40 ANOS 40 ANOS DE PSD DE DEMOCRACIA, ANOS DE DEMOCRACIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "40 ANOS 40 ANOS DE PSD DE DEMOCRACIA, ANOS DE DEMOCRACIA"

Transcrição

1 40 ANOS DE DEMOCRACIA, ANOS DE DEMOCRACIA

2 INTRODUÇÃO O 25 de Abril constitui uma data gloriosa da História Contemporânea de Portugal que deve ser comemorada e lembrada. O PSD orgulha-se do papel desempenhado por muitos dos seus militantes na luta contra o Estado Novo e pela posterior conquista das liberdades individuais e colectivas. Os fundadores do PSD começaram por defender activa e convictamente os valores da social-democracia antes do 25 de Abril, o seu papel na conquista da democracia deve ser integrado na construção do tempo histórico. A história do 25 de Abril não se resume ao golpe executado pelos militares. É também a luta pela sociedade do progresso, pela criação de serviços públicos fundamentais, pelos direitos dos trabalhadores, pela resolução da conflitualidade resultante do processo de descolonização. Este processo exigiu do PSD e dos seus militantes uma luta permanente pela consolidação da liberdade contra todas as formas de ditadura, pela consagração de um sistema democrático parlamentar do tipo ocidental, pela correcção dos excessos das nacionalizações e da reforma agrária, contra a unicidade e pelo pluralismo, pela integração plena no espaço europeu. No 25 de Abril não se comemora apenas um dia em concreto, mas sim o início de uma dinâmica que se tem desenvolvido ao longo destas 4 décadas e na qual o PSD tem desempenhado um papel central. Os social-democratas lutaram pela introdução de novas causas como o ambiente, pela repartição justa e equilibrada de competências e atribuições entre os vários níveis de poder, pela modernização das infra- -estruturas do País, pela requalificação do sistema político e pela busca permanente da valorização dos Portugueses. No 35º Congresso Nacional o PSD iniciou as comemorações dos seus 40 anos em ligação com a História da Democracia em Portugal. Desde logo, pelo anúncio feito pelo Presidente do Partido, Pedro Passos Coelho, da escolha do militante nº1, Francisco Pinto Balsemão, para presidir à Comissão Coordenadora das Comemorações e à mensagem por este enviada ao Congresso em que salientou que vamos celebrar e homenagear o passado mas, também, pensar a social-democracia para o século XXI. De assinalar também a participação no Congresso de 5 antigos líderes do PSD. Foram exibidos 2 filmes nas sessões de abertura e de encerramento do Congresso. O primeiro filme conta a história do combate da Ala Liberal pela democratização do País, e o envolvimento neste combate dos fundadores do Partido. O filme exibido no encerramento, salienta o papel de liderança do PSD no esforço que está a ser feito para repor Portugal na senda do progresso, do desenvolvimento sustentável e do bem- -estar dos portugueses. O Congresso constituiu ainda ocasião para apresentar uma timeline interactiva que conta a história que levou à fundação do Partido e os seus 40 anos de vida inseridos nos 40 anos da democracia portuguesa. Esta timeline, que atraiu a atenção dos congressistas e da generalidade dos media presentes, estará instalada nas sessões que durante este ano terão lugar por todo o País. Ainda no domínio das novas tecnologias foi desenvolvido um jogo interactivo, quiz, em que se pretende, de uma forma moderna e divertida testar os conhecimentos das pessoas interessadas, e foram muitas, sobre factos relevantes da vida do Partido. 2

3 COMEMORAÇÕES NACIONAIS JÁ AGENDADAS CONFERÊNCIA DE IMPRENSA DE APRESENTAÇÃO DA COMISSÃO COORDENADORA E DE INICIATIVAS JÁ AGENDADAS. Dia: 11 de Março CONSTITUIÇÃO DA COMISSÃO COORDENADORA PRESIDENTE FRANCISCO PINTO BALSEMÃO Marco António Costa José Matos Rosa Carlos Coelho Albino Soares Luís Marques Mendes Carlos Pimenta Cândida Oliveira Alexandre Relvas António Ramalho Maria do Céu Ramos 3

4 A REVOLTA DAS CALDAS DA RAINHA Dia: 16 de Março Local: Centro Cultural das Caldas da Rainha Sessão comemorativa da saída do Regimento das Caldas da Rainha, em que se falará da história desta acção militar e dos seus protagonistas. A este propósito, será feita uma intervenção do historiador Rui Ramos. A CONQUISTA DA DEMOCRACIA Dia: 25 de Abril Participação no programa de comemorações do 25 de Abril. DIA INTERNACIONAL DO TRABALHADOR Dia: 1 de Maio Associação às comemorações do 1º de Maio e dos 30 anos dos TSD- Trabalhadores Social-Democratas 40 ANOS DA FUNDAÇÃO DO PSD Dia: 6 de Maio Local: Porto. Edifício da Alfândega Comemoração que assinala os 40 Anos da Fundação do PSD, onde serão homenageados os militantes com 40 anos de filiação no Partido. Apresentação da Comissão de Honra das Comemorações. CICLO DE CONFERÊNCIAS DISTRITAIS Local: em cada uma das Regiões Autónomas e Distritos, durante todo o ano até ao dia 6 de Maio de Sessões em que será evocada a História Local do PSD e que se destinam também a reflectir sobre os desafios da social- -democracia no século XXI. PUBLICAÇÕES Os 40 Anos da História do PSD (será igualmente objecto da realização de um vídeo). História Local do PSD nas Regiões Autónomas e nos Distritos e História das Organizações Autónomas (JSD, TSD e ASD). Os Desafios da Social-democracia no Século XXI Cronologia EXPOSIÇÕES Serão organizadas exposições que acompanham as sessões previstas e que incluem a timeline o quiz, colecção de cartazes e fotos alusivos à vida do PSD. SITE Dentro da página oficial do PSD será criado um site dedicado aos 40 Anos em que serão disponibilizados todos os conteúdos produzidos no âmbito destas comemorações. ENCERRAMENTO DAS COMEMORAÇÕES Dia: 6 de Maio de

