Repasse dos Ganhos de Produtividade. Experiência da ANEEL

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Repasse dos Ganhos de Produtividade. Experiência da ANEEL"

Transcrição

1 Repasse dos Ganhos de Produtividade Experiência da ANEEL DAVI ANTUNES LIMA SUPERINTENDENTE DE REGULAÇÃO ECONÔMICA DA ANEEL 21 de março de 2013 Brasília DF

2 Tópicos Breve Histórico e Legislação Regulação Econômica do Segmento de Distribuição Resultados Considerações Finais 2

3 Breve Histórico e Legislação A Lei 8.631, de 4 de março de 1993, acabou com a equalização tarifária e o regime de remuneração garantida (custo do serviço); ALei8.987,de13defevereirode1995,instituiuoregimedetarifapelo preço; A Lei9.427,de26dedezembrode1996,criou aaneeleatribuiaelaa competência para regular os segmentos de Distribuição e Transmissão de Energia Elétrica. Contratos de Concessão de Distribuição assinados entre 1995 e 2002; Tarifas iniciais não passaram por revisão tarifária e não foram definidas em licitações. 3

4 Breve Histórico e Legislação Regulação Econômica do Segmento de Distribuição Resultados Considerações Finais 4

5 O Caminho da Energia até o Consumidor GERAÇÃO A tarifa deve cobrir os custos envolvidos em toda a cadeia de energia elétrica, envolvendo a produção, transmissão, distribuição e comercialização. CONSUMIDORES DISTRIBUIÇÃO TRANSMISSÃO 5

6 CONTRATOS DE CONCESSÃO Revisão Tarifária Periódica Realizada em média a cada 4 anos. Novas tarifas a partir de padrões de eficiência. Modicidade tarifária. Realizado anualmente e visa preservar o equilíbrio econômico-financeiro da concessão. Reajuste Tarifário Revisão Extraordinária É aplicada quando algo extraordinário desequilibra o contrato de concessão. 6

7 1ª REVISÃO REAJUSTE 2ª REVISÃO Transmissão Transmissão Transmissão Parcela A Compra de Energia Encargos Setoriais Parcela A Compra de Energia Encargos Setoriais Parcela A Compra de Energia Encargos Setoriais Remuneração Remuneração Parcela B Custos Operacionais Depreciação Parcela B X (IGPM FATOR X) Parcela B Custos Operacionais Depreciação Outras Receitas Outras Receitas MERCADO MERCADO MERCADO 7

8 Ciclos de Revisões Tarifárias Histórico 1ª Revisão Tarifária da Escelsa 2ª Revisão Tarifária da Escelsa 1º Ciclo de Revisões Tarifárias Periódicas 2º Ciclo de Revisões Tarifárias Periódicas 3º Ciclo de Revisões Tarifárias Periódicas

9 Alguns Princípios Fundamentais Enfoque em mecanismos de incentivo a ganhos de eficiência: deve-se dissociar os custos gerenciáveis utilizados nos cálculos tarifários dos custos reais individuais de cada empresa; Exemplo: custos operacionais e perdas comerciais (furto de energia). Assimetria de Informação: deve-se evitar discussões caso-a-caso e evitar utilizar informações que as empresas dominam mais que o Regulador; Exemplo: projeções de investimento e mercado. Regulação por Comparação (Yardstick Competition): pode-se, sempre que possível, utilizar informações de empresas comparáveis para emular um ambiente competitivo; Exemplo: custos operacionais e perdas comerciais (furto de energia). 9

10 Metodologias Utilizadas 2ª Revisão Tarifária da Escelsa 1º Ciclo Revisão Tarifária 2º Ciclo Revisão Tarifária 3º Ciclo Revisão Tarifária Valoração dos Ativos Contábil Corrigido Valor Novo de Reposição Valor Novo de Reposição Valor Novo de Reposição Custos de Capital WACC WACC WACC WACC Custos Operacionais Auditoria de Custos Empresa de Referência Empresa de Referência Benchmarking Fator X Produtividade Total dos Fatores Fluxo de Caixa Descontado Fluxo de Caixa Descontado Produtividade Total dos Fatores Perdas Comerciais Perdas da Própria Empresa Média Histórica da Empresa Benchmarking Benchmarking 10

11 Valoração dos Ativos Razões da opção pelo Valor Novo de Reposição: 1. A inflação e mudanças na forma de atualização dos balanços no passado podem distorcer o real valor dos equipamentos; 2. O VNR busca reconhecer apenas investimentos prudentes a preços eficientes; 3. Utiliza-se assim um critério objetivo e único para valoração de todos os ativos, independente da data de sua imobilização. 11

12 Custo Médio Ponderado do Capital (WACC) 12% 10,11% 11,26% 9,95% 10% 8% 7,50% 6% 4% 2% 0% 2ª Revisão ESCELSA 1º Ciclo de Revisão 2º Ciclo de Revisão 3º Ciclo de Revisão Queda do risco país; Queda do risco do negócio; Maior alavancagem 12

13 Custos Operacionais A adoção de um modelo de Empresa de Referência acentuou o problema da assimetria de informação; A análise minuciosa da estrutura de custos de cada empresa possui elevado custo administrativo; Adoção, para o 3º Ciclo, de um modelo de benchmarkingpara a definição de metas a serem alcançadas ao final do ciclo; As empresas não são perfeitamente comparáveis, porém......foram mensuradas as variáveis ambientais que diferenciam as áreas de concessão e, além disso, foram consideradas margens de erro das estimativas; Foi considerado como referência a eficiência média verificada entre as empresas, ou seja, aquelas com eficiência acima da média ganham, caso contrário, perdem. 13

14 Custos Operacionais EMPRESA EFICIÊNCIA EMPRESA EFICIÊNCIA RGE 99% ENERSUL 64% PIRATININGA 98% CEMAT 64% COSERN 97% ELETROPAULO 59% COELBA 96% CEB 57% CPFLPAULISTA 93% AMPLA 56% AES-SUL 85% COPEL 50% CELPE 82% CELESC 50% COELCE 82% CEEE 49% CEMAR 81% CELG 49% LIGHT 76% CEPISA 47% ESE 75% AMAZONAS 45% BANDEIRANTE 72% CEMIG 45% ELEKTRO 69% CELPA 43% EPB 67% CEAL 41% ESCELSA 67% 14

15 Fator X Os modelos adotados nos 1º e 2º Ciclos apresentavam elevada assimetria de informação, pois dependiam de projeções (mercado, investimentos, etc.) Optou-se, para o 3º, por um modelo de Produtividade Total dos Fatores; Para tanto, foi necessário mensurar os ganhos de produtividade históricos do setor de distribuição; Outra novidade foi a introdução de um mecanismo de incentivo à melhoria da qualidade, que faz aumentar ou reduzir a tarifa em função da variação observada da qualidade da prestação do serviço. 15

