VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR CONTRA A MULHER:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR CONTRA A MULHER:"

Transcrição

1 VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR CONTRA A MULHER: análise do atendimento realizado na Delegacia Especial de Atendimento à Mulher (DEAM) no município de Aracaju em Daniela C. A da Costa 1 Pedro Silva Neto 2 RESUMO Este artigo tem por objetivo a análise da aplicação do procedimento disciplinado na Lei /06 (Lei Maria da Penha) na Delegacia Especial de Atendimento à Mulher (DEAM) no município de Aracaju em Para tanto, tomou-se por base a interpretação dos formulários aplicados na DEAM, na cidade de Aracaju, entre os dias 05 de novembro a 15 de dezembro de 2010, onde fez-se um levantamento acerca do perfil da vítima, da capacitação dos profissionais, das medidas protetivas, entre outras. Palavras-chave: Efetividade; Violência de gênero; Lei /06; DEAM. Introdução Apesar de a violência doméstica e familiar contra a mulher não se tratar de algo recente, a implementação da Lei /06 (LMP) mudou a forma de tratamento concedida a esta realidade em nível nacional, buscando definir as formas de violência doméstica e familiar contra a mulher, a partir da categoria violência de gênero, bem como parametrizar o procedimento prestado pelo Estado a este tipo de violência. Os primeiros títulos que compõem essa lei exaram mecanismos para fins de estruturação de políticas públicas preventivas e educativas, bem como de assistência às vítimas, num escopo de implementação de uma rede integrada de proteção e assistência, que se mostra ainda extremamente fragilizada. Para garantir a efetividade da Lei Maria da Penha, um dos principais aspectos que deve ser levado em consideração, é a capacitação dos profissionais que atendem as vítimas desse tipo 1 Mestre e Doutora em Direito Penal e Criminologia pela USP; Especialista em Direito Penal pela Universidade de Salamanca; Coordenadora Regional em Sergipe do IBCCRIM; Coordenadora do Grupo de Pesquisa Estudos sobre violência e criminalidade na contemporaneidade da UFS; Professora Adjunta do Dept.º de Direito da UFS; Professora do Programa de Pós-graduação Mestrado em Direito da UFS; Professora do Curso de Direito e da Pós-graduação da FaSe; Professora do Curso de Direito da FANESE; Professora da Escola Superior da Magistratura de Sergipe; Advogada. 2 Graduando em Direito pela UFS, bolsista do CNPq 2012/2013 em Iniciação Científica, integrante do Grupo de Pesquisa "Violência e criminalidade na contemporaneidade"

2 de violência. O atendimento às mulheres vítimas de violência doméstica requer uma atenção especial e sensibilização dos profissionais que o realizam, devendo este atendimento ser continuamente aperfeiçoado através da capacitação. Isso potencializa o combate a esse tipo de violência, pois a vítima recebe um atendimento mais adequado pelos profissionais. A falta de capacitação adequada é passível de revitimizar a mulher agredida, posto que a violência institucional soma-se àquela, seja pelo fato de os profissionais destinados a atendê-la não estarem devidamente capacitados para tanto, seja pelo fato de as medidas protetivas previstas na própria lei não se efetivarem como o esperado. Essa e diversas outras questões, como as relativas ao perfil da vítima e do agressor, foram abordadas e discutidas a partir da análise das respostas dos profissionais ao formulário que lhes foi aplicado. Assim, partindo da premissa que a DEAM se tornou no Brasil, desde os anos 80, a principal política pública de combate à violência contra a mulher, reduzindo os anseios feministas a uma ambiência punitiva, o presente artigo busca especificamente a análise do atendimento prestado pela DEAM no município de Aracaju, após o advento da Lei 11,340/06, através do levantamento de dados estatísticos. Dessa forma, objetiva-se ter ciência do nível de capacitação dos funcionários, do perfil de trabalho por eles desenvolvido, da qualidade e do volume dos serviços prestados na DEAM de Aracaju, permitindo uma reflexão acerca da efetividade de tais procedimentos. 1. Revisão de Literatura Historicamente, a partir da perspectiva de uma cultura patriarcal, o sexo feminino subjuga-se ao masculino, numa relação de poder verticalizada. Wânia Pasinato, baseada em Joan Scott, problematiza o paradigma do patriarcado. Este paradigma pressupõe uma relação fixa de dominação do homem sobre a mulher, decorrente das diferenças biológicas de cada sexo. Portanto, esse paradigma não se mostra completo para explicar a violência de gênero. Tal contexto apenas vê a mulher em seu aspecto vitimizante. Assim, implica em considerar essas relações como dinâmicas de poder e não mais como da dominação de homens sobre mulheres, estática, polarizada Pasinato (2004, p. 6) O movimento feminista trouxe grandes avanços no combate à violência de gênero. A partir dos anos 70 as discussões acerca da violência contra a mulher ganham cada vez mais

3 visibilidade, passando a ser considerado um problema público, apesar dos vários obstáculos socioculturais vigentes à época. Símbolo maior desta visibilidade foi a implantação, em 1985, da primeira Delegacia Especial de Atendimento à Mulher (DEAM) na cidade de São Paulo. Essa época representou grandes avanços no cenário internacional do direito feminino com a denominada década da mulher ( ). A experiência de implantação foi pioneira não só no Brasil, mas também no mundo. O modelo da DEAM paulista alastrou-se pelo país dando uma grande visibilidade à violência contra mulher, sendo a principal política pública de prevenção e punição desse tipo de violência específica. A despeito da mudança na mentalidade, a violência contra a mulher por muito tempo não foi considerada um problema de ordem pública. Logo, percebe-se costumeiramente uma naturalização deste tipo de violência e uma relutância em denunciá-la. Porém, ao ocorrer a denúncia, é bastante comum que, por influência dessa naturalização, as vítimas não recebam a atenção devida por parte dos agentes policiais. A primeira pesquisa nacional realizada pelo Conselho Nacional dos Direitos da Mulher sobre o perfil das delegacias menciona que existiam 339 delegacias em nosso país que são especializadas no atendimento à mulher vítima de violência doméstica (CNDM, 2001). Em 2007, passaram a ser contabilizadas 403 delegacias da mulher, de acordo com dados da Secretaria Especial de Políticas para Mulheres (SPM, 2007). Esse aumento pode ser entendido como um reflexo da revitalização política das delegacias da mulher no âmbito das políticas desenvolvidas pela Secretaria Especial de Políticas para Mulheres (SPM). No entanto, há alguns obstáculos que impedem um satisfatório funcionamento das delegacias como, por exemplo, a deficiência de capacitação dos profissionais e a quantidade insuficiente de uma equipe multidisciplinar. Todas as profissionais que trabalhassem nas Delegacias de Defesa da Mulher deveriam passar por cursos de capacitação em questões de gênero, de forma a garantir que todas as profissionais envolvidas no atendimento estivessem conscientes de que as agressões sofridas por aquelas mulheres se constituíam em crime e deveriam ser tratados como tal. (Izumino, 1998). Apesar das críticas, as delegacias permanecem sendo o principal espaço de prevenção e punição da violência contra a mulher. Com o surgimento das delegacias, a violência contra a mulher vem sendo publicizada e cada vez mais denunciada. Apesar disso, muitas vezes as

4 mulheres parecem não estar cientes do papel a ser desempenhado pela delegacia, pois, enquanto a polícia realiza a apuração e a investigação do crime, elas nem sempre buscam uma criminalização, e sim, uma mediação de conflitos. Isso contribui para que os policiais desqualifiquem a queixa de violência, visto que a ideia preponderante é de que a mulher não tem ciência dos seus direitos e do papel de cidadã. Tal prática também vai de encontro aos preceitos do movimento feminista, cuja proposta foi um combate à impunidade nos casos de violência contra a mulher, terminando necessariamente na averiguação e punição para o agressor. A partir dos anos 90 a categoria violência de gênero passou a ser utilizada para definir a violência como aquela que é praticada contra a mulher por ela ser mulher, ou seja, como resultado da dominação do homem sobre a mulher (PASINATO, 2004, p. 5). Esta categoria é mais abrangente que a inicialmente tomada e deve ser vista a partir não das diferenças relacionadas diretamente ao sexo biológico, mas tomando-se por base os papéis do masculino e do feminino culturalmente impostos e naturalizados. Joan Scott, assim a define: gênero é um elemento constitutivo das relações sociais baseados em diferenças percebidas entre os sexos (...) gênero como uma forma primária de significação das relações de poder (Scott, 1988: 42, 44). Com as crescentes denúncias de homicídios passionais e a impunidade dos criminosos, ganharam força os apelos para a punição de tais tipos de crimes, evidenciando, mais tarde, as outras formas de violência a que se submetiam as mulheres além da violência física, quais sejam: psicológica, sexual, patrimonial e moral. Em nosso país a violência praticada contra a mulher adquiriu grandes proporções e tornou-se um problema a ser combatido de forma emergencial, visto que acarreta sérias consequências às vítimas, podendo, inclusive, levá-las à óbito ou deixar graves danos físicos e psicológicos. O caso mais famoso de violência doméstica, no Brasil, ocorreu com a biofarmacêutica cearense Maria da Penha Maia Fernandes, que lutou durante 20 anos para ver seu agressor condenado, tornando-se um símbolo contra a violência doméstica. O agressor tentou matá-la duas vezes, sendo que, em uma destas tentativas, deixou-a paraplégica. Maria da Penha, além de querer que o seu agressor fosse punido, dedicou-se também a lutar contra o descaso do Estado com relação a casos de violência contra a mulher.