5 A Social-Democracia no século XXI CALENDÁRIO DEMOCRACIA POLÍTICA TEMA EVENTO QUESTÕES A ABORDAR (INDICATIVO) LOCAIS A DEMOCRACIA E AS NOVAS REPRESENTAÇÕES AUTARQUIAS O ESTADO PRÓXIMO 3. O ESPAÇO REGIONAL PORTUGAL E A VOCAÇÃO EUROPEIA PORTUGAL E A SUA DIMENSÃO LUSÓFONA FORÇAS ARMADAS DO PORTUGAL EUROPEU DESENVOLVIMENTO REGIONAL: COESÃO TERRITORIAL A COMUNICAÇÃO SOCIAL E O SERVIÇO À SOCIEDADE REVISÃO CONSTITUCIONAL DE 1982 PRIMEIRAS ELEIÇÕES AUTÁRQUICAS TOMADA DE POSSE DO 1º GOVERNO REGIONAL DIA DE ADESÃO LANÇAMENTO EM S. LUIS DO MARANHÃO DA IDEIA DO CPLP LEI DO SERVIÇO MILITAR LEGISLAÇÃO DE 1982 (26 de Maio) com os PDMs 1ª EMISSÃO SIC A essência a representação partidária O desafio dos independentes Os limites aos mandatos As soberanias não eleitas O sistema eleitoral A organização autárquica A transferência de poderes e modelos de financiamento A gestão do executivo camarário As comunidades intermunicipais O papel das Freguesias Os novos desafios da autonomia Autonomia e enquadramento no espaço europeu O choque de "soberanias" Supranacional Nacional Regional Os novos desafios à Europa O papel dos países médios Europa Centrípeta ou Centrífuga Europa das pessoas A língua como vetor de coesão internacional O nosso designio atlântico A importância da CPLP A co-soberana de função defesa A reorganização das Forças Armadas As funções das Forças Armadas nos tempos modernos A nova organização do espaço territorial O valor do espaço O financiamento das cidades A moblidade O ordenamento do território e as limitações à propriedade Liberdade de imprensa Limites e autoregulação A propriedade dos meios e a liberdade de imprensa Novos meios e a gestão dos conteúdos COIMBRA GUARDA AÇORES VIANA DO CASTELO AVEIRO SANTARÉM VILA REAL LISBOA DEMOCRACIA ECONÓMICA TEMA EVENTO QUESTÕES A ABORDAR (INDICATIVO) LOCAIS NOVAS PERSPETIVAS DE INTERVENÇÃO DO ESTADO RENOVAÇÃO DO SISTEMA FISCAL: EQUIDADE COMPETITIVIDADE A REFUNDAÇÃO DO SISTEMA FINANCEIRO GLOBALIZAÇÃO: INVESTIMENTOS E EXPORTAÇÕES DESENVOLVIMENTO E SUSTENTABILIDADE NOVOS DESAFIOS NA FUNÇÃO PÚBLICA CIDADES DOSÉCULO XXI E MERCADO DA HABITAÇÃO LEI DE DELIMITAÇÃO DOS SETORES INTRODUÇÃO DO IRS E IRC LEGISLAÇÃO RG DAS INSTITUIÇÕES DE CRÉDITO INAUGURAÇÃO DA AUTO- EUROPA LEGISLAÇÃO QUADRO DO AMBIENTE LEI DO EMPREGO PÚBLICO NOVO REGIME DE CRÉDITO DE HABITAÇÃO Concertação Negociação Concorrência Defesa do Consumidor Novos desafios do sistema fiscal Os incentivos fiscais para empresas O controlo de fraude e a universalidade do imposto Impostos e Taxas Garantias dos Contribuintes A gestão de liquidez O capital e a concessão de crédito Caixa Geral de Depósitos e Banco de Fomento A recuperação dos bancos intervencionados Custos de contexto e desenvolvimento das exportações A mobilidade das exportações Novos mercados e novos produtos Financiamento e seguro de crédito Novas exigências ambientais Energias renováveis Redução de emissões O beneficio do custo de preservação ambiental A reforma do emprego público A mobilidade interna Sistemas de incentivos O ajustamento das condições dos funcionários O futuro do território A questão do espaço turístico Habitação e recuperação urbana Habitação no espaço rural LEIRIA MADEIRA OESTE BRAGA BEJA BRAGANÇA VISEU 5

6 DEMOCRACIA SOCIAL E CULTURAL TEMA EVENTO QUESTÕES A ABORDAR (INDICATIVO) LOCAIS NOVOS DESAFIOS DO ESTADO SOCIAL NOVOS DESAFIOS DA SEGURANÇA SOCIAL EQUIDADE INTERGERACIONAL A IGUALDADE DE OPORTUNIDADES E MOBILIDADE SOCIAL CONCERTAÇÃO SOCIAL O MERCADO LABORAL A CULTURA COMO FATOR DE IDENTIDADE E PROGRESSO ESTATUTOS DAS IPSS INTRODUÇÃO DE TAXA SOCIAL ÚNICA LEI DE BASES DE AUTONOMIA UNIVERSITÁRIA REUNIÃO DE CONSTITUIÇÃO DA UGT LEI DO MECENATO CULTURAL Pobreza e desigualdade Sistemas de saúde Família e natalidade Instituições de solidariedade social As prestações orientadas à preservação da dignidade humana A sustentabilidade da segurança social A harmonização dos sistemas de segurança social público e privado Equidade Geracional O equilibrio social do ensino obrigatório O abandono escolar O acesso à Universidade O ensino pós universitário A flexibilização dos recursos laborais O desafio da formação "on job" A contratação coletiva e o exclusivo sindical Sistemas de remuneração flexível O financiamento da cultura A cultura como espaço de mudança e como espaço de diferença A democratização do acesso à cultura PORTALEGRE CASTELO BRANCO PORTO SETÚBAL ÉVORA NOTA: ESTES DEBATES TEMÁTICOS SOBRE OS DESAFIOS DA SOCIAL-DEMOCRACIA NO SÉCULO XXI SERÃO OBJECTO DE PUBLICAÇÃO. ANOS DE DEMOCRACIA

ELEIÇÃO DA ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA

ELEIÇÃO DA ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Círculo eleitoral dos Açores Aliança Açores Partido Social Democrata Partido Democrático do Atlântico CDS-PP. PPD/D PDA Círculo eleitoral de Aveiro Partido Cidadania e Democracia Cristã PPV/CDC PPD/D.

Leia mais

Iniciativa Move-te, faz Acontecer

Iniciativa Move-te, faz Acontecer Iniciativa Move-te, faz Acontecer Entidades Promotoras: Associação CAIS (Projecto Futebol de Rua): Fundada em 1994, a Associação CAIS tem como Missão contribuir para o melhoramento global das condições

Leia mais

O contributo da EAPN Portugal / Rede Europeia

O contributo da EAPN Portugal / Rede Europeia 2011 Ano Europeu das Atividades de Voluntariado que Promovam uma Cidadania Ativa O contributo da EAPN Portugal / Rede Europeia Anti - Pobreza José Machado 22 Outubro 2011 Estrutura da Comunicação Pobreza

Leia mais

A Participação Cívica dos Jovens

A Participação Cívica dos Jovens A Participação Cívica dos Jovens 2 Parlamento dos Jovens 2009 Nos dias 25 e 26 de Maio de 2009, realizou-se em Lisboa, no Palácio de São Bento, a Sessão Nacional do Parlamento dos Jovens 2009 do Ensino

Leia mais

Atribuições e competências dos vários níveis de administração pública Competências e financiamento das Autarquias locais

Atribuições e competências dos vários níveis de administração pública Competências e financiamento das Autarquias locais Sumário Atribuições e competências dos vários níveis de Competências e financiamento das Autarquias locais Níveis de administração Administração Central/Nível Nacional Administração Local/Nível Municipal

Leia mais

O PANORAMA DOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PORTUGUESES NOVOS SERVIÇOS NUM MERCADO EM MUDANÇA

O PANORAMA DOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PORTUGUESES NOVOS SERVIÇOS NUM MERCADO EM MUDANÇA O PANORAMA DOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PORTUGUESES NOVOS SERVIÇOS NUM MERCADO EM MUDANÇA IMPRENSA ESCRITA E DIGITAL DUAS FORMAS COMPLEMENTARES DE COMUNICAR PUBLICAÇÕES ATIVAS: 2008-2012 3.169 2.940

Leia mais

ESTRUTURA EMPRESARIAL NACIONAL 1995/98

ESTRUTURA EMPRESARIAL NACIONAL 1995/98 ESTRUTURA EMPRESARIAL NACIONAL 1995/98 NOTA METODOLÓGICA De acordo com a definição nacional, são pequenas e médias empresas aquelas que empregam menos de 500 trabalhadores, que apresentam um volume de

