Classe de isolamento

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Classe de isolamento"

Transcrição

1 Aspectos e propriedades industriais das máquinas eléctricas Classe de isolamento Classe de isolamento Temperatura máxima ºC Y 90 A 05 E 20 B 0 F 55 H Temperatura máxima que o material de que é feito o Isolamento pode suportar sem perder as suas propriedades. Obtém-se ensaiando o material e comparando os resultados com os de materiais padrão de eficácia conhecida (Norma CEI)

2 Graus de protecção A norma CEI 529 estabelece um sistema de especificação geral em função do grau de protecção que se consegue em qualquer material eléctrico. O grau de protecção designa- se com as letras IP seguidas de três algarismos, dos quais nas máquinas m eléctricas só se utilizam dois. º algarismo: : indica a protecção das pessoas contra contactos sob tensão e/ou peças em movimento no interior, assim como a protecção da máquina m contra a penetração de corpos sólidos s estranhos. 2º algarismo: : indica a protecção contra a penetração de água. º algarismo: : indicaria a protecção contra danos mecânicos. Primeiro algarismo: Protecção contra a penetração de corpos estranhos Grau de protecção Primeiro algarismo característica Descrição abreviada Definição 0 Sem protecção Nenhuma protecção especial Protegido contra corpos 50mm. superior a 50 mm (ex.: contactos involuntários da mão) 2 Protegido contra corpos 2mm. superior a 2 mm (ex.: dedo da mão) Protegido contra corpos 2.5mm. superior a 2,5 mm (ex.: fios, ferramentas) 4 Protegido contra corpos mm. superior a mm (ex.: fios de pequeno diâmetro, ferramentas finas) 5 Protegido contra o pó Protegido contra a penetração de poeiras 6 Totalmente protegido contra o pó Totalmente protegido contra a penetração de poeiras 2

3 Segundo algarismo Protecção contra a entrada de água Grau de protecção característica Descrição abreviada Definição 0 Sem protecção. Nenhuma protecção especial. Protegido contra quedas verticais de gotas de água (condensação). As gotas de água (que caem verticalmente) não devem produzir efeitos prejudiciais. 2 Protegido contra quedas de gotas de água até 5 o da vertical A queda vertical de gotas de água não deve produzir efeitos prejudiciais quando a envolvente está inclinada até 5º da sua posição normal. 4 Protegido contra água de chuva até 60 o da vertical Protegido contra a projecção água de todas as direcções. A água que caia em forma de chuva numa direcção que tenha em relação à vertical um ângulo inferior ou igual a 60º não deve produzir efeitos prejudiciais. A água projectada sobre a envolvente desde qualquer direcção, não deve produzir efeitos prejudiciais. 5 6 Protegido contra jactos de água de chuva à lança de todas as direcções. Protegido contra projecções de água semelhantes a vaga de mar. A água lançada sobre a envolvente por uma agulheta desde qualquer direcção, não deve produzir efeitos prejudiciais. Perante fortes jactos de água ou vagas de mar, a água não deverá penetrar na envolvente em quantidade prejudicial. 7 Protegido contra os efeitos de imersão. Não deve ser possível que a água penetre em quantidade prejudicial no interior da envolvente submersa em água, sob uma pressão e um tempo determinado. 8 Protegido contra os efeitos de imersão prolongada sob pressão O material é adequado para imersão prolongada em água nas condições especificadas pelo fabricante. Chapa de características Typ 2 4 Nr V 8 A 9 0 cos ϕ 2 /min 4 Hz 5 6 V 7 A 8 IP 9 20 t 2 Tipo de corrente (alternada ou continua). 4 Forma de trabalho (motor ou gerador). 5 Número de série s da máquina. m 6 Ligação do enrolamento estatórico. 7 Tensão nominal. 8 Corrente nominal. 9 Potência nominal. 0 Abreviatura de unidade de potência (kw( kw). Classe de serviço. 2 Factor de potência nominal. Velocidade nominal. 4 Frequência nominal. 5 Excitação em motores CC, Rótor R em motores indução de rótor r 6 Tensão de Exc. em máquinas m de CC. Tensão rotórica rica em motores de rótor r 7 Corrente de excitação máquina m CC. Corrente rotórica rica em motores de rótor r 8 Classe de isolamento. 9 Grau de protecção. Todas as grandezas são NOMINAIS: aquelas 20 Peso. para as quais a máquina m foi projectada 2 Fabricante.

4 Códigos de refrigeração de transformadores Conforme a circulação do fluído refrigerante seja feita por convecção natural ou forçada (impulsionada por uma bomba) fala-se em refrigeração natural (N)( ou forçada (F)( As normas classificam os sistemas de refrigeração dos transformadores segundo o refrigerante primário rio (em contacto com partes activas) e secundário (utilizado para arrefecer o primário). rio). Utilizando-se ar, óleo natural, óleo sintético tico e água. Códigos de refrigeração de transformadores X X X X UTILIZAM-SE 4 DÍGITOSD COMO CÓDIGOC Tipo de circulação do refrigerante secundário (N) ou (F). Tipo de refrigerante secundário (A) ar, (W) água. Tipo de circulação do refrigerante primário (N) ou (F). Ex: : OFAF Tipo de refrigerante primário (A) ar, (O) Óleo mineral, (L) Óleo sintético. 4

5 Códigos refrigeração de motores IC X X X X X UTILIZAM-SE 5 DÍGITOSD Tipo de circulação do refrigerante secundário: 0 Convecção natural, Auto-circulação, 6 Componente independente, 8 Deslocamento relativo Tipo de refrigerante secundário: A-ar, W-água Tipo de circulação do refrigerante primário: 0-Convecção natural, Auto-circulação, 6 Componente independente Tipo de refrigerante primário: A-ar Ex: : IC4A Ex: : IC0A Tipo de circuito de refrigeração: 0-circulação natural circuito aberto, 4-carcassa arrefecida exterior Classe de serviço o em máquinas rotativas S - Serviço continuo: A máquina m trabalha a carga constante, e alcança a a temperatura de regime permanente. S2 - Serviço temporário rio ou de curta duração ão: A máquina m trabalha em regime de carga constante durante curtos intervalos de tempo, não chegando a alcançar ar uma temperatura estável. Permanecendo parada até atingir de novo a temperatura ambiente. S, S4 e S5 - Serviços intermitentes: consistem numa série s continua de ciclos iguais, compostos por períodos de carga constante (S), incluindo o tempo de arranque (S4) ou arranques e paragens (S5), seguidos de períodos de repouso sem que se alcance nunca uma temperatura constante. S6, S7 e S8 - Serviços ininterruptos: similares respectiva- mente a S, S4 e S5 mas sem períodos de repouso. 5

