AVALIAÇÃO NO ENSINO FUNDAMENTAL: Anos Iniciais. RESUMO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AVALIAÇÃO NO ENSINO FUNDAMENTAL: Anos Iniciais. RESUMO"

Transcrição

1 AVALIAÇÃO NO ENSINO FUNDAMENTAL: Anos Iniciais. SOARES, Antonia Nilda Arraes 1 CANACHIRO, Aucilene Soares 2 FARIAS, Jessica Rulim 3 RESUMO A avaliação para uma aprendizagem significativa deve fazer parte da rotina da sala de aula, sendo utilizada de forma contínua como um dos aspectos complementares. Na educação para a realização de uma avaliação que priorize o desenvolvimento do indivíduo. As avaliações para uma educação de qualidade devem ser colocadas em práticas estratégias visando os objetivos propostos. Este artigo tem por objetivo fazer uma reflexão das concepções de avaliação que permeiam o cotidiano escolar, assim como, analisar o papel da avaliação no processo educacional. No estágio dos anos iniciais do ensino fundamental observamos os diferentes entendimentos sobre a temática na visão de diferentes educadores e visamos compreender essas contradições existentes no campo educacional. A temática avaliação é uma das mais polêmicas e por isso se torna contraditória no discurso da maioria dos professores. Palavras chaves: Avaliação, Ensino Fundamental, Professor. INTRODUÇÃO Este artigo e uma reflexão sobre educação que exerce um papel importante no modo de compreender o homem, como um ser que está inserido dentro de um processo histórico-cultural, com uma variedade de implicações sociais. Nesse aspecto, definir e analisar o propósito da educação é um desafio que encontrado no estágio dos anos iniciais do Ensino Fundamental. Dentre tantas contradições 1 Pedagoga. Faculdade de Ciências Aplicadas do Vale do São Lourenço- EDUVALE. 2 Pedagoga. Faculdade de Ciências Aplicadas do Vale de São Lourenço- EDUVALE. 3 Pedagoga. Faculdade de Ciências Aplicadas do vale do São Lourenço-EDUVALE.

2 existentes entre teoria e a prática vivida no dia a dia do estágio à avaliação é uma das práticas mais polêmicas e por isso se torna contraditória no discurso da maioria dos professores. A tentativa de definição dos vários significados entendido por cada profissional da educação tem dificultado a ação educativa na prática o que ocasionam sofrimento não só a alunos como professores. Por isso é necessário a tomada de decisão com consciência dessas influências, para que nossa prática avaliativa não reproduza inconscientemente o autoritarismo que contestam o seu discurso. Dentro do processo histórico, uma das funções da educação é a de transmitir valores culturais, que fazem parte do processo de identificação de determinado grupo, possibilitando assim, a influência de uma geração sobre a outra. Na maioria das vezes os professores têm percebido a ação de educar e ação de avaliar como dois momentos distintos. Sabemos que avaliar e um processo planejado com informações para compreensão a tomada de decisões, que visem melhorar a qualidade do que se avalia e instruir o ser humano envolvido neste processo. 1 PROCESSO HISTÓRICO DA AVALIAÇÃO Neste começo de século, o sistema escolar Brasileira é amparado pela Lei nº 9394 de 20 de Dezembro de Que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Não podemos deixar de enfatizar as varias etapas da educação ate chegarmos ao ensino de hoje. Deste modo faremos uma breve linha do tempo. A educação indígena foi interrompida com a chegada dos Jesuítas, os primeiros habitantes do território brasileiro, em março de 1549, comandados pelo Padre Manoel de Nóbrega. Quinze dias após a chegada, edificaram a primeira escola elementar brasileira, em Salvador, tendo como mestre o Irmão Vicente Rodrigues, contando apenas 21 anos. Irmão Vicente tornou-se o primeiro professor nos moldes europeus, em terras brasileiras, e durante mais de 50 anos dedicou-se ao ensino e a propagação da fé religiosa. Assim, observa-se que a escola pública chegou ao Brasil através dos padres jesuítas. A educação era de caráter

3 catequético. Os jesuítas comandaram a educação 210 anos, com conceitos de educar com o que eles achavam melhor. Em 1931, houve a criação do ministério da Educação, acoplado com a saúde. Em 1948, aconteceu a Declaração Universal dos Direitos humanos: Educação é direito de todos. Em 1961, criou-se a primeira Lei de Diretrizes e Base para a Educação Nacional, nº 4024/61. Em 1990, em Criação do Estatuto da criança e dos adolescentes. Em 1996, criada Lei Nº 9394/96 criação de novos parâmetros. Em 2005, LDB, Criação da Lei nº de 16/05/05 - A idade da matricula, mantendo a exigência de duração mínima do Ensino Fundamental de 8 anos letivos. Em 2006, LBD, Lei nº de 06/02/06 manteve a idade de matricula do ensino Fundamental seis anos, mas ampliou a duração ensino fundamental para nove anos. Neste sentido, a educação passou e vem passando por varias transformações. Nos que diz respeito o ensino fundamental na atualidade, ele deve ter duração mínima de oito anos (art. 32), com carga horária mínima anual de 800 horas, distribuídas no mínimo em 200 dias letivos. Desta forma a Lei nº 9.394/61, trouxe vários avanços para a sociedade e para a educação, onde abrem diversas possibilidades de organização dos períodos semestrais, ciclos, grupos não seriados e entre outras. A escolaridade obrigatória só aparece na Constituição de 1934, mantendo-se em todas as seguintes. Atualmente, a obrigatoriedade de freqüência à escola abrange as crianças de freqüência à escola abrange as crianças de 7 a 14 anos, correspondendo ao ensino fundamental. 2- A extensão a obrigatoriedade pode ser entendida em dois sentidos: a) Vertical: número de anos e horas de freqüência obrigatória. b) Horizontal: quantidade de crianças em idade de freqüência a escola efetivamente atendidas. 3- Em relação ao ensino fundamental a lei estabelece alguns preceitos que, se cumpridos, ampliariam tanto a extensão horizontal de freqüência escolar, quanto a eficiência da escola. São eles: a- Duração: 8 anos, 200 dias letivos anuais, 800 horas anuais; b-calendário: adequado às peculiaridade locais; c- Organização diversificada: séries anuais, ciclos, períodos semestrais, grupos não-seriados, etc. d- Classificação dos alunos por promoção, transferência e independentemente de escolarização; e-

