Audiência Pública PENHA (11ª)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Audiência Pública PENHA (11ª)"

Transcrição

1 Audiência Pública PENHA (11ª) CONGESTIONAMENTO (R32) (Rede Viária Estrutural/Da Política de Circulação Viária e Transportes/Da Pavimentação/Da Rede Estrutural Viária/Da Rede Estrutural de Transportes Públicos Coletivos) - operação urbana no corredor de ônibus da Celso Garcia e Amador Bueno da Veiga, solução para problema do trânsito na região: construção de um túnel passando por baixo do centro histórico da Penha (PD) (R44) (R41) - mudança de critérios para classificação das ruas (PDU) (AR12) ENCHENTES (R32) (Do Saneamento Básico/ Da Pavimentação/Drenagem Urbana/Rede Estrutural Hídrica) - canalização de esgoto que corre pelas ruas (PDU) (R24) (R2) - rios e córregos em ZEIS (PD) (R2) (R10) - revitalização e despoluição de córregos (PDU) (R2) - córrego do Ponte Baixa, que nasce na Vila Ponte Rasa e deságua no Tiquatira, na confluência quase com a estrada São Miguel: retificação e canalização (PD) (R2) DEFICIT HABITACIONAL (R32) (Da Função Social da Propriedade Urbana/Da Política de Habitação/Da Habitação e dos Equipamentos Sociais e Urbanos/ Zonas Especiais de Interesse Social/Das Diretrizes da Legislação de Parcelamento, Uso e Ocupação do Solo/ Das Diretrizes para a Regularização de Assentamentos Precários, Conjuntos Habitacionais, Loteamentos e Edificações/Dos Instrumentos da Política de Desenvolvimento Urbano) - impedir ocupações irregulares em ZEIS (PD) (R10) - como fica imposto predial progressivo nas ZEIS? (PD) (AR15) - rediscutir gabarito da Penha (PD) (AR8) - revisão da lei de vilas (PD e LE) (R59) PERDA DOS MANANCIAIS (R32) (R19) (R15) (R12) (Dos Recursos Hídricos) SAUDABILIDADE AMBIENTAL (*) (Da Política Ambiental/Das Áreas Verdes/Dos Resíduos Sólidos/Da Política de Patrimônio Histórico e Cultural/Da política da Paisagem Urbana/Da Política de Infra-Estrutura e Serviços Públicos/Do Sistema de Áreas Verdes e Logradouros Públicos//Macrozona de Proteção Ambiental/ Zonas Especiais de Proteção e Recuperação Ambiental/Dos Instrumentos de Gestão Ambiental) 1

2 - falta de saúde, educação e creche (PD) (R3) (R20) (R34) (R49) - criar uma ZEPI na Penha (PD) (R13) (R9) MELHORIA NOS NÍVEIS EDUCACIONAIS (**) OUTROS TEMAS ALGUNS DEPOIMENTOS DESTACADOS Reinaldo Martinez Rui (Engenheiro; Presidente da Associação Leste de Engenheiros e Arquitetos da Cidade de São Paulo) : (...)...Continuo vendo, aqui, as nossas desavenças técnicas, vamos dizer assim, nos PREs e, também, na Parte 2, do Plano, que é a (R1) Lei de Uso e Ocupação do Solo. Para a Penha, é importantíssimo que a discussão se caminhe na Câmara Municipal e que se resolva, porque a sua característica topográfica impede que muitos dos empreendimentos sejam realizados, porque há questão do gabarito. O gabarito de altura (AR8) (AR4) da Penha tem regiões que chegam a 1 metro e meio. Brinco que não dá para fazer nem casa para anão, só canil. Então, isso precisa andar para discutirmos Parte 2 e Parte 3. Na Parte 1, que é o PDE, propriamente dito, no zoneamento macro, não enxergamos na área da Penha até já conversei com o Subprefeito Cássio a respeito faltam as ZPIS, e a Penha tem indústrias. (R9) (AR24) (R13) (R15) Há um número muito grande de pequenas indústrias, que geram de 20 a 50 empregos, as quais não têm condições de regularização de suas atividades. Outro ponto que tenho debatido com a Diretora de Sempla, é a requalificação de Indi 1 A e B e Indi 2. Se se lê o que é Indi 1, desculpe-me, mas não é indústria. É oficina. Então, há uma série de indústrias que podem sair do Indi 2 para o Indi 1, que não são poluentes, agregam valor, vão otimizar o bairro e gerar emprego. Portanto, se já prevermos essa questão da ZPI, no macro, ficará mais fácil depois, na discussão do PRE. No Conselho Municipal de Política Urbana e, também, no Fundurp - fui eleito dentro do Cnpu, para ser um dos três membros -, brigamos por isso. Também é importante mencionar sobre quais córregos vamos optar para a revitalização, a despoluição, etc. (R2) (AR13) (R3) Temos o Córrego Ponte Rasa, que é um dos que estão nos dando mais trabalho atualmente. Tem a questão das Operações Urbanas Amador Bueno e Celso Garcia, que, de todas as Operações Urbanas citadas, não foram, sequer, comentadas ou estudadas. (R44) É preciso começar a pensar nelas. Estamos muito preocupados, porque já está proposto um corredor de ônibus em Celso Garcia (R18), que foi desviado da Amador Bueno, acho que de uma maneira equivocada, porque, primeiro, deveria ser pensado na Operação Urbana. Vai se gastar dinheiro, vai se perder tempo, criando um corredor de ônibus, que, depois, uma Operação Urbana pode mudar completamente. É preciso que fique claro: essa questão da (R44) participação popular na Subprefeitura da Penha acontece de uma forma muito bonita e respeitosa. As audiências públicas aqui sempre aconteceram num clima amistoso, mesmo quando existe um embate de idéias, sempre analisando as questões de forma técnica. Temos o apoio de alguns Vereadores da nossa região, para não dizer todos, apesar de acreditar que todos nos apóiam, tendo em vista que todos conhecem o trabalho do Fórum Urbanístico da Penha. São 21 entidades diretamente ligadas ao Fórum, além da Assessoria de diversos Vereadores, que está trabalhando conosco nisso. Ângela Maria Calábria (Arquiteta; pertencente ao FUSPE Fórum Urbanístico da Penha e da ALESP Associalção Leste de Engenheiros e Arquitetos e do Conselho de Meio Ambiente da Penha) (...) Quanto à classificação de ruas, (AR12) as categorias. No Plano Diretor elas foram classificadas, parece-me, por indicação do CET. Isto é, no trânsito intenso, é coletora. Depois, vêm as locais e as estruturais. Portanto, quanto à indicação do CET penso ser 2

