ST GAP Novos indicadores e abordagens teóricas para países de baixo rendimento

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ST GAP Novos indicadores e abordagens teóricas para países de baixo rendimento"

Transcrição

1 ST GAP Novos indicadores e abordagens teóricas para países de baixo rendimento UNESCO III International Workshop Monitoring and Evaluation Tools for Science, Technology and Innovation (STI) Policies, Policy instruments and Governing Bodies Maputo 18/06/13 Roland Brouwer

2 PRESSUPOSTOS DO MODELO ACTUALMENTE DOMINANTE: SNI

3 O que é que e model pressupõe? Mais investimento em CETI faz crescer o PIB faz viver as pessoas (todas) melhor; Inovação é o resultado da intervenção das instituições de R&D com empresas inovadoras; É importante produzir patentes, ou seja, é melhor promover inovação fechada em vez de inovação aberta; Economias devem desenvolver aumentando a sua intensidade em termos de recursos e capital.

4 O que é que e model pressupõe? Mais investimento em CETI faz crescer o PIB faz viver as pessoas (todas) melhor; Inovação é o resultado da intervenção das instituições de R&D com empresas inovadoras; É importante produzir patentes, ou seja, é melhor promover inovação fechada em vez de inovação aberta; Economias devem desenvolver aumentando a sua intensidade em termos de recursos e capital.

5 O que é que e model pressupõe? Mais investimento em CETI faz crescer o PIB faz viver as pessoas (todas) melhor; Inovação é o resultado da intervenção das instituições de R&D com empresas inovadoras; É importante produzir patentes, ou seja, é melhor promover inovação fechada em vez de inovação aberta; Economias devem desenvolver aumentando a sua intensidade em termos de recursos e capital.

6 O que é que e model pressupõe? Mais investimento em CETI faz crescer o PIB faz viver as pessoas (todas) melhor; Inovação é o resultado da intervenção das instituições de R&D com empresas inovadoras; É importante produzir patentes, ou seja, é melhor promover inovação fechada em vez de inovação aberta; Economias devem desenvolver aumentando a sua intensidade em termos de recursos e capital.

7 Mais dúvidas.. Será que os SNI são de facto nacionais? Será que países de baixo rendimento são fundamentalmente diferentes dos países de médio e alto rendimento? Será que apenas os países pobres/africanos devem rever os indicadores? Caso for necessário se desenharem novos indicadores, quem deverá desenhá-los e o que é que deverão indicar?

8 Definições do SNI.. the elements and relationships which interact in the production, diffusion and use of new, and economically useful, knowledge... and are either located within or rooted inside the borders of a nation state. (Lundvall, 1992).. that set of distinct institutions which jointly and individually contribute to the development and diffusion of new technologies and which provides the framework within which governments form and implement policies to influence the innovation process. As such it is a system of interconnected institutions to create, store and transfer the knowledge, skills and artefacts which define new technologies. (Metcalfe, 1995)

9 SNI Escócia

10 São SNIs nacionais? NSI não são nacionais por: A natureza da ciência e conhecimento ( polinização cruzada, transversalidade ) A importância para o conceito de comércio e competição; A integração dos estados nacionais em organizações de cooperação política e económica regionais (ex.: SADC, NEPAD) e globais (WTO, WIPO); As características e recursos que os países partilham (bacia do Zambéze, gás na bacia do Rovuma), espaço aéro, zonas de pesca, etc. ); Os bens comuns globais (ex.; oceanos) e as grandes questões globais (ex.: clima)

11 Utilizadores de tecnologia NSI (OECD) Agricultura, sector informal A natureza internacional da ciência A natureza internacional das empresas Políticas implícitas Objectivos não económicos

12 SNI de Moçambique 2003 BEM ESTAR DA POPULAÇÂO Estado de saúde e nutrição Rendimento per cápita Acesso a água de qualidade TRANSFERÊNCIA DE C&T Importação de equipamento Importação de licenças de C&T INOVAÇÂO Patentes Investimentos em inovação EDUCAÇÃO Número de estudantes por área temática e género Áreas académicas nas IES Geografia das IES Docência nas IES Financiamento INVESTIGAÇÂO Áreas temáticas Fundos OGE Outros Fundos Recursos humanos (nível e área) Publicações (número e áreas) O SECTOR PRODUTIVO Peso relativo dos sectores Balanço comercial por sector Fundos dedicados a R&D por sector O sector agrário DISSEMINAÇÂO Rede de museus Acesso aos meios Volume dedicado a C&T

13 NSI incipiente (MOSTIS)

14 Visão sobre o sistema CETI em Moçambique

15

16

17 Portanto, o que é que falta? A natureza internacional da ciência; A natureza internacional das empresas e dos negócios; Processos inovadores fora das empresas e instituições R&D formais; Os impulsionadores da demanda por inovação, tecnologia, engenharia e ciência; Direitos humanos e valores globais.

18 Comentários ao SNI If the government of a poor developing country is keen to raise the level of health and the expectation of life, then it would be pretty daft to try to achieve this through raising its income per head, rather than going directly for these objectives through public policy and social change... (Sen 1984: 496). To be useful, the (NSI) framework must be adapted to the analysis of problem-solving systems rather than purely economic goals (Cozzens & Stutz 2012: 3).

19 Questões? Usa-se o conceito de NSI na política nacional de Angola, Cabo Verde e Moçambique? Caso não, acha que é um conceito útil? Porquê? Caso se usar o conceito, quais são os elementos chave na conceptualização do NSI na política de CETI? Assim, acham que o conceito é adequado? Porquê sim/não? Caso não o acharem adequado, que elementos faltam e como pretendem resolver?

20 INDICADORES

21 Modelo básico de medição de CETI Input Dinheiro para investigação e inovação Recursos humanos (docentes) Instituições Actividades Educação (nas universidades) Pesquisa, em instituições públicas e privadas de R&D Produção (nas empresas) Output # de graduados (PhD) # de artigos em revistas reconhecidas # de patentes internacionais Taxa de crescimento do PIB

22 Imagem do questionário de AOSTI

23 INSEAD Global Innovation Index

24 Um olhar na cozinha

25 Fraquezas e perigos de quadros de avaliação (indicadores compostos) «Fraquezas»: Quem selecciona os indicadores que compõem o quadro? Indicadores perversos (ex.: género; é preciso entender o mecanismo); Quem decido como medir(validade, escalas, etc.); Quem decide sobre os pesos (ponderação); O somar «ilegal» de valores de unidades o rankings diferentes. Perigos: «Ter uma universidade nacional no topo 50» (concentração dos investimentos em uma a custo das outras - Alemanha); Enfoque na «cara internacional» em vez no alcance dos objectivos de desenvolvimento nacionais; «Produzir 5% das publicações científicas internacionais» Estamos a correr todos a mesma corrida e progresso individual pode não mudar o ranking quando os outros também melhoram.

26 São os países pobres diferentes dos países ricos? Diferem na demografia, no rendimento nacional total, e na estrutura da economia: Crescimento populacional rápido; Grande segmento da população é jovem e grande parte deste segmento está desempregada; Muitos têm um nível de educação baixo, e mesmo tendo um grau formal, não têm as competências; Sector informal grande na economia; Grande parte da população vive na pobreza e em insegurança alimentar.

27 Baseado na Experiência Africana «It is important that STI survey methods and indicators in the less developed countries be adapted to reflect the local realities of STI systems and socio-economic constraints, such as the significance of the informal economy, reliance on foreign resources, intellectual property protection of indigenous knowledge, biodiversity and biotechnology, and accessibility of local journals» (Emerging challenges for research and development survey: Empirical findings from First Nigerian survey)

28 Pressupostos subjacentes dos indicadores convencionais Os indicadores convencionais respondem a uma visão particular que subestima a importância dos valores centrais da UNESCO (Paz, sustentabilidade, inclusão); Pressupõem que CETI é um processo autónomo unidireccional dum percurso comum de todas as nações, sem opções alternativas ou espaço para decisões (política for a do comando); Enfoque na empresa enquanto nos países da baixo rendimento (mais não só!) unidades de produção informais são onde ocorre a actividade económica e por isso a inovação; Em países com fortes crises económicas (Espanha, Grécia, Portugal, etc.) o sector informal tem um papel cada vez maior na sobrevivência e por isso também na inovação devido ao colapso do sector privado e de redes de segurança social estatais sob a dívida pública e privada. A África se calhar tem algo a ensinar ao mundo!

