Processo de Testes: Abordagem de Projeto de Testes. Test Process: Test Project Approach. Procedimiento de Prueba: Método de Proyectos de Prueba

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Processo de Testes: Abordagem de Projeto de Testes. Test Process: Test Project Approach. Procedimiento de Prueba: Método de Proyectos de Prueba"

Transcrição

1 Processo de Testes: Abordagem de Projeto de Testes Test Process: Test Project Approach Procedimiento de Prueba: Método de Proyectos de Prueba Thiago José Corrêa Piqueiro 1 Augusto Nogueira Zadra 2 Resumo: Este artigo apresenta o processo de teste de software e mostra as principais características do processo. A importância do tema se deve ao fato de que o processo de teste de software aumenta a qualidade do produto final sendo desenvolvido. O principal objetivo do estudo é apresentar o processo de teste e o uso deste como um projeto para a melhoria da qualidade dos projetos de desenvolvimento. Trata-se de uma pesquisa exploratória com base em pesquisa bibliográfica sobre teste de software. Palavras Chave: projeto de teste, plano de teste, qualidade de software, teste de software Abstract: This article presents the software testing process showing its main features and an approach for the test process as a project, given the fact that the software test process enhances the quality of the final product being developed. The main objective of the study is to present the test process and its use as a project to enhance the development projects quality. The kind of research for this article is exploratory and it is based on bibliographic research about software testing. Keywords: test project, test plan, software quality, software test Resumen: En este artículo se presenta el proceso de pruebas de software que muestra sus principales características y un enfoque para el proceso de la prueba como un proyecto, dado el hecho de que el proceso de pruebas de software mejora el producto final está desarrollando. El objetivo principal es dar a conocer el proceso de prueba y su uso como un proyecto para mejorar la calidad de los proyectos de desarrollo. El tipo de investigación para este artículo es exploratoria, y se basa en la investigación bibliográfica acerca de las pruebas de software. Palabras clave: proyecto de prueba, plan de pruebas, la calidad del software, pruebas de software 1 INTRODUÇÃO Este artigo tem como tema o processo de teste de software e a necessidade de controlarmos o processo de teste em um projeto dependente, mas apartado do projeto de desenvolvimento de software. O processo de teste é inerente ao processo de desenvolvimento, o qual pode ser visto como um projeto por si só, não sendo apenas uma atividade do processo de desenvolvimento que pode ser descartada. 1 Graduando em Sistemas de Informação na Faculdade Infórium de Tecnologia. 2 Graduado em Ciência da Computação, Especialista em Engenharia de Software, Mestrando em Tecnologia da Informação

2 Delimitou-se o tema deste estudo às principais características do processo de teste e a visão do processo de teste como um projeto. O objetivo geral é apresentar as principais características do processo de testes de software e como tal processo pode influenciar na melhoria do processo de desenvolvimento se visto como um projeto próprio. São objetivos específicos deste artigo: apresentar as principais características do processo de teste, tais como o que é e como utilizar; propor um exemplo simplificado do documento de plano de teste para ser utilizado como base em projetos de teste; especificar quais são os tipos de técnicas de teste mais comuns, tais como: teste unitário, teste de integração, teste de sistema, teste de performance e teste de aceitação; abordar sucintamente os dois tipos mais conhecidos de caso de teste, denominados como Caixa-branca e Caixapreta. Aborda-se neste artigo que a utilização de um processo de teste adequado pode trazer benefícios para todos os tipos de empresa, não só as de porte médio e grande, mas também para as empresas de pequeno e micro porte, pois como mostra Kaner et al (1999), todo software entregue possui um maior custo ao apresentar erros que não foram corrigidos em desenvolvimento e têm que ser tratados em produção, independentemente do tamanho da companhia que o desenvolveu. Justifica-se esta pesquisa tendo em vista o pouco incentivo existente quanto à utilização de testes em pequenas e micro empresas devido ao baixo orçamento que tais empresas costumam possuir. A falta de testes de software em tais empresas acarreta mais prejuízo que benefícios ao não serem utilizados. Desta forma, a pergunta norteadora do estudo é no sentido de verificar os benefícios que o processo de teste de software pode trazer para o processo de desenvolvimento de software nas empresas. Para o entendimento deste tema, este trabalho foi dividido em cinco seções A seção 1, esta introdução, é indicativa do estudo; a seção 2 apresenta a abordagem teórica sobre o processo de teste; a seção 3 caracteriza o processo de teste através da visão deste como um projeto; a seção 4 apresenta a discussão

3 teórica sobre o processo e o projeto de teste; e a seção 5 tece as conclusões obtidas sobre o processo de teste e seu uso como um projeto. 2 ABORDAGEM TEÓRICA SOBRE O PROCESSO DE TESTE DE SOFTWARE Nesta seção apresentam-se as diversas definições do processo de teste e seu aprimoramento ao longo do tempo. De acordo com Pressman (2001), o teste de software pode ser visto como uma atividade do processo de desenvolvimento de software que serve para garantir ao cliente que o software sendo entregue terá o mínimo de erros possíveis e atenderá aos requisitos especificados no escopo do projeto. Já Rios e Moreira (2013, p. 10), apresentam definições diversas do que é o teste de software em si: Quadro 1: Definições para teste de software: verificar se o software está fazendo o que deveria fazer, de acordo com seus requisitos, e não o que não deveria fazer; processo de executar um programa ou sistema com a intenção de encontrar defeitos (teste negativo) (Glen Myers ); qualquer atividade que a partir da avaliação de um atributo ou capacidade de um programa ou sistema seja possível determinar se ele alcança os resultados desejados(bill Hetzel ). Em Myers (2004), também são citadas algumas definições genéricas do processo de teste, o qual as coloca como definições errôneas, pois ao definir o processo de teste de forma genérica, é removida a importância do processo como um todo, trazendo assim uma visão limitada do responsável pela execução dos testes de software e ocasionando possíveis erros que podem ser evitados caso o testador tenha uma visão mais detalhada do que é o processo de teste em seus conceitos. De acordo com Myers (2004): Uma das causas primárias de um teste de sistema ser improdutivo é o fato de que a maior parte dos programadores começa com uma falsa definição do termo. Eles podem dizer: Testar é o processo de demonstrar que erros não estão presentes. ou

4 O propósito de testar é mostrar que um programa performa suas funções definidas corretamente. ou Testar é o processo de estabelecer a confiança sobre o que um programa faz o que ele supostamente deveria fazer. (MYERS, 2004, p. 10, tradução própria) Ainda em Myers (2004), complementando a definição do processo de teste, é vista a necessidade de uma equipe de teste, onde é constatado que o teste de software não é uma atividade invariável, mas uma técnica que requer planejamento e deve ser ajustada de acordo com a necessidade do projeto. Todo usuário de uma aplicação é um testador (teste de aceitação), mas para obter eficiência na execução do processo de teste, deve haver entendimento e habilidade por parte do responsável sobre suas atividades específicas durante o processo de teste (a qual consta na documentação) e sobre o que o teste deve resultar ao executar determinada tarefa (compreensão dos requisitos por parte do testador), por isso a necessidade de pessoas qualificadas para realizar os testes, não sendo qualquer um apto a realizar os testes de um sistema com eficiência sem estudo prévio do processo de teste. Em detrimento destas suposições, Myers (2004) enfatiza que o processo de teste não deve ser definido em apenas uma disposição simplificada, pois este é um processo complexo que deve ser visto de forma mais abrangente. Ele também diz que o motivo de não utilizar uma vaga definição para conceituar um processo com tamanha importância é por causa da perda de confiabilidade em quem o testa, pois não estará demonstrando o foco necessário no processo. Myers (2004) afirma que se deve pensar no sistema de software como passivo de falhas, sendo que tais erros devem ser removidos enquanto houver tempo para testar antes da entrega do sistema e o teste deve ser feito assumindo que há erros no sistema de software com uma ou várias partes que não funcionam no sistema sendo testado. Outra visão do processo de teste de software, apresentada em Rios e Moreira (2013), é a visão do processo de teste de software como um processo próprio e externo ao processo de desenvolvimento, com suas respectivas atividades assim como o processo de desenvolvimento de software, possuindo um planejamento e

5 preparação durante sua fase de existência, a qual é composta de procedimentos iniciais, especificação, execução e entrega. Para Myers (2004), o teste também é um processo, mas definido de forma diferente: O teste de software é um processo, ou uma série de processos, desenvolvido para assegurar que o código computacional faz o que foi desenvolvido para fazer e que não faz nada que não tenha sido intencionado. O software deve ser previsível e consistente, não apresentando comportamentos inesperados para o usuário final. (MYERS, 2004, p. 8, tradução própria) O processo de teste é composto por várias técnicas, as quais são aplicadas ao processo de teste para obtenção de eficiência na eliminação de erros do sistema sendo testado. Dentre essas técnicas podem ser citadas as mais conhecidas e possivelmente vistas como essenciais: teste unitário, teste de integração, teste de sistema, teste de aceitação e teste de performance. Cada técnica de teste traz um benefício específico na construção de um sistema, eliminando erros e aumentando a qualidade do sistema sendo testado. Essas técnicas são muito bem apresentadas por Pressman (2001) e são discutidas a seguir a partir da visão deste: a. Teste Unitário Trata-se do teste referente à micro parte do sistema, testando a menor unidade lógica possível do sistema, como métodos e objetos. Os testes unitários são realizados sobre a menor unidade do sistema de software, sendo tal unidade definida como parte/componente ou módulo do sistema. Neste tipo de teste, é realizado o teste dos caminhos que serão executados pelo sistema, sendo verificado também se há coerência entre os dados de entrada e saída de cada módulo especificado e se há erros de lógica dentro dos módulos do sistema, pode ser visto como um teste de código de forma atômica. b. Teste de Integração

