ANEXO XI (CONSOLIDADO) PARÂMETROS PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS

Save this PDF as:
Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANEXO XI (CONSOLIDADO) PARÂMETROS PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS"

Transcrição

1 ANEXO XI (CONSOLIDADO) PARÂMETROS PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS 1. INTRODUÇÃO 1.1. Este anexo tem por objetivo orientar as Licitantes na elaboração do Plano de Negócios, conforme requerido no Edital, de modo a padronizar a elaboração e apresentação do plano de negócios quanto a: a) consistência do Plano de Negócios de forma a permitir que se proceda à análise de coerência entre as diferentes previsões feitas quanto ao montante e ao calendário de investimentos, custos operacionais e receitas; b) Verificação da razoabilidade das estimativas realizadas pela Licitante, principalmente sobre os seguintes aspectos: Custos previstos para os investimentos e despesas operacionais correntes; Valores de arrecadação e sua justificativa Na elaboração do Plano de Negócios, a Licitante deverá seguir as instruções abaixo: a) não considerar qualquer expectativa de inflação; b) considerar todos os tributos incidentes sobre o objeto da Licitação, na forma da legislação vigente, salvo as excepcionalidades definidas neste Edital e em seus Anexos; c) considerar, por ocasião da elaboração do Plano de Negócios, o regime contábil e fiscal vigente no país; d) expressar todos os valores em reais (R$), referidos na data-base de apresentação dos documentos de habilitação e proposta de preços, conforme definido no Edital; 1 Consolidado

2 e) considerar o prazo de 35 (trinta e cinco) anos para a concessão, contado a partir da data da emissão da ORDEM DE INÍCIO. 2. APRESENTAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS A Licitante deverá observar a estrutura abaixo descrita, para compor o volume correspondente ao Plano de Negócios, onde são fornecidas as instruções para atendimento ao Edital: I. SUMÁRIO Capeando o Volume, deverá ser apresentado um Sumário, onde cada capítulo, seção ou subseção será identificado com os números da página de início e, se for o caso, o volume e o tomo onde se encontra. II. CARTA DE APRESENTAÇÃO Inserir a Carta de Apresentação do Plano de Negócios. III. PLANO DE NEGÓCIOS O Plano de Negócios será composto por quadros a serem preenchidos pela Licitante (Quadros 1 a 12). É facultado à Licitante apresentar Quadros Auxiliares que facilitem a compreensão dos números apresentados. IV. TERMO DE ENCERRAMENTO DO VOLUME 3. INSTRUÇÕES PARA PREENCHIMENTO DOS QUADROS DO PLANO DE NEGÓCIOS: 3.1. Este manual apresenta instruções para preenchimento das planilhas para elaboração do Plano de Negócios Quadros do Plano de Negócios 2 Consolidado

3 Quadro 1 Visitação No preenchimento do Quadro 1 os Licitantes deverão seguir fielmente a projeção de visitação mensal divido por visitantes pagantes (meia entrada e inteira) e isentos Quadro 2 Projeção de Receita A Licitante deverá preencher as receitas conforme a origem, apresentando as diferentes origens por categoria. Receitas advindas de ingresso, gastronomia, outras atrações, tais como, circuito aventura, tirolesa, serviços, tais como, foto e aluguéis, estacionamento, patrocínio e outras possíveis receitas Quadro 3 Tributos No Quadro 3 a Licitante deverá preencher os tributos incidentes sobre todo os tipos de Receita que houver separados por categoria Quadro 4 Custos Operacionais a) No Quadro 4 deverão constar as informações referentes aos Custos e Despesas Operacionais previstos pela Licitante para todo o período da Concessão, sendo os principais: mão de obra, materiais, água e esgoto, energia, alimentação animal, segurança, software. b) A Licitante deverá considerar o percentual da Receita Bruta Total, a ser retido pela Prefeitura pelo pagamento da OUTORGA VARIÁVEL, a partir do 25º (vigésimo quinto) mês, de 5% (cinco por cento) para bilheteria até de visitantes pagantes, 10% (dez por cento) para bilheteria acima de e até de visitantes pagantes e 12% (doze por cento) acima de de visitantes pagantes, seguindo o critério definido no item do Edital. 3 Consolidado

4 c) A Licitante deverá apresentar neste quadro também o valor de desembolso referente aos estudos do Processo de Manifestação de Interesse, conforme item 26.6 (IV) do Edital Quadro 5 Cronograma Percentual dos Investimentos da Concessionária a) No Quadro 5, a Licitante deverá preencher os totais para cada item de Investimento necessários à remodelação completa do Jardim Zoológico tal como previsto no Termo de Referência, e o respectivo cronograma financeiro em termos percentuais. b) A Licitante deverá preencher o cronograma financeiro em termos percentuais obedecendo às prioridades e etapas definidas pelo Termo de Referência, em categorias, tais como, recintos, pavimentação, estacionamento, infraestrutura e saneamento, restaurante, café, edifício histórico, área de convivência, setor de manejo e demais atrações. c) Neste quadro a Licitante deverá apresentar sua proposta para o valor da Outorga fixa a ser paga ao Poder Concedente, considerando um piso de R$ ,00 (um milhão cento e trinta e nove mil reais) Quadro 6 Cronograma Financeiro dos Demais Investimentos a) No Quadro 6 deverão constar as informações referentes aos demais investimentos previstos ao longo da concessão, tais como, veículos, equipamentos, TI, entre outros Quadro 7: Depreciação e Amortização a) No Quadro 7 a Licitante deverá apresentar o resumo da depreciação e amortização dos investimentos nos itens solicitados. b) Todos os investimentos devem ser depreciados ou amortizados no prazo da Concessão. 4 Consolidado

5 Quadro 8: Demonstrativo de Resultado Não Alavancado da Concessionária No Quadro 8 deverão ser consolidadas as informações referentes ao resultado não alavancado da Concessionária ao longo do período de Concessão Quadro 9: Fluxo de Caixa Não Alavancado da Concessionária No Quadro 9 deverão ser consolidadas as informações referentes ao fluxo de caixa não alavancado da Concessionária ao longo do período de Concessão Quadro 10: Financiamentos No Quadro 10 a Licitante deverá informar o fluxo de pagamento do serviço da dívida e a taxa de juros real considerada para cada financiamento previsto Quadro 11: Demonstrativo de Resultado Alavancado da Concessionária No Quadro 11 deverão ser consolidadas as informações referentes ao resultado alavancado da Concessionária ao longo do período de Concessão Quadro 12: Fluxo de Caixa Alavancado da Concessionária No Quadro 12 deverão ser consolidadas as informações referentes ao fluxo de caixa alavancado da Concessionária ao longo do período de Concessão. 4. PLANO DE NEGÓCIOS 4.1. Para tanto, o Plano de Negócios deverá retratar o modelo de negócio de forma a permitir que se proceda a análise das previsões consideradas quanto aos investimentos, as despesas operacionais e as receitas do empreendimento. 5 Consolidado

6 Quadro 01 - Estimativa de Visitação Número de Visitantes por Mês Ano 01 Ano 02 Ano 03 Ano 04 Ano Ano 35 Mês 01 Mês 02 Mês 03 Mês 04 Mês 05 Mês 06 Mês 07 Mês 08 Mês 09 Mês 10 Mês 11 Mês 12 Total Anual

7 Quadro 02 - Projeção de Receita ESPECIFICAÇÃO DAS RECEITAS Ano 01 Ano 02 Ano 03 Ano 04 Ano Ano 35 Fluxo de caixa Receita Ingresso Receita Gastronomia ReceitaOutras Atrações (circuito aventura, tirolesa, etc) Receita Serviços (foto, aluguéis, etc) Receita Estacionamento Receita Patrocínio Outras Receitas Total Anual 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 Valor do ingresso R$ 0,00 7