3 um erro. Isso porque, quando o povo desvia do trânsito vai pegando ruas estreitas, ruas largas. Então, a CET tem essa classificação com relação ao trânsito. (R41) Temos ruas estreitas, que são coletoras, e ruas largas, que não são coletoras, porque são locais. Portanto, penso que isso tem de ser revisto. Primeiro tem de ser revista a classificação as categorias. Depois, o quanto se pode fazer um projeto e fazer o uso NR1, NR2, nas ruas. Sugiro que se volte a usar o critério antigo da largura de rua. Porque, se as coletoras já estão super lotadas de trânsito e de comércio e não-residencial, permitindo que o uso seja lá também, será pior ainda. Largura de ruas tem de ser o parâmetro e que nas ruas locais se possa construir, uma vez, no mínimo, a área do lote, e não os 250 metros como está estabelecido agora. E que alguns usos NR2, que não são poluentes, que são pacíficos, que não causam problema, que possam ser usados, que possam ser estabelecidos na NR1. Acho que sim e essa é a opinião da classe dos Engenheiros e Arquitetos com quem conversamos diariamente. Reforço aquilo que meu colega falou sobre uso industrial. (R9) (AR24) (R15) Propusemos, na Penha, algumas zonas industriais porque fizemos o levantamento local e vimos que há aglomerações de indústrias em alguns locais. Então, há aglomerações e propusemos zona industrial. Se não for assim, essas indústrias, que já estão lá há muito tempo, não vão conseguir se regularizar e terão de sair. Isso será um ônus para o bairro, para a cidade: perdermos indústria se ela não for poluente, se for adequada ao uso residencial. Outro ponto, a altura de seis metros com relação ao desnível natural do lote. O Código de Obras dispõe que podemos fazer 9 metros a altura da edificação em relação ao desnível natural do lote. Isso está sendo um grande impedimento para se fazer projetos, principalmente em terrenos em declive. Portanto, isso tem de ser revisto. No mínimo, tem de voltar aos nove metros. Sobre o coeficiente de aproveitamento (AR32) (R40) (R19) (R43) (AR8) de 70% é lamentável para a cidade, porque não temos mais área permeável e, isso sendo permitido, agravará, mais ainda, essa nossa condição. Poderia voltar à fórmula antiga, a Fórmula de Adiron, que dispõe que ao se diminuir o coeficiente de aproveitamento pode-se levantar a altura do prédio. E, hoje, não existe. Setenta por cento pode-se levantar e, aí, fica um bloco horroroso para a cidade e prejudicial ao meio ambiente. Outro ponto: Lei de Vilas. Se possível, a Lei de Vilas deveria ter uma revisão, porque ela permite que se divida a área do lote em 62 metros e meio. (R39) (R59) E são cinco metros quadrados de área verde por unidade. Isso é irrisório. Deveria dividir por cem e a área verde ser maior, porque está havendo uma grande especulação na cidade, tudo está virando vila e tudo está sendo pavimentado e, portanto, estamos perdendo muita área permeável. Francisco Viagini: (...) Quero deixar ressaltada a parte hídrica, (R2) a respeito dos córregos. O córrego do Ponte Baixa, que nasce na Vila Ponte Rasa e deságua no Tiquatira, na confluência quase com a estrada São Miguel. É imprescindível que isso ocorra antes de 2012 ou de 2014, (R47) porque há mais de 20 anos este córrego está para ser retificado, canalizado. Durante esse período, moradores aproveitando-se das margens já lotaram aquele local, desde a nascente até o local onde deságua no Tiquatira: áreas da Prefeitura, áreas municipais, área para colocar aparelhos para hospital, AMAS e outros aparelhos que a Prefeitura poderia colocar. Fabio Araujo Pereira (...) Esta é a questão. Para a Prefeitura e para caracterização de leis são imóveis ou loteamentos um terreno grande, uma área grande que não esteja ocupada. Se lá foi caracterizado como ZEIS a Prefeitura entende a área como um imóvel grande, vazio e sem ocupação. Isso traz certa preocupação. Hoje, na lei atual, há garantia de alguma segurança para a população que está em ZEIS, (R10) porque antes que a Prefeitura determine algum projeto específico para aquela área, os moradores têm de ser ouvidos em assembleia, (AR13) (R45) numa votação, quando serão apresentados os projetos e os moradores consultados. Na 3

4 proposta do Plano Diretor, essa garantia está afastada, dando muito poder para a Prefeitura, uma vez sendo área de ZEIS pode ser desapropriada e utilizada para outra finalidade. Quanto às propostas que foram apresentadas sobre algumas obras, em comparação ao que foi apresentado no Plano de 2004, (R47) é que algumas obras que estão indo para 2016, estariam hoje para 2012, como, por exemplo, o viaduto entre a Rua Abdom Batista, por cima, já está feito; um terminal que foi colocado na Estação Artur Alvim, do Metrô, salvo engano, o Subprefeito Cássio tem conhecimento, teria de ser feito até 2012 embaixo desse viaduto, onde há um pessoal brigando para conseguir colocar o terminal de ônibus, as lotações estão incomodando os moradores de algumas ruas. Há propostas que já deveriam ter sido implantadas hoje, portanto não é uma proposta, seria como requentar uma coisa que já teria de estar pronta até 2012, aumentando o prazo até Vejo, também, que está sendo retirado o projeto do parque linear pelo Tiquatira. (AR47) (R43) No Plano Diretor de 2004, que está em vigência ainda, tem a extensão do parque do Tiquatira pelo leito do Córrego Franquinho e pelas áreas que foram desapropriadas, para a realização da Calim Eid, pois o que está sendo feito na Calim Eid é que todos estão fazendo um puxadinho, tirando a área de permeabilização, com o agravante de que está proposta (R2) (AR23) a despoluição do Córrego Franquinho e do Tiquatira, mas como será despoluído o córrego se não estão garantindo área de permeabilização, não está sendo implantado o parque determinado no local. No momento, o parque está sendo retirado e colocando, simplesmente como meta, (R47) a despoluição. Vejo isso como um contrassenso. Vagner Landi (Engenheiro; Associação Comercial Distrito Tatuapé) : Inicialmente, falarei sobre o ponto principal, na minha opinião, que poderia ser inserido no Plano Diretor, um projeto que poderia ser elaborado pelo Executivo que são as operações urbanas (AR18) nas Avenidas Celso Garcia e Amador Bueno. A operação urbana é promissora para todos porque vai desenvolver todos os quarteirões lindeiros, com atrativos de grandes empreendimentos como faculdades, habitação popular, prédios comerciais e residenciais. Sou totalmente contra à instalação (AR19) do corredor de ônibus que pretendem implantar a partir do Brás até São Miguel Paulista. O corredor de ônibus tem de pertencer à operação urbana, não pode ser implantado sem que tenhamos pronto o projeto da operação urbana. (AR11) Ademais, esse corredor é um projeto para dois ou três anos, enquanto a operação urbana se estende de 20 a 30 anos na frente. Portanto, vamos prestar atenção nesse projeto que 99% das pessoas nesta sala, ou 99% das pessoas na Cidade, não conhecem esse projeto, vamos lutar pela operação urbana que será muito bom para todos. A operação urbana proporcionará empregos na própria região, não será projetar um corredor para levar o trabalhador de São Miguel para o seu trabalho em Santo Amaro, o seu trabalho deve estar na região, por essa razão a operação urbana é muito importante. É um projeto que deve ser feito pelo Executivo para ser aprovado pelos nossos vereadores. (...) Finalizando, pergunto como poderíamos fazer a ligação operação urbana da Avenida Celso Garcia com a Avenida Amador Bueno, uma vez que lá temos o centro histórico da Penha. Entregarei para o Subprefeito uma ideia de ligação entre a Avenida Celso Garcia, (R41) que termina na Aricanduva, ali temos a Ladeira da Penha, onde poderemos projetar um túnel por que só projetar túneis na Zona Sul, vamos fazer um na Zona Leste -, semelhante ao Túnel Ayrton Senna para passagem de ônibus e automóveis, motos (Palmas). Se o túnel for iniciado na Ladeira da Penha terminará no Cemitério da Penha, terá somente 1.700ms. Esta ligação tirará todos os ônibus do centro histórico da Penha, recuperaremos o referido centro para atração turística, assim como toda a paisagem urbana. (AR12) (Audiência Pública realizada dia 12 de agosto de 2009) 4

5 Obs: As falas dos participantes foram transcritas diretamente das notas taquigráficas, sem correções. (*) Ausência de saudabilidade ambiental: sistema suficiente de saúde, combate às poluições, enchentes de esgotos. (**) Substancial e permanente melhoria dos níveis educacionais adequada à Sociedade do Conhecimento. PD: Plano Diretor PDU: Política de Desenvolvimento Urbano LE: Lei Específica LEGENDAS 5

Audiência Pública SESC INTERLAGOS (3ª)

Audiência Pública SESC INTERLAGOS (3ª) Audiência Pública SESC INTERLAGOS (3ª) CONGESTIONAMENTO (R32) (Rede Viária Estrutural/Da Política de Circulação Viária e Transportes/Da Pavimentação/Da Rede Estrutural Viária/Da Rede Estrutural de Transportes

