Instituto de Pesquisa clinica Evandro Chagas Fundação Oswaldo Cruz Programa de pós-graduação de pesquisa clínica em doenças infecciosas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Instituto de Pesquisa clinica Evandro Chagas Fundação Oswaldo Cruz Programa de pós-graduação de pesquisa clínica em doenças infecciosas - 2013."

Transcrição

1 1 Instituto de Pesquisa clinica Evandro Chagas Fundação Oswaldo Cruz Programa de pós-graduação de pesquisa clínica em doenças infecciosas Computação: introdução a aplicativos de informática para auxílio à pesquisa R-project - Roteiro de aula Coordenador: Pedro Emmanuel A. A. do Brasil Coordenador: Paula Mendes Luz Leituras adicionais: Há livros com tutoriais e exemplos com R mais genéricos tais como: The R Book, R For Dummies, Data Analysis and Graphics Using R: An Example-Based Approach, Software for Data Analysis: Programming with R entre muitos outros. Há também livros de estratégias de análise de dados utilizando o R como: Clinical Trial Data Analysis Using R, Applied Meta-Analysis with R, Longitudinal Data Analysis for the Behavioral Sciences Using R etc.

2 2 ÍNDICE 1. OBJETIVOS DO MÓDULO RAZÕES PELAS QUAIS R FOI ESCOLHIDO PARA ESTE MÓDULO: O QUE É O R? INSTALAÇÃO INICIANDO ENTENDENDO O RACIONAL OPERAÇÕES ADICIONAIS COM VETORES OU OUTROS OBJETOS ACESSANDO A DOCUMENTAÇÃO DE AJUDA ATRIBUTOS PACOTES COM FUNÇÕES ADICIONAIS E CAMINHO DE PROCURA IMPORTAR DADOS DE OUTROS FORMATOS PARA O R TAREFA TIPOS DE VARIÁVEIS EXERCÍCIO EDIÇÃO DE DADOS DESCREVENDO E ESTATÍSTICAS SUMÁRIAS DE BANCOS EXERCÍCIO SALVAR RESULTADOS NO DISCO GRÁFICOS EXERCÍCIO

3 3 1. Objetivos do módulo O curso é estritamente prático e o aluno deve manipular o programa durante as oficinas. Os objetivos deste curso são: permitir que o aluno de pós-graduação em saúde, não iniciado em pilotagem de dados, seja apto a importar e editar os dados a serem utilizados na sua tese/dissertação e encontrar e entender as funções que o permitam conduzir o plano de análise de seu trabalho. Os conceitos aprendidos nesse curso permitirão ao aluno que chegar ao curso de estatística, que este possa ficar concentrado no conteúdo das aulas ao invés de como manipular o programa. Nenhuma estratégia de análise específica será abordada, tais como: testes diagnósticos, ensaios clínicos, modelos de regressão, análise de sobrevivência ou de dados longitudinais apesar de alguns exemplos serem mostrados ocasionalmente. Ao longo das oficinas, espera-se que os alunos devam tentar fazer tarefas sozinhos e à medida que conseguirem executarem algumas tarefas, possam buscar ajuda na própria documentação do R e em outros materiais didáticos mais complexos e sofisticados. Acho que para os não iniciados o sítio Quick-R é bem amigável (http://www.statmethods.net/). Junto com a apostila, no sítio há também um script para seguir os exemplos dessa apostila e alguns bancos de dados de exemplo. 2. Razões pelas quais R foi escolhido para este módulo: R é livre (www.opensource.org) R é capaz de realizar desde análises simples até análises muito sofisticadas O suporte para R é tão bom ou melhor do que softwares proprietários na lista de usuários, desde que o problema seja bem formulado. (cadastre-se antes) Multi-plataforma (Linux, Mac e Windows). Para os que estão iniciando e nunca experimentaram qualquer programa de análise, a princípio é tão difícil iniciar em R quanto em qualquer outro programa. 3. O que é o R? R é uma linguagem e ambiente para computação estatística e gráfica. O R é um sistema desenvolvido a partir da linguagem S, que tem suas origens nos laboratórios da AT&T no final dos anos Posteriormente o S foi vendido e deu origem a uma versão comercial, o S-Plus. Em 1995 dois

4 4 professores de estatística da Universidade de Auckland, na Nova Zelândia, iniciaram o Projeto R (porque R vem depois de S), com o intuito de desenvolver um programa estatístico poderoso baseado na linguagem S, e de domínio público. O R pode ser baixado gratuitamente em R é fornecido como um programa com interface de linhas de comando, que é o preferido por usuários experientes porque permite controle direto nos cálculos e é flexível. No entanto, um bom conhecimento da linguagem é necessário. Portanto, a interface de linhas de comando é intimidadora para os não iniciados. A curva de aprendizado para interface de linha de comandos é mais longa do que com interface gráfica, mas é reconhecida como um esforço recompensável e leva a melhoras práticas (melhor compreensão do plano de análise; comandos facilmente salvos e substituídos e mantém uma rastreabilidade das edições realizadas). A interface com o usuário é a maior diferença entre o R e S-PLUS e outros programas de análise. Há diversas iniciativas de interfaces gráficas para o R (http://www.sciviews.org/_rgui/), mas a maioria dos desenvolvedores dessas interfaces declara que essas são para familiarização da linguagem para o iniciante e provavelmente por isso nenhuma delas é completa (ou seja, nenhuma tem disponível todas as funções). Pessoalmente, a interface do RStudio é agradável, mas apenas porque torna a utilização da linha de comando mais agradável e amigável, não possuindo extensos menus com funções do tipo point-and-click. 4. Instalação O aplicativo pode ser encontrado no espelho mais próximo do CRAN a partir de Há orientações claras e fáceis de como instalá-lo em diversos sistemas operacionais. Para instalá-lo em computadores com Windows, basta clicar duas vezes em cima do arquivo baixado do sitio e seguir as orientações da tela. Pessoalmente, a instalação padrão é boa, mas o diretório padrão limita a instalação de extensões se o usuário não for o administrador da máquina. Assim sugiro instalar numa pasta para o R na raiz (c:\r). Para os que usam computadores multi-usuário e não são administradores da máquina (com privilégios de instalação) colar o diretório do R em qualquer pasta no computador ou num disco rígido externo também deve funcionar. Para usuários de Linux, há orientações no sitio para instalação, que são fáceis de seguir, no CRAN, sendo possível baixar os pacotes e instalá-los localmente ou adicionar o CRAN do r-project como repositório (por exemplo: e instalá-lo com o apt-get. 5. Iniciando

5 5 Se você baixou e instalou o R corretamente, quando você iniciar o programa clicando no ícone da área de trabalho, algo parecido com a imagem abaixo aparecerá! Repare que há alguns menus no topo da janela e há uma janela maior ( RGui ), e dentro desta uma menor chamada R console e um cursor piscando dentro dessa janela. Isso indica que o R está aguardando usuário escrever comandos. Se o usuário executar um gráfico, por exemplo, outra janela aparecerá dentro da janela maior. Outras janelas poderão aparecer e serem utilizadas de acordo os recursos desejados. Para executar qualquer tarefa é necessário que o usuário escreva um comando (função) no prompt. De forma alternativa, o usuário pode escrever o mesmo comando no editor de script e pedir para o R executar esse comando no prompt pelo atalho de teclado CTRL + R. A diferença é que pelo script o usuário edita e organiza as linhas de comando como lhe convêm, enquanto no console o histórico fica guardado pela ordem de execução. Pessoalmente, utilizo somente o editor de scripts. Para abrir o editor de scripts (com um novo ou já salvo script) utilize o menu Arquivo. Todas as áreas de trabalho (olhar abaixo) possuem a extensão *.RData e os scripts possuem a extensão *.R. MENUS Janela de console Prompt de comando Janela de script ou editor de script Se você quiser experimentar o RStudio (para Linux ou Windows), baixe o programa de Se você instalou o RStudio, quando você abrir o RStudio, o R deverá parecer com algo como a imagem abaixo. Mais uma vez, o RStudio é uma interface que ajuda a organizar as

6 6 janelas do R e a visualização dos seus recursos, mas não possui as funções em menus como por exemplo SPSS ou Stata. Lembrando que dentro do RStudio, para executar uma linha de comando do script o atalho é CTRL + Enter. MENUS Janela de console Histórico e área de trabalho Janela de script ou editor de script Janela de gráficos Janela de pacotes Janela de documentação 6. Entendendo o racional Muito se fala que o R é um programa orientado a objetos e os iniciantes simplesmente não entendem. Isso quer dizer que o R possui uma área de trabalho na memória do computador, e o R é capaz de armazenar qualquer objeto nessa área de trabalho, inclusive banco de dados. Dessa forma, dá pra perceber que o R pode trabalhar com vários objetos carregados simultaneamente, podendo estes ser bancos de dados, listas, vetores (sequência de valores), matrizes, tabelas etc, carregados simultaneamente, e pode carregá-los do disco ou salva-los no disco. Então qualquer modificação dos objetos na área de trabalho não modifica o que está gravado no disco até o usuário solicitar que isso seja feito. Isso não deve intimidar os iniciantes. Na verdade, não há necessidade de programar funções para execução de tarefas (apesar de ser possível dado a flexibilidade do programa), basta apenas que o usuário chame as funções para que estas executem as tarefas desejadas. Essa flexibilidade permite que o usuário possa fazer as mesmas tarefas de diversas formas diferentes. Mas, devagar...

