TÉCNICAS DE MONITORAMENTO PARA ARMAZENAMENTO GEOLÓGICO DE CO 2

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TÉCNICAS DE MONITORAMENTO PARA ARMAZENAMENTO GEOLÓGICO DE CO 2"

Transcrição

1 TÉCNICAS DE MONITORAMENTO PARA ARMAZENAMENTO GEOLÓGICO DE CO 2 I Curso Básico "Compreendendo a Captura e o Armazenamento de Carbono" Porto Alegre, 02 de agosto de 2012 Clarissa Lovato Melo CEPAC-PUCRS

2 OBJETIVOS DO MMV GERAIS: Demonstrar aos órgãos de fiscalização que a prática do armazenamento geológico é segura, que não gera impactos ambientais adversos significativos e que é uma tecnologia efetiva de controle dos GEEs. OUTROS: Melhorar a compreensão dos processos de armazenamento; Avaliar as interações entre o CO 2 com as formações e com outros fluidos; Detectar e minimizar o risco de eventuais vazamentos; Estimar os impactos de SMS em caso de vazamento para a atmosfera; Avaliar e monitorar trabalhos de remediação em caso de vazamentos; Fornecer um embasamento técnico para auxiliar em disputas legais resultantes de qualquer impacto decorrente da tecnologia Maximizar a eficiência operacional do processo de injeção Otimizar o reservatório: maximizar a quantidade e minimizar o volume de CO 2 a ser armazenado Minimizar o custo operacional

3 ETAPAS DO MMV 1) LEVANTAMENTO DE BASE: caracterização inicial, levantamento de riscos. Ponto de comparação. 2) OPERACIONAL: monitoramento da distribuição do CO 2 no reservatório, potencial de migração, ocorrência de vazamentos, etc. 3) FECHAMENTO DO SITE: após o cessamento da injeção, quando é feito o abandono e fechamento dos poços. 4) PÓS-FECHAMENTO: monitoramento periódico definido por organismos reguladores

4 SELEÇÃO DE TÉCNICAS DE MONITORAMENTO Características do Reservatório de Armazenamento Localização (onshore/offshore) Profundidade Tipo (aqüífero, reservatório de óleo/gás, camada de carvão) Quantidade de CO 2 injetado

5 SELEÇÃO DE TÉCNICAS DE MONITORAMENTO Alvos de Monitoramento Imageamento da pluma Integridade do selo Migração do CO 2 para camadas sobrejacentes e/ou subjacentes Quantificação do CO 2 armazenado com finalidade regulatória e fiscal Vazamentos para a superfície Integridade de poços

6 Imageamento da Pluma Injeção do CO 2 difusão difusão Lençol freático Pluma de CO 2 Poço de produção pré- existente CO 2 dissolvido na água subterrânea Fase separada de CO 2 Aquífero Corrosão do casing CO 2 em ambiente de baixa permeabilidade difusão Pluma de CO 2 Reservatório de armazenamento Imageamento da pluma por sísmica 4D Adaptado de IEA GHG Monitoring Selection Tool

7 Integridade do selo Injeção do CO 2 difusão difusão Lençol freático Pluma de CO 2 Poço de produção pré- existente CO 2 dissolvido na água subterrânea Fase separada de CO 2 Aquífero Corrosão do casing CO 2 em ambiente de baixa permeabilidade difusão Pluma de CO 2 Reservatório de armazenamento CO 2 Adaptado de IEA GHG Monitoring Selection Tool ÓLEO/GÁS

8 Migração do CO 2 através de camadas sobrejacentes Injeção do CO 2 difusão difusão Lençol freático Pluma de CO 2 Poço de produção pré- existente CO 2 dissolvido na água subterrânea Fase separada de CO 2 Aquífero Corrosão do casing Pluma de CO 2 CO 2 em ambiente de baixa permeabilidade difusão Reservatório de armazenamento CO 2 Adaptado de IEA GHG Monitoring Selection Tool ÓLEO/GÁS

9 Integridade de Poços Injeção do CO 2 difusão difusão Lençol freático Pluma de CO 2 Poço de produção pré- existente CO 2 dissolvido na água subterrânea Fase separada de CO 2 Aquífero Corrosão do casing CO 2 em ambiente de baixa permeabilidade difusão Pluma de CO 2 Reservatório de armazenamento Adaptado de IEA GHG Monitoring Selection Tool CO 2 ÓLEO/GÁS

10 Vazamentos para a superfície Injeção do CO 2 difusão difusão Lençol freático Pluma de CO 2 Poço de produção pré- existente CO 2 dissolvido na água subterrânea Fase separada de CO 2 Aquífero Corrosão do casing CO 2 em ambiente de baixa permeabilidade difusão Pluma de CO 2 Reservatório de armazenamento Adaptado de IEA GHG Monitoring Selection Tool CO 2 ÓLEO/GÁS

11 Quantificação do CO 2 armazenado Injeção do CO 2 difusão difusão Lençol freático Pluma de CO 2 Poço de produção pré- existente CO 2 dissolvido na água subterrânea Fase separada de CO 2 Aquífero Corrosão do casing CO 2 em ambiente de baixa permeabilidade difusão Pluma de CO 2 Reservatório de armazenamento Adaptado de IEA GHG Monitoring Selection Tool CO 2 ÓLEO/GÁS

12 SELEÇÃO DE TÉCNICAS DE MONITORAMENTO Outros Alvos do Monitoramento Eficiência do Armazenamento e Processos da Interação do Meio Geológico com o CO 2 Calibração de Modelos Sismicidade e Movimentos de Terra Segurança Pública

13 PROGRAMA DE MONITORAMENTO Deve ser adaptado para condições e riscos específicos do site de armazenamento. Vantagens: 1) Focar em grandes riscos 2) Melhorar relação custo-benefício IEAGHG - Design Interativo de Programas de Monitoramento para Armazenamento Geológico de CO 2 Seleção de Ferramentas de Monitoramento

14 Fonte: IEA GHG Programme

15 MONITORAMENTO ATMOSFÉRICO 1. DETECTORES DE CO 2 : intermitente de CO 2 no ar. sensores para monitoramento contínuo ou Benefícios: Relativamente baratos e portáteis. Representado por tecnologias maduras e novas. Desafios: Detectar vazamentos acima das emissões ambientais de CO 2 (sinal/ruído). Fonte: NETL (2009)

16 MONITORAMENTO ATMOSFÉRICO 2. TORRES DE EDDY COVARIANCE: medem fluxos de CO 2 na atmosfera através das concentrações em uma determinada altura da superfície. Benefícios: Tecnologia madura que pode fornecer dados precisos em operações contínuas. Desafios: Equipamento muito especializado que necessita um processamento de dados robusto. Fonte: NETL (2009)

17 MONITORAMENTO ATMOSFÉRICO 3. SISTEMAS A LASER E LIDAR: dispositivos que usam um laser para emitir um feixe com comprimento de onda que o CO 2 absorve. Quantum Cascade Laser Lidar Doppler Benefícios: Técnica altamente precisa com amplo alcance espacial. Desafios: Necessita condições de tempo favoráveis. Interferência da vegetação. Sinal/ruído. Fonte: NETL (2009)

18 MONITORAMENTO PRÓXIMO À SUPERFÍCIE 1. ÁGUA SUBTERRÂNEA: amostragem da água e solo para análises químicas básicas. CO 2 (aq) + H 2 O H 2 CO 3 H + + HCO 3-2H + +CO 3 2- Análises de íons maiores (Na, Ca, K, Mg, Mn, Cl, Si, HCO 3-, SO 4 2- ), ph, alcalinidade, hidrocarbonetos voláteis, CO 2 Benefícios: Tecnologia madura; detecção mais fácil do que a atmosférica. Detecção precoce antes de grandes emissões Desafios: Esforço significativo para resultado nulo, caso não ocorram vazamentos. Detecção de vazamentos relativamente tardia. Fonte: NETL (2009)

19 MONITORAMENTO PRÓXIMO À SUPERFÍCIE 2. GASES DO SOLO/ZONA VADOSA: amostragem de gases na zona vadosa/solo para análises de CO 2. Benefícios: O CO 2 retido nos gases do solo permanece por longos períodos de tempo. Detecção de concentrações elevadas de CO 2 (bem acima dos níveis de background) é indicativa de vazamento e migração do reservatório de armazenamento. Desafios: Esforço significativo para nenhum resultado caso não ocorram vazamentos. Detecção de vazamentos relativamente tardia. Fonte: NETL (2009)

20 MONITORAMENTO PRÓXIMO À SUPERFÍCIE 3. CÂMARAS DE FLUXO: quantifica fluxos de CO 2 do solo em uma área pequena, pré-determinada. Benefícios: Detecção rápida e efetiva dos fluxos de CO 2 Desafios: Medições instantâneas em áreas limitadas. Fonte: NETL (2009)

