Emprego de lignosulfonato de cálcio para estabilização química de solos do Rio Grande do Sul

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Emprego de lignosulfonato de cálcio para estabilização química de solos do Rio Grande do Sul"

Transcrição

1 Autores: Daniel Henrique Schwendler Mariana da Silva Carretta João Rodrigo Guerreiro Mattos Emprego de lignosulfonato de cálcio para estabilização química de solos do Rio Grande do Sul

2 INTRODUÇÃO OBJETIVO METODOLOGIA RESULTADOS CONSIDERAÇÕES FINAIS 2

3 ESTRADAS NO BRASIL 14% [PO RCE NTA G Pavimentadas Não pavimentadas 3

4 PAVIMENTAÇÃO ASFÁLTICA CUSTOS x PRESERVAÇÃO AMBIENTAL 4

5 FOCO DA PESQUISA Busca de um meio alternativo e de baixo custo de implantação para estabilização LIGNOSULFONATO de solos aplicados DE CÁLCIO em estradas 5

6 LIGNOSULFONATO DE CÁLCIO Sal derivado da lignina composto da madeira obtido a partir de uma fonte renovável MADEIRA DE REFLORESTAMENTO Rejeito da celulose Biodegradável 6

7 INTRODUÇÃO OBJETIVO METODOLOGIA RESULTADOS CONSIDERAÇÕES FINAIS 7

8 OBJETIVO Verificar a viabilidade do uso do lignosulfonato de cálcio para estabilização de solos utilizados no leito das estradas vicinais dos municípios de Cruzeiro do Sul-RS e Cachoeira do Sul-RS. Solo A Cruzeiro do Sul - RS Solo B Cachoeira do Sul - RS 8

9 INTRODUÇÃO OBJETIVO METODOLOGIA RESULTADOS CONSIDERAÇÕES FINAIS 9

10 METODOLOGIA CARACTERIZAÇÃO FÍSICA Massa específica dos grãos do solo Análise granulométrica Peneiramento Sedimentação Curva Granulométrica Limites de Atterberg Limite de Liquidez (LL) Limite de Plasticidade (LP) IP Classificação do Solo SUCS AASHTO 10

11 METODOLOGIA CARACTERIZAÇÃO MECÂNICA Ensaio de Compactação ISC 11

12 METODOLOGIA DEFINIÇÃO DOS TEORES DE ADITIVO Ensaios de ph 12

13 METODOLOGIA MOLDAGEM DOS CORPOS DE PROVA Cp s 50 mm x 100 mm 13

14 METODOLOGIA ARMAZENAMENTO DOS CORPOS DE PROVA Armazenamento em câmara úmida 14

15 METODOLOGIA ENSAIOS DE RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO SIMPLES 15

16 INTRODUÇÃO OBJETIVO METODOLOGIA RESULTADOS CONSIDERAÇÕES FINAIS 16

17 RESULTADOS CARACTERIZAÇÃO FÍSICA Solo A Solo B Massa específica dos grãos do solo (g/cm³) 2,71 2,63 Limite de liquidez (LL) 33,70% 33,50% Limite de Plasticidade (LP) 16,70% 22,80% Índice de Plasticidade (IP) 17,00% 10,70% 17

18 Porcentagem que passa 100 Solo A: RESULTADOS CARACTERIZAÇÃO FÍSICA Areia (0,06 mm < f 2 mm): 66%; Silte (0,002 mm < f 0,06 mm): 7%; 60 Argila 50 (f 0,002 mm): 27% Solo B: Pedregulho (2 mm< f 60 mm): 20% Areia (0,06 mm < f 2 mm): 52%; 0 0,00 0,01 0,10 1,00 10,00 100,00 Diâmetro dos Grãos (mm) Silte (0,002 mm < f 0,06 mm): 4%; Argila (f 0,002 mm): 24% Solo A Solo B 18

19 RESULTADOS CLASSIFICAÇÃO Solo A AASHTO A6 (4) Solo argiloso SUCS CL Argila de baixa plasticidade arenosa Solo B A2-6 (1) Solo arenoso SC Areia argilosa 19

20 RESULTADOS CARACTERIZAÇÃO MECÂNICA Wót g d ISC Expansão Solo A 15,75% 1,78 g/cm³ 13,20% 6,30% Solo B 13,50% 1,88 g/cm³ 10,50% 16,50% 20

21 RESULTADOS DEFINIÇÃO DAS DOSAGENS 1,5 % 3,0 % 6,0 % 21

22 RESULTADOS TEMPOS DE CURA 14 dias 28 dias 22

23 Resistência média à compressão simples (kpa) RESULTADOS RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO SIMPLES SOLO A ,15 Ganho de resistência de 37% 862,19 (para 3%) em relação ao solo puro aos 783,19 14 dias; Aumento da resistência ao longo do 498,08 tempo de cura; ,16 Aos 28 dias em relação ao solo 365,83 puro: 376,14 285, ,5% - ganho de 132% 3% - ganho de 145% 6% - ganho de 160% Tempo de cura (dias) 0,0% 1,5% 3,0% 6,0% 23

24 Resistência média à compressão simples (kpa) RESULTADOS RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO SIMPLES SOLO B Ganho de resistência devido à sucção (cp s solo puro); 600 Valores 543,59 variáveis com o acréscimo de aditivo; 472, ,19 324,61 381,29 410,49 Impossibilidade de considerar 317,74 solo B 200com bom comportamento. 260,20 0,0% 1,5% 3,0% 6,0% Tempo de cura (dias) 24

25 INTRODUÇÃO OBJETIVO METODOLOGIA RESULTADOS CONSIDERAÇÕES FINAIS 25

26 CONSIDERAÇÕES FINAIS QUANTO À PRESENÇA DA SUCÇÃO Cp s submetidos à imersão 26

27 CONSIDERAÇÕES FINAIS FORMAÇÃO DE FUNGOS Condição anaeróbica possibilita a formação de fungos 27

28 CONSIDERAÇÕES FINAIS Resistência do solo estabilizado > Resistência do solo puro Viabilidade do uso do lignosulfonato para estabilização para o solo A Cruzeiro do Sul RS; Melhores resultados para o teor de 1,5% do ponto de vista técnico financeiro. Além de atribuir resistência, o lignosulfonato pode contribuir para redução da poeira; Devido à discrepância dos valores, considera-se os resultados de resistência à compressão simples do solo B inconclusivos. 28

29 OBRIGADA! 29

Caracterização / Limites de Consistências

Caracterização / Limites de Consistências Caracterização / Limites de Consistências 28/05/2013 Prof. Patrício Pires patricio.pires@gmail.com Caracterização Granulométrica 2 Número Nome Obs. NBR-6502 Rochas e solos Terminologia NBR-13441 Rochas

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO. Preparação de amostras para ensaios de compactação, caracterização e teor de umidade

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO. Preparação de amostras para ensaios de compactação, caracterização e teor de umidade ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 1 Total de Folhas: 8 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO ALPHAGEOS TECNOLOGIA APLICADA S/A ALPHAGEOS TECNOLOGIA

Leia mais

Plasticidade é a maior ou menor capacidade dos solos de serem moldados, sob certas condições de umidade, sem variação do volume.

