ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA A MULHER NO MUNICÍPIO DE ARAÇUAÍ-MG.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA A MULHER NO MUNICÍPIO DE ARAÇUAÍ-MG."

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL PROGRAMA DE EDUCAÇÃO PARA A DIVERSIDADE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE POLÍTICAS PÚBLICAS COM FOCO EM RAÇA E GÊNERO ELIENE SANTOS DA CRUZ ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA A MULHER NO MUNICÍPIO DE ARAÇUAÍ-MG. Araçuaí-MG

2 ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA A MULHER NO MUNICÍPIO DE ARAÇUAÍ-MG. ELIENE SANTOS DA CRUZ Monografia apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Educação para a Diversidade da Universidade Federal de Ouro Preto, como requisito parcial à obtenção do grau de Especialista em Gestão de Políticas Públicas (Área de Concentração: Gênero, Raça e Etnia) e aprovada pela Banca Examinadora constituída pelos seguintes professores: Prof. Ms. Adriano Toledo Paiva Orientador Prof. Ms. Diego Omar da Silveira Avaliador Profª. Ms. Marileide Lázara Cassoli Avaliador Ouro Preto, Minas Gerais Agosto de

3 ELIENE SANTOS DA CRUZ ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA A MULHER NO MUNICÍPIO DE ARAÇUAÍ-MG. Monografia apresentada ao Programa de Pós- Graduação em Educação para a Diversidade da Universidade Federal de Ouro Preto, como requisito parcial à obtenção do grau de Especialista em Gestão de Políticas Públicas em Gênero e Raça. Orientador: Ms. Adriano Toledo Paiva Araçuaí-MG

4 Dedico este trabalho... A Todas as Mulheres. A minha família pela compreensão, pelo amor que me fez mais forte e acreditar que posso ir além. Incentivando-me a prosseguir, obrigada pelo apoio. Aos colegas pelos momentos vivenciados em que nossos caminhos se cruzaram diante de um ideal comum, onde partilhamos descobertas, desafios e conquistas. 4

5 AGRADECIMENTOS A Deus que me permitiu sonhar, colocando em meu coração a certeza desta vitória. Entender a vontade de Deus nem sempre é fácil, mas crer que ele está no comando e tem um plano para minha vida faz a caminhada valer à pena. A Adriano Toledo Paiva que foi mais que um tutor, mesmo diante de tantas dificuldades não mediu esforços para nos transmitir conhecimentos, sempre prestativo e atencioso. À Maria Márcia e Pierre pela força nos momentos de desespero. Em especial Márcia, pois em alguns momentos pensei em desistir e sua presença foi fundamental. Aos colegas de sala pelo companheirismo, pela amizade, união em todos os momentos, pelas experiências vividas, pela paciência e pelos conhecimentos compartilhados. Valeu à pena cada momento vivido em busca de um sonho que hoje se torna real. A minha família pela força e incentivo nos momentos difíceis. Aos meus amigos pela compreensão e carinho, nos momentos mais difíceis sempre presentes. O que importa na vida não é o que se têm, mas sim as pessoas com quem podemos contar. Em meu coração guardo todas estas pessoas, e, deixo o meu muito obrigado. 5

6 A violência destrói o que ela pretende defender: a dignidade da vida, a liberdade do ser humano. João Paulo II 6

7 RESUMO A violência é um fenômeno presente em todas as sociedades, em todos os tempos. A violência doméstica é um dos crimes que mais ofende a dignidade humana. Ela agride, de uma só vez, a integridade física, moral, emocional e cognitiva da pessoa. Esta pesquisa tem como principal objetivo buscar mecanismos para o enfrentamento da violência doméstica contra as mulheres. Além de ajudar com informações necessárias pra que todas se sintam seguras para agir. Existe um grande número de mulheres que são submetidas a essa atrocidade, sendo que a maioria se cala. Esta forma de violência se configura na mais difícil de ser detectada e conseqüentemente combatida, pois ocorre dentro de casa. Na maioria dos casos a denúncia contra o agressor não acontece devido o medo das conseqüências que essa denuncia pode causar. A denúncia e a notificação permitem a elucidação de um crime e a responsabilização de seu autor, bem como a proteção e defesa das pessoas envolvidas na situação, principalmente a mulher vítima. Este trabalho vem contribuir para que as mulheres sejam respeitadas em seus direitos e que a sociedade como um todo colabore exercendo sua cidadania em prol da dignidade e do respeito humano no enfrentamento a violência doméstica contra a mulher. Palavras-chave: Violência Doméstica. Enfrentamento. Mulher. 7

8 SUMÁRIO Apresentação Capítulo1. Breve Histórico da Violência Doméstica As várias Formas de Violência Doméstica Contra a Mulher Violência Doméstica no Brasil Capítulo 2. Violência Doméstica no município de Araçuaí Capítulo3. Formas de Combater a Violência Doméstica Contra a Mulher Dos direitos assegurados à mulher vítima de violência doméstica A Importância das Políticas Públicas e dos Programas Sociais Política Pública de Assistência Social A intervenção do Serviço Social Ações que Podem Prevenir a Violência Doméstica contra a mulher Conclusão Bibliografia

9 Apresentação De acordo com a lei /06 a violência contra a mulher é crime; ela está em todo lugar e aumenta a cada dia. A presente pesquisa oferece as mulheres, orientações e informações no enfrentamento da violência doméstica contra as mulheres, no município de Araçuaí. Esta pesquisa busca incentivar e mobilizar as mulheres a denunciar este tipo de violência. O assunto será amplamente abordado, buscando um maior envolvimento, diante a realidade vivida pelas mulheres. Este tema é de extrema relevância, porque aborda a condição da mulher na sociedade moderna, a violência contra a mulher é um problema mundial e acontece porque em nossa sociedade algumas pessoas acham que a melhor maneira de resolver um conflito é com a violência. É assim que as violências domésticas cometidas por ascendentes, descendentes, companheiros, filhos, namorados, pais e irmãos acontecem. A violência contra a mulher não é uma realidade dos dias atuais, vêem de séculos, na qual a mulher tem que ter total obediência a seus pais e se casada, a seu marido. O homem por considerar-se um ser superior, sente-se no direito de punir a mulher, caso ela o contrarie. A violência tornou-se, nos dias de hoje uma das grandes preocupações da sociedade contemporânea, decorrente das desigualdades nas relações entre homem e mulher. Segundo: Rebeca Nunes Guedes, Ana Tereza Medeiros Cavacanti da Silva, Edméia de Almeida Cardoso Coelho, no artigo violência conjugal: problematizando a opressão das mulheres vitimizadas sob olhar de gênero : A violência contra a mulher é resultado de relações de poder construídas ao longo da história pela desigualdade de gênero e consolidadas por uma ideologia patriarcal e machista. 1 A violência doméstica contra a mulher recebe esta denominação por ocorrer dentro do lar. Pode-se caracterizar de diversos modos, desde marcas visíveis no corpo, caracterizando a violência física, até formas mais sutis, porém não menos importante, como a violência psicológica, que traz danos significativos à estrutura emocional da mulher. Em Araçuaí, cidade situada no vale do Jequitinhonha, uma das regiões mais pobres de Minas Gerais; percebe-se a carência das políticas públicas voltadas para este 1 Revista Eletrônica de Enfermagem, v. 09, n. 02, p ,

10 fenômeno. São vários fatores que leva o ser humano a cometer crimes; por ser uma região pobre, os acessos as informações se tornam mais difícil devido à falta de investimentos públicos. 2 A violência doméstica surge através de vários fatores sociais e não deve ser analisada de modo individual. A mesma constitui sérios problemas de saúde, grave obstáculo para o desenvolvimento social e econômico e uma flagrante violação aos direitos humanos. Isso é uma realidade existente em nossa sociedade, no qual tem levado a conseqüências graves de exclusão como a vulnerabilidade e risco social. A violência doméstica é uma questão de grande dimensão e complexidade, sendo que para seu enfrentamento os profissionais envolvidos devem ser capacitados nos diferentes campos de atuação, requerendo, uma mobilização de diversos setores do Governo e da sociedade civil. 2 Não-violência direito da mulher, direito de todos. distribuição gratuita: Conselho Estadual da Mulher. Disponível em Acesso em 03/02/

