AVANÇOS E DESAFIOS DA LEI MARIA DA PENHA NA GARANTIA DOS DIREITOS DAS MULHERES NO RS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AVANÇOS E DESAFIOS DA LEI MARIA DA PENHA NA GARANTIA DOS DIREITOS DAS MULHERES NO RS"

Transcrição

1 AVANÇOS E DESAFIOS DA LEI MARIA DA PENHA NA GARANTIA DOS DIREITOS DAS MULHERES NO RS Patrícia Krieger Grossi 1 Resumo: A pesquisa teve como objetivo verificar os avanços e desafios da Lei Maria da Penha na implementação das políticas de enfrentamento a violência doméstica contra a mulher em 12 municípios do RS. Foram realizadas entrevistas com as coordenadoras das políticas para mulheres e profissionais da rede de proteção e grupos focais com mulheres em situação de violência. A maioria dos profissionais revela fragilidades na articulação intersetorial dos serviços de proteção, dificuldades de inserção produtiva, acesso a serviços de saúde mental, tratamento de dependência química, insuficiência de casas abrigos e falta de capacitação profissional. O rompimento com a cultura machista e patriarcal dificulta a superação da violência. Entre os avanços está a medida protetiva, que tem oferecido maior segurança às mulheres, sendo a de afastamento do agressor, a mais conhecida e utilizada pelas mesmas. Destaca-se a criação da Patrulha Maria da Penha como uma forma de coibir agressores através de rondas e visitas às mulheres em situação de violência com duplas de policiais capacitados para acompanhamento das medidas protetivas. Palavras-chave: Lei Maria da Penha; violência de gênero; rede de proteção social. Introdução Nos anos 70, o movimento feminista visibilizou a violência contra a mulher e desde então, várias conquistas foram alcançadas como Delegacias de Mulheres, Centros de Referência das Mulheres, Casas Abrigos e mais recentemente, uma lei específica para coibir os crimes de violência de gênero. A Lei Maria da Penha, Lei nº procura enfrentar a violência enraizada em uma cultura sexista secular que mantêm a desigualdade de poder presente nas relações entre os gêneros, cuja origem não está na vida familiar, mas faz parte das estruturas sociais mais amplas. Um dos objetivos do movimento de mulheres foi caracterizar a violência de gênero como violação dos direitos humanos e elaborar uma lei que garantisse proteção e procedimentos mais humanizados para as vítimas. Entretanto, mesmo com a Lei Maria da Penha, a taxa de homicídios de mulheres pelos próprios maridos, companheiros ou ex-companheiros vem aumentando no RS. Segundo registros da violência contra a mulher na Delegacia de Porto Alegre, informados pela Delegada Nadine Anflor, 327 mulheres já foram assassinadas no período de 2006 a 2011; 45 mulheres assassinadas em 2012, ocorrências contra mulher registradas na Delegacia da Mulher de Porto Alegre somente no primeiro semestre de 2012, comparados com registros durante o 1 PhD em Serviço Social pela Universidade de Toronto, Canadá. Professora Adjunta da Faculdade de Serviço Social da PUCRS, Porto Alegre, RS, Brasil. Coordenadora do Grupo de Estudos e Pesquisa em Violência NEPEVI PUCRS. 1

2 ano de Somente no mês de maio e junho de 2013, tivemos mais de 8 mulheres assassinadas por seus ex-companheiros no RS, sendo que muitas delas possuíam medidas protetivas. Este artigo traz alguns resultados da pesquisa Avanços e Desafios da Lei Maria da Penha na Implementação de Políticas Públicas para as Mulheres no Estado do Rio Grande do Sul, que contou com o apoio do CNPq, Edital Universal. Os objetivos da pesquisa foram: a) Verificar as ações adotadas e resultados obtidos pelos Municípios na implementação da política de enfrentamento a violência doméstica contra as Mulheres; b) Analisar a efetividade do trabalho em rede na implementação da política de enfrentamento a violência contra a mulher nos Municípios do Rio Grande do Sul; c) Identificar os avanços e desafios da Lei Maria da Penha frente à implementação das políticas de enfrentamento à violência doméstica contra a mulher. Para atingir os objetivos da pesquisa, procuramos dar voz aos diferentes sujeitos envolvidos na rede de proteção, coordenadoras de políticas para mulheres, gestores, profissionais da rede de proteção à mulher e mulheres que acessaram os serviços da rede de proteção. Procedimentos Metodológicos A primeira etapa da pesquisa envolveu o mapeamento dos Centros de Referência Especializado da Assistência Social (CREAS) e Centro de Referência da Assistência Social (CRAS) nos municípios do Estado do Rio Grande do Sul, destacando os que possuíam Coordenadorias da Mulher. A segunda etapa de coleta de dados ocorreu em doze municípios (Porto Alegre, Caxias do Sul, Charqueadas, Canoas, Carazinho, Arroio do Tigre, Selbach, São Leopoldo, Ijuí, Santa Rosa, Passo Fundo e Novo Hamburgo). Os critérios utilizados para seleção da amostra da pesquisa foram: municípios que já estivessem implementando o Plano Nacional de Políticas para as Mulheres; que tivessem Coordenadoria da Mulher e que aceitassem participar do estudo. Os dados foram coletados através de um conjunto de técnicas e instrumentos, sendo estes: grupo focal com mulheres em situação de violência doméstica que acessam os serviços; entrevistas semi estruturadas com questões abertas e fechadas com gestores e profissionais responsáveis pelos atendimentos a estas mulheres. Após as transcrições dos grupos focais e entrevistas, os dados qualitativos foram submetidos à análise de conteúdo com recorte temático com base em Bardin (1977). Resultados A partir do levantamento realizado no site da Secretaria da Mulher do Estado do RS, existem 21 Centros de Referência Municipais da Mulher, 12 Casas-abrigo, 1 Juizado de Violência 2

3 Doméstica e Familiar contra a Mulher, 16 Delegacias Especializadas da Mulher e 27 Postos de Atendimento à Mulher, 110 Coordenadorias Municipais da Mulher e 52 Conselhos Municipais de Direitos das Mulheres. Apesar da existência desta rede de serviços, esta ainda é insuficiente frente à demanda e apresenta uma certa fragilidade na articulação da rede de proteção à mulher, havendo a necessidade de efetivação das políticas intersetoriais principalmente em relação á habitação, segurança e trabalho. para o atendimento das necessidades das mulheres, A gente não tá conseguindo um contato muito agradável com o delegado, então alguns dados a gente não tem, de violência doméstica no município, a gente até pediu, temos o ofício e tudo (P1, M1). Hoje a gente vê mulheres que vão para um abrigo, e depois desse abrigo, o que elas vão fazer? Pra quem que ela vai recorrer? Não tem (P4, M2). O principal desafio é a própria falta de estrutura para atender essas mulheres no sentido dessa política pública que tem que ser implementada... (P2, M3). Hoje nós temos uma necessidade de melhoramento do posto médico legal, tanto no aspecto de estrutura física quanto também na questão de recursos humanos pra qualificar esse atendimento, porque é um momento de fragilidade dessa mulher em que ela tem que fazer o exame e que ela tem que ter um atendimento digno (P1, M6). Os dados da nossa pesquisa indicam que não basta apenas a existência de uma rede de serviços. Esta precisa estar articulada intersetorialmente com as demais políticas públicas e estar sintonizada com as necessidades das mulheres, como funcionamento 24h, pois a violência não tem horário marcado para sua ocorrência. Além disso, urge a necessidade da garantia de um atendimento com dignidade e privacidade, o que nem sempre ocorre, podendo a mulher ser revitimizada ao acessar o serviço. Em relação à rede de serviços, define-se que o termo rede é derivado do latim, significando, segundo Loiola & Moura, entrelaçamento dos fios, cordas, cordéis, arames, com aberturas regulares fixadas por malhas, formando uma espécie de tecido. Para esses mesmos autores (1997, p. 54), os conceitos de redes apontam que os fios e as malhas dão a forma básica da rede e que os fios podem corresponder às linhas ou às relações entre atores e organizações, os quais representariam as malhas ou os nós. Conforme Faleiros, As redes não são invenções abstratas, mas partem da articulação de atores/organizaçõesforças existentes no território para uma ação conjunta multidimensional com responsabilidade compartilhada (parcerias) e negociada [...] Não funcionam como convênios, mas como contratos dinâmicos em movimento e conflito, para, no entanto, realizar objetivos em que cada parte potencializa recursos que, juntos, tornam-se, também mais eficientes. A rede, assim, é uma aliança de atores/forças num bloco de ação ao mesmo tempo político e operacional (2001, p.28). 3