TRANSFORMADORES DE MEDIDA

TRANSFORMADORES DE MEDIDA TRANSFORMADORES DE MEDIDA Transformadores de corrente de baixa tensão Características e ensaios Elaboração: DTI Homologação: conforme despacho do CA de 2013-12-26 Edição: 3ª. Anula e substitui a edição

Leia mais

1 Transformadores de Corrente

1 Transformadores de Corrente 1 Transformadores de Corrente 1.1 Conceito Os transformadores de corrente são equipamentos que permitem aos instrumentos de medição e proteção funcionarem adequadamente sem que seja necessário possuírem

Leia mais

Prof. Dr. Emerson S. Serafim 1

Prof. Dr. Emerson S. Serafim 1 H4- Conhecer as características da velocidade síncrona e do escorregamento em um motor trifásico; H5- Conhecer as características do fator de potência de um motor de indução; H6- Conhecer as características

Leia mais

Disciplina: Máquinas e Automação Elétrica. Prof.: Hélio Henrique DIRETORIA DE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA COORDENAÇÃO DO CURSO DE ELETROTÉCNICA

Disciplina: Máquinas e Automação Elétrica. Prof.: Hélio Henrique DIRETORIA DE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA COORDENAÇÃO DO CURSO DE ELETROTÉCNICA DIRETORIA DE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA COORDENAÇÃO DO CURSO DE ELETROTÉCNICA Disciplina: Máquinas e Automação Elétrica Prof.: Hélio Henrique 1 INTRODUÇÃO 2 3 Introdução O gerador de CA é o meio mais importante

Leia mais

Introdução aos sistemas pneumáticos

Introdução aos sistemas pneumáticos PNEUMÁTICA O termo pneumática refere-se ao estudo e aplicação do ar comprimido. Produção Os principais tipos de compressores pneumáticos são o compressor volumétrico e o compressor dinâmico. Símbolo do

Leia mais

Dados técnicos. Polaridade de saída Intervalo seguro de comutação s a 0... 1,62 mm Factor de redução r Cu 0,2

Dados técnicos. Polaridade de saída Intervalo seguro de comutação s a 0... 1,62 mm Factor de redução r Cu 0,2 0102 Designação para encomenda Características 2 mm nivelado Pode ser aplicado até SIL 2 conforme IEC 61508 Dados técnicos Dados gerais Função do elemento de comutação Contacto de ruptura NAMUR Intervalo

Leia mais

Esquemas de ligação à Terra em baixa tensão

Esquemas de ligação à Terra em baixa tensão Esquemas de ligação à Terra em baixa tensão A escolha correcta dos elementos de protecção de uma instalação eléctrica, minimiza ou elimina por completo o risco de incêndio, explosão ou choques eléctricos

Leia mais

Série A válvulas normalmente fechadas ou abertas desde 3/8" até 3"

Série A válvulas normalmente fechadas ou abertas desde 3/8 até 3 Série A válvulas normalmente fechadas ou abertas desde /8" até " Aplicação: água, água quente e vapor Ligações G Orifício mm kv Factores caudal m /h Qmax Mín. Pressão diferencial admissível (bar) DC Máximo

Leia mais

RESPOSTAS 1 - Quais são os dois tipos de penetradores encontrados no ensaio de Dureza Rockwell?

RESPOSTAS 1 - Quais são os dois tipos de penetradores encontrados no ensaio de Dureza Rockwell? RESPOSTAS 1 - Quais são os dois tipos de penetradores encontrados no ensaio de Dureza Rockwell? Os penetradores utilizados na máquina de ensaio de dureza Rockwell são do tipo esférico (esfera de aço temperado)

Leia mais

Constituição das Máquinas Eléctricas

Constituição das Máquinas Eléctricas MÁQUINAS ELÉCTRICAS I 2003 / 2004 SE FEUP LEEC TLME1-1 Constituição das Máquinas Eléctricas 1. Introdução As máquinas eléctricas são constituídas por: circuitos eléctricos, circuito magnético e orgãos

Leia mais

Apresentação. Sistema de Recirculação Existem 2 sistemas de recirculação das esferas: Interno e Externo.

Apresentação. Sistema de Recirculação Existem 2 sistemas de recirculação das esferas: Interno e Externo. Apresentação A Bressane indústria Mecânica Ltda., fabrica dois tipos de Fusos de Esferas: Fusos Laminados e Fusos Retificados, com maior precisão de passo e tolerâncias mais apuradas. Realiza serviços

Leia mais

EFEITO FISIOLÓGICO DA CORRENTE ELÉTRICA PROTEÇÃO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

EFEITO FISIOLÓGICO DA CORRENTE ELÉTRICA PROTEÇÃO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EFEITO FISIOLÓGICO DA CORRENTE ELÉTRICA PROTEÇÃO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Os cabos elétricos da rede pública de energia que "transportam" a corrente elétrica até nossas casas são constituídos por três

Leia mais

Campo Magnético Girante de Máquinas CA

Campo Magnético Girante de Máquinas CA Apostila 3 Disciplina de Conversão de Energia B 1. Introdução Campo Magnético Girante de Máquinas CA Nesta apostila são descritas de forma sucinta as equações e os princípios relativos ao campo magnético

Leia mais

Capítulo 4 - Medição de rotação, torque e potência

Capítulo 4 - Medição de rotação, torque e potência Capítulo 5 - Medição de rotação, torque e potência 5.1 - Medição de rotação Os instrumentos usados para medir a velocidade angular de eixos rotativos são chamados tacômetros. Existem basicamente três tipos

Leia mais

INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO

INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO Sistemas de protecção contra sobretensões BT Características Elaboração: GTRPT Homologação: conforme despacho do CA de 2007-02-13 Edição: 1ª Emissão: EDP

