CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO CEARÁ FACULDADE CEARENSE CURSO DE SERVIÇO SOCIAL ANA APARECIDA HOLANDA DE OLIVEIRA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO CEARÁ FACULDADE CEARENSE CURSO DE SERVIÇO SOCIAL ANA APARECIDA HOLANDA DE OLIVEIRA"

Transcrição

1 1 CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO CEARÁ FACULDADE CEARENSE CURSO DE SERVIÇO SOCIAL ANA APARECIDA HOLANDA DE OLIVEIRA LEI MARIA DA PENHA : A PERCEPÇÃO DOS HOMENS INTERNOS DA CASA DE PRIVAÇÃO PROVISÓRIA DE LIBERDADE PROFESSOR JOSÉ JUCÁ NETO (CPPL III) FORTALEZA 2013

2 2 ANA APARECIDA HOLANDA DE OLIVEIRA LEI MARIA DA PENHA : A PERCEPÇÃO DOS HOMENS INTERNOS DA CASA DE PRIVAÇÃO PROVISÓRIA DE LIBERDADE PROFESSOR JOSÉ JUCÁ NETO (CPPL III) Trabalho de Conclusão de Curso apresentado ao curso de graduação em Serviço Social da Faculdade Cearense, como requisito parcial para a obtenção do grau de Bacharel em Serviço Social. Orientadora: Esp. Francis Emmanuelle Alves Vasconcelos FORTALEZA 2013

3 3 ANA APARECIDA HOLANDA DE OLIVEIRA LEI MARIA DA PENHA : A PERCEPÇÃO DOS HOMENS INTERNOS DA CASA DE PRIVAÇÃO PROVISÓRIA DE LIBERDADE PROFESSOR JOSÉ JUCÁ NETO (CPPL III) Trabalho de Conclusão de Curso apresentado ao curso de graduação em Serviço Social da Faculdade Cearense, como requisito parcial para a obtenção do grau de Bacharel em Serviço Social. Data da Aprovação / / BANCA EXAMINADORA Esp. Francis Emmanuelle Alves Vasconcelos (Orientadora) Ms. Denise Furtado Alencar Lima Ms. Silvana Maria Pereira Cavalcante

4 Agradeço a Deus e a minha mãe. 4

5 5 AGRADECIMENTOS Agradeço a Deus por ter atendido o meu pedido de chegar até aqui. À minha família, em especial a minha mãe Maria Zuleide, que soube entender os meus momentos de estresse e compreendê-los. A minha querida orientadora, Francis Emmanuelle, que mesmo sem me conhecer, me acolheu com um sorriso e uma meiguice peculiar a sua pessoa, acreditando no meu potencial. A Casa de Privação Provisória de Liberdade Professor José Jucá Neto, principalmente o Diretor Adjunto Luzardo e a Assistente Social Célia Paz pela abertura, contribuição e apoio no trato com os entrevistados. A Assistente Social Raylane Caminha, que em tão pouco tempo soube me conquistar e ouvir minhas angústias nessa reta final. A minha querida equipe de trabalhos acadêmicos: Jailson, Danielle, Micheline, Rose Caroliny, Edilaine e especialmente a minha amiga Nádia Maciel que tantas vezes me fez sorrir e chorar. A Equipe Master: Shirley de Castro, Antônia Lira, Emanuela Vitor, Caroline Lindolfo, Débora Lemos, Mirella Freire por terem me acolhido e estarem presente em todos os momentos, enchendo as minhas noites de alegria. A todos os meus amigos, em especial a Paula Matias, que mesmo com a distância, mora no meu coração. Ao Júnior por ter me dado à coisa mais importante da minha vida, a pequena Isabella e que mudou os meus dias. A Isabella Holanda, que me escolheu como mãe.

6 6 O homem não teria alcançado o possível, se inúmeras vezes não tivesse tentado atingir o impossível Max Weber

7 7 RESUMO O presente trabalho versa sobre violência doméstica e familiar contra a mulher, tendo como foco os homens enquanto privados provisoriamente de liberdade pela Lei Maria da Penha. O objetivo dessa pesquisa é analisar a percepção deles sobre a Lei /2006 em privação provisória de liberdade, tendo como objetivos específicos também a analise sobre a eficácia da Lei e o entendimento deles a cerca da violência contra a mulher. A investigação foi realizada através de pesquisa de campo na Casa de Privação Provisória de Liberdade Professor José Jucá Neto (CPPL III) bem como, de pesquisa documental e entrevistas semi-estruturadas com 10 homens presos provisoriamente. Observou-se que os pesquisados tiveram dificuldades em definir os tipos de violência doméstica, identificadas somente como uma violência física, decorrente de várias causas como: ciúmes e o uso de drogas. A maioria dos homens estava sob o efeito de álcool e/ou crack no ato da prisão. Todos tinham conhecimento sobre a Lei Maria da Penha, mas apesar de concordarem com sua execução emitiram várias críticas. Poucos respondiam por outros crimes e muitos consideraram sua prisão injusta. A maioria dos entrevistados eram homens negros e pobres. Diante de todos esses aspectos, percebe-se que somente a privação provisória de liberdade como forma de punir e ressocializar não evita a reincidência na violência praticada. Palavras chave: Violência doméstica. Relações de gênero. Feminismo.

8 8 ABSTRACT This paper deals with domestic and family violence against women, focusing on men provisionally deprived of freedom while the Maria da Penha Law. The goal of this research is to analyze their perception of the Law on /2006 provisional deprivation of freedom, with the specific objectives also analyze the effectiveness of the law and their understanding about violence against women. The research was conducted through field research in the House of Deprivation Provisional Freedom Jucá Professor José Neto (CPPL III) as well as documentary research and semi-structured interviews with 10 men trapped temporarily. It was observed that respondents had difficulties in defining the types of domestic violence, identified only as a physical, arising from various causes such as jealousy and drug use. Most of the men were under the influence of alcohol and / or crack at the time of arrest. Everyone knew about the Maria da Penha Law, but despite agreeing with his execution issued several criticisms. Few accounted for other crimes and many considered his unjust imprisonment. Most respondents were men black and poor. Given all these aspects, it is clear that only the temporary deprivation of liberty as a way to punish and resocialize not prevent recidivism in violence. Keywords - Keywords: Domestic violence. Gender relations. Feminism.

9 9 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO CAPÍTULO I: VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR CONTRA A MULHER BASEADA NO GÊNERO 2.1 Os avanços e conquistas dos feminismos diante do contexto de violência doméstica e familiar Masculinidades: um olhar em construção CAPÍTULO II: A REDE DE PROTEÇÃO E ATENDIMENTO ÀS MULHERES VITIMAS DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR 3.1 A Lei /2006, Lei Maria da Penha e o sistema legal de acompanhamento e atendimento as mulheres vítimas de violência em Fortaleza Políticas Públicas de defesa dos direitos das mulheres Pelo fim da violência contra as mulheres: ações com os homens CAPÍTULO III: ASPECTOS METODOLÓGICOS DA PESQUISA 4.1 A aproximação do objeto de pesquisa Procedimentos teórico-metodológicos Casa de Privação Provisória de Liberdade Professor José Jucá Neto (CPPL III) Campo de pesquisa O Serviço Social no Sistema Penitenciário Perfil Biográfico dos entrevistados CAPÍTULO IV: LEI MARIA DA PENHA : A PERCEPÇÃO DOS INTERNOS DA CPPL III 5.1 Drogas e Violência Contra a Mulher Tipos de Violência e suas manifestações Percepções sobre a Lei Maria da Penha: a fala dos entrevistados CONSIDERAÇÕES FINAIS...75 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS...77 APÊNDICES...82

10 10 1. INTRODUÇÃO A violência contra a mulher trata-se de um fenômeno que atinge a sociedade por muitos séculos. Como forma de coibir, enfrentar e prevenir a violência contra a mulher é que o Brasil cria uma lei específica e políticas públicas destinadas ao combate e à prevenção da violência contra a mulher. De acordo com Cantera (2007), o progresso observado nos últimos anos a respeito da violência doméstica e familiar contra a mulher se deu em diversas linhas, dentre elas: desbiologização, quando ela deixa de ser vista como determinada pela relação animal entre os sexos e passa a ser reconhecida como derivada dos imperativos culturais entre gêneros, desprivatização, antes vista como assunto do mundo privado, passa a se tornar público; desindividualização, antes compreendida como problema (inter) individual, cada vez mais assume caráter de problema social e político e desnormalização, quando se começa a negar que esse fenômeno é uma expressão genuína da normalidade social. Implementada em 07 de agosto de 2006, a Lei , conhecida popularmente como Lei Maria da Penha, extinguiu o pagamento de cestas básicas, podendo a violência acarretar na prisão do homem que praticá-la. Busca também, a intervenção organizada do Estado através da elaboração de políticas públicas e investimentos estatais como forma de prevenir a morte, dano, sofrimento físico, sexual ou psicológico à mulher, tanto no âmbito público como no privado. Sendo assim, o presente trabalho versa sobre a percepção dos homens presos sobre a Lei Maria da Penha durante a privação provisória de liberdade. Por entender que tal violência não é um fenômeno natural e privado e sim, construído culturalmente e socialmente, abordarei as categorias relações de gênero, feminismos e violência contra a mulher. O interesse pela problemática surge em meados de 2009 quando ao fim de um relacionamento, fiz parte das estatísticas de mulheres que sofrem violência por parte de seus companheiros. Recém-ingressada na faculdade de Serviço Social, pude me deparar com os equipamentos e a rede de atendimentos vinculados a Lei , assim como, com as falhas envolvidas