16 Perdas Comerciais A consideração da média histórica de cada empresa como referência de perdas regulatória não produziu os incentivos adequados para o combate às perdas comerciais; A partir do 2º Ciclo foi introduzido um modelo benchmarking; As perdas comerciais a serem consideradas no cálculo tarifário passaram a ser definidas a partir de um grupo de empresas comparáveis; O desafio maior foi identificar quais empresas são comparáveis, uma vez que a realidade social e econômica de cada área de concessão é bastante distinta. 16

17 Tópicos Breve Histórico e Legislação Regulação Econômica do Segmento de Distribuição Resultados Considerações Finais 17

18 18

19 19

20 20

21 21

22 22

23 Tópicos Breve Histórico e Legislação Regulação Econômica do Segmento de Distribuição Resultados Considerações Finais 23

24 Considerações Finais Os mecanismos de incentivo que a ANEEL vem empregando induziram ganhos de eficiência significativos nas Distribuidoras de Energia; Esses ganhos de eficiência têm sido repassados aos consumidores; Isso não reduziu os incentivos à busca por novos ganhos de eficiência; Diversas empresas vêm melhorando sua saúde econômica e financeira; Outras, que não conseguem responder aos mecanismos de incentivo, estão sendo incorporadas por empresas mais eficientes. Exemplo: Grupo Rede; Ocorreu, ao mesmo tempo, uma melhora dos indicadores de qualidade, com uma reversão mais recente desse quadro. 24

25 Obrigado! DAVI ANTUNES LIMA SUPERINTENDENTE DE REGULAÇÃO ECONÔMICA DA ANEEL 21 de março de 2013 Brasília DF

RESOLUÇÃO Nº 167, DE 31 DE MAIO DE 2000

RESOLUÇÃO Nº 167, DE 31 DE MAIO DE 2000 RESOLUÇÃO Nº 167, DE 31 DE MAIO DE 2000 Estabelece as Receitas Anuais Permitidas vinculadas às instalações de transmissão de energia elétrica, o valor da Tarifa de Uso da Rede Básica e os Encargos de Conexão.

Leia mais

Indicadores de qualidade do fornecimento de energia elétrica Coelce

Indicadores de qualidade do fornecimento de energia elétrica Coelce Indicadores de qualidade do fornecimento de energia elétrica Coelce Ceará, 19/05/2016 CONERGE Agenda: Regulamentação Definição de Indicadores de Qualidade Histórico de Indicadores Coletivos Qualidade 2

Leia mais

ESTADO DE SÃO PAULO. Considerando a necessidade de não prejudicar o equilíbrio econômicofinanceiro

ESTADO DE SÃO PAULO. Considerando a necessidade de não prejudicar o equilíbrio econômicofinanceiro DELIBERAÇÃO ARSESP Nº 577 Dispõe sobre ajuste provisório dos valores das Margens de Distribuição, atualização do Custo Médio Ponderado do gás e do transporte, sobre o repasse das variações dos preços do

Leia mais

Tratamento regulatório de perdas

Tratamento regulatório de perdas IIIª Conferência da Associação de Reguladores de Energia dos Países de Língua Oficial Portuguesa RELOP Tratamento regulatório de perdas não técnicas Rio de Janeiro Novembro de 2010 Julião Silveira Coelho

Leia mais

ESTADO DE SÃO PAULO. Considerando a Deliberação ARSESP N o 308, de 17 de fevereiro de

ESTADO DE SÃO PAULO. Considerando a Deliberação ARSESP N o 308, de 17 de fevereiro de ESTADO DE SÃO PAULO DELIBERAÇÃO ARSESP Nº 650 Dispõe sobre ajuste provisório dos valores das Margens de Distribuição, atualização do Custo Médio Ponderado do gás e do transporte, sobre o repasse das variações

Leia mais

ENASE 2007 TRANSMISSÃO DE ENERGIA: CENÁRIO ATUAL E EVOLUÇÃO DA REGULAÇÃO

ENASE 2007 TRANSMISSÃO DE ENERGIA: CENÁRIO ATUAL E EVOLUÇÃO DA REGULAÇÃO ENASE 2007 A EXPANSÃO DA OFERTA E A SEGURANÇA DO ABASTECIMENTO TRANSMISSÃO DE ENERGIA: CENÁRIO ATUAL E EVOLUÇÃO DA REGULAÇÃO SETEMBRO DE 2007 SEGMENTO DA TRANSMISSÃO Dois mundos: Expansão / novas instalações

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Coordenação Geral de Transportes e Logística

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Coordenação Geral de Transportes e Logística MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Coordenação Geral de Transportes e Logística Parecer Analítico sobre Regras Regulatórias nº 229/COGTL/SEAE/MF Brasília, 28 de agosto de 2015.

Leia mais

Quanto custa a energia elétrica para a indústria no Brasil?

Quanto custa a energia elétrica para a indústria no Brasil? Quanto custa a energia elétrica para a indústria no Brasil? Gerência de Competitividade Industrial e Investimentos Diretoria de Desenvolvimento Econômico e Associativo 28 de novembro de 2013 A metodologia

Leia mais

Agenda Setorial Evolução de Preços no ACR em de março de 2018

Agenda Setorial Evolução de Preços no ACR em de março de 2018 Agenda Setorial Evolução de Preços no ACR em 2018 22 de março de 2018 Fatores Determinantes em 2018 1. Orçamento da CDE de 2018 2. Saldo da CCRBT (Conta Bandeiras) 3. Audiência Pública Aneel n. 068/2016

Leia mais

Audiência Pública nº 005 Data: 10/03/2016 Cidade: Presidente Prudente/SP

Audiência Pública nº 005 Data: 10/03/2016 Cidade: Presidente Prudente/SP Audiência Pública nº 005 Data: 10/03/2016 Cidade: Presidente Prudente/SP AUDIÊNCIAS PÚBLICAS Abrimos nossas portas para a sociedade... Antes de expedições de atos administrativos (resolução normativa,

Leia mais

IMPLICAÇÕES DO NOVO MODELO SOBRE ESTRUTURA TARIFÁRIA. Alessandro de Lima Castro

IMPLICAÇÕES DO NOVO MODELO SOBRE ESTRUTURA TARIFÁRIA. Alessandro de Lima Castro IMPLICAÇÕES DO NOVO MODELO SOBRE ESTRUTURA TARIFÁRIA Alessandro de Lima Castro Abril de 2005 ESTRUTURA TARIFÁRIA VIGENTE TARIFA DE FORNECIMENTO TARIFA DE USO PARCELA FIO PARCELA ENCARGO TARIFA ENERGIA

