CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO- MESTRADO E DOUTORADO ÁREA DE CONCENTRAÇÃO POLÍTICAS PÚBLICAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO- MESTRADO E DOUTORADO ÁREA DE CONCENTRAÇÃO POLÍTICAS PÚBLICAS"

Transcrição

1 CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO- MESTRADO E DOUTORADO ÁREA DE CONCENTRAÇÃO POLÍTICAS PÚBLICAS Tatiana Martins do Amaral A (IN)EFICÁCIA DO ESTADO NA IMPLEMENTAÇÃO DAS MEDIDAS PROTETIVAS PREVISTAS NA LEI MARIA DA PENHA, ENQUANTO POLÍTICAS PÚBLICAS DE EFETIVAÇÃO DOS DIREITOS DE CIDADANIA. Santa Cruz do Sul 2012

2 Tatiana Martins do Amaral A (IN)EFICÁCIA DO ESTADO NA IMPLEMENTAÇÃO DAS MEDIDAS PROTETIVAS PREVISTAS NA LEI MARIA DA PENHA ENQUANTO POLÍTICAS PÚBLICAS DE EFETIVAÇÃO DOS DIREITOS DE CIDADANIA. Dissertação de Mestrado apresentado ao Programa de Pós-Graduação em Direito da Universidade de Santa Cruz do Sul, na Área de Concentração Políticas Públicas, Linha de Pesquisa Políticas Públicas de Inclusão Social, para obtenção do título de mestre. Orientadora Drª. Marli Marlene Moraes da Costa Santa Cruz do Sul 2012

3 Tatiana Martins do Amaral A (IN)EFICÁCIA DO ESTADO NA IMPLEMENTAÇÃO DAS MEDIDAS PROTETIVAS PREVISTAS NA LEI MARIA DA PENHA ENQUANTO POLÍTICAS PÚBLICAS DE EFETIVAÇÃO DOS DIREITOS DE CIDADANIA. Dissertação submetida ao Programa de Pós-graduação em Direito- Mestrado e Doutorado; Área de concentração em Políticas Públicas; Linha de Pesquisa Políticas Públicas de Inclusão Social; Universidade de Santa Cruz do Sul- UNISC, como requisito parcial para obtenção do título de Mestre em Direito. Professora Dra. Marli Marlene Moraes da Costa Orientadora Professor Dr. Mauro Gaglietti Avaliador Professor Dr. Clóvis Gorczevski Avaliador Santa Cruz do Sul, 2012

4 AGRADECIMENTOS Em primeiro lugar agradeço a Deus, por sempre iluminar meu caminho, me mostrando respostas para os problemas que tive ao longo destes dois anos de mestrado, e me dando forças para seguir em frente. Aos meus pais Edson e Dilza, que em nenhum momento mediram esforços para realização dos meus sonhos. Ao meu irmão que, mesmo à distância, sempre me apoiou quando precisei. A minha amiga, quase irmã, Larissa Lauda Burmann, pelo apoio, nos piores e melhores momentos, aos meus colegas de mestrado, em especial, Aline Casagrande e Patrícia Messa Urrutigaray, esses dois anos de convivência com vocês será, para mim, inesquecível meninas. À minha professora orientadora, Marli Marlene Moraes da Costa, pelo auxílio, dedicação e paciência, por ser tão especial e amiga, apesar do vínculo profissional que nos unia, sempre terei um carinho especial, encanto, respeito e admiração pela profissional que és, e serei grata pelo apoio que me deu na realização desse trabalho. E a todos meus amigos mais próximos que estiveram comigo no decorrer desses dois anos, me ajudando sempre que preciso. Muito obrigada a todos vocês!

5 "É certo que irás encontrar situações tempestuosas novamente, mas haverá de ver sempre o lado bom da chuva que cai, e não a faceta do raio que destrói. Tu és jovem. Atender a quem te chama é belo, lutar por quem te rejeita é quase chegar à perfeição. A juventude precisa de sonhos e se nutrir de lembranças, assim como o leito dos rios precisa da água que rola e o coração necessita de afeto. Não faças do amanhã o sinônimo de nunca, nem o ontem te seja o mesmo que nunca mais. Teus passos ficaram. Olhes para trás, mas vá em frente, pois há muitos que precisam que chegues para poderem seguir-te". Charles Chaplin

6 RESUMO O presente trabalho pretende fazer uma abordagem sobre o conflito social de interesses e suas formas alternativas de solução, em específico sobre violência de gênero envolvendo mulheres em situação de risco. Dentro de um contexto de crise do Poder Judiciário será referida uma análise sobre a necessidade de desjudicialização e das formas alternativas a prestação de tutela jurisdicional, e para o caso em análise, a justiça restaurativa, a qual pode ser uma alternativa viável ao problema de efetividade das ações destinadas a tutela das mulheres vítimas de violência doméstica, frente à demora e ineficácia na concessão das medidas protetivas previstas na Lei /06. Para fins de análise sobre efetividade, pretende-se realizar uma pesquisa sobre o número de medidas protetivas requeridas junto à Delegacia da Mulher de Santa Maria/RS e quantas dessas são concedidas pelo judiciário, na Vara Criminal local que recebe esses processos. Tal pesquisa, também analisará a efetividade da lei em questão enquanto política pública de combate ao problema da violência familiar praticada contra mulheres, bem como, o controle ou não do Poder Público quanto às medidas que foram instituídas pelo texto legal. Palavras-chaves: Alternativas a tutela jurisdicional. Desjudicialização. Justiça Restaurativa. Violência de Gênero.

7 ABSTRACT This work intends to make an approach to social conflict of interests and their alternative solution, specifically on gender violence involving women at risk. Within a context of crisis of the judiciary will be referred to an analysis of the need for alternative forms of desjudicialização and the provision of judicial review, and the case, restorative justice, which can be a viable alternative to the problem of effectiveness actions aimed at protection of women victims of domestic violence, compared to the delay and inefficiency in the provision of protective measures provided for by Law /06. For analysis of effectiveness, we intend to conduct a survey on the number of protective measures required by the Women's Police Station Santa Maria / RS and how many of those are granted by courts in criminal court location that receives these processes. Such research will also analyze the effectiveness of the law in question as a public policy to combat the problem of family violence committed against women, as well as control or not the Government on the measures that were imposed by the legal text. Keywords: Alternatives to judicial review. Desjudicialização. Restorative Justice. Gender Violence.

8 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO 2 À VIOLÊNCIA DE GÊNERO NO CONTEXTO DA JUSTIÇA RESTAURATIVA. 2.1 A violência de gênero do âmbito doméstico: conceitualizações e abordagens históricas. 2.2 Justiça Restaurativa sob o enfoque da percepção da violência contra a mulher no âmbito doméstico. 3 ANÁLISE DA LEI /2006 DA EFETIVIDADE DAS MEDIDAS PROTETIVAS PREVISTAS À LUZ DA TEORIA DA JUSTIÇA DE JOHN RAWLS. 3.1 Algumas considerações sobre as medidas especiais de proteção previstas na Lei Maria da Penha e sua real efetividade. 3.2 As medias protetivas para mulheres em situação de risco sob o enfoque da Teoria da Justiça proposta por Rawls. 4 A (IM)POSSIBILIDADE DE IMPLEMENTAÇÃO DA JUSTIÇA RESTAURATIVA JUNTO AS DELEGACIAS DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA DE SANTA MARIA/RS. 4.1 Atuação e efetividade da delegacia da mulher e do Poder Judiciário diante da violência âmbito doméstico na cidade de Santa Maria/RS 4.2 Os obstáculos a implementação da Justiça Restaurativa na Delegacia da Mulher de Santa Maria/RS. 5 CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS ANEXO A ANEXO B

9 1 INTRODUÇÃO A atual realidade do Poder Judiciário brasileiro é de descrença e crise, eis que por muito tempo se difundiu o ideal do acesso a justiça e garantia da busca pela tutela jurisdicional. Todavia hoje se vive o inverso, os cidadãos conscientes de seus direitos passaram a buscar cada vez mais o judiciário, e ver nesse poder a única alternativa para solução de seus problemas e conflitos sociais, o que gerou um número excessivo de demandas, mas as respostas passaram a não ser tão rápidas e eficazes às pretensões almejadas. Assim, os operadores do direito começaram a repensar forma como se dará soluções aos conflitos, buscando novos mecanismos em contraponto à tutela judicial, sedo tais mecanismos vistos como alternativas mais céleres e menos ortodoxas. No atual conjuntura social brasileira passamos a rever a forma tradicional de contenciosidade das demandas e questionamos a efetividade do poder judiciário e, em tal contexto, fora aprovada a Emenda Constitucional n o 45 de 2004, instituindo a busca de uma tutela jurisdicional eficaz, mas célere, tanto aos processos administrativos quanto, e principalmente, aos judiciais. Em razão de tal alteração constitucional tivemos uma série de propostas legislativas que, todavia, vem se mostrado ineficientes a tão almejada justiça rápida. Hoje vivenciamos um consenso que muitos doutrinadores, e até mesmo os legisladores, refletem sobre a necessidade de alternativas viáveis e eficazes à prestação de tutela jurisdicional, sendo cada vez mais constante as discussões a respeito da desjudicializaçao da tutela e dos instrumentos hábeis a pacificação social, tais como a conciliação, a mediação e a justiça restaurativa. Tais meios, não tem como escopo o enfraquecimento do Poder Judiciário, mas tão somente, servir como alternativa ao cidadão que poderá escolher entre a solução do conflito por meio da tutela estatal ou paraestatal. Portanto, o atual ambiente de crise institucional no qual vive nosso judiciário ocasionado pela excessiva morosidade, e também pelos altos custos da tutela estatal, dentre outros tantos fatores determinantes, acabaram por conduzir a sociedade e os operadores do direito na busca pelos denominados meios alternativos para solução dos conflitos, dentre os quais destacamos para o presente