11 Capítulo I. Breve Histórico da Violência Doméstica A violência doméstica é um problema universal, que atinge milhares de pessoas, em grande número de vezes de forma silenciosa e dissimulada. A violência contra as mulheres é sofrida em todas as fases da vida, muitas vezes se inicia ainda na infância e isso acontece em todas as classes sociais. A violência doméstica cometida contra as mulheres no âmbito doméstico é um fenômeno social e cultural, ainda cercado pelo silêncio e pela dor. Esta forma de violência é muito difícil de ser diagnosticado por ocorrer dentro do lar. Apesar de este fato ter ganhado certa visibilidade nos últimos tempos, a sua compreensão e enfrentamento ainda precisa ganhar muito espaço. A violência doméstica cometida contra a mulher tem suas várias formas e faz parte de um contexto histórico existente em nossa sociedade. Esse fenômeno gera repercussões significativas à saúde física e psíquica da mulher, variando em sua expressão e intensidade, transcendendo aos danos imediatos gerados pela violência física, como as lesões e fraturas. Romper com o silêncio e denunciar o agressor, exige que a vítima esteja disposta a correr riscos, para o desmonte desses circulo vicioso, contribuindo para que a mesma não seja violentada novamente. As vítimas, por sua vez, criam traumas pelo medo, pela dor, pela vergonha e pelo terror, o silêncio passa a fazer parte de seu cotidiano. Muitas das vezes, a mulher prefere não falar do assunto e isso causa depressão em vários níveis, em alguns casos, as mulheres podem cometer até tentativas de suicídio. Segundo Maria Berenice Dias: A cada 15 segundos uma mulher é agredida, isto é, a cada dia mulheres são espancadas no Brasil. 3 Este fator se deve ao fato de que as mulheres suportam longos anos de agressões e humilhações na expectativa de que tudo possa melhorar, ou até mesmo por medo, vergonha ou dependência do agressor. A violência doméstica contra a mulher constitui um grave problema que precisa ser reconhecido e enfrentado, tanto pela sociedade, quanto pelos órgãos governamentais, através da criação de políticas públicas que contemplem sua prevenção e combate, assim como o fortalecimento da rede de apoio à vítima. A 3 Maria Berenice Dias- Quinze Segundos. Disponível em: 11

12 sociedade em geral tem o dever de compreender como a violência doméstica contra a mulher se manifesta, quais são as marcas que ela deixa nas mulheres, e também devem utilizar os métodos necessários para o enfrentamento e para a prevenção desse tipo de violência. É muito preocupante saber que milhares de mulheres são vítimas deste tipo de violência a todo instante e que essa é a realidade do nosso país. É preciso que haja qualificação dos profissionais envolvidos para combater essa violência e que as leis não permaneçam somente nos papéis, o Brasil precisa de pessoas mais corajosas e dispostas a combater esse tipo de violência que é muito comum nos lares brasileiros. A Constituição de 1988 prevê de forma ampla a garantia dos direitos aos cidadãos, em seu artigo 5º III diz: - ninguém será submetido à tortura nem a tratamento desumano ou degradante 4. As políticas públicas específicas que incluem a prevenção e a atenção integral, são fatores que podem amenizar, ou seja, contribuir com o fortalecimento no enfrentamento da violência doméstica no Brasil. É fundamental que este fenômeno seja compreendido, como uma questão de direitos humanos, pois, além de afrontar a dignidade da pessoa humana, impede o desenvolvimento pleno de cidadania da mulher. De acordo com a Declaração Universal dos Direitos Humanos de 10 de dezembro de 1948: Artigo II: Toda ser humano tem capacidade para gozar os direitos e as liberdades estabelecidos nesta Declaração, sem distinção de qualquer espécie, seja de raça, cor, sexo, língua, religião, opinião política ou de outra natureza, origem nacional ou social, riqueza, nascimento, ou qualquer outra condição. (Declaração Universal dos Direitos Humanos). 5 4 Constituição da República Federativa do Brasil de Violência contra a mulher e políticas públicas- Estud. av. vol.17 no. 49 São Paulo Sept./Dec

13 1.1. As várias formas de violência contra a mulher A violência doméstica é um fenômeno que se abate independentemente de sexo, etnia, religião ou condição socioeconômica, incidindo sobre todas as classes sociais e pode ser constatada física, sexual e psicologicamente. Toda a violência física, sexual, psicológica e econômica, quando continuada e exercida no contexto familiar é considerada violência doméstica. O diagnóstico da violência doméstica constitui-se em um desafio, principalmente por ser assunto complexo e polêmico, que afeta e altera toda a estrutura familiar. Por isso, muitas vezes os atos violentos ficam limitados a quatro paredes do que se chama lar, ou então, a violência é utilizada com pretexto para uma boa educação. Existem vários tipos de violência contra a mulher: a violência física, diferente do que muitas pessoas a pensam não se constituem em só bater, além disso, o agressor pode empurrar a vítima, queimar, sacudir, jogar objetos, torturar, etc. A institucional que ocorre em virtude das relações de poder desiguais nas instituições. A intrafamiliar é todo ato ocorrido dentro ou fora de casa por algum membro da família. A moral referese a qualquer difamação ou calúnia contra a mulher. A psicológica, qualquer ação que causa prejuízo a auto-estima da mulher, como humilhações, chantagens, manipulações, palavras de diminuição, o agressor faz com que a vítima se sinta inferior, entre outras, esse tipo de violência não deixa marcas visíveis, mas causa feridas profundas emocionalmente, muitas das vezes difíceis de curar, devido o silêncio da vítima. A sexual prática também muito comum entre os casais, uma vez que a esposa não quer praticar o ato sexual e se sente na obrigação, simplesmente pelo fato de acreditar que precisa cumprir com seu papel de esposa, além disso, qualquer ato que coloque a mulher em situações de desconforto é violência sexual contra a mulher. A violência de gênero, essa vêem de século, historicamente construída entre homens e mulheres, onde a mulher deve estar em total subordinação ao homem. A violência doméstica, no que difere da intrafamíliar, inclui outros membros do grupo, sendo ocorrida dentre do âmbito doméstico, se manifestando de várias formas como: abuso sexual, físico ou psicológico, a negligência e o abandono também são tipos de violência doméstica. Algumas seqüelas podem repercutir na vida das vítimas, não imediatamente após a violência sofrida, mas podendo se manifestar ao longo do tempo. 13

14 1.2. Violência Doméstica no Brasil No Brasil, este tema ganhou maior relevância com a entrada da Lei nº ,07 de agosto de 2006, conhecida como Lei Maria da Penha, que possui eficácia jurídica e como dita, prevêem um conjunto de políticas públicas e mecanismos de prevenção e repressão, direcionada para a garantia dos direitos da mulher vítima de agressão. Esta lei representa um avanço na legislação, que visa à proteção da mulher vítima de violência ocorrida no âmbito doméstico ou em qualquer relação íntima de afeto. A lei Maria da Penha busca promover uma real mudança nos valores sociais, que naturalizam a violência que ocorre nas relações domésticas, em que os padrões de supremacia masculina são a subordinação feminina, que durante séculos foram aceitos por toda sociedade. Segundo A Lei Maria da Penha, já em seu Artigo 1º diz que: Art. 1 o Esta Lei cria mecanismos para coibir e prevenir a violência doméstica e familiar contra a mulher, nos termos do 8 o do art. 226 da Constituição Federal, da Convenção sobre a Eliminação de Todas as Formas de Violência contra a Mulher, da Convenção Interamericana para Prevenir, Punir e Erradicar a Violência contra a Mulher e de outros tratados internacionais ratificados pela República Federativa do Brasil; dispõe sobre a criação dos Juizados de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher; e estabelece medidas de assistência e proteção às mulheres em situação de violência doméstica e familiar 6. É neste cenário que a Lei Maria da Penha, apresenta de maneira detalhada, os conceitos e as diferentes formas de violência contra a mulher, sendo um instrumento de mudanças políticas e jurídicas, devolvendo a mulher o pleno respeito de sua dignidade e do seu importante papel na sociedade. O texto publicado pela secretaria de políticas para mulheres diz que: Com muitas inovações, a Lei Maria da Penha (11.340/06) instituiu a criação de diversos serviços, visando o atendimento especializado à mulher vítima de violência doméstica e familiar, determinou a criação de juizados especializados de violência doméstica e familiar contra a mulher para julgar as causas cíveis e criminais, alterou o Código Penal e o Código de Processo Penal, previu a proteção da mulher vítima de violência doméstica e familiar através de medidas protetivas de 6 Lei Maria da Penha- Leinº de 07 de agosto de Coíbe a violência Doméstica e familiar contra a mulher. Secretaria de Políticas para as Mulheres - Presidência da Republica. 14

