RELATÓRIO MUNICIPAL REDE DE AVALIAÇÃO E DE CAPACITAÇÃO PARA IMPLEMENTAÇÃO DOS PLANOS DIRETORES PARTICIPATIVOS PENHA REDE DE SANTA CATARINA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RELATÓRIO MUNICIPAL REDE DE AVALIAÇÃO E DE CAPACITAÇÃO PARA IMPLEMENTAÇÃO DOS PLANOS DIRETORES PARTICIPATIVOS PENHA REDE DE SANTA CATARINA"

Transcrição

1 RELATÓRIO MUNICIPAL REDE DE AVALIAÇÃO E DE CAPACITAÇÃO PARA IMPLEMENTAÇÃO DOS PENHA REDE DE SETEMBRO 2009

2 SUMÁRIO 1. INFORMAÇÕES GERAIS DO MUNICÍPIO Caracterização Sócio-mográfica do Município Localização do município em tipologia a ser utilizada na metodologia avaliação Existe diagnóstico referencial que subsidiou a elaboração do Plano Diretor? O município possui Plano Diretor anterior a este pesquisado? ACESSO A TERRA URBANIZADA A Função Social da Proprieda Controle do Uso e Ocupação do Solo Perímetro Urbano e Parcelamento do Solo Coeficientes e Macrozonas ZEIS Zonas Especiais Interesse Social Avaliação Geral do Zoneamento em Relação ao Acesso a Terra Urbanizada Instrumentos Política Fundiária ACESSO AOS SERVIÇOS E EQUIPAMENTOS URBANOS, COM ÊNFASE NO ACESSO À HABITAÇÃO, AO SANEAMENTO AMBIENTAL E AO TRANSPORTE E À MOBILIDADE O O O O O O Plano Plano Plano Plano Plano Plano Diretor Diretor Diretor Diretor Diretor Diretor e e e e e e a a a a a a Integração das Políticas Urbanas...27 Política da Habitação...28 Política Saneamento...31 Política Mobilida e Transporte...35 Política do Meio Ambiente...38 Política Metropolitana SISTEMA DE GESTÃO E PARTICIPAÇÃO DEMOCRÁTICA CONCLUSÃO

3 Nome do Pesquisador(a): Formação/Titulação e telefone contato: Município Pesquisado: Estado Contatos na Prefeitura: Nº da Lei Aprovação do Plano Diretor Data da aprovação do PD Pesquisador Responsável em SC KARINE ERZINGER ÁVILA Arquiteta e Urbanista / (48) PENHA SC Eng. Everaldo Moraes dos Santos Eng. Eduardo (47) LEI COMPLEMENTAR Nº 002/07 14 setembro 2007 LUIZ ALBERTO DE SOUZA 1. INFORMAÇÕES GERAIS DO MUNICÍPIO Fonte: Mapa do Plano Diretor Penha Fonte das imagens da capa: 3

4 Penha situa-se no litoral norte do estado, a cerca 120 km Florianópolis capital do estado. A altitu média é 20 metros acima do nível do mar. Penha limita-se a norte e a leste com o Oceano Atlântico, ao sul com Navegantes e a oeste com Piçarras. Penha integra a AMFRI - Associação Municípios da Foz do Rio Itajaí, composta por 11 municípios. Os municípios sta região possuem uma área total km2, correspon a 1,6% da área do Estado, situada entre os paralelos (latitu Norte) e (latitu Sul); (longitu Leste) e (longitu Oeste). Limita-se a Leste com o Oceano Atlântico, ao Sul com a Associação dos Municípios da Gran Florianópolis - GRANFPOLIS, ao Norte com a Associação dos Municípios do Vale do Rio Itapocú - AMVALI e a Oeste com a Associação do Médio Vale do Itajaí AMMVI (Revisão do Plano Participativo Penha, 2007). O acesso ao município se dá pelas seguintes rodovias: - Rodovia SC- 414 Acesso 1, com 4 km extensão, da confluência da BR-101 até o Portal do Município e divisa com o Município Piçarras. As condições do pavimento são regulares, com ficiência na sinalização horizontal e vertical, consirável fluxo transeuntes locais,vido à significativa urbanização às margens da rodovia; Rodovia SC-414 Acesso 2, com 09 km extensão, da confluência da BR-101 até a rótula acesso ao Parque Temático Beto Carreiro World. A via tem duas pistas sentido único tráfego, pavimentação em boas condições, foi concluída no ano 2004, com objetivo principal safogar a Av. Eugênio Krause do gran fluxo ônibus turísticos que atravessavam a área central do município com stino ao Parque Temático. Atualmente este acesso é gran importância para a região. Rua São Miguel, que interliga o município Penha ao município Navegantes. Via local com pavimentação regular e passeios estreitos e irregulares. Ponte que transpõe o Rio Piçarras, e interliga o município Balneário Piçarras com o município Penha. Antiga estrada acesso que liga Penha a Navegantes, pela atual Rua Santa Lídia e a Rua Vereador Arno Reinaldo da Silva que a intercepta até a BR-101. O acesso por via aérea po ser feito através do aeroporto Navegantes, a 14 km Penha, que oferece vôos regulares e estrutura apropriada. Além do turismo, a pesca e a maricultura são o forte da economia Penha, que ocupa o primeiro lugar no Brasil no cultivo marisco. A produção chega a toneladas anuais, segundo o site da prefeitura municipal. Berço nativo dos índios Carijós, o marco inicial do povoado foi a construção da Capela São João Batista, em no local nominado Itapocoroy (rivado do guarani "Itapocorá", cujo sentido fine como sendo "parecido com um muro pedra"). A região Penha foi colonizada a partir do século VIII com a invasão pelos espanhóis da Ilha Santa Catarina (Florianópolis), por pescadores portugueses - na maioria açorianos - fugindo dos invasores e que procuravam novos locais para a caça e beneficiamento baleias. A Armação do Itapocoroy tornou-se então se, na época, uma das maiores armações baleeiras do sul do Brasil. A 4

5 comunida Itapocoroy, por ter "status" armação baleeira e sendo, portanto, um empreendimento particular, po ser elevada à freguesia durante o período em funcionamento como empreendimento empresarial. Uma nova comunida, criada a seis quilômetros da Armação por moradores slocados núcleos Itapocoroy, teve progresso suficiente para ser elevada à categoria freguesia em 23 março 1839, com o nome Freguesia Nossa Senhora da Penha do Itapocoróy. No século I a caça da baleia entrou em crise e foi substituída pela pesca artesanal e comércio rudimentar como subsistência. Penha assume em finitivo a lirança como a se da comunida. No dia 21 junho 1958 foi elevada à categoria município, efetivamente instalado em 19 Julho do mesmo ano. Seu senvolvimento turístico teve início na década 70 e hoje sua população gira em torno 20 mil habitantes, chegando a passar dos 100 mil durante a temporada verão. Uma nova fase do Município começou a ser vivida com a instalação do Beto Carrero World - maior parque temático da América Latina e quinto do mundo. Penha, em expansão, vê surgir uma infraestrutura na parte hotelaria e restaurantes, enquanto cresce também a maricultura. 1.1 Caracterização Sócio-Demográfica e Econômica do Município. O crescimento populacional Penha vem ocorrendo, s 1991, forma gradual, constante e ve continuar crescendo em igual proporção. A população cresceu , em 1991 para , em Área da unida territorial (km²) 58,783 km2 Fonte: IBGE (http://www.ibge.gov.br/cidasat) Contagem da População ANO HABITANTES Fonte: IBGE (http://www.ibge.gov.br/cidasat) Nos últimos anos, a economia Penha vem crescendo rapidamente com staque para a área turismo, comércio e maricultura. Penha abriga o maior parque temático da América Latina, o Beto Carrero World e também é um dos maiores produtores mariscos do Brasil. 5

6 1.2 Localização do município em tipologia a ser utilizada na metodologia avaliação. Segundo o mapeamento tipologias cidas brasileiras, Penha se enquadra como município entre 20 e 100 mil habitantes, sendo consirado um centro urbano em espaço rural próspero, com morada sigualda social. MAPA PENHA Fonte: 1.3 Existe diagnóstico referencial que subsidiou a elaboração do Plano Diretor? Os trabalhos elaboração do Plano Diretor Participativo Penha foram realizados em conformida com o contrato n.o 332/06, celebrado entre a Prefeitura Municipal Penha e a empresa Cida Planos Consultoria Ltda. para atenr o contido no Estatuto da Cida. 1.4 O município possui Plano Diretor anterior a este pesquisado? Plano Físico-Territorial Urbano Penha (Lei 826/86). 2. ACESSO A TERRA URBANIZADA 2.1. A Função Social da Proprieda 6

7 A. O Plano estabelece como princípio, objetivo ou diretriz o cumprimento da função social da proprieda? Sim De que forma? A função social da cida e da proprieda aparece como princípio do Plano Diretor Penha, através dos artigos 6 a 9: Art. 6º Constituem os princípios norteadores ste Código: I - Função Social da Cida; II - Função Social da Proprieda Urbana; III - Participação Popular. IV - O acesso universal aos equipamentos públicos; V - A distribuição fundiária e tecnológica; VI - A conservação da integrida ambiental; VII - A preservação das intidas coletivas na sua diversida respeitando a vocação das regiões e ao patrimônio histórico cultural; VIII - A transparência política; I - O planejamento e senvolvimento social e econômico ambientalmente sustentável. Art. 7º Para os efeitos sta lei, a cida cumpre sua função social quando, forma ampla e irrestrita, garante o direito a todos os cidadãos, para as presentes e futuras gerações: I - à terra urbana; II - à moradia; III - ao transporte e aos serviços públicos; IV - ao saneamento ambiental; V - à infra-estrutura urbana; VI - à cultura; VII - ao lazer; VIII - à segurança; I - à educação; - à saú; I - ao trabalho. Art. 8º A proprieda urbana verá exercer plenamente a função social que lhe impõe o 2º do art. 182 da Constituição Feral, combinado com o disposto nos termos do parágrafo único do art.1º da Lei Feral n.º /01 - Estatuto da Cida. Parágrafo único. Para os efeitos sta Lei, a proprieda urbana cumpre sua função social quando aten aos seguintes requisitos: I - compatibilida do uso e do porte da proprieda com a infra-estrutura, equipamentos e serviços públicos disponíveis; II - compatibilida do uso e do porte da proprieda com a preservação da qualida do ambiente urbano e natural, bem como do equilíbrio ecológico; III - compatibilida do uso e do porte da proprieda com a segurança, bem estar e a saú seus usuários e vizinhos. Art. 9º A função social da proprieda urbana verá subordinar-se às diretrizes ornamentoterritorial do Município expressas neste Código, compreenndo: I - a distribuição usos e intensidas ocupação do solo evitando tanto a ociosida quanto asobrecarga dos investimentos públicos, sendo equilibrados em relação à infraestrutura disponível,aos transportes e ao potencial ecológico; II - a intensificação da ocupação do solo condicionada à ampliação da capacida infraestruturae dos transportes e à preservação do equilíbrio ecológico; 7

