O DESENVOLVIMENTO DA MOTIVAÇÃO PARA A LEITURA EM CRIANÇAS PORTUGUESAS. Lourdes Mata Instituto Superior de Psicologia Aplicada

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O DESENVOLVIMENTO DA MOTIVAÇÃO PARA A LEITURA EM CRIANÇAS PORTUGUESAS. Lourdes Mata Instituto Superior de Psicologia Aplicada lmata@ispa."

Transcrição

1 O DESENVOLVIMENTO DA MOTIVAÇÃO PARA A LEITURA EM CRIANÇAS PORTUGUESAS. Lourdes Mata Instituto Superior de Psicologia Aplicada Vera Monteiro Instituto Superior de Psicologia Aplicada A motivação para a leitura é unanimemente considerada como um constructo multidimensional que se torna estruturalmente mais complexo com a idade (Baker & Wigfield, 1999; Guthrie, & Wigfield, 1998). À medida que as crianças crescem é possível identificarem-se mais dimensões motivacionais, que sofrem um certo número de alterações como resultado, tanto do processo de desenvolvimento cognitivo da criança, como da sua experiência escolar e níveis de sucesso atingidos. Neste trabalho procuraremos apresentar uma síntese dos resultados de vários estudos sobre motivação para a leitura, desenvolvidos em Portugal, com crianças com idades desde o pré-escolar ao 9º ano: 450 de idade préescolar, 574 do 1º ao 4º ano; 434 do 5º ao 9º ano. Apresentaremos a caracterização dos seus perfis motivacionais através de dados recolhidos por questionários adaptados a cada uma das idades. Teceremos algumas considerações sobre os efeitos da idade e do género na motivação para a leitura. Os resultados apontam no sentido de um declínio evidente da motivação ao longo da escolaridade, verificando-se contudo efeitos diferentes consoante as dimensões motivacionais consideradas. Os efeitos do género são evidentes só a partir do início da escolaridade e somente nalgumas das dimensões motivacionais. I- Introdução Quando se considera o ensino da leitura deve contemplar-se não só as competências mas também a vertente motivacional. Se a motivação for considerada como uma aquisição secundária à aquisição de perícias básicas ou um segundo passo, este processo vai tornar-se mais difícil e arriscamo-nos a formar crianças que não escolham ler. A motivação é um aspecto fundamental quando se consideram leitores envolvidos. A engagement perspective integra dimensões da leitura e do processo de aprendizagem, a diferentes níveis: cognitivo, motivacional e social (Baker, Dreher & Guthrie, 2000). De acordo com Wigfield (2000) existem três aspectos centrais na motivação para a leitura; a motivação intrínseca e extrínseca; crenças e auto-percepções de competência e eficácia e também a motivação social. Quando os sujeitos estão intrinsecamente motivados realizam as actividades por sua própria vontade, pelo desafio e pela satisfação obtida na realização da mesma. Quando extrinsecamente motivados, os sujeitos realizam as actividades por razões externas, tais como o receberem uma recompensa. Os sentimentos de competência e eficácia são decorrentes das avaliações que se fazem sobre as capacidades e perícias pessoais em diferentes actividades. Diferentes investigadores têm mostrado que as auto-percepções de competência em domínios específicos de aprendizagem estão relacionadas e têm um valor preditor sobre as realizações dos sujeitos nessas mesmas áreas (e.g. matemática, leitura). As motivações sociais referem-se a motivações individuais relacionadas com os outros próximos. Este tipo de 2733

2 motivação é fundamental para a leitura pois, frequentemente, a leitura é uma actividade social. As crianças lêem na sala de aula e, em casa, as famílias lêem em conjunto. Uma implicação importante deste tipo de concepção da motivação é que a torna multifacetada: existem diferentes facetas nas motivações das crianças. Assim, não é muito apropriado, podendo ser demasiado simplista, pensar numa criança como motivada ou eventualmente desmotivada. Fará sim mais sentido olhar cada criança como podendo ser motivada de diferentes modos, ou estar desmotivada por razões diversas. Alguns estudos sobre a motivação para a leitura descrevem-na como um constructo multidimensional (Baker & Wigfield, 1999; Guthrie, & Wigfield, 1998) que se vai tornando estruturalmente mais complexo com a idade. À medida que as crianças vão crescendo é possível identificar cada vez mais e diferentes dimensões da motivação para a leitura, que vão sofrendo um conjunto de alterações como resultado tanto de processos de crescimento como das experiências escolares, familiares e sociais que a criança vai vivenciando e ainda dos níveis de sucesso que vai atingindo. Assim o objectivo deste trabalho é proceder a uma reflexão sobre a motivação para a leitura em alunos portugueses, sobre as suas características, as suas diferentes dimensões e ainda sobre o seu desenvolvimento. Partindo dos resultados de vários estudos que realizámos nos últimos anos, analisaremos os efeitos do género e do ano de escolaridade na motivação de crianças de idades variando entre o pré-escolar e o 9º ano de escolaridade. II - Participantes Estudo crianças que frequentavam o ultimo ano da educação pré-escolar. 50,7% eram rapazes e 49,3% raparigas. Estudo alunos do 1º, 2º, 3º e 4º anos de escolaridade Estudo crianças do 5º ao 9º ano de escolaridade III - Instrumentos: Nestes vários estudos, tendo em vista a caracterização da motivação utilizámos escalas de motivação para a leitura. Essas escalas eram muito semelhantes na sua estrutura conceptual mas foram adaptadas para cada uma das idades, daí o facto de nem todas terem exactamente as mesmas dimensões e por vezes a forma de administração e apresentação dos itens ser diferente. 1. Pré-escolar- 12 itens referentes a situações de leitura reenviando para três dimensões distintas: 2734

3 Prazer: avalia o prazer e gosto retirado das situações de leitura. Valor: caracteriza a importância atribuída às situações de leitura. Autoconceito: caracteriza a forma como a criança se sente enquanto futuro leitor º ao 4º ano- 20 itens organizados em três escalas diferentes: Valor/Prazer: estes itens reenviam para o prazer e a importância inerentes às situações de leitura. Autoconceito: caracteriza a forma como a criança se acha enquanto leitor Reconhecimento pela leitura: caracteriza a gratificação que se sente quando alguém reconhece os seus resultados/performances em leitura. 3. 5º ao 9º ano- neste instrumento estão contempladas 6 dimensões distintas: Prazer: prazer decorrente da leitura ou leituras que se fazem. Curiosidade: desejo de aprender sobre determinado assunto de interesse da criança. Razões Sociais: partilha das leituras feitas com familiares e amigos. Importância: valor atribuído a diferentes tarefas ou actividades de leitura. Competição: Desejo de ultrapassar os outros em leitura. Reconhecimento: gratificação que se sente quando alguém reconhece os resultados/performances em leitura. Cada item era composto por duas afirmações contraditórias, tendo quatro opções de resposta. As afirmações eram atribuídas a dois bonecos diferentes (para as crianças mais novas) ou a duas crianças diferentes (para as crianças mais velhas). Cada item foi cotado numa escala de 1 a 4. A escolha de uma afirmação, indiciando uma motivação mais positiva, podia ser cotada com 3 ou 4 pontos, consoante o grau de identificação da criança. Uma escolha reenviando para motivações menos positivas, podia ser cotado com 1 ou 2, dependendo novamente do grau de identificação da criança com a referida afirmação. Partindo dos resultados obtidos na escala da motivação, e calculando a média dos valores obtidos nos itens de cada subescala, podiam-se assim obter os indicadores motivacionais referentes a cada domínio considerado e traçar-se o perfil motivacional das crianças de cada faixa etária. IV - Resultados Numa fase inicial iremos apresentar os resultados por cada faixa etária, posteriormente procederemos a uma análise comparativa global, de modo a clarificar, sistematizar e mesmo aprofundar os dados apresentados. 2735

