CREDELEC. O SERVIÇO PRÉ-PAGO da EDM SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE PRÉ-PAGAMENTO DE ENERGIA ELÉCTRICA BRASÍLIA 21 E 22/09/2011

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CREDELEC. O SERVIÇO PRÉ-PAGO da EDM SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE PRÉ-PAGAMENTO DE ENERGIA ELÉCTRICA BRASÍLIA 21 E 22/09/2011"

Transcrição

1 SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE PRÉ-PAGAMENTO DE ENERGIA ELÉCTRICA BRASÍLIA 21 E 22/09/2011 CREDELEC O SERVIÇO PRÉ-PAGO da EDM PRODUÇÃO TRANSPORTE DISTRIBUIÇÃO COMERCIALIZAÇÃO 1

2 SUMÁRIO CARACTERIZAÇÃO DO SECTOR ELÉCTRICO REGIONAL: SAPP 3 INFORMAÇÃO GERAL DE MOÇAMBIQUE 4 CARACTERIZAÇÃO DO SECTOR ELÉCTRICO EM MOÇAMBIQUE 6 ESTRUTURA ORGANIZACIONAL DA EDM 7 PRINCIPAIS INDICADORES DA EDM PRODUÇÃO, TRANSPORTE, DISTRIBUIÇÃO E COMERCIALIZAÇÃO 13 TARIFA EM VIGOR A PARTIR DE 20/09/ COMPONENTES DO PROJECTO CREDELEC E IMPLEMENTAÇÃO 23 ANÁLISE COMPARATIVA DO PÓS-PAGO E PRÉ-PAGO 27 FACTORES CRÍTICOS DO SUCESSO NO PRÉ-PAGAMENTO 31 CRONOLOGIA DO PRÉ-PAGAMENTO EM MOÇAMBIQUE 32 RESULTADOS 33 CREDELEC ON-LINE A PARTIR DE SIGEM: SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO DA EDM 48 CONSIDERAÇÕES FINAIS 50 2

3 CARACTERIZAÇÃO DO SECTOR ELÉCTRICO REGIONAL: SAPP EDM é Membro do Southern African Power Pool (SAPP), uma organização regional de empresas nacionais de electricidade estabelecida em 1995 sob a égide da SADC; DR Congo Tanzania O objectivo do SAPP é de maximizar os recursos regionais através de sinergia das empresas nacionais de electricidade em beneficio dos consumidores. Angola Namibia Malawi Zambia Zimbabwe Botswana Mozambique Swaziland South Africa Lesotho 3

4 INFORMAÇÃO GERAL DE MOÇAMBIQUE Países de Fronteira Tanzania Malawi Zâmbia Zimbabwe África do Sul Suazilândia Capital: Maputo População: (2007) Território: 799,380 Km2 Costa: 2,515 Km Maior Rio: Zambeze Maior Lago: Niassa Língua Oficial: Português 4

5 MAPUTO CAPITAL DE MOÇAMBIQUE 5

6 CARACTERIZAÇÃO DO SECTOR ELÉCTRICO EM MOÇAMBIQUE A EDM foi criada em 1977 com o monopólio de Produção, Transporte, Distribuição e Comercialização Lei da Empresas Publicas Aprovado em 1991 (Lei Nº. 17/91) EDM transformada em Empresa Publica em 1995 Lei de Electricidade aprovada em 1997 (Lei Nº. 21/97) Regulamento de Electricidade em 2000 (Decrecto 08/2000) Decreto sobre o Sistema tarifário 29/2003 EDM designada, por Lei, Gestora da Rede Nacional de Transporte (RNT) em 2005 (Decreto 43/2005) 6

7 ESTRUTURA ORGANIZACIONAL DA EDM 7

8 MISSÃO E VALORES MISSÃO: Exploração dos serviços de Produção, Transporte, Distribuição e Comercialização de Energia Eléctrica em Moçambique, em defesa do interesse público e benefício do consumidor, preservando o meio ambiente. VALORES: Integridade, Profissionalismo e Dedicação. 8

9 VISÃO E LEMA VISÃO: Produzir, de forma sustentável, valor através da satisfação plena das necessidades dos clientes em energia eléctrica de qualidade e serviços associados. LEMA: Com Energia Construimos Futuro 9

10 PRINCIPAIS INDICADORES DA EDM Ponta do Sistema: 534 MW (Crescimento de 11%); Perdas de Distribuição: 22% ( Sendo 21% em Junho 2011); Energia Facturada: 2,197 GWh (Crescimento de 14%); Energia Exportada: 580 GWh (Crescimento de 13%); Novas Ligações: 130,938 (Contra 120,888 em 2009); Número de Clientes: (Em Junho 2011); Facturação: 5,812,846, MT (811,413,985 MT Exportação e Clientes Especiais) Índice de Cobrança: 97% (Em Junho 2011); Cobertura do CREDELEC: 80% (Em Junho 2011); Índice de Electrificação do Pais: 18% (Em Junho 2011); 10

11 PRODUÇÃO Situação actual das fontes de energia Produção : Hídrica (100%) Capacidade Instalada: 2169 MW Cahora Bassa (2075 MW) - IPP Chicamba (38 MW) Mavuzi (42 MW) Corumana (14 MW) 11

12 PRODUÇÃO: Projectos em perspectiva Benga (450 MW) (2015) Mphanda Nkuwa (1500 MW) (2017) Cahora Bassa North (1245 MW) (2017) Moatize (300 MW) (2015) Mavuzi 2 & 3 (60 MW) Boroma (160 MW) Lupata (550 MW) Ruo (100 MW) Malema (50 MW) Lúrio (120 MW) Massingir (27 MW) Ressano Garcia (140 MW) (2013/14) 12

13 TRANSPORTE Situação na conquista da independência em 1975 Até 1980 somente Tete e Maputo (via África do Sul) recebiam energia da Cahora Bassa Chimoio & Beira recebiam energia das Centrais de Mavuzi & Chicamba O fornecimento às restantes cidades era por Centrais a Diesel. (Lichinga, Pemba, Nampula, Mocuba, Quelimane, Inhambane, Maxixe, Xai- Xai e Chókwe)

14 TRANSPORTE Situação em 2010 Actualmente a rede de transporte de energia está em todo País; Energia produzida em Cahora Bassa chega a todas as capitais provinciais; 102 Sedes Distritos (de um total de 128 existentes em Moçambique) já estão electrificadas e recebem energia da Rede Eléctrica Nacional da EDM

15 TRANSPORTE: Projecto CESUL (em curso) Mozambique Transmission Backbone (CESUL project) 15

16 TRANSPORTE: Projecto CESUL (em curso) Transfer capacity 700 MW Transfer capacity MW Transfer capacity MW Transfer capacity MW 2011 HVAC + HVDC HVAC + HVDC HVAC + HVDC Geração de Energia (Bacia do Rio Zambezi) Geração de Energia (Bacia do Rio Zambezi) Geração de Energia (Bacia do Rio Zambezi) 700 MW 800 kv CC Monopolo kv CA 800 kv CC Monopolo com dois conversores em paralelo kv CA MW MW MW 800 kv CC Bipolo kv CA Sudeste de Moçambique e África do Sul Ponto de Entrega de Energia Sudeste de Moçambique e África do Sul Ponto de Entrega de Energia Sudeste de Moçambique e África do Sul Ponto de Entrega de Energia CAPEX: Reinforcement CAPEX: US$ 1,500 CAPEX: US$ 1,900 CAPEX: US$ 2,900 Phase 0 Phase 1 Phase 2 Phase 3 16

17 DISTRIBUIÇÃO E COMERCIALIZAÇÃO Caracterização da estrutura de clientes CATEGORIA TARIFÁRIA Peso (%) Doméstica ,62 Geral ,44 Social ,43 Agrícola B.T ,01 Grande Consumidor B.T ,25 Agrícola M.T ,01 Média/Alta Tensão ,24% TOTAL % A gestão comercial de clientes Domésticos (92% do global) representa um significativo custo administrativo na estrutura da empresa (Leituras, Entrega de Facturas, Cortes por Falta de Pagamento, Religações, Inspecções, Reclamações, Piquete, etc.). Foi também na perspectiva de redução de custos, que a EDM identificou o Pré-pagamento CREDELEC como uma ferramenta fundamental na viabilização da gestão do seu negócio. 17

18 DISTRIBUIÇÃO E COMERCIALIZAÇÃO Caracterização da energia vendida (% MWH) A Média e Alta Tensão, embora 37,7% 6,8% 0,1% 0,3% 11,8% 43,4% Doméstica Geral Social Agrícola Grande Consumidor B.T Média/Alta Tensão com menos de 1% do total de clientes, assumem cerca de 38% do volume da energia vendida MWh 18

