A BUSCA PELA EFETIVIDADE DA LEI MARIA DA PENHA: instrumento garantidor dos tratados internacionais de direitos humanos das mulheres

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A BUSCA PELA EFETIVIDADE DA LEI MARIA DA PENHA: instrumento garantidor dos tratados internacionais de direitos humanos das mulheres"

Transcrição

1 ARTIGO DIREITO, CIDADANIA E SOCIEDADE A BUSCA PELA EFETIVIDADE DA LEI MARIA DA PENHA: instrumento garantidor dos tratados internacionais de direitos humanos das mulheres Paula Regina Pereira dos Santos Marques Dias 1 Resumo Este artigo apresenta uma visão global da busca pela efetividade da lei Maria da Penha, instrumento garantidor dos tratados internacionais de Direitos Humanos das Mulheres, fazendo abordagem da situação de comprometimento do Brasil com os mesmos e avaliando como estão inseridos no ordenamento jurídico pátrio. Apresenta análise conceitual, teórica e histórica das agressões físicas, sexuais e psicológicas sofridas pelas mulheres. Medita a efetividade da Lei Maria da Penha em detrimento da violência praticada contra a mulher no seio doméstico e familiar. Palavras-chave: Violência, mulher, tratados internacionais, direitos humanos, Lei Maria da Penha, efetividade. Abstract This article provides an overview of the search for effectiveness of Maria da Penha law as an instrument guarantor of international treaties on Human Rights of Women, by doing approach of compromising situation of Brazil with them and how they fit in Brazilian law. Presents conceptual analysis, theoretical and historical background of physical, sexual and psychological suffered by women. Meditate on the effectiveness of Maria da Penha Law at the expense of violence against women within the domestic group and family. Keywords: Violence, women, international treaties, human rights. Maria da Penha Law, effectiveness. 77

2 A autora 1 Paula Regina Pereira dos Santos Marques Dias Advogada, professora universitária, especialista em Direito Processual Civil e Metodologia do Ensino Superior, coordenadora adjunta do curso de bacharelado em Direito do Iesma/Unisulma em Imperatriz (MA)

3 1. Introdução Estudar as situações que envolvem a violência doméstica e familiar cometida contra a mulher, avistando a efetividade da Lei nº , de 07 de agosto de 2006, conhecida como Lei Maria da Penha, nestes casos, com o consequente auxílio na pacificação social, é uma árdua tarefa. Nesse contexto, observa-se que a violência em geral, sendo esta considerada pelo uso da força física ou moral (psicológica), é um dos maiores problemas que afligem a humanidade. Em que pesem alguns doutrinadores e magistrados defenderem que a referida lei é inconstitucional, porque, para estes, não faz deferência ao princípio da igualdade constante na Constituição da República Federativa do Brasil de 1988, a análise prática da violência ocorrida contra a mulher fala por si só. A Carta Magna trata de igualdade para todos, sendo esta uma igualdade formal (que se deseja) e não a igualdade material (real apreen dida em face das discriminações históricas). Por isso, faz-se necessário ratificar a constitucionalidade da lei pela ótica a ser abordada, posto que o que se buscou não foi a discriminação do homem e, sim, a proteção da mulher. Primeiramente, o presente artigo tratará de noções gerais sobre os dados de violência contra as mulheres no mundo e no Brasil, relacionando, em algumas ocasiões, os números com a situação de pobreza. Em seguida, apresentará a conceituação de violência geral, trazendo dados históricos e subtópicos sobre a violência praticada contra a mulher e violência doméstica e familiar, asseverando que a violência contra a mulher afronta princípiofundamento constitucional da dignidade da pessoa humana. A BUSCA PELA EFETIVIDADE DA LEI MARIA DA PENHA... Posteriormente, abordará os tratados internacionais que versam sobre o assunto, apontando, a princípio, como os Tratados Internacionais de Direitos Humanos estão inseridos na esfera constitucional e a discussão existente acerca de sua hierarquia no plano do ordenamento jurídico pátrio. A posteriori, apresentará uma discussão sobre o Brasil pós-caso Maria da Penha Maia Fernandes e finalizando, a correlação da Convenção de Belém do Pará e a Constitucionalidade da Lei Maria da Penha (Lei nº /2006), sendo estas reflexos da discriminação positiva. Revista UNI Imperatriz (MA) ano 1 n.1 p janeiro/julho

4 2 De acordo com o levantamento O Atlas do Bolso dos Brasileiros, da Fundação Getúlio Vargas, publicado em 25/09/2009, o maior patamar de pobres está em Alagoas, com 38,8% do total da população. O estado é seguido por Maranhão (33,75%), Piauí (32,38%), Paraíba (29,20%) e Sergipe (26,56%). Disponível em: <http://www3.fgv. br/ibrecps/clippings/ lc2055.pdf> 2. Noções sobre os dados de violência contra as mulheres no Mundo e no Brasil e a sua relação com a pobreza O Plano Nacional do Programa de Prevenção, Assistência e Combate à Violência contra a Mulher, de autoria da então Ministra de Estado Emilia Fernandes (2003, p. 9), antes mesmo da Lei Maria da Penha (Lei nº /2006) ser promulgada, já afirmava com propriedade que: Não podemos diluir a violência de gênero, nos casos gerais de violência e, mais exatamente, na violência urbana. Enquanto o homem sofre a violência nas ruas, nos espaços públicos, em geral praticada por outro homem, a mulher sofre a violência masculina, dentro de casa, no espaço privado e seu agressor, em geral, é (ou foi) o namorado, o marido, o companheiro ou o amante. Paula Regina Pereira dos Santos Marques Dias Dados fornecidos pela OMS (Organização Mundial de Saúde) apontam que a violência responde por aproximadamente 7% de todas as mortes de mulheres entre 15 a 44 anos no mundo (Fernandes, 2003). A autora completa afirmando que: O fenômeno da violência de gênero, também chamada violência contra a mulher, acontece no mundo inteiro e atinge as mulheres em todas as idades, graus de instrução, classes sociais, raças, etnias e orientação sexual. A violência de gênero em seus aspectos de violência física, sexual e psicológica, é um problema que está ligado ao poder, onde de um lado impera o domínio dos homens sobre as mulheres, e de outro lado, uma ideologia dominante, que lhe dá sustentação (Fernandes, 2003, p. 9). A violência de gênero, neste caso, a violência praticada contra a mulher, é também uma forma de agressão aos direitos humanos. No estado do Maranhão, onde o índice de pobreza é alarmante (33,75%) 2, fator que também contribui para a violência, tem-se buscado continuamente a efetivação da Lei Maria da Penha em face das barbáries enxergadas nos últimos tempos. No Brasil, a violência doméstica custa ao país 10,5% do seu PIB (Piovesan; Pimentel, 2007 [online]). De acordo com pesquisa realizada pelo Ibope - Instituto Patrícia Galvão, 2006, observou-se que: 80 Direito, Cidadania e Sociedade

5 [...] cresce preocupação com a violência contra a mulher: De 2004 a 2006 aumentou o nível de preocupação com a violência doméstica em todas as regiões do país, menos no Norte / Centro-Oeste, que já tem o patamar mais alto (62%). Nas regiões Sudeste e Sul o nível de preocupação cresceu, respectivamente, 7 e 6 pontos percentuais. Na periferia das grandes cidades esta preocupação passou de 43%, em 2004, para 56%, em Ainda de acordo com a pesquisa, o ciúme é o segundo motivo para agressões contra mulheres. E, para a maioria da população (83%), os homens agridem as mulheres principalmente após o consumo de bebidas alcoólicas. 3 Informação extraída em Dados sobre Violência Contra as Mulheres no Brasil e no Mundo. Disponível em: cfemea.org.br/violencia/noticias/detalhes. asp?idnoticia=84 4 Ibidem. A OMS (2005) realizou um estudo com 24 mil mulheres em dez países. No Brasil, o estudo ouviu mulheres com idade entre 15 e 49 anos na cidade de São Paulo e na Zona da Mata de Pernambuco. Na comparação com os outros nove países pesquisados, os índices das cidades brasileiras foram semelhantes aos registrados na Tailândia e na Namíbia. O estado de Pernambuco registrou um número alarmante de 291 mulheres mortas no ano de 2006 e apresenta as maiores taxas de assassinatos no país. Após a promulgação da Lei Maria da Penha (Lei nº /06), as denúncias de violência contra mulher aumentaram em quase 50% no Rio Grande do Sul. Em Pernambuco, estado líder em casos de morte de mulheres por companheiros, em cinco dias foram registrados 13 flagrantes 4. Por isso, verifica-se que a ciência da necessidade de políticas públicas, de incentivos à mulher para que denuncie quaisquer espécies de violência sofrida, a criação de vara especial da violência doméstica e familiar contra a mulher, as delegacias especializadas da mulher têm contribuído para o aumento da efetividade da Lei Maria da Penha, colocando tal sexo em uma busca da situação de igualdade. A BUSCA PELA EFETIVIDADE DA LEI MARIA DA PENHA O que é violência? 3.1 Conceito O primeiro Relatório mundial sobre violência e saúde (Organização Mundial de Saúde, 2002) define, pela primeira vez, a violência como: Revista UNI Imperatriz (MA) ano 1 n.1 p janeiro/julho

6 Paula Regina Pereira dos Santos Marques Dias 5 A violência interpessoal pode ser física ou psicológica, ocorrer no espaço público ou privado. São vítimas crianças, jovens, adultos e idosos. Dentre as várias modalidades deste tipo de violência destacam-se a violência entre os jovens, a violência doméstica, a violência praticada contra crianças e adolescentes e a violência sexual. Em 2000, calculou-se que umas 520 mil pessoas tenham morrido em todo o mundo devido a atos de violência interpessoal. Mas as estatísticas oficiais sobre homicídios não refletem a realidade, já que muitas mortes são dissimuladas como acidentes ou atribuídas a causas naturais ou desconhecidas. Por exemplo, na Índia, responsáveis de saúde pública suspeitam que muitas mortes de mulheres registradas como queimaduras acidentais são na rea lidade assassinatos, em que as mulheres são de li be radamente encharcadas com querosene por seus maridos ou outros membros da família que lhes ateiam fogo. A violência auto-infligida é outra forma de violência muito comum em todo o mundo. Calcula-se que, em 2000, no mundo todo, umas 815 mil >> o uso intencional da força física ou do poder, real ou em ameaça contra si próprio, contra outra pessoa, ou contra um grupo ou uma comunidade, que resulte ou tenha possibilidade de resultar em lesão, morte, dano psicológico, deficiência de desenvolvimento ou privação de liberdade (Ministério da Saúde, 2006 [online]). Sérgio Sérvulo da Cunha, em seu dicionário compacto do Direito, conceitua a violência como emprego de força física ou meio material para infligir dano, castigar ou constranger algum. Abuso do próprio poder com relação a coisa, animal ou pessoa (Cunha, 2003, p. 257). Stela Valéria Cavalcanti, em seus apontamentos no livro Violência Doméstica, diz que: Do ponto de vista pragmático podemos afirmar que a violência consiste em ações de indivíduos, grupos, classes, nações que ocasionam a morte de outros seres humanos ou que afetam sua integridade física, moral, mental ou espiritual. Na verdade, é mais conveniente falar de violências, pois se trata de uma realidade plural, diferenciada, cujas especificidades necessitam ser conhecidas (Cavalcanti, p. 25). O Relatório mundial sobre violência e saúde da OMS: uma síntese descreve que a violência ocorre em inumeráveis contextos, tanto na esfera pública quanto no âmbito privado, e pode ser classificada em três modalidades: a violência interpessoal; a violência contra si mesmo e a violência coletiva (Cavalcanti, 2010, p. 26) A violência praticada contra a mulher A violência contra a mulher é definida pela Convenção Interamericana para Prevenir, Punir e Erradicar a Violência contra a Mulher - Convenção de Belém do Pará (1994), como qualquer ação ou conduta, baseada no gênero, que cause morte, dano ou sofrimento físico, sexual ou psicológico à mulher, tanto no âmbito público como no privado 6. Stela Valéria Cavalcanti aponta que a definição de violência contra a mulher mais completa está expressa na Conferência de Beijing, que afirma que: 82 Direito, Cidadania e Sociedade