4 4.1. Motivação para a leitura no Pré-escolar O gráfico da figura 1 representa o perfil motivacional das crianças de idade pré-escolar, a partir dos valores obtidos pelas mesmas, nas três dimensões consideradas: Valor da leitura, Prazer da leitura e Autoconceito de leitor. Tal como era esperado, os valores relativos a cada uma das dimensões foram muito elevados acima de 3,5 numa escala que variava entre 1 e ,5 3 2,5 2 1,5 3,51 3,63 3,56 1 Prazer Valor Autoconceito Figura 1 Perfil Motivacional das crianças do pré-escolar. A dimensão que apresentou o valor mais elevado foi o Valor da leitura (3,7), mas os valores motivacionais das outras dimensões são muito semelhantes. Estes índices motivacionais sugerem crianças muito motivadas para a leitura e para iniciarem a sua escolaridade. O facto deste valores serem tão elevados pode ser explicado pelas características cognitivas das crianças desta faixa etária pois, devido à sua idade, estas crianças ainda possuem limitações na compreensão das suas performances e nas comparações que fazem com os outros. De qualquer modo não se pode ignorar que estes resultados mostram crianças muito motivadas e com sentimentos de competência e índices de motivação intrínseca bastante elevados. Efeito do género na motivação para a leitura para as crianças do pré-escolar De modo a verificarmos o efeito do género na motivação para a leitura, procedemos a uma comparação entre os perfis motivacionais dos rapazes e raparigas. Desta comparação, só identificámos como significativas as diferenças no domínio do Prazer (t = -2,028 p=0,04). Neste domínio as raparigas percepcionaram mais prazer associado às situações de leitura do que os rapazes. Destas 450 crianças de idade pré-escolar, 99 foram seguidas num estudo longitudinal, durante o seu 1º ano de escolaridade, de modo a estudarmos o impacto da frequência escolar, nas sua motivações para a leitura. No gráfico da figura 2 estão representados os seus perfis motivacionais, nos dois momentos considerados (final do pré-escolar e final do 1º ano). 2736

5 Como podemos constatar, os dois perfis evidenciam valores motivacionais muito elevados para todas as dimensões. Contudo foram encontradas diferenças significativas entre os 4 3,5 3 2,5 2 1,5 1 3,5 3,6 3,6 3,7 3,4 3,2 Prazer Valor Autoconceito Pré-escolar 1º ano seus perfis do pré-escolar e do 1º ano de escolaridade. No que se refere à dimensão valor, as crianças obtêm valores mais elevados no 1º ano (t = -2,282 p= 0,025), considerando a leitura com mais valor e utilidade. Figura 2 Perfil Motivacional das crianças no pré-escolar e no 1º ano de escolaridade. No que se refere ao autoconceito, este decresce com a frequência escolar (t=2,573 p=0,012). As crianças consideram mais difícil aprender a ler e serem bons leitores, depois de iniciarem o processo de aprendizagem Motivação para a leitura do 1º ao 4º ano de escolaridade À semelhança do apresentado para o pré-escolar, calculando a média dos itens constituintes de cada dimensão, obtivemos os scores motivacionais destas crianças. A média e desvio-padrão relativos a cada dimensão encontram-se representados no quadro 1. Quadro 1 Valores motivacionais das crianças do 1º, 2º, 3º e 4º anos de escolaridade Dimensão M SD Prazer 3,52,446 Autoconceito 3,21,528 Reconhecimento 3,39,603 Pela análise dos valores da tabela, podemos constatar que os valores médios de cada uma das dimensões da motivação para a leitura estão acima do ponto médio, indicando que os alunos se caracterizam como sendo motivados nos domínios considerados. Contudo os valores 2737

6 não são homogéneos, apresentando-se umas dimensões com valores significativamente mais elevados do que outras. Através do cálculo do t-teste para amostras emparelhadas verificámos que os valores relativos a cada uma das dimensões são significativamente diferentes dos das outras (Prazer/Autoconc. t=16.1 p<0.001; Prazer/Reconh. t=9.78 p<0.001; Autoconc/Reconhec. t= p<0.001). Efeito da idade na motivação para a leitura para as crianças do 1º ao 4º ano Os valores motivacionais de cada uma das subescalas relativos a cada idade estão representados no gráfico da figura 3. Tal como podemos verificar a percepção de gosto e Prazer associado às situações de leitura decresce com a idade tal como a necessidade de Reconhecimento social. 1º ano 2º ano 3º ano 4º ano 4 3,5 3 2,5 2 1,5 1 Prazer Autoconceito Reconhecimento Figura 3 Representação gráfica dos perfis motivacionais das crianças dos quarto primeiros anos de escolaridade. Pelo contrário, o autoconceito de leitor decresce com a idade. Gambrell, Palmer, Codling e Mazzoni (1996) obtiveram resultados muito semelhantes ao deste estudo para a sua dimensão valor (muito semelhante à nossa prazer). Verificaram diferenças estatisticamente significativas entre as médias das crianças do 3º e 5º anos, tendo as crianças mais novas evidenciado motivações mais positivas que as mais velhas. Num outro trabalho desenvolvido por Baker e Wigfield (1999) também foram evidentes dois efeitos 2738

7 principais da variável ano de escolaridade. Na escala Social e na de Reconhecimento as crianças do 5ºano mostraram níveis motivacionais mais elevados que as do 6º ano. Efeito do género na motivação para a leitura para as crianças do 1º ao 4º ano Ao analisarmos separadamente os perfis motivacionais dos rapazes e raparigas, podemos também constatar algumas diferenças tal como é evidenciado no gráfico da figura 4. Raparigas Rapazes 4 3,5 3 2,5 2 1,5 1 Prazer Autoconceito Reconhecimento Figura 4 perfis motivacionais dos rapazes e raparigas do 1º ao 4 º ano de escolaridade. Tal como podemos verificar as raparigas parecem apresentar valores motivacionais mais elevados que os rapazes ao nível do Prazer e do Reconhecimento social e valores mais baixos ao nível do Autoconceito. Um efeito semelhante foi também encontrado por Baker e Wigfield (1999) embora estes autores tenham verificado também que ao nível do Autoconceito as raparigas apresentavam valores mais elevados que os rapazes Procedemos ao cálculo de uma análise de variância múltipla de modo a analisarmos a significância dos efeitos identificados para o género e ano. Esta análise revelou um efeito estatisticamente significativo para o ano (Pillai s F(9,1680)=9.76 p<0.001) e também para o género (Pillai s F(3,558)=6.578 p<0.001). Ao considerarmos o ano de escolaridade, verificaram-se efeitos significativos para as três dimensões da escala, para o Prazer (F=7.574 p<0.001), para o Autoconceito (F=3.649 p<0.02) e para o Reconhecimento (F= p<0.001). Para o Prazer e Reconhecimento os valores motivacionais decrescem com a idade. Para o Autoconceito verifica-se o efeito inverso mostrando as crianças mais velhas valores motivacionais mais elevados. Tomando em consideração o efeito do género nos perfis motivacionais, este mostrou-se significativo somente em duas dimensões: Prazer (F=5.804 p<0.02) e Reconhecimento (F=8.404 p<0.005), apresentando os rapazes valores mais baixos que as raparigas

8 significativa. A interacção entre as variáveis género e ano não se mostrou estatisticamente 4.3. Motivação para a leitura do 5º ao 9º ano de escolaridade Procedemos ao cálculo das médias para cada dimensão, de modo a caracterizarmos as motivações deste grupo de crianças (Quadro 2). Pela análise dos valores do quadro 2 podemos constatar que nem todos se encontram acima do ponto médio (2,5), indicando já nesta faixa etária, algumas oscilações nas motivações para a leitura. Quadro 2 Valores motivacionais das crianças do 5º ao 9º anos de escolaridade. Dimensão M SD Prazer 3,05.73 Curiosidade 3,31.58 Razões Sociais 2,43.78 Importância 3,57.61 Competição 2,38.79 Reconhecimento 2,77.79 Parece assim que existem razões, motivações, diferentes, entre estas crianças para lerem. A Importância e o Prazer apresentam os valores mais elevados, enquanto as Razões sociais e a Competição são as dimensões com valores mais baixos. Efeito do ano de escolaridade na motivação para a leitura para as crianças do 5º ao 9º ano No gráfico da figura 5 estão representados os perfis motivacionais dos vários anos de escolaridade. Podemos verificar uma descida nos valores motivacionais com a progressão na escolaridade. Este efeito do ano de escolaridade mostrou-se estatisticamente significativa (Pillai s Trace.197, F(24,1692)= 3,643 p<0,001). 2740

9 4 3,5 3 2,5 2 1,5 1 Prazer Curios. Social Compet. Reconhec. Valor 5º ano 6º ano 7º ano 8º ano 9º ano Figura 5 - Representação gráfica dos perfis motivacionais das crianças do 5º ao 9º ano. Uma análise dimensão a dimensão permitiu-nos verificar que este efeito do ano foi significativo para todas as dimensões da escala: Prazer (F(4,425)=3,659 p=0,006), Curiosidade (F(4,425)=4,688 p=0,001), Razões Sociais (F(4,425)=9,473 p=0,001), Importância (F(4,425)=4,413 p=0,002), Competição (F(4,425)=6,852 p=0,001) e Reconhecimento (F(4,425)=5,604 p=0,001). Os alunos mais novos evidenciaram índices motivacionais superiores aos dos mais velhos. Assim verifica-se um declínio significativo da motivação para a leitura. Tanto Gambrell, Palmer, Codling e Mazzoni (1996) como Baker e Wigfield (1999) obtiveram resultados semelhantes em trabalhos desenvolvidos com crianças até ao 6º ano de escolaridade. Efeito do género na motivação para a leitura para as crianças do 1º ao 4º ano Também se mostrou significativo o efeito global do género na motivação para a leitura (Pillai s Trace.174, F(6,420)= 14,763 p<0,001). Uma análise dimensão a dimensão mostrou-se significativa para todas as dimensões excepto para a Curiosidade e para a Importância (Figura 6). 2741