15 urgência, retirou a competência dos juizados especiais criminais, instituídos pela Lei 9.099/95, e proibiu as penas pecuniárias. 7 A violência é um drama que atinge todas as classes sociais, apesar dos avanços em relação às denúncias, ainda é difícil para muitas mulheres denunciar a violência sofrida, devido à própria relação de intimidade que possuem com o agressor. Este problema é algo que vem afetando o país, devido à forma desenfreada que vem acontecendo. Em média milhares de mulheres são agredidas de todas as formas. O maior problema das mulheres submetidas à violência doméstica decorre das desigualdades sociais existentes. Neste sentido, o espaço doméstico é o local onde acontecem as relações contraditórias, conflituosas e de poder, que tem se revelado propícios, para o exercício da violência. Segundo Azevedo: As situações de violência doméstica contra a mulher resultam, principalmente, da relação hierárquica estabelecida entre os sexos, sacramentada ao longo da historia pela diferença de papéis instituídos socialmente a homens e mulheres, fruto da educação diferenciada. Assim o processo de fabricação de machos e fêmeas, desenvolvese por meio da escola, família, igreja, amigos, vizinhança e veículos de comunicação de massa sendo, assim aos homens, de maneira geral, são atribuídas qualidades referente ao espaço público, domínio e agressividade. Já as mulheres foi dada a insígnia de sexo frágil, pelo fato de serem mais expressivas (afetivas, sensíveis) traços que se contrapõem aos masculinos e, por isso mesmo, não são tão valorizadas na sociedade 8. Por serem um tipo de violência que ocorre no âmbito das relações familiares, muitos casos não chegam ao conhecimento da sociedade e do Estado. Segundo o livro de Gestão de Políticas Públicas em Gênero e Raça/GPP-GeR, Módulo 2/ Políticas Públicas e Gênero: 7 Lei Maria da Penha- Leinº de 07 de agosto de Coíbe a violência Doméstica e familiar contra a mulher. Secretaria de Políticas para as Mulheres - Presidência da Republica. 8 AZEVEDO, Maria Amélia. Mulheres espancadas: a violência denunciada. São Paulo. Cortez,

16 23% de todas as mulheres estão sujeitas á violência doméstica. (...) Dados indicam que 70% das agressões ocorrem dentro de casa e que o agressor é o próprio marido ou companheiro. 9 Os dados ainda são assustadores, segundo Laisy Moriére: No Brasil não foi e não é diferente. Psicológica, moral ou física a violência contra a mulher é prática comum independentemente de raça ou classe social, apesar de ser fato que as mulheres negras são as maiores vítimas. Embora o número de vítimas de agressão esteja diminuindo, as estatísticas ainda assustam. De acordo com a última pesquisa divulgada pela Fundação Perseu Abramo, em 2010 houve uma ligeira alteração no número e no intervalo de tempo em que as mulheres são agredidas fisicamente. Antes 1 a cada 5 era espancada a cada 15 segundos. Atualmente esse tempo subiu de 15 para 24 segundos, o que significa que se antes 8 mulheres eram espancadas a cada dois minutos, agora são 5 a cada 120 segundos. 10 Segundo o Texto base do Pacto Nacional pelo Enfrentamento à Violência contra a Mulher: Ainda que seja um fenômeno reconhecidamente presente na vida de milhões de brasileiras, não existem estatísticas sistemáticas e oficiais que apontem para a magnitude deste fenômeno. Alguns poucos estudos, realizados em 2010 por institutos de pesquisa não governamentais, como a Fundação Perseu Abramo, apontam que aproximadamente 24% das mulheres já foram vítimas de algum tipo de violência doméstica Gestão de Políticas Públicas em Gênero e Raça/GPP-GeR, Módulo 2/ Políticas Públicas e Gênero, p Políticas públicas e Combate a violência contra a Mulher. Disponível em: Acesso em 03/02/2012 ás 19h50min. 11 Texto base do Pacto Nacional pelo Enfrentamento à Violência contra a Mulher Secretaria de políticas para as mulheres. 16

17 Capítulo II. Violência Doméstica no município de Araçuaí A violência doméstica atinge um número cada vez maior de mulheres, como expressão mais visível e dolorosa da desigualdade de poder entre homens e mulheres. Apesar dos avanços sobre o tema, pouco ainda se conhece sobre a questão e muito menor ainda é o avanço de políticas públicas voltadas para o enfrentamento do problema, em suas raízes. Araçuaí cidade situada no médio Jequitinhonha, seu início se deu em 1817; quando Luciana Teixeira, proprietária da Fazenda Boa Vista, decidiu iniciar um aldeamento às margens do Rio Araçuaí, o arraial chamou-se "Calhau" devido à grande quantidade de pedras redondas existentes na região. Araçuaí é de origem indígena, e quer dizer Rio das Araras Grandes. 12 Segundo o senso do IBGE 2010 sua população é de aproximadamente habitantes. Sendo que são mulheres, ocupando 50,4% da população e dentre estas se declararam negras. 13 Araçuaí enfrenta vários problemas sociais, devido a poucos recursos locais, não adequados para solucionar os problemas da população. Ficando a mesma prejudicada em relação às capitais, por estar situada no Vale do Jequitinhonha, uma das regiões mais pobres de Minas Gerais; o caso de violência doméstica é mais frequente devido à grande parte da população ser muito vulnerável. A pobreza é o resultado de um processo social e econômico de exclusão social, cultural e política. A vulnerabilidade por sua vez permite mostrar como determinados processos sociais, conduzem a um evento potencialmente adverso, uma incapacidade de resposta, e uma inadequada adaptação das pessoas para a nova situação. Isso é conseqüência da má distribuição de renda, e a falta de projetos sociais na região, para que haja o fortalecimento da rede de proteção. Segundo o promotor de justiça da comarca de Araçuaí, Dr. Randal Bianchini Marins, a visita tranqüilizadora após as ocorrências são realizadas, mas muitas das vezes o casal está junto, devido a isso, há reincidência; sendo que a maioria dos casos ocorre nas periferias. Cidades componentes da comarca de Araçuaí: Coronel Murta, Virgem da Lapa, Araçuaí, Itinga, Ponto dos volantes, Padre Paraíso. Em Araçuaí, no ano de 2011, 12 Breve Histórico Disponível em: acesso em 09/12/2011 ás 15h22min 13 Disponível em: acesso em 09/12/2011 às 16h00min. 17

18 houve 130 casos de medidas protetivas, 09 de violência doméstica, 43 ameaças à mulher, 02 casos de estupro e 01 assassinato no ano de Em Coronel Murta, ocorreram 30 casos de medidas protetivas, 33 ameaças à mulher, 02 casos de estupro, 13 vias de fato e 15 lesões. Na cidade de Virgem da Lapa, houve 20 casos de medidas protetivas, 02 de violência doméstica, 10 casos de ameaças à mulher e 06 vias de fato. sos de medidas protetivas, 33 ameaças à mulher, 02 casos de estupro, 13 vias de fato. A comarca de Araçuaí engloba os municípios de Araçuaí, Virgem da Lapa, Coronel Murta, Itinga, Pontos dos Volantes e Padre Paraíso. O Promotor afirmou que a lei /06 é exclusivamente para resguardar a vítima do sexo feminino, como demonstra o art. 1º da referida lei. No ano de sua criação houve muitas discussões no meio jurídico quanto à constitucionalidade, pois de acordo com o art. da constituição federal que relata que todos são iguais perante a lei. Mas foi comprovada a necessidade de uma política afirmativa voltada para as necessidades das mulheres. O promotor Marins informou que a mulher é agredida principalmente pelo marido ou companheiro, quando isso acontece a policia militar é acionada por vizinhos, parentes e pela vítima. Então os militares encaminham a mulher agredida até a delegacia de polícia para prestar depoimentos e registrar o boletim de ocorrência contra o agressor e solicita as medidas protetívas previstas na lei /06 mais conhecida como lei Maria da Penha. O processo é encaminhado ao promotor de justiça da comarca, que se manifesta e encaminha para o juiz da comarca deferir as medidas protetivas. Após alguns dias a mulher é chamada para iniciar o processo criminal contra o agressor, 40% delas não prosseguem com o processo, alegando que o marido estava fora de si naquela ocasião, ou estava sob efeito do álcool ou drogas, mas que o ama e não iria voltar a agredi-la. Nesses casos a reincidência é constante, na maioria dos casos a mulher volta a ser agredida. Todavia, cerca de 60% das mulheres prosseguem com o processo criminal. O perfil das mulheres agredidas na região é de mulheres de classe baixa, moradoras das periferias das cidades pertencentes à comarca, e que dependem financeiramente de seus companheiros ou maridos. Nas palavras do promotor a lei de 07 de agosto de 2006, foi um avanço aos direitos da mulher, porém a referida lei necessita de representação para processar o agressor, ou seja, precisa que a mulher queira processar o agressor. Em afirmações 18

