Comparação de Ferramentas de Gerencia de Projeto

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Comparação de Ferramentas de Gerencia de Projeto"

Transcrição

1 Comparação de Ferramentas de Gerencia de Projeto Paulo César Gonçalves, Roberto Gonzalez Cardenete, Vitor Ricardo Pires Santos, Italo Valcy, Edivaldo Mascarenhas 1 Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal da Bahia (UFBA) Av. Adhemar de Barros, s/n - Campus Universitário de Ondina Salvador - BA - Brazil Resumo. Um importante desafio da engenharia de software é o bom gerenciamento de projetos de software. O gerenciamento de projetos de software abrange todas as fases a que o software está sujeito e, assim, faz-se necessário a adoção de ferramentas para automatizar esse processo. Nesse contexto, o bom gerenciamento do software está condicionado à escolha de boas ferramentas para facilitar e manter a consistência dos processos durante o tempo de desenvolvimento do software. Este trabalho apresenta uma comparação entre duas ferramentas, a saber Project Pier e Red Mine, utilizando como base o documento de processos para gerencia de projetos descrito MPS-BR (parte 1, nível G). 1. Introdução O gerenciamento de projetos de software representa a primeira camada do processo de engenharia de software. O gerenciamento de projetos compreende atividades que envolvem medições, estimativas, análise de erros, programação de atividades, monitoramento e controle. É a aplicação de conhecimentos, habilidades, ferramentas e técnicas em projetos com o objetivo de atingir ou até mesmo exceder as necessidades e expectativas dos clientes e demais partes interessadas do projeto. Gerenciar todas as fases do desenvolvimento de um software manualmente pode se tornar uma tarefa árdua e levar a uma série de erros, além de exigir um tempo considerável do projeto. Para resolver esse problema, tem-se algumas ferramentas que automatizam uma série de atividades rotineiras ao gerenciamento do software. Não obstante, é interessante verificar a qualidade dessas ferramentas e seu nível de completude. Este trabalho busca comparar e avaliar ferramentas de gerência de projetos de software observando características funcionais e não funcionais na tentativa de fornecer uma visão crítica sobre a qualidade e completude de tais ferramentas, fornecendo diretivas para escolha de uma das ferramentas avaliadas ou mesmo facilitando a análise de outras ferramentas baseado nas métricas descritas nesse documento. As ferramentas usadas para a análise são Project Pier [PROJECT-PIER 2009] e Red Mine [REDMINE 2009] e serão avaliadas nas seguintes características: gerenciamento de tarefas, cronogramas, repositório, orçamento, histórico, diagrama de Gantt, PERT/CPM, segurança, suporte a outras ferramentas, consumo de hardware, suporte ao software, aparência, complexidade e instalação.

2 O restante desse trabalho está estruturado da seguinte maneira. A seção 2 apresenta uma visão geral sobre as normas no MPS-BR no que tange à gerência de projetos, algumas daquelas normas foram utilizadas na confecção de critérios de avaliação utilizados nesse trabalho. A seção 3 apresenta as ferramentas que serão avaliadas nesse trabalho. A seção 4 define os critérios para avaliação das ferramentas observando-se características funcionais e não funcionais, além de descrever a metodologia aplicada para comparação. Por fim, a seção 6 discute os resultados obtidos na avaliação das ferramentas. 2. Contextualização Para realizar a comparação entre ferramentas quaisquer é necessário a definição detalhada dos principais requisitos que tais ferramentas devem cumprir antes de iniciar a comparação propriamente dita. Em especial, quando se fala de gerencia de projetos de software, existem uma série de modelos que definem normas para uma maior qualidade no processo de software. Este trabalho fará uso de algumas normas do programa para Melhoria de Processos do Software Brasileiro - MPS-BR [MPS.BR 2006], nível G, processos para gerência de projetos. O MPS-BR tem como objetivo definir um modelo de melhoria e avaliação de processo de software, preferencialmente para as micro, pequenas e médias empresas, de forma a atender as suas necessidades de negócio e a ser reconhecido nacional e internacionalmente como um modelo aplicável à indústria de software. O Modelo de Referência MPS-BR define níveis de maturidade que são uma combinação entre processos e capacidade de processos. Os níveis de maturidade estabelecem patamares de evolução de processos, caracterizando estágios de melhoria de implementação de processos na organização. O nível de maturidade em que se encontra uma organização permite prever seu desempenho futuro em uma ou mais disciplinas. O MPS-BR define sete níveis de maturidade: A (Em Otimização), B (Gerenciado Quantitativamente), C (Definido), D (Largamente Definido), E (Parcialmente Definido), F (Gerenciado) e G (Parcialmente Gerenciado). A escala de maturidade se inicia no nível G e progride até o nível A. Em particular, estaremos interessados no nível G do MPS-BR. O nível G é composto pelos processos de Gerência de Projeto e Gerência de Requisitos satisfazendo os atributos de processo AP 1.1 e AP 2.1. O propósito do Processo Gerência de Projetos (GPR) é identificar, estabelecer, coordenar e monitorar as atividades, tarefas e recursos que um projeto necessita para produzir um produto e/ou serviço, no contexto dos requisitos e restrições do projeto. Dessa forma, usaremos alguns resultados esperados definidos pelas GPRs do nível G do MPS-BR para construir um conjunto de critérios que serão utilizados na avaliação da completude funcional das ferramentas. 3. Ferramentas de gerência de projeto em estudo Esta seção descreve em linhas gerais as ferramentas utilizadas na comparação proposta por esse trabalho, a saber Redmine e ProjectPier Redmine O Redmine [REDMINE 2009] é uma ferramenta de gerência de projetos Open Source implementado em Ruby, utilizando o framework Ruby on Rails. Isso a torna portável,

3 ou seja, a ferramenta roda em sistemas GNU/Linux, Windows, Unix e Mac, direto no browser. Algumas características importantes incluem sua facilidade de instalação, sistema de autenticação, gerencia de tarefas, etc. O sistema tem um suporte ao usuário de alta qualidade, tem um wiki onde tem-se disponível um guia completo sobre a ferramenta, desde a parte de instalação até a parte de migração, além de um tutorial completo sobre as funcionalidades do Redmine. Possui também uma coleção de plugins para aumentar a eficiência do sistema. Esses plugins podem ser instalados no próprio programa na parte repositórios. No Redmine é possivel adicionar uma nova tarefa com as seguintes características: status(nova, completa, etc.), prioridade (normal, alta, urgente, etc.), responsável pela execução da tarefa, data de início, data de término, horas estimadas até a concusão da tarefa e a parcentagem de execução da tarefa. No decorrer do projeto é possivel acompanhar e editar o andamento da atividade. A ferramenta possui gráfico de Gantt e calendário para aconpanhar das atividades, ou seja é possivel acompanhar o cronograma do projeto através de calendário gráfico que marca o dia de começo do projeto e de término. Porém, não existe uma campo específico para se estabelecer os recursos necessários, nem o perfil do membro da equipe, e ainda, só é possível atribuir uma tarefa a um único membro da equipe, além de não poder determinar fases do projeto, ou seja, só é possível dividir o projeto em tarefas individuais. A ferramenta possui um sistema de controle de versões que permite a manutenção de um histórico de mudança nos arquivos de um projeto. Uma seção interessante da ferramenta é a seção "news", onde pode-se colocar notícias sobre o projeto, relatar bugs e até riscos, mas não possui uma parte específica para estimar riscos ou para fazer acompanhamento dos mesmos, nem calcular impacto ou probabilidade de ocorrência. O gerênciamento de recursos humanos é insuficiente, pois só é possível adicionar um usuário, atribuir uma tarefa e a função que o membro vai desempenhar na mesma, porém não há como descrever características e habilidades do usuário. O Redmine não possui estimativa de custo para cada fase ou atividade nem orçamento para o projeto todo. Nem é possível usar dados históricos como base para estimativas para o projeto Project Pier ProjectPieri [PROJECT-PIER 2009] é uma aplicação escrita na linguagem PHP, software livre, criada para gerenciar tarefas, projetos e equipes através de uma intuitiva interface web. O ProjectPier é um fork da ferramenta de colaboração online activecollab, está escrito em PHP5 e baseado em uma base de dados MySQL. Como funciona na web, é um produto multiplataforma, e além disso está disponível em 24 idiomas, garantindo uma disponibilidade muito alta. Sua licença de software livre é a Affero General Public License. ProjectPier começou com a colaboração entre Jon DeGenova, Roland Woldt, e Ryan Cross a principios de Alguns outros desenvolvedores e colaboradores foram colaborando desde então. O fork foi iniciado depois de que o projeto activecollab anunciasse uma mudança em seu modelo comercial onde passa a usar uma licença proprietária, sendo objeto de numerosos protestos dos usuários. O ProjectPier começou para apoiar esses usuários e fornecer um software livre de gerencia de projetos.

