Reforma do sistema educacional dos anos 90: breves considerações sobre os aspectos históricos, econômicos, e políticos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Reforma do sistema educacional dos anos 90: breves considerações sobre os aspectos históricos, econômicos, e políticos"

Transcrição

1 Reforma do sistema educacional dos anos 90: breves considerações sobre os aspectos históricos, econômicos, e políticos Beatriz Galvanin 1 Resumo: O artigo apresenta um panorama geral dos aspectos históricos, econômicos e políticos que influenciam e refletem nas atuais mudanças do sistema educacional brasileiro. Envolve parte do Quadro Teórico de Bárbara Freitag, fornecendo o referencial teórico da economia da educação segundo o modelo gramsciano, bem como a literatura histórica destacando em cada período as diferentes tipificações do Estado brasileiro percebidas através de suas posições políticas; e finalmente, destaca a procedência de alguns aspectos específicos que fundamentam a reforma educacional nos anos 90. Neste sentido, procura despertar para uma visão contextualizada e crítica dessas mudanças educacionais que revestidas de terminologias inovadoras percebidas através dos documentos oficiais, na realidade são fontes de polêmica tanto devido ao sentido das palavras na sua interpretação, quanto na eficácia da operacionalização dessas mudanças. Palavras-chave: Política educacional. Planejamento educacional. Economia da educação. Reformas da educação Reform of educational system in 90 s: breve considerations about aspects historical, economical and political Abstract: The article presents a general view of historical, economical and political aspects that influence and reflect the early changes of Brazilian Educational System. It Involves part of Quadro Teórico of Barbara Freitag, suplying the referencial theorical of Economy of Education to according the gramscian model, as well as the historical literature showing each time the different characteristics of Brazilian State perceived through their political positions; and finally, shows the origin of some specifical aspects that validate the educational reform in the 90 s. Under these conditions, it searches to awake a contextualized vision and critical of these educational changes that covered of new terminologies realized through official documents, in fact are sources of polemic as due to purpose of words in comprehension, much as in the efficacy of operationalization of these changes. Keywords: Educational politics. Educational planning. Economy of education. Educational changes 1 Professora na área de Administração da Faculdade Estácio de Sá de Ourinhos FAESO. Professora de educação profissional nível técnico do CEETEPS na unidade de ensino ETE Prof. Pedro Leme Brisolla Sobrinho/Ipaussu-SP. Mestranda em Educação pela Universidade Estadual Paulista-UNESP, campus de Marília.

2 1. INTRODUÇÃO A década de 90 é marcada por um processo de reformas operacionalizadas na educação, pelo governo brasileiro envolvendo mudanças nos vários níveis e modalidades do ensino. Para entendermos as atuais mudanças que permeiam o sistema educacional brasileiro há a necessidade de situá-las diante do processo de reestruturação da organização do trabalho capitalista e de novos modelos de gestão. Bem como, discuti-las no contexto da reforma do Estado, através de uma perspectiva econômico-política. Embora tenha tomado notabilidade no Brasil ao final dos anos 80, a polêmica em torno de uma nova relação entre inovação tecnológica, educação e qualificação está colocada nos países de capitalismo desenvolvido desde a década de 70 (FOGAÇA, 2001, p. 55). Azuete Fogaça, afirma que, as transformações nos processos de produção e organização do trabalho, desencadearam estudos 2, que apontavam os impactos crescentes do avanço tecnológico e científico nos novos padrões de concorrência, em função de um mercado que começava a se globalizar destacando a exigência de novos perfis ocupacionais, em novas condições de formação escolar em todo nível da hierarquia ocupacional. Nas conclusões do estudo, o sentido observado era de que: [...] deveria priorizar, dali para frente, reformas nos sistemas educacionais dos países industrializados ou em processo de industrialização, de forma a preparar melhor seus recursos humanos para essa nova etapa da produção capitalista, na qual a escola cumpriria um papel fundamental na qualificação profissional básica de todos os segmentos da hierarquia ocupacional. [FOGAÇA, 2001, p. 55] A correspondência das transformações do processo produtivo na educação e formação profissional através das mudanças na forma de produção exigiram alterações no delineamento do trabalhador. Ou seja, o processo produtivo à medida que modifica e evolui o mecanismo de produção mecânica para tecnológica, exige modificações também na formação do trabalhador quanto a seus conhecimentos e técnicas para atender esse processo produtivo. Considerando desde a revolução industrial, que rompe com uma produção artesanal, marcando um processo produtivo baseado na eletromecânica, incorpora os princípios tayloristas e fordistas de produção em massa, ou seja, em grandes quantidades, representando o estilo norte- 2 Como o realizado na França, em indústrias européias, com financiamento pela Unesco, divulgado em

3 americano de produção em série e padronizada, onde os operários deveriam ser treinados para acompanhar o ritmo da maquinaria. O redirecionamento produtivo, para o modelo japonês, fundamentado pelos princípios toyotistas, evoluiu e culminou com a revolução da informática, com base na microeletrônica, com desenvolvimento de tecnologias complexas, passando a exigir profissionais com níveis de educação e qualificação mais elevado, polivalentes e flexíveis. As idéias de F. W. Taylor são consolidadas com o controle científico do trabalho, através do controle de tempos e movimentos dos operários, caracterizando a ausência de participação de trabalhadores nos processos de tomada de decisão dentro das empresas, no que diz respeito tanto à produção quanto aos procedimentos administrativos e normativos. (MARTINS, 2002, p. 71). Dessa maneira, a formação da mão-de-obra que executava movimentos repetitivos não exigia um aprofundamento de conhecimentos, pois atendia aos postos de trabalho permitindo que vários trabalhadores executassem inúmeras tarefas utilizando-se de gestos simples que acompanhassem o ritmo das máquinas. Acrescente-se a relação desta concepção nas políticas educacionais implementadas no início do século XX, pois da mesma maneira que o trabalhador, na condição de executor das tarefas, segundo os princípios tayloristas, recebia treinamento para que de forma mecânica desempenhasse seu papel, sem opinar, participar, refletir; sua formação também estava associada a uma escolarização conteudista, baseada na memorização, onde: [...] a taylorização do trabalho educacional institucionalizado foi apontado como um dos principais elementos senão o principal de absoluta ausência da participação de professores e alunos dos processos decisórios acerca do que e como se ensina, constituindo uma cultura de transmissão de conhecimentos e de cuidados assistenciais com as gerações custodiadas. Saliente-se que as análises realizadas sobre o currículo oculto têm apontado que o que as escolas vêm ensinando, historicamente, são habilidades relacionadas à obediência e submissão á autoridade (MARTINS, 2002, p. 73). A concepção de uma nova organização do trabalho, na economia capitalista, começou a ser discutida nos anos 1950 e 1960 com um novo modelo de gestão na empresa Toyota, no Japão, e provocou grande impacto nas relações sociais de produção. Nesse novo paradigma toyotista de gestão, contrapondo ao modelo norte-americano (taylorista/ fordista) de produção em massa (em grandes quantidades) - a produção passou a ser enxuta (eliminação de desperdícios), o processo denominado de just -in-time (com fluxo contínuo, sem estoques), flexível (caracterizada por pequenos lotes, sob encomenda). Surgiu a noção de qualidade total (fazer certo da primeira vez, 3

4 corrigir causas e erros)... assim, o envolvimento de funcionários na detecção de problemas e no encaminhamento de soluções provocaram uma interferência direta no processo de tomada de decisões da empresa. (MARTINS, 2002, p.78). Além dos princípios de eliminação de desperdícios e fabricação com qualidade do sistema Toyota de produção, a administração participativa ganha destaque neste cenário, cujo foco está no compartilhar das decisões que afetam a empresa com funcionários. Portanto, [...] a exigência de trabalhadores polivalentes, cooperativos e capazes de desenvolver toda sua potencialidade de aprendizagem e de trabalho, bem como a eleição do conhecimento como mola propulsora desta etapa recente de reorganização do capitalismo, constituíram o caldo cultural que vem permeando as mudanças operadas no conceito da educação necessária para a formação dessa mão-de-obra. (MARTINS, 2002, p. 86) Quanto ao aspecto político, se faz presente a interferência de idéias relacionadas às agências multinacionais (Banco Mundial, FMI, CEPAL), que, na condição de agências financiadoras, definem as diretrizes que servem de base na constituição das políticas educacionais. As práticas sugeridas por estas agências de acordo com as necessidades do mercado são assimiladas e assim, Diante de propostas concretas do Banco Mundial para os diversos níveis de ensino que propõem a revisão do papel do Estado na educação, deixando de ser o principal executor e passando a constituir uma instância coordenadora e controladora, o Ministério da Educação tem apresentado propostas nem sempre convergentes, nas quais alguns princípios do Banco Mundial, entretanto, têm encontrado acolhida nas propostas educacionais. Entre estes, o princípio de que mecanismos de mercado são indispensáveis para a melhoria da escola pública. Para conseguir atingir estes mecanismos concorrênciais, preconiza-se a descentralização administrativa, pedagógica e financeira das unidades escolares, entendendo-se por descentralização uma forma de atingir público específico e uma forma de redução de responsabilidades e de gastos. (BRITO, 2001, p.137, grifo nosso) As relações capitalistas de produção passam a incorporar o cotidiano escolar ao assimilar propostas do Banco Mundial na formulação das políticas educacionais, observados através de critérios como eficiência, eficácia, produtividade bem como conceitos de empregabilidade, competência, e conduzem a escola como obrigação de preparar para o mercado de trabalho. Idéias de descentralização das ações estatais na educação e incorporação da forma de gestão utilizada pela iniciativa privada remetem os países a reformas estruturais. 4

