Relações entre Competências Pessoais e Tipos de Personalidade do Gerente de Projetos

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Relações entre Competências Pessoais e Tipos de Personalidade do Gerente de Projetos"

Transcrição

1 Relações entre Competências Pessoais e Tipos de Personalidade do Gerente de Projetos Flávio L. M. Fernandes - Fábio Q. B. da Silva- Resumo O objetivo da pesquisa descrita neste artigo é contribuir para um melhor entendimento das características de personalidade que um gerente necessita para gerenciar projetos com efetividade. Para isto, neste artigo são estudadas as correlações que podem existir entre competências pessoais definidas no PMCD Framework, desenvolvido pelo Project Management Institute, e o comportamento característico das pessoas em trabalho em equipe, de acordo com a Teoria de Papéis de Meredith Belbin. Como resultado, este artigo propõe que o questionário TRSPI da Teoria de Belbin pode ser utilizado como uma das ferramentas na análise das competências pessoais do gerente de projetos na prática. Palavras-chave: gerente de projeto; competências pessoais; tipos de personalidade; PMCD. 1. Introdução A importância do gerente de projetos, em particular na área de desenvolvimento de software, já é reconhecida tanto na academia como na indústria (Brewer (2005), Chen (1997), Howard (2001)). Além disso, diversos trabalhos têm estudado o perfil pessoal e comportamental mais adequado para um gerente de projetos em geral (Wideman (1997), Haggerty (2000), Crawford (2000), Project Management Institute (2001)). O Project Management Competency Development (PMCD) Framework desenvolvido pelo Project Management Institute (2001) define as competências chaves do gerente de projeto com a premissa que estas podem ter efeito no desempenho do projeto. As competências do PMCD estão agrupadas em três categorias: Conhecimento, Desempenho e Pessoais. Apesar de ser um instrumento importante para a utilização na avaliação de gerentes de projeto, o PMCD não define ferramentas específicas para avaliar de forma objetiva um gerente quanto aos critérios e variáveis definidas na categoria Competências Pessoais. Para esta categoria, a definição de critérios objetivos, suportado por ferramentas de análise consistentes, é muito importante para evitar avaliações subjetivas e, portanto, com probabilidade alta de serem enviesadas ou mesmo inconsistentes. Existem diversas teorias e instrumentos de avaliação de personalidade que têm sido utilizados em processos de seleção e desenvolvimento de pessoas. O MBTI (Myers-Briggs Type Indicator ) apresentado em Myers et al. (1998), é um dos primeiros testes de personalidade, originado do trabalho de Carl Jung em tipos de personalidade. De forma relacionada, existem outros trabalhos que procuram definir papéis que pessoas desempenham em um contexto social ou, em particular, no trabalho em equipe. Estas teorias de papéis, originadas no trabalho de Biddle (1979), têm sido importantes no estudo do desempenho de equipes que trabalham juntas para atingir um objetivo específico, como no caso do desenvolvimento de projetos.

2 A Teoria de Papéis apresentada em Belbin (1981) tem sido utilizada na prática em diversos países como ferramenta auxiliar na montagem de equipes de gerenciamento. Sua utilização em equipes de desenvolvimento de software tem recebido atenção em diversos trabalhos (Stevens (1998), Sommerville and Dalziel (1998), Henry and Stevens (1999), Rajendran (2005), entre outros). O modelo original de Belbin (op. cit.) descreve oito papéis e apresenta uma ferramenta, o Team Role Self Perception Inventory (TRSPI) que permite a avaliação do comportamento esperado de indivíduos quanto trabalham em grupo. Em Belbin (1993) alguns nomes foram mudados e um novo papel foi acrescentado, totalizando nove papéis na versão atual do modelo. Considerando a validade e consistência do modelo de Belbin, apresentado em Swailles and McIntyre-Batthy (2002) e Aritzeta, Swailes, and Senior (2005, 2007), e a existência de ferramentas para avaliar o papel individual neste modelo, o objetivo central deste trabalho é estudar a existência de relações entre as competências pessoais de um gerente de projeto de acordo com as variáveis e critérios definidos pelo PMCD e os papéis de equipe definidos na teoria de Belbin. Com estas relações será possível estabelecer como interpretar resultados do TRSPI para avaliar as variáveis da categoria de Competências Pessoais do PMCD em gerentes de projeto. O principal resultado deste trabalho é uma matriz que mostra as relações esperadas entre papéis e competências. Esta matriz (apresentada de forma completa em Fernandes (2006)) pode ser utilizada para identificar quais papéis de Belbin possuem mais atributos de um bom gerente de projeto de acordo com o PMCD. Desta forma, será possível utilizar o TRSPI como um dos instrumentos na avaliação de gerentes de projeto em situações práticas, relacionando seu papel de equipe e os atributos de personalidade definidos no PMCD. Esperase com isto contribuir para uma caracterização mais completa do gerente de projetos de software e, consequentemente, para um melhor gerenciamento de projetos em geral. O restante do artigo está estruturado da seguinte forma. Na Seção 2 o PMCD framework é apresentado resumidamente. Na Seção 3 o Modelo de Papéis de Belbin é descrito. Na Seção 4 é apresentada a metodologia utilizada na construção da matriz de relações, é mostrado o resultado obtido nesta construção e algumas análises deste resultado. Na Seção 5 são apresentadas as considerações finais do trabalho. 2. O PMCD Framework As competências do PMCD estão agrupadas em três categorias: conhecimento, desempenho e pessoais. A categoria Conhecimento (Project Management Knowledge) relaciona as competências técnicas que os gerentes devem possuir para gerenciar as fases do ciclo de vida de um projeto. A categoria Desempenho (Project Management Performance) relaciona as habilidades para desempenhar as atividades de gerenciamento nos níveis de desempenho necessários, ou seja, a capacidade de utilizar o conhecimento nas atividades do dia-a-dia. A categoria Pessoal (Personal Competency) relaciona os traços de personalidade que ajudam o gerente a gerenciar efetivamente a equipe e as atividades do projeto. As categorias de Conhecimento e Desempenho são estruturadas no PMCD como uma hierarquia que compreende os seguintes elementos: Unidades de Competências, Clusters de Competência, Elementos de Competência, Critérios de Desempenho e Exemplos de Guias para Avaliação. A categoria de Competências Pessoais segue uma estrutura semelhante, descrita da seguinte forma: Unidades de Competências as unidades reúnem os clusters de competência em seis agrupamentos: Orientação a Resultados e Ação, Orientação ao Cliente e às Pessoas, Impacto e Influência, Gerencial, Cognitivo e Efetividade Pessoal.

3 Clusters de Competência: clusters representam as Competências Pessoais que são baseadas no Competency Dictionary desenvolvido por Lyle and Signe Spencer (1993), modificados no PMCD para refletir características próprias do gerente de projetos. Elementos: cada cluster é dividido em um ou mais elementos que refletem o nível de autonomia, direcionamento ou urgência demonstrada pelo gerente em relação a cada competência. Critérios de Desempenho: os critérios descrevem o comportamento esperado do gerente em relação a cada Elemento de Competência. A Figura 1 mostra um exemplo de uma Unidade de Competências, um cluster desta unidade, um elemento dentro deste cluster e seus critérios de desempenho. Esta Unidade será utilizada como exemplo no restante deste trabalho. B.1 Unidade de Competência: Orientação a Resultados e Ação B.1.1 Cluster: Orientação a Resultados B Elemento: Trabalhar intensamente para alcançar os objetivos do projeto B Focar nos padrões de excelência ditados pelos stakeholders B Proatividade no alcance de objetivos B Controlar risco do projeto B Exigir alta performance própria e da equipe Figura 1: Exemplo de Unidade de Competência Nas competências pessoais, não são apresentados os exemplos de guias para avaliação. Este trabalho tem como objetivo, conforme discutido acima, analisar em que medida os papéis de equipe do Modelo de Belbin podem ser utilizados como guias para avaliar as competências pessoais de gerentes de projeto, de acordo com os critérios de desempenho do PMCD. As relações entre papéis de equipe e competências irão permitir que o TRSPI seja utilizado como ferramenta para realizar esta avaliação. 3. A Teoria de Papéis de Meredith Belbin O comportamento das pessoas em um projeto pode ser determinado por seu conhecimento técnico e pela forma como a pessoa se relaciona no contexto no qual o projeto se desenvolve. As pessoas possuem preferências em relação ao modo como trabalham as tarefas e à forma de se relacionar na equipe. Estas preferências têm impacto na sua efetividade como líder de um time e no seu desempenho como gerente de projetos. A teoria de papéis de Belbin (1981) afirma que indivíduos tendem a desempenhar papéis de time, além dos papéis funcionais inerentes à atividade técnica do projeto (por exemplo, na área de desenvolvimento de software estes papéis funcionais tipicamente são: gerente, engenheiro de software, arquiteto de software, SQA, CM, etc.). Um papel de time é o comportamento característico de uma pessoa em um contexto de trabalho em grupo. Belbin (1981) definiu oito papéis de time. Em Belbin (1993) alguns nomes foram mudados e o papel Specialist¹ foi acrescentado, totalizando nove papéis na versão atual do modelo, que estão apresentados na Tabela 1. Estes papéis podem ser agrupados conforme a sua orientação em relação ao trabalho em grupo, conforme descrito a seguir: Perfis orientados à ação (Shaper, Implementer e Completer Finisher): responsabilizamse em realizar as tarefas e atividades do projeto, são as pessoas que traduzem em ação as idéias, conceitos e planejamentos do grupo.