Plasticidade é a maior ou menor capacidade dos solos de serem moldados, sob certas condições de umidade, sem variação do volume. 1 Plasticidade e Consistência dos solos 1 - Plasticidade 2 - Limites de consistência: - Limite de Liquidez - Limite de Plasticidade - Limite de Contração 3 - Índice de Plasticidade 4 - Índice de Consistência

Leia mais

Classificação dos Solos do Ponto de Vista da Engenharia

Classificação dos Solos do Ponto de Vista da Engenharia GEOTÉCNICA Classificação dos Solos do Ponto de Vista da Engenharia T.M.P. de Campos (2011) Tamanho de Grãos Matacão Calhau Pedregulho > 200mm 60 < < 200mm 2 < < 60mm Areia Silte Argila 0,06 < < 2mm 0,002

Leia mais

Solo-cimento UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL. SNP38D53 Técnicas de Melhoramento de Solos

Solo-cimento UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL. SNP38D53 Técnicas de Melhoramento de Solos UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL SNP38D53 Técnicas de Melhoramento de Solos Solo-cimento Prof.: Flavio A. Crispim (FACET/SNP-UNEMAT) SINOP - MT 2015 Técnicas de melhoramento

Leia mais

REDUÇÃO DE IMPACTOS AMBIENTAIS CAUSADOS POR RESÍDUOS SÓLIDOS ORIUNDOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL PELO USO EM PAVIMENTAÇÃO

REDUÇÃO DE IMPACTOS AMBIENTAIS CAUSADOS POR RESÍDUOS SÓLIDOS ORIUNDOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL PELO USO EM PAVIMENTAÇÃO REDUÇÃO DE IMPACTOS AMBIENTAIS CAUSADOS POR RESÍDUOS SÓLIDOS ORIUNDOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL PELO USO EM PAVIMENTAÇÃO Bismak Oliveira de Queiroz Graduando em Engenharia civil pela Universidade Federal da

Leia mais

Limites de Consistência. Limites de Consistência. Marcio Varela

Limites de Consistência. Limites de Consistência. Marcio Varela Limites de Consistência Limites de Consistência Marcio Varela Limites de Consistência Introdução O comportamento dos solos finos irá depender de diversos fatores, tais como: como sua composição química

Leia mais

Técnicas de construção Profa. Keila Bento TIJOLOS CERÂMICOS

Técnicas de construção Profa. Keila Bento TIJOLOS CERÂMICOS Técnicas de construção Profa. Keila Bento TIJOLOS CERÂMICOS TIPOS DE TIJOLOS PARA ALVENARIA 1 - Tijolos maciços cerâmicos 2 - Tijolos de solo cimento 1 - TIJOLOS MACIÇOS Definições Componente industrializado

Leia mais

Mecânica dos Solos. FSP Avaré Prof. Fabio Tonin

Mecânica dos Solos. FSP Avaré Prof. Fabio Tonin Mecânica dos Solos FSP Avaré Prof. Fabio Tonin Mecânica dos Solos REVISÃO: CONCEITOS DE SOLOS solo Palavra oriunda do latim solum Na língua portuguesa, terreno sobre que se constrói ou se anda; chão, pavimento.

Leia mais

Solo-betume UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL. SNP38D53 Técnicas de Melhoramento de Solos

Solo-betume UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL. SNP38D53 Técnicas de Melhoramento de Solos UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL SNP38D53 Técnicas de Melhoramento de Solos Solo-betume Prof.: Flavio A. Crispim (FACET/SNP-UNEMAT) SINOP - MT 2015 Técnicas de melhoramento

Leia mais

Granulometria do Solo

Granulometria do Solo LSO 310- Física do Solo Definição de solo GRANULOMETRIA E TEXTURA DO SOLO Conjunto de corpos naturais composto de uma mistura variável de minerais intemperizados ou não e de matéria orgânica que cobre

Leia mais

MECÂNICA DO SOLO Estudo do comportamento de engenharia do solo quando este é usado ou como material de construção ou como material de fundação

MECÂNICA DO SOLO Estudo do comportamento de engenharia do solo quando este é usado ou como material de construção ou como material de fundação BIOENGENHARIA DE SOLOS ENGENHARIA NATURAL NOÇÕES DE MECÂNICA DOS SOLOS APLICADA A TALUDES E MARGENS DE CURSOS D ÁGUA IGOR PINHEIRO DA ROCHA ENGENHEIRO FLORESTAL, M.Sc. MECÂNICA DO SOLO Estudo do comportamento

Leia mais

Caracterização táctil visual, Granulometria e determinação do Teor de umidade

Caracterização táctil visual, Granulometria e determinação do Teor de umidade Caracterização táctil visual, Granulometria e determinação do Teor de umidade 28/05/2013 Prof. Patrício Pires patricio.pires@gmail.com Caracterização Táctil Visual 2 Amplamente utilizado; Engenharia civil;

Leia mais

MECÂNICA DOS SOLOS I 1º RELATÓRIO GRUPO 2 TURMA C 3

MECÂNICA DOS SOLOS I 1º RELATÓRIO GRUPO 2 TURMA C 3 UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE TRANSPORTES E GEOTECNIA MECÂNICA DOS SOLOS I 1º RELATÓRIO GRUPO 2 TURMA C 3 Gustavo Lima Marina Quirino Marlon Xavier Olívia Ianhez 13/03/2008

Leia mais

6.2 MELHORAMENTO DAS CARACTERÍSTICAS DE GRANULOMETRIA E PLASTICIDADE

6.2 MELHORAMENTO DAS CARACTERÍSTICAS DE GRANULOMETRIA E PLASTICIDADE Melhoramento dos Solos com a Adição de Cal Análise dos Resultados Obtidos 6.1 INTRODUÇÃO Neste capítulo são apresentados e analisados os resultados obtidos nos ensaios destinados a avaliar os efeitos da

Leia mais

Compacidade das areias e Limites de Atterberg

Compacidade das areias e Limites de Atterberg Conceitos Básicos P.P. (2011) GEOTÉCNIA Compacidade das areias e Limites de Atterberg Introdução (revisão) Mineralogia: argila se caracterizam por seu tamanho muito pequeno e sua atividade elétrica superficial

Leia mais

INTRODUÇÃO COLETA E PREPARAÇÃO DE AMOSTRAS

INTRODUÇÃO COLETA E PREPARAÇÃO DE AMOSTRAS INTRODUÇÃO COLETA E PREPARAÇÃO DE AMOSTRAS 21/05/2013 Prof. Patrício Pires patricio.pires@gmail.com 2 21 28 4 11 Dia / Mês Plano de Curso 2013/1 Apresentação do Curso. Coleta e preparação de amostras.

