Gestão de Projetos com foco em Resultados. Caso: Implantação de Computadores de Bordo na Usina Roçadinho

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Gestão de Projetos com foco em Resultados. Caso: Implantação de Computadores de Bordo na Usina Roçadinho"

Transcrição

1 Gestão de Projetos com foco em Resultados Caso: Implantação de Computadores de Bordo na Usina Roçadinho

2 Foco em Resultados Para quem não sabe onde quer ir qualquer caminho serve. Charles Lutwidge Dodgson com pseudonimo de Lewis Carroll Alice no País das Maravilhas

3 Oportunidade Solicitação do interessado do projeto; Oportunidade de aprendizado de operação de outras áreas; Oportunidade para a empresa de mais um ponto de controle em uma área de extrema necessidade; Melhorar a eficiência operacional; Reduzir custo operacional da empresa; Oportunidade pessoal de colocar em Prática teorias aprendidas no MBA de Gerenciamento de projetos.

4 Desafio Estudo de caso de implantação de Computadores de Bordo. Sabe-se que tem Usinas com resultados. Totalidade das Máquinas agrícolas em uma Usina? Total das 111 máquinas? Como teremos a certeza de sucesso do projeto? Deve ter protótipo? Estudo de viabilidade do prótotipo. Estudo de viabilidade do projeto total. Requisito principal: Projeto somente terá aprovação após o estudo de viabilidade.

5 Planejamento (Escopo) 1. Reunião com dois fornecedores da tecnologia.. Solicitação de uma proposta de protótipo do projeto e do projeto total. 3. Reunião com os stakeholders para: 1. Apresentar o projeto.. Levantar as necessidades. 3. Montar a equipe. 4. Estabelecer qual o cenário de protótipo que mais representa o projeto total. 5. Conquistar a confiança dos interessados.

6 Planejamento (Escopo) 4. Ligar para duas empresas(usinas) que já tem a tecnologia implantada. 5. Coletar a economia por equipamento. 6. Redigir o escopo. 7. Fazer o estudo de viabilidade. 8. Apresentar o projeto a diretoria para aprovação. 9. Executar o Projeto. 10.Avaliar o Projeto. 11.Registrar as lições aprendidas.

7 Levantamento 1. Projeto só funciona com premiações em dinheiro aos motoristas e operadores.. Projeto precisa de um funcionário/auditor em tempo integral e exclusivo para acompanhamento dos indicadores de operação dos equipamentos. 3. É possível alugar os equipamentos do protótipo, para caso o projeto for inviável, devolvê-los. Com opção de compra. 4. É extremamente necessárias visitas em Usinas que já implantaram computadores de bordo. 5. O auditor ficará subordinado a uma área independente do Setor auditado, com metas claras de resultados.

8 Equipamentos. Equipamento Total Protótipo 4 Carregadeira Convencional 1 Trator Carregadeira Bell Colhetadeira Caminhão canavieiro Total

9 ROI Return on Investiment ou Retorno sobre o Investimento Projeto Computador De Bordo Mendo Sampaio S.A.

10 Custo Ano Fixo Equipamentos Automação Microcomputador Funcionário Mesa + cadeira Total Total R$ ,00 R$.000,00 R$ 4.000,00 R$ 00,00 R$ 39.45,00

11 Caso: Custo Unitário Ano Por Equipamento Equipamentos Automação(Aluguel 400/mês) Montagem Unitário R$.400,00 R$ 51,00 Premio Motoristas 100,00 *3 turnos * 6 meses R$ 1.800,00 Total R$ 4.71,00

12 Caso : Custo Ano Protótipo (Locação). Descrição Fixo Por máquina Total Unitário Quantidade Total R$ 39.45,00 1 R$ 39.45,00 R$ 4.71,00 16 R$ 75.39,00 R$ ,00

13 Proposta Economia Equipamento Total Protótipo % Comb. 4-30% Carregadeira Convencional 1-8% Trator 56-0% 5-10% 5 8-1% Carregadeira Bell Colhetadeira Caminhão canavieiro

14 Caso : Equipamentos. Equipamento Total Protótipo 4-30% Carregadeira Convencional 1-8% Trator 56-0% -5% 5-10% 5 8-1% Carregadeira Bell Colhetadeira Caminhão canavieiro % Comb. % Pneus

15 Caso : Equipamentos. Equipamento Carregadeira Bell Total Protótipo % Comb. % Pneus % Manut. 4-30% -5% Carregadeira Convencional 1-8% -5% Trator 56-0% -5% -5% 5-10% -5% 5 8-1% -5% Colhetadeira Caminhão canavieiro

16 Economia Protótipo Equipamento Economia Protótipo Total Carregadeira Bell R$ ,40 R$ 9.756,80 Carregadeira Convencional R$ ,40 R$ 9.756,80 Trator R$ ,45 R$ 31.86,90 Colhedora R$ ,07 R$ 36.11,14 Caminhão canavieiro R$ ,54 8 R$ ,3 Total Economia R$ ,96

17 ROI Protótipo Conta Retorno Investimento Total Total R$ ,96 - R$ ,00 R$ ,96

18 ROI Projeto Conta Retorno Investimento Total Total R$ ,00 - R$ ,00 R$ 93.38,00

19 Implantação 1. Troca de informações sobre tecnologias no GATUA.. Visita nos fornecedores no GATUA. 3. Visita a Usina São Domingos em São Paulo para aprender com a solução. 4. Estreitamento das negociações com Fornecedor. 5. Elaboração do Cronograma do Projeto junto com os interessados. 6. Reuniões periódicas de acompanhamento do Projeto. 7. Gerenciamento de mudanças.

20 Comunicado Prezado Senhor. Conforme comunicado oficialmente em reunião no dia 04 de outubro de 010, colocou-se em alguns equipamentos da Usina Roçadinho computadores de bordo que monitorarão as ações dos operadores e motoristas das mesmas, e as pessoas que tiverem menos alertas de operação fora dos padrões seriam recompensadas. Todo operador e motorista receberá no início do mês 100,00 de crédito que a medida que o computador registrar uma operação não conforme será abatido R$3,33 deste crédito a cada operação errada, até um máximo dos próprios R$100,00. abaixo: Registramos em sua operação não conformidades, conforme tabela Motorista Nome do Motorista Exc. vel. Exc. Rot Motor Ocioso FULANO DA SILVA SANTOS 0 1 Prêmio Total não conformidades 0 1 Desconto das não conformidades -R$ 66,60 -R$ 3,33 -R$ 6,66 R$ 3,41

21 Curiosidades 1. Setores queriam "puxar" mais computadores de Bordo.. Tentativas constantes de trocar o escopo inicial do projeto. 3. Computadores queimavam fusível do nada. 4. Código de pista em estrada. 5. Redução de 50 Km/h para 40 Km/h. 6. Socaria das colhedoras. 7. Economia de combustível dos tratores de colhedoras. 8. Motoristas reclamam quando não tem computador de bordo.

