Jéssica Marina Diniz Borges 1 Heloísa Helena Marinho 2 Marcelle Regine Silva 3 RESUMO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Jéssica Marina Diniz Borges 1 Heloísa Helena Marinho 2 Marcelle Regine Silva 3 RESUMO"

Transcrição

1 1 O TRABALHO EM REDE COMO UMA ESTRATÉGIA DE ENFRENTAMENTO A FENÔMENOS SOCIAIS COMPLEXOS: UMA ALTERNATIVA DE ATUAÇÃO MEDIANTE A VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA AS MULHERES RESUMO Jéssica Marina Diniz Borges 1 Heloísa Helena Marinho 2 Marcelle Regine Silva 3 A violência doméstica contras as mulheres encontra sua gênese no processo de construção sócio-histórica do ser feminino, marcado por profundas desigualdades entre o ser referido e o ser masculino. Verifica-se que o ápice de tal relação é expresso por meio da violência doméstica contra as mulheres. A violência em âmbito privado é um fenômeno de grande proporção e de escala mundial. Dada essa dimensão, constata-se que tal violência tornou-se um problema de esfera e tratamento público. Assim, neste quadro apontam-se as políticas públicas sociais com uma ferramenta capaz de ofertar possibilidades interventivas ao profissional do Serviço Social. As políticas públicas sociais têm por finalidade a elaboração de ações que visem à redução das manifestações da questão social em detrimento da promoção do desenvolvimento social das parcelas que utilizam desta. Sobre as políticas públicas sociais convém destacar, que estas são oriundas das demandas que insurgem na sociedade - que são pautadas em um cenário que em sua essência é contraditório e conflituoso, pois, representa interesses antagônicos das parcelas populacionais. Em vista destes pontos torna-se mister observar dois pontos: a necessidade de utilização de metodologia, composta por métodos e técnicas para uma prática profissional assertiva e de novas formas criativas, propositivas e interventivas como o trabalho em rede para o tratamento de questões complexas tal qual o fenômeno da violência doméstica contra as mulheres. Palavras-chave: Gênero; Violência; Serviço Social; Rede. 1 Bacharel em Serviço Social, pelo Centro Universitário UNA, Belo Horizonte, MG, Brasil. Assistente Social pelo CRESS IV Região, número de registro: Técnica Social do Programa de Inclusão Social de Egressos do Sistema Prisional (PRESP). 2 Bacharel em Serviço Social, pelo Centro Universitário UNA, Belo Horizonte, MG, Brasil. 3 Bacharel em Serviço Social, pelo Centro Universitário UNA, Belo Horizonte, MG, Brasil. Assistente Social pelo CRESS IV Região, número de registro: Técnica de Nível Superior no Serviço de Proteção Social a Pessoa com Deficiência.

2 2 1 INTRODUÇÃO O presente artigo é um constructo baseado do Trabalho de Conclusão de Curso intitulado: A rede como ferramenta de gestão da COMDIM no enfrentamento à violência doméstica contra as mulheres: possibilidades e desafios, do curso de Serviço Social, do Centro Universitário Com base nas referências bibliográficas do referido trabalho foi possível elencar elementos que subsidiaram a construção deste trabalho. A discussão em voga tem por objetivo difundir a questão do trabalho em rede como uma ferramenta de trabalho importante para o desenvolvimento da instrumentalidade do Serviço Social, diante de problemas sociais complexos como a violência doméstica contra as mulheres. As significações delegadas às mulheres ao longo dos séculos determinaram a posições sociais a serem exercidas por estas. Ao longo do processo de formação histórica do ser feminino, sempre coube a este acatar as determinações impostas pelo ser masculino, uma vez que este era considerado superior e detentor de saberes. Todo este contexto pode ser explicado pela categoria gênero que, torna público as determinações impostas ao ser homem e mulher, biologicamente e socialmente. Em vistas destes pontos, observa-se que o ápice das disparidades baseadas no gênero culmina na violação dos direitos constitucionais e humanos das mulheres, ou seja, na violência doméstica contra as mulheres. A violência doméstica contra as mulheres é um fenômeno que se espalha historicamente por toda a sociedade. Ele abarca pessoas de diversas culturas, independente da raça, gênero, idade ou classe social. Assim, diante da magnitude dessa problemática, faz-se necessária a junção de uma multiplicidade de disciplinas e setores para dar conta da referida violência. Desta maneira, pretende-se neste artigo apresentar formas de minoração a esta refração da questão social. As políticas públicas sociais são a representação das demandas emergentes na sociedade. É por meio delas, que o ordenamento público traça propostas de minoração dos quadros sociais e faz a mediação de interesses entre as classes sociais, uma vez que, as referidas políticas são pautadas em um terreno conflituoso e contraditório. Destarte que é neste terreno duo, na qual a complexidade da realidade

3 social que se insere o profissional do Serviço Social. Na medida em que se busca projetar a transformação social tendo como base o Projeto Ético Político da profissão, tal profissional precisa por meio do uso da instrumentalidade, traçar formas interventivas que consigam garantia e a efetivação dos direitos conquistados. Assim, pretende-se apresentar a perspectiva do trabalho em rede, como uma proposta de ação que proporciona ganhos e efetiva contribuição para o desenvolvimento das políticas públicas sociais. 3 2 Violência doméstica contra as mulheres: uma questão de gênero A questão do gênero não se localiza somente na esfera biológica, esta se projeta também no plano social. De acordo com os estudos de Saffioti (1992), há diversas acepções sobre o conceito de gênero, mas neste artigo a fim de esclarecer traremos duas, que na concepção das pesquisadoras não são contraditórias, mas sim apresentam aspectos complementares, que ampliam a visão sobre o assunto abordado. Conforme Saffioti (1992) e Scott, Louro e Meyer apud Meyer (2003) o corpo sexuado é também constructo social. Nesse sentido, as acepções propostas por estas autoras buscam romper com explicações que associem, como algo natural, um dado gênero a um determinado sexo, o que tem como consequência o estabelecimento da essência isto é, o que constitui a natureza de algo (FERREIRA, 2008) do homem e da mulher. Diante disso, as desigualdades entre homens e mulheres vistas na realidade social seriam justificadas a partir das diferenças biológicas naturais. Assim, com base nas autoras supracitadas, concebe-se o gênero como as representações sociais do masculino e do feminino, construídas, reproduzidas e impostas contínua e socialmente. Estas uniformizam o que é ser homem e ser mulher, restringindo as possibilidades de se vivenciar as masculinidades e feminilidades. As representações sociais do masculino e do feminino assumem dimensões distintas em uma sociedade patriarcal, impactando nas relações tanto a nível micro quanto macro (privado e público). Saffioti (1992, p.184) pontua que nessas relações percebe-se uma divisão desigual de poder e o estabelecimento de uma figura subalterna. Para a autora, não há hierarquia e sim contraditoriedade, constituindo

4 uma situação semelhante à dialética entre escravo e seu senhor, homem e mulher, jogam cada um com os seus poderes, o primeiro para preservar a sua supremacia, e a segunda para tornar menos completa sua cidadania. No entanto, a luta para tornar menos incompleta à cidadania encontra grandes entraves sociais, econômicos, históricos e culturais. Vivemos em uma sociedade extremamente machista, no qual homens e mulheres compartilham do pensamento androcêntrico 4, em que se constata a naturalização de um processo fundamentado na sociabilidade humana que desencadeia o que é ser homem/masculino e que é ser mulher/feminino. Atribuem-se à mulher a emotividade, fragilidade e passividade, aspectos que a conduzem para o cuidado familiar e para a vida privada. Já os homens são características como: racionalidades, mantenedores, fortes, atuando na vida pública. Nesse sentido, importa destacar que: 4 [...] nossa forma de pensar está fortemente condicionada pela sociedade, na qual pertencemos, por sua cultura e por sua história. Daí também decorre que as ideias mais absurdas, sem nenhum correlato com a realidade podem perpetuar-se durante séculos e mais séculos (MORENO, 1999, p. 14) Em vista destes pontos, pode-se afirmar que não lobrigamos o mundo de maneira original, herdamos a maneira de concebê-lo. Tendo como base os estudos de Chauí (2001), pode-se afirmar que somos doutrinados por um discurso competente, que é lacunar e que garante a falsa veracidade daquilo que está posto socialmente. Por seu turno, Bourdieu (1999) aponta que a divisão e a oposição entre os sexos aparentam ser imperativa na ordem social, sendo esta dotada de normalidade e naturalidade, produzindo, nos termos do autor, esquemas de pensamentos, de aplicação universal (BOURDIEU, 1999, p. 16), que corroboram expressivamente a Dominação Masculina 5. Inscreve-se neste quadro: [...] um sistema de diferenças todas igualmente naturais em aparência, de modo que as previsões que elas engendram são incessantemente confirmadas pelo curso do mundo, sobretudo pelos cursos biológicos e cósmicos. Assim não vemos como poderia emergir na consciência a relação 4 O androcentrismo consiste em considerar o ser humano do sexo masculino como o centro do universo, como a medida de todas as coisas, como o único observador válido de tudo o que ocorre em nosso mundo, como o único capaz de ditar as leis, de impor a justiça, de governar o mundo. É precisamente essa metade da humanidade que possui a força (os exércitos, a polícia), domina os meios de comunicação de massa, detém o poder legislativo, governa a sociedade, tem em suas mãos os principais meios de produção e é dona e senhora da técnica e da ciência (MORENO, 1999, p. 23). 5 Título da obra de Bourdieu (1999).