Leia mais

Engenharia Biomédica ELECTRÓNICA UNIVERSIDADE DO MINHO ESCOLA DE ENGENHARIA. Ficha Técnica do trabalho prático: Aparelhos de Medida

Engenharia Biomédica ELECTRÓNICA UNIVERSIDADE DO MINHO ESCOLA DE ENGENHARIA. Ficha Técnica do trabalho prático: Aparelhos de Medida DEI 1/15 DEI 2/15 DEI 3/15 DEI 4/15 DEI 5/15 DEI 6/15 Elementos Constituintes Breve Descrição: DEI 7/15 6. PONTAS DE PROVA DO OSCILOSCÓPIO As pontas de prova do osciloscópio têm num extremo um conector

Leia mais

1 05 Voo o Ho H r o i r z i o z n o t n al, l, Voo o Pla l na n do, o, Voo o As A cend n ent n e Prof. Diego Pablo

1 05 Voo o Ho H r o i r z i o z n o t n al, l, Voo o Pla l na n do, o, Voo o As A cend n ent n e Prof. Diego Pablo 1 05 Voo Horizontal, Voo Planado, Voo Ascendente Prof. Diego Pablo 2 Voo Horizontal Sustentação (L) Arrasto (D) Tração (T) L = W T = D Peso (W) 3 Voo Horizontal Alta velocidade Baixa velocidade L Maior

Leia mais

Disjuntores Caixa Moldada

Disjuntores Caixa Moldada . Aplicação São usados em circuitos elétricos que exigem controle da corrente térmica e também no disparo magnético. Possuem faixas de ajuste da corrente térmica de 8 a % (,8~ In) facilitando a proteção

Leia mais

Processo de Soldadura Eléctrodos Revestidos 111

Processo de Soldadura Eléctrodos Revestidos 111 Processos de Soldadura Processo de Soldadura Eléctrodos Revestidos 111 Direcção de Formação Italo Fernandes Temas a tratar neste módulo Processos de Soldadura Eléctrodos Revestidos SER Designação EN ISO

Leia mais

v = velocidade média, m/s; a = aceleração média do corpo, m/s 2 ;

v = velocidade média, m/s; a = aceleração média do corpo, m/s 2 ; 1. Cinemática Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro Centro de Ciências e Tecnologias Agropecuárias - Laboratório de Engenharia Agrícola EAG 0304 Mecânica Aplicada Prof. Ricardo Ferreira

Leia mais

SEPARADOR COM REMOÇÃO AUTOMÁTICA DE GORDURAS E SÓLIDOS

SEPARADOR COM REMOÇÃO AUTOMÁTICA DE GORDURAS E SÓLIDOS SEPARADOR COM REMOÇÃO AUTOMÁTICA DE GORDURAS E SÓLIDOS Especificação técnica: Separador com remoção automática de gorduras e sólidos modelo Grease Shield gama AST ECO de montagem apoiada debaixo da bancada

Leia mais

Aparelhos de medida. São sete as unidades de base do SI, dimensionalmente independentes entre si, definidas para as

Aparelhos de medida. São sete as unidades de base do SI, dimensionalmente independentes entre si, definidas para as Aparelhos de medida UFCD: 1289 - Eletricidade e eletrónica - eletricidade Sistema Internacional de Unidades (S.I.) São sete as unidades de base do SI, dimensionalmente independentes entre si, definidas

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES MOTORES À PROVA DE EXPLOSÃO

MANUAL DE INSTRUÇÕES MOTORES À PROVA DE EXPLOSÃO MANUAL DE INSTRUÇÕES MOTORES À PROVA DE EXPLOSÃO INTRODUÇÃO Um motor à prova de explosão e, em particular, um motor à prova de chama, é um motor que é inerentemente seguro quando está a trabalhar em atmosferas

Leia mais

Máquinas de indução monofásicas

Máquinas de indução monofásicas Máquinas de indução monofásicas Gil Marques 2005 1 Conteúdo Introdução Constituição Princípio de funcionamento Circuito equivalente Características Métodos de arranque Condensador de arranque Enrolamento

Leia mais

CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO ENGENHARIA ELÉTRICA CADERNO DE QUESTÕES

CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO ENGENHARIA ELÉTRICA CADERNO DE QUESTÕES CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO ENGENHARIA ELÉTRICA CADERNO DE QUESTÕES 2011 1 a QUESTÃO Valor: 1,00 I II III IV V TEMPO MÉDIO DE TEMPO MÉDIO DE ATIVIDADES EXECUÇÃO EXECUÇÃO PRECEDENTES Normal

Leia mais

Índices de Proteção (IP)

Índices de Proteção (IP) COBERTURA PROTETORA DAS BUCHAS: Evita contatos acidentais e protege de possíveis arcos elétricos, além de impedir golpes e acúmulos de sujeira sobre as buchas de contato. BUCHAS DE CONTATO AUTOCENTRANTES:

Leia mais

APLICAÇÃO. Todos os conjuntos estão equipados com válvula de retenção na saída. CONSTITUIÇÃO

APLICAÇÃO. Todos os conjuntos estão equipados com válvula de retenção na saída. CONSTITUIÇÃO ELECTROBOMBAS SUBMERSÍVEIS DE 4 E 6 COM MOTOR FRANKLIN APLICAÇÃO As electrobombas submersíveis IDEAL DELTA de 4 e 6 são adequadas para a captação, pressurização e abastecimento de água em utilização doméstica,

Leia mais

Disjuntores Caixa Moldada Disparadores Térmico e Magnético Fixo SD

Disjuntores Caixa Moldada Disparadores Térmico e Magnético Fixo SD . Aplicação São usados principalmente em circuitos Hz, tensão de trabalho nominal até V, tripolares, disparadores térmico e magnético fixos e corrente de trabalho nominal de A até 0 A.. Características

Leia mais

CALDEIRA FOKOLUS TRADIÇÃO TECNOLOGICA

CALDEIRA FOKOLUS TRADIÇÃO TECNOLOGICA CALDEIRA FOKOLUS TRADIÇÃO TECNOLOGICA MODELO Potência Armazém de Autonomia Útil nominal lenha Kw l h FOKOLUS 20 20 70 5-7 FOKOLUS 30 33 125 5-7 FOKOLUS 40 42 165 5-7 A força do aço, e o calor da pedra

Leia mais

14/01/2010 CONSERVAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA CAP. 3 ESTUDOS DE CASOS CAP.3 ESTUDO DE CASOS CAP.3 ESTUDO DE CASOS. Mário C.G. Ramos

14/01/2010 CONSERVAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA CAP. 3 ESTUDOS DE CASOS CAP.3 ESTUDO DE CASOS CAP.3 ESTUDO DE CASOS. Mário C.G. Ramos CONSERVAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA CAP. 3 ESTUDOS DE CASOS Mário C.G. Ramos 1 CAP.3 ESTUDO DE CASOS Caso nº 1: Seleção de um motor elétrico adequado à potência mecânica exigida por um equipamento. A curva

Leia mais

Contatores de potência 3TF3. Relés de sobrecarga 3UA5. Para blocos aditivos de contatos auxiliares. Tabela de escolha.