4 ProjectPier é bastante diferente de outros software tradicionais de gerencia de projetos: a plataforma permite que equipes pequenas troquem mensagens, listas de tarefas e arquivos rapidamente. Sua instalação é bastante simplificada e automatizada por uma interface web disponibilizada pelo aplicativo. É preciso ter um servidor web configurado, habilitado para execução de scripts PHP, além de um banco de dados. Entre as suas características centrais destacam: Fácil de instalar; Baseado na web: versatilidade, compatibilidade, conforto e potencia da web. Organizado: o Project Pier organiza os projetos em pequenas metas, mensagens, listas de tarefas e arquivos. Confiável: ProjectPier está baseado em tecnologías de código aberto estabelecidas, maduras e confiáveis - PHP5 e MySQL. É rápido, estável e seguro. Comunidade: ProjectPier é desenvolvido por uma comunidade ativa de usuários que compartilham experiências de milhares de projetos de todo o mundo. A característica multicliente permite gerenciar projetos de diferentes clientes de maneira simultanea. Gestão de direitos em 3 níveis. Administrador Usuário da companhia proprietária. Usuário da companhia cliente. Privacidade: As mensagens, tarefas, metas, arquivos e comentários se podem marcar como privados, ocultando informação crítica dos clientes Apesar da facilidade encontrada na instalação da ferramenta, suas deficiências ficaram claras ao longo do uso. Alguns pontos observados envolvem desde a falta de representações visuais das fases do projeto, por exemplo gráfico de Gantt, até características de planejamento de recursos. Ainda, notou-se uma fraca documentação das funcionalidades da ferramenta, dificultando a usabilidade do software. Em resumo, o ProjectPier é uma iniciativa muito interesante, fácil de instalar, usável, visualmente limpa e com características que podem satisfazer muitas necesidades básicas de gerencia de projetos. Ainda assim, precisa de melhorar em muitos aspectos essenciais, como veremos no processo seguinte de análise formal da ferramenta. 4. Metodologia Para avaliar as ferramentas foram usadas opiniões do grupo e os documentos do MPS-BR Guia Geral, MPS-BR Guia de Implementação - Parte 1: Nível G e NBR-ISO-IEC A partir disto foram listadas um conjunto de características relevantes e atribuido um certo valor e peso a cada uma. Nas subseções seguintes, temos definida uma lista com requisitos funcionais e não funcionais para um software de gerenciamento de projetos. Essa lista será utilizada na comparação das ferramentas, conforme metodologia descrita na última subseção Requisitos Funcionais Deve ser analisado se o software tem ou não tem o requisito. 1. Pode-se definir e descrever o escopo do trabalho (relacionado com GPR 1) [PR. ALTA]

5 2. Pode-se dimensionar as tarefas e produtos do trabalho segundo o seu custo, tempo necessário, datas de prazo, prioridade, etc. (relacionado com GPR 2) [PR. ALTA] 3. O projeto pode ser definido e descrito em fases (relacionado com GPR 3) [PR. ALTA] 4. Pode-se estimar o esforço e custo das tarefas e produtos de trabalho, seja mediante referencias técnicas, dados históricos, etc. (relacionado com GPR 4) [PR. ALTA] 5. As estimações melhoram quando há anteriores estimações e segundo os ativos presentes atualmente (pessoal, dinheiro, tecnologia, etc.) (relacionado com GPR 4) [PR. BAIXA] 6. Pode-se estabelecer o orçamento do projeto e marcos de controle para ele, calcular os custos gerais, fazer alterações e revisões, etc. (relacionado com GPR 5) [PR. ALTA] 7. Pode-se estabelecer o cronograma do projeto e também pontos de controle para ele (relacionado com GPR 5) [PR. ALTA] 8. Pode-se determinar, descrever e documentar os riscos de projeto (relacionado com GPR 6) [PR. MEDIA] 9. Pode-se determinar o impacto, probabilidade de ocorrência e prioridade de tratamento para esses riscos de projeto (relacionado com GPR 6) [PR. BAIXA] 10. Há gerenciamento de recursos humanos, estabelecendo perfil e conhecimentos [PR. ALTA] 11. Pode-se a avaliar e ordenar a adequação dos trabalhadores em planilha para as diferentes fases e processos do projeto (relacionado com GPR 7) [PR. MEDIA] 12. Pode-se planejar tarefas, com recursos e ambiente de trabalho necessário para executá-las (relacionado com GPR 8) [PR. ALTA] 13. Há diferentes níveis ou perfis de acesso aos dados do projeto para asegurar a privacidade e segurança (relacionado com GPR 9 e GPR 14) [PR. ALTA] 14. Pode-se estabelecer um plano geral (relacionado com GPR 10) [PR. ALTA] 15. Pode-se estabelecer subplanos específicos dentro do plano geral para o projeto (relacionado com GPR 10) [PR. MEDIA] 16. Há mecanismos para estabelecer metas do projeto e modifica-las se necessário. (relacionado com GPR 11) [PR. ALTA] 17. Há mecanismos para avaliar a viabilidade de atingir as metas do projeto, segundo restrições e recursos disponíveis. (relacionado com GPR 11) [PR. BAIXA] 18. As diferentes partes interessadas podem revisar o plano de projeto (relacionado com GPR 12) [PR. MEDIA] 19. As diferentes partes interessadas podem também propor cambios ou dar a sua conformidade ao plano de projeto (relacionado com GPR 12) [PR. BAIXA] 20. Pode-se monitorar o progresso do projeto para determinar se seus objetivos de qualidade e desempenho serão atingidos (relacionado com GPR 13 e GPR 22) [PR.

6 ALTA] 21. Pode-se documentar e descrever resultados do plano do projeto geral e dos subplanos (relacionado com GPR 13) [PR. ALTA] 22. Pode-se descrever e avaliar os resultados obtidos nos pontos de controle e marcos definidos (relacionado com GPR 5 e GPR 15) [PR. MEDIA] 23. Podem-se registrar problemas e questões (relacionado com GPR 16) [PR. MEDIA] 24. Podem-se informar aos interessados esses problemas e questões, que poderão replicar e informar aos interessados (inclusive quem relata o problema o questão) (relacionado com GPR 16) [PR. BAIXA] 25. Podem-se anotar advertencias ou dicas a diferentes tarefas, planos, subplanos, etc. (relacionado com GPR 16 e GPR 17) [PR. MEDIA] 26. Pode-se também associar essas advertencias ou dicas a problemas ou questões passadas que estam devidamente registradas (relacionado com GPR 16 e GPR 17) [PR. BAIXA] 27. Pode-se definir subprocessos (o seleccionar subprocessos já definidos) para os processos a executar (relacionado com GPR 18) [PR. MEDIA] 28. Pode-se compartilhar experiencias, resultados, medidas, etc. com outras partes interessadas (relacionado com GPR 19) [PR. MEDIA] 29. Pode-se definir objetivos de qualidade e desempenho para cada um dos processos definidos (relacionado com GPR 20) [PR. MEDIA] 30. Os subprocessos existentes que podem ser seleccionados para os processos estam ou podem ser mesurados ou avaliados estatisticamente (relacionado com GPR 21, GPR 23 e GPR 24) [PR. BAIXA] 31. Há um repositório de medidas da organização e podemos incorporar dados estatísticos e de gerencia da qualidade (relacionado com GPR 25) [PR. BAIXA] 32. Possibilidade de manter todos os documentos e códigos fontes em um repositório único [PR. MEDIA] 33. Podem-se visualizar diagramas de Gantt [PR. ALTA] 34. Pode-se aplicar o método PERT/CPM [PR. ALTA] 35. Qualquer alteração no projeto é devidamente monitorada e registrada em um log [PR. BAIXA] 36. Tem compatibilidade e suporte a outras ferramentas: icalendar, Excel, Word, MS Project, dotproject, etc. [PR. BAIXA] Quando falamos que certo requisito está relacionado com GPR X, X sendo um número, entre paréntesis, queremos dizer que se refere à necessidade de um produto software descrita no GPR X do apartado de Gerência de Projeto da Guia Geral (versão 1.2) do MPS-BR - Melhoria de Processo do Software Brasileiro.