5 social de dominação que está em sua base e que, por uma inversão completa de causas e efeitos, surge como uma aplicação entre outras, de um sistema de relações de sentido totalmente independente das relações de força. O sistema mítico-ritual desempenha aqui um papel equivalente ao que incumbe ao campo jurídico nas sociedades diferenciadas: na medida em que os princípios de visão e divisão que ele propõe estão objetivamente ajustados às divisões pré-existentes, ele consagra a ordem estabelecida, trazendo-a à existência conhecida e reconhecida, oficial (BORDIEU, 1999, p ). 5 Em meio às questões abordadas anteriormente, Safiotti (1992) ratifica a existência desigual de poder na relação social estabelecida entre homens e mulheres, nesse sentido indagamos: o que está implícito na construção de estereótipos acerca dos papéis da mulher e do homem na sociedade? Neste aspecto, Bourdieu (1999) aponta que está velado nessa construção a relação de forças existentes, que se utiliza de estruturas pré-existentes, como as diferenças biológicas, para impor uma visão de mundo pautada na desigualdade, subalternização, bem como na naturalização desta. Destarte, consideramos relevante desnaturalizar tais processos, retirando da invisibilidade as questões que corroboram para a posição ocupada pelas mulheres. Dentro desse contexto, observa-se ainda que, mesmo galgando novas conquista e ocupando gradativamente novos espaços, as mulheres ainda se encontram sistematicamente em desvantagem social, política, simbólica e econômica em comparação aos homens. Analisar a situação delas em nosso país é entender que a questão de gênero causa efeitos tanto em nível macro quanto em nível micro, como no ambiente familiar. Diante de tais situações, nos deparamos com um quadro de legitimação da submissão feminina e da perpetuação das desigualdades baseadas no gênero. Destaca-se que o ápice da desigualdade se manifesta por meio da violência e de suas diversas formas de manifestação. A violência é um fenômeno complexo e polissêmico, que atinge milhares de pessoas mundialmente, independente da raça, gênero, idade ou classe social. Dada a multidimensionalidade de tal fenômeno, e, por ser ele uma das manifestações da questão social, diversos autores apontam que não há como estabelecer uma definição unívoca que abarque toda a magnitude do problema. Além disso, essa questão não é objeto de um setor específico e, por esse motivo, não há uma ciência exclusiva que consiga publicizar toda sua problemática, em todos os aspectos.

6 Empregamos a definição de violência, estabelecida pela Organização Mundial de Saúde (OMS), com desígnio de auxiliar a compreensão do fenômeno supracitado. Tal se apresenta como: 6 Uso intencional da força ou poder em uma forma de ameaça ou efetivamente, contra si mesmo, outra pessoa ou grupo ou comunidade, que ocasiona ou tem grandes probabilidades de ocasionar lesão, morte, dano psíquico, alterações do desenvolvimento ou privações (OMS, 2002, s/p). Sobre tal definição, acrescenta-se a compreensão de Chauí (1985), segundo a qual a violência pressupõe uma: [...] relação hierárquica de desigualdade, com fins de dominação, de exploração e opressão e como a ação que trata um ser humano não como sujeito, mas como coisa. Esta se caracteriza pela inércia, pela passividade e pelo silêncio de modo que, quando a atividade e a fala de outrem são impedidas ou anuladas, há violência (CHAUÍ, 1985, p.16). Ao longo da história, observa-se que as mulheres sempre ocuparam lugares inferiores se comparadas aos homens. A esse respeito, Bourdieu (1999, p.16) discorre que os primeiros estudos sobre os sexos apontam a gênese da subalternidade das mulheres. De acordo com o autor, a mulher era considerada [...] como ser inferior onde sua maneira de viver e ser era um mal para a sociedade masculina, a reconhecendo como um produto do homem, ou seja, parte de seu corpo. Concepções como essas perpetuam em diversas culturas (incluindo-se a cultura brasileira). Elas contribuem para o fortalecimento da anulação do ser feminino para a desconstrução deste enquanto sujeito autônomo e portador de identidade. Todo esse enredo faz parte do constructo social da categoria gênero. Em consequência disso, o acirramento dessas disparidades sociais tem seu ápice por meio da violência. Para Saffioti, a violência contra a mulher inscreve-se no âmbito da violência de gênero. Na violência de gênero, a mediação é o abuso do poder assegurado, no espaço privado, pela ideologia do patriarcado (2004, p. 83). Ainda de acordo com a autora, a violência de gênero se dá por meio da manifestação de relações desiguais de poder entre homens e mulheres, demonstrada na dominação, exploração e opressão masculina sobre a mulher. A violência de gênero e/ou violência contra as mulheres, conforme Saffioti (2001), mantêm relação intrínseca com a violência doméstica contra as mulheres. A violência doméstica contra as mulheres pode ser definida como

7 7 [...] qualquer ação ou omissão baseada no gênero que lhe cause morte, lesão, sofrimento físico, sexual ou psicológico e dano moral ou patrimonial: I - no âmbito da unidade doméstica, compreendida como o espaço de convívio permanente de pessoas, com ou sem vínculo familiar, inclusive as esporadicamente agregadas [...]. (BRASIL, 2006, s/p). Para Vieira, a violência doméstica contra as mulheres é aquela que acontece dentro da família, ou seja, nas relações entre membros da unidade familiar, formada por vínculos de parentesco natural, civil, afetivo ou por afinidade. (2010, s/p). Tendo em vista essa premissa, é relevante aludir que esse tipo de violência é aquele que incide em razão do convívio familiar ou afetivo. Com relação a essa incidência, convém precisar que por diversas vezes a violência perpetrada ao sexo feminino é cometida pelos respectivos parceiros íntimos. Trata-se, portanto, de problema que ocorre em âmbito privado, mas que diante de sua dimensão, ultrapassa este e torna-se público. Ressalte-se nesse sentido, a intervenção do profissional do Serviço Social se dá por meio da elaboração de propostas que visem à minoração deste fenômeno social. 3 O trabalho do Assistente Social no enfrentamento à violência doméstica contra as mulheres Segundo Sousa (2008) o Assistente Social em seu exercício profissional ocupa lugar privilegiado, uma vez que atua diretamente no cotidiano das classes subalternas por meio das políticas públicas. É por meio destas conforme Cunha e Cunha (2002), que têm sido elaboradas respostas do Estado às demandas que emergem da sociedade, representando um compromisso público de um determinado campo, em um dado lapso temporal. Para estes autores a política social é um tipo de política pública. Ela tem com o propósito, atuar na redução das desigualdades e na promoção do desenvolvimento social no país, buscando efetivar direitos garantidos por lei. Contudo, importa destacar que as políticas sociais constituem-se em respostas as demandas que emergem da sociedade capitalista, que é em sua essência conflituosa e antagônica. As respostas ofertadas pelo Estado refletem, e ao mesmo tempo, reforçam e reproduzem a contradição inerente à organização social classista. O Estado por meio das políticas sociais interfere de forma sistemática nas refrações da questão social, [...] institucionalmente transformada em questões sociais (NETTO, 1992 apud

8 GUERRA, 2000, p.6). Destarte, as políticas sociais exprimem um dos dilemas básicos da sociabilidade capitalista, isto é o conflito entre a acumulação e legitimidade ao mesmo que tempo que contribuem (dependendo da forma que são executadas), para fragmentar a realidade em problemas sociais autônomos. O Assistente Social se depara em seu cotidiano profissional (nos diversos espaços sociocupacionais) com as diversas situações de violências vivenciadas pelas mulheres, trata-se de violações expressivas dos direitos humanos destas. Tal segmento social, conforme já trabalhado encontra-se muitas vezes a margem da sociedade em que vivemos. Respaldados em princípios fundamentais a categoria profissional, almeja construir uma sociedade livre de qualquer forma de exploração - seja de classe, raça/etnia ou gênero -, em que as diferenças não se torne justificativas para as desigualdades. Há de se ressaltar situações presentes na realidade social, como a violência doméstica contra as mulheres são dotadas de singularidade, mas também portam caráter universal. A esse respeito Amaro (2005) contribui com este debate evidenciando a complexidade presente na realidade social. Para Morin (apud INOJOSA, 2001) complexo é aquilo que é tecido em conjunto. Conforme Amaro (2005) a realidade social é um todo, produzido por um conjunto de interações que tecem o fenômeno, constituindo-se e revelando sua complexidade por meio das relações entre as partes. Destarte, é possível visualizar o todo nas partes e vice-versa conhecer a realidade de forma adequada, para além da sua aparência não é uma tarefa fácil. Segundo Inojosa (2001, p. 103) a teoria da complexidade trabalha com a compreensão da diversidade, mas nem sempre se está preparado para perceber aquilo que é diverso, aprende-se a enxergar o mundo por saberes enclausurados (pelas disciplinas) e a trabalhar de forma setorizada (INOJOSA, 2001). Acrescenta-se que muitas vezes, como pondera Amaro (2005), ainda imprime-se no fazer profissional juízo de valores e preconceitos que só obscurecem o trabalho investigativo (que imperativo ao fazer profissional do Assistente Social). Diante de questões sumariamente apresentadas acerca da realidade social, fazse mister superar posturas fragmentadas e isolacionistas, e ainda despressupor pressupostos, para que de fato consiga-se construir um conhecimento sobre a essência da realidade social. Cabe aduzir, que para tanto é imprescindível à utilização 8