7 7 O que é uma função? Aqui, função é sinônimo de comando. Função (usualmente aparece na documentação do R como FUN) é um conjunto de instruções que retorna um valor ou lista de valores, usualmente após uma sequência de operações ou cálculos, na forma mais simples apresenta-se com a seguinte estrutura: function(argument1,argument2,argument_n) A função (ou comando) pode possuir um ou mais argumentos, ou se possuir argumentos padrão, pode não ser necessário inserir argumentos ou opções, porque os argumentos padrões serão utilizados (por exemplo Sys.time()retorna a hora do sistema operacional). Preste atenção que tanto as funções como seus argumentos devem ser escritos exatamente como esperados, ou seja, Função é diferente de função. Então argumentos são os elementos que a função pede para executar as operações necessárias, e opções são argumentos adicionais que podem interferir na execução das operações, modificando-as para que sejam feitas de forma diferente do padrão. log(base=3,x=2187) # é a mesma coisa que [1] 7 log(2187,3) [1] 7 log(2187,10) # mudando um dos argumentos - resultado diferente [1] log(2187) # o argumento base padrão é o log natural ( ) [1] :-7 # sequencia de valores [1] abs(-4:-7)# muitas funções podem ter argumentos com diversos valores [1] sqrt(abs(-4:-7))# muitas funções podem ser aninhadas em outras [1] Repare que se os argumentos entrarem na ordem esperada, o usuário não precisa indicar o que é cada argumento, mas o usuário pode modificar a ordem como achar conveniente, desde que indique que valor se aplica aos diferentes argumentos. O sinal de # no script indica que há quebra de linha no comando, assim o R não executa qualquer coisa após desse símbolo. Ainda, reparem que o número 1 sempre aparece entre colchetes na impressão no console. Esse número indica que ordem do objeto deve ser impressa. Assim, supondo que o comando retorne 40 valores, e esses não caibam na mesma linha, quando R quebra a

8 8 linha, ele retorna o número da ordem que inicia a linha. Por último, repare que as funções no R podem ser aninhadas umas as outras, desde que uma função retorne um valor aceitável por outra. Para começar, chamemos uma função que demonstra alguns tipos de gráficos: demo(graphics) rm(list=ls()) # remove todos os objetos da área de trabalho Repare que graphics é o nome de um pacote (conjunto de funções) que R possui para gerar gráficos. Esse é um dos pacotes mantidos pelo time do core do R. Há outros pacotes gráficos disponíveis. Há centenas e centenas de pacotes no R, que não vêm instalados como padrão, pois são na vasta maioria pacotes gerados por usuários. O R pode funcionar como uma calculadora, de forma que o usuário digita as operações e a resposta retorna no console, ou o usuário pode pedir para armazenar a saída da função num objeto e depois pedir para imprimir no console, por exemplo: n <- 15 n [1] n n [1] n [1] 0 n [1] 5 x <- 1 X <- 10 x [1] 1 X [1] [1] 12 n < n [1] 12 n <- 3 + rnorm(1) n [1] pot <- 3^3

9 9 pot [1] 27 div <- pot / 2 div [1] 13.5 mult <- div * 10 mult [1] 135 sub <- mult - 4 sub [1] 131 seq <- 10:20 seq [1] seq[4] # o [] fraciona o objeto [1] 13 seq[4:7] [1] seq[c(4,7)] [1] seq[-4:-7] # o remove os elementos do objeto [1] seq - 4 [1] seq - c(4,2) # o R recicla os elementos para operações [1] Mensagens de aviso perdidas: In seq - c(4, 2) : comprimento do objeto maior não é múltiplo do comprimento do objeto menor c(-2,-9,-4,10) - c(4,6) # explicar melhor a reciclagem [1] n <- c("joão","maria","carla") # objeto alfanumerico n [1] "João" "Maria" "Carla" seq <- c('1','2','3','20') # objeto alfanumerico seq [1] "1" "2" "3" "20" sort(seq) # ordenado alfabeticamente [1] "1" "2" "20" "3" As primeiras coisas que se deve aprender desse exemplo são os operadores: <- ou - (atribuição); + (soma), - (subtração); * (multiplicação); / (divisão); == (igual),!= (diferente); (maior); < (menor); ^

10 10 (eleva a potência); : (define um intervalo). Estes são operadores fundamentais e algumas questões de precisão aritmética devem ser consideradas (?Arithmetic). O sinal de = é equivalente ao <- na maioria das situações. Do exemplo acima vemos que o operador de atribuição deposita um valor qualquer num objeto. Há operadores que funcionam para extrair partes de objetos, os [ ]. Quando o objeto tem apenas uma dimensão, funciona como o exemplo acima (haverá exemplos com mais dimensões abaixo). Então repare que para extrair o elemento na quarta posição deve-se seguir do objeto o [4], para extrair uma sequência basta inserir a sequência entre os colchetes e para extrair posições específicas não sequenciais é necessário concatenar as posições. Essa noção será muito importante para posteriormente podermos editar bancos dados. O R possui uma lógica de reutilização ou reciclagem. Repare que o vetor seq está sendo subtraído de um vetor com os valores 4 e 6. Como seq() e esse vetor possuem dimensões diferentes, o R subtrai 6 da primeira posição de seq(), 6 da segunda posição de seq() e então começa a reciclar o vetor c(4,2) até chegar na ultima posição de seq(). Repare também que o R tem como comportamento padrão substituir os objetos sem aviso de substituição. No exemplo acima o n recebeu o valor 5, posteriormente substituído por 12 sem qualquer interrupção de avisos. Ainda, os objetos devem sempre ser iniciados com letras, podendo ser seguidas de números e outros caracteres (como. ou _ ). rnorm() é uma função que gera valores de uma distribuição normal e c() é uma função de concatenação ou de condições do objeto. Ainda, repare que se um objeto possui múltiplos valores, e operações são executadas com esses objetos, as operações são executadas para cada um dos valores no objeto. Mas depois de um tempo, como eu sei quais objetos estão carregados na área de trabalho? ls() [1] "div" "mult" "n" "nomes" "pot" "seq" "sub" "x" "X ls.str() div : num 13.5 mult : num 135 n : num 3.38 nomes : chr [1:3] "João" "Maria" "Carla" pot : num 27 seq : int [1:11] sub : num 131 x : num 1 X : num 10

11 11 Repare que a função ls() lista os nomes dos objetos carregados na área de trabalho, mas não mostra o seu conteúdo, enquanto que a ls.str() mostra a classe (numérico, letras, datas etc) e uma breve descrição de seu conteúdo (dependendo do tamanho do conteúdo). Para remover um objeto da área de trabalho basta: rm(div,mult,n,pot,seq,sub,x,x) ; ls()# o ; indica que o comando terminou [1] "nomes" rm(list = ls()) # remove todos os objetos da área de trabalho ls() character(0) 7. Operações adicionais com vetores ou outros objetos Agora alguns exemplos de como manipular vetores serão demonstrados. Essa compreensão é muito importante, ou melhor, é fundamental para que o usuário consiga entender os exemplos de edição de dados mais adiante. peso <- c(62.5, 70.3, 52.1, 98.0, 90.2, 70.6) peso [1] altura <- c(1.70, 1.82, 1.75, 1.94, 1.84, 1.61) altura [1] imc <- peso/altura^2 # a sequencia das operações obedecem as estipuladas imc # a operação é realizada com um elemento na mesma ordem do outro vetor [1] Repare que o R executou uma operação respeitando a ordem dos elementos, ou seja, o primeiro peso foi dividido pelo quadrado da primeira altura até o final. No entanto, uma das condições para que isso ocorra de forma razoável é que peso e altura possuem o mesmo comprimento: length(peso) [1] 6 length(altura) [1] 6 length(peso) == length(altura) # retorna um valor lógico [1] TRUE length(peso)!= length(altura) # retorna um valor lógico

