Autor: Pietro Júnior, Alcides Santo. Instituição: Santista Têxtil S/A. País: Brasil. Objetivos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Autor: Pietro Júnior, Alcides Santo. Instituição: Santista Têxtil S/A. País: Brasil. Objetivos"

Transcrição

1 INOVAÇÃO NA IMPLANTAÇÃO DE GESTÃO DE PROJETOS: ESTUDO DE CASO DE IMPLANTAÇÃO DE FERRAMENTAS DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UMA ORGANIZAÇÃO MULTINACIONAL COM BASE NOS PRINCÍPIOS DO PROJECT MANAGEMENT INSTITUTE E UTILIZANDO SOFTWARE COLABORATIVO Autor: Pietro Júnior, Alcides Santo. Instituição: Santista Têxtil S/A. País: Brasil. Objetivos O trabalho apresenta um estudo de caso sobre a experiência de implantação de ferramentas de gestão de projetos na Santista Têxtil S/A. O artigo mostra os principais passos e decisões que aconteceram neste processo, e também apresenta resultados desta iniciativa. Métodos A definição do modelo de gestão de projetos implementado na empresa partiu fundamentalmente dos conceitos e ferramentas pregados pelo Project Management Institute e por outros autores deste campo de conhecimento. Ao longo do processo de implantação, um software colaborativo de gestão de projetos foi também adotado. Resultados Os resultados obtidos até agora são bastante positivos, e estão ligados às melhorias visíveis na concepção e no planejamento dos mais de 500 projetos da empresa atualmente sendo gerenciados pelo software adotado. Conclusões O desafio de implementar um conjunto novo de conceitos em uma organização com tal porte não é simples, porém é alcançável. É visível a aceitação das pessoas pelas ferramentas definidas no modelo de gestão, e, apesar das resistências, que são inevitáveis, o modelo ganha adesão pela sua simplicidade e pelos resultados que promove.

2 Inovação na Implantação de Gestão de Projetos: Estudo de Caso de Implantação de Ferramentas de Gerenciamento de Projetos em uma Organização Multinacional com Base nos Princípios do Project Management Institute e Utilizando Software Colaborativo 1. Introdução Este trabalho apresenta um estudo de caso sobre a experiência de implantação de ferramentas de gerenciamento de projetos em uma organização multinacional do setor têxtil. Esta implantação foi baseada nos princípios do Project Management Institute e utilizou um software colaborativo de gerenciamento de projetos. O artigo mostra os principais passos e as principais decisões que aconteceram no processo de implantação, e também apresenta os primeiros resultados desta iniciativa, que estão sendo bastante positivos, dado o porte da organização e do projeto de implantação em si. A intenção deste artigo é, portanto, de compartilhar esta experiência, com o intuito de disseminar os sucessos e os pontos de atenção gerados, para que outras organizações possam se beneficiar deste conhecimento. Com isso, o presente artigo contribui para a disseminação do tema gerenciamento de projetos, particularmente no Brasil e na América Latina, onde o trabalho vem acontecendo. É interessante notar o caráter nacional do estudo de caso, pois envolve uma organização com sede no Brasil, um software de gerenciamento de projetos desenvolvido no país e uma empresa de consultoria também brasileira. 2. O Ambiente 2.1. A Organização Santista Têxtil S. A. A experiência relatada neste documento vem acontecendo desde o final de 2002 na Santista Têxtil, única multinacional brasileira do setor e a maior exportadora do país de Brins e de Denim. A companhia é uma das três maiores produtoras de tecidos Denim do mundo, e é também a maior exportadora de têxteis do Chile e Argentina, países onde tem fábricas. A Santista Têxtil foi a primeira indústria têxtil a obter a certificação ISO 9002 no Brasil e na Argentina e a certificação ISO na América Latina. Em 2002, a unidade de Paulista, em Pernambuco, tornou-se a primeira do setor no país a contar com o Sistema de Gestão Integrado Observe o caráter de pioneirismo existente na empresa, que sempre valorizou investimentos e iniciativas que conferissem a ela vantagem competitiva em relação a empresas concorrentes. Isto se deu com a implantação de Sistemas de Qualidade, de Gestão Ambiental, e agora com Gestão de Projetos Apenas responder de forma rápida a um estímulo não atende mais a todas as necessidades dos mercados; é preciso ser proativo. Estamos na era da Proatividade, onde levam vantagem aqueles que conseguem se antecipar às mudanças. VIEIRA [2].

3 Seus tecidos são produzidos em oito fábricas, cinco no Brasil, uma no Chile e duas na Argentina. No Brasil, elas funcionam em Americana e Tatuí (SP), em Paulista (PE), e em Nossa Senhora do Socorro e Aracaju (SE). No Chile, em Chiguayante; e na Argentina, em Tucumán e Santiago del Estero. Possui ainda três escritórios: em São Paulo, Buenos Aires, na Argentina e Santiago, no Chile Política de Qualidade e a Gerência Corporativa da Qualidade Total A partir de 1989, a Santista Têxtil adotou a Gestão da Qualidade Total (ou TQC Total Quality Control) para ser o sistema de gerenciamento da empresa, e desde então vem implementando ações para atingir os objetivos deste sistema, ou seja, garantir da satisfação total das pessoas interessadas e afetadas pelo negócio. A Gerência Corporativa da Qualidade Total (GCQT) é o departamento responsável por coordenar e implementar ações para a manutenção e melhoria do Programa de Qualidade Total da empresa, assim como trazer novas tecnologias de gestão, em busca da excelência gerencial. Uma destas ações, talvez entre as mais importantes já implementadas, é o Gerenciamento pelas Diretrizes (GPD), que é um sistema de gestão que visa atingir grandes melhorias relativas a temas prioritários da organização (diretrizes), através do estabelecimento e execução de planos anuais. A execução do GPD na Santista Têxtil é realizada anualmente, a partir do desdobramento das diretrizes estabelecidas pela diretoria em medidas dos seus subordinados diretos (gerentes). Algumas destas medidas são desdobradas até que se transformem em ações concretas, que são traduzidas, então, em Planos de Ação atribuídos pessoalmente a cada diretor, gerente ou supervisor responsável por cada medida/ação. Cada responsável fica então encarregado de gerenciar os projetos originados destas medidas. No final do ano, todos os planos de ação são avaliados pela GCQT e, conforme a performance de seu responsável na realização de seus projetos e no atingimento de suas metas, são atribuídos bônus-extras que farão parte da remuneração variável do "dono" do plano, segundo a política de bonificação variável da empresa. 3. A Iniciativa de Implantação de Gerenciamento de Projetos 3.1. Cenário Corrente Em 2002, um grande trabalho de consultoria realizado na empresa sugeriu algumas iniciativas que a empresa deveria ter para que ela atingisse seus objetivos estratégicos. Dentre as recomendações feitas, estava a sugestão de a empresa desenvolver um sistema de gerenciamento de seus projetos internos 3. 3 As razões específicas que a empresa de consultoria teve para apontar o gerenciamento de projetos como uma iniciativa a ser desenvolvida na empresa não serão abordadas neste trabalho, primeiramente porque não se trata do foco deste artigo, e também por este relatório ter caráter confidencial, não podendo seu conteúdo ser publicado.

4 Os trabalhos de implantação de gestão de projetos se iniciaram nos dois últimos meses de 2002, com a realização de um diagnóstico da situação presente da empresa, que levantou as seguintes características: - Não havia planejamento dos vários projetos internos segundo uma metodologia uniforme; - Os projetos não tinham uma definição clara de seus objetivos, e isto dificultava a avaliação dos resultados de cada projeto, pois havia um caráter subjetivo relevante na avaliação; - Apesar da história de pioneirismo da empresa em temas bastante importantes, não se mantinha o histórico do desenvolvimento destas iniciativas, e - Os projetos eram planejados e controlados, porém com base em ferramentas não padronizadas e segundo os métodos individuais de cada gerente de projeto (é possível dizer que não havia um controle sistemático e padronizado dos projetos 4 ). Existia, porém, a avaliação final do resultado dos projetos O Problema Identificado Questões a Serem Resolvidas Uma vez decidido que seria implantada alguma metodogia de gerenciamento de projetos na organização, algumas perguntas foram colocadas e precisavam ser resolvidas: - A melhor ação para iniciar este trabalho seria implantar gerenciamento de projetos em um projeto-piloto ou na empresa como um todo? - A metodologia seria de alguma forma amarrada com os planos de ação? (Isto traria benefícios para que as avaliações de planos de ação fossem mais concretas) - Poderíamos vislumbrar atingir outros objetivos com a implantação de gestão de projetos? (Como manter informações vivas após o final dos projetos, ou fazer avaliações de custobenefício de cada projeto, por exemplo?) - A implantação de técnicas de gerenciamento de projetos em uma organização sempre causa uma mudança de cultura nos profissionais da empresa. Uma pergunta importante durante este processo, na Santista Têxtil, foi, portanto: como abordar na empresa esta iniciativa sem esbarrar em grandes resistências? 4. A Solução Adotada 4.1. Decisões que Foram Tomadas A Gerência Corporativa de Qualidade Total liderou então o desafio de implementar técnicas de gerenciamento de projetos na organização. Reuniões foram realizadas e as seguintes decisões foram tomadas, no início de 2003: 4 Valeriano [6] sugere que não se deve deixar que cada projeto inicie pelo estabelecimento de rotinas e metodologias próprias, pois isto dificulta o relacionamento conjunto com a organização ou leva ao isolamento dos projetos.