11 11 no processo desde o registro do Boletim de Ocorrência (BO) até o seu julgamento, observada enquanto mulher em situação de violência. Decidida a registrar um B.O. por sofrer violência física, psicológica e ameaça de morte, procurei uma delegacia em que a equipe de plantão era composta só por homens. Nesta ocasião, ao relatar a violência sofrida e por não apresentar marcas visíveis dessa agressão, fui aconselhada a retornar ao meu lar e tentar fazer as pazes com meu companheiro. Não satisfeita com a falta de conhecimento dos policiais de plantão, me dirigi até a delegacia da mulher e assim pude relatar o meu caso e ser resguardada por uma medida protetiva expedida após o registro da ocorrência. No decorrer do processo, recebo uma intimação para novamente comparecer a delegacia e lá chegando à responsável pela oitiva tentou me induzir ao seu arquivamento sobe a alegativa que, em dado momento o processo teria um fim e antes que a denúncia fosse ofertada aos órgãos competentes eu poderia arquivá-lo. Contrária a está situação, levei a minha causa as instâncias necessárias para a superação da situação de violência e a responsabilização do agressor. Sabendo da importância do tema para atuação do Serviço Social, a aproximação com os homens presos pela Lei Maria da Penha em minha atuação como estagiária em Serviço Social da Casa de Privação Provisória de Liberdade Professor José Jucá (CPPL III) a partir do 6º semestre, me trouxe, em conjunto com a disciplina de fundamentos de TCC, o interesse de estudar a temática. Por se tratar de um tema com bastante profundidade, se faz necessário discutirmos teoricamente as categorias gênero, feminismo e violência intercaladas com a pesquisa de campo, fundamentais para entendermos tal violência. Objetivei dar respostas a seguinte indagação: quais as representações sociais dos homens presos pela Lei Maria da Penha sobre a Lei /2006 internos do sistema penitenciário. Desse objetivo geral, temos os seguintes objetivos específicos: analisar a eficácia da Lei /2006 no combate à violência contra a mulher sob a ótica dos homens presos na Casa de Privação Provisória de Liberdade Professor José Jucá Neto (CPPL III) e identificar com os homens detidos qual o entendimento de violência contra a mulher.

12 12 O Trabalho de Conclusão do Curso divide-se em quatro capítulos. No primeiro capítulo tratei das categorias relações de gênero, violência contra a mulher e feminismo. Inicialmente analiso a violência e suas manifestações inscritas no texto da Lei /2006. Em seguida, um resgate histórico do movimento feminista e das expressões de masculinidades que me deu subsídios para analisar a categoria relações de gênero. No capítulo seguinte, trago à rede de proteção e atendimento as mulheres em situação de violência doméstica e familiar com o advento da Lei Maria da Penha e em seguida, a necessidade e o surgimento de Políticas Públicas contemplando tanto as mulheres quanto aos homens. No terceiro capítulo apresento o percurso metodológico da pesquisa, evidenciando a escolha do objeto, a natureza da pesquisa, o campo de pesquisa, a atuação do serviço social no sistema penitenciário, os instrumentais de coleta de dados e o perfil biográfico dos entrevistados. O quarto e último capitulo traz a analise das entrevistas com os sujeitos da pesquisa, evidenciando a violência e o uso de álcool e outras drogas, as percepções sobre os tipos de violência e as interpretações sobre a Lei Maria da Penha.

13 13 2. CAPÍTULO I: VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR CONTRA A MULHER BASEADA NO GÊNERO 2.1 OS AVANÇOS E CONQUISTAS DOS FEMINISMOS DIANTE DO CONTEXTO DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA Conceituar violência como categoria analítica nos remete a inúmeros desafios por se tratar de categoria muito ampla. Partindo desse pressuposto, chegar a uma noção do que seja violência contra a mulher é desafiante devido às diversas possibilidades de explicação na literatura de gênero. Se recorrermos ao estudo da etimologia latina da palavra violência, veremos que o termo vis advém do latim e significa violência referindo-se ao emprego da força, vigor e potência. (OSTERNE, 2007) Para Inácio (2003, p.126), Se recorrermos às palavras violatio, onis, violo e are, que estão associados ao termo violentio, veremos, porém, que o termo revela um sentido negativo e maléfico, indesejável. As palavras violatio e onis significam dano, prejuízo, profanação, violação, perfídia e a palavra violo e are indicam fazer violência à, maltratar, danificar, devastar, desonrar, transgredir, infringir, ferir, lesar, ofender, macular. Para o senso comum, a violência é vista como sinônimo do uso da força física, psicológica ou moral para obrigar uma pessoa a fazer algo contra a sua vontade. Num sentido mais amplo, a violência pode ser percebida como fenômeno que percorre toda ordem social, envolvidas não só nas relações pessoais como nas institucionais. Utilizada na produção histórica, sociológica, antropológica e psicanalítica recebe diversas adjetivações, algumas delas chamada violência institucional, estatal, social, política, econômica, cultural, doméstica, de gênero, física, sexual, moral e tantas outras utilizadas. Mesmo com adjetivos diversificados, a primeira dimensão que pensamos quando falamos em violência é a de destruição vinculado a constrangimento físico ou moral, a força e coação. Segundo Diógenes (1998, p.7), a natureza polissêmica do sentido de violência em seus estudos, via de regra, apresentam caráter difuso, pouco afeito às observações diretas e de difícil ordenamento por parte dos

14 14 pesquisadores. Na maioria das vezes, se elaboram como análises complementares, ilustrativas ou auxiliares de fenômeno considerados centrais. Para (OSTERNE apud Diógenes, 1998), esta formulação simplificadora a respeito do caráter destrutivo da violência aparece sempre, seja no começo ou no final das análises de campo. Alguns estudiosos, no entanto, tentam reverter o aspecto contraditório do caráter instrumental e destrutivo da violência, dando a esta uma dimensão de construtividade e positividade. Ressaltam que, quando a violência é percebida apenas em seu caráter mais visível (aparente), deixa incógnitas as violências mais sutis, aquelas que, não obstante mais ocultas, emprestam profundo significado ao fenômeno em sua real abrangência. Este pensamento fez com que parte das Ciências Sociais adotasse em suas explicações o caráter de dualidade, utilizando-se da estratégia do contraste para dar lugar certo ao que consideram como sociedade de modo geral, ou seja, ser considerado desviante sempre em relação ao que se adota como normalidade. Como entende Diógenes (1998), o imaginário da violência não escapa de ser compreendido fora da percepção do centro como lugar da ordem, enquanto os outros acontecimentos se encontram nas margens da vida social. Os estudos sobre a violência, portanto, estão no lado sombreado das análises ou postado na orla da vida social. O fenômeno da violência torna-se mais impactante no final do século XX, pois se propaga pela sociedade como um todo, trazendo para o lado de cá o lado de lá, a realidade generalizada. Consoante Diógenes (1998), a violência deslocaliza-se, não permitindo mais uma espacialização geográfica da ordem/violência, principalmente nas metrópoles. Tal fato fez com que, em certos contextos, a violência fosse considerada como questão de segurança nacional e quanto ao campo de estudos, um terreno estratégico nas oratórias contemporâneas.

15 15 Para Diógenes (1998, p.75) Essas razões, [...] apontam a necessidade de uma visão do social que, finalmente articule ordem e caos e transcenda os discursos de natureza essencialmente denunciatórios, restritos a uma visão fincada na matriz destrutiva do fenômeno da violência. Entender a violência fora da sua rede de significados, ou seja, pelo lado destrutivo traz uma visão de que a violência é sempre um fenômeno exterior, vinda de fora. Acompanhado desse raciocínio, aparece à bipolaridade baseada no pensamento de que a ordem e o equilíbrio possam ser alcançados em sua plenitude, assim como, a dualidade em que de um lado aparecem as vítimas (não violentas) e os sujeitos (protagonistas da violência) indicando que ações violentas podem ser controladas com a eliminação ou contenção do sujeito praticante. Para Diógenes, enfim, São as práticas de violência a que vêm representar, no imaginário das ciências sociais, de forma mais radical; referências de natureza contrastivas. O comportamento violento é quase sempre pensado dentro de referenciais negativos, como expressão daquilo que deveria ser, que falta, que se projeta da ordem do outro. [...] Verifica-se, atualmente, que a violência parece romper as barreiras dualistas e contrastivas e se apresentar ali, lado a lado com a ordem, em relações cotidianas que pareciam até então conseguir isolar ou abafar esse incômodo outro. [...] Os morros descem, as torcidas de futebol reúnem setores populares e de classe média, as policias tornam-se atores de destaque na dinâmica da violência, turmas de jovens da classe média, playboys, gangues da periferia protagonizam as experiências de violência juvenil. A violência rompe fronteiras [...] As produções das ciências sociais começaram a identificar novas territorialidades expressas através da vivência da violência cujo mote, anteriormente qualificado por categorias relativas à integração, adaptação, estabilidade, põe em evidência a noção de diferença. (DIOGENES, 1998, p. 87) Essa noção de diferença traz a tona as possibilidades de compreensão do fenômeno da violência, aparecendo demandas sociais que reconhecem as diferenças e a formação de redes de sociabilidade, de micropoderes e de algumas práticas de solidariedade que por mais incomoda que seja, indica um caráter de positividade. Quando o senso comum entende a violência como o uso da força de indivíduos ou grupos contra outros, é importante, como forma de desvendar as intransparências peculiares a esse fenômeno, ter uma noção também desse outro.