6 Trata-se do teste das partes (módulos) do sistema ao serem unidas. Ao criar os componentes que constituirão o sistema, estes são testados ao serem acoplados quando é utilizado este tipo de técnica. No teste de integração, é feito o teste entre as interfaces do sistema para verificar como elas interagem umas com as outras. Neste tipo de teste é feita a união das unidades do sistema para verificar se são compatíveis e não apresentam erros ao serem associadas ou sua associação interfere ou prejudica outra parte do sistema que depende da parte sendo unificada. c. Integração Descendente Refere-se ao tipo de técnica de integração que parte do módulo central do sistema e segue acoplando as partes secundárias do sistema a este módulo central. Possui a desvantagem de caso o módulo principal dependa de um módulo secundário, atrasa a atividade de teste do módulo primário enquanto não terminar a construção do módulo secundário. O teste de integração descendente é utilizado caso os módulos a serem acoplados não possuam tanta dependência dos módulos que serão desenvolvidos após eles, ou quando é possível seu desenvolvimento de forma paralela à outra parte do sistema que também não dependa das partes principais do sistema. d. Integração Ascendente Refere-se ao tipo de técnica de teste de integração em que são construídos os módulos secundários de forma separada e os acopla ao término de cada módulo. Tem a desvantagem de que ao criar um módulo secundário é necessária a criação de uma interface própria para testar este módulo separadamente. O teste de integração ascendente pode ser utilizado caso os módulos secundários possuam interfaces simples de serem desenvolvidas, ou sua integração às outras partes do sistema possua baixa probabilidade de erros ao ser acoplado ao restante do sistema, trazendo a possibilidade da não criação de interfaces próprias para cada módulo.

7 e. Teste de Sistema Teste de sistema refere-se ao teste do sistema como um todo, é feito após a construção do sistema estar estruturalmente terminada, serve para verificar se todas as funções necessárias para o funcionamento do sistema serão executadas corretamente em conjunto. É um teste geral, que engloba todas as partes funcionais do sistema, verifica se o sistema executa suas funções como definidas no escopo e também não apresenta erros inesperados ao serem utilizadas várias de suas funções simultaneamente. f. Teste de Performance O teste de performance serve para verificar se o sistema, além de estar funcionando, executa suas funcionalidades em um tempo consideravelmente satisfatório. É referente ao tempo de execução não só do sistema como um todo, mas em suas partes individuais. Por exemplo: Um sistema de pagamentos executa os cálculos dos pagamentos de forma eficiente, porém é lento ao transacionar os dados calculados para algum outro sistema responsável por sua impressão, há erro de performance neste sistema, pois parte dele não atende de forma satisfatória um tempo de execução eficiente. g. Teste de Aceitação No modelo do documento de implantação da Melhoria do Processo de Teste Brasileiro (MPT.Br), é apresentada a definição do teste de aceitação, o qual pode ser entendido como verificação e cumprimento dos requisitos. É um aceite do cliente, mostrando que o sistema atende às necessidades iniciais apresentadas por ele, assegurando que o que foi planejado nos requisitos é o que será entregue ao cliente e que suas expectativas serão atendidas. Ainda no modelo de Melhoria do Processo de Teste Brasileiro (MPT.Br), é visto que este tipo de teste pode ser dividido em níveis para que ao realizar os teste não haja insatisfação do cliente em determinada parte do produto que depende de outras partes. Este tipo de teste é melhor aplicado de forma gradual, sendo feita a

8 construção e entrega em módulos, permitindo que o cliente teste partes do sistema e caso reprove alguma, não traga grandes atrasos à construção do sistema de forma geral, pois a parte com a qual o cliente está insatisfeito é conhecida e pode ser alterada antes da entrega do sistema completo. Dessa forma é possível obter comentários em retorno (feedback) para a melhoria do sistema sendo desenvolvido mais cedo o possível durante o processo de desenvolvimento, sabendo assim se o que o cliente propôs como requisito foi compreendido e construído de acordo com o que ele requisitou. 2.1 Aplicação das Técnicas de Teste em um Modelo Real Como é visto em Rios e Moreira (2013), um modelo conhecido e que demonstra a utilização das técnicas de teste é o modelo em V, o qual é explicado a seguir. Como pode ser visto na figura 1, a qual é apresentada por Rios e Moreira (2013), durante a modelagem dos requisitos começa o planejamento dos testes de aceitação que são responsáveis por verificar se há erros de lógica na elaboração dos requisitos e iniciam-se os testes de sistema. Durante o projeto da arquitetura são definidos quais comportamentos são esperados ao utilizar o sistema e o que será necessário testar de acordo com a visão do usuário final do sistema. Durante o projeto dos componentes (ou especificação das partes do sistema) e ao final do projeto da arquitetura, são definidos quais casos de teste serão utilizados e como se relacionam as partes do sistema para realização dos testes de integração. Ao final do projeto dos componentes e durante a parte de codificação são definidos os testes unitários que devem ser construídos e iniciando do ponto que une as duas extremidades do Vê na figura começam a serem executados os testes planejados durante a construção do sistema debaixo para cima, seguindo a ordem: teste unitário, teste de integração, teste de sistema e teste de aceitação. Podemos então constatar a partir da figura que o processo de teste também é paralelo ao processo de desenvolvimento de acordo com a definição do modelo em V.

9 Figura 1: Modelo em V demonstrando a simultaneidade entre o processo de desenvolvimento e o processo de teste de software: Fonte: 3 PROJETO DE TESTE Como constatado em Rios e Moreira (2013), u ma das formas de conseguir ampliar a visão do desenvolvedor de modo claro sobre a importância do processo de teste é apresentando-o como um processo externo ao processo de desenvolvimento de software, assim trazendo ciência da necessidade que o processo de teste possui em relação ao processo de desenvolvimento. Através da criação de um projeto de teste externo ao projeto de desenvolvimento de software, isso se torna evidente, pois são separadas as funções de cada processo e executadas dentro de um projeto próprio. Em um projeto de teste são definidas fases, que são parecidas com as fases de um projeto de desenvolvimento, sendo elas: Procedimentos Iniciais, Planejamento, Preparação, Especificação, Execução e Entrega.

10 Baseado no modelo apresentado por Rios e Moreira (2013), estas etapas podem ser divididas e descritas da seguinte forma: Procedimentos Iniciais (Planejamento e Especificação) Após coleta dos requisitos e definição do que o sistema a ser construído deverá fazer ou deverá ter como funcionalidade. São criadas as estratégias de testes viáveis a serem utilizadas ao testar o sistema que devem ser definidas através de um plano (ou planos) de teste, os quais definirão os casos de teste e técnicas a serem utilizadas no processo de teste. Especificação Criação dos roteiros e casos de teste definidos no(s) plano(s) de teste a serem aplicados ao sistema que será desenvolvido. Trata-se dos casos de teste baseados nos requisitos do sistema coletados junto ao cliente. Execução Criação do código propriamente dito para realização dos testes no sistema junto com a execução dos procedimentos de teste definidos no(s) plano(s) de teste(s). Planejamento Ocorre durante todo o processo de desenvolvimento do projeto de teste e é a etapa responsável por verificar a consistência entre os testes sendo criados e os requisitos definidos no escopo do sistema e calcular os prazos para cada fase do processo de teste para utilizar os casos de teste ou as técnicas que possuam maior necessidade caso não haja um prazo que permita a utilização de todas as atividades definidas no(s) plano(s) de teste. Preparação Ocorre também durante todo o processo de desenvolvimento do projeto e é a fase responsável por configurar o ambiente, verificar a capacidade dos integrantes de realizar o que foi definido no(s) plano(s) de teste para saber se é necessário alocar mais funcionários à equipe de teste. Entrega (Documentação) Nesta etapa é entregue o sistema desenvolvido após realizar os testes e corrigir todos os erros possíveis durante o prazo de entrega do projeto. Nesta etapa também é finalizada a documentação dos procedimentos realizados durante a execução dos testes para que quando for

11 necessário realizar a manutenção do sistema haja um documento com os procedimentos utilizados para o teste do sistema, onde possam ser consultadas quais ações realizar para verificar se as funcionalidades do sistema estão atendendo a seus requisitos e definir também se determinada requisição de manutenibilidade é um erro de sistema ou uma requisição de melhoria. Segundo Rios e Moreira (2013), essa abordagem das fases de um projeto de teste é baseada no Modelo em V, apresentado no capítulo anterior, sendo o modelo em V uma abstração para o projeto de teste focado nas técnicas do processo de teste, contendo o que será feito no projeto de teste, enquanto que as fases do projeto de teste definem o como será feito. Através desse modelo é mostrado que os testes podem ser elaborados e executados de forma paralela ao projeto de desenvolvimento, não necessariamente após a construção de todo o sistema, com cada uma das fases do projeto de teste sendo aplicadas durante uma fase específica do processo de desenvolvimento. Tais fases do projeto de teste mostram como será estruturado o processo de teste como um projeto. 3.1 Plano de Teste Em Rios e Moreira (2013) e em Sommerville (2007) é visto que o principal documento do projeto de teste é o documento de Plano de Teste, junto com o Guia Operacional de Testes (GOT), o qual contém os requisitos de teste coletados durante a fase inicial do projeto. Os documentos com maior relação ao Plano de Teste são: o documento de Estratégia de Testes, que contém quais tipos de testes serão realizados e o documento de Roteiros de Testes, o qual descreve como serão realizados e organizados os testes. O Plano de Teste estrutura e organiza as informações referentes ao processo de teste durante todo o projeto, facilitando assim o planejamento do Projeto de Teste. Ainda em Rios e Moreira (2013), no Plano de Teste, temos a parte lógica do processo de testes, documento onde será definida a arquitetura do sistema, as ferramentas que serão utilizadas para sua construção, responsáveis pela execução dos testes, requisitos necessários para a