5 Dessa forma, Maria da Penha, juntamente com o CEJIL (Centro pela Justiça e o Direito Internacional) e o CLADEM (Comitê Latino-Americano e do Caribe para a Defesa dos Direitos das Mulheres enviaram o caso à Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH), órgão autônomo e principal da Organização dos Estados Americanos (OEA). O Estado brasileiro não respondeu à petição e se omitiu durante todo o procedimento. Como consequência foi responsabilizado, em 2001, pela comissão da OEA por omissão, negligência e tolerância em relação à violência doméstica contra as mulheres. Além do mais, estabeleceu recomendações tanto de natureza individual para o caso quanto políticas públicas para o país. Pela primeira vez houve a aplicação da Convenção Belém do Pará no sistema interamericano com uma decisão em que responsabiliza um país em matéria de violência doméstica contra as mulheres. Assim, fez-se necessário o uso efetivo do sistema internacional para concluir o processo penal em âmbito interno para que posteriormente, em outubro de 2002, houvesse a prisão do agressor. Além disso, o caso foi relatado ao Comitê CEDAW em 2003, o qual recomendou ao Estado adotar uma legislação específica sobre violência contra a mulher. Assim, em 7 de agosto de 2006, surgiu a Lei /06, popularmente conhecida como Lei Maria da Penha, que criou mecanismos para coibir e a violência doméstica e familiar contra a mulher, sendo resultado da ação comum do Estado e da sociedade civil, representando, sem sombra de dúvida, um marco legislativo e social. A violência contra a mulher é definida pela Lei Maria da Penha como qualquer ação ou omissão baseada no gênero que lhe cause morte, lesão, sofrimento físico, sexual ou psicológico e dano moral ou patrimonial e é classificada em cinco categorias: física, patrimonial, sexual, psicológica e moral. A lei ainda indica que a força geratriz da violência pode ser relações domésticas, familiares ou de afeto, ainda que não tenha havido coabitação, independentemente da orientação sexual dos envolvidos, portanto, deve-se tomar por base a categoria violência de gênero como campo primário de análise. 2. Metodologia As tarefas foram iniciadas através do Grupo de Pesquisa denominado Estudos sobre violência e criminalidade na contemporaneidade referente à linha de pesquisa Violência de

6 Gênero: pesquisa sobre a efetividade da Lei /06, sob a orientação da Profª. Drª. Daniela C. A. da Costa, com a leitura de textos de metodologia da pesquisa social com o intuito de conhecer os diversos métodos que podem ser utilizados em pesquisas, tais como entrevista, questionário, formulário e, desse modo, saber qual o correto método a ser utilizado a depender do caso em análise. Outrossim, em reuniões quinzenais, discutiu-se acerca dos tipos de pesquisas, analisando a complementariedade entre a pesquisa quantitativa e a qualitativa. Posteriormente, foram feitas leituras de bibliografias sobre assuntos referentes ao tema de pesquisa, para assim compreender a dinâmica bastante complexa que exsurge da violência doméstica e familiar, com o fito de atentar contra as ideias pre-concebidas sobre o tema. Essas bibliografias eram igualmente debatidas nas habituais reuniões quinzenais. Passou-se, então, para a confecção dos formulários a serem aplicados na Delegacia da Mulher e na 11ª Vara Criminal de Aracaju, respectivamente, a fim de dar início à pesquisa de campo. A metodologia utilizada na Delegacia Especial de Atendimento à Mulher de Aracaju foi a aplicação de formulários direcionados aos funcionários, entre o dia 05 de novembro a 15 de dezembro de 2010, no qual constavam questões relativas ao perfil da vítima, à capacitação dos profissionais da DEAM, às medidas protetivas e à conciliação. A partir da tabulação dos dados, partiu-se para a confecção do presente artigo. O procedimento acima foi repetido na 11ª Vara Criminal do município de Aracaju. Foram coletados dados estatísticos, que, após levantados e analisados, serviram de base para termos conhecimento da situação de violência doméstica em que se encontra o município de Aracaju. Com o estudo, puderam-se aprofundar diversos temas da lei como capacitação, casasabrigo, medidas protetivas, conciliação, etc. E, por fim, estudaram-se formas alternativas de resolução do conflito da violência doméstica e familiar, que não a punitiva, analisando assim as experiências com métodos consensuais de resolução de conflitos. Desse modo, este artigo, utilizando como método a aplicação de formulários aos profissionais da DEAM em Aracaju, entre os dias 05 de novembro a 15 de dezembro de 2010, possibilitou um contato direto do grupo de pesquisa com os serviços prestados pela delegacia, levando-nos a uma reflexão acerca da efetividade dos serviços prestados na DEAM, conforme se apresentará no próximo tópico.

7 3. Resultados e Discussão Foram aplicados 35 formulários aos profissionais da Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher de Aracaju, num universo de 45 profissionais, entre os dias 05 de novembro a 15 de dezembro de 2010, abordando homens e mulheres sobre diversos aspectos relativos ao atendimento prestado após o advento da Lei Maria da Penha. Percebeu-se que o tempo de serviço dos entrevistados na DEAM é bastante variável, visto que vai desde quinze dias até vinte e quatro anos, como se pôde inferir na primeira pergunta realizada, conforme mostra tabela abaixo: Tabela 1 - Tempo de Serviço na DEAM Conceitos Frequência % % Válida % Acumulada NR* 1 2,9 2,9 2,9 3 anos 3 8,6 8,6 11,4 4 anos 1 2,9 2,9 14,3 6 anos 4 11,4 11,4 25,7 20 anos 1 2,9 2,9 28,6 24 anos 1 2,9 2,9 31,4 10 dias 1 2,9 2,9 34,3 9 anos 1 2,9 2,9 37,1 18 anos 1 2,9 2,9 40,0 5 anos 6 17,1 17,1 57,1 5 meses 1 2,9 2,9 60,0 8 anos 1 2,9 2,9 62,9 1 mês 2 5,7 5,7 68,6 6 meses 1 2,9 2,9 71,4 15 dias 1 2,9 2,9 74,3 4 meses 3 8,6 8,6 82,9 7 meses 1 2,9 2,9 85,7 8 meses 1 2,9 2,9 88,6 3 meses 1 2,9 2,9 91,4 1 ano e meio 1 2,9 2,9 94,3

8 14 anos 1 2,9 2,9 97,1 17 anos 1 2,9 2,9 100,0 NR* - Não respondeu A maioria dos entrevistados ou possuem ensino superior ou são pós-graduados, o que nos remete a uma mudança no perfil da segurança pública, evidenciando, por parte deles, a crescente busca pela formação, demonstrado pelo gráfico a seguir: Gráfico 1 - Escolaridade Com relação a cursos de capacitação, 66% alegaram ter realizado alguns deles. Percebese que a maioria realizou curso de capacitação sobre direitos humanos, seguindo-se de cursos específicos na ACADEPOL e, somente em terceiro lugar, com 16,7%, curso específico sobre a Lei Maria da Penha, ou seja, apenas onze dos entrevistados fizeram um curso de capacitação sobre a LMP. Ademais, somente oito fizeram curso específico sobre violência de gênero. Há, também, registros de cursos sobre gênero e etnia, conforme o gráfico abaixo: Gráfico 2 - Capacitações

9 Quando perguntados sobre a contribuição do curso realizado, alegaram que tais cursos acarretaram mudanças no atendimento prestado à vítima, a saber: ter preparo psicológico para atender à vítima, saber contornar atritos, visão diferenciada sobre o assunto, entendimento maior dos aspectos da lei e mais segurança ao tratar de grupos vulneráveis. Em relação à capacitação realizada, todos os entrevistados que responderam a pergunta julgaram o seu grau de satisfação com o curso realizado de bom a excelente, conforme se vê no gráfico abaixo: Gráfico 3 - Satisfação com as capacitações Isso demonstra que a importância dos cursos de capacitação, já citada, é de conhecimento da maioria. Tais cursos concorrem para uma visão mais ampla sobre o assunto e para uma melhora na forma de lidar com a vítima.