4 Perfis orientados a pessoas (Co-ordinator, Resource Investigator e Teamworker): são perfis relacionados a pessoas que possuem habilidades em trabalhar a comunicação, a motivação e a efetividade da equipe de projetos para chegar aos resultados. Perfis cerebrais (Plant, Monitor Evaluator e Specialist): são os perfis orientados ao raciocínio que possuem uma alta inteligência para propor novas idéias e soluções diferentes para os mais complexos problemas do projeto. Belbin (1981, 1993) apresenta um instrumento para identificar a tendência de comportamento de uma pessoa em relação a cada um dos nove papéis. O Team Role Self Perception Inventory (TRSPI), é um questionário de auto-percepção que mostra a tendência do respondente em se comportar de acordo com as características do perfil. Uma classificação Alta ou Muito Alta para um determinado perfil significa que a pessoa deve possuir as características descritivas do perfil e seu comportamento em um trabalho em grupo vai exibir os pontos fortes e possíveis fraquezas deste perfil. Por outro lado, uma classificação Baixa significa que as características (positivas e negativas) do perfil, não se manifestarão na pessoa em um trabalho em grupo. A apresentação de detalhes do TRSPI está fora do escopo deste trabalho. Tabela 1: Papéis de Time, Descritores, Pontos Fortes e Possíveis Fraquezas. Papel Descritores Pontos Fortes Possíveis Fraquezas Completer Finisher Ansioso, consciencioso, Meticuloso, consciencioso, (CF) introvertido, tem autocontrole, tem autodisciplina, submisso e preocupado. procura por erros e omissões, entrega sem atraso. Implementer (IMP) Conservador, controlado, disciplinado, eficiente, inflexível, metódico, sincero, estável e sistemático. Teamworker (TW) Extrovertido, amigável, leal, estável, submisso, confortante, não assertivo e não competitivo. Specialist (SP) Especialista, defensivo, não interessado nos outros, sério, tem autodisciplina, eficiente. Monitor (ME) Evaluator Co-ordinator (CO) Seguro, fidedigno, justo, introvertido, de avanço lento, aberto a mudanças, sério, estável e sem ambições. Dominante, confia nos demais, extrovertido, maduro, positivo, tem autocontrole, tem autodisciplina, estável. Plant (PL) Dominante, imaginativo, introvertido, original, pensamento radical, cheio de confiança, não se inibe. Shaper (SH) Abrasivo, ansioso, arrogante, competitivo, dominante, irritável, emocional, extrovertido, impaciente, impulsivo, autoconfiante. Resource Investigator Diplomático, dominante, (RI) entusiasta, extrovertido, flexível, inquisitivo, otimista, persuasivo, positivo, descontraído, social e estável. Fonte: Belbin (1993, p. 22) Disciplinado, confiável, conservador e eficiente, transforma idéias em ações práticas. Cooperativo, suave, boa percepção e diplomático, escuta, constrói, evita atritos, acalma o clima. Focado, dedicado, automotivado, provê conhecimento e habilidades raros. Sóbrio, estratégico e perspicaz, visualiza todas as opções, julga com precisão. Maduro, confiante, bom diretor, esclarece objetivos, promove a tomada de decisão, delega bem. Criativo, não ortodoxo, soluciona problemas difíceis. Desafiador, dinâmico, prospera sob pressão, tem impulso e coragem para vencer obstáculos. Extrovertido, comunicativo, explora oportunidades, desenvolve contatos. Tendência a se preocupar demais. Relutante a delegar. Um tanto inflexível. Lento para responder a novas possibilidades. Indeciso em situações de conflito. Contribui somente em um único tópico. Alonga-se em tecnicalidades. Não tem impulso e habilidade para inspirar outras pessoas. Pode ser visto como manipulador. Sobrecarregado com trabalho. Muito absorto em pensamentos; dificuldade para se comunicar efetivamente. Suscetível a provocações. Ofende o sentimento das pessoas. Excessivamente otimista. Perde interesse depois do entusiasmo inicial.

5 4. Papéis de Equipe e as Competências Pessoais do PMCD O procedimento adotado para estudar as relações entre os critérios de desempenho de competências pessoais do PMCD com os nove papéis de time de Belbin foi uma análise comparativa entre a descrição do critério de desempenho com os descritores, pontos fortes e possíveis fraquezas dos papéis, descritos na Tabela 1. Para iniciar-se esta análise dois ajustes nos modelos foram necessários: Remoção de Critérios Universais do PMCD: alguns critérios considerados universais como ética no trabalho foram excluídos pois assume-se que devam estar presentes em todos as pessoas, dependente de seu papel de time. Isto levou a uma redução de 38 do total de 109 critérios. Aprofundamento nas Descrições dos Papéis de Belbin: nos trabalhos de Belbin e de outros autores, as descrições da Tabela 1 são aprofundadas com explicações necessárias para um melhor entendimento dos papéis e a realização das relações. Assim, algumas descrições aprofundadas foram acrescentadas às da Tabela 1, e são mostradas nos exemplos a seguir. A partir dos ajustes, o estudo comparativo dos critérios e papéis foi realizado. Durante este estudo, verificou-se que para certos critérios a relação (negativa ou positiva) era direta. Para outros critérios, no entanto, os descritores, pontos fortes e fraquezas de determinados papéis não permitiam que fosse estabelecida nenhuma relação. Portanto, foi necessário introduzir três fatores de análise descritos na Tabela 2. Tabela 2. Fatores de Análise Fator Semântica Existe relação positiva entre o critério do PMCD e o papel de Belbin quando é possível identificar nos descritores ou nos pontos fortes do perfil diretamente a competência descrita no critério de desempenho do elemento do PMCD e, além disso, as descrições do perfil, principalmente as fraquezas, não são antagônicas ao critério de desempenho. (-) Existe relação negativa entre o critério do PMCD e o papel de Belbin quando não é possível identificar nos descritores ou nos pontos fortes do perfil diretamente a competência descrita no critério de desempenho do elemento do PMCD e, além disso, as descrições do perfil, principalmente as possíveis fraquezas, são antagônicas ao critério de desempenho. (0) Não é possível estabelecer relação, quando nem uma relação positiva nem uma negativa foram verificadas. Assim, com o método descrito acima, foram analisados todos os 71 critérios de desempenho da dimensão Competências Pessoais do PMCD Framework. As Tabela 3 e 4 apresentam um exemplo utilizando os papéis Co-ordinator e Plant para o cluster B.1.1 Orientação a Resultados da unidade de competência B.1 Orientação a Resultados e Ação. Para facilitar a apresentação, os elementos de competência não foram apresentados, sendo mostrados os critérios de desempenho diretamente.