19 TARIFA EM VIGOR A PARTIR DE 20/09/2010 Decreto 29/2003, de 23 de Junho e Decreto 01/2010 de 17 de Fevereiro TABELA 1 CATEGORIAS TARIFÁRIAS: Social, Doméstica, Agrícola e Geral (Baixa Tensão) Consumos PREÇO DE VENDA POR CATEGORIA TARIFÁRIA Taxa Fixa Registados Tarifa Social Tarifa Doméstica Tarifa Agrícola Tarifa Geral [MT] [kwh] [MT/kWh] [MT/kWh] [MT/kWh] [MT/kWh] De 0 a 100 1,07 0,00 0,00 0,00 De 0 a 300 0,00 2,50 2,68 2,97 85,35 De 301 a 500 0,00 3,53 3,81 4,24 85,35 Superior a 500 0,00 3,71 4,17 4,64 85,35 PRÉ - PAGAMENTO 1,07 3,18 3,71 4,26 0,00 TABELA 2 CATEGORIAS TARIFÁRIAS: Grandes Consumidores de Baixa Tensão, Média Tensão, Média Tensão Agrícola, e Alta Tensão CATEGORIA TARIFÁRIA PREÇO DE VENDA Taxa Fixa [MT/kWh] [MT/kW] [MT] Grandes Consumidores de Baixa Tenão (GCBT) 1,47 112,65 220,37 Média Tensão (MT) 1,21 126, ,38 Média Tensão Agrícola (MTA) 1,09 126, ,38 Alta Tensão (AT) 1,08 138, ,38 NOTA: Para a Categoria Tarifaria de Média Tensão Agrícola, a Potência a Facturar deve ser igual à Potência Tomada. 19

20 CARACTERIZAÇÃO DA DISTRIBUIÇÃO E COMERCIALIZAÇÃO Antes de 1995 Deficiências no processo de captura e processamento de leituras; Deficiências no processo de facturação; Significativo índice de reclamações de clientes; Elevado volume de dívida mal parada; Baixa produtividade; Baixa qualidade do serviço prestado ao cliente; Elevados custos administrativo; ELEVADO NÍVEL DE PERDAS COMERCIAIS E DE DISTRIBUIÇÃO 20

21 ELEVADO NÍVEL DE PERDAS Factores associados Fraca qualidade da rede de Distribuição em vários locais Focos de sobrecarga e/ou quedas de tensão na periferia das grandes cidades; Insuficiente capacidade para Leituras, Cortes e Inspecções; Violação de sistemas de contagem, fraudes e fornecimento de terceiros; Existência de contadores obsoletos e fora da vida útil; Existência de clientes sem contadores (até 2003); Ligações clandestinas; Baixo índice de cobrança; Falta dum programa estruturado de combate às perdas 21

22 DESENVOLVIMENTO DUM PROJECTO DE REDUÇÃO DE PERDAS E MELHORIA DA QUALIDADE DE SERVIÇO AO CLIENTE EM 1995 SCOPE DO PROJECTO Revitalizar Sector Comercial (facturação, cobrança, gestão de conta-clientes) Revitalizar Sector Técnico-comercial (leituras, cortes, inspecções, contagens); Reformular a Gestão e Sistemas de Contagem na Alta, Média e Baixa Tensão; Introduzir de procedimentos de facturação retroactiva da energia roubada; Adequar aspectos legais e de regulamentação às exigências do mercado; Remir o brio profissional e atitude correcta perante o cliente, e formar o pessoal; Introduzir o serviço pré-pago (CREDELEC); Introduzir parecerias estratégicas (comunidade, policia, lideres locais, etc.); Melhorar a qualidade técnica na rede de Distribuição. 22

23 COMPONENTES DO PROJECTO CREDELEC E IMPLEMENTAÇÃO Tecnologias de informação Analisar o custo/beneficio entre as opções On-line ou Off-line; Definir a arquitectura tecnológica adequada em função das condições do Pais; Seleccionar o tipo de Sistema (Software) de gestão e vendas adequado; COMPONENTES INDISPENSÁVEIS DE TI Sistema (Software) de gestão e venda Servidor Central Back-Up Disaster Recovery Equipamento dos Postos de Venda (da EDM e Privados) Sistema GIS/GPS (Digitalização de fotografias aéreas, interface com mapas geográficos) 23

24 COMPONENTES DO PROJECTO CREDELEC E IMPLEMENTAÇÃO Equipamentos e Serviços Contadores de Pré-pagamento; Readyboard (Quadrelec), para clientes de baixa renda; Material para adequar instalações eléctricas dos clientes de Pós-pago para Pré-pago Infra-estrutura e serviços de comunicações 24

25 COMPONENTES DO PROJECTO CREDELEC E IMPLEMENTAÇÃO Reformulação de Processos, formação do Pessoal e Marketing Reformular e adequar os processos e procedimentos comerciais; Sincronizar a limpeza, tratamento e imigração de dados do Pós-Pago para o Pré-Pago; Definir e implementar uma politica de tratamento da divida acumulada no Pós-Pago; Formar e treinar os gestores e vendedores da EDM e dos vendedores privados; Estabelecer relatórios de gestão e critérios de monitoria permanente (inclui inspecções) Criar uma identidade comercial do serviço (nome de baptismo Credelec ); Definir uma estratégia de informação personalizada e direccionada ao cliente; Informar previamente as autoridades locais buscando o seu apoio e envolvimento; Implementar marketing do serviço (vertentes interna e externa / resistência à mudança); Assegurar o apoio e acompanhamento da Direcção máxima da empresa. 25

26 COMPONENTES DO PROJECTO CREDELEC E IMPLEMENTAÇÃO Mecanismos de financiamento adoptados pela EDM Projectos Turn-Key ; Fundos próprios; Crédito da banca comercial Parcerias no âmbito dos programas de electrificação 26

27 ANÁLISE COMPARATIVA DO PÓS-PAGO E PRÉ-PAGO Exploração de Serviços PÓS-PAGO ( CONVENCIONAL ) PRÉ-PAGO ( CREDELEC ) Necessidades de leituras e distribuição de facturas. Eliminação de leituras e distribuição de facturas. Necessidade de facturação Necessidade de executar cortes e religações. Eliminação do processo de facturação. Eliminação de cortes por falta de pagamento. Necessidade de inspecções contra fraudes. Dificuldades na localização de instalações (Subúrbios). Elevado custo de exploração. Necessidade de inspecções contra fraudes. Fácil localização das instalações com recurso ao sistema GIS/GPS. Baixo custo de exploração. 27

28 ANÁLISE COMPARATIVA DO PÓS-PAGO E PRÉ-PAGO Cobranças e Vendas PÓS-PAGO ( CONVENCIONAL ) PRÉ-PAGO ( CREDELEC ) Aplicação da multa, para pagamentos fora de prazos. Entre o consumo e o prazo da factura há um período de crédito ao cliente. Dificuldades na recuperação da dívida. Dificuldades para garantir um bom índice de cobrança. Eliminação de multas, por atraso de pagamento. Eliminação do período de crédito ao cliente. Fácil recuperação da dívida através do desconto nas compras de energia. Melhoramento do índice de cobrança. Elevadas perdas administrativas. Redução de perdas administrativas. 28

29 ANÁLISE COMPARATIVA DO PÓS-PAGO E PRÉ-PAGO Qualidade de Serviço ao Cliente PÓS-PAGO ( CONVENCIONAL ) PRÉ-PAGO ( CREDELEC ) Não é eficaz para persuadir o uso racional de energia. A factura chega ao cliente depois do consumo. A EDM é que calcula a factura e define a data limite de pagamento. Ausência de transparência na facturação na optica do cliente, provocando reclamações. O cliente questiona sobre a qualidade do serviço. Estimula o uso racional. Facilidade para o cliente gerir a despesa com energia. O cliente é que define o valor e a frequência das compras. Maior transparência e redução significativa das reclamações. Melhoria da qualidade de serviços e relacionamento empresa cliente. 29

30 ANÁLISE COMPARATIVA DO PÓS-PAGO E PRÉ-PAGO Investimento e Manutenção PÓS-PAGO (CONVENCIONAL) Baixo investimento inicial com sistema de gestão, vendas e contadores. Longa vida útil dos contadores. Menor frequência de reposição de equipamentos e contadores. Incidência tarifária no cliente similar ao pré-pago. Baixo custo médio de manutenção (por cliente). PRÉ-PAGO (CREDELEC) Elevado investimento inicial com o sistema de gestão, vendas e contadores. Curta vida útil dos contadores. Maior frequência de reposição de equipamentos e contadores. Incidência tarifária no cliente similar ao pós-pago. Elevado custo médio de manutenção (por cliente). 30

31 FACTORES CRÍTICOS DO SUCESSO NO PRÉ-PAGAMENTO Avultado investimento inicial para a instalação do projecto; Redução do consumo médio dos clientes; Necessidade de manter um bom nível de inspecções para evitar fraudes; Reduzida vida útil do contador Pré-Pago (10 a 15 anos); Elevado custo de substituição de contadores; Baixo índice de reparação localmente dos contadores avariados; Exigência de comunicações de bom nível e com redundância; Necessidade de actualizações entre servidor postos de venda na operação em off-line; Exigência de redes de distribuição de boa qualidade. 31

