A APLICABILIDADE DA LEI MARIA DA PENHA PARA TRANSEXUAIS FEMININAS: UMA DISCUSSÃO DE GÊNERO NO ESPAÇO DE ATENDIMENTO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A APLICABILIDADE DA LEI MARIA DA PENHA PARA TRANSEXUAIS FEMININAS: UMA DISCUSSÃO DE GÊNERO NO ESPAÇO DE ATENDIMENTO"

Transcrição

1 A APLICABILIDADE DA LEI MARIA DA PENHA PARA TRANSEXUAIS FEMININAS: UMA DISCUSSÃO DE GÊNERO NO ESPAÇO DE ATENDIMENTO Gabriela Boldrini da Silva 1 Lorena Padilha Pereira 2 Renata Botelho Campbell 3 RESUMO A Lei 11340/06 refere-se à mulher como sujeito de sua proteção e amparo. Considerando que o conceito mulher desvela características de gênero construídas historicamente, entende-se que a identidade feminina vem para abarcar um amplo entendimento de que o ser mulher não se designa pelo sexo biológico, mas sim pelas relações sociais construídas ao longo da trajetória pessoal. Neste contexto, recaem sobre as transexuais as condições estereotipadas e machistas que permeiam a vida das mulheres, dentre elas a violência doméstica de gênero. Em face a isso, em março de 2014 a Coordenação de Atendimento às Vítimas de Violência e Discriminação CAVVID realizou atendimento a uma transexual que esteve em situação de violência doméstica proveniente da relação com seu companheiro, buscando assim a Delegacia da Mulher. Tal procura resultou em seu encaminhamento a uma delegacia comum, devido ao fato desta ainda não ter documentos com nome feminino. Dessa forma, concluímos que existe a urgente necessidade de ampliação do debate institucional, da discussão de gênero nos espaços de atendimento e do fortalecimento da rede de proteção à mulher, de forma a ofertar o atendimento integral às transexuais nestes equipamentos. Palavras-chave: Lei nº11.340/2006, aplicabilidade, transexuais, gênero, CAVVID. 1 Acadêmica de Psicologia. Estagiária da Coordenação de Atendimento às Vítimas de Violência e Discriminação, 2 Graduada em Psicologia. Especialista em Saúde Coletiva. Coordenadora de Atendimento às Vítimas de Violência e Discriminação, SEMCID/PMV. 3 Graduada em Serviço social. Assistente Social da Coordenação de atendimento às Vítimas de Violência e Deiscriminação,

2 INTRODUÇÃO Era uma vez uma mulher que via um futuro grandioso para cada homem que a tocava. Um dia ela se tocou. (Alice Ruiz) O presente artigo tem por finalidade provocar uma discussão sobre a aplicabilidade da Lei nº /2006 às travestis e transexuais femininas, discussão evocada na Coordenação de Atendimento às Vítimas de Violência e Discriminação (CAVVID) a partir do atendimento realizado a uma transexual que em seu relato trazia a situação de violência doméstica sofrida por parte do seu companheiro. Face a isso, propõe-se uma discussão acerca da construção do conceito de gênero e sobre a desigualdade imposta pelo machismo. Segue-se para a conceituação da travestilidade e da transexualidade femininas e a importância de se ampliar o debate a respeito do atendimento às transexuais e travestis femininas em situação de violência doméstica. O debate teórico será feito por meio dos entendimentos sobre a Lei nº /2006 a partir das argumentações feitas por BUTLER (2003), BENTO (2006), LOURO (2010) e DIAS (2014), entre outros. Relato do Caso A transexual X 4 compareceu à CAVVID encaminhada pela Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher (DEAM), com o intuito de obter informações a respeito de quais procedimentos deveriam ser tomados com relação à violência a qual foi submetida. Relatou que tinha um relacionamento amoroso com um jovem de 18 anos desde o último novembro e que no mês de abril (2014), este a agrediu física e verbalmente na portaria do prédio onde a mesma reside. A munícipe foi socorrida pelo porteiro do prédio, que acionou a polícia. Neste momento, a Polícia Militar, presente no local, orienta a transexual a procurar a Delegacia a fim de registrar a ocorrência, liberando o agressor após uma conversa. Vale ressaltar que tal agressor também praticou a violência patrimonial, uma vez que a munícipe relata a subtração 4 O nome civil e o nome social da transexual em questão não serão ser citados para garantir a privacidade da mesma. Substitutivamente, será utilizada a letra x.

3 de seu notebook por parte do mesmo, além da ameaça de incêndio em seu imóvel. No primeiro dia útil após o ocorrido, a munícipe compareceu à Delegacia Especializada em Atendimento à Mulher (DEAM) do município de Vitória, a fim de fazer o devido registro do fato, através do Boletim de Ocorrência (B.O.). Todavia, mesmo em face ao bom acolhimento que recebeu, a transexual foi impedida de registrar o B.O. devido ao registro do nome civil masculino que consta nos seus documentos de identificação. Assim sendo, a munícipe foi orientada a procurar um Departamento de Polícia Judiciária (DPJ) para fazer a denúncia, sob a alegação de que a DEAM só pode acolher casos de pessoas em posse de documentos com nome civil feminino. Dessa forma, a munícipe procurou a Delegacia do Centro de Vitória, onde registrou o ocorrido. Após o registo do BO, X compareceu à CAVVID para então requerer o direito de ser amparada pela Lei /06 (Lei Maria da Penha), uma vez que é uma transexual feminina, com o processo para troca do nome de registro civil em andamento, além de já ter realizado a cirurgia de redesignação sexual. SEXO X GÊNERO O termo gênero começou a ser utilizado pelas feministas para expressar uma rejeição com relação ao determinismo biológico imposto pelo sexo. Simone de Beauvoir, em sua célebre afirmação de que a gente não nasce mulher, torna-se mulher, pretendia problematizar as imposições sociais inquestionáveis que classificam e excluem os sujeitos (REIS, 2013), visto que ninguém é mulher em si mesma, nem homem em si mesmo. Entretanto, não há nada em sua explicação que garanta que o ser que se torna mulher seja necessariamente fêmea (BUTLER, 2013, p. 27), permitindo que seja feita uma reflexão a respeito das imposições sobre o ser mulher que recaem também sobre as trans* 5, inclusive aquelas que dizem respeito à submissão e à estigmatização feminina. Dessa forma, entende-se que ser mulher está muito além de uma imposição biológica e, a partir dos estudos feministas, passa-se a utilizar termos como homem e mulher para tratar das relações construídas entre esses dois universos, entendendo que um se produz somente a partir da relação com o outro, e que pensar a questão sobre ser mulher abarca a questão de pensar sobre ser homem. O próprio uso do termo gênero implica em uma rejeição das 5 O termo trans pode ser a abreviação de várias palavras que expressam diferentes identidades, como transexual ou transgênero, ou até mesmo travesti. Por isso, para evitar classificações que correm o risco de serem excludentes, o asterisco é adicionado ao final da palavra transformando o termo trans em um termo guardachuva. Fonte: <http://transfeminismo.com/trans-umbrella-term/>.

4 explicações biológicas concernentes à relação entre os sexos, como por exemplo as de que mulheres devem ter filhos e homens devem dar o provimento do lar devido a sua maior força física. Assim, quando a Lei Maria da Penha condena a conduta violenta baseada no gênero, ela está condenando a violência baseada nas relações histórico-culturais que definem a mulher enquanto sujeito inferiorizado nas relações entre os sexos. Segundo Scott (1990), o gênero se torna uma maneira de indicar as construções sociais : a criação inteiramente social das idéias sobre os papéis próprios aos homens e às mulheres. Portanto, o gênero pode abarcar o sexo, mas não é diretamente determinado por ele e nem o determina. Assim, formas diversas de feminilidades e masculinidades se constituem nas relações sociais. Entendendo que os atravessamentos que constituem cada ser humano são únicos e singulares, a identidade de gênero maneira como cada um se apresenta socialmente de acordo com o gênero constituído se torna inevitavelmente auto-declarada. Identidade de gênero é a convicção íntima de uma pessoa de pertencer ao gênero masculino ou ao gênero feminino. Diferente do papel de gênero, que são padrões de comportamentos definidos pela prática cultural na qual as pessoas vivem papéis estereotipadamente masculinos e femininos (VIEIRA, 2011, p. 412). Dessa forma, não é a determinação que lhe foi dada ao nascer que vai definir se um sujeito é homem ou mulher, mas sim as relações que foram tecidas historicamente no cotidiano da vidade cada um e cabe a este sujeito dar forma própria à identidade com a qual se identifica. Diferente da orientação sexual, que diz respeito ao outro, àquele com o qual nos relacionamos, a identidade de gênero é referente a como nos reconhecemos dentro dos padrões de gênero estabelecidos social, histórico e culturalmente. TRANSEXUALIDADE E TRAVESTILIDADE FEMININAS Um corpo não é apenas um corpo. Mais do que um conjunto de músculos, ossos, vísceras, reflexos e sensações, o corpo é também a roupa e os acessórios que o adornam, as intervenções que nele se operam, a imagem que dele se produz, as máquinas que nele se acoplam, os sentidos que nele se incorporam, os silêncios que por ele falam, os vestígios que nele se exibem, a educação de seus gestos... Enfim, é um sem limite de possibilidades sempre reinventadas, sempre à descoberta e a serem descobertas. Não são, portanto, as semelhanças biológicas que o definem mas, fundamentalmente, os significados culturais e sociais que a ele se atribuem (GOELLNER,2008,p.28).

