FILIPE CASEIRO ALVES Director do Serviço de Radiologia Hospitais da Universidade de Coimbra 3000 Coimbra

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FILIPE CASEIRO ALVES Director do Serviço de Radiologia Hospitais da Universidade de Coimbra 3000 Coimbra"

Transcrição

1 A ciênci rdiológic tem sido um dos cmpos d medicin que mis evolução tem registdo desde su descoert em Os últimos trint nos form de um importânci cpitl com o dvento ds técnics tomográfics seccionis, utlizndo diferentes forms de energi, desde os ultr-sons às rdições electromgnétics não ionizntes. A meteóric evolução ds ciêncis computcionis, ssocid ests técnics de imgem médic, conduziu um novo conceito que determinou o ctul prdigm que consiste n nálise volumétric. Est, conjugd com modern imgem digitl, permite estudos morfológicos de um qulidde sem precedentes. O cminho d imgem médic re-se gor à explorção funcionl cujo futuro se ntevê ind mis promissor. cem nos de r - morfologi A descoert dos rios X por Wilhelm Roentgen em 1895 revolucionou prátic d medicin já que, pel primeir vez, foi possível minimizr sujectividde dignóstic dos sinis semiológicos clínicos. Tl levou à progressiv descoert e um nov form de olhr pr dentro do corpo trvés d representção de estruturs té í totlmente invisíveis, e pens desvendds em procedimentos necrópsicos ou nos primórdios dos trtmentos cirúrgicos. A rdiogrfi d mão de Roentgen, que necessitou de um exposição rdiológic de mis de 20 minutos, correri mundo demonstrndo o poder mágico dest técnic emergente. FILIPE CASEIRO ALVES Director do Serviço de Rdiologi Hospitis d Universidde de Coimr 3000 Coimr Fig. 1 - Um ds primeirs imgens otids com rios X, em 1896, no Ginete de Físic Experimentl d Universidde de Coimr (in Desde cedo que escol médic portugues se interessou e integrou nest nov relidde. Decorrido pens um no pós descoert dos rios X já Coimr conheci o seu primeiro lortório rdiológico pel mão do professor de Físic e médico Henrique Teixeir Bstos. Nest dt pu

2 ARTIGO diologi e função licou um rtigo n revist O Instituto, onde nunciv s recentes descoerts reltivs os rios de Roentgen. Tmém no jornl O Século siu um extenso rtigo intituldo A Photogrphi trvez dos corpos opcos, que dv cont ds primeirs experiêncis feits em Portugl. Inicitivs semelhntes ocorrerm em Liso, com Augusto Boone, Virgílio Mchdo e Crlos Sntos, e no Porto, com Emílio Biel e Arújo e Cstro. Os ginetes de rdiologi hospitlr derm os primeiros pssos logo no início do século XX em três ciddes portuguess. O enefício trzido pel rdiologi er inegável e s sus plicções clínics não prrim de crescer ns décds seguintes. Limitções d rdiologi convencionl O fcto de rdiogrfi ter frc cpcidde discrimintiv nível dos tecidos moles estimulou o desenvolvimento de gentes de contrste permitindo explorção, té í impossível, do tuo digestivo ou de estruturs vsculres. Neste contexto, deve ser prestd homengem os pioneiros e percursores d modern ngiogrfi, chmd escol portugues de ngiogrfi constituíd por Reynldo dos Sntos, Cid dos Sntos, Lopo de Crvlho e Egs Moniz. Os seus trlhos de ngiogrfi cererl inicidos em 1927, utilizndo como gente de contrste o dióxido de tório, ficrim céleres e constituem um mrco indelével d rdiologi mundil. São de relçr tmém exmes contrstdos do tuo digestivo, os quis form, durnte décds, o esteio d investigção clínic nest áre, num er pré-endoscópic. Tnto escol suec como jpones desenvolverm técnics de imgem vnçds que permitirm o dignóstico precoce de lesões mligns do cólon e do estômgo, contriuindo pr redução d mortlidde cusd por estes tumores, com evidente pioneirismo n medicin preventiv. Fig. 2 - ) Angiogrfi cererl feit pel técnic convencionl. Em ) pode precir-se diferenç pr técnic de ngiogrfi ctul (ngiogrfi de sutrcção digitl), sendo de relçr o gnho em resolução pr mostrr pequenos vsos por sutrcção d estrutur ósse d clote crnin. Apesr d extrordinári cpcidde pr identificr e estudr órgãos e sistems rdiologi deti-se com o prolem, inerente à su nturez idimensionl, d soreposição de estruturs num único plno. Est limitção levri o desenvolvimento d tomogrfi convencionl que, utilizndo o princípio d homoteti, permitiu isolr plnos pré-determindos num áre de estudo. Tl técnic implicou um slto qulittivo n vlição de muits ptologis entre s quis se destcm s plicções pneumológics e osteo-rticulres. Aind hoje ortopntomogrfi, tmém designd por rdiogrfi dentári pnorâmic, continu possuir inquestionável interesse no dignóstico. GAZETA DE FÍSICA 43

3 CEM ANOS DE RADIOLOGIA - MORFOLOGIA E FUNÇÃO As novs técnics de imgem médic Fig. 3 - Exmes contrstdos do tuo digestivo (estômgo e cólon) por técnic de duplo contrste. Est técnic ind mntém muito do seu vlor dignóstico mesmo n er d endoscopi digestiv, nomedmente como método de rstreio do cncro gástrico endémico e do cólon em csos de colonoscopi incomplet ou não conseguid. Fig. 4 - Exemplo de tomogrfi convencionl otid por deslocção simultâne e em sentidos opostos d mpol rdiográfic e do meio de registo rdiográfico. Em ) é possível oservr o destcmento de um pequeno frgmento ósseo num cso de trumtismo inprente n imgem rdiográfic norml d nc esquerd em ). N décd de 70 ssistiu-se o nscimento d ecogrfi explorndo eficzmente s proprieddes dos ultr-sons. Pel primeir vez rdiologi estendeu s sus fronteirs utilizndo novs forms de energi pr oter imgens médics. O impcto dest técnic foi e continu ser de grnde importânci já que se trt de um técnic tomográfic inócu cpz de permitir relizção de exmes em tempo rel. Todos estes triutos lhe conferirm o epíteto de estetoscópio do século XXI. Durnte os seus quse 40 nos de vid ecogrfi tem evoluído de tl modo que hoje é possível oter informção dignóstic com prelhos de lt resolução ntómic cpzes de foclizr o feixe de ultr-sons num zon de interesse e expurgr em o prte o ruído prejudicil pr formção d imgem finl. Outro mrco extremmente importnte ssocido à ecogrfi resultou d plicção do efeito descoerto pelo físico Hns Christin Doppler, que permite explorr o movimento snguíneo e determinr com precisão permeilidde dos vsos, direcção e velocidde do fluxo. Hoje est técnic é imprescindível n explorção de váris situções como vlição do risco de cidente vsculr cererl ou de trnsplntes de órgãos. Mis recentemente ecogrfi lrgou o seu leque de plicções o permitir explorr imgens com contrste formdo por microolhs. Com est inovção tornou-se possível vlir perfusão viscerl em como detectr e crcterizr tumores sólidos de form semelhnte à relizd por tomogrfi computorizd (TC) ou por ressonânci mgnétic (RM). Entretnto, tendo por se utilizção de rdição X e sorção tecidul específic, lid um rápido desenvolvimento computcionl, nsceu n décd de 80 pel mão de Sir Godfrey Hounsfield tomogrfi computorizd. Grçs este método rdiologi renovou-se o conseguir resol GAZETA DE FÍSICA 44 Fig. 5 - Exemplos de estudos ecográficos vnçdos: usndo o efeito Doppler: () visulizção d vsculrizção do ço; ) exme efectudo ntes e depois d dministrção de contrste intr-venoso permitindo detectr múltiplos nódulos no fígdo (set) não identificdos ntes.