10 Raparigas Rapazes 4 3,5 3 2,5 2 1,5 1 0,5 0 Prazer Curios Social Import Compet Reconhec Figura 6 - Representação gráfica dos perfis motivacionais dos rapazes e das raparigas do 5º ao 9º ano. Para quase todas as dimensões onde se verificaram diferenças, as raparigas evidenciaram níveis motivacionais mais elevados do que os rapazes (Prazer F(1,425)= 39,489 p<0,001; Razões Sociais, F(1, 425) = 42,492, p<0,001; Reconhecimento F(1,425)=5,221, p=0,023). Somente para o domínio Competição, os rapazes apresentaram valores motivacionais mais elevados, sendo o procurar obter uma melhor performance que os outros uma razão mais forte para se envolverem em actividades de leitura, para os rapazes do que para as raparigas (F= 13,402, p<0,001). Um efeito semelhante foi identificado por Baker e Wigfield (1999) para o Reconhecimento, Prazer, Razões Sociais, assim como também para a Competição. V Considerações Finais Quanto ao desenvolvimento da motivação para a leitura pudemos constatar que esta se tornava estruturalmente mais complexa com a idade. À medida que as crianças vão crescendo e progredindo no percurso escolar foi possível identificar mais domínios motivacionais para a leitura, que, por sua vez, vão sofrendo um conjunto de alterações como resultado tanto de um processo de crescimento e desenvolvimento, como da própria experiência escolar de cada criança, e dos níveis de sucesso atingidos. As crianças chegam à escola com elevadas expectativas de sucesso na leitura, curiosas sobre a aprendizagem e com aquilo que podem aprender através da leitura e com grande vontade de interagirem e partilharem com os outros as suas experiências de leitura e os conhecimentos adquiridos. Contudo, ao longo da escolaridade, verifica-se um declínio nos seus 2742

11 sentimentos de competência e nas suas motivações intrínsecas para se envolverem em tarefas e actividades de leitura. Este declínio ao longo da escolaridade pode ser explicado mobilizando duas ordens de factores. Por um lado as crianças tornam-se mais capazes de avaliar as suas performances e as dos outros e de proceder a comparações mais adequadas e reais. Assim a tomada de consciência de que não conseguem obter tão boas performances como alguns dos outros, pode originar uma baixa nalguns aspectos motivacionais, nomeadamente nos sentimentos de eficácia. Outro tipo de explicação tem-se apoiado no tipo de práticas pedagógicas desenvolvidas pelos professores, como estando em grande parte na origem de um declínio acentuada. Este é certamente um tópico de reflexão hoje em dia. Muitas práticas pedagógicas ignoram as vertentes significativa, comunicativa, agradável e significante da literacia e focam-se essencialmente nas perícias a adquirir, no domínio da técnica, valorizando as comparações e a competição entre as crianças. Este tipo de abordagem pode levar a que as crianças acabem por deixar de a valorizar como algo funcional e de valor e se preocupem quase que exclusivamente com o seu domínio para compararem as suas realizações com as dos outros colegas. Wigfield (2000) considera que o maior declínio na motivação para a leitura se verifica entre o 1º e o 4º ano. Contudo os nossos resultados mostram um declínio contínuo após o 4º ano até ao 9º ano. Como explicar este declínio? As transformações decorrentes do desenvolvimento e das alterações nas competências cognitivas e avaliativas das crianças, não parecem suficientes para explicar esta constante descida das motivações em todos os domínios, situando-se os valores nos últimos anos estudados em níveis motivacionais de certo modo preocupantes. Parece-nos importante repensar o ensino da língua portuguesa nas nossas escolas, sobre a forma como são iniciadas na literacia e como se procuram desenvolver as suas competências iniciais, as suas motivações e o seu envolvimento com a leitura. Os resultados tanto do PISA 2000 (Ministério da Educação, 2001), como do PISA 2003, colocam os nossos alunos em níveis preocupantes, não só ao nível das suas competências, como também dos seus hábitos de leitura. Neste contexto parece-nos, assim, essencial reequacionar as questões da motivação e do envolvimento na leitura, pois não se conseguem leitores competentes sem que eles sejam leitores envolvidos, que utilizem a leitura com sucesso, em situações reais do dia-a-dia, por múltiplas razões e com diferentes funcionalidades, pois percebem o seu carácter comunicativo e utilitário e exploram a sua vertente interactiva e social. No que se refere ao género, pudemos verificar que o seu efeito se torna mais evidente ao longo da progressão escolar. À medida que as crianças crescem as raparigas apresentam motivações para a leitura mais positivas do que os rapazes. 2743

12 Uma análise específica domínio a domínio, mostrou que para as raparigas, mais do que para os rapazes, o Prazer, Razões sociais, o Reconhecimento pelos outros são motivos importantes para se envolverem em situações de leitura. Por sua vez, os rapazes apresentaram valores mais elevados do que as raparigas num único domínio, a Competição. Estes resultados são consonantes com os apresentados na literatura, embora desenvolvidos em realidades educativas diferentes, com sujeitos inseridos em realidades culturais distintas da nossa (Wigfield & Guthrie, 1997). Referências bibliográficas Baker, L.; Dreher, M. & Guthrie, J. (2000). Why teachers should promote reading engagement. In L. Baker, M. Dreher & J. Guthrie (Eds) Engaging young readers. Promoting achievement and motivation (pp. 1-16). New York: The Guilford Press. Baker, L. & Wigfield, A. (1999). Dimensions of children s motivation for reading and their relations to reading activity and reading achievement. Reading Research Quarterly, 34(4), Gambrell, L.; Palmer, B.; Codling, R. & Mazzoni, S. (1996). Assessing motivation to read. The Reading Teacher, 49(7), Guthrie, J. & Wigfield, A. (1998). Reading Engagement: A rationale for theory and teaching. In J. Guthrie & A. Wigfield (Eds) Motivating readers through integrated instruction (pp.1-11). Newark, Delaware: International Reading Association. Ministério da Educação GAVE (2001). Resultados do Estudo Internacional PISA Programme for International Student Assessment. Lisboa: Editorial do Ministério da Educação. Wigfield, A. & Guthrie, J. (1997). Motivation for reading: An overview. Educational Psychologist, 32(2), Wigfield, J. (2000). Facilitating children s reading motivation. In L. Baker, M. Dreher & J. Guthrie (Eds) Engaging young readers. Promoting achievement and motivation (pp ). New York: The Guilford Press. 2744

AUTOCONCEITO E MOTIVAÇÃO PARA AS APRENDIZAGENS EM CRIANÇAS DE 1º E 2º ANO DE ESCOLARIDADE

AUTOCONCEITO E MOTIVAÇÃO PARA AS APRENDIZAGENS EM CRIANÇAS DE 1º E 2º ANO DE ESCOLARIDADE AUTOCONCEITO E MOTIVAÇÃO PARA AS APRENDIZAGENS EM CRIANÇAS DE 1º E 2º ANO DE ESCOLARIDADE Joana Vargas Simões, ISPA Instituto Universitário, joana.vargas.s@gmail.com Lourdes Mata, ISPA Instituto Universitário/UIPCDE,

Leia mais

Agrupamento de escolas de Vila Nova de Poiares

Agrupamento de escolas de Vila Nova de Poiares Agrupamento de escolas de Vila Nova de Poiares Departamento da Educação Pré Escolar Avaliação na educação pré-escolar -Competências -Critérios gerais de avaliação Ano letivo 2013-2014 1 INTRODUÇÃO Para

Leia mais

AUTO-CONCEITO E ADAPTAÇÃO AO ENSINO SUPERIOR: ESTUDO DIFERENCIAL COM ALUNOS DA UNIVERSIDADE DO PORTO

AUTO-CONCEITO E ADAPTAÇÃO AO ENSINO SUPERIOR: ESTUDO DIFERENCIAL COM ALUNOS DA UNIVERSIDADE DO PORTO AUTO-CONCEITO E ADAPTAÇÃO AO ENSINO SUPERIOR: ESTUDO DIFERENCIAL COM ALUNOS DA UNIVERSIDADE DO PORTO Joana Stocker & Luísa Faria Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade do Porto

Leia mais

Escala de Autoconceito para Crianças em Idade Pré-Escolar e 1º/2º Ano de Escolaridade de Harter e Pike (1981, 1984)

