Agência Nacional de Vigilância Sanitária

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br"

Transcrição

1 Heder Murari Borba Md Gerência Geral de Tecnologia em Serviço de Saúde

2 MISSÃO DA ANVISA "Proteger e promover a saúde da população garantindo a segurança sanitária de produtos e serviços e participando da construção de seu acesso."

3 GGTES GERÊNCIA GERAL DE TECNOLOGIA EM SERVIÇOS DE SAÚDE UIPEA UNIDADE DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE INFECÇÕES E EVENTOS ADVERSOS

4 Qual a realidade em que trabalhamos?

5 Complexo Industrial da Saúde Fonte: Carlos Augusto Grabois Gadelha Departamento de Administração e Planejamento em Saúde, ENSP/Fiocruz.. Setores Industriais Indústrias de Base Química e Biotecnológica Ind. de Base Mecânica, Eletrônica e de Materiais Equipamentos mecânicos Equip. eletroeletrônicos Próteses e órteses Materiais de consumo Fármacos e medicamentos Vacinas Hemoderivados Reagentes para diagnóstico Setores Prestadores de Serviços Hospitais Ambulatórios Serviços de Diagn. e Tratam.

6 Sistema Nacional de Inovação em Saúde: Contexto político-institucional e produtivo Estado Complexo econômicoindustrial da saúde Instituições Setores industriais Serviços de saúde Sociedade Civil organizada População Fonte: Carlos Augusto Grabois Gadelha Departamento de Administração e Planejamento em Saúde, ENSP/Fiocruz

7 Nossa delimitação do complexo da Saúde Grupos de Atividades 1- Indústrias de Base Química e Biotecnológica 2- Indústria de Base física, mecânica, eletrônica e materiais 3- Serviços em Saúde - destino final dos bens, serviços e inovações em saúde - confere organicidade ao complexo

8 OBJETIVO Produzir, atualizar e divulgar o conhecimento e as ações em serviços de saúde, promovendo profissionais dos agentes sistema do a serviços integração de nacional saúde de dos e dos vigilância sanitária (SNVS).

9 Diretriz! Controle social

10

11 Preocupação 1: Informação/Conhecimento

12 Preocupação 2: Conhecimento dos Problemas e suas relações.

13 Preocupação 3 :Estabelecimento de Prioridades!

14 Preocupação 4: Continuidade das Ações

15 Preocupação 5: Estabelecimento de Parcerias/Legitimação! VISAS CONASS CONASEMS CNS ORGANIZAÇÃO DA CÂMARA SETORIAL CONSELHOS PROFISSIONAIS,IDEC ASSOCIAÇÕES CIENTIFICAS MÍDIA MINISTÉRIO DA SAÚDE/OPAS/OMS ACADEMIA

16 Preocupação 6: Produzir ou auxiliar na produção de Ações concretas! :

17 10-Eixos Estruturantes para a ação: Serviços de Atendimento de Urgência Serviços de Diagnóstico Serviços de Atendimento do Câncer e Terapia Renal Substitutiva Saúde da Mulher e serviços de Atendimento Materno e Neonatal Qualidade Hospitalar /Infecção Hospitalar/Reprocessamento de materiais/resíduos Sistemas de Informação/Geração de Conhecimento/Pesquisa Clínica e Epidemiológica Comunicação/Educação Continuada em Saúde/ Publicações. Populações em situação de vulnerabilidade e portadores de transtornos mentais. Outros serviços relacionados à saúde que potencial risco sanitário Ações de Fiscalização Inerentes à atividades de regulação.

18 Estabelecer Mecanismos de Avaliação e controle das Ações Estabelecer Índices Nacionais de Monitoramento: indicadores demográficos; indicadores socioeconômicos; indicadores de mortalidade; indicadores de morbidade e fatores de risco; indicadores de recursos; e indicadores de cobertura. (RIPSA?) Índices de qualidade dos serviços? Infecção em UTI (Materna e Neonatal), Pneumonias? Distribuição de recursos humanos? Qualidade das CMES, Comissões de Infecção Hospitalar? Mecanismo de Avaliação de Novas Tecnologias

19 Estabelecer Mecanismos de Comunicação PORTAL GGTES (WEB 2.0), com link no Portal da Anvisa. Boletim Periódico Nacional Elaboração de um manual de boas práticas em serviços de saúde, com publicação/revisão a cada três anos) Fortalecimento da presença institucional da ANVISA/GGTES em eventos científicos da área, com maior inter-face com as sociedades científicas. Estabelecimento de parcerias com instituições de saúde, acadêmicas e de Pesquisa. Estabelecimento e fortalecimento de redes de apoio das ações junto às regiões, Estados, Municípios.

20 Reestruturação da GGTES (EM ANDAMENTO)

21 UTASS- Agenda regulatória Gerenciamento de Tecnologias Utilizadas na Prestação de Serviços de Saúde Consulta Pública Finalizada, aguardando construção de guias para publicação Guias anexos explicativos em construção Gerenciamento de Medicamentos Gerenciamento de produtos para saúde Gerenciamento de equipamentos de saúde Gerenciamento de saneantes Gerenciamento de produtos de higiene e cosméticos Funcionamento de Unidades de Terapia Intensiva Em fase final de consolidação e ajustes da Consulta Pública 21/06

22 UTASS - Agenda regulatória Revisão RDC 154/04 Funcionamento dos Serviços de diálise Prevista para 2009 Revisão da RDC 45/03 Utilização de Soluções Parenterais em Serviços de Saúde Prevista para 2009 Revisão RDC 36/08 Serviços de Atenção Obstétrica e Neonatal.

23 UTASS - Agenda regulatória Funcionamento de Serviços que Realizam Procedimentos Endoscópicos do Aparelho Digestivo Ainda não reiniciado reavaliar consulta pública nº08/03 Funcionamento dos Serviços de Saúde Em fase final de elaboração para publicação como consulta pública

24 UTASS Manuais Lavanderia Finalizado e aguardando impressão para lançamento Laboratórios clínicos Em fase de construção Publicação prevista para 2º semestre/2009.

25 UTASS Pesquisas em andamento Diagnóstico Situacional das Instituições de Longa Permanência (ILPI) no Brasil RDC 283 Avaliação da produção de Concentrado para Diálise pelas clínicas de diálise no Brasil, segundo a RDC 08/01 Situação das fontes de Co-60 nos serviços de radioterapia Avaliação do número de leitos de isolamento respiratório no Hospitais de referencia do país.

26 UTASS Capacitações Radioterapia novembro/2008 Medicina Nuclear e Momografia 18 a 22/05 regiões Sul, Sudeste e Centro-oeste 01 a 05/06 - regiões Norte e Nordeste Laboratórios fase final em MG/RS e DF

27 UTASS Influenza H1N1 Participação no Comitê de Enfrentamento de pandemia de Influenza no Brasil. Orientações para os serviços e profissionais de saúde Medidas de precaução e isolamento Cartazes sobre Medidas de Precaução Orientações e Publicações sobre Higienização das Mãos Disponibilização no site

28

29 UIPEA

30 CONTROLE DE INFECÇÃO EM SERVIÇOS DE SAÚDE Portaria nº 2616, de 12 de maio de 1998: ANEXO I ORGANIZAÇÃO l. O Programa de Controle de Infecções Hospitalares (PCIH) é um conjunto de ações desenvolvidas deliberada e sistematicamente, com vistas à redução máxima possível da incidência e da gravidade das infecções hospitalares. 2. Para a adequada execução do PCIH, os hospitais deverão constituir Comissão de Controle de Infecção Hospitalar (CCIH), órgão de assessoria à autoridade máxima da instituição e de execução das ações de controle de infecção hospitalar.

31 Portaria nº 2616, de 12 de maio de 1998 Define competências para: - A CCIH do serviço de saúde; - A autoridade máxima do serviço de saúde; - A Coordenação de Controle de Infecção Hospitalar do Ministério da Saúde (atualmente, é a UIPEA/ANVISA); - As Coordenações Estaduais e Distrital de Controle de Infecção Hospitalar; - As Coordenações Municipais de Controle de Infecção Hospitalar.

32 Fluxo de notificação das ocorrências e dos Indicadores SERVIÇO DE SAÚDE MUNICÍPIO ESTADO ANVISA

33 NOVAS DIRETRIZES PARA O CONTROLE DE INFECÇÃO EM SERVIÇOS DE SAÚDE

34 NOVAS DIRETRIZES PRINCIPAL DIRETRIZ: Criação/Reestruturação das Coordenações Estaduais/Distrital e Municipais de Controle de Infecção em Serviços de Saúde.

