Cartilha da Política Nacional de Resíduos Sólidos. ara crianças

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Cartilha da Política Nacional de Resíduos Sólidos. ara crianças"

Transcrição

1 Cartiha da Poítica Naciona de Resíduos Sóidos ara crianças

2 1 Presidente da ABES-SP Aceu Guérios Bittencourt Presidente do SELUR Ariovado Caodagio Coordenação Roseane Maria Garcia Lopes de Souza Equipe Ágatha Cristina Reis Veiga Améia dos Santos Ana Lúcia Brasi Ana Lucia Montoro Ana Paua Rogers Caroine Sacute Cássia Reis Céia G. Casteó Deaine Romano Eis Regina de Oiveira Eisangea Cavacante Sobra Emiia Wanda Rutkoski Francisco Luiz Rodrigues Irady Montenegro Jussara Kai Maei Estrea Borges Nataia Fernanda de Souza Santos Nina Oro Odair Luiz Segantini Ricardo Ribeiro Roberta Rodrigues Roseane Maria Garcia Lopes de Souza Teresa Viac Produção Editora Limiar Coordenação Revisão Projeto Gráfico Iustração Associação Brasieira de Engenharia Sanitária e Ambienta ABES-SP Sindicato das Empresas de Limpeza Urbana no Estado de SP SELUR.editoraimiar.com.br Norian Segatto Urie Pedrosa Michaea Pivetti Bira Dantas Rua Eugênio de Medeiros, 22 6º andar Pinheiros São Pauo/SP Teefone: abes-sp.org.br Av. Pauista 807 cj. 118/123 Cerqueira Cesar São Pauo/SP Fone/fax: (11) seur.com.br São Pauo, 2015 Direitos autorais: permitida a reprodução tota ou parcia,desde que citada a fonte O iá, eu sou o Pedrinho e quero participar de seu dia a dia, estimuar ações de consciência para uma vida saudáve e sustentáve, com informações, dicas e expicar um pouco a nossa Poítica Naciona de Resíduos Sóidos. Em casa, na rua, em viagem ou na escoa, há muitas oportunidades para pensar e agir. Vamos começar? Boa eitura!

3 O que são resíduos sóidos? Qua é a importância da Lei n o /10? O ixo hoje é chamado de resíduos sóidos. O assunto resíduos sóidos é tão importante que São considerados resíduos todos os tipos de materiais, virou uma poítica púbica no Brasi, que mostra para a substâncias ou objetos descartados, resutantes sociedade aquio que deve ser feito peo Governo com a da natureza ou das atividades humanas. participação da popuação. Muitos desses podem ser reaproveitados, A ei que trata dos resíduos sóidos é a Lei Federa 2 3 reutiizados por nós ou votar para as indústrias /10 que estabeece quem deve fazer o quê, como para se transformarem em outras coisas. podemos contribuir para vivermos em um ambiente O que não se aproveita é chamado de rejeito. com mehor quaidade de vida. Apesar de serem conhecidos como resíduos Mas uma ei não funciona sozinha, há outras eis sóidos, essas substâncias podem ser semissóidas, importantes que devem ser consideradas em conjunto íquidas ou gasosas. com a Poítica Naciona de Resíduos Sóidos, como as Poíticas Nacionais de Saneamento (Lei 11.5/2007), >> REAPROVEITÁVEL: parte dos resíduos que pode de Educação Ambienta (Lei 9.795/1999) e o Estatuto ser recicado, reutiizado ou compostado. da Cidade (Lei /2001). >> REJEITO: ixo que não pode ser recicado. Art. 1º Do objeto e do campo de apicação. Art. 3º Item XVI Definições. Art. 9º Ordem de prioridades. Art. 2º Leis que integram. Art. 3º item VII e VIII Disposição fina ambientamente adequada. Art. 13º Cassificação dos Resíduos. Decreto nº 7.0/10.

4 O que temos de novo na Lei n o /10? A ei orienta que para um consumo consciente primeiro devemos pensar o que fazer para não gerar resíduos, não desperdiçar e ficar muito atentos na hora de comprar ou consumir aguma coisa. Se não tem jeito de não gerar resíduos precisamos diminuir a quantidade do que vai se tornar ixo, como, por exempo, pensar em como reutiizar as embaagens ou na maneira como a gente se aimenta, aproveitando os aimentos para evitar o desperdício. Todos somos responsáveis e devemos cumprir 5 Outra orientação da Lei é que tudo que for a ei, porque todo mundo gera resíduos: então, possíve ser reutiizado ou recicado deve ser feito a responsabiidade é dos governos (federa, estaduais Quem precisa cumprir a ei? e só o que e municipais), das empresas e da popuação. não der Os governos devem fazer panos para o manejo mesmo é correto dos resíduos e a popuação deve conhecer que vai virar e coaborar para que esses panos deem certo. rejeito e ter As empresas, os comerciantes, órgãos púbicos, as a coeta e escoas, enfim, todos devem panejar como destinar tratamento de forma correta os resíduos para que os espaços adequados. onde a gente vive sejam mais saudáveis e impos. Art. 3º Itens VII, VIII, XIII, XIV, XV, XVIII Definições. Art. 7º Dos Objetivos. Art. 9º Das prioridades. Decreto nº 7.0/10 Art. 35º Prioridades. Art. 1º 1 Observância da ei. Decreto nº 7.0/10 Art. 5º, 6º, 7º Dos geradores de resíduos.

5 Para quem foi feita a ei? Para todos nós! Adutos e crianças da cidade, do campo e da foresta, Governo, empresas, catadores, fabricantes etc. 6, 7 Definições importantes Geradores de resíduos sóidos: Todos geram resíduos sóidos nas suas atividades, sejam pessoas, Governo, empresas ou comércio. Gestão integrada de resíduos sóidos: Conjunto de ações que busca soucionar o probema dos resíduos sóidos de forma a considerar as dimensões poíticas, econômicas, ambientais, cuturais e sociais, com controe socia e sob a premissa do desenvovimento sustentáve. Art. 3º item IX Definições. Decreto nº 7. 0/10 Art. 5º, 6º, 7º Dos geradores de resíduos.

6 Quem é responsáve peos resíduos dos produtos que a gente consome? Todos somos responsáveis por cuidar corretamente dos resíduos que geramos. 8 Como devemos cuidar dos nossos resíduos? Precisamos cuidar dos resíduos acondicionando corretamente (sacos, ixeiras, tambores, conteiners), dispondo em ocais adequados para que não ocorram probemas como contaminação das águas, do soo, do ar e o aparecimento de doenças. Também são responsáveis as empresas que produzem e vendem o que consumimos e as prefeituras que organizam o sistema para que a popuação saiba como fazer direito. Responsabiidade compartihada peo cico de vida dos produtos: depende de todos os fabricantes, importadores, distribuidores e comerciantes, serviços púbicos de impeza urbana e de manejo dos resíduos sóidos, visando minimizar o voume de resíduos sóidos e rejeitos gerados e reduzir os impactos causados à saúde das pessoas e ao meio ambiente. 9 Art. 3º XI Definições. Decreto nº 7.0/10 Art. 3º XVII Definições. Decreto nº 7.0/10

7 Como os resíduos podem ser reaproveitados? Existem várias maneiras de reaproveitar os Quais os principais resíduos que devem ser devovidos, resíduos, como os 5Rs, que trataremos mais à frente. A novidade que a Lei trouxe é a responsabiidade 10 após o uso, ao setor empresaria? 11 de quem produz o produto em pegar de vota os resíduos, como, por exempo, as embaagens, { ou outros resíduos istados na ei. Isso se chama ogística reversa. Embaagens de agrotóxicos Logística reversa: É o conjunto de ações, Pneus procedimentos e meios destinados a viabiizar Óeos ubrificantes a coeta e a restituição dos resíduos sóidos ao setor Lâmpadas empresaria, para reaproveitamento, em seu cico Eetroeetrônicos ou em outros cicos produtivos, ou outra destinação Pihas e baterias fina ambientamente adequada. Medicamentos Art. 3º XVII Definições. Decreto nº 7.0/10 Art. 3º IV; XII Definições. Art. 33 Logística reversa. Decreto nº 7.0/10