Leia mais

Apresentação da Disciplina

Apresentação da Disciplina MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO I Apresentação da Disciplina MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO 1 APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA 1 O CURSO Aborda e discute temas relacionados à caracterização de propriedades e aplicação de materiais

Leia mais

ME-16 MÉTODOS DE ENSAIO MOLDAGEM DE CORPOS-DE-PROVA DE SOLO-CIMENTO

ME-16 MÉTODOS DE ENSAIO MOLDAGEM DE CORPOS-DE-PROVA DE SOLO-CIMENTO ME-16 MÉTODOS DE ENSAIO MOLDAGEM DE CORPOS-DE-PROVA DE SOLO-CIMENTO DOCUMENTO DE CIRCULAÇÃO EXTERNA 1 ÍNDICE PÁG. 1. INTRODUÇÃO...3 2. OBJETIVO...3 3. S E NORMAS COMPLEMENTARES...3 4. APARELHAGEM...4 5.

Leia mais

III-023 AVALIAÇÃO DA PERMEABILIDADE DA BARREIRA DE PROTEÇÃO DA FUNDAÇÃO DO ATERRO SANITÁRIO DE PIRAÍ

III-023 AVALIAÇÃO DA PERMEABILIDADE DA BARREIRA DE PROTEÇÃO DA FUNDAÇÃO DO ATERRO SANITÁRIO DE PIRAÍ III-023 AVALIAÇÃO DA PERMEABILIDADE DA BARREIRA DE PROTEÇÃO DA FUNDAÇÃO DO ATERRO SANITÁRIO DE PIRAÍ Elisabeth Ritter (1) Engenheira Civil pela Escola de Engenharia da UFRGS. Mestre em Engenharia Civil

Leia mais

ESTUDO DA UTILIZAÇÃO DE AGREGADOS RECICLADOS DE CONCRETO NA FABRICAÇÃO DE TIJOLOS PRENSADOS DE SOLO-CIMENTO

ESTUDO DA UTILIZAÇÃO DE AGREGADOS RECICLADOS DE CONCRETO NA FABRICAÇÃO DE TIJOLOS PRENSADOS DE SOLO-CIMENTO ESTUDO DA UTILIZAÇÃO DE AGREGADOS RECICLADOS DE CONCRETO NA FABRICAÇÃO DE TIJOLOS PRENSADOS DE SOLO-CIMENTO Márcia Ikarugi B. de Souza (1); Antonio Anderson S. Segantini (2); João Paulo Nobre da Silva

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO GEOTÉCNICA: CARACTERIZAÇÃO DO SOLO DO BAIRRO VILA ISABEL NO MUNICÍPIO DE ITAJUBÁ MG

CLASSIFICAÇÃO GEOTÉCNICA: CARACTERIZAÇÃO DO SOLO DO BAIRRO VILA ISABEL NO MUNICÍPIO DE ITAJUBÁ MG CLASSIFICAÇÃO GEOTÉCNICA: CARACTERIZAÇÃO DO SOLO DO BAIRRO VILA ISABEL NO MUNICÍPIO DE ITAJUBÁ MG (1) Marcela Ribeiro Gomes, marcelaribeiro.mah@hotmail.com (2) Mário Vitor Pinheiro, mariovitorpinheiro@hotmail.com

Leia mais

CERNE ISSN: 0104-7760 cerne@dcf.ufla.br Universidade Federal de Lavras Brasil

CERNE ISSN: 0104-7760 cerne@dcf.ufla.br Universidade Federal de Lavras Brasil CERNE ISSN: 0104-7760 cerne@dcf.ufla.br Universidade Federal de Lavras Brasil Fernandes C. M., Dalila; Machado C., Carlos; Lima C., Dario; I., Jucksch; Pereira S., Reginaldo Emprego de misturas solo-alcatrão

Leia mais

PROPRIEDADES FÍSICAS (massa específica, massa unitária, inchamento) Profa. Dra. Geilma Lima Vieira

PROPRIEDADES FÍSICAS (massa específica, massa unitária, inchamento) Profa. Dra. Geilma Lima Vieira Universidade Federal do Espírito Santo Centro Tecnológico Departamento de Engenharia Civil PROPRIEDADES FÍSICAS (massa específica, massa unitária, inchamento) Profa. Dra. Geilma Lima Vieira geilma.vieira@gmail.com

Leia mais

Estaca Escavada Circular

Estaca Escavada Circular Estaca Escavada Circular 1 Definição e Recomendações da Norma NBR 6122 / 96 A Norma NBR 6122 / 96 define estaca escavada como o tipo de fundação profunda executada por escavação mecânica, com uso ou não

Leia mais

APROVEITAMENTO DE ENTULHO DA CONSTRUÇÃO CIVIL NA PAVIMENTAÇÃO URBANA

APROVEITAMENTO DE ENTULHO DA CONSTRUÇÃO CIVIL NA PAVIMENTAÇÃO URBANA APROVEITAMENTO DE ENTULHO DA CONSTRUÇÃO CIVIL NA PAVIMENTAÇÃO URBANA G. Triches Departamento de Engenharia Civil, Universidade Federal de Santa Catarina P. R. Kryckyj Departamento de Engenharia Civil,

Leia mais

7. APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS ROCHAS ALTERADAS/SOLOS

7. APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS ROCHAS ALTERADAS/SOLOS 7. APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS ROCHAS ALTERADAS/SOLOS Na tentativa de melhor identificar os materiais de alteração de rocha, como rocha alterada ou solo residual, realizou-se a imersão das mesmas em água,

Leia mais

PATOLOGIA DE FUNDAÇÕES DE EDIFÍCIOS CAUSADAS POR AÇÕES AMBIENTAIS

PATOLOGIA DE FUNDAÇÕES DE EDIFÍCIOS CAUSADAS POR AÇÕES AMBIENTAIS PATOLOGIA DE FUNDAÇÕES DE EDIFÍCIOS CAUSADAS POR AÇÕES AMBIENTAIS Cinpar 2010 VI Congresso Internacional Sobre Patologia e Recuperação de Estruturas; Córdoba, Argentina JÚNIOR, F. C. Z.; SANTIAGO, J. W.

Leia mais

AVALIAÇÃO DA DURABILIDADE DO MATERIAL SOLO, ÁGUA- DE-COLA E CAL ATRAVÉS DE CICLOS ALTERNADOS DE MOLHAMENTO E SECAGEM

AVALIAÇÃO DA DURABILIDADE DO MATERIAL SOLO, ÁGUA- DE-COLA E CAL ATRAVÉS DE CICLOS ALTERNADOS DE MOLHAMENTO E SECAGEM AVALIAÇÃO DA DURABILIDADE DO MATERIAL SOLO, ÁGUA- DE-COLA E CAL ATRAVÉS DE CICLOS ALTERNADOS DE MOLHAMENTO E SECAGEM ROLIM, Mário M. (1); FREIRE Wesley J. (2) (1) Eng. Civil, Prof. Dr. do DTR/UFRPE, Rua

Leia mais

Avaliação dos equipamentos a serem utilizados; Análise de riscos para execução das atividades; Análise da qualificação dos líderes operacionais;

Avaliação dos equipamentos a serem utilizados; Análise de riscos para execução das atividades; Análise da qualificação dos líderes operacionais; 2014 Avaliação dos equipamentos a serem utilizados; Análise de riscos para execução das atividades; Análise da qualificação dos líderes operacionais; Relatório diário das atividades executadas; Caracterização

