGIONAL A pesquisa do Indicador de Eficiência Energética

Leia mais

Edward Borgstein CT Energia. www.cbcs.org.br

Edward Borgstein CT Energia. www.cbcs.org.br Potencial para eficiência energética em edificações Edward Borgstein CT Energia Modalidades de Atuação Produção de conhecimento Inovação Comitês Técnicos e Projetos Simpósio anual Eventos Cursos Palestras

Leia mais

EMPRESA DE CONSULTADORIA EM CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL. edifícios e território.

EMPRESA DE CONSULTADORIA EM CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL. edifícios e território. Auditorias energéticas em edifícios públicos Isabel Santos ECOCHOICE Abril 2010 EMPRESA DE CONSULTADORIA EM CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL EMPRESA DE CONSULTADORIA EM CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL Somos uma empresa de

Leia mais

USO DE VIDRO DUPLO E VIDRO LAMINADO NO BRASIL: AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO ENERGÉTICO E CONFORTO TÉRMICO POR MEIO DE SIMULAÇÃO COMPUTACIONAL

USO DE VIDRO DUPLO E VIDRO LAMINADO NO BRASIL: AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO ENERGÉTICO E CONFORTO TÉRMICO POR MEIO DE SIMULAÇÃO COMPUTACIONAL USO DE VIDRO DUPLO E VIDRO LAMINADO NO BRASIL: AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO ENERGÉTICO E CONFORTO TÉRMICO POR MEIO DE SIMULAÇÃO COMPUTACIONAL Priscila Besen (1) ; Fernando Simon Westphal (2) (1) Universidade

Leia mais

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS DE CURITIBA CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA RENATO HIDEO FUSANO

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS DE CURITIBA CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA RENATO HIDEO FUSANO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS DE CURITIBA CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA RENATO HIDEO FUSANO ANÁLISE DOS ÍNDICES DE MÉRITO DO SISTEMA FOTOVOLTÁICO CONECTADO À REDE DO ESCRITÓRIO VERDE

Leia mais

Aplicação de Chillers a 4 tubos em Hotéis

Aplicação de Chillers a 4 tubos em Hotéis Aplicação de Chillers a 4 tubos em Hotéis Lisboa, 27 de Outubro de 2011 - Funcionamento de chillers 4 tubos AERMEC-NRP - Especificações hidráulicas - Avaliação energética de soluções em hotéis Chillers

Leia mais

COMPANHIA DE GÁS DE SÃO PAULO. Ar Condicionado e Cogeração a Gás Natural. Alexandre Breda Gerente de Climatização e Cogeração abreda@comgas.com.

COMPANHIA DE GÁS DE SÃO PAULO. Ar Condicionado e Cogeração a Gás Natural. Alexandre Breda Gerente de Climatização e Cogeração abreda@comgas.com. COMPANHIA DE GÁS DE SÃO PAULO Ar Condicionado e Cogeração a Gás Natural Alexandre Breda Gerente de Climatização e Cogeração abreda@comgas.com.br - Outubro 2009-1 1 AGENDA 1. Up to Date Ar Condicionado

Leia mais

Garantia da Qualidade de Software

Garantia da Qualidade de Software Especialização em Gerência de Projetos de Software Garantia da Qualidade de Software Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br Qualidade de Software 2009 Instituto de Ciências Exatas e Naturais

Leia mais

Sustentabilidade e conforto ambiental em edificações

Sustentabilidade e conforto ambiental em edificações Sustentabilidade e conforto ambiental em edificações Atualmente, a maior parte da população humana vive em centros urbanos e passa período de tempo significativo no interior de edificações, trabalhando,

Leia mais

Dream Energis. Sistema de Eficiência Energética A forma inteligente de medir e controlar a sua energia. Dream Code

Dream Energis. Sistema de Eficiência Energética A forma inteligente de medir e controlar a sua energia. Dream Code Dream Energis Sistema de Eficiência Energética A forma inteligente de medir e controlar a sua energia Dream Code Como podemos ajudá-lo a poupar energia? Estimativa de18% de poupança de energia todos os

Leia mais

PROGRAMA DE GESTÃO AMBIENTAL

PROGRAMA DE GESTÃO AMBIENTAL JANEIRO 2013 RESUMO EXECUTIVO A ACCENT é uma empresa especializada em soluções tradução e localização de software, publicações técnicas, conteúdo de sites e material institucional e educativo. ESTRUTURA

Leia mais

P 2: Quais os limites entre aspectos relativos ao meio ambiente e à segurança?