12 execução do testes, como ambiente e alocação de funcionários tanto da empresa provedora do sistema quanto da empresa que utilizará o sistema. Esse documento está diretamente relacionado ao documento de Estratégia de Teste, o qual descreve como será executado o que está contido no documento de Plano de Teste. Também pode ser visto em Sommerville (2007) uma descrição sobre o plano de teste e como este pode ser utilizado dentro do processo de teste, tal documento é descrito como segue: Planos de teste não são documentos estáticos; evoluem durante o processo de desenvolvimento. Os planos de teste mudam devido a atrasos em outros estágios do processo de desenvolvimento. Se parte de um sistema está incompleta, o sistema como um todo não pode ser testado. Você tem, portanto, de atualizar o plano de teste para realocar os testadores para a alguma outra atividade e trazê-los de volta quando o software estiver disponível novamente. (SOMMERVILLE, 2007, p. 344) Apresenta-se no apêndice deste artigo um plano de teste que pode ser utilizado como referência ao construir um Plano de Teste, o qual foi criado de acordo com as especificações apresentadas por Rios e Moreira (2013 ) com algumas adaptações. Como citado anteriormente, não é o único documento necessário para a criação de um projeto de teste, porém é o ponto de partida na construção do projeto de teste e pode ser utilizado como base e incentivo para o início da implantação do processo de teste em qualquer organização que pretenda começar a utilizar o processo de teste junto ao seu processo de desenvolvimento. 3.2 Casos de teste As técnicas de software, citadas anteriormente, estão divididas em dois tipos de casos de testes, que comportam tais técnicas. Cada um desses casos de teste é aplicado ao projeto de teste de acordo com a necessidade do projeto, sendo estes casos de teste conhecidos como: testes Caixa-preta e testes Caixa-branca. Baseado no que é apresentado por Pressman (2001), eis o que pode ser entendido sobre tais casos de teste e quando utilizá-los:

13 a. Teste Caixa-branca Trata-se do caso de teste em que o código é testado e analisado pelos desenvolvedores, verifica-se se o código atende aos padrões da empresa e se não há erros de codificação, conforme apresenta Pressman (2001). O teste Caixa-branca também é conhecido como teste Caixa-de-vidro devido à sua transparência para quem realiza o teste, tendo a visão de todo o funcionamento lógico do sistema enquanto é executado. Neste tipo de caso de teste o responsável pela execução dos testes pode verificar todos os caminhos que são percorridos pelos dados dentro do sistema e assim certificar-se se há alguma irregularidade quanto ao fluxo dos dados dentro do sistema. No caso de teste Caixa-branca também é verificada a estrutura lógica dos módulos do sistema e se estes módulos respeitam o limite para eles programado. Este tipo de caso de teste pode ser visto de forma geral como teste de código, pois todos os testes realizados são referentes ao código do sistema. b. Teste Caixa-preta Como visto também em Pressman (2001), este caso de teste é referente ao tipo de caso em que não há visão do código do sistema, o teste é aplicado sobre as funcionalidades do sistema, ignorando a forma como o sistema foi escrito e dando ênfase à forma como ele funciona. O teste Caixa-preta é responsável pela verificação do comportamento do sistema e se este se comporta como esperado pelo cliente, não apresentando nenhuma anormalidade ao ser utilizado. Chama-se Caixa-preta por ser feito sem focar no código, apenas nas funcionalidades. O testador responsável por realizar tal tipo de teste interpreta o papel do usuário final, utilizando o programa à espera de alguma possível anormalidade ao executá-lo. Este tipo de caso de teste pode ser visto de forma geral como caso de teste funcional, pois todos os testes realizados são referentes às funcionalidades do sistema. A partir das definições dos casos de teste ( que podem ser entendidos também como abordagens estratégicas de teste de software), podemos observar baseados na visão de Pressman (2001), que cada tipo de abordagem de caso de

14 teste possui sua devida importância dentro do processo de teste de software, podendo cada uma ser utilizada em determinada etapa do projeto de teste de software de acordo com a necessidade e os benefícios que pode proporcionar ao projeto. 4 DISCUSSÃO TEÓRICA DO PROJETO DE TESTE NO PROCESSO DE TESTE De acordo com o modelo tradicional de desenvolvimento de software e baseado na visão de Kaner et al (1999), pode ser entendido que o software passa por um ciclo de estágios de desenvolvimento, cada qual é necessário para obtenção de um sistema com qualidade. Dentre essas fases, está a fase de testes (validação), que apesar de possuir um gasto considerável durante o processo de desenvolvimento, traz economia posterior tendo em vista que os erros foram suprimidos durante a fase de criação do software, tornando o aparecimento de erros menos constante quando o sistema entra em produção, estado do sistema no qual o custo para correção passa a possuir um gasto muito superior. Kaner et al (1999) também apresentam que esses estágios, os quais podem ser considerados como base da engenharia de software, são conhecidos como: planejamento, criação/desenvolvimento, validação/teste, entrega e manutenção, que formam o ciclo de vida do processo de desenvolvimento de software e dentre os quais deve haver a atividade de teste ao menos na fase de validação do sistema. Este tipo de abordagem não é novidade, desde o modelo em cascata é utilizada a abordagem de desenvolvimento dividida em fases (estágios), onde cada fase depende da anterior para que esta ocorra, porém, em um projeto real, isso só é possível em teoria, pois ao executar um projeto deve haver incrementabilidade (progressão passo a passo de forma evolutiva) e paralelidade (várias atividades ocorrendo ao mesmo tempo), devido aos curtos prazos comumente orçados no cenário de desenvolvimento de software atual. Ainda em Kaner et al (1999), é mostrada a inserção do teste dentro da sequência de fases do processo de desenvolvimento, o qual é mostrado como tendo as seguintes fases: planejamento; desenvolvimento; codificação e documentação; teste e correção; entrega, manutenção e melhoria. Como visto, após a fase de codificação e documentação é

15 inserida a fase de teste, neste caso sendo o teste uma atividade do processo de desenvolvimento, não um processo. Apesar de não ser mostrado como um processo, o teste continua sendo importante e visto como uma fase indispensável do processo de desenvolvimento mesmo neste tipo de abordagem. Sobre a importância da atividade de teste, realça Kaner et al (1999) que o objetivo de testar é encontrar erros no programa, não provar que o programa não possui erros, o núcleo da atividade de teste de software é encontrar problemas no sistema sendo desenvolvido, portanto, deve haver vontade por parte do testador em encontrar tais erros, pois quanto mais erros o testador é capaz de encontrar em um sistema, mais eficiente estará sendo o seu trabalho e isto independe da abordagem de teste aplicada ao processo de desenvolvimento (atividade do processo de desenvolvimento ou um processo paralelo ao processo de desenvolvimento). Em Pressman (2001), esta visão sobre o objetivo de testar é convergente à visão de Kaner et al (1999), além de poder ser vista como mais completa, pois cita que testar é encontrar erros ao invés de tentar provar que o sistema não contém erros, sendo tal atitude tomada durante todas as fases do processo de teste e adiciona também que a atividade de teste não é uma tarefa plural sobre todo o processo de teste, mas uma tarefa singular que deve ser aplicada em cada parte do sistema sendo criado. Ele cita que o teste é realizado através de técnicas como testes unitários, de integração, validação (aceitação) e de sistema, que realizam de forma geral e sistemática a validação do software sendo desenvolvido, facilitando o desenvolvimento de cada teste em cada fase do processo de teste. Essa colocação sobre o teste faz parecer que o testador é um vilão tentando quebrar o programa, mas pelo contrário, encontrar erros no sistema mostra que está havendo um bom trabalho em equipe, evitando que o erro chegue ao cliente (sistema em produção), como visto em Pressman (2001) que apresenta o processo de busca de erros como uma arte, colocando o testador como o escultor e a procura pelos erros como a lapidação de uma escultura, sendo que a cada erro encontrado completa-se uma parte da obra final (o software). Tal atividade de busca de erros deve ser compartilhada entre testadores, pois erros que um testador não foi capaz de encontrar podem ser encontrados por outro, tendo em vista o fato de que pessoas têm visões diferentes das atividades de teste ao executá-las.