5 Como já explicitado anteriormente, a identidade de gênero diz respeito a uma identificação social e história com os papéis masculinos e femininos. Neste contexto, a transexualidade aparece como uma experiência de contradição entre corpo (sexo biológico) e subjetividade. Segundo Vieira (2011), a transexualidade é caracterizada por um forte conflito entre corpo e identidade de gênero e compreende um arraigado desejo de adequar o corpo hormonal e/ou cirurgicamente àquele do gênero almejado. (p. 412). Já a travesti, transmutando os valores de sexo e gênero, nos permite refletir sobre os rígidos padrões que, por vezes, atribuímos às pessoas. Segundo Peres (2002), a travesti, por sua apresentação peculiar, tensiona as polaridades homem x mulher e as referências do que pode ser entendido como masculinidade e feminilidade. Esse efeito tensionador atrai olhares que, perdidos diante da incapacidade de localizá-los num código descritivo masculino ou feminino, os rejeita e, ainda, os patologiza e criminaliza (apud BUSSINGER; MENANDRO; TRINDADE, 2013, p. 132). Os/as transexuais e os/as travestis são pessoas que, com suas identidades sexo-diversas, questionam os padrões comportamentais normativos e denunciam as situações nas quais variações da heterossexualidade são marginalizadas, ignoradas ou perseguidas por práticas sociais, políticas ou por crenças e valores morais. Estas práticas discriminatórias incluem a ideia de que os seres humanosse configuram em duas categorias distintas e complementares: macho e fêmea; que relações sexuais e maritais são normais somente entre pessoas de sexos diferentes; e que cada sexo têm certos papéis naturais na vida (BENTO, 2006). De todo modo, tanto a transexualidade quanto a travestilidade abarcam aquilo que denominamos de identidade trans, que é a expressão de construções sócio-históricas que marcam a singularidade de indivíduos que não se reconhecem nos papéis de gênero socialmente instituídos como masculino e feminino (CFESS MANIFESTA). Embora existam diferenças entre travestilidade e transexualidade, entende-se que sobre ambas as formas de expressão da sexualidade recaem a dominação da heterossexualidade e do binarismo de gênero, que patologizam e estigmatizam estes sujeitos, sendo necessárias políticas afirmativas de combate à transfobia. Faz-se necessário afirmar que, em uma sociedade machista, a vulnerabilidade à violência doméstica de gênero equipara todas as formas do ser mulher. No atendimento realizado pela CAVVID anteriormente mencionado, a violência doméstica foi praticada contra uma transexual que, por ter uma identidade de gênero feminina, foi posta no lugar de submissão ao

6 masculino. Entendemos, portanto, que transexuais e travestis femininas, ao demonstrarem socialmente sua identificação com o feminino, estão vulneráveis à violência doméstica de gênero porque passam a ocupar nas relações sociais e de afeto o lugar de subjugação ao machismo. Dessa forma, implicados com os questionamentos que a experiência transexual causa em nós, podemos refletir: as políticas públicas voltadas para as mulheres têm agregado todas as experiências do ser mulher? Quem e o quê define o que é uma mulher? Existe apenas uma forma de expressão do ser mulher? Que políticas públicas podem ser ofertadas para essas mulheres? A Lei Maria da Penha (LMP) tem cumprido o seu papel de proteger as mulheres, independentemente de sua orientação sexual? E no que diz respeito à identidade de gênero, a Lei 11340/06 têm sido uma lei que agrega os valores referentes aos direitos humanos? IMPLICAÇÕES DA LEI MARIA DA PENHA NAS POLÍTICAS AFIRMATIVAS DE GÊNERO E DE DIVERSIDADE SEXUAL Entende-se por violência um fenômeno social produtor de silenciamentos, que transgride a ética das relações interpessoais e viola os direitos humanos (POMBO-DE-BARROS; JORGE, 2009). A Lei nº /2006ressalta a violência doméstica como violação dos direitos humanos e amplia o conceito sobre violência considerando e classificando como atos violentos as expressões das relações de afeto que reduzem e desqualificam o lugar do feminino. De acordo com o Mapa da violência de 2012, o Espirito Santo é o estado que mais mata mulheres no país. O mesmo quadro também atinge o município de Vitória, liderando o ranking entre as capitais: a cada 100 mil mulheres, 13,2 são assassinadas. Dados apontam que 43,4% das mulheres que morrem no Brasil são assassinadas por seus próprios parceiros ou exparceiros. No entanto, os estudos brasileiros presentes na literatura sobre violência doméstica apóiam-se no pressuposto da heterossexualidade, contribuindo para a invisibilidade da violência conjugal entre casais que não se encaixam neste padrão, gerando, com isso, uma deficiência de trabalhos de prevenção e combate à violência conjugal presente no cotidiano destes casais. Tal realidade também é evidenciada nas intervenções institucionais e políticas ao refletirem a visão heteronormativa e heterossexista da violência conjugal. Este quadro é confrontado por

7 estudos internacionais que concluem que a incidência de violência conjugal é semelhante em casais heterossexuais e homossexuais (MATTHEWS et al, apud SANTOS, 2012). Além disso, de acordo com Island eletellier (1990, apud NUNAN, 2004), a violência doméstica está entre os três fatores de maior risco à saúde dos homossexuais, atrás apenas do HIV e do abuso de álcool e outras drogas. Este padrão normativo dominante faz com que se tornem invisíveis outras violências de gênero - incluindo a violência transfóbica e bifóbica -, bem como a violência doméstica entre pessoas do mesmo sexo (SANTOS, 2012, p. 5). Entretanto, são inegáveis os avanços que a Lei Maria da Penha trouxe para o campo da diversidade sexual. As ampliações da proteção são observadas principalmente no Artigo 2º da Lei /2006, que descreve incondicionalidade da orientação sexual e de outras diversidades para que a mulher goze de todas as garantias fundamentais inerentes à pessoas humana, preconizadas pela Constituição Federal de 1988: Art. 5º Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade, nos termos seguintes: I - homens e mulheres são iguais em direitos e obrigações, nos termos desta Constituição (BRASIL, 1988). O Artigo 5º da Lei Maria da Penha (LMP) classifica como violência doméstica e familiar contra a mulher toda ação ou omissão baseada no gênero. Ou seja, ressalta a característica principal da violência doméstica de gênero, que é de estar vinculada às relações construídas a partir do entendimento de que há uma hierarquia natural entre os gêneros, e de que há uma supremacia do masculino sobre o feminino, perpetuada através de preconceitos e discriminações, produzindo tais diferenças hierárquicas. Os avanços da LMP ficam ainda mais visíveis no Parágrafo Único deste mesmo artigo, que garante proteção às mulheres homossexuais que sofrem violência doméstica em suas relações conjugais por parte de suas companheiras. Art. 5 o Para os efeitos desta Lei, configura violência doméstica e familiar contra a mulher qualquer ação ou omissão baseada no gênero que lhe cause morte, lesão, sofrimento físico, sexual ou psicológico e dano moral ou patrimonial. (...) Parágrafo único. As relações pessoais enunciadas neste artigo independem de orientação sexual (BRASIL, 2006, grifo nosso).