29 MOSTIS: Relação entre C&T

30 Nairobi Ministerial Declaration 7. Strive individually and collectively towards the development, review and implementation of STI policies, law, strategies, programmes and action plans at regional and national levels for enhancing STI for youth Employment, Human capital Development and Inclusive Growth. 10. Harness STI for Sustainable development by ensuring STI is used to solve societal problems, such as water, health, ICT, energy and agriculture to improve the well-being of our people; 12. Promote STI as a driver for inclusive growth and youth employment with a focus on entrepreneurship

31 Objectivo Indicadores para a Declaração Ministerial de Nairobi Estratégias,programas e planos de acção de CETI aos níveis regional e nacional para a promoção de CETI para emprego dos jovens, desenvolvimento do capital humano, e crescimento inclusivo Fortalecer CETI para desenvolvimento sustentável garantindo que CETI é usada para a resolução de problemas da sociedade como água, saúde, TIC, energia e agricultura para promover o bem-estar dos nossos povos; Promover CETI como força motriz para o crescimento inclusivo com emfoque no emprendorismo Indicador Essas estratégias, planos e programas existem Sim/Não % BDIC (GERD) em água, saúde, TIC, energia e agricultura % de artigos publicados sobre água, saúde, TIC, energia e agricultura Melhoria nas condições graças ao acesso a novas tecnologias resultantes de pesquisa Resultados de R&D criam novos empregos para os jovens Resultados de R&D criam novos empresas

32 Questões? Acham que é importante incluir no sistema de indicadores nacionais? Acham importante incluir indicadores de política nos conjuntos globais de indicadores? Caso ainda não esteja feito, como é que isso poderá ser feito?

33 CAMINHOS

34 As economias de progresso rumo espaço das possibilidades tecnológicas possíveis Percepção dominante: engenharia e mercados encontram as soluções «optimais» (funil) O rumo aparece como algo dado, autónomo: sound scientific research pro-innovation strategies market equilibrium evidence based policy technological optimisation sustainability transition From: Andy Stirling - ment_a_new_manifesto_(stigap)_en.pdf

35 Imagens da história da bicleta

36 Imagens da história da bicleta

37 Tipos de bicicletas no Wikipedia Função: 21 Desporto: 6 Estrutura do quadro: 11 Material: 6 # de condutores: 7 # de rodas: 5 # de eixos de direcção: 2 Engrenagem: 4 Cadeia de transmissão: 5

38 A política orientadora em falta Direcções múltiples e divergentes tempo direction Mas a realidade é exactamente o oposto da imagem convencional: Cada ponto de partida produzes multiples caminhos viáveis de inovação O melhor caminho não é apenas sobre «optimação», é sobre escolhas sociais e políticas - Ellul, Freeman, Perez, Nelson, Bijker, Mokyr, Karnoe, Geels From: Andy Stirling

39 Caminhos alternativas para água Depósito elevado Usar água do rio Furo com Afrodev Usar água freática Dessalinização Usar água do mar Caleiros Usar água da chuva (2011) Cisternas Tecnologia de colecta e distribuição de água, Ilha de Moçambique (Século XVIII)

40 Direitos de propriedade Patentos e outros DPIs Atrai investimentos em R&D e inovação Elevada barreira a acesso Os que não detêm os patentes não podem inovar Medicamentos patentados, variedades híbridas, Microsoft office Inovação aberta Baixo lucro? (IBM!) Baixa barreira ao acesso Risco de apropriação abusiva (existe alguém que está a vender terrenos na lua) Medicamentos genéricos, Open office, generic medicine, variedades no sistema público e «farmers privilege», Open office

41

42 Inovação aberta como um caminho novo «As importantly, these changes cannot be incremental the solutions to our most daunting challenges will require bold, creative leaps. These challenges require new thinking, new technology, and new ways of collaborating an open innovation approach to solving problems that is based on partnerships among industries, companies, national and regional governments, and research organizations and academia.»

43 Exemplos: Outros exemplos de caminhos divergentes Rede centralizada versus descentralizada; Combustíveis fósseis versus biodiesel; (primeiro diesel era óleo de amendoim!); Barcos motorizados versus barcos a vela de longa distância; Windows versus Linux, Word versus Wordperfect; Ciência formal versus conhecimento local. Factores motriz: Superioridade Receitas Eficiência Controlo.

44 Caminhos alternativos Inovação não é linear; Inovação não é sem alternativas, opções e escolhas; Dependências de caminho («Path dependencies») podem existir mas no fim das contas dependem da decisão de continuar no caminho em vez de sair.

45 Questões? Quais são os caminhos alternativos chave para os vossos países? Como o que será possível fazer visíveis opções para caminhos alternativos?

46 O QUE É INOVAÇÃO

47 Inovação Oslo: Technological Process & Product (TPP) innovation activities are all those scientific, technological, organisational, financial and commercial steps, including investment in new knowledge, which actually, or are intended to, lead to the implementation of technologically new or improved products or processes. Bogota: (Under the heading) innovation activities comes any action taken by a firm which aims to implement any concepts, ideas and methods necessary for acquiring, assimilating and incorporating new knowledge. Such action brings about a technical change in the firm, though this change may not necessarily be a strict technological innovation reflected in the firm s performance. Cozzens & Sutz (Grassroots innovation): (i) newness, (ii) adaptation, (iii) interactiveness, (iv) knowledge content, and (v) learning, scaling-up and diffusion.

48

49 Fontes de inovação

50 Inovação Privada (enfatizada em abordagens convencionais ); Pública (reconhecimento da relevância de serviços públicos); Social (transformação da organização da sociedade); Em baixo do radar ( invisível innovation UK, in formal and informal sectors and with and without capital. Frugal (o consumidor calçado como mercado exemplo: Tata s nano carro 2000 USD; Chutocool US$70 geleiro); Grassroots (Gupta s Honeybee network, Indian Institute of innovation, SRISTI, Gandhian innovation awards, 50

51 Onde e como procurar inovação fora do sector formal? Agricultores Novas variedadesm variedades de polinizaçºao aberta, culturas, ferramentas, gestão da fertilidade do solo, experimentação Carpinteiros e ferreiros Novas ferramentas, novos produtos novos mercados Novos negócios (TIC, electrónica, reciclagem de resíduos, etc.) De telefones^«estúpidos» para telefones «smart», abilidades de fazer reparações, estratégias de marketing, novas funcionalidades e serviços (Mkash, Mpeso, etc.) Sector de transportes Bicicleta, djobelas, chapas, Energia (Escadote de combustível, fontes alternativas) Uso e produção de energia pelo agregado familiar Método: inclusão em innovation surveys, agricultural surveys, etc., estudos de caso NB: Não idealizar o sector informal: baixos rendimentos, más condições de trabalho, exploração pelo sector formal

52 Apresento: Sr. Jaime Martins, reparador de telemóveis Trabalhou na área de som Estudou electricidade na Monitor Aprenda novas coisas quando vem novos modelos Adicionou extensões caseiras ao gama de produtos Não pode ir além pelo equipamento de soldagem que tem

53 Inovação sector formal Moçambique (dados não publicados) N=140

54 Inovação abaixo do radar

55 O que devemos pensar de conhecimento Conceitos chave: ontologia, epistemologia e paradigma Ontologia refere a questões relativas a que entidades podem ser ditas de existir ou como essas entidades podem ser categorizadas (ex.: materialismo versus espiritualismo); Epistemologia é a teoria da natureza e fundamentos de conhecimento em particular em relação aos seus limites e validade (ex.: Darwin vs. o Papa); Paradigma é o conjunto de práticas que definem uma disciplina científica a qualquer período no tempo (ex.: inovação é exprimida por patentes).