35 NOVAS DIRETRIZES DEFINIÇÃO DE CRITÉRIOS NACIONAIS DE INFECÇÃO EM SERVIÇOS DE SAÚDE DEFINIÇÃO DE NOVOS INDICADORES E METAS NACIONAIS CRIAÇÃO DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO TOTALMENTE WEB DIVULGAÇÃO DE BOLETINS DE ACOMPANHAMENTO DOS INDICADORES NACIONAIS DE INFECÇÃO EM SERVIÇOS DE SAÚDE

36 DEFINIÇÃO DE CRITÉRIOS NACIONAIS DE INFECÇÃO EM SERVIÇOS DE SAÚDE - CRITÉRIOS DE INFECÇÃO EM NEONATOLOGIA - CRITÉRIOS DE INFECÇÃO EM SÍTIO CIRÚRGICO - CRITÉRIOS SANGUÍNEA DE - CRITÉRIOS DE RESPIRATÓRIO INFECÇÃO INFECÇÃO EM EM CORRENTE SISTEMA - CRITÉRIOS DE INFECÇÃO EM SISTEMA URINÁRIO

37 DEFINIÇÃO DE CRITÉRIOS NACIONAIS DE INFECÇÃO EM SERVIÇOS DE SAÚDE - OUTUBRO DE 2008: DIVULGAÇÃO DE CRITÉRIOS NACIONAIS DE INFECÇÃO EM NEONATOLOGIA - MARÇO DE 2009: DIVULGAÇÃO DE CRITÉRIOS NACIONAIS DE INFECÇÃO EM SÍTIO CIRÚRGICO

38 CRITÉRIOS NACIONAIS DE INFECÇÃO EM NEONATOLOGIA 1. INFECÇÕES RELACIONADAS À ASSISTÊNCIA À SAÚDE (IRAS) EM NEONATOLOGIA A. TRANSPLACENTÁRIAS B. INFECÇÕES RELACIONADAS À ASSISTÊNCIA À SAÚDE (IRAS) PRECOCE DE PROVÁVEL ORIGEM MATERNA C. INFECÇÕES RELACIONADAS À ASSISTÊNCIA À SAÚDE (IRAS) TARDIA DE ORIGEM HOSPITALAR D. SITUAÇÕES NAS QUAIS AS IRAS NÃO SERÃO COMPUTADAS NA VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DA SUA INSTITUIÇÃO 2. DEFINIÇÃO DE CRITÉRIOS DE INFECÇÃO NEONATAL POR TOPOGRAFIA A - INFECÇÃO PRIMÁRIA DA CORRENTE SANGUÍNEA (IPCS) COM CONFIRMAÇÃO MICROBIOLÓGICA B - IPCS SEM CONFIRMAÇÃO MICROBIOLÓGICA - SEPSE CLÍNICA C - INFECÇÕES DO SISTEMA CARDIOVASCULAR D. IRAS DO TRATO RESPIRATÓRIO

39 CRITÉRIOS NACIONAIS DE INFECÇÃO EM NEONATOLOGIA E. INFECÇÕES DO SISTEMA NERVOSO CENTRAL F. INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO G. INFECÇÕES DO SISTEMA GASTROINTESTINAL H. INFECÇÃO EM OLHOS, OUVIDOS, NARIZ, GARGANTA E BOCA I. PELE E TECIDO CELULAR SUBCUTÂNEO J. INFECÇÕES OSTEOARTICULARES K. INFECÇÕES DO SÍTIO CIRÚRGICO

40 CRITÉRIOS NACIONAIS DE INFECÇÃO EM NEONATOLOGIA 3. MÉTODO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA CRITÉRIOS DE INCLUSÃO NA VIGILÂNCIA DE RN DE ALTO RISCO: DEFININDO OS INDICADORES DE RESULTADO 1) Incidência Acumulada (Infecções Precoces + Tardias) 2) Densidade de Incidência (DI) 4. INDICADORES DE PROCESSO A.TIPOS DE INDICADORES DE PROCESSO: 1. Consumo de Produtos para Higienização das Mãos por RN-dia 2. Acompanhamento de Inserção de Cateter Vascular Central 5. INDICADOR DE ESTRUTURA 1. Relação de Profissional de Enfermagem/Neonato

41 CRITÉRIOS NACIONAIS DE INFECÇÃO EM NEONATOLOGIA ANEXO I DIAGNÓSTICO CLÍNICO DE INFECÇÃO EM NEONATOLOGIA ANEXO II ESCORE HEMATOLÓGICO ANEXO III PREVENÇÃO DE INFECÇÃO PRIMÁRIA DA CORRENTE SANGUÍNEA ASSOCIADA A CATETER VASCULAR CENTRAL EM NEONATOLOGIA ANEXO IV FORMULÁRIOS DE NOTIFICAÇÃO

42 CRITÉRIOS NACIONAIS DE INFECÇÃO EM SÍTIO CIRÚRGICO DEFINIÇÃO DE PACIENTE CIRÚRGICO PASSÍVEL DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DE ROTINA A. CIRURGIA EM PACIENTE INTERNADO EM SERVIÇO DE SAÚDE B. B. CIRURGIA AMBULATORIAL C. C. CIRURGIA ENDOVASCULAR D. D. CIRURGIA ENDOSCÓPICA COM PENETRAÇÃO DE CAVIDADE DEFINIÇÃO DE INFECÇÕES DO SÍTIO CIRÚRGICO (ISC) PARA CIRURGIAS EM PACIENTES INTERNADOS E AMBULATORIAIS INDICADORES DE RESULTADOS

43 CRITÉRIOS NACIONAIS DE INFECÇÃO EM SÍTIO CIRÚRGICO INDICADORES DE PROCESSO E ESTRUTURA PARA A PREVENÇÃO DE INFECÇÃO DO SÍTIO CIRÚRGICO (PRÉ E INTRA-OPERATÓRIO) CIRURGIA ELETIVA COM TEMPO DE INTERNAÇÃO PRÉ OPERATÓRIA 24H TRICOTOMIA COM INTERVALO 2H TRICOTOMIA COM APARADOR OU TESOURA ANTIBIOTICOPROFILAXIA REALIZADA ATÉ 1 HORA ANTES DA INCISÃO ANTI-SEPSIA DO CAMPO OPERATÓRIO DURAÇÃO DA ANTIBIOTICOPROFILAXIA PARA CIRURGIA CARDÍACA RECOMENDA-SE A APLICAÇÃO DE UM INDICADOR DE CONTROLE GLICÊMICO NO PÓSOPERATÓRIO IMEDIATO PARA CIRURGIAS COLO-RETAIS RECOMENDA-SE A APLICAÇÃO DE UM INDICADOR DE CONTROLE TÉRMICO NO INTRA-OPERATÓRIO INSPEÇÃO DA CAIXA CIRÚRGICA INDICADOR DE ESTRUTURA

44 PROJETOS 2009 (fase final) 1. LANÇAMENTO DE MANUAL PREVENÇÃO DE INFECÇÕES EM: - CORRENTE SANGUÍNEA - SISTEMA RESPIRATÓRIO - SISTEMA URINÁRIO DE 2. DE EM LANÇAMENTO DE MANUAL PRECAUÇÕES E ISOLAMENTO SERVIÇOS DE SAÚDE

45 NOVOS PROJETOS DEFINIÇÃO DE NOVOS INDICADORES E METAS NACIONAIS - DEFINIÇÃO DE INDICADOR E META NACIONAL PARA UM PERÍODO DETERMINADO; - OBRIGATORIEDADE DO ENVIO DE DADOS SOBRE INFECÇÃO PARA ALGUNS SERVIÇOS DE SAÚDE BRASILEIROS (NÚMERO DE LEITOS DE UTI); - ANÁLISE DOS DADOS E DIVULGAÇÃO DO RESULTADO NACIONAL POR MEIO DE BOLETINS PERIÓDICOS

46 PROJETOS DESENVOLVIMENTO DE UM NOVO SISTEMA NACIONAL DE INFORMAÇÃO PARA O CONTROLE DE INFECÇÃO EM SERVIÇOS DE SAÚDE - SISTEMA WEB - ENVIO DE DADOS SERVIÇOS DE SAÚDE CONSOLIDADOS PELOS

47 NOVOS PROJETOS Criação um GT (grupo de trabalho) para elaboração de nova proposta de regulamentação para o Controle de Infecção Nacional - 1ª reunião em Abril de 2009

48 NOVOS PROJETOS Reestruturação da Rede RM Rede Nacional de Monitoramento da Resistência Microbiana em Serviços de Saúde (criada em 2006) - Fortalecimento da Rede de Monitoramento e Investigação de Surtos de Infecções em Serviços de Saúde - Continuação do Projeto de Segurança do Paciente -- Higienização das Mãos -- Cirurgia Segura

49 REPROCESSAMENTO DE PRODUTOS PARA SAÚDE

50 RESOLUÇÕES VIGENTES RDC/ANVISA nº 156, de 11 de agosto de 2006 Dispõe sobre o registro, rotulagem e reprocessamento de produtos médicos, e dá outras providências; RE/ANVISA nº2605, de 11 de agosto de 2006 Estabelece a lista de produtos médicos enquadrados como de uso único proibidos de ser reprocessados; RE/ANVISA nº 2606, de 11 de agosto de 2006 Dispõe sobre as diretrizes para elaboração, validação e implantação de protocolos de reprocessamento de produtos médicos e dá outras providências.