19 pessoais o promotor afirma que a lei deveria ser alterada no que tange a representação, deveria ser como um processo por furto, ser houver flagrante ou testemunhas o processo criminal é instaurado. Muitas mulheres não prosseguem criminalmente contra o agressor, pois na maioria das vezes dependem financeiramente deles. O promotor público ainda completa que os dados estatísticos estão presentes nas 1º e 2º varas criminais da comarca de Araçuaí, e apenas com autorização que terá acesso aos processos ou dados sobre os casos contra a mulher. Na segunda vara criminal de Araçuaí, recebi a informação que os processos são sigilosos, somente o juiz pode autorizar o acesso aos processos Entrevista com o Promotor de Justiça da Comarca de Araçuaí, Dr Randal Bianchini Marins 19

20 Capitulo III. Formas de Combater a Violência Doméstica Contra a Mulher Erradicar todas as formas de violência contra a mulher, através de Políticas Públicas e dos Programas Sociais é fundamental. Existem leis apropriadas e claras contra a violência doméstica, porém, há muitas dificuldades no processo de notificação dos casos ás autoridades competentes e de funcionamento do sistema de garantia de direitos. O ligue 180 é um instrumento importantíssimo, criado pelo governo federal para orientar e auxiliar as mulheres vítimas de violência doméstica. Esse serviço visa ajudar as vítimas no enfrentamento da violência doméstica, as ligações são gratuitas para todo o território nacional. O texto base do Pacto Nacional pelo Enfrentamento à Violência contra a Mulher afirma que: A Central de Atendimento à Mulher-Ligue 180 registrou, de janeiro a outubro de 2011, ligações. No período, foram registrados relatos de violência. Desse total, foram de violência física; de violência psicológica; de violência moral; 959 de violência patrimonial; de violência sexual; 264 de cárcere privado; e 31 de tráfico de mulheres. Um dado relevante e que chama atenção é que as violências moral e psicológica atingem juntas, o percentual de 34,9% dessas ligações. A maior parte das mulheres que entrou em contato com o Ligue 180 e que também é vítima da violência tem de 20 a 40 anos (26.676), possui ensino fundamental completo ou incompleto (16.000), convive com o agressor por 10 anos ou mais, 40% e 82% das denúncias são feitas pela própria vítima. O percentual de mulheres que declaram não depender financeiramente do agressor é 44%. E 74% dos crimes são cometidos por homens com quem as vítimas possuem vínculos afetivos/sexuais (companheiro, cônjuge ou namorado). Os números mostram que 66% dos filhos presenciam a violência e 20% sofrem violência junto com a mãe. Os dados apontam que 38% das mulheres sofrem violência desde o início da relação e 60% delas relataram que as ocorrências de violência são diárias 15. Alguns fatores podem contribuir para amenizar esse problema com: Notificando ou denunciando a violência, inicia-se um processo de responsabilização do agressor pelos órgãos encarregados da defesa de direitos; 15 Texto base do Pacto Nacional pelo Enfrentamento à Violência contra a Mulher Secretaria de políticas para as mulheres. Presidência da República. 20

21 Implementando políticas públicas efetivas de proteção e promoção, ou proteção integral, as vítimas e suas famílias, bem como ao agressor; Implementando ações de prevenção, com o objetivo de conscientizar e mobilizar a sociedade e fortalecer seus grupos mais vulneráveis; Visibilizar a violência histórica sofrida é uma das formas de erradicá-la. Romper com o silêncio implica pessoas dispostas a correr riscos e a contribuir para o desmonte desses pactos de silêncio que alimentam a impunidade e criam um círculo vicioso expondo a continuar a ser abusada por tempo indefinido. Segundo a secretaria de políticas para as mulheres as Delegacias Especializadas de Atendimento à Mulher (DEAMs), criadas há quase 30 anos se configuraram como uma das primeiras políticas de combate à violência de gênero. As DEAMs deram a tônica para uma série de instrumentos públicos, que conformam a Política Nacional de Enfrentamento à Violência contra as Mulheres e o marco legal mais importante - a Lei Maria da Penha. Os crescentes casos de violência contra as mulheres exigem ação rigorosa do poder público para enfrentar a impunidade Dos direitos assegurados à mulher vítima de violência doméstica No Brasil, a constituição federal que foi criada em 05 de outubro de 1988; um marco significativo de estabilidade e segurança jurídica. A lei maior de 1988 foi responsável por estabelecer as diretrizes de toda atuação humana na sociedade brasileira, haja vista que, uma vez determinando o que é ou não correto, passa a constituição a escolher e delimitar o país que a partir daí se erguerá e fortalecerá. Maria Berenice Dias diz que: O medo, a dependência econômica, o sentimento de inferioridade, a baixa auto-estima, decorrentes da ausência de pontos de realização pessoais, sempre impuseram à mulher a lei do silêncio. Raros os casos em que se encorajam a revelar a agressão ocorrida dentro do lar Disponível em: 17 A violência intra-familiar Maria Berenice Dias. Disponível em: 21

PROJETO DE LEI Nº de de 2015.

PROJETO DE LEI Nº de de 2015. PROJETO DE LEI Nº de de 2015. INSTITUI A POLÍTICA ESTADUAL PARA O SISTEMA INTEGRADO DE INFORMAÇÕES DE VIOLÊNCIA CONTRA O IDOSO NO ESTADO DE GOIÁS, DENOMINADO OBSERVATÓRIO ESTADUAL DA VIOLÊNCIA CONTRA O

Leia mais

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento;

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Objetivo geral Promover a igualdade no mundo do trabalho e a autonomia

Leia mais

(1979) Convenção Sobre Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Contra a Mulher CEDAW

(1979) Convenção Sobre Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Contra a Mulher CEDAW (1979) Convenção Sobre Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Contra a Mulher CEDAW (1994) Convenção Interamericana para Prevenir, Punir e Erradicar a Violência Contra a Mulher (Convenção de Belém

Leia mais

DIREITOS HUMANOS, FEMINISMO E POLÍTICAS PÚBLICAS DE GÊNERO: APLICABILIDADE DA LEI Nº 11.340/06 EM CAMPINA GRANDE/PB

DIREITOS HUMANOS, FEMINISMO E POLÍTICAS PÚBLICAS DE GÊNERO: APLICABILIDADE DA LEI Nº 11.340/06 EM CAMPINA GRANDE/PB DIREITOS HUMANOS, FEMINISMO E POLÍTICAS PÚBLICAS DE GÊNERO: APLICABILIDADE DA LEI Nº 11.340/06 EM CAMPINA GRANDE/PB (ASFORA, R. V. S.) - Raphaella Viana Silva Asfora/Autora ¹ Escola Superior da Magistratura

Leia mais

Projeto TEMPO DE DESPERTAR Em homenagem a Robin Willians

Projeto TEMPO DE DESPERTAR Em homenagem a Robin Willians Projeto TEMPO DE DESPERTAR Em homenagem a Robin Willians I. INTRODUÇÃO Durante uma pesquisa realizada exclusivamente com homens pelo Instituto Avon/Data Popular e lançada em novembro de 2013, alguns dados

Leia mais

SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO E ASSISTÊNCIA SOCIAL - SEDAS GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO, PROJETOS E CAPACITAÇÃO TEXTO I

SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO E ASSISTÊNCIA SOCIAL - SEDAS GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO, PROJETOS E CAPACITAÇÃO TEXTO I TEXTO I Igualdade de Gênero no Enfrentamento à Violência Contra a Mulher As desigualdades são sentidas de formas diferentes pelas pessoas dependendo do seu envolvimento com a questão. As mulheres sentem

Leia mais

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337.

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337. PROGRAMA TÉMATICO: 6229 EMANCIPAÇÃO DAS MULHERES OBJETIVO GERAL: Ampliar o acesso das mulheres aos seus direitos por meio do desenvolvimento de ações multissetoriais que visem contribuir para uma mudança

Leia mais

Lei Maria da Penha: uma evolução histórica

Lei Maria da Penha: uma evolução histórica Lei Maria da Penha: uma evolução histórica Karina Balduino Leite e Rivadavio Anadão de Oliveira Guassú Maria da Penha foi uma entre as incontáveis vítimas de violência doméstica espalhadas pelo planeta.