8 A impeza da cidade é de responsabiidade das prefeituras, como, também, a coeta e quem produz menos tem que ter agum benefício e a destinação dos resíduos da nossa casa, (Pouidor-pagador e o protetor-recebedor); 12 mas é muito importante fazermos Temos que dar vaor aos resíduos porque têm 13 a nossa parte, como reduzir o consumo para materiais que podem ser reaproveitados e isso mehora produzir menos resíduos e evitar sujar a cidade. Serviços de impeza urbana e manejo de resíduos sóidos: conjunto de atividades que incui coeta, varrição, capina, poda de árvores em vias púbicas, transporte, transbordo, tratamento e destino fina do ixo doméstico e do ixo originário da varrição e impeza de ogradouros e vias púbicas. Art. 3º XIX Definições. Decreto nº 7.0/10 E os resíduos da cidade, das ruas e das praças? Quais são os princípios importantes da Lei? A Lei /10 expica vários princípios importantes: Precisamos cuidar dos resíduos para evitar probemas para as pessoas e o meio ambiente, nem agora nem no futuro (Prevenção e precaução); Quem gera mais resíduo deve pagar mais por isso o meio ambiente, gera trabaho e renda, permite criar novas maneiras de produzir usando menos água e energia e aproveitando os materiais já utiizados; mehora a impeza e a saúde para a popuação agora e no futuro. A gestão dos resíduos sóidos deve considerar as variáveis ambienta, socia, cutura, econômica, tecnoógica, de saúde púbica, desenvovimento sustentáve, ecoeficiência e o reconhecimento do resíduo sóido reutiizáve e recicáve, como um bem econômico e de vaor socia, gerador de trabaho e renda e promotor de cidadania.

9 Quais são os princípios importantes da Lei? Quais são os principais objetivos da Lei naciona de resíduos sóidos? A participação de todos: prefeituras, empresas, comerciantes e a popuação têm que participar, pensar e agir corretamente, cada um fazendo a sua parte para que os resíduos sejam reaproveitados ao máximo; A cooperação entre as diferentes esferas do poder púbico, o setor empresaria e demais segmentos da sociedade; tratamento dos resíduos sóidos, bem como disposição A responsabiidade compartihada peo cico fina adequada dos rejeitos; 1 de vida dos produtos; Gestão integrada de resíduos sóidos; 15 A educação ambienta em função das Adoção de padrões sustentáveis de produção especificidades ocais, pois cada popuação tem probemas diferentes e as souções têm que prever isso, incusive como educar os adutos e as crianças. >> Se todos agirem corretamente e acompanharem como os governos e as empresas estão trabahando, teremos mehor quaidade de vida e cidadania. A Lei /10 estimua várias atitudes de todos os responsáveis: Proteção da saúde púbica e da quaidade ambienta; Não geração, redução, reutiização, recicagem e e consumo de bens e serviços; Adoção, desenvovimento e aprimoramento de tecnoogias impas como forma de minimizar impactos ambientais; Redução do voume e da pericuosidade dos resíduos perigosos. Art. 6º Dos Princípios. Decreto nº 7.0/10

10 Quais são os principais objetivos da Lei naciona de resíduos sóidos? Quando as pessoas ou empresas compram aguma coisa devem dar preferência para o que é recicáve, ou já foi recicado. Todas as informações precisam estar nos produtos, nas embaagens ou nos rótuos. Assim, podemos fazer boas opções, mudar e mehorar toda a história em reação aos resíduos, vaorizando os materiais, gerando trabaho e renda, principamente para as pessoas que mais precisam e são fundamentais no processo, que são os catadores de materiais recicáveis. Essa maneira de agir incentiva Mais do que uma proposta de manejo de resíduos, a indústria e as prefeituras a fazerem a sua parte e os 5 R s servem para a gente embrar do que mehorar a quaidade de vida. Todos têm que ser beneficiados com o correto manejo dos resíduos. Por exempo, a coeta não pode ser feita só em agumas ruas. A coeta seetiva, também de resíduos orgânicos, como as cascas e restos de aimentos, deve ser feita e, sempre que possíve, devemos fazer a compostagem, que é a transformação. Art. 7º Dos Objetivos. Decreto nº 7.0/10 O que são os 5R s? é importante: os cuidados ambientais, de saúde, sociais e econômicos que precisamos ter, e as atitudes, em ordem de importância, em reação aos resíduos, desde o consumo, a geração até o descarte. >> O 1 o R é repensar nossos hábitos de consumo, quando vamos às compras. >> O 2 o R é recusar produtos que fazem ma pra gente, causem danos para o meio ambiente ou à nossa saúde. >> O 3 o R é reduzir a geração de resíduos, individuamente e coetivamente. >> O o R é reutiizar sempre que possíve. >> O 5 o R é recicar.

11 Quanta coisa poderia ser consertada, transformada ou usada novamente. Roupas podem ser doadas ou recosturadas, ivros devem ser cuidados e doados para que outras pessoas possam er e vários objetos podem virar brinquedos ou artefatos de decoração. Depois que reaizarmos os R s, se ainda assim sobrarem resíduos, então, aí sim, precisamos pensar em formas de transformá-os em novos produtos, 18 mandando para a coeta seetiva. Os resíduos de quem mora nas cidades. separados vão para as indústrias e podem ser Resíduos de impeza urbana e resíduos sóidos 19 transformados novamente no mesmo objeto, como é o urbanos: são os da impeza e varrição das ruas e das caso da garrafa de vidro ou atinha de aumínio, ou em quaquer outro, como bades, tapetes, tintas e até fios praças da cidade e os que são jogados nos espaços púbicos. Resíduos dos comércios ou dos serviços: são para roupas. Art. 9º Das prioridades. Decreto nº 7.0/10 Quais os principais tipos de resíduos que são tratados na Lei? Resíduos domiciiares: são os resíduos das casas, especiamente parecidos com os domiciiares. Se tem uma quantidade muito grande, são chamados de grandes geradores, e nesse caso tem que se contratar a coeta, de forma correta, conforme a regra da cidade. Resíduos industriais: o que sobra nas fábricas, durante ou depois da fabricação de produtos. Resíduos de serviços de saúde: são resíduos de hospitais, postos de saúde, cínicas, consutórios e outros serviços de saúde, e se forem perigosos ou causarem danos precisam ser coetados de forma separada.

12 Quais os principais tipos de resíduos que são tratados na Lei? O que são os panos de resíduos sóidos, e qua é o pape dos catadores? Resíduos da construção civi: são restos que ficam nas construções, reformas, reparos ou demoições de obras. Por isso as obras devem ser bem panejadas e sempre buscar reaproveitar esses restos. Sempre que existirem catadores ou associações de Resíduos agrossivopastoris: são os gerados catadores numa cidade, ees devem ser incuídos, já 20 nas fazendas de gado ou de pantio e tem que ter que são responsáveis pea coeta seetiva e mehoria da 21 cuidados especiais, principamente se tiver embaagens quaidade de vida e do nosso meio ambiente. dos produtos químicos. Resíduos de serviços de transportes: são resíduos de portos, aeroportos, rodoviários e ferroviários, principamente dos terminais que recebem pessoas de outros países. Resíduos de mineração: são os resíduos de atividades igadas à mineração, como, por exempo, de ferro, ouro e outros metais, que muitas vezes usam produtos químicos perigosos. Os resíduos podem ser perigosos e não perigosos e têm que ser tratados de forma diferente, com muita responsabiidade, para não causar probemas de saúde ou contaminação do ambiente. A Lei /10 diz que as cidades e as empresas precisam panejar de que forma irá funcionar corretamente a coeta e a destinação dos resíduos. Art. 3º item X Das Definições. Art. 8º Dos Instrumentos. Art. 1º, 15º, 16º ao 2º, 31º, 39º Sobre os Panos. Catadores: Art. 7º, item XII Dos Objetivos.

