Masters in Mechanical Engineering. Aerodynamics. Problems of ideal fluid. z = ζ e i π 4

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Masters in Mechanical Engineering. Aerodynamics. Problems of ideal fluid. z = ζ e i π 4"

Transcrição

1 Masters in Mechanical Engineering Aerodynamics Problems of ideal fluid 1. Consider the steady, bi-dimensional, potential and incompressible flow around a circular cylinder. The cylinder is at the origin of the coordinate system ζ = ξ + iη and its radius is 1 meter. The uniform undisturbed flow is aligned with the real axis, ξ, and the velocity modulus U is 10m/s. The cylinder rotates in the clockwise direction at 60 r.p.m. Therefore, a line vortex is located at the origin of the coordinate system to introduce the circulation originated by the cylinder rotation. a) Determine the vortex intensity to simulate the effect of the cylinder rotation. b) Write the complex potential that describes this flow. Consider a conformal mapping applied to the domain ζ given above z = ( ζ ) e i π 4 ζ c) Determine the shape of the body in the transformed plane z. d) Determine the location of the stagnation points in the transformed plane. e) Sketch the flow in the transformed plane. f) Determine the force applied to the body in the transformed plane. 2. Consider the steady, bi-dimensional, potential and incompressible flow around a circular cylinder. The cylinder is at the origin of the coordinate system ζ = ξ + iη and its radius is 1 meter. The uniform undisturbed flow is aligned with the real axis, ξ, and the velocity modulus U is U. a) Write the complex potential that describes this flow. Consider a conformal mapping applied to the domain ζ given above z = ζ e i π ζ e i π 4 1

2 b) Determine the shape of the body in the transformed plane z. c) Determine the location of the stagnation points in the transformed plane. d) Determine the equation(s) that define the dividing streamline(s) in the transformed plane. e) Sketch the flow in the transformed plane. Make a rigorous drawing of the dividing streamlines. 3. Consider the steady, bi-dimensional, potential and incompressible flow around a circular cylinder. The cylinder is at the origin of the coordinate system ζ = ξ + iη and its radius is 1 meter. The uniform undisturbed flow is aligned with the real axis, ξ, and the velocity modulus U is 1m/s. a) Write the complex potential that describes this flow. b) Determine the minimum distance to the cylinder that guarantees a pressure coefficient C p larger than -1. c) Determine the equation of the streamline that contains the point ζ = 0+i2. d) Determine the volume flow rate (per unit width) between the real axis and the streamline of the previous question. Consider a conformal mapping applied to the domain ζ given above z = ζ ζ e) Determine the shape of the body in the transformed plan z. 4. Consider the steady, bi-dimensional, potential and incompressible flow around a circular cylinder. The cylinder is at the origin of the coordinate system ζ = ξ + iη and its radius is 1 meter. The uniform undisturbed flow is aligned with the real axis, ξ, and the velocity modulus U is U. Point P is defined by (ξ =-2,η=0.5) or ζ P = 2+i0.5 a) Determine the minimum distance to the cylinder of the streamline that contains point P. b) Determine the volume flow rate (per unit width) between the streamline that contains point P and the cylinder. 2

3 Consider a conformal mapping applied to the domain ζ given above z = ζ 0.36 ζ c) Determine the shape of the body and sketch the flow in the transformed plane z. d) Determine the minimum pressure coefficient on the surface of the body in the transformed plane. 5. Consider the steady, bi-dimensional, potential and incompressible flow around a circular rotating cylinder (with circulation Γ). The cylinder is at the origin of the coordinate system ζ = ξ + iη and its radius is 1 meter. The uniform undisturbed flow is aligned with the real axis, ξ, and the velocity modulus U =10m/s. The line vortex at the origin of the coordinate system has an intensity of Γ=43m 2 /s. a) Write the complex potential that describes this flow. b) Determine the angular velocity of the cylinder and the direction that the cylinder rotates. c) Determine the maximum and minimum pressure coefficient on the surface of the cylinder and its location. Consider a conformal mapping applied to the domain ζ given above z = ζ + 1 ζ d) Determine the shape of the body and sketch the flow in the transformed plane z. Make a rigorous drawing of the dividing streamlines. e) Determine the force applied to the body in the transformed plane. 6. Consider the steady, bi-dimensional, potential and incompressible flow around a circular cylinder with circulation Γ defined in the coordinate system ζ = ξ + iη. The radius of the cylinder is 1m. The velocity modulus of the uniform undisturbed flow U is 10m/s and U makes an angle of 5 degrees with the real axis ξ. The cylinder centre is located at (0,isenβ) with β = 5 o. 3

4 a) Write the complex potential that describes this flow indicating clearly the selected coordinate system. b) Determine Γ to guarantee that the point (b,0) (intersection of the cylinder with the positive real axis) is a stagnation point. c) Determine the pressure coefficient Cp at the intersections of the cylinder with the imaginary axis. Consider the conformal mapping between the plane ζ and the plane z given by: d) Sketch the flow in the transformed plane. e) Determine the pressure coefficient Cp at the transformed points of the intersections of the cylinder with the imaginary and real axis on plane 7. Consider the steady, bi-dimensional, potential and incompressible flow around a circular cylinder with circulation Γ defined in the coordinate system ζ = ξ + iη. The radius of the cylinder is 1m. The velocity modulus of the uniform undisturbed flow U is 10m/s and U makes an angle of 12 degrees with the real axis ξ. The cylinder centre is located at ( 0.05,i0). a) Write the complex potential that describes this flow indicating clearly the selected coordinate system. Determine Γ to guarantee that the point (b,0) (intersection of the cylinder with the positive real axis) is a stagnation point. b) Determine the minimum pressure coefficient Cp on the surface of the cylinder. c) Determine the intersection of the streamline that contains the point (0,i) with the real axis ξ. Consider the conformal mapping between the plane ζ and the plane z given by: 4

5 d) Sketch the flow in the transformed plane. e) Determine the coordinates of the stagnation points in the transformed plane z. f) Calculate the pressure coefficient Cp at the transformed location of the point of minimum pressure coefficient Cp on the surface of the cylinder. 8. Consider the steady, bi-dimensional, potential and incompressible flow around a circular cylinder. The cylinder is at the origin of the coordinate system ζ = ξ + iη and its radius is 1 meter. The velocity modulus of the uniform undisturbed flow U is 10m/s and U makes an angle of 10 degrees with the real axis ξ. a) Write the complex potential that describes this flow indicating clearly the selected coordinate system. b) Determine the point of the imaginary axis where the modulus of the velocity is 11 m/s. c) Determine the point of intersection between the streamline that contains the point (-2,0) with the imaginary axis. Consider the conformal mapping between the plane ζ and the plane z given by: z = ζ 1 d) Sketch the flow in the transformed plane. e) Determine the coordinates of the stagnation points in the transformed plane z. f) Determine the point(s) of the imaginary axis of the transformed plane for which the modulus of the velocity is 11m/s. 9. Considere o escoamento irrotacional e incompressível em torno de um cilindro circular com circulação, Γ, centrado na origem do referencial ζ = ξ + iη. O raio do cilindro, a, é de 1m. O módulo da velocidade de aproximação, U, é de 5m/s e U faz um ângulo de -8 graus com o eixo horizontal, 5

6 a) Escreva o potencial complexo que representa o escoamento, indicando b) Determine Γ de tal forma que o ponto (1,0), intersecção do cilindro com o eixo real positivo, seja um ponto de estagnação. c) Determine o coeficiente de pressão, Cp, mínimo na superfície do cilindro. d) Calcule a distância ao cilindro do ponto do eixo imaginário negativo em que o módulo da velocidade é igual a 1.5U. Considere a transformação conforme do escoamento no plano ζ para o plano z dada por : z = ζ ζ e) Represente o escoamento no plano transformado, identificando claramente a forma do corpo no plano transformado. f) Calcule o(s) ponto(s) de estagnação no plano transformado. 10. Considere o escoamento irrotacional e incompressível em torno de um cilindro circular com circulação, Γ, no referencial ζ = ξ + iη. O raio do cilindro, a, é de 1m. O módulo da velocidade de aproximação, U, é de 10m/s e U faz um ângulo de -10 graus com o eixo horizontal, ξ. O centro do cilindro encontra-se no ponto (0.1,i0). a) Escreva o potencial complexo que representa o escoamento, indicando b) Determine Γ de tal forma que o ponto (1.1,0), intersecção do cilindro com o eixo real positivo, seja um ponto de estagnação. c) Determine o coeficiente de pressão, Cp, mínimo na superfície do cilindro e a sua localização. Considere a transformação conforme do escoamento no plano ζ para o plano z dada por : z = ζ ζ d) Determine a localização do(s) ponto(s) de estagnação no plano transformado. 6