12 12 [1] FALSE Já deu pra perceber nos exemplos acima que os números entre os colchetes representam índices que denotam a posição do elemento dentro do objeto. Com esses índices é possível adicionar, remover, substituir ou condicionar operações. Segue mais alguns exemplos: peso[4] <- 64 # peso na posição 4 é substituido peso [1] altura[4:5] <- c(1.84,1.94) # elementos de altura na posição 4 e 5 são substituídos # altura[4:5] <- altura[5:4] # mesma coisa altura [1] peso[8] < # adiciona mais elemento na posicao 8 # o mesmo poderia ser dito com o comando peso <- c(peso,na,94.2) peso # Foi adicionado um elemento vazio representado por NA (NOT ASSIGNED ou missing) automaticamente, porque a posição 7 não foi especificada [1] NA 94.2 is.na(peso) # Retorna TRUE onde está vazio [1] FALSE FALSE FALSE FALSE FALSE FALSE TRUE FALSE!is.na(peso) # Retorna TRUE onde NÃO está vazio [1] TRUE TRUE TRUE TRUE TRUE TRUE FALSE TRUE peso <- peso[!is.na(peso)] # remove todos os elementos que estão vazios peso [1] peso 72 # retorna TRUE onde os elementos são 72 [1] FALSE FALSE FALSE FALSE TRUE FALSE TRUE which(peso 72) # retorna as posições em que o peso é maior que 72 [1] 5 7 peso[peso 72] # mesma coisa que peso[which(peso 72)] [1] rm(list=ls()) Repare que em um dos exemplos acima um valor ausente (missing) foi gerado, o NA. Cuidado com os valores NA, pois todas as operações com NA retornam NA e muitas funções não funcionam ou retornam erro quando há NA nos dados. Muitas possuem argumentos para ignorar os NA. Repare ainda que as condições nas edições podem ser realizadas com ou sem which(),no entanto em edições em bancos grandes a utilização dessa função é mais eficiente. Mais exemplos com essa função serão demosntrados. Os exemplos acima realizaram operações com valores lógicos (TRUE ou FALSE) e índices numéricos que indicam as posições dos elementos nos objetos. Mas também é possível adicionar nomes

13 13 aos elementos dos objetos e fazer as operações acima com os nomes dos elementos ao invés dos índices das posições (nomes são atributos de objetos e serão comentados também mais adiante): taxa <- c(2.85,3.10,10.13,11.86,8.15) names(taxa) NULL names(taxa) <- c("norte","nordeste","sudeste","sul","c.oeste") taxa Norte Nordeste Sudeste Sul C.Oeste names(taxa) [1] "Norte" "Nordeste" "Sudeste" "Sul" "C.Oeste" taxa['sul'] # aspas simples funcionam como aspas duplas quase sempre Sul taxa[c("sudeste","sul")] # não é possível usar o - p/ excluir Sudeste Sul taxa[-c("sudeste","sul")] # não é possível usar o "-" p/ excluir Erro em -c("sudeste", "Sul") : argumento inválido para operador unário taxa[!c("sudeste","sul")] # não é possível usar o "!" p/ excluir ERRO Erro em!c("sudeste", "Sul") : argumento de tipo inválido match(c("sudeste","sul"),names(taxa)) # mas é possível saber qual o índice desses nomes [1] 3 4 taxa[-match(c("sudeste","sul"),names(taxa))] # o menos exclui elementos do objeto Norte Nordeste C.Oeste pie(taxa) # os nomes são passado para o gráfico barplot(taxa) # os nomes são passado para o gráfico 8. Acessando a documentação de ajuda O R possui uma documentação com uma estrutura muito particular. Há ajuda que é instalada juntamente com os pacotes já disponíveis, há ajuda que está em pacotes não instalados, é há o suporte de outros usuários. A documentação do R está sempre em HTML, ou seja, será sempre disponibilizada através do navegador, como o firefox. Com o help.start(), toda a documentação do R, bem como uma ferramenta de procura dentro dessa documentação é disponibilizada.

14 14 No entanto, para achar uma documentação a partir do console é necessário saber exatamente o nome da função e o pacote da função precisa estar carregado. Caso contrário, é necessário explicitar que se deseja procurar termos dentro de toda documentação. Para buscar ajuda, é possível fazer de diversas formas: help.start() # Chama a documentação no navegador If nothing happens, you should open yourself?boxplot help(read.spss) # o erro aparece porque o foreign não está carregado No documentation for read.spss in specified packages and libraries: you could try??read.spss??read.spss # mesma coisa que help.search('read.spss') RSiteSearch("COX model extensions") # no sítio do R Repare que na ajuda da função boxplot, por exemplo, há uma breve descrição, em seguida a estrutura da função com os possíveis argumentos. Adiante a descrição de cada um dos argumentos, detalhes, os valores que a função retorna, referências, funções semelhantes e os exemplos. Uma doas coisas que atrapalham os iniciantes é a quantidade de funções ou maneiras que chegam a um mesmo resultado. Uma sugestão é sempre olhar os exemplos das funções e escolher a função que mais chega ao desejado. É possível chamar os exemplos (a maioria das funções possui exemplos) a partir do console para ver como a função funciona. example(boxplot) demo() # retorna todos demos disponíveis demo(plotmath) # retorna um demo desse conjunto de funções de operadores Alguns pacotes possuem uma demonstração, que usualmente são um conjunto de exemplos. A função demo retorna a execução de funções disponíveis no pacote. Ainda, é possível chamar a ajuda de funções ou pacotes por documentação extra que o autor disponibiliza em pdf ou de funções que não estão instaladas, as vinhetas. vignette(all=t) # procura por todas as vinhetas de pacotes instalados vignette("timedep") # carrega a vinheta do pacote survival

15 15 A vinheta é uma espécie de tutorial de como o autor usaria as diferentes funções no pacote. Usualmente é um documento de poucas páginas com exemplos comuns em situações comuns. Nem todos os pacotes possuem vinhetas. A quantidade de pacotes para o R já muito grande e é continuamente crescente. Assim, o time do R organiza documentação comuns para determinados tópicos no TaskViews (http://cran.rproject.org/web/views/). Assim, fica mais fácil comparar funções de pacotes diferentes que fazem coisas semelhantes ou que tem o mesmo propósito. Por último, se o usuário não conseguir resolver o seu problema com essas ajudas ou documentações, o usuário pode recorrer a lista de usuários que se ajudam mutuamente. As listas de usuários do R possui pessoas muito experientes e pessoas iniciantes. Há duas regras para o bom uso de listas de s de usuários: (1) seja educado; (2) no não mande somente perguntas como como faço para executar um boxplot?, mas seja específico, mostre que você já procurou a documentação, coloque um pedaço do script que você fez e as saídas com erros, possivelmente um pedaço dos dados ou um exemplo reproduzível para os outros usuários entenderem onde você está empacado. A lista de usuários no Brasil é necessitando cadastro antecipado. Essa lista é bastante diversificada com gente de todas as áreas. Por isso, a maioria das mensagens pode não ser interessante. Pelo mesmo motivo, é uma lista bem movimentada com dezenas de mensagens diárias. 9. Atributos Os objetos armazenados na área de trabalho também podem ser caracterizados por seus atributos, alem do nome e do seu conteúdo. Se um vetor recebe o conteúdo 1, 2 e 3 (por exemplo: c(1,2,3)), esse pode significar diferentes categorias, ou numero de vezes em que um evento ocorre. Assim, o R pode fazer operações diferenciadas dado os diferentes atributos de um objeto. Se o usuário solicitar um resumo de um objeto numérico, receberá a média, mediana etc. Caso seja um fator, a freqüência de cada categoria será impressa no console. Quatro são os modos básicos: numeric, character, complex, e logical. Para visualizar os atributos de um objeto: x <- 1 mode(x) [1] "numeric" length(x) [1] 1

16 16 A <- "Gomphotherium"; compar <- TRUE; z <- 1i mode(a); mode(compar); mode(z) [1] "character" [1] "logical" [1] "complex" class(a); class(compar); class(z) # aqui class é equivalente a mode [1] "character" [1] "logical" [1] "complex" N <- 2.1e23 N [1] 2.1e+23 x <- 5/0 x [1] Inf exp(x) [1] Inf x - x [1] NaN Repare ainda nos exemplos acima que o R trabalha de forma razoável e consistente com valores complexos infinitos ou inexistentes que podem também ser utilizados em operações. Caso o objeto seja alfanumérico ( character ), o conteúdo deve estar entre aspas. Caso contrário, o R retornará o conteúdo de um objeto. Mais uma vez, as aspas podem ser simples ou duplas, desde que quando se inicia com aspas simples deve-se terminar com aspas simples, e o mesmo ocorre com as aspas duplas. Se aspas fazem parte da expressão, essas podem ser ignoradas sendo precedidas por contra-barra. nome <- c("joão","maria","carla") a <- "nome" a [1] "nome" a <- nome a [1] "João" "Maria" "Carla" x <- "Double quotes \" delimitate R's strings." x [1] "Double quotes \" delimitate R's strings." cat(x)