Leia mais

Economia Social Portuguesa: Papel no Pós Troika

Economia Social Portuguesa: Papel no Pós Troika I Congresso Internacional A Economia Social nos Desafios do Séc. XXI Estoril 29 de Junho de 2013 Economia Social Portuguesa: Papel no Pós Troika Quem Somos? CONFAGRI Confederação de Cooperativas Enquadramento

Leia mais

IV JORNADAS IBERO-ATLÂNTICAS DE ESTATÍSTICAS REGIONAIS 22 e 23 de junho de 2012 ESTATÍSTICAS FINANCEIRAS REGIONAIS. João Cadete de Matos

IV JORNADAS IBERO-ATLÂNTICAS DE ESTATÍSTICAS REGIONAIS 22 e 23 de junho de 2012 ESTATÍSTICAS FINANCEIRAS REGIONAIS. João Cadete de Matos 22 e 23 de junho de 2012 ESTATÍSTICAS FINANCEIRAS REGIONAIS João Cadete de Matos 1ª Parte Estatísticas do Banco de Portugal Estatísticas Financeiras Regionais 2 Evolução da difusão Estatística no Banco

Leia mais

Sociedades de Garantia Mútua (SGM) são:

Sociedades de Garantia Mútua (SGM) são: Sociedades de Garantia Mútua (SGM) são: Operadores financeiros que prestam às instituições bancárias as garantias que lhes permitem disponibilizar às PME empréstimos em condições mais favoráveis. Ao partilhar

Leia mais

Título da comunicação: A Situação Profissional de Ex-Bolseiros de Doutoramento

Título da comunicação: A Situação Profissional de Ex-Bolseiros de Doutoramento Título da comunicação: A Situação Profissional de Ex-Bolseiros de Doutoramento Evento: Local: Data: CONFERÊNCIA REGIONAL DE LISBOA E VALE DO TEJO Centro de Formação Profissional de Santarém 10 de Março

Leia mais

QUESTIONÁRIO A SOCIEDADE DIGITAL E O NOVO PERFIL DO TÉCNICO OFICIAL DE CONTAS

QUESTIONÁRIO A SOCIEDADE DIGITAL E O NOVO PERFIL DO TÉCNICO OFICIAL DE CONTAS Contacto: nelma.marq@gmail.com QUESTIONÁRIO A SOCIEDADE DIGITAL E O NOVO PERFIL DO TÉCNICO OFICIAL DE CONTAS O presente questionário pretende servir de apoio ao desenvolvimento de um estudo relacionado

Leia mais

Semana Pelo Combate à Pobreza e à Exclusão Social 10 a 19 de outubro de 2015

Semana Pelo Combate à Pobreza e à Exclusão Social 10 a 19 de outubro de 2015 0 a 9 de outubro de 05 Pelo Combate à Pobreza e à Exclusão Social * I Descrição do Projeto O Ano Europeu do Combate à Pobreza e à Exclusão Social (AECPES), celebrado em 00, teve como objetivo reafirmar

Leia mais

ESTATUTO DA ASSEMBLEIA PARLAMENTAR DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA

ESTATUTO DA ASSEMBLEIA PARLAMENTAR DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA ESTATUTO DA ASSEMBLEIA PARLAMENTAR DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA Nós, representantes democraticamente eleitos dos Parlamentos de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné- Bissau, Moçambique, Portugal,

Leia mais

A Rede de Ensino Superior em Portugal e a sua cobertura geográfica com critérios de distância e temporais

A Rede de Ensino Superior em Portugal e a sua cobertura geográfica com critérios de distância e temporais A Rede de Ensino Superior em Portugal e a sua cobertura geográfica com critérios de distância e temporais Maria Cristina Canavarro Teixeira Instituto Politécnico de Castelo Branco Escola Superior Agrária,

Leia mais

AGENDA VALORIZAÇÃO DO TERRITÓRIO

AGENDA VALORIZAÇÃO DO TERRITÓRIO Novas Oportunidades para o Financiamento de Investimento Público e Empresarial no âmbito do QREN --- Sines 11 de Março de 2008 A Agenda Operacional para a Valorização do Território é uma estratégia de

Leia mais

Percurso lógico para a criação de uma empresa:

Percurso lógico para a criação de uma empresa: Percurso lógico para a criação de uma empresa: [3] Formas jurídicas de criar um negocio: Os negócios desenvolvidos por uma pessoa poderão ter a forma jurídica de Empresário em Nome Individual, Estabelecimento

Leia mais

6º Congresso Nacional da Administração Pública

6º Congresso Nacional da Administração Pública 6º Congresso Nacional da Administração Pública João Proença 30/10/08 Desenvolvimento e Competitividade: O Papel da Administração Pública A competitividade é um factor-chave para a melhoria das condições

Leia mais

Fevereiro 2009 ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CONFEDERAÇÃO EMPRESARIAL

Fevereiro 2009 ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CONFEDERAÇÃO EMPRESARIAL INQUÉRITO AO CRÉDITO Fevereiro 2009 ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CONFEDERAÇÃO EMPRESARIAL Introdução O Inquérito ao Crédito Fevereiro 2009, realizado pela AIP-CE, teve como base uma amostra constituída

Leia mais

Dia da. FORMAÇÃO FINANCEIRA 31outubro2014

Dia da. FORMAÇÃO FINANCEIRA 31outubro2014 Dia da FORMAÇÃO FINANCEIRA 31outubro2014 P ro g ra m a A FORMAÇÃO FINANCEIRA NO APOIO AO EMPREENDEDORISMO Dia de Formação Financeira 2014 A 31 de outubro, Dia Mundial da Poupança, o Plano Nacional de Formação

Leia mais

Mestrados ENSINO PÚBLICO. 1. ISCTE Instituto Universitário de Lisboa

Mestrados ENSINO PÚBLICO. 1. ISCTE Instituto Universitário de Lisboa Mestrados ENSINO PÚBLICO 1. ISCTE Instituto Universitário de Lisboa Mestrado em Ciência Política O mestrado em Ciência Política tem a duração de dois anos, correspondentes à obtenção 120 créditos ECTS,

Leia mais

«Concurso Jovem Agricultor Português»

«Concurso Jovem Agricultor Português» «Concurso Jovem Agricultor Português» Como já é tradição, desde há muito, que a Caixa não descura a intenção de apoiar e estimular a economia nacional, assim como outras áreas de interesse, mostrando com

Leia mais

MUNICIPIO DE ALMADA. Assembleia Municipal MOÇÃO/DELIBERAÇÃO. (Cooperativas em Almada: A Alternativa para o Consumo e Economia Locais)

MUNICIPIO DE ALMADA. Assembleia Municipal MOÇÃO/DELIBERAÇÃO. (Cooperativas em Almada: A Alternativa para o Consumo e Economia Locais) MOÇÃO/DELIBERAÇÃO (Cooperativas em Almada: A Alternativa para o Consumo e Economia Locais) Uma cooperativa é uma associação autónoma de pessoas que se unem, voluntariamente, para satisfazer aspirações

Leia mais

As dividas das empresa à Segurança Social disparam com o governo de Sócrates Pág. 1

As dividas das empresa à Segurança Social disparam com o governo de Sócrates Pág. 1 As dividas das empresa à Segurança Social disparam com o governo de Sócrates Pág. 1 AS DIVIDAS DAS EMPRESAS À SEGURANÇA SOCIAL DISPARAM COM O GOVERNO DE SÓCRATES: - só em 2006 a Segurança Social perdeu