10 Com a porcentagem de 52%, os entrevistados admitem também terem realizado cursos de capacitação por conta própria, tais como: atendimento a grupos vulneráveis, pós-graduação em políticas públicas, mediação de conflitos e polícia comunitária. No entanto, quando perguntados sobre a existência de alguma capacitação específica para uma reordenação do serviço após a Lei Maria da Penha, a maioria dos entrevistados (54%) admitiram não ter tido tal capacitação, apesar de perceberem a sua importância e julgarem-na a melhor solução para conflitos, de acordo com o gráfico: Gráfico 4 - Participação de capacitação específica - Lei Maria da Penha Os resultados obtidos, através da tabulação dos dados, implicaram na constatação de algumas peculiaridades da DEAM de Aracaju que antagonizam com a LMP, a exemplo de alguns incisos do art. 8º da Lei que estabelecem como medidas integradas de prevenção a promoção de estudos, pesquisas e estatísticas sobre a violência doméstica e familiar contra a mulher, que deveriam ter seus dados sistematizados para uma posterior avaliação e a falta de uma capacitação permanente, sendo a importância desta última mais do que corroborada no combate à sobrevitimização, pois é um mecanismo eficaz para minorá-la. No tocante às medidas protetivas, as mais comuns são o afastamento do agressor do lar e a proibição de aproximação da ofendida, fixando o limite mínimo de distância. Quando necessário, acontece de retirar a vítima do contato com o agressor, removendo-a, com a participação da assistente social e da polícia, do domicílio em que se encontra. Todos os pertences da vítima, assim como seus dependentes, devem também ser removidos do local. Todavia, há muitos casos em que a própria mulher avisa a polícia sobre o descumprimento de alguma medida pelo seu agressor e às vezes há falta de funcionários para

11 realizar o acompanhamento da vítima no seu retorno a sua residência com o fito de pegar seus pertences para ir à casa de abrigo, haja vista a deficiência do serviço prestado pela delegacia. Assim, não é rara a exposição da mulher para que as medidas protetivas sejam cumpridas. Quando perguntados sobre qual era o perfil mais recorrente das vítimas em relação à classe econômica, responderam que a grande maioria das mulheres que buscavam a delegacia eram da classe menos abastada (totalizando 85%), de acordo com o gráfico abaixo: Gráfico 5 Perfil das vítimas Alegaram ser pouco comum a presença da classe alta fazendo denúncias, pelo menos na DEAM de Aracaju. E quando interrogados acerca da violência sofrida pela mulher de condições sociais altas, muitos dos profissionais acreditavam que apenas poucas sofriam violência. Porém, não temos dados suficientes que confirmem esse julgamento, uma vez que muita da violência sofrida por parte deste perfil de mulher não chega ao judiciário, compondo a cifra negra. Geralmente, resolve-se em outra instância, pois inúmeras variantes influenciam para que não seja feita a denúncia. É importante destacar que ainda há uma maior dificuldade em traçar o perfil do agressor devido às poucas informações contidas no Boletim de Ocorrência. Além disso, responderam que quando resolvem denunciar, geralmente costumam vir acompanhadas de familiares (63%), seguido por amigos (22%): Gráfico 6 Quem costuma acompanhá-las na denúncia

12 Quando indagados sobre a existência ou não de alguma estatística relativa à violência doméstica e familiar antes e/ou depois da vigência da Lei Maria da Penha, 74 % responderam que havia, conforme tabela: Tabela 2 Estatística Frequência % % Válida % Acumulada NR Sim Não Não soube ,0 informar Total No entanto, ao procurar essa estatística, a dificuldade em achá-la foi expressiva, pois quando se entrou em contato com a Secretaria de Segurança Pública, a mesma informou só possuir no registro os dados do B. O., o que se mostrou um tanto insuficiente. Os funcionários da DEAM afirmaram haver um maior encorajamento por parte da vítima a fim de procurar a delegacia depois da lei Maria da Penha, visto que houve um aumento no número de mulheres que passaram a recorrer à DEAM e também disseram que a LMP tem se mostrado a melhor solução para os conflitos, conforme gráficos abaixo: Gráfico 7 Maior encorajamento

13 Gráfico 8 LMP como melhor solução por parte da vítima para os conflitos agressões: Porém, as vítimas de violência geralmente só procuram a delegacia após reiteradas Gráfico 9 Maior freqüência na procura da DEAM

14 Normalmente, só fazem a denúncia quando não mais suportam o sofrimento. E, mesmo assim, quando a ofendida depara-se com uma possível prisão de seu companheiro (o que geralmente não é seu desejo, só o é em casos mais graves) ela pede a retratação. Isso ocorre devido ao fato de grande parte das mulheres não enxergar a delegacia como um local para punir o seu companheiro, e sim, um local onde possa ser feito um diálogo, uma mediação do conflito. Além disso, há outros fatores que interferem na questão de a mulher só denunciar após reiteradas agressões, como o fato de depender emocional e finaceiramente do agressor, por possuir filhos com o mesmo, entre outros. Todos esses fatores fazem com que haja muitos pedidos de retratação, o que também contribui para ser frequente a procura da DEAM mais de uma vez pela vítima, pois geralmente o ciclo de agressões não cessa: Gráfico 10 - Vítimas que procuram a DEAM mais de uma vez Quando questionados sobre o local para onde as vítimas são encaminhadas quando há risco à vida e/ou a integridade física, a maioria respondeu que são direcionadas às casas abrigo, de acordo com o gráfico abaixo: Gráfico 11 Local para onde as vítimas são encaminhadas

15 É importante destacar que, através do Centro de Referência Especializado de Assistência Social (CREAS) São João de Deus, foi feita uma visita com integrantes do grupo à Casa-Abrigo Professora Núbia Marques, onde se realizou em ambos os locais uma pesquisa qualitativa com as ofendidas que lá se encontravam 1. O gráfico abaixo mostra como é realizado o contato com a casa-abrigo, tendo a DEAM o maior número de encaminhamentos. Gráfico 12 - Encaminhamento 1 Em 2012 foi feita uma pesquisa qualitativa com as vítimas de violência que se encontravam tanto no CREAS (Centro de Referencia Especializado de Assistência Social) São João, localizado no Bairro Industrial município de Aracaju, quanto na Casa Abrigo Núbia Marques, momento no qual aplicaram-se os formulários às mulheres.

16 Encaminhamento VARA JUDICIAL CREAS Encaminhamento DEAM Descobriu-se que a maioria não sabia da existência da casa-abrigo, sendo esse o último lugar procurado por elas, porém constatou-se que elas se sentem seguras nesse local. Na verdade, não há uma real segurança, a mesma é garantida pela sigilosidade do local. Foi também descoberto que a principal razão para aceitar o abrigamento foi o medo seguido pela falta de opção e, quando avaliam os episódios de violência, relatam que tiveram apoio de familiares e/ou amigos. Quando perguntadas sobre o agressor, apontam principalmente o companheiro, seguido do ex-marido, e em terceiro lugar o irmão. Quanto às circunstâncias em que ocorreram as agressões, conforme gráfico abaixo, percebe-se, como já era imaginado por ser de conhecimento comum, que a bebida alcoólica é um dos principais catalisadores da agressão, pois já foi constatado anteriormente que a violência ocorre com mais frequência em finais de semana e feriados, quando os seus companheiros permanecem uma boa parte do tempo em bares e exageram na dose de tais bebidas. Gráfico 13 Circunstâncias Circunstâncias Bebida alcóolica e/ou drogas Ciúmes Violência desmotivada

17 Referente à DEAM, os entrevistados apontaram diversos problemas enfrentados para o seu funcionamento, sendo os principais deles a deficiência no número de funcionários, a falta de meios de locomoção (o que dificulta o deslocamento da vítima da delegacia para a casa de abrigo), a falta de uma estrutura de atendimento à vitima mais adequada (decorrente da divisão do espaço com as outras delegacias de atendimento a grupos vulneráveis), dentre outros. Outro ponto que se deve destacar é a importância da existência de uma equipe multidisciplinar com o objetivo de atender à vítima, esta foi encontrada na DEAM de Aracaju, sendo composta por um psicólogo, uma assistente social e um defensor público. Esses profissionais contribuem para analisar objetiva e subjetivamente as condições da vítima e de familiares mais próximos. A falta dessa equipe multidisciplinar contribui para um atendimento ainda mais limitado às vítimas, que necessita de profissionais devidamente capacitados quando se dirigem à DEAM. De uma forma geral, os funcionários da DEAM de Aracaju foram receptivos, disponibilizando-se para a realização das entrevistas, apesar de alguns ficarem receosos com o que seria questionado. Ficou evidente que os funcionários não receberam uma capacitação voltada especificamente à violência de gênero, o que dificulta a compreensão de uma forma ampla sobre a temática, assim o conhecimento que possuíam era setorizado, isto é, de acordo com o setor em que diretamente trabalhavam. Entretanto, a falta de organização dos dados estatísticos ficou evidenciada, inclusive a partir de uma visita ao Centro Integrado de Operações em Segurança Pública (Ciosp) em busca das estatísticas da delegacia, restou nítida a deficiência em sua organização. Por fim, apesar das dificuldades de acesso aos dados estatísticos e da deficiência dos mesmos, foi possível mapear parcialmente o serviço prestado pela Delegacia Especializada de Atendimento a Mulher no município de Aracaju, após o advento da Lei /06. Considerações finais Para que alcance a sua efetividade, uma lei não basta apenas ser sancionada, mas também ser monitorada para que seja devidamente aplicada, o que não seria possível sem a capacitação. Como a vítima recorre à DEAM como primeiro órgão público, no intento de obter auxílio profissional e cessar o ciclo de violência, a capacitação dos profissionais que compõem tal instituição é de suma importância, devendo ser um sistema de capacitação continuada.