17 17 Double quotes " delimitate R's strings. x <- 'Double quotes " delimitate R\'s strings.' x [1] "Double quotes \" delimitate R's strings." cat(x) Double quotes " delimitate R's strings. Há classes de objetos que são comuns tais como vector, factor, array, matrix, data.frame,ts e list. vector são objetos genéricos que armazenam números, letras, elementos complexos ou elementos lógicos. factors são objetos que armazenam números ou letras, mas esses representam classes ordenadas. array são vetores com uma, duas ou mais dimensões que podem ter atributos adicionais. Matrizes são array de duas dimensões. data.frame é o banco de dados, que pode ser composto por vetores e fatores, de diferentes modos, sempre com a mesma dimensão, e que pode ser considerado um caso especial de uma lista. ts é um banco de dados para séries temporais e por isso possuem atributos adicionais como datas e frequências. list é um objeto que pode armazenar qualquer outro objeto incluindo outras listas. Muito do raciocínio que se aplica aos bancos de dados se aplica também as listas. É interessante tentar entender as listas, pois a maioria das funções do R retorna valores dentro de listas. Há funções que permitem o usuário verificar como o objeto está armazenado como class(), mas também outras sobre classes específicas para verificar ou transformar objetos como is.factor() ou as.factor(). Isso é importante porque muitas funções genéricas do R executam operações diferentes ou retornam valores diferentes dependendo da classe do objeto. data <- as.matrix(cbind(c(1:10),c(31:40)),ncol=2) data [,1] [,2] [1,] 1 31 [2,] 2 32 [3,] 3 33 [4,] 4 34 [5,] 5 35 [6,] 6 36 [7,] 7 37 [8,] 8 38 [9,] 9 39 [10,] is.matrix(data) [1] TRUE

18 18 is.factor(data) [1] FALSE is.data.frame(data) [1] FALSE class(data) [1] "matrix" data2 <- as.data.frame(data) data2 V1 V is.matrix(data2) [1] FALSE is.factor(data2) [1] FALSE is.data.frame(data2) [1] TRUE data3 <- as.ts(data) data3 Time Series: Start = 1 End = 10 Frequency = 1 Series 1 Series is.data.frame(data) [1] FALSE

19 19 is.matrix(data) [1] TRUE class(data) [1] "matrix" plot(data2);plot(data3) rm(list=ls()) l <- list(letras=letters[1:12], Aviso="Listas permitem elementos com dimensões e atributos diferentes", M=matrix(12:1, ncol=3), F=as.formula("x~y")) l $letras [1] "A" "B" "C" "D" "E" "F" "G" "H" "I" "J" "K" "L" $Aviso [1] "Listas permitem elementos com dimensões e atributos diferentes" $M [,1] [,2] [,3] [1,] [2,] [3,] [4,] $F x ~ y names(l) [1] "letras" "Aviso" "M" "F" data <- as.list(data) names(data) NULL is.data.frame(data) [1] FALSE class(data) [1] "list" rm(list=ls()) 10. Pacotes com funções adicionais e caminho de procura R possui um caminho ordenado de procura para as coisas que estão carregadas na memória. Assim, toda vez que um pacote adicional é carregado ele fica na frente de pacotes básicos do R como o base, utils,

20 20 stats e graphics. Ainda, se um ou mais bancos de dados são anexados no caminho, o R procura sucessivamente no caminho as informações anexadas. Então para saber o que esta no caminho de procura: search() [1] ".GlobalEnv" "package:stats" "package:graphics" "package:grdevices" [5] "package:utils" "package:datasets" "package:methods" "Autoloads" [9] "package:base" Repare que até o momento somente pacotes estão carregados. Se pacotes adicionais forem carregados, eles aparecerão nessa lista. Para carregar um pacote: library(survival) # ou library('survival') Carregando pacotes exigidos: splines search() [1] ".GlobalEnv" "package:survival" "package:splines" "package:stats" [5] "package:graphics" "package:grdevices" "package:utils" "package:datasets" [9] "package:methods" "Autoloads" "package:base" Repare que agora o pacote survival está carregado e aparece em primeiro lugar na lista de procura. Ainda, quando se carrega o pacote survival, o pacote splines também é carregado, isso ocorre porque o splines é uma dependência do survival. O que significa que uma ou mais funções do survival chama uma ou mais funções do pacote splines e por isso esse precisa estar carregado para o correto funcionamento do survival. Para instalar um pacote novo utiliza-se: install.packages('rms') # install.packages() chama uma lista de pacotes no CRAN --- Please select a CRAN mirror for use in this session --- Como o espelho do CRAN não foi especificado com antecedência, o R pergunta de onde o usuário deseja baixar o pacote através de uma janela. Essa escolha valerá para todas as instalações dessa sessão do R, ou até o usuário pedir para modificar o repositório. No formato padrão, essa função instala a biblioteca no diretório padrão com todas as dependências necessárias. No entanto, cuidado ao carregar muitos pacotes, pois funções de um pacote que tenham o mesmo nome que a de outro pacote ficam mascaradas no caminho de procura. library(rms)

UFERSA Universidade Federal Rural do Semi-Árido. R Project R Project Criando e manipulando objetos.

UFERSA Universidade Federal Rural do Semi-Árido. R Project R Project Criando e manipulando objetos. UFERSA Universidade Federal Rural do Semi-Árido R Project R Project Criando e manipulando objetos. Conteúdo 1 2 3 Iniciando o R Manipulando Objetos Objetos especiais Introdução O R é uma importante ferramenta

Leia mais

SPSS Statistical Package for the Social Sciences Composto por dois ambientes:

SPSS Statistical Package for the Social Sciences Composto por dois ambientes: Introdução ao SPSS Essa serie de aulas sobre SPSS foi projetada para introduzir usuários iniciantes ao ambiente de trabalho do SPSS 15, e também para reavivar a memória de usuários intermediários e avançados

Leia mais

Microsoft Excel 2003

Microsoft Excel 2003 Associação Educacional Dom Bosco Faculdades de Engenharia de Resende Microsoft Excel 2003 Professores: Eduardo Arbex Mônica Mara Tathiana da Silva Resende 2010 INICIANDO O EXCEL Para abrir o programa Excel,

Leia mais

Tutorial do Iniciante. Excel Básico 2010

Tutorial do Iniciante. Excel Básico 2010 Tutorial do Iniciante Excel Básico 2010 O QUE HÁ DE NOVO O Microsoft Excel 2010 é um programa de edição de planilhas eletrônicas muito usado no mercado de trabalho para realizar diversas funções como;

Leia mais

Capítulo 7 O Gerenciador de Arquivos

Capítulo 7 O Gerenciador de Arquivos Capítulo 7 O Gerenciador de Arquivos Neste capítulo nós iremos examinar as características da interface do gerenciador de arquivos Konqueror. Através dele realizaremos as principais operações com arquivos

Leia mais

Linguagem R R-Gui e R-Commander

Linguagem R R-Gui e R-Commander Linguagem R R-Gui e R-Commander 1 INSTALAÇÃO DO PROGRAMA BÁSICO E PACOTES O sistema é formado por um programa básico (R-Gui) e muitos pacotes com procedimentos adicionais. Tudo é gratuito e com código

Leia mais

CURSO INTRODUÇÃO AO R

CURSO INTRODUÇÃO AO R CURSO INTRODUÇÃO AO R Aula 1 Conceitos iniciais sobre o R Luis Iván Ortiz Valencia IESC - UFRJ 2011 1 Tópicos 1. Sobre o R. 2. A interface gráfica do R. 3. Preparando uma sessão de trabalho no R. 4. Definições

Leia mais

Algoritmos em Javascript

Algoritmos em Javascript Algoritmos em Javascript Sumário Algoritmos 1 O que é um programa? 1 Entrada e Saída de Dados 3 Programando 4 O que é necessário para programar 4 em JavaScript? Variáveis 5 Tipos de Variáveis 6 Arrays

Leia mais

A Estação da Evolução

A Estação da Evolução Microsoft Excel 2010, o que é isto? Micorsoft Excel é um programa do tipo planilha eletrônica. As planilhas eletrônicas são utilizadas pelas empresas pra a construção e controle onde a função principal

Leia mais

CICLO DE APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL DOS SERVIDORES MUNICIPAIS DE MARICÁ- RJ EDITOR DE TEXTO - WORD

CICLO DE APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL DOS SERVIDORES MUNICIPAIS DE MARICÁ- RJ EDITOR DE TEXTO - WORD Faculdade de Administração, Ciências Contábeis e Turismo Pós-Graduação em Gestão de Negócios CICLO DE APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL DOS SERVIDORES MUNICIPAIS DE MARICÁ- RJ EDITOR DE TEXTO - WORD EMENTA

Leia mais

Linguagem R R-Gui e R-Commander

Linguagem R R-Gui e R-Commander Linguagem R R-Gui e R-Commander 1 INSTALAÇÃO DO PROGRAMA BÁSICO E PACOTES O sistema é formado por um programa básico (R-Gui) e muitos pacotes com procedimentos adicionais. Tudo é gratuito e com código

Leia mais

Microsoft Excel 2000. Alan Cleber Borim - alan.borim@poli.usp.br. http://www.pcs.usp.br/~alan