8 III - a aquação das condições ocupação urbana às características do meio físico, para impedir a terioração e generação recursos naturais do Município; IV - a melhoria da paisagem urbana e a preservação dos sítios históricos; V - a preservação dos recursos naturais, dos mananciais abastecimento água do Municípioe a recuperação áreas gradadas, visando à melhoria do meio ambiente; VI - o acesso à moradia digna, com a ampliação da oferta habitação para as populações renda média e baixa; VII - a regulamentação do parcelamento, uso e ocupação do solo modo a incentivar a ação dosagentes promotores Habitação Interesse Social e Habitação do Mercado Popular; VIII - a promoção e o senvolvimento um sistema transporte coletivo qualida, ultaneamente ao incentivo à redução do uso do transporte individual Controle do Uso e Ocupação do Solo Α. O Plano estabelece macrozoneamento? Art. 19. O Macrozoneamento do Município Penha divi-se em: I - Macrozona Rural; II - Macrozona Urbana Proteção Ambiental; III - Macrozona Urbana Ocupação Orientada; IV - Macrozona Urbana Consolidação; V - Macrozona Urbana Qualificação; VI - Macrozona Urbana Uso Específico; VII - Zonas Especiais Interesse Social; VIII - Zona Especial Desenvolvimento Turístico; I - Zona Especial Conservação Ambiental; - Zona Especial Ocupação Tradicional; I - Zona Especial do Morro da Penha; II - Setor Especial da Orla; III - Eixo Regional; IV - Eixo Turístico; V - Eixo da Orla. Da zona urbana e rural? Β. Estão finidos os objetivos do macrozoneamento? Quais? No CAPÍTULO I - DAS MACROZONAS, estão especificados os objetivos cada macrozona. Χ. O macrozoneamento está marcado em mapas? No anexo I Macrozoneamento. Delimitado por perímetros? Além do Macrozoneamento o plano estabelece alguma outra forma regulação do uso e ocupação do solo?. 8

9 Está especificado no plano Diretor Remete à lei específica O Anexo VI do Plano fine os Parâmetros Urbanísticos (para construção e parcelamentos) para a ocupação do solo nas Macrozonas, Zonas, Setores e Eixos. Remete a uma revisão / elaboração lei uso e ocupação do solo? Está especificado no Plano Diretor Remete à lei específica Art Os processos avaliação, revisão e fiscalização do Plano Diretor Penha vem ser realizados conforme terminação dos 3º e 4º do art. 40 do Estatuto da Cida consirando, ainda, a obrigatorieda realização Conferência da Cida para alteração da Parte Geral e dos coeficientes aproveitamento do presente Código Urbanístico 2.3. Perímetro Urbano e Parcelamento do Solo A. O Plano estenu (ou diminuiu) o perímetro urbano? (houve ampliação) Criou alguma regra para a extensão do perímetro? Qual? B. Sobre as regras para parcelamento do solo: O plano incluiu Remeteu para legislação específica O Plano Diretor estabelece regras, conforme o LIVRO II - DO PARCELAMENTO DO SOLO, bem como o Anexo VI do Plano fine os Parâmetros Urbanísticos para a ocupação do solo nas Macrozonas, Zonas, Setores e Eixos. Foram criadas regras específicas para parcelamento interesse social? Estes parâmetros serão finidos posteriormente pelo Plano Urbanização da ZEIS. C. No Plano Diretor houve previsão área expansão urbana? D. O Plano estabelece que os novos loteamentos vam prever percentuais para área habitação interesses social? Conforme a Tabela 1 do Art Coeficientes e Macrozonas: Α. Verificar quais são os tipos zona e/ou macrozonas finidos no Plano. Art. 19. O Macrozoneamento do Município Penha divi-se em: I - Macrozona Rural; II - Macrozona Urbana Proteção Ambiental; III - Macrozona Urbana Ocupação Orientada; IV - Macrozona Urbana Consolidação; 9

10 V - Macrozona Urbana Qualificação; VI - Macrozona Urbana Uso Específico; VII - Zonas Especiais Interesse Social; VIII - Zona Especial Desenvolvimento Turístico; I - Zona Especial Conservação Ambiental; - Zona Especial Ocupação Tradicional; I - Zona Especial do Morro da Penha; II - Setor Especial da Orla; III - Eixo Regional; IV - Eixo Turístico; V - Eixo da Orla. Ver Anexo I Mapa do Macrozoneamento. Os coeficientes aproveitamento básico ou único foram finidos no Plano Diretor? Β. E os coeficientes máximo e/ou mínimo foram finidos no Plano Diretor? O ANEO VI (Parâmetros Urbanísticos para a ocupação do solo nas Macrozonas, Zonas, Setores e Eixos) apresenta os coeficientes mínimo, básico e máximo. O Plano fine o que é subutilização, utilização e terreno vazio? Sim Define apenas o que é subutilização: Χ. Art º Enten-se por subutilização quando o coeficiente aproveitamento do solo for inferior ao coeficiente mínimo finido nos parâmetros urbanísticos, no Anexo VI, sta Lei.. O Plano fine como se calculam os coeficientes aproveitamento? Art O coeficiente aproveitamento correspon ao índice que multiplicado pela área do loteresulta na área máxima construção permitida terminando, juntamente com os mais parâmetrosurbanísticos, o potencial construtivo do lote. O Plano fine as macrozonas e/ou zonas? Art. 18 a Art. 54 / Anexo I Mapa do Macrozoneamento Ε. Define os coeficientes e/ou parâmetros utilização? Estão previstas no ANEO VI Parâmetros Urbanísticos para a ocupação do solo nas Macrozonas, Zonas, Setores e Eixos. Houve o estabelecimento zoneamento e políticas específicas para as áreas centrais e sítios históricos? Φ. O CAPÍTULO III do Plano Diretor Penha trata da Qualificação do Patrimônio 10

11 Socioambiental. Houve o estabelecimento zoneamento específico para áreas proteção ambiental. Γ. Art. 22. A Macrozona Urbana Proteção Ambiental apresenta as seguintes características: I - Áreas preservação permanente, como topos morros, unidas conservação, nascentes e áreas inundáveis; II - Áreas caracterizadas como Zona Preservação Permanente, conforme o zoneamento ecológico-econômico estadual; III - Áreas remanescentes significativos ecossistemas existentes; IV - Áreas importantes para preservação da paisagem existente; V - Áreas relevantes para a preservação mananciais abastecimento água potável dacida. Art. 23. A Macrozona Urbana Preservação Ambiental tem como objetivos mínimos orientar as políticas públicas no sentido : I - Preservar a paisagem existente; II - Conservar ecossistemas existentes que possam ser afetados pela ocupação humana; 2.5. ZEIS ZONAS ESPECIAIS DE INTERESSE SOCIAL A. O Plano Diretor finiu as tipologias ZEIS? Art. 34. As Zonas Especiais Interesse Social classificam-se em duas categorias: I - ZEIS Ocupadas (ZEIS 1), consiradas ZEIS regularização: a) Áreas Privadas áreas privadas ocupadas irregularmente por população baixa renda, caracterizadas pela ilegalida fundiária e pela precarieda ou inexistência infra estrutura básica, predominantemente localizadas em áreas ambientalmente frágeis, como margens rios,com alto risco inundação. b) Áreas Públicas - áreas recreio, proprieda pública, ocupadas irregularmente por população baixa renda caracterizadas pela ilegalida fundiária e pela precarieda ou inexistência infra estrutura básica. II - ZEIS Vazias (ZEIS 2), consiradas ZEIS produção áreas privadas com a predominância lotes e terrenos vazios localizadas em setores dotados infra estrutura básica e atendidos por serviços urbanos, ou que estejam recebendo investimentos sta natureza, próximos a região central do Município com boa acessibilida viária, permitindo o slocamento a qualquer região do Município. 1º As Zonas Especiais Interesse Social estão limitadas no anexo I sta Lei. 2º O reconhecimento como ZEIS ocupações irregulares eximirá os promotores ou proprietários das obrigações e responsabilidas civis, administrativas e penais prevista em Lei. B. O Plano Diretor finiu a localização em mapa, ou coornadas ou scrição perímetro? As Zonas Especiais Interesse Social estão limitadas no Anexo I (Mapa Macrozoneamento) do Plano Diretor Penha. C. Houve finição da população que acessa os projetos habitacionais nas ZEIS? 11

12 Art. 32. As Zonas Especiais Interesse Social ZEIS são porções do território stinadas, prioritariamente, à regularização fundiária sustentável dos assentamentos habitacionais baixa renda e à produção Habitação Interesse Social HIS nas áreas vazias, utilizadas ou subutilizadas. Parágrafo único. Enten-se por Habitação Interesse Social aquela stinada a famílias com renda igual ou inferior a 03 (três) salários mínimos, promoção pública ou a ela vinculada. D. Houve finição tipologias habitacionais em ZEIS na Lei do Plano Diretor? Na Lei do Plano Diretor Legislação Específica E. Caso as ZEIS já estejam marcadas em mapas, intificar qual é o percentual da zona finido no plano. No Anexo 1 Mapa Macrozoneamento - estão marcadas as ZEIS, mas visto que as mesmas estão georreferenciadas, foi possível calcular o percentual. F. Existem finições investimentos em equipamentos sociais nas ZEIS, tais como investimentos em educação, saú, cultura, saneamento, mobilida, etc.? Apenas é exposto que ampliar a oferta equipamentos urbanos e comunitários é um dos objetivos da Zona Especial Interesse Social. Outras finições investimentos são scritas no Plano Diretor Penha. A Lei Ordinária nº 2193/ /03/2008 cria o Fundo Municipal Habitação Interesse Social - FMHIS e institui o Conselho Gestor do FMHIS. O art. 6º do FMHIS apresenta as aplicações dos recursos do Fundo: Art. 6º. As aplicações dos recursos do FMHIS serão stinadas a ações vinculadas aos programas habitação interesse social que contemplem: I - aquisição, construção, conclusão, melhoria, reforma, locação social e arrendamento unidas habitacionais em áreas urbanas e rurais; II - produção lotes urbanizados para fins habitacionais; III- urbanização, produção equipamentos comunitários, regularização fundiária e urbanística áreas caracterizadas interesse social; IV- implantação saneamento básico, infra-estrutura e equipamentos urbanos, complementares aos programas habitacionais interesse social; V- aquisição materiais para construção, ampliação e reforma moradias; VI- recuperação ou produção imóveis em áreas encortiçadas ou terioradas, centrais ou periféricas, para fins habitacionais interesse social; VII- outros programas e intervenções na forma aprovada pelo Conselho-Gestor do FMHIS Avaliação geral do zoneamento em relação ao acesso à terra urbanizada. 1. Qual o significado do zoneamento proposto sob o ponto vista do acesso à terra urbanizada? 12