10 trabalho a temática da Justiça Restaurativa, pela qual, há possibilidade de composição de interesses e solução do litígio em um ambiente de diálogo entre vítima e opressor. Dentro deste contexto, alternativas à tutela estatal e violência doméstica situaremos o trabalho aqui desenvolvido, sabendo da gravidade da questão envolvendo mulheres que são agredidas diariamente por seus maridos, noivos, namorados e companheiros, e que essas nem sempre podem esperar pela justiça pública para a garantia de sua vida ou integridade, ou ainda para uma tentativa de reconciliação com a composição amigável entre as partes. Após as organizações internacionais tomarem conhecimento do aumento do índice de mulheres vítimas de agressões no ambiente familiar - seja por seus companheiros, maridos, namorados e filhos - e também da omissão do Brasil no amparo dos direitos das mulheres; em 7 de Agosto de 2006 foi sancionada, então, a Lei Maria da Penha, que criou mecanismos para coibir e prevenir a violência doméstica e familiar contra a mulher, sendo tal uma resposta estatal à problemática da violência de gênero no País. Com a criação da mencionada lei vieram significativos avanços como: a proposta de implantação de Juizados Especializados em Violência Doméstica e Familiar (JVDFM), que terão competência para julgar os crimes praticados contra as mulheres; e a vedação da aplicação da Lei de Execução Penal pelo fato dos crimes praticados contra as mulheres não serem mais considerados de pequeno potencial ofensivo e, principalmente, a possibilidade de concessão de medidas protetivas para as vítimas em situação de urgência ou risco. Assim, a criação da lei Maria da Penha implicou alterações nos diplomas do Código Penal e Código de Processo Penal e foi uma resposta legislativa do Estado na tentativa de solucionar o problema da violência de gênero no Brasil, com a implementação de uma política pública que visa o enfrentamento. Sendo uma legislação criada para tutelar as mulheres, e que, inegavelmente, tende a considerar que tais, tradicionalmente, ocupam uma posição de vulnerabilidade social em relação ao homem, a Lei Maria da Penha deve ser vista também como a busca de implementação de uma política pública de proteção e combate a violência de gênero, pelo que, temos que as medias protetivas referidas anteriormente, são regulamentadas também em razão da necessidade de prestação de tutela jurisdicional rápida para casos de urgência, como o são esses.

11 Tal será o ponto aqui desenvolvido se houve a efetividade de tutela judicial para esses conflitos mediante a concessão das medidas protetivas pleiteadas ou se, em razão da morosidade o texto legal acaba por ser inefetivo, e nesse caso, seria viável falar-se em formas alternativas a tutela estatal. Partindo-se da premissa de que pode haver esse quadro de morosidade e isso acarretar na ineficácia da prestação da tutela jurisdicional para as mulheres vítimas de violência doméstica e que se encontram em situação de risco, devemos considerar como hipótese ao problema apresentado no projeto de pesquisa que origina o presente trabalho, que é possível que a justiça restaurativa, uma vez implementada junto às delegacias de proteção à mulher, seja um importante instrumento para composição de tais litígios, bem como contribua, e muito, para a reestruturação do diálogo em determinadas relações, o que em alguns casos é o que desejam as mulheres vítimas. No desenvolvimento do presente trabalho será utilizado o método dedutivo de abordagem, que corresponde à extração discursiva do conhecimento a partir de evidências concretas. Sendo assim, o estudo deverá obedecer a diferentes etapas, constituídas em uma pesquisa bibliográfica, na qual será coletado o esboço legal e doutrinário sobre a Lei Maria da Penha e a violência de gênero, bem como a possibilidade de implementação da Justiça Restaurativa para uma fase pré-processual na busca por tornar mais efetivas as medidas nelas previstas ou mesmo para que se realize uma tentativa de composição dos danos ocasionados pela violência doméstica. Será então abordado, no primeiro capítulo, o estudo converge para os dois pontos principais do trabalho que são a Justiça Restaurativa, como prática alternativa para solução de conflitos, conceituação e evolução histórica e a violência que vítima as mulheres, a dita de gênero, tomada também sobre seu enfoque doutrinário e conceitual. No segundo capítulo, a efetividade das medidas protetivas previstas na Lei, sua necessidade e concessão enquanto modalidade de tutela de urgência, bem como a visão dos conflitos familiares da violência doméstica no enfoque da Teoria da Justiça de John Rawls. Ainda, se fará uma abordagem sobre a inefetividade/omissão quanto a aplicação das medidas protetivas previstas na Lei /2006 para mulheres em situação de risco pelos juizados de violência

12 doméstica o que acaba, por muitas vezes em tornar morosa a proteção legal que se pretende conferir a essas mulheres. E por último, no terceiro capítulo, pretende-se estudar a importância das práticas alternativas para solução dos conflitos familiares, mediante estudo direcionado, com coleta de dados sobre a efetividade ou não das medidas protetivas junto à delegacia de violência doméstica de Santa Maria, analisando, especificamente, a possibilidade de implementação da justiça restaurativa nessa e, quais seriam os benefícios para as partes envolvidas, na adoção desse meio alternativo ao jurisdicional. Neste último capítulo teremos uma pesquisa de campo para informações necessárias, coletadas inicialmente na Delegacia da Mulher de Santa Maria, na qual se questionará sobre o número de medidas protetivas requeridas mensalmente no ano de 2010, e posteriormente, já em sede judicial, junto a 4 Vara Criminal de Santa Maria, dados relativos a concessão dessas medidas ou não pelo Poder Judiciário no referido ano. O objetivo da pesquisa de campo é, no confronto de dados, policiais e judiciais, analisar se há uma real efetividade na concessão das medidas legalmente previstas como de proteção às mulheres vítimas de violência, se há uma preocupação do Estado com a avaliação positiva ou não da política pública implementada. A pertinência temática do trabalho tem relação direta com o fato de que os conflitos de interesse sempre motivaram a organização e desenvolvimento do Poder Judiciário, a partir do momento em que o Estado chamou para si a responsabilidade para solucionar tais litígios e aplicar a lei ao caso concreto. Atualmente vivemos um tempo em que os conflitos são muitos e quase tudo acaba por virar demanda e terminar em uma tutela estatal perante um dos órgãos do poder judiciário que, assoberbado, busca alternativas que assegurem a solução pacífica de tais conflitos, de forma efetiva e célere. Nesse contexto, ganham cada vez mais espaço as denominadas formas alternativas para solução dos conflitos em um fenômeno que muitos têm denominado de busca pela desjudicialização, sendo exemplos emblemáticos a mediação, a arbitragem e as práticas da justiça restaurativa. Em especial, no tocante aos casos envolvendo mulheres em situação de violência doméstica, mesmo após a regulamentação de tais pela Lei /2006, se

13 faz necessário que se busque formas alternativas para uma eficaz composição de interesses entre vítima e opressor, com a implementação de uma cultura restaurativa em um espaço local, no caso as delegacias de violência doméstica, visando fortalecer a cidadania das vítimas, à reabilitação do agressor e o restabelecimento da segurança da comunidade. Portanto tal estudo tem especial importância no que refere sobre a análise pontual direcionada à possibilidade e eficácia de uma eventual implementação das práticas da justiça restaurativa junto ás delegacias de violência doméstica no município estudado, no caso Santa Maria. Considerando a linha de pesquisa políticas de inclusão social vinculada a Programa de Mestrado e Doutorado da Universidade de Santa Cruz do Sul o presente projeto se encontra perfeitamente ajustado à proposta institucional pois que, será feita uma abordagem quanto a uma situação concreta de violência de gênero, com estudo especial das políticas públicas destinadas a tutelar as mulheres em situação de risco, bem como fazendo um estudo da implementação da justiça restaurativa como ferramenta pacificadora dos conflitos, desenvolvendo no campo específico ações políticas de cooperação com a implementação de um espaço voltado ao diálogo entre vítima e opressor. O ponto analisado na verdade refere sobre a implementação de uma política pública por parte do Poder Público, que visa combater o problema da violência de gênero, se houve ou não nessa ação a efetividade almejada e até que ponto há um compromentimento do Estado com as atividades por ele propostas, no momento de avaliação da prática adotada.