22 Carregadeiras Bell Consumo de combustível Combustível Total jan, fev e mar/011 e Cjto Equip Carregadeiras BELL Quantidade Com CB() Sem CB() Lt/Hora Economia Qt litros R$ Econ Safra 9,8 7,66% ,01 R$ 3.187,9 10,05

23 Carregadeiras Bell Manutenção Manutenção 01/01 à 31/03/11 safra e Cjto Carregadeiras BELL Quantidade Com CB() Sem CB() Peças/Serv Economia R$ Econ R$ ,43 3,03% R$ 5.35,39 R$ 16.65,8

24 Carregadeiras Bell Disponibilidade em horas Disponibilidade Horas 3 meses 160 Hrs. Carregadeiras BELL Quantidade Com CB() Sem CB() Hrs Paradas Economia ,40% 1755 Vl Hora R$ 0,07 R$ Econ R$ ,69 Total R$ 5.913,37

25 Colhedora JD 3510 Comsumo combustível Combustível Total jan, fev e mar/011 e Cjto Equip Colhedoras 3510 Com CB(1) Sem CB(Med) lt/ton Economia Qt litros R$ Econ Safra 0,44 6,38% 57.60,77 R$ 10.44,03 0,47

26 Colhedora 3510 Manutenção e serviços Manutenção 01/01 à 31/03/11 safra e Cjto Peças/Serv Economia R$ Econ Colhedoras 3510 Com CB(1) R$.953,51 30,16% R$ 9.913,3 Sem CB(Med) R$ 3.866,83

27 Colhedora JD 3510 Disponibilidade Disponibilidade Horas 3 meses 160 Hrs. Colhedoras 3510 Com CB(1) Sem CB(Med) Hrs Paradas Economia 55 63,0% 693 Vl Hora R$ Econ R$ 65,00 R$ 8.470,00 Total R$ 48.85,35

28 Colhedora JD 350 Consumo combustível Combustível Total jan, fev e mar/011 e Cjto Equip Colhedoras 350 Com CB() Sem CB() lt/ton Economia 1,0-5,15% 0,97 Qt litros R$ Econ Safra ,15 -R$ 1.411,11

29 Colhedora JD 350 Manutenção e serviços Manutenção 01/01 à 31/03/11 safra e Cjto Peças/Serv Colhedoras 350 Com CB() R$ 73.90,06 Sem CB() R$ ,37 Economia R$ Econ -33,74% -R$ ,69

30 Colhedora JD 350 Disponibilidade Disponibilidade Horas 3 meses 160 Hrs. Hrs Paradas Economia Vl Hora R$ Econ 66 34,00% Colhedoras 350 Com CB() Total R$ 75,60 R$ ,0 Sem CB() 403 -R$ 0.543,60 Total Protótipo R$ ,3

31 Outros ganhos Critérios impessoais e Objetivos para demissão. Socaria com mais qualidade. Integração com o Sistema Agrícola para apontamentos de diário de bordo. Certificado Eletrônico de Cana. Disciplina e condiciona os Motoristas/Operadores. Senso de união entre os Motoristas/Operadores do mesmo caminhão.

32 Informações Complementares Tempo de operação Outros Aguardando Ordem 18,51% 5,8% Aguardando Mecânico 6,04% Balança, Pesagem de Carga 6,70% Fila do Tombador 8,41% Defeito Mecânico 10,87% Fila no Campo 11,97% Tombador, Descarregando 1,00% Fila na Usina 0,00% 0,% 5,00% 10,00% 15,00% 0,00% 5,00%

33 Informações Falta de cana Corretiva Oficina Equipamento atolado Outras Operações Aguardando ordem Resfriando Motor Preventiva Parada programada

34 Monitoração em tempo real

35 Mudanças no Projeto No inicio do projeto seria 16 equipamentos, sendo que acabamos por implantar 18; Colocamos Computador de Bordo no Pranchão. Desconto de premiação em base legal; Relatórios via celular ficou inviável. Não colocamos painel na balança.

36 Futuro Ceritificado eletrônico de Cana; Cerca Eletrônica;

37 Reportagem

38 Perguntas?

39 Obrigado Fernando Wander (8)

1) DESCRIÇAÕ DO NEGÓCIO

1) DESCRIÇAÕ DO NEGÓCIO A Agrologis hoje opera através do consórcio entre as empresas Daiken Automação e JR Consult (Consultoria, treinamento e desenvolvimento de software logísticos para o setor agrícola). Daiken Automação Possui

Leia mais

Green Fleet Sistema de Gestão de Frota Auteq

Green Fleet Sistema de Gestão de Frota Auteq Unpublished work (2014) Deere & Company. All rights reserved worldwide. THIS MATERIAL IS THE PROPERTY OF DEERE & COMPANY. NO PORTION MAY BE USED, ALTERED, DISCLOSED AND/OR REPRODUCED WITHOUT EXPRESS WRITTEN

Leia mais

CADERNO DE DESCRIÇÕES DE CARGOS FÁBRICA

CADERNO DE DESCRIÇÕES DE CARGOS FÁBRICA CADERNO DE DESCRIÇÕES DE CARGOS FÁBRICA REVISÃO DOS DADOS 04 RELAÇÃO DE CARGOS Auxiliar de Montagem Montador Supervisor de Produção Técnico de Programação da Produção Coordenador de Produção IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades

Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades 1. DESCRIÇÕES DO CARGO - ESPECIALISTA EM DESENVOLVIMENTO DE TECNOLOGIA NUCLEAR E DEFESA a) Descrição Sumária Geral Desenvolver, projetar, fabricar,

Leia mais

Serviços de Classificação/Recarga MIDES

Serviços de Classificação/Recarga MIDES Serviços de Classificação/Recarga MIDES SERVIÇOS DE CLASSIFICAÇÃO E RECARGA MIDES O SERVIÇO OFERTADO PREVÊ AS SEGUINTES ETAPAS: 1.ª - A cargo do cliente: Descarga da carga de bolas do moinho e limpeza