9 de uma metodologia adequada [...] para reconstruir teoricamente os processos, as relações, os símbolos e os significados da realidade social (MINAYO, 2008, p.14). Compõe a metodologia, métodos e técnicas, cabe destacar que o método, refere-se a parâmetros de abordagem. O método carece de ser coerente com a finalidade que se almeja alcançar (MINAYO, 2008). Nesse sentido, cabe evidenciar o método imperativo a categoria profissional dos Assistentes Social é o materialismo dialético. Este se propõe a captar a vida social em sua totalidade a partir de seu movimento contraditório de transformações (SOUSA, 2008). Tendo em vista o objetivo maior da profissão que constituem na materialização do Projeto Ético Político, é necessário conceber a instrumentalidade como uma mediação, que é capaz de perceber em uma demanda singular a totalidade social (um todo complexo com determinantes históricos, econômicos, sociais e políticos), isto é aquilo que é universal, possibilitando desta forma a apreender a particularidade existente uma dada situação (GUERRA, 2000; SOUSA, 2008). Assim neste quadro é imprescindível articular as três dimensões ou competências, apontadas por Iamamoto (apud SOUSA, 2008), a saber: ética-política, teórico-metodológica e técnica-operativa. A competência ética-política refere-se ao posicionamento político em face as manifestação da questão social que emergem na realidade social, possibilitando notar de forma límpida a direção social da prática profissional. Tal posicionamento implica assumir os valores éticos morais, expresso no Código Ética Profissional dos Assistentes Sociais (1993). A competência teóricometodológica trata-se do saber teórico e metodológico, que fornece condições para que o profissional conheça os fenômenos sociais para além da aparência, com vistas a apreensão da essência e a construção de novas possibilidades de atuação. A competência técnica-operativa refere-se ao conjunto de instrumentos e técnicas que permitem o desenvolvimento das ações profissionais (IAMAMOTO apud SOUSA, 2008). A articulação destas três dimensões constitui-se como um desafio (que é um tema de grande debate entre a categoria), que é a não dicotomização entre a teoria e prática, pressupondo a articulação entre investigação e intervenção, pesquisa e ação, ciência e técnica [...] (SOUSA, 2008, p.122). Garantindo desta forma a inserção qualificada do Assistente Social no mercado de trabalho e a produção real de conhecimentos sobre a realidade social, visto que este profissional atua em espaços 9

10 privilegiados atua diretamente no cotidiano das classes subalternas -, o que possibilita a ocorrência de intervenções significativas na vida da população usuária (SOUSA, 2008). Ressalta-se que é por meio das intervenções realizadas e o produto concreto produzido por estas na realidade empírica encontra-se a utilidade social da profissão (GUERRA apud SOUSA, 2008). Tendo em vista que o Assistente Social trabalha, em sua grande parte, nas políticas sociais, e que estas por muitas vezes estas setorizam a realidade social. Indaga-se: como os profissionais do Serviço Social podem a partir de uma leitura marxiana dos fenômenos sociais, desenvolverem um trabalho que reflita tal leitura? Certamente não há resposta unívoca para tal dilema, no entanto, aponta-se neste artigo a possibilidade de se trabalhar em rede mediante aos problemas sociais complexos, ou se preferirem, diante das refrações da questão social O Serviço Social e o trabalho em rede como uma estratégia para o enfrentamento de problemas sociais complexos Na tentativa de superar a fragmentação dos saberes e das políticas e para atender os cidadãos de forma integrada em suas necessidades, as redes são uma alternativa de articular os atores envolvidos na busca de um objetivo comum. Por se tratar de um assunto de grande importância no contexto das políticas públicas e governamentais e também para este trabalho, trazemos a rede como uma maneira de potencializar as ações dos atores envolvidos para o alcance de determinado objetivo. A emergência de mecanismos inovadores e propositivos faz-se necessário para o trato da realidade mencionada. A concepção de rede, nesse sentido, apresenta-se como uma nova categoria de articulação. Esta é compreendida como a forma a partir da qual se consegue, de acordo com Gonçalves e Guará (2010), estabelecer contato, em que, cada ator mantém sua essência, mas se abre a novos conhecimentos; há circulação das ideias e propostas, que possibilitam forjar uma ação coletiva concreta com vistas ao alcance da direção do bem comum. Ainda sobre essa categoria os autores supracitados completam que: [...] longe do caminho fácil das vias únicas, a articulação permite variados atalhos e favorece contatos em muitas direções. O movimento em direção ao outro pode trazer boas surpresas quando se descobrem recursos e apoios possíveis tão próximos e tão ignorados quando atuamos individualmente. Não há exclusividade de caminhos, pois organizações e

11 grupos podem compor-se de vários grupos diferentes entre si sem comprometer sua atuação em cada um deles (GONÇALVEZ e GUARÁ2010, p.12). De tal modo, as várias vertentes de direção forjadas no processo de articulação podem contribuir para o estabelecimento de outras formas de consolidação de propostas. Estas podem ser discutidas por grupos que convergem em interesses e finalidades comuns. Dessa forma a noção de rede refere-se: 11 [...] aquela que articula intencionalmente pessoas e grupos humanos, sobretudo como uma estratégia organizativa que ajuda os atores e agentes sociais a potencializarem suas iniciativas para promover o desenvolvimento pessoal e social (GONÇALVES & GUARÁ, 2010, p.14). Nesse sentido, Castells apud Gonçalves & Guará (1998) acrescenta que uma rede é um conjunto de nós conectados, e cada nó, um ponto onde a curva se intercepta. Por definição, uma rede não tem centro, e ainda que alguns nós possam ser mais importantes que outros todos dependem dos demais na medida em que estão na rede. (1998, p. 10). Assim, neste quadro apresenta-se uma das características desta estrutura organizacional que se refere à difusão de poder. Explica-se que a estrutura em rede concebida no presente artigo é aquela que trabalha na perspectiva de rompimento de paradigmas, que se posta em contraposição às estruturas verticais e que busca a proposição da horizontalidade entre as ações almejadas e, consequentemente, das relações entre os membros que compõem a rede. O produto final consiste em uma espécie de diversos fios que podem interligar-se entre si indefinidamente por diversas direções, sem que haja a predominância de um fio sobre os demais. A motivação maior neste caso é a vontade conjunta em concretizar o objetivo almejado, ou seja, enfrentar um problema comum previamente estabelecido. Dentro deste contexto, Carvalho apud Gonçalves & Guará enfatiza que: A rede é um meio, um modo de representação das interrelações e conexões de como se expressa a complexidade. Não vivemos mais em uma sociedade simples. Não enfrentamos mais variáveis simples. Os fatos são multicausais e multidependentes entre si. A própria sociedade civil se comporta como uma sociedade-rede. (CARVALHO apud GONÇALVEZ & GUARÁ, 2010, p.09). A esse respeito, Ude (2008) discorre que a sociedade civil sempre funcionou em rede. Todavia, ele esclarece que os ardis e a lógica do sistema capitalista produziram e

12 desenvolveram mecanismos e formas, fortemente fragmentados e setorizados de lidar com a realidade. Assim, neste quadro, Nogueira sublinha que a fruição da ação em rede provoca uma retomada da totalidade. Isto é, exige apreender a realidade social e nela agir como um complexo, um todo que é tecido junto. Impõe uma perspectiva que integre, organize e totalize. (2001, p.35). Ressalte-se que para a apreensão da totalidade com vistas ao desenvolvimento do trabalho em rede faz-se necessário pensar na relação existente entre os diversos atores que a compõem. Gonçalves & Guará enfatizam que os elementos que fazem parte da rede são diversos em sua natureza, estrutura e capacidade de ação, sendo necessário assim trabalhar na perspectiva de compatibilizar tempos heterogêneos e buscar consensos parciais para cada momento do processo (2010, p.16). Trata-se, portanto, de construir consensos sobre uma dada manifestação da questão social e também sobre respostas para estas, envolvendo diferentes olhares e possibilidades de atuação. A somatória das ações em conjunto fortalece e legitima as pretensões dos que se dispõem a trabalhar em uma perspectiva de rede social. Ademais, por se tratar de uma nova cultura para a gestão pública, muitos são os desafios para a sua implementação efetiva. Sobre esse ponto, Gonçalves; Guará (2010, p. 16) compactuam que sendo uma inovação para a gestão pública, a rede sugere, sobretudo, uma arquitetura de complementaridade na ação. Os desafios para sua implementação ainda são muitos, pois a atuação em rede supõe a socialização do poder, o respeito às autonomias e a negociação CONSIDERAÇÕES FINAIS Por meio da pesquisa bibliográfica, contatamos que a questão de gênero é responsável por gerar uma série de violações dos direitos sociais e humanos das mulheres e, aqui, se pretendeu destacar a violência sofrida por ela em âmbito doméstico. Esta é considerada neste trabalho como o ápice das desigualdades entre homens e mulheres e como uma expressiva violação dos direitos humanos, que, assim como outra manifestação da questão social, carece de ser respondida, tal qual o nível de sua magnitude: publicamente, por meio das políticas sociais.

