CATÁLOGO COSTANTINO. Versão /03/2014. ISAC S.r.l. VIA MAESTRI DEL LAVORO, CASCINA (PI) ITALY

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CATÁLOGO COSTANTINO. Versão 1.1 17/03/2014. ISAC S.r.l. VIA MAESTRI DEL LAVORO, 30 56021 CASCINA (PI) ITALY WWW.ISACSRL.IT"

Transcrição

1 CATÁLOGO COSTANTINO Versão /03/2014 ISAC S.r.l. CAPITALE SOCIALE ,00 C.F. e P.I VIA MAESTRI DEL LAVORO, CASCINA (PI) ITALY TEL FAX Posta Certificata: Azienda con sistema di qualità certificato UNI EN ISO 9001:2008

2 Versões Versão /03/2014 Atualizada as configurações do Bridge EtherCAT; adicionada a configuração para IPC ISAC; Atualizadas as tabelas no final do documento. Versão /01/2014 Primeira Edição Page 2 of 30

3 Software de Base COSTANTINO Costantino - Software de Automação Costantino é um software que implementa as funções do CNC conforme descritas a seguir. E é compatível com os softwares de aplicativos específicos de máquinas para processamento de: Mármore, Madeira, Vidro, Lamieira através de Corte Térmico e Pele. Pode ser instalado em qualquer PC e IPC, sem nenhum componente hardware específico fornecido pela ISAC, mantendo todas as funções principais do software CNC SPARTACO. Aconselha-se de escolher um PC ou IPC já testato pela ISAC. A lista dos dispositivos testados está disponível através de solicitação. As suas características o torna ideal para: Aplicações do CNC que requerem um PC para executar a interface CAM a bordo da máquina; Partner (parceiros) com o objetivo de oferecer a própria solução hardware e fornecer um produto CNC sólido e robusto. Utiliza um NIC (Network Interface Controller) para conectar-se com eventuais servo drivers, inverter e qualquer outro slave dotado de interface EtherCAT. Entre estes slaves, ISAC fornece o Bridge EtherCAT que permite conectar-se com servo motores ou inverter dotados de interfaces diversas do EtherCAT como Mechatrolink, CANopen, Impulsos Direção. O mesmo software está disponível em duas versões: uma é dedicada exclusivamente ao Hardware interfacetado no Bus EtherCAT (SWCNCCOST0), a outra versão é específica ao hardware misto, EtherCAT e outros (SWCNCCOST1). Page 3 of 30

4 Configurações Bridge EtherCAT Bridge EtherCAT Solução 1: BUS de campo EtherCAT Cod: BRDGETHC00 Bridge EtherCAT Soluzione 2: Interface Step-direction Cod: BRDGETHC01 Page 4 of 30

5 Bridge EtherCAT Solução 2A: Interface dos Eixos Analógicos Cod: BRDGETHC01A Bridge EtherCAT Solução 3: Bus de campo Mechatrolink e CANopen Cod: BRDGETHC02 Page 5 of 30

6 Bridge EtherCAT Solução 4: Eixos Mistos step-direction Cod: BRDGETHC03 Bridge EtherCAT Solução 4A: Eixos Misto Analógicos Cod: BRDGETHC03A Page 6 of 30

7 Bridge EtherCAT Solução 5: Interface dos Eixos Step-Direction light Cod: BRDGETHC05 Notas: 1. É possível conectar mais de um Bridge EtherCAT em todas as soluções ilustradas 2. Os conectores D-SUB são compatíveis por estarem interfacetado com os blocos terminais standard (ver imagem abaixo) Page 7 of 30

8 Configurações IPC ISAC Page 8 of 30

9 CONFIGURADOR Hardware e Tamanho do Eixo O software CNC administra várias tipologias de máquinas com um número diverso de eixos e I/O. São disponíveis várias tipologias de opções e tamanhos, como elecandas a seguir. Tamanho do Eixo Sigla Nome Código SW Eixo / Tamanho Eixos Totais para CNC COSTANTINO MONOCANAL Canais (1) N. eixos interpolados para CNC COSTANTINO MULTI-CANAL (através do código OPOMMCH) Canais (1) T Tiny OPTGTINY eixos 1 canal S Small OPTGSMALL eixos 2 canais M Medium OPTGMEDIUM eixos 2 canais L Large OPTGLARGE eixos 4 canais E Extra OPTGEXTRA canais Notas: (1) Cada canal pode administrar o número máximo de eixos permitidos pelo Tamanho. (2) OPTGTINY permite a gestão de no máximo 64 I/O. Os outros OPTGxxxx incluindo automaticamente a OPÇÃO interna OPIOVER000, permite administrar até 1024 I/O. Software Sistemas operativos O software Costantino é compatível com os sistemas operativos Windows XP Embedded, XP ou mais recentes. O software Costantino inclui uma extensão Real Time. A qual oferece uma interface de programação (API) similar aquela do Win32 típica dos sistemas operativos NT/2000/XP. Windows XP Embedded é compatível com tais sistemas em nível binário, a mesma aplicação pode ser executada em todos os ambientes. O sistema operativo foi expressamente concebido para as aplicações Embedded. As tecnologias suportadas são: MFC: livraria similar a MFC para aplicações desktop; ATL: livraria para o desenvolvimento de compornentes COM; COM: tecnologia Microsoft para criar componentes reutilizáveis;.net compact framework: juntamente com funções que permiterm executar os códigos interpretados (metacódigos largamente independentes da plantaforma hardware e software abaixo; Script com suporte de Automação; Web server: permite publicar informações através do prótocolo HTTP; FTP server: permite transferir files de e para as unidades em modo eficiente. Page 9 of 30

10 O Ambiente PLC COSTANTINO O PLC foi implementado através do ambiente de execução (framework) e da lei de controle realizada por um ou mais módulos. O framework se ocupa da gestão dos prótocolos de execução, das funções dos módulos PLC e da interface com outras aplicações, enquanto os módulos PLC implementam a lei de controle. Todas as operações são desenvolvidas com tempos certos de execução (gestão de tempo real). Programação da lógica PLC Os módulos PLC podem ser escritos nas linguagens conforme o standard IEC Este standard foi promovido pelo consórcio PLCopen (www.plcopen.org) do qual a ISAC é membro. No standard foram definidas as seguintes linguagens, todas suportadas pelo PAC ISAC: IL (Lista de Instruções) ST (Linguagem estruturadas, similar ao PASCAL) LD (Lógica a contatos ) FBD (Diagrama a blocos funcionais ) SFC (Tabela di sequências funcionais) Os componentes da lei de controle podem ser escritos com cada uma destas linguagens, também co-presentes no mesmo código. Para maiores detalhes, verificar o parágrafo Programação IEC61131 do Catálogo Geral. Existe também a possibilidade de desenvolver os módulos em linguagem C em um ambiente compatível com o standard IEC1131. Para maiores detalhes, verificar o parágrafo Programação C do Catálogo Geral. Interface operadora nativa A interface nativa PLC Interface (PLCI) é uma aplicação em execução no ambiente.net Framework em grau de visualizar todas as informações relativas ao PLC e os seus módulos. PLCI pode ser executada pelo PAC ou por um PC externo conectado via Etherner através da unidade de controle. Configuração I-O Através da especial interface foi descrita a configuração dos dispositivos de I-O ( os nós físicos), e as informações foram organizadas em nós lógicos, em disposição aos módulos PLC. Deste modo os módulos PLC são independentes da tecnologia dos dispositivos de I-O e da sua organização física. A atribuição dos valores globais e locais associados ocorrem com o carregamento do módulo mesmo na base da última configuração. Os sinais físicos podem ser redirecionados, duplicados ou mascarados. Caso um sinônimo de um módulo PLC for associado a um recurso não disponível o framework individualiza o erro, o sinala e desabilita o sinônimo. A lógica do módulo tem ainda a disposição a área do sinônimo, que no entanto, não é atualizada com valores reais. Área de Mémoria Os módulos PLC tem a disposição uma área de mémoria para as próprias variáveis (área volátil) compreendidas entre 128 KB e 8 Mbyte. Podem também memorizar dados em modo retentivo (32/128 Kb). A mémoria retentiva é implementada em todas as configurações do Bridge EtherCAR que resumem o software Costantino; em alternativa deve ser disponível no hardware do PC que a hospeda. Page 10 of 30

11 Interface COM COSTANTINO Todas as funções do framework são expostas por meio de uma interface COM que permite as outras aplicações de adquirir informações e de efetuar o controle. As funções expostas pelos módulos PLC (variáveis locais e globais, rotinas dos eventos, definição de estrutura etc.) são publicadas em modo que as aplicações externas possam interagir diretamente com a lógica implementada. Neste modo, como exemplo, um script está em grau de interagir e controlar o fluxo de execução das receitas de movimento dos eixos ou da lógica de controle, sem comprometer a execução em tempo real do framework. Os métodos de interação com as outras aplicações são: Envio Bi-direcional de mensagens; Acesso aos conteúdos das variáveis globais e locais; Ativação/desativação do gestor de eventos. Gestão centralizada de alarmes, sinal de atenção e mensagens de informação. As aplicações externas também estão em grau de carregar e descarregar módulos PLC. Está disponível uma livraria que permite de interagir com o PLC da aplicação para o ambiente.net Framework em grau de conectar-se a unidade PAC em execução na mesma CPU, ou ainda, com outra unidade PAC conectada em rede. As informações neste caso serão publicadas através de web service Page 11 of 30