Contatores de potência 3TF3. Relés de sobrecarga 3UA5. Para blocos aditivos de contatos auxiliares. Tabela de escolha. H Contatores de potência 3TF3 Para blocos aditivos de contatos auxiliares Tabela de escolha 3TF30 3TF31 3TF32 Tipo/execução de contatos auxiliares Tensão de comando (para completar o tipo qq) 3TF30 10-0Aqq

Leia mais

URE Sistemas de Ar Comprimido. URE - Sistemas de Ar Comprimido. 1

URE Sistemas de Ar Comprimido. URE - Sistemas de Ar Comprimido. 1 URE Sistemas de Ar Comprimido URE - Sistemas de Ar Comprimido. 1 Aplicação do ar comprimido (I) O ar comprimido é utilizado atualmente em larga escala nos mais diversos processos porque apresenta inúmeras

Leia mais

KD Unidades terminais de mistura de conduta dupla

KD Unidades terminais de mistura de conduta dupla série KD Unidades terminais de mistura de conduta dupla www.koolair.com Série KD 1 ÍNDICE Descrição 2 Execuções e dimensões 3 Quadros de selecção e codificação 4 2 Série KD Caixa mistura de conduta dupla,

Leia mais

Autotransformador 3Ø á Seco MANUAL DE INSTRUÇÕES

Autotransformador 3Ø á Seco MANUAL DE INSTRUÇÕES MANUAL DE INSTRUÇÕES Autotransformador 3Ø á Seco República Federativa do Brasil Rua Cel. Joaquim Marques, 1527 Distrito Industrial. Batatais SP Brasil CEP 14000-300. Fone: 55 (xx16) 3761-1212 Fax: 55 (xx16)

Leia mais

Transformadores de Potencial e Corrente. Técnico Concomitante em Eletroeletrônica Módulo 4 SIE Prof. Arthur G. Bartsch

Transformadores de Potencial e Corrente. Técnico Concomitante em Eletroeletrônica Módulo 4 SIE Prof. Arthur G. Bartsch Transformadores de Potencial e Corrente Técnico Concomitante em Eletroeletrônica Módulo 4 SIE Prof. Arthur G. Bartsch Sumário Conceitos importantes Transformadores de Corrente Transformadores de Potencial

Leia mais

IT INSTRUÇÃO DE TRABALHO

IT INSTRUÇÃO DE TRABALHO TÍTULO: IT INSTRUÇÃO DE TRABALHO Instrução para calibração de Simulador e Medidor de Sinais IT N.º : 040 1 OBJETIVO Sinais. Esta instrução tem por finalidade estabelecer um critério para a calibração de

Leia mais

Circuitos com Diodo. Prof. Jonathan Pereira

Circuitos com Diodo. Prof. Jonathan Pereira Circuitos com Diodo Prof. Jonathan Pereira Introdução Figura 1 Válvula hidráulica uidirecional 2 Sinal Senoidal Sinal elétrico alternado pode ser representado matematicamente

Leia mais

Laboratório. Máquinas Eléctricas. Sistemas Trifásicos medida de potência. Manuel Vaz Guedes. O wattímetro. Núcleo de Estudos de Máquinas Eléctricas

Laboratório. Máquinas Eléctricas. Sistemas Trifásicos medida de potência. Manuel Vaz Guedes. O wattímetro. Núcleo de Estudos de Máquinas Eléctricas Laboratório de áquinas Eléctricas istemas rifásicos medida de potência anuel Vaz Guedes úcleo de Estudos de áquinas Eléctricas FACULDADE DE EGEHAIA DA UIVEIDADE DO POO o estudo laboratorial das áquinas

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS TÉCNICO DE LABORATÓRIO MECÂNICA

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS TÉCNICO DE LABORATÓRIO MECÂNICA CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS TÉCNICO DE LABORATÓRIO MECÂNICA 26. Considere o desenho abaixo: Dentre as vista apresentadas a seguir, qual representa corretamente a elevação (vista frontal)? a) b) c) d) e)

Leia mais

MANUAL EXCALIBUR. As navalhas EXCALIBUR são fabricadas com uma liga de aço inoxidável endurecida com cromo (sem níquel).

MANUAL EXCALIBUR. As navalhas EXCALIBUR são fabricadas com uma liga de aço inoxidável endurecida com cromo (sem níquel). MANUAL EXCALIBUR As navalhas EXCALIBUR são fabricadas com uma liga de aço inoxidável endurecida com cromo (sem níquel). Este aço é resistente à corrosão e altamente resistente ao desgaste e à deformação.

Leia mais

FÍSICA - 1 o ANO MÓDULO 27 TRABALHO, POTÊNCIA E ENERGIA REVISÃO

FÍSICA - 1 o ANO MÓDULO 27 TRABALHO, POTÊNCIA E ENERGIA REVISÃO FÍSICA - 1 o ANO MÓDULO 27 TRABALHO, POTÊNCIA E ENERGIA REVISÃO Fixação 1) O bloco da figura, de peso P = 50N, é arrastado ao longo do plano horizontal pela força F de intensidade F = 100N. A força de

Leia mais

Modelo. Cat. N.º N.º *36962 310 5 / 8 2 1 / 4 2,86 1 36972 312 3. * Este produto tem dupla finalidade, sendo tanto no sistema métrico como decimal.