5 2. ASPECTOS POLÍTICOS E ECONÔMICOS DA EDUCAÇÃO A educação é permeada por aspectos políticos que se fazem presentes através da legislação educacional, bem como, por aspectos econômicos, por meio da correlação entre crescimento econômico e nível educacional dos trabalhadores. Partindo de uma abordagem econômica da educação, Becker (1986), Schutz (1986), Edding (1986) e Solow (1986), deram origem a disciplinas como planejamento educacional e economia da educação. O conteúdo destas disciplinas orientam as decisões na área educacional de muitos governos (apud FREITAG, 1986, p. 27). Os autores incomodavam-se com o fato de não encontrar uma explicação plena sobre o crescimento econômico do mundo ocidental que segue a II Guerra Mundial. Segundo eles, Os fatores input da função de crescimento capital e trabalho não justificariam o output (taxa de crescimento) registrado (apud FREITAG, 1986, p.27). Diante disto, Becker e Schultz atribuíram à educação a causa do crescimento excedente: [...] validada esta hipótese, os investimentos econômicos rentáveis seriam aqueles que se concentrassem no aumento quantitativo e qualitativo da educação formal da população ativa. Desde então se vem falando em investimento em recursos humanos, formação de capital humano, formação de manpower. (apud FREITAG, 1986, p. 27) Como conseqüência desta situação, o Estado, será o autor dos investimentos e do planejamento educacional em nome do desenvolvimento da nação. Pois, há a necessidade do direcionamento da formação de trabalhadores que atendam as expectativas do mercado capitalista. Segundo os teóricos da economia da educação há uma taxa de retorno social e individual. Assim, [...] a taxa de lucro criada com a maior produtividade dos indivíduos devida ao seu mais em educação é repartida de maneira justa entre o indivíduo e o Estado. (apud FREITAG, 1986, p. 27, grifo dos autores). Freitag (1986, p. 28), numa análise idológico-crítica afirma que: [...] a taxa de retorno se desmascara como a taxa de mais-valia que em verdade não beneficia o trabalhador que a produz, nem uma entidade abstrata como a nação, representada pelo Estado, mas sim o empresário capitalista que empregou a força de trabalho. Toda concepção da educação como investimento é válida, desde que considerada como investimento lucrativo para as empresas privadas. 5

6 Assim, a ênfase maior no investimento na educação do trabalhador por parte do Estado, na realidade desloca da preocupação com sua formação humana e caminha para uma formação subordinada às demandas do setor produtivo. Um dos críticos da economia da educação, Altvater (1986), afirma que [...] há de fato uma socialização dos gastos educacionais, mediatizada pelo Estado, no interesse da empresa privada [...] (apud FREITAG, 1986, p. 28); e que os investimentos, sob a forma da qualificação da mão-de-obra, precisam ser vistos no contexto da produção capitalista, para ele: A força de trabalho não é qualificada, no interesse do trabalhador, para que melhore sua vida, se independentize e se emancipe das relações de trabalho vigentes, mas sim, para aprimorar e tornar mais eficazes essas relações, ou seja, a dependência do trabalhador em relação ao capitalista. [...] a economia da educação, baseada nos princípios da economia neoclássica, nada mais faz do que explicar o crescimento econômico por manipulações feitas com auxílio da intervenção estatal na composição orgânica do capital [...]. Para Altvater, a fim de cumprir com essa tarefa, a economia da educação recorre ao planejamento educacional (apud FREITAG, 1986, p. 29), que executa na prática, as teorias propostas nos dois modelos clássicos da economia da educação o modelo do investimento (in put ou rate of return) cujo enfoque é o dinheiro, buscando meios de otimizar os gastos estatais, enfatizando a racionalidade - e o modelo da demanda (output, manpower ou social demand approach), cujo enfoque é a pessoa qualificada formada pelo sistema educacional, enfatizando no mercado de trabalho o equilíbrio entre a oferta e a procura de mão-de-obra. Desta forma, afirma que o planejamento educacional: [...] além de alocar os meios escassos de maneira ótima a fim de garantir o output quantitativo e qualitativo necessário para cobrir a demanda do mercado, funciona como mecanismo corretivo entre o sistema educacional e o mercado de trabalho. (FREITAG,1986, p. 30) Os modelos da economia e do planejamento educacional, segundo Huisken (1986), nada mais fazem que ajustar o pessoal formado pelas escolas aos ciclos e às crises geradas pela economia capitalista. Criam eles uma certa flexibilidade do sistema capitalista face a tais crises. (apud FREITAG, 1986, p. 30) Buscando uma análise política da educação, Gramsci, conceitua a política educacional oficial, como ação estatal, abrangendo as atividades educacionais dentro de um contexto que envolve a criação de uma nova tipologia de Estado. Esta tipologia se subdivide em duas esferas 6

7 conceituadas como sociedade política, na qual concentra o poder repressivo da classe dirigente (governo, tribunais, exército, polícia) e a sociedade civil, constituída pelas associações ditas privadas (igreja, escolas, sindicatos, clubes, meios de comunicação de massa) (apud FREITAG, 1986, p. 37). O modelo gramsciano considera a sociedade política o lugar do direito e da vigilância institucionalizada, encarregada de formular a legislação educacional, de impô-la e fiscalizá-la. (FREITAG, 1986, p. 41). Dessa forma, a legislação educacional, é uma via de concretização das doutrinas da classe dominante, na forma do senso comum, interiorizando na classe subalterna, os valores e as normas do esquema de dominação elaborado. Considera ainda, a sociedade civil, como o lugar do sistema educacional onde se implantam as leis; cuja materialização é refletida (idem, ibidem, grifo do autor): [...] nos conteúdos escolares, na seriação horizontal e vertical de informações filtradas, na imposição de um código lingüístico (o das classes dominantes), nos mecanismos de seleção e canalização de alunos, nos rituais de aprendizagem impostos ao corpo discente pelo corpo docente, etc. (apud FREITAG, 1986, p. 42, grifo do autor) Gramsci afirma que a política educacional estatal deixa um pequeno grau de liberdade para a sociedade civil, conseguindo a dominação pelo consenso, garantindo a supremacia da classe dominante no poder. Esta liberdade aparente é percebida através das opções, feitas pelas classes subalternas. Quando esse grau de liberdade é utilizado para alastrar uma contra-ideologia, procurando corroer o senso comum, o Estado interfere, mobilizando corretivos para impedir a materialização dessa contra-ideologia, [...] reformulando leis (reforma do ensino), reestruturando a organização interna do sistema educacional, reorganizando currículos, etc. (apud FREITAG, 1986, p. 42). Por isso, a análise crítica da escola ou do sistema educacional só faz sentido, quando vinculada com a política educacional do Estado, pois, segundo Gramsci, este é numa primeira visão o ator e a causa central do funcionamento do moderno sistema de educação capitalista, mas, na verdade, desempenha um papel de articulador dos interesses da classe dominante. 7

8 3. ASPECTOS HISTÓRICOS DAS MUDANÇAS NA EDUCAÇÃO BRASILEIRA Para compreensão do desenvolvimento das mais recentes mudanças que estão ocorrendo no sistema de ensino brasileiro, necessitamos destacar aspectos do contexto histórico do Estado, pois o compromisso assumido em sua agenda econômica e política, influenciado pelo sistema capitalista, é seguido de inúmeros outros compromissos na esfera social, particularmente na educação por meio de documentos políticos que refletem nas suas reformas. Azevedo (2001, p. 144) assinala que, [...] apesar das diferentes tipificações históricas, o autoritarismo, o verticalismo, a exclusão, as relações clientelísticas com a sociedade, a hegemonia dos interesses privados no seu interior e a sua apropriação pelas elites são traços permanentes do Estado brasileiro. O autor identifica o Estado, nos diferentes períodos históricos, de acordo com a postura política adotada, denominando de: Estado oligárquico controlado pelas elites agrárias; Estado intervencionista, que mesclou aspectos keneysianos e fascistas, representado pelo período varguista (1930/1945); Estado liberal-populista (1946/1964); Estado militarista autoritário (1964/1985) Estado neoliberal, cujas políticas estão em pleno desenvolvimento. (AZEVEDO, 2001, p. 145) O ideário político que molda o Estado em cada período histórico é refletido no campo educacional através dos discursos presentes nos documentos oficiais, como a legislação e as reformas implementadas. Segundo Oliveira (2001), há uma distinção entre três períodos de importantes movimentações no campo da educação brasileira. A autora toma tais períodos como referência e divide-os denominando-os como: 1ª referência: anos 50 até meados de 70 Educação e desenvolvimento; 2º referência: meados de 70 até final dos 80 Educação e democracia; 3ª referência: anos 90 Educação e equidade social. A noção de educação e desenvolvimento para Oliveira (2001, p. 71) se justifica em função dos anos 50 consolidarem o esgotamento de êxito através da pequena propriedade, da tentativa no Brasil de modernização da economia através da in dustrialização, o que exigiu da classe 8

