DEDICATED TO MAKING A DIFFERENCE. Sustentabilidade. nas Tecnologias de Informação e Comunicação. Manual de Boas Práticas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DEDICATED TO MAKING A DIFFERENCE. Sustentabilidade. nas Tecnologias de Informação e Comunicação. Manual de Boas Práticas"

Transcrição

1 DEDICATED TO MAKING A DIFFERENCE Sustentabilidade nas Tecnologias de Informação e Comunicação Manual de Boas Práticas

2 Página propositadamente deixada em branco.

3 Índice Prefácio O Compromisso de Sustentabilidade para o Sector das TIC Introdução As TIC e a Sustentabilidade A Perspectiva Interna: os Desafios para o Sector das TIC Desafios Sociais. Táxi Seguro (Vodafone). Movimento ECO (Portugal Telecom). Condução de Processos de Emergência (Ericsson) Desafios de Mercado. TAG (Sonaecom). Projecto monit (monit). Acesso a Conteúdos (GSMA) Desafios de Qualidade de Vida. Vodafone Say (Vodafone). Protocolo com AMI e Entrajuda (Portugal Telecom e Microsoft). Pessoas com Necessidades Especiais (Portugal Telecom). Projecto ISIM (Sonaecom). Apoio ao empreendedorismo (Microsoft) Desafios Ambientais. Programa Re-utilize (Vodafone). Embalagens Eco (Portugal Telecom, CTT e Sonaecom). BTS Eficientes (Portugal Telecom, Sonaecom e Vodafone). Facturas electrónicas (Portugal Telecom). BTS Power Savings (Ericsson) A Perspectiva Externa: As TIC como Driver de Sustentabilidade Casos de estudo seleccionados Produtos e serviços para o sector corporativo. Parceria com o INEM (Sonaecom). Dashboard de consumos (Novabase). Monitorização de epilepsia pediátrica (Vodafone). Rede de videovigilância (Refer Telecom). Monotorização de Viaturas (Sonaecom). Sistema BabyCare (Portugal Telecom) As Empresas Envolvidas Os Membros do Grupo de Trabalho Ficha Técnica Abreviaturas

4 Prefácio A resposta à complexidade dos problemas que se colocam, quando se aborda o tema da Sustentabilidade, seja do ponto de vista ambiental ou social ou económico, implica um esforço muito exigente de integração e de tratamento de informação. O actual ciclo económico global veio dar maior evidência a esta necessidade. Temos pela frente um exercício difícil que consiste em conseguir obter o crescimento económico em equilíbrio com outros desafios, como a preservação e valorização dos ecossistemas, a energia, as alterações climáticas ou o desenvolvimento e a inclusão sociais. As Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC) podem dar um contributo muito importante neste sentido, designadamente através da proposta de soluções integradoras, que contribuam para novos ganhos de eficiência e que promovam a criação sustentável de valor. 4

5 Em 2008, a Global esustainability Initiative (GeSI) veio demonstrar, através do estudo Smart 2020, o impacto actual e potencial das Tecnologias de Informação e Comunicação nas emissões globais de gases com efeito de estufa (GEE), quer do ponto de vista da própria pegada de carbono, quer do ponto de vista do impacto potencial da aplicação destas tecnologias na pegada de outros sectores. No mesmo ano, a APDC apresentou o Relatório Smart 2020 Portugal, no âmbito do Congresso das Comunicações 08. O BCSD Portugal e os seus associados mais directamente envolvidos nas TIC quiseram ir além das questões associadas às alterações climáticas e desenvolver um Manual de Boas Práticas, dedicado ao tema Sustentabilidade nas Tecnologias de Informação e Comunicação. A proposta, que resultou do trabalho empenhado dos CTT, da Ericsson, da Microsoft, da Portugal Telecom, da Refer Telecom, da Sonaecom e da Vodafone Portugal, combina uma análise sintética dos diferentes benefícios que as TIC podem ter para a Sustentabilidade em diferentes segmentos e na tripla perspectiva económica, social e ambiental com a exposição de casos de estudo exemplificativos da diversidade e da eficiência das soluções que já existem na prática. Esta publicação é, também, um marco importante para o BCSD Portugal, na medida em que dá corpo ao objectivo de produzir publicações sobre os mais variados temas relacionados com a Sustentabilidade, que reflictam os problemas relacionados com a realidade portuguesa e que proponham as respostas que a competência e as capacidades das empresas portuguesas já sabem dar. Deste modo, o BCSD Portugal reforçará a sua capacidade de oferta de valor para os seus associados e para o país. Vasco de Mello, Presidente do BCSD Portugal 5

6 As TIC e a Sustentabilidade O Compromisso de Sustentabilidade para o Sector das TIC Em pleno século XXI o Sector das TIC (Tecnologias de Informação e Comunicação), enfrenta um vasto conjunto de desafios e oportunidades. O crescimento da população mundial e a disseminação das economias de mercado proporcionam novos clientes e novas oportunidades para as empresas. O Sector das TIC tem sido, e continuará a ser, uma força motriz neste crescente Mercado Global. Os avanços têm suscitado uma revolução na velocidade e na forma como as empresas são conduzidas. As TIC tornam possível a comunicação imediata, por telefone, , videoconferência e outras tecnologias emergentes. O corolário deste cenário de expansão de oportunidades é a crescente procura que as sociedades industrializadas colocam nos sistemas naturais e recursos do planeta. É agora amplamente reconhecido que temos de aceitar a responsabilidade inerente à oportunidade global participando na gestão sustentável do planeta. O Sector das TIC é constituído por um grupo de líderes inovadores. Reconhecemos a nossa responsabilidade na procura de novas ideias e respostas globais e é nosso desejo que as TIC possam fornecer um modelo alternativo à circulação de pessoas, informações e ideias, reduzindo os recursos necessários e melhorando o desempenho. 6

7 A nossa indústria é competitiva e dinâmica. No entanto, apesar do contexto de ávida concorrência, os criadores e os signatários deste documento concordam que a indústria deve estar alerta para casos em que é adequado o trabalho conjunto na procura de soluções sustentáveis. Em última instância, nenhuma indústria irá prosperar se não proteger o ambiente natural e conservar os recursos para as gerações futuras. Não poderemos individualmente resolver os complexos problemas ambientais, sociais e económicos que enfrentamos hoje, mas todos podemos cooperar rumo a este objectivo comum. Este é o nosso compromisso. Neste contexto, as empresas signatárias deste documento assumem a promoção dos princípios do Desenvolvimento Sustentável, a par do compromisso implícito de contribuir cada vez mais para a sociedade de informação e infoinclusão, no desenrolar das suas actividades. Para além de servir como uma referência sobre a Sustentabilidade no Sector das TIC, este documento é um reconhecimento daquilo que tem vindo a ser realizado. Cada um dos casos de estudo apresentados pretende ilustrar uma realidade concreta, a resolução de um problema em cuja génese estava um desafio de sustentabilidade. São assim aceites pelas empresas signatárias deste documento os seguintes princípios de acção:. Participar na discussão das políticas governamentais nacionais e internacionais, incentivando o equilíbrio entre aspectos ambientais, sociais e económicos;. Promover, através de inovação, pesquisa e desenvolvimento (ambiental, económico e social), soluções que vão ao encontro das necessidades das gerações futuras;. Educar, treinar e motivar os colaboradores no sentido de realizarem as suas actividades de uma forma ambientalmente responsável, bem como assegurar a saúde e segurança dos mesmos;. Fornecer condições de trabalho nas quais os direitos humanos fundamentais e os padrões de trabalho internacionais sejam cumpridos;. Promover a diversidade e combater a discriminação de forma a garantir a igualdade de oportunidades;. Definir padrões ambientais e sociais a serem aplicados em toda a actividade operacional. Apesar de já termos percorrido um longo caminho, seguimos com a noção de que este é um desafio constante, quer ao nível das necessidades a suprir, quer da criatividade necessária para conseguirmos cada vez mais soluções eficazes e sustentáveis para todas as partes interessadas. Seguimos cientes de que temos um caminho ainda muito longo para trilhar, mas convictos de que os passos que já demos nos estão a guiar na direcção certa. Fernanda Tomás Country Manager Ericsson Portugal António Coimbra Presidente Executivo Vodafone Portugal Cláudia Goya Directora Geral Microsoft Portugal Ângelo Pupério CEO Sonaecom Zeinal Bava Presidente Executivo Portugal Telecom Eduardo Pinto Presidente Comissão Executiva Refer Telecom Estanislau Mata Costa Presidente CTT 7