Leia mais

Notas de aula prática de Mecânica dos Solos I (parte 9) com respostas dos exercícios

Notas de aula prática de Mecânica dos Solos I (parte 9) com respostas dos exercícios 1 Notas de aula prática de Mecânica dos Solos I (parte 9) com respostas dos exercícios Helio Marcos Fernandes Viana Conteúdo da aula prática Exercícios de classificação dos solos pelo sistema HRB (Highway

Leia mais

Dosagem para concreto

Dosagem para concreto em Edificações Dosagem para concreto INSTITUTO FEDERAL SÃO PAULO Campos do Jordão Prof. Dr. 1. Introdução DOSAGEM é o proporcionamento adequado e mais econômico de materiais: cimento, água, agregados,

Leia mais

Agregados para Construção Civil

Agregados para Construção Civil Agregados para Construção Civil CARACTERÍSTICAS As características dos agregados dependem da microestrutura da rocha matriz, expressas pela sua porosidade, massa específica e composição mineralógica, bem

Leia mais

4 Obtenção da Amostra de Solo Contaminado

4 Obtenção da Amostra de Solo Contaminado 4 Obtenção da Amostra de Solo Contaminado Este capítulo abordará as atividades de investigação que foram conduzidas no intuito de obtenção da amostra de solo contaminado que foi empregada na avaliação

Leia mais

CORREÇÃO GRANULOMÉTRICA DE SOLOS PARA APLICAÇÕES EM ESTRADAS FLORESTAIS: ESTUDO DE CASO COM SOLOS DA CENIBRA 1

CORREÇÃO GRANULOMÉTRICA DE SOLOS PARA APLICAÇÕES EM ESTRADAS FLORESTAIS: ESTUDO DE CASO COM SOLOS DA CENIBRA 1 Correção granulométrica de solos para... 1085 CORREÇÃO GRANULOMÉTRICA DE SOLOS PARA APLICAÇÕES EM ESTRADAS FLORESTAIS: ESTUDO DE CASO COM SOLOS DA CENIBRA 1 Mario Sérgio de Souza Almeida 2, Dario Cardoso

Leia mais

Poros Bloqueados ou Porosidade Livre de Água. Nota: A Porosidade Livre de Água é importante na aeração do solo.

Poros Bloqueados ou Porosidade Livre de Água. Nota: A Porosidade Livre de Água é importante na aeração do solo. POROSIDADE DO SOLO Definição: representa a porção do solo em volume, não ocupada por sólidos. Var + Vágua Vt Determinação da Porosidade Total: a) Porosidade Total Calculada = Vporos Vt b) Porosidade Total

Leia mais

Estudo Experimental de um Solo Arenoso Estabilizado com Cinzas de Resíduo Sólido Urbano para Aplicação em Obras Geotécnicas

Estudo Experimental de um Solo Arenoso Estabilizado com Cinzas de Resíduo Sólido Urbano para Aplicação em Obras Geotécnicas Estudo Experimental de um Solo Arenoso Estabilizado com Cinzas de Resíduo Sólido Urbano para Aplicação em Obras Geotécnicas Lucianna Szeliga Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio),

Leia mais

Briquetes produzidos com resíduos

Briquetes produzidos com resíduos Briquetes produzidos com resíduos Nos dias atuais é constante a discussão sobre a necessidade da obtenção de alternativas para fontes de energias renováveis como mecanismos de desenvolvimento sustentável.

Leia mais

Consultoria p a r a a t e n d imento à NBR 1 5 5 7 5 CIVIL RESULTADOS ADEQUAÇÃO DE PROCESSOS S E N A I C I M A T E C REALIZAÇÃO

Consultoria p a r a a t e n d imento à NBR 1 5 5 7 5 CIVIL RESULTADOS ADEQUAÇÃO DE PROCESSOS S E N A I C I M A T E C REALIZAÇÃO RESULTADOS ADEQUAÇÃO DE PROCESSOS Programa NORMA DE de adequação DESEMPENHO de processos para GRUPO atendimento MINAS GERAIS a NBR 15575 REALIZAÇÃO O SENAI Minas 74 anos de experiência 3,3 mil funcionários

Leia mais

EFEITO DO PÓ DE PEDRA EM ARGAMASSA PARA ALVENARIA ESTRUTURAL

EFEITO DO PÓ DE PEDRA EM ARGAMASSA PARA ALVENARIA ESTRUTURAL EFEITO DO PÓ DE PEDRA EM ARGAMASSA PARA ALVENARIA ESTRUTURAL Jurandi José Nunes Junior (1); Fernando Pelisser (2). UNESC Universidade do Extremo Sul Catarinense (1) jjrnunes@hotmail.com (2) fep@unesc.net

Leia mais

UNIDADE 5 - CLASSIFICACÃO E IDENTIFICACÃO DOS SOLOS

UNIDADE 5 - CLASSIFICACÃO E IDENTIFICACÃO DOS SOLOS Notas de Aula Mecânica dos Solos 57 UNIDADE 5 CLASSIFICACÃO E IDENTIFICACÃO DOS SOLOS 5.1 Introdução Dada a infinidade de solos que existem na natureza é necessário um sistema de classificação que indique

Leia mais

CONTROLE TECNOLÓGICO DO CONCRETO

CONTROLE TECNOLÓGICO DO CONCRETO Universidade Federal de Itajubá Instituto de Recursos Naturais CONTROLE TECNOLÓGICO DO CONCRETO EHD 804 MÉTODOS DE CONSTRUÇÃO Profa. Nívea Pons Controle de Qualidade do Concreto Procedimento dos serviços:

Leia mais

ESTUDO DE VIABILIDADE DO USO DE RESÍDUO PET EM OBRA RODOVIÁRIA

ESTUDO DE VIABILIDADE DO USO DE RESÍDUO PET EM OBRA RODOVIÁRIA ESTUDO DE VIABILIDADE DO USO DE RESÍDUO PET EM OBRA RODOVIÁRIA Luiz Eduardo Maia Pinto Aluno de graduação do curso de engenharia civil da UFPB Ricardo Almeida de Melo* Professor do Departamento de Engenharia

Leia mais

ESTUDO LABORATORIAL DE MISTURAS DE SOLO TROPICAL, ESTABILIZANTES QUÍMICOS E FOSFOGESSO ANIDRO

ESTUDO LABORATORIAL DE MISTURAS DE SOLO TROPICAL, ESTABILIZANTES QUÍMICOS E FOSFOGESSO ANIDRO ESTUDO LABORATORIAL DE MISTURAS DE SOLO TROPICAL, ESTABILIZANTES QUÍMICOS E FOSFOGESSO ANIDRO Millena Vasconcelos Silva Universidade Federal de Goiás Escola de Engenharia Civil Tallyta da Silva Curado

Leia mais

CLASSIFICACÃO E IDENTIFICACÃO DOS SOLOS

CLASSIFICACÃO E IDENTIFICACÃO DOS SOLOS Introdução Dada a infinidade de solos que existem na natureza é necessário um sistema de classificação que indique características geotécnicas comuns de um determinado grupo de solos a partir de ensaios