14 2 À VIOLÊNCIA DE GÊNERO NO CONTEXTO DA JUSTIÇA RESTAURATIVA. Ao trabalharmos violência de gênero e suas implicações e conceitualizaçoes nos próximos tópicos também será abordada à possibilidade de aplicação de práticas restaurativas a tais conflitos como resposta a morosidade da tutela estatal. 2.1 Violência de gênero no âmbito doméstico: conceitualizações e abordagens. Em uma abordagem inicial contextualizando o termo violência, e mais especificamente, a violência de gênero, temos que tal se trata de um fenômeno complexo e polissêmico ao que temos até mesmo nomeclaturas diversas para a sua designação, tais como, a tradicional violência contra a mulher mais geral e de toda ordem, violência intrafamiliar- aquela que advém de um núcleo familiar específico, a violência conjugal mais comum e numerosa pois surge dos desentendimentos nas relações conjugais, e violência doméstica contra a mulher o que seria mais abrangente e talvez até englobaria todas as demais, ou ainda o termo mais moderno, que aqui utilizaremos, que é violência de gênero. Pela própria dificuldade, e não unanimidade em conceituar o termo, tal está diretamente relacionado com a amplitude do fenômeno social a que refere e, bem como, com a necessidade de ações governamentais positivadas no sentido de coibilo. Sobre todos os aspectos, e terminologias, observamos uma estrita relação com a área do conhecimento envolvida, assim teremos algumas nomeclaturas diferentes para o direito, a psicologia, a antropologia, a sociologia ou a saúde pública, os quais definem essa modalidade de violência de acordo com os elementos operativos e problemáticas envolvidas, bem como, tomam por referência a partir de suas perspectivas, o que não significa que entre estes campos de conhecimento não exista um ponto comum, que em tese seria a designação aqui adotada. No ramo do direito o conceito legal define a violência contra a mulher de uma forma específica e distinguindo o bem jurídico ofendido de tal forma que seja possível classificar o tipo de agressão para que então se possa punir o agressor na forma como fora tipificado pelo legislador. Analisando a questão da violência como conflito social Nordenstahl esclarece

15 Que o crime sempre foi uma preocupação para o homem é uma verdade incontestável. Na primeira página da Bíblia já se pode ler sobre um assassinato, e a partir daí até nossos dias a humanidade fez da questão um dos principais assuntos de análise, discussão e objetivo das políticas públicas. Tanto é assim que toda uma ciência foi construída ao redor do delito. E não foi só uma questão epistemológica: leis, polícia, estrutura administrativa, cadeias, Judiciário, fábrica de armas e equipamentos de segurança, estatísticas, discursos políticos, etc., dão conta do tema que hoje é talvez o mais importante ponto de interesse de qualquer pesquisa. O certo é que tudo sempre girou em torno do deliquente. A vítima ficava quase em outro plano, quase escondida como ator secundário. 1 Com a criação da lei Maria da Penha foram alterados o Código Penal, o Código de Processo Penal e a Lei de Execução Penal. Esta última teve vedada sua aplicação em crimes que envolvam violência sofrida pela mulher, pelo fato de considerar lesões corporais como sendo de menor potencial ofensivo. Já no Código de Processo Penal, foi acrescentada a hipótese da autorização de prisão preventiva do agressor, estatuída no artigo 313 2, quando o crime doloso envolver violência doméstica e familiar, tendo as mulheres violentadas à garantia da execução das medidas protetivas de urgência. No Código Penal tivemos alterações no que diz respeito das agravantes genéricas, estatuída no artigo 61 3 do referido Estatuto; principalmente quando cometidas com excesso de poder ou sobressaindo-se de relações domésticas, como de coabitação ou hospitalidade. Já em seu artigo 129 4, qual trata sobre o delito de 1 NORDENSTAHL, Ulf Christian Eiras. Contribuições da vitimologia à Justiça Restaurativa. In SPENGLER. Fabiana Marion. E outro.(organizadores) Justiça restaurativa e Mediação. Editora Unijuí.2011, p Art Nos termos do art. 312 deste Código, será admitida a decretação da prisão preventiva: (Redação dada pela Lei nº , de 2011). [...] III - se o crime envolver violência doméstica e familiar contra a mulher, criança, adolescente, idoso, enfermo ou pessoa com deficiência, para garantir a execução das medidas protetivas de urgência; (Redação dada pela Lei nº , de 2011). [ ] 3 Art São circunstâncias que sempre agravam a pena, quando não constituem ou qualificam o crime:(redação dada pela Lei nº 7.209, de ) [...] f) com abuso de autoridade ou prevalecendo-se de relações domésticas, de coabitação ou de hospitalidade, ou com violência contra a mulher na forma da lei específica; (Incluído pela Lei nº , de 2006) 4 Art Ofender a integridade corporal ou a saúde de outrem: Pena - detenção, de três meses a um ano. [...]

16 lesão corporal, a pena para esses tipos de crimes foi aumentada de seis meses até um ano para três anos e três meses. E se o crime for perpetrado contra uma pessoa deficiente física a pena será acrescida em um terço. Com a lei Maria da Penha foram criadas medidas protetivas de urgência; considerada um dos maiores avanços legais, uma vez que protege a vítima, seus familiares e também seu patrimônio. As medidas que protegem a ofendida estão concentradas no artigo 23, já referido e trabalhado. E em sua maioria são medidas na esfera das relações familiares, que visam a proteção dessa, quais sejam: o encaminhamento da vítima e seus filhos a programa de proteção ou atendimento; a determinação da volta da vítima e seus dependentes ao seu domicílio após a saída do agressor; o afastamento da vítima do lar, sem nenhum prejuízo relativo à guarda, bens e alimentos; e por fim que seja determinada a separação do agressor da ofendida. Nesta seara, as medidas protetivas da mulher correspondem às necessidades reais para garantir a integridade física, psicológica e patrimonial da vítima e de seus dependentes. 5. Assim, dentre outras medidas que não estão estatuídas no artigo 23, outras medidas de cunho patrimonial, por exemplo. É o que se observa com a obrigação do agressor ter de devolver bens subtraídos da vítima, bem como a suspensão das procurações oferecidas por aquela ao seu agressor para o pagamento de caução provisória, mediante depósito judicial, com a finalidade de reparar os danos materiais ocasionados em decorrência da violência doméstica e familiar. Senão vejamos Art. 24. Para a proteção patrimonial dos bens da sociedade conjugal ou daqueles de propriedade particular da mulher, o juiz poderá determinar, liminarmente, as seguintes medidas, entre outras: 9 o Se a lesão for praticada contra ascendente, descendente, irmão, cônjuge ou companheiro, ou com quem conviva ou tenha convivido, ou, ainda, prevalecendo-se o agente das relações domésticas, de coabitação ou de hospitalidade: (Redação dada pela Lei nº , de 2006) Pena - detenção, de 3 (três) meses a 3 (três) anos. (Redação dada pela Lei nº , de 2006) 10. Nos casos previstos nos 1 o a 3 o deste artigo, se as circunstâncias são as indicadas no 9 o deste artigo, aumenta-se a pena em 1/3 (um terço). (Incluído pela Lei nº , de 2004) 11. Na hipótese do 9 o deste artigo, a pena será aumentada de um terço se o crime for cometido contra pessoa portadora de deficiência. (Incluído pela Lei nº , de 2006) 5 ALVES, Fabrício da Mota. Lei Maria da Penha: das discussões à aprovação de uma proposta concreta de combate à violência doméstica e familiar contra a mulher. Jus Navigandi, Teresina, a. 10, n. 1133, 8 ago Disponível em: <http://jus2.uol.com.br/doutrina/texto.asp?id=8764> Acesso em: 06 maio 2010.

