A Lei Maria da Penha Nº /06

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A Lei Maria da Penha Nº 11.340/06"

Transcrição

1 Capítulo X A Lei Maria da Penha Nº /06 Sumário 1. Introdução: 1.1. Objetivos gerais; 1.2. Constitucionalidade da Lei Maria da Penha 2. Comentários à Lei nº /06 artigo por artigo: 2.1. Disposições Preliminares; 2.2. Conceito de violência doméstica e familiar; 2.3. Formas de violência doméstica e familiar; 2.4. Competência para processar e julgar a violência doméstica e familiar; 2.5. Sujeitos: Ativo: Passivo; 2.6. Medidas integradas de prevenção; 2.7. Assistência à mulher em situação de violência doméstica e familiar; 2.8. Atendimento pela autoridade policial; 2.9. Ação penal; Procedimentos; Medidas protetivas de urgência; Possibilidade da prisão; Atuação do Ministério Público; As atribuições cíveis; As atribuições penais; O Ministério Público deve ser ouvido; O Ministério Público deve ser comunicado; Assistência judiciária; Equipe de atendimento multidisciplinar; Disposições transitórias. 1. INTRODUÇÃO Um antecedente legislativo à Lei nº /06 ocorreu em 2002, após a publicação da Lei nº , que acrescentou ao parágrafo único do art. 69 da Lei nº 9.099/95, a previsão de uma medida cautelar, de natureza penal, consistente no afastamento do agressor do lar conjugal na hipótese de violência doméstica, a ser decretada pelo Juiz competente para o caso. Outro antecedente ocorreu, como dissemos anteriormente, com a Lei nº /04, que emprestou roupagem típica própria ao delito de violência doméstica, no art 129, 9º e 10, do CP lesão corporal. Em abril de 2001, a Comissão Interamericana de Direitos Humanos da OEA, órgão responsável pelo recebimento de denúncias de violação aos direitos previstos no Pacto de São José da Costa Rica e na Convenção de Belém do Pará, atendendo denúncia do Centro pela Justiça pelo Direito Internacional (CEJIL) e do Comitê Latino-Americano de Defesa dos Direitos da Mulher (CLADEM), publicou o Relatório nº 54, o qual estabeleceu recomendações ao Brasil no caso Maria da Penha Maia Fernandes 1 por flagrante violação dos direitos humanos. A Comissão concluiu que o Estado Brasileiro não cumpriu o previsto no artigo 7º da Convenção de Belém do Pará e nos artigos 1º, 8º e 25 do Pacto de 1. O nome dado à Lei nº /06, Maria da Penha, é uma justa homenagem à biofarmacêutica, militante dos direitos das mulheres que, por duas vezes, foi vítima de tentativa de homicídio pelo marido. Por causa disso, ela ficou paraplégica, mas o agressor só foi punido 19 anos e 6 meses depois, assim mesmo com uma pena de apenas 2 anos de reclusão. 201

2 Stela Valéria Soares de Farias Cavalcanti São José da Costa Rica pelo fato de que havia se passado mais de 19 anos sem que o autor do crime de tentativa de homicídio de Maria da Penha fosse levado a julgamento. Recomendou o prosseguimento e intensificação do processo de reforma que evite a tolerância estatal e o tratamento discriminatório com respeito à violência doméstica contra a mulher no Brasil e, em especial recomendou simplificar os procedimentos judiciais penais a fim de que possa ser reduzido o tempo processual, sem afetar os direitos e garantias do devido processo e o estabelecimento de formas alternativas às judiciais, rápidas e efetivas de solução de conflitos intrafamiliares, bem como de sensibilização com respeito à sua gravidade e às conseqüências penais que gera. A partir daí as organizações não-governamentais brasileiras e estrangeiras com sede no Brasil iniciaram discussões entre si e com representantes da Secretaria Especial de Políticas para as mulheres, com finalidade de elaborar o texto da proposta de lei que incluísse políticas públicas de gênero, medidas de proteção às mulheres vítimas e punição mais rigorosa para os agressores. Muito embora a iniciativa legislativa tenha sido do próprio Poder Executivo, que apresentou o PL nº no final de 2004, ele foi fruto de anos de discussões entre o Governo brasileiro, a comunidade internacional, de organizações governamentais e também do apelo de milhares de mulheres brasileiras vítimas de discriminação de gênero, agressões físicas, psicológicas e sexuais no seio familiar. Assim o projeto de lei foi concebido e encaminhado ao Congresso Nacional, encontrando ambiente favorável para tramitar e ser aprovado primeiramente na Câmara e, no dia 4 de julho de 2006, no Senado Federal (PLC 37/06), criando mecanismos para coibir a violência doméstica e familiar contra a mulher no Brasil VDFM. Satisfazendo às expectativas das entidades de defesa dos Direitos das Mulheres e em cumprimento ao preceito do 8º do art. 226 da Constituição Federal, da Convenção sobre a eliminação de todas as formas de discriminação contra as mulheres e da Convenção Interamericana para prevenir, punir e erradicar a violência contra a mulher, a Lei Maria da Penha, nº /06, foi finalmente sancionada. A nova lei vem atender ao clamor contra a sensação de impunidade despertada em muitos pela aplicação da Lei dos Juizados Especiais Criminais aos casos de violência doméstica e familiar praticada, especialmente, contra a mulher Objetivos gerais A Lei nº /06 apesar de não ser perfeita, apresenta uma estrutura adequada e específica para atender a complexidade do fenômeno da violência do- 202

3 Capítulo X A Lei Maria da Penha Nº /06 méstica VD ao prever mecanismos de prevenção, assistência às vítimas, políticas públicas e punição mais rigorosa para os agressores. É uma lei que tem mais o cunho educacional e de promoção de políticas públicas de assistência às vítimas do que a intenção de punir mais severamente os agressores dos delitos domésticos, pois prevê em vários dispositivos medidas de proteção à mulher em situação de violência doméstica e familiar, possibilitando uma assistência mais eficiente e a salvaguarda dos direitos humanos das vítimas. Consagra um novo microssistema jurídico de enfrentamento da violência doméstica e familiar contra a mulher. Embora se trate de diploma legal recente, muito já foi feito por sua plena efetivação. Pesquisa Ibope/Themis (Assessoria Jurídica e Estudos de Gênero) revelou que 68% da população brasileira conhece a lei, dos quais 82% reconhecem sua eficácia no enfrentamento à violência doméstica e familiar. A consulta foi realizada entre 17 e 21 de julho, com entrevistados em 142 municípios brasileiros. 2 Publicada no Diário Oficial da União, de 8 de agosto de 2006, a nova lei passou a vigorar no dia 22 de setembro de 2006, 45 dias após a sua publicação, conforme estabelece o art. 46, excluído o dia da publicação oficial da lei e incluído o dia final, atendida a regra geral contida no art. 132, caput, do Código Civil de 2002 e no art. 1º, caput, da LICC de Não há dúvida de que o texto aprovado constitui um avanço para a sociedade brasileira, representando um marco indelével na história da proteção legal conferida às mulheres. Entretanto, não deixa de conter alguns aspectos que podem gerar dúvidas na aplicação e, até mesmo, opções que revelam uma formulação legal afastada da melhor técnica e das mais recentes orientações criminológicas e de política criminal, daí a necessidade de analisá-la na melhor perspectiva para as vítimas, bem como discutir a melhor maneira de implementar todos os seus preceitos. A fim de colaborar com o processo de implementação da nova Lei, o Ministério da Justiça, por meio do Pronasci (Programa Nacional de Segurança Pública com Cidadania), instituiu a ação de efetivação da Lei Maria da Penha, que prevê, entre outras medidas, o apoio financeiro e institucional aos Tribunais de Justiça dos Estados para criação de Juizados Especiais de Violência Doméstica e Familiar contra a mulher. Essa ação, encampada pela Secretaria de Reforma do Judiciário do Ministério da Justiça, em parceria com a Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres da Presidência da República e o Conselho Nacional 2. Disponível em: <http://1.folha.uol.com.br/folha/cotidiano/ult95u430760>. Acesso em: 17 ago

4 Stela Valéria Soares de Farias Cavalcanti de Justiça, possibilitou, no primeiro semestre de 2008, significativo aumento do número dos Juizados de combate à violência doméstica e familiar no Brasil. Até março de 2008 havia 18 Juizados e ao final do 1º Semestre esse número praticamente dobrou, atingindo 35 juizados Constitucionalidade da Lei Maria da Penha Muito se tem discutido acerca de eventual inconstitucionalidade da Lei MARIA DA PENHA, em razão de ter como foco apenas a mulher vítima da violência doméstica, o que estaria criando um privilégio e estabelecendo uma desigualdade injustificada. Estes são, apertada síntese, os argumentos utilizados pelos defensores da sua inconstitucionalidade: (a) feriria o princípio da isonomia entre os sexos, estabelecido no art. 5º, I, da CF. Neste ponto é oportuno destacar que a lei Maria da Penha atribui à mulher um tratamento diferenciado, promovendo sua proteção de forma especial em cumprimento às diretrizes constitucionais e aos tratados internacionais ratificadas pelo Brasil, tendo em vista que, como dissemos, a mulher é a grande vítima da violência doméstica, sendo as estatísticas com relação ao sexo masculino tão pequenas que não chegam a ser computadas. A Lei nº /06, a fim de dirimir qualquer dúvida quando a sua constitucionalidade estabeleceu logo no Título I, das disposições preliminares, o seguinte, in verbis: Art. 1º Esta Lei cria mecanismos para coibir e prevenir a violência doméstica e familiar contra a mulher, nos termos do 8º do art. 226 da Constituição Federal, da Convenção sobre a Eliminação de Todas as Formas de Violência contra a Mulher, da Convenção Interamericana para Prevenir, Punir e Erradicar a Violência contra a Mulher e de outros tratados internacionais ratificados pela República Federativa do Brasil; dispõe sobre a criação dos Juizados de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher; e estabelece medidas de assistência e proteção às mulheres em situação de violência doméstica e familiar. Como vemos, a própria lei reconhece que o Estado brasileiro tem obrigação assumida quando da ratificação dos tratados internacionais citados, de promover o amparo das mulheres vítimas da violência doméstica e criar mecanismos eficientes para viabilizar sua ampla proteção. Como dissemos anteriormente, no capítulo em que tratamos da discriminação positiva, as iniciativas de ações 3. Disponível em: <http://1.folha.uol.com.br>. Acesso em: 17 ago

5 Capítulo X A Lei Maria da Penha Nº /06 afirmativas, que esta nova Lei é um exemplo, visam a corrigir a defasagem entre o ideal igualitário predominante e/ou legitimado nas sociedades democráticas modernas e um sistema de relações sociais marcado pela desigualdade e hierarquia. Tal fórmula tem abrigo em diversos dispositivos do ordenamento jurídico brasileiro precisamente por constituir um corolário ao princípio da igualdade, constante no art. 5º I, da CF. Nesse contexto, a proteção das mulheres vítimas da violência doméstica é plenamente justificável em razão da constatação empírica da sua grande ocorrência e dos graves problemas sociais que dela decorrem. Logo, não há que se falar em inconstitucionalidade desta lei, pois não fere o princípio da isonomia entre os sexos, muito pelo contrário, aplica a igualdade não apenas formal, mas material entre os gêneros. Estabelece a melhor doutrina que a correta interpretação desse dispositivo torna inaceitável a utilização do discrímen sexo, sempre que o mesmo seja eleito com o propósito de desnivelar materialmente o homem e a mulher; aceitando- -o, porém, quando a finalidade pretendida for atenuar as desigualdades, como ocorre na ampla maioria dos casos de violência doméstica, em que é flagrante a situação de vulnerabilidade da mulher vítima em relação ao agressor. Com isso não queremos dizer que todas as mulheres brasileiras estão em situação de hipossuficiência em relação aos homens, mas apenas aquelas vítimas da violência doméstica. Conseqüentemente, além de tratamentos diferenciados entre homens e mulheres previstos pela própria constituição (art. 7º, XVIII e XIX; 40, 1º, 143, 1º e 2º; 201, 7º), poderá a legislação infraconstitucional pretender atenuar os desníveis de tratamento em razão do sexo 4. (b) por suposta ofensa ao art. 98, I, da CF que prevê a criação dos juizados especiais criminais, já que a Lei nº /06 vedou sua aplicação à violência doméstica. A fragilidade dessa argumentação se percebe da singela leitura do art. 98, I, da Constituição, que reza: A União, no Distrito Federal e nos Territórios, e os Estados criarão: I juizados especiais, providos por juízes togados, ou togados e leigos, competentes para a conciliação, o julgamento e a execução de causas cíveis de menor complexidade e infrações penais de menor potencial ofensivo, mediante os procedimento oral e sumaríssimo, permitidos, na hipóteses previstas em lei, a transação e o julgamento de recursos por turmas de juízes de primeiro grau. 4. MORAES, Alexandre de. Direito Constitucional. 15 ed. São Paulo: Atlas, 2004, p. 69. MENDES, Gilmar Ferreira. Direitos Fundamentais e Controle de Constitucionalidade. Estudos de Direito Constitucional. 3 ed. São Paulo: Saraiva, 2004, p. 10. SILVA, José Afonso da. Curso de Direito Constitucional Positivo. 15 ed. São Paulo: Malheiros, 1998, p