8 Novos entendimentos sobre as diversas configurações de família, de relações de afeto e de violação aos direitos humanos são, sem dúvida, espaços de atenção trazidos pela Lei Maria da Penha e que contribuem para o enfrentamento da violência doméstica de forma ampliada. Abarcar as relações de afeto (até mesmo as que já se findaram), as relações familiares não consaguíneas e entender o espaço doméstico como espaço onde as relações se produzem, para além da noção de espaço físico, é algo que a LMP traz no sentido de ressignificar o alcance da violência doméstica e trazer à tona suas consequências. Faz-se necessário alertar para o fato de que nas relações que não se encaixam no padrão heterossexual, ao contrário do que comumente se pensa, também pode ocorrer hierarquização dos papéis sociais, provocando desigualdades baseadas nas características socialmente impostas a cada gênero. Sendo assim, a LMP ampara aquelas que, por estarem associadas socialmente ao lugar de submissão, acabam por sofrer violência doméstica de gênero. Este pensamento se amplia também às travestis e transexuais femininas. No momento em que é afirmado que está sob o abrigo da lei a mulher, sem se distinguir sua orientação sexual, alcançam-se tanto lésbicas como travestis, transexuais e transgêneros que mantêm relação íntima de afeto em ambiente familiar ou de convívio. Em todos esses relacionamentos, as situações de violência contra o gênero feminino justificam especial proteção (DIAS, s.d.). Verifica-se que é a identidade feminina que está em questão. É a identidade feminina encharcada com as impressões padronizadas sobre o que é ser mulher de como esta deve se comportar, agir, pensar e do que pode produzir que também são as causas da violência doméstica sofrida por travestis e transexuais femininas. Segundo Louro (2010) aceitar que as identidades sexuais são definidas biologicamente é esvaziar de conteúdo as discussões sobre a dimensão social e política da construção das sexualidades humanas. As identidades de gênero e sexuais são, portanto, compostas e definidas por relações sociais, elas são moldadas pelas redes de poder de uma sociedade (LOURO, 2010, p. 11). CONSIDERAÇÕES FINAIS A sexualidade é um direito fundamental, inerente à própria condição humana. Os fundamentos constitucionais que consagram o direito à igualdade são enérgicos quanto à proibição de qualquer discriminação no que tangencia a orientação sexual. A discriminação

9 evidenciada na aplicabilidade de tais normas igualitárias denuncia uma realidade constitucionalmente vedada. É mister que nesse contexto de diferenças e igualdades, deve-se considerar que, diante de uma agressão ao bem jurídico tutelado, a vida, surge o dever de punir do Estado, independente de como essa pessoa se apresenta para si e para as demais - como masculino ou feminino. A privação da proteção garantida configura-se uma prática discriminatória que vai de encontro ao preconizado pela Lei /06 no que tange a violência praticada contra a mulher. Diante das argumentações expostas neste estudo, ressalta-se que o entendimento da equipe da Coordenação de Atendimento às Vítimas de Violência e Discriminação (CAVVID) é de que as transexuais e travestis femininas comungam da mesma vulnerabilidade que afeta mulheres cisgêneras 6 no que tange a violência doméstica praticada no íntimo das relações de afeto. Tal setor pactua com a noção de que a Lei /06 objetiva prevenir, punir e erradicar a violência doméstica e familiar contra a mulher, não por razão do sexo, mas em virtude do gênero. Dessa forma, toma-se a compreensão de que a proteção adscrita tem alcance de extensão superior à noção do sexo biológico mulher, buscando-se resguardar todos aqueles que se comportam como mulheres, por efeito, as lésbicas, travestis, transexuais e transgêneros. Dar visibilidade aos casos de violência doméstica nas relações que envolvem as mulheres trans* (como o caso tratado) faz parte das atribuições da Coordenação no enfrentamento de todas as formas de violência doméstica e também de enfrentamento da homofobia, ambas expressões do machismo em nossa sociedade. Não há dúvidas de que o amparo da Lei Maria da Penha será o diferencial para que as mulheres trans* acessem o direito à segurança, à vida e tenham a garantia de seus direitos humanos preservados. 6 Pessoa cuja identidade de gênero é consonante ao sexo biológico.

10 REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS BENTO, Berenice. A reinvenção do corpo: sexualidade e gênero na experiência transexual, rio de Janeiro. Gramond BRASIL. Constituição (1988). Constituição: República Federativa do Brasil. Brasília: Senado Federal, BRASIL. Lei Maria da Penha. Lei N , de 7 de Agosto de BUTLER. J. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, CFESS. CFESS Manifesta: Dia Nacional da Visibilidade Trans. Brasília, 29 de janeiro de Disponível em: <http://www.cfess.org.br/arquivos/cfessmanifesta2013_visibilidadetrans-site.pdf>. DIAS, M. B. Violência doméstica e as uniões homoafetivas. Acesso em 02 de julho de Disponível em: <http://www.mbdias.com.br/hartigos.aspx?81,14>. GOELLNER, S V. A produção cultural do corpo. In: LOURO, Guacira; FELIPE, Jane; GOELLNER, S. Corpo, gênero e sexualidade: um debate contemporâneo na educação. 3. ed. Petrópolis: Vozes, LOURO, G. L. Pedagogias da Sexualidade. In: LOURO, G. (Org). O corpo educado. Pedagogias da Sexualidade. Belo Horizonte: Autêntica, NUNAN, A. Violência doméstica entre casais homossexuais: o segundo armário? PSICO, v. 35, n. 1, 2004, p REIS, D. F. Ideias subversivas de gênero em Beauvoir e Butler. SapereAude. Belo Horizonte, v.4 - n.7, p º sem SANTOS, A. C. Entre duas mulheres isso não acontece' Um estudo exploratório sobre violência conjugal lésbica. Revista Crítica de Ciências Sociais, 98, SCOTT, J. Gênero:Uma Categoria Útil para a Análise Histórica. Traduzido pela SOS: Corpo e Cidadania. Recife, VIEIRA, T. R. Transexualidade. In DIAS, M. B. (coord.). Diversidade Sexual e o Direito Homoafetivo. Editora Revista dos Tribunais, 2ª edição, POMBO-DE-BARROS, C. F.; JORGE, M. A. S. A dor silenciada: violência de gênero nos dispositivos de saúde. In MOURÃO, J. C. (Org). Clínica e Política 2: Subjetividade, direitos humanos e invenção de práticas clínicas. Rio de Janeiro: Abaquar: Grupo Tortura Nunca Mais, 2009.

Palavras-chaves: denuncia, consumo de álcool, consumo de drogas.

Palavras-chaves: denuncia, consumo de álcool, consumo de drogas. VIOLENCIA CONTRA A MULHER E A DEPENDENCIA FINACEIRA. UM ESTUDO DE CASO NO MUNICIPIO DE PITANGA. MARLY APARECIDA MAZUR MACHADO/UNICENTRO E-MAIL: maymazur@outlook.com SIMÃO TERNOSKI (ORIENTADOR)/UNICENTRO

Leia mais

Atividades Acadêmico-Científico- -Culturais: Diversidade Cultural. Contextualização. Gênero. Teleaula 2. Letras. Diversidade de Gênero

Atividades Acadêmico-Científico- -Culturais: Diversidade Cultural. Contextualização. Gênero. Teleaula 2. Letras. Diversidade de Gênero Atividades Acadêmico-Científico- -Culturais: Diversidade Cultural Teleaula 2 Diversidade de Gênero Profa. Dra. Marcilene Garcia de Souza tutorialetras@grupouninter.com.br Letras Contextualização Por que

Leia mais

Glossário do Programa Pró-equidade

Glossário do Programa Pró-equidade Glossário do Programa Pró-equidade Assédio Moral no Trabalho É a vivência de situações humilhantes e constrangedoras no ambiente de trabalho, caracterizadas por serem repetitivas e prolongadas ao longo

Leia mais

(1979) Convenção Sobre Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Contra a Mulher CEDAW

(1979) Convenção Sobre Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Contra a Mulher CEDAW (1979) Convenção Sobre Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Contra a Mulher CEDAW (1994) Convenção Interamericana para Prevenir, Punir e Erradicar a Violência Contra a Mulher (Convenção de Belém

Leia mais

NOTA TÉCNICA SOBRE A APLICABILIDADE DA LEI MARIA DA PENHA À VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA TRANSEXUAIS E TRAVESTIS

NOTA TÉCNICA SOBRE A APLICABILIDADE DA LEI MARIA DA PENHA À VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA TRANSEXUAIS E TRAVESTIS NOTA TÉCNICA SOBRE A APLICABILIDADE DA LEI MARIA DA PENHA À VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA TRANSEXUAIS E TRAVESTIS A Comissão Especial da Diversidade Sexual do Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil,

Leia mais

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 TEMÁTICA: EDUCAÇÃO, QUESTÃO DE GÊNERO E DIVERSIDADE EDUCAÇÃO

Leia mais

DIREITOS HUMANOS, FEMINISMO E POLÍTICAS PÚBLICAS DE GÊNERO: APLICABILIDADE DA LEI Nº 11.340/06 EM CAMPINA GRANDE/PB

DIREITOS HUMANOS, FEMINISMO E POLÍTICAS PÚBLICAS DE GÊNERO: APLICABILIDADE DA LEI Nº 11.340/06 EM CAMPINA GRANDE/PB DIREITOS HUMANOS, FEMINISMO E POLÍTICAS PÚBLICAS DE GÊNERO: APLICABILIDADE DA LEI Nº 11.340/06 EM CAMPINA GRANDE/PB (ASFORA, R. V. S.) - Raphaella Viana Silva Asfora/Autora ¹ Escola Superior da Magistratura

Leia mais

Rio de Janeiro, Agosto de 2013.