13 A maior parte dos resíduos domiciiares é composta por restos de comida. Nos jardins, nas praças e nos canteiros há muitas fohas que são varridas peos trabahadores das prefeituras. um oca adequado para isso, chamado de Ecoponto. Todos esses resíduos, chamados orgânicos, podem e Se não tiver o Ecoponto, ou tiver muita quantidade devem ser reaproveitados por meio da compostagem, de resíduos, o construtor deve providenciar caçambas que é uma forma muito simpes de produzir adubo para que esse resíduo da construção ou demoição natura. O composto produzido pode ser usado para pantio de jardins e, se feito corretamente, pode ser usado para hortas. As hortas com hortaiças, temperos e egumes, pantadas com esses compostos naturais são de ótima quaidade e não precisam de adubos químicos, o que contribui para uma aimentação saudáve. O que é compostagem e porque é importante na Lei? Art. 3º, item VII Das definições; Art. 36º, item V Da responsabiidade compartihada. Decreto nº 7.0/10 E os resíduos das construções e reformas? O resíduo de quem constrói deve seguir o mesmo princípio dos 5Rs. Toda obra deve gerar o mínimo possíve de resíduos e utiizar materiais com pouca matéria prima, de baixo consumo de água e energia eétrica. No fina, se tiver resíduos e se a quantidade não for muito grande (até 1m³) agumas cidades têm seja encaminhado corretamente para a recicagem ou para o aterro. Se os materiais estiverem separados corretamente, podem ser reaproveitados em outras obras.

14 A ei faa de área contaminada, mas o que é isso? E o óeo de cozinha? Quanto menos comida frita a gente consumir, mehor, pois a fritura não faz bem à saúde. Mas o óeo que sobra das frituras nunca deve ser jogado no rao, pois acaba entupindo a tubuação e contaminado o meio ambiente. O óeo deve ser recicado, transformado em sabão ou até usado para produzir combustíve. Áreas contaminadas são ocais onde foram despejados resíduos contaminantes de forma errada, como por exempo: gasoina, óeo diese ou outros resíduos misturados com substâncias perigosas, criando probema ao meio ambiente e à saúde púbica. Em muitos desses ocais têm 2 25 pessoas morando. Art 3º itens II e III Das definições; Art. 19º item XVIII Do pano municipa; Art. 2, item VI Dos instrumentos econômicos.

15 Tipos de resíduos Lata de aumínio Restos de comida Entuho Riscos à saúde e ao meio ambiente Jogada em terreno ou no quinta provoca o aparecimento de ratos e baratas. Pode acumuar água com risco de dengue. Jogados em terreno provocam aparecimento de ratos, baratas e contaminam o soo e a água. Provoca aparecimento de escorpião e cobras, causa enchentes e é criadouro de animais sinantrópicos*. Quais são os resíduos mais comuns gerados em casa, os probemas que = causam, como acondicioná-o e qua a destinação correta? Como acondicionar para coeta mehor resíduos ao meio ambiente Qua a Tipos de Riscos à saúde e domiciiar ou destinação específica Recicagem Vidro Materia que corta e pode machucar as pessoas. Lixeiras para recicagem, sacos pástico para coeta de recicáveis ou resíduo sóido seco. Sacos pásticos para resíduo sóido orgânico ou mohado. Não vai para coeta domiciiar, procure ver uma coeta especia. Recicagem de aguns materiais. Pape, papeão, pástico e garrafa pet Lâmpada fuorescente Jogado em terreno ou na rua pode causar enchente, aém de servir de abrigo a animais que causam doenças. Resíduo perigoso por conter mercúrio que pode causar doenças e contaminar o soo. Como acondicionar para coeta domiciiar ou específica Embruhar em jorna e marcar com caneta grossa VIDRO. Lixeiras para recicagem, sacos pásticos para coeta de recicáveis ou de resíduo sóido seco. Preferenciamente na mesma embaagem em que foi retirada para substituir a queimada. Qua a mehor destinação Recicagem Compostagem Recicagem Recicagem >> *ANIMAIS SINANTRÓPICOS: são aquees que se adaptaram a viver perto das pessoas, mas que trazem doenças como ratos, baratas e aranhas Eetro-eetrônicos Medicamentos, seringas e aguhas Podem conter substâncias perigosas e, quando perfuro-cortante, podem ferir as pessoas. Resíduos que contêm substâncias químicas perigosas. Para cortante acondicionar em recipientes rígidos. Resíduos de ogística reversa, responsabiidade do fabricante. Há ocais de entrega (postos de saúde, farmácias etc.) Há ocais de entrega (ojas, supermercados etc.)

16 Quais as doenças que podem se reacionar com a presença de resíduos sóidos descartados de forma errada no ambiente? Vetores Ratos Formas de transmissão Pea mordida, urina e fezes Por meio da puga que vive no corpo do rato. Principais doenças Febres por mordedura de rato Leptospirose / Samoneoses Peste bubônica / Tifo murino Febre tifóide / Hantavirose Sarnas e Micoses. Moscas Por via mecânica (através das asas, patas e corpo). Por meio das fezes e saiva. Febre tifóide / Samoneose Disenteria. Mosquitos Através da picada da fêmea. Dengue, Eefantíase, febres e dermatites. Baratas Pombas Por via mecânica (através das asas, patas e corpo) e peas fezes. Por via mecânica (através das asas, patas e corpo) e peas fezes. Febre tifóide / Aergias Samoneoses / Diarreias Asma e outras. Aergia / Samoneose Psitacos / Pseudotubercuose Ornitose /Candidíase Encefaite e outras. A gora que você conhece mais sobre os resíduos sóidos e sua destinação, vamos ajudar a preservar o meio-ambiente e a saúde de toda a comunidade

17 , Apicando o tema Resíduos Sóidos no currícuo escoar e diaogando com a comunidade escoar, por meio de pesquisas, muita coisa pode ser feita. Vamos istar agumas: NA SALA DE AULA Trabahando nas escoas com o tema Temas importantes para paestras na escoa. >> Os 5R s: Repensar Recusar Reduzir Reusar Recicar; >> Conscientizar sobre a reação entre padrões de Produção, de Consumo e de Descarte; >> Conhecendo a Lei nº /2010, que institui a Poítica Naciona de Resíduos Sóidos e o Decreto Reguamentador nº 7.0/10, os estudantes conseguem perceber o que compete aos municípios, aos estados e ao governo federa reaizarem para que os resíduos sóidos possam ser adequadamente tratados. dos resíduos sóidos >> Apicar a Resoução CONAMA (Conseho Naciona do Meio Ambiente) 22/10, que estabeece diretrizes para as campanhas, ações e projetos de educação ambienta. >> Verificar a situação atua do município em reação às eis sobre a coeta, transporte, tratamento e disposição adequada dos resíduos sóidos. >> Conhecer e verificar como pode ser ou como é apicada a ogística reversa. Perguntas importantes para subsidiar as atividades em pesquisas escoares >> Quais tipos de resíduos sóidos são gerados na sua escoa? >> Como são separados e descartados os resíduos sóidos da escoa? 30 31

18 , >> Como são separados e descartados os resíduos sóidos na comunidade? Existe coeta de resíduos no município? Como ea é feita? Como são tratados esses resíduos? >> Existe aguma associação de catadores no município? Que tipo de contato a escoa tem com a associação e/ou com catadores avusos? >> Nas ruas perto da escoa há ixeiras? Eas são usadas? >> Há ixeiras na escoa para fazer separação do ixo orgânico dos demais resíduos? Eas são usadas corretamente? >> Há programas de reutiização e recicagem na sua comunidade? Quais são as maiores dificudades em praticar os 5R s? >> Na escoa é feita a compostagem? (técnica que transforma materia orgânico restos de aimentos, por exempo em adubo). E na comunidade do entorno? Tem horta? A escoa trabaha com aproveitamento integra de aimentos? >> Queimar o ixo é uma prática comum na sua comunidade? >> Os córregos e rios perto da escoa servem como depósitos de ixo? >> Que doenças que podem estar reacionadas com os resíduos? >> Onde se pode entregar para descarte no seu bairro, os medicamentos, aguhas e seringas usadas, bem como itens como eetroeetrônicos? >> Quais sugestões poderiam ser feitas para evitar o descarte inadequado de resíduos em terrenos badios?