6 Papel Descritores Pontos Fortes Possíveis Fraquezas Critérios de Desempenho Relação Co-ordinator (CO) Autocontrole, autodisciplina. Foco nos resultados. - B Focar nos padrões de excelência e processos ditados pelos stakeholders Autocontrole, autodisciplina. Foco nos resultados. - B Pro atividade no alcance de objetivos B Controlar riscos do projeto (0) Bom diretor, esclarece Dominante, positivo, confia B Exigir alta performance própria e da objetivos, promove a - nos demais, extrovertido. equipe tomada de decisão. Autocontrole, autodisciplina. Foco nos resultados. - B Garantir que expectativas dos Estável. - Baixa Habilidade criativa. Dominante, autocontrole, autodisciplina Confia nos demais, maduro, positivo, tem autocontrole, tem autodisciplina, estável. - Maduro, confiante, foco nos resultados. Promove a tomada de decisão, delega bem. Esclarece objetivos, promove a tomada de decisão, foco nos resultados. stakeholders são alcançadas B Desenvolver ações inovadoras para aumentar o desempenho da equipe - B Cumprir todos os requisitos legais. Pode ser visto como manipulador. - B Trabalhar com um conjunto conhecido de padrões éticos B Evita conflitos de interesse entre os stakeholders (-) Tabela 3. Cluster de Orientação a Resultados (Co-ordinator)

7 Papel Descritores Pontos Fortes Possíveis Fraquezas Critérios de Desempenho Relação Plant (PL) Inclinado a desrespeitar Original, pensamento radical, B Focar nos padrões de excelência e Não ortodoxo. protocolos, planos e cheio de confiança. processos ditados pelos stakeholders autoridades. (-) Dominante, cheio de Soluciona problemas B Pro atividade no alcance de - confiança, não se inibe. difíceis. objetivos B Controlar riscos do projeto (0) Baixa habilidade de Introvertido, pensamento gerenciar e trabalhar B Exigir alta performance própria e da radical, cheio de confiança, - questões práticas do dia-adia (custos,tempo,escopo). equipe não se inibe. (-) Introvertido, pensamento radical, cheio de confiança, não se inibe. Imaginativo, introvertido, original, pensamento radical. Pensamento radical, cheio de confiança, não se inibe. - Criativo, não ortodoxo, soluciona problemas difíceis. Criativo, não ortodoxo Anárquico. Inclinado a desrespeitar protocolos, planos e autoridades. - Inclinado a desrespeitar protocolos, planos e autoridades. B Garantir que expectativas dos stakeholders são alcançadas B Desenvolver ações inovadoras para aumentar o desempenho da equipe B Cumprir todos os requisitos legais. (-) B Trabalhar com um conjunto conhecido de padrões éticos B Evita conflitos de interesse entre os stakeholders (-) (0) (0) Tabela 4 Cluster de Orientação a Resultados (Plant)

8 Os resultados da Tabela 3 mostram que Co-ordinator possui sete relações positivas com os critérios do cluster Foco nos Resultados e somente uma relação negativa (-) e um critério sem relação (0). Este resultado sugere que um profissional com uma classificação Alta ou Muito-Alta no TRSPI deve exibir comportamento que atenda aos critérios de desempenho do cluster. Além disso, a confiança na relação é alta, pois existe somente um item em nove para o qual não foi possível estabelecer nenhuma relação. A interpretação dos resultados para o papel Plant sugere uma conclusão oposta: um profissional com classificação Alta ou Muito- Alta no TRSPI não deve ter um comportamento que atenda aos critérios do cluster. Neste caso, pessoas exibindo um papel Co-ordinator devem se sair melhor que um Plant no seu desempenho como gerente de projeto em relação ao Foco nos Resultados do Projeto. De forma semelhante, foram construídas todas as relações entre os papéis da Teoria de Belbin com os critérios de desempenho de todas as unidades do PMCD. A Figura 2 mostra o resultado final de todas as relações obtidas, ordenado a partir do papel de Belbin com a maior relação positiva com os critérios do PMCD CO TW RI IMP CF SH ME PL SP (-) (0) Figura 2. Resultado Consolidado das Relações Uma análise inicial dos resultados da Figura 2 foi construída agrupando-se os papéis de equipe três-a-três na ordem da tabela: Co-ordinator (CO), Teamworker (TW) e Resource Investigator (RI): os papéis que obtiveram mais relações positivas são aqueles considerados na Teoria de Belbin como sendo orientados a pessoas, conforme definido na Seção 3. Estes papéis têm como características em comum serem extrovertidos, maduros, estáveis, comunicativos e preocupados com a troca de informações interna e externa à equipe. O PMCD coloca grande ênfase nas competências de comunicação (18 critérios) e de desenvolvimento da equipe (15 critérios), as quais também possuem ênfase no PMBOK (Project Management Institute 2004), formando duas de suas áreas de conhecimento. Implementer (IMP), Completer Finisher (CF) e Shaper (SH): os papéis neste grupo intermediário são considerados com sendo orientados a ação. Estes papéis são os responsáveis por transformar planos em ações. Estes papéis são desempenhados, em geral, por pessoas inflexíveis, relutantes em delegar responsabilidades e com dificuldade de comunicação ou porque são excessivamente introvertidos (IMP e CF) ou porque tendem a arrogantes e irritáveis (SH). Gerentes de projeto com tendências a desempenhar estes papéis podem levar o projeto a situações de conflito por deficiência de comunicação interna ou externa.

9 Monitor Evaluator (ME), Plant (PL) e Specialist (SP): neste grupo final estão os papéis considerados como sendo cerebrais. São papéis desempenhados por pessoas eficientes em solucionar problemas ou encontrar falhas, mas que possuem dificuldade extrema de comunicação. São, em geral, introvertidos e voltados para o trabalho individual. Dificilmente conseguem motivar ou inspirar os demais membros da equipe. O baixo número de relações positivas e o alto número de negativas² demonstram que pessoas com alta tendência a desempenhar estes papéis não possuem grande parte das competências pessoas defendidas no PMCD. Análises específicas de cada papel em relação aos critérios do PMCD não serão apresentadas por questões de espaço e podem ser encontradas em Fernandes (2006). 5. Considerações Finais Este artigo apresentou os principais resultados do trabalho desenvolvido em Fernandes (2006). Estes resultados fornecem uma guia para se interpretar os resultados de respostas ao TRSPI (Team Role Self Perception Inventory) no contexto da avaliação dos critérios de desempenho das competências pessoais do PMCD Framework. Utilizando o TRSPI neste contexto, é possível identificar pessoas com tendências a exibir ou não (algumas das) competências definidas no PMCD e, portanto, serem melhores ou piores gerentes de projeto³. Pelo menos dois aprofundamentos destes resultados são necessários para fortalecer a sua base conceitual. Primeiro, os critérios que não puderam ser correlacionados com os perfis necessitam de outro tipo de tratamento. Neste caso, outros modelos de papéis ou de características de personalidade deverão ser experimentados em uma fase seguinte desta pesquisa. Segundo, a análise qualitativa realizada para construir as relações entre papéis de Belbin e critérios do PMCD necessita de uma validação de campo. Métodos de observação juntamente com testes psicométricos estão sendo estudados para fornecer as ferramentas de pesquisa para esta próxima fase do trabalho. Apesar da ausência de uma avaliação completa dos critérios e de uma análise de campo, este trabalho mostrou que existe uma importante relação entre as competências pessoais esperadas de um gerente de projetos com os papéis orientados a pessoas de Belbin. Isto sugere fortemente que gerentes de projetos e também seus empregadores devem trabalhar as características de comunicação e desenvolvimento de ligações pessoais nas equipes como forma de melhorar a efetividade do gerenciamento de projetos. Pessoas com tendências a assumirem papéis de Co-ordinator, Teamworker e Resource Investigator naturalmente trabalham estas características, configurando-se como candidatos a bons gerentes de projeto. Por outro lado, a mesma análise das relações mostra que introversão e preocupação exclusiva com a identificação ou solução de problemas técnicos, característica marcante dos Monitor Evaluators, Plants e Specialists, não parecem ser os atributos de um bom gerente. Finalmente, este trabalho de pesquisa deve evoluir para estudar relações entre os papéis de time e o desempenho real do gerente de projetos. Para isto, a primeira tarefa é definir formalmente critérios de desempenho que possam ser avaliados quantitativamente e de maneira consistente. 6. Agradecimentos Os autores gostariam de agradecer João Agripino Maia, Felipe A. Pereira, Tatiana Bittencourt, André L. C. Villas-Boas, por críticas e sugestões nas versões iniciais deste artigo.

