A LEI MARIA DA PENHA E O DEMONSTRATIVO DA CRIMINALIDADE DOMÉSTICA NA CIDADE DE PARANAÍBA NO PERÍODO DE 2010 A 2012

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A LEI MARIA DA PENHA E O DEMONSTRATIVO DA CRIMINALIDADE DOMÉSTICA NA CIDADE DE PARANAÍBA NO PERÍODO DE 2010 A 2012"

Transcrição

1 A LEI MARIA DA PENHA E O DEMONSTRATIVO DA CRIMINALIDADE DOMÉSTICA NA CIDADE DE PARANAÍBA NO PERÍODO DE 2010 A 2012 Renata Leal Rodrigues PG-UEMS (Direito/Paranaíba) RESUMO: O presente trabalho objetivou identificar e demonstrar alguns obstáculos e desafios que a Lei nº /2006 encontrou bem como a implantação da Delegacia de Atendimento a Mulher no município de Paranaíba/MS. A pesquisa visa demonstrar dados referentes à complexidade do tema dos anos de 2010 a 2012 apurados na DAM de Paranaíba, analisando a eficácia das medidas de proteção à mulher em situação de violência doméstica e familiar. Este trabalho foi realizado com base em pesquisas bibliográficas de autores nacionais e estrangeiros, bem como revistas especializadas nessa área, acesso à rede mundial de computadores e outros, sendo uma pesquisa dedutiva, que parte do pressuposto da norma posta para análise da norma prática. A relevância do tema para a sociedade, acompanhada de considerada jovialidade do dito diploma jurídico justificam a importância desta pesquisa. Insta salientar que para a efetiva implantação da Lei, não basta sua positivação, é necessária que venha acompanhada de políticas públicas de educação, enfrentamento, prevenção e apoio aos necessitados, bem como controle dos resultados obtidos. PALAVRAS CHAVE: Lei nº /2006. Violência Doméstica. Mulher. ABSTRACT : This study aimed to identify and demonstrate some obstacles and challenges that Law /2006 found as well as the deployment of the Police Service of Women in the municipality of Paranaíba/MS. The research aims to demonstrate the complexity of the data subject the years calculated in the DAM Paranaíba, analyzing the effectiveness of measures to protect women in situations of domestic violence. This work was conducted based on bibliographic research of national and international authors, as well as specialized journals in this area, access to the worldwide network of computers and others, being a deductive research, which assumes the standard set for analysis of standard practice. The relevance to society, accompanied by considered playfulness of said legal act justifying the importance of this research. Calls to point out that the effective implementation of the Act, not just their positivization is necessary that accompanies public policy education, coping, prevention and support to the needy, as well as control of the results. KEYWORDS : Law /2006. Domestic Violence. Woman. Introdução Mesmo diante de tanto progresso no conhecimento científico e tecnológico que impulsionaram o progresso da humanidade, fenômenos como a Revolução Industrial, globalização que modificaram relações sociais, princípios tais como pacta 11

2 sun servanda, ou mesmo a soberania dos Estados foram modificados ao longo do tempo, mas algo que ainda apresenta muita resistência a modificações são as questões de gênero. A relação entre homem e mulher desde as sociedades primitivas tem sido conflituosa, uma constante disputa de poder, ações de repressão que subjugaram as mulheres durante séculos baseadas em conceitos sem fundamento lógico e humanista, deixaram marcas profundas não só nas mulheres de todos os tempos, mas em toda a sociedade. A violência doméstica não afeta apenas a vítima, afeta toda a sua família e reflete diretamente na sociedade como um todo, o sujeito envolvido neste contexto tem seu aprendizado baseados na realidade que conhece, respondendo a violência com violência. A história da própria humanidade é marcada por violentas lutas em prol do poder entre homens e mulheres, levando ao longo do tempo a uma subjugação da mulher e sua completa submissão ao homem. 1. Evolução Histórica Quanto à Mulher Em Breve Introdução Histórica de Rose Marie Muraro que precede a clássica obra Malleus Maleficarum (2005) compreendemos a evolução da humanidade em relação ao feminino. Nos tempos mais remotos em que a humanidade vivia de pequenas caças e coleta de frutos, a mulher possuía um lugar central na organização social. Embora ainda desconhecessem a participação masculina no processo de procriação, o que permitia o endeusamento das mulheres, diante do [...] privilégio dado pelos deuses de reproduzir a espécie [...] (MURARO apud KRAMER E SPRENGER, 2005, p. 5), a inveja do útero corroia os homens. Os homens se sentiam marginalizados nesse processo e invejavam as mulheres (MURARO apud KRAMER E SPRENGER, 2005, p. 5). 12

3 Ao contrário da mulher, que possuía o poder biológico, o homem foi desenvolvendo o poder cultural à medida que a tecnologia foi avançando. Enquanto as sociedades eram de coleta, as mulheres mantinham uma espécie de poder, mas diferente das culturas patriarcais. Essas culturas primitivas tinha de ser cooperativas, para poder sobreviver em condições hostis, e portanto não havia coerção ou centralização, mas rodízio de lideranças, e as relações entre homens e mulheres eram mais fluidas do que viriam a ser nas futuras sociedades patriarcais (MURARO apud KRAMER E SPRENGER, 2005, p. 6). Esse cooperativismo livre de coerção e centralização do poder, não incluía transmissão de cargos ou mesmo heranças. Havia maior liberdade sexual entre os indivíduos. E o número de guerras também era menor, afinal não se visava o acúmulo de capital e isso não excitava uma conquista territorial desenfreado, como podemos observar em anos mais recentes da história da humanidade. É só nas regiões em que a coleta é escassa, ou onde vão se esgotando os recursos naturais vegetais e os pequenos animais, que se inicia a caça sistemática aos grandes animais. E aí começam a se instalar a supremacia masculina e a competitividade entre os grupos na busca de novos territórios. [...] As guerras se tornam constantes e passam a ser mitificadas. Os homens mais valorizados são os heróis guerreiros. Começa a se romper a harmonia que ligava a espécie humana à natureza. (MURARO apud KRAMER E SPRENGER, 2005, p. 6). Por volta do século XIV até meados do século XVIII, aconteceu o que MURARO (2005) chama de fenômeno generalizado em toda a Europa de repressão sistemática do feminino. É o período da Inquisição em que milhares de execuções de mulheres sob a acusação de serem bruxas. Como o sistema patriarcal se desenvolvia sob a égide do poder e do controle, o conhecimento desde os tempos mais antigos já representava esse poder e este controle, assim as mulheres representavam uma ameaça por serem detentoras de saberes essenciais, principalmente a saúde. Desde a mais remota antiguidade, as mulheres eram as curadoras populares, as parteiras, enfim, detinham saber próprio, que lhes era transmitido de geração em geração. Em muitas tribos primitivas eram elas xamãs. Na Idade Média, seu saber se intensifica e aprofunda. As mulheres camponesas pobres não tinham como cuidar da saúde a não ser com outras mulheres tão camponesas e tão pobres quanto elas. Elas (as curadoras) eram as cultivadoras ancestrais das ervas que devolviam a saúde, e eram também as melhores anatomistas do seu tempo. Eram as parteiras que viajavam de 13

4 casa em casa, de aldeia em aldeia, e as médicas populares para todas as doenças. (MURARO apud KRAMER E SPRENGER, 2005, p. 11). A Igreja Católica foi a principal responsável pela centralização do poder, a ela se deve o movimento da Inquisição que não representa apenas uma ideologia, uma matança por um ideal, mas sim, um movimento friamente calculado que visava dominar as massas camponesas, ou melhor, domar, domesticar a massa para que se submetessem aos abusos cometidos pelos senhores feudais pautados na ambição e desprovidos de valores humanitários. Era essencial para o sistema capitalista que estava sendo forjado no seio mesmo do feudalismo um controle estrito sobre o corpo e a sexualidade, conforme constata a obra de Michel Foucault, História da Sexualidade. Começa a se construir ali o corpo dócil do futuro trabalhador que vai ser alienado do seu trabalho e não se rebelará. A partir do século XVIII, os controles atingem profundidade e obsessividade tais que os menores, os mínimos detalhes e gestos são normatizados. Todos, homens e mulheres, passam a ser, então, os próprios controladores de si mesmos a partir do mais íntimo de suas mentes. É assim que se instala o puritanismo, do qual se origina, segundo Tawnwy e Max Weber, o capitalismo avançado anglosaxão. Mas até chegar a esse ponto foi preciso usar muita violência. (MURARO apud KRAMER E SPRENGER, 2005, p. 15). Depois de tanta violência, ninguém mais se ousava não ser parte desta massa tão bem disciplinada, quando cessou os absurdos da Inquisição, a mulher já tinha se tornado frígida, restringida ao âmbito doméstico, havia perdido sua sabedoria popular, não tinha acesso aos estudos, não passava de um reflexo do homem, sendo uma transmissora de valores positivamente patriarcais, já enraizados em toda a sociedade. 2. O desenvolvimento de uma lei de proteção à mulher A Revolução Francesa foi um dos movimentos mais importantes em prol da liberdade, no entanto, a característica da universalidade dos Direitos Humanos foi desconsiderada. A igualdade entre os sexos foi desconsiderada. A Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão referia-se de fato ao homem, ou seja, à pessoa do sexo masculino. As mulheres não tiveram seus direitos reconhecidos (TELES, 2006, p.19). Fato comprovado pelo ocorrido com Olympe de Gouges que: 14