Leia mais

Protótipo de Dimensionamento de Frota. ilab Sistemas Especialistas

Protótipo de Dimensionamento de Frota. ilab Sistemas Especialistas Tópicos da apresentação Objetivo da aplicação Configuração de frentes Configuração de turnos Configuração de caminhões Configuração de transporte Cálculo de ciclo Restrições consideradas Modelo de otimização

Leia mais

COMUNICAÇÃO INTERNA. Empresa reúne colaboradores para marcar os 115 anos de fundação. fundação. - Apresentação Desafio 120

COMUNICAÇÃO INTERNA. Empresa reúne colaboradores para marcar os 115 anos de fundação. fundação. - Apresentação Desafio 120 1 COMUNICAÇÃO INTERNA Recursos Humanos Empresa reúne colaboradores para marcar os 115 anos de fundação. Ano I, Edição 3 Março/2013 Nos dias 28/02 e 01/03 a liderança da Usina Ester reuniu Nesta edição:

Leia mais

Os processos. Auditorias internas. Requisitos ISO 9001 S1E1

Os processos. Auditorias internas. Requisitos ISO 9001 S1E1 Os processos Requisitos ISO 9001 s internas S1E1 Metodologia Esta capacitação em s Internas de Sistemas de Gestão da Qualidade prevê a construção do conhecimento por meio de exercícios teórico-práticos

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gerenciamento de Projetos Coordenação Acadêmica: Dr. André Valle

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gerenciamento de Projetos Coordenação Acadêmica: Dr. André Valle CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gerenciamento de Projetos Coordenação Acadêmica: Dr. André Valle APRESENTAÇÃO A FGV é uma instituição privada sem fins lucrativos, fundada em 1944,

Leia mais

A N A I S D O E V E N T O. 12 e 13 de Novembro de 2014 Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil

A N A I S D O E V E N T O. 12 e 13 de Novembro de 2014 Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil A N A I S D O E V E N T O 12 e 13 de Novembro de 2014 Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil Evolução da mecanização da colheita de cana-de-açúcar em São Paulo: uma reflexão a partir de dados do Protocolo

Leia mais

Faculdade de Economia da Universidade Nova de Lisboa Ano Lectivo 2013/2014 1º Semestre. 28 de NOVEMBRO de 2013 Duração da prova: 60 minutos

Faculdade de Economia da Universidade Nova de Lisboa Ano Lectivo 2013/2014 1º Semestre. 28 de NOVEMBRO de 2013 Duração da prova: 60 minutos Contabilidade Financeira Faculdade de Economia da Universidade Nova de Lisboa Ano Lectivo 2013/2014 1º Semestre 28 de NOVEMBRO de 2013 Duração da prova: 60 minutos 3º TESTE INTERMÉDIO NOME: NÚMERO: Atenção

Leia mais

Demais Áreas de Conhecimento do PMBOK

Demais Áreas de Conhecimento do PMBOK Residência em Arquitetura de Software Demais Áreas de Conhecimento do PMBOK Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo Gerência de Desenvolvimento 2008.2 Faculdade de Computação

Leia mais

Regulamento Desafio Unicamp 2015

Regulamento Desafio Unicamp 2015 Regulamento Desafio Unicamp 2015 O Desafio Unicamp de inovação tecnológica é uma competição de modelos de negócio, idealizada pela Agência de Inovação Inova Unicamp, que tem como objetivo estimular a criação

Leia mais

IV PLANO DE GERENCIAMENTO DE TEMPO

IV PLANO DE GERENCIAMENTO DE TEMPO IV PLANO DE GERENCIAMENTO DE TEMPO 1 - Descrição do Plano de Gerenciamento detempo (PMBOK) O gerenciamento de tempo do projeto inclui os processos necessários para realizar o término do projeto no prazo.

Leia mais

Volvo construction equipment caretrack. guia técnico um tour das características on-line

Volvo construction equipment caretrack. guia técnico um tour das características on-line Volvo construction equipment caretrack guia técnico um tour das características on-line O CareTrack no trabalho O CareTrack é um sistema de monitoramento de máquinas projetado especificamente para ser

Leia mais

Desenvolvimento Projeto Seis Sigma Empresa 7 Belo S.A. Linha STD1 - Balas de Caramelo

Desenvolvimento Projeto Seis Sigma Empresa 7 Belo S.A. Linha STD1 - Balas de Caramelo Mapa de Raciocínio - 1/35 MAPA DE RACIOCÍNIO - DMAIC PGS D Desenvolvimento Projeto Seis Sigma Empresa 7 Belo S.A. Linha STD1 - Balas de Caramelo M A I C MBA SIG 2009 - Grupo 3 - KamiKaisen DEFINE Início

Leia mais

Título da apresentação Curso Gestão de Projetos II (Verdana, cor branca) Curso de Desenvolvimento de Servidores - CDS

Título da apresentação Curso Gestão de Projetos II (Verdana, cor branca) Curso de Desenvolvimento de Servidores - CDS Título da apresentação Curso Gestão de Projetos II (Verdana, cor branca) Curso de Desenvolvimento de Servidores - CDS Prof. Instrutor Elton Siqueira (a) (Arial Moura preto) CURSO DE GESTÃO DE PROJETOS

Leia mais

Como Utilizar uma Metodologia de Gerenciamento de Projetos na Elaboração de Propostas? Carlos Magno da Silva Xavier (M.Sc., PMP)

Como Utilizar uma Metodologia de Gerenciamento de Projetos na Elaboração de Propostas? Carlos Magno da Silva Xavier (M.Sc., PMP) Como Utilizar uma Metodologia de Gerenciamento de s na Elaboração de Propostas? Carlos Magno da Silva Xavier (M.Sc., PMP) Abstract do Mini-Curso O Gerenciamento de um Começa Durante a Elaboração de sua

Leia mais

Sistemas mecanizados canavieiros JD

Sistemas mecanizados canavieiros JD Inovações tecnológicas Sistemas mecanizados canavieiros JD José Luís COELHO Gerente MKT Estratégico/CANA Ribeirão Preto/SP MAR10 Área Plantada Mundial de Cana de Açúcar Metricas: Fonte: LMC/CANAPLAN Os

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PROCEDIMENTO DE VISITAS RELATÓRIO DE VISITAS

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PROCEDIMENTO DE VISITAS RELATÓRIO DE VISITAS 22/03/203. INTRODUÇÃO A Política de Visitas Divisão Institucional tem por objetivo controlar e auditar as visitas dos consultores em nossos clientes, as ações de manutenções tomadas e comprovar a presença

