;,*t. lgles CELEBERRIMI. ;t,\ :

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download ";,*t. lgles CELEBERRIMI. ;t,\ :"

Transcrição

1

2 lgles CELEBERRIMI P. ANTONJI VIEYRA,.. J'octCt: JJlts, Lu.úranú;orum fl.cgjtm Conúonaforú, rcoflclonato = Illtn.Prt nctpt~. gum dcdti-lu.nta'má mundo VI,/J'.ripo LfI.rÚ-.ll7zá: Jocictati BraJ'tEa. Obút Bahic propc nonagcnarúlj' Li, zejii!úan Quú~.r~i1: ÚZ rgz'o Co11!lú.Bahyn.rIJ.~mp' oj ubl'.rpultu.y./rc ttcn= tlj'.nmo u,..f,u concur..ru otcrno orljt:r d..rú!rro, ;,*t ;t,\ :

3 ;~t ;t,\ : A R T E.D E F U R T A R, ESPELHO DE ENCANOS, 1'HEATRO DE VER1>ADES, M O S T R A D O R D E H O R A S NI 1 N G U A D A S. GAZUA GERAL Dos R-y110S d Portugal.. ",', OFFERECIDA A ELRE y, NO S SOSENFl be\: D.JOAOIV. PARA QUE A EMENDE. t,~'., " Compofta no }'Inno d PELO, PADRE ANTONIO' VIEYRA ZELOZO' D'A PATRIA.,Corréta,, mndada d muitos nos ;, aillm tambm a vra o curiofo lytor com as pa~. lavras" rgras, gu por inadvrtncia faltaraó na paliada impríiaó. ' NA OFFICINA AMSTERDAM, DE MAR TINHO SR'AG',EN. ~. DCCXUV!

4

5 SE N H O,R. ';.,-. f}:,.:,. \,: ::.: :<.. H, U,n Saúio'diff, fju' )14.~);~iJi~l,iéfl mu1z-. do homm, qu f conhcii1ft:'lporqu todos para comjigoiaocomo os o/hos, qu 7.Jndo tudo, naó. f 'Vm ajimfinos: daqui 'Vm nao darm muitafé m d fitas prfifo11s, 1zm ad'vrtirm cmftls dftitos; ' fr nc/jario, qu outrm, /hs diga, o qu paifa na 'Vrdad~ S V. Magflad nao f: conhc, nm o mundo, m qu 'Vi':V, d qu h Snhor, lt odi1"y mbrc'v.r Jalar ;ras. H V. Magfladomais nobr, o mais'va/nt, o mais podrofo, o mais fliz ho',wm do mundo; fi 1/ltmdo h hum co'vil d ladronj'. Digo qu' h V. iylag flado mais 110- br ; porqu o fz Dos Ry, lhdu por A'Vo's Rys.S antoj', podrofos, CjttdJ 1}lImo fcolho', m20brco,para a 1na/s nobr acfao d Ih attgmntar, flablcrfua Fé. H o 11lois'valnt, affim nas forfas do corpo, C(;11l0 1111S' dofpirito: nas do corpo ; porqu nao ba tra~f!lho, a 'lu nao rji fl.a,. '* 1J. Jl"

6 'I1m outrm, tju po!ja mdir valntia com ft. Llf(J4 gflad : nas do fpirito; porqu nao ha fortu1za, qu o qubrant,nm'advrfldad, qu o prturb. H o mais podrofo; porqu (m arrancar a (pada, ffoz Snbor do mais dilatado Imp1 io, tirantlo-o das garras d Lol1.J', lju o occupa'vaó; com tanta prffa, qu nao pom tanto huma pofia m lvar a nova, quallta V. Jlllagjlad poz m tlrvorar avitoria 11as mais rmotas parts do mundo. H o mais.fliz; porqu 1llnnhuma m[jrza po1llfita Ral mao, qu h 1wofuccda a pdir por boca,;, f algu,,!aft! ma.logra, h a qu v. i'ji[ljgfladnijo dpprovou; tarttq,:, qu tmosja }01 mjico rmdio, para f acrtarm.' tudo, fazrj fo' o qu V.,Ma/( fiád ordna, aillda qu a outrosjuizos parftl djacrto. E digo, qu,fl mmu/o h hum covil d ladrons; /Jorqu f 'búh {) conjidrarmos ; nao 1m nill cou'za viva, qu nao 'Viva d rapinas: os animas, avs, pi:>.<s co 'mndo-f hmzs a(')s mitro s,.r Ittfllltao: J alglt12.j ha, fj.fj nao fmalltnhaodoutros.vivnts.to. 'mab'iu paflodós frutos albyos, qu 1zaócultivaraó;,com qtt~ vm a.rr tudo huma puraladroira; tanto, qu at nas arvors ha ladrons; ()S Elm.ntos.r comm,... rz:ajlaontr ji, dij11t11ttind()~( por parts:, para accr.tclltarcadaquai as [uas, Af!imlportaoa:r cratt/ras ;l'racionas, inl17/ivi.j', as racio-.. lias ai1tda por qu todas; porqu Ihslobja ama: licia, qu '/las o!jtroj' falta, C0111 lla trata cada qual dl accr.(clltar a Ji: como o bomm d finada tm proprt'o, claro flit, quf os acrfanta,muitos - haó d fr alhyos. E d todo fl d~rcur(o nada h c01~form d l.:y da 11att/rza; a qual qur,qu todal" a,r couzas l C01~rrvm Jm dimimtifao d alguma. Nm a Ly Di7dillaqur out1'"a couza;,n1~ts!~a.~o10- rcm ',-,,-.

7 ", " ',',,-o '}"c11z tal1to adrns, qut! do Co,do Paraifo, at? Apoflolado os dflrrat; a Jl ultimo dflrro f accr fcl1tottforca: llotj qu a túmúu o 1'éo por fud mao, Im illtrvirn~ffo Jlltllfa d jujiifo ~ para '}/os advrtir o cafiigo,qu mrccm,ladrolls', co., mo tiao dvm Ir admittidos, r m tolrados 1JaS Rpublicas.. Q!tr Dos,qu l'aja R ys 110 nit1'1ldo? q'tlfr qu o govrl1m a..ffim conzo il, pais lbs dt! Iuos vzs, O.farmon,d podr contra ajo violl1cias ; tomlj a 1J!~y()r d todas b t01i1ar o (u rifu dcllo, m mndar fla J d "ljm cfmrar. E m V. Magfladc corr fla ohrigafaó mo,yc1" ; pcis fz l)o.f a 'f. Jl!lagflad~ o maij' 'liobr, o maú val1;t, o mais podr oj'o, ' o moúfliz Ry do mmu/o. E r!v por cuidado p.:ra12d 1ifla mprza, pcrqu afaz1.'da d V. lrfafflad h a maíj' combatida dflr iui1!;igos, qu por Jr11l IJiui. tos Id com mm brafo tao almado,como o d V. 1.1;[agflad,podrao fr rprimidos, cafliy;ados. A mayor difficuldad fla 110 c01ihcim11to\flls ; pc1~qu como o offtcio d illfant, rprovado por Dos, pla 'llaturza, llao qurmir tidos por tau, poriffo tmdaó todos dijfal'fadoj'; mas JrdJacil darlhs alcac, f o d1"1jlos fl uas ma.[caras, qu fao OJO arts d qu t~rao ': dflas fafo aqui jwafa, lhas d/cuúro toda,r, 11l0flral1doJus 1Jgal1o,r como cm Jplho, 111i '11has vrdads como m thatr ()~jjara fazr' d tudo Uf '1lloflrador crtijjimo daj' horaj',11lunntfjs,pomos, 'ljl qltt! agaztta dflj pirata,r faz fu of}icio.1\'aollji... ')la la.:lrolls o mt! qijctttjo, aimia qu f :titula. Art d~ furtar ; ljjn a Jo' a ccnhccllos, para (jj' vi taro Todos tm unhas, ccm qttmpolgao, nas unlar d todos hy d mpclgar~para as dfco/n-irpor fnair qu fcol1dao; fra taoftlti7,,'mltt,qu ni1jgu1lli, * iij doa~.

8 Roa:: J7 ay muíto 1JO modo; 110 flylo : a piro/a amargofa nao ca:~{a faflio,f vay dourada; para qu fl Tratado o 11ao cattf,bird pratado Com tal tmpra,qtt irrit mais a gofio, qu a molflia. Sirvaj' r. i'jilag{ tad d o ntmfr a71im, dobjrvar com {u /{randntndimnto até osminimos apics djl(l Art; porqu das contraminas dlta, qu tam6m dl![cubro, dpnd acolljrvafaó total d [uimprio,qlt.dos No/foSnbor profpr até o/im d01jiltndo C0111 as fli ~idads, qtt [us vnturozos principios nos promttmo &c. '.' / AQ

9 AO SERENISSIMO SENtIOR DOM T H E'O DO S 1 O J - ' Princip d Portugttl. D E P R E.A C, A~M. SENHOR. T Ambm a V. A. Ral, Sr11iifima prt1jc [ mnda dfla Art por todos os titulas, qu a E/Ry no./jo Snhor prtnc, pois 11aOalJim tomo ll o limito m fu as grandzas; porqu d tal Arvor l1a6 p'odia nafcr mnor ramo, tj m naftndo mojlrou logo Y. A. o ff,u bavia d Jr : hum M,athmatico inji.gl1 mo di./j olhtl'11~o;por Iho u pdtr, para os horo[ CQPos do Co, qu f/. A. ha'via d Jr Ry da trra, Sita Magjlad,ql/ Dos guard,guardou jljuizo. E ainda qu flas razo11s liao 111ilitafJm,qtt Jnocr... ti/jimas, baj/ava vrmos, qu ha m V. A. podr, J abr para tuda: fno duas couzas?11uito éjjl1cias paramndar latrocinios; o Iabr para os apar.har, o podr para os ;C1llndnr. Digo qu 'Vmos m V. A.. * IV podr.i.

10 podr ': p'orqtt 7;mQS,.'lit a71m como Atltmi:l calffa:!o d Jttflntar as Esfiras do Co, as 1JtrgOlt acs bombros,d I-Jrc!tls,para qu as.govnjoj{c' ~'llllh1l EIRy 11/110 S,nbor, Atltlllt {~on?f{o Imprio,d~/car~ rf(olt a.r EjlraJ dll nos hobrosd V. /1.11ao t){wa dc.(cal-ftlr, q~'t b ijlfalivj, mas paraf glcriar L, qu tcm /n V. A. hombros d Ffrculs,{!1tl! a/udao O;f d Atlant, o igjlalao no pojr. A Hrcl!ls ;i7.'tou a A1Jtigttidad m"nado com bulilacla7)a, qu h arma OJ maoj', (01'1, cadas, rds., qu lb faym da boca, lvao prza i"finita gnt. om a Cla'Z,'a f jtgn~(icao.rttas arm s, podr; co as rds, cadaj', jita fabdoria : C011l..{las duas cotizas vncia, t! dominava tudo. D arma.r,./ abc/oria vmos or1jado, fortalcidoa V. A. affimporqu tm todas as d Portugal ( qu monta t[mio, como as do mundo) d./lta ob. dit!l1cia; como tambm, porqu- ningttm as mna C0111 tanto garbo, valor, dflrza, 7..:alntia; ottjja a cavallo brandil1do a lallfa, 011 Jja a pé lvando a.{pada, flttmául11do o 1lJ011t{l1Jt; oj Jim f dm01~/lrti, qu lam ro A. podt!"1' fiara {!lll7j..:. dar, cafligar. E porqu fl nao bofia,.r JJao ha fcincia jjaraülcmlfar, qttm mrc o cojligo ;d~g(j lju vmos m V. A. tauta fabdoria, qut! parc i71- fi~ra: porqu nao ha Art libral, 171 qu 71ao f~ja minnt; l1fió ha lcincia lpcttlativa, cm qu 7/aO flja C01~{tt1JI'fliado; nao hahal,ito d virtud 11l0ra!, qtl o 1iao' tllhti ülquíj ido, frito l/{!t/{ra! CUI o t~r(}. E m todo ()gcncro d ltr{!j', arts, 7.;irtttds,f conr -!ummolt com ta7jta facilir/arl-, prflza, qu'lioj' parcia tr 1Jo{á:lo tudo C0111 V. A. 1laturalmnt,' nao.rr áchado jjor art, ajt!m f prova., qué ha. mf7. Á: Iabr para dar, alcanc aos lat.rocmios, df! fju acjltj tratamos; J11. ospjca;zr/o com a rcl da ',. Jabdo-