9 trabalhadora melhores e maiores quesitos educacionais. Justificando no imperativo de organizar os sistemas de ensino de acordo com as demandas do mercado de trabalho dentro do padrão de industrialização emergente. Considerando ainda a educação formal como um elevador social. A autora citada assinala que O vínculo direto entre escolaridade e trabalho, em decorrência da relação educação e desenvolvimento, é forjado a partir daí, o que pode ser percebido no texto da primeira LDB nº. 4024, de Tal relação intensifica-se durante o regime autoritário, que tem lugar no Brasil a partir de 1964, apresentando a educação como investimento produtivo, como ficou expresso na lei 5692, de (OLIVEIRA; DUARTE, 2001, p. 71) Na referência à relação entre educação e democracia, Oliveira e Duarte (2001, p. 72) destaca que no Brasil, na década de 70 e início dos anos 80, em decorrência da ampliação do direito à educação, conforme a Lei 5692/71, há um crescimento súbito da estrutura educacional no país de maneira desordenada, marcada pelas contradições do regime militar, combinando descentralização administrativa, com planejamento centralizado. Destaca ainda, que neste período, a organização do sistema nacional de educação, traz na sua gestão, o autoritarismo e verticalismo. Outro ponto a considerar, é a interferência do planejamento econômico na gestão da educação. Há também, no final da década de 70, um movimento em defesa da educação pública e gratuita, extensiva a todos se contrapondo á dissociação entre planejamento econômico e social. A consolidação da ampliação da educação básica, incluindo agora a educação infantil, ensino fundamental e médio, envolvendo a gestão democrática, são enfatizadas na Constituição Federal de Dessa forma, a autora afirma: A principal característica desse processo foi a discussão do direito à igualdade. Se a educação do ponto de vista econômico era imprescindível para o desenvolvimento do país, do ponto de vista social era reclamada como a possibilidade de acesso das classes populares ás melhores condições de vida e trabalho. (OLIVEIRA; DUARTE, 2001, p. 73). Na terceira referência, a relação entre educação e equidade social terá seu traço marcante, para Oliveira (2001, p. 74), como uma educ ação que responda às exigências do setor produtivo (gestão do trabalho) e outra que atenda às demandas da maioria (gestão da pobreza). Salienta a complexidade do conceito de equidade social, como aparece nos documentos da Conferência Mundial Sobre Educação Para Todos, realizada em 1990, em Jomtien - marco das reformas educacionais; pois sugere a possibilidade de estender certos benefícios obtidos por alguns grupos sociais á totalidade das populações, sem, contudo, ampliar na mesma proporção as 9

10 despesas públicas para esse fim. (idem, p. 74). Dessa maneira, [...] educação com equidade, implica oferecer o mínimo de instrução indispensável às populações para sua inserção na sociedade atual. A mudança do foco da educação como um direito de todos e proporcio nadora de uma vida melhor, muda o eixo econômico da escolarização para um ponto mais político centrado na idéia de sociedade civil, cidadania e participação. Oliveira afirma que a idéia econômica estará preservada, pois continua a preocupação com a educação básica originadora de força de trabalho apta ao mercado; salientando que o caráter profissional dessa educação básica, devido às mudanças no processo produtivo tecnológico, passa a exigir um novo perfil profissional focado não mais em saberes específicos, mas em modelos de competências, que resulte num ser flexível e adaptável. Nesse sentido, as palavras de Oliveira e Duarte (2001, p. 75) são as seguintes: As orientações para as reformas educacionais dos anos 90 resguardam a possibilidade de continuar a formar força de trabalho apta ás demandas do setor produtivo, e no lugar da igualdade de direitos oferecem a equidade social, entendida como a capacidade de estender para todos o que se gastava só com alguns. 4. REFORMA EDUCACIONAL DOS ANOS 90 No início da década de 90, segundo Silva Júnior (2002, p-76-77) no contexto das reuniões mundiais organizadas pela Unesco, em geral com financiamento e assessoria do Banco Mundial, desencadeou um processo de reformas educacionais, na América Latina e particularmente no Brasil. As orientações para a implantação dessas reformas se fizeram através de documentos políticos: Declaração mundial sobre educação para todos, de Jomtien (UNESCO, 1990); a Declaração de Nova Delhi (UNESCO, 1993); salientando que os compromissos a ssumidos por meio de tais documentos internacionais, com as agências internacionais, aqui com destaque para as de ordem financeira, deve realizar-se sob a orientação de um ajuste estrutural no país. (SILVA JÚNIOR, 2002, p ). No Brasil, na esfera educacional, o documento Plano decenal de educação para todos ( ), é a expressão brasileira do movimento planetário orquestrado pela Unesco, Bird/Banco Mundial e assumido como orientador das políticas públicas para a educação [...] conforme afirma Silva Júnior (2002, p. 78). Destacando o mesmo autor que as reformas 10

11 envolvem todos os níveis e modalidades de ensino, com diretrizes curriculares, referenciais curriculares e os parâmetros curriculares nacionais. E que na esfera executiva, as reformas se refletirão no documento Planejamento político-pedagógico 1995/1998, do Ministério da Educação. Silva Júnior (2002, p.76) enfatiza a maneira como o documento Plano decenal de educação para todos, publicado pelo MEC, foi apresentado e dirigido aos professores e dirigentes escolares, sem discussão com coletivos (secretarias estaduais, associações docentes, profissionais e científicas), sem reflexões sobre a educação brasileira. Afirma o autor: O movimento que resultou no Plano...mostra de forma clara o papel de alguns de nossos intelectuais na legitimação dessa nova cultura política caracterizada pela legitimação de uma ciência mercantil e uma redução instrumental e não reflexiva de sua identidade. Afirma-se isso porque se trata da ciência que não faz crítica de forma distanciada, mas da ciência engajada em um projeto político, portanto, instrumental e produzida para o fim desse projeto político. (SILVA JÚNIOR, 2002, p. 79) Considerando, que as reformas educacionais, são influenciadas através da assessoria e do financiamento de agências internacionais, principalmente Banco Mundial, Silva Junior, alerta que se tratando de um Banco, as políticas públicas formuladas, devem-se orientar com base em algum critério, e que [...] o Banco Mundial tem como critério a eficiência, a eficácia, a produtividade: razão mercantil, o que implica dizer que o critério fundamental é a razão de proporcionalidade custo/benefício, sem a menor preocupação com a formação humana. (nosso grifo) (Idem, 2002, p. 121, grifo nosso). A descentralização, a flexibilidade dos currículos, a autonomia das unidades escolares, o estabelecimento de um processo de avaliação externa sobre os sistemas de ensino, são alguns dos conceitos e incorporados nas reformas mais recentes dos sistemas de ensino. Martins, assinala que: Esses conceitos encontram correspondência no conceito de descentralização das grandes corporações industriais, na autonomia relativa de cada fábrica em função do processo de desesterritorialização das unidades de produção e/ou de montagem, na flexibilidade da organização produtiva para ajustar-se á variabilidade de mercados consumidores. Com efeito, as reformas das políticas setoriais estão baseadas nas reformas das estruturas e aparato de funcionamento do Estado, por meio de um processo de desregulamentação na economia, da abertura de mercados, da reforma dos sistemas de previdência social, saúde, e educação, dentre outros, sob a justificativa de descentralizar seus serviços e, conseqüentemente, de otimizar seus recursos. (MARTINS, 2002, p. 88) 11