13 O Assistente Social atua em tais políticas, seja na elaboração, execução, monitoramento e na avaliação destas. Buscou-se neste artigo apontar o trabalho em rede como uma alternativa no enfrentamento aos fenômenos sociais, como a violência doméstica contra as mulheres. Sabe-se que tal fenômeno é multidimensional e complexo, portanto, ações isoladas, fragmentadas e sem coordenação e integração, não conseguem responder a totalidade presente neste. Assim, considera-se que a utilização do trabalho em rede torna-se uma estratégia para o Assistente Social, que contribui para a leitura da realidade social, bem como para a construção e execução de políticas públicas sociais efetivas, eficazes e eficientes. Ressalta-se que nesta nova perspectiva de atuação há diversos desafios a serem superados, no qual destacamos aqui socialização do poder, que tem incidência direta na forma de elaborar e propor estas ações, podendo ser vertical ou horizontal e assim promovendo (ou não) a participação da população em todas as etapas (planejamento, elaboração, execução, monitoramento e avaliação) das políticas propostas. Consideramos a socialização do poder um desafio e ao mesmo tempo algo imprescindível para romper com caráter conservador dessas e também como um meio real de enfrentar às manifestações questão social. 13

14 14 REFERÊNCIAS AMARO, Sarita T. A. Visita domiciliar: orientações para uma abordagem complexa. In: DESAULNIERS, Julieta Beatriz Ramos (org.). Fenômeno: uma teia complexa de relações. Porto Alegre: EDIPUCRS, BRASIL. Código de Ética Profissional do Assistente Social. Brasília, Disponível em: <http://www.cfess.org.br/pdf/legislacao_etica_cfess.pdf> Acesso em: 10/02/2013, Presidência da República Casa Civil. Subchefia de assuntos jurídicos. Lei Nº , de 7 de Agosto 2006 Lei Maria da Penha. Brasília, BOURDIEU, P. A dominação masculina. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1999.p CHAUÍ, Marilena. Participando do debate sobre mulher e violência. Revista Perspectivas Antropológicas da Mulher. Rio de Janeiro: Zahar Editores, n. 4, p. 35, Disponível em: <http://www.fimdaviolenciainfantil.com.br/tipos de violencia>. Acesso em: 03/10/2011., Marilena Sousa. Cultura e democracia: o discurso competente e outras falas. 9. ed. São Paulo: Cortez, CUNHA, Edite da Pennha; CUNHA,Eleonora,Schettini M. Redes Sociais.Politicas Publicas Sociais. In: CARVALHO, Alysson et.al. (Orgs.) Políticas Públicas. Belo Horizonte: UFMG, 2002.p FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda. Miniaurélio: o minidicionário da língua portuguesa dicionário / Aurélio Buarque de Holanda Ferreira. 7 ed. Curitiba: Ed. Positivo: 2008 GONÇALVES, Antonio Sérgio; GUARÁ, Isa Maria F. Rosa. Redes de proteção social na comunidade. In: GUARÁ, Isa Maria F. Rosa. Redes de proteção social. Abrigos em movimento p GUERRA, Yolanda. A instrumentalidade no Trabalho do Assistente Social. São Paulo: Cortez, INOJOSA, Rose Marie. Sinergia em políticas e serviços públicos: desenvolvimento social com intersetorialidade. Cadernos Fundap, n.22, 2001.p MEYER, Dagmar Estermann. Gênero e educação: teoria e política. IN: FELIPE, Jane; GOELLNER, Silvana Vilodre; LOURO, Guacira Lopes (ORGs). Corpo, gênero e sexualidade: um contemporâneo na educação. 3.ed. Petrópolis, RJ: Vozes, p. 12,16, 17.

15 MINAYO, Maria Cecília de Souza (Org.). Pesquisa Social: Teoria, método e criatividade. Petrópolis: Vozes, MORENO, M. Como se ensina a ser menina: o sexismo na escola. São Paulo: Moderna, 1999.p NOGUEIRA, Marco Aurélio. Em defesa da política 20. ed.são Paulo:Editora Senac 2005.p 35. Organização Mundial da Saúde. Informe mundial sobre la violencia y salud. Genebra (SWZ): OMS; SAFFIOTI, H. I. B. Rearticulando gênero e classe social. In: BRUSCHINI, C.; COSTA, A. de O. (Org.) Uma questão de gênero. Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos, 1992, p. 90, (Fundação Carlos Chagas). 15, Heleieth Iara Bongiovani. Contribuições feministas para o estudo da violência de gênero. Caderno Pagu. 2001, n.16, p Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/cpa/n16/n16a07.pdf >Acesso em: 10/02/2013., Heleieth Iara Bongiova. Gênero, Patriarcado, violências. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, SOUSA, Charles Toniolo de. A prática do assistente social: conhecimento, instrumentalidade e intervenção profissional. Emancipação, Ponta Grossa, 8 (1), Disponível em: <www.uepg.br/emancipação>. UDE, Walter. Redes Sociais. Possibilidade metodológica para uma prática inclusiva. In: CARVALHO, Alysson et.al. (Orgs.) Políticas Públicas. Belo Horizonte: UFMG, p. 97 VIEIRA, Rosa Izabela. Aspectos relevantes da violência doméstica Disponível em:<http://www.conteudojuridico.com.br/?artigos&ver= >. Acesso em: 13/06/2012

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 TEMÁTICA: EDUCAÇÃO, QUESTÃO DE GÊNERO E DIVERSIDADE EDUCAÇÃO

Leia mais

Gênero, ética e sentimentos: A resolução de conflitos no campo da educação

Gênero, ética e sentimentos: A resolução de conflitos no campo da educação PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Gênero, ética e sentimentos: A resolução de conflitos no campo da educação Valéria Amorim Arantes 1 Brigitte Ursula Stach Haertel

Leia mais

SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO E ASSISTÊNCIA SOCIAL - SEDAS GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO, PROJETOS E CAPACITAÇÃO TEXTO I

SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO E ASSISTÊNCIA SOCIAL - SEDAS GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO, PROJETOS E CAPACITAÇÃO TEXTO I TEXTO I Igualdade de Gênero no Enfrentamento à Violência Contra a Mulher As desigualdades são sentidas de formas diferentes pelas pessoas dependendo do seu envolvimento com a questão. As mulheres sentem

Leia mais

PERSPECTIVAS DE ANÁLISE DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA MULHER: MAPEAMENTO DAS DENÚNCIAS ENTRE OS ANOS DE 2010 E 2011 NA CIDADE DE CAMPINA GRANDE-PB

PERSPECTIVAS DE ANÁLISE DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA MULHER: MAPEAMENTO DAS DENÚNCIAS ENTRE OS ANOS DE 2010 E 2011 NA CIDADE DE CAMPINA GRANDE-PB PERSPECTIVAS DE ANÁLISE DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA MULHER: MAPEAMENTO DAS DENÚNCIAS ENTRE OS ANOS DE 2010 E 2011 NA CIDADE DE CAMPINA GRANDE-PB Autoria: Antonio Pereira Cardoso da Silva Filho Universidade

Leia mais

Serviço Social e o Trabalho Social em Habitação de Interesse Social. Tânia Maria Ramos de Godoi Diniz Novembro de 2015

Serviço Social e o Trabalho Social em Habitação de Interesse Social. Tânia Maria Ramos de Godoi Diniz Novembro de 2015 Serviço Social e o Trabalho Social em Habitação de Interesse Social Tânia Maria Ramos de Godoi Diniz Novembro de 2015 Sobre o trabalho social O trabalho social nos programas de, exercido pelo (a) assistente

Leia mais

A VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA AS MULHERES, DESIGUALDADE DE GÊNERO, EDUCAÇÃO E JUVENTUDE COMO CATEGORIAS DE ARTICULAÇÃO

A VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA AS MULHERES, DESIGUALDADE DE GÊNERO, EDUCAÇÃO E JUVENTUDE COMO CATEGORIAS DE ARTICULAÇÃO A VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA AS MULHERES, DESIGUALDADE DE GÊNERO, EDUCAÇÃO E JUVENTUDE COMO CATEGORIAS DE ARTICULAÇÃO Ideojane Melo Conceição 1 - UNEB Grupo de trabalho - Educação e Direitos Humanos Agencia

Leia mais

Cristiane Gonçalves de Souza 1 Dircéia Moreira. Introdução

Cristiane Gonçalves de Souza 1 Dircéia Moreira. Introdução UMA REFLEXÃO ACERCA DAS POSSIBILIDADES DE EMPODERAMENTO DAS FAMÍLIAS ATENDIDAS PELO PLANO NACIONAL DE PROMOÇÃO, PROTEÇÃO E DEFESA DO DIREITO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES À CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA

Leia mais

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO Karen Ramos Camargo 1 Resumo O presente artigo visa suscitar a discussão acerca dos processos de trabalho do Serviço Social, relacionados

Leia mais

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento;

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Objetivo geral Promover a igualdade no mundo do trabalho e a autonomia

Leia mais

Seminário Cenário Contemporâneo: Polêmicas e Desafios ao Serviço Social

Seminário Cenário Contemporâneo: Polêmicas e Desafios ao Serviço Social Seminário Cenário Contemporâneo: Polêmicas e Desafios ao Serviço Social Seminário Cenário Contemporâneo: Polêmicas e Desafios ao Serviço Social PALESTRA 03: Investigação em Serviço Social: para quê, a

Leia mais

OS CAMINHOS PERCORRIDOS DA PEDAGOGIA DO OPRIMIDO À PEDAGOGIA DA OPRIMIDA: DA MADRESPOSA À SUJEITA FEMINISTA

OS CAMINHOS PERCORRIDOS DA PEDAGOGIA DO OPRIMIDO À PEDAGOGIA DA OPRIMIDA: DA MADRESPOSA À SUJEITA FEMINISTA OS CAMINHOS PERCORRIDOS DA PEDAGOGIA DO OPRIMIDO À PEDAGOGIA DA OPRIMIDA: DA MADRESPOSA À SUJEITA FEMINISTA Daniele Rehling Lopes¹ RESUMO O presente trabalho visa discutir alguns resultados iniciais de

Leia mais

SEMINÁRIO NACIONAL DE SERVIÇO SOCIAL NA PREVIDÊNCIA SOCIAL

SEMINÁRIO NACIONAL DE SERVIÇO SOCIAL NA PREVIDÊNCIA SOCIAL SEMINÁRIO NACIONAL DE SERVIÇO SOCIAL NA PREVIDÊNCIA SOCIAL SERVIÇO SOCIAL E A SAÚDE DO TRABALHADOR: ATUAÇÃO NO BENEFÍCIO POR INCAPACIDADE Profª Drª: Jussara Maria Rosa Mendes Professora do Curso de Serviço

Leia mais

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337.