10 7. Notas 1 Neste trabalho, os nomes de papéis foram mantidos idênticos ao original em Inglês para evitar distorções que uma tradução extra-oficial pudesse causar. 2 Com exceção do papel de Specialist, que teve somente uma relação negativa. 3 Aspas são utilizadas nos adjetivos do gerente de projetos pois os autores desconhecem algum estudo que comprove cientificamente que o atendimento dos critérios do PMCD realmente leva a resultados positivos no desempenho do gerente. 8. Bibliografia Aritzeta, A., Swailes, S., and Senior, B., (2007) "Belbin`s Team Role Model: Development, Validity and Applications for Team Building". Journal of Management Studies, Vol. 44, Issue 1, pp (2005) Team Role Preference and Cognitive Styles". Small Group Research, Vol. 36, No. 4, Belbin, Meredith R. (1981) Management Teams: Why they succeed or Fail, Butterworth- Heinemann Ltd. (1993) Team Roles at Work, Elsevier Butterworth-Heinemann Ltd. Biddle, B. J. (1979) Role theory: Expectations, identities, and behaviors. New York: Academic Press. Brewer, J. L. (2005) Project managers: can we make them or just make them better?. In Proceedings of the 6th Conference on information Technology Education (Newark, NJ, USA, October 20-22, 2005). SIGITE '05. ACM Press, New York, NY, DOI= Chen, M. (1997) "The Modern Project Manager", Cost Engineering, March, pp Crawford, L. (2000) Profiling the Competent Project Manager. In Project Management Research at the Turn of the Millenium: Proceedings of PMI Research Conference, June, 2000, Paris, France, pp Sylva, NC: Project Management Institute. Haggerty, N. (2000) Understanding the link between IT project manager skills and project success research in progress. In Proceedings of the 2000 ACM SIGCPR Conference on Computer Personnel Research (Chicago, Illinois, United States). SIGCPR '00. ACM Press, New York, NY, Henry, S. M. and Stevens, K. T. (1999) Using Belbin s leadership role to improve team effectiveness: An empirical investigation, The Journal of Systems and Software Vol. 44, pp Howard, A. (2001) On site: Software engineering project management. Commun. ACM Vol. 44, No. 5, pp Fernandes, Flávio L. M. (2006) Um Modelo Empírico das Competências e o Perfil Pessoal Adequado do Gerente de Projetos de Software. Recife, PE. Trabalho Final de Graduação, Centro de Informática, Universidade Federal de Pernambuco. Myers, I. B, et al. (1998) MBTI Manual: A Guide to the Development and use of the Myers- Briggs Type Indicator, 3 rd Edition. Consulting Psychologists Press, Palo Alto, CA. Project Management Institute (2001) Project Management Competency Development (PMCD) Framework, Project Management Institute Inc. (2004) A Guide to the Project Management Body of Knowledge PMBOK Guide, Third Edition, Project Management Institute Inc. American National Standard ANSI/PMI Rajendran, M. (2005) Analysis of team effectiveness in software development teams working on hardware and software environments using Belbin Self-perception Inventory,

11 Journal of Management Development, Vol. 24, No. 8, pp , Emerald Group Publishing Limited, , DOI / Sommerville, J. and Dalziel, S. (1998) Project teambuilding the applicability of Belbin s team-role self-perception Inventory. International Journal of Project Management, Vol. 16, No. 3, pp Stevens, K.T. (1998) The Effects of Roles and Personality Characteristics on Software Development Team Effectiveness, Blacksburg, Virginia, US. PhD Thesis, Faculty of Virginia Polytechnic Institute and State University. Swailles, S. and McIntyre-Batthy, T. (2002) The Belbin team role inventory: reinterpreting reliability estimates, Journal of Managerial Psychology, Vol. 17, No. 6, pp , MCB UP Ltd., ISSN Wideman, M. (1997) Dominant Personality Traits Suited to Running Projects Successfully (And What Type are You?). Project Management Institute's Annual Seminar/Symposium "Tides of Change", Long Beach, California, USA, 1997/2002.

Um estudo sobre Relações entre Papéis Funcionais do RUP e o Comportamento Pessoal no Trabalho em Equipe em Fábricas de Software

Um estudo sobre Relações entre Papéis Funcionais do RUP e o Comportamento Pessoal no Trabalho em Equipe em Fábricas de Software Um estudo sobre Relações entre Papéis Funcionais do RUP e o Comportamento Pessoal no Trabalho em Equipe em Fábricas de Software Alberto C. França 1, Fábio Q. B. da Silva 1 1 Centro de Informática Universidade

Leia mais

Trabalho em Equipa e Liderança

Trabalho em Equipa e Liderança Trabalho em Equipa e Liderança Luis M. Correia 1 Equipas em Engenharia A maioria das tarefas em Engenharia está organizada em Equipas, que são constituídas para a realização de Projectos. As Equipas são

Leia mais

UM MODELO EMPÍRICO DAS COMPETÊNCIAS E O PERFIL PESSOAL ADEQUADO DO GERENTE DE PROJETOS DE SOFTWARE TRABALHO DE GRADUAÇÃO EM EMPREENDEDORISMO

UM MODELO EMPÍRICO DAS COMPETÊNCIAS E O PERFIL PESSOAL ADEQUADO DO GERENTE DE PROJETOS DE SOFTWARE TRABALHO DE GRADUAÇÃO EM EMPREENDEDORISMO Universidade Federal de Pernambuco Graduação em Ciência da Computação Centro de Informática UM MODELO EMPÍRICO DAS COMPETÊNCIAS E O PERFIL PESSOAL ADEQUADO DO GERENTE DE PROJETOS DE SOFTWARE TRABALHO DE

Leia mais

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Avaliação de: Sr. Antônio Modelo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Especialistas The Inner

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais

Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com Bibliografia* Project Management Institute. Conjunto de Conhecimentos em Gerenciamento

Leia mais

Uma Aplicação de Ensino Orientada a Agentes na Internet

Uma Aplicação de Ensino Orientada a Agentes na Internet 1 de 5 22/7/2008 17:14 Uma Aplicação de Ensino Orientada a Agentes na Internet Adriana Soares Pereira Cláudio Fernando Resin Geyer adriana@inf.ufrgs.br Resumo Este trabalho apresenta uma proposta de desenvolvimento

Leia mais

C A R R E I R A H O G A N D E S E N V O L V E R DICAS DE DESENVOLVIMENTO PARA GESTÃO DE CARREIRA. Relatório para: Tal Fulano ID: HC748264

C A R R E I R A H O G A N D E S E N V O L V E R DICAS DE DESENVOLVIMENTO PARA GESTÃO DE CARREIRA. Relatório para: Tal Fulano ID: HC748264 S E L E C I O N A R D E S E N V O L V E R L I D E R A R H O G A N D E S E N V O L V E R C A R R E I R A DICAS DE DESENVOLVIMENTO PARA GESTÃO DE CARREIRA Relatório para: Tal Fulano ID: HC748264 Data: 12,

Leia mais

1 Introdução. 1.1. Considerações finais

1 Introdução. 1.1. Considerações finais 11 1 Introdução 1.1. Considerações finais O presente trabalho tem por finalidade analisar a área de TI de uma empresa que se estrutura por meio de projetos, dando ênfase nos modelos motivacionais que são

Leia mais

Perfil de Competências de Gestão. Nome: Exemplo

Perfil de Competências de Gestão. Nome: Exemplo Perfil de Competências de Gestão Nome: Exemplo Data: 8 maio 2008 Perfil de Competências de Gestão Introdução Este perfil resume como é provável que o estilo preferencial ou os modos típicos de comportamento

Leia mais

Gestão de Riscos em Projetos de Software

Gestão de Riscos em Projetos de Software Gestão de Riscos em Projetos de Software Júlio Venâncio jvmj@cin.ufpe.br 2 Roteiro Conceitos Iniciais Abordagens de Gestão de Riscos PMBOK CMMI RUP 3 Risco - Definição Evento ou condição incerta que, se

Leia mais

Revista Mundo PM Edição dez/2007-jan/2008

Revista Mundo PM Edição dez/2007-jan/2008 Revista Mundo PM Edição dez/2007-jan/2008 Paula Geralda Barbosa Coelho Torreão paula@cleverpal.com Recife, 02 de setembro de 2008 Motivação Treinamento como ferramenta de desenvolvimento da equipe de projeto

Leia mais

Estratégias de Pesquisa

Estratégias de Pesquisa Estratégias de Pesquisa Ricardo de Almeida Falbo Metodologia de Pesquisa Departamento de Informática Universidade Federal do Espírito Santo Agenda Survey Design e Criação Estudo de Caso Pesquisa Ação Experimento