56 Questões sobre o conhecimento de tradicional Significa a incorporação do conhecimento tradicional nas abordagens sobre STI que é preciso aceitar a ontologia e epistemologia? Ou Será que o conhecimento tradicional deve ser encarado como conhecimento científico bruto, cuja validade ainda não foi testada apropriadamente, conhecimento fora dos limites do sistema científico, ou (caso for explicação) um paradigma alternativo, e por isso simplesmente sujeito aos métodos científicos de falsificação?

57 Medicina tradicional Fortemente conectada ao universo espiritual (antepassados, magia) Usa fármacos locais (plantas), drogas e magia; Bruxaria e adivinhação foram proibidas na época colonial (1933, 1944); OMS reconhece medicina tradicional em 1978; Moçambique cria AMETRAMO em 1990; A medicina tradicional é definida como a combinação total de conhecimento e práticas usados no diagnóstico, prevenção ou eliminação de doenças físicas, mentais ou sociais e que podem assentar exclusivamente em experiências passadas e na observação transmitida de geração em geração, oralmente ou por escrito ; A política visa a integração no sistema nacional de saúde de práticas de saúde e de medicamentos tradicionais comprovadamente seguros, eficazes e de qualidade e reclame entre outros direitos de propriedade intelectual

58 Opções: Telefonia móvel em Moçambique Lançada em 1997 com roll-out limitado a Maputo e EN1 Crescimento rápido com a intrdução da tecnologia pré-paga em 2001 Segunda operadora começa em 2003 mas copia roll-out da mcel Venda de crédito pelo sector informal (70% do volume de venda). Terceira operadora entra em 2012 e faz o roll-out na direcção oposto Em três semanas teve clientes sem fazer nenhuma publicade

59 Exemplo: Quatro projectos tecnológicos em Moçambique Subsistema Batata Doce de Polpa Alaranjada Telemóveis Insulina Open Source Software Educação As universidades nacionais formam Criação de capacidade básica de Formação de pessoal médico e Formação de especialistas em pessoal para o IIAM e para ONGs engenharia electrónica, informática e investigadores mas não em universidades e por pequenas envolvidas na transferência vertical márketing insulina ou manipulação empresas. Investigação Variedades melhoradas desenolvidas no Não se realiza investigação em IIAM, investigação realizada nas estações Moçambique de pesquisa e na machamba para seleccionar as variedades apropriadas genética. Nenhuma investigação em insulina produzida através de modificação genética e pouca sobre a prevalência de diabetes. Desenvolvimento de aplicações de OSS por pequenas empresas em Moçambique. Inovação produção Disseminação Importação tecnologia estrangeiro na de do As variedades da BDPA são sobretudo melhoradas para elevar o estado nutricional do agregado familiar do produtor e das suas crianças; as novas variedades raramente mudam os sistemas de cultivo se a batata doce já faz parte dos mesmos. A disseminação acontece horizontalmente de agricultor para agricultor, as ONGs envolvem-se em campanhas para educar as pessoas sobre nutrição e o papel da Vitamina A. A operação de serviços de telemóvel requer novas tecnologias nas mãos de dois operadores, um dos quais é Estatal; as vendas de cartões prépago e a operação de cabinas telefónicas oferece oportunidades de negócio, mas muitas ainda não são exploradas Campanhas publicitárias que promovem a utilização da tecnologia e os vários serviços associados (sms, internet); efeito da pressão dos pares (estatuto). As variedades são importadas de Todos os artefactos, software e sistemas internacionais de investigação ciência subjacente são importados. agrícola e a melhoramento e a multiplicação são supervisionadas pelo pessoal internacional/nacional empregue em Moçambique. A identificação de diabetes e o seu tratamento deverão ser elementos rotineiros do Serviço Nacional de Saúde, não se realiza nenhuma inovação específica destes sistemas. As associações de pacientes fornecem alguma informação sobre diabetes e o seu tratamento. Toda a insulina é importada quer através da agência estatal ou informalmente por pacientes individuais. Aplicação do LINUX e de bases de dados em OSS nos sistemas de gestão financeira no Governo e em empresas privadas Raramente acontece, apesar de que pequenas empresas tentam alargar o interesse e a capacidade junto de jovens interessados em TI O OSS é desenvolvido em plataformas internacionais, para as quais técnicos baseados em Moçambique podem contribuir (e contribuem) com acrescentos e adaptações.

60 Iniciativas para estimular inovação inclusiva Honeybee Network identificar e mobilizar invenções e ideias de pessoas comuns on.php Techpedia, uma inicativa da SRISTI na Índia, que pretende os problemas das empresas micro, pequenas e médias, sector informal inovadores grassroots e outros sectores na agenda de estudantes de tecnologia no país

61 Questões? Será que existem inovações nos nossos países que são importantes mas continuam invisíveis? Quais? Como modem ser encontradas e incluídas nas comtagens e medições da inovação? Como podem ser mobilizadas para contribuir para o desenvolvimento inclusivo do país? Como é que podem ser promovidas?

62 AOSTI, ASTII, UIS, GO-SPIN, STIGAP

63 GO-SPIN and STIGAP GO-SPIN Descrição da história Revisão das políticas implícitas Description of policy agencies Sumários de políticas, leis, instrumentos e agências de implementação Descrição do SNI e FOFA Ensino superior Olha de política para o sistema STIGAP Revisão do que existe e onde se que pretende chegar Definição de indicadores que descrevem o SNI em termos desta análise e objectivos Descrição dos caminhos e processos dirigidos (ou não) para os objectivos definidos e implicações pelas políticas Olha do sistema para politica

64 AOSTI, GOSPIN & STIGAP Initiativa Contribuição Manual/Fonte AOSTI/UIS Indicadores convencionais Frascati, Oslo, Bogota? GO->SPIN Instrumentos de políticas Paris STÎGAP Indicadores adicionais WB, SIPRI, entre outros, Novos Soma (+) Análise de áreas chave Uma visão integrada sobre a dinâmica à volta de CETI e as opções políticas

65 Considerações finais SNI em países de baixo rendimento são diferentes que os dos países OECD típicos; Indicadores não devem ser os pontos finais mais os motores de arranque da discussão; A questão principal é o caminho, mas questão de fundo é o destino

66 OBRIGADO

Inteligência Competitiva Uma Solução Estratégica. Jaime Quesado

Inteligência Competitiva Uma Solução Estratégica. Jaime Quesado VII Encontro da PASC Plataforma Activa da Sociedade Civil 2 de Março de 2011 Sala do Senado da Reitoria da UNL Inteligência Competitiva Uma Solução Estratégica Jaime Quesado Patrocinadores Globais Inteligência

Leia mais

Tecnologia e inovação na UE Estrategias de internacionalização

Tecnologia e inovação na UE Estrategias de internacionalização Tecnologia e inovação na UE Estrategias de internacionalização Belém, 25 de Setembro 2014 Estrutura da apresentação 1. Porque a cooperação com a União Europeia em inovação é importante para o Brasil? 2.

Leia mais

Competitividade e Inovação

Competitividade e Inovação Competitividade e Inovação Evento SIAP 8 de Outubro de 2010 Um mundo em profunda mudança Vivemos um momento de transformação global que não podemos ignorar. Nos últimos anos crise nos mercados financeiros,

Leia mais

Avaliação Ambiental Estratégica

Avaliação Ambiental Estratégica Mestrado em Engenharia do Ambiente Avaliação Ambiental Estratégica O que é a AAE? Evolução, âmbito, formas, benefícios 2 ª aula Prof. Doutora Maria do Rosário Partidário O que é a AAE? Instrumento (processo)

Leia mais

Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios

Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE LETRAS DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios Sandra Sofia Brito da Silva Dissertação

Leia mais

Diários Financeiros em Moçambique. 29 de Outubro de 2014

Diários Financeiros em Moçambique. 29 de Outubro de 2014 Diários Financeiros em Moçambique 29 de Outubro de 2014 1 Agenda 1. O que são Diários Financeiros? 2. O Estudo em Moçambique 3. Alguns Resultados 4. O que Esperamos Aprender 2 O que são diários financeiros

Leia mais

Research briefing: Como a EMBRAPA catalisou os ganhos de produtividade nas Indústrias de Soja e Pasta & Papel

Research briefing: Como a EMBRAPA catalisou os ganhos de produtividade nas Indústrias de Soja e Pasta & Papel O que podem os países africanos aprender do desenvolvimento e crescimento inclusivo do Brasil? Research briefing: Como a EMBRAPA catalisou os ganhos de produtividade nas Indústrias de Soja e Pasta & Papel

Leia mais

Como este trabalho cabe com os esforços baseados nas comunidades?