7 e) Determine a velocidade máxima no plano transformado e a sua localização. f) Desenhe qualitativamente as linhas de corrente no plano tranformado. 11. Considere o escoamento irrotacional e incompressível em torno de um cilindro circular com circulação, Γ, centrado na origem do referencial ζ = ξ + iη. O raio do cilindro, a, é de 1m. O módulo da velocidade de aproximação, U, é de 5m/s e U faz um ângulo de 5 graus com o eixo horizontal, ξ. a) Escreva o potencial complexo que representa o escoamento, indicando b) Determine Γ de tal forma que a linha de corrente que intersecta o eixo real negativo no ponto ( 2, i0), intersecte o eixo imaginário positivo no ponto (0,i1.05). c) Determine a localização do pontos da superfície do cilindro em que o coeficiente de pressão, Cp = p p, 1 2 ρu2 é nulo, Cp = 0. Considere a transformação conforme do escoamento no plano ζ para o plano z dada por : z = ζ 0.8 d) Determine a localização do(s) ponto(s) de estagnação no plano transformado. e) Desenhe qualitativamente as linhas de corrente no plano tranformado. 12. Considere o escoamento irrotacional e incompressível em torno de um cilindro circular de raio 1 com o centro na origem do referencial z = x+iy. O escoamento de aproximação é uniforme, velocidade U, e está alinhado com o eixo real. a) Escreva o potencial complexo que representa o escoamento, b) Determine a distribuição de pressão na superfície do cilindro em termos do coeficiente de pressão, Cp, e indique o valor do Cp mínimo e a sua localização. 7

8 Considere a transformação conforme ζ = z+ c2 z com c < 1. c) Mostre que o potencial complexo no plano transformado representa o escoamento em torno de uma elipse de eixos 2(1+c 2 ) e 2(1 c 2 ). d) Calcule a velocidade no plano tranformado nos pontos definidos por z = i e z = 2 2 (1+i), quando c = 0.8. e) Determine a velocidade máxima na superfície da elipse quando c = Considere o escoamento irrotacional e incompressível em torno de um cilindro circular de raio 1 com o centro na origem do referencial z = x+iy. O escoamento de aproximação é uniforme, velocidade U, e está alinhado com o eixo real. a) Escreva o potencial complexo que representa o escoamento, b) Calcule o vector velocidade no ponto P, (P = 2+i2), e a intersecção da linha de corrente que passa no ponto P com o semi-eixo imaginário positivo, ponto Q. Considere a transformação conforme ζ = z 1 z c) Represente graficamente o escoamento no plano transformado. d) Calcule a localização dos pontos P e Q no plano transformado. Compare a distância dos pontos P e Q à linha de corrente divisória nos dois planos. Comente o resultado. e) Calcule o coeficiente de pressão, Cp, na superfície do corpo transformado e represente-o graficamente. 14. Considere o escoamento bi-dimensional, irrotacional e incompressível em torno de um cilindro circular de raio 1 com circulação. O escoamento de aproximação é uniforme, velocidade U, e faz um ângulo de 5 graus com o eixo real. O cilindro encontra-se centrado na origem do referencial (ξ,η) (plano ζ ). A circulação é introduzida por um vórtice situado na origem do cilindro, cuja intensidade faz com que o ponto (1,0) seja um 8

9 ponto de estagnação. a) Escreva o potencial complexo que representa o escoamento, indicando b) Determine a distribuição de pressão na superfície do cilindro em termos do coeficiente de pressão, Cp, e indique o valor do Cp mínimo e a sua localização. c) Determine o ponto do eixo imaginário positivo para o qual o módulo da velocidade é igual a 1.25U. Considere a transformação conforme z = ζ + 1 d) Represente o escoamento no plano transformado. e) Determine as coordenadas do(s) ponto(s) de estagnação no plano transformado. f) Determine as coordenadas do(s) ponto(s) do corpo no plano transformado em que Cp = Considere o escoamento irrotacional e incompressível em torno de um cilindro circular com circulação, Γ. O raio do cilindro, a, é de 1m. O módulo da velocidade de aproximação, U, é de 10m/s e U faz um ângulo de 10 graus com o eixo horizontal, ξ. O centro do cilindro encontra- -se no ponto (0, 0.05i). a) Escreva o potencial complexo que representa o escoamento, indicando b) Determine Γ de tal forma que o ponto (b,0), intersecção do cilindro com o eixo real positivo, seja um ponto de estagnação. c) Determine o coeficiente de pressão, Cp, mínimo e máximo na superfície do cilindro e a sua localização. Considere a transformação conforme do escoamento no plano ζ para o plano z dada por : d) Desenhe qualitativamente as linhas de corrente no plano transformado. 9

10 e) Determine a localização do(s) ponto(s) de estagnação no plano transformado. 16. Considere o escoamento irrotacional e incompressível em torno de um cilindro circular com circulação, Γ, tal como ilustrado na figura. O raio do cilindro, a, é de 1m. O módulo da velocidade de aproximação, U, é de 10m/s e U faz um ângulo de 5 graus com o eixo horizontal, ξ. O centro do cilindro encontra-se no ponto ( 0.05, 0.05i). η (-0.5,-0.5) U α ξ a) Escreva o potencial complexo que representa o escoamento, indicando b) Determine Γ de tal forma que o ponto (b,0), intersecção do cilindro com o eixo real positivo, seja um ponto de estagnação. c) Determine o coeficiente de pressão, Cp, mínimo ao longo da linha de corrente que passa pelo ponto (0,i1.5). Considere a transformação conforme do escoamento no plano ζ para o plano z dada por : d) Determine a localização do(s) ponto(s) de estagnação no plano transformado. e) Desenhe qualitativamente as linhas de corrente no plano transformado. 17. Considere o escoamento irrotacional e incompressível em torno de um cilindro circular com circulação, Γ. O raio do cilindro, a, é de 1m e está 10

11 centrado na origem do referencial ζ = ξ +iη. O módulo da velocidade de aproximação, U, é de 10m/s e U faz um ângulo de 5 graus com o eixo horizontal, ξ. O centro do cilindro encontra-se no ponto ( 0.05, 0.05i). a) Escreva o potencial complexo que representa o escoamento, indicando b) Determine Γ de tal forma que o ponto (b,0), intersecção do cilindro com o eixo real positivo, seja um ponto de estagnação. c) Determine o coeficiente de pressão, Cp, mínimo ao longo da linha de corrente que passa pelo ponto (0,i1.5). Considere a transformação conforme do escoamento no plano ζ para o plano z dada por : d) Determine a localização do(s) ponto(s) de estagnação no plano transformado. e) Desenhe qualitativamente as linhas de corrente no plano transformado. 18. Considere o escoamento estacionário, bi-dimensional, potencial e incompressível em torno de um cilindro circular. O cilindro tem um raio de 1m e está centrado na origem do referencial ζ = ξ + iη. O escoamento de aproximação uniforme faz um ângulo α com o eixo real ξ e tem uma velocidade com um módulo igual a U. No centro do cilindro existe um vórtice com a intensidade necessária para que o ponto de intersecção do cilindro com o eixo real positivo, ξ = b, seja um ponto de estagnação. a) Escreva o potencial complexo que representa o escoamento em função do ângulo de ataque, α, indicando b) Determine a gama de ângulos de ataque em que o coeficiente de pressão, C p, mínimo do escoamento é superior a -5 (C p > 5). Considere a transformação conforme dada por c) Represente qualitativamente o escoamento no plano transformado e 11

12 determine a velocidade no ponto transformado de ζ = b. d) Determine os valores máximos e mínimos do coeficiente de pressão, C p, no plano transformado e a sua localização em funcção do ângulo de ataque, α. 19. Considere o escoamento estacionário, bi-dimensional, potencial e incompressível em torno de um cilindro circular. O cilindro tem um raio de 1m e está centrado no ponto (-0.06,i0.04) do referencial ζ = ξ + iη. O escoamento de aproximação uniforme faz um ângulo α com o eixo real ξ e tem uma velocidade com módulo igual a U. No centro do cilindro existe um vórtice com a intensidade necessária para que o ponto de intersecção do cilindro com o eixo real positivo, ξ = b, seja um ponto de estagnação. a) Escreva o potencial complexo que representa o escoamento em função do ângulo de ataque, α, indicando b) Determine a gama de ângulos de ataque em que o módulo do coeficiente de força na direcção perpendicular ao eixo ξ, C Fη, é menor do que 0.5 ( C Fη < 0.5). C Fη = 1 2 ρu2 d em que F η é a força na direcção perpendicular ao eixo ξ, ρ é a massa específica do fluido e d é o diâmetro do cilindro. F η Considere a transformação conforme dada por c) Represente qualitativamente o escoamento e identifique detalhadamente a forma do corpo no plano transformado. (Faz parte da resolução saber o que quer dizer detalhadamente) d) Determine a gama de ângulos de ataque em que o módulo do coeficiente de força na direcção perpendicular ao eixo y, C Fy, é inferior a 0.5, ( C Fy < 0.5). Escolha o comprimento de referência mais indicado para adimensionalizar a força F y. 20. Considere o escoamento estacionário bi-dimensional potencial e incompressível em torno de um cilindro circular. O cilindro tem um raio de 1m 12