4 ARTIGO Se TC tem sido um dos esteios d modern imgiologi ressonânci mgnétic é segurmente últim ds rms d rdiologi e tmém, de tods, mis versátil. Directmente importd d vulgr nálise por espectroscopi dos lortórios de químic RM explor s proprieddes dos átomos de hidrogénio, por sinl os mis undntes do corpo humno. O génio inventivo do químico Pul Luterur e do físico Peter Mnsfield form recompensdos, possivelmente um pouco trde, com triuição do prémio Noel de Medicin de 2003 por est descoert. Fig. 6 - Evolução d resolução morfológic e estruturl d TC o longo dos últimos 30 nos. A imgem d TC cererl d esquerd dt de 1970 e demorou cerc de 20 minutos oter. À direit podemos verificr resolução otid ctulmente onde cd corte pode levr 0,5 segundos. ver um dos seus principis prolems resultnte d deficiente qulidde morfológic ds tomogrfis convencionis. Em trint nos evolução d tomogrfi computorizd tem sido meteóric pssndo de prelhos limitdos, cpzes de oter um único corte por rotção em cerc de segundos, pr s ctuis quisições volumétrics em que mis de um centen de cortes com um espessur de 1mm podem ser otidos em menos de 10 segundos. Com efeito, recente tecnologi de quisição helicoidl multicorte propgou-se de tl form que pens nos últimos 10 nos foi possível pssr de pens dois cortes pr os ctuis sessent e qutro por rotção d mpol rdiológic. Est evolução tecnológic, que se fez pr com outros melhormentos indispensáveis pr tornr relidde, expndiu o leque de plicções dignóstics vindo resolver o prolem d resolução temporl e rindo o cminho às ctuis explorções do foro crdiológico, incluindo o estudo minimmente invsivo ds rtéris coronáris, ou o desenvolvimento de potenciis técnics de rstreio no cso do cncro do cólon e do pulmão. c GAZETA DE FÍSICA 45 Fig. 7 - Exemplos de dus plicções vnçds otids por tomogrfi computorizd helicoidl muticorte. ) Reconstrução 3D de um frctur complex d ci. ) Exemplo de ngiogrfi coronári que permite visulizção d rtéri coronári em tod su extensão pens com recurso um injecção intrvenos de contrste num vei periféric. Fig. 8 - Exemplo de ngiogrfi: ) relizd por injecção intr-rteril de contrste; ) efectud por ressonânci mgnétic utilizndo pens um injecção num vei periféric (vej-se similitude ds imgens que contêm mesm informção dignóstic); c) um estudo ds vis ilires por ressonânci mgnétic. Anteriormente este tipo de imgem só er disponiilizdo por técnics endoscópics.

5 CEM ANOS DE RADIOLOGIA - MORFOLOGIA E FUNÇÃO GAZETA DE FÍSICA 46 Apens pr ssinlr os principis triutos d técnic lemremos su cpcidde de oter cortes tomográficos em qulquer orientção espcil, um inigulável resolução em contrste e possiilidde de explorr o excesso de águ intr ou extrcelulr (inflmção, processos tumoris) em função de proprieddes mgnétics e não por mero fenómeno de sorção, tl como sucede com s técnics que utilizm fontes de rdição ioniznte. A verstilidde está tmém ptente no tipo de gentes de contrste que form desenvolvidos, os quis ctum de form indirect por modificção locl ds proprieddes mgnétics dos protões, ou pelo desenvolvimento de espectroscopi in vivo, permitindo um nálise dos tecidos que tnt importânci tem como codjuvnte d decisão terpêutic soretudo no cmpo d oncologi. O desenvolvimento de novs sequêncis, sensíveis à concentrção locl de oxigénio, tem permitido imgens representtivs de centros de ctivção cererl, fornecendo à técnic um dimensão funcionl sem precedentes n históri d imgiologi médic. Entretnto, vnços recentes quer no hrdwre quer no softwre, umentrm o leque de indicções. Podemos referir, por exemplo, s plicções ngiográfics ou o estudo ds vis ilires de um form muito semelhnte à que er fornecid por técnics muito mis invsivs. Perspectivs futurs A rdiologi não tem ficdo estátic nem imune os recentes vnços ds outrs áres do conhecimento médicomormente s que respeitm à genétic e iologi moleculr. Com efeito, pr do desenvolvimento dos contrstes específicos de céluls, já hoje disponíveis pr estudos por ressonânci mgnétic, surgirá possiilidde de estudos funcionis por ctivção de funções celulres específics, como sejm cção por ctivção enzimátic ou por modificções locis d tempertur ou do ph. A cpcidde d modern imgiologi estende-se ind o cmpo terpêutico onde vectorizção de gentes irá permitir teleguir o trtmento pens pr s céluls lvo poupndo s céluls e tecidos sãos. Assim, s funções que se esper sejm concretizds com o recurso est tecnologi vism qutro grndes cmpos: utilizção pr finliddes de rstreio e detecção d doenç em fse pré-clínic; método uxilir no estdimento d doenç; técnic de orientção n escolh do trtmento dirigido mis eficz ou proprido; método de monitorizção d respost terpêutic. Fig. 9 - Estudo de gânglio cervicl com injecção de produto de contrste específico em ressonânci mgnétic. O gente de contrste, devido às sus pequens dimensões, pss pr o espço intersticil indo depois pelos vsos linfáticos cumulr-se no gânglio linfático que, em condições normis, retém o produto tornndo-se preto n imgem. As áres mis clrs n imgem d esquerd (set) correspondim infiltrção do gânglio por tecido tumorl conforme se oserv n imgem histológic. Pel primeir vez é possível oter imgens funcionis d estrutur intern do gânglio, o que permite escolher o tipo de trtmento efectur. Conclusão A rdiologi é sem um ds áres que mis tem influencido o exercício d Medicin, em prticulr no último qurtel do século XX. Cminh pssos rápidos do âmito d informção morfológic pr informção funcionl gregndo um sem número de possiiliddes que tornm pluripotencil, soretudo se tivermos em cont verstilidde d ressonânci mgnétic. Este rápido crescimento está tmém intimmente ligdo o desenvolvimento de poderosos meios computcionis que incorporm os últimos vnços neste domínio, desde s mis recentes plicções clínics té à introdução de novos compostos e moléculs cpzes de produzir um outro olhr sore os fenómenos fisioptológicos. De tods s técnics de imgem ctuis que mis se proxim pel su verstilidde destes ojectivos é, sem dúvid, ressonânci mgnétic, que é cpz de omrer, com nítid vntgem, com os estudos funcionis otidos trvés d medicin nucler, incluindo tomogrfi por emissão de positrões (PET).