32 CRONOLOGIA DO PRÉ-PAGAMENTO EM MOÇAMBIQUE 1995 Projecto Piloto, na Cidade de Matola, abrangendo 500 clientes; 1996 Projecto similar na Cidade de Maputo, abrangendo clientes; 2005 Inicio da expansão massiva para todas as Áreas de Distribuição; 2007 Uniformização para um único fornecedor do Software de gestão e vendas; 2010 Abrangência das sedes de todas as Áreas de Distribuição da EDM; 2011 Cobertura atinge 80% do universo de clientes da EDM; 2011 Substituição dos Sistemas OFF-LINE por um Sistema Integrado ON-LINE. 32

33 RESULTADOS Evolução do serviço Pré-pago (Credelec) Anos Pré-pago Pós-pago Cobertura (%) 0,2% 0,3% 1% 2% 4% 5% 7% 13% 16% 29% 38% 46% 58% 64% 73% 78% 33

34 RESULTADOS Evolução do serviço Pré-pago (Credelec) EVOLUÇÃO DE CLIENTES - CREDELEC CLIENTES Anos Pré-pago Pós-pago Cobertura (%) 38% 46% 58% 64% 73% 78% 80% 34

35 RESULTADOS Clientes por região Junho Região Pós-Pago Pré-Pago Total Pré-pago % CIDADE DE MAPUTO % SUL % CENTRO % NORTE % TOTAL % 35

36 RESULTADOS Evolução das perdas de distribuição 50% Total das Perdas de Distribuição ( ) 45% 40% 35% 43% 36% Perdas (%) 30% 25% 20% 28% 25% 24% 25% 24% 27% 27% 20% 18% 22% 23% 22% 21% 22% 21% 15% 10% 5% 0% Anos As perdas totais de Distribuição decresceram de 43% em 1995 para 21% em

37 RESULTADOS Evolução do índice de cobranças ÍNDICE DE COBRANÇA ÍNDICE (%) 98% 96% 94% 92% 90% 88% 88% 90% 92% 93% 94% 95% 95% 96% 97% 97% 97% 86% 84% 82% ANOS O Índice de Cobrança cresceu de forma acentuada acompanhando a expansão do Credelec, tendo saído de 88% em 2001 para 97% em Junho de

38 RESULTADOS Evolução do indicador Clientes / Trabalhador 38

39 RESULTADOS Evolução do acesso a electricidade 20% Acesso á Electricidade ( ) 18% 18% 16% 16% 14% 12% 10% 10% 12% 14% 8% 6% 4% 5% 5% 5% 6% 7% 8% 2% 0% Anos Nos últimos 10 anos de massificação do Pré-Pago CREDELEC, a taxa de acesso à electricidade mais do que triplicou 39

40 RESULTADOS Massificação da electrificação rural A combinação do Pré-Pago (Credelec) e do Ready-Board (Quadrelec) possibilita a ligação de famílias de baixa renda / fraco poder de compra, e de casas sem instalação eléctrica convencional 40

41 CREDELEC OFF-LINE DE 1995 A 2010 Ganhos obtidos Reduzida a carga administrativa de leituras, distribuição de facturas, cortes/religações Garantido o combate as dividas assegurando uma garantia efectiva de boa cobrança; Minimizadas as reclamações dos clientes sobre a facturação e cobrança (e multas); Minimizado o impacto do deficiente endereçamento / localização das instalações; Transferida para o cliente a decisão de quando e quanto gastar em electricidade; Conferida total transparência no relacionamento com clientes; Incrementada a ligação de clientes de baixa renda; Incrementada a ligação de famílias/casas sem instalações eléctricas convencionais; Melhorado o índice de acesso à electricidade; Estimulada continuamente a necessidade de racionalização do uso de energia Melhorada a imagem da EDM na percepção do cliente. 41

42 CREDELEC OFF-LINE DE 1995 A 2010 Constrangimentos. Cada uma das 14 cidades é gerida por um sistema isolado que não está interligado com qualquer outro. Cada sistema precisa de actualização permanente com os postos de venda para evitar duplicação do desconto da dívida, e das componentes das taxas de limpeza e rádio Cada cliente só pode comprar energia no sistema da cidade onde estiver registado. 30/JUNHO/2011 Clientes Clientes Cobertura Áreas de Distribuição TOTAL CREDELEC CREDELEC Cidade de Maputo 219, ,849 85% Pronvícia de Maputo 165, ,235 89% Xai-Xai 37,465 22,517 60% Chókwe 39,022 33,026 85% Inhambane 37,638 22,186 59% Beira 81,567 65,858 81% Chimoio 40,605 22,688 56% Tete 44,508 36,224 81% Quelimane 38,716 30,780 80% Mocuba 29,191 20,232 69% Nampula 86,774 69,117 80% Nacala 44,015 38,756 88% Lichinga 26,969 14,652 54% Pemba 30,059 22,442 75% TOTAL - EDM 921, ,562 80% 42

43 CREDELEC ON-LINE A PARTIR DE 2011 Concurso internacional e contrato com a ITRON A EDM lançou em 14/08/2009 um concurso internacional visando identificar uma solução tecnológica de operacionalizar o Credelec em regime On-Line, e o respectivo fornecedor que em conjunto com a EDM deve fazer a implementação; Um total de 26 empresas reagiram ao concurso, tendo o processo seguido os seus tramites até ao apuramento e contratação da ITRON (República da África do Sul); Data da assinatura do contrato: 03/03/2011; Valor do contrato: 146 Milhões de Meticais (Cerca de 4.3 Milhões de USD); Duração do Contrato: 18 Meses. 43

44 CREDELEC ON-LINE A PARTIR DE 2011 Fases da implementação Conversão dos actuais 14 Sistemas Isolados Off-Line para o On-line, até Julho de 2012 Implementação de opções de serviço ao cliente (SMS, ATM, Voucher, etc.),a partir de Julho/2012) FASES DA IMPLEMENTAÇÃO PERÍODO Assinatura do contrato Março 2011 Procurement do Hardware, configuração de servidores e comunicações Abril a Junho 2011 Implementação na Cidade de Maputo Julho e Agosto de 2011 Implementação na Região Sul Setembro a Dezembro 2011 Implementação na Região Centro Janeiro a Abril de 2012 Implementação na Região Norte Maio a Julho 2012 Implementação das opções de serviço ao cliente (SMS, ATM, Voucher, etc) Julho e Agosto

45 CREDELEC ON-LINE A PARTIR DE 2011 Vantagens acrescidas com mais opções de serviço ao cliente A partir de Julho de 2012, serão disponibilizadas mais opções de serviços ao cliente, que permitirão ao cliente efectuar compras de energia através de outros canais tais como: Recargas( Voucher/Scratch Card ) +SMS (através da telefonia móvel); ATM (serviços bancários); Internet; Lojas da rede comercial normal (supermercados, etc.); Estes serviços irão conferir mais vantagens para o cliente: Mais comodidade para o cliente; Eliminar a necessidade do cliente ter de se deslocar ao posto de vendas; Maior abertura para a interligação com outros prestadores de serviços. 45

46 CREDELEC ON-LINE A PARTIR DE 2011 Arquitectura da sistema integrado 46

47 CREDELEC ON-LINE A PARTIR DE 2011 Sistema GIS/GPS A semelhança do que acontece no Credelec Off-line, O sistema GIS/GPS continuará a ser um interface fundamental no Credelec On-line, para assegurar a localização exacta dos clientes, mesmo em locais sem endereçamento formal. 47

48 SIGEM: SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO DA EDM Interface com o Credelec On-line Está em curso um projecto estruturante na gestão da EDM, que visa a substituição dos diversos sistemas informáticos actualmente existentes e que operam em modo isolado ao longo da cadeia de gestão negócio da empresa (Produção, Transporte, Distribuição, Comercial, Finanças, Gestão de Stocks, Recursos Humanos, etc.), por um Sistema Integrado (SIGEM). Nesta perspectiva, o Credelec On-line está sendo concebido com atenção para o seu futuro interface com o sistema mãe SIGEM, que integra as componentes a seguir indicadas: 48

49 SIGEM: SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO DA EDM Módulos integradores em perspectiva ERP CMS IRMS ICS Enterprise Resource Planning, Solução aplicacional de suporte aos processos administrativos/financeiros da Empresa, nomeadamente, Gestão Financeira, Contratos com Fornecedores, Compras e Logística, Projectos & Obras, e Gestão de Recursos Humanos e ainda o Business Intelligence Decision Support. Commercial Management System, Solução aplicacional de suporte aos processos comerciais e operacionais da Empresa, gestão de Contratos com Clientes, Pedidos de Clientes, Instalações, Contadores, Leituras, Facturação, Cobranças, Cortes e Religações, Dívida, Fraudes, Inspecções e Fiscalizações. Incidents Recording and Management System, Solução aplicacional que visa dotar a Empresa de meios mais eficazes e integrados para atender, reconhecer e cuidar do cliente em tempo real, tratando de processos como Reclamações, Conferência de Facturas, Participação de Avarias, Comunicação de Leituras, Pedidos de Informação, etc., só para citar alguns. Internal Communication System, refere-se a infra-estrutura de comunicação de dados, a qual cobrirá todos os pontos de presença da Empresa onde haja actividade de gestão financeira e administrativa (ERP), comercial (CMS) e técnica (IRMS) incluindo o Call Center. 49