19 Z Fim Patrocínio

O que você vai aprender. Seria bom já saber. Isto lhe interessa. entendia nada! Tinha que decorar tudo!

O que você vai aprender. Seria bom já saber. Isto lhe interessa. entendia nada! Tinha que decorar tudo! A UA UL LA Eu Química O que você vai aprender Ciência Química Matéria Substância Progresso tecnoógico Novos materiais Como faz o cientista Seria bom já saber Para inicar o seu curso de Química, procure

Leia mais

17 Como escolher um extintor de incêndio?

17 Como escolher um extintor de incêndio? A UA UL LA Como escoher um extintor de incêndio? O que você vai aprender Como apagar fogo Tipos de incêndios Tipos de extintores O que fazer em caso de incêndio? Seria bom já saber O que é fogo Composição

Leia mais

Resíduos Sólidos. Planos, Erradicação de Lixões e Logística Reversa. Comitê de Articulação Federativa - CAF MMA/SRHU 24MAR2014

Resíduos Sólidos. Planos, Erradicação de Lixões e Logística Reversa. Comitê de Articulação Federativa - CAF MMA/SRHU 24MAR2014 Resíduos Sóidos Panos, Erradicação de Lixões e Logística Reversa Comitê de Articuação Federativa - CAF MMA/SRHU 24MAR2014 I- Considerações GERAIS POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Lei 12.305 (02AGO2010)

Leia mais

Gestão de Resíduos Sólidos no Brasil: Situação e Perspectivas. Odair Luiz Segantini ABRELPE

Gestão de Resíduos Sólidos no Brasil: Situação e Perspectivas. Odair Luiz Segantini ABRELPE Gestão de Resíduos Sólidos no Brasil: Situação e Perspectivas Odair Luiz Segantini ABRELPE Introdução A ABRELPE ABRELPE Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais, fundada

Leia mais

Por que o cobre não precisa de proteção?

Por que o cobre não precisa de proteção? Por que o cobre não precisa de proteção? AUUL AL A Sobre o atão A recicagem do cobre Os usos do cobre metáico Decapagem do cobre metáico Especificação de um produto Souções diuídas e concentradas O que

Leia mais

Política Nacional de Resíduos Sólidos e Logística Reversa

Política Nacional de Resíduos Sólidos e Logística Reversa Política Nacional de Resíduos Sólidos e Logística Reversa Cristina R. Wolter Sabino de Freitas Departamento Ambiental O mundo será obrigado a se desenvolver de forma sustentável, ou seja, que preserve

Leia mais

Como limpar derramamentos de

Como limpar derramamentos de Como impar derramamentos de petróeo? A UU L AL A Transformação do nitrogênio em fertiizantes Limpeza de derramamentos de petróeo Soubiização do oxigênio na água Interação entre moécuas de água Pontes de

Leia mais

Município de Capanema - PR

Município de Capanema - PR LEI Nº. 1.557, DE 20 DE MAIO DE 2015. Dispõe sobre a política municipal de resíduos sólidos do Município de Capanema e dá outras providências. A Câmara Municipal de Capanema, Estado do Paraná, aprovou

Leia mais

É preciso fabricar adubo?

É preciso fabricar adubo? A U L A A U L A Acesse: http://fuvestibuar.com.br/ É preciso fabricar adubo? O que você vai aprender Eementos essenciais para as pantas Fertiizantes NPK O que é um sa Queima da amônia Produção de ácido

Leia mais

Logística Ambiental: Adequação das organizações a Política Nacional de Resíduos Sólidos. Msc. Renata Quemel Pires

Logística Ambiental: Adequação das organizações a Política Nacional de Resíduos Sólidos. Msc. Renata Quemel Pires Logística Ambiental: Adequação das organizações a Política Nacional de Resíduos Sólidos. Msc. Renata Quemel Pires Desenvolvimento Sustentável É obter o crescimento econômico contínuo através de um manejo

Leia mais

Relação entre setores

Relação entre setores Reação entre setores Na empresa existem outros tipos de trabaho aém daquees que produzem bens, como automóveis, geadeiras etc. Esses trabahos precisam de pessoas especiaizadas para que toda a empresa possa

Leia mais

Just-in-time. Podemos dizer que estamos usando a técnica. Conceito

Just-in-time. Podemos dizer que estamos usando a técnica. Conceito A UU L AL A Just-in-time Podemos dizer que estamos usando a técnica ou sistema just-in-time ou, abreviadamente, JIT, quando produzimos ago sem desperdício de matéria-prima; quando soicitamos e utiizamos

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA A COLETA SELETIVA DO LIXO E DICAS DE CONSUMO CONSCIENTE

INSTRUÇÕES PARA A COLETA SELETIVA DO LIXO E DICAS DE CONSUMO CONSCIENTE 12:43 Page 1 INSTRUÇÕES PARA A COLETA SELETIVA DO LIXO E DICAS DE CONSUMO CONSCIENTE Jardins é Page 2 LIXO UM PROBLEMA DE TODOS Reduzir a quantidade de lixo é um compromisso de todos. Uma pessoa é capaz

Leia mais

Efluentes e dejetos no meio rural Introdução ao manejo, tratamento e disposição final

Efluentes e dejetos no meio rural Introdução ao manejo, tratamento e disposição final Universidade Federal de Pelotas Dept de Veterinária Preventiva Faculdade de Veterinária Disciplina de Saneamento Efluentes e dejetos no meio rural Introdução ao manejo, tratamento e disposição final Prof.

Leia mais

Departamento de Meio Ambiente DMA/FIESP. Política Nacional de Resíduos Sólidos

Departamento de Meio Ambiente DMA/FIESP. Política Nacional de Resíduos Sólidos Política Nacional de Resíduos Sólidos Setembro de 2010 Esquema de funcionamento DISPOSIÇÕES GERAIS DO OBJETO E CAMPO DE APLICAÇÃO DEFINIÇÕES DA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS DISPOSIÇÕES GERAIS

Leia mais

1 O mundo da Física. A curiosidade do homem pode ser compreendida

1 O mundo da Física. A curiosidade do homem pode ser compreendida A U A UL LA O mundo da Física A curiosidade do homem pode ser compreendida de várias maneiras: aguns dizem que vem de uma necessidade de sobrevivência, outros dizem que é uma forma de prazer ou, ainda,

Leia mais

Políticas Públicas de Resíduos Sólidos e. Alexandre Magrineli dos Reis Fundação Estadual do Meio Ambiente Belo Horizonte, outubro de 2011

Políticas Públicas de Resíduos Sólidos e. Alexandre Magrineli dos Reis Fundação Estadual do Meio Ambiente Belo Horizonte, outubro de 2011 Políticas Públicas de Resíduos Sólidos e logística reversa Alexandre Magrineli dos Reis Fundação Estadual do Meio Ambiente Belo Horizonte, outubro de 2011 Relatório da Pesquisa Pagamento por Serviços Ambientais

Leia mais

Como se combate um incêndio?