6 ARTIGO BIBLIOGRAFIA 1. Allport, J. R. nd Weissleder, R., In vivo imging of gene nd cell therpies, Exp. Hemtol. 29 (2001) Ashr, B. H., Hughes, M. T., Mrinopoulos, S. S., Prokopowicz, G. P., Berkenlit, G. V., Sisson, S. D., Simonson, L. A. nd Miller, R. G., Current evidence for the use of emerging rdiologic technologies for disese screening, Am. J. Mng. Cre 11 (2005) Brro, B., Cin, A., Mrini, M. L. nd Mnfredi, R., Color Doppler US of intrheptic vsculr system, Rys, 22 (1997) Bluemke, D. A., Soyer, P. A., Chn, B. W., Bliss, D. F., Clhoun, P. S. nd Fishmn, E. K, Spirl CT during rteril portogrphy: technique nd pplictions, Rdiogrphics 15 (1995) 623. lesions: incresed sensitivity nd specificity with microule contrst gents, Eur. J. Rdiol. 46 (2003) Jing, T., Olson, E. S., Nguyen, Q. T., Roy, M., Jennings, P. A. nd Tsien, R. Y., Tumor imging y mens of proteolytic ctivtion of cell-penetrting peptides, Proc. Nt. Acd. Sciences U. S. A. 101 (2004) Lencioni, R., Cioni, D. nd Brtolozzi, C., Tissue hrmonic nd contrst-specific imging: ck to gry scle in ultrsound, Eur. Rdiol. 12 (2002) Mrtinoli, C., Pretolesi, F., Crespi, G., Binchi, S., Gndolfo, N., Vlle, M. nd Derchi, L. E., Power Doppler sonogrphy: clinicl pplictions, Eur. J. Rdiol. 27 Suppl 2 (1998) S Mrtins, D. R., in cienci/e48.html 5. Brnnign, M., Burns, P. N. nd Wilson, S. R, Blood flow ptterns in focl liver lesions t microule-enhnced US, Rdiogrphics 24 (2004) Cdemrtiri, F., Luccichenti, G., vn Der Lugt, A., Pvone, P., Pttynm, P. M., de Feyter, P. J. nd Krestin, G. P., Sixteen-row multislice computed tomogrphy: sic concepts, protocols, nd enhnced clinicl pplictions, Semin. Ultrsound CT MR 25 (2004) Cllid, F., Cmpni, R., Bottinelli, O., Bozzini, A. nd Sommrug, M. G., Ultrsound contrst gents: sic principles, Eur. J. Rdiol. 27 Suppl. 2 (1998) S Cyrus, T., Winter, P. M., Cruthers, S. D., Wickline, S. A. nd Lnz, G. M., Mgnetic resonnce nnoprticles for crdiovsculr moleculr imging nd Therpy, Expert Rev. Crdiovsc. Ther. 3 (2005) Gglirdi, R. A., McClennn, B. L., (eds), A History of the Rdiologicl Sciencies. Dignosis, ARRS, Hrisinghni, M. G., Jhveri, K. S., Weissleder, R., Schim, W., Sini, S., Hhn, P. F. nd Mueller, P. R., MRI contrst gents for evluting focl heptic lesions, Clin. Rdiol. 56 (2001) Hrvey, C. J., Blomley, M. J., Eckersley, R. J. nd Cosgrove, D. O, Developments in ultrsound contrst medi, Eur Rdiol. 11 (2001) Hohmnn, J., Alrecht, T., Hoffmnn, C. W nd Wolf, K. J., Ultrsonogrphic detection of focl liver 17. Mthieu, D. nd Cseiro-Alves, F., Imging of enign liver lesions, JBR-BTR 87 (2004) McIntyre, J. O. nd Mtrisin, L. M., Moleculr imging of proteolytic ctivity in cncer, J. Cell Biochem. 90 (2003) Moghimi, S. M., Hunter, A. C. nd Murry, J. C., Nnomedicine: current sttus nd future prospects, FASEB J. 19 (2005) Pnym, J. nd Lhsetwr, V., Biodegrdle nnoprticles for drug nd gene delivery to cells nd tissue, Adv. Drug Deliv. Rev. 55 (2003) Pttynm, P. M. nd Kuiper, J. W., Second-genertion, susecond multislice computed-tomogrphy: dvncing the role of helicl CT pulmonry ngiogrphy in suspected pulmonry emolism, Semin. Vsc. Med. 1 (2001) Price, R. R., Allison, J., Mssoth, R. J., Clrke, G. D. nd Drost, D. J., Prcticl spects of functionl MRI, Med. Phys. 29 (2002) Vlentini, V., Gudino, S., Spgnolo, P., Armenise, S., Trtglione, T. nd Mrno, P., Diffusion nd perfusion MR imging, Rys 28 (2003) Weissleder, R. nd Mhmood, U., Moleculr imging, Rdiology 219 (2001) 316. GAZETA DE FÍSICA 47

NEURO-BEHÇET Características Imagiológicas

NEURO-BEHÇET Características Imagiológicas NEURORRADIOLOGIA Act Med Port 2006; 19: 494-498 NEURO-BEHÇET Crcterístics Imgiológics CRISTINA RAMOS, GORETI SÁ, VÍTOR TEDIM CRUZ, ALEXANDRA LOPES, JOÃO XAVIER, ROMEU CRUZ Serviço de Neurorrdiologi. Hospitl

Leia mais

POLINÔMIOS. Definição: Um polinômio de grau n é uma função que pode ser escrita na forma. n em que cada a i é um número complexo (ou

POLINÔMIOS. Definição: Um polinômio de grau n é uma função que pode ser escrita na forma. n em que cada a i é um número complexo (ou POLINÔMIOS Definição: Um polinômio de gru n é um função que pode ser escrit n form P() n n i 0... n i em que cd i é um número compleo (ou i 0 rel) tl que n é um número nturl e n 0. Os números i são denomindos

Leia mais

Simbolicamente, para. e 1. a tem-se

Simbolicamente, para. e 1. a tem-se . Logritmos Inicilmente vmos trtr dos ritmos, um ferrment crid pr uilir no desenvolvimento de cálculos e que o longo do tempo mostrou-se um modelo dequdo pr vários fenômenos ns ciêncis em gerl. Os ritmos

Leia mais

Matemática Aplicada. A Mostre que a combinação dos movimentos N e S, em qualquer ordem, é nula, isto é,

Matemática Aplicada. A Mostre que a combinação dos movimentos N e S, em qualquer ordem, é nula, isto é, Mtemátic Aplicd Considere, no espço crtesino idimensionl, os movimentos unitários N, S, L e O definidos seguir, onde (, ) R é um ponto qulquer: N(, ) (, ) S(, ) (, ) L(, ) (, ) O(, ) (, ) Considere ind

Leia mais

, então ela é integrável em [ a, b] Interpretação geométrica: seja contínua e positiva em um intervalo [ a, b]

, então ela é integrável em [ a, b] Interpretação geométrica: seja contínua e positiva em um intervalo [ a, b] Interl Deinid Se é um unção de, então su interl deinid é um interl restrit à vlores em um intervlo especíico, dimos, O resultdo é um número que depende pens de e, e não de Vejmos deinição: Deinição: Sej

Leia mais

a FICHA DE AVALIAÇÃO FORMATIVA 9.º ANO

a FICHA DE AVALIAÇÃO FORMATIVA 9.º ANO Cristin Antunes Mnuel Bispo Pul Guindeir FICHA DE AVALIAÇÃO FORMATIVA 9.º ANO Escol Turm N.º Dt Grupo I Documento I É um serviço de tendimento telefónico de Trigem, Aconselhmento e Encminhmento, Assistênci

Leia mais

07 AVALIAÇÃO DO EFEITO DO TRATAMENTO DE

07 AVALIAÇÃO DO EFEITO DO TRATAMENTO DE 07 AVALIAÇÃO DO EFEITO DO TRATAMENTO DE SEMENTES NA QUALIDADE FISIOLOGICA DA SEMENTE E A EFICIENCIA NO CONTROLE DE PRAGAS INICIAIS NA CULTURA DA SOJA Objetivo Este trblho tem como objetivo vlir o efeito

Leia mais

Proteja o que tem de mais valioso, o resultado das suas ideias! Procure o Gabinete de Apoio Técnico do +Valor PME

Proteja o que tem de mais valioso, o resultado das suas ideias! Procure o Gabinete de Apoio Técnico do +Valor PME Protej o que tem de mis vlioso, o resultdo ds sus ideis! www.misvlorpme.pt VlorPME APOIAR, DIFUNDIR E ORGANIZAR A PROPRIEDADE INDUSTRIAL + futuro + inovção + proteção + competitividde + vlor www.misvlorpme.pt

Leia mais

Análise de Variância com Dois Factores

Análise de Variância com Dois Factores Análise de Vriânci com Dois Fctores Modelo sem intercção Eemplo Neste eemplo, o testrmos hipótese de s três lojs terem volumes médios de vends iguis, estmos testr se o fctor Loj tem influênci no volume

Leia mais

3 - A Metalurgia Extrativa

3 - A Metalurgia Extrativa 7 3 - A Metlurgi Extrtiv 3-1. Principis metis A metlurgi extrtiv estud otenção dos metis prtir de fontes mineris d nturez e d suct. Um comprção entre os principis metis produzidos pelo Homem em escl mundil

Leia mais

TÍTULO: Métodos de Avaliação e Identificação de Riscos nos Locais de Trabalho. AUTORIA: Ricardo Pedro

TÍTULO: Métodos de Avaliação e Identificação de Riscos nos Locais de Trabalho. AUTORIA: Ricardo Pedro TÍTULO: Métodos de Avlição e Identificção de Riscos nos Locis de Trblho AUTORIA: Ricrdo Pedro PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 167 (Novembro/Dezembro de 2006) 1. Enqudrmento legl A vlição e identificção de

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE FERREIRA DO ZÊZERE

CÂMARA MUNICIPAL DE FERREIRA DO ZÊZERE CAPITULO I VENDA DE LOTES DE TERRENO PARA FINS INDUSTRIAIS ARTIGO l. A lienção, trvés de vend, reliz-se por negocição direct com os concorrentes sendo o preço d vend fixo, por metro qudrdo, pr um ou mis

Leia mais

Liberdade de expressão na mídia: seus prós e contras

Liberdade de expressão na mídia: seus prós e contras Universidde Estdul de Cmpins Fernnd Resende Serrdourd RA: 093739 Disciplin: CS101- Métodos e Técnics de Pesquis Professor: Armndo Vlente Propost de Projeto de Pesquis Liberdde de expressão n mídi: seus