Microsoft Excel 2000. Alan Cleber Borim - alan.borim@poli.usp.br. http://www.pcs.usp.br/~alan Microsoft Excel 2000 Alan Cleber Borim - alan.borim@poli.usp.br http://www.pcs.usp.br/~alan Microsoft Índice 1.0 Microsoft Excel 2000 3 1.1 Acessando o Excel 3 1.2 Como sair do Excel 3 1.3 Elementos da

Leia mais

PHP() é uma linguagem de integração de servidor que permite a criação de paginas dinâmicas. Como todas

PHP() é uma linguagem de integração de servidor que permite a criação de paginas dinâmicas. Como todas O que é PHP? Acrônimo de PHP: Hipertext Language PostProcessor Inicialmente escrita para o desenvolvimento de aplicações Web Facilidade para iniciantes e recursos poderosos para programadores profissionais

Leia mais

Microsoft Office Excel

Microsoft Office Excel 1 Microsoft Office Excel Introdução ao Excel Um dos programas mais úteis em um escritório é, sem dúvida, o Microsoft Excel. Ele é uma planilha eletrônica que permite tabelar dados, organizar formulários,

Leia mais

Para testar seu primeiro código utilizando PHP, abra um editor de texto (bloco de notas no Windows) e digite o código abaixo:

Para testar seu primeiro código utilizando PHP, abra um editor de texto (bloco de notas no Windows) e digite o código abaixo: Disciplina: Tópicos Especiais em TI PHP Este material foi produzido com base nos livros e documentos citados abaixo, que possuem direitos autorais sobre o conteúdo. Favor adquiri-los para dar continuidade

Leia mais

Material desenvolvido por Melissa Lima da Fonseca. melissa.mlf@gmail.com.br - (031) 9401-4041. www.melissalima.com.br Página 1

Material desenvolvido por Melissa Lima da Fonseca. melissa.mlf@gmail.com.br - (031) 9401-4041. www.melissalima.com.br Página 1 EXCEL BÁSICO Material desenvolvido por Melissa Lima da Fonseca melissa.mlf@gmail.com.br - (031) 9401-4041 www.melissalima.com.br Página 1 Índice Introdução ao Excel... 3 Conceitos Básicos do Excel... 6

Leia mais

Introdução. Nesta guia você aprenderá:

Introdução. Nesta guia você aprenderá: 1 Introdução A criação de uma lista é a primeira coisa que devemos saber no emailmanager. Portanto, esta guia tem por objetivo disponibilizar as principais informações sobre o gerenciamento de contatos.

Leia mais

Dicas para usar melhor o Word 2007

Dicas para usar melhor o Word 2007 Dicas para usar melhor o Word 2007 Quem está acostumado (ou não) a trabalhar com o Word, não costuma ter todo o tempo do mundo disponível para descobrir as funcionalidades de versões recentemente lançadas.

Leia mais

Conecta S_Line. 2.2 Downloads Para instalar o Conecta S_Line, basta acessar www.sline.com.br/downloads.aspx

Conecta S_Line. 2.2 Downloads Para instalar o Conecta S_Line, basta acessar www.sline.com.br/downloads.aspx 1 Introdução O Conecta S_Line permite que o laboratório envie à Central S_Line os resultados de exames gerados pelo Sistema de Informação Laboratorial (LIS) em forma de arquivos digitais. Todo o processo

Leia mais

Lógica de Programação

Lógica de Programação Lógica de Programação Unidade 4 Ambiente de desenvolvimento Java QI ESCOLAS E FACULDADES Curso Técnico em Informática SUMÁRIO A LINGUAGEM JAVA... 3 JVM, JRE, JDK... 3 BYTECODE... 3 PREPARANDO O AMBIENTE

Leia mais

Manual do Teclado de Satisfação Online Web Opinião Versão 1.0.5

Manual do Teclado de Satisfação Online Web Opinião Versão 1.0.5 Manual do Teclado de Satisfação Online Web Opinião Versão 1.0.5 09 de julho de 2015 Departamento de Engenharia de Produto (DENP) SEAT Sistemas Eletrônicos de Atendimento 1. Introdução O Teclado de Satisfação

Leia mais

MVREP- Manual do Gerador de Relatórios. ÍNDICE

MVREP- Manual do Gerador de Relatórios. ÍNDICE ÍNDICE ÍNDICE... 1 CAPÍTULO 01 PREPARAÇÃO DO AMBIENTE... 2 1.1 IMPORTAÇÃO DO DICIONÁRIO DE DADOS... 2 CAPÍTULO 02 CADASTRO E CONFIGURAÇÃO DE RELATÓRIOS... 4 2.1 CADASTRO DE RELATÓRIOS... 4 2.2 SELEÇÃO

Leia mais

Iniciação à Informática

Iniciação à Informática Meu computador e Windows Explorer Justificativa Toda informação ou dado trabalhado no computador, quando armazenado em uma unidade de disco, transforma-se em um arquivo. Saber manipular os arquivos através

Leia mais

O Windows também é um programa de computador, mas ele faz parte de um grupo de programas especiais: os Sistemas Operacionais.

O Windows também é um programa de computador, mas ele faz parte de um grupo de programas especiais: os Sistemas Operacionais. MICROSOFT WINDOWS O Windows também é um programa de computador, mas ele faz parte de um grupo de programas especiais: os Sistemas Operacionais. Apresentaremos a seguir o Windows 7 (uma das versões do Windows)

Leia mais

MANUAL E DICAS ASSISTENTE VIRTUAL (AV) ADS DIGITAL (WWW.ADSDIGITAL.COM.BR) VERSÃO DO ASSISTENTE VIRTUAL: 1.3.1 POR

MANUAL E DICAS ASSISTENTE VIRTUAL (AV) ADS DIGITAL (WWW.ADSDIGITAL.COM.BR) VERSÃO DO ASSISTENTE VIRTUAL: 1.3.1 POR MANUAL E DICAS DO ASSISTENTE VIRTUAL (AV) POR ADS DIGITAL (WWW.ADSDIGITAL.COM.BR) VERSÃO DO ASSISTENTE VIRTUAL: 1.3.1 ÍNDICE Introdução...3 Requisitos e Restrições do Assistente...3 Diferenças da Versão

Leia mais

Tutorial: Instalando Linux Educacional em uma maquina virtual

Tutorial: Instalando Linux Educacional em uma maquina virtual Maria Augusta Sakis Tutorial: Instalando Linux Educacional em uma Máquina Virtual Máquinas virtuais são muito úteis no dia-a-dia, permitindo ao usuário rodar outros sistemas operacionais dentro de uma

Leia mais

Microsoft Office Excel 2007

Microsoft Office Excel 2007 1 Microsoft Office Excel 2007 O Excel é um programa dedicado a criação de planilhas de cálculos, além de fornecer gráficos, função de banco de dados e outros. 1. Layout do Excel 2007 O Microsoft Excel

Leia mais

Introdução ao IDE Netbeans (Programação Java)

Introdução ao IDE Netbeans (Programação Java) Universidade Federal do ABC (UFABC) Disciplina: Processamento da Informação (BC-0505) Assunto: Java e Netbeans Introdução ao IDE Netbeans (Programação Java) Conteúdo 1. Introdução... 1 1.1. Programas necessários...

Leia mais

Windows. Introdução. Introdução Sistema Operacional. Introdução Sistema Operacional. Introdução Sistema Operacional. Introdução Sistema Operacional

Windows. Introdução. Introdução Sistema Operacional. Introdução Sistema Operacional. Introdução Sistema Operacional. Introdução Sistema Operacional Windows Prof. Leandro Tonietto Cursos de Informática Unisinos Março-2008 O que é Sistema operacional? O que é Windows? Interface gráfica: Comunicação entre usuário e computador de forma mais eficiente

Leia mais

Manual do usuário. Softcall Java. versão 1.0.5

Manual do usuário. Softcall Java. versão 1.0.5 Manual do usuário Softcall Java versão 1.0.5 Sumário Iniciando SoftCall...3 Tela Principal...3 Configurando o SoftCall...4 Agenda...5 Incluindo um contato...5 Procurando um contato...6 Apagando um contato...6

Leia mais

Especificação do Trabalho Prático

Especificação do Trabalho Prático Especificação do Trabalho Prático O trabalho prático da disciplina consiste em desenvolver um programa utilizando a linguagem de programação C. A seguir, encontram-se a descrição do problema, a forma de

Leia mais

Manual. Pedido Eletrônico

Manual. Pedido Eletrônico Manual Pedido Eletrônico ÍNDICE 1. Download... 3 2. Instalação... 4 3. Sistema de Digitação SantaCruz... 8 3.1. Configuração... 8 4. Utilização do Sistema Digitação SantaCruz... 11 4.1. Atualizar cadastros...11

Leia mais

Linguagem de Programação Visual

Linguagem de Programação Visual Linguagem de Programação Visual Unidade 1 Ambiente de desenvolvimento Curso Técnico em Informática SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 SOBRE O JAVA... 3 AMBIENTE DE DESENVOLVIMENTO... 5 RECURSOS DA FERRAMENTA NETBEANS...