12 As diretrizes internacionais insistem na defesa da descentralização de suas políticas sociais e no consentimento de autonomia à rede de escolas, principalmente no que refere á sua organização curricular e administrativa, mas, ao mesmo tempo, em sentido contrário, aderem o processo de avaliação externa dos sistemas de ensino com base em exames e testes padronizados -, estabelecem fórmula única de currículos em âmbito nacional e (re) centralizam o fluxo de financiamento. Nesse sentido, na opinião de Martins (2002, p ), o processo de descentralização ao que tudo indica mais próximo à operacionalização de medidas de desconcentração administrativa aparece como norte das políticas educacionais recentes, contrapondo à excessiva centralização das políticas sociais implantadas anteriormente, e utilizando, de forma equivocada, como sinônimo de autonomia das próprias unidades escolares. Portanto, as reformas educacionais na América Latina, e particularmente no Brasil, segundo Silva Junior (2002, p. 76) [...] são uma intervenção consentida realizada pelas autoridades educacionais nos moldes das agencias multilaterais, no contexto da universalização do capitalismo, direcionadas por uma razão instrumental e pela busca de consenso social geral, que se constitui no epicentro de um processo de mercantilização da esfera política, em geral, e da esfera educacional em particular lócus privilegiado, para o Estado, de formação do ser social, portanto, de construção de um novo pacto social. CONSIDERAÇÕES FINAIS Podemos considerar a reforma educacional dos anos 90, marcada por ambigüidades e contradições que atravessam as políticas educacionais. Nossa visão não pode ficar restrita aos aspectos inovadores das terminologias e do discurso. Temos que considerar o peso da globalização e consolidação do sistema econômico capitalista, através das transformações nos processos produtivos, como pano de fundo, refletindo nas várias reformas. Na reforma do Estado: - a transformação e redefinição na sua configuração, natureza e funções que diante da reorganização capitalista que se configura na afirmação de um novo modelo econômico (neoliberalismo), substituindo o modelo do capitalismo social (o Welfare State ) que vigorava desde o período pós -guerra, conforme colocado por (STARK, 1999, p. 69), na direção de reduzir a presença do Estado nas políticas sociais a chamada proposta moderna 12

13 do Estado mínimo - expressas através das políticas adotada; faz com que o Estado deixe de ser o principal executor e passe a constituir uma instância coordenadora e controladora através de mecanismos como Sistema de Avaliação da Educação Básica (SAEB), o Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM), Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes (ENADE). Ao mesmo tempo em que desenvolve um discurso voltado para descentralização (que implicaria na transferência das parcelas de decisão) se observa um processo de desconcentração (mudanças no espaço físico-territorial) percebidos através da regionalização e municipalização dos sistemas de ensino, com base em modelos indicados pelos países desenvolvidos. (MARTINS, 2001, p 29-48) Na reforma do sistema educacional: - a autonomia escolar aparece como instrumento descentralizador, ao mesmo tempo em que, contraditoriamente, os programas de reforma consolidam o processo de avaliação externa sobre os resultados obtidos na aprendizagem de alunos, com base em testes padronizados, normatizam currículos em âmbito nacional e (re) centralizam o fluxo de financiamento (MARTINS, ibidem). Percebe -se a incorporação da forma de gestão utilizada pela iniciativa privada, predominando critérios como eficiência, eficácia, produtividade, para aferir a capacidade da esfera educativa através da divisão dos recursos pelo custo-aluno, além de conduzirem a escola como obrigação de preparar para o mercado de trabalho. Mudanças no perfil profissional do indivíduo: considerando sua formação atrelada ao processo produtivo, desde que atenda ao mercado de trabalho; enfatizando o desenvolvimento de conceitos como competência e empregabilidade focando o individualismo, a competição, onde, o modelo de competência implica a exacerbação dos atributos individuais em detrimento das ações coletivas na construção das identidades e espaços profissionais [...], (FERRETTI, 2003, p. 47) Portanto, considerando ainda, a interferência das agências multilaterais, como principais agentes do movimento de reformas, pois elaboram as estratégias e diretrizes a serem seguidas, tratam os países subdesenvolvidos de forma homogênea, desconsiderando muitas das históricas diferenças entre as nações, as quais como salienta Silva Júnior (2002, p. 65) [...] a elas são impostos determinados valores e entendimento da realidade [...]. 13

14 REFERÊNCIAS AZEVEDO, José Clóvis de. Escola cidadã: a experiência de Porto Alegre. In: OLIVEIRA, Dalila Andrade; DUARTE, Maria R. T. (Org.). Política e trabalho na escola: administração dos sistemas públicos de educação básica. Belo Horizonte: Autêntica, p BRITO, Vera Lúcia Alves de. O público, o privado e as políticas educacionais. In: OLIVEIRA, Dalila Andrade; DUARTE, Maria R. T. (Org.). Política e trabalho na escola: administração dos sistemas públicos de educação básica. Belo Horizonte: Autêntica, p FERRETTI, Celso João. A reforma do ensino médio: uma crítica em três níveis. Linguagens, Educação e Sociedade, Teresina, n.9, p , jan./dez., FOGAÇA, Azuete. Educação e qualificação profissional nos anos 90: o discurso e o fato. In: OLIVEIRA, Dalila Andrade; DUARTE, Maria R. T. (Org.). Política e trabalho na escola: administração dos sistemas públicos de educação básica. Belo Horizonte: Autêntica, p FREITAG, Bárbara.Escola, Estado e Sociedade. São Paulo:Moraes, p MARTINS, Ângela Maria. A descentralização como eixo das reformas do ensino: uma discussão da literatura. Educação & Sociedade, ano XXII, n. 77, p Dezembro/ Ângela Maria. Autonomia da escola: a (ex) tensão do tema nas políticas públicas. São Paulo: Cortez, 2002 OLIVEIRA, Dalila Andrade; DUARTE, Marisa. R. T. (orgs). Política e Trabalho na Escola: administração dos sistemas públicos de educação básica. 2ed. Belo Horizonte: Autêntica, SILVA JUNIOR, João dos Reis. Reforma do Estado e da Educação no Brasil de FHC - São Paulo: Xamã, STARK, Renata Elza. Reflexões sobre a educação profissional a partir da nova LDB. Trabalho & Educação, Belo Horizonte, n.5, p Jan/jun UNESCO. Declaração de Nova Delhi. Nova Delhi, Declaração mundial sobre educação para todos: Satisfação das necessidades básicas de aprendizagem. Jomtien,

Reforma do Estado. Pressões para Reforma do Estado: internas (forças conservadoras) e externas (organismos multilaterais).

Reforma do Estado. Pressões para Reforma do Estado: internas (forças conservadoras) e externas (organismos multilaterais). Reforma do Estado Pressões para Reforma do Estado: internas (forças conservadoras) e externas (organismos multilaterais). Redefinição da natureza, do alcance e dos limites à intervenção estatal. Preocupação

Leia mais

PROFISSIONALIZAÇÃO E ESCOLARIZAÇÃO: A EXPERIÊNCIA DE ARTICULAÇÃO DO SENAI-PA CARNEIRO, Verônica Lima UFPA GT-09: Trabalho e Educação

PROFISSIONALIZAÇÃO E ESCOLARIZAÇÃO: A EXPERIÊNCIA DE ARTICULAÇÃO DO SENAI-PA CARNEIRO, Verônica Lima UFPA GT-09: Trabalho e Educação PROFISSIONALIZAÇÃO E ESCOLARIZAÇÃO: A EXPERIÊNCIA DE ARTICULAÇÃO DO SENAI-PA CARNEIRO, Verônica Lima UFPA GT-09: Trabalho e Educação Introdução A investigação e análise contidas neste trabalho tomam por

Leia mais

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA Shirlei de Souza Correa - UNIVALI 1 Resumo: No contexto educacional pode-se considerar a gestão escolar como recente, advinda das necessidades

Leia mais

Evolução do Pensamento

Evolução do Pensamento Unidade I Evolução do Pensamento Administrativo Prof. José Benedito Regina Conteúdo da disciplina EPA Parte 1 - Conceitos gerais da administração Parte 2 - Evolução histórica: Abordagens administrativas

Leia mais

data PROJETO DE LEI N 8035/2010. 1 Supressiva 2. Substitutiva 3. Modificativa 4. Aditiva 5. Substitutivo global

data PROJETO DE LEI N 8035/2010. 1 Supressiva 2. Substitutiva 3. Modificativa 4. Aditiva 5. Substitutivo global Página Artigo: 6º Parágrafo: Único Inciso Alínea EMENDA MODIFICATIVA O parágrafo único do Artigo 6º do PL n 8035 de 2010, passa a ter a seguinte redação: Art. 6º... Parágrafo único. O Fórum Nacional de

Leia mais

A construção da. Base Nacional Comum. para garantir. Direitos e Objetivos de Aprendizagem e Desenvolvimento

A construção da. Base Nacional Comum. para garantir. Direitos e Objetivos de Aprendizagem e Desenvolvimento A construção da Base Nacional Comum para garantir Direitos e Objetivos de Aprendizagem e Desenvolvimento Política pública de Educação ESTADO dever de educar legislação planejamento instituições CIDADÃO

Leia mais

UMA TRAJETÓRIA DEMOCRÁTICA: das habilitações à coordenação pedagógica

UMA TRAJETÓRIA DEMOCRÁTICA: das habilitações à coordenação pedagógica UMA TRAJETÓRIA DEMOCRÁTICA: das habilitações à coordenação pedagógica Shirleiscorrea@hotmail.com A escola, vista como uma instituição que historicamente sofreu mudanças é apresentada pelo teórico português

Leia mais

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues.