6 Stela Valéria Soares de Farias Cavalcanti Esta breve leitura já basta para demonstrar que cabe à lei infraconstitucional estabelecer quais as infrações penais sujeitas à transação e aos demais institutos despenalizantes da Lei nº 9.099/95. Aliás, é a própria lei infraconstitucional que define quais as infrações penais de menor potencial ofensivo e, portanto, da alçada do Juizado Especial Criminal: art. 61, da Lei nº 9.099/95, com redação dada pela Lei nº /06 5. Verifica-se, pois, uma relação de regra e exceção: são infrações penais de menor potencial ofensivo e, portanto, da competência dos Juizados Especiais Criminais sujeitas, assim, aos institutos despenalizadores da Lei 9.099/95, todas as infrações penais cuja pena máxima cominada não exceda a 2 (dois) anos, exceto aquelas que, independentemente da pena cominada, decorram de violência doméstica ou familiar contra a mulher, nos termos dos arts. 41, c/c art. 5º e 7º da Lei nº /06. No dia , o Supremo Tribunal Federal julgou conjuntamente as Ações Declaratória de Constitucionalidade no 19 e Direta de Inconstitucionalidade no 4424, ocasião que reconheceu, por maioria, a constitucionalidade da Lei Maria da Penha que afastou a aplicação da Lei 9.099/95 para os casos de violência doméstica, e conferiu interpretação conforme à Constituição para atribuir a natureza de ação penal pública incondicionada para os crimes de lesão corporal leve e culposa. Importante ressaltar que, desde a primeira edição desta obra, já defendíamos estas teses que saíram vencedoras com as decisões do STF, para júbilo do movimento de mulheres do Brasil e todos que atuam no combate à violência doméstica no país. Depois destas decisões, a lesão corporal em caso de violência doméstica e familiar contra a mulher deve ser processada pelo Ministério Público, mesmo sem representação da vítima. E que não pode ser julgada por juizado especial, como se fosse de menor potencialidade ofensiva, mesmo em caso de lesão corporal leve. O Supremo Tribunal Federal confirmou a validade constitucional da Lei Maria da Penha (Lei /2006), em seu todo, com base no voto do relator, ministro Marco Aurélio, para o qual a lei não ofende o princípio da isonomia ao criar mecanismos para coibir a violência doméstica e familiar contra a mulher, 5. Art. 61. Consideram-se infrações de menor potencial ofensivo, para os efeitos desta Lei, as contravenções penais e os crimes a que a lei comine pena máxima não superior a 2 (dois) anos, cumulada ou não com multa. 206

7 Capítulo X A Lei Maria da Penha Nº /06 que é eminentemente vulnerável quando se trata de constrangimentos físicos, morais e psicológicos sofridos em âmbito privado. Os ministros consideraram que todos os artigos da lei que vinha tendo interpretações divergentes nas primeira e segunda instâncias estão de acordo com o princípio fundamental de respeito à dignidade humana, sendo instrumento de mitigação de uma realidade de discriminação social e cultural. 2. COMENTÁRIOS À LEI Nº /06 ARTIGO POR ARTIGO 2.1. Disposições preliminares LEI Nº de DOU Cria mecanismos para coibir a violência doméstica e familiar contra a mulher, nos termos do 8º do art. 226 da Constituição Federal, da Convenção sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação contra as Mulheres e da Convenção Interamericana para Prevenir, Punir e Erradicar a Violência contra a Mulher; dispõe sobre a criação dos Juizados de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher; altera o Código de Processo Penal, o Código Penal e a Lei de Execução Penal; e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: TÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º Esta Lei cria mecanismos para coibir e prevenir a violência doméstica e familiar contra a mulher, nos termos do 8º do art. 226 da Constituição Federal, da Convenção sobre a Eliminação de Todas as Formas de Violência contra a Mulher, da Convenção Interamericana para Prevenir, Punir e Erradicar a Violência contra a Mulher e de outros tratados internacionais ratificados pela República Federativa do Brasil; dispõe sobre a criação dos Juizados de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher; e estabelece medidas de assistência e proteção às mulheres em situação de violência doméstica e familiar. Art. 2º Toda mulher, independentemente de classe, raça, etnia, orientação sexual, renda, cultura, nível educacional, idade e religião, goza dos direitos fundamentais inerentes à pessoa humana, sendo-lhe asseguradas as oportunidades e facilidades para viver sem violência, preservar sua saúde física e mental e seu aperfeiçoamento moral, intelectual e social. Art. 3º Serão asseguradas às mulheres as condições para o exercício efetivo dos direitos à vida, à segurança, à saúde, à alimentação, à educação, à cultura, à moradia, ao acesso à justiça, ao esporte, ao lazer, ao trabalho, à cidadania, à liberdade, à dignidade, ao respeito e à convivência familiar e comunitária. 1º O poder público desenvolverá políticas que visem garantir os direitos humanos das mulheres no âmbito das relações domésticas e familiares no sen- 207

8 Stela Valéria Soares de Farias Cavalcanti 208 tido de resguardá-las de toda forma de negligência, discriminação, exploração, violência, crueldade e opressão. 2º Cabe à família, à sociedade e ao poder público criar as condições necessárias para o efetivo exercício dos direitos enunciados no caput. Art. 4º Na interpretação desta Lei, serão considerados os fins sociais a que ela se destina e, especialmente, as condições peculiares das mulheres em situação de violência doméstica e familiar. Comentários: Depois de realçar os objetivos da lei, o Título I apresenta as DISPOSI- ÇÕES PRELIMINARES. Cria mecanismos para coibir e prevenir a violência doméstica e familiar contra a mulher, nos termos do 8º do art. 226 da Constituição Federal, da Convenção sobre a Eliminação de Todas as Formas de Violência contra a Mulher, da Convenção Interamericana para Prevenir, Punir e Erradicar a Violência contra a Mulher e de outros tratados internacionais ratificados pela República Federativa do Brasil. Dispõe, ademais, sobre a criação dos Juizados de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher, estabelecendo medidas de assistência e proteção às mulheres em situação de violência doméstica e familiar. Inicialmente, podemos observar claramente a intenção do legislador ordinário de construir um aparato legal voltado à proteção das MULHERES vítimas da violência doméstica e familiar, em face dos índices estatísticos alarmantes no concernente a esta forma de criminalidade na família, bem como por serem elas as maiores vítimas. Além de apresentarem resposta positiva às reivindicações dos movimentos de mulheres e do sistema internacional de proteção aos direitos humanos que clamavam pela elaboração de uma legislação específica sobre a violência doméstica e familiar no Brasil. Importante ressaltar que não é correto pensar que apenas a mulher pode ser vítima da violência doméstica, já que da redação do art. 9º, do art. 129, do CP depreende-se que qualquer pessoa, seja homem ou mulher, pode ser vítima desta forma de criminalidade. O que a lei limita são as medidas de assistência e proteção, estas sim, aplicáveis apenas às mulheres vítimas da violência doméstica e familiar.trata, portanto, dos direitos básicos e da implementação de políticas públicas destinadas a tornar efetivos esses direitos (arts. 1º a 3º), consagrando ainda interpretação similar à contida na Lei de Introdução ao Código Civil de 1916 (art. 4º na interpretação desta lei, serão considerados os fins sociais a que ela se destina e, especialmente, as condições peculiares das mulheres em situação de violência doméstica e familiar, o título II (da violência doméstica e familiar contra a mulher) se preocupa em prever e conceituar os contextos, for-

9 Capítulo X A Lei Maria da Penha Nº /06 mas e condutas que implicarão violência doméstica e familiar contra a mulher (arts. 5º e 7º) 6 Vem reforçar, nos arts. 2º e 3º, o que já fora estabelecido pela Constituição Federal de 1988, em seus arts. 5º e 226, 5º, ou seja, o princípio da igualdade formal e material, além dos direitos fundamentais, reafirmando que toda mulher, independentemente de classe, raça, etnia, orientação sexual, renda, cultura, nível educacional, idade e religião, goza dos direitos fundamentais inerentes à pessoa humana, sendo-lhe asseguradas as oportunidades e facilidades para viver sem violência, preservar sua saúde física e mental e seu aperfeiçoamento moral, intelectual e social. Serão asseguradas às mulheres as condições para o exercício efetivo dos direitos à vida, à segurança, à saúde, à alimentação, à educação, à cultura, à moradia, ao acesso à justiça, ao esporte, ao lazer, ao trabalho, à cidadania, à liberdade, à dignidade, ao respeito e à convivência familiar e comunitária. Alguns autores criticam a lei nesse ponto, dizendo que ela foi redundante e obvia ao reafirmar todos estes direitos constitucionais, porém, acredito que a intenção dos legisladores foi apenas relembrar a todos e reforçar o que já está estampado na Constituição, tendo em vista que nos casos de violência doméstica e familiar os direitos fundamentais básicos das mulheres são violados diariamente pelos agressores 7. Neste caso, a obviedade tem motivação específica. Helena Omena Lopes de Faria e Mônica de Melo corroboram esta nossa afirmação: [...] É inegável, historicamente, que a construção legal e conceitual dos direitos humanos se deu, inicialmente, com a exclusão da mulher. Embora os principais documentos internacionais de direitos humanos e praticamente todas as Constituições da era moderna proclamem a igualdade de todos, essa igualdade, infelizmente, continua sendo compreendida em seu aspecto formal e estamos ainda longe de alcançar a igualdade real, substancial entre mulheres e homens [...] NOGUEIRA, Fernando Célio de Brito. Notas e reflexões sobre a Lei nº /06, que visa coibir a violência doméstica e familiar contra a mulher. JUS NAVIGANDI, Teresina, ano 10, n. 1146, 21 ago Disponível em:<http//www.jus2.uol.com.br/doutrina/texto.asp?id=8821>. Acesso em: 25 ago NUCCI, Guilherme de Souza. Série Estudo, Procuradoria Geral do Estado de São Paulo, n. 11, out. 1998, p Para este autor, o óbvio não precisa constar em lei, ainda mais se está dito, em termos mais adequados, pelo texto constitucional de maneira expressa e, identicamente, em convenções internacionais, ratificadas pelo Brasil, em plena vigência. 8. FARIA, Helena Omena Lopes; MELO, Mônica de. Leis penais e processuais penais comentadas. São Paulo: RT, 2006, p