21 MONITORAMENTO PRÓXIMO À SUPERFÍCIE 4. ECOSSISTEMAS: Métodos ópticos (aéreo, satélite) comparação de imagens para detectar a saúde da vegetação. Benefícios: Método de reconhecimento fácil e efetivo Desafios: Detecção somente após a emissão ter ocorrido. Difícil quantificação de taxas de vazamento. Modificações não relacionadas a CCS levam a falsos-positivos. Nem todos ecossistemas são igualmente sensíveis ao CO 2. Outras técnicas: levantamentos botânicos (saúde e diversidade da vegetação), microbianos (contagem de bactérias totais, biomassa total, tipos e níveis de atividade microbiana) Fonte: NETL (2009)

22 MONITORAMENTO PRÓXIMO À SUPERFÍCIE 5. TRAÇADORES GASOSOS: Traçadores Naturais (Isótopos) Composição isotópica natural: isótopos de carbono, oxigênio e hidrogênio e gases nobres associados ao CO 2 injetado. Traçadores Introduzidos incorporação de quantidades traços de compostos exóticos (PFCs, SF 6 ) no CO 2 injetado. Benefícios: Usados para determinar a direção do fluxo e detectar vazamentos precoces. Limites de detecção bem baixos. Desafios: Análises devem ser realizadas fora do site. Muitos dos traçadores solúveis em CO 2 são GEEs e portanto, tem um perfil de risco. Fonte: NETL (2009)

23 APLICAÇÃO DAS TÉCNICAS DE MONITORAMENTO EM UM PROJETO DE CCS

24 IEA GHG WEYBURN-MIDALE CO 2 MONITORING & STORAGE PROJECT Líder: PTRC - Petroleum Technology Research Centre (Regina-CA) Incluído no Projeto de EOR com CO 2 da Encana CO 2 : Capturado: Planta de Combustíveis Sintéticos Cia. Gaseificação Dakota - Dakota do Norte (EUA) Transportado: gasoduto (320 Km) Injetado: campos petrolíferos de Weyburn-Midale (EnCana) INJEÇÃO: Taxas: 2000: Ton/dia 2002: Ton/dia (1300 Ton/dia CO 2 reciclado da produção) Total do Projeto: 20 M Ton CO 2 Fonte:

25 TEMA 2 PREVISÃO, MONITORAMENTO E VERIFICAÇÃO DOS MOVIMENTOS DO CO 2 Objetivos 1) Testar e aperfeiçoar simulações de fluxo baseadas na geologia do site; 2) Avaliar as reações químicas previstas para ocorrer em longo prazo nos reservatórios de armazenamento de CO 2 ; 3) Observar a dinâmica do reservatório em relação ao fluxo de CO 2 4) Desenvolver e demonstrar metodologias robustas para monitoramento do fluxo de CO 2 5) Determinar a distribuição e segurança do CO 2 dentro do reservatório.

26 RESERVATÓRIO MIDALE Selo Superior: Evaporito Reservatório: Marly: dolomito (~6m esp.) alta porosidade, baixa permeabilidade Vuggy: calcário (~22m esp.) baixa porosidade, alta permeabilidade Selo Inferior: Representação esquemática da geologia do reservatório Frobisher (Evaporitos, Marly, Vuggy) Profundidade: 1450 m Temperatura: ~63 C Pressão de poros original: ~14 MPa Pressão de poros atual: 12,5-19 MPa Fonte:

27 MONITORAMENTO DE BASE Dados da produção: Amostragem regular das pressões de poço e volumes de gases e fluidos do reservatório, injetados e produzidos. Métodos adicionais: Geoquímica de fluidos de produção Imageamento sísmico do reservatório Atividade microssísmica do reservatório Amostragem e análise de gases na superfície do solo Fonte:

28 GEOQUÍMICA DE FLUIDOS E GASES DA PRODUÇÃO Medição do grau de interação entre os fluidos e rochas do reservatório e o CO 2 injetado. 1) Dissolução do CO 2 injetado no reservatório (CO 2 +H 2 O H + + HCO 3- ) redução ph 2) Fluido ácido reage com carbonatos do reservatório dissolução mineral e aumento na alcalinidade Vuggy (calcita): H + + CaCO 3 Ca 2+ + HCO 3 - Marly (dolomita): 2H + + MgCa(CO 3 ) 2 Mg 2+ + Ca HCO 3-3) Dissolução mineral aumento SDT aumenta ph, δ 13 C HCO3, Mg 2+ e Ca 2+, cond. elétrica Fonte:

29 Ca 2+ em fluidos de produção devido à dissolução mineral

30 Assinatura Isotópica Fonte:

31 Alcalinidade (HCO 3- ) de fluidos de produção. Condutividade elétrica do fluido aumenta devido à dissolução mineral. Fonte:

32 GASES DO SOLO Distribuições do fluxo de CO 2 (esquerda) e CO 2 em gases do solo (direita) em 3 campanhas de amostragem. Verão (2001): altas conc. Outono (2002 e 2003): baixas conc. Fonte:

33 COMPARAÇÃO DE MAPAS DE MONITORAMENTO Sísmica, geoquímica, volume bruto de injeção e espessura da camada Vuggy. Fonte:

34 WEYBURN-MIDALE ALGUMAS CONCLUSÕES Alterações físicas e químicas são claramente demonstradas pela sísmica e por análises geoquímicas: distribuição de CO 2 no reservatório em diferentes níveis de detalhe; A geoquímica identificou que as reações de dissolução ocorrem nos seguintes tempos: CO 2 na água: 6 meses; minerais carbonáticos: cerca de 20 meses; CO 2 armazenado como bicarbonato na água e na fase de óleo O CO 2 foi marcado geoquimicamente através das assinaturas isotópicas associadas com o CO 2 injetado. Fonte:

35 PROJETO DE PESQUISA LABORATÓRIO DE CAMPO DE MONITORAMENTO ZERT (Zero Emissions Research and Technology Center) Bozeman (Montana - EUA)

36 ZERT (ZERO EMISSIONS RESEARCH AND TECHNOLOGY CENTER) Laboratórios do Departamento de Energia dos Estados Unidos: Los Alamos National Laboratory (LANL) Lawrence Berkeley National Laboratory (LBNL) National Energy Technology Laboratory (NETL) Lawrence Livermore National Laboratory (LLNL) Pacific Northwest National Laboratory (PNNL) Universidades: Montana State University (MSU) West Virginia University (WVU) Contato: Lee Spangler

37 Fonte: Spangler, L.

38 INFRAESTRUTURA Fonte: Spangler, L.

39 LABORATÓRIO DE CAMPO ZERT

40 LABORATÓRIO DE CAMPO ZERT

41 ESQUEMA DE LOCALIZAÇÃO DAS TÉCNICAS DE DETECÇÃO Fonte: Spangler et al., 2009

42 CÂMARAS DE ACUMULAÇÃO: fluxo de CO 2 no solo

43 TORRES DE EDDY COVARIANCE: fluxo de CO 2 em superfície

44 MEDIÇÕES DE ABSORÇÃO DIFERENCIAL USANDO INSTRUMENTOS A LASER: concentrações CO 2 em superfície e no solo.

45 ÁGUA SUBTERRÂNEA: Composição Química; Headspace Gas; Medições Nível, ph, Alcalinidade, Cond. Elétrica, Oxigênio Dissolvido; Isótopos

46 TRAÇADORES (PFCs) INJETADOS JUNTO COM CO 2 ISÓTOPOS ESTÁVEIS DE CARBONO (SOLO, PLANTAS, ÁGUA E AR) GEOFÍSICA: RESISTIVIDADE ELÉTRICA

47 LABORATÓRIO MÓVEL

48 ESPECTRÔMETRO ANÁLITICO PORTÁTIL: stress da vegetação

49 PROJETO RESSACADA LABORATÓRIO DE CAMPO E DESENVOLVIMENTO DE TECNOLOGIAS DE MEDIÇÃO, MONITORAMENTO E VERIFICAÇÃO (MMV) DE CO 2 PARA A APLICAÇÃO EM SÍTIOS DE ARMAZENAMENTO GEOLÓGICO. Agosto, 2012

50 OBJETIVOS: Desenvolver, testar e validar ferramentas e metodologias de monitoramento, de natureza experimental e numérica, para detecção e quantificação de CO 2 a partir da injeção e do vazamento controlado de CO 2 no site da Fazenda Ressacada, em Florianópolis-SC. CRONOGRAMA 2010: planejamento 2011: elaboração do projeto, contratação 2012: caracterização do site, teste em poço vertical, projeto e instalação da infraestrutura De 2013 a 2014: fase operacional

51 LOCALIZAÇÃO : Fazenda da Ressacada (Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC) SC onde já existe, desde 1998, experimentos de campo relacionados a transporte de contaminantes e remediação da água subterrânea impactada por vazamentos de óleo e derivados. (Chiaranda, 2006) (modif. de Google Maps). Chiaranda, H.S Volatilização dos Compostos BTEX em ambientes subsuperficiais contaminados com gasolina e etanol: comparações entre concentrações medidas e simuladas. Tese de mestrado. Universidade Federal de Santa Catarina. 95 p.