Leia mais

ESTADO DE SÃO PAULO DELIBERAÇÃO ARSESP Nº 452

ESTADO DE SÃO PAULO DELIBERAÇÃO ARSESP Nº 452 DELIBERAÇÃO ARSESP Nº 452 Dispõe sobre o reajuste dos valores das Margens de Distribuição, atualização do Custo do gás e do transporte, sobre o repasse das variações dos preços do Gás e do Transporte fixados

Leia mais

O PERFIL DO ENDIVIDAMENTO DAS EMPRESAS BRASILEIRAS DISTRIBUIDORAS DE ENERGIA ELÉTRICA NEGOCIADAS NA BOLSA DE VALORES DE SÃO PAULO

O PERFIL DO ENDIVIDAMENTO DAS EMPRESAS BRASILEIRAS DISTRIBUIDORAS DE ENERGIA ELÉTRICA NEGOCIADAS NA BOLSA DE VALORES DE SÃO PAULO O PERFIL DO ENDIVIDAMENTO DAS EMPRESAS BRASILEIRAS DISTRIBUIDORAS DE ENERGIA ELÉTRICA NEGOCIADAS NA BOLSA DE VALORES DE SÃO PAULO Carla Alves, Fernanda Amorim Ribeiro de Castro e José Augusto Veiga da

Leia mais

Os Efeitos da Prorrogação da Concessão de Serviços Públicos de Transmissão de Energia Elétrica. Lei nº 12.783/2013

Os Efeitos da Prorrogação da Concessão de Serviços Públicos de Transmissão de Energia Elétrica. Lei nº 12.783/2013 Os Efeitos da Prorrogação da Concessão de Serviços Públicos de Transmissão de Energia Elétrica Lei nº 12.783/2013 SNPTEE Foz do Iguaçu, 21 de outubro de 2015 1 Índice 1. Impacto da prorrogação 2. Consequências

Leia mais

ESTADO DE SÃO PAULO DELIBERAÇÃO ARSESP Nº 651

ESTADO DE SÃO PAULO DELIBERAÇÃO ARSESP Nº 651 ESTADO DE SÃO PAULO DELIBERAÇÃO ARSESP Nº 651 Dispõe sobre a atualização do Custo do gás e do transporte, o repasse das variações dos preços do Gás e do Transporte fixados nas tarifas e as Tabelas Tarifárias

Leia mais

VIII Congresso Brasileiro de Regulação

VIII Congresso Brasileiro de Regulação Custos e Benefícios do Modelo de Regulação Econômica Adotada no Setor de Distribuição de Energia Elétrica no Brasil Hálisson Rodrigues Ferreira Costa Graduado em Economia pela Universidade Federal de Minas

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO AO PROCESSO DE AUDIÊNCIA PÚBLICA 040/2010 2ª FASE

CONTRIBUIÇÃO AO PROCESSO DE AUDIÊNCIA PÚBLICA 040/2010 2ª FASE CONTRIBUIÇÃO AO PROCESSO DE AUDIÊNCIA PÚBLICA 040/2010 2ª FASE Custos operacionais (Nota Técnica n.º 101/2011-SRE/ANEEL, de 19.04.2011) Maio/2011 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 2 2. CONTRIBUIÇÕES DE APRIMORAMENTO...

Leia mais

DISTRIBUIDORAS DE ENERGIA ELÉTRICA ESTUDO DOS INDICADORES FINANCEIROS

DISTRIBUIDORAS DE ENERGIA ELÉTRICA ESTUDO DOS INDICADORES FINANCEIROS DISTRIBUIDORAS DE ENERGIA ELÉTRICA ESTUDO DOS INDICADORES FINANCEIROS - 2017 Sobre a LMDM A LMDM é uma empresa de consultoria especializada em serviços públicos, com foco em energia elétrica, saneamento

Leia mais

(www.aneel.gov.br), no menu de Informações Técnicas, sob o nome de 'contratos de concessão'.

(www.aneel.gov.br), no menu de Informações Técnicas, sob o nome de 'contratos de concessão'. Quem é a CELG? A distribuidora Companhia Energética de Goiás (CELG), criada em agosto de 1955, atende a quase dois milhões de unidades consumidoras em uma área de concessão que engloba 234 municípios do

Leia mais

AUDIÊNCIA PÚBLICA 083/2015 DEFINIÇÃO DAS COTAS ANUAIS DA CONTA DE DESENVOLVIMENTO ENERGÉTICO CDE DE 2016

AUDIÊNCIA PÚBLICA 083/2015 DEFINIÇÃO DAS COTAS ANUAIS DA CONTA DE DESENVOLVIMENTO ENERGÉTICO CDE DE 2016 AUDIÊNCIA PÚBLICA 083/2015 DEFINIÇÃO DAS COTAS ANUAIS DA CONTA DE DESENVOLVIMENTO ENERGÉTICO CDE DE 2016 Sumário 1. CONTRIBUIÇÕES... 3 2. RESUMO DAS CONTRIBUIÇÕES... 5 2 O Grupo CPFL Energia reconhece

Leia mais

ESTUDO DOS INDICADORES FINANCEIROS DAS DISTRIBUIDORAS DE ENERGIA ELÉTRICA

ESTUDO DOS INDICADORES FINANCEIROS DAS DISTRIBUIDORAS DE ENERGIA ELÉTRICA ESTUDO DOS INDICADORES FINANCEIROS DAS DISTRIBUIDORAS DE ENERGIA ELÉTRICA - 2018 Sobre a LMDM A LMDM é uma empresa de consultoria especializada em concessões públicas para serviços públicos e de infraestrutura,

Leia mais

2. Cumprir os comandos supervenientes da Medida Provisória nº 605, de 23 de janeiro de 2013, e do Decreto 7.891, editado na mesma data.

2. Cumprir os comandos supervenientes da Medida Provisória nº 605, de 23 de janeiro de 2013, e do Decreto 7.891, editado na mesma data. Nota Técnica n.º 15/2013-SRE/ANEEL Em 24 de janeiro de 2013. Processo: 48500.006625/2012-12 Assunto: Cálculo da revisão tarifária extraordinária das tarifas de distribuição nos termos da Resolução Normativa

Leia mais

ESTADO DE SÃO PAULO DELIBERAÇÃO ARSESP Nº 455

ESTADO DE SÃO PAULO DELIBERAÇÃO ARSESP Nº 455 DELIBERAÇÃO ARSESP Nº 455 Dispõe sobre a atualização do Custo Médio Ponderado do gás e do transporte e sobre o repasse das variações dos preços do gás e do transporte fixados nas tarifas da Deliberação

Leia mais

Visão geral das novas regras para prorrogação das concessões: Abrangência, requisitos e consequências da Medida Provisória n.