7 4.2. Requisitos Não-Funcionais Deve ser analisado a qualidade do requisito. 1. O hardware exigido para rodar o software é acorde às caraterísticas do software [PR. MEDIA] 2. Tem suporte a atualizações [PR. MEDIA] 3. Podem-se enviar relatórios de erros ao desenvolvedor [PR. MEDIA] 4. Existem facilidades para o administrador de rede [PR. BAIXA] 5. A interface Humano-Computador é usável, acessível, intuitiva e sem ambiguidades [PR. MEDIA] 6. A Aparência visual está bem seleccionada e cores e botões são conformes ao tipo de uso do software [PR. BAIXA] 7. O software está disponível em diversas plataformas [PR. BAIXA] 8. O software se instala em conformidade com a documentação de instalação [PR. MEDIA] 4.3. Regras 9. O software está documentado [PR. MEDIA] 10. Tem suporte a diferentes idiomas [PR. MEDIA] 11. Extensibilidade e suporte a plugins [PR. MEDIA] Para cada requisito da lista, definem-se dois variáveis, GR-PRIOR ou grau de importancia ou prioridade do requisito, e GR-IMPLEM ou grau de implementação atingido do requisito neste software. As variáveis, para cada requisito, podem ter os seguintes valores: GR-PRIOR - Essa variável define a prioridade do requisito em questão. Os valores possíveis são: ALTA (3 PONTOS), MEDIA (2 PONTOS) ou BAIXA (1 PONTO); GR-IMPLEM - Esta variável define uma avaliação qualitativa sobre o requisito. Em especial, é verificado o nível de implementação do requisito. Os valores possíveis são: TOTALMENTE (2 PONTOS), PARCIALMENTE (1 PONTO) ou NADA EM ABSOLUTO (0 PONTOS) Definimos o percentual de qualidade da ferramenta, de acordo aos críterios definidos nas seções anteriores, pela seguinte fórmula: P = P ONT UACAO = Σ(GR.P RIOR GR.IMP LEM) P M = P ONT UACAO.MAXIMA = Σ(GR.P RIOR 2) NF = NOT A.F INAL = (P/P M) 100

8 4.4. Aplicação da metodologia Uma vez que já definimos os críterios a serem utilizados na comparação das ferramentas, devemos especificar um conjunto de regras que será seguindo no momento da comparação das ferramentas. Esse conjunto de regras deve ser detalhado e simples o suficiente para que possa ser seguido por outra pessoa em uma segunda análise e os resultados obtidos nessa análise sejam, idealmente, os mesmos que os alcançandos nesse trabalho. Assim, definimos os seguintes passos a serem seguidos para comparação das ferramentas: Instalação das ferramentas que serão comparadas; Preenchimento da tabela de comparação das ferramentas, baseado nos críterios definidos nas seções [?] e [?] (os detalhes da construção da table são discutidos abaixo); Cálculo da porcentagem obtida por cada ferramenta a partir dos valores da distribuição apresentada na tabela construída no item anterior, para isso usa-se a fórmula definida na seção [?]; O resultado obtido anteriormente é o resultado final que será utilizado na comparação das ferramentas, o valor obtido é diretamente proporcional à qualidade da ferramenta. Para o preenchimento da tabela de comparação entre as ferramentas procedeuse da seguinte forma. Uma pessoa ficou responsável pela avaliação de cada ferramenta. Nesse momento foram observados os critérios definidos nas seções [?] e [?] e atribuido uma nota de avaliação daquele critério na ferramenta em questão, fazendo uso das regras definidas. Os avaliadores não mantiveram contato durante essa fase do trabalho para evitar qualquer influência na avaliação de uma ferramenta. Após o preenchimento da tabela e cálculo da porcentagem de qualidade de cada ferramenta, relativo às definições desse trabalho, o grupo deve discutir os números obtidos e proceder a uma interpretação desses números, conforme discutido na conclusão. 5. Estudo e Avaliação 5.1. Redmine Requisitos funcionais A tabela abaixo lista a avaliação da ferramenta Redmine quanto aos requisitos funcionais definidos anteriormente.

9 REQUISITO GR-PRIOR GR-IMPLEM GR-PRIOR x GR-IMPLEM Requisitos não-funcionais Já a tabela abaixo, lista a avaliação da ferramenta Redmine quanto aos requisitos nãofuncionais definidos anteriormente.

10 REQUISITO GR-PRIOR GR-IMPLEM GR-PRIOR x GR-IMPLEM Nota Final Por fim, temos a avaliação final da ferramenta: P = P ONT UACAO = Σ(GR.P RIOR GR.IMP LEM) = 107 P M = P ONT UACAO.MAXIMA = Σ(GR.P RIOR 2) = 188 NF = NOT A.F INAL NF = (P/P M) 100 = (P ONT UACAO/P ONT UACAO.MAXIMA) 100 NF = (93/188) 100 = Project Pier Requisitos funcionais A tabela abaixo lista a avaliação da ferramenta Project Pier quanto aos requisitos funcionais definidos anteriormente.

11 REQUISITO GR-PRIOR GR-IMPLEM GR-PRIOR x GR-IMPLEM Requisitos não-funcionais Já a tabela abaixo, lista a avaliação da ferramenta Project Pier quanto aos requisitos nãofuncionais definidos anteriormente.

12 REQUISITO GR-PRIOR GR-IMPLEM GR-PRIOR x GR-IMPLEM Nota Final Por fim, temos a avaliação final da ferramenta: P = P ONT UACAO = Σ(GR.P RIOR GR.IMP LEM) = 93 P M = P ONT UACAOMAXIMA = Σ(GR.P RIOR 2) = Conclusão NF = NOT A.F INAL = (P/P M) 100 NF = (P ONT UACAO/P ONT UACAO.MAXIMA) 100 NF = (93/188) 100 = O objetivo inicial desse trabalho foi comparar as duas ferramentas descritas, o RedMine e o ProjectPier, de maneira analática e objetiva, atendendo uma série de critérios (requisitos) tanto funcionais como não-funcionais, com a finalidade de detectar os pontos fracos e fortes das mesmas, e decidir sem preconceitos, se for necessário, qual ferramenta seria mais apta e conveniente para ser aplicada no processo de gerencia de projetos de uma organização. Não obstante ao longo do desenvolvimento do trabalho, os autores desenvolveram uma visão crítica na avaliação de ferrementas de software em geral, observando que uma boa definição das características esperadas de uma ferramenta é essencial para esse processo. A partir do estudo, aplicação da metodologia, avaliação e comparação das ferramentas, pode-se inferir que não há diferenças significativas entre as duas ferramentas. Ambas têm numerosas lacunas quanto às necessidades de uma organização, mas não deve-se esquecer que são ferramentas ainda imaturas e em constante evolução e desenvolvimento. Se bem as diferenças não são sumamente importantes, o software RedMine ganha quantitativamente, pois conseguiu pontos de um total de 100. Paralelamente,

13 a nota final do ProjectPier foi de pontos. Pode-se observar que as duas ferramentas ficaram em uma pontuação limite entre o aprovado e o suspenso, o qual denota claramente que não estamos falando sobre produtos extremamente competitivos neste sector ou nicho de mercado. Entre as deficiências principais detetadas em ambas ferramentas destacamos as seguintes: Falta da possibilidade de definir o projeto em suas fases pertinentes. Falta da possibilidade de estimar esforços e custos necessarios das tarefas de projeto, assim como seu orçamento. Em relação aos riscos, embora for possível defini-los, não seria possível determinar o seu impacto, probabilidade de ocorrência e prioridade de tratamento. Não há mecanismos para avaliar a viabilidade de atingir as metas do projeto. As diferentes partes interessadas não podem propor mudanças ou dar a sua conformidade ao plano de projeto, primeiramente porque não se pode marcar dito plano e, segundo, porque as partes interessadas não têm capacidade de opinar (através do software mesmo, claro). Por fim, é importante notar que, ainda com suas limitações, as ferramentas podem servir os propósitos de empresas de tamanho pequeno e projetos de pouca entidade e que têm, certamente, seus pontos fortes, já destacados ao longo do informe. Referências MPS.BR (2006). Melhoria de processo do software brasileiro - guia geral. Disponivel em Ultimo acesso em maio de PROJECT-PIER (2009). Project pier. REDMINE (2009). Redmine.