4 Ainda Faleiros (2001) distingue redes sociais primárias e secundárias, sendo que as primeiras são constituídas por todas as relações significativas que uma pessoa estabelece cotidianamente ao longo da vida. A rede primária é composta por familiares, amigos, vizinhos, colegas de trabalho, entre outros; e as redes sociais secundárias seriam aquelas formadas por profissionais e funcionários de instituições públicas ou privadas; organizações não governamentais, grupo de mulheres e associações comunitárias, entre outras. Essas teriam a incumbência de fornecer atenção especializada, orientação e informação. Para as mulheres residentes nas zonas rurais, a rede primária é fundamental para a denúncia das situações da violência. Sem o apoio de alguém da família ou vizinha, raramente a mulher recorre aos órgãos de denúncia, o que é dificultado pelas longas distâncias. O apoio da rede informal no enfrentamento das situações de violência é evidenciado nas narrativas das mulheres a seguir: A bisa vem me ajudando muito com as minhas filhas, então é complicado (G1, M3). Eu tenho ajuda da minha tia, a minha família me ajuda porque eu perdi a minha mãe e o meu pai, mas as irmãs da minha mãe sempre me apóiam, os meus irmãos (G4, M5). Eu fui numa vizinha. Uma vez ele me deixou com o olho roxo, brigou dentro de casa e com as crianças junto. Aí a vizinha disse que não podia ficar com um cara assim, ele saia, fazia festa e vinha de manhã, queria entrar em casa, as crianças dormindo, queria brigar. Ela disse que não podia ficar assim, se eu não ia dar parte, ela ia dar parte dele. Aí eu fui na delegacia e dei parte e lá eles me indicaram para a Lei Maria da Penha (G2, M3). Olha, eu tô fazendo assim: eu tô dormindo na casa de uma amiga agora (...) aí eu deixo as minhas filhas na vizinha, a minha vizinha vai lá para a casa da minha amiga (G4, M6). No que se refere à rede de serviços dos seus municípios, as mulheres destacam o Conselho Tutelar (pois muitas delas possuem filhos que também são vítimas da violência doméstica), a escola (que pode atuar na identificação e intervenção nos casos de violência), Brigada Militar e Emater (no caso das mulheres rurais). Na organização em rede, os atores envolvidos assumem uma ação combinada e decidem participar, engajam-se nessa ação como sujeitos de seus compromissos (GROSSI, TAVARES, OLIVEIRA, 2009, p. 216). No entanto, quando perguntamos sobre a rede de proteção da mulher, observa-se que há falta de conhecimento e informação sobre a rede de serviços especializada existente para as mulheres em situação de violência. Aqui especificamente, praticamente acho que não tem nenhuma rede exclusiva para a mulher (G3, M2). Não, nunca ouvi falar (da rede) (G2, M7). E ai eu fiquei lá e ninguém me atendeu, então eu peguei e sai. Eu fiquei lá trinta minutos sentada e peguei e sai. Até nem sei para que serve, eu fui lá porque eu não sabia aonde ir (G1, M7). 4

5 As mulheres relatam que há pouca informação em relação à rede de atendimento à mulher que o município oferece. Dessa forma, dificulta o acesso das mesmas aos serviços, portanto, a permanência em situações de violência pode ser prolongada. Ai eu fui à delegacia da mulher, ai ela me falo que tinha a coordenadoria da mulher, daí eu fui na coordenadoria e não fui bem tratada, fui ali e resolvi ir para a casa (G8, M8). Eu to hoje aqui procurando (a Coordenadoria da Mulher), pra ver se vocês podem me ajudar porque eu não sei mais o que fazer (porque o filho está agindo como o ex-marido). Bater eu não quero porque não é justo bater neles, mas eu não sei mais o que fazer, tô bem perdida mesmo (G6, M8). De acordo com os dados do Disque 180, em 66% (17.438) dos casos, filhas e filhos presenciaram as agressões de suas mães. Em (18%) das agressões, elas e eles também foram vítimas de violência. Na situação acima, ocorre a reprodução da violência por parte do filho. Urge a necessidade de programas voltados para toda a família, para atuar na perspectiva de prevenção da violência. Um dos grandes desafios em tempos de lei Maria da Penha é modificar as práticas costumeiras no trato das questões envolvendo conflitos conjugais. As mulheres buscam um espaço no qual possam ser acolhidas, ouvidas, respeitadas, não julgadas, apoiadas e orientadas no seu processo decisório. Quando uma mulher não se sente bem tratada, as chances de retorno ao agressor se intensificam. Este percurso que a mulher percorre na busca de seus direitos é conceituado por Sagot (2007) como rota crítica, cujo início da rota envolve o rompimento do silêncio. Os fatores que impulsionam as mulheres a iniciarem uma rota crítica podem ser de dois tipos: internos ou externos. Os fatores internos estão associados a processos pessoais, sentimentos e razões. Os fatores externos relacionam-se com as condições ambientais como apoio, recursos materiais, informação, qualidade dos serviços e até aumento da violência. [...] Dada a quantidade de fatores intervenientes, a rota crítica é um processo complexo, não linear, que implica avanços e retrocessos. (SAGOT, 2007, p. 45). Quando a mulher não é bem tratada, contribui para o retrocesso na rota de superação da violência. Sagot alerta que em comunidades distantes, a dificuldade de acesso à rede de serviços é maior[...] Além disso, a ausência dessas organizações em muitas das comunidades produz um vazio de apoio e de estímulo para as mulheres que desejam iniciar uma rota de busca de ajuda. Apesar das forças dos fatores inibidores, que às vezes adquirem o caráter de uma grande conspiração social, muitas mulheres chegam em determinado momento a um nível de saturação que se torna 5

6 insuportável e faz com que se decidam a empreender ações para terminar com a violência como muitas mulheres do nosso estudo. Verifica-se que existem estratégias dos municípios para sensibilização em relação à Lei Maria da Penha, as quais são realizadas através de: visitas domiciliares às mulheres, grupos de apoio, seminários na comunidade e capacitação de profissionais e agentes de saúde para identificação da violência e orientação às mulheres na perspectiva de garantia dos direitos previstos na Lei. Estas iniciativas porém são esparsas e muitas políticas não contam com a equipe mínima prevista de profissionais, além dos recursos necessários para mobilizar ações protetivas. A falta da rede de proteção faz com que muitas mulheres se sintam inseguras, mesmo com medidas protetivas de afastamento do agressor. Nas falas das mulheres, a violência aparece em suas múltiplas expressões (física, psicológica, patrimonial, sexual e moral). A violência é entendida como expressão das relações sociais e interpessoais, pois está presente nas relações intersubjetivas entre homens e mulheres. Também se expressa através da negação de valores universais, como a liberdade, a igualdade e a vida e também viola a dignidade humana. Quando questionadas sobre o conhecimento da referida Lei percebe-se que a maioria tem conhecimento da mesma, porém, têm-se visões diferentes (negativas e positivas) a respeito da Lei. Destacamos nos fragmentos abaixo as mulheres que reconhecem a Lei Maria da Penha e que são a favor do uso dela: eu acho que veio muito bem em defesa da mulher, porque muitas vezes a mulher não tinha aquele apoio, aonde ela ia se ampara? (G3, M2). Mas uma coisa que também melhorou é, antigamente, anos atrás, que sempre era tirada a vítima de casa e ali a gente via que era uma violência de novo, porque além dela ser vítima, ela acaba sendo retirada de casa e hoje não, quem sai de casa é o agressor (G3, M2). Essa Lei Maria da Penha foi um respeito (para as mulheres) (G4, M2). Ai, eu achei ótima né, muito boa essa lei que veio, acho que se eu não tivesse colocado ele lá e não tivesse essa Lei eu já tava morta (G4, M2). Eu gostei por que mostrou pra ele que não é conforme ele quer, conforme ele achava que era, ele achava que ele era o homem da casa, que ele podia fazer e acontecer e nada acontecia com ele. Daí foi resolvido numa boa. (G1, M9). No que se refere às medidas protetivas previstas na Lei Maria da Penha, as mulheres relatam que conhecem a medida de afastamento, sendo que as demais medidas protetivas são ignoradas pelas mesmas. Eu nem sabia que tinha mais que uma (a medida protetiva que ela conhece é a de afastamento de 200 metros), eles me ofereceram, perguntaram se eu queria e eu disse que sim, lógico, porque eu tinha medo (G1, M7). 6

7 Depois que ele (agressor) recebeu essa medida protetiva pelo menos sumiu até da casa da minha filha que ele vivia lá pedindo onde é que eu tava Sumiu. Sabe que não pode se aproximar de nós. Pra mim fui bem atendida na Lei (G8, M8). Eu fiz o registro lá na delegacia, daí foi sair o afastamento dele, que proibia ele de chegar e ir entrando na minha casa, me ameaçando no meu serviço, daí 4 ou 5 dias depois que oficial veio com o papel que ele estaria sendo proibido de chegar a 100 metros de mim ou perto da minha casa ( G1,M5). No começo ele não respeitava, não sei se ele achava que era brincadeira ou o que. Continuou infernizando a minha vida até onde ele pode, e depois que ele foi preso, como não faz muitos dias que ele foi solto, ele não tem se aproximado de mim. E eu pretendo que continue assim, cada um num canto (...) (G2, M7). No relato de algumas mulheres, elas informam que a medida protetiva de afastamento do lar não funciona, pois seus maridos e/ou companheiros descumprem a medida e não vão presos quando a polícia é acionada. Esta última, segundo fragmentos das mulheres também nem sempre comparece toda vez que solicitada. Uma amiga minha foi nessa Lei Maria da Penha, ela foi lá, fez as ocorrências e no fim não deu em nada né. Toda essa função que teve, ela acabou levando uma facada do marido, mesmo com a proteção toda que botaram né e ela levou duas facadas do ex-marido dela (G1, M3). Com a minha amiga, o cara chegou a matar ela. Ele deu três tiros nela, ele era policial, deu três tiros à queima roupa (G1M3). Eles falam, falam que tem proteção preventiva [protetiva], só que ele ta indo lá em casa. Eu já liguei para a polícia, tu acha que a polícia foi, ela não foi. sim, ele foi lá em casa.. Às vezes, isso tudo para mim parece uma brincadeira sabe? Ele pode entrar lá na hora que ele quiser (G2, M3). Observamos que muitos profissionais não informam para as mulheres que a Lei Maria da Penha prevê outras medidas protetivas, além do afastamento do agressor do lar e proibição de aproximação da mulher e dos filhos, como restrição das visitas, retirada do porte de armas, prestação de alimentos, proibição de contato com os familiares da vítima; proibição de venda e locação de bens e restituição de bens subtraídos indevidamente da mulher, entre outras, visando a proteção patrimonial. ). ressalvas: Há algumas mulheres que relatam positivamente em relação à medida protetiva, mas com O que eu acho interessante são as medidas protetivas, eu fiz isso na segunda feira e na quarta feira eu voltei pra minha casa, então, pra mim até agora, ela foi eficiente. (...) mas a irmã dele que vem até a minha casa buscar algumas coisas que ele precisa pra trabalhar, sempre traz algum recado, enfim... E a conclusão que eu cheguei é que se eu retirar a queixa, tudo bem, se eu não retirar a queixa, depois que sair o divórcio, ai eu volto a correr risco de vida. Entende? (G4, M8). Nesta situação, a irmã está sendo usada como pombo-correio pelo agressor e as ameaças continuam. Neste caso, a medida protetiva prevista na Lei Maria da Penha deve se estender a todos os familiares do agressor para que a mulher se sinta segura no seu processo de tomada de decisão. Em caso de lesão corporal, a ação penal é incondicionada, isto é, não necessita da representação da 7