5 1. O escopo de trabalho foi definido: todos os projetos presentes nos planos de ação de todas as diretorias, gerentes de área e gerentes de fábrica teriam que seguir o que seria chamado de Modelo Simplificado de Gestão de Projetos Santista Têxtil 5 (Foti [4] sugere que em uma iniciativa de se chegar à maturidade em gestão de projetos, deve-se iniciar escolhendo um modelo ou partes de diferentes modelos, que vão guiar os esforços de maturidade). 2. Das nove áreas de conhecimento contempladas pelo PMBOK 6 7, seriam contempladas apenas duas inicialmente: gestão de escopo e gestão de prazo, por serem estas as dimensões consideradas mais básicas e simples de serem incorporadas na organização neste momento. 3. Técnicas simples de gerenciamento de projetos deveriam ser definidas para que fossem aplicadas em todos os projetos abordados pelos planos de ação. Esta decisão minimiza possíveis resistências à mudança cultural sendo proposta, por contemplar ferramentas simples, e ao mesmo tempo garante uma abrangência de trabalho bastante importante na empresa (como sugerido por Bridges e Crawford [1], a iniciativa de se implantar um Project Office ou escritório de projetos deve se iniciar com atividades e objetivos de curto prazo, gerando o atingimento de metas e aceitação do modelo, para num segundo momento pensar em objetivos de longo prazo. Foti [4] também indica que o modelo a ser adotado deve ser facilmente compreendido ao longo de toda a organização, e que sem objetivos claros, dificilmente se ganhará a aceitação da iniciativa). 4. A metodologia a ser definida deve contemplar todas as cinco fases da vida de um projeto: iniciação, planejamento, execução, controle e finalização (também segundo as definições do PMBOK). 5. Um conjunto mais sofisticado de técnicas seria definido para ser aplicado em alguns poucos projetos-piloto mais interessantes (de 4 a 6 projetos). 6. A empresa possui profissionais com a função de Coordenadores de Qualidade. Estes profissionais ganham duas novas atribuições no cenário de gestão de projetos: garantir que o escopo do projeto seja alcançado (ou seja, que os diretores, gerentes de área e gerentes funcionais utilizem a metodologia adequadamente nos projetos de seus planos de ação) e facilitar o uso da metodologia e do software de gestão de projetos a quem mais desejar se beneficiar deles para outras finalidades. 7. A Gerência Corporativa da Qualidade Total não irá ter conhecimento do conteúdo dos projetos gerenciados através desta metodologia e do software. Isto visa manter a confidencialidade e a consciência de que o papel da gerência é de implantar as ferramentas e controlar o processo de gestão de projetos na empresa, e não controlar o andamento dos projetos em si. 5 O PMBOK [8] afirma que projetos são frequentemente implementados como meios de se atingir um objetivo estratégico da organização, e esta é a motivação em converter os planos de ação em projetos. 6 Project Management Body of Knowledge, uma publicação editada pelo Project Management Institute que representa um compêndio das melhores práticas em gestão de projetos. 7 São elas: gestão integrada, gestão de escopo, gestão de prazos, gestão de custos, gestão de riscos, gestão de recursos humanos, gestão de suprimentos (ou de aquisições), gestão da comunicação e gestão da qualidade.

6 4.2. As Cinco Fases do Gerenciamento de Projetos e as Ferramentas Definidas Para Cada Uma Dadas as decisões / restrições apresentadas acima, foi necessário definir uma ferramenta para cada fase da vida do projeto, que estão mostradas na Figura 1. Iniciação Planejamento Execução Controle Finalização Carta do Projeto Lista de Atividades Com responsável, e datas previstas de início e término Documentos, arquivos e notas do projeto Figura 1: técnicas e ferramentas adotadas para cada fase da vida do projeto. Iniciação: a ferramenta que representaria a fase de iniciação dos projetos seria a carta do projeto 8, que deveria garantir a clara e completa definição do projeto e de seus produtos, a fim de minimizar qualquer subjetividade ou interpretação pessoal no entendimento do projeto, também deveria possuir o mínimo número de campos possível, para garantir a simplicidade da ferramenta (e minimizar resistências), e deveria ter uma página. A carta do projeto construída teve, inicialmente, 3 campos principais: 1. Descrição do Projeto para detalhar o projeto aos leitores da carta. 2. Objetivos Estratégicos ligados ao Projeto objetivos estratégicos da área ou da empresa que justificam a existência deste projeto. Tem como objetivo mostrar e garantir a prioridade do projeto na organização frente a possíveis dificuldades. 3. Produtos Esperados do Projeto para permitir a clara caracterização do sucesso do projeto com relação a seu escopo. Num segundo momento, um quarto campo foi incluído: Lista de Atividades Com datas reais de início e término Lições Aprendidas 4. Riscos Potenciais ao Projeto já introduzindo um pouco da cultura de analisar riscos no início do projeto, porém, sem maiores pretensões neste momento. Planejamento : na fase de planejamento, a técnica selecionada para ser utilizada foi a de desdobramento do projeto em atividades, acrescentando a cada atividade datas previstas de início e fim, e um responsável. Segundo o PMBOK [8], este é o processo de definição das atividades, que é conceituado como identificar as atividades específicas que devem ser execugtadas para produzir os vários deliverables. 8 Segundo o PMBOK [8], A carta do projeto é um documento que formalmente autoriza um projeto. É um documento que deve minimamente incluir a necessidade de negócio que o projeto deve atender, e a descrição do produto.

7 Execução: os principais conteúdos e conhecimentos gerados ao longo da execução do projeto (inclusive documentos, como arquivos e s) deveriam ser arquivados e organizados para fácil recuperação futura. Segundo o PMBOK [8], este processo é chamado de distribuição de informações, definido como tornar as informações necessárias disponíveis aos interessados do projeto de uma forma temporalmente interessante. Controle: para esta fase, é esperado que os profissionais da organização monitorem o andamento das atividades, com relação a escopo e prazo, e atualizem o planejamento do projeto, redefinindo prazos e/ou marcando as atividades como iniciadas / concluídas, atribuindo a cada uma delas uma data real de início e fim à medida em que elas evoluíssem. De acordo com o PMBOK [8], um dos processos que englobam esta atividade é o de reporte de desempenho, que envolve... coletar e disseminar informações de desempenho para dar aos interessados no projeto informações sobre como os recursos estão sendo usados para atingir os objetivos do projeto. Finalização: o principal ponto desta fase deveria ser a consolidação do conhecimento gerado ao longo do projeto, principalmente sob o ponto de vista de lições aprendidas. Desta forma, um formulário também foi gerado para que o gerente de cada projeto preenchesse ao final do mesmo. Este formulário (Formulário de Finalização do Projeto) tem caráter de auto-avaliação, e as mesmas preocupações que a carta do projeto teve com relação à quantidade de campos e à simplicidade do documento também estavam presentes neste documento Implantação da Metodologia Foi então definido um macro-cronograma de implantação do que foi chamado de Metodologia Simplificada de Gestão de Projetos. Este cronograma, que envolveu o mês de Fevereiro de 2003, contemplou um conjunto inicial de treinamentos, onde seriam transmitidos: conceitos básicos de gestão de projetos, e o Modelo Simplificado de Gestão de Projetos da Santista Têxtil, apresentando em seguida suas ferramentas. Foi estabelecido um prazo de uma semana (após o treina mento) para que cada dono de projeto elaborasse sua carta de projeto e o planejamento do projeto 9. E foram definidos também três pontos de controle, onde a GCQT avaliaria o andamento da implantação do modelo na organização: um ao final de Abril, outro ao final de Julho e o terceiro ao final de Outubro de Uso de Software Colaborativo 5.1. A Necessidade de Um Sistema de Informações de Apoio Todas as ferramentas e técnicas definidas acima precisariam de alguma tecnologia de informação para que fossem colocadas em prática. Da mesma forma que a carta do projeto e o 9 Ao final de cada ano cada gerente e diretor elabora seu plano de ação. Desta forma, desde o final de 2002 os mais de 400 projetos presentes nos planos de ação já tinham sido definidos, portanto, escrever a carta do projeto e desdobrá-lo em atividades seria em tese uma atividade rápida e simples.