Como este trabalho cabe com os esforços baseados nas comunidades? Morbidez e Mortalidade dos Adultos no Moçambique: Prevalência e Estratégias para os Agregados Familiares Rurais que Enfretam Adversidade D. Mather, C. Donovan, H. Marrule, e A. Alage 6 de Novembro, 2003

Leia mais

O novo ciclo 2014-2020 Inovação e fundos estruturais no sector da água

O novo ciclo 2014-2020 Inovação e fundos estruturais no sector da água O novo ciclo 2014-2020 Inovação e fundos estruturais no sector da água Porto, 9 de Fevereiro 2012 Paulo Areosa Feio Coordenador Calendário 5 th Report on Economic, Social and Territorial Cohesion & public

Leia mais

Desafios de Valor numa Economia Inteligente

Desafios de Valor numa Economia Inteligente Desafios de Valor numa Economia Inteligente Desafios de Valor numa Economia Inteligente Desafios de Valor numa Economia Inteligente As Novas Redes Colaborativas Os Novos Processos de Intermediação A Gestão

Leia mais

ÁREA: Ciências Biológicas II

ÁREA: Ciências Biológicas II Ministério da Educação Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior Diretoria de Avaliação ÁREA: Ciências Biológicas II TRIÊNIO 2007-2010 2010 Coordenador: Adalberto Vieyra Coordenador-Adjunto:

Leia mais

Acelerar o desenvolvimento das cidades inteligentes em Portugal. Concurso Cidades Analíticas 2015 Urban Analytics Award 2015

Acelerar o desenvolvimento das cidades inteligentes em Portugal. Concurso Cidades Analíticas 2015 Urban Analytics Award 2015 Cidades Analíticas Acelerar o desenvolvimento das cidades inteligentes em Portugal Concurso Cidades Analíticas 2015 Urban Analytics Award 2015 Apresentação da candidatura: Candidato Luis Maia Oliveira

Leia mais

Administração e Sustentabilidade

Administração e Sustentabilidade Administração e Sustentabilidade Prof. André Pereira de Carvalho andre.carvalho@fgv.br POI/ FGV-EAESP www.fgv.br/eaesp Centro de Estudos em Sustentabilidade (Gvces) www.fgv.br/ces Dilema: Falso dilema?

Leia mais

Maio 2013 PE2020. O papel da Engenharia como fator de competitividade. Iniciativa

Maio 2013 PE2020. O papel da Engenharia como fator de competitividade. Iniciativa Maio 2013 PE2020 O papel da Engenharia como fator de competitividade Iniciativa Agenda 1. Apresentação da Proforum e do PE2020 como plataforma colaborativa relevante e integradora 2. Contributo do PE2020

Leia mais

O Contributo do Cluster da Electrónica e Telecomunicações para o Desenvolvimento Económico Espanhol

O Contributo do Cluster da Electrónica e Telecomunicações para o Desenvolvimento Económico Espanhol O Contributo do Cluster da Electrónica e Telecomunicações para o Desenvolvimento Económico Espanhol O presente estudo visa caracterizar o cluster da electrónica, informática e telecomunicações (ICT), emergente

Leia mais

GOVERNANÇA NACIONAL E REGIONAL DA SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL: EXPERIÊNCIA DOS PAÍSES AFRICANOS DE LÍNGUA OFICIAL PORTUGUESA (PALOP)

GOVERNANÇA NACIONAL E REGIONAL DA SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL: EXPERIÊNCIA DOS PAÍSES AFRICANOS DE LÍNGUA OFICIAL PORTUGUESA (PALOP) MULTI STAKEHOLDERS PARTICIPATION IN THE CFS BUILDING INSTITUTIONS FOR NATIONAL AND REGIONAL FOOD SECURITY AND NUTRITION GOVERNANCE Side Event to the FAO Regional Conference for Africa Luanda, Angola, 5th

Leia mais

Governancia da Água. Contributo de Portugal e da PPA para o Plano Estratégico de Implementação da Parceria Europeia para a Inovação no Domínio da Água

Governancia da Água. Contributo de Portugal e da PPA para o Plano Estratégico de Implementação da Parceria Europeia para a Inovação no Domínio da Água A Água e o Programa Horizonte 2020 (8ºPQ) Contributo de Portugal e da PPA para o Plano Estratégico de Implementação da Parceria Europeia para a Inovação no Domínio da Água Governancia da Água Francisco

Leia mais

Institutional Skills. Sessão informativa INSTITUTIONAL SKILLS. Passo a passo. www.britishcouncil.org.br

Institutional Skills. Sessão informativa INSTITUTIONAL SKILLS. Passo a passo. www.britishcouncil.org.br Institutional Skills Sessão informativa INSTITUTIONAL SKILLS Passo a passo 2 2 British Council e Newton Fund O British Council é a organização internacional do Reino Unido para relações culturais e oportunidades

Leia mais

Smart Cities em Portugal: Uma realidade emergente

Smart Cities em Portugal: Uma realidade emergente Smart Cities em Portugal: Uma realidade emergente Agenda Digital Local Formação Smart Cities 29 de Outubro de 2013 estrutura da apresentação Conceito de Smart City para além da tecnologia Smart Cities

Leia mais

Soluções para SMART CITIES. Nuno Alves

Soluções para SMART CITIES. Nuno Alves Soluções para SMART CITIES Nuno Alves Agenda Contexto Organizacional Conceito e Objetivos Intergraph Smart Cities 12/7/2014 2014 Intergraph Corporation 2 Intergraph Corporation Intergraph Intergraph helps

Leia mais

inovação & nas empresas 2020 competitividade

inovação & nas empresas 2020 competitividade inovação & nas empresas 2020 competitividade FACING THE INNOVATION CHALLENGE Lisboa 02 MARÇO 2016 1 Desafios e oportunidades: fatores críticos de sucesso PRINCIPAIS ALTERAÇÕES SETORES VERSUS CADEIAS DE

Leia mais

Maputo, 7 de Novembro 2013

Maputo, 7 de Novembro 2013 Maputo, 7 de Novembro 2013 Agenda Este seminário tem por objectivo apresentar o estudo sobre a situação do acesso a finanças rurais e agrícolas em Moçambique 1. Introdução 2. Perfil da População Rural

Leia mais

ELEnA European Local ENergy Assistance

ELEnA European Local ENergy Assistance ECO.AP Programa de Eficiência Energética na Administração Pública ELEnA European Local ENergy Assistance Lisboa, 6/03/2015 Desafios 1 Conhecimento: a) Edifícios/equipamentos; b) Capacidade técnica; c)

Leia mais

Agenda Comum para uma Agricultura Sustentável

Agenda Comum para uma Agricultura Sustentável Agenda Comum para uma Agricultura Sustentável Contribuições das Federações de Pequenos Agricultores da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) (Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique,

Leia mais

SME Instrument e Fast Track to Innovation

SME Instrument e Fast Track to Innovation Apoio às PME no H2020 SME Instrument e Fast Track to Innovation Horizonte 2020 Apoio às PME no H2020 H2020 (2014-2020) Três prioridades que se reforçam mutuamente ~79M 7% para o SME Instrument Projectos