8 Quadro 03 - Tributos Ano 01 Ano 02 Ano 03 Ano 04 Ano Ano 35 TOTAL Receita Ingresso ISS 5,00% 0,00 PIS 0,00 COFINS 0,00 Receitas Outras Atrações ISS 5,00% 0,00 PIS 0,00 COFINS 0,00 Receita Gastronomia ICMS 2,00% 0,00 PIS 0,00 COFINS 0,00 Receita Lojas ICMS 19,00% 0,00 PIS 0,00 COFINS 0,00 Receita Patrocínio PIS 0,00 COFINS 0,00 Receita Estacionamento ISS 5,00% 0,00 PIS 0,00 COFINS 0,00 Outras Receitas ISS 5,00% 0,00 PIS 0,00 COFINS 0,00 Total Anual 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 8

9 Quadro 04 - Projeção dos Custos e Despesas ESPECIFICAÇÃO DOS CUSTOS Ano 01 Ano 02 Ano 03 Ano 04 Ano Ano 35 TOTAL Mão de Obra 0,00 Materiais 0,00 Seguros e Garantias 0,00 Água e Esgoto 0,00 Energia Elétrica 0,00 Alimentação Animal 0,00 Serviços de Manutenção 0,00 Segurança e Limpeza 0,00 Software 0,00 Outros Serviços de Terceiros 0,00-0,00-0,00 Reembolso PMI 0,00 Outorga Variável 0,00 Total Anual 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 % da Receita Tarifária para pagamento de Outorga Variável 5,00% 5,00% 10,00% 10,00% 10,00% 10,00% 10,00% 9

10 Quadro 05 - Cronograma Percentual dos Investimentos ESPECIFICAÇÃO DOS INVESTIMENTOS TOTAL Ano 01 - Mês 01 Ano 01 - Mês 02 Ano 01 - Mês 03 Ano 01 - Mês 04 Ano 01 - Mês Ano 02 - Mês 12 TOTAL % % % % % % % Recintos 0,00 Pavimentação 0,00% Estacionamento 0,00% Paisagismo (exceto recintos) 0,00% Infraestrutura e saneamento 0,00% Restaurante 0,00% Café 0,00% Edifício Histórico 0,00% Área de Convivência 0,00 Setor de Manejo 0,00% Outras atrações 0,00% 0,00% 0,00% 0,00% 0,00% 0,00% Outorga ( 1.139,00 ) 0,00% 10

11 Quadro 06 - Cronograma Financeiro Demais Investimentos ESPECIFICAÇÃO DOS INVESTIMENTOS Ano 01 Ano 02 Ano 03 Ano 04 Ano Ano 35 TOTAL Veículos 0,00 Equipamentos 0,00 TI 0,00 Outros Investimentos 0,00 Total Anual 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 11

12 Quadro 07 - Projeção da Depreciação e Amortização dos Investimentos ESPECIFICAÇÃO DOS INVESTIMENTOS Ano 01 Ano 02 Ano 03 Ano 04 Ano Ano 35 TOTAL Obra Civil e Infra-estrutura Sistemas Básicos e Elétricos Despesas pré-operacionais Equipamentos Outros Investimentos Total Anual 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 12

13 Quadro 08 - Demonstrativo de Resultado não Alavancado da Concessionária HISTÓRICO Ano 01 Ano 02 Ano 03 Ano 04 Ano Ano 35 TOTAL 1) Receita 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 - Receita Ingresso 0,00 - Receita Gastronomia 0,00 - Receita de outras atrações 0,00 - Receita de Serviços - Receita Estacionamento - Receita Patrocínio - Outras Receitas 2) Tributos - ISS 0,00 - PIS - COFINS 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 3) Custos e Despesas 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 - Custos e Despesas Totais 0,00 4) Depreciação e Amortização 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 5) Resultado Operacional 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 6) Resultado Financeiro 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 - Receitas Financeiras 0,00 - Despesas Financeiras 0,00 7) Resultado Antes de Impostos 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 8) Imposto de Renda e Contribuição Social 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 - Contribuição Social 0,00 - Imposto de Renda 0,00 0,00 Resultado Líquido 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 13

14 Quadro 09 - Fluxo de Caixa não Alavancado da Concessionária HISTÓRICO Ano 01 Ano 02 Ano 03 Ano 04 Ano TOTAL 1) Receita - Receita Ingresso 0,00 - Receita Gastronomia 0,00 - Receita de outras atrações 0,00 - Receita de Serviços - Receita Estacionamento - Receita Patrocínio - Outras Receitas 2) Tributos 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 - ISS 0,00 - PIS 0,00 - COFINS 0,00 3) Custos e Despesas 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 - Custos Totais 0,00 4) Investimentos 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 5) Resultado Financeiro 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 - Receitas Financeiras 0,00 - Despesas Financeiras 0,00 6) Imposto de Renda e Contribuição Social 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 - Contribuição Social 0,00 - Imposto de Renda 0,00 Geração de Caixa do Projeto 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 Saldo de Caixa Final 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 Tir do Projeto 14

15 Quadro 10 - Financiamentos ESPECIFICAÇÃO DOS FINANCIAMENTOS Ano 01 Ano 02 Ano 03 Ano 04 Ano Ano 35 TOTAL Financiamento 1 - Liberação dos Empréstimos 0,00 - Amortização dos Empréstimos 0,00 - Juros e Variações 0,00 - Taxa Real de Juros (em %) Financiamento 2 - Liberação dos Empréstimos 0,00 - Amortização dos Empréstimos 0,00 - Juros e Variações 0,00 - Taxa Real de Juros (em %) Financiamento 3 - Liberação dos Empréstimos 0,00 - Amortização dos Empréstimos 0,00 - Juros e Variações 0,00 - Taxa Real de Juros (em %) Financiamento 4 - Liberação dos Empréstimos 0,00 - Amortização dos Empréstimos 0,00 - Juros e Variações 0,00 - Taxa Real de Juros (em %) 15

16 Quadro 11 - Demonstrativo de Resultado Alavancado da Concessionária HISTÓRICO Ano 01 Ano 02 Ano 03 Ano 04 Ano Ano 35 TOTAL 1) Receita - Receita Ingresso 0,00 - Receita Gastronomia 0,00 - Receita de outras atrações 0,00 - Receita de Serviços - Receita Estacionamento - Receita Patrocínio - Outras Receitas 2) Tributos 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 - ISS 0,00 - PIS 0,00 - COFINS 0,00 3) Custos e Despesas 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 - Custos Totais 0,00 4) Depreciação e Amortização 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 5) Resultado Operacional 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 6) Resultado Financeiro 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 - Receitas Financeiras 0,00 - Financiamentos - Juros e Variações 0,00 - Despesas Financeiras 0,00 7) Resultado Antes de Impostos 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 8) Imposto de Renda e Contribuição Social 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 - Contribuição Social 0,00 - Imposto de Renda 0,00 Resultado Líquido 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 16

17 Quadro 12 - Fluxo de Caixa Alavancado da Concessionária HISTÓRICO Ano 01 Ano 02 Ano 03 Ano 04 Ano Ano 35 TOTAL 1) Receita 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 - Receita Ingresso 0,00 - Receita Gastronomia 0,00 - Receita de outras atrações 0,00 - Receita de Serviços - Receita Estacionamento - Receita Patrocínio - Outras Receitas 2) Tributos 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 - ISS 0,00 - PIS 0,00 - COFINS 0,00 3) Custos e Despesas 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 - Custos e Despesas Totais 0,00 4) Investimentos 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00-1ª Etapa de Implantação da Rede Prioritária 0,00-2ª Etapa de Implantação da Rede Prioritária 0,00 - Demais Investimentos 0,00 5) Resultado Financeiro 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 - Receitas Financeiras 0,00 - Liberação dos Empréstimos 0,00 - Amortização dos Empréstimos 0,00 - Juros e Variações 0,00 - Despesas Financeiras 0,00 6) Imposto de Renda e Contribuição Social 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 - Contribuição Social 0,00 - Imposto de Renda 0,00 Geração de Caixa do Projeto 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 Saldo de Caixa Final 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 17