5 Decidiu por fazer a Declaração dos Direitos da Mulher e da Cidadã. Por isso, foi condenada à morte na guilhotina. A sentença que proferiu sua condenação dizia que ela se imiscuiu nos assuntos da República, esquecendo-se das virtudes de seu sexo [...] (TELES, 2006, p.19). Um projeto constitucional de 1795, escrito por Boissy d Anglas, afirmava: [...] a igualdade absoluta é uma quimera; para que pudesse existir, seria preciso que existisse igualdade total no espírito, na virtude, na força física, na educação e na fortuna de todos os homens. Um país governado pelos proprietários é de ordem social; aquele onde os não proprietários governam está em estado de natureza (TELES, 2006, p. 20). Somente em 1919 com a Constituição da primeira República Alemã de Weimar, influenciada pela Constituição Mexicana, é que se reconheceu a igualdade de direitos entre homens e mulheres na sociedade conjugal, entre os filhos legítimos e ilegítimos, e garantiu o voto feminino. E mesmo tendo tido pouca vigência ela é referencia em direitos humanos (TELES, 2006). Em 1993, a Conferência Mundial de Direitos Humanos, ocorrida em Viena, afirmou a universalidade dos Direitos Humanos, bem como reconheceu os Direitos Humanos das mulheres. Nessa Conferência foram finalmente reconhecidos os direitos humanos das mulheres. Praticamente 200 anos depois da condenação e execução de Olympe de Gouges. Os crimes sexuais, mesmo que ocorram em casa e por agentes não estatais, passaram a ser reconhecidos como violação dos direitos humanos. O argumento jurídico é que o Estado é responsável pela violência de gênero praticada por agente familiar quando, sistematicamente, não promove nem efetiva os direitos das mulheres à vida, à liberdade e à segurança, por não tomar a iniciativa de implementar e realizar ações de políticas públicas de prevenção e violação dos direitos humanos das mulheres. (TELES, 2006, p.34). A luta pela efetivação dos direitos humanos e dos direitos das mulheres é constante e marcada por brutalidades, como o caso brasileiro que originou o diploma jurídico que protege as mulheres. As dificuldades vão além das concretas de ordem social e econômica, encontra-se também no âmbito abstrato da psique feminina, que conforme visto, sofreu uma violenta castração da sua própria essência, da sua própria feminilidade. 15

6 3. A Lei Maria da Penha e seus Mecanismos de Proteção As leis são imperativos de conduta, que visam à proteção dos bens e da vida. Assim conforme evolui a sociedade, juntamente evolui seu ordenamento jurídico. A fonte do direito são os fatos sociais, assim quando fatos de expressividade ocorrem na sociedade, eles irão refletir diretamente no direito de alguma forma, seja com a criação de leis, seja com jurisprudências (DURKHEIM, 2003). A Lei Maria da Penha é um ótimo exemplo de como um fato social influência o direito, e como a lei protege os bens e a vida, bem como um princípio deve ser expandido de forma a atingir toda uma sociedade. O processo histórico da construção da Lei Maria da Penha, disposto no OBSERVE, se envolve diretamente com o fato social, ocorrido com Maria da Penha Maia Fernandes, biofarmacêutica, cearense, que foi casada com o professor universitário Marco Antonio Herredia Viveros. Em meados de 1983, Marco Antonio, aproveitou-se da oportunidade, e enquanto Maria da Penha dormia, atirou em suas costas, e para tentar se esquivar da culpa foi para a cozinha da casa e gritou por socorro, dizendo que foram vítimas de um assalto. A violência contra Maria da Penha não parou por aí, se aproveitando do estado físico de paraplegia, resultado do tiro, Marco Antonio, empurra a cadeira de Maria da Penha para debaixo do chuveiro e tenta eletrocutá-la. Após duas tentativas de homicídio, ambas ocorridas no ano de 1983, teve início em junho à investigação dos fatos, e a denúncia foi apresentada pelo Ministério Público Estadual, apenas 15 meses depois. Maria da Penha teve que esperar mais oito anos para ocorrer o primeiro julgamento, que pôde ser anulado de acordo com recurso pleiteado pelos advogados de Marco Antonio. Seis anos se passaram até a data de um novo julgamento, onde Marco Antonio novamente foi condenado, desta vez a dez anos de reclusão, e seus advogados 16

7 novamente recorreram da sentença. Em 2002, finalmente, Marco Antonio foi preso e passou apenas dois anos na cadeia. Com a ajuda de algumas ONGs, Maria da Penha conseguiu contato com a Comissão Interamericana de Direitos Humanos (OEA), e apresentou seu caso e a demora da solução. Por fazer parte de Tratados Internacionais de Proteção aos Direitos Humanos, o Brasil foi condenado por negligência e omissão em relação à violência doméstica. E este foi o fato social que influenciou a criação da Lei nº publicada em 07 de agosto de A Lei Maria da Penha trouxe importantes benefícios à sociedade. Através dela, foi delimitado o que seriam as formas de agressão e violência doméstica, bem como foi criado mecanismos para coibir e prevenir esse tipo de violência, e é claro assistência a vítima. Conforme podemos observar na introdução da Lei nº /2006: Cria mecanismos para coibir a violência doméstica e familiar contra a mulher, nos termos do 8º da Constituição Federal, da Convenção sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação contra as Mulheres e da Convenção Interamericana para Prevenir, Punir e Erradicar a Violência contra a Mulher; dispõe sobre a criação dos Juizados de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher; altera o Código de Processo Penal, o Código Penal e a Lei de Execução Penal e dá outras providências. A influência que esta lei proporciona no âmbito da sociedade vai além da coibição e prevenção da violência doméstica. Esta lei proporciona um incentivo aos brasileiros de desenvolverem uma consciência cidadã em que possam ser críticos e lutar por seus direitos, sem medo, sem sentir-se oprimido ou desamparado. Mesmo essa consciência ser ainda pequenina, ela começa a se desenvolver e a lei oferece essa ambientalização. Formar essa consciência é apenas o estágio inicial, o processo educativo para que a sociedade possa lutar por seus direitos, é um processo contínuo, de maneira que se forme uma cultura de direitos fundamentais, que estejam sempre em renovação e em sintonia com a sociedade. É através da educação que será possível afirmar os direitos e preparar os cidadãos de forma consciente de seu papel na sociedade e na luta contra as desigualdades e injustiças. Trabalhar estas questões relacionadas ao processo de 17

8 conscientização e a construção do saber nesta área, são atividades a serem desenvolvidas, inclusive pelo assistente social, pois nenhum outro profissional mergulha tão fundo na vida dos cidadãos mais necessitados. 4. Delegacia de Atendimento à Mulher de Paranaíba MS Segundo Izumino (2009) a violência contra a mulher está presente na sociedade desde as primeiras organizações dos indivíduos. O fato é que a violência é uma resposta inesperada e pode ocorrer nos mais diversos lugares, de qualquer forma, e mesmo contra qualquer um, e ainda, partir até mesmo de quem não se espera. Especificamente nos casos de violência contra a mulher, no período que vai dos anos 70 até meados dos anos 80, todas as iniciativas de combate e denúncia da violência partiam da sociedade civil, principalmente de coletivos feministas. Nesse contexto, inicialmente surgiram as delegacias de polícia de defesa da mulher. Posteriormente, foram criados órgãos de apoio jurídico e de proteção (como casas de abrigo) e finalmente, já nos anos 90, observa-se a ação dos grupos feministas se refletir sobre as decisões jurídicas a respeito de casos envolvendo abusos físicos contra mulheres, podendo-se destacar os crimes passionais que pouco a pouco foram perdendo o estatuto de crime de legítima defesa da honra. (IZUMINO, 2004, p. 15). Seguindo esse avanço que foram criadas as Delegacias Especializadas de Atendimento as Mulheres. Somente no ano seguinte da abertura da DAM de Paranaíba é que foi implantado um programa de automação que proporcionou maior agilidade na compilação de informações a respeito das ocorrências registradas em todo o Estado. A seguir, dois gráficos demonstrarão as principais ocorrências do município de Paranaíba MS. Gráfico 01 Principais Ocorrências da DAM de Paranaíba no período de 2010 a

9 Ameaça Ameaça - VD Lesão corporal Lesão corporal - VD Vias de fato Vias de fato - VD Perturb. tranquil. Estupro Crimes contra a Honda Fonte: Polícia Civil/MS SIGO. Os Boletins de Ocorrência são de suma importância, pois são através deles que se estabelece o primeiro contato da vítima com a autoridade estatal, eles apresentam uma série de dados, tais como os nomes dos agentes, das vítimas, testemunhas, vestígios, instrumentos e produtos do crime. Trata-se de um documento oficial e por esta razão deve seguir princípios, tais como legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade, eficiência. Devido sua condição de documento oficial, deve ser o mais completo possível, inclusive com detalhamento do fato e dados, visando à facilitação da elucidação do crime. Insta salientar, que a elaboração correta da ocorrência é decisiva para comprovação da veracidade do fato e uma eficaz qualidade probatória do procedimento policial, possibilitando a intervenção do Estado de forma positiva para garantir o cumprimento da lei. Mesmo assim, considerando os dados levantados, podemos observar no Gráfico 01 que as principais ocorrências são de ameaça, perturbação da tranqüilidade e lesão corporal, segundo o Código Penal Brasileiro, o crime de lesão corporal é ofender a integridade corporal ou saúde de outrem com pena de três meses a um ano, apesar 19