8 mulher para ir adiante o processo, isto é não pode mais ser retirada a queixa como costumava ocorrer anteriormente devido às ameaças do companheiro ou reconciliação do casal. Em outras situações, as mulheres relatam experiências bem sucedidas em relação às medidas protetivas de afastamento a seguir: Mas depois que recebeu essa medida protetiva pelo menos sumiu até da casa da minha filha que ele vivia lá pedindo onde é que eu tava, coisa assim. Sumiu. Sabe que não pode se aproxima de nós. Pra mim fui bem atendida na lei (G8, M8). Estou me sentido segura. (...) Bem segura, graças a Deus (com a medida protetiva). (G9, M8). Tranquila, tranquila (que está se sentindo graças a medida protetiva) (G8, M8). Comecei a dormir, ontem dormi até de tarde, coisa que eu não dormia nem de tarde nem de madrugada, de jeito nenhum (G3, M7). Em relação às mudanças nas suas vidas após acionarem a Lei Maria da Penha, as mulheres referem sentimentos ambivalentes, sendo que o medo e a insegurança continuam presentes, além de prejuízos na vida emocional, laboral e afetiva. Depois que eu coloquei ele na Lei Maria da Penha, coloquei ele fora de casa, ele ficou um tempo fora de casa, até né,(...) depois disso, ele não me agride mais, (...)Trouxemos ele de volta, agora ele ta querendo fazer de novo né, pra mim. (G4, M2). Eu fui para casa e ele podia entrar; fazer o que ele quisesse, porque é assim né. Eu to sempre completamente insegura, tu não denuncia porque tem medo (...) Aeu fiquei assim por quase um ano, eu tinha medo de sair, de conversar com as pessoas (...) Mas muda tudo né, tipo, tu cria um amor próprio, mas a gente tem medo no começo né... (G1, M7). Ele ficou 5 horas (preso) e tu nunca vai ter a certeza de tá tranqüila, chega em casa sempre com aquela insegurança. Se eu tirar a queixa, ele não vai fazer nada, se eu não retirar, ele vai tentar. (...) Eles continuam com a vida normal deles, nós não, nós estamos abaladas psicologicamente, nós nos prejudicamos no trabalho porque o nosso rendimento baixa, tu para de estudar... (G4, M8). Enquanto a gente procura ajuda psicológica, a gente cuida dos nossos filhos, a gente fica desempregada sabe, a gente fica dependendo dos outros, eles não, eles agem como se nada tivesse acontecido. (...) (G3, M8). Olha, deprimida assim, que nem eu digo, eu até fui procurar ajuda, fui procurar tratamento com psicóloga, (...) eu não consigo me ver com alguém, eu penso que no começo sei lá, pode ser um relacionamento normal, mas depois quando a gente for morar juntos, será que vai ser a mesma coisa? Sabe, o medo vai ficar sempre (G2, M7). A Lei Maria da Penha foi um avanço para a garantia dos direitos das mulheres, principalmente em relação à retirada do agressor de casa, porém as seqüelas psicológicas decorrentes da violência permanecem nas mulheres, conforme indicam os relatos, influenciando futuros relacionamentos e projetos de vida. Trabalhar na perspectiva do empoderamento das mulheres implica na existência de políticas públicas articuladas que possam oferecer além da segurança necessária ás mulheres, apoio psicológico para a mulher e filhos, garantia de renda, entre outros. A perspectiva do empoderamento também esteve presente nas narrativas dos profissionais da rede de proteção e coordenadoras de políticas para as mulheres. 8

9 Uma das questões fundamentais para a superação da submissão e o rompimento do ciclo de violência é o empoderamento da mulher. Está presente na fala dos profissionais a autonomia financeira como um dos primeiros passos para o fortalecimento da mulher que vivencia situações de violência doméstica. Se elas estiverem empoderadas o suficiente para acabarem com a violência, elas vão direto para a defensoria, com um protocolo de pedido de separação, não tem a necessidade de acionar a parte penal e fazer uma representação criminal com o acusado, que elas não querem também prejudicar os agressores. Elas querem às vezes só se separar e em curto prazo, pedir o afastamento é mais rápido (P2, M3). A autonomia financeira e econômica das mulheres é um elemento fundamental para que ela possa romper com o ciclo de violência (P1, M5). Tanto no enfrentamento a violência contra a mulher, é como a questão da autonomia econômica de projetos que visem à geração de renda, na questão da saúde da mulher, enfim, em todos os aspectos da vida dessa mulher, a coordenadoria tem a missão de elaborar, construir, propor políticas públicas assim como articular ações e programas que visem melhorar a vida das mulheres (P1, M5). Percebe-se que com a Lei Maria da Penha, torna-se novamente pública a questão da violência contra as mulheres, negativizando sua ocorrência e indo pelo caminho oposto ao da banalização. Porém, somente a judicialização não resolve a situação da violência contra a mulher. Em relação à essa questão, Pougy (2010, p.5), reafirma a compreensão de que a judiciarização envolve um conjunto de práticas e valores que interpretam a violência conjugal de modo criminalizante e estigmatizante, na qual se reafirma a dualidade vítima e agressor, tratada por meio de oposição simples, onde um pólo vence o outro. Propõe a intervenção interdisciplinar, na qual as diferentes disciplinas e profissões poderiam reunir subsídios à construção de metodologias inovadoras. A Lei Maria da Penha também prevê assistência às vítimas através das políticas de assistência social, saúde e educação e centros de reabilitação para agressores, o que ainda não foi efetivado, constituindo-se um grande desafio para as políticas públicas. Outro desafio é a implementação da transversalidade de gênero nas políticas públicas, efetivada através da interdisciplinaridade e da intersetorialidade na criação de serviços especializados dentro da estruturação da Política Nacional de Enfrentamento à Violência contra as Mulheres. Trabalhar esses princípios pressupõe o desenvolvimento de uma articulação em rede. O conceito de Rede de atendimento refere-se à atuação articulada entre as instituições/serviços governamentais, não-governamentais e a comunidade, visando à ampliação e melhoria da qualidade do atendimento; identificação e encaminhamento adequado das mulheres em situação de violência; e ao desenvolvimento de estratégias efetivas de prevenção. A constituição da rede de atendimento busca dar conta da complexidade da violência contra as mulheres e do caráter multidimensional do problema, que perpassa diversas áreas, tais como: a saúde, a educação, a segurança pública, a assistência social, a cultura, entre outros. (BRASIL, 2005, p.14) 9

10 Um dos avanços com a Lei Maria da Penha foi a criação da Patrulha Maria da Penha no RS em A Patrulha Maria da Penha é composta de quatro policiais militares que fazem rondas nos quatro territórios da Paz de Porto Alegre para acompanhar os casos de violência doméstica contra mulheres e o cumprimento das medidas protetivas. As visitas são realizadas durante o dia por uma equipe de dois policiais homens e duas policiais mulheres para que as mulheres vítimas se sintam mais acolhidas e também realizam rondas à noite. A idéia é acompanhar todas as mulheres que tiverem solicitado medida protetiva na Delegacia de Mulheres para mostrar que o Estado se importa com a sua segurança, poder verificar se o agressor a está importunando ou ameaçando. A iniciativa é pioneira em Porto Alegre e está sendo ampliada para outros 25 municípios do RS. Já foram capacitados em torno de 600 policiais. Os integrantes da Patrulha Maria da Penha participaram de um grupo focal em Porto Alegre e pontuaram os motivos que levaram à criação dessa ação. a gente fez o diagnóstico da violência também, da mulher no Estado como um todo, e fizemos um diagnóstico dos 5 anos da violência contra a mulher no período dos 5 anos da lei Maria da penha e ai se identificou que 95% das mulheres assassinadas tinham uma ocorrência de estupro,lesão corporal e ameaça de 2 a 6 meses antes delas serem assassinadas, então na verdade por isso que o trabalho da patrulha Maria da Penha é tão importante, identificação das prioridades... (P10, M5) Só que infelizmente estas (assassinadas) não pediam medida protetiva, estas que estavam numa faixa digamos assim risco total extremo, elas não pediam medida protetiva, elas não faziam valer os direitos que elas tinham. (P11, M5) muitas mulheres diziam o que adianta, porque muitas vezes nós tínhamos que abrir a porta para ele entrar porque as mulheres não tem para onde ir, não se tem casas abrigo suficiente para estar acolhendo aquela mulher e os filhos...(p10, M5) Com a Patrulha, a intenção é intimidar o agressor a não procurar a companheira. Ressaltase a importância também de um trabalho com a comunidade para sensibilizá-la em relação à violência e ser parceira na luta contra todas as formas de violência, especialmente, a conjugal, que muitas vezes, fica invisibilizada e vizinhos temem denunciar por medo de represálias do agressor. Na última fala, destaca-se a importância da rede de serviços como casas-abrigos para mulheres e filhos em número suficiente para atender a demanda, pois muitos homens não respeitam a medida protetiva mesmo com a Patrulha Maria da Penha. A questão do trabalho com a vizinhança também surgiu no grupo focal como um dos desafios da Patrulha Maria da Penha. acredito que seja um desafio, que comunidade abraçasse esta idéia também e ficasse com este cuidado a esta mulher vítima de violência, que como foi dito quando chega a patrulha, os vizinhos já falam, olha eles estão vindo! Aquela história que briga de marido e mulher não se mete a colher não é bem assim...então eles sabem que vai ter alguém que vai dar este suporte em outro momento (P10, M5) Conclusões 10