Uso de Ferramentas Open Source para gestão de Projetos Eduardo Cardoso Moraes

Uso de Ferramentas Open Source para gestão de Projetos Eduardo Cardoso Moraes Uso de Ferramentas Open Source para gestão de Projetos Eduardo Cardoso Moraes Programa de Pós-Graduação em Ciência da Computação Centro de Informática Universidade Federal do Pernambuco Resumo. Atualmente

Leia mais

3 Estudo de Ferramentas

3 Estudo de Ferramentas 3 Estudo de Ferramentas Existem diferentes abordagens para automatizar um processo de desenvolvimento. Um conjunto de ferramentas pode ser utilizado para aperfeiçoar o trabalho, mantendo os desenvolvedores

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE MATEMÁTICA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO MATA62 - Engenharia de Software I Comparação entre Ferramentas de Gerência de Projeto Salvador 2009.1 MATA62

Leia mais

Políticas de Qualidade em TI

Políticas de Qualidade em TI Políticas de Qualidade em TI Aula 05 MPS.BR (ago/12) Melhoria de Processo do Software Brasileiro Prof. www.edilms.eti.br edilms@yahoo.com Agenda Descrição sumária do MPS.BR - Melhoria de Processo do Software

Leia mais

Estudo de Caso da Implantação do Nível G do MPS.BR em Uma Empresa

Estudo de Caso da Implantação do Nível G do MPS.BR em Uma Empresa Estudo de Caso da Implantação do Nível G do MPS.BR em Uma Empresa Dayana Henriques Fonseca 1, Frederico Miranda Coelho 1 1 Departamento de Ciência da Computação Universidade Presidente Antônio Carlos (UNIPAC)

Leia mais

Ferramentas de planejamento e acompanhamento

Ferramentas de planejamento e acompanhamento MAC5856 - Desenvolvimento de Software Livre Prof. Fabio Kon Ferramentas de planejamento e acompanhamento Comparação entre as ferramentas livres disponíveis 22 de outubro de 2009 - IME/USP Victor Williams

Leia mais

Guia de Introdução ao Windows SharePoint Services

Guia de Introdução ao Windows SharePoint Services Guia de Introdução ao Windows SharePoint Services - Windows SharePoint Services... Page 1 of 11 Windows SharePoint Services Guia de Introdução ao Windows SharePoint Services Ocultar tudo O Microsoft Windows

Leia mais

Avaliação e Melhorias no Processo de Construção de Software

Avaliação e Melhorias no Processo de Construção de Software Avaliação e Melhorias no Processo de Construção de Software Martim Chitto Sisson Centro Tecnológico Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) Florianópolis SC Brasil martim@inf.ufsc.br Abstract. This

Leia mais

Definição do Framework de Execução de Processos Spider-PE

Definição do Framework de Execução de Processos Spider-PE Definição do Framework de Execução de Processos Spider-PE 1. INTRODUÇÃO 1.1 Finalidade Este documento define um framework de execução de processos de software, denominado Spider-PE (Process Enactment),

Leia mais

Project Builder: uma Ferramenta de Apoio a Implementação do Processo Gerência de Projetos do MPS.BR

Project Builder: uma Ferramenta de Apoio a Implementação do Processo Gerência de Projetos do MPS.BR Project Builder: uma Ferramenta de Apoio a Implementação do Processo Gerência de Projetos do MPS.BR Bernardo Grassano, Eduardo Carvalho, Analia I.F. Ferreira, Mariano Montoni bernardo.grassano@projectbuilder.com.br,

Leia mais

Gerenciando seu projeto com dotproject

Gerenciando seu projeto com dotproject Gerenciando seu projeto com dotproject Gerência de Projeto Sobre o dotproject Requisitos de instalação Instalando o dotproject Customizando interface Gerenciando um projeto O trabalho Gerenciando seu projeto

Leia mais

Resultados alcançados com a Ferramenta Channel em implementação de sucesso da Gerência de Projetos no nível G de maturidade do MR-MPS

Resultados alcançados com a Ferramenta Channel em implementação de sucesso da Gerência de Projetos no nível G de maturidade do MR-MPS Resultados alcançados com a Ferramenta Channel em implementação de sucesso da Gerência de Projetos no nível G de maturidade do MR-MPS Mauricio Fiorese 1, Alessandra Zoucas 2 e Marcello Thiry 2 1 JExperts

Leia mais

Redmine. Simplificando a gestão de projetos 28-08-2014

Redmine. Simplificando a gestão de projetos 28-08-2014 Redmine Simplificando a gestão de projetos 28-08-2014 Sobre o palestrante Eliel Gonçalves Formação técnica em processamento de dados e graduação em tecnologia em processamento de dados. Possui 15 anos

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Introdução à Melhoria de Processos de Software baseado no MPS.BR Prof. Maxwell Anderson www.maxwellanderson.com.br Agenda Introdução MPS.BR MR-MPS Detalhando o MPS.BR nível G Introdução

Leia mais

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider Ferramenta: Spider-CL Manual do Usuário Versão da Ferramenta: 1.1 www.ufpa.br/spider Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 14/07/2009 1.0 15/07/2009 1.1 16/07/2009 1.2 20/05/2010 1.3 Preenchimento

Leia mais

A visão do modelo MPS.BR para Gerência de Projeto - Nível G. por Adriana Silveira de Souza

A visão do modelo MPS.BR para Gerência de Projeto - Nível G. por Adriana Silveira de Souza A visão do modelo MPS.BR para Gerência de Projeto - Nível G por Adriana Silveira de Souza Agenda Visão Geral do MPS.BR Processos e Capacidade de Processo Níveis de Maturidade Atributos de Processo Processo

Leia mais

Gerência de Projetos Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo

Gerência de Projetos Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo Gerência de Projetos Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo Laboratório de Tecnologia de Software LTS www.ufpa.br/lts Rede Paraense de Pesquisa em Tecnologias de Informação

Leia mais

Gerência de Requisitos: MPS.BR, BABOK e Agile possuem algo em comum? Uma experiência no Governo com software Open Source

Gerência de Requisitos: MPS.BR, BABOK e Agile possuem algo em comum? Uma experiência no Governo com software Open Source Gerência de Requisitos: MPS.BR, BABOK e Agile possuem algo em comum? Uma experiência no Governo com software Open Source O INEP Autarquia federal vinculada ao Ministério da Educação (MEC), criada em 1937

Leia mais

O Modelo Processo de Software Brasileiro MPS-Br

O Modelo Processo de Software Brasileiro MPS-Br O Modelo Processo de Software Brasileiro MPS-Br Prof. Pasteur Ottoni de Miranda Junior Disponível em www.pasteurjr.blogspot.com 1-Estrutura do MPS-Br ( Softex, 2009) O MPS.BR1 é um programa mobilizador,

Leia mais

Anexo I Formulário para Proposta

Anexo I Formulário para Proposta PLATAFORMA CGI.br Solicitação de Propostas SP Anexo I Formulário para Proposta Data: 05/07/2013 Versão: 1.1 Plataforma CGI.br Solicitação de Propostas - SP Anexo I Formulário para Proposta 1. Estrutura

Leia mais

Prova de Conhecimento para Consultores de Implementação MPS.BR INSTRUÇÕES

Prova de Conhecimento para Consultores de Implementação MPS.BR INSTRUÇÕES Implementação MPS.BR 26 de maio de 2008 4 horas de duração e-mail: (DEIXAR EM BRANCO) RESULTADO: Q1 Q2 Q3 Q4 Q5 Q6 Q7 Q8 Q9 Q10 Nota INSTRUÇÕES Para a maioria das questões você tem mais de uma opção e

Leia mais

6 Infraestrutura de Trabalho

6 Infraestrutura de Trabalho 6 Infraestrutura de Trabalho Este capítulo tem como objetivo fornecer uma visão geral do ambiente de trabalho encontrado na organização estudada, bem como confrontá-lo com a organização ideal tal como