10 que é visível que os registros de estupro aumentaram significativamente. Há uma nítida desproporção de força entre homens e mulheres. Então porque os homens agridem as mulheres com tanta freqüência? Segundo Teles, a explicação é o machismo: Houve um período da história que foi patriarcal, mas nem sempre em todas as sociedades o patriarcado se expressou e se exerceu da mesma maneira. Outra coisa é o machismo, forma de organização social e de exercício de poder de dominação masculina, mas onde as mulheres existem como sujeitos com alguns direitos e na qual têm alguns espaços de autonomia, mas também muita vulnerabilidade. (1999, 14). O homem considerando-se superior a mulher precisa constantemente afirmar sua posição hierárquica, sua posição de macho forte, senhor da mulher, assim Saffioti diz que, Dada sua formação de macho, o homem julga-se no direito de espancar sua mulher. Esta, educada que foi para submeter-se aos desejos masculinos, toma este destino como natural. (1987, p. 70). O Gráfico 02 demonstra o quantitativo de procedimentos da DAM no período de 2010 a 2012 no município de Paranaíba - MS. Gráfico 02 Quantitativo de procedimentos da DAM Paranaíba no período de 2010 a

11 BO's IP's TCO's AAINF's Fonte: Polícia Civil/MS SIGO. O Inquérito Policial é a peça investigatória que reúne os elementos que comprovam a infração penal praticada e sua autoria, é o princípio para a instauração da respectiva ação penal pública, sendo de responsabilidade da Polícia Judiciária (art. 4º CPP). A Polícia Judiciária é composta pela Policia Civil e Polícia Federal. Para que o Juiz receba a denúncia ou a queixa, e submeta o réu ou querelado aos transtornos que a ação penal lhe causa, deve haver justa causa, ou seja, é preciso que se tenham fatos demonstrando a existência do crime e da autoria. É necessário o fumus boni juris que sustente a denúncia ou a queixa. Inexistindo, a ação penal resultará em insucesso, ou, até mesmo, no seu trancamento. (Norma técnica de padronização DEAMS, 2006 p. 28). Por fim, o encerramento do Inquérito Policial deverá ser de competência da Autoridade Policial, concluídas as investigações, produzindo um minucioso relatório do que tiver sido apurado no IP (CPP, art. 10, parágrafo 2º). 21

12 A Delegacia de Atendimento à Mulher de Paranaíba faz parte da estrutura operacional da Policial Civil de Mato Grosso do Sul e foi criada pelo Decreto nº , de 26 de novembro de 2003 durante o Governo de José Orcírio Miranda dos Santos Zeca do PT. Todas as Delegacias de Atendimento à Mulher estão vinculadas ao Departamento de Polícia do Interior, atualmente existem 11 (onze) DAMs distribuídas nas cidades de Aquidauana, Corumbá, Coxim, Dourados, Fátima do Sul, Jardim, Naviraí, Nova Andradina, Paranaíba, Ponta Porã e Três Lagoas, sem contar com duas DEAMs de Campo Grande. Conforme o art. 3º do Decreto nº /2003, cada Delegacia de Atendimento à Mulher atua na circunscrição de seus respectivos municípios, tendo como atribuições: Art. 3º. [...] I atender, investigar e apurar as ocorrências policiais, nos delitos referentes à integridade física e moral da mulher, incluindo os crimes sexuais contra a mulher, ainda que a vítima seja menor; II participar e executar ações de orientação, prevenção e apoio às mulheres vítimas da violência doméstica ou de abuso sexual; III interagir com organismos municipais, estaduais e federais, como Coordenadoria Especial de Políticas Públicas para Mulher, Conselho Estadual dos Direitos da Mulher e outros de funções similares; IV registrar e apurar crimes de assédio sexual contra a mulher; V encaminhar relatórios diários e mensais exigidos pelo Departamento ou pela Diretoria-Geral. Os procedimentos adotados pelas DAMs devem primar sempre pela qualidade de serviços prestados às mulheres vítimas de violência e podem ser divididos por fases, começando pelo atendimento à mulher, orientação e diversas informações como a rede de atendimentos no município, sobre o direito ao pedido de medidas protetivas de urgência, explicar de maneira clara e simples as fases dos procedimentos criminais, se necessário encaminhar a vítima para os serviços disponíveis na rede de atendimento, em Paranaíba, existe o CRAS, CREAS, IML, Serviços de Saúde e Acesso a Justiça Gratuita. 22

13 Um dos objetivos da Lei nº /2006 é criar mecanismos para coibir e prevenir a violência doméstica e familiar contra a mulher, com o advento da lei, uma nova realidade jurídica se estabeleceu para o enfrentamento da violência contra as mulheres no Brasil. A sua aprovação representa um marco no árduo processo histórico de reconhecimento da violência contra as mulheres como um problema social no Brasil, o fortalecimento do movimento feminista a partir dos anos 1970 contribuiu para esta luta contra as diferenças de gênero (TELES, 2009). As políticas de enfrentamento a violência contra a mulher são essenciais na concretização e implementação da Lei Maria da Penha, uma vez que mudar as práticas institucionais e valores morais em relação à violência contra a mulher é muito difícil devido ser um problema cultural que se estende há séculos. Conclusão Durante aproximadamente três séculos o extermínio de mulheres de forma brutal e absurda dizimou muitas mulheres, não é possível calcular ao certo a quantidade de mulheres mortas, por serem consideradas bruxas. O resultado deste nefasto movimento aprisionou as mulheres de vez ao âmbito particular e firmou sua total submissão ao homem, pois quem ousaria contrariar os padrões da sociedade vigente patriarcal. Nos casos de violência contra a mulher, no período que vai dos anos 1970 até meados dos anos 1980, observou-se várias iniciativas de combate e denúncia contra violência, tais denuncias partiram sempre da sociedade civil, principalmente de grupos feministas. Mas somente em 2006 é que um diploma específico foi aprovado, com intuito de criar mecanismos para coibir a violência doméstica contra as mulheres. A Lei dispõe também sobre a criação de Juizados Especiais, medidas de assistência e proteção das vítimas. Mas para que sua eficácia realmente seja alcançada os procedimentos adotados pelas DEAMs devem primar sempre pela qualidade de serviços prestados às mulheres vítimas de violência do atendimento à mulher, orientar sobre o 23

14 direito ao pedido de medidas protetivas de urgência, explicar de maneira clara e simples as fases dos procedimentos criminais, se necessário encaminhar a vítima para os serviços disponíveis na rede de atendimento, em Paranaíba, existe o CRAS, CREAS, IML, Serviços de Saúde e Acesso a Justiça Gratuita. Essa rede de atendimento é fundamental no enfrentamento da violência doméstica, pois é composta por profissionais multidisciplinares que dentro de suas capacidades profissionais colaboram com as necessidades da vítima, seja atendimento médico, psicológico, orientação sobre os seus direitos. Em Paranaíba não temos uma Casa de Abrigo, e esta é uma das disposições da Lei que é de fundamental importância. Muitas mulheres permanecem na situação de violência por dependência patrimonial, por não terem para onde ir, por não encontrarem apoio para recomeçar uma vida longe do agressor. Por fim cabe ressaltar a Constitucionalidade da Lei nº /2006. Dizer que tal lei fere os princípios Constitucionais é uma falácia, antes de falarmos de Direito, falemos de seres humanos, a violência contra as mulheres é uma situação que perdura por séculos, e que viola os princípios naturais inerentes ao próprio ser humano, fere sua dignidade. Antes do advento da Lei nº /2006, o que a violência contra as mulheres feria a Declaração Universal dos Direitos Humanos e os Tratados que a seguiram à Constituição Federal de No entanto, nenhum destes trazia em si mecanismos específicos de combate e prevenção a este tipo de violência. Referências Bibliográficas BRASIL. Código de Processo Penal. Organizadora Anne Joyce Angher. 6ª ed. São Paulo: Rideel, Decreto n , de 25 de fevereiro de Institui a Câmara Técnica Estadual de Implementação do Pacto Nacional pelo Enfrentamento à Violência contra as Mulheres no MS. Disponível em: 24

15 <http://www.pc.ms.gov.br/index.php?templat=vis&site=160&id_comp=1992&id_reg= 4197&voltar=lista&site_reg=160&id_comp_orig=1992> Acesso em: 01 nov Instrução Normativa DGPC n. 01/2006/DGPC. Normatiza atos de polícia judiciária em razão do advento da Lei , de , Lei Maria da Penha.. Lei , de 7 de agosto de Cria mecanismos para coibir a violência doméstica e familiar contra a mulher. Disponível em: < Acesso em: 01 jul Portaria DGPC/SEJUSP/MS n Adotar o SIGO como sistema padrão a ser utilizado para gestão operacional por toda a Polícia Civil, com acesso através do site da instituição: Disponível em: < 96&voltar=lista&site_reg=160&id_comp_orig=1997> Acesso em: 01 jul DURKHEIM, Émile. As regras do método sociológico. São Paulo: Martin Claret, IZUMINO, Wânia Pasinato. Justiça e violência contra a mulher: o papel do sistema judiciário na solução de conflitos de gênero. 2ª ed. São Paulo: Annablume: FAPESP, 2004., Wânia; SANTOS, Cecília MacDowell. Mapeamento das Delegacias da Mulher no Brasil. Núcleo de Estudos de Gênero Pagu. Campinas: PAGU/UNICAMP, 2008., Wânia Pasinato. Estudo de Caso Juizados Especiais de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher e a Rede de Serviços para Atendimento de Mulheres em Situação de Violência em Cuiabá, Mato Grosso. Relatório Final. São Paulo: Observe, KRAMER, Heinrich; SPRENGER, James. O Martelo das Feiticeiras. 18ª ed. Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos, MIRABETE, Júlio Fabrini. Processo Penal. 7ª ed. São Paulo: Atlas, OBSERVE, Observatório Lei Maria da Penha. Coordenação Nacional Núcleo de Estudos Interdisciplinares sobre a Mulher da Universidade Federal da Bahia Salvador/BA. Apresenta texto, pesquisas, relatórios e entrevistas sobre a Lei Maria da Penha. Disponível em: <http://www.observe.ufba.br> Acesso em 04 de setembro de OBSERVE. Monitoramento da Lei Maria da Penha: Relatório Preliminar de Pesquisa. Salvador: Observe, SAFFIOTI, H. I. B. O poder do macho. São Paulo: Moderna, Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres. Norma Técnica de Padronização Delegacias Especializadas de Atendimento a Mulher DEAMs. Brasília: Governo Federal,