12 Funções do CNC Costantino Gestão de Eixos Inclui todas as funções OMAX OPTMOD da gestão dos Eixos Mais de 100 eixos controlados e administrados através de controle de aceleração, velocidade, espaço e torque; Até 8 canais independentes, cada um com o máximo de 12 eixos interpolados; NURBS (Non Uniform Rational B-Spline) disponível em algumas versões do hardware; Melhor acabamento no trabalho e um menor desgaste mecânico, graças ao perfil de aceleração trapezoidal com controle de Jerk e com a modulação contínua de aceleração com uma função seio; Interpolação linear, circular e elocoidal; Cammas eletrônicas com interpolação polinominal até ao 5 grau, associáveis a cada um dos 8 canais; Movimento sobreposto aquele da interpolação; A resolução interna da posição é de 48Bit, por isto é possível controlar deslocamentos incrementais de 0,01 m na distância de origem de 1Km; OMCNC implementa as funções para o controle e a gestão dos: Eixos sincronizados ou gantry, até ao máximo de 4 masters e n slaves por processo ou por canal. A relação entre os movimentos dos eixos gantry é configurada a gosto, seja como função direta ou contrária; Posicionamento de interpolação entre os eixos com movimento telescópico (exemplo: trenó e canoa); Eixos posicionados em maneira discreta, sem servomotor; Eixos lineares e eixos módulo; Eixos com blocagem e freio; Final de percurso com verificação de todos os pontos da trajétoria linear e circular antes da partida dos movimentos; Limites de movimento para evitar colisões; Eixos auxiliaries para o processamento complementar como movimentação de paletes ou armazéns de ferramentas. O CNC Spartaco implementa a gestão das seguintes configurações: Tempo de apresentação do interpolador e do loop de regulação; tempo mínimo configurável: 0,5 ms; Parâmetros de regulação, alguns dos quais também podem ser modificados pelo software PLC e programa peça; Override de velocidade na trajetória durante o trabalho ou o deslocamento rápido; Override de rotação das ferramentas. As funções indroduzidas através do OMCNC compreendem as seguintes compensações: De irregularidades dos movimentos dos eixos através do mapeamento dos erros; a compensação pode ser a respeito da posição de cada eixo individualmente ou de uma dupla de eixos; De erros do passo da rosca; De declinação estrutural por eixo de suporte; Térmica; Page 12 of 30

13 De perca de movimento na sua inversão (jogo mecânico). Gestão do Mandril Velocidade do mandril programavél através de códigos standard S e M ; Variação da velocidade através do override; Gestão de 6 gammas de velocidade; ou {Chegada do Mandril ou o M42 {Seleção Gamma M03 S100 {Horário Variação automática da aceleração e dos parâmetros de regulação do anel de espaço em função da gamma inserida; Gestão automática por inserimento de engrenagem da gamma; Seleção automátiva da gamma em função da velocidade programada; Parada orientada pelo mandril (Gestão em Espaço); Rosqueamento com ferramenta de compensação; Rosquamento rígido. Funções do CNC Leitura sobre os blocos a ser interpolados para obter a velocidade ideal do perfil (look ahead); Look ahead até 256 blocos; A variação da velocidade, configurada com o override, é extendida também aos blocos já processados; Throughput de instruções/segundo, e de pico, em função da prestação da CPU e pela tipologia do programa ISO; Possibilidade de variar as acelerações ao vôo também em bloco por bloco; Controle da velocidade nas bordas da trajetória em função dos parâmetros de aceleração dos eixos; Seleção através da função G da velocidade máxima do perfil em alternativa a máxima pressão (G64, G66); Controle da velocidade periférica dos arcos do círculo em função da aceleração mássima consentida pelos eixos interpolantes; Função Espelho eixo por eixo; Interpretação do programa peça com sequência de execução direta e contrária; Função relação de escala programável com parâmetros diversos para cada eixo; Processamento de elementos geométricos lineares e circulares no plano rotativo em respeito as coordenadas da máquina; Movimentação em modo manual (JOG) pelos eixos de profundidade segundo a orientação do mandril; Interpolação RTCP (Rotation Tool Center Point) por processamento no espaço com o auxílio dos eixos rotativos. A função permite a programação da trajétoria na ponta da ferramenta independentemente de sua orientação; Interpolação com eixos perseguidor: o terço eixo (definido como eixo perseguidor) persegue a posição tangente a trajétoria dos primeiros dois eixos (eixos no plano); Nivelamento da trajétoria e junção automática. Page 13 of 30

14 Gestão de Ferramentas O módulo CNC Spartaco introduz funções específicas para a gestão das ferramentas. Entre aquelas inseridas sinalizamos as referentes ao controle de: Armazém porta ferramenta com ou sem postos dedicados (Lineares e Rotativos); Posto de ferramenta segundo as dimensões (Tamanhos: Pequeno, Médio, Grande); Consumo por desgaste e tempo de utilizo; Ferramentas alternativas; O módulo, também, permite aplicar numerosas correções, entre as quais as compensações de: Largura da ferramenta por máquina com ferramenta ou peça rolante; Vetorial de raio no plano de trabalho estabelecido; Raio e largura da ferramenta no espaço; Definição do largura da feramenta através de auto-aprendizagem. Base de dados para gestão de até 300 ferramentas. Funções Auxiliares Funções diversas M e H com possibilidades de definição; Gestão das prioridades de execução das funções auxiliales em respeito ao movimento dos eixos. Isto permite de escrever no mesmo bloco de programa funções de (códigos M) que devem ser ativadas antes de partir os eixos, durante o movimento dos eixos e depois de firmados. o {parada refrigeradora o M09 Programação CNC Linguagem de programação ISO 6983; O avançado editor gráfico interativo GIE permite: programar o código de usinagem em ISO com o auxílio de instruções macro (programação convencional). visualização gráfica da usinagem programada com a representação da trajetória programada e compensada. Page 14 of 30

15 Chamada do sub-programa anos/dados até 7 níveis Seleção dos planos de contorno Chanfro implícito e conexão angular. Ponto de início de usinagem com arco tangente ao perfil. Ponto de início de usinagem com ponto tangente helicoidal ao perfil. Programação sobre metal. Funções aritméticas, trigonométricas e booleanas. Funções para controle de fluxo programa. Funções para controle de interrupção e para controle de execução de programas de alta prioridade. Blocos excluíveis. Interrupção de programa com ou sem possibilidade de exclusão. Funções de sincronização entre processos. Funções de sincronização entre eventos. Funções de associação entre eixos e processos. As cotas de programa podem ser definidas: Através de coordenadas polares e cartesianas Através de valores absolutos ou incrementais Em milímetros ou polegadas As origens podem ser tanto rotacionadas como transladadas através das seguintes possibilidades: Definição de 20 puntos de origem mais 1 ponto de deslocamento absoluto e 1 incremental de salto Traslação e roto-translação de um perfil em seu plano de contorno Definição da origem da peça através auto-aprendizagem. G01 X(R101) Y(R102) R100 = ABS(-93.5) R101= COS(R102) (%V4005 & '200') Ciclos de Perfuração Ciclos de perfuração Ciclos de perfuração de alojamentos Ciclos de rosqueamento Page 15 of 30

16 Interface CAD-CAM CAD CAM é direcionado para usinagem no plano (2D e meio) para máquinas de usinagem e perfuração de metais. (Serra Pontes, furadeiras, alesadoras, etc...usinagem de canais e ranhuras, usinagem interna e externa e usinagem externa de entalhe de cilindros. Perfuração, rosqueamento compensado, rosqueamento rígido e respectivos Macro. CAD CAM direcionada para usinagem de pedras através de fio de diamante CAD CAM direcionada ao processamento de pedras através de disco de diamante Importação de perfis CAD externo em formato DXF Controle de Sequência e otimização do corte Nota: Os pacotes dos software acima citados são opcionais e estão disponíveis na versão para o CNC e PC externo (Estação de Trabalho). Oscilóscopio e Medições Análise da malha de comando através de oscilóscopio com função integrada na seção específica de medidas, para controlar A estabilidade dos anéis de regulação O tamanho do overshoot Erros de Deslocamento A precisão da interpolação Visualização do traço ou do valor numérico de todos os registros e das variáveis contidas no controle númerico Funções para arquivar e exportar resultados gráficos e dados de medição. Fácil inserção de parâmetros de calibragem do CNC e dos sevo drivers caso equipados de interface digital Modos Operativos Set Para pesquisar a posição zero de cada eixo (homing). Manual Movimentação de um eixo individualmente ou multi-eixos em modo Jog contínuo, ou por impulsos, através da manivela eletrônica. Competência do Painel de Controle da Máquina. Automático Execução automática de programa peça. Recuperação do trabalho interrompido (no ponto de interrupção da trajetória) Automática e Manual. Permite interromper o avanço da ferramenta, desatacando-a da peça em modalidade de funcionamento manual e de partir da posição relativa a interrupção reposicionando as funções auxiliares como: rotação do mandril, refrigeração, troca de ferramenta etc... Retração Permite retornar ao longo da trajetória de posicionamento de modo preciso ao ponto desejado, através de deslocamentos nos sentidos frente e verso e de repreender o Page 16 of 30