13 O zoneamento proposto efetiva o cumprimento das funções sociais da cida e da proprieda assegurando a preservação, conservação e recuperação ambiental, induzindo os proprietários terrenos vazios a investir em programas habitacionais interesse social modo a ampliar a oferta terra para a produção moradia digna para a população baixa renda. Ainda assegura a segurança da posse e a integração sócio-espacial dos assentamentos habitacionais baixa renda ao conjunto da cida, promovendo o senvolvimento humano dos seus ocupantes. Também promove a regularização fundiária sustentável dos assentamentos ocupados pela população baixa renda. 2. Avaliar este zoneamento do ponto vista quantitativo (percentual do território urbanizável stinado ao território popular frente ao percentual população baixa renda no município) e qualitativo (localização ste território no município) As Zonas Especiais Interesse Social ZEIS são porções do território stinadas, prioritariamente, à regularização fundiária sustentável dos assentamentos abitacionais baixa renda e à produção Habitação Interesse Social HIS nas áreas vazias, utilizadas ou subutilizadas. O Anexo I - Mapa Macrozoneamento apresenta as Zonas Especiais Interesse Social, mas foi possível obter o mapa vetorizado para fins cálculo do percentual da zona finida no plano Instrumentos Política Fundiária Os quadros abaixo foram preenchidos levando em consiração o Plano Diretor Penha, Lei Complementar Nº 002/07. Os instrumentos adotados por este Plano Diretor são (conforme artigos scritos abaixo): I - instrumentos indução do senvolvimento urbano: Os instrumentos indução do senvolvimento urbano têm por objetivo efetivar as políticas e ações estratégicas do município por meio medidas orientadas ao mercado imobiliário e à concretização das funções sociais da cida e da proprieda urbana. II - instrumentos regularização fundiária; III - instrumentos gestão mocrática; IV - instrumento financiamento da política urbana. Art Os instrumentos indução do senvolvimento urbano são: I - transferência do direito construir; II - direito preferência; III - outorga onerosa do direito construir; IV - operações urbanas consorciadas; V - parcelamento, edificação ou utilização compulsórios; VI - IPTU progressivo no tempo e sapropriação com pagamentos em títulos; VII - consórcio imobiliário; VIII - direito superfície; Art Os instrumentos regularização fundiária são: I - usucapião especial urbano; 13

14 II - concessão especial para fins moradia. Art Os instrumentos gestão mocrática são: I - institutos participação direta: II - audiências e bates públicos; III - conferência e pré-conferências da cida; IV - consulta pública; V - plebiscito e referendo; VI - órgãos colegiados políticas públicas: a) Conselho da Cida Penha Art Os instrumentos financiamento da política urbana são: I - Fundo Municipal Desenvolvimento. A legislação específica que regulariza os instrumentos do Plano Diretor será feita posteriormente. QUADRO ESPECÍFICO 01 NOME DO TRANSFERÊNCIA DO DIREITO DE CONSTRUIR INSTRUMENTO Remetido à legislação específica Auto-aplicável através do plano Definido prazo para regulamentação? Definido perímetro on se aplica a lei? Se, qual? Através : mapas Art Porão ter seu potencial Descrição do perímetro construtivo transferido os imóveis localizados Está previsto prazo para transição entre a nas seguintes regiões do Município: norma vigente e novo plano? I Setor Especial da Orla II Zona Especial Ocupação Tradicional III Zona Especial do Morro da Penha 1ºFica vedada a transferência potencial construtivo para imóveis situados seguintes Macrozonas: I Macrozona Urbana Qualificação; nas 2ºDeve-se controlar a transferência potencial construtivo para imóveis situados em áreas dotadas infra-estrutura básica, observando as disposições ste Código e mais legislações que regulamentam a matéria; 14

15 3ºO instrumento porá ser utilizado para a doação áreas com fins a promover o alargamento dos eixos e vias arteriais do sistema viário, nos termos regulamento próprio por ato normativo do por público, s que o potencial seja transferido para os terrenos liniros às vias alargadas. Estão finidos prazos para revisão do Estão finidos prazos para o monitoramento instrumento? do instrumento? A utilização do instrumento está explicitamente vinculada a um objetivo/estratégia ou ao macrozoneamento? Art Os instrumentos indução do senvolvimento urbano têm por objetivo Qual? efetivar as políticas e ações estratégicas do município por meio medidas orientadas ao mercado imobiliário e à concretização das funções sociais da cida e da proprieda urbana. É utilizado como forma compensação ao proprietário imóvel sobre o qual inci um interesse público, preservação bens interesse socioambiental ou interesse social, que permite a esse proprietário transferir para outro local o potencial construtivo que foi impedido utilizar. Está finido procedimento para sua Está finido quem aprova sua utilização? utilização? O volume construtivo, base cálculo e mais critérios necessários à aplicação da Transferência do Direito Construir serão finidos em legislação municipal específica, observando-se o coeficiente aproveitamento máximo permitido na zona para on ele for transferido. A transferência total ou parcial potencial construtivo também porá ser autorizada pelo Por Executivo Municipal, como forma innização, mediante acordo com o proprietário, nas sapropriações stinadas a melhoramentos viários, equipamentos públicos, programas habitacionais interesse social e programas recuperação bens interesse socioambiental. Intificar a stinação dos recursos e Informação disponível suas finalidas Intificar quem é responsável pelo Informação disponível recurso No caso contrapartida, estão Está especificada fórmula para cálculo da finidos os critérios isenção? contrapartida? Sobre lei específica Está finido prazos para regulamentação do mesmo? No caso EIV, incluir a finição da linha corte do empreendimento que estaria sujeito ao EIV QUADRO ESPECÍFICO 02 NOME DO INSTRUMENTO DIREITO DE PREFERÊNCIA 15

16 Remetido à legislação específica Definido prazo para regulamentação? Se, qual? Art Através Lei municipal específica o Por Executivo Municipal porá procer a limitação das áreas sujeitas à incidência do direito preferência, com base em plano específico e no cadastro multifinalitário. Auto-aplicável através do plano Definido perímetro on se aplica a lei? Através : mapas Descrição do perímetro Está previsto prazo para transição entre a norma vigente e novo plano? Estão finidos prazos para revisão do Estão finidos prazos para o monitoramento instrumento? do instrumento? A utilização do instrumento está explicitamente vinculada a um objetivo/estratégia ou ao macrozoneamento? Art Os instrumentos indução do senvolvimento urbano têm por objetivo Qual? efetivar as políticas e ações estratégicas do município por meio medidas orientadas ao mercado imobiliário e à concretização das funções sociais da cida e da proprieda urbana. Confere ao Por Executivo Municipal preferência na aquisição imóvel urbano objeto alienação onerosa entre particulares, pelo prazo 05 anos. Parágrafo único. O direito preferência porá ser exercido sempre que o Por Executivo Municipal necessitar áreas para: I - regularização fundiária; II - execução programas e projetos habitacionais interesse social; III - constituição reserva fundiária; IV - ornamento e direcionamento da expansão urbana; V - implantação equipamentos urbanos e comunitários; VI - criação espaços públicos lazer e áreas vers; VII - criação unidas conservação ou proteção outras áreas interesse ambiental; VIII - proteção áreas interesse histórico, cultural ou paisagístico. Está finido procedimento para sua Está finido quem aprova sua utilização? utilização? Através Lei municipal específica o Por Executivo Municipal porá procer a limitação das áreas sujeitas à incidência do direito preferência, com base em plano específico e no cadastro multifinalitário. Intificar a stinação dos recursos e Informação disponível suas finalidas Intificar quem é responsável pelo Informação disponível recurso No caso contrapartida, estão Está especificada fórmula para cálculo da finidos os critérios isenção? contrapartida? Sobre lei específica Está finido prazos para regulamentação do mesmo? No caso EIV, incluir a finição da linha corte do empreendimento que estaria sujeito ao EIV 16

17 QUADRO ESPECÍFICO 03 NOME DO OUTORGA ONEROSA DO DIREITO DE CONSTRUIR INSTRUMENTO Remetido à legislação específica Auto-aplicável através do plano Definido prazo para regulamentação? Definido perímetro on se aplica a lei? Se, qual? Através : mapas Art O instrumento da outorga onerosa Descrição do perímetro porá ser aplicado nas áreas do município Está previsto prazo para transição entre a on se admita a construção acima do norma vigente e novo plano? coeficiente básico, conforme o anexo VI, até o limite do coeficiente máximo. Art A Lei Municipal Específica estabelecerá ainda os imóveis que porão receber potencial construtivo e as condições a serem observadas para a Outorga Onerosa do Direito Construir, terminando no mínimo: IV a fórmula cálculo da cobrança; V os casos passíveis isenção do pagamento da outorga; VI a contrapartida do beneficiário; VII os procedimentos administrativos necessários. Estão finidos prazos para revisão do Estão finidos prazos para o monitoramento instrumento? do instrumento? A utilização do instrumento está explicitamente vinculada a um objetivo/estratégia ou ao macrozoneamento? Art Os instrumentos indução do senvolvimento urbano têm por objetivo Qual? efetivar as políticas e ações estratégicas do município por meio medidas orientadas ao mercado imobiliário e à concretização das funções sociais da cida e da proprieda urbana. Está finido procedimento para sua utilização? Está finido quem aprova sua utilização? Art.126. O impacto da Outorga Onerosa do Direito Construir verá ser controlado permanentemente pela Por Executivo Municipal, que tornará públicos os relatórios do monitoramento do uso do instrumento. Art Os procedimentos para aplicação da Outorga Onerosa do Direito Construir, bem como a taxa relativa a serviços administrativos, verão ser fixados por regulamentação específica. Intificar a stinação dos recursos e suas finalidas Art Os recursos auferidos com a adoção da outorga onerosa do direito construir serão stinados ao Fundo Municipal Habitação Interesse Social e verão ser utilizados na implementação da Política 17