16 Já na visão do processo de teste como um projeto, é mostrado por Rios e Moreira (2013) que os principais documentos do processo de teste são: O Guia Operacional de Testes, O documento de Estratégia de Testes, O documento de Plano de Testes, O documento de Roteiro de Testes, Os documentos de Casos de Testes e o documento com as definições e descrições dos Scripts de Teste. Esses documentos podem ser descritos resumidamente da seguinte forma: Guia Operacional de Testes Documento opcional que pode ser utilizado como um acordo de execução do projeto de testes para que se possa dar início ao projeto. Estratégia de Testes Contém uma visão geral do projeto de testes sobre quais estratégias serão utilizadas para a execução dos testes. Plano de Testes Principal documento para o projeto de teste, pois contém sua estrutura e trabalha em concordância com o documento de Estratégia de Testes, responsável pela definição lógica do projeto. Roteiro de Testes Documento responsável por mostrar os roteiros de testes a serem executados, obrigatoriamente deve conter um cronograma sobre a execução dos roteiros. Casos de Testes Os casos de teste são formas de testar o sistema e podem ser vistos como tipos de teste Caixa-branca e Caixa-preta, cada qual deve estar identificado no documento de Plano de testes para o controle de execução dos testes. Scripts de teste Parte referente à automatização da execução dos testes caso o projeto utilize testes automatizados. Contém casos de testes a serem executados automaticamente pelo sistema. Esses documentos são todos os documentos necessários para a implantação do projeto de teste apresentados por Rios e Moreira (2013). São utilizados conforme a possibilidade de adoção da empresa que deseja implantar o processo de testes junto ao seu processo de desenvolvimento, pois para obter benefício no uso do projeto de testes não é necessário o uso do processo de teste por completo em razão de sua flexibilidade. Caso haja interesse em certificar-se através da organização de Melhoria do Processo de Testes Brasileiro (Mpt.Br), deve haver um

17 estudo aprofundado por parte da empresa sobre quais documentos são necessários ter domínio para obter tal certificação. Para a criação de um modelo de projeto de testes há a possibilidade de consulta online de documentos próprios para isto. Através da união de várias empresas interessadas na melhoria do processo de desenvolvimento e também da utilização de testes, foi criada uma organização própria para certificação relacionada ao processo de testes no cenário brasileiro. Tal entidade também proporciona a possibilidade de certificação tanto de desenvolvedores quanto de processos empresariais. De acordo com o site sobre Melhoria do Processo de Testes Brasileiro (MPT.Br, 2014): O MPT.Br é constantemente aperfeiçoado tomando como referência as versões anteriores e suas aplicações nas empresas, assim como contribuições da comunidade de teste de software brasileira. Os pontos críticos do modelo, a base referencial em teste e a evolução da engenharia de software são sempre levados em consideração para consolidação e implementação da melhoria contínua do modelo (MPT.Br, 2014). O processo de teste também pode ser terceirizado, trazendo a vantagem ao processo de desenvolvimento ao evitar que seja inserida em um processo já estabelecido, uma atividade sobre a qual os membros da equipe de desenvolvimento de determinada empresa possam não possuir o conhecimento necessário. Como é enfatizado por Myers (2004): Enfatizamos que uma organização deveria evitar tentar testar seus próprios programas. A razão é que a organização responsável por desenvolver um programa tem dificuldade em testar objetivamente o mesmo programa. A organização de teste deveria ser tão logo removida quanto possível, em termos de estrutura da companhia, da organização de desenvolvimento. De fato, é desejável que a organização de teste não seja parte da mesma companhia, porque se ela for, ela ainda é influenciada pelo mesmas pressões de gerenciamento que influenciam a organização de desenvolvimento. (MYERS, 2004, The art of testing, p. 111, tradução própria)

18 Para isso, já existem empresas especializadas no ramo de consultoria e treinamento de equipes de teste, as quais atendem empresas de todos os portes. Tal tipo de contratação pode trazer conhecimento para a empresa contratante e também ampliar a visão da empresa sobre o teste de software, devido ao processo ser realizado por um responsável externo, como também apresenta Myers (2004). Uma forma de evitar esse conflito é contratar uma companhia separada para o teste de software. Esta é uma boa ideia, se a companhia que desenvolveu o sistema e o usará desenvolveu o sistema ou se um desenvolvedor externo produziu o sistema. As vantagens notadas normalmente são: aumento da motivação no processo de teste, uma competição saudável com a organização de desenvolvimento, remoção do processo de teste do gerenciamento de controle da organização de desenvolvimento, e a vantagem de conhecimento especializado que a agência de teste independente traz como solução para o problema. (MYERS, 2004, The art of testing, p. 111, tradução própria) 5 CONCLUSÃO A atividade de teste de software aplicada de forma externa ao processo de desenvolvimento de software passa a ter vida como um projeto a ser desenvolvido dentro das especificações do processo de teste. Vimos que a vantagem em utilizar um projeto próprio para o teste de software é a possibilidade de separação entre o processo de teste de software e o processo de desenvolvimento de software, tornando assim mais clara a visão da função de cada processo e enfatizando a importância que o processo de teste possui, podendo influenciar muito na qualidade final de um software sendo desenvolvido. Apesar de parecer que haverá um maior gasto de tempo ao utilizar um projeto próprio para realizar os testes de um sistema, essa abordagem traz uma maior liberdade em relação ao quanto do sistema deverá ser testado e afasta o receio dos desenvolvedores em inserir dentro de seu processo de desenvolvimento de software já estabelecido, uma atividade completamente nova sobre a qual tais desenvolvedores talvez não tenham conhecimento adequado para exercê-la.

19 Também permite que seja terceirizado o processo de teste, recebendo consultoria para treinamento de uma equipe a ser contratada ou treinando uma equipe própria para a execução do projeto de teste de software. Dessa forma, o processo de teste pode ser implementado gradualmente, criando-se projetos de teste que foquem nas áreas em que a equipe de desenvolvimento possua menos eficiência ou maiores dificuldades para aumentar a qualidade, seja ao especificar o sistema, codificá-lo, validá-lo, verificá-lo ou ao acoplar a interface à parte lógica do sistema. Pode-se então aplicar as estratégias Caixa-branca ou Caixa-preta em ordem de necessidade, seguidas de suas respectivas técnicas de teste de software. Além das técnicas de teste de software citadas, há várias outras que podem ser utilizadas para a melhoria do processo de teste, cada qual sendo aplicada de acordo com o custo-benefício obtido pela empresa. Podem ser obtidas certificações de nível de implantação do processo de teste através da organização para Melhoria do Processo de Teste Brasileiro (Mpt.Br, 2014). Essas certificações são divididas em vários níveis e servem como comprobabilidade de aderência ao processo de teste de software por parte da empresa de forma organizada, estruturada e oficial dentro da empresa, ou pode ser obtida certificação para o próprio testador, comprovando assim conhecimento para prestar consultoria na área de testes ou estar coordenando uma equipe para a implantação e utilização do processo de teste de software. A abordagem do processo de teste vista como um projeto enfatiza sua devida importância e pode ser aplicada a empresas de todos os portes, tendo seu foco na melhoria do processo de teste de software em pequenas e micro empresas. Como descrito no documento de Melhoria do Processo de Teste Brasileiro (MPT.Br, 2014), além de ser possível a utilização do processo de teste em pequenas e micro empresas, já é um processo definido de forma adequada no próprio cenário tecnológico brasileiro, havendo assim incentivo para a implantação e utilização do processo de teste de software.

20 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS KANER, Cem; FALK, Jack; NGUYEN, Hung. Testing Computer Software. 2. ed. Third Avenue, New York: John Wiley & Sons Inc., MYERS, Glenford. The Art of Software Testing. 2. ed. Hoboken, New Jersey: John Wiley &Sons Inc., MPT.Br. Disponível em: < >. Acesso em 02 de abril de PRESSMAN, Roger. Software engineering: a Practitioner s Approach. 5. ed. Avenue of the Americas, New York: McGraw-Hill Companies, Inc., RIOS, Emerson e MOREIRA, Trayahú. Teste de Software. Rio de Janeiro, Rio de Janeiro: Editora Alta Books, SOMMERVILLE, Ian. Engenharia de Software. Pearson Education do Brasil, ed. São Paulo, São Paulo:

A IMPORTÂNCIA DA ATIVIDADE DE TESTE NO DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE

A IMPORTÂNCIA DA ATIVIDADE DE TESTE NO DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE A IMPORTÂNCIA DA ATIVIDADE DE TESTE NO DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Karla Pires de Souza (FPM ) karlapsouza@hotmail.com Angelita Moutin Segoria Gasparotto (FPM ) angelita@usp.br A atividade de teste de

Leia mais

DOMAIN-DRIVEN DESIGN E TEST-DRIVEN DEVELOPMENT

DOMAIN-DRIVEN DESIGN E TEST-DRIVEN DEVELOPMENT DOMAIN-DRIVEN DESIGN E TEST-DRIVEN DEVELOPMENT Jaqueline Rissá Franco email: jaquerifr@gmail.com Karla Marturelli Mattos Luciano Mathias Doll João Almeida Resumo: Este artigo mostra novas abordagens na

Leia mais

O que é software? Software e Engenharia de Software. O que é software? Tipos de Sistemas de Software. A Evolução do Software

O que é software? Software e Engenharia de Software. O que é software? Tipos de Sistemas de Software. A Evolução do Software O que é software? Software e Engenharia de Software Programas de computador Entidade abstrata. Ferramentas (mecanismos) pelas quais: exploramos os recursos do hardware. executamos determinadas tarefas

Leia mais

Testes Orientação Visão Conceitual em Testes Versão 0.3

Testes Orientação Visão Conceitual em Testes Versão 0.3 Testes Versão 0.3 ori_visao_conceitual_testes.odt 1 de 10 Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 23/04/2010 0.1 Versão inicial Fernanda Monteiro 07/10/10 0.2 Verificação ortográfica Ana Eckel

Leia mais

Fundamentos de Teste de Software

Fundamentos de Teste de Software Núcleo de Excelência em Testes de Sistemas Fundamentos de Teste de Software Módulo 2- Teste Estático e Teste Dinâmico Aula 3 Teste Estático SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 1. Definição... 3 2. Custo Versus Benefício...