Leia mais

1. OEstudo 2. Portugal como destino de NearshoreOutsourcing (Edição 2012) 3. Conclusões

1. OEstudo 2. Portugal como destino de NearshoreOutsourcing (Edição 2012) 3. Conclusões PORTUGAL COMO DTINO DE NEARSHORE OUTSOURCING EDIÇÃO 2012 Sumário Executivo Índice 1. OEstudo 2. Portugal como destino de NearshoreOutsourcing (Edição 2012) 3. Conclusões Este estudo baseou-se em informação

Leia mais

Mobile Banking Aboobacar Chutumia Abril de 2011

Mobile Banking Aboobacar Chutumia Abril de 2011 Mobile Banking Aboobacar Chutumia Abril de 2011 Pontos de Abordagem Serviços Financeiros Móveis Acesso - Serviços Financeiros Móveis Impacto da Rede Móvel nos SFM s mcel - pioneira na banca móvel mkesh

Leia mais

Esta sessão explora o papel das TIC (parte do problema ou da solução?), debatendo, nomeadamente, as seguintes questões:

Esta sessão explora o papel das TIC (parte do problema ou da solução?), debatendo, nomeadamente, as seguintes questões: CONGRESSO DAS COMUNICAÇÕES 08 - TIC E ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS - 11 NOVEMBRO 09H00 10H30 ABERTURA OFICIAL DO CONGRESSO ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS E O FUTURO Segundo o Relatório Stern, caso nada seja feito, os

Leia mais

Optimização das organizações através da inovação das Tecnologias

Optimização das organizações através da inovação das Tecnologias Optimização das organizações através da inovação das Tecnologias Índice Quem Somos O SGI da AMBISIG; A implementação do SGIDI na AMBISIG; Caso de Sucesso. Quem somos? Somos uma empresa com 16 anos de experiência

Leia mais

EMPREENDEDORISMO JOVEM EM CABO VERDE: necessidades e oportunidades

EMPREENDEDORISMO JOVEM EM CABO VERDE: necessidades e oportunidades Ana Teresa Dias Valente Marline Morais Conceição Vieira de Carvalho Ana Teresa Dias Valente Morais EMPREENDEDORISMO JOVEM EM CABO VERDE: necessidades e oportunidades Dissertação de Mestrado em Intervenção

Leia mais

EUNEDS INTRODUÇÃO FINALIDADE E OBJECTIVOS

EUNEDS INTRODUÇÃO FINALIDADE E OBJECTIVOS EUNEDS INTRODUÇÃO O mandato para desenvolver uma Estratégia para a Educação para o Desenvolvimento Sustentável (EDS) decorre da declaração apresentada pelos ministros do ambiente da CEE/ONU na 5ª Conferência

Leia mais

Empreendedorismo Urbano:

Empreendedorismo Urbano: Empreendedorismo Urbano: As cidades (smart) como oportunidade Seminário PLACES Lisboa, 7 de Março de 2013 estrutura Cidades (smart): uma oportunidade Empreendedorismo urbano: soluções para cidades Caso

Leia mais

Organizações portuguesas lançam rede temática para a soberania e segurança alimentar

Organizações portuguesas lançam rede temática para a soberania e segurança alimentar Rede Portuguesa pela Soberania e Segurança Alimentar e Nutricional Organizações portuguesas lançam rede temática para a soberania e segurança alimentar Coimbra, 16 de Abril de 2012 Preocupados com as políticas

Leia mais

Gestão de Serviços. Mário Lavado itsmf Portugal. Guimarães 18 de Novembro 2010. itsmf Portugal 1

Gestão de Serviços. Mário Lavado itsmf Portugal. Guimarães 18 de Novembro 2010. itsmf Portugal 1 Gestão de Serviços Mário Lavado itsmf Portugal Guimarães 18 de Novembro 2010 itsmf Portugal 1 Agenda 1. O que é o itsmf? 2. A Gestão de Serviços e o ITIL 3. A ISO 20000 4. A certificação ISO 20000 itsmf

Leia mais

MCH0574 INOVAÇÃO NOS SETORES DE ALTA INTENSIDADE TECNOLÓGIA NO BRASIL: AVALIAÇÃO A PARTIR DAS PESQUISAS IBGE PINTEC

MCH0574 INOVAÇÃO NOS SETORES DE ALTA INTENSIDADE TECNOLÓGIA NO BRASIL: AVALIAÇÃO A PARTIR DAS PESQUISAS IBGE PINTEC III Congresso Internacional de Ciência, Tecnologia e Desenvolvimento 20 a 22 de outubro de 2014 CIÊNCIA E TECNOLOGIA PARA O DESENVOLVIMENTO SOCIAL MCH0574 INOVAÇÃO NOS SETORES DE ALTA INTENSIDADE TECNOLÓGIA

Leia mais

Comunicado de imprensa sobre a Auscultação Pública à volta da versão inicial do Plano Director do ProSAVANA

Comunicado de imprensa sobre a Auscultação Pública à volta da versão inicial do Plano Director do ProSAVANA Programa de Cooperação Trilateral para o Desenvolvimento Agrário do Corredor de Nacala (ProSAVANA) Comunicado de imprensa sobre a Auscultação Pública à volta da versão inicial do Plano Director do ProSAVANA

Leia mais

PROGRAMA QUADRO EUROPEU PARA A INVESTIGAÇÃO E INOVAÇÃO HORIZON 2020 (2014-2020) 2020)

PROGRAMA QUADRO EUROPEU PARA A INVESTIGAÇÃO E INOVAÇÃO HORIZON 2020 (2014-2020) 2020) PROGRAMA QUADRO EUROPEU PARA A INVESTIGAÇÃO E INOVAÇÃO HORIZON 2020 (2014-2020) 2020) Maria da Graça a Carvalho Universidade de Évora 5 Janeiro 2012 Índice Mundo Multipolar na investigação e inovação Europa

Leia mais

POLÍTICAS DE COMPETITIVIDADE PARA O SECTOR AGRO-ALIMENTAR

POLÍTICAS DE COMPETITIVIDADE PARA O SECTOR AGRO-ALIMENTAR POLÍTICAS DE COMPETITIVIDADE PARA O SECTOR AGRO-ALIMENTAR Prioridades Estratégicas Indústria Portuguesa Agro-Alimentar Federação das Indústrias Portuguesas Agro-Alimentares XI LEGISLATURA 2009-2013 XVIII

Leia mais

Consórcio do Politecnico di Milano. Fevereiro 2013

Consórcio do Politecnico di Milano. Fevereiro 2013 Consórcio do Politecnico di Milano Fevereiro 2013 DESIGN DEFINITIONS SENAI & POLI.design Fevereiro 2013 Design como uma atividade específica no processo de P&D que visa a projetação dos aspectos funcionais

Leia mais

Desenvolvendo Mercados de Insumos e Produtos Agrícolas em Moçambique: Análise Situacional. Kizito Mazvimavi e Sofia Manussa

Desenvolvendo Mercados de Insumos e Produtos Agrícolas em Moçambique: Análise Situacional. Kizito Mazvimavi e Sofia Manussa Apresentação para o Diálogo sobre a Agricultura em Moçambique, 21 Julho de 2011, Maputo Desenvolvendo Mercados de Insumos e Produtos Agrícolas em Moçambique: Análise Situacional Estudos Especiais Liderados

Leia mais

MERCADO ECONÓMICO EM ANGOLA PERSPECTIVA DE EVOLUÇÃO

MERCADO ECONÓMICO EM ANGOLA PERSPECTIVA DE EVOLUÇÃO MERCADO ECONÓMICO EM ANGOLA PERSPECTIVA DE EVOLUÇÃO Mercado Economico em Angola - 2015 Caracterização Geográfica de Angola Caracterização da economia Angolana Medidas para mitigar o efeito da redução do

Leia mais

Workshop Investimento Social: uma Abordagem Prática

Workshop Investimento Social: uma Abordagem Prática Workshop Investimento Social: uma Abordagem Prática 11 Fevereiro 2015, Fundação Caixa Geral de Depósitos Culturgest RESUMO EVENTO Realizou-se no passado dia 11 de Fevereiro, na Culturgest, o evento Workshop