18 Municipal Habitação, aplicados prioritariamente em infra-estrutura, equipamentos públicos e Habitação Interesse Social (HIS). Intificar quem é responsável pelo recurso No caso contrapartida, estão finidos os critérios isenção? Sobre lei específica No caso EIV, incluir a finição da linha corte do empreendimento que estaria sujeito ao EIV Informação Indisponível Está especificada fórmula para cálculo da contrapartida? Está finido prazos para regulamentação do mesmo? QUADRO ESPECÍFICO 04 NOME DO OPERAÇÕES URBANAS CONSORCIADAS INSTRUMENTO Remetido à legislação específica Auto-aplicável através do plano Definido prazo para regulamentação? Definido perímetro on se aplica a lei? Se, qual? Através : mapas Descrição do perímetro Está previsto prazo para transição entre a norma vigente e novo plano? Estão finidos prazos para revisão do Estão finidos prazos para o monitoramento instrumento? do instrumento? A utilização do instrumento está explicitamente vinculada a um objetivo/estratégia ou ao macrozoneamento? Art Os instrumentos indução do senvolvimento urbano têm por objetivo Qual? efetivar as políticas e ações estratégicas do município por meio medidas orientadas ao mercado imobiliário e à concretização das funções sociais da cida e da proprieda urbana. Art Compreen-se como operação urbana consorciada o conjunto intervenções e medidas coornadas pelo Por Público Municipal, com a participação dos proprietários, moradores, usuários permanentes e investidores privados, com o objetivo alcançar em uma área transformações urbanísticas estruturais, melhorias sociais e a valorização ambiental. Está finido procedimento para sua utilização? Através legislação específica Está finido quem aprova sua utilização? 18

19 Intificar a stinação dos recursos e suas finalidas Intificar quem é responsável pelo recurso No caso contrapartida, estão finidos os critérios isenção? Sobre lei específica No caso EIV, incluir a finição da linha corte do empreendimento que estaria sujeito ao EIV Informação Indisponível Informação Indisponível Está especificada fórmula para cálculo da contrapartida? Está finido prazos para regulamentação do mesmo? QUADRO ESPECÍFICO 05 NOME DO PARCELAMENTO, EDIFICAÇÃO OU UTILIZAÇÃO INSTRUMENTO COMPULSÓRIOS Remetido à legislação específica Auto-aplicável através do plano Definido prazo para regulamentação? Definido perímetro on se aplica a lei? Se, qual? Através : mapas Art São Descrição do perímetro passíveis Parcelamento, da Edificação e da Utilização Compulsória, nos termos do art. 182 da Constituição Feral e dos artigos 5º e 6º do Estatuto da Cida, os imóveis edificados, subutilizados ou utilizados localizados nas áreas on se exija coeficiente aproveitamento mínimo, conforme anexo VI. Estão finidos prazos para revisão do Está previsto prazo para transição entre a norma vigente e novo plano? Estão finidos prazos para o monitoramento 19

20 instrumento? do instrumento? A utilização do instrumento está explicitamente vinculada a um objetivo/estratégia ou ao macrozoneamento? Art O Parcelamento, a Edificação e a Utilização Compulsória do solo urbano visam Qual? garantir o cumprimento da função social da cida e da proprieda por meio da indução da ocupação áreas vazias ou subutilizadas on o planejamento urbano consirar prioritárias. Está finido procedimento para sua utilização? Intificar a stinação dos recursos e suas finalidas Intificar quem é responsável pelo recurso No caso contrapartida, estão finidos os critérios isenção? Sobre lei específica No caso EIV, incluir a finição da linha corte do empreendimento que estaria sujeito ao EIV Está finido quem aprova sua utilização? Informação Indisponível Informação Indisponível Está especificada fórmula para cálculo da contrapartida? Está finido prazos para regulamentação do mesmo? QUADRO ESPECÍFICO 06 NOME DO IPTU PROGRESSIVO NO TEMPO E DESAPROPRIAÇÃO INSTRUMENTO Remetido à legislação específica Auto-aplicável através do plano Definido prazo para regulamentação? Definido perímetro on se aplica a lei? Se, qual? Através : mapas Art O IPTU Descrição do perímetro progressivo no tempo porá ser aplicado nas áreas on se exija coeficiente aproveitamento mínimo, conforme anexo VI. Estão finidos prazos para revisão do instrumento? A utilização do instrumento está Está previsto prazo para transição entre a norma vigente e novo plano? Estão finidos prazos para o monitoramento do instrumento? 20

MÓDULO IV - Gestão social da valorização imobiliária para a inclusão territorial

MÓDULO IV - Gestão social da valorização imobiliária para a inclusão territorial MÓDULO IV - Gestão social da valorização imobiliária para a inclusão territorial Produção social da valorização imobiliária A valorização imobiliária é definida por: Distribuição de investimentos públicos

Leia mais

TRANSFERÊNCIA DO POTENCIAL CONSTRUTIVO

TRANSFERÊNCIA DO POTENCIAL CONSTRUTIVO ESTADO DA PARAÍBA PREFEITURA MUNICIPAL DE JOÃO PESSOA Assessoria Técnica SEPLAM Sobre a Lei nº. 12.145 de 08 de Setembro de 2011, que regulamentou o Instrumento: TRANSFERÊNCIA DO POTENCIAL CONSTRUTIVO

Leia mais

Incentivar a instalação de usos não residenciais em regiões dormitório com a intenção de diminuir a necessidade de deslocamentos na cidade.

Incentivar a instalação de usos não residenciais em regiões dormitório com a intenção de diminuir a necessidade de deslocamentos na cidade. OUTORGA ONEROSA DO DIREITO DE CONSTRUIR O interessado em construir além da área do seu terreno adquire do Poder Público o direito de construção da área excedente. O preço pago por este direito servirá

Leia mais

REVISÃO PARTICIPATIVA DO PLANO DIRETOR ESTRATÉGICO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO PL 688/13. Outubro de 2013

REVISÃO PARTICIPATIVA DO PLANO DIRETOR ESTRATÉGICO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO PL 688/13. Outubro de 2013 REVISÃO PARTICIPATIVA DO PLANO DIRETOR ESTRATÉGICO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO PL 688/13 Outubro de 2013 ESTRUTURA DA MINUTA DO PROJETO DE LEI DE REVISÃO DO PDE TÍTULO I DOS PRINCÍPIOS E OBJETIVOS QUE

Leia mais

Cidade de São Paulo. 3ª CLÍNICA INTEGRADA ENTRE USO DO SOLO E TRANSPORTES Rio, out/2011

Cidade de São Paulo. 3ª CLÍNICA INTEGRADA ENTRE USO DO SOLO E TRANSPORTES Rio, out/2011 Cidade de São Paulo 3ª CLÍNICA INTEGRADA ENTRE USO DO SOLO E TRANSPORTES Rio, out/2011 LOCALIZAÇÃO POPULAÇÃO (Censo 2010) RMSP...19.683.975 habitantes Município de São Paulo...11.253.563 habitantes Estatuto

Leia mais

LEI DOS INSTRUMENTOS

LEI DOS INSTRUMENTOS LEI DOS INSTRUMENTOS LEI Nº 2.333 DE 06 DE OUTUBRO DE 2006 Dispõe sobre os Instrumentos de Política Urbana no Município de Itápolis. MAJOR AVIADOR MOACYR ZITELLI, Prefeito do Município de Itápolis, Estado

Leia mais

Plano Diretor de Desenvolvimento Urbano de Salvador

Plano Diretor de Desenvolvimento Urbano de Salvador Plano Diretor de Desenvolvimento Urbano de Salvador O Plano Diretor é uma lei aprovada na Câmara de Vereadores de cada município, com a participação ativa da comunidade. Mas do que isto, o Plano Diretor

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº2.557 0/08

LEI MUNICIPAL Nº2.557 0/08 LEI MUNICIPAL Nº2.557 0/08 INSTITUI A POLÍTICA MUNICIPAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. A Câmara Municipal de Caeté, Minas Gerais, aprova: Art. 1º - Fica instituída a Política

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 11.124, DE 16 DE JUNHO DE 2005. Mensagem de veto Dispõe sobre o Sistema Nacional de Habitação de Interesse Social SNHIS, cria

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº 2.750/12 - DE 14 DE DEZEMBRO DE 2012

LEI MUNICIPAL Nº 2.750/12 - DE 14 DE DEZEMBRO DE 2012 LEI MUNICIPAL Nº 2.750/12 - DE 14 DE DEZEMBRO DE 2012 Institui o Plano Municipal de Habitação de Interesse Social - PMHIS, e dá outras providências A CÂMARA MANICIPAL DE GOIATUBA, Estado de Goiás, APROVOU

Leia mais

REDE DE AVALIAÇÃO E CAPACITAÇÃO PARA A IMPLEMENTAÇÃO DOS PLANOS DIRETORES PARTICIPATIVOS Avaliação dos Planos Diretores do Rio Grande do Norte

REDE DE AVALIAÇÃO E CAPACITAÇÃO PARA A IMPLEMENTAÇÃO DOS PLANOS DIRETORES PARTICIPATIVOS Avaliação dos Planos Diretores do Rio Grande do Norte REDE DE AVALIAÇÃO E CAPACITAÇÃO PARA A IMPLEMENTAÇÃO DOS PLANOS DIRETORES PARTICIPATIVOS Avaliação dos Planos Diretores do Rio Grande do Norte Nome dos Pesquisadores/contatos: Maria Dulce P. Bentes Sobrinha

Leia mais

Programa de Reabilitação de Áreas Urbanas Centrais. Secretaria Nacional de Programas Urbanos

Programa de Reabilitação de Áreas Urbanas Centrais. Secretaria Nacional de Programas Urbanos Programa de Reabilitação de Áreas Urbanas Centrais Secretaria Nacional de Programas Urbanos CONCEITOS Área Urbana Central Bairro ou um conjunto de bairros consolidados com significativo acervo edificado

Leia mais

LEI N 547, DE 03 DE SETEMBRO DE 2010.