GOVERNO DO ESTADO DO PARANÁ SECRETARIA DE ESTADO DO PLANEJAMENTO E COORDENAÇÃO GERAL PARANÁ-PARCERIAS ANEXO V

GOVERNO DO ESTADO DO PARANÁ SECRETARIA DE ESTADO DO PLANEJAMENTO E COORDENAÇÃO GERAL PARANÁ-PARCERIAS ANEXO V ANEXO V DIRETRIZES PARA APRESENTAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS DO CORREDOR DA PR-323 CONSULTA PÚBLICA nº 01 18/11/2013 ANEXO V DIRETRIZES PARA APRESENTAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS DO CORREDOR DA PR-323 1. PLANO

Leia mais

ANEXO IV MODELO DE PROPOSTA COMERCIAL

ANEXO IV MODELO DE PROPOSTA COMERCIAL ANEXO IV MODELO DE PROPOSTA COMERCIAL 1 Página 1 de 9 2 1. INTRODUÇÃO 1 1.1 O CONCORRENTE deverá apresentar sua PROPOSTA COMERCIAL em um envelope lacrado (envelope nº 3) que será entregue juntamente com

Leia mais

ANEXO IV MODELO DE PROPOSTA COMERCIAL

ANEXO IV MODELO DE PROPOSTA COMERCIAL ANEXO IV MODELO DE PROPOSTA COMERCIAL Página 1 de 13 1. INTRODUÇÃO 1.1 O CONCORRENTE deverá apresentar sua PROPOSTA COMERCIAL em um envelope lacrado (envelope nº 3) que será entregue juntamente com os

Leia mais

ANEXO DO EDITAL. Anexo IV DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS DE REFERÊNCIA

ANEXO DO EDITAL. Anexo IV DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS DE REFERÊNCIA ANEXO DO EDITAL Anexo IV DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS DE REFERÊNCIA Dezembro - 2013 Anexo IV: Diretrizes para elaboração do Plano de Negócios de Referência Índice 1 Introdução... 3 2

Leia mais

Anexo 4. Termo de Referência do Plano de Negócios

Anexo 4. Termo de Referência do Plano de Negócios Anexo 4 Termo de Referência do Plano de Negócios I. Introdução 1.1. Este Termo de Referência tem por objetivo orientar as Proponentes na elaboração de seu Plano de Negócios, conforme definido no Edital,

Leia mais

CONCORRÊNCIA PÚBLICA Nº 004/2016/CPL. Anexo 04 PROPOSTA COMERCIAL

CONCORRÊNCIA PÚBLICA Nº 004/2016/CPL. Anexo 04 PROPOSTA COMERCIAL CONCORRÊNCIA PÚBLICA Nº 004/2016/CPL Anexo 04 PROPOSTA COMERCIAL PROPOSTA COMERCIAL I. APRESENTAÇÃO 1.1. A presente LICITAÇÃO tem a finalidade de selecionar a proposta mais vantajosa, apresentada por empresa

Leia mais

01. Uma empresa fabrica três produtos: produto A, produto B e produto C, com os seguintes preços, custos diretos e consumo de matéria-prima unitários:

01. Uma empresa fabrica três produtos: produto A, produto B e produto C, com os seguintes preços, custos diretos e consumo de matéria-prima unitários: Página 1 de 14 01. Uma empresa fabrica três produtos: produto A, produto B e produto C, com os seguintes preços, custos diretos e consumo de matéria-prima unitários: Produto Preço Custos Diretos Matéria-prima

Leia mais

ANEXO V - TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DA PROPOSTA COMERCIAL

ANEXO V - TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DA PROPOSTA COMERCIAL ANEXO V - TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DA PROPOSTA COMERCIAL 1.0 QUANTITATIVOS DE REFERÊNCIA. Item 1 2 3 4 5 6 7 8 Serviços Coleta, Transporte e Destinação Final de Resíduos Sólidos Domiciliares

Leia mais

Empreendedorismo CAPÍTULO [13] UNIDADE I. Plano de Negócios: Plano Financeiro. www.demostenesfarias.wordpress.com

Empreendedorismo CAPÍTULO [13] UNIDADE I. Plano de Negócios: Plano Financeiro. www.demostenesfarias.wordpress.com Empreendedorismo Plano de Negócios: Plano Financeiro [13] UNIDADE I CAPÍTULO PLANO DE NEGÓCIOS - Dever de casa (1) Capa; SUMÁRIO EXECUTIVO: Enunciado do Projeto; Competência dos responsáveis; os produtos

Leia mais

PROFESSOR DOCENTE I - CONTABILIDADE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS. Com base nas informações abaixo, responda às questões de nº 26 a 30.

PROFESSOR DOCENTE I - CONTABILIDADE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS. Com base nas informações abaixo, responda às questões de nº 26 a 30. CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Com base nas informações abaixo, responda às questões de nº 26 a 30. ELEMENTOS DE GASTOS VALOR EM R$ Matéria-prima consumida 10.000 Aluguel da loja comercial 5.000 Energia da

Leia mais

ORIENTAÇÃO DE PREENCHIMENTO DO PLANO DE TRABALHO PARA O PROGRAMA BRASIL ALFABETIZADO 2005

ORIENTAÇÃO DE PREENCHIMENTO DO PLANO DE TRABALHO PARA O PROGRAMA BRASIL ALFABETIZADO 2005 ORIENTAÇÃO DE PREENCHIMENTO DO PLANO DE TRABALHO PARA O PROGRAMA BRASIL ALFABETIZADO 2005 ANEXO 1 - DECLARAÇÃO DE CUMPRIMENTO DOS CONDICIONANTES LEGAIS Campo 1 - CNPJ com o número que consta no Cadastro

Leia mais

Diagnóstico da Convergência às Normas Internacionais IAS 21 - The Effects of Changes in Foreign Exchange Rates

Diagnóstico da Convergência às Normas Internacionais IAS 21 - The Effects of Changes in Foreign Exchange Rates Diagnóstico da Convergência às Normas Internacionais IAS 21 - The Effects of Changes in Foreign Exchange Rates Situação: PARCIALMENTE DIVERGENTE 1. Introdução O IAS 21 The Effects of Changes in Foreign

Leia mais

LEYA BIKES CARTA- CONVITE LICITAÇÃO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO DE CONSULTORIA

LEYA BIKES CARTA- CONVITE LICITAÇÃO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO DE CONSULTORIA LEYA BIKES CARTA- CONVITE LICITAÇÃO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO DE CONSULTORIA 1. OBJETO 1.1. A LEYA BIKES S.A realizará licitação para a prestação dos serviços de Consultoria em Comunicação, levando em conta

Leia mais

ROTEIRO DE PRESTAÇÃO DE CONTAS LEI DE INCENTIVO À CULTURA

ROTEIRO DE PRESTAÇÃO DE CONTAS LEI DE INCENTIVO À CULTURA GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DE CULTURA DEPARTAMENTO GERAL DE ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS COORDENADORIA DE PRESTAÇÃO DE CONTAS ROTEIRO DE PRESTAÇÃO DE CONTAS LEI DE INCENTIVO À

Leia mais

Gestão de custos Aula 1. Objetivos da disciplina. Objetivos da aula. Por que estudar os Custos? Por que devemos conhecer os Custos?