52 LABORATÓRIO DE CAMPO E DESENVOLVIMENTO DE TECNOLOGIAS DE MEDIÇÃO, MONITORAMENTO E VERIFICAÇÃO (MMV) DE CO 2 PARA A APLICAÇÃO EM SÍTIOS DE ARMAZENAMENTO GEOLÓGICO. Subprojeto 1: Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC Análise e monitoramento Geoquímico, Biomonitoramento de ecossistemas vegetais, naturais e cultivados, submetidos a concentrações controladas de CO 2 Subprojeto 2: Universidade Estadual Paulista - UNESP Caracterização Geoelétrica, Geológica e Hidrogeológica antes e após a liberação de CO 2 e Utilização de Instrumentação Óptica para Medições Diretas e Indiretas após a liberação de CO 2 na Fazenda Ressacada Subprojeto 3: CEPAC- PUC RS Calibração por modelagem numérica e Monitoramento do vazamento controlado de CO 2 através de medições de fluxo, gases do solo, isótopos de carbono e sensoriamento Remoto

53 DIMENSIONAMENTO PRELIMINAR DO EXPERIMENTO: Duto horizontal de 70 m instalado a cerca de 8 m da superfície. Injeção de CO 2 : até 300 Kg/dia Controle de Fluxo: automação, pressões, zonas de vazão de CO 2 independentes LOCALIZAÇÃO DOS EQUIPAMENTOS E MALHA DE AMOSTRAGEM

54 OBJETIVOS ESPECÍFICOS DO CEPAC MODELAGEM NUMÉRICA:Estimar taxas de injeção de CO 2, e também taxas de vazamento com base em dados disponíveis; representar as condições do meio em presença do CO 2 injetado, confirmar e calibrar o modelo permitindo ajustes aos parâmetros iniciais; testar ferramentas de modelagem disponíveis. CONCENTRAÇÕES DE GASES DO SOLO: Testar e validar técnicas de monitoramento de gases no solo em subsuperfície rasa (zona vadosa). Verificar se as concentrações de CO 2 indicam vazamentos. ISÓTOPOS ESTÁVEIS: Determinar a origem do CO 2 através da razão isotópica C 13 /C 12 em amostras de CO 2 injetado, gases do solo, água subterrânea, ar e plantas.

55 OBJETIVOS ESPECÍFICOS DO CEPAC FLUXO DE CO 2 DA SUPERFÍCIE PARA A ATMOSFERA: Determinar a magnitude e mudanças na estrutura de variabilidade espacial da emissão de CO 2 do solo. SENSORIAMENTO REMOTO: Avaliar estresses da cobertura vegetal impactada por CO 2, a partir de dados coletados remotamente (parâmetros radiométricos).

56 OBJETIVOS ESPECÍFICOS DO CEPAC TRAÇADORES GASOSOS: Testar e desenvolver técnicas de traçadores gasosos para monitorar o movimento da pluma de CO 2 no reservatório e detectar possíveis vazamentos.

57 COLABORADORES DO PROJETO RESSACADA Centro de Pesquisas Leopoldo Américo Miguez de Mello (CENPES - PETROBRAS) Montana State University Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC Departamento de Engenharia Sanitária e Ambiental Laboratório REMAS Departamento de Fitotecnia Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul PUCRS Centro de Excelência em Pesquisa e Inovação em Petróleo, Recursos Minerais e Armazenamento de Carbono - CEPAC Universidade Estadual Paulista UNESP Laboratório de Estudo de Bacias/LEBAC/UNESP-IGCE Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares IPEN

58 MINI-RESSACADA

59 BIBLIOGRAFIA RECOMENDADA Benson, S.M. (2005). Carbon Dioxide Capture for Storage in Deep Geologic Formations. Results from the CO 2 Capture Project, Vol. 2: Geologic Storage of Carbon Dioxide with Monitoring and Verification, Elsevier Publishing, UK. 654 pp. DOE, NETL (2009). Monitoring, Verification, and Accounting of CO 2 Stored in Deep Geologic Formations, EUA.132 pp. Disponível em: IEAGHG. CO 2 Monitoring Selection Tool. IEAGHG Weyburn CO 2 Monitoring & Storage Project. Summary Report From the proceedings of the 7 th International Conference on Greenhouse Gas Control Technologies. v. 3, Oldenburg, C.M; Lewicki, J.L.; Hepple R.P. (2003). Near-surface monitoring strategies for geologic carbon dioxide storage verification. Lawrence Berkeley National Laboratory, LBNL Spangler et al. (2009). A controlled field pilot for testing near surface CO 2 detection techniques and transport models. Energy Procedia 1, , 2009.

60 CONTATO Clarissa Lovato Melo

TÉCNICAS DE MONITORAMENTO PARA ARMAZENAMENTO GEOLÓGICO DE CO 2

TÉCNICAS DE MONITORAMENTO PARA ARMAZENAMENTO GEOLÓGICO DE CO 2 TÉCNICAS DE MONITORAMENTO PARA ARMAZENAMENTO GEOLÓGICO DE CO 2 II Curso Básico "Compreendendo a Captura e o Armazenamento de Carbono" Clarissa Lovato Melo CEPAC/PUCRS Lia Weigert Bressan CEPAC/PUCRS Porto

Leia mais

Laboratório de campo para experimentos de liberação controlada de CO 2 e testes de técnicas de Medição, Monitoramento e Verificação (MMV)

Laboratório de campo para experimentos de liberação controlada de CO 2 e testes de técnicas de Medição, Monitoramento e Verificação (MMV) Laboratório de campo para experimentos de liberação controlada de CO 2 e testes de técnicas de Medição, Monitoramento e Verificação (MMV) Clarissa Lovato Melo CEPAC Lia Weigert Bressan CEPAC INTEGRANTES

Leia mais

ALTERAÇÕES GEOQUÍMICAS EM ÁGUAS SUBTERRÂNEAS IMPACTADAS POR VAZAMENTOS DE CO 2 PROVENIENTES DE SEQUESTRO GEOLÓGICO

ALTERAÇÕES GEOQUÍMICAS EM ÁGUAS SUBTERRÂNEAS IMPACTADAS POR VAZAMENTOS DE CO 2 PROVENIENTES DE SEQUESTRO GEOLÓGICO Universidade Federal de Santa Catarina Programa de Pós-Graduação em Engenharia Ambiental Núcleo Ressacada de Pesquisas em Meio Ambiente ALTERAÇÕES GEOQUÍMICAS EM ÁGUAS SUBTERRÂNEAS IMPACTADAS POR VAZAMENTOS

Leia mais

Tecnologia na captura e armazenamento de carbono em subsolo

Tecnologia na captura e armazenamento de carbono em subsolo Tecnologia na captura e armazenamento de carbono em subsolo Discentes: Juliane C. Prado Vinícius F. Bernardo Docente: Profº Dr. César A. Moreira Disciplina: Recursos Energéticos Índice 1) Introdução 2)

Leia mais

Monitoramento ambiental de superfície/subsuperfície aplicado a site piloto para o armazenamento de CO 2 em camadas de carvão Jazida de Charqueadas/RS

Monitoramento ambiental de superfície/subsuperfície aplicado a site piloto para o armazenamento de CO 2 em camadas de carvão Jazida de Charqueadas/RS Monitoramento ambiental de superfície/subsuperfície aplicado a site piloto para o armazenamento de CO 2 em camadas de carvão Jazida de Charqueadas/RS Centro de Excelencia em Pesquisa e Inovação em Petróleo,

Leia mais

Mecanismos de Armazenamento de CO 2 e Estimativas de Capacidade para Reservatórios Geológicos

Mecanismos de Armazenamento de CO 2 e Estimativas de Capacidade para Reservatórios Geológicos Mecanismos de Armazenamento de CO 2 e Estimativas de Capacidade para Reservatórios Geológicos Rodrigo S. Iglesias FENG/CEPAC/PUCRS 23/09/2013 1 Captura e o Armazenamento de Carbono Como o CO 2 é armazenado

Leia mais

Captura e Armazenamento de Carbono: Alternativas Tecnológicas para um Mundo Dependente de Combustíveis Fósseis

Captura e Armazenamento de Carbono: Alternativas Tecnológicas para um Mundo Dependente de Combustíveis Fósseis Captura e Armazenamento de Carbono: Alternativas Tecnológicas para um Mundo Dependente de Combustíveis Fósseis Rodrigo S. Iglesias FENG/CEPAC/PUCRS rodrigo.iglesias@pucrs.br 1 Agenda Efeito estufa e aquecimento

