AGUIAR, Marina Santos de 1 SANTOS, Marcelo Alves dos 2

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AGUIAR, Marina Santos de 1 SANTOS, Marcelo Alves dos 2"

Transcrição

1 1 O USO DA ESCALA SERVQUAL EM SERVIÇOS PÚBLICO DE SAÚDE: UMA AVALIAÇÃO DA QUALIDADE EM SERVIÇOS NO PSF VILA ESPORTIVA VESPASIANO MINAS GERAIS. AGUIAR, Marina Santos de 1 SANTOS, Marcelo Alves dos 2 RESUMO: O estudo descritivo de caráter quantitativo que teve como objetivo avaliar a satisfação dos usuários do PSF Vila Esportiva de Vespasiano Minas Gerais, utilizando as categorias da escala Servqual de Parasuraman et. al. (1988). Utilizou-se para coleta de dados uma amostra de 400 respondentes. Pelos resultados foi possível perceber que os usuários mais valorizam a atenção dispensada pelos profissionais e a confiabilidade nas atividades. Foi possível também elencar sugestões para melhoria dos serviços prestados. Percebeu-se que o instrumento e a metodologia utilizada são eficientes para a avaliação proposta, porém, é necessário criar estratégias para a mensuração e acompanhamento constante, visando preencher a lacuna entre a percepção de qualidade pelos usuários e a operacionalização pelos gestores dos serviços. Palavras-chaves: Programa de Saúde da Família, qualidade, gestão de serviços. ABSTRACT:The descriptive study of quantitative character that had like objective evaluate the satisfaction of the users of the PSF Sporting Town of Vespasiano Minas Gerais, utilizing the categories of the scale Servqual of Parasuraman et. Al. (1988). It utilized itself for factgathering a sample of 400 respondents. By the results was possible perceive that the users more value the attention excused by the professionals and the reliability in the activities. It was possible also list suggestions for improvement of the service lent. It perceived itself that the instrument and the methodology utilized is efficient for the proposed evaluation, however, is necessary create strategies for the measuring and constant accompaniment, aiming at fill the gap between the perception of quality by the users and to operation by the agents of the service. Keywords: It programs of Health of the Family, quality, management of service. SUMÁRIO: 1 Introdução; 2 Marco teórico; 2.1 Serviço público de saúde; 2.2 O Serviço de Saúde em Vespasiano; 2.3 Avaliação e qualidade dos serviços; 2.4 Medindo a satisfação com os serviços prestados; 3 Metodologia; 4 Análise dos Resultados; 5 Considerações finais; Referências 1 Enfermeira graduada pela FASEH - Faculdade de Saúde e Ecologia Humana. Aluna do Curso - MBA Executivo em Saúde pela Fundação Getúlio Vargas. Coordenadora da Estratégia de Saúde da Família de Juatuba- Minas Gerais. 2 Administrador graduado pelo Instituto J. Andrade. Especialista em Administração Hospitalar pela Faculdade São Camilo. Mestre em Administração pela Unipel. Membro do Corpo docente do J. Andrade e da equipe de apoio administrativo da Secretaria Municipal de saúde de Juatuba.

2 2 1 INTRODUÇÃO Historicamente, a medicina pode ser vista como a relação que se estabelece entre os serviços de saúde (e aqueles profissionais que têm o conhecimento necessário) e os que usufruem dos mesmos. Essa relação se transformou completamente na década de 1980, quando houve uma grande reforma da assistência pública na área de saúde com o projeto do Sistema Único de Saúde (SUS) (Gouveia et al, 2005). Tal projeto trouxe novas diretrizes para os serviços prestados, baseadas nos seguintes princípios (ibid.): (a) Saúde como direito do cidadão; (b) Saúde como dever do Estado; (c) Garantia da universalidade, do cuidado integral e da descentralização dos serviços. Tais mudanças levaram a um aumento da demanda, sem que houvesse a correspondência relativa na capacidade de atendimento dos equipamentos que prestam os serviços públicos de saúde. Já que 75% dos cidadãos brasileiros são usuários do SUS ou pagam do próprio bolso e o restante (25%) usufrui dos serviços prestados privados de saúde (ibid.), faz-se necessária a avaliação periódica dos serviços prestados do ponto de vista do usuário, por este ser um indicador sensível e para que seja feita a adequação dos serviços de acordo com as necessidades locais. O presente estudo teve como objetivo avaliar a satisfação dos usuários referente aos cuidados de saúde prestados pelos profissionais que atuam no Programa de Saúde da Família (PSF) da unidade 8, localizado no bairro Vila Esportiva da cidade de Vespasiano - MG. E dentro deste contexto foi necessário o seguinte: a) Analisar, através de entrevistas individuais com pacientes, o nível de satisfação dos usuários do PSF Vila Esportiva com relação ao serviço de enfermagem. Será utilizado um questionário (Anexo I) que permita avaliar a satisfação dos usuários, em diferentes níveis de complexidade, sobre os serviços oferecidos pelo SUS.

3 3 b) Verificar a percepção e a avaliação dos usuários sobre as seguintes dimensões analíticas: 1. Acesso e disponibilidade; 2. Infra-estrutura; 3. Acolhimento; 4. Relação usuários profissional de enfermagem; 5. Eficácia nas prestação dos serviços. c) Apresentar aos profissionais envolvidos no trabalho do PSF Vila Esportiva um pouco da percepção que os usuários têm dos serviços prestados, dando voz a esses últimos, já que representam um ponto sensível para a melhoria da qualidade. Este estudo propôs a avaliação da satisfação de uma amostra composta por 400 usuários do Programa de Saúde da Família da Vila Esportiva, bairro localizado na cidade de Vespasiano no estado de Minas Gerais. 2. MARCO TEÓRICO 2.1 Serviço Público de Saúde O SUS foi integrado à legislação brasileira a partir da elaboração da Lei nº 8080 de 19 de setembro de 1990, com o objetivo de prestar assistência de saúde qualificada a todo cidadão, sem desigualdade e financiado com recursos arrecadados através de impostos (BRASIL, 1990). O sistema é formado pelo conjunto das ações e serviços de saúde prestados por órgãos e instituições públicas federais, estaduais, municipais e da administração direta e indireta e das fundações mantidas com recursos do poder público. À iniciativa privada é permitido participar desse sistema de maneira complementar (ibid.).

4 4 É um sistema único porque segue a mesma doutrina em todo o território nacional. Os princípios doutrinários do SUS estão baseados nos preceitos constitucionais a seguir: a) Universalidade A saúde é direito de todos e dever do Estado; b) Equidade garantia de acesso a qualquer pessoa, em igualdade de condições, aos diferentes níveis de complexidade do sistema; c) Integralidade as ações de promoção, proteção e recuperação da saúde não podem ser compartimentalizadas. Em 28 de dezembro de 1990, a lei nº8142 foi elaborada com o intuito de complementar a anterior. Sendo assim, foram instituídas as Conferências de Saúde para avaliar as condições assistenciais e propor mudanças nas políticas de saúde nas três esferas do governo: municipal, estadual e federal (BRASIL, 2001). Como estratégia para a melhoria assistencial da população surge o Programa de Saúde da Família (PSF) proposto pelo Ministério da Saúde em julho de 1991 (MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2001), através do Programa de Agentes Comunitários de Saúde (PACS), com o intuito de obter um crescimento significativo na atenção primária e reduzir a demanda de atendimento na atenção secundária e terciária. O PSF é um modelo de assistência à saúde com o objetivo de desenvolver ações de promoção e proteção à saúde do individuo, da família e da comunidade. Um dos grandes desafios do PSF são a participação e integração da comunidade para realização de ações educativas de promoção da saúde e prevenção de problemas. 2.2 O Serviço de Saúde em Vespasiano A política de saúde na cidade de Vespasiano fundamenta-se nos princípios do SUS. A rede de Saúde dispõe de uma policlínica central e uma policlínica regional, nove equipes de PSF, uma unidade de atenção básica de apoio, um centro oftalmológico, um centro de referência em adolescência, a Fundação Vespasianense de Saúde (Hospital Maternidade) um centro de atenção Psicossocial, um asilo

5 5 (denominado instituição de longa permanência) (dados de 2006 fornecidos pela SMS de Vespasiano). Segundo a SMS de Vespasiano, o PSF Vila Esportiva abrange uma população de 1299 famílias cadastradas, as quais que são subdivididas em seis (6) micro áreas, sendo cada uma monitorada por ACS. A equipe de enfermagem é formada por uma enfermeira e duas auxiliares de enfermagem que trabalham em turno de oito horas diárias. As mesmas realizam, em média, cem (100) atendimentos de enfermagem por dia. Além disso, a unidade conta com o apoio de acadêmicos do curso de enfermagem do sétimo e oitavo períodos da FASEH, que juntos realizam aproximadamente 35 atendimentos de enfermagem por semana. Considerando que o PSF é uma estratégia inovadora na atuação dos profissionais de saúde e no acompanhamento dos usuários (tratamento e prevenção de doenças), busca-se uma melhor prestação de serviços de acordo com o contexto social no qual ele se enquadra. Para isso, é necessária a avaliação constante dos mesmos, através da elaboração de instrumentos que apontem, entre outras coisas, o grau de satisfação da população e as características que estes valorizam. 2.3 Avaliação e qualidade dos serviços Na área da saúde, a avaliação da qualidade da assistência prestada não se restringe a verificar apenas se os objetivos propostos em planejamentos estratégicos foram cumpridos, pois até estes podem se tornar matéria de apreciação. Deve-se avaliar constantemente se os mesmos têm o respaldo e a aprovação da população e se estão congruentes com as aspirações e expectativas dos profissionais de saúde e dos usuários dos serviços. Donabedian (1984) considera que a qualidade da assistência à saúde está baseada na capacidade esperada ou concreta de possibilitar o mais alto nível de melhoria das condições de saúde, por meio do uso da ciência e da tecnologia, de forma aceita tanto pelo cliente como por sua família e comunidade. Segundo Gouveia et al. (op.cit.), a maioria dos resultados das pesquisas no Brasil aponta uma gradual deterioração na qualidade dos serviços públicos.