11 fabt:d(ria,.ft!gtú-f m;;dilllcs com a Clava do pod'r~, Sttgito por tanto jla Art d furtar; áo podr, fabdcria ~ V:../1..Ao j;odr, para qu a ampar, d fabd(rtr, tara ~li a 1.1l.nd :, j cr~ti fo' dala-'!jdcría d VA..fia ~u dard alcanc ás Jithttlza t!oj" prcjtjjé1".r dja t(l't. E1ll dllas cctj?aj'pfo (l V A. qu ojlnt a~ttt j fu podr: u cajltgar ladrci1s, m m dfndr dlls,poij'fco arrilcado Cí'!lJ OJ' d): cobrirj mas C01l111'1 ('m:obrir v.:.a.m dottjjor I'guro. E m cutra.l:dttils ÚUZtlJ' t"rl1o a pdir ofint 1/. A. fuafabdoria, 1l'J mndar fia Arr, m tpúmto pr-: t1ic 'aojo ladro1ts ; tambm o fij1lo dlla, plo qu tm d",1jltt. l:r ;ary mal, qtt; mt; ar.gt~a?utrm, porqu lit/o havra, qum m liao JfJa}/4ptto,Jal... 'Vo f/~./l. 7.Jijlo nao ljarvr otltrlll, qu.!cajj{' das 110- tas, qu atjúi mm/o. Dirao qu fallo picant, 011 épido: i1l'o l o qu prtndo, para adofm- por toda.!: aj' 7.JÚ1S' o dfagrado da matria. Cuidavau qu jallar 1;ijio l1iziíto clttml'ado, frio, fria o m/br; mas flldo o okjcio d Ji pllozo, jjor~u b d prt/as " dmlí1ioj',fazllo maíj' p71ojo com o flylo, Jria 'Vfiir hum capuz a fl tratado, Jara todos lb darm o pllzfl17l d o nao poclrm 'l.'r as lcuraj" Jftiry d primavra o mz d Dzmbro,para o fazr tra! avl, tcc1jdo os cajs, n:atrioj' d modu, Mt 1. ao fafao 1lloyor p1idgr para ÜI1l?tl balm/fa,ru I~ra: ultra, para qu a/iú o curiolo da./b t, ~ jtylo o 1Jlolfio d~ 1l:atr!ri'!I1ll trpas dl tftlj' Cabalifi cas, ll17l tl.ja17trttl d [alntas cultr/j', puadas, qu m qubraó a cabftj../llgu'lis lh'rts vjo df{j', qu vaola/;iljtlo d 1ilcdn a, qum;do oj'lcyo" lm os t!.7.t{'7i{lo; mas ~lfa d() os acabo d lr, l1ao ly o ~1t,m dijjtrao:pon u toda a ua babilidad pom ~mpa a'"{. 'rtlj'. Eja dijj o provrbio, ~ltjj(/ avras", plzt:.-

12 I plttma.r,/'vnto'a.r lva: Outro.f toda tl P olv ora ga.rtao m dar:con(lhos politicos, a qum Ihos 11ao pd, bm aprtados, vm afr mlantolias d() Autor, ljui! por arrufos dérao m dfvllos, oupor ambifaó m dlirios; podéramos rjpondr aos tas, o qui! Aplls ao qu Ih taxou asroupagnsda Jua pintura, JahindoJ da uféra dolujolftcio: J'ja o qu for, o ljtt fly h, qu nada m toca mtlu, qu Zto do bm commu11l, augmnto da ivlonarquia, d 'luh h r~ diro', Snhor V. A. La:lror?ns rtardao augmjitos, porqu~diminttm toda a cotiza boa: dimmua-os f" A. a llt!s, crjcrá (tt Imprio, qu os b011s dfjaó dilatado até o jim do mundo; porqu todos amaó mai.r qu muito!a V../l. qu DoJ' guard &v. i,. '. ;~ " f, o, i,!;?:. ".. PR():. o" " :~...::. "

13 i, " f. o. i,!;?:. "... o" :~...::. ".' E 'P R o T E S T A C, ~A.M DO AUTOR.A tjum lr fl Tratado. M Oagulla,. lugar,d Alm-Tjo, ntr El:' vas, Campo, Mayor,. ha huma fonr,. cuja agua naó coz carn, nm pix, por m~is qu frva. E na Villa do Pomba},. prto d Liria, ña hum fomo,. m qu todos os annos f coz huma grand fogac;a para a ffia, do Efpirito, Santo; ntra hum homm nll, ql1ando m~is quut, para accornmodar a fof,asa, f dtém dntro, quanto tmpo h<t n cfla no, fm p~dcr lfaó a)guma do fogo, qu cozndo o puó nao; coz o hornm. E plo contrario na Tapada d Villa-Vic;oHl, rtiro agradavl da grand CaCa d Braganc;a, advrti hl1ma coufa notavl,. qu ha.,. vra mais d dous mil vados nlla,, qu todos: os annos mudaó as pontas, bailant numro para m pouco tmpo ficar toda a Tapada juncadadlls; no ",cabo naé ha qucm ach hum~. -':rgunty n tazaa ao Snhor D. Alxandr, um:w dlrcy'.noito Snhor, grand prfcrutador d couzas naturas? E m rfpondo, o qu h crto,. qu os mf- mos vados m as arnmcando logo as comm.. Mais. m aumirou qu haja animas, qu comao " poitaó digrir oaos rnais duros qu poras! Mas qu muito, f ha avs,. qu comm" digrmjr-, ro, quas faó as hmas! Conform a fis xm-, plos, tambm nos hornns ha fromagos, qu nao cozm muitos manjar~s, como a font d: OuguJa, o torno do Pombal, nm os admittm,\ por bons q? fjaó ;. abrac;.aó outros rnais gro!:' tü:os ))

14 (irás, -'Cofl1 qu f f.'lzi11, como vados, hmas. E f(;! prgulltarmos ao Philofofo a razaó dltas dfigualda ds? Dídl, qu faó ffitos, IllonftruofiJads da natnrz1, qu obra contorm as compli<s0ns, qualidads dos fllgitos. O mrmo digo, f houvr ltomagos, qu naó admíttaó, COZc1f> bm os pontos, m:1trias, qu difcurfa ft tratado, qu na> vm o mal da qualidad das C01:1Z15, qu aquí ohr~o, fnaó do mao ~1umor, com qu as maltigaó, mais pafa as mordr, qu par;] as digrir: como o rnantimnto, qu f naó digr, o ftomago o convrt m vnna; ahim os tas d tüdo fazm p<s0nh,1, mas qu tja triaga cordal, antídoto rcolludo. Como ti iaga, com o antidoto proponho.tudo para rmdio dos mals, qu padc a nona Rpubli~ ca: f houvr aranhas, qu fa<saó pcc;nnha mortal das flors :uom:lticas, d qu as ablhas tira;) ml fu.w, naó h a culpa das flors, qu todas faó mdicinas; o mal vm d:.ls aran has, qu prvrtm, o qu h bom. H o juizo humano, ailim como os molds, ou fints, qú imprimm in cra, malfa Cuas figuras: f o mold as tm d frpnts, toda a maffa, por [fía qu ft:.ra, fica cubrta d fvandijas, como f as produzira, ftivra corrupta; plo contrario, f o { nt h d figuras boas; J.3rfiras, t:as as imprim, até na cra mais tolco. ~1ró dizr, amigo litor, qu f fords inimigo da vrdad', fmpr vos ha d amargar, nunca havis d dizr bm dlla, c{)m lla fr d fu natural muito doc, formofa, porqu h filha d Dos. Vrdads puras proffio dizr, naó para vos offndr com lla$, friaó para vos moftr.. ond, como vos offndis vos a vós, mfmo, r '.' :~ ;:. ",,

15 ,, -mrmo, á voíla' Rpublic:t ;. 'p~r~ qu 'vós m; " lhoris, f vos nchardscomprhndido; E naó m digais, qu naó convém '. tirar a publico affrontas publicas d toda huma Na<;aó,,porqu a ifin f rfpond, qu fiaó publicas, n;" nhum.:lifcrdíto mov, qum :ls rpt, ants vo. honra moftrando,vos difpofto para a mnda, vos mdhora abrindo-vos caminho,para conhcr" ds o ngano, m qu vivis. E affim protfio; qu llab h mu intnto nunar-vos os lau<;os, qu: nfra Art d furt'.zr ignoravis, fnaó allumiar-v08 o conhcimnto da df-ormidad dlls, para qu os abominis. N cm cuidis,., qu vos conhc'5 0 ~ qum qur qu [ois, nm qu ponho o ddo tn vole1s conzas m particular: o mu zlo bat fó no commum, naó.prtnd, affrontar a norra.nasaó~ ants a honro multo por duas r~zons. Pnmlra; 'porqu tudo comparado com os dfitos d outras llfla part, fica a nofra mais acrditada, pois r dixa vr o xccffo dos latrocinios, comquafro,,:, laó o mundo todo por mar, por trra. Sgunda; porqu tratamos d mnda, ond ha fra, ou dzjo dlla, h a mayor prfi<;aó, qu os San':' tos :lchaó nas Rllgions mais rformadas; affini ficamos nós com o crdito d Rligiofos rforma::' dos, m compara<;aó d gnt dl!roluta. Dond naó m rflllta daqui fcrupulo, qu m rtard~ O qu finto h, qu na6 fy, f confguidl fu ffito. o mu intnto ~ qu fó trata d 'qu vos mn.;..dis, f vos achards comprhndldo: f cada:, :hum f mndar a fi, já o dilf hum Sabio, qu t~ rmo~ logo o mundo todo rformado: mlhorat caffim o norro Ryno, mlldallo, h o qu pr~ <tndmos,.. " ',. ~ D 11'a..