Leia mais

ARQUIVO MÁRIO SOARES

ARQUIVO MÁRIO SOARES ARQUIVO MÁRIO SOARES PASTA N.º 0277,001 Imagem n.º: 2 Documento Guia da Campanha Eleitoral: Temática e Estratégia 1979 N.º ou Ref.ª: Data: 0/0/1979 CTE PS Descrição: Contém os seguintes itens: A - Introdução,

Leia mais

9718 Comunicação Social e Cultura 9720 Comunicação, Cultura e Organizações

9718 Comunicação Social e Cultura 9720 Comunicação, Cultura e Organizações 0130 0130 0130 0130 0130 0130 0130 Universidade dos Açores - Ponta Delgada 8083 Ciclo Básico de Medicina 8083 Ciclo Básico de Medicina Universidade dos Açores - Ponta Delgada Universidade dos Açores -

Leia mais

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Deputados do PSD eleitos pela Região do Algarve Gabinete de apoio Palácio de S. Bento - 1249-068 Lisboa Telef: 213917282 - Fax: 213917445 Mail da coordenação: mendesbota@psd.parlamento.pt NOTA DE IMPRENSA

Leia mais

Mestrados ENSINO PÚBLICO. 1-ISCTE Instituto Universitário de Lisboa

Mestrados ENSINO PÚBLICO. 1-ISCTE Instituto Universitário de Lisboa Mestrados ENSINO PÚBLICO 1-ISCTE Instituto Universitário de Lisboa *Mestrado em Ciência Política O mestrado em Ciência Política tem a duração de dois anos, correspondentes à obtenção 120 créditos ECTS,

Leia mais

Calendários e Regulamentos das Competições Federativas Nacionais 2015. Pesagens (horário provisório) 07/02 Sábado VIII Supertaça Fernando Gaspar 15:00

Calendários e Regulamentos das Competições Federativas Nacionais 2015. Pesagens (horário provisório) 07/02 Sábado VIII Supertaça Fernando Gaspar 15:00 Calendários e Regulamentos das Competições Federativas Nacionais 2015 1. Calendário Federativo Nacional Data Dia da Semana Evento Pesagens (horário provisório) 07/02 Sábado VIII Supertaça Fernando Gaspar

Leia mais

1.1) Processos de Sobre-endividamento entre 2000 e 2014.3 1.2) Processos de Sobre-endividamento, durante os anos de 2012, 2013 e 2014...

1.1) Processos de Sobre-endividamento entre 2000 e 2014.3 1.2) Processos de Sobre-endividamento, durante os anos de 2012, 2013 e 2014... Índice 1. Processos de Sobre-endividamento 1.1) Processos de Sobre-endividamento entre 2000 e 2014.3 1.2) Processos de Sobre-endividamento, durante os anos de 2012, 2013 e 2014... 4 2. Causas de Sobre-endividamento

Leia mais

Plano Estratégico dos Transportes e Infraestruturas. Horizonte 2014-2020

Plano Estratégico dos Transportes e Infraestruturas. Horizonte 2014-2020 Plano Estratégico dos Transportes e Infraestruturas Horizonte 2014-2020 Consensualização de Prioridades O Grupo de Trabalho para as Infraestruturas de Elevado Valor Acrescentado apresentou o seu relatório

Leia mais

9718 Comunicação Social e Cultura 9720 Comunicação, Cultura e Organizações

9718 Comunicação Social e Cultura 9720 Comunicação, Cultura e Organizações Congénere 0130 Universidade dos Açores - Ponta Delgada 8083 Ciclo Básico de Medicina 8083 Ciclo Básico de Medicina 0130 Universidade dos Açores - Ponta Delgada 0130 Universidade dos Açores - Ponta Delgada

Leia mais

MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES

MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES 1783 MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES Decreto n.º 7/2008 de 27 de Março A rede ferroviária de alta velocidade constitui um empreendimento público de excepcional interesse nacional

Leia mais

MAPA VII DESPESAS DOS SERVIÇOS E FUNDOS AUTÓNOMOS, POR CLASSIFICAÇÃO ORGANICA, COM ESPECIFICAÇÃO DAS DESPESAS GLOBAIS DE CADA SERVIÇO E FUNDO

MAPA VII DESPESAS DOS SERVIÇOS E FUNDOS AUTÓNOMOS, POR CLASSIFICAÇÃO ORGANICA, COM ESPECIFICAÇÃO DAS DESPESAS GLOBAIS DE CADA SERVIÇO E FUNDO ANO ECONÓMICO DE 2010 Página 1 01 - ENCARGOS GERAIS DO ESTADO ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA COFRE PRIVATIVO DO TRIBUNAL DE CONTAS - SECÇÃO REGIONAL DA MADEIRA COFRE PRIVATIVO DO TRIBUNAL DE CONTAS - SECÇÃO REGIONAL

Leia mais

Q1 Há quanto tempo se graduou em Medicina Veterinária?

Q1 Há quanto tempo se graduou em Medicina Veterinária? Q1 Há quanto tempo se graduou em Medicina Veterinária? Respondidas: Ignoradas: 0 < 10 anos 10 a 20 anos 20 a 30 anos > 30 anos Opções de resposta < 10 anos 10 a 20 anos 20 a 30 anos > 30 anos Respostas

Leia mais

o Urbanismo tem por objecto com a construção racional da cidade, incluindo a renovação e gestão urbanas.

o Urbanismo tem por objecto com a construção racional da cidade, incluindo a renovação e gestão urbanas. Doc 5. Proposta de Projecto de Lei Sobre a Profissão, a Prática e a Formação do Urbanista A necessidade de implementar uma política consistente de Ordenamento do Território e Urbanismo, tem determinado

Leia mais

MINISTÉRIO DOS NEGóCIOS ESTRANGEIROS DIRECÇÃO GERAL DOS ASSUNTOS MULTILATERAIS Direcção de Serviços das Organizações Económicas Internacionais

MINISTÉRIO DOS NEGóCIOS ESTRANGEIROS DIRECÇÃO GERAL DOS ASSUNTOS MULTILATERAIS Direcção de Serviços das Organizações Económicas Internacionais MINISTÉRIO DOS NEGóCIOS ESTRANGEIROS DIRECÇÃO GERAL DOS ASSUNTOS MULTILATERAIS Direcção de Serviços das Organizações Económicas Internacionais Intervenção de SEXA o Secretário de Estado Adjunto do Ministro

Leia mais

Inquérito ao Crédito. Relatório

Inquérito ao Crédito. Relatório Inquérito ao Crédito Relatório Março 2012 Destaques O crédito bancário é a fonte de financiamento mais significativa referida por cerca de 70% das empresas. O financiamento pelos sócios ou accionistas

Leia mais

Na Cidade é de Scoo. u-scoot, 2015 1

Na Cidade é de Scoo. u-scoot, 2015 1 Na Cidade é de Scoo u-scoot, 2015 1 Porquê a Scooter? u-scoot, 2015 2 u-scoot, 2015 3 u-scoot, 2015 4 u-scoot, 2015 5 Pode circular na autoestrada e atravessar as pontes Permite transportar 2 pessoas Tem