Leia mais

Cenário atual de uso e das ferramentas de software livre em Geoprocessamento

Cenário atual de uso e das ferramentas de software livre em Geoprocessamento Cenário atual de uso e das ferramentas de software livre em Geoprocessamento Tiago Eugenio de Melo tiago@comunidadesol.org 1 Sumário Conceitos GIS e Software Livre Ferramentas: Jump Qgis Thuban MapServer

Leia mais

PERIVER PLATAFORMA SOFTWARE REQUIREMENT SPECIFICATION. Periver_SoftwareRequirementSpecification_2008-03-31_v1.0.doc. Versão 1.0

PERIVER PLATAFORMA SOFTWARE REQUIREMENT SPECIFICATION. Periver_SoftwareRequirementSpecification_2008-03-31_v1.0.doc. Versão 1.0 PLATAFORMA Versão 1.0 31 de Março de 2008 TABELA DE REVISÕES Versão Autores Descrição da Versão Aprovadores Data António Rocha Cristina Rodrigues André Ligeiro V0.1r Dinis Monteiro Versão inicial António

Leia mais

Metodologia e Gerenciamento do Projeto na Fábrica de Software v.2

Metodologia e Gerenciamento do Projeto na Fábrica de Software v.2 .:: Universidade Estadual de Maringá Bacharelado em Informática Eng. de Software III :. Sistema de Gerenciamento de Eventos - Equipe 09 EPSI Event Programming System Interface Metodologia e Gerenciamento

Leia mais

Software Livre e GIS: Quais são as alternativas?

Software Livre e GIS: Quais são as alternativas? Software Livre e GIS: Quais são as alternativas? Tiago Eugenio de Melo tiago@comunidadesol.org 1 Sumário Conceitos GIS e Software Livre Ferramentas: Thuban Qgis Jump MapServer O Futuro das Tecnologias

Leia mais

Engenharia de Software 2012/3 Aula 4 Engenharia de Requisitos

Engenharia de Software 2012/3 Aula 4 Engenharia de Requisitos Engenharia de Software Engenharia de Software 2012/3 Aula 4 Engenharia de Requisitos Thiago P. da Silva thiagosilva.inf@gmail.com Agenda Engenharia de Requisitos Níveis de Descrição dos Requisitos Tipos

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Requisitos Cap. 06 e 07 Sommerville 8 ed. REQUISITOS DE SOFTWARE» Requisitos são descrições de serviços fornecidos pelo sistema e suas restrições operacionais. REQUISITOS DE USUÁRIOS: São

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA ENGENHARIA DE SOFTWARE III

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA ENGENHARIA DE SOFTWARE III UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA ENGENHARIA DE SOFTWARE III FERRAMENTAS DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS TRAC E DOTPROJECT ORIETADOS AO RUP ACADÊMICOS: GUSTAVO

Leia mais

Ferramenta de apoio a gerência de configuração de software. Aluno: Rodrigo Furlaneto Orientador: Everaldo Artur Grahl

Ferramenta de apoio a gerência de configuração de software. Aluno: Rodrigo Furlaneto Orientador: Everaldo Artur Grahl Ferramenta de apoio a gerência de configuração de software Aluno: Rodrigo Furlaneto Orientador: Everaldo Artur Grahl Roteiro de apresentação Introdução Objetivos Fundamentação Teórica Gerência de Configuração

Leia mais

Redmine. Simplificando a gestão de projetos 28-08-2014

Redmine. Simplificando a gestão de projetos 28-08-2014 Redmine Simplificando a gestão de projetos 28-08-2014 Sobre o palestrante Eliel Gonçalves Formação técnica em processamento de dados e graduação em tecnologia em processamento de dados. Possui 15 anos

Leia mais

Engenharia de Requisitos

Engenharia de Requisitos Engenharia de Requisitos Introdução a Engenharia de Requisitos Professor: Ricardo Argenton Ramos Aula 08 Slide 1 Objetivos Introduzir a noção de requisitos do sistema e o processo da engenharia de requisitos.

Leia mais

Sistema BuildParty para montagem e gerenciamento de eventos. Plano de Testes. Versão <1.1> DeltaInfo. Soluções para web Soluções para o mundo

Sistema BuildParty para montagem e gerenciamento de eventos. Plano de Testes. Versão <1.1> DeltaInfo. Soluções para web Soluções para o mundo Sistema BuildParty para montagem e gerenciamento de eventos Plano de Testes Versão DeltaInfo Soluções para web Soluções para o mundo DeltaInfo 2 Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autores

Leia mais

AVALIAÇÃO DA UTILIZAÇÃO DO SCRUM COMO MEIO PARA OBTENÇÃO DO NÍVEL G DE MATURIDADE DE ACORDO COM O MODELO MPS.br RESUMO

AVALIAÇÃO DA UTILIZAÇÃO DO SCRUM COMO MEIO PARA OBTENÇÃO DO NÍVEL G DE MATURIDADE DE ACORDO COM O MODELO MPS.br RESUMO 1 AVALIAÇÃO DA UTILIZAÇÃO DO SCRUM COMO MEIO PARA OBTENÇÃO DO NÍVEL G DE MATURIDADE DE ACORDO COM O MODELO MPS.br Autor: Julio Cesar Fausto 1 RESUMO Em um cenário cada vez mais competitivo e em franca

Leia mais

Gerenciamento de Requisitos Gerenciamento de Requisitos

Gerenciamento de Requisitos Gerenciamento de Requisitos Gerenciamento de Requisitos Objetivos da disciplina Descrever o processo de Gerenciamento e Engenharia de Requisitos para projetos Treinar alunos no Gerenciamento de Requisitos Apresentar estudos de caso

Leia mais

Modelagem de informações de. construçãocapítulo1: Capítulo. Objetivo do capítulo

Modelagem de informações de. construçãocapítulo1: Capítulo. Objetivo do capítulo construçãocapítulo1: Capítulo 1 Modelagem de informações de A modelagem de informações de construção (BIM) é um fluxo de trabalho integrado baseado em informações coordenadas e confiáveis sobre um empreendimento,

Leia mais

ARCO - Associação Recreativa dos Correios. Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Plano de Desenvolvimento de Software Versão <1.

ARCO - Associação Recreativa dos Correios. Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Plano de Desenvolvimento de Software Versão <1. ARCO - Associação Recreativa dos Correios Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Versão Histórico da Revisão Data Versão Descrição Autor Página

Leia mais

Engenharia de Software II

Engenharia de Software II Engenharia de Software II Aula 22 http://www.ic.uff.br/~bianca/engsoft2/ Aula 22-07/07/2006 1 Ementa Processos de desenvolvimento de software Estratégias e técnicas de teste de software Métricas para software

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE INSTITUTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ENGENHARIA DE SOFTWARE II. Primeiro Trabalho

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE INSTITUTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ENGENHARIA DE SOFTWARE II. Primeiro Trabalho UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE INSTITUTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ENGENHARIA DE SOFTWARE II Primeiro Trabalho Descrição do trabalho: Escrever um Documento de Visão. Projeto: Automatização do sistema que

Leia mais

Qualidade de Software: Visão Geral

Qualidade de Software: Visão Geral Qualidade de Software: Visão Geral Engenharia de Software 1 Aula 05 Qualidade de Software Existem muitas definições de qualidade de software propostas na literatura, sob diferentes pontos de vista Qualidade

Leia mais

Qualidade de software

Qualidade de software Faculdade de Ciências Sociais e Aplicadas de Petrolina - FACAPE Curso: Ciência da Computação Disciplina:Projeto de Sistemas Qualidade de software cynaracarvalho@yahoo.com.br Qualidade de software Qualidade

Leia mais

FERRAMENTAS PARA DESENVOLVIMENTO EM C#

FERRAMENTAS PARA DESENVOLVIMENTO EM C# FERRAMENTAS PARA DESENVOLVIMENTO EM C# Camila Sanches Navarro 1,2, Wyllian Fressatti 2 ¹Universidade paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil sanchesnavarro@gmail.com wyllian@unipar.br Resumo. Este artigo

Leia mais

Planejamento de Projetos. Professor Gabriel Baptista ( gabriel.baptista@uninove.br ) ( http://sites.google.com/site/professorgabrielbaptista )

Planejamento de Projetos. Professor Gabriel Baptista ( gabriel.baptista@uninove.br ) ( http://sites.google.com/site/professorgabrielbaptista ) Qualidade de Software Aula 9 (Versão 2012-01) 01) Planejamento de Projetos Professor Gabriel Baptista ( gabriel.baptista@uninove.br ) ( http://sites.google.com/site/professorgabrielbaptista ) Revisando...