16 ,r.-, Dira '0 Critico, é tamb~lno Zollo (qu tud~ ~bocanhaó, róm ) qu ifto nnó h gazúa, com -qu f abrm portas para furtar; mas qu h montant, qu fcala d alto abaixo muita gnt d bm para a dshonrar. A itiü tnho rfpondido, qu naó tom ningum por fi o qu lh digo, ficarmos amigos como:dants; porgu na vrdad a nnhum conh~o, d nnhum fallo m particular: os cafos, qu aquí rfrir, faó bailas d batalha campal, qu tiraó a montaó fm pontaría. Só digo o qu yj, <> qu li, ououvi,fm pfquizar autors, nm formalidads, mais qu as qu as couzas daó d fi: f m algumas diccrparm as. circunftancias da n11rra~aó, naó f ajuftarm- m tudo muito com o fuccdido, pouco vay niffo, porqu o nofro intnto njó h dslindar plitos para os fntncar, fnaó mourar dformidads' para as ftranhar, dar doutrina, tratar d mnda. E íl:jaó crtos. todos, qu nar> dizmos nada, qu naó paff affim na vrdad _ m todo, ou m part pdncípal. E nao allgamo~ Autors para confirma~aó do qu' fcrvmos; porfju os dfta art nunca imprimiraó; d fua [cincia fó duas ltras f achaó imprffas nas coftas d aiguns, qu faó L. F. o qu qurm dizr, todos o fabm. E f algum m impugnar a mim para dfndr, o qu ftas ltras d Rotaó, moftrara niíto, qu h da mfma confr~ria, ngarflh-ha o crdito por apaixonado, como part, darfm-ha a mim, qu o naó fou; porqu fó prtndo moftrar nfr EJplho :l v~rdad, faz r publicas como m Thatro as mntiras, mbufts d ladrons paffados, prfnts. Aprftll~-f todos para ouyir com pacincia; porqu trato d nao molftar, qum ito lér, hiry tcndo-...tudq ". (, í '- f

17 tudo m fórma; qu o urioro dos fuccfl'os ad6- c o azdo da doutrina : m tudo traó todos muito qu aprndr, para fmpr frm virtuofos, f quizrm tomar as couzas, como as applico. Dos vos guard d vanls dlgadas, qu andaó plas ruas, d trs paos groítos, qu vos fpraó, f naó tomards mus avifos. Entrtanto fiuday o Crdo, fprtay a fé para o qu f fgu. y r ' :... '.'., f

18

19 INDEX D o s A P 1 'TU L o S" D E S T E T R Á T A D O. A P 1 TUL,O J.. COmo prwa furtar ha art, qu h fci11cia ':)t!1'- dadira. p. 1. A P Como a art d jarfar h 1J1.uito nobr.p. 7 G A P., IJI. Da alltiguidadt?; pr{'fjjors dfla art. p. 10. A P. IV. Como os 11l(~yor.r ladro1u Ia:Q,,J' qu tm p}" off cío \~ lí7jrar:' wj doy mj11l0s 10d1'o11.r. p A P.' V...'.Dos.qu Iiló ladrol1s, Jm dixarm, qu {JutnJS o f- J,'; ~ Jaó. p A l~ 'VI.'", ~.,;q? "~ I (/0 f fcapa d Jr t!1'ao, ~Ut111 f f aga P(1' jlitl17:ao ',', p A P. VII. ;. Como.tomadopóuco f rouba mais, qu tor.mu!o llzuito. p. 3:2. A P. VIII. Como.ffarta 8J'p(lTt~,ffazndoJhs mt?1"cj', 't' n... r tindo/hu 1liiJriconli(!.f., p ". A P. IX. ~ Cotila f tlfla a tit'fll~/ bt'llficio. p. CAPo.

20 A P. X. R~ Como.f po'd1l1 fitrtar a ElRy 'ViTlt.milyuzados a titulo d o Jr'Vir p.. ; 46,.. ' A P. XI. E1. Como.r po'dm furtar a EIRy 'Vint mil cruzados,. dmanda/o poroutroj tantos. p. 5 l. A P. XII. Dos ladrons, qu furtando muito, nada Jia;; a d- 'Vr 'na Iua opil1iao. p j D CA P. XIII. Dos qltftlrtaómúito arfntandrj,"a fjum roubao, 1ttais do qu h furtaó. p. 56. o A"P. XIV.,. Dos qu fitrtao com imhas Ras. p. 6I. CAP. xv. -13m qn f moflrtl,comó po'd hum Ry tr 'linhas.p.66. CA P. XVI. Em qu f moflraó as unhas Ras dcnfllla, 1:c.o?/JO " U11a fls hou'v m Portugal. P.70 MalJifflo do Dirito, qu D. Fiiipp d CaflUa,al.., lga contraosprtlldnts d Portugal. p :Razo11J', qu EI,R..~, p, rilipp auga to'ljtrll./j S nh,ora 1)011a Gatharma. P.77., R.po fla da 8 c1zhorá DonaCáthllj titátoflttilllj" :t'ilzo-.lls dlr.y [J.oFiJipp. p '.,manifflo do Dirito aij Snhora DtJ1lll Clithllri1111'lJ?J J<.~y1l0 d Portuglll01itrá JJ. Pi/ipp. p. 99. ~nz JilJ' dh /Jb I!;O'i'áJ) macllt!jllrina (;ofltra,f'ilipp't!. p ~R,pqf-, o" ) L l. " "?:.'1, 1l 1

21 sa, - ) ~.. - Rpofla dlr,y D'. Fl/l/p :'ccnt'l'(l, tls,!,i1zct:11s da S- 11hora Dona Cathaytna com Ju,' djngano. p A P. XVII. Em qu f rrfqlrv, qu as unhas d Cafilla fao, as mah farpautj" por injujufas. p. 120 C' A P. XVIII. Dos ladrofl1j', qufurtao com unhas pacificas. P 13 0,,'C AP. ' XIX. " ' ' Proft!gu-flJ a m.fma' mat "ia, moflra.j, qu tal dv.lr a pa-z, paroqll unhas pacijicoj' nos flag dam1jifiqum;p. '135,. A P. xx. Dos l(ldrons,qu fiirttjo c01l1j!1jhns Militars p. 14, '... A P. XXI.", Jrlojlra-f, até 011d chga6 tt,nltls.m,ilitm's, ljuahdofd'vfazr agurra. p. i45, ' A P. XXII. ' Pro..rgut!-f a mf11la matria das tmba.r Milita1'u,~, como f d-'vfazr agurra,; p. 155,.' A P.' ~xni~.., Dos qu furtljo C0111 unhas tmidas'.p ~::. A P. XXIV. i~., Dos qu fiwtao com unhas tímidas. p D ' A P. XXV.. ' o.r 1ufurtao COflI Ullhas disfarcadas. JI "?t* ij" CA~~ >. "!

22 '. "C,AP. " XXVt.'i 1J{)J flufilrta;; C01JP lmhas malitirfoj1. p. Ii4: A P. XXVII. ]),? o-,tra.r: ltllda) mahmalidojar. p. 178." -", \,.- A P. xxvrn. Dos qft) furtaij C01ll ttnhas dfcuitladas. p. r 84. A P. XXIX. l)jj~ qufltrtao c0111únhasirr,l1éfliavis. p. 87. A P. XXX. Ou tar?s dvm {l' O.f c()l~rlhiros', conllbo.f,para -- 1m! ltjjdas -irrmdiavis,110s nao dam11~ftq!tlll. p. 196.,. ', " Q!t taj' dvm flr os C01~(lhiros. 'p Trib!t1lal, COlllO, qu tal. p, 202. Voto, parcr d cada hum. p RfolufaS do onflho. p. 2 ro. A P. XXXI. Dos qu {tlrtao C0111 tmhas fabias. 1'. 2I8. A P.XXXII. DOJ~ qu furtao com tt1lhas ignorants. p ,C A P. XXXIII. Dos qu furtao com tt11has agudas. jj A P.- XXXIV~ DOj' qn furtao COlll ttllhas ji1 glas. p.227. CAP. (,;. :j,: J.~ " ( J 1 1 J J í<~. ':" ", " j

23 "C A'P., ' XXXV. Dos t tl ffirtao cnl tmlas dobradas. p. 23 t. A P. XXXVI. Ccmo ba ladrons, qu tm as unhas na li1igtu/~p.23r; A P. XXXVII. Dos ladroclls, qttfiwtao C0111 a mao do gato. P A P. XXXVIII. Dos qttfiwtaó CC11111JaOS, tmhas poflifas, d mais, accrfcntadaj. p a A P. XXXIX. 1. D,OJ' qu furtao ccm unlas baifas. p. 2~ r. C'A P. XL. Em ~lu.r rfpclld, aos qu (f0 Fifco clcmao FiJcor p. 2~ 8. A P. XLI. Dos ~tl ftlrtao corll. U1/has d fcm. P CAP. XLII. ). Dos qu fttrtao com u1jhas fm fas. p J. '~ '. A P: XLlII. Dos qu furtao ccm tildas mi11lofas. p A P. XLIV. Dos qttfilrtao com tt1lbas dj icj[arias. p / A P. XLV. Dos qu filrtao ccm tintas d01j1flictls. p CAP.

24 A P. XLVI. i'- f' Dos, qu jitrtao com unhas mntirofas. p. 282.,\ :i.j CAP. XLVII. Dos qu furtao com tl1jhas 'Vrdadil'as. p A P. XLVIII. Dos qu furtao com tmhas 'Vagaro[as. p. 29 2, CAP. XLIX, Dos qu f~trtao com l!l1has aprj(adas. P.2'9 A P. L. 1.1I0flra-ft!, qual h ajllrifdicfaó, qu os Rys tín (obr,fjs Sacrdots. p. 304 A P. LI. j Dos qu furtaó com unhas infnji'vcis. p A P. LIJ. J Dos qu fttrtao com tl1lhas, qu! nao J fntm ao pl!1"- ta, arrallhalj 111Uito (lo Jong. p A P. LBl' o,;;' Dos qu furtao com u11has 'Viji'Vcis. p 3 18 CAP. LIV. Dos qu fttrtao C011l ttnboj' jllviji'vis. p r. ti, A P. LV.. Dos qu furtao com tmhas occultas. P CAP LVI. Dos qu f!lrtao com tt1lbas.tolradas. p CAP. : ~I: ~-\ ~ J j j

25 . C,A P'.. LVIL, Dos qu furtao. com ttnl.?,ijs (liugadas.p. 318.c A P. LVIII. Dos r u fin 'tao C01JJ zi11has a1jjorofas.p~ 341. A P~ LIX. Dos qu juf'tno um tmbas ccrtzs. p, 344 in -. A P. LX. Dos. qu furtao C0111 U1Jbar politicas. p A P. LXI. Dos qu fitrtao com u1ihas c01ifidnt:r. P 35 2 A P. LXII. Dos qu furtao com tt1lhas col1fiadas. p. 355 A P. LXIII. Dos qu furtao como' u11has p1~o'vitofas. p. 36L A P. LXIV. Dos qu fitrtao com '!t1lhas d prata. p ';;'!; A P. LXV. i Dos qu furtatj CO'l1J unhasdnao ry como /hs.cham. p. 3T2..! A P. LXVI.. Dos qufllrtao com u'lihas rt!diculas. p A P.LXVII. Primcir a tzour a paraor ta ' 'tt1jhas ;lamol Vigia~. p. 386 CAPo.

26 .1 A P. LXVIII.. Sgtl1fdatt1zoura, Milicia. p CAP. LXIX. 7"rcira tt!zottra, Dgrdo. p A P.' LXX. D~rngmzo gral a t?da:r as.ftllhaj'. p Prüniro d~rl1kal1o. p '* Sgundo djngano. p Trciro áfngtln(j. p ConduJao final, rl!mat do d[ngano 'Urd.11iro. p. 407., h i 1" ( ( 1 :I.].,'.". ~~:;~.:::'.:.:', J 1.1..' J... J."