10 Stela Valéria Soares de Farias Cavalcanti Para promover os direitos fundamentais, nada mais importante que o investimento maciço do Estado em políticas sociais. As políticas sociais são determinadas por ações que representam a qualidade de vida de um povo e devem ser estendidas a toda a população. São aquelas definidas pela primeira necessidade, ou seja, o trabalho, a educação, a saúde, a habitação, a segurança etc. O Estado é o devedor dessas políticas, principalmente quando se trata de direitos sociais, cuja prestação é exigida do Estado, obrigado a colocar à disposição da sociedade o serviço correspondente ao direito à proteção e segurança, por exemplo. Nesse contexto, deve o Estado promover políticas públicas visando à segurança das pessoas contra todas as formas de agressão, violação e violência. Por esse motivo, o art. 3º, 1º, reconheceu a obrigação do poder público (União, Estados, Distrito Federal e Municípios) de desenvolver políticas que visem a garantir os direitos humanos das mulheres no âmbito das relações domésticas e familiares no sentido de resguardá-las de toda forma de negligência, discriminação, exploração, violência, crueldade e opressão, proporcionando- -lhes segurança. Qualquer omissão do Estado brasileiro nesse campo configura publicidade negativa junto à comunidade internacional, possibilitando sanções e represálias Conceito de violência doméstica e familiar TÍTULO II DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR CONTRA A MULHER CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 5º Para os efeitos desta Lei, configura violência doméstica e familiar contra a mulher qualquer ação ou omissão baseada no gênero que lhe cause morte, lesão, sofrimento físico, sexual ou psicológico e dano moral ou patrimonial: I no âmbito da unidade doméstica, compreendida como o espaço de convívio permanente de pessoas, com ou sem vínculo familiar, inclusive as esporadicamente agregadas; II no âmbito da família, compreendida como a comunidade formada por indivíduos que são ou se consideram aparentados, unidos por laços naturais, por afinidade ou por vontade expressa; 9. CUNHA, Rogério Sanches; PINTO, Ronaldo Batista. Violência doméstica. São Paulo: RT, 2006, p

11 Capítulo X A Lei Maria da Penha Nº /06 III em qualquer relação íntima de afeto, na qual o agressor conviva ou tenha convivido com a ofendida, independentemente de coabitação. Parágrafo único. As relações pessoais enunciadas neste artigo independem de orientação sexual. Art. 6º A violência doméstica e familiar contra a mulher constitui uma das formas de violação dos direitos humanos. Comentários: Como dissemos anteriormente, a lei delimita o seu atendimento às mulheres vítimas de violência doméstica e familiar, por entender que a lógica da hierarquia de poder em nossa sociedade não privilegia as mulheres, bem como que estas são as maiores vítimas desta forma de criminalidade. Assim, busca atender aos princípios de ação afirmativa que têm por objetivo implementar ações direcionadas a segmentos sociais historicamente discriminados, como as mulheres, visando a corrigir desigualdades e promover a inclusão social por meio de políticas públicas específicas, dando a estes grupos um tratamento diferenciado que possibilite compensar as desvantagens sociais oriundas da situação de discriminação e exclusão a que foram expostas. Apesar de a lei tratar especificamente da violência doméstica contra a mulher entendemos que o crime de violência doméstica pode ter como sujeito passivo também os homens, em razão do que dispõe o art. 129, parágrafo 9º, do CP. 10 O caput do artigo 5º da Lei nº /06 define violência doméstica e familiar contra a mulher como toda espécie de agressão (ação ou omissão) dirigida contra mulher num determinado ambiente (doméstico, familiar ou de intimidade), baseada no gênero (feminino) que lhe cause morte, lesão, sofrimento físico, sexual ou psicológico e dano moral ou patrimonial. O art. 5º apresenta, pela primeira vez no Brasil, uma conceituação jurídica para o problema da violência doméstica e familiar, tendo em vista que anteriormente à Lei Maria da Penha, apenas a sociologia, a antropologia e a psicologia tinham conceitos e denominações específicas para este grave problema social. A Lei Maria da Penha foi bastante corajosa ao apresentar esta conceituação, posto que ampliou, sobremaneira o conceito desta forma de violação dos direitos humanos das mulheres. Agora, qualquer ação ou conduta que cause morte, lesão, 10. Art. 129, parágrafo 9º, do CP. Se a lesão for praticada contra ascendente, descendente, irmão, cônjuge ou companheiro, ou com quem conviva ou tenha convivido, ou, ainda, prevalecendo-se o agente das relações domésticas, de coabitação ou de hospitalidade: Pena detenção, de 3 (três) meses a 3 (três) anos. 211

12 Stela Valéria Soares de Farias Cavalcanti sofrimento físico, sexual, psicológico e dano moral ou patrimonial (inovações da lei) pode ser considerada violência doméstica, desde que seja praticada no âmbito das relações domésticas ou familiares. O Código Penal estabelece que é violência doméstica a lesão corporal praticada contra ascendente, descendente, irmão, cônjuge ou companheiro, com quem convivia ou tenha convivido... assim, a melhor interpretação desta norma é no sentido de que ela pode ter como sujeito passivo qualquer dessas pessoas relacionadas, independentemente de sexo. Quanto aos demais tipos penais enquadráveis no conceito amplo de violência doméstica, como o dano (violência patrimonial), a ameaça, a calúnia, a difamação, a injúria (violência moral) etc, a interpretação deve ser restritiva, ou seja, só pode ser considerada violência doméstica se praticado contra a mulher (entendida aquela que, por força do que dispõe o art , do Código Civil está apta ao casamento, ou seja, a maior de 16 anos 11 ), já que o art. 5º da Lei nº /06 dispõe que para os efeitos desta lei, configura violência doméstica e familiar contra a mulher qualquer ação ou omissão baseada no gênero que lhe cause morte, lesão, sofrimento físico, sexual ou psicológico e dano moral ou patrimonial. Na prática não há prejuízo para o homem que vier a ser vítima de quaisquer destes crimes praticados no ambiente familiar, já que deverá ser aplicado o tipo penal específico, dano, ameaça, difamação etc, sem, contudo, poder ser considerado violência doméstica em razão do que consta no seu art. 5º Por violência doméstica entendemos a ação ou omissão que ocorrer no espaço de convívio permanente de pessoas, com ou sem vínculo familiar, inclusive as esporadicamente agregadas (inc. I). Como unidade doméstica entende-se o local em que reside a mulher ou esteja temporariamente fixado domicílio. A violência contra a mulher poderá ser também familiar, desde que praticada por membros de uma mesma família, aqui entendida como a comunidade formada por indivíduos que são ou se consideram aparentados, unidos por laços naturais, por afinidade ou por vontade expressa (inc. II). Em qualquer relação íntima de afeto, na qual o agressor conviva ou tenha convivido com a ofendida, independentemente de coabitação, podendo ser sujeito ativo marido, companheiro, ex-marido, ex-companheiro, pai, padrasto, namorado etc. Depreende-se deste dispositivo que quem agredir uma mulher que está fora do âmbito doméstico, familiar ou da relação íntima do agente do fato não está sujeito à Lei /06. Vale dizer: quem ataca fisicamente uma mulher num 11. Art O homem e a mulher com dezesseis anos podem casar, exigindo-se autorização de ambos os pais, ou de seus representantes legais, enquanto não atingir a maioridade civil. 212

13 Capítulo X A Lei Maria da Penha Nº /06 estádio de futebol, num show musical, em uma praça etc, desde que essa vítima não tenha nenhum vínculo doméstico, familiar ou afetivo com o agressor, não estará sujeito à incidência desta lei. Aplicam-se, nesse caso, as disposições civis, penais e processuais do CP, CPP, CC, CPC 12. Merece comentário também a afirmação de alguns autores, minoritária, contudo, de que a empregada doméstica estaria amparada pela Lei de Violência doméstica. Entendemos que os legisladores ordinários não pensaram em proteger a mulher enquanto desempenhando atividades laborais, para tanto já existia a CLT, e vasta jurisprudência sobre Assédio Moral, entre outras. O que se pretendeu foi proteger a família vítima da violência doméstica, bem como a mulher sujeito passivo dessa forma de criminalidade, portanto, tenho que discordar veementemente daqueles que entendem ser possível aplicar esta lei às relações laborativas domésticas 13. O artigo 6., afirma que a violência doméstica contra a mulher constitui uma das formas de violação dos direitos humanos, independentemente da pena aplicada. Cuida-se de dispositivo encomendado para poder dar ensejo a eventual Incidente de Deslocamento de Competência, na forma dos arts. 109, V-A e 5º, da CF, dispositivos introduzidos pela Emenda Constitucional nº 45. Vale salientar que os crimes cometidos com violência doméstica e familiar contra a mulher continuam, em princípio, sendo da competência da Justiça Estadual. Assim como são, em princípio, qualquer crime contra os direitos humanos em razão de a competência da Justiça Federal em casos tais pressupõe a procedência do Incidente de Deslocamento, julgado pelo STJ, por iniciativa do Procurador-Geral da República Formas de violência doméstica e familiar CAPÍTULO II DAS FORMAS DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR CONTRA A MULHER Art. 7º São formas de violência doméstica e familiar contra a mulher, entre outras: I a violência física, entendida como qualquer conduta que ofenda sua integridade ou saúde corporal; 12. GOMES, Luis Flávio; BIANCHINI, Alice. Aspectos criminais da Lei de Violência contra a mulher. Disponível em: <http://www.jus2.uol.com.br/doutrina/texto.asp?id=8916>. Acesso em: 29 out DIAS, Maria Berenice. A Lei Maria da Penha da Justiça. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2007, p

14 Stela Valéria Soares de Farias Cavalcanti II a violência psicológica, entendida como qualquer conduta que lhe cause dano emocional e diminuição da auto-estima ou que lhe prejudique e perturbe o pleno desenvolvimento ou que vise degradar ou controlar suas ações, comportamentos, crenças e decisões, mediante ameaça, constrangimento, humilhação, manipulação, isolamento, vigilância constante, perseguição contumaz, insulto, chantagem, ridicularização, exploração e limitação do direito de ir e vir ou qualquer outro meio que lhe cause prejuízo à saúde psicológica e à autodeterminação; III a violência sexual, entendida como qualquer conduta que a constranja a presenciar, a manter ou a participar de relação sexual não desejada, mediante intimidação, ameaça, coação ou uso da força; que a induza a comercializar ou a utilizar, de qualquer modo, a sua sexualidade, que a impeça de usar qualquer método contraceptivo ou que a force ao matrimônio, à gravidez, ao aborto ou à prostituição, mediante coação, chantagem, suborno ou manipulação; ou que limite ou anule o exercício de seus direitos sexuais e reprodutivos; IV a violência patrimonial, entendida como qualquer conduta que configure retenção, subtração, destruição parcial ou total de seus objetos, instrumentos de trabalho, documentos pessoais, bens, valores e direitos ou recursos econômicos, incluindo os destinados a satisfazer suas necessidades; V a violência moral, entendida como qualquer conduta que configure calúnia, difamação ou injúria. Comentários: Seguindo orientação da Convenção de Belém do Pará e de outras recomendações internacionais, o artigo 7º da lei define claramente as formas de violência contra a mulher. De acordo com o Modelo de Leyes y Políticas sobre Violência Intrafamiliar contra las Mujeres, publicado em abril de 2004, pela Unidad, Género y Salud da Organização Mundial de Saúde OPS/OMS, toda legislação política e pública deve incluir as definições de violência contra a mulher em cada uma de suas manifestações: física, sexual, psicológica, moral e patrimonial 14. Esta inclusão constituiu um grande avanço para a proteção dos direitos das mulheres, em face da ampliação da definição de violência doméstica contra a mulher contida em seu texto, bem como pelo reconhecimento explícito da violência doméstica como violação dos direitos humanos. Anteriormente à edição da lei Maria da Penha só era considerada violência doméstica a lesão corporal que ocasionasse dano físico ou à saúde da mulher. Após a entrada em vigor desta nova lei qualquer ação ou omissão baseada no gênero que cause morte, lesão, 14. Art. 5º Disponível em: <http://www.in.gov.br/materias/xml/do/secao1/ xml>. Acesso em: 8 de ago Disponível em: <http//www.coc.fiocruz.br/hscience/vol4n3/art_cecilia.html>. Acesso em: 2 abr