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Ao longo da historia da Administração, desde seus primórdios, a partir dos trabalhos de Taylor e Fayol, muito se pensou em termos

Leia mais

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4 ANEXO 4 RELATÓRIO PRELIMINAR DO CEED AO CONSELHO DE DEFESA SUL- AMERICANO SOBRE OS TERMOS DE REFERÊNCIA PARA OS CONCEITOS DE SEGURANÇA E DEFESA NA REGIÃO SUL- AMERICANA O é uma instância de conhecimento

Leia mais

Em março de 1999, passaram a integrar o grupo, representantes da Secretaria do Tesouro Nacional e do Ministério da Educação.

Em março de 1999, passaram a integrar o grupo, representantes da Secretaria do Tesouro Nacional e do Ministério da Educação. PROGRAMA NACIONAL DE EDUCAÇÃO FISCAL PNEF 1 Antecedentes Historicamente, a relação fisco e sociedade, foram pautadas pelo conflito entre a necessidade de financiamento das atividades estatais e o retorno

Leia mais

O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP

O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP O Papel do Pedagogo na Escola Pública 1 A construção histórica do Curso de Pedagogia 2 Contexto atual do Curso de Pedagogia 3 O trabalho do Pedagogo prática

Leia mais

3.3. Conselho escolar e autonomia: participação e democratização da gestão administrativa, pedagógica e financeira da educação e da escola

3.3. Conselho escolar e autonomia: participação e democratização da gestão administrativa, pedagógica e financeira da educação e da escola 3.3. Conselho escolar e autonomia: participação e democratização da gestão administrativa, pedagógica e financeira da educação e da escola João Ferreira de Oliveira - UFG Karine Nunes de Moraes - UFG Luiz

Leia mais

Mestrados Profissionais em Segurança Pública. Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal

Mestrados Profissionais em Segurança Pública. Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal I- Introdução Mestrados Profissionais em Segurança Pública Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal Este documento relata as apresentações, debates e conclusões

Leia mais

A individualização e a flexibilidade na construção de contextos educacionais inclusivos

A individualização e a flexibilidade na construção de contextos educacionais inclusivos A individualização e a flexibilidade na construção de contextos educacionais inclusivos ARANHA, M.S.F.. A individualização e a flexibilidade na construção de contextos educacionais inclusivos. Resumo de

Leia mais

GESTÃO DEMOCRÁTICA DA EDUCAÇÃO E SUA RELAÇÃO COM O MUNDO DO TRABALHO

GESTÃO DEMOCRÁTICA DA EDUCAÇÃO E SUA RELAÇÃO COM O MUNDO DO TRABALHO GESTÃO DEMOCRÁTICA DA EDUCAÇÃO E SUA RELAÇÃO COM O MUNDO DO TRABALHO Maria Christine Berdusco Menezes Faculdade Estadual de Educação, Ciências e Letras de Paranavaí O modelo de gestão democrática na educação

Leia mais

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 O trabalho da CPA/PUCSP de avaliação institucional está regulamentado pela Lei federal nº 10.861/04 (que institui o SINAES), artigo 11 e pelo

Leia mais

DEMOCRÁTICA NO ENSINO PÚBLICO

DEMOCRÁTICA NO ENSINO PÚBLICO O PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO ROSINALDO PANTOJA DE FREITAS rpfpantoja@hotmail.com DEMOCRÁTICA NO ENSINO PÚBLICO RESUMO: Este artigo aborda o Projeto político pedagógico e também

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico O Coordenador Pedagógico é o profissional que, na Escola, possui o importante papel de desenvolver e articular ações pedagógicas que viabilizem

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

EDUCAÇÃO EM SERVIÇO, EDUCAÇÃO CONTINUADA, EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE: SINÔNIMOS OU DIFERENTES CONCEPÇÕES?

EDUCAÇÃO EM SERVIÇO, EDUCAÇÃO CONTINUADA, EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE: SINÔNIMOS OU DIFERENTES CONCEPÇÕES? EDUCAÇÃO EM SERVIÇO, EDUCAÇÃO CONTINUADA, EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE: SINÔNIMOS OU DIFERENTES CONCEPÇÕES? Beatriz Francisco Farah E-mail:biafarah@nates.ufjf.br A questão da educação para profissionais

Leia mais

A Educação Inclusiva, realidade ou utopia?

A Educação Inclusiva, realidade ou utopia? A Educação Inclusiva, realidade ou utopia? Gloria Contenças Marques de Arruda (Escola Municipal Luiz de Lemos) Baseado em informações dos conteúdos estudados, Michels (2006) diz que "[...] as reformas

Leia mais

Políticas Públicas e Planejamento Governamental

Políticas Públicas e Planejamento Governamental GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE PLANEJAMENTO E COORDENAÇÃO GERAL Políticas Públicas e Planejamento Governamental Susan Dignart Gestora Governamental Cuiabá MT, outubro de 2008

Leia mais

FORMAÇÃO MATEMÁTICA EM CURSOS DE PEDAGOGIA EM DOIS TEMPOS: UM ESTUDO

FORMAÇÃO MATEMÁTICA EM CURSOS DE PEDAGOGIA EM DOIS TEMPOS: UM ESTUDO FORMAÇÃO MATEMÁTICA EM CURSOS DE PEDAGOGIA EM DOIS TEMPOS: UM ESTUDO Thiago Tavares Borchardt Universidade Federal de Pelotas thiago tb@hotmail.com Márcia Souza da Fonseca Universidade Federal de Pelotas

Leia mais

Cooperação Internacional no Âmbito das Nações Unidas: solidariedade versus interesses nacionais

Cooperação Internacional no Âmbito das Nações Unidas: solidariedade versus interesses nacionais Ciclo de Debates sobre Bioética, Diplomacia e Saúde Pública Cooperação Internacional no Âmbito das Nações Unidas: solidariedade versus interesses nacionais RELATÓRIO Samira Santana de Almeida 1 1. Apresentação

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE

PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE POLÍTICAS PÚBLICAS EDUCACIONAIS: FORTALECIMENTO DA LÍNGUA ESTRANGEIRA Assunção, Paraguay Abril 2015 POLÍTICAS PÚBLICAS

Leia mais

O processo de planejamento participativo da unidade escolar

O processo de planejamento participativo da unidade escolar O processo de planejamento participativo da unidade escolar Pedro GANZELI 1 Resumo: Nos últimos anos, com o avanço das políticas educacionais que postulam a descentralização, a gestão da unidade escolar

Leia mais

Revista Especial de Educação Física Edição Digital v. 3, n. 1, novembro 2006.

Revista Especial de Educação Física Edição Digital v. 3, n. 1, novembro 2006. UM ENSAIO SOBRE A DEMOCRATIZAÇÃO DA GESTÃO NO COTIDIANO ESCOLAR: A CONEXÃO QUE FALTA. Noádia Munhoz Pereira Discente do Programa de Mestrado em Educação PPGE/FACED/UFU - noadia1@yahoo.com.br Resumo O presente

Leia mais

XIX QUALIEDUC EDUCAÇÃO PRESSENCIAL & A DISTÄNCIA

XIX QUALIEDUC EDUCAÇÃO PRESSENCIAL & A DISTÄNCIA XIX QUALIEDUC EDUCAÇÃO PRESSENCIAL & A DISTÄNCIA A APROPRIAÇÃO DE TECNOLOGIAS EDUCACIONAIS POR INVESTIDORES PRIVADOS SÃO INSTRUMENTOS QUE LEVAM A COMERCIALIZAÇÃO DO ENSINO? 1 MSc. EDUARDO GUERINI JULHO/2013

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO Ensino Fundamental e Médio PLANO DE TRABALHO PEDAGÓGICO

COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO Ensino Fundamental e Médio PLANO DE TRABALHO PEDAGÓGICO Secretaria de Estado da Educação Estado do Paraná Núcleo Regional de Educação de União da Vitória COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO Ensino Fundamental e Médio Rua Presidente Kennedy, 200 Fone: (42) 3552

Leia mais

EIXO 1 Políticas públicas, financiamento, avaliação e gestão da educação SALÁRIO E A FORMAÇÃO DOCENTE NA ÓTICA DO BANCO MUNDIAL

EIXO 1 Políticas públicas, financiamento, avaliação e gestão da educação SALÁRIO E A FORMAÇÃO DOCENTE NA ÓTICA DO BANCO MUNDIAL EIXO 1 Políticas públicas, financiamento, avaliação e gestão da educação SALÁRIO E A FORMAÇÃO DOCENTE NA ÓTICA DO BANCO MUNDIAL Michele Borges de Souza Universidade Federal do Pará michelinhe@yahoo.com.br

Leia mais

Um pouco da História da Educação Ambiental. Década de 60

Um pouco da História da Educação Ambiental. Década de 60 Um pouco da História da Educação Ambiental Década de 60 1962 Livro Primavera Silenciosa de Rachel Carson - alertava sobre os efeitos danosos de inúmeras ações humanas sobre o ambiente, como por exemplo