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337. PROGRAMA TÉMATICO: 6229 EMANCIPAÇÃO DAS MULHERES OBJETIVO GERAL: Ampliar o acesso das mulheres aos seus direitos por meio do desenvolvimento de ações multissetoriais que visem contribuir para uma mudança

Leia mais

Anais do VII Seminário Fazendo Gênero 28, 29 e 30 de 2006

Anais do VII Seminário Fazendo Gênero 28, 29 e 30 de 2006 Gênero e Sexualidade nas Práticas Escolares ST 07 Priscila Gomes Dornelles i PPGEdu/UFRGS Educação Física escolar - aulas separadas entre meninos e meninas - relações de gênero Distintos destinos : problematizando

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL, SUAS e legislações pertinentes. Profa. Ma. Izabel Scheidt Pires

POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL, SUAS e legislações pertinentes. Profa. Ma. Izabel Scheidt Pires POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL, SUAS e legislações pertinentes Profa. Ma. Izabel Scheidt Pires REFERÊNCIAS LEGAIS CF 88 LOAS PNAS/04 - SUAS LOAS A partir da Constituição Federal de 1988, regulamentada

Leia mais

(Re)pensando o Lugar da Educação em Direitos Humanos. na Educação de Surdos

(Re)pensando o Lugar da Educação em Direitos Humanos. na Educação de Surdos (Re)pensando o Lugar da Educação em Direitos Humanos na Educação de Surdos Por MARIA DE FÁTIMA DA SILVA CAVALCANTE Resumo: O presente artigo tem por objetivo discutir a Educação em Direitos Humanos como

Leia mais

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Ensino Médio Elaborar uma proposta curricular para implica considerar as concepções anteriores que orientaram, em diferentes momentos, os

Leia mais

HELENA NAVARRO GIMENEZ

HELENA NAVARRO GIMENEZ HELENA NAVARRO GIMENEZ O ASSISTENTE SOCIAL NA GESTÃO ESTADUAL DA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL E A APLICABILIDADE DO CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL NESSE ESPAÇO DE ATUAÇÃO O presente artigo tem por objetivo

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL NA EDUCAÇÃO: UMA RELAÇÃO NECESSÁRIA PARA SE COMPREENDER A COMPLEXIDADE DO ENSINO/APRENDIZADO BRASILEIRO.

SERVIÇO SOCIAL NA EDUCAÇÃO: UMA RELAÇÃO NECESSÁRIA PARA SE COMPREENDER A COMPLEXIDADE DO ENSINO/APRENDIZADO BRASILEIRO. SERVIÇO SOCIAL NA EDUCAÇÃO: UMA RELAÇÃO NECESSÁRIA PARA SE COMPREENDER A COMPLEXIDADE DO ENSINO/APRENDIZADO BRASILEIRO. Resumo Paula Lopes Gomes - Universidade Estadual da Paraíba. E-mail: paulagomes20@msn.com

Leia mais

A PRÁTICA PROFISSIONAL DO ASSISTENTE NA APAM-ASSOCIAÇÃO DE PROMOÇÃO A MENINA DE PONTA GROSSA.

A PRÁTICA PROFISSIONAL DO ASSISTENTE NA APAM-ASSOCIAÇÃO DE PROMOÇÃO A MENINA DE PONTA GROSSA. A PRÁTICA PROFISSIONAL DO ASSISTENTE NA APAM-ASSOCIAÇÃO DE PROMOÇÃO A MENINA DE PONTA GROSSA. SILVA, Jessica Da¹. NADAL, Isabela Martins². GOMES, R.C. Ana³. RESUMO: O presente trabalho é referente à prática

Leia mais

A PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO NA FORMAÇÃO DO EDUCADOR INFANTIL

A PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO NA FORMAÇÃO DO EDUCADOR INFANTIL A PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO NA FORMAÇÃO DO EDUCADOR INFANTIL Rita Melissa Lepre RESUMO: Neste breve artigo relataremos um extrato de uma pesquisa realizada com educadoras infantis que teve como tema as contribuições

Leia mais

Glossário do Programa Pró-equidade

Glossário do Programa Pró-equidade Glossário do Programa Pró-equidade Assédio Moral no Trabalho É a vivência de situações humilhantes e constrangedoras no ambiente de trabalho, caracterizadas por serem repetitivas e prolongadas ao longo

Leia mais

Secretaria Municipal de Assistência Social Centro de Referência Especializado de Assistência Social

Secretaria Municipal de Assistência Social Centro de Referência Especializado de Assistência Social Secretaria Municipal de Assistência Social Centro de Referência Especializado de Assistência Social Proposta para Implementação de Serviço de Responsabilização e Educação de Agressores Grupo Paz em Casa

Leia mais

Diretrizes para Implementação dos Serviços de Responsabilização e Educação dos Agressores

Diretrizes para Implementação dos Serviços de Responsabilização e Educação dos Agressores PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE POLÍTICAS PARA MULHERES SECRETRIA DE ENFRENTAMENTO À VIOLÊNCIA CONTRA AS MULHERES Diretrizes para Implementação dos Serviços de Responsabilização e Educação dos Agressores

Leia mais

http://www.promenino.org.br/default.aspx?tabid=77&conteudoid=737b5d90-0003- 4fd3-b9b6-907614625b10&boletim

http://www.promenino.org.br/default.aspx?tabid=77&conteudoid=737b5d90-0003- 4fd3-b9b6-907614625b10&boletim Disponível em http://www.promenino.org.br/default.aspx?tabid=77&conteudoid=737b5d90-0003- 4fd3-b9b6-907614625b10&boletim Acesso em 20/04/2012 LIDIANE RIOS DE OLIVEIRA 15/04/2012 SERVIÇO SOCIAL NA EDUCAÇÃO:

Leia mais

O PROCESSO TERAPÊUTICO EM UM CAPSad: A VISÃO DOS TRABALHADORES

O PROCESSO TERAPÊUTICO EM UM CAPSad: A VISÃO DOS TRABALHADORES 122 O PROCESSO TERAPÊUTICO EM UM CAPSad: A VISÃO DOS TRABALHADORES Carlise Cadore Carmem Lúcia Colomé Beck Universidade Federal de Santa Maria Resumo Os movimentos da Reforma Sanitária e da Reforma Psiquiátrica

Leia mais

Rio de Janeiro, Agosto de 2013.

Rio de Janeiro, Agosto de 2013. Análise da Política de enfrentamento a violência contra a mulher num município do Rio de Janeiro. Universidade Federal do Rio de Janeiro - Escola de Serviço Social Dayana Gusmão [Resumo: O combate à violência

Leia mais

O ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM SERVIÇO SOCIAL: perspectivas e desafios frente às novas diretrizes curriculares

O ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM SERVIÇO SOCIAL: perspectivas e desafios frente às novas diretrizes curriculares 590 O ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM SERVIÇO SOCIAL: perspectivas e desafios frente às novas diretrizes curriculares Raquel Renzo Silva - UNESP Analúcia Bueno dos Reis Giometti - UNESP INTRODUÇÃO A atualidade

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL, QUESTÃO SOCIAL E GÊNERO: ALGUMAS REFLEXÕES A PARTIR DA FORMAÇÃO E INTERVENÇÃO PROFISSIONAL

SERVIÇO SOCIAL, QUESTÃO SOCIAL E GÊNERO: ALGUMAS REFLEXÕES A PARTIR DA FORMAÇÃO E INTERVENÇÃO PROFISSIONAL DOI: 10.4025/4cih.pphuem.729 SERVIÇO SOCIAL, QUESTÃO SOCIAL E GÊNERO: ALGUMAS REFLEXÕES A PARTIR DA FORMAÇÃO E INTERVENÇÃO PROFISSIONAL Vanda Micheli Burginski Universidade Federal do Tocantins UFT A questão

Leia mais

CURSO EDUCAÇÃO, RELAÇÕES RACIAIS E DIREITOS HUMANOS

CURSO EDUCAÇÃO, RELAÇÕES RACIAIS E DIREITOS HUMANOS CURSO EDUCAÇÃO, RELAÇÕES RACIAIS E DIREITOS HUMANOS MARTA LÚCIA DA SILVA ROSANA CAPPUTI BORGES Educação Infantil: desigualdades de idade e raça, um grande desafio a ser conquistado. São Paulo 2012 EDUCAÇÃO

Leia mais

REVISTA SABER ACADÊMICO N 16 / ISSN 1980-5950 SQUIZATTO, E. P. S. 2013.

REVISTA SABER ACADÊMICO N 16 / ISSN 1980-5950 SQUIZATTO, E. P. S. 2013. 86 Artigo original A PRÁXIS PROFISSIONAL DO ASSISTENTE SOCIAL NO CENTRO DE REFERÊNCIA ESPECIALIZADO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL SQUIZATTO, E. P. S. 1 Nome Completo Ediléia Paula dos Santos Squizatto Artigo submetido

Leia mais

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social A PRÁTICA PROFISSIONAL DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSOCIAÇÃO DE PAIS E AMIGOS DOS EXCEPCIONAIS - APAE DE PALMEIRA

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social A PRÁTICA PROFISSIONAL DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSOCIAÇÃO DE PAIS E AMIGOS DOS EXCEPCIONAIS - APAE DE PALMEIRA VIII Jornada de Estágio de Serviço Social A PRÁTICA PROFISSIONAL DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSOCIAÇÃO DE PAIS E AMIGOS DOS EXCEPCIONAIS - APAE DE PALMEIRA Apresentador: Mayara Lucia Martins. MARTINS, Mayara

Leia mais

SEMANA 3 A CONTRIBUIÇAO DOS ESTUDOS DE GÊNERO

SEMANA 3 A CONTRIBUIÇAO DOS ESTUDOS DE GÊNERO SEMANA 3 A CONTRIBUIÇAO DOS ESTUDOS DE GÊNERO Autor (unidade 1 e 2): Prof. Dr. Emerson Izidoro dos Santos Colaboração: Paula Teixeira Araujo, Bernardo Gonzalez Cepeda Alvarez, Lívia Sousa Anjos Objetivos:

Leia mais

A ESCOLA COMO ESPAÇO DE SOCIALIZAÇÃO DA CULTURA EM DIREITOS HUMANOS

A ESCOLA COMO ESPAÇO DE SOCIALIZAÇÃO DA CULTURA EM DIREITOS HUMANOS A ESCOLA COMO ESPAÇO DE SOCIALIZAÇÃO DA CULTURA EM DIREITOS HUMANOS Adelaide Alves Dias * * Psicóloga. Mestre em Psicologia Social e Doutora em Educação. Professora do Centro de Educação e pesquisadora

Leia mais

O PARADIGMA DA COMPLEXIDADE: DESAFIOS PARA O CO HECIME TO. Maria Auxiliadora de Resende Braga. MARQUES Centro Universitário Moura Lacerda

O PARADIGMA DA COMPLEXIDADE: DESAFIOS PARA O CO HECIME TO. Maria Auxiliadora de Resende Braga. MARQUES Centro Universitário Moura Lacerda O PARADIGMA DA COMPLEXIDADE: DESAFIOS PARA O CO HECIME TO Maria Auxiliadora de Resende Braga. MARQUES Centro Universitário Moura Lacerda RESUMO: este texto tem por objetivo compreender a importância da

Leia mais

POLÍTICAS PARA AS MULHERES, GÊNERO E SERVIÇO SOCIAL. Lourdes de Maria Leitão Nunes Rocha

POLÍTICAS PARA AS MULHERES, GÊNERO E SERVIÇO SOCIAL. Lourdes de Maria Leitão Nunes Rocha POLÍTICAS PARA AS MULHERES, GÊNERO E SERVIÇO SOCIAL Lourdes de Maria Leitão Nunes Rocha Relevância da reflexão sobre a profissão de assistente social sob a ótica das relações de gênero Veloso (2001) -

Leia mais

Estágio Supervisionado: Pesquisa e Mobilização de Saberes na Construção da Identidade Docente

Estágio Supervisionado: Pesquisa e Mobilização de Saberes na Construção da Identidade Docente Estágio Supervisionado: Pesquisa e Mobilização de Saberes na Construção da Identidade Docente CARVALHO, Ademar de Lima 1 RESSUMO O presente texto tem por objetivo apresentar uma reflexão sobre o Estágio

Leia mais

PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade. Democracia na escola Ana Maria Klein 1

PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade. Democracia na escola Ana Maria Klein 1 PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Democracia na escola Ana Maria Klein 1 A escola, instituição social destinada à educação das novas gerações, em seus compromissos

Leia mais

FAMÍLIA : DEMANDAS PARA O SERVIÇO SOCIAL

FAMÍLIA : DEMANDAS PARA O SERVIÇO SOCIAL FAMÍLIA : DEMANDAS PARA O SERVIÇO SOCIAL Jéssica Caroline Medeiros SILVA 1 RESUMO: O presente estudo traz à discussão a família, visualizando-a na perspectiva critica como uma construção histórica. Analisamos

Leia mais

Violência contra crianças e adolescentes: uma análise descritiva do fenômeno

Violência contra crianças e adolescentes: uma análise descritiva do fenômeno A crise de representação e o espaço da mídia na política RESENHA Violência contra crianças e adolescentes: uma análise descritiva do fenômeno Rogéria Martins Socióloga e Professora do Departamento de Educação/UESC

Leia mais

A visita domiciliar como instrumento de apreensão da realidade social.

A visita domiciliar como instrumento de apreensão da realidade social. A visita domiciliar como instrumento de apreensão da realidade social. Silvana Dóris Perin 1 RESUMO: O presente artigo aborda a necessidade do conhecimento da realidade social para efetivação da práxis

Leia mais

OS FUNDAMENTOS TEÓRICO-METODOLÓGICOS DO SERVIÇO SOCIAL NO SÉCULO XXI

OS FUNDAMENTOS TEÓRICO-METODOLÓGICOS DO SERVIÇO SOCIAL NO SÉCULO XXI OS FUNDAMENTOS TEÓRICO-METODOLÓGICOS DO SERVIÇO SOCIAL NO SÉCULO XXI Ariana Célis Leite Lívia Hernandes de Carvalho Lívia Moura Marinho Thiago Agenor dos Santos de Lima RESUMO: O presente artigo tem como

Leia mais

SUMÁRIO APRESENTAÇÃO...3 CONSIDERAÇÕES DA SECRETARIA MUNICIPAL DE POLÍTICAS PARA AS MULHERES SPM...5

SUMÁRIO APRESENTAÇÃO...3 CONSIDERAÇÕES DA SECRETARIA MUNICIPAL DE POLÍTICAS PARA AS MULHERES SPM...5 PLANO MUNICIPAL DE POLÍTICAS PARA MULHERES ICATÚ 2013-2015 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO...3 CONSIDERAÇÕES DA SECRETARIA MUNICIPAL DE POLÍTICAS PARA AS MULHERES SPM...5 1. PRINCÍPIOS DA POLÍTICA NACIONAL PARA AS

Leia mais

A REGIÃO COMO FENÔMENO EMINENTEMENTE GEOGRÁFICO: QUESTÕES PARA O DEBATE ACADÊMICO

A REGIÃO COMO FENÔMENO EMINENTEMENTE GEOGRÁFICO: QUESTÕES PARA O DEBATE ACADÊMICO A REGIÃO COMO FENÔMENO EMINENTEMENTE GEOGRÁFICO: QUESTÕES PARA O DEBATE ACADÊMICO Ricardo Bahia Rios Doutorando em Geografia pela Universidade Federal da Bahia Brasil Professor do Instituto Federal da

Leia mais

O PAPEL DO PSICÓLOGO SOCIAL

O PAPEL DO PSICÓLOGO SOCIAL Página 1 de 5 O PAPEL DO PSICÓLOGO SOCIAL Leandro Nunes 1 Primeiramente, gostaria de me posicionar e anunciar de que campo da ciência psicológica vou estruturar meu argumento. No entanto afirmo que me

Leia mais

PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA

PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA O que é o Projeto de Intervenção Pedagógica? O significado de projeto encontrado comumente nos dicionários da Língua Portuguesa está associado a plano de realizar,

Leia mais

Palavras-chaves: denuncia, consumo de álcool, consumo de drogas.

Palavras-chaves: denuncia, consumo de álcool, consumo de drogas. VIOLENCIA CONTRA A MULHER E A DEPENDENCIA FINACEIRA. UM ESTUDO DE CASO NO MUNICIPIO DE PITANGA. MARLY APARECIDA MAZUR MACHADO/UNICENTRO E-MAIL: maymazur@outlook.com SIMÃO TERNOSKI (ORIENTADOR)/UNICENTRO

Leia mais

A PRESENÇA MASCULINA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: REFLEXÕES INTRODUTÓRIAS

A PRESENÇA MASCULINA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: REFLEXÕES INTRODUTÓRIAS A PRESENÇA MASCULINA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: REFLEXÕES INTRODUTÓRIAS Nilson Sousa Cirqueira 1 - UESB José Valdir Jesus de Santana 2 - UESB Grupo de Trabalho - Educação da Infância Agência Financiadora: Não

Leia mais

DISCRIMINAÇÃO DO TRABALHO FEMININO E AS DESIGUALDADES SOCIAIS ENTRE HOMENS E MULERES

DISCRIMINAÇÃO DO TRABALHO FEMININO E AS DESIGUALDADES SOCIAIS ENTRE HOMENS E MULERES DISCRIMINAÇÃO DO TRABALHO FEMININO E AS DESIGUALDADES SOCIAIS ENTRE HOMENS E MULERES Werena de Oliveira Barbosa Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Cajazeiras FAFIC werena19@hotmail.com Juliana

Leia mais

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: ELEMENTOS PARA DISCUSSÃO 1

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: ELEMENTOS PARA DISCUSSÃO 1 AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: ELEMENTOS PARA DISCUSSÃO 1 Sandra M. Zákia L. Sousa 2 As demandas que começam a ser colocadas no âmbito dos sistemas públicos de ensino, em nível da educação básica, direcionadas

Leia mais

VIOLÊNCIA DE GÊNERO: A NECESSIDADE DO SEU RECONHECIMENTO

VIOLÊNCIA DE GÊNERO: A NECESSIDADE DO SEU RECONHECIMENTO VIOLÊNCIA DE GÊNERO: A NECESSIDADE DO SEU RECONHECIMENTO Jézica Neres Fonseca Buniotti; Suellen Regina Vedovato. Maria Inez Barboza Marques (orientadora) marques@sercomtel.com.br (UNESPAR/Campus Paranavaí/PR)

Leia mais

MUDANÇAS NO CONTEXTO FAMILIAR

MUDANÇAS NO CONTEXTO FAMILIAR 1 MUDANÇAS NO CONTEXTO FAMILIAR 1 SOUZA, M. A. 2 ZAMPAULO, J. 3 BARROS, D. R. B. Resumo: Com esse breve estudo buscou se refletir sobre as mudanças que a família tem vivenciado no contexto social. Procura

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 A FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA NA PERSPECTIVA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA Rosana Maria Gessinger Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul - PUCRS rosana.gessinger@pucrs.br Valderez Marina

Leia mais

Feminilidade e Violência

Feminilidade e Violência Feminilidade e Violência Emilse Terezinha Naves O tema sobre a violência e a feminilidade apresenta-se, nas mais diversas áreas do conhecimento, como um tema de grande interesse, quando encontramos uma

Leia mais

Plano Integrado de Capacitação de Recursos Humanos para a Área da Assistência Social PAPÉIS COMPETÊNCIAS

Plano Integrado de Capacitação de Recursos Humanos para a Área da Assistência Social PAPÉIS COMPETÊNCIAS PAPÉIS E COMPETÊNCIAS O SERVIÇO PSICOSSOCIAL NO CREAS... O atendimento psicossocial no serviço é efetuar e garantir o atendimento especializado (brasil,2006). Os profissionais envolvidos no atendimento

Leia mais

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável Sustentabilidade Socioambiental Resistência à pobreza Desenvolvimento Saúde/Segurança alimentar Saneamento básico Educação Habitação Lazer Trabalho/

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE SERVIÇO SOCIAL INTRODUÇÃO AO SERVIÇO SOCIAL EMENTA: A ação profissional do Serviço Social na atualidade, o espaço sócioocupacional e o reconhecimento dos elementos

Leia mais

PROJETO 1. IDENTIFICAÇÃO. da Inclusão e da Permanência Escolar de Crianças e Adolescentes com Necessidades Educativas Especiais.