27 (1) T'R A T A D O N 1, ~t-,~*~~************************************* CAPITULO 1. Como parafitrtar ha art, qu h cincia. A vrdadira. S Arts, dizm fus Autors, qu fam. mula~ons da naturza: dizm po. uco; _. porqu a xprincia mofrra J qu tam.,.... bm lh accrfcntao prfi~oés. Dn a naturza ao homm cabllo, barba, para riuthoridad, ornato; f a ::lrt na111 C0111 puzr tudo, cm.. quatro días f fará hum monfiro. Com art r.para hl1ma mulhr as _fuinas, qu lh caufou a idad, rfrituinuo-f d cors, dnts, cabl 10-, com qu a naturza no mlhor lh faltou. Com 'art faz o [cultor do tronco inutil huma.irnagm.lam prfita ; qu parc viva. Ccm art tiraó os cobi\ozos das ntranhas da tna, cll,tro do mar a pdraría, mtas prciotos, qu.a naturza produzio m tofco, aprf:<;;oando.tudo, lh dam outro valor. E nam [ó fobr cou.~~sboas tm as Arts jurifdic~am, para as- mlho Iar mais qu a naturza ; mas tambm fobr as.más, nocivas, para as diminuir m provito.q qum as xrcita, on para as accrfcntar m A damlio

28 (2) dumno d outl-m : como f vé nas máquinas da gurra J partos da art ~1ilitar, qu todas vaó dirigidas a ahüla'5ocns, incndios, com qu huns l dfndm, outros faó dihuidos. Naó prd a art fu Jr por fazr mal, quando fa,z hcm, a propo[ito ll mimo mal, qu prof{ f..1,. para tirar dll par~.outrm algul11 bm, ainda qu fja iilicito. E. tal h a art d ftirtar, qu. toda f occupa m dfpir huns para vftir outros.,e f h famofa a art, qu do cntro da tl;~'fa dfcntránha o ouro, qu f dcfnd com l~lol1ts d diiliculdads, naó h mpos admiravd,a do' ladraó, qu das. cntranhas d ht fil fcritbrio,. qu fchado a ft chavs f rfguard.~ COl~l mil artificios, dfllcóva com outrps ~ayors o. (hfouro,.com, qu f mlhóra d fortuna. N m prd [u fr a art plo mal, qu caufa" qlümdo obra com ciliadas fgundo Cuas rgras,; qu todas f fundaó m firat::1gcmas, nganos, como as da l\tlilicia : ífa h a art, h o qu dizia l1um grand mftr dfta profifiaó,'gon art, y con ngaño, '"( 'ivo la mitad dl tiño.: y,-'011 ngaño, y art, vivo la otrt'l part. E f os ladrons naó tivrm art, bufqum outro offi.. cio; por mais qu a fr os lv, ajuda llatu,rza, f naó alntarm fia com os documntos,da art, traó mais crtas prdas, quganhos; ntil f podcráó confrvar contra as inváf()ns d infinitas contraridads, qu os prfgl1cm. E quando os vjo continuar no oilicio illzos, naó poifo dixar d o attribuir á dfirza d fua art ) qu os livra até da jufti~a mais vi.. guant, " :i ~., ~ ',( " '.' gil gal iffc h:k di na< du: tn )Ot [ci ti cal TI fic as [6- va f, tit té: aq í~ r. pi fit d~ p.1 l ro nc Z(

29 da.. o u ~ o a,z ~f-.'. ~, r, ir a m u- f- r- a- 3.,, " ; s, y >s o t.. - l l- ~a 1- "., " 'i ~., ~ :~ i ',' gi1ant~, dslumbrando-a por mil modos, ou obrigandd-a, qu os largú, tolér; porqu até para iffo tm os ladrons art. Affim f prova,,qu h:lirt~ d furtar, qu fta fja fcincja vrdadira, h muito mais facil d provar, ainb qu naó tnha fcóla publica, nm Doutorcs graduados, qu a nfinm m U nivrfidad, como tm as Olltras fcincias. "'::' Todos os Philofofos, Doutors Tho~,logos dcfndm, qu mrc o nobrc titulo d fcincia vrdadir:t aqulla art fómnt, flu térnprincipios crtos, por ond dmofir:i, cal.. cai1~a,oqu xrcita : xmplo fcjaó a Sagl:ada Thologia, a Philofophia, Mathmatica, Mu~ fica,iv[dicina, ouu"as, qu nafcm dchas, asquas faó vcrdadiras [cincias, porqu n~rn f6~nfinam o qu profitaó, mas tambm pro.., vampor f'e!us principios, dmofir~ó por C011- f qund as, vidnts, o qu cnfin1o. E admittihdonós cita rgra, qu todos os fabios admittém, dcvmos xcluir do numro das fcinciasfó aqullas, arts, qu p'árao na matria, m qu í~ occupao ; tomaado-a aílim como f lhs oftrc,~ [m difcurfarm as razons, nm os princi..' pios, poi:; ond f aprfi~oaó no alcanc dofu: fim. Exmplo fja a Jurifprudncia, qu ila111 f~ dtm cm fpc~lar',,ou dmoftrar, o,qlj.'f:t,~f pom fus:txtos ~ dond nafc naó havt'via~n: i da publica da razain d fus prccitos : f n'os. niov, a', fcguilos a obdinia, com qu todos, nos fugitamos a lls, mais h por' tmpr ás v~' zs "qu por, r;fpjto~ :I? ainda qu tod~ f~}an1" r,j' " A 1J. ',: ',' ftü'lda';' t," - ~. : '

30 fundados m razam, qu os Princips acharaó, 'coínmumcnt apontáo cm fus dcrtos;",paf Hó por 11ns os J urifconfultos ordinari;:~rnnt t~nto cm fi!nio, qu por fé lh damos alcanc. E ham-f nifio alguns Canoniftas, Lcgiilas, como Dos, qu obrigando os homns a huma ly d dz prcitos, m nnhum dhs apontou a razam, porqu os punha ; dixando-a ao dif-. udo da ly natural, qu nnhum homm dv ignorar; :linda qucha alguns tam groffiros, qu nam atinao com lla. E por iffo nunca ningum diíf, qu a doutriua do Dcalogo, plo qu prtcnc á obfrvancía pratica, ra fcincia, ainda qu o fja no cfpculativo,plo qu dü:obr;no bcm para o abra~armos, no mal para ofugir.. 'IDOS. D todo,tl difcurfo f colh com crtza, qu a art d furtar h fcincia vrdadira, por-' qu tm principios crtos, dmonfrras;ons vndadiras, para confguir íus ffitos, pofroqu por rudza dos difcipulos, ou por outrosimpdimntos xtrinfcos num chgu uo qu prtn-. d..mas f o ladram tm bom natural, h prito na art, arma fus fyl1ogifmos como rdyarrdoul a, a qu nada fcapa. Com huma hifto'" ría notavl fa~o dmonfrra~am dha vrdad. Em. crta Cidad d Efpanha hbuv huma viuva fi-' dalga tam rica como nobr: como as matronas d qualidad por fu naturalrcolhimcnto nño pódm afliftir a trafgos d grands fzndas, dz,;. java fia muito hum fitor fil, intllignt, qu lh podíf. govrnar tudo. E nam dzjava mnos hum Iadram cadino tr ntrada m cafa taro. I J., '/ t8 P 1 q l n ti l ti fi : q f l~ 11 ( t { 1 t: 1 :l f I ] ~

31 ~, af-, U- :. S, a u ifv m 0 r.. a, - ~rla fi oo 1 - S - ~-, 1 I " s) tao caudalófa com algum honfto titulo', para f provér d huma vz d rmdio para toda a vida'..' Lan~ou fuas linhas,armou fuas tra~asm fórma, qu nnhum~ confquncia frufrrou, a:lem para ntrar com grand crdito, como para fahir com mayor provito. Achou por fnas inculcas, qu tinlla a fcuhora hum Conf(dlor Rligiofo, a quln : Clava crdito, qbdjn.cia por fua virtud, ltras. Prégava fi: crta fita d concurfo, vfriof o ladraó d traj humild, o rofto pnitnts, fz-f ncontradi<;o C0111 ll hindo para o pulpito. Poz-Jh na maó huma bol<;a d dobrons', qu diífachára prdida, pdio-lh C0111 muittl fubmiffaó~ modfiia, qu a publica{f ao audito.. l~io, ' :l rftituiífa" qum mofiraff qu ra [u dono, dando os vrdadiros fifias dlla, " do qu continha. Picou o Rvrndo Padr Prégador at.. tonito com tal cafo, qu houv1f homm no murj.. do, qu :rftitu,iíf m vida, diíf aos ouvints milagrcsclo íugito; qu podndo mlhorar d." capacomaqull achado, o naó fizra, fiimando mais a paz d fila alma, qu o commodo d fu corpo.,. qum hum daqulls raó bm m... prgadas as fmolas.e aílim foy ~ qu acabada :tpréga~aó~ mandáraómuitos Cavalhiros fus fhb~ fidios commais. mya duzia d vllidos muito bons ao Rvrndo Padr, para qu déíf tudo aq pob~ fanto, qu lh naó pzou com lls :foy. a; pnmira confquncia, qu colho do fu di(.. curfo: a fgunda aífgurar abol<;a, para fi com fua may,. qu ra. huma vlha taó ard11ofa;como ll, qu já ftava prvnida ao Padr do pulpi - A iii ' to,

32 ~. ~. (6) TO, muito bm adftraua pé]o fiiho: é m dfcndo o Padr agarrou dll gritando: A bol~a h minha; por final, qu h d couro p2rdo, COIU huns cordons vrds, tm dntro fís dobrons, guatro patacas, hum paplinho d alfints. OuvilJdo o Prégador finais taó vidnts, vn-. do qu tudo affim ra, lh ntrgo u tudo, dan... ~o gra'53sa Dcos? qu nada f prdéra: a máy fz cm cafa a rcfbtu.i~a6 ao filho, qu a{fgurou d caminho a trcira confcquncia dflafar tambm o Rligiofo, qu o lcvou á fua clla, ond o- rgallou, mlhorou d vfrido, fortuna, informando-f dll mfino d fus talntos: 3chando qu fabia -lr, fcrcvr quanto quria, contar como hum Girifalt na unha, qu fobr tudo mofirava bom juizo:. fguio-f logo a quarta confquncia d'o pór.mcafada fua con.. fífada com mro, mixto imprio -fobr: toda fua faznda havida, por llavro,.:,abonamnolho por quinta ffncia d fidlidad,intlligncia ;. comqu a fu falvo colho 'a ultima confqun,.;. cia, qu prtndia das rndas d fua fnhora, qu nfacou m ouro para vonr mais lv: com dz, ou doz mil cruzados, qu dousannos d frvic;o lh dparáraó, f paííou para outromi.t: frio, frndizr a ningum:- Ficaivos mbora:. Digao agora' os profífors das f-cincias, arts maislibracs" f formáraó :uunca fyilogifmos mais, orrnts:. Ngará a luz ao Sol,. qum ngar á art d furtaro difcurfo, fubtilza, com qu aquilh damos o nom d fcinciavrdadira.. CA-. ~ ti\.. ':)". '-, :~,.'.If'1 ~ qu br nc lt gạ. Vl. VI f r. l na ta, c(] tri al tu m g~ ql Dé c(] tr H

MATERIAL DO ALUNO PARA RECORTAR

MATERIAL DO ALUNO PARA RECORTAR MATERIAL DO ALUNO PARA RECORTAR O Sonho de Renato O Sonho de Renato a e i o u A E I O U so nho de Re na to Eu sou Renato Valadares Batista. Tenho 14 anos. Sou filho de Pedro Batista e Luzia Valadares.