Rio de Janeiro, Agosto de 2013. Análise da Política de enfrentamento a violência contra a mulher num município do Rio de Janeiro. Universidade Federal do Rio de Janeiro - Escola de Serviço Social Dayana Gusmão [Resumo: O combate à violência

Leia mais

Secretaria Municipal de Assistência Social Centro de Referência Especializado de Assistência Social

Secretaria Municipal de Assistência Social Centro de Referência Especializado de Assistência Social Secretaria Municipal de Assistência Social Centro de Referência Especializado de Assistência Social Proposta para Implementação de Serviço de Responsabilização e Educação de Agressores Grupo Paz em Casa

Leia mais

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento;

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Objetivo geral Promover a igualdade no mundo do trabalho e a autonomia

Leia mais

29 DE JANEIRO DIA NACIONAL DA VISIBILIDADE DE TRAVESTIS E TRANSEXUAIS. Jaqueline Gomes de Jesus* 1

29 DE JANEIRO DIA NACIONAL DA VISIBILIDADE DE TRAVESTIS E TRANSEXUAIS. Jaqueline Gomes de Jesus* 1 29 DE JANEIRO DIA NACIONAL DA VISIBILIDADE DE TRAVESTIS E TRANSEXUAIS Jaqueline Gomes de Jesus* 1 Uma história única cria estereótipos, e o problema com os estereótipos não é que eles sejam mentirosos,

Leia mais

Prevenção da Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher

Prevenção da Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher Prefeitura Municipal de Duque de Caxias Secretaria Municipal de Assistência Social e Direitos Humanos Departamento dos Direitos da Mulher Centro de Referência e Atendimento à Mulher (CR Mulher) Centro

Leia mais

Lei Maria da Penha. Raquel de Andrade Teixeira Cardoso 1 INTRODUÇÃO

Lei Maria da Penha. Raquel de Andrade Teixeira Cardoso 1 INTRODUÇÃO Lei Maria da Penha 123 Raquel de Andrade Teixeira Cardoso 1 INTRODUÇÃO De acordo com conceito firmado em 1994, em Belém/PA, na Convenção Interamericana para Prevenir, Punir e Erradicar a Violência contra

Leia mais

Artigo 1º - Fica autorizado o Poder Executivo a criar o Programa de Acessibilidade e Segurança da População LGBTT no Estado de São Paulo.

Artigo 1º - Fica autorizado o Poder Executivo a criar o Programa de Acessibilidade e Segurança da População LGBTT no Estado de São Paulo. PROJETO DE LEI Nº 173, DE 2015 Autoriza a criação do Programa Estadual de Acessibilidade e Segurança da População LGBTT no Estado de São Paulo e dá outras providências. A ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO

Leia mais

Diretrizes para Implementação dos Serviços de Responsabilização e Educação dos Agressores

Diretrizes para Implementação dos Serviços de Responsabilização e Educação dos Agressores PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE POLÍTICAS PARA MULHERES SECRETRIA DE ENFRENTAMENTO À VIOLÊNCIA CONTRA AS MULHERES Diretrizes para Implementação dos Serviços de Responsabilização e Educação dos Agressores

Leia mais

HOMOAFETIVIDADE FEMININA NO BRASIL: REFLEXÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE O DIREITO E A LITERATURA

HOMOAFETIVIDADE FEMININA NO BRASIL: REFLEXÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE O DIREITO E A LITERATURA HOMOAFETIVIDADE FEMININA NO BRASIL: REFLEXÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE O DIREITO E A LITERATURA Juliana Fabbron Marin Marin 1 Ana Maria Dietrich 2 Resumo: As transformações no cenário social que ocorreram

Leia mais

CONVENÇÃO INTERAMERICANA PARA PREVENIR, PUNIR E ERRADICAR A VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER, CONVENÇÃO DE BELÉM DO PARÁ

CONVENÇÃO INTERAMERICANA PARA PREVENIR, PUNIR E ERRADICAR A VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER, CONVENÇÃO DE BELÉM DO PARÁ CONVENÇÃO INTERAMERICANA PARA PREVENIR, PUNIR E ERRADICAR A VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER, CONVENÇÃO DE BELÉM DO PARÁ (Adotada em Belém do Pará, Brasil, em 9 de junho de 1994, no Vigésimo Quarto Período Ordinário

Leia mais

12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1

12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( X) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA O GRUPO SERMAIS:

Leia mais

Analisando a Lei Maria da Penha: a violência sexual contra a mulher cometida por seu companheiro

Analisando a Lei Maria da Penha: a violência sexual contra a mulher cometida por seu companheiro Anais do I Simpósio sobre Estudos de Gênero e Políticas Públicas, ISSN 2177-8248 Universidade Estadual de Londrina, 24 e 25 de junho de 2010 GT 5. Gênero e Violência Coord. Sandra Lourenço Analisando a

Leia mais

afetiva e sexual, seja como forma de ameaçar e demonstrar ciúmes, isso é violência patrimonial doméstica e intrafamiliar contra lésbicas/bissexuais.

afetiva e sexual, seja como forma de ameaçar e demonstrar ciúmes, isso é violência patrimonial doméstica e intrafamiliar contra lésbicas/bissexuais. Lei Maria da Penha em casos de lesbofobia: Você sabia que a Lei 11.340/06 não é só para casais, e muito menos só para casais heterossexuais? 17/10/2012 Pouca gente sabe, mas a Lei Maria da Penha foi criada

Leia mais

VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER

VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER A Organização Mundial de Saúde (OMS) define violência como o uso intencional da força física ou do poder, real ou em ameaça, contra si próprio, contra outra pessoa, ou contra

Leia mais

PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º /X

PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º /X Grupo Parlamentar PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º /X Recomenda ao governo a adopção, por parte das forças e serviços de segurança, de procedimentos singulares na sua relação com a população LGBT lésbicas, gays,

Leia mais

Preconceito é um juízo preconcebido, manifestado geralmente na forma de uma atitude discriminatória contra pessoas, lugares ou tradições diferentes

Preconceito é um juízo preconcebido, manifestado geralmente na forma de uma atitude discriminatória contra pessoas, lugares ou tradições diferentes Preconceito é um juízo preconcebido, manifestado geralmente na forma de uma atitude discriminatória contra pessoas, lugares ou tradições diferentes daqueles que consideramos nossos. Costuma indicar desconhecimento

Leia mais

Direitos LGBT: do casamento ao enfrentamento da discriminação

Direitos LGBT: do casamento ao enfrentamento da discriminação Direitos LGBT: do casamento ao enfrentamento da discriminação Publicado em 28/06/2015, às 15h26 Atualizado em 28/06/2015, às 15h58 Sérgio Costa Floro* Especial para o NE10 #LoveWins tomou conta do discurso

Leia mais

Estado de Mato Grosso Município de Tangará da Serra www.tangaradaserra.mt.gov.br. - Fone (0xx65) 3311 4801 Assessoria Jurídica

Estado de Mato Grosso Município de Tangará da Serra www.tangaradaserra.mt.gov.br. - Fone (0xx65) 3311 4801 Assessoria Jurídica LEI Nº 3102 DE 14 DE ABRIL DE 2009. CRIA MECANISMOS PARA COIBIR E PREVENIR A DISCRIMINAÇÃO CONTRA A MULHER, GARANTINDO AS MESMAS OPORTUNIDADES DE ACESSO E VENCIMENTOS. A Câmara Municipal de Tangará da

Leia mais

Re s p o n s a b i l i z a ç ã o e

Re s p o n s a b i l i z a ç ã o e Anexo II Di r e t r i z e s Ge r a i s d o s Se rv i ç o s d e Re s p o n s a b i l i z a ç ã o e Educação do Agressor SERVIÇO DE RESPONSABILIZAÇÃO E EDUCAÇÃO DO AGRESSOR Ap r e s e n ta ç ã o A presente

Leia mais

SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO E ASSISTÊNCIA SOCIAL - SEDAS GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO, PROJETOS E CAPACITAÇÃO TEXTO I

SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO E ASSISTÊNCIA SOCIAL - SEDAS GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO, PROJETOS E CAPACITAÇÃO TEXTO I TEXTO I Igualdade de Gênero no Enfrentamento à Violência Contra a Mulher As desigualdades são sentidas de formas diferentes pelas pessoas dependendo do seu envolvimento com a questão. As mulheres sentem