17 I - restituição de bens indevidamente subtraídos pelo agressor à ofendida; II - proibição temporária para a celebração de atos e contratos de compra, venda e locação de propriedade em comum, salvo expressa autorização judicial; III - suspensão das procurações conferidas pela ofendida ao agressor; IV - prestação de caução provisória, mediante depósito judicial, por perdas e danos materiais decorrentes da prática de violência doméstica e familiar contra a ofendida. 6 Conforme já referido o artigo 5º da lei Maria da Penha a violência doméstica e familiar contra a mulher é definida como sendo qualquer ato comissivo ou omissivo que lhe causar morte, lesão, sofrimento físico ou sexual e dano moral ou material. A violência doméstica esta elencada no primeiro inciso do artigo 5º da Lei Maria da Penha como sendo na unidade doméstica, compreendida como o espaço de convívio permanente de pessoas, com ou sem vínculo familiar, inclusive às esporadicamente agregadas. 7 Já a violência familiar vem elencada no segundo inciso como sendo no âmbito da família, compreendida como a comunidade formada por indivíduos que são ou se consideram aparentados, unidos por laços naturais, por afinidade ou por vontade expressa. 8 O Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul trata das formas de violência praticadas contra a mulher: LEI /06. LEI MARIA DA PENHA. VIOLÊNCIA DOMÉSTICA. CONFLITO DE JURISDIÇÃO. A Lei /06 procura proteger as mulheres de todo e qualquer tipo de violência praticada no âmbito doméstico e familiar, tanto o é que o texto legal, exemplificativamente, enumera no art. 7º algumas formas de violência contra a mulher, dentre elas, a física, moral, psicológica, etc. A violência psicológica e a ameaça de agressão física se inserem nesses três tipos de violência. Assim, deve ser firmada a competência no Juizado de Direito da 4ª Vara Criminal da Comarca de Santa Maria, competente para o processamento e julgamento do feito. CONFLITO JULGADO PROCEDENTE. 6 LIMA FILHO. Altamiro de Araujo. Op. Cit., p BRASIL. Lei n , de 7 de agosto de Cria mecanismos para coibir a violência doméstica e familiar contra a mulher. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato /2006/lei/l11340.htm>. Acesso em: 09 jun Artigo 5º, I: no âmbito da unidade doméstica, compreendida como o espaço de convívio permanente de pessoas, com ou sem vínculo familiar, inclusive as esporadicamente agregadas; 8 Ibidem. Artigo 5º, II: no âmbito da família, compreendida como a comunidade formada por indivíduos que são ou se consideram aparentados, unidos por laços naturais, por afinidade ou por vontade expressa;

18 (Conflito de Jurisdição Nº , Terceira Câmara Criminal, Tribunal de Justiça do RS, Relator: Ivan Leomar Bruxel, Julgado em 20/05/2010). 9 Neste sentido, o artigo 7º da mencionada lei, dispõe com clareza tipos de violência, quais sejam: a violência física, a violência psicológica, a violência sexual, a violência patrimonial e por fim a violência moral, assim como outras. De imediato se faz necessário contextualizar que o sujeito passivo da lei é apenas a mulher que sofre violência doméstica, familiar ou decorrente de relação intima de afeto, nos moldes do texto legal. Um ponto interessante que emerge desse contexto da vítima de violência de gênero refere ao transexual, que fez cirurgia modificativa de sexo e obteve judicialmente a alteração do seu registro civil para sexo feminino ponto no qual surge a divergência se seria possível ser sujeito passivo também da violência de gênero. Embora legalmente o transexual seja considerado mulher, é questionável que seja considerado sujeito passivo para fins de violência doméstica, em razão do gênero, pois que, de acordo com tudo que até então se referiu sobre o tema, o fundamento legal para o sistema de proteção imposto pela lei é justamente a fragilidade física e, em muitos casos, psicológica da mulher o que nesse caso restaria comprometida porque a genética do transexual é de homem. Nesse sentido temos Porto Mesmo um transexual que, cirurgicamente, logrou modificar sua genitália para assemelhar-se a uma mulher e, com isto, tenha alterado seu registro de nascimento, continua geneticamente a ser um homem e, salvo melhor juízo, equipara-lo a uma mulher importaria em uma analogia in malan partem, absolutamente vedada em Direito Penal. 10 Também não é possível que se aplique o texto legal aos travestis já que, legalmente, são considerados homens, e pela mesma razão não se justificaria uma proteção contra violência praticada em decorrência do gênero, que não detém. Da mesma forma não é possível conceber que o sujeito ativo, aquele que comete a violência, seja mulher, em face de outra mulher, porque isso também iria de encontro à proteção legal em razão do gênero, é o que refere também Porto 9 RIO GRANDE DO SUL. Tribunal de Justiça. Conflito de jurisdição n Lei /06. Lei Maria da penha. Violência doméstica. Conflito de jurisdição. Disponível em: <http://www1.tjrs.jus.br/busca/?tb=juris>. Acesso em: 09 jun PORTO, Pedro Rui da Fontoura. Violência Domestica e Familiar contra a mulher. 2007, Porto Alegre. Livraria do Advogado Editora.

19 . Ora ao basear no gênero o conceito de violência doméstica e familiar contra a mulher, o legislador, forcosamente, está restringindo este conceito a violência praticada pelo homem contra a mulher, caso contrário a locução baseada no gênero seria desnecessária e é princípio da hermenêutica metodológica o de que a lei não contém palavras inúteis. A ideia de gênero e muito cara ao movimento feminista; trata-se efetivamente de um conceito que revela a relação de discriminação e violência praticada pelo homem contra a mulher, por isso que a violência praticada entre mulheres não é baseada no gênero e não caracteriza a violência doméstica e familiar de que trata a Lei /06. Com efeito, uma mulher não pode discriminar a outra por pertencer ao gênero feminino, já que ambas pertencem ao mesmo gênero. [...]quando, no ambiente doméstico, afetivo ou familiar, uma mulher agride, ameaça, ofende ou lesa patrimonialmente outra mulher, o sucedido criminoso opera-se entre partes supostamente iguais duas mulheres e não justifica um tratamento mais severo a mulher que agride outra mulher do que aquela que lesiona, ofende ou ameaça um homem. A Lei /06 não finaliza dar uma proteção indiscriminada a mulher, mas sim proteger a mulher em face do homem, supostamente mais forte, ameaçador e dominante no quadro cultural, dai por que não se aplica a referida legislação quando sujeito ativo for do gênero feminino, podendo-se, destarte, afirmar que o sujeito ativo de crimes praticados em situação de violência doméstica ou familiar contra a mulher, para os feitos da Lei /06, é apenas o homem. 11 Ademais, quanto à violência em si tutelada, se estabeleceu no inciso I, do artigo 5 que o âmbito de unidade doméstica ao qual se refere o texto é o espaço dito de convívio permanente de pessoas, com ou sem vínculo familiar, bem como aí incluídas aquelas ali esporadicamente agregadas. Vê-se pela leitura do referido inciso que a lei buscou dar proteção para todas as pessoas que convivem em uma casa, residência, habitação bem como moradia, sendo esse convívio tido por estável, e mais, no contexto legal, insere-se que a violência doméstica pode ser praticada independentemente de um vínculo de parentesco, mas esse pode existir. Também devemos considerar que a proteção da lei abrange aquilo que denomina de esporadicamente agregados, sendo tais consideradas as empregadas domésticas e as diaristas, porém nessa última teremos que ter um convívio permanente, ou seja, que se prolongue no tempo e não uma prestação de serviço de um dia somente. Para termos de violência praticada entre familiares no âmbito doméstico no inciso II, do artigo anteriormente referido, temos como família a comunidade formada por indivíduos que são ou possam assim se considerar como aparentados, sendo tais unidos por laços naturais, por afinidade ou por vontade expressa. Pelo texto legal o âmbito familiar abrange os parentescos natural e civil (artigos 226, 4º e 227, 11 PORTO, Pedro Rui da Fontoura, Op.cit. p.31.

20 6º, da Constituição Federal) e ainda o parentesco por afinidade (artigo 226, 1º a 3, da Constituição Federal). Cabe ressaltar que as formas de violência capituladas no artigo 5º não se tratam de um rol numerus clausus porque poderemos ter o reconhecimento de outras formas e ações que também configurem violência doméstica e familiar praticada em razão do gênero no âmbito doméstico e que nem por isso estão fora da tutela legal, porque devemos considerar que toda forma de agressão à mulher merece tutela e proteção legal, independentemente de estar, ou não, ali especificamente referida. Quanto ao parentesco por afinidade teremos a violência doméstica nas relações que decorrem do casamento ou da união estável, consoante se refere no texto do artigo 1595 do Código Civil 12, tal vínculo se limita aos ascendentes, descendentes e irmãos do cônjuge ou do companheiro. Já o parentesco natural ou parentesco de sangue, chamado de consanguinidade na lei de proteção a violência doméstica, temos como aqueles que são unidos por um laço natural, esse laço, nos termos do que dispõe o ordenamento civil, pode se referir aos parentes em linha reta 13, os em linha colateral 14, no primeiro caso temos uma relação direta de ascendência ou descendência que provém de um troco comum entre os parentes, no segundo caso, teremos uma relação entre parentes que descendem de um tronco comum mas não um do outro, sendo essa relação considerada como parentesco civil somente até o quarto grau. Na referência ao parentesco por vontade referida no texto da lei Maria da Penha temos o parentesco civil relativo ao vínculo proveniente da adoção. Por fim, temos a tutela legal das denominadas relações íntimas de afeto que vêm referendadas no inciso III do artigo em comento e que determina que qualquer relação íntima de afeto na qual o agressor conviva ou tenha convivido com a ofendida, independentemente de coabitação merece tutela nos termos ali referidos, 12 Art Cada cônjuge ou companheiro é aliado aos parentes do outro pelo vínculo da afinidade. 1º O parentesco por afinidade limita-se aos ascendentes, aos descendentes e aos irmãos do cônjuge ou companheiro. 2º Na linha reta, a afinidade não se extingue com a dissolução do casamento ou da união estável. 13 Art São parentes em linha reta as pessoas que estão umas para com as outras na relação de ascendentes e descendentes. 14 Art São parentes em linha colateral ou transversal, até o quarto grau, as pessoas provenientes de um só tronco, sem descenderem uma da outra.