Escala de Autoconceito para Crianças em Idade Pré-Escolar e 1º/2º Ano de Escolaridade de Harter e Pike (1981, 1984) Escala de Autoconceito para Crianças em Idade Pré-Escolar e 1º/2º Ano de Escolaridade de Harter e Pike (1981, 1984) Lourdes Mata, Vera Monteiro & Francisco Peixoto (Instituto Superior de Psicologia Aplicada,

Leia mais

Validade Estrutural do Questionário de Atitudes Face à Escola

Validade Estrutural do Questionário de Atitudes Face à Escola I Congresso Internacional Envolvimento dos Alunos na Escola: Perspetivas da Psicologia e Educação Instituto de Educação da Universidade de Lisboa 15-17 julho 2013 Validade Estrutural do Questionário de

Leia mais

Métodos de avaliação pedagógica ( [1] )

Métodos de avaliação pedagógica ( [1] ) Métodos de avaliação pedagógica ( [1] ) Margarida Fernandes ESE, Universidade do Algarve «Para conhecer a verdade acerca dum sistema educativo é necessário olhar para os seus métodos de avaliação. Que

Leia mais

Estudo psicométrico do PMA(*)

Estudo psicométrico do PMA(*) Análise Psicológica (1989), 123 (Vil): 209213 Estudo psicométrico do PMA(*) RUI BÁRTOLO RIBEIRO (* *) CARLOS ALVES MARQUES (**), O estudo das aptidões mentais primárias foi inicialmente desenvolvido por

Leia mais

MOTIVAÇÃO E HÁBITOS DE LEITURA

MOTIVAÇÃO E HÁBITOS DE LEITURA MOTIVAÇÃO E HÁBITOS DE LEITURA CARACTERIZAÇÃO DA MOTIVAÇÃO E RELAÇÃO DOS HÁBITOS DE LEITURA, NOS ESTUDANTES DO SEGUNDO CICLO (5º ANO) CONCEIÇÃO ANTÓNIO FAMOROSO ORIENTADOR DE DISSERTAÇÃO: PROF. DOUTORA

Leia mais

CAPÍTULO IV Apresentação, interpretação e análise de dados

CAPÍTULO IV Apresentação, interpretação e análise de dados CAPÍTULO IV Apresentação, interpretação e análise de dados Introdução Tendo explicado e descrito os instrumentos e procedimentos metodológicos utilizados para a realização deste estudo, neste capítulo,

Leia mais

Do desenvolvimento curricular ao conhecimento profissional

Do desenvolvimento curricular ao conhecimento profissional Do desenvolvimento curricular ao conhecimento profissional José Duarte jose.duarte@ese.ips.pt Escola Superior de Educação de Setúbal José Duarte iniciou a sua carreira como professor de Matemática do Ensino

Leia mais

USO DE ESTRATÉGIAS DE APRENDIZAGEM E SUAS RELAÇÕES COM AS METAS DE REALIZAÇÃO

USO DE ESTRATÉGIAS DE APRENDIZAGEM E SUAS RELAÇÕES COM AS METAS DE REALIZAÇÃO USO DE ESTRATÉGIAS DE APRENDIZAGEM E SUAS RELAÇÕES COM AS METAS DE REALIZAÇÃO Souza, Isabel Cristina de Universidade Estadual de Londrina Guimarães, Sueli Édi 1 Universidade Estadual de Londrina 1 jsgj@uel.br

Leia mais

Motivação e aprendizagem em contexto

Motivação e aprendizagem em contexto Motivação e aprendizagem em contexto escolar Filomena Ribeiro (1) Escola Secundária de São Lourenço Resumo O presente artigo procura salientar a importância da motivação nos processos de aprendizagem e

Leia mais

1. Introdução. 2. Metodologia e Taxa de Adesão. Resultados Nacionais Agregados de 2011

1. Introdução. 2. Metodologia e Taxa de Adesão. Resultados Nacionais Agregados de 2011 1 Resultados Nacionais Agregados de 11 Observatório Nacional de Recursos Humanos Resultados Nacionais Agregados de 11 1. Introdução Desde a sua criação em 02 que o Observatório Nacional de Recursos Humanos

Leia mais

PROGRAMA AVES Inquérito de Opinião, Competências e Valores - Resultados de 2004

PROGRAMA AVES Inquérito de Opinião, Competências e Valores - Resultados de 2004 PROGRAMA AVES Inquérito de Opinião, Competências e Valores - Resultados de 2004 António M. Fonseca Introdução No âmbito dos objectivos do Programa AVES Avaliação de escolas com ensino secundário, a vontade

Leia mais

O que é brincar e como se diferencia das outras actividades?

O que é brincar e como se diferencia das outras actividades? i dos Pais Temas O Brincar Todas as crianças são únicas e diferentes das outras, sendo que as suas diferenças individuais parecem estar diretamente associadas com a sua maneira de brincar e a imaginação

Leia mais

MOTIVAÇÃO PARA A LÍNGUA PORTUGUESA: RELAÇÃO COM O GÉNERO, ANO DE ESCOLARIDADE, CLIMA DE SALA DE AULA, AUTOCONCEITO E AUTO-ESTIMA

MOTIVAÇÃO PARA A LÍNGUA PORTUGUESA: RELAÇÃO COM O GÉNERO, ANO DE ESCOLARIDADE, CLIMA DE SALA DE AULA, AUTOCONCEITO E AUTO-ESTIMA MOTIVAÇÃO PARA A LÍNGUA PORTUGUESA: RELAÇÃO COM O GÉNERO, ANO DE ESCOLARIDADE, CLIMA DE SALA DE AULA, AUTOCONCEITO E AUTO-ESTIMA Nélia Guerreiro Victória Nº 18479 Orientador de Dissertação: Professora

Leia mais

TRABALHO DE GRUPO E AJUSTAMENTO ACADÉMICO IMPLICAÇÕES

TRABALHO DE GRUPO E AJUSTAMENTO ACADÉMICO IMPLICAÇÕES TRABALHO DE GRUPO E AJUSTAMENTO ACADÉMICO IMPLICAÇÕES PARA A TUTORIA NO ENSINO SUPERIOR COSTA LOBO, Cristina (mcqm@isep.ipp.pt) Instituto de Educação e Psicologia da Universidade do Minho TAVEIRA, Maria

Leia mais

C.E.B. DR. MANUEL FERNANDES ABRANTES

C.E.B. DR. MANUEL FERNANDES ABRANTES ESCOLA SECUNDÁRIA C/ 2º e 3º C.E.B. DR. MANUEL FERNANDES ABRANTES (401547) ANÁLISE DOS RESULTADOS ESCOLARES MATEMÁTICA 1º Período 2012/2013 Análise efectuada em reunião da Área Disciplinar de Matemática

Leia mais

Estudo epidemiológico realizado de 4 em 4 anos, em colaboração com a Organização Mundial de Saúde.

Estudo epidemiológico realizado de 4 em 4 anos, em colaboração com a Organização Mundial de Saúde. Mafalda Ferreira, Margarida Gaspar de Matos, Celeste Simões & Equipa Aventura Social Estudo epidemiológico realizado de 4 em 4 anos, em colaboração com a Organização Mundial de Saúde. Objectivo: Conhecer

Leia mais

Relatório de Avaliação da Acção de Formação

Relatório de Avaliação da Acção de Formação Relatório de Avaliação da Acção de Formação Este relatório resulta da análise de um questionário online administrado a todos os formandos de forma anónima. O questionário continha questões fechadas, que

Leia mais

Plano de Promoção de Leitura no Agrupamento

Plano de Promoção de Leitura no Agrupamento AGRUPAMENTO DE ESCOLAS MOSTEIRO E CÁVADO Plano de Promoção de Leitura no Agrupamento 1. Apresentação do plano 2. Objectivos gerais 3. Orientações 4. Objectivos específicos 5. Actividades 6. Avaliação 1

Leia mais

AUTO-EFICÁCIA PARA A APRENDIZAGEM AUTODIRIGIDA: O CASO DOS ADULTOS EM PROCESSO DE RVCC

AUTO-EFICÁCIA PARA A APRENDIZAGEM AUTODIRIGIDA: O CASO DOS ADULTOS EM PROCESSO DE RVCC AUTO-EFICÁCIA PARA A APRENDIZAGEM AUTODIRIGIDA: O CASO DOS ADULTOS EM PROCESSO DE RVCC Maria João Cunha e Albertina L. Oliveira Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade de Coimbra

Leia mais

Projeto turma E+ Uma opção orientada para o sucesso. Albino Martins Nogueira Pereira Agrupamento de Escolas de Vilela diretor@esvilela.