7 qualquer ato de violência que tem por base o gênero e que resulta ou pode resultar em dano ou sofrimento de natureza física, sexual ou psicológica, inclusive ameaças, a coerção ou a privação arbitrária da liberdade, quer se produzem na vida pública ou privada (Cavalcanti, 2010, p. 38). Analisando o contexto histórico da discriminação em relação às mulheres, percebe-se que a contribuição para o cenário atual, especialmente de violência doméstica e familiar, sempre foi o conservadorismo do pensamento de que o chefe da casa, anteriormente sendo imposto como o gênero masculino, poderia sobrepor-se a tudo na vida da esposa ou companheira, inclusive podendo agredi-la física, sexual ou psicologicamente. Contudo, conforme ensina Bourdieu (2002, p. 43), incumbe revelar que a dominação masculina desvela uma relação de poder do homem em relação à mulher, não somente em detrimento do contexto histórico, mas também por questões biológicas, posto ser neste sentido mais forte, só podendo exercer algum poder voltando contra o forte sua própria força ou aceitando se apagar. 3.3 A violência contra a mulher afronta o princípio da dignidade da pessoa humana Com a promulgação da Constituição da República Federativa do Brasil, foi inserido como um de seus fundamentos a dignidade da pessoa humana (art. 1º, III, CF/88). Tal fundamento, colocado por muitos doutrinadores como princípio e garantia constitucional, é o único que não pode ser mitigado, ou seja, tem caráter absoluto, justamente por não se tratar meramente de um princípio, mas sim, como anteriormente citado, de um fundamento. A pessoa humana diz respeito ao homem e à mulher, e de acordo com o art. 5º, I, da Constituição da República Federativa do Brasil, homens e mulheres são iguais [...], portanto, a dignidade da mulher foi conseguida através das lutas históricas por igualdade, principalmente, ganhando força através dos tratados internacionais. A dignidade da pessoa humana tem sido algo bastante debatido nas últimas décadas. Princípio-fundamento, de alta complexidade e relevância, tem caráter de análise subjetivo em relação >> pessoas cometeram suicídio cerca de uma pessoa a cada 40 segundos o que a torna a 13ª causa de mortalidade. A violência coletiva, em suas múltiplas formas, recebe uma grande atenção pública. Conflitos vio - lentos entre nações e grupos, terrorismo de Estado ou de grupos, estupro como arma de guerra, guerras de gangues, tudo isso ocorre diariamente em muitas partes do mundo. Estima-se em 191 milhões o número de vidas perdidas devido a conflitos armados no século XX (Relatório mundial sobre a violência e saúde da OMS: uma síntese, Genebra, 2002, p.01). 6 Ainda assim, a supracitada Convenção, em seu artigo 6º, diz que: O direito de toda mulher a uma vida livre de violência inclui, entre outros: a) o direito da mulher de ser livre de toda forma de discriminação, e; b) o direito da mulher de ser valorizada e educada livre de padrões estereotipados de comportamento e práticas sociais e culturais baseadas em conceitos de inferioridade ou subordinação (Convenção de Belém do Pará, 1994). A BUSCA PELA EFETIVIDADE DA LEI MARIA DA PENHA... Revista UNI Imperatriz (MA) ano 1 n.1 p janeiro/julho

8 à comunidade cultural na qual o indivíduo está inserido. Contudo, os tratados de direitos humanos tentam desmistificar a particularidade de cada comunidade cultural, para estender a todo e qualquer ser humano os mesmos critérios de verificação de desrespeito à dignidade da pessoa humana, sendo esses extraídos de uma visão social incorporada pela maioria. No entanto, Amartya Sen traz uma crítica em um ponto de seu livro Desenvolvimento como Liberdade, no capítulo sobre cultura e direitos humanos, em que revela: Paula Regina Pereira dos Santos Marques Dias [...] Há, primeiro, o receio de que os direitos humanos confundam consequências de sistemas legais, que conferem às pessoas direitos bem definidos, como princípios pré-legais que não podem realmente dar a uma pessoa um direito juridicamente exigível. Essa é a questão da legitimidade das reivindicações de direitos humanos: como os direitos humanos podem ter qualquer status real por meio de pretensões que sejam sancionadas pelo Estado, como a suprema autoridade legal? Nessa concepção, os seres humanos nascem na natureza sem direitos humanos tanto quanto nascem sem roupa; os direitos teriam de ser adquiridos por meio da legislação, como as roupas são adquiridas de alguém que as faz. [...] denominarei essa linha de argumentação crítica de legitimidade (Sen, 2008, p. 262). Tal autor faz a crítica em razão da impraticabilidade na exigência do cumprimento de tais direitos humanos. Aqui (neste artigo) se reporta ao princípio da dignidade da pessoa humana, bastante infundido na maioria dos países. No Brasil, mencionado princípio é norma cogente por tratar-se também de fundamento da República Federativa e, na visão eloquente demonstrada por Amartya, consta em sua legislação, na Lei Maior, para que possa ser adquirido por todos, legitimamente e de modo a ter possibilidades de se exigir o seu cumprimento. 3.4 Violência doméstica e familiar contra a mulher modalidade de violência contra a mulher A violência doméstica e familiar é uma das modalidades de violência contra a mulher. A Lei nº /06 (Lei Maria da Penha) prevê que a violência, seja ela oriunda de qualquer ação ou omissão que possa causar morte, lesão, sofrimento físico, sexual ou psicológico e dano moral ou patrimonial, é considerada de natureza doméstica e familiar desde que ocorra: a) no 84 Direito, Cidadania e Sociedade

9 âmbito da unidade doméstica, compreendida como o espaço de convívio permanente de pessoas, com ou sem vínculo familiar, inclusive as esporadicamente agregadas; b) no âmbito da família, compreendida como a comunidade formada por indivíduos que são ou se consideram aparentados, unidos por laços naturais, por afinidade ou por vontade expressa; c) em qualquer relação íntima de afeto, na qual o agressor conviva ou tenha convivido com a ofendida, independentemente de coabitação (art. 5º, inc. I a III, Lei nº /06). Stela Valéria Cavalcanti explica que: A violência doméstica fundamenta-se em relações interpessoais de desigualdade e de poder entre mulheres e homens ligados por vínculos consaguíneos, parentais, de afetividade ou de amizade. O agressor se vale da condição privilegiada de uma relação de casamento, convívio, confiança, amizade, namoro, intimidade, privacidade que tenha ou tenha tido com a vítima, bem como da relação de hierarquia ou poder que detenha sobre a vítima para praticar a violência (Cavalcanti, 2010, p. 51) 7. Cumpre fazer breve ressalva acerca das formas de manifestação da violência doméstica e familiar, constantes no art. 7º, da Lei nº /06, quais sejam: a) física; b) psicológica; c) sexual; d) patrimonial; e) moral, as quais se transcreverão do texto de lei ipsis litteris: Art. 7º São formas de violência doméstica e familiar contra a mulher, entre outras: I - a violência física, entendida como qualquer conduta que ofenda sua integridade ou saúde corporal; II - a violência psicológica, entendida como qualquer conduta que lhe cause dano emocional e diminuição da autoestima ou que lhe prejudique e perturbe o pleno desenvolvimento ou que vise degradar ou controlar suas ações, comportamentos, crenças e decisões, mediante ameaça, constrangimento, humilhação, manipulação, isolamento, vigilância constante, perseguição contumaz, insulto, chantagem, ridicularização, exploração e limitação do direito de ir e vir ou qualquer outro meio que lhe cause prejuízo à saúde psicológica e à autodeterminação; III - a violência sexual, entendida como qualquer conduta que a constranja a presenciar, a manter ou a participar de relação sexual não desejada, mediante intimidação, ameaça, coação ou uso da força; que a induza a comercializar 7 Observa-se que a modalidade de violência contra a mulher, violência doméstica e familiar, tem como principais fatores o álcool, as drogas ilegais e o ciúme, embora a fonte principal do problema en contra-se na maneira como a sociedade valoriza o papel masculino nas relações de gênero. Até mesmo a forma de educar meninos e meninas. Por exemplo, meninos são educados a valorizar a agressividade, a força física, a ação, a dominação e a satisfazer seus desejos, inclusive os sexuais, já as meninas são valorizadas por sua beleza, delicadeza, sedução, submissão, dependência, entre outros (Cavalcanti, 2010, p. 56). A BUSCA PELA EFETIVIDADE DA LEI MARIA DA PENHA... Revista UNI Imperatriz (MA) ano 1 n.1 p janeiro/julho