Lei Maria da Penha: uma evolução histórica

Lei Maria da Penha: uma evolução histórica Lei Maria da Penha: uma evolução histórica Karina Balduino Leite e Rivadavio Anadão de Oliveira Guassú Maria da Penha foi uma entre as incontáveis vítimas de violência doméstica espalhadas pelo planeta.

Leia mais

Combate e prevenção à violência contra a mulher

Combate e prevenção à violência contra a mulher Combate e prevenção à violência contra a mulher O CIM - Centro Integrado de Atendimento à Mulher Vítima de Violência Doméstica e Familiar - tem por objetivo fazer valer a Lei n.º 11.340/06, Lei Maria da

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº de de 2015.

PROJETO DE LEI Nº de de 2015. PROJETO DE LEI Nº de de 2015. INSTITUI A POLÍTICA ESTADUAL PARA O SISTEMA INTEGRADO DE INFORMAÇÕES DE VIOLÊNCIA CONTRA O IDOSO NO ESTADO DE GOIÁS, DENOMINADO OBSERVATÓRIO ESTADUAL DA VIOLÊNCIA CONTRA O

Leia mais

1. Em relação aos crimes contra a violência doméstica, analise as afirmações e em seguida assinale a alternativa correta.

1. Em relação aos crimes contra a violência doméstica, analise as afirmações e em seguida assinale a alternativa correta. 1. Em relação aos crimes contra a violência doméstica, analise as afirmações e em seguida assinale a alternativa correta. I. Por expressa determinação legal não se aplicam aos crimes praticados com violência

Leia mais

A APLICABILIDADE DA LEI Nº 11.340, DE 07 DE AGOSTO DE 2006 NA JUSTIÇA MILITAR

A APLICABILIDADE DA LEI Nº 11.340, DE 07 DE AGOSTO DE 2006 NA JUSTIÇA MILITAR A APLICABILIDADE DA LEI Nº 11.340, DE 07 DE AGOSTO DE 2006 NA JUSTIÇA MILITAR Jonas Guedes 1 Resumo: O tema abordado no presente artigo versará sobre o crime de lesão corporal, sob a égide do Direito Constitucional

Leia mais

As Medidas Protetivas na Lei de Violência Doméstica do Paraguai e o caso brasileiro.

As Medidas Protetivas na Lei de Violência Doméstica do Paraguai e o caso brasileiro. 1 As Medidas Protetivas na Lei de Violência Doméstica do Paraguai e o caso brasileiro. Francisco de Salles Almeida Mafra Filho. 1 Sumário: Introdução. Artigo 1º. Alcance e bens protegidos. Art. 2º. Medidas

Leia mais

QUERIDO(A) ALUNO(A),

QUERIDO(A) ALUNO(A), LANÇADA EM 15 MAIO DE 2008, A CAMPANHA PROTEJA NOSSAS CRIANÇAS É UMA DAS MAIORES MOBILIZAÇÕES PERMANENTES JÁ REALIZADAS NO PAÍS, COM FOCO NO COMBATE À VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E À EXPLORAÇÃO SEXUAL DE CRIANÇAS

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo Registro: 2015.0000770986 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos de Mandado de Segurança nº 2097361-61.2015.8.26.0000, da Comarca de, em que é impetrante GABRIELA DA SILVA PINTO, é impetrado

Leia mais

Estado de Mato Grosso Poder Judiciário Comarca de Primavera do Leste Vara Criminal

Estado de Mato Grosso Poder Judiciário Comarca de Primavera do Leste Vara Criminal Processo nº 6670-72.2014.811 Espécie: Medida Protetiva Vistos etc. Trata-se de requerimento para aplicação de medidas protetivas formulado por V.G.S. em desfavor de C.T., encaminhado a este Juízo pela

Leia mais

(1979) Convenção Sobre Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Contra a Mulher CEDAW

(1979) Convenção Sobre Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Contra a Mulher CEDAW (1979) Convenção Sobre Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Contra a Mulher CEDAW (1994) Convenção Interamericana para Prevenir, Punir e Erradicar a Violência Contra a Mulher (Convenção de Belém

Leia mais

ENUNCIADOS. Suspensão Condicional do Processo. Lei Maria da Penha e Contravenções Penais

ENUNCIADOS. Suspensão Condicional do Processo. Lei Maria da Penha e Contravenções Penais ENUNCIADOS Suspensão Condicional do Processo Enunciado nº 01 (001/2011): Nos casos de crimes de violência doméstica e familiar contra a mulher não se aplica a suspensão condicional do processo. (Aprovado

Leia mais

NÃO EXISTE ANALOGIA SUBSTANCIAL PARA CRIANÇA, ADOLESCENTE, IDOSO, ENFERMO E PESSOA COM DEFICIÊNCIA NO ENFRENTAMENTO À VIOLÊNCIA DOMÉSTICA

NÃO EXISTE ANALOGIA SUBSTANCIAL PARA CRIANÇA, ADOLESCENTE, IDOSO, ENFERMO E PESSOA COM DEFICIÊNCIA NO ENFRENTAMENTO À VIOLÊNCIA DOMÉSTICA NÃO EXISTE ANALOGIA SUBSTANCIAL PARA CRIANÇA, ADOLESCENTE, IDOSO, ENFERMO E PESSOA COM DEFICIÊNCIA NO ENFRENTAMENTO À VIOLÊNCIA DOMÉSTICA Por Carlos Eduardo Rios do Amaral Caro leitor, observe bem esta

Leia mais

1. Questionamento: 2. Fundamentos:

1. Questionamento: 2. Fundamentos: 1. Questionamento: Gostaria de um esclarecimento quanto à lei Maria da Penha, o sujeito ativo do crime pode ser tanto homem como mulher? ex.: Um caso em que a vítima foi agredida pela mãe e pela irmã,

Leia mais

Espelho Penal Peça. Endereçamento correto da interposição 1ª Vara Criminal do Município X 0 / 0,25

Espelho Penal Peça. Endereçamento correto da interposição 1ª Vara Criminal do Município X 0 / 0,25 Espelho Penal Peça O examinando deve redigir uma apelação, com fundamento no artigo 593, I, do Código de Processo Penal. A petição de interposição deve ser endereçada ao juiz de direito da 1ª vara criminal

Leia mais

A Lei Maria da Penha e a Falta de Proteção da Vítima

A Lei Maria da Penha e a Falta de Proteção da Vítima A Lei Maria da Penha e a Falta de Proteção da Vítima Após uma longa luta das mulheres contra a violência doméstica, o legislador brasileiro criou a Lei 11.340, de 22 de setembro de 2006, que ficou conhecida

Leia mais

LATROCÍNIO COM PLURALIDADE DE VÍTIMAS

LATROCÍNIO COM PLURALIDADE DE VÍTIMAS LATROCÍNIO COM PLURALIDADE DE VÍTIMAS ALESSANDRO CABRAL E SILVA COELHO - alessandrocoelho@jcbranco.adv.br JOSÉ CARLOS BRANCO JUNIOR - jcbrancoj@jcbranco.adv.br Palavras-chave: crime único Resumo O presente

Leia mais

www.senado.leg.br/datasenado

www.senado.leg.br/datasenado www.senado.leg.br/datasenado Lei Maria da Penha completa 9 Promulgada em 2006, a Lei Maria da Penha busca garantir direitos da mulher, além da prevenção e punição de casos de violência doméstica e familiar.

Leia mais

PROJETO DE LEI N o 6.622, DE 2013 (Apenso o Projeto de Lei nº 7.490, de 2014)

PROJETO DE LEI N o 6.622, DE 2013 (Apenso o Projeto de Lei nº 7.490, de 2014) COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA PROJETO DE LEI N o 6.622, DE 2013 (Apenso o Projeto de Lei nº 7.490, de 2014) Altera o Decreto-Lei nº 2.848, de 7 de dezembro de 1940 (Código Penal) para tipificar

Leia mais

Atendimento Policial a Vítimas de Violência Doméstica

Atendimento Policial a Vítimas de Violência Doméstica Pág. 01 Pág. 02 Pág. 03 Pág. 04 Pág. 05 Pág. 06 Pág. 07 Pág. 08 As condutas delituosas inseridas no contexto da Violência Doméstica e/ou familiar contra a mulher receberam uma conceituação legal a partir

Leia mais

FUNDAÇÃO ESCOLA SUPERIOR DO MINISTÉRIO PÚBLICO PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO PÚBLICO JAMILE LUISE CRESCENTE TONI

FUNDAÇÃO ESCOLA SUPERIOR DO MINISTÉRIO PÚBLICO PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO PÚBLICO JAMILE LUISE CRESCENTE TONI FUNDAÇÃO ESCOLA SUPERIOR DO MINISTÉRIO PÚBLICO PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO PÚBLICO JAMILE LUISE CRESCENTE TONI LEI MARIA DA PENHA (LEI 11.340/2006): ASPECTOS RELEVANTES DA LEI DE COMBATE À VIOLÊNCIA DOMÉSTICA

Leia mais

A violência, e em particular a violência doméstica, constitui um desses velhos / novos problemas para o qual urge encontrar novas soluções.