15 Capítulo X A Lei Maria da Penha Nº /06 sofrimento físico, sexual ou psicológico e dano moral ou patrimonial à mulher é considerada violência doméstica. Segundo estabelece a Lei /06, a violência doméstica e familiar tem como modalidades: a violência física, sexual, psicológica, moral e patrimonial. Como violência física entende-se qualquer conduta que ofenda sua integridade ou saúde corporal. Como modalidade criminosa, podemos relacionar vários delitos como por exemplo: a contravenção de vias de fato 15, o delito de lesão corporal, em suas formas leve, grave ou gravíssima, e os crimes contra a vida, homicídio, aborto, induzimento, instigação ou auxílio ao suicídio (arts. 129, 9º e 10, 121, 125, 122 do CP). Consistem em socos, tapas, pontapés, empurrões, queimaduras, dolosa, visando, desse modo, ofender a integridade ou a saúde da mulher. É a forma mais comum de violência doméstica, apresentada desta forma por várias pesquisas nacionais e estrangeiras 16. A violência psicológica é considerada qualquer conduta que lhe cause dano emocional e diminuição da auto-estima ou que lhe prejudique e perturbe o pleno desenvolvimento ou que vise degradar ou controlar suas ações, comportamentos, crenças e decisões, mediante ameaça, constrangimento, humilhação, manipulação, isolamento, vigilância constante, perseguição contumaz, insulto, chantagem, ridicularização, exploração e limitação do direito de ir e vir ou qualquer outro meio que lhe cause prejuízo à saúde psicológica e à autodeterminação. É um conceito bastante amplo e abrangente. A violência psicológica é uma das mais comuns e menos reconhecidas formas de violência doméstica, a própria vítima, muitas vezes não a reconhece como algo injusto e ilícito. Porém, seus graves 15. A Lei nº /06 estabeleceu em seu art. 41 que aos crimes praticados com violência doméstica e familiar contra a mulher, independentemente da pena prevista, não se aplica a Lei nº 9.099, de 25 de setembro de 1995, retirando a competência para processar e julgar esses delitos dos Juizados Especiais. Nesse contexto, é importante ressaltar que a Lei nº /06 ao estabelecer, no art. 41 que a Lei nº 9.099/95 não mais se aplica aos crimes praticados com violência doméstica e familiar contra a mulher, não englobou na restrição, as contravenções penais. Logo, entendemos que para as contravenções penais praticadas com violência doméstica ainda podemos aplicar a Lei dos Juizados Especiais, a exemplo da contravenção de vias de fato, que continuará a ser apurada por T.C.O. (Termo circunstanciado de ocorrência) e encaminhada ao Juizado Especial Criminal para processo e julgamento, art. 21 do Decreto Lei nº 3.688/41 (Lei das Contravenções Penais). Nada mais justo, tendo em vista que, nesses casos, não se distingue quem é o agressor e quem é a verdadeira vítima, não sendo prudente aplicar a Lei Maria da Penha e seus mecanismos de proteção e punição. 16. Pesquisa do DataSenado concluiu em seu Relatório Analítico que das mulheres entrevistadas, 50% sofreram violência física, 11% sofreram violência psicológica e 17% já vivenciaram todos os tipos de violência. Secretaria de Pesquisa e Opinião Pública. Coordenação DataSenado Serviço de Pesquisa de Opinião. Disponível em:<http://www.senado.gov.br. Acesso em Neste sentido também foram os resultados da Pesquisa de Campo realizada em 2006/2007, pelo Laboratório de Direitos Humanos da Ufal, com 100 vítimas da violência doméstica em Maceió. 215

16 Stela Valéria Soares de Farias Cavalcanti danos à integridade física, mental e psicológica da vítima são amplamente reconhecidos pelos profissionais da saúde, sendo considerado um problema de saúde pública pela Organização Mundial de Saúde OMS. Por esta definição podem ser considerados violência psicológica os crimes de: ameaça, cárcere privado, constrangimento ilegal, violação de domicílio, entre outros (arts. 147, 148, I e 146, 150 do CP). A ação penal, no caso da ameaça, continua sendo pública condicionada à representação e nos demais casos a ação é pública incondicionada. A violência sexual é conceituada como qualquer conduta que a constranja a presenciar, a manter ou a participar de relação sexual não desejada, mediante intimidação, ameaça, coação ou uso da força; que a induza a comercializar ou a utilizar, de qualquer modo, a sua sexualidade, que a impeça de usar qualquer método contraceptivo ou que a force ao matrimônio, à gravidez, ao aborto ou à prostituição, mediante coação, chantagem, suborno ou manipulação; ou que limite ou anule o exercício de seus direitos sexuais e reprodutivos. A intenção dos legisladores foi clara. Dirimir qualquer dúvida ainda existente, de que é possível tipificar como crime de estupro e atentado violento ao pudor, arts. 213 e 214, do CP, o sexo não consentido e forçado praticados por marido, companheiro, namorado contra suas esposas, companheiras, namoradas etc. Apesar de a jurisprudência ser farta e a doutrina indicar a gravidade deste tipo de ação e a possibilidade de tipificação penal, alguns operadores do direito, por preconceito e discriminação contra a mulher, ainda deixavam de aplicar a norma legal, justificando a relação afetiva e de coabitação existente entre agressor e vítima. Agora não resta dúvida de que a violência sexual é VD, e, portanto, passível de punição penal e moral. A ação penal, nesses casos é privada, exceto se a vítima for pobre na forma da lei, quando então será pública condicionada à representação da ofendida. A violência patrimonial é entendida como qualquer conduta que configure retenção, subtração, destruição parcial ou total de seus objetos, instrumentos de trabalho, documentos pessoais, bens, valores e direitos ou recursos econômicos, incluindo os destinados a satisfazer suas necessidades. Esta é uma das mais comuns modalidades de VD. Geralmente quando ocorre a agressão e a mulher é obrigada a sair de sua residência, o agressor se aproveita desta situação e destrói bens e objetos pessoais da vítima, acarretando-lhe sérios transtornos e prejuízos. Assim, veio em muito boa hora esta conceituação mais ampla, posto que agora estes atos são reconhecidos como violência doméstica e passível de punição mais rigorosa. O dano é o delito que pode ser reconhecido como violência doméstica, segundo o Código Penal brasileiro, sendo de ação penal pública incondicionada. A violência moral é descrita como qualquer conduta que configure calúnia, difamação, injúria, inclusive denunciação caluniosa (art. 339, do CP). Caluniar alguém é a imputação falsa de fato definido como crime. Difamar alguém é 216

17 Capítulo X A Lei Maria da Penha Nº /06 imputar-lhe fato ofensivo à sua reputação. Injuriar alguém é ofender-lhe a dignidade ou o decoro. Os tipos penais de calúnia, difamação, injúria são crimes de ação penal privada, arts. 138, 139 e 140 do CP Competência para processar e julgar a violência doméstica e familiar Em face desta definição mais abrangente da violência doméstica, compreendendo ação ou omissão física, psicológica, sexual, patrimonial ou moral praticadas contra a mulher e ocorrida no âmbito das relações familiares, entendemos que a partir da vigência da Lei nº /06, a competência para processar e julgar todos os delitos que se enquadrem neste conceito será do juiz natural (nas comarcas de juízo único), do juiz criminal para o qual o processo for distribuído (nas comarcas com mais de um juízo) ou do juiz titular do juizado de violência doméstica (nas comarcas em que forem instalados juizados com competência específica) que poderá ser criado pelos Estados brasileiros, em face do que determina o art. 14 desta lei. Assim, os crimes sexuais (estupro, atentado violento ao pudor); crimes contra a honra (calúnia, injúria e difamação); crimes de dano e ameaça; crimes de constrangimento ilegal e cárcere privado; crime de tortura; constante na Lei nº 9.455/97, desde que praticados no âmbito familiar serão de sua competência. Exceções: as exceções a essa regra ficam por conta das competências definidas na Constituição Federal júri, crimes da competência da Justiça Federal, crimes da competência da Justiça Militar entre outros. No caso específico do homicídio (crime doloso contra a vida, art. 121, do CP) a competência continua sendo do Tribunal do Júri, incluindo-se o sumário de culpa (fase instrutória preliminar). Não será de imediato das varas criminais específicas, nem dos juizados de violência doméstica quando criados, a não ser nos casos de comarcas de varas únicas ou com competência exclusiva criminal. Contudo, se o Tribunal de Justiça do estado encaminhar lei à Assembléia Legislativa estabelecendo competência geral, como ocorreu com a Lei do Estado do Pará, não vejo qualquer inconstitucionalidade, já que o procedimento será mantido em todos os seus termos. Diga-se a mesma coisa em relação à competência da Justiça Federal: uma agressão do marido contra a mulher dentro de uma aeronave ou navio será da competência da Justiça Federal, art. 109, CF. Ademais, a lei nova não prevê a criação destes juizados no âmbito da Justiça Federal GOMES, Luis Flávio; BIANCHINI, Alice. Aspectos criminais da Lei de Violência contra a mulher. Disponível em: <http://www.jus2.uol.com.br/doutrina/texto.asp?id=8916>. Acesso em: 29 out

18 Stela Valéria Soares de Farias Cavalcanti Entendemos que apesar de a competência para processar e julgar os crimes contra a vida ser do Tribunal do Júri, nos casos de homicídio, na modalidade tentada, podem ser aplicadas todas as medidas cautelares de urgência constantes na nova lei pelo juiz competente para instruir o processo. Também não cabe mais a aplicação da Lei nº 9.099/95, a teor do disposto no art. 41 in verbis: aos crimes praticados com violência doméstica e familiar contra a mulher, independentemente da pena prevista, não se aplica a Lei nº 9.099, de 25 de setembro de Assim, no caso de violência doméstica ou familiar contra a mulher não mais se lavra o termo circunstanciado (mesmo quando a infração não conta com pena superior a dois anos), senão, procede-se à abertura de inquérito policial (com a medida paralela prevista no art. 12, III e 1º E 2º, da Lei nº /06), a denúncia deverá vir por escrito, cujo procedimento será o previsto no Código de Processo Penal. Todas as novas regras de competência estabelecidas pela Lei nº /06 foram dotadas de incidência imediata (no mesmo dia ), por força do art. 2º, do CPP (princípio da aplicação imediata da lei genuinamente processual). Mas os crimes ocorridos até continuarão regidos pelo direito anterior (mais benéfico), como veremos detalhadamente adiante, item Sujeitos Ativo A Lei Maria da Penha denomina o sujeito ativo das causas de violência doméstica como agressor, seguindo orientação de outras áreas do conhecimento, como a sociologia, a psicologia e a antropologia, tratando-o desta forma em vários dos seus artigos (Ex.: art. 5º, inciso III). Ademais, estabelece a referida lei, no parágrafo único do art. 5º, que as relações pessoais enunciadas neste artigo independem de orientação sexual, logo, depreende-se da análise deste dispositivo que tanto pode ser sujeito ativo dos delitos de violência doméstica o homem como a mulher, seja heterossexual ou homossexual e que a palavra agressor está posta como gênero. A Lei nº /04 criou uma nova circunstância para o delito de lesão corporal, estabelecendo como violência doméstica a lesão corporal provocada em ascendente, descendente, irmão, cônjuge ou companheiro, ou com quem convivia ou tenha convivido, ou, ainda, prevalecendo-se de relações domésticas, de coabitação ou de hospitalidade, art º e 10, do CP, logo podem ser sujeitos ativos e passivos do delito de VD tanto o homem quanto a mulher. 218