4 Língua portuguesa, assegurado o uso das línguas maternas pelas comunidades indígenas. (PILETTI, p.59,1988). Em mato grosso optou por trabalhar em escola ciclada ciclo de formação humana, possibilitando um atendimento mais organizado e atencioso aos educandos, efetivando assim o desenvolvimento, aspectos sociais, morais, éticos e afetivos. A Escola Clicada de Mato de Grosso tem duração de 9 anos no Ensino Fundamental, que tem inicio da escolarização aos 6 anos ate os 14 anos de idades. Nos ciclos de Formação respeita-se a organização das turmas por idades, como decorrência da concepção de que o aluno, na convivência com seus pares da mesma idade, tem maior oportunidade de vivenciar um processo de interação riquíssimo que facilita, mediante as trocas socializantes, a construção de sua identidade e autoimagem, próprios de sua faixa etária. (CICLO MATO GROSSO, p. 26). Através dessas mudanças das séries para os ciclos, e ate as demais escolas que não aderiram ao ciclo, partiu-se da problemática de que os professores tem sérias dificuldades para compreender e aplicar avaliação no dia-a-dia escolar. E isso ficou bem claro, durante o processo de estágio, onde foi possível observar, refletir e comparar a grande distância entre discursos rotineiros e a realidade encontrada durante este período. Em sala, vivenciando o estágio, foi observado alguns pontos considerados negativos para o processo ensino aprendizagem. Na verdade o que acontece que avaliação ainda é usada como aquele fantasma tão conhecido onde todos desconhecem. A avaliação não acontece como acompanhamento no processo de desenvolvimento. E que o diálogo frequente e sistemático entre professores e alunos e mesmo os pais não responde a uma proposta de avaliação construtivista. Assim podemos compreender de que o método avaliativo da escola nova fica mesmo só na teoria, prevalecendo então o velho tradicionalismo. Muitos desafios que se enfrentam no cotidiano da sala de aula, a avaliação não deixa de ser mais um deles. Um desafio que exige uma analise reflexivo e crítica para uma avaliação inteiramente humana que julga as práticas pedagógicas de acordo com a realidade.

5 Durante o estagio nos anos iniciais do ensino fundamental, nos deparamos com diversas situações de desacertos em relação aos elementos que constituem a avaliação escolar. Perrenoud e Libâneo (1999), que trata da avaliação alertando o professor para melhorar sua prática pedagógica e levá-lo a fazer uma reflexão crítica sobre o ato de avaliar, envolvendo o aluno como parte principal do processo e que esta não se dá uma forma final, mas contínua e num todo, valorizando-o como ser capaz de aprender e manter um bom relacionamento entre as pessoas, no ambiente em que estiver. A avaliação do rendimento escolar tem sua história abordada no século XXI. Segundo Perrenoud (1999), é de certo modo interessante verificar a evolução do mundo e, depois, fazermos uma comparação com a nossa evolução no campo do processo avaliativo. Seriam todos em um mesmo nível. Todos vão agir da mesma maneira em todos os níveis do aprendizado. Avaliar e Medir são duas práticas que, há muitos anos, andam sempre juntas, sabendo-se que em localidades mais desenvolvidas, esse tipo de avaliação tenha sido já superado. Não devemos ficar acomodados, pois o primeiro susto já esta instalada dentro de seu pensamento porque, essa formula de avaliação continua sendo usada e defendida até dentro das universidades. Fazemos uma reflexão, e logo percebemos que a mentalidade da maioria dos educadores não mudou, continua tradicionalista onde o professor permanece o centro. A função seletiva e eliminatória da avaliação é uma responsabilidade de todos! Enquanto avaliamos, exercemos um ato político, mesmo quando não o pretendemos. Tanto as ações individualizadas, quanto a omissão na discussão desta questão reforçam a manutenção das desigualdades sociais. (HOFFMAN, 2005, p.91). A mudança que se pode pensar em alterar toda uma estrutura avaliativa da aprendizagem é considerar o processo avaliativo como parte integrante de todo o processo educativo, dando assim condições para se analisar a maneira de atribuir notas ou conceitos que venham interferir na classificação do aluno.

6 É fato que o processo de avaliação não é o fim de toda problemática, mas o começo de tudo. Pois se não soubermos entender todo o processo que envolve a avaliação, ensino e aprendizagem, e desenvolvimento, não se pode analisar um como resultado final, qual desejamos. A Trazer função das quais se decidem o progresso do ano seguinte, a maneira de seleção a orientação de diversos tipos de estudos, a certeza antes da formação de cidadãos capazes de atuar na sociedade atual moderna que as esperam. No cotidiano escolar vivenciam-se outra realidade ao contrario, do que afirmam a maioria dos autores, que descrevem avaliação como mais um recurso na aprendizagem, em disputas quase que rituais, décadas após décadas, em uma linguagem cheia de inovações que nos permite apenas o suficiente para dissimular a perenidade das posições, ficando assim só na teoria e nada de prática. A avaliação é essencial à educação. Inerente e indissociável enquanto concebida como problematização, questionamento, reflexão sobre ação. Educar é fazer ato de sujeito e problematizar o mundo em que vivemos para superar as contradições, comprometendo-se com esse mundo para recriá-lo constantemente. (HOFFMANN, 2005, p.15). Avaliação Deve estar diretamente ligada à avaliação do próprio trabalho docente, ao avaliar o que o aluno aprende; o professor estava avaliando o que ele próprio conseguiu ensinar. Pois quando o professor avalia os avanços e dificuldades dos alunos, isto fornece ao professor indicações de como deve encaminhar e reorientar a sua prática pedagógica visando aperfeiçoá-la. É por isso que se diz que a avaliação contribui para a melhoria da qualidade da aprendizagem e do ensino. A avaliação é a reflexão transformada em ação. Ação essa que nos impulsiona à novas reflexões, ou, como nas palavras de Hoffmann, reflexão permanente do educador sobre sua realidade e acompanhamento, passo a passo, do educando, na sua trajetória de construção do conhecimento.. (ESCOLA CICLADA DE MATO GROSSO, 2000, p.178). Por isso, apontamos a necessidade de uma avaliação na qual se descreva mais detalhadamente possível o processo de construção do conhecimento, dificuldades e avanços durante o processo de escolarização. A forma de avaliação pode ser o desempenho do aluno, sujeito da aprendizagem, mas também poderia ser qualquer outra coisa, ação ou pessoa. Para

7 essa avaliação, é necessário usar instrumentos identifiquem a capacidade de observar a realidade. Assim sendo, testes, questionários, fichas de observação e outras. Propriamente, não são instrumentos de avaliação, mas sim realidade, que deverá ser qualificada os dados da realidade, sim, é o ato central da prática da avaliação. Diz Luckesi (1999, p. 31), Avaliar é tudo o que acontece antes da nota Mas tudo isso não significa que a prova seja um mal em si, alertam os pesquisadores. A questão é que ela precisa ser adequadamente aplicada. A começar do mais óbvio: uma prova escrita é útil quando se restringir às competências lógico-verbais. Ou seja, pode-se fazer uma prova escrita sobre história da arte, mas não sobre as habilidades de um artista. Por isso mesmo, há diversa outras situações na vida escolar que requerem outros instrumentos de avaliação como produções, portfólios, apresentações e outras formas de levantar informações sobre a aprendizagem. De acordo com Luckes (2002), e com as observações feitas no período de estágio o modelo mais comum em nossas escolas é o tradicional, marcado pela preocupação com a objetividade dos resultados e dos instrumentos de avaliação; a ênfase na avaliação do conhecimento; a preocupação maior é com aprovação/reprovação; há pouca participação dos sujeitos envolvidos; a ênfase está na avaliação do resultado demonstrado pelo aluno. Outro modelo, pouco presente nas escolas atuais é o democrático participativo, no qual ocorre a valorização dos aspectos qualitativos da avaliação; preocupação não apenas com avaliação do produto, mas de todo processo educacional há participação dos sujeitos envolvidos; a avaliação está focalizada mais no sucesso escolar do que com a reprovação em si; preocupa-se com a avaliação de todos os segmentos do processo educativo e não apenas com o aluno Avaliação Diagnóstica: A avaliação diagnóstica é aquela que acontece geralmente no começo do ano letivo, antes do planejamento, onde o professor verifica os conhecimentos prévios dos alunos, o que eles sabem e o que não sabem sobre os conteúdos. Não

