SIM Card. Este tutorial apresenta os conceitos básicos sobre o SIM Card, cartão necessário ao funcionamento de um terminal celular GSM.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SIM Card. Este tutorial apresenta os conceitos básicos sobre o SIM Card, cartão necessário ao funcionamento de um terminal celular GSM."

Transcrição

1 SIM Card Este tutorial apresenta os conceitos básicos sobre o SIM Card, cartão necessário ao funcionamento de um terminal celular GSM. Flávia Schreiber Administradora de Empresas com Habilitação em Comércio Exterior tendo atuado no mercado de componentes eletrônicos na Siemens e em empresas do grupo como, Icotron e Infineon Technologies, e recentemente Smart Cards, especialmente SIM Cards, na DARUMA ORGA Card Systems S.A. como Gerente de Vendas. José Luis De Souza José Luis é Engenheiro de Telecomunicações (UGF 73) com extensão em software (ICAI Madrid 1977) tendo atuado nas áreas de Comutação Pública e Privada, Operações de Telefonia Celular, Trunking, Paging, etc. Presidente da FITec, ocupou várias posições de Direção de empresas de Teleco, sendo as mais recentes as de Presidente da Daruma, Presidente da TESS (hoje Claro), VP Comercial da TESS e Diretor de Operações Comerciais da ATL (hoje Claro). Participou do desenvolvimento do Sistema Metaconta na ITT (hoje Alcatel), foi Coordenador do Projeto Trópico no CPqD, desenvolveu produtos nas áreas de automação e comutação como Diretor de Tecnologia da Avel e da Batik, participou da criação da empresa Radiolink de Trunking de Paging, como Diretor Técnico da Itatel. 1

2 Desde 1992 participa ativamente como membro dos conselhos da Telexpo e Futurecom, além de Coordenar e Proferir palestras nestes e outros congressos internacionais. È membro do Conselho de Administração da Telebrasil da qual foi o primeiro Presidente do Conselho Consultivo. Assumiu em 2002 um novo desafio profissional como empreendedor e Diretor do Teleco. Marcelo Bellini Garcia Engenheiro Mecânico com Habilitação em Automação em Sistemas (Mecatrônica) pela Escola Politécnica da USP com pós-graduação em Administração em Marketing pela Fundação Getúlio Vargas, tendo atuado nos mercados de CAE/CAD/CAM, Internet Corporativa, Segurança de Redes e mais recentemente Smart Cards, incluindo SIM Cards. Diretor de Marketing e Vendas da DARUMA ORGA Card Systems S.A. Categoria: Telefonia Celular Nível: Introdutório Enfoque: Técnico Duração: 20 minutos Publicado em: 14/07/2003 2

3 SIM Card: O Que é O SIM Subscriber Identity Module - é um tipo de smart card (cartão inteligente), especialmente projetado para telecomunicações, que é utilizado dentro do aparelho celular GSM - Global System for Mobile Communications - para identificar o usuário para o sistema. Consiste em um cartão de plástico que contém um microcomputador, com suas portas de entrada e saída, memórias e sistema operacional, com mecanismos de segurança incorporados. O cartão é visualmente identificado pelo número serial do chip que é único mundialmente, gravado no corte plug-in, denominado ICCID Integrated Circuit Chip Card Identification. Como outros tipos de smart cards, o SIM Card tem o tamanho de um cartão de crédito e possui um chip com recorte ao seu redor, que facilita a sua retirada para uso no telefone. Quando um telefone celular GSM é ligado, o sistema automaticamente procura e define a localização do cliente utilizando o SIM Card. O SIM Card em conjunto com o telefone celular é capaz de transferir mensagens para o sistema com segurança. A configuração de memória do SIM Card segue os padrões da especificação GSM definidos pelo ETSI European Telecommunication Standard Institute - juntamente com 3GPP 3rd Generation Partnership Project. Adicionalmente, outros padrões foram definidos por estas instituições de forma a padronizar o sistema GSM. Ver lista resumida de especificações ao final do documento. Foram definidas as seguintes fases para o GSM: Fase 1 A Fase 1 compreendeu serviços básicos de telefonia com alguns serviços de valor adicionado conforme exemplos abaixo: efetuar e receber chamadas autenticação gerenciamento de senha e desbloqueio de senhas seleção de redes móveis preferenciais somente recebimento de SMS, mesmo assim dependia do aparelho e da rede GSM números abreviados para efetuar chamadas serviços de dados, fax lista de redes móveis com acesso bloqueado para roaming Fase 2 3

4 Na Fase 2, houveram inclusões de funcionalidades, sendo as principais citadas abaixo: informações sobre cobrança (Advice of Charge) disponibilizando o valor da chamada, conversão do custo da chamada para moeda local e sua visualização no display, limite máximo de valor para chamadas números fixos para efetuar chamadas status de short messages aviso de memória disponível último número chamado função de re-chamada no SIM escolha do idioma preferencial no SIM seleção de mensagem por região (Cell Broadcast) onde se encontra o usuário armazenamento de números telefônicos com mais de 20 dígitos visualização do provedor do serviço de telefonia móvel no visor do aparelho 1997-atual Fase 2+ Na Fase 2+ houveram avanços tecnológicos importantes, onde podemos salientar: lançamento da funcionalidade Over The Air lançamento da funcionalidade e aplicações SIM Tool Kit números bloqueados para efetuar chamadas inclusão de caracteres especiais de idiomas como chinês, japonês, russo, etc. 4

5 SIM Cards: Funções Funções básicas As duas funções básicas do cartão SIM são autenticação do cliente e roaming. O número do telefone e o billing das chamadas estão relacionados ao cartão SIM, ao contrário do que acontece hoje com as tecnologias que identificam o usuário pelo aparelho. Da mesma forma, o acesso aos dados armazenados no SIM é independente ao aparelho. A utilização do cartão SIM traz maior segurança tanto para o usuário como para a operadora, pois são feitas checagens de senhas e autenticação do usuário na rede GSM através do cartão. No momento que o telefone é ligado, o usuário deve digitar sua senha pessoal de 4 dígitos denominada PIN Personal Identification Number. Caso esta senha seja digitada incorretamente um certo número de vezes consecutivas, o SIM Card é bloqueado automaticamente e somente poderá ser desbloqueado usando a Chave de Senha de 8 dígitos PUK PIN Unblocking Key. Se o PUK for digitado incorretamente 10 vezes consecutivas, o SIM Card é automaticamente bloqueado. A tecnologia GSM inclui outras 2 chaves adicionais, sendo o PIN 2 e o PUK 2. Através do PIN 2 é possível configurar o SIM Card para desbloquear o PIN e efetuar funções específicas definidas pela operadora móvel, como por exemplo configurar o SIM Card para efetuar ligações somente para os números pré-definidos pelo usuário. Da mesma forma que o PUK é a chave de senha para a senha PIN, o PUK 2 é a chave de senha para o PIN 2. A arquitetura da tecnologia GSM proporciona conexão inteligente e segura que permite a troca de informações entre o cartão SIM e a rede GSM. Funções complementares O SIM Tool Kit (STK) é um dos destaques da Fase 2+ do GSM. Trata-se de um conjunto de comandos padronizados pela norma que são implementados em SIM Cards dos diversos fabricantes. Se torna então uma plataforma universal de programação que permite o desenvolvimento e provisionamento de serviços de valor adicionado e e-commerce em SIM Cards GSM 2.5G, tais como: serviços de informações de tráfego, previsão do tempo, entretenimento (cinema, teatro, etc), reservas de vôos, entre muitos outros. Aplicações SIM Tool Kit são definidas pelas operadoras móveis celulares como fator de diferenciação de seus serviços. Parcerias com provedores de conteúdo são de importância vital para a oferta deste tipo de serviço. Da mesma forma que o STK, a funcionalidade OTA Over The Air foi também um dos destaques no lançamento da Fase 2+. Esta funcionalidade permite alterações/ atualizações de dados no SIM Card através da rede diretamente, viabilizadas através de SMS, bem como o download de aplicações sem a necessidade de haver contato físico com o SIM card. Os requerimentos para viabilizar a solução OTA são: 5