Leia mais

2º CONGRESSO DAS EMPRESAS E DAS ATIVIDADES ECONÓMICAS. Lisboa, 9 e 10 de julho de 2015. Sessão de Abertura. António Saraiva, Presidente da CIP

2º CONGRESSO DAS EMPRESAS E DAS ATIVIDADES ECONÓMICAS. Lisboa, 9 e 10 de julho de 2015. Sessão de Abertura. António Saraiva, Presidente da CIP 2º CONGRESSO DAS EMPRESAS E DAS ATIVIDADES ECONÓMICAS Lisboa, 9 e 10 de julho de 2015 Sessão de Abertura António Saraiva, Presidente da CIP Bom Dia, Senhoras e Senhores Embaixadores, Senhores Representantes

Leia mais

ÍNDICE... 2 INTRODUÇÃO... 3 I ENQUADRAMENTO INSTITUCIONAL... 4 II PLANO DE ATIVIDADES PARA 2016... 6 1. EIXO 1 PROFISSIONALIZAÇÃO DE SERVIÇOS 6

ÍNDICE... 2 INTRODUÇÃO... 3 I ENQUADRAMENTO INSTITUCIONAL... 4 II PLANO DE ATIVIDADES PARA 2016... 6 1. EIXO 1 PROFISSIONALIZAÇÃO DE SERVIÇOS 6 PLANO DE ATIVIDADES E ORÇAMENTO 2016 ÍNDICE ÍNDICE... 2 INTRODUÇÃO... 3 I ENQUADRAMENTO INSTITUCIONAL... 4 1. Princípios de Ação.4 2. Recursos Organizacionais.4 3. Recursos Humanos 5 4. Recursos Físicos

Leia mais

Viver e Construir a Democracia. Escola João da Rosa na Assembleia da República!

Viver e Construir a Democracia. Escola João da Rosa na Assembleia da República! Viver e Construir a Democracia Escola João da Rosa na Assembleia da República! Nos dias 4 e 5 de maio, os alunos Filipe Gonçalves e Stefan Apolinário, que frequentam o 5º e 9ºanos na Escola EB 2,3 João

Leia mais

ESTATUTOS DA FUNDAÇÃO VODAFONE PORTUGAL. CAPÍTULO I Disposições Gerais

ESTATUTOS DA FUNDAÇÃO VODAFONE PORTUGAL. CAPÍTULO I Disposições Gerais ESTATUTOS DA FUNDAÇÃO VODAFONE PORTUGAL CAPÍTULO I Disposições Gerais ARTIGO PRIMEIRO (Natureza) A Fundação Vodafone Portugal, adiante designada abreviadamente por Fundação, é uma instituição de direito

Leia mais

ANET-ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS ENGENHEIROS TÉCNICOS

ANET-ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS ENGENHEIROS TÉCNICOS ANET-ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS ENGENHEIROS TÉCNICOS GRUPO 1 CURSOS REGISTADOS E ANALISADOS PELA ANET, CONSIDERADOS HABILITANTES PARA A REALIZAÇÃO DE TODOS OS ACTOS DA ESPECIALIDADE CURSOS REGISTADOS -GRUPO

Leia mais

12ª AVALIAÇÃO DO PROGRAMA DE AJUSTAMENTO ECONÓMICO E FINANCEIRO POSIÇÃO DA UGT

12ª AVALIAÇÃO DO PROGRAMA DE AJUSTAMENTO ECONÓMICO E FINANCEIRO POSIÇÃO DA UGT 12ª AVALIAÇÃO DO PROGRAMA DE AJUSTAMENTO ECONÓMICO E FINANCEIRO POSIÇÃO DA UGT Estando a chegar ao fim o Programa de Ajustamento Económico e Financeiro (PAEF) e, consequentemente, as avaliações regulares

Leia mais

Escola Secundária com 2.º e 3.º ciclos Anselmo de Andrade. Critérios de Avaliação / Planificação 6.º Ano - HGP Grupo 400 História Ano Letivo 2014/15

Escola Secundária com 2.º e 3.º ciclos Anselmo de Andrade. Critérios de Avaliação / Planificação 6.º Ano - HGP Grupo 400 História Ano Letivo 2014/15 Domínio/ Tema/unidade História de Portugal Subdomínio/ conteúdos Compreensão da espacialidade Temporalidade Metas de aprendizagem intermédias Meta 1 O aluno traça, em diferentes representações cartográficas,

Leia mais

III ASSEMBLEIA PARLAMENTAR DA CPLP (AP CPLP) PARLAMENTO NACIONAL DE TIMOR-LESTE. Díli, Timor-leste. 20 a 23 de Setembro de 2011

III ASSEMBLEIA PARLAMENTAR DA CPLP (AP CPLP) PARLAMENTO NACIONAL DE TIMOR-LESTE. Díli, Timor-leste. 20 a 23 de Setembro de 2011 III ASSEMBLEIA PARLAMENTAR DA CPLP (AP CPLP) PARLAMENTO NACIONAL DE TIMOR-LESTE Díli, Timor-leste 20 a 23 de Setembro de 2011 1 Enquadramento Teve lugar, em Díli (República Democrática de Timor - Leste),

Leia mais

Existe, por isso, uma necessidade evidente de reforçar os laços entre representantes e representados.

Existe, por isso, uma necessidade evidente de reforçar os laços entre representantes e representados. Senhora Presidente da Assembleia Legislativa da Região Senhor Presidente do Governo Regional dos Açores Senhoras Deputadas e Senhores Deputados Senhoras e Senhores Membros do Governo A democracia representativa

Leia mais

DECLARAÇÃO DE PRINCÍPIOS DA JUVENTUDE SOCIALISTA AÇORES

DECLARAÇÃO DE PRINCÍPIOS DA JUVENTUDE SOCIALISTA AÇORES DECLARAÇÃO DE PRINCÍPIOS DA JUVENTUDE SOCIALISTA AÇORES 1. A Juventude Socialista Açores é a organização política dos jovens açorianos ou residentes na Região Autónoma dos Açores que nela militam, que

Leia mais

Eng.º José Pinto Leite

Eng.º José Pinto Leite Dia 27 de Maio Investimento e sustentabilidade Eng.º José Pinto Leite Programa Polis Congresso LIDER A 09 Sustentabilidade e o POLIS José Manuel Pinto Leite IST 27/05/2009 1 Sustentabilidade e o POLIS

Leia mais

Instituição da R.A. dos Açores Curso Superior. Instituição de Ensino Superior Curso Superior Congénere. 0130 Universidade dos Açores - Ponta Delgada

Instituição da R.A. dos Açores Curso Superior. Instituição de Ensino Superior Curso Superior Congénere. 0130 Universidade dos Açores - Ponta Delgada 0201 Universidade do Algarve - Faculdade de Ciências Humanas e Sociais 9219 Psicologia 9219 Psicologia 0203 0203 0203 0204 0204 0204 0300 0300 0300 0300 0300 0300 0300 0300 Universidade do Algarve - Faculdade

Leia mais

Anexo C. Estabelecimentos de Ensino Superior. Índice

Anexo C. Estabelecimentos de Ensino Superior. Índice Anexo C Estabelecimentos de Ensino Superior Índice Anexo C1 - Estabelecimentos de Ensino Superior: Situação em 1980...c.2 Anexo C2 - Estabelecimentos de Ensino Superior: Situação em 1990...c.4 Anexo C3