Gestão de custos Aula 1. Objetivos da disciplina. Objetivos da aula. Por que estudar os Custos? Por que devemos conhecer os Custos? Gestão de custos Aula 1 Terminologias e Classificação em Custos Regis Garcia Mestre em Contabilidade com ênfase em Finanças pela UFPR, Especialista em Contabilidade Societária e Gerencial e em Controladoria

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE MAUÁ DA SERRA AVENIDA PONTA GROSSA, 480, CEP 86828-000, MAUÁ DA SERRA PR FONE (43) 3464-1265

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE MAUÁ DA SERRA AVENIDA PONTA GROSSA, 480, CEP 86828-000, MAUÁ DA SERRA PR FONE (43) 3464-1265 ERRATA DE EDITAL A PREGOEIRA COMUNICA, PARA CONHECIMENTO DAS EMPRESAS INTERESSADAS, A ERRATA NO EDITAL DE PREGÃO PRESENCIAL 002/2013, CONTRATAÇÃO DE EMPRESA DE ASSESSORIA E CONSULTORIA TÉCNICA, INCLUINDO

Leia mais

Ciências Contábeis. PRODUÇÃO TEXTUAL INTERDISCIPLINAR EM GRUPO Tema: Contabilidade geral 1º semestre

Ciências Contábeis. PRODUÇÃO TEXTUAL INTERDISCIPLINAR EM GRUPO Tema: Contabilidade geral 1º semestre PRODUÇÃO TEXTUAL INTERDISCIPLINAR EM GRUPO Tema: Contabilidade geral 1º semestre Informações: A empresa CLÍNICA CARDIOENDO LTDA., estabelecida na Avenida Sempre Nº 100, na cidade da Esperança, tem como

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO

BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO CIRCULANTE ELETRO BRÁS TERM ONUCLEAR S.A. CNPJ: 42. 540.2 11/0001-67 BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO A T I V O Numerário disponível 15.650 27.050 Aplicações financeiras 104.077 36.869 Concessionárias

Leia mais

SC SKY FUNDO DE INVESTIMENTO EM DIREITOS CREDITÓRIOS FINANCIAMENTO A CONCESSIONÁRIAS CNPJ/MF Nº 12.796.046/0001-48

SC SKY FUNDO DE INVESTIMENTO EM DIREITOS CREDITÓRIOS FINANCIAMENTO A CONCESSIONÁRIAS CNPJ/MF Nº 12.796.046/0001-48 SC SKY FUNDO DE INVESTIMENTO EM DIREITOS CREDITÓRIOS FINANCIAMENTO A CONCESSIONÁRIAS CNPJ/MF Nº 12.796.046/0001-48 ATA DE ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA DE COTISTAS REALIZADA EM 9 DE DEZEMBRO DE 2014

Leia mais

ESTADO DE SÃO PAULO DELIBERAÇÃO ARSESP Nº 452

ESTADO DE SÃO PAULO DELIBERAÇÃO ARSESP Nº 452 DELIBERAÇÃO ARSESP Nº 452 Dispõe sobre o reajuste dos valores das Margens de Distribuição, atualização do Custo do gás e do transporte, sobre o repasse das variações dos preços do Gás e do Transporte fixados

Leia mais

SECRETARIA DE HABITAÇÃO DO ESTADO DE SÃO PAULO

SECRETARIA DE HABITAÇÃO DO ESTADO DE SÃO PAULO ANEXO P.8 PRESTAÇÃO DE CONTAS RECEBIMENTO DE OBRAS DOCUMENTAÇÃO EXIGIDA 1. Ofício assinado pelo Prefeito, encaminhando a Prestação de Contas à Casa Paulista, fazendo menção aos documentos anexados. 2.

Leia mais

INFORMAÇÕES CONCEITUAIS QUANTO AO F100

INFORMAÇÕES CONCEITUAIS QUANTO AO F100 INFORMAÇÕES CONCEITUAIS QUANTO AO F100 Neste bloco serão informadas pela pessoa jurídica, as demais operações geradoras de contribuição ou de crédito, não informadas nos Blocos A, C e D: Onde esta localizado

Leia mais

II Semana Contábil e Fiscal de Estados e Municípios Estatísticas de Finanças Públicas Tesouro Nacional

II Semana Contábil e Fiscal de Estados e Municípios Estatísticas de Finanças Públicas Tesouro Nacional II Semana Contábil e Fiscal de Estados e Municípios Estatísticas de Finanças Públicas Tesouro Nacional De acordo com o material estudado, responda as seguintes questões a seguir. 1. Identifique nas frases

Leia mais

Manual do PPA no Sistema do Orçamento SH3

Manual do PPA no Sistema do Orçamento SH3 Manual do PPA no Sistema do Orçamento SH3 São João del Rei Versão: 1.0 1 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 - SISTEMA DE ORÇAMENTO DA SH3... 5 2.1. Iniciando o PPA... 5 2.2. Cadastros das Informações do PPA Menu

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº, DE DE DE 2005 Estabelece metodologia de cálculo para as concessionárias, permissionárias e autorizadas de distribuição adicionarem à tarifa

Leia mais

Orçamento de Caixa. Sabrina Alencar Larissa Falcão Adriana Sampaio

Orçamento de Caixa. Sabrina Alencar Larissa Falcão Adriana Sampaio Orçamento de Caixa Sabrina Alencar Larissa Falcão Adriana Sampaio Fortaleza 2011 Fluxo de bens e serviços x Fluxo de caixa Orçamento de Caixa: Projeção de entradas e saídas de caixa; Necessidades de financiamentos;e

Leia mais

Prefeitura Municipal de São João del-rei ANEXO XIV INSTRUÇÕES PARA PRODUÇÃO DO ESTUDO ECONÔMICO

Prefeitura Municipal de São João del-rei ANEXO XIV INSTRUÇÕES PARA PRODUÇÃO DO ESTUDO ECONÔMICO ANEXO XIV INSTRUÇÕES PARA PRODUÇÃO DO ESTUDO ECONÔMICO Anexo XVI Instruções para a produção do estudo econômicofinanceiro - Fluxo de Caixa O estudo econômico - financeiro da concessão referido no Anexo

Leia mais

Ministério das Finanças

Ministério das Finanças Ministério das Finanças Lei n.º /06 de de O Orçamento Geral do Estado é o principal instrumento da política económica e financeira que expresso em termos de valores, para um período de tempo definido,

Leia mais

Documento provisório sujeito à aprovação definitiva do Comité de Acompanhamento do Programa Sudoe

Documento provisório sujeito à aprovação definitiva do Comité de Acompanhamento do Programa Sudoe JUSTIFICAÇÃO DO PLANO FINANCEIRO Este documento tem como objetivo especificar as despesas previstas no projeto, por beneficiário e por categoria de despesa. PREENCHER UMA ÚNICA FOLHA EXCEL PARA O CONJUNTO

Leia mais

ESTADO DE SÃO PAULO DELIBERAÇÃO ARSESP Nº 455

ESTADO DE SÃO PAULO DELIBERAÇÃO ARSESP Nº 455 DELIBERAÇÃO ARSESP Nº 455 Dispõe sobre a atualização do Custo Médio Ponderado do gás e do transporte e sobre o repasse das variações dos preços do gás e do transporte fixados nas tarifas da Deliberação

Leia mais

O SISTEMA TRIBUTÁRIO BRASILEIRO

O SISTEMA TRIBUTÁRIO BRASILEIRO O SISTEMA TRIBUTÁRIO BRASILEIRO Instituído pela Constituição Federal de 1988. Prevê competências tributárias distintas para cada uma das pessoas políticas: UNIÃO, ESTADOS e MUNICÍPIOS. Cria grande complexidade,

Leia mais

ESTADO DE SÃO PAULO DELIBERAÇÃO ARSESP Nº 340

ESTADO DE SÃO PAULO DELIBERAÇÃO ARSESP Nº 340 ESTADO DE SÃO PAULO DELIBERAÇÃO ARSESP Nº 340 Dispõe sobre o reajuste dos valores das Margens de Distribuição, atualização do Custo Médio Ponderado do gás e do transporte e sobre o repasse das variações

Leia mais

SERVIÇO FLORESTAL BRASILEIRO

SERVIÇO FLORESTAL BRASILEIRO SERVIÇO FLORESTAL BRASILEIRO Orientações sobre o recolhimento dos valores devidos em face dos Contratos de Transição 1. Do Valor Devido 2. Do Recolhimento 2.1. Recolhimento por GRU Simples 2.2. Recolhimento