Leia mais

CONVENÇÃO INTERAMERICANA PARA PREVENIR, PUNIR E ERRADICAR A VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER, CONVENÇÃO DE BELÉM DO PARÁ

CONVENÇÃO INTERAMERICANA PARA PREVENIR, PUNIR E ERRADICAR A VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER, CONVENÇÃO DE BELÉM DO PARÁ CONVENÇÃO INTERAMERICANA PARA PREVENIR, PUNIR E ERRADICAR A VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER, CONVENÇÃO DE BELÉM DO PARÁ (Adotada em Belém do Pará, Brasil, em 9 de junho de 1994, no Vigésimo Quarto Período Ordinário

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo Registro: 2015.0000770986 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos de Mandado de Segurança nº 2097361-61.2015.8.26.0000, da Comarca de, em que é impetrante GABRIELA DA SILVA PINTO, é impetrado

Leia mais

Papel e estratégias do Ministério Público na defesa dos direitos das mulheres e principais limitações na aplicação da Lei Sobre Violência Doméstica

Papel e estratégias do Ministério Público na defesa dos direitos das mulheres e principais limitações na aplicação da Lei Sobre Violência Doméstica Papel e estratégias do Ministério Público na defesa dos direitos das mulheres e principais limitações na aplicação da Lei Sobre Violência Doméstica (Síntese a partir dos slides) Por Lúcia Maximiano (Procuradoria

Leia mais

Direitos Humanos: As múltiplas faces da violência

Direitos Humanos: As múltiplas faces da violência Direitos Humanos: As múltiplas faces da violência Material didático destinado à sistematização do conteúdo da disciplina Direitos Humanos Publicação no semestre 2015.1 do curso de Direito. Autor: Jean

Leia mais

Universidade do Estado do Rio de Janeiro Vice-Reitoria Curso de Abordagem da Violência na Atenção Domiciliar Unidade 2 Violência de gênero

Universidade do Estado do Rio de Janeiro Vice-Reitoria Curso de Abordagem da Violência na Atenção Domiciliar Unidade 2 Violência de gênero Universidade do Estado do Rio de Janeiro Vice-Reitoria Curso de Abordagem da Violência na Atenção Domiciliar Unidade 2 Violência de gênero Nesta unidade, analisaremos os aspectos específicos referentes

Leia mais

A PERFORMATIVIDADE DE GÊNERO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: PROBLEMÁTICAS E PROPOSIÇÕES NA CONSTITUIÇÃO DE LIVROS DIDÁTICOS

A PERFORMATIVIDADE DE GÊNERO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: PROBLEMÁTICAS E PROPOSIÇÕES NA CONSTITUIÇÃO DE LIVROS DIDÁTICOS A PERFORMATIVIDADE DE GÊNERO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: PROBLEMÁTICAS E PROPOSIÇÕES NA CONSTITUIÇÃO DE LIVROS DIDÁTICOS OLIVEIRA, Márcio de (UEM) MAIO, Eliane Rose (UEM) INTRODUÇÃO A proposta central desse

Leia mais

A Psicologia na garantia da Diversidade Sexual

A Psicologia na garantia da Diversidade Sexual A Psicologia na garantia da Diversidade Sexual Audiência Pública: CSSF da Câmara dos Deputados, 06/11/2012 Apresentação Toni Reis Especialista em Sexualidade Humana Mestre em Filosofia, na área de ética

Leia mais

Introdução. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1

Introdução. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( X ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA INCLUSÃO

Leia mais

Direitos Humanos - Lei Maria da Penha: O Que. Conquistamos e o Que Podemos Conquistar?

Direitos Humanos - Lei Maria da Penha: O Que. Conquistamos e o Que Podemos Conquistar? Direitos Humanos - Lei Maria da Penha: O Que Conquistamos e o Que Podemos Conquistar? Material didático destinado à sistematização do conteúdo da disciplina Direitos Humanos Publicação no semestre 2015.1

Leia mais

Lei Maria da Penha. Pelo fim da violência. ulher. contra a

Lei Maria da Penha. Pelo fim da violência. ulher. contra a Lei Maria da Penha Pelo fim da violência ulher contra a Ligação gratuita, 24 horas, para informações sobre a Lei Maria da Penha e os serviços para o atendimento às mulheres em situação de violência. Lei

Leia mais

Formas de Violência Doméstica (contra crianças, adolescentes e mulheres)

Formas de Violência Doméstica (contra crianças, adolescentes e mulheres) VIOLÊNCIA DOMÉSTICA A violência é uma questão social que afeta a todas as pessoas, mulheres e homens, sejam elas crianças, adolescentes, jovens, adultos, idosos. Ela acontece em todas as classes sociais,

Leia mais

25 de novembro - Dia Internacional de Combate à Violência Contra as Mulheres. Carta de Brasília

25 de novembro - Dia Internacional de Combate à Violência Contra as Mulheres. Carta de Brasília Anexo VI 25 de novembro - Dia Internacional de Combate à Violência Contra as Mulheres Carta de Brasília Na véspera do Dia Internacional de Combate à Violência Contra as Mulheres nós, trabalhadoras dos

Leia mais

VIOLÊNCIA DOMÉSTICA: UMA QUESTÃO DE SAÚDE PÚBLICA. IV Encontro de Enfermagem Ginecológica Rio de Janeiro - UERJ - Julho 2013. Cecília Teixeira Soares

VIOLÊNCIA DOMÉSTICA: UMA QUESTÃO DE SAÚDE PÚBLICA. IV Encontro de Enfermagem Ginecológica Rio de Janeiro - UERJ - Julho 2013. Cecília Teixeira Soares VIOLÊNCIA DOMÉSTICA: UMA QUESTÃO DE SAÚDE PÚBLICA IV Encontro de Enfermagem Ginecológica Rio de Janeiro - UERJ - Julho 2013 Cecília Teixeira Soares Relatório Mundial sobre Violência e Saúde Nas relações

Leia mais

LEI DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR Lei n. 11.340/06

LEI DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR Lei n. 11.340/06 LEI DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR Lei n. 11.340/06 PREVISÃO CONSTITUCIONAL 1) O art. 226, 8º CF, dispões que: O Estado assegurará a assistência à família na pessoa de cada um dos que a integram, criando

Leia mais

Gênero, ética e sentimentos: A resolução de conflitos no campo da educação

Gênero, ética e sentimentos: A resolução de conflitos no campo da educação PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Gênero, ética e sentimentos: A resolução de conflitos no campo da educação Valéria Amorim Arantes 1 Brigitte Ursula Stach Haertel

Leia mais

Qual o seu posicionamento com relação à criminalização da homofobia? Por quê?

Qual o seu posicionamento com relação à criminalização da homofobia? Por quê? Entrevista com Cláudio Nascimento, membro do Grupo Arco-Íris, coordenador geral da 13ª Parada do Orgulho LGBT do Rio de Janeiro e superintendente de Direitos Individuais, Coletivos e Difusos da Secretaria

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES PAIR

PROGRAMA NACIONAL DE ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES PAIR Presidência da República Secretaria de Direitos Humanos Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Criança e do Adolescente Departamento de Políticas Temáticas dos Direitos da Criança e do Adolescente

Leia mais

Direito fundamental à homoafetividade

Direito fundamental à homoafetividade 1 Direito fundamental à homoafetividade Maria Berenice Dias www.mbdias.com.br www.mariaberenice.com.br www.direitohomoafetivo.com.br Sumário: 1. Liberdade e igualdade; 2. Direito à sexualidade; 3. Família

Leia mais

Combate e prevenção à violência contra a mulher

Combate e prevenção à violência contra a mulher Combate e prevenção à violência contra a mulher O CIM - Centro Integrado de Atendimento à Mulher Vítima de Violência Doméstica e Familiar - tem por objetivo fazer valer a Lei n.º 11.340/06, Lei Maria da

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE SERGIPE UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE

INSTITUTO FEDERAL DE SERGIPE UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE INSTITUTO FEDERAL DE SERGIPE UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE TECENDO E DISCUTINDO A REDE DE ATENÇÃO A MULHER Marluce da Silva Santana 1 Jessica Dariane Conceição de Brito 2 Carine dos Santos Conceição

Leia mais

GÊNERO E EDUCAÇÃO: DISCUTINDO A DOCILIZAÇÃO DOS CORPOS INFANTIS

GÊNERO E EDUCAÇÃO: DISCUTINDO A DOCILIZAÇÃO DOS CORPOS INFANTIS GÊNERO E EDUCAÇÃO: DISCUTINDO A DOCILIZAÇÃO DOS CORPOS INFANTIS TAINARA GUIMARÃES ARAÚJO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ (UESC) Resumo A construção das identidades de gênero constitui todo um processo

Leia mais

Proibição da discriminação em face das identidades de gênero e sexuais: reflexões acerca do ambiente escolar brasileiro

Proibição da discriminação em face das identidades de gênero e sexuais: reflexões acerca do ambiente escolar brasileiro Proibição da discriminação em face das identidades de gênero e sexuais: reflexões acerca do ambiente escolar brasileiro Andreza do Socorro Pantoja de Oliveira Smith Universidade Federal do Pará, Universidade

Leia mais

PARECER N.º, DE 2009

PARECER N.º, DE 2009 PARECER N.º, DE 2009 Da COMISSÃO DE DIREITOS HUMANOS E LEGISLAÇÃO PARTICIPATIVA, sobre o Projeto de Lei da Câmara n.º 122, de 2006 (PL n.º 5.003, de 2001, na Casa de origem), que altera a Lei n.º 7.716,

Leia mais

No entanto, a efetividade desses dispositivos constitucionais está longe de alcançar sua plenitude.