18 Assim, possibilita-se a troca de experiências e a aprendizagem de novos conceitos, enquanto as pessoas estarão continuamente revendo suas práticas, almejando, desse modo, alcançar um trabalho efetivo de proteção dos direitos das mulheres. Por outro lado, uma não capacitação pode implicar numa vitimização secundária. Além disso, a violência contra a mulher não está sendo vista como fato excepcional, principalmente em ambientes mais humildes, já que frequentemente as mulheres vítimas de violência são oriundas de famílias desestruturadas, frágeis e caracterizadas pela escassez. Nesse meio, a violência é vista de forma ainda mais naturalizada que nos meios mais abastados. Assim, a cultura patriarcal, centrada na relação de dominação do homem sobre a mulher segue naturalizada nesses ambientes. Faz-se mister um trabalho de mudança de mentalidade para que a violência passe a ser considerada algo extraordinário e, para isso, é necessário a mudança de paradigma da sociedade em direção à desnaturalização da violência contra a mulher. Dentre as práticas eficazes contra a violência, sobressai a tomada de consciência, não só pelos envolvidos diretamente, mas também pela sociedade como um todo. A vítima, por sua vez, precisa retomar sua autonomia e sua ida à justiça não deixa de ser um início desta retomada, motivo pelo qual se torna imprescindível que ela seja ouvida e acolhida com respeito e atenção. Analisando a aplicação da Lei /06 na DEAM de Aracaju, a primeira coisa que ficou evidenciada é que, embora seja um local com prédio próprio e boa estrutura física para o atendimento a grupos vulneráveis (idosos, crianças, homossexuais e mulheres), os quais são atendidos em um andar voltado especificamente para eles, os profissionais não costumam receber curso de capacitação acerca da Lei Maria da Penha. Isso faz com que os mesmos não estejam e não se sintam preparados para lidar com a complexidade da violência doméstica e familiar. A violência só costuma ser denunciada após reiteradas agressões, e em geral, a vítima não quer o agressor na prisão, ficando patente que seu desejo principal é romper com o ciclo de violência. Isso demonstra que, por mais que a Lei exista, a mudança de mentalidade das pessoas é algo que precisa ser trabalhada para que a violência não continue sendo tratada como algo banal, aos moldes da cultura patriarcal. O fator econômico tem se mostrado decisivo no comportamento dos envolvidos, pois embora a violência doméstica atinja todas as classes sociais, ao traçarmos o perfil da vítima e

(1979) Convenção Sobre Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Contra a Mulher CEDAW

(1979) Convenção Sobre Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Contra a Mulher CEDAW (1979) Convenção Sobre Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Contra a Mulher CEDAW (1994) Convenção Interamericana para Prevenir, Punir e Erradicar a Violência Contra a Mulher (Convenção de Belém

Leia mais

Diretrizes para Implementação dos Serviços de Responsabilização e Educação dos Agressores

Diretrizes para Implementação dos Serviços de Responsabilização e Educação dos Agressores PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE POLÍTICAS PARA MULHERES SECRETRIA DE ENFRENTAMENTO À VIOLÊNCIA CONTRA AS MULHERES Diretrizes para Implementação dos Serviços de Responsabilização e Educação dos Agressores

Leia mais

Re s p o n s a b i l i z a ç ã o e

Re s p o n s a b i l i z a ç ã o e Anexo II Di r e t r i z e s Ge r a i s d o s Se rv i ç o s d e Re s p o n s a b i l i z a ç ã o e Educação do Agressor SERVIÇO DE RESPONSABILIZAÇÃO E EDUCAÇÃO DO AGRESSOR Ap r e s e n ta ç ã o A presente

Leia mais

A CAPACITAÇÃO COMO ARTÍFICE AO COMBATE A VIOLÊNCIA CONTRA MULHER NO ÂMBITO DAS DEAMs EXPERIÊNCIA DA DEAM ARACAJU

A CAPACITAÇÃO COMO ARTÍFICE AO COMBATE A VIOLÊNCIA CONTRA MULHER NO ÂMBITO DAS DEAMs EXPERIÊNCIA DA DEAM ARACAJU A CAPACITAÇÃO COMO ARTÍFICE AO COMBATE A VIOLÊNCIA CONTRA MULHER NO ÂMBITO DAS DEAMs EXPERIÊNCIA DA DEAM ARACAJU Daniela C. A da Costa 1 Agtta Vasconcelos 2 Pedro Silva Neto 3 RESUMO O presente artigo

Leia mais

DIREITOS HUMANOS, FEMINISMO E POLÍTICAS PÚBLICAS DE GÊNERO: APLICABILIDADE DA LEI Nº 11.340/06 EM CAMPINA GRANDE/PB

DIREITOS HUMANOS, FEMINISMO E POLÍTICAS PÚBLICAS DE GÊNERO: APLICABILIDADE DA LEI Nº 11.340/06 EM CAMPINA GRANDE/PB DIREITOS HUMANOS, FEMINISMO E POLÍTICAS PÚBLICAS DE GÊNERO: APLICABILIDADE DA LEI Nº 11.340/06 EM CAMPINA GRANDE/PB (ASFORA, R. V. S.) - Raphaella Viana Silva Asfora/Autora ¹ Escola Superior da Magistratura

Leia mais

SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO E ASSISTÊNCIA SOCIAL - SEDAS GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO, PROJETOS E CAPACITAÇÃO TEXTO I

SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO E ASSISTÊNCIA SOCIAL - SEDAS GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO, PROJETOS E CAPACITAÇÃO TEXTO I TEXTO I Igualdade de Gênero no Enfrentamento à Violência Contra a Mulher As desigualdades são sentidas de formas diferentes pelas pessoas dependendo do seu envolvimento com a questão. As mulheres sentem

Leia mais

Lei Maria da Penha: uma evolução histórica

Lei Maria da Penha: uma evolução histórica Lei Maria da Penha: uma evolução histórica Karina Balduino Leite e Rivadavio Anadão de Oliveira Guassú Maria da Penha foi uma entre as incontáveis vítimas de violência doméstica espalhadas pelo planeta.

Leia mais

NÚCLEO DE ESTUDOS DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR CONTRA A MULHER NA CIDADE DE PONTA GROSSA

NÚCLEO DE ESTUDOS DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR CONTRA A MULHER NA CIDADE DE PONTA GROSSA 9. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( X ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO (

Leia mais

Secretaria Municipal de Assistência Social Centro de Referência Especializado de Assistência Social

Secretaria Municipal de Assistência Social Centro de Referência Especializado de Assistência Social Secretaria Municipal de Assistência Social Centro de Referência Especializado de Assistência Social Proposta para Implementação de Serviço de Responsabilização e Educação de Agressores Grupo Paz em Casa

Leia mais

A MULHER VÍTIMA DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR EM PONTA GROSSA: SUBSÍDIOS PARA O DEBATE

A MULHER VÍTIMA DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR EM PONTA GROSSA: SUBSÍDIOS PARA O DEBATE 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( X ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA A MULHER

Leia mais

www.senado.leg.br/datasenado

www.senado.leg.br/datasenado www.senado.leg.br/datasenado Lei Maria da Penha completa 9 Promulgada em 2006, a Lei Maria da Penha busca garantir direitos da mulher, além da prevenção e punição de casos de violência doméstica e familiar.

Leia mais

1. Em relação aos crimes contra a violência doméstica, analise as afirmações e em seguida assinale a alternativa correta.