6 6 Obviamente, há exceções como a avaliação feita sobre o serviço pediátrico, que tende a ser avaliado positivamente de acordo com a opinião dos usuários. Mas a maior fonte de insatisfação, segundo os usuários, é o tempo de espera para conseguir consultas, cirurgias, tratamentos e outros serviços. Do ponto de vista do usuário, o grau de satisfação, como já foi dito, é considerado um elemento crucial. Segundo Lemme et al. (1991), os principais determinantes da satisfação encontrados entre os usuários de um hospital universitário foram: (a) Características dos pacientes (sócio-demográficas, as expectativas sobre a consulta, o estado atual de saúde etc.); (b) Características dos profissionais (personalidade, qualidade técnica, arte do cuidado etc.); (c) Aspectos de relação médico-paciente (capacidade comunicação, contexto do encontro etc.); (d) Fatores estruturais e ambientais (localização geográfica do serviço, forma de pagamento, tempo de espera para consulta, período do tratamento, marcação de consultas etc.). A resolução dos problemas levantados pelos usuários dos hospitais participantes do programa de qualidade hospitalar no Estado de São Paulo (KOTAKA et. al, 1997), e proposta pelos próprios, podem ser classificadas nos seguintes grupos: (a) Medidas administrativas (diminuição do tempo de espera, agilização do processo burocrático etc.); (b) Informações sobre os custos, sobre os procedimentos burocráticos etc.; (c) Treinamento e desenvolvimento dos profissionais; (d) Manutenção rotineira dos equipamentos e das instalações; (e) Organização dos hospitais em relação aos outros serviços correlatos. Um estudo bibliográfico (ESPERIDIÃO; TRAD, 2005) realizou a analise de cinqüenta e quatro artigos, abordando temas como os métodos e estratégias de pesquisa, técnicas e instrumentos utilizados e a operacionalização do conceito satisfação.

7 7 Apesar do baixo grau de consenso entre os pesquisadores da área, a maioria utiliza o método quantitativo, com predomínio no uso de questionários e escalas. O baixo consenso gera um grave problema: a falta de padronização das técnicas e instrumentos utilizados faz com que a comparabilidade dos resultados das pesquisas se torne impossível de ser realizada. Os pesquisadores pioneiros na avaliação da satisfação de usuários de serviços da saúde são dos EUA e da Europa e começaram a surgir a partir da década de No Brasil, elas as pesquisas tiveram início na década de A avaliação do usuário tem dois pontos fortes: é um indicador sensível da qualidade dos serviços, além de permitir uma melhor adequação no uso dos mesmos. A satisfação diz respeito às expectativas e à percepção atual do usuário. Como boa forma de medir esse conceito, o uso das escalas é comum. Mas, ainda segundo o estudo bibliográfico (ibid.), há um fenômeno comum a muitas pesquisas de avaliação da satisfação: o fenômeno da alta satisfação. Isso tem várias causas, dentre elas: (a) A inconsistência teórica no uso do conceito satisfação ; (b) Os aspectos metodológicos utilizados; (c) O receio dos usuários em responder sinceramente às questões e, como retorno, terem algum tipo de prejuízo; (d) O viés da aquiescência: corresponde à tendência que muitos respondentes de questionários têm em escolher a primeira opção de resposta. Como o primeiro item geralmente corresponde a uma medida alta de satisfação, ocorre um viés. (e) O viés da gratidão: a afinidade com os profissionais que prestam os serviços ou a percepção de que a prestação do serviço é um favor, faz com que os usuários tendam a avaliar sempre bem quando questionados. No ano de 2003 a Pesquisa Mundial de Saúde (PMS) foi elaborada com o intuito de propor uma forma adequada de avaliação de desempenho do sistema de saúde dos países membros da OMS. No Brasil, a fundação Oswaldo Cruz ficou responsável pela sua realização. (Entre as inovações, podem-se destacar a técnica de amostragem, a construção das medidas e índices, nova metodologia que utiliza estórias hipotéticas que descrevem problemas de terceiros etc.) (SZWARCWALD; VIACAVA, 2005).

8 8 Segundo Azevedo et al. (2005), as entrevistas foram realizadas em uma situação delicada, pois os indivíduos expressavam medo de que suas revelações pudessem prejudicar o acesso aos serviços de saúde. As pessoas de baixa renda freqüentemente foram as mais receptivas e as pessoas de médio-alta renda foram menos, relativamente, pois se sentem invadidos em sua privacidade. Nas áreas rurais, a receptividade e aceitação eram bem mais fáceis. Já na área urbana, o termo de consentimento assinado antes da entrevista causava assombro. As pessoas ligavam a assinatura do termo ao registro das respostas, podendo fazer com que as respostas não fossem verdadeiras. Já nas áreas rurais o termo consentimento era visto como um sinal de seriedade e idoneidade da pesquisa, e também um sinal de que não foram esquecidos pelas autoridades. 2.4 Medindo a satisfação com os serviços prestados Sobre o conceito de serviços, Zeithaml e Bitner (2002) afirmam que são atos, processos, performances e qualquer atividade econômica cujo produto não é físico nem material. Isso diferencia os produtos vendidos no mercado entre bens (materiais e físicos) e serviços (não-material, mas que pode envolver o uso de bens). Isso é importante, pois as metodologias utilizadas tradicionalmente para avaliar as relações entre consumidores e o mercado são voltadas para a produção e venda de bens, não de serviços. Os estudos de Parasuraman et al. (1988) sobre a qualidade de serviços é uma referência amplamente utilizada para esse fim. Baseando-se em pesquisas qualitativas e no refinamento dos dados obtidos, o grupo de pesquisadores liderados por Parasuraman chegou às cinco dimensões da qualidade, empregadas pelos usuários na avaliação de qualquer tipo de serviço, quais sejam: a) Aspectos Tangíveis: aparência das instalações físicas, prédios, equipamentos e pessoal; b) Confiabilidade: capacidade para prestar o serviço ofertado da melhor forma possível;

9 9 c) Presteza: boa vontade, por parte dos prestadores, para servir o usuário com eficácia; d) Garantia: capacidade dos prestadores de inspirar credibilidade e confiança; e) Empatia: consideração e atenção aos usuários. A contribuição do grupo vai ainda mais longe. A construção de instrumentos de medida e de uma escala de satisfação do usuário de serviços serviu de ferramenta para várias aplicações. Como o modelo de questionário pode ser utilizado para a avaliação de qualquer tipo de serviço, há a necessidade de elaborar questões pertinentes ao contexto da pesquisa, assim como de realizar o teste das mesmas. No artigo elaborado por Salomi et al. (2005) há uma boa apresentação da história da escala Servqual 3 de Parasuraman, que no mesmo estudo é comparada a outra escala, a Servperf 4, que tem a mesma característica de ser um instrumento universal para avaliação da qualidade de serviços. Um exemplo da utilização da escala Servqual na avaliação de serviços no Brasil é a dissertação de mestrado elaborada por Reis (2001), que utiliza o instrumento para avaliar a qualidade percebida pelos usuários de um complexo poliesportivo situado em um parque florestal. Um outro exemplo é o artigo elaborado por Mello et al. (2002) que utiliza o mesmo instrumento para avaliar a qualidade de serviços prestados por duas escolas de idioma inseridas em contextos bem diferentes. Por fim, outro artigo (Limas et al., 2007) tem como objetivo a avaliação das diferenças de percepções de usuários e funcionários sobre a qualidade de serviços de tecnologia de informação prestados. Tem também como objetivo, avaliar se a ferramenta SERVQUAL adaptada é adequada para a mensuração da qualidade de serviços da área de tecnologia da informação prestados internamente em uma empresa. 3 METODOLOGIA 3 Escala de medida da qualidade de serviços (PARASURAMAN et al. 1988) 4 Outra escala de medida da qualidade de serviços (apud SALOMI, et al., 2005)

10 10 Este é um estudo descritivo de caráter quantitativo por se tratar de uma amostra grande e representativa. Um pesquisa descritiva, segundo Gil (1995, p.45), tem como objetivo primordial a descrição das características de uma determinada população, fenômeno ou estabelecimento de relação entre variáveis, e uma de suas características mais significativas está na utilização de técnicas padronizadas de coleta de dados. E, ainda para Polit e Hungler (1995, p.119) a pesquisa descritiva tem o propósito de observar, descrever e explorar aspectos de uma situação. Trata-se de uma amostra aleatória estratificada por microárea, composta de 400 (quatrocentas) pessoas que possuem 12 anos ou mais, que estavam aptas e que aceitaram o convite para participar do estudo de livre e espontânea vontade. Aproveitando as visitas dos ACS s às casas dos usuários atendidos pelo PSF Vila Esportiva, cada pesquisador repetiu o trajeto já traçado, aproveitando a oportunidade para apresentar a pesquisa e os esclarecimentos em relação à participação. Dessa forma, sucessivamente, a amostra foi completada depois que cada pesquisador (quatro no total) realizou 100 (cem) entrevistas. Para que não houvesse repetição de participantes, contou-se com o controle realizado pelo próprio ACS de cada microárea. A realização da pesquisa aconteceu no período compreendido entre os dia 11 de junho/2008 a 15 de junho/ Atendendo às normas éticas da resolução 196 (de 10/10/96 do CONEP- Comissão Nacional em Pesquisa / Ministério da Saúde) sobre pesquisas científicas envolvendo seres humanos e resguardando o respeito à dignidade dos participantes, as pessoas que foram entrevistadas assinaram um termo de consentimento livre e esclarecido no qual Se comprometeu a manter o sigilo sobre as informações, o anonimato em relação às respostas dadas, além de resguardar os direitos dos mesmos durante a realização do estudo. A utilização das informações coletadas foram relacionadas a números que identificam os conjuntos de respostas. Em nenhum momento houve o cruzamento das informações com os nomes dos entrevistados, somente aos números de registro da Amostragem. A coleta de dados foi realizada com o uso de um questionário baseado escala Servqual de Parassuraman et al (1988), que teve como objetivo avaliar o grau de satisfação dos usuários cadastrados na UBS do bairro Vila Esportiva em Vespasiano (MG) com relação aos serviços de enfermagem prestados pela equipe do PSF.