Leia mais

Questionário sobre o Ensino de Leitura

Questionário sobre o Ensino de Leitura ANEXO 1 Questionário sobre o Ensino de Leitura 1. Sexo Masculino Feminino 2. Idade 3. Profissão 4. Ao trabalhar a leitura é melhor primeiro ensinar os fonemas (vogais, consoantes e ditongos), depois as

Leia mais

P R E G Ã O P R E S E N C I A L N 145/2010

P R E G Ã O P R E S E N C I A L N 145/2010 P R E G Ã O P R E S E N C I A L N 145/2010 D A T A D E A B E R T U R A : 2 9 d e d e z e m b r o d e 2 0 1 0 H O R Á R I O : 9:0 0 h o r a s L O C A L D A S E S S Ã O P Ú B L I C A: S a l a d a C P L/

Leia mais

REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM No u s o d a c o mp e t ê n c i a p r e v i s t a al í n e a v ) d o n. º 1 d o ar t i g o 64º d o De c r e t o -Le i n. º 1

Leia mais

Quadro de conteúdos. Eu Gosto M@is Integrado 1 o ano. Lição 1 As crianças e os lugares onde vivem

Quadro de conteúdos. Eu Gosto M@is Integrado 1 o ano. Lição 1 As crianças e os lugares onde vivem Quadro de conteúdos Eu Gosto M@is Integrado 1 o ano Língua Portuguesa Matemática História Geografia Ciências Naturais Arte Inglês ABC da passarinhada O alfabeto Quantidade A ideia de quantidade Eu, criança

Leia mais

(Às Co missões de Re la ções Exteriores e Defesa Na ci o nal e Comissão Diretora.)

(Às Co missões de Re la ções Exteriores e Defesa Na ci o nal e Comissão Diretora.) 32988 Quarta-feira 22 DIÁRIO DO SENADO FEDERAL Ou tu bro de 2003 Art. 3º O Gru po Parlamentar reger-se-á pelo seu regulamento in ter no ou, na falta deste, pela decisão da ma i o ria absoluta de seus mem

Leia mais

GASTRONOMIA. Cer ti fi que-se de que está es cre ven do de acor do com o tema pro pos to e dê um tí tu lo a seu tex to.

GASTRONOMIA. Cer ti fi que-se de que está es cre ven do de acor do com o tema pro pos to e dê um tí tu lo a seu tex to. GASTRONOMIA Instruções Cer ti fi que-se de que está es cre ven do de acor do com o tema pro pos to e dê um tí tu lo a seu tex to. Res pe i te mar gens e en tra das de pa rá gra fo. Use as in for ma ções

Leia mais

n o m urd ne Hel e n o mis

n o m urd ne Hel e n o mis Em nosso cotidiano existem infinitas tarefas que uma criança autista não é capaz de realizar sozinha, mas irá torna-se capaz de realizar qualquer atividade, se alguém lhe der instruções, fizer uma demonstração

Leia mais

Casa, acolhida e libertação para as primeiras comunidades

Casa, acolhida e libertação para as primeiras comunidades PNV 289 Casa, acolhida e libertação para as primeiras comunidades Orides Bernardino São Leopoldo/RS 2012 Centro de Estudos Bíblicos Rua João Batista de Freitas, 558 B. Scharlau Caixa Postal 1051 93121-970

Leia mais

PATR IMÔNIO PALEONTOLÓG IC O

PATR IMÔNIO PALEONTOLÓG IC O PATR IMÔNIO PALEONTOLÓG IC O O s depós itos fos s ilíferos, o s s ítios paleontológ icos (paleobiológicos ou fossilíferos) e o s fós s eis q u e a p r e s e n ta m valores científico, educativo o u cultural

Leia mais

Prgrmçã O Mu s u Év r, p r l ém f rcr s s i g ns «vi s i t s cl áss i cs» qu cri m s p nt s c nt ct nt r s di v rs s p úb l ic s qu vi s it m s c nt ú d s d s u ri c s p ó l i, p r cu r, c nc m i t nt

Leia mais

Programa Copa do Mundo 2014

Programa Copa do Mundo 2014 Programa Copa do Mundo 2014 Programa Copa do Mundo 2014 Gerente do Programa: Mario Queiroz Guimarães Neto Rede do Programa: Rede de Cidades Objetivo do Programa: Organizar com excelência os eventos FIFA

Leia mais

Encontro na casa de Dona Altina

Encontro na casa de Dona Altina Ano 1 Lagdo, Domingo, 29 d junho d 2014 N o 2 Encontro na casa d Dona Altina Na última visita dos studants da UFMG não foi possívl fazr a runião sobr a água. Houv um ncontro com a Associação Quilombola,

Leia mais

Resolução de Matemática da Prova Objetiva FGV Administração - 06-06-10

Resolução de Matemática da Prova Objetiva FGV Administração - 06-06-10 QUESTÃO 1 VESTIBULAR FGV 010 JUNHO/010 RESOLUÇÃO DAS 15 QUESTÕES DE MATEMÁTICA DA PROVA DA MANHÃ MÓDULO OBJETIVO PROVA TIPO A O mon i tor de um note book tem formato retangular com a di ag o nal medindo

Leia mais

Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e :

Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e : INSCRIÇÕES ABERTAS ATÉ 13 DE JULH DE 2015! Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e : Caso vo cê nunca t e nh a pa

Leia mais

Estratégico. III Seminário de Planejamento. Rio de Janeiro, 23 a 25 de fevereiro de 2011

Estratégico. III Seminário de Planejamento. Rio de Janeiro, 23 a 25 de fevereiro de 2011 Estratégico III Seminário de Planejamento Rio de Janeiro, 23 a 25 de fevereiro de 2011 G es tão Em pre sa rial O rie nta ção pa ra om erc ado Ino vaç ão et

Leia mais

FUNDO CARTÓRIO DE REGISTRO DE IMÓVEIS E ANEXOS DE AMPARO

FUNDO CARTÓRIO DE REGISTRO DE IMÓVEIS E ANEXOS DE AMPARO FUNDO CARTÓRIO DE REGISTRO DE IMÓVEIS E ANEXOS DE AMPARO O Convênio celebrado com o Cartório de Registro de Imóveis e Anexos, de Amparo, em dezembro de 1994, possibilitou a transferência da massa documental,

Leia mais

RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO

RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO 1. RESULTADOS QUESTIONÁRIO I - PARTES/ CONCILIAÇÃO 1.1- QUESTIONÁRIO I - PARTES/ CONCILIAÇÃO: AMOSTRA REFERENTE AS

Leia mais

Quem falou foi Henrieta, toda arrumada com a camisa de goleira. E tinha mais um monte de gente: Alice, Cecília, Martinha, Edilene, Luciana, Valdete,

Quem falou foi Henrieta, toda arrumada com a camisa de goleira. E tinha mais um monte de gente: Alice, Cecília, Martinha, Edilene, Luciana, Valdete, Cpítul 3 N ã p! Abu! On já viu? Et qu é n! Cê minh mã? Qun mnin chgm p jg nqul ming, qu ncntm? Um gup mnin. D cmit, têni, clçã muit ipiçã. E g? Afinl, qum tinh ti qul ii mluc? D qun vcê gtm futl? pguntu

Leia mais

soluções sustentáveis soluções sustentáveis

soluções sustentáveis soluções sustentáveis soluções sustentáveis 1 1 1 2 3 KEYAS S OCIADOS UNIDADES DE NEGÓCIO ALGUNS CLIENTES 2 2 1 2 3 KEYAS S OCIADOS UNIDADES DE NEGÓCIO ALGUNS CLIENTES 3 3 APRES ENTAÇÃO A KEYAS S OCIADOS a tu a d e s d e 1

Leia mais

Samara Bassi. Cartas para G.

Samara Bassi. Cartas para G. Samara Bassi Cartas para G. Samara Bassi Cartas para G. e outros bilhetes passados pelo vão da porta São Paulo 2012 Copyright 2012 Todos os direitos reservados a: Samara Regina Bassi 1ª Edição Dezembro

Leia mais

Missa Ave Maris Stella

Missa Ave Maris Stella Missa Av Maris Stlla Para coro a calla a quatro vozs SATB Notas sobr a comosição A rsnt comosição constituis a artir d um ordinário da missa m latim ara coro a quatro vozs a calla, sm divisi Sorano, Alto,

Leia mais

LEI Nº 2.282, DE 29 DE JANEIRO DE 2007. (Atualizado conforme a Lei nº 2.668, de 20 de agosto de 2010)

LEI Nº 2.282, DE 29 DE JANEIRO DE 2007. (Atualizado conforme a Lei nº 2.668, de 20 de agosto de 2010) LEI Nº 2.282, DE 29 DE JANEIRO DE 2007. (Atualizado conforme a Lei nº 2.668, de 20 de agosto de 2010) Desativa Escolas Municipais da Zona Rural e desafeta áreas públicas. seguinte Lei: O PREFEITO MUNICIPAL

Leia mais

======================== ˆ_ ˆ«

======================== ˆ_ ˆ« Noss fest com Mri (Miss pr os simpes e pequenos, inspirdo em Jo 2,112) ( Liturgi I Puus) 1) eebremos n egri (bertur) Rgtime & c m m.. _ m m.. _ e e bre mos n_ e gri, nos s fes t com M ri : & _.. _ º....

Leia mais

J u i n 2 0 0 9 L e ttr e d 'i n fo r m a ti o n n 1 9 E d i to r i al E p p u r si m u o ve «E t p o u r ta n t e l l e b o u g e» m u r m u r a G a l l i l é e s u r s o n c h a m p e s t l a r g e.

Leia mais

U N I V E R S I D A D E F E D E R A L D O P A R A N Á L E T Í C I A M A R I A G R O B É R I O

U N I V E R S I D A D E F E D E R A L D O P A R A N Á L E T Í C I A M A R I A G R O B É R I O U N I V E R S I D A D E F E D E R A L D O P A R A N Á L E T Í C I A M A R I A G R O B É R I O A B O R T O : U M A Q U E S T Ã O M O R A L, L E G A L, C U L T U R A L E E C O N Ô M I C A C U R I T I B A

Leia mais

ano Literatura, Leitura e Reflexão m e s t re De quem e a vez? José Ricardo Moreira

ano Literatura, Leitura e Reflexão m e s t re De quem e a vez? José Ricardo Moreira S 1- Litt, Lit Rflxã 3- t D q vz? Jé Rid Mi Cpítl 1 P gt Td é di pfit p l: U liv lgl, d lid. E t d di fz d! P Hê: U di vô lá íti, vid hitói d tp q l id gt. P Hit: Ah, di d ihd, it l, it ág, it hi! P L:

Leia mais

Resolução feita pelo Intergraus! Módulo Objetivo - Matemática FGV 2010/1-13.12.2009

Resolução feita pelo Intergraus! Módulo Objetivo - Matemática FGV 2010/1-13.12.2009 FGV 010/1-13.1.009 VESTIBULAR FGV 010 DEZEMBRO 009 MÓDULO OBJETIVO PROVA TIPO A PROVA DE MATEMÁTICA QUESTÃO 1 (Prova: Tipo B Resposta E; Tipo C Resposta C; Tipo D Resposta A) O gráfico abaio fornece o

Leia mais

P i s cina s : 2 P i s ci n a e x te rior de á g u a d e m a r a q u e cida P i s ci n a i n te ri or d e á g u a

P i s cina s : 2 P i s ci n a e x te rior de á g u a d e m a r a q u e cida P i s ci n a i n te ri or d e á g u a E M P R IM E I R A MÃO T h e O i ta v os é o e x c lu s i v o h o te l d e 5 e s tre la s q u e co m p le t a e v a l ori za a ofe rta d a Q u i n ta d a M a ri n h a, co n s olid a n d o -a c om o d e

Leia mais

CD RESGATAI A NOIVA - 1. EL SHADAI

CD RESGATAI A NOIVA - 1. EL SHADAI C RSATAI A NOIVA - 1. L SHAAI F9 Bb9 C4 F9 L SHAAI, TOO POROSO ÉS F9 Bb9 C4 m7 L SHAAI, NÃO HÁ OUTRO US IUAL F9 Bb9 C4 m7 L SHAAI, OMÍNIO STÁ M SUAS MÃOS Bb9 C4 F9 POROSO L SHAAI C F9 MU ABA PAI PROVOR,