Leia mais

DIRETRIZES PARA A EXECUÇÃO DE PAVIMENTAÇÃO ASFÁLTICA

DIRETRIZES PARA A EXECUÇÃO DE PAVIMENTAÇÃO ASFÁLTICA DIRETRIZES PARA A EXECUÇÃO DE PAVIMENTAÇÃO ASFÁLTICA A) INTRODUÇÃO: A presente especificação tem como objetivo o direcionamento e auxílio do projetista na escolha da solução mais adequada no dimensionamento

Leia mais

Anexo 3. Mestrado em Engenharia Civil Construção e Manutenção de Infra-estruturas de Transportes PROBLEMA 1 MÓDULO A: TERRAPLENAGENS

Anexo 3. Mestrado em Engenharia Civil Construção e Manutenção de Infra-estruturas de Transportes PROBLEMA 1 MÓDULO A: TERRAPLENAGENS Secção de Urbanismo, Transportes, Vias e Sistemas Mestrado em Engenharia Civil Construção e Manutenção de Infra-estruturas de Transportes PROBLEMA 1 MÓDULO A: TERRAPLENAGENS Anexo 3 Secção de Urbanismo,

Leia mais

Mecânica dos Solos I. Limites de Consistência

Mecânica dos Solos I. Limites de Consistência Mecânica dos Solos I Limites de Consistência 5.1 Plasticidade do solo O termo plasticidade é entendido, na Mecânica dos Solos, como sendo a propriedade que um material apresenta de suportar deformações

Leia mais

Plasticidade e Consistência dos Solos. Mecânica de Solos Prof. Fabio Tonin

Plasticidade e Consistência dos Solos. Mecânica de Solos Prof. Fabio Tonin Plasticidade e Consistência dos Solos Mecânica de Solos Prof. Fabio Tonin Os solos finos (silte e argila), não são caracterizados adequadamente pelo ensaio de granulometria. Necessita-se outros parâmetros:

Leia mais

Elementos de terraplenagem Cálculo de volumes Movimento de terra

Elementos de terraplenagem Cálculo de volumes Movimento de terra Universidade Regional do Cariri URCA Pró Reitoria de Ensino de Graduação Coordenação da Construção Civil Disciplina: Estradas II Elementos de terraplenagem Cálculo de volumes Movimento de terra Renato

Leia mais

Sistemas de filtragem para irrigação. Prof. Roberto Testezlaf Faculdade de Engenharia Agrícola UNICAMP

Sistemas de filtragem para irrigação. Prof. Roberto Testezlaf Faculdade de Engenharia Agrícola UNICAMP Sistemas de filtragem para irrigação Prof. Roberto Testezlaf Faculdade de Engenharia Agrícola UNICAMP III SIMPÓSIO DE CITRICULTURA IRRIGADA Bebedouro, 21 de setembro de 2005 Objetivos Discutir a aplicação

Leia mais

Composição dos Solos

Composição dos Solos Composição dos Solos Composição do Solo Fragmentos de rocha Minerais primários Minerais secundários: Argilo-minerias Silicatos não cristalinos Óid Óxidos e hidróxidos hidóid de ferro e alumínio íi Carbonatos

Leia mais

CONTROLE DE COMPACTAÇÃO DE SOLOS e ÍNDICE SUPORTE CALIFÓRNIA

CONTROLE DE COMPACTAÇÃO DE SOLOS e ÍNDICE SUPORTE CALIFÓRNIA CONTROLE DE COMPACTAÇÃO DE SOLOS e ÍNDICE SUPORTE CALIFÓRNIA 26/02/2013 Prof. Patrício Pires patricio.pires@gmail.com Introdução 2 2ª Parte Dia Mês Aula Programação 12 - CARNAVAL Compactação de solos:

Leia mais

CIRCULAR TÉCNICA N o 127. Janeiro/1981

CIRCULAR TÉCNICA N o 127. Janeiro/1981 IPEF: FILOSOFIA DE TRABALHO DE UMA ELITE DE EMPRESAS FLORESTAIS BRASILEIRAS PBP/3.4.1. CIRCULAR TÉCNICA N o 127 Janeiro/1981 ISSN 0100-3453 TRATABILIDADE DE LÂMINAS DE MADEIRA DE Pinus spp. PARA CONFECÇÃO

Leia mais

4 Caracterização física, química e mineralógica dos solos

4 Caracterização física, química e mineralógica dos solos 4 Caracterização física, química e mineralógica dos solos O presente capítulo apresenta tanto os procedimentos experimentais empregados para a realização dos ensaios de caracterização geotécnica dos materiais

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO GOTÉCNICA DE SOLOS PARA SUBSÍDIO AO PROJETO DE BARRAGEM DE TERRA

CARACTERIZAÇÃO GOTÉCNICA DE SOLOS PARA SUBSÍDIO AO PROJETO DE BARRAGEM DE TERRA CARACTERIZAÇÃO GOTÉCNICA DE SOLOS PARA SUBSÍDIO AO PROJETO DE BARRAGEM DE TERRA Ana Patrícia Nunes Bandeira 1 José Robson de Lima Feitosa 2 1. Introdução/Desenvolvimento Entende-se por barragem qualquer

Leia mais

ESTABILIZAÇÃO DE SOLOS COM UTILIZAÇÃO DE AGREGADOS DE ROCHAS CALCÁRIAS PARA USO EM CAMADAS DE PAVIMENTOS

ESTABILIZAÇÃO DE SOLOS COM UTILIZAÇÃO DE AGREGADOS DE ROCHAS CALCÁRIAS PARA USO EM CAMADAS DE PAVIMENTOS ESTABILIZAÇÃO DE SOLOS COM UTILIZAÇÃO DE AGREGADOS DE ROCHAS CALCÁRIAS PARA USO EM CAMADAS DE PAVIMENTOS Felipe Cordeiro de Lima Ricardo Almeida de Melo ESTABILIZAÇÃO DE SOLOS COM UTILIZAÇÃO DE AGREGADOS

Leia mais

Universidade do Estado de Mato Grosso UNEMAT. Estradas 2 Classificação de Solos

Universidade do Estado de Mato Grosso UNEMAT. Estradas 2 Classificação de Solos Universidade do Estado de Mato Grosso UNEMAT Faculdade de Ciências Exatas e Tecnológicas FACET Curso: Bacharelado em Engenharia Civil Estradas 2 Classificação de Solos Prof. Me. Arnaldo Taveira Chioveto

Leia mais

APROVEITAMENTO DA AREIA DE FUNDIÇÃO NA PRODUÇÃO DE TIJOLOS

APROVEITAMENTO DA AREIA DE FUNDIÇÃO NA PRODUÇÃO DE TIJOLOS APROVEITAMENTO DA AREIA DE FUNDIÇÃO NA PRODUÇÃO DE TIJOLOS Marcelo Angst Acadêmico do Curso de Engenharia Civil, Bolsista de Iniciação Científica, mangciv@urisan.tche.br Universidade Regional Integrada