1. Em relação aos crimes contra a violência doméstica, analise as afirmações e em seguida assinale a alternativa correta. 1. Em relação aos crimes contra a violência doméstica, analise as afirmações e em seguida assinale a alternativa correta. I. Por expressa determinação legal não se aplicam aos crimes praticados com violência

Leia mais

Questões Fundamentadas Da Lei Maria da Penha Lei 11.340/2006

Questões Fundamentadas Da Lei Maria da Penha Lei 11.340/2006 1 Para adquirir a apostila digital de 150 Questões Comentadas Da Lei Maria da Penha - Lei 11.340/2006 acesse o site: www.odiferencialconcursos.com.br ATENÇÃO: ENTREGA SOMENTE VIA E-MAIL ESSA APOSTILA SERÁ

Leia mais

12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1

12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( X) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA O GRUPO SERMAIS:

Leia mais

PERSPECTIVAS DE ANÁLISE DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA MULHER: MAPEAMENTO DAS DENÚNCIAS ENTRE OS ANOS DE 2010 E 2011 NA CIDADE DE CAMPINA GRANDE-PB

PERSPECTIVAS DE ANÁLISE DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA MULHER: MAPEAMENTO DAS DENÚNCIAS ENTRE OS ANOS DE 2010 E 2011 NA CIDADE DE CAMPINA GRANDE-PB PERSPECTIVAS DE ANÁLISE DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA MULHER: MAPEAMENTO DAS DENÚNCIAS ENTRE OS ANOS DE 2010 E 2011 NA CIDADE DE CAMPINA GRANDE-PB Autoria: Antonio Pereira Cardoso da Silva Filho Universidade

Leia mais

VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER

VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER A Organização Mundial de Saúde (OMS) define violência como o uso intencional da força física ou do poder, real ou em ameaça, contra si próprio, contra outra pessoa, ou contra

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO VARA CENTRAL DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR CONTRA A MULHER SP

PODER JUDICIÁRIO VARA CENTRAL DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR CONTRA A MULHER SP PODER JUDICIÁRIO VARA CENTRAL DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR CONTRA A MULHER SP Projeto: DIALOGANDO PARA A PAZ 1. INTRODUÇÃO A violência doméstica e familiar contra a mulher é um fenômeno multicausal

Leia mais

Projeto TEMPO DE DESPERTAR Em homenagem a Robin Willians

Projeto TEMPO DE DESPERTAR Em homenagem a Robin Willians Projeto TEMPO DE DESPERTAR Em homenagem a Robin Willians I. INTRODUÇÃO Durante uma pesquisa realizada exclusivamente com homens pelo Instituto Avon/Data Popular e lançada em novembro de 2013, alguns dados

Leia mais

A APLICAÇÃO DA JURIMETRIA NOS INQUÉRITOS POLICIAIS DA LEI MARIA DA PENHA

A APLICAÇÃO DA JURIMETRIA NOS INQUÉRITOS POLICIAIS DA LEI MARIA DA PENHA A APLICAÇÃO DA JURIMETRIA NOS INQUÉRITOS POLICIAIS DA LEI MARIA DA PENHA Gonçalves, Priscila de Fátima Faculdade de Jaguariúna Resumo: O artigo busca analisar pela perspectiva da Jurimetria a aplicação

Leia mais

QUESTIONÁRIO Formas de discriminação que limitam o exercício pleno dos direitos econômicos, sociais e culturais das mulheres

QUESTIONÁRIO Formas de discriminação que limitam o exercício pleno dos direitos econômicos, sociais e culturais das mulheres QUESTIONÁRIO Formas de discriminação que limitam o exercício pleno dos direitos econômicos, sociais e culturais das mulheres Este questionário foi preparado como parte do plano de trabalho da Relatoria

Leia mais

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA NACIONAL VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR CONTRA A MULHER

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA NACIONAL VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR CONTRA A MULHER PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA NACIONAL VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR CONTRA A MULHER Fevereiro/2009 2 Mulheres conhecem a Lei Maria da Penha, mas têm medo de denunciar os agressores O destaque da terceira

Leia mais

Combate e prevenção à violência contra a mulher

Combate e prevenção à violência contra a mulher Combate e prevenção à violência contra a mulher O CIM - Centro Integrado de Atendimento à Mulher Vítima de Violência Doméstica e Familiar - tem por objetivo fazer valer a Lei n.º 11.340/06, Lei Maria da

Leia mais

TÍTULO: A IMPORTANCIA DA CASA ABRIGO ESPAÇO DA COMUNIDADE PARA O ROMPIMENTO DO CICLO DE VIOLENCIA DAS MULHERES VITIMAS DE VIOLENCIA DOMESTICA

TÍTULO: A IMPORTANCIA DA CASA ABRIGO ESPAÇO DA COMUNIDADE PARA O ROMPIMENTO DO CICLO DE VIOLENCIA DAS MULHERES VITIMAS DE VIOLENCIA DOMESTICA Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: A IMPORTANCIA DA CASA ABRIGO ESPAÇO DA COMUNIDADE PARA O ROMPIMENTO DO CICLO DE VIOLENCIA DAS

Leia mais

VIOLÊNCIA INTRAFAMILIAR CONTRA A MULHER E AS REDES DE ATENDIMENTO

VIOLÊNCIA INTRAFAMILIAR CONTRA A MULHER E AS REDES DE ATENDIMENTO CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X VIOLÊNCIA INTRAFAMILIAR CONTRA A MULHER E AS REDES DE ATENDIMENTO

Leia mais

PARÁ: O histórico do Ministério Público Paraense no enfrentamento à Violência contra a mulher

PARÁ: O histórico do Ministério Público Paraense no enfrentamento à Violência contra a mulher PARÁ: O histórico do Ministério Público Paraense no enfrentamento à Violência contra a mulher Lucinery Helena Resende Ferreira do Nascimento Túlio Carlos Souza Ortiz Desde o nascimento da Lei 11.340, em

Leia mais

DataSenado. Secretaria de Transparência DataSenado. Março de 2013

DataSenado. Secretaria de Transparência DataSenado. Março de 2013 Violência Doméstica e Familiar Contra a Mulher DataSenado Março de 2013 Mulheres conhecem a Lei Maria da Penha, mas 700 mil ainda sofrem agressões no Brasil Passados quase 7 desde sua sanção, a Lei 11.340

Leia mais

Doutoranda: Vera Lúcia de Azevedo Lima (UFPA) Orientadora: Dra. Maria de Lourdes de Souza (UFSC)

Doutoranda: Vera Lúcia de Azevedo Lima (UFPA) Orientadora: Dra. Maria de Lourdes de Souza (UFSC) UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ PROGRAMA DE DOUTORADO INTERINSTITUCIONAL EM ENFERMAGEM - UFSC/UFPA/CAPES ÁREA DE CONCENTRAÇÃO: FILOSOFIA, SAÚDE E SOCIEDADE Doutoranda:

Leia mais

1.4 Objeto e Metodologia

1.4 Objeto e Metodologia 1.4 Objeto e Metodologia O objeto a pesquisa cujos dados serão apresentados foi definido juntamente com a SAS- Secretaria de Assistência Social de Presidente Prudente em especial com a equipe do CREAS

Leia mais

A Lei Maria da Penha e a Falta de Proteção da Vítima

A Lei Maria da Penha e a Falta de Proteção da Vítima A Lei Maria da Penha e a Falta de Proteção da Vítima Após uma longa luta das mulheres contra a violência doméstica, o legislador brasileiro criou a Lei 11.340, de 22 de setembro de 2006, que ficou conhecida

Leia mais

VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: ESTUDO EXPLORATÓRIO E REFLEXIVO NO CREAS DO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE SP

VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: ESTUDO EXPLORATÓRIO E REFLEXIVO NO CREAS DO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE SP Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 385 VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: ESTUDO EXPLORATÓRIO E REFLEXIVO NO CREAS DO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE

Leia mais

Como proceder à notificação e para onde encaminhá-la?

Como proceder à notificação e para onde encaminhá-la? Se a família não quiser ou não puder assumir a notificação, o educador deverá informar a família que, por força da lei, terá que notificar o fato aos órgãos competentes. Como proceder à notificação e para

Leia mais

Artigo 1º - Fica autorizado o Poder Executivo a criar o Programa de Acessibilidade e Segurança da População LGBTT no Estado de São Paulo.

Artigo 1º - Fica autorizado o Poder Executivo a criar o Programa de Acessibilidade e Segurança da População LGBTT no Estado de São Paulo. PROJETO DE LEI Nº 173, DE 2015 Autoriza a criação do Programa Estadual de Acessibilidade e Segurança da População LGBTT no Estado de São Paulo e dá outras providências. A ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO

Leia mais

Lei Maria da Penha. Raquel de Andrade Teixeira Cardoso 1 INTRODUÇÃO

Lei Maria da Penha. Raquel de Andrade Teixeira Cardoso 1 INTRODUÇÃO Lei Maria da Penha 123 Raquel de Andrade Teixeira Cardoso 1 INTRODUÇÃO De acordo com conceito firmado em 1994, em Belém/PA, na Convenção Interamericana para Prevenir, Punir e Erradicar a Violência contra

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº de de 2015.