Modelo. Cat. N.º N.º *36962 310 5 / 8 2 1 / 4 2,86 1 36972 312 3. * Este produto tem dupla finalidade, sendo tanto no sistema métrico como decimal. Curvamento Alavancas Curvadoras Alavancas Curvadoras Curvadoras Série 300 Concebidas para curvar tubos de cobre macio até um máximo de 180. Os cabos distanciados revestidos com punhos eliminam o aperto

Leia mais

ELETRICIDADE INDUSTRIAL. Professor: Robson Vilela E-mail: nosbor001@hotmail.com

ELETRICIDADE INDUSTRIAL. Professor: Robson Vilela E-mail: nosbor001@hotmail.com ELETRICIDADE INDUSTRIAL Professor: Robson Vilela E-mail: nosbor001@hotmail.com O motor elétrico é uma máquina destinada a transformar energia elétrica em mecânica. É o mais usado de todos os tipos de motores,

Leia mais

Curso de Certificação de Projetista de Térmica- REH

Curso de Certificação de Projetista de Térmica- REH Nome: TODAS AS RESPOSTAS DEVERÃO SER JUSTIFICADAS Grupo 1 (7,5 valores) Considere as peças desenhadas anexas correspondentes ao projeto de uma moradia a construir no concelho de Alcochete, a uma altitude

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÃO (RESUMIDO)

MANUAL DE OPERAÇÃO (RESUMIDO) Antes de arrancar com o grupo gerador ler atentamente o manual anexo. Respeitar as normas e regras de segurança indicadas. RGK40 INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO Ler atentamente o manual anexo antes de operar este

Leia mais

APARELHOS DE ILUMINAÇÃO ELÉTRICA E ACESSÓRIOS

APARELHOS DE ILUMINAÇÃO ELÉTRICA E ACESSÓRIOS APARELHOS DE ILUMINAÇÃO ELÉTRICA E ACESSÓRIOS Ignitores para lâmpadas de descarga Características e ensaios Elaboração: DTI Homologação: conforme despacho do Ca de 2012-10-10 Edição: 3ª. Anula e substitui

Leia mais

APOSTILA MOTORES INDUÇÃO ASSÍNCRONOS

APOSTILA MOTORES INDUÇÃO ASSÍNCRONOS APOSTILA DE MOTORES DE INDUÇÃO ASSÍNCRONOS Disciplina: Motores de Indução assíncronos 0 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 02 MOTOR DE INDUÇÃO ASSÍNCRONO 04 PRINCÍPIO DE FUNCIONAMENTO 04 PARTES CONSTITUINTES 06 CONCEITOS

Leia mais

ÍNDICE DE REVISÕES DESCRIÇÃO E/OU FOLHAS ATINGIDAS

ÍNDICE DE REVISÕES DESCRIÇÃO E/OU FOLHAS ATINGIDAS CLIENTE: ÁREA: UNIFACS UNIVERSIDADE SALVADOR DISCIPLINA DE EXPRESSÃO GRÁFICA E PROJETOS CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA - ELETROTÉCNICA FOLHA: SEP: RLAM: ÍNDICE DE REVISÕES 1 de 18 Emissão original. DESCRIÇÃO

Leia mais

Especificação Disjuntores Baixa Tensão

Especificação Disjuntores Baixa Tensão Especificação Disjuntores Baixa Tensão Descrição: DISJUNTOR MICROPROCESSADO Local de Aplicação: QGBT Modelo: Fabricante: Fabricante Alternativo: Normas NBR-5361 / 8176, IEC-947-2 Aplicáveis Critério de

Leia mais

Reguladores de Velocidade

Reguladores de Velocidade Reguladores de Velocidade Introdução O regulador de velocidade controla a velocidade da turbina e portanto a frequência da tensão do gerador síncrono; Para que a velocidade seja mantida no valor desejado,

Leia mais

Difusor de Jato de Ar de Longo Alcance

Difusor de Jato de Ar de Longo Alcance 1/5/P/4 Difusor de Jato de Ar de ongo Alcance Série DUE TROX DO BRASI TDA. Rua Alvarenga, 2025 05509-005 São Paulo SP Fone: (11) 3037-3900 Fax: (11) 3037-3910 E-mail: trox@troxbrasil.com.br www.troxbrasil.com.br

Leia mais

Sdeck Composite - Perfil 175x25 mm

Sdeck Composite - Perfil 175x25 mm Sdeck Composite - Perfil 175x25 mm Ficha de Instalação 1. Indicações Genéricas 1.1. Transporte É necessário ter em consideração as disposições legais do país para onde pretende transportar o produto. Se

Leia mais

PREPARO DE GRÃOS DE SOJA PARA EXTRAÇÃO

PREPARO DE GRÃOS DE SOJA PARA EXTRAÇÃO PREPARO DE GRÃOS DE SOJA PARA EXTRAÇÃO Eng. Luiz Carlos Masiero L.C.Masiero Engenharia Industrial Jaú, SP Resumo: Se apresentam neste trabalho as considerações básicas do processo de preparação de grãos

Leia mais

ESTUDO DE UM CIRCUITO RC COMO FILTRO

ESTUDO DE UM CIRCUITO RC COMO FILTRO Departamento de Física da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa T6 Física Experimental I - 2007/08 ESTUDO DE UM CIRCUITO RC COMO FILTRO 1. Objectivo Estudo do funcionamento, em regime estacionário,

Leia mais

Conversão de Energia II

Conversão de Energia II Departamento de Engenharia Elétrica Aula 3.4 Motor de Indução Trifásico Prof. João Américo Vilela Torque x velocidade Rotores de Barras Profundas e Dupla Gaiola de Esquilo Com o rotor parado a frequência

Leia mais

FONTE DE ALIMENTAÇÃO CHAVEADA LINHA CH

FONTE DE ALIMENTAÇÃO CHAVEADA LINHA CH FONTE DE ALIMENTAÇÃO CHAVEADA LINHA CH Rev.: 2.00-08 Manual do usuário Fonte de Alimentação Chaveada MAN-DE-LINHA-CH Rev.: 2.00-08 Introdução Obrigado por ter escolhido nosso Erro! Fonte de referência