Leia mais

Grupo 05 EAP e Dicionário Versão 3.0 2º Semestre Gestão de TI Unidade 903 Sul

Grupo 05 EAP e Dicionário Versão 3.0 2º Semestre Gestão de TI Unidade 903 Sul 1.1 Definir Termo de Abertura do Projeto 1.2 Definir Documento de Visão 1.0 Início 1.3 Levantar Requisitos 1.4 Validar Requisitos 1.5 Definir Escopo 1.6 Definir Regra de Negócio 2.0 Elaboração 2.1 Definir

Leia mais

Ministério da Educação UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ Criada pela Lei nº. 10.435, de 24 de abril de 2002. AUDITORIA INTERNA

Ministério da Educação UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ Criada pela Lei nº. 10.435, de 24 de abril de 2002. AUDITORIA INTERNA RELATÓRIO DE ESPECIAL SUPRIMENTO DE FUNDOS / CARTÃO DE CRÉDITO CORPORATIVO EXERCÍCIOS 2006 e 2007 Setor: Suprimento de Fundos (DCF) Período: 19/02/2008 a 28/03/2007 Legislação Aplicada: - Decreto nº. 93.872,

Leia mais

Processamento de Pedidos na Mira Transportes

Processamento de Pedidos na Mira Transportes Processamento de Pedidos na Mira Transportes Sumário 1 Apresentação da empresa... 3 1.1 Histórico... 3 1.2 Diferenciais... 3 2 Processamento de pedidos: revisão teórica... 4 2.1 Preparação... 4 2.2 Transmissão...

Leia mais

Guia básico para implementação da PRODUÇÃO ENXUTA. Reduza suas perdas e melhore seus resultados.

Guia básico para implementação da PRODUÇÃO ENXUTA. Reduza suas perdas e melhore seus resultados. Guia básico para implementação da PRODUÇÃO ENXUTA Reduza suas perdas e melhore seus resultados. INSTITUCIONAL A Consustec é uma empresa com menos de um ano de mercado, com espírito jovem e um time extremamente

Leia mais

Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Desenvolvendo o Plano de Gerenciamento do Projeto. Coletando Requisitos. Declarando

Leia mais

Araçatuba GERÊNCIA DE PROJETOS. Apoio:

Araçatuba GERÊNCIA DE PROJETOS. Apoio: MBA É NA FGV Araçatuba GERÊNCIA DE PROJETOS Apoio: COORDENAÇÃO ACADÊMICA: Prof. Carlos A. C. Salles Jr., M.Sc. 1 DO CURSO: Com a abertura dos mercados e o enorme aumento da competitividade, o cenário internacional

Leia mais

6 Benefícios operacionais e financeiros atingidos após implantação do roteirizador de veículos

6 Benefícios operacionais e financeiros atingidos após implantação do roteirizador de veículos 6 Benefícios operacionais e financeiros atingidos após implantação do roteirizador de veículos 6.1 Introdução Esse capítulo tem o objetivo de descrever todos os ganhos observados após a implantação do

Leia mais

Implementação de um Sistema de Gestão Ambiental. para Hotéis no Rio de Janeiro. Gerência de Custos

Implementação de um Sistema de Gestão Ambiental. para Hotéis no Rio de Janeiro. Gerência de Custos MBA em Gestão Estratégica e Econômica de Projetos Concorrência de Projetos Online Prof. Marcantonio Guiseppe Implementação de um Sistema de Gestão Ambiental para Hotéis no Rio de Janeiro Gerência de Custos

Leia mais

COOPERFLORESTA realiza planejamento participativo da safra 2013

COOPERFLORESTA realiza planejamento participativo da safra 2013 COOPERFLORESTA realiza planejamento participativo da safra 2013 A Cooperativa de Produtores Florestais Comunitários COOPERFLORESTA realizou no dia 01/07, no alojamento da equipe técnica, no Cachoeira Xapuri/AC

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROJETOS. Gerenciando a Implantação de Sistemas de Automação Industrial

GERENCIAMENTO DE PROJETOS. Gerenciando a Implantação de Sistemas de Automação Industrial GERENCIAMENTO DE PROJETOS Gerenciando a Implantação de Sistemas de Automação Industrial DO QUE VAMOS FALAR Entender as fases e ciclos de uma implantação de um sistema de automação industrial; Estruturar

Leia mais

Planejamento Agregado Planejamento Agregado.

Planejamento Agregado Planejamento Agregado. ADM II é o processo de balanceamento da produção com a demanda. Visa compatibilizar os recursos produtivos da empresa com a demanda. Normalmente é projetado para horizontes de tempo de 6 a 12 meses. Planejamento

Leia mais

CADASTRE SEU CURRICULO GRATUITAMENTE EM NOSSO SITE WWW.MDRH.COM.BR OU ENVIE PARA MDRH@MDRH.COM.BR E PARTICIPE DOS PROCESSOS DE SELEÇÃO!!

CADASTRE SEU CURRICULO GRATUITAMENTE EM NOSSO SITE WWW.MDRH.COM.BR OU ENVIE PARA MDRH@MDRH.COM.BR E PARTICIPE DOS PROCESSOS DE SELEÇÃO!! Técnico em Manutenção Jr - Chapecó/SC Remuneração: R$ 1500,00 até 2000,00 Benefícios: Plano de Saúde Médico Unimed Participação nos Resultados Cartão Alimentação Restaurante na Empresa Seguro de Vida em

Leia mais

Conjuntos numéricos e Sistemas

Conjuntos numéricos e Sistemas Conjuntos numéricos e Sistemas 1) (Cespe) Três números naturais a, b e c são tais que a + b + c = 131. Na divisão de a por b o quociente é 1 e o resto é 9, e na divisão de c por b, o quociente é 9 e o

Leia mais

MBA Gerenciamento de Projetos CULTURA ORGANIZACIONAL

MBA Gerenciamento de Projetos CULTURA ORGANIZACIONAL Universidade Federal Fluminense Núcleo de Competitividade, Estratégia e Organização-LabCEO MBA Gerenciamento de Projetos CULTURA ORGANIZACIONAL Prof. Martius Vicente R. y Rodriguez martiusyrodriguez@gmail.com

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. Descrição dos Equipamentos

TERMO DE REFERÊNCIA. Descrição dos Equipamentos ANEXO II TERMO DE REFERÊNCIA 1 DO OBJETO DA LICITAÇÃO 1.1 CONTRATAÇÃO DE EMPRESA ESPECIALIZADA NA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO PREVENTIVA E CORRETIVA DOS EQUIPAMENTOS UTILIZADOS NA COZINHA ESCOLA