PROJETO DE LEI Nº de de 2015. PROJETO DE LEI Nº de de 2015. INSTITUI A POLÍTICA ESTADUAL PARA O SISTEMA INTEGRADO DE INFORMAÇÕES DE VIOLÊNCIA CONTRA O IDOSO NO ESTADO DE GOIÁS, DENOMINADO OBSERVATÓRIO ESTADUAL DA VIOLÊNCIA CONTRA O

Leia mais

PROPOSTAS PARA O ESTADO BRASILEIRO - NÍVEIS FEDERAL, ESTADUAL E MUNICIPAL

PROPOSTAS PARA O ESTADO BRASILEIRO - NÍVEIS FEDERAL, ESTADUAL E MUNICIPAL PROPOSTAS PARA O ESTADO BRASILEIRO - NÍVEIS FEDERAL, ESTADUAL E MUNICIPAL MEDIDAS CONCRETAS PARA O ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER NO ÂMBITO DOMÉSTICO/FAMILIAR A presente Matriz insere-se no

Leia mais

Projeto Lei Maria da Penha : divulgação na mídia contra a violência doméstica e familiar sofrida pelas mulheres

Projeto Lei Maria da Penha : divulgação na mídia contra a violência doméstica e familiar sofrida pelas mulheres Projeto Lei Maria da Penha : divulgação na mídia contra a violência doméstica e familiar sofrida pelas mulheres Cleyton Pereira LUTZ 1 Universidade Estadual do Centro-Oeste (Unicentro) ISSN-2175-6554 Referência:

Leia mais

Promover a igualdade entre os sexos e a autonomia das mulheres

Promover a igualdade entre os sexos e a autonomia das mulheres Promover a igualdade entre os sexos e a autonomia das mulheres META 3 Eliminar as disparidades entre os sexos no ensino fundamental e médio, se possível, até 2005, e em todos os níveis de ensino, o mais

Leia mais

Thiago Gondim de Almeida Oliveira 1 INTRODUÇÃO DESENVOLVIMENTO

Thiago Gondim de Almeida Oliveira 1 INTRODUÇÃO DESENVOLVIMENTO 154 Série Aperfeiçoamento de Magistrados 14 Curso: Capacitação em Gênero, Acesso à Justiça e Violência contra as Mulheres A Lei Maria da Penha e o Estímulo à Denúncia da Violência, o Acesso à Justiça,

Leia mais

O artigo 8º da referida lei, contemplando exatamente a dimensão do sofrimento e dos danos que a violência doméstica e familiar provoca, determina:

O artigo 8º da referida lei, contemplando exatamente a dimensão do sofrimento e dos danos que a violência doméstica e familiar provoca, determina: TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO VARA CENTRAL DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR CONTRA A MULHER SP Projeto: DE MÃOS DADAS COM A REDE Introdução A violência doméstica e familiar contra a mulher é um fenômeno

Leia mais

Lei MARIA DA PENHA 3 anos depois

Lei MARIA DA PENHA 3 anos depois Lei MARIA DA PENHA 3 anos depois Três anos depois, lei Maria da Penha diversifica perfil de mulheres que procuram ajuda contra violência doméstica. Quais são os resultados trazidos pela lei Maria da Penha?

Leia mais

PESQUISA IBOPE / INSTITUTO AVON

PESQUISA IBOPE / INSTITUTO AVON PESQUISA IBOPE / INSTITUTO AVON PERCEPÇÕES E REAÇÕES DA SOCIEDADE SOBRE A VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER 2009 PARCERIAS INSTITUTO PATRÍCIA GALVÃO Planejamento e supervisão da pesquisa IBOPE INTELIGÊNCIA Campo

Leia mais

RESOLUÇÃO CONJUNTA CNAS/CONANDA Nº 001 DE 09 DE JUNHO DE 2010

RESOLUÇÃO CONJUNTA CNAS/CONANDA Nº 001 DE 09 DE JUNHO DE 2010 RESOLUÇÃO CONJUNTA CNAS/CONANDA Nº 001 DE 09 DE JUNHO DE 2010 Estabelece parâmetros para orientar a constituição, no âmbito dos Estados, Municípios e Distrito Federal, de Comissões Intersetoriais de Convivência

Leia mais

A Promotora de Justiça discutiu os avanços que a alteração legislativa representa para a causa da mulher e os seus reflexos no Ordenamento Penal.

A Promotora de Justiça discutiu os avanços que a alteração legislativa representa para a causa da mulher e os seus reflexos no Ordenamento Penal. VI Conferência Internacional de Direitos Humanos foi organizada pela OAB/PA e ocorreu no período de 27 a 29 de abril, no período da manhã no Hangar Centro de Convenções da Amazônia, em Belém.. Neste ano,

Leia mais

Universidade Metodista de São Paulo

Universidade Metodista de São Paulo Universidade Metodista de São Paulo Ciências Sociais Pólo Brasília Mulher e Sociedade Ane Cruz Mulher e Sociedade A sociedade primitiva Estudos já comprovaram que nem sempre a organização da humanidade

Leia mais

Projeto Novos Horizontes: Grupo Reflexivo Para Homens Autores de Violência de Gênero

Projeto Novos Horizontes: Grupo Reflexivo Para Homens Autores de Violência de Gênero Projeto Novos Horizontes: Grupo Reflexivo Para Homens Autores de Violência de Gênero Mostra Local de: Apucarana (Municípios do Vale do Ivaí) Categoria do projeto: II Projetos em implantação (projetos que

Leia mais

O que deve fazer uma mulher vítima de agressão?

O que deve fazer uma mulher vítima de agressão? PERGUNTAS FREQUENTES O que deve fazer uma mulher vítima de agressão? A mulher em situação de violência doméstica poderá comparecer a uma delegacia de Defesa da Mulher mais próxima à sua casa para registrar

Leia mais

NÃO EXISTE ANALOGIA SUBSTANCIAL PARA CRIANÇA, ADOLESCENTE, IDOSO, ENFERMO E PESSOA COM DEFICIÊNCIA NO ENFRENTAMENTO À VIOLÊNCIA DOMÉSTICA

NÃO EXISTE ANALOGIA SUBSTANCIAL PARA CRIANÇA, ADOLESCENTE, IDOSO, ENFERMO E PESSOA COM DEFICIÊNCIA NO ENFRENTAMENTO À VIOLÊNCIA DOMÉSTICA NÃO EXISTE ANALOGIA SUBSTANCIAL PARA CRIANÇA, ADOLESCENTE, IDOSO, ENFERMO E PESSOA COM DEFICIÊNCIA NO ENFRENTAMENTO À VIOLÊNCIA DOMÉSTICA Por Carlos Eduardo Rios do Amaral Caro leitor, observe bem esta

Leia mais

Instituição: Universidade do Vale do Paraíba Av. Shishima Hifumi, 2911, Urbanova Fone: +55 (12) 39471000

Instituição: Universidade do Vale do Paraíba Av. Shishima Hifumi, 2911, Urbanova Fone: +55 (12) 39471000 PRINCIPAIS TIPOS DE VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER EM UMA INSTITUIÇÃO DE ACOLHIMENTO NO VALE DO PARAÍBA Cruz RASC 1, Galvão RDS 2, Lancia MCF 3 Instituição: Universidade do Vale do Paraíba Av. Shishima Hifumi,

Leia mais

EIXO 2 PROTEÇÃO E DEFESA DOS DIREITOS: PROPOSTAS APROVADAS OBTIVERAM ENTRE 80 e 100% DOS VOTOS

EIXO 2 PROTEÇÃO E DEFESA DOS DIREITOS: PROPOSTAS APROVADAS OBTIVERAM ENTRE 80 e 100% DOS VOTOS EIXO 2 PROTEÇÃO E DEFESA DOS DIREITOS: PROPOSTAS APROVADAS OBTIVERAM ENTRE 80 e 100% DOS VOTOS Garantir a elaboração e implementação da Política e do Plano Decenal de Direitos Humanos de Criança e Adolescente

Leia mais

O PROCESSO GERENCIAR DA ENFERMAGEM NO CENTRO CIRÚRGICO EM UM HOSPITAL REGIONAL NO MUNÍCIPIO DE PAU DOS FERROS, RN, BRASIL.