Leia mais

> Perfil Tipos Comportamento em Equipa e Estilos de Liderança. Nome: Peter Sample

> Perfil Tipos Comportamento em Equipa e Estilos de Liderança. Nome: Peter Sample > Perfil Tipos Comportamento em Equipa e Estilos de Liderança Nome: Peter Sample Data: 14 Abril 2009 Tipos de Comportamento em Equipa Improvável que adopte Pode adoptar Provável que adopte Tipos de Comportamento

Leia mais

Apoio à Decisão Gerencial na Alocação de Recursos Humanos em Projetos de Software Ahilton Silva Barreto ahilton@cos.ufrj.br

Apoio à Decisão Gerencial na Alocação de Recursos Humanos em Projetos de Software Ahilton Silva Barreto ahilton@cos.ufrj.br Apoio à Decisão Gerencial na Alocação de Recursos Humanos em Projetos de Software Ahilton Silva Barreto ahilton@cos.ufrj.br Orientadores: Márcio de Oliveira Barros e Cláudia Maria Lima Werner {marcio,

Leia mais

> Perfil de Desenvolvimento de Equipe e Estilos de Liderança. Nome: Exemplo

> Perfil de Desenvolvimento de Equipe e Estilos de Liderança. Nome: Exemplo > Perfil de Desenvolvimento de Equipe e Estilos de Liderança Nome: Exemplo Data: 8 maio 2008 Tipos na equipe Pode adotar Provável que Tipos na equipe Levantador de Recursos Coordenador Finalizador Dinamizador

Leia mais

GUIA PMBOK PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS

GUIA PMBOK PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS ISSN 1984-9354 GUIA PMBOK PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS Emerson Augusto Priamo Moraes (UFF) Resumo Os projetos fazem parte do cotidiano de diversas organizações, públicas e privadas, dos mais diversos

Leia mais

Nosso negócio é a melhoria da Capacidade Competitiva de nossos Clientes

Nosso negócio é a melhoria da Capacidade Competitiva de nossos Clientes Nosso negócio é a melhoria da Capacidade Competitiva de nossos Clientes 1 SÉRIE DESENVOLVIMENTO HUMANO FORMAÇÃO DE LÍDER EMPREENDEDOR Propiciar aos participantes condições de vivenciarem um encontro com

Leia mais

Inteligência. Emocional

Inteligência. Emocional Inteligência Emocional Inteligência Emocional O que querem os empregadores?? Atualmente, as habilitações técnicas específicas são menos importantes do que a capacidade implícita de aprender no trabalho

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS

O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS Nadia Al-Bdywoui (nadia_alb@hotmail.com) Cássia Ribeiro Sola (cassiaribs@yahoo.com.br) Resumo: Com a constante

Leia mais

Treinamento Coaching - Assessment

Treinamento Coaching - Assessment Treinamento Coaching - Assessment Treinamento de vendas COACHING ASSESSMENT Para que treinar? A importância "A vontade de ganhar é importante, mas a vontade de se preparar é vital. Apresentando o Coaching

Leia mais

Aula Nº 9 Gerenciamento de Recursos Humanos em projetos

Aula Nº 9 Gerenciamento de Recursos Humanos em projetos Aula Nº 9 Gerenciamento de Recursos Humanos em projetos Objetivos da Aula: Os objetivos desta aula visam tratar da identificação bem como do estabelecimento de uma estrutura organizacional apropriada ao

Leia mais

Novidades do Guia PMBOK 5a edição

Novidades do Guia PMBOK 5a edição Novidades do Guia PMBOK 5a edição Mauro Sotille, PMP O Guia PMBOK 5 a edição (A Guide to the Project Management Body of Knowledge (PMBOK Guide) Fifth Edition), em Inglês, vai ser lançado oficialmente pelo

Leia mais

Perfil e Competências do Coach

Perfil e Competências do Coach Perfil e Competências do Coach CÉLULA DE TRABALHO Adriana Levy Isabel Cristina de Aquino Folli José Pascoal Muniz - Líder da Célula Marcia Madureira Ricardino Wilson Gonzales Gambirazi 1. Formação Acadêmica

Leia mais

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Miriam Regina Xavier de Barros, PMP mxbarros@uol.com.br Agenda Bibliografia e Avaliação 1. Visão Geral sobre o PMI e o PMBOK 2. Introdução

Leia mais

Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report

Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report Avaliação de: Sr. Mario Exemplo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report

Leia mais

Gerenciamento de Integração do Projeto Será que você está precisando de uma ajuda?

Gerenciamento de Integração do Projeto Será que você está precisando de uma ajuda? Resumo Integrar é procurar tornar partes distintas em um todo e que não percam seu objetivo. Gerenciar um projeto requer uma forte atuação integradora, visto que são muitas e complexas as funções a serem

Leia mais

Liderando Projetos com Gestão de Mudanças Organizacionais

Liderando Projetos com Gestão de Mudanças Organizacionais Jorge Bassalo Strategy Consulting Sócio-Diretor Resumo O artigo destaca a atuação da em um Projeto de Implementação de um sistema ERP, e o papel das diversas lideranças envolvidas no processo de transição

Leia mais

Metodologia para Planejamento, Execução e Controle de Teste de Software. Roteiro

Metodologia para Planejamento, Execução e Controle de Teste de Software. Roteiro Metodologia para Planejamento, Execução e Controle de Teste de Software Arilo Claudio Dias Neto - acdn@cos.ufrj.br Gladys Machado P. S. Lima - gladysmp@cos.ufrj.br Guilherme Horta Travassos - ght@cos.ufrj.br

Leia mais

Aula 2 Governança do projeto Papéis e Responsabilidades

Aula 2 Governança do projeto Papéis e Responsabilidades Aula 2 Governança do projeto Papéis e Responsabilidades Objetivos da Aula: Nesta aula, iremos conhecer os diversos papéis e responsabilidades das pessoas ou grupos de pessoas envolvidas na realização de

Leia mais

> Relatório de Vendas. Nome: Exemplo

> Relatório de Vendas. Nome: Exemplo > Relatório de Vendas Nome: Exemplo Data: 8 maio 2008 INTRODUÇÃO O Relatório de Vendas da SHL ajuda a compreender a adequação do potencial do Exemplo na função de vendas. Este relatório é baseado nos resultados

Leia mais

Gestor-líder: processo dinâmico de criação, habilidade, competência para perceber das limitações do sistema e propor solução rápida;

Gestor-líder: processo dinâmico de criação, habilidade, competência para perceber das limitações do sistema e propor solução rápida; AV1 Estudo Dirigido da Disciplina CURSO: Administração Escolar DISCIPLINA: Gestão de Políticas Participativas ALUNO(A):Mª da Conceição V. da MATRÍCULA: Silva NÚCLEO REGIONAL:Recife DATA:17/09/2013 QUESTÃO

Leia mais

liderança conceito Sumário Liderança para potenciais e novos gestores

liderança conceito Sumário Liderança para potenciais e novos gestores Sumário Liderança para potenciais e novos gestores conceito Conceito de Liderança Competências do Líder Estilos de Liderança Habilidades Básicas Equipe de alta performance Habilidade com Pessoas Autoestima

Leia mais

definido por um documento de padronização. A Fig. 1 representa a organização dos Grupos de Processos juntamente com os documentos exigidos.

definido por um documento de padronização. A Fig. 1 representa a organização dos Grupos de Processos juntamente com os documentos exigidos. A GESTÃO DE PROJETOS EXISTENTE NA NORMA DO-178B Matheus da Silva Souza, matheusdasilvasouza@gmail.com Prof. Dr. Luiz Alberto Vieira Dias, vdias@ita.br Instituto Tecnológico de Aeronáutica Praça Marechal

Leia mais

SISTEMA. Tecnologia. Software. Hardware. Prazos. Pessoas. Qualidade. Custo GERENCIAMENTO DE RISCO: COMO GARANTIR O SUCESSO DOS PROJETOS DE TI?