19 Capítulo X A Lei Maria da Penha Nº / Passivo Contudo, veio a Lei n /06 e criou mecanismos para coibir a violência doméstica e familiar contra a mulher. Logo, o sujeito passivo da Lei Maria da Penha, que não pode ser confundido com o sujeito passivo do crime de lesão corporal só pode ser a ofendida. O que impõe interpretação no sentido de que esta é tão-somente a mulher. Assim, todas as medidas de prevenção e proteção só podem ser aplicadas às mulheres vítimas da violência doméstica e familiar Medidas integradas de prevenção TÍTULO III DA ASSISTÊNCIA À MULHER EM SITUAÇÃO DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR CAPÍTULO I DAS MEDIDAS INTEGRADAS DE PREVENÇÃO Art. 8º A política pública que visa coibir a violência doméstica e familiar contra a mulher far-se-á por meio de um conjunto articulado de ações da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios e de ações não-governamentais, tendo por diretrizes: I a integração operacional do Poder Judiciário, do Ministério Público e da Defensoria Pública com as áreas de segurança pública, assistência social, saúde, educação, trabalho e habitação; II a promoção de estudos e pesquisas, estatísticas e outras informações relevantes, com a perspectiva de gênero e de raça ou etnia, concernentes às causas, às conseqüências e à freqüência da violência doméstica e familiar contra a mulher, para a sistematização de dados, a serem unificados nacionalmente, e a avaliação periódica dos resultados das medidas adotadas; III o respeito, nos meios de comunicação social, dos valores éticos e sociais da pessoa e da família, de forma a coibir os papéis estereotipados que legitimem ou exacerbem a violência doméstica e familiar, de acordo com o estabelecido no inciso III do art. 1º, no inciso IV do art. 3º e no inciso IV do art. 221 da Constituição Federal; IV a implementação de atendimento policial especializado para as mulheres, em particular nas Delegacias de Atendimento à Mulher; V a promoção e a realização de campanhas educativas de prevenção da violência doméstica e familiar contra a mulher, voltadas ao público escolar e à sociedade em geral, e a difusão desta Lei e dos instrumentos de proteção aos direitos humanos das mulheres; VI a celebração de convênios, protocolos, ajustes, termos ou outros instrumentos de promoção de parceria entre órgãos governamentais ou entre estes e entidades não-governamentais, tendo por objetivo a implementação de programas de erradicação da violência doméstica e familiar contra a mulher; 219

20 Stela Valéria Soares de Farias Cavalcanti 220 VII a capacitação permanente das Polícias Civil e Militar, da Guarda Municipal, do Corpo de Bombeiros e dos profissionais pertencentes aos órgãos e às áreas enunciados no inciso I quanto às questões de gênero e de raça ou etnia; VIII a promoção de programas educacionais que disseminem valores éticos de irrestrito respeito à dignidade da pessoa humana com a perspectiva de gênero e de raça ou etnia; IX o destaque, nos currículos escolares de todos os níveis de ensino, para os conteúdos relativos aos direitos humanos, à eqüidade de gênero e de raça ou etnia e ao problema da violência doméstica e familiar contra a mulher. Comentários: O art. 8º é uma norma de cunho propedêutico, que propõe a necessidade de estabelecer uma rede de proteção e ação integrada dos órgãos públicos como Poder Judiciário, Ministério Público, Defensorias públicas, com as áreas de segurança pública, assistência social, saúde, educação, trabalho e habitação a fim de unir esforços para aplicar de forma articulada e efetiva a presente lei de proteção às vítimas. Estabelece diretrizes básicas que devem ser observadas pelo Governo Federal, Estados e Municípios para que dentro de suas esferas de competência possam contribuir para a organização desta rede de proteção e amparo às mulheres em situação de violência, inclusive propõe a celebração de convênios, protocolos e ajustes, tendo por objetivo a implementação de programas de erradicação da VDF violência doméstica e familiar. Fomenta também a promoção de estudos e pesquisas, estatísticas e outras informações relevantes, com a perspectiva de gênero e de raça ou etnia, concernentes às causas, às conseqüências e à freqüência da violência doméstica e familiar contra a mulher, para a sistematização de dados, a serem unificados nacionalmente, e a avaliação periódica dos resultados das medidas adotadas. Esta é uma medida bastante salutar tendo em vista que o Brasil não tem o hábito de realizar pesquisas públicas sobre problemas sociais relevantes como a violência doméstica. A maioria das pesquisas existentes e apresentadas neste livro foram realizadas por organizações não governamentais, institutos de apoio às vítimas e grupos de mulheres que as organizaram com o intuito de dar maior visibilidade ao problema. Outro item relevante estabelecido no inciso IX, do art. 8º é o destaque, nos currículos escolares de todos os níveis de ensino, para os conteúdos relativos aos direitos humanos, à eqüidade de gênero e de raça ou etnia e ao problema da violência doméstica e familiar contra a mulher, pois se sabe que a educação, desde

LEI DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR Lei n. 11.340/06

LEI DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR Lei n. 11.340/06 LEI DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR Lei n. 11.340/06 PREVISÃO CONSTITUCIONAL 1) O art. 226, 8º CF, dispões que: O Estado assegurará a assistência à família na pessoa de cada um dos que a integram, criando

Leia mais

Lei Maria da Penha Lei 11.340/06

Lei Maria da Penha Lei 11.340/06 Legislação Penal Especial Aula 02 Professor Sandro Caldeira Lei Maria da Penha Lei 11.340/06 Art. 1 o Esta Lei cria mecanismos para coibir e prevenir a violência doméstica e familiar contra a mulher, nos

Leia mais

(1979) Convenção Sobre Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Contra a Mulher CEDAW

(1979) Convenção Sobre Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Contra a Mulher CEDAW (1979) Convenção Sobre Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Contra a Mulher CEDAW (1994) Convenção Interamericana para Prevenir, Punir e Erradicar a Violência Contra a Mulher (Convenção de Belém

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº de de 2015.

PROJETO DE LEI Nº de de 2015. PROJETO DE LEI Nº de de 2015. INSTITUI A POLÍTICA ESTADUAL PARA O SISTEMA INTEGRADO DE INFORMAÇÕES DE VIOLÊNCIA CONTRA O IDOSO NO ESTADO DE GOIÁS, DENOMINADO OBSERVATÓRIO ESTADUAL DA VIOLÊNCIA CONTRA O

Leia mais

Lei Maria da Penha Guia

Lei Maria da Penha Guia Lei Maria da Penha Guia COLEGAS: Quase um microssistema, a Lei n. 11.340/06 é um verdadeiro patrimônio jurídico: ela não se encerra em si mesma, trazendo um leque de providências protetivas à mulher, nas

Leia mais

BATERIA DE EXERCÍCIOS-LEI MARIA DA PENA

BATERIA DE EXERCÍCIOS-LEI MARIA DA PENA CURSO PREPARATÓRIO EAP-/2013- TODOS OS ALUNOS EXERCÍCIOS LEI MARIA DA PENHA- TODAS AS TURMAS- 31/01/14 PROFESSOR WILSON- BATERIA DE EXERCÍCIOS-LEI MARIA DA PENA 01- De acordo com a lei 11.340/06 conhecida

Leia mais

LEI MARIA DA PENHA. SARNEY FILHO Deputado Federal

LEI MARIA DA PENHA. SARNEY FILHO Deputado Federal CÂMARA DOS DEPUTADOS SARNEY FILHO Deputado Federal LEI MARIA DA PENHA Lei n o 11.340, de 7 de agosto de 2006, que cria mecanismos para coibir a violência doméstica e familiar contra a mulher. Centro de

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 11.340, DE 7 DE AGOSTO DE 2006. Cria mecanismos para coibir a violência doméstica e familiar contra a mulher, nos termos do

Leia mais

LEI Nº 11.340, DE 7 DE AGOSTO DE 2006.

LEI Nº 11.340, DE 7 DE AGOSTO DE 2006. LEI Nº 11.340, DE 7 DE AGOSTO DE 2006. Cria mecanismos para coibir a violência doméstica e familiar contra a mulher, nos termos do 8º do art. 226 da Constituição Federal, da Convenção sobre a Eliminação

Leia mais

LEI Nº 11.340, DE 7 DE AGOSTO DE 2006.

LEI Nº 11.340, DE 7 DE AGOSTO DE 2006. LEI Nº 11.340, DE 7 DE AGOSTO DE 2006. Cria mecanismos para coibir a violência doméstica e familiar contra a mulher, nos termos do 8 o do art. 226 da Constituição Federal, da Convenção sobre a Eliminação

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 11.340, DE 7 DE AGOSTO DE 2006. Cria mecanismos para coibir a violência doméstica e familiar contra a mulher, nos termos do

Leia mais

Lei Maria da Penha. Pelo fim da violência. ulher. contra a

Lei Maria da Penha. Pelo fim da violência. ulher. contra a Lei Maria da Penha Pelo fim da violência ulher contra a Ligação gratuita, 24 horas, para informações sobre a Lei Maria da Penha e os serviços para o atendimento às mulheres em situação de violência. Lei

Leia mais

Espelho Penal Peça. Endereçamento correto da interposição 1ª Vara Criminal do Município X 0 / 0,25

Espelho Penal Peça. Endereçamento correto da interposição 1ª Vara Criminal do Município X 0 / 0,25 Espelho Penal Peça O examinando deve redigir uma apelação, com fundamento no artigo 593, I, do Código de Processo Penal. A petição de interposição deve ser endereçada ao juiz de direito da 1ª vara criminal

Leia mais

VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER AGORA É CRIME!

VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER AGORA É CRIME! Márcio Marques. Aluno da Faculdade de Direito de Campos RJ, 1. Período, 2ª. Turma e da Fundação de Apoio ao Ensino, Pesquisa e Desenvolvimento da Polícia Civil RJ. E-mail: marciomarques1104@hotmail.com

Leia mais

VIOLÊNCIA DOMÉSTICA: UMA QUESTÃO DE SAÚDE PÚBLICA. IV Encontro de Enfermagem Ginecológica Rio de Janeiro - UERJ - Julho 2013. Cecília Teixeira Soares

VIOLÊNCIA DOMÉSTICA: UMA QUESTÃO DE SAÚDE PÚBLICA. IV Encontro de Enfermagem Ginecológica Rio de Janeiro - UERJ - Julho 2013. Cecília Teixeira Soares VIOLÊNCIA DOMÉSTICA: UMA QUESTÃO DE SAÚDE PÚBLICA IV Encontro de Enfermagem Ginecológica Rio de Janeiro - UERJ - Julho 2013 Cecília Teixeira Soares Relatório Mundial sobre Violência e Saúde Nas relações

Leia mais

NOVOS INSTRUMENTOS PERMITEM CONCRETIZAR DIREITOS HUMANOS NO STF E STJ

NOVOS INSTRUMENTOS PERMITEM CONCRETIZAR DIREITOS HUMANOS NO STF E STJ NOVOS INSTRUMENTOS PERMITEM CONCRETIZAR DIREITOS HUMANOS NO STF E STJ (Conjur, 10/12/2014) Alexandre de Moraes Na luta pela concretização da plena eficácia universal dos direitos humanos o Brasil, mais

Leia mais

Questões Fundamentadas Da Lei Maria da Penha Lei 11.340/2006

Questões Fundamentadas Da Lei Maria da Penha Lei 11.340/2006 1 Para adquirir a apostila digital de 150 Questões Comentadas Da Lei Maria da Penha - Lei 11.340/2006 acesse o site: www.odiferencialconcursos.com.br ATENÇÃO: ENTREGA SOMENTE VIA E-MAIL ESSA APOSTILA SERÁ

Leia mais

1. Em relação aos crimes contra a violência doméstica, analise as afirmações e em seguida assinale a alternativa correta.