Leia mais

1. VARIÁVEL ALEATÓRIA 2. DISTRIBUIÇÃO DE PROBABILIDADE

1. VARIÁVEL ALEATÓRIA 2. DISTRIBUIÇÃO DE PROBABILIDADE Vriáveis Aletóris 1. VARIÁVEL ALEATÓRIA Suponhmos um espço mostrl S e que cd ponto mostrl sej triuído um número. Fic, então, definid um função chmd vriável letóri 1, com vlores x i2. Assim, se o espço

Leia mais

Saúde Vida Particular

Saúde Vida Particular Informções Pré-Contrtuis Súde Vid Prticulr Rel Vid Seguros, S.A. Registd n Conservtóri do Registo Comercil do Porto Pesso Colectiv nº 502 245 140 - Cpitl Socil: 15.000.000,00 1 Seguro de Súde Informções

Leia mais

3. Cálculo integral em IR 3.1. Integral Indefinido 3.1.1. Definição, Propriedades e Exemplos

3. Cálculo integral em IR 3.1. Integral Indefinido 3.1.1. Definição, Propriedades e Exemplos 3. Cálculo integrl em IR 3.. Integrl Indefinido 3... Definição, Proprieddes e Exemplos A noção de integrl indefinido prece ssocid à de derivd de um função como se pode verificr prtir d su definição: Definição

Leia mais

1 As grandezas A, B e C são tais que A é diretamente proporcional a B e inversamente proporcional a C.

1 As grandezas A, B e C são tais que A é diretamente proporcional a B e inversamente proporcional a C. As grndezs A, B e C são tis que A é diretmente proporcionl B e inversmente proporcionl C. Qundo B = 00 e C = 4 tem-se A = 5. Qul será o vlor de A qundo tivermos B = 0 e C = 5? B AC Temos, pelo enuncido,

Leia mais

3º Ciclo do Ensino Básico

3º Ciclo do Ensino Básico ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO DO ENSINO BÁSICO DE AMORA - ANO LETIVO 2014/2015 DEPARTAMENTO DE EXPRESSÕES GRUPO 600 Plnificção Anul Educção Visul 8º Ano 3º Ciclo do Ensino Básico Domínio Objetivos Geris

Leia mais

ESTUDO COM ALUNOS DO CEFET BAMBUÍ SOBRE ENERGIA ELÉTRICA E MEIO AMBIENTE, PROPONDO A EDUCAÇÃO AMBIENTAL

ESTUDO COM ALUNOS DO CEFET BAMBUÍ SOBRE ENERGIA ELÉTRICA E MEIO AMBIENTE, PROPONDO A EDUCAÇÃO AMBIENTAL I Jornd Científic e VI FIP do CEFET Bmuí Bmuí/MG - 8 ESTUDO COM LUNOS DO CEFET BMBUÍ SOBRE ENERGI ELÉTRIC E MEIO MBIENTE, PROPONDO EDUCÇÃO MBIENTL Bárr níl de OLIVEIR (); Ronilson Rodrigues COST (); Chrles

Leia mais

!!!!!! Este programa foi desenvolvido pelo Departamento dos ministérios da Criança a partir das propostas de textos das palestras para os adultos.!

!!!!!! Este programa foi desenvolvido pelo Departamento dos ministérios da Criança a partir das propostas de textos das palestras para os adultos.! Este progrm foi desenvolvido pelo Deprtmento dos ministérios d Crinç prtir ds proposts de textos ds plestrs pr os dultos. Nots importntes pr o Monitor: Sempre que ler um texto bíblico, fç-o com Bíbli bert.

Leia mais

Transporte de solvente através de membranas: estado estacionário

Transporte de solvente através de membranas: estado estacionário Trnsporte de solvente trvés de membrns: estdo estcionário Estudos experimentis mostrm que o fluxo de solvente (águ) em respost pressão hidráulic, em um meio homogêneo e poroso, é nálogo o fluxo difusivo

Leia mais

Manual de Operação e Instalação

Manual de Operação e Instalação Mnul de Operção e Instlção Clh Prshll MEDIDOR DE VAZÃO EM CANAIS ABERTOS Cód: 073AA-025-122M Rev. B Novembro / 2008 S/A. Ru João Serrno, 250 Birro do Limão São Pulo SP CEP 02551-060 Fone: (11) 3488-8999

Leia mais

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA #8. fonte imagem: Google Earth

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA #8. fonte imagem: Google Earth FUNCIONL ENTORNO IDENTIFICR RELÇÃO DO EDIFÍCIO COM OS ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERNDO OS TRIBUTOS DO LUGR - MSSS EDIFICDS, RELÇÕES DE PROXIMIDDE, DIÁLOGO, INTEGRÇÃO OU UTONOMI O ENTORNO D CSH #9 É COMPOSTO

Leia mais

Internação WEB BR Distribuidora v20130701.docx. Manual de Internação

Internação WEB BR Distribuidora v20130701.docx. Manual de Internação Mnul de Internção ÍNDICE CARO CREDENCIADO, LEIA COM ATENÇÃO.... 3 FATURAMENTO... 3 PROBLEMAS DE CADASTRO... 3 PENDÊNCIA DO ATENDIMENTO... 3 ACESSANDO O MEDLINK WEB... 4 ADMINISTRAÇÃO DE USUÁRIOS... 5 CRIANDO

Leia mais

Capítulo 1 Introdução à Física

Capítulo 1 Introdução à Física Vetor Pré Vestiulr Comunitário Físic 1 Cpítulo 1 Introdução à Físic Antes de começrem com os conceitos práticos d Físic, é imprescindível pr os lunos de Pré-Vestiulr estrem certificdos de que dominm os

Leia mais

a a 3,88965 $140 7 9% 7 $187 7 9% a 5, 03295

a a 3,88965 $140 7 9% 7 $187 7 9% a 5, 03295 Anuiddes equivlentes: $480 + $113 + $149 5 9% 5 VPL A (1, 09) $56, 37 A 5 9% 3,88965 5 9% 5 9% AE = = = = $14, 49 = 3,88965 AE B $140 $620 + $120 + 7 9% 7 VPL B (1, 09) $60, 54 = = = 5, 03295 7 9% 7 9%

Leia mais

Chamada Pública MCT/FINEP/SEBRAE Ação Transversal - Cooperação ICTs / Empresas - 10/2005 LINHA 1

Chamada Pública MCT/FINEP/SEBRAE Ação Transversal - Cooperação ICTs / Empresas - 10/2005 LINHA 1 LINH 1 Prot. Elet. Ref. Título do Projeto Proponente / Executor / Projeto Nome Executor UF 1 2984/05 PL TECNOLOGI VNÇD PR PEDR CRIRI FCPCCENTECPLTPCRI INSTITUTO CENTRO DE ENSINO TECNOLÓGICO 3 3235/05 E

Leia mais

Epidemiológico. Boletim. Monitoramento dos casos de dengue e febre de chikungunya até a Semana Epidemiológica 15, 2015

Epidemiológico. Boletim. Monitoramento dos casos de dengue e febre de chikungunya até a Semana Epidemiológica 15, 2015 Boletim Epidemiológico Volume 46 N 14-2015 Secretri de Vigilânci em Súde Ministério d Súde ISSN 2358-9450 Monitormento dos csos de dengue e fere de chikunguny té Semn Epidemiológic 15, 2015 Dengue Em 2015,

Leia mais

PROCESSO SELETIVO/2006 RESOLUÇÃO 1. Braz Moura Freitas, Margareth da Silva Alves, Olímpio Hiroshi Miyagaki, Rosane Soares Moreira Viana.