Leia mais

22-07-2008. Lisiane Morfeo Tavares

22-07-2008. Lisiane Morfeo Tavares 22-07-2008 Lisiane Morfeo Tavares O potencial de fuga de CO2 constitui uma das grandes preocupações associadas com armazenamento geológico de CO2 capturado podendo promover contaminações e migração para

Leia mais

Coeficientes de distribuição de metais pesados em solos de São Paulo. Luís Reynaldo F. Alleoni ESALQ/USP Dep. de Ciência do Solo

Coeficientes de distribuição de metais pesados em solos de São Paulo. Luís Reynaldo F. Alleoni ESALQ/USP Dep. de Ciência do Solo Coeficientes de distribuição de metais pesados em solos de São Paulo Luís Reynaldo F. Alleoni ESALQ/USP Dep. de Ciência do Solo Definição de metais pesados Química - grande grupo de elementos com: densidade

Leia mais

POLIMERO ADICIONADO À LAMA QUE DIMINUI O TEMPO DE PERFURAÇÃO

POLIMERO ADICIONADO À LAMA QUE DIMINUI O TEMPO DE PERFURAÇÃO POLIMERO ADICIONADO À LAMA QUE DIMINUI O TEMPO DE PERFURAÇÃO Guillermo Ruperto Martín-Cortés 1,2 ; Fabio José Esper 1,3 ; Jofer Miziara Nogueira 1 ; Francisco Rolando Valenzuela-Díaz 1. 1 PMT-EPUSP - Departamento

Leia mais

Universidade Estadual de Londrina Centro de Ciências Exatas Departamento de Química GASOLINA EM ÁGUA SUBTERRÂNEA E SUPERFICIAL

Universidade Estadual de Londrina Centro de Ciências Exatas Departamento de Química GASOLINA EM ÁGUA SUBTERRÂNEA E SUPERFICIAL Universidade Estadual de Londrina Centro de Ciências Exatas Departamento de Química DEGRADAÇÃO DE FRAÇÃO AROMÁTICA DA GASOLINA EM ÁGUA SUBTERRÂNEA E SUPERFICIAL Aluno: Luciano Vetorasso Corbucci Orientadora

Leia mais

FAQ FREQUENT ASKED QUESTION (PERGUNTAS FREQUENTES)

FAQ FREQUENT ASKED QUESTION (PERGUNTAS FREQUENTES) FREQUENT ASKED QUESTION (PERGUNTAS FREQUENTES) PRINCIPAIS DÚVIDAS SOBRE O SISTEMA DE DETECÇÃO DE VAZAMENTO EM DUTOS. SUMÁRIO Introdução...4 1. Qual é a distância entre os sensores?...5 2. O RLDS/I-RLDS

Leia mais

Apoiada nestes 3 pilares buscamos oferecer uma completa linha de produtos e serviços (de???), oferecendo aos nosso clientes o mais elevado nível de

Apoiada nestes 3 pilares buscamos oferecer uma completa linha de produtos e serviços (de???), oferecendo aos nosso clientes o mais elevado nível de Apoiada nestes 3 pilares buscamos oferecer uma completa linha de produtos e serviços (de???), oferecendo aos nosso clientes o mais elevado nível de satisfação, de forma sustentável. Solução analítica para

Leia mais

ANÁLISE CRÍTICA DOS SISTEMAS DE MONITORAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS DE ATERROS PARA RESÍDUOS SÓLIDOS

ANÁLISE CRÍTICA DOS SISTEMAS DE MONITORAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS DE ATERROS PARA RESÍDUOS SÓLIDOS ANÁLISE CRÍTICA DOS SISTEMAS DE MONITORAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS DE ATERROS PARA RESÍDUOS SÓLIDOS Jorge Hamada* Faculdade de Engenharia de Bauru - UNESP. Engenheiro civil, mestrado e doutorado em Hidráulica

Leia mais

Ata da Reunião do Grupo Temático 16

Ata da Reunião do Grupo Temático 16 Ata da Reunião do Grupo Temático 16 Data: 30 e 31 de março de 2009 Local: Centro de Convenções Israel Pinheiro - Brasília - DF OBJETIVO DA REUNIÃO A reunião foi realizada com os laboratórios, no âmbito

Leia mais

Completação Inteligente

Completação Inteligente Petróleo Orientador: Profº Robson Dourado Completação Inteligente Grupo de trabalho: Bruno Luiz Dias dos Santos José Maria Soares Luis Carlos Laranjeira Petroleum - petra = pedra - oleium = óleo Resultado

Leia mais

Conceitos e definições do setor de gás natural

Conceitos e definições do setor de gás natural Conceitos e definições do setor de gás natural O que é o gás natural O gás natural é um combustível fóssil que se encontra na natureza, associado ou não ao petróleo, formado por hidrocarbonetos com predominância

Leia mais

MITIGAÇÃO DAS EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA NA PETROBRAS E NO DESENVOLVIMENTO DA PRODUÇÃO DO POLO PRÉ-SAL

MITIGAÇÃO DAS EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA NA PETROBRAS E NO DESENVOLVIMENTO DA PRODUÇÃO DO POLO PRÉ-SAL COMISSÃO MISTA PERMANENTE SOBRE MUDANÇAS CLIMÁTICAS SENADO FEDERAL MITIGAÇÃO DAS EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA NA PETROBRAS E NO DESENVOLVIMENTO DA PRODUÇÃO DO POLO PRÉ-SAL Beatriz Nassur Espinosa

Leia mais

ESTUDO DA VALORAÇÃO DO SEQUESTRO DE CARBONO PARA A LITOSFERA

ESTUDO DA VALORAÇÃO DO SEQUESTRO DE CARBONO PARA A LITOSFERA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CIENAM CENTRO INTERDISCIPLINAR DE ENERGIA E AMBIENTE www.cienam.ufba.br ESTUDO DA VALORAÇÃO DO SEQUESTRO DE CARBONO PARA A LITOSFERA Qual o custo para reduzir 1 % da concentração

Leia mais

Parafínicos Quando existe predominância de hidrocarbonetos parafínicos. Naftênicos Quando existe predominância de hidrocarbonetos naftênicos.

Parafínicos Quando existe predominância de hidrocarbonetos parafínicos. Naftênicos Quando existe predominância de hidrocarbonetos naftênicos. PETRÓLEO E DERIVADOS ASELCO / TELEDYNE TIPOS DE PETRÓLEO Parafínicos Quando existe predominância de hidrocarbonetos parafínicos. Naftênicos Quando existe predominância de hidrocarbonetos naftênicos. Mistos

Leia mais

OCORRÊNCIA DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS. Hidrogeologia Prof: Frederico Campos Viana

OCORRÊNCIA DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS. Hidrogeologia Prof: Frederico Campos Viana OCORRÊNCIA DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS Hidrogeologia Prof: Frederico Campos Viana Origem Segundo Todd (1959), quase todas as águas subterrâneas podem ser compreendidas como fazendo parte do ciclo hidrológico,

Leia mais

Segurança de suprimento. availability 3 A (WEC) Mix energético balanceado. Eficiência econômica. Compatibilidade ambiental.

Segurança de suprimento. availability 3 A (WEC) Mix energético balanceado. Eficiência econômica. Compatibilidade ambiental. Carvão Mineral: Ações de Mitigação das Mudanças Climáticas Eng. Fernando Luiz Zancan Presidente da Associação Brasileira do Carvão Mineral ABCM Brasília 27 de Junho de 2007 Segurança de suprimento availability

Leia mais

Construção de um Simulador da zona de combustão do Alto-Forno para a avaliação de combustíveis sólidos e gasosos

Construção de um Simulador da zona de combustão do Alto-Forno para a avaliação de combustíveis sólidos e gasosos Construção de um Simulador da zona de combustão do Alto-Forno para a avaliação de combustíveis sólidos e gasosos André da S. Machado, René L. Rech Antônio C. F. Vilela & Eduardo Osório Sumário Introdução

Leia mais

Química de Águas Naturais. -todas as formas de vida existentes no planeta Terra dependem da água;

Química de Águas Naturais. -todas as formas de vida existentes no planeta Terra dependem da água; Química de Águas Naturais todas as formas de vida existentes no planeta Terra dependem da água; a água cobre 70% da superfície do planeta, apenas uma parte dessa quantidade (~2,8%) é água doce sendo que

Leia mais

O HIDROGÊNIO COMO VETOR ENERGÉTICO

O HIDROGÊNIO COMO VETOR ENERGÉTICO XII Congresso Nacional de Estudantes de Engenharia Mecânica CREEM 2005 O HIDROGÊNIO COMO VETOR ENERGÉTICO MSc. Paulo F. P. Ferreira Lab. de Hidrogênio - Unicamp O HIDROGÊNIO COMO VETOR ENERGÉTICO Premissa