8 documento de auto-avaliação são formas concretas de representar a primeira e a última fase da vida do projeto, as três fases intermediárias ainda estavam relativamente indefinidas. Inicialmente, foi proposta uma planilha eletrônica para gerenciar as fases de planejamento e controle dos projetos, contemplando os campos que foram detalhados anterio rmente. Mas foram também avaliadas outras alternativas de softwares comerciais. Os principais objetivos que se buscaram ser atendidos com a solução tecnológica adotada foram: oferecer uma ferramenta que fosse útil para os gerentes de projetos; manter um histórico dos projetos da empresa, mesmo depois que eles fossem concluídos (manter o domínio tecnológico da organização); auxiliar o processo de avaliação dos planos de ação; permitir o acompanhamento hierárquico dos projetos; permitir o uso em rede na Intranet da empresa, facilitando o uso nas onze plantas da empresa, localizadas no Brasil, Chile e Argentina, e ser facilmente utilizável, demandando um esforço pequeno de treinamento. Os softwares analisados foram o Microsoft Project, da Microsoft, e o GP3, da empresa Proage. A decisão culminou na adoção deste segundo sistema. A área de administração do GP3 ficou sob responsabilidade da Gerência Corporativa da Qualidade Total, que passou a ter os seguintes papéis: acompanhar estatísticas de uso do sistema; cadastrar planos de ação e usuários, e fornecer suporte (help-desk) aos usuários da organização. Com o software definido, as fases intermediárias passaram a se utilizar dele: no planejamento, o software seria usado para manter o cadastro das atividades de cada projeto, suas datas e responsáveis; na execução, os principais documentos do projeto seriam armazenados no próprio software, e em controle, o andamento das atividades e dos projetos seria acompanhado pelos indicadores visuais que o software apresenta. 6. Resultados 6.1. Indicadores e Sua Evolução Desde o início da aplicação da metodologia, alguns indicadores numéricos foram acompanhados. Ao final de Maio, o número de projetos cadastrados no software já ultrapassava 350 unidades, e em Julho este número ultrapassou 500, confirmando a rápida adoção do modelo pela empresa. Ao observarmos a evolução do número de projetos e atividades, percebemos uma curva com um ponto de inflexão bem claro. Este ponto indica a iniciativa de algumas diretorias da empresa (em especial a diretoria financeira) de incentivar o uso da metodologia e do sistema GP3 a partir de um momento específico. Veja Figura 3. Projetos Atividades /3 2/4 9/4 16/4 23/4 30/4 7/5 14/5 21/5 Ponto de Inflexão /3 2/4 9/4 16/4 23/4 30/4 7/5 14/5 21/5 Figura 3: evolução dos indicadores, com ênfase ao ponto de inflexão de Abril de 2003.

9 Outro índice interessante é o número de atividades por projeto, que nos dá idéia do tamanho dos projetos sendo cadastrados no sistema. Este índice tem evoluído de acordo com o gráfico da Figura 4, que mostra uma posição relativamente estável em torno de 4,5 atividades por projeto, aproximadamente, indicando que projetos simples estão sendo cadastrados no sistema /3 2/4 9/4 Atividades / Projeto 16/4 23/4 30/4 7/5 14/5 21/5 Figura 4: evolução do indicador Atividades / Projeto Primeiros Resultados Práticos Os maiores resultados até agora da implantação das ferramentas de gerenciamento de projetos na organização não podem ser quantificados em indicadores. Percebe-se uma mudança de cultura acontecendo na empresa, refletida através dos seguintes comportamentos: 1. A carta do projeto passou a ser vista como uma ferramenta de grande importância dentro da organização. Há já a tendência em não se analisar um projeto sem observar sua carta. 2. Foi identificado que só o fato de as pessoas terem que utilizar um software para registrar o planejamento do projeto faz com que elas o planejem de forma mais compromissada do que se não houvesse esta obrigatoriedade. Isto traz uma maior qualidade nos planejamentos dos projetos da empresa. 3. Uma grande questão, especialmente em um ambiente onde o Gerencimento pelas Diretrizes é presente e ativo, é a diferenciação de projeto em relação a operações 10. Esta questão passou a ser melhor compreendida na organização, pois a carta bem preenchida dá a exata noção se um projeto possui produtos específicos, que caracteriza seu final claramente, ou não. Da mesma forma, o desdobramento dos projetos em atividades passa a ser uma atividade difícil se a iniciativa sendo desdobrada não é um projeto, e sim uma operação da empresa As ferramentas de gerenciamento definidas para o escopo de trabalho básico e obrigatório passaram a ser utilizadas em outras áreas, por outras pessoas, naturalmente, especialmente nas fábricas. 5. A necessidade de inclusão de um quarto campo na carta do projeto (riscos potenciais ao projeto) mostrou que as pessoas já estão demandando uma evolução das ferramentas colocadas no modelo de gerenciamento, dando sinais de que a organização deve aumentar sua maturidade em gerenciar projetos com certa facilidade. 10 O PMBOK [8] enfatiza a diferenciação entre projetos e operações afirmando que operações são repetitivas e contínuas, enquanto projetos são temporários e únicos. 11 Percebe-se, por exemplo, nestes casos, a criação de atividades longas, com início em Janeiro e término em Dezembro; ou a criação de quatro ou cinco atividades paralelas com períodos extensos de duração, que não conseguem caracterizar um movimento de ação que culmina com o atingimento de uma meta específica, não caracterizando um projeto, portanto.

10 6. Os projetos estão sendo melhor definidos, planejados e suas responsabilidades mais bem atribuídas. No médio prazo, isto leva a uma melhoria na qualidade dos projetos em si. Acredita-se que na próxima rodada de geração de projetos como desdobramento dos planos de ação os projetos terão uma qualidade muito diferente da que hoje eles possuem. 7. Há a percepção de uma maior integração entre as pessoas ao se compartilhar informações dos projetos (seja por meio das discussões das cartas dos projetos, seja por meio do compartilhamento de informações do software). Uma maior sinergia entre as pessoas é notada, pois os planos de ação tendiam a ser muito individuais, e hoje há um maior compartilhamento e disseminação de informações de projeto, provocando esta maior interação entre elas. 8. Quando um projeto é abortado, existe a oportunidade de a causa ser registrada e o que já tiver acontecido no projeto ficará então registrado e pronto para um recomeço futuro. 9. As reuniões de acompanhamento de projetos de planos de ação passaram a ser suportadas por materiais concretos de planejamento e controle Pontos de Atenção É importante frisar também que há ajustes a serem realizados no modelo simplificado da Santista Têxtil, que devem ser pauta para uma redefinição do processo de implantação, caso este modelo seja multiplicado em outros ambientes. Curiosamente, a grande vilã da metodologia é a carta de projeto. Não pela sua inadequação à realidade do modelo de gestão de projetos, mas exatamente pelo contrário : pode-se dizer que ela está sendo uma ferramenta de trabalho bastante interessante para a Gerência Corporativa de Qualidade Total, na medida em que reflete os anseios, as dúvidas e os comportamentos da empresa com relação a seus projetos, e isto fica visível inclusive no software (segundo Gipp apud Mentrup [5], Seu software irá automatizar qualquer processo que você possui. ; Se você tem o caos, o resultado vai ser um caos automatizado e altamente visível. ). Frame [7] revela que problemas relacionados aos requerimentos dos projetos são uma das principais fontes de extrapolações nos custos e dos cronogramas dos projetos, além de causarem a entrega de produtos que não são o que os clientes do projeto almejavam ou esperavam. Daí a preocupação da empresa para que as cartas de projetos sejam bem definidas. Os principais pontos de atenção que nasceram da carta do projeto são: 1. Atividades estão sendo definidas de forma muito extensa (grandes atividades de vários meses de duração talvez não devessem representar uma boa etapa de planejamento); 2. Há grande incidência de datas previstas de projetos sendo definidas de 1º. De Janeiro a 31 de Dezembro; 3. Os produtos a serem gerados pelos projetos não são bem definidos nas cartas: boa parte deles não caracteriza claramente o final do projeto, e há textos que não representam os produtos do projeto; 4. Até final de Maio de 2003, 45% dos projetos ainda não tinham sua carta escrita;