P 2: Quais os limites entre aspectos relativos ao meio ambiente e à segurança? INTERPRETAÇÃO NBR ISO 14001 (1996), JULHO 2001 CB-38/SC-01/GRUPO DE INTERPRETAÇÃO INTRODUÇÃO O CB-38, Comitê Brasileiro de Gestão Ambiental, da ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas, decidiu criar

Leia mais

A CHAVE PARA A EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

A CHAVE PARA A EFICIÊNCIA ENERGÉTICA A CHAVE PARA A EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Agenda Enquadramento dos consumos Energéticos nos Edifícios e no ramo Hoteleiro Enerbiz Conceito Geral e explicação funcional Conclusões e Aspetos Gerais Índice Enquadramento

Leia mais

DESEMPENHO AMBIENTAL DE EDIFÍCIOS METODOLOGIAS E TENDÊNCIAS. Porto, 29 de Abril, 2008 Dia Mundial da Energia

DESEMPENHO AMBIENTAL DE EDIFÍCIOS METODOLOGIAS E TENDÊNCIAS. Porto, 29 de Abril, 2008 Dia Mundial da Energia DESEMPENHO AMBIENTAL DE EDIFÍCIOS METODOLOGIAS E TENDÊNCIAS Porto, 29 de Abril, 2008 Dia Mundial da Energia 1 INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO 2 INTRODUÇÃO Também no parque edificado sustentabilidade é um assunto

Leia mais

THERMEC EXCELÊNCIA COMPROVADA EM ENGENHARIA TÉRMICA

THERMEC EXCELÊNCIA COMPROVADA EM ENGENHARIA TÉRMICA EXCELÊNCIA COMPROVADA EM ENGENHARIA TÉRMICA THERMEC E N G E N H A R I A SERVIÇOS Prestes a completar 35 anos, a Thermec é referência em projetos, instalações, comissionamento de ar condicionado central

Leia mais

MOTORES ELÉTRICOS 29/01/2010 CONSERVAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA. Motor Elétrico. Motor Elétrico UNIVERSIDADE DE MOGI DAS CRUZES

MOTORES ELÉTRICOS 29/01/2010 CONSERVAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA. Motor Elétrico. Motor Elétrico UNIVERSIDADE DE MOGI DAS CRUZES UNIVERSIDADE DE MOGI DAS CRUZES CONSERVAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA MOTORES ELÉTRICOS Mário Cesar G. Ramos Conversor eletromecânico baseado em princípios eletromagnéticos capaz de transformar energia elétrica

Leia mais

ENERGY EFFICIENCY INDICATOR

ENERGY EFFICIENCY INDICATOR ENERGY EFFICIENCY INDICATOR Resultados 2011 Parceiros Brasil 1 A PESQUISA ENERGY EFFICIENCY INDICATOR Em sua quinta edição, a pesquisa atingiu quase 4 mil respondentes A pesquisa global Energy Efficiency

Leia mais

XIX CONGRESSO SOCIEDADE, TERRITÓRIO E AMBIENTE A INTERVENÇÃO DO ENGENHEIRO 19 e 20 de outubro de 2012

XIX CONGRESSO SOCIEDADE, TERRITÓRIO E AMBIENTE A INTERVENÇÃO DO ENGENHEIRO 19 e 20 de outubro de 2012 XIX CONGRESSO SOCIEDADE, TERRITÓRIO E AMBIENTE A INTERVENÇÃO DO ENGENHEIRO 19 e 20 de outubro de 2012 O CONSUMO MUNDIAL DE ENERGIA CONTINUARÁ A CRESCER, MAS AS POLÍTICAS DE EFICIÊNCIA TERÃO UM FORTE IMPACTO

Leia mais

Todas as unidades são testadas na fábrica antes de serem vendidas! (Possibilidade de assistir aos testes)

Todas as unidades são testadas na fábrica antes de serem vendidas! (Possibilidade de assistir aos testes) 1 Todas as unidades são testadas na fábrica antes de serem vendidas! (Possibilidade de assistir aos testes) ISO 9001 Quality Management System ISO 14001 Environmental Management System 2 Sazonalidade das

Leia mais

ISO 9001 : 2008. De 22/10/2012 a 26/10/2012. Local: Hotel a definir Rio de Janeiro. Carga Horária: 40 horas. Horário: das 8h30min às 17h30min