Leia mais

Audiência Pública IPIRANGA (21ª)

Audiência Pública IPIRANGA (21ª) Audiência Pública IPIRANGA (21ª) CONGESTIONAMENTO(R32) (Rede Viária Estrutural/Da Política de Circulação Viária e Transportes/Da Pavimentação/Da Rede Estrutural Viária/Da Rede Estrutural de Transportes

Leia mais

Audiência Pública LESTE SESC ITAQUERA (2ª)

Audiência Pública LESTE SESC ITAQUERA (2ª) Audiência Pública LESTE SESC ITAQUERA (2ª) CONGESTIONAMENTO (R32) (Rede Viária Estrutural/Da Política de Circulação Viária e Transportes/Da Pavimentação/Da Rede Estrutural Viária/Da Rede Estrutural de

Leia mais

Cidade de São Paulo. 3ª CLÍNICA INTEGRADA ENTRE USO DO SOLO E TRANSPORTES Rio, out/2011

Cidade de São Paulo. 3ª CLÍNICA INTEGRADA ENTRE USO DO SOLO E TRANSPORTES Rio, out/2011 Cidade de São Paulo 3ª CLÍNICA INTEGRADA ENTRE USO DO SOLO E TRANSPORTES Rio, out/2011 LOCALIZAÇÃO POPULAÇÃO (Censo 2010) RMSP...19.683.975 habitantes Município de São Paulo...11.253.563 habitantes Estatuto

Leia mais

Revisão Participativa dos Instrumentos de Planejamento e Gestão da Cidade de São Paulo Volume 1

Revisão Participativa dos Instrumentos de Planejamento e Gestão da Cidade de São Paulo Volume 1 Revisão Participativa dos Instrumentos de Planejamento e Gestão da Cidade de São Paulo Volume 1 Entenda quais são os Instrumentos de Planejamento e Gestão Urbana que serão revistos Revisão Participativa

Leia mais

Audiência Pública VILA PRUDENTE (13ª)

Audiência Pública VILA PRUDENTE (13ª) Audiência Pública VILA PRUDENTE (13ª) CONGESTIONAMENTO (R32) (Rede Viária Estrutural/Da Política de Circulação Viária e Transportes/Da Pavimentação/Da Rede Estrutural Viária/Da Rede Estrutural de Transportes

Leia mais

Revisão Participativa. dos Instrumentos de Planejamento e Gestão da Cidade de São Paulo

Revisão Participativa. dos Instrumentos de Planejamento e Gestão da Cidade de São Paulo Revisão Participativa dos Instrumentos de Planejamento e Gestão da Cidade de São Paulo Volume II Revisão Participativa do Plano Diretor Estratégico (PDE) 1. A importância do PDE (Plano Diretor Estratégico)

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA INSTITUTO DE PESQUISA E PLANEJAMENTO URBANO DE CURITIBA

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA INSTITUTO DE PESQUISA E PLANEJAMENTO URBANO DE CURITIBA PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA INSTITUTO DE PESQUISA E PLANEJAMENTO URBANO DE CURITIBA OFICINA DE CAPACITAÇÃO PARA O PLANO DIRETOR: REGIONAL BOQUEIRÃO 18/03/2014 CURITIBA MARÇO/2014 Realizações no dia

Leia mais

Plano Regional Estratégico da Subprefeitura São Miguel - MP

Plano Regional Estratégico da Subprefeitura São Miguel - MP Plano Regional Estratégico da Subprefeitura São Miguel - MP RETORNAR Sumário Título I Das Políticas Públicas Regionais. Capítulo I Da Política de Desenvolvimento Urbano e Ambiental da Região. Capítulo

Leia mais

Audiência Pública VILA MARIANA (20ª)

Audiência Pública VILA MARIANA (20ª) Audiência Pública VILA MARIANA (20ª) CONGESTIONAMENTO (R32) (Rede Viária Estrutural/Da Política de Circulação Viária e Transportes/Da Pavimentação/Da Rede Estrutural Viária/Da Rede Estrutural de Transportes

Leia mais

Audiência Pública NORTE (6 a )

Audiência Pública NORTE (6 a ) Audiência Pública NORTE (6 a ) CONGESTIONAMENTO (R32) (Rede Viária Estrutural/Da Política de Circulação Viária e Transportes/Da Pavimentação/Da Rede Estrutural Viária/Da Rede Estrutural de Transportes

Leia mais

Audiência Pública ITAIM PAULISTA (15ª) CONGESTIONAMENTO (R32)

Audiência Pública ITAIM PAULISTA (15ª) CONGESTIONAMENTO (R32) Audiência Pública ITAIM PAULISTA (15ª) CONGESTIONAMENTO (R32) (Rede Viária Estrutural/Da Política de Circulação Viária e Transportes/Da Pavimentação/Da Rede Estrutural Viária/Da Rede Estrutural de Transportes

Leia mais

Plano Regional Estratégico da Subprefeitura Penha

Plano Regional Estratégico da Subprefeitura Penha Plano Regional Estratégico da Subprefeitura Penha RETORNAR Sumário Título I Das Políticas Públicas Regionais Capítulo I Dos Objetivos da Política de Desenvolvimento Urbano e Ambiental da Região Título

Leia mais

Título III Do Uso e Ocupação do Solo

Título III Do Uso e Ocupação do Solo Título III Do Uso e Ocupação do Solo RETORNAR Capítulo I Das Macrozonas Seção I Da Macrozona de Estruturação e Qualificação Urbana Art. 26 A Subprefeitura da Mooca encontra-se integralmente contida na

Leia mais

PUBLICADO DOC 10/01/2012, p. 1 c. todas

PUBLICADO DOC 10/01/2012, p. 1 c. todas PUBLICADO DOC 10/01/2012, p. 1 c. todas LEI Nº 15.525, DE 9 DE JANEIRO DE 2012 (Projeto de Lei nº 470/11, do Executivo, aprovado na forma de Substitutivo do Legislativo) Institui o Projeto Estratégico

Leia mais

INSTRUMENTOS DO PLANO DIRETOR CARTILHA LEI DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO LUOS

INSTRUMENTOS DO PLANO DIRETOR CARTILHA LEI DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO LUOS Secretaria Municipal de Urbanismo INSTRUMENTOS DO PLANO DIRETOR CARTILHA LEI DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO LUOS Lei de Uso e Ocupação do Solo: Introdução Estamos construindo uma cidade cada vez melhor A Lei

Leia mais

IDEIA FORÇA. Redução do Tempo de Deslocamento Humano (Mobilidade)

IDEIA FORÇA. Redução do Tempo de Deslocamento Humano (Mobilidade) IDEIA FORÇA Redução do Tempo de Deslocamento Humano (Mobilidade) DETALHAMENTO: Mobilidade humana (trabalhador precisa respeito); Melhorar a qualidade e quantidade de transporte coletivo (Lei da oferta

Leia mais

LEI Nº 1.275, DE 28 DE JULHO DE 2011.