Visão geral das novas regras para prorrogação das concessões: Abrangência, requisitos e consequências da Medida Provisória n. Visão geral das novas regras para prorrogação das concessões: Abrangência, requisitos e consequências da Medida Provisória n. 579/2012 Britcham Renovação das Concessões de Energia Elétrica Roberta Bagatini

Leia mais

ANEEL e perspectivas para o

ANEEL e perspectivas para o ANEEL e perspectivas para o setor Elétrico no Brasil BRITCHAM BRASIL Rio de Janeiro, julho de 9 Nelson Hubner Diretor-Geral Missão da ANEEL: Promover o equilíbrio entre consumidores, agentes regulados

Leia mais

ESTADO DE SÃO PAULO DELIBERAÇÃO ARSESP Nº 422

ESTADO DE SÃO PAULO DELIBERAÇÃO ARSESP Nº 422 DELIBERAÇÃO ARSESP Nº 422 Dispõe sobre o reajuste dos valores das Margens de Distribuição, atualização do Custo Médio Ponderado do gás e do transporte, sobre o repasse das variações dos preços do Gás e

Leia mais

ESTADO DE SÃO PAULO DELIBERAÇÃO ARSESP Nº 421

ESTADO DE SÃO PAULO DELIBERAÇÃO ARSESP Nº 421 ESTADO DE SÃO PAULO DELIBERAÇÃO ARSESP Nº 421 Dispõe sobre o reajuste dos valores das Margens de Distribuição, atualização do Custo Médio Ponderado do gás e do transporte e sobre o repasse das variações

Leia mais

Energia faturada por classe de consumidores (em GWh) 1 Perfil

Energia faturada por classe de consumidores (em GWh) 1 Perfil 1 Perfil A Eletropaulo Metropolitana Eletricidade de São Paulo S.A. ( Companhia ) é uma companhia de capital aberto com ações listadas na BMF&Bovespa, autorizada a operar como concessionária de Serviço

Leia mais

Impacto dos Recursos Energéticos Distribuídos sobre o Setor de Distribuição. FIRJAN Rio de Janeiro, 20 de maio de 2016

Impacto dos Recursos Energéticos Distribuídos sobre o Setor de Distribuição. FIRJAN Rio de Janeiro, 20 de maio de 2016 Impacto dos Recursos Energéticos Distribuídos sobre o Setor de Distribuição. FIRJAN Rio de Janeiro, 20 de maio de 2016 1 Motivação O setor elétrico, em especial o segmento de distribuição de energia, se

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 010/2009 NOME DA INSTITUIÇÃO: COPEL TELECOMUNICAÇÕES S.A.

CONTRIBUIÇÃO REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 010/2009 NOME DA INSTITUIÇÃO: COPEL TELECOMUNICAÇÕES S.A. CONTRIBUIÇÃO REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 010/2009 NOME DA INSTITUIÇÃO: COPEL TELECOMUNICAÇÕES S.A. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL AUDIÊNCIA PÚBLICA O10/2009 Recebimento de contribuições

Leia mais

ESTADO DE SÃO PAULO DELIBERAÇÃO ARSESP Nº 623

ESTADO DE SÃO PAULO DELIBERAÇÃO ARSESP Nº 623 ESTADO DE SÃO PAULO DELIBERAÇÃO ARSESP Nº 623 Dispõe sobre a atualização do Custo Médio Ponderado do gás e do transporte fixado nas tarifas da Deliberação ARSESP 577, de 7 de maio de 2015, e as Tabelas

Leia mais

ITG 1000 PARA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS

ITG 1000 PARA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS ITG 1000 PARA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS Brasília, Dezembro/ 2013 Unidade de Políticas Públicas NOTA TÉCNICA ITG 1000 PARA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS Baseado nas Normas Internacionais de Contabilidade IFRS,

Leia mais

ESTADO DE SÃO PAULO DELIBERAÇÃO ARSESP Nº 340

ESTADO DE SÃO PAULO DELIBERAÇÃO ARSESP Nº 340 ESTADO DE SÃO PAULO DELIBERAÇÃO ARSESP Nº 340 Dispõe sobre o reajuste dos valores das Margens de Distribuição, atualização do Custo Médio Ponderado do gás e do transporte e sobre o repasse das variações

Leia mais

1. Abrangência do programa de incentivo a geração distribuída para sistemas de geração e cogeração qualificada movidos a gás natural.

1. Abrangência do programa de incentivo a geração distribuída para sistemas de geração e cogeração qualificada movidos a gás natural. POSICIONAMENTO DA CIA. DE GÁS DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SULGÁS - RELATIVO A CONSULTA PÚBLICA Nº15/2010, DE 10/09/2010 Nota Técnica nº 0043/2010 SRD ANEEL Posicionamento Enviado para a ANEEL Agência

Leia mais

Caixas de passagem e distribuição

Caixas de passagem e distribuição A ENERGIA QUE CONSTRÓI Caixas de passagem e distribuição BÁSICAS E EFICIENTES CAIXAS PLÁSTICAS Fabricadas em plástico de engenharia, na cor cinza claro. Grau de proteção IP 43 Código Medida externa (mm)

Leia mais

Número 114 Outubro de 2012. RENOVAÇÃO DAS CONCESSÕES NO SETOR ELÉTRICO Algumas considerações e consequências

Número 114 Outubro de 2012. RENOVAÇÃO DAS CONCESSÕES NO SETOR ELÉTRICO Algumas considerações e consequências Número 114 Outubro de 2012 RENOVAÇÃO DAS CONCESSÕES NO SETOR ELÉTRICO Algumas considerações e consequências Renovação das Concessões no Setor Elétrico Algumas considerações e consequências O governo federal

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº, DE DE DE 2005 Estabelece metodologia de cálculo para as concessionárias, permissionárias e autorizadas de distribuição adicionarem à tarifa

Leia mais

Elaboração e Análise de Projetos

Elaboração e Análise de Projetos Elaboração e Análise de Projetos Análise de Mercado Professor: Roberto César ANÁLISE DE MERCADO Além de ser o ponto de partida de qualquer projeto, é um dos aspectos mais importantes para a confecção deste.