PROCESSO SELETIVO/2006 RESOLUÇÃO 1. Braz Moura Freitas, Margareth da Silva Alves, Olímpio Hiroshi Miyagaki, Rosane Soares Moreira Viana. PROCESSO SELETIVO/006 RESOLUÇÃO MATEMÁTICA Brz Mour Freits, Mrgreth d Silv Alves, Olímpio Hiroshi Miygki, Rosne Sores Moreir Vin QUESTÕES OBJETIVAS 0 Pr rrecdr doções, um Entidde Beneficente usou um cont

Leia mais

Salto em distância. Definições de Biomecânica Áreas de atuação da Biomecânica. Definições de Biomecânica

Salto em distância. Definições de Biomecânica Áreas de atuação da Biomecânica. Definições de Biomecânica Aul : Introdução Biomecânic Exemplos Definições de Biomecânic Áres de tução d Biomecânic Slto em distânci Exemplos Imgens extríds do l. de iofísic d usp http://www.usp.r/eef/lo/ Definições de Biomecânic

Leia mais

CONJUNTOS NUMÉRICOS Símbolos Matemáticos

CONJUNTOS NUMÉRICOS Símbolos Matemáticos CONJUNTOS NUMÉRICOS Símolos Mtemáticos,,... vriáveis e prâmetros igul A, B,... conjuntos diferente pertence > mior que não pertence < menor que está contido mior ou igul não está contido menor ou igul

Leia mais

Convocatòri a 2015. Pàg. 2 / 4. c) por ruas muito ruidosas. (0, 5punts)

Convocatòri a 2015. Pàg. 2 / 4. c) por ruas muito ruidosas. (0, 5punts) Convoctòri Aferru un etiquet identifictiv v999999999 de codi de brres Portuguès (més grns de 25 nys) Model 1 Not 1ª Not 2ª Aferru l cpçler d exmen un cop cbt l exercici TEXTO Um clássico lisboet O elétrico

Leia mais

RESUMO ABSTRACT. Therapeutic options of the capillary hemangioma of the eyelids and orbit

RESUMO ABSTRACT. Therapeutic options of the capillary hemangioma of the eyelids and orbit Oftlmologi - Vol. 34: pp. 479-485 As Aordgens Terpêutics do Hemngiom Cpilr Plperl e Oritário Nádi Lopes 1, Guilherme Cstel 2, Ctrin Piv 2, Rui Cstel 3, Roque Loureiro 4 1 Interno do Internto Médico de

Leia mais

Semelhança e áreas 1,5

Semelhança e áreas 1,5 A UA UL LA Semelhnç e áres Introdução N Aul 17, estudmos o Teorem de Tles e semelhnç de triângulos. Nest ul, vmos tornr mis gerl o conceito de semelhnç e ver como se comportm s áres de figurs semelhntes.

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA Pró-Reitoria Acadêmica Setor de Pesquisa

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA Pró-Reitoria Acadêmica Setor de Pesquisa FORMULÁRIO PARA INSCRIÇÃO DE PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA. Coordenção/Colegido o(s) qul(is) será vinculdo: Engenhris Curso (s) : Engenhris Nome do projeto: MtLb Aplicdo n Resolução de Sistems Lineres.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA EEL7011 ELETRICIDADE BÁSICA TURMA: 141A

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA EEL7011 ELETRICIDADE BÁSICA TURMA: 141A UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA EEL7011 ELETRICIDADE BÁSICA TURMA: 141A EQUIVALENTES DE THÉVENIN E NORTON E MÉTODOS DIRETO E INDIRETO DE MEDIR UMA RESISTÊNCIA

Leia mais

CDI-II. Resumo das Aulas Teóricas (Semana 12) y x 2 + y, 2. x x 2 + y 2), F 1 y = F 2

CDI-II. Resumo das Aulas Teóricas (Semana 12) y x 2 + y, 2. x x 2 + y 2), F 1 y = F 2 Instituto Superior Técnico eprtmento de Mtemátic Secção de Álgebr e Análise Prof. Gbriel Pires CI-II Resumo ds Auls Teórics (Semn 12) 1 Teorem de Green no Plno O cmpo vectoril F : R 2 \ {(, )} R 2 definido

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO. DISCIPLINA: ORGANIZAR E GERIR A EMPRESA (10º Ano Turma K)

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO. DISCIPLINA: ORGANIZAR E GERIR A EMPRESA (10º Ano Turma K) ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO DISCIPLINA: ORGANIZAR E GERIR A EMPRESA (10º Ano Turm K) PLANIFICAÇÃO ANUAL Diretor do Curso Celso Mnuel Lim Docente Celso Mnuel

Leia mais

Área de Conhecimento ARTES. Período de Execução. Matrícula. Telefone. (84) 8112-2985 / ramal: 6210

Área de Conhecimento ARTES. Período de Execução. Matrícula. Telefone. (84) 8112-2985 / ramal: 6210 INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO PROGRAMA DE APOIO INSTITUCIONAL À EXTENSÃO PROJETOS DE EXTENSÃO EDITAL 01/014-PROEX/IFRN Os cmpos sombredos

Leia mais

O seu Gestor de Recursos Humanos e Gestor da Formação!

O seu Gestor de Recursos Humanos e Gestor da Formação! O seu Gestor de Recursos Humnos e Gestor d Formção! Dr() Pesso O seu Gestor de Recursos Humnos e Gestor d Formção! ORIGEM DO CONCEITO Apesr dos tempos contenção, há de muits empress estão disposts vlorizr

Leia mais

ESTADO DO MARANHÃO MINISTÉRIO PÚBLICO PROCURADORIA GERAL DE JUSTIÇA a CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE MEIO AMBIENTE, URBANISMO E PATRIMÔNIO CULTURAL

ESTADO DO MARANHÃO MINISTÉRIO PÚBLICO PROCURADORIA GERAL DE JUSTIÇA a CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE MEIO AMBIENTE, URBANISMO E PATRIMÔNIO CULTURAL 1 N O T A T É C N I C A N º. 0 0 3 / 2 0 0 7 Análise ds demnds identificds ns udiêncis públics do Plnejmento Estrtégico. Construção de plnejmento. 1 JUSTIFICATIVA Após relizção de seis udiêncis públics

Leia mais

Serviços de Acção Social da Universidade de Coimbra

Serviços de Acção Social da Universidade de Coimbra Serviços de Acção Socil d Universidde de Coimbr Serviço de Pessol e Recursos Humnos O que é o bono de fmíli pr crinçs e jovens? É um poio em dinheiro, pgo menslmente, pr judr s fmílis no sustento e n educção

Leia mais

Comportamento de RISCO

Comportamento de RISCO Comportmento de RISCO SEXO e um responsilidde Aprtment203/1016YA FCRISKY Cred Progrm Ncionl De Lut Contr SIDA Poe seguinte list por ordem, do comportmento mis seguro pr o mis rriscdo c d Ter vários prceiros

Leia mais

Epidemiológico. Boletim. Monitoramento dos casos de dengue e febre de chikungunya até a Semana Epidemiológica 4, 2015

Epidemiológico. Boletim. Monitoramento dos casos de dengue e febre de chikungunya até a Semana Epidemiológica 4, 2015 Boletim Epidemiológico Volume 46 N 5-2015 Secretri de Vigilânci em Súde Ministério d Súde ISSN 2358-9450 Monitormento dos csos de dengue e fere de chikunguny té Semn Epidemiológic 4, 2015 Dengue Em 2015

Leia mais

::: S i s t e m a E s p e c i a l i s t a e m I r i d o l o g i a :::

::: S i s t e m a E s p e c i a l i s t a e m I r i d o l o g i a ::: www.msterview.com.br ::: S i s t e m E s p e c i l i s t e m I r i d o l o g i ::: Desenvolvido pelo Dr. Clodoldo Pcheco o softwre Irismke tem su vlidção comprovd por vários nos de compnhmentos com Irisdignose

Leia mais

EXPO ENERGIA LUSOFONIA PROGRAMA PRELIMINAR

EXPO ENERGIA LUSOFONIA PROGRAMA PRELIMINAR A PROGRAMA PRELIMINAR ALTO PATROCÍNIO ECONOMIA DIPLOMACIA AMBIENTE CIDE ANFITRIÃ PATROCÍNIOS ORGANIZAÇÃO ENQUADRAMENTO Portugl pltform intercontinentl e polo de inovção Portugl tem de conseguir cpitlizr

Leia mais

São possíveis ladrilhamentos com um único molde na forma de qualquer quadrilátero, de alguns tipos de pentágonos irregulares, etc.