8 Página propositadamente deixada em branco.

9 Introdução No decurso do ano transacto, foi criado no seio do BCSD Portugal um Grupo de Trabalho do Sector das Tecnologias da Informação e Comunicação (TIC), com vista a reflectir sobre a importância do contributo do sector para os objectivos do Desenvolvimento Sustentável. Foi opção deste Grupo de Trabalho elaborar uma publicação que reflectisse as boas práticas das empresas deste sector em Portugal e que promovesse uma reflexão para identificar soluções sustentáveis para as questões essenciais do Sector das TIC através de medidas e acções que possam corrigir e melhorar o desempenho das empresas deste sector. Para além de ser uma referência do compromisso das empresas para com a sustentabilidade no Sector das TIC, esta publicação é um reconhecimento daquilo que tem vindo a ser realizado numa área que assume um papel cada vez mais relevante no funcionamento de outros sectores económicos e na sociedade em geral. Não sendo possível endereçar de forma individualizada muitos dos complexos problemas ambientais, sociais e económicos que enfrentamos hoje, é necessário criar alicerces de cooperação no interior do Sector das TIC com vista a atingir o objectivo comum de criar soluções sustentáveis que garantam a preservação do ambiente natural e conservação dos recursos para as gerações futuras. 9

10 As TIC e a Sustentabilidade As TIC e a Sustentabilidade A importância das TIC no dia-a-dia do cidadão e na economia tem vindo a ganhar uma visibilidade incontornável, fruto dos desenvolvimentos ocorridos sobretudo na última década. O Sector das TIC encontra-se directamente envolvido na melhoria da qualidade de vida do cidadão, não só ao permitir o acesso deste à sociedade de informação e facilitar as suas comunicações, como oferecendo as condições para a criação de iniciativas como os portais governamentais e a disponibilização de serviços públicos online. A nível económico, as TIC fornecem ferramentas indispensáveis às empresas não só no que toca à melhoria de desempenho através de acesso à informação e de melhores meios de comunicação como no acesso a novos mercados. Por outro lado, a indústria das TIC usufrui de um estatuto mais verde aos olhos dos vários intervenientes industriais, pelo facto desta indústria ter emissões de dióxido de carbono menores em termos relativos e, de uma forma geral, estar menos associada ao tema sustentabilidade do que as designadas indústrias pesadas. Este é um caso em que as aparências podem ser enganadoras, uma vez que o conceito de sustentabilidade vai muito além do estatuto verde e compreende não só questões no plano ambiental, mas também nos planos social, de mercado e da qualidade de vida. Se considerarmos esta definição alargada, a indústria das TIC tem uma enorme relevância num conjunto muito diferenciado de temas directamente relacionados com sustentabilidade, como por exemplo a infoinclusão, a segurança de informação e a garantia de privacidade e conteúdos responsáveis. Estes temas podem ser sistematizados nos quatro quadrantes ilustrados na Figura 1. 10

11 Social MERCADO Dependência de telefonia móvel e internet Jogo online Zonas de utilização livre Outsourcing & empregabilidade Segurança e privacidade de dados Resposta a emergências Preços e tarifas justos Marketing responsável Controlo de acesso a conteúdos Compras sustentáveis Gestão de direitos digitais e propriedade intelectual Legitimação por consumidores e poder político AMBIENTAL Qualidade de vida Alteração climática e gestão de CO 2 Gestão energética Reciclagem de terminais Implementação responsável da rede Directiva de REEE (Resíduos de Equipamentos Eléctricos e Electrónicos) Directiva RCSP (do inglês RoHS 1 ) Desmaterialização de documentação Infoinclusão Emprego Saúde dos consumidores Self-care remoto Figura 1. Os quatro quadrantes das principais questões da sustentabilidade na indústria das TIC. Os principais intervenientes do Sector das TIC têm vindo a endereçar de forma sistemática estes temas numa perspectiva alargada da sustentabilidade. Tem-se vindo a verificar a contínua substituição de uma postura de mitigação de risco, encarando a sustentabilidade essencialmente de forma reactiva como geradora de eficiência operacional e redução de custos, para uma postura em que se abordam questões ambientais e sociais de forma estratégica, com o objectivo de serem um motor de vantagem competitiva, permitindo uma influência determinante na sociedade. Neste contexto, Portugal tem assumido um papel de destaque ao nível da importância que o Governo dá às TIC. Exemplo disso é o último estudo Global Information Technology Report , publicado pelo World Economic Forum, em que numa lista de 134 países, o nosso país surge posicionado em 4º lugar, na escala de importância que é dada ao Sector pelo Governo na formulação da sua visão de futuro. Numa análise sumária de cada um dos quadrantes de temas directamente relacionados com a sustentabilidade (vide Figura 1), poder-se-á enunciar em Portugal um conjunto de iniciativas que reflectem a preocupação dos principais intervenientes nas TIC e da administração pública neste domínio: Social Consolidação e alargamento dos programas e-escolas e a promoção da infoinclusão de grupos socialmente desfavorecidos e/ou com necessidades sociais específicas no âmbito da sociedade de informação; Ambiental Implementação de programas de prevenção e combate a incêndios por parte de intervenientes do Sector das TIC, como o projecto Floresta + Verde e a reciclagem de equipamentos; 1 ROHS Restriction of Certain Hazardous Substances 11

12 As TIC e a Sustentabilidade Qualidade de Vida Sistema de actualização automática de informação sobre os transportes públicos de passageiros e investimento em TIC para optimização dos serviços de saúde; Mercado Desenvolvimento de ofertas de acesso à internet em banda larga (nos seus vários acessos tecnológicos), Televisão Digital Terrestre e o lançamento de redes de nova geração. Com esta nova abordagem, a optimização do desempenho corporativo e de sustentabilidade no Sector das TIC torna-se um jogo de soma nula, em que tanto os intervenientes do sector como a sociedade saem vencedores. Mitigação de Risco Redução de Custos Geração de Receitas Vantagem Competitiva Caso de Estudo Europeu Consciencialização & Conformidade Eficiência operacional (prevalece uma abordagem de dentro para fora) Inovação no Produto (prevalece uma abordagem de fora para dentro) Influência na sociedade e na dinâmica competitiva Desenvolve iniciativas ambientais como limpeza de praias, financia actividades desportivas e humanitárias. A dimensão de responsabilidade corporativa está pouco enraizada no negócio da empresa. Mitigação de impactos das actividades ao longo da cadeia de valor. Transformação das actividades ao longo da cadeia de valor tendo em conta benefícios sociais. A Visão e Missão corporativas integram compromissos de criação de valor para a sociedade. Optimiza o consumo de energia e energias verdes sempre que possível. Consciencialização sobre as várias dimensões inerentes ao desenvolvimen- Abordagem de dentro para fora actuação feita primordialmente com base em justificação Abordagem de fora para dentro incorporando a resposta dos vários inter- Sustentabilidade integrada no planeamento e estratégia corporativa. Ciente do impacto ambiental dos produtos e serviços (por ex. lançamento de produtos ecológicos). to sustentável e melhoria do relacionamento com os principais intervenientes. financeira ou constrangimento normativo/legal. venientes. Posicionamento sustentável tido como vantagem competitiva para o posicionamento dos produtos. Parceria com o consumidor para geração de produtos que possibilitam atingir os seus objectivos de sustentabilidade. Reporte anual de indicadores de sustentabilidade. Sensibilização dos empregados para uma cultura de sustentabilidade. Responsabilidade Corporativa Reactiva Responsabilidade Corporativa Estratégica Figura 2. Evolução na cadeia de valor da sustentabilidade. 2 Os vários intervenientes do Sector das TIC estão assim numa posição privilegiada para impactarem os vários domínios da sustentabilidade utilizando duas alavancas fundamentais: i) endereçando as temáticas da sustentabilidade numa vertente interna no seio da própria indústria e, ii) funcionando como veículo de suporte a outras indústrias na preocupação com os seus próprios desafios. No que diz respeito à primeira alavanca, o foco será implementar, de forma articulada em cada companhia ou transversalmente dentro do Sector, medidas efectivas de mitigação dos temas pertencentes a cada um dos quatro quadrantes identificados. 2 Análise Arthur D. Little; M. E. Porter and M. R. Kramer - Strategy & Society, Harvard Business Review, 12/

13 As TIC e a Sustentabilidade O impacto destas medidas reflectir-se-á também nos resultados das próprias empresas do Sector, quer ao nível da redução dos seus custos operacionais, por exemplo reduzindo a sua factura energética, quer ao nível do aumento das receitas e preocupação com novos segmentos-alvo emergentes, uma vez que as preferências dos consumidores têm vindo a ser cada vez mais influenciadas por factores ambientais e de responsabilidade social. poupanças de CO 2 Facilidade de Implementação > 50 mt mt 5-25 mt 1-5 mt < 1 mt Potencial de Valor em 2020 baixo médio alto Intelligent journey Teletrabalho e-learning On demand media Substituição virtual de produtos Impostos online Download de software e-commerce Videoconferência & Telepresença Audioconferência factura online Difícil fácil Figura 3. Impacto nas emissões de CO2 de Produtos e Serviços TIC vs Potencial de valor para o Sector. 3 Neste sentido, é com alguma naturalidade que se constatam alguns indicadores relevantes no mercado das TIC em Portugal, nomeadamente ao nível da penetração da banda larga móvel, uma vez que no primeiro trimestre do ano foi possível constatar um valor 67,9% superior ao verificado no primeiro trimestre do ano de 2009, sendo o número de clientes actualmente de 2,69 milhões. De igual modo, o comportamento do segmento de banda larga fixa consubstanciou-se num crescimento de 9,3% relativamente ao mesmo período em análise e no final do primeiro trimestre de 2009 o número de clientes já era de 1,7 milhões 4. No que diz respeito à segunda alavanca identificada, as TIC terão um importante papel a desempenhar na melhoria da performance de sustentabilidade em outros sectores. Este facto pode ser endereçado quer pela criação de novos produtos e serviços, quer pela aplicação inovadora de serviços existentes. Este modelo de oferta de serviços das TIC poderá ser visto numa perspectiva mais abrangente, fazendo evidência dos diferentes benefícios que poderão desencadear nos sectores alvo, na sociedade e no ambiente, bem como para o próprio Sector das TIC, de acordo com os segmentos de sustentabilidade atrás classificados e como exemplificado na Tabela 1 seguinte. 3 Fonte: Arthur D. Little & WWF 4 Dados disponibilizados pela Anacom relativamente à banda larga em Portugal referente ao primeiro trimestre de