16 16 Para Velho (1996, p.11), a noção de outro pressupõe que a diferença faz parte da vida social, à proporção que essa diferença se efetiva por meio da dinâmica das relações sociais, ou seja, a diferença é, ao mesmo tempo, a base da vida social e constante fonte de tensão e conflito. [...] longe de a vida social constituir-se em um processo homogêneo em que a sociedade como unidade circunscreve e produz os atores linearmente, explicito uma visão em que a negociação da realidade, a partir das diferenças, é conseqüência do sistema de interações sociais sempre heterogêneos e com potencial de conflito. Essa função de reconhecimento do outro traz consigo, a constituição de um sistema de reciprocidade, dado essencialmente sócio-histórico em que as partes de uma sociedade se relacionam. Relações surgidas desse sistema resultam em histórias de desencontros, impasses, acertos, conflitos, ou seja, de interação e negociação. Quando se reconhece a amplitude e a imprecisão da diferença existente nos diversos domínios da vida sociocultural, podemos perceber os atores, indivíduos ou grupos, como aliados, competidores e adversários potenciais. Decorrente dessas diferenças, a produção de tensão e conflito está ligada diretamente a desigualdade social, importante para a compreensão da crescente violência da sociedade brasileira mais não a única. Para Velho (1996), outras variáveis acompanham esse processo. É o caso, por exemplo, do esvaziamento de conteúdos culturais, notadamente os éticos, no sistema de relações sociais, não sendo aplicada somente a pobreza, a causa da perda de referenciais éticos sustentadores nas relações de grupos e indivíduos. Outras variáveis que resultam nesse fenômeno é o crescimento das grandes cidades em decorrência da modernização, das migrações, da industrialização, expansão da economia de mercado e a introdução de novas tecnologias que criam uma cultura de massas e propicia essas transformações. Assim, a violência física torna-se característica do cotidiano em decorrência da ausência de um sistema de reciprocidade e da quebra de valores comuns a sociedade, atingindo todas as classes sociais e o interior das camadas populares, resultando em situações de desigualdade e produtora de violência.

17 17 O funcionamento positivo, utilitário e construtivo da violência, para Maffesoli (1987), deve ser entendido como expressão da fundação social. Segundo o autor, já é tempo de avaliar a violência ou a dissidência como um elemento estrutural do fato social e não como um saldo negativo anacrônico de uma ordem bárbara em vias de desaparecimento. (Id. p. 21). Apela para que a violência seja vista dentro de um movimento duplo de destruição e formulação, observando o caráter contraditório, já que seu aspecto infernal, demoníaco, remete a uma simbiose de forças, de energias que cria ou renova a estrutura social. (Id., p.25) Para Chauí (1985), a violência é uma realização determinada das relações de força, seja no sentido de classes sociais, seja em termos interpessoais. Analisa a violência contra a mulher sobre dois ângulos: como conversão de uma diferença numa relação hierárquica de desigualdade baseada na dominação, exploração e opressão e como ação que trata o ser humano como coisa e não como sujeito. Este último caracteriza-se pela inércia, passividade e silêncio. A autora percebe ainda, a violência como algo realizado pelo uso da força, mas deixa claro que existe diferença entre relação de força e violência. Para que a violência seja perfeita, é necessário que haja uma alienação. Suas definições estão baseadas em alguns pressupostos, entre eles o mais importante é a liberdade. Para Chauí (1985), liberdade é a capacidade de autodeterminação para pensar, querer, sentir e agir, e não simplesmente a escolha voluntária ante várias opções. Liberdade é, antes, autonomia. Toda essa introdução conceitual a respeito da violência segundo Chauí (1985), se faz necessário para analisar a violência que se exerce sobre as mulheres e a violência que as mulheres exercem umas sobre as outras. Como forma de fundamentar esse pensamento, recorre a Aristóteles e suas distinções acerca do tema: o movimento natural (que determina que um corpo realize uma atividade que lhe é inerente, como por exemplo, o pesado cair e o leve subir) e o movimento violento ( no qual uma força externa constrange um corpo a executar uma atividade que não lhe é própria, como, por exemplo, a trajetória retilínea ao ar de uma pedra lançada por alguém). A violência adota

18 18 então, o sentido de constrangimento, onde uma força contrária a sua natureza opera uma ação. Ora, se violência é contrariar ou constranger a natureza de alguma coisa ou de alguém para que atuem ou opere de modo diverso aquele a que estavam destinados, nada impede que se conceba a natureza das coisas e das pessoas de tal maneira que seja possível exercer violência sobre elas sem, no entanto, supor que tal esteja efetivamente ocorrendo. (CHAUÍ, 1985, p. 37) Outro argumento está baseado nas ideias que as pessoas da sociedade têm sobre a natureza feminina e em respeito a essa natureza, não se consideram nem autores de violência, nem vítimas dela. A naturalização das determinações sociais e históricas para Chauí (1985) é o recurso privilegiado da ideologia, da mesma forma que o aceite dessa naturalização sempre foi fundamental para aceitação da violência como não-violência. Diz então que, a ideologia naturalizadora se faz presente na vida da mulher através do seu corpo, determinação legal ligada ao plano biológico (da procriação) e ao contexto da sensibilidade (na esfera do conhecimento). Por tanto, a hipótese básica de Chauí (1985) é de que a insistente permanência da natureza feminina decorre do fato de o corpo feminino ter sido o elemento essencial para as ideologias da feminilidade. Este corpo, objeto externo visível, constitui uma exterioridade de partes relacionadas mecânica ou funcionalmente, sobre o qual é proferido um discurso do conhecimento, recoberto por um discurso filosófico de um corpo-idéia, dotado de sentido para o intelecto. Percebida apenas como corpo, a mulher segundo Chauí (1985) é analisada por um discurso masculino, dito isto por considerar o discurso científico do conhecimento e o discurso filosófico como tal. Trata-se de um discurso sobre o corpo feminino, produzido por homens que fala de fora sobre as mulheres, fala esta, que se alimenta do seu silêncio. Observar o corpo pelo exterior traz ao corpo feminino o atributo de maternidade, apreendida como instinto materno. Esse instinto garante de forma invisível, o pressuposto de uma natureza feminina como natureza materna, derivando desta, o amor materno. Analisadas pelo lado do amor, a mulher é considerada instintivamente mais sensível que os homens, atribuição extra que

19 19 busca compensar e justificar a sua exclusão da vida pública e do mundo pensante intelectual. O eterno elogio a sensibilidade feminina indica Chauí (1985), esconde uma imensa discriminação sobre a mulher, o que abre facilmente caminho para a violência. A subjetivação das mulheres se constitui originariamente de outorgas internas, deste o exterior. É preciso então, que essa mulher tenha vontade e liberdade afim de que a interiorização das finalidades externas se realize com o seu consentimento, colaboração e cumplicidade. O conceito de violência de Chauí (1985) é adotado por pesquisas de caráter mais militante, para indicar que as situações de violência contra a mulher decorrem de uma condição geral de subordinação e antes de ser considerada violência é violação de liberdade e do direito que a pessoa tem de ser sujeito construtor da sua própria história. Dada a natureza polissêmica do sentido de violência, trataremos aqui da violência doméstica e familiar contra a mulher. A Convenção Interamericana para Prevenir e Erradicar a Violência contra a Mulher, conhecida como Convenção de Belém do Pará, define violência contra a mulher como: qualquer ação ou conduta, baseada no gênero, que cause morte, dano, sofrimento físico, sexual ou psicológico à mulher, tanto no âmbito público como no privado (CIPEVM, 1994). Entre as modalidades de violência estão: a violência física, sexual e psicológica ocorridas no domínio público e no âmbito privado. Trataremos a seguir, das distinções os tipos de violência. Como violência física entende-se um ato executado com a intenção de causar dano físico à outra pessoa. A violência sexual é compreendida como todo ato sexual em relações hetero ou homoafetivas com uma ou mais pessoas, praticada de maneira forçada, agressiva com intuito de obter prazer sexual pelo uso da força, assim como, a proibição do uso de métodos contraceptivos.