16 TELES, Maria Amélia de Almeida. O que é violência contra a mulher. 2ª ed. São Paulo: Brasiliense, 2009., Maria Amélia de Almeida. O que são direitos humanos das mulheres. São Paulo: Brasiliense, 2006., Maria Amélia de Almeida. Breve história do feminismo do Brasil. São Paulo: Brasiliense, Recebido Para Publicação em 30 de setembro de Aprovado Para Publicação em 23 de novembro de

(1979) Convenção Sobre Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Contra a Mulher CEDAW

(1979) Convenção Sobre Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Contra a Mulher CEDAW (1979) Convenção Sobre Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Contra a Mulher CEDAW (1994) Convenção Interamericana para Prevenir, Punir e Erradicar a Violência Contra a Mulher (Convenção de Belém

Leia mais

Lei Maria da Penha. Pelo fim da violência. ulher. contra a

Lei Maria da Penha. Pelo fim da violência. ulher. contra a Lei Maria da Penha Pelo fim da violência ulher contra a Ligação gratuita, 24 horas, para informações sobre a Lei Maria da Penha e os serviços para o atendimento às mulheres em situação de violência. Lei

Leia mais

Lei Maria da Penha. Raquel de Andrade Teixeira Cardoso 1 INTRODUÇÃO

Lei Maria da Penha. Raquel de Andrade Teixeira Cardoso 1 INTRODUÇÃO Lei Maria da Penha 123 Raquel de Andrade Teixeira Cardoso 1 INTRODUÇÃO De acordo com conceito firmado em 1994, em Belém/PA, na Convenção Interamericana para Prevenir, Punir e Erradicar a Violência contra

Leia mais

DIREITOS HUMANOS, FEMINISMO E POLÍTICAS PÚBLICAS DE GÊNERO: APLICABILIDADE DA LEI Nº 11.340/06 EM CAMPINA GRANDE/PB

DIREITOS HUMANOS, FEMINISMO E POLÍTICAS PÚBLICAS DE GÊNERO: APLICABILIDADE DA LEI Nº 11.340/06 EM CAMPINA GRANDE/PB DIREITOS HUMANOS, FEMINISMO E POLÍTICAS PÚBLICAS DE GÊNERO: APLICABILIDADE DA LEI Nº 11.340/06 EM CAMPINA GRANDE/PB (ASFORA, R. V. S.) - Raphaella Viana Silva Asfora/Autora ¹ Escola Superior da Magistratura

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº de de 2015.

PROJETO DE LEI Nº de de 2015. PROJETO DE LEI Nº de de 2015. INSTITUI A POLÍTICA ESTADUAL PARA O SISTEMA INTEGRADO DE INFORMAÇÕES DE VIOLÊNCIA CONTRA O IDOSO NO ESTADO DE GOIÁS, DENOMINADO OBSERVATÓRIO ESTADUAL DA VIOLÊNCIA CONTRA O

Leia mais

Lei MARIA DA PENHA 3 anos depois

Lei MARIA DA PENHA 3 anos depois Lei MARIA DA PENHA 3 anos depois Três anos depois, lei Maria da Penha diversifica perfil de mulheres que procuram ajuda contra violência doméstica. Quais são os resultados trazidos pela lei Maria da Penha?

Leia mais

A NOVA POSTURA LEGISLATIVA NO COMBATE À VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR CONTRA A MULHER

A NOVA POSTURA LEGISLATIVA NO COMBATE À VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR CONTRA A MULHER A NOVA POSTURA LEGISLATIVA NO COMBATE À VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR CONTRA A MULHER Tatiana Bellotti Furtado Ao analisarmos a trajetória das mulheres na luta pelo reconhecimento de seus direitos, remetemo-nos

Leia mais

PARECER Nº, DE 2010. RELATOR: Senador RENATO CASAGRANDE

PARECER Nº, DE 2010. RELATOR: Senador RENATO CASAGRANDE PARECER Nº, DE 2010 Da COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA E CIDADANIA, em caráter terminativo, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 37, de 2010, da Senadora Lúcia Vânia, que altera o art. 10 do Código de

Leia mais

A Lei Maria da Penha e a Falta de Proteção da Vítima

A Lei Maria da Penha e a Falta de Proteção da Vítima A Lei Maria da Penha e a Falta de Proteção da Vítima Após uma longa luta das mulheres contra a violência doméstica, o legislador brasileiro criou a Lei 11.340, de 22 de setembro de 2006, que ficou conhecida

Leia mais

Lei Maria da Penha: uma evolução histórica

Lei Maria da Penha: uma evolução histórica Lei Maria da Penha: uma evolução histórica Karina Balduino Leite e Rivadavio Anadão de Oliveira Guassú Maria da Penha foi uma entre as incontáveis vítimas de violência doméstica espalhadas pelo planeta.

Leia mais

Palavras-chaves: denuncia, consumo de álcool, consumo de drogas.

Palavras-chaves: denuncia, consumo de álcool, consumo de drogas. VIOLENCIA CONTRA A MULHER E A DEPENDENCIA FINACEIRA. UM ESTUDO DE CASO NO MUNICIPIO DE PITANGA. MARLY APARECIDA MAZUR MACHADO/UNICENTRO E-MAIL: maymazur@outlook.com SIMÃO TERNOSKI (ORIENTADOR)/UNICENTRO

Leia mais

CASOTECA DIREITO GV PRODUÇÃO DE CASOS 2011

CASOTECA DIREITO GV PRODUÇÃO DE CASOS 2011 CASOTECA DIREITO GV PRODUÇÃO DE CASOS 2011 CASOTECA DIREITO GV Caso do Campo de Algodão: Direitos Humanos, Desenvolvimento, Violência e Gênero ANEXO I: DISPOSITIVOS RELEVANTES DOS INSTRUMENTOS INTERNACIONAIS

Leia mais

Re s p o n s a b i l i z a ç ã o e

Re s p o n s a b i l i z a ç ã o e Anexo II Di r e t r i z e s Ge r a i s d o s Se rv i ç o s d e Re s p o n s a b i l i z a ç ã o e Educação do Agressor SERVIÇO DE RESPONSABILIZAÇÃO E EDUCAÇÃO DO AGRESSOR Ap r e s e n ta ç ã o A presente

Leia mais

LEVANTAMENTO DOS MARCOS LÓGICOS E LEGAIS DO SERVIÇO DE ATENÇÃO À MULHER SOB VIOLÊNCIA DE GÊNERO

LEVANTAMENTO DOS MARCOS LÓGICOS E LEGAIS DO SERVIÇO DE ATENÇÃO À MULHER SOB VIOLÊNCIA DE GÊNERO 1. Marco Lógico LEVANTAMENTO DOS MARCOS LÓGICOS E LEGAIS DO SERVIÇO DE ATENÇÃO À MULHER SOB VIOLÊNCIA DE GÊNERO Publicação/Origem NORMATIVAS INTERNACIONAIS DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS Declaração

Leia mais

12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1

12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( X) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA O GRUPO SERMAIS:

Leia mais

VIOLÊNCIA INTRAFAMILIAR CONTRA A MULHER E AS REDES DE ATENDIMENTO

VIOLÊNCIA INTRAFAMILIAR CONTRA A MULHER E AS REDES DE ATENDIMENTO CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X VIOLÊNCIA INTRAFAMILIAR CONTRA A MULHER E AS REDES DE ATENDIMENTO

Leia mais

Secretaria Municipal de Assistência Social Centro de Referência Especializado de Assistência Social

Secretaria Municipal de Assistência Social Centro de Referência Especializado de Assistência Social Secretaria Municipal de Assistência Social Centro de Referência Especializado de Assistência Social Proposta para Implementação de Serviço de Responsabilização e Educação de Agressores Grupo Paz em Casa

Leia mais

Diretrizes para Implementação dos Serviços de Responsabilização e Educação dos Agressores

Diretrizes para Implementação dos Serviços de Responsabilização e Educação dos Agressores PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE POLÍTICAS PARA MULHERES SECRETRIA DE ENFRENTAMENTO À VIOLÊNCIA CONTRA AS MULHERES Diretrizes para Implementação dos Serviços de Responsabilização e Educação dos Agressores

Leia mais

Lei Maria da Penha Lei 11.340/06

Lei Maria da Penha Lei 11.340/06 Legislação Penal Especial Aula 02 Professor Sandro Caldeira Lei Maria da Penha Lei 11.340/06 Art. 1 o Esta Lei cria mecanismos para coibir e prevenir a violência doméstica e familiar contra a mulher, nos

Leia mais

Combate e prevenção à violência contra a mulher

Combate e prevenção à violência contra a mulher Combate e prevenção à violência contra a mulher O CIM - Centro Integrado de Atendimento à Mulher Vítima de Violência Doméstica e Familiar - tem por objetivo fazer valer a Lei n.º 11.340/06, Lei Maria da

Leia mais

Secretaria de Enfrentamento à Violência contra as Mulheres 1º Fórum de Violência contra a Mulher: Múltiplos olhares

Secretaria de Enfrentamento à Violência contra as Mulheres 1º Fórum de Violência contra a Mulher: Múltiplos olhares Secretaria de Enfrentamento à Violência contra as Mulheres 1º Fórum de Violência contra a Mulher: Múltiplos olhares Campinas, Abril de 2014 Violência contra as Mulheres: dados Internacional: 1 de cada

Leia mais

Direitos Humanos - Lei Maria da Penha: O Que. Conquistamos e o Que Podemos Conquistar?