11 Em relação aos desafios apontados neste artigo, destacamos a importância da implementação de políticas intersetoriais que possam atender as necessidades das mulheres como habitação pós abrigo, atendimento psicossocial para todos os membros da família, acesso à tratamento para dependência química, educação, renda e principalmente, a humanização no atendimento, respeitando as singularidades do processo de violência vivenciado por cada mulher e contribuindo para a criação de estratégias coletivas de enfrentamento às múltiplas formas de opressão. A Lei Maria da Penha é o primeiro passo para mostrar à sociedade que em briga de marido e mulher se mete a colher, porém a rede de atendimento à mulher deve estar disponível e esta precisa se sentir segura, pois o enfrentamento da violência contra a mulher vai além da denúncia. Romper com as amarras da opressão de gênero, raça/etnia e classe social e com os resquícios da cultura patriarcal e patrimonialista torna-se o primeiro passo para que as mulheres possam ser resgatadas em sua condição de sujeito de direitos e não serem mais assujeitadas pelas marcas de um sistema patriarcal, capitalista e racista que perpetua as desigualdades. Isto envolve a capacitação profissional dos operadores da rede de serviços, dos operadores jurídicos e a sensibilização dos gestores públicos para a implementação de ações que desconstruam os padrões e estereótipos culturais sexistas e machistas que reforçam este quadro. Referências BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. Lisboa/Portugal: Edições 70, Ltda, 1977, 225 p. BRASIL. Lei nº Lei Maria da Penha. Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres. Brasília, BRASIL. Secretaria de Políticas das Mulheres. Política Nacional de Enfrentamento à Violência contra as Mulheres. Brasília: DF, FALEIROS, Vicente de Paula. Estratégias em Serviço Social. SP: Cortez, GROSSI, P. K., TAVARES, F., & OLIVEIRA, S. B. A rede de proteção à mulher em situação de violência doméstica: avanços e desafios. Athenea Digital, 14, , 2009, disponível em <http://psicologiasocial.uab.es> LOIOLA, E.; MOURA, S. Análise de redes: uma contribuição aos estudos organizacionais. In: FISCHER, T. (Org.). Gestão contemporânea: cidades estratégicas e organizações locais. Rio de Janeiro: Editora da FGV, POUGY, Lilia Guimarães. Desafios Políticos em Tempos de Lei Maria da Penha. Rev. Katál. Florianópolis v. 13 n. 1 p jan./jun

12 SAGOT, Montserrat. A Rota Crítica da violência intrafamiliar em países latino-americanos. In: Stella Nazareth Meneghel (org.). Rotas Críticas: Mulheres Enfrentando a Violência. São Leopoldo: Editora Unisinos, 2007, p Advances and challenges of Maria da Penha Law in the guarantee of rights of women in RS Abstract: The research aimed to verify the progress and challenges of the Maria da Penha Law on the implementation of policies addressing domestic violence against women in 12 municipalities in the RS. Interviews were conducted with the coordinators of policies for women and professional from the network protection and focus groups with women in situations of violence. Most professionals reveals weakness in the intersectoral protection services, difficulties in the inclusion of income generation programs, access to mental health services, chemical dependency treatment, lack of shelter homes and lack of professional training. The break with the patriarchal and macho culture makes it difficult to overcome violence. Among the improvements is a protective measure, which has offered greater security to women, and the expulsion of the offender, and it is the most known and used by them. Noteworthy was the creation of the Maria da Penha Patrol as a way to curb abusers through rounds and visits to women in situations of violence with double police trained to follow the protective measures. Keywords: Maria da Penha Law. Gender violence. Social safety net. 12

Rio de Janeiro, Agosto de 2013.

Rio de Janeiro, Agosto de 2013. Análise da Política de enfrentamento a violência contra a mulher num município do Rio de Janeiro. Universidade Federal do Rio de Janeiro - Escola de Serviço Social Dayana Gusmão [Resumo: O combate à violência

Leia mais

Lei Maria da Penha. Pelo fim da violência. ulher. contra a

Lei Maria da Penha. Pelo fim da violência. ulher. contra a Lei Maria da Penha Pelo fim da violência ulher contra a Ligação gratuita, 24 horas, para informações sobre a Lei Maria da Penha e os serviços para o atendimento às mulheres em situação de violência. Lei

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE POLÍTICAS PÚBLICAS PARA AS MULHERES (SEMUL) Relatório

SECRETARIA MUNICIPAL DE POLÍTICAS PÚBLICAS PARA AS MULHERES (SEMUL) Relatório SECRETARIA MUNICIPAL DE POLÍTICAS PÚBLICAS PARA AS MULHERES (SEMUL) Relatório I Seminário de Enfrentamento à Violência de Gênero no Município de Natal 26 e 27/03/2015 Local: Auditório do Conselho Regional

Leia mais

Lei Maria da Penha: uma evolução histórica

Lei Maria da Penha: uma evolução histórica Lei Maria da Penha: uma evolução histórica Karina Balduino Leite e Rivadavio Anadão de Oliveira Guassú Maria da Penha foi uma entre as incontáveis vítimas de violência doméstica espalhadas pelo planeta.

Leia mais

As Medidas Protetivas na Lei de Violência Doméstica do Paraguai e o caso brasileiro.

As Medidas Protetivas na Lei de Violência Doméstica do Paraguai e o caso brasileiro. 1 As Medidas Protetivas na Lei de Violência Doméstica do Paraguai e o caso brasileiro. Francisco de Salles Almeida Mafra Filho. 1 Sumário: Introdução. Artigo 1º. Alcance e bens protegidos. Art. 2º. Medidas

Leia mais

QUERIDO(A) ALUNO(A),

QUERIDO(A) ALUNO(A), LANÇADA EM 15 MAIO DE 2008, A CAMPANHA PROTEJA NOSSAS CRIANÇAS É UMA DAS MAIORES MOBILIZAÇÕES PERMANENTES JÁ REALIZADAS NO PAÍS, COM FOCO NO COMBATE À VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E À EXPLORAÇÃO SEXUAL DE CRIANÇAS

Leia mais

Secretaria Municipal de Assistência Social Centro de Referência Especializado de Assistência Social

Secretaria Municipal de Assistência Social Centro de Referência Especializado de Assistência Social Secretaria Municipal de Assistência Social Centro de Referência Especializado de Assistência Social Proposta para Implementação de Serviço de Responsabilização e Educação de Agressores Grupo Paz em Casa

Leia mais

Lei MARIA DA PENHA 3 anos depois

Lei MARIA DA PENHA 3 anos depois Lei MARIA DA PENHA 3 anos depois Três anos depois, lei Maria da Penha diversifica perfil de mulheres que procuram ajuda contra violência doméstica. Quais são os resultados trazidos pela lei Maria da Penha?

Leia mais

Combate e prevenção à violência contra a mulher

Combate e prevenção à violência contra a mulher Combate e prevenção à violência contra a mulher O CIM - Centro Integrado de Atendimento à Mulher Vítima de Violência Doméstica e Familiar - tem por objetivo fazer valer a Lei n.º 11.340/06, Lei Maria da

Leia mais

Secretaria de Enfrentamento à Violência contra as Mulheres 1º Fórum de Violência contra a Mulher: Múltiplos olhares

Secretaria de Enfrentamento à Violência contra as Mulheres 1º Fórum de Violência contra a Mulher: Múltiplos olhares Secretaria de Enfrentamento à Violência contra as Mulheres 1º Fórum de Violência contra a Mulher: Múltiplos olhares Campinas, Abril de 2014 Violência contra as Mulheres: dados Internacional: 1 de cada

Leia mais

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337.

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337. PROGRAMA TÉMATICO: 6229 EMANCIPAÇÃO DAS MULHERES OBJETIVO GERAL: Ampliar o acesso das mulheres aos seus direitos por meio do desenvolvimento de ações multissetoriais que visem contribuir para uma mudança

Leia mais

A Lei Maria da Penha e a Falta de Proteção da Vítima

A Lei Maria da Penha e a Falta de Proteção da Vítima A Lei Maria da Penha e a Falta de Proteção da Vítima Após uma longa luta das mulheres contra a violência doméstica, o legislador brasileiro criou a Lei 11.340, de 22 de setembro de 2006, que ficou conhecida

Leia mais

VIOLÊNCIA INTRAFAMILIAR CONTRA A MULHER E AS REDES DE ATENDIMENTO

VIOLÊNCIA INTRAFAMILIAR CONTRA A MULHER E AS REDES DE ATENDIMENTO CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X VIOLÊNCIA INTRAFAMILIAR CONTRA A MULHER E AS REDES DE ATENDIMENTO

Leia mais

Diretrizes para Implementação dos Serviços de Responsabilização e Educação dos Agressores

Diretrizes para Implementação dos Serviços de Responsabilização e Educação dos Agressores PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE POLÍTICAS PARA MULHERES SECRETRIA DE ENFRENTAMENTO À VIOLÊNCIA CONTRA AS MULHERES Diretrizes para Implementação dos Serviços de Responsabilização e Educação dos Agressores

Leia mais

VIolênCIA. VoCê. saber. contra a mulher. PrECIsA. Coordenação Associação das Trabalhadoras Domésticas e Centro de Ação Cultural - Centrac

VIolênCIA. VoCê. saber. contra a mulher. PrECIsA. Coordenação Associação das Trabalhadoras Domésticas e Centro de Ação Cultural - Centrac VoCê PrECIsA saber Coordenação Associação das Trabalhadoras Domésticas e Centro de Ação Cultural - Centrac Texto Maria Madalena de Medeiros / Ana Patrícia Sampaio de Almeida Projeto Gráfico Áurea Olimpia

Leia mais

Direitos Humanos - Lei Maria da Penha: O Que. Conquistamos e o Que Podemos Conquistar?