Leia mais

Maputo, Moçambique 2008 6 Factores Externos Demográficos: (idade, sexo) Socio-económicos: (educação, ocupação) Ambiente: (conflitos, clima) Sistemas Saúde (DOTS) Disponibilidade Acesso Utilização Detecção

Leia mais

Integração de uma abordagem de género na gestão de recursos hídricos e fundiários Documento de Posição de organizações e redes dos PALOPs

Integração de uma abordagem de género na gestão de recursos hídricos e fundiários Documento de Posição de organizações e redes dos PALOPs Integração de uma abordagem de género na gestão de recursos hídricos e fundiários Documento de Posição de organizações e redes dos PALOPs Isabel Dinis, ACTUAR Lisboa, 3 de Junho de 2010 ACTUAR - ASSOCIAÇÃO

Leia mais

Gestão de Conhecimento - Estudos de caso -

Gestão de Conhecimento - Estudos de caso - Gestão de Conhecimento - Estudos de caso - Irina Saur-Amaral Aveiro, 28 de Abril de 2006 Estudos de caso 1. MKS (consultoria TIC Índia): importância da cultura de conhecimento 2. Siemens AG: implementação

Leia mais

CIRCLE-2 ERA-Net Adaptação às Alterações Climáticas

CIRCLE-2 ERA-Net Adaptação às Alterações Climáticas CIRCLE-2 ERA-Net Adaptação às Alterações Climáticas Tiago Capela Lourenço SIM/CCIAM - Faculdade Ciências - Universidade Lisboa Oportunidades de Financiamento no 7ºPQ para Alterações Climáticas (Espaço,

Leia mais

Panorama do mercado internacional

Panorama do mercado internacional Life & Health Panorama do mercado internacional A Global Perspective de seguros de vida e saúde Escola Nacional de Seguros Rio de Janeiro, Maio 2014 Escola Nacional de Seguros Rio de Janeiro Hernán Fatone

Leia mais

Investimentos em P&D nos setores de insumos agropecuários no Brasil

Investimentos em P&D nos setores de insumos agropecuários no Brasil Investimentos em P&D nos setores de insumos agropecuários no Brasil Jaim José da Silva Jr. Universidade Estadual de Campinas Núcleo de Economia Agrícola e do Meio Ambiente (NEA) Câmara Temática de Insumos

Leia mais

a partnership for new applications of virtual and augmented reality targeting the automotive industry Portugal Fraunhofer Gesellschaft Agreement

a partnership for new applications of virtual and augmented reality targeting the automotive industry Portugal Fraunhofer Gesellschaft Agreement a partnership for new applications of virtual and augmented reality targeting the automotive industry Portugal Fraunhofer Gesellschaft Agreement Porto, 18th April 2007 Outline 1. Presentation of CEIIA

Leia mais

A essência do problema: aproximar a produtividade real da produtividade potencial (closing the innovation gap) Research Para quê? Objectivos: Feedback

A essência do problema: aproximar a produtividade real da produtividade potencial (closing the innovation gap) Research Para quê? Objectivos: Feedback A articulação entre a procura e a oferta de I&D Alguns pontos de reflexão e propostas José Castro Coelho INIAV Instituto Nacional de Investigação Agrária e Veterinária Seminário Hortofruticultura 2020,

Leia mais

25 parceiros em rede

25 parceiros em rede CAAST-NET PLUS: EU-Africa knowledge and network support to HLPD Cooperaçãoeminvestigaçãoe inovaçãoentre África sub-sariana e Europa Maria Maia, FCT, Portugal caast-net-plus.org CAAST-Net Plusé um projeto

Leia mais

Para além dos limites da perversidade: como as politicas afectam a adaptação de tecnologia Estudo de caso de Moçambique

Para além dos limites da perversidade: como as politicas afectam a adaptação de tecnologia Estudo de caso de Moçambique Para além dos limites da perversidade: como as politicas afectam a adaptação de tecnologia Estudo de caso de Moçambique Abstract Lidia Brito & Roland Brouwer Faculdade de Agronomia e Engenharia Florestal

Leia mais

PESGRU - Plano Estratégico para a Gestão de Resíduos Urbanos em Angola

PESGRU - Plano Estratégico para a Gestão de Resíduos Urbanos em Angola PESGRU - Plano Estratégico para a Gestão de Resíduos Urbanos em Angola 1º CONGRESSO DOS ENGENHEIROS DE LÍNGUA PORTUGUESA 18 de Setembro de 2012 Agenda da apresentação do PESGRU I. Enquadramento do PESGRU

Leia mais

Antes de mais gostaria, Sr. Presidente, de desejar-lhe os maiores sucessos no exercício das suas funções, bem como ao jovem IX Governo Regional dos

Antes de mais gostaria, Sr. Presidente, de desejar-lhe os maiores sucessos no exercício das suas funções, bem como ao jovem IX Governo Regional dos Antes de mais gostaria, Sr. Presidente, de desejar-lhe os maiores sucessos no exercício das suas funções, bem como ao jovem IX Governo Regional dos Açores que agora inicia o seu mandato. Sr. Presidente,

Leia mais

Bom dia, Senhoras e Senhores. Introdução

Bom dia, Senhoras e Senhores. Introdução Bom dia, Senhoras e Senhores Introdução Gostaria de começar por agradecer o amável convite que o Gabinete do Parlamento Europeu em Lisboa me dirigiu para participar neste debate e felicitar os organizadores

Leia mais

Inclusão Financeira Digital. Setembro 2015

Inclusão Financeira Digital. Setembro 2015 Inclusão Financeira Digital Setembro 2015 2 A inclusão financeira tem vindo a conquistar ao longo dos últimos anos um lugar de destaque no panorama mundial. Este facto é demonstrado tanto pelo foco que

Leia mais

Ficha de Unidade Curricular

Ficha de Unidade Curricular 6.2.1.1. Unidade curricular: Curricular Unit: Ficha de Unidade Curricular Comunicação Multimédia (Desenvolvimento) Multimedia Communication (Development) 6.2.1.2. Docente responsável e respectivas horas

Leia mais

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE Projecto IMCHE/2/CP2 1 ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

Leia mais

Dinheiro móvel, informações de mercado e ferramentas para melhorar a segurança alimentar: Perspetivas e desafios em Moçambique

Dinheiro móvel, informações de mercado e ferramentas para melhorar a segurança alimentar: Perspetivas e desafios em Moçambique Dinheiro móvel, informações de mercado e ferramentas para melhorar a segurança alimentar: Perspetivas e desafios em Moçambique Alan de Brauw Divisão de Mercados, Comércio e Instituições Instituto Internacional

Leia mais

Estimulando o investimento sustaintavel na agricultura. Catalysing sustainable Investment in Agriculture

Estimulando o investimento sustaintavel na agricultura. Catalysing sustainable Investment in Agriculture Estimulando o investimento sustaintavel na agricultura Catalysing sustainable Investment in Agriculture Oportunidade de Investmento no Corredor da Beira Quase 10 milhões de hectares de solos apropriados

Leia mais

2. Enquadramento metodológico

2. Enquadramento metodológico 1. A Agenda 21 LOCAL 1. Em 1992, no Rio de Janeiro, a Conferência das Nações Unidas sobre Ambiente e Desenvolvimento (CNUAD) aprovou um Plano de Acção para o Século 21, intitulado Agenda 21. Realizada

Leia mais

ARTIGO APRESENTADO NO VIII COLÓQUIO DA GEOGRAFIA PORTUGUESA E PUBLICADO NAS ATAS DO CONGRESSO OUTUBRO DE 2011

ARTIGO APRESENTADO NO VIII COLÓQUIO DA GEOGRAFIA PORTUGUESA E PUBLICADO NAS ATAS DO CONGRESSO OUTUBRO DE 2011 ARTIGO APRESENTADO NO VIII COLÓQUIO DA GEOGRAFIA PORTUGUESA E PUBLICADO NAS ATAS DO CONGRESSO OUTUBRO DE 2011 POLÍTICAS PÚBLICAS DE INOVAÇÃO EM PORTUGAL UMA ANÁLISE DO QREN Rui GAMA 1, Ricardo FERNANDES