Leia mais

Especificação de Sistemas e Especificação de Requisitos

Especificação de Sistemas e Especificação de Requisitos Especificação de Sistemas e Especificação de Requisitos Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro Centro de Ciências Exatas e Tecnologia Escola de Informática Aplicada Curso: Bacharelado em Sistemas

Leia mais

FERRAMENTA CASE PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS E MÉTRICAS DE SOFTWARE

FERRAMENTA CASE PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS E MÉTRICAS DE SOFTWARE FERRAMENTA CASE PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS E MÉTRICAS DE SOFTWARE 1 UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ Centro de Ciências Tecnológicas da Terra e do Mar Rua Uruguai, 458 Centro Itajaí(SC) CEP: 88.302-202

Leia mais

Orientações para o Planejamento e Realização do Projeto Final

Orientações para o Planejamento e Realização do Projeto Final Orientações para o Planejamento e Realização do Projeto Final Simone Diniz Junqueira Barbosa Versão: 1.0.4 Orientações para o Planejamento e Realização do Projeto Final Sumário 1 Introdução... 3 2 Projeto

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO Gerente de projeto

MANUAL DO USUÁRIO Gerente de projeto MANUAL DO USUÁRIO Gerente de projeto Conteúdos 1. O gerente de projeto... 3 2. Painel de início... 4 3. Parâmetros gerais do projeto... 5 4. Designar usuários a projetos e tarefas... 6 5. Orçamento...

Leia mais

SPEKX DATA SHEET. Visão Serviços. Release 4.5

SPEKX DATA SHEET. Visão Serviços. Release 4.5 SPEKX DATA SHEET Visão Serviços Release 4.5 Versão 2.0 ÍNDICE ANALÍTICO 1. Introdução 3 1.1. Solução Única 3 2. Visão Resumida 4 2.1 Diagrama de Etapas de Projetos / Serviços 4 2.2. Resumo Descritivo Etapas

Leia mais

ITIL na Prática. Quais são os fatores críticos de sucesso para obter valor a partir de um Service Desk? Conhecimento em Tecnologia da Informação

ITIL na Prática. Quais são os fatores críticos de sucesso para obter valor a partir de um Service Desk? Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação ITIL na Prática Quais são os fatores críticos de sucesso para obter valor a partir de um Service Desk? Conhecimento em Tecnologia da Informação 2010 Bridge Consulting

Leia mais

CA Nimsoft Monitor. Guia do Probe Monitoramento de conectividade de rede. net_connect série 3.0

CA Nimsoft Monitor. Guia do Probe Monitoramento de conectividade de rede. net_connect série 3.0 CA Nimsoft Monitor Guia do Probe Monitoramento de conectividade de rede net_connect série 3.0 Aviso de copyright do CA Nimsoft Monitor Este sistema de ajuda online (o Sistema ) destina-se somente para

Leia mais

AUTOR: DAVID DE MIRANDA RODRIGUES CONTATO: davidmr@ifce.edu.br CURSO FIC DE PROGRAMADOR WEB VERSÃO: 1.0

AUTOR: DAVID DE MIRANDA RODRIGUES CONTATO: davidmr@ifce.edu.br CURSO FIC DE PROGRAMADOR WEB VERSÃO: 1.0 AUTOR: DAVID DE MIRANDA RODRIGUES CONTATO: davidmr@ifce.edu.br CURSO FIC DE PROGRAMADOR WEB VERSÃO: 1.0 SUMÁRIO 1 Conceitos Básicos... 3 1.1 O que é Software?... 3 1.2 Situações Críticas no desenvolvimento

Leia mais

Tópicos de Ambiente Web. Modulo 2 Processo de desenvolvimento de um site Professora: Sheila Cáceres

Tópicos de Ambiente Web. Modulo 2 Processo de desenvolvimento de um site Professora: Sheila Cáceres Tópicos de Ambiente Web Modulo 2 Processo de desenvolvimento de um site Professora: Sheila Cáceres Roteiro Motivação Desenvolvimento de um site Etapas no desenvolvimento de software (software:site) Analise

Leia mais

MOODLE é o acrónimo de "Modular Object-Oriented Dynamic Learning Environment. Executado em um AVA - Ambiente Virtual de Apresendizagem;

MOODLE é o acrónimo de Modular Object-Oriented Dynamic Learning Environment. Executado em um AVA - Ambiente Virtual de Apresendizagem; MOODLE é o acrónimo de "Modular Object-Oriented Dynamic Learning Environment Software livre, de apoio à aprendizagem; Executado em um AVA - Ambiente Virtual de Apresendizagem; A expressão designa ainda

Leia mais

Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK

Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK http://www.sei.cmu.edu/ Prefácio do CMM Após várias décadas de promessas não cumpridas sobre ganhos de produtividade e qualidade na aplicação de novas metodologias

Leia mais

Implantação dos Processos Gerência de Projeto e Medição com Auxílio de Ferramenta Baseada em Planilhas Carlos Simões Claudia Lasmar Gleison Santos

Implantação dos Processos Gerência de Projeto e Medição com Auxílio de Ferramenta Baseada em Planilhas Carlos Simões Claudia Lasmar Gleison Santos Implantação dos Processos Gerência de Projeto e Medição com Auxílio de Ferramenta Baseada em Planilhas Carlos Simões Claudia Lasmar Gleison Santos Agenda: Carlos Simões cs@synapsisbrasil.com.br carlossimoes@cos.ufrj.br

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: Monsenhor Antonio Magliano Código: 088 Município: Garça Eixo Tecnológico: Informação e Comunicação Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio

Leia mais

Usando o MS Project 2010 em Gerenciamento de Projetos

Usando o MS Project 2010 em Gerenciamento de Projetos Darci Prado Usando o MS Project 2010 em Gerenciamento de Projetos SEÇÃO A: CONHECIMENTOS BÁSICOS SEÇÃO A-1: PLANEJAMENTO DE UM PROJETO 1. Uso do Computador em Gerenciamento de Projetos: o MS-Project........................

Leia mais

BRAlarmExpert. Software para Gerenciamento de Alarmes. BENEFÍCIOS obtidos com a utilização do BRAlarmExpert:

BRAlarmExpert. Software para Gerenciamento de Alarmes. BENEFÍCIOS obtidos com a utilização do BRAlarmExpert: BRAlarmExpert Software para Gerenciamento de Alarmes A TriSolutions conta com um produto diferenciado para gerenciamento de alarmes que é totalmente flexível e amigável. O software BRAlarmExpert é uma

Leia mais

WARP Acelerando a excelência em qualidade de software do Brasil

WARP Acelerando a excelência em qualidade de software do Brasil WARP Acelerando a excelência em qualidade de software do Brasil Yuri Gitahy de Oliveira, CTO yuri@vettatech.com Sobre a Vetta Exportando software desde 2001 Maior empresa de exportação de software em MG

Leia mais

Essencial ao Desenvolvimento de Software

Essencial ao Desenvolvimento de Software Documento de Requisitos Essencial ao Desenvolvimento de Software De que se trata o artigo? Apresenta o documento de requisitos de software, destacando-o como um dos principais documentos pertinentes ao

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO TESTE DE SOFTWARE PARA A QUALIDADE DO PROJETO

A IMPORTÂNCIA DO TESTE DE SOFTWARE PARA A QUALIDADE DO PROJETO A IMPORTÂNCIA DO TESTE DE SOFTWARE PARA A QUALIDADE DO PROJETO Autora: LUCIANA DE BARROS ARAÚJO 1 Professor Orientador: LUIZ CLAUDIO DE F. PIMENTA 2 RESUMO O mercado atual está cada vez mais exigente com

Leia mais

Professor: Disciplina:

Professor: Disciplina: Professor: Curso: Disciplina: Marcos Morais de Sousa marcosmoraisdesousa@gmail.com marcosmoraisdesousa.blogspot.com Sistemas de informação Engenharia de Software II Gerenciamento de Qualidade CMMI e MPS.BR