Leia mais

Tarifas de energia elétrica no Brasil 27/05/2011 1 Diminuir a disparidade entre tarifas de Energia Elétrica no Brasil No Brasil o custo da energia elétrica nos estados de baixa densidade populacional e

Leia mais

ANEXO XI (CONSOLIDADO) PARÂMETROS PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS

ANEXO XI (CONSOLIDADO) PARÂMETROS PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS ANEXO XI (CONSOLIDADO) PARÂMETROS PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS 1. INTRODUÇÃO 1.1. Este anexo tem por objetivo orientar as Licitantes na elaboração do Plano de Negócios, conforme requerido no Edital,

Leia mais

VOTO. PROCESSO: 48500.000997/2012-35; 48500.000666/2015-48; e 48500.002183/2014-05.

VOTO. PROCESSO: 48500.000997/2012-35; 48500.000666/2015-48; e 48500.002183/2014-05. VOTO PROCESSO: 48500.000997/2012-35; 48500.000666/2015-48; e 48500.002183/2014-05. INTERESSADOS: Centrais Elétricas do Pará CELPA e Companhia Energética do Maranhão CEMAR. RELATOR: Diretor Tiago de Barros

Leia mais

Segurança e seus custos: aspectos legais. Márcio Pina Marques Coordenador do Núcleo de Tarifa e Mercado Procuradoria Federal na ANEEL

Segurança e seus custos: aspectos legais. Márcio Pina Marques Coordenador do Núcleo de Tarifa e Mercado Procuradoria Federal na ANEEL Segurança e seus custos: aspectos legais Márcio Pina Marques Coordenador do Núcleo de Tarifa e Mercado Procuradoria Federal na ANEEL Segurança e seus custos: aspectos legais Marco normativo da segurança

Leia mais

CONTROLADORIA E CUSTOS

CONTROLADORIA E CUSTOS PÓS GRADUAÇÃO EM GESTÃO EM NEGÓCIOS DE ALIMENTOS MÓDULO: 15 CONTROLADORIA E CUSTOS Coordenador: Hellen Coelho Professora: Marisa Lipi Data: 28/05/2010 CONTROLADORIA E CUSTOS Marisa Lipi www.companhiadoscursos.com.br

Leia mais

O Ciclo da Gestão Pública: Planos Plurianuais, Orçamento e Execução Orçamentária. Joaquim Liberalquino E-mail: jliberalquino@globo.

O Ciclo da Gestão Pública: Planos Plurianuais, Orçamento e Execução Orçamentária. Joaquim Liberalquino E-mail: jliberalquino@globo. O Ciclo da Gestão Pública: Planos Plurianuais, Orçamento e Execução Orçamentária Joaquim Liberalquino E-mail: jliberalquino@globo.com LIVRO GBRSP O livro oferece uma abordagem didática para auxiliar na

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL DESPACHO Nº DE 1º DE AGOSTO DE 2017.

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL DESPACHO Nº DE 1º DE AGOSTO DE 2017. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL DESPACHO Nº 2.330 DE 1º DE AGOSTO DE 2017. O SUPERINTENDENTE DE GESTÃO TARIFÁRIA ANEEL, nos termos da REN nº 760/2017, do Submódulo 6.8 do PRORET e do que consta

Leia mais

Marcelo Mesquita Secretário Executivo

Marcelo Mesquita Secretário Executivo P&D e Eficiência Energética Aspectos Normativos e Legais da Eficiência Energética Marcelo Mesquita Secretário Executivo Aspectos Normativos e Legais da Eficiência Energética Consumo Nacional e o PIB Quando

Leia mais

VOTO. INTERESSADO: Companhia de Transmissão de Energia Elétrica Paulista CTEEP.

VOTO. INTERESSADO: Companhia de Transmissão de Energia Elétrica Paulista CTEEP. VOTO PROCESSO: 48500.002786/2014-07 INTERESSADO: Companhia de Transmissão de Energia Elétrica Paulista CTEEP. RELATOR: José Jurhosa Júnior RESPONSÁVEL: Superintendência de Regulação dos Serviços de Transmissão

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO N 286, DE 1 DE OUTUBRO DE 1999.

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO N 286, DE 1 DE OUTUBRO DE 1999. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL (*) Vide alterações e inclusões no final do texto. RESOLUÇÃO N 286, DE 1 DE OUTUBRO DE 1999. Legislação Estabelece as tarifas de uso dos sistemas de distribuição

Leia mais

Indicadores de Desempenho: Desafios da Escolha e do Uso

Indicadores de Desempenho: Desafios da Escolha e do Uso Indicadores de Desempenho: Desafios da Escolha e do Uso por Ronaldo Favero em RevistaRH.com.br Escolha Da mesma forma que no cotidiano das pessoas as medições estão presentes (velocidade dos veículos,

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO N o 485, DE 29 DE AGOSTO DE 2002 Regulamenta o disposto no Decreto n o 4.336, de 16 de agosto de 2002, que estabelece as diretrizes para classificação

Leia mais

Orçamento Empresarial

Orçamento Empresarial Controladoria Prof. Dr. Fábio Frezatti aula 07 Etapa Financeira Aula 7 Ao final desta aula você: - Inserirá o conceito de gastos, custos, despesas e investimentos na análise do orçamento. - Explicitará

Leia mais

Ajustes Inseridos na Receita de Venda Preliminar de Março/2016. Agentes Descrição Impactos Agentes Impactados Título do Ajuste

Ajustes Inseridos na Receita de Venda Preliminar de Março/2016. Agentes Descrição Impactos Agentes Impactados Título do Ajuste Ajustes Inseridos na Receita de Venda Preliminar de Março/2016 Relatório nº 005/2016 Data da divulgação: 12/04/2016 Agentes Descrição Impactos Agentes Impactados Título do Ajuste UTE PARNA 7LEN Aplicação

Leia mais

RESOLUÇÃO ANEEL N 286, DE 1º DE OUTUBRO DE 1999

RESOLUÇÃO ANEEL N 286, DE 1º DE OUTUBRO DE 1999 RESOLUÇÃO ANEEL N 286, DE 1º DE OUTUBRO DE 1999 Estabelece as Tarifas de Uso dos Sistemas de Distribuição de energia elétrica. O DIRETOR-GERAL DA AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL, no uso de

Leia mais

7 Mensuração da Eficiência Relativa Utilizando Modelos DEA

7 Mensuração da Eficiência Relativa Utilizando Modelos DEA 7 Mensuração da Eficiência Relativa Utilizando Modelos DEA 7.1 Introdução O propósito deste Capítulo é calcular os scores de eficiência através de modelos DEA. Antes, porém, é importante determinar as