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software CENTRO UNIVERSITÁRIO NOVE DE JULHO Profº. Edson T. França edson.franca@uninove.br Software Sistemas Conjunto de elementos, entre os quais haja alguma relação Disposição das partes ou dos elementos de um

Leia mais

Testes de Software. Anne Caroline O. Rocha TesterCertified BSTQB NTI UFPB

Testes de Software. Anne Caroline O. Rocha TesterCertified BSTQB NTI UFPB Testes de Software 1 AULA 01 INTRODUÇÃO A TESTES DE SOFTWARE Anne Caroline O. Rocha TesterCertified BSTQB NTI UFPB Conteúdo Programático do Curso Introdução a Testes de Software Técnicas de Testes de Software

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO TESTE DE SOFTWARE PARA A QUALIDADE DO PROJETO

A IMPORTÂNCIA DO TESTE DE SOFTWARE PARA A QUALIDADE DO PROJETO A IMPORTÂNCIA DO TESTE DE SOFTWARE PARA A QUALIDADE DO PROJETO Autora: LUCIANA DE BARROS ARAÚJO 1 Professor Orientador: LUIZ CLAUDIO DE F. PIMENTA 2 RESUMO O mercado atual está cada vez mais exigente com

Leia mais

Requisitos de Software

Requisitos de Software Requisitos de Software Prof. José Honorato F.N. Prof. José Honorato F.N. honoratonunes@gmail.com Requisitos de Software Software é o conjunto dos programas e dos meios não materiais que possibilitam o

Leia mais

Documento de Requisitos

Documento de Requisitos UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE INFORMÁTICA GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO Documento de Requisitos Sistema Gerenciador de Atendimento de Chamados Técnicos Grupo: Luiz Augusto Zelaquett

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Requisitos de Software Prof. MSc. Edilberto Silva prof.edilberto.silva@gmail.com http://www.edilms.eti.br Requisito O que é um REQUISITO? Em software: É a CARACTERIZAÇÃO do que o

Leia mais

Introdução ao OpenUP (Open Unified Process)

Introdução ao OpenUP (Open Unified Process) Introdução ao OpenUP (Open Unified Process) Diferentes projetos têm diferentes necessidades de processos. Fatores típicos ditam as necessidades de um processo mais formal ou ágil, como o tamanho da equipe

Leia mais

Teste de software. Definição

Teste de software. Definição Definição O teste é destinado a mostrar que um programa faz o que é proposto a fazer e para descobrir os defeitos do programa antes do uso. Quando se testa o software, o programa é executado usando dados

Leia mais

LEVANTAMENTO DE REQUISITOS SEGUNDO O MÉTODO VOLERE

LEVANTAMENTO DE REQUISITOS SEGUNDO O MÉTODO VOLERE LEVANTAMENTO DE REQUISITOS SEGUNDO O MÉTODO VOLERE RESUMO Fazer um bom levantamento e especificação de requisitos é algo primordial para quem trabalha com desenvolvimento de sistemas. Esse levantamento

Leia mais

Test-Module: uma ferramenta para gerenciamento de testes de software integrada ao FireScrum

Test-Module: uma ferramenta para gerenciamento de testes de software integrada ao FireScrum Test-Module: uma ferramenta para gerenciamento de testes de software integrada ao FireScrum Audrey B. Vasconcelos, Iuri Santos Souza, Ivonei F. da Silva, Keldjan Alves Centro de Informática Universidade

Leia mais

Engenharia de Software Introdução. Ricardo Argenton Ramos UNIVASF Engenharia de Software I - Aula 1

Engenharia de Software Introdução. Ricardo Argenton Ramos UNIVASF Engenharia de Software I - Aula 1 Engenharia de Software Introdução Ricardo Argenton Ramos UNIVASF Engenharia de Software I - Aula 1 Tópicos Apresentação da Disciplina A importância do Software Software Aplicações de Software Paradigmas

Leia mais

Engenharia de Software: conceitos e aplicações. Prof. Tiago Eugenio de Melo, MSc tiagodemelo@gmail.com

Engenharia de Software: conceitos e aplicações. Prof. Tiago Eugenio de Melo, MSc tiagodemelo@gmail.com Engenharia de Software: conceitos e aplicações Prof. Tiago Eugenio de Melo, MSc tiagodemelo@gmail.com 1 Objetivos da aula Apresentar os conceitos de Engenharia de Software e explicar a sua importância.

Leia mais

Notas de Aula 02: Processos de Desenvolvimento de Software

Notas de Aula 02: Processos de Desenvolvimento de Software Notas de Aula 02: Processos de Desenvolvimento de Software Objetivos da aula: Introduzir os conceitos de um processo de desenvolvimento de software Definir os processos básicos Apresentar as vantagens

Leia mais

Programa do Módulo 2. Processo Unificado: Visão Geral

Programa do Módulo 2. Processo Unificado: Visão Geral 9.1 Programa do Módulo 2 Orientação a Objetos Conceitos Básicos Análise Orientada a Objetos (UML) O Processo Unificado (RUP) Processo Unificado: Visão Geral 9.2 Encaixa-se na definição geral de processo:

Leia mais

ENGENHARIA DE SOFTWARE: TESTES E QUALIDADE DE PRODUTO Prof. José Manuel de Sacadura Rocha

ENGENHARIA DE SOFTWARE: TESTES E QUALIDADE DE PRODUTO Prof. José Manuel de Sacadura Rocha ENGENHARIA DE SOFTWARE: TESTES E QUALIDADE DE PRODUTO Prof. José Manuel de Sacadura Rocha RESUMO Trata-se da qualidade no desenvolvimento do produto software principalmente com respeito à fase de testes

Leia mais

DSI é o processo cujo objetivo é introduzir mudanças num sistema de informação, com objetivo de melhorar o seu desempenho.

DSI é o processo cujo objetivo é introduzir mudanças num sistema de informação, com objetivo de melhorar o seu desempenho. - DSI DSI é o processo cujo objetivo é introduzir mudanças num sistema de informação, com objetivo de melhorar o seu desempenho. Preocupação: Problema técnicos Mudança na natureza e conteúdo do trabalho

Leia mais

Fundamentos em Teste de Software. Vinicius V. Pessoni viniciuspessoni@gmail.com

Fundamentos em Teste de Software. Vinicius V. Pessoni viniciuspessoni@gmail.com Fundamentos em Teste de Software Vinicius V. Pessoni viniciuspessoni@gmail.com Objetivos do treinamento 1. Expor os fundamentos de Teste de Software; 2. Conceituar os Níveis de Teste; 3. Detalhar sobre

Leia mais

Requisitos de Software

Requisitos de Software Requisitos de Software Centro de Informática - Universidade Federal de Pernambuco Kiev Gama kiev@cin.ufpe.br Slides originais elaborados por Ian Sommerville e adaptado pelos professores Márcio Cornélio,

Leia mais

TESTE DE SOFTWARE A importância dos testes realizados por analistas nas fábricas de softwares e seu impacto na qualidade do produto

TESTE DE SOFTWARE A importância dos testes realizados por analistas nas fábricas de softwares e seu impacto na qualidade do produto II TESTE DE SOFTWARE A importância dos testes realizados por analistas nas fábricas de softwares e seu impacto na qualidade do produto Leandro Lima da Silva leandrofdx@gmail.com leandrofdx.com O teste

Leia mais

DESAFIO ETAPA 1 Passo 1

DESAFIO ETAPA 1 Passo 1 DESAFIO Um dos maiores avanços percebidos pela área de qualidade de software foi comprovar que a qualidade de um produto final (software) é uma consequência do processo pelo qual esse software foi desenvolvido.

Leia mais

Engenharia de Software Introdução. Ricardo Argenton Ramos UNIVASF Engenharia de Software I - Aula 1

Engenharia de Software Introdução. Ricardo Argenton Ramos UNIVASF Engenharia de Software I - Aula 1 Engenharia de Software Introdução Ricardo Argenton Ramos UNIVASF Engenharia de Software I - Aula 1 Tópicos Apresentação da Disciplina A importância do Software Software Aplicações de Software Paradigmas

Leia mais

Introdução ao Teste de Software

Introdução ao Teste de Software Introdução ao Teste de Software Prof. Dr. Sandro Bezerra - srbo@ufpa.br AGENDA Verificação e Validação Motivação para teste Finalidades dos Testes Testes de Software: Definições e Conceitos Formando a

Leia mais

Processo de Desenvolvimento de Software. Unidade V Modelagem de PDS. Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com

Processo de Desenvolvimento de Software. Unidade V Modelagem de PDS. Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com Processo de Desenvolvimento de Software Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com Conteúdo Programático desta aula Modelo Cascata (Waterfall) ou TOP DOWN. Modelo Iterativo. Metodologia Ágil.