17 trabalho (Funções básicas a serem implementadas pelas aplicações específicas). Prova Verificação da coerência e da síntaxe do programa. Bloco a Bloco Execução passo a passo do programa. Na interface operadora são disponíveis os seguintes comandos: START, STOP, RESET e RELEASE. Visualização Visualização gráfica em antecipação do perfil e ao mesmo tempo do programa de usinagem. Visualização da interface na lígua desejada. Arquivos de Programas Arquivação dos programas em pastas de trabalho diversas e com todas as facilidade colocadas a disposição do Sistema operativo. Intercâmbio de Dados Carregamento e descarregamento dos programas da rede (LAN) Linha Serial RS232 administrada pelo PLC Porta USB Manutenção Registro em file de todas as paradas da máquina através da associação da dependência a partir dos alarmes encontrados Software aplicativo para a tela disgnóstica Interpolação com os eixos de deslocamento: o terço eixo(definido como eixo perseguidor) persegue a posição da tangente da trajétoria dos dois primeiros eixos (eixos no plano) Page 17 of 30

18 Processamento por Torno Veja o grupo de aplicação OPTORNIO00 Processamento através de Torno (OPTORNIO00) inclui as mais importantes funções específicas: Gestão do Mandril: Adequamento automático da velocidade de rotação do mandril em função do tipo de programção: corte em velocidade constante (metros ao minuto), em velocidade programada (rotação por minuto), ou em função da remoção das ferramentas (mílimetro de progresso por rotação), Adequamento automáico da velocidade em função da gestão pré-escolhida e pela posição do eixos X Gestão do Mandril secundário por ciclo de perfuração, Rosca. Gestão das ferramentas: Compensação vetorial do raio pelas ferramentas do torno em um dos 9 planos ou quadrantes possíveis, Gestão de duas torres. Ciclos dos Tronos Roscaa passo fixo e variável crescente/decrescente, Roca cilíndrica, cônica, frontal, Macro de rosca para executar todos os tipos de roscas standard e personalizados por um ou mais pontos de início (princípio), Macro de desbaste por perfil quadragular, Macro de desbaste com rastreamento de perfis (para perfis complexos), Macro para o processamento de golas. TORNO OPTORNIO00 Livrarias do PLC Para favorecer a escrita do PLC foram inseridos blocos de função e livrarias para implementar as funções típicas da máquina por controle numérico. Livraria e Blocos de Função de Base Os blocos de função básico permitem a gestão dos: Servo-drivers e auxiliares (ex:. freio) Posicionamento dos eixos Movimentação em modo Jog dos eixos Modalidade home dos eixos Saída do fim de percurso dos eixos Comandos da interface operadora Mandril incluindo variador de velocidade (gammas) Seletor das funções auxiliares Funções auxiliares standard (antecipada, adiada e contemporânea ao movimento dos eixos) Painéis de Controle Portatéis Livraria e Blocos de Função para a Gestão de Ferramentas Troca de ferramentas nas configurações lineares e circulares; Medida da dimenção e do gasto da ferramenta; Livraia e Blocos de Função para a reconstrução do formato 2D; Livraria e Blocos de Função para o PAC com Furos Dispersos : Gestão do script do movimento; Page 18 of 30

19 Furo não transpassado, transpassado, profundo; Alesadora; Livraria e Blocos de função para construção de amostras na nuvem dos pontos 3D por reconstrução volumétrica; Livraria e Blocos de Função para o Motion Control conforme o standard PLCopen MC Parte 1; Movimento individual absoluto ou incremental, através da mudança de objetivo ao vôo; Movimento sobreposto; Home do eixo; Movimento de grupo através de camma eletrônica; Movimento de grupo através do gear em velocidade ou em espaço, para um eixo slave ou para mais eixos slave; Mudança dos parâmetros dos eixos; Livaria e Blocos de função por Motion Control conforme o standard PLCopen MC Parte 4; Movimento do grupo linear; Movimento do grupo circular; Seleção da cinemática; Blend entre movimentos; Preenchimento dinâmico do grupo de eixos a serem movidos; Livraria e Blocos de Função para aplicações de corte ao vôo Perseguição com engate na posição Master e Slave estabelecidas; Perseguição com engate na posição Master estabelecida; Desengate com manutenção da velocidade do slave; Movimento através da instrução pelo PLC ou script de movimento; Livraria e Blocos de Função por Movimento dos eixos hidraúlicos Gestão de torneiras; Linearização da curva de velocidade; Controle por impulso constante; Controle do retorno dos movimentos em velocidade; Controle adaptativo da posição; Livraria e Blocos de Função por Serra Ponte Para as Serra Ponte foi criada a function block que permite administrar: Bloco principal para controlar as funções básicas: Controle dos eixos X,Y e Z e controle dp fim de percurso direcionado a aplicação Controle do tombador Comandos da interface operadora Comandos de override da velocidade dos eixos direcionados a aplicação Controle de ignição do laser, do aspirador, da lubrificação, etc Modalidade operativa semi-automática (para cortes manuais) Mesa (controlada ou visualizada) + inclinador (controlado ou visualizado) Cabeça mono-rotativa (com inclinador não controlado) Cabeça bi-rotativa (rotação e inclinação) Disco, ponta e relativo override Page 19 of 30

20 Torno Eixos auxiliares Corte de pedra dura ou mórbida; Processamento com disco ou com Serra; Inclinação do cabeçote com várias tipologias de mecânica; Simulação com controle de colisão mecânica e sobreposição dos cortes; Ciclos de cortes fixos ou definidos pelo usuário; Perfilamento, moldelagem, processamento de ombros; Livraria e Blocos de Funções por Corte Térmico Gestão do Maçarico Ligar/desligar Controle da altura Gestão do traço (para retornar ao corte) Gestão de mais maçaricos; Maçarico do tipo plasma, oxicorte, marcador, furador; Controle da altura do maçarico interno e externo; Comunicação através de série com a central de gás/gerador de plasma; Livraria e Blocos de Função por Corte a Laser Controle da potência do Laser. Modulação da potência pela velocidade da trajétoria; Rastering da perfuração ou ablatura do laser; Livraria e Blocos de Função por Corte em Madeira Processamento por 3, 4, ou 5 eixos; Programação através do macro paramétrico posicionado; Verificação de colisões e colocação de grampos; Visualização gráfica; Livraria e Blocos de Funções para Corte em Vidro: Gestão do cabeçote pneumático de corte com eventual alta de pressão ou controle adaptativo da pressão; Ciclo de carga e descarga com sopro e correias; Tombadores; Gestão da Chapas, otimização dos espaços, recuperação para quebradura; Cortes em linha ou interpolados; Módulos Software opcionais Em caso de programação com linguagem IEC61131, incluir o interprete de programação (OPPROCONK) Para executar o CNC Multicanal é necessário adicionar o código correspondente (OPOMMCH). Demo (Demostrações) e simulações O simulador do software Costantino é disponível na versão DEMO para o PC. Tal demo está instalado nas máquina virtuais Microsoft Windows XP, que garantem a facilidade de instalação e a máxima compatibilidade com os PC standard. O software de simulação e de desenvolvimento se chama (OPPCSIMU00): Simulador framework ISAC + Software de desenvolvimento + Multiprog Express + Livraria WebServer Page 20 of 30

21 Software Aplicativos Ao software COSTANTINO é possível adicionar os software aplicativos, conforme apresentados a seguir. Corte de Pedras Serra em Ponte Ver grupos de a aplicação propostos por.opcamfpsp1 Para maiores informações sobre a Aplicação em Pedras ver os catálogos relativos ao CNC a 4 Eixos e a 5 Eixos através a seção Download do nosso site Aqui é apresentada apenas uma descrição parcial da aplicação e das opções adicionais. A interface é um software específico criado para máquinas de corte de materiais em pedra chamada comumente de Serra Ponte. Tem como objetivo promover o uso da máquina, até mesmo aos operadores que não desejam testar a utilização da CAM e preferem programar o trabalho diretamente no CNC que administra a máquina. Como objetivo específico (mas não menos importante) pretende promover a personalização da interface operadora em função da exigência do construtor da máquina e de seus clientes. EXEMPLOS DE PROCESSAMENTOS PERMITIDOS EXEMPLOS DE PROCESSAMENTOS PERMITIDOS DATABASE PROFEISI E MOLDES CAD E IMPORTAÇÃO DXF MACRO DE ESVAZIAMENTO DE PORÇÃO ESFÉRICA CÔNCAVA E CONVEXA CORTE INCLINADO ESVAZIAMENTO 2D COM DISCO, PONTA, SERRA GERAÇÃO DE MODELOS PELA SEÇÃO 2D GESTÃO DAS TABELAS DE DISCOS ESTRATÉGIAS DE DESBASTE ESTRATÉGIA DE ACABAMENTO SIMULAÇÃO CÓPIA COM LASER DE BAIXO RELEVO ESTRATÉGIA DE AQUISIÇÃO DE MODELOS COM ESCANEAMENTO A LASER RECONSTRUÇÃO DA SUPERFÍCIE DE NUVENS/E PUNTOS GERAÇÃO DE SUPERFÍCIES DA IMMAGINE OU FOTO ESTRATÉGIAS DE DESBASTE COM DISCO OU COM FERRAMENTAS TRADICIONAIS ESTRATÉGIAS DE ACABAMENTO COM FERRAMENTAS DE SERRA CÕNICAS E/OU SERRAS CONVENCIONAIS Page 21 of 30

22 DEFINIÇÃO DO MODELO DA GEOMETRIA 2D DEFINIÇÃO DO MODELO 'TORCIDO/TRANÇADO' DEFINIÇÃO 'CANAIS' ESTRATÉGIAS DE DESBASTE COM DISCO ESTRATÉGIAS DE ACABAMENTO COM DISCO E/OU SERRAS SIMULAÇÃO Page 22 of 30