20 20 Violência psicológica ou emocional é conhecida como aquela capaz de provocar efeitos torturantes ou causar desequilíbrios ou sofrimentos mentais, acompanhado de ofensas, insinuações, humilhações, julgamentos depreciativos, palavrões, acusações infundadas, etc. que causam traumas e provocam seqüelas que podem durar por toda vida. (OSTERNE, 2007). Acrescentada por alguns teóricos temos ainda a violência moral que atinge direta ou indiretamente a dignidade, moral e honra da vítima, tendo as mesmas manifestações de humilhação, julgamentos levianos, trapaças e restrições à liberdade encontrada na violência psicológica e a violência simbólica presente na ordem do sistema de relações sociais vigentes. Para Inácio (2003), a violência como fenômeno histórico, cultural e humano é também entendida como ato codificado, sob influência dos valores e da visão do mundo dos sujeitos que se constroem socialmente. As violências até aqui descritas, não ocorrem de forma isolada. Ocorrem de maneira parcial ou totalmente entrelaçada. Tomemos como exemplo a violência psicológica, que está presente em todas as demais e poderá ocorrer junto à violência moral. A violência doméstica apresenta especificidades e sobreposições parciais em relação a outros conceitos. Na concepção de Saffioti (2004) uma das características mais relevantes é a sua rotinização, ocorrendo à violência predominantemente no interior do domicílio. Tem como incidência as mesmas vítimas e poderá se tornar habitual. Com o consentimento, via de regra, da sociedade, homens e mulheres exercem poder entre os membros que mantêm vínculos familiares. O agressor poderá ser qualquer membro da convivência doméstica, neste caso, pai, mãe, filhos, padrasto ou madrasta, mulher, marido, avô, avó, tios, etc. Para Saffioti (2004, p.81), a violência de gênero, inclusive em suas modalidades familiar e doméstica, não ocorre aleatoriamente, mas deriva de uma organização social de gênero, que privilegia o masculino. Ocorrida numa relação afetiva, à ruptura do ciclo de violência será possível também atrás de uma intervenção externa.

21 21 Guerra (1998, p.31), entende que a violência doméstica permeia todas as classes sociais e por isso resguarda relação com a violência estrutural. Trata-se de uma violência interpessoal que tem na família seu lugar privilegiado. Poderá atingir pessoas que não pertençam à família, mas, que fazem parte do convívio domiciliar do agressor, como é o caso de agregados (as) e empregados (as) domésticos (as). Almeida (1998) considera o fenômeno da violência de gênero como transversal à sociedade, desconhecendo fronteiras de classe social e de raça/etnia. Ocorre no mundo inteiro e atingem mulheres em todas as idades, graus de instrução, classes sociais, raças, etnias e orientação sexual. Diante das múltiplas formas de manifestação da violência doméstica contra a mulher no mundo, o grande desafio é mostrar o seu caráter essencialmente político. Neste caso reafirma-se: violência doméstica/privada, porém, pública. Discutir a violência de gênero impõe que haja um debate entre o público e o privado. Para Almeida (1998, p. 52), trata-se de duas dimensões da vida social com fronteiras fluídas, permeadas por tensões e ambigüidades, e manipuladas, ao longo da história, para forjar um determinado modelo de sociedade. Começamos então, refletindo sobre o uso da palavra doméstica. Segundo Almeida (1998), seu uso traz uma noção espacializada designativa do que é próprio ao familiar, uma instância da vida social, diga-se de passagem, histórica e diametralmente oposta ao público e ao político. Como forma de entender os problemas que envolvem a violência de homens contra as mulheres, na perspectiva de gênero, se faz necessário uma analise dos processos de socialização e sociabilidade masculinas e femininas, assim como, o que significa ser homem e ser mulher perante a sociedade. Os homens, desde cedo são preparados para dar respostas à sociedade de modo proativo, enfrentando riscos e agressividades. Essa noção de virilidade destinada ao homem pode ser encontrada nas brincadeiras de criança, nas ruas, escolas e no interior da família.

Palavras-chaves: denuncia, consumo de álcool, consumo de drogas.

Palavras-chaves: denuncia, consumo de álcool, consumo de drogas. VIOLENCIA CONTRA A MULHER E A DEPENDENCIA FINACEIRA. UM ESTUDO DE CASO NO MUNICIPIO DE PITANGA. MARLY APARECIDA MAZUR MACHADO/UNICENTRO E-MAIL: maymazur@outlook.com SIMÃO TERNOSKI (ORIENTADOR)/UNICENTRO

Leia mais

CONVENÇÃO INTERAMERICANA PARA PREVENIR, PUNIR E ERRADICAR A VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER, CONVENÇÃO DE BELÉM DO PARÁ

CONVENÇÃO INTERAMERICANA PARA PREVENIR, PUNIR E ERRADICAR A VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER, CONVENÇÃO DE BELÉM DO PARÁ CONVENÇÃO INTERAMERICANA PARA PREVENIR, PUNIR E ERRADICAR A VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER, CONVENÇÃO DE BELÉM DO PARÁ (Adotada em Belém do Pará, Brasil, em 9 de junho de 1994, no Vigésimo Quarto Período Ordinário

Leia mais

(1979) Convenção Sobre Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Contra a Mulher CEDAW

(1979) Convenção Sobre Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Contra a Mulher CEDAW (1979) Convenção Sobre Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Contra a Mulher CEDAW (1994) Convenção Interamericana para Prevenir, Punir e Erradicar a Violência Contra a Mulher (Convenção de Belém

Leia mais

PROPOSTAS PARA O ESTADO BRASILEIRO - NÍVEIS FEDERAL, ESTADUAL E MUNICIPAL

PROPOSTAS PARA O ESTADO BRASILEIRO - NÍVEIS FEDERAL, ESTADUAL E MUNICIPAL PROPOSTAS PARA O ESTADO BRASILEIRO - NÍVEIS FEDERAL, ESTADUAL E MUNICIPAL MEDIDAS CONCRETAS PARA O ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER NO ÂMBITO DOMÉSTICO/FAMILIAR A presente Matriz insere-se no

Leia mais

CASOTECA DIREITO GV PRODUÇÃO DE CASOS 2011

CASOTECA DIREITO GV PRODUÇÃO DE CASOS 2011 CASOTECA DIREITO GV PRODUÇÃO DE CASOS 2011 CASOTECA DIREITO GV Caso do Campo de Algodão: Direitos Humanos, Desenvolvimento, Violência e Gênero ANEXO I: DISPOSITIVOS RELEVANTES DOS INSTRUMENTOS INTERNACIONAIS

Leia mais

CONVENÇÃO INTERAMERICANA PARA PREVENIR, PUNIR E ERRADICAR A VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER, CONVENÇÃO DE BELÉM DO PARÁ

CONVENÇÃO INTERAMERICANA PARA PREVENIR, PUNIR E ERRADICAR A VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER, CONVENÇÃO DE BELÉM DO PARÁ CONVENÇÃO INTERAMERICANA PARA PREVENIR, PUNIR E ERRADICAR A VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER, CONVENÇÃO DE BELÉM DO PARÁ (Adotada em Belém do Pará, Brasil, em 9 de junho de 1994, no Vigésimo Quarto Período Ordinário

Leia mais

Lei Maria da Penha. Pelo fim da violência. ulher. contra a

Lei Maria da Penha. Pelo fim da violência. ulher. contra a Lei Maria da Penha Pelo fim da violência ulher contra a Ligação gratuita, 24 horas, para informações sobre a Lei Maria da Penha e os serviços para o atendimento às mulheres em situação de violência. Lei

Leia mais

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995)

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) 1. Nós, os Governos, participante da Quarta Conferência Mundial sobre as

Leia mais

FAMÍLIA : DEMANDAS PARA O SERVIÇO SOCIAL

FAMÍLIA : DEMANDAS PARA O SERVIÇO SOCIAL FAMÍLIA : DEMANDAS PARA O SERVIÇO SOCIAL Jéssica Caroline Medeiros SILVA 1 RESUMO: O presente estudo traz à discussão a família, visualizando-a na perspectiva critica como uma construção histórica. Analisamos

Leia mais

VIOLÊNCIA INTRAFAMILIAR CONTRA A MULHER E AS REDES DE ATENDIMENTO

VIOLÊNCIA INTRAFAMILIAR CONTRA A MULHER E AS REDES DE ATENDIMENTO CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X VIOLÊNCIA INTRAFAMILIAR CONTRA A MULHER E AS REDES DE ATENDIMENTO

Leia mais

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento;

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Objetivo geral Promover a igualdade no mundo do trabalho e a autonomia

Leia mais

SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO E ASSISTÊNCIA SOCIAL - SEDAS GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO, PROJETOS E CAPACITAÇÃO TEXTO I

SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO E ASSISTÊNCIA SOCIAL - SEDAS GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO, PROJETOS E CAPACITAÇÃO TEXTO I TEXTO I Igualdade de Gênero no Enfrentamento à Violência Contra a Mulher As desigualdades são sentidas de formas diferentes pelas pessoas dependendo do seu envolvimento com a questão. As mulheres sentem

Leia mais

No entanto, a efetividade desses dispositivos constitucionais está longe de alcançar sua plenitude.