11 11 O questionário contém conjuntos de questões relacionadas à: (a) identificação e caracterização do respondente (questões de 1 a 7 e 35); (b) questões sobre a percepção do serviço pelo usuário (questões de 8 a 34 e 36). As questões sobre percepção levou em conta as 5 dimensões da qualidade de serviços apontadas como as principais do ponto de vista do usuário. Assim que o Comitê de Ética em Pesquisa da FASEH, responsável pela avaliação deste projeto, liberou o parecer favorável, o questionário foi informalmente submetido a testes. O intuito foi testar o entendimento das questões e medir o tempo de duração das entrevistas. Como foi necessário, foram feitas pequenas mudanças de palavras e na ordem das questões para melhor entendimento do instrumento por parte dos entrevistados. Os dados obtidos foram inseridos em um banco de dados utilizando os softwares Minitab e Excel. Foi criado um banco de dados com as variáveis que correspondiam a cada questão contida no questionário. Posteriormente, os dados foram analisados utilizando técnicas da estatística descritiva, como a análise de freqüência das respostas e cruzamento de informações. Os resultados obtidos foram expostos em tabelas e gráficos. Os resultados obtidos durante o estudo, além de terem sido utilizados na elaboração do trabalho de conclusão de curso e de estarem à disposição dos participantes que colaboraram com as informações prestadas, serão apresentados à equipe de profissionais de saúde e os demais que trabalham na unidade de saúde pesquisada, depois de ser avaliado pela banca examinadora. Têm,-se com isso, o intuito de oferecer um retorno favorável para os usuários, tendo em vista que a pesquisa se propõe a medir a satisfação dos mesmos em relação aos serviços prestados pelo PSF. 4 ANÁLISE DOS RESULTADOS Considerando que a metodologia proposta para coleta, análise e discussão dos dados foi adequada ao tipo de estudo, a seguir serão apresentados os principais resultados encontrados. As principais características da amostra se referem às pessoas que utilizam com freqüência os serviços dos SUS Sistema Único de Saúde (76%), sendo que (63%) são

12 12 atendidos pelo PSF Vila Esportiva Vespasiano (MG) que afirmam não possuir outra opção (27%) e nem plano de saúde (82%). Nota-se que do total dos entrevistados, 27% pertencem a Microárea 3, dado aleatório que não interferiu diretamente na análise da avaliação geral da percepção dos usuários em relação à qualidade dos serviços. Em relação à faixa etária, do total dos entrevistados, 34% têm de 19 a 39 anos, uma maioria de respondentes jovens. Em relação à renda familiar, 76% dos entrevistados possuem de 1 a 3 salários mínimos/mês. Percebe-se que a atenção dispensada pelos profissionais (46%) está entre os aspectos mais valorizados para os usuários, destacando também a questão da confiabilidade nos profissionais (23%). Com o cruzamento de dados reforça-se o nível de concordância dos respondentes quanto à confiabilidade do PSF Vila Esportiva. Evidencia-se uma tendência central da resposta dos usuários compreendidos na faixa etária acima de 65 anos. O estudo apresentou uma distribuição quase eqüitativa entre a resposta neutra e a concordância dos respondentes da microárea 3 e uma tendência central da resposta dos usuários da microárea 6. De acordo com os entrevistados fica evidenciado que o tempo de espera (59%) e o item menos valorizado pelos usuários sem destaque para nenhuma outra questão. Das questões utilizadas para avaliar os aspectos físicos pode-se extrair uma média de 43% dos entrevistados que consideraram de boa qualidade as instalações, os equipamentos, o visual e a limpeza da unidade. Das questões utilizadas para avaliar a confiabilidade do PSF Vila Esportiva, o nível de concordância foi em média 45% do total de entrevistados, no que diz respeito ao risco de contaminação, interesse pelo usuário, desempenho correto das atividades pelos profissionais e atualizações de registros e prontuários. Analisando a prontidão de respostas do PSF Vila Esportiva foi detectado que em média 45% do total de entrevistados, concordam que os profissionais estão sempre prontos para dispensar atenção aos usuários e atender as suas necessidades. Existe um reforço a esta afirmação, demonstrando que 54% dos usuários percebem a disponibilidade dos funcionários.

13 13 A concordância de em média 50% dos entrevistados evidenciou a satisfação com a segurança e confiança no PSF Vila Esportiva. O comportamento e as atitudes dos profissionais, a segurança em utilizar os serviços, a competência dos profissionais para atender ás expectativas dos usuários foram os aspectos mais destacados. A interação entre os funcionários do PSF Vila Esportiva e os usuários é um item de extrema relevância visto que, a empatia apresentou um nível de concordância de aproximadamente 45% dos entrevistados considerando a atenção individual, o horário de atendimento, o interesse pelos usuários e o entendimento de suas necessidades individuais. Para a avaliação do grau de satisfação geral com a qualidade de serviços do PSF Vila Esportiva foi solicitado aos respondentes uma nota variando de 0 a 10 pontos. A média geral foi de 6,47 pontos evidenciando que expressa um contentamento com os serviços prestados pela unidade. Visando a melhoria na qualidade dos serviços prestados pelo PSF Vila Esportiva foi solicitado aos usuários sugestões. Para melhor entendimento as respostas foram agrupadas em cinco categorias distintas, sendo elas: aumentar o número de profissionais na unidade, melhorarem a organização da unidade, mudança de gestores dos serviços, mudança na estrutura dos serviços e pessoas que não quiseram opinar. Além das cinco categorias distintas especificadas, as sugestões ainda foram subdivididas em subcategorias. De todas as sugestões a mais relevante se refere a 1ª categoria colocar mais médicos na unidade. 5 CONSIDERAÇÕES FINAIS Considerando o objetivo de avaliar a satisfação dos usuários em relação aos cuidados de saúde prestados pelos funcionários que atuam no Programa de Saúde da Família (PSF) Vila Esportiva da cidade de Vespasiano MG, pode-se afirmar que a metodologia utilizada foi adequada e suficiente para realizar as análises devidas e gerar um elenco de sugestões para melhorar os serviços. O instrumento de coleta de dados utilizado permitiu avaliar a satisfação dos usuários, visto que é um material referendado e testado em diversos tipos de serviços.

14 14 Por isto, foi possível verificar a percepção e a avaliação dos usuários sobre os aspectos tangíveis, a confiabilidade, a presteza, a garantia e empatia, além das dimensões analíticas propostas: o acesso e disponibilidade, a infra-estrutura, o acolhimento, a relação entre usuários e profissionais, bem como, a eficácia na prestação dos serviços. Concluiu-se, então, que os entrevistados não possuem plano de saúde e utilizam com freqüência os serviços dos SUS Sistema Único de Saúde. A maioria está compreendida em uma faixa etária de 19 a 39 anos, com renda familiar que gira em torno de 01 a 03 salários mínimos. São pessoas que utilizam os serviços do PSF Vila Esportiva por não possuir outra opção. Dentre os itens analisados, a atenção dispensada pelos profissionais e a confiabilidade estão entre os aspectos mais valorizados pelos usuários e, por outro lado, o tempo de espera foi o item menos valorizado. Os aspectos físicos, tais como: as instalações, os equipamentos, o visual e a limpeza da unidade foram bem avaliados, recebendo pelos entrevistados conceitos que variam de bom a muito bom. Apesar dos demais aspectos apresentarem uma tendência central na maioria das questões, a avaliação do grau de satisfação geral com a qualidade de serviços do PSF Vila Esportiva teve uma média geral de 6,47 pontos, confirmando um contentamento com os serviços prestados pela unidade. Dentre as principais sugestões dadas pelos usuários para a melhoria da qualidade dos serviços, destacam-se: aumentar o número de profissionais (principalmente médicos), melhorar a organização e estrutura da unidade, além de um percentual importante de pessoas que não opinaram. Portanto, a avaliação da qualidade de serviços faz-se necessária para o entendimento das lacunas existentes, entre a percepção dos usuários em relação ao serviço prestado e a percepção dos gestores dos serviços em relação às estratégias para a operacionalização das atividades no dia a dia. É desafiante acompanhar e mensurar a evolução/regressão da qualidade dos serviços devido à complexidade de entendimento dos resultados imprevisíveis da interação entre usuário/prestador de serviços. REFERÊNCIAS

15 15 AZEVEDO, Luiz Otávio de; QUEIROZ, Rita Suely Bacuri; REZENDE, Carlos Eduardo Menezes de. Caderno de Saúde Pública. Rio de Janeiro, 21 Sup:S25-S32, SECRETARIA de Políticas Públicas da Saúde: Guia Prático Do Programa Saúde da Família. Brasília: Ministério da Saúde, DONABEDIAN, A. La Calidad de La Atención Médica- definición y métodos de evaluación BRASIL. Secretaria Nacional de Assistência Técnica à Saúde. ABC do Sus: Doutrinas e princípios. Brasília: Ministério da Saúde, BRASIL. México DF: La Prensa; ESPERIDIÃO, Monique; TRAD, Leny Alves Bomfim. Avaliação de satisfação de usuários. In: Ciência e Saúde Coletiva, setembro-dezembro, ano/vol.10, número suplemento. Associação Brasileira de Pós-Graduação em Saúde Coletiva. Rio de Janeiro: [ S.n], GIL, Célia Regina Rodrigues. Atenção primária, atenção básica e saúde da família: sinergias e singularidades do contexto brasileiro. Cad. Saúde Pública. V.22 n.6 Rio de Janeiro jun GOUVEIA, Giselle Campozana; WAYNER, Vieira de Souza; LUNA, Carlos F.; SOUZA-JÚNIOR, Paulo Roberto Borges de; SZWARCWALD, Célia Landmann. Health care users satisfaction in Brazil, In: Caderno de Saúde Pública, Rio de Janeiro, 21 Sup:S109-S118, KOTAKA, Filomena; PACHECO, Maria Lícia R.; HIGAKI, Yasue. Avaliação pelos usuários dos hospitais participantes do programa de qualidade hospitalar no Estado de São Paulo. In: Revista de Saúde Pública vol.31 no.2 São Paulo, apr., LEMME, Antônio C.; NORONHA, Gerson; RESENDE, José B. Satisfação do usuário em hospital universitário. In: Revista de Saúde Pública vol.25 no.1 São Paulo, feb., LIMAS, César Eduardo Abud; SCANDELARI, Luciano; KOVALESKI, João Luiz. A ferramenta SERVQUAL para avaliação da diferença de percepções da qualidade do serviço interno de tecnologia de informação. Aplicação do Servqual em Escolas de Idiomas. In: Congresso Nacional de Administração. Ponta Grossa, setembro de Disponível em: < Acesso em:

16 16 MELLO, Mariana Serrejordia Rocha de; PEREIRA, Marco Antônio Carvalho; ARAÚJO, Alice Inês Guimarães. Aplicação do SERVQUALem Escolas de Idiomas. In: XXII Encontro Nacional de Engenharia de Produção. Curitiba, outubro de Disponível em:< >. Acesso em: MINISTÉRIO DA SAÚDE. Manual de Enfermagem: Programa Saúde da Famíla. IDS, USP, Fundação Telefônica. São Paulo, Disponível em: < >. Acesso em: PARASURAMAN, A, Zeitham; BERRY, L. A Multiple item scacale for measuring customer perceptions of service quality. Journal of Rtailing POLIT, D. F. HUNGLER, B. P. Fundamentos de pesquisa em enfermagem. 3. ed. Porto Alegre: Artes Médicas, p. REIS, Izabel Cristina da Silva. A Escala Servqual Modificada: avaliação da qualidade percebida do serviço de lazer oferecido por um complexo poliesportivo num parque florestal f. Dissertação (Mestrado) Universidade Federal de Santa Catarina, Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção, Florianópolis. SALOMI, Gilberto Gabriel Eid; MIGUEL, Paulo Augusto Cauchick; ABACKERLI, Álvaro José. SERVQUAL x SERVPERF: Comparação entre Instrumentos para Avaliação da Qualidade de Serviços Internos. Gestão & Produção, v.12, n.2, p , mai.-ago SZWARCWALD, Célia Landmann; VIACAVA, Francisco. Pesquisa Mundial de Saúde no Brasil, In: Caderno de Saúde Pública, Rio de Janeiro, 21 Sup:S4-S5, ZEITHAML, V.A.; BITNER, M.J. Services Marketing: integrating customer across the firm. 3 ed. New York: McGraw-Hill. Jul, 2002.

Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I. Atenção Básica e a Saúde da Família 1

Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I. Atenção Básica e a Saúde da Família 1 Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I Atenção Básica e a Saúde da Família 1 O acúmulo técnico e político dos níveis federal, estadual e municipal dos dirigentes do SUS (gestores do SUS) na implantação

Leia mais

SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE X ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO EM UNIDADES BÁSICAS DE SAÚDE INTRODUÇÃO

SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE X ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO EM UNIDADES BÁSICAS DE SAÚDE INTRODUÇÃO LÍVIA CRISTINA FRIAS DA SILVA SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE X ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO EM UNIDADES BÁSICAS DE SAÚDE Ms. Maria de Fátima Lires Paiva Orientadora São Luís 2004 INTRODUÇÃO Sistema Único de Saúde - Universalidade

Leia mais

TÍTULO: ALUNOS DE MEDICINA CAPACITAM AGENTES COMUNITÁRIOS NO OBAS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE

TÍTULO: ALUNOS DE MEDICINA CAPACITAM AGENTES COMUNITÁRIOS NO OBAS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE TÍTULO: ALUNOS DE MEDICINA CAPACITAM AGENTES COMUNITÁRIOS NO OBAS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: MEDICINA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE CIDADE DE SÃO PAULO AUTOR(ES): THAIS

Leia mais

INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR

INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR SANTOS, Elaine Ferreira dos (estagio II), WERNER, Rosiléa Clara (supervisor), rosileawerner@yahoo.com.br

Leia mais

NÍVEL DE CONHECIMENTO DOS PROFISSIONAIS ENFERMEIROS SOBRE A SAÚDE DO HOMEM NO MUNICÍPIO DE CAJAZEIRAS-PB.

NÍVEL DE CONHECIMENTO DOS PROFISSIONAIS ENFERMEIROS SOBRE A SAÚDE DO HOMEM NO MUNICÍPIO DE CAJAZEIRAS-PB. NÍVEL DE CONHECIMENTO DOS PROFISSIONAIS ENFERMEIROS SOBRE A SAÚDE DO HOMEM NO MUNICÍPIO DE CAJAZEIRAS-PB. Antonio José Barbosa Neto (ajbneto_@hotmail.com) 1 Ceciliana Araújo Leite (cecidemais@hotmail.com)

Leia mais

Adultos Jovens no Trabalho em Micro e Pequenas Empresas e Política Pública

Adultos Jovens no Trabalho em Micro e Pequenas Empresas e Política Pública Capítulo 3 Adultos Jovens no Trabalho em Micro e Pequenas Empresas e Política Pública Maria Inês Monteiro Mestre em Educação UNICAMP; Doutora em Enfermagem USP Professora Associada Depto. de Enfermagem

Leia mais

ANÁLISE DO SISTEMA DE REGULAÇÃO DO MUNICÍPIO DE HIDROLÂNDIA/GO. Palavras-chave: Sistema de Regulação. Descentralização, Regionalização e Referência.

ANÁLISE DO SISTEMA DE REGULAÇÃO DO MUNICÍPIO DE HIDROLÂNDIA/GO. Palavras-chave: Sistema de Regulação. Descentralização, Regionalização e Referência. ANÁLISE DO SISTEMA DE REGULAÇÃO DO MUNICÍPIO DE HIDROLÂNDIA/GO Nara FUKUYA 1 ; Ana Elisa Bauer Camargo SILVA 2 1,2 Universidade Federal de Goiás, Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós Graduação, Núcleo de Estudo

Leia mais

O Trabalho do Assistente Social no Contexto Hospitalar em Porto Alegre: Uma Análise na Perspectiva do Trabalho em Equipe

O Trabalho do Assistente Social no Contexto Hospitalar em Porto Alegre: Uma Análise na Perspectiva do Trabalho em Equipe 1378 O Trabalho do Assistente Social no Contexto Hospitalar em Porto Alegre: Uma Análise na Perspectiva do Trabalho em Equipe V Mostra de Pesquisa da Pós- Graduação Cristiane Ferraz Quevedo de Mello 1,

Leia mais

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 RECURSOS HUMANOS EM UMA ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR COM PERSPECTIVA DE DESENVOLVIVENTO DO CLIMA ORGANIZACONAL: O CASO DO HOSPITAL WILSON ROSADO EM MOSSORÓ RN

Leia mais

III Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - campus Bambuí III Jornada Científica 19 a 23 de Outubro de 2010

III Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - campus Bambuí III Jornada Científica 19 a 23 de Outubro de 2010 PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS PACIENTES ATENDIDOS EM UM PRONTO ATENDIMENTO MUNICIPAL DA REGIÃO CENTRO-OESTE DO ESTADO DE MINAS GERAIS SEGUNDO A CLASSIFICAÇÃO DE RISCO André LUÍS RIBEIRO DOS SANTOS 1 ; Ricardo

Leia mais

Chegar até as UBS nem sempre foi fácil...

Chegar até as UBS nem sempre foi fácil... Chegar até as UBS nem sempre foi fácil... Encontramos diversidade nas estruturas, modo de organização e escopo das ações de APS... O registro de campo como instrumento de pesquisa percepção dos entrevistadores

Leia mais

Título: Autores: Unidade Acadêmica: INTRODUÇÃO

Título: Autores: Unidade Acadêmica: INTRODUÇÃO Título: AVALIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE ASSISTÊNCIA EM SAÚDE AO IDOSO NO MUNÍCIPIO DE ANÁPOLIS-EFETIVIDADE E RESOLUTIVIDADE Autores: Júlia Maria Rodrigues de OLIVEIRA, Marta Rovery de SOUZA. Unidade Acadêmica:

Leia mais

A INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA EQUIPE MULIDISCIPLINAR DO PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA NO MUNICÍPIO DE MEDIANEIRA - PR

A INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA EQUIPE MULIDISCIPLINAR DO PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA NO MUNICÍPIO DE MEDIANEIRA - PR A INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA EQUIPE MULIDISCIPLINAR DO PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA NO MUNICÍPIO DE MEDIANEIRA - PR 1.1 1.2 Cheile Kátia da Silva 1. Michelly Laurita Wiese 1.3 INTRODUÇÃO: De acordo com

Leia mais

PROPOSTA PARA CASAS DE APOIO PARA ADULTOS QUE VIVEM COM HIV/AIDS - ESTADO DE SANTA CATARINA

PROPOSTA PARA CASAS DE APOIO PARA ADULTOS QUE VIVEM COM HIV/AIDS - ESTADO DE SANTA CATARINA ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE DIRETORIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA PROPOSTA PARA CASAS DE APOIO PARA ADULTOS QUE VIVEM COM HIV/AIDS - ESTADO DE SANTA CATARINA

Leia mais

SITUAÇÃO DOS RECURSOS HUMANOS DA ÁREA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NAS IFES

SITUAÇÃO DOS RECURSOS HUMANOS DA ÁREA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NAS IFES SITUAÇÃO DOS RECURSOS HUMANOS DA ÁREA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NAS IFES Introdução A questão dos recursos humanos na área de Tecnologia da Informação é assunto de preocupação permanente no Colégio de

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA PREFEITURA DE JUIZ FORA SECRETARIA DE SAÚDE PROGRAMA DE EDUCAÇÃO PELO TRABALHO PARA A SAÚDE PET SAÚDE