23 Corte a fio Ver grupos de a aplicação propostos por OPCAMTFIL0 Para maiores informações em relação a aplicação de Corte a Fio ver os catálogos relativos na seção Download do nosso site Aqui é apresentada apenas uma descrição Parcial da aplicação e das opções adicionais. Gestão da tecnologia do corte: Controle adaptativo da tensão do fio, das paradas, da Compensação do diâmetro do fio, Gestão do cortes múltiplos, equipamentos para fixação e retorno do trabalho). Page 23 of 30

24 Corte Térmico Ver o Grupo de aplicação proposto: OPCAMOSSP1. Para maiores informações em relação a aplicação Corte Térmico ver o Catálogo relativo através da seção Download do nosso site Aqui é apresentada apenas uma descrição Parcial da aplicação e das opções adicionais. PROCESSAMENTO PERMITIDO PROCESSAMENTO PERMITIDO EDITOR DXF TORCH HEIGHT CONTROL Page 24 of 30

25 Processamento de Madeira Ver grupo de aplicação proposto: OPCAMWDSP0 Para maiores informações em relação a aplicação de Corte em Madeira ver o Catálogo relativo através da seção Download do nosso site Aqui é apresentada apenas uma descrição Parcial da aplicação e das opções adicionais. PROCESSAMENTO PERMITIDO PROCESSAMENTO PERMITIDO ESPIGA DUPLA, FECHADURA, PERSIANA Page 25 of 30

26 Corte de Vidro Ver grupo de aplicação proposto: OPCAMGLSP0. Para maiores informações em relação a aplicação Corte de Vidros ver o Catálogo relativo através da seção Download do nosso site Aqui é apresentada apenas uma descrição Parcial da aplicação e das opções adicionais. PROCESSAMENTO PERMITIDO PROCESSAMENTO PERMITIDO PROCESSAMENTO DE VIDRO Page 26 of 30

27 Lista das Opções do Costantino CNC SOFTWARE: SWCNCCOST0 SWCNCCOST1 CÓDIGOS E DESCRIÇÕES OPÇÕES OPTGTINY01 OPTGSMALL1 OPTGMEDIUM1 OPTGLARGE1 GESTÃO DE 3 EIXOS GESTÃO DE 4 EIXOS + 2 CANAIS CASO PRESENTES OPOMMCH GESTÃO DE 6 EIXOS + 2 CANAIS CASO PRESENTES OPOMMCH GESTÃO DE 12 EIXOS + 4 CANAIS CASO PRESENTES OPOMMCH OPTORNIO00 PROCESSAMENTO POR TORNO OPOMMCH OPPROCONK GESTÃO MULTICANAL INTERPRETE IEC Software de Simulação e de Desenvolvimento OPPCSIMU00 OPCAMSMOOTH SOFTWARE DI SIMULAÇÃO E DE DESENVOLVIMENTO SOFTWARE DE NIVELAMENTO DE TRAJETÓRIAS 2 D Page 27 of 30

28 Software Aplicativos Estes softwares muitas vezes colocam a disposição as opções q ue são descritas nos catálogos específicos e os preços são apresentados através das listas de competência OPCAMFPSP1 OPCAMFPSP2 Processamento de Pedras OPCAMFIL0 Corte a Fio OPCAMOSSP1 Corte Térmico OPCAMGLSP0 Corte de Vidro OPCAMWDSP0 Processamento de Madeira Page 28 of 30

29 Hardware complementares através do SWCNCCOST0 BRDGETHC00 IPC00 IPC01 IPC02 IPC03 Bridge Ethercat 32 DI pnp optoisolados, 32 DO Mosfet pnp, proteção a Curtocircuito, 2 AI 0-10 V, 2AO +/- 10 V, 1 entrada de contagem Veloz, Mémoria Retentiva 64 Kbyte Intel Dual Core ATOM D2550, 1.86 GHz, Chip gráfico Intel PowerVR SGX545, Mémoria DDR3 2 GB. Intel ATOM N GHz, Chipset nvidia MMP9 embedded ION, Mémoria DDR3 2 GB. AMD Dual Core G-T56N, 1.86 GHz, Chip Grafico ATI RADEON 6320, Mémoria DDR3 2 GB. Intel Core2 Duo T GHz, Chipset ATI Mobility Radeon E2400, Memoria DDR2 2 GB. Page 29 of 30

CNC CORTE TÉRMICO PARA. Version 1.0 10/07/2013. ISAC S.r.l. VIA MAESTRI DEL LAVORO, 30 56021 CASCINA (PI) ITALY WWW.ISACSRL.IT

CNC CORTE TÉRMICO PARA. Version 1.0 10/07/2013. ISAC S.r.l. VIA MAESTRI DEL LAVORO, 30 56021 CASCINA (PI) ITALY WWW.ISACSRL.IT CNC PARA CORTE TÉRMICO Version 1.0 10/07/2013 ISAC S.r.l. CAPITALE SOCIALE 100.000,00 C.F. e P.I. 01252870504 VIA MAESTRI DEL LAVORO, 30 56021 CASCINA (PI) ITALY WWW.ISACSRL.IT TEL 050 711131 FAX 050 711472

Leia mais

CNC PARA PROCESSAMENTO DE MADEIRA CATÁLOGO DE APLICAÇÃO. Versione 1.1 10/09/2013. ISAC S.r.l. VIA MAESTRI DEL LAVORO, 30 56021 CASCINA (PI) ITALY

CNC PARA PROCESSAMENTO DE MADEIRA CATÁLOGO DE APLICAÇÃO. Versione 1.1 10/09/2013. ISAC S.r.l. VIA MAESTRI DEL LAVORO, 30 56021 CASCINA (PI) ITALY CATÁLOGO DE APLICAÇÃO CNC PARA PROCESSAMENTO DE MADEIRA Versione 1.1 10/09/2013 ISAC S.r.l. CAPITALE SOCIALE 100.000,00 C.F. e P.I. 01252870504 VIA MAESTRI DEL LAVORO, 30 56021 CASCINA (PI) ITALY WWW.ISACSRL.IT

Leia mais

CNC PARA CORTE DE VIDRO

CNC PARA CORTE DE VIDRO CATÁLOGO DE APLICAÇÃO CNC PARA CORTE DE VIDRO Versão 1.3 12/11/2013 ISAC S.r.l. CAPITALE SOCIALE 100.000,00 C.F. e P.I. 01252870504 VIA MAESTRI DEL LAVORO, 30 56021 CASCINA (PI) ITALY WWW.ISACSRL.IT TEL

Leia mais

CATÁLOGO GERAL. Versão 1.6 25/06/2014. ISAC S.r.l. VIA MAESTRI DEL LAVORO, 30 56021 CASCINA (PI) ITALY WWW.ISACSRL.IT TEL 050 711131 FAX 050 711472

CATÁLOGO GERAL. Versão 1.6 25/06/2014. ISAC S.r.l. VIA MAESTRI DEL LAVORO, 30 56021 CASCINA (PI) ITALY WWW.ISACSRL.IT TEL 050 711131 FAX 050 711472 CATÁLOGO GERAL Versão 1.6 25/06/2014 ISAC S.r.l. CAPITALE SOCIALE 100.000,00 C.F. e P.I. 01252870504 VIA MAESTRI DEL LAVORO, 30 56021 CASCINA (PI) ITALY WWW.ISACSRL.IT TEL 050 711131 FAX 050 711472 ISACSRL@ISACSRL.IT

Leia mais

Manual do Usuário. Plano de Corte

Manual do Usuário. Plano de Corte Manual do Usuário Plano de Corte Sumário Gigatron Plano de Corte...2 Versão...2 Plano de Corte...2 Edição de Atributos de Peças...3 Atributos de Linhas de Corte...4 Estilos de Entrada e Saída...8 Contorno...8

Leia mais

UCS. Universidade de Caxias do Sul. Centro de Ciências Exatas e Tecnologia. Departamento de Engenharia Mecânica

UCS. Universidade de Caxias do Sul. Centro de Ciências Exatas e Tecnologia. Departamento de Engenharia Mecânica 1 Universidade de Caxias do Sul UCS Centro de Ciências Exatas e Tecnologia Departamento de Engenharia Mecânica Programação CNC Utilizando o Comando Mitsubishi Meldas-M3 Gerson Luiz Nicola Eng. Mec. Prof.