13 e está centrado na origem do referencial ζ = ξ + iη = ρe iθ. O escoamento de aproximação uniforme faz um ângulo α de 10 graus com o eixo real ξ e tem uma velocidade com um módulo igual a U. No centro do cilindro existe um vórtice com a intensidade necessária para que o ponto de intersecção do cilindro com o eixo real positivo, ξ = b, seja um ponto de estagnação. a) Escreva o potencial complexo que representa o escoamento indicando b) Determine a região do escoamento em que o coeficiente de pressão, C p, é inferior a -3 (C p < 3). S o necessita de determinar a localização exacta dos pontos que se encontram na circunferência ou nos eixos ξ e η (com ρ 1). Para os restantes indique apenas como os determinava. Considere a transformação conforme dada por c) Represente qualitativamente o escoamento no plano transformado. d) Determine os valores máximos e mínimos do coeficiente de pressão, C p, no plano transformado e a sua localização em coordenadas adimensionais (faz parte da resposta saber como devem adimensionalizar as coordenadas). 21. Considere o escoamento estacionário, bi-dimensional, potencial e incompressível em torno de um cilindro circular. O cilindro tem um raio de 1m e está centrado no ponto (0,i0.02) do referencial ζ = ξ +iη. O escoamento de aproximação uniforme faz um ângulo α com o eixo real ξ e tem uma velocidade com um módulo igual a U. No centro do cilindro existe um vórtice com a intensidade necessária para que o ponto de intersecção do cilindro com o eixo real positivo, ξ = b, seja um ponto de estagnação. a) Escreva o potencial complexo que representa o escoamento em função do ângulo de ataque, α, indicando b) Determine o ângulo de ataque em que o coeficiente de força na direcção 13

14 ) ξ, C Fξ, é máximo, (C. Fξ max C Fξ = F ξ 1 2 ρu2 d, em que d é o diâmetro do cilindro. Considere a transformação conforme dada por c) Represente qualitativamente o escoamento no plano transformado indicando claramente a forma do corpo transformado. d) Qual(is) o(s) ângulo(s) de ataque em que o coeficiente de pressão, C p, no plano transformado é sempre superior a -0.1? Qual o valor do C p mínimo para esse(s) ângulo(s) de ataque? 22. Considere o escoamento estacionário, bi-dimensional, potencial e incompressível em torno de um cilindro circular. O cilindro tem um raio de 1m e está centrado no ponto (-0.02,i0) do referencial ζ = ξ + iη. O escoamento de aproximação uniforme faz um ângulo α, (α < π/2), com o eixo real ξ e tem uma velocidade com um módulo igual a U. No centro do cilindro existe um vórtice com a intensidade necessária para que o ponto de intersecção do cilindro com o eixo real positivo, ξ = b, seja um ponto de estagnação. a) Escreva o potencial complexo que representa o escoamento em função do ângulo de ataque, α, indicando b) Determine o ângulo de ataque para o qual se obtem o valor mínimo do coeficiente de pressão, C p, no ponto de interseção do cilindro com o eixo imaginário positivo, P na figura. Considere a transformação conforme dada por c) Represente qualitativamente o escoamento no plano transformado indicando claramente a forma do corpo transformado. 14

15 d) Qual a gama de ângulos de ataque em que o coeficiente de pressão, C p, no bordo de ataque é maior do que zero, (C p ) bordo de ataque > 0? 23. Considere o escoamento estacionário, bi-dimensional, potencial e incompressível em torno de um cilindro circular. O cilindro tem um raio de 1m e está centrado na origem do referencial ζ = ξ + iη = ρe iθ. O escoamento de aproximação uniforme faz um ângulo α com o eixo real ξ e tem uma velocidade com um módulo igual a U. No centro do cilindro existe um vórtice com a intensidade necessária para que o ponto de intersecção do cilindro com o eixo real positivo, ξ = b, seja um ponto de estagnação. a) Escreva o potencial complexo que representa o escoamento indicando b) Determine a gama de ângulos de ataque para os quais o coeficiente de pressão, C p, não é inferior a -3.5 em todo o escoamento (C p 3.5). Considere a transformação conforme dada por c) Determine os valores máximos e mínimos do coeficiente de pressão, C p, no plano transformado e a sua localização (coordenadas adimensionais) em função do ângulo de ataque α (faz parte da resposta saber como deve adimensionalizar as coordenadas). 24. Considere o escoamento estacionário, bi-dimensional, potencial e incompressível em torno de um cilindro circular. O cilindro tem um raio de 1m e está centrado no ponto (-0.02,-i0.04) do referencial ζ = ξ + iη. O escoamento de aproximação uniforme faz um ângulo α com o eixo real ξ e tem uma velocidade com um módulo igual a U. No centro do cilindro existe um vórtice com a intensidade necessária para que o ponto de intersecção do cilindro com o eixo real positivo, ξ = b, seja um ponto de estagnação. a) Escreva o potencial complexo que representa o escoamento em função do ângulo de ataque, α, indicando b) Determine o ângulo de ataque para o qual o coeficiente de pressão 15

16 mínimo se encontra no eixo imaginário negativo. Considere a transformação conforme dada por que transforma o cilindro num perfil de Joukowski. c) Represente qualitativamente o escoamento no plano transformado para o ângulo de sustentação nula indicando claramente as características geométricas do perfil. d) Determine o ângulo de ataque para o qual o ponto de estagnação se encontra no bordo de ataque. 25. Considere o escoamento estacionário, bi-dimensional, potencial e incompressível em torno de um cilindro circular. O cilindro tem um raio de 1m e está centrado na origem do referencial ζ = ξ + iη. O escoamento de aproximação uniforme faz um ângulo α com o eixo real ξ e tem uma velocidade com um módulo igual a U. No centro do cilindro existe um vórtice com a intensidade necessária para que o ponto de intersecção do cilindro com o eixo real positivo, ξ = b, seja um ponto de estagnação. a) Escreva o potencial complexo que representa o escoamento em função do ângulo de ataque, α, indicando b) Determine a gama de ângulos de ataque para a qual o coeficiente de pressão é sempre superior a -4. Considere a transformação conforme de Kármán-Treftz dada por z = kb (ζ + b)k +(ζ b) k (ζ + b) k (ζ b) k com k = 1.95 que transforma o cilindro num perfil. c) Determine a espessura relativa do perfil. d) Determine o coeficiente de sustentação do perfil a pequenos ângulos de ataque. 26. Considere o escoamento estacionário, bi-dimensional, potencial e incompressível em torno de um cilindro circular. O cilindro tem um raio de 1m 16

17 e está centrado no ponto (-0.05,i0.01) do referencial ζ = ξ +iη. O escoamento de aproximação uniforme faz um ângulo α com o eixo real ξ e tem uma velocidade com um módulo igual a U. No centro do cilindro existe um vórtice com a intensidade necessária para que o ponto de intersecção do cilindro com o eixo real positivo, ξ = b, seja um ponto de estagnação. a) Escreva o potencial complexo que representa o escoamento indicando b) Determine a gama de ângulos de ataque para a qual os pontos de estagnação se encontram na região definida por 0 η Considere a transformação conforme dada por que transforma o cilindro num perfil de Joukowski. c) Represente qualitativamente o escoamento no plano transformado indicando claramente as características geométricas do perfil. d) Determine a localização do(s) ponto(s) de estanagção no perfil em função do ângulo de ataque. 27. Considere o escoamento estacionário, bi-dimensional, potencial e incompressível em torno de um cilindro circular. O cilindro tem um raio de 1m e está centrado no ponto (0, i0.02) do referencial ζ = ξ + iη. O escoamento de aproximação uniforme faz um ângulo α com o eixo real ξ e tem uma velocidade com um módulo igual a U. No centro do cilindro existe um vórtice com a intensidade necessária para que o ponto de intersecção do cilindro com o eixo real positivo, ξ = b, seja um ponto de estagnação. a) Escreva o potencial complexo que representa o escoamento em função do ângulo de ataque, α, indicando b) Determine, caso exista, o ângulo de ataque para o qual o coeficiente de pressão mínimo está localizado na intersecção do cilindro com o eixo imaginário negativo. c) Determine, caso exista, o ângulo de ataque para o qual o(s) ponto(s) de coeficiente de pressão máximo se encontra(m) apenas no eixo real (posi- 17

18 tivo e negativo). d) Considere a transformação conforme de Kármán-Treftz dada por z = kb (ζ + b)k +(ζ b) k (ζ + b) k (ζ b) k com k = 1,96 que transforma o cilindro num perfil. d.1) Determine o perfil no plano transformado e indique a sua espessura e flecha relativas. d.2) Determine o coeficiente de pressão mínimo na superfície do perfil para o ângulo de sustentação nula. 28. Considere o escoamento estacionário, bi-dimensional, potencial e incompressível em torno de um cilindro circular. O cilindro tem um raio de 1m e está centrado no ponto ( 0,01,i0,02) do referencial ζ = ξ + iη. O escoamento de aproximação uniforme faz um ângulo α com o eixo real ξ e tem uma velocidade com um módulo igual a U. No centro do cilindro existe um vórtice com a intensidade necessária para que o ponto de intersecção do cilindro com o eixo real positivo, ξ = b, seja um ponto de estagnação. a) Escreva o potencial complexo que representa o escoamento em função do ângulo de ataque, α, indicando b) Determine a gama de ângulos de ataque para a qual o coeficiente de pressão se encontra no intervalo [-3,5,1] ( 3,5 C p 1) em todo o escoamento (C p = (p p /(1/2ρU 2 ). Considere a transformação conforme ζ que transforma o cilindro num perfil de Joukowski c) Desenhe qualitativamente as linhas de corrente no plano transformado para o ângulo de sustentação nula e determine a espessura e flecha relativas do perfil. 18