1. Em relação aos crimes contra a violência doméstica, analise as afirmações e em seguida assinale a alternativa correta. 1. Em relação aos crimes contra a violência doméstica, analise as afirmações e em seguida assinale a alternativa correta. I. Por expressa determinação legal não se aplicam aos crimes praticados com violência

Leia mais

afetiva e sexual, seja como forma de ameaçar e demonstrar ciúmes, isso é violência patrimonial doméstica e intrafamiliar contra lésbicas/bissexuais.

afetiva e sexual, seja como forma de ameaçar e demonstrar ciúmes, isso é violência patrimonial doméstica e intrafamiliar contra lésbicas/bissexuais. Lei Maria da Penha em casos de lesbofobia: Você sabia que a Lei 11.340/06 não é só para casais, e muito menos só para casais heterossexuais? 17/10/2012 Pouca gente sabe, mas a Lei Maria da Penha foi criada

Leia mais

A APLICABILIDADE DA LEI Nº 11.340, DE 07 DE AGOSTO DE 2006 NA JUSTIÇA MILITAR

A APLICABILIDADE DA LEI Nº 11.340, DE 07 DE AGOSTO DE 2006 NA JUSTIÇA MILITAR A APLICABILIDADE DA LEI Nº 11.340, DE 07 DE AGOSTO DE 2006 NA JUSTIÇA MILITAR Jonas Guedes 1 Resumo: O tema abordado no presente artigo versará sobre o crime de lesão corporal, sob a égide do Direito Constitucional

Leia mais

Lei Maria da Penha: uma evolução histórica

Lei Maria da Penha: uma evolução histórica Lei Maria da Penha: uma evolução histórica Karina Balduino Leite e Rivadavio Anadão de Oliveira Guassú Maria da Penha foi uma entre as incontáveis vítimas de violência doméstica espalhadas pelo planeta.

Leia mais

Combate e prevenção à violência contra a mulher

Combate e prevenção à violência contra a mulher Combate e prevenção à violência contra a mulher O CIM - Centro Integrado de Atendimento à Mulher Vítima de Violência Doméstica e Familiar - tem por objetivo fazer valer a Lei n.º 11.340/06, Lei Maria da

Leia mais

Palavras-chaves: denuncia, consumo de álcool, consumo de drogas.

Palavras-chaves: denuncia, consumo de álcool, consumo de drogas. VIOLENCIA CONTRA A MULHER E A DEPENDENCIA FINACEIRA. UM ESTUDO DE CASO NO MUNICIPIO DE PITANGA. MARLY APARECIDA MAZUR MACHADO/UNICENTRO E-MAIL: maymazur@outlook.com SIMÃO TERNOSKI (ORIENTADOR)/UNICENTRO

Leia mais

LEI MARIA DA PENHA. Câmara dos Deputados

LEI MARIA DA PENHA. Câmara dos Deputados Câmara dos Deputados LEI MARIA DA PENHA Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006, que dispõe sobre mecanismos para coibir a violência doméstica e familiar contra a mulher. Centro de Documentação e Informação

Leia mais

CASOTECA DIREITO GV PRODUÇÃO DE CASOS 2011

CASOTECA DIREITO GV PRODUÇÃO DE CASOS 2011 CASOTECA DIREITO GV PRODUÇÃO DE CASOS 2011 CASOTECA DIREITO GV Caso do Campo de Algodão: Direitos Humanos, Desenvolvimento, Violência e Gênero ANEXO I: DISPOSITIVOS RELEVANTES DOS INSTRUMENTOS INTERNACIONAIS

Leia mais

CONVENÇÃO INTERAMERICANA PARA PREVENIR, PUNIR E ERRADICAR A VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER, CONVENÇÃO DE BELÉM DO PARÁ

CONVENÇÃO INTERAMERICANA PARA PREVENIR, PUNIR E ERRADICAR A VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER, CONVENÇÃO DE BELÉM DO PARÁ CONVENÇÃO INTERAMERICANA PARA PREVENIR, PUNIR E ERRADICAR A VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER, CONVENÇÃO DE BELÉM DO PARÁ (Adotada em Belém do Pará, Brasil, em 9 de junho de 1994, no Vigésimo Quarto Período Ordinário

Leia mais

Estado de Mato Grosso Município de Tangará da Serra www.tangaradaserra.mt.gov.br. - Fone (0xx65) 3311 4801 Assessoria Jurídica

Estado de Mato Grosso Município de Tangará da Serra www.tangaradaserra.mt.gov.br. - Fone (0xx65) 3311 4801 Assessoria Jurídica LEI Nº 3102 DE 14 DE ABRIL DE 2009. CRIA MECANISMOS PARA COIBIR E PREVENIR A DISCRIMINAÇÃO CONTRA A MULHER, GARANTINDO AS MESMAS OPORTUNIDADES DE ACESSO E VENCIMENTOS. A Câmara Municipal de Tangará da

Leia mais

VIOLÊNCIA INTRAFAMILIAR CONTRA A MULHER E AS REDES DE ATENDIMENTO

VIOLÊNCIA INTRAFAMILIAR CONTRA A MULHER E AS REDES DE ATENDIMENTO CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X VIOLÊNCIA INTRAFAMILIAR CONTRA A MULHER E AS REDES DE ATENDIMENTO

Leia mais

Conheça a lei que protege as mulheres da violência doméstica e familiar. Lei Maria da Penha. Lei nº 11.340/2006

Conheça a lei que protege as mulheres da violência doméstica e familiar. Lei Maria da Penha. Lei nº 11.340/2006 Conheça a lei que protege as mulheres da violência doméstica e familiar Lei nº 11.340/2006 Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006 Conheça a lei que protege as mulheres da violência doméstica e familiar

Leia mais

LEI Nº 11.340 MARIA DA PENHA. Escritório no Brasil

LEI Nº 11.340 MARIA DA PENHA. Escritório no Brasil MARIA DA PENHA Escritório no Brasil (MARIA DA PENHA) Novembro, 2012 Esta cartilha foi produzida no âmbito do Programa Conjunto Interagencial Segurança Cidadã: prevenindo a violência e fortalecendo a cidadania

Leia mais

LEI Nº 11.340 MARIA DA PENHA. Escritório no Brasil

LEI Nº 11.340 MARIA DA PENHA. Escritório no Brasil MARIA DA PENHA Escritório no Brasil (MARIA DA PENHA) Novembro, 2012 Esta cartilha foi produzida no âmbito do Programa Conjunto Interagencial Segurança Cidadã: prevenindo a violência e fortalecendo a cidadania

Leia mais

A Lei Maria da Penha e a Falta de Proteção da Vítima

A Lei Maria da Penha e a Falta de Proteção da Vítima A Lei Maria da Penha e a Falta de Proteção da Vítima Após uma longa luta das mulheres contra a violência doméstica, o legislador brasileiro criou a Lei 11.340, de 22 de setembro de 2006, que ficou conhecida

Leia mais

Curso de. Direito. Núcleo de Prática Jurídica. Lei Maria da Penha. Lei n.º 11.340, de 7 de agosto de 2006. www.faesa.br

Curso de. Direito. Núcleo de Prática Jurídica. Lei Maria da Penha. Lei n.º 11.340, de 7 de agosto de 2006. www.faesa.br Curso de Direito Núcleo de Prática Jurídica Lei Maria da Penha Lei n.º 11.340, de 7 de agosto de 2006 www.faesa.br mportante: Onde Procurar Atendimento na Grande Vitória Disque-Denúncia: 180 Delegacias

Leia mais

LEGISLAÇÃO. Professora Mariela Ribeiro Nunes Cardoso

LEGISLAÇÃO. Professora Mariela Ribeiro Nunes Cardoso Professora Mariela Ribeiro Nunes Cardoso Jornalista e advogada na Área Civil e Direito de Família. Especialização na Fundação Getúlio Vargas, graduada pelo Centro Universitário Eurípides de Marília e pela

Leia mais

Questões relevantes Parte Especial CP

Questões relevantes Parte Especial CP Direito Penal 2ª Fase OAB/FGV Aula 07 Professor Sandro Caldeira Questões relevantes Parte Especial CP Crimes contra a vida; ; Homicídio simples Art. 121 CP. Matar alguém: Pena - reclusão, de seis a vinte

Leia mais

Palavras-chave: Lei Maria da Penha. Violência doméstica e familiar entre militares. Justiça Militar. Crime militar. Polícia judiciária militar.

Palavras-chave: Lei Maria da Penha. Violência doméstica e familiar entre militares. Justiça Militar. Crime militar. Polícia judiciária militar. DA EVENTUAL APLICAÇÃO DE MEDIDAS PROTETIVAS PREVISTAS NA LEI MARIA DA PENHA NOS CASOS DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA A MULHER MILITAR Abelardo Julio da Rocha 1 RESUMO Em 1969, quando surgiram o Código Penal

Leia mais

LEI MARIA DA PENHA. 5ª edição. Série Legislação. Câmara dos Deputados

LEI MARIA DA PENHA. 5ª edição. Série Legislação. Câmara dos Deputados LEI MARIA DA PENHA 5ª edição Câmara dos Deputados Série Legislação Brasília 2016 LEI MARIA DA PENHA 5ª edição Mesa da Câmara dos Deputados 55ª Legislatura 2015-2019 2ª Sessão Legislativa Presidente Eduardo

Leia mais

PARECER Nº, DE 2010. RELATOR: Senador RENATO CASAGRANDE

PARECER Nº, DE 2010. RELATOR: Senador RENATO CASAGRANDE PARECER Nº, DE 2010 Da COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA E CIDADANIA, em caráter terminativo, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 37, de 2010, da Senadora Lúcia Vânia, que altera o art. 10 do Código de

Leia mais

Maria da Penha. Coíbe a violência doméstica e familiar contra a mulher. Lei. CONTEC Confederação Nacional dos Trabalhadores nas Empresas de Crédito

Maria da Penha. Coíbe a violência doméstica e familiar contra a mulher. Lei. CONTEC Confederação Nacional dos Trabalhadores nas Empresas de Crédito Lei Maria da Penha Lei n 0 11.340/06 Coíbe a violência doméstica e familiar contra a mulher CONTEC Confederação Nacional dos Trabalhadores nas Empresas de Crédito Lei Maria Penha da Lei n 0 11.340/06 Lei

Leia mais

Recentes decisões Lei Maria da Penha

Recentes decisões Lei Maria da Penha Recentes decisões Lei Maria da Penha Profa. Alice Bianchini Doutora em Direito Penal PUC/SP Recentes decisões Lei Maria da Penha Bloco 1 Destinatários da Lei Quem pode ser destinatário? Transexual? Homossexual

Leia mais

LEIS PENAIS ESPECIAIS

LEIS PENAIS ESPECIAIS LEIS PENAIS ESPECIAIS Prof. Marcel Figueiredo Gonçalves Especialista em Direito Penal e Direito Processual Penal (PUC-SP) Mestre em Ciências Jurídico-Criminais (Universidade de Lisboa) www.cienciacriminal.com

Leia mais

Lei Maria da Penha. Raquel de Andrade Teixeira Cardoso 1 INTRODUÇÃO

Lei Maria da Penha. Raquel de Andrade Teixeira Cardoso 1 INTRODUÇÃO Lei Maria da Penha 123 Raquel de Andrade Teixeira Cardoso 1 INTRODUÇÃO De acordo com conceito firmado em 1994, em Belém/PA, na Convenção Interamericana para Prevenir, Punir e Erradicar a Violência contra

Leia mais

Brasília 2014. Câmara dos Deputados LEI MARIA DA PENHA. 4ª edição. Série Legislação

Brasília 2014. Câmara dos Deputados LEI MARIA DA PENHA. 4ª edição. Série Legislação Brasília 2014 Câmara dos Deputados LEI MARIA DA PENHA 4ª edição Série Legislação LEI MARIA DA PENHA 4ª edição Mesa da Câmara dos Deputados 54ª Legislatura 2011-2015 4ª Sessão Legislativa Presidente Henrique

Leia mais

CONVENÇÃO INTERAMERICANA PARA PREVENIR, PUNIR E ERRADICAR A VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER, CONVENÇÃO DE BELÉM DO PARÁ

CONVENÇÃO INTERAMERICANA PARA PREVENIR, PUNIR E ERRADICAR A VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER, CONVENÇÃO DE BELÉM DO PARÁ CONVENÇÃO INTERAMERICANA PARA PREVENIR, PUNIR E ERRADICAR A VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER, CONVENÇÃO DE BELÉM DO PARÁ (Adotada em Belém do Pará, Brasil, em 9 de junho de 1994, no Vigésimo Quarto Período Ordinário

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR EFICÁCIA DA LEI MARIA DA PENHA

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR EFICÁCIA DA LEI MARIA DA PENHA EFICÁCIA DA LEI MARIA DA PENHA Renan De Marchi Moreno Acadêmico de Direito na Universidade Unicastelo Fernandópolis-SP Orientadora: Profa. Denise Cristina de Matto Garcia RESUMO: O presente trabalho tem

Leia mais

DECRETO Nº 6.044, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2007.