Leia mais

SISTEMA DE VISUALIZAÇÃO DE DADOS GEOMÉTRICOS DE PROGRAMAS CN PARA OPERAÇÕES DE FRESAMENTO

SISTEMA DE VISUALIZAÇÃO DE DADOS GEOMÉTRICOS DE PROGRAMAS CN PARA OPERAÇÕES DE FRESAMENTO SISTEMA DE VISUALIZAÇÃO DE DADOS GEOMÉTRICOS DE PROGRAMAS CN PARA OPERAÇÕES DE FRESAMENTO Alexandre Dias da Silva Universidade Federal de Santa Maria Universidade Federal de Santa Maria, Avenida Roraima,

Leia mais

Fundamentos de Automação. Controladores

Fundamentos de Automação. Controladores Ministério da educação - MEC Secretaria de Educação Profissional e Técnica SETEC Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Rio Grande Fundamentos de Automação Controladores

Leia mais

Curso Automação Industrial Aula 3 Robôs e Seus Periféricos. Prof. Giuliano Gozzi Disciplina: CNC - Robótica

Curso Automação Industrial Aula 3 Robôs e Seus Periféricos. Prof. Giuliano Gozzi Disciplina: CNC - Robótica Curso Automação Industrial Aula 3 Robôs e Seus Periféricos Prof. Giuliano Gozzi Disciplina: CNC - Robótica Cronograma Introdução a Robótica Estrutura e Características Gerais dos Robôs Robôs e seus Periféricos

Leia mais

Equipamento para medição e ajuste de ferramentas DMG MICROSET - Gerenciamento de Ferramentas

Equipamento para medição e ajuste de ferramentas DMG MICROSET - Gerenciamento de Ferramentas www.gildemeister.com DMG tecnologia e inovação Equipamento para medição e ajuste de ferramentas DMG MICROSET Gerenciamento de Ferramentas 02 I 03 DMG MICROSET 04 I 08 Equipamento de Ajuste Vertical 09

Leia mais

www.siemens.com.br/acionamentos SINAMICS V60 A solução perfeita para aplicações básicas de servo.

www.siemens.com.br/acionamentos SINAMICS V60 A solução perfeita para aplicações básicas de servo. www.siemens.com.br/acionamentos SINAMICS V60 A solução perfeita para aplicações básicas de servo. SINAMICS V60 com servomotores 1FL5 A solução para aplicações básicas de servo A tecnologia servo-drive

Leia mais

VirtualLine. VirtualPro Programmierunterstützung. Suporte de programação mit com VPro Guide

VirtualLine. VirtualPro Programmierunterstützung. Suporte de programação mit com VPro Guide VirtualLine VirtualPro Programmierunterstützung Suporte de programação mit com VPro Guide VirtualLine VirtualPro, o suporte de programação da INDEX O suporte de programação para um trabalho prático O VirtualPro

Leia mais

CNC 8055 TC. Manual de auto-aprendizagem REF. 1010 SOFT: V01.0X

CNC 8055 TC. Manual de auto-aprendizagem REF. 1010 SOFT: V01.0X CNC 8055 TC Manual de auto-aprendizagem REF. 1010 SOFT: V01.0X Todos os direitos reservados. Não se pode reproduzir nenhuma parte desta documentação, transmitir-se, transcrever-se, armazenar-se num sistema

Leia mais

Tecnologia Eletromecânica. Atuadores eletromecânicos

Tecnologia Eletromecânica. Atuadores eletromecânicos Tecnologia Eletromecânica Atuadores eletromecânicos 3 de junho de 2014 Parker Eletromecânica Entendendo as necessidades do cliente Gerenciamento do Projeto Analise do Sistema Aceite dos Parametros de teste

Leia mais

TREINAMENTO PARA TORNO CNC

TREINAMENTO PARA TORNO CNC TREINAMENTO PARA TORNO CNC COMANDOS FANUC - 1 - Descrição de comandos M Os comandos M são funções de alternância ou adicionais. Os comandos M podem ficar sozinhos ou com outro comando em um bloco de programa.

Leia mais

IndraMotion MTX micro O sistema CNC compacto

IndraMotion MTX micro O sistema CNC compacto IndraMotion MTX micro O sistema CNC compacto O IndraMotion MTX micro é a solução CNC compacta, simples, potente e de baixo custo da Rexroth para tornos, fresas e máquinas de usinagem em geral. Consiste

Leia mais

Características da Usinagem CNC

Características da Usinagem CNC Características da Usinagem CNC CN: comando numérico É o código propriamente dito! CNC: comando numérico computadorizado É o sistema de interpretação e controle de equipamentos que se utilizam de CN para

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FICHA DE COMPONENTE CURRICULAR CÓDIGO: COMPONENTE CURRICULAR: CONTROLADORES LÓGICOS PROGRAMÁVEIS (CLPs) E DISPOSITIVOS INDUSTRIAIS UNIDADE ACADÊMICA OFERTANTE: SIGLA:

Leia mais

Anexo IV PLANILHA DESCRITIVA DE ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

Anexo IV PLANILHA DESCRITIVA DE ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS Anexo IV PLANILHA DESCRITIVA DE ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS Requisito Descrição 6.1 - Produtos de Hardware 6.1.1. GRUPO 1 - IMPRESSORA TIPO I (MONOCROMÁTICA 20PPM - A4) 6.1.1.1. TECNOLOGIA DE IMPRESSÃO 6.1.1.1.1.

Leia mais

MÁQUINA MULTIFUSO COM MESA ROTATIVA PARA TRABALHO COM BARRA EXTRUDADA OU TUBO

MÁQUINA MULTIFUSO COM MESA ROTATIVA PARA TRABALHO COM BARRA EXTRUDADA OU TUBO MÁQUINA MULTIFUSO COM MESA ROTATIVA PARA TRABALHO COM BARRA EXTRUDADA OU TUBO A VANTAGEM DE NÃO GIRAR A BARRA As máquinas COMBYBAR permitem trabalhar a barra sem rodá-la oferecendo muitas vantagens, como

Leia mais

VerticalLine V 160C V 160G. Centros de Torneamento Verticais

VerticalLine V 160C V 160G. Centros de Torneamento Verticais VerticalLine V 160C V 160G Centros de Torneamento Verticais VerticalLine V160C, V160G Compacto, rápido, universal Aumente a produtividade Sistema Forte com máquinas verticais O sistema modular efici- compactas

Leia mais

UMG 104-Mais do que um simples Multímetro UMG 104

UMG 104-Mais do que um simples Multímetro UMG 104 UMG 104 UMG 104-Mais do que um ples Multímetro O UMG 104 equipado com um DSP de 500 MHz (processador de sinal digital) é um analisador de tensão muito rápido e potente. A varredura contínua dos 8 canais

Leia mais

CNC 8055. Educacional. Ref. 1107

CNC 8055. Educacional. Ref. 1107 CNC 855 Educacional Ref. 7 FAGOR JOG SPI ND LE FEE D % 3 5 6 7 8 9 FAGOR JOG SPI ND LE FEE D % 3 5 6 7 8 9 FAGOR JOG SPI ND LE FEE D % 3 5 6 7 8 9 FAGOR JOG SPI ND LE 3 FEE D % 5 6 7 8 9 FAGOR JOG SPI

Leia mais

Nivaldo Ferrari. Silvio Audi

Nivaldo Ferrari. Silvio Audi Programação de Centro de Usinagem - CNC SENAI- SP, 2002 Trabalho elaborado pela Escola SENAI Roberto Simonsen do Departamento Regional de São Paulo. Coordenação Geral Coordenação Dionisio Pretel Laur Scalzaretto

Leia mais

CNC 8055 / CNC 8055i MANUAL DE AUTO-APRENDIZAGEM (OPÇÃO TC ) (REF 0607) (Ref 0607)

CNC 8055 / CNC 8055i MANUAL DE AUTO-APRENDIZAGEM (OPÇÃO TC ) (REF 0607) (Ref 0607) CNC 8055 / CNC 8055i (REF 0607) MANUAL DE AUTO-APRENDIZAGEM (OPÇÃO TC ) (Ref 0607) Todos os direitos reservados. Não se pode reproduzir nenhuma parte desta documentação, transmitir-se, transcrever-se,

Leia mais

ENCODERS. Fig 1 - Princípio de funcionamento de um encoder rotativo.

ENCODERS. Fig 1 - Princípio de funcionamento de um encoder rotativo. ENCODERS Este é sem dúvida nenhuma um dos equipamentos mais usados em Automação Industrial e Mecatrônica, pois com ele conseguimos converter movimentos angulares e lineares em informações úteis à nossa

Leia mais

Motores Lineares Industriais

Motores Lineares Industriais Motores Lineares Industriais Sistema de accionamento puramente eléctrico Controlo de posição livre ao longo de todo o curso Para tarefas de posicionamento precisas e dinâmicas Vida útil maior com a tecnologia

Leia mais

Informações jurídicas

Informações jurídicas Fundamentos da programação 1 SINUMERIK SINUMERIK 840D sl/840di sl/828d/802d sl Comandos de deslocamento 2 SINUMERIK SINUMERIK 840D sl/840di sl/ 828D/802D sl Manual de programação Comandos de deslocamento

Leia mais

CENTRO DE USINAGEM DUPLA COLUNA. Uma Fonte Confiável de Excelentes Máquinas para Complementar Sua Força de Trabalho

CENTRO DE USINAGEM DUPLA COLUNA. Uma Fonte Confiável de Excelentes Máquinas para Complementar Sua Força de Trabalho CENTRO DE USINAGEM DUPLA COLUNA Uma Fonte Confiável de Excelentes Máquinas para Complementar Sua Força de Trabalho SÉRIE DV14 1417 / 1422 / 1432 / 1442 CENTRO DE USINAGEM DUPLA COLUNA O Centro de Usinagem

Leia mais

CNC 8055 / CNC 8055i MANUAL DE AUTO-APRENDIZAGEM (OPÇÃO MC ) (REF 0607) (Ref 0607)

CNC 8055 / CNC 8055i MANUAL DE AUTO-APRENDIZAGEM (OPÇÃO MC ) (REF 0607) (Ref 0607) CNC 8055 / CNC 8055i (REF 0607) MANUAL DE AUTO-APRENDIZAGEM (OPÇÃO MC ) (Ref 0607) Todos os direitos reservados. Não se pode reproduzir nenhuma parte desta documentação, transmitir-se, transcrever-se,