LEI Nº 1.275, DE 28 DE JULHO DE 2011. LEI Nº 1.275, DE 28 DE JULHO DE 2011. Dispõe sobre o uso e ocupação do solo, limites e prescrições urbanísticas da Área Especial de Interesse Social AEIS Padre João Maria e As Dez, localizado no Loteamento

Leia mais

PREFEITURA DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE ASSUNTOS JURÍDICOS

PREFEITURA DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE ASSUNTOS JURÍDICOS LEI COMPLEMENTAR Nº 292, DE 3 DE FEVEREIRO DE 2014. Dispõe sobre a criação da Zona Especial de Interesse Social ZEIS Palmas Sul, estabelece normas para a implantação de Empreendimento Habitacional de Interesse

Leia mais

os projetos de urbanização de favelas 221

os projetos de urbanização de favelas 221 5.15 Favela Jardim Floresta. Vielas e padrão de construção existente. 5.16 Favela Jardim Floresta. Plano geral de urbanização e paisagismo. 5.17 Favela Jardim Floresta. Seção transversal. 5.18 Favela Jardim

Leia mais

Urban View. Urban Reports. Fielzão e seu impacto na zona Leste

Urban View. Urban Reports. Fielzão e seu impacto na zona Leste Urban View Urban Reports Fielzão e seu impacto na zona Leste Programa Falando em dinheiro, coluna Minha cidade, meu jeito de morar e investir Rádio Estadão ESPN Itaquera acordou com caminhões e tratores

Leia mais

Plano Diretor Estratégico de São Paulo e Reflexos nos Negócios Imobiliários. Rodrigo Bicalho

Plano Diretor Estratégico de São Paulo e Reflexos nos Negócios Imobiliários. Rodrigo Bicalho Plano Diretor Estratégico de São Paulo e Reflexos nos Negócios Imobiliários Rodrigo Bicalho Objetivos do Plano Aproximar local de residência e trabalho Concentrar o adensamento nos eixos de transporte

Leia mais

Fazendo a cidade com as próprias mãos

Fazendo a cidade com as próprias mãos Fazendo a cidade com as próprias mãos Entenda a revisão da Lei de Zoneamento Mandato do Vereador P O LI C E N E T O Subprefeitura Penha Distritos de Artur Alvim, Penha, Cangaíba e Vila Matilde A cidade

Leia mais

ZONAS ESPECIAIS DE INTERESSE SOCIAL ZEIS

ZONAS ESPECIAIS DE INTERESSE SOCIAL ZEIS ZONAS ESPECIAIS DE INTERESSE SOCIAL ZEIS De acordo com o Plano Diretor as ZONAS ESPECIAIS DE INTERESSE SOCIAL ZEIS são porções do território destinadas, prioritariamente, à recuperação urbanística, à regularização

Leia mais

Vamos mudar nossas cidades?

Vamos mudar nossas cidades? Vamos mudar nossas cidades? Conheça o Estatuto da Cidade 1 O Estatuto quer garantir a cidade para todos 3 O Plano Diretor põe o Estatuto da Cidade em prática...6 As etapas do Plano Diretor 8 O Estatuto

Leia mais

ZL VÓRTICE A ZONA LESTE DE SÃO PAULO SITUAÇÕES CRÍTICAS

ZL VÓRTICE A ZONA LESTE DE SÃO PAULO SITUAÇÕES CRÍTICAS ZL VÓRTICE A ZONA LESTE DE SÃO PAULO SITUAÇÕES CRÍTICAS ZL Vórtice é um projeto de investigação e práticas urbanas experimentais. Reúne pesquisadores, arquitetos, engenheiros e artistas, junto com as comunidades

Leia mais

Novo Plano Diretor de SP 2014. Novas diretrizes e consequências para o mercado imobiliário

Novo Plano Diretor de SP 2014. Novas diretrizes e consequências para o mercado imobiliário Novo Plano Diretor de SP 2014 Novas diretrizes e consequências para o mercado imobiliário 1 Eixos de Estruturação de Transformação Urbana (4 x) O que é o Eixo? São áreas próximas à infraestrutura de transporte

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DA HABITAÇÃO LESTE

PLANO MUNICIPAL DA HABITAÇÃO LESTE PLANO MUNICIPAL DA HABITAÇÃO PLANO DE AÇÃO REGIONAL LESTE Legenda: Subprefeitura Vias Principais de acesso Linha de Metrô / CPTM Região Leste 08 Subprefeituras: Penha, Ermelino Matarazzo, São Miguel Paulista,

Leia mais

Fazendo a cidade com as próprias mãos Entenda a revisão da Lei de Zoneamento

Fazendo a cidade com as próprias mãos Entenda a revisão da Lei de Zoneamento Fazendo a cidade com as próprias mãos ato do Vere nd Subprefeitura O PO LI or ad Ma Entenda a revisão da Lei de Zoneamento CE NE São Miguel Distritos Vila Jacuí, São Miguel Paulista e Jardim Helena T A

Leia mais

Urban View. Urban Reports. Butantã: a bola da vez na corrida imobiliária paulistana

Urban View. Urban Reports. Butantã: a bola da vez na corrida imobiliária paulistana Urban View Urban Reports Butantã: a bola da vez na corrida imobiliária paulistana coluna Minha cidade, meu jeito de morar e de investir programa Falando em Dinheiro Rádio Estadão ESPN Butantã: a bola da

Leia mais

Prefeitura Municipal de Registro

Prefeitura Municipal de Registro Prefeitura Municipal de Registro Departamento Municipal de Administração Rua José Antônio de Campos, nº 250 Centro CEP: 11.900-000 Registro SP Fone: (13) 3828-1000 Fax: (13) 3821-2565 e-mail prefeitura@registro.sp.gov.br

Leia mais

Fazendo a cidade com as próprias mãos Entenda a revisão da Lei de Zoneamento

Fazendo a cidade com as próprias mãos Entenda a revisão da Lei de Zoneamento Fazendo a cidade com as próprias mãos Entenda a revisão da Lei de Zoneamento Mandato do Vereador P O LI C E N E T O Subprefeitura Itaim Paulista Distritos Lajeado e Itaim Paulista A cidade a gente constrói

Leia mais

[O Laudo de Avaliação completo do Imóvel encontra-se disponível na sede do Administrador do Fundo Brazilian Mortgages Cia.

[O Laudo de Avaliação completo do Imóvel encontra-se disponível na sede do Administrador do Fundo Brazilian Mortgages Cia. [O Laudo de Avaliação completo do Imóvel encontra-se disponível na sede do Administrador do Fundo Brazilian Mortgages Cia. Hipotecária ] HOSPITAL E MATERNIDADE NOSSA SENHORA DE LOURDES Rua das Perobas,

Leia mais

DIRETRIZES URBANÍSTICAS EXPANSÃO DO PARANOÁ

DIRETRIZES URBANÍSTICAS EXPANSÃO DO PARANOÁ 1 DIRETRIZES URBANÍSTICAS EXPANSÃO DO PARANOÁ Brasília, 29 de novembro de 2012 DIRETRIZES URBANÍSTICAS Marco Legal 2 Lei nº 6.766/79: Art. 6 - Antes da elaboração do projeto de loteamento, o interessado

Leia mais

Fazendo a cidade com as próprias mãos Entenda a revisão da Lei de Zoneamento

Fazendo a cidade com as próprias mãos Entenda a revisão da Lei de Zoneamento Fazendo a cidade com as próprias mãos Entenda a revisão da Lei de Zoneamento Mandato do Vereador P O LI C E N E T O Subprefeitura Pirituba Distritos de Jaraguá, Pirituba e São Domingos A cidade a gente

Leia mais

Fazendo a cidade com as próprias mãos Entenda a revisão da Lei de Zoneamento

Fazendo a cidade com as próprias mãos Entenda a revisão da Lei de Zoneamento Fazendo a cidade com as próprias mãos Entenda a revisão da Lei de Zoneamento Mandato do Vereador P O LI C E N E T O Subprefeitura M Boi Mirim Distritos Jardim Ângela e Jardim São Luís A cidade a gente

Leia mais

SP-URBANISMO. Nova Luz Projeto Urbanístico Consolidado

SP-URBANISMO. Nova Luz Projeto Urbanístico Consolidado SP-URBANISMO Nova Luz Projeto Urbanístico Consolidado Setembro 2011 Perímetro da Nova Luz Sala São Paulo Parque da Luz Praça Princesa Isabel Largo do Arouche Igreja de Santa Ifigênia Praça da República