Direitos Humanos - Lei Maria da Penha: O Que. Conquistamos e o Que Podemos Conquistar? Direitos Humanos - Lei Maria da Penha: O Que Conquistamos e o Que Podemos Conquistar? Material didático destinado à sistematização do conteúdo da disciplina Direitos Humanos Publicação no semestre 2015.1

Leia mais

ATENDIMENTO ÀS MULHERES EM SITUAÇÃO DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA: ANÁLISE DE UMA CASA ABRIGO

ATENDIMENTO ÀS MULHERES EM SITUAÇÃO DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA: ANÁLISE DE UMA CASA ABRIGO ATENDIMENTO ÀS MULHERES EM SITUAÇÃO DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA: ANÁLISE DE UMA CASA ABRIGO Juliana Medeiros da Silva 1 A violência doméstica praticada pelo parceiro íntimo é uma das formas mais comuns de violência

Leia mais

A SECRETARIA MUNICIPAL DE POLÍTICAS PARA MULHERES AS AÇÕES SÃO DESENVOLVIDAS POR QUATRO ÁREAS ESTRATÉGICAS:

A SECRETARIA MUNICIPAL DE POLÍTICAS PARA MULHERES AS AÇÕES SÃO DESENVOLVIDAS POR QUATRO ÁREAS ESTRATÉGICAS: O QUE É QUE FAZ A SECRETARIA MUNICIPAL DE POLÍTICAS PARA MULHERES A Prefeitura de São Paulo, em maio de 2013, seguindo a política implementada nacionalmente e atendendo uma reivindicação histórica do movimento

Leia mais

2º SEMINÁRIO DO PROGRAMA SAÚDE NA ESCOLA PSE PROMOÇÃO DA CULTURA DE PAZ E PREVENÇÃO DAS VIOLÊNCIAS

2º SEMINÁRIO DO PROGRAMA SAÚDE NA ESCOLA PSE PROMOÇÃO DA CULTURA DE PAZ E PREVENÇÃO DAS VIOLÊNCIAS 2º SEMINÁRIO DO PROGRAMA SAÚDE NA ESCOLA PSE PROMOÇÃO DA CULTURA DE PAZ E PREVENÇÃO DAS VIOLÊNCIAS Objetivo do PSE O Programa Saúde na Escola (PSE) vem contribuir para o fortalecimento de ações na perspectiva

Leia mais

Lei Maria da Penha Lei 11.340/06

Lei Maria da Penha Lei 11.340/06 Legislação Penal Especial Aula 02 Professor Sandro Caldeira Lei Maria da Penha Lei 11.340/06 Art. 1 o Esta Lei cria mecanismos para coibir e prevenir a violência doméstica e familiar contra a mulher, nos

Leia mais

Entendendo o que é Gênero

Entendendo o que é Gênero Entendendo o que é Gênero Sandra Unbehaum 1 Vila de Nossa Senhora da Piedade, 03 de outubro de 2002 2. Cara Professora, Hoje acordei decidida a escrever-lhe esta carta, para pedir-lhe ajuda e trocar umas

Leia mais

Grasiela - Bom à gente pode começar a nossa conversa, você contando para a gente como funciona o sistema de saúde na Inglaterra?

Grasiela - Bom à gente pode começar a nossa conversa, você contando para a gente como funciona o sistema de saúde na Inglaterra? Rádio Web Saúde dos estudantes de Saúde Coletiva da UnB em parceria com Rádio Web Saúde da UFRGS em entrevista com: Sarah Donetto pesquisadora Inglesa falando sobre o NHS - National Health Service, Sistema

Leia mais

Políticas Setoriais Secretarias Municipais: Saúde, Assistência Social, Educação, Direitos Humanos(quando houver). Participações Desejáveis

Políticas Setoriais Secretarias Municipais: Saúde, Assistência Social, Educação, Direitos Humanos(quando houver). Participações Desejáveis PARÂMETROS PARA A CONSTITUIÇÃO DAS COMISSÕES INTERSETORIAIS DE ACOMPANHAMENTO DO PLANO NACIONAL DE PROMOÇÃO, PROTEÇÃO E DEFESA DO DIREITO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES À CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA

Leia mais

Re s p o n s a b i l i z a ç ã o e

Re s p o n s a b i l i z a ç ã o e Anexo II Di r e t r i z e s Ge r a i s d o s Se rv i ç o s d e Re s p o n s a b i l i z a ç ã o e Educação do Agressor SERVIÇO DE RESPONSABILIZAÇÃO E EDUCAÇÃO DO AGRESSOR Ap r e s e n ta ç ã o A presente

Leia mais

O artigo 8º da referida lei, contemplando exatamente a dimensão do sofrimento e dos danos que a violência doméstica e familiar provoca, determina:

O artigo 8º da referida lei, contemplando exatamente a dimensão do sofrimento e dos danos que a violência doméstica e familiar provoca, determina: TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO VARA CENTRAL DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR CONTRA A MULHER SP Projeto: DE MÃOS DADAS COM A REDE Introdução A violência doméstica e familiar contra a mulher é um fenômeno

Leia mais

PERFIL DAS MULHERES PARTICIPANTES DO PROJETO ACOLHER 2012.

PERFIL DAS MULHERES PARTICIPANTES DO PROJETO ACOLHER 2012. PERFIL DAS MULHERES PARTICIPANTES DO PROJETO ACOLHER 2012. O banco de dados desenvolvido para a execução do Projeto Acolher também atendia ao objetivo de produção de estatísticas. Deste modo, foi desenhado

Leia mais

Faço saber que a Câmara Municipal de Queimados, APROVOU e eu SANCIONO a seguinte Lei:

Faço saber que a Câmara Municipal de Queimados, APROVOU e eu SANCIONO a seguinte Lei: LEI N.º 1135/13, DE 01 DE ABRIL DE 2013. Dispõe sobre o Sistema Municipal de Assistência Social de Queimados e dá outras providências. Faço saber que a Câmara Municipal de Queimados, APROVOU e eu SANCIONO

Leia mais

PREVENÇÃO DE VIOLÊNCIAS E PROMOÇÃO DA CULTURA DE PAZ

PREVENÇÃO DE VIOLÊNCIAS E PROMOÇÃO DA CULTURA DE PAZ MINISTÉRIO DA SAÚDE IMPACTO DA VIOLÊNCIA NA SAÚDE DAS CRIANÇAS E ADOLESCENTES PREVENÇÃO DE VIOLÊNCIAS E PROMOÇÃO DA CULTURA DE PAZ VOCÊ É A PEÇA PRINCIPAL PARA ENFRENTAR ESTE PROBLEMA Brasília - DF 2008

Leia mais

ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: BALANÇO DE UMA DÉCADA

ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: BALANÇO DE UMA DÉCADA ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: BALANÇO DE UMA DÉCADA Área Temática: Direitos Humanos e Justiça Liza Holzmann (Coordenadora da Ação de Extensão) Liza Holzmann 1 Palavras Chave:

Leia mais

Programa Nacional de Enfrentamento da Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes

Programa Nacional de Enfrentamento da Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes Programa Nacional de Enfrentamento da Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes Mostrando que a proteção de nossas crianças e adolescentes também está em fase de crescimento Subsecretaria de Promoção

Leia mais

Em 30 anos, assassinatos de mulheres aumentam 239%

Em 30 anos, assassinatos de mulheres aumentam 239% Uma publicação da Escola Superior do Ministério Público de São Paulo ISSN 2179-7455 nº 56 outubro/novembro/dezembro de 2013 Em 30 anos, assassinatos de mulheres aumentam 239% Encontro Nacional do MP aborda

Leia mais

A EXPERIÊNCIA SOBRE REDE DE PROTEÇÃO CONTRA VIOLÊNCIA DE GÊNERO EM ARACAJU

A EXPERIÊNCIA SOBRE REDE DE PROTEÇÃO CONTRA VIOLÊNCIA DE GÊNERO EM ARACAJU A EXPERIÊNCIA SOBRE REDE DE PROTEÇÃO CONTRA VIOLÊNCIA DE GÊNERO EM ARACAJU Monique Elen Rodrigues de Araújo Oliveira 1 Catarina Nascimento de Oliveira 2 Magna de Sousa Silva Mendonça 3 O presente trabalho

Leia mais

5 ADOLESCÊNCIA. 5.1. Passagem da Infância Para a Adolescência

5 ADOLESCÊNCIA. 5.1. Passagem da Infância Para a Adolescência 43 5 ADOLESCÊNCIA O termo adolescência, tão utilizado pelas classes médias e altas, não costumam fazer parte do vocabulário das mulheres entrevistadas. Seu emprego ocorre mais entre aquelas que por trabalhar