8 tem a finalidade de atribuir nota. Para Luckesi (2000, p. 09), [...] para avaliar, o primeiro ato básico é o de diagnosticar, que implica, como seu primeiro passo, coletar dados relevantes, que configurem o estado de aprendizagem do educando ou dos educandos. Dessa forma: A avaliação diagnóstica é aquela realizada no início de um curso,período letivo ou unidade de ensino, com a intenção de constatar se os alunos apresentam ou não o domínio dos pré requisitos necessários, isto é, se possuem os conhecimentos e habilidades imprescindíveis para as novas aprendizagens. É também utilizada para caracterizar eventuais problemas de aprendizagem e identificar suas possíveis causas, numa tentativa de saná-los. (HAYDT, 1988, p ). Na visão de Haydt (1988, p. 20), um dos propósitos da avaliação com função diagnóstica é informar o professor sobre o nível de conhecimento e habilidades de seus alunos, antes de iniciar o processo ensino-aprendizagem, para determinar o quanto progrediram depois de certo tempo Avaliação Formativa Quando usamos o termo avaliar estamos referindo não apenas aos aspectos quantitativos da aprendizagem, mas também aos qualitativos, abrangendo tanto a aquisição de conhecimento de corrente dos conteúdos curriculares, quanto as habilidades, os interesses, as atitudes, os hábitos de estudos e o ajustamento pessoal e social. Sendo assim, avaliar consiste em fazer um julgamento de resultados comparando o que foi obtido e com o que pretendia alcançar. Dessa forma, a avaliação pode ser útil para orientar tanto o aluno, quanto o professor, fornecendo informações para o aluno melhorar o desenvolvimento escolar e dar elementos ao professor para aperfeiçoar sua forma de avaliar. Avaliar o processo ensino e aprendizagem é basicamente verificar o que os alunos conseguiram aprender e o que o professor conseguiu ensinar. Assim, a avaliação diagnosticada ajuda a detectar o que cada aluno aprendeu anteriormente, especificando sua bagagem cognitiva, e ao mesmo tempo auxilia o professor a determinar quais são os conhecimentos e habilidades que devem ser retomadas antes de introduzir os novos conteúdos do planejamento.

9 De acordo com Luckesi (1999), a avaliação formativa tem como função verificar se os objetivos estabelecidos para a aprendizagem foram atingidos e tem como função verificar se os objetivos estabelecidos para a aprendizagem foram atingidos e tem como propósito fundamental um caráter formativo e verifica se o aluno está conseguindo dominar os objetivos previstos, sob a forma de conhecimento, habilidades e atitudes contribuindo também para o aperfeiçoamento da ação docente, fornecendo ao professor dados para adequar seus procedimentos de ensino às necessidades da classe. Pode também ajudar a ação dos alunos, oferecendo informações seu progresso nas aprendizagens, conhecendo seus avanços e dificuldades. Como Guedes (1981), afirma: Tratar da avaliação escolar é introduzir conceitos essências para a compreensão das perspectivas valorativa centrada no aluno. Para tanto o desenvolvimento educativo deve ser acompanhado de uma avaliação constante Avaliação Somativa: A avaliação somativa tem a função de classificar os resultados obtidos pelos alunos, tendo por base os níveis de aproveitamento. Por isso os objetivos devem ser formulados claramente, para que possam ser um guia seguro da indicação do que é avaliar e na escolha e elaboração dos instrumentos mais adequados da avaliação. A função classificatória subtrai da pratica de avaliação aquilo que lhe é constitutivo, a obrigatoriedade da tomada de decisão quanto hà ação, quando ela está avaliando uma ação. Desta forma, a avaliação educacional assumida como somativa torna-se desse modo um instrumento autoritário de desenvolvimento de cada um. Luckesi, (1980), diz: Colocar avaliação escolar a serviço de uma pedagogia que entenda e esteja preocupado com a educação como mecanismo de transformação social.

10 Portanto, devemos estar cientes que avaliação educacional em geral é a avaliação da aprendizagem escolar são meios e não fins em si mesmo, entendo deste modo direcionados pela teoria e prática que as norteiam. Pode-se então afirmar que a avaliação não se dá num vazio conceitual mais sim dimensionada por um modulo teórico do mundo e da educação, traduzida em prática pedagógica. A avaliação de aprendizagem escolar deve ser parte integrante do processo ensino-aprendizagem e exige do profissional um bom preparo técnico além da capacidade de observação. A principal função da avaliação é a diagnóstica, pois permite diariamente a detecção dos fatores causadores do fracasso escolar. No entanto, grandes partes dos profissionais não aceitam a avaliação como ela deve ser e insistem em maquiar as provas e testes afirmando que usam de maneira correta. REFERENCIAS GUEDES, Sulani Pereira. Educação Pessoa e Liberdade: propostas rogerianas para uma práxis psicopedagógicas centrada no aluno. São Paulo: Moraes, HAYDT, R. C. C. Avaliação do processo ensino-aprendizagem. São Paulo: Ática, HOFFMAN, Jussara Maria Lerch. Avaliação: mito e desafio: perspectiva construtivista. 35ª Ed. Porto Alegre: Mediação, LUCKESI, C. C. Prática decente e avaliação. Rio de Janeiro: ABT, LUCKESI, Cipriano Carlos. Avaliação educacional escolar: Para além do autoritarismo. São Paulo: Cortez, MATO GROSSO. Secretaria de estado de educação. Escola Ciclada de Matogrosso: Novos tempos e espaços para ensinar-aprender a sentir ser e fazer. Cuiabá: Seduc, 2000.

11 MIZUKAMI, Maria das Graças Nicoletti. As abordagens do processo. São Paulo: EPU, PILETTI, Nelson. Série Educação, Estrutura e Funcionamento do Ensino Fundamental. 23. ed. Editora Ática.

2.5 AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

2.5 AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL 2.5 AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Para que a Educação Infantil no município de Piraquara cumpra as orientações desta Proposta Curricular a avaliação do aprendizado e do desenvolvimento da criança, como

Leia mais

TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA. Seção I Das Disposições Gerais

TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA. Seção I Das Disposições Gerais TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA Seção I Das Disposições Gerais Art. 22. A educação básica tem por finalidades desenvolver o educando, assegurar-lhe

Leia mais

A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL

A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL JOSÉ MATEUS DO NASCIMENTO zenmateus@gmail.com POLIANI SANTOS DA SILVA poliany_mme@hotmail.com MARIA AUXILIADORA DOS SANTOS MARINHO Campus IV(CCAE)

Leia mais

O DESAFIO DA AVALIAÇÃO EM CURSOS SUPERIORES A DISTÂNCIA

O DESAFIO DA AVALIAÇÃO EM CURSOS SUPERIORES A DISTÂNCIA O DESAFIO DA AVALIAÇÃO EM CURSOS SUPERIORES A DISTÂNCIA Maio de 2008 Marina Caprio Faculdade Interativa COC marinacaprio@coc.com.br Karen Bortoloti Faculdade Interativa COC bortoloti@coc.com.br Categoria

Leia mais

Assim, a avaliação da aprendizagem possibilita ao professor consciência sobre o curso dos processos e dos resultados educativos.