51 RESOLUÇÃO SOBRE CME E EMPRESAS PROCESSADORAS Formação de Grupo de Trabalho (GT) para: -Elaboração de Minuta de RDC para dispor sobre o funcionamento de serviços que realizam processamento de produtos para saúde e dá outras providências. -- Elaboração de Manual com orientações para o Processamento de Produtos para Saúde em Serviços de Saúde

52 RESOLUÇÃO SOBRE CME E EMPRESAS PROCESSADORAS - A MINUTA DESTA RDC IRÁ PARA CONSULTA PÚBLICA NO MÊS DE JUNHO DE 2009 TODOS OS PROFISSIONAIS PODEM ENCAMINHAR SUGESTÕES AO TEXTO INICIAL

53 RESOLUÇÃO Nº 08/2009

54 MICOBACTERIOSE DE CRESCIMENTO RÁPIDO : 2128 CASOS CONFIRMADOS DE MICOBACTERIOSE DE CRESCIMENTO RÁPIDO EM TODO O BRASIL. (DADOS RENISS/ANVISA)

55 Distribuição dos casos notificados por grupo de procedimento e via de acesso (2008) ANO DA CIRURGIA TIPO CIRURGIA VIA DE ACESSO TOTAL PERCENTUAL 2008 ABDOMINAL CONVENCIONAL 1 1,09 SEM INFORMAÇÃO 2 2,17 VÍDEO 28 30, ,70 7 7,61 7 7,61 1 1,09 1 1,09 1 1,09 1 1,09 ABDOMINAL TOTAL ESTÉTICA INJEÇÃO ESTETICA TOTAL ONCOLOGICA CONVENCIONAL ONCOLOGICA TOTAL PÉLVICA VIDEO PELVICA TOTAL PLÁSTICA CONVENCIONAL 23 25,00 SEM INFORMAÇÃO 2 2,17 VIDEO+CONVENCIONAL 1 1, ,26 1 1,09 1 1,09 PLASTICA TOTAL UROLÓGICA VIDEO UROLOGICA TOTAL SEM INFORMAÇÃO SEM INFORMAÇÃO 14 15,22 VIDEO 9 9, ,00 TOTAL de Vigilância Sanitária SI TOTAL Fonte: de Banco de Dados da Rede Nacional 92 de Investigação 100,00 Surtos e Eventos Adversos em Serviços de Saúde (Reniss) em

56 MICOBACTERIOSE DE CRESCIMENTO RÁPIDO - CONTEXTO GERAL - Surgimento de casos em todo país ( ) - Isolamento de cepas idênticas em todo território nacional - Deficiência no processamento de produtos para saúde nos serviços de saúde - Confirmação laboratorial de tolerância das cepas do surto ao Glutaraldeído a 2% (dados da Fiocruz)

57 MICOBACTERIOSE DE CRESCIMENTO RÁPIDO Reunião, em Brasília, com especialistas de todo país no dia 10 de Dezembro de 2008 Publicação de Consulta Pública nº 74, de 19 de dezembro de 2008 (D.O.U de 22/12/08) DURAÇÃO: 30 dias

58 RDC Nº 08/2009 RDC Nº 8, DE 27 DE FEVEREIRO DE 2009 Dispõe sobre as medidas para redução da ocorrência de infecções por Micobactérias de Crescimento Rápido - MCR em serviços de saúde.

59 RDC Nº 08/2009 Art. 1º Esta Resolução aplica-se aos serviços de saúde que realizam procedimentos cirúrgicos e diagnósticos por videoscopias com penetração de pele, mucosas adjacentes, tecidos sub-epiteliais e sistema vascular, cirurgias abdominais e pélvicas convencionais, cirurgias plásticas com o auxílio de ópticas, mamoplastias e procedimentos de lipoaspiração. Parágrafo único. Esta norma não se aplica ao instrumental óptico utilizado nos procedimentos endoscópicos para acesso às cavidades corporais, por orifícios naturais.

60 RDC Nº 08/2009 Art. 2º Fica suspensa a esterilização química por imersão, utilizando agentes esterilizantes líquidos, para o instrumental cirúrgico e produtos para saúde utilizados nos procedimentos citados no Art. 1º. Art. 3º Os acessórios utilizados para biópsias ou outros procedimentos que atravessem a mucosa são classificados como artigos críticos.

61 RDC Nº 08/2009 Art. 4º O responsável pelo Centro de Material e Esterilização - CME deve supervisionar todas as atividades relacionadas ao processamento de instrumentais e produtos para saúde, incluindo as realizadas por empresas terceirizadas. Parágrafo único. Cada etapa do processamento do instrumental cirúrgico e dos produtos para saúde deve seguir um Procedimento Operacional Padrão - POP, elaborado com base em referencial científico. Este documento deve ser amplamente divulgado no CME e estar disponível para consulta.

62 RDC Nº 08/2009 Art. 5º É proibido o processamento de instrumental cirúrgico e produtos para saúde fora do CME, exceto quando realizado por empresas terceirizadas regularizadas junto à Autoridade Sanitária. Art. 6º Todo o instrumental cirúrgico e produtos para saúde que não pertençam ao serviço de saúde devem ser encaminhados previamente ao CME para processamento, obedecendo ao prazo definido por este setor.

63 RDC Nº 08/2009 Art. 7º Os pacientes submetidos aos procedimentos referidos no art. 1º devem ser acompanhados pelo serviço de saúde que realizou o procedimento, para identificar sinais e sintomas sugestivos de infecção por MCR. Nos primeiros 90 dias, o acompanhamento deve ser mensal. Após este período, os pacientes devem ser orientados a procurar o serviço de saúde caso ocorra qualquer anormalidade relacionada ao procedimento cirúrgico, até completar 24 meses. Art. 8º Os casos suspeitos e confirmados de infecção por MCR devem ser informados à autoridade sanitária local e eletronicamente, pelo formulário de Notificação de Infecção Relacionada à Assistência à Saúde por Micobacteriose não Tuberculosa, disponível no endereço eletrônico da Anvisa ().

64 INFORMAÇÕES SOBRE MICOBACTERIOSE DE CRESCIMENTO RÁPIDO * disponível no site da Anvisa:

65 INFORMAÇÕES SOBRE MICOBACTERIOSE DE CRESCIMENTO RÁPIDO * disponível no site da Anvisa:

66 FORMULÁRIOS DE NOTIFICAÇÃO

67 INFLUENZA A H1N1

68 INFLUENZA A H1N1 O que é a influenza A / H1N1? É uma doença respiratória aguda (gripe), causada pelo vírus A (H1N1). Este novo subtipo do vírus da influenza é transmitido de pessoa a pessoa principalmente por meio de tosse ou espirro e de contato com secreções respiratórias de pessoas infectadas.

69 UTESS Seminário sobre a NR-32 do Ministério do Trabalho e Emprego para agentes do SNVS(Estabelece as diretrizes básicas para a implementação de medidas de proteção à segurança e à saúde dos trabalhadores dos serviços de saúde) Realizado 1 (um) seminário em Belém/PA 4 (quatro) seminários regionais agendados até outubro 2009

70 UTESS Estratégias de gestão dos resíduos químicos de serviços de saúde (Estabelece o manejo e descarte seguro de produtos e insumos farmacêuticos em serviços de saúde e dá outras providências) Composição do GT em fase final de elaboração e confirmação dos participantes Previsão para início dos trabalhos do GT: junho de 2009

71 UTESS Revisão da RDC/Anvisa nº. 50 de 2002(Dispõe sobre o Regulamento Técnico para planejamento, programação, elaboração e avaliação de projetos físicos de estabelecimentos assistenciais de saúde). Elaboração do texto base em andamento Previsão para início dos trabalhos do GT: agosto de 2009

72 UTESS Revisão da RDC/Anvisa nº. 189 de 2003(Dispõe sobre a regulamentação dos procedimentos de análise, avaliação e aprovação dos projetos físicos de estabelecimentos de saúde no Sistema Nacional ) Proposta em Consulta Pública, finalizada em 26/05/2009.

73 UTESS Regulamento Técnico sobre CME (Dispõe sobre o funcionamento de serviços que realizam processamento de produtos para saúde e dá outras providências.) Proposta em fase final para aprovacoa na DICOL.