14 As TIC e a Sustentabilidade Tabela 1. Impactos ilustrativos de produtos e serviços TIC noutros sectores. Sector Questão e solução Benefícios para o sector-alvo Benefícios para a sociedade e ambiente Benefícios para o sector das TIC Saúde Questão: Reduzir o impacto económico em hospitais em tratamentos de longa duração de doenças crónicas. Solução: Monitorização remota e aplicações/serviços self-care. Aumento da capacidade e número de camas disponíveis em hospitais. Redução de custos de hospitalização e serviços de saúde self-care. Sociedade: Melhoria da qualidade de vida dos doentes e infoinclusão de camadas idosas da população. Ambiente: Redução nas emissões de CO 2 pela redução de viagens em transporte individual Expansão da penetração no mercado de serviços públicos e privados de saúde. Novas fontes de receita e aumento das receitas em voz/dados. ou público. Questão: Reduzir perdas Redução de perdas de Sociedade: Optimização Expansão da penetração de água e aumentar a sua água (maiores receitas). na alocação e disponibili- no mercado de Utilities. disponibilidade para dade de água para a popu- as populações. Maior eficiência e precisão lação; visibilidade pública Desenvolvimento de nova na recolha de leitura e na da quantidade e qualidade oferta de serviços e novas Utilities Solução: Sistemas de informação geográfica para identificação de facturação. Maior eficiência opera- de recursos de água. Ambiente: Redução de fontes de receita. disponibilidade de água e cional. perdas de água e melhoria capacidade de armaze- da gestão dos recursos namento/distribuição. hídricos. Sistemas de monitorização de qualidade e consumo Optimização do consumo de água. de um recurso vital. Questão: Melhoria de Maior eficiência de custos Prevenção de acidentes Expansão da penetração eficiência de serviços em processos de gestão com consequências no sector público. de emergência. de emergência. humanas e ambientais e Público Solução: Sistemas de informação geográfica Aumento da eficácia das acções de prevenção. redução da gravidade/ consequências de acidentes, dada uma melhor Geração de negócio em hardware, software, managed services e plataformas de comunicação direccionados para a protecção civil. Aumento da eficiência da resposta em situações de emergência. capacidade de resposta a emergências. e tráfego para números de emergência. Questão: Redução de Melhoria na segurança Sociedade: Redução do Expansão da penetração acidentes e melhoria na automóvel e ganhos de número e consequência no sector automóvel. Automóvel eficiência da condução. Solução: IVS (Intelligent competitividade na comercialização de veículos. de acidentes. Ambiente: Redução nas Geração de negócio em software, equipamento e Vehicle Systems) e ADAS emissões de CO 2 por manutenção aplicacional. (Advanced Driver Assistance via de condução mais Systems). eficiente. Em Portugal, existem condições favoráveis e oportunidades para a construção de ofertas potenciais TIC para diferentes sectores de actividade que se ilustram na Tabela 2 de forma não exaustiva, para os sectores da Saúde, Transportes e Administração Local. 14

15 As TIC e a Sustentabilidade Tabela 2. Exemplos não exaustivos de novas ofertas das TIC para outros sectores de actividade em Portugal. 5 Situação Oportunidade Oferta promocional. Transformação do sector para um. Um dos sectores verticais com. Mobilidade e tecnologia sem fios. modelo baseado na mobilidade e maior potencial de crescimento.. Convergência de comunicações Saúde na centralização da informação.. Gestores procuram equilíbrio entre a maior quantidade de serviços de. O governo está focado em diminuir o défice de investimento que se verifica face ao sector privado. de dados e voz numa única rede, através da Tecnologia IP.. Solução de monitorização remota saúde e as limitações de recursos. de paciente.. Elemento vídeo no auxílio à vítima em situação de emergência.. Redução contínua da procura. Áreas de suporte à actividade. Telemetria e diagnósticos de equi- de transporte público. (facturação, segurança e controlo pamentos e instalações.. Matriz de tempos de viagens de passageiros).. Novas formas de bilhética com TRANSPORTES interurbanas e internacionais não competitiva.. Áreas de apoio à qualidade na mobilidade dos clientes passa- recurso a telecomunicações móveis.. Acompanhamento de mercadorias.. Tecnologia aplicada tem tido como geiros e mercadorias.. Videovigilância, controlo de acessos, resultado ganhos através da monitorização remota. redução de custos.. Internet on rail.. Autarquias forte presença online:. Plano Tecnológico. Convergência de comunicações - 96% têm presença interactiva. QREN 2007/2013 de dados e voz numa única rede, na net M para modernizar através da Tecnologia IP. Administração local - 40% disponibilizam fóruns de consulta e discussão pública com os cidadãos. a Administração Pública - 1,100 M para infra-estruturas territoriais de conectividade. Serviços de Documentação.. Portais informativos e portais especializados.. Atraso face à Administração Central. electrónica. 5 Relatórios IDC, Análise Arthur D. Little. Neste manual será dada uma perspectiva de como os intervenientes no Sector das TIC pertencentes ao Grupo de Trabalho têm abordado a temática da sustentabilidade utilizando estas duas alavancas fundamentais e endereçando as seguintes questões:. Como pode a indústria das TIC endereçar os seus próprios desafios de Sustentabilidade?. Como pode a indústria das TIC melhorar o desempenho sustentável de outras indústrias e, por consequência, criar um novo mercado para os seus próprios produtos e serviços? Os casos de estudo aqui apresentados são uma selecção ilustrativa de entre os projectos desenvolvidos pelas várias empresas que participam neste projecto e não pretendem ser exaustivos na caracterização dos projectos desenvolvidos por cada uma delas. 15

16 A Perspectiva Interna: os Desafios para o Sector das TIC A palavra sustentabilidade tornou-se rapidamente numa das palavras-chave dos últimos anos. Apesar do seu significado se ter estendido para os mais variados temas e grupos de interesse, o cerne do conceito continua a ser a preservação da sociedade e de tudo o que a rodeia, de forma a podermos deixar para as gerações vindouras um mundo senão melhor, pelo menos igual ao que herdámos. Apesar de lato, o conceito de sustentabilidade encontra eco em quase todos os âmbitos de actuação, e as TIC são um motor privilegiado para a sua disseminação, dado o seu envolvimento com quase todos os sectores de actividade. Nos últimos anos a indústria das TIC tem observado um aumento extraordinário, devido, entre outros factores, ao desenvolvimento de produtos e serviços na área das comunicações móveis e internet. Este desenvolvimento acelerado tem coincidido com o aumento da sensibilização do público para os problemas causados pelos Gases com Efeito de Estufa (GEE). Esta correlação resultou numa maior sensibilização da indústria das TIC para a problemática das alterações climáticas. Em Abril de 2006, o Parlamento Europeu estabeleceu um quadro de medidas de redução de consumo energético para os sectores não abrangidos pelo Protocolo 16