Leia mais

Gerenciando o Fluxo de Caixa com Eficiência

Gerenciando o Fluxo de Caixa com Eficiência Gerenciando o Fluxo de Caixa com Eficiência 08 a 11 de outubro de 2014 08 a 11 de outubro de 2014 Custo financeiro alto CENÁRIO ATUAL Concorrência cada vez mais competitiva Consumidores que exigem maiores

Leia mais

A feira. O maior evento mundial do setor sucroenergético. 26 a 29 de Agosto de 2014 Centro de Eventos Zanini Sertãozinho - São Paulo Brasil

A feira. O maior evento mundial do setor sucroenergético. 26 a 29 de Agosto de 2014 Centro de Eventos Zanini Sertãozinho - São Paulo Brasil Resultados Fenasucro 2014 A feira 26 a 29 de Agosto de 2014 Centro de Eventos Zanini Sertãozinho - São Paulo Brasil O maior evento mundial do setor sucroenergético O setor sucroenergético do Brasil já

Leia mais

E&L Controle de Frotas. Perguntas Frequentes

E&L Controle de Frotas. Perguntas Frequentes E&L Controle de Frotas Perguntas Frequentes 1. Quando ocorre a integração com o patrimônio e no cadastro de veículos na aba patrimônio o veículo não aparece, qual o procedimento a ser feito para que o

Leia mais

Estudo Tarifário do Transporte Público Coletivo Urbano Municipal - INTERCAMP. 10.517.242 / mês

Estudo Tarifário do Transporte Público Coletivo Urbano Municipal - INTERCAMP. 10.517.242 / mês Diretoria de Planejamento e Projetos Gerência de Gestão do Transporte Público Departamento de e Indicadores do Transporte Público Estudo Tarifário do Transporte Público Coletivo Urbano Municipal - INTERCAMP

Leia mais

Contrato de Serviço (SLA)

Contrato de Serviço (SLA) Contrato de Serviço (SLA) Proprietário do documento Gerente de Negociação Masters Ltda Thyago Ferreira Almeida Versões: Versão Data Revisão Autor 1.0 12/05/14 Tipo de serviço Thyago Ferreira 1.0 20/05/14

Leia mais

Elaboração e Análise de Projetos

Elaboração e Análise de Projetos Elaboração e Análise de Projetos Planejamento e Projeto Professor: Roberto César SISTEMA ECONÔMICO Mercado de Bens e Serviços O que e quando produzir Famílias Empresas Pra quem produzir Mercado de Fatores

Leia mais

A experiência da IVECO na substituição do diesel em veículos pesados

A experiência da IVECO na substituição do diesel em veículos pesados A experiência da IVECO na substituição do diesel em veículos pesados Uma parceria IVECO, FPT, BOSCH e RAIZEN Fabio Nicora IVECO - Innovation T&B LATAM (IVECO) 21 de Novembro 2013 VISÃO DO FUTURO ABORDAGEM

Leia mais

SGF. Sistema de Gerenciamento de Frota

SGF. Sistema de Gerenciamento de Frota SGF Sistema de Gerenciamento de Frota Curitiba, 11 de maio de 2011. Prezados Senhores: Gostaríamos de agradecer a oportunidade de apresentarmos a nossa proposta comercial, para implantação de um Sistema

Leia mais

Gerenciamento de Projetos. Douglas Farias Cordeiro

Gerenciamento de Projetos. Douglas Farias Cordeiro Gerenciamento de Projetos Douglas Farias Cordeiro Conceito de Organização Uma organização pode ser descrita como um arranjo sistemático, onde esforços individuais são agregados em prol de um resultado

Leia mais

Lucra. Assessoria e Corretora Comercial de Cereais Ltda. www.lucracorretora.com.br Apresentação Sistema de Comercialização WEB Página 1

Lucra. Assessoria e Corretora Comercial de Cereais Ltda. www.lucracorretora.com.br Apresentação Sistema de Comercialização WEB Página 1 Lucra Assessoria e Corretora Comercial de Cereais Ltda Apresentação Sistema de Comercialização WEB Página 1 A Lucra Corretora vem desde o ano de 1992 atuando no segmento de comercialização de produtos

Leia mais

AULA 3 PROF. DR. PAULO ROBERTO SCHROEDER DE SOUZA.

AULA 3 PROF. DR. PAULO ROBERTO SCHROEDER DE SOUZA. Planejamento, Programação e Controle em Projetos AULA 3 PROF. DR. PAULO ROBERTO SCHROEDER DE SOUZA. 1 Palestra Aspectos do Projeto e Planejamento na Gestão da Segurança do Trabalho Engº Gonçalo Siqueira

Leia mais

Elfio Rocha Mendes José Maria Cavalcante Filho

Elfio Rocha Mendes José Maria Cavalcante Filho Elfio Rocha Mendes José Maria Cavalcante Filho Situação atual Aumento da Energia chega até a 85%, em 12 meses O GLOBO 08.05.2015 Aumento de tarifas, como água e luz, mantém em alta inflação de serviços

Leia mais

Gerenciamento de Projeto: Encerrando o Projeto. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Gerenciamento de Projeto: Encerrando o Projeto. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Gerenciamento de Projeto: Encerrando o Projeto Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Introdução Encerrar o Projeto ou Fase Encerrar as Aquisições Introdução O Grupo de Processos

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO TREINAMENTO TÉCNICO ATENDENTES CALL CENTER

MEMORIAL DESCRITIVO TREINAMENTO TÉCNICO ATENDENTES CALL CENTER Manual Técnico MEMORIAL DESCRITIVO TREINAMENTO TÉCNICO ATENDENTES CALL CENTER Versão 1.0 Agosto de 2011 ÍNDICE MEMORIAL DESCRITIVO TREINAMENTO TÉCNICO ATENDENTES CALL CENTER 2 1 INTRODUÇÃO 4 1.1 HISTÓRICO

Leia mais

O 4º ARRAIÁ DOS AMIGOS DA DIANA ESTÁ CHEGANDO!