Leia mais

ESTUDO DA DETERMINAÇÃO DA PLASTICIDADE DE MATÉRIAS-PRIMAS CERÂMICAS UTILIZANDO O MÉTODO DE PFEFFERKORN

ESTUDO DA DETERMINAÇÃO DA PLASTICIDADE DE MATÉRIAS-PRIMAS CERÂMICAS UTILIZANDO O MÉTODO DE PFEFFERKORN 1º Simpósio de Integração Científica e Tecnológica do Sul Catarinense SICT-Sul ISSN 2175-5302 ESTUDO DA DETERMINAÇÃO DA PLASTICIDADE DE MATÉRIAS-PRIMAS CERÂMICAS UTILIZANDO O MÉTODO DE PFEFFERKORN Ingrid

Leia mais

1.0 INTRODUÇÃO 2.0 INVESTIGAÇÃO GEOTÉCNCIA

1.0 INTRODUÇÃO 2.0 INVESTIGAÇÃO GEOTÉCNCIA FL 1 de 17 SUMÁRIO 1.0 INTRODUÇÃO... 2 2.0 INVESTIGAÇÃO GEOTÉCNCIA... 2 2.1 SERVIÇOS EXECUTADOS... 2 2.2 EQUIPAMENTOS UTILIZADOS... 3 2.3 NORMAS ADOTADAS... 4 2.4 METODOLOGIA... 5 2.5 RESUMO DOS RESULTADOS

Leia mais

Autor: Instituto de Pesquisas Rodoviárias - IPR Processo: 50607.000138/2009-02. Origem: Revisão da norma DNER ES 300/97.

Autor: Instituto de Pesquisas Rodoviárias - IPR Processo: 50607.000138/2009-02. Origem: Revisão da norma DNER ES 300/97. DNIT /2009 NORMA DNIT - ES Pavimentos flexíveis Reforço do subleito - Especificação de serviço MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRAESTRUTURA DE TRANSPORTES DIRETORIA GERAL DIRETORIA

Leia mais

Aula 05 SOLO CAL. Eng. Civil Augusto Romanini (FACET Sinop) Sinop - MT 2016/1

Aula 05 SOLO CAL. Eng. Civil Augusto Romanini (FACET Sinop) Sinop - MT 2016/1 UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS DE SINOP FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGIAS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL TÉCNICAS DE MELHORAMENTO DE SOLOS Aula 05 Eng. Civil Augusto Romanini (FACET Sinop)

Leia mais

ESTABILIZAÇÃO QUÍMICA DE SOLO COM ADIÇÃO DE CIMENTO OU CAL COMO ALTERNATIVA DE PAVIMENTO

ESTABILIZAÇÃO QUÍMICA DE SOLO COM ADIÇÃO DE CIMENTO OU CAL COMO ALTERNATIVA DE PAVIMENTO ESTABILIZAÇÃO QUÍMICA DE SOLO COM ADIÇÃO DE CIMENTO OU CAL COMO ALTERNATIVA DE PAVIMENTO Cristina Lemos Goularte Universidade Federal de Rio Grande, Rio Grande, Brasil, cl.goularte@uol.com.br Celso Luis

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO DOS PARÂMETROS GEOTÉCNICOS DE DUAS REGIÕES DO SUPERPORTO DO RIO GRANDE

ESTUDO COMPARATIVO DOS PARÂMETROS GEOTÉCNICOS DE DUAS REGIÕES DO SUPERPORTO DO RIO GRANDE ESTUDO COMPARATIVO DOS PARÂMETROS GEOTÉCNICOS DE DUAS REGIÕES DO SUPERPORTO DO RIO GRANDE Luciano Vasconcelos Rocha Escola de Engenharia PPGEO/FURG, Rio Grande, Brasil, luciano_vrocha@yahoo.com.br Cláudio

Leia mais

SOLOS DO MUNICÍPIO DE ITAPIRANGA

SOLOS DO MUNICÍPIO DE ITAPIRANGA SOLOS DO MUNICÍPIO DE ITAPIRANGA Anderson Clayton Rhoden 1 ; Fabiana Raquel Muhl 2 ; Neuri Antônio Feldmann 3 ; Joel Hennecka 4 ; Odair José Lucatelli 4 ; Tamires Oviedo 4 Palavras chaves: Argissolo, Cambissolo,

Leia mais

Argamassas Térmicas Sustentáveis: O Contributo dos Materiais de Mudança de Fase

Argamassas Térmicas Sustentáveis: O Contributo dos Materiais de Mudança de Fase Argamassas Térmicas Sustentáveis: O Contributo dos Materiais de Mudança de Fase Sandra R. Cunha, Vítor H. Alves, José B. Aguiar, Victor M. Ferreira 4º Congresso Português de Argamassas e ETICS 29 e 30

Leia mais

FICHA TÉCNICA. Argamassa Polimérica. Argamassa Polimérica

FICHA TÉCNICA. Argamassa Polimérica. Argamassa Polimérica PÁGINA: 1/5 1 Descrição: A Argamassa GoiásCola é mais uma argamassa inovadora, de alta tecnologia e desempenho, que apresenta vantagens econômicas e sustentáveis para o assentamento de blocos em sistemas

Leia mais

Capítulo 8 PROPRIEDADES DAS ROCHAS

Capítulo 8 PROPRIEDADES DAS ROCHAS I QUÍMICAS II FÍSICAS III GEOLÓGICAS Capítulo 8 PROPRIEDADES DAS ROCHAS Composição química Reatividade Durabilidade Cor Densidade Porosidade Permeabilidade Absorção Dureza Módulo de Elasticidade Coeficiente

Leia mais

IP- 05/2004 DIMENSIONAMENTO DE PAVIMENTOS FLEXÍVEIS TRÁFEGO MEIO PESADO, PESADO, MUITO PESADO E FAIXA EXCLUSIVA DE ÔNIBUS

IP- 05/2004 DIMENSIONAMENTO DE PAVIMENTOS FLEXÍVEIS TRÁFEGO MEIO PESADO, PESADO, MUITO PESADO E FAIXA EXCLUSIVA DE ÔNIBUS 1. OBJETIVO O objetivo deste documento é apresentar o procedimento para o dimensionamento de pavimentos flexíveis de vias urbanas do Município de São Paulo, submetidas a tráfego meio pesado, pesado, muito

Leia mais

CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL. Profª Aline Cristina Souza dos Santos

CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL. Profª Aline Cristina Souza dos Santos CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Profª Aline Cristina Souza dos Santos (alinecris16@hotmail.com) COMPORTAMENTO DOS SOLOS Objetivo da Mecânica dos Solos Caracterização Granulométrica

Leia mais

Resumo. Abstract. Doutorando, Engenheiro Civil CENPES/ Petrobras 5. Mestranda, Engenheira Civil PROEC/UFS 6. Mestre, Professor em Engenheira Civil UFS

Resumo. Abstract. Doutorando, Engenheiro Civil CENPES/ Petrobras 5. Mestranda, Engenheira Civil PROEC/UFS 6. Mestre, Professor em Engenheira Civil UFS IBP2236_11 CONSTRUÇÃO DE TRECHO MONITORADO COM UTILIZAÇÃO DO RESÍDUO CASCALHO DE PERFURAÇÃO. Erinaldo. H. Cavalcante 1, Laura M. G. Motta 2, Mariluce. O. Ubaldo 3, Luis A. H. Nascimento 4, Isabella de