Leia mais

A G Ê N C I A N A C I O N A L D E E N E R G I A E L É T R I C A

A G Ê N C I A N A C I O N A L D E E N E R G I A E L É T R I C A A G Ê N C I A N A C I O N A L D E E N E R G I A E L É T R I C A Módulo 3: Reajuste Tarifário Anual das Concessionárias de Distribuição S u b m ó d u l o 3. 4 E N C A R G O S S E T O R I A I S Revisão 1.0

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego

Pesquisa Mensal de Emprego Comunicação Social 25 de março de 2004 Pesquisa Mensal de Emprego Taxa de desocupação é de 12% em fevereiro Em fevereiro de 2004, a taxa de desocupação ficou estável tanto em relação ao mês anterior (11,7%)

Leia mais

BANDEIRAS TARIFÁRIAS. Superintendência de Gestão Tarifária SGT/ANEEL

BANDEIRAS TARIFÁRIAS. Superintendência de Gestão Tarifária SGT/ANEEL Superintendência de Gestão Tarifária SGT/ANEEL Brasília, 09 de abril de 2015 SINAL ECONÔMICO DA TE INÍCIO DOS ESTUDOS DAS BANDEIRAS TARIFÁRIAS: AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 120/2010: Aperfeiçoamento da Estrutura

Leia mais

Impactos dos Recursos Energéticos Distribuídos sobre o Setor de Distribuição 20/05/16

Impactos dos Recursos Energéticos Distribuídos sobre o Setor de Distribuição 20/05/16 Impactos dos Recursos Energéticos Distribuídos sobre o Setor de Distribuição 20/05/16 Micro e Minigeração Distribuída na LIGHT Na área de concessão da Light, há 164 conexões de micro e 2 de minigeração

Leia mais

Preços Administrados por Contratos e Monitorados: atualização dos modelos de projeção e dos coeficientes de repasse cambial

Preços Administrados por Contratos e Monitorados: atualização dos modelos de projeção e dos coeficientes de repasse cambial Preços Administrados por Contratos e Monitorados: atualização dos modelos de projeção e dos coeficientes de repasse cambial Os preços administrados por contratos e monitorados ( preços administrados )

Leia mais

Cadernos de Política Tarifária Análise do Processo de Revisão Tarifária e da RegulaÇão POR incentivos

Cadernos de Política Tarifária Análise do Processo de Revisão Tarifária e da RegulaÇão POR incentivos #2OUTUBRO 2007 Cadernos de Política Tarifária Análise do Processo de Revisão Tarifária e da RegulaÇão POR incentivos Os Cadernos de Política Tarifária foram desenvolvidos com o apoio técnico da Siglasul

Leia mais

O QUE É? Uma política de governo para redução da pobreza e da fome utilizando a energia como vetor de desenvolvimento

O QUE É? Uma política de governo para redução da pobreza e da fome utilizando a energia como vetor de desenvolvimento O QUE É? Uma política de governo para redução da pobreza e da fome utilizando a energia como vetor de desenvolvimento QUEM SÃO? Total de Pessoas: 12.023.703 2004 84% RURAL 400.000 16% URBANO Total: 10.091.409

Leia mais

7 Referências bibliográficas

7 Referências bibliográficas 7 Referências bibliográficas ABRADEE (2008) - Associação Brasileira de Distribuidores de Energia Elétrica, Componente Social das Perdas Não Técnicas de Energia. Relatório Analítico. AMARAL TURKMAN, M.A.

Leia mais

ESTUDO DAS DISTRIBUIDORAS INDICADORES ECONÔMICO-FINANCEIROS

ESTUDO DAS DISTRIBUIDORAS INDICADORES ECONÔMICO-FINANCEIROS ESTUDO DAS DISTRIBUIDORAS INDICADORES ECONÔMICO-FINANCEIROS Sobre a LMDM A LMDM é uma empresa de consultoria especializada em serviços públicos, com foco em energia elétrica, saneamento básico, distribuição

Leia mais

TÉCNICAS DE BENCHMARKING PARA ANÁLISE DE EFICIÊNCIA DE EMPRESAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

TÉCNICAS DE BENCHMARKING PARA ANÁLISE DE EFICIÊNCIA DE EMPRESAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA TÉCNICAS DE BENCHMARKING PARA ANÁLISE DE EFICIÊNCIA DE EMPRESAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Giulia Oliveira Santos Medeiros INSTITUTO DE SISTEMAS ELÉTRICO E ENERGIA, UNIFEI Av. BPS, 1303, bairro

Leia mais

Crise no setor elétrico: como entramos e como sair

Crise no setor elétrico: como entramos e como sair Crise no setor elétrico: como entramos e como sair Unicamp 28 de maio de 2014 O conteúdo deste relatório foi produzido pelo Instituto Acende Brasil. Sua reprodução total ou parcial é proibida. 1 1 O setor

Leia mais

Política Tarifária e Comercialização de Energia Elétrica no Ambiente de Contratação Livre

Política Tarifária e Comercialização de Energia Elétrica no Ambiente de Contratação Livre 1 Política Tarifária e Comercialização de Energia Elétrica no Ambiente de Contratação Livre Alvaro Augusto de Almeida Resumo -- No atual modelo do Setor Elétrico Brasileiro, os consumidores livres podem

Leia mais

Cadernos de Política Tarifária Análise do Processo de Revisão Tarifária e da RegulaÇão POR incentivos

Cadernos de Política Tarifária Análise do Processo de Revisão Tarifária e da RegulaÇão POR incentivos #1 OUTUbro 2007 Cadernos de Política Tarifária Análise do Processo de Revisão Tarifária e da RegulaÇão POR incentivos Os Cadernos de Política Tarifária foram desenvolvidos com o apoio técnico da Siglasul

Leia mais

DELIBERAÇÃO ARSESP Nº 284, de 08-12-2011

DELIBERAÇÃO ARSESP Nº 284, de 08-12-2011 DELIBERAÇÃO ARSESP Nº 284, de 08-12-2011 Dispõe sobre a atualização do Custo Médio Ponderado do gás e do transporte fixado nas tarifas da Deliberação ARSESP 235, de 27 de maio de 2011, e as Tabelas Tarifárias

Leia mais

DELIBERAÇÃO ARSESP Nº 283, de 08-12-2011

DELIBERAÇÃO ARSESP Nº 283, de 08-12-2011 DELIBERAÇÃO ARSESP Nº 283, de 08-12-2011 Dispõe sobre a atualização do Custo Médio Ponderado do gás e do transporte fixado nas tarifas da Deliberação ARSESP 234, de 27 de maio de 2011, e as Tabelas Tarifárias

Leia mais

Os grandes balizamentos estabelecidos para condução dos negócios estão descritos a seguir:

Os grandes balizamentos estabelecidos para condução dos negócios estão descritos a seguir: O Plano Estratégico 2015-2030 Em setembro de 2012, a Medida Provisória 579/12, convertida na Lei 12.783, de 11/01/2013, estabeleceu a forma de prorrogação dos contratos de concessão de geração, transmissão

Leia mais

12º Leilão de Energia Existente

12º Leilão de Energia Existente 1 12º Leilão de Energia Existente Realização: 17/12/2013 Característica: A-1 Análise Pré-leilão Análise Pós-leilão Acesse o Documento em PDF como anexo a esta mensagem. (Esta análise foi distribuída às

Leia mais

Questões sobre a Renovação das Concessões de Distribuição.