74 UTESS Elaboração de roteiro de inspeção para Serviços de Medicina Hiperbárica:( adoção do emprego da oxigenoterapia hiperbárica (OHB) como procedimento terapêutico consagrado nos meios científicos e incorporado ao acervo de recursos médicos, de uso corrente em todo o País. Proposta em fase final de elaboracao

75

76 Obrigado!

CONTROLE DE INFECÇÃO EM

CONTROLE DE INFECÇÃO EM CONTROLE DE INFECÇÃO EM SERVIÇOS DE SAÚDE UNIDADE DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE INFECÇÕES E EVENTOS ADVERSOS UIPEA/GGTES MARÇO DE 2010 MISSÃO DA ANVISA "Proteger e promover a saúde da população garantindo

Leia mais

REDE NACIONAL DE MONITORAMENTO DA RESISTÊNCIA MICROBIANA EM SERVIÇOS DE SAÚDE REDE RM NOVO TERMO DE ADESÃO

REDE NACIONAL DE MONITORAMENTO DA RESISTÊNCIA MICROBIANA EM SERVIÇOS DE SAÚDE REDE RM NOVO TERMO DE ADESÃO REDE NACIONAL DE MONITORAMENTO DA RESISTÊNCIA MICROBIANA EM SERVIÇOS DE SAÚDE REDE RM NOVO TERMO DE ADESÃO Atribuições dos participantes da Rede RM 1) Gestor dos Hospitais Colaboradores da Rede RM Indicar

Leia mais

Page 1. Objetivos da investigação. Surtos de infecção de sítio cirúrgico por micobactérias de crescimento rápido Brasil, 2003/2008

Page 1. Objetivos da investigação. Surtos de infecção de sítio cirúrgico por micobactérias de crescimento rápido Brasil, 2003/2008 Surtos de infecção de sítio cirúrgico por micobactérias de crescimento rápido Brasil, 2003/2008 Gerência de Investigação e Prevenção das Infecções e dos Eventos Adversos Gerência Geral de Tecnologia em

Leia mais

Consulta Pública n.º 09/2013

Consulta Pública n.º 09/2013 Consulta Pública n.º 09/2013 Diretor Relator: Dirceu Barbano Regime de tramitação: comum Publicação: 02/04/2013 Prazo para contribuição: 30 dias 09/04 à 08/05 Agenda Regulatória: não Área Técnica: GGTES

Leia mais

É uma doença respiratória aguda, causada pelo vírus A (H1N1).

É uma doença respiratória aguda, causada pelo vírus A (H1N1). INFLUENZA (GRIPE) SUÍNA INFLUENZA SUÍNA É uma doença respiratória aguda, causada pelo vírus A (H1N1). Assim como a gripe comum, a influenza suína é transmitida, principalmente, por meio de tosse, espirro

Leia mais

Monitoramento e Gestão de Risco Sanitário os desafios do SNVS para o usuário que é sujeito, cidadão e cliente

Monitoramento e Gestão de Risco Sanitário os desafios do SNVS para o usuário que é sujeito, cidadão e cliente Monitoramento e Gestão de Risco Sanitário os desafios do SNVS para o usuário que é sujeito, cidadão e cliente 15 Encontro da Rede Sentinela - Fórum Internacional de Monitoramento e Gestão do Risco Sanitário

Leia mais

Novos Procedimentos de Vigilância Sanitária na Tabela do SUS

Novos Procedimentos de Vigilância Sanitária na Tabela do SUS Novos Procedimentos de Vigilância Sanitária na Tabela do SUS N o 152 Abril/2015 2015 Ministério da Saúde. É permitida a reprodução parcial ou total desta obra, desde que citada a fonte e que não seja para

Leia mais

PRINCIPAIS LEGISLAÇÕES SANITÁRIAS REFERENTES A ESTABELECIMENTOS DE SAÙDE PROJETOS UNIDADES DE TERAPIA INTENSIVA CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR

PRINCIPAIS LEGISLAÇÕES SANITÁRIAS REFERENTES A ESTABELECIMENTOS DE SAÙDE PROJETOS UNIDADES DE TERAPIA INTENSIVA CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 1 PRINCIPAIS LEGISLAÇÕES SANITÁRIAS REFERENTES A ESTABELECIMENTOS DE SAÙDE PROJETOS RDC/ANVISA nº 50 de 21 de fevereiro de 2002 RDC/ANVISA nº 307 de 14/11/2002 Dispõe sobre o Regulamento Técnico para planejamento,

Leia mais

2. Quais os objetivos do Programa Nacional de Segurança do Paciente?

2. Quais os objetivos do Programa Nacional de Segurança do Paciente? O tema Segurança do Paciente vem sendo desenvolvido sistematicamente pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) desde sua criação, cooperando com a missão da Vigilância Sanitária de proteger

Leia mais

PROGRAMA DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR PCIH. Orientações

PROGRAMA DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR PCIH. Orientações PROGRAMA DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR PCIH Orientações O que é o PCIH Considera-se Programa de Controle de Infecção Hospitalar o conjunto de ações desenvolvidas deliberada e sistematicamente, com

Leia mais

CONTROLE DA INFECÇÃO HOSPITALAR É DEFICIENTE EM MAIS DE 90% DOS HOSPITAIS DE SÃO PAULO

CONTROLE DA INFECÇÃO HOSPITALAR É DEFICIENTE EM MAIS DE 90% DOS HOSPITAIS DE SÃO PAULO CONTROLE DA INFECÇÃO HOSPITALAR É DEFICIENTE EM MAIS DE 90% DOS HOSPITAIS DE SÃO PAULO 13/04/2009 Levantamento inédito sobre a situação do controle da infecção hospitalar realizado pelo Conselho Regional

Leia mais

Qualidade e Segurança do Paciente: A perspectiva do Controle de Infecção. Paula Marques Vidal APECIH Hospital São Camilo Unidade Pompéia

Qualidade e Segurança do Paciente: A perspectiva do Controle de Infecção. Paula Marques Vidal APECIH Hospital São Camilo Unidade Pompéia Qualidade e Segurança do Paciente: A perspectiva do Controle de Infecção Paula Marques Vidal APECIH Hospital São Camilo Unidade Pompéia Tópicos 1. CCIH no Brasil 2. CCIH e a Segurança do Paciente: Qual

Leia mais

Controle da infecção hospitalar no Estado de São Paulo. Cilmara Polido Garcia

Controle da infecção hospitalar no Estado de São Paulo. Cilmara Polido Garcia Controle da infecção hospitalar no Estado de São Paulo Cilmara Polido Garcia Períodos de 1855 N. de soldados admitidos no hospital N. (%) de soldados que morreram Janeiro a março 10.283 3354 (33) Abril

Leia mais

ANEXO ROTEIRO DE INSPEÇÃO DO PROGRAMA DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR

ANEXO ROTEIRO DE INSPEÇÃO DO PROGRAMA DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 1 OBJETIVO: ANEXO ROTEIRO DE INSPEÇÃO DO PROGRAMA DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR Este Roteiro estabelece a sistemática para a avaliação do cumprimento das ações do Programa de Controle de Infecção

Leia mais

INSTITUTO DE MEDICINA INTEGRAL PROFº FERNANDO FIGUEIRA - IMIP

INSTITUTO DE MEDICINA INTEGRAL PROFº FERNANDO FIGUEIRA - IMIP INSTITUTO DE MEDICINA INTEGRAL PROFº FERNANDO FIGUEIRA - IMIP Complexo Hospitalar - Hospital Filantrópico - Área 69.000 m² - 10 prédios - 1.143 leitos - 101 leitos de UTI NHE (VEH / GRSH / CCIH) COMISSÕES

Leia mais

RELAÇÃO DE DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA COMPROVAÇÃO DOS ITENS DE VERIFICAÇÃO - UPA

RELAÇÃO DE DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA COMPROVAÇÃO DOS ITENS DE VERIFICAÇÃO - UPA RELAÇÃO DE DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA COMPROVAÇÃO DOS ITENS DE VERIFICAÇÃO - UPA Quando da apresentação de protocolos, manual de normas e rotinas, procedimento operacional padrão (POP) e/ou outros documentos,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÂO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (CCIH) E SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (SCIH) DO HU/UFJF

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÂO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (CCIH) E SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (SCIH) DO HU/UFJF REGIMENTO INTERNO DA COMISSÂO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (CCIH) E SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (SCIH) DO HU/UFJF CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO Artigo 1º Atendendo à Portaria de número

Leia mais

Relatório de Gestão da CCIH

Relatório de Gestão da CCIH Relatório de Gestão da CCIH 1 - Apresentação A Comissão de Controle de Infecção Hospitalar CCIH é formada por membros executores -01 enfermeira, 01 farmacêutica e 01 infectologista e consultoresrepresentantes

Leia mais

Contribuição da Comissão de Controle de Infecção Hospitalar para a Segurança do Paciente

Contribuição da Comissão de Controle de Infecção Hospitalar para a Segurança do Paciente Contribuição da Comissão de Controle de Infecção Hospitalar para a Segurança do Paciente Paula Marques Vidal Hospital Geral de Carapicuíba- OSS Grupo São Camilo Abril -2013 TÓPICOS CCIH no Brasil Trabalho

Leia mais

A SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE-SVS e o DECRETO n 7.508/2011

A SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE-SVS e o DECRETO n 7.508/2011 A SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE-SVS e o DECRETO n 7.508/2011 Departamento de Gestão da Vigilância em Saúde-DAGVS Secretaria de Vigilância em Saúde dagvs@saude.gov.br 06/03/2012 IMPLEMENTAÇÃO DO DECRETO