Leia mais

OFICINAS DE REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR REFLEXÕES SOBRE O ENSINO MÉDIO INTEGRADO A EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A AÇÃO DOCENTE

OFICINAS DE REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR REFLEXÕES SOBRE O ENSINO MÉDIO INTEGRADO A EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A AÇÃO DOCENTE OFICINAS DE REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR REFLEXÕES SOBRE O ENSINO MÉDIO INTEGRADO A EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A AÇÃO DOCENTE NASCIMENTO, Elaine Cristina Universidade Tecnológica Federal do Paraná AMORIM, Mário

Leia mais

Administração Pública

Administração Pública Administração Pública Sumário Aula 1- Características básicas das organizações formais modernas: tipos de estrutura organizacional, natureza, finalidades e critérios de departamentalização. Aula 2- Processo

Leia mais

POLÍTICA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS DOS INSTITUTOS FEDERAIS DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA

POLÍTICA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS DOS INSTITUTOS FEDERAIS DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA POLÍTICA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS DOS INSTITUTOS FEDERAIS DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA Brasília, 25 de novembro de 2009 1 POLÍTICA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS DOS INSTITUTOS FEDERAIS DE EDUCAÇÃO,

Leia mais

Educação popular, democracia e qualidade de ensino

Educação popular, democracia e qualidade de ensino Educação popular, democracia e qualidade de ensino Maria Ornélia Marques 1 Como se poderia traduzir, hoje, o direito de todas as crianças e jovens não somente de terem acesso à escola de oito anos, mas

Leia mais

AVALIAÇÃO EDUCACIONAL E GESTÃO: INICIATIVAS NO ÂMBITO DO MUNICÍPIO E ESTADO DE SÃO PAULO

AVALIAÇÃO EDUCACIONAL E GESTÃO: INICIATIVAS NO ÂMBITO DO MUNICÍPIO E ESTADO DE SÃO PAULO AVALIAÇÃO EDUCACIONAL E GESTÃO: INICIATIVAS NO ÂMBITO DO MUNICÍPIO E ESTADO DE SÃO PAULO Sousa, S. M. Z. L.; Alavarse, O. M.; Arcas, P. H.; Machado, C. e Steinvascher, A. Faculdade de Educação - Universidade

Leia mais

Função Social da Escola. Celina Alves Arêas Diretora do SINPRO MINAS CONTEE e CTB

Função Social da Escola. Celina Alves Arêas Diretora do SINPRO MINAS CONTEE e CTB Função Social da Escola Celina Alves Arêas Diretora do SINPRO MINAS CONTEE e CTB Esquema de Apresentação 1. Quem é a CONTEE 1.1. Princípios e Bandeiras 2. Função Social da Escola 2.1. Constituição Federal/1988

Leia mais

Educação técnica e desenvolvimento humano e social

Educação técnica e desenvolvimento humano e social Educação técnica e desenvolvimento humano e social Nacim Walter Chieco(*) 1. Educação e desenvolvimento social A partir de 1996 teve início, no Brasil, um processo de ampla e profunda reforma educacional.

Leia mais

resgate de um processo pedagógico autônomo, de qualidade e que também podem somar-se às problematizações e às reflexões que se realizam nos

resgate de um processo pedagógico autônomo, de qualidade e que também podem somar-se às problematizações e às reflexões que se realizam nos RESUMO PDI PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL, PPI PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL E PPC PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO, ENTRE O DITO E O FEITO ESTUDOS DE CASO MÚLTIPLOS / IES/ RS BRASIL 2007/2008. Autora

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

A EDUCAÇÃO INCLUSIVA COMO OBJETIVO DE UMA GESTÃO DEMOCRÁTICA

A EDUCAÇÃO INCLUSIVA COMO OBJETIVO DE UMA GESTÃO DEMOCRÁTICA A EDUCAÇÃO INCLUSIVA COMO OBJETIVO DE UMA GESTÃO DEMOCRÁTICA Rozieli Bovolini Silveira 1 Diane Santos de Almeida 2 Carina de Souza Avinio 3 Resumo: A educação inclusiva e processo de educação de pessoas

Leia mais

O PEDAGOGO ENQUANTO GESTOR ESCOLAR: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO SOBRE AS ATRIBUIÇÕES PROFISSIONAIS

O PEDAGOGO ENQUANTO GESTOR ESCOLAR: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO SOBRE AS ATRIBUIÇÕES PROFISSIONAIS O PEDAGOGO ENQUANTO GESTOR ESCOLAR: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO SOBRE AS ATRIBUIÇÕES PROFISSIONAIS Kely-Anee de Oliveira Nascimento Graduanda em Pedagogia - UFPI Patrícia Sara Lopes Melo Mestre em Educação

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM DOCÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR

PÓS-GRADUAÇÃO EM DOCÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR PÓS-GRADUAÇÃO EM DOCÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR Instituição Certificadora: FALC Amparo Legal: Resolução CNE CES 1 2001 Resolução CNE CES 1 2007 Carga Horária: 460h Período de Duração: 12 meses (01 ano) Objetivos:

Leia mais

Portfólio Easy to Learn SERVIÇO SOCIAL

Portfólio Easy to Learn SERVIÇO SOCIAL Portfólio Easy to Learn SERVIÇO SOCIAL ÍNDICE Pensamento Social...2 Movimentos Sociais e Serviço Social...2 Fundamentos do Serviço Social I...2 Leitura e Interpretação de Textos...3 Metodologia Científica...3

Leia mais

ANÁLISE DOS ASPECTOS TEÓRICO METODOLÓGICOS DO CURSO DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE CONSELHEIROS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO

ANÁLISE DOS ASPECTOS TEÓRICO METODOLÓGICOS DO CURSO DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE CONSELHEIROS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO ANÁLISE DOS ASPECTOS TEÓRICO METODOLÓGICOS DO CURSO DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE CONSELHEIROS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO Andrelisa Goulart de Mello Universidade Federal de Santa Maria andrelaizes@gmail.com Ticiane

Leia mais

GRAMSCI E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CENTRO DE TRABALHO E CULTURA

GRAMSCI E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CENTRO DE TRABALHO E CULTURA GRAMSCI E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CENTRO DE TRABALHO E CULTURA SPINELLI, Mônica dos Santos IE/PPGE/UFMT RESUMO O texto apresenta resultados parciais da pesquisa teórica sobre categorias conceituais em

Leia mais

Elaine Lourenço 1 Betânia Freitas 2

Elaine Lourenço 1 Betânia Freitas 2 O PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA (PSF), NO ÂMBITO DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE (SUS) E SUA INTERFACE COM O PROGRAMA DE ATENDIMENTO INTEGRAL À FAMÍLIA (PAIF) DO SISTEMA ÚNICO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL (SUS) Elaine

Leia mais

Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes

Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes EIXO 1 PROMOÇÃO DOS DIREITOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES Diretriz 01 - Promoção da cultura do respeito e da garantia dos direitos humanos de

Leia mais

CURSOS TECNOLÓGICOS EMERGÊNCIA DE UMA NOVA REGULAÇÃO

CURSOS TECNOLÓGICOS EMERGÊNCIA DE UMA NOVA REGULAÇÃO CURSOS TECNOLÓGICOS EMERGÊNCIA DE UMA NOVA REGULAÇÃO ACIOLI, Maria de Fátima da Costa Lippo - UFBA GT: Trabalho e Educação/n. 09 Agência Financiadora: não contou com financiamento 1 - Tempos e Movimentos

Leia mais

VII - A GESTÃO DA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL NO SUAS NA VISÃO DA UNIÃO, ESTADOS E MUNICÍPIOS

VII - A GESTÃO DA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL NO SUAS NA VISÃO DA UNIÃO, ESTADOS E MUNICÍPIOS VII - A GESTÃO DA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL NO SUAS NA VISÃO DA UNIÃO, ESTADOS E MUNICÍPIOS Secretaria Nacional de Assistência Social 1 2 3 Quando a Comissão Organizadora da VI Conferência Nacional

Leia mais

Teorias e Modelos de Gestão

Teorias e Modelos de Gestão Teorias e Modelos de Gestão Objetivo Apresentar a evolução das teorias e modelo de gestão a partir das dimensões econômicas, filosóficas, pol Iticas, sociológicas, antropológicas, psicológicas que se fazem

Leia mais

PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO DOCENTE NA UNIVERSIDADE PÚBLICA BRASILEIRA

PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO DOCENTE NA UNIVERSIDADE PÚBLICA BRASILEIRA PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO DOCENTE NA UNIVERSIDADE PÚBLICA BRASILEIRA Carlos Eduardo Queiroz Pessoa Bacharel em Filosofia e Direito; Mestrando em Ciências Sociais pela Universidade Federal de Campina Grande

Leia mais

Palavras chave: texto, gêneros textuais, ensino, PCN, educação.