Direitos Humanos - Lei Maria da Penha: O Que. Conquistamos e o Que Podemos Conquistar? Direitos Humanos - Lei Maria da Penha: O Que Conquistamos e o Que Podemos Conquistar? Material didático destinado à sistematização do conteúdo da disciplina Direitos Humanos Publicação no semestre 2015.1

Leia mais

Questões Fundamentadas Da Lei Maria da Penha Lei 11.340/2006

Questões Fundamentadas Da Lei Maria da Penha Lei 11.340/2006 1 Para adquirir a apostila digital de 150 Questões Comentadas Da Lei Maria da Penha - Lei 11.340/2006 acesse o site: www.odiferencialconcursos.com.br ATENÇÃO: ENTREGA SOMENTE VIA E-MAIL ESSA APOSTILA SERÁ

Leia mais

A MULHER E OS TRATADOS INTERNACIONAIS DE DIREITOS HUMANOS

A MULHER E OS TRATADOS INTERNACIONAIS DE DIREITOS HUMANOS A MULHER E OS TRATADOS INTERNACIONAIS DE DIREITOS HUMANOS Os Direitos Humanos surgiram na Revolução Francesa? Olympe de Gouges (1748-1793) foi uma revolucionária e escritora francesa. Abraçou com destemor

Leia mais

CONVENÇÃO INTERAMERICANA PARA PREVENIR, PUNIR E ERRADICAR A VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER, CONVENÇÃO DE BELÉM DO PARÁ

CONVENÇÃO INTERAMERICANA PARA PREVENIR, PUNIR E ERRADICAR A VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER, CONVENÇÃO DE BELÉM DO PARÁ CONVENÇÃO INTERAMERICANA PARA PREVENIR, PUNIR E ERRADICAR A VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER, CONVENÇÃO DE BELÉM DO PARÁ (Adotada em Belém do Pará, Brasil, em 9 de junho de 1994, no Vigésimo Quarto Período Ordinário

Leia mais

MULHER DIREITOS. Conheça os seus. www.pedrokemp.com.br

MULHER DIREITOS. Conheça os seus. www.pedrokemp.com.br MULHER Conheça os seus DIREITOS www.pedrokemp.com.br www.pedrokemp.com.br Vive dentro de mim a mulher do povo. Bem proletária. Bem linguaruda, desabusada, sem preconceitos... Cora Coralina 2 GUIA DE DIREITOS

Leia mais

1. Em relação aos crimes contra a violência doméstica, analise as afirmações e em seguida assinale a alternativa correta.

1. Em relação aos crimes contra a violência doméstica, analise as afirmações e em seguida assinale a alternativa correta. 1. Em relação aos crimes contra a violência doméstica, analise as afirmações e em seguida assinale a alternativa correta. I. Por expressa determinação legal não se aplicam aos crimes praticados com violência

Leia mais

Estado de Mato Grosso Município de Tangará da Serra www.tangaradaserra.mt.gov.br. - Fone (0xx65) 3311 4801 Assessoria Jurídica

Estado de Mato Grosso Município de Tangará da Serra www.tangaradaserra.mt.gov.br. - Fone (0xx65) 3311 4801 Assessoria Jurídica LEI Nº 3102 DE 14 DE ABRIL DE 2009. CRIA MECANISMOS PARA COIBIR E PREVENIR A DISCRIMINAÇÃO CONTRA A MULHER, GARANTINDO AS MESMAS OPORTUNIDADES DE ACESSO E VENCIMENTOS. A Câmara Municipal de Tangará da

Leia mais

VIolênCIA. VoCê. saber. contra a mulher. PrECIsA. Coordenação Associação das Trabalhadoras Domésticas e Centro de Ação Cultural - Centrac

VIolênCIA. VoCê. saber. contra a mulher. PrECIsA. Coordenação Associação das Trabalhadoras Domésticas e Centro de Ação Cultural - Centrac VoCê PrECIsA saber Coordenação Associação das Trabalhadoras Domésticas e Centro de Ação Cultural - Centrac Texto Maria Madalena de Medeiros / Ana Patrícia Sampaio de Almeida Projeto Gráfico Áurea Olimpia

Leia mais

NÚCLEO DE ESTUDOS DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR CONTRA A MULHER NA CIDADE DE PONTA GROSSA

NÚCLEO DE ESTUDOS DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR CONTRA A MULHER NA CIDADE DE PONTA GROSSA 9. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( X ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO (

Leia mais

Projeto TEMPO DE DESPERTAR Em homenagem a Robin Willians

Projeto TEMPO DE DESPERTAR Em homenagem a Robin Willians Projeto TEMPO DE DESPERTAR Em homenagem a Robin Willians I. INTRODUÇÃO Durante uma pesquisa realizada exclusivamente com homens pelo Instituto Avon/Data Popular e lançada em novembro de 2013, alguns dados

Leia mais

Formas de Violência Doméstica (contra crianças, adolescentes e mulheres)

Formas de Violência Doméstica (contra crianças, adolescentes e mulheres) VIOLÊNCIA DOMÉSTICA A violência é uma questão social que afeta a todas as pessoas, mulheres e homens, sejam elas crianças, adolescentes, jovens, adultos, idosos. Ela acontece em todas as classes sociais,

Leia mais

DERRUBAR BARREIRAS PARA CONQUISTAR UMA VERDADEIRA IGUALDADE IGUALDADE TRANSFORMADORA

DERRUBAR BARREIRAS PARA CONQUISTAR UMA VERDADEIRA IGUALDADE IGUALDADE TRANSFORMADORA DERRUBAR BARREIRAS PARA CONQUISTAR UMA VERDADEIRA IGUALDADE IGUALDADE TRANSFORMADORA Ramona Biholar, PhD Universidade das Índias Ocidentais Faculdade de Direito, Jamaica ESTEREÓTIPO = um preconceito ou

Leia mais

João Evangelista dos Santos Gestor da GPAC/SDS

João Evangelista dos Santos Gestor da GPAC/SDS A SDS através da Gerência de Prevenção e Articulação Comunitária GPAC/UPP, apresenta a mensagem informativa, por meio de Literatura popular sobre a lei 11.340/06, Lei Mª. da Penha. Parabenizamos o NUPREV-Sertão

Leia mais

O Paraná Está Ligado!

O Paraná Está Ligado! VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER O Paraná Está Ligado! Lançamento de rede estadual marca o enfrentamento à violência contra a mulher no Paraná O lançamento simbólico de uma rede de atenção à mulher em situação

Leia mais

Como o Brasil enfrenta a exploração sexualcomercial de crianças e adolescentes

Como o Brasil enfrenta a exploração sexualcomercial de crianças e adolescentes Como o Brasil enfrenta a exploração sexualcomercial de crianças e adolescentes 1. Introdução Fenômeno dos mais graves de nosso tempo, a exploração sexual-comercial de crianças e adolescentes não deve ser

Leia mais

A LEI MARIA DA PENHA SEGUNDO A INTERPRETAÇÃO DO SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA EM CASO DE LESÃO CORPORAL LEVE E AÇÃO PENAL

A LEI MARIA DA PENHA SEGUNDO A INTERPRETAÇÃO DO SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA EM CASO DE LESÃO CORPORAL LEVE E AÇÃO PENAL A LEI MARIA DA PENHA SEGUNDO A INTERPRETAÇÃO DO SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA EM CASO DE LESÃO CORPORAL LEVE E AÇÃO PENAL Júnior, Gerson de Andrade 1 RESUMO: O principal objetivo do presente trabalho é

Leia mais

Competência dos JVDFM nos casos de criança ou adolescente do sexo feminino vítima de violência de gênero

Competência dos JVDFM nos casos de criança ou adolescente do sexo feminino vítima de violência de gênero Competência dos JVDFM nos casos de criança ou adolescente do sexo feminino vítima de violência de gênero Alice Bianchini Doutora em Direito Penal (PUC-SP). Mestra em Direito (UFSC). Coeditora do Portal

Leia mais

INSTITUIÇÕES DE DIREITO PUBLICO E PRIVADO MÓDULO 18 COMPETÊNCIA

INSTITUIÇÕES DE DIREITO PUBLICO E PRIVADO MÓDULO 18 COMPETÊNCIA INSTITUIÇÕES DE DIREITO PUBLICO E PRIVADO MÓDULO 18 COMPETÊNCIA Índice 1. Competência...3 1.1. Critérios Objetivos... 3 1.1.1. Critérios Subjetivos... 4 1.1.2. Competência Territorial... 4 2. Dos Processos...4

Leia mais

DADOS. Histórico de lutas

DADOS. Histórico de lutas MULHERES O partido Solidariedade estabeleceu políticas participativas da mulher. Isso se traduz pela criação da Secretaria Nacional da Mulher e por oferecer a esta Secretaria completa autonomia. Acreditamos