São possíveis ladrilhamentos com um único molde na forma de qualquer quadrilátero, de alguns tipos de pentágonos irregulares, etc. LADRILHAMENTOS Elvi Mureb Sllum Mtemtec-IME-USP A rte do ldrilhmento consiste no preenchimento do plno, por moldes, sem superposição ou burcos. El existe desde que o homem começou usr pedrs pr cobrir o

Leia mais

EXAME DE INGRESSO 2014 3º Período

EXAME DE INGRESSO 2014 3º Período PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA ÁREA DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO (141) ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO EXAME DE INGRESSO 2014 º Período NOME: Oservções Importntes: 1. Não

Leia mais

Introdução à Programação Linear

Introdução à Programação Linear CAPÍTULO. Definição Um problem de PL consiste em determinr vlores não negtivos pr s vriáveis de decisão, de form que stisfçm s restrições imposts e que optimizem (minimizem ou mimizem) um função (rel)

Leia mais

Cargos/Áreas Candidatos Locais. Todos os candidatos inscritos para o cargo de Auxiliar de Enfermagem Urgência e Emergência

Cargos/Áreas Candidatos Locais. Todos os candidatos inscritos para o cargo de Auxiliar de Enfermagem Urgência e Emergência PREFEITURA MUNICIPAL DE ARACAJU SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS EM CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR, DE NÍVEL MÉDIO E DE NÍVEL FUNDAMENTAL EDITAL N.º 7/2004 SMS,

Leia mais

1º semestre de Engenharia Civil/Mecânica Cálculo 1 Profa Olga (1º sem de 2015) Função Exponencial

1º semestre de Engenharia Civil/Mecânica Cálculo 1 Profa Olga (1º sem de 2015) Função Exponencial º semestre de Engenhri Civil/Mecânic Cálculo Prof Olg (º sem de 05) Função Eponencil Definição: É tod função f: R R d form =, com R >0 e. Eemplos: = ; = ( ) ; = 3 ; = e Gráfico: ) Construir o gráfico d

Leia mais

Escola SENAI Theobaldo De Nigris

Escola SENAI Theobaldo De Nigris Escol SENAI Theobldo De Nigris Conteúdos borddos nos cursos de Preservção 2011 1) CURSO ASSISTENTE DE CONSERVAÇÃO PREVENTIVA (362h) I Étic e históri n conservção (72h): 1. Étic e históri d Conservção/Resturo

Leia mais

Pronto para uma câmera digital de primeira com CCD de 6,0 mega pixels?! G-Shot P6533 G-Shot P6533 G-Shot P6533 G-Shot P6533

Pronto para uma câmera digital de primeira com CCD de 6,0 mega pixels?! G-Shot P6533 G-Shot P6533 G-Shot P6533 G-Shot P6533 Pronto pr um câmer digitl de primeir com CCD de 6,0 meg piels?! A Genius gor nunci um câmer digitl de estilo único em su fmíli G-Shot: G-Shot P6533. Em um cbmento vermelho etrordinário, est DSC epress

Leia mais

INFLUÊNCIA DO CLIMA (EL NIÑO E LA NIÑA) NO MANEJO DE DOENÇAS NA CULTURA DO ARROZ

INFLUÊNCIA DO CLIMA (EL NIÑO E LA NIÑA) NO MANEJO DE DOENÇAS NA CULTURA DO ARROZ INFLUÊNCIA DO CLIMA (EL NIÑO E LA NIÑA) NO MANEJO DE DOENÇAS NA CULTURA DO ARROZ Ricrdo S. Blrdin Mrcelo G. Mdlosso Mônic P. Debortoli Giuvn Lenz. Dep. Defes Fitossnitári - UFSM; Instituto Phytus. Em nos

Leia mais

RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA DA FASE 1 DO VESTIBULAR DA UFBA/UFRB-2007 POR PROFA. MARIA ANTÔNIA CONCEIÇÃO GOUVEIA

RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA DA FASE 1 DO VESTIBULAR DA UFBA/UFRB-2007 POR PROFA. MARIA ANTÔNIA CONCEIÇÃO GOUVEIA RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA DA FASE DO VESTIBULAR DA UFBA/UFRB-7 POR PROFA. MARIA ANTÔNIA CONCEIÇÃO GOUVEIA Questão Sore números reis, é correto firmr: () Se é o mior número de três lgrismos divisível

Leia mais

Lista Provisória de Comunicações Livres Aceites: 1 de 11

Lista Provisória de Comunicações Livres Aceites: 1 de 11 List Provisóri de Comunicç Livres Aceites: Comunicç Livres Recebids Código Título Ctegori Autor Di Sessão Hor Apresentção 45 Dignóstico e trtmento ds diferençs de comprimento dos membros inferiores n Crinç

Leia mais

Além Tejo em Bicicleta

Além Tejo em Bicicleta C mpodef ér s I t ner nt e + Al émt ej oem B c c l et Além Tejo em Bcclet Cmpo de Férs Além Tejo em Bcclet Locl: Pegões, Coruche, Mor, Avs, Estremoz e Elvs Enqudrmento Gerl: No no de 2013 Prnm nov com

Leia mais

I AÇÕES DE AUDITORIA INTERNA PREVISTAS:

I AÇÕES DE AUDITORIA INTERNA PREVISTAS: PAINT 24 - I AÇÕES DE AUDITORIA INTERNA PREVISTAS: 1.1 - Auditoris de Conformidde Uniddes Orig d dnd: Intern com bse nos resultdos d Mtriz de Risco elbord pel Auditori Intern Nº UNIDADE OBJETIVOS ESCOPO

Leia mais

Operadores momento e energia e o Princípio da Incerteza

Operadores momento e energia e o Princípio da Incerteza Operdores momento e energi e o Princípio d Incertez A U L A 5 Mets d ul Definir os operdores quânticos do momento liner e d energi e enuncir o Princípio d Incertez de Heisenberg. objetivos clculr grndezs

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS À BEIRA DOURO Escola Básica e Secundária À Beira Douro - Medas Ano Lectivo 2010/2011

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS À BEIRA DOURO Escola Básica e Secundária À Beira Douro - Medas Ano Lectivo 2010/2011 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS À BEIRA DOURO Escol Básic e Secundári À Beir Douro - Meds Ano Lectivo 2010/2011 PLANIFICAÇÃO ANUAL DA DISCIPLINA DE GEOGRAFIA 10º ANO Conteúdos Vocbulário Especifico Competêncis

Leia mais

Faculdade Atenas Maranhense (FAMA) FAMA A Avenida São Luis Rei de França, n.º 32 Turu, São Luís/MA

Faculdade Atenas Maranhense (FAMA) FAMA A Avenida São Luis Rei de França, n.º 32 Turu, São Luís/MA PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO LUÍS SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO DE SÃO LUÍS HOSPITAL MUNICIPAL DJALMA MARQUES CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS E FORMAÇÃO DE CADASTRO DE RESERVA EM CARGOS

Leia mais

01. Documento comprovativo da legitimidade do requerente. Pág. a. 02. Termo de responsabilidade do técnico pela ocupação da via pública. Pág.

01. Documento comprovativo da legitimidade do requerente. Pág. a. 02. Termo de responsabilidade do técnico pela ocupação da via pública. Pág. Câmr Municipl d Amdor DAU - Deprtmento de Administrção Urbnístic OCUPAÇÃO DA VIA PÚBLICA 20 Assunto: Ocupção d Vi Públic. MOD. 20/CMA/DAU/2004 FOLHA 00 List de Documentos (Consultr instruções em nexo)

Leia mais

Equivalência Estrutural

Equivalência Estrutural Equivlênci Estruturl Jefferson Elert Simões sedo nos rtigos: Structurl Equivlence of Individuls in Socil Networks (Lorrin & White, 1971) Structurl Equivlence: Mening nd Definition, Computtion nd ppliction

Leia mais

Cargo Candidatos Local Todos os candidatos inscritos no cargo de Analista em C&T Júnior Área: Comunicação Social

Cargo Candidatos Local Todos os candidatos inscritos no cargo de Analista em C&T Júnior Área: Comunicação Social MINISTÉRIO DA SAÚDE CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS E FORMAÇÃO DE CADASTRO RESERVA EM CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR E DE NÍVEL MÉDIO EDITAL Nº 72 MS DE 1º DE MARÇO DE 2010 A SECRETÁRIA-EXECUTIVA DO

Leia mais

TEMA CENTRAL: A interface do cuidado de enfermagem com as políticas de atenção ao idoso.