Leia mais

Secretaria Nacional de Enfrentamento a Violencia contra as Mulheres

Secretaria Nacional de Enfrentamento a Violencia contra as Mulheres Secretaria Nacional de Enfrentamento a Violencia contra as Mulheres Setembro de 2012 Secretaria de Políticas para as Mulheres/PR Diretrizes para Enfrentamento ao Protocolo de Palermo Tráfico de Mulheres

Leia mais

DIREITOS HUMANOS, FEMINISMO E POLÍTICAS PÚBLICAS DE GÊNERO: APLICABILIDADE DA LEI Nº 11.340/06 EM CAMPINA GRANDE/PB

DIREITOS HUMANOS, FEMINISMO E POLÍTICAS PÚBLICAS DE GÊNERO: APLICABILIDADE DA LEI Nº 11.340/06 EM CAMPINA GRANDE/PB DIREITOS HUMANOS, FEMINISMO E POLÍTICAS PÚBLICAS DE GÊNERO: APLICABILIDADE DA LEI Nº 11.340/06 EM CAMPINA GRANDE/PB (ASFORA, R. V. S.) - Raphaella Viana Silva Asfora/Autora ¹ Escola Superior da Magistratura

Leia mais

Thiago Gondim de Almeida Oliveira 1 INTRODUÇÃO DESENVOLVIMENTO

Thiago Gondim de Almeida Oliveira 1 INTRODUÇÃO DESENVOLVIMENTO 154 Série Aperfeiçoamento de Magistrados 14 Curso: Capacitação em Gênero, Acesso à Justiça e Violência contra as Mulheres A Lei Maria da Penha e o Estímulo à Denúncia da Violência, o Acesso à Justiça,

Leia mais

Lei Maria da Penha. Raquel de Andrade Teixeira Cardoso 1 INTRODUÇÃO

Lei Maria da Penha. Raquel de Andrade Teixeira Cardoso 1 INTRODUÇÃO Lei Maria da Penha 123 Raquel de Andrade Teixeira Cardoso 1 INTRODUÇÃO De acordo com conceito firmado em 1994, em Belém/PA, na Convenção Interamericana para Prevenir, Punir e Erradicar a Violência contra

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE SERGIPE UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE

INSTITUTO FEDERAL DE SERGIPE UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE INSTITUTO FEDERAL DE SERGIPE UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE TECENDO E DISCUTINDO A REDE DE ATENÇÃO A MULHER Marluce da Silva Santana 1 Jessica Dariane Conceição de Brito 2 Carine dos Santos Conceição

Leia mais

Introdução. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1

Introdução. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( X ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA INCLUSÃO

Leia mais

Art. 2 O Sistema Municipal de Assistência Social de Mangueirinha SUAS é regido pelos seguintes princípios:

Art. 2 O Sistema Municipal de Assistência Social de Mangueirinha SUAS é regido pelos seguintes princípios: LEI Nº 1720/2012 Dispõe sobre o Sistema Municipal de Assistência Social de Mangueirinha SUAS (Sistema Único de Assistência Social). Faço saber, que a Câmara Municipal de Mangueirinha, Estado do Paraná

Leia mais

12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1

12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( X) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA O GRUPO SERMAIS:

Leia mais

FORTALECIMENTO DO SISTEMA DE GARANTIAS DOS DIREITOS HUMANOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES NOS MUNICÍPIOS DA REGIÃO DOS CAMPOS GERAIS

FORTALECIMENTO DO SISTEMA DE GARANTIAS DOS DIREITOS HUMANOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES NOS MUNICÍPIOS DA REGIÃO DOS CAMPOS GERAIS FORTALECIMENTO DO SISTEMA DE GARANTIAS DOS DIREITOS HUMANOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES NOS MUNICÍPIOS DA REGIÃO DOS CAMPOS GERAIS Área Temática: Direitos Humanos e Justiça Cleide Lavoratti (Coordenadora

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA CENTRO DE REFERÊNCIAS TÉCNICAS EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS CONVERSANDO SOBRE A PSICOLOGIA E O SUAS

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA CENTRO DE REFERÊNCIAS TÉCNICAS EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS CONVERSANDO SOBRE A PSICOLOGIA E O SUAS A sistematização que segue refere-se aos pontos trabalhados pelo grupo, no sentido de ativar a reflexão de questões que seriam tratadas no Encontro Estadual dos Trabalhadores do SUAS, realizado dia 16

Leia mais

PENSANDO NA PRÁTICA: AS AÇÕES E ATIVIDADES EXECUTADAS NOS CRAS/CREAS FACILITADORA: INÊS DE MOURA TENÓRIO

PENSANDO NA PRÁTICA: AS AÇÕES E ATIVIDADES EXECUTADAS NOS CRAS/CREAS FACILITADORA: INÊS DE MOURA TENÓRIO a Área da Assistência Social PENSANDO NA PRÁTICA: AS AÇÕES E ATIVIDADES EXECUTADAS NOS CRAS/CREAS FACILITADORA: INÊS DE MOURA TENÓRIO Assistência Social na PNAS Situada como proteção social não contributiva;

Leia mais

INFORMAÇÕES SOBRE O MUNICÍPIO DE ARARAQUARA RELATÓRIO CENTRO DE REFERÊNCIA DA MULHER

INFORMAÇÕES SOBRE O MUNICÍPIO DE ARARAQUARA RELATÓRIO CENTRO DE REFERÊNCIA DA MULHER INFORMAÇÕES SOBRE O MUNICÍPIO DE ARARAQUARA O Município de Araraquara está localizado no centro do Estado de São Paulo, possuindo uma área total 1.312 Km2 com 77,37 Km2 ocupados pela área urbana. Sua posição

Leia mais

PROJETO REDE ITINERANTE CONTRA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA DIVULGAÇÃO E MEMORIAL FOTOGRÁFICO DO PROJETO

PROJETO REDE ITINERANTE CONTRA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA DIVULGAÇÃO E MEMORIAL FOTOGRÁFICO DO PROJETO Veículo: Site Institucional do Ministério Público do Pará http://www.mppa.mp.br/index.php?action=menu.interna&id=4963&class=n Principal SANTARÉM: Rede itinerante de serviços de combate à violência doméstica

Leia mais

Entre o Suas e o Plano Brasil sem Miséria: Os Municípios Pactuando Caminhos Intersetoriais. 14º Encontro Nacional do Congemas

Entre o Suas e o Plano Brasil sem Miséria: Os Municípios Pactuando Caminhos Intersetoriais. 14º Encontro Nacional do Congemas Entre o Suas e o Plano Brasil sem Miséria: Os Municípios Pactuando Caminhos Intersetoriais 14º Encontro Nacional do Congemas CRAS como unidade de gestão local do SUAS 14º Encontro Nacional do Congemas

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE ENFRENTAMENTO A VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA A CRIANÇA E O ADOLESCENTE

PLANO MUNICIPAL DE ENFRENTAMENTO A VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA A CRIANÇA E O ADOLESCENTE PLANO MUNICIPAL DE ENFRENTAMENTO A VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA A CRIANÇA E O ADOLESCENTE APRESENTAÇÃO: A violência sexual contra a criança e o adolescente tem sido um problema de difícil enfrentamento por

Leia mais

Violência de Gênero e Polí cas Públicas no Brasil

Violência de Gênero e Polí cas Públicas no Brasil Violência de Gênero e Polí cas Públicas no Brasil Nilcea Freire Representante da Fundação Ford no Brasil. Ex-ministra da Secretaria de Polí cas para as Mulheres da Presidência da República. Em primeiro

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA CENTRO DE REFERÊNCIAS TÉCNICAS EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS CONVERSANDO SOBRE A PSICOLOGIA E O SUAS

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA CENTRO DE REFERÊNCIAS TÉCNICAS EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS CONVERSANDO SOBRE A PSICOLOGIA E O SUAS 1. Categorias profissionais que já compõem o SUAS RS: - Psicólogo - Assistente Social - Advogado - Educador Social - Nutricionista - Pedagogo - Enfermeiro - Estagiários - Supervisores e Coordenação - Técnico

Leia mais

PROGRAMA MEDIAÇÃO DE CONFLITOS

PROGRAMA MEDIAÇÃO DE CONFLITOS Programa Mediação Conflitos PROGRAMA MEDIAÇÃO DE CONFLITOS MARCO LÓGICO 2015 Programa Mediação Conflitos A- Intificação do Problema (Árvore problemas): ÁRVORE DE PROBLEMAS CONSEQUÊNCIAS PROBLEMA Homicídios

Leia mais

João Evangelista dos Santos Gestor da GPAC/SDS

João Evangelista dos Santos Gestor da GPAC/SDS A SDS através da Gerência de Prevenção e Articulação Comunitária GPAC/UPP, apresenta a mensagem informativa, por meio de Literatura popular sobre a lei 11.340/06, Lei Mª. da Penha. Parabenizamos o NUPREV-Sertão

Leia mais

NÚCLEO DE ESTUDOS DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR CONTRA A MULHER NA CIDADE DE PONTA GROSSA

NÚCLEO DE ESTUDOS DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR CONTRA A MULHER NA CIDADE DE PONTA GROSSA 9. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( X ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO (

Leia mais

Como proceder à notificação e para onde encaminhá-la?