Leia mais

TESTE DE ESTANQUEIDADE

TESTE DE ESTANQUEIDADE TESTE DE ESTANQUEIDADE Mais do que encontrar vazamentos... por: Mauricio Oliveira Costa Consumidores (e clientes) não querem produtos que vazem. De fato, eles estão cada vez mais, exigindo melhorias no

Leia mais

GEOFÍSICA APLICADA A INVESTIGAÇÃO AMBIENTAL NOVAS TECNOLOGIAS E NOVAS TENDÊNCIAS

GEOFÍSICA APLICADA A INVESTIGAÇÃO AMBIENTAL NOVAS TECNOLOGIAS E NOVAS TENDÊNCIAS GEOFÍSICA APLICADA A INVESTIGAÇÃO AMBIENTAL NOVAS TECNOLOGIAS E NOVAS TENDÊNCIAS V Seminário de Políticas de Gestão da Qualidade do Solo e das Águas Subterrâneas São Paulo/SP - Brasil Setembro / 2007 ÁREAS

Leia mais

HIDROGEOLOGIA DO OESTE DE SANTA CATARINA

HIDROGEOLOGIA DO OESTE DE SANTA CATARINA HIDROGEOLOGIA DO OESTE DE SANTA CATARINA PROESC Introdução O Projeto Oeste de Santa Catarina (PROESC), é o resultado de um convênio firmado entre a CPRM-Serviço Geológico do Brasil e o Governo do Estado

Leia mais

Automação, Controle e Otimização em Sistemas de Produção de Petróleo

Automação, Controle e Otimização em Sistemas de Produção de Petróleo Automação, Controle e Otimização em Sistemas de Produção de Petróleo Departamento de Automação e Sistemas Universidade Federal de Santa Catarina Apresentação da Rede Temática GeDIg, Março de 2008 Sumário

Leia mais

Cap 04 INVESTIGAÇÃO DO SUBSOLO

Cap 04 INVESTIGAÇÃO DO SUBSOLO Cap 04 INVESTIGAÇÃO DO SUBSOLO Sondagens Rotativas, Métodos Semi-Diretos e Métodos Indiretos Profa. Andrea Sell Dyminski UFPR Sondagens Rotativas Quando se atinge material impenetrável à percussão (estrato

Leia mais

AVALIAÇÃO DA CONTAMINAÇÃO POR TPH EM SOLO CONTAMINADO COM DERIVADOS DE PETRÓLEO UTILIZANDO O AQUECIMENTO POR RADIAÇÃO MICROONDAS

AVALIAÇÃO DA CONTAMINAÇÃO POR TPH EM SOLO CONTAMINADO COM DERIVADOS DE PETRÓLEO UTILIZANDO O AQUECIMENTO POR RADIAÇÃO MICROONDAS AVALIAÇÃO DA CONTAMINAÇÃO POR TPH EM SOLO CONTAMINADO COM DERIVADOS DE PETRÓLEO UTILIZANDO O AQUECIMENTO POR RADIAÇÃO MICROONDAS Rayana Hozana Bezerril, Adriana Margarida Zanbotto Ramalho, Márcio Henrique

Leia mais

VALIDAÇÃO DE AMOSTRADORES ALTERNATIVOS DE GÁS EM MINAS DE CARVÃO

VALIDAÇÃO DE AMOSTRADORES ALTERNATIVOS DE GÁS EM MINAS DE CARVÃO Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Química Laboratório de Química Analítica Ambiental LQAmb VALIDAÇÃO DE AMOSTRADORES ALTERNATIVOS DE GÁS EM MINAS DE CARVÃO Silvia F. R.

Leia mais

Tipos de Energia. Gravitacional; Elétrica; Magnética; Nuclear.

Tipos de Energia. Gravitacional; Elétrica; Magnética; Nuclear. Fontes de Energia Tipos de Energia Gravitacional; Elétrica; Magnética; Nuclear. Fontes de Energia Primaria fontes que quando empregadas diretamente num trabalho ou geração de calor. Lenha, para produzir

Leia mais

2 SISTEMAS DE DETECÇÃO DE VAZAMENTOS EM DUTOS

2 SISTEMAS DE DETECÇÃO DE VAZAMENTOS EM DUTOS 2 SISTEMAS DE DETECÇÃO DE VAZAMENTOS EM DUTOS Neste capítulo vamos apresentar um breve estudo de técnicas e sistemas de detecção de vazamentos mais utilizados atualmente. Nosso objetivo é demonstrar que

Leia mais

A1.2 Águas subterrâneas. A1.2.0 Introdução 1

A1.2 Águas subterrâneas. A1.2.0 Introdução 1 A1.2 Águas subterrâneas Os objetivos desta seção consistem em avaliar o potencial e as disponibilidades das águas subterrâneas, bem como determinar suas principais limitações e áreas mais favoráveis à

Leia mais

Inventário de Emissão de Gases de Efeito Estufa

Inventário de Emissão de Gases de Efeito Estufa Inventário de de Gases de Efeito Estufa Projeto Coral Vivo Priscila G. C. Sette Moreira CREA 49.354/D Inventário de de Gases de Efeito Estufa 1 Introduça o A variação do clima é um fenômeno natural que

Leia mais

Armazenamento de CO 2 Tipos de reservatórios e selecção de locais. Júlio Carneiro Centro de Geofísica de Évora

Armazenamento de CO 2 Tipos de reservatórios e selecção de locais. Júlio Carneiro Centro de Geofísica de Évora Armazenamento de CO 2 Tipos de reservatórios e selecção de locais Júlio Carneiro Centro de Geofísica de Évora Injecção de CO 2-40 anos de prática?! Injecção de CO 2 efectuada desde 1972 como tecnologia

Leia mais

Gerenciamento de Drenagem de Mina. Soluções e Tecnologias Avançadas. www.water.slb.com

Gerenciamento de Drenagem de Mina. Soluções e Tecnologias Avançadas. www.water.slb.com Gerenciamento de Drenagem de Mina Soluções e Tecnologias Avançadas www.water.slb.com Buscando sempre desenvolver solução inovadoras, eficientes e econômicas. A Schlumberger Water Services é um segmento

Leia mais

3 Geo/Sensoriamento Remoto

3 Geo/Sensoriamento Remoto 3 Geo/Sensoriamento Remoto Neste item, serão apresentadas pesquisas desenvolvidas em programas da Coppe/UFRJ relacionadas à temática geo/sensoriamento remoto. Alguns resultados parciais desta linha temática

Leia mais

Soluções de medição de produção e exploração

Soluções de medição de produção e exploração Soluções de medição de produção e exploração Medição superior de fluxo e densidade A melhor medição do setor É desafiador manter um equilíbrio entre operações, manutenção e conformidade, atingindo as metas

Leia mais

Investigação Confirmatória

Investigação Confirmatória MODULO 3 Gestores e Técnicos Ambientais Procedimentos para postos e sistemas retalhistas Licenciamento Ambiental Recebimento de Denúncia ou Reclamação Medidas Emergenciais Nenhuma intervenção necessária

Leia mais

QUESTÕES DE QUÍMICA DA UNICAMP PROVA DE 2014.

QUESTÕES DE QUÍMICA DA UNICAMP PROVA DE 2014. QUESTÕES DE QUÍMICA DA UNICAMP PROVA DE 2014. 1- Prazeres, benefícios, malefícios, lucros cercam o mundo dos refrigerantes. Recentemente, um grande fabricante nacional anunciou que havia reduzido em 13

Leia mais

Estudo da emissão veicular de Gases de Efeito Estufa (GEE) em veículos movidos à DIESEL. Prof. Dr. Ariston da Silva Melo Júnior

Estudo da emissão veicular de Gases de Efeito Estufa (GEE) em veículos movidos à DIESEL. Prof. Dr. Ariston da Silva Melo Júnior Estudo da emissão veicular de Gases de Efeito Estufa (GEE) em veículos movidos à DIESEL Prof. Dr. Ariston da Silva Melo Júnior INTRODUÇÃO Durante milhões de anos a Terra passou por ciclos naturais de aquecimento

Leia mais

RESOLUÇÃO CRH Nº 10 /09, DE 03 DE DEZEMBRO DE 2009.

RESOLUÇÃO CRH Nº 10 /09, DE 03 DE DEZEMBRO DE 2009. RESOLUÇÃO CRH Nº 10 /09, DE 03 DE DEZEMBRO DE 2009. Dispõe sobre a obrigatoriedade de realização de Análises Físico-químicas e Bacteriológicas com parâmetros físico-químicos e bacteriológicos específicos,

Leia mais

NOVA AMBI SERVIÇOS ANALÍTICOS LTDA.