LEI N 547, DE 03 DE SETEMBRO DE 2010. Pág. 1 de 5 LEI N 547, DE 03 DE SETEMBRO DE 2010. CRIA O FUNDO MUNICIPAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL FMHIS E INSTITUI O CONSELHO GESTOR DO FMHIS. O PREFEITO MUNICIPAL DE CRUZEIRO DO SUL ACRE, EM EXERCÍCIO,

Leia mais

LIMITES E POSSIBILIDADES DO PLANO DIRETOR DO RIO DE JANEIRO PARA O ACESSO À MORADIA E A TERRA URBANIZADA

LIMITES E POSSIBILIDADES DO PLANO DIRETOR DO RIO DE JANEIRO PARA O ACESSO À MORADIA E A TERRA URBANIZADA Curso de Capacitação e formação de agentes sociais, lideranças comunitárias e conselheiros(as) municipais de habitação para a elaboração, monitoramento e acompanhamento do PLHIS LIMITES E POSSIBILIDADES

Leia mais

A CÂMARA MUNICIPAL DE GOIÂNIA APROVA E EU SANCIONO A SEGUINTE LEI:

A CÂMARA MUNICIPAL DE GOIÂNIA APROVA E EU SANCIONO A SEGUINTE LEI: GABINETE DO PREFEITO LEI Nº 8487, DE 06 DE DEZEMBRO DE 2006 Dispõe sobre a criação do Fundo Municipal de Habitação de Interesse Social FMHIS, revoga as Leis nºs 7.273, de 12 de janeiro de 1994, e 7.600,

Leia mais

Etapas do PLHIS PROPOSTAS

Etapas do PLHIS PROPOSTAS Plano Local de Habitação de Interesse Social de Boituva Seminário de Homologação do PLHIS de Boituva 25 de Fevereiro de 2010 Etapas do PLHIS etapa 1 etapa 2 etapa 3 METODOLOGIA DIAGNÓSTICO PROPOSTAS Princípios

Leia mais

REPARTIÇÃO DE COMPETÊNCIAS E NORMAS GERAIS DE DIREITO URBANÍSTICO

REPARTIÇÃO DE COMPETÊNCIAS E NORMAS GERAIS DE DIREITO URBANÍSTICO REPARTIÇÃO DE COMPETÊNCIAS E NORMAS GERAIS DE DIREITO URBANÍSTICO O Desenvolvimento Urbano e a Constituição Federal AS COMPETÊNCIAS DA UNIÃO Art. 21. Compete à União: XX - instituir diretrizes para o desenvolvimento

Leia mais

OPERAÇÕES URBANAS CONSORCIADAS Instrumentos de viabilização de projetos urbanos integrados

OPERAÇÕES URBANAS CONSORCIADAS Instrumentos de viabilização de projetos urbanos integrados OPERAÇÕES URBANAS CONSORCIADAS Instrumentos de viabilização de projetos urbanos integrados DEAP/SNAPU/MCIDADES Maio/2015 Contexto brasileiro Necessidade de obras públicas para requalificação e reabilitação

Leia mais

APP s Urbanas e o Plano Diretor de Curitiba

APP s Urbanas e o Plano Diretor de Curitiba FRENTE MOBILIZA CURITIBA 1ª Oficina Meio Ambiente e Plano Diretor APP s Urbanas e o Plano Diretor de Curitiba Incidência e Regularização Fundiária de APP s Urbanas na Lei 12.651/12 Prof. Dr. José Gustavo

Leia mais

PROGRAMA ESTADUAL DE REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA LAR LEGAL

PROGRAMA ESTADUAL DE REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA LAR LEGAL Governo de Santa Catarina Secretaria de Estado da Assistência Social, Trabalho e Habitação PROGRAMA ESTADUAL DE REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA LAR LEGAL Florianópolis REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA DE ASSENTAMENTOS

Leia mais

Prevenção e mediação de conflitos fundiários urbanos

Prevenção e mediação de conflitos fundiários urbanos Prevenção e mediação de conflitos fundiários urbanos 1 Fatores geradores dos conflitos fundiários urbanos Reintegração de posse de imóveis públicos e privados, em que o processo tenha ocorrido em desconformidade

Leia mais

Déficit habitacional é a principal preocupação da política urbana

Déficit habitacional é a principal preocupação da política urbana Página 1 de 5 Busca Déficit habitacional é a principal preocupação da política urbana O Estatuto da Cidade prevê a criação de planos pilotos para o desenvolvimento de cidades e municípios. Para tornar

Leia mais

O Plano Diretor e a Sustentabilidade Ambiental das Cidades Eng Civil e PHD em Saúde Ambiental Ivan Carlos Maglio

O Plano Diretor e a Sustentabilidade Ambiental das Cidades Eng Civil e PHD em Saúde Ambiental Ivan Carlos Maglio O Plano Diretor e a Sustentabilidade Ambiental das Cidades Eng Civil e PHD em Saúde Ambiental Ivan Carlos Maglio A Sustentabilidade Ambiental: Novo Desafio para o Plano Diretor A posição oficial da Organização

Leia mais

AS PRINCIPAIS MUDANÇAS PROPOSTAS PELA PREFEITURA DE SÃO PAULO PARA O NOVO PLANO DIRETOR ESTRATÉGICO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO

AS PRINCIPAIS MUDANÇAS PROPOSTAS PELA PREFEITURA DE SÃO PAULO PARA O NOVO PLANO DIRETOR ESTRATÉGICO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO AS PRINCIPAIS MUDANÇAS PROPOSTAS PELA PREFEITURA DE SÃO PAULO PARA O NOVO PLANO DIRETOR ESTRATÉGICO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO Marcia Heloisa P. S. Buccolo, consultora jurídica de Edgard Leite Advogados

Leia mais

ZEIS ZONAS ESPECIAIS DE INTERESSE SOCIAL SECOVI-SP VICE- PRESIDÊNCIA DE INCORPORAÇÃO E TERRENOS URBANOS 18-04-2013

ZEIS ZONAS ESPECIAIS DE INTERESSE SOCIAL SECOVI-SP VICE- PRESIDÊNCIA DE INCORPORAÇÃO E TERRENOS URBANOS 18-04-2013 ZEIS ZONAS ESPECIAIS DE INTERESSE SOCIAL SECOVI-SP VICE- PRESIDÊNCIA DE INCORPORAÇÃO E TERRENOS URBANOS 18-04-2013 ZEIS-ZONAS ESPECIAIS DE INTERESSE SOCIAL década de 1980 surgimento de movimentos sociais

Leia mais

Instrumentos para oferta de moradias nas áreas centrais e consolidadas FERNANDA FURTADO Universidade Federal Fluminense Novembro de 2011

Instrumentos para oferta de moradias nas áreas centrais e consolidadas FERNANDA FURTADO Universidade Federal Fluminense Novembro de 2011 PMHIS Seminários Temáticos Instrumentos para oferta de moradias nas áreas centrais e consolidadas FERNANDA FURTADO Universidade Federal Fluminense Novembro de 2011 1 Bases e recortes da questão Terra,

Leia mais

REVISÃO PARTICIPATIVA DO PLANO DIRETOR ESTRATÉGICO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO PL 688/13. Lapa. Dezembro de 2013

REVISÃO PARTICIPATIVA DO PLANO DIRETOR ESTRATÉGICO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO PL 688/13. Lapa. Dezembro de 2013 REVISÃO PARTICIPATIVA DO PLANO DIRETOR ESTRATÉGICO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO PL 688/13 Lapa Dezembro de 2013 ESTRUTURA DA MINUTA DO PROJETO DE LEI DE REVISÃO DO PDE TÍTULO I DOS PRINCÍPIOS E OBJETIVOS

Leia mais

COORDENAÇÃO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

COORDENAÇÃO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO REDE DE AVALIAÇÃO E CAPACITAÇÃO PARA A IMPLEMENTAÇÃO DOS PLANOS DIRETORES PARTICIPATIVOS COORDENAÇÃO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO RELATÓRIO DO PLANO DIRETOR DO MUNICÍPIO DE BELFORD ROXO LEI COMPLEMENTAR

Leia mais

CONSTRUINDO CIDADES E CIDADANIA

CONSTRUINDO CIDADES E CIDADANIA UCLG Congress Parallel Session: CONSTRUINDO CIDADES E CIDADANIA Inês da Silva Magalhães Secretária Nacional de Habitação - Brasil Cidade do México 18 de novembro de 2010 PRINCIPAIS MARCOS INSTITUCIONAIS

Leia mais

PROGRAMA PARAISÓPOLIS Regularização Fundiária

PROGRAMA PARAISÓPOLIS Regularização Fundiária PROGRAMA PARAISÓPOLIS Regularização Fundiária POLÍTICA HABITACIONAL DA CIDADE DE SÃO PAULO Plano Diretor Estratégico do Município (Lei 13.430/02, art. 79): Moradia digna é aquela que garante ao morador

Leia mais

COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL PROJETO DE LEI N o 4.095, DE 2012 Altera a Lei nº 10.257, de 10 de julho 2001, que regulamenta os arts. 182 e 183 da Constituição Federal, estabelece

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 003, DE 09 DE OUTUBRO DE 2006 TÍTULO I DISPOSIÇÃO PRELIMINAR

LEI COMPLEMENTAR Nº 003, DE 09 DE OUTUBRO DE 2006 TÍTULO I DISPOSIÇÃO PRELIMINAR LEI COMPLEMENTAR Nº 003, DE 09 DE OUTUBRO DE 2006 Promove a revisão do Plano Diretor do Município de Campina Grande. TÍTULO I DISPOSIÇÃO PRELIMINAR Art. 1º Em atendimento ao disposto no art 182, 1º, da

Leia mais

CURSO REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA. Tratamento Constitucional da Política Urbana: Estatuto da Cidade; Regularização Fundiária e o Papel do Plano Diretor.

CURSO REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA. Tratamento Constitucional da Política Urbana: Estatuto da Cidade; Regularização Fundiária e o Papel do Plano Diretor. CURSO REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA Tratamento Constitucional da Política Urbana: Estatuto da Cidade; Regularização Fundiária e o Papel do Plano Diretor. INSTITUTO PÓLIS 2009 Heliópolis São Paulo Estatuto da

Leia mais

REDE DE AVALIAÇÃO E CAPACITAÇÃO PARA A IMPLEMENTAÇÃO DOS PLANOS DIRETORES PARTICIPATIVOS

REDE DE AVALIAÇÃO E CAPACITAÇÃO PARA A IMPLEMENTAÇÃO DOS PLANOS DIRETORES PARTICIPATIVOS Plano Diretor de CURITIBA/PR Estudo de Caso REDE DE AVALIAÇÃO E CAPACITAÇÃO PARA A IMPLEMENTAÇÃO DOS PLANOS DIRETORES PARTICIPATIVOS INDICE PARTE A Informações... 2 1. Informações iniciais... 2 2. Informações

Leia mais

Institui o novo Plano Diretor.