Leia mais

QUERIDO(A) ALUNO(A),

QUERIDO(A) ALUNO(A), LANÇADA EM 15 MAIO DE 2008, A CAMPANHA PROTEJA NOSSAS CRIANÇAS É UMA DAS MAIORES MOBILIZAÇÕES PERMANENTES JÁ REALIZADAS NO PAÍS, COM FOCO NO COMBATE À VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E À EXPLORAÇÃO SEXUAL DE CRIANÇAS

Leia mais

Violência contra a Pessoa Idosa. Sandra Regina Gomes Fonoaudióloga e Gerontóloga sandra@longevida.com.br

Violência contra a Pessoa Idosa. Sandra Regina Gomes Fonoaudióloga e Gerontóloga sandra@longevida.com.br Violência contra a Pessoa Idosa Sandra Regina Gomes Fonoaudióloga e Gerontóloga sandra@longevida.com.br Violência contra as pessoas idosas: FOTOGRAFIA: THINKSTOCK problema sério e invisível Síntese de

Leia mais

Programa Nacional de Enfrentamento da Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes

Programa Nacional de Enfrentamento da Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes Programa Nacional de Enfrentamento da Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes Mostrando que a proteção de nossas crianças e adolescentes também está em fase de crescimento Subsecretaria de Promoção

Leia mais

Combate e prevenção à violência contra a mulher

Combate e prevenção à violência contra a mulher Combate e prevenção à violência contra a mulher O CIM - Centro Integrado de Atendimento à Mulher Vítima de Violência Doméstica e Familiar - tem por objetivo fazer valer a Lei n.º 11.340/06, Lei Maria da

Leia mais

www.senado.leg.br/datasenado

www.senado.leg.br/datasenado www.senado.leg.br/datasenado Lei Maria da Penha completa 9 Promulgada em 2006, a Lei Maria da Penha busca garantir direitos da mulher, além da prevenção e punição de casos de violência doméstica e familiar.

Leia mais

Palavras-chaves: denuncia, consumo de álcool, consumo de drogas.

Palavras-chaves: denuncia, consumo de álcool, consumo de drogas. VIOLENCIA CONTRA A MULHER E A DEPENDENCIA FINACEIRA. UM ESTUDO DE CASO NO MUNICIPIO DE PITANGA. MARLY APARECIDA MAZUR MACHADO/UNICENTRO E-MAIL: maymazur@outlook.com SIMÃO TERNOSKI (ORIENTADOR)/UNICENTRO

Leia mais

A MULHER VÍTIMA DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR EM PONTA GROSSA: SUBSÍDIOS PARA O DEBATE

A MULHER VÍTIMA DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR EM PONTA GROSSA: SUBSÍDIOS PARA O DEBATE 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( X ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA A MULHER

Leia mais

DADOS. Histórico de lutas

DADOS. Histórico de lutas MULHERES O partido Solidariedade estabeleceu políticas participativas da mulher. Isso se traduz pela criação da Secretaria Nacional da Mulher e por oferecer a esta Secretaria completa autonomia. Acreditamos

Leia mais

Universidade do Estado do Rio de Janeiro Vice-Reitoria Curso de Abordagem da Violência na Atenção Domiciliar Unidade 2 Violência de gênero

Universidade do Estado do Rio de Janeiro Vice-Reitoria Curso de Abordagem da Violência na Atenção Domiciliar Unidade 2 Violência de gênero Universidade do Estado do Rio de Janeiro Vice-Reitoria Curso de Abordagem da Violência na Atenção Domiciliar Unidade 2 Violência de gênero Nesta unidade, analisaremos os aspectos específicos referentes

Leia mais

VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER

VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER A Organização Mundial de Saúde (OMS) define violência como o uso intencional da força física ou do poder, real ou em ameaça, contra si próprio, contra outra pessoa, ou contra

Leia mais

PROPOSTAS PARA O ESTADO BRASILEIRO - NÍVEIS FEDERAL, ESTADUAL E MUNICIPAL

PROPOSTAS PARA O ESTADO BRASILEIRO - NÍVEIS FEDERAL, ESTADUAL E MUNICIPAL PROPOSTAS PARA O ESTADO BRASILEIRO - NÍVEIS FEDERAL, ESTADUAL E MUNICIPAL MEDIDAS CONCRETAS PARA O ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER NO ÂMBITO DOMÉSTICO/FAMILIAR A presente Matriz insere-se no

Leia mais

Blumenau, 24 de junho de 2015. Ilustríssimo(a) Senhor(a) Vereador(a).

Blumenau, 24 de junho de 2015. Ilustríssimo(a) Senhor(a) Vereador(a). 1 Ofício nº 01/2015 - CDS - OAB/BLUMENAU Aos(as) Excelentíssimos(as) Vereadores(as) de Blumenau. Blumenau, 24 de junho de 2015. Ilustríssimo(a) Senhor(a) Vereador(a). Conforme se denota do sítio eletrônico,

Leia mais

NOTIFICAÇÕES COMPULSÓRIAS DOS CASOS SUSPEITOS OU CONFIRMADOS DE VIOLÊNCIAS PRATICADAS CONTRA CRIANÇA E ADOLESCENTE

NOTIFICAÇÕES COMPULSÓRIAS DOS CASOS SUSPEITOS OU CONFIRMADOS DE VIOLÊNCIAS PRATICADAS CONTRA CRIANÇA E ADOLESCENTE NOTIFICAÇÕES COMPULSÓRIAS DOS CASOS SUSPEITOS OU CONFIRMADOS DE VIOLÊNCIAS PRATICADAS CONTRA CRIANÇA E ADOLESCENTE Márcia Regina Ribeiro Teixeira Promotora de Justiça de Salvador Agosto de 2014 VIOLÊNCIA:

Leia mais

No entanto, a efetividade desses dispositivos constitucionais está longe de alcançar sua plenitude.

No entanto, a efetividade desses dispositivos constitucionais está longe de alcançar sua plenitude. A MULHER NA ATIVIDADE AGRÍCOLA A Constituição Federal brasileira estabelece no caput do art. 5º, I, que homens e mulheres são iguais em direitos e obrigações e reconhece no dispositivo 7º a igualdade de

Leia mais

Experiência: Pacto nacional pelo enfrentamento da violência contra as mulheres

Experiência: Pacto nacional pelo enfrentamento da violência contra as mulheres Experiência: Pacto nacional pelo enfrentamento da violência contra as mulheres Presidência da República Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres Responsável: Aparecida Gonçalves, Subsecretária

Leia mais

Destacando que a responsabilidade primordial e o dever de promover e proteger os direitos humanos, e as liberdades fundamentais incumbem ao Estado,

Destacando que a responsabilidade primordial e o dever de promover e proteger os direitos humanos, e as liberdades fundamentais incumbem ao Estado, Declaração sobre o Direito e o Dever dos Indivíduos, Grupos e Instituições de Promover e Proteger os Direitos Humanos e as Liberdades Fundamentais Universalmente Reconhecidos 1 A Assembléia Geral, Reafirmando

Leia mais

Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes

Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes EIXO 1 PROMOÇÃO DOS DIREITOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES Diretriz 01 - Promoção da cultura do respeito e da garantia dos direitos humanos de

Leia mais

Rio de Janeiro, Agosto de 2013.

Rio de Janeiro, Agosto de 2013. Análise da Política de enfrentamento a violência contra a mulher num município do Rio de Janeiro. Universidade Federal do Rio de Janeiro - Escola de Serviço Social Dayana Gusmão [Resumo: O combate à violência

Leia mais

1.4 Objeto e Metodologia

1.4 Objeto e Metodologia 1.4 Objeto e Metodologia O objeto a pesquisa cujos dados serão apresentados foi definido juntamente com a SAS- Secretaria de Assistência Social de Presidente Prudente em especial com a equipe do CREAS

Leia mais

25 de novembro - Dia Internacional de Combate à Violência Contra as Mulheres. Carta de Brasília

25 de novembro - Dia Internacional de Combate à Violência Contra as Mulheres. Carta de Brasília Anexo VI 25 de novembro - Dia Internacional de Combate à Violência Contra as Mulheres Carta de Brasília Na véspera do Dia Internacional de Combate à Violência Contra as Mulheres nós, trabalhadoras dos

Leia mais

A SECRETARIA MUNICIPAL DE POLÍTICAS PARA MULHERES AS AÇÕES SÃO DESENVOLVIDAS POR QUATRO ÁREAS ESTRATÉGICAS:

A SECRETARIA MUNICIPAL DE POLÍTICAS PARA MULHERES AS AÇÕES SÃO DESENVOLVIDAS POR QUATRO ÁREAS ESTRATÉGICAS: O QUE É QUE FAZ A SECRETARIA MUNICIPAL DE POLÍTICAS PARA MULHERES A Prefeitura de São Paulo, em maio de 2013, seguindo a política implementada nacionalmente e atendendo uma reivindicação histórica do movimento

Leia mais

Doutoranda: Vera Lúcia de Azevedo Lima (UFPA) Orientadora: Dra. Maria de Lourdes de Souza (UFSC)

Doutoranda: Vera Lúcia de Azevedo Lima (UFPA) Orientadora: Dra. Maria de Lourdes de Souza (UFSC) UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ PROGRAMA DE DOUTORADO INTERINSTITUCIONAL EM ENFERMAGEM - UFSC/UFPA/CAPES ÁREA DE CONCENTRAÇÃO: FILOSOFIA, SAÚDE E SOCIEDADE Doutoranda:

Leia mais

Carta Política. Campanha Cidades Seguras para as Mulheres

Carta Política. Campanha Cidades Seguras para as Mulheres Carta Política Campanha Cidades Seguras para as Mulheres Brasil - 2014 Nós, mulheres de diversas localidades e comunidades de Pernambuco, Rio Grande do Norte, Rio de Janeiro e São Paulo, que há muito

Leia mais

Plano Integrado de Capacitação de Recursos Humanos para a Área da Assistência Social PAPÉIS COMPETÊNCIAS

Plano Integrado de Capacitação de Recursos Humanos para a Área da Assistência Social PAPÉIS COMPETÊNCIAS PAPÉIS E COMPETÊNCIAS O SERVIÇO PSICOSSOCIAL NO CREAS... O atendimento psicossocial no serviço é efetuar e garantir o atendimento especializado (brasil,2006). Os profissionais envolvidos no atendimento

Leia mais

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA NACIONAL

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA NACIONAL Relatório Analítico PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA NACIONAL PESQUISA SOBRE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA A MULHER DATASENADO SECS PESQUISA SOBRE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA A MULHER Há dois anos, o DataSenado

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR Irma Martins Moroni da Silveira FALAR DA CONTEMPORANEIDADE É REFLETIR SOBRE O TEMPO PRESENTE Falar do hoje da Assistência Social; Como

Leia mais

VIOLÊNCIA INTRAFAMILIAR CONTRA A MULHER E AS REDES DE ATENDIMENTO

VIOLÊNCIA INTRAFAMILIAR CONTRA A MULHER E AS REDES DE ATENDIMENTO CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X VIOLÊNCIA INTRAFAMILIAR CONTRA A MULHER E AS REDES DE ATENDIMENTO

Leia mais

Diretrizes para Implementação dos Serviços de Responsabilização e Educação dos Agressores

Diretrizes para Implementação dos Serviços de Responsabilização e Educação dos Agressores PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE POLÍTICAS PARA MULHERES SECRETRIA DE ENFRENTAMENTO À VIOLÊNCIA CONTRA AS MULHERES Diretrizes para Implementação dos Serviços de Responsabilização e Educação dos Agressores

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL, SUAS e legislações pertinentes. Profa. Ma. Izabel Scheidt Pires

POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL, SUAS e legislações pertinentes. Profa. Ma. Izabel Scheidt Pires POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL, SUAS e legislações pertinentes Profa. Ma. Izabel Scheidt Pires REFERÊNCIAS LEGAIS CF 88 LOAS PNAS/04 - SUAS LOAS A partir da Constituição Federal de 1988, regulamentada

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE ENFRENTAMENTO A VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA A CRIANÇA E O ADOLESCENTE

PLANO MUNICIPAL DE ENFRENTAMENTO A VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA A CRIANÇA E O ADOLESCENTE PLANO MUNICIPAL DE ENFRENTAMENTO A VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA A CRIANÇA E O ADOLESCENTE APRESENTAÇÃO: A violência sexual contra a criança e o adolescente tem sido um problema de difícil enfrentamento por

Leia mais

PROJETO EDUCA-AÇÃO Prevenção da violência doméstica nas Instituições de Ensino

PROJETO EDUCA-AÇÃO Prevenção da violência doméstica nas Instituições de Ensino PROJETO EDUCA-AÇÃO Prevenção da violência doméstica nas Instituições de Ensino I. INTRODUÇÃO Os altos índices de violência doméstica e familiar contra a mulher em todo o Estado demonstram a necessidade

Leia mais

PESQUISA IBOPE / INSTITUTO AVON

PESQUISA IBOPE / INSTITUTO AVON PESQUISA IBOPE / INSTITUTO AVON PERCEPÇÕES E REAÇÕES DA SOCIEDADE SOBRE A VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER 2009 PARCERIAS INSTITUTO PATRÍCIA GALVÃO Planejamento e supervisão da pesquisa IBOPE INTELIGÊNCIA Campo

Leia mais

DECRETO Nº 1.973, DE 1º DE AGOSTO DE 1996. (Publicado no D.O.U. de 02.08.1996)

DECRETO Nº 1.973, DE 1º DE AGOSTO DE 1996. (Publicado no D.O.U. de 02.08.1996) DECRETO Nº 1.973, DE 1º DE AGOSTO DE 1996. (Publicado no D.O.U. de 02.08.1996) Promulga a Convenção Interamericana para Prevenir, Punir e Erradicar a Violência contra a Mulher, concluída em Belém do Pará,

Leia mais

NÚCLEO DE ESTUDOS DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR CONTRA A MULHER NA CIDADE DE PONTA GROSSA

NÚCLEO DE ESTUDOS DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR CONTRA A MULHER NA CIDADE DE PONTA GROSSA 9. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( X ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO (

Leia mais

Faço saber que a Câmara Municipal de Queimados, APROVOU e eu SANCIONO a seguinte Lei:

Faço saber que a Câmara Municipal de Queimados, APROVOU e eu SANCIONO a seguinte Lei: LEI N.º 1135/13, DE 01 DE ABRIL DE 2013. Dispõe sobre o Sistema Municipal de Assistência Social de Queimados e dá outras providências. Faço saber que a Câmara Municipal de Queimados, APROVOU e eu SANCIONO

Leia mais

Artigo 1º - Fica autorizado o Poder Executivo a criar o Programa de Acessibilidade e Segurança da População LGBTT no Estado de São Paulo.

Artigo 1º - Fica autorizado o Poder Executivo a criar o Programa de Acessibilidade e Segurança da População LGBTT no Estado de São Paulo. PROJETO DE LEI Nº 173, DE 2015 Autoriza a criação do Programa Estadual de Acessibilidade e Segurança da População LGBTT no Estado de São Paulo e dá outras providências. A ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO

Leia mais

Porque a violência e o trauma tornaram-se um problema de Saúde Pública e o que fazer para diminuir sua incidência?

Porque a violência e o trauma tornaram-se um problema de Saúde Pública e o que fazer para diminuir sua incidência? Porque a violência e o trauma tornaram-se um problema de Saúde Pública e o que fazer para diminuir sua incidência? Dados preliminares do sistema de informações de mortalidade do Ministério da Saúde de

Leia mais

Re s p o n s a b i l i z a ç ã o e

Re s p o n s a b i l i z a ç ã o e Anexo II Di r e t r i z e s Ge r a i s d o s Se rv i ç o s d e Re s p o n s a b i l i z a ç ã o e Educação do Agressor SERVIÇO DE RESPONSABILIZAÇÃO E EDUCAÇÃO DO AGRESSOR Ap r e s e n ta ç ã o A presente

Leia mais

POLÍTICA DE EDUCAÇÃO,PREVENÇÃO,ATENÇÃO E ATENDIMENTO ÁS VIOLÊNCIAS NA ESCOLA-ESTADO DE SANTA CATARINA.