6 SIM Cards habilitados com a funcionalidade OTA Bibliotecas de Software OTA para comunicação com diversos SIM Cards Funcionalidade OTA na rede: Customer Care, Short Message Service Centre, Gerenciador OTA As soluções OTA são proprietárias, uma vez que o mercado demandou a solução antes mesmo que a padronização fosse possível. Sendo assim, cada fornecedor disponibiliza sua biblioteca OTA de modo que a operadora possa implementá-la em sua rede, como forma de possibilitar a comunicação entre os diversos fabricantes. A biblioteca compõe uma lista de padrões, comandos, atualizações, e o código fonte proprietário responsável por cada operação. Algumas funções complementares podem ser relacionadas abaixo: Agenda telefônica armazenada no SIM Card SMS (Short Message Service) entre pessoas Serviços de informação como por exemplo, saldo de conta pré-paga Chat Download de tons para o aparelho Barrar e transferir ligações, bem como deixar a chamada em espera Acesso a dados através de WAP Wireless Application Protocol Envio e recebimento de etc Funções avançadas Com a evolução da tecnologia, serviços avançados podem ser oferecidos e utilizados pelos usuários do GSM, de modo a oferecer maior flexibilidade, mobilidade e conveniência, tais como: MMS Multimedia Messaging Service - onde a mensagem a ser enviada é totalmente personalizada. Por exemplo, tira-se uma foto, adiciona-se uma música e envia ao destinatário pelo celular. mobile banking, o qual permite visualização de saldo bancário, efetuar aplicações financeiras, efetuar transferências entre contas, etc. e-commerce, permitindo a realização de compras de produtos e serviços através do celular, como presentes, tickets de cinema, teatro, etc loteria, no qual o usuário não precisa mais se deslocar a uma casa lotérica para efetuar sua aposta. 6

7 SIM Cards: História O primeiro cartão foi lançado em 1985 pela operadora móvel celular alemã Netz C, sendo simplesmente um cartão magnético. A mobilidade da assinatura e o aumento da segurança através da remoção do cartão foram as principais vantagens da introdução do cartão. O número do telefone e os demais dados necessários ao billing estavam relacionados ao cartão e não mais ao aparelho celular. Também em 1985, alguns países europeus assinaram um acordo para desenvolvimento do GSM e um novo padrão para uso de tecnologia digital. Em 1992, a primeira rede GSM foi lançada. Em 1988 o cartão magnético foi substituído pelo smart card, sendo esta a primeira aplicação em smart card para comunicação móvel no mundo. A interface inteligente entre o cartão e o aparelho, o novo nível de segurança através da checagem do PIN number (senha individual) e a autenticação na rede celular foram as principais conquistas com a introdução do smart card. O SIM Card em sua versão full size possui 85 x 54 mm. Como os aparelhos celulares se tornaram mais compactos nos últimos anos, o SIM Card sofreu uma redução no seu tamanho através do corte plug-in realizado ao redor do chip, sendo utilizado em sua versão plug-in no tamanho 25 x 15 mm. 7

8 SIM Cards: Tecnologia Capacidade de memória e tecnologia Os SIM Cards estão disponíveis nas versões 8 Kbytes (muito pouco utilizado atualmente), 16 Kbytes, 32 Kbytes, 64 Kbytes e 128 Kbytes de memória EEPROM. Com o lançamento de novas aplicações e serviços aos usuários, maior memória do SIM Card é requerida. Desta forma, operadoras novas já estão utilizando seus SIM Cards a partir de 32 Kbytes de memória uma vez que lançam seus serviços já com funções de valor adicionado, não se restringindo apenas a serviços de voz e tendem a migrar rapidamente para 64 Kbytes, que já se tornaram padrão para muitas operadoras, de modo a ampliar sua oferta de serviços. Em aproximadamente 2 anos, deve ocorrer a migração para cartões de capacidade maior e assim sucessivamente. Os SIM Cards disponíveis atualmente são baseados em máscaras (sistemas operacionais) proprietárias, ou com Virtual Machine Java (simplesmente denominados SIM Cards Java) e com Micro-Browser implementado, como por exemplo o WIB Browser. Existem ainda variações importantes como o Micro- Browser implementado sobre um SIM Card Java. No passado era muito comum a utilização de soluções proprietárias, o que não mais reflete a tendência de mercado. Devido às vantagens do Java e dos Micro-Browsers, as operadoras têm adotado estas soluções em suas redes. A maior vantagem para as operadoras móveis celulares oferecida pelo Java é a interoperabilidade entre produtos de diferentes fornecedores, especialmente o SIM Card, bem como o fácil e flexível gerenciamento, operação e implementação de novos serviços de valor adicionado. SIM Card Java O SIM Card Java contempla funções novas e especiais inerentes à tecnologia Java, o que permite uma melhor utilização da memória EEPROM do SIM Card. Alguns exemplos podem ser citados: Garbage Collection: após a remoção de uma aplicação (ou applet), todos os componentes também são removidos, estando a memória limpa e disponível para novo uso. Dynamic Memory Allocation: blocos de memória limpa e disponível para novo uso são vistas como único bloco de memória disponível, não havendo necessidade de bloco contínuo de memória disponível. Memory De-fragmentation: blocos de memória são fisicamente alocados (processo similar que ocorre em um PC). Re-utilização da memória livre como bloco contínuo de memória disponível. A tecnologia Java já foi comprovada no mundo PC e aceita pelos institutos internacionais de padronização como ETSI e 3GPP, já existindo especificações padronizadas (exemplo Java 2.1.1) O Java também é aceito como solução interoperável para SIM Cards, que representa uma solução para plataformas abertas. 8

9 As principais vantagens proporcionadas pelo Java são mencionadas abaixo: desenvolvimento único de aplicações => conceito write once, run everywhere existência de muitos profissionais aptos a desenvolver aplicações em Java re-utilização de programas mecanismo de carregamento de applets é padronizado Os SIM Card com Micro-Browser Os cartões com Micro-Browser permitem acesso a informações e serviços baseadas em servidores que trabalham juntamente com um sistema OTA. Enquanto as aplicações baseadas em SMS: utilizam comandos SIM Toolkit executam e buscam informações específicas são enviadas para o aparelho celular via SMS são visualizadas como Menus SIM Tool Kit normais no visor do aparelho Os SIM Cards com Micro-Browser permitem aplicações dinâmicas: as aplicações são armazenadas em um servidor as aplicações podem ser alteradas quantas vezes for necessário não há necessidade de substituir cartões massivamente Algumas aplicações são residentes no cartão e podem ser atualizadas pelo usuário, como por exemplo, homepages, bookmarks, etc. 9