Como se combate um incêndio? Acesse: http://fuvestibuar.com.br/ Como se combate um incêndio? A UUL AL A Como usar um extintor de incêndio Para que serve cada tipo de extintor O que é extintor de pó químico Decomposição do bicarbonato

Leia mais

Vamos reciclar plásticos?

Vamos reciclar plásticos? Acesse: http://fuvestibuar.com.br/ Vamos recicar pásticos? O que você vai aprender Poietienos: tipos e obtenção Diferentes tipos de pástico Usos de pásticos Recicagem de pásticos Vantagens dos pásticos

Leia mais

Política Nacional de Resíduos Sólidos - PNRS LEI 12.305 / 08/ 2010 DECRETO 7.404/ 12/ 2010

Política Nacional de Resíduos Sólidos - PNRS LEI 12.305 / 08/ 2010 DECRETO 7.404/ 12/ 2010 Política Nacional de Resíduos Sólidos - PNRS LEI 12.305 / 08/ 2010 DECRETO 7.404/ 12/ 2010 Cenário brasileiro de resíduos sólidos Aumento da: População nas cidades 50% mundial 85% Brasil (IBGE, 2010).

Leia mais

12 Por que o oxigênio do ar não acaba?

12 Por que o oxigênio do ar não acaba? A UA UL LA Por que o oxigênio do ar não acaba? O que você vai aprender Substância simpes Substância composta Cico do carbono na natureza Como as pantas transformam gás carbônico em oxigênio Decomposição

Leia mais

é lei Agora Política Nacional de Resíduos Sólidos poder público, empresas, catadores e população Novos desafios para

é lei Agora Política Nacional de Resíduos Sólidos poder público, empresas, catadores e população Novos desafios para Política Nacional de Resíduos Sólidos Agora é lei Novos desafios para poder público, empresas, catadores e população Marco histórico da gestão ambiental no Brasil, a lei que estabelece a Política Nacional

Leia mais

Como se pode proteger o ferro?

Como se pode proteger o ferro? Como se pode proteger o ferro? A UUL AL A Todos os componentes de uma bicieta recebem proteção contra ferrugem. A proteção do aço. Gavanização,cromação, zincagem e estanhagem A importância dos óxidos na

Leia mais

SERVIÇOS DE SAÚDE MOSSORÓ

SERVIÇOS DE SAÚDE MOSSORÓ SERVIÇOS DE SAÚDE MOSSORÓ - 2011 CURSO DE GERENCIAMENTO DE RSS LEI 12.305 DE 02 DE AGOSTO DE 2010 Institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos; altera a Lei no 9.605, de 12 de fevereiro de 1998; e

Leia mais

O que o buraco na camada de ozônio tem a ver com o efeito estufa?

O que o buraco na camada de ozônio tem a ver com o efeito estufa? Acesse: http://fuvestibuar.com.br/ O que o buraco na camada de ozônio tem a ver com o efeito estufa? AUUL AL A Efeito estufa parte da energia radiada, vota ao espaço energia radiada Efeito estufa Buraco

Leia mais

Sustentabilidade: A Visão do Ministério Público

Sustentabilidade: A Visão do Ministério Público WORKSHOP NOVAS DEMANDAS AMBIENTAIS E SEUS IMPACTOS ECONÔMICOS NA INDÚSTRIA DO VIDRO Sustentabilidade: A Visão do Ministério Público SÃO PAULO - MARÇO/2015 LEI DE POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS (Lei

Leia mais

Planos de Resíduos Sólidos: conteúdo mínimo, implantação e deficiências. Compatibilidade dos contratos. Porto Alegre, 21 de agosto de 2015.

Planos de Resíduos Sólidos: conteúdo mínimo, implantação e deficiências. Compatibilidade dos contratos. Porto Alegre, 21 de agosto de 2015. Planos de Resíduos Sólidos: conteúdo mínimo, implantação e deficiências. Compatibilidade dos contratos Porto Alegre, 21 de agosto de 2015. CONTEÚDO 1. Políticas e Planos de Saneamento Básico e de Resíduos

Leia mais

Olá meninos, vocês parecem contrariados. O que aconteceu?

Olá meninos, vocês parecem contrariados. O que aconteceu? Olá meninos, vocês parecem contrariados. O que aconteceu? Puxa, o lixo é mesmo um problema muito sério. Vocês sabiam que muitos animais silvestres estão morrendo porque confundem lixo com comida? Sério?

Leia mais

Carlos R V Silva Filho ABRELPE. agosto/2010

Carlos R V Silva Filho ABRELPE. agosto/2010 Política Nacional de Resíduos Sólidos: As mudanças que influenciarão o dia a dia das empresas Carlos R V Silva Filho ABRELPE agosto/2010 2 Resíduos Sólidos Urbanos: Situação 3 Quantidade de RSU gerados

Leia mais

Cursos Profissionalizantes

Cursos Profissionalizantes Cursos Profissionaizantes O Teecurso Profissionaizante foi feito para você que está à procura de profissionaização; para você que está desempregado e precisa aprender uma profissão; para você que já estuda

Leia mais

Políticas Públicas Resíduos e Reciclagem. Sérgio Henrique Forini

Políticas Públicas Resíduos e Reciclagem. Sérgio Henrique Forini Políticas Públicas Resíduos e Reciclagem. Sérgio Henrique Forini O lixo é conhecido como os restos das atividades humanas considerados inúteis, indesejáveis e descartáveis. No entanto, separado nos seus

Leia mais

O lixo é tudo aquilo que reputamos como desnecessário e descartamos em algum lugar. Há lixos de todos os tipos e sendo produzidos e descartados de

O lixo é tudo aquilo que reputamos como desnecessário e descartamos em algum lugar. Há lixos de todos os tipos e sendo produzidos e descartados de LIXO O lixo é tudo aquilo que reputamos como desnecessário e descartamos em algum lugar. Há lixos de todos os tipos e sendo produzidos e descartados de várias maneiras. Uma das formas mais comuns de classificar

Leia mais

A terra limpa a água?

A terra limpa a água? A UUL AL A A terra impa a água? Souções Misturas Mistura: - homogênea - heterogênea Fenômeno natura Conceito de experiência O que você vai aprender Mistura Dissover Fitrar Seria bom já saber O jornaeiro

Leia mais

Prefeitura Municipal de Jaboticabal

Prefeitura Municipal de Jaboticabal LEI Nº 4.715, DE 22 DE SETEMBRO DE 2015 Institui a Política Municipal de estímulo à produção e ao consumo sustentáveis. RAUL JOSÉ SILVA GIRIO, Prefeito Municipal de Jaboticabal, Estado de São Paulo, no

Leia mais

CONHECIMENTO EM REDE: O DESTINO DO LIXO.

CONHECIMENTO EM REDE: O DESTINO DO LIXO. CIRCUITO ESTUDANTIL - INSTITUTO DE EDUCAÇÃO SANTO ANTÔNIO. VITÓRIA CUSTÓDIO; GIOVANNA MAMED; YASMIN ALVES; PETER DE BRITO. CONHECIMENTO EM REDE: O DESTINO DO LIXO. RJ,SET/2011 1 VITÓRIA CUSTÓDIO; GIOVANNA

Leia mais

MANUAL DE IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE GESTÃO DE SEGURANÇA VIÁRIA REQUISITOS DA NORMA ISO 39001

MANUAL DE IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE GESTÃO DE SEGURANÇA VIÁRIA REQUISITOS DA NORMA ISO 39001 MANUAL DE IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE GESTÃO DE SEGURANÇA VIÁRIA REQUISITOS DA NORMA ISO 39001 branca A P R E S E N TA Ç Ã O Construindo um novo futuro Para tornar-se íder goba em souções de transporte

Leia mais

Como se faz o tratamento da água?