TEMA CENTRAL: A interface do cuidado de enfermagem com as políticas de atenção ao idoso. TERMO DE ADESÃO A POLITICA DE INSCRIÇÃO NOS EVENTOS DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENFERMAGEM 9ª. JORNADA BRASILEIRA DE ENFERMAGEM GERIÁTRICA E GERONTOLÓGICA TEMA CENTRAL: A interfce do cuiddo de enfermgem

Leia mais

Acta Otorrinolaringológica Gallega

Acta Otorrinolaringológica Gallega ISSN: 2340-3438 Edit: Sociedd Glleg de Otorrinolringologí. Act Otorrinolringológic Glleg Artículo originl Osteoms fronto e/ou etmoidis: Aspectos Clínicos e Cirúrgicos Fronto-ethmoid osteoms:clinicl nd

Leia mais

GRUPO II 23 PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE SAÚDE ATIVIDADES DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE SAÚDE / EQUIPAMENTOS DE SAÚDE

GRUPO II 23 PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE SAÚDE ATIVIDADES DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE SAÚDE / EQUIPAMENTOS DE SAÚDE TIVIDDES DE PRESTÇÃO DE SÚDE / EQUIPMENTOS DE SÚDE 23 PRESTÇÃO DE SÚDE CE FISCL VIGILÂNCI EM SÚDE TULIZÇÃO 8610-1/01 TIVIDDES DE TENDIMENTO HOSPITLR EXCETO PRONTO-SOCORRO E UNIDDES PR TENDIMENTO E URGÊNCIS

Leia mais

Português. Manual de Instruções. Função USB. Transferindo padrões de bordado para a máquina Atualização fácil da sua máquina

Português. Manual de Instruções. Função USB. Transferindo padrões de bordado para a máquina Atualização fácil da sua máquina Mnul de Instruções Função USB Trnsferindo pdrões de borddo pr máquin Atulizção fácil d su máquin Português Introdução Este mnul fornece descrições sobre trnsferênci de pdrões de borddo de um mídi USB

Leia mais

push (c) pop () retorna-se c topo b a topo Figura 10.1: Funcionamento da pilha.

push (c) pop () retorna-se c topo b a topo Figura 10.1: Funcionamento da pilha. 11. Pilhs W. Celes e J. L. Rngel Um ds estruturs de ddos mis simples é pilh. Possivelmente por ess rzão, é estrutur de ddos mis utilizd em progrmção, sendo inclusive implementd diretmente pelo hrdwre d

Leia mais

PROJETO DE CONSTRUÇÃO DE FOSSA BIODISGESTORA

PROJETO DE CONSTRUÇÃO DE FOSSA BIODISGESTORA PROJETO DE CONSTRUÇÃO DE FOSSA BIODISGESTORA Acdêmicos: Adenilton Sntos Moreir 123 RESUMO Este rtigo present um projeto de foss biodigestor, que será executdo pelo utor do mesmo, su principl finlidde é

Leia mais

ESTÁGIO PARA ESTUDANTE DA UFU

ESTÁGIO PARA ESTUDANTE DA UFU 1 ESTÁGIO PARA ESTUDANTE DA UFU EDITAL UFU/PREFE/044/2010 EDITAL DE PROCESSO SELETIVO PARA ESTAGIÁRIO(A) A Pró-reitori de Grdução d Universidde Federl de Uberlândi, mprd no rtigo 248 ds Norms de Grdução

Leia mais

McAfee Email Gateway Blade Server

McAfee Email Gateway Blade Server Gui de início rápido Revisão B McAfee Emil Gtewy Blde Server versão 7.x Esse gui de início rápido serve como um roteiro ásico pr instlção do servidor lde do McAfee Emil Gtewy. Pr oter instruções detlhds

Leia mais

PREÇÁRIO Informação de Produtos e Serviços Aviso nº 1/95 do Banco de Portugal

PREÇÁRIO Informação de Produtos e Serviços Aviso nº 1/95 do Banco de Portugal 01-08-09 / Pág. 1/12 CRÉDITO PESSOAL CRÉDITO NO PONTO DE VENDA - PARTICULARES Crédito Lr Txs Representtivs Tx Preferencil Tx Nominl Nominl 7,500% 29,500% 18,3% CRÉDITO NO PONTO DE VENDA - EMPRESAS Crédito

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÕES JUDICIÁRIAS - SIJ

SISTEMA DE INFORMAÇÕES JUDICIÁRIAS - SIJ Secretri de Tecnologi d Informção Coordendori de Suporte Técnico os Usuários SISTEMA DE INFORMAÇÕES JUDICIÁRIAS - SIJ MÓDULO DESPACHO ASSISTIDO (versão 1.0) Sumário 1. OBJETIVO DO MÓDULO... 3 1. 2. GERENCIAMENTO

Leia mais

os corpos? Contato direto F/L 2 Gravitacional, centrífuga ou eletromagnética F/L 3

os corpos? Contato direto F/L 2 Gravitacional, centrífuga ou eletromagnética F/L 3 Universidde Federl de Algos Centro de Tecnologi Curso de Engenri Civil Disciplin: Mecânic dos Sólidos 1 Código: ECIV018 Professor: Edurdo Nobre Lges Forçs Distribuíds: Centro de Grvidde, Centro de Mss

Leia mais

Autor: Carlos Otávio Schocair Mendes

Autor: Carlos Otávio Schocair Mendes Plno de Implntção do no Centro Federl de Educção Tecnológic Celso Suckow d Fonsec CEFET- RJ 1 Autor: Crlos Otávio Schocir Mendes O objetivo desse trblho é fornecer subsídios pr implntção no no CEFET- RJ.

Leia mais

VETORES. Com as noções apresentadas, é possível, de maneira simplificada, conceituar-se o

VETORES. Com as noções apresentadas, é possível, de maneira simplificada, conceituar-se o VETORES INTRODUÇÃO No módulo nterior vimos que s grndezs físics podem ser esclres e vetoriis. Esclres são quels que ficm perfeitmente definids qundo expresss por um número e um significdo físico: mss (2

Leia mais

Desvio do comportamento ideal com aumento da concentração de soluto

Desvio do comportamento ideal com aumento da concentração de soluto Soluções reis: tividdes Nenhum solução rel é idel Desvio do comportmento idel com umento d concentrção de soluto O termo tividde ( J ) descreve o comportmento de um solução fstd d condição idel. Descreve

Leia mais

UMA (RE)VISÃO DO TEOREMA DE PITÁGORAS E SEU ENSINO. Hugo de Oliveira Motta Serrano 1, Eugenia Brunilda Opazo Uribe

UMA (RE)VISÃO DO TEOREMA DE PITÁGORAS E SEU ENSINO. Hugo de Oliveira Motta Serrano 1, Eugenia Brunilda Opazo Uribe Encontro de Ensino, Pesquis e Extensão, Presidente Prudente, 5 de outuro, 01 64 UMA (RE)VISÃO DO TEOREMA DE PITÁGORAS E SEU ENSINO Hugo de Oliveir Mott Serrno 1, Eugeni Brunild Opzo Urie Universidde Federl

Leia mais

Professores Edu Vicente e Marcos José Colégio Pedro II Departamento de Matemática Potências e Radicais

Professores Edu Vicente e Marcos José Colégio Pedro II Departamento de Matemática Potências e Radicais POTÊNCIAS A potênci de epoente n ( n nturl mior que ) do número, representd por n, é o produto de n ftores iguis. n =...... ( n ftores) é chmdo de bse n é chmdo de epoente Eemplos =... = 8 =... = PROPRIEDADES

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO DE ESTUDO DE ANÁLISE E TÉCNICAS DE SISTEMAS DE POTÊNCIA CA E CC - GAT

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO DE ESTUDO DE ANÁLISE E TÉCNICAS DE SISTEMAS DE POTÊNCIA CA E CC - GAT XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GAT. 5 Novemro de 9 Recife - PE GRUPO IV GRUPO DE ESTUDO DE ANÁLISE E TÉCNICAS DE SISTEMAS DE POTÊNCIA CA E CC - GAT PROJETO E

Leia mais

CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO

CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO DISCIPLINA: Comercilizr e Vender (10.º Ano) PLANIFICAÇÃO ANUAL Diretor do Curso Celso Mnuel Lim Docente Mri do Crmo Mendes Ano Letivo 2013/2014 Competêncis Geris

Leia mais

Busca Digital (Trie e Árvore Patrícia) Estrutura de Dados II Jairo Francisco de Souza

Busca Digital (Trie e Árvore Patrícia) Estrutura de Dados II Jairo Francisco de Souza Busc Digitl (Trie e Árvore Ptríci) Estrutur de Ddos II Jiro Frncisco de Souz Introdução No prolem de usc, é suposto que existe um conjunto de chves S={s 1,, s n } e um vlor x correspondente um chve que

Leia mais

CÁLCULO E INSTRUMENTOS FINANCEIROS I (2º ANO)

CÁLCULO E INSTRUMENTOS FINANCEIROS I (2º ANO) GESTÃO DE EMPRESAS CÁLCULO E INSTRUMENTOS FINANCEIROS I (2º ANO) Exercícios Amortizção de Empréstimos EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO Exercício 1 Um empréstimo vi ser reembolsdo trvés de reembolsos nuis, constntes

Leia mais

INTEGRAL DEFINIDO. O conceito de integral definido está relacionado com um problema geométrico: o cálculo da área de uma figura plana.