10 Por dentro do SIM Card A memória do SIM Card é dividida em memória RAM, ROM e EEPROM, além de possuir CPU & ALU Timer, I/O Port, Security & Fuse Logic, conforme desenho abaixo. Na memória EEPROM são alocados os diretórios e arquivos inerentes à configuração do SIM Card, compreendendo o Master File, os Dedicated Files e os Elementary Files. Master File (MF), Dedicated Files (DF) e Elementary Files (EF) são definidos da seguinte forma pela norma GSM 11.11/ETS : Master File Arquivo único mandatório. Contém condições de acesso e, opcionalmente, DFs e EFs. Dedicated File Arquivo que contém condições de acesso e, opcionalmente, EFs e outras DFs. Elementary File Arquivo que contém condições de acesso e dados. A configuração básica do SIM Card ocupa aproximadamente 8 Kbytes de memória EEPROM e compreende: Cabeçalho não GSM ocupando aproximadamente 300 bytes Master File ocupando aproximadamente 300 bytes PINs,PUKs, Kis, ADM keys, Tin, Layout, etc Diretório GSM ocupando aproximadamente 750 bytes LP, IMSI, Key Kc & n, PLMN sel, HPLMN, ACM max, SST, ACM, GID 1 & 2, PUCT, CBMI, SPN, BCCH, ACC, FPLMN, LOCI, AD, Phase Diretório Telecom ocupando aproximadamente 6600 bytes ADNs, FDNs, SMS, CCP, MSISDN, SMPS, SMSS, LND, Ext 1, Ext 2, Ext 3 OTA Data Fields ocupando aproximadamente 160 bytes SIM type, DL-Key, DL-Text, Seq-No, Orig. Address Demais espaços de memória são destinados às aplicações de valor adicionado. 10

11 SIM Cards: Considerações Finais O Futuro dos SIM Cards O aumento da competição entre operadoras proprietárias de redes GSM irá impor uma maior competição por serviços de valor adicionado e assistência ao cliente, demandando investimentos pesados no controle do churn e na simplificação do uso do celular como instrumento de conveniência na vida das pessoas. A busca incessante de diferenciais competitivos exigirá das operadoras grande criatividade no lançamento de serviços e na simplicidade de relacionamento com o cliente. O SIM Card será peça fundamental na oferta destes diferenciais na medida da evolução tecnológica rumo aos processadores mais poderosos e velozes, maior capacidade de memória e linguagens de programação que permitam o desenvolvimento e implementação de novas funcionalidades em prazos competitivos. Com o aumento da velocidade de transmissão das redes móveis, aplicações voltadas para multimídia, Chat, m-commerce, etc, serão cada vez mais as impulsionadoras da evolução do SIM Card, elemento fundamental no desenvolvimento de soluções de segurança que viabilizam estes serviços. O USIM Universal Subscriber Identity Module o SIM Card utilizado em aparelhos celulares 3G (3ª. Geração), foi projetado com base na experiência de padronização dos SIM Cards GSM e já nasce padronizando o mundo 3G para prover funções básicas de assinantes e administração de rede tais como escolha de idioma, preferências quando em roaming, segurança e autenticação, além de permitir aos operadores grande flexibilidade no desenvolvimento de aplicações que de fato criem diferencial competitivo. A simplicidade de atendimento ao cliente é parte dos novos desafios a serem enfrentados pelas operadoras internacionais, principais interessadas na excelência da prestação de serviço onde quer que esteja seu cliente. Referências interessantes Lista resumida de especificações do SIM Card / GSM GSM GSM GSM 02.30/ETS GSM GSM GSM Especificação Aspectos de Segurança Especificação SIM, Características Funcionais Especificação Interface Man-machine do aparelho Especificação Funções de Segurança Relativas a Rede Especificação SMS Especificação Funções de Segurança para SMS 11

12 GSM 11.10/ETS GSM 11.11/ETS GSM GSM GSM GSM 11.40/ETS Especificação Conformidade do aparelho Especificação da Interface SIM aparelho Especificação 3V para SIMs Especificação SIM Tool Kit Especificação testes de SIM Especificação Simulador de Sistemas Download de especificações As especificações GSM (Interface SIM Card/telefone móvel), GSM (SIM Application Toolkit), GSM (OTA), entre outras, podem ser encontradas no link Definições importantes relacionadas ao SIM Card ICC-ID ATR PIN PUK Ki ADM keys LP IMSI TMSI Key Kc PLMN HPLMN ACM SST Integrated Circuit Chip Identification Answer To Reset primeira troca de informações entre SIM e o aparelho Personal Identification Number PIN Unblocking Key Subscriber authentication key; the cryptographic key used by the authentication algorithm A3, and cipher key generator A8 Administrative Keys Language Preference International Mobile Subscriber Identity Temporary IMSI Cryptographic key used by the cipher A5 Public Land Mobile Network Home Public Land Mobile Network Accumulated Call Meter SIM Service Table GID 1&2 Group Identifier Level 1&2 PUCT CBMI SPN BCCH Price per Unit and Currency Table Cell Broadcast Message Identifier Selection Service Provider Name Broadcast Control Channels 12

13 ACC FPLMN LOCI AD ADN FDN SMS CCP MSISDN SMSP SMSS LND EXT 1,2&3 Seq-No Orig.Address Access Control Class Forbidden Public Land Mobile Network Location Information Administrative Data Abbreviated Dialling Number Fixed Dialling Number Short Message Service Capability/Configuration Parameter Mobile Subscriber Integrated Services Digital Network Short Message Service Parameters Short Message Service Status Last Number Dialled Extension 1,2&3 Sequential Number Originating Address 13

14 SIM Cards: Teste seu Entendimento 1. Qual é a principal utilização do SIM Card? Substituir a identidade do usuário através do smart card. Identificar o usuário no sistema móvel celular executando as funções de autenticação inerentes à tecnologia GSM. Aumentar o vínculo do usuário com o aparelho celular. Efetuar o billing das chamadas através do SIM Card. 2. Assinale a alternativa errada. O signficado de OTA é Outra tentativa ainda possível para download de aplicações. O principal conceito do Java no que se refere ao desenvolvimento de aplicações é write once run everywhere. As aplicações desenvolvidas para o SIM Card com Micro-Browser são armazenadas em um servidor. As aplicações SIM Tool Kit são definidas pelas operadoras móveis celulares como fator de diferenciação de seus serviços. 3. Assinale a alternativa correta. O GSM foi padronizado pelas próprias operadoras móveis. O roaming internacional no GSM não necessita de acordos comerciais entre as operadoras. A utilização do SIM Card não agrega segurança para o usuário e operadora móvel. A chave de senha PUK serve para desbloquear o PIN. 14

Aplicações Java em Sim Cards

Aplicações Java em Sim Cards Aplicações Java em Sim Cards Este tutorial apresenta as características e formas de uso de Aplicações Java a partir dos Sim Cards instalados nos terminais celulares de tecnologia GSM. Flávia Schreiber

Leia mais

Assumiu em 2002 um novo desafio profissional como empreendedor e Presidente do Teleco.

Assumiu em 2002 um novo desafio profissional como empreendedor e Presidente do Teleco. Tarifas de Uso de Rede Este tutorial apresenta os conceitos básicos de Tarifas de Uso de Rede das Operadoras de Telefonia Fixa e Celular. Eduardo Tude Engenheiro de Teleco (IME 78) e Mestre em Teleco (INPE

Leia mais

(Versão revista e atualizada do tutorial original publicado em 26/11/2002).

(Versão revista e atualizada do tutorial original publicado em 26/11/2002). Acesso à Internet Este tutorial apresenta as formas de acesso a Internet disponíveis para o usuário brasileiro, e apresenta os números atuais da Internet no Brasil. (Versão revista e atualizada do tutorial

Leia mais

Este tutorial apresenta os conceitos básicos sobre Sistemas Celulares e sua regulamentação no Brasil.