Leia mais

Estabelecimentos de Saúde/Infec

Estabelecimentos de Saúde/Infec Secretaria Estadual de Saúde Centro Estadual de Vigilância em Saúde Divisão de Vigilância Sanitária Núcleo de Vigilância em Estabelecimentos de Saúde/Infec Ana Luiza Rammé Ana Carolina Kraemer Roberta

Leia mais

CONGRESSO ENQUALAB-RESAG/2014

CONGRESSO ENQUALAB-RESAG/2014 Ministério da Saúde CONGRESSO ENQUALAB-RESAG/2014 A QUALIDADE DA ÁGUA NO ÂMBITO DA SAÚDE São Paulo,SP 31 de outubro de 2014 Por Mariângela Torchia do Nascimento Gerência de Laboratórios de Saúde Pública/GELAS/ANVISA

Leia mais

Objetivos, métodos e abrangência da Vigilância Epidemiológica das IRAS

Objetivos, métodos e abrangência da Vigilância Epidemiológica das IRAS III Simpósio Estadual de Controle de Infecção Hospitalar Objetivos, métodos e abrangência da Vigilância Epidemiológica das IRAS Enf. Thiago Batista Especialista em controle de infecção MBA em gestão em

Leia mais

Ocorrências de casos humanos de influenza suína no México e EUA Informe do dia 26.04.09, às 13h

Ocorrências de casos humanos de influenza suína no México e EUA Informe do dia 26.04.09, às 13h Ministério da Saúde Gabinete Permanente de Emergências em Saúde Pública ALERTA DE EMERGÊNCIA DE SAÚDE PÚBLICA DE IMPORTÂNCIA INTERNACIONAL Ocorrências de casos humanos de influenza suína no México e EUA

Leia mais

Programas de Qualificação dos Prestadores de Serviços - ANS

Programas de Qualificação dos Prestadores de Serviços - ANS Programas de Qualificação dos Prestadores de Serviços - ANS São Paulo - 18 de junho de 2013 GERPS/GGISE/DIDES/ANS Agenda Cenário Atual da Qualidade no Setor. Programas de Qualificação dos Prestadores de

Leia mais

Instruções para o preenchimento da planilha de indicadores epidemiológicos de infecção relacionada à asssistência à saúde (IrAS)

Instruções para o preenchimento da planilha de indicadores epidemiológicos de infecção relacionada à asssistência à saúde (IrAS) PREFEITURA DE GOIÂNIA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DIRETORIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA COORDENAÇÃO MUNICIPAL DE CONTROLE DE INFECÇÃO EM SERVIÇOS DE SAÚDE COMCISS (Av.

Leia mais

Ministério da Saúde cria o Programa Nacional de Segurança do Paciente para o monitoramento e prevenção de danos na assistência à saúde

Ministério da Saúde cria o Programa Nacional de Segurança do Paciente para o monitoramento e prevenção de danos na assistência à saúde Ministério da Saúde cria o Programa Nacional de Segurança do Paciente para o monitoramento e prevenção de danos na assistência à saúde Rede Sentinela Desde 2011, 192 hospitais da Rede Sentinela monitoram

Leia mais

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº 36, DE 25 DE JULHO DE 2013.

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº 36, DE 25 DE JULHO DE 2013. ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº 36, DE 25 DE JULHO DE

Leia mais

Influenza A (H1N1): Perguntas e Respostas

Influenza A (H1N1): Perguntas e Respostas Influenza A (H1N1): Perguntas e Respostas Para entender a influenza: perguntas e respostas A comunicação tem espaço fundamental na luta contra qualquer doença. Um exemplo é o caso do enfrentamento da influenza

Leia mais

ANEXO I TERMO DE COMPROMISSO DE APOIO À ASSISTÊNCIA HOSPITALAR

ANEXO I TERMO DE COMPROMISSO DE APOIO À ASSISTÊNCIA HOSPITALAR ANEXO I TERMO DE COMPROMISSO DE APOIO À ASSISTÊNCIA HOSPITALAR Pelo presente termo de compromisso, de um lado a Secretaria de Estado da Saúde do Estado do Rio de Janeiro/ Fundo Estadual de Saúde, com endereço

Leia mais

XXXIV Congresso da Sociedade Brasileira de Medicina Farmacêutica

XXXIV Congresso da Sociedade Brasileira de Medicina Farmacêutica XXXIV Congresso da Sociedade Brasileira de Medicina Farmacêutica Agência Nacional de Vigilância Sanitária ANVISA: Desafios e Metas para o Próximo Triênio INSTITUÍDA Anvisa Desafios e Metas para o Próximo

Leia mais

Relatório de Gestão da CCIH

Relatório de Gestão da CCIH Relatório de Gestão da CCIH 1 - Apresentação A Comissão de Controle de Infecção Hospitalar CCIH é formada por membros executores -01 Enfermeira, 01 Farmacêutica e 01 Medico Infectologista e consultores-representantes

Leia mais

Centro de Prevenção e Controle de Doenças CCD Núcleo Municipal de Controle de Infecção Hospitalar - NMCIH

Centro de Prevenção e Controle de Doenças CCD Núcleo Municipal de Controle de Infecção Hospitalar - NMCIH Centro de Prevenção e Controle de Doenças CCD ALERTA EPIDEMIOLÓGICO I Influenza Suína ABRIL 2009 Definição de caso 1-Caso suspeito de infecção humana pelo vírus da influenza suína A (H1N1). Apresentar

Leia mais

Ministério da Saúde esclarece as principais dúvidas sobre a doença e apresenta recomendações para viajantes internacionais.

Ministério da Saúde esclarece as principais dúvidas sobre a doença e apresenta recomendações para viajantes internacionais. Ministério da Saúde esclarece as principais dúvidas sobre a doença e apresenta recomendações para viajantes internacionais. Fonte: Agência Fiocruz 1. Há casos de influenza A (H1N1) no Brasil? Não. Até

Leia mais

Boletim Epidemiológico Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Influenza: Monitoramento até a Semana Epidemiológica 29 de 2014

Boletim Epidemiológico Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Influenza: Monitoramento até a Semana Epidemiológica 29 de 2014 Boletim Epidemiológico Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Influenza: Monitoramento até a Semana Epidemiológica 29 de 2014 A vigilância da influenza no Brasil é composta pela vigilância

Leia mais

O Papel da ANVISA na Regulamentação da Inovação Farmacêutica

O Papel da ANVISA na Regulamentação da Inovação Farmacêutica O Papel da ANVISA na Regulamentação da Inovação Farmacêutica Renato Alencar Porto Diretor 22 de junho de 2015 Bases legais para o estabelecimento do sistema de regulação Competências na Legislação Federal

Leia mais

PORTARIA Nº 2.600, DE 21 DE OUTUBRO DE 2009 [...] ANEXO VI NORMAS PARA AUTORIZAÇÃO DE EQUIPES ESPECIALIZADAS E ESTABELECIMENTOS DE SAÚDE

PORTARIA Nº 2.600, DE 21 DE OUTUBRO DE 2009 [...] ANEXO VI NORMAS PARA AUTORIZAÇÃO DE EQUIPES ESPECIALIZADAS E ESTABELECIMENTOS DE SAÚDE PORTARIA Nº 2.600, DE 21 DE OUTUBRO DE 2009 Aprova o Regulamento Técnico do Sistema Nacional de Transplantes. [...] ANEXO VI NORMAS PARA AUTORIZAÇÃO DE EQUIPES ESPECIALIZADAS E ESTABELECIMENTOS DE SAÚDE

Leia mais

1. Aspectos Epidemiológicos

1. Aspectos Epidemiológicos 1. AspectosEpidemiológicos A influenza é uma infecção viral que afeta principalmente o nariz, a garganta, os brônquiose,ocasionalmente,ospulmões.sãoconhecidostrêstiposdevírusdainfluenza:a,b e C. Esses

Leia mais

Seminário estratégico de enfrentamento da. Janeiro PACTUAÇÃO COM GESTORES MUNICIPAIS. Maio, 2013

Seminário estratégico de enfrentamento da. Janeiro PACTUAÇÃO COM GESTORES MUNICIPAIS. Maio, 2013 Seminário estratégico de enfrentamento da Tuberculose e Aids no Estado do Rio de Janeiro PACTUAÇÃO COM GESTORES MUNICIPAIS Maio, 2013 1.Detecção de casos e tratamento da tuberculose 1.1. Descentralizar

Leia mais

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 2.031, DE 23 DE SETEMBRO DE 2004

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 2.031, DE 23 DE SETEMBRO DE 2004 Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 2.031, DE 23 DE SETEMBRO DE 2004 Dispõe sobre a organização do Sistema Nacional de Laboratórios de Saúde Pública. O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no

Leia mais

Corrente Sanguínea. Critérios Nacionais de Infecções. Relacionadas à Assistência à Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária

Corrente Sanguínea. Critérios Nacionais de Infecções. Relacionadas à Assistência à Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária Agência Nacional de Vigilância Sanitária Corrente Sanguínea Critérios Nacionais de Infecções Relacionadas à Assistência à Saúde Unidade de Investigação e Prevenção das Infecções e dos Efeitos Adversos

Leia mais

Boletim Epidemiológico Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Influenza: Monitoramento até a Semana Epidemiológica 37 de 2015

Boletim Epidemiológico Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Influenza: Monitoramento até a Semana Epidemiológica 37 de 2015 Boletim Epidemiológico Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Influenza: Monitoramento até a Semana Epidemiológica 37 de 2015 A vigilância da influenza no Brasil é composta pela vigilância

Leia mais

O COAP na perspectiva da gestão da Vigilância em Saúde. Sonia Brito Secretaria de Vigilância em Saúde

O COAP na perspectiva da gestão da Vigilância em Saúde. Sonia Brito Secretaria de Vigilância em Saúde O COAP na perspectiva da gestão da Vigilância em Saúde Sonia Brito Secretaria de Vigilância em Saúde Decreto 7.508/11 Regulamenta a Lei nº 8.080, de 19 de setembro de 1990, para dispor sobre a organização

Leia mais

Modelo GFACH - Anexo 1 Indicadores mais Utilizados na Gestão Hospitalar no Brasil

Modelo GFACH - Anexo 1 Indicadores mais Utilizados na Gestão Hospitalar no Brasil Gestão do Relacionamento Externo Posicionamento no Sistema de Saúde Coeficiente de Mortalidade Nº de Óbitos / Nº de Indivíduos da Amostra * 1.000 Geral (toda a amostra), por idade (ex: infantil), por sexo

Leia mais

A atenção obstétrica, neonatal, infantil e os desafios para alcançar os ODM 3, 4 e 5

A atenção obstétrica, neonatal, infantil e os desafios para alcançar os ODM 3, 4 e 5 A atenção obstétrica, neonatal, infantil e os desafios para alcançar os ODM 3, 4 e 5 A partir dos esforços para melhorar a saúde materno-infantil, tais como: Programa de Humanização do Parto e Nascimento

Leia mais

Programa Nacional de Segurança do Paciente: estado da arte e perspectivas

Programa Nacional de Segurança do Paciente: estado da arte e perspectivas Programa Nacional de Segurança do Paciente: estado da arte e perspectivas Ministério da Saúde cria o Programa Nacional de Segurança do Paciente para o monitoramento e prevenção de danos na assistência

Leia mais

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html Página 1 de 5 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 1.559, DE 1º DE AGOSTO DE 2008 Institui a Política Nacional

Leia mais

SUS: princípios doutrinários e Lei Orgânica da Saúde

SUS: princípios doutrinários e Lei Orgânica da Saúde Universidade de Cuiabá - UNIC Núcleo de Disciplinas Integradas Disciplina: Formação Integral em Saúde SUS: princípios doutrinários e Lei Orgânica da Saúde Profª Andressa Menegaz SUS - Conceito Ações e

Leia mais

Melhorar sua vida, nosso compromisso Redução da Espera: tratar câncer em 60 dias é obrigatório

Melhorar sua vida, nosso compromisso Redução da Espera: tratar câncer em 60 dias é obrigatório Melhorar sua vida, nosso compromisso Redução da Espera: tratar câncer em 60 dias é obrigatório Maio de 2013 Magnitude do Câncer no Brasil 518 mil novos casos em 2013 Câncer de pele não melanoma deve responder

Leia mais

SUP E RINT E NDÊ NCIA DE VIG IL ÂNCIA E M SAÚDE

SUP E RINT E NDÊ NCIA DE VIG IL ÂNCIA E M SAÚDE SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE Gerência de Vigilância Epidemiológica Coordenação de Controle das Doenças Hídricas e Alimentares Av. 136, s/nº, Qd.F44, Lt 22 a 24, Edf. César Sebba, Setor Sul,

Leia mais

PORTARIA Nº 876/GM, DE 16 DE MAIO DE 2013. p. DOU, Seção1, de 17.5.2013, págs. 135/136

PORTARIA Nº 876/GM, DE 16 DE MAIO DE 2013. p. DOU, Seção1, de 17.5.2013, págs. 135/136 PORTARIA Nº 876/GM, DE 16 DE MAIO DE 2013 p. DOU, Seção1, de 17.5.2013, págs. 135/136 Dispõe sobre a aplicação da Lei nº 12.732, de 22 de novembro de 2012, que versa a respeito do primeiro tratamento do

Leia mais

Ensino. Principais realizações

Ensino. Principais realizações Principais realizações Reestruturação dos Programas de ; Início do Projeto de Educação à Distância/EAD do INCA, por meio da parceria com a Escola Nacional de Saúde Pública ENSP/FIOCRUZ; Três novos Programas

Leia mais

Audiência Pública Senado Federal Comissão de Assuntos Econômicos Subcomissão de Marcos Regulatórios. Brasília, 1º de outubro de 2007

Audiência Pública Senado Federal Comissão de Assuntos Econômicos Subcomissão de Marcos Regulatórios. Brasília, 1º de outubro de 2007 Audiência Pública Senado Federal Comissão de Assuntos Econômicos Subcomissão de Marcos Regulatórios Brasília, 1º de outubro de 2007 A ANVISA Autarquia sob regime especial Independência administrativa e

Leia mais

Relatório do I Seminário Semestral de Gerenciamento da Rede Nacional de Monitoramento da Resistência Microbiana em Serviços de Saúde Rede RM

Relatório do I Seminário Semestral de Gerenciamento da Rede Nacional de Monitoramento da Resistência Microbiana em Serviços de Saúde Rede RM Relatório do I Seminário Semestral de Gerenciamento da Rede Nacional de Monitoramento da Resistência Microbiana em Serviços de Saúde Rede RM Data: 12 de dezembro de 2006 Local: OPAS - Brasília Participantes

Leia mais

CARACTERÍSTCAS DOS ATENDIMENTOS AOS PACIENTES COM GRIPE H1N1 EM UM SERVIÇO DE REFERÊNCIA

CARACTERÍSTCAS DOS ATENDIMENTOS AOS PACIENTES COM GRIPE H1N1 EM UM SERVIÇO DE REFERÊNCIA 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 CARACTERÍSTCAS DOS ATENDIMENTOS AOS PACIENTES COM GRIPE H1N1 EM UM SERVIÇO DE REFERÊNCIA Regina Lúcia Dalla Torre Silva 1 ; Marcia helena Freire Orlandi

Leia mais

Regulamentação e Implantação da Cosmetovigilância no Brasil

Regulamentação e Implantação da Cosmetovigilância no Brasil Ministério da Saúde Gerência-Geral de Cosméticos Regulamentação e Implantação da Cosmetovigilância no Brasil Brasília, 27 de julho de 2006 Tassiana Fronza Gerência Geral de Cosméticos MISSÃO DA ANVISA

Leia mais

Prevenção e Controle de Infecção em Situações Especiais: Pacientes em atendimento domiciliar. Enfª. Viviane Silvestre

Prevenção e Controle de Infecção em Situações Especiais: Pacientes em atendimento domiciliar. Enfª. Viviane Silvestre Prevenção e Controle de Infecção em Situações Especiais: Pacientes em atendimento domiciliar Enfª. Viviane Silvestre O que é Home Care? Metas Internacionais de Segurança do Paciente Metas Internacionais

Leia mais

FUNDAÇÃO NACIONAL DE SAÚDE INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 2, DE 24 DE SETEMBRO DE 2002

FUNDAÇÃO NACIONAL DE SAÚDE INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 2, DE 24 DE SETEMBRO DE 2002 FUNDAÇÃO NACIONAL DE SAÚDE INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 2, DE 24 DE SETEMBRO DE 2002 Regulamenta o funcionamento dos Centros de Referência para Imunobiológicos Especiais - CRIE. O Presidente da Fundação Nacional

Leia mais

Boletim informativo Segurança do Paciente e Qualidade Assistencial em Serviços de Saúde

Boletim informativo Segurança do Paciente e Qualidade Assistencial em Serviços de Saúde VOLUME 1 NÚMERO 2 Boletim informativo Segurança do Paciente e Qualidade Assistencial em Serviços de Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária - Brasília, Jan-Jul de 2011. Prevenção e controle das

Leia mais

DECRETO Nº 7.508, DE 28 DE JUNHO DE 2011.