Leia mais

Tutorial 122 CP DUO Inversor WEG (RS485 Protocolo MODBUS - DUO Master)

Tutorial 122 CP DUO Inversor WEG (RS485 Protocolo MODBUS - DUO Master) Tutorial 122 CP DUO Inversor WEG (RS485 Protocolo MODBUS - DUO Master) Este documento é propriedade da ALTUS Sistemas de Informática S.A., não podendo ser reproduzido sem seu prévio consentimento. Altus

Leia mais

www.meccomeletronica.com página 1

www.meccomeletronica.com página 1 Nem só o padeiro faz roscas Furação A furação é um processo de usinagem que tem por objetivo a geração de furos, na maioria das vezes cilíndricos, em uma peça, através do movimento relativo de rotação

Leia mais

Tamanho Grande Corte Fio EDM com controlo LP2WH AQ750L AQ900L AQ1200L AQ1500L

Tamanho Grande Corte Fio EDM com controlo LP2WH AQ750L AQ900L AQ1200L AQ1500L Tamanho Grande Corte Fio EDM com controlo LP2WH AQ750L AQ900L AQ1200L AQ1500L The O mundo da serie Grande em Corte fio EDM Linear Em resposta ao aumento de pedidos para fabrico de grandes peças suportadas

Leia mais

Como è feito computador

Como è feito computador Como è feito computador O computador contém uma parte elétrica e uma parte eletrónica. Parte elétrica é usada para transformar e dinstribuir a eletricidade que vem para os vários componentes. Parte eletrónica

Leia mais

RÁPIDO medição do desempenho da máquina. EXATO detecção e relatório de erros em centros de rotação

RÁPIDO medição do desempenho da máquina. EXATO detecção e relatório de erros em centros de rotação AxiSet Check-Up AxiSet Check-Up RÁPIDO medição do desempenho da máquina EXATO detecção e relatório de erros em centros de rotação OTIMIZADO preparação da máquina e aumento da capabilidade AUTOMATIZADO

Leia mais

Introdução ao Controlo Numérico Computorizado I Conceitos Gerais. João Manuel R. S. Tavares Joaquim Oliveira Fonseca

Introdução ao Controlo Numérico Computorizado I Conceitos Gerais. João Manuel R. S. Tavares Joaquim Oliveira Fonseca Introdução ao Controlo Numérico Computorizado I Conceitos Gerais João Manuel R. S. Tavares Joaquim Oliveira Fonseca Bibliografia Controlo Numérico Computorizado, Conceitos Fundamentais Carlos Relvas Publindústria,

Leia mais

Notas de Aplicação. Utilizando ZAP500 com. Encoders. HI Tecnologia. Documento de acesso publico / corporativo

Notas de Aplicação. Utilizando ZAP500 com. Encoders. HI Tecnologia. Documento de acesso publico / corporativo Notas de Aplicação Utilizando ZAP500 com Encoders HI Tecnologia Documento de acesso publico / corporativo ENA.00015 Versão 1.01 dezembro-2013 HI Tecnologia Utilizando ZAP500 com Encoders Apresentação Esta

Leia mais

Encoder Magnético. Contexto Social e Profissional da Engenharia Mecatrônica. Grupo 8: Danilo Zacarias Júnior. Leonardo Maciel Santos Silva

Encoder Magnético. Contexto Social e Profissional da Engenharia Mecatrônica. Grupo 8: Danilo Zacarias Júnior. Leonardo Maciel Santos Silva Encoder Magnético Contexto Social e Profissional da Engenharia Mecatrônica Grupo 8: Danilo Zacarias Júnior Leonardo Maciel Santos Silva Yuri Faria Amorim Índice Resumo... 03 1. Introdução... 04 2. Desenvolvimento...

Leia mais

MicrovixPOS Requisitos, Instalação e Execução

MicrovixPOS Requisitos, Instalação e Execução MicrovixPOS Requisitos, Instalação e Execução Autor Público Alvo Rodrigo Cristiano dos Santos Suporte Técnico, Consultoria e Desenvolvimento. Histórico Data 13/06/2012 Autor Rodrigo Cristiano Descrição

Leia mais

Modelo Digital de Terreno - V 6.5

Modelo Digital de Terreno - V 6.5 TCP MDT Modelo Digital de Terreno - V 6.5 Versão Standard Introdução A Versão Estandar é apropriada para a realização de todo tipo de projetos de levantamentos topográficos, perfis de terreno, cálculo

Leia mais

CONTROLE NUMÉRICO E AUTOMATIZAÇÃO INDUSTRIAL INTRODUÇÃO: NOÇÕES BÁSICAS DE CNC

CONTROLE NUMÉRICO E AUTOMATIZAÇÃO INDUSTRIAL INTRODUÇÃO: NOÇÕES BÁSICAS DE CNC CONTROLE NUMÉRICO E AUTOMATIZAÇÃO INDUSTRIAL INTRODUÇÃO: NOÇÕES BÁSICAS DE CNC Operador de máquinas convencionais Materiais recebidos pelo operador da Máquina Convencional Exemplo de Máquina Convencional

Leia mais

Codificadores Lineares e Sistemas DRO

Codificadores Lineares e Sistemas DRO Codificadores Lineares e Sistemas DRO Perfil Empresarial da Newall A Newall Measurement Systems, Ltd. foi fundada no ano de 1968 em Peterborough, no Reino Unido. Desde então, a Newall tem se dedicado a

Leia mais

Sistema Multibombas Controle Móvel CFW-11

Sistema Multibombas Controle Móvel CFW-11 Motores Energia Automação Tintas Sistema Multibombas Controle Móvel CFW-11 Manual de Aplicação Idioma: Português Documento: 10000122732 / 01 Manual de Aplicação para Sistema Multibombas Controle Móvel

Leia mais

GX - USB MANUAL DO USARIO V1.1

GX - USB MANUAL DO USARIO V1.1 GX - USB MANUAL DO USARIO V1.1 NEVEX Tecnologia Ltda Copyright 2012 - Todos os direitos Reservados IMPORTANTE Máquinas de controle numérico são potencialmente perigosas. A Nevex Tecnologia Ltda. não se

Leia mais

INTRODUÇÃO PROGRAMA. Os dados em um bloco de programa são chamados: a. Dados dimensionais (geométricos) b. Dados de Controle

INTRODUÇÃO PROGRAMA. Os dados em um bloco de programa são chamados: a. Dados dimensionais (geométricos) b. Dados de Controle INTRODUÇÃO PROGRAMA Para usinar uma peça em um centro de usinagem, informações como valores de coordenadas e outros dados técnicos informa como uma ferramenta deve se mover em relação à peça de trabalho

Leia mais

Brocas Escalonadas para Telhas Arcos de Pua Garra para Mandril de Arco de Pua Verrumas para Arco de Pua. Verrumas Manuais. Ferros de Pua Mathieson

Brocas Escalonadas para Telhas Arcos de Pua Garra para Mandril de Arco de Pua Verrumas para Arco de Pua. Verrumas Manuais. Ferros de Pua Mathieson Brocas para Madeira Brocas de 3 Pontas Brocas de 3 Pontas para Mourão Brocas para Fibrocimento e Mourão Brocas em Aço Cromo 46 47 48 48 Brocas Escalonadas para Telhas Arcos de Pua Garra para Mandril de

Leia mais

Monitoramento, Controle, Registro e Supervisão de Processos Industriais

Monitoramento, Controle, Registro e Supervisão de Processos Industriais L I N H A D E P R O D U T O S PA R A Monitoramento, Controle, Registro e Supervisão de Processos Industriais Índice Apresentação 03 Características Individuais Controlador de Processos C702 Aquisitor de

Leia mais

Alinhadores, Balanceadores e Desmontadores de rodas de última geração

Alinhadores, Balanceadores e Desmontadores de rodas de última geração Alinhadores, Balanceadores e Desmontadores de rodas de última geração Equipamentos com sistemas de medição eletrônicos e computadorizados, que fazem do alinhamento, balanceamento e montagem de rodas operações

Leia mais

MANUAL DE PROGRAMAÇÃO E OPERAÇÃO

MANUAL DE PROGRAMAÇÃO E OPERAÇÃO MANUAL DE PROGRAMAÇÃO E OPERAÇÃO CENTROS DE USINAGEM Fanuc Série Oi INTRODUÇÃO PROGRAMA Para usinar uma peça em um centro de usinagem, informações como valores de coordenadas e outros dados técnicos informa

Leia mais

GX - ULT MANUAL DO USARIO V1.1. NEVEX Tecnologia Ltda Copyright 2012-2015 - Todos os direitos Reservados

GX - ULT MANUAL DO USARIO V1.1. NEVEX Tecnologia Ltda Copyright 2012-2015 - Todos os direitos Reservados GX - ULT MANUAL DO USARIO V1.1 NEVEX Tecnologia Ltda Copyright 2012-2015 - Todos os direitos Reservados IMPORTANTE Máquinas de controle numérico são potencialmente perigosas. A Nevex Tecnologia Ltda não

Leia mais

Encoder de Quadratura

Encoder de Quadratura R O B Ó T I C A Sensor Smart de Quadratura Versão Hardware:. Versão Firmware: 2. REVISÃO 2.9 Sensor Smart de Quadratura. Introdução Os encoders são equipamentos utilizados para converter movimentos rotativos

Leia mais

Verificando os componentes

Verificando os componentes PPC-4542-01PT Agradecemos a aquisição do scanner de imagem em cores fi-65f. Este manual descreve os preparativos necessários para o uso deste produto. Siga os procedimentos aqui descritos. Certifique-se

Leia mais

- PD64 PROGRAMADOR DE PARISON MANUAL DO USUÁRIO MANUAL DE OPERAÇÃO PD64

- PD64 PROGRAMADOR DE PARISON MANUAL DO USUÁRIO MANUAL DE OPERAÇÃO PD64 - PD64 PROGRAMADOR DE PARISON MANUAL DO USUÁRIO 01 SEÇÃO INDICE PÁGINA 1. Apresentação 04 2. Descrição geral do Programador de Parison 04 a 06 2.1. Funcionamento 04 2.2. Controle de Precisão 05 2.3. Programa.