Este tutorial apresenta os conceitos básicos sobre Sistemas Celulares e sua regulamentação no Brasil. Telefonia Celular no Brasil Este tutorial apresenta os conceitos básicos sobre Sistemas Celulares e sua regulamentação no Brasil. (Versão revista e atualizada do tutorial original publicado em 09/12/2002).

Leia mais

I N T R O D U Ç Ã O W A P desbloqueio,

I N T R O D U Ç Ã O W A P desbloqueio, INTRODUÇÃO Para que o Guia Médico de seu Plano de Saúde esteja disponível em seu celular, antes de mais nada, sua OPERADORA DE SAÚDE terá de aderir ao projeto. Após a adesão, você será autorizado a instalar

Leia mais

Anexo I - DEFINIÇÕES. Em relação ao presente Acordo, os seguintes termos terão os significados expressos em suas respectivas definições:

Anexo I - DEFINIÇÕES. Em relação ao presente Acordo, os seguintes termos terão os significados expressos em suas respectivas definições: Anexo I - DEFINIÇÕES Em relação ao presente Acordo, os seguintes termos terão os significados expressos em suas respectivas definições: 1. 3G: terceira geração; 2. AA.13: documento da GSMA que contém os

Leia mais

Arquiteturas para implantação de aplicações móveis wireless

Arquiteturas para implantação de aplicações móveis wireless Arquiteturas para implantação de aplicações móveis wireless Este tutorial apresenta uma visão geral da arquitetura para implantação de aplicações móveis wireless. Eduardo Tude Engenheiro de Teleco (IME

Leia mais

Telecomunicações. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Telecomunicações. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Telecomunicações Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Tecnologias de telefonia celular GSM (Global System for Mobile Communications) Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Leia mais

MODEM USB LTE LU11. Manual do Usuário

MODEM USB LTE LU11. Manual do Usuário MODEM USB LTE LU11 Manual do Usuário 2 Tabela de Conteúdo Manual do Usuário... 1 1 Introdução... 3 2 Instalação... 4 3 Descrição da Interface do Cliente... 5 3 Conexão... 8 5 Mensagens SMS... 10 6 Contatos...

Leia mais

PORTARIA Nº 102, DE 30 DE OUTUBRO DE 2008

PORTARIA Nº 102, DE 30 DE OUTUBRO DE 2008 PORTARIA Nº 102, DE 30 DE OUTUBRO DE 2008 O DIRETOR DO DEPARTAMENTO NACIONAL DE TRÂNSITO - DENATRAN, no uso das atribuições que lhe foram conferidas pelo art. 19, inciso I, da Lei nº 9.503, de 23 de setembro

Leia mais

Este tutorial apresenta os conceitos básicos sobre Telefonia Fixa e sua regulamentação no Brasil.

Este tutorial apresenta os conceitos básicos sobre Telefonia Fixa e sua regulamentação no Brasil. Telefonia Fixa no Brasil Este tutorial apresenta os conceitos básicos sobre Telefonia Fixa e sua regulamentação no Brasil. Eduardo Tude Engenheiro de Teleco (IME 78) e Mestre em Teleco (INPE 81) tendo

Leia mais

Regra do SERVIÇO VIVO GESTÃO

Regra do SERVIÇO VIVO GESTÃO Regras do serviço VIVO GESTÃO Serviço que permite controlar o uso e o gasto do tráfego voz dos celulares da sua Empresa em todo o Brasil. Através do serviço Vivo Gestão, a empresa configura via internet,

Leia mais

Plano Pré-Pago Alternativo de Serviço

Plano Pré-Pago Alternativo de Serviço Plano Pré-Pago Alternativo de Serviço Plano Nº 001 - Plano de Referência de Serviço Requerimento de Homologação Nº 4657 1 - Aplicação Este Plano de Referência de Serviço é aplicável pela Oi, no Estado

Leia mais

MODEM USB LTE. Manual do Usuário

MODEM USB LTE. Manual do Usuário MODEM USB LTE Manual do Usuário 2 Conteúdo Manual do Usuário... 1 1 Introdução... 3 2 Descrição da Interface do Cliente... 4 3 Conexão... 7 4 SMS... 10 5 Contatos... 14 6 Estatística... 18 7 Configurações...

Leia mais

O Valor do Browser no POS Soluções e Cases

O Valor do Browser no POS Soluções e Cases O Valor do Browser no POS Soluções e Cases Alexandre Pi Fernando Wagner da Silva André Guedes Conteúdo Sobre a Empresa Histórico Redes de POS Cadeia de Valor Problemas A APPI e a Cadeia de Valor Posicionamento

Leia mais

Evolução das Redes de Telecomunicação: Arquitetura IMS

Evolução das Redes de Telecomunicação: Arquitetura IMS Evolução das Redes de Telecomunicação: Arquitetura IMS Samuel R. Lauretti Graduado em Engenharia Elétrica pela USP-São Carlos em 1987, com Mestrado em Telecomunicações pela UNICAMP em 1993. Completou o

Leia mais

Mostrar área de trabalho.scf. Manual do Produto EDI.

Mostrar área de trabalho.scf. Manual do Produto EDI. Mostrar área de trabalho.scf Manual do Produto EDI. ÍNDICE MANUAL DO PRODUTO EDI....3 1. O QUE É O EDI?...3 1.1. VANTAGENS... 3 1.2. FUNCIONAMENTO... 3 1.3. CONFIGURAÇÃO NECESSÁRIA... 3 2. UTILIZANDO O

Leia mais

Manual do Usuário do Cell Bridge GSM Tronco

Manual do Usuário do Cell Bridge GSM Tronco INTRODUÇÃO Parabéns! Você acaba de adquirir mais um produto com a qualidade e a tecnologia IDENTECH. O Cell Bridge é uma interface celular diferenciada. O Cell Bridge funciona como uma interface celular

Leia mais

Assumiu em 2002 um novo desafio profissional como empreendedor e Presidente do Teleco.

Assumiu em 2002 um novo desafio profissional como empreendedor e Presidente do Teleco. Código de Seleção de Prestadora (CSP) Este tutorial apresenta o Código de Seleção de Prestadora (CSP) utilizado no Brasil para chamadas de longa distância. Eduardo Tude Engenheiro de Teleco (IME 78) e

Leia mais

Especificação Técnica

Especificação Técnica Pág. 1/8 CONTRATAÇÃO DE SOLUÇÃO SMS Pág. 2/8 Equipe Responsável Elaboração Assinatura Data Divisão de Padrões de Tecnologia DIPT Aprovação Assinatura Data Departamento de Arquitetura Técnica DEAT Pág.

Leia mais

Assumiu em 2002 um novo desafio profissional como empreendedor e Presidente do Teleco.

Assumiu em 2002 um novo desafio profissional como empreendedor e Presidente do Teleco. O que é IP O objetivo deste tutorial é fazer com que você conheça os conceitos básicos sobre IP, sendo abordados tópicos como endereço IP, rede IP, roteador e TCP/IP. Eduardo Tude Engenheiro de Teleco

Leia mais

UMTS. www.teleco.com.br 1

UMTS. www.teleco.com.br 1 UMTS Este tutorial apresenta os conceitos básicos do Universal Mobile Telecommunications System (UMTS) padrão de 3ª Geração de sistemas celulares para evolução de redes GSM. Autor: Eduardo Tude Engenheiro

Leia mais

Pág. 3 de 7 EMV PARA EMISSORES

Pág. 3 de 7 EMV PARA EMISSORES EMV PARA EMISSORES A Argotechno traz ao mercado brasileiro o melhor da educação profissional para o conhecimento e aplicação da norma EMV. São cursos e workshops sobre as abordagens mais utilizadas em

Leia mais

Conceitos Básicos de Telefonia Celular

Conceitos Básicos de Telefonia Celular O curso foi elaborado especialmente para atender o profissional que atua no mercado varejista de aparelhos celulares e quer atender seus clientes com rapidez e qualidade. O treinamento é direcionado ao

Leia mais

Telecomunicações. Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br

Telecomunicações. Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br Telecomunicações Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br Rede de Telefonia Fixa Telefonia pode ser considerada a área do conhecimento que trata da transmissão de voz através de uma rede de telecomunicações.