DECRETO Nº 6.044, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2007. DECRETO Nº 6.044, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2007. Aprova a Política Nacional de Proteção aos Defensores dos Direitos Humanos - PNPDDH, define prazo para a elaboração do Plano Nacional de Proteção aos Defensores

Leia mais

VIolênCIA. VoCê. saber. contra a mulher. PrECIsA. Coordenação Associação das Trabalhadoras Domésticas e Centro de Ação Cultural - Centrac

VIolênCIA. VoCê. saber. contra a mulher. PrECIsA. Coordenação Associação das Trabalhadoras Domésticas e Centro de Ação Cultural - Centrac VoCê PrECIsA saber Coordenação Associação das Trabalhadoras Domésticas e Centro de Ação Cultural - Centrac Texto Maria Madalena de Medeiros / Ana Patrícia Sampaio de Almeida Projeto Gráfico Áurea Olimpia

Leia mais

Das diretrizes gerais

Das diretrizes gerais PROJETO DE LEI Nº, DE 2013 (Do Sr. Anderson Ferreira) Dispõe sobre o Estatuto da Família e dá outras providências. O Congresso Nacional decreta: Art. 1º Esta Lei institui o Estatuto da Família e dispõe

Leia mais

3) Conceito de violência doméstica ou familiar contra mulher (art. 5º): toda ação ou omissão:

3) Conceito de violência doméstica ou familiar contra mulher (art. 5º): toda ação ou omissão: MATERIAL DE APOIO - ENVIADO PELO PROFESSOR Índice 1. Síntese Lei Maria da Penha LEI MARIA DA PENHA (11.340/06) a) I - Ementa da aula 1)Histórico legislativo a) 1988: constituição federal (artigo 226 )

Leia mais

Responsabilidades, Atribuições e Competências

Responsabilidades, Atribuições e Competências 1 35 Lei n o 11.340/2006 1 2 Lei n o 11.340 de 7 de agosto de 2006 - Coíbe a violência doméstica e familiar contra a Mulher - Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres Presidência da República

Leia mais

2a edição. Legislação

2a edição. Legislação Legislação Câmara dos Deputados Lei Maria da Penha A série Legislação reúne normas jurídicas, textos ou conjunto de textos legais sobre matérias específicas, com o objetivo de facilitar o acesso da sociedade

Leia mais

4 NOÇÕES DE DIREITO E LEGISLAÇÃO EM INFORMÁTICA

4 NOÇÕES DE DIREITO E LEGISLAÇÃO EM INFORMÁTICA 4 NOÇÕES DE DIREITO E LEGISLAÇÃO EM INFORMÁTICA 4.1 Legislação aplicável a crimes cibernéticos Classifica-se como Crime Cibernético: Crimes contra a honra (injúria, calúnia e difamação), furtos, extorsão,

Leia mais

Direitos Humanos: As múltiplas faces da violência

Direitos Humanos: As múltiplas faces da violência Direitos Humanos: As múltiplas faces da violência Material didático destinado à sistematização do conteúdo da disciplina Direitos Humanos Publicação no semestre 2015.1 do curso de Direito. Autor: Jean

Leia mais

Por uma vida sem violência

Por uma vida sem violência Lei Maria da Penha v007.indd Spread 1 of 18 - Pages(36, 1) 26/02/10 19:55 Lei Maria da Penha v007.indd Spread 2 of 18 - Pages(2, 35) 26/02/10 19:55 28 de Setembro: Dia pela Descriminação do Aborto na America

Leia mais

PARECER - Instituto dos Advogados Brasileiros (IAB)

PARECER - Instituto dos Advogados Brasileiros (IAB) PARECER - Instituto dos Advogados Brasileiros (IAB) Autor: Consócio Jacksohn Grossman Matéria: Nova Lei de Crimes Resultantes de Discriminação e Preconceito Relatora: Victoria-Amália de Barros Carvalho

Leia mais

LEVANTAMENTO DOS MARCOS LÓGICOS E LEGAIS DO SERVIÇO DE ATENÇÃO À MULHER SOB VIOLÊNCIA DE GÊNERO

LEVANTAMENTO DOS MARCOS LÓGICOS E LEGAIS DO SERVIÇO DE ATENÇÃO À MULHER SOB VIOLÊNCIA DE GÊNERO 1. Marco Lógico LEVANTAMENTO DOS MARCOS LÓGICOS E LEGAIS DO SERVIÇO DE ATENÇÃO À MULHER SOB VIOLÊNCIA DE GÊNERO Publicação/Origem NORMATIVAS INTERNACIONAIS DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS Declaração

Leia mais

Competência dos JVDFM nos casos de criança ou adolescente do sexo feminino vítima de violência de gênero

Competência dos JVDFM nos casos de criança ou adolescente do sexo feminino vítima de violência de gênero Competência dos JVDFM nos casos de criança ou adolescente do sexo feminino vítima de violência de gênero Alice Bianchini Doutora em Direito Penal (PUC-SP). Mestra em Direito (UFSC). Coeditora do Portal

Leia mais

Estatística referente à violência doméstica contra a mulher no Distrito Federal 2006-2013

Estatística referente à violência doméstica contra a mulher no Distrito Federal 2006-2013 Estatística referente à violência doméstica contra a mulher no Distrito Federal 2006-2013 1. Denúncias Oferecidas pelo Ministério Público Denúncias oferecidas em feitos de Violência Doméstica entre 2006

Leia mais

DIREITO PROCESSUAL PENAL COMPETÊNCIAS

DIREITO PROCESSUAL PENAL COMPETÊNCIAS DIREITO PROCESSUAL PENAL COMPETÊNCIAS Atualizado em 03/11/2015 4. Competência Material Ratione Materiae: Divide-se em competência da Justiça Estadual, Federal, Eleitoral e Militar (não falamos da Justiça

Leia mais

Convenção Interamericana para Prevenir, Punir e Erradicar a Violência Contra a Mulher "Convenção de Belém do Pará" (1994)

Convenção Interamericana para Prevenir, Punir e Erradicar a Violência Contra a Mulher Convenção de Belém do Pará (1994) Convenção Interamericana para Prevenir, Punir e Erradicar a Violência Contra a Mulher "Convenção de Belém do Pará" (1994) * Adotada pela Assembléia Geral da Organização dos Estados Americanos em 6 de junho

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal RECLAMAÇÃO 15.309 SÃO PAULO RELATORA RECLTE.(S) PROC.(A/S)(ES) RECLDO.(A/S) ADV.(A/S) INTDO.(A/S) ADV.(A/S) : MIN. ROSA WEBER :MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SÃO PAULO :PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA DO

Leia mais

Blumenau, 24 de junho de 2015. Ilustríssimo(a) Senhor(a) Vereador(a).

Blumenau, 24 de junho de 2015. Ilustríssimo(a) Senhor(a) Vereador(a). 1 Ofício nº 01/2015 - CDS - OAB/BLUMENAU Aos(as) Excelentíssimos(as) Vereadores(as) de Blumenau. Blumenau, 24 de junho de 2015. Ilustríssimo(a) Senhor(a) Vereador(a). Conforme se denota do sítio eletrônico,

Leia mais

JEFFERSON PHILIPE CLARO SCHELBAUER

JEFFERSON PHILIPE CLARO SCHELBAUER JEFFERSON PHILIPE CLARO SCHELBAUER ANTINOMIA ENTRE O DIREITO PENAL MILITAR E A LEI N 11.340, DE 7 DE AGOSTO DE 2006, LEI MARIA DA PENHA, PARA CASAL DE MILITARES CURITIBA 2014 JEFFERSON PHILIPE CLARO SCHELBAUER

Leia mais

Capítulo 1 Crimes Hediondos Lei 8.072/1990

Capítulo 1 Crimes Hediondos Lei 8.072/1990 Sumário Prefácio... 11 Apresentação dos autores... 13 Capítulo 1 Crimes Hediondos Lei 8.072/1990 1. Para entender a lei... 26 2. Aspectos gerais... 28 2.1 Fundamento constitucional... 28 2.2 A Lei dos

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO RESOLUÇÃO N.º 13, DE 02 DE OUTUBRO DE 2006. (Alterada pela Res. 111/2014) Regulamenta o art. 8º da Lei Complementar 75/93 e o art. 26 da Lei n.º 8.625/93, disciplinando, no âmbito do Ministério Público,

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE SERGIPE UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE

INSTITUTO FEDERAL DE SERGIPE UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE INSTITUTO FEDERAL DE SERGIPE UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE TECENDO E DISCUTINDO A REDE DE ATENÇÃO A MULHER Marluce da Silva Santana 1 Jessica Dariane Conceição de Brito 2 Carine dos Santos Conceição

Leia mais

VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR E SEU RESPECTIVO TRATAMENTO PENAL ENTRE HOMENS E MULHERES.

VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR E SEU RESPECTIVO TRATAMENTO PENAL ENTRE HOMENS E MULHERES. 1 VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR E SEU RESPECTIVO TRATAMENTO PENAL ENTRE HOMENS E MULHERES. FELIPE VITTIG GHIRALDELLI 1 felipeghiraldelli@gmail.com TAIS DE PAULA BALBINO 2 taisbalbino.a@hotmail.com Resumo

Leia mais

Responsabilidades, Atribuições e Competências

Responsabilidades, Atribuições e Competências 1 35 Lei n o 11.340/2006 1 2 Lei n o 11.340 de 7 de agosto de 2006 - Coíbe a violência doméstica e familiar contra a Mulher - Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres Presidência da República

Leia mais

Estudo da Legislação Penal de Combate ao Racismo

Estudo da Legislação Penal de Combate ao Racismo Estudo da Legislação Penal de Combate ao Racismo Professor: Almiro de Sena Soares Filho 1. Introdução A declaração de direitos humanos da Organização das Nações Unidas de 1948 significou um divisor de

Leia mais

ASPECTOS PROCEDIMENTAIS DA LEI MARIA DA PENHA E SEUS REFLEXOS NO ÂMBITO DAS RELAÇÕES FAMILIARES

ASPECTOS PROCEDIMENTAIS DA LEI MARIA DA PENHA E SEUS REFLEXOS NO ÂMBITO DAS RELAÇÕES FAMILIARES ASPECTOS PROCEDIMENTAIS DA LEI MARIA DA PENHA E SEUS REFLEXOS NO ÂMBITO DAS RELAÇÕES FAMILIARES THAIS CÂMARA MAIA FERNANDES COELHO 1 RESUMO: Considerando o histórico da violência doméstica sofrida pelas

Leia mais

Violência Contra as Mulheres no Âmbito das Relações Domésticas e Familiares. Acesso à Justiça. Direitos Fundamentais

Violência Contra as Mulheres no Âmbito das Relações Domésticas e Familiares. Acesso à Justiça. Direitos Fundamentais Violência Contra as Mulheres no Âmbito das Relações Domésticas e Familiares. Acesso à Justiça. Direitos Fundamentais 87 Marco Antonio Novaes de Abreu 1 INTRODUÇÃO Este trabalho, longe de pretender esgotar

Leia mais

Primeiras impressões sobre o feminicídio Lei nº 13.104/2015. César Dario Mariano da Silva Promotor de Justiça SP

Primeiras impressões sobre o feminicídio Lei nº 13.104/2015. César Dario Mariano da Silva Promotor de Justiça SP Primeiras impressões sobre o feminicídio Lei nº 13.104/2015. César Dario Mariano da Silva Promotor de Justiça SP A Lei nº 13.104, de 09 de março de 2015 criou em nossa legislação a figura do feminicídio,

Leia mais

a) física, entendida como qualquer conduta que ofenda sua integridade ou saúde corporal;

a) física, entendida como qualquer conduta que ofenda sua integridade ou saúde corporal; ASPECTOS JURÍDICOS DA LEI MARIA DA PENHA NA PREVENÇÃO E COMBATE À VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER. LUCIANA SANTOS SILVA 1 Em entrevista, a advogada, presidente da Comissão da Mulher Advogada da OAB Ordem dos

Leia mais

ENUNCIADOS. Suspensão Condicional do Processo. Lei Maria da Penha e Contravenções Penais

ENUNCIADOS. Suspensão Condicional do Processo. Lei Maria da Penha e Contravenções Penais ENUNCIADOS Suspensão Condicional do Processo Enunciado nº 01 (001/2011): Nos casos de crimes de violência doméstica e familiar contra a mulher não se aplica a suspensão condicional do processo. (Aprovado

Leia mais

Lei MARIA DA PENHA 3 anos depois

Lei MARIA DA PENHA 3 anos depois Lei MARIA DA PENHA 3 anos depois Três anos depois, lei Maria da Penha diversifica perfil de mulheres que procuram ajuda contra violência doméstica. Quais são os resultados trazidos pela lei Maria da Penha?