No entanto, a efetividade desses dispositivos constitucionais está longe de alcançar sua plenitude. A MULHER NA ATIVIDADE AGRÍCOLA A Constituição Federal brasileira estabelece no caput do art. 5º, I, que homens e mulheres são iguais em direitos e obrigações e reconhece no dispositivo 7º a igualdade de

Leia mais

Como o Brasil enfrenta a exploração sexualcomercial de crianças e adolescentes

Como o Brasil enfrenta a exploração sexualcomercial de crianças e adolescentes Como o Brasil enfrenta a exploração sexualcomercial de crianças e adolescentes 1. Introdução Fenômeno dos mais graves de nosso tempo, a exploração sexual-comercial de crianças e adolescentes não deve ser

Leia mais

DIREITOS HUMANOS, FEMINISMO E POLÍTICAS PÚBLICAS DE GÊNERO: APLICABILIDADE DA LEI Nº 11.340/06 EM CAMPINA GRANDE/PB

DIREITOS HUMANOS, FEMINISMO E POLÍTICAS PÚBLICAS DE GÊNERO: APLICABILIDADE DA LEI Nº 11.340/06 EM CAMPINA GRANDE/PB DIREITOS HUMANOS, FEMINISMO E POLÍTICAS PÚBLICAS DE GÊNERO: APLICABILIDADE DA LEI Nº 11.340/06 EM CAMPINA GRANDE/PB (ASFORA, R. V. S.) - Raphaella Viana Silva Asfora/Autora ¹ Escola Superior da Magistratura

Leia mais

Convenção Interamericana para Prevenir, Punir e Erradicar a Violência Contra a Mulher "Convenção de Belém do Pará" (1994)

Convenção Interamericana para Prevenir, Punir e Erradicar a Violência Contra a Mulher Convenção de Belém do Pará (1994) Convenção Interamericana para Prevenir, Punir e Erradicar a Violência Contra a Mulher "Convenção de Belém do Pará" (1994) * Adotada pela Assembléia Geral da Organização dos Estados Americanos em 6 de junho

Leia mais

MIGUEL, L. F.; BIROLLI, F. Feminismo e política: uma introdução. São Paulo: Boitempo, 2014

MIGUEL, L. F.; BIROLLI, F. Feminismo e política: uma introdução. São Paulo: Boitempo, 2014 MIGUEL, L. F.; BIROLLI, F. Feminismo e política: uma introdução. São Paulo: Boitempo, 2014 Karen Capelesso 4 O livro Feminismo e política: uma introdução, de Luis Felipe Miguel e Flávia Biroli, se vincula

Leia mais

Gênero, ética e sentimentos: A resolução de conflitos no campo da educação

Gênero, ética e sentimentos: A resolução de conflitos no campo da educação PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Gênero, ética e sentimentos: A resolução de conflitos no campo da educação Valéria Amorim Arantes 1 Brigitte Ursula Stach Haertel

Leia mais

RECOMENDAÇÃO GERAL N.º 19 (VIOLÊNCIA CONTRA AS MULHERES)

RECOMENDAÇÃO GERAL N.º 19 (VIOLÊNCIA CONTRA AS MULHERES) RECOMENDAÇÃO GERAL N.º 19 (VIOLÊNCIA CONTRA AS MULHERES) Décima primeira sessão, 1992 Antecedentes 1. A violência baseada no género é uma forma de discriminação que inibe a capacidade das mulheres de gozarem

Leia mais

Combate e prevenção à violência contra a mulher

Combate e prevenção à violência contra a mulher Combate e prevenção à violência contra a mulher O CIM - Centro Integrado de Atendimento à Mulher Vítima de Violência Doméstica e Familiar - tem por objetivo fazer valer a Lei n.º 11.340/06, Lei Maria da

Leia mais

SUMÁRIO APRESENTAÇÃO...3 CONSIDERAÇÕES DA SECRETARIA MUNICIPAL DE POLÍTICAS PARA AS MULHERES SPM...5

SUMÁRIO APRESENTAÇÃO...3 CONSIDERAÇÕES DA SECRETARIA MUNICIPAL DE POLÍTICAS PARA AS MULHERES SPM...5 PLANO MUNICIPAL DE POLÍTICAS PARA MULHERES ICATÚ 2013-2015 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO...3 CONSIDERAÇÕES DA SECRETARIA MUNICIPAL DE POLÍTICAS PARA AS MULHERES SPM...5 1. PRINCÍPIOS DA POLÍTICA NACIONAL PARA AS

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO 1.ª SÉRIE

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO 1.ª SÉRIE MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Regime: Duração: BACHARELADO SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 04 (QUATRO) ANOS LETIVOS - MÁXIMO = 07 (SETE)

Leia mais

JORNADA DAS MARGARIDAS 2013

JORNADA DAS MARGARIDAS 2013 JORNADA DAS MARGARIDAS 2013 PAUTA INTERNA 1 - ORGANIZAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SINDICAL 1 Assegurar condições de igualdade para homens e mulheres exercerem com autonomia o trabalho sindical nas diversas secretarias

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº de de 2015.

PROJETO DE LEI Nº de de 2015. PROJETO DE LEI Nº de de 2015. INSTITUI A POLÍTICA ESTADUAL PARA O SISTEMA INTEGRADO DE INFORMAÇÕES DE VIOLÊNCIA CONTRA O IDOSO NO ESTADO DE GOIÁS, DENOMINADO OBSERVATÓRIO ESTADUAL DA VIOLÊNCIA CONTRA O

Leia mais

Rio de Janeiro, Agosto de 2013.

Rio de Janeiro, Agosto de 2013. Análise da Política de enfrentamento a violência contra a mulher num município do Rio de Janeiro. Universidade Federal do Rio de Janeiro - Escola de Serviço Social Dayana Gusmão [Resumo: O combate à violência

Leia mais

APOIO E PARTICIPAÇÃO NAS AÇÕES DE CRIAÇÃO DO NÚCLEO DE ESTUDOS EM GÊNERO, RAÇA E ETNIA NEGRE/UEMS. RESUMO

APOIO E PARTICIPAÇÃO NAS AÇÕES DE CRIAÇÃO DO NÚCLEO DE ESTUDOS EM GÊNERO, RAÇA E ETNIA NEGRE/UEMS. RESUMO APOIO E PARTICIPAÇÃO NAS AÇÕES DE CRIAÇÃO DO NÚCLEO DE ESTUDOS EM GÊNERO, RAÇA E ETNIA NEGRE/UEMS. ¹Gislaine De Oliveira Correia; ²Maria José de Jesus Alves Cordeiro. ¹Bolsista de Iniciação Científica

Leia mais

Universidade do Estado do Rio de Janeiro Vice-Reitoria Curso de Abordagem da Violência na Atenção Domiciliar Unidade 2 Violência de gênero

Universidade do Estado do Rio de Janeiro Vice-Reitoria Curso de Abordagem da Violência na Atenção Domiciliar Unidade 2 Violência de gênero Universidade do Estado do Rio de Janeiro Vice-Reitoria Curso de Abordagem da Violência na Atenção Domiciliar Unidade 2 Violência de gênero Nesta unidade, analisaremos os aspectos específicos referentes

Leia mais

LEI DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR Lei n. 11.340/06

LEI DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR Lei n. 11.340/06 LEI DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR Lei n. 11.340/06 PREVISÃO CONSTITUCIONAL 1) O art. 226, 8º CF, dispões que: O Estado assegurará a assistência à família na pessoa de cada um dos que a integram, criando

Leia mais

Gênero e Desigualdades

Gênero e Desigualdades 1 Gênero e Desigualdades Leila Linhares Barsted * Analisar as desigualdades de gênero importa em compreender como se constituem as relações entre homens e mulheres face à distribuição de poder. Em grande

Leia mais

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 TEMÁTICA: EDUCAÇÃO, QUESTÃO DE GÊNERO E DIVERSIDADE EDUCAÇÃO

Leia mais

www.senado.leg.br/datasenado

www.senado.leg.br/datasenado www.senado.leg.br/datasenado Lei Maria da Penha completa 9 Promulgada em 2006, a Lei Maria da Penha busca garantir direitos da mulher, além da prevenção e punição de casos de violência doméstica e familiar.

Leia mais

EDUCAÇÃO POLÍTICA E EDUCAÇÃO DEMOCRÁTICA (IV Parte)

EDUCAÇÃO POLÍTICA E EDUCAÇÃO DEMOCRÁTICA (IV Parte) EDUCAÇÃO POLÍTICA E EDUCAÇÃO DEMOCRÁTICA (IV Parte) Saiba quais são as Recomendações das Conferências Internacionais na emancipação política das mulheres, as quais já foram assinadas pelo governo brasileiro

Leia mais

Lei Maria da Penha: uma evolução histórica

Lei Maria da Penha: uma evolução histórica Lei Maria da Penha: uma evolução histórica Karina Balduino Leite e Rivadavio Anadão de Oliveira Guassú Maria da Penha foi uma entre as incontáveis vítimas de violência doméstica espalhadas pelo planeta.