11 5. Existem cartas com preenchimento dos campos Descrição do Projeto e Produtos a serem gerados pelo projeto desalinhados entre si, ou até mesmo conflitantes (o que indica um mal entendimento da proposta de cada campo); 6. Há casos de preenchimento dos campos Descrição, Objetivo Estratégico e Produtos com textos semelhantes; 7. Há produtos de projetos definidos como números (metas de melhoria, por exemplo). Isto indica um risco de o projeto ser uma operação de rotina, especialmente se o número apresentado for pequeno (melhoria de 3% em um determinado processo, por exemplo). É importante destacar que alguns movimentos que estão acontecendo não serão propositalmente definidos ou orientados a priori. Isto porque espera-se que esta iniciativa gere comportamentos diferentes que possam ser comparados no futuro para que, num segundo momento, uma diretriz seja definida baseada nas melhores práticas desenvolvidas ao longo deste primeiro ano de implantação. Alguns exemplos são o fato de somente os responsáveis pelo projeto (e não todos os usuários do software) poderem enviar arquivos para o repositório do projeto, e a questão sobre a visibilidade dos projetos na empresa. 7. Próximos Passos Os próximos passos da empresa caminham nas seguintes direções: 1. Criar um repositório de projetos, onde seja possível realizar buscas em projetos anteriores. Isto direciona a empresa para uma melhor gestão do conhecimento (segundo Rose [3], Conhecimento difícil de duplicar e a base para o desenvolvimento técnico está se tornando a base da unicidade e vantagem competitiva organizacional. Gerenciar o conhecimento é a chave para utilizar e explorar este poderoso ativo ); 2. Propor mais um round de ferramentas para cada fase da vida do projeto (sofisticando aos poucos a maturidade da cultura em gestão de projetos); 3. Gerar mais capacitação na empresa, multiplicando os treinamentos conceituais em gestão de projetos na organização; 4. Passar a aceitar com critério s mais rígidos as cartas de projeto; 5. No próximo planejamento dos planos de ação 2004, além da simples menção aos projetos que se pretendem executar, será exigida também a carta de cada projeto. 8. Conclusões Pode-se notar, pelos resultados já alcançados, que o desafio de implementar um conjunto novo de técnicas em uma organização com o porte da Santista Têxtil não é simples, porém é alcançável. Foi possível perceber a importância da Gerência Corporativa de Qualidade Total no sucesso desta implantação, e também é notável a aceitação dos profissionais da organização pelas ferramentas definidas no Modelo Simplificado de Gestão de Projetos Santista Têxtil.

12 Resistências são inevitáveis, particularmente quando se apresenta um cenário novo de controle das atividades da organização. Porém, a abordagem simplificada, utilizando ferramentas de simples uso, vem conferindo um grau de adesão ao modelo como um todo bastante rápido e positivo na empresa. Espera-se, por fim, que outras organizações com iniciativas similares aproveitem o material gerado neste artigo para guiar algumas de suas ações, desfrutando dos pontos positivos e colhendo as principais lições aprendidas nesta experiência para que elas possam chegar a seus resultados mais rapidamente. 9. Referências Bibliográficas [1] Bridges, Dianne N., Crawford, J. Kent. How to Startup and Rollout a Project Office. PM Solutions. [2] Vieira, Eduardo N. O.. Gerenciando Projetos na Era de Grandes Mudanças: uma breve abordagem do panorama atual. [3] Rose, K. H. Knowledge Management is Power. PM Network. Project Management Institute PMI. Fevereiro de [4] Foti, Ross. Ma-tu-ri-ty (m?- tur-?-te) noum, 21st century. Synonym: survival. PM Network. Project Management Institute PMI. Setembro de [5] Mentrup, L. M. PM Network. Project Management Institute PMI. Outubro de [6] Valeriano, D. L. Gerência em Projetos: pesquisa, desenvolvimento e engenharia. São Paulo. Makron Books do Brasil Editora Ltda [7] Frame, J. D. Managing Projects in Organizations : how to make the best use of time, techniques and people. Jossey-Bass Publishers. San Francisco, [8] A Guide to the Project Management Body of Knowledge PMBOK Guide, 2000 Edition, Project Management Institute PMI.

CASE - Implantação de Gestão de Projetos com Software Colaborativo

CASE - Implantação de Gestão de Projetos com Software Colaborativo CASE - Implantação de Gestão de Projetos com Software Colaborativo Alcides Pietro, PMP 1 Objetivos da Palestra Divulgar o caso Principais Passos Principais Decisões Principais Resultados Servir de exemplo

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais

Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com Bibliografia* Project Management Institute. Conjunto de Conhecimentos em Gerenciamento

Leia mais

PMONow! Serviço de Implantação de um Escritório de Projetos

PMONow! Serviço de Implantação de um Escritório de Projetos PMONow! Serviço de Implantação de um Escritório de Projetos PMONow! Serviço de Implantação de um Escritório de Projetos As organizações em torno do mundo estão implantando processos e disciplinas formais

Leia mais

Cartilha. Gestão de Projetos. Superintendência de Planejamento e Gestão SUPLAN Ministério Público do Estado de Goiás

Cartilha. Gestão de Projetos. Superintendência de Planejamento e Gestão SUPLAN Ministério Público do Estado de Goiás Cartilha Gestão de Projetos SUPLAN Ministério Público do Estado de Goiás Esta cartilha tem como objetivo transmitir os conceitos básicos relacionados ao Gerenciamento de Projetos e compartilhar da metodologia

Leia mais

Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso

Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso Carlos Alberto Rovedder, Gustavo Zanini Kantorski Curso de Sistemas de Informação Universidade Luterana do Brasil (ULBRA) Campus

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS. "Quando o mar está calmo, qualquer barco navega bem." O que é um projeto? Prof. Me. Francisco César Vendrame. W.

GESTÃO DE PROJETOS. Quando o mar está calmo, qualquer barco navega bem. O que é um projeto? Prof. Me. Francisco César Vendrame. W. GESTÃO DE PROJETOS Prof. Me. Francisco César Vendrame "Quando o mar está calmo, qualquer barco navega bem." W. Shakespeare O que é um projeto? Projeto é um empreendimento não repetitivo (único), caracterizado

Leia mais

CARTILHA DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS

CARTILHA DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS CARTILHA DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS 1ª edição - 2015 ÍNDICE INTRODUÇÃO...03 O QUE É UM PROJETO?...04 O QUE É UM PROGRAMA?...07 ESTUDOS E PROJETOS...08 O QUE É O GERENCIAMENTO DE PROJETOS...09 QUEM É

Leia mais

Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK

Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK http://www.sei.cmu.edu/ Prefácio do CMM Após várias décadas de promessas não cumpridas sobre ganhos de produtividade e qualidade na aplicação de novas metodologias

Leia mais

PROJETOS IV. Plano do Projeto Exportação da Bebida Voltz Equipe Style Project (07/10/2009)

PROJETOS IV. Plano do Projeto Exportação da Bebida Voltz Equipe Style Project (07/10/2009) PROJETOS IV Plano do Projeto Exportação da Bebida Voltz Equipe Style Project (07/10/2009) Assinaturas de Aprovação Responsabilidade Organizacional Assinatura Data Gerente de Projeto 07/10/2009 Líder de

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos (ref. capítulos 1 a 3 PMBOK) TC045 Gerenciamento de Projetos Sergio Scheer - scheer@ufpr.br O que é Gerenciamento de Projetos? Aplicação de conhecimentos, habilidades, ferramentas

Leia mais

Quais são as Balas de Prata no Gerenciamento de Projetos? (Autores: Carlos Magno da Silva Xavier e Alberto Sulaiman Sade Júnior) Resumo

Quais são as Balas de Prata no Gerenciamento de Projetos? (Autores: Carlos Magno da Silva Xavier e Alberto Sulaiman Sade Júnior) Resumo Quais são as Balas de Prata no Gerenciamento de Projetos? (Autores: Carlos Magno da Silva Xavier e Alberto Sulaiman Sade Júnior) Resumo A metáfora bala de prata se aplica a qualquer ação que terá uma extrema

Leia mais

Portifólio de Serviços

Portifólio de Serviços Portifólio de Serviços A PM11K conta com uma abrangência de mercado muito grande graças ao seu modelo inovador. Aqui você contrata um consultor e, junto dele, mais centenas de outros consultores em rede,

Leia mais

Projetos (PMO) : Oportunidades de Sinergia

Projetos (PMO) : Oportunidades de Sinergia Escritórios de Processos (BPM Office) e de Projetos (PMO) : Oportunidades de Sinergia Introdução...2 Uniformizando o entendimento dos conceitos... 4 Entendendo as principais similaridades... 5 Entendendo

Leia mais

O que é Gestão de Projetos? Alcides Pietro, PMP

O que é Gestão de Projetos? Alcides Pietro, PMP O que é de Projetos? Alcides Pietro, PMP Resumo Nas próximas páginas é apresentado o tema gestão de projetos, inicialmente fazendo uma definição de projeto, destancando a diferença entre desenvolvimento

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Web. Professor: Guilherme Luiz Frufrek Email: frufrek@utfpr.edu.br http://paginapessoal.utfpr.edu.