DECRETO Nº 7.508, DE 28 DE JUNHO DE 2011. DECRETO Nº 7.508, DE 28 DE JUNHO DE 2011. Regulamenta a Lei n o 8.080, de 19 de setembro de 1990, para dispor sobre a organização do Sistema Único de Saúde - SUS, o planejamento da saúde, a assistência

Leia mais

AÇÕES DE RESPOSTA: VIGILÂNCIA EM SAÚDE AMBIENTAL

AÇÕES DE RESPOSTA: VIGILÂNCIA EM SAÚDE AMBIENTAL AÇÕES DE RESPOSTA: VIGILÂNCIA EM SAÚDE AMBIENTAL 1. Conceito Por Aramis Cardoso A Vigilância em Saúde Ambiental é definida como o conjunto de ações que proporcionam o conhecimento e a detecção de qualquer

Leia mais

Agência Nacional de Saúde Suplementar

Agência Nacional de Saúde Suplementar Agência Nacional de Saúde Suplementar A agência reguladora de planos de saúde do Brasil Audiência Pública, 10 de abril de 2013 1 Agência Nacional de Saúde Suplementar - ANS Agência reguladora do Governo

Leia mais

SEGURANÇA DO PACIENTE E QUALIDADE EM SERVIÇOS DE SAÚDE

SEGURANÇA DO PACIENTE E QUALIDADE EM SERVIÇOS DE SAÚDE Congresso Internacional de Qualidade em Serviços e Sistemas de Saúde Qualihosp -2013 SEGURANÇA DO PACIENTE E QUALIDADE EM SERVIÇOS DE SAÚDE Maria Angela da Paz Gerente de Regulação e Controle Sanitário

Leia mais

Cobertura assistencial. Rol de Procedimentos e Eventos em Saúde OPME

Cobertura assistencial. Rol de Procedimentos e Eventos em Saúde OPME Cobertura assistencial Rol de Procedimentos e Eventos em Saúde OPME Agência Nacional de Saúde Suplementar Marcos Regulatórios Lei 9656, de 03/06/1998 Dispõe sobre a regulamentação dos planos e seguros

Leia mais

Portaria nº 339 de 08 de Maio de 2002.

Portaria nº 339 de 08 de Maio de 2002. Portaria nº 339 de 08 de Maio de 2002. O Secretário de Assistência à Saúde, no uso de suas atribuições legais, Considerando a Portaria GM/MS nº 866, de 09 de maio de 2002, que cria os mecanismos para organização

Leia mais

O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde

O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde A Portaria MS nº 2616/98 define a Infecção Hospitalar (IH) como sendo aquela adquirida após a admissão do paciente e que se manifesta durante

Leia mais

Decreto N 7.508 de 28/06/11 Regulamentando a Lei N 8.080 de 19/09/90

Decreto N 7.508 de 28/06/11 Regulamentando a Lei N 8.080 de 19/09/90 Decreto N 7.508 de 28/06/11 Regulamentando a Lei N 8.080 de 19/09/90 Cesar Vieira cesarvieira@globo.com Reunião do CA/IBEDESS 12 de julho de 2011 Principais Conteúdos Organização do SUS Planejamento da

Leia mais

REDE SENTINELA - Uma Visão Geral

REDE SENTINELA - Uma Visão Geral REDE SENTINELA - Uma Visão Geral Patricia Fernanda Toledo Barbosa Coordenação de Vigilância em Serviços Sentinela Campinas SP, 10 de maio de 2011. VISA PRODUÇÃO CONSUMO AVALIAÇÃO, ANÁLISE e GERENCIAMENTO

Leia mais

PROGRAMA DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR-PCIH

PROGRAMA DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR-PCIH Código: PCIH. SCIH. 001 Versão: 1.0 Revisão: 00 Página: 1de 9 PROGRAMA DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR-PCIH 2013 Código: PCIH. SCIH. 001 Versão: 1.0 Revisão: 00 Página: 2de 9 Programa de Atividades

Leia mais

Incorporação de Tecnologias na Saúde Suplementar Revisão do Rol de Procedimentos e Eventos em Saúde 2015-2016. Janeiro de 2015

Incorporação de Tecnologias na Saúde Suplementar Revisão do Rol de Procedimentos e Eventos em Saúde 2015-2016. Janeiro de 2015 Incorporação de Tecnologias na Saúde Suplementar Revisão do Rol de Procedimentos e Eventos em Saúde 2015-2016 Janeiro de 2015 1 Agência Nacional de Saúde Suplementar É a agência reguladora do Governo Federal,

Leia mais

Comitê Gestor do Programa de Divulgação da Qualificação dos Prestadores de Serviço na Saúde Suplementar COGEP

Comitê Gestor do Programa de Divulgação da Qualificação dos Prestadores de Serviço na Saúde Suplementar COGEP Comitê Gestor do Programa de Divulgação da Qualificação dos Prestadores de Serviço na Saúde Suplementar COGEP 6 ªReunião do GT de Indicadores Hospitalares 30/10/2012 GERPS/GGISE/DIDES/ANS Agenda Informes:

Leia mais

ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS INTEGRANTES DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA

ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS INTEGRANTES DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS INTEGRANTES DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA ATRIBUIÇÕES DO MÉDICO I- Realizar consultas clínicas aos usuários de sua área adstrita; II- Participar das atividades de grupos de controle

Leia mais

O desafio é A Segurança do Paciente

O desafio é A Segurança do Paciente O desafio é A Segurança do Paciente CAISM - Fevereiro de 2011: Implantação do Segundo Desafio Global Cirurgias Seguras Salvam Vidas Profª Drª Roseli Calil Enfº Adilton Dorival Leite Conhecendo um pouco

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA RN n 114, DE 26 DE OUTUBRO DE 2005.

RESOLUÇÃO NORMATIVA RN n 114, DE 26 DE OUTUBRO DE 2005. RESOLUÇÃO NORMATIVA RN n 114, DE 26 DE OUTUBRO DE 2005. Estabelece padrão obrigatório para a troca de informações entre operadoras de plano privado de assistência à saúde e prestadores de serviços de saúde

Leia mais

Proposição de Indicadores do QUALISS Monitoramento e a Classificação dos Indicadores em Domínios Especificados

Proposição de Indicadores do QUALISS Monitoramento e a Classificação dos Indicadores em Domínios Especificados Proposição de Indicadores do QUALISS Monitoramento e a Classificação dos Indicadores em Domínios Especificados Coordenação: Aluísio Gomes da Silva Júnior, MD. PhD Professor do ISC-UFF Produto 2 BR/CNT/1500509.002

Leia mais

ATIVIDADES DESENVOLVIDAS PRODUTOS PARA SAÚDE. Coordenação de Inspeção de Produtos CPROD

ATIVIDADES DESENVOLVIDAS PRODUTOS PARA SAÚDE. Coordenação de Inspeção de Produtos CPROD ATIVIDADES DESENVOLVIDAS PRODUTOS PARA SAÚDE Coordenação de Inspeção de Produtos CPROD CONTEÚDO 1. Organograma 2. Quadro de pessoal 3. Atividades de rotina 4. Atividades no âmbito nacional 5. Atividades

Leia mais

Seminário Valor Econômico Complexo Industrial da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária Regulação em Saúde

Seminário Valor Econômico Complexo Industrial da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária Regulação em Saúde Seminário Valor Econômico Complexo Industrial da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária Regulação em Saúde Dirceu Raposo de Mello Diretor-Presidente São Paulo, 1º de março de 2010 Vigilância Sanitária

Leia mais

adota a seguinte Consulta Pública e eu, Diretor Presidente, determino a sua publicação:

adota a seguinte Consulta Pública e eu, Diretor Presidente, determino a sua publicação: Consulta Pública nº 34, de 28 de junho de 2011. A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso das atribuições que lhe confere o inciso IV do art. 11 e o art. 35 do Regulamento

Leia mais

CAPACITAÇÃO SNVS RDC 11 E 12/2012

CAPACITAÇÃO SNVS RDC 11 E 12/2012 CAPACITAÇÃO SNVS RDC 11 E 12/2012 GERÊNCIA GERAL DE LABORATÓRIOS DE SAÚDE PÚBLICA Abril/2013 - Curitiba/PR Por Lais Santana Dantas Gerente Geral/ AGENDA: Regulação de Laboratórios Analíticos Laboratórios

Leia mais

Segurança do Paciente e Atendimento de Qualidade no Serviço Público e Privado

Segurança do Paciente e Atendimento de Qualidade no Serviço Público e Privado Simpósio Mineiro de Enfermagem e Farmácia em Oncologia Belo Horizonte - MG, setembro de 2013. Segurança do Paciente e Atendimento de Qualidade no Serviço Público e Privado Patricia Fernanda Toledo Barbosa

Leia mais

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA-RDC N 49, DE 31 DE OUTUBRO DE 2013

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA-RDC N 49, DE 31 DE OUTUBRO DE 2013 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA-RDC N 49, DE 31 DE OUTUBRO DE 2013

Leia mais

IV FÓRUM ÉTICO LEGAL EM ANÁLISES CLÍNICAS

IV FÓRUM ÉTICO LEGAL EM ANÁLISES CLÍNICAS IV FÓRUM ÉTICO LEGAL EM ANÁLISES CLÍNICAS Brasília, 08 de junho de 2010. Cumprimento de Contratos das Operadoras com os Laboratórios Clínicos. DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO SETORIAL - DIDES Gerência de

Leia mais

UTILIZAÇÃO DOS INDICADORES DA PAVS PARA MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DA VIGILÂNCIA EM SAÚDE.