O 4º ARRAIÁ DOS AMIGOS DA DIANA ESTÁ CHEGANDO! NEWS Julho/2014 Edição 28 Ano 03 O 4º ARRAIÁ DOS AMIGOS DA DIANA ESTÁ CHEGANDO! PÁGINA 08 SEGURANÇA NO TRABALHO: VOCÊ SABE O QUE É ESPAÇO CONFINADO? SIPAT/ SIPATR 2014 UM NOVO DESAFIO FOI LANÇADO A SEMENTE

Leia mais

INFORMAÇÕES SOBRE ADESÃO CICLO 2015

INFORMAÇÕES SOBRE ADESÃO CICLO 2015 INFORMAÇÕES SOBRE ADESÃO CICLO 2015 Conteúdo Sobre o GVces Sobre o Programa Brasileiro GHG Protocol e o Registro Público de Emissões Política de qualificação dos inventários (Novo critério para o selo

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA DO ESTADO DE SÃO PAULO CREA-SP

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA DO ESTADO DE SÃO PAULO CREA-SP Instrução nº 2552 Dispõe sobre o ressarcimento de diárias e transporte aos Senhores Funcionários, quando em viagem a serviço, reuniões, eventos e treinamentos dentro e fora do Estado, formalmente convocados

Leia mais

METODOLOGIA DE IMPLANTAÇÃO INFOECIA. Introdução

METODOLOGIA DE IMPLANTAÇÃO INFOECIA. Introdução Introdução O objetivo deste documento é descrever de uma forma simplificada, o processo implantação de sistemas corporativos da Infoecia. Neste documento é apresentado o ciclo de vida padrão dos projetos

Leia mais

Conteúdo. Apresentação do PMBOK. Projeto 29/07/2015. Padrões de Gerenciamento de Projetos. Fase 01 1.PMBOK e PMI. 2. Conceitos 3.

Conteúdo. Apresentação do PMBOK. Projeto 29/07/2015. Padrões de Gerenciamento de Projetos. Fase 01 1.PMBOK e PMI. 2. Conceitos 3. 02m Conteúdo Apresentação do PMBOK Brasília, 25 de Junho de 2015 Fase 01 1.PMBOK e PMI 2. Conceitos 3.Processos Fase 02 4. Áreas de Conhecimento 10m Gerenciamento de Projetos Projeto A manifestação da

Leia mais

GASTRONOMIA SUSTENTÁVEL - PARATY. Oficina de Planejamento 2010-2012

GASTRONOMIA SUSTENTÁVEL - PARATY. Oficina de Planejamento 2010-2012 GASTRONOMIA SUSTENTÁVEL - PARATY Oficina de Planejamento 2010-2012 Paraty, agosto de 2010 Objetivo da oficina Elaborar o Direcionamento Estratégico da Gastronomia Sustentável de Paraty para os próximos

Leia mais

Cargo Descrição e Requisitos Benefícios

Cargo Descrição e Requisitos Benefícios Vitória, 06 de Maio de 2012. A Selecta, empresa de Recrutamento e Seleção, divulga as vagas de emprego em aberto, com destaque para: Auxiliar de Inventário, Comprador, Auxiliar Administrativo, Coordenador

Leia mais

Preparação da Auditoria da Qualidade. Professor: Leandro Zvirtes UDESC/CCT

Preparação da Auditoria da Qualidade. Professor: Leandro Zvirtes UDESC/CCT Preparação da Auditoria da Qualidade Professor: Leandro Zvirtes UDESC/CCT O que é auditoria? Processo sistemático, independente e documentado de se obter evidências e avaliálas objetivamente para determinar

Leia mais

SIMULADO DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS

SIMULADO DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS SIMULADO DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS 1) O que é o processo de um projeto? a) A criação de um produto ou serviço. b) A elaboração progressiva resultando em um produto. c) Uma série de ações que geram um

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE. Rua Acre, 291 - CEP 83.040-030 Bairro Boneca do Iguaçu - São José dos Pinhais - Paraná.

MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE. Rua Acre, 291 - CEP 83.040-030 Bairro Boneca do Iguaçu - São José dos Pinhais - Paraná. ELABORADO POR: Carlos Eduardo Matias Enns MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE APROVADO POR: Edson Luis Schoen 28/1/5 1 de 11 1. FINALIDADE A Saint Blanc Metalmecânica Ltda visa estabelecer as diretrizes básicas

Leia mais

8/3/2009. Empreendimento temporário que tem por finalidade criar um produto, serviço ou resultado exclusivo.

8/3/2009. Empreendimento temporário que tem por finalidade criar um produto, serviço ou resultado exclusivo. FAE S.J. dos Pinhais Projeto e Desenvolvimento de Software Conceitos Básicos Prof. Anderson D. Moura O que é um projeto? Conjunto de atividades que: 1. Objetivo específico que pode ser concluído 2. Tem

Leia mais

Colhedora de cana A4000

Colhedora de cana A4000 Colhedora de cana A4000 Inovação sem limites. Uma marca registrada da case ih. A Case IH é referência mundial no segmento sucroenergético. Com mais de 50 anos de conhecimento e experiência no setor, a

Leia mais

COORDENADOR SÊNIOR (CONSULTORIAS) (Candidaturas serão aceitas até o dia 22/2/2013 envie seu CV para asantos@uniethos.org.br)

COORDENADOR SÊNIOR (CONSULTORIAS) (Candidaturas serão aceitas até o dia 22/2/2013 envie seu CV para asantos@uniethos.org.br) COORDENADOR SÊNIOR (CONSULTORIAS) DESCRIÇÃO GERAL: O Coordenador Sênior do Uniethos é responsável pelo desenvolvimento de novos projetos, análise de empresas, elaboração, coordenação, gestão e execução

Leia mais

ESTÁGIO DE NIVELAMENTO DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS

ESTÁGIO DE NIVELAMENTO DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS ESTÁGIO DE NIVELAMENTO DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS 2015 EPEx NEGAPEB 2º Parte ASSUNTO: NEGAPEB OBJETIVO: GRUPOS DE PROCESSOS - EXECUÇÃO - MONITORAMENTO E CONTROLE - ENCERRAMENTO. INSTRUTOR: 1º Ten QCO

Leia mais

Gerenciamento de Projeto

Gerenciamento de Projeto UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS, LETRAS E CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DE COMPUTAÇÃO E ESTATÍSTICA Gerenciamento de Projeto Engenharia de Software 2o. Semestre/ 2005

Leia mais

SISTEMA DE CONTROLE INTERNO

SISTEMA DE CONTROLE INTERNO SISTEMA DE CONTROLE INTERNO FOLHAS N o -1/12 INSTRUÇÃO NORMATIVA SCI Nº-012/2009 VERSÃO: 001 APROVAÇÃO EM: 23/12/2009 ATO DE APROVAÇÃO: IN SCI 012/2009 ASSUNTO: TRANSPORTES E FROTA MUNICIPAL. SETORES ENVOLVIDOS:

Leia mais

Gestão de Transporte. Gestão do Transporte: Próprio ou Terceiros? Gestão de Transporte Avaliação das modalidades. Que fatores a serem considerados?