Projeto turma E+ Uma opção orientada para o sucesso. Albino Martins Nogueira Pereira Agrupamento de Escolas de Vilela diretor@esvilela. Projeto turma E+ Uma opção orientada para o sucesso Albino Martins Nogueira Pereira Agrupamento de Escolas de Vilela diretor@esvilela.pt Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação 15 de fevereiro de

Leia mais

Jornada Pedagógica Pastoral. Recife, 2012

Jornada Pedagógica Pastoral. Recife, 2012 Jornada Pedagógica Pastoral Recife, 2012 Josenildo Costa e Telma Pereira Sistema Marista de Avaliação SIMA O SIMA é um instrumento de avaliação acadêmica utilizado em todas as Unidades Educacionais da

Leia mais

COMUNICAÇÃO EM PEQUENOS GRUPOS

COMUNICAÇÃO EM PEQUENOS GRUPOS PSICOLOGIA DA COMUNICAÇÃO Ciências da Comunicação CONTEXTOS DE COMUNICAÇÃO: COMUNICAÇÃO EM PEQUENOS GRUPOS Aspectos gerais Definição de pequeno grupo Tipos de grupos Estrutura e Dinâmica de grupo Resolução

Leia mais

GUIÃO DE ENTREVISTA ÀS EDUCADORAS DE INFÂNCIA. 2º Momento

GUIÃO DE ENTREVISTA ÀS EDUCADORAS DE INFÂNCIA. 2º Momento 4.1.8. Orientação específica de codificação: Entrevista a educadoras de infância (2º momento) (2001) GUIÃO DE ENTREVISTA ÀS EDUCADORAS DE INFÂNCIA 2º Momento I. Questões sobre a modalidade de prática pedagógica

Leia mais

A leitura, um bem essencial

A leitura, um bem essencial A leitura, um bem essencial A leitura, um bem essencial A leitura é uma competência básica que todas as pessoas devem adquirir para conseguirem lidar de forma natural com a palavra escrita. Mas aprender

Leia mais

5572 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 201 30 de Agosto de 2001

5572 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 201 30 de Agosto de 2001 5572 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 201 30 de Agosto de 2001 2 No âmbito do disposto no número anterior, o professor: a) Reflecte sobre as suas práticas, apoiando-se na experiência, na investigação

Leia mais

CIRCULAR. Assunto: Avaliação na Educação Pré- Escolar

CIRCULAR. Assunto: Avaliação na Educação Pré- Escolar CIRCULAR Data: 11/04/2011 Circular nº.: 4 /DGIDC/DSDC/2011 Assunto: Avaliação na Educação Pré- Escolar Para: Inspecção-Geral de Educação Direcções Regionais de Educação Secretaria Regional Ed. da Madeira

Leia mais

Escola Secundária com 3º CEB de Coruche EDUCAÇÃO SEXUAL

Escola Secundária com 3º CEB de Coruche EDUCAÇÃO SEXUAL Escola Secundária com 3º CEB de Coruche 0 EDUCAÇÃO SEXUAL INTRODUÇÃO A Educação da sexualidade é uma educação moral porque o ser humano é moral. É, também, uma educação das atitudes uma vez que, com base

Leia mais

a escola e o mundo do trabalho XVII colóquio afirse secção portuguesa

a escola e o mundo do trabalho XVII colóquio afirse secção portuguesa . INÁCIO, Maria Joana SALEMA, Maria Helena Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa RESUMO Aprender a aprender constitui-se como uma das competências essenciais para a aprendizagem ao longo da vida,

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DOS COMPORTAMENTOS PRÉ- COMPETITIVOS EM JOVENS NADADORES *

CARACTERIZAÇÃO DOS COMPORTAMENTOS PRÉ- COMPETITIVOS EM JOVENS NADADORES * CARACTERIZAÇÃO DOS COMPORTAMENTOS PRÉ- COMPETITIVOS EM JOVENS NADADORES * José Jacinto Vasconcelos Raposo João Paulo Lázaro Luís Filipe da Silva Cerqueira chapas@net.sapo.pt RESUMO Pretendeu-se verificar

Leia mais

COMINN COMpetences for INNovation in the metal sector LEARNING OUTCOMES DEFINITIONS

COMINN COMpetences for INNovation in the metal sector LEARNING OUTCOMES DEFINITIONS COMINN COMpetences for INNovation in the metal sector LEARNING OUTCOMES DEFINITIONS País: Instituição: Qualificação: : Objectivo de Aprendizagem: Motivação : Portugal Inovafor Developers and Mobilizers

Leia mais

ÍNDICE GERAL ÍNDICE DE FIGURAS... ÍNDICE DE QUADROS...

ÍNDICE GERAL ÍNDICE DE FIGURAS... ÍNDICE DE QUADROS... ÍNDICE GERAL ÍNDICE DE FIGURAS... ÍNDICE DE QUADROS... SIGLÁRIO. XI XIV XVII 1. INTRODUÇÃO 1 1.1. Problemática de Investigação... 4 1.1.1. Problema.. 6 1.1.2. Natureza do Estudo... 9 1.1.3. Variáveis 10

Leia mais

Centro de Formação da Associação de Escolas do Alto Tâmega e Barroso. Motivação e Sucesso Escolar

Centro de Formação da Associação de Escolas do Alto Tâmega e Barroso. Motivação e Sucesso Escolar Centro de Formação da Associação de Escolas do Alto Tâmega e Barroso Motivação e Sucesso Escolar Marina Serra de Lemos 08 de março de 2014 Sumário O papel da motivação no contexto escolar Definição de

Leia mais

a escola e o mundo do trabalho XVII colóquio afirse secção portuguesa

a escola e o mundo do trabalho XVII colóquio afirse secção portuguesa º MILHANO,Sandrine( smilhano@esel.ipleiria.pt) Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico de Leiria RESUMO: As novas configurações sociais e culturais, a globalização educativa, cultural, social

Leia mais

PROJECTO MAIS SUCESSO ESCOLAR A MATEMÁTICA

PROJECTO MAIS SUCESSO ESCOLAR A MATEMÁTICA PROJECTO MAIS SUCESSO ESCOLAR A MATEMÁTICA 2010/2011 Coordenadora Elvira Maria Azevedo Mendes Projecto: Mais Sucesso Escolar Grupo de Matemática 500 1 1. IDENTIFICAÇÃO DO PROJECTO 1.1 Nome do projecto:

Leia mais

Nelson Lima Santos Mestre Assistente Faculdade de Ciências Humanas e Sociais - UFP

Nelson Lima Santos Mestre Assistente Faculdade de Ciências Humanas e Sociais - UFP Auto-conceito academico social e global em estudantes universitarios Luísa Faria Professora Associada Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação - UP lfaria@fpce.up.pt Nelson Lima Santos Mestre

Leia mais

A EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS NO ENSINO PRÉ-ESCOLAR O CONTRIBUTO DA FORMAÇÃO COMPLEMENTAR DE EDUCADORES

A EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS NO ENSINO PRÉ-ESCOLAR O CONTRIBUTO DA FORMAÇÃO COMPLEMENTAR DE EDUCADORES A EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS NO ENSINO PRÉ-ESCOLAR O CONTRIBUTO DA FORMAÇÃO COMPLEMENTAR DE EDUCADORES PEREIRA 1,SARA;TORRES 2,ANA ymartins, 3 ISABEL P. Departamento de Didáctica e Tecnologia Educativa - Universidade

Leia mais

Considerações Finais. Resultados do estudo

Considerações Finais. Resultados do estudo Considerações Finais Tendo em conta os objetivos definidos, as questões de pesquisa que nos orientaram, e realizada a apresentação e análise interpretativa dos dados, bem como a sua síntese final, passamos

Leia mais

Gestão de Recursos Humanos, responsabilidade social e empreendedorismo

Gestão de Recursos Humanos, responsabilidade social e empreendedorismo Gestão de Recursos Humanos, responsabilidade social e empreendedorismo José Keating Escola de Psicologia Universidade do Minho Introdução A gestão de recursos humanos, num sentido lato, abrange todas as

Leia mais

b : nas representações gráficas de funções do tipo

b : nas representações gráficas de funções do tipo do as suas escolhas a partir daí. Nesta situação, tendem a identificar as assímptotas verticais, as assímptotas horizontais e a associar as representações analítica e gráfica que têm estas características

Leia mais

COMUNICAÇÃO INTERPESSOAL

COMUNICAÇÃO INTERPESSOAL PSICOLOGIA DA COMUNICAÇÃO Ciências da Comunicação CONTEXTOS DE COMUNICAÇÃO: COMUNICAÇÃO INTERPESSOAL Aspectos gerais Comunicação interpessoal e comunicação grupal Comunicação interpessoal e relações interpessoais

Leia mais

AS ATITUDES DOS EMPRESÁRIOS ALGARVIOS FACE AO EMPREGO DE PESSOAS SOCIALMENTE DISCRIMINADAS: Um estudo empírico

AS ATITUDES DOS EMPRESÁRIOS ALGARVIOS FACE AO EMPREGO DE PESSOAS SOCIALMENTE DISCRIMINADAS: Um estudo empírico AS ATITUDES DOS EMPRESÁRIOS ALGARVIOS FACE AO EMPREGO DE PESSOAS SOCIALMENTE DISCRIMINADAS: Um estudo empírico Ileana Monteiro Docente da Escola de Gestão, Hotelaria e Turismo da Universidade do Algarve

Leia mais

Exmo. Sr. Presidente da Comissão de Educação, Ciência e Cultura, Deputado Ribeiro e Castro,

Exmo. Sr. Presidente da Comissão de Educação, Ciência e Cultura, Deputado Ribeiro e Castro, Exmo. Sr. Presidente da Comissão de Educação, Ciência e Cultura, Deputado Ribeiro e Castro, Exmo. Sr. Relator da Petição Pública Não há Educação sem Educação Física, Deputado Paulo Cavaleiro, Exmos. Srs.