No entanto, a efetividade desses dispositivos constitucionais está longe de alcançar sua plenitude. A MULHER NA ATIVIDADE AGRÍCOLA A Constituição Federal brasileira estabelece no caput do art. 5º, I, que homens e mulheres são iguais em direitos e obrigações e reconhece no dispositivo 7º a igualdade de

Leia mais

AUTORES RESUMO PALAVRAS-CHAVE

AUTORES RESUMO PALAVRAS-CHAVE MANIFESTAÇÕES DA VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER UM ESTUDO DO SERVIÇO SOCIAL NO NÚCLEO DE PRÁTI- CA JURÍDICA DA UNIÃO DAS FACULDADES DOS GRANDES LAGOS AUTORES Danieli Cristina Oliveira VELANI Érika Cristina

Leia mais

VIOLÊNCIA NO TRABALHO EM AMERICA LATINA UMA FORMA DE DISCRIMINAÇÃO NO EMPREGO RISCO PARA A SAÚDE DOS TRABALHADHORES

VIOLÊNCIA NO TRABALHO EM AMERICA LATINA UMA FORMA DE DISCRIMINAÇÃO NO EMPREGO RISCO PARA A SAÚDE DOS TRABALHADHORES VIOLÊNCIA NO TRABALHO EM AMERICA LATINA UMA FORMA DE DISCRIMINAÇÃO NO EMPREGO RISCO PARA A SAÚDE DOS TRABALHADHORES FORMA DE DISCRIMINAÇÃO E VIOLAÇÃO DOS DIREITOS HUMANOS A violência é global e sistêmica.

Leia mais

Diversidade Sexual: uma visão arejada e crítica da. Lula Ramires Serra Negra, SP Junho de 2010

Diversidade Sexual: uma visão arejada e crítica da. Lula Ramires Serra Negra, SP Junho de 2010 Diversidade Sexual: uma visão arejada e crítica da homofobia nas escolas Lula Ramires Serra Negra, SP Junho de 2010 Lula Ramires Formado em Filosofia pela USP Mestre em Educação pela F.E. USP Tradutor

Leia mais

VIOLÊNCIA E BULLYING HOMO/TRANSFÓBICA NAS ESCOLAS E NAS AULAS DE EFE: ENTENDENDO PARA PODER MINIMIZAR ESSAS PRÁTICAS.

VIOLÊNCIA E BULLYING HOMO/TRANSFÓBICA NAS ESCOLAS E NAS AULAS DE EFE: ENTENDENDO PARA PODER MINIMIZAR ESSAS PRÁTICAS. VIOLÊNCIA E BULLYING HOMO/TRANSFÓBICA NAS ESCOLAS E NAS AULAS DE EFE: ENTENDENDO PARA PODER MINIMIZAR ESSAS PRÁTICAS. Prof. Me. Leonardo Morjan Britto Peçanha Licenciado e Bacharel em Educação Física (UNISUAM);

Leia mais

A VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA AS MULHERES, DESIGUALDADE DE GÊNERO, EDUCAÇÃO E JUVENTUDE COMO CATEGORIAS DE ARTICULAÇÃO

A VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA AS MULHERES, DESIGUALDADE DE GÊNERO, EDUCAÇÃO E JUVENTUDE COMO CATEGORIAS DE ARTICULAÇÃO A VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA AS MULHERES, DESIGUALDADE DE GÊNERO, EDUCAÇÃO E JUVENTUDE COMO CATEGORIAS DE ARTICULAÇÃO Ideojane Melo Conceição 1 - UNEB Grupo de trabalho - Educação e Direitos Humanos Agencia

Leia mais

Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem (PNAISH)

Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem (PNAISH) Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem (PNAISH) 15/07/2011 METALÚRGICO, 26 ANOS Não costumo fazer exame porque sinto meu corpo bom, ótimo. Nunca senti uma dor. Senti uma dor uma vez na

Leia mais

VIOLÊNCIA CONTRA IDOSOS. Edinilsa Ramos de Souza CLAVES/ENSP/FIOCRUZ

VIOLÊNCIA CONTRA IDOSOS. Edinilsa Ramos de Souza CLAVES/ENSP/FIOCRUZ VIOLÊNCIA CONTRA IDOSOS Edinilsa Ramos de Souza CLAVES/ENSP/FIOCRUZ O que é Violência contra idosos? É um ato (único ou repetido) ou omissão que lhe cause dano ou aflição e que se produz em qualquer relação

Leia mais

DECRETO Nº 1.973, DE 1º DE AGOSTO DE 1996. (Publicado no D.O.U. de 02.08.1996)

DECRETO Nº 1.973, DE 1º DE AGOSTO DE 1996. (Publicado no D.O.U. de 02.08.1996) DECRETO Nº 1.973, DE 1º DE AGOSTO DE 1996. (Publicado no D.O.U. de 02.08.1996) Promulga a Convenção Interamericana para Prevenir, Punir e Erradicar a Violência contra a Mulher, concluída em Belém do Pará,

Leia mais

Tema: Você não precisa ser LGBT para lutar contra a LGBTfobia Palestrante: Carlos Tufvesson

Tema: Você não precisa ser LGBT para lutar contra a LGBTfobia Palestrante: Carlos Tufvesson Tema: Você não precisa ser LGBT para lutar contra a LGBTfobia Palestrante: Carlos Tufvesson Legislação Constituição Federal Art. 5 Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se

Leia mais

PERSPECTIVAS DE ANÁLISE DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA MULHER: MAPEAMENTO DAS DENÚNCIAS ENTRE OS ANOS DE 2010 E 2011 NA CIDADE DE CAMPINA GRANDE-PB

PERSPECTIVAS DE ANÁLISE DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA MULHER: MAPEAMENTO DAS DENÚNCIAS ENTRE OS ANOS DE 2010 E 2011 NA CIDADE DE CAMPINA GRANDE-PB PERSPECTIVAS DE ANÁLISE DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA MULHER: MAPEAMENTO DAS DENÚNCIAS ENTRE OS ANOS DE 2010 E 2011 NA CIDADE DE CAMPINA GRANDE-PB Autoria: Antonio Pereira Cardoso da Silva Filho Universidade

Leia mais

Plano Integrado de Capacitação de Recursos Humanos para a Área da Assistência Social PAPÉIS COMPETÊNCIAS

Plano Integrado de Capacitação de Recursos Humanos para a Área da Assistência Social PAPÉIS COMPETÊNCIAS PAPÉIS E COMPETÊNCIAS O SERVIÇO PSICOSSOCIAL NO CREAS... O atendimento psicossocial no serviço é efetuar e garantir o atendimento especializado (brasil,2006). Os profissionais envolvidos no atendimento

Leia mais

JOVEM MULHER OBJETIVOS E METAS

JOVEM MULHER OBJETIVOS E METAS JOVEM MULHER OBJETIVOS E METAS 1. Criar um grupo de trabalho para discutir a garantia de conscientização da questão de gênero, (outra redação: Promover a discussão da questão de gênero nas instituições

Leia mais

PESQUISA IBOPE / INSTITUTO AVON

PESQUISA IBOPE / INSTITUTO AVON PESQUISA IBOPE / INSTITUTO AVON PERCEPÇÕES E REAÇÕES DA SOCIEDADE SOBRE A VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER 2009 PARCERIAS INSTITUTO PATRÍCIA GALVÃO Planejamento e supervisão da pesquisa IBOPE INTELIGÊNCIA Campo

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE POLÍTICAS PÚBLICAS PARA AS MULHERES (SEMUL) Relatório

SECRETARIA MUNICIPAL DE POLÍTICAS PÚBLICAS PARA AS MULHERES (SEMUL) Relatório SECRETARIA MUNICIPAL DE POLÍTICAS PÚBLICAS PARA AS MULHERES (SEMUL) Relatório I Seminário de Enfrentamento à Violência de Gênero no Município de Natal 26 e 27/03/2015 Local: Auditório do Conselho Regional

Leia mais

Como proceder à notificação e para onde encaminhá-la?