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA PREFEITURA DE JUIZ FORA SECRETARIA DE SAÚDE PROGRAMA DE EDUCAÇÃO PELO TRABALHO PARA A SAÚDE PET SAÚDE UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA PREFEITURA DE JUIZ FORA SECRETARIA DE SAÚDE PROGRAMA DE EDUCAÇÃO PELO TRABALHO PARA A SAÚDE PET SAÚDE UAPS INDUSTRIAL Construindo planejamento em saúde JUIZ DE FORA

Leia mais

O advento das mídias sociais digitais e o mercado de trabalho para o profissional de relações públicas

O advento das mídias sociais digitais e o mercado de trabalho para o profissional de relações públicas O advento das mídias sociais digitais e o mercado de trabalho para o profissional de relações públicas Julie Caroline de Alcântara Universidade do Sagrado Coração, Bauru/SP E-mail: juliealcantara.31@gmail.com

Leia mais

Análise: Pesquisa Qualidade de Vida 2013 Fase 2 e 3

Análise: Pesquisa Qualidade de Vida 2013 Fase 2 e 3 Análise: Pesquisa Qualidade de Vida 2013 Fase 2 e 3 Resumo: A pesquisa de Qualidade de Vida é organizada pela ACIRP e pela Fundace. Teve início em 2009, inspirada em outros projetos já desenvolvidos em

Leia mais

SUSTENTABILIDADE NA LOGÍSTICA REVERSA: ANÁLISE EMPÍRICA DE MULTIPLOS CASOS

SUSTENTABILIDADE NA LOGÍSTICA REVERSA: ANÁLISE EMPÍRICA DE MULTIPLOS CASOS 181 SUSTENTABILIDADE NA LOGÍSTICA REVERSA: ANÁLISE EMPÍRICA DE MULTIPLOS CASOS Valdecir Cahoni Rodrigues 1, Alvaro Costa Jardim Neto 2, Nilmaer Souza da Silva 1 1 Universidade do Oeste Paulista UNOESTE.

Leia mais

PARECER COREN-SP 006/2014 CT PRCI n 103.887/2013 Tickets nº 313.574 e 318.785

PARECER COREN-SP 006/2014 CT PRCI n 103.887/2013 Tickets nº 313.574 e 318.785 PARECER COREN-SP 006/2014 CT PRCI n 103.887/2013 Tickets nº 313.574 e 318.785 Ementa: Acesso ao prontuário e anotação pelo Agente Comunitário de Saúde. 1. Do fato Enfermeira que atua em Estratégia Saúde

Leia mais

5.1 Nome da iniciativa ou Projeto. Academia Popular da Pessoa idosa. 5.2 Caracterização da Situação Anterior

5.1 Nome da iniciativa ou Projeto. Academia Popular da Pessoa idosa. 5.2 Caracterização da Situação Anterior 5.1 Nome da iniciativa ou Projeto Academia Popular da Pessoa idosa 5.2 Caracterização da Situação Anterior O envelhecimento é uma realidade da maioria das sociedades. No Brasil, estima-se que exista, atualmente,

Leia mais

MAPEAMENTO E ORGANIZAÇÃO DOS PROGRAMAS E PROJETOS DE EXTENSÃO PARA A CONSTRUÇÃO DO CATÁLOGO DE EXTENSÃO DA FURG 2009-2012

MAPEAMENTO E ORGANIZAÇÃO DOS PROGRAMAS E PROJETOS DE EXTENSÃO PARA A CONSTRUÇÃO DO CATÁLOGO DE EXTENSÃO DA FURG 2009-2012 MAPEAMENTO E ORGANIZAÇÃO DOS PROGRAMAS E PROJETOS DE EXTENSÃO PARA A CONSTRUÇÃO DO CATÁLOGO DE EXTENSÃO DA FURG 2009-2012 Simone Machado Firme FURG 1 Karine Vargas Oliveira FURG 2 Michele Fernanda Silveira

Leia mais

SAÚDE. Coordenador: Liliane Espinosa de Mello

SAÚDE. Coordenador: Liliane Espinosa de Mello Coordenador: Liliane Espinosa de Mello SAÚDE Visão: Que Santa Maria seja o principal Polo na Área de Saúde do interior do Rio Grande do Sul, contribuindo para a melhor qualidade de vida da população da

Leia mais

1 O texto da Constituição Federal de 1988 diz: Art. 7. São direitos dos trabalhadores urbanos e

1 O texto da Constituição Federal de 1988 diz: Art. 7. São direitos dos trabalhadores urbanos e 1 Introdução A presente pesquisa tem como objeto de estudo a inserção da pessoa com deficiência física no mercado de trabalho. Seu objetivo principal é o de compreender a visão que as mesmas constroem

Leia mais

SAÚDE MENTAL NA RODA :A SENSIBILIZAÇÃO DOS TRABALHADORES DA REDE DE ATENÇÃO BÁSICA

SAÚDE MENTAL NA RODA :A SENSIBILIZAÇÃO DOS TRABALHADORES DA REDE DE ATENÇÃO BÁSICA SAÚDE MENTAL NA RODA :A SENSIBILIZAÇÃO DOS TRABALHADORES DA REDE DE ATENÇÃO BÁSICA Romaldo Bomfim Medina Jr 1 Luciane Silva Ramos 2 Fernanda Franceschi de Freitas 3 Carmem Lúcia Colomé Beck 4 O movimento

Leia mais

Pesquisa Semesp 2009. Índice de Imagem e Reputação

Pesquisa Semesp 2009. Índice de Imagem e Reputação Pesquisa Semesp 2009 Índice de Imagem e Reputação Uma ferramenta estratégica para a qualidade de mercado Desvendar qual é a real percepção de seus públicos estratégicos com relação à atuação das instituições

Leia mais

PESQUISA DE SATISFAÇÃO 2009

PESQUISA DE SATISFAÇÃO 2009 PESQUISA DE SATISFAÇÃO 2009 Realização: Elaboração: Premissas A Percepção do Cliente Qualidade do e das instalações, Acesso Relacionamento com o Setor (expectativas) Apoio do SindusCon-SP Objetivos Explicitar

Leia mais

Como se Tornar um Município Amigo do Idoso. Critérios para a Obtenção do Selo de Município Amigo do Idoso

Como se Tornar um Município Amigo do Idoso. Critérios para a Obtenção do Selo de Município Amigo do Idoso Como se Tornar um Município Amigo do Idoso Critérios para a Obtenção do Selo de Município Amigo do Idoso 2 3 GERALDO ALCKMIN Governador do Estado de São Paulo ROGERIO HAMAM Secretário de Estado de Desenvolvimento

Leia mais

QUESTIONÁRIO DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA

QUESTIONÁRIO DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA Este questionário tem por objetivo fazer com que a sociedade participe da gestão pública, exercendo controle sobre as despesas efetuadas e orientando aos órgãos do governo para que adotem medidas que realmente

Leia mais

Relatório da IES ENADE 2012 EXAME NACIONAL DE DESEMEPNHO DOS ESTUDANTES GOIÁS UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS

Relatório da IES ENADE 2012 EXAME NACIONAL DE DESEMEPNHO DOS ESTUDANTES GOIÁS UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS Relatório da IES ENADE 2012 EXAME NACIONAL DE DESEMEPNHO DOS ESTUDANTES GOIÁS UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais G O V E R N O F E D E R A L P A Í S R

Leia mais

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: SERVIÇO

Leia mais

PORTARIA Nº 1.944, DE 27 DE AGOSTO DE 2009

PORTARIA Nº 1.944, DE 27 DE AGOSTO DE 2009 PORTARIA Nº 1.944, DE 27 DE AGOSTO DE 2009 Institui no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS), a Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem. O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso das atribuições

Leia mais

Avaliação da Qualidade do Congresso Brasileiro de Informática em Saúde de 2004

Avaliação da Qualidade do Congresso Brasileiro de Informática em Saúde de 2004 Avaliação da Qualidade do Congresso Brasileiro de Informática em Saúde de 2004 Evandro Eduardo Seron Ruiz Departamento de Física F e Matemática tica Faculdade de Filosofia Ciências e Letras de Ribeirão

Leia mais

SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE COORDENAÇÃO GERAL DIRETORIA GERAL DE PLANEJAMENTO - GERÊNCIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA

SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE COORDENAÇÃO GERAL DIRETORIA GERAL DE PLANEJAMENTO - GERÊNCIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA NOTA TÉCNICA 03/13 PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAÚDE ORIENTAÇÕES GERAIS PARA ELABORAÇÃO - 2014 Introdução: O Planejamento é uma tecnologia de gestão que visa articular mudanças e aprimorar o desempenho dos sistemas

Leia mais

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO Autoria: Elaine Emar Ribeiro César Fonte: Critérios Compromisso com a Excelência e Rumo à Excelência

Leia mais

O PROGRAMA SAÚDE DA FAMILIA NA COMPREENSÃO DOS AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE

O PROGRAMA SAÚDE DA FAMILIA NA COMPREENSÃO DOS AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE O PROGRAMA SAÚDE DA FAMILIA NA COMPREENSÃO DOS AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE VIDAL, Kiussa Taina Geteins; LIMA, Flávia Patricia Farias; SOUZA, Alcy Aparecida Leite; LAZZAROTTO, Elizabeth Maria; MEZA, Sheila

Leia mais

42º Congresso Bras. de Medicina Veterinária e 1º Congresso Sul-Brasileiro da ANCLIVEPA - 31/10 a 02/11 de 2015 - Curitiba - PR 1

42º Congresso Bras. de Medicina Veterinária e 1º Congresso Sul-Brasileiro da ANCLIVEPA - 31/10 a 02/11 de 2015 - Curitiba - PR 1 1 ESTIMATIVA DA POPULAÇÃO CANINA E FELINA NOS ANOS 2010 E 2013 E PERCEPÇÃO DAS PESSOAS QUANTO A GUARDA RESPONSÁVEL NO MUNICÍPIO DE SÃO JOSÉ DOS PINHAIS - BAIRRO GUATUPÊ LUCAS GALDIOLI 1, RAFAELA FURIOSO

Leia mais

CHAMADA DE ARTIGOS do SUPLEMENTO TEMÁTICO A EDUCAÇÃO POPULAR EM SAÚDE NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE

CHAMADA DE ARTIGOS do SUPLEMENTO TEMÁTICO A EDUCAÇÃO POPULAR EM SAÚDE NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE 1 CHAMADA DE ARTIGOS do SUPLEMENTO TEMÁTICO A EDUCAÇÃO POPULAR EM SAÚDE NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE No dia 16 de novembro último, durante o 10o Congresso Brasileiro de Saúde Coletiva, realizado em Porto

Leia mais

DOENÇA FALCIFORME: AÇÕES EDUCATIVAS REALIZADAS NA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE DE MINAS GERAIS. Ruth Santos Fontes Silva

DOENÇA FALCIFORME: AÇÕES EDUCATIVAS REALIZADAS NA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE DE MINAS GERAIS. Ruth Santos Fontes Silva DOENÇA FALCIFORME: AÇÕES EDUCATIVAS REALIZADAS NA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE DE MINAS GERAIS Ruth Santos Fontes Silva Autores Ruth Santos Fontes Silva 1, Ana Paula Pinheiro Chagas Fernandes 2, José Nélio

Leia mais

MOVIMENTO ESTUDANTIL E ATENÇÃO BÁSICA PROMOVENDO MUDANÇAS EM SAÚDE: AVANÇOS NO CONTROLE SOCIAL DO SUS

MOVIMENTO ESTUDANTIL E ATENÇÃO BÁSICA PROMOVENDO MUDANÇAS EM SAÚDE: AVANÇOS NO CONTROLE SOCIAL DO SUS MOVIMENTO ESTUDANTIL E ATENÇÃO BÁSICA PROMOVENDO MUDANÇAS EM SAÚDE: AVANÇOS NO CONTROLE SOCIAL DO SUS INTRODUÇÃO Marcelo Machado Sassi 1 Indiara Sartori Dalmolin 2 Priscila de Oliveira Rodrigues 3 Fabiane

Leia mais

PROCESSO DE TRABALHO GERENCIAL: ARTICULAÇÃO DA DIMENSÃO ASSISTENCIAL E GERENCIAL, ATRAVÉS DO INSTRUMENTO PROCESSO DE ENFERMAGEM.

PROCESSO DE TRABALHO GERENCIAL: ARTICULAÇÃO DA DIMENSÃO ASSISTENCIAL E GERENCIAL, ATRAVÉS DO INSTRUMENTO PROCESSO DE ENFERMAGEM. PROCESSO DE TRABALHO GERENCIAL: ARTICULAÇÃO DA DIMENSÃO ASSISTENCIAL E GERENCIAL, ATRAVÉS DO INSTRUMENTO PROCESSO DE ENFERMAGEM. Gabriela Marchiori CARMO AZZOLIN * Marina PEDUZZI** Introdução: O pressuposto

Leia mais

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS INTRODUÇÃO Com base no Programa Nacional de Reestruturação dos Hospitais Universitários Federais - REHUF, destinado à reestruturação e revitalização dos hospitais das universidades federais, integrados

Leia mais

DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÕES DE TRABALHO PRECOCE

DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÕES DE TRABALHO PRECOCE Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 18 a 22 de outubro, 2010 337 DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM

Leia mais

Os serviços, objetos desse termo de referência, deverão ser desenvolvidos em 03 (três) etapas, conforme descrição a seguir:

Os serviços, objetos desse termo de referência, deverão ser desenvolvidos em 03 (três) etapas, conforme descrição a seguir: Termo de Referência 1. Objeto Contratação de empresa especializada em gestão de saúde para execução de atividades visando a reestruturação do modelo de atenção à saúde, objetivando diagnosticar novas proposituras

Leia mais

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html Página 1 de 5 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 1.559, DE 1º DE AGOSTO DE 2008 Institui a Política Nacional

Leia mais

RELATÓRIO DE PESQUISA

RELATÓRIO DE PESQUISA 2011 14 RELATÓRIO DE PESQUISA Relatório da Pesquisa de Satisfação dos Usuários do SUS quanto aos aspectos de acesso e qualidade percebida na atenção à saúde, mediante inquérito amostral. Ministério da

Leia mais

O PROCESSO GERENCIAR DA ENFERMAGEM NO CENTRO CIRÚRGICO EM UM HOSPITAL REGIONAL NO MUNÍCIPIO DE PAU DOS FERROS, RN, BRASIL.

O PROCESSO GERENCIAR DA ENFERMAGEM NO CENTRO CIRÚRGICO EM UM HOSPITAL REGIONAL NO MUNÍCIPIO DE PAU DOS FERROS, RN, BRASIL. ÁREA TEMÁTICA: Enfermagem O PROCESSO GERENCIAR DA ENFERMAGEM NO CENTRO CIRÚRGICO EM UM HOSPITAL REGIONAL NO MUNÍCIPIO DE PAU DOS FERROS, RN, BRASIL. CARVALHO, Sancherleny Bezerra de. Acadêmica do 6º período

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05 RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05 Aprova a NBC T 11.8 Supervisão e Controle de Qualidade. O Conselho Federal de Contabilidade, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, Considerando que as Normas

Leia mais

REGULAÇÃO DOS SERVIÇOS ODONTOLÓGICOS DO COMPLEXO REGULADOR DE FLORIANÓPOLIS

REGULAÇÃO DOS SERVIÇOS ODONTOLÓGICOS DO COMPLEXO REGULADOR DE FLORIANÓPOLIS TÍTULO DA PRÁTICA: REGULAÇÃO DOS SERVIÇOS ODONTOLÓGICOS DO COMPLEXO REGULADOR DE FLORIANÓPOLIS CÓDIGO DA PRÁTICA: T66 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 Complexo Regulador caracteriza-se

Leia mais

componente de avaliação de desempenho para sistemas de informação em recursos humanos do SUS

componente de avaliação de desempenho para sistemas de informação em recursos humanos do SUS Informação como suporte à gestão: desenvolvimento de componente de avaliação de desempenho para sistemas de Esta atividade buscou desenvolver instrumentos e ferramentas gerenciais para subsidiar a qualificação

Leia mais

Marketing Social. & Hospitais Serviço Nacional de Saúde. (Re) Conhecer as Mudanças 22 novembro 2014

Marketing Social. & Hospitais Serviço Nacional de Saúde. (Re) Conhecer as Mudanças 22 novembro 2014 Marketing Social & Hospitais Serviço Nacional de Saúde. (Re) Conhecer as Mudanças 22 novembro 2014 Cristina Vaz de Almeida cvalmeida@iol.pt cristina.vazalmeida@scml.pt MARKETING SOCIAL E HOSPITAIS, 22

Leia mais

QUALIDADE NO REPROCESSAMENTO DE ARTIGOS PELO VAPOR SATURADO SOB PRESSÃO. Unidade Acadêmica: Núcleo de Estudos em Saúde Coletiva - NESC/UFG

QUALIDADE NO REPROCESSAMENTO DE ARTIGOS PELO VAPOR SATURADO SOB PRESSÃO. Unidade Acadêmica: Núcleo de Estudos em Saúde Coletiva - NESC/UFG QUALIDADE NO REPROCESSAMENTO DE ARTIGOS PELO VAPOR SATURADO SOB PRESSÃO. Alline Cristhiane da Cunha MENDONÇA 1 ; Ana Lúcia Queiroz BEZERRA 2 ; Anaclara Ferreira Veiga TIPPLE 3. Unidade Acadêmica: Núcleo

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Mortalidade Infantil. Epidemiologia dos Serviços de Saúde. Causas de Morte.

PALAVRAS-CHAVE: Mortalidade Infantil. Epidemiologia dos Serviços de Saúde. Causas de Morte. ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA Jessica Neves Pereira (latiifa@hotmail.com)

Leia mais

5 Conclusão e Considerações Finais

5 Conclusão e Considerações Finais 5 Conclusão e Considerações Finais Neste capítulo são apresentadas a conclusão e as considerações finais do estudo, bem como, um breve resumo do que foi apresentado e discutido nos capítulos anteriores,

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA SOBRE A UTILIZAÇÃO DE AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM COMO APOIO AO ENSINO SUPERIOR EM IES DO ESTADO DE SÃO PAULO

PROJETO DE PESQUISA SOBRE A UTILIZAÇÃO DE AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM COMO APOIO AO ENSINO SUPERIOR EM IES DO ESTADO DE SÃO PAULO 552 PROJETO DE PESQUISA SOBRE A UTILIZAÇÃO DE AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM COMO APOIO AO ENSINO SUPERIOR EM IES DO ESTADO DE SÃO PAULO Silvio Carvalho Neto (USP) Hiro Takaoka (USP) PESQUISA EXPLORATÓRIA

Leia mais

TRABALHO, SAÚDE, CIDADANIA E ENFERMAGEM: A PRODUÇÃO DO CONHECIMENTO DO GRUPO PRÁXIS.

TRABALHO, SAÚDE, CIDADANIA E ENFERMAGEM: A PRODUÇÃO DO CONHECIMENTO DO GRUPO PRÁXIS. TRABALHO, SAÚDE, CIDADANIA E ENFERMAGEM: A PRODUÇÃO DO CONHECIMENTO DO GRUPO PRÁXIS. Francine Lima Gelbcke 1, Celina Maria Araujo Tavares 2, Eliane Matos 3, Hosanna Pattrig Fertonani 4, Aldanéia Norma

Leia mais

EDITAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS MUNICÍPIO DE CAUCAIA-CE

EDITAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS MUNICÍPIO DE CAUCAIA-CE EDITAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS MUNICÍPIO DE CAUCAIA-CE 1. INTRODUÇÃO A ASSOCIAÇÃO BENEFICENTE LUZIA LOPES GADÊLHA, por meio do Termo Convênio nº 05/2015, como parte integrante do Projeto Fortalecendo

Leia mais

SAÚDE COMO UM DIREITO DE CIDADANIA

SAÚDE COMO UM DIREITO DE CIDADANIA SAÚDE COMO UM DIREITO DE CIDADANIA José Ivo dos Santos Pedrosa 1 Objetivo: Conhecer os direitos em saúde e noções de cidadania levando o gestor a contribuir nos processos de formulação de políticas públicas.