17 de Quioto e em Março de 2007 o Conselho Europeu confirmou o objectivo de reduzir 20% do consumo de electricidade e de emissões de CO 2 equivalente da EU até 2020, que se materializaram na proposta by 2020: Europe s climate change opportunity. Por outro lado, em Maio de 2008 foi lançado o repto ao Sector das TIC, com a adopção do plano Adressing the challenge of energy efficiency through information and communication technologies. A publicação em Setembro de 2009 dos resultados da consulta pública efectuada entre Março e Junho de 2009 ao Sector das TIC 6 evidenciou, por um lado, a crescente preocupação que esta temática está a gerar, mas, por outro, espelhou a fragmentação das soluções propostas, com várias empresas a desenvolverem iniciativas isoladas de melhoria de performance ambiental. Assim, um dos principais desafios para o futuro é o estabelecimento de objectivos bem definidos para este sector, bem como de plataformas de execução dos projectos propostos. Neste sentido, o Sector das TIC já expressou a sua vontade de estabelecer um fórum de desenvolvimento destes conceitos o ICT for Energy Efficiency (ICT4EE). Noutra óptica, o relatório Smart 2020 Enabling the Low Carbon Economy in the Information Age, quantificou a pegada global do Sector das TIC, em 2020, em cerca de 2,7% das emissões globais; no entanto, identificou também o potencial para as TIC permitirem um decréscimo de 15% nas emissões de dióxido de carbono noutras áreas da economia. Estes dados ilustram bem a dicotomia que as TIC enfrentam: por um lado, contribuir para a diminuição das emissões associadas aos seus próprios produtos e serviços e, por outro, identificar soluções que permitam a diminuição das emissões dos sectores que são servidos pelas TIC. Aos primeiros, chamamos Desafios para o Sector das TIC numa Perspectiva Interna, e englobam Desafios Sociais, de Mercado, de Qualidade de vida e Ambientais. Na prática, são desafios que as TIC devem enfrentar de forma a melhorar a sua eficiência energética e, por consequência, diminuir as emissões de carbono. Apresentamos de seguida alguns casos de estudo que pretendem ilustrar os passos já dados pelas principais empresas portuguesas no Sector das TIC na temática da sustentabilidade. 6 Public Consultation on Information and Communication Technologies for a Low Carbon Society, 30 Março - 14 Junho,

18 Página propositadamente deixada em branco.

19 Desafios Sociais Os desafios sociais das TIC prendem-se com problemáticas associadas à segurança, privacidade, resposta a situações de emergência e relação dos utilizadores com as novas tecnologias. São desafios extremamente pertinentes e importantes, na medida que envolvem as TIC na sua vertente mais próxima do utilizador. Neste âmbito, incluem-se, além dos temas relacionados com a segurança e resposta a situações de emergência, a que daremos destaque com os casos de estudo, o acesso livre a sistemas de banda larga como um auxiliar precioso no desenvolvimento intelectual e profissional dos cidadãos, os problemas relacionados com comportamentos viciantes associados à utilização abusiva de sistemas de informação (internet, telefone, pdas, etc.), e ainda a gestão dos conteúdos disponibilizados aos utilizadores, bem como a sua adequação etária. Um exemplo bem conhecido entre nós, que ilustra o impacto positivo que as TIC têm ao nível da integração social, é o computador Magalhães, distribuído a custos muito baixos a todos os alunos do primeiro ciclo. Nascida de uma parceria entre o Governo Português e a Intel no contexto do Plano Tecnológico, a Iniciativa Magalhães tem como objectivo fundamental permitir aos alunos do 1º ciclo um contacto inicial com as novas tecnologias e com o acesso à internet, através de um computador portátil concebido especialmente para os mais jovens. Integrado no Programa e.escolinhas, a distribuição destes computadores começou em finais de 2008 e em início de 2010 já tinham sido distribuídos cerca de 400 mil Magalhães. Outro exemplo é o Programa e.escola. Integrado no Plano Tecnológico, o Programa e.escola foi anunciado em 2007 tendo como missão a promoção do acesso à sociedade da informação e o apoio à infoinclusão. Direccionado para alunos do 5º ao 12º ano de escolaridade, o Programa disponibiliza o acesso a computadores e acesso a internet de banda larga com condições preferenciais. O Programa e.escolinha, anunciado em 2008, veio expandir esta oferta para os alunos do 1º ao 4º ano. Outro exemplo de contribuição para a integração social é o programa Millennium Villages, patrocinado pela Ericsson, que pretende levar sistemas de comunicações a aldeias dispersas em África. Apesar de trivial entre os países desenvolvidos, o acesso a comunicações em países em desenvolvimento é um dos principais motores de desenvolvimento. Dos vários temas abordados nesta secção, os relacionados com a segurança/privacidade e resposta a emergências são porventura aqueles que assumem uma dimensão mais crítica, dada a sua ligação estreita com necessidades primordiais do ser humano. 19

Senhor Presidente do Instituto da Mobilidade e dos. Senhor Vereador da Câmara Municipal de Lisboa. Senhor Vereador da Câmara Municipal do Porto

Senhor Presidente do Instituto da Mobilidade e dos. Senhor Vereador da Câmara Municipal de Lisboa. Senhor Vereador da Câmara Municipal do Porto Senhor Presidente do Instituto da Mobilidade e dos Transportes Terrestres Senhor Vereador da Câmara Municipal de Lisboa Senhor Vereador da Câmara Municipal do Porto Senhores representantes das associações

Leia mais

A MOBILIDADE URBANA E A SUSTENTABILIDADE DAS CIDADES. Opções da União Europeia e posição de Portugal

A MOBILIDADE URBANA E A SUSTENTABILIDADE DAS CIDADES. Opções da União Europeia e posição de Portugal A MOBILIDADE URBANA E A SUSTENTABILIDADE DAS CIDADES Opções da União Europeia e posição de Portugal 1 I Parte - O Plano de Acção da EU Plano de Acção para a Mobilidade Urbana Publicado pela Comissão Europeia

Leia mais

O Voluntariado e a Protecção Civil. 1. O que é a Protecção Civil

O Voluntariado e a Protecção Civil. 1. O que é a Protecção Civil O Voluntariado e a Protecção Civil 1. O que é a Protecção Civil A 03 de Julho de 2006, a Assembleia da Republica publica a Lei de Bases da Protecção Civil, que no seu artigo 1º dá uma definição de Protecção

Leia mais

Esta sessão explora o papel das TIC (parte do problema ou da solução?), debatendo, nomeadamente, as seguintes questões:

Esta sessão explora o papel das TIC (parte do problema ou da solução?), debatendo, nomeadamente, as seguintes questões: CONGRESSO DAS COMUNICAÇÕES 08 - TIC E ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS - 11 NOVEMBRO 09H00 10H30 ABERTURA OFICIAL DO CONGRESSO ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS E O FUTURO Segundo o Relatório Stern, caso nada seja feito, os

Leia mais

INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O MINISTRO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES. Eng. Mário Lino

INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O MINISTRO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES. Eng. Mário Lino INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O MINISTRO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES Eng. Mário Lino por ocasião da Cerimónia de Abertura do Diálogo Estratégico sobre as Tecnologias da Informação e

Leia mais

Case study. II Encontro de Parceiros Sociais Microsoft CAMINHOS PARA A SUSTENTABILIDADE EMPRESA

Case study. II Encontro de Parceiros Sociais Microsoft CAMINHOS PARA A SUSTENTABILIDADE EMPRESA Case study 2009 II Encontro de Parceiros Sociais Microsoft CAMINHOS PARA A SUSTENTABILIDADE EMPRESA Microsoft Corporation fundada em 1975, líder mundial em software, serviços e soluções, que apoiam as

Leia mais

A Estratégia de Lisboa. Plano Tecnológico. e o. Évora, SI@P 17 de Outubro de 2008

A Estratégia de Lisboa. Plano Tecnológico. e o. Évora, SI@P 17 de Outubro de 2008 A Estratégia de Lisboa e o Plano Tecnológico Évora, SI@P 17 de Outubro de 2008 1. Estratégia de Lisboa Estratégia de Lisboa : uma resposta a novos desafios A Globalização e a emergência de novas potências

Leia mais

APEX- APOIO À PROMOÇÃO DA EXPORTAÇÃO DAS PME 2012

APEX- APOIO À PROMOÇÃO DA EXPORTAÇÃO DAS PME 2012 APEX- APOIO À PROMOÇÃO DA EXPORTAÇÃO DAS PME 2012 A aposta no apoio à internacionalização tem sido um dos propósitos da AIDA que, ao longo dos anos, tem vindo a realizar diversas acções direccionadas para

Leia mais

OPORTUNIDADES. Cluster energético: oportunidades; horizontes; observatório, BejaGlobal; PASE

OPORTUNIDADES. Cluster energético: oportunidades; horizontes; observatório, BejaGlobal; PASE CLUSTER ENERGÉTICO DE BEJA OPORTUNIDADES SUSTENTABILIDADE ENERGÉTICA E CRESCIMENTO ECONÓMICO A sustentabilidade energética e climática é um desígnio estratégico duplo significado. Por um lado, desenvolvimento

Leia mais

Política de Segurança da Informação da Entidade

Política de Segurança da Informação da Entidade Estrutura Nacional de Segurança da Informação (ENSI) Política de Segurança da Informação da Entidade Fevereiro 2005 Versão 1.0 Público Confidencial O PRESENTE DOCUMENTO NÃO PRESTA QUALQUER GARANTIA, SEJA

Leia mais

Competitividade e Inovação

Competitividade e Inovação Competitividade e Inovação Evento SIAP 8 de Outubro de 2010 Um mundo em profunda mudança Vivemos um momento de transformação global que não podemos ignorar. Nos últimos anos crise nos mercados financeiros,

Leia mais

O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE?

O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE? 1 O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE? A globalização dos mercados torna cada vez mais evidente as questões da qualidade. De facto a maioria dos nossos parceiros económicos não admite a não qualidade.