19 d) Determine a gama de ângulos de ataque para a qual o coeficiente de pressão no bordo de ataque é maior do que 0, Considere o escoamento estacionário, bi-dimensional, potencial e incompressível em torno de um cilindro circular. O cilindro tem um raio de 1m e está centrado no ponto (0, i0,01) do referencial ζ = ξ + iη. O escoamento de aproximação uniforme faz um ângulo α com o eixo real ξ e tem uma velocidade com um módulo igual a U. No centro do cilindro existe um vórtice com a intensidade necessária para que o ponto de intersecção do cilindro com o eixo real positivo, ξ = b, seja um ponto de estagnação. a) Escreva o potencial complexo que representa o escoamento em função do ângulo de ataque, α, indicando b) Determine a gama de ângulos de ataque para a qual o coeficiente de pressão na intersecção do cilindro com o eixo real negativo (ξ = b,η = 0) se encontra no intervalo [0,8, 1] (0,8 C p 1, com C p = (p p /(1/2ρU 2 ). Considere a transformação conforme ζ que transforma o cilindro num perfil de Joukowski c) Desenhe qualitativamente as linhas de corrente no plano transformado para o ângulo de sustentação nula e determine a espessura e flecha relativas do perfil. d) Determine o coeficiente de pressão mínimo e máximo e a sua localização (em coordenadas adimensionais) para o ângulo de sustentação nula. 19

Mestrado Integrado em Engenharia Aeroespacial Aerodinâmica I. Fluido Perfeito

Mestrado Integrado em Engenharia Aeroespacial Aerodinâmica I. Fluido Perfeito Mestrado Integrado em Engenharia Aeroespacial Aerodinâmica I Fluido Perfeito 1. Considere o escoamento bidimensional, irrotacional e incompressível definido pelo potencial φ = a) Mostre que φ satisfaz

Leia mais

Mestrado Integrado em Engenharia Aeroespacial Aerodinâmica I. Perfis em Fluido Perfeito

Mestrado Integrado em Engenharia Aeroespacial Aerodinâmica I. Perfis em Fluido Perfeito Mestrad Integrad em Engenharia Aeresacial Aerdinâmica I Perfis em Fluid Perfeit 9. nsidere escament estacinári, i-dimensinal, tencial e incmressível em trn de um cilindr circular. O cilindr tem um rai

Leia mais

ANÁLISE DO ESCOAMENTO SOBRE AEROFÓLIOS USANDO A TÉCNICA DOS VOLUMES FINITOS

ANÁLISE DO ESCOAMENTO SOBRE AEROFÓLIOS USANDO A TÉCNICA DOS VOLUMES FINITOS ANÁLISE DO ESCOAMENTO SOBRE AEROFÓLIOS USANDO A TÉCNICA DOS VOLUMES FINITOS Stéfano Bruno Ferreira IC Aluno de graduação do curso de Engenharia Aeronáutica do Instituto Tecnológico de Aeronáutica Bolsista

Leia mais

Aplicação de REVOLVED, ARRAY, HOLE, DATUM PLANE, SHELL, MIRROR, RULED, THROUGH CURVE, SWEPT, SWEEP. Estas ações estão sempre relacionadas com Sketch

Aplicação de REVOLVED, ARRAY, HOLE, DATUM PLANE, SHELL, MIRROR, RULED, THROUGH CURVE, SWEPT, SWEEP. Estas ações estão sempre relacionadas com Sketch Programa CAD Unigraphics-2 12 JOF-2 2-1 Application MODELING Aplicação de REVOLVED, ARRAY, HOLE, DATUM PLANE, SHELL, MIRROR, RULED, THROUGH CURVE, SWEPT, SWEEP. Estas ações estão sempre relacionadas com

Leia mais

Computação Gráfica 3D Studio Max 2008.1 www.damasceno.info Prof.: Luiz Gonzaga Damasceno

Computação Gráfica 3D Studio Max 2008.1 www.damasceno.info Prof.: Luiz Gonzaga Damasceno 4.2.1 Criação de Splines (continuação) Circle Spline Create panel > Shapes > Splines > Object Type > Circle Create menu > Shapes > Circle Use Circle para criar splines circulares fechadas feitas de quatro

Leia mais

AutoCAD Mechanical Acelerando seus projetos 2D José Luiz Gallego de Mello Jr

AutoCAD Mechanical Acelerando seus projetos 2D José Luiz Gallego de Mello Jr José Luiz Gallego de Mello Jr MA4529 - Essa classe tem o propósito de mostrar as principais funcionalidades da solução AutoCAD Mechanical, que permitem reduzir drasticamente o tempo de criação de desenhos

Leia mais

Lista 1 Cinemática em 1D, 2D e 3D

Lista 1 Cinemática em 1D, 2D e 3D UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA DEPARTAMENTO DE ESTUDOS BÁSICOS E INSTRUMENTAIS CAMPUS DE ITAPETINGA PROFESSOR: ROBERTO CLAUDINO FERREIRA DISCIPLINA: FÍSICA I Aluno (a): Data: / / NOTA: Lista

Leia mais

Exercícios: Funções e Campos Vetoriais

Exercícios: Funções e Campos Vetoriais Eercícios: Funções e Campos Vetoriais. Faça a representação gráfica dos campos vetoriais gerados por: a) V [, y] b) V y i j c) V [, y ]. Determine o lugar no espaço onde os vetores, do eercício anterior,

Leia mais

1 Considere o gráfico da figura a seguir, que representa a funçãov(t), relativa a um dado movimento rectilineo. v(ms 1 )

1 Considere o gráfico da figura a seguir, que representa a funçãov(t), relativa a um dado movimento rectilineo. v(ms 1 ) Parte B Física 1- Movimento a uma dimensão 1 Considere o gráfico da figura a seguir, que representa a funçãov(t), relativa a um dado movimento rectilineo. v(ms 1 ) 1.1 Qualovalordavelocidadeinicialdomóvel?

Leia mais

Lei de Gauss da Eletricidade. Prof. Rudi Gaelzer IFM/UFPel (Física Básica III )

Lei de Gauss da Eletricidade. Prof. Rudi Gaelzer IFM/UFPel (Física Básica III ) Lei de Gauss da Eletricidade Objetivos iremos aprender: O que significa fluxo elétrico e como é possível calcular o mesmo. Como é possível determinar a carga elétrica delimitada por uma superfície fechada

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DAS CURVAS DE POTÊNCIA DE UM VENTILADOR DE FLUXO AXIAL

CARACTERIZAÇÃO DAS CURVAS DE POTÊNCIA DE UM VENTILADOR DE FLUXO AXIAL XIX Congresso Nacional de Estudantes de Engenharia Mecânica - 13 a 17/08/2012 São Carlos-SP Artigo CREEM2012 CARACTERIZAÇÃO DAS CURVAS DE POTÊNCIA DE UM VENTILADOR DE FLUXO AXIAL Rangel S. Maia¹, Renato

Leia mais

MATEMÁTICA A VERSÃO 1

MATEMÁTICA A VERSÃO 1 gabinete de avaliação educacional T E S T E I N T E R M É D I O 11.º Ano de Escolaridade (Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março) Duração da Prova: 90 minutos 10/Maio/2007 MATEMÁTICA A VERSÃO 1 Na sua

Leia mais

Pressão Estática, de Estagnação e Dinâmica

Pressão Estática, de Estagnação e Dinâmica Pressão Estática, de Estagnação e Dinâmica p V gz cte p 1 V z cte A pressão p que aparece na equação de Bernoulli é a pressão termodinâmica, comumente chamada de pressão estática. Para medirmos p, poderíamos

Leia mais

Matemática. Subtraindo a primeira equação da terceira obtemos x = 1. Substituindo x = 1 na primeira e na segunda equação obtém-se o sistema

Matemática. Subtraindo a primeira equação da terceira obtemos x = 1. Substituindo x = 1 na primeira e na segunda equação obtém-se o sistema Matemática 01. A ilustração a seguir é de um cubo com aresta medindo 6 cm. A, B, C e D são os vértices indicados do cubo, E é o centro da face contendo C e D, e F é o pé da perpendicular a BD traçada a

Leia mais

Comandos Draw. Prof. Msc. Rogério Simões Departamento de Engenharia de Produção e Sistemas

Comandos Draw. Prof. Msc. Rogério Simões Departamento de Engenharia de Produção e Sistemas Comandos Draw As primitivas geométricas são os elementos geométricos que compõem um desenho. Entre elas, podemos citar linhas, arcos, textos, círculos, etc. Esses comandos estão no menu Draw e alguns deles

Leia mais

CONSERVAÇÃO DA ENERGIA MECÂNICA

CONSERVAÇÃO DA ENERGIA MECÂNICA Departamento de Física da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa T3 Física Experimental I - 2007/08 CONSERVAÇÃO DA ENERGIA MECÂNICA 1. Objectivo Verificar a conservação da energia mecânica de

Leia mais

CINEMÁTICA - É a parte da mecânica que estuda os vários tipos de movimento, sem se preocupar com as causas destes movimentos.

CINEMÁTICA - É a parte da mecânica que estuda os vários tipos de movimento, sem se preocupar com as causas destes movimentos. INTRODUÇÃO À CINEMÁTICA REPOUSO OU MOVIMENTO? DEPENDE DO REFERENCIAL! CINEMÁTICA - É a parte da mecânica que estuda os vários tipos de movimento, sem se preocupar com as causas destes movimentos. REFERENCIAL.