Leia mais

Introdução a listas - Windows SharePoint Services - Microsoft Office Online

Introdução a listas - Windows SharePoint Services - Microsoft Office Online Page 1 of 5 Windows SharePoint Services Introdução a listas Ocultar tudo Uma lista é um conjunto de informações que você compartilha com membros da equipe. Por exemplo, você pode criar uma folha de inscrição

Leia mais

Sistema Datachk. Plano de Projeto. Versão <1.0> Z u s a m m e n a r b e i t I d e i a s C o l a b o r a t i v a s

Sistema Datachk. Plano de Projeto. Versão <1.0> Z u s a m m e n a r b e i t I d e i a s C o l a b o r a t i v a s Plano de Projeto Versão Z u s a m m e n a r b e i t I d e i a s C o l a b o r a t i v a s 2010 2 Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autores 07/04/2010 1.0 Criação da primeira versão do Plano

Leia mais

ITIL Gerenciamento de Mudanças

ITIL Gerenciamento de Mudanças 1. Objetivo e Abrangência Mudança tem várias definições eruditas, mas possivelmente a mais adequada é a mais simples: Mudança é o processo de mover-se de um estado definido a outro. Tudo muda e, no negócio,

Leia mais

Engenharia de Software. Gerenciamento de Requisitos. Prof. Rodolfo Miranda de Barros rodolfo@uel.br

Engenharia de Software. Gerenciamento de Requisitos. Prof. Rodolfo Miranda de Barros rodolfo@uel.br Engenharia de Software Gerenciamento de Requisitos Prof. Rodolfo Miranda de Barros rodolfo@uel.br Engenharia de Requisitos (ER) Engenharia de O termo Engenharia implica em dizer que um processo sistemático

Leia mais

PLANO DO PROJETO. TÍTULO: Novos sites Grupo Promon e Promon Engenharia. GERENTE DO PROJETO: Ricardo Mantovani

PLANO DO PROJETO. TÍTULO: Novos sites Grupo Promon e Promon Engenharia. GERENTE DO PROJETO: Ricardo Mantovani PLANO DO PROJETO TÍTULO: GERENTE DO PROJETO: Ricardo Mantovani HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES Revisão Data Descrição das alterações Autor/Editor i V1R0 23/01/2012 Versão inicial RESPONSÁVEL PELO DOCUMENTO Nome

Leia mais

ITIL V3 (aula 8) AGENDA: REVISÃO FERRAMENTAS EXAME

ITIL V3 (aula 8) AGENDA: REVISÃO FERRAMENTAS EXAME ITIL V3 (aula 8) AGENDA: REVISÃO FERRAMENTAS EXAME Revisão dos livros - ITIL Incident Management (Gerenciamento de incidentes) reduzir o tempo de indisponibilidade (downtime) dos serviços Problem Management

Leia mais

AULA 4 VISÃO BÁSICA DE CLASSES EM PHP

AULA 4 VISÃO BÁSICA DE CLASSES EM PHP AULA 4 VISÃO BÁSICA DE CLASSES EM PHP Antes de mais nada, vamos conhecer alguns conceitos, que serão importantes para o entendimento mais efetivos dos assuntos que trataremos durante a leitura desta apostila.

Leia mais

Sistema de Automação Comercial de Pedidos

Sistema de Automação Comercial de Pedidos Termo de Abertura Sistema de Automação Comercial de Pedidos Cabana - Versão 1.0 Iteração 1.0- Release 1.0 Versão do Documento: 1.5 Histórico de Revisão Data Versão do Documento Descrição Autor 18/03/2011

Leia mais

Apresentação do Portfólio da ITWV Soluções Inteligentes em Tecnologia

Apresentação do Portfólio da ITWV Soluções Inteligentes em Tecnologia P ORTFÓ FÓLIO Apresentação do Portfólio da ITWV Soluções Inteligentes em Tecnologia versão 1.1 ÍNDICE 1. A EMPRESA... 3 2. BI (BUSINESS INTELLIGENCE)... 5 3. DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS... 6 3.1. PRODUTOS

Leia mais

AGILE ROLAP - UMA METODOLOGIA ÁGIL PARA IMPLEMENTAÇÃO DE AMBIENTES DE NEGÓCIOS BASEADO EM SERVIDORES OLAP.

AGILE ROLAP - UMA METODOLOGIA ÁGIL PARA IMPLEMENTAÇÃO DE AMBIENTES DE NEGÓCIOS BASEADO EM SERVIDORES OLAP. AGILE ROLAP - UMA METODOLOGIA ÁGIL PARA IMPLEMENTAÇÃO DE AMBIENTES DE NEGÓCIOS BASEADO EM SERVIDORES OLAP. Luan de Souza Melo (Fundação Araucária), André Luís Andrade Menolli (Orientador), Ricardo G. Coelho

Leia mais

Trabalho Interdisciplinar. MS Project

Trabalho Interdisciplinar. MS Project Aula Prática: Introdução ao Microsoft Project Professional MS Project Como vimos em nossas aulas, a EAP Estrutura Analítica do Projeto é o primeiro passo para criar um cronograma de um projeto estruturado.

Leia mais

http://aurelio.net/vim/vim-basico.txt Entrar neste site/arquivo e estudar esse aplicativo Prof. Ricardo César de Carvalho

http://aurelio.net/vim/vim-basico.txt Entrar neste site/arquivo e estudar esse aplicativo Prof. Ricardo César de Carvalho vi http://aurelio.net/vim/vim-basico.txt Entrar neste site/arquivo e estudar esse aplicativo Administração de Redes de Computadores Resumo de Serviços em Rede Linux Controlador de Domínio Servidor DNS

Leia mais

Manual de Implementação de Processo do MPS.BR com Apoio Ferramental

Manual de Implementação de Processo do MPS.BR com Apoio Ferramental Manual de Implementação de Processo do MPS.BR com Apoio Ferramental Processo: Gerência de Projetos Versão: 4.0 www.ufpa.br/spider Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 10/10/2009 1.0 18/10/2009

Leia mais

Questionário. A ferramenta auxilia na alocação de Não (0) x x x. Satisfatório (5) complexidade de um caso de uso? de uso (72) Sim (10)

Questionário. A ferramenta auxilia na alocação de Não (0) x x x. Satisfatório (5) complexidade de um caso de uso? de uso (72) Sim (10) Questionário Nível Avaliado Gerador de plano de teste Gerador de dados Função/característica do produto Gestão dos dados do plano de teste (51) Perguntas Pontuação Selenium BadBoy Canoo A ferramenta auilia

Leia mais

Figura 1 - Arquitetura multi-camadas do SIE

Figura 1 - Arquitetura multi-camadas do SIE Um estudo sobre os aspectos de desenvolvimento e distribuição do SIE Fernando Pires Barbosa¹, Equipe Técnica do SIE¹ ¹Centro de Processamento de Dados, Universidade Federal de Santa Maria fernando.barbosa@cpd.ufsm.br

Leia mais

LEVANTAMENTO DE REQUISITOS SEGUNDO O MÉTODO VOLERE

LEVANTAMENTO DE REQUISITOS SEGUNDO O MÉTODO VOLERE LEVANTAMENTO DE REQUISITOS SEGUNDO O MÉTODO VOLERE RESUMO Fazer um bom levantamento e especificação de requisitos é algo primordial para quem trabalha com desenvolvimento de sistemas. Esse levantamento

Leia mais

Software Livre e proprietário: Coexistência de diferentes formas de Licenciamento, interoperabilidade e eficiência na inclusão digital e social.

Software Livre e proprietário: Coexistência de diferentes formas de Licenciamento, interoperabilidade e eficiência na inclusão digital e social. Software Livre e proprietário: Coexistência de diferentes formas de Licenciamento, interoperabilidade e eficiência na inclusão digital e social. Palestrante: Paulo Cesar Alves 19/09/2005 Agenda Formulação

Leia mais

INDICE 3.APLICAÇÕES QUE PODEM SER DESENVOLVIDAS COM O USO DO SAXES

INDICE 3.APLICAÇÕES QUE PODEM SER DESENVOLVIDAS COM O USO DO SAXES w w w. i d e a l o g i c. c o m. b r INDICE 1.APRESENTAÇÃO 2.ESPECIFICAÇÃO DOS RECURSOS DO SOFTWARE SAXES 2.1. Funcionalidades comuns a outras ferramentas similares 2.2. Funcionalidades próprias do software

Leia mais

Aplicativos para documentos, apresentações e planilhas Para suportar seus objetivos de negócios. Por que o IBM Lotus Symphony? Por que é grátis?