Como se faz o tratamento da água? VÃO ME DECANTAR? VÃO ME FILTRAR? VÃO ME DESINFETAR? Acesse: http://fuvestibuar.com.br/ Como se faz o tratamento da água? COMO VÃO ME LIMPAR? A UUL AL A O cico da água na natureza Estação de tratamento

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE DO RIO DE JANEIRO ATO DO PRESIDENTE

SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE DO RIO DE JANEIRO ATO DO PRESIDENTE SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE DO RIO DE JANEIRO ATO DO PRESIDENTE RESOLUÇÃO CONEMA Nº 56 DE 13 DE DEZEMBRO DE 2013. ESTABELECE CRITÉRIOS PARA A INEXIGIBILIDADE DE

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DE VIRGÍNIA MG

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DE VIRGÍNIA MG PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DE VIRGÍNIA MG Diagnóstico da Infraestrutura do Sistema de Coleta e Tratamento de Resíduos Sólidos no Setor de Mobilização 2, bairros Vargem Alegre, Serra Verde, Rio

Leia mais

UNISAL ARTIGO PARA MOSTRA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL AMERICANA 2011

UNISAL ARTIGO PARA MOSTRA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL AMERICANA 2011 UNISAL ARTIGO PARA MOSTRA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL AMERICANA 2011 Autora: Profa. Dra. Melissa Furlan Cursos: Direito e Engenharia Ambiental Área de Pesquisa: Meio Ambiente Título do artigo: O destino

Leia mais

Apresenta: PAPEL METAL LIXO ORGÂNICO VIDRO PLÁSTICO. no luga

Apresenta: PAPEL METAL LIXO ORGÂNICO VIDRO PLÁSTICO. no luga Apresenta: Coloqu e o lixo no luga r, na hor a e no d certo. ia ORGÂNICO CAPItao VAREJO em: coleta seletiva Enquanto isso, na sala secreta de reuniões... Olá, Capitão Varejo! Grande Gênio, bom dia! Espero

Leia mais

Normalização no Brasil

Normalização no Brasil Normaização no Brasi A ABNT foi fundada em 1940, por iniciativa particuar de um grupo de técnicos e engenheiros, sendo a primeira entidade a disseminar normas técnicas no Brasi. Em 1962, a ABNT foi reconhecida

Leia mais

METODOLOGIA PROGRAMA CEAPA/MG Central de Apoio e Acompanhamento às Penas e Medidas Alternativas de Minas Gerais. Introdução

METODOLOGIA PROGRAMA CEAPA/MG Central de Apoio e Acompanhamento às Penas e Medidas Alternativas de Minas Gerais. Introdução GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS SECRETARIA DE ESTADO DE DEFESA SOCIAL SUPERINTENDÊNCIA DE PREVENÇÃO À CRIMINALIDADE DIRETORIA DE REINTEGRAÇÃO SOCIAL METODOLOGIA PROGRAMA CEAPA/MG Centra de Apoio e Acompanhamento

Leia mais

34 Ritmos e movimentos da população mundial

34 Ritmos e movimentos da população mundial A U A UL LA Ritmos e movimentos da popuação mundia Nessa aua, vamos estudar o crescimento da popuação mundia reacionando-o com as mudanças ocorridas na sociedade. Vamos conhecer o modeo expicativo da desaceeração

Leia mais

Descobrimos como fabricar soda cáustica!

Descobrimos como fabricar soda cáustica! Descobrimos como fabricar soda cáustica! O que você vai aprender Recicagem de pape Fabricação de pape Produção de hidróxido de sódio: eetróise Partícuas carregadas: íons Indicadores Seria bom já saber

Leia mais

LEI Nº. XXXX/2015. A Câmara Municipal de Penápolis, Estado de São Paulo, aprovou e eu, Prefeito do Município de Penápolis sanciono a seguinte lei.

LEI Nº. XXXX/2015. A Câmara Municipal de Penápolis, Estado de São Paulo, aprovou e eu, Prefeito do Município de Penápolis sanciono a seguinte lei. LEI Nº. XXXX/2015 DISPÕE SOBRE A POLÍTICA MUNICIPAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS DO MUNICÍPIO DE PENÁPOLIS E DA OUTRAS PROVIDÊNCIAS. A Câmara Municipal de Penápolis, Estado de São Paulo, aprovou e eu, Prefeito

Leia mais

do trabalho Neste módulo, você vai estudar algumas Apresentação

do trabalho Neste módulo, você vai estudar algumas Apresentação Organização do trabaho Neste móduo, você vai estudar agumas noções básicas de organização do trabaho. Na primeira aua é anaisada a importância do trabaho para o bem de cada um, da sociedade e da nação.

Leia mais

EXPO 2010 2a. Feira Internacional de Equipamentos e Soluções para Meio Ambiente

EXPO 2010 2a. Feira Internacional de Equipamentos e Soluções para Meio Ambiente Ministério do Meio Ambiente Secretaria de Recursos Hídricos e Ambiente Urbano EXPO 2010 2a. Feira Internacional de Equipamentos e Soluções para Meio Ambiente A Lei e Políticas Públicas de de Resíduos Sólidos

Leia mais

Parceiros estratégicos

Parceiros estratégicos PROJETO Parceiros estratégicos Danie Ravioo - Júio Lira - Karina Mota ENSINANDO E APRENDENDO COM O JORNAL ESCOLAR REDE JORNAL ESCOLA 2006 Redação: Danie Ravioo, Júio Lira e Karina Mota Capa e Editoração

Leia mais

A primeira fase da normalização

A primeira fase da normalização U L A A primeira fase da normaização A partir do momento em que o homem entra na era industria e inicia a produção em massa, isto é, a fabricação de um mesmo produto em grande quantidade, surge uma grande

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA Resolução nº 307, de 5 de Julho de 2002. Estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para a gestão dos resíduos da construção civil, disciplinando as ações

Leia mais

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS SOLIDOS URBANOS

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS SOLIDOS URBANOS PREFEITURA MUNICIPAL DE TUCURUÍ PARÁ SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE TUCURUÍ SEMMA / TUCURUÍ PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS SOLIDOS URBANOS APRESENTAÇAO O presente documento consolida o diagnóstico

Leia mais

LEI FEDERAL 12305/2010 POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS

LEI FEDERAL 12305/2010 POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS LEI FEDERAL 12305/2010 POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS ARTIGO 13 -ORIGEM RSU(domiciliares e de limpeza pública) Comerciais e Prestadores de Serviços Serviços Públicos de Saneamento Básico Industriais

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSEPE Nº 02/2013

RESOLUÇÃO CONSEPE Nº 02/2013 RESOLUÇÃO CONSEPE Nº 2/213 A Presidente do Conseho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, no uso de suas atribuições, consoante o deiberado na 99ª Reunião Ordinária, reaizada no dia 1 de dezembro

Leia mais

Qualquer mistura de gás de cozinha e ar explode?