Leia mais

Aula 2_1. Lei de Gauss I. Física Geral e Experimental III Prof. Cláudio Graça Capítulo 3

Aula 2_1. Lei de Gauss I. Física Geral e Experimental III Prof. Cláudio Graça Capítulo 3 Aula 2_1 Lei de Gauss I Física Geral e xperimental III Prof. Cláudio Graça Capítulo 3 Conceito de Fluxo do campo elétrico Fluxo do campo elétrico num campo uniforme Suponhamos uma superfície plana de área

Leia mais

Exercícios de Matemática Geometria Analítica - Circunferência

Exercícios de Matemática Geometria Analítica - Circunferência Exercícios de Matemática Geometria Analítica - Circunferência ) (Unicamp-000) Sejam A e B os pontos de intersecção da parábola y = x com a circunferência de centro na origem e raio. a) Quais as coordenadas

Leia mais

Tópico 02: Movimento Circular Uniforme; Aceleração Centrípeta

Tópico 02: Movimento Circular Uniforme; Aceleração Centrípeta Aula 03: Movimento em um Plano Tópico 02: Movimento Circular Uniforme; Aceleração Centrípeta Caro aluno, olá! Neste tópico, você vai aprender sobre um tipo particular de movimento plano, o movimento circular

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE Escola de Engenharia Industrial Metalúrgica de Volta Redonda PROVAS RESOLVIDAS DE CÁLCULO VETORIAL Professora Salete Souza de Oliveira Aluna Thais Silva de Araujo P1 Turma

Leia mais

grandeza do número de elétrons de condução que atravessam uma seção transversal do fio em segundos na forma, qual o valor de?

grandeza do número de elétrons de condução que atravessam uma seção transversal do fio em segundos na forma, qual o valor de? Física 01. Um fio metálico e cilíndrico é percorrido por uma corrente elétrica constante de. Considere o módulo da carga do elétron igual a. Expressando a ordem de grandeza do número de elétrons de condução

Leia mais

SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO.

SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO. UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS FÍSICA 2 a Etapa SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO. Leia atentamente as instruções que se seguem. 1 - Este Caderno de Provas contém seis questões, constituídas de itens e subitens,

Leia mais

Podemos considerar a elipse como uma circunferência achatada. Para indicar o maior ou menor achatamento, definimos a excentricidade:

Podemos considerar a elipse como uma circunferência achatada. Para indicar o maior ou menor achatamento, definimos a excentricidade: Leis de Kepler Considerando um referencial fixo no Sol, por efeito da lei da gravitação universal, o movimento dos planetas ao redor do Sol acontece segundo as três leis de Kepler. Na verdade, as leis

Leia mais

Extradorso. Intradorso. Corda

Extradorso. Intradorso. Corda AERODINÂMICA Parapente SUMÁRIO Nomenclatura do perfil Sustentação Nomenclatura e estrutura da asa Forças que actuam na asa Controlo da asa Performance Envelope de Voo O PERFIL e a ASA 4 GEOMETRIA DO PERFIL

Leia mais

PROJETO SALA DE AULA

PROJETO SALA DE AULA PROJETO SALA DE AULA 1. Identificação: Título: APRENDENDO FUNÇÕES BRINCANDO Série: 1º série do Ensino Fundamental Softwares Necessários: Cabri-Géomètre, Jogos de Funções e Graphmatica Tempo previsto: Seis

Leia mais

Trabalho Computacional. A(h) = V h + 2 V π h, (1)

Trabalho Computacional. A(h) = V h + 2 V π h, (1) Unidade de Ensino de Matemática Aplicada e Análise Numérica Departamento de Matemática/Instituto Superior Técnico Matemática Computacional (Mestrado em Engenharia Física Tecnológica) 2014/2015 Trabalho

Leia mais

LISTA UERJ 2014 LEIS DE NEWTON

LISTA UERJ 2014 LEIS DE NEWTON 1. (Pucrj 2013) Sobre uma superfície sem atrito, há um bloco de massa m 1 = 4,0 kg sobre o qual está apoiado um bloco menor de massa m 2 = 1,0 kg. Uma corda puxa o bloco menor com uma força horizontal

Leia mais

Aula 18 Elipse. Objetivos

Aula 18 Elipse. Objetivos MÓDULO 1 - AULA 18 Aula 18 Elipse Objetivos Descrever a elipse como um lugar geométrico. Determinar a equação reduzida da elipse no sistema de coordenadas com origem no ponto médio entre os focos e eixo

Leia mais

1 a QUESTÃO: (2,0 pontos) Avaliador Revisor

1 a QUESTÃO: (2,0 pontos) Avaliador Revisor 1 a QUESTÃO: (,0 pontos) Avaliador evisor Vários fenômenos físicos podem ser explicados pela propagação retilínea da luz em meios homogêneos. Essa hipótese é conhecida como o modelo do raio luminoso da

Leia mais

Mecânica 2007/2008. 6ª Série

Mecânica 2007/2008. 6ª Série Mecânica 2007/2008 6ª Série Questões: 1. Suponha a=b e M>m no sistema de partículas representado na figura 6.1. Em torno de que eixo (x, y ou z) é que o momento de inércia tem o menor valor? e o maior

Leia mais

Universidade do Vale do Paraíba Faculdade de Engenharias, Arquitetura e Urbanismo - FEAU. Fundamentos Física Prof. Dra. Ângela Cristina Krabbe

Universidade do Vale do Paraíba Faculdade de Engenharias, Arquitetura e Urbanismo - FEAU. Fundamentos Física Prof. Dra. Ângela Cristina Krabbe Universidade do Vale do Paraíba Faculdade de Engenharias, Arquitetura e Urbanismo - FEAU Fundamentos Física Prof. Dra. Ângela Cristina Krabbe Lista de exercícios 1. Considerando as grandezas físicas A

Leia mais

a) os módulos das velocidades angulares ωr NOTE E ADOTE

a) os módulos das velocidades angulares ωr NOTE E ADOTE 1. Um anel condutor de raio a e resistência R é colocado em um campo magnético homogêneo no espaço e no tempo. A direção do campo de módulo B é perpendicular à superfície gerada pelo anel e o sentido está

Leia mais

FRONTEIRA IMERSA PARA CORPOS ESBELTOS

FRONTEIRA IMERSA PARA CORPOS ESBELTOS Faculdade de Engenharia Mecânica Universidade Federal de Uberlândia 18 e 19 de Novembro de 2015, Uberlândia - MG FRONTEIRA IMERSA PARA CORPOS ESBELTOS João Rodrigo Andrade, jandrade@mec.ufu.br Aristeu

Leia mais

IBM1018 Física Básica II FFCLRP USP Prof. Antônio Roque Aula 4

IBM1018 Física Básica II FFCLRP USP Prof. Antônio Roque Aula 4 Lei de Gauss Considere uma distribuição arbitrária de cargas ou um corpo carregado no espaço. Imagine agora uma superfície fechada qualquer envolvendo essa distribuição ou corpo. A superfície é imaginária,

Leia mais

Física e Química A. Teste Intermédio de Física e Química A. Teste Intermédio. Versão 1. Duração do Teste: 90 minutos 11.02.2010

Física e Química A. Teste Intermédio de Física e Química A. Teste Intermédio. Versão 1. Duração do Teste: 90 minutos 11.02.2010 Teste Intermédio de Física e Química A Teste Intermédio Física e Química A Versão 1 Duração do Teste: 90 minutos 11.02.2010 11.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Na folha de

Leia mais

MECÂNICA DOS FLUIDOS 2 ME262

MECÂNICA DOS FLUIDOS 2 ME262 UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE TECNOLOGIA E GEOCIÊNCIAS (CTG) DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA (DEMEC) MECÂNICA DOS FLUIDOS ME6 Prof. ALEX MAURÍCIO ARAÚJO (Capítulo 5) Recife - PE Capítulo

Leia mais

Astronomia/Kepler. As hipóteses de Kepler [editar] Colaborações com Tycho Brahe [editar]

Astronomia/Kepler. As hipóteses de Kepler [editar] Colaborações com Tycho Brahe [editar] Astronomia/Kepler < Astronomia Astronomia Uma das importantes personagens da Astronomia foi Johannes Kepler.. Como muitos astrônomos de sua época, Kepler era também um astrólogo e uma de suas crenças fundamentais

Leia mais

Autodesk Inventor 7. Tutorial de Modelamento 3D Básico. Modelamento de uma Polia. Autor: Cristiano Nogueira Silva

Autodesk Inventor 7. Tutorial de Modelamento 3D Básico. Modelamento de uma Polia. Autor: Cristiano Nogueira Silva Autodesk Inventor 7 Tutorial de Modelamento 3D Básico Modelamento de uma Polia Autor: Cristiano Nogueira Silva Reprodução e divulgação totalmente permitidas pelo autor. Apenas pedimos que sejam mantidas

Leia mais

Sketch... 11 Seqüência para criar o sketcher Sketch tools Profile Operation. Constraint... 15

Sketch... 11 Seqüência para criar o sketcher Sketch tools Profile Operation. Constraint... 15 DAC 6 DESENHO E MANUFATURA AUXILIADO POR COMPUTADOR NOTAS DE AULA PROF. DANIEL CAMUSSO 2007 REVISÃO 01 ÍNDICE Iniciar o CATIA V5... 3 Interface do usuário... 3 Menu Start Barra de menus Barra de ferramentas

Leia mais

A EQUAÇÃO DO MOVIMENTO EM OCEANOGRAFIA

A EQUAÇÃO DO MOVIMENTO EM OCEANOGRAFIA A EQUAÇÃO DO MOVIMENTO EM OCEANOGRAFIA Escrever a equação do movimento corresponde a escrever a 2ª Lei de Newton (F = ma) numa forma que possa ser aplicada à oceanografia. Esta Lei diz-nos que como resultado

Leia mais

Mestrado Integrado em Engenharia Química Ano lectivo de 2011/2012, 1 o semestre Exame Normal de Física I 16 de Janeiro de 2012

Mestrado Integrado em Engenharia Química Ano lectivo de 2011/2012, 1 o semestre Exame Normal de Física I 16 de Janeiro de 2012 Mestrado Integrado em Engenharia Química Ano lectivo de 0/0, o semestre Exame Normal de Física I 6 de Janeiro de 0. Considere um objecto que desliza livremente e ao longo de uma linha recta sobre um piso

Leia mais

Ao descolarmos de uma grande altitude a densidade diminui, o que acontece à sustentação?