Como proceder à notificação e para onde encaminhá-la? Se a família não quiser ou não puder assumir a notificação, o educador deverá informar a família que, por força da lei, terá que notificar o fato aos órgãos competentes. Como proceder à notificação e para

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº de de 2015.

PROJETO DE LEI Nº de de 2015. PROJETO DE LEI Nº de de 2015. INSTITUI A POLÍTICA ESTADUAL PARA O SISTEMA INTEGRADO DE INFORMAÇÕES DE VIOLÊNCIA CONTRA O IDOSO NO ESTADO DE GOIÁS, DENOMINADO OBSERVATÓRIO ESTADUAL DA VIOLÊNCIA CONTRA O

Leia mais

OUVIDORIA NACIONAL DE DIREITOS HUMANOS. Balanço das Denúncias de Violações de Direitos Humanos

OUVIDORIA NACIONAL DE DIREITOS HUMANOS. Balanço das Denúncias de Violações de Direitos Humanos OUVIDORIA NACIONAL DE DIREITOS HUMANOS Balanço das Denúncias de Violações de Direitos Humanos 2015 Departamento de Ouvidoria Nacional dos Direitos Humanos Competências do Departamento: Receber, examinar

Leia mais

Violência do Género e Acesso à Justiça em Moçambique

Violência do Género e Acesso à Justiça em Moçambique Violência do Género e Acesso à Justiça em Moçambique (Síntese a partir dos slides) Por Berta Chilundo (Presidente da MULEIDE) Publicado em Outras Vozes, nº 41-42, Maio 2013 Quadro legal para defesa dos

Leia mais

Aprendendo Conceitos sobre Gênero e Sexo. Você Sabia

Aprendendo Conceitos sobre Gênero e Sexo. Você Sabia Aprendendo Conceitos sobre Gênero e Sexo Você Sabia Que o sexo de uma pessoa é dado pela natureza e por isso nascemos macho ou fêmea? Que o gênero é construído pelas regras da sociedade para definir, a

Leia mais

QUERIDO(A) ALUNO(A),

QUERIDO(A) ALUNO(A), LANÇADA EM 15 MAIO DE 2008, A CAMPANHA PROTEJA NOSSAS CRIANÇAS É UMA DAS MAIORES MOBILIZAÇÕES PERMANENTES JÁ REALIZADAS NO PAÍS, COM FOCO NO COMBATE À VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E À EXPLORAÇÃO SEXUAL DE CRIANÇAS

Leia mais

A APLICABILIDADE DA LEI MARIA DA PENHA NO ENFRENTAMENTO A VIOLÊNCIA DE GÊNERO

A APLICABILIDADE DA LEI MARIA DA PENHA NO ENFRENTAMENTO A VIOLÊNCIA DE GÊNERO 1 A APLICABILIDADE DA LEI MARIA DA PENHA NO ENFRENTAMENTO A VIOLÊNCIA DE GÊNERO Marcelo Guilhem Parrão 1, Juliene Aglio Oliveira Parrão 2 1 Advogado, especialista em Direito Civíl e Processo Civil pelas

Leia mais

Abaixo trazemos alguns dados que mostram a opinião de parte da comunidade da EMEF Governador Ildo Meneghetti sobre a violência contra a mulher.

Abaixo trazemos alguns dados que mostram a opinião de parte da comunidade da EMEF Governador Ildo Meneghetti sobre a violência contra a mulher. Abaixo trazemos alguns dados que mostram a opinião de parte da comunidade da EMEF Governador Ildo Meneghetti sobre a violência contra a mulher. Discordo totalmente 69,4% Discordo em parte 5,6% NS 5,6%

Leia mais

GÊNERO, DIVERSIDADE SEXUAL E AS LÉSBICAS. Alessandra Acedo

GÊNERO, DIVERSIDADE SEXUAL E AS LÉSBICAS. Alessandra Acedo Texto parcial da palestra apresentada durante o 7º Seminário Internacional de Bibliotecas Públicas e Comunitárias em novembro de 2014, publicado com autorização da autora. GÊNERO, DIVERSIDADE SEXUAL E

Leia mais

CARTA DA IGUALDADE 11 COMPROMISSOS PARA UM TERRITÓRIO MAIS IGUAL

CARTA DA IGUALDADE 11 COMPROMISSOS PARA UM TERRITÓRIO MAIS IGUAL CARTA DA IGUALDADE 11 COMPROMISSOS PARA UM TERRITÓRIO MAIS IGUAL PREÂMBULO A igualdade das mulheres e dos homens é um direito fundamental para todos e todas, constituindo um valor capital para a democracia.

Leia mais

GÊNERO E DIVERSIDADE: REFLEXÕES PEDAGÓGICAS NO CONTEXTO ESCOLAR

GÊNERO E DIVERSIDADE: REFLEXÕES PEDAGÓGICAS NO CONTEXTO ESCOLAR GÊNERO E DIVERSIDADE: REFLEXÕES PEDAGÓGICAS NO CONTEXTO ESCOLAR Girlani de Lima Aylla Milanez Pereira Edna Maria do Nascimentos Silva Janiely Macedo de Vasconcelos Wanessa Costa Santos Universidade Federal

Leia mais

VII JORNADA DE ESTAGIO DE SERVIÇO SOCIAL A PRÁTICA DO SERVIÇO SOCIAL NO DEPARTAMENTO DE PROTEÇÃO SOCIAL ESPECIAL DO MUNICIPIO DE CARAMBEÍ PR.

VII JORNADA DE ESTAGIO DE SERVIÇO SOCIAL A PRÁTICA DO SERVIÇO SOCIAL NO DEPARTAMENTO DE PROTEÇÃO SOCIAL ESPECIAL DO MUNICIPIO DE CARAMBEÍ PR. VII JORNADA DE ESTAGIO DE SERVIÇO SOCIAL A PRÁTICA DO SERVIÇO SOCIAL NO DEPARTAMENTO DE PROTEÇÃO SOCIAL ESPECIAL DO MUNICIPIO DE CARAMBEÍ PR. Resumo: CARNEIRO, Alana Caroline 1. SIVEIRA, Adriane 2. SOUZA,

Leia mais

A VISIBILIDADE DA VIOLÊNCIA CONTRA O IDOSO: PERSPECTIVAS DO SERVIÇO SOCIAL 1

A VISIBILIDADE DA VIOLÊNCIA CONTRA O IDOSO: PERSPECTIVAS DO SERVIÇO SOCIAL 1 A VISIBILIDADE DA VIOLÊNCIA CONTRA O IDOSO: PERSPECTIVAS DO SERVIÇO SOCIAL 1 MACHADO, Adiles Dias 2 ; KAEFER, Carin Otilia 3 ; SILVA, Flademir da Costa 4 ; 1 Resultado de discussões realizadas no Projeto

Leia mais

SEMINÁRIO SOCIEDADE, ESCOLA E VIOLÊNCIA 06 de junho de 2009. Violência e Sexualidade: Gênero e Homofobia na Escola Alexandre Bortolini

SEMINÁRIO SOCIEDADE, ESCOLA E VIOLÊNCIA 06 de junho de 2009. Violência e Sexualidade: Gênero e Homofobia na Escola Alexandre Bortolini SEMINÁRIO SOCIEDADE, ESCOLA E VIOLÊNCIA 06 de junho de 2009 Violência e Sexualidade: Gênero e Homofobia na Escola Alexandre Bortolini Coordenador do Projeto Diversidade Sexual na Escola Universidade Federal

Leia mais

Os números da violência contra a

Os números da violência contra a Mensagem à Mulher Os números da violência contra a mulher são alarmantes. São vários os tipos de violência. Para se ter uma ideia, a cada ano 50 mil mulheres sofrem violência, sendo dez delas assassinadas.