Leia mais

Papel e estratégias do Ministério Público na defesa dos direitos das mulheres e principais limitações na aplicação da Lei Sobre Violência Doméstica

Papel e estratégias do Ministério Público na defesa dos direitos das mulheres e principais limitações na aplicação da Lei Sobre Violência Doméstica Papel e estratégias do Ministério Público na defesa dos direitos das mulheres e principais limitações na aplicação da Lei Sobre Violência Doméstica (Síntese a partir dos slides) Por Lúcia Maximiano (Procuradoria

Leia mais

BRASIL. (tradução não oficial para o português)

BRASIL. (tradução não oficial para o português) Distr. GERAL CCPR/C/BRA/CO/2 2 de Novembro 2005 Original: Inglês Comitê de Direitos Humanos 85ª Sessão CONSIDERAÇÃO DE RELATÓRIOS ENVIADOS POR ESTADOS PARTES SOB O ARTIGO 40 DO PACTO Observações finais

Leia mais

VIOLÊNCIA NO TRABALHO EM AMERICA LATINA UMA FORMA DE DISCRIMINAÇÃO NO EMPREGO RISCO PARA A SAÚDE DOS TRABALHADHORES

VIOLÊNCIA NO TRABALHO EM AMERICA LATINA UMA FORMA DE DISCRIMINAÇÃO NO EMPREGO RISCO PARA A SAÚDE DOS TRABALHADHORES VIOLÊNCIA NO TRABALHO EM AMERICA LATINA UMA FORMA DE DISCRIMINAÇÃO NO EMPREGO RISCO PARA A SAÚDE DOS TRABALHADHORES FORMA DE DISCRIMINAÇÃO E VIOLAÇÃO DOS DIREITOS HUMANOS A violência é global e sistêmica.

Leia mais

NOVOS INSTRUMENTOS PERMITEM CONCRETIZAR DIREITOS HUMANOS NO STF E STJ

NOVOS INSTRUMENTOS PERMITEM CONCRETIZAR DIREITOS HUMANOS NO STF E STJ NOVOS INSTRUMENTOS PERMITEM CONCRETIZAR DIREITOS HUMANOS NO STF E STJ (Conjur, 10/12/2014) Alexandre de Moraes Na luta pela concretização da plena eficácia universal dos direitos humanos o Brasil, mais

Leia mais

Universidade Metodista de São Paulo

Universidade Metodista de São Paulo Universidade Metodista de São Paulo Ciências Sociais Pólo Brasília Mulher e Sociedade Ane Cruz Mulher e Sociedade A sociedade primitiva Estudos já comprovaram que nem sempre a organização da humanidade

Leia mais

VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA A MULHER. UMA RETROSPECTIVA HISTÓRICA E JURÍDICA COM ANÁLISES RELEVANTES Dogival Oliveira Guedes

VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA A MULHER. UMA RETROSPECTIVA HISTÓRICA E JURÍDICA COM ANÁLISES RELEVANTES Dogival Oliveira Guedes 406 VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA A MULHER UMA RETROSPECTIVA HISTÓRICA E JURÍDICA COM ANÁLISES RELEVANTES Dogival Oliveira Guedes Resumo O presente estudo visa verificar vários aspectos atinentes à violência

Leia mais

Como proceder à notificação e para onde encaminhá-la?

Como proceder à notificação e para onde encaminhá-la? Se a família não quiser ou não puder assumir a notificação, o educador deverá informar a família que, por força da lei, terá que notificar o fato aos órgãos competentes. Como proceder à notificação e para

Leia mais

CONSELHO SUPERIOR DA DEFENSORIA PÚBLICA RESOLUÇÃO CSDPE Nº 016/2013

CONSELHO SUPERIOR DA DEFENSORIA PÚBLICA RESOLUÇÃO CSDPE Nº 016/2013 CONSELHO SUPERIOR DA DEFENSORIA PÚBLICA RESOLUÇÃO CSDPE Nº 016/2013 Dispõe sobre as atribuições da Coordenação de Atendimento ao Preso Provisório da Defensoria Pública da Capital e dá outras providências.

Leia mais

A Promotora de Justiça discutiu os avanços que a alteração legislativa representa para a causa da mulher e os seus reflexos no Ordenamento Penal.

A Promotora de Justiça discutiu os avanços que a alteração legislativa representa para a causa da mulher e os seus reflexos no Ordenamento Penal. VI Conferência Internacional de Direitos Humanos foi organizada pela OAB/PA e ocorreu no período de 27 a 29 de abril, no período da manhã no Hangar Centro de Convenções da Amazônia, em Belém.. Neste ano,

Leia mais

Expert Consultation on Prevention of and Responses to Violence against Young Children Lima, 27 28 August 2012

Expert Consultation on Prevention of and Responses to Violence against Young Children Lima, 27 28 August 2012 Expert Consultation on Prevention of and Responses to Violence against Young Children Lima, 27 28 August 2012 JANDIRA FEGHALI (Deputada Federal/Brasil) Temas: Trabalhando com autoridades e parlamentares

Leia mais

Indicadores de Violência e Segurança Pública

Indicadores de Violência e Segurança Pública Indicadores de Violência e Segurança Pública 1 2 3 Indicadores de Violência e Segurança Pública Proposta: criação e implementação do Sistema Estadual de Informações de Violência e Segurança Pública Parcerias

Leia mais

A 4ª Delegacia de Polícia de Repressão à Pedofilia - Estatísticas e Cases

A 4ª Delegacia de Polícia de Repressão à Pedofilia - Estatísticas e Cases A 4ª Delegacia de Polícia de Repressão à Pedofilia - Estatísticas e Cases Dra.Ancilla-Dei Vega Dias Baptista Giaconi Maio/2014 0 4ª Delegacia de Polícia de Repressão à Pedofilia Criada em 23 de Novembro

Leia mais

QUERIDO(A) ALUNO(A),

QUERIDO(A) ALUNO(A), LANÇADA EM 15 MAIO DE 2008, A CAMPANHA PROTEJA NOSSAS CRIANÇAS É UMA DAS MAIORES MOBILIZAÇÕES PERMANENTES JÁ REALIZADAS NO PAÍS, COM FOCO NO COMBATE À VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E À EXPLORAÇÃO SEXUAL DE CRIANÇAS

Leia mais

A APLICABILIDADE DA LEI MARIA DA PENHA NO ENFRENTAMENTO A VIOLÊNCIA DE GÊNERO

A APLICABILIDADE DA LEI MARIA DA PENHA NO ENFRENTAMENTO A VIOLÊNCIA DE GÊNERO 1 A APLICABILIDADE DA LEI MARIA DA PENHA NO ENFRENTAMENTO A VIOLÊNCIA DE GÊNERO Marcelo Guilhem Parrão 1, Juliene Aglio Oliveira Parrão 2 1 Advogado, especialista em Direito Civíl e Processo Civil pelas

Leia mais

25 de novembro - Dia Internacional de Combate à Violência Contra as Mulheres. Carta de Brasília

25 de novembro - Dia Internacional de Combate à Violência Contra as Mulheres. Carta de Brasília Anexo VI 25 de novembro - Dia Internacional de Combate à Violência Contra as Mulheres Carta de Brasília Na véspera do Dia Internacional de Combate à Violência Contra as Mulheres nós, trabalhadoras dos

Leia mais

PERSPECTIVAS DE ANÁLISE DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA MULHER: MAPEAMENTO DAS DENÚNCIAS ENTRE OS ANOS DE 2010 E 2011 NA CIDADE DE CAMPINA GRANDE-PB

PERSPECTIVAS DE ANÁLISE DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA MULHER: MAPEAMENTO DAS DENÚNCIAS ENTRE OS ANOS DE 2010 E 2011 NA CIDADE DE CAMPINA GRANDE-PB PERSPECTIVAS DE ANÁLISE DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA MULHER: MAPEAMENTO DAS DENÚNCIAS ENTRE OS ANOS DE 2010 E 2011 NA CIDADE DE CAMPINA GRANDE-PB Autoria: Antonio Pereira Cardoso da Silva Filho Universidade

Leia mais

Em 30 anos, assassinatos de mulheres aumentam 239%

Em 30 anos, assassinatos de mulheres aumentam 239% Uma publicação da Escola Superior do Ministério Público de São Paulo ISSN 2179-7455 nº 56 outubro/novembro/dezembro de 2013 Em 30 anos, assassinatos de mulheres aumentam 239% Encontro Nacional do MP aborda

Leia mais

Faço saber que a Câmara Municipal de Queimados, APROVOU e eu SANCIONO a seguinte Lei:

Faço saber que a Câmara Municipal de Queimados, APROVOU e eu SANCIONO a seguinte Lei: LEI N.º 1135/13, DE 01 DE ABRIL DE 2013. Dispõe sobre o Sistema Municipal de Assistência Social de Queimados e dá outras providências. Faço saber que a Câmara Municipal de Queimados, APROVOU e eu SANCIONO

Leia mais

NÃO EXISTE ANALOGIA SUBSTANCIAL PARA CRIANÇA, ADOLESCENTE, IDOSO, ENFERMO E PESSOA COM DEFICIÊNCIA NO ENFRENTAMENTO À VIOLÊNCIA DOMÉSTICA

NÃO EXISTE ANALOGIA SUBSTANCIAL PARA CRIANÇA, ADOLESCENTE, IDOSO, ENFERMO E PESSOA COM DEFICIÊNCIA NO ENFRENTAMENTO À VIOLÊNCIA DOMÉSTICA NÃO EXISTE ANALOGIA SUBSTANCIAL PARA CRIANÇA, ADOLESCENTE, IDOSO, ENFERMO E PESSOA COM DEFICIÊNCIA NO ENFRENTAMENTO À VIOLÊNCIA DOMÉSTICA Por Carlos Eduardo Rios do Amaral Caro leitor, observe bem esta

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE SERGIPE UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE

INSTITUTO FEDERAL DE SERGIPE UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE INSTITUTO FEDERAL DE SERGIPE UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE TECENDO E DISCUTINDO A REDE DE ATENÇÃO A MULHER Marluce da Silva Santana 1 Jessica Dariane Conceição de Brito 2 Carine dos Santos Conceição

Leia mais

Rio de Janeiro, Agosto de 2013.