10 ou a utilizar, de qualquer modo, a sua sexualidade, que a impeça de usar qualquer método contraceptivo ou que a force ao matrimônio, à gravidez, ao aborto ou à prostituição, mediante coação, chantagem, suborno ou manipulação; ou que limite ou anule o exercício de seus direitos sexuais e reprodutivos; IV - a violência patrimonial, entendida como qualquer conduta que configure retenção, subtração, destruição parcial ou total de seus objetos, instrumentos de trabalho, documentos pessoais, bens, valores e direitos ou recursos econômicos, incluindo os destinados a satisfazer suas necessidades; V - a violência moral, entendida como qualquer conduta que configure calúnia, difamação ou injúria. Paula Regina Pereira dos Santos Marques Dias Portanto, percebe-se que a Lei Maria da Penha veio cuidar de todo tipo de violência que possa ser sofrida pela mulher, no âmbito doméstico e familiar, sendo esta entendida, conforme já demonstrado anteriormente, não somente a violência de natureza física, sexual ou psicológica, mas abordando até mesmo a patrimonial e a moral. 4. Os tratados internacionais dos direitos humanos das mulheres O Brasil, signatário dos tratados internacionais de direitos humanos relativos também às mulheres (de sistema global e regional), vem tentando encontrar um eixo de equilíbrio a fim de garantir os direitos insertos na Constituição da República Federativa do Brasil, como por exemplo, em seu art.5º, I, que diz que homens e mulheres são iguais em direitos e obrigações, nos termos desta Constituição, que enfatiza uma igualdade formal, mas que interpretativamente leia-se tratar os iguais na medida de suas igualdades e os desiguais na medida de suas desigualdades, por isso, mais uma vez coadunando a presença da Lei Maria da Penha pela desigualdade física existente entre os sexos. A República Federativa do Brasil rege-se nas suas relações internacionais por vários princípios, dentre eles o da prevalência 86 Direito, Cidadania e Sociedade

11 dos direitos humanos (art. 4º, II, CF/88), por esta razão o país é signatário de vários tratados internacionais que meditam sobre os direitos humanos, inclusive os da mulher. Entre os tratados internacionais de direitos humanos das mulheres destacam-se: a Convenção sobre a Eliminação de todas as Formas de Discriminação contra as Mulheres a Convenção CEDAW (Convention on the Elimnation of All Forms of Discrimination against Women) da ONU (1979); Declaração e Programa de Proteção de Ação de Viena (1993); a Convenção Interamericana para Prevenir, Punir e Erradicar a Violência contra a Mulher Convenção de Belém do Pará (1994); a IV Conferência Mundial sobre a Mulher (1995); Protocolo Facultativo à Convenção sobre a Eliminação de todas as Formas de Discriminação contra as Mulheres (1999), sobre as quais segue breve síntese: A elaboração da Convenção sobre a Eliminação de todas as Formas de Discriminação contra as Mulheres, ou CEDAW, foi resultado da I Conferência Mundial sobre a Mulher realizada no México em 1975 (Cavalcanti, 2010, p.93) 8. A Convenção foi elaborada com um duplo embasamento: (a) a obrigação de promover a igualdade formal e material entre os gêneros e (b) fomentar a não discriminação contra a mulher (Cavalcanti, 2010, p. 94). Em 12 de março de 1999, foi proposto o Protocolo Facultativo à Convenção, adotado pela ONU na 43ª Sessão da Comissão do Status da Mulher. Tal protocolo instituiu dois mecanismos de monitoramento, sendo o primeiro o de petição de encaminhamento de denúncias e o segundo, um procedimento investigativo que habilita o Comitê sobre a Eliminação da Discriminação contra a Mulher a investigar a existência de grave violação aos direitos humanos das mulheres. O Brasil assinou este protocolo em 2001, entrando em vigor em 2002 (Cavalcanti, 2010, p. 95). Cumpre fazer ressalva de que esta Convenção deixou lacuna acerca da violência doméstica e sexual contra as mulheres. Portanto, foi implementada por outros dois tratados internacionais: a Declaração sobre a Eliminação de Violência contra a Mulher (Declaração e Programa de Proteção de Ação de Viena, O Brasil assinou a Convenção com reservas em 31/03/1981 e ratificou com a manutenção das reservas em 01/02/1984, entrando em vigor em 02/03/1984. Contudo, com o advento da Constituição Federal de 1988, que reconheceu a igualdade entre homens e mulheres na vida pública e privada, em 22/06/1994, o governo brasileiro retirou as reservas, ratificando ple namente toda a Convenção (Cavalcanti, 2010, p.94). A BUSCA PELA EFETIVIDADE DA LEI MARIA DA PENHA... Revista UNI Imperatriz (MA) ano 1 n.1 p janeiro/julho

12 sistema global) e da Convenção Interamericana para Prevenir, Punir, e Erradicar a Violência contra a Mulher, conhecida com Convenção de Belém do Pará, de 1994 (sistema regional - OEA). E, por fim, a IV Conferência Mundial da Mulher, realizada pela ONU, em Beijing, na China, em 1995, aprovou uma Declaração e uma Plataforma de Ação com o propósito de avançar os objetivos de igualdade, desenvolvimento e paz para todas as mulheres. Tal Declaração e Plataforma de Beijing são relativas à questão da violência doméstica, prevendo a necessidade de, além das medidas punitivas, ações que sejam voltadas para a prevenção e, ainda, medidas de apoio que permitam, por um lado, à vítima e à sua família ter assistência social, psicológica e jurídica necessárias à recomposição após a violência sofrida, bem como a possibilidade de reabilitação dos agressores (Cavalcanti, 2010, p. 99). Paula Regina Pereira dos Santos Marques Dias 4.1 Os tratados internacionais dos direitos humanos na Constituição Federal Os tratados internacionais de direitos humanos estão inseridos, atualmente, na Constituição Federal, após a emenda constitucional nº 45/2004, no 3º, art. 5º, da seguinte forma: Art. 5º [omissis...] 3º. Os tratados e convenções internacionais sobre direitos humanos que forem aprovados, em cada Casa do Congresso Nacional, em dois turnos, por três quintos dos votos dos respectivos membros, serão equivalentes às emendas constitucionais. (grifou-se) Portanto, os tratados internacionais de direitos humanos poderão ter equivalência às emendas constitucionais, caso sejam aprovados da forma constante na redação constitucional. Entretanto, como ficaria a situação dos tratados internacionais de direitos humanos em que o Brasil é signatário com data anterior à emenda nº 45/2004? Realizando uma sucinta explicação sobre como esses direitos previstos em tratados de direitos humanos antes da EC nº 45/2004 são atualmente interpretados, enfatizando a supralegalidade, ousa-se transcrever trechos de Paulo Gustavo Gonet Branco (Mendes; Coelho; Branco, 2009, p. 260): 88 Direito, Cidadania e Sociedade

13 Os tratados aprovados antes da Emenda continuam a valer como normas infraconstitucionais, já que persiste operante a fórmula da aprovação do tratado com dispensa das formalidades ligadas à produção de emendas à Constituição da República. Nada impede, obviamente, que esses tratados anteriores à EC 45 venham a assumir, por novo processo legislativo adequado, status de Emenda Constitucional. Vale o registro de precedentes do Supremo Tribunal Federal, posteriores à EC 45/2004, atribuindo status normativo supralegal, mas infraconstitucional, aos tratados de direitos humanos. (grifou-se) 9 Cabe salientar que este é o posicionamento do Ministro Gilmar Ferreira Mendes, que após grandes debates realizados no âmbito do Supremo Tribunal Federal, foi vencedor, dando a esses tratados caráter de supralegalidade, ou seja, os tratados estarão abaixo da Constituição Federal, mas acima das leis ordinárias. 4.2 O Brasil pós-caso Maria da Penha Maia Fernandes A história da humanidade tem mudado, porém alguns pensamentos retrógrados e conservadores ainda afetam a sociedade em que vivemos. O tratamento dispensado às mulheres, principalmente em seus lares, mas também diante desta sociedade atual, tem que percorrer com a mesma simetria dos seus avanços. Inúmeros ainda são os casos de violência praticados contra as mulheres, à sombra do que acima foi explicitado. Contudo, o país, excluindo-se o caso específico de uma mulher chamada Maria da Penha Maia Fernandes, no qual houve a omissão em relação às Convenções das quais é signatário, com a tolerância às agressões sofridas por esta mulher 10, vem se retratando com a edição da Lei nº , de 07 de agosto de 2006, e com a busca efetiva da prevenção, punição e erradicação da violência contra a mulher. É que, no caso de Maria da Penha Maia Fernandes, a Comissão Interamericana de Direitos Humanos da OEA (Organização dos Estados Americanos) concluiu que o Estado brasileiro não cumpriu o previsto no artigo 7º, da Convenção de Belém do Pará e nos artigos 1º, 8º e 25, do Pacto de São José da Costa Rica, em razão de terem passado mais de 19 anos sem que o autor do crime de tentativa de homicídio fosse levado a julgamento. 9 HC , Rel. Min. Eilen Gracie, DJ de No mesmo sentido, o HC , da mesma relatora e publicado na mesma data. Esses precedentes citam e seguem o HC , Rel. Min. Gilmar Mendes, DJ de A Comissão Interamericana de Direitos Humanos da OEA (Organização dos Estados Americanos) interveio no caso de Maria da Penha Maia Fernandes, considerando o Brasil, signatário das Convenções sobre os Direitos Humanos das Mulheres, especificamente da Convenção de Belém do Pará, como omisso. Todo o caso pode ser verificado no Relatório Anual 2000, Relatório nº 54/01 CASO , MARIA DA PENHA MAIA FERNANDES x BRASIL - 4 de abril de 2001 Comissão Interamericana de Direitos Humanos - OEA (Organização dos Estados Americanos). A BUSCA PELA EFETIVIDADE DA LEI MARIA DA PENHA... Revista UNI Imperatriz (MA) ano 1 n.1 p janeiro/julho

14 4.3 A Convenção de Belém do Pará e a Constitucionalidade da Lei Maria da Penha (Lei nº /2006) Reflexos da discriminação positiva Contextualizando a ratificação dos tratados internacionais pelo Brasil, a chegada da Lei nº , de 07 de agosto de 2006 Lei Maria da Penha, veio justamente como responsabilidade do país, primeiramente, perante a comunidade internacional, após a ratificação da Convenção Interamericana para Prevenir, Punir e Erradicar a Violência contra a Mulher (1994) Convenção de Belém do Pará, a qual pelo artigo 7, alínea c, concordou na adoção, por todos os meios apropriados, de: Paula Regina Pereira dos Santos Marques Dias incluir em sua legislação interna normas penais, civis e administrativas, assim como as de outra natureza que sejam necessárias para prevenir, punir e erradicar a violência contra a mulher e adotar as medidas administrativas que venham ao caso (sem grifos no original). A lei foi fundamentada também com resguardo no 8º, do art. 226, da Constituição da República Federativa do Brasil, que dita que: O Estado assegurará a assistência à família na pessoa de cada um dos que a integram, criando mecanismos para coibir a violência no âmbito de suas relações. Grandes polêmicas giraram em torno da Lei Maria da Penha, sendo utilizado como argumento principal que a mesma fere o princípio da igualdade, violando o direito fundamental à igualdade entre homens e mulheres, assim sendo considerada em muitos julgados como inconstitucional. No entanto, necessário se faz observar grande lição dada por Flávia Piovesan e Sílvia Pimentel (Piovesan; Pimentel, 2007 [online]), que prelecionam que: A Constituição Federal de 1988, marco jurídico da transição democrática e da institucionalização dos direitos humanos no país, consagra, dentre os objetivos fundamentais da República Federativa do Brasil, promover o bem de todos, sem preconceitos de origem, raça, sexo, cor, idade e quaisquer outras formas de discriminação (artigo 1º, IV). Prevê, no universo de direitos e garantias fundamentais, que homens e mulheres são iguais em direitos e 90 Direito, Cidadania e Sociedade