Gestão de Transporte. Gestão do Transporte: Próprio ou Terceiros? Gestão de Transporte Avaliação das modalidades. Que fatores a serem considerados? Gestão de Transporte Que fatores a serem considerados? A Atividade de Transporte: Sua Gestão Barco Trem Caminhão Peso Morto por T transportada 350 kg 800kg 700 kg Força de Tração 4.000 kg 500 kg 150 kg

Leia mais

PROVA ESCRITA PROCESSO SELETIVO 2016 Nº DE INSCRIÇÃO: LEIA COM ATENÇÃO E SIGA RIGOROSAMENTE ESTAS INSTRUÇÕES

PROVA ESCRITA PROCESSO SELETIVO 2016 Nº DE INSCRIÇÃO: LEIA COM ATENÇÃO E SIGA RIGOROSAMENTE ESTAS INSTRUÇÕES UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS MESTRADO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS PROVA ESCRITA PROCESSO

Leia mais

QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DE MATURIDADE

QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DE MATURIDADE MMGP Darci Prado QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DE MATURIDADE Extraído do Livro "Maturidade em Gerenciamento de Projetos" - 1ª Edição Versão do Modelo 1..0-01/Fev/008 - Editora INDG-Tecs - 008 WWW.MATURITYRESEARCH.COM

Leia mais

Metodologia para análise da viabilidade econômica da utilização do óleo de dendê como combustível para geração de energia elétrica

Metodologia para análise da viabilidade econômica da utilização do óleo de dendê como combustível para geração de energia elétrica 57 9 Metodologia para análise da viabilidade econômica da utilização do óleo de dendê como combustível para geração de energia elétrica Neste capítulo será apresentada a metodologia utilizada para análise

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

REDE PRÓPRIA DO BANCO: é a rede de estabelecimentos conveniados ao BANPARÁ.

REDE PRÓPRIA DO BANCO: é a rede de estabelecimentos conveniados ao BANPARÁ. Este instrumento tem como objetivo regulamentar a participação do CLIENTE na CAMPANHA DE FIDELIDADE BCARD, instituída pelo Banco do Estado do Pará S.A. 1. EMPRESA PROMOTORA: O BANCO DO ESTADO DO PARÁ S.A.,

Leia mais

Módulo 4 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 6.5, 6.51, 6.5.2, 6.5.3, 6.5.4, 6.5.5, 6.5.6, 6.5.7, 6.6, 6.6.1, 6.6.2, 6.7, 6.

Módulo 4 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 6.5, 6.51, 6.5.2, 6.5.3, 6.5.4, 6.5.5, 6.5.6, 6.5.7, 6.6, 6.6.1, 6.6.2, 6.7, 6. Módulo 4 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 6.5, 6.51, 6.5.2, 6.5.3, 6.5.4, 6.5.5, 6.5.6, 6.5.7, 6.6, 6.6.1, 6.6.2, 6.7, 6.8 Exercícios 6.5 Conduzindo atividades de auditoria no local

Leia mais

Universidade Federal de Sergipe Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Núcleo de Engenharia de Produção Disciplina Engenharia de Produto

Universidade Federal de Sergipe Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Núcleo de Engenharia de Produção Disciplina Engenharia de Produto Universidade Federal de Sergipe Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Núcleo de Engenharia de Produção Disciplina Engenharia de Produto Prof. Andréa Cristina dos Santos, Dr. Eng. andreaufs@gmail.com

Leia mais

MUDANÇA DE HÁBITOS PAULO RENATO JOTZ

MUDANÇA DE HÁBITOS PAULO RENATO JOTZ MUDANÇA DE HÁBITOS PAULO RENATO JOTZ Feridos graves Mazela Brasileira Em 2013: > de 50 mil mortes no trânsito; Equivale a queda de um 737-300 por dia! Em 2013: 450 mil acidentes com vítimas. 2 Definições

Leia mais

Banco do Brasil Fonado

Banco do Brasil Fonado Banco do Brasil Fonado O que é BB Fonado? São linhas de credito disponíveis para correntistas do Banco do Brasil. O nome BB Fonado refere-se a venda efetivada através do call center. Ou seja, ligação telefônica

Leia mais

MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE LUCAS DO RIO VERDE CONTROLE INTERNO

MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE LUCAS DO RIO VERDE CONTROLE INTERNO 1/5 1) DOS OBJETIVOS: 1.1) Normatizar os procedimentos de entrada e saída de materiais adquiridos pelo Município; 1.2) Garantir recebimento dos materiais no que se refere a quantidade, qualidade e prazo

Leia mais

MBA EXECUTIVO EM GERÊNCIA DE PROJETOS

MBA EXECUTIVO EM GERÊNCIA DE PROJETOS Araçatuba MBA EXECUTIVO EM GERÊNCIA DE PROJETOS COORDENAÇÃO: Profº Edmarson Bacelar Mota, M.Sc APOIO: SOBRE O CURSO Com a abertura dos mercados e o enorme aumento da competitividade, o cenário internacional

Leia mais

abaixo, onde a é o dividendo, d é o divisor, q é o quociente e r é o resto.

abaixo, onde a é o dividendo, d é o divisor, q é o quociente e r é o resto. Conjuntos numéricos 1) Naturais N = {0,1,2,3, } 2) Inteiros Z = { -3, -2, -1, 0, 1, 2, } Z + {1, 2, 3, } a) Divisão inteira Na divisão inteira de um número a por d, obtém se quociente q e resto r, segundo

Leia mais

SELECIONA: Venda Externa - Chapecó/SC Remuneração: Benefícios: Descrição: Requisitos: Ref.: Auxiliar Marketing - Chapecó/SC Remuneração: Descrição:

SELECIONA: Venda Externa - Chapecó/SC Remuneração: Benefícios: Descrição: Requisitos: Ref.: Auxiliar Marketing - Chapecó/SC Remuneração: Descrição: Venda Externa - Chapecó/SC Remuneração: R$ 1570.00 Benefícios: Benefícios: NETBOOK, CELULAR; VEÍCULO;ALIMENTAÇÃO;DESPESAS COM VIAGENS; CESTA BÁSICA; CARTÃO DE CONVENIO;SEGURO DE VIDA Descrição: Vendas

Leia mais

Programa de Remuneração Variável 2015

Programa de Remuneração Variável 2015 Programa de Remuneração Variável 2015 APRESENTAÇÃO A Remuneração Variável é parte representativa nas práticas de gestão de pessoas. O modelo tradicional de pagamento através de salário fixo, tornou-se