Questões sobre a Renovação das Concessões de Distribuição. Texto de Discussão do Setor Elétrico nº. 54 Questões sobre a Renovação das Concessões de Distribuição. Nivalde J. de Castro Roberto Brandão Rio de Janeiro Agosto de 2013 1 Sumário Introdução 3 1- Contexto

Leia mais

Análise de Mercado. Plano de Negócios

Análise de Mercado. Plano de Negócios Análise de Mercado Plano de Negócios Estudo de Clientes 1 º passo Identificando as características gerais dos clientes Se pessoas físicas Qual a faixa etária? Na maioria são homens o mulheres? Tem família

Leia mais

O QUE É UMA MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO EFETIVAMENTE BOA

O QUE É UMA MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO EFETIVAMENTE BOA O QUE É UMA MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO EFETIVAMENTE BOA (Qual a margem de contribuição ideal)! Alcançar o ponto de equilíbrio basta?! A margem de contribuição unitária diz alguma coisa?! A TIR responde se

Leia mais

REMUNERAÇÃO DE CAPITAL DAS DISTRIBUIDORAS DE ENERGIA ELÉTRICA - UMA ANÁLISE COMPARATIVA -

REMUNERAÇÃO DE CAPITAL DAS DISTRIBUIDORAS DE ENERGIA ELÉTRICA - UMA ANÁLISE COMPARATIVA - REMUNERAÇÃO DE CAPITAL DAS DISTRIBUIDORAS DE ENERGIA ELÉTRICA - UMA ANÁLISE COMPARATIVA - Katia Rocha (IPEA) Gabriel Fiuza de Bragança (IPEA) Fernando Camacho (BNDES) 1 Objetivo A Remuneração do capital

Leia mais

Compartilhamento de Infraestrutura

Compartilhamento de Infraestrutura Agência Nacional de Telecomunicações Superintendência de Competição Compartilhamento de Infraestrutura Abraão Balbino e Silva Gerente de Monitoramento das Relações entre Prestadoras Visão Geral da Atuação

Leia mais

ESPIRITO SANTO CENTRAIS ELÉTRICAS S.A. - ESCELSA CNPJ/MF nº 28.152.650/0001-71 NIRE 32.300.002.471 Companhia Aberta

ESPIRITO SANTO CENTRAIS ELÉTRICAS S.A. - ESCELSA CNPJ/MF nº 28.152.650/0001-71 NIRE 32.300.002.471 Companhia Aberta ESPIRITO SANTO CENTRAIS ELÉTRICAS S.A. - ESCELSA CNPJ/MF nº 28.152.650/0001-71 NIRE 32.300.002.471 Companhia Aberta Assembléia Geral Ordinária e Extraordinária Proposta da Administração À Única Acionista

Leia mais

INDICADOR DE DESEMPENHO GLOBAL DAS DISTRIBUIDORAS DE ENERGIA ELÉTRICA. Thiago Costa M. Caldeira Especialista em Regulação da ANEEL

INDICADOR DE DESEMPENHO GLOBAL DAS DISTRIBUIDORAS DE ENERGIA ELÉTRICA. Thiago Costa M. Caldeira Especialista em Regulação da ANEEL Thiago Costa M. Caldeira Especialista em Regulação da ANEEL 1 CONTEXTO -Percepção da opinião pública de queda na qualidade do serviço -Desempenho bastante divergente na prestação do serviço -Intervenção

Leia mais

Comunicado. Tarifas e preços de gás natural de julho de 2015 a junho de 2016

Comunicado. Tarifas e preços de gás natural de julho de 2015 a junho de 2016 Comunicado Tarifas e preços de gás natural de julho de 2015 a junho de 2016 Para efeitos da determinação das tarifas e preços de gás natural e de outras atividades reguladas que vigorarão entre julho de

Leia mais

Reforma do Estado no Brasil: Regulação e Concorrência Política de subsídios para consumidores de baixa renda do setor elétrico.

Reforma do Estado no Brasil: Regulação e Concorrência Política de subsídios para consumidores de baixa renda do setor elétrico. Reforma do Estado no Brasil: Regulação e Concorrência Política de subsídios para consumidores de baixa renda do setor elétrico. Aluna: Danúbia Cristina Freitas Orientador: Marina de Almeida Rego Figueira

Leia mais

Banco de Preços Referenciais

Banco de Preços Referenciais S U P E R I N T E N D Ê N C I A D E R E G U L A Ç Ã O E C O N Ô M I C A Nota Técnica nº 304/2010-SRE/ANEEL Brasília, 24 de setembro de 2010 Banco de Preços Referenciais Módulos Construtivos M E T O D O

Leia mais

LFG MAPS. Conceitos fundamentais 6 questões

LFG MAPS. Conceitos fundamentais 6 questões ECONOMIA Nível de importância Tema QTDE de Questões Porcentagem % 1 Conceitos fundamentais 6 27% 2 Estrutura de mercado 5 23% 3 Determinação das curvas de procura 3 14% 4 Política fiscal e monetária 2

Leia mais

NOTA TÉCNICA 009/2005

NOTA TÉCNICA 009/2005 MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INSUMOS ESTRATÉGICOS DEPARTAMENTO DE ECONOMIA DA SAÚDE NOTA TÉCNICA 009/2005 Apresenta os dados referentes à aplicação da Receita de Impostos e Transferências

Leia mais

Plano Anual de Combustíveis Sistemas Isolados 2007

Plano Anual de Combustíveis Sistemas Isolados 2007 Grupo A energia que movimenta o Brasil. Plano Anual de Combustíveis Sistemas Isolados 2007 Aprovado pelo Grupo Técnico Operacional da Região Norte GTON e homologado pela Agência Nacional de Energia Elétrica

Leia mais

ESTUDO DA VIABILIDADE TÉCNICO-ECONÔMICA DE SISTEMAS FOTOVOLTAICOS INTERLIGADOS À REDE ELÉTRICA EM DIFERENTES CENÁRIOS DE GERAÇÃO