O PROCESSO GERENCIAR DA ENFERMAGEM NO CENTRO CIRÚRGICO EM UM HOSPITAL REGIONAL NO MUNÍCIPIO DE PAU DOS FERROS, RN, BRASIL. ÁREA TEMÁTICA: Enfermagem O PROCESSO GERENCIAR DA ENFERMAGEM NO CENTRO CIRÚRGICO EM UM HOSPITAL REGIONAL NO MUNÍCIPIO DE PAU DOS FERROS, RN, BRASIL. CARVALHO, Sancherleny Bezerra de. Acadêmica do 6º período

Leia mais

SAÚDE DA FAMÍLIA E VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER: UM DESAFIO PARA A SAÚDE PUBLICA DE UM MUNICIPIO DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO Brasil

SAÚDE DA FAMÍLIA E VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER: UM DESAFIO PARA A SAÚDE PUBLICA DE UM MUNICIPIO DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO Brasil ID 1676 SAÚDE DA FAMÍLIA E VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER: UM DESAFIO PARA A SAÚDE PUBLICA DE UM MUNICIPIO DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO Brasil Dutra, Laís; Eugênio, Flávia; Camargo, Aline; Ferreira

Leia mais

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA Autores: FIGUEIREDO 1, Maria do Amparo Caetano de LIMA 2, Luana Rodrigues de LIMA 3, Thalita Silva Centro de Educação/

Leia mais

AUTORES RESUMO PALAVRAS-CHAVE

AUTORES RESUMO PALAVRAS-CHAVE MANIFESTAÇÕES DA VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER UM ESTUDO DO SERVIÇO SOCIAL NO NÚCLEO DE PRÁTI- CA JURÍDICA DA UNIÃO DAS FACULDADES DOS GRANDES LAGOS AUTORES Danieli Cristina Oliveira VELANI Érika Cristina

Leia mais

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA NACIONAL

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA NACIONAL Relatório Analítico PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA NACIONAL PESQUISA SOBRE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA A MULHER DATASENADO SECS PESQUISA SOBRE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA A MULHER Há dois anos, o DataSenado

Leia mais

DEPOIMENTO SEM DANO: VANTAGENS A VÍTIMA E A JUSTIÇA. Palavras-chave: Depoimento. Dano. Crianças. Adolescentes.

DEPOIMENTO SEM DANO: VANTAGENS A VÍTIMA E A JUSTIÇA. Palavras-chave: Depoimento. Dano. Crianças. Adolescentes. ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( X ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA DEPOIMENTO SEM DANO: VANTAGENS A VÍTIMA E A JUSTIÇA Daiani

Leia mais

Experiência: Pacto nacional pelo enfrentamento da violência contra as mulheres

Experiência: Pacto nacional pelo enfrentamento da violência contra as mulheres Experiência: Pacto nacional pelo enfrentamento da violência contra as mulheres Presidência da República Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres Responsável: Aparecida Gonçalves, Subsecretária

Leia mais

ANEXO 01. CURSO: Tecnólogo em Segurança Pública e Social UFF

ANEXO 01. CURSO: Tecnólogo em Segurança Pública e Social UFF ANEXO 01 CURSO: Tecnólogo em e Social UFF SELEÇÃO DE VAGAS REMANESCENTES DISCIPLINAS / FUNÇÕES - PROGRAMAS / ATIVIDADES - PERFIS DOS CANDIDATOS - NÚMEROS DE VAGAS DISCIPLINA/FUNÇÃO PROGRAMA/ATIVIDADES

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA A REDAÇÃO

INSTRUÇÕES PARA A REDAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO-MEC FACULDADE REGIONAL PALMITOS-FAP COMISSÃO PERMANENTE DO PROCESSO SELETIVO DA FAP PROCESSO SELETIVO DA FAP REDAÇÃO EDITAL Nº... Prezado(a) candidato(a): Seja bem-vindo (a) ao processo

Leia mais

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento;

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Objetivo geral Promover a igualdade no mundo do trabalho e a autonomia

Leia mais

PROJETO DE LEI N o 6.622, DE 2013 (Apenso o Projeto de Lei nº 7.490, de 2014)

PROJETO DE LEI N o 6.622, DE 2013 (Apenso o Projeto de Lei nº 7.490, de 2014) COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA PROJETO DE LEI N o 6.622, DE 2013 (Apenso o Projeto de Lei nº 7.490, de 2014) Altera o Decreto-Lei nº 2.848, de 7 de dezembro de 1940 (Código Penal) para tipificar

Leia mais

RELATOS DE EXPERIÊNCIAS OUVIDORIA DA SECRETARIA ESPECIAL DE POLÍTICAS PARA AS MULHERES DA PRESIDÊNCIA DA

RELATOS DE EXPERIÊNCIAS OUVIDORIA DA SECRETARIA ESPECIAL DE POLÍTICAS PARA AS MULHERES DA PRESIDÊNCIA DA RELATOS DE EXPERIÊNCIAS OUVIDORIA DA SECRETARIA ESPECIAL DE POLÍTICAS PARA AS MULHERES DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA OUVIDORIA/OMBUDSMAN A FUNÇÃO DE OUVIDORIA USUALMENTE EMPREGADA PELA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

Leia mais

Curso de Capacitação em Bullying

Curso de Capacitação em Bullying Curso de Capacitação em Bullying Segundo pesquisa do Instituto Cidadania e da Fundação Perseu Abramo, a violência é o tema que mais preocupa os brasileiros entre 15 e 24 anos (55% do total), à frente de

Leia mais

A INTERVENÇÃO DO ASSISTENTE SOCIAL NAS QUESTÕES DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA MULHER

A INTERVENÇÃO DO ASSISTENTE SOCIAL NAS QUESTÕES DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA MULHER A INTERVENÇÃO DO ASSISTENTE SOCIAL NAS QUESTÕES DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA MULHER Elizangela da Silva Carvalho 2 Nilra de Souza Pinheiro Lôbo 1 RESUMO: O artigo discute a atuação do assistente social

Leia mais

PARECER Nº, DE 2010. RELATOR: Senador RENATO CASAGRANDE

PARECER Nº, DE 2010. RELATOR: Senador RENATO CASAGRANDE PARECER Nº, DE 2010 Da COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA E CIDADANIA, em caráter terminativo, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 37, de 2010, da Senadora Lúcia Vânia, que altera o art. 10 do Código de

Leia mais

Violência contra as Mulheres em Pernambuco

Violência contra as Mulheres em Pernambuco Violência contra as Mulheres em Pernambuco Recife, 25 de novembro de 2015 FICHA TÉCNICA Coordenação: Equipe do SOS Corpo Instituto Feminista para Democracia Pesquisadora: Ana Paula Melo (pesquisadora convidada)

Leia mais

Palavras-chaves: denuncia, consumo de álcool, consumo de drogas.

Palavras-chaves: denuncia, consumo de álcool, consumo de drogas. VIOLENCIA CONTRA A MULHER E A DEPENDENCIA FINACEIRA. UM ESTUDO DE CASO NO MUNICIPIO DE PITANGA. MARLY APARECIDA MAZUR MACHADO/UNICENTRO E-MAIL: maymazur@outlook.com SIMÃO TERNOSKI (ORIENTADOR)/UNICENTRO

Leia mais

NÚCLEO TÉCNICO FEDERAL

NÚCLEO TÉCNICO FEDERAL NÚCLEO TÉCNICO FEDERAL Programa de Proteção a Crianças e Adolescentes Ameaçados de Morte PPCAAM Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Criança e do Adolescente Secretaria de Direitos Humanos Presidência

Leia mais

OS SEVIÇOS DE ATENÇÃO À VIOLÊNCIA CONTRA IDOSO: O CIAPVI DE MANAUS

OS SEVIÇOS DE ATENÇÃO À VIOLÊNCIA CONTRA IDOSO: O CIAPVI DE MANAUS OS SEVIÇOS DE ATENÇÃO À VIOLÊNCIA CONTRA IDOSO: O CIAPVI DE MANAUS Ana Paula de S. Oliveira - Doutoranda do Programa de Pós-Graduação Sociedade e Cultura na Amazônia Universidade Federal do Amazonas. E-mail:

Leia mais

Palavras-chave: Busca ativa, dependência química, tratamento,

Palavras-chave: Busca ativa, dependência química, tratamento, BUSCA ATIVA DE PACIENTES DEPENDENTES QUÍMICOS Área Temática: Saúde Cristiane Barros Marcos 1 (Coordenadora da Ação de Extensão) Cristiane Barros Marcos, Bruna Abbud da Silva 2, Sara Silva Fernandes 3,

Leia mais

QUERIDO(A) ALUNO(A),

QUERIDO(A) ALUNO(A), LANÇADA EM 15 MAIO DE 2008, A CAMPANHA PROTEJA NOSSAS CRIANÇAS É UMA DAS MAIORES MOBILIZAÇÕES PERMANENTES JÁ REALIZADAS NO PAÍS, COM FOCO NO COMBATE À VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E À EXPLORAÇÃO SEXUAL DE CRIANÇAS

Leia mais

Relatório da Pessoa Idosa

Relatório da Pessoa Idosa Relatório da Pessoa Idosa 2012 O Relatório da Pessoa Idosa 2012, com base nos dados de 2011, se destina à divulgação dos dados de criminalidade contra a pessoa idosa (idade igual ou superior a 60 anos),

Leia mais

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Ensino Médio Elaborar uma proposta curricular para implica considerar as concepções anteriores que orientaram, em diferentes momentos, os

Leia mais

SIGNIFICADOS ATRIBUÍDOS ÀS AÇÕES DE FORMAÇÃO CONTINUADA DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DO RECIFE/PE