A violência, e em particular a violência doméstica, constitui um desses velhos / novos problemas para o qual urge encontrar novas soluções. A justiça restaurativa no combate à violência doméstica O final de uma legislatura é, certamente, um tempo propício para a realização de um balanço de actividades. Pode constituir-se como convite à avaliação

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE PERNAMBUCO Conselho da Magistratura PROVIMENTO N 01/2007 (DOE 18/05/07)

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE PERNAMBUCO Conselho da Magistratura PROVIMENTO N 01/2007 (DOE 18/05/07) PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE PERNAMBUCO Conselho da Magistratura PROVIMENTO N 01/2007 (DOE 18/05/07) EMENTA: Orienta os juízes sobre a competência do Juizado de Violência Doméstica

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2012 (Dos Srs. Paulo Teixeira, Fábio Trad, Delegado Protógenes e Miro Teixeira)

PROJETO DE LEI Nº, DE 2012 (Dos Srs. Paulo Teixeira, Fábio Trad, Delegado Protógenes e Miro Teixeira) PROJETO DE LEI Nº, DE 2012 (Dos Srs. Paulo Teixeira, Fábio Trad, Delegado Protógenes e Miro Teixeira) Altera os arts. 161, 162, 164, 165, 169 e 292 do Decreto-Lei n o 3.689, de 3 de outubro de 1941- Código

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA PEÇA PROFISSIONAL

PADRÃO DE RESPOSTA PEÇA PROFISSIONAL PEÇA PROFISSIONAL Petição inicial: Queixa-crime. Endereçamento: Vara Criminal da Comarca de São Paulo SP. Vara criminal comum, visto que as penas máximas abstratas, somadas, ultrapassam dois anos. Como

Leia mais

APLICABILIDADE DAS MEDIDAS PROTETIVAS PREVISTAS NA LEI MARIA DA PENHA EM FAVOR DE IDOSOS, CRIANÇAS E ADOLESCENTES.

APLICABILIDADE DAS MEDIDAS PROTETIVAS PREVISTAS NA LEI MARIA DA PENHA EM FAVOR DE IDOSOS, CRIANÇAS E ADOLESCENTES. APLICABILIDADE DAS MEDIDAS PROTETIVAS PREVISTAS NA LEI MARIA DA PENHA EM FAVOR DE IDOSOS, CRIANÇAS E ADOLESCENTES. Camila Cardoso Fernandes 1 Marcelo Fernandes dos Santos 2 Introdução A família é considerada

Leia mais

Universidade do Estado do Rio de Janeiro Vice-Reitoria Curso de Abordagem da Violência na Atenção Domiciliar Unidade 2 Violência de gênero

Universidade do Estado do Rio de Janeiro Vice-Reitoria Curso de Abordagem da Violência na Atenção Domiciliar Unidade 2 Violência de gênero Universidade do Estado do Rio de Janeiro Vice-Reitoria Curso de Abordagem da Violência na Atenção Domiciliar Unidade 2 Violência de gênero Nesta unidade, analisaremos os aspectos específicos referentes

Leia mais

Papel e estratégias do Ministério Público na defesa dos direitos das mulheres e principais limitações na aplicação da Lei Sobre Violência Doméstica

Papel e estratégias do Ministério Público na defesa dos direitos das mulheres e principais limitações na aplicação da Lei Sobre Violência Doméstica Papel e estratégias do Ministério Público na defesa dos direitos das mulheres e principais limitações na aplicação da Lei Sobre Violência Doméstica (Síntese a partir dos slides) Por Lúcia Maximiano (Procuradoria

Leia mais

Das medidas protetivas de urgência à ofendida artigos 23 e 24

Das medidas protetivas de urgência à ofendida artigos 23 e 24 Das medidas protetivas de urgência à ofendida artigos 23 e 24 Comentários: Samara Wilhelm Heerdt Art. 23. Poderá o juiz, quando necessário, sem prejuízo de outras medidas: I encaminhar a ofendida e seus

Leia mais

Competência dos JVDFM nos casos de criança ou adolescente do sexo feminino vítima de violência de gênero

Competência dos JVDFM nos casos de criança ou adolescente do sexo feminino vítima de violência de gênero Competência dos JVDFM nos casos de criança ou adolescente do sexo feminino vítima de violência de gênero Alice Bianchini Doutora em Direito Penal (PUC-SP). Mestra em Direito (UFSC). Coeditora do Portal

Leia mais

Concurso de Teses do VII Congresso Nacional dos Defensores Públicos. Samara Wilhelm - DPRS

Concurso de Teses do VII Congresso Nacional dos Defensores Públicos. Samara Wilhelm - DPRS Concurso de Teses do VII Congresso Nacional dos Defensores Públicos Samara Wilhelm - DPRS A Lei Maria da Penha como Novo Paradigma de Acesso Integral à Justiça Categoria Defensores Públicos A Lei Maria

Leia mais

Projeto TEMPO DE DESPERTAR Em homenagem a Robin Willians

Projeto TEMPO DE DESPERTAR Em homenagem a Robin Willians Projeto TEMPO DE DESPERTAR Em homenagem a Robin Willians I. INTRODUÇÃO Durante uma pesquisa realizada exclusivamente com homens pelo Instituto Avon/Data Popular e lançada em novembro de 2013, alguns dados

Leia mais

ALIENAÇÃO PARENTAL E SUAS CONSEQUÊNCIAS

ALIENAÇÃO PARENTAL E SUAS CONSEQUÊNCIAS ALIENAÇÃO PARENTAL E SUAS CONSEQUÊNCIAS Maria Berenice Dias www.mbdias.com.br www.mariaberenice.com.br www.direitohomoafetivo.com.br Grande parte das separações produz efeitos traumáticos que vêm acompanhados

Leia mais

1.4 Objeto e Metodologia

1.4 Objeto e Metodologia 1.4 Objeto e Metodologia O objeto a pesquisa cujos dados serão apresentados foi definido juntamente com a SAS- Secretaria de Assistência Social de Presidente Prudente em especial com a equipe do CREAS

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br O Estatuto do idoso em Benefício do Réu. Roberto Dantes Schuman de Paula * DA NOVATIO LEGIS IN PEJUS Em outubro de 2003 a ordem jurídica foi inovada com o advento da lei 10741/03,

Leia mais

Violência doméstica: uma nova lei para um velho problema!

Violência doméstica: uma nova lei para um velho problema! Violência doméstica: uma nova lei para um velho problema! Maria Berenice Dias www.mbdias.com.br www.mariaberenice.com.br www.direitohomoafetivo.com.br Entrou em vigor, no dia 22 de setembro, a Lei 11.340

Leia mais

DIREITOS HUMANOS, FEMINISMO E POLÍTICAS PÚBLICAS DE GÊNERO: APLICABILIDADE DA LEI Nº 11.340/06 EM CAMPINA GRANDE/PB

DIREITOS HUMANOS, FEMINISMO E POLÍTICAS PÚBLICAS DE GÊNERO: APLICABILIDADE DA LEI Nº 11.340/06 EM CAMPINA GRANDE/PB DIREITOS HUMANOS, FEMINISMO E POLÍTICAS PÚBLICAS DE GÊNERO: APLICABILIDADE DA LEI Nº 11.340/06 EM CAMPINA GRANDE/PB (ASFORA, R. V. S.) - Raphaella Viana Silva Asfora/Autora ¹ Escola Superior da Magistratura

Leia mais

VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER

VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER A Organização Mundial de Saúde (OMS) define violência como o uso intencional da força física ou do poder, real ou em ameaça, contra si próprio, contra outra pessoa, ou contra

Leia mais

Lei MARIA DA PENHA 3 anos depois

Lei MARIA DA PENHA 3 anos depois Lei MARIA DA PENHA 3 anos depois Três anos depois, lei Maria da Penha diversifica perfil de mulheres que procuram ajuda contra violência doméstica. Quais são os resultados trazidos pela lei Maria da Penha?