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE TESTE COMO PARCELA NO PROCESSO DE QUALIDADE DE SOFTWARE Por: Camilla Ayub de Barros Chagas Orientador Prof. Fabiane Muniz

Leia mais

Essencial ao Desenvolvimento de Software

Essencial ao Desenvolvimento de Software Documento de Requisitos Essencial ao Desenvolvimento de Software De que se trata o artigo? Apresenta o documento de requisitos de software, destacando-o como um dos principais documentos pertinentes ao

Leia mais

TÍTULO: UM ESTUDO CONCEITUAL SOBRE CERTIFICAÇÃO DE SOFTWARE EMBARCADO AERONÁUTICO

TÍTULO: UM ESTUDO CONCEITUAL SOBRE CERTIFICAÇÃO DE SOFTWARE EMBARCADO AERONÁUTICO TÍTULO: UM ESTUDO CONCEITUAL SOBRE CERTIFICAÇÃO DE SOFTWARE EMBARCADO AERONÁUTICO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA SUBÁREA: COMPUTAÇÃO E INFORMÁTICA INSTITUIÇÃO: FACULDADE ANHANGUERA

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE PROJETOS DE SOFTWARE - SGPS

SISTEMA DE GESTÃO DE PROJETOS DE SOFTWARE - SGPS SISTEMA DE GESTÃO DE PROJETOS DE SOFTWARE - SGPS Lilian R. M. Paiva, Luciene C. Oliveira, Mariana D. Justino, Mateus S. Silva, Mylene L. Rodrigues Engenharia de Computação - Universidade de Uberaba (UNIUBE)

Leia mais

AUTOR: DAVID DE MIRANDA RODRIGUES CONTATO: davidmr@ifce.edu.br CURSO FIC DE PROGRAMADOR WEB VERSÃO: 1.0

AUTOR: DAVID DE MIRANDA RODRIGUES CONTATO: davidmr@ifce.edu.br CURSO FIC DE PROGRAMADOR WEB VERSÃO: 1.0 AUTOR: DAVID DE MIRANDA RODRIGUES CONTATO: davidmr@ifce.edu.br CURSO FIC DE PROGRAMADOR WEB VERSÃO: 1.0 SUMÁRIO 1 Conceitos Básicos... 3 1.1 O que é Software?... 3 1.2 Situações Críticas no desenvolvimento

Leia mais

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Introdução Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software Os modelos de processos de desenvolvimento de software surgiram pela necessidade de dar resposta às

Leia mais

Objetivos. Processos de Software. Tópicos abordados. O processo de software. Modelos genéricos de modelos de processo de software.

Objetivos. Processos de Software. Tópicos abordados. O processo de software. Modelos genéricos de modelos de processo de software. Processos de Software Objetivos Apresentar os modelos de processo de software Conjunto coerente de atividades para especificar, projetar, implementar e testar s de software Descrever os diferentes modelos

Leia mais

Práticas de. Engenharia de Software. Givanaldo Rocha de Souza givanaldo.rocha@ifrn.edu.br http://docente.ifrn.edu.

Práticas de. Engenharia de Software. Givanaldo Rocha de Souza givanaldo.rocha@ifrn.edu.br http://docente.ifrn.edu. "Antes de imprimir pense em sua responsabilidade e compromisso com o MEIO AMBIENTE." Engenharia de Software Práticas de Engenharia de Software Givanaldo Rocha de Souza givanaldo.rocha@ifrn.edu.br http://docente.ifrn.edu.br/givanaldorocha

Leia mais

Pós Graduação Engenharia de Software

Pós Graduação Engenharia de Software Pós Graduação Engenharia de Software Ana Candida Natali COPPE/UFRJ Programa de Engenharia de Sistemas e Computação FAPEC / FAT Estrutura do Módulo Parte 1 QUALIDADE DE SOFTWARE PROCESSO Introdução: desenvolvimento

Leia mais

Projeto de Sistemas I

Projeto de Sistemas I Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo Projeto de Sistemas I Professora: Kelly de Paula Cunha E-mail:kellypcsoares@ifsp.edu.br Requisitos: base para todo projeto, definindo o

Leia mais

Modelos de processos de desenvolvimento de software

Modelos de processos de desenvolvimento de software Definição Um modelo de processo de software é uma representação abstrata de um processo. Os modelos de processo podem ser desenvolvidos a partir de várias perspectivas e podem mostrar as atividades envolvidas

Leia mais

Na medida em que se cria um produto, o sistema de software, que será usado e mantido, nos aproximamos da engenharia.

Na medida em que se cria um produto, o sistema de software, que será usado e mantido, nos aproximamos da engenharia. 1 Introdução aos Sistemas de Informação 2002 Aula 4 - Desenvolvimento de software e seus paradigmas Paradigmas de Desenvolvimento de Software Pode-se considerar 3 tipos de paradigmas que norteiam a atividade

Leia mais

Processos de Software. 2007 by Pearson Education Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 4 Slide 1

Processos de Software. 2007 by Pearson Education Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 4 Slide 1 Processos de Software Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 4 Slide 1 Objetivos Apresentar modelos de processos de software Descrever três modelos genéricos de processo e quando

Leia mais

Testes de Software AULA 02 PLANEJANDO E ELABORANDO OS TESTES. Anne Caroline O. Rocha TesterCertified BSTQB NTI UFPB

Testes de Software AULA 02 PLANEJANDO E ELABORANDO OS TESTES. Anne Caroline O. Rocha TesterCertified BSTQB NTI UFPB Testes de Software 1 AULA 02 PLANEJANDO E ELABORANDO OS TESTES Anne Caroline O. Rocha TesterCertified BSTQB NTI UFPB Conteúdo Programático Aula 02 Planejamento dos Testes Plano de Teste Análise de Risco

Leia mais

Engenharia de Software II

Engenharia de Software II Engenharia de Software II Aula 8 http://www.ic.uff.br/~bianca/engsoft2/ Aula 8-17/05/2006 1 Ementa Processos de desenvolvimento de software Estratégias e técnicas de teste de software (Caps. 13 e 14 do

Leia mais

ENGENHARIA DE REQUISITOS

ENGENHARIA DE REQUISITOS Universidade Federal de Santa Maria Mestrado em Computação ELC 923 Processos de Negócio e Engenharia de Requisitos Especialização em Modelagem e Desenvolvimento de Aplicações Web com JAVA ENGENHARIA DE

Leia mais

Universidade Estadual do Oeste do Paraná

Universidade Estadual do Oeste do Paraná Universidade Estadual do Oeste do Paraná Estudo de Requisitos de um software para uma loja de lentes de contato Bruno Eduardo Soares Leonardo Zanotto Baggio Maykon Valério da Silva Cascavel, 10 de Junho

Leia mais

Metodologias de Desenvolvimento de Sistemas. Analise de Sistemas I UNIPAC Rodrigo Videschi

Metodologias de Desenvolvimento de Sistemas. Analise de Sistemas I UNIPAC Rodrigo Videschi Metodologias de Desenvolvimento de Sistemas Analise de Sistemas I UNIPAC Rodrigo Videschi Histórico Uso de Metodologias Histórico Uso de Metodologias Era da Pré-Metodologia 1960-1970 Era da Metodologia

Leia mais

Testes de Software. Testes de Software. Teste de Validação. Teste de Defeito. Modelo de Entrada e Saída. Modelo de Entrada e Saída

Testes de Software. Testes de Software. Teste de Validação. Teste de Defeito. Modelo de Entrada e Saída. Modelo de Entrada e Saída DCC / ICEx / UFMG Testes de Software Testes de Software Teste de software buscam por erros ou anomalias em requisitos funcionais e não funcionais Classificação de testes pelo objetivo Teste de Validação:

Leia mais

05/05/2010. Década de 60: a chamada Crise do Software

05/05/2010. Década de 60: a chamada Crise do Software Pressman, Roger S. Software Engineering: A Practiotioner s Approach. Editora: McGraw- Hill. Ano: 2001. Edição: 5 Introdução Sommerville, Ian. SW Engineering. Editora: Addison Wesley. Ano: 2003. Edição:

Leia mais

Engenharia de Requisitos

Engenharia de Requisitos Engenharia de Requisitos Introdução a Engenharia de Requisitos Professor: Ricardo Argenton Ramos Aula 08 Slide 1 Objetivos Introduzir a noção de requisitos do sistema e o processo da engenharia de requisitos.

Leia mais

Testes de Software. Testes de Software. Teste de Validação. Teste de Defeito. Modelo de Entrada e Saída. Modelo de Entrada e Saída

Testes de Software. Testes de Software. Teste de Validação. Teste de Defeito. Modelo de Entrada e Saída. Modelo de Entrada e Saída DCC / ICEx / UFMG Testes de Software Testes de Software Eduardo Figueiredo http://www.dcc.ufmg.br/~figueiredo Teste de software buscam por erros ou anomalias em requisitos funcionais e não funcionais Classificação

Leia mais

Requisitos de Software

Requisitos de Software Requisitos de Software Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 6 Slide 1 Objetivos Apresentar os conceitos de requisitos de usuário e de sistema Descrever requisitos funcionais

Leia mais

1. Introdução. Saiba mais

1. Introdução. Saiba mais 1. Introdução Gestão de Sistemas de Informação Aula 3 -Planejamento e desenvolvimento de sistemas de informação Prof: Cleber A. de Oliveira Para a adequada compreensão deste conteúdo, é preciso que estejam

Leia mais

Engenharia de Software. Parte I. Introdução. Metodologias para o Desenvolvimento de Sistemas DAS 5312 1

Engenharia de Software. Parte I. Introdução. Metodologias para o Desenvolvimento de Sistemas DAS 5312 1 Engenharia de Software Parte I Introdução Metodologias para o Desenvolvimento de Sistemas DAS 5312 1 Mitos do Desenvolvimento de Software A declaração de objetivos é suficiente para se construir um software.