Leia mais

Apoio à Internacionalização das Empresas

Apoio à Internacionalização das Empresas Apoio à Internacionalização das Empresas 26 de Novembro de 2009 Apoio à internacionalização das empresas Moçambique: Dados Gerais O Sector Financeiro em Moçambique O Grupo Caixa Geral de Depósitos Soluções

Leia mais

Portugal 2020. Pedro Gomes Nunes. Director Executivo. Lisboa, Fevereiro 2014. www.risa.pt

Portugal 2020. Pedro Gomes Nunes. Director Executivo. Lisboa, Fevereiro 2014. www.risa.pt Pedro Gomes Nunes Director Executivo Lisboa, Fevereiro 2014 RISA - Apresentação ÁREAS DE NEGÓCIO Estudos e Projectos + 20 anos de experiência + 1.500 candidaturas a Fundos Comunitários aprovadas. + 1,6

Leia mais

RESOLUÇÃO PROPOSTA DE LEI DO CÓDIGO DE TRABALHO CONTINUA INACEITÁVEL NEGOCIAÇÃO DEVE PROSSEGUIR

RESOLUÇÃO PROPOSTA DE LEI DO CÓDIGO DE TRABALHO CONTINUA INACEITÁVEL NEGOCIAÇÃO DEVE PROSSEGUIR RESOLUÇÃO PROPOSTA DE LEI DO CÓDIGO DE TRABALHO CONTINUA INACEITÁVEL NEGOCIAÇÃO DEVE PROSSEGUIR 1. Desde que em Julho passado o Governo anunciou a apresentação de um projecto de Código Laboral, decorreram

Leia mais

A POSIÇÃO DE PORTUGAL NA EUROPA E NO MUNDO

A POSIÇÃO DE PORTUGAL NA EUROPA E NO MUNDO A POSIÇÃO DE PORTUGAL NA EUROPA E NO MUNDO Portugal situa-se no extremo sudoeste da Europa e é constituído por: Portugal Continental ou Peninsular (Faixa Ocidental da Península Ibérica) Parte do território

Leia mais

GERAÇÃO DEPOSITRÃO 6 ERP PORTUGAL. Filipa Moita 25 janeiro 2014 Centro de Exposições BRAGA

GERAÇÃO DEPOSITRÃO 6 ERP PORTUGAL. Filipa Moita 25 janeiro 2014 Centro de Exposições BRAGA GERAÇÃO DEPOSITRÃO 6 ERP PORTUGAL Filipa Moita 25 janeiro 2014 Centro de Exposições BRAGA 1 GERAÇÃO DEPOSITRÃO Recolha de equipamentos e pilhas em fim de vida 603 Eco-Escolas nacionais Escolas = pontos

Leia mais

Como Vamos Melhorar a Educação nos Próximos Anos?

Como Vamos Melhorar a Educação nos Próximos Anos? Como Vamos Melhorar a Educação nos Próximos Anos? Apresentação do Debate Nacional Sobre a Educação Assembleia da República, 22 de Maio de 2006 Júlio Pedrosa de Jesus, Presidente do Conselho Nacional de

Leia mais

ÍNDICE... 2 INTRODUÇÃO... 3 I ENQUADRAMENTO INSTITUCIONAL... 4 II PLANO DE ATIVIDADES PARA 2016... 6 1. EIXO 1 PROFISSIONALIZAÇÃO DE SERVIÇOS 6

ÍNDICE... 2 INTRODUÇÃO... 3 I ENQUADRAMENTO INSTITUCIONAL... 4 II PLANO DE ATIVIDADES PARA 2016... 6 1. EIXO 1 PROFISSIONALIZAÇÃO DE SERVIÇOS 6 PLANO DE ATIVIDADES E ORÇAMENTO 2016 ÍNDICE ÍNDICE... 2 INTRODUÇÃO... 3 I ENQUADRAMENTO INSTITUCIONAL... 4 1. Princípios de Ação.4 2. Recursos Organizacionais.4 3. Recursos Humanos 5 4. Recursos Físicos

Leia mais

Acesso ao curso de Licenciatura em ENGENHARIA DO AMBIENTE (ESTGV/IPV) para titulares de CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA*

Acesso ao curso de Licenciatura em ENGENHARIA DO AMBIENTE (ESTGV/IPV) para titulares de CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA* Acesso ao curso de Licenciatura em ENGENHARIA DO AMBIENTE (ESTGV/IPV) para titulares de CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA* * CETs referenciados pelo Conselho Técnico-Científico da ESTGV para acesso

Leia mais

Programa Operacional Regional do Centro 2014-2020. Ana Abrunhosa Presidente da Comissão Diretiva do CENTRO 2020

Programa Operacional Regional do Centro 2014-2020. Ana Abrunhosa Presidente da Comissão Diretiva do CENTRO 2020 Programa Operacional Regional do Centro 2014-2020 Ana Abrunhosa Presidente da Comissão Diretiva do CENTRO 2020 PROGRAMA OPERACIONAL REGIONAL DO CENTRO 2014-2020 Dotação financeira: 2.155 M FEDER: 1.751

Leia mais

e-municípios 2009 Serviços Online Municipais Avaliação dos

e-municípios 2009 Serviços Online Municipais Avaliação dos Avaliação dos Serviços Online Municipais e-municípios 2009 2 3 A. Metodologia 5 6 Serviços a avaliar Feiras e mercados Taxas municipais Certidão para efeitos de IMI Consulta de informação georreferenciada

Leia mais

CONSTITUIÇÃO PORTUGUESA ACERCA DO PATRIMÓNIO CULTURAL.

CONSTITUIÇÃO PORTUGUESA ACERCA DO PATRIMÓNIO CULTURAL. CADERNOS DE SOCIOMUSEOLOGIA Nº 15-1999 309 CONSTITUIÇÃO PORTUGUESA ACERCA DO PATRIMÓNIO CULTURAL. Artigo 9.º (Tarefas fundamentais do Estado) São tarefas fundamentais do Estado:. a) Garantir a independência

Leia mais

PROPOSTAS DE ALGUMAS MEDIDAS CONCRETAS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL

PROPOSTAS DE ALGUMAS MEDIDAS CONCRETAS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL PROPOSTAS DE ALGUMAS MEDIDAS CONCRETAS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL 1 São muitas e variadas as soluções e medidas de apoio à competitividade empresarial. Na intervenção de abertura o Presidente da

Leia mais

Estatutos CAPÍTULO I. Definições gerais ARTIGO 1º. Denominação, natureza e duração

Estatutos CAPÍTULO I. Definições gerais ARTIGO 1º. Denominação, natureza e duração , Estatutos CAPÍTULO I Definições gerais ARTIGO 1º Denominação, natureza e duração 1. A Federação Académica Lisboa, adiante designada por FAL, é a organização representativa das Associações de Estudantes

Leia mais

Mensagem de Natal do Primeiro-Ministro António Costa. 25 de dezembro de 2015

Mensagem de Natal do Primeiro-Ministro António Costa. 25 de dezembro de 2015 Mensagem de Natal do Primeiro-Ministro António Costa 25 de dezembro de 2015 Boa noite. Estamos a chegar ao fim de um ano muito exigente para todos os portugueses. Um ano que ainda impôs às famílias enormes

Leia mais

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA 906-() Diário da República,.ª série N.º 56 de Março de 00 MINISTÉRIO DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Portaria n.º 7-A/00 de de Março O Decreto -Lei n.º 8/00, de 9 de Março, prevê, no seu artigo

Leia mais

O novo quadro institucional dos assuntos do Mar em Portugal

O novo quadro institucional dos assuntos do Mar em Portugal O novo quadro institucional dos assuntos do Mar em Portugal 19 de Abril de 2012 (5.ª feira), 17h00 CONVITE O Presidente da Sociedade de Geografia de Lisboa (SGL) tem a honra de convidar V. Ex.ª e sua Exma.