Assim, a avaliação da aprendizagem possibilita ao professor consciência sobre o curso dos processos e dos resultados educativos. SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO III- A PORTARIA E/SAPP Nº 48/2004: ASPECTOS CENTRAIS Uma concepção de avaliação Os artigos 1º e 2º da Portaria E/SAPP 48/04 destacam a concepção de avaliação que fundamenta

Leia mais

Projeto. Supervisão. Escolar. Adriana Bührer Taques Strassacapa Margarete Zornita

Projeto. Supervisão. Escolar. Adriana Bührer Taques Strassacapa Margarete Zornita Projeto de Supervisão Escolar Adriana Bührer Taques Strassacapa Margarete Zornita Justificativa O plano de ação do professor pedagogo é um guia de orientação e estabelece as diretrizes e os meios de realização

Leia mais

O Significado da Avaliação

O Significado da Avaliação 49 O Significado da Avaliação 1 INTRODUÇÃO Angela Maria Dal Piva Avaliar faz parte do ato educativo. Avalia-se para diagnosticar avanços e entraves, para interferir, agir, problematizar, e redefinir os

Leia mais

ANEXO III. Regulamentação da Educação Profissional Técnica de Nível Médio Integrado na Modalidade Educação de Jovens e Adultos. Capítulo I Da admissão

ANEXO III. Regulamentação da Educação Profissional Técnica de Nível Médio Integrado na Modalidade Educação de Jovens e Adultos. Capítulo I Da admissão ANEXO III ORGANIZAÇÃO DIDÁTICA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA SERTÃO PERNANBUCANO Resolução nº 031/2010 De 30 de setembro de 2010 Regulamentação da Educação Profissional Técnica

Leia mais

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Introdução A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional afirma que cabe aos estabelecimentos de ensino definir

Leia mais

Orientações para avaliação

Orientações para avaliação AVALIAÇÃO A concepção de avaliação dos Parâmetros Curriculares Nacionais vai além da visão tradicional, que focaliza o controle externo do aluno mediante notas ou conceitos, para ser compreendida como

Leia mais

AVALIAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO-CURRICULAR, ORGANIZAÇÃO ESCOLAR E DOS PLANOS DE ENSINO 1

AVALIAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO-CURRICULAR, ORGANIZAÇÃO ESCOLAR E DOS PLANOS DE ENSINO 1 AVALIAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO-CURRICULAR, ORGANIZAÇÃO ESCOLAR E DOS PLANOS DE ENSINO 1 A avaliação da escola é um processo pelo qual os especialistas (diretor, coordenador pedagógico) e os professores

Leia mais

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 É comum hoje entre os educadores o desejo de, através da ação docente, contribuir para a construção

Leia mais

CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares

CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares C M E CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NATAL/RN RESOLUÇÃO Nº 003/2011 CME Estabelece normas sobre a Estrutura, Funcionamento e Organização do trabalho pedagógico da Educação de Jovens e Adultos nas unidades

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DIRETORIA DE PROJETOS ESPECIAIS PROJETO A VEZ DO MESTRE

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DIRETORIA DE PROJETOS ESPECIAIS PROJETO A VEZ DO MESTRE UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DIRETORIA DE PROJETOS ESPECIAIS PROJETO A VEZ DO MESTRE AVALIAÇÃO DO PROCESSO ENSINO-APRENDIZAGEM AUTORA: JUSSARA OLIVEIRA DE

Leia mais

PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO. Prof. Msc Milene Silva

PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO. Prof. Msc Milene Silva PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO Prof. Msc Milene Silva Conteúdo: Concepções Pedagógicas Conceitos de Educação; Pedagogia; Abordagens Pedagógicas: psicomotora, construtivista, desenvolvimentista e críticas. Função

Leia mais

Justificativa: Cláudia Queiroz Miranda (SEEDF 1 ) webclaudia33@gmail.com Raimunda de Oliveira (SEEDF) deoliveirarai@hotmail.com

Justificativa: Cláudia Queiroz Miranda (SEEDF 1 ) webclaudia33@gmail.com Raimunda de Oliveira (SEEDF) deoliveirarai@hotmail.com 1 COMO COLOCAR AS TEORIAS ESTUDADAS NA FORMAÇÃO DO PNAIC EM PRÁTICA NA SALA DE AULA? REFLEXÕES DE PROFESSORES ALFABETIZADORES SOBRE O TRABALHO COM O SISTEMA DE NUMERAÇÃO DECIMAL Cláudia Queiroz Miranda

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

O PLANEJAMENTO E A AVALIAÇÃO INICIAL/DIAGNÓSTICA

O PLANEJAMENTO E A AVALIAÇÃO INICIAL/DIAGNÓSTICA O PLANEJAMENTO E A AVALIAÇÃO INICIAL/DIAGNÓSTICA Profa. Me. Michele Costa (Professora do Curso de Pedagogia das Faculdades COC) CONVERSAREMOS SOBRE: Avaliação inicial ou diagnóstica na Educação Infantil

Leia mais

O PLANEJAMENTO E A AVALIAÇÃO INICIAL/DIAGNÓSTICA

O PLANEJAMENTO E A AVALIAÇÃO INICIAL/DIAGNÓSTICA O PLANEJAMENTO E A AVALIAÇÃO INICIAL/DIAGNÓSTICA Profa. Me. Michele Costa (Professora do Curso de Pedagogia das Faculdades COC) CONVERSAREMOS SOBRE: Formas de registro na avaliação inicial ou diagnóstica

Leia mais

Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo

Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo Eliane Aparecida Toledo Pinto Docente da Faculdade Municipal de Filosofia,

Leia mais

ANAIS ELETRÔNICOS ISSN 235709765

ANAIS ELETRÔNICOS ISSN 235709765 UMA ABORDAGEM REFLEXIVA SOBRE AS PRATICAS DE PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO ESCOLAR SILVA, Ana Raquel Henriques 1. (UFCG) ARAÙJO, Gérssica Xavier Brito de 2. (UFCG) RAFAEL, Edmilson Luiz 3. (Orientador) RESUMO

Leia mais

O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA

O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA Profª. Ms. Marilce da Costa Campos Rodrigues - Grupo de estudos e pesquisas em Política e Formação Docente: ensino fundamental

Leia mais

É projeto porque reúne propostas de ação concreta a executar durante determinado período de tempo. É político por considerar a escola como um espaço

É projeto porque reúne propostas de ação concreta a executar durante determinado período de tempo. É político por considerar a escola como um espaço É projeto porque reúne propostas de ação concreta a executar durante determinado período de tempo. É político por considerar a escola como um espaço de formação de cidadãos conscientes, responsáveis e

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE PEDAGOGIA, Licenciatura REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O presente documento

Leia mais

Formação de professores do Ensino Médio

Formação de professores do Ensino Médio Formação de professores do Ensino Médio Etapa I Caderno VI Pacto Nacional pelo Fortalecimento do Ensino Médio A Avaliação no Ensino Médio Ocimar Alavarse Gabriel Gabrowski Mediadora: Viviane Aparecida

Leia mais

mhtml:file://c:\a\espaço PEDAGÓGICO online\smec\avaliação Formativa.mht

mhtml:file://c:\a\espaço PEDAGÓGICO online\smec\avaliação Formativa.mht Page 1 of 5 e seu sentido de melhoria do processo de ensino-aprendizagem Para que Avaliar? Para conhecer melhor o aluno/a Para julgar a aprendizagem durante o processo de ensino Para julgar globalmente

Leia mais

Palavras-chave: fracasso escolar, aprendizagem discente, ação docente.