SISTEMA. Tecnologia. Software. Hardware. Prazos. Pessoas. Qualidade. Custo GERENCIAMENTO DE RISCO: COMO GARANTIR O SUCESSO DOS PROJETOS DE TI? GERENCIAMENTO DE RISCO: COMO GARANTIR O SUCESSO DOS PROJETOS DE TI? Os projetos de Tecnologia de Informação possuem características marcantes, que os diferencia dos demais são projetos onde o controle

Leia mais

Eduardo Alves de Oliveira. eduaopec@yahoo.com.br IME Instituo Militar de Engenharia LES PUC-Rio Laboratório de Engenharia de Software da Puc - Rio

Eduardo Alves de Oliveira. eduaopec@yahoo.com.br IME Instituo Militar de Engenharia LES PUC-Rio Laboratório de Engenharia de Software da Puc - Rio Eduardo Alves de Oliveira eduaopec@yahoo.com.br IME Instituo Militar de Engenharia LES PUC-Rio Laboratório de Engenharia de Software da Puc - Rio Processo de Desenvolvimento de Software; Produtividade:

Leia mais

GERÊNCIA DE INTEGRAÇÃO DO PROJETO

GERÊNCIA DE INTEGRAÇÃO DO PROJETO GERÊNCIA DE INTEGRAÇÃO DO PROJETO Estevanir Sausen¹, Patricia Mozzaquatro² ¹Acadêmico do Curso de Ciência da Computação ²Professor(a) do Curso de Ciência da Computação Universidade de Cruz Alta (UNICRUZ)

Leia mais

Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso

Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso Carlos Alberto Rovedder, Gustavo Zanini Kantorski Curso de Sistemas de Informação Universidade Luterana do Brasil (ULBRA) Campus

Leia mais

MBA EM GESTÃO DE PROJETOS PÓS-GRADUAÇÃO 2013. DESAFIO PROFISSIONAL Módulo C

MBA EM GESTÃO DE PROJETOS PÓS-GRADUAÇÃO 2013. DESAFIO PROFISSIONAL Módulo C MBA EM GESTÃO DE PROJETOS PÓS-GRADUAÇÃO 13 DESAFIO PROFISSIONAL Módulo C Ferramentas de Software para Gestão de Projetos Gestão de Custos Gestão de Aquisições e Contratações Autor: Prof. Dr. Valter Castelhano

Leia mais

Estratégia de TI. Posicionamento Estratégico da TI: como atingir o alinhamento com o negócio. Conhecimento em Tecnologia da Informação

Estratégia de TI. Posicionamento Estratégico da TI: como atingir o alinhamento com o negócio. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Estratégia de TI Posicionamento Estratégico da TI: como atingir o alinhamento com o negócio 2011 Bridge Consulting Apresentação

Leia mais

Perfil de estilos de personalidade

Perfil de estilos de personalidade Relatório confidencial de Maria D. Apresentando Estilos de venda Administrador: Juan P., (Sample) de conclusão do teste: 2014 Versão do teste: Perfil de estilos de personalidade caracterizando estilos

Leia mais

TREINAMENTOS MAGAZINE 3 WORKSHOP INTERNACIONAL DE LIDERANÇA 5 GERENCIAMENTO DE RISCOS EM PROJETOS 7 INTRODUÇÃO AO GERENCIAMENTO DE PROJETOS

TREINAMENTOS MAGAZINE 3 WORKSHOP INTERNACIONAL DE LIDERANÇA 5 GERENCIAMENTO DE RISCOS EM PROJETOS 7 INTRODUÇÃO AO GERENCIAMENTO DE PROJETOS TREINAMENTOS MAGAZINE 3 WORKSHOP INTERNACIONAL DE LIDERANÇA Líderes eficazes devem encontrar maneiras de melhorar o nível de engajamento, compromisso e apoio das pessoas, especialmente durante os períodos

Leia mais

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE Curso Técnico em Informática ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Clayton Maciel Costa

Leia mais

4. PMBOK - Project Management Body Of Knowledge

4. PMBOK - Project Management Body Of Knowledge 58 4. PMBOK - Project Management Body Of Knowledge No Brasil, as metodologias mais difundidas são, além do QL, o método Zopp, o Marco Lógico do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e o Mapp da

Leia mais

Gerenciamento de Riscos do Projeto Eventos Adversos

Gerenciamento de Riscos do Projeto Eventos Adversos Gerenciamento de Riscos do Projeto Eventos Adversos 11. Gerenciamento de riscos do projeto PMBOK 2000 PMBOK 2004 11.1 Planejamento de gerenciamento de riscos 11.1 Planejamento de gerenciamento de riscos

Leia mais

Perfil Caliper Gerencial e Vendas The Inner Leader and Seller Report

Perfil Caliper Gerencial e Vendas The Inner Leader and Seller Report Perfil Caliper Gerencial e Vendas The Inner Leader and Seller Report Avaliação de: Sr. José Exemplo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: 11/06/2014 Perfil Caliper Gerencial e Vendas

Leia mais

remuneração para ADVOGADOS advocobrasil Uma forma mais simples e estruturada na hora de remunerar Advogados porque a mudança é essencial

remuneração para ADVOGADOS advocobrasil Uma forma mais simples e estruturada na hora de remunerar Advogados porque a mudança é essencial remuneração para ADVOGADOS Uma forma mais simples e estruturada na hora de remunerar Advogados advocobrasil Não ter uma política de remuneração é péssimo, ter uma "mais ou menos" é pior ainda. Uma das

Leia mais

Capítulo 1. Extreme Programming: visão geral

Capítulo 1. Extreme Programming: visão geral Capítulo 1 Extreme Programming: visão geral Extreme Programming, ou XP, é um processo de desenvolvimento de software voltado para: Projetos cujos requisitos são vagos e mudam com freqüência; Desenvolvimento

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS PARA A GESTÃO DE PROJETOS

IDENTIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS PARA A GESTÃO DE PROJETOS IDENTIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS PARA A GESTÃO DE PROJETOS Claudio Oliveira Aplicações de CRM Claudio Oliveira Apresentação Claudio Oliveira (cloliveira@usp.br) Professor da Fundação Vanzolini

Leia mais

MODELO CMM MATURIDADE DE SOFTWARE

MODELO CMM MATURIDADE DE SOFTWARE MODELO CMM MATURIDADE DE SOFTWARE O modelo CMM Capability Maturity Model foi produzido pelo SEI (Software Engineering Institute) da Universidade Carnegie Mellon (CMU), em Pittsburgh, EUA, por um grupo

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

Fundamentos de Teste de Software

Fundamentos de Teste de Software Núcleo de Excelência em Testes de Sistemas Fundamentos de Teste de Software Módulo 2- Teste Estático e Teste Dinâmico Aula 3 Teste Estático SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 1. Definição... 3 2. Custo Versus Benefício...

Leia mais

Relatório de Avaliação de Perfil Comportamental EU360

Relatório de Avaliação de Perfil Comportamental EU360 Relatório de Avaliação de Perfil Comportamental EU360 Avaliado(a): Eric Ribeiro Direção e Sentido Coaching e Treinamentos 01/10/2013 Direção e Sentido 1 / 4 Direção e Sentido Coaching e Treinamentos Nome:

Leia mais

PEN - Processo de Entendimento das Necessidades de Negócio Versão 1.4.0

PEN - Processo de Entendimento das Necessidades de Negócio Versão 1.4.0 PEN - Processo de Entendimento das Necessidades de Negócio Versão 1.4.0 Banco Central do Brasil, 2015 Página 1 de 14 Índice 1. FLUXO DO PEN - PROCESSO DE ENTENDIMENTO DAS NECESSIDADES DE NEGÓCIO... 3 2.

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO. webqda - SOFTWARE DE APOIO À ANÁLISE QUALITATIVA. Entidade de formação credenciada e homologada

CURSO DE FORMAÇÃO. webqda - SOFTWARE DE APOIO À ANÁLISE QUALITATIVA. Entidade de formação credenciada e homologada CURSO DE FORMAÇÃO webqda - SOFTWARE DE APOIO À ANÁLISE QUALITATIVA Entidade de formação credenciada e homologada 1. Fundamentação A investigação nas ciências humanas e sociais tem passado nas últimas décadas

Leia mais

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação O Valor da TI Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação 2010 Bridge Consulting

Leia mais

Autor(es) BARBARA STEFANI RANIERI. Orientador(es) LUIZ EDUARDO GALVÃO MARTINS, ANDERSON BELGAMO. Apoio Financeiro PIBIC/CNPQ. 1.