15 obrigações, nos termos desta Constituição. O texto constitucional transcende a chamada igualdade formal, tradicionalmente reduzida à fórmula todos são iguais perante a lei, para consolidar a exigência ética da igualdade material, a igualdade como um processo em construção, como uma busca constitucionalmente demandada. Tanto é assim que a mesma Constituição que afirma a igualdade entre os gêneros estabelece, por exemplo, no seu artigo 7º, XX, a proteção do mercado de trabalho da mulher, mediante incentivos específicos. DA ANÁLISE DE TODO ORDENAMENTO JURÍDICO PODE-SE afirmar que não há sentido em se aventar a inconstitucionalidade da Lei Maria da Penha E ainda acrescentam que: Se, para a concepção formal de igualdade, esta é tomada como pressuposto, como um dado e um ponto de partida abstrato, para a concepção material de igualdade, esta é tomada como um resultado ao qual se pretende chegar, tendo como ponto de partida a visibilidade às diferenças. Isto é, essencial mostra-se distinguir a diferença e a desigualdade. A ótica material objetiva construir e afirmar a igualdade com respeito à diversidade e, assim sendo, o reconhecimento de identidades e o direito à diferença é que conduzirão a uma plataforma emancipatória e igualitária. Estudos e pesquisas revelam a existência de uma desigualdade estrutural de poder entre homens e mulheres e grande vulnerabilidade social das últimas, muito especialmente na esfera privada de suas vidas. Daí a aceitação do novo paradigma que, indo além dos princípios éticos universais, abarque também princípios compensatórios das várias vulnerabilidades sociais. O jusfilosófo Robert Alexy aponta que: A BUSCA PELA EFETIVIDADE DA LEI MARIA DA PENHA... [...] o enunciado geral da igualdade, dirigido ao legislador não pode exigir que todos sejam tratados exatamente da mesma forma ou que todos devam ser iguais em todos os aspectos. Por outro lado, para ter algum conteúdo, ele não pode permitir toda e qualquer diferenciação e toda e qualquer distinção. É necessário questionar se e como é possível encontrar um meio-termo entre esses dois extremos. Um ponto de partida para esse meio-termo é a fórmula clássica: O igual deve ser tratado igualmente, o desigual, desigualmente, que em múltiplas variações e com inúmeras complementações constitui a coluna vertebral da jurisprudência do Tribunal Constitucional Federal sobre o art. 3º, 1º, da Constituição (Alexy, 2006, p. 397). Portanto, não há que se falar em inconstitucionalidade da Lei Maria da Penha em face de tudo o que foi acima apontado. Revista UNI Imperatriz (MA) ano 1 n.1 p janeiro/julho

16 5. Considerações finais O tratamento dado às mulheres no decorrer da história, pelo menos no que tange à legislação, vem ganhando nova face. A cada dia a luta pela equivalência nos direitos dos humanos, independente de sexo, cor, raça, religião, tem se tornado a grande aliada na busca pelo equilíbrio do futuro da humanidade. Não há em que se pensar no garantimento da perpetuação da raça humana sem pensar em se fazerem acordos entre os mesmos para que se imponham o respeito e a perfeita convivência, sem preconceitos de qualquer natureza. Tal perpetuação deveria decerto ser garantida somente pelo direito natural, pela boa consciência de saber o que é certo e o que é errado. Contudo, sem os mecanismos de coação para aqueles que não possuem essa reta consciência não se alcançaria uma proposta de equilíbrio. Paula Regina Pereira dos Santos Marques Dias A Lei nº , de 07 de agosto de 2006 Lei Maria da Penha, como popularmente é conhecida, veio no afã de assegurar o cumprimento dos tratados internacionais de direitos humanos das mulheres já ratificados pelo Brasil e para dar efetividade aos mesmos. No entanto, mesmo com o surgimento e ampla divulgação da Lei Maria da Penha, inúmeros ainda são os casos de mulheres que são agredidas no âmbito familiar e doméstico, seja por maridos, companheiros, namorados, ex-maridos, ex-companheiros e ex-namorados, pessoas do convívio doméstico, em geral, mencionados alhures. Tal situação de desconforto em que o país vive não se deve ao fato da não punibilidade dos infratores desta lei, mas ainda da necessidade de mais encorajamento da parte das mulheres que são agredidas, posto que estas, na maioria das vezes, sofrem a primeira violência, que é a psicológica, a da ameaça, e nada fazem, por não entender que, após isso, poderá advir a violência física, findando, inclusive, com a sua morte. O que se precisa saber é que a realidade mudou e que a lei trouxe, sim, uma efetividade para os conceitos extraídos dos tratados internacionais de direitos humanos das mulheres. A 92 Direito, Cidadania e Sociedade

17 efetividade, tal como o conceito bruto da palavra, significa mudança de realidade, transformação, impacto e foi exatamente esta realidade que a Lei Maria da Penha trouxe para nosso país. Referências ALEXY, Robert. Teoria dos direitos fundamentais. Tradução Virgílio Afonso da Silva. São Paulo: Malheiros Editores, BOURDIEU, Pierre. A dominação masculina. Tradução Maria Helena Kühner. 2. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Disponível em: <http:// constitui%c3%a7ao.htm>. Acesso em: 20 abr BRASIL. Lei nº de 07 de agosto de Disponível em: <http://www.planalto. gov.br/ccivil_03/_ato /2006/lei/ l11340.htm>. Acesso em: 20 abr. de BULOS, Uadi Lammêngo. Curso de Direito Constitucional. 4. ed. São Paulo: Saraiva, CAVALCANTI, Stela Valéria Soares de Farias. Violência doméstica: análise da Lei Maria da Penha nº /06. 3ª ed. rev. ampl. e atual. Salvador: Editora Juspodivum, Centro Feminista de Estudos e Assessoria Violência contra as mulheres. Dados sobre violência contra as mulheres no Brasil e no mundo. Disponível em: <http://www. cfemea.org.br/violencia/noticias/detalhes. asp?idnoticia=84>. Acesso em: 10 out CUNHA, Sérgio Sérvulo da. Dicionário Compacto do Direito. 3. ed. rev. e ampl. São Paulo: Saraiva, FERNANDES, Emília. Cada mulher brasileira, uma cidadã. Programa de Prevenção, Assistência e Combate à Violência contra a Mulher Plano Nacional: Diálogos sobre a violência doméstica e de gênero: construindo Políticas para as Mulheres. Brasília: A Secretaria, p MENDES, Gilmar Ferreira. COELHO, Inocêncio Mártires. BRANCO, Paulo Gustavo Gonet. Curso de direito constitucional. 4. ed. rev. e atual. São Paulo: Saraiva, MINISTÉRIO DA SAÚDE. Atenção integral para mulheres e adolescentes em situação de violência doméstica e sexual. Matriz pedagógica para formação de redes. Disponível em: <http://portal.saude.gov.br/portal/ arquivos/pdf/matriz_pedagogica.pdf>. Acesso em: 10 out NÓBREGA-THERRIEN, Sílvia Maria. THER- RIEN, Jacques. Os trabalhos científicos e o estado da questão: reflexões teóricometodológicas. Publicado em: THERRIEN, J., & NÓBREGA-THERRIEN, S. Os trabalhos científicos e o estado da questão: reflexões teórico-metodológicas. Estudos em avaliação educacional, v.15, n.30, jul.-dez Disponível em: <http://www.jacquestherrien.com.br/index.php?option=com_ docman&task=doc_view&gid=9>. Acesso em: 02 de out PIOVESAN, Flávia, Direitos Humanos e o Direito Constitucional Internacional. 11. ed. São Paulo: Saraiva, p PIMENTEL, Silvia. Lei Maria da Penha: inconstitucional não é a lei, mas a ausência dela. Disponível em: <http://www. articulacaodemulheres.org.br/amb/adm/ uploads/anexos/artigo_lei_maria_da_penha.pdf.> Acesso em: 02 out OEA Organização dos Estados Americanos. Convenção Interamericana para Prevenir, Punir e Erradicar a Violência contra A BUSCA PELA EFETIVIDADE DA LEI MARIA DA PENHA... Revista UNI Imperatriz (MA) ano 1 n.1 p janeiro/julho

18 a Mulher Convenção de Belém do Pará, ONU Organização das Nações Unidas. Convenção sobre a Eliminação de todas as Formas de Discriminação contra a Mulher, Protocolo Facultativo à Convenção sobre a Eliminação de todas as Formas de Discriminação contra a Mulher, SEN, Amartya Kumar. Desenvolvimento como liberdade. 7ª reimpressão. São Paulo: Companhia das Letras, Paula Regina Pereira dos Santos Marques Dias 94 Direito, Cidadania e Sociedade

LEI DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR Lei n. 11.340/06

LEI DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR Lei n. 11.340/06 LEI DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR Lei n. 11.340/06 PREVISÃO CONSTITUCIONAL 1) O art. 226, 8º CF, dispões que: O Estado assegurará a assistência à família na pessoa de cada um dos que a integram, criando

Leia mais

(1979) Convenção Sobre Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Contra a Mulher CEDAW

(1979) Convenção Sobre Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Contra a Mulher CEDAW (1979) Convenção Sobre Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Contra a Mulher CEDAW (1994) Convenção Interamericana para Prevenir, Punir e Erradicar a Violência Contra a Mulher (Convenção de Belém

Leia mais

Lei Maria da Penha Lei 11.340/06

Lei Maria da Penha Lei 11.340/06 Legislação Penal Especial Aula 02 Professor Sandro Caldeira Lei Maria da Penha Lei 11.340/06 Art. 1 o Esta Lei cria mecanismos para coibir e prevenir a violência doméstica e familiar contra a mulher, nos

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº de de 2015.

PROJETO DE LEI Nº de de 2015. PROJETO DE LEI Nº de de 2015. INSTITUI A POLÍTICA ESTADUAL PARA O SISTEMA INTEGRADO DE INFORMAÇÕES DE VIOLÊNCIA CONTRA O IDOSO NO ESTADO DE GOIÁS, DENOMINADO OBSERVATÓRIO ESTADUAL DA VIOLÊNCIA CONTRA O

Leia mais

VIOLÊNCIA DOMÉSTICA: UMA QUESTÃO DE SAÚDE PÚBLICA. IV Encontro de Enfermagem Ginecológica Rio de Janeiro - UERJ - Julho 2013. Cecília Teixeira Soares

VIOLÊNCIA DOMÉSTICA: UMA QUESTÃO DE SAÚDE PÚBLICA. IV Encontro de Enfermagem Ginecológica Rio de Janeiro - UERJ - Julho 2013. Cecília Teixeira Soares VIOLÊNCIA DOMÉSTICA: UMA QUESTÃO DE SAÚDE PÚBLICA IV Encontro de Enfermagem Ginecológica Rio de Janeiro - UERJ - Julho 2013 Cecília Teixeira Soares Relatório Mundial sobre Violência e Saúde Nas relações

Leia mais

VIOLÊNCIA INTRAFAMILIAR CONTRA A MULHER E AS REDES DE ATENDIMENTO

VIOLÊNCIA INTRAFAMILIAR CONTRA A MULHER E AS REDES DE ATENDIMENTO CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X VIOLÊNCIA INTRAFAMILIAR CONTRA A MULHER E AS REDES DE ATENDIMENTO

Leia mais

Palavras-chaves: denuncia, consumo de álcool, consumo de drogas.