Leia mais

LEVANTAMENTO DOS MARCOS LÓGICOS E LEGAIS DO SERVIÇO DE ATENÇÃO À MULHER SOB VIOLÊNCIA DE GÊNERO

LEVANTAMENTO DOS MARCOS LÓGICOS E LEGAIS DO SERVIÇO DE ATENÇÃO À MULHER SOB VIOLÊNCIA DE GÊNERO 1. Marco Lógico LEVANTAMENTO DOS MARCOS LÓGICOS E LEGAIS DO SERVIÇO DE ATENÇÃO À MULHER SOB VIOLÊNCIA DE GÊNERO Publicação/Origem NORMATIVAS INTERNACIONAIS DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS Declaração

Leia mais

Lei Maria da Penha Lei 11.340/06

Lei Maria da Penha Lei 11.340/06 Legislação Penal Especial Aula 02 Professor Sandro Caldeira Lei Maria da Penha Lei 11.340/06 Art. 1 o Esta Lei cria mecanismos para coibir e prevenir a violência doméstica e familiar contra a mulher, nos

Leia mais

Avanços e Perspectivas dos Direitos da Criança com Ênfase na Área da Saúde

Avanços e Perspectivas dos Direitos da Criança com Ênfase na Área da Saúde Avanços e Perspectivas dos Direitos da Criança com Ênfase na Área da Saúde Falar dos direitos da criança implica necessariamente um resgate do maior avanço em âmbito jurídico e político-ideológico relacionado

Leia mais

DECRETO Nº 1.973, DE 1º DE AGOSTO DE 1996. (Publicado no D.O.U. de 02.08.1996)

DECRETO Nº 1.973, DE 1º DE AGOSTO DE 1996. (Publicado no D.O.U. de 02.08.1996) DECRETO Nº 1.973, DE 1º DE AGOSTO DE 1996. (Publicado no D.O.U. de 02.08.1996) Promulga a Convenção Interamericana para Prevenir, Punir e Erradicar a Violência contra a Mulher, concluída em Belém do Pará,

Leia mais

ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: BALANÇO DE UMA DÉCADA

ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: BALANÇO DE UMA DÉCADA ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: BALANÇO DE UMA DÉCADA Área Temática: Direitos Humanos e Justiça Liza Holzmann (Coordenadora da Ação de Extensão) Liza Holzmann 1 Palavras Chave:

Leia mais

A violência, e em particular a violência doméstica, constitui um desses velhos / novos problemas para o qual urge encontrar novas soluções.

A violência, e em particular a violência doméstica, constitui um desses velhos / novos problemas para o qual urge encontrar novas soluções. A justiça restaurativa no combate à violência doméstica O final de uma legislatura é, certamente, um tempo propício para a realização de um balanço de actividades. Pode constituir-se como convite à avaliação

Leia mais

Apresentação APRESENTAÇÃO

Apresentação APRESENTAÇÃO Apresentação O Brasil é signatário de todos os acordos internacionais que asseguram de forma direta ou indireta os direitos humanos das mulheres bem como a eliminação de todas as formas de discriminação

Leia mais

Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006

Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006 Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006 Realização: Ágere Cooperação em Advocacy Apoio: Secretaria Especial dos Direitos Humanos/PR Módulo III: Conselhos dos Direitos no

Leia mais

DISCRIMINAÇÃO E PRECONCEITO:

DISCRIMINAÇÃO E PRECONCEITO: DISCRIMINAÇÃO E PRECONCEITO: Uma contribuição para o debate Eliete Godoy 2011 "Devemos lutar pela igualdade sempre que a diferença nos inferioriza, mas devemos lutar pela diferença sempre que a igualdade

Leia mais

Violência contra crianças e adolescentes: uma análise descritiva do fenômeno

Violência contra crianças e adolescentes: uma análise descritiva do fenômeno A crise de representação e o espaço da mídia na política RESENHA Violência contra crianças e adolescentes: uma análise descritiva do fenômeno Rogéria Martins Socióloga e Professora do Departamento de Educação/UESC

Leia mais

Direitos LGBT: do casamento ao enfrentamento da discriminação

Direitos LGBT: do casamento ao enfrentamento da discriminação Direitos LGBT: do casamento ao enfrentamento da discriminação Publicado em 28/06/2015, às 15h26 Atualizado em 28/06/2015, às 15h58 Sérgio Costa Floro* Especial para o NE10 #LoveWins tomou conta do discurso

Leia mais

INFORMAÇÕES SOBRE O MUNICÍPIO DE ARARAQUARA RELATÓRIO CENTRO DE REFERÊNCIA DA MULHER

INFORMAÇÕES SOBRE O MUNICÍPIO DE ARARAQUARA RELATÓRIO CENTRO DE REFERÊNCIA DA MULHER INFORMAÇÕES SOBRE O MUNICÍPIO DE ARARAQUARA O Município de Araraquara está localizado no centro do Estado de São Paulo, possuindo uma área total 1.312 Km2 com 77,37 Km2 ocupados pela área urbana. Sua posição

Leia mais

Por que a cada 15 segundos uma mulher é espancada no Brasil

Por que a cada 15 segundos uma mulher é espancada no Brasil Jornalista responsável/design: Beth Rezende Por que a cada 15 segundos uma mulher é espancada no Brasil SECRETARIA DA MULHER Sindicato dos Metalúrgicos da Região Sul Fluminense? Apresentação Nos últimos

Leia mais

MULHER DIREITOS. Conheça os seus. www.pedrokemp.com.br

MULHER DIREITOS. Conheça os seus. www.pedrokemp.com.br MULHER Conheça os seus DIREITOS www.pedrokemp.com.br www.pedrokemp.com.br Vive dentro de mim a mulher do povo. Bem proletária. Bem linguaruda, desabusada, sem preconceitos... Cora Coralina 2 GUIA DE DIREITOS

Leia mais

Saúde é um direito fundamental.

Saúde é um direito fundamental. Saúde é um direito fundamental. A Constituição de 1988 elevou a saúde à categoria de direito fundamental, um dos conhecidos direitos sociais, como se vê nos artigos 6º e 7º. A partir dessa Constituição,

Leia mais

JOVEM MULHER OBJETIVOS E METAS

JOVEM MULHER OBJETIVOS E METAS JOVEM MULHER OBJETIVOS E METAS 1. Criar um grupo de trabalho para discutir a garantia de conscientização da questão de gênero, (outra redação: Promover a discussão da questão de gênero nas instituições

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE SERVIÇO SOCIAL INTRODUÇÃO AO SERVIÇO SOCIAL EMENTA: A ação profissional do Serviço Social na atualidade, o espaço sócioocupacional e o reconhecimento dos elementos

Leia mais

Por que criar mecanismos de gênero nos órgãos governamentais?

Por que criar mecanismos de gênero nos órgãos governamentais? Presidência da República Secretaria de Políticas para as Mulheres Seminário de Capacitação dos Mecanismos de Gênero no Governo Federal Por que criar mecanismos de gênero nos órgãos governamentais? Lourdes

Leia mais

Francisco José Carvalho

Francisco José Carvalho 1 Olá caro leitor, apresento a seguir algumas considerações sobre a Teoria da Função Social do Direito, ao qual considero uma teoria de direito, não apenas uma teoria nova, mas uma teoria que sempre esteve

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA SIMPLIFICADA FACULDADE DE PSICOLOGIA/UFAM Nº 03/2013 SELEÇÃO DE PROFISSIONAIS PARA ATUAÇÃO POR CURTO PRAZO

CHAMADA PÚBLICA SIMPLIFICADA FACULDADE DE PSICOLOGIA/UFAM Nº 03/2013 SELEÇÃO DE PROFISSIONAIS PARA ATUAÇÃO POR CURTO PRAZO UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS FACULDADE DE PSICOLOGIA Núcleo de Formação Continuada de Conselheiros dos Direitos e Conselheiros Tutelares do Estado do Amazonas Escola de Conselhos do Amazonas CHAMADA

Leia mais

NOME DO SERVIÇO: SERVIÇO DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS.

NOME DO SERVIÇO: SERVIÇO DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS. NOME DO SERVIÇO: SERVIÇO DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS. DESCRIÇÃO GERAL: Serviço realizado em grupos, organizado a partir de percursos, de modo a garantir aquisições progressivas aos seus

Leia mais

TRABALHO SOCIAL COM FAMÍLIAS NO SUAS IRACI DE ANDRADE DRA. SERVIÇO SOCIAL

TRABALHO SOCIAL COM FAMÍLIAS NO SUAS IRACI DE ANDRADE DRA. SERVIÇO SOCIAL TRABALHO SOCIAL COM FAMÍLIAS NO SUAS IRACI DE ANDRADE DRA. SERVIÇO SOCIAL OBJETIVO DO CURSO Capacitar trabalhadores da assistência social para a utilização dos instrumentos técnico-operativos trabalho

Leia mais

Ementários de acordo com o Projeto Político Pedagógico do Curso de Serviço Social (2007).