Leia mais

Apresentação da plataforma

Apresentação da plataforma SMS CORPORATIVO Apresentação da plataforma Vitor Lopes Maio de 2010 Conteúdo 1. VISÃO GERAL... 3 1.1 COBERTURA SMS NO BRASIL... 3 2. VANTAGENS DO SMS... 4 2.1 SMS É A FERRAMENTA QUE ESTÁ MAIS PRÓXIMA DO

Leia mais

MODEM USB 3G+ WM31. Manual do Usuário

MODEM USB 3G+ WM31. Manual do Usuário MODEM USB 3G+ WM31 Manual do Usuário 2 Tabela de Conteúdo 1 Introdução... 3 2. Instalação... 5 3. Descrição da interface do cliente... 6 4. Conexão... 10 5.SMS... 11 6.Contatos... 14 7.Estatística... 18

Leia mais

TERMO DE USO - SERVIÇO VIVO TORPEDO LEMBRETE

TERMO DE USO - SERVIÇO VIVO TORPEDO LEMBRETE TERMO DE USO - SERVIÇO VIVO TORPEDO LEMBRETE 1. OBJETO: 1.1. O presente Instrumento tem por objeto regular a o acesso e a utilização do serviço VIVO Torpedo Lembrete (doravante VIVO Torpedo Lembrete ),

Leia mais

Assumiu em 2002 um novo desafio profissional como empreendedor e Presidente do Teleco.

Assumiu em 2002 um novo desafio profissional como empreendedor e Presidente do Teleco. VPN: Redes Privadas Virtuais O objetivo deste tutorial é apresentar os tipos básicos de Redes Privadas Virtuais (VPN's) esclarecendo os significados variados que tem sido atribuído a este termo. Eduardo

Leia mais

WatchKey. WatchKey USB PKI Token. Versão Windows. Manual de Instalação e Operação

WatchKey. WatchKey USB PKI Token. Versão Windows. Manual de Instalação e Operação WatchKey WatchKey USB PKI Token Manual de Instalação e Operação Versão Windows Copyright 2011 Watchdata Technologies. Todos os direitos reservados. É expressamente proibido copiar e distribuir o conteúdo

Leia mais

Soluções convergentes em telefonia para sua empresa. Vantagens competitivas na comunicação entre você e seus clientes.

Soluções convergentes em telefonia para sua empresa. Vantagens competitivas na comunicação entre você e seus clientes. Soluções convergentes em telefonia para sua empresa. Vantagens competitivas na comunicação entre você e seus clientes. A revolução na comunicação da sua empresa. mobilidade mobilidade Voz Voz vídeo vídeo

Leia mais

Assinare consiste na oferta de soluções e serviços na área da identificação electrónica.!

Assinare consiste na oferta de soluções e serviços na área da identificação electrónica.! Assinare Apresentação Assinare consiste na oferta de soluções e serviços na área da identificação electrónica. De forma a responder ao ambiente altamente competitivo a que as empresas e organizações hoje

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA Prestação de Serviço Telefônico Móvel de Dados, na modalidade Sms (Short Message Service - Serviço de Mensagens Curtas de Texto)

TERMO DE REFERÊNCIA Prestação de Serviço Telefônico Móvel de Dados, na modalidade Sms (Short Message Service - Serviço de Mensagens Curtas de Texto) TERMO DE REFERÊNCIA Prestação de Serviço Telefônico Móvel de Dados, na modalidade Sms (Short Message Service - Serviço de Mensagens Curtas de Texto) 1 1 - OBJETO 1.1 Registro de Preços para prestação de

Leia mais

Serviço de mensageria SMS

Serviço de mensageria SMS Termo de Referência Serviço de mensageria SMS Agosto/2014 1 1 OBJETO 1.1 Prestação de serviços de envio de até 1.680.000 (Um milhão seiscentos e oitenta mil) Mensagens de Texto SMS (Short Message Service)

Leia mais

INTERNET HOST CONNECTOR

INTERNET HOST CONNECTOR INTERNET HOST CONNECTOR INTERNET HOST CONNECTOR IHC: INTEGRAÇÃO TOTAL COM PRESERVAÇÃO DE INVESTIMENTOS Ao longo das últimas décadas, as organizações investiram milhões de reais em sistemas e aplicativos

Leia mais

CARTA CONVITE 010/2014 ANEXO II - TERMO DE REFERÊNCIA

CARTA CONVITE 010/2014 ANEXO II - TERMO DE REFERÊNCIA CARTA CONVITE 010/2014 ANEXO II - TERMO DE REFERÊNCIA 1. Implantação de Sistema de Call Center 1.1. O software para o Call Center deverá ser instalado em servidor com sistema operacional Windows (preferencialmente

Leia mais

DOCUMENTOS E DINHEIRO ELETRÔNICO COM SMART CARDS UTILIZANDO A TECNOLOGIA JAVA CARD. Cleber Giovanni Suavi Orientador: Marcel Hugo

DOCUMENTOS E DINHEIRO ELETRÔNICO COM SMART CARDS UTILIZANDO A TECNOLOGIA JAVA CARD. Cleber Giovanni Suavi Orientador: Marcel Hugo DOCUMENTOS E DINHEIRO ELETRÔNICO COM SMART CARDS UTILIZANDO A TECNOLOGIA JAVA CARD Cleber Giovanni Suavi Orientador: Marcel Hugo Roteiro introdução objetivos relevância fundamentação teórica smart cards

Leia mais

MODEM USB 3G+ WM31. Manual do Usuário

MODEM USB 3G+ WM31. Manual do Usuário MODEM USB 3G+ WM31 Manual do Usuário 2 Conteúdo 1 Introdução... 3 2 Descrição da Interface do Cliente... 5 3 Conexão... 7 4 SMS... 10 5 Contatos... 14 6 Estatística... 18 7 Configurações... 19 8 SIM Tool

Leia mais

EMV PARA ADQUIRENTES

EMV PARA ADQUIRENTES EMV PARA ADQUIRENTES A Argotechno traz ao mercado brasileiro o melhor da educação profissional para o conhecimento e aplicação da norma EMV. São cursos e workshops sobre as abordagens mais utilizadas em

Leia mais

SERVIÇO MÓVEL PESSOAL SMP PLANO DE REFERÊNCIA DE SERVIÇO

SERVIÇO MÓVEL PESSOAL SMP PLANO DE REFERÊNCIA DE SERVIÇO SERVIÇO MÓVEL PESSOAL SMP PLANO DE REFERÊNCIA DE SERVIÇO Nome da Prestadora: 14 BRASIL TELECOM CELULAR S.A. Área 7 (AC, GO, MT, MS, RO, TO e DF) Número: 001/REF/SMP Brasil Telecom GSM. Página 1 de 9 1

Leia mais

Anexo V - Planilha de Apuração Aquisição de Solução de Redes Sociais

Anexo V - Planilha de Apuração Aquisição de Solução de Redes Sociais Anexo V - Planilha de Apuração Aquisição de Solução de Redes Sociais Será utilizado o seguinte critério: Atende / Não atende (Atende em parte será considerado Não atende) Item Itens a serem avaliados conforme