Palavras-chaves: denuncia, consumo de álcool, consumo de drogas. VIOLENCIA CONTRA A MULHER E A DEPENDENCIA FINACEIRA. UM ESTUDO DE CASO NO MUNICIPIO DE PITANGA. MARLY APARECIDA MAZUR MACHADO/UNICENTRO E-MAIL: maymazur@outlook.com SIMÃO TERNOSKI (ORIENTADOR)/UNICENTRO

Leia mais

NOVOS INSTRUMENTOS PERMITEM CONCRETIZAR DIREITOS HUMANOS NO STF E STJ

NOVOS INSTRUMENTOS PERMITEM CONCRETIZAR DIREITOS HUMANOS NO STF E STJ NOVOS INSTRUMENTOS PERMITEM CONCRETIZAR DIREITOS HUMANOS NO STF E STJ (Conjur, 10/12/2014) Alexandre de Moraes Na luta pela concretização da plena eficácia universal dos direitos humanos o Brasil, mais

Leia mais

Direitos Humanos: As múltiplas faces da violência

Direitos Humanos: As múltiplas faces da violência Direitos Humanos: As múltiplas faces da violência Material didático destinado à sistematização do conteúdo da disciplina Direitos Humanos Publicação no semestre 2015.1 do curso de Direito. Autor: Jean

Leia mais

afetiva e sexual, seja como forma de ameaçar e demonstrar ciúmes, isso é violência patrimonial doméstica e intrafamiliar contra lésbicas/bissexuais.

afetiva e sexual, seja como forma de ameaçar e demonstrar ciúmes, isso é violência patrimonial doméstica e intrafamiliar contra lésbicas/bissexuais. Lei Maria da Penha em casos de lesbofobia: Você sabia que a Lei 11.340/06 não é só para casais, e muito menos só para casais heterossexuais? 17/10/2012 Pouca gente sabe, mas a Lei Maria da Penha foi criada

Leia mais

Lei Maria da Penha. Pelo fim da violência. ulher. contra a

Lei Maria da Penha. Pelo fim da violência. ulher. contra a Lei Maria da Penha Pelo fim da violência ulher contra a Ligação gratuita, 24 horas, para informações sobre a Lei Maria da Penha e os serviços para o atendimento às mulheres em situação de violência. Lei

Leia mais

CONVENÇÃO INTERAMERICANA PARA PREVENIR, PUNIR E ERRADICAR A VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER, CONVENÇÃO DE BELÉM DO PARÁ

CONVENÇÃO INTERAMERICANA PARA PREVENIR, PUNIR E ERRADICAR A VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER, CONVENÇÃO DE BELÉM DO PARÁ CONVENÇÃO INTERAMERICANA PARA PREVENIR, PUNIR E ERRADICAR A VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER, CONVENÇÃO DE BELÉM DO PARÁ (Adotada em Belém do Pará, Brasil, em 9 de junho de 1994, no Vigésimo Quarto Período Ordinário

Leia mais

O OLHAR DAS UNIVERITÁRIAS ESTUDANTES DO CURSO DE GRADUAÇÃO DE ECONOMIA DOMÉSTICA SOBRE A VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA A MULHER RESUMO

O OLHAR DAS UNIVERITÁRIAS ESTUDANTES DO CURSO DE GRADUAÇÃO DE ECONOMIA DOMÉSTICA SOBRE A VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA A MULHER RESUMO O OLHAR DAS UNIVERITÁRIAS ESTUDANTES DO CURSO DE GRADUAÇÃO DE ECONOMIA DOMÉSTICA SOBRE A VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA A MULHER Lívia Rodrigues 1 Ana Beatriz de Melo Holanda, 2 Natiane Muliterno da Cunha

Leia mais

BATERIA DE EXERCÍCIOS-LEI MARIA DA PENA

BATERIA DE EXERCÍCIOS-LEI MARIA DA PENA CURSO PREPARATÓRIO EAP-/2013- TODOS OS ALUNOS EXERCÍCIOS LEI MARIA DA PENHA- TODAS AS TURMAS- 31/01/14 PROFESSOR WILSON- BATERIA DE EXERCÍCIOS-LEI MARIA DA PENA 01- De acordo com a lei 11.340/06 conhecida

Leia mais

VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA A MULHER. UMA RETROSPECTIVA HISTÓRICA E JURÍDICA COM ANÁLISES RELEVANTES Dogival Oliveira Guedes

VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA A MULHER. UMA RETROSPECTIVA HISTÓRICA E JURÍDICA COM ANÁLISES RELEVANTES Dogival Oliveira Guedes 406 VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA A MULHER UMA RETROSPECTIVA HISTÓRICA E JURÍDICA COM ANÁLISES RELEVANTES Dogival Oliveira Guedes Resumo O presente estudo visa verificar vários aspectos atinentes à violência

Leia mais

CONVENÇÃO INTERAMERICANA PARA PREVENIR, PUNIR E ERRADICAR A VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER, CONVENÇÃO DE BELÉM DO PARÁ

CONVENÇÃO INTERAMERICANA PARA PREVENIR, PUNIR E ERRADICAR A VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER, CONVENÇÃO DE BELÉM DO PARÁ CONVENÇÃO INTERAMERICANA PARA PREVENIR, PUNIR E ERRADICAR A VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER, CONVENÇÃO DE BELÉM DO PARÁ (Adotada em Belém do Pará, Brasil, em 9 de junho de 1994, no Vigésimo Quarto Período Ordinário

Leia mais

Multiculturalismo em Face dos Direitos Humanos das Mulheres

Multiculturalismo em Face dos Direitos Humanos das Mulheres Multiculturalismo em Face dos Direitos Humanos das Mulheres Vanessa Carla Bezerra de Farias Discente do curso de Direito UFRN Prof. Orientador Thiago Oliveira Moreira Docente do curso de Direito UFRN Introdução:

Leia mais

Os Direitos Humanos na Perspectiva de Gênero 1

Os Direitos Humanos na Perspectiva de Gênero 1 Os Direitos Humanos na Perspectiva de Gênero 1 Leila Linhares Barsted 2 Em 1948, a Assembléia Geral da ONU aprovou a Declaração Universal dos Direitos Humanos, documento que deveria ter a mais ampla divulgação

Leia mais

Violência contra a mulher, um problema de saúde pública

Violência contra a mulher, um problema de saúde pública relações de gênero Violência contra a mulher, um problema de saúde pública Andréa Fachel Leal Carta Maior / Blog Controvérsia, texto 4811 Um grande empecilho, por muito tempo, para a formulação e execução

Leia mais

Apresentação APRESENTAÇÃO

Apresentação APRESENTAÇÃO Apresentação O Brasil é signatário de todos os acordos internacionais que asseguram de forma direta ou indireta os direitos humanos das mulheres bem como a eliminação de todas as formas de discriminação

Leia mais

A MULHER E OS TRATADOS INTERNACIONAIS DE DIREITOS HUMANOS

A MULHER E OS TRATADOS INTERNACIONAIS DE DIREITOS HUMANOS A MULHER E OS TRATADOS INTERNACIONAIS DE DIREITOS HUMANOS Os Direitos Humanos surgiram na Revolução Francesa? Olympe de Gouges (1748-1793) foi uma revolucionária e escritora francesa. Abraçou com destemor

Leia mais

Por que a cada 15 segundos uma mulher é espancada no Brasil

Por que a cada 15 segundos uma mulher é espancada no Brasil Jornalista responsável/design: Beth Rezende Por que a cada 15 segundos uma mulher é espancada no Brasil SECRETARIA DA MULHER Sindicato dos Metalúrgicos da Região Sul Fluminense? Apresentação Nos últimos

Leia mais

Analisando a Lei Maria da Penha: a violência sexual contra a mulher cometida por seu companheiro

Analisando a Lei Maria da Penha: a violência sexual contra a mulher cometida por seu companheiro Anais do I Simpósio sobre Estudos de Gênero e Políticas Públicas, ISSN 2177-8248 Universidade Estadual de Londrina, 24 e 25 de junho de 2010 GT 5. Gênero e Violência Coord. Sandra Lourenço Analisando a

Leia mais

RECOMENDAÇÃO GERAL N.º 19 (VIOLÊNCIA CONTRA AS MULHERES)

RECOMENDAÇÃO GERAL N.º 19 (VIOLÊNCIA CONTRA AS MULHERES) RECOMENDAÇÃO GERAL N.º 19 (VIOLÊNCIA CONTRA AS MULHERES) Décima primeira sessão, 1992 Antecedentes 1. A violência baseada no género é uma forma de discriminação que inibe a capacidade das mulheres de gozarem

Leia mais

Glossário do Programa Pró-equidade

Glossário do Programa Pró-equidade Glossário do Programa Pró-equidade Assédio Moral no Trabalho É a vivência de situações humilhantes e constrangedoras no ambiente de trabalho, caracterizadas por serem repetitivas e prolongadas ao longo

Leia mais

www.senado.leg.br/datasenado

www.senado.leg.br/datasenado www.senado.leg.br/datasenado Lei Maria da Penha completa 9 Promulgada em 2006, a Lei Maria da Penha busca garantir direitos da mulher, além da prevenção e punição de casos de violência doméstica e familiar.