Leia mais

ESTRUTURAS DE MADEIRA

ESTRUTURAS DE MADEIRA ESTRUTURAS DE MADEIRA PROPRIEDADES FÍSICAS DA MADEIRA AULAS 2 e 3 EDER BRITO GENERALIDADES A madeira é um material não homogêneo com muitas variações. Além disto, existem diversas espécies com diferentes

Leia mais

AMOSTRAGEM DO SOLO PARA AVALIAÇÃO DE SUA FERTILIDADE

AMOSTRAGEM DO SOLO PARA AVALIAÇÃO DE SUA FERTILIDADE AMOSTRAGEM DO SOLO PARA AVALIAÇÃO DE SUA FERTILIDADE Amostragem do solo Envio ao laboratório Preparo da amostra Confirmação dos procedimentos Recomendação adubação/calagem Interpretação dos resultados

Leia mais

Conteúdo Programático da Aula

Conteúdo Programático da Aula Conteúdo Programático da Aula 5. Tratamentos Térmicos e Termoquímicos 5.1 Fundamentos; 5.2 Taxas de resfriamento; 5.3 Têmpera e endurecimentos dos aços; 5.4 Temperabilidade; 5.5 Martensita versus martensita

Leia mais

Aula 08 SOLOS COM ESTABILIZANTES ORGÂNICOS. Eng. Civil Augusto Romanini (FACET Sinop) Sinop - MT 2016/1

Aula 08 SOLOS COM ESTABILIZANTES ORGÂNICOS. Eng. Civil Augusto Romanini (FACET Sinop) Sinop - MT 2016/1 UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS DE SINOP FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGIAS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL TÉCNICAS DE MELHORAMENTO DE SOLOS Aula 08 SOLOS COM ESTABILIZANTES ORGÂNICOS Eng.

Leia mais

PROJETO DE ESTRADAS DE RODAGEM

PROJETO DE ESTRADAS DE RODAGEM SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RIO GRANDE DEPARTAMENTO DE MATERIAIS E CONSTRUÇÃO Disciplina: 04091 Projeto de Estradas de Rodagem Profª. Raquel da Fonseca

Leia mais

Figura 10 Processo de lixiviação em laje de concreto armado.

Figura 10 Processo de lixiviação em laje de concreto armado. Aços para Concreto Armado 3) Generalidades e Mecanismos de Deterioração O aço empregado em barras nas peças de concreto armado é uma liga constituída principalmente de ferro e carbono, à qual são incorporados

Leia mais

Mecânica dos Solos I

Mecânica dos Solos I Mecânica dos Solos I Índices Físicos F dos Solos 3.1 Fases do Solo O solo é formado pelas três fases físicas sólida, liquida e gasosa, distribuídas em diferentes proporções. Fase sólida constituída por

Leia mais

Agregados - análise granulométrica

Agregados - análise granulométrica MT - DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO - IPR DIVISÃO DE CAPACITAÇÃO TECNOLÓGICA Rodovia Presidente Dutra km 163 - Centro Rodoviário, Parada de Lucas

Leia mais

ISTEMA UNIFICADO DE CLASSIFICAÇÃO DOS SOLOS SUCS. TABELA III - Classificação Unificada dos Solos

ISTEMA UNIFICADO DE CLASSIFICAÇÃO DOS SOLOS SUCS. TABELA III - Classificação Unificada dos Solos ISTEMA UNIFICADO DE CLASSIFICAÇÃO DOS SOLOS SUCS TABELA III - Classificação Unificada dos Solos Processo para identificação no campo Gru po Designação característica PEDREGULH OS PUROS Grãos cobrindo toda

Leia mais

Aluno do Curso de Graduação em Engenharia Civil da UNIJUÍ, bolsista PET, 3

Aluno do Curso de Graduação em Engenharia Civil da UNIJUÍ, bolsista PET, 3 ESTUDO DE MISTURAS DE SOLO ARGILOSO LATERÍTICO DO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL E RESÍDUO DE CONSTRUÇÃO CIVIL PARA USO EM PAVIMENTOS ECONÔMICOS 1 Claudio Luiz Queiroz 2, Gabriela Almeida Bragato

Leia mais

Principais dificuldades na proteção do solo e da água em unidades de destino final de resíduos sólidos. Eng. Geraldo Antônio Reichert

Principais dificuldades na proteção do solo e da água em unidades de destino final de resíduos sólidos. Eng. Geraldo Antônio Reichert SANEAMENTO E AMBIENTE: ENCONTROS DA ENGENHARIA - 3º Encontro Confinamento de resíduos: técnicas e materiais Principais dificuldades na proteção do solo e da água em unidades de destino final de resíduos

Leia mais

EMPREGO DE AGENTES DISPERSANTES CONVENCIONAIS E ALTERNATIVOS PARA DETERMINAÇÃO DA TEXTURA DE SOLOS DO CERRADO DO AMAPÁ

EMPREGO DE AGENTES DISPERSANTES CONVENCIONAIS E ALTERNATIVOS PARA DETERMINAÇÃO DA TEXTURA DE SOLOS DO CERRADO DO AMAPÁ EMPREGO DE AGENTES DISPERSANTES CONVENCIONAIS E ALTERNATIVOS PARA DETERMINAÇÃO DA TEXTURA DE SOLOS DO CERRADO DO AMAPÁ Caio Sérgio Silva dos ANJOS 1 ; Beatriz Costa MONTEIRO 2 ; Ailton Freitas Balieiro

Leia mais

I SEMANA DA TECNOLOGIA DA MADEIRA CURSO TÉCNICO PARA O SETOR DE PRODUTOS DE MADEIRA

I SEMANA DA TECNOLOGIA DA MADEIRA CURSO TÉCNICO PARA O SETOR DE PRODUTOS DE MADEIRA I SEMANA DA TECNOLOGIA DA MADEIRA CURSO TÉCNICO PARA O SETOR DE PRODUTOS DE MADEIRA SECAGEM DE MADEIRAS Ivaldo P. Jankowsky Inês Cristina M. Galina Telefone: 19 3402-2166 Home page: www.anpm.org.br email:

Leia mais

SONDA ENGENHARIA E CONSTRUÇÕES LTDA

SONDA ENGENHARIA E CONSTRUÇÕES LTDA SONDA ENGENHARIA E CONSTRUÇÕES LTDA.: RELATÓRIO DE ESTUDOS GEOTÉCNICO :. SSA Nº. 089/15 Cliente: GENPOWER PARTICIPAÇÕES S.A. Endereço: Avenida das Américas, 7935, bloco 02, sala 247, Bairro Tijuca Rio

Leia mais

Análise Preliminar do Desempenho de Aterros Compactados para Subestações de Energia Utilizando o CBR

Análise Preliminar do Desempenho de Aterros Compactados para Subestações de Energia Utilizando o CBR Análise Preliminar do Desempenho de Aterros Compactados para Subestações de Energia Utilizando o CBR Milléo, Ida Agner de Faria PPGECC, Pós-Graduação em Construção Civil - UFPR, Curitiba, Brasil, ida@lactec.org.br