Qualquer mistura de gás de cozinha e ar explode? A UA UL LA Acesse: http://fuvestibuar.com.br/ Quaquer mistura de gás de cozinha e ar expode? Oxigênio presente na atmosfera está próximo do imite máximo de segurança O que você vai aprender Por que combustíveis

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO (Módulo: Resíduos Sólidos) Rio Claro SP

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO (Módulo: Resíduos Sólidos) Rio Claro SP PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO (Módulo: Resíduos Sólidos) Rio Claro SP LEI Nº 11.445/2007 LEI Nº 12.305/2010 1. OBJETIVOS - Realizar diagnósticos; - Elaborar propostas de intervenções; - Definir

Leia mais

uma responsabilidade de todos nós

uma responsabilidade de todos nós uma responsabilidade de todos nós Governo do Estado de São Paulo Secretaria de Estado do Meio Ambiente Coordenadoria de Planejamento Ambiental Estratégico e Educação Ambiental Lixo, uma responsabilidade

Leia mais

Diário Oficial da União Seção 01 DOU 03 de agosto de 2010 Página [3-7]

Diário Oficial da União Seção 01 DOU 03 de agosto de 2010 Página [3-7] Diário Oficial da União Seção 01 DOU 03 de agosto de 2010 Página [3-7] LEI N 12.305, DE 2 DE AGOSTO DE 2010 Institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos; altera a Lei no 9.605, de 12 de fevereiro de

Leia mais

CONSTRUÇÃO E REFORMA. Cartilha de orientação ao cidadão MÃOS À OBRA. INFORMAÇÕES: www.vilavelha.es.gov.br Tel: 3149-7293

CONSTRUÇÃO E REFORMA. Cartilha de orientação ao cidadão MÃOS À OBRA. INFORMAÇÕES: www.vilavelha.es.gov.br Tel: 3149-7293 CONSTRUÇÃO E REFORMA MÃOS À OBRA INFORMAÇÕES: www.viaveha.es.gov.br Te: 3149-7293 Cartiha de orientação ao cidadão Apresentação Habite-se A Prefeitura Municipa de Via Veha, por intermédio da Secretaria

Leia mais

Política do grupo para HIV/AIDS

Política do grupo para HIV/AIDS Poítica do grupo para HIV/AIDS A Ango American pc reconhece a tragédia humana causada pea epidemia de HIV/AIDS, particuarmente na África sub-saariana. Estamos preocupados com a gravidade e as impicações

Leia mais

PGIRS PLANO DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS

PGIRS PLANO DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS IV Conferência Municipal de Meio Ambiente Reelaboração Participativa do PGIRS PLANO DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS Implementando a Política Nacional de Resíduos Sólidos na Cidade de São Paulo

Leia mais

RESÍDUO SÓLIDO: UM PROBLEMA SOCIAL, AMBIENTAL E ECONÔMICO.

RESÍDUO SÓLIDO: UM PROBLEMA SOCIAL, AMBIENTAL E ECONÔMICO. RESÍDUO SÓLIDO: UM PROBLEMA SOCIAL, AMBIENTAL E ECONÔMICO. POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS LEI Nº 12.305/2010 DECRETO Nº 7.404/2010 O QUE MUDA COM A LEI 12.305/2010? Lixões a céu aberto e aterros

Leia mais

Princípios da Engenharia de Software Aula 01

Princípios da Engenharia de Software Aula 01 Princípios da Engenharia de Software Aua 01 Prof.: José Honorato Ferreira Nunes honorato.nunes@bonfim.ifbaiano.edu.br Materia cedido por: Frankin M. Correia frankin.correia@bonfim.ifbaiano.edu.br Objetivo

Leia mais

Nesta aula, vamos identificar a Revolução

Nesta aula, vamos identificar a Revolução A energia vita: os recursos naturais são inesgotáveis? A UU L AL A Nesta aua, vamos identificar a Revoução Industria como responsáve pea grande mudança na utiização dos recursos naturais. Vamos avaiar

Leia mais

é lei Agora Política Nacional de Resíduos Sólidos poder público, empresas, catadores e população Novos desafios para

é lei Agora Política Nacional de Resíduos Sólidos poder público, empresas, catadores e população Novos desafios para Política Nacional de Resíduos Sólidos Agora é lei Novos desafios para poder público, empresas, catadores e população Marco histórico da gestão ambiental no Brasil, a lei que estabelece a Política Nacional

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA Política Nacional de Resíduos Sólidos Instituída pela Lei 12.305/2010 e regulamentada pelo Decreto 7.404/2010, após 21 anos de tramitação no Congresso nacional Tem interação

Leia mais

CHECK LIST - LEVANTAMENTO DE CAMPO. Prestadores de Serviços

CHECK LIST - LEVANTAMENTO DE CAMPO. Prestadores de Serviços CHECK LIST LEVANTAMENTO DE CAMPO Prestadores de Serviços Data: 01) Informações sobre cada serviço prestado no gerenciamento de resíduos sólidos: Coleta Domiciliar Multirões Coleta da Capina Coleta Manual

Leia mais

RESÍDUOS SÓLIDOS : as responsabilidades de cada Setor

RESÍDUOS SÓLIDOS : as responsabilidades de cada Setor RESÍDUOS SÓLIDOS : as responsabilidades de cada Setor Resíduos Domiciliares Resíduos da Construção Civil Resíduos de escritórios Pneus queimados Resíduos de madeira Resíduos de fibra de vidro Resíduos

Leia mais

Atuais objetivos da normalização

Atuais objetivos da normalização A U L A Atuais objetivos da normaização Você agora vai estudar a útima parte deste assunto: os atuais objetivos da normaização. Pode-se dizer que a primeira fase da normaização, por vota de 1900 até os

Leia mais

Relatório da Oficina sobre o Planejamento das Ações do Plano Municipal de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos PMGIRS AMAI

Relatório da Oficina sobre o Planejamento das Ações do Plano Municipal de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos PMGIRS AMAI Relatório da Oficina sobre o Planejamento das Ações do Plano Municipal de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos PMGIRS AMAI ABELARDO LUZ - SC Agosto de 2014 1 SUMÁRIO 1. Identificação 3 2. Objetivo da Atividade

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE RESOLUÇÃO N. 307, DE 05 DE JULHO DE 2002 Alterações: Resolução CONAMA n. 348, de 16.08.04 Resolução CONAMA n. 431, de 24.05.11 Resolução CONAMA n. 448, de 18.01.12 Resolução

Leia mais

Cartilha de gestão de entulho de obra

Cartilha de gestão de entulho de obra Cartilha de gestão de entulho de obra Introdução O Sinduscon-CE anualmente investe na publicação de manuais de segurança e sustentabilidade para o setor, com forma de incentivar as boas-práticas na construção

Leia mais

Resíduo Zero e alternativas à incineração. TATIANA BARRETO SERRA Promotora de Justiça

Resíduo Zero e alternativas à incineração. TATIANA BARRETO SERRA Promotora de Justiça Resíduo Zero e alternativas à incineração TATIANA BARRETO SERRA Promotora de Justiça SÃO PAULO 28/05/2015 Desequilíbrio: padrões de produção e consumo dos séculos XX e XXI Necessidades do consumidor Melhorias

Leia mais

política nacional de resíduos sólidos conceitos e informações gerais

política nacional de resíduos sólidos conceitos e informações gerais política nacional de resíduos sólidos conceitos e informações gerais 1 Índice PALAVRA DO PRESIDENTE 03. Palavra do Presidente 04. Introdução 06. Resíduos Sólidos 07. Classificação dos Resíduos Sólidos

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PMGIRS

PLANO MUNICIPAL DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PMGIRS PLANO MUNICIPAL DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PMGIRS (Manual de acesso e preenchimento do Questionário Online) www.altouruguai.eng.br contato@altouruguai.eng.br ASSOCIAÇÃO DOS MUNICÍPIOS DO

Leia mais

11 Sistemas resolvem problemas

11 Sistemas resolvem problemas A UA UL LA Sistemas resovem probemas Introdução Na aua anterior, mostramos como resover sistemas de duas equações de 1º grau com duas incógnitas. Agora vamos usar essa importante ferramenta da matemática

Leia mais

O F I C I N A ESCLARECIMENTO - DMA - FIESP. LOGÍSTICA REVERSA Disposições Transitórias e Finais.