Gerenciamento de Projetos Web. Professor: Guilherme Luiz Frufrek Email: frufrek@utfpr.edu.br http://paginapessoal.utfpr.edu. Gerenciamento de Projetos Web Professor: Guilherme Luiz Frufrek Email: frufrek@utfpr.edu.br http://paginapessoal.utfpr.edu.br/frufrek Possui Especialização em Engenharia de Software e Banco de Dados pela

Leia mais

Manual Básico do Usuário GP-Web Gestão de projetos

Manual Básico do Usuário GP-Web Gestão de projetos Manual Básico do Usuário GP-Web Gestão de projetos Departamento de Planejamento Pró-reitoria de Planejamento e Finanças Universidade Federal de Santa Catarina 1 Sumário O que é um projeto?... 4 O que é

Leia mais

Implementação de PMO - Caso HP

Implementação de PMO - Caso HP Implementação de PMO - Caso HP Implementação de Metodologia - Caso HP 1. Introdução 2. Project Management Office Origens e Estratégias 3. Curva de Maturidade de Gerenciamento de Projetos na HP Consulting

Leia mais

Como concluir um projeto com sucesso?

Como concluir um projeto com sucesso? Como concluir um projeto com sucesso? Luiz Eduardo Cunha, Eng. Professor da FAAP e do IMT 1 Luiz Eduardo Cunha Graduado em Engenharia de Produção EPUSP Pós-Graduado em Gestão do Conhecimento e Inteligência

Leia mais

Declaração de trabalho do projeto. Caso de negócio. Fatores ambientais da empresa. Estratégia de gerenciamento das partes interessadas.

Declaração de trabalho do projeto. Caso de negócio. Fatores ambientais da empresa. Estratégia de gerenciamento das partes interessadas. 30 Estratégia de gerenciamento das partes interessadas. Eles serão descritos nas subseções a seguir. Declaração de trabalho do projeto A declaração de trabalho do projeto descreve o produto, serviço ou

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos Grupo de Consultores em Governança de TI do SISP 20/02/2013 1 Agenda 1. PMI e MGP/SISP 2. Conceitos Básicos - Operações e Projetos - Gerenciamento de Projetos - Escritório de

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DE RECURSOS E INVESTIMENTOS ATRAVÉS DO GERENCIAMENTO DE PROGRAMAS CONSULTORIA

OTIMIZAÇÃO DE RECURSOS E INVESTIMENTOS ATRAVÉS DO GERENCIAMENTO DE PROGRAMAS CONSULTORIA OTIMIZAÇÃO DE RECURSOS E INVESTIMENTOS ATRAVÉS DO GERENCIAMENTO DE PROGRAMAS CONSULTORIA SOBRE A CONSULTORIA Alcance melhores resultados através da gestão integrada de projetos relacionados ou que compartilham

Leia mais

1 Introdução. 1.1. Considerações finais

1 Introdução. 1.1. Considerações finais 11 1 Introdução 1.1. Considerações finais O presente trabalho tem por finalidade analisar a área de TI de uma empresa que se estrutura por meio de projetos, dando ênfase nos modelos motivacionais que são

Leia mais

Manual de Gerenciamento de Projetos

Manual de Gerenciamento de Projetos TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO ASSESSORIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA ESCRITÓRIO DE PROJETOS ESTRATÉGICOS (EPE) Manual de Gerenciamento de Projetos SISTEMA DE GESTÃO ESTRATÉGICA Anexo da Portaria

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DE UM PROJETO

CARACTERÍSTICAS DE UM PROJETO CARACTERÍSTICAS DE UM PROJETO Temporário: significa que cada projeto tem um início e um fim muito bem definidos. Um projeto é fundamentalmente diferente: porque ele termina quando seus objetivos propostos

Leia mais

GUIA PMBOK PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS

GUIA PMBOK PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS ISSN 1984-9354 GUIA PMBOK PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS Emerson Augusto Priamo Moraes (UFF) Resumo Os projetos fazem parte do cotidiano de diversas organizações, públicas e privadas, dos mais diversos

Leia mais

Dataprev Aumenta a Eficiência na Entrega de Projetos em 40% com CA Clarity on Premise

Dataprev Aumenta a Eficiência na Entrega de Projetos em 40% com CA Clarity on Premise CUSTOMER SUCCESS STORY Dezembro 2013 Dataprev Aumenta a Eficiência na Entrega de Projetos em 40% com CA Clarity on Premise PERFIL DO CLIENTE Indústria: Setor público Companhia: Dataprev Empregados: 3.000+

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PORTFÓLIO DE PROJETOS E INVESTIMENTOS CONSULTORIA

GERENCIAMENTO DE PORTFÓLIO DE PROJETOS E INVESTIMENTOS CONSULTORIA GERENCIAMENTO DE PORTFÓLIO DE PROJETOS E INVESTIMENTOS CONSULTORIA SOBRE A CONSULTORIA Como realizar inúmeros projetos potenciais com recursos limitados? Nós lhe mostraremos a solução para este e outros

Leia mais

Capítulo 1. Introdução ao Gerenciamento de Projetos

Capítulo 1. Introdução ao Gerenciamento de Projetos Capítulo 1 Introdução ao Gerenciamento de Projetos 2 1.1 DEFINIÇÃO DE PROJETOS O projeto é entendido como um conjunto de ações, executadas de forma coordenada por uma organização transitória, ao qual são

Leia mais

GPWeb Gestão de projetos

GPWeb Gestão de projetos Manual Básico do Usuário GPWeb Gestão de projetos Brasília DF, Maio de 2015 1 Sumário O que é um projeto?... 5 O que é o GPWeb?... 6 Como criar um projeto no GPWeb:... 6 As partes envolvidas: Integração/

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

O Gerenciamento de Projetos na abordagem do

O Gerenciamento de Projetos na abordagem do Seminário de Desenvolvimento de Gestores de Programas e Projetos Fórum QPC O Gerenciamento de Projetos na abordagem do PMI - Project Management Institute Marco Antônio Kappel Ribeiro Presidente do PMI-RS

Leia mais

Módulo 6. Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa do autor.

Módulo 6. Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa do autor. Módulo 6 Módulo 6 Desenvolvimento do projeto com foco no negócio BPM, Análise e desenvolvimento, Benefícios, Detalhamento da metodologia de modelagem do fluxo de trabalho EPMA. Todos os direitos de cópia

Leia mais

FORMAÇÃO DA CULTURA EM GESTÃO POR PROJETOS: O CASO DE UMA ORGANIZAÇÃO PRIVADA DE FINALIDADE PÚBLICA

FORMAÇÃO DA CULTURA EM GESTÃO POR PROJETOS: O CASO DE UMA ORGANIZAÇÃO PRIVADA DE FINALIDADE PÚBLICA FORMAÇÃO DA CULTURA EM GESTÃO POR PROJETOS: O CASO DE UMA ORGANIZAÇÃO PRIVADA DE FINALIDADE PÚBLICA Jorge Luciano Gil Kolotelo (UTFPR) kolotelo@uol.com.br Pedro Carlos Carmona Gallego (FESP) carmona@fesppr.br

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DE PROJETOS

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DE PROJETOS ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DE PROJETOS Atualizado em 31/12/2015 GESTÃO DE PROJETOS PROJETO Para o PMBOK, projeto é um esforço temporário empreendido para criar um produto, serviço ou resultado exclusivo.

Leia mais

Aula 3 Fase de Iniciação de projetos

Aula 3 Fase de Iniciação de projetos Aula 3 Fase de Iniciação de projetos Objetivos da Aula: Os objetivos desta aula são, basicamente, apresentar as atividades que constituem a fase inicial dos projetos. Alem disso, vamos discorrer sobre

Leia mais

Oficina de Gestão de Portifólio

Oficina de Gestão de Portifólio Oficina de Gestão de Portifólio Alinhando ESTRATÉGIAS com PROJETOS através da GESTÃO DE PORTFÓLIO Gestão de portfólio de projetos pode ser definida como a arte e a ciência de aplicar um conjunto de conhecimentos,

Leia mais

Trilhas Técnicas SBSI - 2014

Trilhas Técnicas SBSI - 2014 brunoronha@gmail.com, germanofenner@gmail.com, albertosampaio@ufc.br Brito (2012), os escritórios de gerenciamento de projetos são importantes para o fomento de mudanças, bem como para a melhoria da eficiência

Leia mais

Produto 2. Proposta de PPM (Project and Portfólio Management) alinhando os conceitos, processos e melhores práticas à plataforma Microsoft EPM 2013

Produto 2. Proposta de PPM (Project and Portfólio Management) alinhando os conceitos, processos e melhores práticas à plataforma Microsoft EPM 2013 Produto 2 Proposta de PPM (Project and Portfólio Management) alinhando os conceitos, processos e melhores práticas à plataforma Microsoft EPM 2013 Autor: Carlos Eduardo Freire Gurgel Sumário 1. Introdução...