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de DIRECTIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de DIRECTIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 3.8.2005 COM(2005) 361 final 2005/0147 (COD) Proposta de DIRECTIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO que revoga a Directiva 90/544/CEE do Conselho relativa

Leia mais

Sistema de Incentivos à Inovação e I&DT (Sector Automóvel) Quadro de Referência Estratégico Nacional [QREN]

Sistema de Incentivos à Inovação e I&DT (Sector Automóvel) Quadro de Referência Estratégico Nacional [QREN] Sistema de Incentivos à Inovação e I&DT (Sector Automóvel) Quadro de Referência Estratégico Nacional [QREN] Frederico Mendes & Associados Sociedade de Consultores Lda. Frederico Mendes & Associados é uma

Leia mais

EUNEDS INTRODUÇÃO FINALIDADE E OBJECTIVOS

EUNEDS INTRODUÇÃO FINALIDADE E OBJECTIVOS EUNEDS INTRODUÇÃO O mandato para desenvolver uma Estratégia para a Educação para o Desenvolvimento Sustentável (EDS) decorre da declaração apresentada pelos ministros do ambiente da CEE/ONU na 5ª Conferência

Leia mais

Relatório da. Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59.

Relatório da. Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59. Relatório da Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59 Resumo Novembro de 2009 Avaliação intercalar da execução do Plano de

Leia mais

Uma plataforma estratégica

Uma plataforma estratégica Publicado: Fevereiro 2007 Autor: Rui Loureiro Sénior Partner Implementar o Help Desk Quando simplesmente pensamos em implementar um Help Desk, isso pode significar uma solução fácil de realizar ou algo

Leia mais

Plano de Marketing Operacional

Plano de Marketing Operacional Plano de Marketing Operacional CONTEÚDO 1. Oportunidade do projecto APCMC +Inovação... iii 2. Plano de comunicação... viii 3. Controlo e revisão... xvi ii 1. Oportunidade do projecto APCMC +Inovação A

Leia mais

II Fórum do sector segurador e de fundos de pensões. Lisboa, 7 de Março de 2007. Novas regras de solvência Implementação e gestão de risco

II Fórum do sector segurador e de fundos de pensões. Lisboa, 7 de Março de 2007. Novas regras de solvência Implementação e gestão de risco II Fórum do sector segurador e de fundos de pensões Lisboa, 7 de Março de 2007 Novas regras de solvência Implementação e gestão de risco Foi com todo o gosto, e também com enorme interesse, que aceitei

Leia mais

Índice. rota 3. Enquadramento e benefícios 6. Comunicação Ética 8. Ética nos Negócios 11. Promoção para o Desenvolvimento Sustentável 13. Percurso 1.

Índice. rota 3. Enquadramento e benefícios 6. Comunicação Ética 8. Ética nos Negócios 11. Promoção para o Desenvolvimento Sustentável 13. Percurso 1. rota 3 CLIENTES Rota 3 Índice Enquadramento e benefícios 6 Percurso 1. Comunicação Ética 8 Percurso 2. Ética nos Negócios 11 Percurso 3. Promoção para o Desenvolvimento Sustentável 13 responsabilidade

Leia mais

Síntese do estudo sobre A ADESÃO DAS PME NACIONAIS À PRÁTICA DO COMÉRCIO ELECTRÓNICO

Síntese do estudo sobre A ADESÃO DAS PME NACIONAIS À PRÁTICA DO COMÉRCIO ELECTRÓNICO Síntese do estudo sobre A ADESÃO DAS PME NACIONAIS À PRÁTICA DO COMÉRCIO ELECTRÓNICO 1. PRINCIPAIS CONCLUSÕES Há um entendimento razoável das vantagens da prática do comércio electrónico no seio das PME

Leia mais

Case study. Aumentar o conhecimento, informar a decisão ÍNDICE E.VALUE ENERGIA E CO2 EM PORTUGAL EMPRESA

Case study. Aumentar o conhecimento, informar a decisão ÍNDICE E.VALUE ENERGIA E CO2 EM PORTUGAL EMPRESA Case study 2010 Aumentar o conhecimento, informar a decisão ÍNDICE E.VALUE ENERGIA E CO2 EM PORTUGAL EMPRESA A E.Value S.A. é uma empresa de consultoria e desenvolvimento, com competências nos domínios

Leia mais

Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin

Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin A Presidência Portuguesa na área dos Assuntos Económicos e Financeiros irá centrar-se na prossecução de três grandes objectivos, definidos

Leia mais

Balanço das Medidas do Domínio de Aperfeiçoamento das Tecnologias de Informação de Telecomuicações (ATI)

Balanço das Medidas do Domínio de Aperfeiçoamento das Tecnologias de Informação de Telecomuicações (ATI) Balanço das Medidas do Domínio de Aperfeiçoamento das Tecnologias de Informação de Telecomuicações (ATI) Engº. Evaristo Tone ENAD. 31 de Agosto de 2015 AGENDA Contributo de ATI Inovação Tecnológica Novos

Leia mais

ANA obtém certificação em quatro áreas críticas com apoio da VP Consulting

ANA obtém certificação em quatro áreas críticas com apoio da VP Consulting ANA obtém certificação em quatro áreas críticas com apoio da VP Consulting Contactos: Isabel Fonseca Marketing VP Consulting Telefone: +351 22 605 37 10 Fax: +351 22 600 07 13 Email: info@vpconsulting.pt

Leia mais

Plano de Acção para a Segurança Infantil em Portugal

Plano de Acção para a Segurança Infantil em Portugal Plano de Acção para a Segurança Infantil em Portugal Coordenação oficial: Coordenação técnica: Apoio: I Enquadramento O Plano de Acção para a Segurança Infantil (PASI) enquadra-se no projecto Europeu Child

Leia mais

Câmara Municipal de Cascais é uma boa prática no relacionamento com os cidadãos

Câmara Municipal de Cascais é uma boa prática no relacionamento com os cidadãos 27 LEADERSHIP AGENDA a inovação na gestão do relacionamento compensa Câmara Municipal de Cascais é uma boa prática no relacionamento com os cidadãos A participação activa dos cidadãos é vital para a promoção

Leia mais

Relatório de atribuição do Certificado off7. Observatório Português de Boas práticas Laborais

Relatório de atribuição do Certificado off7. Observatório Português de Boas práticas Laborais Relatório de atribuição do Certificado off7 Observatório Português de Boas práticas Laborais Ano: 2011 1. Índice 1. ÍNDICE... 2 2. SUMÁRIO EXECUTIVO... 3 3. INTRODUÇÃO... 5 4. MEDIR... 8 4.1. METODOLOGIA

Leia mais

1. INTRODUÇÃO 2. ANÁLISE ESTRATÉGICA

1. INTRODUÇÃO 2. ANÁLISE ESTRATÉGICA CADERNO FICHA 11. RECUPERAÇÃO 11.4. OBJECTIVOS ESTRATÉGICOS O presente documento constitui uma Ficha que é parte integrante de um Caderno temático, de âmbito mais alargado, não podendo, por isso, ser interpretado

Leia mais

= e-learning em Educação Ambiental =

= e-learning em Educação Ambiental = Agência Regional de Energia e Ambiente do Norte Alentejano e Tejo = e-learning em Educação Ambiental = PRINCIPAIS RESULTADOS DO RELATÓRIO FINAL Dezembro de 2010 Título: Financiamento: Plataforma de e-learning

Leia mais

ESPOSENDE PACTO DE AUTARCAS

ESPOSENDE PACTO DE AUTARCAS ESPOSENDE PACTO DE AUTARCAS Novembro de 2010 CÂMARA MUNICIPAL DE ESPOSENDE ESPOSENDE AMBIENTE, EEM OBJECTIVOS DE COMBATE ÀS ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS Até ao ano de 2020, Aumentar em 20% a eficiência energética

Leia mais

Segurança Operacional na EDP; porque importa vigiar a segurança da infra-estrutura IT

Segurança Operacional na EDP; porque importa vigiar a segurança da infra-estrutura IT Segurança Operacional na EDP; porque importa vigiar a segurança da infra-estrutura IT Direção de Sistemas de Informação 30 de Janeiro, 2013 Contexto da Segurança na EDP 2 O contexto da Segurança na EDP

Leia mais

A Gisgeo. Web SIG Sistemas de Informação Geográfica via web. Geo Marketing e Geo Turismo. Localização de pessoas. Gestão de frota automóvel

A Gisgeo. Web SIG Sistemas de Informação Geográfica via web. Geo Marketing e Geo Turismo. Localização de pessoas. Gestão de frota automóvel A Gisgeo Web SIG Sistemas de Informação Geográfica via web Geo Marketing e Geo Turismo Localização de pessoas Gestão de frota automóvel App de localização para smartphones Sistemas de navegação GPS A Gisgeo

Leia mais

CARTA EUROPEIA DO ENOTURISMO PRINCIPIOS GERAIS

CARTA EUROPEIA DO ENOTURISMO PRINCIPIOS GERAIS PRINCIPIOS GERAIS I. OS FUNDAMENTOS DO ENOTOURISMO 1. Por enotourismo queremos dizer que são todas as actividades e recursos turísticos, de lazer e de tempos livres, relacionados com as culturas, materiais

Leia mais

Requalificação Urbana pela Iluminação Pública (Efficient Lighting) Nuno Canta Vice Presidente Município de Montijo

Requalificação Urbana pela Iluminação Pública (Efficient Lighting) Nuno Canta Vice Presidente Município de Montijo Requalificação Urbana pela Iluminação Pública (Efficient Lighting) Nuno Canta Vice Presidente Município de Montijo Resumo Município de Montijo Desafios Globais Visão Acção Local Boas Práticas Conclusões

Leia mais

1. Objectivos do Observatório da Inclusão Financeira

1. Objectivos do Observatório da Inclusão Financeira Inclusão Financeira Inclusão Financeira Ao longo da última década, Angola tem dado importantes passos na construção dos pilares que hoje sustentam o caminho do desenvolvimento económico, melhoria das

Leia mais

World Disaster Reduction Campaign 2010-2011 Making Cities Resilient: Amadora is Getting Ready!