Leia mais

Índice. Átrio ou Três Encontros e Duas Notas...17. De Um A Razão Animada por Álvaro Ribeiro...21

Índice. Átrio ou Três Encontros e Duas Notas...17. De Um A Razão Animada por Álvaro Ribeiro...21 Índice Átrio ou Três Encontros e Duas Notas...17 De Um A Razão Animada por Álvaro Ribeiro...21 Carta I...25 I Domingo do Advento, 3 de Dezembro de 2006 Passeios no campo Carta II...28 II Domingo do Advento,

Leia mais

Si Mesmo. Logosófica. Carlos Bernardo González Pecotche. Editora RAUMSOL

Si Mesmo. Logosófica. Carlos Bernardo González Pecotche. Editora RAUMSOL Carlos Bernardo González Pecotche RAUMSOL A Herança de Si Mesmo Editora Logosófica A HerAnçA de Si Mesmo Ao publicar o presente tra balho, o autor levou em conta a repercussão que ele pode alcançar no

Leia mais

1) VAMOS CELEBRAR Autor:Piter di Laura/Maria Eduarda/Carlos Tocco. Intro: E A9 E/G# D9 A/C# E/B A/C# E/G# D9 A9 E A9 E TODOS REUNIDOS NA CASA DE DEUS

1) VAMOS CELEBRAR Autor:Piter di Laura/Maria Eduarda/Carlos Tocco. Intro: E A9 E/G# D9 A/C# E/B A/C# E/G# D9 A9 E A9 E TODOS REUNIDOS NA CASA DE DEUS 1) VAMOS CLBRAR Autor:Piter di Laura/Maria duarda/carlos Tocco Intro: /# D9 A/C# /B A/C# /# D9 TODOS RUNIDOS NA CASA D DUS COM CANTOS D ALRIA RAND LOUVOR VAMOS CLBRAR OS FITOS DO SNHOR SUA BONDAD QU NUNCA

Leia mais

'!"( )*+%, ( -. ) #) 01)0) 2! ' 3.!1(,,, ".6 )) -2 7! 6)) " ) 6 #$ ))!" 6) 8 "9 :# $ ( -;!: (2. ) # )

'!( )*+%, ( -. ) #) 01)0) 2! ' 3.!1(,,, .6 )) -2 7! 6))  ) 6 #$ ))! 6) 8 9 :# $ ( -;!: (2. ) # ) !" #$%&& #% 1 !"# $%& '!"( )*+%, ( -. ) #) /)01 01)0) 2! ' 3.!1(,,, " 44425"2.6 )) -2 7! 6)) " ) 6 #$ ))!" 6) 4442$ ))2 8 "9 :# $ ( -;!: (2. ) # ) 44425"2 ))!)) 2() )! ()?"?@! A ))B " > - > )A! 2CDE)

Leia mais

Correção da Unicamp 2009 2ª fase - Matemática feita pelo Intergraus. 14.01.2009

Correção da Unicamp 2009 2ª fase - Matemática feita pelo Intergraus. 14.01.2009 MATEMÁTICA 1. O transporte de carga ao porto de Santos é feito por meio de rodovias, ferrovias e dutovias. A tabela abaixo for ne ce al guns da dos re la ti vos ao trans por te ao por to no pri me i ro

Leia mais

Em cada ciclo, o sistema retorna ao estado inicial: U = 0. Então, quantidade de energia W, cedida, por trabalho, à vizinhança, pode ser escrita:

Em cada ciclo, o sistema retorna ao estado inicial: U = 0. Então, quantidade de energia W, cedida, por trabalho, à vizinhança, pode ser escrita: Máquinas Térmicas Para qu um dado sistma raliz um procsso cíclico no qual rtira crta quantidad d nrgia, por calor, d um rsrvatório térmico cd, por trabalho, outra quantidad d nrgia à vizinhança, são ncssários

Leia mais

P R E F E I T U R A M U N I C I P A L D E J A R D I M

P R E F E I T U R A M U N I C I P A L D E J A R D I M N Ú C L E O D E C O M P R A S E L I C I T A Ç Ã O A U T O R I Z A Ç Ã O P A R A R E A L I Z A Ç Ã O D E C E R T A M E L I C I T A T Ó R I O M O D A L I D A D E P R E G Ã O P R E S E N C I A L N 027/ 2

Leia mais

MONITORAMENTO DE INFORMAÇÃO

MONITORAMENTO DE INFORMAÇÃO Consórcio muda d ndrço Corrio Lagano - 20/01/2016 5 - Colunista - Olivt Salmória Mídia Imprssa Co m d n 1 Içara prd vantagm comptitiva 9/01) Diário d Notícias/Criciúma - 20/01/2016 7 - Gral Mídia Imprssa

Leia mais

91/enloria áo' engenhelro áe csouia!l.janáetra

91/enloria áo' engenhelro áe csouia!l.janáetra &xttlt 91/li á ghl á Si!lJát tjll Czi O t içõ t t Ftz lv á git lõ: I O vi t i é fit i i l t gi t fix :;:ã;"4 l ll 1tlt xit á fi " """" t i t j it z 1 t A gitçã Iti ttt v i á g l vt bt l é itt q gã i fiíi

Leia mais

O SECRETÁRIO MUNICIPAL DE FAZENDA, no uso de suas atribuições e tendo em vista o disposto no artigo 181, 6º, da Lei Complementar nº 053/2005, RESOLVE:

O SECRETÁRIO MUNICIPAL DE FAZENDA, no uso de suas atribuições e tendo em vista o disposto no artigo 181, 6º, da Lei Complementar nº 053/2005, RESOLVE: RESOLUÇÃO SEMFAZ Nº 009/2015. Altera a relação de substitutos tributários que integra o Anexo III da Lei Complementar nº 053/2005 e dá outras providências. O SECRETÁRIO MUNICIPAL DE FAZENDA, no uso de

Leia mais

FACULDADES UNIFICADAS DA. Curso de Direito Escritório de Assistência Jurídica Registro OAB 6614 DA F UNDAÇ Ã O EDUCACIONAL DE B ARRETOS

FACULDADES UNIFICADAS DA. Curso de Direito Escritório de Assistência Jurídica Registro OAB 6614 DA F UNDAÇ Ã O EDUCACIONAL DE B ARRETOS FACULDADES UNIFICADAS DA FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE BARRETOS Curso de Direito Escritório de Assistência Jurídica Registro OAB 6614 REGULAMENTO DO NÚ CLEO DE PRÁ TICA JURÍ DICA DA F UNDAÇ Ã O EDUCACIONAL DE

Leia mais

O P a pel da M ídia no C o ntro le da s P o lític a s de S a úde

O P a pel da M ídia no C o ntro le da s P o lític a s de S a úde B ra s ília, 26 de s etem bro de 2009 C o ntro le da s P o lític a s de L uiz R ibeiro FU N Ç Ã O D O J O R N A L I S M O J o r n a lis m o é a a tiv id a d e p r o fis s io n a l q u e c o n s is te e

Leia mais

AGÊNCIA AMBIENTAL FEDERAL AMERICANA - USEPA

AGÊNCIA AMBIENTAL FEDERAL AMERICANA - USEPA AGÊNCIA AMBIENTAL FEDERAL AMERICANA - USEPA Emenda ao 40 CFR Parts 261, 266, 268 e 271 Documento: FERTILIZANTES À BASE DE ZINCO PRODUZIDOS A PARTIR DE MATERIAL SECUNDÁRIO PERIGOSO Julho/2002 S U M Á R

Leia mais

VESTIBULAR UNICAMP 2010-1ª FASE - NOVEMBRO/2009

VESTIBULAR UNICAMP 2010-1ª FASE - NOVEMBRO/2009 VESTIBULAR UNICAMP 2010-1ª FASE - NOVEMBRO/2009 Comentário da Redação Nes te ano, a pro va de Re da ção da Uni camp foi ex ce len te. Em pri me i ro lu gar, pelo res pe i to ao for ma to tra di ci o nal

Leia mais

A N E X O P L A N O M U N I C I P A L D E E D U C A Ç Ã O 2 0 1 5 2024

A N E X O P L A N O M U N I C I P A L D E E D U C A Ç Ã O 2 0 1 5 2024 E S T A D O D E S A N T A C A T A R I N A P R E F E I T U R A M U N I C I P A L D E M A J O R V I E I R A S E C R E T A R I A M U N I C I P A L D E E D U C A Ç Ã O, C U L T U R A E D E S P O R T O C N

Leia mais

10.1 Objetivos, Conceitos e Funções. Os obje ti vos prin ci pais do con tro le orça men tá rio são: Responsabilidade pelo Controle Orçamentário

10.1 Objetivos, Conceitos e Funções. Os obje ti vos prin ci pais do con tro le orça men tá rio são: Responsabilidade pelo Controle Orçamentário Capítulo 10 Controle Orçamentário Essa etapa acon te ce após a exe cu ção das tran sa ções dos even tos eco nô mi cos pre vis - tos no plano orça men tá rio. Não se con ce be um plano orça men tá rio sem

Leia mais

PADRÕES DE VIDA DOS ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS NOS PROCESSOS DE TRANSIÇÃO PARA A VIDA ADULTA

PADRÕES DE VIDA DOS ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS NOS PROCESSOS DE TRANSIÇÃO PARA A VIDA ADULTA PADRÕES DE VIDA DOS ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS NOS PROCESSOS DE TRANSIÇÃO PARA A VIDA ADULTA Rosário Mauritti Resumo Este artigo começa por analisar a influência das origens sociais nas trajectórias de

Leia mais

Classificação Periódica dos Elementos

Classificação Periódica dos Elementos Classificação Periódica dos Elementos 1 2 3 1 Massa atômica relativa. A incerteza no último dígito é 1, exceto quando indicado entre parênteses. Os valores com * referemse Número Atômico 18 ao isótopo

Leia mais

andréa del fuego os malaquias

andréa del fuego os malaquias andréa del fuego os malaquias 1 Serra Morena é ín gre me, úmi da e fértil. Aos pés de la vi vem os Malaquias, ja ne la com ta manho de porta, porta com autoridade de madeira escura. Corre, Adolfo! Donana

Leia mais

KEITH CAMERON SMITH. As 10 principais diferenças entre os milionários e a classe média

KEITH CAMERON SMITH. As 10 principais diferenças entre os milionários e a classe média KEITH CAMERON SMITH As 10 principais diferenças entre os milionários e a classe média Prefácio Por que es cre vi es te livro? Três mo ti vos me le va ram a es cre ver es te li vro. O pri - meiro foi a

Leia mais

NAPOLEÃO BERNARDES, Prefeito Municipal de Blumenau.

NAPOLEÃO BERNARDES, Prefeito Municipal de Blumenau. Projeto de Lei Nº 6585/14 AUTORIZA A CONCESSÃO DE AUXÍLIO FINANCEIRO ÀS ENTIDADES QUE MENCIONA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. NAPOLEÃO BERNARDES, Prefeito Municipal de Blumenau. Faço saber a todos os habitantes

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 086/2015. Autoriza o recebimento por doação de móveis usados da Caixa Econômica Federal e dá outras providências.