Leia mais

2 Um Primeiro Programa em C

2 Um Primeiro Programa em C 2 Um Primeiro Programa em C Ronaldo F. Hashimoto, Carlos H. Morimoto e José A. R. Soares OobjetivodessaaulaéintroduzirvocêàlinguagemCemambienteLinux,primeiramentemostrandoasua estrutura, e a seguir com

Leia mais

ÍNDICE. Sobre o SabeTelemarketing 03. Contato. Ícones comuns à várias telas de gerenciamento. Verificar registros 09. Tela de relatórios 09

ÍNDICE. Sobre o SabeTelemarketing 03. Contato. Ícones comuns à várias telas de gerenciamento. Verificar registros 09. Tela de relatórios 09 ÍNDICE Sobre o SabeTelemarketing 03 Ícones comuns à várias telas de gerenciamento Contato Verificar registros 09 Telas de cadastro e consultas 03 Menu Atalho Nova pessoa Incluir um novo cliente 06 Novo

Leia mais

Instruções de uso do TABNET. Linha, Coluna e Conteúdo

Instruções de uso do TABNET. Linha, Coluna e Conteúdo O Tabnet, aplicativo desenvolvido pelo Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde (DATASUS), permite ao usuário fazer tabulações de bases de dados on-line e foi gentilmente cedido para disponibilização

Leia mais

INFORMÁTICA APLICADA AULA 02 LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO C++

INFORMÁTICA APLICADA AULA 02 LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO C++ UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: Bacharelado em Ciências e Tecnologia INFORMÁTICA APLICADA AULA 02 LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO C++ Profª ª Danielle Casillo COMPILADORES Toda linguagem de programação

Leia mais

EXCEL 2003. Excel 2003 SUMÁRIO

EXCEL 2003. Excel 2003 SUMÁRIO EXCEL 2003 SUMÁRIO INICIANDO O EXCEL... 2 CONHECENDO AS BARRAS DO EXCEL... 4 OS COMPONETES DO EXCEL 2003... 7 ENTENDENDO FUNÇÕES... 8 BOLETIM ESCOLAR... 16 QUADRO DE RENDIMENTO DO ALUNO... 17 CHAMADA ESCOLAR...

Leia mais

QualiQuantiSoft Versão 1.3c

QualiQuantiSoft Versão 1.3c QualiQuantiSoft Versão 1.3c Qualiquantisoft v1.3c Pág.: 1/15 Índice Apresentação do programa... 3 Funções operacionais do programa... 3 Itens de menu... 6 Teclas de atalho... 6 Instrumento de Análise de

Leia mais

Tutorial Administrativo (Backoffice)

Tutorial Administrativo (Backoffice) Manual - Software ENTRANDO NO SISTEMA BACKOFFICE Para entrar no sitema Backoffice, digite no seu navegador de internet o seguinte endereço: http://pesquisa.webbyapp.com/ Entre com o login e senha. Caso

Leia mais

Centro Federal de Educação Tecnológica da Bahia Curso Excel Avançado Índice

Centro Federal de Educação Tecnológica da Bahia Curso Excel Avançado Índice Índice Apresentação...2 Barra de Título...2 Barra de Menus...2 Barra de Ferramentas Padrão...2 Barra de Ferramentas de Formatação...3 Barra de Fórmulas e Caixa de Nomes...3 Criando um atalho de teclado

Leia mais

Java Como Programar, 8/E

Java Como Programar, 8/E Capítulo 2 Introdução aos aplicativos Java Java Como Programar, 8/E (C) 2010 Pearson Education, Inc. Todos os 2.1 Introdução Programação de aplicativo Java. Utilize as ferramentas do JDK para compilar

Leia mais

Microsoft Excel 2007

Microsoft Excel 2007 Microsoft Excel 2007 O Microsoft Excel é um aplicativo para a construção e edição de planilhas eletrônicas, que permite o trabalho com: formulários, tabelas, gráficos e outros. 2.1 CONCEITOS INICIAIS:

Leia mais

Vetores. Vetores. Figura 1 Exemplo de vetor com 10 elementos

Vetores. Vetores. Figura 1 Exemplo de vetor com 10 elementos Vetores Nos capítulos anteriores estudamos as opções disponíveis na linguagem C para representar: Números inteiros em diversos intervalos. Números fracionários com várias alternativas de precisão e magnitude.

Leia mais

Planilhas Eletrônicas EXCEL

Planilhas Eletrônicas EXCEL Planilhas Eletrônicas EXCEL Pasta de Trabalho Quando você inicia o excel ele automaticamente cria uma pasta de trabalho. Esta pasta de trabalho é um arquivo que pode ter até 255 planilhas. Cada planilha

Leia mais

Características do PHP. Começando a programar

Características do PHP. Começando a programar PHP Introdução Olá pessoal. Desculpe o atraso na publicação da aula. Pude perceber pelas respostas (poucas) ao fórum que a realização da atividade do módulo I foi relativamente tranquila. Assistam ao vídeo

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA - SC. MICROSOFT OFFICE - EXCEL 2007 Pág.: 1

TRIBUNAL DE JUSTIÇA - SC. MICROSOFT OFFICE - EXCEL 2007 Pág.: 1 EXCEL 2007 O Excel 2007 faz parte do pacote de produtividade Microsoft Office System de 2007, que sucede ao Office 2003. Relativamente à versão anterior (Excel 2003), o novo programa introduz inúmeras

Leia mais

Instalação do IBM SPSS Modeler Server Adapter

Instalação do IBM SPSS Modeler Server Adapter Instalação do IBM SPSS Modeler Server Adapter Índice Instalação do IBM SPSS Modeler Server Adapter............... 1 Sobre a Instalação do IBM SPSS Modeler Server Adapter................ 1 Requisitos de

Leia mais

http://www.excelpratico.com

http://www.excelpratico.com http://www.excelpratico.com Direitos Autorais: - Este E-book é cortesia do site excelpratico.com, a sua venda está proibida. - Este material não deve ser modificado, no entanto pode ser distribuído livremente.

Leia mais

Informática I. Aula 6. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 6-12/09/2007 1

Informática I. Aula 6. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 6-12/09/2007 1 Informática I Aula 6 http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 6-12/09/2007 1 Ementa Noções Básicas de Computação (Hardware, Software e Internet) HTML e Páginas Web Internet e a Web Javascript e

Leia mais

Unidade 1: O Painel de Controle do Excel *

Unidade 1: O Painel de Controle do Excel * Unidade 1: O Painel de Controle do Excel * material do 2010* 1.0 Introdução O Excel nos ajuda a compreender melhor os dados graças à sua organização em células (organizadas em linhas e colunas) e ao uso

Leia mais

Lógica de Programação

Lógica de Programação Lógica de Programação Softblue Logic IDE Guia de Instalação www.softblue.com.br Sumário 1 O Ensino da Lógica de Programação... 1 2 A Ferramenta... 1 3 Funcionalidades... 2 4 Instalação... 3 4.1 Windows...

Leia mais

Moodle FTEC Versão 2.0 Manual do Usuário Acesse a área de LOGIN do site da FTEC www.ftec.com.br

Moodle FTEC Versão 2.0 Manual do Usuário Acesse a área de LOGIN do site da FTEC www.ftec.com.br Moodle FTEC Versão 2.0 Manual do Usuário Acesse a área de LOGIN do site da FTEC www.ftec.com.br Índice Como acessar o Moodle Editando seu PERFIL Editando o curso / disciplina no Moodle Incluindo Recursos

Leia mais

Gerador Menu. AVISO: A biblioteca só funciona corretamente com as versões 2.6 ou superiores ou 3.0 ou superiores.

Gerador Menu. AVISO: A biblioteca só funciona corretamente com as versões 2.6 ou superiores ou 3.0 ou superiores. Gerador Menu 1.0 Sobre este pacote Sistema gerador de menu para prompt de comando. 1.1 Sobre AVISO: A biblioteca só funciona corretamente com as versões 2.6 ou superiores ou 3.0 ou superiores. Resumidamente,

Leia mais

Arquivos, pastas e os formatos próprios do R: RData e rds Planilhas e web: csv, xlsx, XML e JSON Pacotes estatísticos e bancos de dados

Arquivos, pastas e os formatos próprios do R: RData e rds Planilhas e web: csv, xlsx, XML e JSON Pacotes estatísticos e bancos de dados Copyright: Carlos Cinelli Programação em R 1 / 23 Programação em R Copyright: Carlos Cinelli Abril, 2016 Copyright: Carlos Cinelli Programação em R 2 / 23 O processo de análise de dados Todo processo de

Leia mais

Manual do Usuário Cyber Square

Manual do Usuário Cyber Square Manual do Usuário Cyber Square Criado dia 27 de março de 2015 as 12:14 Página 1 de 48 Bem-vindo ao Cyber Square Parabéns! Você está utilizando o Cyber Square, o mais avançado sistema para gerenciamento

Leia mais

Sumário INTRODUÇÃO... 3. 1. Acesso ao Ambiente do Aluno... 4. 2. Ferramentas e Configurações... 5. 2.1 Ver Perfil... 5. 2.2 Modificar Perfil...