NOVA AMBI SERVIÇOS ANALÍTICOS LTDA. NOVA AMBI SERVIÇOS ANALÍTICOS LTDA. R-A 124/2009 Rev. 1 São Paulo, 18 de Agosto de 2009. À FUND. APLICAÇÕES DE TECNOL. CRÍTICAS - ATECH Rua do Rócio, 313 11º andar Vila Olimpia SÃO PAULO SP At.: Sr. Abrahão

Leia mais

QUESTÕES DE CARACTERIZAÇÃO E ANÁLISE AMBIENTAL. O 2(g) O 2(aq)

QUESTÕES DE CARACTERIZAÇÃO E ANÁLISE AMBIENTAL. O 2(g) O 2(aq) QUESTÕES DE CARACTERIZAÇÃO E ANÁLISE AMBIENTAL Questão 01 O agente oxidante mais importante em águas naturais é, sem a menor dúvida, o oxigênio molecular dissolvido, O 2. O equilíbrio entre o oxigênio

Leia mais

Tanques Sépticos e Disposição de Efluentes de Tanques Sépticos

Tanques Sépticos e Disposição de Efluentes de Tanques Sépticos UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO DECIV DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Tanques Sépticos e Disposição de Efluentes de Tanques Sépticos DISCIPLINA: SANEAMENTO PROF. CARLOS EDUARDO F MELLO e-mail: cefmello@gmail.com

Leia mais

os hidrocarbonetos e o mecanismo de Desenvolvimento Limpo

os hidrocarbonetos e o mecanismo de Desenvolvimento Limpo os hidrocarbonetos e o mecanismo de Desenvolvimento Limpo Engª. Kassi Costa/setembro 2013 Sumario Introdução Combustíveis Fósseis ou Hidrocarbonetos Sistema Petrolífero Mecanismo Desenvolvimento Limpo/Alternativas

Leia mais

ANÁLISE DAS EMISSÕES ATUAIS DE CO 2 POR FONTE DE ENERGIA E POR ATIVIDADES PARA O ESTADO DO RIO DE JANEIRO (ANO BASE 1996)

ANÁLISE DAS EMISSÕES ATUAIS DE CO 2 POR FONTE DE ENERGIA E POR ATIVIDADES PARA O ESTADO DO RIO DE JANEIRO (ANO BASE 1996) ANÁLISE DAS EMISSÕES ATUAIS DE CO 2 POR FONTE DE ENERGIA E POR ATIVIDADES PARA O ESTADO DO RIO DE JANEIRO (ANO BASE 1996) CÉLIA MARIA PAIVA PROFA. DEPTO METEOROLOGIA/UFRJ celia@meteoro.ufrj.br 1. Introdução

Leia mais

MONITORAMENTO DOS NÍVEIS DE NITRATO NAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS EM MUNICÍPIO DO OESTE DO PARANÁ

MONITORAMENTO DOS NÍVEIS DE NITRATO NAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS EM MUNICÍPIO DO OESTE DO PARANÁ Universidade Tecnológica Federal do Paraná Programa de Pós-Graduação em Tecnologias Ambientais Campus Medianeira MONITORAMENTO DOS NÍVEIS DE NITRATO NAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS EM MUNICÍPIO DO OESTE DO PARANÁ

Leia mais

Sistema de Partida a Frio Eletrônico Auto-Controlável para Veículos Flex

Sistema de Partida a Frio Eletrônico Auto-Controlável para Veículos Flex Prêmio AEA 2015 - Projetos de Meio Ambiente Sistema de Partida a Frio Eletrônico Auto-Controlável para Veículos Flex Tadeu Amaral, Fábio Moreira, Fernando Yoshino, Heitor Cavalhieri, Roberta Cruz Centro

Leia mais

TRATAMENTO DA ÁGUA PARA GERADORES DE VAPOR

TRATAMENTO DA ÁGUA PARA GERADORES DE VAPOR Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Industrial Madeireira MÁQUINAS TÉRMICAS AT-101 Dr. Alan Sulato de Andrade alansulato@ufpr.br 1 INTRODUÇÃO: A água nunca está em estado puro, livre de

Leia mais

Gestão Ambiental 19/3/2012. MÓDULO Gerenciamento e Controle de Poluição da Água. Tema: DISPONIBILIDADE HÍDRICA: as Águas do Planeta

Gestão Ambiental 19/3/2012. MÓDULO Gerenciamento e Controle de Poluição da Água. Tema: DISPONIBILIDADE HÍDRICA: as Águas do Planeta Gestão Ambiental Profª Denise A. F. Neves MÓDULO Gerenciamento e Controle de Poluição da Água Tema: DISPONIBILIDADE HÍDRICA: as Águas do Planeta Objetivos: Entender a distribuição da água no Planeta. Reconhecer

Leia mais

Recursos Energéticos e Meio Ambiente. Professor Sandro Donnini Mancini. 10 - Gás Natural. Sorocaba, Abril de 2015.

Recursos Energéticos e Meio Ambiente. Professor Sandro Donnini Mancini. 10 - Gás Natural. Sorocaba, Abril de 2015. Campus Experimental de Sorocaba Recursos Energéticos e Meio Ambiente Professor Sandro Donnini Mancini 10 - Gás Natural Sorocaba, Abril de 2015. Terminologia Líquidos de Gás Natural LGN - Hidrocarbonetos

Leia mais

Universidade Federal da Paraíba Centro de Ciências Exatas e da Natureza Departamento de Química Disciplina: Físico-Química II Professora: Claudia

Universidade Federal da Paraíba Centro de Ciências Exatas e da Natureza Departamento de Química Disciplina: Físico-Química II Professora: Claudia Universidade Federal da Paraíba Centro de Ciências Exatas e da Natureza Departamento de Química Disciplina: Físico-Química II Professora: Claudia Aluno: Julys Pablo Atayde Fernandes Células a Combustível:

Leia mais

1 - A Empresa... 2 - Dados Cadastrais... 3 - Áreas de Atuação... 4 - Serviços Oferecidos... 4.1 - Petróleo e Gás Natural...

1 - A Empresa... 2 - Dados Cadastrais... 3 - Áreas de Atuação... 4 - Serviços Oferecidos... 4.1 - Petróleo e Gás Natural... Dossiê Geoprospectus 2013 2 Índice 1 - A Empresa... 2 - Dados Cadastrais... 3 - Áreas de Atuação... 4 - Serviços Oferecidos... 4.1 - Petróleo e Gás Natural... 4.1.1 - Engenharia do Petróleo... 4.1.2 -

Leia mais

Dataloggers Diver e software para de águas subterrâneas confiáveis e precisos. Diver-Suite

Dataloggers Diver e software para de águas subterrâneas confiáveis e precisos. Diver-Suite Dataloggers Diver e software para de águas subterrâneas confiáveis e precisos Diver-Suite TECNOLOGIA DE MONITORAMENTO INTELIGENTE O Diver-Suite* da Schlumberger Water Services oferece aos especialistas

Leia mais

Pesquisa e desenvolvimento em Células a Combustível

Pesquisa e desenvolvimento em Células a Combustível Pesquisa e desenvolvimento em Células a Combustível Fábio Bellot Noronha Instituto Nacional de Tecnologia Laboratório de Catálise Sumário ❶ Revisão da Tecnologia de célula a combustível Descrição da tecnologia

Leia mais

SÃO LEOPOLDO - RS SEMINÁRIO TÉCNICO DE AUTOMAÇÃO PARA SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO AUTOMAÇÃO PARA SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO

SÃO LEOPOLDO - RS SEMINÁRIO TÉCNICO DE AUTOMAÇÃO PARA SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO AUTOMAÇÃO PARA SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO 01 DEZEMBRO 2005 SÃO LEOPOLDO - RS SEMINÁRIO TÉCNICO DE AUTOMAÇÃO PARA SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO AUTOMAÇÃO PARA SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO SCAI Automação Ltda. INSTRUMENTAÇÃO NÍVEL PRESSÃO VAZÃO GRANDEZAS

Leia mais

FONTES/NASCENTES. Departamento de Recursos Hídricos DRH Divisão de Outorga e Fiscalização

FONTES/NASCENTES. Departamento de Recursos Hídricos DRH Divisão de Outorga e Fiscalização FONTES/NASCENTES Departamento de Recursos Hídricos DRH Divisão de Outorga e Fiscalização O que é uma nascente? Nascentes, fontes ou olhos de água são os locais onde se verifica o aparecimento de água por

Leia mais

ÁGUA REAGENTE NO LABORATÓRIO CLÍNICO

ÁGUA REAGENTE NO LABORATÓRIO CLÍNICO ÁGUA REAGENTE NO LABORATÓRIO RIO CLÍNICO Água reagente no laboratório rio clínico Água de grau reagente (água( pura); Processos de purificação: destilação e deionização (+ usado atualmente). Especificações

Leia mais

2 Método sísmico na exploração de petróleo

2 Método sísmico na exploração de petróleo 16 2 Método sísmico na exploração de petróleo O método sísmico, ou sísmica de exploração de hidrocarbonetos visa modelar as condições de formação e acumulação de hidrocarbonetos na região de estudo. O