Palavras-chave: fracasso escolar, aprendizagem discente, ação docente. FRACASSO E EVASÃO ESCOLAR: UM ESTUDO SOBRE APRENDIZAGEM DISCENTE E AÇÃO DOCENTE RODRIGUES, Sílvia de Fátima Pilegi Prof. Douta. Depto. de Educação/ICHS/CUR/UFMT ANDRADE, Luiza Gonçalves Fagundes de Bolsista

Leia mais

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA EM AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM PARA DOCENTES UNIVERSITÁRIOS

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA EM AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM PARA DOCENTES UNIVERSITÁRIOS 1 FORMAÇÃO PEDAGÓGICA EM AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM PARA DOCENTES UNIVERSITÁRIOS Daniela da Costa Britto Pereira Lima Universidade Estadual de Goiás e Universidade Federal de Goiás Juliana Guimarães

Leia mais

e-mail: simoneperes2@yahoo.com.br 1 CONCEPÇÕES DE CURRÍCULO e-mail: simoneperes2@yahoo.com.br 2 CONVERSANDO SOBRE CURRÍCULO Diferentes concepções Conteúdos e competências Sobre aprendizagens Projetos alternativos

Leia mais

Estudo e aplicação dos critérios de elaboração e aplicação das avaliações internas previstos no Plano de Ensino-Aprendizagem

Estudo e aplicação dos critérios de elaboração e aplicação das avaliações internas previstos no Plano de Ensino-Aprendizagem Estudo e aplicação dos critérios de elaboração e aplicação das avaliações internas previstos no Plano de Ensino-Aprendizagem A avaliação no Programa de Alfabetização é processual. O seu propósito é o de

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE AS POTENCIALIDADES DE UM PROJETO DE EXTENSÃO

REFLEXÕES SOBRE AS POTENCIALIDADES DE UM PROJETO DE EXTENSÃO REFLEXÕES SOBRE AS POTENCIALIDADES DE UM PROJETO DE EXTENSÃO Fátima Aparecida Queiroz Dionizio UEPG faqdionizio@hotmail.com Joseli Almeida Camargo UEPG jojocam@terra.com.br Resumo: Este trabalho tem como

Leia mais

PROVINHA BRASIL E HABILIDADES DE LEITURA: ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE OS NÍVEIS DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO

PROVINHA BRASIL E HABILIDADES DE LEITURA: ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE OS NÍVEIS DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO 1 PROVINHA BRASIL E HABILIDADES DE LEITURA: ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE OS NÍVEIS DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO INTRODUÇÃO Solange dos Santos (UFS) A leitura tem sido por muito tempo um tema muito debatido

Leia mais

FACULDADE DA REGIÃO DOS LAGOS INSTITUTO DE ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS ECONÔMICAS

FACULDADE DA REGIÃO DOS LAGOS INSTITUTO DE ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS ECONÔMICAS 1. Princípios Teórico-Filosóficos A Faculdade da Região dos Lagos vem se destacando como uma das principais instituições na formação de administradores, empresários e gerentes em nossa região. Além disso,

Leia mais

I FÓRUM DAS LICENCIATURAS UFMT/PROEG/PRODOCÊNCIA

I FÓRUM DAS LICENCIATURAS UFMT/PROEG/PRODOCÊNCIA I FÓRUM DAS LICENCIATURAS UFMT/PROEG/PRODOCÊNCIA TEMA 1: CICLOS DE FORMAÇÃO HUMANA A Organização da Escola de Ensino Fundamental em Ciclos de Formação da Rede Estadual de Mato Grosso: concepções, estratégias

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INVESTIGAÇÃO DA PRÁTICA DOCENTE I... 4 02 LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTO... 4 03 PROFISSIONALIDADE DOCENTE... 4 04 RESPONSABILIDADE

Leia mais

UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA

UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA Quando focalizamos o termo a distância, a característica da não presencialidade dos sujeitos, num mesmo espaço físico e ao mesmo tempo, coloca se como um

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO Ensino Fundamental e Médio PLANO DE TRABALHO PEDAGÓGICO

COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO Ensino Fundamental e Médio PLANO DE TRABALHO PEDAGÓGICO Secretaria de Estado da Educação Estado do Paraná Núcleo Regional de Educação de União da Vitória COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO Ensino Fundamental e Médio Rua Presidente Kennedy, 200 Fone: (42) 3552

Leia mais

CRITÉRIO DE AVALIAÇÃO

CRITÉRIO DE AVALIAÇÃO CRITÉRIO DE AVALIAÇÃO HÁ DUAS MANEIRAS DISTINTAS DE AVALIAÇÃO 1- PARA O SISTEMA ANUAL 2- PARA O SISTEMA DE MÓDULOS SEMESTRAIS (DISCIPLINAS) Título VI Da Avaliação Escolar Capítulo I Do Conceito e Dos Objetivos

Leia mais

PROVA SIMULADA SOBRE A LEI DE DIRETRIZES E BÁSICAS DA EDUCAÇÃO NACIONAL LDBEN

PROVA SIMULADA SOBRE A LEI DE DIRETRIZES E BÁSICAS DA EDUCAÇÃO NACIONAL LDBEN PROVA SIMULADA SOBRE A LEI DE DIRETRIZES E BÁSICAS DA EDUCAÇÃO NACIONAL LDBEN 1. A Lei de Diretrizes e Bases, Lei nº. 9394/96, em seu artigo 3º enfatiza os princípios norteadores do ensino no Brasil. Analise-os:

Leia mais

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS Projeto de Lei nº 8.035, de 2010 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional O PNE é formado por: 10 diretrizes; 20 metas com estratégias

Leia mais

CURSO PREPARATÓRIO PARA PROFESSORES. Profa. M. Ana Paula Melim Profa. Milene Bartolomei Silva

CURSO PREPARATÓRIO PARA PROFESSORES. Profa. M. Ana Paula Melim Profa. Milene Bartolomei Silva CURSO PREPARATÓRIO PARA PROFESSORES Profa. M. Ana Paula Melim Profa. Milene Bartolomei Silva 1 Conteúdo: Concepções Pedagógicas Conceitos de Educação; Pedagogia; Abordagens Pedagógicas: psicomotora, construtivista,

Leia mais

SISTEMA DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO

SISTEMA DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO SISTEMA DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO CAPÍTULO I DA CONCEPÇÃO Art. 1º O Sistema de Avaliação tem por objetivo acompanhar o processo de ensinoaprendizagem, visando ao desenvolvimento

Leia mais

PRÁTICA PROFISSIONAL INTEGRADA: Uma estratégia de integração curricular

PRÁTICA PROFISSIONAL INTEGRADA: Uma estratégia de integração curricular PRÁTICA PROFISSIONAL INTEGRADA: Uma estratégia de integração curricular Daiele Zuquetto Rosa 1 Resumo: O presente trabalho objetiva socializar uma das estratégias de integração curricular em aplicação