Leia mais

Operações Urbanas e o Desenvolvimento da Zona Leste. Miguel Luiz Bucalem Secretário Municipal de Desenvolvimento Urbano

Operações Urbanas e o Desenvolvimento da Zona Leste. Miguel Luiz Bucalem Secretário Municipal de Desenvolvimento Urbano Operações Urbanas e o Desenvolvimento da Zona Leste Miguel Luiz Bucalem Secretário Municipal de Desenvolvimento Urbano Agosto / 2011 Desenvolvimento Urbano Sustentável - Desafios Desenvolvimento da Zona

Leia mais

Fazendo a cidade com as próprias mãos

Fazendo a cidade com as próprias mãos Fazendo a cidade com as próprias mãos ato do Vere nd Subprefeitura Mooca Distritos Brás, Pari, Belém, Mooca, Água Rasa e Tatuapé O PO LI or ad Ma Entenda a revisão da Lei de Zoneamento CE NE T A cidade

Leia mais

PROGRAMA PARAISÓPOLIS Regularização Fundiária

PROGRAMA PARAISÓPOLIS Regularização Fundiária PROGRAMA PARAISÓPOLIS Regularização Fundiária POLÍTICA HABITACIONAL DA CIDADE DE SÃO PAULO Plano Diretor Estratégico do Município (Lei 13.430/02, art. 79): Moradia digna é aquela que garante ao morador

Leia mais

Fazendo a cidade com as próprias mãos Entenda a revisão da Lei de Zoneamento

Fazendo a cidade com as próprias mãos Entenda a revisão da Lei de Zoneamento Fazendo a cidade com as próprias mãos ato do Vere nd Subprefeitura O PO LI or ad Ma Entenda a revisão da Lei de Zoneamento CE NE T Casa Verde Distritos Limão, Cachoeirinha e Casa Verde A cidade a gente

Leia mais

Resolução Normativa RESOLVE CAPÍTULO I

Resolução Normativa RESOLVE CAPÍTULO I Resolução Normativa SÚMULA: Dispõe sobre os parâmetros de ocupação do solo para a Zona Especial de Controle de Gabarito no Município de Guarapuava. O CONCIDADE, no uso das atribuições que lhe são conferidas

Leia mais

Fazendo a cidade com as próprias mãos. Entenda a revisão da Lei de Zoneamento. Pinheiros

Fazendo a cidade com as próprias mãos. Entenda a revisão da Lei de Zoneamento. Pinheiros Fazendo a cidade com as próprias mãos Entenda a revisão da Lei de Zoneamento Mandato do Vereador P O LI C E N E T O Subprefeitura Pinheiros Distritos Alto de Pinheiros, Pinheiros, Itaim Bibi e Jardim Paulista

Leia mais

Nº ALGUMAS DAS PROPOSTAS INDICAÇÃO DA ALTERAÇÃO 1 Aumento do tamanho dos lotes:

Nº ALGUMAS DAS PROPOSTAS INDICAÇÃO DA ALTERAÇÃO 1 Aumento do tamanho dos lotes: Instituto Defenda Sorocaba aponta contradição no Plano Diretor 2014: meta de projeção de uma cidade sustentável e a ampliação do parcelamento de lotes são incompatíveis O Instituto Defenda Sorocaba (entidade

Leia mais

-Esta apresentação foi realizada no âmbito do projeto Moradia é Central durante a Oficina 3 - Financiamento para habitação social em Centros.

-Esta apresentação foi realizada no âmbito do projeto Moradia é Central durante a Oficina 3 - Financiamento para habitação social em Centros. -Esta apresentação foi realizada no âmbito do projeto Moradia é Central durante a Oficina 3 - Financiamento para habitação social em Centros. -Data: 05/12/2008 -Local: Instituto Pólis MORADIA É CENTRAL

Leia mais

Apesar da Lei que institui as diretrizes da Política Nacional de Mobilidade Urbana, datar de janeiro de 2012, até agora, passados dois anos

Apesar da Lei que institui as diretrizes da Política Nacional de Mobilidade Urbana, datar de janeiro de 2012, até agora, passados dois anos O presente projeto de Lei que autoriza a implantação do Corredor Capão Redondo / Campo Limpo / Vila Sonia é apresentado de maneira descolada do Projeto de Lei 0017/2014, ora em 2ª votação, e que autoriza

Leia mais

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA PROJETO DE LEI Nº 051/2012

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA PROJETO DE LEI Nº 051/2012 PROJETO DE LEI Nº 051/2012 Torna obrigatória a adoção de pavimentação ecológica nas áreas que menciona e dá outras providências. A ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO DECRETA: Artigo 1º

Leia mais

FLUXO LICENCIAMENTO DE GRANDES EMPREENDIMENTOS À LUZ DAS LEIS 13.885/04 E 16.050/14

FLUXO LICENCIAMENTO DE GRANDES EMPREENDIMENTOS À LUZ DAS LEIS 13.885/04 E 16.050/14 PREFEITURA DA CIDADE DE SÃO PAULO SECRETARIA MUNICIPAL DE LICENCIAMENTO I SEL SECRETARIA EXECUTIVA DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS I SEC MANUAL DE EMPREENDIMENTOS DE GRANDE PORTE nr1 nr2 nr3 SÃO PAULO 2014 EMPREENDIMENTOS

Leia mais

O principal instrumento de planejamento urbano do município

O principal instrumento de planejamento urbano do município O que é um PDU O principal instrumento de planejamento urbano do município Conjunto de regras e indicações para: Organizar o crescimento e o desenvolvimento da cidade, no interesse de todos que nela moram;

Leia mais

TRANSFERÊNCIA DO POTENCIAL CONSTRUTIVO

TRANSFERÊNCIA DO POTENCIAL CONSTRUTIVO ESTADO DA PARAÍBA PREFEITURA MUNICIPAL DE JOÃO PESSOA Assessoria Técnica SEPLAM Sobre a Lei nº. 12.145 de 08 de Setembro de 2011, que regulamentou o Instrumento: TRANSFERÊNCIA DO POTENCIAL CONSTRUTIVO

Leia mais

PROJETO LEI Nº Autoria do Projeto: Senador José Sarney

PROJETO LEI Nº Autoria do Projeto: Senador José Sarney PROJETO LEI Nº Autoria do Projeto: Senador José Sarney Dispõe sobre loteamento fechado de áreas consolidadas regularizadas ou em fase de regularização, altera em parte as Leis n 6.766/79 e n 6.015/73 e

Leia mais

INSTRUMENTO DA OPERAÇÃO URBANA ÁGUA BRANCA

INSTRUMENTO DA OPERAÇÃO URBANA ÁGUA BRANCA INSTRUMENTO DA OPERAÇÃO URBANA ÁGUA BRANCA LOCALIZAÇÃO E CONTEXTO Jundiaí Campinas Rio de Janeiro Sorocaba Guarulhos OUC AB Congonhas CPTM E METRÔ: REDE EXISTENTE E PLANEJADA OUC AB SISTEMA VIÁRIO ESTRUTURAL

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO BERNARDO DO CAMPO Secretaria de Habitação e Meio Ambiente Diretoria de Licenciamento e Avaliação Ambiental

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO BERNARDO DO CAMPO Secretaria de Habitação e Meio Ambiente Diretoria de Licenciamento e Avaliação Ambiental PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO BERNARDO DO CAMPO Secretaria de Habitação e Meio Ambiente Diretoria de Licenciamento e Avaliação Ambiental São Bernardo do Campo, 15 de maio de 2009. Introdução Tendo em

Leia mais

Plano Diretor de Desenvolvimento Urbano de Salvador

Plano Diretor de Desenvolvimento Urbano de Salvador Plano Diretor de Desenvolvimento Urbano de Salvador O Plano Diretor é uma lei aprovada na Câmara de Vereadores de cada município, com a participação ativa da comunidade. Mas do que isto, o Plano Diretor

Leia mais

PROPOSTA ORÇAMENTÁRIA 2015 PREFEITURA DE SÃO PAULO

PROPOSTA ORÇAMENTÁRIA 2015 PREFEITURA DE SÃO PAULO PROPOSTA ORÇAMENTÁRIA 2015 PREFEITURA DE SÃO PAULO Projeto de Lei 467/2014 SUMÁRIO I. Resumo das Receitas e Despesas por Categoria Econômica... 3 II. III. IV. Investimentos em Obras e Instalações (Administração

Leia mais

Lei Municipal N.º 1413

Lei Municipal N.º 1413 1 EMENTA: -- Disciplina o parcelamento da terra no Município de Volta Redonda, Estado do Rio de Janeiro. A Câmara Municipal Aprova e Eu Sanciono a Seguinte Lei: -- CAPÍTULO I Disposições Preliminares Art.