Aplicativos para documentos, apresentações e planilhas Para suportar seus objetivos de negócios. Por que o IBM Lotus Symphony? Por que é grátis? Aplicativos para documentos, apresentações e planilhas Para suportar seus objetivos de negócios Por que o IBM Lotus Symphony? Por que é grátis? Siga seu orçamento de TI siga os números Sejamos realistas,

Leia mais

Gerenciador de Log. Documento Visão. Projeto Integrador 2015/2. Engenharia de Software. Versão 2.0. Engenharia de Software

Gerenciador de Log. Documento Visão. Projeto Integrador 2015/2. Engenharia de Software. Versão 2.0. Engenharia de Software Documento Visão e Documento Suplementar Gerenciador de Log Documento Visão Versão 2.0 1 Índice 1. Histórico de Revisões...3 2. Objetivo do Documento...4 3. Sobre o Problema...4 4. Sobre o produto...4 4.1.

Leia mais

Guia de Início Rápido

Guia de Início Rápido Guia de Início Rápido O Microsoft Project 2013 apresenta uma aparência diferente das versões anteriores; desse modo, criamos este guia para ajudá-lo a minimizar a curva de aprendizado. Barra de Ferramentas

Leia mais

Consultoria sobre Joomla!

Consultoria sobre Joomla! Consultoria sobre Joomla! Joomla! (pronuncia-se djumla) é um CMS (Content Management System) desenvolvido a partir do Mambo. É escrito em PHP e roda no servidor web Apache ou IIS e banco de dados MySQL.

Leia mais

Visão geral do Microsoft Office Word 2007. Crie conteúdo com aparência profissional

Visão geral do Microsoft Office Word 2007. Crie conteúdo com aparência profissional Visão geral do Microsoft Office Word 2007 Bem vindo ao Microsoft Office Word 2007, incluído na versão 2007 do Microsoft Office system. O Office Word 2007 é um poderoso programa de criação de documentos

Leia mais

Software para especificação de motores de indução trifásicos

Software para especificação de motores de indução trifásicos Instituto Federal Sul-riograndense Campus Pelotas - Curso de Engenharia Elétrica Software para especificação de motores de indução trifásicos Disciplina: Projeto Integrador III Professor: Renato Neves

Leia mais

Qualidade de Software MPS.BR - Questões CESPE (2010 a 2013)

Qualidade de Software MPS.BR - Questões CESPE (2010 a 2013) Qualidade de Software MPS.BR - Questões CESPE (2010 a 2013) Professor Gledson Pompeu gledson.pompeu@gmail.com Acesse nosso site em WWW.DOMINANDOTI.COM.BR Versões atualizadas de notas de aula e listas de

Leia mais

Charles Sales Bicalho. Orientador: Prof. Dr. Oscar Dalfovo

Charles Sales Bicalho. Orientador: Prof. Dr. Oscar Dalfovo PROCESSOS DA ITIL: APLICAÇÃO PARA AVALIAÇÃO DO NÍVEL DE MATURIDADE Charles Sales Bicalho Orientador: Prof. Dr. Oscar Dalfovo Roteiro da Apresentação Introdução Objetivos Fundamentação Teórica Trabalhos

Leia mais

Estudo de Viabilidade

Estudo de Viabilidade Estudo de Viabilidade PGE: Plastic Gestor Empresarial Especificação de Requisitos e Validação de Sistemas Recife, janeiro de 2013 Sumário 1. Motivação... 1 2. Introdução: O Problema Indentificado... 2

Leia mais

Documento de Visão. Sistema de Ponto Eletrônico A2MEPonto. Versão 1.0

Documento de Visão. Sistema de Ponto Eletrônico A2MEPonto. Versão 1.0 Documento de Visão Sistema de Ponto Eletrônico A2MEPonto Versão 1.0 HISTÓRICO DE REVISÕES Data Versão Descrição Autor 23/10/2010 #1 Elaboração do documento. Eduardo Neto Versão 1.0 Documento de Visão A2ME

Leia mais

UNIP Ciência da Computação / Sistemas de Informação TED I - Orientações Gerais para Elaboração dos Documentos

UNIP Ciência da Computação / Sistemas de Informação TED I - Orientações Gerais para Elaboração dos Documentos I - Orientações Gerais para Elaboração dos Documentos A seguir, orientações fundamentais para a elaboração dos documentos do projeto, tendo em vista a complexidade inerente neste processo. Este roteiro

Leia mais

SUMÁRIO. 1. Sobre O SOAC. 2. Histórico. 3. Contato. 4. Página Inicial Sistema Eletrônico de Administração de Conferências

SUMÁRIO. 1. Sobre O SOAC. 2. Histórico. 3. Contato. 4. Página Inicial Sistema Eletrônico de Administração de Conferências SUMÁRIO 1. Sobre O SOAC 2. Histórico 3. Contato 4. Página Inicial Sistema Eletrônico de Administração de Conferências 4.1 Página Capa Localizada no Menu Horizontal Principal 4.2 Página Sobre Localizada

Leia mais

- Project Management Institute. Disciplina de Engenharia de Software. PMP- Project Management Professional PMBOK

- Project Management Institute. Disciplina de Engenharia de Software. PMP- Project Management Professional PMBOK Disciplina de Engenharia de Software Material elaborado por Windson Viana de Carvalho e Rute Nogueira Pinto em 19/07/2004 Material alterado por Rossana Andrade em 22/04/2009 - Project Management Institute

Leia mais

IBM Rational Requirements Composer

IBM Rational Requirements Composer IBM Requirements Composer Aprimore os resultados do projeto por meio da melhor definição e gerenciamento de requisitos Destaques Obter maior agilidade, foco no cliente, qualidade e menor tempo de lançamento

Leia mais

Diretrizes para criação de um padrão de desenvolvimento de sistemas de informação baseados em cots

Diretrizes para criação de um padrão de desenvolvimento de sistemas de informação baseados em cots Diretrizes para criação de um padrão de desenvolvimento de sistemas de informação baseados em cots Roosewelt Sanie Da Silva¹ 1 Ciência da Computação Universidade Presidente Antônio Carlos (UNIPAC) Rodovia

Leia mais

Casos de Sucesso. Cliente. Deloitte Touche Tohmatsu Consultores LTDA

Casos de Sucesso. Cliente. Deloitte Touche Tohmatsu Consultores LTDA Casos de Sucesso Cliente Deloitte Touche Tohmatsu Consultores LTDA Deloitte Touche Tohmatsu Consultores LTDA Perfil da empresa A Deloitte é uma das maiores empresas do mundo na prestação de serviços profissionais

Leia mais

Sumário. Prefácio...14. Capítulo 1 O que é qualidade?...17. Capítulo 2 Normas e organismos normativos...43. Capítulo 3 Métricas: visão geral...

Sumário. Prefácio...14. Capítulo 1 O que é qualidade?...17. Capítulo 2 Normas e organismos normativos...43. Capítulo 3 Métricas: visão geral... Prefácio...14 Capítulo 1 O que é qualidade?...17 1.1 História... 17 1.2 Uma crise de mais de trinta anos...20 1.3 Qualidade e requisitos...25 1.4 Papel da subjetividade...27 1.5 Qualidade e bugs I: insetos

Leia mais

O que é o Virto ERP? Onde sua empresa quer chegar? Apresentação. Modelo de funcionamento

O que é o Virto ERP? Onde sua empresa quer chegar? Apresentação. Modelo de funcionamento HOME O QUE É TOUR MÓDULOS POR QUE SOMOS DIFERENTES METODOLOGIA CLIENTES DÚVIDAS PREÇOS FALE CONOSCO Suporte Sou Cliente Onde sua empresa quer chegar? Sistemas de gestão precisam ajudar sua empresa a atingir

Leia mais

Padrões de Contagem de Pontos de Função

Padrões de Contagem de Pontos de Função Padrões de Contagem de Pontos de Função Contexto Versão: 1.0.0 Objetivo O propósito deste documento é apresentar os padrões estabelecidos para utilização da técnica de Análise de Pontos de Função no ambiente

Leia mais