Leia mais

TERMO DE USO SERVIÇO VIVO REDES SOCIAIS USSD

TERMO DE USO SERVIÇO VIVO REDES SOCIAIS USSD TERMO DE USO SERVIÇO VIVO REDES SOCIAIS USSD As disposições abaixo regulam a utilização do serviço Vivo Redes Sociais ( Serviço ), desenvolvido pela Myriad e ofertado pela TELEFÔNICA BRASIL S/A, doravante

Leia mais

EMV ESSENCIAL PARA NEGÓCIOS

EMV ESSENCIAL PARA NEGÓCIOS EMV ESSENCIAL PARA NEGÓCIOS A Argotechno traz ao mercado brasileiro o melhor da educação profissional para o conhecimento e aplicação da norma EMV. São cursos e workshops sobre as abordagens mais utilizadas

Leia mais

Renovação Online de certificados digitais A1 (Voucher)

Renovação Online de certificados digitais A1 (Voucher) Renovação Online de certificados digitais A1 (Voucher) Todos os direitos reservados. Imprensa Oficial do Estado S.A. 2012 página 1 de 18 Renovação Online Renovação Online de certificados digitais A1 (Voucher)

Leia mais

CoIPe Telefonia com Tecnologia

CoIPe Telefonia com Tecnologia CoIPe Telefonia com Tecnologia A proposta Oferecer sistema de telefonia digital com tecnologia que possibilita inúmeras maneiras de comunicação por voz e dados, integrações, recursos e abertura para customizações.

Leia mais

A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO

A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO 1 OBJETIVOS 1. O que é a nova infra-estrutura informação (TI) para empresas? Por que a conectividade é tão importante nessa infra-estrutura

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÕES MÓDULO 16

REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÕES MÓDULO 16 REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÕES MÓDULO 16 Índice 1. SISTEMA OPERACIONAL DE REDE...3 1.1 O protocolo FTP... 3 1.2 Telnet... 4 1.3 SMTP... 4 1.4 SNMP... 5 2 1. SISTEMA OPERACIONAL DE REDE O sistema

Leia mais

TRÓPICO RA. Introdução 2. Funcionalidades que são fontes de receita para a operadora 3. Usuários residenciais 5

TRÓPICO RA. Introdução 2. Funcionalidades que são fontes de receita para a operadora 3. Usuários residenciais 5 C E N T R A L TRÓPICO RA Introdução 2 Arquitetura evolucionária 2 Funcionalidades que são fontes de receita para a operadora 3 Hotéis, motéis, pousadas e hospitais 3 Bancos, operadoras logísticas e outras

Leia mais

EDI Definição, funcionamento Benefícios Categorias de EDI Pontos chaves (EDI/ XML) XML (Extensible Markup Language) HTML e XML

EDI Definição, funcionamento Benefícios Categorias de EDI Pontos chaves (EDI/ XML) XML (Extensible Markup Language) HTML e XML Tecnologia da Administração O que veremos? EDI Definição, funcionamento Benefícios Categorias de EDI Pontos chaves (EDI/ XML) XML (Extensible Markup Language) HTML e XML Sintaxe Edifact (ONU) EDI For Administration

Leia mais

REGULAMENTO. Promoção Nextel 3G Smart Blackberry 300

REGULAMENTO. Promoção Nextel 3G Smart Blackberry 300 REGULAMENTO Promoção Nextel 3G Smart Blackberry 300 Esta promoção é comercializada pela NEXTEL TELECOMUNICAÇÕES Ltda., prestadora do Serviço Móvel Pessoal SMP, doravante denominada simplesmente NEXTEL,

Leia mais

Call Center do cliente corporativo oi. Fique por dentro de tudo que você pode solicitar.

Call Center do cliente corporativo oi. Fique por dentro de tudo que você pode solicitar. Call Center do cliente corporativo oi. Fique por dentro de tudo que você pode solicitar. Acesso ao call center Ligue 0800 031 8031 Atendimento Corporativo O horário de funcionamento é de 24 horas durante

Leia mais

MSc Eliton Smith elitonsmith@gmail.com. Gerenciamento e Administração de Redes

MSc Eliton Smith elitonsmith@gmail.com. Gerenciamento e Administração de Redes MSc Eliton Smith elitonsmith@gmail.com Gerenciamento e Administração de Redes 2 Gerência de Redes ou Gerenciamento de Redes É o controle de qualquer objeto passível de ser monitorado numa estrutura de

Leia mais

MODERNIDADE E TECNOLOGIA DE PONTA PARA A REALIDADE BRASILEIRA

MODERNIDADE E TECNOLOGIA DE PONTA PARA A REALIDADE BRASILEIRA MODERNIDADE E TECNOLOGIA DE PONTA PARA A REALIDADE BRASILEIRA Pioneirismo tecnológico e FLEXIBILIDADE na migração O é uma plataforma de comunicação convergente, aderente às principais necessidades das

Leia mais

Guia de utilização do gerenciador de Token e Smart Card

Guia de utilização do gerenciador de Token e Smart Card Guia de utilização do gerenciador de Token e Smart Card Todos os direitos reservados. Imprensa Oficial do Estado S.A. 2011 página 1 de 13 Pré-requisitos para a instalação Software de Certificação Digital

Leia mais

Aplicativo para configuração da interface de celular ITC 4000

Aplicativo para configuração da interface de celular ITC 4000 MANUAL DO USUÁRIO Aplicativo para configuração da interface de celular ITC 4000 Este aplicativo roda em plataforma Windows e comunica-se com a ITC 4000 via conexão USB. Através do ITC 4000 Manager, o usuário

Leia mais

1 REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAR O SMS PC REMOTO

1 REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAR O SMS PC REMOTO 1 ÍNDICE 1 REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAR O SMS PC REMOTO... 3 1.1 REQUISITOS BASICOS DE SOFTWARE... 3 1.2 REQUISITOS BASICOS DE HARDWARE... 3 2 EXECUTANDO O INSTALADOR... 3 2.1 PASSO 01... 3 2.2 PASSO

Leia mais

SERVIÇO MÓVEL PESSOAL - SMP

SERVIÇO MÓVEL PESSOAL - SMP SERVIÇO MÓVEL PESSOAL - SMP PLANO BÁSICO DE SERVIÇO Nome da Prestadora: BRASIL TELECOM CELULAR S/A ÁREA 5 Número: Página 1 de 8 1. Aplicação Este Plano Básico de Serviço é aplicável pela autorizatária

Leia mais

Descrição: Benefícios do Produto

Descrição: Benefícios do Produto Descrição: Oi Empresa 2 Planos empresarial assinatura mensal com tarifa zero: o cliente fala graça Oi para Oi da sua empresa, todos os dias da semana, em qualquer horário. Indicado para grupos que falam

Leia mais

BlackBerry Mobile Voice System Versão: 5.0 Service pack: 1. Visão geral técnica e dos recursos

BlackBerry Mobile Voice System Versão: 5.0 Service pack: 1. Visão geral técnica e dos recursos BlackBerry Mobile Voice System Versão: 5.0 Service pack: 1 Visão geral técnica e dos recursos SWD-1031491-1025120324-012 Conteúdo 1 Visão geral... 3 2 Recursos... 4 Recursos para gerenciar contas de usuário

Leia mais

Guia Técnico da Solução TEF Discado/Dedicado

Guia Técnico da Solução TEF Discado/Dedicado Guia Técnico da Solução TEF Discado/Dedicado INTERFACE E AMBIENTE Versão - 09/2007 OBJETIVO OBJETIVO O Guia Técnico da Solução TEF Discado/Dedicado foi elaborado para apoiar a integração de Aplicativos