Ao descolarmos de uma grande altitude a densidade diminui, o que acontece à sustentação? O que é a aerodinâmica? Aerodinâmica é o estudo do ar em movimento e das forças que actuam em superfícies sólidas, chamadas asas, que se movem no ar. Aerodinâmica deriva do grego "aer", ar, e "dynamis",

Leia mais

a) Estime o intervalo de tempo t 1 , em segundos, que a bola levou para ir do ponto A ao ponto B. b) Estime o intervalo de tempo t 2

a) Estime o intervalo de tempo t 1 , em segundos, que a bola levou para ir do ponto A ao ponto B. b) Estime o intervalo de tempo t 2 1 FÍSICA Durante um jogo de futebol, um chute forte, a partir do chão, lança a bola contra uma parede próxima. Com auxílio de uma câmera digital, foi possível reconstituir a trajetória da bola, desde o

Leia mais

2 Descrição do movimento de um ponto material no espaço e no tempo

2 Descrição do movimento de um ponto material no espaço e no tempo 2 Descrição do movimento de um ponto material no espaço e no tempo 2.1. Num instante t i um corpo parte de um ponto x i num movimento de translação a uma dimensão, com módulo da velocidade v i e aceleração

Leia mais

ANÁLISE DE MALHAS COMPUTACIONAIS EM TORNO DE PEÇAS DE INTERESSE EM ENGENHARIA AERONÁUTICA

ANÁLISE DE MALHAS COMPUTACIONAIS EM TORNO DE PEÇAS DE INTERESSE EM ENGENHARIA AERONÁUTICA ANÁLISE DE MALHAS COMPUTACIONAIS EM TORNO DE PEÇAS DE INTERESSE EM ENGENHARIA AERONÁUTICA Bruno Quadros Rodrigues IC saraiva06@bol.com.br Nide Geraldo docouto R. F. Jr PQ nide@ita.br Instituto Tecnológico

Leia mais

3.1 Controlos numéricos

3.1 Controlos numéricos 3.1 Controlos numéricos 1º Seleccionar sobre o menu Numeric Controls o objecto Knob 2º Seleccionar sobre o menu Numeric Indicators o objecto numeric indicator 28 3.1 Controlos numéricos 3º Efectuar a seguinte

Leia mais

PROFº. LUIS HENRIQUE MATEMÁTICA

PROFº. LUIS HENRIQUE MATEMÁTICA Geometria Analítica A Geometria Analítica, famosa G.A., ou conhecida como Geometria Cartesiana, é o estudo dos elementos geométricos no plano cartesiano. PLANO CARTESIANO O sistema cartesiano de coordenada,

Leia mais

Exercícios de Física Gravitação Universal

Exercícios de Física Gravitação Universal Exercícios de Física Gravitação Universal 1-A lei da gravitação universal de Newton diz que: a) os corpos se atraem na razão inversa de suas massas e na razão direta do quadrado de suas distâncias. b)

Leia mais

Resistência Resistência do Navio. Resistência Resistência do Navio

Resistência Resistência do Navio. Resistência Resistência do Navio do Navio 1 do Navio do navio: do navio a uma velocidade constante é a força necessária para rebocar o navio a essa velocidade em águas tranquilas. Se a querena não tiver apêndices a resistência diz-se

Leia mais

Programa CAD Inventor Professional - Part _1

Programa CAD Inventor Professional - Part _1 Programa CAD Inventor Professional - Part _1 IVR2008-06 06 JOF 1 Criações neste Programa Part: modelação de uma peça normal ou tipo chapa (com uma espessura constante); ipt. Assembly: ligação (link) entre

Leia mais

ANÁLISE TRIDIMENSIONAL DA VELOCIDADE E PRESSÃO ESTATÍSCA DO AR EM SILO DE AERAÇÃO USANDO ELEMENTOS FINITOS RESUMO ABSTRACT 1.

ANÁLISE TRIDIMENSIONAL DA VELOCIDADE E PRESSÃO ESTATÍSCA DO AR EM SILO DE AERAÇÃO USANDO ELEMENTOS FINITOS RESUMO ABSTRACT 1. ANÁLISE TRIDIMENSIONAL DA VELOCIDADE E PRESSÃO ESTATÍSCA DO AR EM SILO DE AERAÇÃO USANDO ELEMENTOS FINITOS RESUMO EDUARDO VICENTE DO PRADO 1 DANIEL MARÇAL DE QUEIROZ O método de análise por elementos finitos

Leia mais

Centro de Massa. Curso: Engenharia Disciplina: complementos de Física Professor: Douglas Assunto: Centro de Massa E Momento de Inércia

Centro de Massa. Curso: Engenharia Disciplina: complementos de Física Professor: Douglas Assunto: Centro de Massa E Momento de Inércia Curso: Engenharia Disciplina: complementos de Física Professor: Douglas Assunto: Centro de Massa E Momento de Inércia Centro de Massa O centro de massa de um sistema de partículas é o ponto que se move

Leia mais

Matemática A. Teste Intermédio Matemática A. Versão 1. Teste Intermédio. Versão 1. Duração do Teste: 90 minutos 24.01.2008. 11.º Ano de Escolaridade

Matemática A. Teste Intermédio Matemática A. Versão 1. Teste Intermédio. Versão 1. Duração do Teste: 90 minutos 24.01.2008. 11.º Ano de Escolaridade Teste Intermédio Matemática A Versão 1 Teste Intermédio Matemática A Versão 1 Duração do Teste: 90 minutos 24.01.2008 11.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Na sua folha de respostas,

Leia mais

CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO FÍSICA CADERNO DE QUESTÕES

CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO FÍSICA CADERNO DE QUESTÕES CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO FÍSICA CADERNO DE QUESTÕES 1 a QUESTÃO Valor: 1,00 A L 0 H mola apoio sem atrito B A figura acima mostra um sistema composto por uma parede vertical

Leia mais

TIPO-A FÍSICA. r 1200 v média. Dado: Aceleração da gravidade: 10 m/s 2. Resposta: 27

TIPO-A FÍSICA. r 1200 v média. Dado: Aceleração da gravidade: 10 m/s 2. Resposta: 27 1 FÍSICA Dado: Aceleração da gravidade: 10 m/s 01. Considere que cerca de 70% da massa do corpo humano é constituída de água. Seja 10 N, a ordem de grandeza do número de moléculas de água no corpo de um

Leia mais

Exercícios de Física Gravitação Universal

Exercícios de Física Gravitação Universal Exercícios de Física Gravitação Universal 1-A lei da gravitação universal de Newton diz que: a) os corpos se atraem na razão inversa de suas massas e na razão direta do quadrado de suas distâncias. b)

Leia mais

AS 4 QUESTÕES DA PARTE A SÃO OBRIGATÓRIAS. ESCOLHA 2, E APENAS 2, QUESTÕES DA PARTE B. A PROVA TEM DURAÇÃO MÁXIMA DE 4 HORAS. BOA PROVA.

AS 4 QUESTÕES DA PARTE A SÃO OBRIGATÓRIAS. ESCOLHA 2, E APENAS 2, QUESTÕES DA PARTE B. A PROVA TEM DURAÇÃO MÁXIMA DE 4 HORAS. BOA PROVA. EXAME UNIFICADO DAS PÓS-GRADUAÇÕES EM FÍSICA DO RIO DE JANEIRO Segundo Semestre de 01-13 de julho de 01 AS 4 QUESTÕES DA PARTE A SÃO OBRIGATÓRIAS. ESCOLHA E APENAS QUESTÕES DA PARTE B. A PROVA TEM DURAÇÃO

Leia mais

E x c e l 4 F o r m a t a ç õ e s e G r á fi c o s

E x c e l 4 F o r m a t a ç õ e s e G r á fi c o s E x c e l 4 F o r m a t a ç õ e s e G r á fi c o s Pretende-se criar um livro de trabalho para guardar e analisar os dados relativos às vendas efetuadas no ano de 2010, pelo stand de automóveis Auto,

Leia mais

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE AUTOMOBILISMO

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE AUTOMOBILISMO CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE AUTOMOBILISMO FICHA DE HOMOLOGAÇÃO MOTOR 125cc REFRIGERADO A ÁGUA Fabricante Manufacturer MAXTER Marca Make MAXTER Modelo Model SUDAM - RXX Nº Homologação Nº Homologation CBA

Leia mais

a) O tempo total que o paraquedista permaneceu no ar, desde o salto até atingir o solo.

a) O tempo total que o paraquedista permaneceu no ar, desde o salto até atingir o solo. (MECÂNICA, ÓPTICA, ONDULATÓRIA E MECÂNICA DOS FLUIDOS) 01) Um paraquedista salta de um avião e cai livremente por uma distância vertical de 80 m, antes de abrir o paraquedas. Quando este se abre, ele passa

Leia mais

Geometria Descritiva

Geometria Descritiva Geometria Descritiva Revisão: Interseção entre um plano projetante e um plano não projetante INTERSEÇÃO entre DOIS PLANOS NÃO PROJETANTES Interseção entre um plano projetante e um plano não projetante

Leia mais

Considere um triângulo eqüilátero T 1

Considere um triângulo eqüilátero T 1 Considere um triângulo eqüilátero T de área 6 cm. Unindo-se os pontos médios dos lados desse triângulo, obtém-se um segundo triângulo eqüilátero T, que tem os pontos médios dos lados de T como vértices.