Sumário INTRODUÇÃO... 3. 1. Acesso ao Ambiente do Aluno... 4. 2. Ferramentas e Configurações... 5. 2.1 Ver Perfil... 5. 2.2 Modificar Perfil... Sumário INTRODUÇÃO... 3 1. Acesso ao Ambiente do Aluno... 4 2. Ferramentas e Configurações... 5 2.1 Ver Perfil... 5 2.2 Modificar Perfil... 6 2.3 Alterar Senha... 11 2.4 Mensagens... 11 2.4.1 Mandando

Leia mais

Criando um script simples

Criando um script simples Criando um script simples As ferramentas de script Diferente de muitas linguagens de programação, você não precisará de quaisquer softwares especiais para criar scripts de JavaScript. A primeira coisa

Leia mais

Microsoft Visual Studio Express 2012 for Windows Desktop

Microsoft Visual Studio Express 2012 for Windows Desktop Microsoft Visual Studio Express 2012 for Windows Desktop Apresentação da ferramenta Professor: Danilo Giacobo Página pessoal: www.danilogiacobo.eti.br E-mail: danilogiacobo@gmail.com 1 Introdução Visual

Leia mais

Centro de Computação - Unicamp Gerência de Atendimento ao Cliente (e-mail:apoio@turing.unicamp.br) Sumário

Centro de Computação - Unicamp Gerência de Atendimento ao Cliente (e-mail:apoio@turing.unicamp.br) Sumário Sumário Conceitos Microsoft Access 97... 01 Inicialização do Access... 02 Convertendo um Banco de Dados... 03 Criando uma Tabela... 06 Estrutura da Tabela... 07 Propriedades do Campo... 08 Chave Primária...

Leia mais

Software R - introdução

Software R - introdução Software R - introdução Monitoria de Econometria Avançada Paloma Vaissman Uribe Como instalar o software R O R é um software livre para análise estatística que está disponível para as plataformas UNIX,

Leia mais

LIÇÃO 1 - GRAVANDO MACROS

LIÇÃO 1 - GRAVANDO MACROS 1_15 - ADS - PRO MICRO (ILM 001) - Estudo dirigido Macros Gravadas Word 1/36 LIÇÃO 1 - GRAVANDO MACROS Macro Imprimir Neste exemplo será criada a macro Imprimir que, ao ser executada, deverá preparar a

Leia mais

SIAP - Sistema de Apoio ao Professor

SIAP - Sistema de Apoio ao Professor Introdução O SIAP, Sistema de Apoio ao Professor, é um programa que vai contribuir, de forma decisiva, com o cotidiano escolar de alunos, professores, gestores e funcionários administrativos. Com a implantação

Leia mais

USANDO O ROUNDCUBE WEBMAIL

USANDO O ROUNDCUBE WEBMAIL USANDO O ROUNDCUBE WEBMAIL ATENÇÃO! Para utilizar este tutorial não se esqueça: Onde estiver escrito seusite.com.br substitua pelo ENDEREÇO do seu site (domínio). Ex.: Se o endereço do seu site é casadecarnessilva.net

Leia mais

O bloco administração

O bloco administração O bloco administração Neste capítulo são discutidas as ferramentas do bloco Administração, na página de abertura de um curso. Veja Figura 7.1. Figura 1: O bloco Administração Ativar edição Esta ferramenta

Leia mais

Visualização de grafos a partir de yourtwapperkeeper, RStudio e Gephi

Visualização de grafos a partir de yourtwapperkeeper, RStudio e Gephi Visualização de grafos a partir de yourtwapperkeeper, RStudio e Gephi Este tutorial mostra como gerar uma visualização de dados de menções e retweets sobre um determinado tema. O processo começa com a

Leia mais

Conectando Bancos de Dados Microsoft Access no BrOffice.org Base. fornecido pelo Projeto de Documentação do BrOffice.org

Conectando Bancos de Dados Microsoft Access no BrOffice.org Base. fornecido pelo Projeto de Documentação do BrOffice.org Conectando Bancos de Dados Microsoft Access no BrOffice.org Base fornecido pelo Projeto de Documentação do BrOffice.org Índice 1 Introdução...2 1.1 Versão... 2 1.2 Licenciamento...2 1.3 Mensagem do Projeto

Leia mais

Trabalhando com banco de dados

Trabalhando com banco de dados Avançado Trabalhando com Aprenda a manipular dados no Excel com a ajuda de outros aplicativos da suíte Office Armazenar e organizar informações são tarefas executadas diariamente por todos nós. Desde o

Leia mais

Apostilas OBJETIVA - Técnico Judiciário Área Administrativa TRE Tribunal Regional Eleitoral Estado do Maranhão - Concurso Público 2015.

Apostilas OBJETIVA - Técnico Judiciário Área Administrativa TRE Tribunal Regional Eleitoral Estado do Maranhão - Concurso Público 2015. 2º Caderno Índice Planilha eletrônica MS- Excel + exercícios... 02 Computação na Nuvem (cloud computing)... 102 Conceitos de Internet e Intranet + exercícios... 105 Internet Explorer, Firefox e Google

Leia mais

AVISO. Treinamento GVcollege Módulo Ficha Complementar

AVISO. Treinamento GVcollege Módulo Ficha Complementar AVISO O conteúdo deste documento é de propriedade intelectual exclusiva da GVDASA Sistemas e está sujeito a alterações sem aviso prévio. Nenhuma parte desta publicação pode ser reproduzida nem transmitida

Leia mais

Informática - Básico. Paulo Serrano GTTEC/CCUEC-Unicamp

Informática - Básico. Paulo Serrano GTTEC/CCUEC-Unicamp Informática - Básico Paulo Serrano GTTEC/CCUEC-Unicamp Índice Apresentação...06 Quais são as características do Windows?...07 Instalando o Windows...08 Aspectos Básicos...09 O que há na tela do Windows...10

Leia mais

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider Ferramenta: Spider-CL Manual do Usuário Versão da Ferramenta: 1.1 www.ufpa.br/spider Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 14/07/2009 1.0 15/07/2009 1.1 16/07/2009 1.2 20/05/2010 1.3 Preenchimento

Leia mais

Manual do Instar Mail Sumário

Manual do Instar Mail Sumário Manual do Instar Mail Sumário 1 - Apresentação do sistema... 2 2 - Menu cliente... 2 3 - Menu Importação... 5 4 - Menu Campanhas... 9 5 - Menu banco de arquivos... 16 6 - Menu agendamento... 16 7 - Menu

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA. Documento de Arrecadação Estadual DAE. Manual do Usuário. Versão 1.0.0 SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA

SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA. Documento de Arrecadação Estadual DAE. Manual do Usuário. Versão 1.0.0 SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA 1 SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA Documento de Arrecadação Estadual DAE Manual do Usuário Versão 1.0.0 SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA 66.053-000 Av. Visconde de Souza Franco, 110 Reduto Belém PA Tel.:(091)

Leia mais

MICROSOFT WORD 2007. George Gomes Cabral

MICROSOFT WORD 2007. George Gomes Cabral MICROSOFT WORD 2007 George Gomes Cabral AMBIENTE DE TRABALHO 1. Barra de título 2. Aba (agrupa as antigas barras de menus e barra de ferramentas) 3. Botão do Office 4. Botão salvar 5. Botão de acesso à

Leia mais

ROBERTO OLIVEIRA CUNHA

ROBERTO OLIVEIRA CUNHA LEIAME APRESENTAÇÃO Nenhuma informação do TUTORIAL DO MICRO- SOFT OFFICE WORD 2003 poderá ser copiada, movida ou modificada sem autorização prévia e escrita do Programador Roberto Oliveira Cunha. Programador:

Leia mais

Tutorial: Gestão da Central de Serviços

Tutorial: Gestão da Central de Serviços Tutorial: Gestão da Central de Serviços Orientação para acesso e edição de conteúdos de ofertas de serviços da Central de Serviços da UFABC Novembro de 2014 Autor: Nilson José Zoccaratto Versão 2 Conteúdo

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO LUZ DO SABER

MANUAL DE INSTALAÇÃO LUZ DO SABER MANUAL DE INSTALAÇÃO LUZ DO SABER Sumário Sumário...2 Instalação do Luz do Saber no Linux...3 1ª opção Utilizando um Instalador...3 2ª opção Utilizando comandos no Konsole...6 Observações Importantes...7

Leia mais

APOIO À ATIVIDADE DE ANÁLISE DESCRITIVA DESENVOLVIDA NA OFICINA ESTATÍSTICA PARA TODOS"