World Disaster Reduction Campaign 2010-2011 Making Cities Resilient: Amadora is Getting Ready! Parceiros: Câmara Municipal da Amadora Serviço Municipal de Protecção Civil Tel. +351 21 434 90 15 Tel. +351 21 494 86 38 Telm. +351 96 834 04 68 Fax. +351 21 494 64 51 www.cm-amadora.pt www.facebook.com/amadora.resiliente

Leia mais

Smart Cities Benchmark Portugal 2015

Smart Cities Benchmark Portugal 2015 Smart Cities Benchmark Portugal 2015 Agenda Introdução & Objetivos Metodologia Cronograma 2 Um Novo Paradigma Tecnológico 40% 25% 3 3 Introdução & Objetivos Mais de 50% da população do mundo vive hoje

Leia mais

AGENDA 21 LOCAL CONDEIXA-A-NOVA

AGENDA 21 LOCAL CONDEIXA-A-NOVA AGENDA 21 LOCAL CONDEIXA-A-NOVA PLANO DE COMUNICAÇÃO E DIVULGAÇÃO Deliverable 4 Fase 2 Novembro 2008 1 P á g i n a Índice 1. Objectivos... 3 2. Públicos-alvo... 4 3. Estratégia de Comunicação... 5 3.1

Leia mais

Sistema Integrado de Operações de Protecção e Socorro (SIOPS)

Sistema Integrado de Operações de Protecção e Socorro (SIOPS) Anteprojecto de decreto-lei Sistema Integrado de Operações de Protecção e Socorro (SIOPS) As acções de protecção civil integram, obrigatoriamente, agentes e serviços que advêm de organismos do Estado,

Leia mais

A Nossa Perspectiva Comum. Os Nossos Desafios. As Nossas Responsabilidades. A Nossa Resposta: Os Compromissos de Aalborg

A Nossa Perspectiva Comum. Os Nossos Desafios. As Nossas Responsabilidades. A Nossa Resposta: Os Compromissos de Aalborg AALBORG+10 Inspirando o Futuro Versão Portuguesa: Prof. Doutor João Farinha e Dr.ª Lurdes Poeira, participantes na Conferência, com colaboração da Eng.ª Graciete Silva. A Nossa Perspectiva Comum Nós, Autoridades

Leia mais

Agenda Norte Região Digital: Diagnóstico, Estratégia e Plano de Acção

Agenda Norte Região Digital: Diagnóstico, Estratégia e Plano de Acção : Diagnóstico, Estratégia e Plano de Acção Mário Jorge Leitão INESC Porto / FEUP Sumário Enquadramento e-governo Local e Regional Cartão do Cidadão e Plataforma de Serviços Comuns da Administração Pública

Leia mais

GUIA DO VOLUNTÁRIO. Sociedade Central de Cervejas

GUIA DO VOLUNTÁRIO. Sociedade Central de Cervejas GUIA DO VOLUNTÁRIO Sociedade Central de Cervejas ÍNDICE 1. A RESPONSABILIDADE SOCIAL NA SCC: O NOSSO COMPROMISSO... 3 2. O NOSSO COMPROMISSO COM O VOLUNTARIADO... 4 2.1 A ESTRUTURAÇÃO DO VOLUNTARIADO EMPRESARIAL...

Leia mais

Projeto de reflexão, investigação e debate: O investimento das empresas na comunidade

Projeto de reflexão, investigação e debate: O investimento das empresas na comunidade Projeto de reflexão, investigação e debate: O investimento das empresas na comunidade Edição 2011 Uma iniciativa desenvolvida com o apoio da Caixa Geral de Depósitos, da Fidelidade Mundial e da Império

Leia mais

Mercado Único Digital Conferência ANACOM "Regulação no novo ecossistema digital. Centro Centro Cultural de Belém (CCB) Lisboa, 22 de Setembro 2015

Mercado Único Digital Conferência ANACOM Regulação no novo ecossistema digital. Centro Centro Cultural de Belém (CCB) Lisboa, 22 de Setembro 2015 Mercado Único Digital Conferência ANACOM "Regulação no novo ecossistema digital. Centro Centro Cultural de Belém (CCB) Lisboa, 22 de Setembro 2015 Mário Campolargo Director, NET Futures European Commission

Leia mais

Estudo de Mercado Fiabilidade de Leitura em Loja

Estudo de Mercado Fiabilidade de Leitura em Loja Estudo de Mercado Fiabilidade de Leitura em Loja Decorreu no primeiro trimestre 2009, um estudo de avaliação de implementação e desempenho dos códigos de barras comerciais, no âmbito do espaço nacional.

Leia mais

CURSO GESTÃO DA MOBILIDADE E DESLOCAÇÕES

CURSO GESTÃO DA MOBILIDADE E DESLOCAÇÕES CURSO GESTÃO DA MOBILIDADE E DESLOCAÇÕES NAS EMPRESAS PLANEAR PARA A REDUÇÃO DE CUSTOS E OPTIMIZAÇÃO DE SOLUÇÕES 19 e 20 Fevereiro 2013 Auditório dos CTT- Correios de Portugal Lisboa Horário Laboral: 09h30

Leia mais

Os projectos de Sistemas Cooperativos Comunicação infra-estrutura veículo APCAP - CP3

Os projectos de Sistemas Cooperativos Comunicação infra-estrutura veículo APCAP - CP3 Os projectos de Sistemas Cooperativos Comunicação infra-estrutura veículo APCAP - CP3 APCAP Day, 22 de Outubro 2009 Índice Definição; Objectivos; Benefícios; Projectos em desenvolvimento (3); Definição:

Leia mais

RISCOS - Associação Portuguesa de Riscos, Prevenção e Segurança OS RISCOS E O SISTEMA EUROPEU DE PROTECÇÃO CIVIL *

RISCOS - Associação Portuguesa de Riscos, Prevenção e Segurança OS RISCOS E O SISTEMA EUROPEU DE PROTECÇÃO CIVIL * OS RISCOS E O SISTEMA EUROPEU DE PROTECÇÃO CIVIL * Fernando Manuel Paiva Monteiro Comandante da Academia Militar e ex-presidente do Serviço Nacional de Bombeiros e 228 Introdução Os desastres naturais

Leia mais

Plano Municipal de Cascais contra a Violência Doméstica 2008-2011

Plano Municipal de Cascais contra a Violência Doméstica 2008-2011 Plano Municipal de Cascais contra a Violência Doméstica 2008-2011 A violência doméstica é um fenómeno complexo que requer uma intervenção concertada e multidisciplinar. 1 PLANO MUNICIPAL CONTRA A VIOLÊNCIA

Leia mais

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que:

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que: C 297/6 Resolução do Conselho e dos Representantes Governos dos Estados-Membros, reunidos no Conselho, relativa à realização dos objectivos comuns em matéria de participação e informação dos jovens para

Leia mais

PHC Mensagens SMS CS

PHC Mensagens SMS CS PHC Mensagens SMS CS O potencial das comunicações imediatas com mensagens SMS PHC O envio de mensagens a múltiplos destinatários em simultâneo. Uma comunicação com sucesso: ganhos de tempo e de dinheiro

Leia mais

Para informação adicional sobre os diversos países consultar: http://europa.eu.int/information_society/help/links/index_en.htm

Para informação adicional sobre os diversos países consultar: http://europa.eu.int/information_society/help/links/index_en.htm Anexo C: Súmula das principais iniciativas desenvolvidas na Europa na área da Sociedade de Informação e da mobilização do acesso à Internet em banda larga Para informação adicional sobre os diversos países

Leia mais

DECLARAÇÃO DE HANÔVER

DECLARAÇÃO DE HANÔVER DECLARAÇÃO DE HANÔVER de Presidentes de Câmara de Municípios Europeus na Viragem do Século XXI (versão traduzida do texto original em Inglês, de 11 de Fevereiro de 2000, pelo Centro de Estudos sobre Cidades