PROJETO 1. IDENTIFICAÇÃO. da Inclusão e da Permanência Escolar de Crianças e Adolescentes com Necessidades Educativas Especiais. PROJETO 1. IDENTIFICAÇÃO Nome do projeto Nome da Instituição Proponente Construindo Pontes Garantia da Inclusão e da Permanência Escolar de Crianças e Adolescentes com Necessidades Educativas Especiais.

Leia mais

O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA. PALAVRAS-CHAVE: docência universitária, formação docente, representações, perspectivas paradigmáticas

O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA. PALAVRAS-CHAVE: docência universitária, formação docente, representações, perspectivas paradigmáticas O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA Núbia Vieira TEIXEIRA; Solange Martins Oliveira MAGALHÃES Mestrado - Programa de Pós - Graduação em Educação - FE/UFG vitenubia@yahoo.com.br;solufg@hotmail.com

Leia mais

A POLÍTICA, AS RELAÇÕES DE PODER NA ESCOLA E A FORMAÇÃO PARA A CIDADANIA

A POLÍTICA, AS RELAÇÕES DE PODER NA ESCOLA E A FORMAÇÃO PARA A CIDADANIA A POLÍTICA, AS RELAÇÕES DE PODER NA ESCOLA E A FORMAÇÃO PARA A CIDADANIA Maria do Socorro da Cunha Pontifícia Universidade Católica do Paraná Resumo: A presente texto tem, como objetivo, tecer considerações

Leia mais

Pedagogia para diversidade de gênero e sexualidade: dimensões ontológicas do ser social

Pedagogia para diversidade de gênero e sexualidade: dimensões ontológicas do ser social Gabriela da Silva 1 Pedagogia para diversidade de gênero e sexualidade: dimensões ontológicas do ser social Resumo: nesta comunicação procuro analisar, quais relações existem entre as políticas públicas

Leia mais

APOIO E PARTICIPAÇÃO NAS AÇÕES DE CRIAÇÃO DO NÚCLEO DE ESTUDOS EM GÊNERO, RAÇA E ETNIA NEGRE/UEMS. RESUMO

APOIO E PARTICIPAÇÃO NAS AÇÕES DE CRIAÇÃO DO NÚCLEO DE ESTUDOS EM GÊNERO, RAÇA E ETNIA NEGRE/UEMS. RESUMO APOIO E PARTICIPAÇÃO NAS AÇÕES DE CRIAÇÃO DO NÚCLEO DE ESTUDOS EM GÊNERO, RAÇA E ETNIA NEGRE/UEMS. ¹Gislaine De Oliveira Correia; ²Maria José de Jesus Alves Cordeiro. ¹Bolsista de Iniciação Científica

Leia mais

MIDIA E INCLUSÃO: RELATO DE EXPERIÊNCIAS DE UMA PESSOA COM DEFICIÊNCIA VISUAL RESUMO. Fabiana Fator Gouvêa Bonilha Rede Anhanguera de Comunicação

MIDIA E INCLUSÃO: RELATO DE EXPERIÊNCIAS DE UMA PESSOA COM DEFICIÊNCIA VISUAL RESUMO. Fabiana Fator Gouvêa Bonilha Rede Anhanguera de Comunicação MIDIA E INCLUSÃO: RELATO DE EXPERIÊNCIAS DE UMA PESSOA COM DEFICIÊNCIA VISUAL Fabiana Fator Gouvêa Bonilha Rede Anhanguera de Comunicação fabiana.ebraille@gmail.com RESUMO No presente trabalho, tenciona-se

Leia mais

Formulação de projeto de trabalho profissional

Formulação de projeto de trabalho profissional Formulação de projeto de trabalho profissional Berenice Rojas Couto Professora de Política Social nos cursos de Graduação e Pós-Graduação da Faculdade de Serviço Social da PUCRS/Rio Grande do Sul. 0 1

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA ESCOLA: A VISÃO DOS PROFESSORES E PROFESSORAS DE CIENCIAS E BIOLOGIA ACERCA DA FORMAÇÃO NECESSÁRIA

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA ESCOLA: A VISÃO DOS PROFESSORES E PROFESSORAS DE CIENCIAS E BIOLOGIA ACERCA DA FORMAÇÃO NECESSÁRIA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA ESCOLA: A VISÃO DOS PROFESSORES E PROFESSORAS DE CIENCIAS E BIOLOGIA ACERCA DA FORMAÇÃO NECESSÁRIA FERREIRA, Adriana Ribeiro & ROSSO, Ademir José INTRODUÇÃO O meio ambiente (MA) é

Leia mais

Ações Socioeducativas

Ações Socioeducativas AÇÕES SOCIOEDUCATIVAS NA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL Assistência Social Ações Socioeducativas Garantia dos direitos Inclusão social Desenvolvimento do protagonismo Desenvolvimento da autonomia individual

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

ENSINO DE GEOGRAFIA, CULTURA POPULAR E TEMAS TRANSVERSAIS: uma proposta de transversalidade a partir dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN s)

ENSINO DE GEOGRAFIA, CULTURA POPULAR E TEMAS TRANSVERSAIS: uma proposta de transversalidade a partir dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN s) ENSINO DE GEOGRAFIA, CULTURA POPULAR E TEMAS TRANSVERSAIS: uma proposta de transversalidade a partir dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN s) Kálita Tavares da SILVA 1 ; Estevane de Paula Pontes MENDES

Leia mais

ATENDIMENTO ÀS MULHERES EM SITUAÇÃO DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA: ANÁLISE DE UMA CASA ABRIGO

ATENDIMENTO ÀS MULHERES EM SITUAÇÃO DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA: ANÁLISE DE UMA CASA ABRIGO ATENDIMENTO ÀS MULHERES EM SITUAÇÃO DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA: ANÁLISE DE UMA CASA ABRIGO Juliana Medeiros da Silva 1 A violência doméstica praticada pelo parceiro íntimo é uma das formas mais comuns de violência

Leia mais

OFICINA PEDAGÓGICA DE PLANEJAMENTO PARTICIPATIVO DO CURSO DE ENFERMAGEM DAS FACULDADES INTA

OFICINA PEDAGÓGICA DE PLANEJAMENTO PARTICIPATIVO DO CURSO DE ENFERMAGEM DAS FACULDADES INTA 1 OFICINA PEDAGÓGICA DE PLANEJAMENTO PARTICIPATIVO DO CURSO DE ENFERMAGEM DAS FACULDADES INTA Maria Adelane Monteiro da Silva Antonia Eliana de Araújo Aragão Keila Maria de Azevedo Ponte Lourdes Claudênia

Leia mais

OFICINAS DE REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR REFLEXÕES SOBRE O ENSINO MÉDIO INTEGRADO A EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A AÇÃO DOCENTE

OFICINAS DE REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR REFLEXÕES SOBRE O ENSINO MÉDIO INTEGRADO A EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A AÇÃO DOCENTE OFICINAS DE REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR REFLEXÕES SOBRE O ENSINO MÉDIO INTEGRADO A EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A AÇÃO DOCENTE NASCIMENTO, Elaine Cristina Universidade Tecnológica Federal do Paraná AMORIM, Mário

Leia mais

A Inclusão escolar do aluno com deficiência intelectual e a mediação pedagógica articulada com integração das TIC

A Inclusão escolar do aluno com deficiência intelectual e a mediação pedagógica articulada com integração das TIC A Inclusão escolar do aluno com deficiência intelectual e a mediação pedagógica articulada com integração das TIC ALVES,S.S.S 1 A Inclusão escolar do aluno com deficiência intelectual e a mediação pedagógica

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR.

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ÉTICA E SERVIÇO SOCIAL: Elementos para uma breve reflexão e debate. Perspectiva de Análise Teoria Social Crítica (Marx e alguns marxistas)

Leia mais

Palavras-chave: adolescente, risco pessoal, prática profissional

Palavras-chave: adolescente, risco pessoal, prática profissional PRÁTICA PROFISSIONAL DO SERVIÇO SOCIAL E ACOLHIMENTO INSTITUCIONAL NA CASA SANTA LUIZA DE MARILLAC. SOMER, Diana Galone (estagio I), e-mail: dianassomer@gmail.com BOMFATI, Adriana (supervisor), e-mail:

Leia mais

TRABALHO SOCIAL COM FAMÍLIAS NO SUAS IRACI DE ANDRADE DRA. SERVIÇO SOCIAL

TRABALHO SOCIAL COM FAMÍLIAS NO SUAS IRACI DE ANDRADE DRA. SERVIÇO SOCIAL TRABALHO SOCIAL COM FAMÍLIAS NO SUAS IRACI DE ANDRADE DRA. SERVIÇO SOCIAL OBJETIVO DO CURSO Capacitar trabalhadores da assistência social para a utilização dos instrumentos técnico-operativos trabalho

Leia mais

A ESCOLA E O LIVRO INFANTIL NA FORMAÇÃO DO GOSTO LITERÁRIO

A ESCOLA E O LIVRO INFANTIL NA FORMAÇÃO DO GOSTO LITERÁRIO A ESCOLA E O LIVRO INFANTIL NA FORMAÇÃO DO GOSTO LITERÁRIO Sílvia Cristina Fernandes Paiva 1 Ana Arlinda Oliveira 2 A leitura literária na escola Podemos afirmar que a leitura é fundamental para construção

Leia mais

GÊNERO E DIREITOS HUMANOS NA EDUCAÇÃO INFANTIL: RELATO DE EXPERIÊNCIA

GÊNERO E DIREITOS HUMANOS NA EDUCAÇÃO INFANTIL: RELATO DE EXPERIÊNCIA GÊNERO E DIREITOS HUMANOS NA EDUCAÇÃO INFANTIL: RELATO DE EXPERIÊNCIA MACIEL, Talita Santana. Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Faculdade de Filosofia e Ciências, Núcleo de Ensino.