Leia mais

Mobilidade para o negócio Utilização Eficaz de MOBILIDADE. Ago 2006

Mobilidade para o negócio Utilização Eficaz de MOBILIDADE. Ago 2006 Mobilidade para o negócio Utilização Eficaz de MOBILIDADE Ago 2006 conteúdo vínculo mensagens tendências Buscar ferramentas de mobilidade que transformem nosso negócio, possibilitando aumento de produtividade

Leia mais

Introdução. Disciplina: Suporte Remoto Prof. Etelvira Leite

Introdução. Disciplina: Suporte Remoto Prof. Etelvira Leite Introdução Disciplina: Suporte Remoto Prof. Etelvira Leite Os Benefícios do Trabalho Remoto O mundo assiste hoje à integração e à implementação de novos meios que permitem uma maior rapidez e eficácia

Leia mais

CA Desktop Migration Manager

CA Desktop Migration Manager CA Desktop Migration Manager Notas da versão do CA DMM 12.9 A presente documentação, que inclui os sistemas de ajuda incorporados e os materiais distribuídos eletronicamente (doravante denominada Documentação),

Leia mais

Proposta de Franquia SMS Marketing. A Empresa

Proposta de Franquia SMS Marketing. A Empresa Proposta de Franquia SMS Marketing A Empresa A DeOlhoNaWeb Soluções Digitais é uma empresa de internet em forte crescimento, que foi fundada em 2012 com objetivo de oferecer soluções inovadoras por um

Leia mais

1 http://www.google.com

1 http://www.google.com 1 Introdução A computação em grade se caracteriza pelo uso de recursos computacionais distribuídos em várias redes. Os diversos nós contribuem com capacidade de processamento, armazenamento de dados ou

Leia mais

Apresentação Free Track

Apresentação Free Track Apresentação Free Track A Free Track é um resultado da união de um grupo de empresários que atua no segmento de rastreamento automotivo, sede própria com laboratório de desenvolvimento localizado na maior

Leia mais

6 - Gerência de Dispositivos

6 - Gerência de Dispositivos 1 6 - Gerência de Dispositivos 6.1 Introdução A gerência de dispositivos de entrada/saída é uma das principais e mais complexas funções do sistema operacional. Sua implementação é estruturada através de

Leia mais

XDR. Solução para Big Data.

XDR. Solução para Big Data. XDR Solução para Big Data. ObJetivo Principal O volume de informações com os quais as empresas de telecomunicações/internet têm que lidar é muito grande, e está em constante crescimento devido à franca

Leia mais

A CMNet disponibilizou no dia 24 de junho para download no Mensageiro a nova versão do Padrão dos Sistemas CMNet.

A CMNet disponibilizou no dia 24 de junho para download no Mensageiro a nova versão do Padrão dos Sistemas CMNet. Prezado Cliente, A CMNet disponibilizou no dia 24 de junho para download no Mensageiro a nova versão do Padrão dos Sistemas CMNet. No Padrão 9 você encontrará novas funcionalidades, além de alterações

Leia mais

Assumiu em 2002 um novo desafio profissional como empreendedor e Presidente do Teleco.

Assumiu em 2002 um novo desafio profissional como empreendedor e Presidente do Teleco. Roteiro de Estudo: Telefonia Celular - Tecnologias Básicas I O Portal Teleco passa a apresentar periodicamente Roteiros de Estudo sobre os principais temas das Telecomunicações. Os roteiros apresentam

Leia mais

IW10. Rev.: 02. Especificações Técnicas

IW10. Rev.: 02. Especificações Técnicas IW10 Rev.: 02 Especificações Técnicas Sumário 1. INTRODUÇÃO... 1 2. COMPOSIÇÃO DO IW10... 2 2.1 Placa Principal... 2 2.2 Módulos de Sensores... 5 3. APLICAÇÕES... 6 3.1 Monitoramento Local... 7 3.2 Monitoramento

Leia mais

Solução CA Technologies Garante Entrega de Novo Serviço de Notícias do Jornal Valor Econômico

Solução CA Technologies Garante Entrega de Novo Serviço de Notícias do Jornal Valor Econômico CUSTOMER SUCCESS STORY Abril 2014 Solução CA Technologies Garante Entrega de Novo Serviço de Notícias do Jornal Valor Econômico PERFIL DO CLIENTE Indústria: Mídia Companhia: Valor Econômico Funcionários:

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUIDOS. Prof. Marcelo de Sá Barbosa

SISTEMAS DISTRIBUIDOS. Prof. Marcelo de Sá Barbosa Prof. Marcelo de Sá Barbosa Introdução Visão geral das técnicas de segurança Algoritmos de criptografia Assinaturas digitais Criptografia na prática Introdução A necessidade de proteger a integridade e

Leia mais

A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO

A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO Capítulo 9 A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO 9.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS O que é a nova infra-estrutura de tecnologia de informação (IT) para empresas? Por que a conectividade

Leia mais

Renovação Online de certificados digitais A3 (Voucher)

Renovação Online de certificados digitais A3 (Voucher) Renovação Online de certificados digitais A3 (Voucher) Todos os direitos reservados. Imprensa Oficial do Estado S.A. 2012 página 1 de 19 Requisitos para a Renovação Certificados A3 Em Cartão/Token (Navegador

Leia mais

Introdução ao ERP Microsiga Protheus da Totvs

Introdução ao ERP Microsiga Protheus da Totvs Por Edilberto Souza Introdução ao ERP Microsiga Protheus da Totvs Agenda Introdução a alguns conceitos de ERP; Noções sobre o mercado de ERP; Arquitetura do Microsiga Protheus; Visão geral do ambiente

Leia mais

Manual TDMax Web Commerce VERSÃO: 0.1

Manual TDMax Web Commerce VERSÃO: 0.1 Manual TDMax Web Commerce VERSÃO: 0.1 Sumário Visão geral Bilhetagem Eletrônica... 3 1 TDMax Web Commerce... 4 1.1 Requisitos e orientações gerais... 4 2 Acesso... 5 2.1 Como realizar um cadastro usuário

Leia mais

Agenda. A Empresa História Visão Conceito dos produtos

Agenda. A Empresa História Visão Conceito dos produtos Agenda A Empresa História Visão Conceito dos produtos Produto Conceito Benefícios Vantagens: Criação Utilização Gestão Segurança Integração Mobilidade Clientes A empresa WF História Em 1998, uma ideia

Leia mais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Software de Entrada e Saída: Visão Geral Uma das tarefas do Sistema Operacional é simplificar o acesso aos dispositivos de hardware pelos processos

Leia mais

Este tutorial tem por finalidade introduzir o assunto "Short Message" para redes fixas, exemplificando suas aplicações, serviços e funcionalidades.