50 CONSIDERAÇÕES FINAIS Para melhor rentabilização do investimento e maximização dos ganhos, não se deve olhar para o Pré-Pago apenas como um sistema isolado de vendas, mas sim como uma solução de serviço ao cliente, enquadrada numa estratégia comercial global da empresa, cujos objectivos devem estar previamente definidos; É fundamental uma análise prévia de viabilidade entre as opções Off-line e On-line, com todas as suas componentes, incluindo os interfaces com serviços de terceiros, e a estrutura de suporte global em comunicações; Após a implementação do Pré-pagamento, é crucial a monitoria permanentemente da evolução dos respectivos indicadores de gestão do projecto, incluindo a necessidade de manter um bom nível de inspecções, visando estancar a tendência de roubo de energia; Os contadores do tipo SPLIT são os que comparativamente a outros modelos oferecem melhores resultados no combate contra o roubo de energia (fraudes, ligações ilegais, etc.) 50

51 José Buque Director Comercial Electricidade de Moçambique MUITO OBRIGADO 51

Plano de Desenvolvimento na Área da Energia em Moçambique

Plano de Desenvolvimento na Área da Energia em Moçambique Plano de Desenvolvimento na Área da Energia em Moçambique A. de Sousa Fernando asousa@edm.co.mz 1 Principais Operadores do Sector Eléctrico Electricidade de Moçambique (EDM) Empresa Nacional de Electricidade,

Leia mais

Plano de Desenvolvimento na Área da Energia em Moçambique

Plano de Desenvolvimento na Área da Energia em Moçambique Plano de Desenvolvimento na Área da Energia em Moçambique Augusto de Sousa Fernando asousa@edm.co.mz 1 Electricidade de Moçambique (EDM) Empresa Nacional de Electricidade, responsável pela Produção, Transporte,

Leia mais

PROPOSTA DO PLANO ECONÓMICO E SOCIAL PARA 2013

PROPOSTA DO PLANO ECONÓMICO E SOCIAL PARA 2013 REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA ENERGIA DIRECÇÃO DE ESTUDOS E PLANIFICA ÇÃO PROPOSTA DO PLANO ECONÓMICO E SOCIAL PARA 2013 Nampula, 16 de Agosto de 2012 MINISTÉRIO DA ENERGIA 1 1. CONTEXTUALIZAÇÃO

Leia mais

TRANSPORTE E DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉCTRICA

TRANSPORTE E DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉCTRICA Este documento é de circulação restrita à sua audiência A sua transcrição ou reprodução não é permitida sem a prévia autorização escrita da nolimits Consulting TRANSPORTE E DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉCTRICA

Leia mais

UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE FACULDADE DE ENGENHARIA. Departamento de Engenharia Electrotécnica. Cadeira de Introdução à Engenharia

UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE FACULDADE DE ENGENHARIA. Departamento de Engenharia Electrotécnica. Cadeira de Introdução à Engenharia UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE FACULDADE DE ENGENHARIA Departamento de Engenharia Electrotécnica Cadeira de Introdução à Engenharia Tema: Sistema venda de energia pré-paga via móvel Discentes: Chan Son,

Leia mais

Electricidade um factor estratégico de crescimento e desenvolvimento Segunda Conferência RELOP Cabo Verde 6, 7 e 8 Julho de 2009

Electricidade um factor estratégico de crescimento e desenvolvimento Segunda Conferência RELOP Cabo Verde 6, 7 e 8 Julho de 2009 Luanda Electricidade um factor estratégico de crescimento e desenvolvimento Segunda Conferência RELOP Cabo Verde 6, 7 e 8 Julho de 2009 Declaração de VISÃO & MISSÃO (o que queremos ser) Consolidar e Liderar

Leia mais

ENE-EP E OS DESAFIOS DA REGULAÇÃO

ENE-EP E OS DESAFIOS DA REGULAÇÃO VI CONFERENCIA RELOP A QUALIDADE DE REGULAÇÃO DA ENERGIA E DOS SERVIÇOS NOS PALOP ENE-EP E OS DESAFIOS DA REGULAÇÃO Eng. Júlio Capitango Luanda, Maio de 2013 Índice 1. Enquadramento 2. Organização do Sector

Leia mais

Audiência Parlamentar Internacional em Moçambique Maputo, 19 de Setembro de 2009 1. ELECTRIFICAÇÃO RURAL EM MOÇAMBIQUE Moçambique é rico em recursos energéticos, como é o caso da energia hidroeléctrica,

Leia mais

República de Moçambique Ministério das Obras Públicas e Habitação. ABASTECIMENTO DE ÁGUA NAS PRINCIPAIS CIDADES Projectos e Cooperação

República de Moçambique Ministério das Obras Públicas e Habitação. ABASTECIMENTO DE ÁGUA NAS PRINCIPAIS CIDADES Projectos e Cooperação República de Moçambique Ministério das Obras Públicas e Habitação ABASTECIMENTO DE ÁGUA NAS PRINCIPAIS CIDADES Projectos e Cooperação Pedro Paulino Maio 2013 CONTEÚDO 1. CONTEXTO INSTITUCIONAL: Quadro

Leia mais

Missão Empresarial a Moçambique. O financiamento para as empresas em Moçambique

Missão Empresarial a Moçambique. O financiamento para as empresas em Moçambique Missão Empresarial a Moçambique O financiamento para as empresas em Moçambique Maio de 2013 Enquadramento Macroeconómico Financiamento Bancário: - Tipos de Crédito; - Riscos de Crédito Água: Tipos de negócio

Leia mais

IBO IBO CHEMBA CHEMBA. 2010 97 Distritos I Districts. 2011 107 Distritos I Districts CHÓKWÉ CHÓKWÉ

IBO IBO CHEMBA CHEMBA. 2010 97 Distritos I Districts. 2011 107 Distritos I Districts CHÓKWÉ CHÓKWÉ IBO IBO CHEMBA CHEMBA 2010 97 Distritos I Districts 2011 107 Distritos I Districts CHÓKWÉ CHÓKWÉ Ficha Técnica I Printing Publishing Electricidade de Moçambique, E.P. Unidade de Gestão de Desempenho

Leia mais

REDE PRINCIPAL DE TRANSMISSÃO DE MOÇAMBIQUE

REDE PRINCIPAL DE TRANSMISSÃO DE MOÇAMBIQUE REDE PRINCIPAL DE TRANSMISSÃO DE MOÇAMBIQUE Memória Descritiva do Projecto 26 de Maio de 2013 ÍNDICE 1. Introdução... 3 2. Aspectos Principais da Proposta do Projecto para a Rede Principal de Transmissão

Leia mais

Fórum da Conectividade Rural

Fórum da Conectividade Rural FUNDO DO SERVIÇO DE ACESSO UNIVERSAL (FSAU) Fórum da Conectividade Rural O Fundo do Serviço de Acesso Universal e o seu papel na promoção de parcerias Público- Privadas para a conectividade rural Apresentado

Leia mais

O GRUPO AITEC. Breve Apresentação

O GRUPO AITEC. Breve Apresentação O GRUPO AITEC Breve Apresentação Missão Antecipar tendências, identificando, criando e desenvolvendo empresas e ofertas criadoras de valor no mercado mundial das Tecnologias de Informação e Comunicação

Leia mais

O PAPEL DOS FORNECEDORES PRIVADOS DE ÁGUA EM MOÇAMBIQUE

O PAPEL DOS FORNECEDORES PRIVADOS DE ÁGUA EM MOÇAMBIQUE O PAPEL DOS FORNECEDORES PRIVADOS DE ÁGUA EM MOÇAMBIQUE Suzana Saranga Loforte Gestora de Recursos Hídricos & Meio Ambiente Direcção Nacional de Águas Ministério das Obras Públicas e Habitação de Moçambique

Leia mais

ISAQUE CHANDE COMISSÁRIO CONSELHO NACIONAL DE ELECTRICIDADE M. 15 a 17 de Novembro de 2011 Hotel Avenida Maputo Moçambique

ISAQUE CHANDE COMISSÁRIO CONSELHO NACIONAL DE ELECTRICIDADE M. 15 a 17 de Novembro de 2011 Hotel Avenida Maputo Moçambique ISAQUE CHANDE COMISSÁRIO CONSELHO NACIONAL DE ELECTRICIDADE M 15 a 17 de Novembro de 2011 Hotel Avenida Maputo Moçambique TEMA:REGULAÇÃO ENERGÉTICA EM MOÇAMBIQUE E AS ALTERAÇÕES COM VISTA A TORNAR OS PROJECTOS