Leia mais

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento;

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Objetivo geral Promover a igualdade no mundo do trabalho e a autonomia

Leia mais

Convenção Interamericana para Prevenir, Punir e Erradicar a Violência Contra a Mulher "Convenção de Belém do Pará" (1994)

Convenção Interamericana para Prevenir, Punir e Erradicar a Violência Contra a Mulher Convenção de Belém do Pará (1994) Convenção Interamericana para Prevenir, Punir e Erradicar a Violência Contra a Mulher "Convenção de Belém do Pará" (1994) * Adotada pela Assembléia Geral da Organização dos Estados Americanos em 6 de junho

Leia mais

APRESENTAÇÃO. 1 E não é à toa. Na zona do Euro, por exemplo, em 2002, as despesas públicas com serviços de

APRESENTAÇÃO. 1 E não é à toa. Na zona do Euro, por exemplo, em 2002, as despesas públicas com serviços de APRESENTAÇÃO A Conferência Mundial sobre Direitos Humanos afirma que a pobreza extrema e a exclusão social constituem uma violação da dignidade humana e que devem ser tomadas medidas urgentes para se ter

Leia mais

CASOTECA DIREITO GV PRODUÇÃO DE CASOS 2011

CASOTECA DIREITO GV PRODUÇÃO DE CASOS 2011 CASOTECA DIREITO GV PRODUÇÃO DE CASOS 2011 CASOTECA DIREITO GV Caso do Campo de Algodão: Direitos Humanos, Desenvolvimento, Violência e Gênero ANEXO I: DISPOSITIVOS RELEVANTES DOS INSTRUMENTOS INTERNACIONAIS

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR EFICÁCIA DA LEI MARIA DA PENHA

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR EFICÁCIA DA LEI MARIA DA PENHA EFICÁCIA DA LEI MARIA DA PENHA Renan De Marchi Moreno Acadêmico de Direito na Universidade Unicastelo Fernandópolis-SP Orientadora: Profa. Denise Cristina de Matto Garcia RESUMO: O presente trabalho tem

Leia mais

VIolênCIA. VoCê. saber. contra a mulher. PrECIsA. Coordenação Associação das Trabalhadoras Domésticas e Centro de Ação Cultural - Centrac

VIolênCIA. VoCê. saber. contra a mulher. PrECIsA. Coordenação Associação das Trabalhadoras Domésticas e Centro de Ação Cultural - Centrac VoCê PrECIsA saber Coordenação Associação das Trabalhadoras Domésticas e Centro de Ação Cultural - Centrac Texto Maria Madalena de Medeiros / Ana Patrícia Sampaio de Almeida Projeto Gráfico Áurea Olimpia

Leia mais

A NOVA POSTURA LEGISLATIVA NO COMBATE À VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR CONTRA A MULHER

A NOVA POSTURA LEGISLATIVA NO COMBATE À VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR CONTRA A MULHER A NOVA POSTURA LEGISLATIVA NO COMBATE À VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR CONTRA A MULHER Tatiana Bellotti Furtado Ao analisarmos a trajetória das mulheres na luta pelo reconhecimento de seus direitos, remetemo-nos

Leia mais

JEFFERSON PHILIPE CLARO SCHELBAUER

JEFFERSON PHILIPE CLARO SCHELBAUER JEFFERSON PHILIPE CLARO SCHELBAUER ANTINOMIA ENTRE O DIREITO PENAL MILITAR E A LEI N 11.340, DE 7 DE AGOSTO DE 2006, LEI MARIA DA PENHA, PARA CASAL DE MILITARES CURITIBA 2014 JEFFERSON PHILIPE CLARO SCHELBAUER

Leia mais

VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER

VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER A Organização Mundial de Saúde (OMS) define violência como o uso intencional da força física ou do poder, real ou em ameaça, contra si próprio, contra outra pessoa, ou contra

Leia mais

Espelho Penal Peça. Endereçamento correto da interposição 1ª Vara Criminal do Município X 0 / 0,25

Espelho Penal Peça. Endereçamento correto da interposição 1ª Vara Criminal do Município X 0 / 0,25 Espelho Penal Peça O examinando deve redigir uma apelação, com fundamento no artigo 593, I, do Código de Processo Penal. A petição de interposição deve ser endereçada ao juiz de direito da 1ª vara criminal

Leia mais

Curso de. Direito. Núcleo de Prática Jurídica. Lei Maria da Penha. Lei n.º 11.340, de 7 de agosto de 2006. www.faesa.br

Curso de. Direito. Núcleo de Prática Jurídica. Lei Maria da Penha. Lei n.º 11.340, de 7 de agosto de 2006. www.faesa.br Curso de Direito Núcleo de Prática Jurídica Lei Maria da Penha Lei n.º 11.340, de 7 de agosto de 2006 www.faesa.br mportante: Onde Procurar Atendimento na Grande Vitória Disque-Denúncia: 180 Delegacias

Leia mais

EDUCAÇÃO POLÍTICA E EDUCAÇÃO DEMOCRÁTICA (IV Parte)

EDUCAÇÃO POLÍTICA E EDUCAÇÃO DEMOCRÁTICA (IV Parte) EDUCAÇÃO POLÍTICA E EDUCAÇÃO DEMOCRÁTICA (IV Parte) Saiba quais são as Recomendações das Conferências Internacionais na emancipação política das mulheres, as quais já foram assinadas pelo governo brasileiro

Leia mais

Blumenau, 24 de junho de 2015. Ilustríssimo(a) Senhor(a) Vereador(a).

Blumenau, 24 de junho de 2015. Ilustríssimo(a) Senhor(a) Vereador(a). 1 Ofício nº 01/2015 - CDS - OAB/BLUMENAU Aos(as) Excelentíssimos(as) Vereadores(as) de Blumenau. Blumenau, 24 de junho de 2015. Ilustríssimo(a) Senhor(a) Vereador(a). Conforme se denota do sítio eletrônico,

Leia mais

12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1

12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( X) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA O GRUPO SERMAIS:

Leia mais

11º GV - Vereador Floriano Pesaro PROJETO DE LEI Nº 128/2012

11º GV - Vereador Floriano Pesaro PROJETO DE LEI Nº 128/2012 PROJETO DE LEI Nº 128/2012 Altera a Lei nº 14.485, de 19 de julho de 2007, com a finalidade de incluir no Calendário Oficial de Eventos da Cidade de São Paulo o Dia Municipal de Combate a Homofobia, a

Leia mais

LEVANTAMENTO DOS MARCOS LÓGICOS E LEGAIS DO SERVIÇO DE ATENÇÃO À MULHER SOB VIOLÊNCIA DE GÊNERO

LEVANTAMENTO DOS MARCOS LÓGICOS E LEGAIS DO SERVIÇO DE ATENÇÃO À MULHER SOB VIOLÊNCIA DE GÊNERO 1. Marco Lógico LEVANTAMENTO DOS MARCOS LÓGICOS E LEGAIS DO SERVIÇO DE ATENÇÃO À MULHER SOB VIOLÊNCIA DE GÊNERO Publicação/Origem NORMATIVAS INTERNACIONAIS DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS Declaração

Leia mais

Lei Maria da Penha Guia

Lei Maria da Penha Guia Lei Maria da Penha Guia COLEGAS: Quase um microssistema, a Lei n. 11.340/06 é um verdadeiro patrimônio jurídico: ela não se encerra em si mesma, trazendo um leque de providências protetivas à mulher, nas

Leia mais

Agressão não é carinho. Insulto não é elogio. Violência contra a mulher: Não perdoe. Denuncie!

Agressão não é carinho. Insulto não é elogio. Violência contra a mulher: Não perdoe. Denuncie! Campanha permanente do Ministério Público MARIA DA PENHA EM AÇÃO: Prevenção da Violência Doméstica nas Instituições de Ensino Agressão não é carinho. Insulto não é elogio. Violência contra a mulher: Não

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE SERGIPE UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE

INSTITUTO FEDERAL DE SERGIPE UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE INSTITUTO FEDERAL DE SERGIPE UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE TECENDO E DISCUTINDO A REDE DE ATENÇÃO A MULHER Marluce da Silva Santana 1 Jessica Dariane Conceição de Brito 2 Carine dos Santos Conceição

Leia mais

O DIREITO DE ADESÃO AOS PROGRAMAS SOCIAIS DO GOVERNO FEDERAL POR PARTE DOS REFUGIADOS RESIDENTES NO BRASIL.

O DIREITO DE ADESÃO AOS PROGRAMAS SOCIAIS DO GOVERNO FEDERAL POR PARTE DOS REFUGIADOS RESIDENTES NO BRASIL. O DIREITO DE ADESÃO AOS PROGRAMAS SOCIAIS DO GOVERNO FEDERAL POR PARTE DOS REFUGIADOS RESIDENTES NO BRASIL. Carolina Scherer Procuradora Federal Procuradora-Chefe junto ao Instituto de Pesquisa Econômica

Leia mais

BASE LEGAL PARA A INCLUSÃO DO/A ALUNO/A COM DEFICIÊNCIA. Docente responsável: Profa. Dra. Neiza de Lourdes Frederico Fumes CEDU/UFAL

BASE LEGAL PARA A INCLUSÃO DO/A ALUNO/A COM DEFICIÊNCIA. Docente responsável: Profa. Dra. Neiza de Lourdes Frederico Fumes CEDU/UFAL UNIDADE DE APRENDIZAGEM 4 BASE LEGAL PARA A INCLUSÃO DO/A ALUNO/A COM DEFICIÊNCIA Docente responsável: Profa. Dra. Neiza de Lourdes Frederico Fumes CEDU/UFAL Objetivo Conhecer os diferentes instrumentos

Leia mais

DECLARAÇÃO DOS DIREITOS SEXUAIS

DECLARAÇÃO DOS DIREITOS SEXUAIS DECLARAÇÃO DOS DIREITOS SEXUAIS Reconhecendo que direitos sexuais são essenciais para o alcance do maior nível de saúde sexual possível, a Associação Mundial para a Saúde Sexual: DECLARA que direitos sexuais

Leia mais

a) física, entendida como qualquer conduta que ofenda sua integridade ou saúde corporal;

a) física, entendida como qualquer conduta que ofenda sua integridade ou saúde corporal; ASPECTOS JURÍDICOS DA LEI MARIA DA PENHA NA PREVENÇÃO E COMBATE À VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER. LUCIANA SANTOS SILVA 1 Em entrevista, a advogada, presidente da Comissão da Mulher Advogada da OAB Ordem dos

Leia mais

1. Em relação aos crimes contra a violência doméstica, analise as afirmações e em seguida assinale a alternativa correta.

1. Em relação aos crimes contra a violência doméstica, analise as afirmações e em seguida assinale a alternativa correta. 1. Em relação aos crimes contra a violência doméstica, analise as afirmações e em seguida assinale a alternativa correta. I. Por expressa determinação legal não se aplicam aos crimes praticados com violência

Leia mais

Lei MARIA DA PENHA 3 anos depois

Lei MARIA DA PENHA 3 anos depois Lei MARIA DA PENHA 3 anos depois Três anos depois, lei Maria da Penha diversifica perfil de mulheres que procuram ajuda contra violência doméstica. Quais são os resultados trazidos pela lei Maria da Penha?