Palavras chave: texto, gêneros textuais, ensino, PCN, educação. Karen Alves de Andrade 1 RESUMO A inserção dos gêneros textuais no ensino vem mudando a dinâmica da educação em língua portuguesa em nosso país. A importância de se trabalhar a língua em uso, através de

Leia mais

Mapa da Educação Financeira no Brasil

Mapa da Educação Financeira no Brasil Mapa da Educação Financeira no Brasil Uma análise das iniciativas existentes e as oportunidades para disseminar o tema em todo o País Em 2010, quando a educação financeira adquire no Brasil status de política

Leia mais

Este conteúdo é de inteira responsabilidade do palestrante

Este conteúdo é de inteira responsabilidade do palestrante Discutir o ensino de gerenciamento em enfermagem, nos remete a encadear reflexões acerca de vários aspectos referentes a um panorama mais amplo e complexo compreender as determinações sociais e os nexos

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL. Disciplina: Metodologia Científica. Número de créditos: 04. Carga horária: 80

SERVIÇO SOCIAL. Disciplina: Metodologia Científica. Número de créditos: 04. Carga horária: 80 Disciplina: Metodologia Científica SERVIÇO SOCIAL Ementa: Finalidade da metodologia científica. Importância da metodologia Número âmbito das ciências. Metodologia de estudos. O conhecimento e suas formas.

Leia mais

ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2015.1

ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2015.1 ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2015.1 ARQUITETURA E URBANISMO Graduar arquitetos e urbanistas com uma sólida formação humana, técnico-científica e profissional,

Leia mais

Responsabilidade Social na Educação: Brasil e Portugal na Divisão Internacional do Trabalho Camila Azevedo Souza

Responsabilidade Social na Educação: Brasil e Portugal na Divisão Internacional do Trabalho Camila Azevedo Souza Responsabilidade Social na Educação: Brasil e Portugal na Divisão Internacional do Trabalho Camila Azevedo Souza Seminário do Grupo de Pesquisa Políticas de Educação de Jovens e Adultos Trabalhadores Organização

Leia mais

UNIDADE 3 O QUE REPRESENTA PARA NÓS O PPP? ÉTICA E LIBERDADE NA CONSTRUÇAO DA AUTONOMIA DA ESCOLA

UNIDADE 3 O QUE REPRESENTA PARA NÓS O PPP? ÉTICA E LIBERDADE NA CONSTRUÇAO DA AUTONOMIA DA ESCOLA UNIDADE 3 O QUE REPRESENTA PARA NÓS O PPP? ÉTICA E LIBERDADE NA CONSTRUÇAO DA AUTONOMIA DA ESCOLA Módulo 3 - Direitos Humanos e o Projeto Político Pedagógico da escola Objetivos: Nesta unidade vamos discutir

Leia mais

GESTÃO DA SALA DE AULA: NOVOS CONTEXTOS, NOVAS DIFICULDADES, GRANDES DESAFIOS E POSSIBILIDADES. Profa. Aureli Martins Sartori de Toledo Setembro/2012

GESTÃO DA SALA DE AULA: NOVOS CONTEXTOS, NOVAS DIFICULDADES, GRANDES DESAFIOS E POSSIBILIDADES. Profa. Aureli Martins Sartori de Toledo Setembro/2012 GESTÃO DA SALA DE AULA: NOVOS CONTEXTOS, NOVAS DIFICULDADES, GRANDES DESAFIOS E POSSIBILIDADES Profa. Aureli Martins Sartori de Toledo Setembro/2012 A palestra em algumas palavras... Provocações... reflexões...leitura

Leia mais

O Proeja no IFG: o processo seletivo para admissão aos cursos ofertados no Campus Goiânia

O Proeja no IFG: o processo seletivo para admissão aos cursos ofertados no Campus Goiânia MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDRAL DE EDUCAÇÃO, CIENCIA E TECNOLOGIA DE GOIÁS MARCELO MENDES DOS SANTOS O Proeja no IFG: o processo seletivo para

Leia mais

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS Projeto de Lei nº 8.035, de 2010 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional O PNE é formado por: 10 diretrizes; 20 metas com estratégias

Leia mais

GESTOR EDUCACIONAL, GESTOR ESCOLAR

GESTOR EDUCACIONAL, GESTOR ESCOLAR GESTOR EDUCACIONAL, GESTOR ESCOLAR A ênfase posta na atualidade no termo gestão educacional tem origem nas mudanças ocorridas nas relações da administração pública (aparato de Estado) com a sociedade.

Leia mais

X Encontro Nacional de Escolas de Governo

X Encontro Nacional de Escolas de Governo X Encontro Nacional de Escolas de Governo Painel Cursos de pós-graduação nas escolas de governo A experiência da Enap na oferta de cursos de pós-graduação lato sensu Carmen Izabel Gatto e Maria Stela Reis

Leia mais

Estado e dinâmica da educação superior: um olhar para os Estados Unidos

Estado e dinâmica da educação superior: um olhar para os Estados Unidos Estado e dinâmica da educação superior: um olhar para os Estados Unidos Fábio José Garcia dos Reis Março de 2010 No Brasil, cabe ao Estado supervisionar, controlar, avaliar, elaborar políticas, autorizar,

Leia mais

Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre PLANO PLURIANUAL DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL (2014-2017)

Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre PLANO PLURIANUAL DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL (2014-2017) Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre PLANO PLURIANUAL DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL (2014-2017) Setembro de 2014 1 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 3 2. JUSTIFICATIVA... 5 3. OBJETIVOS DA AVALIAÇÃO...

Leia mais

A RELAÇÃO ENTRE A GESTÃO ADOTADA NA ESCOLA E A CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO

A RELAÇÃO ENTRE A GESTÃO ADOTADA NA ESCOLA E A CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO A RELAÇÃO ENTRE A GESTÃO ADOTADA NA ESCOLA E A CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO Maribel Manfrim Rohden PUCPR Ana Maria Eyng PUCPR Este trabalho apresenta a reflexão desenvolvida num projeto de

Leia mais

Formação de Recursos Humanos na área de fármacos e medicamentos

Formação de Recursos Humanos na área de fármacos e medicamentos Formação de Recursos Humanos na área de fármacos e medicamentos A formação em Farmácia Seminário do BNDES 7 de maio de 2003 Por que RH para Fármacos e Medicamentos? Fármacos e Medicamentos como campo estratégico

Leia mais

DOCUMENTO 03 ENSINO SUPERIOR NO BRASIL

DOCUMENTO 03 ENSINO SUPERIOR NO BRASIL DOCUMENTO 03 ENSINO SUPERIOR NO BRASIL Com o advento da nova Constituição em 1988 e a promulgação e da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional em fins de 1996, novas perspectivas foram colocadas

Leia mais

TRABALHO DOCENTE NA EDUCAÇÃO SUPERIOR

TRABALHO DOCENTE NA EDUCAÇÃO SUPERIOR TRABALHO DOCENTE NA EDUCAÇÃO SUPERIOR Refere-se ao conjunto de atividades desenvolvidas pelo professor/pesquisador no âmbito das relações estabelecidas com a instituição de ensino, considerando seus fins

Leia mais

QUESTÃO 11 ENADE Administração/2009

QUESTÃO 11 ENADE Administração/2009 Universidade Federal Fluminense Oficina de Trabalho Elaboração de Provas Escritas Questões Objetivas Profª Marcia Memére Rio de Janeiro, janeiro de 2013 QUESTÃO 11 ENADE Administração/2009 Cada uma das

Leia mais

Palavras Chave: Política de Avaliação Proposta Curricular Reforma

Palavras Chave: Política de Avaliação Proposta Curricular Reforma Avaliação Educacional na Reforma Curricular Paulista Fernandes, Antônia Nivalda Resumo A comunicação propõe-se a contribuir para a compreensão do conceito de avaliação no currículo paulista a partir da

Leia mais

Educação a Distância no Ensino Superior no Brasil: contexto da UAB

Educação a Distância no Ensino Superior no Brasil: contexto da UAB Unidade 2 Unidade 2 Educação a Distância no Ensino Superior no Brasil: contexto da UAB Nesta Unidade, será apresentada a legislação brasileira de EaD e suas implicações institucionais no sistema da Universidade

Leia mais

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME)

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) Palmas 2010 1. Apresentação O Núcleo de Apoio Didático e Metodológico NADIME é o órgão da Faculdade Católica do Tocantins responsável pela efetivação da

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO DE CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO ENSINO REGULAR

ALFABETIZAÇÃO DE CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO ENSINO REGULAR ALFABETIZAÇÃO DE CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO ENSINO REGULAR Luciana Barros Farias Lima e Claudia Regina Pinheiro Machado Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro UNIRIO lucpeda@gmail.com

Leia mais

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700. Alfenas/MG. CEP 37130-000 Fone: (35) 3299-1000. Fax: (35) 3299-1063 DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE

Leia mais

HELENA NAVARRO GIMENEZ

HELENA NAVARRO GIMENEZ HELENA NAVARRO GIMENEZ O ASSISTENTE SOCIAL NA GESTÃO ESTADUAL DA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL E A APLICABILIDADE DO CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL NESSE ESPAÇO DE ATUAÇÃO O presente artigo tem por objetivo

Leia mais

FÓRUM DAS ESTATAIS PELA EDUCAÇÃO Diálogo para a Cidadania e Inclusão

FÓRUM DAS ESTATAIS PELA EDUCAÇÃO Diálogo para a Cidadania e Inclusão FÓRUM DAS ESTATAIS PELA EDUCAÇÃO Diálogo para a Cidadania e Inclusão 1. OBJETIVO DO FÓRUM O Fórum das Estatais pela Educação tem a coordenação geral do Ministro Chefe da Casa Civil, com a coordenação executiva

Leia mais

PLANO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL NOB/SUAS/2012. Vânia Guareski Souto Assistente Social - Especialista em Gestão Social de Políticas Públicas

PLANO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL NOB/SUAS/2012. Vânia Guareski Souto Assistente Social - Especialista em Gestão Social de Políticas Públicas PLANO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL NOB/SUAS/2012 Vânia Guareski Souto Assistente Social - Especialista em Gestão Social de Políticas Públicas Objetivos: Traduzem os resultados que se pretende atingir com a execução

Leia mais

PRONATEC: múltiplos arranjos e ações para ampliar o acesso à educação profissional

PRONATEC: múltiplos arranjos e ações para ampliar o acesso à educação profissional PRONATEC: múltiplos arranjos e ações para ampliar o acesso à educação profissional Martha Cassiolato e Ronaldo Coutinho Garcia Diretoria de Estudos e Políticas do Estado, Instituições e Democracia - Diest/

Leia mais

CURSO 1. MÓDULO 1 - A Assistência Social e a Garantia dos Direitos Socioassistenciais por meio do SUAS. Ministrado por Rogério de Souza Medeiros

CURSO 1. MÓDULO 1 - A Assistência Social e a Garantia dos Direitos Socioassistenciais por meio do SUAS. Ministrado por Rogério de Souza Medeiros CURSO DE CAPACITAÇÃO PARA O PROVIMENTO DOS SERVIÇOS E BENEFÍCIOS SOCIOASSISTENCIAIS DO SUAS E IMPLEMENTAÇÃO DE AÇÕES DO PLANO BRASIL SEM MISÉRIA CAPACITASUAS CURSO 1 MÓDULO 1 - A Assistência Social e a

Leia mais

O que é o projeto político-pedagógico (PPP)

O que é o projeto político-pedagógico (PPP) O que é o projeto político-pedagógico (PPP) 1 Introdução O PPP define a identidade da escola e indica caminhos para ensinar com qualidade. Saiba como elaborar esse documento. sobre ele: Toda escola tem

Leia mais

REDES PÚBLICAS DE ENSINO

REDES PÚBLICAS DE ENSINO REDES PÚBLICAS DE ENSINO Na atualidade, a expressão redes públicas de ensino é polêmica, pois o termo público, que as qualifica, teve suas fronteiras diluídas. Por sua vez, o termo redes remete à apreensão

Leia mais

Reforma gerencial do Estado, teoria política e ensino da administração pública

Reforma gerencial do Estado, teoria política e ensino da administração pública Artigo Especial Reforma gerencial do Estado, teoria política e ensino da administração pública Luiz Carlos Bresser-Pereira 1 1 Fundação Getúlio Vargas. Ministro da Fazenda (1987). Ministro da Administração

Leia mais

Planejamento Organização Direção Controle. Termos chaves Planejamento processo de determinar os objetivos e metas organizacionais e como realiza-los.

Planejamento Organização Direção Controle. Termos chaves Planejamento processo de determinar os objetivos e metas organizacionais e como realiza-los. Decorrência da Teoria Neoclássica Processo Administrativo. A Teoria Neoclássica é também denominada Escola Operacional ou Escola do Processo Administrativo, pela sua concepção da Administração como um

Leia mais

ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL

ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL Resumo Gabriel Mathias Carneiro Leão1 - IFPR, UFPR Rosane de Fátima Batista Teixeira2 - IFPR Grupo de Trabalho Cultura, Currículo e Saberes

Leia mais

O PAPEL DO GESTOR COMO MULTIPLICADOR

O PAPEL DO GESTOR COMO MULTIPLICADOR Programa de Capacitação PAPEL D GESTR CM MULTIPLICADR Brasília 12 de maio de 2011 Graciela Hopstein ghopstein@yahoo.com.br Qual o conceito de multiplicador? Quais são as idéias associadas a esse conceito?

Leia mais

02 a 05 de junho de 2009. Eventos Oficiais:

02 a 05 de junho de 2009. Eventos Oficiais: 02 a 05 de junho de 2009 Expo Center Norte - SP Eventos Oficiais: 1 A Saúde Rompendo Paradigmas para o Crescimento Sustentável Saúde Suplementar : Modelo,Regulação e Intervenção Estatal Alceu Alves da

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Prefeitura Municipal de Cachoeiro de Itapemirim - ES PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Introdução O Programa Municipal de Educação Ambiental estabelece diretrizes, objetivos, potenciais participantes, linhas

Leia mais

Desenvolvimento e Desigualdades: cenários e perspectivas para a saúde no mundo

Desenvolvimento e Desigualdades: cenários e perspectivas para a saúde no mundo Ciclo de Debates sobre Bioética, Diplomacia e Saúde Pública Desenvolvimento e Desigualdades: cenários e perspectivas para a saúde no mundo Samira Santana de Almeida 1 RELATÓRIO 1. Apresentação O presente

Leia mais

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Prof. Dr. Ivanir Costa Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Normas de qualidade de software - introdução Encontra-se no site da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) as seguintes definições: Normalização

Leia mais

3. Experiências de Reformas Administrativas

3. Experiências de Reformas Administrativas A Máquina Administrativa no Brasil: da Burocracia à New Public Management 3. Experiências de Reformas Administrativas - 1930/45 A Burocratização da Era Vargas. - 1956/60 A Administração Paralela de JK.

Leia mais

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes FACULDADE ALFREDO NASSER INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO III PESQUISAR

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO ELEMENTOS PARA O NOVO PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO ELEMENTOS PARA O NOVO PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO ELEMENTOS PARA O NOVO PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EDUCAÇÃO BÁSICA: EDUCAÇÃO BÁSICA: 1. Definir os padrões mínimos de qualidade estabelecidos pela LDB, considerando as especificidades

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES E A POLÍTICA NACIONAL DA EDUCAÇÃO INFANTIL

FORMAÇÃO DE PROFESSORES E A POLÍTICA NACIONAL DA EDUCAÇÃO INFANTIL FORMAÇÃO DE PROFESSORES E A POLÍTICA NACIONAL DA EDUCAÇÃO INFANTIL Resumo LINHARES, Clarice Schneider UNICENTRO clarinha_linhares@yahoo.com.br Área Temática: Formação de Professores Este trabalho partiu

Leia mais

Dra. Margareth Diniz Coordenadora PPGE/UFOP

Dra. Margareth Diniz Coordenadora PPGE/UFOP Dra. Margareth Diniz Coordenadora PPGE/UFOP Pela sua importância destacam-se aqui alguns dos seus princípios: Todos/as os/ssujeitos, de ambos os sexos, têm direito fundamental à educação, bem como a oportunidade

Leia mais

DECRETO Nº XX.XXX, DE XX DE XXXXXXXXXXXX DE 2009.

DECRETO Nº XX.XXX, DE XX DE XXXXXXXXXXXX DE 2009. DECRETO Nº XX.XXX, DE XX DE XXXXXXXXXXXX DE 2009. Institui a Política de Tecnologia da Informação e Comunicação no Governo do Estado do Piauí, cria o Sistema de Governança de Tecnologia da Informação e

Leia mais

Formação continuada: a educação municipal de Bauru/SP

Formação continuada: a educação municipal de Bauru/SP Formação continuada: a educação municipal de Bauru/SP Prof.ª Dra. Vera Mariza Regino Casério e-mail: veracaserio@bauru.sp.gov.br Prof.ª Esp. Fernanda Carneiro Bechara Fantin e-mail: fernandafantin@bauru.sp.gov.br

Leia mais

Documento referencial: uma contribuição para o debate

Documento referencial: uma contribuição para o debate Documento referencial: uma contribuição para o debate desenvolvimento integração sustentável participação fronteiriça cidadã 1. Propósito do documento O presente documento busca estabelecer as bases para

Leia mais

1. Introdução: 2. Desafios da automação no Brasil

1. Introdução: 2. Desafios da automação no Brasil A automação no processo produtivo: desafios e perspectivas Bruciapaglia, A. H., Farines, J.-M.; e Cury, J. E. R. Departamento de Automação e Sistemas Universidade Federal de Santa Catarina 1. Introdução:

Leia mais