Leia mais

Planificação Anual da Disciplina de Psicologia. MÓDULOS 1, 2, 3 e 4. 10º Ano de escolaridade (10º D) Curso Profissional de Nível Secundário

Planificação Anual da Disciplina de Psicologia. MÓDULOS 1, 2, 3 e 4. 10º Ano de escolaridade (10º D) Curso Profissional de Nível Secundário Planificação Anual da Disciplina de MÓDULOS 1, 2, 3 e 4 10º Ano de escolaridade (10º D) Curso Profissional de Nível Secundário Componente de Formação Científica Ano lectivo 2013-2014 1 MÓDULO 1 - DESCOBRINDO

Leia mais

Critérios de Avaliação

Critérios de Avaliação Critérios de Avaliação Ano letivo 2013/2014 Critérios de Avaliação 2013/2014 Introdução As principais orientações normativas relativas à avaliação na educação pré-escolar estão consagradas no Despacho

Leia mais

Motivação dos alunos para aprender química: o caso da Grécia

Motivação dos alunos para aprender química: o caso da Grécia Motivação dos alunos para aprender química: o caso da Grécia Katerina Salta, Dionysios * Koulougliotis Instituto de Educação Tecnológica (TEI) de Ionian Islands (Grécia) ksalta@chem.uoa.gr, Dkoul@teiion.gr

Leia mais

DEPARTAMENTO DA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E NOVAS TECNOLOGIAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FISICAS E NATURAIS

DEPARTAMENTO DA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E NOVAS TECNOLOGIAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FISICAS E NATURAIS Governo dos Açores Escola Básica e Secundária de Velas DEPARTAMENTO DA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E NOVAS TECNOLOGIAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FISICAS E NATURAIS Ano Letivo: 2014/2015

Leia mais

MOTIVAÇÃO PARA A APRENDIZAGEM E PERCEPÇÕES DE CLIMA DE SALA DE AULA EM ALUNOS DO 2º ANO DE ESCOLARIDADE

MOTIVAÇÃO PARA A APRENDIZAGEM E PERCEPÇÕES DE CLIMA DE SALA DE AULA EM ALUNOS DO 2º ANO DE ESCOLARIDADE MOTIVAÇÃO PARA A APRENDIZAGEM E PERCEPÇÕES DE CLIMA DE SALA DE AULA EM ALUNOS DO 2º ANO DE ESCOLARIDADE Nádia Silva Rosa, ISPA- Instituto Universitário, nadia_rosa_@hotmail.com Lourdes Mata, ISPA-Instituto

Leia mais

FICHA DE UNIDADE CURRICULAR 2011/2012. Docente (s) Maria João Alvarez (docente responsável pela UC) e Alexandra Marques Pinto

FICHA DE UNIDADE CURRICULAR 2011/2012. Docente (s) Maria João Alvarez (docente responsável pela UC) e Alexandra Marques Pinto FICHA DE UNIDADE CURRICULAR 2011/2012 Designação Temas de Desenvolvimento Pessoal e Social Docente (s) Maria João Alvarez (docente responsável pela UC) e Alexandra Marques Pinto Creditação (ECTS) 6 ECTS

Leia mais

Avaliação Interna e Qualidade das Aprendizagens

Avaliação Interna e Qualidade das Aprendizagens Avaliação Interna e Qualidade das Aprendizagens Perspectivas da OCDE www.oecd.org/edu/evaluationpolicy Paulo Santiago Direcção da Educação e das Competências, OCDE Seminário, Lisboa, 5 de Janeiro de 2015

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS JOÃO VILLARET

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS JOÃO VILLARET AGRUPAMENTO DE ESCOLAS JOÃO VILLARET Escola E.B. 2/3 João Villaret Tão importante quanto o que se ensina e se aprende é como se ensina e como se aprende. (César Coll) O Agrupamento de Escolas João Villaret

Leia mais

TRABALHO LABORATORIAL NO ENSINO DAS CIÊNCIAS: UM ESTUDO SOBRE AS PRÁTICAS DE FUTUROS PROFESSORES DE BIOLOGIA E GEOLOGIA

TRABALHO LABORATORIAL NO ENSINO DAS CIÊNCIAS: UM ESTUDO SOBRE AS PRÁTICAS DE FUTUROS PROFESSORES DE BIOLOGIA E GEOLOGIA TRABALHO LABORATORIAL NO ENSINO DAS CIÊNCIAS: UM ESTUDO SOBRE AS PRÁTICAS DE FUTUROS PROFESSORES DE BIOLOGIA E GEOLOGIA DOURADO, LUÍS Instituto de Educação e Psicologia, Universidade do Minho. Palavras

Leia mais

Perfil Profissional de Treinador

Perfil Profissional de Treinador Programa Nacional de FORMAÇÃO de Treinadores Grau4 Perfil Profissional de Treinador Perfil Profissional - GRAU IV A formação de Grau IV consubstancia o topo da hierarquia profissional da actividade de

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CURSO DE COMUNICAÇÃO E DESIGN MULTIMÉDIA

AVALIAÇÃO DO CURSO DE COMUNICAÇÃO E DESIGN MULTIMÉDIA AVALIAÇÃO DO CURSO DE COMUNICAÇÃO E DESIGN MULTIMÉDIA Outubro 2009 ÍNDICE 1. Introdução 3 2. População e Amostra 3 3. Apresentação de Resultados 4 3.1. Opinião dos alunos de Comunicação e Design Multimédia

Leia mais

Classes sociais. Ainda são importantes no comportamento do consumidor? Joana Miguel Ferreira Ramos dos Reis; nº 209479 17-10-2010

Classes sociais. Ainda são importantes no comportamento do consumidor? Joana Miguel Ferreira Ramos dos Reis; nº 209479 17-10-2010 Universidade Técnica de Lisboa - Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas Ciências da Comunicação Pesquisa de Marketing Docente Raquel Ribeiro Classes sociais Ainda são importantes no comportamento

Leia mais

APRESENTAÇÃO... 03. 1 Conceitos... 05. 1.1. Avaliação... 05. 1.2. Competência... 05. 1.3. Habilidades... 06. 1.4. Competência leitora...

APRESENTAÇÃO... 03. 1 Conceitos... 05. 1.1. Avaliação... 05. 1.2. Competência... 05. 1.3. Habilidades... 06. 1.4. Competência leitora... S U M Á R I O APRESENTAÇÃO... 03 1 Conceitos... 05 1.1. Avaliação... 05 1.2. Competência... 05 1.3. Habilidades... 06 1.4. Competência leitora... 06 1.5. Competência matemática...07 1.6. Competência científica...07

Leia mais

Recursos Humanos. Hotelaria: gestores portugueses vs. estrangeiros

Recursos Humanos. Hotelaria: gestores portugueses vs. estrangeiros Esta é uma versão post print de Cândido, Carlos J. F. (2004) Hotelaria: Gestores Portugueses vs. Estrangeiros, Gestão Pura, Ano II, N.º 7, Abril/Maio, 80-83. Recursos Humanos Hotelaria: gestores portugueses

Leia mais

NÃO ESCOLARIZEM A EXPRESSÃO DRAMÁTICA! UMA REFLEXÃO SOBRE A VIVÊNCIA DESTA FORMA DE EXPRESSÃO ENQUANTO ACTIVIDADE AUTÊNTICA

NÃO ESCOLARIZEM A EXPRESSÃO DRAMÁTICA! UMA REFLEXÃO SOBRE A VIVÊNCIA DESTA FORMA DE EXPRESSÃO ENQUANTO ACTIVIDADE AUTÊNTICA França, A., & Brazão, P. (2009). Não escolarizem a Expressão Dramática! - uma reflexão sobre a vivência desta forma de expressão enquanto actividade autêntica. In L. Rodrigues, & P. Brazão (org), Políticas

Leia mais

Índice: Introdução 3. Princípios Orientadores 3. Definição do projecto 4. Considerações Finais 8. Actividades a desenvolver 9.