SIGNIFICADOS ATRIBUÍDOS ÀS AÇÕES DE FORMAÇÃO CONTINUADA DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DO RECIFE/PE SIGNIFICADOS ATRIBUÍDOS ÀS AÇÕES DE FORMAÇÃO CONTINUADA DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DO RECIFE/PE Adriele Albertina da Silva Universidade Federal de Pernambuco, adrielealbertina18@gmail.com Nathali Gomes

Leia mais

o que é muito pouco. E o empoderamento das mulheres só se dará com a inserção delas no mercado de trabalho, comentou a coordenadora do Dandara no

o que é muito pouco. E o empoderamento das mulheres só se dará com a inserção delas no mercado de trabalho, comentou a coordenadora do Dandara no NIQUELÂNDIA O Grupo de Mulheres Negras Dandara no Cerrado, em parceria com a Secretaria Municipal de Assistência Social de Niquelândia, promoveu na cidade, entre a manhã e a tarde de sexta-feira (23),

Leia mais

SEQÜESTRO INTERNACIONAL DE CRIANÇAS E SUA APLICAÇÃO NO BRASIL. Autoridade Central Administrativa Federal/SDH

SEQÜESTRO INTERNACIONAL DE CRIANÇAS E SUA APLICAÇÃO NO BRASIL. Autoridade Central Administrativa Federal/SDH A CONVENÇÃO SOBRE OS ASPECTOS CIVIS DO SEQÜESTRO INTERNACIONAL DE CRIANÇAS E SUA APLICAÇÃO NO BRASIL Autoridade Central Administrativa Federal/SDH Considerações Gerais A Convenção foi concluída em Haia,

Leia mais

ALIENAÇÃO PARENTAL E SUAS CONSEQUÊNCIAS

ALIENAÇÃO PARENTAL E SUAS CONSEQUÊNCIAS ALIENAÇÃO PARENTAL E SUAS CONSEQUÊNCIAS Maria Berenice Dias www.mbdias.com.br www.mariaberenice.com.br www.direitohomoafetivo.com.br Grande parte das separações produz efeitos traumáticos que vêm acompanhados

Leia mais

MEDIANDO A VIOLÊNCIA NAS ESCOLAS PÚBLICAS DE BELÉM

MEDIANDO A VIOLÊNCIA NAS ESCOLAS PÚBLICAS DE BELÉM MEDIANDO A VIOLÊNCIA NAS ESCOLAS PÚBLICAS DE BELÉM Paulo Rogério de Souza GARCIA 1 (FIBRA) Resumo: O presente artigo trata do projeto de extensão da FIBRA junto à Escola Mário Barbosa no ano de 2012 a

Leia mais

XVI Encontro de Iniciação à Pesquisa Universidade de Fortaleza 20 a 22 de Outubro de 2010

XVI Encontro de Iniciação à Pesquisa Universidade de Fortaleza 20 a 22 de Outubro de 2010 XVI Encontro de Iniciação à Pesquisa Universidade de Fortaleza 20 a 22 de Outubro de 2010 PERFIL DOS PROFESSORES-PESQUISADORES DOS CURSOS DA SAÚDE DE UMA UNIVERSIDADE CEARENSE Palavras-chave: Educação

Leia mais

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável Sustentabilidade Socioambiental Resistência à pobreza Desenvolvimento Saúde/Segurança alimentar Saneamento básico Educação Habitação Lazer Trabalho/

Leia mais

DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÕES DE TRABALHO PRECOCE

DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÕES DE TRABALHO PRECOCE Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 18 a 22 de outubro, 2010 337 DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM

Leia mais

A constituição do sujeito em Michel Foucault: práticas de sujeição e práticas de subjetivação

A constituição do sujeito em Michel Foucault: práticas de sujeição e práticas de subjetivação A constituição do sujeito em Michel Foucault: práticas de sujeição e práticas de subjetivação Marcela Alves de Araújo França CASTANHEIRA Adriano CORREIA Programa de Pós-Graduação da Faculdade de Filosofia

Leia mais

Secretaria da Justiça e da Defesa da Cidadania

Secretaria da Justiça e da Defesa da Cidadania Secretaria da Justiça e da Defesa da Cidadania 1) Curso de Educação para Agressores - ONG Coletivo Feminista Sexualidade e Saúde. Visa a reconstrução comportamental da conduta dos homens, em atendimento

Leia mais

O PAPEL DO SERVIÇO DE EPIDEMIOLOGIA NA REDE DE PROTEÇÃO A CRIANÇA E AO ADOLESCENTE EM SITUACAO DE RISCO PARA A VIOLENCIA NO HOSPITAL DE CLÍNICAS.

O PAPEL DO SERVIÇO DE EPIDEMIOLOGIA NA REDE DE PROTEÇÃO A CRIANÇA E AO ADOLESCENTE EM SITUACAO DE RISCO PARA A VIOLENCIA NO HOSPITAL DE CLÍNICAS. O PAPEL DO SERVIÇO DE EPIDEMIOLOGIA NA REDE DE PROTEÇÃO A CRIANÇA E AO ADOLESCENTE EM SITUACAO DE RISCO PARA A VIOLENCIA NO HOSPITAL DE CLÍNICAS. AREA TEMÁTICA: Saúde. COORDENADORA: Prof.ª Dr.ª Denise

Leia mais

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 RECURSOS HUMANOS EM UMA ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR COM PERSPECTIVA DE DESENVOLVIVENTO DO CLIMA ORGANIZACONAL: O CASO DO HOSPITAL WILSON ROSADO EM MOSSORÓ RN

Leia mais

Políticas Setoriais Secretarias Municipais: Saúde, Assistência Social, Educação, Direitos Humanos(quando houver). Participações Desejáveis

Políticas Setoriais Secretarias Municipais: Saúde, Assistência Social, Educação, Direitos Humanos(quando houver). Participações Desejáveis PARÂMETROS PARA A CONSTITUIÇÃO DAS COMISSÕES INTERSETORIAIS DE ACOMPANHAMENTO DO PLANO NACIONAL DE PROMOÇÃO, PROTEÇÃO E DEFESA DO DIREITO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES À CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA

Leia mais

COMISSÃO PERMANENTE MISTA DE COMBATE À VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER. Plano de Trabalho

COMISSÃO PERMANENTE MISTA DE COMBATE À VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER. Plano de Trabalho COMISSÃO PERMANENTE MISTA DE COMBATE À VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER Plano de Trabalho CONCEPÇÃO A violência contra a mulher constitui qualquer ação ou conduta, baseada no gênero, que cause morte, dano ou

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE PROJETO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ

Leia mais

SESMT - SERVIÇOS ESPECIALIZADOS EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO

SESMT - SERVIÇOS ESPECIALIZADOS EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO SESMT - SERVIÇOS ESPECIALIZADOS EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO Aline Barbosa Pinheiro Prof. Andréia Alexandre Hertzberg Centro Universitário Leonardo da Vinci UNIASSELVI Graduação Tecnológica

Leia mais

METODOLOGIA RESULTADOS E DISCUSSÃO

METODOLOGIA RESULTADOS E DISCUSSÃO ATENDIMENTO DE ENFERMAGEM A SAÚDE DO HOMEM NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA Ingrid Mikaela Moreira de Oliveira Enfermeira Mestranda em Bioprospecção Molecular da Universidade Regional do Cariri-URCA ingrid_lattes@hotmail.com

Leia mais

Violência de gênero contra mulher: uma demanda à justiça restaurativa?

Violência de gênero contra mulher: uma demanda à justiça restaurativa? Violência de gênero contra mulher: uma demanda à justiça restaurativa? Paola Stuker Cientista Social pela Universidade Federal de Santa Maria. Mestranda em Sociologia pela Universidade Federal do Rio Grande

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CORREGEDORIA GERAL DA JUSTIÇA DIRETORIA GERAL DE ADMINISTRAÇÃO

PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CORREGEDORIA GERAL DA JUSTIÇA DIRETORIA GERAL DE ADMINISTRAÇÃO PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CORREGEDORIA GERAL DA JUSTIÇA DIRETORIA GERAL DE ADMINISTRAÇÃO Divisão de Apoio Técnico Interdisciplinar Serviço de Apoio aos Psicólogos A) PROJETOS SÍNTESE

Leia mais

25/03/2009. Violência Dirigida aos Enfermeiros no Local de Trabalho

25/03/2009. Violência Dirigida aos Enfermeiros no Local de Trabalho 25/03/2009 Violência Dirigida aos Enfermeiros no Local de Trabalho Violência Dirigida aos Enfermeiros no Local de Trabalho: O Caso de um Hospital Sandrina Nunes Violência no Sector da Saúde Ilustração

Leia mais

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA:

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA (X) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA

Leia mais

Rio de Janeiro, Agosto de 2013.

Rio de Janeiro, Agosto de 2013. Análise da Política de enfrentamento a violência contra a mulher num município do Rio de Janeiro. Universidade Federal do Rio de Janeiro - Escola de Serviço Social Dayana Gusmão [Resumo: O combate à violência

Leia mais