PROJETO DE LEI Nº 086/2015. Autoriza o recebimento por doação de móveis usados da Caixa Econômica Federal e dá outras providências. PROJETO DE LEI Nº 086/2015. Autoriza o recebimento por doação de móveis usados da Caixa Econômica Federal e dá outras providências. Art. 1 o É o Município autorizado a receber por doação da Caixa Econômica

Leia mais

Tabela de Vinculação de pagamento Manteve o mesmo nome DDM SIAFI-TABELA-VINCULA-PAGAMENTO

Tabela de Vinculação de pagamento Manteve o mesmo nome DDM SIAFI-TABELA-VINCULA-PAGAMENTO Segue abaixo dados das DDMs que mudaram para o PCASP, tanto as que mudaram de nome como as que mantiveram o mesmo nome. Para estas, os campos que serão excluídos (em 2015) estão em vermelho e os campos

Leia mais

ABRI AS PORTAS A CRISTO (Hino ao Beato João Paulo II)

ABRI AS PORTAS A CRISTO (Hino ao Beato João Paulo II) Órg. 6 11 q = 60 me mf ortas a ris to! Não te mais, não te nhais do: 'scanca rai o vosso cora ção ao mor de Deus. RI POR RIO (Hino ao eato João Paulo II) ortas a ris to! Não te mais não te nhais me do;

Leia mais

Correção da Unicamp 2010 2ª fase - Geografia feita pelo Intergraus. 12.01.2010

Correção da Unicamp 2010 2ª fase - Geografia feita pelo Intergraus. 12.01.2010 UNICAMP 2010 - GEOGRAFIA 13. Ob serve o gráfico abaixo e responda às questões: a) Indi que a(s) re gião(ões) do glo bo com ta xa de es pe ran ça de vi da ao nas cer in fe ri or à mé dia mun di al, nos

Leia mais

PALMA. Catálogo de QRCode. 1. Encontre o QRCode 2. Com a câmera do celular mire no QRCode. 3. Comece a aula. www.programapalma.com.

PALMA. Catálogo de QRCode. 1. Encontre o QRCode 2. Com a câmera do celular mire no QRCode. 3. Comece a aula. www.programapalma.com. R PALMA Programa de Alfabetização na Língua Materna Inovação, Educação e Soluções Tecnológicas Catálogo de QRCode www.programapalma.com.br 1. Encontre o QRCode 2. Com a câmera do celular mire no QRCode

Leia mais

CONSIDERANDO o disposto no art. 37, II, da Constituição Federal, combinado com os artigos 90 e seguintes da Lei n 2.018, de 17 de janeiro de 1986;

CONSIDERANDO o disposto no art. 37, II, da Constituição Federal, combinado com os artigos 90 e seguintes da Lei n 2.018, de 17 de janeiro de 1986; DECRETO N 8.876, DE 11 DE FEVEREIRO DE 2015 Homologa o concurso público n 01/2014 na forma que especifica. CLAYTON ROBERTO MACHADO, Prefeito do Município de Valinhos, no uso das atribuições que lhe são

Leia mais

w w w. v o c e s a. c o m. b r SEFAZ BAHIA

w w w. v o c e s a. c o m. b r SEFAZ BAHIA sumário executivo w w w. v o c e s a. c o m. b r w w w. e x a m e. c o m. b r melhores empresas para você trabalhar São Pau lo, setembro de 2010. Pre za do(a) Sr(a)., SEFAZ BAHIA Em pri mei ro lu gar,

Leia mais

16 CARLOS RODRIGUES BRANDÃO

16 CARLOS RODRIGUES BRANDÃO 16 CARLOS RODRIGUES BRANDÃO 1 a Começa assim Este jogo começa com todos os participantes procurando as PA LAVRAS SEMENTES. E isso não é nada difícil! Basta as pessoas que vão jogar o jogo saírem conversando

Leia mais

A Gonçalves no México I N F O R M A

A Gonçalves no México I N F O R M A I N F O R M A Novembro de 2007 Depois de atuar por quase três anos no México com um escritório comercial, a Gonçalves investe em uma unidade industrial no país, que entrará em operação no início de 2008.

Leia mais

MODALIDADES DE INSERÇÃO PROFISSIONAL DOS QUADROS SUPERIORES NAS EMPRESAS

MODALIDADES DE INSERÇÃO PROFISSIONAL DOS QUADROS SUPERIORES NAS EMPRESAS MODALIDADES DE INSERÇÃO PROFISSIONAL DOS QUADROS SUPERIORES NAS EMPRESAS João Pedro Cordeiro Resumo O presente artigo versa sobre as práticas de gestão de recursos humanos pelas empresas, e mais especificamente

Leia mais

Estado do Acre DECRETO Nº. 4.006 DE 31 DE MARÇO DE 2009.

Estado do Acre DECRETO Nº. 4.006 DE 31 DE MARÇO DE 2009. DECRETO Nº. 4.006 DE 31 DE MARÇO DE 2009.. Publicado no D.O.E n 10.020 de 1 de abril de 2009. Altera e acrescenta dispositivos ao Decreto nº 2.914, de 11 de abril de 2008. O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE,

Leia mais

Ainda há Tempo, Volta

Ainda há Tempo, Volta Ainda há empo, Volta Letra e Música: Diogo Marques oprano ontralto Intro Envolvente (q = 60) enor aixo Piano Ó Œ. R.. F m7 2 A b 2 E b.. 2 Ó Œ É 2 Ó Œ F m7 2.. 2 2 A b 2 2 Ainda há empo, Volta Estrofe

Leia mais

RELAÇÕES ENTRE MUNDO RURAL E MUNDO URBANO Evolução histórica, situação actual e pistas para o futuro

RELAÇÕES ENTRE MUNDO RURAL E MUNDO URBANO Evolução histórica, situação actual e pistas para o futuro RELAÇÕES ENTRE MUNDO RURAL E MUNDO URBANO Evolução histórica, situação actual e pistas para o futuro João Ferrão Resumo As visões recentes sobre o mundo rural revelam grande permeabilidade à ideia de património

Leia mais

lh e c o n fe re o in c is o II d o a rt. 4 º d o Re g u la m e n to d o D e p a rta m e n to -G e ra l d o Pe s s o a l (R-1 56 ), a p ro v a d o

lh e c o n fe re o in c is o II d o a rt. 4 º d o Re g u la m e n to d o D e p a rta m e n to -G e ra l d o Pe s s o a l (R-1 56 ), a p ro v a d o PORTARIA Nº 1 6 4 -D G P, D E 4 D E NOV E M B RO D E 2 0 1 1. Alte ra a d is trib u iç ã o d e e fe tiv o d e m ilita re s te m p o rá rio s, p a ra o a n o d e 2 0 1 1. O CHEFE DO DEPARTAMENTO-GERAL DO

Leia mais

Sumário. 4 caligrafia a b c d e f g h i j k l m n o p q r s t u v w x y z

Sumário. 4 caligrafia a b c d e f g h i j k l m n o p q r s t u v w x y z Escrever é sempre um prazer. neste livro você vai escrever com letras juntas umas das outras para formar cada palavra. Elas são chamadas letras cursivas ou manuscritas. prepare-se para deixar a sua letra

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa LEI N.º 13.593, DE 30 DE DEZEMBRO DE 2010. (publicada no DOE nº 248, de 31 de dezembro de 2010) Altera a Lei nº 8.820,

Leia mais

~ r, ~ YJU rr i& m i& n'f Governo da Regiao Administrativa Especial de Macau

~ r, ~ YJU rr i& m i& n'f Governo da Regiao Administrativa Especial de Macau ~ r, ~ YJU rr i& m i& n'f ±ti!!f~j!f!mi'q Direq:ao dos Servic;os de Solos, Obras Publicas e Transportes 1?f!JfJ1~1*fll1ti~~~ Expli ca~ao do Projecto de Planta de Condi~oes Urbanisticas 157PCU2015 115 ;']

Leia mais

IMPLICAÇÕES DEMOCRÁTICAS DAS ASSOCIAÇÕES VOLUNTÁRIAS O caso português numa perspectiva comparativa europeia

IMPLICAÇÕES DEMOCRÁTICAS DAS ASSOCIAÇÕES VOLUNTÁRIAS O caso português numa perspectiva comparativa europeia IMPLICAÇÕES DEMOCRÁTICAS DAS ASSOCIAÇÕES VOLUNTÁRIAS O caso português numa perspectiva comparativa europeia José Manuel Leite Viegas Introdução Na úl ti ma dé ca da do sé cu lo pas sa do as sis tiu-se

Leia mais

TABELA DE CONTRIBUIÇÃO DO SEGURADO EMPREGADO, DOMÉSTICO E AVULSO

TABELA DE CONTRIBUIÇÃO DO SEGURADO EMPREGADO, DOMÉSTICO E AVULSO TABELA DE CONTRIBUIÇÃO DO SEGURADO EMPREGADO, DOMÉSTICO E AVULSO A PARTIR DE 1º DE JANEIRO DE 2010 Salário-de-contribuição (R$) INSS até 1.040,22 8,00% de 1.040,23 até 1.733,70 9,00% de 1.733,71 até 3.467,40

Leia mais

SISTEMA DE PONTO FLUTUANTE

SISTEMA DE PONTO FLUTUANTE Lógica Matmática Computacional - Sistma d Ponto Flutuant SISTEM DE PONTO FLUTUNTE s máquinas utilizam a sguint normalização para rprsntação dos númros: 1d dn * B ± 0d L ond 0 di (B 1), para i = 1,,, n,

Leia mais

Correção da Unicamp 2010 2ª fase - Física feita pelo Intergraus. 12.01.2010

Correção da Unicamp 2010 2ª fase - Física feita pelo Intergraus. 12.01.2010 da Unicamp 010 ª fase - Física 1.01.010 UNICAMP 010 - FÍSICA Esta prova aborda fenômenos físicos em situações do cotidiano, em experimentos científicos e em avanços tecnológicos da humanidade. Em algumas

Leia mais

Vamos Subir Nova Voz

Vamos Subir Nova Voz c c Vamos Subir Nova Voz 2 Letra e Música: Lucas Pimentel Arr: Henoch Thomas 2 5 2 to Eu-pos tem - po te-nho ou vi - do a pro- 2 g g 8 mes - sa de que vi - rás pra res -ga -tar os fi-lhos Teus Nem sem-pre

Leia mais

REVIS TA CONTATO LEITOR GALERIA COLUNAS EDIÇÕES ANTIGAS ASSINATURA. 30/7/2014 Salão de Gramado encerra nesta quinta-feira.

REVIS TA CONTATO LEITOR GALERIA COLUNAS EDIÇÕES ANTIGAS ASSINATURA. 30/7/2014 Salão de Gramado encerra nesta quinta-feira. Q u a, 3 0 d e J u l h o d e 2 0 1 4 search... REVIS TA CONTATO LEITOR GALERIA COLUNAS EDIÇÕES Selecione a Edição ANTIGAS C l i q u e n o l i n k a b a i xo p a r a a c e s s a r a s e d i ç õ e s a n

Leia mais

Plano Superior: Cobertura e Procedimentos Garantidos

Plano Superior: Cobertura e Procedimentos Garantidos Plano Superior: Cobertura e Procedimentos Garantidos A CONTRATADA assegurará aos beneficiários regularmente inscritos e satisfeitas as respectivas condições, a cobertura básica prevista neste capítulo

Leia mais

IN S A In s titu t N a tio n a l

IN S A In s titu t N a tio n a l IN S A : U m a re d e d e 5 e s c o la s s u p e rio re s d e e n g e n h a ria O INS A de Rennes existe desde 1966 R ouen O INS A de Rouen existe desde 1985 O INS A de S trasbourg existe desde 2003 R

Leia mais

UNICAMP 2012 (2ª Fase)

UNICAMP 2012 (2ª Fase) 1. Re so lu ção (se rá con si de ra do ape nas o que es ti ver den tro des te es pa ço). a)...in te res se do pú bli co (L1): Tra ta-se de um subs tan ti vo pos to que de ter mi na do pe lo ar ti go o,

Leia mais

Sa i ba mais so bre Fator Previdenciário Págs. 10 a 13. O que você pre ci sa saber sobre re ci cla gem de lixo Pág. 20

Sa i ba mais so bre Fator Previdenciário Págs. 10 a 13. O que você pre ci sa saber sobre re ci cla gem de lixo Pág. 20 Sa i ba mais so bre Fator Previdenciário Págs. 10 a 13 O que você pre ci sa saber sobre re ci cla gem de lixo Pág. 20 To dos so mos igua is, ape nas te - mos di fi cul da des di fe ren tes. Le o nar do

Leia mais

C ontextualização his tórica da operacionalização da R es olução C onama 258/99 1/19

C ontextualização his tórica da operacionalização da R es olução C onama 258/99 1/19 C ontextualização his tórica da operacionalização da R es olução C onama 258/99 1/19 C iclo de vida : Do pneu novo ao pneu us ado FABRICAÇÃO IMPORTAÇÃO MERCADO Pneus Novos EXPORTADOS Pneus novos Fora do

Leia mais

LEI Nº 4.035. De: 04 de julho de 2014. A CÂMARA MUNICIPAL DE UMUARAMA, ESTADO DO PARANÁ, aprovou, e eu, Prefeito Municipal, sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 4.035. De: 04 de julho de 2014. A CÂMARA MUNICIPAL DE UMUARAMA, ESTADO DO PARANÁ, aprovou, e eu, Prefeito Municipal, sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 4.035 De: 04 de julho de 2014. Desafeta do domínio público os imóveis localizados no CONJUNTO HABITACIONAL SONHO MEU, na cidade de Umuarama - PR. A CÂMARA MUNICIPAL DE UMUARAMA, ESTADO DO PARANÁ,

Leia mais

In for má ti ca, ar qui vos, me mó ria, in ter net.