Institui o novo Plano Diretor. LEI COMPLEMENTAR N.º 415, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2.004 Institui o novo Plano Diretor. O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE JUNDIAÍ, Estado de São Paulo, de acordo com o que decretou a Câmara Municipal em Sessão Extraordinária

Leia mais

O Quadro de Desigualdades Habitacionais e o Saneamento no Rio de Janeiro

O Quadro de Desigualdades Habitacionais e o Saneamento no Rio de Janeiro OBSERVATÓRIO DAS METRÓPOLES, AÇÃO URBANA E FUNDAÇÃO BENTO RUBIÃO PROGRAMA DE FORMAÇÃO: POLÍTICAS PÚBLICAS E O DIREITO À CIDADE O Quadro de Desigualdades Habitacionais e o Saneamento no Rio de Janeiro Ana

Leia mais

AVALIAÇÃO FINAL AO PLANO DIRETOR DE MAGÉ PLANO DIRETOR URBANÍSTICO E TERRITORIAL LEI Nº 1773/2006 DE 20 DE OUTUBRO DE 2006.

AVALIAÇÃO FINAL AO PLANO DIRETOR DE MAGÉ PLANO DIRETOR URBANÍSTICO E TERRITORIAL LEI Nº 1773/2006 DE 20 DE OUTUBRO DE 2006. PLANO DIRETOR URBANÍSTICO E TERRITORIAL LEI Nº 1773/2006 DE 20 DE OUTUBRO DE 2006. SUMÁRIO: A. INFORMAÇÕES GERAIS DO MUNICÍPIO 1. CARACTERIZAÇÃO SÓCIO-DEMOGRÁFICA E SÓCIO-ECONÔMICA DO MUNICÍPIO. 2. CARACTERIZAÇÃO

Leia mais

Estado do Rio de Janeiro. Secretaria Municipal de Planejamento Urbano

Estado do Rio de Janeiro. Secretaria Municipal de Planejamento Urbano UMA BARRA MANSA: DUAS CIDADES A CIDADE FORMAL: Regularizada, com infraestrutura completa, usufruindo do melhor que a comunidade pode ter em comércio, serviços, cultura e lazer. É a parte da cidade que

Leia mais

MUNICÍPIO DE JACAREZINHO

MUNICÍPIO DE JACAREZINHO LEI COMPLEMENTAR Nº. 51/2013 de 22 de julho de 2013. Institui o Plano Diretor Municipal (PDM) de Jacarezinho. A Câmara Municipal de Jacarezinho,, aprovou, e eu, Prefeito Municipal, sanciono a seguinte

Leia mais

AÇÕES PARA REGULARIZAÇÃO DE IMÓVEIS NO. Estado de São Paulo. O que o Governo de São Paulo, o Ministério Público e a sua Prefeitura podem fazer juntos.

AÇÕES PARA REGULARIZAÇÃO DE IMÓVEIS NO. Estado de São Paulo. O que o Governo de São Paulo, o Ministério Público e a sua Prefeitura podem fazer juntos. AÇÕES PARA REGULARIZAÇÃO DE IMÓVEIS NO Estado de São Paulo O que o Governo de São Paulo, o Ministério Público e a sua Prefeitura podem fazer juntos. Sumário Apresentação 5 Porque regularizar 6 Quando uma

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação. CAIXA ECONÔMICA FEDERAL Representação de Apoio ao Desenvolvimento Urbano

MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação. CAIXA ECONÔMICA FEDERAL Representação de Apoio ao Desenvolvimento Urbano MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação CAIXA ECONÔMICA FEDERAL Representação de Apoio ao Desenvolvimento Urbano SNHIS / FNHIS - Lei nº 11.124/05 REQUISITOS PARA ADESÃO DOS MUNICÍPIOS AO

Leia mais

Medida Provisória nº 691/2015

Medida Provisória nº 691/2015 Medida Provisória nº 691/2015 Brasília, Setembro/2015 AUDIÊNCIA PÚBLICA SENADO GESTÃO DE IMÓVEIS DA UNIÃO APERFEIÇOAMENTO DO MARCO LEGAL- MP 691/2015 Alienação de terrenos em áreas urbanas consolidadas

Leia mais

REDE DE AVALIAÇÃO E CAPACITAÇÃO PARA A IMPLEMENTAÇÃO DOS PLANOS DIRETORES PARTICIPATIVOS

REDE DE AVALIAÇÃO E CAPACITAÇÃO PARA A IMPLEMENTAÇÃO DOS PLANOS DIRETORES PARTICIPATIVOS REDE DE AVALIAÇÃO E CAPACITAÇÃO PARA A IMPLEMENTAÇÃO DOS PLANOS DIRETORES PARTICIPATIVOS Roteiro para Relatório Estadual de Avaliação dos Planos Diretores Nome do pesquisador responsável: Emanuel Meirelles

Leia mais

L E I Nº 3.469, DE 20 DE JANEIRO DE 2016.

L E I Nº 3.469, DE 20 DE JANEIRO DE 2016. AUTOR: PREFEITA MUNICIPAL, MARIA DA CONCEIÇÃO CALDAS RABHA A CÂMARA MUNICIPAL DE ANGRA DOS REIS APROVOU E EU SANCIONO A SEGUINTE LEI: INSTITUI O PROGRAMA MUNICIPAL NOSSA CIDADE LEGAL E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

Leia mais

O SISTEMA JURÍDICO BRASILEIRO LAND READJUSTMENT KUKAKU-SEIRI REAJUSTE DE TERRENOS REDESENVOLVIMENTO. Cintia@pgm.curitiba.pr.gov.br

O SISTEMA JURÍDICO BRASILEIRO LAND READJUSTMENT KUKAKU-SEIRI REAJUSTE DE TERRENOS REDESENVOLVIMENTO. Cintia@pgm.curitiba.pr.gov.br O SISTEMA JURÍDICO BRASILEIRO LAND READJUSTMENT KUKAKU-SEIRI REAJUSTE DE TERRENOS REDESENVOLVIMENTO Cintia@pgm.curitiba.pr.gov.br Programa para Programa para LAND READJUSTMENT - REAJUSTE DE TERRENOS Administração

Leia mais

PARTICIPAÇÃO E CONTROLE SOCIAL NO SISTEMA NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO URBANO - SNDU

PARTICIPAÇÃO E CONTROLE SOCIAL NO SISTEMA NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO URBANO - SNDU PARTICIPAÇÃO E CONTROLE SOCIAL NO SISTEMA NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO URBANO - SNDU EIXO 1 PARTE 1 - A PARTICIPAÇÃO E O CONTROLE SOCIAL NO SNDU DEVERÃO SER EXERCIDOS: (i) no âmbito federal, pelo Conselho

Leia mais

DECRETO Nº 050, DE 11 DE MARÇO DE 2010

DECRETO Nº 050, DE 11 DE MARÇO DE 2010 DECRETO Nº 050, DE 11 DE MARÇO DE 2010 Define o Modelo Localizado de Gestão Urbana para o Projeto Parque Linear do Rio Ressaca. O Prefeito Municipal de São José dos Pinhais, Estado do Paraná, no uso de

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 DOU de 05/10/09 seção 01 nº 190 pág. 51 MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 Estabelece orientações relativas à Política de Saneamento Básico e

Leia mais

BREVES NOTAS SOBRE O PLANEJAMENTO FÍSICO-TERRITORIAL. Prof. Leandro Cardoso Trabalho Integralizador Multidisciplinar 1 (TIM-1) Engenharia Civil

BREVES NOTAS SOBRE O PLANEJAMENTO FÍSICO-TERRITORIAL. Prof. Leandro Cardoso Trabalho Integralizador Multidisciplinar 1 (TIM-1) Engenharia Civil BREVES NOTAS SOBRE O PLANEJAMENTO FÍSICO-TERRITORIAL Prof. Leandro Cardoso Trabalho Integralizador Multidisciplinar 1 (TIM-1) Engenharia Civil PLANEJAMENTO URBANO O planejamento urbano é o processo de

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Página 1 de 7 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 13.089, DE 12 DE JANEIRO DE 2015. Mensagem de veto Institui o Estatuto da Metrópole, altera a Lei n o 10.257,

Leia mais

Cadastro Territorial Multifinalitário no planejamento e gestão territorial urbana

Cadastro Territorial Multifinalitário no planejamento e gestão territorial urbana Mundo Geo Connect Seminário Geotecnologia na Gestão Municipal Sessão Desafios para as Prefeituras: o CTM como instrumento de política fiscal e urbana São Paulo, 16 de junho de 2011 Cadastro Territorial

Leia mais

6º Seminário Estadual Áreas Contaminadas e Saúde:

6º Seminário Estadual Áreas Contaminadas e Saúde: O ESTATUTO DA CIDADE: lei 10.257 de 10/07/2001 Regulamenta os arts. 182 e 183 da Constituição Federal, estabelece diretrizes gerais da política urbana e dá outras providências. Art. 182. A política de

Leia mais

REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA - COMO IMPLEMENTAR - ASPÉCTOS TÉCNICOS

REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA - COMO IMPLEMENTAR - ASPÉCTOS TÉCNICOS REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA - - ASPÉCTOS TÉCNICOS Luciano Saldanha Varela Engenheiro Civil ETAPAS DA REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA 1) TOPOGRAFIA PARA AUTO DE DEMARCAÇÃO URBANÍSTICA E PARA INSTITUIÇÃO DE ZEIS (PERÍMETRO

Leia mais

18º Encontro Nacional da ANAMMA

18º Encontro Nacional da ANAMMA 18º Encontro Nacional da ANAMMA Os efeitos do PL de parcelamento do solo no meio ambiente e a gestão de APPs urbanas Cynthia Cardoso Goiânia, agosto/2008 Planejamento? Na perspectiva de planejamento qual

Leia mais

O principal instrumento de planejamento urbano do município

O principal instrumento de planejamento urbano do município O que é um PDU O principal instrumento de planejamento urbano do município Conjunto de regras e indicações para: Organizar o crescimento e o desenvolvimento da cidade, no interesse de todos que nela moram;

Leia mais

PLANOS DIRETORES REGIONAIS

PLANOS DIRETORES REGIONAIS PLANOS DIRETORES REGIONAIS ORIGEM DOS PLANOS DIRETORES REGIONAIS CONSTITUIÇÃO FEDERAL ESTABELECE O PLANO DIRETOR PARTICIPATIVO E A GESTÃO DEMOCRÁTICA II CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE POLÍTICA URBANA PLANO DIRETOR

Leia mais

Planejamento Urbano Governança Fundiária

Planejamento Urbano Governança Fundiária Planejamento Urbano Governança Fundiária Instrumentos de Gestão, Conflitos Possibilidades de Inclusão Socioespacial Alexandre Pedrozo agosto. 2014 mobiliza Curitiba...... de antes de ontem...... de ontem......