Leia mais

Comentários à Lei Maria da Penha

Comentários à Lei Maria da Penha Comentários à Lei Maria da Penha Dentre todos os tipos de violência contra a mulher, existentes no mundo, aquela praticada no ambiente familiar é uma das mais cruéis e perversas. O lar, identificado como

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO. PROJETO DE LEI Nº 4.548, DE 1998 (Apensos os Projetos de Lei nºs 4.602/98, 4.790/98 e 1.

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO. PROJETO DE LEI Nº 4.548, DE 1998 (Apensos os Projetos de Lei nºs 4.602/98, 4.790/98 e 1. COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO PROJETO DE LEI Nº 4.548, DE 1998 (Apensos os Projetos de Lei nºs 4.602/98, 4.790/98 e 1.901/99) Dá nova redação ao caput do artigo 32 da Lei nº 9.605, de

Leia mais

Gênero, Acesso à Justiça e Violência Contra as Mulheres

Gênero, Acesso à Justiça e Violência Contra as Mulheres Gênero, Acesso à Justiça e Violência Contra as Mulheres 11 Bianca Paes Noto 1 INTRODUÇÃO Inicialmente, é oportuno destacar que grande parte dos casos abrangidos pelo Juizado Especial Criminal se referiam

Leia mais

Agressão não é carinho. Insulto não é elogio. Violência contra a mulher: Não perdoe. Denuncie!

Agressão não é carinho. Insulto não é elogio. Violência contra a mulher: Não perdoe. Denuncie! Campanha permanente do Ministério Público MARIA DA PENHA EM AÇÃO: Prevenção da Violência Doméstica nas Instituições de Ensino Agressão não é carinho. Insulto não é elogio. Violência contra a mulher: Não

Leia mais

PROJETO DE LEI. O CONGRESSO NACIONAL decreta: TÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

PROJETO DE LEI. O CONGRESSO NACIONAL decreta: TÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES PROJETO DE LEI Cria mecanismos para coibir a violência doméstica e familiar contra a mulher, nos termos do 8 o do art. 226 da Constituição Federal, e dá outras providências. O CONGRESSO NACIONAL decreta:

Leia mais

RECOMENDAÇÃO GERAL N.º 19 (VIOLÊNCIA CONTRA AS MULHERES)

RECOMENDAÇÃO GERAL N.º 19 (VIOLÊNCIA CONTRA AS MULHERES) RECOMENDAÇÃO GERAL N.º 19 (VIOLÊNCIA CONTRA AS MULHERES) Décima primeira sessão, 1992 Antecedentes 1. A violência baseada no género é uma forma de discriminação que inibe a capacidade das mulheres de gozarem

Leia mais

Violência doméstica: cinco anos de punição mais rígida para agressores

Violência doméstica: cinco anos de punição mais rígida para agressores Violência doméstica: cinco anos de punição mais rígida para agressores A Lei Maria da Penha trouxe da sombra uma realidade escondida nos lares brasileiros. A violência praticada contra a mulher no ambiente

Leia mais

Direitos Humanos - Lei Maria da Penha: O Que. Conquistamos e o Que Podemos Conquistar?

Direitos Humanos - Lei Maria da Penha: O Que. Conquistamos e o Que Podemos Conquistar? Direitos Humanos - Lei Maria da Penha: O Que Conquistamos e o Que Podemos Conquistar? Material didático destinado à sistematização do conteúdo da disciplina Direitos Humanos Publicação no semestre 2015.1

Leia mais

PROJETO DE LEI N o 6.622, DE 2013 (Apenso o Projeto de Lei nº 7.490, de 2014)

PROJETO DE LEI N o 6.622, DE 2013 (Apenso o Projeto de Lei nº 7.490, de 2014) COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA PROJETO DE LEI N o 6.622, DE 2013 (Apenso o Projeto de Lei nº 7.490, de 2014) Altera o Decreto-Lei nº 2.848, de 7 de dezembro de 1940 (Código Penal) para tipificar

Leia mais

O OLHAR DAS UNIVERITÁRIAS ESTUDANTES DO CURSO DE GRADUAÇÃO DE ECONOMIA DOMÉSTICA SOBRE A VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA A MULHER RESUMO

O OLHAR DAS UNIVERITÁRIAS ESTUDANTES DO CURSO DE GRADUAÇÃO DE ECONOMIA DOMÉSTICA SOBRE A VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA A MULHER RESUMO O OLHAR DAS UNIVERITÁRIAS ESTUDANTES DO CURSO DE GRADUAÇÃO DE ECONOMIA DOMÉSTICA SOBRE A VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA A MULHER Lívia Rodrigues 1 Ana Beatriz de Melo Holanda, 2 Natiane Muliterno da Cunha

Leia mais

Atendimento Policial a Vítimas de Violência Doméstica

Atendimento Policial a Vítimas de Violência Doméstica Pág. 01 Pág. 02 Pág. 03 Pág. 04 Pág. 05 Pág. 06 Pág. 07 Pág. 08 As condutas delituosas inseridas no contexto da Violência Doméstica e/ou familiar contra a mulher receberam uma conceituação legal a partir

Leia mais

Lei Maria da Penha. Lei nº 11.340. De 7 de agosto de 2006. Coíbe a violência doméstica e familiar contra a Mulher

Lei Maria da Penha. Lei nº 11.340. De 7 de agosto de 2006. Coíbe a violência doméstica e familiar contra a Mulher Lei Maria da Penha Lei nº 11.340 De 7 de agosto de 2006 Coíbe a violência doméstica e familiar contra a Mulher Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres Presidência da República Brasília 2006 Visite

Leia mais

NÃO EXISTE ANALOGIA SUBSTANCIAL PARA CRIANÇA, ADOLESCENTE, IDOSO, ENFERMO E PESSOA COM DEFICIÊNCIA NO ENFRENTAMENTO À VIOLÊNCIA DOMÉSTICA

NÃO EXISTE ANALOGIA SUBSTANCIAL PARA CRIANÇA, ADOLESCENTE, IDOSO, ENFERMO E PESSOA COM DEFICIÊNCIA NO ENFRENTAMENTO À VIOLÊNCIA DOMÉSTICA NÃO EXISTE ANALOGIA SUBSTANCIAL PARA CRIANÇA, ADOLESCENTE, IDOSO, ENFERMO E PESSOA COM DEFICIÊNCIA NO ENFRENTAMENTO À VIOLÊNCIA DOMÉSTICA Por Carlos Eduardo Rios do Amaral Caro leitor, observe bem esta

Leia mais

LATROCÍNIO COM PLURALIDADE DE VÍTIMAS

LATROCÍNIO COM PLURALIDADE DE VÍTIMAS LATROCÍNIO COM PLURALIDADE DE VÍTIMAS ALESSANDRO CABRAL E SILVA COELHO - alessandrocoelho@jcbranco.adv.br JOSÉ CARLOS BRANCO JUNIOR - jcbrancoj@jcbranco.adv.br Palavras-chave: crime único Resumo O presente

Leia mais

LEI MARIA DA PENHA Lei n o 11.340

LEI MARIA DA PENHA Lei n o 11.340 LEI MARIA DA PENHA Lei n o 11.340 Câmara dos Deputados ação parlamentar Procuradoria Especial da Mulher Brasília ı 2010 Mesa da Câmara dos Deputados 53ª Legislatura 4ª Sessão Legislativa 2010 Presidente

Leia mais

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento;

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Objetivo geral Promover a igualdade no mundo do trabalho e a autonomia

Leia mais

ESCOLA DE FORMAÇÃO 2007 ESTUDO DIRIGIDO. Liberdade de profissão

ESCOLA DE FORMAÇÃO 2007 ESTUDO DIRIGIDO. Liberdade de profissão ESCOLA DE FORMAÇÃO 2007 ESTUDO DIRIGIDO Liberdade de profissão Preparado por Carolina Cutrupi Ferreira (Escola de Formação, 2007) MATERIAL DE LEITURA PRÉVIA: 1) Opinião Consultiva n. 5/85 da Corte Interamericana

Leia mais

Glossário do Programa Pró-equidade

Glossário do Programa Pró-equidade Glossário do Programa Pró-equidade Assédio Moral no Trabalho É a vivência de situações humilhantes e constrangedoras no ambiente de trabalho, caracterizadas por serem repetitivas e prolongadas ao longo

Leia mais

A NOVA POSTURA LEGISLATIVA NO COMBATE À VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR CONTRA A MULHER

A NOVA POSTURA LEGISLATIVA NO COMBATE À VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR CONTRA A MULHER A NOVA POSTURA LEGISLATIVA NO COMBATE À VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR CONTRA A MULHER Tatiana Bellotti Furtado Ao analisarmos a trajetória das mulheres na luta pelo reconhecimento de seus direitos, remetemo-nos

Leia mais

Mais uma falha legislativa na tentativa desesperada de retificar o Código de Processo Penal. Análise feita à luz da Lei nº. 12.403/11.

Mais uma falha legislativa na tentativa desesperada de retificar o Código de Processo Penal. Análise feita à luz da Lei nº. 12.403/11. Mais uma falha legislativa na tentativa desesperada de retificar o Código de Processo Penal. Análise feita à luz da Lei nº. 12.403/11. Ricardo Henrique Araújo Pinheiro. A breve crítica que faremos neste

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br O Estatuto do idoso em Benefício do Réu. Roberto Dantes Schuman de Paula * DA NOVATIO LEGIS IN PEJUS Em outubro de 2003 a ordem jurídica foi inovada com o advento da lei 10741/03,

Leia mais

Expert Consultation on Prevention of and Responses to Violence against Young Children Lima, 27 28 August 2012

Expert Consultation on Prevention of and Responses to Violence against Young Children Lima, 27 28 August 2012 Expert Consultation on Prevention of and Responses to Violence against Young Children Lima, 27 28 August 2012 JANDIRA FEGHALI (Deputada Federal/Brasil) Temas: Trabalhando com autoridades e parlamentares

Leia mais

IMPOSSIBILIDADE JURÍDICA DO TRIBUNAL DO JURI NA JUSTIÇA MILITAR ESTADUAL

IMPOSSIBILIDADE JURÍDICA DO TRIBUNAL DO JURI NA JUSTIÇA MILITAR ESTADUAL IMPOSSIBILIDADE JURÍDICA DO TRIBUNAL DO JURI NA JUSTIÇA MILITAR ESTADUAL Jonas Guedes 1 Resumo: O tema abordado no presente artigo versará sobre a impossibilidade jurídica do Tribunal do Júri na Justiça

Leia mais