ESTUDO DA VIABILIDADE TÉCNICO-ECONÔMICA DE SISTEMAS FOTOVOLTAICOS INTERLIGADOS À REDE ELÉTRICA EM DIFERENTES CENÁRIOS DE GERAÇÃO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ELETROTÉCNICA CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA EMERSON SHINJI IKUTA JÚNIOR FERNANDO TAKEO GOYA ESTUDO DA VIABILIDADE TÉCNICO-ECONÔMICA DE

Leia mais

ASPECTOS RELEVANTES NA ANÁLISE DE NOVOS INVESTIMENTOS

ASPECTOS RELEVANTES NA ANÁLISE DE NOVOS INVESTIMENTOS ASPECTOS RELEVANTES NA ANÁLISE DE NOVOS! Um FAQ sobre Ciclo de Vida! Um FAQ sobre Taxa de Desconto! FAQ (Frequently Asked Questions) Francisco Cavalcante (francisco@fcavalcante.com.br) Sócio-Diretor da

Leia mais

TARIFAS AÉREAS. 13ª edição

TARIFAS AÉREAS. 13ª edição TARIFAS AÉREAS 13ª edição 18 de março de 2011 TARIFAS AÉREAS 13ª edição 18 de março de 2011 DIRETORES Carlos Eduardo Magalhães da Silveira Pellegrino Diretor-Presidente Interino Carlos Eduardo Magalhães

Leia mais

A Conversão de Redes de Distribuição de Energia Elétrica Aérea para Subterrânea: Uma Visão do Regulador

A Conversão de Redes de Distribuição de Energia Elétrica Aérea para Subterrânea: Uma Visão do Regulador A Conversão de Redes de Distribuição de Energia Elétrica Aérea para Subterrânea: Uma Visão do Regulador Superintendência de Regulação dos Serviços de Distribuição - SRD Carlos Alberto Calixto Mattar Superintendente

Leia mais

Tratado de Itaipu e a Ameaça aos Consumidores e Contribuintes Brasileiros

Tratado de Itaipu e a Ameaça aos Consumidores e Contribuintes Brasileiros Tratado de Itaipu e a Ameaça aos Consumidores e Contribuintes Brasileiros Mensagem ao Congresso MSC 951/09 30 de Junho de 2010 2 Tratado de Itaipu Contexto Histórico Tratado aprovado em 1973 pelos Congressos

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 661, DE 17 DE JUNHO DE 2008.

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 661, DE 17 DE JUNHO DE 2008. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 661, DE 17 DE JUNHO DE 2008. Homologa as tarifas básicas de energia comprada, de fornecimento de energia elétrica aos consumidores

Leia mais

Módulo 1 Princípios Básicos do Setor de Ene rgia Elétrica

Módulo 1 Princípios Básicos do Setor de Ene rgia Elétrica CURSO: TRIBUTAÇÃO SOBRE ENERGIA ELÉTRICA CONTÉUDO PROGRAMÁTICO Módulo 1 Princípios Básicos do Setor de Ene rgia Elétrica 1 Modelo atual do setor elétrico brasileiro a partir de 2004 2 Marcos Regulatórios

Leia mais

Instituto Fecomércio/DF

Instituto Fecomércio/DF Instituto Fecomércio/DF Dia das Mães 2013 Expectativa de Vendas do Comércio Varejista do Distrito Federal Maio de 2013 Brasília/DF Sumário 1 - Apresentação... 3 Tabela 1 Amostra por segmento no comércio

Leia mais

Resultados de março 2015

Resultados de março 2015 Resultados de março Em março de, as MPEs paulistas apresentaram queda de 4,8% no faturamento real sobre março de 2014 (já descontada a inflação). Por setores, no período, os resultados para o faturamento

Leia mais

3ª Aula. Desenvolvimento do Tema: Custos

3ª Aula. Desenvolvimento do Tema: Custos 3ª Aula Desenvolvimento do Tema: Custos Os participantes poderão apresentar entendimentos e experiências com base em suas atividades cabendo ao professor os comentários pertinentes com destaque dos aspectos

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE TARIFAS DAS DISTRIBUIDORAS DE ENERGIA ELÉTRICA

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE TARIFAS DAS DISTRIBUIDORAS DE ENERGIA ELÉTRICA PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE TARIFAS DAS DISTRIBUIDORAS DE ENERGIA ELÉTRICA PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE TARIFAS DAS DISTRIBUIDORAS DE ENERGIA ELÉTRICA Brasília, DF 2007 Agência Nacional de Energia Elétrica

Leia mais

Proposta de Alteração da Constituição da Margem de Solvência para Operadoras de Saúde

Proposta de Alteração da Constituição da Margem de Solvência para Operadoras de Saúde Proposta de Alteração da Constituição da para Operadoras de Saúde Unimed do Brasil Confederação das Cooperativas Médicas Humberto Modenezi e Walter de Oliveira Cesar 1. Regra Atual da Regra Atual da ANS

Leia mais

São Paulo/SP, 18/8/2014. II Semana de Qualidade da Informação do Transporte Aéreo. Cerimônia de Abertura

São Paulo/SP, 18/8/2014. II Semana de Qualidade da Informação do Transporte Aéreo. Cerimônia de Abertura São Paulo/SP, 18/8/2014 II Semana de Qualidade da Informação do Transporte Aéreo Cerimônia de Abertura A importância da informação na regulação Marcelo Pacheco dos Guaranys Diretor-Presidente A importância

Leia mais

A utilização, benefícios e aplicações da energia fotovoltaica para as cidades

A utilização, benefícios e aplicações da energia fotovoltaica para as cidades A utilização, benefícios e aplicações da energia fotovoltaica para as cidades Energia Solar Fotovoltaica - usina FV: 1ª Usina Solar Fotovoltaica do Brasil - Tauá/CE - 2011 Energia Solar Fotovoltaica -

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL Audiência Pública nº47 Data: 27/08/2015 Concessão: Bandeirante Cidade: São José dos Campos/SP AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL PRINCIPAIS COMPETÊNCIAS SOMOS RESPONSÁVEIS PELA... Regulação Mediação

Leia mais

As Mudanças do FAP Desafios do Cálculo por Estabelecimento. São Paulo, 27 de abril de 2016 Manoel Jardim Monteiro

As Mudanças do FAP Desafios do Cálculo por Estabelecimento. São Paulo, 27 de abril de 2016 Manoel Jardim Monteiro As Mudanças do FAP Desafios do Cálculo por Estabelecimento São Paulo, 27 de abril de 2016 Manoel Jardim Monteiro Agenda Como era o FAP até 2015 Como ficou o FAP a partir de 2016 Principais Impactos na

Leia mais