Leia mais

CONTROLADORIA E CUSTOS

CONTROLADORIA E CUSTOS PÓS GRADUAÇÃO EM GESTÃO EM NEGÓCIOS DE ALIMENTOS MÓDULO: 15 CONTROLADORIA E CUSTOS Coordenador: Hellen Coelho Professora: Marisa Lipi Data: 28/05/2010 CONTROLADORIA E CUSTOS Marisa Lipi www.companhiadoscursos.com.br

Leia mais

ESTRUTURA TARIFÁRIA DA CAGECE

ESTRUTURA TARIFÁRIA DA CAGECE ESTRUTURA TARIFÁRIA DA CAGECE O modelo tarifário da Cagece leva em consideração os custos dos serviços de água e esgoto e uma parcela destinada a investimentos. Estes custos são representados pelas despesas

Leia mais

REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO. Estágio no exterior para alunos em intercâmbio

REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO. Estágio no exterior para alunos em intercâmbio REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO Estágio no exterior para alunos em intercâmbio o Documentos comprobatórios o Relatório de Estágio Estágio realizado anteriormente o Documentos comprobatórios

Leia mais

ERRATA Nº 001/LCRF-1/2016 PREGÃO ELETRÔNICO Nº 074/LCRF/SBJU/2016

ERRATA Nº 001/LCRF-1/2016 PREGÃO ELETRÔNICO Nº 074/LCRF/SBJU/2016 ERRATA Nº 001/LCRF-1/2016 PREGÃO ELETRÔNICO Nº 074/LCRF/SBJU/2016 CONCESSÃO DE USO DE ÁREAS, LOCALIZADAS NO AEROPORTO DE JUAZEIRO DO NORTE - ORLANDO BEZERRA DE MENEZES, EM JUAZEIRO/CE, DESTINADAS À EXPLORAÇÃO

Leia mais

Manual do sistema SMARam. Módulo Cadastro de Bens Intangíveis

Manual do sistema SMARam. Módulo Cadastro de Bens Intangíveis Manual do sistema SMARam Módulo Cadastro de Bens Intangíveis LISTA DE FIGURAS Figura 1-Acesso ao Cadastro de Bens Intangíveis... 5 Figura 2-Aba básico... 5 Figura 3-Aba Financeiro... 6 Figura 4-Aba Movimentação...

Leia mais

ANEXO IV INFORMAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DA PROPOSTA COMERCIAL. A PROPOSTA COMERCIAL será composta de duas partes, a saber:

ANEXO IV INFORMAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DA PROPOSTA COMERCIAL. A PROPOSTA COMERCIAL será composta de duas partes, a saber: ANEXO IV INFORMAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DA PROPOSTA COMERCIAL A PROPOSTA COMERCIAL será composta de duas partes, a saber: a. Carta de Apresentação da proposta (MODELO A) indicando o valor do FATOR K, cujo

Leia mais

ESTADO DE SÃO PAULO. Considerando a necessidade de não prejudicar o equilíbrio econômicofinanceiro

ESTADO DE SÃO PAULO. Considerando a necessidade de não prejudicar o equilíbrio econômicofinanceiro DELIBERAÇÃO ARSESP Nº 577 Dispõe sobre ajuste provisório dos valores das Margens de Distribuição, atualização do Custo Médio Ponderado do gás e do transporte, sobre o repasse das variações dos preços do

Leia mais

CONSELHO DE REGULAÇÃO E MELHORES PRÁTICAS DA ATIVIDADE DE DISTRIBUIÇÃO DE PRODUTOS DE INVESTIMENTO NO VAREJO

CONSELHO DE REGULAÇÃO E MELHORES PRÁTICAS DA ATIVIDADE DE DISTRIBUIÇÃO DE PRODUTOS DE INVESTIMENTO NO VAREJO CONSELHO DE REGULAÇÃO E MELHORES PRÁTICAS DA ATIVIDADE DE DISTRIBUIÇÃO DE PRODUTOS DE INVESTIMENTO NO VAREJO DIRETRIZES PARA ENVIO DE INFORMAÇÕES À BASE DE DADOS DATA VIGÊNCIA: 17/12/2014 CAPÍTULO I -

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA SOBRE A RECEITA BRUTA - Lei 12.546/2011 DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTOS NO SETOR DA CONSTRUÇÃO CIVIL LEI 13.

CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA SOBRE A RECEITA BRUTA - Lei 12.546/2011 DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTOS NO SETOR DA CONSTRUÇÃO CIVIL LEI 13. CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA SOBRE A RECEITA BRUTA - Lei 12.546/2011 DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTOS NO SETOR DA CONSTRUÇÃO CIVIL LEI 13.161/2015 Conceito A desoneração da folha de pagamento consiste

Leia mais

TERMO DE NOTIFICAÇÃO n. 002/2015 2 - IDENTIFICAÇÃO DO SISTEMA VISTORIADO E DO AGENTE NOTIFICADO

TERMO DE NOTIFICAÇÃO n. 002/2015 2 - IDENTIFICAÇÃO DO SISTEMA VISTORIADO E DO AGENTE NOTIFICADO TERMO DE NOTIFICAÇÃO n. 002/2015 1 - IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE REGULADORA ARIS Agência Reguladora Intermunicipal de Saneamento. Unidade Sede Endereço: Rua Santos Saraiva, 1.546 Estreito Florianópolis/SC.

Leia mais

FORMAÇÃO DE PREÇOS DE VENDAS

FORMAÇÃO DE PREÇOS DE VENDAS Unidade I FORMAÇÃO DE PREÇOS DE VENDAS Prof. Me. Livaldo Dos Santos Objetivos Preços e custos premissas da análise e maximização dos lucros a natureza dos custos de produção a precificação e as receitas

Leia mais

DECISÃO TÉCNICA AMPLA DTA-054/2016 R-00

DECISÃO TÉCNICA AMPLA DTA-054/2016 R-00 INFRAESTRUTURA E REDES BRASIL OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO BRASIL /2016 DECISÃO TÉCNICA /2016 R- FOLHA DE CONTROLE DECISÃO TÉCNICA I APRESENTAÇÃO Esta Decisão Técnica Cobrança de Danos Causados por Terceiros

Leia mais

ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DE ESTADO DE ADMINISTRAÇÃO PENITENCIÁRIA E JUSTIÇA COMISSÃO ESPECIAL DE LICITAÇÃO

ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DE ESTADO DE ADMINISTRAÇÃO PENITENCIÁRIA E JUSTIÇA COMISSÃO ESPECIAL DE LICITAÇÃO Página1 ANEXO V TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DA METODOLOGIA DE EXECUÇÃO CAPÍTULO II Página2 1. ASPECTOS GERAIS O LICITANTE deverá apresentar como parte dos documentos de préqualificação a sua METODOLOGIA

Leia mais

Assunto: Plano Financeiro (I parte)

Assunto: Plano Financeiro (I parte) Assunto: Plano Financeiro (I parte) Prof Ms Keilla Lopes Mestre em Administração pela UFBA Especialista em Gestão Empresarial pela UEFS Graduada em Administração pela UEFS Nesta disciplina, todos os assuntos

Leia mais

Avaliação a Distância AD2. Período - 2012/2º. Disciplina: CONTABILIDADE GERAL II. Coordenadora: TEREZA DE JESUS RAMOS DA SILVA

Avaliação a Distância AD2. Período - 2012/2º. Disciplina: CONTABILIDADE GERAL II. Coordenadora: TEREZA DE JESUS RAMOS DA SILVA Fundação Centro de Ciências e Educação Superior a Distância do Estado do Rio de Janeiro Centro de Educação Superior a Distância do Estado do Rio de Janeiro Avaliação a Distância AD2 Período - 2012/2º Disciplina:

Leia mais

NOME DA TABELA: BALANCETES DE RECEITAS ORÇAMENTÁRIAS

NOME DA TABELA: BALANCETES DE RECEITAS ORÇAMENTÁRIAS 76 5.3.14. Balancetes de Receitas Orçamentárias: BALANCETES DE RECEITAS ORÇAMENTÁRIAS NOME DO ARQUIVO: BR201001.BAL TIPO DE DOCUMENTO: 301 1. Tipo do Documento 2. Código do Município 3. Exercício do Orçamento

Leia mais

TERMINOLOGIAS E CLASSIFICAÇÃO DOS CUSTOS Gastos, custos, despesas Custos diretos e indiretos Método de avaliação de estoques PEPS, CUSTO MÉDIO

TERMINOLOGIAS E CLASSIFICAÇÃO DOS CUSTOS Gastos, custos, despesas Custos diretos e indiretos Método de avaliação de estoques PEPS, CUSTO MÉDIO TERMINOLOGIAS E CLASSIFICAÇÃO DOS CUSTOS Gastos, custos, despesas Custos diretos e indiretos Método de avaliação de estoques PEPS, CUSTO MÉDIO 22/02/2016 1. DEFINIÇÕES E TERMINOLOGIAS BÁSICAS Dispêndio

Leia mais

RESPOSTAS ÀS SOLICITAÇÕES DE ESCLARECIMENTO 08/07/2013

RESPOSTAS ÀS SOLICITAÇÕES DE ESCLARECIMENTO 08/07/2013 RESPOSTAS ÀS SOLICITAÇÕES DE ESCLARECIMENTO 08/07/2013 Em atendimento ao disposto no item 4.1 do Edital 01/2013, a Comissão Especial de Licitação, constituída pelo Sr. Secretário de Desenvolvimento Urbano,

Leia mais

CEAP Exercícios Professor: Salomão Soares Turma: Contabilidade e Sistemas de Custos

CEAP Exercícios Professor: Salomão Soares Turma: Contabilidade e Sistemas de Custos CEAP s Professor: Salomão Soares Turma: Contabilidade e Sistemas de Custos Data: Nota: 1) Dos livros da empresa Cosmopolitec foram extraídos os seguintes dados, relativos ao período findo 31 de dezembro

Leia mais

ESCRITA FISCAL BÁSICA

ESCRITA FISCAL BÁSICA ESCRITA FISCAL BÁSICA Edição Compacta Por Prof. Max Vieira 1 MAXMILIANO CRISPIM VIEIRA Contato com o autor: professor_vieira@ig.com.br 2 Nota do Autor E sta edição tem como fundamento a área tributária,

Leia mais

PROCESSO LICITATÓRIO PROCESSO ADMINISTRATIVO Nº 88/2013

PROCESSO LICITATÓRIO PROCESSO ADMINISTRATIVO Nº 88/2013 PROCESSO LICITATÓRIO PROCESSO ADMINISTRATIVO Nº 88/2013 ÓRGÃO CONTEMPLADO: Secretaria de Governo OBJETO: Contratação de empresa para prestação de serviços de: e) controle de frotas. DATA DE INÍCIO DO PROCESSO:

Leia mais

CARTILHA SOBRE NOÇÕES BÁSICAS DA EXECUÇÃO DA DESPESA PÚBLICA

CARTILHA SOBRE NOÇÕES BÁSICAS DA EXECUÇÃO DA DESPESA PÚBLICA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE UNICENTRO PRÓ-REITORIA DE ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS - PROAF DIRETORIA DE CONTABILIDADE E FINANÇAS DIRFIN CARTILHA SOBRE NOÇÕES BÁSICAS DA EXECUÇÃO DA DESPESA PÚBLICA

Leia mais

ASPECTOS RELEVANTES NA ANÁLISE DE NOVOS INVESTIMENTOS

ASPECTOS RELEVANTES NA ANÁLISE DE NOVOS INVESTIMENTOS ASPECTOS RELEVANTES NA ANÁLISE DE NOVOS! Um FAQ sobre Ciclo de Vida! Um FAQ sobre Taxa de Desconto! FAQ (Frequently Asked Questions) Francisco Cavalcante (francisco@fcavalcante.com.br) Sócio-Diretor da

Leia mais

ROSSI RESIDENCIAL S. A. COMENTÁRIOS SOBRE O DESEMPENHO CONSOLIDADO NO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2.003

ROSSI RESIDENCIAL S. A. COMENTÁRIOS SOBRE O DESEMPENHO CONSOLIDADO NO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2.003 ROSSI RESIDENCIAL S. A. COMENTÁRIOS SOBRE O DESEMPENHO CONSOLIDADO NO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2.003 PRODUTOS, LANÇAMENTOS E PERFORMANCE COMERCIAL: Durante o primeiro trimestre de 2003, a Rossi Residencial

Leia mais

Repasse dos Ganhos de Produtividade. Experiência da ANEEL

Repasse dos Ganhos de Produtividade. Experiência da ANEEL Repasse dos Ganhos de Produtividade Experiência da ANEEL DAVI ANTUNES LIMA SUPERINTENDENTE DE REGULAÇÃO ECONÔMICA DA ANEEL 21 de março de 2013 Brasília DF Tópicos Breve Histórico e Legislação Regulação

Leia mais

Análise de viabilidade de empreendimentos de geração

Análise de viabilidade de empreendimentos de geração Análise de viabilidade de empreendimentos de geração Erik Rego Excelência Energética Objetivo Projetar um fluxo de caixa de um investimento em uma central de geração eólica e determinar sua viabilidade

Leia mais

Instruções de Preenchimento de planilha para Revisão Analítica

Instruções de Preenchimento de planilha para Revisão Analítica Instruções de Preenchimento de planilha para Revisão Analítica Balanço Patrimonial BP Para o Balanço Patrimonial a setorial de Órgão Superior deve utilizar o arquivo Revisão Analítica BP, o qual é composto

Leia mais

TCE-RS Ciências Contábeis

TCE-RS Ciências Contábeis TCE-RS Ciências Contábeis Pessoal, vou comentar as questões da prova da área contábil. 46. Considere as seguintes informações extraídas de demonstrativos contábeis do primeiro semestre de 2014 de determinada

Leia mais

Orçamento Empresarial

Orçamento Empresarial Controladoria Prof. Dr. Fábio Frezatti aula 07 Etapa Financeira Aula 7 Ao final desta aula você: - Inserirá o conceito de gastos, custos, despesas e investimentos na análise do orçamento. - Explicitará

Leia mais

Modelo de Proposta para Projetos de Investimento PROPOSTA REDUZIDA

Modelo de Proposta para Projetos de Investimento PROPOSTA REDUZIDA Modelo de Proposta para Projetos de Investimento PROPOSTA REDUZIDA À EMPRESA: Prezado Cliente, Nós, da Nossa Caixa Desenvolvimento, estamos muito satisfeitos por sua preferência e pelo seu interesse nas

Leia mais

NORMA GERAL PARA GESTÃO DO ABASTECIMENTO DE ÁGUA À EMBARCAÇÕES

NORMA GERAL PARA GESTÃO DO ABASTECIMENTO DE ÁGUA À EMBARCAÇÕES NORMA GERAL PARA GESTÃO DO ABASTECIMENTO DE ÁGUA À EMBARCAÇÕES TÍTULO Capítulo Seção Nome Revisão Norma Geral 4 Área de Gestão de Engenharia e Operação Portuárias 1 Diretrizes Operacionais 01 Diretrizes

Leia mais

Por que devemos conhecer os Custos?