Leia mais

"Aproveitamento do potencial hidroeléctrico de média escala em Mocambique e desafios para o seu desenvolvimento"

Aproveitamento do potencial hidroeléctrico de média escala em Mocambique e desafios para o seu desenvolvimento Conferência Aquashere 2014 "Aproveitamento do potencial hidroeléctrico de média escala em Mocambique e desafios para o seu desenvolvimento" Indice Introdução Potencial de Geração Hidroeléctrica do País

Leia mais

A Qualidade da Regulação e os Serviços do Sector Eléctrico Angolano

A Qualidade da Regulação e os Serviços do Sector Eléctrico Angolano A Qualidade da Regulação e os Serviços do Sector Eléctrico Angolano VI Conferência RELOP Per : José Quarta Luanda, 30 31 de Maio de 2013 1 Interacção entre actores do Sistema Eléctrico 2 3 Projectos de

Leia mais

Energia e Desenvolvimento A situação de Cabo Verde: Evolução, Ganhos e Perspectivas

Energia e Desenvolvimento A situação de Cabo Verde: Evolução, Ganhos e Perspectivas Energia e Desenvolvimento A situação de Cabo Verde: Evolução, Ganhos e Perspectivas Indicadores Socioeconómicos Rendimento per capita de 2010 foi de US$3.215, sendo que em 1975 era de US$190 Taxa de alfabetização:

Leia mais

Ministério de Minas e Energia Centrais Elétricas Brasileiras S.A. Eletrobras ANEXO VI DESCRIÇÃO DO PROJETO ENERGIA+

Ministério de Minas e Energia Centrais Elétricas Brasileiras S.A. Eletrobras ANEXO VI DESCRIÇÃO DO PROJETO ENERGIA+ Ministério de Minas e Energia Centrais Elétricas Brasileiras S.A. Eletrobras ANEXO VI DESCRIÇÃO DO PROJETO ENERGIA+ CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ORGANIZAÇÃO DE CONGRESSOS, EXPOSIÇÕES,

Leia mais

Projetos Internacionais

Projetos Internacionais Projetos Internacionais Projetos Nacionais de Desenvolvimento Nacional de Água (I e II) - Banco Mundial (IDA) Cerca de 130 milhões USD (1998-2007) para a produção de água em zonas rurais e urbanas e para

Leia mais

f) Processamentos de dados em baixa tensão, designadamente estimativas de consumo e metodologia de aplicação de perfis de consumo.

f) Processamentos de dados em baixa tensão, designadamente estimativas de consumo e metodologia de aplicação de perfis de consumo. NOTA INFORMATIVA RELATIVA AO DESPACHO N.º 2/2007 QUE APROVA O GUIA DE MEDIÇÃO, LEITURA E DISPONIBILIZAÇÃO DE DADOS O Regulamento de Relações Comerciais (RRC) aprovado através do despacho da Entidade Reguladora

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA E COMÉRCIO

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA E COMÉRCIO REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA E COMÉRCIO Carta de Serviço O MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA E COMÉRCIO, órgão central do Estado que superintende a área da Indústria e Comércio. ATRIBUIÇÕES São

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE MUDANÇA DE COMERCIALIZADOR - CONSULTA PÚBLICA -

PROCEDIMENTOS DE MUDANÇA DE COMERCIALIZADOR - CONSULTA PÚBLICA - PROCEDIMENTOS DE MUDANÇA DE COMERCIALIZADOR - CONSULTA PÚBLICA - 1. ENQUADRAMENTO Na sequência da consulta pública acima mencionada, promovida conjuntamente pelos reguladores português e espanhol, vem

Leia mais

Apresentado por: Miquelina Menezes Maputo, 17 de Novembro de 2011

Apresentado por: Miquelina Menezes Maputo, 17 de Novembro de 2011 Energia Para Moçambique Análise do potencial do país no âmbito da geração de energias renováveis e revisão dos projectos de energia solar, eólica, hídrica, biomassa e biodiesel Apresentado por: Miquelina

Leia mais

Plano de Comercialização Agrícola para 2011 e 2012

Plano de Comercialização Agrícola para 2011 e 2012 MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA E COMÉRCIO Plano de Comercialização Agrícola para 2011 e 2012 1 Estrutura de apresentação Objectivo do Plano Caracterização geral da comercialização agrícola Principais Intervenientes

Leia mais

UNTAET United Nations Transitional Administration in Timor-Leste

UNTAET United Nations Transitional Administration in Timor-Leste UNITED NATIONS NATIONS UNIES UNTAET United Nations Transitional Administration in Timor-Leste NOTIFICAÇÃO UNTAET/NOT/2000/22 30 de Novembro de 2000 SOBRE TARIFAS REFERENTES A SERVIÇOS DE ELECTRICIDADE

Leia mais

L ATITUDE PEMBA O MAR NO HORIZONTE

L ATITUDE PEMBA O MAR NO HORIZONTE L ATITUDE PEMBA O MAR NO HORIZONTE TANZÂNIA Mocimboa da Praia MALAWI Lichinga NIASSA CABO DELGADO NAMPULA Pemba Nacala TETE TETE ZAMBEZIA PEMBA MANICA SOFALA Quelimane CHIMOIO BEIRA para Hararre GAZA INHAMBANE

Leia mais

ERSE Audição Pública sobre os Regulamentos do Sector do Gás Natural. Lisboa, 26 de Julho de 2006

ERSE Audição Pública sobre os Regulamentos do Sector do Gás Natural. Lisboa, 26 de Julho de 2006 ERSE Audição Pública sobre os Regulamentos do Sector do Gás Natural Lisboa, 26 de Julho de 2006 O ponto de vista de uma Distribuidora Modelo proposto a Distribuidora apresenta um plano de desenvolvimento

Leia mais

1ª SESSÃO: QUESTÕES E OPÇÕES

1ª SESSÃO: QUESTÕES E OPÇÕES Trade and Investment Project Transporte Urbano Presentation to FEMATRO, Maputo -- 22 Maio 2008 Richard Iles Teresa Muenda 1ª SESSÃO: QUESTÕES E OPÇÕES 1 1 PROBLEMAS DOS TRANSPORTES URBANOS EM MAPUTO Níveis

Leia mais

Modernização dos Sistemas de Informação do Grupo Prosegur

Modernização dos Sistemas de Informação do Grupo Prosegur Modernização dos Sistemas de Informação do Grupo Prosegur Rogério Machado Director Técnico José Monteiro Ferreira Director Informática e Telecomunicações AGENDA 1. A APR 2. APRESENTAÇÃO DO PROJECTO 3.

Leia mais

Associação de Reguladores de Energia dos Países de Língua Oficial Portuguesa

Associação de Reguladores de Energia dos Países de Língua Oficial Portuguesa II Conferência RELOP Associação de Reguladores de Energia dos Países de Língua Oficial Portuguesa AES SUL - Concessionária de Distribuição de Energia Elétrica da Região Sul do Brasil Estratégias Empresariais:

Leia mais

Investimento Privado em Angola

Investimento Privado em Angola Abril 2013 Investimento Privado em Angola Sectores Económicos Prioritários Investimento Privado em Angola Sectores Económicos Prioritários Sectores económicos prioritários Agricultura e Pecuária Indústria

Leia mais

OPORTUNIDADES DE INVESTIMENTO NO AGRONEGÓCIO EM MOÇAMBIQUE

OPORTUNIDADES DE INVESTIMENTO NO AGRONEGÓCIO EM MOÇAMBIQUE REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E SEGURANÇA ALIMENTAR OPORTUNIDADES DE INVESTIMENTO NO AGRONEGÓCIO EM MOÇAMBIQUE ABRIL, 2015 Estrutura da Apresentação 2 I. Papel do CEPAGRI II. III. IV.