Leia mais

Inserção de mulheres na docência em teologia: um estudo quantitativo

Inserção de mulheres na docência em teologia: um estudo quantitativo Inserção de mulheres na docência em teologia: um estudo quantitativo Neiva Furlin Resumo O objetivo deste artigo é apresentar alguns resultados da pesquisa de mestrado em andamento, que se insere dentro

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br O direito à saúde na Constituição Federal de 1988: caracterização e efetividade Alexandre Gonçalves Lippel* 1. Caracterização do direito à saúde O direito à saúde emerge no constitucionalismo

Leia mais

O DIREITO À CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES

O DIREITO À CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES O DIREITO À CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES Josefa Adelaide Clementino Leite 1 Maria de Fátima Melo do Nascimento 2 Waleska Ramalho Ribeiro 3 RESUMO O direito à proteção social

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL E DO MEIO AMBIENTE: um debate necessário

SERVIÇO SOCIAL E DO MEIO AMBIENTE: um debate necessário SERVIÇO SOCIAL E DO MEIO AMBIENTE: um debate necessário SILVA, IVANNA SILIANA DO NASCIMENTO 1, ALVES, MARIA GERALDA 2, SILVA, IRBIA SONALY DO NASCIMENTO 3, NASCIMENTO, MARIA ANAZUILA 4, LEANDRO, DARLANIA

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL E O ATUAL PROJETO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL 1

O SERVIÇO SOCIAL E O ATUAL PROJETO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL 1 O SERVIÇO SOCIAL E O ATUAL PROJETO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL 1 AVILA, Lisélen 2 ; AVILA, Evelisen 3 ; AGUINSKY, Beatriz 4 1 Trabalho do tipo bibliográfico 2 Assistente Social, Mestranda em Serviço Social

Leia mais

O PAPEL DA ESCOLA NA SOCIEDADE: ALGUMAS CONCEPÇÕES DE WEBER E BOURDIEU. Resumo

O PAPEL DA ESCOLA NA SOCIEDADE: ALGUMAS CONCEPÇÕES DE WEBER E BOURDIEU. Resumo 1 O PAPEL DA ESCOLA NA SOCIEDADE: ALGUMAS CONCEPÇÕES DE WEBER E BOURDIEU Suellen Celina Vitcov Ribeiro IE/UFMT shuribeiro@hotmail.com Juliana Assis da Cruz IE/UFMT- juliassis2010@yahoo.com.br Resumo Este

Leia mais

POSSIBILIDADES DO INSTRUMENTO DE ENTREVISTA EM SERVIÇO SOCIAL

POSSIBILIDADES DO INSTRUMENTO DE ENTREVISTA EM SERVIÇO SOCIAL POSSIBILIDADES DO INSTRUMENTO DE ENTREVISTA EM SERVIÇO SOCIAL Edriane Cristhina Catarin Peretti 1 RESUMO: A proposta de pesquisa refere-se à compreensão do instrumento de entrevista situado nos processos

Leia mais

A construção da cidadania e de relações democráticas no cotidiano escolar

A construção da cidadania e de relações democráticas no cotidiano escolar A construção da cidadania e de relações democráticas no cotidiano escolar Ulisses F. Araújo * * Professor Doutor da Universidade de São Paulo. Escola de Artes, Ciências e Humanidades. 1 Um dos objetivos

Leia mais

O PAPEL DESEMPENHADO PELO PROGRAMA LEXT-OESSTE E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO E PARA O EXERCÍCIO PROFISSIONAL

O PAPEL DESEMPENHADO PELO PROGRAMA LEXT-OESSTE E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO E PARA O EXERCÍCIO PROFISSIONAL O PAPEL DESEMPENHADO PELO PROGRAMA LEXT-OESSTE E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO E PARA O EXERCÍCIO PROFISSIONAL Larissa dos Santos Gomes Resumo O presente artigo refere-se ao trabalho de conclusão

Leia mais

EDUCAÇÃO, ESCOLA E TECNOLOGIAS: SIGNIFICADOS E CAMINHOS

EDUCAÇÃO, ESCOLA E TECNOLOGIAS: SIGNIFICADOS E CAMINHOS 1 EDUCAÇÃO, ESCOLA E TECNOLOGIAS: SIGNIFICADOS E CAMINHOS Daniela da Costa Britto Pereira Lima UEG e UFG Juliana Guimarães Faria UFG SABER VI Ensinar a compreensão 5. Educação para uma cidadania planetária

Leia mais

SIGNIFICADOS DE GÊNERO NO COTIDIANO ESCOLAR DE UMA ESCOLA PÚBLICA MUNICIPAL DE SÃO PAULO

SIGNIFICADOS DE GÊNERO NO COTIDIANO ESCOLAR DE UMA ESCOLA PÚBLICA MUNICIPAL DE SÃO PAULO SIGNIFICADOS DE GÊNERO NO COTIDIANO ESCOLAR DE UMA ESCOLA PÚBLICA MUNICIPAL DE SÃO PAULO TELLES, Edna de Oliveira - USP GE: Gênero, Sexualidade e Educação / n.23 Agência Financiadora: Não contou com financiamento.

Leia mais

Aspectos culturais e relações de gênero 1

Aspectos culturais e relações de gênero 1 Aspectos culturais e relações de gênero 1 Objetivo da Aula A questão de gênero realiza-se culturalmente por ideologias que tomam formas específicas em cada momento histórico e, tais formas, estão associadas

Leia mais

CONTROLE SOCIAL: ESTUDOS E VIVÊNCIAS NO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA - PR. PALAVRAS-CHAVE Democracia. Controle Social. Observatório Social.

CONTROLE SOCIAL: ESTUDOS E VIVÊNCIAS NO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA - PR. PALAVRAS-CHAVE Democracia. Controle Social. Observatório Social. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( X ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA CONTROLE

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA GESTÃO DEMOCRÁTICA NO COTIDIANO ESCOLAR

OS PRINCÍPIOS DA GESTÃO DEMOCRÁTICA NO COTIDIANO ESCOLAR OS PRINCÍPIOS DA GESTÃO DEMOCRÁTICA NO COTIDIANO ESCOLAR Alex Vieira da Silva 1 RESUMO O presente artigo pretende discutir os princípios da gestão democrática no contexto educacional, visando perceber

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA.

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. Profa. Elizabeth Rodrigues Felix 1 I- INTRODUÇÃO Com dezoito anos de existência, o

Leia mais

2. Projeto Ético-Político do Serviço Social

2. Projeto Ético-Político do Serviço Social Projeto Ético-político do Serviço Social: a passagem do âmbito da possibilidade ao âmbito da efetividade Cláudia Mônica dos Santos Discente: Janaina Menegueli Início: agosto de 2013. Objeto: Projeto Ético-político

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

Edição Nº. 1, Vol. 1, jan-jun. 2012.

Edição Nº. 1, Vol. 1, jan-jun. 2012. A DUPLA JORNADA DE TRABALHO: REFLEXÃO SOBRE O VÍNCULO DA MULHER COM O TRABALHO DOMÉSTICO EM CONTEXTO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE SOCIOLOGIA PARA O NÍVEL MÉDIO 1 Natalia Taiza Schmidt 2 RESUMO: O presente

Leia mais

Gênero no processo. construindo cidadania

Gênero no processo. construindo cidadania Gênero no processo de educação: construindo cidadania Kátia Souto Jornalista e Executiva Nacional da União Brasileira de Mulheres A educação tem caráter permanente. Não há seres educados e não educados.

Leia mais

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Maria do Socorro Pimentel da Silva 1 Leandro Mendes Rocha 2 No Brasil, assim como em outros países das Américas, as minorias étnicas viveram

Leia mais

Gênero e Violência contra mulheres. Profa. Dra. Sandra Lourenço de Andrade Fortuna

Gênero e Violência contra mulheres. Profa. Dra. Sandra Lourenço de Andrade Fortuna Gênero e Violência contra mulheres Profa. Dra. Sandra Lourenço de Andrade Fortuna Eixos de análise Em que o conceito de gênero e relações de gênero interferem na produção das condições para a violência

Leia mais

DOS ESTUDOS DE GÊNERO ÀS TEORIAS QUEER: DESDOBRAMENTOS DO FEMINISMO E DO MOVIMENTO LGBT NA PSICOLOGIA SOCIAL

DOS ESTUDOS DE GÊNERO ÀS TEORIAS QUEER: DESDOBRAMENTOS DO FEMINISMO E DO MOVIMENTO LGBT NA PSICOLOGIA SOCIAL DOS ESTUDOS DE GÊNERO ÀS TEORIAS QUEER: DESDOBRAMENTOS DO FEMINISMO E DO MOVIMENTO LGBT NA PSICOLOGIA SOCIAL Profª Drª Juliana Perucchi Universidade Federal de Juiz de Fora Desde os primeiros estudos que

Leia mais