APOIO À ATIVIDADE DE ANÁLISE DESCRITIVA DESENVOLVIDA NA OFICINA ESTATÍSTICA PARA TODOS APOIO À ATIVIDADE DE ANÁLISE DESCRITIVA DESENVOLVIDA NA OFICINA ESTATÍSTICA PARA TODOS" ANÁLISE DOS DADOS COLETADOS usando o RCOMMANDER (associado ao R) Lisbeth K. Cordani& Ângela Tavares Paes (2013) A

Leia mais

Nota Fiscal Paulista. Manual do TD REDF (Transmissor de Dados Registro Eletrônico de Documentos Fiscais) GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

Nota Fiscal Paulista. Manual do TD REDF (Transmissor de Dados Registro Eletrônico de Documentos Fiscais) GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Nota Fiscal Paulista Manual do TD REDF (Transmissor de Dados Registro Eletrônico de Documentos Fiscais) Versão 1.1 15/02/2008 Página 1 de 17 Índice Analítico 1. Considerações Iniciais 3 2. Instalação do

Leia mais

SISADI MÓDULO GERAL Via Inquilino Manual versão 2.0.0

SISADI MÓDULO GERAL Via Inquilino Manual versão 2.0.0 SISADI MÓDULO GERAL Via Inquilino Manual versão 2.0.0 Autoria Cristiane Caldeira Mendes Belo Horizonte 2013 Índice Introdução... 3 Objetivo... 3 Considerações Gerais... 3 Glossário de Ícones, Botões e

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS

SISTEMAS OPERACIONAIS SISTEMAS OPERACIONAIS Conceitos Básicos Sistema Operacional: Um Sistema Operacional é um programa que atua como intermediário entre o usuário e o hardware de um computador. O Propósito do SO é fornecer

Leia mais

6.10 Exercício...38 7 ORDENAÇÃO OU CLASSIFICAÇÃO DE DADOS...39 7.1 Autofiltro...39 7.2 Filtro padrão...39 7.3 Exercício...39 8 GRÁFICO...40 8.

6.10 Exercício...38 7 ORDENAÇÃO OU CLASSIFICAÇÃO DE DADOS...39 7.1 Autofiltro...39 7.2 Filtro padrão...39 7.3 Exercício...39 8 GRÁFICO...40 8. Sumário 1 INTRODUÇÃO...5 1.1 O que é uma planilha...5 1.2 Importância do uso de planilhas eletrônica...5 1.3 Quais os Software disponíveis...5 1.4 O que é BrOffice.org Calc?...5 1.5 Exercício...5 2 APRESENTANDO

Leia mais

Gerenciamento de Arquivos e Pastas. Professor: Jeferson Machado Cordini jmcordini@hotmail.com

Gerenciamento de Arquivos e Pastas. Professor: Jeferson Machado Cordini jmcordini@hotmail.com Gerenciamento de Arquivos e Pastas Professor: Jeferson Machado Cordini jmcordini@hotmail.com Arquivo Todo e qualquer software ou informação gravada em nosso computador será guardada em uma unidade de disco,

Leia mais

MANUAL DE NAVEGAÇÃO DO MILLENNIUM BUSINESS

MANUAL DE NAVEGAÇÃO DO MILLENNIUM BUSINESS MANUAL DE NAVEGAÇÃO DO MILLENNIUM BUSINESS 1 Conteúdo Apresentação... 3 1 Página Principal do Sistema... 4 2 Telas de busca... 8 3 Teclas de Navegação... 11 4 Tela de Menu de Relatório... 12 5 Telas de

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA FRONTEIRA SUL AMBIENTE VIRTUAL INSTITUCIONAL MOODLE/UFFS

UNIVERSIDADE FEDERAL DA FRONTEIRA SUL AMBIENTE VIRTUAL INSTITUCIONAL MOODLE/UFFS UNIVERSIDADE FEDERAL DA FRONTEIRA SUL AMBIENTE VIRTUAL INSTITUCIONAL MOODLE/UFFS Guia Inicial de Acesso e Utilização Para Docentes Versão 1.0b Outubro/2010 Acesso e utilização do Ambiente Virtual de Ensino

Leia mais

Documento de Instalação e Configuração do InfoGrid

Documento de Instalação e Configuração do InfoGrid Documento de Instalação e Configuração do InfoGrid Tecgraf/PUC Rio infogrid@tecgraf.puc rio.br 1.Introdução O objetivo deste documento é podermos registrar em um único local todas as informações necessárias

Leia mais

Introdução aos Projectos

Introdução aos Projectos Introdução aos Projectos Categoria Novos Usuários Tempo necessário 20 minutos Arquivo Tutorial Usado Iniciar um novo arquivo de projeto Este exercício explica a finalidade ea função do arquivo de projeto

Leia mais

PROVA BRASIL NO VISUAL CLASS

PROVA BRASIL NO VISUAL CLASS PROVA BRASIL NO VISUAL CLASS A Caltech Informática desenvolveu 2 soluções alternativas para simulação da Prova Brasil utilizando o Software de Autoria Visual Class: A) Utilizando o pacote Visual Class

Leia mais

INFORMATICA PARA A VIGILANCIA E GESTAO DE INFORMACOES EM SAUDE: Prof. Dr. Joao Bosco Siqueira

INFORMATICA PARA A VIGILANCIA E GESTAO DE INFORMACOES EM SAUDE: Prof. Dr. Joao Bosco Siqueira INFORMATICA PARA A VIGILANCIA E GESTAO DE INFORMACOES EM SAUDE: Epi-INFO Prof. Dr. Joao Bosco Siqueira No nosso exercício, vamos investigar um surto de gastroenterite aguda ocorrido após um jantar. Vamos

Leia mais

GerNFe 1.0 Sistema de Gerenciador de Notas Fiscais Eletrônicas

GerNFe 1.0 Sistema de Gerenciador de Notas Fiscais Eletrônicas GerNFe 1.0 Manual do usuário Página 1/13 GerNFe 1.0 Sistema de Gerenciador de Notas Fiscais Eletrônicas O programa GerNFe 1.0 tem como objetivo armazenar em local seguro e de maneira prática para pesquisa,

Leia mais

Conhecendo o Visual FoxPro 8.0 Parte 2

Conhecendo o Visual FoxPro 8.0 Parte 2 AULA Conhecendo o Visual FoxPro 8.0 Parte 2 Na aula anterior, vimos sobre: a) Janela de comando b) Gerenciador de Projetos c) Database Designer e Table Designer Prosseguiremos então a conhecer as ferramentas

Leia mais

Abaixo do Objeto WorkSheet temos a coleção Cells, que representa todas as células de uma planilha.

Abaixo do Objeto WorkSheet temos a coleção Cells, que representa todas as células de uma planilha. Aula 1 O modelo de objetos do Excel APPLICATION É o próprio Excel. Temos diversas propriedades e métodos importantes nesse objeto. Destacamos dois exemplos: Application.DisplayAlerts Se for true, o Excel

Leia mais

MS-Excel 2010 Essencial (I)

MS-Excel 2010 Essencial (I) MS-Excel 2010 Essencial (I) Carga Horária: 20 horas Objetivos: Este curso destina-se a todos os profissionais que atuam nas áreas financeiras e administrativas, e que necessitem agilizar os seus cálculos,

Leia mais

Manual de Access 2007

Manual de Access 2007 Manual de Access 2007 Índice Introdução... 4 Melhor que um conjunto de listas... 5 Amizades com relações... 6 A Estrutura de uma Base de Dados... 8 Ambiente do Microsoft Access 2007... 9 Separadores do

Leia mais

Microsoft Internet Explorer. Browser/navegador/paginador

Microsoft Internet Explorer. Browser/navegador/paginador Microsoft Internet Explorer Browser/navegador/paginador Browser (Navegador) É um programa que habilita seus usuários a interagir com documentos HTML hospedados em um servidor web. São programas para navegar.

Leia mais

Excel Avançado 2007 Excel Avançado 2007 1

Excel Avançado 2007 Excel Avançado 2007 1 1 Sumário: 1. Introdução...3 2. Funções...3 2.1 Função SE...4 2.2 Botão Inserir...7 2.3 Novas Funções Condicionais...8 2.4 Aninhando Funções...8 3. Análise de Dados Alternativos...9 3.1 Cenários...9 3.2

Leia mais

ÍNDICE... 2 INTRODUÇÃO... 3. A série... 3

ÍNDICE... 2 INTRODUÇÃO... 3. A série... 3 WORD 2007 E 2010 ÍNDICE ÍNDICE... 2 INTRODUÇÃO... 3 A série... 3 01 CAPTURAS DE TELA WORD 2010... 3 02 IMAGENS 2007/2010... 5 03 NOTAS DE RODAPÉ... 13 04 NUMERAÇÃO DE PÁGINAS... 15 05 CONTAR PALAVRAS...

Leia mais