Leia mais

Competência dos JVDFM nos casos de criança ou adolescente do sexo feminino vítima de violência de gênero

Competência dos JVDFM nos casos de criança ou adolescente do sexo feminino vítima de violência de gênero Competência dos JVDFM nos casos de criança ou adolescente do sexo feminino vítima de violência de gênero Alice Bianchini Doutora em Direito Penal (PUC-SP). Mestra em Direito (UFSC). Coeditora do Portal

Leia mais

GÊNERO E DIREITO: TEORIA FEMINISTA DOS DIREITOS HUMANOS DAS MULHERES

GÊNERO E DIREITO: TEORIA FEMINISTA DOS DIREITOS HUMANOS DAS MULHERES GÊNERO E DIREITO: TEORIA FEMINISTA DOS DIREITOS HUMANOS DAS MULHERES Cecílie Oliveira Medeiros O reconhecimento e a proteção dos direitos humanos das mulheres foram marcados por constantes lutas e protestos

Leia mais

Formas de Violência Doméstica (contra crianças, adolescentes e mulheres)

Formas de Violência Doméstica (contra crianças, adolescentes e mulheres) VIOLÊNCIA DOMÉSTICA A violência é uma questão social que afeta a todas as pessoas, mulheres e homens, sejam elas crianças, adolescentes, jovens, adultos, idosos. Ela acontece em todas as classes sociais,

Leia mais

Estado de Mato Grosso Município de Tangará da Serra www.tangaradaserra.mt.gov.br. - Fone (0xx65) 3311 4801 Assessoria Jurídica

Estado de Mato Grosso Município de Tangará da Serra www.tangaradaserra.mt.gov.br. - Fone (0xx65) 3311 4801 Assessoria Jurídica LEI Nº 3102 DE 14 DE ABRIL DE 2009. CRIA MECANISMOS PARA COIBIR E PREVENIR A DISCRIMINAÇÃO CONTRA A MULHER, GARANTINDO AS MESMAS OPORTUNIDADES DE ACESSO E VENCIMENTOS. A Câmara Municipal de Tangará da

Leia mais

Direito à Saúde Sexual e Reprodutiva

Direito à Saúde Sexual e Reprodutiva Direito à Saúde Sexual e Reprodutiva O que é a saúde sexual e reprodutiva? A saúde sexual e reprodutiva é uma componente essencial do direito universal ao mais alto padrão de saúde física e mental, consagrado

Leia mais

LEI MARIA DA PENHA. SARNEY FILHO Deputado Federal

LEI MARIA DA PENHA. SARNEY FILHO Deputado Federal CÂMARA DOS DEPUTADOS SARNEY FILHO Deputado Federal LEI MARIA DA PENHA Lei n o 11.340, de 7 de agosto de 2006, que cria mecanismos para coibir a violência doméstica e familiar contra a mulher. Centro de

Leia mais

Mulheres e Exclusão na América Latina Nalu Faria

Mulheres e Exclusão na América Latina Nalu Faria Mulheres e Exclusão na América Latina Nalu Faria Gerações e gerações viveram uma realidade em que as mulheres eram consideradas inferiores aos homens. Como isso era encarado como parte do destino das mulheres

Leia mais

QUERIDO(A) ALUNO(A),

QUERIDO(A) ALUNO(A), LANÇADA EM 15 MAIO DE 2008, A CAMPANHA PROTEJA NOSSAS CRIANÇAS É UMA DAS MAIORES MOBILIZAÇÕES PERMANENTES JÁ REALIZADAS NO PAÍS, COM FOCO NO COMBATE À VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E À EXPLORAÇÃO SEXUAL DE CRIANÇAS

Leia mais

25 de novembro - Dia Internacional de Combate à Violência Contra as Mulheres. Carta de Brasília

25 de novembro - Dia Internacional de Combate à Violência Contra as Mulheres. Carta de Brasília Anexo VI 25 de novembro - Dia Internacional de Combate à Violência Contra as Mulheres Carta de Brasília Na véspera do Dia Internacional de Combate à Violência Contra as Mulheres nós, trabalhadoras dos

Leia mais

LEI Nº 11.340, DE 7 DE AGOSTO DE 2006.

LEI Nº 11.340, DE 7 DE AGOSTO DE 2006. LEI Nº 11.340, DE 7 DE AGOSTO DE 2006. Cria mecanismos para coibir a violência doméstica e familiar contra a mulher, nos termos do 8º do art. 226 da Constituição Federal, da Convenção sobre a Eliminação

Leia mais

Lei Maria da Penha. Raquel de Andrade Teixeira Cardoso 1 INTRODUÇÃO

Lei Maria da Penha. Raquel de Andrade Teixeira Cardoso 1 INTRODUÇÃO Lei Maria da Penha 123 Raquel de Andrade Teixeira Cardoso 1 INTRODUÇÃO De acordo com conceito firmado em 1994, em Belém/PA, na Convenção Interamericana para Prevenir, Punir e Erradicar a Violência contra

Leia mais

No entanto, a efetividade desses dispositivos constitucionais está longe de alcançar sua plenitude.

No entanto, a efetividade desses dispositivos constitucionais está longe de alcançar sua plenitude. A MULHER NA ATIVIDADE AGRÍCOLA A Constituição Federal brasileira estabelece no caput do art. 5º, I, que homens e mulheres são iguais em direitos e obrigações e reconhece no dispositivo 7º a igualdade de

Leia mais

A VISIBILIDADE DA VIOLÊNCIA CONTRA O IDOSO: PERSPECTIVAS DO SERVIÇO SOCIAL 1

A VISIBILIDADE DA VIOLÊNCIA CONTRA O IDOSO: PERSPECTIVAS DO SERVIÇO SOCIAL 1 A VISIBILIDADE DA VIOLÊNCIA CONTRA O IDOSO: PERSPECTIVAS DO SERVIÇO SOCIAL 1 MACHADO, Adiles Dias 2 ; KAEFER, Carin Otilia 3 ; SILVA, Flademir da Costa 4 ; 1 Resultado de discussões realizadas no Projeto

Leia mais

LEI Nº 11.340, DE 7 DE AGOSTO DE 2006.

LEI Nº 11.340, DE 7 DE AGOSTO DE 2006. LEI Nº 11.340, DE 7 DE AGOSTO DE 2006. Cria mecanismos para coibir a violência doméstica e familiar contra a mulher, nos termos do 8 o do art. 226 da Constituição Federal, da Convenção sobre a Eliminação

Leia mais

ARGUMENTOS PARA UMA LEI DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA A MULHER. (Documento Publicado no dia 20 de Julho de 2009)

ARGUMENTOS PARA UMA LEI DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA A MULHER. (Documento Publicado no dia 20 de Julho de 2009) COORDENAÇÃO PARA MULHER NO DESENVOLVIMENTO ARGUMENTOS PARA UMA LEI DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA A MULHER (Documento Publicado no dia 20 de Julho de 2009) Na última década, a questão da violência contra

Leia mais

Expert Consultation on Prevention of and Responses to Violence against Young Children Lima, 27 28 August 2012

Expert Consultation on Prevention of and Responses to Violence against Young Children Lima, 27 28 August 2012 Expert Consultation on Prevention of and Responses to Violence against Young Children Lima, 27 28 August 2012 JANDIRA FEGHALI (Deputada Federal/Brasil) Temas: Trabalhando com autoridades e parlamentares

Leia mais

Validação dos tratados internacionais ambientais no ordenamento jurídico brasileiro

Validação dos tratados internacionais ambientais no ordenamento jurídico brasileiro Validação dos tratados internacionais ambientais no ordenamento jurídico brasileiro Semana de Produção e Consumo Sustentável Mauricio Pellegrino de Souza FIEMG Convenção de Viena 1969 Direito dos Tratados

Leia mais

A Lei Maria da Penha Nº 11.340/06

A Lei Maria da Penha Nº 11.340/06 Capítulo X A Lei Maria da Penha Nº 11.340/06 Sumário 1. Introdução: 1.1. Objetivos gerais; 1.2. Constitucionalidade da Lei Maria da Penha 2. Comentários à Lei nº 11.340/06 artigo por artigo: 2.1. Disposições

Leia mais

A DISCRIMINAÇÃO RACIAL NO AMBIENTE DO TRABALHO E EMPREGO

A DISCRIMINAÇÃO RACIAL NO AMBIENTE DO TRABALHO E EMPREGO A DISCRIMINAÇÃO RACIAL NO AMBIENTE DO TRABALHO E EMPREGO O traço mais marcante da sociedade brasileira, é a desigualdade. Sabemos que esta desigualdade, é proveniente de fatores diversos, tais como, o

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA SEGUNDA GUERRA MUNDIAL NO DIREITO POSITIVO Cíntia Cecília Pellegrini

A INFLUÊNCIA DA SEGUNDA GUERRA MUNDIAL NO DIREITO POSITIVO Cíntia Cecília Pellegrini A INFLUÊNCIA DA SEGUNDA GUERRA MUNDIAL NO DIREITO POSITIVO Cíntia Cecília Pellegrini RESUMO: Após a Segunda Guerra Mundial, a sociedade internacional passou a ter como principal objetivo a criação de acordos

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 11.340, DE 7 DE AGOSTO DE 2006. Cria mecanismos para coibir a violência doméstica e familiar contra a mulher, nos termos do

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 11.340, DE 7 DE AGOSTO DE 2006. Cria mecanismos para coibir a violência doméstica e familiar contra a mulher, nos termos do

Leia mais

Lei Maria da Penha: uma evolução histórica

Lei Maria da Penha: uma evolução histórica Lei Maria da Penha: uma evolução histórica Karina Balduino Leite e Rivadavio Anadão de Oliveira Guassú Maria da Penha foi uma entre as incontáveis vítimas de violência doméstica espalhadas pelo planeta.

Leia mais

SUMÁRIO APRESENTAÇÃO...3 CONSIDERAÇÕES DA SECRETARIA MUNICIPAL DE POLÍTICAS PARA AS MULHERES SPM...5

SUMÁRIO APRESENTAÇÃO...3 CONSIDERAÇÕES DA SECRETARIA MUNICIPAL DE POLÍTICAS PARA AS MULHERES SPM...5 PLANO MUNICIPAL DE POLÍTICAS PARA MULHERES ICATÚ 2013-2015 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO...3 CONSIDERAÇÕES DA SECRETARIA MUNICIPAL DE POLÍTICAS PARA AS MULHERES SPM...5 1. PRINCÍPIOS DA POLÍTICA NACIONAL PARA AS

Leia mais

www. Lifeworld.com.br

www. Lifeworld.com.br 1 Artigos da Constituição Mundial A Constituição Mundial é composta de 61º Artigos, sendo do 1º ao 30º Artigo dos Direitos Humanos de 1948, e do 31º ao 61º Artigos estabelecidos em 2015. Dos 30 Artigos

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2011

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2011 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2011 Estabelece medidas de proteção a mulher e garantia de iguais oportunidades de acesso, permanência e remuneração nas relações de trabalho no âmbito rural ou urbano.