POLÍTICA DE EDUCAÇÃO,PREVENÇÃO,ATENÇÃO E ATENDIMENTO ÁS VIOLÊNCIAS NA ESCOLA-ESTADO DE SANTA CATARINA. POLÍTICA DE EDUCAÇÃO,PREVENÇÃO,ATENÇÃO E ATENDIMENTO ÁS VIOLÊNCIAS NA ESCOLA-ESTADO DE SANTA CATARINA. JULIA SIQUEIRA DA ROCHA jsiqueiradarocha@gmail.com IONE RIBEIRO VALLE Ione.valle@ufsc.br ELEMENTOS

Leia mais

Preconceito é um juízo preconcebido, manifestado geralmente na forma de uma atitude discriminatória contra pessoas, lugares ou tradições diferentes

Preconceito é um juízo preconcebido, manifestado geralmente na forma de uma atitude discriminatória contra pessoas, lugares ou tradições diferentes Preconceito é um juízo preconcebido, manifestado geralmente na forma de uma atitude discriminatória contra pessoas, lugares ou tradições diferentes daqueles que consideramos nossos. Costuma indicar desconhecimento

Leia mais

Reflexões sobre Empresas e Direitos Humanos. Leticia Veloso leticiahelenaveloso@outlook.com

Reflexões sobre Empresas e Direitos Humanos. Leticia Veloso leticiahelenaveloso@outlook.com Reflexões sobre Empresas e Leticia Veloso leticiahelenaveloso@outlook.com PRINCÍPIOS ORIENTADORES SOBRE EMPRESAS E DIREITOS HUMANOS (ONU, 2011): 1. PROTEGER 2. RESPEITAR 3. REPARAR Em junho de 2011, o

Leia mais

ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: BALANÇO DE UMA DÉCADA

ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: BALANÇO DE UMA DÉCADA ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: BALANÇO DE UMA DÉCADA Área Temática: Direitos Humanos e Justiça Liza Holzmann (Coordenadora da Ação de Extensão) Liza Holzmann 1 Palavras Chave:

Leia mais

CAPTAÇÃO DE RECURSOS FEDERAIS LINHAS DE AÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS

CAPTAÇÃO DE RECURSOS FEDERAIS LINHAS DE AÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS CAPTAÇÃO DE RECURSOS FEDERAIS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS 1. SECRETARIA NACIONAL DE SEGURANÇA PÚBLICA - SENASP Gestão do Conhecimento e de Informações criminais; Formação e Valorização Profissional; Implantação

Leia mais

ANEXO IV PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL. Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO

ANEXO IV PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL. Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL ANEXO IV Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO 1-Promoção dos Direitos de Crianças e Adolescentes Buscar apoio das esferas de governo (Federal e Estadual)

Leia mais

Lei Maria da Penha. Raquel de Andrade Teixeira Cardoso 1 INTRODUÇÃO

Lei Maria da Penha. Raquel de Andrade Teixeira Cardoso 1 INTRODUÇÃO Lei Maria da Penha 123 Raquel de Andrade Teixeira Cardoso 1 INTRODUÇÃO De acordo com conceito firmado em 1994, em Belém/PA, na Convenção Interamericana para Prevenir, Punir e Erradicar a Violência contra

Leia mais

Informativo Fundos Solidários nº 13

Informativo Fundos Solidários nº 13 Informativo Fundos Solidários nº 13 Em dezembro de 2014, em Recife, Pernambuco, foi realizado o 2º seminário de Educação Popular e Economia Solidária. Na ocasião, discutiu-se sobre temas relevantes para

Leia mais

O Papel da Mulher na Gestão Pública

O Papel da Mulher na Gestão Pública O Papel da Mulher na Gestão Pública A linha divisória entre o mundo particular da família onde ficavam as mulheres, e o mundo público do trabalho e sucesso profissional, onde estavam os homens, está cada

Leia mais

INFORMAÇÕES SOBRE O MUNICÍPIO DE ARARAQUARA RELATÓRIO CENTRO DE REFERÊNCIA DA MULHER

INFORMAÇÕES SOBRE O MUNICÍPIO DE ARARAQUARA RELATÓRIO CENTRO DE REFERÊNCIA DA MULHER INFORMAÇÕES SOBRE O MUNICÍPIO DE ARARAQUARA O Município de Araraquara está localizado no centro do Estado de São Paulo, possuindo uma área total 1.312 Km2 com 77,37 Km2 ocupados pela área urbana. Sua posição

Leia mais

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS EDUCAÇÃO BÁSICA ENSINO SUPERIOR EDUCAÇÃO NÃO-FORMAL EDUCAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DO SISTEMA DE JUSTIÇA E SEGURANÇA EDUCAÇÃO E MÍDIA Comitê Nacional de Educação

Leia mais

O artigo 8º da referida lei, contemplando exatamente a dimensão do sofrimento e dos danos que a violência doméstica e familiar provoca, determina:

O artigo 8º da referida lei, contemplando exatamente a dimensão do sofrimento e dos danos que a violência doméstica e familiar provoca, determina: TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO VARA CENTRAL DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR CONTRA A MULHER SP Projeto: DE MÃOS DADAS COM A REDE Introdução A violência doméstica e familiar contra a mulher é um fenômeno

Leia mais

Proposta de tradução da Definição Global da Profissão de Serviço Social

Proposta de tradução da Definição Global da Profissão de Serviço Social Proposta de tradução da Definição Global da Profissão de Serviço Social O Serviço Social é uma profissão de intervenção e uma disciplina académica que promove o desenvolvimento e a mudança social, a coesão

Leia mais

15 de junho: Dia Mundial de Conscientização da Violência contra a Pessoa Idosa

15 de junho: Dia Mundial de Conscientização da Violência contra a Pessoa Idosa 15 de junho: Dia Mundial de Conscientização da Violência contra a Pessoa Idosa O dia 15 de junho marca o Dia Mundial de Conscientização da Violência contra a Pessoa Idosa. A data foi instituída em 2006,

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Anais. III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva. Ações Inclusivas de Sucesso

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Anais. III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva. Ações Inclusivas de Sucesso Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais Anais III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva Ações Inclusivas de Sucesso Belo Horizonte 24 a 28 de maio de 2004 Realização: Pró-reitoria de Extensão

Leia mais

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social. A PRÁTICA DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSOCIAÇÃO MINISTÉRIO MELHOR VIVER- AMMV

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social. A PRÁTICA DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSOCIAÇÃO MINISTÉRIO MELHOR VIVER- AMMV A PRÁTICA DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSOCIAÇÃO MINISTÉRIO MELHOR VIVER- AMMV SILVA, D. Pollyane¹ MORO, M. Silvana ² SOUSA, G. Cristiane³ Resumo Este trabalho tem o intuito de descrever a Prática Profissional

Leia mais

12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1

12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( X) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA O GRUPO SERMAIS:

Leia mais

PROGRAMA. Brasil, Gênero e Raça. Orientações Gerais

PROGRAMA. Brasil, Gênero e Raça. Orientações Gerais PROGRAMA Brasil, Gênero e Raça Orientações Gerais Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro do Trabalho e Emprego Luiz Marinho Secretário-Executivo Marco Antonio de Oliveira Secretário

Leia mais

8ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE MINAS GERAIS

8ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE MINAS GERAIS 8ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE MINAS GERAIS DOCUMENTO FINAL EIXO 1 PROMOÇÃO DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE Ações de mobilização: 1. Ampla mobilização, por

Leia mais

O DIREITO À CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES

O DIREITO À CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES O DIREITO À CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES Josefa Adelaide Clementino Leite 1 Maria de Fátima Melo do Nascimento 2 Waleska Ramalho Ribeiro 3 RESUMO O direito à proteção social

Leia mais

PROGRAMA Nº- 105 CASA DA MULHER/CENTRO ESPECIALIZADO DE ATENDIMENTO A MULHER CASA ABRIGO

PROGRAMA Nº- 105 CASA DA MULHER/CENTRO ESPECIALIZADO DE ATENDIMENTO A MULHER CASA ABRIGO ÓRGÃO RESPONSÁVEL: Secretaria Municipal de Políticas Públicas para Mulher NOME: PROGRAMA Nº- 105 CASA DA MULHER/CENTRO ESPECIALIZADO DE ATENDIMENTO A MULHER CASA ABRIGO Código Descrição FUNÇÃO: 14 Direitos

Leia mais

Secretaria de Enfrentamento à Violência contra as Mulheres 1º Fórum de Violência contra a Mulher: Múltiplos olhares

Secretaria de Enfrentamento à Violência contra as Mulheres 1º Fórum de Violência contra a Mulher: Múltiplos olhares Secretaria de Enfrentamento à Violência contra as Mulheres 1º Fórum de Violência contra a Mulher: Múltiplos olhares Campinas, Abril de 2014 Violência contra as Mulheres: dados Internacional: 1 de cada

Leia mais

Secretaria Municipal de Assistência Social Centro de Referência Especializado de Assistência Social

Secretaria Municipal de Assistência Social Centro de Referência Especializado de Assistência Social Secretaria Municipal de Assistência Social Centro de Referência Especializado de Assistência Social Proposta para Implementação de Serviço de Responsabilização e Educação de Agressores Grupo Paz em Casa

Leia mais

Resumo do [Plano de Ações de Aichi Concernentes à Educação e Edificação dos Direitos Humanos] (Versão revisada)