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 1º

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 1º PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Filosofia da Educação I Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 1º 1 - Ementa (sumário, resumo) Conceitos básicos: filosofia,

Leia mais

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA ATUAÇÃO EM EAD NOS CURSOS DE PEDAGOGIA DE SANTA CATARINA

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA ATUAÇÃO EM EAD NOS CURSOS DE PEDAGOGIA DE SANTA CATARINA A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA ATUAÇÃO EM EAD NOS CURSOS DE PEDAGOGIA DE SANTA CATARINA Zuleide Demetrio Minatti 1 Nilson Thomé 2 UNIPLAC. Resumo: Na atualidade observa-se o crescimento da demanda por cursos

Leia mais

6h diárias - 11 meses

6h diárias - 11 meses 6h diárias - 11 meses PROPOSTA PEDAGÓGICA PROGRAMA DE APRENDIZAGEM EM AUXILIAR DE VAREJO ÍNDICE 1 - Apresentação da Entidade ijovem 3 2 - Justificativa do Programa. 3 3 Público-alvo: 4 4 Objetivo geral:

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO 2010

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO 2010 PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Planejamento e Avaliação da Educação Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 6º 1 - Ementa (sumário resumo) Aspectos históricos

Leia mais

AVALIAÇÃO: Uma prática constante no processo de ensino e aprendizagem. Palavras-chave: Avaliação. Ensino e aprendizagem. Docente. Prática pedagógica

AVALIAÇÃO: Uma prática constante no processo de ensino e aprendizagem. Palavras-chave: Avaliação. Ensino e aprendizagem. Docente. Prática pedagógica AVALIAÇÃO: Uma prática constante no processo de ensino e aprendizagem Resumo Maria Rita Leal da Silveira Barbosa * Angélica Pinho Rocha Martins ** É sabido que a prática de avaliação é uma intervenção

Leia mais

O PEDAGOGO NA DOCÊNCIA E SUA IMPORTÂNCIA NO ENSINO- APRENDIZAGEM

O PEDAGOGO NA DOCÊNCIA E SUA IMPORTÂNCIA NO ENSINO- APRENDIZAGEM O PEDAGOGO NA DOCÊNCIA E SUA IMPORTÂNCIA NO ENSINO- APRENDIZAGEM Helena Harumi Maruyama G Pedagogia INESUL LONDRINA PR Orientadora Ms. Maria Eliza Corrêa Pacheco D Pedagogia INESUL LONDRINA PR PAINEL e-mail:

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO Resolução CME n 20/2012 Comissão de Ensino Fundamental Comissão de Legislação e Normas organização Define normas para a dos três Anos Iniciais do Ensino Fundamental das Escolas

Leia mais

Projeto Acelerando o Saber

Projeto Acelerando o Saber Projeto Acelerando o Saber Tema: Valorizando o Ser e o Aprender Lema: Ensinar pra Valer Público Alvo: Alunos do Ensino Fundamental da Rede Municipal de Ensino contemplando o 3º ano a 7ª série. Coordenadoras:

Leia mais

AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL RESUMO

AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL RESUMO AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL *Drisner, Thales thalesjacmt@hotmail.com *Ferreira, Leandra Diniz Lediniz10@hotmail.com 1 *Oliveira, Elizabete Gaspar elisabetegasparo@hotmail.com 2 RESUMO Este artigo, intitulado

Leia mais

A Educação Infantil é apresentada na atual legislação brasileira como a primeira etapa da educação

A Educação Infantil é apresentada na atual legislação brasileira como a primeira etapa da educação A Educação Infantil é apresentada na atual legislação brasileira como a primeira etapa da educação básica, onde a prática pedagógica deve favorecer a construção do conhecimento das crianças de 0 a 6 anos

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 257/06-CEE/MT

RESOLUÇÃO Nº 257/06-CEE/MT RESOLUÇÃO Nº 257/06-CEE/MT Dispõe sobre a Implantação do Ensino Fundamental para Nove Anos de duração, no Sistema Estadual de Ensino de Mato Grosso, e dá outras providências. O CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO

Leia mais

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor Juliana Graciano Parise 1 Eliane de Lourdes Felden 2 Resumo: O trabalho apresenta uma experiência de ensino articulado à pesquisa

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Alfabetização de Crianças O Professor Alfabetizador é o profissional responsável por planejar e implementar ações pedagógicas que propiciem,

Leia mais

CONHECIMENTOS GERAIS (5 questões)

CONHECIMENTOS GERAIS (5 questões) 1. Paulo Freire na sua concepção pedagógica parte de alguns princípios que marcam, de forma clara e objetiva, o seu modo de entender o ato educativo. Considerando as características do pensamento desse

Leia mais

Avaliação da aprendizagem... mais uma vez

Avaliação da aprendizagem... mais uma vez Avaliação da aprendizagem... mais uma vez Cipriano Carlos Luckesi 1 Artigo publicado na Revista ABC EDUCATIO nº 46, junho de 2005, páginas 28 e 29. Recentemente, tenho acompanhado crianças que saíram de

Leia mais

Contribuição da metodologia de pesquisa na Educação Tutorial: A formação dos petianos do PET Pedagogia da UFOP

Contribuição da metodologia de pesquisa na Educação Tutorial: A formação dos petianos do PET Pedagogia da UFOP Contribuição da metodologia de pesquisa na Educação Tutorial: A formação dos petianos do PET Pedagogia da UFOP ALVES, Crislaine 1; CARVALHO, Daiane 1; CRUZ, Júlia 1, FÉLIX, Michelle 1; FERREIRA, Juliane

Leia mais

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias 10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias OS CICLOS DE FORMAÇÃO E DESENVOLVIMENTO HUMANO E A REALIDADE DA EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA PÚBLICA Suzane Ribeiro Milhomem E-mail:

Leia mais

COLÉGIO J. OLIVEIRA PROJETO PEDAGÓGICO DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

COLÉGIO J. OLIVEIRA PROJETO PEDAGÓGICO DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS COLÉGIO J. OLIVEIRA PROJETO PEDAGÓGICO DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS 01. JUSTIFICATIVA: Entendemos que a Educação de Jovens e Adultos foi concebida para resgatar aqueles que por vários motivos tenham

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 04/2008

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 04/2008 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 04/2008 Ementa:Dispõe sobre as diretrizes e procedimentos para implantação do Sistema de Avaliação das Aprendizagens nas Escolas da Rede Estadual de Ensino a partir do ano letivo

Leia mais

É com imensa satisfação que iniciamos nossas atividades das aulas 1 e 2 do Módulo IV do Curso, em que iremos tratar dos seguintes assuntos:

É com imensa satisfação que iniciamos nossas atividades das aulas 1 e 2 do Módulo IV do Curso, em que iremos tratar dos seguintes assuntos: EXERCÍCIO ANTECIPADO PARA O ESTUDO DIRIGIDO Módulo IV Aspectos Contemporâneos do Marco legal Profa. Maria José Lacerda Xavier Prezado (a) Aluno (a), É com imensa satisfação que iniciamos nossas atividades