Autor(es) BARBARA STEFANI RANIERI. Orientador(es) LUIZ EDUARDO GALVÃO MARTINS, ANDERSON BELGAMO. Apoio Financeiro PIBIC/CNPQ. 1. 19 Congresso de Iniciação Científica ESPECIFICAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO DE UMA FERRAMENTA AUTOMATIZADA DE APOIO AO GERSE: GUIA DE ELICITAÇÃO DE REQUISITOS PARA SISTEMAS EMBARCADOS Autor(es) BARBARA STEFANI

Leia mais

Requisitos de Software

Requisitos de Software Requisitos de Software Prof. José Honorato F.N. Prof. José Honorato F.N. honoratonunes@gmail.com Requisitos de Software Software é o conjunto dos programas e dos meios não materiais que possibilitam o

Leia mais

Introdução ao Gerenciamento de Projetos Quando planejar é preciso...

Introdução ao Gerenciamento de Projetos Quando planejar é preciso... Quando planejar é preciso... Resumo Embora pareça não ser importante para o desenvolvimento de um projeto, conhecer e ter sob domínio os conceitos sobre Gerenciamento de Projetos é fundamental. Este documento

Leia mais

ROBSON FUMIO FUJII GOVERNANÇA DE TIC: UM ESTUDO SOBRE OS FRAMEWORKS ITIL E COBIT

ROBSON FUMIO FUJII GOVERNANÇA DE TIC: UM ESTUDO SOBRE OS FRAMEWORKS ITIL E COBIT ROBSON FUMIO FUJII GOVERNANÇA DE TIC: UM ESTUDO SOBRE OS FRAMEWORKS ITIL E COBIT LONDRINA - PR 2015 ROBSON FUMIO FUJII GOVERNANÇA DE TIC: UM ESTUDO SOBRE OS FRAMEWORKS ITIL E COBIT Trabalho de Conclusão

Leia mais

Um modelo para o gerenciamento de múltiplos projetos de software aderente ao CMMI

Um modelo para o gerenciamento de múltiplos projetos de software aderente ao CMMI Universidade Federal de Pernambuco Graduação em Ciência da Computação Centro de Informática Um modelo para o gerenciamento de múltiplos projetos de software aderente ao CMMI PROPOSTA DE TRABALHO DE GRADUAÇÃO

Leia mais

Palestra: Gerenciamento de Projetos A Equipe fazendo a diferença

Palestra: Gerenciamento de Projetos A Equipe fazendo a diferença Palestra: Gerenciamento de Projetos A Equipe fazendo a diferença Lincoln Firmino, MSc PMP lincoln@iguassugp.com.br (5521) 8040-6969 (5545) 9802-2344 Projetos - Conceito Projetos são um meio de organizar

Leia mais

judgment EM PERSPECTIVA:

judgment EM PERSPECTIVA: EM PERSPECTIVA: judgment As teorias de liderança geralmente estão baseadas em características individuais, como o carisma, influência, ética, entre outras, mas um determinante central da performance de

Leia mais

5 CONSIDERAÇÕES FINAIS. 5.1 Conclusão

5 CONSIDERAÇÕES FINAIS. 5.1 Conclusão 97 5 CONSIDERAÇÕES FINAIS 5.1 Conclusão Este estudo teve como objetivo final elaborar um modelo que explique a fidelidade de empresas aos seus fornecedores de serviços de consultoria em informática. A

Leia mais

Competências avaliadas pela ICF

Competências avaliadas pela ICF Competências avaliadas pela ICF ð Estabelecendo a Base: 1. Atendendo as Orientações Éticas e aos Padrões Profissionais Compreensão da ética e dos padrões do Coaching e capacidade de aplicá- los adequadamente

Leia mais

Boas Práticas em Gerenciamento de Projetos Material utilizado nas aulas de Pós-graduação do Centro de Informática 2010.2

Boas Práticas em Gerenciamento de Projetos Material utilizado nas aulas de Pós-graduação do Centro de Informática 2010.2 O que é um? s: Tradicional e/ou Ágil? Cristine Gusmão, PhD Tem início e fim bem determinados Things are not always what they seem. Phaedrus, Escritor e fabulista Romano O projeto é uma sequência única,

Leia mais

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 Conhecimento em Tecnologia da Informação Alinhamento Estratégico A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 2010 Bridge Consulting Apresentação

Leia mais

3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos

3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos 3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos Este capítulo tem como objetivo a apresentação das principais ferramentas e metodologias de gerenciamento de riscos em projetos, as etapas do projeto onde o processo

Leia mais

Novidades do Guia PMBOK 5ª edição

Novidades do Guia PMBOK 5ª edição Novidades do Guia PMBOK 5ª edição Mauro Sotille, PMP O Guia PMBOK 5 a edição (A Guide to the Project Management Body of Knowledge (PMBOK Guide) Fifth Edition), em Inglês, foi lançado oficialmente pelo

Leia mais

Adriano Marum Rômulo. Uma Investigação sobre a Gerência de Projetos de Desenvolvimento de Software em Órgãos do Governo do Ceará com Base no MPS-BR

Adriano Marum Rômulo. Uma Investigação sobre a Gerência de Projetos de Desenvolvimento de Software em Órgãos do Governo do Ceará com Base no MPS-BR Adriano Marum Rômulo 2014 Uma Investigação sobre a Gerência de Projetos de Desenvolvimento de Software em Órgãos do Governo do Ceará com Base no MPS-BR Agenda I. Introdução II. Referencial Teórico III.

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Curso de Arquivologia Profa. Lillian Alvares

Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Curso de Arquivologia Profa. Lillian Alvares Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Curso de Arquivologia Profa. Lillian Alvares O Project Management Institute é uma entidade sem fins lucrativos voltada ao Gerenciamento de Projetos.

Leia mais

Relatório de: Empresa ABC. Gerentes. Preparado por: Consultor Caliper 05/08/14

Relatório de: Empresa ABC. Gerentes. Preparado por: Consultor Caliper 05/08/14 Relatório de: Gerentes Preparado por: Consultor Caliper 05/08/14 Rua Eça de Queiroz, 1272 Ahu - Curitiba - PR - Cep: 80.540-140 Telefone: 41-3075-3400 Sobre o relatório O relatório Caliper Perfil de Equipe,

Leia mais

Fulano de Tal. Relatório Combinado Extended DISC : Análise Comportamental x Feedback 360 FINXS 09.12.2014

Fulano de Tal. Relatório Combinado Extended DISC : Análise Comportamental x Feedback 360 FINXS 09.12.2014 Relatório Combinado Extended DISC : Análise Comportamental x Feedback 360 Este relatório baseia-se nas respostas apresentadas no Inventário de Análise Pessoal comportamentos observados através questionário

Leia mais

Gerência de Projetos CMMI & PMBOK

Gerência de Projetos CMMI & PMBOK Gerência de Projetos CMMI & PMBOK Uma abordagem voltada para a qualidade de processos e produtos Prof. Paulo Ricardo B. Betencourt pbetencourt@urisan.tche.br Adaptação do Original de: José Ignácio Jaeger

Leia mais

Formulário de Avaliação de Desempenho

Formulário de Avaliação de Desempenho Formulário de Avaliação de Desempenho Objetivos da Avaliação de Desempenho: A avaliação de desempenho será um processo anual e sistemático que, enquanto processo de aferição individual do mérito do funcionário

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

Gerenciamento de Projetos de Software esenvolvidos à Luz das Metodologias Ágeis. Ana Liddy C C Magalhães

Gerenciamento de Projetos de Software esenvolvidos à Luz das Metodologias Ágeis. Ana Liddy C C Magalhães Gerenciamento de Projetos de Software esenvolvidos à Luz das Metodologias Ágeis Ana Liddy C C Magalhães EQPS 2004 Campinas 16/08/2004 otivação e Objetivos do Projeto Motivação Demanda pela informação dependência

Leia mais

Relatório de Competências

Relatório de Competências ANÁLISE CALIPER DO POTENCIAL DE DESEMPENHO PROFISSIONAL Relatório de Competências LOGO CLIENTE CALIPER Avaliação de: Sr. Márcio Modelo Preparada por: Consultora Especializada Caliper e-mail: nome@caliper.com.br

Leia mais

Introdução a Gerenciamento de Projetos Prof. MSc. Fábio Assunção

Introdução a Gerenciamento de Projetos Prof. MSc. Fábio Assunção Introdução a Gerenciamento de Projetos Prof. MSc. Fábio Assunção Um projeto é um esforço temporário realizado para criar um produto ou serviço único. Ou seja, é desenvolvido a partir de uma ideia, progredindo

Leia mais

INTELIGÊNCIA EMOCIONAL HABILIDADE DE SE IDENTIFICAR E GERIR AS PRÓPRIAS EMOÇÕES E DE OUTRAS PESSOAS. 2013 Hogan Assessment Systems Inc.