Leia mais

República de Angola PROCESSO N.º: Lei 20/11 de 20 de Maio Declaração Prévia Contractual. Nome: Morada: Localidade: Telefones: Fax: Email:

República de Angola PROCESSO N.º: Lei 20/11 de 20 de Maio Declaração Prévia Contractual. Nome: Morada: Localidade: Telefones: Fax: Email: A PREENCHER PELA ANIP PROCESSO N.º: ANO DO FORMULÁRIO REGIME DE APROVAÇÃO Lei 11/03 de 13 de Maio Lei 20/11 de 20 de Maio Declaração Prévia Contractual PROMOTOR Obs: Residente /Presente Nome: _ Morada:

Leia mais

REQUISITOS MÍNIMOS DE INFORMAÇÕES E DADOS PARA OS ESTUDOS DE VIABILIDADE TÉCNICA, ECONÓMICA E FINANCEIRA (EVTEF) DOS PROJECTOS

REQUISITOS MÍNIMOS DE INFORMAÇÕES E DADOS PARA OS ESTUDOS DE VIABILIDADE TÉCNICA, ECONÓMICA E FINANCEIRA (EVTEF) DOS PROJECTOS PROCESSOS DE CANDIDATURA A FINANCIAMENTO DO BANCO DE DESENVOLVIMENTO DE ANGOLA REQUISITOS MÍNIMOS DE INFORMAÇÕES E DADOS PARA OS ESTUDOS DE VIABILIDADE TÉCNICA, ECONÓMICA E FINANCEIRA (EVTEF) DOS PROJECTOS

Leia mais

Ministério da Energia e Águas

Ministério da Energia e Águas Ministério da Energia e Águas Memorando Situação Financeira das Empresas do Sector Eléctrico Proposta de Saneamento Síntese: 1. Da avaliação da situação actual das empresas ENE e EDEL, conclui se que estas

Leia mais

EDP Soluções Comerciais. A perspectiva do Cliente. Business Transformation Outsourcing Os novos modelos de outsourcing

EDP Soluções Comerciais. A perspectiva do Cliente. Business Transformation Outsourcing Os novos modelos de outsourcing EDP Soluções Comerciais Business Transformation Outsourcing Os novos modelos de outsourcing A perspectiva do Cliente Associação Portugal Outsourcing 18 de Junho 2013 A EDP Soluções Comerciais nasceu com

Leia mais

A certificação de Qualidade para a Reparação Automóvel.

A certificação de Qualidade para a Reparação Automóvel. A certificação de Qualidade para a Reparação Automóvel. Projecto A Oficina+ ANECRA é uma iniciativa criada em 1996, no âmbito da Padronização de Oficinas ANECRA. Este projecto visa reconhecer a qualidade

Leia mais

Avaliação do Instrumento de Apoio a Políticas Económicas (PSI) 2010-2012

Avaliação do Instrumento de Apoio a Políticas Económicas (PSI) 2010-2012 REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE Avaliação do Instrumento de Apoio a Políticas Económicas (PSI) 2010-2012 Elaborado Por: Ministério das Finanças Ministério da Planificação e Desenvolvimento Banco de Moçambique

Leia mais

Análise de sustentabilidade da empresa nos domínios económico, social e ambiental

Análise de sustentabilidade da empresa nos domínios económico, social e ambiental Análise de sustentabilidade da empresa nos domínios económico, social e ambiental Estratégias adoptadas As estratégias adoptadas e o desempenho da APFF nos três domínios da sustentabilidade encontram-se

Leia mais

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010 Técnicas de Secretariado Departamento Comercial e Marketing Módulo 23- Departamento Comercial e Marketing Trabalho realizado por: Tânia Leão Departamento

Leia mais

VIII Conselho Coordenador

VIII Conselho Coordenador REPÚBLIC A DE MOÇAMBIQUE --------- MINISTÉRIO DA ENERGIA DIRECÇÃO NACIONAL DE ENERGIA ELÉCTRICA VIII Conselho Coordenador ESTRUTURA DE MERCADO E TARIFAS DE ELECTRICIDADE Nampula, 15 a 17 de Agosto de 2012

Leia mais

CURRICULUM VITAE. Desde Janeiro 2006 Responsável pela Unidade de Negócios da Lisboagás para Lisboa e Amadora.

CURRICULUM VITAE. Desde Janeiro 2006 Responsável pela Unidade de Negócios da Lisboagás para Lisboa e Amadora. CURRICULUM VITAE Nome: Nuno Miguel de Campos Matos Vaz Neto Morada: Rua João de Oliveira Miguens, 5-5º C Código Postal e Localidade: 1350-187 Lisboa Nacionalidade: Portuguesa Telefone: +351917765911 E-mail:

Leia mais

Oportunidades de Investimento

Oportunidades de Investimento República de Angola Ministério da Energia e Águas Oportunidades de Investimento Fevereiro 2014 MINEA Oportunidades de Investimento 0 Agenda 1 Angola País em Desenvolvimento 2 Dinâmicas da Indústria de

Leia mais

Auditoria ao Processo de Mudança de Comercializador. A. Enquadramento e Objectivos. Síntese do Relatório de Auditoria

Auditoria ao Processo de Mudança de Comercializador. A. Enquadramento e Objectivos. Síntese do Relatório de Auditoria A. Enquadramento e Objectivos A EDP Distribuição - Energia, S.A. (EDP Distribuição), empresa que exerce a actividade de Operador de Rede de Distribuição (ORD) de Energia Eléctrica em Média Tensão (MT)

Leia mais

A Estrategia de Desenvolvimento Rural e o Programa de Promoção do Uso dos Recursos Naturais para o Desenvolvimento

A Estrategia de Desenvolvimento Rural e o Programa de Promoção do Uso dos Recursos Naturais para o Desenvolvimento REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO ESTATAL Direcção Nacional de Promoção do Desenvolvimento Rural A Estrategia de Desenvolvimento Rural e o Programa de Promoção do Uso dos Recursos Naturais

Leia mais

A VISÃO do ENERGYIN Motivos da sua criação & Objectivos

A VISÃO do ENERGYIN Motivos da sua criação & Objectivos Pólo da Competitividade e Tecnologia da Energia (PCTE) O papel do PCTE na energia solar em Portugal 8 e 9 de Fevereiro de 2010 António Mano - EDP Antonio.ermidamano@edp.pt A VISÃO do ENERGYIN Motivos da

Leia mais

Seminário Mercado Liberalizado de Energia

Seminário Mercado Liberalizado de Energia Seminário Mercado Liberalizado de Energia A EDP Comercial no Mercado Liberalizado Carlos Neto Lisboa, 26 de Outubro de 2012 As cadeias de valor da electricidade e do gás têm grandes semelhanças A convergência

Leia mais

Olinda - Pernambuco - Brasil. Torpedo: Um Novo Canal de Relacionamento Uso de novas tecnologias no relacionamento com os clientes

Olinda - Pernambuco - Brasil. Torpedo: Um Novo Canal de Relacionamento Uso de novas tecnologias no relacionamento com os clientes XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2008-06 a 10 de outubro Olinda - Pernambuco - Brasil Torpedo: Um Novo Canal de Relacionamento Uso de novas tecnologias no relacionamento

Leia mais

7/1/14. Conteúdos da Apresentação

7/1/14. Conteúdos da Apresentação Conteúdos da Apresentação República de Moçambique Ministério da Agricultura Ins:tuto do Algodão de Moçambique XII Reunião do SEACF A. Banze IAM Agronomist Maputo, 7-8 de Junho de 04 Piloto de Seguro Agrário

Leia mais

6º Fórum Mundial da Água

6º Fórum Mundial da Água 6º Fórum Mundial da Água A gestão integrada de recursos hídricos e de águas residuais em São Tomé e Príncipe como suporte da segurança alimentar, energética e ambiental Eng.ª Lígia Barros Directora Geral

Leia mais

CONFERÊNCIA. Biomassa Financiar uma Fonte Limpa de Produção Energética FINANCIAMENTO DE CENTRAIS DE BIOMASSA. Lisboa, 7 de Julho de 2010

CONFERÊNCIA. Biomassa Financiar uma Fonte Limpa de Produção Energética FINANCIAMENTO DE CENTRAIS DE BIOMASSA. Lisboa, 7 de Julho de 2010 CONFERÊNCIA Biomassa Financiar uma Fonte Limpa de Produção Energética FINANCIAMENTO DE CENTRAIS DE BIOMASSA Lisboa, 7 de Julho de 2010 Luís Sousa Santos lsantos@besinv.pt Financiamento de Centrais de Biomassa

Leia mais

Manual do GesFiliais

Manual do GesFiliais Manual do GesFiliais Introdução... 3 Arquitectura e Interligação dos elementos do sistema... 4 Configuração do GesPOS Back-Office... 7 Utilização do GesFiliais... 12 Outros modos de utilização do GesFiliais...