Leia mais

VIOLÊNCIA NO TRABALHO EM AMERICA LATINA UMA FORMA DE DISCRIMINAÇÃO NO EMPREGO RISCO PARA A SAÚDE DOS TRABALHADHORES

VIOLÊNCIA NO TRABALHO EM AMERICA LATINA UMA FORMA DE DISCRIMINAÇÃO NO EMPREGO RISCO PARA A SAÚDE DOS TRABALHADHORES VIOLÊNCIA NO TRABALHO EM AMERICA LATINA UMA FORMA DE DISCRIMINAÇÃO NO EMPREGO RISCO PARA A SAÚDE DOS TRABALHADHORES FORMA DE DISCRIMINAÇÃO E VIOLAÇÃO DOS DIREITOS HUMANOS A violência é global e sistêmica.

Leia mais

Presidência da República Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres. Política Nacional de Enfrentamento à Violência contra as Mulheres

Presidência da República Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres. Política Nacional de Enfrentamento à Violência contra as Mulheres Presidência da República Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres Política Nacional de Enfrentamento à Violência contra as Mulheres 1 Apresentação A Política Nacional de Enfrentamento à Violência

Leia mais

PERSPECTIVAS DE ANÁLISE DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA MULHER: MAPEAMENTO DAS DENÚNCIAS ENTRE OS ANOS DE 2010 E 2011 NA CIDADE DE CAMPINA GRANDE-PB

PERSPECTIVAS DE ANÁLISE DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA MULHER: MAPEAMENTO DAS DENÚNCIAS ENTRE OS ANOS DE 2010 E 2011 NA CIDADE DE CAMPINA GRANDE-PB PERSPECTIVAS DE ANÁLISE DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA MULHER: MAPEAMENTO DAS DENÚNCIAS ENTRE OS ANOS DE 2010 E 2011 NA CIDADE DE CAMPINA GRANDE-PB Autoria: Antonio Pereira Cardoso da Silva Filho Universidade

Leia mais

Apresentação... Quem é Maria da Penha Maia?... O que é violência contra a mulher?... O que é violência doméstica?...

Apresentação... Quem é Maria da Penha Maia?... O que é violência contra a mulher?... O que é violência doméstica?... Índice Apresentação... Quem é Maria da Penha Maia?... O que é violência contra a mulher?... O que é violência doméstica?... Quais são os tipos de violência doméstica?... Do que trata a Lei Maria da Penha?...

Leia mais

Combate e prevenção à violência contra a mulher

Combate e prevenção à violência contra a mulher Combate e prevenção à violência contra a mulher O CIM - Centro Integrado de Atendimento à Mulher Vítima de Violência Doméstica e Familiar - tem por objetivo fazer valer a Lei n.º 11.340/06, Lei Maria da

Leia mais

Acesso à anticoncepção de emergência: direito das mulheres e dever do Estado Beatriz Galli

Acesso à anticoncepção de emergência: direito das mulheres e dever do Estado Beatriz Galli Acesso à anticoncepção de emergência: direito das mulheres e dever do Estado Beatriz Galli A anticoncepção, ou contracepção de emergência é um método contraceptivo que pode evitar a gravidez após a relação

Leia mais

ARTIGO: TRATADOS INTERNACIONAIS SOBRE DIREITOS HUMANOS E

ARTIGO: TRATADOS INTERNACIONAIS SOBRE DIREITOS HUMANOS E ARTIGO: TRATADOS INTERNACIONAIS SOBRE DIREITOS HUMANOS E O ORDENAMENTO INTERNO Luís Fernando de Souza Pastana 1 RESUMO: este artigo visa observar a relação existente entre os tratados internacionais sobre

Leia mais

PROPOSTAS PARA O ESTADO BRASILEIRO - NÍVEIS FEDERAL, ESTADUAL E MUNICIPAL

PROPOSTAS PARA O ESTADO BRASILEIRO - NÍVEIS FEDERAL, ESTADUAL E MUNICIPAL PROPOSTAS PARA O ESTADO BRASILEIRO - NÍVEIS FEDERAL, ESTADUAL E MUNICIPAL MEDIDAS CONCRETAS PARA O ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER NO ÂMBITO DOMÉSTICO/FAMILIAR A presente Matriz insere-se no

Leia mais

Palavras-chave: Lei Maria da Penha. Violência doméstica e familiar entre militares. Justiça Militar. Crime militar. Polícia judiciária militar.

Palavras-chave: Lei Maria da Penha. Violência doméstica e familiar entre militares. Justiça Militar. Crime militar. Polícia judiciária militar. DA EVENTUAL APLICAÇÃO DE MEDIDAS PROTETIVAS PREVISTAS NA LEI MARIA DA PENHA NOS CASOS DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA A MULHER MILITAR Abelardo Julio da Rocha 1 RESUMO Em 1969, quando surgiram o Código Penal

Leia mais

Os direitos humanos no Brasil

Os direitos humanos no Brasil Camila Bressanelli* Convenção Interamericana para Prevenir, Punir e Erradicar a Violência contra a Mulher: Convenção de Belém do Pará (1994) A Convenção Interamericana para Prevenir, Punir e Erradicar

Leia mais

Violência Intrafamiliar e Maus Tratos contra a pessoa idosa. Profª Dra. Ângela Cristina Puzzi Fernandes

Violência Intrafamiliar e Maus Tratos contra a pessoa idosa. Profª Dra. Ângela Cristina Puzzi Fernandes Violência Intrafamiliar e Maus Tratos contra a pessoa idosa Profª Dra. Ângela Cristina Puzzi Fernandes A Organização das Nações Unidas instituiu 15 de junho como o Dia Mundial de Conscientização da Violência

Leia mais

Introdução. Uma das facetas mais comuns da violência permanece até os dias de hoje, como uma forma social de lidar com conflitos.

Introdução. Uma das facetas mais comuns da violência permanece até os dias de hoje, como uma forma social de lidar com conflitos. VIOLÊNCIA(S) Introdução Lidar com as várias faces da violência é parte do cotidiano dos estagiários, defensores públicos, agentes, oficiais e demais funcionários da Defensoria Pública do Estado de São

Leia mais

Violência doméstica: cinco anos de punição mais rígida para agressores

Violência doméstica: cinco anos de punição mais rígida para agressores Violência doméstica: cinco anos de punição mais rígida para agressores A Lei Maria da Penha trouxe da sombra uma realidade escondida nos lares brasileiros. A violência praticada contra a mulher no ambiente

Leia mais

Combate à Violência contra a mulher

Combate à Violência contra a mulher Respeitar a mulher: Esta é a lei! Respeitar a mulher: Esta é a lei! Combate à Violência contra a mulher Respeitar a mulher: esta é a lei! RESPEITAR A MULHER: ESTA É A LEI! Durante muito tempo o ambiente

Leia mais

MULHER DIREITOS. Conheça os seus. www.pedrokemp.com.br

MULHER DIREITOS. Conheça os seus. www.pedrokemp.com.br MULHER Conheça os seus DIREITOS www.pedrokemp.com.br www.pedrokemp.com.br Vive dentro de mim a mulher do povo. Bem proletária. Bem linguaruda, desabusada, sem preconceitos... Cora Coralina 2 GUIA DE DIREITOS

Leia mais

Estudo da Legislação Penal de Combate ao Racismo

Estudo da Legislação Penal de Combate ao Racismo Estudo da Legislação Penal de Combate ao Racismo Professor: Almiro de Sena Soares Filho 1. Introdução A declaração de direitos humanos da Organização das Nações Unidas de 1948 significou um divisor de

Leia mais

CURSO EDUCAÇÃO, RELAÇÕES RACIAIS E DIREITOS HUMANOS

CURSO EDUCAÇÃO, RELAÇÕES RACIAIS E DIREITOS HUMANOS CURSO EDUCAÇÃO, RELAÇÕES RACIAIS E DIREITOS HUMANOS MARTA LÚCIA DA SILVA ROSANA CAPPUTI BORGES Educação Infantil: desigualdades de idade e raça, um grande desafio a ser conquistado. São Paulo 2012 EDUCAÇÃO

Leia mais

5 anos da Lei Maria da Penha:

5 anos da Lei Maria da Penha: 5 anos da Lei Maria da Penha: 05 de Agosto Comemoramos nossas conquistas exigindo direitos para todas nós Cinco anos de Lei Maria da Penha: Comemoramos nossas conquistas e repudiamos as desigualdades!

Leia mais

EVOLUÇÃO DA APLICAÇÃO DOS DIREITOS HUMANOS SOCIAIS NO ORDENAMENTO JURIDICO BRASILEIRO.

EVOLUÇÃO DA APLICAÇÃO DOS DIREITOS HUMANOS SOCIAIS NO ORDENAMENTO JURIDICO BRASILEIRO. 1 EVOLUÇÃO DA APLICAÇÃO DOS DIREITOS HUMANOS SOCIAIS NO ORDENAMENTO JURIDICO BRASILEIRO. Clarissa Felipe Cid 1 Sumário:1. Introdução. 2. A distinção entre direitos humanos e fundamentais. 3. Como são aplicadas

Leia mais

RICARDO S. PEREIRA NOÇÕES DE DIREITOS HUMANOS. 1ª Edição OUT 2012

RICARDO S. PEREIRA NOÇÕES DE DIREITOS HUMANOS. 1ª Edição OUT 2012 RICARDO S. PEREIRA NOÇÕES DE DIREITOS HUMANOS TEORIA 38 QUESTÕES DE PROVAS DE CONCURSOS GABARITADAS Teoria e Seleção das Questões: Prof. Ricardo S. Pereira Organização e Diagramação: Mariane dos Reis 1ª

Leia mais

A (IN)EFETIVIDADE DA LEI MARIA DA PENHA E SUA RELAÇÃO NA DIMINUIÇÃO/AUMENTO DOS REGISTROS DE OCORRÊNCIA NO MUNICÍPIO DE LAJEADO/RS

A (IN)EFETIVIDADE DA LEI MARIA DA PENHA E SUA RELAÇÃO NA DIMINUIÇÃO/AUMENTO DOS REGISTROS DE OCORRÊNCIA NO MUNICÍPIO DE LAJEADO/RS CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CURSO DE DIREITO A (IN)EFETIVIDADE DA LEI MARIA DA PENHA E SUA RELAÇÃO NA DIMINUIÇÃO/AUMENTO DOS REGISTROS DE OCORRÊNCIA NO MUNICÍPIO DE LAJEADO/RS Angela Maria Pezzi Lajeado,

Leia mais

DECRETO Nº 1.973, DE 1º DE AGOSTO DE 1996. (Publicado no D.O.U. de 02.08.1996)

DECRETO Nº 1.973, DE 1º DE AGOSTO DE 1996. (Publicado no D.O.U. de 02.08.1996) DECRETO Nº 1.973, DE 1º DE AGOSTO DE 1996. (Publicado no D.O.U. de 02.08.1996) Promulga a Convenção Interamericana para Prevenir, Punir e Erradicar a Violência contra a Mulher, concluída em Belém do Pará,

Leia mais