Leia mais

Solução de gestão de frota automóvel

Solução de gestão de frota automóvel Solução de gestão de frota automóvel Gisgeo Information Systems www.gisgeo.pt UPTEC Parque de Ciência e Tecnologia R. Actor Ferreira da Silva, 100 gisgeo@gisgeo.pt 4200-298 Porto +351 220301572 Portugal

Leia mais

Estratégia ambiental dos CTT promove aumento de vendas

Estratégia ambiental dos CTT promove aumento de vendas Estratégia ambiental dos CTT promove aumento de vendas 1 Estratégia ambiental dos CTT promove aumento de vendas O lançamento do portefólio Eco veio abrandar a tendência de redução de receitas e pelo terceiro

Leia mais

Operador global centrado na sustentabilidade

Operador global centrado na sustentabilidade Operador global centrado na sustentabilidade Francisco Nunes, Administrador PT Portugal Lisboa, 8 maio 2012 CONFIDENCIAL A utilização deste documento, para quaisquer fins, sem autorização expressa da Portugal

Leia mais

ALD PROFLEET2 SOLUÇÕES AVANÇADAS DE TELEMÁTICA

ALD PROFLEET2 SOLUÇÕES AVANÇADAS DE TELEMÁTICA ALD PROFLEET2 SOLUÇÕES AVANÇADAS DE TELEMÁTICA O que é o ALD ProFleet2? É um serviço de dados que utiliza um sistema telemático avançado de gestão de frotas e que lhe permite administrar, localizar em

Leia mais

PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 141 (Julho/Agosto de 2002) KÉRAMICA N.º 256 (Novembro/Dezembro de 2002)

PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 141 (Julho/Agosto de 2002) KÉRAMICA N.º 256 (Novembro/Dezembro de 2002) TÍTULO: Planos de Emergência na Indústria AUTORIA: Factor Segurança, Lda PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 141 (Julho/Agosto de 2002) KÉRAMICA N.º 256 (Novembro/Dezembro de 2002) 1. INTRODUÇÃO O Plano de Emergência

Leia mais

Segurança Digital e Privacidade no sector bancário Desafios tecnológicos

Segurança Digital e Privacidade no sector bancário Desafios tecnológicos Segurança Digital e Privacidade no sector bancário Desafios tecnológicos Segurança Digital e Privacidade As organizações começam a apresentar uma crescente preocupação com a temática da segurança devido:

Leia mais

21º Congresso Quantificar o Futuro. Venture Lounge 23 e 24 de Novembro - CCL

21º Congresso Quantificar o Futuro. Venture Lounge 23 e 24 de Novembro - CCL 21º Congresso Quantificar o Futuro Venture Lounge 23 e 24 de Novembro - CCL Programa Data Hora Actividade 23/Nov. 11:30 Inauguração Oficial Innovation Lounge Visita efectuada ao Venture Lounge por Sua

Leia mais

PRINCÍPIOS DO RIO. Princípio 1

PRINCÍPIOS DO RIO. Princípio 1 PRINCÍPIOS DO RIO António Gonçalves Henriques Princípio 1 Os seres humanos são o centro das preocupações para o desenvolvimento sustentável. Eles têm direito a uma vida saudável e produtiva em harmonia

Leia mais

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da reunião da Comissão de Acompanhamento de 13/11/07, sendo composto por duas partes:

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da reunião da Comissão de Acompanhamento de 13/11/07, sendo composto por duas partes: EIXO I COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO INSTRUMENTO: SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME (SI QUALIFICAÇÃO PME) O presente documento suporta a apreciação do ponto 3

Leia mais

GeoMob: Solução de Gestão e Controlo de Bens e Recursos Móveis

GeoMob: Solução de Gestão e Controlo de Bens e Recursos Móveis GeoMob: Solução de Gestão e Controlo de Bens e Recursos Móveis Luis Cabral IDC - Mobility & RFID, CCB 26 de Fevereiro de 2008 1 Miguel Setas GeoMob Gestão de Bens e Recursos Móveis Apresentação divida

Leia mais

ACE BUSINESS CLASS PLUS SEGURO DE VIAGEM CORPORATE INTERNACIONAL

ACE BUSINESS CLASS PLUS SEGURO DE VIAGEM CORPORATE INTERNACIONAL ACE BUSINESS CLASS PLUS SEGURO DE VIAGEM CORPORATE INTERNACIONAL Apesar das sequelas da crise financeira global e da ressaca de uma recessão em vários países, os analistas esperam que a procura de viagens

Leia mais

Melhoria do desempenho ambiental - implementação do Sistema de Gestão Ambiental

Melhoria do desempenho ambiental - implementação do Sistema de Gestão Ambiental Melhoria do desempenho ambiental - implementação do Sistema de Gestão Ambiental 1 Melhoria do desempenho ambiental implementação do Sistema de Gestão Ambiental A Caixa Geral de Depósitos (CGD) tem implementado

Leia mais

Comissão Interministerial para a Sociedade da Informação

Comissão Interministerial para a Sociedade da Informação Comissão Interministerial para a Sociedade da Informação 3ª Reunião, Lisboa 20 de Abril de 2001 UMTS: Contributos dos Operadores para o Desenvolvimento da Sociedade da Informação e do Conhecimento Documento

Leia mais

Plano estratégico da ADRA Portugal. Siglas 2. Identidade 3 Visão 3 Missão 3. Princípios e Valores 4

Plano estratégico da ADRA Portugal. Siglas 2. Identidade 3 Visão 3 Missão 3. Princípios e Valores 4 Conteúdos: Siglas 2 Identidade 3 Visão 3 Missão 3 Princípios e Valores 4 Objectivos Gerais Meta 1: Responsabilidade Social 6 Meta 2: Estrutura e programas de organização 8 Meta 3: Comunicação 10 Meta 4:

Leia mais

ENTERPRISE 2020 Inteligente Sustentável Inclusivo

ENTERPRISE 2020 Inteligente Sustentável Inclusivo ENTERPRISE 2020 Inteligente Sustentável Inclusivo With the support of the European Commission and the Belgian Presidency of the European Union Porquê Enterprise 2020? Os desafios económicos, sociais e

Leia mais

Prova de Conceito Segurança e Emergência

Prova de Conceito Segurança e Emergência Prova de Conceito Segurança e Emergência Impacto estrutural na economia e sociedade portuguesas Saúde e ass. social Segurança e Justiça Educação Administração Pública Mobilidade e Logística Comércio e

Leia mais

Contexto. Smart Cities Benchmark Portugal 2015 13-03-2015 80% Mais de 50% da população do mundo vive hoje em zonas urbanas (34% em 1960).

Contexto. Smart Cities Benchmark Portugal 2015 13-03-2015 80% Mais de 50% da população do mundo vive hoje em zonas urbanas (34% em 1960). Smart Cities Benchmark Portugal 2015 Contexto Mais de 50% da população do mundo vive hoje em zonas urbanas (34% em 1960). 1 Mais de 80% da populção da Europa Ocidental irá viver em zonas em 2020. 2 80%

Leia mais

QUESTIONÁRIO Percepção de Risco

QUESTIONÁRIO Percepção de Risco O documento em PDF está pronto a ser utilizado. Por favor, lembre-se de guardar as alterações após responder à totalidade do questionário, enviando em seguida para o seguinte endereço eletrónico maria.carmona@hzg.de

Leia mais

SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS

SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS Sistema de Incentivos às Empresas O que é? é um dos instrumentos fundamentais das políticas públicas de dinamização económica, designadamente em matéria da promoção da

Leia mais

Plano de Contingência para Serviços e Empresas

Plano de Contingência para Serviços e Empresas Plano de Contingência para Este documento contém: Lista de Verificação de Medidas e Procedimentos para O Plano de Contingência consiste num conjunto de medidas e acções que deverão ser aplicadas oportunamente,

Leia mais

A. PROMOVER A DIVULGAÇÃO DA INFORMAÇÃO E DO CONHECIMENTO

A. PROMOVER A DIVULGAÇÃO DA INFORMAÇÃO E DO CONHECIMENTO FICHA DE TRABALHO CADERNO FICHA 5. GESTÃO DO CONHECIMENTO 5.5. ORIENTAÇÕES ESTRATÉGICAS O presente documento constitui uma Ficha que é parte integrante de um Caderno temático, de âmbito mais alargado,

Leia mais

O e-gov em Portugal. Fórum Vale do Minho Digital Melgaço 30 de Setembro de 2008

O e-gov em Portugal. Fórum Vale do Minho Digital Melgaço 30 de Setembro de 2008 O e-gov em Portugal Fórum Vale do Minho Digital Melgaço 30 de Setembro de 2008 O Plano Tecnológico é uma estratégia de mudança da base competitiva através do conhecimento, tecnologia e inovação 2 Conhecimento

Leia mais

Normas de Ética e Conduta Empresarial para Terceiros

Normas de Ética e Conduta Empresarial para Terceiros Todas as actividades empresariais na Bristol-Myers Squibb (BMS) apoiam-se no alicerce do nosso compromisso com a integridade e a conformidade com todas as leis, regulamentos, directivas e códigos industriais

Leia mais

CICLO DE CONFERÊNCIAS "25 ANOS DE PORTUGAL NA UE"

CICLO DE CONFERÊNCIAS 25 ANOS DE PORTUGAL NA UE Boletim Informativo n.º 19 Abril 2011 CICLO DE CONFERÊNCIAS "25 ANOS DE PORTUGAL NA UE" A Câmara Municipal de Lamego no âmbito de atuação do Centro de Informação Europe Direct de Lamego está a promover

Leia mais

O desafio de informar melhor. Juntos, uma comunicação de sucesso

O desafio de informar melhor. Juntos, uma comunicação de sucesso O desafio de informar melhor Juntos, uma comunicação de sucesso Janeiro 2006 1.Introdução Dar a conhecer à população (e sensibilizar os potenciais beneficiários) o papel que os financiamentos comunitários

Leia mais

8, 9 e 10 NOVEMBRO 2011 LISBOA. Novos Mercados Encontro de Sectores INSCREVA-SE JÁ. Especial: MERCADOS INTERNACIONAIS. www.expoenergia2011.about.