Leia mais

A eficiência do laser. The Bend The Combi The Laser The Punch The System The Software

A eficiência do laser. The Bend The Combi The Laser The Punch The System The Software A eficiência do laser The Bend The Combi The Laser The Punch The System The Software Inovação e experiência Econômica e ecológica A máquina de corte a laser PLATINO Fiber 2D tem perfeito balanço entre

Leia mais

Pirômetro Óptico Portátil- BR IR AH

Pirômetro Óptico Portátil- BR IR AH Leve e fácil de operar! Os modelos BR IR- AHS e BR IR AHU são pirômetros portáteis para medição e aquisição da temperatura sem contato com o produto. Os pirômetros oferecem uma larga faixa de medição de

Leia mais

EVOLUTION 7403 7405. Usinagem CNC completa em formato compacto. oferece uma usinagem completa nos 4 cantos da peça de trabalho e na superfície.

EVOLUTION 7403 7405. Usinagem CNC completa em formato compacto. oferece uma usinagem completa nos 4 cantos da peça de trabalho e na superfície. Coladeiras de bordas Centros de usinagem CNC Serras para painéis verticais Seccionadoras Manipulação de material Usinagem CNC completa em formato compacto EVOLUTION 7403 7405 É única. A EVOLUTION 7405

Leia mais

7 FURAÇÃO. 7.1 Furadeira

7 FURAÇÃO. 7.1 Furadeira 1 7 FURAÇÃO 7.1 Furadeira A furadeira é a máquina ferramenta empregada, em geral, para abrir furos utilizando-se de uma broca como ferramenta de corte. É considerada uma máquina ferramenta especializada

Leia mais

Motores I Automação I Energia I Transmissão & Distribuição I Tintas. CANespecial 1 SCA06. Manual do Usuário

Motores I Automação I Energia I Transmissão & Distribuição I Tintas. CANespecial 1 SCA06. Manual do Usuário Motores I Automação I Energia I Transmissão & Distribuição I Tintas CANespecial 1 SCA06 Manual do Usuário Manual do Usuário CANespecial 1 Série: SCA06 Idioma: Português N º do Documento: 10002922105 /

Leia mais

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição Capítulo 7 Entrada/saída Os textos nestas caixas foram adicionados pelo Prof. Joubert slide 1 Problemas de entrada/saída Grande variedade

Leia mais

Discrete Automation & Motion. CLP Controlador Lógico Programável Linha AC500-eCO

Discrete Automation & Motion. CLP Controlador Lógico Programável Linha AC500-eCO Discrete Automation & Motion CLP Controlador Lógico Programável Linha AC500-eCO CPUs AC500-eCO Tipo I/Os na base ED/SD/EA/AS I/O digital I/O analógico Tensão de Entrada Saída Entrada Saída alimentação

Leia mais

CATÁLOGO DE METROLOGIA

CATÁLOGO DE METROLOGIA CATÁLOGO DE METROLOGIA 1 PAQUÍMETRO PAQUÍMETRO UNIVERSAL PAQUÍMETRO UNIVERSAL (MD) capacidade LEITURA 141-112 0-150mm / 0-6 0,02mm / 0,001 141-113 0-150mm / 0-6 0,05mm / 1/128 141-114 0-200mm / 0-8 0,02mm

Leia mais

Software de Desenho 3D

Software de Desenho 3D Software de Desenho 3D para Fabricantes de Mobiliário (standard e por medida) - Cozinhas, Roupeiros, Salas de Banho, Quartos, Salas, Expositores, Escritórios,... Revendedores de Mobiliário Decoradores

Leia mais

UNITROL 1000 Regulador compacto de tensão para máquinas síncronas menores UNITROL 1000-15 e UNITROL 1000-40

UNITROL 1000 Regulador compacto de tensão para máquinas síncronas menores UNITROL 1000-15 e UNITROL 1000-40 UNITROL 1000 Regulador compacto de tensão para máquinas síncronas menores UNITROL 1000-15 e UNITROL 1000-40 Copyright 2000 Photodisc, Inc. 5812-01 A ampla gama de aplicações do UNITROL 1000-15 O UNITROL

Leia mais

Emulando Equipamentos Obsoletos com Instrumentos Definidos por Software

Emulando Equipamentos Obsoletos com Instrumentos Definidos por Software Emulando Equipamentos Obsoletos com Instrumentos Definidos por Software Marcela Trindade Engenheira de Vendas Pesquisa rápida Alguém tem que manter sistemas de teste em funcionamento por mais de 10 anos?

Leia mais

b) Estabilizador de tensão, fonte no-break, Sistema Operacional, memória principal e memória

b) Estabilizador de tensão, fonte no-break, Sistema Operacional, memória principal e memória CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA SISUTEC DISCIPLINA: INTRODUÇÃO A COMPUTAÇÃO PROF.: RAFAEL PINHEIRO DE SOUSA ALUNO: Exercício 1. Assinale a opção que não corresponde a uma atividade realizada em uma Unidade

Leia mais

Proteção : IP-40 Display: LCD, 6 dígitos mais sinal ( ) Inclui riscador, grampo e 1 bateria

Proteção : IP-40 Display: LCD, 6 dígitos mais sinal ( ) Inclui riscador, grampo e 1 bateria ZERO/ABS PRESET +/- ON/OFF HOLD Calibradores Traçadores de Altura Digitais Modelo de duas colunas e com ou sem saída de dados para CEP. Ajuste de zero por um simples toque no botão. Através do botão PRESET,

Leia mais

V O C Ê N O C O N T R O L E.

V O C Ê N O C O N T R O L E. VOCÊ NO CONTROLE. VOCÊ NO CONTROLE. O que é o Frota Fácil? A Iveco sempre coloca o desejo de seus clientes à frente quando oferece ao mercado novas soluções em transportes. Pensando nisso, foi desenvolvido

Leia mais

ARQUITETURA DE COMPUTADORES - 1866

ARQUITETURA DE COMPUTADORES - 1866 6.9 Memória Cache: A memória cache é uma pequena porção de memória inserida entre o processador e a memória principal, cuja função é acelerar a velocidade de transferência das informações entre a CPU e

Leia mais

Robustez e alta velocidade com a garantia de cortes de alta precisão.

Robustez e alta velocidade com a garantia de cortes de alta precisão. METAL MECÂNICA AUTOCUT 4.0P HDX/2HDX Robustez e alta velocidade com a garantia de cortes de alta precisão. AutoCut 4.0P HDX/2HDX A AutoCut 4.0P é uma máquina CNC para corte de chapas de aço-carbono, aço

Leia mais

Sistemas de controle para processos de bateladas

Sistemas de controle para processos de bateladas Sistemas de controle para processos de bateladas Por Alan Liberalesso* Há algum tempo os processos de batelada deixaram de ser um mistério nas indústrias e no ambiente de automação. O cenário atual nos

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Sistemas de Entrada/Saída Princípios de Hardware Sistema de Entrada/Saída Visão Geral Princípios de Hardware Dispositivos de E/S Estrutura Típica do Barramento de um PC Interrupções

Leia mais

Versão 2.2.0 PIMACO AUTOADESIVOS LTDA. Assistente Pimaco + 2.2.0. Ajuda ao Usuário

Versão 2.2.0 PIMACO AUTOADESIVOS LTDA. Assistente Pimaco + 2.2.0. Ajuda ao Usuário Versão 2.2.0 PIMACO AUTOADESIVOS LTDA. Assistente Pimaco + 2.2.0 Ajuda ao Usuário A S S I S T E N T E P I M A C O + 2.2.0 Ajuda ao usuário Índice 1. BÁSICO 1 1. INICIANDO O APLICATIVO 2 2. O AMBIENTE DE

Leia mais

Por razões, é requerido um módulo de E/S, que deve desempenhar duas funções principais:

Por razões, é requerido um módulo de E/S, que deve desempenhar duas funções principais: Entrada e Saída Além do processador e da memória, um terceiro elemento fundamental de um sistema de computação é o conjunto de módulos de E/S. Cada módulo se conecta com o barramento do sistema ou com

Leia mais

A OXIPIRA OFERECE O MAIOR ESTOQUE DE CONSUMÍVEIS ORIGINAIS HYPERTHERM DO BRASIL. Distribuidor OEM Hypertherm

A OXIPIRA OFERECE O MAIOR ESTOQUE DE CONSUMÍVEIS ORIGINAIS HYPERTHERM DO BRASIL. Distribuidor OEM Hypertherm As máquinas da Série Master Padrão Oxipira são especialmente desenhadas para ser a solução completa e atender os mais exigentes requisitos de corte. Pela CNC Oxipira ou Edge PRO, de base PC, servo motores