Leia mais

Primeiras impressões sobre o feminicídio Lei nº 13.104/2015. César Dario Mariano da Silva Promotor de Justiça SP

Primeiras impressões sobre o feminicídio Lei nº 13.104/2015. César Dario Mariano da Silva Promotor de Justiça SP Primeiras impressões sobre o feminicídio Lei nº 13.104/2015. César Dario Mariano da Silva Promotor de Justiça SP A Lei nº 13.104, de 09 de março de 2015 criou em nossa legislação a figura do feminicídio,

Leia mais

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 314, DE 2013

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 314, DE 2013 SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 314, DE 2013 Altera o art. 5º da Lei nº 9.717, de 27 de novembro de 1998, para que os regimes próprios de previdência social dos servidores públicos da União,

Leia mais

O Dano Moral no Direito do Trabalho

O Dano Moral no Direito do Trabalho 1 O Dano Moral no Direito do Trabalho 1 - O Dano moral no Direito do Trabalho 1.1 Introdução 1.2 Objetivo 1.3 - O Dano moral nas relações de trabalho 1.4 - A competência para julgamento 1.5 - Fundamentação

Leia mais

Algumas Considerações sobre Assistência à Saúde

Algumas Considerações sobre Assistência à Saúde 254 Algumas Considerações sobre Assistência à Saúde Luiz Eduardo de Castro Neves 1 Nos dias atuais, em que há cada vez mais interesse em bens de consumo, é, sem dúvida, nos momentos em que as pessoas se

Leia mais

CONSELHO SUPERIOR DA DEFENSORIA PÚBLICA RESOLUÇÃO CSDPE Nº 016/2013

CONSELHO SUPERIOR DA DEFENSORIA PÚBLICA RESOLUÇÃO CSDPE Nº 016/2013 CONSELHO SUPERIOR DA DEFENSORIA PÚBLICA RESOLUÇÃO CSDPE Nº 016/2013 Dispõe sobre as atribuições da Coordenação de Atendimento ao Preso Provisório da Defensoria Pública da Capital e dá outras providências.

Leia mais

ALIENAÇÃO PARENTAL COM FALSA ACUSAÇÃO DE ABUSO SEXUAL

ALIENAÇÃO PARENTAL COM FALSA ACUSAÇÃO DE ABUSO SEXUAL ALIENAÇÃO PARENTAL COM FALSA ACUSAÇÃO DE ABUSO SEXUAL CHAVES, LINDÉIA RESUMO O presente trabalho traz maior enfoque a analise da lei nº 12.318/10 que trata do Instituto da Alienação Parental através da

Leia mais

Relações Familiares e Homoafetividade (*Palestra proferida no III Congresso Nacional de Direito Homoafetivo)

Relações Familiares e Homoafetividade (*Palestra proferida no III Congresso Nacional de Direito Homoafetivo) Relações Familiares e Homoafetividade (*Palestra proferida no III Congresso Nacional de Direito Homoafetivo) Por Carlos Eduardo Rios do Amaral - Titular do Núcleo Especializado de Promoção e Defesa dos

Leia mais

LEI Nº 3.612, DE 13/09/2012.

LEI Nº 3.612, DE 13/09/2012. LEI Nº 3.612, DE 13/09/2012. DISPÕE SOBRE A CRIAÇÃO DO PROGRAMA FAMÍLIA ACOLHEDORA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O PREFEITO MUNICIPAL DE ARACRUZ, ESTADO DO ESPÍRITO SANTO, NO USO DE SUAS ATRIBUIÇÕES LEGAIS,

Leia mais

Das diretrizes gerais

Das diretrizes gerais PROJETO DE LEI Nº, DE 2013 (Do Sr. Anderson Ferreira) Dispõe sobre o Estatuto da Família e dá outras providências. O Congresso Nacional decreta: Art. 1º Esta Lei institui o Estatuto da Família e dispõe

Leia mais

PERSPECTIVAS DE ANÁLISE DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA MULHER: MAPEAMENTO DAS DENÚNCIAS ENTRE OS ANOS DE 2010 E 2011 NA CIDADE DE CAMPINA GRANDE-PB

PERSPECTIVAS DE ANÁLISE DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA MULHER: MAPEAMENTO DAS DENÚNCIAS ENTRE OS ANOS DE 2010 E 2011 NA CIDADE DE CAMPINA GRANDE-PB PERSPECTIVAS DE ANÁLISE DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA MULHER: MAPEAMENTO DAS DENÚNCIAS ENTRE OS ANOS DE 2010 E 2011 NA CIDADE DE CAMPINA GRANDE-PB Autoria: Antonio Pereira Cardoso da Silva Filho Universidade

Leia mais

INFORMATIVO JURÍDICO

INFORMATIVO JURÍDICO 1 ROSENTHAL E SARFATIS METTA ADVOGADOS INFORMATIVO JURÍDICO NÚMERO 6, ANO III JUNHO DE 2011 1 TRIBUTOS COM EXIGIBILIDADE SUSPENSA NÃO PODEM SER DEDUZIDOS DA CSLL De acordo com o CARF, os valores provisionados

Leia mais

NOTA TÉCNICA 003/2012_ DA OBRIGAÇÃO DO PODER EXECUTIVO MUNICIPAL NO ATENDIMENTO DA PRESTAÇÃO DE SERVIÇO À COMUNIDADE DE ADOLESCENTES

NOTA TÉCNICA 003/2012_ DA OBRIGAÇÃO DO PODER EXECUTIVO MUNICIPAL NO ATENDIMENTO DA PRESTAÇÃO DE SERVIÇO À COMUNIDADE DE ADOLESCENTES Prezada, NOTA TÉCNICA 003/2012_ DA OBRIGAÇÃO DO PODER EXECUTIVO MUNICIPAL NO ATENDIMENTO DA PRESTAÇÃO DE SERVIÇO À COMUNIDADE DE ADOLESCENTES Florianópolis, 18 de abril de 2012. Interessados: Secretarias

Leia mais

A APLICAÇÃO DA JURIMETRIA NOS INQUÉRITOS POLICIAIS DA LEI MARIA DA PENHA

A APLICAÇÃO DA JURIMETRIA NOS INQUÉRITOS POLICIAIS DA LEI MARIA DA PENHA A APLICAÇÃO DA JURIMETRIA NOS INQUÉRITOS POLICIAIS DA LEI MARIA DA PENHA Gonçalves, Priscila de Fátima Faculdade de Jaguariúna Resumo: O artigo busca analisar pela perspectiva da Jurimetria a aplicação

Leia mais

Palavras-chave: Lei Maria da Penha. Violência doméstica e familiar entre militares. Justiça Militar. Crime militar. Polícia judiciária militar.

Palavras-chave: Lei Maria da Penha. Violência doméstica e familiar entre militares. Justiça Militar. Crime militar. Polícia judiciária militar. DA EVENTUAL APLICAÇÃO DE MEDIDAS PROTETIVAS PREVISTAS NA LEI MARIA DA PENHA NOS CASOS DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA A MULHER MILITAR Abelardo Julio da Rocha 1 RESUMO Em 1969, quando surgiram o Código Penal

Leia mais

O artigo 8º da referida lei, contemplando exatamente a dimensão do sofrimento e dos danos que a violência doméstica e familiar provoca, determina:

O artigo 8º da referida lei, contemplando exatamente a dimensão do sofrimento e dos danos que a violência doméstica e familiar provoca, determina: TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO VARA CENTRAL DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR CONTRA A MULHER SP Projeto: DE MÃOS DADAS COM A REDE Introdução A violência doméstica e familiar contra a mulher é um fenômeno

Leia mais

PARECER Nº, DE 2010. RELATOR: Senador RENATO CASAGRANDE

PARECER Nº, DE 2010. RELATOR: Senador RENATO CASAGRANDE PARECER Nº, DE 2010 Da COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA E CIDADANIA, em caráter terminativo, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 37, de 2010, da Senadora Lúcia Vânia, que altera o art. 10 do Código de

Leia mais

PARECER - Instituto dos Advogados Brasileiros (IAB)

PARECER - Instituto dos Advogados Brasileiros (IAB) PARECER - Instituto dos Advogados Brasileiros (IAB) Autor: Consócio Jacksohn Grossman Matéria: Nova Lei de Crimes Resultantes de Discriminação e Preconceito Relatora: Victoria-Amália de Barros Carvalho

Leia mais

As ilustrações desta cartilha foram efetuadas por Carlos Myrria (092-236-5568 e 092-985-5420)

As ilustrações desta cartilha foram efetuadas por Carlos Myrria (092-236-5568 e 092-985-5420) Fica autorizada a reprodução do texto e ilustrações, no todo ou em parte, desde que se não altere o sentido, bem como seja citada a fonte. As ilustrações desta cartilha foram efetuadas por Carlos Myrria

Leia mais

CARTILHA UNIÃO ESTÁVEL SEXO

CARTILHA UNIÃO ESTÁVEL SEXO CARTILHA UNIÃO ESTÁVEL DE CASAIS DO MESMO SEXO Prefácio: A recente decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), reconhecendo a união de casais do mesmo sexo e ofertando a esses o mesmo grau de legalidade