Como proceder à notificação e para onde encaminhá-la? Se a família não quiser ou não puder assumir a notificação, o educador deverá informar a família que, por força da lei, terá que notificar o fato aos órgãos competentes. Como proceder à notificação e para

Leia mais

MUDANÇAS NO CONTEXTO FAMILIAR

MUDANÇAS NO CONTEXTO FAMILIAR 1 MUDANÇAS NO CONTEXTO FAMILIAR 1 SOUZA, M. A. 2 ZAMPAULO, J. 3 BARROS, D. R. B. Resumo: Com esse breve estudo buscou se refletir sobre as mudanças que a família tem vivenciado no contexto social. Procura

Leia mais

Projeto TEMPO DE DESPERTAR Em homenagem a Robin Willians

Projeto TEMPO DE DESPERTAR Em homenagem a Robin Willians Projeto TEMPO DE DESPERTAR Em homenagem a Robin Willians I. INTRODUÇÃO Durante uma pesquisa realizada exclusivamente com homens pelo Instituto Avon/Data Popular e lançada em novembro de 2013, alguns dados

Leia mais

Curso I Introdução ao provimento de serviços e benefícios socioassistenciais do SUAS

Curso I Introdução ao provimento de serviços e benefícios socioassistenciais do SUAS Curso I Introdução ao provimento de serviços e benefícios socioassistenciais do SUAS Módulo II - O provimento dos serviços socioassistenciais Proteção Social Especial Recife, fevereiro/2014 Conteúdo Programático

Leia mais

A MULHER VÍTIMA DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR EM PONTA GROSSA: SUBSÍDIOS PARA O DEBATE

A MULHER VÍTIMA DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR EM PONTA GROSSA: SUBSÍDIOS PARA O DEBATE 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( X ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA A MULHER

Leia mais

70% 500.000. De acordo com a nova lei, são crianças e adolescentes. 1. de estupro

70% 500.000. De acordo com a nova lei, são crianças e adolescentes. 1. de estupro O QUE É VIOLÊNCIA SEXUAL Todos os anos, estima-se que 500.000 70% Mulheres das vítimas sejam vítimas de estupro no Brasil, e que outros tantos milhões sofram com abusos e violências sexuais. de estupro

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL, SUAS e legislações pertinentes. Profa. Ma. Izabel Scheidt Pires

POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL, SUAS e legislações pertinentes. Profa. Ma. Izabel Scheidt Pires POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL, SUAS e legislações pertinentes Profa. Ma. Izabel Scheidt Pires REFERÊNCIAS LEGAIS CF 88 LOAS PNAS/04 - SUAS LOAS A partir da Constituição Federal de 1988, regulamentada

Leia mais

Experiência: Pacto nacional pelo enfrentamento da violência contra as mulheres

Experiência: Pacto nacional pelo enfrentamento da violência contra as mulheres Experiência: Pacto nacional pelo enfrentamento da violência contra as mulheres Presidência da República Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres Responsável: Aparecida Gonçalves, Subsecretária

Leia mais

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento;

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Objetivo geral Promover a igualdade no mundo do trabalho e a autonomia

Leia mais

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções)

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( x ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE

Leia mais

A Política e a Atividade de Microcrédito como Instrumentos de Geração de Trabalho e Renda e Inclusão Produtiva

A Política e a Atividade de Microcrédito como Instrumentos de Geração de Trabalho e Renda e Inclusão Produtiva Projeto de Pesquisa - Microcrédito Produtivo Orientado: Inovações de Tecnologia Social e Aperfeiçoamento de Política A Política e a Atividade de Microcrédito como Instrumentos de Geração de Trabalho e

Leia mais

1. Em relação aos crimes contra a violência doméstica, analise as afirmações e em seguida assinale a alternativa correta.

1. Em relação aos crimes contra a violência doméstica, analise as afirmações e em seguida assinale a alternativa correta. 1. Em relação aos crimes contra a violência doméstica, analise as afirmações e em seguida assinale a alternativa correta. I. Por expressa determinação legal não se aplicam aos crimes praticados com violência

Leia mais

QUESTÕES VOLTADAS AO ABORTO: UMA VISÃO MASCULINA

QUESTÕES VOLTADAS AO ABORTO: UMA VISÃO MASCULINA QUESTÕES VOLTADAS AO ABORTO: UMA VISÃO MASCULINA I. INTRODUÇÃO Cleonides Silva Dias Gusmão cleonides_silva@hotmail.com Ana Alayde Werba Saldanha Pichelli analayde@gmail.com Francisca Marina de Souza Freire

Leia mais

SAÚDE MENTAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA:

SAÚDE MENTAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA: SAÚDE MENTAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA: CRENÇAS DOS AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE ACERCA DO CUIDADO DA PESSOA EM SOFRIMENTO MENTAL. Programa de Pós-Graduação em Psicologia Faculdade de Filosofia Ciências

Leia mais

8ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE MINAS GERAIS

8ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE MINAS GERAIS 8ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE MINAS GERAIS DOCUMENTO FINAL EIXO 1 PROMOÇÃO DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE Ações de mobilização: 1. Ampla mobilização, por

Leia mais

PROPOSTAS PARA O ESTADO BRASILEIRO - NÍVEIS FEDERAL, ESTADUAL E MUNICIPAL

PROPOSTAS PARA O ESTADO BRASILEIRO - NÍVEIS FEDERAL, ESTADUAL E MUNICIPAL PROPOSTAS PARA O ESTADO BRASILEIRO - NÍVEIS FEDERAL, ESTADUAL E MUNICIPAL MEDIDAS CONCRETAS PARA O ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER NO ÂMBITO DOMÉSTICO/FAMILIAR A presente Matriz insere-se no

Leia mais

O Suas Sistema Único da Assistência Social em perspectiva Valéria Cabral Carvalho, CRESS nº 0897 Luiza Maria Lorenzini Gerber, CRESS nº 0968

O Suas Sistema Único da Assistência Social em perspectiva Valéria Cabral Carvalho, CRESS nº 0897 Luiza Maria Lorenzini Gerber, CRESS nº 0968 O Suas Sistema Único da Assistência Social em perspectiva Valéria Cabral Carvalho, CRESS nº 0897 Luiza Maria Lorenzini Gerber, CRESS nº 0968 Com a Constituição Federal de 1988, a Assistência Social passa

Leia mais

PESQUISA IBOPE / INSTITUTO AVON

PESQUISA IBOPE / INSTITUTO AVON PESQUISA IBOPE / INSTITUTO AVON PERCEPÇÕES E REAÇÕES DA SOCIEDADE SOBRE A VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER 2009 PARCERIAS INSTITUTO PATRÍCIA GALVÃO Planejamento e supervisão da pesquisa IBOPE INTELIGÊNCIA Campo

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº de de 2015.

PROJETO DE LEI Nº de de 2015. PROJETO DE LEI Nº de de 2015. INSTITUI A POLÍTICA ESTADUAL PARA O SISTEMA INTEGRADO DE INFORMAÇÕES DE VIOLÊNCIA CONTRA O IDOSO NO ESTADO DE GOIÁS, DENOMINADO OBSERVATÓRIO ESTADUAL DA VIOLÊNCIA CONTRA O

Leia mais

RESOLUÇÃO CONJUNTA CNAS/CONANDA Nº 001 DE 09 DE JUNHO DE 2010

RESOLUÇÃO CONJUNTA CNAS/CONANDA Nº 001 DE 09 DE JUNHO DE 2010 RESOLUÇÃO CONJUNTA CNAS/CONANDA Nº 001 DE 09 DE JUNHO DE 2010 Estabelece parâmetros para orientar a constituição, no âmbito dos Estados, Municípios e Distrito Federal, de Comissões Intersetoriais de Convivência

Leia mais

PESQUISA DIAGNÓSTICA - SISTEMATIZAÇÃO. - Sim, estou gostando dessa organização sim, porque a gente aprende mais com organização das aulas.

PESQUISA DIAGNÓSTICA - SISTEMATIZAÇÃO. - Sim, estou gostando dessa organização sim, porque a gente aprende mais com organização das aulas. ESCOLA MUNICIPAL BUENA VISTA Goiânia, 19 de junho de 2013. - Turma: Mestre de Obras e Operador de computador - 62 alunos 33 responderam ao questionário Orientador-formador: Marilurdes Santos de Oliveira

Leia mais

O PAPEL DO PEAS VALE NA REDE DE PROTEÇÃO À CRIANÇA E AO ADOLESCENTE Anna Cláudia Eutrópio B. d`andrea Janaína A. de Ávila Couto Lage

O PAPEL DO PEAS VALE NA REDE DE PROTEÇÃO À CRIANÇA E AO ADOLESCENTE Anna Cláudia Eutrópio B. d`andrea Janaína A. de Ávila Couto Lage 1 Módulo 4 Rede de proteção e direitos O PAPEL DO PEAS VALE NA REDE DE PROTEÇÃO À CRIANÇA E AO ADOLESCENTE Anna Cláudia Eutrópio B. d`andrea Janaína A. de Ávila Couto Lage Ao pensarmos no papel do Programa

Leia mais

Projeto. Amigos da Rede

Projeto. Amigos da Rede PREFEITURA MUNICIPAL DE MAUÁ e Ribeirão Pires Projeto Amigos da Rede Mauá Dez/2009. 1. APRESENTAÇÃO O município de Mauá, que integra a Região metropolitana de São Paulo, realizou sua emancipação a partir

Leia mais

DataSenado. Secretaria de Transparência DataSenado. Março de 2013

DataSenado. Secretaria de Transparência DataSenado. Março de 2013 Violência Doméstica e Familiar Contra a Mulher DataSenado Março de 2013 Mulheres conhecem a Lei Maria da Penha, mas 700 mil ainda sofrem agressões no Brasil Passados quase 7 desde sua sanção, a Lei 11.340