Leia mais

Movimento Nacional pela Reforma Urbana

Movimento Nacional pela Reforma Urbana Estatuto da Cidade A Cidade Brasileira Contraste entre uma parte qualificada e uma parte desqualificada, em geral maior do que a primeira A estrutura e a forma urbana reafirmam e reproduzem a desigualdade

Leia mais

4.9 PROJETO DE LEI DO DIREITO DE PREEMPÇÃO

4.9 PROJETO DE LEI DO DIREITO DE PREEMPÇÃO 302 4.9 PROJETO DE LEI DO DIREITO DE PREEMPÇÃO Regulamento o exercício do direito de preempção pelo Poder Público Municipal de acordo com a Lei de Revisão do Plano Diretor, e dá outras providências. A

Leia mais

PLANO DIRETOR DE NITERÓI

PLANO DIRETOR DE NITERÓI Lei n. º 1157, de 29 de dezembro de 1992 modificada pela Lei 2123 de 04 de fevereiro de 2004 Incisos V e VI do art. 221 alterados pela Lei 1594/97 Capítulos III, IV e VI do Título V revogados com a promulgação

Leia mais

LEI MUNICIPAL N. 1.031/06, DE 11 DE OUTUBRO DE 2006. DISPÕE SOBRE O ORDENAMENTO TERRITORIAL DO MUNICÍPIO DE BENEVIDES, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

LEI MUNICIPAL N. 1.031/06, DE 11 DE OUTUBRO DE 2006. DISPÕE SOBRE O ORDENAMENTO TERRITORIAL DO MUNICÍPIO DE BENEVIDES, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. LEI MUNICIPAL N. 1.031/06, DE 11 DE OUTUBRO DE 2006. DISPÕE SOBRE O ORDENAMENTO TERRITORIAL DO MUNICÍPIO DE BENEVIDES, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O PREFEITO MUNICIPAL DE BENEVIDES; Faço saber que a Câmara

Leia mais

PARCELAMENTO E USO DE SOLOS NO INSTITUTO DA POSSE. Estefânia Prezutti Denardi Enga. Florestal, consultora ambiental, formanda em Direito.

PARCELAMENTO E USO DE SOLOS NO INSTITUTO DA POSSE. Estefânia Prezutti Denardi Enga. Florestal, consultora ambiental, formanda em Direito. PARCELAMENTO E USO DE SOLOS NO INSTITUTO DA POSSE Estefânia Prezutti Denardi Enga. Florestal, consultora ambiental, formanda em Direito. A Posse é um Instrumento Jurídico tratado no Código Civil Brasileiro

Leia mais

AVALIAÇÃO NOVO PDE. Claudio Bernardes

AVALIAÇÃO NOVO PDE. Claudio Bernardes AVALIAÇÃO NOVO PDE Claudio Bernardes ORDENAÇÃO TERRITORIAL MACROÁREAS MACROZONEAMENTO ZONEAMENTO ZONAS ESPECIAIS EIXOS DE ESTRUTURAÇÃO DA TRANSFORMAÇÃO URBANA MACROZONAS I Macrozona de Proteção e Recuperação

Leia mais

Plano Regional Estratégico da Subprefeitura São Miguel - MP

Plano Regional Estratégico da Subprefeitura São Miguel - MP Plano Regional Estratégico da Subprefeitura São Miguel - MP RETORNAR Sumário Título I Das Políticas Públicas Regionais. Capítulo I Da Política de Desenvolvimento Urbano e Ambiental da Região. Capítulo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ LABORATÓRIO DE ARQUITETURA E URBANISMO LAURB GRUPO DE PESQUISA CIDADE, MEIO AMBIENTE E POLÍTICAS PÚBLICAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ LABORATÓRIO DE ARQUITETURA E URBANISMO LAURB GRUPO DE PESQUISA CIDADE, MEIO AMBIENTE E POLÍTICAS PÚBLICAS 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ LABORATÓRIO DE ARQUITETURA E URBANISMO GRUPO DE PESQUISA CIDADE, MEIO AMBIENTE E POLÍTICAS PÚBLICAS Série Textos de reconhecimento do objeto de pesquisa 1 Título: CARACTERIZAÇÃO

Leia mais

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS Considerando a ratificação do Pacto Internacional de Direitos Econômicos, Sociais e Culturais, que reconhece o direito de todos a um adequado nível de vida, incluindo alimentação adequada,

Leia mais

PUBLICADO DOC 10/01/2012, p. 1 c. todas

PUBLICADO DOC 10/01/2012, p. 1 c. todas PUBLICADO DOC 10/01/2012, p. 1 c. todas LEI Nº 15.525, DE 9 DE JANEIRO DE 2012 (Projeto de Lei nº 470/11, do Executivo, aprovado na forma de Substitutivo do Legislativo) Institui o Projeto Estratégico

Leia mais

PLANO DIRETOR DECENAL DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO. LEI COMPLEMENTAR N 16, de 4 de junho de 1992

PLANO DIRETOR DECENAL DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO. LEI COMPLEMENTAR N 16, de 4 de junho de 1992 Um plano e novas definições Em 1992, foi publicado na forma de lei complementar o Plano Decenal da Cidade do Rio de Janeiro. Estabeleciam-se então as normas para a política urbana de nossa cidade que deveriam

Leia mais

Vamos mudar nossas cidades?

Vamos mudar nossas cidades? Vamos mudar nossas cidades? Conheça o Estatuto da Cidade 1 O Estatuto quer garantir a cidade para todos 3 O Plano Diretor põe o Estatuto da Cidade em prática...6 As etapas do Plano Diretor 8 O Estatuto

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE HABITAÇÃO DE LONDRINA

CONSELHO MUNICIPAL DE HABITAÇÃO DE LONDRINA 3ª Conferência Municipal da Habitação de Londrina Morar na cidade que me reconhece Enfrentar o déficit habitacional não se resume à oferta de moradias. Ações devem ser articuladas para garantir direitos

Leia mais

www.plano500.salvador.ba.gov.br

www.plano500.salvador.ba.gov.br www.plano500.salvador.ba.gov.br 14ª Audiência Pública do Plano Salvador 500, PDDU e LOUOS Centro de Cultura da Câmara Municipal de Salvador 26 de Outubro de 2015, das 9h às 15h Abertura da Audiência Pública

Leia mais

Regularização Fundiária. Rosane Tierno 02 julho -2011

Regularização Fundiária. Rosane Tierno 02 julho -2011 Regularização Fundiária Rosane Tierno 02 julho -2011 Parte I - Informalidade fundiária Imagem interna de um cortiço Regularização Fundiária Por que?? INFORMALIDADE FUNDIÁRIA URBANA MUNICÍPIOS POR FAIXA

Leia mais

Isabel Cristina da Costa Cardoso

Isabel Cristina da Costa Cardoso ONDE ESTÃO OS RECURSOS DA VENDA DOS CEPACS PARA O PROGRAMA DE ATENDIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL DA POPULAÇÃO DIRETAMENTE AFETADA PELO PROJETO PORTO MARAVILHA? Isabel Cristina da Costa Cardoso Alguém sabe

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VIANA Estado do Espírito Santo Gabinete da Prefeita 1

PREFEITURA MUNICIPAL DE VIANA Estado do Espírito Santo Gabinete da Prefeita 1 1 LEI Nº. 1.876/2006 Cria o Plano Diretor Municipal de Viana. A Prefeita Municipal de Viana,, no uso e gozo de suas atribuições legais, encaminha a Câmara Municipal, nos termos do artigo 182 da Constituição

Leia mais

O PREFEITO DE GOIÂNIA, no uso de suas atribuições legais, e com base nos dispositivos da Lei Municipal n 8.487, de 06 de dezembro de 2006, DECRETA

O PREFEITO DE GOIÂNIA, no uso de suas atribuições legais, e com base nos dispositivos da Lei Municipal n 8.487, de 06 de dezembro de 2006, DECRETA PREFEITURA DE GOIÂNIA 1 GABINETE DO PREFEITO DECRETO Nº 514, DE 09 DE MARÇO DE 2007. Regulamenta o Sistema Municipal de Habitação de Interesse Social SMHIS, o Fundo Municipal de Habitação de Interesse

Leia mais

Curso de Formação para a Elaboração, Monitoramento e Acompanhamento do PLHIS

Curso de Formação para a Elaboração, Monitoramento e Acompanhamento do PLHIS Curso de Formação para a Elaboração, Monitoramento e Acompanhamento do PLHIS Módulo IV Política Habitacional e as políticas urbanas Política Habitacional: o papel dos estados e municípios Regina Fátima

Leia mais

LEI 1519/08 DISPÕE SOBRE O PLANO DIRETOR MUNICIPAL DE ALVORADA DO SUL

LEI 1519/08 DISPÕE SOBRE O PLANO DIRETOR MUNICIPAL DE ALVORADA DO SUL 1 LEI 1519/08 DISPÕE SOBRE O PLANO DIRETOR MUNICIPAL DE ALVORADA DO SUL SUMÁRIO CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO II DA POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO MUNICIPAL CAPÍTULO III DA FUNÇÃO SOCIAL DA PROPRIEDADE

Leia mais

Diretrizes para o Plano de Urbanização da ZEIS 3 C 016

Diretrizes para o Plano de Urbanização da ZEIS 3 C 016 Diretrizes para o Plano de Urbanização da ZEIS 3 C 016 Aprovadas pelo Conselho Gestor em 27 de julho de 2011 LEGENDA: Diretrizes propostas pela PMSP Diretrizes propostas pelos membros da sociedade civil