Leia mais

Combinando a norma ISO 10006 e o guia PMBOK para garantir sucesso em projetos

Combinando a norma ISO 10006 e o guia PMBOK para garantir sucesso em projetos Combinando a norma ISO 10006 e o guia PMBOK para garantir sucesso em projetos Combining the ISO 10006 and PMBOK to ensure successful projects 1 Por Michael Stanleigh Tradução e adaptação para fins didáticos

Leia mais

O MODELO PRADO-MMGP V4

O MODELO PRADO-MMGP V4 O MODELO PRADO-MMGP V4 Existem, atualmente, diversos modelos de maturidade para gerenciamento de projetos. Todos eles apresentam cinco níveis, mas diferem um pouco no conteúdo de cada nível [1,4,5]. Além

Leia mais

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 E-mail valeretto@yahoo.com.br Objetivo Objetivos desta disciplina são: reconhecer as bases da administração financeira das empresas,

Leia mais

CHOQUE DE GESTÃO DE TI Referência estadual quando o assunto é Infraestrutura e Segurança, a Subsecretaria de TI da Prefeitura Municipal de Vila Velha

CHOQUE DE GESTÃO DE TI Referência estadual quando o assunto é Infraestrutura e Segurança, a Subsecretaria de TI da Prefeitura Municipal de Vila Velha CHOQUE DE GESTÃO DE TI Referência estadual quando o assunto é Infraestrutura e Segurança, a Subsecretaria de TI da Prefeitura Municipal de Vila Velha (ES) provocou uma revolução em seu ambiente ao estabelecer

Leia mais

Proposta de Papéis e Atribuições para o Escritório de Projetos

Proposta de Papéis e Atribuições para o Escritório de Projetos Proposta de Papéis e Atribuições para o Escritório de Projetos SERVIÇO SOCIAL DA INDÚSTRIA DEPARTAMENTO NACIONAL CONTRATO Nº 9225/2007 Outubro 2007 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO...3 1 CONTEXTUALIZAÇÃO DE ESCRITÓRIO

Leia mais

ESTRUTURAÇÃO DOS PROCESSOS DE COMUNICAÇÃO EM PROJETOS, PROGRAMAS E PORTFÓLIOS CONSULTORIA

ESTRUTURAÇÃO DOS PROCESSOS DE COMUNICAÇÃO EM PROJETOS, PROGRAMAS E PORTFÓLIOS CONSULTORIA ESTRUTURAÇÃO DOS PROCESSOS DE COMUNICAÇÃO EM PROJETOS, PROGRAMAS E PORTFÓLIOS CONSULTORIA SOBRE A CONSULTORIA Assegure melhores resultados em seus projetos com uma estrutura de comunicação simples, efetiva,

Leia mais

A estrutura do gerenciamento de projetos

A estrutura do gerenciamento de projetos A estrutura do gerenciamento de projetos Introdução O Guia do Conhecimento em Gerenciamento de Projetos (Guia PMBOK ) é uma norma reconhecida para a profissão de gerenciamento de projetos. Um padrão é

Leia mais

Gestão de Contextos Visão Calandra Soluções sobre Gestão da Informação em Contextos White Paper

Gestão de Contextos Visão Calandra Soluções sobre Gestão da Informação em Contextos White Paper Gestão de Contextos Visão Calandra Soluções sobre Gestão da Informação em Contextos White Paper ÍNDICE ÍNDICE...2 RESUMO EXECUTIVO...3 O PROBLEMA...4 ILHAS DE INFORMAÇÃO...4 ESTRUTURA FRAGMENTADA VS. ESTRUTURA

Leia mais

Aula Nº 10 Planejamento da Comunicação

Aula Nº 10 Planejamento da Comunicação Aula Nº 10 Planejamento da Comunicação Objetivos da Aula: Os objetivos desta aula visam analisar as necessidades de informação para se manter os stakeholders internos e externos bem como a equipe de projetos

Leia mais

Metodologia de Projetos. André Gomes Coimbra

Metodologia de Projetos. André Gomes Coimbra Metodologia de Projetos André Gomes Coimbra Cronograma Aula 3 Trabalho (10 pts) Aula 5 Avaliação (5 pts) Aula 9 Exercício (10 pts) Aula 10 Apresentação do projeto REDES (25 pts) Aula 11 Avaliação (10 pts)

Leia mais

Introdução. AULA 2 A Organização empresarial e a gestão de projetos. Tema relevante em diversas áreas

Introdução. AULA 2 A Organização empresarial e a gestão de projetos. Tema relevante em diversas áreas Universidade do Sagrado Coração Introdução a Gestão de Projetos Paulo Cesar Chagas Rodrigues AULA 2 A Organização empresarial e a gestão de projetos Iniciação 30/set/2008 Engenharia de Produto 2 2 Introdução

Leia mais

Carlos Henrique Santos da Silva

Carlos Henrique Santos da Silva GOVERNANÇA DE TI Carlos Henrique Santos da Silva Mestre em Informática em Sistemas de Informação UFRJ/IM Certificado em Project Management Professional (PMP) PMI Certificado em IT Services Management ITIL

Leia mais

MEDIÇÃO DE DESEMPENHO NA CONSTRUÇÃO CIVIL

MEDIÇÃO DE DESEMPENHO NA CONSTRUÇÃO CIVIL MEDIÇÃO DE DESEMPENHO NA CONSTRUÇÃO CIVIL Eng. Dayana B. Costa MSc, Doutoranda e Pesquisadora do NORIE/UFRGS Conteúdo da Manhã Módulo 1 Medição de Desempenho Conceitos Básicos Experiência de Sistemas de

Leia mais

Implementação utilizando as melhores práticas em Gestão de Projetos

Implementação utilizando as melhores práticas em Gestão de Projetos Implementação utilizando as melhores práticas em Gestão de Projetos Objetivo dessa aula é mostrar a importância em utilizar uma metodologia de implantação de sistemas baseada nas melhores práticas de mercado

Leia mais

De Boas Ideias para Uma Gestão Baseada em Processos

De Boas Ideias para Uma Gestão Baseada em Processos De Boas Ideias para Uma Gestão Baseada em Processos O que você vai mudar em sua forma de atuação a partir do que viu hoje? Como Transformar o Conteúdo Aprendido Neste Seminário em Ação! O que debatemos

Leia mais

Palavras-Chave: Aquisições; Planejamento de Aquisições; Controle de Aquisições; Projeto; Lead time; Processo; Meta.

Palavras-Chave: Aquisições; Planejamento de Aquisições; Controle de Aquisições; Projeto; Lead time; Processo; Meta. 1 A INFLUÊNCIA DO PLANEJAMENTO E CONTROLE DA AQUISIÇÃO NO PRAZO FINAL DO PROJETO Euza Neves Ribeiro Cunha RESUMO Um dos grandes desafios na gerência de projetos é planejar e administrar as restrições de

Leia mais

PROJETO NOVAS FRONTEIRAS. II - Nome do gerente do projeto, suas responsabilidades e sua autoridade

PROJETO NOVAS FRONTEIRAS. II - Nome do gerente do projeto, suas responsabilidades e sua autoridade PROJETO NOVAS FRONTEIRAS DECLARAÇÃO DE ESCOPO SCOPE STATEMENT Preparado por Rodrigo Mendes Lemos Gerente do Projeto Versão 3 Aprovado por Ricardo Viana Vargas Patrocinador 01/11/2010 I - Patrocinador Ricardo

Leia mais

Gerência de Projetos CMMI & PMBOK

Gerência de Projetos CMMI & PMBOK Gerência de Projetos CMMI & PMBOK Uma abordagem voltada para a qualidade de processos e produtos Prof. Paulo Ricardo B. Betencourt pbetencourt@urisan.tche.br Adaptação do Original de: José Ignácio Jaeger

Leia mais

COMUNICAÇÃO, GESTÃO E PLANO DE RECUPERAÇÃO DE PROJETOS EM CRISE CONSULTORIA

COMUNICAÇÃO, GESTÃO E PLANO DE RECUPERAÇÃO DE PROJETOS EM CRISE CONSULTORIA COMUNICAÇÃO, GESTÃO E PLANO DE RECUPERAÇÃO DE PROJETOS EM CRISE CONSULTORIA SOBRE A CONSULTORIA Minimize os impactos de um projeto em crise com a expertise de quem realmente conhece o assunto. A Macrosolutions

Leia mais

PMI-SP PMI-SC PMI-RS PMI PMI-PR PMI-PE

PMI-SP PMI-SC PMI-RS PMI PMI-PR PMI-PE ESTUDO DE BENCHMARKING EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS 2009 Brasil Uma realização dos Chapters Brasileiros do PMI - Project Management Institute PMI-SP PMI-RJ PMI-AM PMI-SC PMI-BA ANEXO 1 PMI-RS PMI PMI-CE

Leia mais

Pronta para se tornar uma das 20 maiores produtoras de cimento do mundo

Pronta para se tornar uma das 20 maiores produtoras de cimento do mundo 06 Governança TRANSPARÊNCIA 23 Corporativa e Gestão Conselho de Administração O Conselho de Administração da Camargo Corrêa Cimentos é composto de até seis membros, sendo um presidente, três vice-presidentes

Leia mais

PMI-SP PMI-SC PMI-RS PMI PMI-PR PMI-PE

PMI-SP PMI-SC PMI-RS PMI PMI-PR PMI-PE ESTUDO DE BENCHMARKING EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS 2009 Brasil Uma realização dos Chapters Brasileiros do PMI - Project Management Institute PMI-SP PMI-RJ PMI-AM PMI-SC PMI-BA ANEXO 2 PMI-RS PMI PMI-CE

Leia mais

Objetivos. Engenharia de Software. O Estudo de Viabilidade. Fase do Estudo de Viabilidade. Idéias chave. O que Estudar? O que concluir?