Resumo do [Plano de Ações de Aichi Concernentes à Educação e Edificação dos Direitos Humanos] (Versão revisada) Resumo do [Plano de Ações de Aichi Concernentes à Educação e Edificação dos Direitos Humanos] (Versão revisada) Por uma AICHI que respeita os direitos humanos Conceitos básicos 1. Objetivo básico do plano

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE. CAPÍTULO I Da Finalidade. CAPÍTULO II Dos Princípios, Objetivos e Metas Seção I Dos Princípios

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE. CAPÍTULO I Da Finalidade. CAPÍTULO II Dos Princípios, Objetivos e Metas Seção I Dos Princípios LEI N. 1.343, DE 21 DE JULHO DE 2000 Institui a Política Estadual do Idoso - PEI e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE seguinte Lei: FAÇO SABER que a Assembléia Legislativa do Estado

Leia mais

O TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL NO ENFRENTAMENTO À VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES Alicia Santolini TONON 1 Juliene AGLIO 2

O TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL NO ENFRENTAMENTO À VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES Alicia Santolini TONON 1 Juliene AGLIO 2 1 O TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL NO ENFRENTAMENTO À VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES Alicia Santolini TONON 1 Juliene AGLIO 2 RESUMO: Este artigo apresenta uma reflexão sobre a violência

Leia mais

ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos!

ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos! ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos! Documento final aprovado por adolescentes dos Estados do Amazonas, da Bahia, do Ceará, do Mato Grosso,

Leia mais

Propostas dos GTs da Conferência Municipal de São Paulo. Princípios e diretrizes de Segurança Pública

Propostas dos GTs da Conferência Municipal de São Paulo. Princípios e diretrizes de Segurança Pública Propostas dos GTs da Conferência Municipal de São Paulo Princípios e diretrizes de Segurança Pública Eixo 1 1. Fortalecimento do pacto federativo; 2. Municipalização da Segurança Pública; 3. Estabelecer

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 Institui o Programa Mais Educação, que visa fomentar a educação integral de crianças, adolescentes e jovens, por meio do apoio a atividades

Leia mais

Declaração de Brasília sobre Trabalho Infantil

Declaração de Brasília sobre Trabalho Infantil Declaração de Brasília sobre Trabalho Infantil Nós, representantes de governos, organizações de empregadores e trabalhadores que participaram da III Conferência Global sobre Trabalho Infantil, reunidos

Leia mais

Carta Aberta aos candidatos e candidatas às prefeituras e Câmaras Municipais

Carta Aberta aos candidatos e candidatas às prefeituras e Câmaras Municipais Carta Aberta aos candidatos e candidatas às prefeituras e Câmaras Municipais Estatuto da Criança e do Adolescente: 18 anos, 18 Compromissos A criança e o adolescente no centro da gestão municipal O Estatuto

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES PAIR

PROGRAMA NACIONAL DE ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES PAIR Presidência da República Secretaria de Direitos Humanos Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Criança e do Adolescente Departamento de Políticas Temáticas dos Direitos da Criança e do Adolescente

Leia mais

VIOLÊNCIA CONTRA IDOSOS. Edinilsa Ramos de Souza CLAVES/ENSP/FIOCRUZ

VIOLÊNCIA CONTRA IDOSOS. Edinilsa Ramos de Souza CLAVES/ENSP/FIOCRUZ VIOLÊNCIA CONTRA IDOSOS Edinilsa Ramos de Souza CLAVES/ENSP/FIOCRUZ O que é Violência contra idosos? É um ato (único ou repetido) ou omissão que lhe cause dano ou aflição e que se produz em qualquer relação

Leia mais

Promover a igualdade entre os sexos e a autonomia das mulheres

Promover a igualdade entre os sexos e a autonomia das mulheres Promover a igualdade entre os sexos e a autonomia das mulheres META 3 Eliminar as disparidades entre os sexos no ensino fundamental e médio, se possível, até 2005, e em todos os níveis de ensino, o mais

Leia mais

Projeto Novos Horizontes: Grupo Reflexivo Para Homens Autores de Violência de Gênero

Projeto Novos Horizontes: Grupo Reflexivo Para Homens Autores de Violência de Gênero Projeto Novos Horizontes: Grupo Reflexivo Para Homens Autores de Violência de Gênero Mostra Local de: Apucarana (Municípios do Vale do Ivaí) Categoria do projeto: II Projetos em implantação (projetos que

Leia mais

DECRETO Nº 6.044, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2007.

DECRETO Nº 6.044, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2007. DECRETO Nº 6.044, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2007. Aprova a Política Nacional de Proteção aos Defensores dos Direitos Humanos - PNPDDH, define prazo para a elaboração do Plano Nacional de Proteção aos Defensores

Leia mais

o pensar e fazer educação em saúde 12

o pensar e fazer educação em saúde 12 SUMÁRIO l' Carta às educadoras e aos educadores.................5 Que história é essa de saúde na escola................ 6 Uma outra realidade é possível....... 7 Uma escola comprometida com a realidade...

Leia mais

PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE Disc. Sociologia / 1ª Série

PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE Disc. Sociologia / 1ª Série PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE Disc. Sociologia / 1ª Série 1 - DEFINIÇÃO Direitos e deveres civis, sociais e políticos usufruir dos direitos e o cumprimento das obrigações constituem-se no exercício da

Leia mais

Glossário do Programa Pró-equidade

Glossário do Programa Pró-equidade Glossário do Programa Pró-equidade Assédio Moral no Trabalho É a vivência de situações humilhantes e constrangedoras no ambiente de trabalho, caracterizadas por serem repetitivas e prolongadas ao longo

Leia mais

RELATÓRIO DA PESQUISA ONLINE: Avaliação dos Atores do Sistema de Garantia de Direitos participantes das Oficinas em São Paulo

RELATÓRIO DA PESQUISA ONLINE: Avaliação dos Atores do Sistema de Garantia de Direitos participantes das Oficinas em São Paulo RELATÓRIO DA PESQUISA ONLINE: Avaliação dos Atores do Sistema de Garantia de Direitos participantes das Oficinas em São Paulo APRESENTAÇÃO A SaferNet Brasil é uma associação civil de direito privado, com

Leia mais

CONVENÇÃO INTERAMERICANA PARA PREVENIR, PUNIR E ERRADICAR A VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER, CONVENÇÃO DE BELÉM DO PARÁ

CONVENÇÃO INTERAMERICANA PARA PREVENIR, PUNIR E ERRADICAR A VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER, CONVENÇÃO DE BELÉM DO PARÁ CONVENÇÃO INTERAMERICANA PARA PREVENIR, PUNIR E ERRADICAR A VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER, CONVENÇÃO DE BELÉM DO PARÁ (Adotada em Belém do Pará, Brasil, em 9 de junho de 1994, no Vigésimo Quarto Período Ordinário

Leia mais

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções)

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( x ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE

Leia mais

LEI N.º 7.390, DE 6 DE MAIO DE 2015

LEI N.º 7.390, DE 6 DE MAIO DE 2015 LEI N.º 7.390, DE 6 DE MAIO DE 2015 Institui o Sistema Municipal de Assistência Social do Município de Santo Antônio da Patrulha e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL de Santo Antônio da Patrulha,

Leia mais

Multiculturalismo em Face dos Direitos Humanos das Mulheres

Multiculturalismo em Face dos Direitos Humanos das Mulheres Multiculturalismo em Face dos Direitos Humanos das Mulheres Vanessa Carla Bezerra de Farias Discente do curso de Direito UFRN Prof. Orientador Thiago Oliveira Moreira Docente do curso de Direito UFRN Introdução:

Leia mais

Projetos de Extensão SERVIÇO SOCIAL Estudo sociais em parceria com o fórum de UVA

Projetos de Extensão SERVIÇO SOCIAL Estudo sociais em parceria com o fórum de UVA Projetos de Extensão SERVIÇO SOCIAL Estudo sociais em parceria com o fórum de UVA Serviços técnicos do Serviço Social na área da família e infância nos processos do Fórum de União da Vitória O Serviço

Leia mais

DECLARAÇÃO FINAL Quebec, 21 de setembro de 1997

DECLARAÇÃO FINAL Quebec, 21 de setembro de 1997 DECLARAÇÃO FINAL Quebec, 21 de setembro de 1997 Reunidos na cidade de Quebec de 18 a 22 de setembro de 1997, na Conferência Parlamentar das Américas, nós, parlamentares das Américas, Considerando que o

Leia mais