Por que devemos conhecer os Custos? Terminologias e Classificação em Custos OBJETIVOS DA AULA: Entender o por que estudar os custos. Explorar a terminologia adotada. Definir e classificá los. Apresentar os elementos básicos. Por que devemos

Leia mais

EDITAL DE EXTENSÃO Nº 02/2016 PROCESSO SELETIVO PARA O CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA IDIOMAS APLICADOS A SERVIÇO DE TURISMO

EDITAL DE EXTENSÃO Nº 02/2016 PROCESSO SELETIVO PARA O CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA IDIOMAS APLICADOS A SERVIÇO DE TURISMO EDITAL DE EXTENSÃO Nº 02/2016 PROCESSO SELETIVO PARA O CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA IDIOMAS APLICADOS A SERVIÇO DE TURISMO A Pró-Reitora de Extensão do Instituto Federal de Educação, Ciência

Leia mais

Projetos CUSTOS. Prof. Anderson Valadares

Projetos CUSTOS. Prof. Anderson Valadares Projetos CUSTOS Prof. Anderson Valadares Gerenciamento de custo O gerenciamento de custos visa essencialmente assegurar aos patrocinadores que o projeto será concluído dentro do orçamento aprovado. Gerenciamento

Leia mais

ESTADO DE SÃO PAULO. Considerando a Deliberação ARSESP N o 308, de 17 de fevereiro de

ESTADO DE SÃO PAULO. Considerando a Deliberação ARSESP N o 308, de 17 de fevereiro de ESTADO DE SÃO PAULO DELIBERAÇÃO ARSESP Nº 650 Dispõe sobre ajuste provisório dos valores das Margens de Distribuição, atualização do Custo Médio Ponderado do gás e do transporte, sobre o repasse das variações

Leia mais

ESTADO DE SÃO PAULO DELIBERAÇÃO ARSESP Nº 651

ESTADO DE SÃO PAULO DELIBERAÇÃO ARSESP Nº 651 ESTADO DE SÃO PAULO DELIBERAÇÃO ARSESP Nº 651 Dispõe sobre a atualização do Custo do gás e do transporte, o repasse das variações dos preços do Gás e do Transporte fixados nas tarifas e as Tabelas Tarifárias

Leia mais

ESTADO DE SÃO PAULO DELIBERAÇÃO ARSESP Nº 421

ESTADO DE SÃO PAULO DELIBERAÇÃO ARSESP Nº 421 ESTADO DE SÃO PAULO DELIBERAÇÃO ARSESP Nº 421 Dispõe sobre o reajuste dos valores das Margens de Distribuição, atualização do Custo Médio Ponderado do gás e do transporte e sobre o repasse das variações

Leia mais

Documentos necessários para o Candidato e Grupo Familiar quando Préselecionado (apresentar original e xerox de todos os documentos).

Documentos necessários para o Candidato e Grupo Familiar quando Préselecionado (apresentar original e xerox de todos os documentos). CRONOGRAMA DE INSCRIÇÕES FUNDAPLUB - 2007.2 Inscrições: 06 a 20 de Agosto Listagem dos Pré-selecionados: 23 de Agosto Entrega da Documentação: 24, 27, 28 e 29 de Agosto até às 20HS Entrega do novo boleto

Leia mais

Propostas para os Candidatos a Prefeito dos Municípios do Rio de Janeiro 2016

Propostas para os Candidatos a Prefeito dos Municípios do Rio de Janeiro 2016 Propostas para os Candidatos a Prefeito dos Municípios do Rio de Janeiro 2016 Sumário Respeito aos contratos Melhoria da gestão pública Melhoria do processo de licitação Sugestão para ampliar investimentos

Leia mais

COMO APRESENTAR SUAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS (para uma análise econômica ideal)

COMO APRESENTAR SUAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS (para uma análise econômica ideal) COMO APRESENTAR SUAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS (para uma análise econômica ideal) (UM ENFOQUE ORIENTADO PARA A CRIAÇÃO DE VALOR PARA O ACIONISTA)! Apresentação do balanço! Apresentação do resultado! A

Leia mais

Localiza Rent a Car S.A.

Localiza Rent a Car S.A. Localiza Rent a Car S.A. Resultados 2T10 R$ milhões, USGAAP Agência Aeroporto Internacional de Guarulhos São Paulo Brasil Inauguração: 11/06/2010 14 de julho de 2010 1 Destaques 2T10 R$ milhões 2T09 2T10

Leia mais

Tutorial de emissão de GRU via Sinapse

Tutorial de emissão de GRU via Sinapse Tutorial de emissão de GRU via Sinapse O novo sistema de Emissão e Controle de GRU (Guia de Recolhimento da União) foi desenvolvido no intuito de integrar a Emissão de GRU's dos tipos Simples e Cobrança,

Leia mais

A desoneração da folha trocada em miúdos Qui, 25 de Outubro de 2012 00:00. 1. Introdução

A desoneração da folha trocada em miúdos Qui, 25 de Outubro de 2012 00:00. 1. Introdução 1. Introdução Com a publicação da Medida Provisória 563/12 convertida na Lei 12.715/12 e posteriormente regulamentada pelo Decreto 7.828/12, determinadas empresas de vários setores terão a contribuição

Leia mais

Página 59 Inserir as questões a seguir após a questão 08.

Página 59 Inserir as questões a seguir após a questão 08. Atualização da obra Contabilidade de Custos 9ª para a 10ª edição Página 59 Inserir as questões a seguir após a questão 08. (Especialista/Anatel/2014) Com relação aos custos, julgue os itens de 09 a 11.

Leia mais

CALENDÁRIO DE OBRIGAÇÕES AMBIENTAIS

CALENDÁRIO DE OBRIGAÇÕES AMBIENTAIS CALENDÁRIO DE OBRIGAÇÕES AMBIENTAIS As empresas devem estar atentas quanto as informações que devem ser encaminhadas periodicamente aos órgãos ambientais e aos prazos para o envio destas informações, evitando

Leia mais

Despesas. Generalidades sobre BDI Benefícios e Despesas Indiretas

Despesas. Generalidades sobre BDI Benefícios e Despesas Indiretas 4ª Aula Desenvolvimento do Tema: Despesas. Generalidades sobre BDI Benefícios e Despesas Indiretas Os participantes poderão apresentar entendimentos e experiências com base em suas atividades cabendo ao

Leia mais

QUESTÕES RELACIONADAS À DECLARAÇÃO SOBRE A UTILIZAÇÃO DE RECURSOS EM MOEDA ESTRANGEIRA DECORRENTES DO RECEBIMENTO DE EXPORTAÇÕES (DEREX) (IN-SRF

QUESTÕES RELACIONADAS À DECLARAÇÃO SOBRE A UTILIZAÇÃO DE RECURSOS EM MOEDA ESTRANGEIRA DECORRENTES DO RECEBIMENTO DE EXPORTAÇÕES (DEREX) (IN-SRF Coordenação-Geral de Fiscalização QUESTÕES RELACIONADAS À DECLARAÇÃO SOBRE A UTILIZAÇÃO DE RECURSOS EM MOEDA ESTRANGEIRA DECORRENTES DO RECEBIMENTO DE EXPORTAÇÕES (DEREX) (IN-SRF nº 726/2007) 1. Quem está

Leia mais

Manual do sistema SMARam. Módulo Reavaliação Financeira

Manual do sistema SMARam. Módulo Reavaliação Financeira Manual do sistema SMARam Módulo Reavaliação Financeira LISTA DE FIGURAS Figura 1. Acesso à Reavaliação Financeira... 6 Figura 2. Tela Inicial da Reavaliação Financeira... 7 Figura 3. Tipo de Patrimônio...