Objetivos. Engenharia de Software. O Estudo de Viabilidade. Fase do Estudo de Viabilidade. Idéias chave. O que Estudar? O que concluir? Engenharia de Software O Estudo de Viabilidade Objetivos O que é um estudo de viabilidade? O que estudar e concluir? Benefícios e custos Análise de Custo/Benefício Alternativas de comparação 1 2 Idéias

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO DE UMA DIRETORIA DE PROJETOS

CONTRIBUIÇÃO DE UMA DIRETORIA DE PROJETOS www.tecnologiadeprojetos.com.br Diretoria de Acompanhamento e Avaliação de Projetos da Secretaria de Estado da Educação de Minas Gerais DAPE/SEE-MG RELATÓRIO DE PESQUISA 1 : CONTRIBUIÇÃO DE UMA DIRETORIA

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS PARA A GESTÃO DE PROJETOS

IDENTIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS PARA A GESTÃO DE PROJETOS IDENTIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS PARA A GESTÃO DE PROJETOS Claudio Oliveira Aplicações de CRM Claudio Oliveira Apresentação Claudio Oliveira (cloliveira@usp.br) Professor da Fundação Vanzolini

Leia mais

04/02/2009. Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores. Disciplina: Gestão de Projetos de TI. Prof.: Fernando Hadad Zaidan. Unidade 1.

04/02/2009. Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores. Disciplina: Gestão de Projetos de TI. Prof.: Fernando Hadad Zaidan. Unidade 1. Faculdade INED Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores Disciplina: Gestão de Projetos de TI Prof.: Fernando Hadad Zaidan 1 Unidade 1.1 2 Introdução ao Gerenciamento de Projetos 3 1 Leitura

Leia mais

PMI (PROJECT MANAGEMENT INSTITUT) A PROFISSIONALIZAÇÃO DA GESTÃO DE PROJETOS

PMI (PROJECT MANAGEMENT INSTITUT) A PROFISSIONALIZAÇÃO DA GESTÃO DE PROJETOS PMI (PROJECT MANAGEMENT INSTITUT) A PROFISSIONALIZAÇÃO DA GESTÃO DE PROJETOS Resumo Thomas Henrique Gris(G UEM) Flávia Urgnani (G-UEM) Hevilla Juliane Alto É(G-UEM) José Braz Hercos Jr(UEM) O estudo de

Leia mais

Unidade I GERENCIAMENTO DE. Profa. Celia Corigliano

Unidade I GERENCIAMENTO DE. Profa. Celia Corigliano Unidade I GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI Profa. Celia Corigliano Objetivo Estimular o aluno no aprofundamento do conhecimento das técnicas de gestão profissional de projetos do PMI. Desenvolver em aula

Leia mais

GESTÃO, PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO, PROJETOS E RESULTADOS. EMPRESA REGISTRADA 13-0177

GESTÃO, PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO, PROJETOS E RESULTADOS. EMPRESA REGISTRADA 13-0177 GESTÃO, PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO, PROJETOS E RESULTADOS. EMPRESA REGISTRADA 13-0177 TECHNIQUE A Technique atua desde 1997 nas áreas de infraestrutura, construção civil e industrial, através de consultoria

Leia mais

GRUPOS TEMÁTICOS: I - Monitoramento & Avaliação dos Programas do

GRUPOS TEMÁTICOS: I - Monitoramento & Avaliação dos Programas do GRUPOS TEMÁTICOS: I - Monitoramento & Avaliação dos Programas do Governo e II - Plano de Governo / Planejamento Estratégico 1. Em que situação encontra-se o produto em seu Estado? Em contratação; Em construção

Leia mais

Avaliação e Melhorias no Processo de Construção de Software

Avaliação e Melhorias no Processo de Construção de Software Avaliação e Melhorias no Processo de Construção de Software Martim Chitto Sisson Centro Tecnológico Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) Florianópolis SC Brasil martim@inf.ufsc.br Abstract. This

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais

Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com Bibliografia* Project Management Institute. Conjunto de Conhecimentos em Gerenciamento

Leia mais

Universidade Federal de Sergipe Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Núcleo de Engenharia de Produção Disciplina Engenharia de Produto

Universidade Federal de Sergipe Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Núcleo de Engenharia de Produção Disciplina Engenharia de Produto Universidade Federal de Sergipe Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Núcleo de Engenharia de Produção Disciplina Engenharia de Produto Prof. Andréa Cristina dos Santos, Dr. Eng. andreaufs@gmail.com

Leia mais

Simulações em Aplicativos

Simulações em Aplicativos Simulações em Aplicativos Uso Avançado de Aplicativos Prof. Marco Pozam mpozam@gmail.com A U L A 0 4 Programação da Disciplina 20/Agosto: Conceito de Project Office. 27/Agosto: Tipos de Project Office.

Leia mais

Metodologia de Gerenciamento de Projetos e Captação de Recursos. Secretaria das Cidades. Secretaria do Meio Ambiente e Recursos Hídricos

Metodologia de Gerenciamento de Projetos e Captação de Recursos. Secretaria das Cidades. Secretaria do Meio Ambiente e Recursos Hídricos Metodologia de Gerenciamento de Projetos e Captação de Recursos Secretaria das Cidades Secretaria do Meio Ambiente e Recursos Hídricos Evolução da Administração no Setor Público Melhores práticas de gestão

Leia mais

Tecnologia da Informação: Otimizando Produtividade e Manutenção Industrial

Tecnologia da Informação: Otimizando Produtividade e Manutenção Industrial Tecnologia da Informação: Otimizando Produtividade e Manutenção Industrial Por Christian Vieira, engenheiro de aplicações para a América Latina da GE Fanuc Intelligent Platforms, unidade da GE Enterprise

Leia mais

Sistema de Automação Comercial de Pedidos

Sistema de Automação Comercial de Pedidos Termo de Abertura Sistema de Automação Comercial de Pedidos Cabana - Versão 1.0 Iteração 1.0- Release 1.0 Versão do Documento: 1.5 Histórico de Revisão Data Versão do Documento Descrição Autor 18/03/2011

Leia mais

3 Gerenciamento de Projetos

3 Gerenciamento de Projetos 34 3 Gerenciamento de Projetos Neste capítulo, será abordado o tema de gerenciamento de projetos, iniciando na seção 3.1 um estudo de bibliografia sobre a definição do tema e a origem deste estudo. Na

Leia mais

Project Management Institute (PMI) Grupo: Brunner Klueger Nogueira, Igor Henrique Caribé Pinheiro e Diogo Souza Messias

Project Management Institute (PMI) Grupo: Brunner Klueger Nogueira, Igor Henrique Caribé Pinheiro e Diogo Souza Messias Project Management Institute (PMI) Grupo: Brunner Klueger Nogueira, Igor Henrique Caribé Pinheiro e Diogo Souza Messias Pontos Básicos O que é: É uma associação sem fins lucrativos de profissionais da

Leia mais

2. Gerenciamento de projetos

2. Gerenciamento de projetos 2. Gerenciamento de projetos Este capítulo contém conceitos e definições gerais sobre gerenciamento de projetos, assim como as principais características e funções relevantes reconhecidas como úteis em

Leia mais

Resultados alcançados com a Ferramenta Channel em implementação de sucesso da Gerência de Projetos no nível G de maturidade do MR-MPS

Resultados alcançados com a Ferramenta Channel em implementação de sucesso da Gerência de Projetos no nível G de maturidade do MR-MPS Resultados alcançados com a Ferramenta Channel em implementação de sucesso da Gerência de Projetos no nível G de maturidade do MR-MPS Mauricio Fiorese 1, Alessandra Zoucas 2 e Marcello Thiry 2 1 JExperts

Leia mais

COACHING E MENTORING EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS CONSULTORIA

COACHING E MENTORING EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS CONSULTORIA COACHING E MENTORING EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS CONSULTORIA SOBRE A CONSULTORIA Assegure resultados superiores do seu time de projetos e dos executivos com o coaching e mentoring exclusivo da Macrosolutions.