Índice: Introdução 3. Princípios Orientadores 3. Definição do projecto 4. Considerações Finais 8. Actividades a desenvolver 9. Índice: Introdução 3 Princípios Orientadores 3 Definição do projecto 4 Objectivos a alcançar 5 Implementação do projecto 5 Recursos necessários 6 Avaliação do projecto 7 Divulgação Final do Projecto 7

Leia mais

Agrupamento de Escolas Martim de Freitas. Ano letivo 2012/2013. Critérios de Avaliação do 1º CEB

Agrupamento de Escolas Martim de Freitas. Ano letivo 2012/2013. Critérios de Avaliação do 1º CEB Agrupamento de Escolas Martim de Freitas Ano letivo 2012/2013 Critérios de Avaliação do 1º CEB 1- Introdução Tal como o disposto no nº 1 do art. 23º do Decreto-Lei nº 139/2012, de 5 de julho, a avaliação

Leia mais

Instrumentos de avaliação: diversificar é preciso

Instrumentos de avaliação: diversificar é preciso Instrumentos de avaliação: diversificar é preciso In: Pensar avaliação, melhorar a aprendizagem /IIE Lisboa: IIE, 1994 QUALITATIVO E (OU) QUANTITATIVO? Em avaliação escolar a ambição de quantificar com

Leia mais

A Língua Portuguesa em África: perspectivas presentes e futuras

A Língua Portuguesa em África: perspectivas presentes e futuras A Língua Portuguesa em África: perspectivas presentes e futuras Este breve texto é uma proposta de reflexão acerca de algumas das questões que, em meu entender, merecem destaque na situação actual do desenvolvimento

Leia mais

Transcrição de Entrevista n º 22

Transcrição de Entrevista n º 22 Transcrição de Entrevista n º 22 E Entrevistador E22 Entrevistado 22 Sexo Masculino Idade 50 anos Área de Formação Engenharia Electrotécnica E - Acredita que a educação de uma criança é diferente perante

Leia mais

Dissertação de Mestrado. A Motivação para as Aulas de Educação Física no3º ciclo do Concelho de Santa Maria da Feira

Dissertação de Mestrado. A Motivação para as Aulas de Educação Física no3º ciclo do Concelho de Santa Maria da Feira UNIVERSIDADE DE TRÁS-OS-MONTES E ALTO DOURO Mestrado em Ensino da Educação Física no Ensino Básico e Secundário Dissertação de Mestrado A Motivação para as Aulas de Educação Física no3º ciclo do Concelho

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS 2014-2015

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS 2014-2015 AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS 2014-2015 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SÃO JOÃO DA TALHA LOURES RESPOSTA AO CONTRADITÓRIO ANÁLISE DO CONTRADITÓRIO A equipa de avaliação externa apreciou o contraditório apresentado

Leia mais

Proposta Pedagógica. Buscando atender às necessidades da comunidade local, o Colégio La Salle Brasília oferece educação infantil, fundamental e médio.

Proposta Pedagógica. Buscando atender às necessidades da comunidade local, o Colégio La Salle Brasília oferece educação infantil, fundamental e médio. Proposta Pedagógica Visão: Ser um centro de excelência em Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio que busca alcançar a utopia que tem de pessoa e sociedade, segundo os critérios do evangelho, vivenciando

Leia mais

O que os professores dizem fazer para ensinar a ler e a escrever?

O que os professores dizem fazer para ensinar a ler e a escrever? O que os professores dizem fazer para ensinar a ler e a escrever? 173 Liliana Tolchinsky e Isabel Ríos apreocupação institucional e política com relação às dificuldades dos estudantes para entender o que

Leia mais

AVALIAÇÃO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO MUSICAL NO ENSINO BÁSICO

AVALIAÇÃO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO MUSICAL NO ENSINO BÁSICO AVALIAÇÃO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO MUSICAL NO ENSINO BÁSICO Outubro 2009 ÍNDICE 1. Introdução 3 2. População e Amostra 3 3. Apresentação de Resultados 4 3.1. Opinião dos alunos do Mestrado em Educação Musical

Leia mais

PROJETO EDUCATIVO Ano letivo 2012 2013

PROJETO EDUCATIVO Ano letivo 2012 2013 PROJETO EDUCATIVO Ano letivo 2012 2013 É pela vivência diária que cada um de nós aprende a conhecer-se e a respeitar-se, conhecendo e respeitando os outros, intervindo, transformando e tentando melhorar

Leia mais

PLANO DE PROMOÇÃO DA LEITURA. Agrupamento de Escolas Mosteiro e Cávado

PLANO DE PROMOÇÃO DA LEITURA. Agrupamento de Escolas Mosteiro e Cávado PLANO DE PROMOÇÃO DA LEITURA Agrupamento de Escolas Mosteiro e Cávado 2014 1.Apresentação do plano 2. Objetivos gerais 3. Orientações 4. Objetivos específicos 5. Atividades 6. Avaliação 7. Aneos A leitura

Leia mais

A Construção de Instrumentos de Avaliação de Motivação para a Aprendizagem Helena Isabel Gil Educadora de Infância

A Construção de Instrumentos de Avaliação de Motivação para a Aprendizagem Helena Isabel Gil Educadora de Infância INVESTIGAÇÃO A Construção de Instrumentos de Avaliação de Motivação para a Aprendizagem Helena Isabel Gil Educadora de Infância O trabalho agora apresentado faz parte da metodologia seguida na realização

Leia mais

CNPq Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico A motivação de alunos do ensino fundamental

CNPq Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico A motivação de alunos do ensino fundamental CNPq Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico A motivação de alunos do ensino fundamental Sueli Édi Rufini Guimarães 1 Caracterização do Problema A motivação no contexto escolar é um determinante

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CURSO DE TURISMO

AVALIAÇÃO DO CURSO DE TURISMO AVALIAÇÃO DO CURSO DE TURISMO Outubro 2009 ÍNDICE 1. Introdução 3 2. População e Amostra 3 3. Apresentação de Resultados 4 3.1. Opinião dos alunos de Turismo sobre a ESEC 4 3.2. Opinião dos alunos sobre

Leia mais

MÓDULOS 1, 2, 3 e 4. 10º Ano de escolaridade (10º D) Curso Profissional de Nível Secundário. Componente de Formação Científica. Ano lectivo 2015-2016

MÓDULOS 1, 2, 3 e 4. 10º Ano de escolaridade (10º D) Curso Profissional de Nível Secundário. Componente de Formação Científica. Ano lectivo 2015-2016 Planificação Anual da Disciplina de Psicologia MÓDULOS 1, 2, 3 e 4 10º Ano de escolaridade (10º D) Curso Profissional de Nível Secundário Componente de Formação Científica Ano lectivo 2015-2016 MÓDULO

Leia mais

1 Descrição sumária. Varajão, Santana, Cunha e Castro, Adopção de sistemas CRM nas grandes empresas portuguesas, Computerworld, 2011 1

1 Descrição sumária. Varajão, Santana, Cunha e Castro, Adopção de sistemas CRM nas grandes empresas portuguesas, Computerworld, 2011 1 Adopção de sistemas CRM nas grandes empresas portuguesas João Varajão 1, Daniela Santana 2, Manuela Cunha 3, Sandra Castro 4 1 Escola de Ciências e Tecnologia, Departamento de Engenharias, Universidade

Leia mais

As forças positivas a moderarem a relação entre o Coaching e o Desempenho

As forças positivas a moderarem a relação entre o Coaching e o Desempenho As forças positivas a moderarem a relação entre o Coaching e o Desempenho ANA PAULA GONÇALVES FERNANDES Nº 11358 Orientador de Dissertação: PROFESSORA DRª PATRÍCIA PALMA Instituto Superior de Psicologia

Leia mais

PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA 11ª Classe

PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA 11ª Classe PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA 11ª Classe Formação de Professores para o Pré-Escolar e para o Ensino Primário Opção: Ensino Primário Ficha Técnica Título Programa de Metodologia

Leia mais

Género e Actividades com as TIC

Género e Actividades com as TIC Género, Cidadania e Intervenção Educativa: Sugestões Práticas q Actividade Género e Actividades com as TIC Objectivos Sugestões Reconhecer que a interpretação da realidade é influenciada por expectativas

Leia mais

Observatório Nacional de Recursos Humanos

Observatório Nacional de Recursos Humanos RUBRICA AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO Observatório Nacional de Recursos Humanos Resultados nacionais agregados de 211 O Observatório Nacional de Recursos Humanos (ONRH) celebra este ano 1 anos de existência.