Leia mais

Regimento do Conselho Municipal de Educação de Braga

Regimento do Conselho Municipal de Educação de Braga Regimento do Conselho Municipal de Educação de Braga A lei de bases do sistema educativo assume que o sistema educativo se organiza de forma a descentralizar, desconcentrar e diversificar as estruturas

Leia mais

Habilitações Académicas 2010 Agregação em Ciência Política (Universidade Lusíada Lisboa)

Habilitações Académicas 2010 Agregação em Ciência Política (Universidade Lusíada Lisboa) curriculum vitae JOAQUIM MANUEL CROCA CAEIRO (jcaeiro@iscsp.utl.ptl) Habilitações Académicas 2010 Agregação em Ciência Política (Universidade Lusíada Lisboa) 2010 - Licenciatura em Direito (Universidade

Leia mais

PQS GLOBAIS. (c). Tempo de estabelecimento de chamada para chamadas nacionais (segundos) que correspondem ao percentil 95% das chamadas mais rápidas

PQS GLOBAIS. (c). Tempo de estabelecimento de chamada para chamadas nacionais (segundos) que correspondem ao percentil 95% das chamadas mais rápidas PQS GLOBAIS Anacom Objetivo SU Ano1 SU PQS 1 PQS 1 (a) PQS1. Prazo de fornecimento da ligação inicial (a) Demora no fornecimento das ligações, quando o cliente não define uma data objetivo (dias) PQS 1

Leia mais

Manifesto. Os direitos dos trabalhadores no Poder Local de Abril Autonomia do Poder Local, Democracia e Desenvolvimento

Manifesto. Os direitos dos trabalhadores no Poder Local de Abril Autonomia do Poder Local, Democracia e Desenvolvimento Manifesto Os direitos dos trabalhadores no Poder Local de Abril Autonomia do Poder Local, Democracia e Desenvolvimento Décadas de políticas de direita, agravadas nos últimos anos, nomeadamente, pela destruição

Leia mais

Boletim Estatístico. Dezembro 2014. Gabinete de Apoio ao Sobre-endividado

Boletim Estatístico. Dezembro 2014. Gabinete de Apoio ao Sobre-endividado Boletim Estatístico Dezembro 2014 Gabinete de Apoio ao Sobre-endividado Índice 1. PROCESSOS E PEDIDOS DE INFORMAÇÃO DE SOBRE-ENDIVIDAMENTO... 3 1.1. Processos e Pedidos de Informação de Sobre-endividamento

Leia mais

Congresso da Cidadania. Ruptura e Utopia para a Próxima Revolução Democrática

Congresso da Cidadania. Ruptura e Utopia para a Próxima Revolução Democrática Congresso da Cidadania. Ruptura e Utopia para a Próxima Revolução Democrática Celebramos os 40 anos do 25 de Abril. Durante um ano celebrámos os valores de Abril de Liberdade, de Justiça, de Solidariedade.

Leia mais

A Escola e o Poder Local O Conselho Municipal de Educação Ana Albuquerque Escola Secundária Fr. Rosa Viterbo - Sátão

A Escola e o Poder Local O Conselho Municipal de Educação Ana Albuquerque Escola Secundária Fr. Rosa Viterbo - Sátão A Escola e o Poder Local O Conselho Municipal de Educação Ana Albuquerque Escola Secundária Fr. Rosa Viterbo - Sátão Em Portugal, o sistema educativo tem-se caracterizado por uma forte tendência centralizadora

Leia mais

Minhas senhoras e meus senhores.

Minhas senhoras e meus senhores. Minhas senhoras e meus senhores. Em primeiro lugar, gostaria de transmitir a todos, em nome do Senhor Secretário de Estado das Obras Públicas, Transportes e Comunicações, a satisfação pelo convite que

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 502/VIII CRIAÇÃO DA ÁREA METROPOLITANA DE VISEU. Exposição de motivos

PROJECTO DE LEI N.º 502/VIII CRIAÇÃO DA ÁREA METROPOLITANA DE VISEU. Exposição de motivos PROJECTO DE LEI N.º 502/VIII CRIAÇÃO DA ÁREA METROPOLITANA DE VISEU Exposição de motivos Viseu possui hoje uma localização perfeitamente central na área do respectivo distrito, o qual lidera em termos

Leia mais

CARREGAMENTO PARA VEÍCULOS ELÉCTRICOS EM PORTUGAL LUIS REIS

CARREGAMENTO PARA VEÍCULOS ELÉCTRICOS EM PORTUGAL LUIS REIS MODELO E SISTEMA DE CARREGAMENTO PARA VEÍCULOS ELÉCTRICOS EM PORTUGAL LUIS REIS SEMINÁRIO MOBILIDADE ELÉCTRICA: O VEÍCULO 08.MARÇO. 2010 NOVO PARADIGMA MOBILIDADE ELÉCTRICA EXPLORAR A INTEGRAÇÃO ENTRE

Leia mais

Estatutos da Associação Portuguesa de Geomorfólogos (publicados em Diário da República - III Série, nº 297, de 27 de Dezembro de 2000)

Estatutos da Associação Portuguesa de Geomorfólogos (publicados em Diário da República - III Série, nº 297, de 27 de Dezembro de 2000) Estatutos da Associação Portuguesa de Geomorfólogos (publicados em Diário da República - III Série, nº 297, de 27 de Dezembro de 2000) CAPÍTULO I CONSTITUIÇÃO, SEDE, DURAÇÃO, OBJECTIVOS, ÂMBITO Art.º 1º

Leia mais

ESTUDANTES QUE INGRESSARAM PELA 1ª VEZ NUM CURSO DE NÍVEL SUPERIOR EM PORTUGAL NO ANO LECTIVO 2004/05. Dados Estatísticos PARTE II

ESTUDANTES QUE INGRESSARAM PELA 1ª VEZ NUM CURSO DE NÍVEL SUPERIOR EM PORTUGAL NO ANO LECTIVO 2004/05. Dados Estatísticos PARTE II ESTUDANTES QUE INGRESSARAM PELA 1ª VEZ NUM CURSO DE NÍVEL SUPERIOR EM PORTUGAL NO ANO LECTIVO 2004/05 Dados Estatísticos PARTE II ESTUDANTES DE PÓS-LICENCIATURA (Mestrados e Doutoramentos) DSAS- Direcção

Leia mais

Inquérito Diplomados Ciências Farmacêuticas 2011/2012 O E OBSERVATÓRIO DA EMPREGABILIDADE N O S E C T O R F A R M A C Ê U T I C O

Inquérito Diplomados Ciências Farmacêuticas 2011/2012 O E OBSERVATÓRIO DA EMPREGABILIDADE N O S E C T O R F A R M A C Ê U T I C O Inquérito Diplomados Ciências Farmacêuticas 2011/2012 O E OBSERVATÓRIO DA EMPREGABILIDADE N O S E C T O R F A R M A C Ê U T I C O INQUÉRITO AOS DIPLOMADOS EM CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS 2011/2012 traçar o perfil

Leia mais

9020 Ciência Política e Relações Internacionais

9020 Ciência Política e Relações Internacionais 0201 Universidade do Algarve - Faculdade de Ciências Humanas e Sociais 9219 Psicologia 9219 Psicologia 0203 Universidade do Algarve - Faculdade de Ciências e Tecnologia 0110 Universidade dos Açores - Angra

Leia mais

3. A autonomia político-administrativa regional não afecta a integridade da soberania do Estado e exerce-se no quadro da Constituição.