Leia mais

Tipos de teste de software

Tipos de teste de software Tipos de teste de software Volnys Borges Bernal volnys@lsi.usp.br Adilson Hira ayhira@lsi.usp.br Laboratório de Sistemas Integráveis Departamento de Sistemas Eletrônicos Escola Politécnica da USP Sumário

Leia mais

Estudo de Caso da Implantação do Nível G do MPS.BR em Uma Empresa

Estudo de Caso da Implantação do Nível G do MPS.BR em Uma Empresa Estudo de Caso da Implantação do Nível G do MPS.BR em Uma Empresa Dayana Henriques Fonseca 1, Frederico Miranda Coelho 1 1 Departamento de Ciência da Computação Universidade Presidente Antônio Carlos (UNIPAC)

Leia mais

4ª Parte Processo de Teste

4ª Parte Processo de Teste 4ª Parte Processo de Teste Atividades de preparação Ø Planejamento: define itens a testar, aspectos gerenciais e recursos necessários; para a execução da bateria de testes. Ø Desenho: completa as especificações

Leia mais

Nome: Login: CA: Cidade: UF CARTÃO RESPOSTA QUESTÃO RESPOSTA QUESTÃO RESPOSTA

Nome: Login: CA: Cidade: UF CARTÃO RESPOSTA QUESTÃO RESPOSTA QUESTÃO RESPOSTA ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS TURMA 2008 3º PERÍODO - 5º MÓDULO AVALIAÇÃO MP1 DATA 05/03/2009 ENGENHARIA DE SOFTWARE Dados de identificação do Acadêmico: Nome: Login: CA: Cidade: UF CARTÃO RESPOSTA

Leia mais

Teste de Software Apresentação

Teste de Software Apresentação Teste de Software Apresentação Prof Daves Martins Msc Computação de Alto Desempenho Email: daves.martins@ifsudestemg.edu.br Agenda Teste de Software VV&T e Defeitos de Software Inspeção de Software Teste

Leia mais

Garantia de Processo Leis de Lehman Manutenção de Softwares

Garantia de Processo Leis de Lehman Manutenção de Softwares Garantia de Processo Leis de Lehman Manutenção de Softwares Garantia de Processo Acidentes são eventos raros em sistemas críticos e pode ser impossível simulá-los durante testes de um sistema. Requisitos

Leia mais

1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE)

1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE) 1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE) Segundo Tonsig (2003), para conseguir desenvolver um software capaz de satisfazer as necessidades de seus usuários, com qualidade, por intermédio de uma arquitetura sólida

Leia mais

Tópicos. Engenharia de Software: Uma Visão Geral

Tópicos. Engenharia de Software: Uma Visão Geral Tópicos 2 3 Engenharia de Software: Uma Visão Geral SCE 186 - Engenharia de Software Profs. José Carlos Maldonado e Elisa Yumi Nakagawa 2 o semestre de 2002 A importância do Software Software Aplicações

Leia mais

Engenharia de Software. Gerenciamento de Requisitos. Prof. Rodolfo Miranda de Barros rodolfo@uel.br

Engenharia de Software. Gerenciamento de Requisitos. Prof. Rodolfo Miranda de Barros rodolfo@uel.br Engenharia de Software Gerenciamento de Requisitos Prof. Rodolfo Miranda de Barros rodolfo@uel.br Engenharia de Requisitos (ER) Engenharia de O termo Engenharia implica em dizer que um processo sistemático

Leia mais

Tópicos em Engenharia de Software (Optativa III) AULA 2. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com (81 )9801-6619

Tópicos em Engenharia de Software (Optativa III) AULA 2. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com (81 )9801-6619 Tópicos em Engenharia de Software (Optativa III) AULA 2 Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com (81 )9801-6619 Engenharia de Software Objetivo da aula Depois desta aula você terá uma revisão sobre o

Leia mais

Gerenciador Financeiro CITi. Gerenciador Financeiro CITi

Gerenciador Financeiro CITi. Gerenciador Financeiro CITi (Sistema de Gerenciamento Financeiro) Especificação dos Requisitos do Software Gerenciador Financeiro CITi Versão 1.0 Autores: Bruno Medeiros de Oliveira Igor Rafael Medeiros Pedro Araújo de Melo Tiago

Leia mais

UMA ABORDAGEM SOBRE TESTES AUTOMATIZADO DE SOFTWARES EM AMBIENTES DE DESENVOLVIMENTO

UMA ABORDAGEM SOBRE TESTES AUTOMATIZADO DE SOFTWARES EM AMBIENTES DE DESENVOLVIMENTO UMA ABORDAGEM SOBRE TESTES AUTOMATIZADO DE SOFTWARES EM AMBIENTES DE DESENVOLVIMENTO Robson L. Nascimento 1, Késsia R. C. Marchi¹ 1 Universidade Paranaense (UNIPAR) Paranavaí-PR-Brasil robsonluisn@yahoo.com.br,

Leia mais

Documentação de um Produto de Software

Documentação de um Produto de Software Documentação de um Produto de Software Versão 3.0 Autora: Profª Ana Paula Gonçalves Serra Revisor: Prof. Fernando Giorno 2005 ÍNDICE DETALHADO PREFÁCIO... 4 1. INTRODUÇÃO AO DOCUMENTO... 6 1.1. TEMA...

Leia mais

Tecnologia da Informação para EPPGG 2013. Victor Dalton

Tecnologia da Informação para EPPGG 2013. Victor Dalton Tecnologia da Informação para EPPGG 2013 Victor Dalton Edital TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO: 1. Noções sobre processo de desenvolvimento de software: modelos organizacionais, stakeholders, modelagem de negócio,

Leia mais

SISTEMATIZAÇÂO DOS TIPOS DE INFORMAÇÂO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EMPRESARIAL E DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÂO E COMUNICAÇÂO

SISTEMATIZAÇÂO DOS TIPOS DE INFORMAÇÂO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EMPRESARIAL E DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÂO E COMUNICAÇÂO SISTEMATIZAÇÂO DOS TIPOS DE INFORMAÇÂO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EMPRESARIAL E DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÂO E COMUNICAÇÂO Danilo Freitas Silvas Sistemas de informação CEATEC danilofs.ti@gmail.com Resumo:

Leia mais

ENGENHARIA DE SOFTWARE/ SISTEMAS DE SOFTWARE

ENGENHARIA DE SOFTWARE/ SISTEMAS DE SOFTWARE ENGENHARIA DE SOFTWARE/ SISTEMAS DE SOFTWARE CMP1280/CMP1250 Prof. Me. Fábio Assunção Introdução à Engenharia de Software SOFTWARE Programa de computador acompanhado dos dados de documentação e configuração

Leia mais

Sistema BuildParty para montagem e gerenciamento de eventos. Plano de Testes. Versão <1.1> DeltaInfo. Soluções para web Soluções para o mundo

Sistema BuildParty para montagem e gerenciamento de eventos. Plano de Testes. Versão <1.1> DeltaInfo. Soluções para web Soluções para o mundo Sistema BuildParty para montagem e gerenciamento de eventos Plano de Testes Versão DeltaInfo Soluções para web Soluções para o mundo DeltaInfo 2 Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autores

Leia mais

Com relação às áreas de conhecimento de projetos conforme o. PMBoK, julgue os itens subseqüentes.

Com relação às áreas de conhecimento de projetos conforme o. PMBoK, julgue os itens subseqüentes. De acordo com o comando a que cada um dos itens de 1 a 70 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

O Impacto da Engenharia de Requisitos no Processo de Métricas. Fátima Cesarino CAIXA

O Impacto da Engenharia de Requisitos no Processo de Métricas. Fátima Cesarino CAIXA O Impacto da Engenharia de Requisitos no Processo de Métricas Fátima Cesarino CAIXA Apresentação Diferentes Cenários Desenvolvimento Software Importância do SISP Agradecimento Oportunidade Responsabilidade

Leia mais

Um Sistema Web para apoio ao Gerenciamento de atividades de Teste de Software em Pequenas Empresas

Um Sistema Web para apoio ao Gerenciamento de atividades de Teste de Software em Pequenas Empresas Um Sistema Web para apoio ao Gerenciamento de atividades de Teste de Software em Pequenas Empresas Luciano Gomes Helvinger, Rodrigo Prestes Machado Curso de Análise e Desenvolvimento de Sistemas Faculdade

Leia mais

Modelo para Documento de. Especificação de Requisitos de Software

Modelo para Documento de. Especificação de Requisitos de Software Modelo para Documento de Especificação de Requisitos de Software (Baseado na norma IEEE Std 830-1993 - Recommended Practice for Software Requirements Specifications) A boa organização lógica do documento

Leia mais

COBIT (CONTROL OBJECTIVES FOR INFORMATION AND RELATED TECHNOLOGY)

COBIT (CONTROL OBJECTIVES FOR INFORMATION AND RELATED TECHNOLOGY) Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Informática e Estatística INE Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Projetos I Professor: Renato Cislaghi Aluno: Fausto Vetter Orientadora: Maria