Leia mais

Sistema de Automação Comercial de Pedidos- Versão 1.1

Sistema de Automação Comercial de Pedidos- Versão 1.1 Termo de Abertura Sistema de Automação Comercial de Pedidos- Versão 1.1 Iteração 1.0- Release 1.0 Versão do Documento: 1.1 Histórico de Revisão Data Versão do Documento Descrição Autor 18/03/2011 1.0 Versão

Leia mais

Estruturando Processo de Gestão de Projeto. José Renato Santiago

Estruturando Processo de Gestão de Projeto. José Renato Santiago Estruturando Processo de Gestão de Projeto Metodologia de Gestão de Projetos Objetivo: O objetivo deste documento é apresentar ações e iniciativas voltadas para a implantação de metodologia de Gestão de

Leia mais

Guia de Introdução ao Windows SharePoint Services

Guia de Introdução ao Windows SharePoint Services Guia de Introdução ao Windows SharePoint Services - Windows SharePoint Services... Page 1 of 11 Windows SharePoint Services Guia de Introdução ao Windows SharePoint Services Ocultar tudo O Microsoft Windows

Leia mais

Fatores Críticos de Sucesso em GP

Fatores Críticos de Sucesso em GP Fatores Críticos de Sucesso em GP Paulo Ferrucio, PMP pferrucio@hotmail.com A necessidade das organizações de maior eficiência e velocidade para atender as necessidades do mercado faz com que os projetos

Leia mais

SCRUM. Desafios e benefícios trazidos pela implementação do método ágil SCRUM. Conhecimento em Tecnologia da Informação

SCRUM. Desafios e benefícios trazidos pela implementação do método ágil SCRUM. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação SCRUM Desafios e benefícios trazidos pela implementação do método ágil SCRUM 2011 Bridge Consulting Apresentação Há muitos anos, empresas e equipes de desenvolvimento

Leia mais

INSTRUÇÃO DE SERVIÇO PARA ELABORAÇÃO DE PLANOS GERAIS DE PROJETOS DE SISTEMAS OU APLICATIVOS

INSTRUÇÃO DE SERVIÇO PARA ELABORAÇÃO DE PLANOS GERAIS DE PROJETOS DE SISTEMAS OU APLICATIVOS INSTRUÇÃO DE SERVIÇO PARA ELABORAÇÃO DE PLANOS GERAIS DE PROJETOS DE SISTEMAS OU APLICATIVOS IS-CGMI-02/2005 Aprovada pela Portaria nº 1494 de 22/11/2005 Histórico de Versões Data Versão Descrição Autor

Leia mais

Sistema de Gerenciamento de Riscos em Projetos de TI Baseado no PMBOK

Sistema de Gerenciamento de Riscos em Projetos de TI Baseado no PMBOK 180 - Encontro Anual de Tecnologia da Informação Sistema de Gerenciamento de Riscos em Projetos de TI Baseado no PMBOK Thiago Roberto Sarturi1, Evandro Preuss2 1 Pós-Graduação em Gestão de TI Universidade

Leia mais

Gerenciando Projetos na Era de Grandes Mudanças Uma breve abordagem do panorama atual

Gerenciando Projetos na Era de Grandes Mudanças Uma breve abordagem do panorama atual Gerenciando Projetos na Era de Grandes Mudanças Uma breve abordagem do panorama atual Autor : Eduardo Newton Oliveira Vieira, PMP Você já parou para pensar no número de mudanças (culturais, tecnológicas,

Leia mais

Módulo 3: Gerenciamento da Qualidade, dos Recursos Humanos e das Comunicações

Módulo 3: Gerenciamento da Qualidade, dos Recursos Humanos e das Comunicações ENAP Diretoria de Desenvolvimento Gerencial Coordenação Geral de Educação a Distância Gerência de Projetos - Teoria e Prática Conteúdo para impressão Módulo 3: Gerenciamento da Qualidade, dos Recursos

Leia mais

Gestão de Processos. Principais etapas, decisões e desafios da implantação de processos de TI com base no ITIL

Gestão de Processos. Principais etapas, decisões e desafios da implantação de processos de TI com base no ITIL Conhecimento em Tecnologia da Informação Gestão de Processos Principais etapas, decisões e desafios da implantação de processos de TI com base no ITIL 2011 Bridge Consulting Apresentação É comum que as

Leia mais

BM&FBOVESPA Aperfeiçoa Práticas de Gerenciamento de Projetos com CA Project & Portfolio Management

BM&FBOVESPA Aperfeiçoa Práticas de Gerenciamento de Projetos com CA Project & Portfolio Management CUSTOMER SUCCESS STORY Outubro 2013 BM&FBOVESPA Aperfeiçoa Práticas de Gerenciamento de Projetos com CA Project & Portfolio Management CUSTOMER LOGO HERE EMPRESA A BM&FBOVESPA é a principal instituição

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO TESTE DE SOFTWARE PARA A QUALIDADE DO PROJETO

A IMPORTÂNCIA DO TESTE DE SOFTWARE PARA A QUALIDADE DO PROJETO A IMPORTÂNCIA DO TESTE DE SOFTWARE PARA A QUALIDADE DO PROJETO Autora: LUCIANA DE BARROS ARAÚJO 1 Professor Orientador: LUIZ CLAUDIO DE F. PIMENTA 2 RESUMO O mercado atual está cada vez mais exigente com

Leia mais

BOAS PRÁTICAS EM GESTÃO DE CONHECIMENTO PARA MELHORAR RESULTADOS DE PROJETOS

BOAS PRÁTICAS EM GESTÃO DE CONHECIMENTO PARA MELHORAR RESULTADOS DE PROJETOS BOAS PRÁTICAS EM GESTÃO DE CONHECIMENTO PARA MELHORAR RESULTADOS DE PROJETOS Marcela Souto Castro (UFF ) idearconsultoria@gmail.com Jose Rodrigues de Farias Filho (UFF ) rodrigues@labceo.uff.br Arnaldo

Leia mais

Modelo de Maturidade Organizacional de Gerência de Projetos. Organizational Project Management Maturity Model - OPM3

Modelo de Maturidade Organizacional de Gerência de Projetos. Organizational Project Management Maturity Model - OPM3 Modelo de Maturidade Organizacional de Gerência de Projetos Introdução Organizational Project Management Maturity Model - OPM3 Um trabalho voluntário A idéia de um modelo não é novidade, as organizações

Leia mais

Pessoas e Negócios em Evolução

Pessoas e Negócios em Evolução Empresa: Atuamos desde 2001 nos diversos segmentos de Gestão de Pessoas, desenvolvendo serviços diferenciados para empresas privadas, associações e cooperativas. Prestamos serviços em mais de 40 cidades

Leia mais

Pesquisa realizada com os participantes do 12º Seminário Nacional de Gestão de Projetos. Apresentação

Pesquisa realizada com os participantes do 12º Seminário Nacional de Gestão de Projetos. Apresentação Pesquisa realizada com os participantes do de Apresentação O perfil do profissional de Projetos Pesquisa realizada durante o 12 Seminário Nacional de, ocorrido em 2009, traça um importante perfil do profissional

Leia mais

ESCRITÓRIO RIO DE PROJETOS

ESCRITÓRIO RIO DE PROJETOS PMO PROJETOS PROCESSOS MELHORIA CONTÍNUA PMI SCRUM COBIT ITIL LEAN SIX SIGMA BSC ESCRITÓRIO RIO DE PROJETOS DESAFIOS CULTURAIS PARA IMPLANTAÇÃO DANIEL AQUERE DE OLIVEIRA, PMP, MBA daniel.aquere@pmpartner.com.br

Leia mais

CURSOS GERENCIAIS 20/12/2010 Antonio Roberto Grazzia, MBA, PMP

CURSOS GERENCIAIS 20/12/2010 Antonio Roberto Grazzia, MBA, PMP CURSOS GERENCIAIS 20/12/2010 Antonio Roberto Grazzia, MBA, PMP Em um ambiente de negócios competitivo, a condução de projetos de forma eficiente e sem desperdícios é um grande diferencial para o sucesso.

Leia mais

A APLICAÇÃO DA GESTÃO DE MUDANÇAS DE ESCOPO E A SUA INFLUÊNCIA NAS RELAÇÕES GERENCIAIS. Marcelo Pereira da Conceição

A APLICAÇÃO DA GESTÃO DE MUDANÇAS DE ESCOPO E A SUA INFLUÊNCIA NAS RELAÇÕES GERENCIAIS. Marcelo Pereira da Conceição A APLICAÇÃO DA GESTÃO DE MUDANÇAS DE ESCOPO E A SUA INFLUÊNCIA NAS RELAÇÕES GERENCIAIS Marcelo Pereira da Conceição Resumo Respostas rápidas as mudanças pode ser uma ação de sobrevivência, este fato leva

Leia mais

Apresentação do Professor. Ferramentas de Software para Gestão de Projetos Prof. Esp. André Luís Belini 20/11/2013

Apresentação do Professor. Ferramentas de Software para Gestão de Projetos Prof. Esp. André Luís Belini 20/11/2013 Apresentação do Professor Ferramentas de Software para Gestão de Projetos Prof. Esp. André Luís Belini Formação Acadêmica: Bacharel em Sistemas de Informação Pós graduado em Didática e Metodologia para

Leia mais