Leia mais

Secretaria de Enfrentamento à Violência contra as Mulheres 1º Fórum de Violência contra a Mulher: Múltiplos olhares

Secretaria de Enfrentamento à Violência contra as Mulheres 1º Fórum de Violência contra a Mulher: Múltiplos olhares Secretaria de Enfrentamento à Violência contra as Mulheres 1º Fórum de Violência contra a Mulher: Múltiplos olhares Campinas, Abril de 2014 Violência contra as Mulheres: dados Internacional: 1 de cada

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL, SUAS e legislações pertinentes. Profa. Ma. Izabel Scheidt Pires

POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL, SUAS e legislações pertinentes. Profa. Ma. Izabel Scheidt Pires POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL, SUAS e legislações pertinentes Profa. Ma. Izabel Scheidt Pires REFERÊNCIAS LEGAIS CF 88 LOAS PNAS/04 - SUAS LOAS A partir da Constituição Federal de 1988, regulamentada

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2010

PROJETO DE LEI Nº, DE 2010 PROJETO DE LEI Nº, DE 2010 (Da Sra. Jô Moraes) Prevê o pagamento, pelo Poder Público, de danos morais e pensão indenizatória aos dependentes das vítimas fatais de crimes de violência sexual e violência

Leia mais

O Paraná Está Ligado!

O Paraná Está Ligado! VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER O Paraná Está Ligado! Lançamento de rede estadual marca o enfrentamento à violência contra a mulher no Paraná O lançamento simbólico de uma rede de atenção à mulher em situação

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2011

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2011 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2011 Estabelece medidas de proteção a mulher e garantia de iguais oportunidades de acesso, permanência e remuneração nas relações de trabalho no âmbito rural ou urbano.

Leia mais

PROJETO DE LEI N2 J. A Câmara Municipal de Belo Horizonte decreta: CAPÍTULO 1 Disposições Gerais

PROJETO DE LEI N2 J. A Câmara Municipal de Belo Horizonte decreta: CAPÍTULO 1 Disposições Gerais CÂMARA MUNICIPAL DE BELO HORIZONTE PROJETO DE LEI N2 J 25Ô//-I Dispõe sobre a ação do Município no combate às práticas discriminatórias por orientação sexual e dá outras providências. 2 A Câmara Municipal

Leia mais

O OLHAR DAS UNIVERITÁRIAS ESTUDANTES DO CURSO DE GRADUAÇÃO DE ECONOMIA DOMÉSTICA SOBRE A VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA A MULHER RESUMO

O OLHAR DAS UNIVERITÁRIAS ESTUDANTES DO CURSO DE GRADUAÇÃO DE ECONOMIA DOMÉSTICA SOBRE A VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA A MULHER RESUMO O OLHAR DAS UNIVERITÁRIAS ESTUDANTES DO CURSO DE GRADUAÇÃO DE ECONOMIA DOMÉSTICA SOBRE A VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA A MULHER Lívia Rodrigues 1 Ana Beatriz de Melo Holanda, 2 Natiane Muliterno da Cunha

Leia mais

AÇÕES DE COMBATE A HOMOFOBIA NAS ESCOLAS DO PÓLO DO CEFAPRO (CENTRO DE FORMAÇÃO E ATUALIZAÇÃO DE PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO) DE TANGARÁ DA SERRA-MT

AÇÕES DE COMBATE A HOMOFOBIA NAS ESCOLAS DO PÓLO DO CEFAPRO (CENTRO DE FORMAÇÃO E ATUALIZAÇÃO DE PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO) DE TANGARÁ DA SERRA-MT AÇÕES DE COMBATE A HOMOFOBIA NAS ESCOLAS DO PÓLO DO CEFAPRO (CENTRO DE FORMAÇÃO E ATUALIZAÇÃO DE PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO) DE TANGARÁ DA SERRA-MT RELATO DE EXPERIÊNCIA Introdução Marcos Serafim Duarte

Leia mais

A MULHER VÍTIMA DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR EM PONTA GROSSA: SUBSÍDIOS PARA O DEBATE

A MULHER VÍTIMA DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR EM PONTA GROSSA: SUBSÍDIOS PARA O DEBATE 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( X ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA A MULHER

Leia mais

VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA A MULHER. UMA RETROSPECTIVA HISTÓRICA E JURÍDICA COM ANÁLISES RELEVANTES Dogival Oliveira Guedes

VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA A MULHER. UMA RETROSPECTIVA HISTÓRICA E JURÍDICA COM ANÁLISES RELEVANTES Dogival Oliveira Guedes 406 VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA A MULHER UMA RETROSPECTIVA HISTÓRICA E JURÍDICA COM ANÁLISES RELEVANTES Dogival Oliveira Guedes Resumo O presente estudo visa verificar vários aspectos atinentes à violência

Leia mais

MULHER DIREITOS. Conheça os seus. www.pedrokemp.com.br

MULHER DIREITOS. Conheça os seus. www.pedrokemp.com.br MULHER Conheça os seus DIREITOS www.pedrokemp.com.br www.pedrokemp.com.br Vive dentro de mim a mulher do povo. Bem proletária. Bem linguaruda, desabusada, sem preconceitos... Cora Coralina 2 GUIA DE DIREITOS

Leia mais

QUESTIONÁRIO: VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS NOME: CLASSIFIQUE EM VERDADEIRO (V) OU FALSO (F) AS SENTENÇAS ABAIXO:

QUESTIONÁRIO: VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS NOME: CLASSIFIQUE EM VERDADEIRO (V) OU FALSO (F) AS SENTENÇAS ABAIXO: QUESTIONÁRIO: VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS NOME: 1. Um tapinha no bumbum não é considerado violência devido ao baixo grau de agressão. 2. A prática sexual com indivíduos menores de 14 anos, com o consentimento

Leia mais

VIOLÊNCIA INTRAFAMILIAR CONTRA A MULHER E AS REDES DE ATENDIMENTO

VIOLÊNCIA INTRAFAMILIAR CONTRA A MULHER E AS REDES DE ATENDIMENTO CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X VIOLÊNCIA INTRAFAMILIAR CONTRA A MULHER E AS REDES DE ATENDIMENTO

Leia mais

PANORAMA CONCEITUAL: e DIVERSIDADE SEXUAL. Prof. Roney Polato de Castro

PANORAMA CONCEITUAL: e DIVERSIDADE SEXUAL. Prof. Roney Polato de Castro PANORAMA CONCEITUAL: SEXUALIDADE e DIVERSIDADE SEXUAL Prof. Roney Polato de Castro 1. Sexualidade é natural? A sexualidade tem sido interpretada como um aspecto natural do ser humano, como uma essência,

Leia mais

Convenção Interamericana para Prevenir, Punir e Erradicar a Violência Contra a Mulher "Convenção de Belém do Pará" (1994)

Convenção Interamericana para Prevenir, Punir e Erradicar a Violência Contra a Mulher Convenção de Belém do Pará (1994) Convenção Interamericana para Prevenir, Punir e Erradicar a Violência Contra a Mulher "Convenção de Belém do Pará" (1994) * Adotada pela Assembléia Geral da Organização dos Estados Americanos em 6 de junho

Leia mais

Lei Maria da Penha: uma evolução histórica

Lei Maria da Penha: uma evolução histórica Lei Maria da Penha: uma evolução histórica Karina Balduino Leite e Rivadavio Anadão de Oliveira Guassú Maria da Penha foi uma entre as incontáveis vítimas de violência doméstica espalhadas pelo planeta.

Leia mais

APOIO E PARTICIPAÇÃO NAS AÇÕES DE CRIAÇÃO DO NÚCLEO DE ESTUDOS EM GÊNERO, RAÇA E ETNIA NEGRE/UEMS. RESUMO

APOIO E PARTICIPAÇÃO NAS AÇÕES DE CRIAÇÃO DO NÚCLEO DE ESTUDOS EM GÊNERO, RAÇA E ETNIA NEGRE/UEMS. RESUMO APOIO E PARTICIPAÇÃO NAS AÇÕES DE CRIAÇÃO DO NÚCLEO DE ESTUDOS EM GÊNERO, RAÇA E ETNIA NEGRE/UEMS. ¹Gislaine De Oliveira Correia; ²Maria José de Jesus Alves Cordeiro. ¹Bolsista de Iniciação Científica

Leia mais

Lei Maria da Penha Lei 11.340/06

Lei Maria da Penha Lei 11.340/06 Legislação Penal Especial Aula 02 Professor Sandro Caldeira Lei Maria da Penha Lei 11.340/06 Art. 1 o Esta Lei cria mecanismos para coibir e prevenir a violência doméstica e familiar contra a mulher, nos

Leia mais

Os homens no cenário da Lei Maria da Penha

Os homens no cenário da Lei Maria da Penha Fazendo Gênero 8 - Corpo, Violência e Poder Florianópolis, de 25 a 28 de agosto de 2008 Os homens no cenário da Lei Maria da Penha Maria Lúcia Chaves Lima (UFP), Ricardo Pimentel Mello (UFC) Lei Maria

Leia mais