Leia mais

Modelo para Documento de. Especificação de Requisitos de Software

Modelo para Documento de. Especificação de Requisitos de Software Modelo para Documento de Especificação de Requisitos de Software Prof. Dr. Juliano Lopes de Oliveira (Baseado na norma IEEE Std 830-1993 - Recommended Practice for Software Requirements Specifications)

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 06 PROFª BRUNO CALEGARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 06 PROFª BRUNO CALEGARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 06 PROFª BRUNO CALEGARO Santa Maria, 27 de Setembro de 2013. Revisão aula anterior Desenvolvimento Ágil de Software Desenvolvimento e entrega

Leia mais

PROJETO DA DISCIPLINA. PES II Processo de Engenharia de Software II

PROJETO DA DISCIPLINA. PES II Processo de Engenharia de Software II UNIOESTE - Universidade Estadual do Oeste do Paraná CCET - Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Colegiado de Informática Curso de Bacharelado em Informática PROJETO DA DISCIPLINA PES II Processo de

Leia mais

Engenharia de Software 01 - Introdução. Márcio Daniel Puntel marciopuntel@ulbra.edu.br

Engenharia de Software 01 - Introdução. Márcio Daniel Puntel marciopuntel@ulbra.edu.br Engenharia de Software 01 - Introdução Márcio Daniel Puntel marciopuntel@ulbra.edu.br Engenharia de Software Nações desenvolvidas dependem de software; Cada vez mais sistemas são controlados por software;

Leia mais

QUALIDADE DE SOFTWARE

QUALIDADE DE SOFTWARE QUALIDADE DE SOFTWARE MODULO 3 SISTEMA DE GARANTIA DA QUALIDADE CONTEÚDO 3.1 A ABORDAGEM NBR ISO 9000 3.2 MODELOS DE QUALIDADE DE PRODUTO DE SOFTWARE 3.2.1 NBR ISO/IEC 9126 (SOFTWARE) 3.2.2 NBR ISO/IEC

Leia mais

Ambiente de workflow para controle de métricas no processo de desenvolvimento de software

Ambiente de workflow para controle de métricas no processo de desenvolvimento de software Ambiente de workflow para controle de métricas no processo de desenvolvimento de software Gustavo Zanini Kantorski, Marcelo Lopes Kroth Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) 97100-000 Santa Maria

Leia mais

Se observarmos nos diferentes livros. Planejamento de Testes a partir de Casos de Uso

Se observarmos nos diferentes livros. Planejamento de Testes a partir de Casos de Uso Planejamento de Testes a partir de Casos de Uso Arilo Cláudio Dias Neto ariloclaudio@gmail.com É Bacharel em Ciência da Computação formado na Universidade Federal do Amazonas, Mestre em Engenharia de Sistemas

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DO ESCOPO DE SISTEMA DE SOFTWARE A PARTIR DA UTILIZAÇÃO DA ENGENHARIA DE REQUISITOS

ESPECIFICAÇÃO DO ESCOPO DE SISTEMA DE SOFTWARE A PARTIR DA UTILIZAÇÃO DA ENGENHARIA DE REQUISITOS ESPECIFICAÇÃO DO ESCOPO DE SISTEMA DE SOFTWARE A PARTIR DA UTILIZAÇÃO DA ENGENHARIA DE REQUISITOS Rosiane da Silva Biscaia Discente do curso Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Faculdades

Leia mais

Engenharia de Software I

Engenharia de Software I Engenharia de Software I Curso de Sistemas de Informação Karla Donato Fook karladf@ifma.edu.br DESU / DAI 2015 Desenvolvimento Rápido de Software 2 1 Para quê o Desenvolvimento Rápido de Software? Os negócios

Leia mais

Gerenciamento de Qualidade

Gerenciamento de Qualidade UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS, LETRAS E CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DE COMPUTAÇÃO E ESTATÍSTICA Gerenciamento de Qualidade Engenharia de Software 2o. Semestre de

Leia mais

Controle de métricas no processo de desenvolvimento de software através de uma ferramenta de workflow

Controle de métricas no processo de desenvolvimento de software através de uma ferramenta de workflow Controle de métricas no processo de desenvolvimento de software através de uma ferramenta de workflow Gustavo Zanini Kantorski, Marcelo Lopes Kroth Centro de Processamento de Dados Universidade Federal

Leia mais

ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - MÓDULO 2 - ANÁLISE DE REQUISITOS DE SOFTWARE APLICATIVO 1. INTRODUÇÃO Entender os requisitos de um problema está entre as tarefas mais difíceis na construção de um software. Na maioria das vezes o cliente

Leia mais

CobiT: Visão Geral e domínio Monitorar e Avaliar. Daniel Baptista Dias Ernando Eduardo da Silva Leandro Kaoru Sakamoto Paolo Victor Leite e Posso

CobiT: Visão Geral e domínio Monitorar e Avaliar. Daniel Baptista Dias Ernando Eduardo da Silva Leandro Kaoru Sakamoto Paolo Victor Leite e Posso CobiT: Visão Geral e domínio Monitorar e Avaliar Daniel Baptista Dias Ernando Eduardo da Silva Leandro Kaoru Sakamoto Paolo Victor Leite e Posso CobiT O que é? Um framework contendo boas práticas para

Leia mais

ARCO - Associação Recreativa dos Correios. Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Plano de Desenvolvimento de Software Versão <1.

ARCO - Associação Recreativa dos Correios. Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Plano de Desenvolvimento de Software Versão <1. ARCO - Associação Recreativa dos Correios Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Versão Histórico da Revisão Data Versão Descrição Autor Página

Leia mais

4 O Workflow e a Máquina de Regras

4 O Workflow e a Máquina de Regras 4 O Workflow e a Máquina de Regras O objetivo do workflow e da máquina de regras é definir um conjunto de passos e regras configuráveis. Ao longo de sua execução, um usuário consegue simplificar o seu

Leia mais

Guia Técnicas de Teste Metodologia Celepar

Guia Técnicas de Teste Metodologia Celepar Guia Técnicas de Teste Metodologia Celepar Agosto de 2009 Sumário de Informações do Documento Documento: guiatecnicasteste.odt Número de páginas: 22 Versão Data Mudanças Autor 1.0 17/09/07 Criação. Ariel

Leia mais

Processos de Desenvolvimento de Software

Processos de Desenvolvimento de Software Processos de Desenvolvimento de Software Gerenciamento de Projetos Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência e

Leia mais

Engenharia de Requisitos Estudo de Caso

Engenharia de Requisitos Estudo de Caso Engenharia de Requisitos Estudo de Caso Auxiliadora Freire Fonte: Engenharia de Software 8º Edição / Ian Sommerville 2007 Slide 1 Engenharia de Requisitos Exemplo 1 Reserva de Hotel 1. INTRODUÇÃO Este

Leia mais

2 Auto-sintonia de Bancos de Dados e Agentes de Software

2 Auto-sintonia de Bancos de Dados e Agentes de Software 2 Auto-sintonia de Bancos de Dados e Agentes de Software A uso da abordagem de agentes de software 1 pode trazer benefícios a áreas de aplicação em que é necessário construir sistemas autônomos, ou seja,

Leia mais

GENS S.A. Metodologia de Desenvolvimento Padrões de uso para o Sistema Gemini Versão Reduzida Relatório Análise de Causa

GENS S.A. Metodologia de Desenvolvimento Padrões de uso para o Sistema Gemini Versão Reduzida Relatório Análise de Causa GENS S.A. Metodologia de Desenvolvimento Padrões de uso para o Sistema Gemini Versão Reduzida Relatório Análise de Causa 1. Relatório de Análise de Causa Quando utilizar? O template deve ser utilizado

Leia mais

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas (Versão 2.0)

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas (Versão 2.0) SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL DEPARTAMENTO NACIONAL DE OBRAS CONTRA AS SECAS Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas (Versão 2.0) 1 Sumário 1Introdução... 5 1.1 Objetivo...

Leia mais

Implantando um Programa de Melhoria de Processo: Uma Experiência Prática

Implantando um Programa de Melhoria de Processo: Uma Experiência Prática Implantando um Programa de Melhoria de Processo: Uma Experiência Prática Evandro Polese Alves Ricardo de Almeida Falbo Departamento de Informática - UFES Av. Fernando Ferrari, s/n, Vitória - ES - Brasil

Leia mais

Proposta de um método para auditoria de projetos de desenvolvimento de software iterativo e incremental

Proposta de um método para auditoria de projetos de desenvolvimento de software iterativo e incremental Proposta de um método para auditoria de projetos de desenvolvimento de software iterativo e incremental Francisco Xavier Freire Neto 1 ; Aristides Novelli Filho 2 Centro Estadual de Educação Tecnológica

Leia mais

Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE. Análise dos Requisitos de Software

Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE. Análise dos Requisitos de Software Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE Análise dos Requisitos de Software Prof. Claudinei Dias email: prof.claudinei.dias@gmail.com Roteiro Introdução Tipos de requisitos Atividades Princípios da

Leia mais

do grego: arkhé (chefe ou mestre) + tékton (trabalhador ou construtor); tekhne arte ou habilidade;

do grego: arkhé (chefe ou mestre) + tékton (trabalhador ou construtor); tekhne arte ou habilidade; 1 ARQUITETURA E DESIGN DE SOFTWARE O que é Arquitetura? do grego: arkhé (chefe ou mestre) + tékton (trabalhador ou construtor); tekhne arte ou habilidade; do dicionário: Arte de projetar e construir prédios,

Leia mais