Leia mais

Figura 5 - Mapa no papel vegetal pronto Autor: PEREIRA, T. mar/2006.

Figura 5 - Mapa no papel vegetal pronto Autor: PEREIRA, T. mar/2006. 55 Figura 5 - Mapa no papel vegetal pronto Autor: PEREIRA, T. mar/2006. Depois desta etapa no módulo seguinte realizou-se um trabalho de campo na área localizada anteriormente, registraram-se as coordenadas

Leia mais

P O R T O A L E G R E plano diretor de desenvolvimento urbano ambiental. pddua COMO APLICAR O REGIME URBANÍSTICO PREVISTO NO PDDUA DEZEMBRO/1999

P O R T O A L E G R E plano diretor de desenvolvimento urbano ambiental. pddua COMO APLICAR O REGIME URBANÍSTICO PREVISTO NO PDDUA DEZEMBRO/1999 P O R T O A L E G R E plano diretor de desenvolvimento urbano ambiental PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA DO PLANEJAMENTO MUNICIPAL DEZEMBRO/1999 1999 I N F O R M A Ç Õ E S Ú T E I S S O

Leia mais

FECHAMENTO DE RUAS AO TRÁFEGO DE VEÍCULOS ESTRANHO AOS MORADORES DE VILAS, RUAS SEM SAÍDA E RUAS E TRAVESSAS COM CARACTERÍSITCAS DE RUAS SEM SAÍDA.

FECHAMENTO DE RUAS AO TRÁFEGO DE VEÍCULOS ESTRANHO AOS MORADORES DE VILAS, RUAS SEM SAÍDA E RUAS E TRAVESSAS COM CARACTERÍSITCAS DE RUAS SEM SAÍDA. FECHAMENTO DE RUAS AO TRÁFEGO DE VEÍCULOS ESTRANHO AOS MORADORES DE VILAS, RUAS SEM SAÍDA E RUAS E TRAVESSAS COM CARACTERÍSITCAS DE RUAS SEM SAÍDA. LEI Nº 15.002, DE 22 DE OUTUBRO DE 2009 (Projeto de Lei

Leia mais

Fazendo a cidade com as próprias mãos Entenda a revisão da Lei de Zoneamento POLICE NETO

Fazendo a cidade com as próprias mãos Entenda a revisão da Lei de Zoneamento POLICE NETO Fazendo a cidade com as próprias mãos Entenda a revisão da Lei de Zoneamento Mandato do Vereador P O LI C E N E T O Subprefeitura Sé Distritos Bela Vista, Bom Retiro, Cambuci, Consolação Liberdade, República,

Leia mais

Santo André, 26 de agosto de 2014. À Prefeitura Municipal de Santo André Conselho Municipal de Política Urbana. Ref.

Santo André, 26 de agosto de 2014. À Prefeitura Municipal de Santo André Conselho Municipal de Política Urbana. Ref. Santo André, 26 de agosto de 2014 À Prefeitura Municipal de Santo André Conselho Municipal de Política Urbana Ref.: Revisão da LUOPS O SINDUSCON-SP Sindicato da Industria da Construção Civil do Estado

Leia mais

MARTA SUPLICY, Prefeita do Município de São Paulo, no uso das atribuições que lhe são conferidas por lei,

MARTA SUPLICY, Prefeita do Município de São Paulo, no uso das atribuições que lhe são conferidas por lei, DECRETO Nº 44.667, DE 26 DE ABRIL DE 2004 Regulamenta as disposições da Lei nº 13.430, de 13 de setembro de 2002, que institui o Plano Diretor Estratégico, relativas às Zonas Especiais de Interesse Social

Leia mais

PLANOS DIRETORES REGIONAIS

PLANOS DIRETORES REGIONAIS PLANOS DIRETORES REGIONAIS ORIGEM DOS PLANOS DIRETORES REGIONAIS CONSTITUIÇÃO FEDERAL ESTABELECE O PLANO DIRETOR PARTICIPATIVO E A GESTÃO DEMOCRÁTICA II CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE POLÍTICA URBANA PLANO DIRETOR

Leia mais

Easy PDF Creator is professional software to create PDF. If you wish to remove this line, buy it now.

Easy PDF Creator is professional software to create PDF. If you wish to remove this line, buy it now. PROGRAMA : ADMINISTRAÇÃO GERAL OBJETIVO : Manter as atividades administrativas e operacionais dos órgãos para melhoria da prestação de serviços ao público Valores (R$ 1,00) 2006 11.700,000 Manutenção das

Leia mais

Fazendo a cidade com as próprias mãos Entenda a revisão da Lei de Zoneamento

Fazendo a cidade com as próprias mãos Entenda a revisão da Lei de Zoneamento Fazendo a cidade com as próprias mãos Entenda a revisão da Lei de Zoneamento Mandato do Vereador P O LI C E N E T O Subprefeitura Santana Distritos Mandaqui, Santana e Tucuruvi A cidade a gente constrói

Leia mais

Vila Mariana. Fazendo a cidade com as próprias mãos. Subprefeitura. Distritos de Moema, Saúde e Vila Mariana. Entenda a revisão da Lei de Zoneamento

Vila Mariana. Fazendo a cidade com as próprias mãos. Subprefeitura. Distritos de Moema, Saúde e Vila Mariana. Entenda a revisão da Lei de Zoneamento Fazendo a cidade com as próprias mãos Entenda a revisão da Lei de Zoneamento Mandato do Vereador P O LI C E N E T O Subprefeitura Vila Mariana Distritos de Moema, Saúde e Vila Mariana A cidade a gente

Leia mais

Ponte Rasa. zona Leste

Ponte Rasa. zona Leste zona Leste Ponte Rasa Um dos distritos mais tradicionais da Zona Leste, tem vida relativamente pacata, com pouca verticalização em comparação aos vizinhos Penha e Itaquera, onde a população aumenta. A

Leia mais

MORFOLOGIA URBANA DAS ÁREAS DE FUNDO DE VALE DO CÓRREGO DO VEADO EM PRESIDENTE PRUDENTE, SP

MORFOLOGIA URBANA DAS ÁREAS DE FUNDO DE VALE DO CÓRREGO DO VEADO EM PRESIDENTE PRUDENTE, SP 361 MORFOLOGIA URBANA DAS ÁREAS DE FUNDO DE VALE DO CÓRREGO DO VEADO EM PRESIDENTE PRUDENTE, SP Andressa Mastroldi Ferrarezi, Arlete Maria Francisco Curso de Arquitetura e Urbanismo; Departamento de Planejamento,

Leia mais

REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA DE ÁREAS PÚBLICAS. Cartilha de orientação sobre o Programa de Regularização Urbanística e Fundiária

REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA DE ÁREAS PÚBLICAS. Cartilha de orientação sobre o Programa de Regularização Urbanística e Fundiária REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA DE ÁREAS PÚBLICAS Cartilha de orientação sobre o Programa de Regularização Urbanística e Fundiária APRESENTAÇÃO Esta Cartilha foi desenvolvida como suporte ao trabalho da Prefeitura