O F I C I N A ESCLARECIMENTO - DMA - FIESP. LOGÍSTICA REVERSA Disposições Transitórias e Finais. O F I C I N A D E ESCLARECIMENTO - DMA - FIESP LOGÍSTICA REVERSA Disposições Transitórias e Finais. Walter Françolin DMA FIESP Agosto 2010 ou outra destinação final ambientalmente adequada; Art. 3º - XII

Leia mais

No posto de gasolina

No posto de gasolina A UU L AL A No posto de gasoina Gaspar estava votando para casa, após passar um dia muito agradáve na praia, apesar da dor de ouvido. Ee parou num posto de gasoina para abastecer e verificar as condições

Leia mais

EDUCAÇÃO EM SAÚDE NO SUS BINGO DA ÁGUA

EDUCAÇÃO EM SAÚDE NO SUS BINGO DA ÁGUA EDUCAÇÃO EM SAÚDE NO SUS Desenvolver ações educativas e de mobilização social é disseminar informações visando o controle de doenças e agravos à saúde e fomentar nas pessoas o senso de responsabilidade

Leia mais

Marcação, codificação e soluções de sistemas. Produtos químicos

Marcação, codificação e soluções de sistemas. Produtos químicos Marcação, codificação e souções de sistemas Produtos químicos Conhecemos os desafios únicos que você enfrenta em suas inhas de produção A codificação na fabricação de produtos químicos pode ser um desafio

Leia mais

20ª PROMOTORIA DE JUSTIÇA DA COMARCA DE LONDRINA PROMOTORIA DE DEFESA DO MEIO AMBIENTE, PESSOAS PORTADORAS DE DEFICIÊNCIA E FUNDAÇÕES

20ª PROMOTORIA DE JUSTIÇA DA COMARCA DE LONDRINA PROMOTORIA DE DEFESA DO MEIO AMBIENTE, PESSOAS PORTADORAS DE DEFICIÊNCIA E FUNDAÇÕES RECOMENDAÇÃO ADMINISTRATIVA CONJUNTA Nº 001/2011 A PROMOTORIA DE DEFESA DO MEIO AMBIENTE DE LONDRINA, através da Promotora de Justiça Solange Novaes da Silva Vicentin, e o INSTITUTO AMBIENTAL DO PARANÁ

Leia mais

Calculando engrenagens cilíndricas

Calculando engrenagens cilíndricas Cacuando engrenagens ciíndricas A UU L AL A Em uma empresa, o setor de manutenção mecânica desenvove um importante pape na continuidade do fuxo da produção. Após o diagnóstico do defeito, reaizam-se a

Leia mais

COLETA SELETIVA PRATIQUE ESTA IDEIA

COLETA SELETIVA PRATIQUE ESTA IDEIA COLETA SELETIVA PRATIQUE ESTA IDEIA O QUE É? Coleta seletiva é o processo de separação dos materiais recicláveis do restante dos resíduos sólidos. Como definição de resíduos sólidos, pelo Wikipédia, entende-se

Leia mais

Mês para se comemorar à pátria

Mês para se comemorar à pátria 3.000 exempares Ano X - Edição 98 - Setembro/2013 - www.jornadosindico.com.br/nata 7 de setembro Dê uma cara nova ao seu condomínio renovando seus equipamentos com o Mês para se comemorar à pátria VIDA

Leia mais

PROJETO DE LEI CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

PROJETO DE LEI CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES PROJETO DE LEI Institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos e dá outras providências. O CONGRESSO NACIONAL decreta: CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1 o Esta Lei institui a Política Nacional

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE LEI Nº N 12.305/2010 DECRETO Nº N 7.404/2010

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE LEI Nº N 12.305/2010 DECRETO Nº N 7.404/2010 MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOSS LEI Nº N 12.305/2010 DECRETO Nº N 7.404/2010 TRAMITAÇÃO DA PNRS 1989 Projeto de Lei Nº N 354/89 do Senado 1991 Projeto de Lei Nº N 203/91

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS LEI Nº 12.305/2010 - DECRETO NO. 7.404/2010 BASE LEGAL Lei nº 12.305/2010 - Decreto No. 7.404/2010 Lei nº 11.445/2007 - Política Federal

Leia mais

Responsabilidade Socioambiental

Responsabilidade Socioambiental Fernando Tabet Responsabilidade Socioambiental Resíduos Sólidos Classificação (NBR 10.004:2004) Classe I - Perigosos Resíduos Classe II Não Perigosos Classe II-A - Não Inertes Classe II-B - Inertes Gerenciamento

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 (DOU de 17/07/2002)

RESOLUÇÃO Nº 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 (DOU de 17/07/2002) RESOLUÇÃO Nº 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 (DOU de 17/07/2002) Estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para a gestão dos resíduos da construção civil. Correlações: Alterada pela Resolução nº 469/15

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA Política Nacional de Resíduos Sólidos Instituída pela Lei 12.305/2010 e regulamentada pelo Decreto 7.404/2010, após 21 anos de tramitação no Congresso nacional Tem interação

Leia mais

PLANO DE GESTÃO INTEGRADA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DO CIM-AMAVI. Audiencia Pública - Prognóstico

PLANO DE GESTÃO INTEGRADA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DO CIM-AMAVI. Audiencia Pública - Prognóstico PLANO DE GESTÃO INTEGRADA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DO CIM-AMAVI Audiencia Pública - Prognóstico LEGISLAÇÃO: Constituição 1988: Artigo 225 Lei 11.445/2007 (Saneamento Básico) Decreto 7.217/2010 (Saneamento

Leia mais

2 Encontro de Lideranças para Sustentabilidade Territorial de Influência de ITAIPU Binacional e Yacyretá. Política Nacional de Resíduos Sólidos

2 Encontro de Lideranças para Sustentabilidade Territorial de Influência de ITAIPU Binacional e Yacyretá. Política Nacional de Resíduos Sólidos 2 Encontro de Lideranças para Sustentabilidade Territorial de Influência de ITAIPU Binacional e Yacyretá. Política Nacional de Resíduos Sólidos Foz do Iguaçu, 17 de novembro de 2010 Desafios: A produção

Leia mais

PROPOSTA E ORIENTAÇÃO PARA A REESTRUTURAÇÃO DAS POLÍTICAS DE RESÍDUOS

PROPOSTA E ORIENTAÇÃO PARA A REESTRUTURAÇÃO DAS POLÍTICAS DE RESÍDUOS PROPOSTA E ORIENTAÇÃO PARA A REESTRUTURAÇÃO DAS POLÍTICAS DE RESÍDUOS Texto de apoio à discussão sobre o Plano Municipal de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos do município de Osasco Secretaria de Planejamento

Leia mais

Gari e Coletores de Lixo

Gari e Coletores de Lixo Gari e Coletores de Lixo Introdução O nome gari nasceu em homenagem ao empresário Aleixo Gary que em 11 de Outubro de 1876, assinou contrato com o Ministério Imperial para fazer o serviço de limpeza da

Leia mais

CARTILHA DA LEI DO ENTULHO FERNANDÓPOLIS, SP ORIENTAÇÃO EM BUSCA DA CIDADANIA

CARTILHA DA LEI DO ENTULHO FERNANDÓPOLIS, SP ORIENTAÇÃO EM BUSCA DA CIDADANIA CARTILHA DA LEI DO ENTULHO FERNANDÓPOLIS, SP ORIENTAÇÃO EM BUSCA DA CIDADANIA - (17) 3463-9014 TEL. (17) 3463-1495 O CER também comercializa materiais reciclados para obra de ótima qualidade como areia,

Leia mais

REDE COOPERATIVA DE PESQUISAS RESÍDUOS SÓLIDOS PROVENIENTES DE COLETAS ESPECIAIS: ELIMINAÇÃO E VALORIZAÇÃO INSTITUIÇÕES PARTICIPANTES Francisco Antonio Bidone (coordenador) RESÍDUOS SÓLIDOS PROVENIENTES

Leia mais