Este tutorial tem por finalidade introduzir o assunto Short Message para redes fixas, exemplificando suas aplicações, serviços e funcionalidades. SMS na Telefonia Fixa Este tutorial tem por finalidade introduzir o assunto "Short Message" para redes fixas, exemplificando suas aplicações, serviços e funcionalidades. Nadia Gasparotto Nogueira Engenheira

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS. Mede a capacidade de comunicação de computadores e dispositivos. Operam em diferentes plataformas de hardware

LISTA DE EXERCÍCIOS. Mede a capacidade de comunicação de computadores e dispositivos. Operam em diferentes plataformas de hardware 1. A nova infra-estrutura de tecnologia de informação Conectividade Mede a capacidade de comunicação de computadores e dispositivos Sistemas abertos Sistemas de software Operam em diferentes plataformas

Leia mais

Smart Cards. Uma tecnologia abrindo o seu caminho

Smart Cards. Uma tecnologia abrindo o seu caminho Smart Cards Uma tecnologia abrindo o seu caminho Sumário Visão geral - história Tecnologias Aplicações Digicon 2 Historia dos cartões plásticos Inicialmente utilizados para identificação. Inicio uso para

Leia mais

BlackBerry Mobile Voice System

BlackBerry Mobile Voice System BlackBerry Mobile Voice System BlackBerry Mobile Voice System Comunicações móveis unificadas O Mobile Voice System ( MVS) foi projetado para unificar os recursos do telefone fixo aos smartphones e às redes

Leia mais

Sistemas de Informação. Sistemas Operacionais 4º Período

Sistemas de Informação. Sistemas Operacionais 4º Período Sistemas de Informação Sistemas Operacionais 4º Período SISTEMA DE ARQUIVOS SUMÁRIO 7. SISTEMA DE ARQUIVOS: 7.1 Introdução; 7.2 s; 7.3 Diretórios; 7.4 Gerência de Espaço Livre em Disco; 7.5 Gerência de

Leia mais

Tel (21) 3287-2509 ou 8809-5779

Tel (21) 3287-2509 ou 8809-5779 1) Susana é produtora de eventos no Rio de Janeiro-RJ e não está conseguindo enviar as suas propostas comerciais via e-mail, através do Outlook. Sabendo que ela consegue baixar as suas mensagens, podemos

Leia mais

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 9.1

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 9.1 Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 9.1 9 OBJETIVOS OBJETIVOS A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO O que é a nova infra-estrutura de tecnologia de informação

Leia mais

APRESENTAÇÃO DO PRODUTO. Mais que um software, o método mais eficaz para conciliar.

APRESENTAÇÃO DO PRODUTO. Mais que um software, o método mais eficaz para conciliar. APRESENTAÇÃO DO PRODUTO Mais que um software, o método mais eficaz para conciliar. Com Conciliac é possível conciliar automaticamente qualquer tipo de transação; Bancos, Cartões de Crédito e Débito, Contas

Leia mais

TORPEDO INFO Termos e Condições de Uso

TORPEDO INFO Termos e Condições de Uso TORPEDO INFO Termos e Condições de Uso O presente documento tem por objetivo estabelecer os direitos e obrigações das partes contratantes na utilização pelo usuário, do serviço "TORPEDO INFO" via celular

Leia mais

DIMETRA IP Compact. uma solução TETRA completa e compacta

DIMETRA IP Compact. uma solução TETRA completa e compacta DIMETRA IP Compact uma solução TETRA completa e compacta MOTOROLA - SEU PARCEIRO DE TECNOLOGIA CONFIÁVEL E ATUANTE Uma herança que dá orgulho As soluções TETRA da Motorola alavancam mais de 75 anos de

Leia mais

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Sistemas Distribuídos Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Processos- Clientes, Servidores, Migração Capítulo 3 Agenda Clientes Interfaces de usuário em rede Sistema X Window Software do lado cliente para

Leia mais

TERMO DE USO SERVIÇO VIVO TORPEDO DIVERTIDO

TERMO DE USO SERVIÇO VIVO TORPEDO DIVERTIDO TERMO DE USO SERVIÇO VIVO TORPEDO DIVERTIDO 1. OBJETO: 1.1. O presente Instrumento tem por objeto regular a prestação do serviço VIVO Torpedo Divertido (doravante denominado VIVO Torpedo Divertido ), em

Leia mais

GERENCIAMENTO CENTRALIZADO DELL POWERVAULT DL 2000 BASEADO EM TECNOLOGIA SYMANTEC

GERENCIAMENTO CENTRALIZADO DELL POWERVAULT DL 2000 BASEADO EM TECNOLOGIA SYMANTEC GERENCIAMENTO CENTRALIZADO DELL POWERVAULT DL 2000 BASEADO EM TECNOLOGIA SYMANTEC RESUMO EXECUTIVO O PowerVault DL2000, baseado na tecnologia Symantec Backup Exec, oferece a única solução de backup em

Leia mais

Plano Pós-Pago Alternativo de Serviço

Plano Pós-Pago Alternativo de Serviço 1 - Aplicação Plano Pós-Pago Alternativo de Serviço Plano Nº 009 - Plano Conta Light Requerimento de Homologação Nº 3556 Este Plano Pós-Pago Alternativo de Serviço é aplicável pela autorizatária 14 BRASIL

Leia mais

A LIBERDADE DO LINUX COM A QUALIDADE ITAUTEC

A LIBERDADE DO LINUX COM A QUALIDADE ITAUTEC A LIBERDADE DO LINUX COM A QUALIDADE ITAUTEC O AMBIENTE OPERACIONAL QUE AGREGA A CONFIABILIDADE E O SUPORTE DA ITAUTEC À SEGURANÇA E À PERFORMANCE DO LINUX O LIBRIX É UMA DISTRIBUIÇÃO PROFISSIONAL LINUX

Leia mais

CCNA 2 Conceitos Básicos de Roteadores e Roteamento. Capítulo 5 - Gerenciamento do Software Cisco IOS

CCNA 2 Conceitos Básicos de Roteadores e Roteamento. Capítulo 5 - Gerenciamento do Software Cisco IOS CCNA 2 Conceitos Básicos de Roteadores e Roteamento Capítulo 5 - Gerenciamento do Software Cisco IOS 1 Objetivos do Capítulo Descrever a seqüência e a importância da inicialização do IOS nos roteadores

Leia mais

11/3/2009. Software. Sistemas de Informação. Software. Software. A Construção de um programa de computador. A Construção de um programa de computador

11/3/2009. Software. Sistemas de Informação. Software. Software. A Construção de um programa de computador. A Construção de um programa de computador Sistemas de Informação Prof. Anderson D. Moura Um programa de computador é composto por uma seqüência de instruções, que é interpretada e executada por um processador ou por uma máquina virtual. Em um

Leia mais

Sistemas Distribuídos Capítulos 3 e 4 - Aula 4

Sistemas Distribuídos Capítulos 3 e 4 - Aula 4 Sistemas Distribuídos Capítulos 3 e 4 - Aula 4 Aula passada Threads Threads em SDs Processos Clientes Processos Servidores Aula de hoje Clusters de Servidores Migração de Código Comunicação (Cap. 4) Fundamentos

Leia mais

Possui todas as facilidades para as comunicações empresariais internas e externas:

Possui todas as facilidades para as comunicações empresariais internas e externas: Descrição: A Família TC Voice Net está dividida em 4 modalidades: TC Voice, TC Voice Net, Voice Net + e VPN Voice Net. O TC Intervox está dividido em 2 modalidades: TC Intervox Comercial e TC Intervox

Leia mais

Capítulo 2 Introdução à ferramenta Flash

Capítulo 2 Introdução à ferramenta Flash Capítulo 2 Introdução à ferramenta Flash Índice 1. O uso da ferramenta Flash no projeto RIVED.... 1 2. História do Flash... 4 1. O uso da ferramenta Flash no projeto RIVED. É importante, antes de iniciarmos

Leia mais

Nota Fiscal Paulista. Manual do TD REDF (Transmissor de Dados Registro Eletrônico de Documentos Fiscais) GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

Nota Fiscal Paulista. Manual do TD REDF (Transmissor de Dados Registro Eletrônico de Documentos Fiscais) GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Nota Fiscal Paulista Manual do TD REDF (Transmissor de Dados Registro Eletrônico de Documentos Fiscais) Versão 1.1 15/02/2008 Página 1 de 17 Índice Analítico 1. Considerações Iniciais 3 2. Instalação do

Leia mais