Leia mais

Entendimento do ICP-ANACOM. Originação de chamadas nas redes móveis nacionais

Entendimento do ICP-ANACOM. Originação de chamadas nas redes móveis nacionais Entendimento do ICP-ANACOM Originação de chamadas nas redes móveis nacionais I. Enquadramento Os serviços de originação de chamadas prestados pelos operadores móveis nacionais são definidos como os serviços

Leia mais

Proveitos Operacionais da Reditus aumentam 12% no primeiro semestre de 2011

Proveitos Operacionais da Reditus aumentam 12% no primeiro semestre de 2011 Proveitos Operacionais da Reditus aumentam 12% no primeiro semestre de 2011 Proveitos Operacionais de 55,8 milhões EBITDA de 3,1 milhões Margem EBITDA de 5,6% EBIT de 0,54 milhões Resultado Líquido negativo

Leia mais

Soluções de análise preditiva para optimizar os processos de negócio. João Pequito. Director Geral da PSE

Soluções de análise preditiva para optimizar os processos de negócio. João Pequito. Director Geral da PSE Soluções de análise preditiva para optimizar os processos de negócio João Pequito Director Geral da PSE Soluções de análise preditiva para optimizar os processos de negócio Qualquer instituição tem hoje

Leia mais

Atributos da Proposta e Preço Contratual

Atributos da Proposta e Preço Contratual Atributos da Proposta e Preço Contratual António José da Silva Coutinho, portador do cartão de cidadão nº. 08419828, com domicílio profissional na Rua Castilho, 165, 4º, 1070-050 Lisboa, na qualidade de

Leia mais

Hífen - Consultoria e Serviços, lda Company Profile. Resumo:

Hífen - Consultoria e Serviços, lda Company Profile. Resumo: Resumo: Hífen Consultoria e Serviços Limitada, é uma entidade registada em Moçambique desde 2009 e agora na África do Sul com o objetivo de fornecer uma solução completa de assistência médica para a indústria

Leia mais

Espaço Fiscal e a Extensão da Protecção Social: Lições de Países em Desenvolvimento

Espaço Fiscal e a Extensão da Protecção Social: Lições de Países em Desenvolvimento Espaço Fiscal e a Extensão da Protecção Social: Lições de Países em Desenvolvimento Nuno Cunha, Coordenador dos Programas de Protecção Social da OIT em Moçambique 20 de Junho 2012 Centro de Conferências

Leia mais

Conceito. As empresas como ecossistemas de relações dinâmicas

Conceito. As empresas como ecossistemas de relações dinâmicas Conceito As empresas como ecossistemas de relações dinâmicas PÁG 02 Actualmente, face à crescente necessidade de integração dos processos de negócio, as empresas enfrentam o desafio de inovar e expandir

Leia mais

Manuel Ferreira De Oliveira. Presidente Executivo 05/06/2012

Manuel Ferreira De Oliveira. Presidente Executivo 05/06/2012 Manuel Ferreira De Oliveira Presidente Executivo 05/06/2012 Responder às PME Como está organizada a Galp? Qual a estratégia? Onde vai crescer? Quais os investimentos previstos? Em que mercados? Quais as

Leia mais

Reforma institucional do Secretariado da SADC

Reforma institucional do Secretariado da SADC Reforma institucional do Secretariado da SADC Ganhamos este prémio e queremos mostrar que podemos ainda mais construirmos sobre este sucesso para alcançarmos maiores benefícios para a região da SADC e

Leia mais

A Regulação, Barómetro do Desenvolvimento!

A Regulação, Barómetro do Desenvolvimento! 1 Nota Prévia A Regulação, Barómetro do Desenvolvimento! O abastecimento de água das principais cidades atingiu níveis elevados de autosustentabilidade e de cobertura, resultado de um esforço continuado

Leia mais

Proposta de protocolo Benefícios aos associados

Proposta de protocolo Benefícios aos associados Proposta de protocolo Benefícios aos associados A LUZBOA A LUZBOA Comercialização de Energia Lda é uma empresa de comercialização de electricidade no mercado liberalizado sedeada em Viseu, que opera para

Leia mais

REDES COMUNITÁRIAS. Casos Internacionais. Stokcab Municipios de Estocolmo. MetroWeb Municipios de Milão

REDES COMUNITÁRIAS. Casos Internacionais. Stokcab Municipios de Estocolmo. MetroWeb Municipios de Milão REDES COMUNITÁRIAS Casos Internacionais Stokcab Municipios de Estocolmo MetroWeb Municipios de Milão BorderLight.net Municipios da Suécia / Cidade de Uppsala Utopia.net Municipios do Estado do Utah 0 O

Leia mais

Para informação adicional sobre os diversos países consultar: http://europa.eu.int/information_society/help/links/index_en.htm

Para informação adicional sobre os diversos países consultar: http://europa.eu.int/information_society/help/links/index_en.htm Anexo C: Súmula das principais iniciativas desenvolvidas na Europa na área da Sociedade de Informação e da mobilização do acesso à Internet em banda larga Para informação adicional sobre os diversos países

Leia mais

IMF Survey. África deve crescer mais em meio a mudanças nas tendências mundiais

IMF Survey. África deve crescer mais em meio a mudanças nas tendências mundiais IMF Survey PERSPECTIVAS ECONÓMICAS REGIONAIS África deve crescer mais em meio a mudanças nas tendências mundiais Por Jesus Gonzalez-Garcia e Juan Treviño Departamento da África, FMI 24 de Abril de 2014

Leia mais

Identificação da empresa

Identificação da empresa Identificação da empresa Missão APA Administração do Porto de Aveiro, S.A. A sustentabilidade do Porto de Aveiro é a garantia do seu futuro. A génese do Porto de Aveiro está ligada à história da Ria e

Leia mais

TARIFÁRIO DE VENDA DE ENERGIA ELÉCTRICA A CLIENTES FINAIS 2011

TARIFÁRIO DE VENDA DE ENERGIA ELÉCTRICA A CLIENTES FINAIS 2011 TARIFÁRIO DE VENDA DE ENERGIA ELÉCTRICA A CLIENTES FINAIS 2011 Despacho nº 15/2010 da Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos, RT Regulamento tarifário RRC Regulamento de Relações comerciais Tarifário

Leia mais

Projecto de Governo Electrónico e de Infra-estruturas de Comunicação

Projecto de Governo Electrónico e de Infra-estruturas de Comunicação Projecto de Governo Electrónico e de Infra-estruturas de Comunicação (Mozambique egovernment and Communication Infrastructure Project) (MEGCIP) 5º Fórum Lusófono das Comunicações Painel 4: Infra-estruturas

Leia mais

A Gestão de Configurações suporte dos Sistemas de Informação

A Gestão de Configurações suporte dos Sistemas de Informação A Gestão de Configurações suporte dos Sistemas de Informação O funcionamento dos sistemas e tecnologias de informação e comunicação têm nas organizações um papel cada vez mais crítico na medida em que

Leia mais

MISSÃO EMPRESARIAL. ANGOLA - BENGUELA E MALANGE 8 a 16 de Novembro de 2014

MISSÃO EMPRESARIAL. ANGOLA - BENGUELA E MALANGE 8 a 16 de Novembro de 2014 MISSÃO EMPRESARIAL ANGOLA - BENGUELA E MALANGE 8 a 16 de Novembro de 2014 ANGOLA Com capital na cidade de Luanda, Angola é um país da costa ocidental de África, cujo território principal é limitado a norte

Leia mais

COMISSÃO DA BACIA DO ZAMBEZE OPORTUNIDADES DE EMPREGO

COMISSÃO DA BACIA DO ZAMBEZE OPORTUNIDADES DE EMPREGO COMISSÃO DA BACIA DO ZAMBEZE OPORTUNIDADES DE EMPREGO Instituição: Comissão da Bacia do Zambeze (ZAMCOM) Local de Trabalho: Harare, Zimbabwe Duração: Inicialmente um ano com possibilidade de renovação

Leia mais

Previsão Climática para o Período Outubro-2008 a Março-2009

Previsão Climática para o Período Outubro-2008 a Março-2009 Previsão Climática para o Período Outubro-2008 a Março-2009 Na elaboração desta previsão climática sazonal tomou-se em consideração a interação do sistema Oceano-Atmosfera e suas implicações para o clima

Leia mais

Como Apresentar Projetose Exemplos de Operações por João Real Pereira Sumário ExemplosdeProjectosITF ComoApresentarProjetos PipelinedeProjetos Oportunidades nos Sectores dos TransportesedaEnergia Conclusões

Leia mais

REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO

REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO Considerando que os Municípios dispõem de atribuições no domínio da promoção do desenvolvimento, de acordo com o disposto na alínea n) do n.º 1 do

Leia mais

DECRETO-LEI N.º 68/2002 DE 25 DE MARÇO

DECRETO-LEI N.º 68/2002 DE 25 DE MARÇO A disponibilização para consulta do teor de diplomas legislativos não dispensa a consulta do Diário da República, não se responsabilizando a ERSE pelo seu conteúdo. DECRETO-LEI N.º 68/2002 DE 25 DE MARÇO

Leia mais

28 de Janeiro de 2015 Quente-Quente No. 1020

28 de Janeiro de 2015 Quente-Quente No. 1020 28 de Janeiro de 2015 Quente-Quente No. 1020 Informação Semanal de Mercados Agrícolas no País, Região e Mundo Publicação do Sistema de Informação de Mercados Agrícolas (SIMA) Ministério da Agricultura

Leia mais

Análise da proposta de. condições gerais do. Contrato de Uso das Redes - RARI

Análise da proposta de. condições gerais do. Contrato de Uso das Redes - RARI Análise da proposta de condições gerais do Contrato de Uso das Redes - RARI Junho de 2006 Rua Dom Cristóvão da Gama n.º 1-3.º 1400-113 Lisboa Tel: 21 303 32 00 Fax: 21 303 32 01 e-mail: erse@erse.pt www.erse.pt

Leia mais

Mobile Business. Your sales on the move.