Ementários de acordo com o Projeto Político Pedagógico do Curso de Serviço Social (2007). Anexo 1. Ementários de acordo com o Projeto Político Pedagógico do Curso de Serviço Social (2007). I. Disciplinas Obrigatórias SOCIOLOGIA CLÁSSICA Os paradigmas sociológicos clássicos (Marx, Weber, Durkheim).

Leia mais

Estado de Mato Grosso Município de Tangará da Serra www.tangaradaserra.mt.gov.br. - Fone (0xx65) 3311 4801 Assessoria Jurídica

Estado de Mato Grosso Município de Tangará da Serra www.tangaradaserra.mt.gov.br. - Fone (0xx65) 3311 4801 Assessoria Jurídica LEI Nº 3102 DE 14 DE ABRIL DE 2009. CRIA MECANISMOS PARA COIBIR E PREVENIR A DISCRIMINAÇÃO CONTRA A MULHER, GARANTINDO AS MESMAS OPORTUNIDADES DE ACESSO E VENCIMENTOS. A Câmara Municipal de Tangará da

Leia mais

PESQUISA IBOPE / INSTITUTO AVON

PESQUISA IBOPE / INSTITUTO AVON PESQUISA IBOPE / INSTITUTO AVON PERCEPÇÕES E REAÇÕES DA SOCIEDADE SOBRE A VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER 2009 PARCERIAS INSTITUTO PATRÍCIA GALVÃO Planejamento e supervisão da pesquisa IBOPE INTELIGÊNCIA Campo

Leia mais

Glossário do Programa Pró-equidade

Glossário do Programa Pró-equidade Glossário do Programa Pró-equidade Assédio Moral no Trabalho É a vivência de situações humilhantes e constrangedoras no ambiente de trabalho, caracterizadas por serem repetitivas e prolongadas ao longo

Leia mais

25 de novembro - Dia Internacional de Combate à Violência Contra as Mulheres. Carta de Brasília

25 de novembro - Dia Internacional de Combate à Violência Contra as Mulheres. Carta de Brasília Anexo VI 25 de novembro - Dia Internacional de Combate à Violência Contra as Mulheres Carta de Brasília Na véspera do Dia Internacional de Combate à Violência Contra as Mulheres nós, trabalhadoras dos

Leia mais

VIOLÊNCIA NO TRABALHO EM AMERICA LATINA UMA FORMA DE DISCRIMINAÇÃO NO EMPREGO RISCO PARA A SAÚDE DOS TRABALHADHORES

VIOLÊNCIA NO TRABALHO EM AMERICA LATINA UMA FORMA DE DISCRIMINAÇÃO NO EMPREGO RISCO PARA A SAÚDE DOS TRABALHADHORES VIOLÊNCIA NO TRABALHO EM AMERICA LATINA UMA FORMA DE DISCRIMINAÇÃO NO EMPREGO RISCO PARA A SAÚDE DOS TRABALHADHORES FORMA DE DISCRIMINAÇÃO E VIOLAÇÃO DOS DIREITOS HUMANOS A violência é global e sistêmica.

Leia mais

Feminilidade e Violência

Feminilidade e Violência Feminilidade e Violência Emilse Terezinha Naves O tema sobre a violência e a feminilidade apresenta-se, nas mais diversas áreas do conhecimento, como um tema de grande interesse, quando encontramos uma

Leia mais

Os homens no cenário da Lei Maria da Penha

Os homens no cenário da Lei Maria da Penha Fazendo Gênero 8 - Corpo, Violência e Poder Florianópolis, de 25 a 28 de agosto de 2008 Os homens no cenário da Lei Maria da Penha Maria Lúcia Chaves Lima (UFP), Ricardo Pimentel Mello (UFC) Lei Maria

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2010

PROJETO DE LEI Nº, DE 2010 PROJETO DE LEI Nº, DE 2010 (Da Sra. Jô Moraes) Prevê o pagamento, pelo Poder Público, de danos morais e pensão indenizatória aos dependentes das vítimas fatais de crimes de violência sexual e violência

Leia mais

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Ensino Médio Elaborar uma proposta curricular para implica considerar as concepções anteriores que orientaram, em diferentes momentos, os

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL. Disciplina: Metodologia Científica. Número de créditos: 04. Carga horária: 80

SERVIÇO SOCIAL. Disciplina: Metodologia Científica. Número de créditos: 04. Carga horária: 80 Disciplina: Metodologia Científica SERVIÇO SOCIAL Ementa: Finalidade da metodologia científica. Importância da metodologia Número âmbito das ciências. Metodologia de estudos. O conhecimento e suas formas.

Leia mais

que se viver com dignidade, o que requer a satisfação das necessidades fundamentais. O trabalho é um direito e um dever de todo cidadão.

que se viver com dignidade, o que requer a satisfação das necessidades fundamentais. O trabalho é um direito e um dever de todo cidadão. Osdireitosdohomemedocidadãonocotidiano (OscarNiemeyer,1990) "Suor, sangue e pobreza marcaram a história desta América Latina tão desarticulada e oprimida. Agora urge reajustá-la num monobloco intocável,

Leia mais

Palestra Depois do Abuso Sexual Como encaminhar e lidar com criança vítima de abuso sexual

Palestra Depois do Abuso Sexual Como encaminhar e lidar com criança vítima de abuso sexual Palestra Depois do Abuso Sexual Como encaminhar e lidar com criança vítima de abuso sexual Guilherme Schelb, Promotor de Justiça da Infância em Brasília (1992-1995), especialista em temas da infância e

Leia mais

Prevenção da Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher

Prevenção da Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher Prefeitura Municipal de Duque de Caxias Secretaria Municipal de Assistência Social e Direitos Humanos Departamento dos Direitos da Mulher Centro de Referência e Atendimento à Mulher (CR Mulher) Centro

Leia mais

11º GV - Vereador Floriano Pesaro PROJETO DE LEI Nº 128/2012

11º GV - Vereador Floriano Pesaro PROJETO DE LEI Nº 128/2012 PROJETO DE LEI Nº 128/2012 Altera a Lei nº 14.485, de 19 de julho de 2007, com a finalidade de incluir no Calendário Oficial de Eventos da Cidade de São Paulo o Dia Municipal de Combate a Homofobia, a

Leia mais

www. Lifeworld.com.br

www. Lifeworld.com.br 1 Artigos da Constituição Mundial A Constituição Mundial é composta de 61º Artigos, sendo do 1º ao 30º Artigo dos Direitos Humanos de 1948, e do 31º ao 61º Artigos estabelecidos em 2015. Dos 30 Artigos

Leia mais

Introdução. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1

Introdução. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( X ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA INCLUSÃO

Leia mais

SEDE NACIONAL DA CAMPANHA

SEDE NACIONAL DA CAMPANHA Campanha Ponto Final na Violência contra as Mulheres e Meninas SEDE NACIONAL DA CAMPANHA REDE NACIONAL FEMINSTA DE SAÚDE, DIREITOS SEXUAIS E DIREITOS REPRODUTIVOS Avenida Salgado Filho, 28, cj 601. Porto

Leia mais

Multiculturalismo em Face dos Direitos Humanos das Mulheres

Multiculturalismo em Face dos Direitos Humanos das Mulheres Multiculturalismo em Face dos Direitos Humanos das Mulheres Vanessa Carla Bezerra de Farias Discente do curso de Direito UFRN Prof. Orientador Thiago Oliveira Moreira Docente do curso de Direito UFRN Introdução:

Leia mais

Educação em direitos humanos na polícia do Ceará: novas ações formativas, orientações e contéudos

Educação em direitos humanos na polícia do Ceará: novas ações formativas, orientações e contéudos Educação em direitos humanos na polícia do Ceará: novas ações formativas, orientações e contéudos Autores: Glauciria Mota Brasil; Emanuel Bruno Lopes; Ana Karine Pessoa Cavalcante Miranda Paes de Carvalho

Leia mais

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS BR/1998/PI/H/4 REV. DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS Adotada e proclamada pela resolução 217 A (III) da Assembléia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de 1948 Brasília 1998 Representação

Leia mais

PERSPECTIVAS DE ANÁLISE DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA MULHER: MAPEAMENTO DAS DENÚNCIAS ENTRE OS ANOS DE 2010 E 2011 NA CIDADE DE CAMPINA GRANDE-PB

PERSPECTIVAS DE ANÁLISE DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA MULHER: MAPEAMENTO DAS DENÚNCIAS ENTRE OS ANOS DE 2010 E 2011 NA CIDADE DE CAMPINA GRANDE-PB PERSPECTIVAS DE ANÁLISE DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA MULHER: MAPEAMENTO DAS DENÚNCIAS ENTRE OS ANOS DE 2010 E 2011 NA CIDADE DE CAMPINA GRANDE-PB Autoria: Antonio Pereira Cardoso da Silva Filho Universidade

Leia mais

DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE O GENOMA HUMANO E OS DIREITOS HUMANOS

DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE O GENOMA HUMANO E OS DIREITOS HUMANOS DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE O GENOMA HUMANO E OS DIREITOS HUMANOS A Conferência Geral, Lembrando que o Preâmbulo da Carta da Unesco refere-se a os princípios democráticos de dignidade, igualdade e respeito

Leia mais

Mulheres e Exclusão na América Latina Nalu Faria

Mulheres e Exclusão na América Latina Nalu Faria Mulheres e Exclusão na América Latina Nalu Faria Gerações e gerações viveram uma realidade em que as mulheres eram consideradas inferiores aos homens. Como isso era encarado como parte do destino das mulheres

Leia mais

A MULHER VÍTIMA DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR EM PONTA GROSSA: SUBSÍDIOS PARA O DEBATE

A MULHER VÍTIMA DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR EM PONTA GROSSA: SUBSÍDIOS PARA O DEBATE 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( X ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA A MULHER

Leia mais

Lei MARIA DA PENHA 3 anos depois

Lei MARIA DA PENHA 3 anos depois Lei MARIA DA PENHA 3 anos depois Três anos depois, lei Maria da Penha diversifica perfil de mulheres que procuram ajuda contra violência doméstica. Quais são os resultados trazidos pela lei Maria da Penha?