Leia mais

EDUCAÇÃO EM SERVIÇO, EDUCAÇÃO CONTINUADA, EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE: SINÔNIMOS OU DIFERENTES CONCEPÇÕES?

EDUCAÇÃO EM SERVIÇO, EDUCAÇÃO CONTINUADA, EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE: SINÔNIMOS OU DIFERENTES CONCEPÇÕES? EDUCAÇÃO EM SERVIÇO, EDUCAÇÃO CONTINUADA, EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE: SINÔNIMOS OU DIFERENTES CONCEPÇÕES? Beatriz Francisco Farah E-mail:biafarah@nates.ufjf.br A questão da educação para profissionais

Leia mais

Cenários Prospectivos do Poder Judiciário

Cenários Prospectivos do Poder Judiciário Cenários Prospectivos do Poder Judiciário Conselho Nacional de Justiça Departamento de Gestão Estratégica FGV Projetos I Introdução 1. Objetivo Objetivo principal: entender quais cenários futuros impactarão

Leia mais

Eduardo J. A. e SILVA 2 Camilla P. BRASILEIRO 3 Claudomilson F. BRAGA 4 Universidade Federal de Goiás, Goiânia, GO

Eduardo J. A. e SILVA 2 Camilla P. BRASILEIRO 3 Claudomilson F. BRAGA 4 Universidade Federal de Goiás, Goiânia, GO Estudo da proporção e o nível de conhecimento dos alunos de graduação do período vespertino do Campus II da UFG sobre o Programa Coleta Seletiva Solidária 1 Eduardo J. A. e SILVA 2 Camilla P. BRASILEIRO

Leia mais

Audiência Pública no Senado Federal

Audiência Pública no Senado Federal Audiência Pública no Senado Federal Comissão de Educação, Cultura e Esporte Brasília DF, 7 de maio de 2008 1 Audiência Pública Instruir o PLS n o 026 de 2007, que Altera a Lei n o 7.498, de 25 de junho

Leia mais

2 Agentes Comunitários de Saúde e sua atuação

2 Agentes Comunitários de Saúde e sua atuação 2 Agentes Comunitários de Saúde e sua atuação 1. A saúde é direito de todos. 2. O direito à saúde deve ser garantido pelo Estado. Aqui, deve-se entender Estado como Poder Público: governo federal, governos

Leia mais

MÉTODOS QUANTITATIVOS EM MARKETING. Prof.: Otávio Figueiredo e-mail: otavio@ufrj.br

MÉTODOS QUANTITATIVOS EM MARKETING. Prof.: Otávio Figueiredo e-mail: otavio@ufrj.br MÉTODOS QUANTITATIVOS EM MARKETING Prof.: Otávio Figueiredo e-mail: otavio@ufrj.br ESTATÍSTICA População e Amostra População Amostra Idéia Principal Resumir para entender!!! Algumas Técnicas Pesquisa de

Leia mais

I SEMINÁRIO NACIONAL DO PROGRAMA NACIONAL DE REORIENTAÇÃO DA FORMAÇÃO PROFISIONAL EM SAÚDE PRÓ-SAÚDE II

I SEMINÁRIO NACIONAL DO PROGRAMA NACIONAL DE REORIENTAÇÃO DA FORMAÇÃO PROFISIONAL EM SAÚDE PRÓ-SAÚDE II Ministério da Educação Secretaria de Ensino Superior Diretoria de Hospitais Univ ersitários e Residências em Saúde A articulação da Graduação em Saúde, dos Hospitais de Ensino e das Residências em Saúde

Leia mais

O SISTEMA DE PARCERIAS COM O TERCEIRO SETOR NA CIDADE DE SÃO PAULO

O SISTEMA DE PARCERIAS COM O TERCEIRO SETOR NA CIDADE DE SÃO PAULO O SISTEMA DE PARCERIAS COM O TERCEIRO SETOR NA CIDADE DE SÃO PAULO Januário Montone II Congresso Consad de Gestão Pública Painel 23: Inovações gerenciais na saúde O SISTEMA DE PARCERIAS COM O TERCEIRO

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SANTA CATARINA

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SANTA CATARINA PARECER COREN/SC Nº 007/CT/2014 Assunto: Solicitação de parecer sobre o processo de elaboração de protocolos assistenciais. I Do Fato Trata-se de solicitação sobre a elaboração de protocolos assistências

Leia mais

IX Conferência Nacional de Assistência Social. Orientações para a realização das Conferências Municipais de Assistência Social

IX Conferência Nacional de Assistência Social. Orientações para a realização das Conferências Municipais de Assistência Social IX Conferência Nacional de Assistência Social Orientações para a realização das Conferências Municipais de Assistência Social Programação da conferência poderá incluir: 1. Momento de Abertura, que contará

Leia mais

ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM PROF. CARLOS ALBERTO

ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM PROF. CARLOS ALBERTO ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM PROF. CARLOS ALBERTO ADMINISTRAÇÃO DE ENFERMAGEM AVALIANDO O QUE ESTUDAMOS 1. A Supervisão de Enfermagem é fundamental para o desenvolvimento dos recursos humanos, através da educação

Leia mais

SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE COORDENAÇÃO GERAL DIRETORIA GERAL DE PLANEJAMENTO - GERÊNCIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA

SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE COORDENAÇÃO GERAL DIRETORIA GERAL DE PLANEJAMENTO - GERÊNCIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA NOTA TÉCNICA 07/13 RELATÓRIO ANUAL DE GESTÃO - RAG ORIENTAÇÕES GERAIS Introdução O Planejamento é um instrumento de gestão, que busca gerar e articular mudanças e aprimorar o desempenho dos sistemas de

Leia mais

Sumário Executivo. Pesquisa Quantitativa de Avaliação do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil PETI

Sumário Executivo. Pesquisa Quantitativa de Avaliação do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil PETI Sumário Executivo Pesquisa Quantitativa de Avaliação do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil PETI Fundação Euclides da Cunha FEC/Data UFF Secretaria de Avaliação e Gestão da Informação Ministério

Leia mais

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social: instrumentais técnico-operativos no Serviço Social. CRAS CONSULESA HELENA VAN DEN BERG - CASTRO/ PARANÁ

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social: instrumentais técnico-operativos no Serviço Social. CRAS CONSULESA HELENA VAN DEN BERG - CASTRO/ PARANÁ VIII Jornada de Estágio de Serviço Social: instrumentais técnico-operativos no Serviço Social. CRAS CONSULESA HELENA VAN DEN BERG - CASTRO/ PARANÁ DUCHEIKO, Angelina do Rocio 1 RODRIGUES, Camila Moreira

Leia mais

PERCEPÇÕES DE PROFISSIONAIS DE RECURSOS HUMANOS REFERENTES À AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO HUMANO NAS ORGANIZAÇÕES

PERCEPÇÕES DE PROFISSIONAIS DE RECURSOS HUMANOS REFERENTES À AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO HUMANO NAS ORGANIZAÇÕES 26 a 29 de outubro de 2010 ISBN 978-85-61091-69-9 PERCEPÇÕES DE PROFISSIONAIS DE RECURSOS HUMANOS REFERENTES À AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO HUMANO NAS ORGANIZAÇÕES Jaqueline Reinert Godoy 1 ; Talita Conte Ribas

Leia mais

A PARTICIPAÇÃO EM GRUPOS DE PESQUISAS E A OPORTUNIDADE DE CRESCIMENTO E VISIBILIDADE DA ENFERMAGEM 1

A PARTICIPAÇÃO EM GRUPOS DE PESQUISAS E A OPORTUNIDADE DE CRESCIMENTO E VISIBILIDADE DA ENFERMAGEM 1 A PARTICIPAÇÃO EM GRUPOS DE PESQUISAS E A OPORTUNIDADE DE CRESCIMENTO E VISIBILIDADE DA ENFERMAGEM 1 NASCIMENTO, Letícia 2 ; NEVES, Eliane Tatsch 3 ; PIESZAK, Greice Machado 4 ; POTRICH, Tassiana 5 RESUMO

Leia mais

Dispõe sobre a política nacional do idoso, cria o Conselho Nacional do Idoso e dá outras providências.. CAPÍTULO I. Da Finalidade

Dispõe sobre a política nacional do idoso, cria o Conselho Nacional do Idoso e dá outras providências.. CAPÍTULO I. Da Finalidade Dispõe sobre a política nacional do idoso, cria o Conselho Nacional do Idoso e dá outras providências.. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte lei:

Leia mais

3 Metodologia. 3.1 Tipo de Pesquisa

3 Metodologia. 3.1 Tipo de Pesquisa 3 Metodologia Neste capítulo é descrita a metodologia da presente pesquisa, abordandose o tipo de pesquisa realizada, os critérios para a seleção dos sujeitos, os procedimentos para a coleta, o tratamento

Leia mais

DISCIPLINA DE ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE I MSP 0670/2011. SISTEMAS DE SAÚDE

DISCIPLINA DE ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE I MSP 0670/2011. SISTEMAS DE SAÚDE DISCIPLINA DE ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE I MSP 0670/2011. SISTEMAS DE SAÚDE Paulo Eduardo Elias* Alguns países constroem estruturas de saúde com a finalidade de garantir meios adequados para que as necessidades

Leia mais

Concessão de Bolsas de Estudos para as Universidades do Paraná. Clóvis Pereira UFPR; Clóvis R. Braz - FEPAR

Concessão de Bolsas de Estudos para as Universidades do Paraná. Clóvis Pereira UFPR; Clóvis R. Braz - FEPAR 1 Concessão de Bolsas de Estudos para as Universidades do Paraná 1. Introdução Clóvis Pereira UFPR; Clóvis R. Braz - FEPAR Procedimento importante, dentre outros, para o acompanhamento do desenvolvimento

Leia mais

CONCEITO OBJETIVO 24/9/2014. Indicadores de Saúde. Tipos de indicadores. Definição

CONCEITO OBJETIVO 24/9/2014. Indicadores de Saúde. Tipos de indicadores. Definição Indicadores de Saúde Definição PROFª FLÁVIA NUNES É a quantificação da realidade, que permite avaliar/comparar níveis de saúde entre diferentes populações ao longo do tempo. Tipos de indicadores IMPORTÂNCIA

Leia mais

O IMPACTO DAS MUDANÇAS NO MUNDO DO TRABALHO E OS TRABALHADORES DE ENFERMAGEM

O IMPACTO DAS MUDANÇAS NO MUNDO DO TRABALHO E OS TRABALHADORES DE ENFERMAGEM O IMPACTO DAS MUDANÇAS NO MUNDO DO TRABALHO E OS TRABALHADORES DE ENFERMAGEM Salete Beatriz Scheid 1 Neide Tiemi Murofuse 2 INTRODUÇÃO: Vivemos atualmente numa sociedade marcada pelas intensas e rápidas

Leia mais

A Tecnologia da Informação e a saúde em Campinas.