INTEGRAL DEFINIDO. O conceito de integral definido está relacionado com um problema geométrico: o cálculo da área de uma figura plana. INTEGRAL DEFINIDO O oneito de integrl definido está reliondo om um prolem geométrio: o álulo d áre de um figur pln. Vmos omeçr por determinr áre de um figur delimitd por dus rets vertiis, o semi-eio positivo

Leia mais

Considerando a necessidade de contínua atualização do Programa de Controle da Poluição do Ar por Veículos Automotores - PROCONVE;

Considerando a necessidade de contínua atualização do Programa de Controle da Poluição do Ar por Veículos Automotores - PROCONVE; http://www.mm.gov.br/port/conm/res/res97/res22697.html Pge 1 of 5 Resoluções RESOLUÇÃO Nº 226, DE 20 DE AGOSTO DE 1997 O Conselho Ncionl do Meio Ambiente - CONAMA, no uso ds tribuições que lhe são conferids

Leia mais

1.1) Dividindo segmentos em partes iguais com mediatrizes sucessivas.

1.1) Dividindo segmentos em partes iguais com mediatrizes sucessivas. COLÉGIO PEDRO II U. E. ENGENHO NOVO II Divisão Gráfi de segmentos e Determinção gráfi de epressões lgéris (qurt e tereir proporionl e médi geométri). Prof. Sory Izr Coord. Prof. Jorge Mrelo TURM: luno:

Leia mais

Modelação de motores de corrente contínua

Modelação de motores de corrente contínua Controlo de Moviento Modelção de otores de corrente contínu Modelção de áquins CC Introdução Historicente, o otor CC foi utilizdo de odo universl no controlo de velocidde, té o desenvolviento, sustentdo,

Leia mais

EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL (DIRECÇÃO DE OBRA):

EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL (DIRECÇÃO DE OBRA): CURRICULUM VITAE Nome Ncionlidde Helder Jorge Gomes Ribeiro Portugues Dt de Nscimento 27 de Setembro de 1979 Estdo Civil Mord Solteiro Ru d Figueir d Foz nº77, 2DTO 3000-184 Coimbr Tlm: +351 916 515 477

Leia mais

Nº 36, segunda-feira, 12 de maio de 2015 HOSPITAL UNIVERSITÁRIO LAURO WANDERLEY

Nº 36, segunda-feira, 12 de maio de 2015 HOSPITAL UNIVERSITÁRIO LAURO WANDERLEY Nº 36, segund-feir, 12 de mio de 25 HOSPITAL UNIVERSITÁRIO LAURO WANDERLEY N 36, 12 de mio de 25 1 Nº 36, segund-feir, 12 de mio de 25 EMPRESA BRASILEIRA DE SERVIÇOS HOSPITALARES EBSERH HOSPITAL UNIVERSITÁRIO

Leia mais

Trabalhando-se com log 3 = 0,47 e log 2 = 0,30, pode-se concluir que o valor que mais se aproxima de log 146 é

Trabalhando-se com log 3 = 0,47 e log 2 = 0,30, pode-se concluir que o valor que mais se aproxima de log 146 é Questão 0) Trlhndo-se com log = 0,47 e log = 0,0, pode-se concluir que o vlor que mis se proxim de log 46 é 0),0 0),08 0),9 04),8 0),64 Questão 0) Pr se clculr intensidde luminos L, medid em lumens, um

Leia mais

SOCIEDADE EDUCACIONAL DE SANTA CATARINA INSTITUTO SUPERIOR TUPY

SOCIEDADE EDUCACIONAL DE SANTA CATARINA INSTITUTO SUPERIOR TUPY SOCIEDADE EDUCACIONAL DE SANTA CATARINA INSTITUTO SUPERIOR TUPY IDENTIFICAÇÃO PLANO DE ENSINO Curso: Engenhri de Produção Período/Módulo: 6º Período Disciplin/Unidde Curriculr: Simulção de Sistems de Produção

Leia mais

U04.6. Câmara Municipal da Amadora. Pág. 1 a. 00. Requerimento (Modelo 04.6/CMA/DAU/2009) 01. Documento comprovativo da legitimidade do requerente.

U04.6. Câmara Municipal da Amadora. Pág. 1 a. 00. Requerimento (Modelo 04.6/CMA/DAU/2009) 01. Documento comprovativo da legitimidade do requerente. Câmr Municipl d Amdor Deprtmento de Administrção U04.6 Urbnísitic EMISSÃO DE LICENÇA ESPECIAL OU COMUNICAÇÃO PRÉVIA PARA OBRAS INACABADAS LISTA DE DOCUMENTOS 00. Requerimento (Modelo 04.6/CMA/DAU/2009)

Leia mais

Ilha Solteira, 17 de janeiro de 2013. OFICIO OSISA 05/2013

Ilha Solteira, 17 de janeiro de 2013. OFICIO OSISA 05/2013 Nossos prceiros Pel trnsprênci e qulidde d plicção dos recursos públicos Ilh Solteir, 17 de jneiro de 2013. OFICIO OSISA 05/2013 Ao Exmo. Sr. Alberto dos Sntos Júnior Presidente d Câmr Municipl de Ilh

Leia mais

Eletrotécnica. Módulo III Parte I Motores CC. Prof. Sidelmo M. Silva, Dr. Sidelmo M. Silva, Dr.

Eletrotécnica. Módulo III Parte I Motores CC. Prof. Sidelmo M. Silva, Dr. Sidelmo M. Silva, Dr. 1 Eletrotécnic Módulo III Prte I Motores CC Prof. 2 3 Máquin CC Crcterístics Básics Muito versáteis (bos crcterístics conjugdo X velocidde) Elevdos conjugdos de prtid Aplicções em sistems de lto desempenho

Leia mais

Apoio à Decisão. Aula 3. Aula 3. Mônica Barros, D.Sc.

Apoio à Decisão. Aula 3. Aula 3. Mônica Barros, D.Sc. Aul Métodos Esttísticos sticos de Apoio à Decisão Aul Mônic Brros, D.Sc. Vriáveis Aletóris Contínus e Discrets Função de Probbilidde Função Densidde Função de Distribuição Momentos de um vriável letóri

Leia mais

A ÁGUA COMO TEMA GERADOR PARA O ENSINO DE QUÍMICA

A ÁGUA COMO TEMA GERADOR PARA O ENSINO DE QUÍMICA A ÁGUA COMO TEMA GERADOR PARA O ENSINO DE QUÍMICA AUTORES: AMARAL, An Pul Mgno; NETO, Antônio d Luz Cost. E-MAIL: mgno_n@yhoo.com.br; ntonioluzneto@gmil.com INTRODUÇÃO Sendo um desfio ensinr químic pr

Leia mais

Acoplamento. Tipos de acoplamento. Acoplamento por dados. Acoplamento por imagem. Exemplo. É o grau de dependência entre dois módulos.

Acoplamento. Tipos de acoplamento. Acoplamento por dados. Acoplamento por imagem. Exemplo. É o grau de dependência entre dois módulos. Acoplmento É o gru de dependênci entre dois módulos. Objetivo: minimizr o coplmento grndes sistems devem ser segmentdos em módulos simples A qulidde do projeto será vlid pelo gru de modulrizção do sistem.

Leia mais

Projecções Cotadas. Luís Miguel Cotrim Mateus, Assistente (2006)

Projecções Cotadas. Luís Miguel Cotrim Mateus, Assistente (2006) 1 Projecções Cotds Luís Miguel Cotrim Mteus, Assistente (2006) 2 Nestes pontmentos não se fz o desenvolvimento exustivo de tods s mtéris, focndo-se pens lguns items. Pelo indicdo, estes pontmentos não

Leia mais

Forame retromolar: sua repercussão clínica e avaliação de 35 mandíbulas secas

Forame retromolar: sua repercussão clínica e avaliação de 35 mandíbulas secas REVISTA DE ODONTOLOGIA DA UNESP ARTIGO ORIGINAL Rev Odontol UNESP. 2012 My-June; 41(3): 164-168 2012 - ISSN 1807-2577 Forme retromolr: su repercussão clínic e vlição de 35 mndíuls secs The retromolr formen

Leia mais