ISO 9001 : 2008. De 22/10/2012 a 26/10/2012. Local: Hotel a definir Rio de Janeiro. Carga Horária: 40 horas. Horário: das 8h30min às 17h30min ISO 9001 : 2008 Modernização (Retrofit) de Sistemas de Ar Condicionado De 22/10/2012 a 26/10/2012 Local: Hotel a definir Rio de Janeiro Carga Horária: 40 horas Horário: das 8h30min às 17h30min Objetivo:

Leia mais

QUALIDADE DO AR INTERIOR

QUALIDADE DO AR INTERIOR QUALIDADE DO AR INTERIOR Opapel dos materiais 07 de Fevereiro de 2009 1 INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO 2 INTRODUÇÃO Pré-requisitos / critérios (distribuição por área temática) [%] 23 43 18 29 75% dos pré-requisitos

Leia mais

Eficiência Energética Aplicada na Indústria. Dr. Pedro Magalhães Sobrinho

Eficiência Energética Aplicada na Indústria. Dr. Pedro Magalhães Sobrinho Eficiência Energética Aplicada na Indústria Dr. Pedro Magalhães Sobrinho Eficiência 1 - Virtude de se obter um determinado efeito. 2 - Atitude, competência, eficácia em um cargo que se ocupa ou trabalho

Leia mais

QUALIDADE DE SOFTWARE

QUALIDADE DE SOFTWARE QUALIDADE DE SOFTWARE Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com Questão 1 A ISO 9000-3 é um guia para a aplicação da ISO 9001 para o desenvolvimento, fornecimento e manutenção de software. As

Leia mais

Experiencias en la implementación de la ISO 50.001

Experiencias en la implementación de la ISO 50.001 Experiencias en la implementación de la ISO 50.001 Alberto J. Fossa ONUDI / ICA/Procobre Quito Mayo 2013 Motivación y Justificativas Desafíos y Implementación Novidades e Perspectivas Motivación y Justificativas

Leia mais

GUIA SUNGUARD PARA LEED

GUIA SUNGUARD PARA LEED GANHE PONTOS LEED ESPECIFICANDO SUNGUARD build with light GUIA SUNGUARD PARA LEED Mais luz, conforto térmico e sustentabilidade Guardian Industries Corp. LEED e SunGuard A liderança em edifícios mais

Leia mais

Módulo de Formação III.

Módulo de Formação III. Módulo de Formação III. Processo do CDE do Contracto à poupança garantida Projecto Transparense VISÃO GLOBAL SOBRE OS MÓDULOS DE FORMAÇÃO I. CDE Basics II. Processo do CDE da Identificação do Projecto

Leia mais

EDIFÍCIOS INTELIGENTES X CERTIFICAÇÃO GREEN BUILDING

EDIFÍCIOS INTELIGENTES X CERTIFICAÇÃO GREEN BUILDING EDIFÍCIOS INTELIGENTES X CERTIFICAÇÃO GREEN BUILDING Dilmer Rodrigues, Sergio Perensin Centro Universitário Fundação Santo André (FSA) Av. Príncipe de Gales, 821 - Bairro Príncipe de Gales - Santo André,

Leia mais

Energy balance: A strategy to reduce losses Balanço energético: uma estratégia para redução de perdas Marcos Aurélio Madureira da Silva & Denis Maia

Energy balance: A strategy to reduce losses Balanço energético: uma estratégia para redução de perdas Marcos Aurélio Madureira da Silva & Denis Maia Energy balance: A strategy to reduce losses Balanço energético: uma estratégia para redução de perdas Marcos Aurélio Madureira da Silva & Denis Maia Balanço energético: uma estratégia para redução de perdas

Leia mais

ANEXO 4 ETIQUETAGEM DE EDIFICAÇÕES COMERCIAIS

ANEXO 4 ETIQUETAGEM DE EDIFICAÇÕES COMERCIAIS ANEXO 4 ETIQUETAGEM DE EDIFICAÇÕES COMERCIAIS Com o objetivo de melhorar a eficiência energética das edificações no país foi criada a etiquetagem de eficiência energética de edificações do INMETRO, como

Leia mais

O papel da eficiência e inovação energética nos edifícios

O papel da eficiência e inovação energética nos edifícios O papel da eficiência e inovação energética nos edifícios Apresentação no INETI 25 Junho, 2012 A energia está associada à maioria dos actuais desafios de sustentabilidade Resíduos Aquecimento global Poluição

Leia mais

PROGRAMA DE APOIO À IMPLEMENTAÇÃO DE PROJECTOS DE PRODUÇÃO DE ENERGIA E DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA. Selfenergy