A Tecnologia da Informação e a saúde em Campinas. A Tecnologia da Informação e a saúde em Campinas. BENATO, L. Informática dos Municípios Associados (IMA) Resumo Campinas-SP conta com mais de 1 milhão de usuários do SUS, incluindo os munícipes de Campinas

Leia mais

SATISFAÇÃO DO IDOSO NO PROGRAMA JOÃO PESSOA VIDA SAUDÁVEL

SATISFAÇÃO DO IDOSO NO PROGRAMA JOÃO PESSOA VIDA SAUDÁVEL SATISFAÇÃO DO IDOSO NO PROGRAMA JOÃO PESSOA VIDA SAUDÁVEL Priscilla Pinto Costa da Silva 1 Emília Amélia Pinto Costa da Silva 2 Luiz Arthur Cavalcanti Cabral 1 Eronaldo de Sousa Queiroz Junior 1 Nayrla

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA. TERMO DE REFERÊNCIA CONS - OPE 03 01 Vaga

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA. TERMO DE REFERÊNCIA CONS - OPE 03 01 Vaga INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA CONS - OPE 03 01 Vaga 1. IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Consultoria para promover estudos, formular proposições e apoiar as Unidades

Leia mais

Avaliação Econômica. Programa Escola Integrada. Secretaria Municipal de Educação de Belo Horizonte

Avaliação Econômica. Programa Escola Integrada. Secretaria Municipal de Educação de Belo Horizonte Avaliação Econômica Programa Escola Integrada Secretaria Municipal de Educação de Belo Horizonte Criado em 2004, o Programa de Avaliação Econômica de Projetos Sociais, da Fundação Itaú Social, atua em

Leia mais

Utilização dos processos de RH em algumas empresas da cidade de Bambuí: um estudo multi-caso

Utilização dos processos de RH em algumas empresas da cidade de Bambuí: um estudo multi-caso III Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG campus Bambuí II Jornada Científica 9 a 23 de Outubro de 200 Utilização dos processos de RH em algumas empresas da cidade de Bambuí: um estudo multi-caso Sablina

Leia mais

Nota Técnica. Conceitos da Vigilância Socioassistencial Nº 01. Curitiba, PR. Junho de 2014. Coordenação da Gestão do SUAS

Nota Técnica. Conceitos da Vigilância Socioassistencial Nº 01. Curitiba, PR. Junho de 2014. Coordenação da Gestão do SUAS Nota Técnica Conceitos da Vigilância Socioassistencial Nº 01 Curitiba, PR. Junho de 2014 Coordenação da Gestão do SUAS Conceitos da Vigilância Socioassistencial Finalidade: Considerando a importância da

Leia mais

MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO -BIOTECNOLOGIA

MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO -BIOTECNOLOGIA 1. IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA Estágio Supervisionado Obrigatório (ESO) é uma disciplina curricular do curso de Biotecnologia. É composto do desenvolvimento das seguintes atividades: a) Elaboração de um

Leia mais

OS EGRESSOS DO BOLSA FAMÍLIA NO MARANHÃO: dimensionamento e impacto sobre suas famílias e suas vidas

OS EGRESSOS DO BOLSA FAMÍLIA NO MARANHÃO: dimensionamento e impacto sobre suas famílias e suas vidas OS EGRESSOS DO BOLSA FAMÍLIA NO MARANHÃO: dimensionamento e impacto sobre suas famílias e suas vidas Profa. Dra. Maria Ozanira da Silva e Silva, GAEPP/UFMA Seminário de Intercâmbio de pesquisas em Políticas

Leia mais

OTRABALHO NOTURNO E A SAÚDE DO TRABALHADOR: ESTUDO EXPLORATÓRIO EM TAUBATÉ E SÃO JOSÉ DOS CAMPOS

OTRABALHO NOTURNO E A SAÚDE DO TRABALHADOR: ESTUDO EXPLORATÓRIO EM TAUBATÉ E SÃO JOSÉ DOS CAMPOS OTRABALHO NOTURNO E A SAÚDE DO TRABALHADOR: ESTUDO EXPLORATÓRIO EM TAUBATÉ E SÃO JOSÉ DOS CAMPOS Tatiane Paula de Oliveira 1, Adriana Leonidas de Oliveira (orientadora) 2 1 Universidade de Taubaté/ Departamento

Leia mais

COMO FORMAR MÉDICOS NO BRASIL FRENTE AOS ATUAIS DESAFIOS DA SAÚDE?

COMO FORMAR MÉDICOS NO BRASIL FRENTE AOS ATUAIS DESAFIOS DA SAÚDE? COMO FORMAR MÉDICOS NO BRASIL FRENTE AOS ATUAIS DESAFIOS DA SAÚDE? Vinícius Ximenes M. da Rocha Médico Sanitarista Diretor de Desenvolvimento da Educação em Saúde SESu/MEC Dificuldades para Implementação

Leia mais

MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA

MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA Autor: Marusa Fernandes da Silva marusafs@gmail.com Orientadora: Profª. Ms. Mônica Mª N. da Trindade Siqueira Universidade de Taubaté monica.mnts@uol.com.br Comunicação oral:

Leia mais

Etapas da Metodologia da Pesquisa Científica. Maria da Conceição Muniz Ribeiro Mestre em Enfermagem pela UERJ

Etapas da Metodologia da Pesquisa Científica. Maria da Conceição Muniz Ribeiro Mestre em Enfermagem pela UERJ Etapas da Metodologia da Pesquisa Científica Maria da Conceição Muniz Ribeiro Mestre em Enfermagem pela UERJ Metodologia da Pesquisa Cientifica Metodologia Como se procederá a pesquisa? Caminhos para se

Leia mais

PARECER HOMOLOGADO(*)

PARECER HOMOLOGADO(*) PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 24/12/2003 (*) Portaria/MEC nº 4.035, publicada no Diário Oficial da União de 24/12/2003 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO

Leia mais

TÍTULO: PERFIL SOCIODEMOGRÁFICO E ACADÊMICO DE DISCENTES DE ENFERMAGEM DE UMA UNIVERSIDADE PARTICULAR

TÍTULO: PERFIL SOCIODEMOGRÁFICO E ACADÊMICO DE DISCENTES DE ENFERMAGEM DE UMA UNIVERSIDADE PARTICULAR TÍTULO: PERFIL SOCIODEMOGRÁFICO E ACADÊMICO DE DISCENTES DE ENFERMAGEM DE UMA UNIVERSIDADE PARTICULAR CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: ENFERMAGEM INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

HOSPITAL REGIONAL DO LITORAL

HOSPITAL REGIONAL DO LITORAL PROPOSTA DE CRIAÇÃO DE UMA CENTRAL DE EQUIPAMENTOS DE SAÚDE EM UM HOSPITAL PÚBLICO HOSPITAL REGIONAL DO LITORAL Autoras Simone Martineli Neves - Enfermeira Estelamaris da Silva Santos Psicóloga Hospital

Leia mais

PERFIL DE IDOSOS RESIDENTES EM UMA INSTITUIÇÃO DE LONGA PERMANÊNCIA NA CIDADE DE MOSSORÓ

PERFIL DE IDOSOS RESIDENTES EM UMA INSTITUIÇÃO DE LONGA PERMANÊNCIA NA CIDADE DE MOSSORÓ PERFIL DE IDOSOS RESIDENTES EM UMA INSTITUIÇÃO DE LONGA PERMANÊNCIA NA CIDADE DE MOSSORÓ INTRODUÇÃO O envelhecimento populacional é hoje um fenômeno universal, observado tanto nos países desenvolvidos

Leia mais

Eixo Temático ET-04-007 - Gestão Ambiental em Saneamento

Eixo Temático ET-04-007 - Gestão Ambiental em Saneamento 270 Eixo Temático ET-04-007 - Gestão Ambiental em Saneamento LEVANTAMENTO DA TUBULAÇÃO DE CIMENTO-AMIANTO NA REDE DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA DO MUNICÍPIO DE PRINCESA ISABEL - PARAÍBA Maria Auxiliadora Freitas

Leia mais

Gestão de Qualidade. HCFMRP - USP Campus Universitário - Monte Alegre 14048-900 Ribeirão Preto SP Brasil

Gestão de Qualidade. HCFMRP - USP Campus Universitário - Monte Alegre 14048-900 Ribeirão Preto SP Brasil Gestão de Qualidade O Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo, visando a qualidade assistencial e a satisfação do cliente compromete-se a um entendimento

Leia mais

Claudilene Fernandes da Silva

Claudilene Fernandes da Silva CURSO DE ATUALIZAÇÃO Gestão das Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde CONSCIENTIZAÇÃO E EDUCAÇÃO EM SAÚDE NA IMPLANTAÇÃO ACOLHIMENTO COM CLASSIFICAÇÃO DE RISCO: ASSEGURANDO SATISFAÇÃO

Leia mais

ANEXO III - ROTEIRO DE PROJETO

ANEXO III - ROTEIRO DE PROJETO ANEXO III - ROTEIRO DE PROJETO 1.DADOS CADASTRAIS DA ENTIDADE OU ORGANIZAÇÃO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL PROPONENTE NOME DA ENTIDADE OU ORGANIZAÇÃO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL (abreviatura caso possua) NOME FANTASIA

Leia mais