Leia mais

Matemática. Resolução das atividades complementares. M20 Geometria Analítica: Circunferência

Matemática. Resolução das atividades complementares. M20 Geometria Analítica: Circunferência Resolução das atividades complementares Matemática M Geometria Analítica: ircunferência p. (Uneb-A) A condição para que a equação 6 m 9 represente uma circunferência é: a), m, ou, m, c) < m < e), m, ou,

Leia mais

As leis de Newton e suas aplicações

As leis de Newton e suas aplicações As leis de Newton e suas aplicações Disciplina: Física Geral e Experimental Professor: Carlos Alberto Objetivos de aprendizagem Ao estudar este capítulo você aprenderá: O que significa o conceito de força

Leia mais

Unidade 07 - UTILIZAÇÃO DE COMPUTAÇÃO NA GEOTECNIA Uso do programa GEOSLOPE/W (Student Version)

Unidade 07 - UTILIZAÇÃO DE COMPUTAÇÃO NA GEOTECNIA Uso do programa GEOSLOPE/W (Student Version) Unidade 07 - UTILIZAÇÃO DE COMPUTAÇÃO NA GEOTECNIA Uso do programa GEOSLOPE/W (Student Version) A computação vem sendo, a partir da década de 80, cada vez mais utilizada para a solução dos diversos problemas

Leia mais

COMPUTAÇÃO E PROGRAMAÇÃO

COMPUTAÇÃO E PROGRAMAÇÃO COMPUTAÇÃO E PROGRAMAÇÃO 1º Semestre 2010/2011 MEMec, LEAN Ficha da Aula Prática 3: Entrada/saída de dados. Scripts e funções. Estruturas de selecção. Sumário das tarefas e objectivos da aula: 1. Utilizar

Leia mais

Pesquisa Operacional. Função Linear - Introdução. Função do 1 Grau. Função Linear - Exemplos Representação no Plano Cartesiano. Prof.

Pesquisa Operacional. Função Linear - Introdução. Função do 1 Grau. Função Linear - Exemplos Representação no Plano Cartesiano. Prof. Pesquisa Operacional Prof. José Luiz Prof. José Luiz Função Linear - Introdução O conceito de função é encontrado em diversos setores da economia, por exemplo, nos valores pagos em um determinado período

Leia mais

AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL

AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL Documento(s) Orientador(es): Programa de Física 12.º ano homologado em 21/10/2004 ENSINO SECUNDÁRIO FÍSICA 12.º ANO TEMAS/DOMÍNIOS

Leia mais

PROVA DE MATEMÁTICA DA UFPE. VESTIBULAR 2013 2 a Fase. RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia Gouveia.

PROVA DE MATEMÁTICA DA UFPE. VESTIBULAR 2013 2 a Fase. RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia Gouveia. PROVA DE MATEMÁTICA DA UFPE VESTIBULAR 0 a Fase Profa. Maria Antônia Gouveia. 0. A ilustração a seguir é de um cubo com aresta medindo 6cm. A, B, C e D são os vértices indicados do cubo, E é o centro da

Leia mais

1.3. Na figura 2 estão representados três excertos, de três situações distintas, de linhas de campo magnético. Seleccione a opção correcta.

1.3. Na figura 2 estão representados três excertos, de três situações distintas, de linhas de campo magnético. Seleccione a opção correcta. Escola Secundária Vitorino Nemésio Terceiro teste de avaliação de conhecimentos de Física e Química A Componente de Física 11º Ano de Escolaridade Turma C 13 de Fevereiro de 2008 Nome: Nº Classificação:

Leia mais

ESTUDO POR ELEMENTOS FINITOS DA INTERAÇÃO FLUIDO- ESTRUTURAL NA ARTÉRIA DA CARÓTIDA DEVIDO AO FLUXO DE SANGUE

ESTUDO POR ELEMENTOS FINITOS DA INTERAÇÃO FLUIDO- ESTRUTURAL NA ARTÉRIA DA CARÓTIDA DEVIDO AO FLUXO DE SANGUE V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 ESTUDO POR ELEMENTOS FINITOS DA INTERAÇÃO FLUIDO- ESTRUTURAL NA ARTÉRIA DA CARÓTIDA DEVIDO AO FLUXO DE SANGUE Felipe

Leia mais

FUVEST 2000-2 a Fase - Física - 06/01/2000 ATENÇÃO

FUVEST 2000-2 a Fase - Física - 06/01/2000 ATENÇÃO ATENÇÃO VERIFIQUE SE ESTÃO IMPRESSOS EIXOS DE GRÁFICOS OU ESQUEMAS, NAS FOLHAS DE RESPOSTAS DAS QUESTÕES 1, 2, 4, 9 e 10. Se notar a falta de uma delas, peça ao fiscal de sua sala a substituição da folha.

Leia mais

Simulação Numérica Direta de Escoamentos Transicionais e Turbulentos

Simulação Numérica Direta de Escoamentos Transicionais e Turbulentos Simulação Numérica Direta de Escoamentos Transicionais e Turbulentos Simulação numérica direta (DNS), Formalismo, Equações Navier-Stokes no espaço espectral, Considerações sobre métodos numéricos para

Leia mais

Introdução ao Projeto de Aeronaves. Aula 13 Grupo Moto-Propulsor e Seleção de Hélices

Introdução ao Projeto de Aeronaves. Aula 13 Grupo Moto-Propulsor e Seleção de Hélices Introdução ao Projeto de Aeronaves Aula 13 Grupo Moto-Propulsor e Seleção de Hélices Tópicos Abordados Grupo Moto-Propulsor. Motores para a Competição AeroDesign. Características das Hélices. Modelo Propulsivo.

Leia mais

Desenho e Projeto de tubulação Industrial

Desenho e Projeto de tubulação Industrial Desenho e Projeto de tubulação Industrial Módulo I Aula 08 1. PROJEÇÃO ORTOGONAL Projeção ortogonal é a maneira que o profissional recebe o desenho em industrias, 1 onde irá reproduzi-lo em sua totalidade,

Leia mais

Lista 2 - Vetores II. Prof. Edu Física 2. O que é necessário para determinar (caracterizar) uma: a) grandeza escalar? b) grandeza vetorial?

Lista 2 - Vetores II. Prof. Edu Física 2. O que é necessário para determinar (caracterizar) uma: a) grandeza escalar? b) grandeza vetorial? Lista 2 - Vetores II O que é necessário para determinar (caracterizar) uma: a) grandeza escalar? grandeza vetorial?. Em que consiste a orientação espacial? 2. lassifique os itens abaixo em grandeza escalar

Leia mais

GA Estudo das Retas. 1. (Pucrj 2013) O triângulo ABC da figura abaixo tem área 25 e vértices A = (4, 5), B = (4, 0) e C = (c, 0).

GA Estudo das Retas. 1. (Pucrj 2013) O triângulo ABC da figura abaixo tem área 25 e vértices A = (4, 5), B = (4, 0) e C = (c, 0). GA Estudo das Retas 1. (Pucrj 01) O triângulo ABC da figura abaixo tem área 5 e vértices A = (, 5), B = (, 0) e C = (c, 0). A equação da reta r que passa pelos vértices A e C é: a) y x 7 x b) y 5 x c)

Leia mais

PROJETO DE UM TÚNEL DE VENTO EXPERIMENTAL EM FORMA DE BANCADA DIDÁTICA PARA USO EM AULAS DE ENGENHARIA

PROJETO DE UM TÚNEL DE VENTO EXPERIMENTAL EM FORMA DE BANCADA DIDÁTICA PARA USO EM AULAS DE ENGENHARIA PROJETO DE UM TÚNEL DE VENTO EXPERIMENTAL EM FORMA DE BANCADA DIDÁTICA PARA USO EM AULAS DE ENGENHARIA Carlos Vinicius Xavier Bessa carlosviniciusxb@gmail.com Universidade Federal de São Paulo, Campus

Leia mais

SolidWork - 2006 SOLIWORKS 2006

SolidWork - 2006 SOLIWORKS 2006 SOLIWORKS 2006 Capitulo I INTRODUÇÃO SolidWork - 2006 ÍNDICE 1 Conceitos básicos 03 2 Abrindo o ambiente de trabalho 04 Capitulo II TRABALHANDO EM PART 1 Conhecendo o ambiente 05 2 Extruded Boss/Base e

Leia mais

Introdução ao SolidWorks (VI): Elementos de Rotação e de Sweep. João Manuel R. S. Tavares Joaquim Oliveira Fonseca

Introdução ao SolidWorks (VI): Elementos de Rotação e de Sweep. João Manuel R. S. Tavares Joaquim Oliveira Fonseca Introdução ao SolidWorks (VI): Elementos de Rotação e de Sweep João Manuel R. S. Tavares Joaquim Oliveira Fonseca Elemento de Revolução n n n Um elemento de revolução, é criado por rotação de um perfil

Leia mais

SENSITOMETRIA - 2º Ano - FOTOGRAFIA. Capitulo 1 - CONCEITOS FUNDAMENTAIS

SENSITOMETRIA - 2º Ano - FOTOGRAFIA. Capitulo 1 - CONCEITOS FUNDAMENTAIS SENSITOMETRIA - 2º Ano - FOTOGRAFIA 2010-2011 Capitulo 1 - CONCEITOS FUNDAMENTAIS 1.A Conceitos Matemáticos Fundamentais Coordenadas Cartesianas e representação gráfica de uma função Função Seno e Co-seno

Leia mais

Cria medidas de distâncias entre dois pontos que serão sempre projeções no eixo X e Y (cotas horizontais e verticais).