Leia mais

REDES PÚBLICAS DE ENSINO

REDES PÚBLICAS DE ENSINO REDES PÚBLICAS DE ENSINO Na atualidade, a expressão redes públicas de ensino é polêmica, pois o termo público, que as qualifica, teve suas fronteiras diluídas. Por sua vez, o termo redes remete à apreensão

Leia mais

Para um mundo melhor, relações. compartilhadas

Para um mundo melhor, relações. compartilhadas Para um mundo melhor, relações compartilhadas 6 Quem coloca a roupa na lavadora? 7 Quem vai à reunião da escola dos filhos? 8 Quem vai ao supermercado fazer as compras? Responda as questões abaixo optando

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Anais. III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva. Ações Inclusivas de Sucesso

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Anais. III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva. Ações Inclusivas de Sucesso Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais Anais III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva Ações Inclusivas de Sucesso Belo Horizonte 24 a 28 de maio de 2004 Realização: Pró-reitoria de Extensão

Leia mais

3. Autonomia frente aos partidos e parlamentares e Independência em relação aos patrões e governos

3. Autonomia frente aos partidos e parlamentares e Independência em relação aos patrões e governos Eixo III: Programa de trabalho para a direção do SISMMAC Continuar avançando na reorganização do magistério municipal com trabalho de base, organização por local de trabalho, formação política e independência

Leia mais

BULLYING: UMA AGRESSIVIDADE PRECONCEITUOSA. PALAVRAS CHAVE: Ambiente Escolar; Apelidação; Bullying Escolar.

BULLYING: UMA AGRESSIVIDADE PRECONCEITUOSA. PALAVRAS CHAVE: Ambiente Escolar; Apelidação; Bullying Escolar. BULLYING: UMA AGRESSIVIDADE PRECONCEITUOSA Fernando Martins da Silva 1 RESUMO Esta pesquisa tem por objetivo investigar as consequências para o desempenho escolar dos alunos que podem ser vitimas de bullying,

Leia mais

A SECRETARIA MUNICIPAL DE POLÍTICAS PARA MULHERES AS AÇÕES SÃO DESENVOLVIDAS POR QUATRO ÁREAS ESTRATÉGICAS:

A SECRETARIA MUNICIPAL DE POLÍTICAS PARA MULHERES AS AÇÕES SÃO DESENVOLVIDAS POR QUATRO ÁREAS ESTRATÉGICAS: O QUE É QUE FAZ A SECRETARIA MUNICIPAL DE POLÍTICAS PARA MULHERES A Prefeitura de São Paulo, em maio de 2013, seguindo a política implementada nacionalmente e atendendo uma reivindicação histórica do movimento

Leia mais

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia em comemoração ao Dia Internacional da Mulher

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia em comemoração ao Dia Internacional da Mulher , Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia em comemoração ao Dia Internacional da Mulher Palácio do Planalto, 12 de março de 2003 Minha cara ministra Emília Fernandes, Minha cara companheira Benedita da

Leia mais

SEMANA 3 A CONTRIBUIÇAO DOS ESTUDOS DE GÊNERO

SEMANA 3 A CONTRIBUIÇAO DOS ESTUDOS DE GÊNERO SEMANA 3 A CONTRIBUIÇAO DOS ESTUDOS DE GÊNERO Autor (unidade 1 e 2): Prof. Dr. Emerson Izidoro dos Santos Colaboração: Paula Teixeira Araujo, Bernardo Gonzalez Cepeda Alvarez, Lívia Sousa Anjos Objetivos:

Leia mais

Direito à Saúde Sexual e Reprodutiva

Direito à Saúde Sexual e Reprodutiva Direito à Saúde Sexual e Reprodutiva O que é a saúde sexual e reprodutiva? A saúde sexual e reprodutiva é uma componente essencial do direito universal ao mais alto padrão de saúde física e mental, consagrado

Leia mais

O PAPEL DO PEAS VALE NA REDE DE PROTEÇÃO À CRIANÇA E AO ADOLESCENTE Anna Cláudia Eutrópio B. d`andrea Janaína A. de Ávila Couto Lage

O PAPEL DO PEAS VALE NA REDE DE PROTEÇÃO À CRIANÇA E AO ADOLESCENTE Anna Cláudia Eutrópio B. d`andrea Janaína A. de Ávila Couto Lage 1 Módulo 4 Rede de proteção e direitos O PAPEL DO PEAS VALE NA REDE DE PROTEÇÃO À CRIANÇA E AO ADOLESCENTE Anna Cláudia Eutrópio B. d`andrea Janaína A. de Ávila Couto Lage Ao pensarmos no papel do Programa

Leia mais

CURSO EDUCAÇÃO, RELAÇÕES RACIAIS E DIREITOS HUMANOS

CURSO EDUCAÇÃO, RELAÇÕES RACIAIS E DIREITOS HUMANOS CURSO EDUCAÇÃO, RELAÇÕES RACIAIS E DIREITOS HUMANOS MARTA LÚCIA DA SILVA ROSANA CAPPUTI BORGES Educação Infantil: desigualdades de idade e raça, um grande desafio a ser conquistado. São Paulo 2012 EDUCAÇÃO

Leia mais

Projeto TEMPO DE DESPERTAR Em homenagem a Robin Willians

Projeto TEMPO DE DESPERTAR Em homenagem a Robin Willians Projeto TEMPO DE DESPERTAR Em homenagem a Robin Willians I. INTRODUÇÃO Durante uma pesquisa realizada exclusivamente com homens pelo Instituto Avon/Data Popular e lançada em novembro de 2013, alguns dados

Leia mais

Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem (PNAISH)

Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem (PNAISH) Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem (PNAISH) 15/07/2011 METALÚRGICO, 26 ANOS Não costumo fazer exame porque sinto meu corpo bom, ótimo. Nunca senti uma dor. Senti uma dor uma vez na

Leia mais

Papel e estratégias do Ministério Público na defesa dos direitos das mulheres e principais limitações na aplicação da Lei Sobre Violência Doméstica

Papel e estratégias do Ministério Público na defesa dos direitos das mulheres e principais limitações na aplicação da Lei Sobre Violência Doméstica Papel e estratégias do Ministério Público na defesa dos direitos das mulheres e principais limitações na aplicação da Lei Sobre Violência Doméstica (Síntese a partir dos slides) Por Lúcia Maximiano (Procuradoria

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL E DO MEIO AMBIENTE: um debate necessário

SERVIÇO SOCIAL E DO MEIO AMBIENTE: um debate necessário SERVIÇO SOCIAL E DO MEIO AMBIENTE: um debate necessário SILVA, IVANNA SILIANA DO NASCIMENTO 1, ALVES, MARIA GERALDA 2, SILVA, IRBIA SONALY DO NASCIMENTO 3, NASCIMENTO, MARIA ANAZUILA 4, LEANDRO, DARLANIA

Leia mais

Violência do Género e Acesso à Justiça em Moçambique

Violência do Género e Acesso à Justiça em Moçambique Violência do Género e Acesso à Justiça em Moçambique (Síntese a partir dos slides) Por Berta Chilundo (Presidente da MULEIDE) Publicado em Outras Vozes, nº 41-42, Maio 2013 Quadro legal para defesa dos

Leia mais

Contribuição sobre Economia solidária para o Grupo de Alternativas econômicas Latino-Americano da Marcha Mundial das Mulheres Isolda Dantas 1

Contribuição sobre Economia solidária para o Grupo de Alternativas econômicas Latino-Americano da Marcha Mundial das Mulheres Isolda Dantas 1 Contribuição sobre Economia solidária para o Grupo de Alternativas econômicas Latino-Americano da Marcha Mundial das Mulheres Isolda Dantas 1 Economia solidária: Uma ferramenta para construção do feminismo

Leia mais