INTELIGÊNCIA EMOCIONAL HABILIDADE DE SE IDENTIFICAR E GERIR AS PRÓPRIAS EMOÇÕES E DE OUTRAS PESSOAS. 2013 Hogan Assessment Systems Inc. INTELIGÊNCIA EMOCIONAL EQ A HABILIDADE DE SE IDENTIFICAR E GERIR AS PRÓPRIAS EMOÇÕES E DE OUTRAS PESSOAS Relatório para Tal Fulano ID HC748264 Data 12, Novembro, 2014 2013 Hogan Assessment Systems Inc.

Leia mais

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI)

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) APARECIDA DE GOIÂNIA 2014 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Áreas de processo por

Leia mais

Plano de Gerenciamento das Comunicações

Plano de Gerenciamento das Comunicações Projeto: Simul-e Plano de Gerenciamento das Comunicações Versão 1.0 Página 1 de 9 Histórico da Revisão Data Versão Descrição Autor 01/11/2015 1.0 Criação do Documento Hugo Pazolline Página 2 de 9 Índice

Leia mais

UMA PROSTA DE ADEQUAÇÃO DO MS VISUAL STUDIO TEAM SYSTEM (VSTS) PARA O MPS.BR NÍVEIS F e G

UMA PROSTA DE ADEQUAÇÃO DO MS VISUAL STUDIO TEAM SYSTEM (VSTS) PARA O MPS.BR NÍVEIS F e G 1082 X Salão de Iniciação Científica PUCRS UMA PROSTA DE ADEQUAÇÃO DO MS VISUAL STUDIO TEAM SYSTEM (VSTS) PARA O MPS.BR NÍVEIS F e G Agner Macedo Paiva, Bernardo Copstein (orientador) FACIN, PUCRS, Centro

Leia mais

Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK

Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK http://www.sei.cmu.edu/ Prefácio do CMM Após várias décadas de promessas não cumpridas sobre ganhos de produtividade e qualidade na aplicação de novas metodologias

Leia mais

PERFIL EMPREENDEDOR DE ALUNOS DE GRADUAÇÃO EM DESIGN DE MODA

PERFIL EMPREENDEDOR DE ALUNOS DE GRADUAÇÃO EM DESIGN DE MODA PERFIL EMPREENDEDOR DE ALUNOS DE GRADUAÇÃO EM DESIGN DE MODA Alini, CAVICHIOLI, e-mail¹: alini.cavichioli@edu.sc.senai.br Fernando Luiz Freitas FILHO, e-mail²: fernando.freitas@sociesc.org.br Wallace Nóbrega,

Leia mais

ISO Revisions. ISO Revisions. Revisões ISO. Qual é a diferença entre uma abordagem de procedimentos e de processo? Abordando a mudança

ISO Revisions. ISO Revisions. Revisões ISO. Qual é a diferença entre uma abordagem de procedimentos e de processo? Abordando a mudança Revisões ISO ISO Revisions Qual é a diferença entre uma abordagem de procedimentos e de processo? Abordando a mudança Processos vs procedimentos: o que isto significa? O conceito da gestão de processo

Leia mais

Conhecimento em Tecnologia da Informação. CobiT 5. Apresentação do novo framework da ISACA. 2013 Bridge Consulting All rights reserved

Conhecimento em Tecnologia da Informação. CobiT 5. Apresentação do novo framework da ISACA. 2013 Bridge Consulting All rights reserved Conhecimento em Tecnologia da Informação CobiT 5 Apresentação do novo framework da ISACA Apresentação Este artigo tem como objetivo apresentar a nova versão do modelo de governança de TI, CobiT 5, lançado

Leia mais

Project Management Body of Knowledge

Project Management Body of Knowledge PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS PUCMINAS (UNIDADE BARREIRO) CURSOS: ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS / LOGÍSTICA Project Management Body of Knowledge Definição Também conhecido como PMBOK é um

Leia mais

Wesley Vaz, MSc., CISA

Wesley Vaz, MSc., CISA Wesley Vaz, MSc., CISA Objetivos Ao final da palestra, os participantes deverão ser capazes de: Identificar e compreender os princípios do Cobit 5; Identificar e conhecer as características dos elementos

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos (ref. capítulos 1 a 3 PMBOK) TC045 Gerenciamento de Projetos Sergio Scheer - scheer@ufpr.br O que é Gerenciamento de Projetos? Aplicação de conhecimentos, habilidades, ferramentas

Leia mais

Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7.

Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7. Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7.5, 7.5.1, 7.5.2, 7.6, 7.6.1, 7.6.2 Exercícios 7 Competência

Leia mais

Título da apresentação Curso Gestão de Projetos II (Verdana, cor branca) Curso de Desenvolvimento de Servidores - CDS

Título da apresentação Curso Gestão de Projetos II (Verdana, cor branca) Curso de Desenvolvimento de Servidores - CDS Título da apresentação Curso Gestão de Projetos II (Verdana, cor branca) Curso de Desenvolvimento de Servidores - CDS Prof. Instrutor Elton Siqueira (a) (Arial Moura preto) CURSO DE GESTÃO DE PROJETOS

Leia mais

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas Aula 1 Ementa Fases do Ciclo de Vida do Desenvolvimento de Software, apresentando como os métodos, ferramentas e procedimentos da engenharia de software, podem

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RISCOS EM PROJETOS: UMA COMPARAÇÃO ENTRE O PMBOK E A ISO-31000

GERENCIAMENTO DE RISCOS EM PROJETOS: UMA COMPARAÇÃO ENTRE O PMBOK E A ISO-31000 GERENCIAMENTO DE RISCOS EM PROJETOS: UMA COMPARAÇÃO ENTRE O E A -31000 Maildo Barros da Silva 1 e Fco.Rodrigo P. Cavalcanti 2 1 Universidade de Fortaleza (UNIFOR), Fortaleza-CE, Brasil phone: +55(85) 96193248,

Leia mais

Prof. Gustavo Nascimento. Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA

Prof. Gustavo Nascimento. Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA Prof. Gustavo Nascimento Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA A liderança e seus conceitos Liderança é a capacidade de influenciar um grupo para que as metas sejam alcançadas Stephen Robbins A definição de liderança

Leia mais

MSF- MICROSOFT SOLUTIONS FRAMEWORK. Cesar Eduardo Freitas Italo Alves

MSF- MICROSOFT SOLUTIONS FRAMEWORK. Cesar Eduardo Freitas Italo Alves MSF- MICROSOFT SOLUTIONS FRAMEWORK Cesar Eduardo Freitas Italo Alves A ORIGEM DO MSF (MICROSOFT SOLUTIONS FRAMEWORK) Baseado na experiência da empresa na construção de softwares como Office e Windows e

Leia mais

PDS - DATASUS. Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS

PDS - DATASUS. Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS PDS - DATASUS Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS Coordenação Geral de Arquitetura e Engenharia Tecnológica Coordenação de Padronização e Qualidade de Software Gerência de Padrões e Software

Leia mais

Uso de Ferramentas de Gerenciamento de Projetos no Processo de Aprendizagem dos Alunos de Graduação em Engenharia Civil

Uso de Ferramentas de Gerenciamento de Projetos no Processo de Aprendizagem dos Alunos de Graduação em Engenharia Civil Uso de Ferramentas de Gerenciamento de Projetos no Processo de Aprendizagem dos Alunos de Graduação em Engenharia Civil Ricardo Mendes Junior (UFPR) mendesjr@ufpr.br Áurea Araújo Bruel (UFPR) aabruel@yahoo.com.br

Leia mais

Formação Analista DISC

Formação Analista DISC Formação Analista DISC Metodologia DISC Os Fatores DISC representam reações comportamentais a partir da percepção que o indivíduo tem do ambiente. Marston precisava medir de algum modo os estilos de comportamento.

Leia mais

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT Artigo para a Revista Global Fevereiro de 2007 DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT O conceito de Supply Chain Management (SCM), denominado Administração da Cadeia de Abastecimento

Leia mais