Leia mais

Protecção das instalações eléctricas. http://www.prof2000.pt/users/lpa

Protecção das instalações eléctricas. http://www.prof2000.pt/users/lpa Protecção das instalações eléctricas http://www.prof2000.pt/users/lpa Aparelhos de protecção Os aparelhos de protecção têm como função proteger todos os elementos que constituem uma instalação eléctrica

Leia mais

Programação Básica em Arduino Aula 7

Programação Básica em Arduino Aula 7 Programação Básica em Arduino Aula 7 Execução: Laboratório de Automação e Robótica Móvel Um capacitor ou condensador é um componente eletrônico composto por duas placas condutoras separadas por um material

Leia mais

Resumo. QM - propriedades mecânicas 1

Resumo. QM - propriedades mecânicas 1 Resumo tensão e deformação em materiais sólidos ensaios de tracção e dureza deformação plástica de materiais metálicos recristalização de metais encruados fractura fadiga fluência QM - propriedades mecânicas

Leia mais

Perturbação que se transmite de um ponto para o outro (que se propaga no espaço), transportando energia.

Perturbação que se transmite de um ponto para o outro (que se propaga no espaço), transportando energia. ONDAS O que é uma onda? Perturbação que se transmite de um ponto para o outro (que se propaga no espaço), transportando energia. Ondas ONDAS Electromagnéticas mecânicas Ondas Mecânicas Produzidas por perturbação

Leia mais

Curso DIMENSIONAMENTO DE MOTORES ELÉTRICOS

Curso DIMENSIONAMENTO DE MOTORES ELÉTRICOS Curso DIMENSIONAMENTO DE MOTORES ELÉTRICOS Responsável Prof. Ms. Leandro Momenté Almada Engenheiro Elétrico (UNESP), Mestre em Engenharia Elétrica (UNESP) e Docente Proposta O curso contempla noções sobre

Leia mais

INFORMATIVO DE PRODUTO

INFORMATIVO DE PRODUTO Botoeira / Acionador Manual Resetável - Acionamento Direto, Controle de Acesso, Combate e Alarme de Incêndio Código: AFAM3AM Os Acionadores Manuais ou Botoeiras de Acionamento Direto Para Combate de Incêndio,

Leia mais

AERADOR SUBMERSO Inject-Air - Série ASI

AERADOR SUBMERSO Inject-Air - Série ASI Indústria e Comércio de Bombas D Água Beto Ltda Manual de Instruções AERADOR SUBMERSO Inject-Air - Série ASI Parabéns! Nossos produtos são desenvolvidos com a mais alta tecnologia Bombas Beto. Este manual

Leia mais

5. TRANSFORMADORES DE POTENCIAL PARA SERVIÇOS AUXILIARES Isolamento em papel-óleo Isolamento a gás

5. TRANSFORMADORES DE POTENCIAL PARA SERVIÇOS AUXILIARES Isolamento em papel-óleo Isolamento a gás 5. TRANSFORMADORES DE POTENCIAL PARA SERVIÇOS AUXILIARES Isolamento em papel-óleo Isolamento a gás Transformador para serviços auxiliares da subestação modelo UTP de 245 kv. Coyote Switch (EUA). 42 INTRODUÇÃO

Leia mais

Problemas de Mecânica e Ondas 8

Problemas de Mecânica e Ondas 8 Problemas de Mecânica e Ondas 8 P 8.1. ( Introdução à Física, J. Dias de Deus et. al. ) a) A figura representa uma onda aproximadamente sinusoidal no mar e uma boia para prender um barco, que efectua 10

Leia mais

Como especificar um TTA: Conceitos e dúvidas mais frequentes.

Como especificar um TTA: Conceitos e dúvidas mais frequentes. QUADROS ELÉTRICOS DESDE 1971 Como especificar um TTA: Conceitos e dúvidas mais frequentes. Eng. Nunziante Graziano, Msc. Gerente de Projetos e Desenvolvimento ÍNDICE Apresentação Normas de referência Definições

Leia mais

Especificação Técnica. Fresadora a frio W 35 DC

Especificação Técnica. Fresadora a frio W 35 DC Especificação Técnica Fresadora a frio W 35 DC Especificação Técnica Fresadora a frio W 35 DC Largura de fresagem máx. Profundidade de fresagem * 1 350 mm (opcionalmente 500 mm) 0 110 mm Tambor fresador

Leia mais

Sistema elétrico. Geração Transmissão Transformação

Sistema elétrico. Geração Transmissão Transformação Sistema elétrico O sistema elétrico está formado pelo conjunto de estruturas e obras civis responsáveis por enviar energia elétrica aos consumidores O sistema elétrico está dividido em 3 partes principais

Leia mais

Motor Monofásico de Indução

Motor Monofásico de Indução Máquinas Elétricas Professor: Michel Turma: EE7P30/EE8P30 Turno: Noturno Componentes: Anderson Maia de Oliveira RA: A199JH-8 Alessandro de O. Aguiar RA: 187239-7 Celismar Donizete Hortêncio RA: 325599-9

Leia mais

Circuito Elétrico - I

Circuito Elétrico - I 1 1. Um resistor de 32 ohms é ligado em paralelo a outro resistor de 20 ohms e o conjunto é ligado a uma fonte de tensão de 12VDC. a) Qual é a resistência da ligação em paralelo? b) Qual é a corrente total

Leia mais

Dimensionamento de um sistema fotovoltaico. Fontes alternativas de energia - dimensionamento de um sistema fotovoltaico 1

Dimensionamento de um sistema fotovoltaico. Fontes alternativas de energia - dimensionamento de um sistema fotovoltaico 1 Dimensionamento de um sistema fotovoltaico Fontes alternativas de energia - dimensionamento de um sistema fotovoltaico 1 Sistemas fotovoltaicos Geralmente são utilizado em zonas afastadas da rede de distribuição

Leia mais

Chaves Comutadoras Rotativas

Chaves Comutadoras Rotativas Chaves Comutadoras Rotativas Chave Tipo Comutador Tipo Chave Tipo Fixação RT/ B0 Este item fine a capacida e o tamanho da chave Este item fine o programa fechamento dos contatos Este item fine como o comutador