In for má ti ca, ar qui vos, me mó ria, in ter net. UMA MEMÓRIA PARA A TECNOLOGIA Fa us to Co lom bo Re su mo O tema da me mó ria, quan do as so ci a do ao das no vas tec no lo gi as, pro duz in te res san tes cor re la ções na me di da em que a in for

Leia mais

EC1 - LAB - CIRCÚITOS INTEGRADORES E DIFERENCIADORES

EC1 - LAB - CIRCÚITOS INTEGRADORES E DIFERENCIADORES - - EC - LB - CIRCÚIO INEGRDORE E DIFERENCIDORE Prof: MIMO RGENO CONIDERÇÕE EÓRIC INICII: Imaginmos um circuito composto por uma séri R-C, alimntado por uma tnsão do tipo:. H(t), ainda considrmos qu no

Leia mais

! $&% '% "' ' '# ' %, #! - ' # ' ' * '. % % ' , '%'# /%, 0! .!1! 2 / " ') # ' + 7*' # +!!! ''+,!'#.8.!&&%, 1 92 '. # ' '!4'',!

! $&% '% ' ' '# ' %, #! - ' # ' ' * '. % % ' , '%'# /%, 0! .!1! 2 /  ') # ' + 7*' # +!!! ''+,!'#.8.!&&%, 1 92 '. # ' '!4'',! "#$%% $&% '% "' ' '# '"''%(&%') '*'+&%'# ),'#+# ' %, # - ' # ' "%'''' ' * '. % % ', '%'# ''''') /%, 0.1 2 / " ') 33*&,% *"'",% '4'5&%64'' # ' + 7*' # + "*''''' 12''&% '''&")#'35 ''+,'#.8.&&%, 1 92 '. #

Leia mais

COASTAL TOURISM, ENVIRONMENT, AND SUSTAINABLE LOCAL DEVELOPMENT

COASTAL TOURISM, ENVIRONMENT, AND SUSTAINABLE LOCAL DEVELOPMENT RECENSÃO COASTAL TOURISM, ENVIRONMENT, AND SUSTAINABLE LOCAL DEVELOPMENT [Lígia Noronha, Nelson Lourenço, João Paulo Lobo-Ferreira, Anna Lleopart, Enrico Feoli, Kalidas Sawkar, e A. G. Chachadi (2003),

Leia mais

Fa la de Ben to Ser ras, co bra dor de bi lhe tes, nas ci do e mo ra dor em Amo rins:

Fa la de Ben to Ser ras, co bra dor de bi lhe tes, nas ci do e mo ra dor em Amo rins: Fa la de Ben to Ser ras, co bra dor de bi lhe tes, nas ci do e mo ra dor em Amo rins: «Diz que quer con tar tu do dos prin cí pios? Dos prin cí pios a gen te nun ca sa be. Quan do é o ca so de se lhe pôr

Leia mais

HABERMAS E A ESFERA PÚBLICA: RECONSTRUINDO A HISTÓRIA DE UMA IDEIA

HABERMAS E A ESFERA PÚBLICA: RECONSTRUINDO A HISTÓRIA DE UMA IDEIA HABERMAS E A ESFERA PÚBLICA: RECONSTRUINDO A HISTÓRIA DE UMA IDEIA Filipe Carreira da Silva Resumo Este artigo tem por objectivo discutir a noção de esfera pública proposta por Jürgen Habermas. Para tanto,

Leia mais

Augusto Massashi Horiguti. Doutor em Ciências pelo IFUSP Professor do CEFET-SP. Palavras-chave: Período; pêndulo simples; ângulos pequenos.

Augusto Massashi Horiguti. Doutor em Ciências pelo IFUSP Professor do CEFET-SP. Palavras-chave: Período; pêndulo simples; ângulos pequenos. DETERMNAÇÃO DA EQUAÇÃO GERAL DO PERÍODO DO PÊNDULO SMPLES Doutor m Ciências plo FUSP Profssor do CEFET-SP Est trabalho aprsnta uma rvisão do problma do pêndulo simpls com a dmonstração da quação do príodo

Leia mais

abril/2011 II Nosso ambiente sofre De enorme degradação Faz mais de 500 anos Desde a Colonização: Das gentes aos ambientes, Quem perde é nossa Nação.

abril/2011 II Nosso ambiente sofre De enorme degradação Faz mais de 500 anos Desde a Colonização: Das gentes aos ambientes, Quem perde é nossa Nação. I Vamos tratar de um assunto Trazendo dele a verdade Muito mal faz às pessoas De qualquer sexo ou idade: O uso de agrotóxicos Traz risco à Humanidade! 3 II Nosso ambiente sofre De enorme degradação Faz

Leia mais

Entidades autorizadas a exercer a atividade de transporte de doentes e respetivos veículos

Entidades autorizadas a exercer a atividade de transporte de doentes e respetivos veículos Tipo de entidade Rótulos de Linha 3101 Cruz Vermelha Portuguesa - Delegação De Aldreu 96-46-HD 37-36-XP 66-NX-49 75-IS-24 78-32-MM 3102 Cruz Vermelha Portuguesa - Delegação De Amares 25-98-LI 03-88-QU

Leia mais

SÊNECA Sobre os enganos do mundo

SÊNECA Sobre os enganos do mundo coleção idealizada e coordenada por Gustavo Piqueira SÊNECA Sobre os enganos do mundo fotos Olegario Schmitt 3 são paulo 2011 Quem se la men ta de que al guém te nha mor ri do se la men ta de ter nas

Leia mais

Art. 243. Vender, fornecer ain da que gratuita -

Art. 243. Vender, fornecer ain da que gratuita - Agosto de 2003 DIÁRIO DO SENADO FEDERAL Qu in ta-fe i ra 7 22447 LEGISLAÇÃO CITADA ANEXADA PELA SECRETARIA-GERAL DA MESA LEI Nº 8.069, DE 13 DE JULHO DE 1990 Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente

Leia mais

======================== Œ œ»» Œ C7 ˆ_ ««G 7

======================== Œ œ»» Œ C7 ˆ_ ««G 7 1) É tã bnit n tr (ntrd) cminh cm Jesus (Miss d Temp mum cm crinçs) & 2 4 m œ É tã b ni t n_ tr me s s gr d, & œ t h brn c, ve ce s. & _ Mis s vi c me çr n ns s_i gre j; _u & j im c ris ti cm e gri, v

Leia mais

REFORMA POLÍTICA. Capítulo VI

REFORMA POLÍTICA. Capítulo VI REFORMA POLÍTICA Capítulo VI REFORMA QUE O GOVERNO LULA E O CONGRESSO NACIONAL DEVEM PRIORIZAR [espontânea e única, em %] Pe so 1 0 0 % Re fe rê ncia s a re form a s Re form a Agrá ria 7 Re form a Tra

Leia mais

Uni ver si da de lan ça gri fe com a mar ca PUC Mi nas

Uni ver si da de lan ça gri fe com a mar ca PUC Mi nas Informativo mensal da unidade Contagem da PUC Minas nº 78 Agosto de 2008 Uni ver si da de lan ça gri fe com a mar ca PUC Mi nas Com três li nhas de pro du tos bá si ca, es cri tó rio e es por ti va, a

Leia mais

www.investorbrasil.com

www.investorbrasil.com Proposta curso preparatório para CPA 20 - ANBIMA www.investorbrasil.com Apresentação INVESTOR APRESENTAÇÃO A INVESTOR é uma escola que nasceu da necessidade das pessoas aprenderem as ferramentas e instrumentos

Leia mais

CONTROLE AVES DE VENDA EXPOSIÇÃO 2014 ORLANDO NASCIMENTO- 21 98825-5609/96739-8619

CONTROLE AVES DE VENDA EXPOSIÇÃO 2014 ORLANDO NASCIMENTO- 21 98825-5609/96739-8619 CONTROLE AVES DE VENDA EXPOSIÇÃO 2014 CRIADOR TELEFONE GAIOLA ANEL SEXO NOMENCLATURA VALOR OBS ORLANDO NASCIMENTO- 21 98825-5609/96739-8619 1 IB-105-40-13 FM CN OP AM MF IN 100,00 BANCO: 2 BB-3992-44-11

Leia mais

CASA DE DAVI CD VOLTARÁ PARA REINAR 1. DEUS, TU ÉS MEU DEUS. E B C#m A DEUS, TU ÉS MEU DEUS E SENHOR DA TERRA

CASA DE DAVI CD VOLTARÁ PARA REINAR 1. DEUS, TU ÉS MEU DEUS. E B C#m A DEUS, TU ÉS MEU DEUS E SENHOR DA TERRA S VI VOLTRÁ PR RINR 1. US, TU ÉS MU US #m US, TU ÉS MU US SNHOR TRR ÉUS MR U T LOUVRI #m SM TI NÃO POSSO VIVR M HGO TI OM LGRI MOR NST NOV NÇÃO #m #m OH...OH...OH LVNTO MINH VOZ #m LVNTO MINHS MÃOS #m

Leia mais

White Paper. Boas Práticas de E-mail Marketing

White Paper. Boas Práticas de E-mail Marketing White Paper Boas Práticas de E-mail Marketing Saiba como alguns cuidados simples podem melhorar os resultados de suas campanhas de e-mail marketing Para garantir a qualidade no mix de comunicação atual,

Leia mais

RESOLUÇÃO Matemática APLICADA FGV Administração - 24.10.10

RESOLUÇÃO Matemática APLICADA FGV Administração - 24.10.10 VESTIBULAR FGV 2011 OUTUBRO/2010 RESOLUÇÃO DAS 10 QUESTÕES DE MATEMÁTICA APLICADA QUESTÃO 1 O gráfico no plano cartesiano expressa a alta dos preços médios de televisores de tela plana e alta definição,

Leia mais

PROC. Nº 3832/07 PR Nº 060/07 EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS

PROC. Nº 3832/07 PR Nº 060/07 EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS Apresentamos aos Senhores Vereadores o presente Projeto de Resolução, que institui premiações a serem conferidas pela Câmara Municipal de Porto Alegre. Este trabalho é resultado da

Leia mais