Leia mais

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 GRUPO 6.1 MÓDULO 4 Índice 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 1.1. Desenvolvimento e Aprendizagem de Jovens e Adultos... 4 1.1.1. Educar na Diversidade... 5 1.2. Os Efeitos da Escolarização/Alfabetização

Leia mais

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional)

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) Universidade Federal de Roraima UFRR Brasil Especialista em Alfabetização (Prática Reflexiva

Leia mais

1.3. Planejamento: concepções

1.3. Planejamento: concepções 1.3. Planejamento: concepções Marcelo Soares Pereira da Silva - UFU O planejamento não deve ser tomado apenas como mais um procedimento administrativo de natureza burocrática, decorrente de alguma exigência

Leia mais

em partilhar sentido. [Gutierrez e Prieto, 1994] A EAD pode envolver estudos presenciais, mas para atingir seus objetivos necessita

em partilhar sentido. [Gutierrez e Prieto, 1994] A EAD pode envolver estudos presenciais, mas para atingir seus objetivos necessita II. COMPETÊNCIAS E HABILIDADES A assessoria pedagógica não consiste em transmitir certezas, mas em partilhar sentido. [Gutierrez e Prieto, 1994] A EAD pode envolver estudos presenciais, mas para atingir

Leia mais

O ENSINO DE CIÊNCIAS NATURAIS NO FAZER PEDAGÓGICO

O ENSINO DE CIÊNCIAS NATURAIS NO FAZER PEDAGÓGICO ESTADO DE MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE LAMBARI D OESTE SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA MATOS, Alaíde Arjona de 1 OLIVEIRA, Sônia Fernandes de 2 Professora da rede municipal de ensino

Leia mais

Art. 2º - Para efeito desta Resolução, considerar-se-á a seguinte nomenclatura e respectivas definições:

Art. 2º - Para efeito desta Resolução, considerar-se-á a seguinte nomenclatura e respectivas definições: RESOLUÇÃO N.º 180/2000-CEE/MT Fixa normas para a oferta da Educação de Jovens e Adultos no Sistema Estadual de Ensino. O CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO, no uso de suas atribuições, e com

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PINHAIS

PREFEITURA MUNICIPAL DE PINHAIS LEI Nº 1059, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2009. Dispõe sobre a Organização do Sistema Municipal de Ensino do Município de Pinhais e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE PINHAIS,, aprovou e eu, PREFEITO

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA IMPLANTAÇÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS NO MUNICÍPIO

PROCEDIMENTOS PARA IMPLANTAÇÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS NO MUNICÍPIO Entidade Reconhecida como Utilidade Pública Internacional Decreto Federal nº 9.820/1912 PROCEDIMENTOS PARA IMPLANTAÇÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS NO MUNICÍPIO CRUZ VERMELHA BRASILEIRA FILIAL NO

Leia mais

AVALIAÇÃO DO PROCESSO ENSINO E APRENDIZAGEM

AVALIAÇÃO DO PROCESSO ENSINO E APRENDIZAGEM AVALIAÇÃO DO PROCESSO ENSINO E APRENDIZAGEM Kelly Cristina Sabadin kellysabadin@hotmail.com RESUMO A avaliação da aprendizagem escolar se faz presente em todas as instituições de ensino. É o tema mais

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA RELAÇÃO DE RESUMOS DE MONOGRAFIAS E ARTIGOS DE PÓS- GRADUAÇÃO Lato sensu Curso: Língua Inglesa/2005 Nome Aluno(a) Título Monografia/Artigo Orientador/Banca Annelise Lima

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE ENSINO FUNDAMENTAL DE 9 ANOS

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE ENSINO FUNDAMENTAL DE 9 ANOS PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE ENSINO FUNDAMENTAL DE 9 ANOS Perguntas mais frequente e respostas do Departamento de Políticas Educacionais. 1. Qual é a nomenclatura adequada para o primeiro ano do ensino fundamental

Leia mais

ESTRATÉGIA DE ENSINO - BRINQUEDOS E BRINCADEIRAS TRADICIONAIS NA EDUCAÇÃO FÍSICA INFANTIL.

ESTRATÉGIA DE ENSINO - BRINQUEDOS E BRINCADEIRAS TRADICIONAIS NA EDUCAÇÃO FÍSICA INFANTIL. ESTRATÉGIA DE ENSINO - BRINQUEDOS E BRINCADEIRAS TRADICIONAIS NA EDUCAÇÃO FÍSICA INFANTIL. Carmem Regina Calegari Cunha E. M. de Educação Infantil Prof Edna Aparecida de Oliveira - UDI Resumo Trabalho

Leia mais

O PROCESSO DE AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM ESCOLAR NA PRÁTICA PEDAGÓGICA

O PROCESSO DE AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM ESCOLAR NA PRÁTICA PEDAGÓGICA O PROCESSO DE AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM ESCOLAR NA PRÁTICA PEDAGÓGICA Autora: GASPAR, Magna Lúcia Furlanetto gasparzinha@seed.pr.gov.br Orientadora: LEVANDOVSKI, Ana Rita anarita.faficop@yahoo.com.br A

Leia mais

José Orlando Lima de Morais. Atividade de Portfólio caderno 06

José Orlando Lima de Morais. Atividade de Portfólio caderno 06 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ SECRETÁRIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DO ESTADO DO PARÁ. PROGRAMA DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO ENSINO MÉDIO José Orlando Lima de Morais Atividade de Portfólio

Leia mais

AVALIAÇÃO: DESMISTIFICANDO ALGUNS CONCEITOS JOÃO LUIZ GASPARIN

AVALIAÇÃO: DESMISTIFICANDO ALGUNS CONCEITOS JOÃO LUIZ GASPARIN AVALIAÇÃO: DESMISTIFICANDO ALGUNS CONCEITOS JOÃO LUIZ GASPARIN Universidade Estadual de Maringá PR gasparin01@brturbo.com.br OBJETIVO 1 1 - ANALISAR CONCEITOS DE AVALIAÇÃO A FIM DE CLARIFICAR SEU SIGNIFICADO

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010 PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Conteúdos e Metodologia de Alfabetização Carga Horária Semestral: 80 horas Semestre do Curso: 5º 1 - Ementa (sumário, resumo) História

Leia mais

AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR: PERSPECTIVAS DE ALUNOS DE PÓS-GRADUAÇÃO

AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR: PERSPECTIVAS DE ALUNOS DE PÓS-GRADUAÇÃO AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR: PERSPECTIVAS DE ALUNOS DE PÓS-GRADUAÇÃO Mariana Serrano Pipa¹; Nádia Maria Pereira de Souza². Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, marispipa@gmail.com

Leia mais

Como a educação integral vem sendo pensada nas escolas? Como ela está sendo feita? Por que é tão difícil consolidá-la no contexto da prática escolar?