Leia mais

No Centro da Transformação de África Estratégia para 2013-2022

No Centro da Transformação de África Estratégia para 2013-2022 Grupo do Banco Africano de Desenvolvimento No Centro da Transformação de África Estratégia para 2013-2022 Sumário Executivo A Estratégia do Banco Africano de Desenvolvimento para 2013-2022 reflecte as

Leia mais

SAÚDEGLOBAL. AON Portugal

SAÚDEGLOBAL. AON Portugal SAÚDEGLOBAL AON Portugal Breve Apresentação do Negócio DADOS DE CARACTERIZAÇÃO Designação Comercial Saúdeglobal N.º Colaboradores N.º de Estabelecimentos Dispersão Geográfica Nacional Facturação em 2010

Leia mais

Operador global centrado na sustentabilidade

Operador global centrado na sustentabilidade Operador global centrado na sustentabilidade Francisco Nunes, Administrador PT Portugal Lisboa, 8 maio 2012 CONFIDENCIAL A utilização deste documento, para quaisquer fins, sem autorização expressa da Portugal

Leia mais

Interconexão de Redes Acadêmicas entre Europa e América Latina Resumo de Situação

Interconexão de Redes Acadêmicas entre Europa e América Latina Resumo de Situação Interconexão de Redes Acadêmicas entre Europa e América Latina Resumo de Situação Nelson Simões Maio de 2004 Resumo de situação da participação da RNP no início do Projeto ALICE America Latina Interconectada

Leia mais

Tema 3: Planejamento do uso do solo urbano Ferramentas técnicas. A.W. Drescher - drescher@uni-freiburg.de Universidade de Friburgo, Alemanha

Tema 3: Planejamento do uso do solo urbano Ferramentas técnicas. A.W. Drescher - drescher@uni-freiburg.de Universidade de Friburgo, Alemanha Tema 3: Planejamento do uso do solo urbano Ferramentas técnicas A.W. Drescher - drescher@uni-freiburg.de Universidade de Friburgo, Alemanha Apesar das pesquisas realizadas sobre agricultura urbana, pouco

Leia mais

Oportunidades para as PME

Oportunidades para as PME Programa-Quadro de I&I da CE: Horizonte 2020: Oportunidades para as PME Gonçalo Lobo Xavier Delegado Nacional Inovação nas PME e Acesso a Financiamento de Risco Horizonte 2020 -Oportunidades para a indústria

Leia mais

O Observatório Mundial de instrumentos de política para a ciência, tecnologia e inovação (GO SPIN)

O Observatório Mundial de instrumentos de política para a ciência, tecnologia e inovação (GO SPIN) O Observatório Mundial de instrumentos de política para a ciência, tecnologia e inovação (GO SPIN) Guillermo A. Lemarchand Consultor de Política Científica Divisão de Política Científica e Capacitação

Leia mais

As trabalham directamente com as questões de saúde ambiental e podem disponibilizar formação, materiais e outros tipos de apoio.

As trabalham directamente com as questões de saúde ambiental e podem disponibilizar formação, materiais e outros tipos de apoio. Apresentamos aqui uma selecção de organizações, materiais impressos e recursos da internet que podem fornecer alguma informação útil sobre saúde ambiental. Listámos as organizações e os materiais que são

Leia mais

A INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E A INSTITUCIONALIZAÇÃO DOS NÚCLEOS DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

A INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E A INSTITUCIONALIZAÇÃO DOS NÚCLEOS DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA A INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E A INSTITUCIONALIZAÇÃO DOS NÚCLEOS DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Sonia A. G. Oliveira 1 Érika Freitas Santana 2 Fabiana R. Grandeaux de Melo 3 Letícia de Castro Guimarães 4 O presente

Leia mais

Advisory Human Capital & Tax Services Family Business. Pensar a Família, Pensar o Negócio

Advisory Human Capital & Tax Services Family Business. Pensar a Família, Pensar o Negócio Advisory Human Capital & Tax Services Family Business Pensar a Família, Pensar o Negócio Realidade das Empresas Familiares Na PricewaterhouseCoopers há muito que reconhecemos nas empresas familiares um

Leia mais

MIT Portugal Program Engineering systems in action

MIT Portugal Program Engineering systems in action MIT Portugal Program Engineering systems in action Paulo Ferrão, MPP Director in Portugal Engineering Systems: Achievements and Challenges MIT, June 15-17, 2009 Our knowledge-creation model An Engineering

Leia mais

ECONOMIA E MEIO AMBIENTE: UM ESTUDO DE CASO DAS EMPRESAS DO CENTRO DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL (CDI) DO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA.

ECONOMIA E MEIO AMBIENTE: UM ESTUDO DE CASO DAS EMPRESAS DO CENTRO DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL (CDI) DO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA. ECONOMIA E MEIO AMBIENTE: UM ESTUDO DE CASO DAS EMPRESAS DO CENTRO DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL (CDI) DO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA. RESUMO: O Centro de Desenvolvimento Industrial de Guarapuava foi criado

Leia mais

A AUSTERIDADE CURA? A AUSTERIDADE MATA?

A AUSTERIDADE CURA? A AUSTERIDADE MATA? A AUSTERIDADE CURA? A AUSTERIDADE MATA? 29.Nov.2013 Financiamento Sector público é a principal fonte de financiamento de cuidados de saúde. Apenas EUA e México apresentam menos de 50% de financiamento

Leia mais

Transformação Agraria em Moçambique: Oportunidades, Desafios, e Prioridades

Transformação Agraria em Moçambique: Oportunidades, Desafios, e Prioridades Transformação Agraria em Moçambique: Oportunidades, Desafios, e Prioridades David Tschirley Universidade Estadual de Michigan Maputo, Outubro de 2015 Tres Tôpicos Enormes oportunidades para o sistema agroalimentar

Leia mais

Às sextas na Cidade. Águeda, empresas e mobilidade urbana : Um desafio local e uma oportunidade global

Às sextas na Cidade. Águeda, empresas e mobilidade urbana : Um desafio local e uma oportunidade global Às sextas na Cidade Águeda, empresas e mobilidade urbana : Um desafio local e uma oportunidade global Índice Como pode o sector empresarial de Águeda assumir a dianteira da inovação no domínio da mobilidade

Leia mais

PLANO TECNOLÓGICO DA EDUCAÇÃO

PLANO TECNOLÓGICO DA EDUCAÇÃO Governo da República de Moçambique Ministério da Educação PLANO TECNOLÓGICO DA EDUCAÇÃO Índice 1. Motivação do Plano Tecnológico da Educação (PTE) 2. Trabalhos Desenvolvidos 3. Linhas de Orientação e Pilares

Leia mais

Problemas ambientais urbanos

Problemas ambientais urbanos MEC, 4º ano, 2º sem, 2008-09 Desafios Ambientais e de Sustentabilidade em Engenharia Problemas ambientais urbanos 3ª aula Maria do Rosário Partidário CITIES ENVIRONMENT Inputs Outputs Energy Food Water

Leia mais

Antecedentes sistémicos do comportamento organizacional

Antecedentes sistémicos do comportamento organizacional Antecedentes sistémicos do comportamento organizacional Estrutura Tecnologia Tamanho Idade Gestão de Recursos Humanos Cultura Aprendizagem Comportamento Desempenho Satisfação Mudança Inovação Tomada de

Leia mais

José Galizia Tundisi tundisi@iie.com.br www.iie.com.br São Paulo, 25 de Março, 2015

José Galizia Tundisi tundisi@iie.com.br www.iie.com.br São Paulo, 25 de Março, 2015 José Galizia Tundisi tundisi@iie.com.br www.iie.com.br São Paulo, 25 de Março, 2015 SEGURANÇA HÍDRICA NÚMEROS GLOBAIS ACESSIBILIDADE UNESCO / JULHO 2014 Extensão de serviço à todos ainda inexistente.