Leia mais

Aspectos gerais sobre preparo de amostras. Joaquim A. Nóbrega djan@terra.com.br

Aspectos gerais sobre preparo de amostras. Joaquim A. Nóbrega djan@terra.com.br Aspectos gerais sobre preparo de amostras Joaquim A. Nóbrega djan@terra.com.br Técnicas Espectroanalíticas - FAAS - GFAAS - ICP OES - ICP-MS - Aspecto comum: amostras são usualmente introduzidas como soluções

Leia mais

Emissão Veicular de Gases de Efeito Estufa (GEE) Em Automotivos Movidos a Diesel

Emissão Veicular de Gases de Efeito Estufa (GEE) Em Automotivos Movidos a Diesel Emissão Veicular de Gases de Efeito Estufa (GEE) Em Automotivos Movidos a Diesel *MELO JUNIOR, A. S a.;gatti, L. b.; FERREIRA, P. G c.; FRUGOLLI, A. d a.universidade de São Paulo (USP)/Universidade Paulista,

Leia mais

Fração. Página 2 de 6

Fração. Página 2 de 6 1. (Fgv 2014) De acordo com dados da Agência Internacional de Energia (AIE), aproximadamente 87% de todo o combustível consumido no mundo são de origem fóssil. Essas substâncias são encontradas em diversas

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA IDENTIFICAÇÃO DE PASSIVOS AMBIENTAIS EM POSTOS DE COMBUSTÍVEIS

PROCEDIMENTO PARA IDENTIFICAÇÃO DE PASSIVOS AMBIENTAIS EM POSTOS DE COMBUSTÍVEIS PROCEDIMENTO PARA IDENTIFICAÇÃO DE PASSIVOS AMBIENTAIS EM POSTOS DE COMBUSTÍVEIS Este documento apresenta o procedimento a ser adotado na identificação de passivos ambientais em postos revendedores e de

Leia mais

Avaliação da Formação

Avaliação da Formação Avaliação da Formação 01. Conceito Estudos e Atividades que visam avaliar qualitativamente e quantitativamente o potencial uma jazida petrolífera, ou seja, a sua capacidade produtiva e a valoração das

Leia mais

2. (Ifsc 2014) A reação abaixo representa este processo: CO 3H H COH H O ΔH 12 kcal/mol

2. (Ifsc 2014) A reação abaixo representa este processo: CO 3H H COH H O ΔH 12 kcal/mol 1. (Uel 2014) A gasolina é uma mistura de vários compostos. Sua qualidade é medida em octanas, que definem sua capacidade de ser comprimida com o ar, sem detonar, apenas em contato com uma faísca elétrica

Leia mais

Células de combustível

Células de combustível Células de combustível A procura de energia no Mundo está a aumentar a um ritmo alarmante. A organização WETO (World Energy Technology and Climate Policy Outlook) prevê um crescimento anual de 1,8 % do

Leia mais

EQUILÍBRIO QUÍMICO 1

EQUILÍBRIO QUÍMICO 1 EQUILÍBRIO QUÍMICO 1 1- Introdução Uma reação química é composta de duas partes separadas por uma flecha, a qual indica o sentido da reação. As espécies químicas denominadas como reagentes ficam à esquerda

Leia mais

Alta qualidade em Instrumentos de Monitoramento Águas Superficiais e Subterrâneas. www.agsolve.com.br www.solinst.com

Alta qualidade em Instrumentos de Monitoramento Águas Superficiais e Subterrâneas. www.agsolve.com.br www.solinst.com Alta qualidade em Instrumentos de Monitoramento Águas Superficiais e Subterrâneas www.agsolve.com.br www.solinst.com Vantagens do Sistema Multinível Oferece todos os benefícios da tecnologia de poços multinível

Leia mais

Área Departamental de Engenharia Química Laboratório de Tecnologia Química Processo eletroquímico de produção de combustíveis sintéticos renováveis

Área Departamental de Engenharia Química Laboratório de Tecnologia Química Processo eletroquímico de produção de combustíveis sintéticos renováveis Área Departamental de Engenharia Química Laboratório de Tecnologia Química Processo eletroquímico de produção de combustíveis sintéticos renováveis Green Synthetic Fuel / Luís Guerra Conteúdos Conceito

Leia mais

DESEMPENHO E EMISSÕES DE UM MOTOR DIESEL OPERANDO COM BAIXAS VAZÕES DE HIDROGÊNIO

DESEMPENHO E EMISSÕES DE UM MOTOR DIESEL OPERANDO COM BAIXAS VAZÕES DE HIDROGÊNIO DESEMPENHO E EMISSÕES DE UM MOTOR DIESEL OPERANDO COM BAIXAS VAZÕES DE HIDROGÊNIO Responsável pelo Projeto Luiz Augusto de Noronha Mendes FPT Industrial RESUMO Este trabalho apresenta um estudo sobre o

Leia mais

ANÁLISE DE ALCALINIDADE DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS DO INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE - CAMPUS CAMBORIÚ.

ANÁLISE DE ALCALINIDADE DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS DO INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE - CAMPUS CAMBORIÚ. ANÁLISE DE ALCALINIDADE DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS DO INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE - CAMPUS CAMBORIÚ. Naiane Ramilio 1, Ana Cristina Franzoi TEIXEIRA 2, Adriano MARTENDAL 3 1 Estudante do Curso Técnico em

Leia mais

PROVA DE QUÍMICA - 1998 Segunda Etapa

PROVA DE QUÍMICA - 1998 Segunda Etapa PROVA DE QUÍMICA - 1998 Segunda Etapa QUESTÃO 01 Num laboratório químico, havia três frascos que continham, respectivamente, um alcano, um álcool e um alqueno. Foram realizados experimentos que envolviam

Leia mais

O Uso da Tecnologia de Alta Resolução MIP/HPT no Gerenciamento de Áreas Contaminadas

O Uso da Tecnologia de Alta Resolução MIP/HPT no Gerenciamento de Áreas Contaminadas O Uso da Tecnologia de Alta Resolução MIP/HPT no Gerenciamento de Áreas Contaminadas III Seminário Sul-Brasileiro Gerenciamento de Áreas Contaminadas (12/11/15) Canoas/RS Vinhedo/SP Rio de Janeiro São

Leia mais

USOS E Aplicações DE SENSORIAMENTO REMOTO I

USOS E Aplicações DE SENSORIAMENTO REMOTO I USOS E Aplicações DE SENSORIAMENTO REMOTO I AGRICULTURA, E RECURSOS FLORESTAIS DISCRIMINAÇÃO DE TIPOS DE VEGETAÇÃO Tipos de colheita Tipos de madeiras DETERMINAÇÃO DA VARIAÇÃO DE APTIDÃO E BIOMASSA DETERMINAÇÃO

Leia mais

A Questão da Energia no Mundo Atual

A Questão da Energia no Mundo Atual A Questão da Energia no Mundo Atual A ampliação do consumo energético Energia é a capacidade que algo tem de realizar ou produzir trabalho. O aumento do consumo e a diversificação das fontes responderam

Leia mais

EFICIÊNCIA EM PROCESSOS DE COMBUSTÃO À GÁS. Apresentação Eng Wagner Branco wagnerbranco@zetecambiental.com.br

EFICIÊNCIA EM PROCESSOS DE COMBUSTÃO À GÁS. Apresentação Eng Wagner Branco wagnerbranco@zetecambiental.com.br EFICIÊNCIA EM PROCESSOS DE COMBUSTÃO À GÁS Apresentação Eng Wagner Branco wagnerbranco@zetecambiental.com.br Principais atividades da Zetec Tecnologia Ambiental Engenharia de Combustão Diagnósticos energéticos.