Leia mais

aplicada no outro bloco exceder o valor calculado na alínea 4.1? R: 16 N; 2 ms -2 ; 1 ms -2

aplicada no outro bloco exceder o valor calculado na alínea 4.1? R: 16 N; 2 ms -2 ; 1 ms -2 Engenharia Electrotécnica e de Computadores Exercícios de Física Ficha 6 Dinâmica do Ponto Material Capítulo 3 no lectivo 2010-2011 Conhecimentos e capacidades a adquirir pelo aluno plicação dos conceitos

Leia mais

Instalações Elétricas de BT I. Odailson Cavalcante de Oliveira

Instalações Elétricas de BT I. Odailson Cavalcante de Oliveira Instalações Elétricas de BT I Odailson Cavalcante de Oliveira Componentes das instalações Componente: podem ser materiais, acessórios, dispositivos, instrumentos, equipamentos, máquinas, conjuntos, partes

Leia mais

Lavadora e Secadora Compactas BR 530. Acessórios de Série: Escova cilíndrica Sistema depósito em depósito. Informações técnicas

Lavadora e Secadora Compactas BR 530. Acessórios de Série: Escova cilíndrica Sistema depósito em depósito. Informações técnicas Lavadora e Secadora Compactas BR 530 Lavadora de pisos acionada manualmente com escovas rotativas para limpezas básicas, manutenção da limpeza e polimento de superficies de até 1.840 m2. Acessórios de

Leia mais

RUPES LHR 12E DUETTO

RUPES LHR 12E DUETTO RUPES LHR 12E DUETTO 2. 1. Rupes LHR 12E Duetto para o acabamento perfeito! Rupes LHR 12E Duetto Polidora Roto Orbital Kit Deluxe é o exemplo perfeito do que acontece quando uma empresa chave dá ouvidos

Leia mais

Um mecânico recém-formado foi admitido

Um mecânico recém-formado foi admitido A U A UL LA Junções III Introdução Um mecânico recém-formado foi admitido para trabalhar numa indústria de máquinas agrícolas. O supervisor o encaminhou à área de montagem de comandos e sistemas hidráulicos.

Leia mais

A.L. 0.1 RENDIMENTO NO AQUECIMENTO

A.L. 0.1 RENDIMENTO NO AQUECIMENTO A.L. 0.1 RENDIMENTO NO AQUECIMENTO FÍSICA 10.ºANO QUESTÃO-PROBLEMA Como poderemos aumentar o rendimento no aquecimento, quando cozinhamos? Esta actividade laboratorial está integrada no módulo inicial

Leia mais

HÉGOA DFC. climatização água gelada & bombas de calor. Ventilo-convectores > ventilo-convectores. para condutas. p. 705

HÉGOA DFC. climatização água gelada & bombas de calor. Ventilo-convectores > ventilo-convectores. para condutas. p. 705 climatização água gelada Ventilo-convectores > ventilo-convectores HÉGOA DFC ventilo-convector para instalação em tecto falso Filtro: - Filtro lavável em fibras sintéticas de polipropileno. - Classe gravimétrica

Leia mais

Bloco de tomadas para jardim com estaca

Bloco de tomadas para jardim com estaca Bloco de tomadas para jardim com estaca PT Manual de instruções GS 2 DE GS 4 DE Importante: leia e guarde este manual de instruções. Respeite as instruções de segurança. Índice Página 1 Introdução...37

Leia mais

PROPRIEDADES DOS FLUÍDOS

PROPRIEDADES DOS FLUÍDOS NATAÇÃO I Fundamentos do Desporto PROPRIEDADES DOS FLUÍDOS Fluidez e noção de fluxo Compressibilidade e incompressibilidade Massa específica, peso volúmico e densidade Viscosidade, fluidos reais e fluidos

Leia mais

INSTRUÇÕES GERAIS. Edital 072/2011 - Área 12 Controle e Processos Industriais BOA PROVA! CAMPUS PELOTAS PELOTAS

INSTRUÇÕES GERAIS. Edital 072/2011 - Área 12 Controle e Processos Industriais BOA PROVA! CAMPUS PELOTAS PELOTAS CAMPUS PELOTAS PELOTAS INSTRUÇÕES GERAIS 1 - Este caderno de prova é constituído por 40 (quarenta) questões objetivas. 2 - A prova terá duração máxima de 04 (quatro) horas. 3 - Para cada questão são apresentadas

Leia mais

Clique para editar o estilo do título mestre

Clique para editar o estilo do título mestre Máquinas simples Dispositivo que proporciona uma vantagem mecânica. Alavancas Máquinas simples Polias ou roldanas Plano inclinado Alavancas Dê-me uma alavanca com um ponto de apoio e moverei o mundo. Alavancas

Leia mais

Guia Linear. Tamanho. Curso 07 20. Patins. Características Técnicas Material das guias DIN 58 CrMoV4 Material dos patins DIN 16 MnCr5

Guia Linear. Tamanho. Curso 07 20. Patins. Características Técnicas Material das guias DIN 58 CrMoV4 Material dos patins DIN 16 MnCr5 Guias Lineares - Série GH G H Guia Linear - Guia Linear Tamanho Curso 07 20 Máx. 4000mm 09 25 12 35 Exemplo: GH20-200 15 45 GH35-100 Patins G H P - Guia Linear Tamanho 07 20 09 25 12 35 15 45 Patins ---

Leia mais

COMPANHIA ENERGÉTICA DE MINAS GERAIS

COMPANHIA ENERGÉTICA DE MINAS GERAIS COMPANHIA ENERGÉTICA DE MINAS GERAIS ATO REGULATÓRIO: Consulta Pública CP nº 004/2014 AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL EMENTA: Obter subsídios com vistas ao aprimoramento do novo procedimento

Leia mais

1) Cálculo do tempo de subida do objeto: V y. = V 0y. + γt s 0 = 4 10t s. t s. = 0,4s. 2) Cálculo do tempo total de vôo : t total.