PROGRAMA DE APOIO À IMPLEMENTAÇÃO DE PROJECTOS DE PRODUÇÃO DE ENERGIA E DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA. Selfenergy PROGRAMA DE APOIO À IMPLEMENTAÇÃO DE PROJECTOS DE PRODUÇÃO DE ENERGIA E DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Selfenergy PARCEIRO: SCT Consulting SOLVING CHALLENGES TOGETHER Uma empresa com energia A Vivapower é uma

Leia mais

RESOLUÇÃO N.º 336/2014

RESOLUÇÃO N.º 336/2014 MEC - UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 336/2014 EMENTA: Estabelece o currículo do Curso de Pós-graduação, nível Especialização, MBA em Desenvolvimento Gerencial

Leia mais

GESTÃO DA QUALIDADE COORDENAÇÃO DA QUALIDADE

GESTÃO DA QUALIDADE COORDENAÇÃO DA QUALIDADE GESTÃO DA COORDENAÇÃO DA Primeira 1/12 CONTROLE DE APROVAÇÃO ELABORADO REVISADO POR APROVADO Marcelo de Sousa Marcelo de Sousa Marcelo de Sousa Silvia Helena Correia Vidal Aloísio Barbosa de Carvalho Neto

Leia mais

Sistema de Gestão de Medição: importante, mas nem sempre reconhecido

Sistema de Gestão de Medição: importante, mas nem sempre reconhecido Sistema de Gestão de Medição: importante, mas nem sempre reconhecido Nasario de S.F. Duarte Jr. (São Paulo, SP) Resumo: o objetivo deste artigo é ressaltar a importância de se estabelecer um sistema de

Leia mais

FREECOOLING COMO COMPLEMENTO DE SISTEMAS DE CLIMATIZAÇÃO EM DATA CENTERS

FREECOOLING COMO COMPLEMENTO DE SISTEMAS DE CLIMATIZAÇÃO EM DATA CENTERS FREECOOLING COMO COMPLEMENTO DE SISTEMAS DE CLIMATIZAÇÃO EM DATA CENTERS Medida apoiada pelo Plano de Promoção da Eficiência no Consumo de Energia Eléctrica (PPEC) para o ano de 2008 PPEC PLANO DE PROMOÇÃO

Leia mais

Eficiência Energética e ISO 50.001 Vantagens na Gestão da Energia

Eficiência Energética e ISO 50.001 Vantagens na Gestão da Energia Eficiência Energética e ISO 50.001 Vantagens na Gestão da Energia Setembro de 2014 Clientes COELBA CELPE Neoenergia 9,9 milhões 5,4 milhões 3,3 milhões COSERN COSERN 1,2 milhões CELPE Energia Distribuida

Leia mais

NORMA NBR ISO 9001:2008

NORMA NBR ISO 9001:2008 NORMA NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema

Leia mais

OS REQUISITOS DE DESEMPENHO TÉRMICO DA NBR 15575 E A ETIQUETAGEM ENERGÉTICA DO PROCEL SOB O PONTO DE VISTA DO PROJETO DE ARQUITETURA

OS REQUISITOS DE DESEMPENHO TÉRMICO DA NBR 15575 E A ETIQUETAGEM ENERGÉTICA DO PROCEL SOB O PONTO DE VISTA DO PROJETO DE ARQUITETURA OS REQUISITOS DE DESEMPENHO TÉRMICO DA NBR 15575 E A ETIQUETAGEM ENERGÉTICA DO PROCEL SOB O PONTO DE VISTA DO PROJETO DE ARQUITETURA Prof. ENEDIR GHISI UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA Departamento

Leia mais

1.2. Estado da arte.

1.2. Estado da arte. 1. Introdução A história recente do Sistema Elétrico Brasileiro é interessante. Depois de um longo período de monopólio estatal, o setor passou por profundas mudanças legais para tentar aumentar a eficiência

Leia mais

ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA

ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA SUMÁRIO Apresentação ISO 14001 Sistema de Gestão Ambiental Nova ISO 14001 Principais alterações e mudanças na prática Estrutura de alto nível Contexto

Leia mais

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov. TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008 Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.br 11 3104-0988 Este treinamento tem por objetivo capacitar os participantes para

Leia mais

O mercado da Construção Sustentável e as oportunidades com as crises hídricas e elétricas

O mercado da Construção Sustentável e as oportunidades com as crises hídricas e elétricas O mercado da Construção Sustentável e as oportunidades com as crises hídricas e elétricas Engº. Marcos Casado Diretor Técnico Comercial Sustentech Coordenador MBA Construções Sustentáveis INBEC/UNICID

Leia mais