Cria medidas de distâncias entre dois pontos que serão sempre projeções no eixo X e Y (cotas horizontais e verticais). Cotando desenhos Linear Aligned Ordinate Radius Diameter Angular Quick Dimension Baseline Cria medidas de distâncias entre dois pontos que serão sempre projeções no eixo X e Y (cotas horizontais e verticais).

Leia mais

Resistência dos Materiais II: Vasos de Pressão de Paredes Finas

Resistência dos Materiais II: Vasos de Pressão de Paredes Finas Resistência dos Materiais II: Vasos de Pressão de Paredes Finas Prof. Jorge A. R. Durán Enga. Mecânica UFF Volta Redonda duran@vm.uff.br June 15 1 Objetivos Desenvolvimento e aplicação das equações para

Leia mais

Os conceitos mais básicos dessa matéria são: Deslocamento: Consiste na distância entre dados dois pontos percorrida por um corpo.

Os conceitos mais básicos dessa matéria são: Deslocamento: Consiste na distância entre dados dois pontos percorrida por um corpo. Os conceitos mais básicos dessa matéria são: Cinemática Básica: Deslocamento: Consiste na distância entre dados dois pontos percorrida por um corpo. Velocidade: Consiste na taxa de variação dessa distância

Leia mais

LOGO FQA. Unidade 1 de FQA Nível 2. GPS e MCU. Satélites e Movimento Circular Uniforme. Marília Peres e Rosa Pais

LOGO FQA. Unidade 1 de FQA Nível 2. GPS e MCU. Satélites e Movimento Circular Uniforme. Marília Peres e Rosa Pais LOGO FQA Unidade 1 de FQA Nível 2 GPS e MCU Satélites e Movimento Circular Uniforme Marília Peres e Rosa Pais Índice 1 GPS - Sistema de Posicionamento Global 2 3 Coordenadas e Relógios Satélites Geoestacionários

Leia mais

Unidade: Vetores e Forças. Unidade I:

Unidade: Vetores e Forças. Unidade I: Unidade I: 0 Unidade: Vetores e Forças 2.VETORES 2.1 Introdução Os vetores são definidos como entes matemáticos que dão noção de intensidade, direção e sentido. De forma prática, o conceito de vetor pode

Leia mais

Comandos Complementares

Comandos Complementares Comandos Complementares Nesta parte do curso vou apresentar comandos que geralmente não são ensinados em cursos rápidos porém são fáceis de se aprender e vão facilitar bastante o uso do CAD. Dist Esse

Leia mais

Teste Intermédio de Matemática A Matemática A Versão 2 11.º Ano de Escolaridade

Teste Intermédio de Matemática A Matemática A Versão 2 11.º Ano de Escolaridade Teste Intermédio de Matemática A Versão 2 Teste Intermédio Matemática A Versão 2 Duração do Teste: 90 minutos 07.05.2009 11.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Na sua folha de

Leia mais

Fichas de sistemas de partículas

Fichas de sistemas de partículas Capítulo 3 Fichas de sistemas de partículas 1. (Alonso, pg 247) Um tubo de secção transversal a lança um fluxo de gás contra uma parede com uma velocidade v muito maior que a agitação térmica das moléculas.

Leia mais

Introdução ao AutoCAD Capitulo I: Iniciação ao AutoCAD. João Manuel R. S. Tavares Joaquim O. Fonseca

Introdução ao AutoCAD Capitulo I: Iniciação ao AutoCAD. João Manuel R. S. Tavares Joaquim O. Fonseca Introdução ao AutoCAD João Manuel R. S. Tavares Joaquim O. Fonseca Bibliografia AutoCAD 2013 & AutoCAD LT 2013 - Curso Comp. José Manuel Garcia FCA AutoCAD 2012 & 2011 - Guia de Consulta Rápida João Santos

Leia mais

CÁLCULO: VOLUME III MAURICIO A. VILCHES - MARIA LUIZA CORRÊA. Departamento de Análise - IME UERJ

CÁLCULO: VOLUME III MAURICIO A. VILCHES - MARIA LUIZA CORRÊA. Departamento de Análise - IME UERJ CÁLCULO: VOLUME III MAURICIO A. VILCHES - MARIA LUIZA CORRÊA Departamento de Análise - IME UERJ 2 Copyright by Mauricio A. Vilches Todos os direitos reservados Proibida a reprodução parcial ou total 3

Leia mais

TECNOLOGIA DA DEFORMAÇÃO PLÁSTICA. VOL II APLICAÇÕES INDUSTRIAIS (Enunciados de Exercícios Complementares)

TECNOLOGIA DA DEFORMAÇÃO PLÁSTICA. VOL II APLICAÇÕES INDUSTRIAIS (Enunciados de Exercícios Complementares) TECNOLOGIA DA DEFORMAÇÃO PLÁSTICA VOL II APLICAÇÕES INDUSTRIAIS (Enunciados de Exercícios Complementares) Nota Introdutória Este documento é um anexo ao livro Tecnologia Mecânica Tecnologia da Deformação

Leia mais

CURSO de ENGENHARIA (CIVIL, ELÉTRICA, MECÂNICA, PETRÓLEO, DE PRODUÇÃO e TELECOMUNICAÇÕES) NITERÓI - Gabarito

CURSO de ENGENHARIA (CIVIL, ELÉTRICA, MECÂNICA, PETRÓLEO, DE PRODUÇÃO e TELECOMUNICAÇÕES) NITERÓI - Gabarito UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE TRANSFERÊNCIA o semestre letivo de 009 e 1 o semestre letivo de 010 CURSO de ENGENHARIA (CIVIL, ELÉTRICA, MECÂNICA, PETRÓLEO, DE PRODUÇÃO e TELECOMUNICAÇÕES) NITERÓI - Gabarito

Leia mais

Curso de Treinamento no Solid Edge

Curso de Treinamento no Solid Edge Curso de Treinamento no Solid Edge Versão 17.0 Módulo 5 - Construindo Features Especiais - I Editores: Prof. Dr.-Ing. Klaus Schützer Marcelo Soares da Silva Laboratório de Sistemas Computacionais Faculdade

Leia mais

Escoamentos exteriores 21

Escoamentos exteriores 21 Escoamentos exteriores 2 Figura 0.2- Variação do coeficiente de arrasto com o número de Reynolds para corpos tri-dimensionais [de White, 999]. 0.7. Força de Sustentação Os perfis alares, ou asas, têm como

Leia mais

CFAC: Introdução ao AutoCAD - I. Capitulo I: Iniciação ao AutoCAD

CFAC: Introdução ao AutoCAD - I. Capitulo I: Iniciação ao AutoCAD Introdução ao AutoCAD João Manuel R. S. Tavares Joaquim O. Fonseca Bibliografia AutoCAD 2013 & AutoCAD LT 2013 - Curso Comp. José Manuel Garcia FCA AutoCAD 2012 & 2011 - Guia de Consulta Rápida João Santos

Leia mais

5ª LISTA DE EXERCÍCIOS PROBLEMAS ENVOLVENDO FLEXÃO

5ª LISTA DE EXERCÍCIOS PROBLEMAS ENVOLVENDO FLEXÃO Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Departamento de Construção e Estruturas Professor: Armando Sá Ribeiro Jr. Disciplina: ENG285 - Resistência dos Materiais I-A www.resmat.ufba.br 5ª LISTA

Leia mais

Seja D R. Uma função vetorial r(t) com domínio D é uma correspondência que associa a cada número t em D exatamente um vetor r(t) em R 3

Seja D R. Uma função vetorial r(t) com domínio D é uma correspondência que associa a cada número t em D exatamente um vetor r(t) em R 3 1 Universidade Salvador UNIFACS Cursos de Engenharia Cálculo IV Profa: Ilka Rebouças Freire Cálculo Vetorial Texto 01: Funções Vetoriais Até agora nos cursos de Cálculo só tratamos de funções cujas imagens

Leia mais

1 Analise a figura a seguir, que representa o esquema de um circuito com a forma da letra U, disposto perpendicularmente à superfície da Terra.

1 Analise a figura a seguir, que representa o esquema de um circuito com a forma da letra U, disposto perpendicularmente à superfície da Terra. FÍSIC 1 nalise a figura a seguir, que representa o esquema de um circuito com a forma da letra U, disposto perpendicularmente à superfície da Terra. Esse circuito é composto por condutores ideais (sem

Leia mais