Leia mais

[ ] Propostas para a revisão do Plano Diretor. Mobiliza Curitiba

[ ] Propostas para a revisão do Plano Diretor. Mobiliza Curitiba Propostas para a revisão do Plano Diretor Mobiliza Curitiba Curitiba, novembro de 2014 As propostas aqui contidas foram resultado de extensos debates ao longo do último ano, por uma articulação de atores

Leia mais

4º CONFERENCIA ESTADUAL DAS CIDADES 07 a 09 abril 2010 Foz do Iguaçu PR

4º CONFERENCIA ESTADUAL DAS CIDADES 07 a 09 abril 2010 Foz do Iguaçu PR 4º CONFERENCIA ESTADUAL DAS CIDADES 07 a 09 abril 2010 Foz do Iguaçu PR CIDADE PARA TODOS E TODAS COM GESTÃO DEMOCRÁTICA, PARTICIPATIVA E CONTROLE SOCIAL Avanços, Dificuldades e Deságios na Implementação

Leia mais

TEXTO PROPOSTO - PLANO DIRETOR DO MUNICÍPIO DE SÃO LUÍS (Lei n.º 4.669/06)

TEXTO PROPOSTO - PLANO DIRETOR DO MUNICÍPIO DE SÃO LUÍS (Lei n.º 4.669/06) TEXTO PROPOSTO - PLANO DIRETOR DO MUNICÍPIO DE SÃO LUÍS (Lei n.º 4.669/06) Título IV DO USO DO SOLO URBANO E RURAL... CAPÍTULO III Do Macrozoneamento... Seção II Do Macrozoneamento Ambiental Art. 26. (Antigo

Leia mais

Revisão Participativa. dos Instrumentos de Planejamento e Gestão da Cidade de São Paulo

Revisão Participativa. dos Instrumentos de Planejamento e Gestão da Cidade de São Paulo Revisão Participativa dos Instrumentos de Planejamento e Gestão da Cidade de São Paulo Volume II Revisão Participativa do Plano Diretor Estratégico (PDE) 1. A importância do PDE (Plano Diretor Estratégico)

Leia mais

CHAPECÓ SANTA CATARINA RELATÓRIO DA ETAPA MUNICIPAL VAMOS MELHORAR AINDA MAIS A NOSSA CASA

CHAPECÓ SANTA CATARINA RELATÓRIO DA ETAPA MUNICIPAL VAMOS MELHORAR AINDA MAIS A NOSSA CASA 1. Dados Iniciais: Município de Chapecó Estado de Santa Catarina 2. Dados da pessoa responsável pelo preenchimento do relatório Nome: NEMÉSIO CARLOS DA SILVA Órgão: PREFEITURA MUNICIPAL DE CHAPECÓ CPF:

Leia mais

ESTADO DO PIAUÍ PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO JOÃO DO ARRAIAL PROJETO DE LEI MUNICIPAL N.º. /2007, DE 26 DE NOVEMBRODE 2007.

ESTADO DO PIAUÍ PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO JOÃO DO ARRAIAL PROJETO DE LEI MUNICIPAL N.º. /2007, DE 26 DE NOVEMBRODE 2007. PROJETO DE LEI MUNICIPAL N.º. /2007, DE 26 DE NOVEMBRODE 2007. Cria o Fundo Municipal de Microcrédito e Apoio à Economia Solidaria-FUMAES e Institui o Conselho Gestor do FUMAES e da outras providências.

Leia mais

Seminário Rio Metrópole Moradia: Assunto de Interessa Metropolitano

Seminário Rio Metrópole Moradia: Assunto de Interessa Metropolitano Realização Seminário Rio Metrópole Moradia: Assunto de Interessa Metropolitano Henry Cherkezian Rio, 18 de maio de 2011 A questão Habitacional Aspectos a serem abordados Breve Diagnóstico Um exemplo da

Leia mais

Plataforma Ambiental para o Brasil

Plataforma Ambiental para o Brasil Plataforma Ambiental para o Brasil A Plataforma Ambiental para o Brasil é uma iniciativa da Fundação SOS Mata Atlântica e traz os princípios básicos e alguns dos temas que deverão ser enfrentados na próxima

Leia mais

Recursos e Fontes de Financiamento

Recursos e Fontes de Financiamento Recursos e Fontes de Financiamento Recursos e Fontes de Financiamento A disponibilidade de recursos financeiros para a implementação do Plano Local de HIS é fundamental para a concretização dos objetivos

Leia mais

MINUTA DO PROJETO DE LEI DO PLANO DIRETOR DO MUNICÍPIO DE SÃO GABRIEL DA CACHOEIRA

MINUTA DO PROJETO DE LEI DO PLANO DIRETOR DO MUNICÍPIO DE SÃO GABRIEL DA CACHOEIRA MINUTA DO PROJETO DE LEI DO PLANO DIRETOR DO MUNICÍPIO DE SÃO GABRIEL DA CACHOEIRA Art. 1. Em atendimento às disposições do Artigo 182 da Constituição Federal, do Capítulo III da Lei nº. 10.257, de 10

Leia mais

PROGRAMAS: HABITAR BRASIL E HABITAR BRASIL BID PREFEITURA MUNICIPAL DE FLORIANÓPOLIS SECRETARIA MUNICIPAL DA HABITAÇÃO E SANEAMENTO AMBIENTAL

PROGRAMAS: HABITAR BRASIL E HABITAR BRASIL BID PREFEITURA MUNICIPAL DE FLORIANÓPOLIS SECRETARIA MUNICIPAL DA HABITAÇÃO E SANEAMENTO AMBIENTAL Ã ÇÃ ÇÃ Á PROGRAMAS: HABITAR BRASIL E HABITAR BRASIL BID PREFEITURA MUNICIPAL DE FLORIANÓPOLIS SECRETARIA MUNICIPAL DA HABITAÇÃO E SANEAMENTO AMBIENTAL APRESENTAÇÃO O projeto Chico Mendes compreende uma

Leia mais

Conselho Gestor do Fundo Municipal de Habitação de Interesse Social (CGFMHIS)

Conselho Gestor do Fundo Municipal de Habitação de Interesse Social (CGFMHIS) ESTADO DO MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE GAÚCHA DO NORTE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE HABITAÇÃO Conselho Gestor do Fundo Municipal de Habitação de Interesse Social (CGFMHIS) RELATÓRIO DE GESTÃO DO FUNDO

Leia mais

Avaliação do Plano Diretor Participativo de Volta Redonda RELATÓRIO FINAL

Avaliação do Plano Diretor Participativo de Volta Redonda RELATÓRIO FINAL REDE DE AVALIAÇÃO E CAPACITAÇÃO PARA A IMPLEMENTAÇÃO DOS PLANOS DIRETORES PARTICIPATIVOS Avaliação do Plano Diretor Participativo de Volta Redonda RELATÓRIO FINAL Andréa Auad Moreira REDE DE AVALIAÇÃO

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE GOVERNO

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE GOVERNO LEI COMPLEME TAR º 203, DE 17 DE MARÇO DE 2010 Regulamenta os usos admitidos e índices urbanísticos da Área de Urbanização de Interesse Turístico - AUIT do município de Palmas seguinte Lei: O PREFEITO

Leia mais

Escola de Formação Política Miguel Arraes

Escola de Formação Política Miguel Arraes Escola de Formação Política Miguel Arraes Curso de Atualização e Capacitação Sobre Formulação e Gestão de Políticas Públicas Módulo II Políticas Públicas e Direitos Humanos Aula 3 Desenvolvimento Urbano

Leia mais

Tabela 1 - Instrumentos elaborados para a área central de São Paulo

Tabela 1 - Instrumentos elaborados para a área central de São Paulo OBSERVATÓRIO DO USO DO SOLO E DA GESTÃO FUNDIÁRIA DO CENTRO DE SÃO PAULO: Avaliação dos instrumentos instituídos ou implementados nos últimos 15 anos na área central de São Paulo Resumo Executivo Parte

Leia mais

6. VALORIZAÇÃO IMOBILIÁRIA

6. VALORIZAÇÃO IMOBILIÁRIA 6. VALORIZAÇÃO IMOBILIÁRIA 6.1 INTRODUÇÃO E OBJETIVOS Este estudo visa avaliar a valorização imobiliária do solo urbano decorrente da urbanização do promovida pelo poder público municipal e da implantação

Leia mais

Fundo Nacional de Habitação de Interesse Social - FNHIS -

Fundo Nacional de Habitação de Interesse Social - FNHIS - MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação Fundo Nacional de Habitação de Interesse Social - FNHIS - Programa: Habitação de Interesse Social Ação: Apoio à elaboração de Planos Habitacionais

Leia mais

Ministério das Cidades Secretaria Nacional de Habitação

Ministério das Cidades Secretaria Nacional de Habitação Ministério das Cidades SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE MEJORAMIENTO DE BARRIOS México - 29 e 30 novembro/2004 Programa Habitar Brasil/BID Governo Federal Processo de Urbanização Brasileiro Crescimento da

Leia mais

ocupação do solo PDUOS do município de Cidade Gaúcha Estado do Paraná e, dá outras providências. Ementa: Institui o Plano Diretor de uso e

ocupação do solo PDUOS do município de Cidade Gaúcha Estado do Paraná e, dá outras providências. Ementa: Institui o Plano Diretor de uso e LEI MUNICIPAL N.º 1.600/2005. Ementa: Institui o Plano Diretor de uso e ocupação do solo PDUOS do município de Cidade Gaúcha Estado do Paraná e, dá outras providências. Preâmbulo: A Câmara Municipal da

Leia mais

PLANO DIRETOR PARTICIPATIVO NÚCLEODE EXECUÇÃOMUNIIPAL NEM NÚCLEO GESTOR LOCAL NGL MÃE DO RIO LEI Nº.468/06 GAB-PMMR de, 27 de setembro de 2006

PLANO DIRETOR PARTICIPATIVO NÚCLEODE EXECUÇÃOMUNIIPAL NEM NÚCLEO GESTOR LOCAL NGL MÃE DO RIO LEI Nº.468/06 GAB-PMMR de, 27 de setembro de 2006 LEI Nº.468/06 GAB-PMMR de, 27 de setembro de 2006 Dispõe sobre o plano diretor do Município de Mãe do Rio e dá outras providências. O Prefeito Municipal de Mãe do Rio, no uso de suas atribuições legais

Leia mais