1) Cálculo do tempo de subida do objeto: V y. = V 0y. + γt s 0 = 4 10t s. t s. = 0,4s. 2) Cálculo do tempo total de vôo : t total. 46 e FÍSICA No interior de um ônibus que trafega em uma estrada retilínea e horizontal, com velocidade constante de 90 km/h, um passageiro sentado lança verticalmente para cima um pequeno objeto com velocidade

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES

MANUAL DE INSTRUÇÕES MANUAL DE INSTRUÇÕES Micro Solda Ponto EW600C: Muito obrigado por você ter optado pelo nosso aparelho e ter aceitado estabelecer uma relação de confiança conosco! Estamos seguros que logo você perceberá

Leia mais

Boletim Informativo 066/2011 de 21/02/2013 REV 03

Boletim Informativo 066/2011 de 21/02/2013 REV 03 Boletim Informativo 066/2011 de 21/02/2013 REV 03 PRODUTO: Grampo Pneumático Ø 63mm, com ângulo de abertura regulável A série do Grampo Pneumático é prática, econômica e de fácil aplicação. O Grampo é

Leia mais

lubrificação. A extrusora de plástico de uma empresa Propriedades dos lubrificantes

lubrificação. A extrusora de plástico de uma empresa Propriedades dos lubrificantes A UU L AL A Lubrificação I A extrusora de plástico de uma empresa começou a apresentar funcionamento irregular. Depois de examiná-la, um funcionário descobriu que ela estava com o mancal danificado. O

Leia mais

Na Fogo Montanha todo o cuidado que colocamos nos nossos equipamentos parece-nos sempre pouco. O detalhe é o que nos distingue.

Na Fogo Montanha todo o cuidado que colocamos nos nossos equipamentos parece-nos sempre pouco. O detalhe é o que nos distingue. Na Fogo Montanha todo o cuidado que colocamos nos nossos equipamentos parece-nos sempre pouco. O detalhe é o que nos distingue. Desfrute do nosso catálogo e sinta a qualidade dos nossos produtos. Perceba

Leia mais

Funções para limitação de velocidade do veículo

Funções para limitação de velocidade do veículo Informações gerais sobre as funções Informações gerais sobre as funções A Scania oferece três funções para a limitação de velocidade. As funções são usadas para atender a requisitos de clientes e estatutários,

Leia mais

A INFLUÊNCIA DO DIMENSIONAMENTO CORRETO DOS TRANSFORMADORES NA CONSERVAÇÃO DA ENERGIA

A INFLUÊNCIA DO DIMENSIONAMENTO CORRETO DOS TRANSFORMADORES NA CONSERVAÇÃO DA ENERGIA A INFLUÊNCIA DO DIMENSIONAMENTO CORRETO DOS TRANSFORMADORES NA CONSERVAÇÃO DA ENERGIA Antonio Soares Pereto Engenheiro Industrial - modalidade Elétrica pela FEI (1969). Pósgraduado em Administração de

Leia mais

BOMBAS DE CALOR PARA AQUECIMENTO

BOMBAS DE CALOR PARA AQUECIMENTO BOMBAS DE CALOR PARA AQUECIMENTO ATLANTIC EM AQUECIMENTO ALFÉA EXCELLIA ALFÉA EXTENSA + ALFÉA EXCELLIA DUO ALFÉA EXTENSA DUO + ALFÉA HYBRID DUO PANAMÁ ACCESS ARC 7 BOMBAS DE CALOR PARA AQUECIMENTO AEROTERMIA

Leia mais

COMUNICAÇÃO DE INFORMAÇÃO A CURTAS DISTÂNCIAS

COMUNICAÇÃO DE INFORMAÇÃO A CURTAS DISTÂNCIAS LOGO FQA COMUNICAÇÃO DE INFORMAÇÃO A CURTAS DISTÂNCIAS Propagação de um sinal Energia e velocidade de propagação (modelo ondulatório) Transmissão de sinais Sinal - é qualquer espécie de perturbação que

Leia mais

Contatores de potência 3TF4, 3TF5, 3TF6 Relés de sobrecarga 3UA5, 3UA6, 3UA4, 3RB12

Contatores de potência 3TF4, 3TF5, 3TF6 Relés de sobrecarga 3UA5, 3UA6, 3UA4, 3RB12 es de potência TF, TF, TF Relés de sobrecarga UA, UA, UA, RB Linha de es de potência TF (com Marca de conformidade UCIEE - União Certificadora da indústria Eletro Eletrônica) e Relés de sobrecarga UA.

Leia mais

UMC CURSO BÁSICO DE ENGENHARIA EXERCÍCIOS DE ELETRICIDADE BÁSICA. a 25º C e o coeficiente de temperatura α = 0,004Ω

UMC CURSO BÁSICO DE ENGENHARIA EXERCÍCIOS DE ELETRICIDADE BÁSICA. a 25º C e o coeficiente de temperatura α = 0,004Ω rof. José oberto Marques UMC CUSO BÁSCO DE ENGENHAA EXECÍCOS DE ELETCDADE BÁSCA 1) Um condutor de eletricidade de cobre tem formato circular 6mm de diâmetro e 50m de comprimento. Se esse condutor conduz

Leia mais

EME610 - Sistemas Hidropneumáticos Hidráulica 2

EME610 - Sistemas Hidropneumáticos Hidráulica 2 UNIFEI EME610 - Sistemas Hidropneumáticos Hidráulica 2 Elevador/Macaco hidráulico (Hydraulic Jack) Aula 02 Prof. José Hamilton Chaves Gorgulho Júnior Elevador/Macaco hidráulico (Hydraulic Jack) Elevador/Macaco

Leia mais

Padrão de entrada para baixa tensão 380/220v

Padrão de entrada para baixa tensão 380/220v Padrão de entrada para baixa tensão 380/220v DESENHO 1: padrão ligação monofásica - instalação na parede com ramal de entrada aéreo, edificação do mesmo lado da rede e na divisa com o passeio público.

Leia mais

5º Capítulo: Transformação de polímeros

5º Capítulo: Transformação de polímeros 5º Capítulo: Transformação de polímeros Tecnologias de transformação de termoplásticos Moldação por Injecção Extrusão Extrusão de filme tubular Extrusão de filme e folha Calandragem Termoformação Moldação

Leia mais

Carga elétrica, condutores e isolantes, unidades de medida, v, i, potência e energia

Carga elétrica, condutores e isolantes, unidades de medida, v, i, potência e energia Carga elétrica, condutores e isolantes, unidades de medida, v, i, potência e energia 1) Uma minúscula esfera de metal que contém 1,075.10²² átomos está com uma falta de elétrons de 3,12.10 18 elétrons.

Leia mais