Mobile Business. Your sales on the move. Pág/02 O PRIMAVERA é um produto destinado a empresas que utilizem processos de auto-venda e/ou pré-venda com Equipas de Vendas que necessitem de um conjunto de informação e funcionalidades avançadas, disponíveis

Leia mais

Paulo César Especialista de Soluções da ATM informática paulo.cesar@atminformatica.pt

Paulo César Especialista de Soluções da ATM informática paulo.cesar@atminformatica.pt Desktop Virtual Paulo César Especialista de Soluções da ATM informática paulo.cesar@atminformatica.pt Tendo em conta que a Virtualização será um dos principais alvos de investimento para o ano 2009 (dados

Leia mais

Programa de Estabilidade e Programa Nacional de Reformas. Algumas Medidas de Política Orçamental

Programa de Estabilidade e Programa Nacional de Reformas. Algumas Medidas de Política Orçamental Programa de Estabilidade e Programa Nacional de Reformas Algumas Medidas de Política Orçamental CENÁRIO O ano de 2015 marca um novo ciclo de crescimento económico para Portugal e a Europa. Ante tal cenário,

Leia mais

ITIL v3 melhora Gestão de Serviço de TI no CHVNG/Espinho

ITIL v3 melhora Gestão de Serviço de TI no CHVNG/Espinho Centro Hospitalar Vila Nova de Gaia/Espinho ITIL v3 melhora Gestão de Serviço de TI no CHVNG/Espinho Sumário País Portugal Sector Saúde Perfil do Cliente O Centro Hospitalar Vila Nova de Gaia/Espinho envolve

Leia mais

Consortia e-market da Fileira Moda. para o Mercado Externo

Consortia e-market da Fileira Moda. para o Mercado Externo Consortia e-market da Fileira Moda para o Mercado Externo O que é? Consórcio entre empresas da Fileira Moda e a Exponor Digital destinado a criar e explorar uma ou mais lojas online, orientada(s) para

Leia mais

Soluções de Financiamento para a Internacionalização

Soluções de Financiamento para a Internacionalização Soluções de Financiamento para a Internacionalização por João Real Pereira Internacionalização para Moçambique Oportunidades e Financiamento 15 de Março de 2012 Braga Sumário 1. O que é a SOFID? Estrutura

Leia mais

A PHC atingiu recentemente os 400 clientes Licença Garantida. No mercado há pouco mais de um ano, a modalidade que permite os clientes PHC renovarem a licença do seu software por três anos já representa

Leia mais

Restituição de cauções aos consumidores de electricidade e de gás natural Outubro de 2007

Restituição de cauções aos consumidores de electricidade e de gás natural Outubro de 2007 Restituição de cauções aos consumidores de electricidade e de gás natural Outubro de 2007 Ponto de situação em 31 de Outubro de 2007 As listas de consumidores com direito à restituição de caução foram

Leia mais

Dados estatísticos sobre energia eléctrica e gás natural referentes ao 1.º trimestre de 2011

Dados estatísticos sobre energia eléctrica e gás natural referentes ao 1.º trimestre de 2011 Dados estatísticos sobre energia eléctrica e gás natural referentes ao 1.º trimestre de 2011 No primeiro trimestre de 2011, a carga máxima da rede foi de 491,74 MW - diminuiu 5,14% comparativamente ao

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA ECONOMIA E FINANÇAS DIRECÇÃO NACIONAL DE PLANIFICAÇÃO E ORÇAMENTO ORÇAMENTO CIDADÃO

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA ECONOMIA E FINANÇAS DIRECÇÃO NACIONAL DE PLANIFICAÇÃO E ORÇAMENTO ORÇAMENTO CIDADÃO REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA ECONOMIA E FINANÇAS DIRECÇÃO NACIONAL DE PLANIFICAÇÃO E ORÇAMENTO ORÇAMENTO CIDADÃO 5ᵃ Edição ORÇAMENTO CIDADÃO 2016 Visão: Assegurar a participação do Cidadão em

Leia mais

POLÍTICA E ESTRATÉGIA DE HABITAÇÃO PARA MOÇAMBIQUE

POLÍTICA E ESTRATÉGIA DE HABITAÇÃO PARA MOÇAMBIQUE POLÍTICA E ESTRATÉGIA DE HABITAÇÃO PARA MOÇAMBIQUE Apresentado por :Zefanias Chitsungo (Director Nacional de Habitação e Urbanismo) INTRODUÇÃO Moçambique tem mais de 20 milhões de habitantes; sendo que

Leia mais

SETOR FINANCEIRO BRASIL MOÇAMBIQUE UM LONGO HISTORIAL DE EMPREENDEDORISMO

SETOR FINANCEIRO BRASIL MOÇAMBIQUE UM LONGO HISTORIAL DE EMPREENDEDORISMO SETOR FINANCEIRO 2014 SETOR FINANCEIRO BRASIL MOÇAMBIQUE UM LONGO HISTORIAL DE EMPREENDEDORISMO Tendo reestruturado recentemente o seu portefólio no setor financeiro, o Grupo Américo Amorim concentra

Leia mais

A ARTSOFT é uma empresa especializada no desenvolvimento e comercialização de soluções tecnológicas de apoio à gestão empresarial.

A ARTSOFT é uma empresa especializada no desenvolvimento e comercialização de soluções tecnológicas de apoio à gestão empresarial. POWERING BUSINESS QUEM SOMOS A ARTSOFT é uma empresa especializada no desenvolvimento e comercialização de soluções tecnológicas de apoio à gestão empresarial. Desde 1987 que desenvolvemos um trabalho

Leia mais

A sustentabilidade da economia requer em grande medida, a criação duma. capacidade própria de produção e fornecimento de bens e equipamentos,

A sustentabilidade da economia requer em grande medida, a criação duma. capacidade própria de produção e fornecimento de bens e equipamentos, REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE -------- MINISTÉRIO DA ENERGIA GABINETE DO MINISTRO INTERVENÇÃO DE S.EXA SALVADOR NAMBURETE, MINISTRO DA ENERGIA, POR OCASIÃO DA INAUGURAÇÃO DA FÁBRICA DE CONTADORES DA ELECTRO-SUL

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE INSPECÇÃO DE ASCENSORES, MONTA-CARGAS, ESCADAS MECÂNICAS E TAPETES ROLANTES. Preâmbulo

REGULAMENTO MUNICIPAL DE INSPECÇÃO DE ASCENSORES, MONTA-CARGAS, ESCADAS MECÂNICAS E TAPETES ROLANTES. Preâmbulo REGULAMENTO MUNICIPAL DE INSPECÇÃO DE ASCENSORES, MONTA-CARGAS, ESCADAS MECÂNICAS E TAPETES ROLANTES Preâmbulo O Decreto-Lei n. 295/98, de 22 de Setembro, que transpôs para o direito interno a Directiva

Leia mais

ÁREA METROPOLITANA DE LISBOA FACTORES DE SUCESSO PARA O TRANSPORTE FERROVIÁRIO. CP LISBOA ENG.º ÓSCAR AMORIM Lisboa, 5 de Julho de 2007

ÁREA METROPOLITANA DE LISBOA FACTORES DE SUCESSO PARA O TRANSPORTE FERROVIÁRIO. CP LISBOA ENG.º ÓSCAR AMORIM Lisboa, 5 de Julho de 2007 ÁREA METROPOLITANA DE LISBOA FACTORES DE SUCESSO PARA O TRANSPORTE FERROVIÁRIO CP LISBOA ENG.º ÓSCAR AMORIM Lisboa, 5 de Julho de 2007 ÁREA DE ACTUAÇÃO A CP Lisboa é a Unidade de Negócio da CP responsável

Leia mais

Factura Electrónica by Carlos Costa Tavares Executive Manager da Score Innovation

Factura Electrónica by Carlos Costa Tavares Executive Manager da Score Innovation Factura Electrónica by Carlos Costa Tavares Executive Manager da Score Innovation Desafios da Facturação Electrónica A facturação electrónica (e-invoicing) poderá fazer parte das iniciativas emblemáticas

Leia mais

E- Marketing - Estratégia e Plano

E- Marketing - Estratégia e Plano E- Marketing - Estratégia e Plano dossier 2 http://negocios.maiadigital.pt Indíce 1 E-MARKETING ESTRATÉGIA E PLANO 2 VANTAGENS DE UM PLANO DE MARKETING 3 FASES DO PLANO DE E-MARKETING 4 ESTRATÉGIAS DE

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 390/XI/1.ª SERVIÇO UNIVERSAL DE ACESSO À INTERNET EM BANDA LARGA

PROJECTO DE LEI N.º 390/XI/1.ª SERVIÇO UNIVERSAL DE ACESSO À INTERNET EM BANDA LARGA Grupo Parlamentar PROJECTO DE LEI N.º 390/XI/1.ª SERVIÇO UNIVERSAL DE ACESSO À INTERNET EM BANDA LARGA Exposição de motivos O acesso à internet assume hoje um papel crucial na nossa sociedade, devendo

Leia mais