Leia mais

na relação entre os sistemas de informação e as pessoas, negócio e organizações." - ISJ,

na relação entre os sistemas de informação e as pessoas, negócio e organizações. - ISJ, 1. Introdução Este trabalho enquadra-se na área de Engenharia de Requisitos (ER). O problema abordado é o da insatisfação com as aplicações das Tecnologias de Informação (TI), utilizadas para suportar

Leia mais

O PAPEL DA MOTIVAÇÃO NO PROCESSO DE APRENDIZADO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA Bárbara Andrade de Sousa (UFJF) barbaraandrade.letras@gmail.

O PAPEL DA MOTIVAÇÃO NO PROCESSO DE APRENDIZADO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA Bárbara Andrade de Sousa (UFJF) barbaraandrade.letras@gmail. O PAPEL DA MOTIVAÇÃO NO PROCESSO DE APRENDIZADO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA Bárbara Andrade de Sousa (UFJF) barbaraandrade.letras@gmail.com 1. Introdução Podemos considerar inegável que um dos fatores atuantes

Leia mais

José Epifânio da Franca (entrevista)

José Epifânio da Franca (entrevista) (entrevista) Podemos alargar a questão até ao ensino secundário Eu diria: até à chegada à universidade. No fundo, em que os jovens já são maiores, têm 18 anos, estarão em condições de entrar de uma maneira,

Leia mais

Escolher o futuro O papel do/a psicólogo/a clínico/a no contexto de intervenção em comunidades socioeconómicas desfavorecidas 1

Escolher o futuro O papel do/a psicólogo/a clínico/a no contexto de intervenção em comunidades socioeconómicas desfavorecidas 1 Escolher o futuro O papel do/a psicólogo/a clínico/a no contexto de intervenção em comunidades socioeconómicas desfavorecidas 1 Mário Jorge Silva (psicólogo clínico) e Marli Godinho (psicóloga clínica)

Leia mais

APRESENTAÇÃO DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO NAS MODALIDADES DE CURSO, MÓDULO E SEMINÁRIO. Formulário de preenchimento obrigatório, a anexar à ficha modelo ACC 2

APRESENTAÇÃO DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO NAS MODALIDADES DE CURSO, MÓDULO E SEMINÁRIO. Formulário de preenchimento obrigatório, a anexar à ficha modelo ACC 2 CONSELHO CIENTÍFICO PEDAGÓGICO DA FORMAÇÃO CONTÍNUA APRESENTAÇÃO DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO NAS MODALIDADES DE CURSO, MÓDULO E SEMINÁRIO Formulário de preenchimento obrigatório, a anexar à ficha modelo ACC 2

Leia mais

População Portuguesa. Inquérito à Utilização das Tecnologias da Informação e da Comunicação 2003 DOCUMENTO METODOLÓGICO

População Portuguesa. Inquérito à Utilização das Tecnologias da Informação e da Comunicação 2003 DOCUMENTO METODOLÓGICO População Portuguesa Inquérito à Utilização das Tecnologias da Informação e da Comunicação 2003 DOCUMENTO METODOLÓGICO ÍNDICE 1. IDENTIFICAÇÃO E OBJECTIVOS DO INQUÉRITO...3 2. RECOLHA E TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO...3

Leia mais

Trabalho experimental de ciências em contexto de jardim-de-infância desenvolvimento de um Programa de Formação

Trabalho experimental de ciências em contexto de jardim-de-infância desenvolvimento de um Programa de Formação Trabalho experimental de ciências em contexto de jardim-de-infância desenvolvimento de um Programa de Formação Maria José Rodrigues [1] mrodrigues@ipb.pt; Rui Marques Vieira [2] rvieira@ua.pt Universidade

Leia mais

DESENCANTAMENTO DE ALUNOS: O QUE FAZER?

DESENCANTAMENTO DE ALUNOS: O QUE FAZER? DESENCANTAMENTO DE ALUNOS: O QUE FAZER? Rita de Cássia de Souza Soares 1 Arno Bayer 2 Resumo O presente texto versa sobre questões motivacionais e o trabalho de sala de aula. O enfoque dado diz respeito

Leia mais

Quarto Estudo de Follow up dos Diplomados

Quarto Estudo de Follow up dos Diplomados Cursos de Formação em Alternância na Banca Quarto Estudo de Follow up dos Diplomados Relatório Cursos terminados entre 2006 e 2009 Projecto realizado em parceria e financiado pelo Instituto de Emprego

Leia mais

Assegurar que o Progress produz resultados

Assegurar que o Progress produz resultados Assegurar que o Progress produz resultados Quadro estratégico para a execução do Progress, programa comunitário para o emprego e a solidariedade social (2007 2013) Comissão Europeia Assegurar que o Progress

Leia mais

ESTUDO EXPLORATÓRIO GUIMARÃES, GT:

ESTUDO EXPLORATÓRIO GUIMARÃES, GT: O ESTILO MOTIVACIONAL DE PROFESSORES: UM ESTUDO EXPLORATÓRIO GUIMARÃES, Sueli Édi Rufini UEL GT: Psicologia da Educação / n.20 Agência Financiadora: Fundação Araucária Um dos grandes desafios atuais enfrentados

Leia mais

Declaração de Brighton sobre Mulheres e Desporto

Declaração de Brighton sobre Mulheres e Desporto Declaração de Brighton sobre Mulheres e Desporto A I Conferência Mundial sobre Mulheres e Desporto realizou-se em Brighton, no Reino Unido, entre os dias 5 e 8 de Maio de 1994, reunindo à mesma mesa políticos

Leia mais

DIFICULDADES NO ENSINO DA ORALIDADE EM AULAS DE LÍNGUA INGLESA

DIFICULDADES NO ENSINO DA ORALIDADE EM AULAS DE LÍNGUA INGLESA DIFICULDADES NO ENSINO DA ORALIDADE EM AULAS DE LÍNGUA INGLESA Maria do Socorro Silva RESUMO: O artigo aqui presente trata-se de uma pesquisa realizada em turmas de 9º ano, de duas escolas de rede publica

Leia mais

Qual seria a melhor maneira para despertar nos nossos estudantes o gosto e a vontade de aprender?

Qual seria a melhor maneira para despertar nos nossos estudantes o gosto e a vontade de aprender? Qual seria a melhor maneira para despertar nos nossos estudantes o gosto e a vontade de aprender? O que está na base da desmotivação dos estudantes? Que estratégias usar para que os estudantes mostrem

Leia mais

Inserção Profissional de Pessoas com Deficiência Mental: perspectiva dos empregadores

Inserção Profissional de Pessoas com Deficiência Mental: perspectiva dos empregadores 1 Inserção Profissional de Pessoas com Deficiência Mental: perspectiva dos empregadores O emprego é central a qualquer sociedade, desempenhando um importante papel no comportamento humano e na própria

Leia mais

Modelo de Avaliação da Biblioteca Escolar Domínio B. Leitura e Literacia QEE1: Questionário aos pais e encarregados de educação Amostragem 2012/2013

Modelo de Avaliação da Biblioteca Escolar Domínio B. Leitura e Literacia QEE1: Questionário aos pais e encarregados de educação Amostragem 2012/2013 Modelo de Avaliação da Biblioteca Escolar Domínio B. Leitura e Literacia QEE1: Questionário aos pais e encarregados de educação Amostragem 2012/2013 À comunidade leitora O presente questionário foi entregue

Leia mais

TEORIAS DA PERSONALIDADE

TEORIAS DA PERSONALIDADE 1 Ano Lectivo 2010/11 Psicologia do Desporto e do Exercício PROGRAMA UNIDADE CURRICULAR TEORIAS DA PERSONALIDADE Instituto Politécnico de Santarém Escola Superior de Desporto de Rio Maior Anabela Vitorino

Leia mais

Analfabetismo e alfabetismo funcional no Brasil

Analfabetismo e alfabetismo funcional no Brasil Analfabetismo e alfabetismo funcional no Brasil Vera Masagão Ribeiro 1 A definição sobre o que é analfabetismo vem sofrendo revisões nas últimas décadas. Em 1958, a Unesco definia como alfabetizada uma

Leia mais

Motivar para Aprender O que fazer?

Motivar para Aprender O que fazer? A C T A S D O I E I E L P Motivar para Aprender O que fazer? Motivar para Aprender O que fazer? Helena Oliveira, Paula Costa Agrupamento de Escolas Finisterra - Febres Pós-graduada em Educação Especial,

Leia mais