Leia mais

Consoante nossos entendimentos, apresentamos, a seguir, o laudo evidenciando o

Consoante nossos entendimentos, apresentamos, a seguir, o laudo evidenciando o Rio de Janeiro, 08 de abril de 2011 Ilmo. Sr. XXXX Referência: Apresentação de laudo de impairment Estritamente Confidencial Prezado Senhor, Consoante nossos entendimentos, apresentamos, a seguir, o laudo

Leia mais

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO A economia brasileira tem passado por rápidas transformações nos últimos anos. Neste contexto ganham espaço novas concepções, ações

Leia mais

Administração 4ª Série Análise de Investimentos

Administração 4ª Série Análise de Investimentos Administração 4ª Série Análise de Investimentos A Atividade Prática Supervisionada (ATPS) é um procedimento metodológico de ensinoaprendizagem desenvolvido por meio de etapas, acompanhadas pelo professor,

Leia mais

Engenheiro Civil UFBA Administrador de Empresas UCSAL MBA Gestão de Negócios UNIFACS

Engenheiro Civil UFBA Administrador de Empresas UCSAL MBA Gestão de Negócios UNIFACS Engenheiro Civil UFBA Administrador de Empresas UCSAL MBA Gestão de Negócios UNIFACS 1. indicações precisas da localização da obra; 2. resistência característica do concreto (fck) definida em projeto;

Leia mais

Nani de Castro. Sumário. Resumo de Qualificações... 2. Atuação no Mercado... 3. Formação Profissional... 5. Contatos... 6.

Nani de Castro. Sumário. Resumo de Qualificações... 2. Atuação no Mercado... 3. Formação Profissional... 5. Contatos... 6. Sumário Resumo de Qualificações... 2 Atuação no Mercado... 3 Formação Profissional... 5 Contatos... 6 Página 1 de 6 Resumo de Qualificações Consultora responsável pela organização e gestão da RHITSolution,

Leia mais

Tipos de tratores agrícolas

Tipos de tratores agrícolas Tratores Agrícolas Tipos de tratores agrícolas Tratores agrícolas São máquinas projetadas para tracionar, transportar e fornecer potência para máquinas e implementos agrícolas. O desenvolvimento de tratores

Leia mais

ESTUDO DE CASO HIGIENEX SRL (Solução Parcial)

ESTUDO DE CASO HIGIENEX SRL (Solução Parcial) UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS - UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS - IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO - DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL

Leia mais

José A. Totti Diretor Florestal - Klabin S.A.

José A. Totti Diretor Florestal - Klabin S.A. SISTEMA DE CONTROLE LOGÍSTICO DE FROTAS DE CAMINHÕES FLORESTAIS José A. Totti Diretor Florestal - Klabin S.A. 1. RESUMO O desenvolvimento da tecnologia contribuiu para a evolução da gestão e dos controles

Leia mais

Implementação do módulo LES Transportation para fretes de entrada

Implementação do módulo LES Transportation para fretes de entrada Implementação do módulo LES Transportation para fretes de entrada Palestrantes: Carine Antunes (Analista TI) Francisco Sá (Coordenador de Suprimentos) Marcos Rosa (Consultor MM) Data 15/03/2012 Agenda

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DAS PROPOSTAS

INSTRUÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DAS PROPOSTAS INSTRUÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DAS PROPOSTAS Prezados Senhores, O Escritório Anexo da Embaixada do Japão (Agência de Cooperação Internacional do Japão-JICA) deseja receber as cotações para o fornecimento

Leia mais

ClubeNaval de Brasília

ClubeNaval de Brasília ClubeNaval de Brasília Setor de Clubes Esportivos Sul SCES Trecho 2 Lote 6A AVISO DE REGATA VI CAMPEONATO BRASILEIRO CLASSE IOM /XVIII-1M-ULY BRASÍLIA DF 21/24 de abril de 2011 REALIZAÇÃO: CLUBE NAVAL

Leia mais

Projeto Olho Vivo Atuação estratégica nas necessidades dos clientes para melhoria da Satisfação.

Projeto Olho Vivo Atuação estratégica nas necessidades dos clientes para melhoria da Satisfação. IGS INOVAÇÃO DA GESTÃO EM SANEAMENTO Ciclo 2012 Case: Projeto Olho Vivo Atuação estratégica nas necessidades dos clientes para melhoria da Satisfação. A. A OPORTUNIDADE A.1. Qual foi a oportunidade de

Leia mais

Sebrae em Goiás. Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas em Goiás

Sebrae em Goiás. Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas em Goiás Sebrae em Goiás Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas em Goiás Conselho Deliberativo Estadual Agenor Braga e Silva Filho Presidente Diretoria Executiva João Bosco Umbelino dos Santos Diretor-Superintendente

Leia mais

Vagas Qtde. Escolaridade Mínima Experiência Salário Observações

Vagas Qtde. Escolaridade Mínima Experiência Salário Observações Vagas Qtde. Escolaridade Mínima Experiência Salário Observações Ajudante de Açougueiro 01 Fund. Incompleto 6 meses R$710,00 Com experiência. Ajudante de Montador de 04 Fund. Incompleto Não exigida R$745,00

Leia mais

Roberto Biasotto Especialista de Marketing de Produto Case IH América Latina

Roberto Biasotto Especialista de Marketing de Produto Case IH América Latina Roberto Biasotto Especialista de Marketing de Produto Case IH América Latina Ribeirão Preto 24 de Março de 2010 Case IH Evoluindo com o Setor Sucroenergético 2010 Colhedora de Cana A8000 Case IH Brasil

Leia mais

Engenharia do Produto

Engenharia do Produto Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus Curitiba Departamento de Eletrônica Engenharia do Produto Slides elaborados a partir de Rozenfeld et al. (2006) AULA 6 Favor colocar

Leia mais

Edifício Evolution Business Center Manual do Credenciado

Edifício Evolution Business Center Manual do Credenciado Edifício Evolution Business Center Manual do Credenciado A BrasilPark quer prestar sempre o melhor serviço para seus clientes. Para que isso aconteça, é essencial que você fique atento aos nossos procedimentos

Leia mais

Manual da Qualidade. Controle de documentos 18/8/2011. A norma recomenda: A norma recomenda um procedimento documentado que contenha controles para:

Manual da Qualidade. Controle de documentos 18/8/2011. A norma recomenda: A norma recomenda um procedimento documentado que contenha controles para: Manual da Qualidade A norma recomenda: o escopo do sistema de gestão da qualidade, incluindo detalhes e justificativas para quaisquer exclusões os procedimentos documentados estabelecidos para o sistema

Leia mais