Leia mais

tipos, características, execução e função estética Concreta, 29 de Outubro de 2004 José Severo

tipos, características, execução e função estética Concreta, 29 de Outubro de 2004 José Severo tipos, características, execução e função estética Concreta, 29 de Outubro de 2004 José Severo Definição É uma argamassa, para preencher juntas de peças cerâmicas, pedras naturais ou placas de betão, para

Leia mais

Objetivos da disciplina:

Objetivos da disciplina: Aplicar e utilizar princípios de metrologia em calibração de instrumentos e malhas de controle. Objetivos da disciplina: Aplicar e utilizar princípios de metrologia calibração de instrumentos e malhas

Leia mais

1. Relatório Número: CCR-ND-SCH-RTF-SET/2014 2. Data do

1. Relatório Número: CCR-ND-SCH-RTF-SET/2014 2. Data do 1. Relatório Número: CCR-ND-SCH-RTF-SET/2014 2. Data do Relatório: 3. Folhas: Setembro de 2014 129 4. Título da Pesquisa: Estudo do Comportamento Mecânico de Solos Estabilizados com Cal Hidratada 5. Responsável

Leia mais

3 - Características das Estradas Não- Pavimentadas

3 - Características das Estradas Não- Pavimentadas 33 3 - Características das Estradas Não- Pavimentadas 3.1 - Introdução O estado da superfície ou leito carroçável de qualquer estrada depende do material, das intempéries, do tráfego e da manutenção. Uma

Leia mais

EFEITO DE INIBIDORES DE HIDRATAÇÃO NA RESISTÊNCIA DE ADERÊNCIA À TRAÇÃO EM ARGAMASSAS DE REVESTIMENTO

EFEITO DE INIBIDORES DE HIDRATAÇÃO NA RESISTÊNCIA DE ADERÊNCIA À TRAÇÃO EM ARGAMASSAS DE REVESTIMENTO 1 EFEITO DE INIBIDORES DE HIDRATAÇÃO NA RESISTÊNCIA DE ADERÊNCIA À TRAÇÃO EM ARGAMASSAS DE REVESTIMENTO RESUMO Airton de Souza Barcelos (1); Fernando Pelisser (2) UNESC Universidade do Extremo Sul Catarinense

Leia mais

CORROSÃO DE MATERIAIS

CORROSÃO DE MATERIAIS CRONOGRAMA INTRODUÇÃO: O QUE É CORROSÃO? A IMPORTÂNCIA DO ESTUDO DA CORROSÃO TÉCNICAS DE AVALIAÇÃO DE PROCESSOS CORROSIVOS EM CAMPO EM LABORATÓRIO CONSIDERAÇÕES FINAIS O QUE É CORROSÃO? A CORROSÃO É A

Leia mais

ENSAIOS DOS MATERIAIS

ENSAIOS DOS MATERIAIS Ensaios Mecânicos dos Materiais Ensaio de tração NBR ISO 6892:2002, Assossiação Brasileira de Normas Técnicas - ABNT Entre os diversos tipos de ensaios existentes para avaliação das propriedades mecânicas

Leia mais

DIRETRIZ TÉCNICA Nº. 001/2010 DIRETRIZ TÉCNICA PARA A ATIVIDADE DE INCORPORAÇÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS EM PROCESSOS INDUSTRIAIS

DIRETRIZ TÉCNICA Nº. 001/2010 DIRETRIZ TÉCNICA PARA A ATIVIDADE DE INCORPORAÇÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS EM PROCESSOS INDUSTRIAIS DIRETRIZ TÉCNICA Nº. 001/2010 DIRETRIZ TÉCNICA PARA A ATIVIDADE DE INCORPORAÇÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS EM PROCESSOS INDUSTRIAIS 1. INTRODUÇÃO As ações estratégicas promovidas por meio da Agenda 21, na Conferência

Leia mais

ESTUDO DAS PROPRIEDADES FÍSICAS E MECÂNICAS DO CONCRETO LEVE COM AGREGADOS DE POLIESTIRENO EXPANDIDO-EPS

ESTUDO DAS PROPRIEDADES FÍSICAS E MECÂNICAS DO CONCRETO LEVE COM AGREGADOS DE POLIESTIRENO EXPANDIDO-EPS Congresso Técnico Científico da Engenharia e da Agronomia CONTECC 16 Rafain Palace Hotel & Convention Center- Foz do Iguaçu - PR 29 de agosto a 1 de setembro de 16 ESTUDO DAS PROPRIEDADES FÍSICAS E MECÂNICAS

Leia mais

1. DETERMINAÇÃO DO ÍNDICE DE FORMA PELO MÉTODO DO PAQUÍMETRO NORMA: NBR 7809:2006

1. DETERMINAÇÃO DO ÍNDICE DE FORMA PELO MÉTODO DO PAQUÍMETRO NORMA: NBR 7809:2006 1 1. DETERMINAÇÃO DO ÍNDICE DE FORMA PELO MÉTODO DO PAQUÍMETRO NORMA: NBR 7809:2006 Definições: Índice de forma do agregado: Média da relação entre o comprimento e a espessura dos grãos do agregado, ponderada

Leia mais

DER/PR ES-P 33/05 PAVIMENTAÇÃO: RECICLAGEM DE PAVIMENTO IN SITU COM ADIÇÃO DE CIMENTO

DER/PR ES-P 33/05 PAVIMENTAÇÃO: RECICLAGEM DE PAVIMENTO IN SITU COM ADIÇÃO DE CIMENTO DER/PR ES-P 33/05 PAVIMENTAÇÃO: RECICLAGEM DE PAVIMENTO IN SITU COM ADIÇÃO DE CIMENTO Departamento de Estradas de Rodagem do Estado do Paraná - DER/PR Avenida Iguaçu 420 CEP 80230 902 Curitiba Paraná Fone

Leia mais

25% PLANO DIRETOR DE COMBATE ÀS PERDAS DE ÁGUA NOS MUNICÍPIOS INTRODUÇÃO PERDAS DE ÁGUA PERDAS DE ÁGUA PERDAS DE ÁGUA PERDAS DE ÁGUA

25% PLANO DIRETOR DE COMBATE ÀS PERDAS DE ÁGUA NOS MUNICÍPIOS INTRODUÇÃO PERDAS DE ÁGUA PERDAS DE ÁGUA PERDAS DE ÁGUA PERDAS DE ÁGUA INTRODUÇÃO PLANO DIRETOR DE COMBATE ÀS PERDAS DE ÁGUA NOS MUNICÍPIOS PERDAS DE ÁGUA PERDAS DE ÁGUA Volume de entrada no setor Consumo autorizado Perda de água Consumo autorizado faturado Consumo autorizado

Leia mais

2. CLASSIFICAÇÃO DOS SOLOS

2. CLASSIFICAÇÃO DOS SOLOS 2. CLASSIFICAÇÃO DOS SOLOS 2.1 Generalidades O solo tem sido estudado por diversos ramos da ciência e tecnologia como a agricultura, a geologia, a engenharia; sendo que cada uma dessas áreas tem desenvolvido

Leia mais