Leia mais

VFT-orbit. Gerando lentes em todos os formatos All-format lenses Tecnologia de Circunvolução

VFT-orbit. Gerando lentes em todos os formatos All-format lenses Tecnologia de Circunvolução Ofitálmico Surfaçagem Gerando lentes em todos os formatos All-format lenses Tecnologia de Circunvolução Alto rendimento, ocupando pouco espaço; Peso moderado, fácil acesso para manutenção. Superfície de

Leia mais

Especificações óticas thermometer CTlaser = menor dimensão do ponto (mm)

Especificações óticas thermometer CTlaser = menor dimensão do ponto (mm) 14 Sensor infravermelho de temperatura de alto desempenho com marcador a laser thermometer CTlaser ThermoMETER CTlaser O inovador sensor infravermelho de temperatura de precisão marca o tamanho real do

Leia mais

GUIA RÁPIDO DE PROGRAMAÇÃO (CNC PROTEO)

GUIA RÁPIDO DE PROGRAMAÇÃO (CNC PROTEO) GUIA RÁPIDO DE PROGRAMAÇÃO () MCS Engenharia 6/9/2012 Página 1 de 17 ÍNDICE 1 PROGRAMAÇÃO ISO (CÓDIGOS G)... 3 1.1 COORDENADAS ABSOLUTAS / INCREMENTAIS (G90 / G91)... 3 1.2 ORIGENS: ABSOLUTA (G53), PEÇA

Leia mais

Manual de Operação Torno V1.00 PÁGINA DEIXADA INTENCIONALMENTE EM BRANCO. Manual Operação Torno Pg. 3

Manual de Operação Torno V1.00 PÁGINA DEIXADA INTENCIONALMENTE EM BRANCO. Manual Operação Torno Pg. 3 Manual de Operação Torno V1.00 PÁGINA DEIXADA INTENCIONALMENTE EM BRANCO Manual Operação Torno Pg. 3 Manual de Operação Torno V1.00 INDICE 1.0 - Introdução... 7 1.1 - Funções das Teclas...13 2.0 - Inicializando

Leia mais

Descrição do Produto. Altus S. A. 1

Descrição do Produto. Altus S. A. 1 Descrição do Produto O software MasterTool IEC é um ambiente completo de desenvolvimento de aplicações para os controladores programáveis da Série Duo. Esta ferramenta permite a programação e a configuração

Leia mais

Regulador Digital de Tensão DIGUREG

Regulador Digital de Tensão DIGUREG Regulador Digital de Tensão DIGUREG Totalmente digital. Software para parametrização e diagnósticos extremamente amigável. Operação simples e confiável. Ideal para máquinas de pequena a média potência.

Leia mais

Automação Hidráulica

Automação Hidráulica Automação Hidráulica Definição de Sistema hidráulico Conjunto de elementos físicos associados que, utilizando um fluido como meio de transferência de energia, permite a transmissão e o controle de força

Leia mais

MANUAL OPERAÇÃO FRESADORA PADRÃO

MANUAL OPERAÇÃO FRESADORA PADRÃO V100 Página deixada em branco Intencionalmente pág.2 ÍNDICE Índice 1 - OPERAÇÃO MÁQUINA... 7 1.1 - INICIALIZAÇÃO... 7 1.2 - BUSCA DE REFERÊNCIA... 9 1.3. MODO MANUAL... 11 1.3.1 JOG... 11 1.3.2 MODO INCREMENTAL...

Leia mais

B E X S B E X Y. Manual de Referência Rápida

B E X S B E X Y. Manual de Referência Rápida B E X S B E X Y Manual de Referência Rápida Teclas do Painel Tecla USB Lê e grava desenhos a partir da entrada USB através de um Pen Drive. Tecla numérica : 1 Tecla de Memória Gerencia os desenhos gravados

Leia mais

AR 200. Aplicações AR 200

AR 200. Aplicações AR 200 Sensores Laser AR 200 O sensor laser AR200 tem como princípio de medição o método de triangularização laser e utiliza a tecnologia CMOS para proporcionar alta velocidade com alta precisão em um modelo

Leia mais

Migrando das clássicas tecnologias Fieldbus

Migrando das clássicas tecnologias Fieldbus EtherCAT simplifica a arquitetura de controle Exemplo: Arquitetura de controle de uma prensa hidráulica, Schuler AG, Alemanha Arquitetura de controle com Fieldbus clássicos Desempenho dos Fieldbus clássicos

Leia mais

Características Proteo SX570

Características Proteo SX570 Arquitetura de Hardware Capacidade de Controle Terminal de Operação (IHM) Terminal Integrado incorpora CPU Dual ( ARM + DSP ) 32 bits Módulos E/S, Eixos ANA, Temperatura CANopen Comunicação Digital CANopen

Leia mais

ARQUITETURA DE COMPUTADORES - 1866

ARQUITETURA DE COMPUTADORES - 1866 6.7 Operações com as Memórias: Já sabemos, conforme anteriormente citado, que é possível realizar duas operações em uma memória: Escrita (write) armazenar informações na memória; Leitura (read) recuperar

Leia mais

Treinamento. ACE Schmersal Boituva - SP. Duvidas (15)3263-9800 suporte.linhalogica@schmersal.com.br

Treinamento. ACE Schmersal Boituva - SP. Duvidas (15)3263-9800 suporte.linhalogica@schmersal.com.br Treinamento ACE Schmersal Boituva - SP Duvidas (15)3263-9800 suporte.linhalogica@schmersal.com.br Produtos Schmersal Controladores e Inversores Princípio de Funcionamento de um Controlador Programavél

Leia mais

Universidade Tuiuti do Paraná UTP Faculdade de Ciências Exatas - FACET Tecnologia de Análise e Desenvolvimento de Sistemas. Hardware de Computadores

Universidade Tuiuti do Paraná UTP Faculdade de Ciências Exatas - FACET Tecnologia de Análise e Desenvolvimento de Sistemas. Hardware de Computadores Universidade Tuiuti do Paraná UTP Faculdade de Ciências Exatas - FACET Tecnologia de Análise e Desenvolvimento de Sistemas Hardware de Computadores 1 O disco rígido, é um sistema de armazenamento de alta

Leia mais

Módulo FGM721. Controlador P7C - HI Tecnologia

Módulo FGM721. Controlador P7C - HI Tecnologia Automação Industrial Módulo Controlador P7C - HI Tecnologia 7C O conteúdo deste documento é parte do Manual do Usuário do controlador P7C da HI tecnologia (PMU10700100). A lista de verbetes consta na versão

Leia mais

Sistema de Monitoramento e Supervisão de Vibração HYMV05

Sistema de Monitoramento e Supervisão de Vibração HYMV05 Sistema de Monitoramento e Supervisão de Vibração Revisão 1 Mai2005 O é um sistema inteligente de Monitoramento, Aquisição de Dados e Supervisão Local para utilização com os softwares da linha Dynamic.

Leia mais

UMG 96S-Instrumento de medição universal com montagem embutida UMG 96S

UMG 96S-Instrumento de medição universal com montagem embutida UMG 96S UMG 96S UMG 96S-Instrumento de medição universal com montagem embutida Os instrumentos de medição universal com montagem embutida da família de produto UMG 96S foram principalmente concebidos para utilização

Leia mais

PROCESSOS A CNC. Objetivo da disciplina Cronograma O projeto Critérios de avaliação Contrato didático A máquina O Comando eletrônico

PROCESSOS A CNC. Objetivo da disciplina Cronograma O projeto Critérios de avaliação Contrato didático A máquina O Comando eletrônico PROCESSOS A CNC Objetivo da disciplina Cronograma O projeto Critérios de avaliação Contrato didático A máquina O Comando eletrônico 1 CFP SENAI VW OBJETIVO da disciplina PROCESSOS A CNC Exercício básico

Leia mais

ORKAN AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL LINHA GERAL DE PRODUTOS

ORKAN AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL LINHA GERAL DE PRODUTOS ORKAN AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL LINHA GERAL DE PRODUTOS SYSTEM SLIO Sistema de I/Os Remotos Simples e inteligente, o System Slio é um sistema de I/O s descentralizado, eficaz e moderno. Foi especialmente projetado

Leia mais

Guia de atualização passo a passo do Windows 8 CONFIDENCIAL 1/53

Guia de atualização passo a passo do Windows 8 CONFIDENCIAL 1/53 Guia de passo a passo do Windows 8 CONFIDENCIAL 1/53 Índice 1. 1. Processo de configuração do Windows 8 2. Requisitos do sistema 3. Preparações 2. 3. usando 4. usando o DVD de 5. usando o DVD de 6. 1.

Leia mais

Sagômetro Digital. Manual de Instalação e Operação

Sagômetro Digital. Manual de Instalação e Operação Manual de Instalação e Operação MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO APRESENTAÇÃO: Esse instrumento foi especialmente desenvolvido para realizar medições de Ságitas em Blocos Oftálmicos onde através de software

Leia mais

- Leia cuidadosamente este manual antes de ligar o Driver. - A Neoyama Automação se reserva no direito de fazer alterações sem aviso prévio.

- Leia cuidadosamente este manual antes de ligar o Driver. - A Neoyama Automação se reserva no direito de fazer alterações sem aviso prévio. Easy Servo Driver MANUAL Atenção: - Leia cuidadosamente este manual antes de ligar o Driver. - A Neoyama Automação se reserva no direito de fazer alterações sem aviso prévio. Sumário 1. LEGENDA DE PART-NUMBER...

Leia mais