3. A autonomia político-administrativa regional não afecta a integridade da soberania do Estado e exerce-se no quadro da Constituição. TÍTULO VII - Regiões autónomas Artigo 225.º (Regime político-administrativo dos Açores e da Madeira) 1. O regime político-administrativo próprio dos arquipélagos dos Açores e da Madeira fundamenta-se nas

Leia mais

9196 Línguas e Relações Empresariais 9196 Línguas e Relações Empresariais

9196 Línguas e Relações Empresariais 9196 Línguas e Relações Empresariais 0130 Universidade dos Açores - Ponta Delgada 8083 Ciclo Básico de Medicina 8083 Ciclo Básico de Medicina 0130 Universidade dos Açores - Ponta Delgada 0130 Universidade dos Açores - Ponta Delgada 0130 Universidade

Leia mais

REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE SANTARÉM. Preâmbulo

REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE SANTARÉM. Preâmbulo REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE SANTARÉM Preâmbulo A Lei n.º 159/99, de 14 de Setembro estabelece, no seu artigo 19.º, n.º 2, alínea b), a competência dos órgãos municipais para criar os

Leia mais

A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161º da Constituição, para valer como lei geral da República, o seguinte:

A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161º da Constituição, para valer como lei geral da República, o seguinte: Lei Nº 26/2000 de 23 de Agosto Aprova a organização e ordenamento do ensino superior A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161º da Constituição, para valer como lei geral

Leia mais

II Fórum Português da Responsabilidade das Organizações

II Fórum Português da Responsabilidade das Organizações II Fórum Português da Responsabilidade das Organizações O Futuro é hoje: visões e atitudes para um Portugal sustentável Introdução 1.Sustentabilidade e Responsabilidade Social; 2. O Desenvolvimento Sustentável;

Leia mais

NOTÍCIAS À SEXTA 02.10.2015 INFORMAÇÕES DA CNIS

NOTÍCIAS À SEXTA 02.10.2015 INFORMAÇÕES DA CNIS INFORMAÇÕES DA CNIS Fonte: Estudo sobre o Acesso e a qualidade nos cuidados de saúde mental, Entidade Reguladora da Saúde, set.2015 REPRESENTAÇÃO ------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Sistema Integrado de Operações de Protecção e Socorro (SIOPS)

Sistema Integrado de Operações de Protecção e Socorro (SIOPS) Anteprojecto de decreto-lei Sistema Integrado de Operações de Protecção e Socorro (SIOPS) As acções de protecção civil integram, obrigatoriamente, agentes e serviços que advêm de organismos do Estado,

Leia mais

REABILITAÇÃO SUSTENTÁVEL Fundo de Desenvolvimento Urbano JESSICA/CGD

REABILITAÇÃO SUSTENTÁVEL Fundo de Desenvolvimento Urbano JESSICA/CGD REABILITAÇÃO SUSTENTÁVEL Fundo de Desenvolvimento Urbano JESSICA/CGD SEMANA DA REABILITAÇÃO URBANA Porto, 03 de Abril 2013 Caixa Geral de Depósitos 2013 03 de Abril 1 A reabilitação urbana e a regeneração

Leia mais

LEI N. 108/91, DE 17 DE AGOSTO (LEI DO CONSELHO ECONÓMICO E SOCIAL)

LEI N. 108/91, DE 17 DE AGOSTO (LEI DO CONSELHO ECONÓMICO E SOCIAL) LEI N. 108/91, DE 17 DE AGOSTO (LEI DO CONSELHO ECONÓMICO E SOCIAL) Com as alterações introduzidas pelas seguintes leis: Lei n.º 80/98, de 24 de Novembro; Lei n.º 128/99, de 20 de Agosto; Lei n.º 12/2003,

Leia mais

Nota introdutória. PME em Números 1 IAPMEI ICEP

Nota introdutória. PME em Números 1 IAPMEI ICEP PME em Números PME em Números 1 Nota introdutória De acordo com o disposto na definição europeia 1, são classificadas como PME as empresas com menos de 250 trabalhadores cujo volume de negócios anual não

Leia mais

PROGRAMA CIDADANIA ATIVA 2013-16

PROGRAMA CIDADANIA ATIVA 2013-16 PROGRAMA CIDADANIA ATIVA 2013-16 FUNDAÇÃO CALOUSTE GULBENKIAN Luís Madureira Pires Lisboa, 22 de março de 2013 Enquadramento > O Mecanismo Financeiro EEE (MF/EEE) Desde a assinatura do acordo do Espaço

Leia mais

Atividade Associativa

Atividade Associativa Atividade Associativa Circular n.º 59/2014 13 de junho de 2014 Assunto: Novo colaborador da AICOPA para prestação de Serviços Jurídicos. Caro associado, Cumprindo o nosso objetivo em proporcionar o necessário

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL. Gabinete do Secretário de Estado da Segurança Social DESPACHO Nº 9-I/SESS/2008

MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL. Gabinete do Secretário de Estado da Segurança Social DESPACHO Nº 9-I/SESS/2008 DESPACHO Nº 9-I/SESS/2008 O Despacho n.º 16790/2008, de 20 de Junho, 2.ª Série, criou a Medida de Apoio à Segurança dos Equipamentos Sociais, adiante designada por Medida de Apoio à Segurança, dirigida

Leia mais

CENTRO 2020 PROGRAMA OPERACIONAL REGIONAL DO CENTRO 2014-2020

CENTRO 2020 PROGRAMA OPERACIONAL REGIONAL DO CENTRO 2014-2020 ÍNDICE Esquema resumo..pág. 2 Introdução...pág. 3 Objetivos Temáticos pág. 3 Eixos Prioritários...pág. 4 Eixo 1: Investigação, Desenvolvimento e Inovação..pág. 5 Eixo 2: Competitividade e Internacionalização

Leia mais

Senhor Ministro da Defesa Nacional, Professor Azeredo Lopes, Senhora Vice-Presidente da Assembleia da República, Dra.

Senhor Ministro da Defesa Nacional, Professor Azeredo Lopes, Senhora Vice-Presidente da Assembleia da República, Dra. Senhor Representante de Sua Excelência o Presidente da República, General Rocha Viera, Senhor Ministro da Defesa Nacional, Professor Azeredo Lopes, Senhora Vice-Presidente da Assembleia da República, Dra.

Leia mais

MOÇÃO VIVA O 25 DE ABRIL VIVA O 1º DE MAIO

MOÇÃO VIVA O 25 DE ABRIL VIVA O 1º DE MAIO MOÇÃO VIVA O 25 DE ABRIL VIVA O 1º DE MAIO Primeiro Subscritor: Jorge Lourido (CDU) Cumprem-se agora 33 anos sobre esse acontecimento maior do nosso viver colectivo: a revolução do 25 de Abril. Rompendo

Leia mais

Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020

Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020 COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 30 de julho de 2014 Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020 Informações gerais O Acordo de Parceria abrange cinco fundos: Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional

Leia mais