Como a educação integral vem sendo pensada nas escolas? Como ela está sendo feita? Por que é tão difícil consolidá-la no contexto da prática escolar? ORGANIZAÇÃO CURRICULAR E AS DIFERENÇAS NA ESCOLA NA PERSPECTIVA DA EDUCAÇÃO INTEGRAL Rosângela Machado Secretaria Municipal de Educação de Florianópolis A palestra intitulada Organização Curricular e as

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE NIVELAMENTO (PIN) DA FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE UBERABA UBERABA 2012

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE NIVELAMENTO (PIN) DA FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE UBERABA UBERABA 2012 FUNDAÇÃO PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE UBERABA PROGRAMA INSTITUCIONAL DE NIVELAMENTO (PIN) DA FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE UBERABA UBERABA 2012 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Orientações para a elaboração do projeto escolar

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Orientações para a elaboração do projeto escolar MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO MÉDIA E TECNOLÓGICA Coordenação-Geral de Ensino Médio Orientações para a elaboração do projeto escolar Questões norteadoras: Quais as etapas necessárias à

Leia mais

PRÁTICA EDUCATIVA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A CONTRIBUIÇÃO DAS ÁREAS DE ESTUDO E SUAS RELAÇÕES COM O TRABALHO DOCENTE

PRÁTICA EDUCATIVA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A CONTRIBUIÇÃO DAS ÁREAS DE ESTUDO E SUAS RELAÇÕES COM O TRABALHO DOCENTE PRÁTICA EDUCATIVA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A CONTRIBUIÇÃO DAS ÁREAS DE ESTUDO E SUAS RELAÇÕES COM O TRABALHO DOCENTE RESUMO Leandro Pedro de Oliveira José Rubens de Lima Jardilino (orientador) Este trabalho

Leia mais

Resenha Práticas avaliativas e aprendizagens significativas em diferentes áreas do currículo

Resenha Práticas avaliativas e aprendizagens significativas em diferentes áreas do currículo Resenha Práticas avaliativas e aprendizagens significativas em diferentes áreas do currículo (SILVA, Jansen Felipe; HOFFMAN, Jussara; ESTABAN, Maria Teresa. Porto Alegre: Mediação. 2003). André Luiz da

Leia mais

OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE

OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE Maria Cristina Kogut - PUCPR RESUMO Há uma preocupação por parte da sociedade com a atuação da escola e do professor,

Leia mais

Os estágios como ferramenta e exigências da formação do farmacêutico generalista

Os estágios como ferramenta e exigências da formação do farmacêutico generalista Os estágios como ferramenta e exigências da formação do farmacêutico generalista Prof.ª Danyelle Cristine Marini Coordenadora da Comissão Assessora de Educação Farmacêutica do CRF-SP Estágio Supervisionado

Leia mais

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA INTRODUÇÃO O Estágio Curricular foi criado pela Lei 6.494, de 7 de dezembro de 1977 e regulamentado pelo Decreto 87.497, de 18 de agosto

Leia mais

IMPLICAÇÕES DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO NA PRÁTICA DA AVALIAÇÃO DE UM COLÉGIO ESTADUAL

IMPLICAÇÕES DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO NA PRÁTICA DA AVALIAÇÃO DE UM COLÉGIO ESTADUAL IMPLICAÇÕES DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO NA PRÁTICA DA AVALIAÇÃO DE UM COLÉGIO ESTADUAL CASTELEINS, VERA LÚCIA PUCPR Mestre em Educação e Professora do Curso de Pedagogia, Licenciaturas e Curso Superior

Leia mais

PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO NO ENSINO-APRENDIZAGEM DE LÍNGUA PORTUGUESA

PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO NO ENSINO-APRENDIZAGEM DE LÍNGUA PORTUGUESA PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO NO ENSINO-APRENDIZAGEM DE LÍNGUA PORTUGUESA Elisa Cristina Amorim Ferreira Universidade Federal de Campina Grande elisacristina@msn.com RESUMO: O trabalho docente é uma atividade

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA DO PROCESSO AVALIATIVO DESENVOLVIDO NAS DISCIPLINAS DE MATEMÁTICA EM ESCOLAS DO MUNICÍPIO DE JÚLIO DE CASTILHOS

ANÁLISE COMPARATIVA DO PROCESSO AVALIATIVO DESENVOLVIDO NAS DISCIPLINAS DE MATEMÁTICA EM ESCOLAS DO MUNICÍPIO DE JÚLIO DE CASTILHOS ANÁLISE COMPARATIVA DO PROCESSO AVALIATIVO DESENVOLVIDO NAS DISCIPLINAS DE MATEMÁTICA EM ESCOLAS DO MUNICÍPIO DE JÚLIO DE CASTILHOS GT 07 Educação Matemática, avaliação e inclusão escolar. Francine Monteiro,

Leia mais

PROJETO. A relação professor x aluno é de grande importância para a formação de um cidadão crítico e consciente no futuro.

PROJETO. A relação professor x aluno é de grande importância para a formação de um cidadão crítico e consciente no futuro. UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES Projeto: A vez do Mestre Curso: Psicopedagogia Aluna: Valeria Raquel dos Santos PROJETO Tema: Avaliação na Pré-escola. Problema: O processo de avaliação na pré-escola é utilizado

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES

CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES 1 1. PERFIL DO FORMANDO EGRESSO/PROFISSIONAL 1.1. Perfil Comum: Farmacêutico, com formação generalista, humanista, crítica e reflexiva.

Leia mais

O HÁBITO DA LEITURA E O PRAZER DE LER

O HÁBITO DA LEITURA E O PRAZER DE LER O HÁBITO DA LEITURA E O PRAZER DE LER ALVES, Ivanir da Costa¹ Universidade Estadual de Goiás Unidade Universitária de Iporá ¹acwania@gmail.com RESUMO A leitura é compreendida como uma ação que deve se

Leia mais

PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA: Perspectivas da formação de professores no viés da Gestão de Conhecimento

PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA: Perspectivas da formação de professores no viés da Gestão de Conhecimento PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA: Perspectivas da formação de professores no viés da Gestão de Conhecimento Leonardo Rocha de Almeida Mestrando Profissional em Gestão Educacional Universidade

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA PARCERIA ENTRE FAMÍLIA E ESCOLA

A IMPORTÂNCIA DA PARCERIA ENTRE FAMÍLIA E ESCOLA A IMPORTÂNCIA DA PARCERIA ENTRE FAMÍLIA E ESCOLA Aparecida Luzia da Cunha Santos RESUMO Este artigo relata a importância da parceria entre família e escola no processo educacional. Através da pesquisa

Leia mais

A AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO INFANTIL E ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: REFLEXÕES SOBRE A PRÁTICA

A AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO INFANTIL E ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: REFLEXÕES SOBRE A PRÁTICA A AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO INFANTIL E ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: REFLEXÕES SOBRE A PRÁTICA Cácia Cristina França Rehem 1 Daiane de Oliveira Valasques 2 Najla da Silva Santos 3 Resumo:

Leia mais

RE SIGNIFICANDO A AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

RE SIGNIFICANDO A AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL RE SIGNIFICANDO A AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Maria Celina Melchior Dados da autora Mestre em Educação, Avaliadora Institucional do INEP/SINAES/MEC, atuou como avaliadora in loco do Prêmio Inovação em Gestão

Leia mais

Gestão escolar e certificação de diretores das Escolas Públicas Estaduais de Goiás: alguns apontamentos

Gestão escolar e certificação de diretores das Escolas Públicas Estaduais de Goiás: alguns apontamentos Gestão escolar e certificação de diretores das Escolas Públicas Estaduais de Goiás: alguns apontamentos Profª Edvânia Braz Teixeira Rodrigues Coordenadora de Desenvolvimento e Avaliação Secretaria de Estado

Leia mais