8, 9 e 10 NOVEMBRO 2011 LISBOA. Novos Mercados Encontro de Sectores INSCREVA-SE JÁ. Especial: MERCADOS INTERNACIONAIS. www.expoenergia2011.about. 8, 9 e 10 NOVEMBRO 2011 LISBOA Centro de Congressos Univ. Católica Novos Mercados Encontro de Sectores Especial: MERCADOS INTERNACIONAIS ORGANIZAÇÃO PARCEIRO PATROCÍNIO INSCREVA-SE JÁ www.expoenergia2011.about.pt

Leia mais

PT Wi-Fi: Internet em Movimento

PT Wi-Fi: Internet em Movimento PT Wi-Fi: Internet em Movimento Clipping de Media (05 a 09 de Dezembro de 2003) Meio: Diário Económico Data: 09 de Dezembro de 2003 Pág.: 6 Meio: Jornal de Negócios Data: 09 de Dezembro de 2003 Pág.: 8

Leia mais

LBS Location Based Services Empresas e Indivíduos. Eng.º Fernando Fortes ( Ford )

LBS Location Based Services Empresas e Indivíduos. Eng.º Fernando Fortes ( Ford ) Mobilidade Uma presença pervasiva no quotidiano das sociedades modernas 21 de Outubro de 2004 Hotel Le Meridien LBS Location Based Services Empresas e Indivíduos Eng.º Fernando Fortes ( Ford ) Patrocínio

Leia mais

MEMORANDO. Caracterização da Actuação no Combate ao spam. Análise das respostas ao questionário

MEMORANDO. Caracterização da Actuação no Combate ao spam. Análise das respostas ao questionário MEMORANDO Caracterização da Actuação no Combate ao spam Análise das respostas ao questionário ÍNDICE 1. Enquadramento da realização do questionário...3 2. Análise das respostas ao questionário...4 2.1

Leia mais

Business Geo-Intelligence

Business Geo-Intelligence Business Geo-Intelligence Monitorização Reporting Gestão de Frotas Áreas de influência Territórios de Vendas Geomerchandising Marketing Directo GeoMarketing Simulação de implementação Mobilidade web mapping

Leia mais

Eng.º Mário Lino. por ocasião da Apresentação das Iniciativas. e.escola e.professor e.oportunidades

Eng.º Mário Lino. por ocasião da Apresentação das Iniciativas. e.escola e.professor e.oportunidades INTERVENÇÃO DO MINISTRO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES Eng.º Mário Lino por ocasião da Apresentação das Iniciativas e.escola e.professor e.oportunidades Escola Secundária Eça de Queiroz,

Leia mais

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE Projecto IMCHE/2/CP2 1 ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

Leia mais

6º Congresso Nacional da Administração Pública

6º Congresso Nacional da Administração Pública 6º Congresso Nacional da Administração Pública João Proença 30/10/08 Desenvolvimento e Competitividade: O Papel da Administração Pública A competitividade é um factor-chave para a melhoria das condições

Leia mais

Adenda aos Critérios de Selecção

Adenda aos Critérios de Selecção Adenda aos Critérios de Selecção... Critérios de Selecção SI Qualificação PME EIXO I COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO INSTRUMENTO: SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE

Leia mais

POLÍTICAS DE COMPETITIVIDADE PARA O SECTOR AGRO-ALIMENTAR

POLÍTICAS DE COMPETITIVIDADE PARA O SECTOR AGRO-ALIMENTAR POLÍTICAS DE COMPETITIVIDADE PARA O SECTOR AGRO-ALIMENTAR Prioridades Estratégicas Indústria Portuguesa Agro-Alimentar Federação das Indústrias Portuguesas Agro-Alimentares XI LEGISLATURA 2009-2013 XVIII

Leia mais

Agenda 21 Local de Arganil 3ª Sessão do Fórum Participativo

Agenda 21 Local de Arganil 3ª Sessão do Fórum Participativo Agenda 21 Local de Arganil 3ª Sessão do Fórum Participativo 22 de Fevereiro 2010 Índice Índice PARTE I SÍNTESE DO 2º FÓRUM PARTICIPATIVO (10 minutos) PARTE II SÍNTESE DA ESTRATÉGIA DE SUSTENTABILIDADE

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL DE CAMPO MAIOR

PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL DE CAMPO MAIOR PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL DE CAMPO MAIOR ÍNDICE ÍNDICE... 2 ÍNDICE DE FIGURAS... 5 ÍNDICE DE QUADROS... 7 PARTE I ENQUADRAMENTO GERAL DO PLANO... 8 1 INTRODUÇÃO... 8 2 ÂMBITO DE

Leia mais

Estrutura da Apresentação

Estrutura da Apresentação As políticas nacionais para a Sociedade do Conhecimento: literacia/competências digitais e inclusão social Graça Simões Agência para a Sociedade do Conhecimento UMIC Biblioteca Municipal Orlando Ribeiro

Leia mais

Segurança e Higiene do Trabalho. Volume XIX Gestão da Prevenção. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao.

Segurança e Higiene do Trabalho. Volume XIX Gestão da Prevenção. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao. Guia Técnico Segurança e Higiene do Trabalho Volume XIX Gestão da Prevenção um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído sem a expressa

Leia mais

ESTUDO IDC O papel das tecnologias de informação na produtividade e redução de custos nas organizações nacionais

ESTUDO IDC O papel das tecnologias de informação na produtividade e redução de custos nas organizações nacionais ESTUDO IDC O papel das tecnologias de informação na produtividade e redução de custos nas organizações nacionais Patrocinado por: Microsoft Versão Preliminar - Março 2013 SUMÁRIO EXECUTIVO IDC Portugal:

Leia mais

Actualização da. Preparada pela Comissão Europeia para o Conselho Europeu de Nice 7 e 8 de Dezembro de 2000

Actualização da. Preparada pela Comissão Europeia para o Conselho Europeu de Nice 7 e 8 de Dezembro de 2000 COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO CONSELHO E AO PARLAMENTO EUROPEU Actualização da Preparada pela Comissão Europeia para o Conselho Europeu de Nice 7 e 8 de Dezembro de 2000 1 1. Introdução Em Dezembro de 1999,

Leia mais

Mecanismos e modelos de apoio à Comunidade Associativa e Empresarial da Indústria Extractiva

Mecanismos e modelos de apoio à Comunidade Associativa e Empresarial da Indústria Extractiva centro tecnológico da cerâmica e do vidro coimbra portugal Mecanismos e modelos de apoio à Comunidade Associativa e Empresarial da Indústria Extractiva Victor Francisco CTCV Responsável Unidade Gestão

Leia mais

Plano de Prevenção de Riscos de Gestão. Incluindo os de Corrupção e Infracções Conexas

Plano de Prevenção de Riscos de Gestão. Incluindo os de Corrupção e Infracções Conexas Plano de Prevenção de Riscos de Gestão Incluindo os de Corrupção e Infracções Conexas Introdução No âmbito da sua actividade, o Conselho de Prevenção da Corrupção (CPC), aprovou a Recomendação n.º 1/2009,

Leia mais

Síntese. de Resultados. 1. Sobre a ACEP

Síntese. de Resultados. 1. Sobre a ACEP 1. Sobre a ACEP A ACEP - Associação de Comércio Electrónico em Portugal é uma organização independente sem fins lucrativos, de pessoas individuais e colectivas, visando o estudo e a implementação das diversas

Leia mais

Seminário Eco-Condução. Tecnologia: Projectos e Oportunidades

Seminário Eco-Condução. Tecnologia: Projectos e Oportunidades Seminário Eco-Condução Tecnologia: Projectos e Oportunidades Margarida C. Coelho Universidade de Aveiro Departamento de Engenharia Mecânica Lisboa, 20 de Maio de 2009 1 Estrutura 1. Motivação 2. Tendências

Leia mais

PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA

PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA Introdução Nesta edição do Catálogo de Serviços apresentamos os vários tipos de serviços que compõe a actual oferta da Primavera na área dos serviços de consultoria.

Leia mais