Rio de Janeiro, Agosto de 2013. Análise da Política de enfrentamento a violência contra a mulher num município do Rio de Janeiro. Universidade Federal do Rio de Janeiro - Escola de Serviço Social Dayana Gusmão [Resumo: O combate à violência

Leia mais

Atividades Acadêmico-Científico- -Culturais: Diversidade Cultural. Contextualização. Gênero. Teleaula 2. Letras. Diversidade de Gênero

Atividades Acadêmico-Científico- -Culturais: Diversidade Cultural. Contextualização. Gênero. Teleaula 2. Letras. Diversidade de Gênero Atividades Acadêmico-Científico- -Culturais: Diversidade Cultural Teleaula 2 Diversidade de Gênero Profa. Dra. Marcilene Garcia de Souza tutorialetras@grupouninter.com.br Letras Contextualização Por que

Leia mais

PREVENÇÃO DE VIOLÊNCIAS E PROMOÇÃO DA CULTURA DE PAZ

PREVENÇÃO DE VIOLÊNCIAS E PROMOÇÃO DA CULTURA DE PAZ MINISTÉRIO DA SAÚDE IMPACTO DA VIOLÊNCIA NA SAÚDE DAS CRIANÇAS E ADOLESCENTES PREVENÇÃO DE VIOLÊNCIAS E PROMOÇÃO DA CULTURA DE PAZ VOCÊ É A PEÇA PRINCIPAL PARA ENFRENTAR ESTE PROBLEMA Brasília - DF 2008

Leia mais

HISTÓRICO DA LEI MARIA DA PENHA: A ORIGEM DA LEI 11.340/2006 E MARCOS NORMATIVOS NO ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA DE GÊNERO

HISTÓRICO DA LEI MARIA DA PENHA: A ORIGEM DA LEI 11.340/2006 E MARCOS NORMATIVOS NO ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA DE GÊNERO HISTÓRICO DA LEI MARIA DA PENHA: A ORIGEM DA LEI 11.340/2006 E MARCOS NORMATIVOS NO ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA DE GÊNERO SISTEMAS DE DIREITOS HUMANOS: 1. Sistema geral de proteção: tem por destinatário

Leia mais

CONVENÇÃO INTERAMERICANA PARA PREVENIR, PUNIR E ERRADICAR A VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER, CONVENÇÃO DE BELÉM DO PARÁ

CONVENÇÃO INTERAMERICANA PARA PREVENIR, PUNIR E ERRADICAR A VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER, CONVENÇÃO DE BELÉM DO PARÁ CONVENÇÃO INTERAMERICANA PARA PREVENIR, PUNIR E ERRADICAR A VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER, CONVENÇÃO DE BELÉM DO PARÁ (Adotada em Belém do Pará, Brasil, em 9 de junho de 1994, no Vigésimo Quarto Período Ordinário

Leia mais

LEI MARIA DA PENHA: ASPECTOS RELEVANTES PARA A INSERÇÃO DA LEI 11.340/06 NO ORDENAMENTO JURÍDICO PÁTRIO. Geraldo Calasans Júnior

LEI MARIA DA PENHA: ASPECTOS RELEVANTES PARA A INSERÇÃO DA LEI 11.340/06 NO ORDENAMENTO JURÍDICO PÁTRIO. Geraldo Calasans Júnior LEI MARIA DA PENHA: ASPECTOS RELEVANTES PARA A INSERÇÃO DA LEI 11.340/06 NO ORDENAMENTO JURÍDICO PÁTRIO Geraldo Calasans Júnior LEI MARIA DA PENHA: ASPECTOS RELEVANTES PARA A INSERÇÃO DA LEI 11.340/06

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2011

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2011 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2011 Estabelece medidas de proteção a mulher e garantia de iguais oportunidades de acesso, permanência e remuneração nas relações de trabalho no âmbito rural ou urbano.

Leia mais

70% 500.000. De acordo com a nova lei, são crianças e adolescentes. 1. de estupro

70% 500.000. De acordo com a nova lei, são crianças e adolescentes. 1. de estupro O QUE É VIOLÊNCIA SEXUAL Todos os anos, estima-se que 500.000 70% Mulheres das vítimas sejam vítimas de estupro no Brasil, e que outros tantos milhões sofram com abusos e violências sexuais. de estupro

Leia mais

A VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA AS MULHERES, DESIGUALDADE DE GÊNERO, EDUCAÇÃO E JUVENTUDE COMO CATEGORIAS DE ARTICULAÇÃO

A VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA AS MULHERES, DESIGUALDADE DE GÊNERO, EDUCAÇÃO E JUVENTUDE COMO CATEGORIAS DE ARTICULAÇÃO A VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA AS MULHERES, DESIGUALDADE DE GÊNERO, EDUCAÇÃO E JUVENTUDE COMO CATEGORIAS DE ARTICULAÇÃO Ideojane Melo Conceição 1 - UNEB Grupo de trabalho - Educação e Direitos Humanos Agencia

Leia mais

Analisando a Lei Maria da Penha: a violência sexual contra a mulher cometida por seu companheiro

Analisando a Lei Maria da Penha: a violência sexual contra a mulher cometida por seu companheiro Anais do I Simpósio sobre Estudos de Gênero e Políticas Públicas, ISSN 2177-8248 Universidade Estadual de Londrina, 24 e 25 de junho de 2010 GT 5. Gênero e Violência Coord. Sandra Lourenço Analisando a

Leia mais

Estatística referente à violência doméstica contra a mulher no Distrito Federal 2006-2013

Estatística referente à violência doméstica contra a mulher no Distrito Federal 2006-2013 Estatística referente à violência doméstica contra a mulher no Distrito Federal 2006-2013 1. Denúncias Oferecidas pelo Ministério Público Denúncias oferecidas em feitos de Violência Doméstica entre 2006

Leia mais

Juristas Leigos - Direito Humanos Fundamentais. Direitos Humanos Fundamentais

Juristas Leigos - Direito Humanos Fundamentais. Direitos Humanos Fundamentais Direitos Humanos Fundamentais 1 PRIMEIRAS NOÇÕES SOBRE OS DIREITOS HUMANOS FUNDAMENTAIS 1. Introdução Para uma introdução ao estudo do Direito ou mesmo às primeiras noções de uma Teoria Geral do Estado

Leia mais

Combate à Violência contra a mulher

Combate à Violência contra a mulher Respeitar a mulher: Esta é a lei! Respeitar a mulher: Esta é a lei! Combate à Violência contra a mulher Respeitar a mulher: esta é a lei! RESPEITAR A MULHER: ESTA É A LEI! Durante muito tempo o ambiente

Leia mais

VIOLÊNCIA DE GÊNERO E POLÍTICAS PÚBLICAS: os avanços sociais no atendimento das vítimas de violência doméstica em Cuiabá.

VIOLÊNCIA DE GÊNERO E POLÍTICAS PÚBLICAS: os avanços sociais no atendimento das vítimas de violência doméstica em Cuiabá. VIOLÊNCIA DE GÊNERO E POLÍTICAS PÚBLICAS: os avanços sociais no atendimento das vítimas de violência doméstica em Cuiabá. Irenilda A. Santos 1 RESUMO A violência doméstica contra a mulher ganhou espaço

Leia mais

Capacitação em Gênero, Acesso à Justiça e Violência Contra as Mulheres

Capacitação em Gênero, Acesso à Justiça e Violência Contra as Mulheres Capacitação em Gênero, Acesso à Justiça e Violência Contra as Mulheres 139 Renata Vale Pacheco 1 O presente curso se iniciou no dia 8 de março de 2012 Dia Internacional da Mulher. Os trabalhos tiveram

Leia mais

Promover a igualdade entre os sexos e a autonomia das mulheres

Promover a igualdade entre os sexos e a autonomia das mulheres Promover a igualdade entre os sexos e a autonomia das mulheres META 3 Eliminar as disparidades entre os sexos no ensino fundamental e médio, se possível, até 2005, e em todos os níveis de ensino, o mais

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2010

PROJETO DE LEI Nº, DE 2010 PROJETO DE LEI Nº, DE 2010 (Da Sra. Jô Moraes) Prevê o pagamento, pelo Poder Público, de danos morais e pensão indenizatória aos dependentes das vítimas fatais de crimes de violência sexual e violência

Leia mais

Convenção Internacional sobre a Supressão e Punição do Crime de Apartheid

Convenção Internacional sobre a Supressão e Punição do Crime de Apartheid Convenção Internacional sobre a Supressão e Punição do Crime de Apartheid INTRODUÇÃO A Convenção Apartheid foi aprovado pela Assembléia Geral da ONU em 1973, mas com um grande número de abstenções por

Leia mais

SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO E ASSISTÊNCIA SOCIAL - SEDAS GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO, PROJETOS E CAPACITAÇÃO TEXTO I

SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO E ASSISTÊNCIA SOCIAL - SEDAS GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO, PROJETOS E CAPACITAÇÃO TEXTO I TEXTO I Igualdade de Gênero no Enfrentamento à Violência Contra a Mulher As desigualdades são sentidas de formas diferentes pelas pessoas dependendo do seu envolvimento com a questão. As mulheres sentem

Leia mais

Violência de Gênero. Ludmilla Vanessa Lins da Silva 1

Violência de Gênero. Ludmilla Vanessa Lins da Silva 1 54 Violência de Gênero Ludmilla Vanessa Lins da Silva 1 Pretendemos, no presente trabalho, com base no Curso Violência de Gênero, examinar sucintamente a evolução dos direitos das mulheres, até o presente

Leia mais

Multiculturalismo em Face dos Direitos Humanos das Mulheres

Multiculturalismo em Face dos Direitos Humanos das Mulheres Multiculturalismo em Face dos Direitos Humanos das Mulheres Vanessa Carla Bezerra de Farias Discente do curso de Direito UFRN Prof. Orientador Thiago Oliveira Moreira Docente do curso de Direito UFRN Introdução:

Leia mais

Espelho Penal Peça. Endereçamento correto da interposição 1ª Vara Criminal do Município X 0 / 0,25

Espelho Penal Peça. Endereçamento correto da interposição 1ª Vara Criminal do Município X 0 / 0,25 Espelho Penal Peça O examinando deve redigir uma apelação, com fundamento no artigo 593, I, do Código de Processo Penal. A petição de interposição deve ser endereçada ao juiz de direito da 1ª vara criminal

Leia mais

Agressão não é carinho. Insulto não é elogio. Violência contra a mulher: Não perdoe. Denuncie!

Agressão não é carinho. Insulto não é elogio. Violência contra a mulher: Não perdoe. Denuncie! Campanha permanente do Ministério Público MARIA DA PENHA EM AÇÃO: Prevenção da Violência Doméstica nas Instituições de Ensino Agressão não é carinho. Insulto não é elogio. Violência contra a mulher: Não

Leia mais

Experiência: Pacto nacional pelo enfrentamento da violência contra as mulheres

Experiência: Pacto nacional pelo enfrentamento da violência contra as mulheres Experiência: Pacto nacional pelo enfrentamento da violência contra as mulheres Presidência da República Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres Responsável: Aparecida Gonçalves, Subsecretária

Leia mais

Thiago Gondim de Almeida Oliveira 1 INTRODUÇÃO DESENVOLVIMENTO

Thiago Gondim de Almeida Oliveira 1 INTRODUÇÃO DESENVOLVIMENTO 154 Série Aperfeiçoamento de Magistrados 14 Curso: Capacitação em Gênero, Acesso à Justiça e Violência contra as Mulheres A Lei Maria da Penha e o Estímulo à Denúncia da Violência, o Acesso à Justiça,

Leia mais

INFORMAÇÕES SOBRE O MUNICÍPIO DE ARARAQUARA RELATÓRIO CENTRO DE REFERÊNCIA DA MULHER

INFORMAÇÕES SOBRE O MUNICÍPIO DE ARARAQUARA RELATÓRIO CENTRO DE REFERÊNCIA DA MULHER INFORMAÇÕES SOBRE O MUNICÍPIO DE ARARAQUARA O Município de Araraquara está localizado no centro do Estado de São Paulo, possuindo uma área total 1.312 Km2 com 77,37 Km2 ocupados pela área urbana. Sua posição

Leia mais

LEI Nº 4.898, DE 9 DE DEZEMBRO DE 1965

LEI Nº 4.898, DE 9 DE DEZEMBRO DE 1965 LEI Nº 4.898, DE 9 DE DEZEMBRO DE 1965 Regula o Direito de Representação e o Processo de Responsabilidade Administrativa Civil e Penal, nos casos de abuso de autoridade. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço

Leia mais

ENUNCIADOS. Suspensão Condicional do Processo. Lei Maria da Penha e Contravenções Penais

ENUNCIADOS. Suspensão Condicional do Processo. Lei Maria da Penha e Contravenções Penais ENUNCIADOS Suspensão Condicional do Processo Enunciado nº 01 (001/2011): Nos casos de crimes de violência doméstica e familiar contra a mulher não se aplica a suspensão condicional do processo. (Aprovado

Leia mais

As ilustrações desta cartilha foram efetuadas por Carlos Myrria (092-236-5568 e 092-985-5420)

As ilustrações desta cartilha foram efetuadas por Carlos Myrria (092-236-5568 e 092-985-5420) Fica autorizada a reprodução do texto e ilustrações, no todo ou em parte, desde que se não altere o sentido, bem como seja citada a fonte. As ilustrações desta cartilha foram efetuadas por Carlos Myrria

Leia mais

APOIO E PARTICIPAÇÃO NAS AÇÕES DE CRIAÇÃO DO NÚCLEO DE ESTUDOS EM GÊNERO, RAÇA E ETNIA NEGRE/UEMS. RESUMO

APOIO E PARTICIPAÇÃO NAS AÇÕES DE CRIAÇÃO DO NÚCLEO DE ESTUDOS EM GÊNERO, RAÇA E ETNIA NEGRE/UEMS. RESUMO APOIO E PARTICIPAÇÃO NAS AÇÕES DE CRIAÇÃO DO NÚCLEO DE ESTUDOS EM GÊNERO, RAÇA E ETNIA NEGRE/UEMS. ¹Gislaine De Oliveira Correia; ²Maria José de Jesus Alves Cordeiro. ¹Bolsista de Iniciação Científica

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA SEGUNDA GUERRA MUNDIAL NO DIREITO POSITIVO Cíntia Cecília Pellegrini

A INFLUÊNCIA DA SEGUNDA GUERRA MUNDIAL NO DIREITO POSITIVO Cíntia Cecília Pellegrini A INFLUÊNCIA DA SEGUNDA GUERRA MUNDIAL NO DIREITO POSITIVO Cíntia Cecília Pellegrini RESUMO: Após a Segunda Guerra Mundial, a sociedade internacional passou a ter como principal objetivo a criação de acordos

Leia mais

EDUCAÇÃO POLÍTICA E EDUCAÇÃO DEMOCRÁTICA (IV Parte)

EDUCAÇÃO POLÍTICA E EDUCAÇÃO DEMOCRÁTICA (IV Parte) EDUCAÇÃO POLÍTICA E EDUCAÇÃO DEMOCRÁTICA (IV Parte) Saiba quais são as Recomendações das Conferências Internacionais na emancipação política das mulheres, as quais já foram assinadas pelo governo brasileiro

Leia mais

Projeto Novos Horizontes: Grupo Reflexivo Para Homens Autores de Violência de Gênero

Projeto Novos Horizontes: Grupo Reflexivo Para Homens Autores de Violência de Gênero Projeto Novos Horizontes: Grupo Reflexivo Para Homens Autores de Violência de Gênero Mostra Local de: Apucarana (Municípios do Vale do Ivaí) Categoria do projeto: II Projetos em implantação (projetos que

Leia mais

[FÊNIX ASSOCIAÇÃO PRÓ SAÚDE MENTAL]

[FÊNIX ASSOCIAÇÃO PRÓ SAÚDE MENTAL] A IMPORTÂNCIA DO MINISTÉRIO PÚBLICO NA SAÚDE O Ministério Público tem a sua razão de ser na necessidade de ativar o Poder Judiciário, em pontos em que esta remanesceria inerte porque o interesse agredido

Leia mais

LEI DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR Lei n. 11.340/06

LEI DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR Lei n. 11.340/06 LEI DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR Lei n. 11.340/06 PREVISÃO CONSTITUCIONAL 1) O art. 226, 8º CF, dispões que: O Estado assegurará a assistência à família na pessoa de cada um dos que a integram, criando

Leia mais

Secretaria Nacional de Enfrentamento a Violencia contra as Mulheres

Secretaria Nacional de Enfrentamento a Violencia contra as Mulheres Secretaria Nacional de Enfrentamento a Violencia contra as Mulheres Setembro de 2012 Secretaria de Políticas para as Mulheres/PR Diretrizes para Enfrentamento ao Protocolo de Palermo Tráfico de Mulheres

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE ENFRENTAMENTO A VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA A CRIANÇA E O ADOLESCENTE

PLANO MUNICIPAL DE ENFRENTAMENTO A VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA A CRIANÇA E O ADOLESCENTE PLANO MUNICIPAL DE ENFRENTAMENTO A VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA A CRIANÇA E O ADOLESCENTE APRESENTAÇÃO: A violência sexual contra a criança e o adolescente tem sido um problema de difícil enfrentamento por

Leia mais

Artigo 1º - Fica autorizado o Poder Executivo a criar o Programa de Acessibilidade e Segurança da População LGBTT no Estado de São Paulo.

Artigo 1º - Fica autorizado o Poder Executivo a criar o Programa de Acessibilidade e Segurança da População LGBTT no Estado de São Paulo. PROJETO DE LEI Nº 173, DE 2015 Autoriza a criação do Programa Estadual de Acessibilidade e Segurança da População LGBTT no Estado de São Paulo e dá outras providências. A ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO

Leia mais

Os Direitos Humanos na Perspectiva de Gênero 1

Os Direitos Humanos na Perspectiva de Gênero 1 Os Direitos Humanos na Perspectiva de Gênero 1 Leila Linhares Barsted 2 Em 1948, a Assembléia Geral da ONU aprovou a Declaração Universal dos Direitos Humanos, documento que deveria ter a mais ampla divulgação

Leia mais