Leia mais

Comentários sobre o. Plano Decenal de Expansão. de Energia (PDE 2008-2017)

Comentários sobre o. Plano Decenal de Expansão. de Energia (PDE 2008-2017) Comentários sobre o Plano Decenal de Expansão de Energia (PDE 2008-2017) PAULO CÉSAR RIBEIRO LIMA JANEIRO/2009 Paulo César Ribeiro Lima 2 Comentários sobre o Plano Decenal de Expansão de Energia (PDE 2008-2017)

Leia mais

PROJETO DE REATOR PARA TRATAMENTO DO BIOGÁS DE ATERRO SANITÁRIO

PROJETO DE REATOR PARA TRATAMENTO DO BIOGÁS DE ATERRO SANITÁRIO PROJETO DE REATOR PARA TRATAMENTO DO BIOGÁS DE ATERRO SANITÁRIO Ricardo Coelho Sousa¹; Lilian Lima Bomfim 2 ; Flávia Regina Góis Lobão 3 ; Antonio Guimarães Santos Júnior 4. ( ¹ ) Professor, Instituto

Leia mais

1.1 Poluentes atmosféricos. 1.2 Principais Poluentes Atmosféricos

1.1 Poluentes atmosféricos. 1.2 Principais Poluentes Atmosféricos 18 1. Introdução Nos últimos anos, o crescimento econômico dos países desenvolvidos provocou o aumento da demanda mundial por energia. Com esta também veio um forte aumento da dependência do petróleo e

Leia mais

MÉTODOS CROMATOGRÁFICOS

MÉTODOS CROMATOGRÁFICOS MÉTODOS CROMATOGRÁFICOS Aula 5 Cromatografia a Gás Profa. Daniele Adão CROMATÓGRAFO CROMATOGRAMA Condição para utilização da CG Misturas cujos constituintes sejam VOLÁTEIS Para assim dissolverem-se, pelo

Leia mais

DEPARTAMENTO NACIONAL DE PRODUÇÃO MINERAL PORTARIA Nº 231,de 31 DE JULHO DE 1998, DOU de 07/08/98

DEPARTAMENTO NACIONAL DE PRODUÇÃO MINERAL PORTARIA Nº 231,de 31 DE JULHO DE 1998, DOU de 07/08/98 DEPARTAMENTO NACIONAL DE PRODUÇÃO MINERAL PORTARIA Nº 231,de 31 DE JULHO DE 1998, DOU de 07/08/98 O DIRETOR-GERAL DO DEPARTAMENTO NACIONAL DE PRODUÇÃO MINERAL - DNPM, no uso das atribuições que lhe confere

Leia mais

Sensoriamento Remoto. Características das Imagens Orbitais

Sensoriamento Remoto. Características das Imagens Orbitais Sensoriamento Remoto Características das Imagens Orbitais 1 - RESOLUÇÃO: O termo resolução em sensoriamento remoto pode ser atribuído a quatro diferentes parâmetros: resolução espacial resolução espectral

Leia mais

Vôo por instrumentos. Brasil, 2010, Marcelo Moniz

Vôo por instrumentos. Brasil, 2010, Marcelo Moniz Vôo por instrumentos 1 Objetivo do Trabalho (1) Onde vou pousar? Qual o meu objetivo neste trabalho? (Um trabalho em EC; limpeza, pintura, corte, solda) O que eu preciso fazer para garantir a minha segurança

Leia mais

Pág. 1. COMISSÃO PERMANENTE DE SELEÇÃO - COPESE PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO - PROGRAD CONCURSO VESTIBULAR 2009 2ª Fase PROVA DE QUÍMICA

Pág. 1. COMISSÃO PERMANENTE DE SELEÇÃO - COPESE PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO - PROGRAD CONCURSO VESTIBULAR 2009 2ª Fase PROVA DE QUÍMICA Questão 1: As bebidas alcoólicas contêm etanol e podem ser obtidas pela destilação do álcool (ex. whiskey e vodka) ou pela fermentação de uma variedade de produtos como frutas e outros vegetais (ex. vinho

Leia mais

PORTARIA Nº. 018, DE 20 DE OUTUBBRO DE 2004.

PORTARIA Nº. 018, DE 20 DE OUTUBBRO DE 2004. PORTARIA Nº. 018, DE 20 DE OUTUBBRO DE 2004. Dispõem sobre a investigação de passivo ambiental em prestadores de serviços de revenda, distribuição, armazenamento e abastecimento de combustíveis veiculares,

Leia mais

Perspectivas da Produção de Óleo e Gás pelo Método de Fraturamento Hidráulico

Perspectivas da Produção de Óleo e Gás pelo Método de Fraturamento Hidráulico UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO ESCOLA DE MINAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE MINAS Perspectivas da Produção de Óleo e Gás pelo Método de Fraturamento Hidráulico Wilson Trigueiro de Sousa Carlos Mouallem

Leia mais

Figura 1 - Utilização conjugada de Câmera IR, com sniffer - Fonte: FLIR Systems

Figura 1 - Utilização conjugada de Câmera IR, com sniffer - Fonte: FLIR Systems Câmera GasFindIR da FLIR Systems Por Aline Voigt Nadolni - Petrobras Sobre o GasFindIR Informações gerais - segundo o fabricante FLIR Systems, Inc. O GasFindIR é, segundo a FLIR Systems, uma câmera portátil,

Leia mais

ATENÇÃO: O DESENVOLVIMENTO TEÓRICO DAS QUESTÕES É OBRIGATÓRIO

ATENÇÃO: O DESENVOLVIMENTO TEÓRICO DAS QUESTÕES É OBRIGATÓRIO IX Olimpíada Capixaba de Química 2011 Prova do Grupo II 2 a série do ensino médio Fase 02 Aluno: Idade: Instituição de Ensino: Coordenador da Instituição de Ensino: ATENÇÃO: O DESENVOLVIMENTO TEÓRICO DAS

Leia mais

Avaliação da contaminação potencial de As numa zona de minas abandonadas uma abordagem geoestatística

Avaliação da contaminação potencial de As numa zona de minas abandonadas uma abordagem geoestatística Avaliação da contaminação potencial de As numa zona de minas abandonadas uma abordagem geoestatística ALBUQUERQUE, MTD & ANTUNES, IMHR Polytechnic Institute of Castelo Branco Castelo Branco, Portugal.

Leia mais

PROBABILIDADES E PROBABILIDADES CONDICIONAIS EM HIDROGEOLOGIA. Luís RIBEIRO 1

PROBABILIDADES E PROBABILIDADES CONDICIONAIS EM HIDROGEOLOGIA. Luís RIBEIRO 1 PROBABILIDADES E PROBABILIDADES CONDICIONAIS EM HIDROGEOLOGIA Luís RIBEIRO 1 RESUMO Nos problemas de poluição de águas subterrâneas, interessa mais a detecção dos valores anormais e o estudo da sua conectividade

Leia mais

Medição & Verificação

Medição & Verificação Medição & Verificação Base para o desenvolvimento do mercado de ESCOs Alan Poole Péricles Pinheiro Filho O Que Vamos Falar Importância da M&V em um contrato de performance Benefícios de uma M&V executado

Leia mais

RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS DA UNIDADE HIDRELÉTRICA DE ERNERGIA UHE-SÃO JOSÉ

RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS DA UNIDADE HIDRELÉTRICA DE ERNERGIA UHE-SÃO JOSÉ RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS DA UNIDADE HIDRELÉTRICA DE ERNERGIA UHE-SÃO JOSÉ Triunfo, 11 de fevereiro de 2011 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. RELAÇÃO DOS POÇOS DE MONITORAMENTO... 3

Leia mais

Capítulo I Água potável, mineral e de mesa

Capítulo I Água potável, mineral e de mesa Ciência Alimentar e Saúde Composição de Alimentos II Capítulo I Água potável, mineral e de mesa Água Potável deve ser transparente, sem cor, sem odor, livre de microorganismos patogénicos (baixo em microorganismos

Leia mais

Processos Hidrológicos CST 318 / SER 456. Tema 1 Introdução ANO 2015

Processos Hidrológicos CST 318 / SER 456. Tema 1 Introdução ANO 2015 Processos Hidrológicos CST 318 / SER 456 Tema 1 Introdução ANO 2015 Camilo Daleles Rennó Laura De Simone Borma http://www.dpi.inpe.br/~camilo/prochidr/ Aulas 1 Introdução - Camilo 2 Precipitação/Interceptação

Leia mais

Estudo da Emissão Veicular de Gases de Efeito Estufa (GEE) em Veículos Movidos à Gasolina

Estudo da Emissão Veicular de Gases de Efeito Estufa (GEE) em Veículos Movidos à Gasolina Estudo da Emissão Veicular de Gases de Efeito Estufa (GEE) em Veículos Movidos à Gasolina *MELO JÚNIOR, A. S a.; GATTI, L b.; SEVEGNANI, F c.; SATIE,I. d ; IZIDRO, J. e ; IANNUZZI, A. f a.universidade

Leia mais

SUMÁRIO EXECUTIVO COMUNICAÇÃO ESTADUAL EMISSÕES NO SETOR DE ENERGIA: ABORDAGEM DE REFERÊNCIA (TOP DOWN)

SUMÁRIO EXECUTIVO COMUNICAÇÃO ESTADUAL EMISSÕES NO SETOR DE ENERGIA: ABORDAGEM DE REFERÊNCIA (TOP DOWN) COMUNICAÇÃO ESTADUAL 1º INVENTÁRIO DE EMISSÕES ANTRÓPICAS DE GASES DE EFEITO ESTUFA DIRETOS E INDIRETOS DO ESTADO DE SÃO PAULO EMISSÕES NO SETOR DE ENERGIA: ABORDAGEM DE REFERÊNCIA (TOP DOWN) SUMÁRIO EXECUTIVO

Leia mais

Composição da água do mar

Composição da água do mar Composição da água do mar Vanessa Hatje Tópicos Composição da água do mar Princípio de Marcet Estado estacionário e tempo de residência Comportamento conservativo vs não-conservativo 1 Salinidade nos oceanos

Leia mais