Leia mais

Horizonte 2020. Pilar II Liderança Industrial Tecnologias da Informação e Comunicação (ICT)

Horizonte 2020. Pilar II Liderança Industrial Tecnologias da Informação e Comunicação (ICT) Horizonte 2020 Pilar II Liderança Industrial Tecnologias da Informação e Comunicação (ICT) Filipa Duarte Elisabete Pires Pontos de Contacto Nacional de ICT & FET TIC no Horizonte 2020 Liderança Industrial

Leia mais

APRESENTAÇÃO. www.get-pt.com 1

APRESENTAÇÃO. www.get-pt.com 1 APRESENTAÇÃO www.get-pt.com 1 -2- CULTURA GET -1- A nossa Visão Acreditamos que o elemento crítico para a obtenção de resultados superiores são as Pessoas. A nossa Missão A nossa missão é ajudar a melhorar

Leia mais

APEX- APOIO À PROMOÇÃO DA EXPORTAÇÃO DAS PME 2012

APEX- APOIO À PROMOÇÃO DA EXPORTAÇÃO DAS PME 2012 APEX- APOIO À PROMOÇÃO DA EXPORTAÇÃO DAS PME 2012 A aposta no apoio à internacionalização tem sido um dos propósitos da AIDA que, ao longo dos anos, tem vindo a realizar diversas acções direccionadas para

Leia mais

DIÁLOGO NACIONAL SOBRE EMPREGO EM MOÇAMBIQUE

DIÁLOGO NACIONAL SOBRE EMPREGO EM MOÇAMBIQUE DIÁLOGO NACIONAL SOBRE EMPREGO EM MOÇAMBIQUE CRIAÇÃO DE EMPREGO NUM NOVO CONTEXTO ECONÓMICO 27-28 demarço de 2014, Maputo, Moçambique A conferência de dois dias dedicada ao tema Diálogo Nacional Sobre

Leia mais

O desafio de aumentar o impacto da ciência brasileira

O desafio de aumentar o impacto da ciência brasileira O desafio de aumentar o impacto da ciência brasileira Carlos Henrique de Brito Cruz Diretor Científico FAPESP 23/05/2013 desafio-impacto-confap-20130522.pptx; C.H. Brito Cruz e Fapesp 1 Desafios para a

Leia mais

Calendário 2015 Clima

Calendário 2015 Clima Calendário 2015 Clima 15 a 28 de Setembro - Assembléia Geral da ONU (Nova York) 70º Assembléia Geral Dia 28 de Setembro Relatório do Secretário Geral Ban Ki-Moom Principais temas: Clima e Objetivos do

Leia mais

ÐЏٸ Я [Я Carlos Martins

ÐЏٸ Я [Я Carlos Martins ك Я] ك Я ٸÐЏ Carlos Martins Estudo Macroeconómico Desenvolvimento de um Cluster de Indústrias Criativas da Região do Norte QUESTÕES CHAVE Qual o perfil actual do sector criativo e cultural? Qual o seu

Leia mais

Da aula de língua inglesa ao plurilinguismo: propostas didáticas

Da aula de língua inglesa ao plurilinguismo: propostas didáticas Encontros com o LALE (Laboratório Aberto para a Aprendizagem de Línguas Estrangeiras) Educação plurilingue e intercultural: percursos e possibilidades em contexto educativo português 11 e 12 de outubro

Leia mais

Gestão em Farmácia. Marketing 3. Manuel João Oliveira. Identificação e Selecção da Estratégia

Gestão em Farmácia. Marketing 3. Manuel João Oliveira. Identificação e Selecção da Estratégia Gestão em Farmácia Marketing 3 Manuel João Oliveira Análise Externa Análise do Cliente Segmentação, comportamento do cliente, necessidades não-correspondidas Análise dos Concorrentes Grupos estratégicos,

Leia mais

TUTORIA INTERCULTURAL NUM CLUBE DE PORTUGUÊS

TUTORIA INTERCULTURAL NUM CLUBE DE PORTUGUÊS UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE PSICOLOGIA E DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO TUTORIA INTERCULTURAL NUM CLUBE DE PORTUGUÊS SANDRA MARIA MORAIS VALENTE DISSERTAÇÃO DE MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO Área de

Leia mais

O GOOGLE SITES NA APRESENTAÇÃO DO V DE GOWIN DE UMA INVESTIGAÇÃO EXPERIMENTAL EM CIÊNCIAS NATURAIS

O GOOGLE SITES NA APRESENTAÇÃO DO V DE GOWIN DE UMA INVESTIGAÇÃO EXPERIMENTAL EM CIÊNCIAS NATURAIS O GOOGLE SITES NA APRESENTAÇÃO DO V DE GOWIN DE UMA INVESTIGAÇÃO EXPERIMENTAL EM CIÊNCIAS NATURAIS Berta Bemhaja, Elizabeth Ashall, Inês Tavares, Sara Barroca, Zara Baltazar Escola Secundária, com 3º ciclo,

Leia mais

As Megatendências por Setores da Economia CRI Minas 25 de Setembro de 2014

As Megatendências por Setores da Economia CRI Minas 25 de Setembro de 2014 As Megatendências por Setores da Economia CRI Minas 25 de Setembro de 2014 Fortune Top companies: Biggest by Market Value Fortune Top companies: Most profitable VALOR V = Valor percebido pelo cliente (

Leia mais

Como é que os locais e os territórios podem contribuir para o estímulo à Inovação Social? Pedro Saraiva - TAGUS - Ribatejo Interior

Como é que os locais e os territórios podem contribuir para o estímulo à Inovação Social? Pedro Saraiva - TAGUS - Ribatejo Interior Como é que os locais e os territórios podem contribuir para o estímulo à Inovação Social? O que é inovação social? Podemos referir que é o desenvolvimento e implementação de novas ideias (produtos, serviços

Leia mais

Lloyd s no brasil. 2 anos após a abertura do mercado de resseguros MARCO ANTONIO DE SIMAS CASTRO

Lloyd s no brasil. 2 anos após a abertura do mercado de resseguros MARCO ANTONIO DE SIMAS CASTRO Lloyd s no brasil 2 anos após a abertura do mercado de resseguros MARCO ANTONIO DE SIMAS CASTRO July 2010 Lloyd s no Brasil abril 2008: O Lloyd s foi o primeiro ressegurador a receber a licença da SUSEP,

Leia mais

Mix público-privado. ABRES, RJ, dezembro de 2009

Mix público-privado. ABRES, RJ, dezembro de 2009 Mix público-privado ABRES, RJ, dezembro de 2009 Pressupostos Constituição do campo da Economia da Saúde Aperfeiçoamento do conhecimento sobre a realidade material por uma concepção científica do mundo

Leia mais

INOVAÇÃO, EMPREENDEDORISMO E O FUTURO MINISTÉRIO DA ECONOMIA

INOVAÇÃO, EMPREENDEDORISMO E O FUTURO MINISTÉRIO DA ECONOMIA INOVAÇÃO, EMPREENDEDORISMO E O FUTURO MINISTÉRIO DA ECONOMIA Empresas INOVAÇÃO PRODUTOS DIMENSÃO MERCADO PRODUÇÃO MARKETING GESTÃO LIDERANÇA FINANCIAMENTO RH COMPETÊNCIAS Empreendedorismo VISÃO ESTRUTURADA

Leia mais

Ajudando o Brasil no Desenvolvimento das TIC

Ajudando o Brasil no Desenvolvimento das TIC Ajudando o Brasil no Desenvolvimento das TIC 1 A Presidente tem uma nova visão das TIC para o país Estamos também acelerando a implantação do Plano Nacional de Banda Larga, não só para que todas as escolas

Leia mais

Políticas industriais: o Estado ao serviço de quem?

Políticas industriais: o Estado ao serviço de quem? Le Monde diplomatique edição portuguesa, II Série, n.º 60 (Outubro) Políticas industriais: o Estado ao serviço de quem? Ricardo Paes Mamede Economista, co autor do blog Ladrões de Bicicletas (ladroesdebicicletas.blogspot.com)

Leia mais