Leia mais

A INTERVENÇÃO DO ASSISTENTE SOCIAL NAS QUESTÕES DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA MULHER

A INTERVENÇÃO DO ASSISTENTE SOCIAL NAS QUESTÕES DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA MULHER A INTERVENÇÃO DO ASSISTENTE SOCIAL NAS QUESTÕES DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA MULHER Elizangela da Silva Carvalho 2 Nilra de Souza Pinheiro Lôbo 1 RESUMO: O artigo discute a atuação do assistente social

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 Institui o Programa Mais Educação, que visa fomentar a educação integral de crianças, adolescentes e jovens, por meio do apoio a atividades

Leia mais

SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO E ASSISTÊNCIA SOCIAL - SEDAS GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO, PROJETOS E CAPACITAÇÃO TEXTO I

SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO E ASSISTÊNCIA SOCIAL - SEDAS GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO, PROJETOS E CAPACITAÇÃO TEXTO I TEXTO I Igualdade de Gênero no Enfrentamento à Violência Contra a Mulher As desigualdades são sentidas de formas diferentes pelas pessoas dependendo do seu envolvimento com a questão. As mulheres sentem

Leia mais

Plano Integrado de Capacitação de Recursos Humanos para a Área da Assistência Social PAPÉIS COMPETÊNCIAS

Plano Integrado de Capacitação de Recursos Humanos para a Área da Assistência Social PAPÉIS COMPETÊNCIAS PAPÉIS E COMPETÊNCIAS O SERVIÇO PSICOSSOCIAL NO CREAS... O atendimento psicossocial no serviço é efetuar e garantir o atendimento especializado (brasil,2006). Os profissionais envolvidos no atendimento

Leia mais

Transcrição de Entrevista nº 5

Transcrição de Entrevista nº 5 Transcrição de Entrevista nº 5 E Entrevistador E5 Entrevistado 5 Sexo Feminino Idade 31 anos Área de Formação Engenharia Electrotécnica e Telecomunicações E - Acredita que a educação de uma criança é diferente

Leia mais

SABE, ESSA É A MINHA FAMÍLIA. É isso mesmo! A gente nem pensa nisso, não é? Mas vamos ver como acontece. Venha comigo.

SABE, ESSA É A MINHA FAMÍLIA. É isso mesmo! A gente nem pensa nisso, não é? Mas vamos ver como acontece. Venha comigo. Apoio: A Constituição Federal do Brasil diz que: É dever da família, da sociedade e do Estado assegurar à criança e ao adolescente, com absoluta prioridade, o direito à vida, à saúde, à alimentação, à

Leia mais

JORNADA DAS MARGARIDAS 2013

JORNADA DAS MARGARIDAS 2013 JORNADA DAS MARGARIDAS 2013 PAUTA INTERNA 1 - ORGANIZAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SINDICAL 1 Assegurar condições de igualdade para homens e mulheres exercerem com autonomia o trabalho sindical nas diversas secretarias

Leia mais

Crianças e Adolescentes Vítimas de Violência Intrafamiliar em Situação de Abrigo: possibilidades interventivas de retorno às famílias de origem

Crianças e Adolescentes Vítimas de Violência Intrafamiliar em Situação de Abrigo: possibilidades interventivas de retorno às famílias de origem Crianças e Adolescentes Vítimas de Violência Intrafamiliar em Situação de Abrigo: possibilidades interventivas de retorno às famílias de origem Um Estudo realizado junto ao Serviço Sentinela de Florianópolis/SC

Leia mais

III SEMINÁRIO POLÍTICAS SOCIAIS E CIDADANIA AUTOR DO TEXTO: Fernanda de Lazari Cardoso; Marisa Alves Lacerda; Luciana da Silva Oliveira

III SEMINÁRIO POLÍTICAS SOCIAIS E CIDADANIA AUTOR DO TEXTO: Fernanda de Lazari Cardoso; Marisa Alves Lacerda; Luciana da Silva Oliveira III SEMINÁRIO POLÍTICAS SOCIAIS E CIDADANIA AUTOR DO TEXTO: Fernanda de Lazari Cardoso; Marisa Alves Lacerda; Luciana da Silva Oliveira Fortalecendo as escolas na rede de proteção à criança e ao adolescente

Leia mais

Conversando com os pais

Conversando com os pais Conversando com os pais Motivos para falar sobre esse assunto, em casa, com os filhos 1. A criança mais informada, e de forma correta, terá mais chances de saber lidar com sua sexualidade e, no futuro,

Leia mais

Pesquisa Instituto Avon / Data Popular. Violência contra a mulher: o jovem está ligado?

Pesquisa Instituto Avon / Data Popular. Violência contra a mulher: o jovem está ligado? Pesquisa Instituto Avon / Data Popular Violência contra a mulher: o jovem está ligado? Com quem falamos? Jovens brasileiros Mulheres Homens Pesquisa online Autopreenchimento Amostra nacional de 16 a 24

Leia mais

Pesquisa Instituto Avon / Data Popular. Violência contra a mulher: o jovem está ligado?

Pesquisa Instituto Avon / Data Popular. Violência contra a mulher: o jovem está ligado? Pesquisa Instituto Avon / Data Popular Violência contra a mulher: o jovem está ligado? Com quem falamos? Jovens brasileiros Mulheres Homens Pesquisa online Autopreenchimento Amostra nacional de 16 a 24

Leia mais

AUTORES RESUMO PALAVRAS-CHAVE

AUTORES RESUMO PALAVRAS-CHAVE MANIFESTAÇÕES DA VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER UM ESTUDO DO SERVIÇO SOCIAL NO NÚCLEO DE PRÁTI- CA JURÍDICA DA UNIÃO DAS FACULDADES DOS GRANDES LAGOS AUTORES Danieli Cristina Oliveira VELANI Érika Cristina

Leia mais

do Idoso Portaria 104/2011

do Idoso Portaria 104/2011 DEVER DE NOTIFICAR- do Idoso Portaria 104/2011 Lei 6.259/75l Lei 10.778/03, ECA, Estatuto n Médicos n Enfermeiros n Odontólogos n Biólogos n Biomédicos n Farmacêuticos n Responsáveis por organizações e

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA SECRETARIA DE JUSTIÇA, DIREITOS HUMANOS E DESENVOLVIMENTO SOCIAL Superintendência de Apoio e Defesa aos Direitos Humanos

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA SECRETARIA DE JUSTIÇA, DIREITOS HUMANOS E DESENVOLVIMENTO SOCIAL Superintendência de Apoio e Defesa aos Direitos Humanos TERMO DE REFERÊNCIA EDITAL DE SELEÇÃO DE ENTIDADES PRIVADAS SEM FINS LUCRATIVOS N /2015: EXECUÇÃO DO PROGRAMA DE PROTEÇÃO A CRIANÇAS E ADOLESCENTES AMEAÇADOS DE MORTE NO ESTADO DA BAHIA (PPCAAM/BA).. 1.

Leia mais

Secretaria Nacional de Assistência Social

Secretaria Nacional de Assistência Social POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL SUAS Secretaria Nacional de Assistência Social MARCOS NORMATIVOS E REGULATÓRIOS Constituição Federal 1988 LOAS 1993 PNAS 2004

Leia mais

Rede de Proteção às Pessoas em Situação de Violência Intrafamilar: Experiência de Blumenau, SC

Rede de Proteção às Pessoas em Situação de Violência Intrafamilar: Experiência de Blumenau, SC Anais do 2º Congresso Brasileiro de Extensão Universitária Belo Horizonte 12 a 15 de setembro de 2004 Rede de Proteção às Pessoas em Situação de Violência Intrafamilar: Experiência de Blumenau, SC Área

Leia mais

Ana Paula Vitelli, Ph.D. Reunião do Comitê de RH, Britcham 08 de Outubro, 2013 São Paulo SP

Ana Paula Vitelli, Ph.D. Reunião do Comitê de RH, Britcham 08 de Outubro, 2013 São Paulo SP Ana Paula Vitelli, Ph.D. Reunião do Comitê de RH, Britcham 08 de Outubro, 2013 São Paulo SP Introdução Do que estamos falando? Um grupo específico de mulheres Uma visão Pesquisa de Doutorado na FGV EAESP

Leia mais

O PETI e o Trabalho em Rede. Maria de Fátima Nassif Equipe Proteção Social Especial Coordenadoria de Ação Social Secretaria de Desenvolvimento Social

O PETI e o Trabalho em Rede. Maria de Fátima Nassif Equipe Proteção Social Especial Coordenadoria de Ação Social Secretaria de Desenvolvimento Social O PETI e o Trabalho em Rede Maria de Fátima Nassif Equipe Proteção Social Especial Coordenadoria de Ação Social Secretaria de Desenvolvimento Social Articulação da rede de serviços socioassistenciais Proteção

Leia mais

25 de novembro - Dia Internacional de Combate à Violência Contra as Mulheres. Carta de Brasília

25 de novembro - Dia Internacional de Combate à Violência Contra as Mulheres. Carta de Brasília Anexo VI 25 de novembro - Dia Internacional de Combate à Violência Contra as Mulheres Carta de Brasília Na véspera do Dia Internacional de Combate à Violência Contra as Mulheres nós, trabalhadoras dos

Leia mais

MEU TIO MATOU UM CARA

MEU TIO MATOU UM CARA MEU TIO MATOU UM CARA M eu tio matou um cara. Pelo menos foi isso que ele disse. Eu estava assistindo televisão, um programa idiota em que umas garotas muito gostosas ficavam dançando. O interfone tocou.

Leia mais

www.senado.leg.br/datasenado

www.senado.leg.br/datasenado www.senado.leg.br/datasenado Lei Maria da Penha completa 9 Promulgada em 2006, a Lei Maria da Penha busca garantir direitos da mulher, além da prevenção e punição de casos de violência doméstica e familiar.

Leia mais