Leia mais

Ciências Contábeis PRODUÇÃO TEXTUAL INTERDISCIPLINAR EM GRUPO

Ciências Contábeis PRODUÇÃO TEXTUAL INTERDISCIPLINAR EM GRUPO PRODUÇÃO TEXTUAL INTERDISCIPLINAR EM GRUPO Tema: Contabilidade empresarial e trabalhista 1º semestre - Matriz 2013/2 2º semestre - Matriz 2013/1 Informações: Nesta produção textual buscaremos desenvolver

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O BNP PARIBAS DIVIDENDOS FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDO DE INVESTIMENTO AÇÕES CNPJ/MF:

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O BNP PARIBAS DIVIDENDOS FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDO DE INVESTIMENTO AÇÕES CNPJ/MF: LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O BNP PARIBAS DIVIDENDOS FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDO DE INVESTIMENTO AÇÕES CNPJ/MF: Informações referentes a Dezembro de 2014 Esta lâmina contém um resumo

Leia mais

ENDIVIDAMENTO DAS FAMÍLIAS NAS CAPITAIS BRASILEIRAS

ENDIVIDAMENTO DAS FAMÍLIAS NAS CAPITAIS BRASILEIRAS ENDIVIDAMENTO DAS FAMÍLIAS NAS CAPITAIS BRASILEIRAS EMENTA: O presente estudo tem por objetivo avaliar o impacto da evolução das operações de crédito para pessoas físicas sobre o orçamento das famílias,

Leia mais

SALUS FUNDO DE INVESTIMENTO FII. CNPJ nº 13.012.312/0001-67. (Administrado por INTRADER DTVM Asset servicing.)

SALUS FUNDO DE INVESTIMENTO FII. CNPJ nº 13.012.312/0001-67. (Administrado por INTRADER DTVM Asset servicing.) SALUS FUNDO DE INVESTIMENTO FII CNPJ nº 13.012.312/0001-67 (Administrado por INTRADER DTVM Asset servicing.) 1 RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Seção I Objeto do Fundo 2 Seção I Objeto do Fundo O Salus Fundo

Leia mais

ROTEIRO DE INFORMAÇÕES PARA SELEÇÃO E ENQUADRAMENTO DE FUNDOS NO ÂMBITO DA SEGUNDA CHAMADA MULTISSETORIAL

ROTEIRO DE INFORMAÇÕES PARA SELEÇÃO E ENQUADRAMENTO DE FUNDOS NO ÂMBITO DA SEGUNDA CHAMADA MULTISSETORIAL ROTEIRO DE INFORMAÇÕES PARA SELEÇÃO E ENQUADRAMENTO DE FUNDOS NO ÂMBITO DA SEGUNDA CHAMADA MULTISSETORIAL A Procedimentos para Encaminhamento das Propostas As solicitações para a participação na Chamada

Leia mais

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas em Educação - INEP CONCEITO PRELIMINAR DE CURSOS DE GRADUAÇÃO

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas em Educação - INEP CONCEITO PRELIMINAR DE CURSOS DE GRADUAÇÃO Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas em Educação - INEP CONCEITO PRELIMINAR DE CURSOS DE GRADUAÇÃO 1. Introdução A presente Nota Técnica apresenta as diretrizes para a implementação

Leia mais

Demonstrativo da Receita Líquida de Impostos e das Despesas Próprias com Educação e Saúde

Demonstrativo da Receita Líquida de Impostos e das Despesas Próprias com Educação e Saúde Demonstrativo da Receita Líquida de Impostos e das Despesas Próprias com Educação e Saúde Valores até Maio/2014 GOVERNADOR DO ESTADO João Raimundo Colombo SECRETÁRIO DE ESTADO DA FAZENDA Antonio Marcos

Leia mais

ORIENTAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO DE ESTÁGIO

ORIENTAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO DE ESTÁGIO ORIENTAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO DE ESTÁGIO Este documento tem por objetivo orientar a estruturação e formatação do relatório de estágio. O texto está dividido em duas partes: 1) Normas de formatação,

Leia mais

IMPUGNAÇÃO 1 PREGÃO 09/2016

IMPUGNAÇÃO 1 PREGÃO 09/2016 MEC Ministério da Educação Uasg 150002 IMPUGNAÇÃO 1 PREGÃO 09/2016 PREGÃO ELETRÔNICO Nº 09/2016 Processo nº 23000.004587/2016-05 Trata-se de peça impugnatória impetrada por empresa interessada em participar

Leia mais

MANUAL DE ORGANIZAÇÃO ELETROS Norma Regulamentadora Empréstimo Financeiro Plano CD-Eletrobrás

MANUAL DE ORGANIZAÇÃO ELETROS Norma Regulamentadora Empréstimo Financeiro Plano CD-Eletrobrás 1 FINALIDADE 1.1 Esta Norma estabelece as condições e os procedimentos para a concessão de ao participante ativo, ao participante assistido ou beneficiário (pensionista), ao participante autopatrocinador

Leia mais

Licença de Uso de Marca (UM)

Licença de Uso de Marca (UM) Licença de Uso de Marca (UM) Definição: Contratos que objetivam o licenciamento de uso de marca registrada ou pedido de registro depositado no INPI. Esses contratos deverão indicar o número do pedido ou

Leia mais

Programa de Desenvolvimento da

Programa de Desenvolvimento da Programa de Desenvolvimento da Empresa Catarinense Carlos Chiodini Secretário de Estado O que é o? O Programa de Desenvolvimento da Empresa Catarinense -, tem como finalidade conceder incentivo à implantação

Leia mais

Impactos Fiscais das Avaliações a Valor Justo

Impactos Fiscais das Avaliações a Valor Justo Britcham Brasil Grupo Legal & Regulatório Impactos Fiscais das Avaliações a Valor Justo São Paulo, 26 de junho de 2015 1 Introdução à Legislação 28/12/2007 27/05/2009 16/09/2013 13/05/2014 24/11/2014 Lei

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 2665. II - os créditos destinam-se à reestruturação e capitalização das cooperativas enquadradas no Programa;

RESOLUÇÃO Nº 2665. II - os créditos destinam-se à reestruturação e capitalização das cooperativas enquadradas no Programa; RESOLUÇÃO Nº 2665 Dispõe sobre o Programa de Revitalização de Cooperativas de Produção Agropecuária - RECOOP, de que tratam a Medida Provisória nº 1.898-15, de 1999, e o Decreto nº 2.936, de 1999. O BANCO

Leia mais

Escrituração Contábil Fiscal - ECF

Escrituração Contábil Fiscal - ECF EMPRESAS LUCRO PRESUMIDO As empresas que são tributadas pelo Lucro Presumido, pagam o IRPJ e a CSLL aplicando uma alíquota de presunção, definida por lei, sobre as suas receitas, e sobre esse valor é aplicado

Leia mais

REGULAMENTO 03 de abril de 2016 Art. 1 Art. 2

REGULAMENTO 03 de abril de 2016 Art. 1 Art. 2 REGULAMENTO Os grupos interessados em participar deste Encontro, a realizar-se no dia 03 de abril de 2016, estarão condicionados a este regulamento, ao qual aderem automaticamente por ocasião de solicitação

Leia mais

Módulo 1 Princípios Básicos do Setor de Ene rgia Elétrica

Módulo 1 Princípios Básicos do Setor de Ene rgia Elétrica CURSO: TRIBUTAÇÃO SOBRE ENERGIA ELÉTRICA CONTÉUDO PROGRAMÁTICO Módulo 1 Princípios Básicos do Setor de Ene rgia Elétrica 1 Modelo atual do setor elétrico brasileiro a partir de 2004 2 Marcos Regulatórios

Leia mais

Prof. Cássio Marques da Silva

Prof. Cássio Marques da Silva Prof. Cássio Marques da Silva 2013 CSLL CONTRIBUIÇÃO SOCIAL SOBRE O LUCRO LÍQUIDO 1 CSLL CONTRIB. SOCIAL S/ LUCRO LÍQUIDO ACSLLéumacontribuiçãodecompetênciadaUnião instituída pela Lei nº 7.689 de 1988.

Leia mais

Pagamento de complemento de salário-maternidade, considerando que este valor deve ser deduzido da guia de INSS, pois é pago pelo INSS.

Pagamento de complemento de salário-maternidade, considerando que este valor deve ser deduzido da guia de INSS, pois é pago pelo INSS. Complemento Salarial Licença Maternidade Abaixo estão descritas as regras do sistema para cálculo do complemento de salário-maternidade, no complemento salarial e na rescisão complementar por Acordo/Convenção/Dissídio:

Leia mais