Leia mais

Prezados Senhores, Itacir e Marlene Feltrin e filhos. Farroupilha - RS

Prezados Senhores, Itacir e Marlene Feltrin e filhos. Farroupilha - RS Prezados Senhores, Itacir e Marlene Feltrin e filhos. Farroupilha - RS Registramos com carinho a aproximação com a família Feltrin, iniciada em 1982. Foram mais de três décadas de respeito recíproco e

Leia mais

LEI DOS INSTRUMENTOS

LEI DOS INSTRUMENTOS LEI DOS INSTRUMENTOS LEI Nº 2.333 DE 06 DE OUTUBRO DE 2006 Dispõe sobre os Instrumentos de Política Urbana no Município de Itápolis. MAJOR AVIADOR MOACYR ZITELLI, Prefeito do Município de Itápolis, Estado

Leia mais

Fazendo a cidade com as próprias mãos Entenda a revisão da Lei de Zoneamento

Fazendo a cidade com as próprias mãos Entenda a revisão da Lei de Zoneamento Fazendo a cidade com as próprias mãos ato do Vere nd O PO LI or ad Ma Entenda a revisão da Lei de Zoneamento CE NE T Subprefeitura Campo Limpo Distritos Vila Andrade, Capão Redondo e Campo Limpo A cidade

Leia mais

REPARTIÇÃO DE COMPETÊNCIAS E NORMAS GERAIS DE DIREITO URBANÍSTICO

REPARTIÇÃO DE COMPETÊNCIAS E NORMAS GERAIS DE DIREITO URBANÍSTICO REPARTIÇÃO DE COMPETÊNCIAS E NORMAS GERAIS DE DIREITO URBANÍSTICO O Desenvolvimento Urbano e a Constituição Federal AS COMPETÊNCIAS DA UNIÃO Art. 21. Compete à União: XX - instituir diretrizes para o desenvolvimento

Leia mais

Incentivar a instalação de usos não residenciais em regiões dormitório com a intenção de diminuir a necessidade de deslocamentos na cidade.

Incentivar a instalação de usos não residenciais em regiões dormitório com a intenção de diminuir a necessidade de deslocamentos na cidade. OUTORGA ONEROSA DO DIREITO DE CONSTRUIR O interessado em construir além da área do seu terreno adquire do Poder Público o direito de construção da área excedente. O preço pago por este direito servirá

Leia mais

ÍNDICE. Capítulo I...5. Do Sub-Sistema Viário Estrutural...5. Capítulo II...5. Do Sub-Sistema de Apoio...5 DISPOSIÇÕES FINAIS...6

ÍNDICE. Capítulo I...5. Do Sub-Sistema Viário Estrutural...5. Capítulo II...5. Do Sub-Sistema de Apoio...5 DISPOSIÇÕES FINAIS...6 ÍNDICE Capítulo I...5 Do Sub-Sistema Viário Estrutural...5 Capítulo II...5 Do Sub-Sistema de Apoio...5 DISPOSIÇÕES FINAIS...6 1 PREFEITURA MUNICIPAL DE CRATEÚS PLANO DIRETOR DE DESENVOLVIMENTO URBANO PDDU

Leia mais

Fazendo a cidade com as próprias mãos. Entenda a revisão da Lei de Zoneamento CE NE. Subprefeitura. Perus. Distritos Anhanguera e Perus

Fazendo a cidade com as próprias mãos. Entenda a revisão da Lei de Zoneamento CE NE. Subprefeitura. Perus. Distritos Anhanguera e Perus Fazendo a cidade com as próprias mãos ato do Vere nd Subprefeitura Perus Distritos Anhanguera e Perus O PO LI or ad Ma Entenda a revisão da Lei de Zoneamento CE NE T A cidade a gente constrói juntos! Saiba

Leia mais

AULA 3. Aspectos Técnicos da Regularização Fundiária.

AULA 3. Aspectos Técnicos da Regularização Fundiária. Regularização Fundiária de Assentamentos Informais em Áreas Urbanas Disciplina: Regularização Fundiária e Plano Diretor Unidade 03 Professor(a): Laura Bueno e Pedro Monteiro AULA 3. Aspectos Técnicos da

Leia mais

24/03/2011. E. Topografia Evidenciar as características físicas do terreno, tal como inclinação e desenho.

24/03/2011. E. Topografia Evidenciar as características físicas do terreno, tal como inclinação e desenho. 1 2 Recursos de desenho para a análise urbana A. Mapa de Zoneamento Macroestudo do entorno, características do lote em relação a uma determinada região, características do ponto de vista do zoneamento

Leia mais

A Câmara Municipal de Capim Branco, Estado de Minas Gerais, por seus Vereadores, aprovou e eu, Prefeito Municipal, sanciono a seguinte Lei:

A Câmara Municipal de Capim Branco, Estado de Minas Gerais, por seus Vereadores, aprovou e eu, Prefeito Municipal, sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.242 / 2012 ALTERA AS LEIS N 1078/2006, QUE DISPÕE SOBRE O PLANO DIRETOR DO MUNICÍPIO DE CAPIM BRANCO/MG, E NELA INCLUI DISPOSIÇÕES RELATIVOS A ZONEAMENTO URBANO E PARCELAMENTO DO SOLO. A Câmara

Leia mais

Esta apresentação foi realizada no âmbito do projeto Moradia é Central durante o seminário do projeto no Rio de Janeiro.

Esta apresentação foi realizada no âmbito do projeto Moradia é Central durante o seminário do projeto no Rio de Janeiro. Esta apresentação foi realizada no âmbito do projeto Moradia é Central durante o seminário do projeto no Rio de Janeiro. Data: dia 29 de junho de 2009 Local: IAB Instituto de Arquitetos do Brasil Departamento

Leia mais

A Participação Voluntária No Planeamento, Execução E Controlo Social Do Orçamento. Participativo

A Participação Voluntária No Planeamento, Execução E Controlo Social Do Orçamento. Participativo Cecília Branco Programa Urbal Red 9 Projecto Orçamento Participativo Reunião de Diadema Fevereiro 2007 A Participação Voluntária No Planeamento, Execução E Controlo Social Do Orçamento Participativo Município

Leia mais

Prefeitura INEPAC IPHAN Resumo. 0,5-0,5 0,5 3 pavim. Altura máxima de 13m. 8,5m 15% - - 15% Das Disposições Gerais (IPHAN)

Prefeitura INEPAC IPHAN Resumo. 0,5-0,5 0,5 3 pavim. Altura máxima de 13m. 8,5m 15% - - 15% Das Disposições Gerais (IPHAN) Logradouro: Rua Francisco Manoel, 10 1ª Categoria Terreno: 1400m² Observações: PMP: SIP3 INEPAC: Conjunto XI / 3 IPHAN: 1ª categoria, tipo V Prefeitura INEPAC IPHAN Resumo Taxa de ocupação 30% - 30% 30%

Leia mais

ESPECULAÇÃO IMOBILIÁRIA

ESPECULAÇÃO IMOBILIÁRIA ESPECULAÇÃO IMOBILIÁRIA No Brasil, as capitais nordestinas são as que mais sofrem com a especulação imobiliária. Na foto, Maceió, capital do estado de Alagoas. Especulação imobiliária é a compra ou aquisição

Leia mais

Diário Oficial Eletrônico

Diário Oficial Eletrônico LEI N 1314/2014 Estabelece normas para edificação em parcelamento do solo para fins urbanos no Município de Capim Branco, dispõe sobre a regularização e autorização de construção em condomínio fechado

Leia mais

ESTUDO DE IMPACTO DE VIZINHANÇA -CENTRO COMERCIAL

ESTUDO DE IMPACTO DE VIZINHANÇA -CENTRO COMERCIAL 2013 ESTUDO DE IMPACTO DE VIZINHANÇA -CENTRO COMERCIAL IAB ADMINISTRADORA DE BENS LTDA, CNPJ 08.111.520/0001 POMERODE/SC 03/10/2013 Dados do Projeto O projeto trata-se do empreendimento de um Centro Comercial