Leia mais

Re s p o n s a b i l i z a ç ã o e

Re s p o n s a b i l i z a ç ã o e Anexo II Di r e t r i z e s Ge r a i s d o s Se rv i ç o s d e Re s p o n s a b i l i z a ç ã o e Educação do Agressor SERVIÇO DE RESPONSABILIZAÇÃO E EDUCAÇÃO DO AGRESSOR Ap r e s e n ta ç ã o A presente

Leia mais

Capítulo 1 Crimes Hediondos Lei 8.072/1990

Capítulo 1 Crimes Hediondos Lei 8.072/1990 Sumário Prefácio... 11 Apresentação dos autores... 13 Capítulo 1 Crimes Hediondos Lei 8.072/1990 1. Para entender a lei... 26 2. Aspectos gerais... 28 2.1 Fundamento constitucional... 28 2.2 A Lei dos

Leia mais

A LEI MARIA DA PENHA SEGUNDO A INTERPRETAÇÃO DO SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA EM CASO DE LESÃO CORPORAL LEVE E AÇÃO PENAL

A LEI MARIA DA PENHA SEGUNDO A INTERPRETAÇÃO DO SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA EM CASO DE LESÃO CORPORAL LEVE E AÇÃO PENAL A LEI MARIA DA PENHA SEGUNDO A INTERPRETAÇÃO DO SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA EM CASO DE LESÃO CORPORAL LEVE E AÇÃO PENAL Júnior, Gerson de Andrade 1 RESUMO: O principal objetivo do presente trabalho é

Leia mais

Campanha Anti-bullying. JMJ na luta de uma escola respeitosa e humanizada

Campanha Anti-bullying. JMJ na luta de uma escola respeitosa e humanizada Campanha Anti-bullying JMJ na luta de uma escola respeitosa e humanizada Se o mal é contagioso o bem também é. Deixemos-no contagiar pelo bem. Papa Francisco Caro jovem, família e educadores, Este material

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br A competência nos pedidos de adoção, guarda e tutela Rogério Medeiros Garcia de Lima* 1. INTRODUÇÃO A vigência do novel Estatuto da Criança e do Adolescente (Lei federal 8.069, de

Leia mais

Abaixo, você encontra perguntas e respostas frequentes sobre o exercício profissional dos médicos.

Abaixo, você encontra perguntas e respostas frequentes sobre o exercício profissional dos médicos. Consultas à Defesa Anualmente, o Departamento de Defesa Profissional da Associação Paulista de Medicina (APM) realiza cerca de mil atendimentos, esclarecendo dúvidas sobre uma série de assuntos e garantindo

Leia mais

O que deve fazer uma mulher vítima de agressão?

O que deve fazer uma mulher vítima de agressão? PERGUNTAS FREQUENTES O que deve fazer uma mulher vítima de agressão? A mulher em situação de violência doméstica poderá comparecer a uma delegacia de Defesa da Mulher mais próxima à sua casa para registrar

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA. Lei nº /2012, de de. Sobre a execução da prestação de trabalho em favor da comunidade

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA. Lei nº /2012, de de. Sobre a execução da prestação de trabalho em favor da comunidade DIRECÇÃO NACIONAL DE ASSESSORIA JURÍDICA E LEGISLAÇÃO MINISTÉRIO DA JUSTIÇA Lei nº /2012, de de Sobre a execução da prestação de trabalho em favor da comunidade A presente lei define as regras aplicáveis

Leia mais

RESPONSABILIDADE CIVIL DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

RESPONSABILIDADE CIVIL DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA RESPONSABILIDADE CIVIL DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA 1 Suponha se que Maria estivesse conduzindo o seu veículo quando sofreu um acidente de trânsito causado por um ônibus da concessionária do serviço público

Leia mais

Doutrina - Omissão de Notificação da Doença

Doutrina - Omissão de Notificação da Doença Doutrina - Omissão de Notificação da Doença Omissão de Notificação da Doença DIREITO PENAL - Omissão de Notificação de Doença CP. Art. 269. Deixar o médico de denunciar à autoridade pública doença cuja

Leia mais

Combate à Violência contra a mulher

Combate à Violência contra a mulher Respeitar a mulher: Esta é a lei! Respeitar a mulher: Esta é a lei! Combate à Violência contra a mulher Respeitar a mulher: esta é a lei! RESPEITAR A MULHER: ESTA É A LEI! Durante muito tempo o ambiente

Leia mais

CCC - Artigo 117, inciso X, da Lei nº 8.112/90

CCC - Artigo 117, inciso X, da Lei nº 8.112/90 Comissão de Coordenação de Correição Corregedoria-Adjunta da Área de Infraestrutura CCC - Artigo 117, inciso X, da Lei nº 8.112/90 Inicialmente, esclareço que assumi a relatoria do tema por ter sucedido

Leia mais

A MULHER VÍTIMA DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR EM PONTA GROSSA: SUBSÍDIOS PARA O DEBATE

A MULHER VÍTIMA DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR EM PONTA GROSSA: SUBSÍDIOS PARA O DEBATE 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( X ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA A MULHER

Leia mais

Direitos das Vítimas. Convenção do Conselho da Europa relativa à Luta contra o Tráfico de Seres Humanos

Direitos das Vítimas. Convenção do Conselho da Europa relativa à Luta contra o Tráfico de Seres Humanos Direitos das Vítimas Convenção do Conselho da Europa relativa à Luta contra o Tráfico de Seres Humanos O tráfico de seres humanos viola os direitos e destrói as vidas de inúmeras pessoas na Europa e fora

Leia mais

ESTUDO VIOLÊNCIA DOMÉSTICA

ESTUDO VIOLÊNCIA DOMÉSTICA ESTUDO VIOLÊNCIA DOMÉSTICA Luiz Fernando Botelho de Carvalho Consultor Legislativo da Área II Direito Civil e Processual Civil, Direito Penal e Processual Penal, de Família, do Autor, de Sucessões, Internacional

Leia mais

CASOTECA DIREITO GV PRODUÇÃO DE CASOS 2011

CASOTECA DIREITO GV PRODUÇÃO DE CASOS 2011 CASOTECA DIREITO GV PRODUÇÃO DE CASOS 2011 CASOTECA DIREITO GV Caso do Campo de Algodão: Direitos Humanos, Desenvolvimento, Violência e Gênero ANEXO I: DISPOSITIVOS RELEVANTES DOS INSTRUMENTOS INTERNACIONAIS

Leia mais

Blumenau, 24 de junho de 2015. Ilustríssimo(a) Senhor(a) Vereador(a).

Blumenau, 24 de junho de 2015. Ilustríssimo(a) Senhor(a) Vereador(a). 1 Ofício nº 01/2015 - CDS - OAB/BLUMENAU Aos(as) Excelentíssimos(as) Vereadores(as) de Blumenau. Blumenau, 24 de junho de 2015. Ilustríssimo(a) Senhor(a) Vereador(a). Conforme se denota do sítio eletrônico,

Leia mais

DEFENSORIA PÚBLICA ESTADO DE ALAGOAS É VIOLAÇÃO DE DIREITOS HUMANOS! REltATÓRIQ DE ATIVIDADES DESENVQLV1DAS PELA EQUIPE DA

DEFENSORIA PÚBLICA ESTADO DE ALAGOAS É VIOLAÇÃO DE DIREITOS HUMANOS! REltATÓRIQ DE ATIVIDADES DESENVQLV1DAS PELA EQUIPE DA 111 II '... HI\ 1'1111 U '!lu " ''''1''" 1i ".11" DErESA DOS VGl REC 000123 " VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR CONTRA A MULHER É VIOLAÇÃO DE DIREITOS HUMANOS! li' REltATÓRIQ DE ATIVIDADES DESENVQLV1DAS PELA

Leia mais

Direito de familia. Separação judicial (?) e divórcio. Arts. 1.571 a 1.582, CC. Art. 226, 6º, CF (nova redação).

Direito de familia. Separação judicial (?) e divórcio. Arts. 1.571 a 1.582, CC. Art. 226, 6º, CF (nova redação). Direito de familia Separação judicial (?) e divórcio. Arts. 1.571 a 1.582, CC. Art. 226, 6º, CF (nova redação). 1 EC nº 66/2010: Nova redação do art. 226, 6º da CF: O casamento civil pode ser dissolvido

Leia mais

BRIGAS ENTRE EMPREGADOS Considerações Gerais

BRIGAS ENTRE EMPREGADOS Considerações Gerais BRIGAS ENTRE EMPREGADOS Considerações Gerais ROTEIRO 1. INTRODUÇÃO 2. REAÇÃO A UMA PROVOCAÇÃO INJUSTA 3. OFENSAS FÍSICAS 4. OFENSAS VERBAIS 5. BRIGAS FORA DA EMPRESA 5.1. Em frente ao estabelecimento empresarial

Leia mais