UTILIZAÇÃO DOS INDICADORES DA PAVS PARA MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DA VIGILÂNCIA EM SAÚDE. Secretaria de Saúde do Estado de Pernambuco Secretaria Executiva de Vigilância em Saúde Diretoria Geral de Promoção, Monitoramento e Avaliação da Situação de Saúde UTILIZAÇÃO DOS INDICADORES DA PAVS PARA

Leia mais

ALIMENTAÇÃO DA PRODUÇÃO NO SISTEMA DE INFORMAÇÃO AMBULATORIAL (SIA/SUS)

ALIMENTAÇÃO DA PRODUÇÃO NO SISTEMA DE INFORMAÇÃO AMBULATORIAL (SIA/SUS) manual para as vigilâncias sanitárias ALIMENTAÇÃO DA PRODUÇÃO NO SISTEMA DE INFORMAÇÃO AMBULATORIAL (SIA/SUS) Agência Nacional de Vigilância Sanitária Anvisa - 1 - Conteúdo APRESENTAÇÃO...5 PROCEDIMENTOS

Leia mais

Nota Técnica Conjunta SESA N 02/2014 1

Nota Técnica Conjunta SESA N 02/2014 1 Nota Técnica Conjunta SESA N 02/2014 1 Assunto: Fluxo para solicitação, distribuição e dispensação do medicamento Palivizumabe para o tratamento profilático do Vírus Sincicial Respiratório (VSR) no Estado

Leia mais

Programa Nacional de Controle da Dengue - PNCD PLANO DE CONTINGÊNCIA AREA DA ASSISTÊNCIA

Programa Nacional de Controle da Dengue - PNCD PLANO DE CONTINGÊNCIA AREA DA ASSISTÊNCIA Programa Nacional de Controle da Dengue - PNCD PLANO DE CONTINGÊNCIA AREA DA DENGUE: PLANO DE CONTINGÊNCIA - AREA DA DIRETRIZES GERAIS PARA ELABORAÇÃO E EXECUÇÃO DO PLANO DE CONTIGÊNCIA Apoio Ministério

Leia mais

Gráfico 01: Número de EAS que notificaram mensalmente dados de IRAS no SONIH em 2013:

Gráfico 01: Número de EAS que notificaram mensalmente dados de IRAS no SONIH em 2013: BOLETIM INFORMATIVO DENSIDADES DE INCIDÊNCIA DE INFECÇÕES RELACIONADAS À ASSISTÊNCIA À SAÚDE NO ESTADO DO PARANÁ, NOTIFICADAS ATRAVÉS DO SISTEMA ONLINE DE NOTIFICAÇÃO DE INFECÇÃO HOSPITALAR (SONIH) Os

Leia mais

Implicações Legais Relacionadas ao Processamento de Artigos que RE 2605/2606

Implicações Legais Relacionadas ao Processamento de Artigos que RE 2605/2606 Implicações Legais Relacionadas ao Processamento de Artigos que Constam da Lista de Proibições RE 2605/2606 Luciana Pereira de Andrade Especialista em Regulação e Vigilância Sanitária Gerência Geral de

Leia mais

AGENDA REGULATÓRIA BIÊNIO 2013-2014 MACROTEMA

AGENDA REGULATÓRIA BIÊNIO 2013-2014 MACROTEMA AGENDA REGULATÓRIA BIÊNIO 2013-2014 MACRO Lista de temas do Macrotema Serviços de Saúde Nº 129 Ampliação de Rede para o Sistema de Notificação (Vigipós) 130 Funcionamento de Estabelecimentos Educacionais

Leia mais

Vigilância Epidemiológica de casos suspeitos de Doença do Vírus Ebola DVE e Atividades do CIEVS/Goiás

Vigilância Epidemiológica de casos suspeitos de Doença do Vírus Ebola DVE e Atividades do CIEVS/Goiás Vigilância Epidemiológica de casos suspeitos de Doença do Vírus Ebola DVE e Atividades do CIEVS/Goiás Definição dos Casos de DVE segundo OMS Caso Suspeito: Indivíduos procedentes, nos últimos 21 dias,

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DE CONTROLE DE DOENÇAS CENTRO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DE CONTROLE DE DOENÇAS CENTRO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA Informe Técnico nº 1 MERCÚRIO METÁLICO Diante da exposição por Mercúrio metálico de moradores do Distrito de Primavera, Município de Rosana, SP, a DOMA/CVE presta o seguinte Informe Técnico. Breve histórico

Leia mais

Regulamenta o art. 26 da Lei n.º 10.205, de 21/3/2001 - Decreto 3990 de 30/10/2001

Regulamenta o art. 26 da Lei n.º 10.205, de 21/3/2001 - Decreto 3990 de 30/10/2001 Regulamenta o art. 26 da Lei n.º 10.205, de 21/3/2001 - Decreto 3990 de 30/10/2001 Ementa: Regulamenta o art. 26 da Lei n.º 10.205, de 21 de março de 2001, que dispõe sobre a coleta, processamento, estocagem,

Leia mais

Perguntas e Respostas Influenza A (atualizado em 11/06/2009) MINISTÉRIO DA SAÚDE Assessoria de Comunicação

Perguntas e Respostas Influenza A (atualizado em 11/06/2009) MINISTÉRIO DA SAÚDE Assessoria de Comunicação Perguntas e Respostas Influenza A (atualizado em 11/06/2009) MINISTÉRIO DA SAÚDE Assessoria de Comunicação 1) Qual a diferença entre o nível 5 e o nível 6? O que difere os níveis de alerta 5 e 6 é o aumento

Leia mais

RELATÓRIO PARA A. SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS

RELATÓRIO PARA A. SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS RELATÓRIO PARA A SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS RELATÓRIO PARA A SOCIEDADE Este relatório é uma versão resumida do relatório técnico

Leia mais

Segurança do paciente nas Américas. Heiko T. Santana GVIMS/GGTES/ANVISA 23/09/2015

Segurança do paciente nas Américas. Heiko T. Santana GVIMS/GGTES/ANVISA 23/09/2015 Segurança do paciente nas Américas Heiko T. Santana GVIMS/GGTES/ANVISA 23/09/2015 SEGURANÇA DO PACIENTE E QUALIDADE EM SERVIÇOS DE SAÚDE SEGURANÇA DO PACIENTE E QUALIDADE EM SERVIÇOS DE SAÚDE Qualidade

Leia mais

PLANO DE SEGURANÇA DO PACIENTE NORMA Nº 648

PLANO DE SEGURANÇA DO PACIENTE NORMA Nº 648 Página: 1/4 1- OBJETIVO Definir estratégias para garantir a segurança do paciente, visando minimizar os riscos durante os processos associados aos cuidados de saúde através da implementação de boas práticas

Leia mais

CONCEITOS, POLÍTICAS, PRINCÍPIOS, DIRETRIZES E PRÁTICAS PARA PROMOÇÃO DA SEGURANÇA DO PACIENTE

CONCEITOS, POLÍTICAS, PRINCÍPIOS, DIRETRIZES E PRÁTICAS PARA PROMOÇÃO DA SEGURANÇA DO PACIENTE Seminário Nacional: redução do risco para a segurança do paciente e qualidade em serviços de saúde CONCEITOS, POLÍTICAS, PRINCÍPIOS, DIRETRIZES E PRÁTICAS PARA PROMOÇÃO DA SEGURANÇA DO PACIENTE Brasília,

Leia mais

Decreto nº 7508/2011 e a Vigilância em Saúde no Estado de São Paulo. Marília 07 de março de 2012

Decreto nº 7508/2011 e a Vigilância em Saúde no Estado de São Paulo. Marília 07 de março de 2012 Decreto nº 7508/2011 e a Vigilância em Saúde no Estado de São Paulo Marília 07 de março de 2012 SUS - Sistema de Saúde universal de grande complexidade Política pública inclusiva garantindo direito de

Leia mais

PORTARIA GM/MS N 2.616, DE 12 DE MAIO DE 1998

PORTARIA GM/MS N 2.616, DE 12 DE MAIO DE 1998 PORTARIA GM/MS N 2.616, DE 12 DE MAIO DE 1998 O Ministro de Estado da Saúde, Interino, no uso das atribuições que lhe confere o art. 87, inciso II da Constituição, e Considerando as determinações da Lei

Leia mais

RESOLUÇÃO - RDC Nº 23, DE 4 DE ABRIL DE 2012

RESOLUÇÃO - RDC Nº 23, DE 4 DE ABRIL DE 2012 RESOLUÇÃO - RDC Nº 23, DE 4 DE ABRIL DE 2012 Dispõe sobre a obrigatoriedade de execução e notificação de ações de campo por detentores de registro de produtos para a saúde no Brasil. A Diretoria Colegiada

Leia mais