Leia mais

3.1. Prolongamento da Avenida Jornalista Roberto Marinho via túnel

3.1. Prolongamento da Avenida Jornalista Roberto Marinho via túnel 3. CARACTERIZAÇÃO DOS EMPREENDIMENTOS Este capítulo apresenta as principais características das obras propostas para o prolongamento da Avenida Roberto Marinho via túnel e o Parque Linear com vias locais,

Leia mais

IMPORTÂNCIA E IMPACTO DO PROGRAMA PASSEIO LIVRE PARA A CIDADE DE SÃO PAULO. JOSÉ RENATO SOIBELMANN MELHEM Arquiteto e Urbanista

IMPORTÂNCIA E IMPACTO DO PROGRAMA PASSEIO LIVRE PARA A CIDADE DE SÃO PAULO. JOSÉ RENATO SOIBELMANN MELHEM Arquiteto e Urbanista IMPORTÂNCIA E IMPACTO DO PROGRAMA PASSEIO LIVRE PARA A CIDADE DE SÃO PAULO JOSÉ RENATO SOIBELMANN MELHEM Arquiteto e Urbanista Mobilidade social Envolve a integração de todos sistemas de circulação: 1.

Leia mais

Estado do Rio de Janeiro. Secretaria Municipal de Planejamento Urbano

Estado do Rio de Janeiro. Secretaria Municipal de Planejamento Urbano UMA BARRA MANSA: DUAS CIDADES A CIDADE FORMAL: Regularizada, com infraestrutura completa, usufruindo do melhor que a comunidade pode ter em comércio, serviços, cultura e lazer. É a parte da cidade que

Leia mais

Luiz Augusto Pereira de Almeida Sobloco Construtora S.A.

Luiz Augusto Pereira de Almeida Sobloco Construtora S.A. Luiz Augusto Pereira de Almeida Sobloco Construtora S.A. Será que nós podemos viver melhor nas cidades? Com mais tempo para nossas famílias; com menos stress, com menos doenças e mais saúde; com mais produtividade;

Leia mais

ANÁLISE DE EMPREENDIMENTOS DE HABITAÇÃO SOCIAL EM PRESIDENTE PRUDENTE-SP UMA VISÃO AMBIENTAL

ANÁLISE DE EMPREENDIMENTOS DE HABITAÇÃO SOCIAL EM PRESIDENTE PRUDENTE-SP UMA VISÃO AMBIENTAL ANÁLISE DE EMPREENDIMENTOS DE HABITAÇÃO SOCIAL EM PRESIDENTE PRUDENTE-SP UMA VISÃO AMBIENTAL Sibila Corral de Arêa Leão Honda Arquiteta e Urbanista pela Universidade Presbiteriana Mackenzie. Mestre e Doutora

Leia mais

www.engenheirocabral.com.br

www.engenheirocabral.com.br Engenheiro CABRAL www.engenheirocabral.com.br Coordenador de Planejamento e Desenvolvimento Urbano da Subprefeitura M BOI MIRIM MANANCIAIS da ZONA SUL de SÃO PAULO REPRESA do GUARAPIRANGA : reservar ÁGUA

Leia mais

Vila Prudente Sapopemba

Vila Prudente Sapopemba Fazendo a cidade com as próprias mãos ato do Vere nd O PO LI or ad Ma Entenda a revisão da Lei de Zoneamento CE NE Subprefeitura T Vila Prudente Sapopemba Distritos de São Lucas, Vila Prudente e Sapopemba

Leia mais

Zoneamento da Cidade de São Paulo. Zoneamento Cidade de São Paulo. Características das Zonas de Uso

Zoneamento da Cidade de São Paulo. Zoneamento Cidade de São Paulo. Características das Zonas de Uso Zoneamento da Cidade de São Paulo Zoneamento Cidade de São Paulo Características das Zonas de Uso 1 Histórico A Legislação relativa a zoneamento reunia algumas dezenas de atos, decretos- leis, leis e decretos,

Leia mais

ESTUDO DE CASO SOBRE A APLICAÇÃO DE ESTRUTURAS EM AÇO EM EDIFÍCIO RESIDENCIAL VERTICAL DE MÉDIO PADRÃO EM PRESIDENTE PRUDENTE

ESTUDO DE CASO SOBRE A APLICAÇÃO DE ESTRUTURAS EM AÇO EM EDIFÍCIO RESIDENCIAL VERTICAL DE MÉDIO PADRÃO EM PRESIDENTE PRUDENTE Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 221 ESTUDO DE CASO SOBRE A APLICAÇÃO DE ESTRUTURAS EM AÇO EM EDIFÍCIO RESIDENCIAL VERTICAL DE MÉDIO PADRÃO EM PRESIDENTE

Leia mais

Plano de Mobilidade Sustentável. Por uma cidade amiga da bicicleta Abril 2011

Plano de Mobilidade Sustentável. Por uma cidade amiga da bicicleta Abril 2011 Plano de Mobilidade Sustentável. Por uma cidade amiga da bicicleta Abril 2011 Cronograma Índice Apresentação da TC Urbes Objetivos do Plano de Mobilidade Sustentável Cidade e Mobilidade Diagnóstico Planejamento

Leia mais

ATIVIDADE 03 POR água ABAIXO!

ATIVIDADE 03 POR água ABAIXO! ATIVIDADE 03 POR água ABAIXO! A água, elemento fundamental para a sobrevivência humana, foi motivo de muitos problemas para os moradores da Regional Norte. Além das dificuldades que eles tiveram de enfrentar

Leia mais

BREVES NOTAS SOBRE O PLANEJAMENTO FÍSICO-TERRITORIAL. Prof. Leandro Cardoso Trabalho Integralizador Multidisciplinar 1 (TIM-1) Engenharia Civil

BREVES NOTAS SOBRE O PLANEJAMENTO FÍSICO-TERRITORIAL. Prof. Leandro Cardoso Trabalho Integralizador Multidisciplinar 1 (TIM-1) Engenharia Civil BREVES NOTAS SOBRE O PLANEJAMENTO FÍSICO-TERRITORIAL Prof. Leandro Cardoso Trabalho Integralizador Multidisciplinar 1 (TIM-1) Engenharia Civil PLANEJAMENTO URBANO O planejamento urbano é o processo de

Leia mais

GESTÃO COM TRANSPARÊNCIA

GESTÃO COM TRANSPARÊNCIA 01 de março de 2013 - nº06 GESTÃO COM TRANSPARÊNCIA Ampliamos os nossos canais de comunicação. Esta é a nova formatação do informativo DR que trará, além das notícias do clipping, informações sobre assuntos

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE GRAVATÁ Secretaria de Planejamento e Orçamento Secretaria Executiva de Planejamento Urbano

PREFEITURA MUNICIPAL DE GRAVATÁ Secretaria de Planejamento e Orçamento Secretaria Executiva de Planejamento Urbano PREFEITURA MUNICIPAL DE GRAVATÁ Secretaria de Planejamento e Orçamento Secretaria Executiva de Planejamento Urbano 2014 CONCEITOS GERAIS DOS SERVIÇOS E Lei nº 3401/06 ( Plano Diretor), Lei nº 3420/07 (Código

Leia mais

Rio Urbanos, Bacias Urbanas: Projetos Integradores outubro 2013

Rio Urbanos, Bacias Urbanas: Projetos Integradores outubro 2013 Rio Urbanos, Bacias Urbanas: Projetos Integradores outubro 2013 Segurança hídrica - Declaração Ministerial do 2o Fórum Mundial da Água, 2001 Acesso físico e econômico à água em quantidade e qualidade suficiente

Leia mais